Você está na página 1de 4

Universidade do Estado da Bahia – UNEB

Departamento de Ciências Humanas – Campus IV


Colegiado de Letras, Língua Portuguesa e Literaturas

Disciplina: Texto e Discurso


Docente: Girleide Ribeiro
Discente: Jobervan Rios Evangelista Filho

REFERÊNCIA: FERNANDES, Claudemar Alves. Análise do discurso: reflexões


introdutórias. São Carlos: Editora Claraluz, 2008. p. 7-61.

RESUMO:
O objeto de análise do referido texto é o discurso, entendido – para além da
simples linguística – como ferramenta de análise histórico-social-ideológica, mutável e
interpretável a partir de seu locutor e do lugar de fala, ou seja, a conotação dada à
semântica depende do tempo, da pessoa e do lugar em que tal discurso é proferido.
O autor ilustra tal constatação com exemplos de termos cotidianos: ocupação x
invasão, os quais assumem significações de discurso contrapostas, a partir da
interpretação de dois grupos: MST e donos de terra.
Da leitura do texto, se percebe que o discurso exteriorizado é mais do que um
compilado de palavras, mostrando-se como forma de posicionamento em sociedade – o
“sujeito falando”. Ressalta-se que o sujeito é polifônico, constituído por uma
heterogeneidade de discursos e consequentemente múltiplas identidades, a depender de
todos esses fatores mutáveis.
Entende-se também que o sujeito tem a característica de ser descentrado, visto que
não é o centro de seu dizer: o seu dizer é constituído por um arcabouço ideológico-
histórico-social no qual este sujeito se insere, sendo que o sentido do que é dito é
interpretado de diversas formas por aqueles que ouvem. Também é discutida acerca da
memória coletiva que o discurso carrega, em razão de refletir os aspectos histórico-sociais
dos diversos sujeitos ao longo do tempo.
Ao longo do texto é vastamente discutido como todos esses elementos influenciam
no discurso e como esse deve ser entendido para além de uma análise superficial ou
puramente linguística, embora essa tenha carga de importância, devendo-se compreender
as interrelações com diferentes ramos de ciência, a exemplo da psicanálise.
CITAÇÕES

Proposição
 “Para a Análise do Discurso, enquanto disciplina, o próprio nome efetua referência
ao seu objeto de estudos: o discurso” (FERNANDES, 2008, p.8);
 “O caráter de complexidade por nós assinalado decorre do fato de discurso implicar
uma exterioridade à língua, ser apreendido no social, cuja compreensão coloca em
evidência aspectos ideológicos e históricos próprios à existência dos discursos nos
diferentes contextos sociais” (FERNANDES, 2008, p. 8);
A noção do discurso: discurso, ideologia e efeito de sentido
 “[...] para compreendermos discurso como um objeto do qual se ocupa uma disciplina
específica, objeto de investigação cientifica, devemos romper com essas acepções
advindas do senso comum, que integram nosso cotidiano e procurar compreendê-lo
respaldados em acepções teóricas relacionadas a métodos de análise” (FERNANDES,
2008, p.12);
 “[...] discurso implica uma exterioridade à língua, encontra-se no social e envolve
questões de natureza não estritamente linguística” (FERNANDES, 2008, p. 13);
 “As posições em contraste revelam lugares socioideológicos assumidos pelos sujeitos
envolvidos, e a linguagem é a forma material de expressão desses lugares. Vemos,
portanto, que o discurso não é a língua(gem) em si, mas precisa dela para ter existência
material e/ou real” (FERNANDES, 2008, p.13);
 “Para falarmos em discurso, precisamos considerar os elementos que têm existência
no social, as ideologias, a história. Com isso, podemos afirmar que os discursos não
são fixos, estão sempre se movendo e sofrem transformações, acompanham as
transformações sociais e políticas de toda natureza que integram a vida humana”
(FERNANDES, 2008, p.14);
 “A palavra discurso, etimologicamente, tem em si a ideia de curso, de percurso, de
correr por, de movimento. O discurso é assim palavra em movimento, pratica de
linguagem: com o estudo do discurso observa-se o homem falando” (Orlandi 1999,
p.15 apud FERNANDES, p. 14);
 “[...] no discurso os sentidos das palavras não são fixos, não são imanentes, conforme,
geralmente, atestam os dicionários. Os sentidos são produzidos face aos lugares
ocupados pelos sujeitos em interlocução (FERNANDES, 2008, p.15);
 “[...] ideologia é imprescindível para a noção de discurso, não apenas imprescindível,
é inerente ao discurso” (FERNANDES, 2008, p.17);
 “Os discursos devem ser pensados em seus processos histórico-sociais de
constituição” (FERNANDES, 2008, p.17);
O sujeito discursivo: polifonia, heterogeneidade e identidade
 “[...] o sujeito, mais especificamente o sujeito discursivo, deve ser considerado
sempre como um ser social, apreendido como um espaço coletivo [...]. A voz desse
sujeito revela o lugar social; logo, expressa um conjunto de outra vozes integrantes
de dada realidade histórica e social; de sua voz ecoam as vozes constitutivas e/ou
integrantes desse lugar sócio histórico” (FERNANDES, 2008, p.24);
 “Uma das primeiras distinções a serem estabelecidas refere-se à diferença entre
sujeito falante e sujeito falando. A referência a sujeito falante retoma as perspectivas
acima mencionadas, ou seja, trata-se do sujeito empírico, individualizado, que, dada
a sua natureza psicológica, tem a capacidade para a aquisição de língua e a utiliza em
conformidade com o contexto sociocultural no qual tem existência. O sujeito falando
remonta à perspectiva assinalada quando expusemos a noção de discurso; refere-se a
um sujeito inserido em uma conjuntura sócio-histórica-ideológica cuja voz é
constituída de um conjunto de vozes sociais” (FERNANDES, 2008, p. 25-26);
 “[...] o sujeito não é homogêneo, seu discurso constitui-se do entrecruzamento de
diferentes discursos, de discursos em oposição, que se negam e se contradizem.”
(FERNANDES, 2008, p. 26);
 “A noção de heterogeneidade [...] é subdividida em duas formas. Temos a
heterogeneidade constitutiva como condição de existência dos discursos e dos
sujeitos, uma vez que todo discurso resulta do entrelaçamento de diferentes discursos
dispersos no meio social. O sujeito constitui-se pela interação social estabelecida com
os diferentes sujeitos. A Segunda forma de heterogeneidade é a mostrada. Nesse caso,
a voz do outro se apresenta de forma explícita no discurso do sujeito e pode ser
identificada na materialidade linguística” (FERNANDES, 2008, p. 28);
 “O sujeito tem a ilusão de ser o centro de seu dizer, pensa exercer o controle dos
sentidos do que fala, mas desconhece que a exterioridade está no interior do sujeito,
em seu discurso está o "outro", compreendido como exterioridade social”
(FERNANDES, 2008, p. 30);
 “A heterogeneidade constitutiva do sujeito, reiterada nas diferentes identidades,
algumas contraditórias, outras inacabadas e algumas ainda por se produzirem, e
nenhuma fixa, todas moventes, revelam-nos a complexa constituição do sujeito no
discurso. Pelos discursos materializados na/pela I íngua, vislumbramos os
deslocamentos, as movências, e a pluralidade constitutiva do sujeito” (FERNANDES,
2008, p. 33);
Formação discursiva; memória e interdiscurso: linguagem e história
 “[...] uma formação discursiva nunca é homogênea, é sempre constituída por
diferentes discursos” (FERNANDES, 2008, p. 41);
 “[...] uma formação discursiva dada, vemos que é apenas parcialmente apreendida,
pois caracteriza-se por uma incompletude e tem uma natureza complexa na sua
própria dispersão histórica” (FERNANDES, 2008, p.41);
 “Um enunciado, enquanto estrutura linguística, implodirá sob o olhar do analista,
pois, opaco, torna-se cheio, de tão coletivo, torna-se particular; de agente pode tornar-
se objeto (e vice-versa). Assim, todo enunciado pode tornar-se outro(s)”
(FERNANDES, 2008, p. 41-42);
 “[...] uma formação discursiva não se limita a uma época apenas; em seu interior,
encontramos elementos que tiveram existência em diferentes espaços sociais, em
outros momentos históricos, mas que se fazem presentes sob novas condições de
produção, integrando novo contexto histórico, e, conseqüentemente, possibilitando
outros efeitos de sentido” (FERNANDES, 2008, p. 45);
 “Os discursos exprimem uma memória coletiva na qual os sujeitos estão inscritos. É
uma memória coletiva, até mesmo porque a existência de diferentes tipos de discurso
implica a existência de diferentes grupos sociais, sem, contudo, implicar equivalência.
Um discurso engloba a coletividade dos sujeitos que compartilham aspectos
socioculturais e ideológicos, e mantém-se em contraposição a outros discursos”
(FERNANDES, 2008, p. 45);
 “A recorrência à História faz-se presente na análise do discurso, pois trata-se dos
sentidos produzidos no discurso, de acordo com as condições de produção histórico –
sociais peculiares à existência dos sujeitos” (FERNANDES, 2008, p. 47-48);
Análise do discurso: entrecruzamento de diferentes campos disciplinares
 “[...] a Análise do Discurso é uma disciplina de caráter transdisciplinar”
(FERNANDES, 2008, p. 52);
 “O lugar da Psicanálise é notório no que concerne às noções de sujeito discursivo e
de discurso [...]” (FERNANDES, 2008, p.54);
 “O objeto da Lingüística aparece [...] assim atravessado por uma divisão discursiva
entre dois espaços: o da manipulação de significações estabilizadas, normatizadas por
uma higiene pedagógica do pensamento, e o das transformações do sentido,
escapando à toda norma a priori, de um trabalho do sentido sobre o sentido, tomado
no lance indefinido das interpretações. (Pêcheux, 1998, p. 25 apud FERNANDES, p.
58);
 “[...] quando recorremos a um dicionário, fazemo-lo para verificar o significado de
dada palavra, pois o significado já está posto, é imanente; porém, em se tratando de
Análise do Discurso, nega-se a imanência do significado uma vez que interessam os
sentidos produzidos em decorrência da inscrição socioideológica e histórica dos
sujeitos envolvidos” (FERNANDES, 2008, p. 60);