Você está na página 1de 11

Relatório R4

Caracterização da Rede Existente


Código: MME-13153-PARINTINS-01 Versão: 00 Revisão: 00 Data Edição: 20/09/2013

SUBESTAÇÃO PARINTINS – 230/138/13,8 kV

IMPLANTAÇÃO DA SUBESTAÇÃO

© 2010 - Centrais Elétricas do Norte do Brasil SA


Diretoria de Planejamento e Engenharia
Gerência de Projetos de Subestações - EETS
ÍNDICE

1 INTRODUÇÃO ............................................................................................................. 3

2 OBJETIVO ................................................................................................................... 3

3 CARACTERÍSTICAS GERAIS .................................................................................... 3

3.1 Localização .............................................................................................................. 3

3.2 Composição do Empreendimento.......................................................................... 4

3.3 Considerações Gerais ............................................................................................. 5

4 REQUISITOS DO SISTEMA DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO ........... 7

4.1 Geral ......................................................................................................................... 7

4.2 SE PARINTINS (Subestação Nova) ........................................................................ 7

5 SERVIÇOS AUXILIARES ............................................................................................ 8

6 REQUISITOS TÉCNICOS DO SISTEMA DE TELECOMUNICAÇÕES ....................... 8

6.1 Requisitos Básicos do Sistema de Telecomunicações ....................................... 8

6.2 Observações para o Sistema de Telecomunicações ............................................ 9

7 EQUIPE RESPONSÁVEL ............................................................................................ 9

7.1 Coordenação Geral.................................................................................................. 9

7.2 Coordenação Técnica ............................................................................................. 9

7.3 Equipe Técnica ........................................................................................................ 9

8 REFERÊNCIAS .......................................................................................................... 10

9 DOCUMENTOS A SEREM DISPONIBILIZADOS PELA ANEEL .............................. 10

9.1 Projeto de Norma ABNT/CB-03-PROJETO 03: 014.01-010, de agosto 2010 -


Projeto Mecânico de Transformadores de Potência e Reatores. ................................ 10

10 DOCUMENTOS RELACIONADOS ......................................................................... 10

10.1 MME-13153-PARINTINS-02 – Diagrama Unifilar Simplificado ........................ 11

MME-13153-PARINTINS-01 Página 2 de 11
1 INTRODUÇÃO
O presente relatório tem por finalidade orientar a TRANSMISSORA quanto à
configuração básica da implantação da Subestação PARINTINS, com esquema
de manobra com arranjo BARRA DUPLA A 4 CHAVES (BD4) para o 230 kV,
BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA COM 3 CHAVES (BPT) para o 138 kV
e CUBÍCULOS BLINDADOS (CUB) para o 13,8 kV, em terreno a ser adquirido
pela TRANSMISSORA, em atendimento à solicitação do Ministério das Minas e
Energia – MME.

2 OBJETIVO
Atendendo à solicitação do Ministério das Minas e Energia - MME, pelo Ofício n°
153/2013-SPE-MME, de 17 de maio de 2013, este estudo tem por objetivo
desenvolver o relatório R4 – Caracterização da Rede Existente, onde são
fornecidas as características técnicas das instalações a serem acessadas e
demais requisitos das instalações necessários para que o empreendimento: SE
PARINTINS e LTs associadas, venha a operar de forma harmoniosa com o
sistema circunvizinho, em conformidade com o documento “Diretrizes para
Elaboração dos Relatórios Técnicos Referentes às Novas Instalações da Rede
Básica”, emitido pela Empresa de Pesquisa Energética - EPE, nº EPE-DEE-RE-
001/2005-R1, de 16 de maio de 2005”.
Este relatório descreve as características e detalhes das instalações da
Subestação PARINTINS, concessão a ser leiloada.

3 CARACTERÍSTICAS GERAIS

3.1 Localização
A Subestação PARINTINS 230/138/13,8KV será localizada no município de
Parintins, Estado do Amazonas. A localização estimada encontra-se nas
seguintes Coordenadas Geográficas: Latitude: - 2°40'14.14"S e Longitude: -
56°44'1.87"O (Datum WGS 84).
Devido às peculiaridades da área prevista para a implantação do objeto deste R4,
recomenda-se uma visita à área indicada.
A área da implantação da Subestação PARINTINS 230/138/13,8KV não deverá
ser inferior à 60.000 m² (L=200,0 x C=300,0m) uma vez que a subestação
138/13,8 kV da distribuidora Amazonas Energia ficará conjugada com a
Subestação Parintins 230/138 kV. Este valor, no entanto, será definido no Edital
ANEEL, visto as futuras ampliações da mesma, não definidas no relatório R1 -
EPE-DEE-DEA-005/2013-rev0.
Estima-se que a SE PARINTINS seja implantada em área de relevo
medianamente plano, já antropizada, mas que ainda assim requererá algum
desmatamento de mata nativa, além de corte/aterro.

MME-13153-PARINTINS-01 Página 3 de 11
Figura 1 – Área de Implantação da SE Parintins

3.2 Composição do Empreendimento


O presente relatório tem por finalidade orientar a TRANSMISSORA quanto à
configuração básica da Subestação PARINTINS 230/138/13,8KV.
A Subestação será de 230/138/13,8KV com arranjo BARRA DUPLA 4 CHAVES
(BD4) para o 230 kV, BARRA PRINCIPAL E TRANSFERÊNCIA COM 3 CHAVES
(BPT) para o 138 kV e CUBÍCULOS BLINDADOS (CUB) para o 13,8 kV, com
previsão dos seguintes vãos conforme a seguir e MME-13153-PARINTINS-02
anexo:

 Pátio de 230 kV (BD4)


 Um (01) Módulo de Infraestrutura Geral 230 kV Barra Dupla Quatro Chaves;
 Uma (01) Interligação de Barras 230 kV;
 Duas (02) Entradas de Linha 230 kV:
 LT 230 kV Juruti C1 – 1 x 954 MCM;
 LT 230 kV Juruti C2 – 1 x 954 MCM;
 Duas (02) Conexões de Reator de Linha 230 kV;
 Dois (02) Reatores de Linha Trifásico 230 kV – 5 MVAr;
 Duas (02) Conexões de Transformador 230 kV;
 Dois (02) Autotransformadores Trifásicos 230/138-13,8 kV – 100 MVA;
 Uma (01) Conexão de Reator de Barra 230 kV;
 Um (01) Reator Trifásico 230 kV – 15 MVAr.

MME-13153-PARINTINS-01 Página 4 de 11
 Pátio de 138 kV (BPT)
 Um (01) Módulo de Infraestrutura Geral 138 kV Barra Principal e
Transferência;
 Uma (01) Interligação de Barras 138 kV;
 Duas (02) Conexões de Transformador 138 kV;
 Quatro (04) Entradas de Linha 138 kV (Amazonas Energia).

 Pátio de 13,8 kV (CUB)


 Um (01) Cubículo de 13,8kV para conexão do terciário de um dos
transformadores;
 Uma (01) conexão para a 2ª alimentação, a ser definida pela
TRANSMISSORA com base nos Procedimentos de Rede do ONS.

A TRANSMISSORA deverá ainda prever espaço para a expansão da subestação


para as seguintes ampliações já previstas:
 Pátio de 230 kV (BD4)
 Duas (02) Conexões de Transformador 230 kV;
 Dois (02) Autotransformadores Trifásicos 230/138-13,8 kV – 100 MVA;
 Uma (01) Conexão de Capacitor Paralelo 230 kV;
 Um (01) Banco de Capacitores Derivação 230 kV – 30 MVAr.

 Pátio de 138 kV (BPT)


 Duas (02) Conexões de Transformador 138 kV;
 Duas (02) Entradas de Linha 138 kV (Amazonas Energia).

3.3 Considerações Gerais


Os equipamentos deverão, como requisitos básicos, atender às normas nacionais
(ABNT) e internacionais em vigor e utilizadas no Setor Elétrico, além das
recomendações dos Procedimentos de Rede do ONS no Submódulo 2.3 –
Requisitos mínimos para Transformadores e Subestações e seus Equipamentos.

3.3.1 Transformadores de Força


(Normas ABNT-NBR 5356 / 5416 / IEC 214 / ANSI-CEI-NEMA).
Além das normas citadas, deverão ser considerados os requisitos do Projeto de
Norma ABNT/CB-03-PROJETO 03: 014.01-010, de agosto 2010 ou versão
posterior – PROJETO MECÂNICO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA E
REATORES - (ANEXO)
Observação:
1. O tanque deverá ser projetado conforme ASME seção VIII: Projeto de juntas
de soldas, tampa principal soldada, utilizar válvulas esféricas e flanges com
faces planas para uso de juntas de teflon expandido;
2. Comutador com câmara de extinção a vácuo;
3. Buchas condensivas com Invólucro em silicone e monitoramento on-line da
capacitância e tangente delta;
4. Dispositivo de alívio de pressão com tubo de explosão e disco de ruptura*
com descarga confinada. (*) NBR 5356-1.

MME-13153-PARINTINS-01 Página 5 de 11
3.3.2 Reatores Derivação
(Normas ABNT-NBR 5119).
Além das normas citadas, deverão ser considerados os requisitos do Projeto de
Norma ABNT/CB-03-PROJETO 03: 014.01-010, de agosto 2010 ou versão
posterior – PROJETO MECÂNICO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA E
REATORES - (ANEXO)
Observação:
1. O tanque deverá ser projetado conforme ASME seção VIII: Projeto de juntas
de soldas, tampa principal soldada, utilizar válvulas esféricas e flanges com
faces planas para uso de juntas de teflon expandido;
2. Comutador com câmara de extinção a vácuo;
3. Buchas condensivas com Invólucro em silicone e monitoramento on-line da
capacitância e tangente delta;
4. Dispositivo de alívio de pressão com tubo de explosão e disco de ruptura*
com descarga confinada. (*) NBR 5356-1.

3.3.3 Disjuntores:
(Normas ABNT NBR 6323 / 6940 / 7038 / 7118 / 10443 / 10478 / 11003 / 11388,
NBR IEC 60529:2005, NBR IEC 62271-100:2006, NBR IEC 60694:2006, IEC 56,
ANSI, NEMA, ASTM, AWS, ISO e ASME).

3.3.4 Secionadores, com e sem lâmina de terra:


(Normas ABNT NBR 5032 / 6323 / 6882 / 7571 / 10443 / 11003 / 11388, IEC 129
/ 265, ANSI, NEMA, ASTM, AWS, ISO e ASME).

3.3.5 Pára-raios:
(Norma ABNT NBR 5032 /5286 / 5424 / 5470 / 6323 / 6936 / 6939 / 7876, TC 37
WG-4, IEC 99-4, IEC61462-TR2, ANSI, IEEE, NEMA, ASTM, AWS, ISO e ASME).

3.3.6 Transformador de Potencial Capacitivo:


(Normas ABNT NBR 5034 / 5286 / 5307 / 6323 / 6546 / 6855 / 6939 / 7876 / 8125
/ 10022 / 10443 / 11003 / 11388, IEC-358, ANSI-C93.1, ANSI-C93.2, ANSI, NEMA
ASTM, AWS, ASME e ISO).

3.3.7 Transformador de Corrente:


(Normas ABNT NBR 5286 / 5307 / 6323 / 6821 / 6856 / 6939 / 7876 / 8125 /
10023 / 10443 / 11003 / 11388, IEC 44-1 / 44-4 / 44-6 / 185 / 186, ANSI, NEMA,
ASTM, AWS, ISO e ASME).

3.3.8 Bobinas de Bloqueio:


(Normas ABNT NBR 8119, IEC 353 / 60.353 / 99-4 / 289 / 129 / 060-1, NEMA
107).

MME-13153-PARINTINS-01 Página 6 de 11
4 REQUISITOS DO SISTEMA DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO
Seguem as especificações mínimas para a nova SE PARINTINS.

4.1 Geral
Todo o SPCS deverá atender aos Procedimentos de Rede do ONS.
O sistema de proteção e controle da Eletronorte está constituído por relés
numéricos e unidades de controle de tecnologia digital, integrados através de uma
rede local dedicada, implementada por fibras óticas e em regime dual,
redundante, em todos os níveis.

4.2 SE Parintins (Subestação Nova)


A nova subestação SE Parintins deverá ser operada por um Sistema de Proteção,
Controle e Supervisão – SPCS que atenda aos procedimentos de rede definidos
pelo ONS (Operador Nacional do Sistema), abrangendo, no mínimo SPCS para:
 Barras de 230 kV, arranjo barra dupla a 4 chaves, com interligação de
barras;
 2 (duas) entradas de linhas com reator de 230kV;
 1 (um) reator de barra, manobrável com vão completo 230kV;
 2 (dois) transformadores trifásicos de 150MVA cada 230/138/13,8kV e
conexões em todos seus níveis de tensões;
 Barras de 138kV, arranjo barra principal e transferência, com interligação
de barras;
 2 (duas) entradas de linhas de 138kV;
 4 (quatro) conexões de transformadores de 138kV;
 Serviços Auxiliares;
 Sistema de Medição de Faturamento de acordo como definido nos
procedimentos de rede do ONS, caso seja solicitado em edital específico;
 Envio de dados de supervisão do sistema para o Operador Nacional do
Sistema de acordo como definido nos seus procedimentos de rede.
Observação: Deve ser rigorosamente observado o disposto nos procedimentos de
rede do ONS, Submódulo 2.6 - Requisitos mínimos para os sistemas de proteção
e de telecomunicações item 6.2.2:
“...Adequação do sistema de proteção dos terminais da
linha de transmissão.
6.2.2.1 As proteções unitárias ou restritas de LT –
esquema com comunicação relé a relé, teleproteção,
proteções diferenciais etc. –, são consideradas como um
conjunto único de proteção englobando ambos os
terminais da LT, devendo os mesmos ser idênticos e
integrados entre si, quando comparados os dois terminais
da linha.
6.2.2.2 O requisito do item 6.2.2.1 deste submódulo deve
ser observado tanto para os sistemas de proteção quanto
para os equipamentos de telecomunicação...;”

MME-13153-PARINTINS-01 Página 7 de 11
5 SERVIÇOS AUXILIARES
O sistema de serviços auxiliares de corrente alternada e contínua ficará a critério
da TRANSMISSORA, respeitados os requisitos básicos exigidos pelo ONS e pelo
Edital ANEEL.

6 REQUISITOS TÉCNICOS DO SISTEMA DE TELECOMUNICAÇÕES


A Transmissora deverá dotar a nova subestação Parintins, assim como as novas
linhas de transmissão associadas, de todas as comunicações operativas
necessárias para atender à demanda específica, bem como atender aos
Procedimentos Rede do ONS, especialmente os Submódulos 2.6 - Requisitos
mínimos para os Sistemas de Proteção e de Telecomunicações e 13 –
Telecomunicações.

6.1 Requisitos Básicos do Sistema de Telecomunicações


O sistema de telecomunicações a ser implementado para atender a nova
subestação Parintins e das linhas de transmissão associadas, deverá atender aos
seguintes requisitos básicos:
a) Rede de cabos ópticos: composto por cabos OPGW e dielétrico, caixas de
emendas ópticas, distribuidores ópticos, etc.; o número de fibras ópticas
deverá ser tal que atenda aos requisitos de desempenho e proteção dos
equipamentos de transmissão SDH/PDH, mais reserva técnica que
corresponde ao número de fibras em operação;
b) Sistema Óptico: composto por equipamentos SDH/PDH com proteção
óptica e elétrica adequadas e canalização que atenda aos Procedimentos
de Rede do ONS e aos requisitos específicos a serem definidos pela
Aneel;
c) Sistema de Teleproteção Digital: composto por equipamentos de
teleproteção digital, dedicados e independentes em conformidade com os
Procedimentos de Rede do ONS;
d) Sistema de Ondas Portadoras: composto por equipamentos de ondas
portadoras, caixas de sintonia, bobinas de bloqueio e acessórios;
e) Sistema de Infraestrutura: composto por salas para equipamentos de
telecomunicações; sistema de alimentação em 48 Vcc em conformidade
com os Procedimentos de Rede do ONS; estações repetidoras para o
Sistema Ótico e torres de telecomunicações, caso necessário;
f) Sistema de Comutação: composto de central telefônica, ou outro meio
adequado, ao tráfego dos circuitos de voz;
g) Sistema de Rede de Dados: composto por equipamentos roteadores,
switches e rede associada, para tráfego das redes operativa e/ou
corporativa;
h) Sistema de Comunicação para manutenção das subestações e linhas de
transmissão: composto de equipamentos para comunicação ao longo das
linhas de transmissão;
i) Sistema de gerenciamento remoto: composto por equipamentos,
servidores, switches,etc. e por softwares que permitem, remotamente, a
configuração, parametrização, monitoração, visualização de alarmes,
atuação remota na solução de problemas e todas as ações e

MME-13153-PARINTINS-01 Página 8 de 11
funcionalidades associadas ao gerenciamento remoto dos equipamentos
de telecomunicações.

6.2 Observações para o Sistema de Telecomunicações

6.2.1 Com o intuito de reduzir interferências mútuas, a ocupação do espectro de RF,


destinado ao tráfego do sistema de Ondas Portadoras, deverá ser objeto de
estudo conjunto entre Eletronorte e a Transmissora.

6.2.2 Todos os sistemas e equipamentos de telecomunicações a serem instalados pela


Transmissora deverão estar em conformidade com as normas emitidas pelas
principais entidades normativas, tais como ABNT, IEC, ITUT, IEEE, etc. Todos os
equipamentos de telecomunicações a serem instalados, incluindo cabos ópticos,
deverão estar homologados pela ANATEL.

6.2.3 Aplicam-se neste item os mesmos requisitos constantes no item 4 – REQUISITOS


DO SISTEMA DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO, quando cabíveis e
não conflitantes com os aqui estabelecidos.

7 EQUIPE RESPONSÁVEL

7.1 Coordenação Geral


Eber Havila Rose - EPP
José Orlando Cintra - EET

7.2 Coordenação Técnica


Carlos Magno Camargo - EETS
Dilermando de Santana Lacerda - ETLI
Marcos Cesar de Araújo - EETL
Marinete da Rocha Quintanilha - EPPT
Wesley Santos Filho - EETP

7.3 Equipe Técnica


Antonino Claret Soares - EETP
Daniel Alves Lara Fernandes - EETS
Igor Leitao Spinelli - EETP
Jader Fernandes de Jesus - EPPT
Kenneth Roosevelt Sampaio Mendonça - EPPT
Marcelo da Silva Oliveira - EETS
Maurício Regos Ransolim - EPPT
Nagib Bechara Pardauil - ETLI
Seidi Thiago Landim Matsuda - EETL
Tarcísio de Oliveira - EETP

MME-13153-PARINTINS-01 Página 9 de 11
8 REFERÊNCIAS
 Relatório Nº EPE-DEE-DEA-RE-005/2013-rev0, de 06 de maio de 2013:
“ESTUDOS PARA LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO –
Análise Técnico-Econômica de Alternativas: Relatório R1 – Reavaliação do
Estudo de Suprimento às Cargas das Margens Direita e Esquerda do Rio
Amazonas e Tramo Oeste”;
 Ofício nº 153/2013-SPE-MME, de 17 de maio de 2013;
 Relatório Nº EPE-DEE-RE-001/2005-R1, de abril de 2005: “DIRETRIZES
PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS TÉCNICOS REFERENTES ÀS
NOVAS INSTALAÇÕES DA REDE BÁSICA”.

9 DOCUMENTOS A SEREM DISPONIBILIZADOS PELA ANEEL

9.1 Projeto de Norma ABNT/CB-03-PROJETO 03: 014.01-010, de agosto 2010 - Projeto


Mecânico de Transformadores de Potência e Reatores.

10 DOCUMENTOS RELACIONADOS

Nº Nº ELN DESCRIÇÃO

1 MME-13153-PARINTINS-01 Relatório R4 – Caracterização da Rede Existente

2 MME-13153-PARINTINS-02 Diagrama Unifilar Simplificado

MME-13153-PARINTINS-01 Página 10 de 11