Você está na página 1de 12

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

SUBESTAÇÕES ABRIGADAS DE 2x750kVA,


1x500kVA COM ENTRADA EM RAMAL
AÉREO EM CABINE DE MEDIÇÃO E
PROTEÇÃO EM MÉDIA TENSÃO COM
RAMAL INTERNO EM REDE DE MÉDIA
TENSÃO COMPACTA 15kV.

AGRONOR ALIMENTOS LTDA

ROD BR222, SN, km 268, ZONA RURAL

IGARAPÉ DO MEIO - MA

FEVEREIRO / 2019
SUMÁRIO

1. OBJETIVO

2. REFERÊNCIAS TÉCNICAS

3. CONSIDERAÇÕES GERAIS

4. CARGA INSTALADA E DEMANDA MÁXIMA

5. DIMENSIONAMENTO DA SUBESTAÇÃO

6. DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES DE ALIMENTAÇÃO

7. DETALHES DA SUBESTAÇÃO ABRIGADA

8. CABINE DE MEDIÇÃO

9. ATERRAMENTO

10. PROTEÇÃO DO RAMAL DE MÉDIA TENSÃO

11. CONEXÕES

12. ANEXOS

13. REFERÊNCIAS AUTORAIS

14. DADOS DO CLIENTE


1. OBJETIVO

Este projeto tem por objetivo descrever as principais características técnicas do projeto das
subestações abrigadas de 1 x 500kVA e 2 x 750kVA com entrada em ramal aéreo em cabine de
medição e proteção em média tensão com ramal interno em rede de média tensão compacta
15kV, para o atendimento de energia elétrica nas instalações elétricas da AGRONOR
ALIMENTOS LTDA, localizado na BR 222, km 268, s/n°, Zona Rural, no município de
Igarapé do Meio – MA.

2. REFERÊNCIAS TÉCNICAS

Na elaboração deste projeto foram consultadas as seguintes Normas Técnicas da


Concessionária – CEMAR e ABNT
 NT.31.002.07 - Fornecimento de Energia Elétrica em Média Tensão 15 e 36.2 kV)
 NT.018.EQTL - Normas e Padrões - Rede de Distribuição Compacta
 ABNT/NBR 5410 / 2008 – Instalação Elétrica de Baixa Tensão
 ABNT NBR 10295 / 2011 – Transformadores de potência secos - Especificação

3. CONSIDERAÇÕES GERAIS

Estão sendo construídas as novas instalações da AGRONOR ALIMENTOS LTDA, as


quais serão supridas com a instalação de 02(duas) subestações abrigadas, onde a medição será feita
em média tensão (13,8kV) construída na entrada do ramal de alimentação e a proteção primária será
no mesmo cubículo, e as subestações serão com transformadores a seco e com potências
padronizadas de 750kVA e 500kVA, com tensão primária de 13,8kV. Este projeto foi elaborado
conforme as recomendações técnicas da concessionária local, onde a construção da subestação será
de inteira responsabilidade do proprietário e a medição será feita de acordo com o padrão adotado
pela CEMAR.
4. CARGA INSTALADA E DEMANDA MÁXIMA

O levantamento das cargas instaladas consta na tabela conforme anexo padrão fornecido pela
CEMAR, sem previsão de alteração:

CÁLCULO DA DEMANDA SUBESTAÇÃO 500kVA

QUADRO DE CARGAS PARA CÁLCULO PRELIMINAR DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA

Carga Carga
Potência Demanda Demanda
Item Descrição Qtd Instalada FP Instalada FD
(kW) (kW) (kVA)
(kW) (kVA)

1 MOTOR 50CV 1 40,93 40,93 0,84 48,73 1 40,93 48,73

2 MOTOR 50CV 3 40,93 122,79 0,84 146,18 0,6 73,67 87,71

3 MOTOR 1/4CV 4 0,39 1,56 0,61 2,56 0,6 0,94 1,53

4 MOTOR 1CV 2 1,05 2,10 0,69 3,04 0,6 1,26 1,83

5 MOTOR 2CV 9 1,95 17,55 0,72 24,38 0,6 10,53 14,63

6 MOTOR 3CV 7 2,95 20,65 0,73 28,29 0,6 12,39 16,97

7 MOTOR 5CV 10 4,51 45,10 0,75 60,13 0,6 27,06 36,08

8 MOTOR 7,5CV 10 6,57 65,70 0,76 86,45 0,6 39,42 51,87

9 MOTOR 10CV 5 8,89 44,45 0,77 57,73 0,6 26,67 34,64

10 MOTOR 12,5CV 2 10,85 21,70 0,77 28,18 0,6 13,02 16,91

11 MOTOR 15CV 3 12,82 38,46 0,77 49,95 0,6 23,08 29,97

12 MOTOR 25CV 4 20,92 83,68 0,81 103,31 0,6 50,21 61,99

13 MOTOR 30CV 6 25,03 150,18 0,82 183,15 0,6 90,11 109,89

14 TUG 20 0,6 12,00 0,92 13,04 0,6 7,20 7,83

15 LAMPADAS 45W 120 0,045 5,40 0,92 5,87 0,6 3,24 3,52

16 LAMPADAS 150W 20 0,15 3,00 0,92 3,26 0,6 1,80 1,96

TOTAL 675,25 844,24 421,52 526,03

FATOR DE DEMANDA DA ATIVIDADE 0,65

FATOR DE POTÊNCIA DE REFERÊNCIA 0,92

FATOR DE POTÊNCIA MÉDIO DA


0,80
INSTALAÇÃO

CÁLCULO DA DEMANDA SUBESTAÇÃO 2 x 750kVA


QUADRO DE CARGAS PARA CÁLCULO PRELIMINAR DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA ¹

Carga Carga
Potência Demanda Demanda
Item Descrição Qtd Instalada FP Instalada FD
(kW) (kW) (kVA)
(kW) (kVA)

1 MOTOR 400CV 1 288,08 288,08 0,87 331,13 1 288,08 331,13

MOTOR 400CV
2 1 288,08 288,08 0,87 331,13 0,6 172,85 198,68
RESERVA

3 MOTOR 1/4CV 1 0,39 0,39 0,61 0,64 0,6 0,23 0,38

4 MOTOR 1/2CV 7 0,58 4,06 0,66 6,15 0,6 2,44 3,69

5 MOTOR 3/4CV 9 0,83 7,47 0,66 11,32 0,6 4,48 6,79

6 MOTOR 1CV 35 1,05 36,75 0,69 53,26 0,6 22,05 31,96

7 MOTOR 1,5CV 31 1,54 47,74 0,71 67,24 0,6 28,64 40,34

8 MOTOR 2CV 58 1,95 113,1 0,72 157,08 0,6 67,86 94,25

9 MOTOR 3CV 63 2,95 185,85 0,73 254,59 0,6 111,51 152,75

10 MOTOR 5CV 31 4,51 139,81 0,75 186,41 0,6 83,89 111,85

11 MOTOR 7,5CV 22 6,57 144,54 0,76 190,18 0,6 86,72 114,11

12 MOTOR 10CV 10 8,89 88,9 0,77 115,45 0,6 53,34 69,27

13 MOTOR 12,5CV 1 10,85 10,85 0,77 14,09 0,6 6,51 8,45

14 MOTOR 15CV 3 12,82 38,46 0,77 49,95 0,6 23,08 29,97

15 MOTOR 20CV 4 17,01 68,04 0,77 88,36 0,6 40,82 53,02

16 MOTOR 30CV 5 25,03 125,15 0,82 152,62 0,6 75,09 91,57

17 MOTOR 125CV 2 100,67 201,34 0,86 234,12 0,6 120,80 140,47

18 TUG 108 0,6 64,8 0,92 70,43 0,6 38,88 42,26

19 LAMPADAS 45W 280 0,045 12,6 0,92 13,70 0,6 7,56 8,22

20 LAMPADAS 150W 98 0,15 14,7 0,92 15,98 0,6 8,82 9,59

50

TOTAL 1.880,71 2.343,84 1.243,66 1.538,75

FATOR DE DEMANDA DA ATIVIDADE 0,73

FATOR DE POTÊNCIA DE REFERÊNCIA 0,92

FATOR DE POTÊNCIA MÉDIO DA INSTALAÇÃO 0,80

- Potência Instalada em kW – 2.554,96 kW


- Potência Instalada em kVA – 3.188,08 kVA

- Demanda em kW – 1.665,18 kW

- Demanda em kVA – 2061,78 kVA

5. DIMENSIONAMENTO DA SUBESTAÇÃO

Na subestação I, considerando a demanda máxima de Dmáx.= 1.420,86 kVA ( faixa 1.376


a 1.650 kVA ) Tabela 4, optou-se por dimensionar 02(dois) transformadores trifásicos a seco com
potência nominal de 750 kVA, 13.800/380/220V, na configuração delta no primário e estrela no
secundário, com neutro acessível, com comutador de tap´s primários externos e com tap´s
primários de 13,8 / 13,2 / 12,6 / 12 / 11,4 kV, frequência nominal 60Hz, Classe de Tensão 15kV.

CARACTERÍSTICAD DO TRANSFORMADOR

 Potência: 500 kVA


 Norma de Fabricação: NBR 5440
 Refrigeração: AN - Ar Natural – A seco
 Classe de Tensão (kV): 15 kV
 Tensão Primária: 13,8/13,2/12,6/12/11,4 kV
 Tensão Secundária: 380/220 V
 Primário: Triângulo (delta)
 Secundário: Estrela com neutro acessível
 Grupo de Ligação: DYN1
 Frequência nominal: 60 Hz
 Elevação de Temperatura: 105°C no enrolamento e 115°C ponto mais quente
 Perdas em vazio (perdas no ferro): 1.364,04 W
 Perdas totais: 6.846,07W
 Corrente de excitação: 0,469 %
 Impedância de C.C.(Z%) 5,46 %

Na subestação II, considerando a demanda máxima de Dmáx.= 526,03 kVA ( faixa 334 a
550 kVA ) Tabela 4, optou-se por dimensionar 02(dois) transformadores trifásicos a seco com
potência nominal de 750 kVA, 13.800/380/220V, na configuração delta no primário e estrela no
secundário, com neutro acessível, com comutador de tap´s primários externos e com tap´s
primários de 13,8 / 13,2 / 12,6 / 12 / 11,4 kV, frequência nominal 60Hz, Classe de Tensão 15kV.
CARACTERÍSTICAD DOS TRANSFORMADORES
 Potência: 7500 kVA
 Norma de Fabricação: NBR 5440
 Refrigeração: AN - Ar Natural – A seco
 Classe de Tensão (kV): 15 kV
 Tensão Primária: 13,8/13,2/12,6/12/11,4 kV
 Tensão Secundária: 380/220 V
 Primário: Triângulo (delta)
 Secundário: Estrela com neutro acessível
 Grupo de Ligação: DYN1
 Frequência nominal: 60 Hz
 Elevação de Temperatura: 105°C no enrolamento e 115°C ponto mais quente
 Perdas em vazio (perdas no ferro): 1.936,41 W
 Perdas totais: 9.434,70W
 Corrente de excitação: 0,534 %
 Impedância de C.C.(Z%) 5,74 %

6. DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES DE ALIMENTAÇÃO

6.1. ALIMENTADOR DE MÉDIA TENSÃO


A rede primária de entrada será trifásica, construída com cabo de alumínio isolado
3#70mm²-15kV (XLPE) do poste de derivação da rede da concessionaria até a cabine de
medição em média tensão, e desta segue em rede compacta trifásica, construída com cabo de
alumínio isolado 3#70mm²-15kV (XLPE), em tensão primária de 13,8kV com extensão
total de 560 metros conforme desenho em anexo.
O alimentador das cabines de transformação abrigadas de 500kVA e 2 x 750kVA, será
aéreo em cabo de alumínio isolado 3#70mm²-15kV (XLPE), e partirá de estruturas
projetadas conforme a NT.018.EQTL e chegando aos isoladores de ancoragem na estrutura
das cabine de transformação donde seguirá pelas buchas de passagem, sendo aterrado com os
para-raios na parte externa das cabines, e em seguida pelo vergalhão de cobre circular de 3/8”,
passando pelos isoladores, chaves seccionadora com fusíveis tipo HH e indo para as buchas dos
transformadores.
6.2. ALIMENTADORES DE BAIXA TENSÃO
O alimentador de baixa tensão entre o transformador e o quadro de distribuição geral do
prédio foi dimensionado pelo critério da condução de corrente, observando a corrente nominal
do transformador de potência.
500
I = ------------------ = 759,67 A
3 x 380

750
I = ------------------ = 1.139,51 A
3 x 380

Conforme os dados acima calculados os alimentadores deverão ser construídos com cabo
de cobre unipolar XLPE, isolação 90°C, 0,6/1 kV, com seção de 2 x 300mm² e 3 x 300mm²
para os condutores fase e neutro e para os transformadores de 500kVA e 750kVA
respectivamente, lançados em eletrodutos até a sala de painéis de baixa tensão.

7. DETALHES DA SUBESTAÇÃO ABRIGADA / CABINE DE MEDIÇÃO

A subestação abrigada possui as seguintes características básicas:


 Cabine de transformação: Construída em alvenaria e concreto, com pé direito de 6,00m e com
inclinação de 2% em laje técnica com teto em laje de concreto.
 Ventilação: Será natural realizada através de venezianas providas de telas externas com malha
em arame de aço galvanizado #12BWG com espessura de 13mm.
 Acesso da Subestação: Através de porta em chapa metálica com dimensões de 1,00x2,10m em
duas folhas, abrindo para fora, com placa de advertência externa com os dizeres “PERIGO DE
MORTE – ALTA TENSÃO”, em acrílico ou chapa metálica.
 Proteção contra Incêndio: Será através de extintor de CO2 6kg, localizado na área externa e
interna da subestação ao lado das portas de acesso.
 Número de transformadores: 1 x 500 kVA e 2 x 750 kVA , instalados em baia de alvenaria,
em base de concreto conforme desenho anexo.
 Especificações dos transformadores: Trifásicos, potência de 500kVA-ANAN e 750kVA-
ANAN, com primário em 13,8kV, grau de proteção 00 sem gabinete, secundário 380/220 volts,
delta/estrela aterrada, resfriamento a seco, encapsulado em resina de epóxi e pó de quartzo,
frequência de 60 Hz, tipo compacto, nível de isolamento primário 34,5/95kV e secundário 4kV;
comutação para mudança de tap’s, terminais de aterramento e rodas bidirecionais.
 Cabos de alimentação de média tensão: 03(três) cabos 70mm²-15kV (XLPE).
 Cabos de alimentação de baixa tensão: cabos de cobre, isolamento XLPE, 90ºC, 0,6/1kV,
instalados em eletrodutos até a sala de painéis de baixa tensão.
 Proteção do Circuito Geral de BT: Na Subestação I de 500kVA será através de um
disjuntor termomagnético, com corrente nominal de 800A, e na Subestação II de 2 x 750kVA
será através de 0(dois) disjuntores termomagnéticos com corrente nominal de 1.200A todos
em caixa moldada, e instalados em Quadro Geral de Baixa Tensão (QGBT).
 Proteção de Sobretensão: Através de 03(três) para-raios com corpo polimérico, em óxido de
zinco, classe de tensão 12 kV, NBI 95kV, capacidade de interrupção 10 kA, com desligador
automático, instalados na estrutura interna da subestação.
 Seccionamento da Média Tensão: através de chaves seccionadoras tripolares com fusíveis
limitadores de corrente tipo HH, 15 kV, corrente nominal de 200A, abertura sem carga
instalada na cabine medição e proteção e abertura com carga instalada nas cabines das
subestações.
 Interligação das buchas de MT com as chaves seccionadoras: será através de barramento
em vergalhão de cobre de 3/8" pintados nas cores vermelha, branca e marrom.

8. CABINE DE MEDIÇÃO E PROTEÇÃO


A medição de energia será feita na média tensão através de 03 TP’s e 03 TC’s a serem
instalados pela concessionária CEMAR, em cabine de medição e proteção primária especifica
para este fim, projetada conforme desenhos em anexo. A instalação da medição de inteira
responsabilidade da CEMAR.
8.1. DETALHES DA CABINE PRIMÁRIA

A cabine de medição possui as seguintes características básicas:


 Possui 01 baia em base de concreto para o banco de TC’s e TP’s, conforme desenho anexo.
 Possui 01 baia em base de concreto para o disjuntor de média tensão, conforme desenho
anexo.
 A caixa de medição em média tensão será conforme desenho 19 - NT.002.EQTL, em corpo
de aço chapa n°18.
 Os cabos de alimentação de baixa tensão (Quadro Medição) serão de cobre, isolados,
isolação XLPE, 90ºC, 0,6/1 kV, 1 x 35 mm² para as três fases, instalados em eletroduto de aço
galvanizado ø 1 ½ ”.
 Barramento de interligação das buchas de passagem, será em isoladores de pedestal, até os
equipamentos da cabine, através de barramento em vergalhão de cobre de 3/8" pintados nas
cores vermelha, branca e marrom.
 O sistema de iluminação interna da subestação será alimentado por um ramal externo em
baixa tensão.
 As telas de proteção internas serão em aço galvanizado com malhas de 18m, máxima de
20mm, e as venezianas de ventilação com malha de 13mm.
 As portas de acesso externo serão em chapa de aço galvanizado, nas dimensões conforme
projeto anexo.
 As janelas de ventilação terão dimensões conforme projeto anexo.

8.2. PROTEÇÃO NA MÉDIA TENSÃO


a) Sobrecorrente
A proteção primária é feita por Disjuntor Tripolar a vácuo, corrente nominal 630A, equipado
com 03 TC’s secundários, capacidade de interrupção de 350MVA, classe 17,5 kV, tensão suportável
de impulso atmosférico 95kV, corrente de interrupção assimétrica 31,5kA, com capacidade de
interrupção de curto circuito 16kA, com proteção indireta 50/51 e 50/51N através de relé
multifunção incorporado. Antes do disjuntor será instalada seccionadora tripolar com fusíveis
limitadores de corrente tipo HH, 15 kV, abertura sem carga, com corrente nominal de 200A,
classe 15 kV, e com alavanca de manobra.
a) Sobretensão
A proteção de sobretensão na MT será efetuada por para-raios em óxido de zinco, em
corpo polimérico, classe de tensão 12 kV, NBI 95kV, capacidade de interrupção 10kA, com
desligador automático, instalados na entrada da estrutura externa do cubículo de medição.

9. ATERRAMENTO

9.1. ATERRAMENTO DA SUBESTAÇÃO / CABINE DE MEDIÇÃO


As malhas de aterramentos serão construídas com hastes cooperweld
de 16 x 3000mm, dispostas em malhas retangulares, interligadas com cabo
de cobre nu, têmpera meia-dura, na bitola de 50mm². As conexões das
malhas de terra serão todas feitas com solda exotérmica, e todas as partes
metálicas não energizadas da subestação serão aterradas na respectiva
malha.

9.2. DETALHES TÉNICOS DO ATERRAMENTO


 A resistência de aterramento não deverá ser superior a 10 ohms, em
qualquer época do ano, para o sistema de tensão nominal, classe 15kV ou
36,2kV
 Deverão ser ligadas ao sistema de aterramento, todas as partes metálicas normalmente sem
tensão, da subestação abrigada, cubículos, e de equipamentos, tais como portas, janelas
metálicas, suportes de equipamentos, carcaças de equipamentos e disjuntores de alta tensão,
portões cercas de proteção, caixas de medição, eletrodutos metálicos e outros.
 Os condutores de aterramento deverão ser protegidos, em sua descida ao longo das paredes
por eletrodutos de PVC rígido, nunca por dutos metálicos.
 As extremidades superiores dos eletrodos deverão ficar aproximadamente a 0,10 metros
abaixo da superfície do solo e protegidas com caixas permitindo o acesso para fim de inspeção
de medição do valor da resistência de aterramento com dimensões mínimas de 0,30 x 0,30
metros e drenagem.

10. PROTEÇÃO DO RAMAL DE MÉDIA TENSÃO


A proteção será efetuada através do conjunto de 03(três) chaves fusíveis unipolares, classe
de tensão 15kV, corrente nominal de 300A, NBI/95 kV, capacidade de ruptura de 10 kA, base
tipo C – tipo XS, com elos fusíveis instalados na estrutura de derivação em poste de concreto
DT 300/11 projetado.

11. CONEXÕES
As conexões serão feitas como está descrito abaixo, seguindo as recomendações técnicas
da CEMAR.

a) CONEXÕES DAS CHAVES FUSÍVEIS DO RAMAL DE DERIVAÇÃO


 Parte superior – Será utilizado cabo de alumínio isolado 15kV #70mm² com conector cunha.
 Parte inferior – Será utilizado cabo de alumínio isolado 15kV #70mm².
b) CONEXÕES DAS CHAVES FUSÍVEIS DAS SUBESTAÇÕES
 Parte superior – Será utilizado cabo de alumínio isolado 15kV #70mm² com conector cunha.
 Parte inferior – Será utilizado cabo de alumínio isolado 15kV #70mm².
c) CONEXÃO DOS PÁRA-RAIOS COM A REDE DE MT
 Será utilizado cabo de cobre nu # 25mm² com conector cunha.
d) ATERRAMENTO DA EDÍCULA DA SUBESTAÇÃO
 Os equipamentos serão providos de conectores para aterramentos e interligados com
cabos de 25 mm²;
 As conexões da malha de terra serão todas feitas com solda exotérmica.
12. ANEXOS

 Desenhos
 Relação do Material
 Planilha de Cálculo de Demanda
 ART

13. REFERÊNCIAS AUTORAIS

 ENGº. ELETRICISTA: JOSÉ CARLOS SANTOS DA SILVA


 RN: 110516249-4 / MA
 FONE: 0XX(098) 98775-6168

14. DADOS DO CLIENTE

 AGRONOR ALIMENTOS LTDA


 CNPJ: 21.641.904/0001-76
 RODOVIA BR222, SN, km 268, ZONA RURAL DE IGARAPÉ DO MEIO - MA

José Carlos Santos da Silva


ENGº. ELETRICISTA
RN: 110516249-4 / MA