Você está na página 1de 54

A Roda do Ano é um calendário Pagão onde é

possível observar oito celebrações, sendo estas


chamadas de Sabbats. Enraizada na cultura Celta,
a Roda do Ano se tornou muito popular por causa
da Wicca e é amplamente seguida por Bruxas(os)
na Bruxaria Moderna.

Índice

• O que é a Roda do Ano?


• A Deusa e o Deus
• Roda do Ano Celta ou Roda do Ano Wicca?
• Rodando o Sul ou Rodando o Norte?
• Significado de Solstício e Equinócio
• O que representam os Sabbats?
• Rituais de Bruxaria nos Sabbats
• Conclusão
• Camisetas, canecas, almofadas

Os 8 Sabbats

• Samhain
• Yule
• Imbolc
• Ostara
• Beltane
• Litha
• Lughnasadh
• Mabon
O que é a Roda do Ano?

A Roda do Ano representa o ciclo de vida, morte


e renascimento. Representa o fluxo constante de
energia. Através dela acompanhamos a trajetória
do Deus Sol e sua relação com a Deusa, através
dos oito Sabbats.

A Roda do Ano é um calendário Pagão onde


podemos notar as raízes de diversas celebrações
“modernas” como a Páscoa e o Natal, por
exemplo.

As festividades da Roda do Ano costumam ser


feitas ao redor de uma fogueira, com muita
comida e alegria. Cada uma delas tem um
propósito e um significado diferente.

Nos dias atuais é comum montar um altar e


realizar a celebração ao redor dele. Muitas Bruxas
Solitárias fazem estas celebrações dentro de
suas próprias casas. Covens costumam se reunir
nas datas específicas para as celebrações.
A Deusa e o Deus

A Roda do Ano descreve a vida do Deus desde


seu (re)nascimento até sua morte. Também
descreve a vida e todas as faces da Deusa.

As datas dos Sabbats estão intimamente


conectadas à posição Solar que, por sua vez,
refletem cada fase da vida do Deus.

O Sabbat Yule, por exemplo, ocorre no Solstício


de Inverno e representa o renascimento do
Deus Sol. Enquanto o Sabbat Ostara ocorre no
Equinócio de Primavera e representa a energia
revitalizada tanto do Deus quanto da Deusa.

Seguindo a Roda do Ano e observando as


mudanças ao nosso redor, é possível obter um
entendimento profundo da natureza em si e da
magia que nos cerca.
Roda do Ano Celta ou Roda do Ano
Wicca?

Ambos os termos significam a mesma Roda do


Ano. Os Sabbats presentes na Roda do Ano tem
suas raízes na cultura Celta. Por isso é muito
comum ouvir a expressão “Roda do Ano Celta”.
Existe uma discussão a respeito disso que afirma
que os próprios Celtas não celebravam tais
Sabbats, pelo menos não com estes nomes. De
qualquer forma, cada um deles está ligado a
algum aspecto desta cultura.

Em diversas outras culturas ancestrais também


vemos as celebrações de Solstícios e Equinócios,
as quais imediatamente remetem à Roda do Ano
moderna.

O termo “Roda do Ano Wicca” também é


bastante popular uma vez que foi através da
Wicca de Gerald Gardner que a Roda do Ano, tal
como conhecemos hoje, foi difundida.

Se desejar saber um pouco mais sobre esta


discussão, recomendo a leitura do texto, em
inglês, The Wheel of the Year – Valid or Not? (Roda
do Ano - Válida ou não?) do bardo e Pendragon
da Ordem dos Bardos, Ovates e Druidas, Damh
the Bard. As opiniões expressas por ele são
equivalentes às minhas.
Rodando o Sul ou Rodando o Norte?

Como as principais fontes de Bruxaria e os


principais autores modernos sobre o assunto
são do Hemisfério Norte, a Roda do Ano está,
logicamente, toda estruturada à posição solar
equivalente àquele hemisfério. Cada Sabbat
representa uma posição Solar e uma fase da vida
do Deus Sol. Portanto, como citado acima, Yule
ocorre no Solstício de Inverno, quando o Sol
renasce após um longo período de escuridão.

As datas de tais eventos celestes aqui no


Hemisfério Sul são invertidas. Enquanto no
Hemisfério Norte se celebra Ostara, no final de
Março, durante o Equinócio de Primavera, aqui
celebramos Mabon, a segunda e última colheita
antes do inverno, no Equinócio de Outono. São
energias diferentes. No Hemisfério Norte estão
entrando na Primavera e indo em direção ao
Verão. A energia do Deus Sol cresce cada dia
mais. Aqui ele está no fim de sua vida, pronto
para partir e deixar a Deusa sozinha. Estamos
entrando no Outuno e indo para o Inverno.

Há quem prefira seguir as datas do Hemisfério


Norte. Há inclusive quem celebre o que chamam
de “Roda Mista”, celebrando tanto Beltane e
Imbolc ao mesmo tempo, por exemplo.
De fato, o importante é celebrar a natureza.
Significado de Solstício e Equinócio

Solstícios e Equinócios exercem um papel


fundamental na Roda do Ano. É através deles
e entre eles que ocorrem os Sabbats. Portanto,
temos 2 Solstícios e 2 Equinócios por ano. Entre
cada um deles temos uma outra celebração,
totalizando os Oito Sabbats.

Diagrama mostrando Solstícios e Equinócios. Mais


informações no site Apollo11.com

O que solstício?

Em termos científicos, Solstício é um evento


celeste que marca a posição mais alta ou mais
baixa do Sol.
No Solstício de Inverno o Sol está em sua posição
mais baixa e tende a aumentar. Ao chegar no
Solstício de Verão, posição mais alta, a posição
tende a diminuir.

O Sabbat correspondente ao Solstício de Inverno


é Yule. No extremo Norte do nosso planeta é
comum que, algum tempo após o Equinócio de
Outono (Mabon), o Sol comece a desaparecer,
deixando os dias cada vez mais escuros. É em
Yule que ele reaparece e, a partir daí, ilumina
cada vez mais.

Para nós Brasileiros essa mudança é muito sutil,


resultando apenas em “está anoitecendo mais
rápido” ou “o dia está mais curto”.

O Sabbat correspondente ao Solstício de Verão é


Litha. É quando o Sol está em seu auge. A partir
daqui ele tende a ficar mais fraco.

O que é equinócio?

Equinócios, por sua vez, marcam as posições


Solares em que dia e noite possuem a mesma
duração.

No Equinócio de Primavera a posição do Sol está


aumentando, rumo ao Solstício de Verão. É nesta
época que a Terra está mais fértil, favorecendo a
agricultura.
O Sabbat correspondente ao Equinócio de
Primavera é Ostara. A neve derrete dando lugar
ao verde novamente. Os animais saem de suas
tocas e as plantas voltam a florescer.

No Equinócio de Outono a posição do Sol está


diminuindo, rumo ao Solstício de Inverno. É nesta
época que ocorre a segunda e última colheita do
que foi plantado em Ostara.

O Sabbat correspondente ao Equinócio de


Outono é Mabon. O Deus Sol está cada vez mais
fraco, as folhas perdem o verde e começam a cair
das árvores. A última colheita é feita.
O que representam os Sabbats?

Cada Sabbat da Roda do Ano tem um signifcado


diferente e representa uma fase diferente da
vida do Deus Sol e da Deusa. Sendo assim, as
bruxas trabalham as energias de cada um deles
para lançar feitiços poderosos e também para
celebrarem.

Abaixo está, de forma resumida, o que cada


Sabbat representa. Você pode acessar o post
individual de cada um deles para ler mais e para
ver dicas de rituais para cada Sabbat.

Sabbat Samhain - Representa a Morte e o


Recomeço. O Deus Sol está morto e a Deusa está
em sua fase Anciã;

Sabbat Yule - Representa o Renascimento do


Deus Sol no Solstício de Inverno;

Sabbat Imbolc - Representa o Crescimento do


Deus Sol. O Deus Sol ainda é uma criança e é
amamentado pela Deusa, sua mãe;

Sabbat Ostara - Representa a Vida que retorna à


Terra; O Deus Sol e a Deusa estão cheios de vida
e energia;
Sabbat Beltane - Representa a Fertilidade. O
Deus e a Deusa estão adultos e com toda energia
fluindo por eles. A Terra está em seu momento
mais fértil;

Sabbat Litha - Representa Força. O Deus Sol está


em seu auge. As plantas estão verdes e tudo o
que foi plantado em Ostara e Beltane já começa
a dar sinais de crescimento;

Sabbat Lughnasadh (Lammas) - Representa a


Fartura. O Deus Sol está antecipando sua morte.
Boa parte de sua energia é doada para o que
está plantado, garantindo a primeira colheita e a
fartura de alimento;

Sabbat Mabon - Representa a Gratidão. O Deus


Sol já está bem enfraquecido. Em Mabon é hora
de realizar a segunda e última colheita do ano.
A Terra, junto com o Deus Sol, também já não
apresenta muita força. As folhas caem, as plantas
secam.
Rituais de Bruxaria nos Sabbats

Os rituais de bruxaria feitos em cada Sabbat


variam, porém possuem algumas características
que frequentemente notamos:

• A presença de um altar dedicado à Deusa e ao


Deus;
• Comidas e bebidas típicas de cada época;
• Símbolos que representem Deusas e Deuses
relacionados à época;
• Símbolos que representem eventos comuns à
época;

Abaixo, de forma resumida, está o tipo de ritual


de bruxaria que geralmente é feito em cada
Sabbat:

Ritual de Samhain - Rituais de Samhain são feitos


em honra aos ancestrais. Como este Sabbat marca
o fim e o início, é comum que muitos bruxos o
tomem como o verdadeiro “Ano Novo”;

Ritual de Yule - Rituais de Yule são rituais de


agradecimento e de celebração do renascimento
do Sol que trará fertilidade à Deusa e à Terra em
breve;

Ritual de Imbolc - Rituais de Imbolc celebram


a alegria da criança que cresce e traz com ela a
promessa de uma nova época de fertilidade;
Ritual de Ostara - Os rituais de Ostara celebram
a juventude do Deus e da Deusa que enchem a
Terra de vida e alegria. Os animais saem das tocas
e as plantas florescem novamente;

Ritual de Beltane - Os rituais de Beltane celebram


esta fertilidade, a energia capaz de gerar vida;
Ritual de Litha - Rituais de Litha celebram a força
do Deus Sol, capaz de banir todo o mal;

Ritual de Lughnasadh (Lammas) - Rituais de


Lughnasadh celebram a fartura e a vida do Deus
Sol encontrada em todos os seres;

Ritual de Mabon - Rituais de Mabon agradecem


à energia do Deus Sol e da Deusa Mãe. Também
há a preparação para a chegada do fim e do novo
começo em Samhain;
Conclusão

A Roda do Ano é um calendário Pagão que aponta


as 8 festividades das Bruxas, os 8 Sabbats. Segui-
la e celebrá-la nos permite entrar em contato
direto com a natureza.

Nos dias atuais onde a maioria de nós mora


em grandes centros urbanos, estar sempre em
contato com a natureza para a prática da Bruxaria
pode ser difícil.

Porém, com a Roda do Ano, torna-se fácil observar


o movimento do Deus Sol e entender melhor
as energias com as quais podemos trabalhar. É
uma excelente forma de nos conectarmos com a
Deusa e com o Deus.
Os 8 Sabbats
O Sabbat Samhain representa, na Roda do Ano,
Samhain

o fim do ano celta, o início do ano para os bruxos


e também o fim da colheita. Ele anuncia que os
tempos difíceis estão vindo, ou seja, o inverno.
Samhain ocorre entre o Equinócio do Outono e o
Solstício de Inverno e também indica a morte do
Deus Sol que renascerá no Sabbat Yule.

Após a cristianização da Irlanda, diversas


características religiosas e mitológicas
foram descartadas por não serem
compatíveis com a bíblia cristã. Porém,
algumas festividades e algumas outras
características, ao invés de serem
apagadas, foram adaptadas. O
Sabbat Samhain se tornou a
“Noite de todos os Santos”, em
inglês a “All Hallows Eve” que,
posteriormente, se tornou
o que conhecemos como
Halloween.
Hemisfério norte: 31 de Outubro -> 1 de Novembro
Hemisfério sul: 30 de Abril -> 1 de Maio
Cores: Preto, cinza e laranja

Sabbat Samhain e a morte

Na Roda do Ano, o Sabbat Samhain representa


o início do inverno. Uma vez que no inverno
as colheitas não podem ser feitas, a noite de
Samhain é ideal para agradecimentos e para a
Samhain

preparação de grãos e alimentos para serem


utilizados durante os próximos meses. Animais
costumavam ser sacrificados para o consumo da
carne durante o inverno, uma vez que, em grande
número, eles não sobreviveriam às severas
condições climáticas.

Pode-ser ver então que a morte neste Sabbat


está presente em diferentes aspectos: A
posição do Sol no horizonte é a mais baixa,
as colheitas chegam ao fim e os animais
hibernam.
Porém, como tudo é cíclico, também podemos
olhar pelo lado do recomeço: o Deus Sol já é um
embrião no útero da Deusa (que neste momento
se torna a Anciã, a Sábia Bruxa, a Ceifadora) e
renascerá em breve; logo também haverá uma
nova colheita e os animais estarão correndo
pelos campos novamente.

É neste período que a Deusa Cailleach, Rainha


do Inverno, se faz presente. Representada como
Samhain

uma velha mulher, a Deusa Cailleach também


representa o momento em que a terra começa a
morrer, dando lugar ao frio e a escuridão.

Sabbat Samhain e os antepassados

O Sabbat Samhain é também o momento


onde o véu que separa o mundo dos vivos
e dos mortos fica bastante fino, sendo
possível estabelecer contato com aqueles
que já partiram desta dimensão. É
neste momento que homenagens e
celebrações são feitas para lembrar e
honrar nossos ancestrais. Famílias
costumavam se reunir e ceiar
em silêncio, concentrando-se
nas pessoas que já haviam
partido. Uma característica
importante destas ceias
era a presença de lugares vagos à mesa com
pratos servidos.

Outra forma de homenagear os antepassados


era deixando comida do lado de fora de casa
para que os espíritos que passassem pelo local
se sentissem lembrados. Fogueiras e velas
eram acesas para ajudar os espíritos visitantes
a encontrarem o caminho de volta para suas
dimensões.
Samhain

Um dos símbolos mais marcantes do Sabbat


Samhain é a abóbora com velas dentro. Sendo
usada até hoje nas festas de Halloween, nas
antigas Escócia e Irlanda estas abóboras eram
usadas pelas pessoas que caminhavam na noite
de Samhain e também eram deixadas nas
janelas das casas. As sombras projetadas pela
vela tinham o poder de assustar os maus
espíritos que poderiam estar vagando
entre os bons.
Yule
Também conhecido como “Midwinter” o Sabbat
Yule marca, na Roda do Ano, o Solstício de
Inverno, a data em que o período do dia é o menor
do ano e a noite é a mais longa. Neste período
Yule

a Deusa dá a luz ao novo Deus Sol. Em diversas


culturas o nascimento do novo Deus é marcado
próximo a esta data, sendo mais conhecida por
nossa cultura ocidental como o nascimento de
Jesus e o Natal.

Em Yule a Deusa ainda está em sua fase


de anciã e triste com a perda do Deus
Sol. Porém isto não a impede de dar a
luz ao novo Deus Sol que, em breve,
irá fertilizá-la novamente e trará a
alegria de volta à sua vida.
Hemisfério norte: 21 ou 22 de Dezembro
Hemisfério sul: 21 de Junho
Cores: Vermelho, verde, dourado e branco

Sabbat Yule e o retorno da luz

Na Roda do Ano, o Sabbat Yule é considerado o


retorno da luz. Uma vez que tudo ficou escuro
com a morte do Deus em Samhain, o renascimento
do Deus Sol em Yule é o sinal de que em breve
o inverno irá embora e de que uma nova fase
de alegrias está se aproximando novamente: a
Yule

primavera! Para celebrar o nascimento do Deus


Sol, as árvores cobertas de neve eram decoradas
com velas, presentes, comidas e bolas coloridas
que simbolizavam a fertilidade do Deus. No topo
da árvore costumavam colocar o mais comum
símbolo Pagão: o pentagrama.

Isto soa comum? Sem dúvidas. Com a


cristianização dos povos Celtas e Pagãos,
estes costumes foram readaptados
para a história de Jesus Cristo. Aqui
pelo Brasil, quem nunca questionou
o porquê do Natal ter símbolos
como pinheiros, neve e bolas
coloridas? Não faz o menor
sentido para nós.
No Sabbat Yule o destaque da celebração é
o Deus, pois ele está renascendo a trazendo
de volta sua energia e luz. Com isto a Deusa,
que ainda está em sua fase anciã, voltará
a sorrir e retornará à sua fase de donzela.

Em Yule ocorre uma batalha entre duas faces


do Deus Sol que está renascendo. O Rei do
Azevinho (escuridão), reinando desde Litha,
o Solstício de Verão, confronta novamente
o Rei do Carvalho (luz). Nesta batalha o Rei do
Carvalho é vencedor e isto indica que, a partir
Yule

deste momento, o Sol ficará mais forte a cada dia


até atingir seu apogeu em Litha.

Sabbat Yule e a natureza

Durante esta celebração da Roda do Ano, para


sobreviverem e serem protegidos durante
o inverno, era bastante comum durante a
celebração do Sabbat Yule que árvores
fossem levadas para dentro de casa
com o intuito de oferecer abrigo
aos Espíritos da Natureza. Estas
árvores eram enfeitadas. Os
presentes eram oferecidos
aos Espíritos, comidas eram
oferecidas aos animais que
tinham dificuldade de
encontrar alimento por causa do frio extremo
e, portanto, a proteção era mútua: as árvores
ficam em um local aconchegante, enfeitadas e
protegidas do frio e as famílias eram abençoadas
e protegidas pelos próprios Espíritos da Natureza.

Durante o Sabbat Yule o ideal é celebrar a vida e


comemorar o renascimento do Deus Sol, para que
o inverno não seja tão duro. Danças, muita música
e comidas são dedicadas ao Deus recém nascido.

Simbolizando o sêmen do Deus, o visco é


Yule

bastante utilizado na decoração da Árvore, da


Tora de Yule e da casa. Também é o utilizado o
azevinho, representando a Deusa.
Imbolc
O Sabbat Imbolc representa o crescimento. Na
Roda do Ano, é neste período que a Deusa deixa
Imbolc

sua forma de anciã e retorna a sua forma jovem,


superando a frieza e seriedade do inverno e
amamentando o novo Deus Sol. Este Sabbat está
relacionado à Deusa Brigid, a Deusa do fogo que
também regia as artes, a poesia e a sabedoria na
cultura Celta.

As celebrações do Sabbat Imbolc geralmente


são feitas com velas. Outro nome pelo
qual este Sabbat é bastante conhecido é
Candlemass. Nas festividades, mulheres
costumavam usar coroas com velas
acesas simbolizando a alegria e o
calor da vida.
Hemisfério norte: 1 ou 2 de Fevereiro
Hemisfério sul: 1 de Agosto
Cores: vermelho, laranja e branco

Sabbat Imbolc e o crescimento

Na Roda do Ano, o Sabbat Imbolc marca


o momento em que o Deus Sol está sendo
amamentado pela Deusa. O termo “Imbolc”
significa “dentro da barriga” e está relacionado à
nascimentos, amamentação e crescimento.
Imbolc

Durante o Imbolc as fogueiras representam


a iluminação do espírito, a busca por novos
conhecimentos, o poder criador e a nova vida. Este
Sabbat mostra que a primavera está a caminho
e é quando os animais começam o período de
lactação. Apesar de ainda ser inverno, o frio já
é menos intenso e a promessa de dias mais
quentes e novas colheitas se mantém
viva.

Durante o Sabbat Imbolc a Deusa


Brigid é honrada e agradecimentos
por ela ter mantido as fogueiras
acesas durante o inverno são
feitos. Para isso é costume
confeccionar uma “Cruz
de Brigid” e colocá-la
na porta de casa ou alguma parede onde fique
visível. Além de trazer proteção, a Cruz de Brigid
também é uma forma de acolher a Deusa.

Imbolc é o momento de celebrar a energia vital


que aumenta a cada dia, a fertilidade e o poder
de renascimento. A Deusa, nesta data, deixa sua
face anciã e retorna à sua face de donzela.

Sabbat Imbolc e as velas


Imbolc

Também chamado de Candlemass (Conjunto de


Velas), durante o Sabbat Imbolc diversas velas
são acesas para simbolizar o Deus Sol que está
crescendo. As velas, geralmente de cor laranja,
também representam a energia, a alegria e o
calor da vida.

O Sabbat Imbolc também é um momento


para reflexão e para purificação após
o intenso inverno. Portanto, acender
não só velas, mas tochas, lamparinas
e quaisquer outros objetos que
possam abrigar uma chama, é
recomendado para que o calor
das chamas afaste o inverno e
traga mais alegrias.
Outro costume é varrer energeticamente as
energias ruins, o azar, o medo e etc. Use a sua
vassoura mágica e varra de dentro para fora de
sua casa.
Imbolc
Ostara
O Sabbat Ostara ocorre, na Roda do Ano, durante
o Equinócio da Primavera. Nesta data a posição
Ostara

do planeta em relação ao Sol está perfeitamente


equilibrada, portanto a duração do dia e da noite
são iguais. Este é um momento de equilíbrio onde
é comemorada a alegria e renovação trazida pela
primavera. Ovos pintados e flores são usados
para decorar as casas e ruas.

Sendo um momento de perfeito equilíbrio,


as sementes são abençoadas para que
possam florescer em breve e os fardos
e preocupações pessoais são deixados
de lado. No cristianismo esta época
simboliza a ressurreição de Jesus.
Em Ostara, quem ressuscita é a
Terra que deixa o frio para trás
e floresce novamente com
a energia do Deus Sol e da
Deusa jovem.
Hemisfério norte: 21 ou 22 de Março
Hemisfério sul: 21 ou 22 de Setembro
Cores: verde, amarelo e branco

Sabbat Ostara e a renovação da


Primavera

Na Roda do Ano, o Sabbat Ostara ocorre durante o


Equinócio da Primavaera, momento de equilíbrio
onde a vida volta a florescer com intensidade.
As plantas que começaram a dar seus primeiros
Ostara

e singelos indícios de vida no Sabbat Imbolc


ressurgem com todo esplendor.

O Deus Sol está em seu período de puberdade,


cheio de energia e bastante disposto. A Deusa
está em sua fase Donzela, também cheia de
energia e de vida. Ostara é o momento perfeito
para semearmos nossa alegria e nosso amor
e para estabelecermos metas e objetivos.

Esta energia de renovação é traduzida


no crescer das plantas e também
na energia dos animais que saem
da hibernação e voltam a correr
pelos campos cheios de alegria.

As fogueiras do Sabbat
Ostara eram acesas nos
altos das montanhas,
pois acreditava-se que a luz criada por elas seria
capaz de tornar a terra fértil e também que assim
demonstrariam respeito ao Deus Sol.

Sabbat Ostara e os ovos coloridos

A Deusa Eostre é venerada durante o Sabbat


Ostara. Eostre é a Deusa da ressurreição, do
renascimento e da Primavera. Como na primavera
os animais voltam às suas atividades ao ar livre,
Eostre está intimamente ligada a esta liberdade e
Ostara

energia. Em sua homenagem era feitas oferendas


de pão e bolo, além da decoração de ovos com
cores vivas e símbolos relacionados à Deusa.

Diz-se que Eostre ficou tão encantada com os


ovos decorados que pediu a um coelho que ele
os entregasse de casa em casa para que todos
pudessem compartilhar desta alegria. O
ovo por si só é um símbolo de fertilidade,
carregador da vida. Os ovos decorados
eram deixados sob os pés das árvores
e as vezes escondidos para que,
quem encontrasse, garantisse
fertilidade, alegria e sucesso
em suas metas. O coelho
também é um símbolo muito
importante desta época:
além de ser um dos
animais preferidos de Eostre, o coelho leva cerca
de 28 dias em sua gestação até dar a luz, ou seja,
leva um ciclo lunar completo.

Agora, sabendo da história de Eostre, a pergunta


fica no ar: E a páscoa? Os ovos de páscoa são
conhecidos, primeiramente, como Easter Eggs.
Easter é uma derivação de Eostre, portanto
esta tradição foi claramente absorvida para os
dias de hoje. Como explicado acima, os ovos
são símbolos de fertilidade e eram decorados
Ostara

para Eostre, enquanto os coelhos representam


também a fertilidade e estão por toda a parte
durante a primavera.
Beltane
O Sabbat Beltane representa o momento
máximo de fertilidade e de amor. É em Beltane
Beltane

que o jovem Deus (Bel) atinge sua fase adulta e


atrai a atenção da Deusa que o escolhe para ser
seu amante. São acesos fogos (Tinne em céltico
e, portanto “Beltine”, chamados em inglês de
Belfires) que representam a energia sexual, a vida
e o amor e que também servem para purificação.

As celebrações de Beltane incluem fogueiras


e muita energia. Algumas pessoas iam para
a floresta durante a noite colher flores
e depois voltavam para as aldeias e
presenteavam os moradores em
suas casas. Em troca, os moradores
ofereciam refeições preparadas
para a ocasião. Isto reforçava os
laços de união e representava
as dádivas que a Deusa
oferecia através da terra
para pessoas e animais.
Hemisfério norte: 1 de Maio
Hemisfério sul: 1 de Novembro
Cores: Verde

Sabbat Beltane e a energia sexual

O Sabbat Beltane é um grande Sabbat e um


dos mais comemorados. Uma das maiores
tradições na Europa antiga era a Festa do Mastro
(Maypole). Nesta comemoração é erguido um
grande tronco de árvore que simboliza o pênis
Beltane

do Deus com uma coroa de flores no topo,


simbolizando a vagina da Deusa. Ao redor dele,
as pessoas dançam em círculo enrolando fitas
coloridas que representam a união sexual entre a
Deusa e o Deus. Ao unir o poder criador da Deusa
com a fertilidade do pênis de seu amante, toda a
vida começava a florescer.

Outra forma de celebrar Beltane era através


do sexo realizado na floresta. As crianças
geradas nesta ocasião eram vistas
como os próprios filhos da Deusa e do
Deus. A prática de atos sexuais nas
florestas era uma magia capaz
de manter o equilíbrio entre
os reinos animal, vegetal e
humano.

Também nesta época,


auge da primavera, os animais costumavam sair
de suas tocas para se acasalarem.

O Grande Rito do Sabbat Beltane representa a


união sexual entre a Deusa e o Deus, a união que
gerará vida para a Terra e trará fartura. Este rito
é feito mergulhando o Athame (simbolizando o
pênis) no Cálice (simbolizando a vagina).

Sabbat Beltane e o poder do fogo


Beltane

O fogo é o principal elemento presente em todos


os Sabbats. Contudo, no Sabbat Beltane, ele é o
elemento de ainda maior importância. Sua luz e
seu calor representam a virilidade e a força fértil do
Deus. No centro da aldeia costumava-se acender
uma grande fogueira em sua homenagem e as
pessoas corriam e pulavam sobre ela num
ritual de purificação, queimando as energias
negativas.

Ao final da festividade as pessoas


levavam cinzas da grande fogueira
para a casa com o intuito de levar
a energia do Deus e atrair boas
energias, bem como ficarem
livres de doenças e tempos
ruins.
Litha
O Sabbat Litha marca, na Roda do Ano, o Solstício
de Verão e representa o auge do poder do Deus
Sol renascido. Diversos festivais são realizados
Litha

com fogos. Nesta data o dia é o mais longo do


ano e a noite é a mais curta. É hora de colher os
frutos e grãos gerados pelas sementes!

As celebrações do Sabbat Litha geralmente são


feitas com reuniões entre pessoas e animais,
todos celebrando o poder do Sol em torno de
rios, lagos ou em praias.
Hemisfério norte: 21 de Junho
Hemisfério sul: 21 de Dezembro
Cores: Laranja, amarelo, verde, azul e branco

Sabbat Litha e o calor energizante

Na Roda do Ano, o Sabbat Litha marca o Solstício


de Verão e também o início da estação mais
quente do ano. Neste momento o Deus Sol está
no auge de sua força e toda a natureza celebra
seu poder energizante. Neste dia é comum a
Litha

celebração em meio à natureza, bem como a


colheita de ervas medicinais, pois estas também
estão cheias de energia.

Em Stonehenge (Leia mais sobre Stonehenge em


Gaia Dwellings: Stonehenge), a pedra colocada
do lado de fora do círculo conhecida como
“Heel Stone”, quando vista de dentro do
círculo principal, marca o nascimento do
sol em Litha.

O poder do Sabbat Litha é tão


grande que o momento se faz
ideal para realizar curas físicas
e mentais. A forte luz do Deus
Sol, ao mesmo tempo em
que alimenta as plantas
e fornece calor para
sobrevivermos, é capaz de destruir o que é ruim e
é capaz de nos livrar de sentimentos indesejados
e de problemas.

A natureza exibe em Litha alegria por todos


os lados. Acredita-se que em Litha é a melhor
oportunidade para avistar os Seres Elementais
percorrendo as florestas, campos e praias.

Sabbat Litha e poder do fogo


Litha

O fogo tem seu papel importante em todos os


Sabbats e na Roda do Ano, porém no Sabbat
Litha ele é a característica mais importante!
Como este Sabbat é celebrado e dedicado
totalmente ao Deus Sol, caso este dia seja
chuvoso ou nublado, é recomendado que pelo
menos uma vela seja mantida acesa durante
o dia todo para que a energia do fogo
chegue até o Sol.

Grandes fogueiras são acesas, assim


como no Sabbat Beltane, e as
celebrações ocorrem ao redor
delas. O ato de pular a fogueira
também é repetido, deixando
para trás tudo o que for
ruim e indesejado.
Lughnasadh
Lughnasadh

O Sabbat Lughnasadh, pronunciado Lúnasa,


também conhecido como Sabbat Lammas, é
comemorado, na Roda do Ano, com as colheitas.
É neste período que toda a abundância da Terra
está à disposição de todos. É dito que o Deus
Lugh, filho do Sol, se sacrifica pelo bem das
pessoas e fortalece os grãos para que sejam
colhidos. Os grãos colhidos, principalmente o
trigo, desta época são usados para a produção
de pães. O pão, como sendo símbolo do
corpo do filho de Deus nas religiões cristãs,
provavelmente teve sua inspiração aqui.

Alguns grãos oriundos desta colheita


são guardados para a próxima
plantação. Assim, o Deus Lugh
poderá ressuscitar na próxima
primavera, no Sabbat Ostara.
Hemisfério norte: 1 de Agosto
Hemisfério sul: 1 de Fevereiro
Cores: Vermelho, marrom, laranja e amarelo

Sabbat Lughnasadh e a Primeira Colheita

No Sabbat Lughnasadh os frutos dos trabalhos


realizados no Sabbat Ostara e no Sabbat Litha
Lughnasadh

são colhidos. A Roda do Ano se mostra como


um fluxo contínuo de energias. O Deus Sol se
prepara neste momento para sua morte, e, por
isso, cede toda a sua energia aos grãos plantados
e as sementes para que uma grande colheita
possa ser realizada e para que ela ainda de mais
frutos no Sabbat Mabon.

No Sabbat Lughnasadh (ou Sabbat Lammas) o


Deus Lugh é honrado e, em sua homenagem,
os grãos aqui colhidos são transformados
em pães que são oferecidos aos animais e
às Fadas. A Deusa também é honrada e
a ela são destinados agradecimentos
pela prosperidade, abundância das
colheitas e pela promessa do
retorno do Sol depois que ele
partir.

O pão é um alimento
simbólico pois possui
em seus ingredientes
os quatro elementos: Terra (grãos, farinha,
sal...), Ar (que o permite crescer), Água (origem
de toda a vida) e Fogo (ao ser aquecido) e o
Sabbat Lughnasadh é ideal para agradecermos a
presença de todos os elementos, das alegrias da
vida e da abundância.

Muito comum em Lughnasadh é a confecção de


Lughnasadh

bonecas de milho e figuras de pão. A boneca é


colocada no altar durante a celebração do Sabbat
e, no ano seguinte, ela é queimada e substituída
por uma nova.

Sabbat Lughnasadh e a morte do Deus Sol

No Sabbat Lughnasadh o Sol começa a ficar cada


vez menos forte. Ainda não é muito visível, mas
todos sabemos que a morte faz parte do ciclo
de renascimento. Este é o primeiro Sabbat
da parte escura da Roda do Ano.

Como o Deus Sol se sacrifica para que a


colheita seja abundante, em algumas
semanas seus raios estarão tão
fracos que o inverno reinará mais
uma vez. Sacrifício é um tema
recorrente em Lughnasadh.
Tudo o que desejamos ou
buscamos só pode ser
Mabon
O Sabbat Mabon marca, na Roda do Ano, o
Equinócio do Outono, a data em que a posição
Mabon

do planeta em relação ao sol está perfeitamente


equilibrada e a duração do dia e da noite são iguais.
É um momento de equilíbrio e de agradecimento
por toda a fartura existente.

Neste período a Deusa alcança a velhice e anuncia


que o início de sua fase mais triste e escura, o
Sabbat Samhain, está chegando. Durante
Mabon é comemorada a abundância das
colheitas que estão chegando ao fim
e iniciam-se os preparativos para o
inverno.
Hemisfério norte: 21 ou 22 de Setembro
Hemisfério sul: 21 ou 22 de Março
Cores: Marrom, verde, amarelo, vermelho

Sabbat Mabon e a segunda colheita

o Sabbat Mabon é o momento da Roda do Ano


onde a segunda colheita é feita. O Equinócio do
Outono marca um ponto de equilíbrio entre dia e
noite e, a partir de agora, o inverno se aproxima
novamente.
Mabon

O Deus Sol que se sacrificou no Sabbat


Lughnasadh ainda se mantém vivo apenas na
colheita. A Deusa, que ainda está em sua face de
Mãe, começa a adotar sua face anciã e já lamenta
a ausência do Deus, pois sabe que sua morte
definitiva se aproxima, em Samhain.

O Sabbat Mabon é um excelente momento


para se mostrar grato à tudo que a Deusa
e o Deus Sol forneceram durante o ano.
Esta colheita realizada servirá para
grandes banquetes onde os Deuses
serão honrados. a festividade
mais comum para celebrar
Mabon é o Dia de Ação de
Graças.

Você também pode gostar