Você está na página 1de 2

Em Marx, valor NÃO É tempo de trabalho.

Hoje existem muito mais estudos e escritos sobre O Capital do que nas décadas anteriores. Isso é
muito bom. No entanto, as análises vulgares se proliferam como doença contagiosa. É o efeito
colateral inevitável. Paciência!!! Recentemente li um artigo onde o comentarista diz que o valor se
define como determinada quantidade de "tempo de trabalho abstrato". A expressão é pomposa,
afinal, se é uma quantidade de tempo de trabalho, só pode ser abstrato. No entanto, isso não tem
nada que ver com a categoria de trabalho abstrato em Marx, que era pouco afeito a pleonasmos.
"tempo de trabalho abstrato" é como dizer "subir para cima" ou "descer para baixo". Quem
identificava o valor com o tempo de trabalho era David Ricardo. Não Marx. Para Marx o tempo de
trabalho (socialmente necessário, se se quiser) era apenas a medida do valor, sua determinação
quantitativa. Mas qual seria a determinação qualitativa do valor? Exatamente o trabalho abstrato.
Não é uma picuinha. 60% do primeiro capítulo do livro I de O Capital foi escrito para mostrar
COMO, POR QUE MEIOS, DE QUE FORMA o valor era medido pelo tempo de trabalho. Aquilo
que Ricardo afirmava dogmaticamente: valor é tempo de trabalho, para Marx era exatamente a
pergunta a ser respondida. Como era possível o valor ser medido pelo tempo de trabalho já que o
valor das mercadorias não é determinado previamente e conscientemente por ninguém? Aí entra o
trabalho abstrato, que não irei resumir por aqui. Só pra se ter uma ideia das profundas
consequências desse erro, foi exatamente sobre a falsa concepção de que, em Marx, valor é tempo
de trabalho que o maior crítico de O Capital construiu o seu edifício: Eugen Böhm Bawerk, o
paladino da Escola Austríaca de Economia. E acreditem, levou mais de 20 anos para que as críticas
de Bawerk fossem corretamente refutadas por Issac(k) Rubin. Na sequência do texto desse mesmo
comentarista, me deparei com a afirmação de que uma relação social elementar é a "troca do tempo
de trabalho por um salário". Aí é a barbárie. Será que é a troca do "tempo de trabalho abstrato" por
salário? NÃÃÃO. O salário não se troca por tempo de trabalho, se troca por força de trabalho, por
uma determinação subjetiva dos indivíduos, por uma capacidade para fazer algo. O TRABALHO, o
uso dessa capacidade que se materializa no TEMPO, NÃO TEM VALOR ALGUM. Aí reside todos
os mistérios do modo de produção capitalista. Citações relevantes para o tema: TRABALHO E
CAPACIDADE DE TRABALHO SÃO COISAS MUUUITO DIFERENTES “Dizer capacidade de
trabalho não é o mesmo que dizer trabalho, assim como dizer capacidade de digestão não é o
mesmo que dizer digestão” (Capital I, Boitempo, p. 248). MERCADORIA NÃO É VALOR E USO
E VALOR DE TROCA “Quando, no começo deste capítulo, dizíamos, como quem expressa um
lugar-comum, que a mercadoria é valor de uso e valor de troca, isso estava, para ser exato, errado. A
mercadoria é valor de uso – ou objeto de uso – e ‘valor’ e não possui valor de troca quando
considerada de modo isolado, mas sempre apenas na relação de valor ou de troca com uma segunda
mercadoria de outro tipo” (Capital I, Boitempo, p. 136). TEMPO DE TRABALHO É APENAS A
MEDIDA DO VALOR ¨Os economistas clássicos jamais colocaram a seguinte questão: porque esse
conteúdo assume aquela forma, e por que, portanto, o trabalho se representa no valor e a medida do
trabalho, por meio de sua duração temporal, na grandeza de valor do produto de trabalho?” (Capital
I, Boitempo, p. 155).