Você está na página 1de 18

RELAÇÃO ENTRE DESIGN, MATERIAIS E SUSTENTABILIDADE:

ESTUDO DA VIABILIDADE DE FABRICAÇÃO DE TIJOLOS


DE SOLO-CIMENTO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO
CIVIL NA ILHA DE SÃO LUÍS.

Julyana da Silva Lima


Teoria e Crítica do Design
Prof. Dr. Raimundo Lopes Diniz
Profa. Dra. Ana Lúcia Zandomeneghi
INTRODUÇÃO
A necessidade de incorporar materiais construtivos com mínimo impacto ambiental e com
possibilidade de redução de custos pode ser considerada como uma solução adequada
para o alto índice de déficit habitacional no país.

Este artigo tem como principal objetivo estudar a relação entre design de produto,
materiais e sustentabilidade para aplicação na indústria da construção civil, a fim de
fundamentar e orientar estudos sobre a viabilidade de fabricação de tijolos com a
incorporação de solo-cimento e resíduos de construção civil (RCC) ou pó de brita.
INTRODUÇÃO
Blocos de solo
estabilizado com entulho Blocos de solo-cimento
reciclado e rejeitos Blocos cerâmicos de Blocos de solo-cimento a com resíduo de EVA,
industriais (sílica ativa, alvenaria com resíduo de incorporação de resíduos oriundo da fabricação
cinzas volantes, escórias demolição de concreto de calçados
de alto-fornos, finos de (JADOVSKI, 2005) (SOUSA, 2001)
serrarias e outros) (SILVA et al, 2008)
(CARNEIRO et al, 2001)

A adição da casca de Pó de brita em correção


arroz na mistura de solo- granulométrica de solo Concreto pré-misturado
cimento para fabricação argiloso para mistura com pó de brita ou
de materiais alternativos solo-cimento farelos de pedra
de construção (PISSATO; SOARES, (NEVES, 2001)
(MILANI; FREIRE, 2006) 2006)
INTRODUÇÃO
Tijolo:
solo-cimento + RCC

Design Sustentabilidade Materiais


DESIGN
A atividade intelectual de projetação com Uma atividade criativa [e projetual] cujo objetivo é
características multidisciplinar e interdisciplinar, estabelecer as qualidades multifacetadas de objetos,
processos, serviços e seus sistemas em ciclos de vida
visando a concepção de produtos como forma de
completos (...). Assim, o design é uma atividade que
resolução de problemas técnicos, ergonômicos, envolve um amplo espectro de profissões nas quais
sociais, mercadológicos e produtivos produtos, serviços, gráficos, interiores e arquitetura
(HIRATSUKA, 1996). tomam parte (ICSDI, 2012).

A palavra design pode remeter: a um


Nos dias atuais não é possível definir com procedimento, como o ato de projetar; ao
precisão o conceito de design, em função da resultado do processo, isto é, o produto, o
historicidade, aplicação, abrangência da área, desenho ou o protótipo; ou a soma de ambos os
e dentre outros fatores conceitos anteriores, o design de um produto,
(SCHNEIDER, 2010). sendo fruto de processos e dos resultados
intermediários (BONI, SILVA & SILVA, 2014)
DESIGN
Como consequência da evolução da ciência e tecnologia, a
definição do design sofre constantes mudanças ao longo do
tempo. O design encontra‐se, hoje, em plena metamorfose, o
que compreende definições transitórias, que mudam em função
dos interesses e ideologias.

Contudo, o design como atividade única e exclusiva ao homem


para melhorar a qualidade de vida ainda permanece como
uma questão imutável e indiscutível.
DESIGN DE PRODUTO + MATERIAIS
Conceito Cardoso (1998) enfatiza tal idéia ao considerar
o design, do ponto de vista antropológico, como
uma das diversas atividades projetuais que
Projeto Materiais
visam atribuir existência concreta e autônoma a
ideias abstratas e subjetivas.
Design de
Produto O design de produto elabora conceitos, cria e
desenvolve projetos de produtos, apontando os
Produto Técnicas melhores materiais, processos e técnicas para
produção de objetos em escala industrial, para
alcançar eficientes atributos ergonômicos,
Processos estéticos e funcionais.
DESIGN DE PRODUTO + MATERIAIS
Os avanços tecnológicos no âmbito do materiais acarretam avanços no design, permitindo
melhorias na função prática do produto ou possibilitando a criação de meios para que o design
melhore as funções intangíveis (DIAS, 2009).
De acordo com Ashby e Johnson (2010), os materiais definiram as oportunidades e os limites o
design através da própria história (Idade da Pedra, do Bronze, do Ferro, do Plástico e do
Silício).
Existe uma gama de aproximadamente 100 mil materiais, permitindo que o design seja
inovador a partir da exploração imaginativa dos novos e aprimorados materiais (ASHBY &
JOHNSON, 2010).

Vale enfatizar que para realizar a seleção dos materiais adequados, o designer deve conhecer
as opções existentes bem como algumas de suas propriedades (BEYLERIAN & DENT, 2007).
DESIGN DE PRODUTO + MATERIAIS
“materiais são a matéria de que é feito o design de produto” (ASHBY & JOHNSON, 2010)

“materiais são componentes físicos que constituem um produto” (GOMES, 2006)

“o material é o elo entre a idéia e a produção, sendo o material selecionado e processado


até a reprodução física da ideia em um produto” (FERRANTE & WALTER, 2010)

“materiais podem transformar o design, e o design, portanto, tem a força para transformar
nossas vidas” (BEYLERIAN & DENT, 2007)
SUSTENTABILIDADE + MATERIAIS
Meio
O termo Desenvolvimento Sustentável surgiu em 1987, ambiente
no Relatório Nosso Futuro Comum da "Brundtland
Commision" (Comissão Mundial para Meio Ambiente e
Desenvolvimento), como "desenvolvimento que satisfaz
as necessidades do presente sem comprometer a
capacidade das futuras gerações de satisfazer as suas
próprias necessidades" (BRUNDTLAND, 1999).
Sustentabilidade

O design sustentável busca maximizar os objetivos


ambientais, econômicos e o aumento do bem-estar Economia Social
social, considerando a responsabilidade de não
prejudicar o equilíbrio ambiental atual e garantir este
equilíbrio as gerações futuras (PAZMINO, 2007).
SUSTENTABILIDADE + MATERIAIS
Os designers são fundamentais no que diz A sustentabilidade relaciona-se com os materiais
respeito à sustentabilidade, apresentando-se quando aplica diretrizes do ecodesign no
nos estágios iniciais do processo de desenvolvimento de produtos (PAZMINO, 2007):
desenvolvimento de produtos, sendo que nestes  reduzir a utilização de recursos naturais e de
estágios as estratégias são mais flexíveis a
decisões, alterações e têm maior influência na energia;
definição de seus aspectos ambientais  usar Materiais não exauríveis (esgotáveis);
(LOFTHOUSE, 2004).  usar materiais não prejudiciais (danosos,
perigosos);
Já existem muitos estudos para a próxima  usar Materiais reciclados;
geração de materiais, processos e ferramentas
que visam o desenvolvimento de produtos  usar Materiais recicláveis;
orientados para a preservação ambiental  usar materiais renováveis;
(BEYLERIAN & DENT, 2007).  Etc.
REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS

Eficiência dos tijolos


de solo-cimento

Impactos ambientais Resultados positivos na


da indústria da incorporação de RCC
construção civil em elementos
construtivos
Estudo de
viabilidade de
incorporação
de RCC em
tijolos de solo-
cimento
REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS
“Estima-se que 50% dos Na produção do tijolo solo-cimento
recursos materiais extraídos dispensa-se o cozimento, o que impede a
queima de 12 árvores de médio porte “Além da diminuição dos custos
da natureza estão de gerenciamento do resíduo, o
relacionados à atividade de ou 170 litros de óleo a cada milheiro de
tijolos, visto somente no aspecto desta custo do produto reciclado é
construção” (SATTLER, 2007). bem menor que o agregado
fase de fabricação (CASANOVA,1988).
“O impacto ambiental natural”. (L. L. Brasileiro, 2015).
causado pela produção e “Também já houve incorporação
descarte de resíduos da de resíduos específicos da
indústria da construção civil construção civil, em que os
é um dos principais do resultados obtidos mostraram
planeta, seja pela quantidade que a adição do resíduo de
descartada diariamente ou Estudo de concreto ao solo melhorou as
pelo uso irracional das jazidas viabilidade de propriedades mecânicas dos
de recursos naturais” incorporação de tijolos solo-cimento” (Patricio et
(BAPTISTA et al. 2013). RCC em tijolos al. 2013).
de solo-cimento
CONCLUSÃO

Interligação dos • Com a compilação dos dados bibliográficos, é notória a interligação dos
materiais e sustentabilidade no amplo campo do design.
conceitos
Reconhecimento da • A maior contribuição se direciona ao reconhecimento cientifico da
necessidade por pesquisas e estudos na conjuntura do setor da construção
relevância civil que estejam focados na temática dos materiais sustentáveis.

Fomentação de • Incentivo na fomentação de estudos que abordem a sustentabilidade em


materiais e elementos construtivos a partir do reaproveitamento de
pesquisas resíduos da construção civil.

Perspectivas • Visa não somente a fabricação de tijolos com resíduos das atividades do
setor da construção civil, mas a possibilidade de construção de habitações
práticas populares para estudos mais profundos.
REFERÊNCIAS
ASHBY, M. F.; JOHNSON, K. Materials and design: the art and science of material selection in product design. Amsterdam: Elsevier/Butterworth- Heinemann, 2010

BAPTISTA JUNIOR, J. V., & ROMANEL, C. (2013). Sustentabilidade na indústria da construção: uma logística para reciclagem dos resíduos de pequenas obras. Sustainability in the
construction industry: a logistic for waste recycling of small works. Revista Brasileira de Gestão Urbana (Brazilian Journal of Urban Management), 5(2), 27–37.
https://doi.org/10.7213/urbe.05.002.SE02

BALSAMO, Anne. Design. International Journal of Learning and Media, v. 1, n. 4, p. 1- 10, 2010. Disponível em: <http://bit.ly/YwxlhF>. Acesso em: 11 jun. 2017.

BEYLERIAN, G. M.; DENT, A. Ultra materials: how materials innovation is chanching the world. Kingdom: Thame & Hudson, 2007

BONI, C. R., SILVA, K., & SILVA, J. C. P. da. (2014). A (IN)DEFINIÇÃO DO DESIGN: Os Limites do Design e a Relação com a Arte e a Indústria. 11o P&D Design - 2014, 1, 1–12.

BONSIEPE, Gui. Design, cultura e sociedade. São Paulo: Blucher, 2011. 270 p.

BONSIEPE; R. W. Um experimento em projeto de produto: desenho industrial. Brasília: CNPq/Coordenação Editorial, 1984

BÜRDEK, Bernhard. E. História, teoria e prática do design de produtos. Tradução Freddy Van Camp. São Paulo: Edgard Blucher, 2006. 496 p

CALEGARI, E. P., & DE OLIVEIRA, B. F. (2013). Um estudo focado na relação entre design e materiais. Projetica, 4(1), 49. https://doi.org/10.5433/2236-2207.2013v4n1p49

CALEGARI, E. P., & OLIVEIRA, B. F. DE. (2014). Aspectos que influenciam a seleção de materiais no processo de design. ARCOS DESIGN, 8, 1–19. Retrieved from http://www.e-
publicacoes.uerj.br/index.php/arcosdesign

CARNEIRO, P, BRUM, I. A. S. CASSA, J. C. S. Reciclagem de entulho para produção de materiais de construção, Projeto entulho bom, Salvador, BA, EDUFBA (2001) 312

CARDOSO, R. Design, cultura material e o fetichismo dos objetos. Revista Arcos (ESDI/UERJ), Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 14-39, 1998.

CARDOSO, DENIS, Rafael Cardoso. Uma introdução à história do design. São Paulo. Edgar Blücher, 2000.
REFERÊNCIAS
CARVALHO, L. F. M. Tratamentos de fibras de carnaúba [copernicia prunífera (miller) H. E. moore] para o desenvolvimento de compósito biodegradável com matriz de polihidroxibutirato.
2011. 105 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais.

CASANOVA, Francisco José. Tijolos Solo-cimento com resíduos de construção. Artigo. Revista Techne. 1988

DIAS, M. R. A. C. Percepção dos materiais pelos usuários: modelo de avaliação permatus. 2009. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) - Programa de Pós-Graduação
em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Universidade Federal de Santa Catarina, 2009.

FILHO, J. A. P., DIAS, A. J. G., & CORTES, P. L. (2014). Aspectos normativos a respeito de resíduos de construção civil: uma pesquisa exploratória da situação no Brasil e em Portugal.
Desenvolvimento E Meio Ambiente - DeMA, 29, 155–169.

FERRANTE, M.; WALTER, Y. A materialização da ideia: noções de materiais para design de produto. Rio de Janeiro: LTC, 2010.

GOMES, F. J. Design do objeto: bases conceituais. São Paulo: Escrituras, 2006.

HIRATSUKA, T. P. Contribuições da ergonomia e do design na concepção de interfaces multimídia. 1996. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Programa de Pós-
Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

INTERNATIONAL COUNCIL OF SOCIETIES OF INDUSTRIAL DESIGN – ICSDI. Definition of design. Disponível em: <http://bit.ly/9YDndi>. Acesso em: 18 de jun. 2017.

JADOVSKI, I. Diretrizes técnicas e econômicas para usinas de reciclagem de resíduos de construção e demolição. Trabalho de conclusão (Mestrado Prof.). UFRGS, Porto Alegre, RS (2005)
178p.

KAZAZIAN, T. Haverá a idade das coisas leves: design e desenvolvimento sustentável. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2005.

LÖBACH, B. Design Industrial: bases para a configuração dos produtos industriais. São Paulo: Editora Edgard Blücher, 2001.

LOFTHOUSE, V.A. 2004. Investigation into the Role of Core Industrial Designers in Ecodesign Projects. Design Studies, 25(2):215-227. http://dx.doi.org/10.1016/j.destud.2003.10.007
REFERÊNCIAS
LOFTHOUSE, V.A. 2006. Ecodesign tools for designers: de- fining the requirements. Journal of Cleaner Production, 14(15-16):1386-1395. http://dx.doi.org/10.1016/j.jclepro.2005.11.013

L. L. BRASILEIRO, J. M. E. M. (2015). Revisão bibliográfica: reutilização de resíduos da construção e demolição na indústria da construção civil. Cerâmica, 61, 178–189.
https://doi.org/10.1590/0366-69132015613581860

MANZINI, Ezio. A matéria da invenção. Tradução de Pedro Afonso Dias. Lisboa: Centro Português de Design, 1993.

MANZINI, E.; VEZZOLI, C. O desenvolvimento de produtos sustentáveis: os requisitos ambientais dos produtos industriais. São Paulo: Edusp, 2002.

MILANI, A.P.S; FREIRE, W.J. Características físicas e mecânicas de misturas de solo, cimento e casca de arroz. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v.26, n.1, p.1-10, jan./abr., 2006.

MUNARI, B. Das coisas nascem coisas. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

MONTENEGRO, Luciana. Design. In: COELHO, Luiz Antonio. L. (Org.). Conceitos-chave em design. Rio de Janeiro: PUC-Rio Novas Ideias, 2008. p. 187-188

PATRICIO, S. M. R., FIGUEIREDO, S. S., BEZERRA, I. M. T., NEVES, G. A., & FERREIRA, H. C. (2013). Blocos Solo-cal Utilizando Resíduo da Construção Civil. Cerâmica, 59(349), 27–33.
https://doi.org/10.1590/S0366-69132013000100003

PAZMINO, A. V. (2007). Uma reflexão sobre Design Social, Eco Design e Design Sustentável. I Simpósio Brasileiro de Design Sustentável, 1–10.

PISANI, M. A. J. Um material de construção de baixo impacto ambiental: o tijolo de solo-cimento. In: SINERGIA. v.6. n.1. 2005. São Paulo, 2005. 53- 59p.

POSSATTI, G. M., LINDEN, J. C. V. D. L., & SILVA, R. P. Da. (2014). REFLEXÕES SOBREAS RELAÇÕES ENTRE DESIGN E COMPLEXIDADE. P&D DESIGN, 1, 1–12.

ROZENFELD, H.; FORCELLINI, F. A.; AMARAL, D. C.; TOLEDO, J. A.; SILVA, S.; ALLIPRANDINI, D. H.; SCALICE, R. K. Gestão de desenvolvimento de produtos: uma referência para a melhoria do
processo. São Paulo: Saraiva, 2006.
REFERÊNCIAS
SANTOS, R. A., LIRA, B. B., & RIBEIRO, A. C. (2012). - Argamassa com substituição de agregado natural por resíduo de britagem de granito, REGET/UFSM pp. 1818-1828. Paraiba, 5(8),
125–135. https://doi.org/10.5902/223611707238

SANTOS, M. R. Design e cultura: os artefatos como mediadores de valores e práticas sociais. In: QUELUZ, M. L. P. (Org.). Design e cultura. Curitiba: Sol, 2005

SANTOS, A. DOS, & LEPRE, P. R. (2008). Implicações da Sustentabilidade no Escopo de Atuação do Design. Revista Estudos Em Design, 16(n. 2), 1–14. Retrieved from
http://www.maxwell.lambda.ele.puc-rio.br/estudos_em_design.php?strSecao=INPUT2&Session=SHOW9&NrSeqFas=101&cor=

SATTLER, M. A. Habitações de baixo custo mais sustentáveis: a Casa Alvorada e o Centro Experimental de Tecnologias Habitacionais Sustentáveis. Coleção Habitare, v. 8. 488 p. Porto
Alegre, ANTAC, 2007. Disponível em: <http://www.habitare.org.br/>.

SCHULMANN, Denis. O Desenho Industrial. Campinas: Papirus, 1994.

SILVA, E. P. NASCIMENTO, J. W. B. BARBOSA, N. P. LEAL, A. F. Rev. Eletr. Mater. Proc. 3, 2 (2008) 44-49.

SOUSA, J. G. G. Contribuição ao estudo da relação entre propriedades e proporcionamento de blocos de concreto - Aplicação ao uso de entulho como agregado reciclado, Diss. Mestrado,
UNB, DF (2001) 124p.

VEZZOLI, Carlo. Design per la sostenibilità: una disciplina (sempre più) articolata, in Vezzoli C., Tamborrini P. (a cura di), Design per la sostenibilità. Strumenti e strategie per la decade
“Educazione per lo sviluppo sostenibile, Nazioni Unite (2005‐2014)”, patrocinato da Nazioni Unite (DESD), Commissione Nazionale UNESCO e provincia di Milano, LlibreriaClup editore, ISBN
978‐88‐7090‐949‐4, Milano, 2007a, pp. 31‐45.

Você também pode gostar