Você está na página 1de 7

Biologia Geologia

Turma 10 CT3
Unidade 1
Ano Letivo 2019/2020
Curso de Ciências e Tecnologias Ficha de trabalho 05
Professora: Manuela Fonseca

I
As pegadas de dinossáurios têm sido amplamente utilizadas como marcadores biostratigráficos e ambientais, indicadores
de diversidade faunística e de comportamento de grupo. As pistas são também usadas para estimar a postura locomotora,
velocidade de marcha e de corrida.
No Leste da Groenlândia foram encontradas pistas de pegadas tridáctilas e tetradáctilas produzidas por dinossáurios
terópodes, no topo da Formação Flemming Fjord de idade triásica (figura abaixo). As pegadas encontram-se em rochas
sedimentares de grão fino e apesar de serem diferentes, a maioria parece constituir sequências em que num dos extremos
surgem pegadas tridáctilas e no outro tetradáctilas. Um estudo recente avaliou a origem dessas pegadas, testando duas
hipóteses (1 e 2) através de evidências de campo e experimentais.

Página 1 de 7
1. Identifique o princípio de raciocínio geológico utilizado pelos cientistas quando usaram modelos vivos de aves para
compreender a génese das pegadas produzidas por Dinossáurios do Triásico.

2. Explique de que modo as evidências de campo e laboratoriais apoiam ou refutam a hipótese 1.


II

Um aluno do 10º ano pesquisou informação referente a três conceitos geológicos. Consultou o dicionário de geologia do
professor Galopim de Carvalho, tendo transcrito a seguinte informação:

Granito: plutonito granular rico em sílica (mais de 705) com quartzo essencial expresso e abundante (20 a 40%), feldspato
alcalino (ortoclase, microclina, albite). Como mineral ferromagnesiano contém, geralmente, biotite. Entre os acesórios,
destacam-se apatite, zircão e magnetite. O termo, atribuído ao italiano Caesalpino, surgiu em 1596, e radica no latim
granum, que significa grão.

Gnaisse: rocha metamórfica comum na crosta continental. De composição próxima da do granito, exibe alternância de
minerais claros (quartzo e feldspato) e escuros, geralmente, biotite ou anfíbola.

Página 2 de 7
Basalto: designação petrográfica muito abrangente, reunindo, sob a mesma designação, as rochas vulcânicas basálticas,
no geral melanocratas (escuras), de textura microgranular a vítrea, por vezes porfíricas. Essencialmente constituídas por
labradorite e piroxena (augite), em geral, com ou sem olivina, têm, como acessórios, magnetite e ilmenite. Podem conter
outros minerais, definindo tipos particulares de basalto, a que foram dados nomes próprios. Agrícola, em 1545, usou o
termo basalto para designar a pedra negra, compacta, descoberta na região de Dresden, Alemanha. Entre os basaltos
distinguem-se, habitualmente, os toleíticos, os alcalinos e o calco-alcalinos. Na maior parte dos casos, os basaltos são
extrusivos, resultando da solidificação de escoadas de lava. Ocorrem ainda sob a forma de soleiras, diques, chaminés e
outras estruturas intravulcânicas. (…)

Arcose: arenito, geralmente argiloso, com elevada percentagem de feldspato (>25%) e, quase sempre, alguma mica
(moscovite e/ou biotite). Resulta da deposição proximal de materiais detríticos provenientes da desagregação de rochas
graníticas e afins. Chamou-se-lhe, por isso, granito regenerado. O termo foi introduzido em 1823, pelo francês A. Brogniart,
com a grafia arkose (do grego archaios, antigo, primitivo). O termo feldsparenito, ocasionalmente usado como sinónimo
de arcose, tem vindo a cair em desuso. Os autores brasileiros chama-lhe arcósio.

1. As duas fotografias que se seguem foram tiradas pelo aluno em questão e mostram duas rochas ígneas.

A B

1.1. De acordo com a informação transcrita pelo aluno, indique a designação de cada uma das rochas (A e B).

1.2. Indique, justificando, qual delas terá resultado de um arrefecimento mais rápido do magma.

1.3. As duas linhas A e B, do gráfico seguinte representam esquematicamente o arrefecimento de dois magmas. Uma delas
refere-se à consolidação de um magma que originou granito e a outra à consolidação de um magma que originou basalto.

Qual dos magmas:

1.3.1. Arrefeceu mais rapidamente?

1.3.2. Arrefeceu em zonas mais profundas?

1.3.3. Poderá dar origem a um basalto?

2. O granito ter-se-á formado pelos seguintes processos:

(A) fusão e solidificação


(B) erosão e sedimentação
(C) aquecimento e metamorfismo
(D) compactação e cimentação

3. Das seguintes rochas, qual a que mostra um bandado resultante de recristalização de material a elevadas temperaturas
sem fusão:

(A) granito
(B) conglomerado
(C) arenito
(D) gnaisse

Página 3 de 7
4. A identificação macroscópica de rochas é muitas vezes difícil, supondo que tinha dúvidas em relação a uma determinada
amostra ser de calcário, indique justificando, que ensaio laboratorial poderia desenvolver para o ajudar a tomar uma
decisão.

5. A seta em cada um dos seguintes esquemas indica as alterações na pressão e condições de temperatura que ocorrem
durante o processo geológico. Qual diagrama que representa a alteração das condições, durante a transformação do
gnaisse X em granito em Y?

Legenda:
Pressure/depth – pressão/profundidade
Solid – sólido
Liquid – líquido
Melting - fusão
Temperature - temperatura

Grupo iii

A queda de um meteorito é considerada como a provável causa responsável pela extinção dos dinossauros, há
aproximadamente 65 milhões de anos. Um dos argumentos prende-se com a existência de uma camada de argilas, detectada
em diferentes localizações, com um elevado conteúdo em irídio (elemento radioativo extra-terrestre). O gráfico seguinte
apresenta os prováveis acontecimentos que ocorreram após o impacto.

1. Em que medida a presença de irídio pode indicar a ocorrência


de um impacto meteorítico?

2. Coloque-se no papel de geólogo e explique convenientemente como procederia para determinar a idade absoluta do
estrato argiloso rico em irídio.

3. Quais as modificações imediatas que ocorreram após o impacto?

4. Como explica a diminuição da temperatura ao fim de alguns dias?

Página 4 de 7
5. Quais os impactes globais da queda do meteorito nos primeiros anos, principalmente ao nível dos organismos?

6. A que se deve o aquecimento verificado ao fim de várias décadas?

7. Explique a origem do estrato rico em irídio que se formou após a queda do meteorito.

8. Em que medida as respostas anteriores permitem compreender a Terra como um sistema em mudança?

9. Qual é a razão mais provável para que Mercúrio e a lua da Terra não possuam uma atmosfera?

A. Ambos têm um núcleo de ferro de grande porte.


B. Eles nunca tiveram uma atmosfera.
C. Eles têm temperaturas de superfície elevadas.
D. Eles giram muito lentamente nos seus eixos.
E. Reduzida massa

IV
Muitas correntes turbidíticas iniciam-se na vertente continental superior, próximo do bordo da plataforma. Os mecanismos
indutores das correntes turbidíticas são variados, podendo ser abalos sísmicos, grandes temporais, deslizamentos de
terras, deposição sedimentar rápida em
vertentes inclinadas na sequência de cheias fluviais, etc. O intenso fornecimento sedimentar proveniente da plataforma
continental, que muitas vezes conduz à formação de depósitos em equilíbrio instável, aliado aos fortes pendores existentes
na vertente superior, criam as condições necessárias para o desenvolvimento de episódios turbidíticos. Qualquer dos
factores acima aludidos pode, nestas condições, originar correntes deste tipo, a quais se descem então a vertente a grande
velocidade, podendo atingir mais de 100km/hora.
http://w3.ualg.pt/~jdias/JAD/ebooks/Turbiditos.pdf
O bloco diagrama da figura esquematiza parte da morfologia do relevo submarino. A partir do nível médio das águas do
mar encontram-se as zonas assinaladas com A, B e C.

1. Faça a legenda das letras A, B e C.


2. Faça corresponder V (afirmação verdadeira) ou F (afirmação falsa) a cada uma das letras que identificam as afirmações
seguintes, relativas às características do relevo terrestre.

(A) As correntes turbidíticas formam-se em regiões de grande profundidade.


(B) Existe uma interacção entre os subsistemas hidrosfera geosfera como factores importantes nos episódios turbidíticos.
(C) Os escudos são maciços muito antigos de rochas metamórficas e magmáticas intrusivas que afloram à superfície.
(D) As cadeias montanhosas geralmente localizam-se, de forma não linear, no centro das placas litosféricas continentais.
Página 5 de 7
(E) As cadeias montanhosas resultam, regra geral, da colisão entre placas litosféricas.
(F) As plataformas continentais são partes submersas da crusta continental cobertas por sedimentos marinhos.
(G) Um talude continental corresponde à vertente de uma cadeia montanhosa.
(H) As dorsais oceânicas são grandes cadeias montanhosas submersas, situadas na zona média do oceano ou nos seus
bordos.

Observa atentamente o esquema seguinte.

3- A cada um dos números (I a VII), faz corresponder uma letra (A a G) da chave.


Chave:
A– Litosfera | B– Rifte | C– Astenosfera | D– Dorsal | E– Zona de subducção | F– Mar | G-Basalto

Nos itens 4, 5 e 6 transcreve a letra correspondente à opção que contém os termos que permitem preencher
corretamente os espaços. No item 7, transcreve a letra correspondente à opção que completa corretamente a frase.

4- Das regiões (a a f) assinaladas no fundo oceânico, _ _ _ são as mais recentes e têm aproximadamente a mesma idade e
_ _ _ são as que têm sobre si uma maior camada de sedimentos.

A – b / e (…) a / f
B – c / d (…) b / e
C – a / f (…) c / d
D – c / d (…) a / f

5- Em I o limite é _ _ _ e está a _ _ _ um oceano.

A – divergente (…) desaparecer


B – divergente (…) formar-se
C – convergente (…) desaparecer
D – convergente (…) formar-se
6- Na região III, será de admitir que após colisão dos continentes se originem _ _ _ e que o basalto da litosfera que
mergulha se transforme em rocha _ _ _.

A – vulcões (…) sedimentar


B – sismos (…) magmática
C – montanhas (…) metamórfica
D – montanhas (…) sedimentar
7 - Será improvável encontrar fósseis de trilobites no interior da crosta oceânica, uma vez que estes animais viveram
durante o (…)
A – Paleozóico, e os fundos oceânicos mais antigos não ultrapassam os 220 M. a.;
B – Paleozóico, e a rocha mais abundante deste tipo de crosta é o basalto;
C – Mesozóico, e os fundos oceânicos mais antigos não ultrapassam os 220 M. a.;
Página 6 de 7
D – Mesozóico, e a rocha mais abundante deste tipo de crosta é o basalto.

Página 7 de 7