Você está na página 1de 5

1.

Assinalar a alternativa que preenche corretamente as lacunas das frases adiante:

I. Enviei dois ofícios_______ Vossa Senhoria.


II. Dirigiam-se______casa das máquinas.
III. A entrada é vedada______toda pessoa estranha.
IV. A carreira______qual aspiro é almejada por muitos.
V. Esta tapeçaria é semelhante ______ nossa.
a) a - a - à - a - a
b) a - à - a - à - à
c) à - a - à - a - a
d) à - à - a - à - à
e) a - a - à - à - a

2. A frase em que o acento grave indica corretamente a ocorrência de crase é:


a) Ele deve muito aos pais, que sempre lutaram ombro à ombro para garantir-lhe um bom
tratamento médico.
b) Puseram a vítima e o acusado frente à frente, para o possível reconhecimento do agressor.
c) Acompanhou-o passo à passo durante sua estada no Brasil.
d) Quero que você fique bem à vontade para negar meu pedido, se não puder atendê-lo.
e) Ele sempre vem à pé, por isso costuma atrasar-se.

3. Aponte a alternativa que completa adequadamente as lacunas.

I - Foi ofendido, mas não conseguiu dar importância _____

II - Quando ia _____ pé à cidade mais próxima, olhava demoradamente as pessoas cara _____
cara.

III - Como não damos ouvido _____ reclamações, a polícia fica _____ distância.

IV - Pôs-se _____ falar _____ toda pessoa seus mais íntimos segredos.

V - Sei _____ quem puxaste, pois temes lançar-te _____ novas conquistas.
a) I - aquilo; II - à, à; III - à, à; IV - a, a; V - a, a
b) I - àquilo; II - a, a; III - a, à; IV - a, a; V - à, a
c) I - àquilo; II - a, a; III - a, a; IV - a, a; V - a, a
d) I - aquilo; II - à, a; III - à, a; IV - à, a; V - a, à
e) I - àquilo; II - a, à; III - a, à; IV - à, à; V - à, a

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:


- Haveis de entender, começou ele, que a virtude e o saber têm duas existências
paralelas, uma no sujeito que as possui, outra no espírito dos que O ouvem ou contemplam. Se
puserdes as mais sublimes virtudes e os mais profundos conhecimentos em um sujeito
solitário, remoto de todo contato com outros homens, é como se ELES não existissem. Os
frutos de uma laranjeira, se ninguém os gostar, valem tanto como as urzes e plantas bravias, e,
se ninguém OS vir, não valem nada; ou, por outras palavras mais enérgicas, não há espetáculo
sem espectador. Um dia, estando a cuidar nestas coisas, considerei que, para o fim de alumiar
um pouco o entendimento, tinha consumido os meus longos anos, e, aliás, nada chegaria a
valer sem a existência de outros homens que me vissem e honrassem; então cogitei se não
haveria um modo de obter o mesmo efeito, poupando tais trabalhos, e esse dia posso agora
dizer que foi o da regeneração dos homens, pois me deu a doutrina salvadora.
(Machado de Assis, O segredo do bonzo)
4. Nos segmentos do texto "o ouvem ou contemplam", "se eles não existissem" e "se ninguém
os vir", os pronomes O, ELES e OS referem-se, respectivamente, a:
a) espírito, outros homens, frutos de uma laranjeira.
b) sujeito, profundos conhecimentos, outros homens.
c) saber, frutos de uma laranjeira, virtudes e conhecimentos.
d) sujeito, virtudes e conhecimentos, frutos de uma laranjeira.
e) espírito, virtudes e conhecimentos, outros homens.

5. Assinale a alternativa que completa corretamente as três frases que se seguem.

O século ___________ vivemos tem trazido grandes transformações ao planeta.


O ministro reafirma a informação ________ o presidente se referiu em seu último
pronunciamento.
Todos lamentavam a morte do editor________ publicou obras importantes do Modernismo.
a) onde - a que - que
b) onde - a que - cujo
c) em que - que - o cujo
d) em que - a que - que
e) em que - de que - o qual

6. Assinalar a alternativa que indica a função sintática exercida pelas orações entre aspas,
nos seguintes períodos:

I. Insistiu "em que permanecesse no clube".


II. Não há dúvida "de que disse a verdade".
III. É preciso "que aprendas a ser independente".
IV. A verdade é "que não saberia viver sem ela".
a) sujeito - objeto direto - complemento nominal - predicativo do sujeito
b) predicativo do sujeito - complemento nominal - objeto direto - sujeito
c) sujeito - predicativo do sujeito - objeto indireto - complemento nominal
d) objeto indireto - complemento nominal - sujeito - predicativo do sujeito
e) complemento nominal - sujeito - predicativo do sujeito - objeto indireto

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:


Hão de chorar por ela os cinamomos,
Murchando as flores ao tombar do dia.
Dos laranjais hão de cair os pomos,
Lembrando-se daquela que os colhia.

As estrelas dirão: - "Ai! nada somos,


Pois ela se morreu, silente e fria..."
E pondo os olhos nela como pomos,
Hão de chorar a irmã que lhes sorria.

A lua, que lhe foi mãe carinhosa,


Que a viu nascer e amar, há de envolvê-la
Entre lírios e pétalas de rosa.

Os meus sonhos de amor serão defuntos...


E os arcanjos dirão no azul ao vê-la,
Pensando em mim: - "Por que não vieram juntos?"
(Alphonsus de Guimaraens)
7. "Pois ela SE morreu...". A palavra SE é:
a) pronome reflexivo
b) pronome recíproco
c) índice da indeterminação do sujeito
d) partícula apassivadora
e) partícula de espontaneidade

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:


OS DESASTRES DE SOFIA

Qualquer que tivesse sido o seu trabalho anterior, ele o abandonara, mudara de
profissão e passara pesadamente a ensinar no curso primário: era tudo o que sabíamos dele.
O professor era gordo, grande e silencioso, de ombros contraídos. Em vez de nó na
garganta, tinha ombros contraídos. Usava paletó curto demais, óculos sem aro, com um fio de
ouro encimando o nariz grosso e romano. E eu era atraída por ele. Não amor, mas atraída pelo
seu silêncio e pela controlada impaciência que ele tinha em nos ensinar e que, ofendida, eu
adivinhara. Passei a me comportar mal na sala. Falava muito alto, mexia com os colegas,
interrompia a lição com piadinhas, até que ele dizia, vermelho:
- Cale-se ou expulso a senhora da sala.
Ferida, triunfante, eu respondia em desafio: pode me mandar! Ele não mandava, senão
estaria me obedecendo. Mas eu o exasperava tanto que se tornara doloroso para mim ser
objeto do ódio daquele homem que de certo modo eu amava. Não o amava como a mulher que
eu seria um dia, amava-o como uma criança que tenta desastradamente proteger um adulto,
com a cólera de quem ainda não foi covarde e vê um homem forte de ombros tão curvos. (...)
Clarice Lispector

8. "... homem QUE de certo modo eu amava".

A palavra QUE exerce no texto a função sintática de:


a) sujeito
b) objeto direto
c) objeto indireto
d) complemento nominal
e) agente da passiva

9. Assinalar a alternativa que classifique correta e respectivamente os termos em maiúsculo


das orações a seguir:

1. "Não me refiro ÀS TORTURADAS MÃES DE FAMÍLIA".


2. "Ai do guarda que vier com essa história de multa, SÍMBOLO DO ODIOSO REINADO
MASCULINO!".
3. "... a não oferecer lugar para as mulheres nos ônibus, para não humilhá-LAS..."
4. "Falo de um estilo oriundo DAS BATALHAS FEMINISTAS".
a) objeto direto; aposto; objeto indireto; objeto indireto;
b) objeto indireto; vocativo; objeto direto; complemento nominal;
c) objeto indireto; aposto; objeto direto; adjunto adnominal;
d) adjunto adverbial; vocativo; objeto indireto; adjunto adnominal;
e) objeto indireto; aposto; objeto direto; complemento nominal.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:


A voz subterrânea
Às vezes ouvia-se um canto surdo,
que parecia vir debaixo da terra.
Até que os homens da superfície,
para desvendar o mistério,
puseram-se a fazer escavações.
Sim! eram os homens das minas,
que um desabamento ali havia aprisionado.

E ninguém suspeitava da sua existência,


porque já haviam passado três ou quatro gerações!
Mas a luz forte das lanternas não os ofuscou:
eles estavam cegos
– todos, homens, mulheres, crianças.
Eles estavam cegos... e cantavam!

QUINTANA, Mario. Baú de espantos. 1. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2014.

10. Os acontecimentos descritos por Quintana em seu texto podem ser postos em ordem
cronológica pelo leitor: “havia aprisionado” > “ouvia-se” > “puseram-se”. Sobre os tempos
verbais dessa relação, é CORRETO afirmar que
a) o pretérito imperfeito do indicativo é o evento mais recente, uma vez que descreve um
evento pontual no passado sem duração de tempo.
b) o pretérito perfeito do indicativo representa o evento intermediário, já que denota uma ação
cujo acontecimento é duradouro no passado.
c) o pretérito imperfeito do indicativo descreve a ação mais passada em relação às outras duas,
porque é o tempo verbal dos eventos contínuos.
d) o pretérito mais-que-perfeito composto do indicativo tem o mesmo valor do pretérito perfeito
do indicativo, dado que indicam simultaneidade.
e) o pretérito mais-que-perfeito composto do indicativo veicula o evento mais anterior, pois se
refere a uma ação que acontece antes das outras.

11. Analise as duas frases abaixo:

I. Os ladrões estão roubando! Prendam-nos!


II. Somos os assaltantes! Prendam-nos!

Assinale a alternativa cuja descrição gramatical dos termos sublinhados está correta.
a) Em I, “nos” é pronome pessoal oblíquo da 1ª pessoa do plural. Em II, “nos” é pronome
pessoal oblíquo da 3ª pessoa do plural.
b) Ambos são pronomes pessoais oblíquos referentes à 1ª pessoa do plural.
c) Em I, “nos” é pronome reto da 3ª pessoa do plural. Em II, “nos” é pronome reto da 1ª pessoa
do plural.
d) Em I, “nos” é pronome pessoal oblíquo da 3ª pessoa do plural. Em II, “nos” é pronome
pessoal oblíquo da 1ª pessoa do plural.
e) Ambos são pronomes pessoais retos referentes à 1ª pessoa do plural.

12. Leia as frases abaixo e faça o que se pede.

1. Ninguém falou-me assim.


2. Deus o abençoe!
3. Ele recordar-se-á com certeza de tudo o que sofreu.
4. As pastas que perderam-se não foram as mais importantes.
5. Sempre lhe dizia as mesmas palavras.
6. Me empreste o livro!
7. Por que permitir-se-iam esses abusos?

Assinale a sequência correta das frases com uso errado do pronome oblíquo.
a) 3 – 4 – 5 – 6
b) 2 – 3 – 5 – 7
c) 1 – 2 – 3 – 6
d) 1 – 4 – 6 – 7
e) 1 – 3 – 5 – 7