Você está na página 1de 17

Informática na Educação: a Utilização da Informática como Recurso Pedagógico nas Séries

Iniciais

Priscila Rocha Fernandes dos Anjos


priscilarfanjos@gmail.com.br
Ana Cláudia Moreira Madaleno, MSc
acmadaleno@yahoo.com.br

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Informática Educativa UGF - Universidade Gama


Filho

Resumo
A utilização da informática como recurso pedagógico é de grande incentivo no processo de
ensino-aprendizagem no primeiro ciclo do ensino fundamental, pois auxilia a criança a fixar
o conteúdo estudado. Ao estudar através da tecnologia, o aluno é exposto a aulas mais
atraentes, já que ele encara o computador como um meio de entretenimento e não como
uma obrigação. Para tanto, é necessário ter conhecimento de todos os recursos disponíveis
para auxiliar o professor a inovar em sala de aula. O presente artigo é o resultado da análise
do uso deste instrumento intercedendo no ensino multidisciplinar, através de relatórios das
aulas, de atividades e questionários com envolvidos na disciplina de Informática, realizadas
no primeiro semestre de 2013 com alunos do 1° ao 5° ano dos anos iniciais do ensino
fundamental. Nesta pesquisa, verificou-se a necessidade de se investir na capacitação dos
professores na área de informática educativa, uma vez que seu uso é presença constante
nas escolas, pois a maioria dos alunos já a utilizam e os professores apresentam dificuldades
e necessitam estar preparados para que esse recurso possa favorecer o ensino-
aprendizagem. Um ponto que teve destaque neste estudo é a necessidade de ter um
profissional licenciado em computação para assumir esta disciplina de forma a interagir com
essa moderna ferramenta computacional na educação, promovendo o desenvolvimento
pedagógico, tecnológico e científico, necessários para o aprendizado de tecnologias
reforçando os conceitos estudados com o professor de sala de aula a fim de favorecer a
troca de experiências entre educadores e alunos.

Palavras-chave: Informática, recurso pedagógico, ensino-aprendizagem.

Abstract
The use of computers as a teaching resource is of great encouragement in the process of
teaching and learning in primary school, because it helps the child to determine the content
studied. By studying through technology, students are exposed to lessons more attractive,
since he sees the computer as a medium of entertainment and not as an obligation.
Therefore, it is necessary to have knowledge of all the resources available to help teachers
to innovate in the classroom. This article is the result of the analysis of the use of this
instrument interceding in multidisciplinary teaching through class reports, quizzes and
activities involved with the discipline of Computing, held in the first half of 2013 with
students from 1st to 5th year of years of primary education. In this research, we found the
need to invest in the training of teachers in computer science education, since its use is a
constant presence in schools, as most students already use and teachers have difficulties
and need to be prepared to this feature can facilitate the teaching-learning process. One
point that was highlighted in this study is the need to have a professional degree in
2

computing to take this course in order to interact with this modern computational tool in
education, promoting educational development, scientific and technological, necessary for
learning technologies reinforcing concepts studied with the teacher of the classroom in
order to foster the exchange of experiences between teachers and students.

Key-words: Computing, educational resource, teaching and learning.

1. Introdução
As escolas vêm acompanhando as mudanças do mundo contemporâneo. Muitas já
têm laboratórios de informática instalados e preparados para serem utilizados pelos alunos,
professores e funcionários. A tecnologia, aliada às novas possibilidades de ensinar e
aprender, traz para as escolas uma nova reflexão para se repensar a educação uma vez que,
sendo oferecida como meio de contribuir para a melhoria da qualidade de ensino, unir-se-á
à proposta pedagógica, incentivando seus alunos, professores e a equipe pedagógica a
utilizá-la em atividades direcionadas e elaboradas de forma construtiva a buscar um
conjunto entre a necessidade e a realidade existente em cada sala de aula [FREIRE, 2003].
De acordo com Moran (2003), as crianças que pertencem à geração Z, ou seja,
aquelas que nasceram sob o advento da tecnologia e da internet, por estarem muito
envolvidas com os computadores, sabem manuseá-los e demonstram um interesse maior
quando a aula é no computador. Para as crianças, não há sentimentos de medo diante dos
recursos tecnológicos, a curiosidade delas faz fluir com facilidade o manuseio de um
computador.
Dessa forma, é inevitável não utilizar a informática no meio educacional. Os seus
recursos trazem um exercício eficaz ao trabalhar os conceitos já vistos em sala, e por isso
reforçam o ensino e sanam as dúvidas dos alunos. Para tanto, é necessário perceber que
tipo de ambiente a escola deve proporcionar aos alunos para o desenvolvimento de suas
competências.
Neste trabalho, investiga-se, por meio de um estudo de caso, como a utilização da
informática influencia no processo de ensino-aprendizagem de crianças em fase de
alfabetização, no primeiro ciclo (1º ao 5º anos) do ensino fundamental. Os objetivos
específicos são mostrar como escolher os softwares e os conteúdos mais adequados para
cada faixa etária, qual o tempo de utilização do computador pelo aluno, especificamente
buscar dados que auxiliem no conhecimento dos meios que o computador utilizará para
auxiliar na teoria de ensino e aprendizagem construtivista.
Nesse contexto, será considerada a postura que o professor deve assumir na
utilização da informática como recurso de ensino-aprendizagem, bem como os
equipamentos e configurações necessários para este trabalho, as possibilidades de formação
dos educadores frente às Novas Tecnologias, analisando o Projeto Político Pedagógico
escolar que define a identidade da escola e indica os caminhos para ensinar com qualidade
através de princípios de interatividade e contextualização.

2. Fundamentação Teórica
De acordo com Valente (2010), na escola digital o uso da tecnologia motiva o aluno a
ser o autor de seu projeto, de sua atividade. Ele gera as informações no momento em que
deseja e da forma que quiser. Cabe ao professor não apenas repassar o conteúdo, a
informação, mas administrar esse projeto dentro dos parâmetros que foram estabelecidos.
Moran (2007, p. 167) afirma que “quanto mais avançadas as tecnologias, mais a
educação precisa de pessoas humanas, evoluídas, competentes, éticas. São muitas
3

informações, visões, novidades. A sociedade torna-se cada vez mais complexa, pluralista e
exige pessoas abertas, criativas, inovadoras, confiáveis.”
Com o computador, o indivíduo viaja na interatividade e se mantém em contato com
o mundo, atravessando fronteiras e vencendo muitos desafios antes imagináveis. Nesse
sentido, de acordo com Perrenoud (2008), faz-se necessário refletir e definir o porquê de
colocar um computador na escola e o porquê de usar essas mídias como ferramenta de
ensino, transformando não as maneiras de comunicar, mas também de trabalhar, de decidir,
de pensar.
A escola é um lugar excelente para os primeiros contatos com o computador. As
pessoas que aprendem a tecnologia computacional na escola, provavelmente terão menos
dificuldades do que as que entram em contato com ela somente no mercado de trabalho.
Neste contexto, Valente (2010), percebe que o aluno já as utiliza de sua maneira ao
acessar recursos como música, vídeo, imagem, conteúdos diversificados, induzindo a um
aprendizado que desenvolva seu raciocínio. Ele acredita que a escola precisa motivar o aluno
a gerar informação, usando a tecnologia com foco na abordagem curricular que está sendo
desenvolvida pelo professor.
Desta forma, o aluno passa a ser o “autor” de suas atividades através das
informações alcançadas e o professor vai conduzindo os materiais produzidos de acordo
com os parâmetros indicados, difundindo os conteúdos num novo paradigma educacional.
Luckesi (2011) afirma que a Tecnologia Educacional deve ser usada como ferramenta
para uma instrução permanente, que acompanhe todo o processo de ensino-aprendizagem
e as transformações sociais junto ao desenvolvimento do indivíduo, de uma forma
determinada, fechada e eficaz.
A escola, em parceria com a sociedade, deve utilizar o computador na educação
como um recurso pedagógico para complementar a aprendizagem das disciplinas e também
utilizá-lo no dia a dia, que para Kachar (2008, p.03) significa “[...] gerar um indivíduo capaz
de analisar as circunstâncias do universo que atua rever e reinventar práticas de ensino e
aprendizagem com as linguagens e com os recursos tecnológicos que estão disponíveis na
instituição escolar e, que fazem parte do universo social e cultural do aluno”.
Assim, de acordo com Bortolozzo (2010) se entende que “as tecnologias na educação
são recursos importantes, não pelas informações que disponibilizam, mas pelo processo
comunicacional e interacional que possibilitam, conduzindo a (re) construção de
conhecimentos”.
De acordo com Formiga (2009, p. 44) “[...] cabe agora ao professor deslocar sua
competência para incentivar a aprendizagem, desenvolver o raciocínio, pensar, falar e
escrever melhor. Desse modo, ele passa a ser um eterno aprendiz ao dividir e compartilhar
seus conhecimentos, sobretudo suas dúvidas, com seus pares e seus novos colegas
estudantes/alunos. […]. Nesse processo criativo e inovador do ensino docente, desaparece a
hierarquia do saber e a pretensão de uma superioridade intelectual dos mestres.”.
Nesse ponto de vista, de acordo com os PCNs (Parâmetros Curriculares Nacionais) “a
tecnologia deve servir para enriquecer o ambiente educacional, proporcionando a
construção de conhecimentos por meio de uma atuação ativa, crítica e criativa por parte dos
alunos e professores” (BRASIL, 1998, p. 140), e não apenas para trazer aulas de informática
básica, mas sim trazer conhecimento explorando os conteúdos estudados renovando a
maneira tradicional de se aprender.
Para Brito e Purificação (2011), o computador é um instrumento instrucional, que
deve ser componente da escola. As autoras afirmam que as crianças hoje têm grande
facilidade em aprender através desta ferramenta, elas aprendem relacionando os temas
escolares, de uma forma inovadora, não formal, e o professor deve se amoldar também à
4

tecnologia, incentivar e dinamizar para contribuir para um melhor andamento de seu


planejamento pedagógico.
Atualmente os professores usam a informática como recurso pedagógico para
planejar aulas, digitar atividades, fazer pesquisa na internet, enviar arquivos por e-mail para
impressão e atividades, visitar redes sociais e blogs, praticar jogos educativos e também
quando surgem algumas dúvidas quanto à escrita, dificuldades de interpretação e sanar
dúvidas sobre aos temas estudados e no decorrer das aulas. Para tanto, há a necessidade de
se investir na formação do professor para que ele tenha condições de integrar o computador
ao seu ensino.
No Brasil, o uso do computador, assim como a internet na escola, vem sendo
implementado aos poucos. Para o ensino fundamental, “o recurso mais disponível é o
“laboratório de informática”, sendo oferecido em 44% das escolas públicas.” (BRASIL, 2012,
P. 33).
Como destaca o professor Lopes (2013), para melhor aproveitamento do laboratório
de informática, destaca-se que deve haver um professor licenciado na área para tratar e
gerenciar os problemas que ocorrem neste ambiente, além de estar envolvido no
planejamento curricular pedagógico com o uso do computador e incentivar os professores
para o desenvolvimento das ações pedagógicas unindo a informática com as demais
disciplinas.

3. Materiais e Métodos
A pesquisa está baseada na observação de 82 alunos com idade entre 6 e 10 anos, de
ambos os sexos cursando do 1º ao 5º anos e na aplicação de questionário com 5 professoras
do primeiro Ciclo do Ensino Fundamental I, em uma escola particular de uma cidade de
médio porte do interior do Estado de São Paulo.
A escola atende exclusivamente alunos do ciclo I (1ª a 5ª anos do Ensino
Fundamental I) e ciclo II (6ª a 9ª anos do Ensino Fundamental II), funcionando nos períodos
matutino e vespertino, com 4 salas no período matutino e 5 salas no período vespertino.
Foram observadas as aulas de informática que utilizam recursos do computador para
intermediar conteúdos disciplinares, em que a professora responsável pelo laboratório
aplica alguns recursos como jogos eletrônicos educativos, textos, apresentações, atividades,
vídeos, previamente testados, para reforçar os conteúdos estabelecidos pelas professoras de
sala de aula.
As atividades foram desenvolvidas nas aulas semanais de Informática, inseridas na
grade curricular com carga horária de 55 minutos a aula, no período de abril a setembro de
2013.
Todas as aulas foram realizadas na própria escola, essencialmente no laboratório de
informática, que é equipado com nove computadores para uso dos alunos, professores e
funcionários, todos conectados à internet de banda larga.
Para cada aula, era realizado o plano de aulas, em que eram identificados os recursos
a serem usados como jogos educativos online e do sistema de ensino do colégio, aplicativos
como paint, Word, Excel, Power-point, navegadores de internet e criação de HQs (histórias
em quadrinhos).
Inicialmente, o planejamento das aulas incluíam noções básicas sobre o computador,
suas partes e como usar os aplicativos que seriam aproveitados no decorrer do no letivo.
Considerando os objetivos da investigação e o fato de se conhecer as perspectivas
deste grupo em estudo, adotou-se uma metodologia de contato direto com o tema de
estudo.
5

O estudo foi desenvolvido em duas etapas. Na primeira, foi aplicado um questionário


para investigar as professoras dos anos iniciais do fundamental I, seu perfil e conhecimento
em relação à aplicação da informática no ensino interdisciplinar. Através deste instrumento,
foi possível elaborar alguns gráficos para análise. Na segunda etapa foram analisadas as
atividades realizadas pelos alunos, que serviram de base para diagnosticar o impacto na
sociedade a respeito das tecnologias já inseridas na cultura de cada aluno, obtendo assim,
informações adicionais às questões que não foram satisfatoriamente apontadas no
questionário.

3.1. Conceitos de Informática


Ao iniciar as aulas de informática os alunos são familiarizados com a utilização do
computador e seus recursos.
A figura 1 apresenta uma atividade realizada no laboratório de informática para
auxiliar no aprendizado dos componentes de um computador.

Figura 1 – Atividade de Informática Educativa

3.2. Jogo Educativo Ariê na Escola


Nas fases do desenvolvimento cognitivo infantil de Piaget do pré-operatório, a
criança faz relações no seu meio ambiente e assimila a realidade através de representações
como jogos simbólicos, domínio da linguagem e coordenação motora através do desenho.
Aplicar jogos com essa finalidade, para os alunos dos 1º e 2º anos, é um auxílio para
associação na alfabetização de palavras e objetos, bem como desenvolver a coordenação
motora. Utilizando o jogo Ariê, conforme mostra a figura 2, as crianças foram motivadas a
aprender brincando, pois a cada jogo completo, a criança ganha uma medalha. Elas
6

escolhem por onde começar: jogo de colorir, jogo da memória, jogo das frutas ou jogo do
caminho.

Figura 2 – Ariê
Fonte: http://www.krafthaus.com.br/arie/arie_na_escolaB.htm

3.3. Atividades sobre as diferenças


Dando inicio ao 2º semestre, trabalhou-se o Projeto: “Juntos pela Paz”, com as
turmas do fundamental I. Esse projeto foi elaborado pela Coordenação do Colégio, com o
intuito de abordar assuntos ligados à socialização, ao individualismo e à indisciplina das
crianças tanto em sala de aula quanto no recreio.
Para as crianças de 3º e 4º anos, séries em que a indisciplina estava agravada, foi
escolhido um texto que trata das diferenças físicas das pessoas para ser lido no laboratório
de informática, após a leitura foi feita uma reflexão e em seguida os alunos realizaram
atividades educativas online explorando o assunto, conforme mostra a figura 3.

Figura 3 – Projeto “Juntos pela Paz”.


Fonte: http://static.educacaoadventista.org.br/portal/multimidias/596/quebsilencio_ini.swf
7

3.4. HQ’s sobre a Independência do Brasil


O HagáQuê editor de histórias foi utilizado para os alunos criarem histórias em
quadrinhos com base nos conhecimentos adquiridos na disciplina de História sobre a
Independência do Brasil. Segundo Piaget, as crianças em fase operatório passam a
conseguir reconstruir suas ações por meio de imagens e experiências mentais e assim
vão desenvolvendo o conhecimento lógico-matemático e social. Para alcançar o objetivo
esperado, os alunos foram motivados com o vídeo sobre a Independência do Brasil, além de
participar do teatro apresentado no colégio para as demais turmas.
A figura 4 mostra uma história sobre a Independência do Brasil desenvolvida por um
aluno após ter o conhecimento na disciplina de História.

Figura 4 – HQ sobre a Independência do Brasil.


Fonte: http://www.nied.unicamp.br/?q=content/hag%C3%A1qu%C3%AA

4. Resultados
O questionário foi entregue no dia 5 de abril de 2013 às cinco professoras que
lecionam da 1º a 5ª séries do ensino fundamental I, que foram chamadas de P1, P2, P3, P4 e
P5.
Foi explicado que o questionário seria um apanhado inicial das práticas docentes em
relação ao uso do computador nas aulas de informática e que, posteriormente, seria feita
uma observação durante as aulas que teriam aplicação de recursos tecnológicos, verificando
assim a influência deles no aprendizado.
Todas as professoras P1, P2, P3, P4 e P5 responderam ao questionário com suas
anotações.

4.1. O questionário
Analisando as respostas à primeira pergunta as professoras P2, P3, P4 e P5
responderam que acessam o computador somente em sua residência, já a professora P1
respondeu que acessa o computador na escola e em sua residência. Este resultado
demonstra que a maioria das professoras tem dificuldade em usar o computador na escola
8

ou mesmo conciliar com as aulas e como sugestão, a professora P2 explica que é essencial
ter na escola uma professora para as aulas de informática, com formação em informática
educativa, atuando com eficiência e interagindo com os demais professores no que diz
respeito a sugestões de aplicação de conteúdos interdisciplinares.
A segunda pergunta as 4 (quatro) professoras P2, P3, P4 e P5 responderam que
possuem domínio parcial e que aprendem por conta própria ou perguntando a alguém que
saiba. A professora P1 respondeu que possui domínio total e que faz cursos de informática
para estar sempre atualizada.
Observando a terceira questão, as professoras P1 e P3 responderam sim, a P3
informou que utiliza atividades e softwares educativos no período matutino. As demais, P2,
P4 e P5 responderam não, somente tiveram experiência com a parte pedagógica.
Em resposta à quarta questão, as professoras P1, P2, P3, P4 e P5 relataram como
muito importante.
Na quinta questão, ambas as professoras responderam positivamente. A professora
P1 informou que utiliza pesquisas de imagens, personagens e textos na internet. A
professora P2 relatou que utiliza pesquisas para as disciplinas de história e jogos educativos
para trabalhar conceitos de matemática.
O gráfico 1 mostra os recursos de computador usados como ferramenta de ensino,
tais como: programas, jogos educativos e aplicativos da internet.

10
Quantidade de Aulas

8
1º ano
6
2º ano
4 3º ano

2 4º ano
5º ano
0
pesquisas na textos no atividade no jogos conceitos de
internet Word Paint educativos informática

Gráfico 1: Opinião sobre a utilização do computador para o ensino.

As professoras P3, P4 e P5, utilizam jogos educativos e vídeos para reforçar


conteúdos dados em sala.
Analisando a sexta pergunta, identificam-se os conteúdos explorados com o
computador.
O gráfico 2 mostra os conteúdos interdisciplinares explorados através da informática.
9

10

Quantidade de Aulas
8
cálculos e operações
6 história do brasil

4 ciências
mapas e cartografia
2
textos e ortografia
0
1º ano 2º ano 3º ano 4º ano 5º ano

Gráfico 2: Opinião sobre os conteúdos interdisciplinares explorados com a informática

O gráfico 2 mostra, em relação à periodicidade com que a professora de informática


usava o laboratório com as turmas, ou seja, semanalmente, escolhendo o assunto para ser
reforçado na aula. Durante o período de estudo e pesquisa, de abril a setembro, chegou a
um total de 19 aulas no laboratório de informática, sendo 4 aulas por mês de 55 minutos
cada aula. Para as professoras, a inserção da tecnologia no processo ensino-aprendizagem
dá para os alunos a percepção de que as disciplinas estão presentes no dia a dia e eles
podem continuar o estudo pesquisando no computador em casa.
A sétima questão foi sobre como é a aprendizagem dos alunos usando o computador.
Para a professora P1 e P2, os alunos são mais participativos e compreendem mais rápido o
raciocínio do objetivo proposto. Já para a professora P3, os alunos assimilam com mais
facilidade o processo para a execução das operações. A professora P5 explica que na escola
não são aplicadas provas como avaliação e para estimular e complementar utiliza o
computador como ferramenta avaliativa assim as crianças ficam animadas em aprender e,
ao saírem da aula de informática, elas conseguem atingir o entendimento necessário do
conteúdo. A professora P4, relata que o computador é usado quando ela percebe que os
alunos estão com dificuldades. Nenhuma professora realiza projeto específico.
A oitava questiona quais as potencialidades identificadas ao utilizar o computador no
processo ensino-aprendizagem. As professoras P1, P2 observaram maior rapidez no
raciocínio das crianças. As professoras P3, P4 e P5 notaram maior empenho em resolver a
atividade sugerida devido ao uso do computador.
Na nona pergunta foi analisado se “o computador é utilizado para iniciar um
conteúdo ou para fixá-lo”. A professora P5 relatou que utiliza para iniciar o conteúdo para
obter a compreensão dele. As professoras P1, P2, P3 e P4, preferem utilizar o computador
para fixar o conteúdo.
Na décima pergunta foram observadas “quais as vantagens são identificadas ao
aplicar o computador para ensinar”. As professoras P1 e P2, identificam dinamismo,
interesse, levantamento de dúvidas pelos próprios alunos. A professora P3, relata o
interesse das crianças e um aumento da concentração. As professoras P4 e P5 observam
mais interesse em aprender através do computador.
O gráfico 3 mostra, na percepção das professoras, quais as vantagens identificadas no
comportamento dos alunos ao aplicar o computador.
10

70%
60% dinamismo

Porcentagem de Aulas
50%
interesse
40%
30%
levantamento de
20% dúvidas
10% concentração
0%
1º ano 2º ano 3º ano 4º ano 5º ano

Gráfico 3: Opinião sobre quais as vantagens identificadas ao aplicar o computador.

As professoras P1, P2 e P5 não percebem desvantagens ao aplicar um conceito


estudado nas aulas de informática e percebem que é um auxílio no ensino da matéria para
fortalecer aprendizado. As professoras P3 e P4 relataram sobre o barulho que as crianças
fazem ao se comunicarem com o colega sendo sua dupla, no laboratório, mas não indicaram
como desvantagem.
Para as professoras, a aprendizagem dos conceitos ensinados, utilizando o
computador, já dá ao aluno um conhecimento do conteúdo e o professor apenas o
sistematiza. Para elas os recursos da informática são utilizados como parte da metodologia
desde que iniciaram a carreira de professora e sempre alcançam bons resultados.
Observou-se então, que o processo de ensino-aprendizagem através do computador
traz para o professor um planejamento focado ao seu objetivo escolhendo os recursos, tais
como, jogos, softwares e ferramentas adequados à faixa etária, buscando na informática um
auxílio ao aprendizado.

4.2. Atividades dos alunos


Para os alunos, a aprendizagem melhora habilidades de solucionar problemas, amplia
as ideias, além de desenvolver o raciocínio lógico.
As crianças relatam que ficam ansiosas para a aula de informática, elas adoram ter a
aula e poder mexer no computador.
Partindo dessa análise, chega-se à formulação de que é possível ensinar a resolver
problemas e desenvolver conteúdos utilizando as ferramentas do computador como
ambiente de ensino-aprendizagem. Percebe-se que este ambiente deve proporcionar ao
aluno o desenvolvimento de sua compreensão e fixação dos conteúdos de todas as
disciplinas, utilizando juntamente aos recursos convencionais, a informática. Como o uso da
tecnologia, caracteriza o novo paradigma educacional e melhoram a formação do professor,
é possível avaliar a aprendizagem dos alunos utilizando seus aplicativos para auxiliar crianças
com dificuldades de aprendizagem.

5. Conclusões
Diante das questões apresentadas neste trabalho, pode-se afirmar que as análises
mostram uma realidade que merece atenção, pois, embora o uso do computador para o
ensino seja um assunto bastante discutido na área de educação, essa tecnologia apoia-se no
uso de outras ferramentas necessárias para difundir o aprendizado.
A pesquisa constatou que o uso frequente dos recursos de informática, tais como
softwares educativos, programa de uso geral como Word, PowerPoint, Internet auxilia no
11

meio escolar, tendo em vista que, esse recurso pedagógico como um facilitador na busca por
informação e por preparar o aluno para o mercado de trabalho.
Durante as aulas, observou-se a importância na escolha dos softwares e recursos de
informática de acordo com os conteúdos ora iniciados, ora reforçados, eles foram
adequados a cada faixa etária dos alunos, respeitando a fase desenvolvimento de cada
turma.
O tempo de utilização do computador pelas turmas foi suficiente para que os alunos
aprendam, tirem dúvidas ao longo da aula e se divirtam com jogos direcionados pela
professora de informática, sem deixar as crianças entediadas.
Os equipamentos estavam apropriados para cada aula com a configuração necessária
para que os alunos pudessem estudar e se conectar à internet para buscar as informações
solicitadas em aula.
Entretanto, neste novo contexto, foi notada uma postura diferenciada por parte das
professoras, trocando seu conhecimento verbal com a professora de informática que
modifica a maneira de ensinar, com uma postura criativa, fazendo uma parceria com seus
alunos, passando a ser uma mediadora que facilita a compreensão dos alunos nos conceitos
aplicados num formato diversificado através do computador.
As respostas das professoras comprovam que existe, nessa escola, falta de
treinamentos e cursos específicos que discutam a importância dos recursos de informática e
tecnologias para os processos de ensino e de aprendizagem que envolvam as disciplinas
ofertadas. Assim, para reverter tal situação, é necessário que se invista em formação
continuada dos seus docentes, almejando expandir as discussões na busca de metodologias
que trabalhem com a utilização de tecnologias no ensino de modo geral, permitindo assim
obter uma melhoria na prática docente atrelada ao Projeto Político Pedagógico escolar.
O trabalho contribuirá para a divulgação, através da pesquisa de campo, no ensino
fundamental, do 1º ciclo e na comunidade envolvida, como pais e professores, tendo em
vista que muitas pessoas dentro e fora da escola têm dificuldades em manusear o
computador e a importância do seu trabalho no meio social.

Referências Bibliográficas

ALMEIDA, F. J. Educação e informática. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2009.


ARAÚJO, Júlio César; DIEB, Messias (org). Letramentos na Web: Gêneros, Interação e Ensino.
Fortaleza: Edições UFC, 2009.
BARRA, Sandra Marlene Mendes. Infância e Internet – Interações na Rede. Disponível em:
http://www.aps.pt/cms/docs_prv/docs/DPR4628eddb83d72_1.pdf Acesso em 02 abr.
2013.
BORTOLOZZO, Ana Rita Serenato. Banco de dados para o uso das tecnologias de
informação e comunicação na prática pedagógica de professores de alunos com
necessidades especiais. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica do
Paraná, Curitiba, 2008.
BRASIL (1998): Parâmetros curriculares nacionais. Brasília: Ministério da Educação e Cultura.
BRITO, G. S. PURIFICAÇÃO, L. Educação e novas tecnologias: um (re)pensar. 3 ed. Curitiba:
Ibpex, 2011.
FONSECA, D. C. L; FERREIRA, S. L. A formação do professor e as tecnologias da informação e
comunicação: desafios contemporâneos. Revista da Faced, n. 10, 2006, p. 61-72.
Disponível em:
http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/486_562.pdf. Acesso
em 25 de mai. 2013.
12

FORMIGA, Marcos. A terminologia da EAD. In: LITTO, Frederic M.; FORMIGA, Marcos (Org.).
Educação a distância: o estado da arte. 2ª edição. São Paulo, SP: Pearson Education,
2009.
FREITAS, M. T. de A. Computador/Internet como Instrumentos de Aprendizagem: Uma
Reflexão a partir da abordagem Psicológica Histórico-Cultural. In: 2º Simpósio
Hipertexto e Tecnologias na Educação. Universidade Federal de Pernambuco. Recife,
anais eletrônicos, 2008. Disponível em
<http://www.ufpe.br/nehte/simposio2008/anais/Maria-Teresa-Freitas.pdf>. Acesso em
04 de mai. 2013.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo:
Paz e Terra, 2003.
GIANOLLA, Raquel Miranda. Informática na educação: representações sociais do cotidiano.
São Paulo, Cortez, 2006.
GOES, A.; SANTOS, S. M. M.; RIBEIRO, E.M.P.P ; BARRETO, L. A . Uso das mídias como
suporte para prática educativa. In: COLOQUIO INTERNACIONAL: EDUCAÇÃO E
CONTEMPORANEIDADE, 4ª, Aracaju, SE: 2010.
GOUVÊA, Sylvia Figueiredo. Os caminhos do professor na Era da Tecnologia - Acesso Revista
de Educação e Informática, Ano 9 - número 13 - abril 1999.
KACHAR, Vitória. Formação inicial do professor: a mudança do “olhar” com relação às
tecnologias da informação e comunicação. Revista e-curriculum, PUCSP-SP, Volume 4,
número 1, dez. 2008. Disponível em: www.pucsp.br/ecurriculum. Acesso em 06 de jul.
2013.
KELLY, Kevin. What Technology Wants. 1ª Edição. Nova York: Viking, 2010.
LEITE, Lígia S. et al. Tecnologia Educacional: Descubra suas possibilidades na sala de aula. 6ª
edição. Petrópolis, RJ: Ed. Vozes, 2011.
LEITE, Lígia S. Mídia e a perspectiva da tecnologia educacional no processo pedagógico
contemporâneo. In: FREIRE, Wendel (org.). Tecnologia e Educação: As mídias na prática
docente. 2ª edição. Rio de Janeiro, RJ: Wak Editora, 2011. p. 61-78.
LLANO, José G. de; ADRIÁN, Mariella. A informática educativa na escola. São Paulo, SP:
Edições Loyola, 2006.
LOPES, José Junior. A introdução da informática no ambiente escolar. Disponível em:
<http://www.clubedoprofessor.com.br/artigos/artigojunio.pdf>. Acesso em 18 de jun.
2013.
LUCKESI, Cipriano Carlos. A avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 2011.
MALUTA, T. P. O Jogo nas Aulas de Matemática: Possibilidades e Limites. Trabalho de
Conclusão de Curso de Licenciatura em Pedagogia, 2007.
MORAN, José Manoel. Como utilizar as tecnologias na escola. Esse texto faz parte do livro
A educação que desejamos: Novos desafios e como chegar lá. 4ª ed, Papirus, 2009a, p.
101-111.
Paraná. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência da Educação. Diretoria de
Tecnologias Educacionais. Diretrizes para o uso de tecnologias educacionais /
Secretaria de Estado da Educação. Superintendência da Educação. Diretoria de
Tecnologias Educacionais. – Curitiba : SEED – Pr., 2010. - p. – (Cadernos temáticos).
PAIS, L. C. Educação escolar e as tecnologias da informática. Belo Horizonte: Autêntica,
2008.
PONTES, A. E., PONTES, S. G. R., SANTOS, M. J. O uso do computador como ferramenta de
mediação pedagógica no Sistema municipal de educação – Goiatuba – Goiás. UNINDU
2012
ROCHA, Adauto Galvão da. Representações sociais sobre as novas tecnologias da
13

informação e da comunicação: novos alunos, outros olhares. 2009.pt -Tese (Mestrado).


Universidade Católica de Santos – UNISANTOS, Santos, 2009. Disponível em: <http://
biblioteca.unisantos.br/tede/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=211> Acesso em: 18
de junho de 2013.
SANTOS, S. M. M. O uso das tecnologias da informação e comunicação em cursos de
formação inicial de professor. In: CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE PROFESORADO
PRINCIPIANTE E INSERCIÓN PROFESIONAL A LA DOCENCIA, 2, 2010. Buenos Aires:
Auspicia Ediciones sm, 2010. p. 1-13.
SERAFIM, Maria Lúcia. SOUSA, Robson Pequeno de. Multimídias na educação: o vídeo
digital integrado ao contexto escolar. In: SOUZA, Robson Pequeno de. MOITA, Filomena
da M. C da S. C. CARVALHO, Ana Beatriz Gomes Carvalho (Orgs). Tecnologias digitais na
educação. Campina Grande: EDUEPB, 2011, 276 p.
SERRANO, Daniel P. Geração X, Geração Y, Geração Z. 2010. Disponível em:
http://www.portaldomarketing.com.br/Artigos3/Geracao_X_Geracao_Y_Geracao_Z.htm
Acesso em 08 jun. 2013.
SILVA, Valeria Pedro da. Internet e Informática Educacional: Usos e Desusos em Escolas do
Município de São Gonçalo/Rj. 2011. Disponível em <
http://www.anated.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=363:intern
et-e-informatica-educacional-usos-e-desusos-em-escolas-do-municipio-de-sao
goncalorj&catid=53:artigos&Itemid=192 > Acesso em: 26 de mai. 2013.
TAJRA, Sanmya Feitosa. Informática na educação: novas ferramentas para o professor na
atualidade. 7ª Ed. São Paulo, 2007.
TATIANA, Paula. Se vira nos 4" - Parte 4 - Os livros convencionais serão substituídos no
futuro por ebooks? (26/05/2010). Disponível em:
<http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:1dHVtvpYxYQJ:portuguesbl
ogado.blogspot.com/+m%C3%ADdias+sociais+e+a+lingua+portuguesa&cd=1&hl=pt-
BR&ct=clnk&gl=br&source=www.google.com.br> Acesso em 28 de jul. de 2013.
VALENTE, Jose Armando. Entrevista para o programa Salto para o Futuro TVEBrasil, 2010.
Disponível em:
http://www.tvbrasil.org.br/saltoparaofuturo/entrevista.asp?cod_Entrevista=84 Acesso
em 26 mai. 2013.
VON STAA, Betina. Tecnologia na Educação: reflexão sobre docência, aprendizado e
interação. Editora Melo, 2011.
14

Apêndice
Apêndice A - Questionário aplicado:
15

Apêndice B - Dados das Professoras:


A professora P1 tem 10 anos de experiência em sala de aula e leciona na rede
municipal e particular no 5º ano do ensino fundamental. É formada em Pedagogia,
psicopedagoga e artes, sempre faz cursos de aperfeiçoamento e tem domínio total em
relação à informática.
A professora P2 tem 7 anos de serviço em sala de aula lecionando na rede particular
com o 4º ano do ensino fundamental. Tem com formação o curso de licenciatura em
pedagogia e artes.
A professora P3 tem 5 anos de serviço em sala de aula lecionando na rede municipal
e particular com o 3º ano do ensino fundamental. Tem com formação o curso de licenciatura
em pedagogia.
A professora P4 tem 3 anos de serviço em sala de aula lecionando na rede municipal
e particular com o 2º ano do ensino fundamental. Tem com formação o curso de licenciatura
em pedagogia.
A professora P5 tem 25 anos de serviço em sala de aula, lecionando na rede
municipal e particular com o 1º ano do ensino fundamental. Tem com formação o curso de
magistério e licenciatura em pedagogia.
16

Apêndice C – Respostas do Questionário


Questionário realizado pela professora que leciona na 5ª série de uma escola particular do
município de São José dos Campos, em 18 de abril de 2013.

1. Em qual ambiente acontece seu acesso ao computador:


( ) em sua residência,
(X) nos dois ambientes, escola e residência.
2. Qual seu domínio de aplicativos como Word, PowerPoint e Internet:
(X) domínio total. ( ) domínio parcial.
3. Na sua formação você teve alguma experiência com a utilização do computador para o
ensino? (X) sim ( ) não
4. Como você classifica o uso do computador para atividades docentes: ( ) importante (X)
muito importante
5. Você tem utilizado o computador como um recurso pedagógico para ensinar? (X) sim ( )
não. Como?
“Utilizo pesquisas de imagens, personagens da História e textos na internet”.
6. Quais os conteúdos são explorados com esse recurso?
“Trabalhei bastante texto, ortografia, a parte de cartografia e história do Brasil. Essa turma
tem bom conhecimento em matemática e ciências não tem dificuldades”.
7. Como é a aprendizagem dos alunos usando o computador? Você realiza um projeto para
utilizar o computador?
“Na nossa escola não aplicamos provas escritas, então para estimular e complementar na
nota uso o computador como ferramenta avaliativa. Com certeza é mais prático para os
alunos assimilarem o conteúdo. Eu vi diferença. Não realizo projetos, sigo a apostila do
Colégio” (P1 no questionário).
8. Quais potencialidades você identifica ao utilizar o computador no processo ensino-
aprendizagem?
“Acredito que maior rapidez no raciocínio. Eu acho que é muito mais fácil eles assimilarem.
Então eles são mais rápidos (...)”. (P1 em questionário).
9. O computador é utilizado para iniciar um conteúdo ou para fixar um conteúdo?
“Uso para fixar um conteúdo, porque é uma forma de eles estarem melhorando o que já
sabem do conteúdo mesmo.” (P1 em questionário).
10. Quais as vantagens que você identifica ao aplicar o computador para ensinar um
assunto? Você percebe alguma desvantagem?
“Dinamismo, interesse, levantamento de dúvidas pelos próprios alunos. Eles percebem que
podem explorar mais o que já sabem. Não vejo desvantagem.” (P1 em questionário).
17

Apêndice D - Plano de aulas:


Plano de Aula de Informática Educacional – 3º ano fundamental I
3º Trimestre
PROJETO: Juntos pela Paz: Trabalhando as Diferenças
Descrição do Projeto
O ambiente escolar possibilita a construção de sistemas de referências
que permitem aos alunos analisar formas, dimensões, objetos, além de
proporcionar o conhecimento e a convivência com diferentes colegas

Figura 1 – Crianças de sala na escola. Adaptações, novos amigos, novos conhecimentos,


e o computador enfim momentos únicos, que faz deste novo ambiente, um ambiente
mágico.
Fonte: Percebemos então a importância de mostrar que ninguém é igual a
http://www.canst ninguém e que as diferenças existem em vários segmentos, o que
ockphoto.com.br/ importa de fato é respeitarmos e aprendermos a conviver bem neste
caricatura- espaço.
crian%C3%A7as- Áreas envolvidas: Linguagem e Informática.
computador- Empreendimento: Atividades e Jogos pedagógicos online sobre as
6122223.html diferenças.
Objetivos do Projeto:
 A construção da identidade: valorização pessoal e o reconhecimento do corpo, das
diferenças físicas;
 Trabalhar as percepções auditivas, visuais e raciocínio lógico;
 Linguagem oral;
 Socialização;
 Personalidade;
 Autonomia;
Discriminação das tarefas:
 Assistir o vídeo sobre Quebrando o silêncio, no site do
http://www.youtube.com/watch?v=K8CrjO2JpG8;
 Conversar com os alunos sobre os acontecimentos no vídeo;
 Exploração do Software HagáQuê; e
 Jogos sobre as diferenças.
Recursos a serem utilizados:
 Software Educacional HagáQuê; jogos online; e vídeo.

Você também pode gostar