Você está na página 1de 42

 

5/22/2018 Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

Personagens:
Louco
Delegado de polícia
1º Comissário
2º Comissário
1º Agente
2º Agente
Jornalista

PRIMEIRO ATO

Sala comum de uma delegacia importante.


Uma escrivaninha, um armário, algumas cadei
ras, uma máquina de escrever, um telefone,
uma janela, duas portas.
COMISSÁRIO:  (Folheando uma pasta, dirige-se
ao indiciado, tranqüilo numa cadeira)  Ah, mas não
é a primeira vez que você se disfarça, então? Aqui
diz que se fez passar duas vezes por cirurgião, uma
vez por capitão da tropa de tiro... três vezes bispo...
uma vez engenheiro naval... no total você foi preso...
vejamos... dois mais três, cinco... um, três... dois...
onze vezes no total... e esta é a décima segunda...
http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 1/42
 

5/22/2018 Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

14 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 15

INDICIADO: É, doze prisões... mas observe, se COMISSÁRIO: Ê essa a questão! Desde quando
nhor comissário, que nunca fui condenado... minha você estudou?
ficha é limpa! INDICIADO: Estudei por vinte anos em dezesseis
COMISSÁRIO: Bom... eu não sei que histórias você manicômios diversos... observando milhares de lou
contou pra conseguir escapar. Mas pode ter certeza cos como eu... dia após dia... e de noite também,
que desta .vez Entendo,
INDICIADO: eu sujo a comissário.
sua ficha. Pode
Umaestar
fichacerto!
lim  já
miaque eu,eles...
com diversamente dospé
às vezes em outros
compsiquiatras, dor
mais dois. Falta
pa, ainda sem mancha, dá água na boca de todo cama sempre! De qualquer modo, informe-se e verá
mundo... como o diagnóstico que fiz daquele pobre esquizo
COMISSÁRIO: É, vai dando uma de espirituoso... frênico — pelo qual me denunciaram — era mais do
A denúncia diz que se fez passar por psiquiatra, pro que perfeito.
fessor, livre-docente na Universidade de Pádua... COMISSÁRIO: As vinte mil liras também foram
Você sabia que falsa identidade dá cadeia? perfeitas!
INDICIADO: Falsa identidade sustentada por al INDICIADO: Mas, senhor comissário, fui obri
guém são.na
Olha aqui Mas eu clínica.
ficha sou louco. Louco
Já fui de carteirinha!
internado dezesseis gado, para o bem Ah,
COMISSÁRIO: dele!para o bem dele? Faz parte da
vezes... e sempre pela mesma razão: sou maníaco terapia?
por personagens. Chama-se "histrionomania", vem INDICIADO: Claro... se não metesse a faca, o se
de "histrião", que quer dizer ator. Resumindo, te nhor acha que aquele coitado — e sobretudo os fa
nho a mania de representar papéis sempre diferen miliares — ficariam satisfeitos? Se tivesse pedido
tes. Só que como sou pelo teatro-verdade preciso cinco mil liras, certamente teriam pensado: "Não
que a companhia de teatro seja composta de gente deve ser muito bom. Talvez não seja um professor de
de verdade... que não saiba representar. Por outro verdade. Vai ver que acabou de se formar, um prin
lado, eu Pedi
trupe... não tenho dinheiro, não
uma subvenção posso pagardaminha
ao Ministério Cul cipiante". Desseejeito,
deram o fôlego porém,"Mas
pensaram: depoisquem
da facada,
é esse?per
O
tura, mas como não tenho apoio político... Pai Todo-Poderoso?" ... Foram embora felizes como
COMISSÁRIO: E então faz seus atores o subven um passarinho... até me beijaram a mão... "obri
cionarem. .. são eles que dão duro... gado, doutor"... e eu chorei de comoção.
INDICIADO: Não, eu nunca sacaneei ninguém... COMISSÁRIO: Pelo amor de Deus, você é um gran
COMISSÁRIO: Tem mais ainda. Chegou a cobrar de contador de caso!
vinte mil liras por uma consulta... INDICIADO: Não, comissário, não estou enrolan
AGENTE: (Que está detrás do indiciado) Deu uma
1
do! Até Freud diz que a conta apimentada é o mais
de carabiniere...
INDICIADO: É o preço normal de um psiquiatra eficaz dos remédios, tanto para o médico como para
o doente.
que se respeite... alguém que estudou por dezesseis COMISSÁRIO: Ah, deve ser mesmo, mas dá uma
anos a mesma matéria! olhadinha no teu cartão e no teu receituário... Se
não me engano, está escrito: "Professor Antônio
Rabbi. Psiquiatra. Mestre junto à Universidade de
(1) Referência irônica ao corpo especial da polícia militar que
Pádua"... Vamos lá, o que é que você vai me contar
tem como função a manutenção da ordem urbana. agora?!
http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 2/42
 

5/22/2018 Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om


16 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 17

INDICIADO: Antes de mais nada, eu sou professor pois de professor... uma pausa breve intencional...
de verdade... professor de desenho... ornamental,  já que "a exclamação impõe mudança de intencio-
à mão-livre, no curso noturno do Sagrado Reden nalidade". Portanto, deve-se ler: "Professor!" (E
tor... aqui vai bem uma careta de sarcasmo... e se quiser
COMISSÁRIO: Muito bem, meus cumprimentos! dar um resmungo irônico, gozador, melhor ainda!)
Mas aqui está escrito:
INDICIADO: Psiquiatra.
Muito esperto. Mas depois do ponto! Então, ea leitura
careta um hum! correta da frase:
irônico, Professor
levantando  (Faz uma
a cabeça de
O senhor conhece a sintaxe e a pontuação? Observe lado)  livre-docente, outra exclamação, de Pádua...
bem. Professor Antônio Rabbi. Ponto. Depois em como se dissesse "pera aí, não me enrola... vai con
maiúscula "Psiquiatra"! Ora, em hipótese alguma tar pra out ro. .. quem é que acredi ta... só imbecil cai
dizer "eu sou psiquiatra" significa abusar de um nessa!"
título. É como se dissesse "eu sou psicólogo, botâ COMISSÁRIO: Ah, é? Eu então seria um imbecil?
nico, herbívoro, artrítico". O senhor conhece a gra INDICIADO: Não, o senhor é meio fraco de gramá
mática e a língua italiana? Sim? Então deveria saber tica. .. se quiser posso lhe dar umas aulas... Faço um
que sebergamasco...
vesse alguém escrevenão
arqueólogo,
quer dizeré que
como se escre
tenha estu bom preço...
Temos Podemospela
muito trabalho começar
frente...imediatamente...
Diga quais são
dado! os pronomes de tempo!
COMISSÁRIO: É, e esse "professor livre-docente COMISSÁRIO: Deixa de gozação! Começo a acre
na universidade"? ditar que o senhor tenha realmente a mania de re
INDICIADO: Sinto muito, mas dessa vez é o senhor presentar e que está representando o papel de lou
que abusa. Me disse que conhece a língua italiana, co. .. só que é mais são do que eu, aposto!
a sintaxe, a pontuação, e aí se percebe que nem ler INDICIADO: Não saberia dizer. Está certo que a
corretamente sabe... sua profissão leva a muitas alterações psíquicas...
COMISSÁRIO:
INDICIADO: Não O que
viu aé exclamação
que eu não sei...?
depois do "pro Deixe-me
bras com over um pouco o olho.  (Abaixa as pálpe-
polegar.)...
fessor"? COMISSÁRIO: Mas faça-me o favor! Vamos con
COMISSÁRIO: Ah, é... tem um ponto de exclama tinuar com a ocorrência.
ção. Tem razão, eu não tinha notado. INDICIADO: Se quiser eu mesmo bato à máquina.
INDICIADO: Tenho razão !.. . "Não tinha notado". Sou datilógrafo formado. Quarenta e seis toques por
E o senhor, pelo simples fato de "não ter notado", segundo...
 joga um inocente na cadeia? COMISSÁRIO: Fique quieto, senão mando alge
COMISSÁRIO: Mas é realmente louco! ...   (Sem má-lo!
 perceber começa a tratá-lo
é que a exclamação com
tem a ver mais
com respeito)  O que
isso? INDICIADO:
Sou louco. Se oNão pode!
senhor meCamisa-de-força
algemar — artigoou122
nada!
do
INDICIADO: Nada, pra quem não conhece a lín Código Penal: "quem em vestes de oficial público
gua italiana e a sintaxe... O senhor vai ter que me impõe instrumentos de contenção não-clínicos ou
dizer qual o seu título de estudo e quem o aprovou... não-psiquiátricos a um deficiente psíquico, causan-
Me deixa acabar!.. . A exclamação é a chave de tudo, do-lhe crise do seu mal, incorre em crime punível
lembre-se! Se depois de "professor" tem uma excla com pena de cinco a quinze anos e perda de aposen
mação, o sentido da frase muda completamente. De- tadoria e do cargo".
http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 3/42

 
5/22/2018
18 DARIO FO Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om
MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 19

COMISSÁRIO: Ah, estou vendo que entende tam bra mais dos nomes das firmas, dos clientes, a taxa
bém de leis! de desconto, o número do RG e o do CIC! Rua, pra
INDICIADO: De leis? Sei tudo sobre lei! Há vinte casa... transferência... está velho... caquético! Os
anos estudo Direito!  juizes não, pelo contrário. Com os juizes é o oposto:
COMISSÁRIO: Mas você tem trezentos anos! Onde quanto mais velhos e caqué... debilitados, com mais
foi que estudou No
INDICIADO: Direito?
hospício! Se o senhor soubesse facilidade
fiam a elessão promovidos
cargos a cargosdesuperiores.
importantes... Con
poder total! A
como se estuda bem lá dentro! Um funcionário pú gente vê uns velhinhos de papelão, embecados —
blico paranóico me dava aula. Um gênio. Sei tudo. cordões, estola de arminho, chapéu de cilindro com
Direito romano, moderno, eclesiástico... o código listas de ouro — que até parecem os padeirinhos
 justiniano... frederiquiano... longobardo... greco- de Veneza, bamboleantes, com as caras que lem
ortodoxo. Tudo! Pode me perguntar! bram as rolhas do Vai Gardena... os óculos presos
COMISSÁRIO: Não tenho tempo... Vê lá! Aqui no por uma corrente pra não perdê-los. Nunca se lem
teu currículo, entretanto, não está escrito que se fez bram onde os deixaram. Bom, tais personagens têm
INDICIADO:
passar Ah,muito
por juiz... não, menos
eu nunca
porvou ser advogado.
advogado... oquiserem.
poder de Condenam
destruir ou salvar
à prisão
alguém
comocomo
se comentas
e quando
Não gosto de defender, é uma arte passiva. Gosto de sem: "É, talvez chova amanhã... Cinqüenta anos
 julgar... condenar... reprimir... perseguir! Sou um pra você... pra você trinta... pra você só vinte por
dos seus, caro comissário! Pode me chamar de você! que é simpático". Ditam, legislam, sentenciam, de
COMISSÁRIO: Toma cuidado, louco... devagar cretam... e são sagrados também! Porque, não nos
com a gozação... esqueçamos, ainda existe entre nós o crime de vili
INDICIADO: Não está mais aqui quem falou... pendio... se alguém fala mal da magistratura...
COMISSÁRIO: E então, já se fez passar, alguma aqui e na Arábia Saudita! É, é... juiz é a profissão,
o personagem que eu daria qualquer coisa pra re
vez,
INDICIADO:
por juiz ouNão,
não? infelizmente ainda não tive a presentar, pelo menos uma vez na vida. Juiz do Su
oportunidade. Ah, como eu gostaria! Juiz é a me premo Tribunal: "Excelência... se acomode, silên
lhor de todas as profissões! Antes de mais nada, cio, em pé, entra a corte... oh, olhe, perderam um
quase nunca se aposenta... Pelo contrário, na idade osso... é seu?" "Não, é impossível, não tenho mais
em que um homem comum, um trabalhador qual ossos!"
quer, com cinqüenta e cinco, sessenta anos, já está COMISSÁRIO: Vamos acabar com essa papagaia
no ponto de ser jogado fora — porque começa a da? Me deixou tonto. Sente-se ali e fique quieto!
ficar mais lento, com os reflexos retardados —, co (Empurra-o em direção à cadeira.)
meça o melhor da carreira para um juiz. Pra um
operário da cadeia de montagem, depois dos cin ou
INDICIADO  (Reagindo histérico): Ei, tira as mãos
eu te mordo!
qüenta anos, tá tudo acabado. Atrasa, provoca aci COMISSÁRIO: Morde quem?
dentes, é de se jogar fora! O mineiro com cinqüenta INDICIADO: Você! Te mordo o pescoço e os glú-
e cinco anos tem silicose... rua, pro lixo, despedido, teos também. Nhac... E se reagir pela força existe
rapidinho antes que vença a aposentadoria... para o o artigo 122 bis: provocação e violência em prejuízo
empregado de banco, a mesma coisa. Com uma de deficiente irresponsável e indefeso. De seis a nove
certa idade começa a errar as contas, não se lem- anos com perda da aposentadoria!
http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 4/42

 
5/22/2018 20 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om 21

COMISSÁRIO: Sente-se ou perco a paciência!  (Ao COMISSÁRIO: Pelo amor de Deus, agora chega
agente)  E você, o que é que está fazendo aí, petri mesmo! Sente-se. (Empurra-o para a cadeira)  Você,
ficado? Faça-o sentar! tranca a porta. .. tira a chave...
AGENTE: Mas doutor, ele morde! INDICIADO: E joga pela janela...
INDICIADO: É, mordo! Grrr... Grrrr... e advirto O guarda atordoado se dirige para a janela.
que sofro
latão de que
raivoso raiva.
me Apanhei
arrancoude umbun
meia cão...
da. um
Ele vira-
mor COMISSÁRIO:
tranca a gaveta...É,
tirajoga... NÃO, põe na gaveta...
a chave.
reu e eu sarei. Sarei, mas ainda estou envenenado. O guarda executa mecanicamente.
Grrr! Grrr! INDICIADO: Enfia na boca e engole!
COMISSÁRIO: Mas, será possível... Só faltava COMISSÁRIO: Ahh, não! Ninguém nunca me tra
mesmo um louco venenoso! Afinal, você vai ou não tou assim. (Ao policial) Me dá a chave. (Abre a por
vai me deixar registrar a ocorrência? Vamos, seja ta)  Fora, vai embora... e vê se se atira mesmo da
bonzinho! Depois te mando embora... Te prome escada... faça o que bem entender... fora... eu en
to!... louqueço.

INDICIADO: Não, não me expulse daqui, senhor INDICIADO:


fazer isso! NãoNão,
sejacomissário...
abusado... não O senhor não pode
empurra... por
comissário. Estou tão bem junto do senhor... na po favor... por que é que quer que eu desça?... Não
lícia... me sinto diferente. Lá fora, na rua, existem é o meu ponto!
tantos perigos... as pessoas são malvadas, andam de COMISSÁRIO: Fora!  (Consegue; encosta a porta)
carro, buzinam, dão brecadas bruscas... Fazem gre Ah, finalmente!
ves! Os ônibus e o metrô têm portas que se fecham AGENTE: Senhor comissário, não se esqueça da
abruptamente frii nhac... Esmagado... Me deixa fi reunião com o doutor Bellati... Já estamos cinco mi
car com o senhor... ajudo a fazer os indiciados fa nutos atrasados.
larem... e os subversivos... sei fazer supositório de COMISSÁRIO: Mas que horas são? Meu Deus do
glicerina com nit ro... céu... aquele desgraçado me fez perder o controle...
COMISSÁRIO: Chega, não agüento mais! Vamos, rápido...
INDICIADO: Comissário, deixa eu ficar ou eu me Saem pela esquerda; à direita reaparece o lou
atiro pela janela... Em que andar estamos? No ter co, pela mesma porta pela qual tinha saído.
ceiro...? Bom, quase perfeito, me atiro! Me atiro LOUCO: Posso entrar... comissário... incomodo?
e quando estiver lá embaixo, àquela altura mori Não se irrite, vim apenas pegar meus documentos...
bundo, esfacelado no asfalto, começo a agonizar... Não responde? O que é isso, vai me dizer que ficou
Sou duro de morrer... e agonizo muitíssimo... Che de mal comigo? Vamos fazer as pazes... Ah, mas
gam os jornalistas e eu lhes conto — sempre agoni aqui não tem ninguém! Tudo bem, pego os docu
zando — que foram vocês que me atiraram! Olha mentos... minha ficha clínica... minha receita...
que eu me atiro! Opa, a denúncia... Bom, essa rasgamos e... não se
COMISSÁRIO: Por favor, pare com isso! (Ao guar fala mais nisso! E esta denúncia aqui, é contra
da) Tranca a janela. quem? (Lê) "Furto agravado." Imagine só, em uma
O guarda obedece. farmácia... não, não... você está livre.   (Rasga essa
INDICIADO: Então eu me atiro do alto da escada. também) E você... o que é que fez?  (Lê)  "Apropria
(Se dirige para a porta.) ção indébita.. . de saca to... " História... Pode ir, meu
http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 5/42

 
5/22/2018 22 DARIO FO Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om
MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 23

rapaz, você está livre!  (Rasga) Todos livres!  (Se de "é o que dizem"... eu bem que achei... antes esta-
tém, considerando uma folha em particular)  Não, tavam todos contentes; em seguida mudaram de
você não... Você é um pusilânime... você fica... pra idéia... Ah, a opinião pública estaria pressionan
galera...  (Alisa bem o papel sobre a mesa; abre um do... Mas vem contar essa pra mim... a opinião pú
armário repleto de papelada).  Não se movam... é blica... quem é que pressiona... Pois é, o Bertozzo
a justiça!
eu queimoNossa,
tudo...será
umaque tudo fogueira!
grande isso é denúncia?
  (Com umE tá
Rá!aqui,
E estámorrendo de rirobscenos...
fazendo gestos   (Afasta o Rá!
foneRá!
e ri)   Rá,
 (Finge
isqueiro faz menção de queimar um pacote de fo chamar o Bertozzo)  Bertozzo, o nosso amigo do
lhas. Lê na capa) "Instrutoria em andamento." (Em quarto andar está dizendo que você pode se permi
outro pacote) "...  decreto de arquivação da instru tir rir do assunto porque não tem nada a ver com
toria..."  (Naquele momento, toca o telefone. Tran isso... mas para ele e para o chefe dele são sarnas...
qüilo, o louco atende)  Alô, sala do comissário Ber- Rá, rá... tá dizendo para você se cocar com cuida
tozzo. Quem está falando? Não, sinto muito, mas se do. .. Não, agora sou eu que estou rindo! Não, é que
o senhor não me disser quem está falando, não pos me daria muito prazer ver o chefe da polícia no
so chamar...!
mo, O quê...
em pessoa? Nãoo acredito...
comissário...é omesmo?
senhor mes
Que rolo... É, essa
comissário é a verdade,
Anghiari pode edizer
gostaria"... pra ele...tam
o Bertozzo "o
prazer! O comissário da janela! Não, nada, na bém está de acordo. Ouve só como está rindo (Afasta
da... e de onde é que o senhor está telefonando?... o fone) Rá! Rá! Ouviu? E o que é que eu tenho com
Ah, é? Que idiota que eu sou! Do quarto andar... isso de mandarem a gente pro fim do mundo?! Sim,
e de onde mais seria?! Como, quem sou eu? Você pode contar isso também pra ele. Anghiari e Ber
ouviu, Bertozzo, o terror dos subversivos me per tozzo cagam e andam...  (Emite com a boca uma
gunta quem eu sou... Adivinha! Não tem tempo?  pernáquia) Prruu... sim, foi ele. Mas não se esquen
O que é isso, para um colega se tem que ter tempo te tanto! OK, eu sei que você é muito amigo do dele
sempre... Vamos lá! Adivinha ou eu não chamo gado de Ustica e Ventotene... mas não precisa levar
o Bertozzo! Quem eu sou?! Anghiari? (Para si mes a coisa tão a sério...! Isso, muito bem, a gente fala
mo)  Sou o Anghiari? Isso, você adivinhou... sou eu uma outra vez sobre o assunto, cara a cara. E então,
mesmo, comissário Piero Anghiari. Acertou. Bom, o que é que você quer com o Bertozzo? Quais docu
o que eu estou fazendo aqui em Milão... tá que mentos? Sim, fala que eu anoto. A cópia do de
rendo saber demais! Mas diga lá, o que é que você creto de arquivação da morte do anarquista... Tudo
quer com o Bertozzo? Não, ele não pode atender ao bem, ele te manda em seguida... e as cópias dos re
telefone. Fala comigo. Um juiz superior? Foi man latórios também... certo, certo, está tudo aqui no
dado especialmente de Washington? Não, quero arquivo... Olha, eu acho que você e o guarda da ilha
dizer, de Roma. (Às vezes me esqueço que existe têm que se precaver. Se o juiz que está pra chegar
uma transposição...)   Rá, rá, seria uma espécie de for um pouquinho calhorda como estão dizendo...
2

"revisor". Claro, evidentemente o ministério não Como onde estão dizendo? Em Roma. Eu estou vin
concordou com as motivações dadas pelo juiz que do de lá, sabe? Essa história de que estão armando
arquivou o inquérito. Você tem certeza disso? Ah, uma peça pra vocês está na roda desde aquele dia.
É claro que eu conheço o juiz! Se chama Malipiero.
Nunca ouviu esse nome? É, mas vai ouvir. É um
daqueles que esteve, mais ou menos, dez anos na
(2) Ver Nota ao final do texto.

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 6/42

 
5/22/2018 24 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om 25

fronteira... Pergunte ao teu chefe se quando ele era "joelho de pudim"?  (Imita)  Ou então rígido como
carcereiro... Não, pensando bem, talvez seja melhor um gafanhoto  (Imita. Passos curtos, velozes, equi-
não lhe perguntar. Poderia ter um troço e aí não librando-se entre a ponta e o calcanhar).   Hiii, os
ia se divertir mais.. . Rá, rá, rá, rá! Nossa, como você óculos... Não, nada de óculos. O olho direito entre-
é suscetível, vizinho do quarto andar. .. A gente nem aberto... assim, leitura furtiva, poucas palavras...
pode
rada! se divertir
Tudo bem,um poucotenesta
vamos polícia
mandar tudomal-humo
imediata um pouco
Tiques? de tosse
Bem, vê-se cóf, cóf. se
na hora, Não,
fornada de tosse...
o caso. Avelu-
mente. Um abraço. Espera, espera! Rá, rá! é o Ber- dado, voz nasal?! Bonachão com acessos imprevis
tozzo que soltou uma muito espirituosa... você não tos: "Não, caro delegado, o senhor tem que acabar
vai se zangar? Então eu conto. Disse que... rá, rá... com isso. O senhor não é mais diretor de uma peni
que depois da visita do juiz revisor, vão te mandar tenciária fascista... Tenha isso presente sempre que
para o sul, talvez pra Vibo-Valentim Calabrese... puder!" Não, não, é melhor o tipo contrário. Frio,
onde o prédio da polícia tem um andar só e a sala distante, tom decidido, voz monocorde, olhar triste
do delegado é no subsolo... Rá! Rá! Rá! Rá!... en como de míope... que se serve dos óculos, mas usa
tendeu?
tou? EntãoNo fica
subsolo...
pra próxima
rá, rá,vez.
você gostou?
 {Finge queNão
estágos
ou uma lente
lheia algunssó,papéis).
assim  Mas olha só!
(Continua Os documentos
experimentando; fo
vindo)  Tudo bem... vou lhe dizer imediatamente. que eu estava procu rando estão aqui mesmo! Ei, cal
Bertozzo, o não muito calabrês comissário aqui pre ma... o que foi essa saída de tom? Voltar imediata
sente, disse que a primeira vez que nos encontrar mente ao personagem!  (Com tom decidido)  Está
— a nós dois — vai nos dar um murro no focinho! tudo aqui? Vamos ver. Decreto de arquivação do
Recebido, prruu!  (Pernáquia com a boca)  da nossa tribunal de Milão... Ah, tem também o processo
parte, câmbio!  (O louco apóia o fone e sai imedia sobre os anarquistas do grupo romano... com Balle-
tamente à procura do material)   "Ao trabalho, se rini na cabeça... Bom!  (Joga tudo dentro de uma
nhor juiz, o tempo urge!" Rá, rá, uma ocasião como  pasta, mas antes se certifica de que esteja vazia. Vira
esta pra demonstrar para mim e ao mundo inteiro a pasta ao avesso e sacode)  Um momento. Vai que
meus estudos aprofundados, que sou digno de en por acaso sobrou ainda algum caquinho... nunca
trar para a categoria dos "superiores" infalíveis e se sabe com as bolsas da justiça! Verificar sempre
sacri... onde mais eu poderia encontrar? Meu Deus, antes de usar!
como estou emocionado! É como se tivesse que fazer
um exame, mais do que um exame de grau má  Nesse momento, depois que o louco retirou de
ximo! Se conseguir convencê-los que sou o verda um cabide uma capa marrom e um chapéu pre
deiro juiz revisor... se não desanimar, Deus do céu, to, entra o delegado que não o reconhece vestido
chego à cátedra. Mas se eu falhar, estou perdido! dessa maneira. Por um segundo, fica perplexo.
Vejamos um pouco, antes de mais nada, encontrar COMISSÁRIO: Bom-dia,
coisa? Procura por alguém?o senhor deseja alguma
um tipo de andar...  (Tenta um andar claudicante)
Não, este é de chanceler. Andar artrítico, mas com LOUCO: Nada, comissário. Voltei para buscar
dignidade! Achei! Assim, com o pescoço um pouco meus documentos...
torto... como cavalo de circo aposentado...   (Expe COMISSÁRIO: Ah, ainda o senhor? Fora!!
rimenta e desiste)  Não, melhor ainda o "escorrega- LOUCO: Por favor, se está nervoso por problemas
dinho" com o pulo final.   (Imita)  Nada mal! E o seus não venha se desafogar pra cima de mim.
http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 7/42

 
5/22/2018 26 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om
27

COMISSÁRIO: Fora!  (Acompanha-o, empurran- se o senhor quer um conselho... — e só porque


do-o até a porta.) simpatizo com o senhor — quando encontrar o "vi
LOUCO: Pelo amor de Deus! Aqui dentro são todos zinho dolcevita", abaixe-se. Vai por mim! (Sai.)
neurastênicos? Começando por aquele louco abu O comissário dá um grande suspiro e em segui
sado que está por aí procurando pelo senhor, pra da se dirige para o cabide. Vê que está com
lhe quebrar a cara.
COMISSÁRIO:   (Pára por um momento)  Quem é  pletamente vazio.
COMISSÁRIO:   (Indo atrás dele)  Mas esse desgra
que está me procurando? çado! Com a desculpa de passar por louco, passa
LOUCO: Um tal de malha com gola roulê, tipo a mão nos capotes. Ei, você!  (Bloqueia um agente
"dolcevita". Ainda não lhe deu o murro? que está entrando naquele momento)   Vai atrás da
COMISSÁRIO: Um murro em mim? quele louco... aquele que estava aqui antes... Está
LOUCO: É, no senhor e em um outro colega seu... saindo com a minha capa... o chapéu... e vai ver
um tal de Angari... Angario. que com a bolsa... exatamente, aquela é a minha!
COMISSÁRIO: Anghiari... um comissário de Ro Rápido, antes que a limpe...
ma...
LOUCO:da política?
Eu não sei de nada! ? AGENTE: Imediatamente, comissário...  (Pára na
 porta, fala se dirigindo ao externo, aos bastidores)
COMISSÁRIO: E por que é que esse tipo "dolce Sim, doutor... o comissário está aqui... se acomode,
vita" nos daria um murro? entre (Se dirigindo ao comissário que procura, con
LOUCO: Por causa daquela pernáquia Prruu.  fuso, as folhas rasgadas pelo louco).
COMISSÁRIO: Pernáquia?
LOUCO: É, ou melhor, duas, pelo telefone... e com COMISSÁRIO: Mas onde foram parar as denún
um risinho calhorda rá, rá... Não se lembra, rá, rá! cias?
(Imita o fone longe da boca, como fizera antes). AGENTE: Doutor Bertozzo, o comissário da polí
tica está aqui e quer vê-lo.
COMISSÁRIO:
outro personagemMasseu?o que é que está dizendo? É O comissário Bertozzo levanta a cabeça, da es
LOUCO: É, vai perceber logo qual é o personagem crivaninha, fica em pé e vai ao seu encontro,
quando levar um murro no olho... e nem posso dis em direção ao bastidor da direita.
cordar do vizinho do quarto andar.. . COMISSÁRIO: Oh, meu querido... faz um minuto
COMISSÁRIO: De quem? que falei sobre você com um louco que me disse... rá,
LOUCO: Do seu colega. Como é que vai lhe dizen rá... veja só... que quando você me encontrasse...
do que deseja muito que o joguem na Calábria, no me daria...  (Do bastidor surge um braço muito ve
subsolo... ele e o chefe dele, ex-guarda de fronteira loz. Bertozzo está literalmente estatelado no chão;
fascista?
COMISSÁRIO: Quem , onossochefe? Aquele que ... ro!   (E
tem ainda força para terminar a frase.)...  um mur
desaba.)
LOUCO: Que vos dirige e vos guia! Pela porta aparece o louco que grita :
COMISSÁRIO: Escuta aqui, agora chega. Já me fez LOUCO: Eu tinha lhe dito pra se abaixar!
perder muito tem po. .. Por favor, vai embora! Some!
LOUCO: Para sempre?  (Encena beijos de adeus)
Smack! Smack!  (Ataque de raiva do comissário)  Black-out. Intervalo musical no escuro, prova
Tudo bem, OK, vou embora. De qualquer modo, velmente uma marcha grotesca do tipo entrada
http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 8/42

 
5/22/2018
28 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om
29

de "cômicos ", durante o tempo necessário para COMISSÁRIO ESPORTIVO: Estou enganado ou
a mudança da cena. , o senhor...!?
 As luzes são reacesas e nos reencontramos em LOUCO: Ê claro que está enganado! Está realmente
uma sala muito parecida com a anterior. Os enganado se está tentando insinuar que eu quis alu
móveis são mais ou menos os mesmos, só que dir à proverbial hipocrisia dos jesuítas... Saiba o
distribuídos
 fundo de maneira
sobressai o retratodiversa. Da parede
do presidente, do
consi senhor que, pra começo de conversa, estudei com
os jesuítas. E agora, alguma objeção?
deravelmente grande. É bem evidente a quadra- COMISSÁRIO ESPORTIVO:  {Confuso, atordoa
tura de uma janela escancarada. Em cena, o do)  Não, pelo amor de Deus... não... mas é que...
louco, em pe, imóvel, diante da janela, de cos LOUCO:  {Mudando abruptamente o tom)  Mas
tas para a porta por onde   —  alguns minutos
depois  —  entra um comissário com paletó es aquele bispo de quem eu falava, aquele sim era mes
 porte e camisa de gola  roulê. mo um hipócrita... um mentiroso... e, de fato, mas-
sageava sempre a mão. ..
COMISSÁRIO ESPORTIVO: Ouça, o senhor...
COMISSÁRIO ESPORTIV O:  {Em voz baixa para LOUCO:  {Sem sequer considerá-lo)  O senhor deve
o agente, imóvel, do lado da porta)  E aquele ali, ria procurar um psicanalista. Massagear-se em con
quem é? O que ele quer? tinuação é, antes de mais nada, sintoma de insegu
AGENTE: Não sei, doutor. Chegou com tamanha rança. .. sentimento de culpa ... e insatisfação sexual.
empáfia... que parecia o dono do mundo... Disse O senhor tem dificuldades com as mulheres?
que quer falar com o senhor e com o delegado. COMISSÁRIO ESPORTIVO:  {Perdendo as estri
COMISSÁRIO ESPORTI VO:  {Que nem por um beiras)  Ah, pera aí!  {Desfere um murro contra a
instante parou de massagear a mão)  Ah, quer falar? mesa.)
Bom-dia, o que
{Aproxima-se do olouco
senhordedeseja?
maneiraMemuito
disseram que
solícita) LOUCO: {Indicando
provação!  Impulsivo!
o gesto)não
Diga a verdade, Eis aOcom
é um tique... se
estava me procurando. nhor deu um murro em alguém há menos de quin
LOUCO:  {Enquadra-o impassível, faz apenas o ze minutos, confesse!
gesto de levantar o chapéu)  Bom-dia.  {Imobiliza o COMISSÁRIO ESPORTIVO: Confesso nada! Pre
 próprio olhar sobre a mão que o comissário continua feriria que o senhor me dissesse de uma vez por to
a massagear) O que aconteceu com a mão? das com quem tenho a honra de falar... e faça-
COMISSÁRIO ESPORTIVO: Ah, nada... quem é me o favor de tirar o chapéu, antes que eu me es
o senhor? queça.
LOUCO: Não foi nada? E então por que está se
massageando? Assim... pra disfarçar? Uma espécie LOUCO:  Tem
estudada) razão.  {Tira
Acredite-me, não omantive
chapéu ocom lentidão
chapéu na
de tique? cabeça por desfeita... mas por causa daquela janela
O comissário começa a se impacientar. escancarada. Não suporto correntes de ar... princi
COMISSÁRIO ESPORTIVO: Pode ser... Pergun palmente na cabeça. O senhor não? Escute, não se
tei ao senhor com quem tenho o prazer?!... poderia fechá-la?
LOUCO: Uma vez conheci um bispo que se massa- COMISSÁRIO ESPORTIVO:  {Seco)  Não, não po
geava como o senhor. Um jesuíta. de!
http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 9/42
 
30 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 31
5/22/2018 Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

LOUCO: Não está mais aqui quem falou. Sou o Pro LOUCO: Absolutamente não. Não se preocupe.
fessor Marco Maria Malipiero, 1? Conselheiro do Preferiria que mandasse chamar o delegado... gos
Tribunal de Apelação. taria de começar o quanto antes.
COMISSÁRIO ESPORTIVO: Juiz? (E vacila.) COMISSÁRIO ESPORTIVO: Certamente. Mas não
LOUCO: Ê... é... livre-docente da Universidade de seria melhor irmos até a sala dele... é mais cô
Roma.
tem umaSão duas como
vírgula, exclamações
sempre. e depois da segunda modo. É, mas foi nesta sala que aconteceu a des
LOUCO:
COMISSÁRIO ESPORTIVO:  (Transtornado)  En graça com o anarquista, não é verdade?
tendo... COMISSÁRIO ESPORTIVO: Sim, foi aqui.
LOUCO:  (Irônico e agressivo) Entende o quê? LOUCO:  (Abrindo os braços) Conseqüentemente...
COMISSÁRIO ESPORTIVO: Nada, nada. Senta-se, tira alguns documentos da pasta.
LOUCO: Justamente.  (De novo agressivo)  Não, Percebemos que traz consigo outra bolsa, enor
quero dizer, nada disso! Quem foi que lhe avisou me, da qual extrai um monte de bugigangas:
que eu viria para a revisão do processo e do arqui uma lente, uma pinça, um grampeador, um
vamento? martelo
 Do lado de
da madeira
porta, o de juiz... umestá
comissário código penal.
falando em
COMISSÁRIO ESPORTIVO:  (A essas alturas, no voz baixa, no ouvido do agente.
limite) Mas realmente... eu... LOUCO:  (Continuando a colocar a papelada em
LOUCO: Preste atenção para não mentir. Ê uma ordem)  Eu preferiria, comissário, que em minha
coisa que me deixa tremendamente nervoso... Eu presença se falasse sempre em voz alta.
também tenho um tique... me aperta aqui na gar COMISSÁRIO ESPORTIVO: Sim, me desculpe.
ganta... quando alguém me conta mentira... olha só (Se dirigindo ao agente)  Insista com o senhor dele
como vibra... olha! E então, sabia ou não da minha gado que venha o quanto antes para cá, se puder...
vinda?
COMISSÁRIO ESPORTIVO:  (Engolindo em seco, LOUCO: Mesmo
COMISSÁRIO se não puder!Claro, mesmo se não
ESPORTIVO:
embaraçado)  Sim, eu sabia... Mas não o esperava puder!
tão cedo... É isso...
LOUCO: É, foi por isso mesmo que o conselho su AGENTE:  (Saindo) Ás suas ordens...
perior decidiu antecipar... Nós também temos os COMISSÁRIO ESPORTIVO:  (Por alguns instan
nossos informantes. Surpreso? Aborrecido? tes observa o juiz pondo a papelada em ordem.
COMISSÁRIO ESPORTIVO:  (A essa altura já Usando tachinhas, fixou alguns papéis na parede do
"enrolado")  Não, imagine só...  (O louco indica o lado, no parapeito da janela, no armário. De repente
 pescoço que uma
mo... (Indica vibra)...   quer Acomode-se,
cadeira) dizer... sim,memuitíssi
dê o seu se lembra
(Pega de alguma
o telefone  Ah,
coisa)um
e disca certo...  Alô,
número) os relatórios!
o comis
chapéu...  (Com o chapéu nas mãos, pensa melhor) sário Bertozzo, por favor... onde ele foi? Falar com
Talvez prefira mantê-lo... ? o delegado?  (Apóia o fone e se prepara para discar
LOUCO: Não, por favor, pode até ficar com ele... outro número)
O louco o interrompe.
não é meu mesmo. LOUCO: Me desculpe se me atrevo, doutor...
COMISSÁRIO ESPORTIVO: Como? (Vai  em di COMISSÁRIO ESPORTIVO: Fale, senhor juiz.
reção à janela) Quer que feche a janela?
http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 10/42
 
5/22/2018 32 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om 33

LOUCO: O comissário Bertozzo — o senhor parece LOUCO: ( Sem tirar os olhos das folhas)  Não, se
preocupado com ele — tem talvez alguma coisa a ver nhor delegado, não se preocupe, não sou jornalista...
com a revisão do processo? não vai ter comentário de nenhum tipo... posso lhe
COMISSÁRIO ESPORTIVO: Tem... é que, quer assegurar.
dizer... como ele mantém o arquivo com toda a do DELEGADO: Agradeço-lhe muito.
cumentação...
LOUCO: Mas não é preciso... tenho tudo aqui co LOUCO:
ção. Aliás,Entendo e compartilho
eu mesmo, antes do de sua preocupa
senhor, procurei
migo... para que outra cópia? Serviria para quê? chamar a atenção do seu jovem colaborador.
COMISSÁRIO ESPORTIVO: Tem razão, não ser DELEGADO:  (Se dirigindo ao comissário)  È ver
ve. dade?
Escuta-se —  vinda do lado de fora —  a voz ira LOUCO: Este jovem, que notei ser de índole irascí-
da do delegado, que entra como um foguete. vel e intolerante e que agora, pela conversa, descu
 Atrás dele, o agente submisso. bro que é alérgico à pernáquia calabresa — a qual,
DELEGADO: Me explique uma coisa, senhor co aqui entre nós, é uma das mais brandas, principal
missário, que história
o senhor, mesmo se nãoépuder?
essa de eu ter que vir até mente seO asenhor
puana. confrontarmos
entende com a sorrentina
de pernáquia? ou ca-o
  (Puxa
COMISSÁRIO ESPORTIVO: Não, o senhor tem delegado para perto de si em confidência; o dele
razão, doutor... mas é que como... gado acompanha-o atônito.)
DELEGADO: Como uma porra! Assim, de uma DELEGADO: Não, eu realmente...
hora para outra, acha que virou um meu superior? LOUCO:  (Falando-lhe ao ouvido)  Siga o meu con
Advirto-o de que esse seu modo insolente de se com selho, doutor... eu lhe falo como um pai... este rapaz
portar não me agrada de modo algum... principal precisa de um bom psiquiatra... Tome, leve-o a este
mente em relação aos seus colegas... O que é isso, meu amigo... é um gênio. (Coloca um cartão em sua
chegar ao ponto de dar murro!
COMISSÁRIO ESPORTIVO: É, mas veja, senhor mão)
Mas preste
  Professor
atenção
Antônio
à exclamação.
Rabbi... livre-docente...
delegado... o Bertozzo não lhe contou da pernáquia, DELEGADO:  (Que não consegue se desvencilhar)
do jogo de palavras sobre o "calabrês" no subsolo... Obrigado, mas se o senhor me permite, eu...
O  louco, fingindo estar colocando a papelada LOUCO:  (Mudando, repentinamente, o tom)  Mas
em ordem, se esconde, de cócoras, atrás da es sem dúvida alguma, claro, sem dúvida... Acomode-
crivaninha. se... e vamos dar início... A propósito, seu colabo
DELEGADO: Que pernáquia o quê? Vamos lá, rador lhe informou que eu...?
ninguém é mais criança... em vez de ficar quieto... COMISSÁRIO ESPORTI VO: Não, me desculpe,
 já temos todos os olhos sobre nós... com os desgra mas não tive tempo.  (Dirigindo-se ao delegado) Pro
çados
tando dos
por jornalistas
aí um monteque vivem fazendo
de notícias alusões,
falsas... sol
e pare fessor Marco Maria Malipiero, primeiro conselheiro
do Tribunal de Apelação...
com isso, me deixe falar... eu falo como e...   (O co LOUCO: Por favor, esqueçamos esse "primeiro
missário indica o falso juiz que finge não estar par conselheiro"... não me importo... diga simplesmen
ticipando) Ah, aquele ali? Pelo amor de Deus! Quem
é? Um jornalista? Mas por que você não falou te "um dos primeiros", é o suficiente.
logo?... COMISSÁRIO ESPORTIVO: Como o senhor pre
ferir.

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 11/42
 
34 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 35
5/22/2018 Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

DELEGADO:  (Que encontra dificuldade em se re DELEGADO: Sim, mas num primeiro momento,
cuperar do choque)  Excelência... eu estou realmen senhor juiz ... depois...
te... LOUCO: Estamos exatamente no primeiro momen
COMISSÁRIO ESPORTIVO:  (Tentando ajudá-lo) to... vamos por ordem. Por volta da meia-noite,
O senhor juiz está aqui para conduzir a revisão do o anarquista, tomado por um  raptus  — é sempre
processo
DELEGADO:sobre o (Inesperadamente,
caso... em um ímpeto) o senhor que fala, doutor —, se atirou pela janela,
Ah, mas é claro, claro, nós estávamos esperando esfacelando-se no chão. Agora, o que é o tal do "rap
pelo senhor! tus"!  Diz Bandieu que o  "raptus"   é uma forma
LOUCO: Viu como seu superior é mais sincero? exasperada de angústia suicida que atinge até mes
Joga com as cartas na mesa! Aprenda! Mas é uma mo indivíduos sãos, se neles for provocada uma an
outra geração, claro, outra escola! siedade violenta, uma angústia desesperada. Certo?
DELEGADO: É, outra escola. DELEGADO e COMISSÁRIO: Certo.
LOUCO: Sabe, é melhor que eu lhe diga imediata LOUCO: Então vejamos, o que foi que causou an

mente,
como seojásenhor é... comohádirei...
o conhecesse... muitosquase
anos. familiar...
O senhor, esiedade,
cabe ao angústia?
senhor entrSó noscena,
ar em restadelegado.
reconstruir a ação
por acaso, não esteve na fronteira? DELEGADO: Eu?
DELEGADO:  (Gaguejando)  Na fronteira? LOUCO: Sim, vamos lá. O senhor se incomodaria
LOUCO: Mas o que estou dizendo? Um delegado na de representar a sua famosa entrada?
fronteira? Onde já se viu? Retornemos ao nosso DELEGADO: Me desculpe, mas famosa o quê?
caso! LOUCO: Aquela que determinou o raptus.
DELEGAD O: Ao nosso caso. DELEGADO: Senhor juiz... deve haver um equí
LOUCO:  (Fixando-o com um olhar terrificante)  Já voco, aquela entrada não foi minha, mas de um meu
sei!
Chega  (Aponta-lhe o dedo)
de alucinações!   (Esfrega os não
  Mas não, olhosé possível!
enquanto vice,
LOUCO:um colaborador...
Ei, não é bonito jogar a responsabilidade
o comissário diz, rapidamente, alguma coisa ao ou sobre os dependentes, ou melhor, é bem feio... Co
vido do delegado, que se joga, literalmente, sobre ragem, coragem, se reabilite e assuma o seu pape l...
uma cadeira. Acende, nervoso, um cigarro.)   Bom, COMISSÁRIO ESPORTIVO: Mas, senhor juiz, foi
vamos aos fatos. Segundo os relatórios...  (Desfo- uma daquelas táticas às quais se recorre freqüente
lha alguns papéis)  número... 25, 26, 27 e 28 (O  co mente... em qualquer polícia, pra fazer o indiciado
missário tem um acesso de tosse pela fumaça que confessar.
lhe desce atravessada). Na noite de... a data não nos LOUCO: Mas quem foi que chamou o senhor? Dei
interessa... um anarquista — profissão: manobrista
da ferrovia — se encontrava nesta sala para ser in xe o seu superior
mal-educado? Defalar,
agorapor
emfavor! Sabia
diante, que é muito
responda só se
terrogado sobre a sua participação ou não no aten for interrogado... entendeu? E o senhor, doutor, por
tado com bombas que levou para os ares uns ban favor, represente, em primeira pessoa, aquela en
cos, causando a morte de 16 cidadãos inocentes! E trada.
aqui suas palavras textuais, senhor delegado: "Sub DELEGADO: Tudo bem. As coisas aconteceram
sistiam fortes indícios contra sua pessoa"! Foi isso
que o senhor disse? mais ou menos assim. O anarquista indiciado estava
ali, justamente no lugar onde o senhor está sentado.

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 12/42
 
5/22/2018
36 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om
37

O meu auxiliar... isto é, eu entrei com uma certa — sem dúvida alguma — por um ferroviário, tam
impetuosidade... bém podemos inferir, conseqüentemente, que aque
LOUCO: Bravo! las do palácio da justiça foram colocadas por um
DELEGADO: Agredi o indiciado!  juiz; no monumento ao soldado desconhecido foram
LOUCO: Assim é que eu gosto! colocadas pelo comandante do corpo de guarda, e
DELEGADO:
sivo... acabe deCaro
umamanobrista e também
vez por todas com osubver
lenga- as no Bancooudapor
banqueiro Agricultura foram àcolocadas
um agricultor, escolha.  por um
(Nesse
lenga... momento se torna furioso)  Ora, senhores... eu es
LOUCO: Não, não, por favor... se atenha ao rotei tou aqui para fazer uma investigação séria e não
ro.   (Mostra os relatórios)  Aqui não tem censura... para brincar com silogismos idiotas! Continuemos!
não foi isso o que o senhor disse. Aqui diz:  (lendo em uma folha)  "O anarquista pa
DELEGADO: Bom, eu disse: "acha que eu estou recia não ter sido atingido pela acusação, sorria in
aqui pra ser enrabad o?". crédulo". Quem fez essa declaração?
LOUCO: Se limitou à palavra rabo? COMISSÁRIO: Eu, senhor juiz.
DELEGADO:
LOUCO: Acredito,Sim, continue.
juro . Como terminou? LOUCO: —
comenta Bom,
são então sorria... Mas
suas palavras... aqui também
textuais... se
retoma
DELEGADO: Temos as provas de que foi você das pelo juiz que arquivou a investigação... "indu
quem colocou as bombas na estação. bitavelmente concorreu para a crise suicida o medo
LOUCO: Quais bombas? de perder o emprego, de ser despedido". Mas como,
DELEGADO:  (Abaixando o tom. Discursivo.) Es antes sorria incrédulo e depois, de repente, tinha
tou falando do atentado de 25. .. medo? Quem foi que lhe meteu esse medo? Quem é
LOUCO: Não, responda com as mesmas palavras que entrou de sola com essa história de demissão?
daquela noite. Imagine que eu seja o ferroviário COMISSÁRIO: Não, juro, no que me toca... eu...
LOUCO: Por favor, não nos subestimemos... vocês
anarquista. Vamos,
DELEGADO: coragem,
Não se faça dequais bombas? Você
desentendido. não são violonistas... O que é isso? Todos os policiais
sabe muito bem de que bomba estou falando. Aque do mundo descem a mão pesado, com prazer. Não
las que vocês colocaram nos vagões da estação cen entendo por quê, justamente vocês, deveriam ser os
tral, há oito meses. únicos a pegarem leve! Estão pensando o quê?
LOUCO: Mas vocês têm realmente essas provas? DELEGADO e COMISSÁRIO: Obrigado, senhor
DELEGADO: Não, mas como o comissário estava  juiz.
explicando antes, se tratava de um daqueles velhos LOUCO: De nada. Por outro lado, sabe-se que às
truques aos quais recorremos freqüentemente na vezes é perigoso. Alguém chega para um anarquista:
polícia...
LOUCO: Rá, rá... que espertos...  (E dispara um "Asdirigentes
os coisas nãodaestão boasquando
ferrovia pr a você... o que vão
contarmos paradizer
eles
tapa nas costas do delegado, estonteado.) que  você é um anarquista... te põem no olho da
DELEGADO: Mas nós tínhamos algumas suspei rua... despedido!" Fica chateado... O anarquista —
tas... Como o indiciado era o único ferroviário anar é preciso que se diga — mais do que ninguém se
quista de Milão... foi fácil inferir que foi ele... preocupa com o emprego... No fundo são pequenos
LOUCO: Certo, certo, é evidente, direi óbvio. Quer burgueses... ligados às pequenas comodidades:  sa-
dizer que se as bombas na ferrovia foram colocadas lário  fixo todos os meses, abono... décimo-terceiro,

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf
 
13/42
38 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 39
5/22/2018 Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

aposentadoria, assistência, velhice serena... Nin gando baralho em um bar de Milão — caíra por
guém mais do que um anarquista pensa na própria terra, não se agüentava em pé.
velhice, podem acreditar em mim... Estou falando LOUCO: Portanto, o anarquista deveria ser consi
dos anarquistas de hoje em dia, naturalmente... os derado fortemente indiciado pelo atentado ao banco
pés-de-chinelo de agora... Nada a ver com os do pas de Milão, além do atentado aos trens. E acrescen
sado...
tende deExpulsos
exilados,dedelegado?
terra emOh,
terra...
masOo que
senhor en
foi que tou,
ta erapara
um terminar, quede
"evidente ato o gesto suicida do anarquis
acusação".
eu disse? Então, recapitulando, os senhores abatem DELEGADO: Sim, disse isso.
moralmente o anarquista, amarguram-no e ele se LOUCO: E o senhor, comissário, gritou que quando
 joga... vivo aquele lá era um delinqüente, um patife! Mas
COMISSÁRIO: Se o senhor me permite, senhor após algumas semanas, o senhor, comissário, decla
 juiz, para ser honesto, não aconteceu imediatamen rou — eis aqui o documento — que "naturalmente",
te... está faltando a minha intervenção. repito, "naturalmente" não pesavam indícios con
LOUCO: Claro, tem razão... o comissário saiu, de cretos contra o ferroviário. Certo? Era, então, abso
pois
Força,reentrou e apósassuma
comissário, uma pausa
o seu artística
papel... disse...
imagi lutamente inocente
até comentou: e o senhor
"Aquele mesmo,
anarquista comissário,
era uma grande
nando sempre que eu seja o anarquista... pessoa".
COMISSÁRIO: Sim, claro. "Acabaram de me ligar DELEGADO: Sim, admito... nós nos enganamos...
de Roma... Tem uma boa notícia para você. O teu LOUCO: Por favor!.. Todos podemos errar. Mas
amigo, pardon, companheiro bailarino confessou... vocês, me desculpem, foram um pouco longe de
admitiu ter sido ele quem colocou as bombas no mais. Deixem que eu explique. Antes de mais nada,
banco de Milão." prenderam arbitrariamente um cidadão livre; em se
LOUCO: E ele, o ferroviário, como recebeu a notí guida, abusaram da própria autoridade para segurá-
cia?
COMISSÁRIO: É... mal, ficou pálido... pediu um lo além
tado do prazo legal,
do manobrista, e aí traumatizaram
dizendo-lhe o coi
que tinham provas
cigarro... acendeu-o... de que ele era o dinamitador das ferrovias. Depois
LOUCO: E aí se jogou. criaram-lhe, mais ou menos voluntariamente, a psi
DELEGADO: Não, não imediatamente. cose de que perderia o emprego, que seu álibi do jogo
LOUCO: Na primeira versão o senhor teria dito de baralho não valia e, para terminar, porrada final:
"imediatamente", não é verdade? que o seu amigo e companheiro de Roma tinha-se
DELEGADO: Sim, é verdade. confessado culpado pela chacina de Milão. Seu ami
LOUCO: Além disso — ainda o senhor — falando go, um assassino nojento?! Tanto é que ele comenta
com a imprensa e a televisão, declarou que antes do desolado: "É o fim da anarquia!", e se atira! E eu
trágico gesto o anarquista se sentia perdido... en só queria saber uma coisa: tá todo mundo louco?
curralado. Disse isso? Por que se espantar se a um fodido desses lhe vem um
DELEGADO: Sim, disse exatamente isso: "encur raptus?! Ah, não, sinto muito, mas na minha opi
ralado". nião vocês são culpados, e como! Vocês são total
LOUCO: E depois, o que mais declarou? mente responsáveis pela morte do anarquista! Pas
DELEGADO: Que o seu álibi — segundo o qual síveis de incriminação imediata por instigação ao
teria transcorrido a famosa tarde do atentado jo-0 suicídio!

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf
  14/42
MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 41
40 DARIO FO
5/22/2018 Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

DELEGADO: Mas, senhor juiz, como é possível? LOUCO: Ei, que imaginação! Vocês deveriam ser
A nossa obrigação — o senhor mesmo admitiu — escritores. E talvez lhes seja dada a ocasião, podem
é interrogar os indiciados, e para conseguir que eles estar certos. Em cana se escreve muito bem. Aba
falem, algumas vezes, é preciso recorrer a estrata lados? Deixem-me acrescentar, com toda a fran
gemas, armadilhas e a um pouco de violência psí queza, que em Roma há provas arrasadoras da culpa
quica....
LOUCO: Ah, não! Aqui não se trata de "um pou de vocês. Acusações
ministérios gravíssimas!
da Justiça Estão
e do Interior perdidos.
decidiram se Os
li
co", mas sim de violência contínua. Pra começo de vrar de vocês. Querem que sirvam de exemplo — o
conversa, vocês tinham ou não tinham provas cabais mais sério possível — para se reestabelecer a credi
de que aquele coitado do ferroviário tivesse mentido bilidade que a polícia perdeu.
sobre o próprio álibi? Respondam!! DELEGADO: Não, não posso acreditar!
DELEGADO: Não, não tínhamos provas cabais... COMISSÁRIO: Mas como podem...
mas... LOUCO: Duas carreiras arruinadas, isso é certo! Ê
LOUCO: Os "ma s" não me interessam! Ainda exis a política, meus queridos. Antes vocês serviam a um
tem ou nãoo dois
confirmam ou três aposentados que até hoje
tal álibi? tipo de
criar umjogo.
climaEra preciso
de "caça aosfrear as lutas sindicais...
subversivos". Agora, no
COMISSÁRIO: Sim, existem. entanto, mudou um pouco... As pessoas estão indig
LOUCO: Portanto, vocês mentiram também para nadíssimas com a defenestração do anarquista...
a televisão e a imprensa, dizendo que o álibi não Querem duas cabeças... e o Estado vai lhes dar.
tinha validade e que subsistiam pesados indícios. DELEGADO: Mas por que as nossas?
Quer dizer que as ciladas, os ardis, as armadilhas COMISSÁRIO: Porquê?
são usadas não só para convencer os indiciados, mas
também para enganar, para abusar da boa fé do LOUCO: Tem um velho ditado inglês que diz: "O
patrão atiça os cães contra os vilões...Se os vilões se
povo crédulo
tervir) e babaca.
  Me deixe (Opor
terminar,   delegado gostaria
favor. Já de di
ouviram in queixam ao rei, o patrão, para ser perdoado, mata os
zer que divulgar notícias falsas ou tendenciosas é cães."
crime grave? DELEGADO: E o senhor acha que...realmente...
DELEGADO: Mas o meu colaborador me tinha as Está convencido?
segurado... LOUCO: Mas se sou eu o justiceiro?!
LOUCO: Ai, ai, ai, outra vez jogando a culpa em COMISSÁRIO: Profissão desgraçada!
terceiros... e então me responda o senhor, comissá DELEGADO: Eu sei quem me preparou a forca...
rio, de onde veio a notícia de que o bailarino anar Ah, mas ele me paga.
LOUCO: Podem estar certos de que vai ter muita
quista tinha confessado?
interrogatórios Li todas
conduzidos as transcrições
pela polícia dos
e pelo juiz gente se deliciando com as desgraças de vocês... se
instrutor de Roma... (Mostra aos presentes) e não se divertindo.
encontra que o tal anarquista mencionado tenha COMISSÁRIO: Começando pelos nossos colegas...
admitido a própria responsabilidade na chacina dos é isso que me deixa louco!
bancos, nem uma só vez. E aí? Esta confissão foi LOUCO: Para não falar dos jornais!
inventada por vocês? Respondam! COMISSÁRIO: Quem sabe como é que vão nos tra
COMISSÁRIO: É, fomos nós que a inventamos. tar... Imagine as manchetes!

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf
 
15/42
42 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 43
5/22/2018 Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

DELEGADO: Onde será que eles vão cavoucar — DELEGADO e COMISSÁRIO: Não empurre...por
esses vermes que antes vinham lamber as nossas favor!
mãos... "Forca prós meganhas!" LOUCO: Não estou empurrando, é o  "raptus".  Vi
COMISSÁRIO: "E ra um sádico, um violento!" va o  "raptus"   liberador! (Pega os dois pela cintura e
LOUCO: Pra não falar das humilhações...das iro obriga-os a subir no parapeito da janela).
nias
DELEGADO: Não dou bola. Todo mundo que te dá DELEGADO
Socorro! e COMISSÁRIO: Não, não, socorro!
as costas...nem um lugar de guarda-carros a gente Entra o agente que havia saído no início do in
vai conseguir. terrogatório.
COMISSÁRIO: Mundo sujo! AGENTE: O que está acontecendo, doutor?
LOUCO: Não, governo sujo! LOUCO:  (Abandonando a presa)   Rá, rá, nada, não
DELEGADO: A essa altura, o senhor me diga, o aconteceu nada...não é, comissário? Não é senhor
que nos resta fazer? Nos dê um conselho! delegado? Vamos, tranqüilizem o agente.
LOUCO: Eu!? E o que é que eu poderia lhes dizer? DELEGADO:  (Desce trêmulo da balaustrada)   É
COMISSÁRIO: Sim, sim, nos aconselhe! claro,
LOUCO: fiqueUm
à vontade.. .foi só...
  "raptus".
LOUCO: Eu, no lugar de vocês...
COMISSÁRIO: No nosso lugar? AGENTE: Um  "raptus"?
LOUCO: Me jogaria pela janela! LOUCO: É, queriam se jogar pela janela.
COMISSÁRIO e DELEGADO: O quê? AGENTE: Eles também?
LOUCO: Vocês me pediram um conselho...e, a este LOUCO: Também, mas pelo amor de Deus, não
ponto, ter de suportar uma humilhação como essa... conte aos jornalistas!
Sigam o meu conselho, pulem! Vamos, coragem... AGENTE: Não, não.
DELEGADO: OK, tudo bem, mas o que isso tem a COMISSÁRIO: Mas não é verdade! Era o senhor
ver...?  juiz que q ueria...
LOUCO: Certo, não tem nada a ver. Se deixem DELEGADO: Justamente.
tomar pelo raptus e se joguem (e empurra ambos em AGENTE: O senhor queria pular, senhor juiz?
direção à janela). DELEGADO: Não, ele empurrava.
COMISSÁRIO e DELEGADO: Mas não, espere! LOUCO: É verdade, é verdade. Eu estava empur
Espere! rando. E por pouco não caíram mesmo...estavam
LOUCO: "Espere"! Esperar o quê? O que é que desesperados. Quando alguém está desesperado,
vocês estão fazendo neste mundo nojento? Isso é não precisa muito...
vida? Mundo sujo, governo sujo...Tudo está sujo! AGENTE: Ê sim, não precisa muito!
Pulemos todos!  (Com grandes empurrões, arras LOUCO: E olhe pra eles. Ainda estão desespera
ta-os. ) dos... olhe que caras de enterro!
DELEGADO: Não, senhor juiz. O que o senhor está AGENTE:  (Excitado pelas confidencias do juiz)
fazendo? Eu ainda tenho esperança! Sim, desculpe a expressão... parecem na merda,
LOUCO: Não existe mais esperança, vocês estão como se diz...
perdidos...vocês querem entender isso? Perdidos!!! DELEGADO: Ei, mas todo mundo enlouqueceu?
Pulem! AGENTE: Me desculpe, eu queria dizer no WC.

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 16/42
44 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 45

5/22/2018
LOUCO: Vamos, vamos, ânimo! Ãguas passadas, DELEGADO: Claro que entendeu mal... Me deixe
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

como se diz.. .alegria, doutores! falar, comissário...


DELEGADO: É, pro senhor é fácil falar...na nossa COMISSÁRIO: Sim, me desculpe doutor.
posição...Asseguro ao senhor que por um momen DELEGADO: Não entendo por que o senhor, se
to... quase-quase me joguei pra valer! nhor juiz, montou toda essa farsa?...
AGENTE: Estava quase pulando? O senhor? LOUCO: Farsa? Não, são só armadilhas normais ou
COMISSÁRIO: Eu também! truques aos quais a magistratura, algumas vezes,
LOUCO: Viram, doutores! Quando se fala de "rap- recorre para demonstrar à polícia o quanto esses
tus"?! E de quem teria sido a culpa? métodos são incivilizados, pra não dizer criminosos.
DELEGADO: Daqueles putos do governo... de DELEGADO: Então o senhor continua convencido
quem mais ?... Primeiro te incentivam... "reprimi r, de que, se o anarquista se jogou pela janela, fomos
criar clima de subversão, de desordem ameaça nós que o empurramos?
dora"... LOUCO: Vocês mesmos me confirmaram, um mi
COMISSÁRIO: "De necessidade de um Estado nuto atrás...perdendo a cabeça!
forte!''
LOUCO: Você se arrisca
Não, e depois...
nada disso, a culpa é toda minha! COMISSÁRIO:
no momento em queMaselenósse não estávamos
jogou. Perguntepresentes
ao guar
DELEGADO: Sua? E por quê? da!
LOUCO: Porque não é verdade. Eu inventei tudo! GUARDA: Sim, senhor juiz, eles tinham acabado
DELEGADO: O quê! Não é verdade que Roma quer de sair quando aquele lá se jogou!
despachar a gente? LOUCO: Seria afirmar que se alguém ativa uma
LOUCO: Não, nem pensa nisso. bomba em um banco e sai, não é culpado porque não
COMISSÁRIO: E as provas arrasadoras? estava presente no momento da explosão!! Ah, es
LOUCO: Nunca existiram. tamos bem de lógica por aqui!...
COMISSÁRIO:
as nossas cabeças? E a história do ministro que queria DELEGADO:
voco... o agenteMas não, senhor
se referiu juiz, foi
à primeira um equí
versão... nós
LOUCO: Mentira, o ministro adora vocês. São as estamos falando da segunda.
meninas dos olhos dele. E o diretor da polícia, LOUCO: Ah é...teve um tipo de retratação, num
então? Quando ouve o nome de vocês se comove... segundo momento.
chora. DELEGADO: Bom, uma retratação mesmo não...
DELEGADO: Não está brincando, não é? uma simples correção.
LOUCO: Claro que não! O governo todo ama vocês! LOUCO: Certo. Ouçamos. O que vocês corrigiram?
E devo dizer que até mesmo o ditado inglês do pa Ò delegado faz um sinal ao comissário.
trão que mataSeosocães
o contrário. cãoé morre
falso. Se
na ébriga,
que aconteceu, foi
o rei manda COMISSÁRIO: Bem,nós...
LOUCO: Fiquem advertidos de que também tenho
imediatamente um telegrama de condolências para o os relatórios dessa nova versão. Por favor, prossi-
patrão. E coroas com faixas! gam...
O comissário tenta tomar a palavra; o delegado, COMISSÁRIO: Corrigimos a hora do... como di
 já nervoso, está se irritando. rei... do engano...
COMISSÁRIO: Se eu não entendi mal ... LOUCO: Como hora do engano?

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 17/42
48 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 49

5/22/2018 Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om


LOUCO: A primeira coisa que devemos provar, com LOUCO: Portanto, se não lhe importava — prova
argumentos irrefutáveis, é que durante aquelas qua irrefutável — o anarquista estava sereno.
tro horas o anarquista superou qualquer desânimo, COMISSÁRIO: Mais do que isso, até sorria... se
o famoso "ba que psicológico", como o chama o juiz lembra, eu mesmo declarei isso desde a primeira
arquivista. versão.
COMISSÁRIO:
aqui e o meu também,
Bom, tem noo qual
testemunho
se declara
do soldado
que o LOUCO: É, masvocês
primeira versão infelizmente tempor
disseram umaíproblema. Na
que o anar
anarquista, após um primeiro momento de desâni quista "abatido" acendeu um cigarro à Humphrey
mo, se refazia... Bogart e teria comentado "desolado": "É o fim da
LOUCO: Está no relatório? anarquia". Tã-tã-tã-tã! Mas o que foi que deu em
COMISSÁRIO: Acho que sim... vocês para usarem esse tom melodramático! Pelo
LOUCO: Sim, sim, faz parte da segunda versão amor de Deus!
dos fatos... Achei  (Lê):  "O ferroviário se acalma e
diz que ele e o ex-bailarino não mantinham boas re DELEGADO: Tem razão, senhor juiz. A idéia foi
lações." Ótimo! dele, do garotão aqui. Eu até disse pra ele: "Vamos
COMISSÁRIO: Como se dissesse que não lhe im deixar as
somos da encenações
polícia..." para o pessoal do cinema, nós
portava muito saber que ele era o dinamitador-assas-
sino. LOUCO: Ouçam-me, a esta altura, a única solução
LOUCO: Certo, não o valorizava muito como anar para que se entenda alguma coisa — se quisermos
quista, nem como bailarino. encontrar uma solução orgânica — é esquecer tudo
COMISSÁRIO: Talvez nem sequer o considerasse e recomeçar do início.
anarquista. COMISSÁRIO: Temos que dar uma terceira ver
LOUCO: Eu acho que o desprezava. são?
COMISSÁRIO: Duran te uma briga até se atiraram LOUCO: De jeito nenhum! É só tornar plausíveis
um saleiro... as duas que já temos.
DELEGADO: Iiii, dá um azar! DELEGADO: Certo.
LOUCO: E não nos esqueçamos que o nosso ferro LOUCO: Então, primeiro ponto, primeira regra. O
viário estava a par do fato que o grupo anarquista que foi dito, foi dito e não se volta atrás. Portanto
romano era freqüentado por um monte de espiões permanece imutável que o senhor, comissário, e o
e informantes da polícia... Ele teria até dito ao bai senhor, ou quem tenha sido em seu lugar, armaram
larino: "A polícia e os fascistas usam vocês como o salto de vara sem vara, que o anarquista fumou o
estopim de desordem... O grupo de vocês está cheio seu último cigarro, declarou a frase dramática... e é
de provocadores pagos... que levam vocês pra onde aqui que temos a variante: não se jogou pela janela
quiserem... e aí toda a esquerda vai de roldão..." porque ainda não era meia-noite, mas somente oito
COMISSÁRIO: Pode ser que eles tenham brigado horas.
 justamente por isso! DELEGADO: Como na segunda versão...
LOUCO: É... e como o bailarino não lhe deu aten LOUCO: E se sabe que os ferroviários respeitam
ção, talvez o nosso ferroviário tenha começado a sus muito o horário.
peitar que ele também fosse um provocador. DELEGADO: Assim teríamos tido o tempo neces
DELEGADO: Ah, pode ser! sário para fazer com que ele mudasse de idéia...

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 18/42
50 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 51

5/22/2018 Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

até mesmo conseguindo que adiasse a decisão do sui trenzinhos elétricos e de corda. O senhor, quando
cídio. era criança, nunca teve trenzinhos?
COMISSÁRIO: Não tem um furo! COMISSÁRIO: Tinha um a vapor... com fumaça...
LOUCO: Sim, mas como se deu essa mudança?... trem blindado, naturalmente.
Só o tempo não basta para sanar certas feridas... LOUCO: E fazia tu-tu?
Alguém
AGENTE: deve
Eu ter
lhe ajudado... sei lá, com um gesto...
dei um chiclete! COMISSÁRIO:
LOUCO: É... tu-tu...
Esplêndido! Disse tu-tu... e os seus olhos
LOUCO: Genial! E vocês? se iluminaram. Não, doutor, o senhor só pode ter
DELEGADO: Mas eu não estava... sentido afeto por aquele homem... porque no seu
LOUCO: Não, este é um momento muito delicado. inconsciente ele estava ligado ao seu trenzinho... Se
O senhor teria que estar ali. o indiciado tivesse sido, sei lá, um banqueiro, o se
DELEGADO: Tudo bem, eu estava. nhor não teria nem mesmo olhado para ele. Mas era
LOUCO: Bom,.só pra começar, poderíamos dizer um ferroviário e... o senhor, tenho absoluta certeza,
que o anarquista estava de tal forma consternado ... o senhor deu o beliscão...
que vocês se comoveram.
COMISSÁRIO: Sim, ele realmente me comoveu. AGENTE: Ê verdade,
LOUCO: Está vendo...eutenho
vi. Deu dois beliscões!
testemunhas! E o que
LOUCO: E poderíamos acrescentar que vocês senti foi que disse enquanto dava os beliscões?
ram muito o fato de tê-lo amargurado... Senhor de COMISSÁRIO: Não me lembro...
legado, o senhor, um homem tão sensível! LOUCO: Eu lhe conto o que disse. Lhe disse: "Va
DELEGADO: No fundo eu sentia pena... Não gos mos lá, não fique tão abatido (E chamou-o pelo
tava daquilo. nome). Você vai ver, a anarquia não morrerá!".
LOUCO: Perfeito! Aposto que não conseguiu evitar COMISSÁRIO: Mas eu acho que não...
a mão no ombro... LOUCO: Ah, não! Pelo amor de Deus... o senhor
DELEGADO: Não, acho que não.
LOUCO: O que é isso, um gesto paternal... disse... se
Admite ounão, medito?
não ter zango. Olhe só a veia do pescoço'.
DELEGADO: Bem, talvez, mas não me lembro.
LOUCO: Eu tenho certeza que sim. Por favor... me COMISSÁRIO: OK, OK... se o senhor ficar con
diga que sim!... tente...
AGENTE: Sim, sim... eu vi! LOUCO: Então repita... Tenho que redigir o rela
DELEGADO: Bom, se ele me viu... tório (Começa a escrever).
LOUCO:  (Dirigindo-se ao comissário) O senhor, COMISSÁRIO: Bom, eu falei... "Vamos lá... ra
por sua vez, deu-lhe um beliscão na bochecha... as paz, não fique assim... você vai ver... a anarquia não
sim (Dá-lhe um beliscão). morrerá!"
COMISSÁRIO: Sinto muito desiludi-lo, mas tenho LOUCO: Bom...Cantamos...?
DELEGADO: e aí vocês cantaram!
certeza que não... não dei beliscão.
LOUCO: Ê claro que me desilude... e sabe por LOUCO: É claro, a esse ponto... criou-se um clima
quê?... Porque aquele homem, além de anarquista, de tanta amizade, camaradagem... que é impossí
era ferroviário! Tinha se esquecido? E sabe o que vel não cantar. Todos em coro! Vejamos, o que foi
significa ferroviário? Significa alguma coisa que que vocês cantaram? "Nossa pátria é o mundo in
para todo mundo é ligada à infância... Significa teiro", imagino...

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 19/42

52 DARIO FO
52 DARIO FO MORT E ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 53

5/22/2018
DELEGADO: Não, me desculpe, senhor juiz, mas são tomados pela comoção e, mesmo sendo policiais,
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

essa história de canto não dá pra agüentar. cantam com o anarquista a canção dele... só para lhe
LOUCO: Ah, não dá pra agüentar?... Querem sa dar uma alegria... "Nossa pátria é o mundo intei
ber de uma coisa? Eu largo tudo e que se arranjem... ro ". .. Quem não explodiria em lágrimas?... Quem,
Problema de vocês. Relato os fatos como foram con ouvindo uma história parecida, não aplaudiria o ju-
tados... Sabe o que vai sair disso? Desculpem-me biloso nome de vocês?! Por favor! Para o bem de
a expressão, mas vai ser uma zona! É, isso mesmo! vocês... para que o processo corra a favor de vocês...
Dizem uma coisa, depois se retratam... dão uma Cantem!  (Começa a cantar em voz baixa, piscando
versão, meia hora depois uma outra completamente  para os policiais que, timidamente, um depois do
diferente... não estão de acordo nem entre vocês. outro, fazem suas tentativas.)
Tem aqui uma anotação que diz que o anarquista Vagueia por terras e por mares
 já teria tentado se jogar uma primeira vez, no mesmo por uma idéia deixamos os familiares
dia, no fim da tarde, na presença de vocês... e vocês Força! Mais alto!  (Exalta-os, até mesmo sacudindo-
nem sequer acenaram sobre este pequeno detalhe... lhes pelos ombros.)
Fazem declarações a toda a imprensa e, se não me Nossa pátria é o mundo inteiro...
engano, até existe
mente", não aos telejornais, deste tipo:
nenhum registro "natural
dos interroga Mais alto, por favor!
Nossa lei é a liberdade
tórios feitos ao anarquista. Não tivemos tempo... e e um pensamento, um pensamento...
um pouco depois, milagre, aparecem nada menos do Nossa pátria é o mundo inteiro...
que dois ou três relatórios... assinados por ele... pelo  Lentamente, sobre o coro em alta voz, desce a
punho do anarquista, quando estava vivo! Se um escuridão.
indiciado se contradissesse a metade do quanto vocês
se enrolaram, seria no mínimo massacrado. Sabe
o que as pessoas estão pensando de vocês? Que são SEGUNDO ATO
uns mentirosos...
vocês querem que além de malandros.
acredite na história, Quem
além doé que
juiz
arquivista, naturalmente? E sabem qual é a prin  Ainda com as luzes apagadas, os quatro reco
cipal razão pela qual as pessoas não acreditam em meçam a cantar como no final do primeiro ato,
vocês? Porque essa versão dos fatos, além de não ter terminando com um agudo; o palco se ilumina
nem pé nem cabeça, não tem humanismo... calor totalmente.
humano. Ninguém esquece a resposta indelicada e
insolente que o senhor deu, comissário, à coitada LOUCO:  (Aplaude, abraça, aperta as mãos)  Ge
da viúva do anarquista quando ela lhe perguntou por nial, genial! Agora sim, estamos bem. Depois disso,
que não a tinham avisado da morte do marido. Não ninguém mais vai pôr em dúvida que o anarquista
tem nem um pingo de comoção... nenhum de vocês estava mesmo sereno.
se abandona.. . se entrega... e, porque não, ri, chora, COMISSÁRIO: Eu arriscaria que estivesse con
canta! As pessoas perdoariam todas as contradições tente.
em que a cada segundo vocês caíram se, em troca, LOUCO: Claro, se sentia em casa. Como se esti
por detrás desses detalhes embaraçosos, conseguis vesse em um daqueles grupos romanos onde, como já
sem ver um coração... dois "homens humanos" que dissemos, existem cada vez mais policiais disfarça
dos e menos anarquistas de verdade.

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 20/42

MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 55


54 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 55

5/22/2018
DELEGADO: A seqüência de fogo das nossas acu LOUCO: Vocês nem deram uma amansadinha ne
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

sações falsas não tinha atacado em nada sua psique. le? Nem um tabefe com as costas da mão?
LOUCO: Portanto, nada de  raptus;  o  raptus  vem COMISSÁRIO: Não.
depois. (Indica o comissário.) Quando? LOUCO: Com a mão aberta?
COMISSÁRIO: Por volta de meia-noite. COMISSÁRIO: Nem isso.
LOUCO: Qual a causa? LOUCO: De lado?
DELEGADO: Bem, eu acho que a razão.. . COMISSÁRIO: De lado?
LOUCO: Não, não, pelo amor de Deus! O senhor LOUCO: É, como quando se faz massagem em mu
não acha nada... O senhor não deve saber de nada, lheres cheias de celulite... tá-tá-tá.   (Imita em alta
delegado! velocidade, com as mãos de perfil)  O karatê faz um
DELEGADO: Por que não devo saber? bem!
LOUCO: O, miséria, a gente aqui, dando saltos COMISSÁRIO: Não, senhor juiz... nem mesmo a
mortais pra tirar o senhor do meio, pra demonstrar massagem. Nós estávamos interrogando como se
que não tem nada a ver com a morte do ferroviário... fosse uma brincadeira.
LOUCO: O quê? Brincadeira?
nem mesmo estava
DELEGADO: Tempresente.. . desculpe... me dis
razão, me COMISSÁRIO: Garanto ao senhor... pergunte aos
traí. guardas.  (E empurra o agente em direção ao juiz.)
LOUCO: É, mas o senhor se distrai com muita faci LOUCO: Não é necessário. É incrível.  (Mostra uma
lidade, doutor... Esteja mais atento... Então, como  folha)  Mas está escrito também na deposição feita
dizia Totó em uma velha farsa: "nesse momento o diante do juiz-arquivista.
delegado não estava na delegacia!" Mas estava o COMISSÁRIO: Certo, e ele não colocou nenhuma
comissário! dúvida a esse respeito.
COMISSÁRIO: Certo, eu estava, mais saí logo LOUCO: Ah! Nem eu vou colocar... "Brincadeira"
em que sentido?
depois.
LOUCO: Ai, ai, ai, passando a bola outra vez. Seja COMISSÁRIO: No sentido que se brincava... inter
rogávamos ele tentando rir de tudo aquilo.
bonzinho, me conte o que aconteceu à meia-noite. LOUCO: Não entendo. Brincavam de bandido e
COMISSÁRIO: Éramos seis pessoas nesta sala: mocinho? Com máscaras, pistola de água. ..
quatro agentes, eu... um tenente. COMISSÁRIO: Bom, não a esse ponto... Quero di
LOUCO: Ah, sei, aquele que depois promoveram a zer, ria-se de tudo aquilo, imitávamos os indicia
capitão. dos. .. alguns trocadilhos... umas piadas...
COMISSÁRIO: É, ele. AGENTE: É, a gente ria muito. Não parece, mas o
LOUCO: E o que estavam fazendo? comissário é um gozador... Precisa ver, qu ando está
COMISSÁRIO:
LOUCO: Ainda?!O "Onde
interrogatório.
estava, o que estava fa inspirado, que interrogatórios divertidos que ele
faz... rá, rá, rá. Ê de morrer de rir!
zendo? Fala! Não banque o esperto"... Porra, de LOUCO: Agora estou entendendo por que em Ro
pois de tantas horas, imagino que todos deveriam ma decidiram mudar o slogan de vocês.
estar um pouco alterados... com os nervos à flor da DELEGADO: O slogan da polícia?
pele... irritados. LOUCO: É, o de vocês. O ministério decidiu.
COMISSÁRIO: Nada disso, senhor juiz. Estávamos DELEGADO: Vão mudá-lo?
muito calmos.

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 21/42
56 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 57
5/22/2018
LOUCO: Bem, melhor dizendo, vão completá-lo... Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

umas boas risadas. Dar uma lavada na alma, resu


Como é agora? mindo.
COMISSÁRIO: A polícia está a serviço do cidadão. DELEGADO: Eu diria, senhor juiz, que mais do
LOUCO: Isso, de agora em diante será "a polícia que nos gozando, o senhor está mesmo nos ridicu
está a serviço do cidadão para diverti-lo". larizando!
DELEGADO:
LOUCO: NadaAh, mastenho
disso, o senhor está certeza
absoluta nos gozando.
de que LOUCO: Pelo amor de Deus, não me permitiria ja
mais...
vocês tratam os indiciados na brincadeira, como COMISSÁRIO: E eu assim mesmo juro que, na
afirmam... Eu me lembro, estava em Bergamo — quela noite com o anarquista, nós estávamos rindo!
deveria dizer São Francisco mas tem a transposição 3

AGENTE: É, é... estávamos brincando. Eu tam


— estava em Bergamo durante os interrogatórios bém juro.
do chamado "Bando da Segunda-feira" — vocês se
lembram? Estavam envolvidos o padre, o médico, LOUCO: Cala a boca! Só os superiores podem jurar!
o farmacêutico... quase toda a cidade foi incrimi (O delegado retira o agente da frente, bem rápido)
nada, depois inocentaram todo mundo. Muito bem, Tudo bem, admitamos. E de quem... do que vocês
eu morava em um hotelzinho do lado da delegacia riam?
COMISSÁRIO: Principalmente do anarquista bai
onde se desenrolavam os interrogatórios. Quase to
das as noites acordava com gritos e lamentações. larino.
Num primeiro momento, pensei que eram de gente LOUCO: Ah, pelo fato de que era também manco ...
apanhando, levando porrada... mas depois entendi Anarquista, bailarino, manco ... Rá, rá.
que se tratava de risadas. É, risadas um pouco sem COMISSÁRIO: É, disso também...
graça dos interrogados. "Rá, rá, ai minha mãe! Che LOUCO: E vocês fizeram algum comentário mal
ga, rá, rá! Socorro, não agüento mais! Comissário, doso sobre o detalhe que sendo bailarino e vivendo
chega, o senhor está me matando de rir!" de enfiar missangas para fazer abajur  liberty...  tal
DELEGADO: Ironias à parte, o senhor sabe que, vez, quem
berty ?! sabe, ele também não fosse um pouco li
em seguida — do delegado ao último imputado —
condenaram todos? Aqueles lá?! AGENTE: Rá, rá, anarquista liberty !!
LOUCO: Claro, por excesso de comicidade! (Os po DELEGADO: Cala a boca!
liciais dão sinais de impaciência)  Não, não estou COMISSÁRIO: Não, não forçamos a esse ponto.
brincando. Vocês ainda não se deram conta de quan LOUCO: Mas deixem disso, não se façam de mo
tos inocentes inventam mentiras só para serem leva destos. De qualquer modo, o fato é que vocês ironi
dos para a delegacia! Vocês pensam que são anar zaram meio pesado sobre o amigo bailarino, e ele,
quistas, comunistas, poder operário, sindicalistas... o ferroviário, se ofendeu! Foi assim?
Não, na depressivos,
doentes verdade eleshipocondríacos,
não passam demelancólicos,
uns pobres COMISSÁRIO:
mesmo. É, eu imagino que tenha sido assim
que se camuflam em revolucionários só para serem LOUCO: Se levantou abruptamente...
interrogados por vocês... e finalmente poderem dar COMISSÁRIO: É, se levantou abrupt amente...
LOUCO: E começou a gritar: "Chega! Não permito
certas insinuações. Meu amigo é bailarino — tudo
bem — enfia missanguinhas, é manco... mas é ma
(3) Ver nota 2. cho, pelo amor de Deus!" Disse isso e pulou para

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 22/42

MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 59


DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 59
58

5/22/2018
o parapeito da janela, ameaçou um pas-de-deux e se LOUCO: E, assim, vocês se encontram perdidos por
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

atirou! causa da própria sinceridade... e ele, o anarquista


COMISSÁRIO: Ê, deve ter sido mais ou menos suscetível, lá na sua tum ba dá risadinhas!
assim... mas eu não posso jurar. Eu lhe disse que AGENTE: Que desgraçado! E não é que era um tipo
que inspirava confiança?... Boa pessoa!
tinha acabado de sair. DELEGADO: Cala a boca! (O  agente fica mudo,
AGENTE: Mas eu estava aqui. Se vocês quiserem eu escondendo-se em si mesmo, como um caramujo)
posso jur ar! O senhor não vai se ofender, senhor juiz, se eu lhe
LOUCO: Não, você, boca fechada! disser que a sua versão do ferroviário   kamikaze...
DELEGADO: Porém, esse anárquico era suscetível, não me convence muito.
hem? Se atirar pela janela só porque deram uma COMISSÁRIO: Eu também tenho algumas reser
gozada no amigo! vas...
LOUCO: Ah, mas é porque tocaram em um ponto LOUCO: A mim não convence mesmo! Nem mes
delicado. Os anarquistas prezam muitíssimo a viri- mo para filme policial de televisão seria aceito! É que
eu estava tentando salvar a versão de vocês que é
lidade! Mais de
e Anarquia" do Otto
que qualquer um!Não?
Weininger? Nuncaleu
É m "Sexo
clás mais desastrosa ainda.
sico. DELEGADO:  {Esfregando os braços)  Por favor, se
DELEGADO: Mas se ofender por causa de um ami incomoda se eu fechar a janela? De repente bateu
go com o qual, além de tudo, nem mantinha mais um frio...
boas relações... Declarações textuais dele, não se LOUCO: Claro, claro, ... está realmente fazendo
esqueça. Até atirou um saleiro nele! frio!
LOUCO: É mesmo. Ainda bem que você se lembrou COMISSÁRIO: É porque o sol acabou de se pôr!
disso! Portanto, não poderia estar irritado, nervoso. O agente, a um sinal do comissário, vai fechar
DELEGADO:
LOUCO: Aí o Não, não.
maquiavelismo... Então fingiu! LOUCO: Mas então, naquel a noite o sol não se pôs.
ajanela.
COMISSÁRIO: Fingiu? COMISSÁRIO: Como assim?
LOUCO: Mas é claro! O espertinho encenou a far LOUCO: Estou dizendo, naquela noite que o anar
sa do ofendido até a morte para ter um pretexto quista se atirou, o sol permaneceu alto, não teve
lógico par a o suicídio... Lógico par a vocês, mas ab pôr-do-sol?
surdo para os outros! Os três policiais se olham atônitos.
DELEGADO: Em que sentido "para os outros"? DELEGADO: Não entendo.
LOUCO: Mas vocês não entenderam? Bancou o ka- O louco finge se irritar.
LOUCO: Se mesmo sendo dezembro, a janela —
gênuos, para
mikaze arruinar
relatam vocês!
os fatos Eleaconteceram...
como se atira! Vocês, in
e nin à meia-noite — ainda estava escancarada, quer dizer
guém acredita em vocês, salvo o amado conselheiro que não fazia frio... e se não fazia frio, era porque
arquivista, naturalmente... Aliás, escutem só o que o pôr-do-sol ainda não tinha acontecido... Aconte
escreveu no seu decreto: "O   raptus  foi causado por ceria mais tarde, à uma, como na Noruega em julho.
'orgulho ferido'!" E quem é que engole essa? Tem DELEGADO: Não, não, nós tínhamos acabado de
toda cara de mentira! abri-la... pra renovar um pouco o ar da sala, não foi?
DELEGADO: Pois é, até parece piada. COMISSÁRIO: É, tinha muita fumaça.

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 23/42
60 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 61

5/22/2018
AGENTE: O anarquista fumava muito. LOUCO: ... e vamos ao fato real e verdadeiro: o
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

LOUCO: E vocês abriram os vidros, as venezianas pulo.


também? COMISSÁRIO: Isso.
COMISSÁRIO: Ê, as venezianas também. LOUCO: O nosso anarquista, tomado pelo  raptus
LOUCO: Em dezembro? À meia-noite, com o ter  —  tentaremos depois encontrar, juntos, uma causa
mômetro que desce
que te deixa duro eprabranco...?
baixo de "Quem
zero, uma neblina
bom, que um pouco mais
se levanta aceitável para
abruptamente, tomaaquele gesto louco
impulso... —,
Um mo
bom, ar puro! Quem é que tem medo da pneumo mento, quem fez "escadinha" pra ele?
nia! ?" Vocês estavam de capote, pelo menos? COMISSÁRIO: Como, "escadinha"?
COMISSÁRIO: Não, de paletó. LOUCO: Estou perguntando quem de vocês se co
LOUCO: Que esportistas! locou do lado da janela, com os dedos trançados
COMISSÁRIO: Mas não fazia tanto frio, eu lhe as na altura da barriga, assim, para que ele apoiasse
seguro! o pé... e zam! Um lance que fez com que ele ultra
DELEGADO: Não, não fazia frio... passasse o parapeito voando.
LOUCO:
lógico deuAh, é? toda
para Naquela noite,uma
a Itália o serviço meteoro
temperatura de COMISSÁRIO:
zendo, MasEstá
senhor juiz? o que é que oque
insinuando senhor
nós...está di
fazer urso branco bater os dentes, e não se sentia LOUCO: Não, pelo amor de Deus, não se exalte...
frio... "primavera"! ... Onde vocês querem chegar? Perguntei assim... achei que como o pulo foi bas
Um vento africano personalizado passa todas as noi tante grande, com tão pouco impulso, sem ajuda
tes por aqui ou é a "corrente do golfo" que vem pela de outros... Não gostaria que alguém duvidasse...
"tumba de São Marcos" e passa, pelos canos, bem COMISSÁRIO: Não tem nada pra se duvidar, se
debaixo das casas, junto com o esgoto?! nhor juiz, eu lhe asseguro... Fez tudo sozinho!...
COMISSÁRIO: Me desculpe, senhor juiz, mas não LOUCO: Não tinha nem ao menos um pódium? Um
entendo. Pouco tempo atrás o senhor afirmou estar
aqui justamente para nos agradar, e em vez disso, não daqueles de competição?
COMISSÁRIO: Não...
faz outra coisa que duvidar de qualquer testemunho,
gozar da nossa cara, nos atormentar. LOUCO: O homem do pulo talvez calçasse sapato
LOUCO: Tudo bem, talvez eu exagere. Talvez eu com salto elástico, como os heróis das histórias em
coloque em dúvida em excesso...mas parece que se quadrinhos.
está diante de um daqueles jogos para deficientes COMISSÁRIO: Não, nada de salto...
e retardados que se lê nas revistas de passatempo: LOUCO: Bom, assim temos, de um lado, um ho
"encontrar os trinta e sete erros e contradições em mem com mais ou menos um metro e sessenta de
que caiu o comissário Baciocchi Est upid ão". E como altura, sozinho, sem ajuda, sem escada... Da outra
é que posso ajudá-los?  (Os policiais se sentam, mu parte, meia dúzia de policiais que, mesmo se encon
dos e desolados.)  Tudo bem, tudo bem... não fi trando a poucos metros — um, aliás, está junto da
quem com essas caras de morte... Ânimo! Prometo  janela—, não conseguem intervir a tempo...
que a partir deste momento não vou mais fazer go COMISSÁRIO: Mas foi tão de improviso...
zação. Máxima seriedade! Deixemos pra lá os ante- AGENTE: E o senhor não tem idéia de como era ágil
cendentes... aquele demônio... eu só tive tempo de agarrá-lo por
DELEGADO: Sim, deixa pra lá.. . um pé.

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 24/42

62 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 63


5/22/2018 LOUCO: Oh, estão vendo como a minha técnica de LOUCO: Não se irrite, por favor... Sem contar que
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

provocação funciona? O senhor agarrou-o pelo pé! se pode esperar isso e muito mais de um anarquista!
AGENTE: Foi, mas fiquei com o sapato na mão e ele AGENTE: Isso é verdade.
caiu do mesmo jeito! DELEGADO: Cala a boca!
COMISSÁRIO: Correto, é irrefutável! COMISSÁRIO: õ, miséria, que problema! É pre
AGENTE: Agradeço-lhe,
DELEGADO:   (Ao guarda)senhor
  Genial!
dele... ciso encontrar
LOUCO: Eu já uma explicação plausível, se não...
encontrei!
DELEGADO: Cala a boca!
DELEGADO: Vamos ver.
LOUCO: Um momento... tem qualquer coisa aqui LOUCO: Ê essa: sem a menor dúvida um dos sapa
que não vai.  (Mostra uma folha para o policial) O tos estava meio largo e, como não tivesse uma pal
suicida tinha três sapatos?
COMISSÁRIO: Três sapatos? milha à mão, enfiou um outro pé de sapato, menor,
LOUCO: É, um teria ficado na mão do policial... antes de colocar o grande.
Ele mesmo deu esse testemunho alguns dias depois COMISSÁRIO: Dois sapatos no mesmo pé?
LOUCO: E o que é que tem de estranho nisso?
COMISSÁRIO:
da desgraça. (MostraÉ, éa verdade...
folha) OlhaFalou
aqui. sobre isto Como as galochas,
tos de borracha quevocês se lembram?
se usavam antes... Aqueles sapa
com um jornalista do Corriere delia Será. DELEGADO: Pois é, antes ...
LOUCO: Mas aqui, neste papel anexo, se assegura LOUCO: Mas tem quem use ainda... aliás, sabe o
que o anarquista moribundo no chão do pátio es que eu acho? Que o que ficou na mão do agente não
tava com os dois sapatos nos pés. Os presentes à
cena são testemunhas, entre os quais um jornalista foi um sapato, mas uma galocha.
do  Unità  e outros jornalistas que estavam por ali! COMISSÁRIO: Não, é impossível. Um anarquista
COMISSÁRIO: Não entendo como possa ter acon de galocha!... Coisa de gente antiga... de conser
tecido... vador.
LOUCO: Nem eu! A menos que o agente, muito ve LOUCO: Os anarquistas são muito conservadores...
loz, tenha conseguido — precipitando-se escada DELEGADO: Ah, é, por isso matam os reis!
abaixo — atingir o segundo andar, se debruçar pela LOUCO: Claro, para poder conservá-los embalsa-
 janela antes que o suicida passasse voando, enfiar- mados... Se esperarem que os reis morram de ve
lhe o sapato e subir como um foguete até o quarto lhice, engruvinhados, consumidos pelas doenças, aí
andar, no mesmo instante em que o apressadinho se desfazem, se decompõem, não se pode mais con
alcançava o chão. servá-los... Assim, mortos ainda frescos...
DELEGADO: Olha aí, está vendo, recomeça com a COMISSÁRIO: Por favor, senhor juiz, não insista
ironia! em certos argumentos...
LOUCO: Tem razão, é mais forte do que eu... me DELEGADO:
LOUCO: Mas vejam Eu também
só, eunãojuraria
os aceito.
que vocês são
desculpe. Então , três sapatos... Por favor, vocês não
se lembram se por acaso ele era trípede? saudosistas mas não da monarquia... De qualquer
DELEGADO: Quem?  jeito, se não engolem a galocha nem a história dos
LOUCO: O ferroviário suicida... se por acaso tivesse três sapatos...
três pés, é lógico que usasse três sapatos. Toca o telefone. Todos ficam imóveis. O comis
DELEGADO:  (Irritado) Não, não era trípede. sário atende.

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 25/42
64 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 65
COMISSÁRIO: Me desculpem... Sim, fala... Um LOUCO: Não, não quero arruinar vocês... Fiquem
5/22/2018 momento... (Ao delegado) Ê o guarda. Está dizendo tranqüilos. O urubu não vai saber jamais quem eu
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

que tem uma jornalista lá embaixo que está pergu f


sou realmente.
tando pelo senhor, delegado... COMISSÁRIO: Ah, não?
DELEGADO : Claro... eu tinha marcado um encon LOUCO: Não. Vou mudar de personagem... Pra
tro com ela hoje. Ê aquela do  Espresso  ou do  Eu mim é uma brincadeira de criança, acreditem-me.
letti.  não me lembro... Pergunta se se chama Fe-
ropeo, Psiquiatra,
dirigente dadatécnica,
seção criminal, diretor da
a sua escolha... Se Interpol,
o urubu
COMISSÁRIO:  (Falando ao telefone) Se chama Fe- tentar colocar vocês em situação embaraçosa com
letti? (Ao delegado) Sim, Maria Feletti. alguma perg unta calhorda, vocês só precisam piscar
DELEGADO: Então é ela... queria uma entrevista. um olho e eu intervenho... O importante é que vo
Peça a ela, por favor, para passar uma outra hora cês não se comprometam.
que hoje não tenho tem po. .. DELEGADO: O senhor é muito generoso, senhor
LOUCO: Mas nem por sonho. Não admito que vo  juiz...  (Aperta sua mão, comovido.)
cês tenham aborrecimentos por minha causa. LOUCO: Não me chame mais de juiz, pelo amor de
DELEGADO: Em que sentido? Deus! A partir
cantonio Banzi deste momento
Piccinni, sou o capitão
da técnica... Mar-
Tudo bem?
LOUCO: Essa aí eu conheço. Ela tem força no meio,
é capaz de pegar mal... Ê de uma suscetibilidade!... COMISSÁRIO: Mas o capitão Banzi Piccinni existe
É capaz, por desforra, de fazer um daqueles arti realmente, é de Roma...
gos. .. Deixa entrar, por favor! LOUCO: Justo. Assim, se a jornalista escrever al
DELEGADO: E a investigação? guma coisa que não gostarmos, será fácil demons
LOUCO: Pode esperar. Mas vocês não entenderam trar que inventou tudo... chamando o verdadeiro
ainda que eu estou na mesma barca! Gente como ela, capitão Piccinni para testemunhar de Roma.
nós precisamos ter como amiga, e não inimiga! Si COMISSÁRIO: Mas o senhor é um gênio! Está mes
gam os meus conselhos. mo disposto
LOUCO: Nãoa representar o papel
se preocupe, de capitão?
durante a última guerra
DELEGADO: Tudo bem. (Dirigindo-se ao comissá fui capitão dos  bersaglieri.
rio que está ao telefone)  Pode passar. DELEGADO: Silêncio, ela chegou. (Entra a jorna
COMISSÁRIO: Acompanhe a moça até a minha lista) Ent re, por favor. Fique à vontade.
sala. (Abaixa o fone) JORNALISTA: Bom-dia, o senhor delegado, por
DELEGADO: E o senhor, o que é que vai fazer? Vai favor?
embora? DELEGADO: Sou eu, muito prazer. Nós nos conhe
LOUCO: Mas nem por sonho... Eu nunca aban cemos só por telefone... Infelizmente.
rigo!
dono os amigos, principalmente no momento do pe JORNALISTA:
criou caso... Muito prazer. O agente lá do portão
COMISSÁRIO e DELEGADO: Fica? DELEGADO: Tem razão, por favor, nos perdoe.
DELEGADO: E qual o seu papel? Quer que aquele A culpa é minha que esqueci de avisar da sua vi
urubu-jornalista descubra quem é o senhor, o que sita. Apresento os meus colaboradores: cabo Pisani,
veio fazer? Para depois escrever uma página inteira o comissário responsável por esta seção...
de jornal? Confesse, então, que quer nos arruinar! JORNALISTA: Muito prazer.

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 26/42

MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 67


66 DARIO FO
mocrática convicta, amante da verdade e da jus
5/22/2018
COMISSÁRIO: O prazer é todo meu... senhorita tiça. .. custe o que custar!
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

(Aperta a mão ao modo militar). JORNALISTA: O doutor é muito generoso...


JORNALISTA: Ai, que apertão! COMISSÁRIO: Pode começar.
COMISSÁRIO: Me desculpe... JORNALISTA: Por que é que o chamam de Salta-
DELEGADO:  (Indica o louco que está maquinando  janela?
alguma coisa de costas) ... e por último o capitão... COMISSÁRIO: Salta-janela? Eu?
capitão?! JORNALISTA: É, ou também Comissário Salta-ja
LOUCO: ... Pronto...  (Aparece de bigode falso, nela.
uma venda preta sobre um olho e a mão coberta por COMISSÁRIO: E quem é que me chama desse
uma luva marrom. O delegado está atônito e não modo?
consegue continuar. O louco se apresenta por si JORNALISTA: Eu tenho aqui comigo uma xerox
mesmo) Capitão Marcantonio Banzi Piccinni da po da carta de um jovem anarquista, enviada do cárcere
lícia técnica. Me perdoe a mão rígida, mas é de ma de São Vitório, no qual o rapaz se encontrava pri
deira, uma lembrança da luta na Argélia, ex-pára- sioneiro justam ente nos dias da morte do nosso anar
quedista da Legião Estrangeira... Mas se acomode, quista
sala. e que fala do senhor, comissário... e desta
por favor.
DELE GADO : Quer beber alguma coisa? COMISSÁRIO: Ah, é? E o que é que diz?
JORNALISTA: Não, obrigada... Prefiro — se vocês JORNALISTA:  (Lendo) O comissário do quarto an
não tiverem nada em contrário — começar imedia dar, a bofetadas, me fez sentar na janela, a cavalo
tamente. Infelizmente tenho que entregar o artigo com as pernas dependuradas e daí começou a me
esta noite... Segue de carro esta noite. provocar. "Se joga"... e me insultava... "Por que é
DELEGADO: Tudo bem, como quiser. Podemos que você não se joga?... Não tem coragem, hem?
Acabe com isso! O que é que está esperando?" Sai
começar já. Estamos prontos.
JORNALISTA: Eu tenho muitas perguntas para fa bam quea não
bir, par precisei trincar
perder os dentes para não sucum
o controle...
zer. (Retira um bloco de notas e lê)  A primeira é par a LOUCO: Ótimo, parece um roteiro de filme do
o senhor mesmo, comissário, e me perdoe se é um Hitchcock.
pouco provocatória... Se me permitem vou usar o
gravador... Se vocês não tiverem nada em contrá JORNALISTA: Por favor, capitão. Eu fiz a per
rio... (Extrai um gravador da bolsa.) gunta ao diretor desta seção, não ao senhor... O que
COMISSÁRIO: Bem, realmente... nós... me responde?  (E aproxima o microfone da boca do
LOUCO: Por favor, fique à vontade.   (Ao comissá comissário.)
rio) Primeira regra: não contradizer jamais. LOUCO:  (No ouvido do comissário)  Calma e indi
COMISSÁRIO: Mas se escapar alguma coisa... se ferença!
COMISSÁRIO: Não tenho nada para responder...
quisermos desmentir, ela vai ter as provas... aliás, é a senhora que me deve responder. Com toda
JORNALISTA: Me desculpem, senhores, mas algo sinceridade, acha que eu tenha colocado também
está errado? o ferroviário a cavalo?
LOUCO:  (Reagindo imediatamente)  Não, não, pelo LOUCO: Fecha a boca, não caia nessa.   (Cantaro
contrário... O comissário estava tecendo-lhe elogios. lando)   Urubu fora daqui... fora da minha casa...
Dizia que é uma mulher de grande coragem... de-

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 27/42
MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 69
68  DARIO FO
JORNALISTA: Estou enganada ou o senhor, capi cias sobre o assunto. Foram escolhidos alguns sui
5/22/2018

tão, está querendo tumultuar? cidas, foram jogados para baixo e se notou que to
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

CAPITÃO: Nada disso... foi só um comentário. Se dos, no momento exato... traque. .. com as mãos pra
me permite, eu lhe pergunto, senhorita Feletti, se frente!
nos confundiu com vendedores de sabão em pó ... já DELEGADO: Ah, que belo apoio que nos dá... mas
que quer-, de qualquer maneira, nos ver fazendo a é louco?
prova da janela com todo anarquista que cai nas nos LOUCO: Sou, quem foi que lhe contou?
sas mãos! JORNALISTA: Mas o particular mais desconcer-
JORNALISTA: Não tenho nada a dizer. O senhor é tante — sobre o qual agradeceria uma explicação —
é a ausência, entre o material arquivado, da fita na
muito hábil, capitão. qual foi gravada a hora exata do pedido de uma
COMISSÁRIO: Obriga do... me tirou da maior enr- ambulância pelo telefone... Pedido esse efetuado
rascada... (Dá-lhe um tapa nas costas.) pela telefonista da delegacia e que tam bém, segundo
CAPITÃO: Devagar com a mão, do utor... Meu olho o testemunho do motorista da ambulância, teria
é de vidro!! {Indica a venda preta.) ocorrido aos dois minutos para a meia-noite. Entre
COMISSÁRIO:
LOUCO: E devagar Olhotambém
de vidro?quando aperta minha tant o, todos que
declararam os jornalistas que correram
o pulo ocorreu para oepátio
à meia-noite três
mão. É postiça. minutos exatos... Em outras palavras, a ambulância
JORNALISTA: Ainda sobre janelas. Entre a pape foi chamada cinco minutos antes que o anarquista
lada do decreto depositado pelo juiz arquivista, falta voasse pela janela. Algum de vocês me poderia ex
a perícia da parábola da queda. plicar esse adiantamento estranho?
DELEGADO: Parábola da queda? LOUCO: Bom, acontece com freqüência chamar
JORNALISTA: É, a parábola da queda do pretenso mos a ambulância preventivamente... A gente nunca
suicida. sabe... E em algumas vezes, como nesta, acertamos
DELEGADO:
JORNALISTA:EÉpar a que
para serve? se no momento
estabelecer na mosca...
COMISSÁRIO:   (Dá-lhe um tapa nas costas)  Ge
do vôo pela janela o anarquista ainda estava vivo ou nial!
não. Se deu um pequeno impulso ou se caiu inani- LOUCO: Cuidado com o olho... Vai acabar pulan
mado — como de fato resulta — escorregando pela do pra fora!
parede; se foram produzidas fraturas ou lesões nos DELEGADO: Por outro lado, não entendo qual a
braços e nas mãos — como de fato não resulta — acusação que nos está querendo fazer. Por acaso
o que quer dizer que o pretenso suicida não pôs as é crime ser previdente? Adiantado três minutos...
mãos pra frente, pra se proteger no momento do O que é isso? Para a polícia, antecipar-se é tudo!
impacto contra o chão, gesto normal e absoluta
mente intuitivo... COMISSÁRIO: E, além
que a culpa seja dos disso,
relógios. Os estou convencido
jornalistas de
deveriam
COMISSÁRIO: Mas não se esqueça que estamos estar com os relógios atrasados... isto é, adianta
diante de um suicida... Alguém que se joga porque dos...
quer morrer! DELEGADO: Ou talvez o relógio marca-tempo au
LOUCO: Ah, não quer dizer nada. Aqui tenho, in tomático da central telefônica que aparece na gra
felizmente, que dar razão à senhorita... Como pode vação estivesse atrasado...
ver, eu sou objetivo. Foram feitas grandes experiên-
 

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 28/42
 
70 DARIO FO MORT E ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 71
AGENTE: Claro, é mais que provável... quista citado... Fique calmo, doutor... Ele teria fi
5/22/2018
JORNALISTA: Uma estranha hecatombe dos reló cado semiparalisado. Além disso, estava muito mal,
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

gios!! não conseguia respirar. Então chamaram a ambu


LOUCO: Por que estranha? Não estamos na Suíça lância. Entretanto, na tentativa de reanimá-lo, se
não... Aqui... cada um acerta o relógio como qui teria escancarado a janel a e levado o anarquista até o
ser... Uns preferem adiantar, um outro atrasa.. . Es parapeito, fazendo com que ele se debruçasse um
tamos num país de artistas, de individualistas terrí pouco, para que o ar frio da noite conseguisse reani
veis, rebeldes às convenções... má-lo! ... Dizem que foram dois a segurá-lo... e como
COMISSÁRIO: Genial, formidável!  (Dá-lhe um sempre acontece nesses casos, um confiando no ou
grande tapa nas costas. Ouve-se o barulho de uma tro..; Eu seguro? Você segura? Patapum, foi pra
bolinha que repica no chão) baixo...
LOUCO: Está vendo?! Eu não disse... fez meu olho O comissário dá uns passos para frente, enfure
de vidro pular pr a fora! cido, escorrega na bolinha de vidro. ..e se esbor-
COMISSÁRIO:  (De quatro, procurando o olho)  Me racha no chão.
JORNALISTA: Exatamente, isso mesmo.
desculpe...Ainda
LOUCO: Nós vamos encontrá-lo
bem que imediatamente...
o tapa-olho segurou, se DEL EGADO: Mas ficou louco?
não sabe lá onde iria parar... Me desculpe, senho LOUCO: Sim, dezesseis vezes, delegado!
rita, do que é que estávamos falando? COMISSÁRIO: Santo Deus! No que foi que eu es
JORNALISTA: Sobre o fato de estarmos num país correguei?
de artistas rebeldes às convenções... Ê, o senhor tem LOUCO: No meu olho de vidro... no que mais? Tá
razão, os juizes arquivistas, principalmente, são uns todo sujo! Cabo, por favor, me traga um copo d'água
rebeldes. Deixam de recolher os testemunhos dire para lavá-lo!
tos, as fitas com a gravação dos horários, as perí O cabo sai.
cias da queda, se esquecem de investigar o porquê JORNALISTA: Vocês devem admitir que com essa
de uma ambulância pedida antes.. . Ninharia! Soma versão se esclareceria uma série de mistérios. O por
dos os hematomas no pescoço do morto, cujas cau quê do pedido adiantado da ambulância, o porquê
sas não são absolutamente claras. da queda do corpo inanimado... e até mesmo o por
DELEGADO: Cuidado, senhorita. Aconselho-a a quê do termo curioso usado pelo Supremo Tribunal
não falar sem ter certeza... É perigoso... nas argumentações conclusivas.
JORNALISTA: É uma ameaça? LOUCO: Qual termo? Procure ser mais clara que
LOUCO: Não, não, senhor delegado... Não acho eu já estou com dor de cabeça por outras razões!
que a senhorita fale sem ter certeza... Certamente JORNALISTA: O Supremo Tribunal declarou por
está se referindo a uma versão dos fatos que já ouvi escrito que a morte do anarquista deve ser conside
contar em mais de uma ocasião... e que, estranha rada "morte acidental''. Notem bem, acidente, e não
mente, saiu daqui mesmo, deste edifício. suicídio, como vocês tinham dito. E há uma bela di
DELEGADO: Do que se trata? ferença entre os dois termos. Por outro lado, se qui
LOUCO: Comenta-se que durante o último interro sermos, o drama, como foi exposto pelo capitão, po
gatório feito ao anarquista, um dos presentes, alguns deria ser definido como um "aciden te".
minutos antes da meia-noite, teria perdido a paciên  Nesse momento, entra o cabo, entrega o copo
cia e dado um golpe com a mão no pescoço do anar- d'água ao louco que, absorvido pela história da

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 29/42

72 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 73


mulher, engole a bolinha de vidro como se fosse LOUCO: Mas a senhorita vive onde? Em vez de fa
5/22/2018 Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om
um comprimido. zer matérias no México, Cambodja, Vietnã, por que
LOUCO: Santo Deus! O olho! Engoli o olho... Bom, não dá uma voltinha por Marghera, Piombino, Sesto
tomara que faça, pelo menos, passar a dor de ca San Giovani, Rho? A senhora faz uma idéia do que
beça. seja um operário? Quando chegam a se aposentar —
DELEGADO:   (No ouvido do falso capitão)   Mas
qual é o jogo agora? enor
pelas últimas
número — estatísticas cada vez
quando alguém chegam
chega em me
lá, foram es
COMISSÁRIO:  (Alternando-se ao delegado)  Não premidos como limão, uns vermes, com os reflexos
lhe parece que deu corda demais ao urubu? Está reduzidos ao míni mo... Uns trapos!
certa que nos encurralou! JORNALISTA: Acho que o senhor está traçando
LOUCO: Deixa comigo, por favor. (.4   jornalista) um quadro desesperado demais.
Muito bem, eu vou lhe demonstrar, senhorita, que LOUCO: Ah, é... e então vai dar uma olhada em
esta última versão é completamente inadmissível. qualquer bar onde aposentados jogam baralho. Vai
JORNALISTA: Sei, inadmissível. Inadmissíveis ver como se insultam, se xingam a todo momento,
uns aos outros. Nem se lembram mais das cartas do
como — para
missíveis o juiz que arquivou
os testemunhos o caso — são inad
dos aposentados.  jogo! "Desgraçado, fui eu que joguei o sete-belo."
"Não, você jogou na outra rodada, não nessa." "Que
LOUCO: O que é essa história de aposentados inad outra rodada o quê, se essa é a primeira partida que a
missíveis? gente tá jogando hoje... Você tá é gagá." "Gagá
JORNALISTA: Estranho que o senhor não esteja é você que devia segurar o sete como coringa e foi
ao corrente! No decreto de arquivação, o juiz citado  jogá-lo na mesa do vizinho." "Mas qual coringa?
declarou incapazes as três testemunhas indicadas Dessa vez o coringa era, nada mais nada menos,
pelo nosso anarquista, que afirmavam ter passado que o rei! Você tá é ruim da cabeça!" "Quem, eu?
a trágica tarde das bombas em um bar de Milão, Mas com quem é que você pensa que está falando?"
 jogando
LOUCO:baralho com ele.incapazes por quê?
Testemunhas "Não sei. E você?" "Nem eu. "
JORNALISTA: Rá, rá, que exagero. Mas deixando
JORNALISTA: Porque — sempre segundo o juiz de lado o prazer pelo grotesco... Devemos pôr a
arquivista — "se trata de pessoas anciãs, de saúde culpa neles, se se reduzem a isso?
debilitada e, além disso, inválidas". LOUCO: Não, sem dúvida a culpa é da sociedade!
LOUCO: E escreveu assim no decreto também? Mas nós não estamos aqui para fazer um processo
JORNALISTA: Escreveu. contra o capitalismo e os patrões. Estamos aqui par a
LOUCO: Bom, tenho que dar razão a ele! Como se discutir sobre testemunhas mais ou menos capazes!
pode, objetivamente, pretender que um aposentado Se alguém se reduz a um trapo porque foi explorado
de uma
ou certa idade,
de trabalho — à além do mais
escolha inválido de(que
— ex-operário guerra
se demais
a nós —oupessoas
porquedasofreu
ordem um
e daacidente na não
justiça — fábrica,
deve
note bem: ex-operário), possa se encontrar com as interessar.
qualidades psicofísicas mínimas exigidas pelo deli
cado exercício do testemunho? DELEGADO: Genial, capitão!
JORNALISTA: Por que um ex-operário não pode? LOUCO: Não têm meios para conseguir vitaminas,
proteínas, açúcares, gorduras, fosfato para a me
Me explique. mória? Muito bem, pior pra você. Eu, como juiz, te

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 30/42

74 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 75


5/22/2018
digo que não, sinto muito, mas está fora de jogo, capital de 160 milhões, capital inicial totalmente de
é um cidadão de segunda classe.
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

positado, se acomodem. Nós ouvimos vocês e acre


JORNALISTA: Ah, está vendo, está vendo? Eu sa ditamos em vocês". Aí, solenemente, os juizes fica
bia que mais cedo ou mais tarde teria surgido o clas- ram em pé, e com a mão direita bem em evidência
sismo, o discurso sobre os privilégios de classe! sobre o evangelho, todos em coro, declararam: "Ju
LOUCO: E quem
Sim, eu admito, foi que nossa
é verdade, defendeu o contrário?
sociedade é divi ramos que vocês
nada mais que a vão dizer Juramos!"
verdade. a verdade, toda a verdade,
dida em classes... mesmo no que diz respeito às tes O louco-capitão sai detrás da escrivaninha e se
temunhas. Existem testemunhas de 1?, 2?, 3? e 4?
categorias. Não é nunca uma questão de idade... descobre que tem uma perna de madeira, tipo
Pode até mesmo ser mais velho que Noé e mais gagá de pirata. Todos estupefatos olham para ele.
que Josué... mas se acabou de chegar da sauna, du O capitão comenta imperturbável:
cha fria e ducha quente, massagem, fricção, lâmpa LOUCO: Vietnã, boinas-verdes... tristes lembran
das a quartzo, camisa de seda,   foulard,  Mercedes ças! Mas não falemos mais nisso, coisa do passado!
seis lugares com motorista... quero ver se o juiz não  Aporta se abre, aparece o comissário Bertozzo.
te declara imediatamente capaz. Pra mim vai até Está com um olho vendado.
beijar a tua mão. "Altamente capaz extra. " Smack! BERTOZZO: Me desculpem, atrapalho?
E realmente, no processo do dique de Vajont — DELEGADO: Venha, venha, doutor Bertozzo... Se
nome fictício, completamente inventado — os pou acomode.
cos que se deixaram apanhar, já que os outros fugi BERTOZZO: Tenho só que deixar isto  (Mostra
ram, advertidos sabe-se lá por quem! ... — aqueles uma caixa de metal).
cinco ou seis engenheiros, como eu dizia, para ga
nhar alguns milhões a mais, eliminaram por volta DELEGADO: Do que se trata?
de dois mil cidadãos, afogados em uma noite. Mes BERTOZZO: É o fac-simile da bomba que explodiu
mo sendo mais velhos que os nossos aposentados no banco...
de Milão, quando depuseram diante do juiz, não JORNALISTA: Oh, meu Deus!
foram absolutamente considerados incapazes, pelo BERTOZZO: Não se preocupe, senhorita, está de
contrário, foi-lhes conferida a maior confiança! Pen sativada.
sa que é fácil? Pra que é que se tira um diploma? DELEGADO: Está bem, agora seja bonzinho...
Para ser tratado em pé de igualdade com um aposen apoie a caixa ali... e estenda a mão ao seu colega...
tado que não tem onde cair morto? E ainda dizem o senhor também, comissário... Venha até aqui e
que os italianos não respeitam a própria moeda! Há façam as pazes.
quem diga que, antes do depoimento dos acionistas
acima citados,
a recitação em ovoz
escrivão
alta danão tinha sequer
fórmula clássica:exigido
"Juro BERTOZZO:
se eu ao menosMas paz por
soubesse quê,é senhor
o que que ele delegado...
tem contra
dizer a verdade, toda a verdade, etc, etc". Parece mim pra me acertar o olho...
que só disse: "Se acomode, engenheiro-chefe, dire O delegado lhe dá uma cotovelada.
tor das construções hidráulicas Sade, e o senhor COMISSÁRIO: Ah, não sabe é? E apernáqui a?
também, engenheiro-projetista e consulente minis BERTOZZO: Qual pernáquia?
terial, ambos acionistas da Sade citada acima, com DELEGADO: Chega... tem estranhos.
LOUCO: Justamente...
 

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 77 31/42

76 DARIO FO
na nuca do Bertozzo e do comissário. Bertozzo, con
5/22/2018
BERTOZZO:  Mas, delegado, eu só queria saber o victo de que tenha sido o comissário esportivo)   Está
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

que foi que deu nele... entrou e sem nem me dizer vendo, senhor delegado, é sempre ele que começa!...
boa-noite...pom! Para terminar, o louco dá um tapa no traseiro
LOUCO:  É, pelo menos podia dizer "boa-noite". dajornalista e indica o delegado.
Nisso ele tem razão! JORNALISTA: O que é isso? Isso são modos?
BERTOZZO:  Estão vendo... Me desculpe, mas o DELEGADO:
ca)   Tem razão,  (Pensando quecomo
mas não sei aludisse ao bate-bo
explicar... Ber
senhor... o seu rosto me parece familiar. tozzo, pare com isso e me ouça! A senhorita veio para
LOUCO: Vai ver que é pela venda (que nós dois uma entrevista muito importante, entendeu?  (Chu
temos) no olho. te, pisca o olho para ele.)
Coro (Risada) Rá, rà! BERTOZZO: Entendi.
BERTOZZO: Não, não, brincadeiras ap ar te... DELEGADO: Pronto, senhorita, se quiser fazer al
LOUCO: Me permita, sou o capitão Marcantonio guma pergunta também a ele... O comissário é, além
Banzi Piccinni... dá técnica. do mais, um grande expert   em balística e explosivos.
BERTOZZO: Piccinni?
eu conheço o capitão Mas não... não é possível...
Piccinni. JORNALISTA:
Disse que naquelaAh,caixa
sim,está
me tire uma curiosidade...
um fac-simile   da bom
DELEGADO:  (Dá-lhe um chute) Não, o senhor não ba ao banco.
o conhece. BERTOZZO: Bom,  fac-simile  muito aproximado,
BERTOZZO: Não conheço? ... Mas está brincan  já que todas as peças originais foram perdidas. A
do?... senhorita ent ende...
COMISSÁRIO: Não, não o conhece ( Chute). JORNALISTA: Mas uma bomba foi salva, sem ex
BERTOZZO: Escuta, não vai recomeçar... plodir. ..
DELEGADO: Deixe as coisas como estão...  (Chu BERTOZZO: É, a do Banco Comercial...
te.) JORNALISTA: Me explique
montá-la e entregá-la por como
à técnica, que, em
devez de des
hábito —
BERTOZZO: Mas foi meu companheiro de curso...
(Recebe um chute do capitão também). para que a examinassem detalhadamente —, aque
LOUCO: Mas se te estão dizendo pra deixar as coi les que a acharam correram imediatamente para um
sas como estão! (E lhe dá um coque.) local, enterraram a bomba e fizeram com que ex
BERTOZZO: Ei, espera aí! plodisse?
LOUCO:  (Indicando o comissário) Foi ele. BERTOZZO: Me desculpe, por que me está pergun
O delegado arrasta-se para o lado, na direção tando?
da jornalista. JORNALISTA: O senhor sabe melhor do que eu o
DELEGADO:
lhe apresentar Me permita, comissário,
a senhorita... gostaria se
depois te explico... de porquê, comissário.
se destruiu Desse
a assinatura modo, além da bomba,
dos assassinos...
nhorita Feletti, jornalista. Entendeu agora?  (Coto LOUCO: É verdade. De fato, se diz "diga-me como
velada. ) fabricas uma bomba, e eu te direi quem és" .
BERTOZZO: Prazer, comissário Bertozzo... Não, BERTOZZO: Ah, não! Aquele ali não é o Piccinni.
não entendi  (Chute do delegado, chute do capitão O louco passa a mão na caixa da bomba.
que começa a gostar da brincadeira e dá um chute DELEGADO: Mas claro que não é! Fique quieto!
no delegado também. Ao mesmo tempo, dá um tapa
 

78 DARIO FO
http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf
MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 79 32/42
BERTOZZO: Ah, não me parecia mesmo. E quem LOUCO: Agora só sobrou a perna para o senhor
5/22/2018
é?  (Recebe o enésimo chute.) desparafusar.   (Dizendo isso, parafusa novamente a
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

LOUCO: Se o comissário Bertozzo me permite, na mão.)


qualidade de dirigente da polícia técnica... DELEGADO:  (Ao Bertozzo)  Diga alguma coisa
BERTOZZO: Quem é que você pensa que está en também, Bertozzo. Mostre que na nossa seção não se
ganando? O que está fazendo? Largue essa caixa, dorme.  (Dá-lhe um tapinha de encorajamento nas
por favor... é perigoso! costas.)
LOUCO:  (Dá-lhe um chute)  Sou da técnica... Che BERTOZZO: Certo. A bom ba verdadeira era muito
ga pra lá. mais complexa. Eu a vi. Muito mais complexa do
DELEGADO : Mas entende realmente disso? que essa. Obra, sem dúvida, de técnicos de grande
O louco olha para ele com desprezo. gabarito... profissionais, como se diz.
LOUCO: Veja, senhorita, uma bomba do gênero é DELEGADO: Vai devagar!
tão complexa... olhe a quantidade de fios, dois deto- JORNALISTA: Profissionais? Militares, talvez?
nadore s... o marcador de tempo. .. o   trapelm da par BERTOZZO: Ê mais do que provável.   (Todos os
tida, botões, botõezinhos... é tão complexa, como três, juntos, lhe dão um chute.)
estava
um dizendo,
duplo que de
engenho, é também
explosãopossível que sem
retardada, esconda
que DELEGADO:
BERTOZZO: Ahia! Desgraçado...
Por quê, o que foi que eu disse?
ninguém o encontre, a menos que desmonte a bomba JORNALISTA:  (Terminou de fazer as anotações)
toda, peça por peça, e seria necessário um dia in Bom, bom, quer dizer que vocês, mesmo estando
teiro, acredite em mim.. . e no entanto bum! conscientes do fato de que para fabricar — sem se
DELEGADO:   (A Bertozzo)  Parece um técnico de falar do manejo — bombas do gênero fossem neces
verdade, o que você acha? sárias perícia e experiência de profissionais — de
BERTOZZO:  (Teimoso)  Parece, mas não é o Pic- preferência militares; mesmo considerando tudo is
cinni... so, quero dizer, vocês se jogaram com tudo sobre um
LOUCO: Eis por
do assassino, queasesenhorita
como preferiu perder
falou...a assinatura
e fazer a único grupelho
que todas minguado
as outras pistas de
se anarquistas,
perdessem...deixando
Ê inútil
bomba explodir em um lugar qualquer, em vez de que eu fique aqui a especificar cores e partidos!
se correr o risco de ver essa bomba explodir em meio LOUCO: Claro, se a senhorita se prender à versão
às pessoas, em um massacre ainda mais horrível que do Bertozzo que, porém, não pode ser levada a sé
o primeiro... Convencida? rio... porque ele não é um técnico de explosivos de
JORNALISTA: Sim, desta vez o senhor me conven verdade... se interessa, por assim dizer, por  hobby!
ceu mesmo. BERTOZZO:  (Ofendido)  Mas que  hobby  o quê?
LOUCO: Consegui convencer até a mim mesmo. Como eu não entendo? ... Mas o que é que o senhor
sabe? ... Quem é o senhor?  (Se dirigindo aos dois
COMISSÁRIO:
Foi Eu também
uma grande sacada. me sua
 (Prende convenci. Genial.
mão e aperta-a  policiais) Quem é... Vocês querem me dizer? (Mais
com força. Sobra-lhe a mão de madeira entre os chutes, obrigam -no a se sentar.)
dedos.) DELEGADO: Quietinho!
LOUCO: Olha aí, me desparafusou a mão. Eu tinha COMISSÁRIO: Fiquem calmos...
lhe dito que era de madeira! JORNALISTA: Se acalme, comissário... fique tran
COMISSÁRIO: Me desculpe. qüilo. Eu tenho certeza que tudo o que disse é ver-

MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 81


80 DARIO FO
http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 33/42
dade, assim como é verdade que a polícia toda e a Ouvem-se vozes vindas da platéia, de pontos
magistratura correram a incriminar — me empreste diversos.
5/22/2018 Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

a palavra — a mais louca e patética turminha de de VOZES: Sim, doutor! Quais são as instruções? Ãs
sencontrados que se possa imaginar! O grupo de suas ordens!
anarquistas que tinha como chefe o bailarino! O louco ri e se dirige ao público.
DELEGADO: Tem razão, são desencontrados, mas LOUCO: Não se preocupem, esses são atores... Os
essa era a fachada que fabricaram justamente para de verdade estão por aí, de boca fechada, sentados.
não dar na cara. DELEGADO: Viu? Fiquem à vontade! Os infor
JORNALISTA: Realmente, por detrás da fachada, mantes e os espiões são a nossa força.
sabe o que se escondia? Que, entre dez do bando, COMISSÁRIO: Servem para a prevenção, para
dois eram de vocês: dois informantes, ou melhor, manter o controle...
espiões e provocadores. Um é um fascista romano, LOUCO: Provocar atentados para que se possa, de
conhecido por todo mundo, menos pelo grupo dos pois, ter um pretexto para reprimir.  (Os policiais se
coitados; o outro, um seu agente da segurança pú viram todos juntos)  Quis adiantar o comentário,
blica, disfarçado ele também de anarquista.
LOUCO: Quanto ao agente disfarçado de anarquis mais que óbvio, da
JORNALISTA: senhorita. mais que óbvio! De
Justamente,
ta, não entendo como puderam acreditar nele! Eu qualquer jeito, como é que, mesmo tendo sob con
o conheço, é tão esperto que se você pergunta pra ele trole cada componente daquele grupinho de coita
o que é Bakunin, responde que é um queijo suíço, dos, eles teriam conseguido organizar um golpe tão
sem furos! complexo, sem que vocês os bloqueassem?
BERTOZZO: Ai que raiva que me dá quem sabe LOUCO: Cuidado que agora o urubu vai dar a bi
tudo, conhece todo mundo... E eu conheço aquele cada!
ali... DELEGADO: É que naqueles dias o nosso agente-
DELEGADO:
com o senhor, Não estouAquele
capitão. absolutamente de acordo
nosso agente-espião espião estava ausente do grupo...
LOUCO: Ê verdade. Até trouxe uma justificação
é, ao contrário, um ótimo elemento. Muito prepa assinada pelos pais (é verdade)!
rado!
COMISSÁRIO: Por favor...  (Em voz baixa)  senhor
JORNALISTA: E vocês têm muitos outros agentes-  juiz...
espiões muito preparados disseminados por aí, pelos
vários grupinhos extraparlamentares? JORNALISTA: Mas e o outro informante, o fascis
LOUCO:  (Canta)  "O urubu vai embo ra.. ." ta? Ele estava lá, não estava? ... Tanto é que o juiz
DELEGADO: Não me sinto constrangido em lhe de Roma sustenta que ele seja o principal responsá
vel, o organizador e mandante. Teria se valido —
revelar que sim, temos muitos espalhados por todos
os cantos! é o que o juiz declarou — da estultice dos anarquis
JORNALISTA: Uau, agora o senhor esá blefando, tas para fazer com que eles levassem a cabo um aten
delegado! tado do qual, certamente, nem suspeitavam o  status
DELEGADO: Nada disso... esta noite mesmo, en criminal. São sempre palavras e convicções do juiz,
tre o público, é preciso dizer... temos alguns, como entenda-se.
sempre... Quer ver? (Bate palma.) LOUCO: Plaft!... O urubu aterrisou!

82 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 83


http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 34/42

JORNALISTA: É, é óbvio... E quantas vezes vocês


DELEGADO: Só que deve considerar que o tal fas JORNALISTA: É, é óbvio... E quantas vezes vocês
cista de quem a senhorita está falando não é real caíram, ingenuamente ou não?
5/22/2018
mente nosso informante. LOUCO:  (Sempre passando a mão de mulher em
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

JORNALISTA: Como não, se era freqüentador as torno do rosto)  Malvada!


síduo da polícia, especialmente da seção de política DELEGADO: Não seja por isso. Muitos sindicalis
em Roma? tas e alguns dirigentes do PCI também caíram nessa,
DELEGADO:
sei de nada. É a senhorita que está dizendo... Não ingenuamente ou não... Olhe, eu tenho aqui um ar
tigo de  L'Unità  que os acusa de "esquerdismo vo-
LOUCO:  {Oferecendo a mão ao delegado)  Grande, luntarista e aventureiro"... por causa de um ato de
ótima defesa! vandalismo. Descobriu-se depois que os subversivos
O delegado aperta-lhe a mão, que sobra entre acusados não tiveram a menor culpa.
os dedos. JORNALISTA: Conheço o artigo. Foi um jornal da
DELEGADO: Obrigad o!.. . Mas a sua mão. .. Sinto direita que espalhou isso por aí, aquela notícia...
muito! com o seguinte título: "Choque de extremos opos
LOUCO:  (Indiferente) Pode ficar com ela, eu tenho tos", que funciona sempre. Com vocês também!
outra!  (Aparece com
COMISSÁRIO: Masuma
é de outra,
mulher!de mulher) LOUCO: Víbora.
LOUCO: Não, é unissex. (Parafusa a mão.) BERTOZZO: Eu conheço aquele ali. Vou já já ar
JORNALISTA:  (Que nesse meio tempo extraiu rancar aquela venda!
umas folhas de uma pasta)  Ah, não sabe de nada? LOUCO:  (Intervindo irônico)  Mas o que é que esta
E não sabe também que entre 173 atentados à bom esperando, senhorita, com essas provocações eviden
ba ocorridos até hoje — 12 por mês, um a cada 3 dias tes? Que lhe respondamos admitindo que se algumas
—, entre 173 atentados, como eu dizia   (Lendo em vezes, nós da polícia, em vez de nos perdermos atrás
um documento),  se descobriu que cerca de 102 fo de quatro anarquistas desarvorados, nos preocupás
semos em seguir seriamente outras pistas mais aten-
ram certamente
existem organizados
sérios indícios por da
de que mais fascistas, e que
metade dos 71 díveis — tipo organizações paramilitares e fascistas
restantes se trata de atentados montados por fascis financiadas por industriais, dirigidas e apoiadas por
tas ou então por organizações paralelas? militares gregos e vizinhos — talvez se encontrasse
LOUCO:  (Gesticulando com a mão aberta, sob o o fio da meada?
queixo)  Tremenda! DELEGADO:  (Ao Bertozzo, que resmunga)  Não se
DELEGADO: É, um mínimo comprobatórias as ci preocupe... Agora ele vira a omelete de uma só vez. É
fras são. .. O que o senhor acha, doutor? sua técnica, já conheço! Dialética jesuítica!
COMISSÁRIO: Precisaria verificar, mas a grosso LOUCO: Se está pensando assim, eu lhe direi que
modo me parece que
JORNALISTA: coincidem
Perfeito, se tivercom as nossas. pro
oportunidade, outra
sim... estrada,
Tem razão...
teríamos
Se descoberto
tivéssemosumas
caminhado
boas!! Rá,
por
cure verificar também quantos desses atentados fo ráü
ram organizados com a intenção de responsabilizar BERTOZZO: Viva a dialética jesuítica!
os grupos de extrema-esquerda e fazê-los passar por DELEGADO: Mas ficou louco?
suspeitos. BERTOZZO:  (Iluminando-se)  Louco?  (Dá um pu
COMISSÁRIO: Bom, quase todos... é óbvio. lo) O louco... é sim, é ele!! É ele!

84 DARIO FO
http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 35/42
MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 85
JORNALISTA: Devo confessar que essas afirma
JORNALISTA: Devo confessar que essas afirma
ções ouvidas de um policial... posso lhe assegurar... rasta-o pro lado)  Fica bonzinho que eu explico de
5/22/2018
são desconcertantes. pois.
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

BERTOZZO: (Puxando o delegado pela manga) Se JORNALISTA: Oh, que gozado, a venda era char
nhor delegado, descobri quem é aquele ali. Eu o me?
conheço. LOUCO: Não, é pra não dar na vista. (Ri.)
DELEGADO:
Não saia por aíMuito bem,  (Deixa
contando. guardeBertozzo
para o às
senhor.
mos JORNALISTA:
me fale um poucoRá,dorá... essa é que
escândalo boa.teria
Masacontecido.
continue,
cas e se aproxima do louco e dajornalista.) LOUCO: Ah, sim... um grande escândalo... muitas
BERTOZZO:  (Puxa o comissário esportivo de lado) prisões na direita, alguns processos... um monte de
Eu juro que conheço aquele ali... Nunca foi da polí grandões comprometidos... senadores, deputados,
cia. Está disfarçado. coronéis... os sociais-democratas chorando, o  Cor-
COMISSÁRIO: Eu sei, você não está me dizendo riere delia Será  muda de diretor... a esquerda pede
nenhuma novidade. Mas não deixe que a jornalista que os fascistas sejam considerados fora da lei... o
o ouça. diretor da polícia será elogiado pela operação cora
BERTOZZO:
COMISSÁRIO:É Vocêum maníaco
é que é...um
nãomaníaco
entende?que não  josa. .. depois deNão,
DELEGADO: algumcapitão...
tempo é aposentado.
essas são ilações...
me deixa ouvir nada do que estão dizendo. Fique devo dizer... um pouco gratui tas...
quieto! JORNALISTA: Desta vez estou de acordo com o
LOUCO:  (Que continuou conversando animada senhor, delegado. Acho que um escândalo do gênero
mente com os dois e prossegue)   Claro, a senhorita serviria para dar prestígio para a polícia. O cidadão
é jornalista e um escândalo desse gênero acabaria teria a sensação de viver em um Estado melhor, com
conosco sem dúvida... Ficaria meio mal descobrir uma justiça um pouco menos injusta...
que o massacre de inocentes no banco tinha servido LOUCO: Mas é claro... e seria mais que suficiente!
O povo pede por uma justiça verdadeira? Nós faze
unicamente
te... criar a para escantear
tensão as lutas
necessária paradofazer
outono
comquen
que mos com que se contente com uma um pouco menos
os cidadãos desgostosos, indignados com tanta cri injusta... Os trabalhadores gritam "basta com a ver
minalidade subversiva, eles mesmos pedissem pelo gonha da exploração bestial". Nós vamos fazer de
advento de um Estado forte! tudo para que seja um pouco menos bestial e nos
preocuparemos, sobretudo, para que não se enver
COMISSÁRIO: Não sei se li isso em L'Unità  ou em gonhe mais. Mas permanecerão explorados como
 Lotta Continua. sempre... Gostariam de não mais morrer na fábrica?
BERTOZZO:  (Se aproxima do louco pelas costas e Lhes daremos alguma proteção a mais, algum prê
arranca-lhe a venda)  Vocês viram só, ele tem olho, mio a mais para a viúva. Gostariam de ver as clas
ele tem olho! Mas o que é isso, enlouqueceu? Ê
DELEGADO: ses eliminadas... e nós faremos com que não exista
mais essa grande diferença, ou melhor, que não dê
claro que tem! E por que não deveria ter? muito na vista! Gostariam de uma revolução... e nós
BERTOZZO: E então, por que é que usa venda, se lhe daremos reformas... muitas reformas... vão se
tem olho? afogar em meio a tantas reformas, ou melhor, vamos
COMISSÁRIO: Mas você também tem um olho ta afogá-los de promessas de reformas, porque nem
pado com uma venda... e ninguém arranca!  (Ar- mesmo essas serão cumpridas jamais!!

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf
86 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 87 36/42
COMISSÁRIO: Sabe de quem estou me lembran COMISSÁRIO:  {Falando-lhe ao ouvido)  Você quer
5/22/2018 do? O Marrone... aquele juiz que está sob processo nos arruinar, seu irresponsável?
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

por vilipendio à magistratura.  Do lado direito, jornalista e capitão continuam


DELEGADO: Não, não, este é pior, é completa a conversar sem prestar atenção ao grupo de po
mente louco. liciais.
BERTOZZO: É claro que é louco... Faz uma hora
que estou dizendo! DELEGADO:
em segredo? SeNão entendevier
a senhorita que deve permanecer
a descobrir a contra-
LOUCO: Está vendo? Não interessa ao cidadão mé investigação, estamos arruinados!
dio que as porcarias desapareçam... não, para ele BERTOZZO: Qual contra-investigação?  {Colocam
basta que sejam denunciadas, estoure o escândalo de novo o fone na sua boca) Alô?
e que ele possa falar disso... Para ele é essa a ver COMISSÁRIO: E ainda me pergunta? Mas então
dadeira liberdade e o melhor dos mundos, aleluia! por que é que você estava arrotando que sabia de
BERTOZZO:  (A/errando a perna de madeira do tudo, se não sabia de nada? Fala, fala, faz confu
louco e sacudindo-a)  Olhem só essa perna aqui... são...
Não estão Claro
LOUCO: vendo que éé...
postiça?
de nogueira, para ser mais BERTOZZO: Não, eu não faço confusão... Eu que
exato. ro saber...
DELEGADO: Todos nós já sabíamos. DELEGADO: Cala a boca!  {Dá um golpe com o
BERTOZZO: Mas não passa de um truque, está  fone na sua mão) Telefona e basta!
amarrada ao joelho!  (Rapidamente começa a des BERTOZZO: Ai, ai... alô, quem está falando?
 fazer os laços) JORNALISTA:  {Que durante todo esse tempo con
COMISSÁRIO: Irresponsável... larga dele! O que versava com o falso capitão)  Oh, que divertido! Se
você está querendo? Desmontá-lo? nhor delegado, não precisa se preocupar mais.
O capitão..., isto é, o ex-capitão me contou tudo!
LOUCO:
 já Não,a coxa
estava com deixaformigando
ele me soltar...
toda. obrigado... Eu DELEGADO: O que foi que ele contou?
JORNALISTA: Mas por que é que vocês me inter JORNALISTA: Quem é realmente!
rompem sempre? Pensam que conseguirão diminuí- COMISSÁRIO E DELEGADO: Você contou pra
lo aos meus olhos só pelo fato de não ter a perna ela?
de madeira? LOUCO: Contei. Não podia continuar mentindo...
BERTOZZO: Não, é para demonstrar que é um a essas alturas ... já tinha intuído sozinha.
meliante, um "hipocriptomaníaco" que nunca foi DELEGADO: Pelo menos fez com que ela prome
mutilado ou capitão... tesse não escrever nada no jornal?
JORNALISTA: Mas é claro que vou escrever!  {Lê
JORNALISTA: E quem é então?
BERTOZZO: Simplesmente... as anotações) Ouçam: "No prédio da polícia encon
 Delegado, agente e comissário se precipitam, tro um bispo a pais ana!"
COMISSÁRIO e DELEGADO: Um bispo?
tapando-lhe a boca e arrastando-o para longe. LOUCO: É, me desculpem se escondi de vocês tam
DELEGADO: Me desculpe, senhorita, mas querem bém.  {E com muita naturalidade vira o colarinho
falar com ele ao telefone. ao avesso que se transforma em um clássico colari
 Bertozzo é jogado em uma cadeira, com o fone nho religioso, com peitilho preto.)
na boca.
 

MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 89


88 DARIO FO
http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 37/42
BERTOZZO: (Dando um tapa na testa)   Agora bis Extremamente velozes, o comissário e o agente
po? Vocês não acreditam, não é? conseguem tiras de esparadrado que são apli
5/22/2018
cadas, sem muita história, sobre os lábios de
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

0 comissário passa a mão em um grande ca  Bertozzo, e chegam a cobrir a metade da cara,
rimbo e enfia na sua boca. do nariz para baixo.
COMISSÁRIO: Agora encheu de vez! JORNALISTA: Mas o que deu nele, coitadinho?!
0 louco com
cabeça tira um barrete vermelho
movimentos austeros eeo estudados;
coloca na LOUCO:
viário, Uma
uma crise...
seringa e seacho.   (Aparece
prepara com umabre-
para aplicar in
abre o botão do paletó, deixando à mostra uma  jeção). Segurem-no, isso vai lhe fazer bem na certa. ..
cruz barroca de ouro e prata e, por último, enfia é um calmante beneditino.
um anelzão com uma pedra roxa enorme. DELEGADO: Beneditino?
LOUCO: Permitam-me me apresentar. Padre Au LOUCO: É, ervas calmantes em ampola!   (Rápido
gusto Bernier, designado pela Santa Sé observador como uma serpente, aplica-lhe a injeção; em seguida
de coligação junto à polícia italiana.  (Oferece o anel extrai a seringa e a observa)   Ainda sobrou um pou
 para ser beijado ao agente que, mais do que depres co... O senhor não quer provar?   (Sem esperar res
sa, corre guloso.)  posta, espeta-lhe sufocada
 Reclamação com a agilidade de um toureiro.)
do delegado.
BERTOZZO:  (Dá alguns passos para a frente, se
livrando por alguns momentos da sua chupeta) Coli JORNALISTA: O senhor pode não acreditar, emi
gação com a polícia? nência, mas quando há pouco discursava a propósito
LOUCO: Depois da atiração de pedras a que se re dos escândalos — "é sempre o melhor dos modos...
feriu o Santo Padre, tanto na Sardenha como ulti aleluia!" Eu imediatamente pensei... me perdoe a
mamente no Castelo Gandolfo, o senhor me enten irreverência...
de, é meu dever — como enviado responsável pela LOUCO: Por favor...
Igreja — prevenir... manter contatos... JORNALISTA: Disse: "Epa, que conversa de pa
BERTOZZO: Ah, não e não! Essa é demais. Só fal dre!" Não E
LOUCO: sepor
ofendeu, não é verdade
que deveria ? É verdade,
me ofender?
tava o bispo-policial! fiz um verdadeiro discurso de padre. .. que sou.  (Ber
O comissário enfia novamente a chupeta na tozzo com um pincel escreveu atrás do retrato do
boca de Bertozzo e arrasta-o para longe. "presidente": "É um mitômano, um louco", e mos
COMISSÁRIO: Mas nós já sabemos que é tudo tra o quadro, permanecendo atrás do bispo)  Aliás,
mentira! ... Mas ele se fez passar por bispo justa São Gregório Magno tinha acabado de ser eleito
mente para nos salvar... Entende?! pontífice quando descobriu que se tentava — através
BERTOZZO: Para nos salvar? Foi atacado por uma de tráfico de influências e manipulações várias —
crise mística? A salvação da alma, etc?
COMISSÁRIO: Pára com isso e beija o anel! (Obri cobrir
a famosaescândalos
frase: "Nolimus
graves. aut
Enfurecido
velimus,seomnibus
pôs a gritar
gen-
ga-o a aproximar a boca da mão do louco que, nesse tibus, justitiam e veritatem...".
meio tempo, naturalmente, sem imposição, cons- JORNALISTA: Por favor, eminência... fui repro
tringe todos ao ato de submissão.) vada três vezes em latim...
BERTOZZO: Não, pelo amor de Deus! O anel, não! LOUCO: Ah, sim, em poucas palavras diz: "Quei
Me recuso! Vocês parecem todos loucos! Ele conta ra ou não queira, a justiça e a verdade serão im-
giou vocês!

90 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 91


http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 38/42

postas por mim. Farei o impossível para que os es


mo na Inglaterra? O ministro envolvido em um cír
cândalos explodam de modo clamoroso, e não temeis culo de prostitutas, drogas, espionagem...!! Caiu,
5/22/2018 se na podridão for submersa toda a autoridade. Será por acaso, o Estado? A Bolsa? Nada disso; pelo con
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

bem-vindo o escândalo, porque sobre ele se funda trário, Bolsa e Estado nunca estiveram tão fortes
menta o poder mais duradouro do Estado'' . como depois daquele escândalo. As pessoas pensa
JORNALISTA: Extraordinário... O senhor poderia vam: "Ê, a podridão existe, mas sempre vem à
escrever a frase
O louco por inteiro...
se prepara para aqui?
anotar a frase no bloco tona...". Nós nadamos nela e até mesmo bebemos
dela, mas ninguém vem nos dizer que é água com
da jornalista  —  evidentemente uma adaptação açúcar! E isso é o que conta!
da de São Gregório. Enquanto isso, o comissá DELEGADO: Não! Seria o mesmo que dizer que o
rio tirou das mãos do colega o cartaz com o escândalo é o adubo da social-democracia!
retrato do presidente, rasgando-o. LOUCO: Justamente! Disse-o bem! O escândalo é o
DELEGADO:  (Agredindo-o) Mas o que é que você adubo da social-democracia! Diria mais: o escân
fez? Rasgou o retrato do presidente? Mas não sabe dalo é o melhor antídoto contra o pior veneno que é
que é crime? O que foi que te deu? a tomada de consciência pelo povo. Se o povo toma
COMISSÁRIO:
cada Mas, Bertozzo.
coisa...!  (Indica doutor, ) aquele ali escreve consciência,
Unidos, um estamos perdidos!social-democrata,
país realmente De fato, os Estados
al
DELEGADO: Eu até concordo com o senhor quan guma vez censuraram fatos que diziam respeito às
to à sua mania de escrever mensagens melodramá chacinas do Vietnã? Muito pelo contrário, saíram
ticas ao povo... mas não era realmente o caso de re fotos, em todos os jornais, de mulheres degoladas,
duzi-lo a ti ras ... Se envergonhe disso! crianças massacradas, vilas destruídas. Vocês se
 A jornalista —  atrás dele —  acompanha o bispo lembram do escândalo do gás do nervo? Foi fabri
e considera atentamente o significado da frase cado nos Estados Unidos em quantidade suficiente
de São Gregório. para destruir três vezes a humanidade inteira. E,
JORNALISTA: EmMesmo
nece é o escândalo. poucas quando
palavras,
nãoo existe,
que perma
seria nesse Pelo
nho! caso,contrário!
foi feita alguma
Era ligarcensura? Nempara
a televisão por ver
so
preciso inventá-lo, porque é um meio extraordinário uma fila de trenzinhos. "Para onde estão indo os
para se manter o poder, descarregando a consciên trenzinhos? Para o mar! E o que é que há naqueles
cia dos oprimidos. trenzinhos? Gás do nervo! Vão ser descarregados a
LOUCO: Exato! A catarse liberatória de qualquer poucos quilômetros da costa!" Assim, se acontece
tensão... E vocês jornalistas independentes são sa um pequeno terremoto ou um maremoto, as caixas
cerdotes beneméritos nisso. se rompem, o gás, gluglu, vem à tona, e morremos
JORNALISTA: Beneméritos? Bom, não certam ente todos. Três vezes em seguida. Nunca se fez censura
para o nosso governo que entra em agitação e corre a esses escândalos. E é justo! Assim as pessoas têm a
como louco para sufocar, cada vez que nós desco possibilidade de se indignar, de se horrorizar. "Que
brimos um escândalo. tipo de governo é esse? Generais nojentos! Assassi
LOUCO: Ficam agitados porque nosso governo é nos!" Ficam indignados, indignados e burp! O arro-
ainda da época dos Bourbon... pré-capitalista... tinho liberador. E observem bem, esse sistema é
mas observe os evoluídos... do tipo do norte da Eu aceito não só pelos exploradores como pelos explo
ropa... A senhorita se lembra do escândalo "Profu- rados. Vocês se lembram da passeata dos operários

92 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 93


http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 39/42

da construção civil em Nova Iorque? Milhares de BERTOZZO: Mãos pra cima... com as costas pra
trabalhadores foram pras ruas armados de porretes e parede senão eu atiro!
5/22/2018
capacetes, prontos para dar uma lição naqueles por COMISSÁRIO: O que é isso, Bertozzo? Ficou lou
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

cos subversivos, brancos e de cor, que rodavam com co?!


cartazes "GUERRA À GUERRA" e "ABAIXO A BERTOZZO: Eu disse mãos pra cima... O senhor
EXPLORAÇÃO DO HOMEM PELO HOMEM!", também, delegado... Advirto-os que não respondo
ameaçando derrubar o Estado dos seus patrões. É mais por mim!
uma maravilha! Os explorados que defendem os ex JORNALISTA: Oh, meu Deus!
ploradores! DELEGADO: Se acalme, Bertozzo!
COMISSÁRIO ESPORTIVO: O que é isso? O BERTOZZO: Fique calmo o senhor e não se preo
Evangelho segundo Chu-En-Lai? cupe. .. (Tira da escrivaninha um molho de algemas,
JORNALISTA: Me desculpe, mas a propósito da li entrega ao agente e obriga-o a algemar todo mundo.)
berdade de expressão nos Estados Unidos, onde o Vamos, prenda um por um no cabide.   (Ao fundo se
senhor coloca o assassinato de mais ou menos cento vê uma haste horizontal na parede à qual todos são
e cinqüenta líderes do movimento negro, ocorridos
nos últimos anos?  presos,à um
 preso por  Eum,nãoalgema
haste) em um
me olhem pulso,
com essaso caras.
outro
LOUCO: Mas eu estou falando de "liberdade de ar- Daqui a pouco vocês vão entender que este é o único
rotinhos", não de "liberdade de expressão"! Há uma modo que me sobrou para que me escutem.   (Ao
boa diferença, sabia? Os líderes do movimento negro agente que está em dúvida se algema a jornalista
estavam fora do jogo! Saíam por aí, dizendo: "Ir também)  É, a senhorita também... e você também.
mãos, companheiros, se quisermos realmente ver o (E aí se dirigindo ao louco)   Agora você, meu caro
homem novo, se quisermos realmente ter alguma Fregoli da puta que o pariu — me faça o favor de
esperança em uma sociedade melhor, devemos des contar aos senhores quem realmente é... ou, como
truir
tado este sistema pela
capitalista!". raiz!
Mas Devemos
o que derrubar
é isso? Ficou otodo
Es me esgotou
com um tiro...
a paciência,
tá claro?   arrebento as suas
(Os policiais gengivas
e a jornalista
mundo louco? Nesses casos, é óbvio, saem dois po ameaçam um protesto contra tanta irreverência)
liciais uniformizados, com os botões bem-lustrados, Boca calada... vocês!
revólver à mostra, chegam à casa do propagandista LOUCO: Com o maior prazer, mas temo que se
acima citado. "Tóc, t óc. " "Quem é?" "Bom-dia, me conto assim, na lata, não vão acreditar.
desculpe, é o senhor que anda por aí com cartazes BERTOZZO: O que, talvez prefira cantar?
'ABAIXO A GUERRA', 'A EXPLORAÇÃO DO LOUCO: Não, bastaria mostrar os documentos...
HOMEM PELO HOMEM '?" "Sim, sou eu." "Mui a ficha clínico-psiquiátrica... etc.
to prazer, pum, pu m. " E o que está feito, está feito.
E olhe que o chefe da polícia não se esconde, não fica BERTOZZO:
LOUCO: Muito bem
Ali, naquela ... e onde estão?
bolsa.
dizendo, como alguns amigos meus, "mas eu não BERTOZZO: Mexa-se, vai buscar e não faça piada
estava presente, foi o meu colaborador". Nada disso! que eu acabo com você.
Assume toda a responsabilidade! "Sim, fui eu que O louco retira meia dúzia de fichas e cartões.
dei a ordem. Eles são inimigos da pátria, da nossa LOUCO: Tá tudo aqui.  (Estende os documentos ao
gente, gloriosa nação!"  Bertozzo.)

94 DARIO FO
MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 95
http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 40/42

 BERTOZZO:(Apanha-os e distribui aos algemados.


DELEGADO: Esse delinqüente, louco criminoso...
Cada um deles está com a mão esquerda livre)  A vo se fez passar por juiz... a contra-investigação... Se
5/22/2018 cês, senhores... E ver par a crer! penso no susto que me deu!
Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

DELEGADO: Nããão! Ex-professor de desenho!? LOUCO: Não, não foi um grande susto se compa
Aposentado! Com inclinação para exaltação para rado ao que vem agora! Olhem para isso aqui.   (Re
nóica? ! Mas é um louco! tira da bolsa a caixa que Bertozzo tinha esquecido
BERTOZZO:  (Suspirando) Há uma hora que estou sobre a mesa) Contem até dez e vamos todos pro ar!
lhes dizendo! BERTOZZO: O que você está aprontando... Não se
COMISSÁRIO:  (Lendo em uma outra ficha)   Hos faça de tonto!
pital psiquiátrico de Imola, Voghera, Varese, Gori- LOUCO: Eu sou louco, tonto não! Meça as pala
zia, Parma... rodou todos! vras, Bertozzo... e joga a pistola... ou eu enfio o dedo
LOUCO: Certo, o giro da Itália dos loucos. no "Tra mpt ur" e acabamos logo com isso!
JORNALISTA: Quinze eletrochoques... isolamento JORNALISTA: Meu Deus! Por favor, senhor lou
co...!
por vinte dias. .. três crises de vandalismo...
DELEGADO: Não cai nessa, Bertozzo... a bomba
AGENTE:   (Lendo
Dez incêndios em uma folha)  Piromaníaco!
dolosos! está desativada... Como é que pode explodir?
COMISSÁRIO: Justamente... não cai nessa!
JORNALISTA: Deixa eu ver? Incendiou a biblio LOUCO: E agora, Bertozzo, você que entende dis
teca de Alexandria! Alexandria do Egito? No século so... mesmo sendo fraco de gramática... Olha só,
II antes de Cristo! tem ou não tem... um detonador... olha aqui... não
BERTOZZO: Impossível. Passa pra cá!  (Observa) está vendo? E um  longber   acústico.
Mas foi ele que acrescentou à mão. .. não está vendo? BERTOZZO: (Se sente mal, deixa a pistola e as cha
Do Egito pra frente...! ves das algemas caírem)  Um  longber   acústico? Mas
DELEGADO: Falsificador também... além de mis- como foi que você encontrou?
tificador,
está simulador...
sentado camuflador...
com a grande   (Aooslouco
bolsa sobre que
joelhos, O louco recolhe as chaves e apistola.
LOUCO: Trouxe comigo (Indica a bolsa) Aqui den
ar ausente) Mas eu te meto dentro por abuso e apro tro tem tudo! Tenho até um gravador onde está gra
priação de cargos religiosos e civis! vada toda a nossa conversa, desde que eu entrei.
LOUCO:  (Desligado) Tsc, tsc... (E dá sinais de re (Retira o gravador e mostra)  Olhem aqui!
 provação. ) DELEGADO: E o que é que pretende fazer?
BERTOZZO: Nada feito, tem carteirinha... Já sei LOUCO: Transcrevo a fita umas cem vezes e mando
de tudo! pra todo mundo: partidos, jornais, ministérios, rá,
JORNALISTA: Que pena, eu já estava com um ar rá... essa sim que vai ser uma bomba!
tigo tão bom na cabeça!
COMISSÁRIO: Acabou-se!
E eu acabo com ele... Por favor, DELEGADO: Não, muito
coisa dessas... Sabe o senhor
bem não
que pode fazerdecla
as nossas uma
Bertozzo, me tira a algema... rações foram falseadas, distorcidas pelas suas provo
BERTOZZO: Genial! Assim se arruina de vez... cações de falso juiz!
Na Itália — vocês deveriam saber — os loucos são LOUCO: E o que é que eu tenho com isso?! ... O
como as vacas sagradas na Índi a... Se puser as mãos importante é que estoure o escândalo...  Nolimus aut
neles, te lincham! velimus!  E que também o povo italiano — como o

96 DARIO FO MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA 97


http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 41/42

povo americano e o inglês — se torne social-demo- sucessivamente adiado e depois suspenso por razões
crata, moderno, e possa finalmente exclamar "esta de força maior (morte não-acidental do "ator"). 1

5/22/2018 mos na merda até o pescoço, é verdade, mas é jus Da r io Fo - Mor te a c ide nta l de um a na rquista .pdf - slide pdf.c om

tamente por isso que caminhamos com a cabeça er Coletivo Teatral La Comune
guida!"

NOTA
Quando esta comédia foi encenada — em de
zembro de 1970 —, declarava-se em um prólogo a
intenção de contar um fato que realmente aconte
cera: o "vôo" pela janela, do décimo-quarto andar
do prédio da polícia de Nova Iorque, do imigrante
italiano Salsedo, anarquista. Depois de uma série
de investigações e contra-investigações, perícias e
superperícias, exigidas pelo movimento da opinião
pública — corria o ano de 1921 —, chegou-se a es
tabelecer o responsável e que o anarquista não mor
rera acidentalmente, ou por suicídio, mas por ter
sido assassinado pelos policiais durante o interroga
tório.
Para justificar a atualidade e a transposição cê
nica dos fatos, afirmava-se também — com evidente
ironia — que qualquer semelhança com eventos fa
miliares era devida única e exclusivamente àquela
indecifrável magia existente no teatro como reinven-
ção da realidade. Quantas e quantas vezes histórias
absolutamente loucas não foram, sem nenhum pu
dor, imitadas pela realidade!!
peça Não foi umanos
ter ocorrido coincidência
dias em quecasual a estréia em
se desenrolava da
Milão o processo Calabresi/Lotta Continua, que de
veria esclarecer sobre a morte do anarquista Pinelli
que  também  caíra de uma janela do quarto andar (1) No texto, pode-se identificar Calabresi no personagem do
da delegacia de Milão, duran te a investigação sobre "comissário esportivo"; Calabresi foi assassinado em uma praça pú
os atentados terroristas a bancos. Tal processo foi blica de Milão, suspendendo-se o processo.

http://slide pdf.c om/re a de r/full/da r io-fo-mor te -a c ide nta l-de -um-a na rquista pdf 42/42