Você está na página 1de 7

Formas e escoramentos

Introdução
As formas e os escoramentos são peças-chave para dar ao concreto fresco forma e sustentação durante o
processo de cura. É de extrema relevância conhecermos os materiais que usamos nas construções já que são eles
que garantem solidez, qualidade e segurança a todos os tipos de edificações. Ao longo dos anos, a indústria da
construção vem passando por um processo de modernização e, com isso, as formas e os escoramentos também
necessitaram de adaptações para que pudessem atender às novas exigências. Ainda que sejam estruturas
provisórias, a estética e a propriedade dos elementos estruturais são definidas nas suas montagens. Sendo assim,
nesta aula, iremos apresentar quais materiais são utilizados para as suas confecções, seus propósitos, critérios
de montagem e desmontagem.
Ao final desta aula, você será capaz de:
• conhecer e identificar os princípios de montagem de formas, armaduras e os detalhamentos executivos
antes da concretagem.

Tipos de formas
As formas e os escoramentos são estruturas temporárias que fazem parte do processo construtivo. Enquanto as
formas são as cápsulas que envolvem a estrutura armada e moldam o concreto recém-colocado, os escoramentos
são as peças que irão sustentar e manter as fôrmas e o seu conteúdo no lugar até atingirem o tempo de cura do
concreto. Pela definição da NBR15696/2009 em seu item 3.1 as formas são consideradas: “estruturas
provisórias que servem para moldar o concreto fresco, resistindo a todas as ações provenientes das cargas
variáveis resultantes das pressões do lançamento do concreto fresco, até que o concreto se torne autoportante” e
no item 3.2 da mesma norma encontramos a definição de escoramentos que também são consideradas
estruturas provisórias “com capacidade de resistir e transmitir às bases de apoio da estrutura do escoramento
todas as ações provenientes das cargas permanentes e variáveis resultantes do lançamento do concreto fresco
sobre as fôrmas horizontais e verticais, até que o concreto se torne autoportante”.
A seguir vamos ver um pouco mais sobre as formas, vamos lá!

Formas – projeção e finalidade


Em função de atendermos as demandas construtivas atuais com eficácia devemos seguir alguns pré-requisitos
no que se refere a utilização das formas, para que todas as suas funções venham a ser alcançadas (Assahi, 2010).

-1-
Figura 1 - Formas montadas na concretagem

Fonte: Lawrence Wee / Shutterstock

•As formas devem ser elaboradas com o maior rigor e as suas dimensões e geometrias devem seguir
criteriosamente o projeto, para que venham a ter resistência aos esforços e não sofram deformações;
•Possibilitarem que a armadura, os elementos de instalação elétrica e hidráulica entre outros estejam bem
posicionados e isolados;
•Serem construídas de forma que as peças possam ser retiradas facilmente sem perturbar a estrutura
recentemente concretada. Para isso, é preferível que as escoras estejam dispostas sobre cunhas ou outro
mecanismo apropriado;
•Serem muito bem vedadas, para que não ocorra perda de material como água e cimento, sendo assim as frestas
devem ser devidamente tapadas com plástico ou outro material que estanque a perda;
• A projeção das formas deve prever que as peças possam ser utilizadas novamente;
•Os resíduos gerados previamente retirados, dentro das formas para não misturarem depois com o concreto;
•Os rebaixes e os desníveis consultados antes nas plantas e desenhos estruturais, as superfícies especificadas
devem ser de fácil obtenção.

-2-
FIQUE ATENTO
A projeção e o dimensionamento das formas devem ser seguidos criteriosamente. O resultado
final da estrutura sofrerá influência caso não sejam respeitados os cuidados na hora da
montagem e as formas.

No projeto de formas, de acordo com a NBR 15696/2009 em seu item 4.1.2.2, devem constar as seguintes
informações:

Figura 2 - Informações contidas em um projeto de forma

Fonte: Elaborado pelo autor, baseado em NBR 15696/2009.

Agora que aprendemos quais demandas a projeção das formas precisa cumprir, aprenderemos sobre sua
importância.

Importância das formas


As formas fazem parte do processo inicial de concretagem, seu desempenho acaba por influenciar outras etapas
do sistema de construção entre elas como:
•qualidade da estrutura pronta – geometria das peças estruturais, alinhamento, nível e prumo;
•prazo de entrega e execução da estrutura;
•custo da estrutura;
•custo da obra no total.
Agora que já sabemos um pouco mais sobre as fôrmas e suas finalidades, aprenderemos sobre escoramentos.
Vamos lá!

-3-
Escoramento - projeção e finalidade
As escoras sustentam as formas antes de receberem o concreto e depois com concreto até o tempo de cura deste
material. O escoramento é distribuído estrategicamente de forma que possam ser retirados quando o processo
de cura estiver quase finalizado. As escoras que ficam em pontos mais críticos do concretamento, permanecem
até estar completa o tempo total de cura.

Figura 3 - Escoramento na obra

Fonte: KorArkaR / Shutterstock

FIQUE ATENTO
Após a estrutura ser concretada e o início da cura, as escoras são retiradas e realocadas para
serem usadas em outras etapas ou para disponibilizarem espaço para outras tarefas.

No projeto de escoramentos, segundo NBR 15696/2009 no item 4.1.1.2, devem conter alguns requisitos como os
destacados abaixo.

-4-
Figura 4 - Informações contidas em um projeto de escoramento

Fonte: Elaborado pelo autor, baseado em NBR 15696/2009.

Pronto, já conhecemos os principais aspectos das formas e escoramentos, daremos sequência ao nosso estudo e
vamos descobrir quais materiais e os tipos de forma a seguir.

Armaduras: corte, dobra, montagem e colocação


Atualmente, existem alguns tipos de forma no mercado, entre elas, as mais comuns são: as formas de madeira, as
metálicas, de alumínio, as de papelão, plástica etc. e cada uma delas possui vantagens e desvantagens de
operação e uso. A NBR15696/2009 no item 5.1.1.1 e no item 5.1.1.2 diz que as madeiras usadas para confecção
de fôrmas e escoramentos devem ser:
•madeiras em bruto: “são as peças serradas ou não, cuja utilização deve ser feita de acordo com a ABNT NBR
7190”.
•madeiras industrializadas: “são peças fabricadas industrialmente, com controle de umidade, temperatura,
tolerâncias e espécies de madeira
com propriedades físicas e mecânicas conhecidas e ensaiadas.”
As escoras, normalmente, são estruturas de aço ou alumínio feitas para essa finalidade e devem seguir as
especificações das NBR 8800, ANBR 6355 e NBR 14762 para elementos de aço e ABNT NBR 14229 para
elementos de alumínio NBR 15696/2009 item 5.2.
Além da madeira, são utilizados de acordo Assaí (2010) e Do Carmo (2007) outros materiais em simultâneo para
dar suporte como plásticos para vedação, papelão, placas de madeira, chapas compensadas, aços, alumínios
todos os itens visando praticidade, durabilidade, custo e eficiência.

-5-
SAIBA MAIS
Todas as diretrizes e critérios respetivos a formas e escoramentos, desde o dimensionamento
até a desmontagem, são regidos pelas normas da associação brasileira de normas técnicas,
listadas nas referências dessa aula.

Então, aprendemos os materiais que usamos para confecção e apoio das formas, mas ainda não sabemos como
montamos e desmontamos elas, assunto que veremos a seguir.

Montagem e desmontagem de formas e escoramento


Essas etapas são fundamentais para o processo construtivo como um todo, sendo assim, a montagem e
desmontagem das formas e escoramentos devem seguir algumas precauções de modo a não comprometer a
estrutura antes e após o tempo de cura. A NBR 15696/2009 no seu item 6.3 dita alguns cuidados que devemos
ter ao montar e desmontar estas peças.
São precauções a serem adotadas na montagem e desmontagem de formas e escoramentos:
•montagem de formas e escoramentos seguindo projeto específico;
•plano da obra descrevendo método a seguir para montar e remover estruturas auxiliares com especificação de
manuseio ajuste, contra flecha intencional, desforma e remoção;
•a retirada de formas e escoramentos deve ser feita de forma a respeitar o comportamento da estrutura em
serviço, respeitando a ordem de onde foi concretado primeiro e o tempo de cura dele;
•na montagem, as escoras devem ser apoiadas em hastes reguláveis, cunhas, caixas de areia etc, para facilitar a
desmontagem das fôrmas/escoramentos e evitar impactos, sobrecargas ou outros danos a estrutura;
•caso as formas ou escoramentos sejam industriais, devem ser seguidas as instruções do fornecedor do sistema
para montar e desmontar;
•quando fontes destinados a facilitar a desmolde forem necessários, devem ser aplicados apenas na forma antes
da colocação da armadura e de maneira a não prejudicar a superfície do concreto;
•redobrar a atenção ao tempo especificado para a retirada dos escoramentos/formas, de modo a impedir a livre
movimentação de juntas por retração ou dilatação.

EXEMPLO
As escoras são usadas para dar suporte às formas, mas também podem ser usadas como
plataformas, subsidiando como alicerce de
equipamentos, como por exemplo: cilos de concreto, reservatórios de água ou outros materiais.

Agora já conhecemos todas as etapas desde a escolha dos materiais até a desmontagem e poderemos fechar o
tema sabendo mais sobre a importância das formas e dos escoramentos.

-6-
Isolamento para redes embutidas (água, esgoto,
energia elétrica)
O projeto de instalações de água, esgoto e energia elétrica é conhecido, segundo Violani (1992), por projeto de
instalações prediais. Esse conjunto de documentos reúne todos as informações e o detalhamento das posições
dessas redes. As instalações de energia elétrica e de telefonia são distribuídas por dentro de canaletas que os
protegem antes e durante a fase de concretagem. As demais instalações, como por exemplo, a de água e esgoto
após posicionados de acordo com os projetos são testadas previamente para verificação de vedação.

Fechamento
Nesta aula, você teve a oportunidade de:
• entender a finalidade de seguir as exigências construtivas de acordo com as normas;
• compreender a importância de todas as etapas de montagem e desmontagem das formas e
escoramentos;
• estabelecer as ligações entre os sistemas construtivos.

Referências
ASSAHI, P. N. Sistema de forma para estrutura de concreto. Boletim técnico. São Paulo, 2010.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Formas e escoramentos para estruturas de concreto –
projeto, dimensionamento e procedimentos executivos. NBR 15696, ABNT, 2009.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Projeto para estruturas de madeira. NBR 7190, ABNT,
2011.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Execução de desenhos para obras de concreto simples ou
armado. NBR 7191, ABNT, 1982.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Projeto de estruturas de concreto – Procedimento. NBR
6118, ABNT, 2014.
DO CARMO, E. J. Z. Formas e escoramentos. Monografia. Itatiba, 2007.
SALIM NETO, J. J, Diretrizes de projeto para melhorar a produtividade na montagem de componentes pré-
cortados e pré-dobrados de aço para estruturas de concreto armado de edifícios. Dissertação. São Paulo,
2009. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3146/tde-04112009-092418/pt-br.php>.
Acesso em:11/01/2018.
VIOLANI, M. A. F. As instalações prediais no processo construtivo de alvenaria estrutural. Londrina, 1992.
Disponível: < http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/semexatas/article/view/3197>. Acesso em: 11/01
/2018.

-7-

Você também pode gostar