Você está na página 1de 13

PROF.

: RAFAEL VEIGA SALES


rafaelsales_61@hotmail.com
H.P. 2019.1
PRÉ-HISTÓRIA DA PSICOLOGIA NO BRASIL
 Os saberes psicológicos no período colonial de 1500 à 1808, eram cerceados pelos
religiosos, em relação a formação cultural do povo colonizado, com exceção dos colégios
jésuítas, as ideias psicoloógicas eram embasadas na teologia e na filosofia;

 Durante o século XVIII, no período iluminista, a medicina e os médicos detém os saberes


psicológicos, visto que, curavam os males da alma, detentor do saber sobre o sujeito e
agente da terapia;

 No século XIX, de 1808 à 1890, com a chegada da corte Portuguesa, inicia-se um


período do Império, onde foi possível a criação de instituições de nível superior, a prática
higienista no Brasil entra em vigor, visto que, os centros urbanos crescem em largos
passos assim como as doenças e os problemas sociais, as práticas de “limpeza” desses
centros enchiam os hospícios inaugurados em 1840, levando muitos sujeitos a um
período perpétuo de reclusão;

“Muita saúva e pouca saúde, o males do Brasil são” – Mário de Andrade


PRÉ-HISTÓRIA DA PSICOLOGIA NO BRASIL
 A aboliação da escravatura, a imigração e o trabalho livre potencializaram a
industrialização no país e a concetração de poder a serviço dos cafeicultores animaram o
ideário liberalista, a fim de, higienizar as cidades, e reiventar o país usando a educação
como solução;

 Na educação, os conteúdos que abordavam os processos psicológicos são encontrados


nas “Escolas Normais”, com a preocupaçao no crescente fenômeno psicológico, focavam
na aprendizagem, metodologias de ensino e na formação do educador;
AS ORIGENS DA PSICOLOGIA COMO CIÊNCIA
 No período do Brasil República (1890-1930), os saberes psicológicos continuavam a
ser produzidos no interior da ciência médica (a alma do discurso teológico dá lugar ao
orgânico e a ciência) e, na educação, algumas teses de magistrado do curso de
medicina versaram sobre esses saberes psicológicos, difundindo e criando solo no Brasil;

 Em 1890, a Reforma Benjamin Constant modifica o sistema de ensino e introduz noções


de Psicologia para a disciplina de Pedagogia, no currículo das Escolas Normais levando
a criação do Pedagogium (museu pedagógico);

 No Pedagogium, Manoel Bomfim, médico que abandona a carreira e se dedica a


educação cria, em 1906, aquele que é reconhecido o primeiro Laboratório de Psicologia
Experimental no País;

 Até 1910, a Psicologia era ensinada, juntamente com Lógica, nos seminários, nos
colégios e nos chamados cursos “anexos” das Faculdades de Direito que previam essa
matéria, em seus vestibulares. Mais tarde, fariam o mesmo as Faculdades de Medicina.
AS ORIGENS DA PSICOLOGIA COMO CIÊNCIA
 A Autonomização da Psicologia partiu desse ideário intelectual que projetava elevar a
nação rumo ao desenvolvimento e ao progresso. Daí da necessidade de um novo ser
humano para uma nova sociedade, tarefa para a educação, que busca na Psicologia a
ciência que lhe dará base para à modernização;

 O processo de hegemonização da ciência entrando no lugar da teologia e da filosofia, se


dá muito pela influência pela chegada do pensamento positivista;

 Nesse período penetram no Brasil as ideias da Psicologia Científica produzidas pela


psicologia européia e estadunidense, cria-se laboratórios nas Escolas Normais e nos
Hospícios, locais onde a ampla gama de temas psicológicos foi estudada;

 Desse modo, gradativamente a Psicologia vai sendo reconhecida como uma ciência
autônoma, ocupando um lugar significativo no ensino, na pesquina e na prática;
A CONSOLIDAÇÃO DA PSICOLOGIA NO BRASIL
 A psicologia se consolida como ciência com o processo do ensino, pesquisa,
publicações, congressos, organização e atuação na prática avançando, surgem teorias,
técnicas e práticas para orientar e integrar o desenvolvimento da Psicologia, incia-se um
processo de institucionalização da Psicologia;

 Consolidam-se os campos de atuação da educação, trabalho e clínica, testes e


métodos de avaliação psicológica são utilizados nos serviços públicos para
seleção, orientação e organização de pessoal no trabalho;

 A psicologia desvincula-se da medicina, ganhando status de disciplina independente nos


cursos de pedagogia, ciências sociais e filosofia, cresce o intercâmbio de profissionais
que vêm ao Brasil ministrar cursos, grupos de estudo, portanto, aumenta o número de
publicações;

 Surgem os primeiros cursos de especialização em Psicologia. A sociedade de Psicologia


de São Paulo é fundada em 1945, o boletim de Psicologia surge em 1949;
A CONSOLIDAÇÃO DA PSICOLOGIA NO BRASIL
 O Plano de metas do governo Kubicheck implica numa urbanização crescente do país e
um forte desenvolvimento industrial, acentuando as desigualdades;

 Em 1950, uma série de eventos intensificam a luta, acontece o primeiro congresso


brasileiro de psicologia em Curitiba, o primeiro anteprojeto sobre a formação e
regulamentação da profissão, a criação dos cursos de Psicologia na USP e na PUC de
São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro;

 Em 1958 é apresentado o Projeto de Lei 3825 que dispõe sobre a regulamentação da


profissão de Psicologia;

 Em 27 de agosto de 1962 a Lei 4119 reconhece a profissão de psicólogo, fixa normas


para a atuação profissional e estabelece um currículo mínimo para sua formação. Os
campos de atuação que se consolidaram como prática continuam sendo os mesmos;
O DESENVOLVIMENTO DA PSICOLOGIA
 O Conselho Federal de Psicologia (CFP) foi criado em 1971, mesmo no pior periodo
de repressão da Ditadura Militar, que criou inúmeros problemas para o desenvolvimento
da profissão;

 Em 1975 o CFP oficializa o primeiro Código de Ética Profissional, reformulado em


1979;

 Com a redemocratização do Brasil e a criação dos demais CRP’s, redefine de novo


o código em 1987;

 Desde então, a psicologia vem se desenvolvendo e assumindo os compromissos com as


necessidades da sociedade brasileira, numa luta pelo desenvolvimento do conhecimento
psicológico, e, na institucionalização da profissão do Psicólogo no Brasil.
BIBLIOGRAFIA
SOARES, A.R. A psicologia no Brasil. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 30, n.
SPE, 2010;

SITE:
http://www.crpsp.org.br/portal/comunicacao/pdf/catalogo50anos.pdf