Você está na página 1de 12

See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/316832675

AURICULOTERAPIA PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE: PERCURSOS POSSÍVEIS


DA APRENDIZAGEM À IMPLANTAÇÃO NA UNIDADE DE SAÚDE

Article · January 2016


DOI: 10.18310/2446-4813.2016v2n4p372-382

CITATIONS READS

0 956

2 authors, including:

Daniela Dallegrave
Universidade Federal de Goiás
15 PUBLICATIONS   25 CITATIONS   

SEE PROFILE

All content following this page was uploaded by Daniela Dallegrave on 24 August 2017.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


DOI: http://dx.doi. org/10.18310/2446- 4813.2016v2n4p372-382
AVALIAÇÃO DA MORTALIDADE E INTERNAÇÕES

ARTIGO ORIGINAL
AURICULOTERAPIA PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE: percursos possíveis da
aprendizagem à implantação na Unidade de Saúde.

Auriculotherapy for healthcare professionals: possible pathways from training to implementation at


a Health Unit.

Glaucia Fragoso Hohenberger Daniela Dallegrave


Enfermeira, especialista em Saúde da Família e Doutora em Educação, docente permanente
Comunidade pelo Grupo Hospitalar Conceição do mestrado profissional em Avaliação e
– GHC. Produção de Tecnologias para o SUS – PPG
272 glaugfh@hotmail.com
E-mail: ATSUS da Escola GHC.
E-mail: danidallegrave@gmail.com

Resumo
Este trabalho aborda a “Formação em Abstract
auriculoterapia para os profissionais de saúde This study addresses training in auriculotherapy
da Atenção Básica”, oferecida através da for primary healthcare professionals offered in
parceria entre a Universidade Federal de Santa partnership with the Federal University of Santa
Catarina e o Ministério da Saúde, destacando a Catarina and the Ministry of Health,
trajetória de implantação do atendimento de highlighting the process of implementing
auriculoterapia em uma Unidade de Saúde do auriculotherapy care at a Health Unit in the
município de Porto Alegre/RS. A inserção das municipality of Porto Alegre, Rio Grande do Sul
PIC - Práticas Integrativas e Complementares no state (RS). The insertion of complementary and
Sistema Único de Saúde configura uma ação de integrative medicine (CIM) within the National
ampliação de acesso e qualificação dos Health System (SUS) is aimed at expanding
serviços, na perspectiva da integralidade da access and qualifying services with a view to
atenção à saúde da população; ademais, o providing comprehensive healthcare the
espaço social das PIC tem valor antropológico e population; in addition, the social space of CIM
sua ascensão, juntamente com uma crise da holds anthropological value and its rise, along
atenção à saúde, reflete um cuidado à saúde with a healthcare crisis, reflects a disease-
mercantilizado e focado na doença, não no oriented and commodified approach to
indivíduo e nas suas subjetividades. Trata-se de healthcare as opposed to focusing on
um relato de experiência em que a individuals and their subjectivities. This is an
potencialidade está em compartilhar o impacto experience report whose potential lies in
de uma formação em Auriculoterapia, sharing the impact of auriculotherapy training
repercutindo na implantação do atendimento with a view to its implementation at a Family
em uma Unidade de Saúde da Família. Health Unit.
Palavras-chave: Práticas integrativas e Keywords: Complementary and integrative
complementares; Atenção primária à saúde; medicine; Primary healthcare; Public health;
Saúde pública; Educação profissional; Professional education; Health technology.
Tecnologias em saúde.

372 Saúde em Redes. 2016; 2 (4): 372-382


AURICULOTERAPIA PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
Apresentação equipe e planejar a
inserção da
auriculoterapia na prática
Este artigo trata das PIC – Práticas Integrativas
de sua unidade de saúde.1:
e Complementares, inseridas no Sistema Único 32

de Saúde (SUS) como possibilidade de ofertar


cuidado integral em saúde.
Formação em Auriculoterapia: organização
A perspectiva da discussão parte da teórica do curso
participação em um curso semipresencial em
Auriculoterapia ofertado por meio da parceria A divulgação da “Formação em
entre a Universidade Federal de Santa Catarina auriculoterapia para os profissionais de saúde
(UFSC) e o Ministério da Saúde, o qual foi da Atenção Básica” ocorreu por meio
realizado por uma das autoras deste trabalho. eletrônico, iniciando nos sites e páginas do
Ministério da Saúde e da UFSC, tendo ampla
Como proposta de intervenção para o divulgação por compartilhamento via meios
referido curso, as autoras apresentam sua eletrônicos de comunicação (redes sociais, e-
experiência na implementação e implantação mail).
da auriculoterapia em uma Unidade de Saúde
(US) com Estratégia de Saúde da Família e Ao ler sobre o curso, algumas
campo da Residência Integrada em Saúde, informações sobre metodologia, abordagens e
ênfase Saúde da Família e Comunidade e critérios de inscrição (ser profissional atuante
também da Residência Médica em Saúde da na Atenção Básica do SUS, mediante
Família e Comunidade. comprovação de cadastro no CNES), davam o
tom do curso, a implicação com a efetivação
Visando a implantação do atendimento dessa PIC na rotina de trabalho das US.
com PIC, o curso de “Formação em
Auriculoterapia para profissionais de saúde da Ao decorrer da etapa EaD (educação a
Atenção Básica” propôs em seus módulos a distância), que totalizou 75 horas, os cinco
aprendizagem da auriculoterapia e algumas módulos davam a dimensão do que é a
possibilidades de implantação e formas de auriculoterapia, como realizar diagnóstico,
funcionamento dos atendimentos, a serem possibilidades de abordagens e como poderia
planejados e estudados em equipe, de acordo ser agregada na rotina de trabalho, trazendo
com a realidade local das US. alguns exemplos e instigando a pensar na
prática e no processo de trabalho com a
O perfil de competências esperadas auriculoterapia.
para o egresso do curso, descreve a inclusão da
O módulo I, dividido em três unidades,
[...] auriculoterapia como abordou informações gerais sobre o
terapia complementar
funcionamento e estrutura organizacional do
nos atendimentos
individuais, atendimentos curso e questões específicas da estrutura
em grupos, acolhimento e curricular e a lógica de desenvolvimento das
autocuidado da equipe; competências no decorrer do processo de
além de discutir com a
aprendizagem.

373 Saúde em Redes. 2016; 2 (4): 372-382


AURICULOTERAPIA PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
Esse módulo também versava sobre as Também foram abordados os
práticas integrativas e complementares, sua fundamentos básicos da Medicina Tradicional
inserção no SUS, possibilidades de aplicação e Chinesa (MTC) e da auriculoterapia.
integração no sistema público de saúde,
Considerando que a MTC é uma
iniciando a articulação com os conhecimentos e
racionalidade médica2 distinta, foi
potencialidades de uso da auriculoterapia na
oportunizado conhecer essa outra forma de
Atenção Básica.
compreender o processo saúde-doença-
No módulo II, trabalhou-se o cuidado e realizar o tratamento por meio da
conhecimento relacionado à utilização da auriculoterapia, sob a ótica da medicina
Auriculoterapia segundo o conceito da chinesa.
Reflexologia, conhecendo estruturas
No módulo IV, trabalhou-se os modos
anatômicas e histológicas, inervação,
como a racionalidade biomédica interpreta os
vascularização e zonas reflexas do pavilhão
efeitos do tratamento com auriculoterapia.
auricular. Também foi apresentada a
Além disso, foram apresentadas as principais
localização dos pontos principais de
evidências científicas acerca do uso da
auriculoterapia, assim como sua ação na
auriculoterapia, bem como, o reconhecimento
terapêutica reflexa.
de sinais de alarme de doenças que necessitam
Foram abordados métodos de avaliação de encaminhamento para reavaliação clínica e
e diagnóstico na auriculoterapia, como a elucidação diagnóstica.
inspeção e a palpação, que além de auxiliar no
Estudou-se formas de estímulo do
diagnóstico através da auriculoterapia,
pavilhão auricular, modulação dos mecanismos
conduzem o processo de seleção dos pontos a
neurofisiológicos de controle da dor e da
serem utilizados como tratamento. Para
inflamação. Uma breve revisão sobre a
elucidar o que foi trabalhado no módulo, foi
fisiologia do processamento do estímulo
apresentado um mapa com as zonas reflexas
nociceptivo e inflamatório pelo sistema
identificando a localização dos pontos e a ação
nervoso periférico e central e os efeitos
dentro da reflexologia.
neurofisiológicos associados à auriculoterapia.
No módulo III, foi retomada a discussão Foram revisados conceitos de saúde baseados
sobre as PIC iniciada no módulo I, situando a em evidências e de como são formados os
auriculoterapia neste universo amplo e níveis de evidências científicas, além da
diversificado das PIC. Foram apresentados apresentação dos principais estudos clínicos da
dados e informações sobre a revalorização e a área da auriculoterapia e os possíveis efeitos
procura crescente das PIC no mundo adversos associados à prática da
contemporâneo nas últimas décadas, bem auriculoterapia.
como seus significados no início de século XXI e
O módulo V tratou de uma revisão de
suas contribuições aos sistemas de saúde.
conceitos da Atenção Básica e seus atributos;
possibilitou uma reflexão sobre o acesso e
acolhimento para inserir a Auriculoterapia

374 Saúde em Redes. 2016; 2 (4): 372-382


AURICULOTERAPIA PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
como uma das opções terapêuticas nos Considerações teóricas sobre as PIC e a
atendimentos e no cotidiano do trabalho na AB, auriculoterapia
assim como no autocuidado dos profissionais
A inserção das PIC configura uma ação de
de saúde e nos processos de educação
ampliação de acesso e qualificação dos
permanente das equipes; almejando que os
serviços, na perspectiva da integralidade da
profissionais da Formação em Auriculoterapia
atenção à saúde da população. Para sua
conseguissem integrar as três abordagens de
consolidação, como mais uma estratégia
conhecimento da técnica da auriculoterapia
terapêutica e promotora de saúde na Atenção
para traçar um plano terapêutico relacionado
Primária à Saúde (APS), devem ser consideradas
às situações específicas do cotidiano do
as diversas influências que interferem no
trabalho na Atenção.
decorrer deste processo: gestores, políticas
Após a conclusão da etapa EaD, foi institucionais, sujeitos envolvidos, cultura local
realizada uma aula presencial que trouxe um e organizacional etc.4
breve resgate teórico dos módulos estudados e
A integralidade, conforme prevista na
questões práticas por meio de casos clínicos
Constituição Federal de 1990,5 é entendida
que foram desenvolvidas em trios: observador,
como um conjunto articulado e contínuo das
praticante/cuidador e receptor da prática,
ações e serviços preventivos e curativos,
papeis que foram desenvolvidos por todos do
individuais e coletivos, exigidos para cada caso
trio em todas as práticas.
em todos os níveis de complexidade do sistema;
A partir da conclusão do curso, houve a tema que também foi discutido em outros
necessidade de organizar a implantação da espaços com representação histórica, como na
auriculoterapia na rotina da US em que Conferência Internacional de Alma Ata,
estavam inseridas as profissionais que haviam realizada em 1978, onde a OMS recomendou a
feito o curso, e diante da demanda da equipe e seus países membros a inclusão das PIC nos
dos usuários, houve a necessidade de que esse Sistemas Públicos de Saúde.
processo avançasse de forma rápida.
Somente em 2006 o Brasil oficializou essa
No sentido de ampliar a “caixa de recomendação, criando a Política Nacional de
ferramentas”3 e potencializar a resolutividade Práticas Integrativas e Complementares –
da prática na Atenção Básica, tendo um olhar PNPIC.6
mais amplo e integrativo sobre o processo
A PNPIC legitimou as práticas de fitoterapia,
saúde-doença, bem como desenvolver
homeopatia, medicina tradicional chinesa,
competência para a aplicação de uma técnica
medicina antroposófica e o termalismo social,
simples, de baixo risco, com mínima
mas também significou um impulso no
possibilidade de iatrogenia e significativa
reconhecimento e crescimento de todas as
eficácia no cotidiano profissional, este trabalho
demais PIC no Sistema Único de Saúde – SUS.6
relata o processo de implementação e
implantação da Auriculoterapia em uma US de Kleinman,7 no sentido da valorização
Porto Alegre/RS. antropológica do indivíduo, em uma publicação
da mesma época da recomendação da OMS,

375 Saúde em Redes. 2016; 2 (4): 372-382


AURICULOTERAPIA PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
nos leva a pensar na autonomia sobre a As PIC versam com o sistema
condição de saúde e a valorização do oficial/profissional de saúde, por isso, houve a
autoconhecimento e da cultura do indivíduo, necessidade de mapear e conhecer tais práticas
no Brasil para embasar a criação da PNPIC,6
Nessa perspectiva, o espaço social das PIC
tendo como um dos destaques desse
tem valor antropológico e sua ascensão,
mapeamento a medicina tradicional
juntamente com uma crise de atenção à saúde,
chinesa/acupuntura, prática que já era
reflete um cuidado à saúde mercantilizado e
contemplada no SUS, porém sem visibilidade e
focado na doença, não no indivíduo e nas suas
investimento em formação.
crenças, valores e subjetividades.
No intuito de uma abordagem plural, a
Langdon8 contextualiza que antropólogos
Formação abordou a auriculoterapia na
vêm argumentando que os processos de saúde
perspectiva da reflexologia, MTC e da
e doença precisam ser entendidos através das
biomedicina.
noções de práticas de autoatenção,
intermedicalidade, autonomia, coletividade e A MTC é uma racionalidade médica milenar,
práxis em oposição à perspectiva biomédica e tem suas explicações, sobre a natureza dos
caracterizada como universalista, biologicista, adoecimentos e do processo de cura,
individualista e a-histórica. fundamentados na teoria Yin e Yang e nos cinco
movimentos ou elementos – fogo, terra, metal,
Kleinman7 identifica três setores dentro do
água e madeira.10
sistema de cuidado à saúde: o popular (família,
comunidade, rede de amigos, grupos de apoio A visão holística da MTC parte do princípio
e autoajuda), o folk (agentes especializados de que o homem é um microcosmo gerado
seculares ou religiosos, mas não reconhecidos entre o céu e a terra, representando o
legalmente na sociedade) e o profissional; os macrocosmo; sendo assim, ele está submetido
quais coexistem e são acionados de acordo com às influências de seu meio.10
a necessidade que o indivíduo tem e julga poder
A MTC, por meio da auriculoterapia,
ser atendido.
fundamenta a relação terapêutica do pavilhão
No intuito de um “setor profissional”7 com auricular através da teoria dos canais. Os doze
foco na humanização e tendo em vista as valises meridianos (canais por onde circulam as
do trabalho vivo descritas por Merhy,9 a substâncias fundamentais) reúnem-se na
reestruturação dos processos de trabalho orelha; além disso, a aurícula é uma das
tende a potencializar o ‘trabalho vivo em ato’ e principais zonas onde o Yang e o Yin se inter-
a valise das relações são consideradas fontes de relacionam.10
energia criativa e criadora de um novo modelo
Segundo a reflexologia, o pavilhão auricular
de assistência à saúde3. Nesse sentido, o
apresenta zonas reflexas, a partir do conceito
atendimento que valoriza subjetividades leva a
do pavilhão auricular como um microssistema,
um envolvimento intenso com o tratamento,
com a representação de todos os órgãos e
tanto do usuário como do profissional.
estruturas do corpo humano10-11.

376 Saúde em Redes. 2016; 2 (4): 372-382


AURICULOTERAPIA PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
De acordo com a representação na modalidade semipresencial, totalizando 75
embriológica e a inervação do pavilhão horas em EaD e 05 horas presenciais.
auricular, a distribuição dos pontos e zonas
O relato aborda o curso e a trajetória de
reflexas corresponde à posição de um feto
implantação do atendimento de
invertido no pavilhão auricular; assim, o
auriculoterapia em uma Unidade de Saúde do
estímulo realizado em um determinado ponto
município de Porto Alegre/RS.
ou área reflexa atua sobre a região
correspondente no organismo.10-11 Baseado no texto de Bondía,12 que
sugere que o par teoria/prática remete,
Em relação à abordagem sob a ótica da
sobretudo a uma perspectiva política e crítica, e
biomedicina, os conceitos de fisiologia nos
que nesta perspectiva tem sentido a palavra
permitem correlacionar três importantes
“reflexão” e expressões como “reflexão crítica”,
efeitos reguladores obtidos através da
“reflexão sobre prática ou não prática”, e que
auriculoterapia: o controle da dor, através da
as pessoas aparecem como sujeitos críticos
liberação de endorfinas - vias inibitórias
que, armados de distintas estratégias
descendentes da dor; o controle da inflamação,
reflexivas, se comprometem, com maior ou
através da liberação da acetilcolina – reflexo
menor êxito, com práticas educativas
colinérgico, e o controle do processamento
concebidas na maioria das vezes sob uma
emocional, através da modulação de áreas do
perspectiva política, este trabalho também
sistema límbico.1
considera tal ideologia metodológica de
A possibilidade da auriculoterapia com aprendizagem.
os três enfoques supracitados facilita o
Relacionado ao processo de
entendimento da terapia, assim como abre a
implantação do atendimento de
perspectiva de tratamento de acordo com a
auriculoterapia na US, conforme orientações
abordagem, levando a uma amplitude de sinais
dos módulos da Formação em Auriculoterapia,
e sintomas a serem trabalhados muito além da
Sousa e Tesser13 e de Santos e Tesser,4 em que
abordagem biomédica convencional.
referem o alinhamento de gestores, políticas
Considerações metodológicas institucionais, sujeitos envolvidos, cultura local
e organizacional para uma implantação de PIC
Trata-se de um relato de experiência
exitosa, optou-se por iniciar o processo de
desenvolvido a partir da residência integrada
implantação dando ciência ao gestor local e
em saúde e a experiência de uma “Formação
solicitando insumos para auriculoterapia, após
em auriculoterapia para os profissionais de
isso, as profissionais que fizeram a Formação
saúde da Atenção Básica” do Sistema Único de
em Auriculoterapia levaram a discussão para a
Saúde – SUS. O curso foi ofertado pelo
equipe e o Conselho Local de Saúde, conforme
Ministério da Saúde em parceria com a
transcrito no quadro 1.
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC,

377 Saúde em Redes. 2016; 2 (4): 372-382


AURICULOTERAPIA PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
Quadro 1: Etapas da implantação do atendimento de auriculoterapia na US.

Etapa Descrição
1ª Realização da Formação em Auriculoterapia pelas profissionais;
2ª Elaboração de proposta de implantação do atendimento de Auriculoterapia;
3ª Proposta de implantação do atendimento de Auriculoterapia para equipe;
4ª Proposta de implantação do atendimento de Auriculoterapia para a comunidade via Conselho Local
de Saúde;
5ª Consolidação da proposta de implantação do atendimento de Auriculoterapia e sistematização
desse processo por meio desse relato.
Fonte: Elaborado pelas autoras.

Seguindo os preceitos éticos em Peduzzi,14 que consiste em uma modalidade de


pesquisa, por se tratar de um relato de trabalho coletivo configurada na relação
experiência, o presente trabalho não recíproca entre as múltiplas intervenções
necessitou de avaliação em Comitê de Ética e técnicas e a interação dos agentes de diferentes
Pesquisa. Foi atribuída autoria aos materiais áreas profissionais.
consultados e salienta-se o compromisso ético-
Cabe dizer também que na US já existem
político para com as tecnologias em saúde,
algumas PIC implantadas, como o atendimento
visto a oportunidade de uma pós-graduação e a
de Reiki e um grupo de meditação, além de uma
Formação em Auriculoterapia, como ofertas
aceitação genuína da equipe a novas
públicas. O presente trabalho não apresenta
experiências devido ao histórico de mais de 20
conflito de interesses.
anos sendo campo de residência.
Auriculoterapia na Unidade de Saúde: o
Diante dos disparadores dos módulos
conhecer e reconhecer
EaD, alguns profissionais, colegas de trabalho,
A US em questão nesse trabalho fica na foram os primeiros a experimentarem e serem
zona norte de Porto Alegre/RS, tem experimentados na prática da Auriculoterapia.
aproximadamente 10 mil usuários cadastrados Os resultados foram trazidos como positivos na
e é composta por quatro microequipes de maioria das experimentações e neutros em
Estratégia de Saúde da Família (ESF) e duas uma minoria.
equipes de Estratégia de Saúde Bucal.
Os resultados positivos instigaram a
Peculiarmente, conta com profissões equipe, que propôs que aplicássemos em
que não compõem a equipe mínima de ESF, usuários com condições crônicas de saúde em
como psicologia, serviço social e nutrição, acompanhamento prolongado na US,
devido ao perfil de ensino contemplando dois priorizando aqueles com questões de
programas de residência: Residência Integrada sofrimento mental.
em Saúde, ênfase Saúde da Família e
Tal proposta, vinda da equipe, nos
Comunidade e Residência Médica em Medicina
remete à reflexão feita por Langdon8 sobre
de Família e Comunidade.
eficácia em relação ao que é descrito como
Em nível de discussão, considerou-se o trabalho crise da medicina oficial provocada pela
em equipe multiprofissional, conforme hegemonia da visão biológica e tecnológica,

378 Saúde em Redes. 2016; 2 (4): 372-382


AURICULOTERAPIA PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
excluindo ou menosprezando, fatores sociais, outorgando validade aos saberes curativos não
psicológicos ou espirituais que têm impacto na ocidentais.
experiência da doença e no processo
Diante do contexto proposto pela
terapêutico.
equipe, optou-se por estudar as formas de
Ainda considerando uma visão implantação de PIC propostas no primeiro
antropológica das formas de fazer saúde, módulo da Formação em Auriculoterapia,1
Kleinman15 já destacava que os conhecimentos conforme quadro 2.
biomédicos devem ser relativizados,

Quadro 2: Descrição dos Modelos de inserção das PICs no SUS.

Tipo 1 Tipo 2 Tipo 3


Atenção Básica Atenção Básica Atenção Básica
profissional exclusivo profissional matriciador
Regulação Praticante híbrido Demanda referenciada Demanda referenciada
do acesso (acesso livre em alguns (individual, livre nas ações coletivas)
locais)
Profissionais Profissionais APS/ESF Praticantes exclusivos Praticantes exclusivos ou não em
praticantes especialistas ou equipes de apoio
da PIC praticantes híbridos
Práticas As praticadas pelos Definidos pela gestão (aloca Definidos pela gestão (ou praticadas
oferecidas profissionais e outras praticante de PIC na por profissional do NASF)
que a gestão define e ESF/APS)
capacita
Perfil da Igual a APS Semelhante a APS ou Referenciado (ou nos grupos abertos,
demanda referenciado (conforme semelhante a APS)
critérios locais)
Grande (via educação Pequeno (pouco Grande (para ações coletivas e
Potencial de permanente) sustentável, demanda corpo atenção especializada individual em
expansão paralelo de profissionais de PIC, com matriciamento)
no SUS PIC na APS)
Integração Integrada (PIC Justaposta (PIC paralela ao Matriciada (PIC como referência para
com ESF integrada ao fluxo do fluxo do cuidado) cuidado individual + matriciamento +
cuidador) grupos)
Fonte: adaptado de Sousa e Tesser.13 Artigo no prelo.

Visando a expansão progressiva e Além disso, propicia a integração das PIC


sustentável das PIC no SUS e na Atenção Básica, com a biomedicina e evita o acesso paralelo
a associação do tipo 1 com o tipo 3 é a mais exclusivo para as PIC. A integração, o
indicada, pois essa integração tende a enriquecimento e a pluralização do cuidado aos
democratizar o acesso dos usuários e o saber- usuários, realizado nos serviços de Atenção
fazer em PIC dos profissionais, sem ter que Básica, só é possível nessa associação que,
duplicar ou multiplicar a rede de profissionais simultaneamente, estimula a prática das PIC na
da Atenção Básica.1 Atenção Básica e como referência via equipes

379 Saúde em Redes. 2016; 2 (4): 372-382


AURICULOTERAPIA PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
matriciadoras, dispensando serviços essa PIC de forma a ser conhecida e
especializados distantes da Atenção Básica.1 reconhecida por todos os membros da equipe.

Não contando com equipes Após, procedeu-se uma breve


matriciadoras em Auriculoterapia, apenas três apresentação multimídia sobre as abordagens
profissionais híbridas (que operam tanto o que podem ser feitas na Auriculoterapia -
cuidado biomédico, como as PIC), foram feitas reflexologia, MTC e biomedicina, e alguns
discussões para planejar o modelo de inserção protocolos que já têm comprovação científica
da Auriculoterapia na US baseada nas de tratamento com Auriculoterapia. Então,
orientações dos módulos do curso1 e nas apresentou-se as propostas de atendimento,
discussões dos autores Santos e Tesser4 e Sousa ficando acordado em equipe que haveria uma
e Tesser.13 agenda para um turno com atendimentos a
cada 15 minutos, sendo agendamento de livre
Baseado nesses materiais, as
demanda, até que se notasse algum gargalo de
profissionais com a Formação em
acesso para que esse aspecto fosse revisto.
Auriculoterapia reuniram-se para levantar
Trabalhadores da US também poderiam
algumas considerações sobre a implementação
compor essa agenda ou serem atendidos em
da Auriculoterapia no processo de trabalho a
livre demanda conforme disponibilidade das
serem levadas para discussão em reunião de
profissionais.
equipe.
Além disso, acordou-se que
As considerações foram baseadas em
atendimentos de Auriculoterapia via
experiências de atendimentos ambulatoriais
acolhimento seriam feitos no mesmo dia e que
pontuais, demanda espontânea pelo
intervenções em grupos terapêuticos que já
acolhimento, acompanhamento de casos,
existiam na US poderiam ser planejadas.
usuários provenientes do grupo de tabagismo e
a observação empírica de resultados positivos Agentes Comunitários de Saúde
em quadros de dor, ansiedade, sintomas do sugeriram a confecção de um breve informativo
climatério, compulsão alimentar etc. em forma de lembrete sobre Auriculoterapia
para que entregassem aos usuários
Também foram pontuados alguns
interessados.
entraves, como falta de espaço físico para
atendimento, não custeio dos materiais e a Ao final, a equipe sinalizou o interesse
possibilidade de grande procura pela em aprofundar o estudo sobre o tema, o qual
Auriculoterapia por usuários. foi planejado para outra data.

Em reunião de equipe, com O próximo passo foi a discussão com a


representações de cada uma das quatro comunidade por meio do Conselho Local de
microequipes que compõem a US, discutiu-se Saúde, por ser um espaço deliberativo16 e por
primeiramente o objetivo da reunião e os ser um espaço vivo e ativo na construção da
objetivos da Formação em Auriculoterapia, saúde do bairro em que está inserido, tendo
destacando a efetivação do atendimento com histórico de lutas por melhorias na saúde local

380 Saúde em Redes. 2016; 2 (4): 372-382


AURICULOTERAPIA PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
e potência nas discussões do processo de A Auriculoterapia na perspectiva da
trabalho em saúde. MTC, da reflexologia e da biomedicina amplia a
abordagem no cotidiano de trabalho e passa a
A proposta de implantação da prática de
compor a “caixa de ferramentas” do
Auriculoterapia foi apresentada com
profissional de saúde.
metodologia que procurou utilizar linguagem
adequada ao público, esclarecendo os Reconhece-se as limitações de um
principais questionamentos. A proposta teve relato de experiência, mas também acredita-se
boa aceitação, foi considerada mais uma PIC na potencialidade de compartilhar a
para integrar e qualificar os atendimentos da possibilidade de uma Formação em
US. Auriculoterapia e da implantação do
atendimento na US aos dois mil colegas que
Considerações sobre a experiência
tiveram a vaga para o mesmo curso e tiveram a
Diante da mercantilização atual da oportunidade de organizar processos
saúde e da dificuldade do atendimento em semelhantes em suas US, além dos tantos
saúde que considere a integralidade, a outros profissionais que, sensibilizados por este
subjetividade e a singularidade dos usuários, relato, possam procurar essa experiência para
este relato objetivou destacar a potencialidade adquirirem mais uma “ferramenta” para
do “trabalho vivo em ato” que levou uma compor sua “caixa”.
equipe a implantar uma PIC, fortalecida pela
discussão com usuários, avivando a
potencialidade criativa no SUS.

Referências
1
Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Saúde Pública.
Formação em Auriculoterapia para profissionais de saúde da Atenção Básica. Módulos I, II, III, IV e V.
Florianópolis: Fett Educação e Ensino; 2016.
2
Luz MT. Medicina e racionalidades médicas: estudo comparativo da medicina ocidental contemporânea,
homeopática, chinesa e ayurvédica. In: Canesqui AM. (Org.). Ciências sociais e saúde para o ensino médico. São
Paulo: HUCITEC/FAPESP; 2000. p.181-200.
3
Merhy EE, Franco TB. Trabalho em Saúde. In: Dicionário da Educação Profissional em Saúde. Rio de Janeiro:
Fundação Oswaldo Cruz; 2005. p.278-284.
4
Santos MC, Tesser CD. Um método para a implantação e promoção de acesso às Práticas Integrativas e
Complementares na Atenção Primária à Saúde. Cien Saude Colet. 2012; 17(11): 3011-3024.
5
Lei Nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação
da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial
da União, Brasília, 20 set. 1990a.
6
Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional
de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.
7
Kleinman A. Patients and healers in the context of culture: an exploration of the bordeland between
anthropology, medicine and psychiatry. California: Regents; 1980.
8
Langdon EJ. Os diálogos da antropologia com a saúde: contribuições para as políticas públicas. Cien Saude Colet.
2014; 19(4):1019-1029.
9
Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec; 2002.
10
Garcia EG. Auriculoterapia. São Paulo: ROCA; 1999.

381 Saúde em Redes. 2016; 2 (4): 372-382


View publication stats

AURICULOTERAPIA PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE


11
Neves ML. Manual prático de auriculoterapia. Porto Alegre: Merithus; 2014.
12
Bondía JL. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Rev bras educ. 2002; (19):20-28.
13
Sousa IMC, Tesser CD. Medicina Tradicional e Complementar no Brasil: inserção no Sistema Único de Saúde e
integração com a atenção primária. Cad Saúde Pública. 2017; 33(1):1-15.
14
Peduzzi M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Rev Saúde Públ. 2001; 35 (1):103-109.
15
Kleinman A. The failure of western medicine. Hum Nat. 1978; 1(11):63-70.
16
Lei 8.142, de 28 de dezembro de 1990. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único
de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá
outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 31 dez. 1990.
SAÚDE, PORTO ALEGRE, 2016

]]]]]]

382 Saúde em Redes. 2016; 2 (4): 372-382