Você está na página 1de 25

Desenvolvimento da dentição mista - Parte 1

Márcia de Carvalho Figueiredo


- Mestranda da FO da UFRJ (Dep. de Odontopediatria e Ortodontia)

Sandra Liliana Navarro Parra


- Mestranda da FO da UFRJ (Dep. de Odontopediatria e Ortodontia)

O período da dentição mista é aquele em que estão presentes na boca dentes decíduos e permanentes, sendo por isso, também cha mado de
período de transição. Consideramos pois, que a dentição mista tem início com a erupção dos primeiros molares permanentes, q uando,
segundo SCHWAZ, se dá o primeiro período de levantamento fisiológico da mordida; os outros dois períodos desse levantamento o correm
pela erupção dos segundos e terceiros molares consecutivamente. A dentição mista se encerra com a esfoliação dos mola res decíduos. Como
sabemos, o período de erupção da dentição mista sofre variações quanto à sua ordem, porém podemos observar que na maior parte dos
casos, as substituições dos dentes inferiores precedem ligeiramente os superiores. Uma particularidade se d á na troca dos incisivos centrais,
que com freqüência os permanentes "saem" de trás dos decíduos e se deslocam para diante sob a influência da pressão da língua . Quanto ao
processo de reabsorção radicular decídua e esfoliação, KRONFELD acredita que a erupç ão do dente permanente atua como um estímulo à
reabsorção do dente decíduo, enquanto que SHAPIRO e ROGERS mostram que a reabsorção do dente decíduo não depende da presença de
germes dos permanentes. Viram que dentes decíduos sem sucessores apresentavam rea bsorção radicular, apesar de poderem esses dentes,
permanecer por um período de tempo longo na arcada, por um processo de anquilose daquelas raízes marcadamente reabsorvidas. O
objetivo deste trabalho é conhecer a fase de transição entre a dentição decídua e permanente, suas características e desenvolvimento.
ÍNDICE GERAL

1 - INTRODUÇÃO

2 - DESENVOLVIMENTO DOS DENTES PERMANENTES

2.1 - Erupção Dentária

2.2 - Tipos de Movimentação Dentária

2.2.1 - Movimento Dentário Pré-eruptivo


2.2.2 - Movimento Dentário Eruptivo
2.2.3 - Movimento Dentário Pós-eruptivo

2.3 - Fatores que regulam e afetam a erupção

2.4 - Cronologia de Erupção dos Dentes Permanentes c

2.5 - Seqüência de Erupção

2.6 - Desenvolvimento Ectópico

2.7 - Fatores que Determinam a Posição do Dente Durante a Erupção

3 - CARACTERÍSTICAS DA DENTIÇÃO MISTA

4 - UTILIZAÇÃO DO PERÍMETRO DO ARCO

5 - CONCLUSÃO

6- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1 - INTRODUÇÃO

O período da dentição mista é aquele em que estão presentes na boca dentes decíduos e permanentes,
sendo por isso, também chamado de período de transição. Consideramos pois, que a dentição mista tem
início com a erupção dos primeiros molares permanentes, quando, segundo SCHWAZ, se dá o primeiro
período de levantamento fisiológico da mordida; os outros dois períodos desse levantamento ocorrem pela
erupção dos segundos e terceiros molares consecutivamente.

A dentição mista se encerra com a esfoliação dos molares decíduos. Como sabemos, o período de erupção
da dentição mista sofre variações quanto à sua ordem, porém podemos observar que na maior parte dos
casos, as substituições dos dentes inferiores precedem ligeiramente os superiores. Uma particularidade se dá
na troca dos incisivos centrais, que com freqüência os permanentes "saem" de trás dos decíduos e se
deslocam para diante sob a influência da pressão da língua.

Quanto ao processo de reabsorção radicular decídua e esfoliação, KRONFELD acredita que a erupção do
dente permanente atua como um estímulo à reabsorção do dente decíduo, enquanto que SHAPIRO e
ROGERS mostram que a reabsorção do dente decíduo não depende da presença de germes dos
permanentes. Viram que dentes decíduos sem sucessores apresentavam reabsorção radicular, apesar de
poderem esses dentes, permanecer por um período de tempo longo na arcada,por um processo de anquilose
daquelas raízes marcadamente reabsorvidas.

O objetivo deste trabalho é conhecer a fase de transição entre a dentição decídua e permanente, suas
características e desenvolvimento.

2 - DESENVOLVIMENTO DOS DENTES PERMANENTES

8
Antes de falarmos da erupção propriamente dita, é importante fazermos menção ao trabalho de NOLLA , que
dividiu o desenvolvimento dos dentes em 10 estágios conforme a figura 1. Os estágios importantes que
devem ser lembrados são:

U estágio 02 - calcificação inicial;


U estágio 06 - iniciação dos movimentos eruptivos; e,
U estágio 08 - época de irrupção na cavidade bucal.
R  
    


Embora a calcificação dos dentes tenha sido estudada de várias maneiras, os métodos de radiografias em
série são os mais práticos, uma vez que o clínico avalia o desenvolvimento dentário de seus pacientes a partir
de dados semelhantes.

A radiografia é comparada aos desenhos e a cada dente é dado um escore de desenvolvimento de acordo
com o desenho do qual ele mais se aproxima. Se o desenvolvimento do dente estiver entre dois estágios,
pode-se usar a média dos valores ou o maior valor.

2.1 - ERUPÇÃO DENTÁRIA

Embora a palavra "erupção" propriamente signifique rompimento de dente através da gengiva, ela é
geralmente entendida como sendo o movimento axial ou oclusal do dente, desde sua posição de
desenvolvimento até seu posicionamento funcional no plano oclusal. Entretanto, a erupção é apenas parte de
todos os movimentos fisiológicos realizados pelo dente, porquanto nos dentes ocorrem movimentações
complexas relacionadas com a manutenção de sua posição nos maxilares em crescimento e de compensação
aos desgastes mastigáveis. Os movimentos fisiológicos dos dentes são descritos como sendo constituídos
pelos seguintes:

U Movimento dentário pré-eruptivo;


U Movimento dentário eruptivo; e,
5
U Movimento dentário pós-eruptivo .

Superpostos a estes movimentos há aqueles relacionados com a substituição de toda a dentição decídua pela
permanente.

Durante a erupção dos dentes sucessores, muitas atividades ocorrem simultaneamente: o dente decíduo
reabsorve-se, a raiz do dente permanente aumenta, o processo alveolar cresce em altura e o dente
permanente movimenta-se através do osso.

Os dentes permanentes iniciam os movimentos eruptivos somente quando a coroa está completa. Passam
pela crista do processo alveolar, quando aproximadamente dois terços da raiz estão formados. (estágio 8), e
5
perfuram a margem gengival, quando cerca de três quartos da raiz estão completos (estágio 9) .

2.2 - TIPOS DE MOVIMENTAÇÃO DENTÁRIA

2.2.1 - Movimento Dentário Pré-eruptivo

Quando os germes dos dentes decíduos primeiro se diferenciam, há um amplo espaço entre eles. Entretanto,
devido ao seu rápido desenvolvimento, este espaço disponível é utilizado e os dentes em crescimento ficam
apinhados, particularmente na região dos incisivos e caninos. Este apinhamento é aliviado pelo alongamento
dos maxilares na criança proporcionando, assim, espaço para a migração distal do segundo molardecíduo e
mesialização dos dentes anteriores. Ao mesmo tempo, pelo aumento de largura dos maxilares, os germes dos
dentes movimentam-se para fora e também para cima (para baixo, no caso da maxila), com o aumento em
altura da maxila2.

Os dentes permanentes e seus precedentes decíduos, realizam complexos movimentos antes de atingirem a
posição de erupção. Por exemplo, os incisivos e caninos permanentes desenvolvem-se lingualmente aos
germes dos dentes decíduos, a nível de suas superfícies oclusais, na mesma cripta óssea. Com a erupção
dos decíduos, eles movimentam-se para uma posição mais apical, vindo ocupar suas criptas ósseas próprias.

Os pré-molares iniciam seu desenvolvimento lingualmente aos seus antecessores, ao nível de suas
superfícies oclusais e na mesma cripta óssea. Eles também migram, de tal forma que, finalmente, vêm situar-
se em suas criptas ósseas próprias, abaixo das raízes dos molares decíduos.

Os molares permanentes, que não possuem antecessores decíduos, também movimentam-se


consideravelmente de seu sítio original de diferenciação. Por exemplo, os molares permanentes superiores
que se desenvolvem na tuberosidade da maxila, inicialmente têm suas faces oclusais voltadas para distal, e
giram para sua posição somente após o desenvolvimento suficiente da maxila, que lhes fornece então o
espaço necessário. Igualmente, os molares inferiores desenvolvem-se com suas faces oclusais inclinadas
mesialmente e verticalizam-se assim que tenham espaço suficiente. Todos esses movimentos estão
relacionados com o crescimento dos maxilares e podem ser considerados movimentos de posicionamento,
preparatórios do dente em suas respectivas criptas, para a erupção2,5.

2.2.2 - Movimento Dentário Eruptivo

Durante a fase do movimento eruptivo do dente, este move-se de sua posição intra-óssea nos maxilares até
sua posição funcional em oclusão, predominando o movimento de direção axial ou oclusal. Entretanto, é
importante reconhecer que enquanto muitos dentes estão em erupção, normalmente está ocorrendo o
crescimento dos maxilares, de tal forma que os movimentos em outros planos - que não axiais- superpõem-se
2
ao movimento eruptivo .

2.2.3 - Movimento Dentário Pós-eruptivo

Os movimentos dentários pós-eruptivos são aqueles que: 1) mantém o dente erupcionado em posição,
enquanto os maxilares continuam se desenvolvendo, e 2) compensam os desgastes oclusais e proximais. O
primeiro deles, à semelhança do movimento eruptivo, é feito principalmente na direção axial, acompanhando
o aumento dos maxilares em altura. Este movimento inclui tanto o dente como seu alvéolo e cessa quando
estiver completo o crescimento dos maxilares. Os movimentos de compensação dos desgastes oclusais e
proximais continuam durante a vida toda e consistem, respectivamente, em migração axial e mesial.

A Figura 2 ilustra os estagios de erupção:


R  
 
 
   
   
 
 

2.3 - FATORES QUE REGULAM E AFETAM A ERUPÇÃO

Infelizmente, sabemos muito pouco em detalhes a respeito de alguns fatores que afetam a erupção. Tanto a
seqüência quanto a época de erupção parecem ser, em grande parte, determinadas pelos genes. Além disso,
há seqüências e épocas de erupção que são típicas para certos grupos raciais; por exemplo, os europeus e
os americanos de origem européia tendem a irromper seus dentes mais tarde que os negros e índios
11
americanos .

R  

Os distúrbios mecânicos, bem como os processos patológicos localizados, podem alterar o plano genético de
erupção. As lesões periapicais, e também a pulpotomia de um molar decíduo, aceleram a erupção do pré-
molar sucessor. Se o dente decíduo for extraído após o sucessor permanente ter iniciado os movimentos
ativos de erupção (estágio 6, ou posteriores, de NOLLA), o dente permanente irromperá precocemente. Se o
dente decíduo for extraído antes do início dos movimentos eruptivos do permanente (antes do estágio 6 de
NOLLA), é bem provável que o dente permanente atrase sua erupção, pois o processo alveolar pode voltar a
formar-se sobre o dente sucessor, tornando a erupção mais difícil e lenta.

Também pode ser observado que o apinhamento dos dentes permanentes afeta ligeiramente sua velocidade
de calcificação e de erupção.

Outros fatores locais são: dente decíduo anquilosado, fibrose gengival, hematoma de erupção, fatores estes
11,1
que atrasam a erupção dos dentes .
R 
 

U Síndrome de trissomia do 21 (Síndrome de Down) -> causa atraso na erupção dentária;

U Disostose Cleido-craniana -> desenvolvimento está sempre retardado, sendo muito comum a dentição
decídua ainda estar completa aos 15 anos de idade;

U Hipopituitarismo ->atraso na erupção dos dentes. Nos casos mais graves, os dentes decíduos não
sofrem reabsorção, podendo permanecer durante toda a vida do indivíduo. A extração dos decíduos
não é indicada pois não se pode assegurar a erupção dos permanentes;

U Hipotireoidismo-> atraso na erupção;

U Raquitismo -> atraso na erupção; e,

U Hipertireoidismo -> acelera a erupção provocando apinhamento (o indivíduo tem dentes grande em
base óssea pequena).

Influências nutricionais sobre a calcificação e a erupção são relativamente menos significantes pois os efeitos
sobre a erupção dos dentes têm sido demonstrados somente nos extremos da variação nutricional.

c
Artigo publicado no Odontologia.com.br em 23 de Julho de 2002, no endereço:
http://www.odontologia.com.br/artigos.asp?id=120

Data do acesso: 1 de Novembro de 2010

c c c

Desenvolvimento da dentição mista - Parte 2

Márcia de Carvalho Figueiredo


- Mestranda da FO da UFRJ (Dep. de Odontopediatria e Ortodontia)

Sandra Liliana Navarro Parra


- Mestranda da FO da UFRJ (Dep. de Odontopediatria e Ortodontia)

Os dentes permanentes podem ser sucessores, aqueles que substituem um antecessor decíduo (incisivos, caninos e pré-molares), ou
suplementares, os que fazem a erupção por trás (distalmente) do arco da dentição decídua (primeiro e segundo molares e, mais tarde, o
terceiro molar).
ÍNDICE GERAL

1 - INTRODUÇÃO

2 - DESENVOLVIMENTO DOS DENTES PERMANENTES


c
2.1 - Erupção Dentária

2.2 - Tipos de Movimentação Dentária

2.2.1 - Movimento Dentário Pré-eruptivo


2.2.2 - Movimento Dentário Eruptivo
2.2.3 - Movimento Dentário Pós-eruptivo

2.3 - Fatores que regulam e afetam a erupção

2.4 - Cronologia de Erupção dos Dentes Permanentes

2.5 - Seqüência de Erupção

2.6 - Desenvolvimento Ectópico

2.7 - Fatores que Determinam a Posição do Dente Durante a Erupção

3 - CARACTERÍSTICAS DA DENTIÇÃO MISTA

4 - UTILIZAÇÃO DO PERÍMETRO DO ARCO

5 - CONCLUSÃO

6- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

2.4 - Cronologia de Erupção dos Dentes Permanentes

Os dentes permanentes podem ser sucessores, aqueles que substituem um antecessor decíduo (incisivos,
caninos e pré-molares), ou suplementares, os que fazem a erupção por trás (distalmente) do arco da dentição
decídua (primeiro e segundo molares e, mais tarde, o terceiro molar). Os dentes sucessores fazem sua
erupção simultaneamente com o processo de reabsorção das raízes dos seus antecessores decíduos.

Os fatores responsáveis pela erupção dos dentes ainda não são bem compreendidos. Os fatores que têm
sido relacionados incluem: o alongamento da raiz, as forças exercidas pelos tecidos vasculares à volta e sob
a raiz, o crescimento do osso alveolar, crescimento da dentina, a constrição pulpar, o crescimento e a tração
da membrana periodontal, a pressão exercida pela ação muscular e a reabsorção da crista alveolar. Logo,
durante a erupção dos dentes sucessores, muitas atividades ocorrem simultaneamente: o dente decíduo
reabsorve, aumenta a raiz do dente permanente, o processo alveolar aumenta em altura, o dente permanente
se move através do osso. No entanto, os dentes não se movem oclusalmente até que a coroa esteja
completamente formada, e a velocidade de sua erupção não está bem correlacionada com o alongamento da
raiz. Eles passam através da crista do processo alveolar em vários e específicos estágios de formação
radicular. Os dentes posteriores levam de 2 a 5 anos para alcançar a crista alveolar depois que suas coroas
estão completas e de 12 a 20 meses para entrar em oclusão após atingirem a margem alveolar. As raízes
(5, 1)
normalmente se completam poucos meses após atingirem a oclusão .

A tabela I fornece uma padrão cronológico de erupção:

Tabela I - Cronologia da Dentição Humana


* Segundo Logan, W. and Kronfeld, R.: J. Am. Dent. Assoc., 20:379. 1933:
pouco modificado por Mc Call and Schour in Orban, 1944, 1949.

Primeira
Evidência Coroa Raiz
Dente Erupção
de Completa Completa
Clacificação

Dentição Superior Incisivo 3-4 meses in 4 meses 7½ 1 ½ anos


Decídua central útero meses

Incisivo 4 ½ meses 1 ½-2


5 meses 8 mese
lateral in útero anos

5 ¼ meses 16-20 2 ½-3


Canino 9 meses
in útero meses anos

Primeiro 5 meses in 12-16 2-2 ½


6 meses
molar útero meses anos

Segundo 10-12 20-30


6 meses 3 anos
molar meses meses

Incisivo 4 ½ meses 6½
Inferior 4 meses 1 ½ anos
central in útero meses

Incisivo 4 ½ meses 4¼ 1 ½-2


7 meses
lateral in útero meses anos

5 meses in 16-20 2 ½-3


Canino 9 meses
útero meses anos

Primeiro 5 meses in 12-16 2-2 ½


6 meses
molar útero meses anos

Segundo 10-12 20-30


6 meses 3 anos
molar meses meses

Dentição Incisivo
Superior 3-4 meses 4-5 anos 7-8 anos 10 anos
Permanente central

Incisico
10 meses 4-5 anos 8-9 anos 11 anos
lateral

11-12 13-15
Canino 4-5 meses 6-7 anos
anos anos

Primeiro
10-11 12-13
pré- 1½-1¼ anos 5-6 anos
anos anos
molar

Segundo
10-12 12-14
pré- 2-2¼ anos 6-7 anos
anos anos
molar

Primeiro 2½-3
Nascimento 6-7 anos 9-10 anos
molar anos

Segundo 12-13 14-16


2½-3 anos 7-8 anos
molar anos anos

Terceiro 12-16 17-21 18-25


7-9 anos
molar anos anos anos

Incisivo
Inferior 3-4 meses 4-5 anos 6-7 anos 9 anos
central

Incisivo
3-4 meses 4-5 anos 7-8 anos 10 anos
lateral

9-10 12-14
Canino 4-5 meses 6-7 anos
anos anos

Primeiro
10-12 12-13
pré- 1¼-2 anos 5-6 anos
anos anos
molar

Segundo
11-12 13-14
pré- 2¼-2½ anos 6-7 anos
anos anos
molar

Primeiro 2½-3
Nascimento 6-7 anos 9-10 anos
molar anos
Segundo 11-13 15-15
2½-3 anos 7-8 anos
molar anos anos

Terceiro 12-16 17-21 18-25


8-10 anos
molar anos anos anos

A época de erupção tende a ser mais precoce no negro americano e nas populações hindus e asiáticas do
que nos americanos de origem européia. Além disso, a época de irrompimento tende a ser sistematicamente
mais precoce ou tardia dentro das linhagens. Finalmente, a época está correlacionada dentro de uma
dentição, ou seja, as crianças que irrompem qualquer dente precoce ou tardiamente tendem a adquirir os
outros dentes de maneira semelhante: precoce ou tardiamente.

O importante para a avaliação da cronologia de um paciente é determinar a cronologia individual de erupção


através de tomadas radiográficas (Radiografia periapical) para avaliar o desenvolvimento radicular (Estágios
de NOLLA) (8).

Diferenças entre os Sexos

Exceto para os terceiros molares, as meninas irrompem seus dentes permanentes, em média, cinco meses
mais precocemente que os meninos. A verdadeira diferença entre os sexos na época do irrompimento
intrabucal é muito menor do que na época do aparecimento da maioria dos centros de ossificação pós-natal, e
a variabilidade da época da erupção normal é pequena quando comparada com a variabilidade normal do
desenvolvimento esquelético.

2.5 - Seqüência de Erupção

O estabelecimento de uma boa oclusão na dentição permanente depende, entre outros fatores, de uma
seqüência cronológica favorável de erupção destes dentes.

LO e MOYERS estudando a seqüência de erupção nos dentes permanentes (Figura 3), encontrou dezoito
combinações de erupções diferentes na maxila e dezessete na mandíbula.

Demonstraram que a seqüência de erupção tem correlação com a oclusão obtida. A combinação de erupção
6124537 na maxila e 6123457 na mandíbula, prova a maior incidência de relação molar normal5,1.

Fig. 3 - Seqüência favorável de erupção, a mais comum das diversas seqüências favoráveis. (5)

Na maxila a mais freqüente foi a 6124537, aparecendo em 48,72% dos casos. As demais seqüências de
erupção são demonstradas na tabela II
Tabela II - Sequência de erupção da Maxila
Seqüências Casos %

1 6124537 115 48,72

2 6124357 38 16,01

3 6124573 28 11,87

4 6123457 14 5,93

5 6124375 13 5,51

6 6125437 6 2,54

7 6124753 5 2,12

8 6124735 4 1,69

9 6125347 2 0,84

10 6123475 2 0,84

11 1624537 2 0,84

12 6123547 1 0,42

13 6125473 1 0,42

14 6123745 1 0.42

15 612745 1 0,42

16 6412537 1 0,42

17 6152437 1 0,42

18 1264357 1 0,42

236 100,00

Na mandíbula, a seqüência de erupção mais encontrada foi a 6123457, aparecendo em 45,77% dos casos. A
tabela III mostra as demais seqüências eruptivas encontradas.

Tabela III - Sequência de Erupção Mandibular

Sequências Caso %

1 6123457 108 45,77

2 6123475 44 18,64

3 6124357 20 8,47

4 6123745 14 5,93

5 6124537 14 5,93

6 6125347 6 2,54

7 6123547 6 2,54

8 6124375 5 2,12

9 6125437 4 1,69
10 6124573 3 1,27

11 6123574 3 1,2

12 162345 3 1,27

13 1263457 2 0,84

14 6125734 1 0.42

15 6127453 1 0,42

16 1624537 1 0,42

17 1264537 1 0,42

236 100,00

A seqüência menos favorável na maxila é aquela na qual o segundo molar erupciona antes que o canino ou
pré-molares. A seqüência menos favorável na mandíbula é aquela na qual o canino erupcionadepois dos pré-
molares ou quando o segundo molar erupciona antes do canino ou pré-molares. (Tab. IV)

Tabela IV - Distribuição das Maloclusões nas Diferentes Sequências de Erupção

Maxila Classificação

Classe I Classe II Classe III

0% 50% 100% 0% 50% 0% 50%

6124537 -------------------- ------- --------

6124357 --------------- ------------ -----

6124573 ---------- ------------------ ---------

6123457 ------------------- ------- ---------

6124375 ---------- ------------------- ---------

Mandíbula Classificação

Classe I Classe II Classe III

0% 50% 100% 0% 50% 0% 50%

6123457 -------------------- -------- --

6123475 --------- -- --------------

6124357 --------------- ------------- --

6123745 --------- -- --------------

6124375 ------ ------------- --------

2.6 - Desenvolvimento Ectópico


(1)
Dentes ectópicos são aqueles que se desenvolvem fora da sua posição normal .

Seqüência:

o
1 MP, CS, CI, PM,

meninas mais que meninos.

Fatores que determinam erupção ectópica:

U retenção prolongada do dente decíduo;


U perda precoce do dente decíduo;
U extra-numerário;
U traumatismo de dente decíduo (região anterior);
U diferença de tamanho entre dente permanente e dente decíduo; e,
U diferença de tamanho entre dente permanente e base óssea.

o
Fatores que interferem na erupção ectópica do 1 MP superior:

U dentes deciduos e permanentes grandes;


U comprimento do arco superior (maxila) menor que a média;
U posicionamento posterior da maxila; e;
o
U ângulo de erupção atípico do 1 MP superior.

2.7 - Fatores que Determinam a Posição do Dente Durante a Erupção

Durante a erupção, o dente passa por quatro estágios distintos de desenvolvimento. Os fatores que
(5,9,1)
determinam a posição do dente variam de acordo com o estágio de erupção :

a) Pré-eruptivo -> dente ainda dentro da cripta óssea (está formando a coroa).

- Genético; e,

- Eventualmente, traumatismo.

b) Intra-alveolar -> Já iniciou formação da raiz, o dente começa a movimentar em direção ao rebordo
até o momento em que vai perfurar o rebordo alveolar.

- presença ou ausência de dente adjacente;

- velocidade de reabsorção do dente decíduo;

- perda precoce ou retenção prolongada do decíduo;

-presença de processos patológicos (lesão periapical - reabsorção mais rápida: cisto -> bloqueio para
erupção); e,

- alterações do mecanismo de crescimento do processo alveolar.

c) Intra-bucal -> desde o momento que o dente irrompe no alvéolo para aparecer na cavidade bucal até
entrar em oclusão.

- ausência do antagonista e do adjacente;


- forças musculares de bochecha, lábios e língua (figura4);

- forças de mastigação; e,

- hábitos de chupar o dedo; ou roer unha.

d) Oclusal -> dente entrou em oclusão e é mantido assim por um sistema de forças:

- movimento V-L: lábio, bochecha, língua

- movimento M-D: perda de dentes adjacentes;

- presença ou ausência de dentes adjacentes ou antagonistas;

- equilíbrio de forças internas e externas;

- forças musculares;

- tendências de deslocamento mesial ->característica própria de cada dente não depende de forças
musculares e da mastigação, ocorre mesmo quando o dente está no estágio intra-alveolar (Figura 5);

- componente anterior de forças -> é um sistema de forças que existe devido a forças musculares, mastigação
que são transmitidas através da intercuspidação e dos pontos de contato até a linha média onde se anulam (2
forças iguais em sentidos contrários).

Fig.4 - A posição dos incisivos em relação à postura normal dos lábios e da língua. (5)
(5)
Fig. 5 - O componente anterior de força.

c
Artigo publicado no Odontologia.com.br em 23 de Julho de 2002, no endereço:
http://www.odontologia.com.br/artigos.asp?id=121

Data do acesso: 1 de Novembro de 2010

c c c

c c
Desenvolvimento da dentição mista - Parte 3

Márcia de Carvalho Figueiredo


- Mestranda da FO da UFRJ (Dep. de Odontopediatria e Ortodontia)

Sandra Liliana Navarro Parra


- Mestranda da FO da UFRJ (Dep. de Odontopediatria e Ortodontia)

Neste artigo estudaremos o desenvolvimento dos dentes permanentes, as características da dentição mista, e utilização do perí metro do arco.
ÍNDICE GERAL

1 - INTRODUÇÃO

2 - DESENVOLVIMENTO DOS DENTES PERMANENTES

2.1 - Erupção Dentária

2.2 - Tipos de Movimentação Dentária

2.2.1 - Movimento Dentário Pré-eruptivo


2.2.2 - Movimento Dentário Eruptivo
2.2.3 - Movimento Dentário Pós-eruptivo

2.3 - Fatores que regulam e afetam a erupção

2.4 - Cronologia de Erupção dos Dentes Permanentes

2.5 - Seqüência de Erupção

c
2.6 - Desenvolvimento Ectópico

2.7 - Fatores que Determinam a Posição do Dente Durante a Erupção

3 - CARACTERÍSTICAS DA DENTIÇÃO MISTA

4 - UTILIZAÇÃO DO PERÍMETRO DO ARCO

5 - CONCLUSÃO

6- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

3 - CARACTERÍSTICAS DA DENTIÇÃO MISTA

  

Durante o desenvolvimento das dentições decídua e permanente, ocorrem mudanças significantes na


inclinação axial dos dentes anteriores e posteriores.

Na dentição decídua, os incisivos superiores e inferiores estão verticalizados em relação ao seu plano oclusal
e com a face. Os incisivos permanentes iniciam sua irrupção, e suas coroas, tanto dos superiores quanto dos
inferiores, estão posicionadas à frente em relação aos incisivos decíduos. Durante este estágio de transição, a
criança pode ter a aparência de coelho dentuço, a qual é normal para algumas crianças; portanto a protrusão
dos incisivos nesta fase nem sempre significa desenvolvimento de maloclusão. Durante a dentição mista e
permanente várias mudanças ocorrem na posição dos incisivos, o que faz com que fiquem menos protruídos
em relação às suas bases ósseas, em parte como resultado do desenvolvimento da maxila e mandíbula e do
processo alveolar. Os incisivos superiores conservam um pouco da inclinação axial para vestibular, enquanto
(1)
os incisivos inferiores tendem a se verticalizar durante o processo de desenvolvimento .

As mudanças ocorrem não apenas na inclinação axial lábio-lingual dos incisivos, mas também as inclinações
axiais mésio-distais são modificadas. Os incisivos permanentes na época de sua irrupção têm as raízes com
tendência a convergir para a linha média. A aparência da dentição nesta época é caracterizada pela protrusão
dos incisivos, possível "overjet", convergência das raízes, espaçamento anterior no arco superior e incisivos
laterais inferiores em alguns casos irrompendo em posição lingual em relação aos incisivos centrais inferiores,
ficando bem caracterizado como ±fase do patinho feio±. Este estágio não significa desenvolvimento de má
oclusão. Com o crescimento e desenvolvimento, as inclinações mésio-distais e lábio-linguais modificam e as
(2)
raízes tendem a divergir .

Caracteristicamente, os molares decíduos estão posicionados verticalmente em suas bases ósseas. O


primeiro molar permanente inferior, antes da irrupção na cavidade oral, tem uma inclinação axial mésio-
angular, dando a impressão de estar impactado. Durante o crescimento mandibular, ocorre um aumento
favorável na porção posterior, possibilitando uma ligeira verticalização e espaço suficiente para a erupção dos
molares. Essas mudanças também ocorrem para os segundos e terceiros molares inferiores.

A irrupção para baixo e para trás é característica dos molares permanentes superiores, não só pela
localização (túber da maxila), mas também pela posição de formação do germe dentário. Neste caso também
o crescimento é favorável à erupção. Assim os molares superiores originalmente com inclinação axial disto-
angular, apresentam menos impactação do que nos casos de molares inferiores.

As mudanças na inclinação axial de ambos o molares superiores e inferiores são associadas com um
aumento natural no comprimento do arco posteriormente. Se isto não ocorre, inclinações axiais devem manter
por si mesmas um nível imaturo. Entretanto, se ocorre um aumento suficiente no comprimento do arco, é de
se esperar que os molares verticalizem. O comprimento do arco é aumentado posteriormente por diferentes
mecanismos na maxila e na mandíbula. Na mandíbula, espaço adicional para os molares é produzido pelo
crescimento posterior da borda posterior do corpo e do ramo da mandíbula, e reabsorção na porção anterior
do ramo. Como o corpo da mandíbula aumenta em comprimento, mais espaço é criado posteriormente para
irrupção dos posteriores para cima e para trás. Na maxila, comprimento adicional posterior é produzido pela
progressão para baixo e para frente de todos os dentes do arco superior assim como do crescimento da
tuberosidade. Desta forma, espaço adicional se faz disponível de modo que os molares superiores podem
mover-se para baixo e para frente. A inclinação axial normal observada durante a irrupção dos molares é
deste modo dependente em grande extensão do tipo e direção do crescimento ósseo que é antecipado. O
crescimento favorável pode criar espaço suficiente para a irrupção apropriada dos molares.

Como inicialmente os dentes decíduos apresentam-se verticalizados em suas bases ósseas, as curvas de
Spee e Wilson não se fazem presentes. Só quando se inicia a erupção dos dentes permanentes é que elas
começam a se formar, estando totalmente delineadas quando os dentes permanentes atingem a linha de
(9, 10)
oclusão .

R

Com a erupção dos primeiros molares permanentes, tem início a curva de Spee. A instalação da curva de
Spee é determinada pela maior inclinação axial para mesial do primeiro molar permanente. Ela representa,
realmente, o alinhamento da superfície oclusal dos dentes posteriores de acordo com suas posições
individuais nos arcos. A disposição geral das superfícies oclusais ficará de fato relacionada com o plano de
oclusão de acordo com uma orientação mais ou menos curvada.

Essa curva vai sendo definida pela substituição dos dentes decíduos pelos permanentes até a sua definição
completa, quando teremos toda a dentição permanente ao erupcionar os segundos molares.

Na dentição permanente completa ela será definida como a curva formada por uma linha que inicia na borda
(1, 5)
cortante dos incisivos inferiores e termina na última cúspide distovestibular do último molar inferior .

R 

A curva de Wilson também se evidencia na época da dentição mista, porque o longo eixo dos dentes
permanentes inferiores apresenta uma inclinação para lingual maior que a dos decíduos e, os superiores, uma
maior inclinação vestibular, numa vista ântero-posterior.

Ela se define como sendo uma curva médio-lateral que contata os pontos das cúspides vestibulares e linguais
de cada lado do arco. Ela resulta da inclinação dos dentes inferiores posteriores para dentro, o que torna as
cúspides linguais mais baixas que as cúspides vestibulares no arco mandibular; as cúspides vestibulares são
mais altas que as linguais no arco superior devido à inclinação dos dentes posteriores para fora(9).

R  !R

Outro período característico da dentição mista é a fase do "patinho feio" de BROADBENT (Figura 6).

Nesta época, os incisivos superiores se apresentam com uma vestíbulo-versão maior, divergência do longo
eixo de apical para incisal, sobremordida exagerada e diastemas. Esta fase tem início aproximadamente aos
8 anos e tende a desaparecer por volta dos 12 anos. É uma fase fisiológica que posteriormente, na época de
erupção dos dentes posteriores e caninos permanentes, tende a desaparecer.

Assim, com a erupção dos caninos permanentes, serão corrigidas a inclinação distal exagerada e os
diastemas, e com a erupção dos demais dentes posteriores haverá a correção da sobremordida exagerada e
da inclinação labial.

É lícito lembrar que nesta fase o clínico não deve colocar aparelhos redutores de diastemas. No entanto,
algumas vezes a vestíbulo-versão e os diastemas podem ser determinados por outros fatores. Assim, é
necessário que o profissional faça uma distinção entre a fase fisiológica do "patinho feio" e uma anomalia.
(3, 2, 4)
Neste caso, o dentista, após acurada observação, intervirá de maneira correta .

(6)
Fig. 6 - Fase do ±Patinho Feio±.

" #

Muitas vezes durante a irrupção dos incisivos superiores e inferiores, um "overjet" acentuado pode ser
observado. Se a criança tem uma intercuspidação normal dos dentes posteriores, inclusive caninos, há uma
boa chance que algum ou todo esse "overjet" possa ser auto-corrigido. Existe um grande número de fatores
4
que podem eliminar uma quantidade moderada de "overjet" quando a criança continua a maturação .

Se os dentes anteriores superiores irrompem numa posição protrusiva, pressões musculares podem atuar
para fazê-los retornar a uma posição mais normal e assim reduzir o "overjet". Se os lábios são curtos os
hipotônicos, entretanto, a tendência pode ser o oposto, desde que o lábio inferior possa se posicionar por trás
dos incisivos superiores e exercer pressão para labial, aumentando a quantidade de "overjet".

Algum "overjet" no período de dentição mista precoce pode ser associado com hábitos assim como sucção
digital ou problemas funcionais como deglutição atípica. Muitas crianças tendem a crescer de modo a não
necessitarem de terapia com aparelhos. Se esses fatores etiológicos são removidos, o "overjet" pode se auto-
corrigir. Deve ser enfatizado que esses "overjets" que se auto-corrigem são aqueles que estão associados
com problemas na erupção, hábitos ou musculatura anormal e não aqueles que são sintomasde uma Classe
II, divisão I.

O ±overbite± pode ser classificado da seguinte forma:

Suave: quando a borda incisal dos incisivos centrais inferiores toca o terço incisal dos incisivos centrais
superiores;

Médio: quando os incisivos inferiores tocam o terço médio da coroa dos incisivos superiores; e,

Severo: quando os incisivos centrais inferiores tocam o cíngulo dos incisivos superiores ou na gengiva.

Há uma tendência do "overbite" modificar-se da dentição decídua para a mista, e reduzir-se na permanente.

Ele também está relacionado com a seqüência de erupção dos caninos e pré-molares, e desenvolve-se
3
independentemente do mecanismo de ajuste molar .

O "overbite" e o "overjet" (Figura7) sofrem consideráveis mudanças durante a dentição decídua e mista.
Durante a dentição decídua, o "overbite" em geral é menor e o "overjet" é quase sempre reduzido a zero.

Há um ciclo definido para o grau de "overbite", sofrendo um aumento dos 9 anos aos 12 anos de idade. Aos
17 anos haverá uma diminuição desta. No início da dentição mista, o "overbite" apresenta-se exagerado. Com
a erupção dos dentes posteriores haverá uma aumento da dimensão vertical. Com isso, o "overbite" e
também o "overjet" diminuirão, apresentando na dentição permanente completa as suas características
normais.

O "overbite" está correlacionado com certo número de dimensões faciais verticais (por exemplo, altura do
ramo da mandíbula), considerando que o "overjet" normalmente é um reflexo da relação esquelética ântero-
posterior.

(5)
O "overbite" e o "overjet" são sensíveis às funções anormais do lábio e da língua .

(5)
Fig. 7 - Sobremordida e Sobressaliência.

 $ % $ 

O remodelamento da ATM é mais significativo aos 6 anos de idade quando se dá início à dentição mista.
Ocorre durante os movimentos mandibulares, tais como: mastigação, fonação e deglutição.

À medida que a criança cresce, a profundidade da fossa aumenta. Os dentes permanentes são mais
importantes como um estímulo para modificar a anatomia do côndilo, fossa e tubérculo articular, quando
comparados com a dentição decídua. Os sulcos, fossas e cúspides dos dentes permanentes são a
"contraparte" da cavidade glenóide-côndilo-tubérculo articular. A eminência articular bem desenvolvida tem
como função principal a desoclusão dos dentes, especialmente no lado de equilíbrio e na posição protrusiva,
assim como servir de "stop" anterior para todos os movimentos mandibulares.

Nos indivíduos jovens, o disco articular é composto de tecido fibroso denso hialino, avascular e sem inervação
na região central. Macroscopicamente as fibras colágenas aparecem retas e bem agrupadas, formando uma
malha bem fina, porém densa. Os fibroblastos que estão presentes no disco são alongados. Com o avanço da
idade, algumas células fibroblásticas se diferenciam em condrócitos (células hialinas), e podem ser
(9)
observadas em pouco número no disco. Aparentemente, não têm função definida .

  

Ao nascimento, quando os abaulamentos gengivais estão em contato, o arco inferior é posterior ao superior,
embora essa diferença se reduza progressivamente até os 21 meses. Tentativas para registrar um típico
"relacionamento oclusal" ou "cêntrico" têm sido, até agora, infrutíferas. Com a erupção dos primeiros molares
decíduos, estabelece-se a primeira relação oclusal tridimensional.

Os dentes decíduos posteriores ocluem, de modo que um canino inferior articula à frente do canino superior
correspondente. A cúspide mesiolingual dos molares superiores oclui na fossa central dos molares inferiores,
e os incisivos estão verticais, com o mínimo de sobremordida e sobressaliência. O segundo molar decíduo
inferior é em geral um pouco mais largo mesiodistalmente que o superior, dando origem a um plano terminal
reto, típico do final da dentição decídua - um ponto de considerável significação clinica. As cavidades
interproximais, os hábitos de sucção ou um padrão esquelético podem produzir um "degrau", em vez de um
plano terminal reto.

Quando o plano terminal é reto até a erupção dos primeiros molares permanentes, estes são guiados para
uma relação inicial de topo-a-topo considerada "normal" para os homens.

     &

Os dados a serem analisados são: comprimento de arco, largura de arco e circunferência de arco, tendo
como referência a idade dental, isto é, os vários estágios na erupção dos dentes permanentes.

A largura da dentição não muda na idade de 4 a 6 anos, mas o comprimento diminui sensivelmente com o
fechamento dos espaços intermolares (Figura 8). Entretanto, a largura aumenta mais ou menos 3 mm com a
erupção dos incisivos superiores e inferiores. O comprimento do arco também aumenta devido a grande
inclinação labial dos dentes anteriores.

Em média, os incisivos superiores permanentes, são mais largos 7,4 mm que os incisivos decíduos, mas
existe bastante espaço para esta acomodação devido às mudanças no tamanho do arco e nos espaços
interdentais entre incisivos decíduos.

Na mandíbula, a média é de 5,1 mm (os permanentes mais largos). Inicialmente ocorre um apinhamento em
média de 1,6 mm quando os incisivos laterais irrompem (nesta época há um aumento na largura do arco).

Durante a segunda fase do desenvolvimento dental, aparecem espaços na região posterior (devido ao espaço
livre de NANCE), servindo para alinhar os caninos. Os espaços livres de NANCE é em média de 3,4 mm na
mandíbula e de 1,8 mm na maxila. Aqui na neutroclusão molar é conseguida pela mesialização maior dos
molares inferiores do que dos molares superiores (quando a situação anterior é de topo-a-topo).

Como o espaço livre de NANCE é utilizado depende (7):


U da seqüência de perdas e erupção dos dentes permanentes posteriores e inferiores e da oclusão dos
molares; e,

U se os molares permanentes já estão intercuspidados, sua mesialização pode ser mínima, na hora em
que um dos segundos molares decíduos superior ou inferior tenha sido esfoliado.

As maiores mudanças na distância inter-canina ocorrem do nascimento aos 2 anos de idade. Dos 2 aos 6
anos não ocorrem mudanças significativas em ambos os arcos. Um novo aumento ocorre dos 6 aos 9 anos
(aproximadamente 0,8 mm por ano), sendo este maior na maxila que na mandíbula. Essas mudanças
ocorrem inicialmente durante a erupção dos incisivos centrais e laterais, ocorrendo também algum incremento
com a erupção dos caninos. A partir daí não há evidência de mudança significativa.

A distância intermolar, dos 3 anos aos 19 anos de idade, diminui em média 1,5 mm ma maxila e 2,0 mm ma
mandíbula. A maxila mostra um período de aumento dos 6 aos 10 anos e de diminuição dos 12 aos 17 anos;
daí em diante não ocorrem mudanças significativas. Já que na mandíbula as mudanças significativas ocorrem
entre os 10 e 17 anos, quando se observa uma diminuição desta distância.

As mudanças no comprimento e largura do arco afetam a circunferência do arco. Entre as idades de 5 a 18


anos, o arco maxilar aumenta em média 1,3 mm para os homens e 0,5 mm para as mulheres, enquanto na
mandíbula diminui 3,4 mm para os homens e 4,5 mm para as mulheres.

As variações individuais são explicadas pelas diferenças nos espaços interdentais, pelas mudanças na
largura e comprimento do arco, pelos diâmetros mésio-distais dos decíduos e permanentes, pela diferença do
(7)
espaço livre de NANCE e pela seqüência de perda e erupção dos dentes permanentes superiores. Na
análise final, estas variáveis constituem os determinantes do alinhamento dental durante o desenvolvimento
dental.

A forma e o tamanho dos arcos dentários são determinados inicialmente pelo esqueleto cartilaginoso da
maxila e mandíbula fetais. Porém, durante o crescimento ocorrem modificações nos arcos dentários, no qual
discutiremos essas alterações separadamente.

(9)
Fig. 8 - Alterações nas dimensões do arco

L: comprimento
C: perímetro

'

(5)
As mudanças de largura no arco dentário, tem três fatores importantes :

a) O aumento da largura dimensional envolve o crescimento do processo alveolar quase totalmente, desde
que exista um pequeno aumento da largura esquelética a esta época (nenhuma na mandíbula) e isso pouco
contribui pra que o arco dentário mude.

b) Existem diferenças significantes e clinicamente importantes na magnitude e maneira das mudanças na


largura da maxila e da mandíbula. Os aumentos da largura do arco dentário correlacionam-se muito bem com
o crescimento vertical do processo alveolar cuja direção é diferente nos arcos superiores e inferiores. Os
processo alveolares superiores divergem, enquanto os processos alveolares inferiores são mais paralelos.
Como resultado direto, os aumentos da largura superior são muito maiores.

c) Os aumentos da largura do arco dentário estão mais intimamente relacionados com os acontecimentos do
desenvolvimento dentário e menos com os acontecimentos endocrinologicamente intermediados do
crescimento esquelético total, tais como o impulso no crescimento do adolescente.

'   

A largura intercaninos aumenta ligeiramente na mandíbula (Figura 9)e parte deste aumento se deve ao
movimento distal dos caninos decíduos para o espaço primata. Nota-se que na mandíbula o único aumento
significativo na largura intercaninos ocorre durante a erupção dos incisivos, quando os caninos decíduos são
movidos distalmente para os espaços primatas.

(5)
Fig. 9 - Mudanças da largura bicanina inferior.

Na maxila, como os processos alveolares divergem, formando as paredes palatinas, os aumentos da largura
tendem a ser regulados com os períodos de crescimento alveolar vertical, isto é, durante a erupção ativa dos
dentes. Os caninos permanentes superiores estão dispostos mais distalmente no arco que os decíduos e
irrompem mesial e labialmente, por isso ocorre um alargamento e mudanças no formato do arco dentário
superior.

' () 

Os aumentos da largura mandibular na região de pré-molares ocorrem porque as coroas dos pré-molares
estão dispostas bucalmente mais adiante que os centros das coroas dos molares decíduos.

A largura entre os primeiros pré-molares superiores aumenta significativamente mais que as dos inferiores,
especialmente nos homens.

' $ 

Os aumentos da largura entre os primeiros molares permanentes superiores são significantemente maiores
que a largura intermolar na mandíbula. Embora o crescimento do processo alveolar seja quase vertical na
mandíbula, as coroas dos primeiros molares irrompem inclinadas um pouco lingualmente, e não se
verticalizam até á época da erupção dos segundos molares. A medida que verticalizam, causam um aumento
na largura bimolar, porém, isto não é, naturalmente, um aumento no diâmetro da própria mandíbula. Além
disso, ambos os primeiros molares se movimentam para frente na época do deslocamento mesial tardio, para
assegurar qualquer espaço disponível remanescente, e assim assumem um diâmetro mais estreito ao longo
do arco dentário convergente.

%*    ' $ $ +" 

O único mecanismo pós-natal para o aumento da largura do osso basal da mandíbula, é a deposição nas
bordas laterais do corpo mandibular. Tal deposição ocorre, porém, apenas em pequenas quantidades, e
oferece pouca ajuda para o clínico que deseja aumentar o arco dentário inferior.
A maxila, em contraste marcante, aumenta com o crescimento vertical devido, simplesmente à divergência
dos processos alveolares; portanto, observa-se um aumento maior na largura e algo mais pode ser
conseguido durante o tratamento. Além disso, a sutura mediana pode ser reaberta, por meio da "disjunção
(5)
palatina", para adquirir quantidades surpreendentemente grandes de efetivo alargamento da maxila .

 * 

O comprimento do arco dentário é medido na linha média, a partir do ponto médio entre os incisivos centrais
para uma tangente que toca as superfícies distais dos segundos molares decíduos ou dos segundos pré-
molares.

Ainda que seja medido e mencionado com freqüência, não possui a importância clínica da circunferência, e
quaisquer mudanças no comprimento do arco não são mais que do que reflexos evidentes de mudanças do
perímetro. Às vezes, a metade da circunferência é considerada como "o comprimento do arco"(5).

  *, + 

O perímetro do arco dentário é medido a partir da superfície distal do segundo molar decíduo (ou superfície
mesial do primeiro molar permanente) ao redor do contorno do arco sobre os pontos de contato e bordas
incisais, em uma curva suave à superfície distal do segundo molar decíduo (ou primeiro molar permanente) do
(5).
lado oposto

(2)
FISK e MOORREES verificaram uma redução média na circunferência do arco inferior, durante a dentição
transitória, de aproximadamente 5 mm.

Esta grande diminuição se deve:

1) ao deslocamento mesial tardio dos primeiros molares permanentes à medida que o espaço disponível é
preenchido;

2) à tendência de deslocamento mesial dos dentes posteriores durante toda a vida;

3) às pequenas quantidades de desgaste interproximal dos dentes e

4) aos posicionamento lingual dos incisivos, devido ao crescimento diferencial maxilomandibular, e

5) posição inclinada original dos incisivos e molares.

O último ponto é uma reflexão do padrão esquelético, a falta de inclinação de plano oclusal e o crescimento
alveolar vertical, que, em alguns casos - quando os incisivos estão lingualmente inclinados e os molares estão
mesialmente inclinados - diminui seguramente o perímetro disponível do arco.

Quando os incisivos inferiores se inclinam para labial, o perímetro do arco inferior pode aumentar alguns
milímetros.

O perímetro do arco superior, ao contrário, aumenta ligeiramente, embora tenha quase a mesma possibilidade
de aumentar ou diminuir. A grande diferença na angulação dos incisivos permanentes superiores, comparada
com a dos decíduos, e nos grandes aumentos em largura, provavelmente respondem pela tendência de
preservar a circunferência no maxilar superior, embora os molares permanentes se desemboquem
mesialmente.

HUNTER e SMITH observaram que as crianças com arcos apinhados no início da dentição mista mostravam
menor perda do perímetro do arco ao tempo da dentição permanente completa e um apinhamento mais
(9)
contínuo .
4 - UTILIZAÇÃO DO PERÍMETRO DO ARCO

Conceitos errados com relação às mudanças normais e a utilização do perímetro do arco dentário
provavelmente causam mais fracassos clínicos na terapia da dentição mista do que qualquer outro fator.

A seguir nos concentraremos na mandíbula, pois ela é sem dúvida bem mais crítica clinicamente do que a
maxila.

(5)
Existem três aplicações para o perímetro do arco :

a) Alinhamento dos incisivos permanentes: eles irrompem tipicamente apinhados;

b) Espaço para caninos e pré-molares; e;

c) Ajuste de oclusão dos molares: os primeiros molares permanentes que erupcionam tipicamente topo-a-
topo, devem transformar-se numa relação de Classe I, se desejamos conseguir uma oclusão normal.

À medida que os incisivos permanentes, que são maiores, erupcionam eles encontram espaço no arco
porque:

U 1) a largura do arco aumenta ligeiramente;

2) havia algum espaço interdental na dentição decídua;

3) os incisivos permanentes se inclinam algo labialmente, e

4) os caninos decíduos são deslocados distalmente.

Ainda há um ligeiro apinhamento, o qual geralmente não melhora até que os caninos decíduos sejam
perdidos. Quando então os incisivos se alinham, eles o fazem à custa do espaço posterior disponível para a
erupção do pré-molar e do canino e do ajuste do molar. O canino e os pré-molares erupcionam no espaço
disponível posterior, normalmente excessivo. Se o ajuste molar for obtido por meios dentários, deve restar
algum espaço posterior após a erupção dos caninos e pré-molares, para que possa ocorrer um deslocamento
mesial tardio do primeiro molar permanente.

Todos concordam que o perímetro do arco inferior diminui durante a dentição mista, porém as opiniões
divergem no que diz respeito onde, como e quando ocorrem esta diminuição. Por exemplo, BAUME, sugeriu
que o espaço primata e outros espaços interdentários, são fechados de trás para frente com a erupção dos
primeiros molares permanentes, ao passo que CLINCH e MAHER informaram que o espaço primata é
fechado de frente para trás com a erupção dos incisivos laterais, que força o canino decíduo distalmente. Na
primeira teoria (deslocamento mesial precoce de BAUME) diz-se que o perímetro diminui para fechar o
espaço primata; na outra, o espaço primata se fecha sem perda da circunferência.

O espaço disponível é a diferença em tamanho entre os dentes decíduos e seus sucessores permanentes. Na
parte anterior, este é um valor negativo, mesmo se incluirmos os diastemas entre os incisivos decíduos. Na
parte posterior o espaço disponível é positivo, pois o diâmetro total dos III + IV + V excedem o diâmetro total
dos 3 + 4 + 5. Portanto o espaço disponível ou LEE WAY SPACE (Figura 10) é a mais importante
consideração clínica e sua utilização é fator chave na dentição mista.

Na maxila ocorrem ajustes de acomodação similares durante a dentadura mista, embora o assunto seja
menos crítico, pois os incisivos superiores podem alterar sua inclinação para aliviar a falta de espaço na
região anterior do arco e os molares podem ser movidos ortodonticamente em direção distal para reduzir a
falta de espaço posterior. Além disso, o perímetro superior não mostra essa tendência para diminuir como o
inferior.
Fig. 10

A. Os dois segundos molares decíduos em oclusão. Observe que, embora haja uma relação molar de Classe
I das superfícies mesiais (esquerda), há um plano terminal reto na superfície distal.

B. Relações no tamanho dos dentes decíduos e permanentes no segmento lateral do arco dentário. O espaço
disponível médio do inferior é maior que no arco superior. Esta grande diferença no espaço disponível entre
os dois arcos é um fator que em alguns casos, permite o deslocamento mesial tardio do primeiro molar
permanente inferior. Observe que as figuras mostram os valores médios. Quanto se espera um problema de
desenvolvimento entre tamanho dentário e espaço do arco durante a dentadura mista, é importante estimar a
relação atual do tamanho dentário-espaço para aquela boca em particular. Os valores médios são
importantes, porém não fornecerão diagnóstico para um caso em particular(5).

5 - CONCLUSÃO

O conceito de oclusão normal é usualmente baseado no arranjo dos dentes na idade adulta. Entretanto, o
desenvolvimento da oclusão na criança pode desviar de maneira significante do conceito de oclusão normal
no adulto.

A oclusão normal na idade precoce pode variar marcadamente da oclusão normal na idade adulta; há algum
tempo os dentistas confundiam um estágio do desenvolvimento normal com uma maloclusão.

Para diferenciar o desenvolvimento de uma maloclusão do desenvolvimento de uma oclusão normal, é


necessário avaliar várias mudanças que ocorrem na inclinação axial, forma e dimensão do arco,
intercuspidação, sobremordida e sobressaliência, etc., durante o processo de maturação.

Variações maiores do padrão normal de oclusão adulta podem ser ou não indicativas de uma maloclusão;
assim algumas dessas variações maiores são típicas de crianças que eventualmente desenvolvem uma
oclusão normal.

6 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1 - ARAÚJO, M. C. M. -


    
!
 " 

#
 3a edição, São Paulo, Editora
Santos, 1976.

2 - COENRAZ, F. A., MOORREES, et al - Availble space for the incisoros during dental development. Boston,
Massachusetts. 4"$
%
., 35:12-22, 1965.

3 - HERBERT, R., FOSTER, et al - 4"$


%
., 44:464-76, 1958.

4- LEWIS, ARTHUR, B., et al - The relationship between tooth formation and other maturational factor. 4"$

%
., 30:70-77, 1960.

a
5 - MOYERS, Robert E. -


 . 4 ed., Editora Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 1991.
6 - NAKATA, M. -

&      'ishiyaku. Euro. American, Inc., 1978.

7 - NANCE, Hays N. - Diagnosis and treatment in the permanent dentition. 4"$


%
., 33:253-300, 1947.

8 - NOLLA, C. M. - The Development of the permanent teeth. $(%  ., 211:1263-1264, 1960.

9 - PROFFIT, Willian R. -


 
"
) . 2a ed., Editora Guanabara Koogan, 1995.

10 - SALZMANN, J. A. -
%

   '   Philadelphia, J. P. B. Lippincotp Co., 1974.

11- VADERLINDEN, S. P. G. -


  Desenvolvimento da Dentição. Editora Qiuntessense.

c
Artigo publicado no Odontologia.com.br em 23 de Julho de 2002, no endereço:
http://www.odontologia.com.br/artigos.asp?id=122

Data do acesso: 1 de Novembro de 2010

c c c