Você está na página 1de 6

RAIO-X DAS PROVAS DE PORTUGUÊS DE CADA BANCA – FERNANDO PESTANA

https://www.facebook.com/search/str/%23RaioX/keywords_blended_photos?f=Abr_YyTF877V7X89N2U
2_5w63iEx0eJ0Q25tGwi83AtGwDvcsxEFIksTK2lj17St0C_rM-
vfwFw98bPJP0TXJ7dnobIGAz_1_xJ4D0hvASHkI9yLZlV5a19HhmZMOeB2Dq4&epa=SEE_MORE

Cespe:

Normalmente, 55% das provas de Português do Cespe trabalham gramática. Esqueça, então, esse papo de
que "Cespe é só interpretação". Vamos ver o que cai de gramática!

1) Coesão: estudar como os substantivos e os pronomes estabelecem a coesão referencial; já a coesão


sequencial é estabelecida por meio de preposições e conjunções (ter em mente todas as conjunções é
megaimportante!).

2) Ortografia: estudar aquelas expressões que geram dificuldades na grafia: "por que, porque, por quê,
porquê"; "cerca de, a cerca de, há cerca de"; "mal, mau"; "há, a"?...

3) Acentuação: estudar as regras das paroxítonas, das proparoxítonas, dos hiatos tônicos e dos verbos vir e
ter, principalmente.

4) Semântica: estudar os conceitos de denotação, conotação e sinonímia.

5) Pronomes: é preciso estudar o emprego dos pronomes relativos, pronomes pessoais


oblíquos e a colocação pronominal.

6) Verbo: estudar o emprego dos tempos e modos verbais, correlação verbal, transposição de voz verbal,
locução verbal/tempo composto.

7) Sintaxe: saber identificar as funções sintáticas dos termos e das orações.

8) Pontuação: estudar bem as regras básicas de vírgula... além de ponto e vírgula, travessões, parênteses e
dois-pontos.

9) Concordância: estudar as regras básicas de concordância verbal (principais: verbo na voz passiva, sujeito
oracional e verbo haver) e concordância nominal.

10) Regência e Crase: basta entender o conceito de regência, pois quase não se trabalham as regências
específicas dos verbos; é preciso conhecer bem as regras básicas de crase e os casos de crase facultativa e
com paralelismo.

11) Palavras QUE e SE: dominar o uso de “que” como conjunção integrante e pronome relativo, e o uso de
“se” como partícula apassivadora e partícula de indeterminação do sujeito, principalmente.

12) Reescritura e Correção: é o assunto mais frequente de todos; em uma questão, a banca cobra do
candidato o conhecimento de várias regras gramaticais: ortografia, acentuação, emprego de classes de
palavras, pontuação, concordância, regência, crase, colocação pronominal.
FCC:

1) COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS. A maioria dos textos são dissertativo-argumentativos


ou narrativos (crônicas), por isso é importante saber todas as características desses tipos/gêneros textuais.
Cerca de 40% da prova trabalha interpretação, muitas vezes de nível pesado. Por isso recomendo que faça as
de gramática primeiro, para não perder tempo lendo, refletindo e interpretando.

2) ORTOGRAFIA E ACENTUAÇÃO. Cai pouco. Normalmente a banca trabalha em cima de algumas


expressões que geram dificuldade na escrita (por que, por quê, porque, porquê; senão, se não; há, a; a cerca
de, há cerca de, acerca de...). Trabalha também o emprego de certas letras (x/ch, s/ss/z/ç...). É preciso saber
todas as regras de acentuação, mas cai pouco.

3) FLEXÃO NOMINAL E VERBAL. Cai pouquíssimo, OK?! A banca trabalha o plural de substantivos e
adjetivos compostos, e a conjugação verbal de alguns verbos, como: ser, ir, haver, reaver, pôr (e derivados),
vir (e derivados), ver, fazer, caber, valer, sortir, surtir, requerer, precaver, verbos terminados em -iar e -ear.

4) PRONOMES: EMPREGO, COLOCAÇÃO E FORMAS DE TRATAMENTO. É preciso saber bem como usar
os pronomes pessoais oblíquos átonos no lugar de substantivos e a colocação deles. Correndo por fora, é
preciso saber o uso dos pronomes relativos, principalmente o "que" e o "cujo".

5) EMPREGO E CORRELAÇÃO DE TEMPOS E MODOS VERBAIS, E VOZES VERBAIS. A banca trabalha


muito a identificação dos tempos e modos verbais (o pretérito imperfeito do indicativo é o queridinho da
banca). Além disso, sugiro que estude "correlação verbal"! Quanto a vozes verbais, é preciso saber fazer a
transposição da voz ativa para a passiva, e vice-versa, e a transposição da voz passiva analítica para a
passiva sintética, e vice-versa.

6) SINTAXE DA ORAÇÃO E DO PERÍODO. É importante saber identificar os principais termos sintáticos


(essenciais, integrantes e acessórios) e estudar predicação/transitividade verbal.

7) PONTUAÇÃO. É preciso conhecer as principais regras de vírgula (!!!), ponto e vírgula, dois-pontos,
travessão e parênteses.

8) CONCORDÂNCIA. Não caem todos os casos de concordância, só os mais conhecidos. Trabalham-se


muitas frases com a inversão do sujeito, com a partícula apassivadora, com sujeitos oracionais, com o
antecedente do pronome relativo e, sobretudo, os casos de dupla concordância (principalmente com sujeito
coletivo/partitivo seguido de especificador no plural). Não se esqueça de estudar de leve a concordância do
verbo ser e dos adjetivos.

9) REGÊNCIA. É preciso entender o conceito de regência para acertar as questões de crase e as questões de
complemento verbal, que são frequentes, sobretudo com pronome relativo, em que se precisa saber o uso ou
não da preposição correta.

10) CRASE. É preciso dominar tudo, não há opção.

11) COESÃO E COERÊNCIA. É preciso dominar principalmente as conjunções e seus valores semânticos
diversos; dê uma olhada em preposições e locuções prepositivas de leve. Além disso, é bom estudar o papel
coesivo dos pronomes.

12) REESCRITURA E CORREÇÃO (Reconhecimento de frases corretas e incorretas). Cai muito! Cai sempre!
Numa questão disso, a banca coloca cinco frases para você analisar gramaticalmente (nessa brincadeira, é
preciso dominar todos os tópicos gramaticais já mencionados nos números acima). Qual frase está certa e
qual está errada? Esse é o objetivo desse tipo de questão.

13) QUESTÕES HÍBRIDAS. Em concursos "pesados", a banca gosta de trabalhar questões que apresentam
assuntos gramaticais diferentes a cada alternativa. Por exemplo, na letra A, ela cobra coesão; na B,
pontuação; na C, concordância; na D, verbo; na E, crase.
Vunesp:

Pense numa banca tranquila e justa, na maioria esmagadora das vezes.

1) Interpretação: a banca trabalha com textos dissertativos e narrativos, em sua maioria crônicas, artigos de
opinião e quadrinhos. O nível delas é fácil e representa no máximo 30% da prova.

2) Regras básicas de acentuação gráfica e de ortografia (cai pouco).

3) Denotação e conotação, sinônimos, antônimos, homônimos, parônimos, fatos da língua culta (uso dos
porquês, mal x mau, mais x mau, acerca de x há cerca de x cerca de, há x a...).

4) Pronomes pessoais (sobretudo colocação pronominal), demonstrativos e relativos são os que mais caem.

5) Sobre verbo, estude conjugação verbal (principalmente os verbos a seguir e seus derivados: pôr, vir, ter,
ver) e emprego de tempos e modos verbais.

6) Preposição (valores semânticos) e Conjunção (estude tudo!).

7) Análise sintática (normalmente identificação de termos sintáticos do período simples).

8) Pontuação (casos básicos de vírgula, principalmente). Raramente aparece outro sinal.

9) Concordância verbal e nominal (estude os casos mais comuns).

10) Regência (estude os principais verbos).

11) Crase (casos básicos, sobretudo os proibitivos).

12) Coesão (estude coesão referencial (uso de pronomes para retomada de termos, principalmente) e
sequencial (uso de conjunções e seus valores semânticos, principalmente).
FGV:

1) Os textos da FGV têm que perfil?

Normalmente “artigos de opinião”, “textos didáticos”, “textos publicitários”, "textos informativos”, “textos
preditivos”, “crônicas”, “charges”, “quadrinhos”, etc. Portanto, domine as características desses gêneros
textuais.

2) Quais são os assuntos encontrados nas provas da FGV?

1º lugar disparado: interpretação de texto e/ou análise textual (textualidade: tipologia e gêneros)
2º lugar: semântica (sentido de vocábulos [com ou sem mudança de posição], intertextualidade, modalização,
ambiguidade, linguagem figurada)
3º lugar: reescritura e correção (envolvendo conectivos ou orações reduzidas para desenvolvidas)
4º lugar: coesão (normalmente conjunções e termos anafóricos, catafóricos ou dêiticos)
5º lugar: verbo (emprego de tempos e modos, voz verbal, conjugação, uniformidade de tratamento)
6º lugar: sintaxe (normalmente diferença entre CN e ADN ou orações subordinadas)
7º lugar: questão híbrida (assuntos diversos numa mesma questão)
8º lugar: reconhecimento, emprego e/ou colocação de classes gramaticais (principalmente de pronomes
pessoais, indefinidos, relativos, substantivos, adjetivos [esta classe vem caindo muito!], advérbios e
preposições)
9º lugar: estrutura e/ou processo de formação de palavras
10º lugar: registro/variação linguístico(a)
11º lugar: pontuação
12º lugar: concordância
13º lugar: regência e crase
14º lugar: ortografia e/ou acentuação

3) A FGV tende a seguir a linha gramatical de que gramático(s)?

A FGV trabalha conceitos gramaticais praticamente unânimes entre os gramáticos. Mas não se engane! Em
processo de formação de palavras (derivação), segue a visão do Bechara. Em adjetivo (adjetivo de relação e
valores discursivos), segue a visão do Celso Cunha e José Carlos de Azeredo. Em pronome demonstrativo
(função textual), segue mais a visão do Bechara. Em verbo (voz verbal), segue a visão do Bechara. Em CN x
ADN, segue mais a visão do Bechara. Em Interpretação, segue o Satanás (rs). É uma banca cheeeeia de
insanidades.
AOCP:

Vou abordar tanto a banca AOCP Concursos quanto a banca Instituto AOCP, pois elas são muuuuuito
semelhantes.

1) INTERPRETAÇÃO. As bancas demonstram predileção por textos dissertativos longos, os quais defendem
uma tese com base em estudos e pesquisas. Em cerca de dez questões, a média é de até três questões de
interpretação.

2) FONOLOGIA, ACENTUAÇÃO, ORTOGRAFIA E SEMÂNTICA. Desses assuntos, Acentuação e Semântica


são os mais recorrentes; quase sempre cai uma questão na prova. Em Acentuação, saiba todas as regras
principais; em Semântica, aumente seu vocabulário, pois as bancas adoram sinônimos. Sobre Fonologia,
estude dígrafos e encontros vocálicos (raramente cai algo além disso). Em Ortografia, vale estudar o emprego
das letras S, C, Ç, X, Z.

3) ESTRUTURA E PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS; IDENTIFICAÇÃO DE CLASSES


GRAMATICAIS. Estude derivação e composição, em Processo de Formação de Palavras. Mas saiba que o
que mais cai é a Identificação de classes gramaticais: você precisa saber identificá-las, sobretudo o vocábulo
“que”, o qual é comumente um pronome relativo ou uma conjunção integrante (depois não diga que não
avisei).

4) VERBO E PRONOME. Sobre Verbo, estude os tempos e modos verbais (identificação, sobretudo) e voz
verbal; sobre Pronome, estude os pronomes pessoais e os relativos. Dominando isso, terá mais de 90% de
chance de acertar uma questão sobre essas duas classes gramaticais gigantes.

5) ANÁLISE SINTÁTICA. Estou para ver uma prova dessas bancas sem Análise sintática. É incrível. Elas
adoram! Pode cair de tudo: funções sintáticas diversas e classificação de orações.

6) PONTUAÇÃO E CONCORDÂNCIA. Dois assuntos meio fracos na banca AOCP Concursos, sabia?
Concordância, então... nem se fala! Durante os últimos sete anos, a banca trabalhou meia-dúzia de questões
diretas sobre concordância. Por quê? Sei lá... Sobre Pontuação, estude vírgulas. Sobre o Instituto AOCP, a
coisa muda de figura... Em relação à Pontuação, a vírgula depois dos adjuntos adverbiais deslocados tem sido
o assunto mais recorrente, estude tudo! Além do emprego da vírgula, foi bastante cobrado o emprego das
aspas e dos dois-pontos. Não deixe de estudar os demais sinais. Quando o assunto é Concordância, a
concordância verbal ganhou disparado. Dentro da concordância verbal, o sujeito simples foi predominante,
com destaque para temas específicos, como o acento diferencial no verbo “ter", além do verbo “haver” na
forma impessoal e da construção “a maioria de”.

7) REGÊNCIA E CRASE. Regência é galho fraco na banca AOCP Concursos e, no Instituto AOCP, razoável;
mas é preciso saber as regências dos principais verbos, que foi o que mais caiu; é preciso saber regência para
auxiliar em Crase, que cai com relativa frequência (tudo pode cair de Crase).

8) COESÃO E FIGURAS DE LINGUAGEM. Coesão cai sempre! Decore as conjunções, sobretudo as


adversativas, conclusivas, explicativas, integrantes, causais, concessivas e condicionais! Nem pense em não
decorar! O seu cargo público depende disso! Por favor, confie em mim!!! Figuras de linguagem? Galho fraco,
mas caem as mais famosas.

9) REESCRITURA E QUESTÕES HÍBRIDAS. As bancas não trabalham tantas questões de reescritura, mas
trabalham sempre e muito questão híbrida, isto é, uma questão que trabalha vários conceitos gramaticais
diferentes simultaneamente, como pontuação, regência, concordância, colocação pronominal, etc.
IBFC:

1) ACENTUAÇÃO, ORTOGRAFIA, SEMÂNTICA e LINGUAGEM FIGURADA. A banca gosta de trabalhar


acentuação e ortografia em cima das mudanças do Acordo Ortográfico. Em semântica, trabalha muito com
sinônimos; em linguagem figurada, denotação, conotação e algumas figuras, como metáfora, metonímia,
personificação, ironia, hipérbole, sinestesia.

2) FORMAÇÃO E CLASSES DE PALAVRAS. Trabalha, principalmente, questões de estrutura e processo de


formação de palavras, e de identificação das classes gramaticais em geral. Fique de olho em verbo (emprego
de tempos e modos verbais, sobretudo) e pronome (emprego e colocação dos pessoais, demonstrativos e
relativos, principalmente). Cuidado! Em colocação pronominal, a banca não considera o uso facultativo diante
de sujeito explícito.

3) ANÁLISE SINTÁTICA. Trabalha questões diversas de análise sintática dos períodos simples e composto.
Tomar cuidado com o verbo "querer" (em "Ele quer estudar Português", ela não vê como locução verbal, e sim
dois verbos formando duas orações).

4) PONTUAÇÃO E CONCORDÂNCIA. Trabalha pouco questões de vírgula (principalmente) e de casos


básicos de concordância verbal.

5) REGÊNCIA E CRASE. Trabalha, principalmente, questões de regência verbal (aqueles verbos clássicos) e
de casos básicos de crase (e facultativos).

6) COESÃO E COERÊNCIA. Trabalha coesão referencial (função textual dos pronomes) e coesão sequencial
(função textual das conjunções). Cai muito!

7) EMPREGO CORRETO DA LÍNGUA CULTA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA. Trabalha assuntos gramaticais


variados relativos ao emprego correto da língua culta. Sobre variação linguística, basicamente a banca
trabalha a diferença entre textos formais (norma culta) e informais (norma coloquial).

8) INTERPRETAÇÃO , TEXTUAL IDADE E FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Trabalha questões de interpretação


facilmente respondidas por meio de uma leitura atenta do texto. Além disso, sobre textualidade, ela trabalha
em cima de tipos de texto, gêneros textuais e características textuais, seja em linguagem verbal, seja em não
verbal. Sobre as cinco funções da linguagem, cai pouco.

Você também pode gostar