Você está na página 1de 27

SINAIS

DOS
TEMPOS

PARTE II

RAYOM RA

[DIREITOS RESERVADOS]

[Todas as obras de Rayom Ra poderão ser reproduzidas em trechos ou


integralmente desde que citadas a autoria e a fonte de onde foram pesquisadas]
ACONTECIMENTOS

QUE

TRANSFORMAM

A TERRA!
(O JUÍZO FINAL)
São muitas as mensagens que nos chegam através de guias da
humanidade, nos seus papéis de transmissores dos alertas e cuidados ao
término de um ciclo e início de uma nova era. Religiosos e pesquisadores das
ciências ocultas se acostumaram com as profecias acerca do Juízo Final. Os
evangelhos tornaram-se a principal referência sobre tais profecias e a par do
que Jesus ditou, outros videntes, com o correr dos séculos, viriam confirmar as
revelações ainda que sob véus. Nos dias de hoje, no entanto, não mais existe a
necessidade de velar os acontecimentos, pois não há dúvida alguma para
muitos milhões de que as predições do passado se cumprem no presente e
fatos inesperados vão surgindo e se integrando nos cenários do planeta. As
mensagens são diretas, em linguagem moderna ao que objetivam, sem
quaisquer teores simbológicos.

Os veículos de comunicação são os mesmos para todos os povos e


nações; portanto, não há como tratar o assunto à sombra dos
segregacionismos de grupos ortodoxos esotéricos, segmentos religiosos
dogmáticos e outros: o fórum é universal apesar de as forças malignas, nas
suas diversas facções, tentarem impedir que as verdades venham à tona. Os
intensos esforços dos obreiros são no sentido de que todos na face da Terra
tenham acessos às mensagens e decidam por suas próprias consciências de
que lado permanecerão. Na verdade, como dissemos na primeira parte desse
trabalho, já está feita a separação entre aqueles que irão vivenciar uma nova
era no planeta e os que daqui partirão, embora haja ainda um percentual
menor de indecisos para mudar de lado se assim desejar.

A vinda de Cristo abriu os Portais à Era de Peixes que traria as energias


para um trabalho de apuramento mundial e resultaria numa queima coletiva de
carma e preparação para a chegada de pelo menos 1/3 da humanidade aos
umbrais das iniciações. Em linha com esse planejamento sob os auspícios de
Cristo, houve em todos os países seguidas situações em que obreiros nas
diversas áreas das atividades humanas reencarnariam com o escopo principal
de alavancar novos ideais e mudar pensamentos e sistemas estratificados. Os
momentos de mudanças nunca são aleatórios, pois obedecem a uma
cronologia adrede elaborada, relacionada às efemérides cósmicas de
conjunções astrológicas propícias. Nada nesse teor acontece simplesmente por
esforços individuais, uma vez que todas as ações para as finalidades
colimadas são mantidas e supervisionadas pelos escalões da Hierarquia
Planetária.

Como postos avançados da Hierarquia, no segundo milênio, os obreiros


provocariam muitas outras e principais mudanças nas mentalidades das raças
quer estimulando novas perspectivas ao pensamento - que em diversos casos
redundariam em revoluções e guerras - quer puxando do fundo e expondo
abertamente as diferentes linhas dos carmas humanos e suas misérias. Como
resultado, grassaram sementes nos pensamentos dos oprimidos brotando em
fortes ideais, e sob as vontades de líderes as estruturas seculares não cabíveis
nem compatíveis com as perspectivas evolucionárias de um novo tempo, foram
sendo removidas. O enfraquecimento do despotismo religioso, a Revolução
Científica, O Renascimento, O Humanismo, A Revolução Americana com os
ideais da democracia postos em práticas na América do Norte, A Revolução
Francesa, A Revolução Industrial, o Espiritismo coordenado e codificado por
Allan Kardec, uma sociologia aprofundada nos direitos das classes, criações de
partidos populares e sindicatos, são alguns dos exemplos modernos
acontecidos no segundo milênio pós Cristo, que trouxeram rumos e horizontes
mais amplos e definitivos para a humanidade.

Desse modo, a necessidade de se ter leis justas para o livre exercício dos
direitos humanos confrontou com as tradições de castas e elites poderosas,
que tergiversavam de seus reais papéis e detiveram inadequadamente por
séculos e milênios os governos de povos, obstruindo seus avanços,
escravizando suas mãos de obras e obstando suas expressões criativas como
almas. As revoluções e guerras tornaram-se inevitáveis pela intransigente
estupidez dos homens em seus modos reacionários, como também –
impossível evitar - pelos erros, ambições e desastradas diretrizes dos próprios
reformadores. As consequências advindas dos movimentos armados e guerras
serviriam para a queima mais rápida de grande parte dos carmas dos povos,
pois cada etnia, raça ou nação inteira, respondia em seus coletivos pelos
desatinos do passado contra o processo evolucionário. E embora cada
segmento social inferior ou racial de grandes e menores nações tenha sofrido
pela subjugação a poderosos reis e senhores – muitos cruéis - ou por
escravidões, a evolução jamais cessou e novas perspectivas de um mundo
diferente aos poucos se desenhariam, com oportunidades mais amplas a
quase todas as raças. E isso, sem qualquer dúvida, viria novamente trazer à
materialização as palavras de Cristo quando disse ao mundo numa linguagem
objetiva para indivíduos e nações: “Não julgueis que vim trazer paz a Terra;
não vim trazer-lhe paz, mas espada”, (MT. 10,34-36).

É ainda difícil para líderes e governantes compreender que nada de fato


pertence ao homem, senão tudo a todos, por estarmos incursos num processo
evolucionário que por diversos caminhos, etapa após etapa, ciclo após ciclo
procura propulsionar sempre avanços à humanidade. As diferenças mentais
entre povos e nações refletem, maiormente, os estágios do desenvolvimento
das consciências segundo diversos fatores -- o principal deles o
amadurecimento como almas. Retrocessos nas conquistas sociais acontecem
justamente por visões conturbadas e negativas, eivadas de falsos e hipócritas
sentimentos patrióticos e orgulhos raciais. São, na verdade, reminiscências dos
tempos assoberbados pelo fausto e títulos de nobrezas, de um forte sentimento
de superioridade ante os irmãos de raças e o desejo de restaurar para si e
seus clãs as honrarias do passado. Porém, os objetivos determinados para a
evolução dos povos transcendem aquele longo período caído ao desuso,
superado e ultrapassado. Antes, houvera a necessidade de reis e imperadores,
da existência de elites e castas separadas da grande onda das populações
incultas, por que era preciso governar quem precisava ser governado, e tanto
quanto possível sem a mescla de sangue com as classes sociais inferiores.

Hoje, embora a maioria da população mundial não tenha atingido todos os


estágios adiantados que nossa evolução consegue alcançar, os sistemas de
governos absolutistas com poderes ilimitados e com elites poderosas por
descendências, não atenderiam mais a nova mentalidade que a Hierarquia
Planetária vem semeando para todos os povos. Mesmo usufruindo do conforto
da ciência e tecnologia moderna, há um sentimento de frustração em grandes
contingentes populacionais onde os sistemas imperialistas e obsoletos
continuam existir. As classes se acham completamente insatisfeitas, aspirando
por novos sistemas de governos, por leis mais justas e equitativas e
oportunidades iguais da livre expressão e trabalho.

É fato que grupos econômicos poderosos, praticamente imbatíveis nos


seus projetos, estão sempre conspirando e obstruindo implantações de leis
novas que favoreçam o bem comum contrariamente aos seus interesses
particulares. Populações inteiras e grandes segmentos das sociedades ainda
vivem em condições subhumanas, enquanto outros estão no mais absoluto
conforto ou na riqueza. Apesar do carma das nações, fatores como esses de
níveis tão profundos e dolorosos desafiam os planos da Hierarquia Planetária.
As forças negativas atuando como nunca sobre os homens, favorecem os
levianos, corruptos, ambiciosos, violentos e imorais, intensificando cada vez
mais as dissensões, os escândalos, as grandes divisões sociais, as inversões
de padrões, revoluções, guerras e roldões de seguidos distúrbios que são a
realidade mundial presente, conduzida a uma definitiva linha divisória entre o
bem e o mal, entre a consciência crística e a de satã.

Há uma longa história nos dois últimos milênios de milhões de almas


vagantes de um para outro povo, lá se reencarnando. Grupos de servidores
são chamados para guiar essas almas, acelerando, conforme já nos referimos,
seus processos depurativos. Não fosse desse modo, a maioria alcançaria ou
não o momento da consecução do Fim dos Tempos em condições de se elevar
sobre seus próprios carmas, por que reincidem seguidamente nos mesmos
vícios mentais. Noutras terras, sem os mesmos atavismos e histórias
orgulhosas, disporão de melhores condições para o ajuste cármico.

Para muitos, principalmente céticos e homens da ciência material, isso não


tem valor algum, soando-lhes como fábulas de esotéricos doidos, visto não
existir provas concretas da existência de uma Hierarquia Oculta regendo e
velando os destinos das nações. Negam-se sistemática e peremptoriamente a
também aceitar o processo reencarnatório, que para eles não existe.
Entretanto, questões emergem tanto para crentes como para céticos sobre a
natureza do mal. Quais as finalidades e interesses dessas chamadas forças
opositoras de todos os tempos, a agir e atravancar os avanços das sociedades
e valores humanos mais legítimos?

Muitas são as confluências que levam o mundo a tremer e rachar diante de


tantos acontecimentos. As forças negativas que se opõem aos valores morais e
buscam afastar o homem de seus caminhos evolucionários, são exatamente as
mesmas de antanho, recrudescidas hoje com os avanços científicos e
tecnológicos. Não há manifestações cegas dominando os desejos humanos e
arrastando homens e mulheres para o crime, aos vícios degradantes e a toda a
sorte de desatinos. A ignorância e atrasos mentais de povos não são
exatamente os veículos mais preponderantes para a ação mundial do mal
neste momento, pois homens de pensamento esclarecido, autoridades
governamentais, homens da ordem, políticos, intelectuais refinados e tantos
possuidores de culturas suficientes para saberem discernir entre os opostos, se
corrompem traindo seu sangue e seu povo amparados por leis capciosas ou
quando chefes de nações cometem crimes, fazem guerras absurdas e
exorbitam em tudo, muitas vezes se isentando de condenações. Há, portanto,
nesses fatores de desvios, outras conotações; há forças poderosas que atuam
onde as portas lhes estão franqueadas, independentes de conquistas
intelectuais ou de níveis sociais. Tivemos exemplos bíblicos e históricos de
civilizações que avançaram atingindo auges extraordinários para as épocas
que depois decaíram pelos desregramentos morais de seus habitantes.
Pareceram-nos, sempre, pelos relatos dos historiadores e professores
escolares, que os retrocessos resultaram unicamente dos cérebros dos
homens envolvidos. No entanto, esses caminhos da destruição, foram sempre
semeados nas mentes das populações por hordas de inteligências malignas
espiritualmente ocultas que sabiam muito bem o que queriam e no que tudo
resultaria.

O mal é cósmico. As forças malignas coexistem em todo o universo, por


que mal e bem são valores inerentes tanto nos universos inferiores sujeitos
mais intensamente às polaridades positiva e negativa, quanto provindos
diretamente de outro universo maior - mais acima do nosso - de onde suas
forças originais se precipitam. Sabemos, pelas lições legadas por grandes
mensageiros e Mestres, quais os caminhos para evitar o mal que de tempos
em tempos, fortalecido, se espalha pela Terra para tentar mudar os rumos da
humanidade. Mas não saberíamos, ainda hoje, verdadeiramente, como
erradicá-lo de nós mesmos por nossa pessoal ação. Faltam-nos elementos,
conhecimento verdadeiro das origens, meios e fim de tudo, daquilo que somos,
o que seremos e do que nos rodeia e penetra. E enquanto ignorarmos a maior
parte das causas internas seremos sempre, por muitas e incompreensíveis
razões, vulneráveis, não nos enganemos. Humildade acima de tudo, vigilância
permanente no “Orai e Vigiai!”, fé inteligente e evangelização, são as lições
básicas que nos ensinam a manter o mal distanciado.

O apanágio de conquistas pessoais, por enquanto, pertence aos deuses,


aos maiores que conseguiram galgar grandes postos na Hierarquia Planetária
e estagiaram noutros planetas ou sistemas solares. Nossa civilização ainda é
vacilante, nossas forças mentais não são imunes aos saltos imprevisíveis das
polaridades quando excitadas pelas ações opostas. As vibrações astrais que
nos seus laços arrastam personalidades são justamente o grande manancial de
ações e reações díspares. Ligam bilhões instantaneamente numa corrente
poderosa que imanta e prende, cegando e dominando temporariamente. Mente
e razão, emoção e ação não se combinam em melhores níveis humanos para
um equilíbrio adequado. Esses mesmos bilhões de almas na Terra ainda não
alcançaram o amadurecimento necessário que os imunizariam dos ataques das
forças negativas astrais-mentais em desejáveis proporções.

Queremos repassar aqui, em síntese, da formação dos mundos e


universos. Como sabemos, nosso universo não é somente físico como rebatem
os cientistas e pseudo de nosso tempo. O sistema solar possui, basicamente,
sete dimensões, planos ou sete mundos nos quais a Vida provinda do Deus
Criador se manifesta, experimenta e evolui. Cada mundo detém uma gama de
matéria diferente da anterior e da posterior, numa escala que diferencia as
frequências vibratórias de seus átomos. Temos assim, os seguintes mundos
num quadro sucinto de terminologia fácil conhecido por esotéricos, retirado de
nossa obra “No Arco das Iniciações”:

MUNDOS OU PLANOS MUNDOS OU PLANOS CORPOS DO


(SÂNSCRITO) (PORTUGUÊS) HOMEM

1. ADI MUNDO DIVINO “DOMÍNIO DE DEUS”

2. ANUPADAKA MUNDO MONÁDICO MÔNADA OU ESPÍRITO


PURO
3. ATMA MUNDO ESPIRITUAL ATMICO OU ESPIRITUAL

4. BUDDHI MUNDO INTUICIONAL BÚDICO OU INTUICIONAL

5. MANAS MUNDO MENTAL MANAS OU MENTAL


A) Mental Abstrato
B) Mental Concreto

6. KAMA MUNDO EMOCIONAL ASTRAL OU EMOCIONAL

7. STHULA MUNDO FÍSICO )1. ETÉRICO OU VITAL


)2. FÍSICO OU DENSO

Esse é o universo conhecido de nosso sistema solar (onde caracterizamos


na terceira coluna as formações endógenas do homem total), que compreende
outros sistemas solares semelhantes ao nosso. Entretanto, há um Universo
mais amplo e transcendente, também formado de sete mundos ou planos,
onde o nosso, com seus sete planos, é somente uma seção Dele. Os sete
planos desse nosso universo conhecido por ocultistas representam um plano
no Universo Maior, ou seja, para aquele Universo, o nosso com todos os seus
planos é somente o Seu Plano Físico. Assim sendo, acima do nosso universo
de sete planos ou mundos, há imediatamente o Plano Etérico Cósmico, mais
acima há o Plano Astral Cósmico, mais acima há o Plano Mental Cósmico, e
assim por diante, fazendo parte daquele Universo Maior.

Vemos, desse modo, que toda a grandiosidade que admiramos do nosso


mundo físico, e por analogia dos outros mundos de matéria menos densa onde
vidas e almas sem corpos físicos biológicos habitam, são ainda insignificantes
perante o Universo Maior a que estamos ligados.

Isso posto, estimamos que nossas abordagens acerca do mal cósmico


possam ficar mais claras em referências. Diz-nos AAB, sob a transmissão de
Mestre DK em “Os Raios e as Iniciações V”:

“O Fechamento Parcial da Porta Onde se Acha o Mal. Que significam


exatamente estas palavras? Mais do que se possa dizer ou expressar, por que o
problema do mal é demasiado difícil para ser captado pelo homem comum. O
problema da Hierarquia (se posso expô-lo exata e, não obstante,
simbolicamente) é liberar o bem, a beleza e a verdade e “’encerrar dentro dos
muros selados de uma prisão”’ o que não é bom, que nutre fealdade e ódio,
distorce a verdade, e mente acerca do futuro. Escolhi cuidadosamente estas
palavras; seus significados são óbvios, no entanto há significados muito mais
profundos e perigosos para serem captados.
A humanidade – acumulativamente durante milhões de anos – tem liberado
o mal ao mundo. Pensamentos de ódio, atos de crueldade, falsas palavras,
ações sádicas, intenções egoístas e a forma detestável do egoísmo ambicioso,
têm criado uma senda até “’a porta onde se acha o mal”’. Na realidade, o mal é
de duas classes: a tendência inata ao egoísmo e à separação inerente à
substância de nosso planeta, da qual são feitas todas as formas que nosso
Logos Planetário (1) herdou de um resíduo de um sistema solar anterior. Isso é
algo inevitável, e proporciona ao gênero humano a oportunidade necessária
para que os homens possam manejá-la e controlá-la, pois estão bem equipados.
Neles existe aquilo que pode transmutá-la e cambiá-la, e isto, basicamente,
constitui a Ciência da Redenção.

A humanidade não tem querido se esforçar nesta atividade redentora e


durante milhões de anos tem sido controlada pelo materialismo; assim construiu
“’um caminho amplo e fácil”’ que conduz ao lugar onde reside outra classe de
mal – mal que não é aborígene de nosso planeta, e os homens não estavam
destinados a enfrentá-lo. Durante incontáveis eons, a Hierarquia tem
permanecido como um escudo, protegendo a humanidade. Porém, devido ao
despertar mental fruto do que a massa humana repudia à Hierarquia, pela
prostituição da religião para fins materiais e por conta dos estreitos dogmas
teológicos e mentais, a Hierarquia se viu obrigada (com muito pesar) a retirar
certa medida de seu poder protetor (ainda que não todo, afortunadamente), para
o gênero humano. O caminho até a porta onde se acha o mal quedou despojado,
e a humanidade abriu amplamente a Porta. A entrada ao que poderia considerar-
se mal cósmico, foi primeiramente aberta nos decadentes dias do Império
Romano (uma das razões que fez Cristo decidir-se a se manifestar naqueles
dias), logo foi aberta ainda, mas durante o corrupto regime do Reis de França e,
em nossos dias, tem sido aberta pelos homens malignos de todos os países.

Recorde-se que o mal a que me referi aqui, não tem necessariamente a ver
com as coisas vis e indecentes comentada pela gente a voz baixa. Estas são, em
grande medida, curáveis, e os processos de encarnação as purificam
oportunamente. A verdadeira natureza do mal cósmico detém sua principal
expressão no pensamento errôneo, nos falsos valores, no supremo mal do
egoísmo materialista e no sentimento isolado e separatista. Esses (falando
novamente por símbolos), constituem o contrapeso que mantém aberta a porta
do mal e que precipitou no mundo os horrores da guerra, com suas
correspondentes calamidades”.

(1) “Os aspectos da criação e evolução do sistema solar avançam sempre para
estágios maiores e mais adiantados em que neles se inserem as hierarquias criadoras e
mantenedoras do grandioso Plano. Nesse particular, podemos adicionar brevemente,
pela complexidade do assunto e pela falta de espaço nesse trabalho, acerca do espírito
planetário que na sua essência é o próprio planeta Terra. A Terra, como atravessa um
momento impar na sua história, sendo o ponto chave aonde quase todos os produtos da
cadeia aqui se manifestam em reinos, detém a responsabilidade de encarnar o que é
chamado um dos sete Logoi Planetários, ou o Homem Celestial. Esse Logos (ou um dos
Logoi) que encarna todo o processo evolutivo da cadeia, é um dos ministros do Logos
Solar sendo, em verdade, o deus planetário sobre quem pesa toda a responsabilidade de
plasmar a vontade, inteligência e sabedoria emanados do Logos Solar, e desses
atributos construir no espaço-tempo”. (O Monoteísmo Bíblico e os Deuses da Criação –
pg 111).

Precisamos recordar que as populações do vasto continente de Atlântida,


foram também vítimas das ações do mal cósmico, visto ser necessário à
Hierarquia erradicá-lo naquele instante por providências drásticas globais.
Embora a enorme massa humana não houvesse ainda despertado as
verdadeiras sementes do pensamento, o que ocorreria mais diretamente com
milhões de pessoas a partir da expansão da 5ª. raça, ou ariana, o mundo astral
foi constante alvo dos malignos que com inteligentes planos engendraram
através das infantis mentes atlantes, o domínio do planeta. Sabe-se, hoje, que
raças alienígenas anômalas, nos espaços e dimensões em que se manifestam,
buscam planetas onde possam ancorar-se e desenvolver suas criações raciais.
E isso inclui invasões e guerras. Com a vinda de Sanat Kumara de Vênus a fim
de assumir a direção da Terra, houve um final, naqueles tempos, dessas
incursões, pois o continente atlante foi, por diversas vezes, segmentado para
fins depurativos até o afundamento final ocorrido com a Ilha de Poseidonis há
9.564 anos a.C.

As civilizações antigas, da Suméria, Babilônia, China, Egito, dos Maias,


Astecas e outras propiciaram por exaustivas pesquisas arqueológicas, um
acervo bastante amplo denunciando a presença de seres extraterrestres, a
ingerir, dominar e também provocar grandes males. Se os alienígenas
invasores não foram o assentamento do mal cósmico no planeta, certamente
foram frações desse mal com que as civilizações do passado compartilharam.
Essas inserções na antiguidade, num passado mais recente e no presente,
precisam ser consideradas não somente como polaridades fluindo pelo éter,
ligando-se aos seres terrenos, mas, principalmente, através das presenças
físicas e espirituais de viajantes do espaço que aqui aportam, incorporados
desse mal. E pelas fragilidades humanas fazem ruir muitos dos esforços
construtivos dos mentores da Hierarquia Planetária. Prossigamos com DK:

“A compreensão do que estava sucedendo contribuiu temporariamente para


unificar o mundo e eliminar as separações entre as nações, mais do que
qualquer outra coisa. As nações todas se aliaram com a Força da Luz em grande
medida, e pouco a pouco o mal cósmico foi obrigado a retroceder, e a porta que
“’oculta o lugar da interminável morte, os rostos dos senhores do maligno
orgulho e a odiosa ambição”’, foi parcialmente cerrada, mas não totalmente;
ainda não teve lugar o cerramento e selo finais (2).
Há certas zonas do mal no mundo atual, pelas quais essas forças da
obscuridade podem chegar à humanidade. Não tenho a intenção de dizer quais
são e onde estão.
(...) A tarefa que a humanidade tem diante de si é cerrar a porta sobre esse
pior mal, ainda que secundário, e encerrá-lo em seu próprio lugar. A humanidade
tem bastante a fazer com o transmutar o mal planetário, sem empreender a luta
contra os que os mesmos Mestres podem somente manter à distância, porém
não vencer. O manejo deste tipo de mal e sua dissipação e, portanto, a liberação
de seu perigo em nosso planeta, é a tarefa assinalada a Quem trabalha e vive no
“’centro onde a vontade de Deus é conhecida”’, Shamballa (3), e não da
Hierarquia nem da humanidade”.

(2) “Conforme já nos pronunciamos noutra obra, as informações de DK para as


transcrições de AAB foram realizadas há alguns anos. Parecem-nos essas de que
tratamos, originárias do ano de 1944. Portanto, o panorama mundial era outro; a
segunda grande guerra estava ainda em andamento e a situação do globo era muito
diferente. Hoje, no terceiro milênio, e nos instantes em que os últimos “selos” do
apocalipse devam abrir-se, nações de importâncias fundamentais para o mundo se
encontram corroídas pelo mal que acreditamos seja o mesmo mal cósmico referido por
DK. Há um movimento mundial em tentativas de confrontar às organizações poderosas
chamadas conspiratórias que comandam o mundo através da manipulação da ciência e
tecnologia, utilizadas tanto para a destruição quanto para manter os conspiradores a
salvo de uma quase improvável mudança de posições. Toda uma ordem de produção
para a sobrevivência dos povos bem como a administração dos princípios da economia,
das riquezas das nações e consumo para as necessidades humanas essenciais, estão
nas mãos de umas poucas organizações desse conluio, com poderes mundiais quase
ilimitados.
O imenso complexo do Large Hadron Collider foi construído com a finalidade de
acelerar partículas atômicas e ninguém sabe realmente quanto custou se 5, 10, 15, 20
bilhões de dólares ou muito mais, estando a 100 metros abaixo do solo nas fronteiras de
França e Suíça, possuindo um túnel de cerca de 27 quilômetros de extensão por 8.6
quilômetros de diâmetro. Discussões são imensas sobre a real utilidade do fabuloso
equipamento e perigos são calculados quanto ao seu manuseio. No entanto, nada se
consegue saber claramente sobre seus poderes, o que podem ocasionar, ou vêm
ocasionando à natureza planetária. Há véus imensos que separam a comunidade de
milhares de cientistas que operam a “máquina maravilhosa” das demais comunidades
de fora. Quem está distante somente teoriza segundo aquilo que lhe é informado ou
permitido saber das instalações”.

(3). “A Ilha Branca - a Shamballa - cidade construída no interior do planeta que com a
chegada de Sanat Kumara, polarizava e dimanava novas e restauradoras energias para
todos os reinos e civilizações humanas. De lá os mentores partiam sempre para ensinar
e obrar junto aos atlantes, e também para guerrear com suas naves e armas especiais
quando o mal incursionava contaminando os povos, ameaçando o equilíbrio das forças
planetárias”. (No Arco das Iniciações – R/R).

Sobre esse mal existente na Terra, Shamballa neste momento começa a


traçar suas mais objetivas ações no sentido de não somente fechar as portas
onde se encontra o mal como de operar em todos os níveis nos planos que
circundam o planeta, para um efetivo enfrentamento em proporções
planetárias. Não sabemos se essa ação seja a definitiva ou somente outra
grande batalha como as que humanos e extraterrestres no passado se aliaram
a fim de lutar contra o inimigo comum. Cremos que o momento astrológico do
sistema solar assim requer por se tratar de mudanças importantes e de grande
monta para a própria vida do Logos. Shamballa não esclarece totalmente, mas
vem reunir e atuar de forma surpreendente exortando todas as correntes
despertas para que se unam e formem a barreira humana que fechará a porta
por onde entra o mal – pelo menos temporariamente. Na realidade, a exceção
de iniciados que estão além das duas primeiras grandes iniciações - formando
a vanguarda dos Filhos de Deus - a parte mais avançada da humanidade ainda
não se encontra mentalmente desperta nem preparada para definitivamente
vencer o mal em suas próprias fronteiras e ramificações, sob o reinado de Maia
ou Grande Ilusão.

A questão dos extraterrestres parece aos religiosos, espíritas e mentalistas


não fazer sentido. Muitos rebatem sistematicamente à presença alien na Terra,
fazendo eco com céticos teóricos inconsistentes, divulgadores na internet de
boletins de pesquisadores e com homens da própria ciência ocupados tão
somente com evidências materiais. Mesmo com evidências e provas, a grande
onda materialista que assola a ciência, instigada pelas forças contrárias ao
progresso mental e espiritual da humanidade, cega e estimula contra-
argumentos criativos e aos mais variados subterfúgios, para não enfrentar o
problema cético criado pela própria ciência. E isso contamina também a
religiosos vacilantes, a fanáticos e ortodoxos, que sem saber são capturados
em suas fragilidades pelas inteligências negras que os seduzem e dominam
suas vontades, vendando-os para a realidade.

O argumento mais comum é: por que somente agora eles estão por aqui e
não antes?

Sempre estiveram e sempre estarão. A Terra não está isolada fisicamente


de outros planetas a girar em torno de seu sol porque tinha de girar. A Terra é
importante no contexto de sua própria cadeia planetária, composta de sete
planetas com matéria de diferentes qualidades vibratórias em várias
dimensões, sendo igualmente importante para as outras nove cadeias que
juntas formam as dez que vêm constituir o campo de experiências de nosso
sistema solar. As cadeias necessariamente interagem, intra-relacionam, sendo
supervisionadas e cuidadas por Hierarquias Solares ao comando do Logos
Criador. Cada planeta detem sua missão num contexto único evolucionário.
Todas as vidas evoluem nesse contexto com diferentes nuances em miríades
de formas e experiências.

Apesar desses planejamentos perfeitos, o mal convive com o bem por que
vivemos num sistema solar cuja nota principal ainda não alcançou sua oitava
maior que o isentaria de problemas com a dualidade. Desse modo, na
fenomenologia das leis físicas universais, os contrários se atraem e se
fortalecem nas vidas humanas pelas virtudes e pelos desleixos, e as grandes
correntes cósmicas formam longos corredores através de imensos oceanos de
energias e forças que unem globo a globo, cadeia a cadeia, um a outro sistema
solar, galáxia a galáxia e assim por diante. O problema do mal provindo desde
os confins do cosmos não está nos duais e opostos, mas nas portas abertas
que o deixam entrar. Um dia, embora ainda distante, a humanidade fechará
definitivamente essa porta.

Aprendemos dos mestres do esoterismo que a humanidade terrena não


avança no plano evolucionário de maneira homogênea. Pelo contrário, há
imensos grupamentos recalcitrantes nos erros e desinteressados em evoluir
pelo conhecimento espiritual e serviço. Esses faltosos são encontrados desde
famílias étnicas de vidas primárias, às mais adiantadas das sociedades em
todas as nações, contando muitos milhões. Cada ser humano inserido nos
mecanismos da vida tem seu histórico pessoal para o que dele se requeira
como indivíduo. O mal que o contamina pode ser agressivo, violento,
maledicente, que o faça portador das mais variadas atitudes egoístas e
criminosas, com vícios e desregramentos, como pode também o indivíduo
dominado pelo mal se revelar sutil, orientador de códigos, ocupar cargos nas
mais diversas profissões que exijam acuradas técnicas e desenvolvimento
intelectual, ou cumprir papéis de destaque na própria ciência e vida política. E
quanto mais uma personalidade de muitas encarnações, presa às suas
próprias imperfeições se interne unicamente nos assuntos materiais, mais se
tornará refratária ao seu eu superior, afastando-se assim cada vez mais de
suas verdadeiras origens.

Como dissemos, isso acontece com milhões e o Grande Plano da Criação


extensivo a todas as cadeias do sistema solar, prevê e provoca a ruptura
dessas almas de seus coletivos quando determinados tempos são chegados e
não hajam alcançado o mínimo que delas se esperava. São os chamados
“Julgamentos” que podem ser de vários níveis, programados ou emergenciais.
Em nosso planeta aconteceram momentos assim durante os períodos
lemuriano e atlante, em que a Terra sofreu grandes transformações geológicas
e o processo evolucionário, em diversos grupamentos étnicos em repetidas
ocasiões, precisou ser revisto e reciclado para a continuidade do Plano.
Cidades, civilizações e continentes inteiros foram destruídos; muitos milhões de
pessoas desencarnaram abruptamente para reiniciar suas atividades humanas
em tempos futuros, após laborioso trabalho das equipes servidoras nas
dimensões superiores. As almas naquelas situações permaneciam no planeta,
muitas por muito tempo em estado hibernal para novas aparições em famílias e
grupamentos étnicos. A população atual da Terra é formada basicamente por
aquelas mesmas almas dos tempos lemurianos e atlantes, quer estejam
encarnadas ou não, porém grande parte se encontra ainda em estado
evolucionário deficiente, ou degradante, necessitada de expurgos dos venenos
e energias tóxicas que se aderiram às estruturas e sistemas atômicos de seus
corpos sutis, e que comandam seus psiquismos para os mesmos e
reincidentes desregramentos passados.

O momento atual, contudo, descortina novo e mais dramático quadro. As


energias cósmicas que atravessam o sistema solar penetram nosso planeta
agigantando problemas de todas as ordens. Isso já era previsto, conforme
vimos abordando. Esses momentos são cíclicos e coincidem agora com o
fechamento de uma era e a abertura de outra. Paralelo a isso, temos
problemas com a aproximação do que acreditamos ser, dois planetas que
cruzam simultaneamente suas órbitas com a da Terra, trazendo mensagens
com diferentes desfechos. Um deles, de fora do sistema solar, o conhecido
Nibirus, com maus presságios, traria seres alienígenas inamistosos desejando
novamente aportar na Terra como há milênios. O outro, de nosso próprio
sistema solar, chamado de Planeta Higienizador, virá a ser depositário de
bilhões de almas, justamente aquelas recalcitrantes e sem condições de novas
oportunidades, arrebatadas para degredo temporário, devendo retornar à Terra
em 6.666 anos. Uma segunda parte da humanidade, estando desencarnada,
permanecerá pelas dimensões superiores para ser reciclada e poder voltar à
nossa cadeia, ainda nessa ronda (4). A terceira parte, estimada em 1/3 ou 2/5
da humanidade ficará na Terra.

“(4) Sugerimos para melhor orientação sobre cadeias e rondas, olhar o Capítulo XIV
– Cadeias Planetárias, de nossa obra “O Monoteísmo Bíblico e os Deuses da Criação”.
No momento estamos atravessando a metade da quarta ronda onde é previsto um
Julgamento da humanidade em grandes proporções. No entanto, o Julgamento
definitivo, segundo lições do ocultismo, se dará em meio a quinta e próxima ronda,
conforme citamos mais adiante”.

Essa pequena e repetida resenha é para chamar a atenção dos amigos


leitores para o fato de que esses momentos foram anunciados há milênios,
tanto pelos calendários de antigas civilizações, desde evos atlantes, como
reafirmados há dois mil anos por Jesus Cristo e João Evangelista. O
Julgamento definitivo e irreversível para inabilitados se dará mais ou menos no
meio da quinta ronda, quando rejeitados pelo Plano não terão mais
oportunidades nos milhões, ou bilhões (?) de anos futuros para encarnações
nessa cadeia, ficando à margem, e os de sucesso prosseguirão para etapas
mais adiantadas. Entretanto, é tudo preocupante e a Hierarquia da
Fraternidade Branca necessita mais do que nunca do auxílio de todos os
operários do Plano, e dos homens de boa vontade, para formar uma corrente
positiva e operante tanto aqui embaixo quanto nos planos superiores onde
cada um se polariza.

O que sabemos hoje já sabiam os antigos, e Cristo também, que a


confluência de diversas energias e forças nesse fim de milênio com a entrada
de uma nova era astrológica, favoreceria a um colapso de fatores climáticos, às
mudanças geológicas e falência moral da humanidade. E disto se
aproveitariam os Senhores da Face Escura, ou Fraternidade Negra, reforçados
pela presença de alienígenas de diversos pontos da galáxia e fora dela, com
tecnologia bem mais avançada que a nossa, ansiosos por exercerem ações
malévolas e dominar sobre a humanidade e planeta. Com base em nosso
calendário terreno isso nos parece planejamento recente, no entanto, essas
forças negras já vêm se preparando para esse momento há muitos milênios,
trabalhando no oculto – algumas dessas forças estando sediadas no interior da
Terra em dimensões físicas, etéricas, astrais e mentais - fazendo ainda assim
constantes incursões sobre a humanidade. E esse momento chegou e se
instalou.

Esotéricos acreditam em todas essas possibilidades, mesmo porque já as


entendem. Pessoas sensíveis, médiuns, videntes, iniciados em ciências
ocultas, astrólogos, intuitivos, pesquisadores ecléticos, espiritualistas de várias
denominações, gamas imensas de religiosos e outros “que têm olhos de ver e
ouvidos de ouvir”, creem realmente numa mudança radical na vida planetária,
principalmente pelos tempos apocalípticos anunciados, embora observem com
espanto a tudo o que vem se desencadeando.

Inúmeras mensagens nos chegam através da internet sobre a consecução


desses momentos para dezembro de 2012. Muitos comunicadores do lado
negativo têm sido o suficiente habilidosos para enganar e mentir com
mensagens falsas, bênçãos e vaticínios irrealizáveis, usando as mesmas
palavras e ênfase dos verdadeiros mensageiros. Há pessoas que se
profissionalizam no assunto e em todos os países montam grande aparato de
material tecnológico pela internet, crendo-se ou passando-se
convenientemente por verdadeiros canais de extraterrestres escolhidos pela
Fraternidade Branca Universal para divulgar mensagens. Até dão palestras. É
necessário atenção com as divulgações de suas mensagens, com as
artimanhas dos malévolos, principalmente o elemento jovem e ainda
inexperiente. Há enganos também de médiuns e sensitivos bem intencionados
quanto à verdadeira origem de outros comunicadores, que, muito embora não
sejam do lado negativo, são criações mentais insufladas de vida anímica, pois
detém a consciência dos acontecimentos e um cabedal de informações com
que atuam mediunicamente. Há também almas, e muitas, com conhecimento,
que se julgam elas mesmas mestres ascensos e por eles se passam
dominando grupos e ditando mensagens tão bem elaboradas que, unicamente,
por pequenos detalhes ou por intervenções dos verdadeiros mestres, quando
isso seja possível, podem as farsas ser detectadas.

De todas essas situações a mais lamentável é o domínio das inteligências


negativas sobre as mentes e emoções de grupos. Pois não fica somente nisso.
Hábeis em construir imagens psíquicas ilusórias esses seres – normalmente
extraterrestres com grande desenvolvimento mental – podem subverter as
melhores intenções dos participantes canalizando suas energias para nefandos
fins. Atuam-lhes, amiúde, nas imperfeições que geram vaidade e orgulho.

Como de fato descobrir onde estão as farsas em grupos ou fraternidades?


Não é tão difícil. Inicialmente é preciso observar o teor das mensagens: se são
de mensageiros de luz ou do próprio condicionamento intelectual dos portas-
vozes. A idoneidade moral dos participantes, a verdadeira inclinação ao
serviço, o desinteresse por aventuras românticas e diversões noturnas,
abstinências de vícios ou comprovado autocontrole sobre os prazeres da
carne, são sinais alvissareiros de qualidades e hábitos saudáveis requeridos
aos dirigentes e seguidores. Caso contrário, se os opostos fazem parte
continuada de suas vidas, são evidentes os sinais de que muitas coisas estão
erradas com essas personalidades para se dizerem esotéricos e formarem um
conjunto para trabalhos espirituais.

Ambições por fama, criticas contumazes e assoberbadas ao trabalho de


outros esotéricos e religiosos reconhecidamente capazes, vocabulário
carregado com calões e praguejamentos, são exemplos de valores nocivos
cultuados por personalidades inadequadas para verdadeiros trabalhos
espirituais. E quando as mensagens começam a exaltar participantes por terem
sido grandes e famosos vultos no passado, e sobre suas atuais e especiais
missões espirituais na Terra, são facilmente notadas infiltrações negativas e o
que elas causam ao conjunto. Encantamentos do verbo melífluo normalmente
vêm precedidos ou seguidos de vidências onde os participantes e principais
alvos dos negativos se veem ou são falsamente vistos com roupagens
soberbas em templos do passado; são lhes dados nomes iniciáticos e são
mostrados a fazer parte de reuniões com Mestres Ascensos, sendo por eles
recebidos em santuários e locais especiais, onde lhes são confirmadas suas
grandes missões no mundo. Às vezes, mostram-nos participantes de trabalhos
no espaço espiritual, onde atuam como salvadores de almas prisioneiras ou
estão a oficiar magníficos rituais, o que os enche de autoconfiança e orgulho.

Quando, por ventura, essas forças malévolas não conseguem ludibriar os


lídimos e honestos dirigentes e seguidores, mas se infiltram à sombra de
participantes desatentos, elas insuflam-lhes, aos desatentos, intenções de
aventuras amorosas entre participantes. Mostram aos seus parceiros ou
simpatizantes as visões maravilhosas do que “verdadeiramente” são em
detrimento dos dirigentes, condicionando-os a se sentir mais fortes e mais
sábios. Ou são convencidos a que pouco mais adiante deixarão a organização,
e lhes serão dadas todas as condições materiais – que nunca chegam -- para
abrir uma fraternidade magnífica onde realizarão trabalhos mais significativos.
Quando um e somente um participante de um corpo mediúnico até então
coeso, está tomado por forças negativas, ele seguidamente quebra a harmonia
da corrente. Se forem dois a conspirar põem em risco os trabalhos e causam
dissensões; se mais conspiradores, o risco de virar tudo é iminente. O melhor
mesmo para os dirigentes, após esforços no sentido de trazer os faltosos de
volta à realidade das forças operárias construtivas, seria simplesmente desligá-
los do grupo ou fraternidade.

Amigo leitor, se você participa ou vier a participar de correntes em que


perceba e sinta essas discrepâncias nunca sanadas - visto estarem todos os
grupos esotéricos e espiritualistas em geral sujeitos a isto - suas energias
estejam sendo seguidamente subtraídas e nada você consiga fazer para
auxiliar a debelar os problemas, não hesite, peça licença ou desligue-se em
definitivo daquelas atividades. Busque outra casa, outro ambiente livre de
eflúvios pesados e energias destrutivas. Reflita sabiamente sobre essa
sugestão de alguém que já passou por situações idênticas e carrega cicatrizes
de feridas que ainda lhe doem na alma.

Sigamos. Os acontecimentos previstos para 12-12-2012 são uma


possibilidade bastante explorada, mas não se sabe ainda, exatamente, se para
um final apocalíptico. A mensagem de Cristo de que ninguém saberá a hora e o
dia daqueles eventos finais, exceto o Pai, é bastante enfática e aguardada. O
ano de 2012 determinaria a entrada de todo o sistema solar no campo
magnético de Alcyon, sol central da constelação das Plêiades. É a
possibilidade da conjunção com os atuais momentos apocalípticos, pois as
convulsões atuais do corpo planetário decorreriam da aproximação a Alcyon
pelo sistema solar. No entanto, a loucura e inversões de valores de grande
parte da humanidade não se explicariam por esse caminho.

Já abordamos na primeira parte desse trabalho, pelas comunicações de


Ramatis, que a poderosa aura magnética do Planeta Higienizador é
responsável diretamente por dois fatores fundamentais na desordem da vida
terrena. O primeiro deles seria a ação das energias primárias daquele planeta
sobre a psique coletiva, que estimularia à sublimação dos instintos de uns, e
um maior exercício das paixões e desregramentos de outros. O segundo fator
seria a verticalização do eixo da Terra, originante das sucessivas convulsões
geológicas por terremotos, maremotos - hoje tsunamis – o descontrole do
clima, o degelo das calotas polares e a expectativa de um grande terremoto de
magnitude mundial, que levará consigo mais de 4 bilhões de pessoas,
acabando por transformar definitivamente a face do nosso planeta.

A observação dos momentos turbulentos vividos por nossa humanidade, já


é feita há alguma décadas por extraterrestres ligados de alguma forma ao
processo evolucionário da Terra e de sua cadeia planetária. Há muitos seres
sábios e luminosos das Hierarquias Solares em missões de vigiar o planeta e
proteger nossa humanidade. Um dos mais conhecidos de fora é Ashtar Sheran,
comandante da Confederação Galática da Luz, responsável por patrulhar
nosso planeta e cuidar que a transição da Nova Era seja realizada conforme
anunciada. A primeira aparição de Ashtar Sheran no Brasil, por nós registrada,
vem do ano de 1977, através da obra “Veritas Vincit – A Grande mensagem do
Espaço à Humanidade da Terra – por Ashtar Sheran, Comandante-em-Chefe
da Frota Espacial”, pelas Edições Arquimedes A primeira edição do livro se
daria em Berlim, no ano de 1959 onde foi escrito. Imaginamos que essa obra
precursora foi editada por alguém ou grupo que se utilizou da sigla I.N.D. (In
Nomine Domini), pois não há autoria explicita do livro além dessa única
referência na página 29 da edição brasileira. Em compensação, o nome da
tradutora aparece onze vezes!

Nessa obra Ashtar fala sobre alguns assuntos concernentes à Bíblia e a


situação, na época, da humanidade. Selecionamos alguns trechos do livro:

1. “Teve ordem Moisés de não entrar com seu povo no campo de pouso,
isto é, no campo onde se encontrava a magnífica Nave Espacial. A irradiação
magnética era tão poderosa que poderia matar, de um só golpe, todo homem ou
ser vivente que tentasse dela aproximar-se. Desta forma, foi-lhe pedido que
delimitasse uma área a qual por nada deste mundo deveria ser ultrapassada.
Somente quando cessasse o altíssimo sinal da sirene, poderia ser transposta.
Uma Nave Espacial daquele tamanho, quando em funcionamento, pode
magnetizar até pedras. Ela não pousa diretamente sobre a Terra. Permanece
flutuando sobre o cimo de uma montanha e, mesmo que sua força magnética
esteja reduzida ao mínimo será ainda assim suficiente para queimar, como
queimou, em parte, o próprio Moisés, no rosto e nas mãos, de maneira a parecer
estivesse iluminado por um fogo-fátuo. Como Moisés sentisse dores, sob a ação
do sol, foi-lhe dado, a fim de que se curasse, usar uma máscara apropriada para
absorção da radioatividade. Levava-a sempre consigo, quando tinha de entrar
em contato com os “SANTINI”.

2. “Foi Moisés hóspede da Nave Espacial. Ele era discípulo do Comandante,


o qual teve mais tarde uma Missão importante sobre a Terra. Este filho de Deus
fez o possível para explicar a Moisés a Grande Lei. Foi-lhe ordenado construir
um templo digno do Criador, O ESPÍRITO UNIVERSAL, JEOVÁ (Aquele que É),
porque os israelitas eram, na maioria, idólatras, assim como a humanidade
terrestre atual, que caiu de novo no culto da veneração”.

3. “Nossas Naves Espaciais medem, fazendo-se uso de vossas próprias


medidas, um comprimento superior a 500 metros, sua capacidade irradiante é
tão grande que se plenamente acionada vossas casas desmoronariam, como se
houvesse ocorrido um terremoto. Podemos concentrar água em enorme
quantidade, extraída da atmosfera e poderíamos, também, somente usando esta
possibilidade, fazer-vos uma guerra decisiva, isto antes que pudésseis
defender-vos e reagir de algum modo. Um superaquecimento ou um
congelamento, à vossa escolha, vos paralisaria. Por isso, continuamos a
insistir: o ateísmo é uma loucura! Vossa religião, porém, alterada como se acha
no presente momento não poderá igualmente ser aceita por pessoas
inteligentes. (...) Acha-se a maior parte alterada, a ponto de confundir,
conduzindo-vos à descrença. Já nas primeiras páginas da Bíblia podereis
constatar quanto erradas se acham as coisas transmitidas, ao mencionarem as
colunas de fumo e de fogo dentro dos quais fala o Senhor Deus. Jamais vimos O
ESPÍRITO UNIVERSAL, nem com Ele falamos. Não obstante, recebemos Suas
Palavras e Seus Desejos, que respeitamos. Possuímos uma impressionante e
forte comunicação com o Mundo Espiritual, que é a única base de vibração
sobre a qual trabalha nossa própria existência espiritual, isto é, todo o nosso
sentir e pensar. Falamos-vos de uma MISSÃO. Houvemos recebido esta ordem
do mundo Espiritual. Nossos Comitentes são o Arcanjo Miguel e Cristo”.
4. “DEUS não deixa seu trono jamais, porque se o fizesse, por exemplo, para
vir à Terra, admoestar-vos, todo o Universo cairia em desordem, se
desequilibraria. Para o cumprimento dessas missões dispõe Ele de Nossas
Naves Espaciais, que são incrivelmente velozes e seguras e que podem visitar
muitas estrelas em Seu nome, como engenheiros comandantes, equipagem e
um líder mediador telepático para a transmissão de Suas ordens. Este
fenômeno, entretanto, não significa magia, apenas mostra que, usando-se as
forças de DEUS, poder-se-á percorrer o Universo em Nave Espacial, que
prescindirá do princípio de combustão natural, porque então será uma Nave do
Céu, uma unidade da grande Frota Espacial de Deus”.

5. “A técnica de nossos avôs acha-se já há milênios muito mais evoluída do


que a vossa. Há 5.000 anos efetuamos viagens espaciais. Também em relação à
religião vos achais atrasados por milênios. Sabei caros amigos que a sabedoria
metafísica chega até DEUS”.

Diversas comunicações por todo o mundo, dizem que as naves ao


Comando Ashtar, chegam a um número inacreditável – como a 15 milhões em
diversos tamanhos e modelos! Chega-se a mencionar naves-mães com até
400 quilômetros de diâmetro.

“Sobre isso gostaria de depor que há mais ou menos 10 anos, certa manhã
antes de o sol começar a despontar no horizonte, tive uma visão tão nítida que
guardo ainda indeléveis na memória alguns perfeitos detalhes. Eu fora
projetado mentalmente para o pátio interno de minha casa, onde ao olhar para
cima não conseguia ver o céu. Uma nave, ou disco, de tamanho descomunal,
incrível e inacreditável, ali estava estacionada. Podia vê-la somente na parte de
baixo e teria com toda a certeza mais de duzentos quilômetros de diâmetro,
tamanho o espaço ocupado.

De algumas aberturas menores espalhadas na sua face inferior - onde


além destas aberturas eu conseguia vislumbrar inumeráveis outros recortes de
possíveis e imensas portas, rampas e janelas, fechadas, - projetavam-se para
a Terra aliens vestidos com roupas colantes aos corpos, como malhas justas,
trazendo nas cabeças estranho artefato que não parecia de forma alguma com
os tradicionais capacetes de astronautas, somado ao fato de que seus rostos
ficavam expostos. Portando cada um a mão, o que me pareceu uma vara
cilíndrica de metal como alumínio, com talvez 30 centímetros de comprimento,
assentados individualmente em pequenas máquinas completamente abertas,
de simples estruturas, sem nada as suas voltas, onde mais embaixo em
estreito e curtíssimo estribo apoiavam os pés, faziam-nas voar para todas as
direções. Iam e vinham, descendo e subindo rapidamente e em poucos
segundos traziam pessoas, sugadas e flutuando, mais ou menos na posição
horizontal, completamente imóveis, com membros e cabeças largados feitos
bonecos, como se as houvessem tirado das suas camas ainda dormindo, que
desapareciam todos pelas mesmas aberturas da nave.

Logo acordei assustado, vendo-me com surpresa deitado na cama e sentei-me.


Ainda atrapalhado, em meio aos registros das imagens que permaneciam na
memória, custava a crer que pudera ter estado em dois lugares ao mesmo
tempo, levando dois ou três minutos para despertar completamente. Na época,
imaginei que seria um recolhimento de almas faltosas para serem levadas da
Terra, transferidas desde logo para o Planeta Higienizador. Porém, hoje,
sequer imagino o que teria acontecido àquelas pessoas, ou se a nave seria de
aliens amistosos ou não. Isso nunca me foi explicado, mas admito vacilar e
sentir-me desconfortável ao tentar convencer-me de que a banda negativa não
possa dominar tal monumental tecnologia”.

Por outro lado, nas últimas décadas, o Comando Ashtar tem mostrado ao
mundo onde se situa seu campo de trabalhos dentro de um organograma mais
ou menos geral, abrangendo também nosso sistema solar, conforme ilustração
abaixo. Exponho aqui algo que acho interessante, admitindo suas realidades,
mas deixando ao inteiro julgamento de meus leitores da estrita fidelidade ou
veracidade das informações e demais relatos. O organograma em questão traz
as seguintes disposições relacionadas à figura:

[créditos WWW.LuizPrada.com

1. Federação Interdimensional de Mundos Livres em trabalhos com a


Hierarquia Espiritual Universal.
2. Confederação Galática de Planetas em trabalhos com a Hierarquia Espiritual
Galática.
3. Confederação Interplanetária em trabalhos com a Hierarquia Espiritual Solar.
4. Comando Ashtar em trabalhos com a Hierarquia Planetária e Solar.
Voltando ao tema de naves, traduzimos trechos de comunicações do
Comando Ashtar sobre o assunto, conforme editado pelo site:
http://www.ashtarcommandcrew.net/page/galactic-federation-fleets?page=1

“Nos anos 80 existia um grupo chamado ‘Cloverleaf Connections’ que havia


feito contatos com o Comando Ashtar. Em 08 de fevereiro de 1989 foram dadas
as seguintes respostas às questões referentes a detalhes sobre o que seriam as
Naves Secundárias:

“’Há muitas, muitas naves de muitos tamanhos trabalhando sob o Comando


Ashtar. Neste momento, falaremos somente das naves do Comando e não
daquelas de outros comandos que oferecem e dão assistência. Comecemos
com as estações intermediárias. Eu buscarei fornecer uma lista de naves
espaciais e suas finalidades. Isto estará conectado com as tarefas conhecidas,
em outras palavras, por ‘Operação Vitória’, que elevam as vibrações da Terra
para dimensões mais acima.
SHAN CHEA – A maior de todas as Naves-Mães no Comando, conhecida
como ‘A Nova Jerusalém’, consistindo de uma Estação de metros quadrados em
constantes órbitas em torno da Terra, variando, aproximadamente, entre 500 e
1.500 milhas. Esta Nave tem milhares e milhares de entidades que lá vivem todo
o tempo. Ela também tem equipamentos de monitoramentos de grande
sofisticação que assistem na missão de elevar as frequências da Terra.
SHARE – Esta é uma verdadeira Estação Intermediária orbitando a Terra,
não sendo quadrada, mas circular e de menor estatura. Está em permanente
órbita nestes tempos, onde naves de todo o Universo contatam e recebem suas
ordens. Contudo, é uma vasta Estação, albergando milhares de voluntários e
trabalhadores permanentes. Poderia facilmente armazenar de uma só vez, 20
Naves-Mães de tamanhos regulares.
NAVES-MÃES // NAVES-CIDADES – Estas naves espaciais foram descritas
no ‘Projeto Terra’ como sendo redondas com cerca de 100 milhas de diâmetro e
doze andares de altura. Estão disponíveis e preparadas a qualquer tempo para
cada uma atender Seres tridimensionais, sendo capacitadas para ajustar os
níveis de frequências Deles com o da Nave. Dispõe de suficiente conforto para
albergá-los por muitos anos, se necessário.
NAVES-MÃES // SECUNDÁRIAS – Naves espaciais deste tipo têm
capacidade para armazenar até 100 Naves Batedoras ou de Tráfego, mas não
dispõe de instalações apropriadas para acomodar Seres tridimensionais. Elas
são consideradas “cavalos-de-arados” do Comando Ashtar. No entanto, ainda
assim são confortáveis e os Seres nelas vivem por longos períodos.
NAVES DE TRÁFEGO – Podem ser bem pequenas ou até com 20 milhas de
diâmetro. São construídas para ações rápidas nas evacuações de pessoas de
zonas de perigo em qualquer dimensão, mesmo na de vocês de três dimensões.
Dispõem de acomodações temporárias, mas confortáveis para todos os tipos de
Seres. Para segurança daqueles com corpos físicos são eles normalmente
transportados em seus estados de sono para as Naves-Mães.
NAVES BATEDORAS – Como seus nomes sugerem, são naves que levantam
situações de interesse ou verificam onde existem problemas, reportando sobre
suas investigações. São naves circulares e relativamente pequenas. De modo
geral essas são as categorias. Contudo, dependendo de nossas necessidades
damos diferentes usos a algumas naves. Como vocês sabem seus amigos
espaciais estão fora de lá; vocês têm vistos as evidências e alguns de vocês
visitaram muitas das naves. Quando vocês tiverem o prazer de observar e
apreciar os céus numa bela noite, e se na ocasião uma estrela se transformar
numa nave espacial, vocês então a terão conhecido. Possivelmente nunca terão
a possibilidade de visitá-la, exceto, talvez, em seus corpos etéricos, e
retornando aos seus corpos físicos é improvável que tragam alguma
recordação. Mas por que ficar tristes? Apreciem as estrelas, apreciem as cores
daquelas que podem ser naves e saibam que seu lar está entre as estrelas,
como é o lar de todos os Trabalhadores de Luz na Terra! Nós da ‘Operação
Vitória’ damos-lhes a todos as boas vindas ao lar. Vocês são Seres de grande
Luz e Amor e muito apreciamos seus labores ao trabalho do Criador!”

Sobremodo interessante é o esboço de uma Nave-Mãe, e o que é capaz de


conter. Nós, esotéricos, embora elevemo-nos a parâmetros mentais mais
amplos, estamos sob a injunção de nossos cérebros terrenos, porém
aceitamos tais possibilidades porque entendemos que acima das conjeturas
objetivas de um plano tridimensional, há quatro, cinco, sete e mais dimensões
onde a matéria universal possui outras frequências vibratórias, sendo regidas
por desconhecidas leis. Quando projetamos nossos corpos etérico, astral ou
mental para uma determinada situação, que pode perfeitamente acontecer na
vigília ou no sono, as impressões e experiências de volta sofrem o natural
bloqueio das telas protetoras dos cérebros daqueles corpos, que normalmente
guardam para eles as impressões. No entanto, por desenvolvimentos
mediúnicos, por despertar de chackras em todos os corpos superiores, ou
através de canais desbloqueados que ligam os cérebros dos corpos do ego
com a mente, pode o cérebro terreno receber as impressões de certas
situações vividas fora do corpo físico e as decodificar o melhor possível. Ainda
assim, sempre que procurarmos entender o processo intelectualmente
esbarraremos nas limitações do cérebro terreno.

Os iniciados nas ciências ocultas, que desde tempos recuados vêm


trabalhando seus egos no sentido de avançar no caminho de volta ao
verdadeiro lar, ao receber seguidas iniciações, detem novos despertares de
consciência que os permitem ampliar suas visões. Com o tempo, aprendem a
discernir e separar a matéria do espírito, ainda que num patamar finito e
ilusório, e desenvolvem capacidades de suportar superiores energias, que lhes
despertam inestimáveis riquezas internas.

Os iniciados passam então a trabalhar em dois mundos com certa


consciência na vigília, ou plenamente conscientes. Daí permanecerem sob a
capa sutil de seus corpos superiores, no entanto mais treinados e em melhores
condições do que os de seus irmãos da humanidade comum. A pressão da
atmosfera física é tremendamente forte e atuante a cada segundo sem nunca
cessar, por isso nem sempre se consegue traduzir as visões e situações
enfocadas para o físico como desejado, acontecendo os enganos, os erros
avaliativos e os desvios do foco. Cada verdade e cada fato precisam ser
analisados sob diferentes ângulos. Quando analisados somente pelos valores
materiais, tornam-se o mais limitado possível, embora racionais e satisfatórios
para o cérebro comum, mesmo de pessoas cultas e bem aparelhadas
intelectualmente.

As naves podem ser vistas sob o olhar físico, todavia também são
possíveis ser vistas diante das visões etérica, astral e mental. Mas ao passar
pelo crivo do cérebro denso, conforme dissemos, na maioria normalmente
apagam-se os seus registros mais exatos, ou todos. Esse mesmo processo
pode ocorrer com as chamadas abduções mais agudas, por que as energias se
movem no oculto da mente inferior e subconsciente e se transportam para o
cérebro, criando-se ali zonas de conflitos. Mente e cérebro atuam então de
modos interrompidos, podendo o abduzido de repente isolar-se no prévio
condicionamento mental a que foi programado, bloquear o restante das
reações cerebrais e agir isoladamente segundo a programação como um robô
ou hipnotizado, realizando coisas que em sã consciência não realizaria. É a
abdução também um dos grandes motivos do reforço do ateísmo radical e
ceticismo teimoso e afrontante que, no entanto, não atinge os iniciados
despertos porque não se deixam abduzir, embora qualquer um possa lutar e
vencer isso. As abduções sempre existiram por que mentes mais poderosas
conseguem influenciar e dominar de qualquer dimensão outras mentes mais
fracas.

Modernamente, há novos artifícios que seres malignos se utilizam para


refrear o desenvolvimento natural da humanidade, ou não permitir o seu
verdadeiro despertar espiritual, e pior ainda, para teleguiar as massas para
seus objetivos colimados. Os implantes de minúsculos artefatos nos cérebros
ou em regiões do corpo de egos emitem ondas de baixas frequências,
desarmonizando com isso as organizações fisiológicas de seus corpos sutis e
suas notas cerebrais. Com isso, as vítimas são também induzidas a realizar
atos que transgridam as normas disciplinares familiares e da sociedade,
criando desordens, invertendo valores e cometendo crimes. Esse assunto é
amplo e grave, estando ligado diretamente ao momento da Terra em que naves
e aliens missionários nos visitam oferecendo-nos sua ciência superior para o
nosso bem e liberdade. E quando são malignos, fazem uso de suas ciências
para nos escravizar. As Naves-Mães do Comando Ashtar, centralizam muitos
recursos tecnológicos superiores e variedades culturais que valem a pena
deles tomarmos conhecimento ainda que de modo superficial. Prosseguindo
com o Comando, relativamente com a figura:

[créditos WWW.LuizPrada.com]
“NAVES-MÂES - Algumas naves-mães, ancoradas bem acima, na sua
atmosfera, são de 100 milhas ao longo. Elas contêm cidades inteiras com
jardins, gramados, árvores e acomodações literalmente para milhões de
pessoas. Há muitas, muitas pequenas naves indo e vindo de uma nave para
outra das várias existentes. Há um grande número de atividades no que o
terráqueo pensa ser espaço vazio. Somos capazes da invisibilidade e quando
nossas naves estão viajando além da velocidade da luz, realmente nos tornamos
invisíveis para o olho humano. Sete dessas grandes Cidades Espaciais Pérolas
Brancas são mencionadas em textos como “Hospedaria do Paraíso”, variando
em torno de 100 milhas de diâmetro. Em alguns casos essas naves têm doze
níveis, assim distribuídos:

1. Base – Portal de entrada e saída para o tráfego de diversas outras naves.


Inclui plataformas de desembarques, docas de estacionamento, garagens,
setores de manutenção, áreas de armazenagens e Central de Registros.

2. Um colossal armazém, o Quarteirão Mestre, contendo todo o tipo de


suprimentos. É uma cidade imaculada dos armazéns.

3. Um vasto Zoológico, incluindo pesquisas de animais com criaturas trazidas


de muitos mundos e Reserva para pássaros.

4. Pesquisas de agriculturas. A exemplo de uma vasta fazenda com bem


cuidados vegetais, jardins e pomares de frutas. Muitos dos produtos são azuis
ao invés de verdes.

5. Centro de acomodação para todos os técnicos e pessoas que servem nos


quatro níveis inferiores.

6. Nível para recreio e áreas com vistas de parques luxuriantes para residentes
de todas as idades.

7. Complexo Médico. Tratamentos de pacientes, cuidados dentários, pesquisas


biológicas, laboratórios da nave e quarteirão para todo o pessoal médico.

8. Acomodações preparadas para pessoas evacuadas da Terra. Contêm


reservados individuais e apartamentos para famílias. Há inúmeras áreas anexas
para refeições, halls sociais, setores de enfermagens, instalações de
lavanderias, e escritórios de informações.

9. Complexo Universitário. A Câmara da Sabedoria, vasta biblioteca,


intermináveis salões de concertos e de interesses culturais, salões de
aprendizados para todas as idades, salas de músicas, e salas de aulas com
computadores.

10. Apartamentos especiais para dignitários visitantes de todas as dimensões,


alojamentos para ETs, apartamentos especiais e apartamentos com múltiplos
salões para conferências, belos e relaxantes locais para jantares com atraentes
vistas e áreas para passeios.

11. Quartel General do Comando Ashtar e o Grande Salão Curvo de Reuniões.


Pessoas retiradas da Terra são trazidas a esse imenso salão para
necessariamente se encontrar e organizar-se com seus grupos. O Centro de
Comunicações do Comando se localiza aqui.
12. Cúpula Para Observações dos Oficiais e Centro Piloto de Controle que pode
ser visitado com agendamentos.

Há milhões de naves operando ininterruptamente nesse sistema solar e


muitas delas pertencem ao Comando Ashtar. Algumas estão estacionadas bem
acima de seu planeta e permanecem mais ou menos estacionárias por longos
períodos, rastreando a Terra com seus sistemas de monitoramentos. Outras se
movem, se desempenhando de suas várias tarefas. Temos pequenas naves
realizando atividades de inspeção, e temos naves maiores de extensas
dimensões, capacitadas para operar no espaço, e que visitam planetas de
outros sistemas solares. Cada base ou unidade da Terra tem durante todo o
tempo sua respectiva nave planando no seu vortex para receber imediatos
fluxos de mensagens daquela unidade ou para ela serem transmitidas. Essas
Estações ou Plataformas nunca mudam, embora o pessoal envolvido possa ser
removido temporariamente para descanso e relaxes, voltando depois. Todos os
nossos sinais, luzes de alertas e contatos são conectados com nossos
mensageiros por intermédio dessas plataformas individuais. Na atmosfera
acima da unidade há um dispositivo invisível que se projeta incrivelmente ao
alto, para identificações. A ação do dispositivo reconhece o comando particular
responsável pela unidade. Saibam vocês, os servidores daqui, que todos os
participantes desse programa são conhecidos e aos seus locais de serviços.

A verdadeira nave interplanetária, a Ventlas de nossas forças aparecerá à


ótica de vocês com manifestações de luzes coloridas, normalmente verdes,
vermelhas e brancas. Poderá eventualmente aparecer com vermelho e verde
constantes, ou alternativamente aparecerá em flashes”.

Por toda a internet há centenas, senão milhares de mensagens do


Comando Ashtar, razão pela qual é natural desconfiarmos de algumas, pois
sabemos de certas ilusões e adesões provocadas pela inserção de fatores já
anteriormente analisados, e de céticos que não perdem a oportunidade de
ridicularizar a tudo o que não se refira à ciência concreta e à matéria física. As
informações acima compiladas me parecem críveis, embora não possa afiançar
que tudo esteja certo, seja exatamente assim e devidamente alinhado com
procedentes fatos. Admito o entusiasmo da juventude sobre o tema, e sua
ânsia de participar de tão grandioso e importante projeto de auxílio à Terra e
sua humanidade, o que certamente acarretar enganos. Mas os jovens de hoje
engajados nesses projetos são almas de muitas vivências; grande número
deles é provindo de outros orbes e aqui está encarnado para justamente viver
esses momentos complicados e dar suas cotas de auxílio e até sacrifícios. E
esotéricos mais experimentados, tendo sido contatados por seus mestres e por
forças extra planetárias, tendo viajado em corpos mentais ou astrais a naves e
a lugares especiais onde se organizam todas as coisas para socorro ao
planeta, vêm em grande número aderindo aos movimentos e projetos,
tornando-se, sem dúvida, operários da Luz.

O momento atual é de fato de decisões e definições. Graves


consequências advém aos humanos por suas ações erradas através dos
milênios, sem excetuarmos o tremendo campo de luta – o Kurukuchetra
Planetário previsto pelos guias da humanidade, ou o Armagedom que já se
desenrolam – que as forças sinistras, sejam elas aliens negros ou magos
negros de todos os tempos, a isso provocaram atraindo homens e os
dominando pelas vias da mão esquerda. Em contraposição, os defensores da
Luz são muitos e essa luta se realiza agora mais intensamente no exíguo
tempo que nos resta antes das grandes mudanças. O mal sempre operou
abertamente em certas eras e idades negras, ou com sub-reptícios avanços
nos subterrâneos dos tempos. Vimos acentuando o poder do mal ao longo
dessa obra, não como um sinal de reconhecimento de sua superioridade, mas
para deixar bem claro que os poderes do bem e do mal se dispõem numa
balança de pratos iguais, e embora não devamos temer o mal, mas vencê-lo
sempre, jamais devemos subestimá-lo. Não é mais hora de devoções cândidas
e esperanças passivas, mas sim da conscientização de que, muitos guerreiros
do bem hoje continuam a trabalhar incansavelmente carregando enormes
fardos de responsabilidades nas suas costas a fim de evitar que os valores
humanos duramente conquistados mudem de mãos, sejam pervertidos e
destruídos para sempre.

Enquanto muitos somente rezaram e contemplaram, esses personagens


anônimos trabalharam duramente através dos milênios em condições
adversas; tendo aprendido e materializado a pura magia branca, as várias
vertentes das ciências ocultas, lapidado as arestas do pensamento, ensinado a
filosofia, a meditação, a medicina, a astronomia, a astrologia e muitas outras
importantes vias da cultura mundial para que as melhores conquistas humanas
acontecessem. Incontáveis desses heróis tiveram suas vidas ceifadas pelas
mãos incompreendidas de tantos, mas os amaram e continuaram a amá-los.
Homens tolos e cegos, céticos e arrebatados pelas formas materiais,
acreditaram terem sido eles tão somente os implantadores de suas ciências,
reveladas unicamente pelos seus labores técnicos e recursos laboratoriais. Não
sabem e nunca saberão, enquanto assim persistirem, de onde vieram e vêm as
inspirações, as intuições e a vontade indômita de se chegar às soluções
científicas para amparo e melhores condições de vida da Terra. Não
importaram suas ambições, desejos pueris de fama e riquezas que os
incentivaram e alentaram para as soluções plausíveis. Os Mestres do saber
pouco se importaram com isso, pois o desiderato humano que muitos almejam
e perseguem está implícito na fixação e materialização de suas glorícolas.
Entretanto, os mesmos Mestres se importaram sim, quando fórmulas
matemáticas, físicas, químicas e descobertas incríveis da ciência, vieram cair
irreversivelmente em mãos de homens malignos. Pois esses magos negros da
modernidade as vêm usando em cruéis experimentos tecnológicos de
aprisionar ou destruir o próprio homem, em escravaturas mundiais vividas e
percebidas, mas impossível romper senão por radicais mudanças planetárias já
às portas. Isto muitos milhões esperam e acreditam virá acontecer.

Uma corrente mundial dos defensores da Terra é conclamada. Homens de


boa vontade e os de todos os credos, raças, religiões e práticas espirituais
precisam consubstanciá-la, ajudar a fortalecer os seus elos, auxiliar a quem
precisa de auxílio e lutar até o final desses tempos turbulentos. Cada um deve
fazer o que possa, orientar-se sintonizado com esse pensamento único, pois
grandes almas e Mestres do saber dela fazem parte e a ela coordenam.

Ao encerramento desse pequeno trabalho, vamos reproduzir importante


mensagem de Ashtar Sheran [http://rosane-avozdoraiorubi.blogspot.com/]
sobre o alerta geral dos acontecimentos que já se precipitam e se
desencadeiam conforme previstos.

“Esquadrinhem-se!

Paz na Terra!

Aprontem-se mais diante do que está por vir e diante do que está
ocorrendo! Não nos referimos às colisões entre as terras e os mares, mas
principalmente às emboscadas invisíveis que travam, neste ciclo, um embate
ardilosamente perpetrado. Auscultam os seres reptilianos e os comandados
pelos dragões os seus mais secretos sentimentos, instintos e complexidades de
suas personalidades. Seus aparelhos de auferição de ondas curtas dos padrões
mentais dos terráqueos, e os que medem emanações doentias ou
desequilibradas dos centros cardíaco e sexual, estão incrementados à condição
máxima que puderam construir. Não se arvorem em retroceder em suas
condutas já seguramente testadas nestes milhares de anos.

Esses humanos que já têm sido esclarecidos em suas múltiplas vidas de


penetração nos recônditos de suas memórias, a fim de consolidarem a sua
integração com sua essência primordial, não podem se descuidar agora. O que
resta à humanidade, à fração dela que conhece os mecanismos das infiltrações
espirituais, é protegerem-se, mas agora também de si mesmos. É indispensável
uma visualização de seus comportamentos mais íntimos. Avaliem se o que
sopra dentro de seus corações, aparentemente harmonizados, escamoteia para
uma forma antagônica qualquer.

A técnica escolhida por parte dos seus perseguidores é a de insuflar os


complexos sentimentos retrocedentes, antagonismos dentro de suas visões de
mundo e de espiritualidade e as suas estruturas de personalidade, forjadas em
renitentes e intrincados complexos, como também os artifícios de ocultação de
suas índoles, tendências morais e anseios mais primários. Não se pode atuar
com êxito nas vidas humanas, como já temos dito insistentemente, quando seus
espíritos se ligam às ondas magnéticas preparadas para confundir os
desatentos de suas frequências mentais, emocionais e espirituais.

Nossa missão como vizinhos no universo não se prende ao inexequível


trabalho de burilar a cada um dos homens da Terra. Temos a função bem
estudada de desarticularmos os obscuros antros da ciência avançada dos
redutos das sombras em revolta absoluta. Permanecem eles atrelados, agora, de
forma intrigante até para nós, pela mancomunação diferenciada e acentuada que
tem sido a nós mostrada, quanto à espreita e ligação automática de seus fios
elétricos aos mais ocultos modos de ser e de pensar dos terráqueos, que
possam lhes dar a tomada esperada.

A palavra de Deus sempre é a última, contanto que seus filhos da luz já


estejam devidamente arregimentados de seus cuidados próprios. Não podemos
crescer em seu lugar! Não podemos substituir seus instintivos mecanismos de
defesa e destruir seus defeitos morais. Igualmente não podemos preencher suas
lacunas espirituais. Nossa mestria é lançar nos planos astrais da Terra os
nossos jatos potentes de recursos desconhecidos por todos de seu mundo para
a dissolução de compactuações mal. do mal. O ser humano deve se modificar.
Os trabalhadores da luz ainda se desviam também em seus comportamentos
antisolidários e competitivos. O menor pensamento contrário ao amor tem sido
auscultado no íntimo dos seres humanos, visando ampliá-lo, em seu dia a dia,
de forma assustadora.

Não revoguem mais os prazos para vossas mudanças de visão quanto ao


seu semelhante! Não posterguem as datas para suas articulações emergenciais
de transmutação dos maus pendores em atitudes altruístas e de compaixão. O
perdão, o amor, a união entre todas as forças humanas, sabedoras que cada
qual faz sua parte no mundo, ainda são as ferramentas indispensáveis para
serem combatidos os animosos intentos do reino dos antipatizados pela
evolução do planeta. Os seres inimigos até agora tem sido apenas parcialmente
dominados quanto às suas possibilidades tecnológicas de clonagem de duplos
e de lavagem cerebral durante as noites dos incautos.

Rastreamos situações absolutamente inolvidáveis. Prestem atenção no seu


interior! Nada podemos fazer quanto ao vosso aprisionamento mental!
Observem a vibração de seus sentimentos, de suas ações! Percebam,
imparcialmente, a parcela de culpa, de mentira e de antisolidariedade que estiver
permeando as suas palavras, gestos, atos e metas de vida ou de ação em
qualquer campo de suas vidas diárias. Nosso plano não é o de doutriná-los.
Para isso existiram as religiões, as doutrinas e as filosofias.

Pedimos a colaboração dos seres terráqueos para que não se torne ainda
mais minucioso o nosso trabalho, pela sua invigilância mental. Estão lidando
com energias densas. Tenham esta lembrança, sem nunca mais que elas se
apaguem, até a completa transição. Não sejam ingênuos com relação ao
verdadeiro aporte divino, que sem dúvida é a porto seguro da vontade superior
sobre todos os fatos do universo. Lembrem-se que paira, como sua própria lei, a
que cada qual seja responsável pelos seus atos, pensamentos, sentimentos e
obras. Seres da Terra, vigiem-se! Desligamos muitas tomadas que prendem os
seres humanos. Contudo, os tentáculos da inteligência hostil capturam, a cada
hora, mais e mais humanos despreparados e ignorantes. Dentre esses não
podemos deixar que estejam os necessários trabalhadores da luz. Obedeço a
ordens superiores de fazer esta pausa em nossas ações para levar a efeito esta
transmissão.

Não sejam irresponsáveis depois de tantos esforços evolutivos. Não se


entreguem por descuido espiritual e moral, por barreiras e limitações e
radicalismo de opinião e de preponderância de uns sobre os outros. Usem todo
o arsenal disponível para sua evolução. Evitem igualmente a ansiedade e o
medo, a insegurança e a estagnação improdutiva Cerquem-se de maiores
apetrechos de energia transmutadora. Equalizem suas frequências no amor e
compreensão. Paz é o que queremos, mas não estão em paz ainda! Estão em
meio a uma guerra de interesses! Vigiem!

Nosso respeito pelo que de bom já amealharam, mas nosso apelo a que se
fortaleçam mais na verdadeira comunhão e aplicação de suas bandeiras
ideológicas e doutrinárias. Espreitamos o que podemos. Mas é impossível
esquadrinharmos seus corações e mentes. Unamos nossos esforços, cada qual
de nós fazendo a sua parte! Esquadrinhem-se!”

Ashtar Sheran. Rayom Ra – 29/11/10.


Rayom Ra

29-11-10

meio a uma guerra de interesses!Vigiem!

meio a uma guerra de interesses! Vigiem!

Você também pode gostar