Você está na página 1de 229

BIBLIOTECA PAUMAPE DE HISTÓRIA TITO LlVIO

Dirigida por Paulo Matos Peixoto

I . HISTóRIA DE ROMA - 6 volumes


Por Tito Lívio
2. ATENTADOS POLfTICOS
Por Paulo Matos Peixoto
3 . AN fBAL . O pai da estratégia
Por Paulo Matos Peixoto
,
HISTORIA
DE ROMA
Introdução, tradução e notas de
PAULO MATOS PETXOTO

Volume Primeiro

PAUmAPE
Título original

AB URBE CONDTTA LIBRI

Primeira edição fNDIC E

Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
Prefácio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Livro 21
Livro 11 105
Livro lll • o ••••••• o. o o. o. o •• o • • o o o o o ••••• •• o •• o. 199

Livro IV o. o ••• •• • o •••• o . o . o • ••••• o. o • • • o • • o. o o. 301


Livro V 381

Editoração
Regina Di Stasi
Domingos Fusco
Gilson César Cardoso de Sousa

1989
Direitos para esta edição reservados pela
EDITORA PAUMAPE S.A.
Rua Bento Freitas, 362 - 2.0 andar - CEP : 01220
Fones: 258-3 162 - 258-3447
iío Puulo-SP - Brasil 7
I N TRODU ÇÃ O

Tito Lívio é um dos escritores latinos mais conhecidos


atualmente. Apesar disso, quase nada sabemos de sua biografia.
Se esta escapa ao nosso conhecimento, o que nos resta de sua
obra, por mais rico que pareça, constitui apenas uma ínfima
parte e só nos permite, tanto no âmbito da crítica histórica
quanto da evolução literária, conclusões incompletas e julga-
mentos a cujas incertezas manda a prudência que nos confor-
memos.
O grande historiador era um provinciano. A palavra já
tinha conotação pejorativa na época, mas aplicava-se sobretudo
ao embasbacamento ingênuo daqueles que pela primeira vez
contemplavam as grandiosidades de Roma ou se deixavam arre-
batar, exageradamente, pelos feitos heróicos e figuras destacadas

í]
~
que povoavam a história romana. Nasceu em Pádua, opulenta
cidade setentrional, célebre pelo culto às antigas virtudes roma-
nas, aproximadamente no ano 59 antes de Cristo. Descendia
de família abastada, embora plebéia. Estabeleceu-se em Roma
com cerca de vinte anos e parece que teve dois filhos (ou filhas) .
Quanto à sua formação, não a deve ter completado, como era
moda entre os grandes intelectuais da época, na Grécia, centro
indisputado dos estudos literários e filosóficos. Tem, no entanto,
alguma intimidade com a filosofia. Sua vida parece ter sido
tranqüila, sem percalços, dada aos livros e às velhas crônicas.
Bom conhecedor de Roma, onde devia residir habitualmente,
pouco viajava. Mantinha, em todo caso, relações com a terra
natal, uma vez que lá morreu. no ano 17 de nossa era, sob o
principado de Tibério.

9
TITO UVIO HISTORIA DE ROMA

A obra Prefácio

De todos os escritos de Tito Lívio, somente chegou até n6s Livro I (conservado): as origens de Roma e a Realeza;
uma parte de sua História de Roma: trinta e cinco livros de um Livros /1-V (conservados): do início da República (509
total de cento e quarenta e dois. Deve tê-la começado entre 27 a. C.) à tomada de Roma pelos gauleses (390 a. C.);
e 25 antes de Cristo. A julgar pelo sumário do centésimo quadra- Livros VI-X (conservados): luta contra os samnitas, etruscos
gésimo segundo livro, a narrativa devia chegar até o ano 9 e úmbrios até os anos posteriores à batalha de Sentino
a.C., data da morte de Druso. No entanto, é crença generali- (Sassoferrato), em 295 a. C. (termina em 293 a. C.);
zada que deixou o trabalho inconcluso, de outra forma não se Livros XI-XV (perdidos): guerra contra os tarentinos e
compreenderia por que não dilatou a narrativa até a morte de Pirro e conclusão da conquista da Itália;
Augusto, ocorrida vinte e três anos depois da de seu enteado: Livros XVI-XX (perdidos): Primeira Guerra Púnica;
isso teria proporcionado à sua História um desfecho marcante,
Livros XXI-XXX (conservados): Segunda Guerra Púnica;
infinitamente mais apropriado.
Livros XXXI-XL (conservados): guerra contra a Maced6nia
A obra, publicada por partes, contemplava desde as origens
e o Oriente até a morte de Filipe V da Maced6nia
de Roma até os acontecimentos do aludido ano 9 a. C. A exten-
(179 a. C.);
são do material forçou os copistas, já na antigüidade, a dividi-lo
em "décadas" (isto é, conjuntos de dez livros), mas essa divisão Livros XLI-XLV (conservados): até a derrota de Perseu, rei
nem sempre é coerente. Para facilitar ainda mais a tarefa do da Maced6nia. e triunfo de Lúcio Emílio Paulo (167
leitor, surgiu no século I um epítome da obra, da qual se fizeram a. C.);
resumos de cada livro. ~mbora sua utilidade seja discutível,
A partir deste ponto, a obra de Tito Lívio está irremedia-
preferimos conservar esses resumos na presente edição.
velmente perdida .
S6 chegaram até n6s os livros I-X e XXI-XIV (os de núme-
ro XLI e XLIII, no entanto, estão incompletos). Livros XLVI-XLVII: regulamentação dos negócios do
Inicia-se a obra com um Prefácio em que Tito Lívio co- Oriente;
menta a dificuldade de um empreendimento de tamanha enver- Livros XLVIII-LI/ : Terceira Guerra Púnica e destruição
gadura e adianta a intenção moralizante que vai inspirar o de Corinto (146 a. C.);
desenrolar de seu trabalho: os feitos do maior povo do mundo,
Livros Lll/-LXX: até o triunfo de Marco Lívio Druso (91
as antigas virtudes que levaram Roma ao pináculo da grandeza
ajudarão o leitor a refletir sobre as causas do crescente declínio a. C.);
ético da nação. Livros LXXI-LXXVI: guerra social, isto é, a luta contra
O plano geral da obra era o seguinte: os aliados itálicos, rebelados para obter a cidadania
romana e a equiparação política a Roma;
Livros LXXV/l-XC: guerra civil entre Mário e Sila até a
morte de Sila (78 a. C.) e sua seqüência imediata;

lO 1I
TITO LlVIO HISTORIA D E ROMA

Livros XCI-XCVI : até o fim das campanhas de Pompeu na Em geral, esse método gera uma magnificação elo tema.
Espanha; pois o autor é levado a dar realce a pequenos incidente e a
transformá-los em acontecimentos de importância, porquanto seu
Livros XCV ll-CII I: da vitória de Crasso sobre os escravos
distanciamento da coisa tratada (ou seu desconhecimento pro-
à atribuição do título de Magno a Pompeu;
fissional) não lhe permite dimensioná-la corretamente.
Livros CIV-CVIIl: até a completa conquista da Gália por
Quintiliano (Instituições oratórias, X. I ) não hesita va em
César;
comparar Tito Lívio a Heródoto, exaltando-lhe a "elegância lu-
Livros CIX-CXVI: do início da guerra civil ao assassínio minosa" e a eficiência do discurso. Refere Plín io. o Jovem
de César (44 a. C.); (Epístolas, //, 3, 8) que um homem, impressionado pela nomeada
Livros CXVII-CXXXIII: da chegada de Otávio a Roma de Tito Lívio, veio dos confins do mundo só para vê-lo, após o
até a batalha de Acio e o fim da guerra civil (29 que partiu imediatamente. E Dante ( In ferno. XXV III . 12). cha-
a. C.); mou-o aquele "que não erra".
Livros CXXXIV-CXLII: E.poca de Augusto até as honras
fúnebres prestadas a Druso, morto na Germânia (9
Filosofia e moral
a. C.).
Parece que Tito Lívio escreveu também diálogos filosóficos.
O estilo Pelo menos, é o que atesta Sêneca (Epístolas morais a Lucílio,
100, 9).
Embora Tito Livio tenha em Políbio, o acurado historiador Em sua obra histórica, percebemos indícios do estoicismo.
grego do século I I a. C., uma de suas fontes mais profícuas, sobretudo pelos conceitos de fortun a e ratum , mediante os quais
em nada o imitou relativamente ao estilo e à doutrina. em geral nos dá a explicação dos acontecimentos. Porém Tito
Políbio, com efeito, é jactual, pragmático e criterioso; Lívio Lívio não é crédulo. Aceita os mitos antigos, ma como alego-
preferiu uma visão romanceada do objeto descrito, que melhor rias. Sua atitude diante da veracidade dos oráculos é prudente.
se adequava a seus propósitos moralizantes. Constrói, pois, uma Entretanto, sabe avaliar muito bem a importância social da reli-
narrativa plana, regular, singela e até enfadonha, em oposição gião, principalmente sua influência didática e moderadora entre
ao inevitável estilo despojado e frio de seu colega grego. Em as classes baixas (faz uma distinção bastante objetiva entre
suma: elabora um texto passional, que sotopõe a cientijicidade religião popular e religião "filosófica", atitude típica elos
da história à dramaticidade do jato. para maior eficácia da estóicos).
lição moralizante. Representante do tradicionalismo romano, atribui a seus
Deve-se isso, em parte, ao caráter essencialmente literário personagens de eleição aquela soma de virtudes que convencio-
de sua obra. Ele não se entregou à pesquisa de fontes diretas, nalmente associamos ao romano an tigo. E. sua convicção que
nem possuía experiência em assuntos políticos e militares; plas- semelhantes virtudes não mais tinham lugar em meio à corrupção
mou sua narrativa a partir dos trabalhos de autores precedentes, geral de sua época. propensa ao luxo. à moleza, à sensualidade.
como os velhos "analistas", Teopompo , Filarco, etc. Expressa essa contraposição. com amargor, já no Prefácio, e

12 13
TITO UVIO H ISTOR IA DE ROMA

utiliza-a metodicamente ao longo de toda a obra, porquanto sua mente se realizou pela graça de uma obra presttgwsa, deseJo-
intenção declarada, ao escrevê-la, é a de extrair uma sólida e brada num período de metade de um século. Vejamos nele, anfes,
duradoura lição moral dos acontecimentos narrados. um educador apaixonado de seus con femporâneos. O que dese-
Não é preciso dizer que, do ponto de vista crftico, a fé java oferecer aos leitores, e estes esperavam dele, era um livro
inabalável na virtude de seus grandes personagens e a exaltação que pelo impacto da forma e grandeza do objeto resgatasse em
da antiga compostura moral distorcem a verdade histórica, já cada um o sentimenfo da dignidade nacional, depois das prOIIG·
que temos todo o direito de supor que ele suprimisse episódios ções e humilhações de um agitado período de guerras civis. Indo
e atos que contrariassem ou minimizassem esse quadro ideal. ao ncontro disso, Tito Lívio soube erigir um monumento impe-
Em suma, forçava a história a fornecer-lhe belos efeitos. recível à glória de Roma e à sua própria.
Mas a intenção de Tito Livio é moralizante, e isso pode até
certo ponto ser louvável se considerarmos que não se tratava, A tradução
em absoluto, de uma moral abstrata: visava basicamente à for-
mação ético-política do cidadão, garantia da perpetuidade da
Não existe nas modernas línguas ocidentais - como existe
grandeza romana.
para Tácito - uma doutrina consagrada que possa presidir a
Era comum, entre os historiadores anteriores a Tito Lívio, uma tradução de Tito Lívio. Talvez isso se deva ao fato de seu
a convicção de que a decadência de Roma se devia unicamente
estilo não ser tão marcadamente característico como o de Tácito ,
ao relaxamento dos costumes e ao abandono das antigas vir-
cujo laconismo é sempre preservado não importa o idioma para
tudes. A postura moralista de Tito Lívio apresenta, pois, elevado
o qual seja vertido.
conteúdo patriótico. E sua obra surge-nos, sim, como história,
mas história que não encontra justificação plena em si mesma: Tito Lívio escreve em períodos longos, derramados. segui-
seu objetivo final não é informar, mas formar. dos mui/as vezes de frases curtas, incisivas. Na presente tradu-
ção, procuramos preservar a abundância desses períodos até o
ponto em que isso não comprometesse sua compreensão e pre-
A crítica judicasse o ritmo da leitura. Quando julgamos conveniente, não
hesitamos em remanejá-los, o que acarretou o inevitável desapa-
A crítica moderna tem sido severa para com Tito Lívio.
recimento da tradicional numeração em versículos. O leitor. no
Seu tom familiar, maneira franca e cordial de afirmar-se com
entanto, não encontrará grande dificuldade em conferir uma
o diapasão dos leitores indispuseram os espíritos graves e auste-
ros, que prefeririam a reserva superior e desdenhosa de um citação, pois a divisão em capítulos (quase sempre curtos) foi
Tácito - o qual, não obstante, é justo registrar, o tinha em preservada.
alta estima. Em nossos dias, reprovou-se acremente a "vulgari- Quanto à doutrina, preferimos ater-nos o mais fielmenfe
dade" de suas concepções políticas, militares e religiosas. Cen- possível ao original, atitude que nos parece quase obrigatória
suraram sua incapacidade em discutir as fontes. em prese1tça de um texfo clássico. À vaidade "criativa" do
Essas críticas talvez sejam justas. Parece-me, todavia, que tradutor antepusemos a lealdade para com o aufor e o leitor.
devemos acolher Tito Lfvio tal como sua época e ambiente o Esperamos ter produzido um texfo claro. correto. legível e
formaram : tal como. ainda, ele próprio terá querido ser e final- fidedigno.

14 15
TITO LIVIO

As notas

As notas ao texto, reduzidas ao mínimo, esclarecem os


pontos mais obscuros. Não foi nossa intenção preparar uma
edição crftica e erudita, com pesado aparato que desse de
Tito Lívio uma impressão de inacessibilidade. Quisemos, ao PREFÁCIO
contrário, demonstrar que, apesar do lapso de dois mil anos.
ele continua plenamente acessível ao leitor mediano.
Não sei se valerá a pena relatar toda a história do povo
romano a partir das origens da cidade. Não tenho muita certeza
PAULO MATOS PEIXOTO
disso e mesmo se tivesse não ousaria afirmá-lo, pois vejo que
a matéria além de antiga tem sido amplamente divulgada.
Surgem a toda hora novos historiadores
,. que se vangloriam, ou
de contribuir no domínio dos fatos, com uma documentaçã
mais precisa, ou de ultrapassar, com seu talento literário, a
6 rude~ dos antigos. Seja como for, eu me sentiria feliz em dar
minha contribuição pessoal para a celebração dos altos feitos
do maior povo do mundo. E se, em meio a essa multidão de his-
toriadores, meu nome permanecer na obscuridade, a excelência e
a grandeza dos que me ultrapassarem me servirá de consolo.
O assunto requer além disso uma obra extensa, pois a his-
tória remonta a mais de setecentos anos, e, após seus modestos
começos, o império cresceu de tal modo que hoje se inclina
diante de sua própria grandeza. Por outro lado, a maioria dos
leitores, sem dúvida, apreciará pouco a narração de nossas
origens e dos fatos imediatamente subseqüentes, e terá pressa
em chegar àquela época em que as forças de um povo, após
prolongada supremacia, tentaram se autodestruir. Quanto a
mim, ao contrário, uma das recompensas que busco em meu
trabalho é encontrar nele, pelo menos enquanto estiver escre-
vendo sobre a ant:güidade, um esquecimento dos males que
durante tantos anos anigiram nossa época, e não ser obrigado
àquelas precauções que costumam perturbar de certo modo o
espírito do escritor, embora não o afastem da verdade.
No que se refere aos acontecimentos que precederam ou
acompanharam a fundação de Roma , a essas tradições mais

16 17
TITO LlVIO HISTORIA DE ROMA

ilustradas por lendas poéticas do que apoiadas no testemunho Mas essas lamentações, desagradáveis mesmo nos momentos
irrecusável da história, não pretendo afirmá-las nem contestá-las. em que talvez sejam necessárias, não as desejo no início de
Concede-se aos antigos a permissão de introduzir a interferência tão grande empreendimento. E, se os votos e as preces aos
divina nas ações humanas, para tornar mais veneráveis as deuses e às deusas fossem costume entre nós como entre os
origens das cidades ... E se alguma nação possui o direito de poetas, preferiria pedir-lhes, no começo desta obra tão vasta,
santificar sua origem relacionando-a com a intervenção dos que me proporcionassem um feliz resultado.
deuses, a glória militar do povo romano é de tal ordem que,
quando ele atribui sua origem e a de seu fundador ao deus
Marte, de preferência a qualquer outro, aceitem as demais
nações essa pretensão com a mesma tolerância com que acei-
taram seu poderio.
Mas a essas lendas e a outras similares, seja qual for a
maneira de encará-las ou julgá-las, não lhes darei grande impor-
tância. A meu ver, o que é preciso estudar com toda a atenção
é a vida e os costumes de outrora, é a obra dos homens que
na paz e na guerra ajudaram a construir e engrandecer o
império. Em seguida, observar como o paulatino enfraqueci-
mento da disciplina acarretou, por assim dizer, o relaxamento
dos costumes e como sua decadência cada vez mais acentuada
levou-os à queda brusca de nossos dias, quando a corrupção
tanto quanto seus remédios nos parecem insuportáveis.
O que é sobremodo salutar e producente, no conhecimento
dn história, são os exemplos instrutivos de toda espécie que
se descobrem à luz da obra. Nela se encontram, para o teu
benefício e o de teu país, modelos dignos de imitação assim
como ações vergonhosas, cujas causas e conseqüências é preciso
evitar.
Aliás, se minha paixão por este empreendimento não me
engana, nenhuma outra nação foi maior, mais religiosa e mais
rica em bons exemplos. Nenhum povo permaneceu tanto tempo
inacessível à cobiça e ao luxo, nem conservou tão profunda-
mente e por tanto tempo o culto da pobreza e da economia.
E quanto menos riqueza possuiu, tanto menor foi a cobiça.
Em nossos dias, com a riqueza veio a cobiça e com a afluência
dos prazeres, o desejo de perder tudo e perder-se a si mesmo
nos excessos do luxo e do deboche.

18 19
LIVRO I

Chegada de Enéias à ltáUa. I . Em primeiro lugar, é do co-


Casamento com Lavínia, nhecimento geral que após a
filha do rei Latino. tomada de Tróia os troianos fo-
ram tratados cruelmente. Ape-
nas dois, Enéias e Antenor, graças aos direitos de uma antiga
hospitalida e, e também por terem sempre aconselhado a paz
e a devolução de Helena, não foram submetidos pelos gregos aos
rigores da guerra.
Em seguida toda espécie de aventuras, AnteOOf:" chegou
à parte mais recuada do mar Adriático com grande número de
ênetos, que uma revolução expulsara da Paflagônia e que pro-
curavam terra e um chefe após a perda de seu rei Pilêmenes em
Tróia. Depois de expulsarem os eugânios, que habitavam entre
o mar e os Alpes, ênetos e troianos ocuparam aquelas terras. O
local onde primeiro desembarcaram chamou-se Tróia, donde o
povoado de Tróia deriva seu nome. e os povos em seu conjunto
foram denominados vênetos.
Quanto a Enéias, expulso de seu país pela mesma catás-
trofe, mas chamado pelo destino a fundar uma nação mais po-
derosa, dirigiu-se primeiro à Macedônia e em seguida, sempre em
busca de terras, foi levado à ~- Da Sicília dirigiu-se com sua
frota ao território laurentino. Este lugar também se chama Tróia.
Ao desembarcarem, os troianos, a quem a duração quase
interminável da viagem só lhes deixara as armas e os navios,
atiraram-se à pilhagem dos campos, até que o rei Latino e os
aborígenes, senhores da região, acorrendo da cidade e dos cam-
pos, pegaram em armas para repelir a violência dos invasores.
A partir desse ponto há duas versões. Para uns, teria sido
após uma derrota que Latino havia feito a paz com Enéias e

21
TITO LfVJO HISTúRIA DE ROMA

depois unira-se a ele por laços de família . Para outros, os dois cidade. Assim, julgando excessiva, para a segurança dos povos
exércitos já se achavam dispostos em linha de batalha e aguar- vizinhos, a expansão do poderio troiano, não hesitou em aliar
davam apenas o sinal de ataque, quando Latino avançou até a suas armas às dos rútulos.
linha de frente e convocou o chefe dos estrangeiros para um Diante da ameaça de tão grande guerra, Enéias, para con-
entendimento. Teria então perguntado quem eram eles, donde quistar as boas graças dos aborígenes e dar-lhes não só os mesmos
vinham, que desgraça os forçara a deixar seu país e o que tinham direitos mas até o mesmo nome, denominou latinos a ambos os
ido buscar no território laurentino. Ao ouvir que aqueles ho- povos. Desde então os aborígenes rivalizaram-se com os troianos
mens eram troianos, que seu chefe era Enéias, filho de Anquises em dedicação e fidelidade para com o rei Enéias. Confiante
e de Vênus, que fugiam de sua pátria incendiada e procuravam nesses sentimentos que se desenvolviam cada vez mais entre os
um local para se estabelecerem e fundar uma cidade, Latino, dois povos, apesar de todo o poderio da Etrúria, cuja fama
cheio de admiração pela nobreza daquele povo e de seu chefe, atravessava terras e mares de um lado a outro da Itália, dos
dispostos tanto para a guerra como para a paz, teria estendido Alpes ao estreito de Messina, Enéias, que poderia manter a
a mão a Enéias como penhor de sua futura amizade. Os chefes guerra distante das muralhas de sua cidade, levou as tropas ao
então concluíram um tratado, e os exércitos trocaram saudações. campo de batalha. O combate foi favorável aos latinos, mas
Enéias foi recebido em casa de Latino, o qual, diante de seus quanto a Enéias representou o último feito de sua vida mortal.

I
penates, acrescentou uma aliança de famf1ia à aliança política, Sejam quais forem as qualidades humanas ou divinas que se lhe
dando sua filha em casamento a Enéias. atribuam, jaz agora à margem do rio Númico e é chamado Jú-
piter Indígete 1 • - c . ""'--..-.. :,..;:; ~
Essa união fortaleceu nos troianos a esperança de encon- ~
trar um pouso fixo e garantir o fim de suas viagens sem destino.
Fundação de Alba Longa. 3. Ascânio, filho de Enéias, ain-
Fundaram uma cidade que Enéias, em homenagem a sua mulher,
da não estava preparado para
chamou de Lavínio. Desse novo casamento teve um filho varão,
exercer o poder. Contudo, esse poder lhe foi guardado intacto
que recebeu dos pais o nome de Ascânio. até a maioridade. A tutela de uma mulher - tão firme era o
caráter de Lavínia - bastou para conservar para o filho o
Guerra contra os rútulos. 2 . Aborígenes e troianos, Estado latino e o reino de seu avô e de seu pai.
Morte de Latino e de Enéias. logo depois, tiveram de en- Não discutirei - e SiJem poderiU».zer afirma.ções cate-
frentar juntos o rei dos rú- góricas sobre fat ãQ..WltiiP?- se este era o verdadeiro Ascânio
tulos , Turno, que fora noivo de Lavínia antes da chegada de ou o mais velho, filho de Creusa, nascido antes da ruína de
Enéias e que, não podendo admitir ser preterido por um estran- 1lio, que acompanhou seu pai na fuga, aquele que é também
geiro, entrou em guerra ao mesmo tempo contra Enéias e contra chamado Julo e do qual a familia Júlia se diz descendente. Esse
Latino. Nenhum dos dois exércitos saiu com vantagens desse Ascânio, qualquer que tenha sido a pátria ou a mãe, era com
conflito. Os rútulos foram vencidos, mas os vencedores, aborí- certeza filho de Enéias. - -
genes e troianos, perderam seu chefe Latino. Como Lavínio estivesse superpovoada, florescente e rica,
Não confiando em suas forças, Turno e os rútulos recor- Ascânio deixou-a para a mãe ou madrasta e fundou uma nova
reram à poderosa e florescente Etrúria e a seu rei Mezêncio, que
reinava sobre Cere, cidade opulenta naquela época. Desde o I . Deuses indfgetes (di lndigetes) : deuses nacionais dos romanos,
início, o rei não vira com agrado o aparecimento de uma nova em oposição aos deuses introduzidos posteriormente.

22 23
TITO LlVIO HISTORIA DE ROMA

cidade ao pé do monte Albano, cuja situação, por estender-se Nascimento de Rômulo 4 . Mas o destino exigia, creio eu
pelas encostas do monte, lhe valeu o nome de Alba Longa . e de Remo. a fundação desta grande cidade e
Entre a fundação de Lavínio e a criação da colônia de A lenda e a história. a criação do maior império do
Alba Longa decorreram quase trinta anos. Entretanto, seu po- mundo abaixo do poder dos deu-
derio crescera a tal ponto, sobretudo após a derrota dos etrus- ses. Vítima de violação, a vestal deu à luz dois gêmeos e, fosse
cos, que mesmo depois da morte de Enéias, durante a regência por boa-fé, fosse para enobrecer sua falta atribuindo-a a um
de uma mulher e o aprendizado de um rei-criança, ninguém deus, responsabilizou Marte como o autor daquela paternidade
ousou pegar em armas, nem Mezêncio e os etruscos, nem qual- suspeita. -
quer outro povo vizinho. O tratado de paz determinara que os Mas nem os deuses, nem os homens conseguiram livrar a
etruscos e os latinos teriam por fronteira o rio Álbula, que agora mãe e os filhos da crueldade do rei. Ordenou ele que a sacer-
.cbilnamos Tibre. dotisa fosse acorrentada e conduzida à prisão, e os filhos lan-
.., t
,('\ t_. Ascânio sucedeu seu filho Sílvio, nascido por acaso em çados na correnteza do rio. Por um acaso providencial, o Tibre,
uma floresta 2 • Este teve como filho Enéias Sílvio, por sua vez ao transbordar, estendera-se em lençóis de água estagnada, tor-
pai de Latino Sílvio, que fez sair da cidade numerosos colonos nando inacessível em qualquer lugar o Jeito regular do rio. En-
conhecidos depois pelo nome de antigos latinos. A partir de tretanto, aquelas águas estagnadas pareceram aos encarregados
então, conservou-se o sobrenome de Sílvio para todos os reis suficientes para afogar os recém-nascidos. Julgando que assim
de Alba. executavam as ordens do rei, depositaram as crianças no mais
Latino foi o pai de Alba, Alba, de Atis, Atis de Capis, Capis, próximo alagado, onde hoje se vê a figueira Rumina! 3 outrora
de Capeto e Capeto, de Tiberino. Este último afogou-se ao atra- chamada Romular, segundo dizem.
vessar o Álbula, dando seu nome ao rio que no futuro se tornaria O local era uma vastidão deserta. Conservou-se a tradição
célebre. de que o berço onde as crianças tinham sido expostas começou
A Tiberino sucedeu seu filho Agripa e, depois de Agripa, a flutuar. e ao baixarem as águas parou em lugar seco. Uma
o poder real foi transmitido a seu filho Rômulo Sílvio. Rômulo foi loba sedenta saiu das montanhas e atraída pelos vagidos das
fulminado por um raio e o reino passou às mãos de Aventino. A crianças dirigiu-se ao local. Ali, abaixada, oferecia as tetas às
colina em que este último foi sepultado, e que hoje faz parte de criancinhas e docemente as lambia quando as descobriu o pastor
Roma, tem o seu nome. Sucedeu-lhe Proca, pai de Numitor e do rei que, conforme a tradição, se chamava Fáustulo. Dizem
.6.roJ.ílio. A Numitor, seu filho mais velho. legou ele o antigo que as levou ao estábulo, entregando-as a sua mulher Larência
reino da dinastia dos Sílvios. para criar. Outros julgam que Larência era uma prostituta, uma
Mas a força prevaleceu sobre a vontade paterna e sobre o " loba ", como chamavam os pastores. Teria sido esta a origem
direito de primogenitura. Amúlio destronou o irmão, tornou-se da lenda maravilhosa.
rei e, acrescentando um crime a outro, assassinou os filhos va- Assim nasceram os gêmeos e foram criados. Mas ao che-
rões de seu irmão. Quanto à filha , Réia Sílvia, sob pretexto garem à adolescência, não se contentaram em permanecer no
de conferir-lhe uma honraria, escolheu-a como vestal, tirando- estábulo ou junto ao gado. Embrenharam-se nos bosques e dedi-
lhe a esperança de ser mãe pelo voto de virgindade.
3 . Árvore sagrada q ue abrigara a loba e os dois gêmeos. Seu
2 . Em latim silva. donde o nome de Silvio. nome provém de Rumina, deusa da amamentação.

24 21
TITO LfVIO HlSTúRIA DE ROMA

caram-se à caça. Fortalecendo com esse exerctcto o corpo e a Assim, dupla conspiração se tramou contra o rei. Rômulo,
mente, em breve já não se contentavam com a caça às feras. ao invés de marchar à frente de sua tropa de jovens - pois
Passaram então a investir contra os ladrões carregados de des- não tinha igualdade de forças para um ataque direto-, mandou
pojos, e dividiam o saque com os pastores, com os quais se asso- que os outros pastores se dirigissem ao palácio em determinada
ciavam nos trabalhos e nos prazeres, à frente de um bando cada hora c por diferentes caminhos. Chegando ao destino atacaram
vez mais numeroso de jovens. o rei. Remo saiu da casa de Numitor com outra tropa e lhes
foi em auxílio. Assim eles assassinaram o rei. ~~ l.. -o
Assassínio de Amúlio. 5. Naquela época, dizem, já se
celebravam no monte Palatino os Fundação de Roma. 6 . No in ício do tumulto, Numitor
jogos lupercais. De Palântea, cidade da Arcádia , derivou-se o espalhara a notfcia de que o inimigo
nome do monte Palâncio que, em seguida, passou a chamar-se havia invadido a cidade e estava atacando o palácio. Conseguira
Palatino. Evandro, que era de origem árcade e se estabelecera com isso atrair a juventude de Alba para a cidadela, sob o
há muitos anos na região, tinha instituído uma cerimônia impor- pretexto de ocupá-la e defendê-la. Consumado o assassínio,
tada da Arcádia, que consistia numa corrida de jovens nus. quando viu os dois jovens dirigirem-se a ele triunfantes, convo-
numa espécie de jogo e divertimento, em honra de Pã Liceu. cou imediatamente a assembléia e revelou-lhe a atitude crimmosa
que os romanos passaram a chamar de f nu o. Enquanto se do irmão contra ele, -;; origem de seus netos, seu nascimento,
achavam entregues a essa festa, cuja data solene era conhecida.
sua educação, como os tinha reconhecido e finalmente o assas-
os ladrões enfurecidos com a perda dos lucros armaram uma
sínio do tirano, cuja responsabilidade assumia. Os jovens entra-
emboscada. Como Rômulo se defendesse valorosamente, captu-
ram com suas tropas na assembléia e saudaram o avô com o
raram Remo e levaram-no prisioneiro ao rei Amúlio, crivando-o
nome de rei. Seguindo-lhes o exemplo, toda a multidão unani- 1
de acusações. Seu principal crime eram as incursões feitas nas
memente confirmou-lhe o título e o poder real.
terras de Numitor. Diziam que eles tinham recrutado um bando
Depois de terem devolvido a Num~ reino de Alba,
de jovens e se entregavam à pilhagem como na guerra . Por
Rômulo e Remo conceberam a idéia de fundar uma cidade no
isso entregaram Remo a Numitor para ser punido.
local onde haviam sido expostos e criados. Além disso, havia
Desde o início, Fáustulo pressentira que as crianças educa-
uma multidão excedente de a n s e lí!ti.nos aos quais vinham
das em sua casa eram de estirpe real. Sabia que o rei havia
acrescentar-se os pastores. Era fácil prever que Alba e Lavínio
mandado expor os recém-nascidos, e a época em que os havia
tornar-se-iam pequenas em comparação com a cidade que seria
recolhido coincidia com a da execução daquela ordem . Mas ele
fundada .
não queria revelar o segredo prematuramente, a menos que a
A esses projetos veio mesclar-se a ambição de reinar, paixão
ocasião ou a necessidade se apresentasse. A necessidade veio
hereditária, que transformou em conflito criminoso um empreen-
primeiro, e, cedendo ao medo, revelou o segredo a Rômulo. cifrrtento de início bastante pacífico. Como os dois irmãos eram
Por sua vez Numitor, que mantinha Remo preso e ouvira gêmeos, a diferença de idade não podia interferir na decisão.
dizer que possuía irmão gêmeo, averiguando-lhe a idade e Cabia, portanto, aos deuses protetores do lugar, a tarefa de
observando seu caráter nada serul, sentiu-se de súbito abalado designar através dos augúrios aquele que daria o nome à nova
pela lembrança de seus netos. Depois de muitas indagações, cidade e reinaria após sua fundação . Para consultar os augúrios,
chegou quase a reconhecê-lo como Remo. Rômulo escolheu o Palatino e Remo . o Aventino.

26 27
TITO UVIO H ISTóRIA DE ROMA

Morte de Remo . 7 . Dizem ter sido Remo quem viu apa- da partida, algumas vacas começaram a mugir, como de costu-
Hércules e Caco. recer o primeiro augúr·io: seis abutres. me, sentindo a fa lta de seus companheiros que ficavam . Os bois
Já o havia assinalado quando o dobro encerrados na caverna responderam, e sua voz atraiu Hércules
se apresentou a Rômulo, e ambos foram proclamados reis por para aquele lado. Caso tentou à força impedir-lhe a entrada
' seus partidários. Para arrebatar a realeza, uns faziam valer a mas, embora clamasse em vão pelo auxílio dos pastores, foi
prioridade, outros o número de aves. A cólera transformou a atingido por um golpe de cajado e caiu morto.
discussão em sangrento combate e, em meio ao tumulto. Remo Por essa época Evand ro, refugiadq do Peloponeso, gover? \
calu ferido mortalmente. Segundo uma tradição mais difundida . nava essa região mais por seu (prestígio ao que por autoridade
Remo, para zombar de Rômulo, teria franqueado de um salto as constituída. Veneravam-no por seu admirável conhecimento da
novas muralhas e Rômulo, enfurecido, o teria assassinado pro- escrita, prodígio inaudito entre aqueles homens desprovidos de
nunciando estas palavras: "Assim acontecerá no futuro a quem instrução. Veneravam-no sobretudo por ser filho da deusa
saltar sobre minhas muralhas". Rômulo ficou então senhor Carmen ta 4 , segundo se acreditava, cujos dons proféticos, antes
absoluto do poder, e a cidadela fundada tomou o nome do da chegada da Sibila à Itália , causavam a admiração daquele
fundador. povo.
Sua primeira medida foi fortificar o Palatino onde ele Evandro acorreu atraído pela multidão de pastores que
próprio havia sido criado. Ofereceu então sacrifícios aos deuses se agitavam em torno de um estrangeiro apanhado em flagrante
de acordo com o rito albano. Mas para Hércules seguiu o rito delito de morte. Após ter ouvido o relato do crime e seu motivo,
grego, como estabelecera Evandro. observou a estatura e o porte do herói , bem mais imponente
Segundo a tradição, foi a esse local que Hércules. depois que o normal, e p_erguntou-lhe quem era. Quando soube seu
de matar Gerião, conduziu seus bois de extraordiná~ia beleza . nome, o de seu j)ai e o de sua átria, disse: "Salve Hércules,
Após ter atravessado o Tibre a nado impelindo à frente seu f ilho de Júpiter! Minha mãe, fiel intérprete dos deuses, me
gado, ele se instalara nas margens do rio, em local de abun- predisse que tu deverias aumentar o número dos habitantes
dantes pastagens, para dar alimento c descanso ao gado. Cansado celestes e que o povo destinado a tornar-se o mais poderoso
também da viagem . deitara-se e caíra num sono profundo. entor- do mundo te consagraria neste local um altar que receberia o
pecido pela refeição e pelo vinho. nome de Altar Máxi mo, e onde celebraria teu culto".
Um pastor da vizinhança chamado Caco, orgulhoso de sua Hércules lhe estendeu a mão e declarou que aceitava o
força, foi atraído pela beleza dos bois e •luis apoderar-se dos presságio e desejava realizar a predição erguendo e consagrando
animais. Mas se tocasse o gado para sua caverna. bastariam os o altar. Foi então que, pela primeira vez, foi oferecido um
rastos para guiar para esse lado as buscas de eu proprietário. sacrifício a Hércules, escolhendo-se para esse fim uma das vacas
Escolhendo então os mais belos an imais. arrastou-os pela cauda mais belas de seu rebanho.
até seu antro. Para participar da cerimônia e da refeição ritual foram
Ao romper da aurora Hércules despertou c. percorrendo chamados os Polícias e os Pinários, que eram então as duas
o rebanho com o olhos. percebeu que estava incompleto. Foi uté famílias mais importantes da região. Quis o acaso que os Potícios
a caverna mais próxima para ver se aca o hav ia rastos naquela
direção. Quando os viu todos voltados em sentido contrário c 4 . Uma das Camcnas. velhas divindades romanas freqüentemente
sem levar a qualquer parte. confuso e perturbado. começou a confundidas com as Musas. Seu nome. e sobretudo o de Carmenta .
tanger seu gado para longt.! daquele local puigoso. No momento deriva-se sem dúvida da palavra carmen. canto. verso. profecia.

28 29
TITO LlVIO HISTORIA DE ROMA

chegassem a tempo e lhes fossem servidas as entranhas da víti- foram tomados aos etruscos, nossos vizinhos. Estes haviam fixado
ma, ao passo que os Pinários só chegaram quando as vísceras seu número em doze, porque doze eram os povos que elegiam
já haviam sido consumjdas, e tiveram de contentar-se com os o rei em comum, e cada povo lhe fornecia um lictor.
restos do banquete. Adveio daí o costume, que durou até a Entrementes, a cidade crescia conquistando novas áreas. ,,
extinção da famflia Pinária, de privá-los das entranhas das Fortificava-se mais pela expectativa de multidões futuras do que '0
1

vítimas. Quanto aos Potícios, instruídos por Evandro, foram tendo em vista a população já existente. Em seguida, para não
prepostos a esse sacrifício durante inúmeras gerações, até o dia deixar vazia a cidade imensa e para atrair uma população
em que, por terem deixado aos escravos públicos o desempenho numerosa, Rômulo adotou o velho método dos fundadores de
dessas funções sagradas, toda a família dos Potícios desapa- cidades, que reuniam em torno de si grande número de gente
receu . Dos cultos estrangeiros foi o único adotado por Rômulo, obscura e de baixa condição e afirmavam que uma raça brotara
que assim demonstrava sua crença na imortalidade conquistad ~ da terra para eles. E na descida entre os dois bosques sagrados,
pela coragem. para onde seu destino o conduzia. no local onde hoje existe uma cerca, criou um lugar de
asilo onde veio refugiar-se toda a turba dos povos vizinhos,
Organização de Roma. 8. Depois de ter realizado as ce- mistura indistinta de homens livres e escravos, todos à procura
Escolha dos senadores. rimônias religiosas de acordo coii'\ de uma vida nova . Tais foram os primeiros reforços à nascente
o rito, Rômulo reuniu em assem- grandeza da cidade.
bléia aquele povo que só poderia vir a ser uma nação por Não tendo mais problema em relação a forças , Rômulo se
liames jurídicos, e lhe deu leis. Compreendendo que, para preoc.upou em organizá-las sob a direção de um conselho. Esco-
torná-las sagradas perante aqueles homens rudes, ele próprio lheu cem senadores, ou porque este número fosse suficiente,
deveria inspirar-lhes respeito pelas insígnias de sua autoridade, ou porque não havia mais de cem cidadãos capazes de tornar-se
entre outros distintivos fez-se acompanhar por doze lictores. senadores. Em todo o caso, a honra lhes valeu o nome de
Alguns pensam que ele adotou esse número por causa dos pás- palres e a seus descendentes o de patrícios.
saros que lhe pressagiaram a realeza. Não tenho dúvidas em
aceitar a opinião dos que julgam que os apparitores 5 e entre Rapto das sabinas. 9 . Daí por diante, o Estado romano
eles os Jictores 6 , bem como a cadeira curul 7 e a toga pretexta 8 , estava suficientemente preparado pa-
ra enfrentar com armas iguais qualquer Estado vizinho. Mas a
falta de mulheres limitava a uma única geração o tempo de
5 . Os apparitores eram oficiais remunerados e eleitos, a serviço
dos magistrados. Abrangiam cinco corporações: lictores, adjuntos, arau-
seu poderio. Não havia esperanças de sucessão dentro da
tos, porteiros e secretários. cidade, nem se realizavam casamentos com povos vizinhos.
6 . Cf. n.• 5. Eram agentes de polfcia que acompanhavam o A conselho dos senadores, Rômulo enviou legados às nações
magistrado em todas as suas saídas, detinham os acusados e executa- limítrofes para lhes propor aliança e casamentos com a jovem
vam os condenados. Como o rei, os cônsules dispunham de doze nação. Diziam eles que as cidades, como tudo o mais, tinham
lictores, o ditador de vinte e quatro e os petores, de dois em Roma e origem humilde. Mas depois, com a ajuda dos deuses e de sua
seis na província. Usavam um feixe de varas (/asci) ligados por uma
correia vermelha em volta de um machado. Em Roma, em geral só os
lictores do ditador usavam o machado. 8 . Toga branca bordada, com uma faixa purpurina, e usada
7 . De currus, carro. Cadeira de encosto e sem braços, geral- pelos filhos dos patrícios até os dezessete anos, pelas filhas até seu
mente de marfim. que usavam os magistrados das ordens superiores. 1.usumento e pelos magistrados nas cerimônias públicas.

30 31
TITO LlVJO HISTOR I A DE ROMA

própria energia, seriam capazes de conquistar um nome e trans- raptar as donzelas. A maior parte foi raptada ao acaso dos
formar-se em grande potência. Sabiam que os deuses haviam l!ncontros. Umas, mais belas que as outras, estavam reservadas
presidido à fundação de Roma e que a cidade não era destituída aos principais senadores e foram conduzidas a suas casas pelos
de energia. Portanto, os homens não precisavam temer misturar plebeus incumbidos dessa tarefa. Uma sobretudo, a mais notável
com eles seu sangue e sua raça. por sua elegância e beleza, foi raptada por pessoas ligadas a
Em parte alguma a delegação encontrou boa acolhida, de um homem chamado Talássio 10 • Como todos perguntassem a
tal modo esses povos estavam divididos entre o desprezo e o quem estava destinada, eles não cessavam de gritar para impedir
medo que sentiam, por si e por seus descendentes, com a vizi- alguma violência: " A Talássiol" Da( a origem do grito que
nhança e o progresso de uma tal potência. Quase em toda se costuma dar por ocasião das núpcias.
parte perguntavam aos legados, despedindo-os, se também não O pânico tomou conta do espetáculo. Os pais das donzelas
haveria entre eles um asilo aberto para mulheres. Poderiam partiram desesperados, clamando contra aquela violação do
assim realizar casamentos bem-sucedidos. direito de hospitalidade, invocando o deus cuja festa e jogos
A juventude romana foi sensível ao ultrage , e sem dúvida os haviam atraído sob aparências enganosas de religião e leal-
começou a considerar a hipótese de uma vingança. Para conse- dade. Do mesmo desespero e vergonha participavam as vítimas
guir ocasião e local favoráveis, Rômulo ocultou seu ressenti- do rapto. Mas Rômulo em pessoa ia de uma a outra, e explicava
mento e preparou jogos solenes em honra a Netuno Eqüestre, que os culpados foram seus pais cujo orgulho havia impedido
os quais denominou Consualia 9 • Mandou então anunciar o qualq uer possib;Jidade de unjão com seus vizinhos. Elas porém
espetáculo aos povos vizin hos e revestiu-o de todo o aparato iriam tornar-se suas esposas, compartilhar de todos os seus
possível na época, a fim de torn2-lo atraente e despertar curio- bens, de sua pátria e daquele vínculo que é o mais caro à
sidade. espécie humana: a afeição de seus filhos. Deveriam acalmar
Desejosos de ver a nova cidade, acorreram das cidades a cólera e, uma vez que o destjno as forçara a entregar o
mais próximas numerosos habitantes, sobretudo os ceninenses, corpo a um esposo, procurar também dar-lhes o coração. Muitas
crustuminos e antenates. Os sabinos vieram em massa, inclusive vezes o ressentimento da injúria cede lugar à afeição. Além
mulheres e crianças. Recebidos como hóspedes nas casas parti- do mais, teriam bons maridos, preocupados apenas em cumprir
cu lares, espantaram-se com o desenvolvimento de Roma em tão eus deveres e desempenhar o papel dos pais e da pátria que
cu rto espaço de tempo, ao verem a situação da cidade, suas haviam perdido.
muralhas e o grande número de casas. A essas palavras somava-se a ternura dos homens, que
invocavam como desculpa o ardor de sua paixão, recurso sempre
Ao chegar a hora do espetáculo, quando os jogos atraíam
eficaz junto às mulheres.
os olhares e a atenção dos presentes, teve início o golpe plane-
jado. Dado o sinal, os jovens romanos precipitaram-se para
Guerra contra os ceninen es. 1O. A cólera das vítimas do
Vitória dos romanos. rapto já se havia acalmado
9 . Festas em honra de Conso, um dos mais antigos deuses de totalmente. Seus pais, entre-
Roma, talvez divindade agrária ou deus da morte. Suas festas eram
lanto, com vestes de luto, tentavam concitar os compatriotas
celebradas duas vezes por ano, uma após o plantio ( 15 de dezembro)
e outra na época da colheita (21 de agosto) . a ocasiíio era proibido
o trabalho de animais domésticos. Seu altar permanecia coberto de 10. Etimologia arbitrária. Igualmente arbitrária é a grafia com
terra durante todo o ano e só era descoberto naquelas ocasiões. tlr paru associá-lo a thalamos. leito nupcial. cama.

32 3>
TITO uvro H ISTôRIA DE ROMA

à luta através de lágrimas e lamentos. Essa indignação, aliás , presente. Somente duas vezes, no decurso de tantos anos e de
não se limitava a sua cidade. De toda a parte vinham pessoas tuntas guerras, foram ofertados despojos opimos. Tão raros
reunir-se diante de Tito Tácio, rei dos sabinos. Delegações o foram aqueles a quem a Fortuna concedeu semelhante honra!
procuravam por ser ele o maior nome da região.
Os ceninenses, os crustuminos e os antenates também Traição e morte de Tarpéia. ll . Enquanto os romanos
haviam sofrido parte da afronta. Achando que Tácio e os sabi- se dedicavam a essas come-
nos agiam com muita lentidão, os três povos se reuniram para morações, o exército dos antenantes, aproveitando-se da ocasião,
fazer a guerra em comum. Os ceninenses, por sua vez, não utravessou as fronteiras desertas de Roma. Sem perder tempo,
julgaram os crustuminos e os antenates bastante exaltados e n legião romana se voltou contra eles e os surpreendeu dispersos
dispostos à luta. Assim, o povo ceninense, em seu próprio nome , no campo. O inimigo debandou ao primeiro choque e ao primeiro
invadiu em massa o território romano. grito de guerra, e sua cidade foi tomada.
Enquanto se ocupavam em devastar os campos, Rômulo Rômulo já era aclamado pela dupla vitória quando HersOia,
marchou contra eles com seu exército, e um ligeiro encontro l>Ua mulher, cedendo às súplicas das outras esposas raptadas, <
foi suficiente para demonstrar-lhes a inutilidade da cólera sem pediu-lhe que perdoasse a seus pais e lhes desse o direito de ()-
a força . Destroçou e pôs em fuga o exército adversário, perse- cidadania, pois a reconciliação contribuiria para aumentar o
guiu-o na debandada, matou o rei e despojou-o. Após a morte poder de Roma , e facilmente obteve o que pedia.
do chefe inimigo, tomou a cidade no primeiro assalto. Em seguida, Rômulo marchou contra os crusturninos que
Ao retornar com as tropas vitoriosas, coberto de glória continuavam as hostilidades. Desta vez, porém, os fracassos
por seus feitos , Rômulo habilmente procurou também valori- sofridos pelos outros povos lhes haviam abatido a coragem,
zá-los. Colocou os despojos do chefe inimigo num andor espe· c o combate durou menos tempo ainda. Foram enviados colonos
cialmente fabricado, subiu ao Capitólio e os depôs ao pé do para as duas cidades. Apresentaram-se numerosos voluntários,
carvalho sagrado dos pastores. Além dessa dádiva , marcou o sobretudo para Crustumino, devido à fertilidade do solo. Mas
local para um templo dedicado a Júpiter e deu um título ao de Crustumino também vieram muitos colonos para Roma,
deus: "Júpiter Ferétrio 11 , disse ele, eis as armas de um rei que principalmente os pais das moças raptadas.
A última e a ..mais impottante-suura..Jci-ttavada contra os
um rei vencedor, Rômulo, te traz. Na área que minha mente
acaba de delimitar, eu te consagro um templo destinado a
&abinos. Na verdade, eles nunca se haviam deixado arrebatar c....r... _;
pela cólera ou pela paixão, nem manifestado suas intenções ...;-r-
receber despojos opimos que meus sucessores te trarão, seguindo
untes da abertura das hostilidades. Uniram a prudência à
meu exemplo, após terem matado reis e generais inimigos". a túcia.
Tal foi a origem do primeiro templo consagrado em Roma. Espúrio Tarpéio comandava a cidadela de Roma. Sua
Daí por diante, os deuses permitiram que a promessa de seu filha, uma vestel, ultrapassou as muralhas a fim de apanhar
fundador não tivesse sido vã ao declarar que seus sucessores úgua para os sacrifícios e deixou-se seduzir pelo ouro de Tácio,
lhe levariam despojos, sem contudo permitir que um número concordando em introduzir soldados inimigos na cidadela. Pene·
excessivo de oferendas viesse a desmerecer a glória de um tal trando no local, os sabinos trucidaram-na ao peso de suas
ormas, fosse para dar a impressão de terem tomado a cidadela
11 . De jeretrum, espécie de andor para levar os despojos. Tex. à força, fosse para dar aos traidores o aviso de que não deve-
tualmente: "Aquele que leva despojos". isto é, o vencedor. riam contar com promessas.

34 35
TITO L!VJO
HISTORIA DE ROMA
A lenda acrescenta que os sabinos geralmente usavam
~esa dos braceletes de ouro no braço esquerdo e anéis de pedra- romanos, o excelente e poderoso Júpiter vos manda parar e
nas de rara beleza, e que a jovem teria reclamado como recom- recomeçar o combate" .
pensa o que eles traziam na mão esquerda. Ao invés de Os romanos se detiveram como se comandados por uma
dar-lhe o ouro, eles a teriam esmagado sob o peso de seus voz celeste, e o próprio Rômulo correu para as linhas avançadas.
escudos. Outros dizem que, ao indicar o objeto que usavam Métio Cúrcio, à frente dos sabinos, arrojara-se do alto da
na m~o esquerda, ela pedira exatamente os escudos, e os sabinos cidadela e perseguia os derrotados romanos em toda a extensão
suspettando de alguma cilada haviam transform ado sua recom- do Fórum. Já se achava perto da porta do Palatino e gritava sem
pensa no instrumento de sua morte. ccf>sar: "Vencemos esses pérfidos hóspedes, esses inimigos co-
vurdes! Agora já sabem que raptar donzelas é diferente de com-
Combate contra os sabinos. 12 . De qualquer forma, a hotcr contra verdadeiros homens! "
cidadela caiu em poder dos Enquanto ele pronunciava essas palavras arrogantes, Rô-
sabinos. No dia seguinte, quando o exército romano em ordem mulo à frente de uma tropa constituída dos mais audaciosos
de batalha se deslocou e cobriu a planície entre o Palatino e o jovens caiu sobre eles. Métio combatia a cavalo, de modo que
Capitolino, os sabinos não desceram imediatamente para o ter- foi mais fácil rechaçá-lo. Os jovens combatentes seguiram no
reno plano. Aguardaram que a cólera e o desejo de retornar a encalço do fugitivo , e a outra parte do exército romano, esti-
cidadela impelissem os romanos a subir a colina para atacá-los_ mulada pela audácia de seu rei, desbaratou os sabinos. Assus-
Os chefes dos dois campos animavam os combatentes: todo pelo tropel de seus perseguidores, o cavalo de Métio
Métio Cúrcio aos sabinos e Hóstia Hostflio aos romanos. utirou-o num charco. O perigo que corria tão importante varão
Este último sustentava os romanos em posição desvantajosa desviou para ele a atenção dos sabinos. Mas os gestos e gritos
ex~bindo na primeira fileira toda a sua coragem e audácia. A~ de aflição dos seus devolveram-lhe a coragem e ele conseguiu
catr morto, as tropas romanas logo recuaram e debandaram até escapar. Voltando ao vale que separava as duas colinas, romanos
a velha porta do Palatino. O próprio Rômulo, arrastado pela c sabiDos recomeçaram o combate. A situação dos romanos,
avalanche dos fugitivos, ergueu as armas ao céu e clamou· porém, era superior.
" Júpiter, foi pela fé em teus auspícios que lancei aqui sob r~
Intcrvenção das sabiDas. 13 . Foi então que as sa-
o Palatino os primeiros fundamentos da cidade. A cidadela
comprada à traição está nas mãos dos sabinos. Suas tropas, Aliança entre Rômulo e Tácio. binas, cujo ultraje fora o
atravessando o vale que as separa deste lugar, avançam contra motivo da guerra, com
nós. O tu, pai dos deuses e dos homens, afasta ao menos daqui o cabelos soltos e vestes rasgadas, vencendo na desgraça a
os inimigos. Tira este pavor dos romanos e detém esta fuga timidez natural do sexo, ousaram lançar-se em meio a uma
vergonhosa. Neste local, prometo erguer-te um templo, a Júpiter 11uraivada de dardos e interpor-se entre os combatentes, para
Stator 12, para lembrar à posteridade que teu aux ílio protetor fuzcr cessar ~s hostilidades r o ódio. Suplicavam ora aos pais,
salvou Roma". mu aos mandos, que não Cometessem um crime abominável
·obrindo-se com o sangue 'de um sogro ou de um genro; que
Depois de pronunciar essa oração, como se tivesse a certeza
nuo manchassem com aquele delito as crianças que elas haviam
de que suas preces tinham sido ouvidas, exclamou: "Agora,
po to no mundo, seus descendentes, netos de uns filhos de
12 . Textualmente: "aquele que faz parar", do verbo sistere. ~u~~~~~a" ~~se~t~e ps~e~:~:c~~l~:re~~ss~asc::r~~or:~ss i~~:r:~=~l j
36
37
TITO LfVIO HISTORIA DE ROMA

a causa da guerra, dos ferimentos e da morte de nossos mari- 1 ·caiu sobre ele e um dia, em Lavinio, aonde se dirigira para
dos e de nossos pais. Antes morrer do que sobrevivermos a um sacrifício solene, houve um motim e ele foi assassinado.
uns e outros, ficando viúvas e órfãs!" Dizem que o acontecimento causou menos pesar a Rômulo
Essas palavras comoveram não só os combatentes mas do que era de se esperar, ou porque não houvera lealdade na
também os chefes. Fez-se súbito silêncio e todos pararam. Em purtilha do poder, ou porque não considerara injusto aquele
seguida os chefes adiantaram-se para concluir um tratado. E l' rime. Seja como for, renunciou à guerra pelo menos naquela
não só fizeram a paz como fundiram os dois Estados num só. w.:usião. Contudo, para expiar a ofensa feita aos embaixadores
Os dois reis compartilhariam a realeza e a sede do poder seria c o assassínio do rei, renovou o tratado entre Roma e Lavínio.
transferida para Roma. Desse modo, a cidade duplicou seu Se por esse lado, contra toda a expectativa, pôde ser man-
poderio. Contudo, para que alguma vantagem fosse dada aos tida a paz, muito mais próximo e quase às portas de Roma
s~binos, os romanos tomaram o nome de quirites, derivado da uutro conflito eclodiu. Os fidenates, julgando demasiado prótima
ctdade de Curas. Em memória desse combate, o local onde o uma potência que se fortalecia cada vez mais, apressaram-se em
cavalo de Cúrcio conseguiu sair do pântano e começou a tomar provocar uma guerra antes que ela atingisse todo o vigor que
pé foi chamado de lago Cúrcio. pr metia. Enviaram jovens armados para invadir e devastar
De uma guerra tão triste surgiu então uma paz alegre, que o território situado entre Roma e Fidenas. Depois lançaram-se
tornou as sabinas mais queridas por seus esposos e pais e, sobre- pura a esquerda, uma vez que o Tibre os detinha à direita, e
tudo, pelo próprio Rômulo. Por isso, quando dividiu a popu- 1:-~ol aram a região espalhando o terror entre os camponeses.
lação em trinta cúrias foi o nome delas que ele lhes atribuiu. ma multidão em desordem acorrendo do campo para Roma foi
O número de mulheres era evidentemente maior do que o das o primeiro indício da invasão.
cúrias, mas a tradição não explica o critério da escolha: se teria Alarmado, Rômulo saiu à frente de seu exército - nem
sido pela idade, por sua condição social ou a de seus maridos, era possível mais protelar guerra tão iminente - e instalou
ou se por sorteio. o acampamento a mil passos de Fidenas. Ali deixou apenas um
Nessa mesma data foram organizadas as três centúrias de pLqucno destacamento e partiu com todas as tropas. Ordenou
cavaleiros: os ranenses, nome derivado de Rômulo, os ticienses, u uma parte da infantaria que armasse uma emboscada em lugar
oculto por uma cortina espessa de mato, e avançou com o grosso
de Tito Tácio, e os lucérios 13 , cujo nome e origem entretanto
du infantaria e toda a cavalaria. Conseguiu atrair o inimigo,
continuam incertos. A partir de então o poder foi exercido em
corno pretendia, por um ataque ao mesmo tempo desordenado
comum e em perfeito acordo pelos dois reis.
c umcaçador, levando a cavalaria quase até as portas da cidade.
li ús , para a fuga que pretençlia simular, esse ataque da cava-
Vitória sobre os fidenates. 14 . Alguns anos mais tarde.
luria deu um pretexto mais verbssímil. Como a cavalaria parecia
embaixadores dos laurentinos hesitar entre o combate e a fuga, a infantaria, por sua vez,
foram maltratados por parentes do rei Tácio. Embora os lau- 1 ·cuou. Então o inimigo, de tepente, saindo por todas as portas
rentinos apelassem para o direito dos povos, Tácio deixou-se dn cidade, mergulhou nas fileiras do exército romano e seu
levar pela afeição e súplicas dos seus. Com isso, a falta daqueles urdor ao avançar e persegui-lo arrastou-o ao local da emboscada.
Os romanos surgiram subitamente e atacaram pelo flanco o
13 . Esses três nomes são na verdade de origem etrusca e desig- exército dos fidenates. O pânico foi ainda maior quando saíram
navam primitivamente clãs ou · tribos. do ucampamento romano as tropas que lhe montavam guarda.

38 39
T ITO LIVJO HISTORIA DE ROMA

Apavorados com o perigo que os ameaçava de todos os Esses foram talvez os principais fatos ocorridos no reinado
lados, os fidenates debandaram antes que Rômulo e seus cava- t.Jc Rômulo, tanto na paz quanto na guerra. Não há nada que
leiros fizessem meia volta com seus cavalos. E, como se tratava 1mpeça a crença em sua origem celeste e na divindade que lhe
de uma fuga verdadeira, eles entraram em sua cidade numa lui at ribuída após sua morte: nem a coragem que revelou
desordem bem maior que a dos pretensos fugitivos que acabavam qua ndo devolveu o trono ao avô, nem sua sabedoria ao fundar
de perseguir. Apesar de tudo, não escaparam ao inimigo. Os Roma e consolidá-la na guerra e na paz. Foi ele, de fato, quem
romanos estavam em seu encalço e, antes que franqueassem o n tornou suficientemente poderosa para garantir quarenta anos
batente das portas, irromperam com eles na cidade como se os tlc egurança e paz. Entretanto, Rômulo agradava mais ao povo
dois exércitos formassem um só. tio que aos senadores, e mais do que qualquer outro foi querido
p ' los soldados : trezentos homens, aos quais chamava de Céle-
Vitória sobre os veienses. 15. Por influência da guerra res ••, formavam sua guarda pessoal em tempo de guerra e em
dos fidenates, exacerbaram-se lcmpo de paz.
os ânimos dos veienses, não só por serem do mesmo sangue -
pois os fidenates também eram etruscos - mas também porque Morte de Rômulo. 16 . Após essas atividades gloriosas,
os estimulavam a proximidade de Roma e a possível ameaça um dia em que Rômulo realizava uma
que representavam seus exércitos para as cidades vizinhas. Lan- a cmbléia no campo perto do pântano da Cabra, para passar em
çaram-se sobre o território de Roma, muito mais com a inten- 1 ·vista as tropas, desabou repentinamente uma violenta tempes-
ção de devastá-lo do que de agir segundo o código de guerra. wde acompanhada de trovões e névoa tão espessa que ocultou o
Não chegaram sequer a acampar e, sem esperar o exército ini- 1 •i às vistas da assembléia. Desde então Rômulo não apareceu
migo, regressaram a Véios carregados de despojos do campo. mais na terra.
Os romanos, ao contrário, não encontrando o exército inimigo Refeitos do medo, com a volta de um dia sereno e calmo
em seus territórios, mas preparados c resolvidos a enfrentar um após a tempestade, os jovens romanos viram o trono real vazio.
combate decisivo, atravessaram o Tibre. Fmbora confiassem nos senadores que haviam estado junto do
Ao saber que os romanos iam acampar e atingir sua 1ci c que afirmavam ter sido ele arrebatado pela tempestade,
cidade, os veienses marcharam contra eles para resolver o us jovens ficaram amedrontados como se tivessem perdido um
pai , e permaneceram algum tempo tristes e silencio~os. ~ogo
problema em campo aberto, ao invés de combater de dentro
depois , seguindo o exemplo de alguns, começaram a gntar v1va~
de suas casas ou do alto das muralhas. Desta vez a força não
·m honra de Rômulo, coffi{l a um deus, filho de um ~eus, r~t
foi auxiliada pela astúcia, e o rei de Roma deveu a vitória
c pai da cidade de Roma, e imploraram sua proteçao suph-
exclusivamente à firmeza de seu exército de veteranos. Pôs o
cando-lhe que velasse por us descendentes.
inimigo em fuga e o perseguiu até as portas da cidade, que, Mesmo naquela época houve, creio eu, quem murmurasse
entretanto, resolveu não atacar por ser bem-fortificada tanto m:usando os senadores de·terem assassinado o rei com as próprias
pelas mura lhas quanto por sua posição. Ao regressar devastou
a região, mais como represália do que para obter despojos.
14 . urra Plutarco (Rômulo, X) que Remo foi morto por um
Abatidos pela devastação e pela derrota sofrida, os veienses , 11 mpnnheiro de Rômulo, Céler, que em seguida partiu para o exnio.
enviaram delegados a Roma para pedir a paz, E em troca de O romanos deram seu nome aos homens sempre dispostos a agir.
uma parte de seu território lhes foi dada uma trégua de cem anos. C't</c'res parece le r sido sinônimo de equites (cavaleiros) .

40 41
TITO L!VIO HIST ORIA DE ROMA

mãos. A notícia de fato propalou-se veladamente, mas o prestígio essas condições, os cem senadores resolveram comparti-
do herói e o temor que o povo sentia fez prevalecer a outra lhar o poder. Dividiram-se em dez decúrias, cada decúria desig-
versão. Conta-se que a habilidade de um único homem muito nando um representante para ficar à frente do governo. Dez
contribuiu para sua aceitação. homens exerciam o poder, mas apenas um usava as insígnias e
Perturbado com a falta de seu rei, o povo irritava-se contra di ·punha de lictores. O poder durava apenas cinco dias e ~odos
os senadores. Foi quando Próculo Júlio, cujas palavras eram -.c revezavam em seu exercício. Houve, assim, um ano de tnter-
acatadas mesmo em assunto de tal importância, apresentou-se valo entre dois reinados, donde o nome de interregno usado
na assembléia e fez a seguinte declaração: " Romanos, Rômulo, uinda em nossos dias .
pai de nossa cidade, desceu subitamente do céu esta manhã, A plebe porém começou a protestar que a servidão ~e
ao romper do dia, e apareceu diante de mim. Como eu perma- multiplicara, pois ao invés de um senhor tinham cem. Pare~1a
necesse imóvel, cheio de medo e respeito, pedindo-lhe a graça disposta a não tolerar mai s que um rei, e um rei escolh1do
de poder ver-lhe o rosto, ele me disse: " Vá e anuncie aos por ela. . _
romanos que é vontade dos céus que minha Roma se transforme Ao tomar conhecimento dessa ag1taçao, os senadores
em capital do mundo . Que eles pratiquem portanto a arte mili- compreenderam que era preciso oferecer espontaneamente o que
tar. Que aprendam e ensinem a seus filhos que nenhum poder iriam perder de qualquer forma. Conseguiram obter as boas
humano pode resistir às armas romanas! " E concluiu : "Depois ~raças do povo entregando-lhe o pode~ ~upremo, mas de tal
de pronunciar essas palavras elevou-se nos ares e desapareceu". modo que conservavam maior soma de d1re1to~ do ~ue realmente
~ admirável a confiança que o povo depositou nas palavras concediam. Decidiram, com efeito, que o re1 eleito pelo povo
daquele homem e admirável também como se atenuaram as ..6 seria reconhecido depois de confirmado pelos senadores. .
saudades de Rômulo, no povo e no exército, desde que acredi- Ainda hoje, quando se trata de votar leis ou nome~r magl~­
taram em sua imortalidade. trodos os senadores conservam esse direito, que todav1a consti-
tui me,ra formalidade . São convocados a dar sua aprovação antes
Interregno. 17 . Entre os senadores, porém, uma luta apai- do eleições, quando ainda não são c~nhecidos os. r;sul~a?os.
xonada pelo trono perturbava todos os espíri- O inter-rei convocou uma assemble1a e declarou . Qumtes:
tos. Não havia ainda manifestações individuais, pois ninguém se para nosso bem, nossa prosperidade e nossa felicidade, esco~e1
destacava naquele Estado jovem. Era uma luta de partidos entre um rei , pois assim desejam os senadores. Se elegerdes um :•da-
dois povos. Desde a morte de Tácio os cidadãos de origem dão que seja o digno sucessor de Rômulo, eles aprovarao a
sabina não haviam participado da realeza. Receando perder a c colha ".
igualdade política e o direito ao poder, queriam que o rei Esse procedimento agradou de tal modo à plebe que, dando
fosse escolhido entre eles. Mas os romanos antigos recusavam-se provas de igual generosidade, limitou-se a declarar que trans-
a aceitar um rei estrangeiro. Apesar de divergirem , todos dese- J fe ri u aos senadores a escolh do rei de Roma .
javam o regime monárquico, pois não haviam ainda provado a
doçura da liberdade. Os senadores, por sua vez, começaram a ' agração de Numa Pompílio. 18 . Naquela época, N uma l '
temer que um Estado sem governo e um exército sem chefe, PompOio gozava de grand.-
entre tantos povos hostis, estivessem sujeitos ao ataque de algu- fuma por sua justiça e religiosidade. Vivia em Curos, na Sabínia,
ma potência estrangeira. Queriam ter alguém no poder, embora c conhecia profundamente tudo o que se podia saber na época
nenhum dos dois partido estivesse disposto a ceder. l' lll relação ao direito canônico e civil. Seu mestre, segundo

42 43
HISTORJA DE ROMA
TITO I.IVIO

seu olhar podia alcançar e fixou mentalmente um ponto de


a tradição, por falta de um nome conhecido, teria sido Pitágoras
referenda. Passando depois o lítuo para a mão esquerda, pousou
de Samos, o que aliás é fal so. Não há dúvida de que somente
a direita na cabeça de Numa e pronunciou esta oração: " 0
no reinado de Sérvio Túlio, cem anos mais tarde, foi que
Júpiter, nosso pai, se é lícito que Numa Pompílio, aqui presente,
esse filósofo, na extremidade da Itália, em Metaponto, Hera- e cuja cabeça eu toco, seja rei de Roma, dá-nos sinais manifestos
cléia e Crotona, reuniu grupos de jovens discípulos apaixo-
nos limites que acabo de traçar". Enumerou em seguida os
nados por suas doutrinas. Ainda que Pitágoras tivesse vivido auspícios que esperava obter. Tendo conseguido todos, Numa
na mesma época, como poderia sua fama ter chegado até os foi sagrado rei e desceu do templo.
sabinos? E em que língua poderiam ter chegado seus ensina-
mentos para despertar em Numa o desejo de ser seu discípulo? Primeiras reformas de Numa. 19 . Tomando-se rei de uma
Sob a proteção de quem esse homem teria atravessado sozinho cidade jovem fundada pela
tantas nações de diferentes línguas e costumes? Prefiro acredi- força das armas, Numa preparou-se para fundá-la novamente
tar que Numa já possu ía uma alma virtuosa, formada não por com base no direito, na lei e nos bons costumes. Ao ver que
um método estrangeiro, mas pela disciplina rígida e austera dos tais reformas eram inexeqüíveis em meio a contínuas guerras,
velhos sabinos, o povo de costumes mais sóbrios de toda a pois a vida militar tomava os homens belicosos, e julgando que
antiguidade. só poderia abrandar aquele povo feroz desabituando-o do uso
Ao ouvirem o nome de Numa, embora os senadores roma- das armas, mandou construir um templo a Jano 15 no sopé do
nos achassem que o equilíbrio seria rompido em favor dos sabi- Argileto, como símbolo da paz e da guerra: aberto, indicaria que
nos com a escolha de um rei dentre eles, não ousaram inter- a cidade estava em guerra e fechado, que estava em paz com
por-se indicando alguém de seu partido, alguém, em suma, todos os povos.
senador ou simples cidadão, capaz de competir com semelhante Duas vezes ap!nas ele esteve fechado depois do reinado
varão. Declararam por unanimidade que Numa Pompílio deve- de Numa: uma vez no consulado de Tito Mânlio, no fim da
ria ser investido do poder real. Primeira Guerra Púnica, e uma segunda vez no reinado de
Chamado a Roma, quis Numa Pompílio que os deuses César Augusto, após a batalha de Ácio, quando os deuses
também fossem consultados sobre sua eleição, a exemplo de permitiram que nossa geração pudesse ver restabelecida a paz
Rômulo que consultou os augúrios para fundar a cidade e na terra e no mar.
reinar. Numa fechou esse templo depois de concluir tratados e
Sob a orientação do áugure, que a partir de então exerceu alianças com todos os povos vizinhos. Mas para que a ausência
essa função honorífica em caráter oficial e perpétuo, Numa de perigo externo e a paz não enfraquecessem o caráter daqueles
dirigiu-se à cidadela e sentou-se numa pedra voltado para o
sul. O áugure colocou-se a sua esquerda, com a cabeça coberta
15 . Uma das mais antig .s divindades de Roma, de origem itálica.
e segurando na rLão direita um bastão recurvo e sem nós
Era o guardião das portas 'anua) e de todas as entradas e saídas
chamado lítuo, e sentou-se por sua vez. Lançou um olhar sobre (arcos, portos e vias terrestres e fluviais). Presidia a todos os começos
a cidade e o campo, invocou os deuses, traçou com a mente t: era invocado no início de cada dia, de cada mês e cada ano, c ujo
uma linha imaginána no espaço compreendido entre o oriente primeiro mês - janeiro - dele deriva seu nome (januarius). Era
e o ocidente, e declarou que as regiões da direita eram as do represenl8do de perfil com uma face dupla que olha para os dois
lados ao mesmo tempo.
sul e as da esquerda, as do norte. Olhou em frente até onde

44 45
TITO LfVIO HISTORIA DE ROMA

homens até então contidos pelo medo do inimigo e pela disci- Escolheu donzelas para o culto de Vesta, sacerdócio de
plina militar, achou que o meio mais eficaz seria infundir no origem albana que não era estranho à família do fundador de
espírito daquela multidão ignorante e ainda rude o sentimento Roma. Para que elas pudessem se dedicar exclusivamente ao
poderoso de temor aos deuses. E como era impossível fazê-lo serviço de templo, estabeleceu-lhes um prdenado pago pelo
penetrar nos corações sem o auxílio de algum prodígio, simulou Estadõ;\e tornou-as veneráveis e sagradas pelo voto de virgin-
ter entrevistas noturnas com a deusa Egéria. Aconselhado por dade e outras cerimônias religiosas.
elas é que instituiu as cerimônias mais agradáveis aos deuses
Escolheu também doze sálios em honra de Marte Gradivo,
e escolheu sacerdotes especiais para cada divindade.
dando-lhes como insígnia uma túnica bordada, coberta na altura
Sua primeira iniciativa foi dividir o ano em doze meses.
do peito por um placa de bronze. Ordenou-lhes que usassem
baseando-se no ciclo lunar. Mas, como o mês lunar não chegava
a trinta dias e faltavam alguns dias para completar um ano também escudos caídos do céu chamados ancilia e saíssem pela
correspondente a uma revolução do sol, acrescentou meses cidade cantando hinos acompanhados de saltos ritmados e
intercalados e distribuiu-os de maneira tão exata que a cada danças sacras 11 •
vinte anos, quando o sol retornava à posição inicial anterior- Nomeou sumo pontífice a Numa Márcio, filho do senador
mente fixada, as datas correspondiam às do ano solar. Criou Márcio, e entregou-lhe uma descrição detalhada de todas as
igualmente os dias fastos e nefastos, por considerar útil suspen- cerimônias religiosas : escolha de vítimas, datas, templos que
der de vez em quando as atividades públicas. deveriam ser consagrados e local onde deveria adquirir .dinheiro
para suprir essas desllcSas. As demais cerimônias do culto públi-
Criação dos colégios sacerdotais. 20 . Dedicou-se, em segui- co ou privado, ele as submeteu também à decisão do pontífice,
da, à organização do sa- a fim de que o povo soubesse para quem apelar e nenhuma
cerdócio, embora ele próprio desempenhasse a maior parte das particularidade do pj;;_eito divino fosse perturbada pela ~~­
funções sacras, sobretudo as que atualmente são atribuídas ao
flâmine de Júpiter. Prevendo, entretanto, que aquele povo beli-
coso teria reis mais semelhantes a Rômulo do que a Numa e
geir
Além do culto dos deuses celestes, o pontífice deveria tam-
-
gência dos ritos ~onats... ou pela introdução de ritos es~ãõ- <'(V'

haveriam de combater pessoalmente à frente de seus exércitos, bém orientar os ritos funerários , ensinar os meios de aplacar
para que as funções sacerdotais do rei não fossem negligencia- os manes e decidir quais os presságios anunciados pelo raio, ou
das, criou um flâmine permanente para Júpiter 18, conferindo- por qualquer outro fenômeno, que fosse preciso observar e
lhe a honra de um traje especial e a cadeira curul semelhante à conjurar. Para arrebatar esses segredos aos espíritos celestes,
do rei. Acrescentou a este dois outros flârnines, um para Marte Numa consagrou a Júpiter EHcio 18 um altar no Aventino e,
e outro para Quirino. através dos áugures, consultou o deus sobre os prodígios que
deveriam ser aceitos.
16 . O flâmine (flamen) era o sacerdote especialmente ligado ao
culto de uma divindade. O de Júpiter chamava-se flamen dialis, sa-
cerdote do Dia Luminoso, e era o cargo mais elevado na hierarquia 17 . A dança, saltatid, do verbo salire (dançar, saltar), parece ter
dos flãmines. Apesar de todas as suas prerrogativas - lictores, toga dado o nome aos sálios.
pretexta, cadeira curul - estava sujeito a uma série de restrições 18 . Do verbo e/itere (atrair). Um Júpiter que se podia atrair
que o tornavam verdadeiro escravo de seu posto. magicamente à Térro para conjurar os raios.

46 47
TITO L I V I O HISTORI A DE ROMA

Consagração de um bosque 21. Essas consultas e con- de Roma . Rômulo reinou durante trinta e sete anos e Numa
às Camenas. juras, afastando o povo da quarenta e três. O Estado achava-se fortalecido graças ao equilí-
Festa da Boa-Fé. violência e das armas, torna- brio harmonioso entre suas instituições civis e militares.
ram-se a preocupação de to-
dos os espíritos. Além disso, o pensamento constante nas divin- Sucessão de Tulo Hostilio. 22. Com a morte de Numa
dades e o sentimento de que a vontade celeste interferia nas houve um interregno. Em se-
atividades humanas impregnavam os corações de tanta religio- guida, Tulo Hostílio, neto daquele Hostílio que se distinguira
sidade que o respeito aos juramentos substituiu o temor às leis no combate contra os sabinos no sopé da cidadela, foi eleito
e castigos como norma de governo. E enquanto em Roma as rei pelo povo, e os senadores confirmaram a escolha. '?J
pe soas pautavam seu comportamento pelo do rei como único Esse rei não só foi diferente do anterior como revelou-se
exemplo a seguir, os povos vizinhos que até então consideravam ainda mais belicoso do que Rômulo. Sua juventude, sua força
Roma não como uma cidade, mas como um campo de batalha e sobretudo a glória do seu avô estimulavam-lhe o ardor. Con-
situado entre eles para perturbar a paz de todos, viram-se obri- vencido de que a cidade enfraquecia na ~. procurou po; .
gados a venerá-la a ponto de considerarem um sacrilégio atacar toda a parte pretexto para desencadear uma gu\:rra. O ú..
uma nação inteiramente voltada para o culto dos deuses. Justamente naquela época os camponeses romanos realiza-
No meio de um bosque havia uma gruta escura donde vam incursões em tet<ritório albano e os albanos em território
brotava uma fonte de águas perenes. A esse local freqüente- romano, praticando toda a sorte de pilhagens. Alba era então
mente se dirigia Numa, sem testemunhas, sob pretexto de governada por Caio Cluílio. Os dois Estados ~iaram delegaciQL u
encontrar-se com a sua deusa. Consagrou então o bosque às quase ao mesmo tempo para reclamar o que lhes era devido.
Camenas que, segundo ele, ali se encontravam com sua esposa Tu lo ordenara aos seus que cumprissem a missão o mais
Egéria. Instituiu também uma festa solene em honra à Boa-Fé. depressa possível, pois contava como certa uma recusa por
Determinou que os flâmines se dirigissem ao templo, em carro parte dos albanos. Assim teria um motivo justo para declarar
coberto puxado por dois cavalos, e que durante a cerimônia guerra. Os albanos, ao contrário, mostraram-se menos apressa-
conservassem as mãos cobertas até os dedos, como símbolo do dos. Receberam da parte de Tulo cordial hospitalidade e empe-
respeito devido à fidelidade e à mão direita, seu templo sacros- nharam-se em honrar o banquete do rei.
santo 10 . Nesse ínterim, os delegados romanos apresentaram sua
Numa instituiu ainda inúmeros sacrifícios e consagrou
queixa em primeiro lugar e, diante da recusa dos albanos, decla-
vários locais que os pontífices denominaram Argeus. Mas sua
raram que a guerra começaria trinta di~. Tulo foi infor-
principal obra durante todo o seu reinado foi a defesa da paz
mado sobre as negociações. Perguntou, então, a seus convivas
e do trono~ 1 " 0
Assim, dois reis sucessivamente, por caminhos diversos, qual a queixa que tinham vindo fazer. Ignorando o que se
um pela guerra, outro pela paz, contribuíram para a grandeza passara, eles começaram por perder tempo com desculpas. Era
a contragosto que iriam pronunciar palavras desagradáveis a
Tulo, disseram eles, mas seu dever os obrigava a isso: estavam
19 . Os romanos apertavam-se as mãos na conclusão de uma
incumbidos de exigir a restituição dos bens. Caso não os obtives-
venda, de um negócio. Estendiam a mão para prestar juramento.
A boa-fé tinha grande importância jurídica em Roma. As ações judi- cm, tinham ordem de de~larar guerra. Diante disso Tudo res-
ciais dividiam-se em ações de boa-fé e ações de estrito direito. pondeu : " Anunciai ao vosso rei que o rei de Roma toma os

48
TITO UVIO HISTóRIA DE ROMA

deuses por testemunhas de que um dos dois povos foi o primeiro m hnram frente a frente, os dois chefes acompanhados de alguns
a desprezar a reclamação dos delegados, para que sobre ele 11f i ·iais avançaram ao encontro um do outro. O aloano tomou
recaiam os desastres desta guerra" . 1 palavra :
~ A prática de algumas violências e a recusa em devolver
Advertência de Métio Fufécio 23 . Os albanos transmiti- 11 :.uque, apesar dos tratados e das reclamações, tais foram, pelo

a Tulo Hostílio. ram esta resposta aos seus que ouvi dizer, os pretextos que o nosso rei Cluílio apresentou
concidadãos. Os dois po- p tra esta guerra. De tua parte, Tulo, estou certo de q ue invocas
vos come rerar-se ativamente para aquela guerra, ver· ''" mesmos motivos. Mas para dizer a verdade sem recorrer a
dadeira erra civil quase entre pais e filhos , urna vez que p1tluvras fúteis, foi a sede de poder que levou dois povos vizi-
ambos eram e origem troiana: Lavínio originara-se de Tróia, ulto~ c do mesmo sangue a pegar em armas. Não discuto se
Alba de Lavínio, e os romanos eram da estirpe real dos albanos. ll' nl razão ou não. Este foi pelo menos o motivo daquele que
Entretanto, o desfecho da guerra tornou o conflito menos deplo- tuid u a guerra. Quanto a mim, os albanos encarregaram-me
rável, ois não chegou a haver combate. Apenas algumas casas tqwnns do comando supremo desta guerra. Queria, no entanto,
foram destruídas em uma as c1 a es, e os dois povos reunidos ltiiCr-lc esta advertência, Tulo: conheces muito bem a força da
em um só. I lt(u·ia que é minha e tua vizinha, tanto mais que estás
Os albanos tomaram a ofensiva e invadiram o território ui nua mais próximo dela. Os etruscos são poderosos em terra
romano com numeroso exército. Estabeleceram acampamento a 1 ~ubretudo no mar. Lembra-te de que, quando deres o sinal
cinco mil passos, aproximadamente, de Roma e cercaram-no com ti~ combate, eles seguirão nossos dois exércitos com o olhar, e
um fosso, que durante muitos séculos foi chamado fosso Cluílio 11 111 vcitarão nossa fadiga e esgotamento para atacar ao mesmo
em homenagem a seu chefe, até o dia em que ambos, o fosso h 111po vencedores e vencidos. Por isso se não nos contentamos
e o nome, desapareceram com o tempo. Nesse acampamento mor- '"m n liberdade certa e preferimos correr o perigo de nos
reu Cluílio, rei de Alba. e os albanos escolheram Métio Fufécio hunur cnhores ou escravos, procuremos com a proteção divina
como ditador. 11111 meio de decidir quem governará sem infligir aos dois povos
Tulo, cuja audácia aumentara com a morte do rei , procla- l'l ltlldc prejuízos nem fazer correr rios de sangue" .
mando que a onipotência dos deuses atingira primeiro a cabeça A proposta não desagradou a Tulo, muito embora s e j
e ia ago~a infligir a todo o povo albano o castigo de uma 11111p ·romento e a esperança de sair vencedor o tornassem mais
guerra cr'l mmosa,
""' :C"~ pos-se
~ em march a d urante a n01te,
. contornou p•opcnso à luta. Enquanto os dois chefes procuravam a solução,
o acampamento inimigo, e com o exército em peso penetrou '' pr·ópria fortuna encarregou-se de apresentá-I . ,...
no território albano. Essa manobra obrigou Métio a sair de - -- I'-·
sua posição e aproximar-se do inimigo o mais que pôde. Enviou I ru cudo entre romanos e albanos. 24 . Por acaso encon-
em seguida um emissário a Tulo para propor-lhe uma entrevista trava-se em ambos os
antes de travar o combate. Se ele aceitasse o encontro, estava 1 trl·itos um grupo de três irmãos gêmeos, iguais em idade
certo de poder apresentar-lhe proposta do interesse, tanto de r ''"' fo rça. Eram os Horácios e os Curiácios. Quanto a isso
Roma quanto de Alba. '" "' ,., c tão de acordo e não houve fato mais conhecido e
Tulo não desprezou a idéia, mas, para prevenir-se de pos- lumo~o na antiguidade. Contudo, tratando-se de acontecimento
sível fracasso nas negociações, colocou o exército de prontidão. l thl n:lehrc, ficou uma dúvida em relação aos nomes: a qual dos
Os albanos fizeram o mesmo. Quando os dois e ércitos e "'" povo pertenciam os H orácios e a qual pertenciam os Curiá-

50 51
TITO UVJO HISTóRIA DE ROMA

cios? Os historiadores divergem apontando ora um, ora outro lidn em voz alta, da primeira à última, de acordo com as
dos nomes. A maioria, entretanto, indica os Horácios como whuus de cera, sem má-fé, e tais como foram hoje claramente
romanos, e eu me inclino a seguir-lhe a opinião. t•nt cndidas. Se ele for o primeiro a se afastar por decisão
Cada um dos reis encarregou os três irmãos de combater , publica ou má-fé, então nesse dia, tu, 6 Júpiter, golpeia o povo
por suas respectivas pátrias. O pOder caberia aos vencedores. ,umano como eu vou agora golpear este porco, neste lugar
Eles concordaram e marcaram a hora e o local do combate. ,. nc te dia, e que o golpe seja tanto mais violento quanto
Preliminarmente, romanos e albanos concluíram um tratado, 11111i res são tua força e teu poder". Ditas estas palavras, ele
segundo o -qual a nação a que pertencessem os vencedores
t''linagou um porco com uma pedrada. Do mesmo modo os
daquele combate exerceria sobre a outra uma autoridade abso-
nlhnnos prestaram juramento segundo seus ritos, por intermé-
luta_, mas moderada. -
dio de seu ditador e de seus sacerdotes.
Todos os tratados têm suas cláusulas particulares, mas
' todos se realizam do mesmo modo. Este foi o mais antigo
tratado que a tradição nos conservou. O fecial 20 propós ao rei
l'ombate entre os Horácios 25. Concluído o tratado, os
l'os Curiácios. gêmeos tomaram as armas con-
Tulo esta pergunta: " Rei, tu me ordenas que conclua um tratado
forme fora combinado. Cada
com o pater patratus 21 de Alba?" "Sim", disse o rei. "Rei,
partido exortava seus representantes lembrando-lhes que os deu-
eu te peço a erva sagrada". "Toma a erva pura", disse o rei.
l ' ' pátrios, a pátria, os pais, todos os cidadãos, enfim, civis e
O fecial foi colher na cidadela a erva pura, após o que dirigiu
lttllilnrcs, tinham os olhos fixos em suas espadas e seus braços. Já
ao rei esta pergunta: "Rei, tu me designas como representante
t tllttjosos por natureza e animados por essas palavras encorajado-
real do povo romano dos quirites juntamente com meus compa-
' , . eles avançaram e se colocaram entre os dois exércitos.
nheiros e meus vasos sagrados?" " Sim", respondeu o rei, "sem
prejuízo do meu direito e o do povo romano dos quirites" . Formados diante de seus respectivos acampamentos, os
d11i exércitos naquele momento estavam livres de perigo, mas
O fecial era Marco Valéria, que tornou Espúrio Fúsio
IIIIJUÍctos, pois tratava-se da supremacia de seu povo pendente r
pater patratus, tocando-lhe na cabeça e nos cabelos com seu
ramo sagrado. O pater patratus estava encarregado de perpetrar
tlu coragem e da sorte de alguns homens. Todos estavam eõl( -f'
,l, pcn o e na expectativa daquele es et~ulo pouco atraente:..J-
o juramento, que consistia em santificar o tratado. Para isso
recitou um texto complicado, uma longa fórmula litúrgica que Oado o sinal, os seis jovens, como dois batalhões, terçaram
1tttt1us com a coragem de dois grandes exércitos. Uns e outros
seria inútil reproduzir. Leu em seguida as cláusulas do tratado
, qucciam o perigo .9ue ~s ameaçava p.ar~ só pensar no d~stino
e acrescentou: "Escuta, 6 Júpiter, escuta, pater patratus de
dr :.ua pátria, na s emacta OlLser_vldãQ, que dependena do
Alba, escuta também, ó povo albano. O povo romano não será
que ' lcs próprios fizessem .
jamais o primeiro a se afastar destas cláusulas, tais como foram
L go no primeiro encontro, o tinir das armas e o entre-
' hlltJUC das espadas fulgurantes provocaram um frêmito de
20. Os feciais constituíam um colégio de vinte membros encar- 11 111\.l l' na assistência, pois as esperanças não pendiam para
regados da observância do direito internacional. Tinham por missão 111 uh um dos lados. Todos tinham a voz embargada e a respi-
sacralizar a declaração de guerra e o tratado de paz no quadro das
decisões tomadas pelos magistrados e pelo povo. 1111,'.1 apressa. Agora já nãp era apenas o movimento de .corpos,
21 . Chefe da delegação dos feciais cuja missão era garantir, pelu ,, hrundir confuso de esp~das e escudos que se oferec1am em
forma corrente, a inviolabilidade do tratado (palrare = sancire) . 1 •P ·túculo, mas ferimentOs e sangue, pois os três albanos estavam

52 53
TITO UVIO HISTóRIA DE ROMA

feridos e dois romanos caíam agonizantes um sobre o outro. w u mortos, mas com sentimentos bem diferentes: uns t rna-
Sua queda provocou gritos de alegria da parte do exército vn m-sc doRée do~r,"'ó~tros caíam sob o domínio estrangeu ?
ai bano. Os sepulcros ainda existem no local onde cada um pereceu.
As legiões romanas já haviam perdido a esperança mas l >:. dois romanos juntos e mais próximos de Alba, e os três
continuavam angustiadas, temendo pela sorte de seu único luta- ulbanos na direção de Roma, distantes um do outro conforme
dor que os três Curiácios já cercavam. Por felicidade , ele não 11 desenrolar da luta.
fora ferido. Achava-se muito fraco para enfrentar sozinho todos
aqueles adversários reunidos, mas ainda era temível num com- <:rime c castigo de Horácio. 26 . Cumprindo o tratado,
bate singular. Métio antes de se retirar
Pôs-se então a fugir a fim de combatê-los separadamente, Jll"tguntou a Tulo quais eram suas ordens. Este lhe ordenou que
certo de que cada ffiímigo o perseguiria na medida de suas tnuntivesse os jovens de prontidão, pois precisaria de seus ser-
forças. Já se achava a grande distância do campo de batalha, ' tços em caso de guerra contra os veienses. Depois disso os dois
quando se voltou e percebeu que seus adversários estavam 4' \ércitos recolheram-se a seus lares.
muito distanciados uns dos outros e apenas um se achava próxi- À frente de suas tropas, marchava Horácio exibindo seus
mo. Caiu de chofre contra ele e, enquanto os albanos gritavam 111plices despojos . Sua irmã, donzela noiva de um dos Curiácios,
aos Curiácios que fossem em socorro do irmão, o Horácio liqui- ~ tiu-lhe ao encontro diante da porta Capena. Ao reconhecer
dou o adversário. Vencedor, partiu para o segundo combate. l lll seus ombros a túnica de guerra que ela mesma fizera para
Com as aclamações que um inesperado êxito costuma provocar, 11 noivo, soltando os cabelos e debulhando-se em lágrimas,
os romanos encorajaram seu soldado e ele apressou-se em l l tmou pelo nome de seu noivo morto. As lamentações da irmã
decidir a luta. Antes que um dos Curiácios, que aliás não se ' 111 meio a sua vitória e ao regozijo da multidão provocaram
achava muito distante, pudesse alcançá-lo. eliminou seu com- '' cólera do jovem guerreiro. Sacando da espada trespassou a
panheiro. tttuçu dirigindo-lhe estas ásperas palavras: "Vai-te com teu
Agora o equilíbrio fora restabelecido, pois restava apenas 111110r insano, vai unir-te ao teu noivo, tu que esquece teus
um combatente de cada partido. Mas nem a esperança nem as ltllwos. os mortos e o vivo, tu que esqueces tua pátria! Assim
forças eram iguais. Um, isento de golpes e duas vezes vencedor. llt\lt ra toda a romana que chorar um in roi o " . -1:> '"> ~ ' "
corria feroz para o terceiro combate, ao passo que o outro. Esse crime horrorizou patrícios e plebeus, mas o recente
esvaindo-se em sangue, abatido por ter visto caírem seus dois ltlu nfo do assassino contrabalançava-o. Contudo, o jovem foi
irmãos, cansado da corrida e arrastando um corpo já vencido, h vudo em julgamento perante o rei.
oferecia-se aos golpes do vencedor. Não chegou a ser um com- Nüo querendo assumir sozinho a responsabilidade de um
bate. Exultante, o romano gritou: " Já entreguei duas vítimas } Jn lgnmcnto tão penoso e anti-popular e do suplício que decor-
aos manes de meus irmãos! A terceira vou dá-la ao objetivo ' ' ttu da sen tença, o rei reuniu a assembléia do povo e disse:
desta guerra, para que o romano domine o ai bano". E dizendo I) · acordo com as leis. nomeio duúnviros para julgar Horácio
isto cravou a espada na garganta do inimfgo, que mal podia I'"' crime contra o Estado 2~".
sustentar as armas, derrubou-o e despojou-o.
Os romanos acolheram Horácio com gritos de alegria c 7 Duum viri perdue/lionis. A perduellio era o crime de l: sa-
reconhecimento, tanto maiores quanto a causa est ivera real- lltuj•' ' IUdc, traição aos interesses cjo Estado. Tito Lívio terá enqua-
mente em perigo. Depois os dois partidos puseram-se a sepu ltar ''""'11 o crime de Horácio nessa ca(egoria talvez por motivos religiosos,

54 5'>
TITO UVIO H ISTORI A DE ROMA

O texto da lei era terrível: "Os crimes de Estado serão O povo não resistiu às lágrimas do pai e à intrepidez do
julgados por duúnviros. Se o culpado apelar da sentença filho, sempre impassível diante do perigo. Absolveram-no mais
dos duúnviros, o apelo ocasionará um debate. Se a sentença t'm admiração por sua coragem do que pela legiti:mida e
dos duúnviros for confirmada, cobrir-se-á a cabeça do conde- cu ato. Contudo, como aquele crime flagrante exigia alguma
nado, que será enforcado numa árvore sob chi cotadas, dentro t•x piação, ordenaram ao pai que fizesse purificações pelo filho
ou fora do pomério ". u~ expensas do erário.
Os duúnviros foram nomeados com base nessa lei e de Após esses sacrifícios expiatórios, que passaram a ser tradi-
acordo com ela julgavam impossível absolver mesmo um ino- ~ ionais na familia dos Horácios, o pai colocou uma trave de
cente. Condenaram Horácio e um deles disse: " Públio Horácio, um lado a outro da rua e obrigou o filho a passar com a cabeça
declaro-te criminoso contra o Estado. Vai, lictor, e ata-lhe as ~:uberta sob aquela espécie de jugo. Esta trave ainda existe e
mãos". O lictor aproximou-se e já começava a tarefa quando 11 E tado zela por sua conservação. ~ chamada Jugo da Irmã.
Horácio, por sugestão de Tulo que interpretava a lei com cle- l 'onstruíram para Horácia um sepulcro em pedra de cantaria,
mência, disse: "Apelo". Travou-se então o debate da apelação 11<> local em que foi assassinada.
diante do povo, debate comovente para a assistência, sobretudo
quando Públio Horácio declarou que achava justo o assassínio l'rnição de Métio. 27 . A paz com Alba não durou mui-
de sua filha , pois do cont rário teria usado do pátrio poder para ~~ tratégia de Tulo. to. O povo aJbano censurava o ditador ~~v;
castigar o filtlO. Suplicava ao povo, que o vira outrora cercado por ter confiado a três homens a~ r}JJ
por uma família respeitável, que não lhe arrebatasse o último do Estado, e sua vaidade sofria com isso. Como a honestidade
de seus filhos. Depois disso o velho abraçou o jover.1 e exibindo nuo lhe trouxera vantagens, recorreu à perfídia para reconquistar
com orgulho os despojos dos Curiácios fixados no local hoje o~ favores do povo. Depois de ter querido a paz em plena
denominado "Troféus de Horácio", acrescentou: "Este herói I'Uerra, queria agora a guerra em plena paz. Mas percebendo
que acabais de ver marchando com as insígnias e a glória de l'lltre seus concidadãos mais ódio do que força, procurou concitar
vencedor, ó romanos, podeis vê-lo na forca com a corda ao ou tros povos a uma guerra aberta e declarada contra Roma .
pescoço e torturado sob os golpes do chicote? Nem os albanos ( )uunto a suas tropas, reservá-las-ia para traírem os romanos
poderiam suportar um espetáculo tão deprimente. Vai, lictor, unulando-lhes lealdade.
amarra essas mãos que há pouco com suas armas ga rantiram A colônia romana de Fidenas e a cidade de Véios, que
a supremacia de Roma! Vai e cobre a cabeça de nosso liber- 1d ·rira ao plano com a garantia de que Alba se tornaria sua
tador! Enforca-o na árvore da infâmia! Flagela-o dentro do lli uda, decidiram pegar em armas.
pomério, em meio a seus troféus e aos despojos do inimigo Quando Fidenas _declarou..gwa:.t:ll, Tulo mandou Métio sair
ou fora do pomério, mas entre os sepulcros dos Curiácios. Para de Alba com suas tropas e marchar contra o inimigo. Depois
onde podereis conduzir este jovem sem que sua glória proteste ele atravessar o Ânio, ele estabeleceu o acampamento na con-
contra a vergonha de tal suplício?" 1111 ·ncia desse rio com o Tibre. O exército dos veienses havia
utrovessado o Tibre entre esse local e a cidade de Fidenas,
uma vez que o jovem aca bava de ser considerado herói do Estado lormando com suas tropas a ala direita que se estendia pela
romano. Caso contrário, deveria ser julgado pelo tribunul fumili nr murl;Cm do rio. Os fidenates fo maram à esquerda, mais perto
presidido pelo pa/C!r jami/ias. dus montanhas. e Tulo. por ~ua vez. dispôs suas tropas em

56 57
T ITO uvro HISTóRIA DE ROMA

frente ao inimigo veiense, colocando os albanos em face da ficar indecisos entre a fuga e a resistência e acabavam sendo
legião dos fidenates. trucidados. Roma jamais havia enfrentado batalha tão san-
O chefe albano era tão covarde quanto desleal. Não que- grenta.
rendo permanecer e não ousando desertar abertamente, aproxi-
mou-se aos poucos das montanhas. Quando se julgou bastante E ccução de Métio. 28 . O exército albano, que até então
próximo, fez a tropa subir a encosta e, sempre indeciso, tentou mantinha-se como simples espectador,
ganhar tempo desdobrando as fileiras . Sua intenção era conduzir ucsceu até a planície. Métio felicitou Tulo por sua vitória e
>--7"""
os homens para o lado que a fortuna favorecesse. ·rulo respondeu-lhe amistosamente. Para o bem comum, ordenou
Foi grande a surpresa dos romanos que se achavam mais a tropas albanas que se reunissem às romanas, pois ia preparar
próximos, quando perceberam seu flanco descoberto com a um sacrifício de purificação para o dia seguinte.
partida dos aliados. Um cavaleiro a galope partiu para anunciar Ao raiar do dia, feitos os preparativos habituais, mandou
ao rei a deserção dos albanos. Naquele momento crítico, Tulo convocar os dois exércitos em assembléia. Os arautos começaram
fez o voto de criar doze sálios 23 e erguer templos à Palidez pelas últimas fileiras, chamando os albanos em primeiro lugar.
e ao Medo. Interpelando o cavaleiro em voz alta para ser ouvido Atraídos pela novidade e pelo desejo de ouvir o discurso
pelos inimigos, ordenou-lhe que voltasse ao combate. Disse que do Jei, os albanos colocaram-se nas primeiras fileiras. De acordo
não havia motivo para alarme. Fora ele próprio que ordenara com as ordens recebidas, a legião romana cercou-os com suas
aos albanos aquele recuo para que atacassem a retaguarda dos trmas. Os centuriões estavam prevenidos de que deveriam
fidenates que estava desprotegida. Mandou também que os cava- ·xccutar sem demora tudo que lhes fosse ordenado. Tulo, então, ,
leiros erguessem as lanças, com isso ocultando a uma grande proferiu as seguintes palavras: "Romanos, se algum dia houve
parte da infantaria romana a retirada dos albanos. Os que uma guerra em que tivestes razões especiais para primeiro
tinham percebido a manobra acreditaram nas palavras do rei e
e cnder graças aos deuses imortais e depois a vossa própria
redobraram o ardor da batalha. lllragem, esta foi sem dúvida a batalha de ontem. Tivestes de
O pânico tomou conta dos inimigos. Tinham ouvido clara- lutar não só contra o inimigo, mas também - combate ainda
mente as palavras pronunciadas pelo rei , pois grande parte dos
nutior e mais perigoso - contra a traição e a perfídia de nosso~
fidenates pertencia a uma colônia romana e sabia latim. Assim,
uliados. Não vos enganeis. Foi sem minha ordem que os albanos
receando que um ataque dos albanos do alto da colina lhes
ubiram às montanhas. Não dei semelhante ordem mas julguei
cortasse a volta à cidade, puseram-se em debandada. Tulo
111 udente fingi-lo para que, ignorando a traição, não perdêsseis
perseguiu-os e, após haver dispersado a ala dos fidenates, voltou-
se com ferocidade cada vez maior contra os veienses conta- ,, tu·dor do combate, e também para que o inimigo ao julgar-se
giados pelo pânico de seus aliados. Eles também não suportaram lmtido pela retaguarda fosse tomado de pânico e debandasse.
o ataque, mas o Tibre à sua retaguarda barrava-lhes a renrada. 1~ · ·onheço que a culpa não é de todos os albanos. Eles seguiram
Ao chegarem às margens do rio, uns largavam covardemente as l'U chefe como vós também teríeis feito se eu próprio vos

armas e em desespero atiravam-se n'água. Outros se deixavam 111 tlcnasse qualquer manobra. Métio foi o responsável por este
movimento, o próprio Métio que maquinou esta guerra, Métio
IJIIl' rompeu a aliança entre Alba e Roma. Que alguém ouse
23 . Numa já havia instituido os sálios (cap. 20) que ocupava~_
o Palatino, daí seu nome de Pa/atini. Tito Uvio provavelmente ra;? ll' pr duzir a façanha se eu não r,er deste homem um exemplo
referência aos sálios do Quirinal também chamados Collini. ••de fi ante para todos os mortais."

'58 59
TITO LlVIO H!STORIA DE ROMA

Os centuriões armados cercaram Métio. O rei continuou e fogo. Ao contrário, um silêncio triste, um desespero mudo,
no mesmo tom: "Para o bem-estar, a prosperidade e a felicidade petrificara de tal modo os corações que o medo os impedia de
do povo romano, por mim mesmo e por vós, albanos, tomei a pensar no que deveriam deixar ou levar consigo. Consultavam-se
decisão de transferir toda a po u çio d Alba par!._B.oma, dar uns aos outros, incapazes de qualquer decisão. Ora deixava~-se
o_ direito de cidadania à plebe, coloctr, os nobres na categoria ' ficar imóveis no limiar de suas portas, ora erravam no inte\or
de senadores, formar enfim uma só gii:Jããe, um só Estado. Assim j!'<f das casas como se quisessem vê-las pela última vez. Depms,
como outrora Alba se dividiu em dois povos, que ago7a volte como os gritos dos cavaleiros os apressassem a sair, como o
a sua urudade" . estrondo das casas que ruíam começasse a ecoar até as extremi-
Ao ouvirem essas paltvras os jovens albanos, sem armas dades da cidade, e uma nuvem de poeira levantando-se dos
no meio de homens armados, experimentaram os mais variados quarteirões mais afastados cobrisse todas as coisas, cada um se
sentimentos, mas o temo eral constrangeu-os ao silêncio. Tulo pôs a retirar apressadamente tudo o que podia, abandonando
então prosseguiu: étio Fufécio, se pudesses aprender ainda a seu lar, seus penates e o teto que o vira nascer e crescer.
respeitar os juramentos e os tratados, eu te pouparia a vida e Em breve uma fila ininterrupta de emigrantes enchia as
seria eu próprio o teu instrutor. Mas como teu caráter é irre- ruas. Olhando-se uns aos outros, um sentimento de piedade
cuperável, que ao menos teu suplício ensine os homens a con- recíproca arrancava-lhes novas lágrimas. Ouviam-se queixumes,
siderarem sagrados os compromissos que violas e. Assim como principalmente das mulheres, ao passarem diante de seus tem-
ontem dividias tua alma entre Fidenas e Roma, hoje é a vez plos venerados, agora ocupados pelas tropas romanas, comõ"Se""
de teu corpo ser também dividido". abandonassem seus deuses prisioneiros.
Mandou então que trouxessem duas quadrigas às quais fez Evacuados os albanos, os romanos arrasaram indistinta-
amarrar Métio com os membros distendidos. Em seguida, os mente todos os edifícios públicos e particulares. Uma hora foi
cavalos foram impelidos em direção cbntrária, o corpo se dila- bastante para reduzir a ruínas uma obra de quatrocentos anos,
cerou e os dois carros arrastaram os membros neles amarrados. pois tal havia sido a duração de Alba. Somente os templos,
Todos os olhares se afastaram do horrível espetáculo.\ conforme o edito do rei , foram poupados.
Foi a _erimeira e última vez que os romanos empregaram
esse suplício que desprezava ãs leis da humanidade. Em todas as Guerra contra os sabinos. 30 . Roma, entretanto, cresceu
outras ocasiões eles podem vangloriitr-se de que nenhum outro com a destruição de Alba. Du-
povo se mostrou mais humanitário na aplicação de c~s . plicou o número de cidadãos e anexou ao seu território o monte
~o ; .;-. ..; Célio. Para atrair habitantes, Tulo construiu no local um
Destruição de AJba. 29. Nesse ínterim, fora enviado a palácio onde passou a habitar. Ampliou o senado, admitindo
Alba um destacamento de cavalaria nobres albanos, entre os quais os ServíHos, os Qüíncios, os Ge-
para transferir a população para Roma. As legiões partiram de- gânios, os Curiácios e os Clélios, e construiu um prédio para
pois para demolir a cidade. esse órgão do Estado, a cúria, que nossos pais ainda conheceram
Ao franquearem as portas não houve, na verdade, qualquer com o nome de Cúria Hostflia 24 • Formou dez pelotões de cava-
tumulto ou o pavor que costuma apoderar-se das cidades captu-
radas, quando o inimigo arromba as portas, rompe as muralhas 24 . A Cúria Hoslflia. provavel"jlente recebeu esse nome por ser
a golpes de aríetes, toma de •assalto a cidadela, espalhando-se o local onde eram acolh1dos os eflbaixadores inimigos (hostis ±
nas ruas aos gritos e, de armas na mão, destrói tudo a ferro inimjgo) .
_ /
60 61
HISTORIA DE ROMA
TITO LtVIO

laria recrutados entre os albanos, a fim de que todas as ordens laria romana pôs em debandada as fileiras dos sabinos. A partir
do Estado tivessem um acréscimo de força tirada do novo povo. de então, eles não puderam reorganizar-se nem fugir ao combate
sem que sofressem grandes perdas.
Completou as antigas legiões com elementos da mesma proce-
dência e criou novas.
Confiante em suas forças, Tulo declarou guerra aos sabinos, Morte de Tulo Hostilio. 31 . Com a derrota dos sabinos, a
que na época eram a nação mais populosa e bem armada dep~is glória de Tulo e da própria Ro-
dos etruscos. De ambos os lados houvera ofensas e reclamaçoes ma já se elevara a um alto grau. Foi quando vieram anunciar ao
~ . 2G na
inúteis. Tulo queixava-se de que no temp1o de Feroma • rei e aos senadores que tinha caído uma chuva de ped ras no
hora de maior freqüência ao mercado, comerciantes romanos monte Albano. Como o fato era pouco verossímil, enviaram
haviam sido detidos. Os sabinos, por sua vez, diziam que antes observadores para verificar o prodígio. Estes viram cair diante
desse fato alguns de seus concidadãos haviam sido detidos e'? de seus olhos uma espessa chuva de pedras semelhante às sarai-
Roma apesar de estarem refugiados no bosque sagrado. Tats vadas que o vento levantava da terra. Acreditavam mesmo ter
eram os pretextos invocados para a guerra. ouvido uma voz possante elevar-se do bosque que se estende no
Os ~ão ignoravam que uma . parte de suas forç~s cimo do monte e ordenar aos albanos que voltassem a fazer sacri-
havia sido instalada em Roma por Tác10, e que o podeno fícios de acordo com os ritos de seus antepassados. Eles os
romano aumentara recentemente com a anexação de Alba. Pro- haviam negligenciado, abandonando-os juntamente com a pátria.
curaram, por esse motivo, auxilio externo. A Etrúria era sua Uns tinham adotado os deuses romanos, outros deixado de adorar
vizinha e de todos os povos etruscos os veienses eram os mais os deuses por uma espécie de ressentimento contra o destino.
próximos. e os rancores elXa os pela guerra . contribuír~m Depois daquele prodígio os romanos, por sua vez, realiza-
para reavivar sua animosidade contra Roma e. atr.atr voluntános ram uma novena religiosa, seja porque a voz celeste do monte
dentre eles bem como aventureiros da plebe mdtgente, a quem Albano o tivesse ordenado - alguns textos assim o relatam -
0 soldo seduzia. Oficialmente, porém, nenhum auxílio lhes foi
seja porque os arúspices o aconselharam. De qualquer forma,
dado, e prevaleceu entre os veienses - o que entre os demais permaneceu o costume de realizar um culto solene de nove dias,
povos seria menos extraordinário - o respeito à trégua con- todas as vezes que o prodígio se manifestava.
cluída com Rômulo. Pouco tempo depois grassou uma epidemia na cidade. Os
Os dois adversários preparavam-se ativamente para a soldados manifestavam indisposição para a luta, mas o belicoso
guerra e a única dúvida consistia em saber quem tomaria a rei não pensava em tréguas, achando que o campo de batalha
ofensiva. Tulo se antecipou e invadiu o território sabino. Travou- era mais saudável para a juventude do que a cidade, até que
-se um combate violento na floresta Maliciosa, onde a força da ele próprio foi atacado por longa enfermidade. O esgotamento
infantaria e a cavalaria recentemente ampliada deram ao exército físico dobrou-lhe o temperamento indomável. Ele que sempre
romano grande superioridade. Um ataque inesperado da cava- julgara os assuntos religiosos tarefa secundária para os reis,
começou de súbito a se dedicar a todas as grandes e pequenas
25. Divindade agrária adorada por certos povos da Itália cen· devoções e infundiu no povo toda sorte de escrúpulos religiosos.
tral, sobretudo de Capena, Terracina e Freneste. A Ferônia de Capena O povo já vinha exigindo o retomo à política de Numa
era particularmente célebre. Em sua festa anual os sacerdote cami· e acreditava que só ficaria livre das doenças se implorasse a
nhavam de pés descalços sobre carvões ardentes. Em Terracina era
benevolência e as graças dos deuses. Dizem que, ao consultar
considerada a deusa dos libertos.

63
62
TITO LlVIO HISTóRIA DE ROMA

as notas de Numa, o próprio rei descobrira certos sacrifícios a paciência à prova e, se contemporizasse, seria desprezado.
solenes e secretos em honra de Júpiter Elício e quis realizá-los A situação exigia um rei como T ulo e não como Numa.
sem testemunha. Mas como não tivesse observado os ritos, no Assim sendo, do mesmo modo que Numa havia instituído
início e no prosseguimento dos sacrifícios, não só nenhuma
divindade celeste se lhe apresentou, como também Júpiter atin- \ práticas religiosas para a paz, Anca resolveu instituí-las para
a guerra. Não bastava declarar guerra, mas fazer a declaração
giu-o com seu raio, irritado com sua falta de religiosidade, fulmi- e acordo com um rito. Tomou então de empréstimo à antiga
nando-o juntamente com o seu G: alácií . ' nação dos eqüícolos as fórmulas para apresentar uma reclama-
Tulo reinou trinta e dois anos erto de glórias militares. ção, ainda hoje usadas pelos feciais. Quando o emissário che-
gava às fronteiras do país ao qual ia fazer sua reclamação,
AI(\ c.J) Eleição de Anco Márcio. 32. Com a morte de cobria a cabeça com o filum - um véu de lã - e dizia:
~~ &claração de guerra aos latinos. TuJo, o poder, como " Ouvi-me, ó Júpiter, ouvi-me, fronteiras - aqui nomeava os
fora estabelecido desde povos a que pertenciam - , ouvi-me, 6 Justiça Divina. Eu sou
o início, voltou aos senadores que nomearam um inter-rei. Nas o mensageiro oficial do povo romano. Venho encarregado
eleições que se realizaram, o povo elegeu Anco Márcio e os de uma missão justa e sagrada. Peço que confieis em minhas
senadores aprovaram a escolha. palavras". Em seguida expunha suas reclamações e tomando
Anco Márcio era neto de Numa Pompílio pelo lado ma- Júpiter por testemunha, dizia: "Se eu peço de modo injusto
terno. Ao iniciar seu reinado, lembrou-se as glórias de seu e ímpio que me sejam devolvidos aqueles homens e aqueles
avô e do reinado precedente, notável em todos os aspectos mas objetos do povo romano, não permitais que eu regresse jamais
insatisfatório em um único ponto - a indiferença religiosa e à minha pátria ". Essa fórmula ele a repetia ao atravessar a
a negligência aos cultos - , e considerou como seu principal fronteira, repetia-a ao primeiro varão que encontrasse, repetia-a
dever restabelecer as cerimônias públicas de acordo com as ao entrar na cidade e repetia-a ao penetrar no Fórum, com
instruções de Numa. Encarregou o sumo pontífice de transcrever ligeiras modificações introduzidas na invocação e na fórmula
todas as notas do rei num quadro branco e mandou exibi-las de juramento. Se não fosse devolvido o objeto de sua reclama-
ao povo. Todos esses atos levaram os cidadãos romanos, ansio- ção decorridos trinta e três dias - tal era o prazo consagrado
sos pela paz, e as cidades vizinhas, a julgar que o rei iria seguir -então ele declararia guerra proferindo estas palavras: "Ouvi-
me, ó Júpiter, e tu, }ano Quirino! Todos vós deuses do céu,
os costumes e a política do avô.
vós, deuses da terra, e vós, deuses do inferno, ouvi-me! Eu vos
Diante disso os ~ com os quais o rei Tulo concluíra
tomo por testemunhas de que aquele povo - aqui designava-o
um tratado, recobraram a coragem e fizeram uma incursão pelo nome - é injusto e não paga o que deve. Quanto a
em território romano. E, quando Roma reclamou. responderam este assunto consultaremos na pátria os nossos maiores sobre
com arrogância, persuadidos de que o rei pretendia reinar paci- o meio de obter o que nos é devido".
ficamente entre santuários e altares. O mensageiro retornava a Roma para deliberação. O rei
- O temperamento de Anco era moderadot lembrando ao imediatamente consultava os senadores mais ou menos nestes
mesmo tempo o de Numa e o de Rômulo. Além disso acreditava termos: "A propósito daqueles objetos, causa do litígio, os
que a paz fora necessária no reinado de seu avô para civilizar quais o pater patratus do povp romano dos quirites reclamou
um povo jovem e belicoso, mas que dificilmente ele poderia ao pater patratus dos antigos latinos e aos antigos latinos pes-
conseguir o mesmo resultado sem sofrer injúrias. Punham-lhe soalmente; a propósito do qye eles deveriam dar, pagar e fazer,

6'5
TITO UVIO
HISTóRIA DE ROMA

mas que eles não deram, nem pagaram, nem fizeram, dize-me
deveria ser destru ída para não servir de eterno refúgio ao
- perguntava ao primeiro que consultava - o que pensas? inimigo.
Então ele respondia: " Acho que se deve fazer uma guerra
Toda a guerra do Lácio concentrou-se então em Medúlia
justa e santa para obter o que nos é devido. Assim penso e
onde durante a lgum tempo houve apenas combates de resultado~
julgo ". Em seguida interrogava os outros um a um . Quando a
maioria dos presentes era da mesma opinião, a guerra ficava duvidosos e vilórias alternadas com fraca ssos. A cidade era
decidida. protegida por muralhas e defend ida por forte guarnição. Por
Geralmente o feciaJ levava um dardo de ferro ou de tere- outro lado, o exército latino estava acampado na planície e
binto, com a ponta previamente queimada, até a fronteira do travara diversas lutas corpo a corpo com os romanos. Final-
inimigo. Lá, na presença de pelo menos três adultos, dizia: mente, atacando com todas as tropas. Anco obteve a primeira
"Uma vez que o povo dos antigos latinos ou cidadãos dos vitória.
antigos latinos cometeram atos e delitos contra o povo romano Apoderando-se de imensos despojos regressou a Roma,
dos quirites; uma vez que o povo romano dos quirites decidiu admitindo mais uma vez milhares de latinos na cidade. Locali-
entrar em guerra contra os antigos latinos, ou que o senado do zou-os perto do templo de Múrcia para estabelecer a junção
povo romano dos quirites decidiu, votou e decretou que se entre o Palatino e o Avent ino. O Janículo também foi anexado,
declarasse guerra ao povo dos antigos latinos, por esses motivos mais para evitar que a colina viesse a ser ocupada pelo inimigo
eu e o povo romano declaramos guerra e a começamos contra do que por necessidade de terras. Cercaram-na de muralhas e,
o povo dos antigos latinos e contra os cidadãos antigos latinos" . para torná-la mais acessível, uniram-na a Roma por uma ponte
Ditas essas palavras, lançava o dardo no território inimigo. de madeira. Foi a primeira ponte sobre o Tibre. O fosso dos
Desse modo as queixas foram apresentadas aos latinos e quirites 26 , importante defesa do lado em que a planicie era
a guerra declarada. Esse costume passou à posteridade. de fácil abordagem, foi também obra do rei Anco.
Com o rápido crescimento de Roma, era difícil distinguir
Vitória contra os latinos. 33 . Depois de ter passado as em meio a uma população tão numerosa os bons e os maus
responsabilidades do culto aos cidadãos, de modo que uma série de crimes cometidos ficava
flâmines e a outros sacerdotes, Anco recrutou um novo exér- impune. Para infundir temor e conter essa sucessão de crimes.
cito e com ele marchou contra Politório, cidade dos latinos, foi erguido no centro da cidade um imenso cárcere que domi-
tomando-a de assalto. Depois, seguindo o exemplo dos reis nava o Fórum.
precedentes que haviam engrandecido a cidade concedendo aos O rei não se contentou apenas em desenvolver a cidade
inimigos o título de cidadãos, transferiu para Roma toda a de Roma . Alargou também suas fronteiras. Tomou aos veienses
população daquela cidade. a floresta Mésia, estendeu seu poder até o mar e fundou a
Como os antigos romanos haviam construído suas moradas cidade de Ostia na foz do Tibre, em volta da qual construiu
em volta do Palatino, os sabinos sobre o Capitólio e a cidadela salinas. Após seus trifunfos militares, aumentou o templo de
e os albanos no monte Célio, Anco cedeu o Aventino aos novos )úpiter Ferétrio.
habitantes. A estes vieram reunir-se novos cidadãos, pouco
tempo depois da tomada de Telenas e de Ficana. Politório foi
novamente atacada visto que os antigos latinos a tiuham ocupado 26 . O fosso era o local doode se retirava terra por ocasião da
fundação da cidade. depois que traçavam um sulco com arado puxado
após sua evacuação. Por esse motivo os romanos acharam que por bois.

66 67
TITO LIVIO HISTORIA DE ROMA

Chegada de Tarqüinio a Roma. 34 . No reinado de An· Tanaqui l conseguiu facilmente convencer aquele ambicioso
co, um indivíduo empre- para quem Tarqüínio era apenas a pátria de sua mãe. Reunindo
endedor e dono de imensas riquezas chamado Lucumão 27 esta- todos os haveres, emigraram para Roma. Ao chegarem ao
beleceu-se em Roma. Viera atraído pelo desejo e a esperança Janfculo, estava Lucumão na carruagem ao lado da mulher
de conseguir cargo importante, o que não pudera pretender em quando viu uma águia descer rapidamente e, adejando sobre
Tarqüfnio, onde não passava de um estrangeiro. Era filho de sua cabeça, arrebatar-lhe o chapéu. A ave continuou a sobrevoar
Demarato de Corinto, expulso de sua pátria por motivos políti- a carruagem com grandes gritos. Como se cumprisse uma missão
cos, que se estabelecera em Tarqüfnio onde se casara e tivera divina, recolocou-o exatamente em sua cabeça, voando depois
dois filhos , Lucumão e Arrúncio. Sobrevivendo ao pai, Lucumão para as alturas.
tornou-se herdeiro de todos os seus bens. Arrúncio morrera Conhecedora dos prodígios celestes, como todo o povo
antes do pai deixando a esposa grávida . Demarato não sobrevi- etrusco, dizem que Tanaquil recebeu esse augúrio com alegria.
veu ao filho por muito tempo e, ignorando o estado de sua Abraçando o marido, exr-licou-lhe que deveria esperar um gran-
nora, não deixou ao morrer testamento a favor do neto. A criao· dioso e sublime destino, considerando a ave que surgira, a
ça, nascida após a morte do avô, nada tendo a esperar como região do céu donde viera e o deus de quem era mensageira.
herança , recebeu o nome de Egério !R por causa de sua pobreza. Fora sobre a parte mais elevada do corpo que incidira o
Herdeiro de todos os bens, Lucumão encheu-se de orgulho auspício. A ave arrebatara um ornamento colocado na cabeça
com sua riqueza, e sua ambição não conheceu mais limites ao de um homem e o havia devolvido por ordem de um deus.
desposar Tanaquil , mulher de origem nobre, que não suportava Com esses pensamentos e esperanças entraram em Roma,
a idéia de ver rebaixada sua condição social pelo casamento. onde compraram uma casa. Lucumão apresentou-se com o DOme
O desdém dos etruscos por Lucumão, filho de um estrangeiro de Lúcio Tarqüínio Prisco.
exilado, constituía para ela uma humilhação insuportável. Os romanos logo os distinguiram por serem estrangeiros e
Renegando o senti mento que nos liga à pátria, Tanaquil donos de grandes riquezas. Tarqüínio, por sua vez, também
resolveu abandonar Tarqüínio, na esperança de ver seu marido favorecia o destino atraindo as pessoas com sua afabilidade,
cercado de honrarias. Roma lhe pareceu a cidade mais indicada sua generosa hospitalidade e benefícios prestados. Sua fama
para atingir seus objetivos. Em uma nação jovem, onde a chegou ao palácio do rei através de comentários. Mais tarde,
nobreza se conquistava rapidamente e por merecimento, haveria fazendo ao rei uma corte digna e discreta, ele transformou esse
lugar para um homem bravo e empreendedor. Um de seus relacionamento em amizade íntima, a ponto de participar, em
reis, Tácio, fora sabino. Tinham mandado buscar Numa em igualdade de condições, de todos os negócios públicos e priva-
Curos para fazê-lo rei , e o próprio Anco era filho de uma dos, civis ou militares. Depois de o ter tantas vezes experi-
sabina, possuindo como nobreza apenas a imagem de seu avô mentado, o rei chegou ao ponto de nomeá-lo em testamento
Numa 29 • tutor de seus filhos .

Eleição de Lúcio Tarqüínio Prisco. 35 . Anco reinou vin-


27 . Lucumão era a denominação dada pelos etruscos aos patrí·
cios e não nome próprio.
Organização dos jogos. te e quatro anos. Igua-
28 . Derivado de egeo, estar ou ser pobre . viver na pobreza. lou-se aos reis ante-
29 . Media-se o grau de nobreza pelo número de retratos. "ima- riores por sua glória e s,Lra tática tanto na guerra quanto na
gens", dos antepassados que haviam exercido mogistroturos curuis. paz. Seus filhos já haviam chegado à idade adulta. Por esse

68 69
TITO LIVIO HISTORIA DE ROMA

motivo Tarqüínio se apressou ainda mais em realizar comícios época a escolha do local para o circo que hoje se denomina
para a eleição do rei. Ao aproximar-se a data marcada, afastou Circo Máximo. Foram destinadas áreas aos senadores e aos
os rapazes sob pretexto de uma caçada. Dizem que foi ele o cavaleiros para que construíssem camarotes st (articulares cha-
primeiro que se atreveu a candidatar-se ao trono e a pronunciar mados fori, sustentados por andaimes de doze pés de altura.
um discurso para angariar a adesão da plebe. Desses camarotes eles assistiam aos t:spetáculos que consistiam
Declarou que sua candidatura não era sem precedentes - na apresentação de :avalos de corrida e de pugilistas, oriundos
o que poderia tornar o fato chocante ou extraordinário para sobretudo da Etrúria. Desde entao, esses jogos solênes foram
alguns - pois não era o primeiro mas o terceiro estrangeiro realizados anualmente e denominados ora Jogos Romanos, ora
com pretensões ao trono de Roma. O rei Tácio, na ocasião em Grandes Jogos. Esse mesmo rei distribuiu terrenos aos parti-
que se tornara rei, além de estrangeiro era inimigo. Numa não cu lares para que construíssem em volta do Fórum pórticos e
conhecia a cidade nem sequer era candidato quando lhe ofere- tabernas.
ceram o trono. Ao passo que ele, desde que se tornara inde-
pendente, viera fixar-se em Roma com a mulher e toda a sua Ataque dos sabinos. 36. Preparava-se o
fortuna. A maior parte da vida, em que os cidadãos podem Aumento das centúrias de cavaleiros. rei para cercar Ro-
exercer cargos públicos, passara-a em Roma e não em sua ma de muralhas de
antiga pátria. Quanto llos assuntos civis e militares, não receava pedra quando uma guerra com os sabinos impediu-lhe o proje-
nomear o mestre, o próprio rei Anco, que lhe ensinara as leis to 32 • O ataque fora tão repentino que os inimigos atravessaram
e os ritos romanos. Sua submissão e deferência ao rei rivalizava o Ãnio antes que o exército romano pudesse h-lhes ao encontro
com a de todo o povo e sua benevolência para com o povo e impedir-lhes a passagem. O pânico estabeleceu-se em Roma.
rivalizava com a do próprio rei. No início a vitória pareceu indecisa, com grandes perdas de
Ctrnrqüínio não mentia ao relembrar esses fatos. E assim ambos os lados, mas logo depois o inimigo recolheu-se ao acam-
" J '"VV ~ ~l!ltO rei por maioria esmagadora
30
.
pamento, dando aos romanos tempo de preparar novos planos de
Ao lado de qualidades notáveis, esse homem conservou a ataque.
mesma ambição que o levara ao trono. frocurou não só conso- . Julgando in~uficiente o número de seus cavaleiros, Tarqüí-
lidar o reino mas também aumentar o poderio do Estado no- nto resolveu acrescentar aos ranenses, ticienses e lucérios (cen-
meando cem novos senadores, conhecidos a partir de então túrias criadas por Rômulo) novas centúrias às quais daria seu
pelo nome de senadores de segundo grau, partidários incontes- nome. Mas como Rômulo só o havia feito após consultar os
táveis do rei, a quem deviam a oportunidade de participar da áugures, Ato Návio, famoso áugure na época, declarou que
cúria.
Sua primeira guerra foi contra os latinos, quando tomou 31 . O Circo Máximo era o maior de Roma. Ficava situado no
de assalto a cidadela de Apioles. Como esta guerra lhe propor- vale que separava o Palatino do Aventino. Os espectadores podiam
assistir aos jogos sentados nas encostas dessas colinas, mesmo sem
cionasse mais despojos do que fama, celebrou jogos mais pom- os camarotes a que se refere Tito Lívio. Os degraus de pedra foram
posos e organizados do que os dos reis anteriores. Data dessa construídos muito mais tarde por Caio Júlio César.
32 . Admitindo-se que tenha realmente havido as guerras de Tar-
30. Em geral admite-se que esse discurso de Tarqüfnio foi inven- qüfnio contra os latinos e os sabinos, parece provável que os analistas
romanos atribuíram ao rei de Roma conquistaS que foram de todo
tado posteriormente para dissimular a conquista de Roma pelos etrus-
o impériC' etrusco.
cos. o que teria ocorrido no fim do século VIl o. C.

71
70
TITO LIVIO HlSTORJA DE ROMA

nenhuma organização nova poderia ser feita a menos que as chamas partiu-se em pedaços, formando pequenas jangadas que
aves o autorizassem. foram prender-se aos suportes da ponte e a incendiaram.
Irritado com essas palavras, o rei teria dito para ridicula- O incêndio espalhou terror entre os sabinos durante o com-
rizar a ciência do áugure: "Vejamos. Tu que és adivinho, per- bate e impediu-lhes a retirada após a derrota. Muitos soldados
gunta aos pássaros se é pcssível fazer aquilo que tenho em ao tentarem escapar ao inimigo afogaram-se no rio. Flutuando
mente" . Depois de consultar os áugures, o adivinho respondeu no Tibre, suas armas chegaram a Roma e anunciaram a grande
que era possível. "Pois o que eu pensei, disse o rei, foi que vitória antes mesmo que os mensageiros o pudessem fazer.
tu cortarias uma pedra com esta m;valha. Toma-a e faz o que A maior parte das glórias desse combate coube à cavalaria.
as aves te disseram ser possível". Segundo a tradição, o áugure, Distribuída pelas duas alas, ao ver a infantaria recuar no centro,
sem hesitar, cortou a pedra. ela teria investido sobre os dois flancos com tal impetuosidade
Havia outrora no comício 33 , na escadaria do lado esquerdo que não só deteve as legiões sabinas que pressionavam nossa
da cúria, uma estátua de Ato com a cabeça coberta, no próprio retirada, mas também conseguiu fazê-los debandar. Os sabinos
local em que o fato ocorreu. Dizem também que a pedra fora correram em desordem para os montes, mas poucos conseguiram
depositada no mesmo local para perpetuar a lembrança do mila- alcançá-los. A maior parte, como já dissemos, foi precipitada
gre. O certo é que os áugures e seu sacetdócio passaram a gozar no rio pela cavalaria.
de tais honrarias que nada mais se fazia sem sua consulta, Decidido a explorar o pânico do inimigo, Tarqüínio
tanto na guerra quanto na paz. Assembléias do povo, recruta- enviou a Roma prisioneiros e presas de guerra, fez enorme
mento de tropas, assuntos da maior importância, tudo era monte de despojos, queimou-os - pois tinha-os prometido a
relegado se as aves não aconselhassem. Por isso Tarqüínio não Vulcano - e marchou com seu exército contra o território
fez nenhuma mudança nas centúrias da cavalaria. Limitou-se sabino. Apesar do fracasso e da pouca esperança em maiores
a duplicar o número de seus cavaleiros, de modo que houvesse êxitos, os sabinos sem tempo para deliberar enfrentaram os
mil e oitocentos cavaleiros nas três centúrias. As centúrias con- romanos com um exército desorganizado. Mais uma vez desba-
servaram os mesmos nomes, mas os cavaleiros que foram incor- ratados e em situação desesperada, pediram paz.
porados passaram a chamar-se "posteriores". Atualmente as cen-
túrias foram desdobradas e são denominadas "seis centúrias". Rendição de Colácia. 38 . Colácia e o território
Submissão dos antigos latinos. situado aquém dessa cida-
Derrota dos sabinos. 37. Depois de reforçar essa parte do de foram tomados aos sa-
exército, o rei voltou a combater os binos. Egério, sobrirtho de Tarqüínio, ficou em Colácia à frente
sabinos. Além de aumentar a ÍQ.!:g_ do exército romano, Tarqüí- de uma guarnição. De acordo com documentos existentes, é
nio usou também de astúc_út. Mandou atear fogo a um grande o seguinte o ~exto da rendição de Colácia :
tronco de madeira que se achava na margem do Ãnio e impeli-lo O rei perguntou: " Sois os representantes e porta-vozes
enviados pelo povo colatino para nos entregar o povo colatino
em chamas para o rio. Com o impulso do vento, o lenho em ~I
e a vós mesmos?" "Sim" , responderam eles. " O povo colatino
pode dispor de sua sorte?" " Sim". "Entregais vossa própria
33 . Lugar de reunião das assembléias do povo (comi tia curiata)
a noroeste do Fórum. Nesse !Qcal existia um poço onde, segundo a pessoa e o povo colatino, cidade, terras, água, fronteiras, tem-
tradição, estavam enterradas a navalha e a pedra, e junto a elas a plos, móveis, objetos sagrados e profanos à minha autoridade
figueira Rumina!, transportada do Palatino pela magia de Ato Návio. e à do povo romano? " "Sim ". "Está bem, eu vos recebo".

72 73
TITO LlVlO HISTORIA DE ROMA

Terminada a guerra com os sabinos, Tarqüínio reentrou em devemos cuidar, com toda a solicitude, deste ser destinado a
Roma em triunfo. Em seguida declarou guerra aos antigos cobrir-se de glórias públicas e privadas n.
latinos, mas não chegou a haver combate que envolvesse todas Desde então começaram a tratar a criança como a um filho
as tropas. Sitiando uma cidade de cada vez, subjugou toda a e a instruí-la nas artes que preparam o espírito para o desem-
nação latina. Cornículo, a antiga Ficuléia, Caméria, Crustumério. penho de uma alta missão. Cumpriu-se facilmente a vontade
Ameríola, Medúlia, Nomento, cidades dos antigos latinos ou dos deuses porque o jovem evoluiu adquirindo o caráter de
que a eles se aliaram, foram tomadas e a paz finalmente con- verdadeiro rei. Ao escolher um genro, o rei Tarqüínio não
cluída. encontrou entre a juventude romana ninguém que se lhe pudesse
O rei começou então a empreender obras ú icas com comparar, e deu-lhe a filha em casamento.
S maior entusiasmo ainda do que o demonstra o na guerra, para Quaisquer que tenham sido os motivos, a concessão de
não deixar o povo mais tranqüilo em seus lares do que no semelhante honra não Rermite crer que Sérvio Túlio fosse
campo de batalha. Mandou continuar a construção da mura a filho de uma escrava ou tivesse sido escravo na infância. Con-
de pedra que fora interrompida pela guerra com os sabinos e cordo com a opinião daqueles que afirmam que Sérvio Túlio,
cercou a cidade nos pontos em que runda não estava fortificada . seu pai, chefe de Estado em Cornículo, perecera por ocasião da
Havia lugares baixos nos arredores do Fórum e nos vales entre tomada da cidade e deixara sua mulher grávida. Reconhecida
as colinas, cuja falta de inclinação dificultava o escoamento pela rainha de Roma entre outras cativas, ter-lhe-ia sido pou-
das águas. Conseguiu drená-las abrindo ~tQS que iam desde r-
os pontos mais elevados até o Tibre. Lançou as fundações do
pada a servidão em virtude de sua origem ilustre. Assim dera
à luz um filho em Roma, em casa de Tarqüínio Prisco. Desse
) "
templo que prometera erguer a Júpiter no Capitólio por ocasião benefício teria surgido entre as duas mulheres grande amizade.
da guerra com os sabinos, pressagiando a futura grandeza da- O menino fora criado desde a infância no palácio e teria sido
quele local. cumulado de carinho e consideração. A sorte de sua mãe, cativa
do inimigo depois da queda de sua pátria, teria feito crer que
Origem de Sérvio Túlio. 39 . Naquela época ocorreu no
palácio real um prodígio espan-
toso, não só por sua natureza como por suas conseqüências.
Conta-se que durante o sono de uma criança chamada
ele era filho de uma escrava.

Atentado contra Tarqülnio Prisco. 40 . Por volta do tri-


gésimo ano do reinado
--
Sérvio Túlio, em presença de várias testemunhas, sua cabeça de Tarqüínio, o rei, os senadores e o povo tinham grande esti-
--0 foi cercada de chamas. Diante dos gritos provocados pelo espan- ma por Sérvio Túlio. Os dois filhos de Anco sempre conside-
) ~ ,. toso prodígio, a famflia real acorreu. Como um dos servidores raram grande indignidade terem sido afastados do trono de seu
, ,:c trouxesse água para extinguir o fogo, a rainha impediu-o, fez pai pela d~slealdade de seu tutor e verem um estrangeiro reinar
cessar o tumulto e ordenou que não se tocasse na criança até em Roma, um estrangeiro que além de não ser de uma cidade
~\A ' \. que ela despertasse espontaneamente. vizinha nem sequer ern de origem ~· Sua indignação aumen-
As chamas desapareceram logo que a criança despertou . tou mais ainda ao perceberem que após a morte de Tarqüínio
Chamando seu marido à parte, Tanaquil lhe disse: "Vês esta o poder real iria cair em mãos de esro ao iovés de voltar a
criança que educamos em condição tão humilde? Fica sa~~nd.o eles. Naquela mesma cidade em que á cem anos aproximada-
que um dia ela será um raio de luz em nossos momentos dtftcets mente Rômulo, filho de um deus e de ele próprio, havia rei-
e o sustentáculo de nosso trono ameaçado. Daqui por diante nado enquanto estivera na T erra , o poder seria dado a um escra-

74 75
TITO LlVJO HISTóRIA DE ROMA

vo, filho de uma escrava 34 • Seria uma desonra para todos os necessário para pensar a ferida, como se ainda lhe restassem
romanos em geral e para sua casa em particulàr se, estando esperanças. Ao mesmo tempo tomou outras providências para
vivos os descendentes varões do rei Anco, estrangeiros, ainda o caso de frustrarem-se-lhe essas mesmas esperanças. Mandou
1\ por cima escravos, chegassem ao trono de Roma. chamar Sérvio às pressas e mostrou-lhe o marido que se esvaía
Resolveram impedir aquela afronta pela violência. Sua em sangue. Tomou-lhe então a mão e suplicou-lhe que não dei-
revolta era dirigida mais contra Tarqüínio do que contra Sérvio, xasse a morte de seu sogro impune nem a sogra à mercê de seus
pois o crime seria punido com maior rigor pelo rei, se o deixas- inimigos. E acrescentou: "Se és homem_, Sérvio, este reino é teul
sem vivo, do que por um cidadão privado. Além do mais, se e não daqueles que se serv'iram de mao alheia para perpetrar
assassinassem Sérvio, Tarqüinio poderia escolher outro genro seu abominável crime. Ergue-te e deixa que te guiem os deuses
e transformá-lo em herdeiro do trono. Por conseguint~. foi que outrora te anunciaram a glória circundando-te a fronte com
contra o próprio rei que prepararam uma cilada. o fogo divino. t chegada a hora em que a chama celeste irá
Dois pastores, entre os mais audaciosos, foram escolhidos animar-se. e chegada a hora do verdadeiro despertar. Embora
para executá-la. Armados com ferramentas que costumavam uti- estrangeiros, nós também reinamos. Lembra-te apenas ~
lizar no campo, entraram no vestfbulo do palácio simulando és e e ua or· . Se este golpe imprevisto te assusta,
uma briga, a mais ruidosa possível, para atrair os servos do segue meus conselhos" .
rei. Como ambos clamassem que desejavam ver Tarqüínio, seus Como os gritos e a animosidade do povo parecessem incon-
gritos chegaram até o interior do palácio e o rei convocou-os a troláveis, Tanaquil falou ao povo do alto do palácio, por uma
sua presença. Começaram os dois a vociferar, procurando cada janela que dava para a rua Nova (o rei habitava de fato perto
um cobrir a voz do outro. Um lictor obrigou-os a calar-se, orde- do templo de Júpiter Stator) . Ordenou que ficassem calmos.
nando-lhes que falassem cl'tda um por sua vez. Deixaram de O rei fora surpreendido pelo golpe, mas o ferro não penetrara
cortar a palavra um ao outro e um deles começou a expor o profundamente c ele já voltara a si. A ferida fora examinada
fato como fora combinado. Enquanto o rei lhe prestava toda e o sangue estancado. Tudo ia bem, e dentro de alguns dias
a atenção, o outro levantou o machado e descarregou-lhe um tinha certeza de que eles poderiam revê-lo. Enquanto isso, o
golpe na cabeça. Deixando a arma no ferimento, os dois cor- povo deveria obedecer a Sérvio Túlio. Ele exerceria a justiça
reram para fora do palácio. e preenc~eria as outras fu~ç~s do rei. ~\ ~ \ C
Vestmdo a toga trabéta 3a e acompanhado pelos lict {,. -"'\J \ 1
Morte de Tarqüínio Prisco. 41 . Enquanto Tarqüínio ago- Sérvio adiantou-se. Sentando-se no trono real, ora tomava de<..t
nizava nos braços de seus sões, ora fingia a necessidade de consultar o rei. Desse modo,
\ Sucessão de Sérvio Túlio. durante alguns dias, embora Tarqüínio já estivesse morto, sua
familiares, os dois fugitivos
eram detidos pelos lictores. Ouviram-se gritos e uma multidão morte permaneceu secreta e Sérvio firmou sua própria autori-
da a aparência-de-estar substituindo o rei. ---
lj se aglomerou para indagar do que se tratava. Em meio ao
tumulto, Tanaquil, esposa do rei, mandou fechar o palácio e as
testemunhas saírem. Providenciou, sem demora, tudo o que era
Só então foi que lamentos 'ouvidos no palácio revelaram
ao público a verdade. Protegido por uma guarda eficiente, Sérvio
Túlio foi o primeiro a reina sem o voto popular, mas com
34 . Provavelmente jogo de palavras com o nome de Sérvio (ser-
vus = escravo) . Mas servus parece ter sido um antigo nome gentnico, 35 . Túnica branca orlada de púrpura. Era o traje dos reis e
e Tul/ius (como, aliás, Tullus) um nome de origem etrusca. áugures, mais tarde adotado pelos cônsules.

76
TITO UV IO HISTóRIA DE ROMA 3 , ~,...\.c

o apoio do Senado. Os filhos de Anco, após a prtsao de seus Divisão do povo em classes sociais. 43 . Com os cidadãos
cúmplices, ao saberem que o rei estava vivo e o poder de que possuíam cem mil
Sérvio aumentara, partiram para o exílio em Suessa Pomécia. asses ou mais, organizou oitenta centúrias, quarenta de homens
idosos e quarenta de jovens, chamadas de primeira classe. Os Li
Reformas sociais de Sérvio Túlio. 42. Sérvio procurou anciãos eram encarregados da defesa da cidade e os jovens das
consolidar sua posição guerras no exterior. Como armas defensivas possuíam o capacete,
antes por uma aliança familiar do que por medidas políticas. o escudo redondo, as perneiras e a couraça, tudo em bronze.
Para evitar que o rancor nutrido pelos filhos de Anco contra Como armas ofensivas usavam a lança e a espada. Acrescentou a
Tarqüínio se repetisse nos filhos de Tarqüínio contra ele pró- essa classe duas centúrias de soldados de engenharia, que não
prio, casou duas filhas com os jovens príncipes Lúcio e Arrúncio usavam armas e cujo encargo era preparar as máquinas de
Tarqüínio. Entretanto, a sabedoria humana foi impotente para guerra.
impedir que se cumprisse a inexorável lei do destino e que em A segunda classe compreendia as fortunas que iam de
sua própria casa a ambição de reinar despertasse a perfídia e o cem a setenta e cinco mil asses e formava vinte centúrias,
ódio. incluindo homens de idade e jovens. Suas armas eram o escudo
Oportunamente, havia expirado a trégua com os veienses oblongo, ao invés do redondo, e à exceção da couraça todas
e demais povos da Etrúria. A guerra recomeçou e garantiu sua as demais armas eram as mesmas da primeira classe.
v- tranqüilidade naquele momento. Essa guerra~ ; oporciol\o~ Para a terceira classe fixou a fortuna em cinqüenta mil
C. ~ Túlio a oportunidade de se d istinguir pela cotàgem e pela sorte. asses. Era formada de igual número de centúrias, divididas
Depois de derrotar o grande exército dos inimigos, voltou a igualmente conforme a idade. Usavam as mesmas armas, com
v exceção de perneiras.
Roma com a autoridade reafirmada, quer entre os patrícios. ( )'
quer entre os plebeus. ~ Na quarta classe a fortuna era de vinte e cinco mil asses.
Iniciou então a mais considerável das obras realizadas em Havia o mesmo número de centúrias porém as armas não eram
tempo de paz. Assim como Numa foi o fundador de nossas as mesmas. Usavam apenas a lança e o dardo.
instituições religiosl!S, a posteridade atribui a Sérvio a divisão A quinta classe, mais numerosa, formava trinta centúrias.
" ... da sociedade em c asses, que distingue os diversos graus de Era armada de fundas e projéteis de pedra. Compreendia tam-
<C~ dign idade e de fortuna. Instituiu o censo, iniciativa muito bém os corneteiros e os trombeteiros, divididos em duas centú-
salutar para a futura grandeza do impé.ri.o, que impunha a rias . A fortuna exigida era de onze mil asses.
cada cidadão a obrigatoriedade de contribuir para os gastos Os demais cidadãos que o censo indicara possuir menores
do Estado na paz e na guerra, não mais por uma taxa única haveres formavam uma única centúria, isenta do serviço militar.
como antes, mas de acordo com suas rendas. Dividiu a popu- Depois de armada e organizada a infantaria, Túlio formou
lação em classes e centúrias, e baseado no censo criou essa com o.s..nobres da cidade doze céntúrias de cavaleiros. Das três
organização admirável do ponto de vista civil e militar 36 • instituídas por Rômulo formoJ seis, conservando os mesmos
L nomes que lhes haviam sido daaos quando da sua criação.
36 . A reforma atribuída por Tito Lívio a Sérvio Túlio só se Deu-lhes dez mil asses por ano retirados do tesouro público
realizou posteriormente, após longa evolução. Contudo, deve ser an· para a compra de ca~los, e para alimentá-los taxou as viúvas
terior às reformas do século lV, por ocasião do cerco de Véios e das
guerras gaulesas: instituição do soldo e divisão em manípulos.
com um imposto de dois mil asses por ano.

78 79
TITO LfVIO HISTORIA DE ROMA

Todos esses ônus não incidiram sobre os pobres e sim oitenta mil cidad ãos foram inscritos no primeiro censo. O mais
sobre os ricos, que entretanto receberam honrarias compensa- antigo de nossos historiadores, Fábio Pictor, acrescenta que cor-
doras. Contrariamente ao costume estabelecido por Rômulo e respondiam ao número dos Qll!Lpodiam._pegar em armas.
mantido pelos outros reis, Túlio não atribuiu indistintamente 1
Para abrigar essa multidão impunha-se a ampliação da
igual peso e igual valor aos votos de todos os cidadãos. Estabe- cida é. O rei anexou duas colinas, o Quirinal e o Viminal,
leceu uma hierarquia que, sem parecer excluir qualquer cidadão aumentou as Esquilias e, para dar ao quarteirão certa dignidade, ~'
do direito de voto, colocava todo o poder nas mãos das classes passou a morar no local. Circundou a cidade de fossos e mura- ~r:;;
mais elevadas. Os cavaleiros eram chamados a votar em pri- ?. lhas, fazendo avançar o pomério. ~
meiro lugar e depois as inte e uatro centúri -deprimeira ~,\1 Tomada em seu sentido próprio, a palavra pomério signi- tf O
classe. Se houvesse desacordo entre eles, o que raramente acon- fica " depois das muralhas". Era na verdade empregada sobre-
. ~harnava-se
tecia ..,...,
as classes atxas.
~
a segunda classe. Quase nunca se descia até - tudo para designar a " proximidade das muralhas", local que
outrora os etruscos deixavam livre no interior das muralhas
Não nos devemos admirar de que nossa organização atual , quando constru íam uma cidade. Esse espaço era determinado
em que o número de tribos elevou-se a trinta e cinco e dupli- com rigor e consagrado pelos áugures. No seu interior as casas
cou-se o número de suas centúrias de jovens e de anciões, não não podiam encostar-se às muralhas, como é costume atual-
corresponda mais ao total estabelecido por Sérvio Túlio. Ele mente , e na parte exterior havia um terreno que não podia ser
havia dividido a cidade em quatro partes formadas pelos q~ar-)(,\~ cultivado. Aquela área onde era sacrilégio construir ou cultivar,
teirões e colinas então habitadas e dera-lhes o nome de trtbos / os romanos deram o nome de pomerium porque ao mesmo
tirado , penso eu, do tributo que tinham de pagar, pois o imposto tempo ficava depois da muralha e a muralha depois dele. Todas
proporcional à fortuna foi também uma de suas instituições. as vezes que a ci dade se estendia, o avanço das muralhas corres-
Essas tribos não tinham, aliás, nenhuma relação com a distri- pendia a um avanço daquela zona consagrada.
buição e o número de centúrias.
Construção do templo de Diana 45 .Juntam~nte com a \
Encerramento do censo. 44. Terminado o censo, cuja con- expansão territorial de
Significação do pomério. clusão fora apressada por uma Roma, Sérvio promoveu também o engrandecimento do Estâdo.'
lei que ameaçava com a prisão Depois de o ter dotado de uma completa organização civil e mil i-
e mesmo com a morte os que não se inscrevessem, Túlio de- tar, resolveu usar de diplomacia e continuar embelezando a cida-
cretou que todos os cidadãos romanos, cavaleiros e infantes. de, pois não desejava depender exclusivamente das armas para
se reunissem com suas centúrias no Campo de Marte aos pri- aumentar-lhe a grandeza.
meiros albores da madrugada. Quando as tropas já se achavam
Naquela época já era célebre o t mplo de Diana em ereso.
organizadas em fil eiras, ele as purificou com uma suovetau-
Dizia-se que fora construído com a contribuição de todas as
rflia 37 • Essa cerimônia foi chamada de "encerramento do censo"
cidades da Ásia. Sérv io não cessava de elogiar com entusiasmo
porque indicava realmente o fim do recenseamento. Dizem que
esse espírito de cooperação, essa harmonia no culto dos mesmos
deuses , principalmente diante da aristocracia do povo latino,
37. Sacrifício de uma porca, uma ovelha e um touro, realizado com a qual havia tido o cuidado de travar relações de hospita-
no Cam po de Marte, acompanhando cerimônias expiatórias, que se
fazia ao fim de cada lustro. ou em outras ocasiões.
lidade e de amizade, tanto oficiais quanto privadas.

81
80
TITO LfVJO HISTóRIA DE ROMA

De tanto repisar o mesmo assunto, acabou convencendo o poder por um número de votos tão grande que nenhum outro
povo latino a associar-se ao povo romano para edificar em Roma
um templo dedicado a Diana. Isso era proclamar a supremacia
:>-~
-;:r
l rei antes dele obtivera.
Tarqüínio porém não perdeu a esperança de chegar ao
de Roma, pretensão que dera origem a tantas guerras. trono. Sabendo que a distribuição de terras à plebe fora feita
Depois dos sucessivos fracassos de seu exército, os latinos contra a vontade do Senado, pareceu-lhe ser aquele o momento
pareciam ter renunciado a essa pretensão, quando a sorte ofere- oportuno para redobrar seus ataques a Sérvio diante dos sena-
ceu a um habitante da Sabina ocasião propícia para reconquistar dores e assumir importância na cúria. Esse jovem de tempera-
a supremacia por iniciativa própria . Dizem que na casa de uma mento ardente e inquieto era constantemente instigado no lar
família da Sabina nasceu uma bezerra de tamanho e beleza r sua mulher Túlia.
fora do comum. Durante muitos séculos seus chifres ficaram O palácio re~ Roma foi teatro de uma tragédia san-
expostos à entrada do templo de Diana, para recordar o fato en~a que nos f~ria abominar a realeza, apressar o advento
extraordinário. Tomaram-no pelo que era, um prodígio, e os ltberdade e agtr para que aquele reinado fosse o último a
adivinh~s. prediss~m ,sue o cidadão, que a imolasse a Diana r conquistado por um crime.
conseguma a su. remaeta para seu pats. Não se sabe ao certo se esse Lúcio Tarqüínio era filho ou
Essa predição chegara ao conhecimento do sacerdote do ne to de Tarqüínio Prisco. De acordo com a maioria dos autores
templo de Diana. No primeiro dia que pareceu favorável ao inclino-me a considerá-lo filho. Tinha um irmão chamado Ar~
sacrifício, o sabino trouxe a bezerra a Roma, conduziu-a ao rúncio Tarqüínio, jovem de temperamento moderado. Os dois,
templo de Diana e apresentou-a diante do altar. Emocionado como já dissemos, haviam-se casado com as duas filhas do rei
com o tamanho da famosa vftima, o sacerdote romano lembrou- Túlio, muito diferentes também quanto à maneira de se r.
-se do vaticfnio e dirigiu ao sabino estas palavras: " Estrangeiro, Quis a sorte que os dois temperamentos violentos não
que pretendes fazer? Oferecer um sacrifício a Diana em estado fossem unidos pelo matrin:ônio. Talvez, creio eu, porque o
de impureza? Por que não te purificas primeiro na água cor- de tino do povo romano quisesse permitir a Sérvio reinar mats
tempo c estabe lecer as bases sociais do Estado.
rente? No fundo do vale corre o Tibre".
Movido pelo escrúpulo religioso e desejando que a cerimô- A orgulhosJ Túlia sofria por não encontrar o menor traço
de ambição c de audácia em seu marido. Votava, porém, grande
nia se realizasse de acordo com os ritos para que se cumprisse
admiração ao outro Tarqüínio, considerando-o um verdadeiro
o prodígio, o estrangeiro imediatamente dirigiu-se ao rio. Nesse
homem nascido de estirpe real. Desprezava a irmã porque, ten®
ínterim, o sacerdote imolou a bezerra a Diana , fato que causou
um marido enérgico, paralisava-lhe a audácia com sua fraqueza .
imensa alegria ao rei e ao povo. ão tardou que os dois se aproximassem por suas seme-
lhanças, como em gera l acontece. pois o mal sempre atrai o
Ambição de Túlia. 46. Embora se sentisse seguro no tro ~ai. Mas foi a mulher <t origem 9e toda a tra édia. Nas entre-
no que há muito tempo ocupava, Sér- vtstas secre tas que costumava manter com o marido de sua
vio ouvira dizer que o jovem Tarqüínio o acusara muitas ve- irmã, não poupava injúrias a seu próprio marido, de quem ele era
zes de reinar sem o voto do povo. Por esse motivo, depois irmão, e a sua irmã, de q uem ele era marido. Costumava dizer
de conquistar as boas graças da plebe com a distribuição das que teria sido preferível que ela própria fosse viúva e ele
terras arrebatadas ao inimigo, não hesitou em consultá-la se o solteiro, ao invés de unidos a pes oas tão fracas e covardes que
queriam. se o aceitavam ou não como rei. Foi confirmado no paralisavam seus atos. Se os deuses lhe tivessem dado o marido

82 83
TITO UVIO HISTORIA DE ROMA
<:., I \ou« I'\) <' \"..
que merecia, ele não tardaria a empunhar o cetro que agora se Instigado pela ambição desenfreada da mulher, Tarqüínio
achava nas mãos de seu pai. começou a pressionar os senadores, prinCipalmente os de segurf
Não tardou em comunicar ao jovem seus sen imentos auda- do grau. Lembrou-lhes o que seu pai tinha feito por eles e
ciosos. Arrúncio Tarqüínio e a mais moça das Túlia& morreram exigiu-lhes retribuição. Aliciou a juventude com prodigalidade,
quase ao mesmo tempo, deixando-os livres para. C_?ntrair no~o e sua popularidade cresceu em todos os meios com as magníficas
matrimônio. O casamento celebrou-se sem a opostçao de Sérvto, promessas que fazia e com as crfticas dirigidas ao rei.
mas sem contar com sua aprovação. Finalmente, quando julgou que era chegado o momento
de agir, irrompeu no Fórum escoltado por uma tropa de homens
Golpe de Lúcio Tarqüínio. 47. Com o correr do tempo , armados. Em meio ao terror generalizado, entrou na cúria, sen-
a velhice de Sérvio e seu tro- tou-se no trono e mandou um arauto convocar os senadores
no estavam cada vez mais ameaçados. Após o primeiro crime , à presença do rei Tarqüínio. Todos vieram imediatamente, uns
aquela mulher preparava-se para executar o segundo. Nem de já prevenidos do golpe, outros por medo de serem prejudicados
dia nem de noite dei xava o marido em sossego, receando ter caso não comparecessem, atônitos diante desse fato inaudito e
praticado seus crimes gratuitamente. O que lhe_ faltara, d_izia extraordinário, e persuadidos de que Sérvio já estava perdido.
ela, não fora um homem a quem pudesse constderar martdo , Tarqüínio se pôs então a rebaixar o rei por sua origem
nem um res ignado companheiro de escravidão. Faltara-lhe um humilde. Esse escravo, filho de uma escrava, dizia ele, depois
homem que se julgasse digno de rei nar , que se lembrasse de que da indigna morte do rei, sem estabelecer o interregno tradicional, -~
era filho de T arq üínio Prisco, que preferisse apoderar-se do sem reunir os comícios, sem o sufrágio do povo, sem a autori- <' )
trono e não apenas esperá-lo. " Se tu és o homem com quem zação dos senadores, havia recebido o trono como um rusente ....
julgo ter-me casado, eu te reconheço como marido e como rei. das mãos de uma mulher. Assim nascido e assim feito rei, ~
Do contrário, minha situação só fez piorar, pois agora estarei r I arrebatara as terras aos nobres e distribuíra-as à ralé, para favo-
unida a um covarde e a um cri minoso. Por que não te prepa- recer a plebe vil à qual pertencia e por ódio à elite da qual não
ras? Tu não vieste de Corinto neTTl de Tarqüínio como teu pai . ~I era membro. Por outro lado, os encargos que outrora eram
de modo a teres de conquistar um trono estrangeiro. Os teus I comuns a todos fez incidir apenas sobre a nobreza de Roma.
deuses lares e os de tua pátria, a imagem de teu pai, teu palá- Instituiu o censo para atrair a inveja sobre a fortuna dos ricos
cio, o trono que nele se encon tra, teu nome de Tarqüínio. tudo e dela poder dispor para pratica r liberalidades com os mise-
te reclama e te declara rei. Mas se te falta coragem, por que ráveis.
enga nas a cidade? Por que permites que te chamem príncipe?
Volta para Tarqüínio ou para Corinto. Regride até tuas origens. Assassínio de Sérvio Túlio. 48. No meio do discurso Sér-
tu que és mais semelhante ao teu irmão do que a teu pai ··. vio interveio. Chamado às
I
Com essas e outras palavras de censura excitava o jovem. .
pressas por um mensage1ro, . I
m~rpe Iou-o em voz a I ta do vesti-
'
Túlia não podia conter-se ao pensar que Tanaquil, uma es t~ a n­ bulo da cúria: " O que significa 'isto, Tarqüínio? Como ousaste,
geira, tinha conseguido ardilosamente dar duas vezes segutdas estando eu vivo , convocar os senadores e te sentar no meu
o trono, primeiro ao marido e depois ao genro, ao passo que trbno? " \p o <:.>- .o '\...
ela, oriunda de estirpe real , não tinha poderes para fazer um Tarqüínio replicou com insolência que estava ocupando o
rei e destrona r outro. trono de seu pai. Era justo que o herdeiro do trono fosse o

84 85
TITO I.IVIO HISTORIA DE ROMA
<
filho do rei e não um escravo. Há muito tempo vinha Sérvio, , <" • um final merecidamente trágico a esse reinado que se iniciava
impudentemente, ludibriando e insultando seus senhores. r •\ com um crime.
Ergueu-se clamor entre os partidários de um e de outro, Sérvio Túlio reinou quarenta e quatro anos, de modo que
e o povo precipitou-se para a cúria. Era evidente que o trono seu sucessor, mesmo se fosse homem virtuoso e moderado, difi-
pertenceria ao mais audacioso. Então Tarqüínio, forçado pelas cilmente poderia competir com ele. Além disso, que ainda çj._c-'-
circunstâncias a agir com extrema ousadia e favorecido pelo mais lhe aumentou a glória foi que com ele termin u a rea ezã ~
vigor da idade, agarrou Sérvio pela cintura, arrastou-o para justa e legítima. Segundo certos autores, Sérvio pretendia renun-
fora da cúria e empurrou-o escada abaixo. Em seguida voltou ciar à autoridade real, apesar de exercê-la branda e moderada-
à cúria para a reunião do Senado. mente, por ser privilégio de um só homem, quando o crime de
A escolta do rei e seus lictores fugiram. O próprio rei, seus próprios parentes o surpreendeu em seu projeto de libertar ,..
u-
quase exangue, com uma comitiva aterrorizada, fugiu em direção a pátria. '
a sua casa, e teria chegado até o fim da rua Cípria se os emis-
sários que Tarqüínio enviara em sua perseguição não o tivessem Tirania de Tarqüínio Soberbo. 49. Começou então o rei-
alcançado e matado. nado de Lúcio Tarqüíniq, . ~<
Acredita-se te~ sido Tú · a instjgadora do golpe, pois seus a quem foi dado o cognome de Soberbo por ter negado sepulT l<
crimés anteriores não afastam essa hipótese. Consta como certo tura ao sogro. Dizia repetidamente que Rômulo também não
que ela foi ao Fórum num carpento ss e, sem se intimidar fora sepultado. Mandou assassinar os principais senadores sus-
diante da multidão de homens, chamou o marido para fora da peitos de terem colaborado com Sérvio e cercou-se de guar-
cúria sendo a primeira a dar-lhe o título de rei. Tarqüínio da-costas, consciente de que sua usurpação criminosa constituíra
ordenou-lhe que se retirasse do meio daquela multidão em um exemplo que poderia ser seguido contra ele próprio. Não
tumulto e ela voltou para casa. Ao atingir o fim da rua Cípria, tinha e.le na verdade qual~uer .direito ao trono e todo seu poder ~
onde até pouco tempo erguia-se o templo de Diana, quando o se estnbava na força, p01s remava sem o sufrágio do povo e \ 0-.)
carpento er:n que viajava ia virar à direita para passar pela sem a aprovação dos senadores. Não podendo conta orilã"l;o ~
encosta úrbia e atingir o monte Esquilino, o cocheiro se deteve vontade dos cidadãos, necessitava reinar pelo ~e paqt in- cs:>- """
apavorado, puxou os freios da viatura e mostrou à senhora o fundi-lo prescindiu de qualquer . conselho, sendo juiz únioo de
corpo mutilado de Sérvio estendido no chão. O local, segundo todas as condenações à pena m#ima. Aproveita-se para exe- \
a tradição, perpetua a lembrança de um crime horrível e desu-
mano. Passou a chamar-se rua do Crime aquela em que Túlia,
d cutar, exilar e confiscar os bens não só dos suspeitos ou in'imi-
gos como também daqueles de quem nada podia esperar a não
ser a fortuna . ~ """'- " ~
fora de si e impelida pelas Fúrias vingadoras da irmã e do
Diminuiu o número de senadores e resolveu não nomear
marido, mandou passar o carro sobre o cadáver de seu pai.
outros, para desacreditar esse órgão do Estado com a limitação ':t .t
Dizem que salpicas do sangue da vítima sujaram o veículo e
de seus membros e poder agir independentemente sem qualquer ~
que ela própria, manchada com o sangue paterno, regressou
oposição. Na verdade, foi ele o primeiro rei a romper com a .f
para junto dos deuses penates que lhe eram comuns com seu tradição de seus predecessores de submeter todos os assuntos ./
marido. Mas a cólera desses deuses iria proporcionar em breve à apreciação do Senado. ,
Administrava os negócios públicos consultando apenas seus
38. Corro coberto. de duns rodas. paru uso das mulheres. familiares . Ele próprio, com os conselheiros de sua escolha, sem

87
TITO UVIO HISTORIA DE ROMA

a participação do povo e do Senado, tudo fazia e desfazia: eram executados e despojados de seus bens, que esperança
guerra, paz, tratados e alianças. tinham os latinos de que ele os tratasse melhor? Se quisessem
Empenhou-se sobretudo em atrair o povo latino, procurando ouvi-lo, cada um regressasse ao seu lar e não fosse mais pontual
apoio no estrangeiro para poder sentir-se seguro entre seus ao encontro marcado do que aquele mesmo que o havia com-
próprios concidadãos. Não contente com os laços de hospita- binado.
lidade, uniu-se a seus chefes por relações de parentesco. Otávio Essa._s e outras alavras perti e"tes eram pronunciadas por
Mamílio Tusculano era, sem contestação, o nome mais impor- aquele ipdlvtduo intrigante e ttur u ento: por isso mesmo pres-
tante entre os latinos, e se acreditarmos na lenda, descendente tigiado em sua pátria. No momento em que estava mais exal-
de Ulisses e da deusa Circe. Tarqüínio lhe deu a filha em casa- tado, Tarqüínio apareceu pondo fim ao discurso. Todos se
mento, e através dessa união ligou-se a muitos parentes e voltaram para saudá-lo e fez-se silêncio. Interpelado por seus
amigos de seu genro. vizinhos quanto ao seu atraso, disse que fora tomado como
árbitro por um pai e filho, e que o dever de reconciliá-los o
Encontro de Tarqüínio Soberbo 50 . Já era ·grande a havia retido. Como o assunto exigira toda a sua atenção naquele
com os latinos. autoridade de Tarqüí- dia, transferia para o dia seguinte a exposição que projetara.
nio entre ds chefes la- Dizem que nem essa desculpa fez calar a Turno. Ele teria decla-
tinos, quando lhes marcou um encontro no bosque sagrado da rado que nada se realizava mais depressa do que um acordo
deusa Ferentina para tratar com eles, segundo disse, de interesses entre pai e filho. Duas palavras bastavam: o filho obedeceria
comuns aos dois povos. ou arcaria com a desgraça.
Ao raiar do dia, os latinos compareceram em grande núme-
ro. O próprio Tarqüínio apresentou-se no dia marcado, mas Execução de Turno Herdônio. 5 L. Vituperando contra o
um pouco antes do pôr-do-sol. Durante o dia todo ouviram-se rei de Roma, o aricino
na assembléia as mais diversas reclamações. Turno Herdô · Q, abandonou a assembléia. Tarqüínio ficara mais irritado do que
de Arícia, era quem mais invectivava contra a ausência de deixara transparecer e imediatamente pôs-se a maquinar a morte
Tarqüínio. Não se admirava do cognome de Soberbo que lhe de Turno. Queria inspirar aos latinos o mesmo terr com que
davam em Roma, dizia ele (na verdade os latinos já lhe davam oprimia o espírito dos cidadãos romanos. Como nao tivesse auto-
esse epíteto com freqüência, embora ainda veladamente) . Ha- ridade para mandar matá-lo abertamente, procurou destruir
veria atitude mais soberba do que zombar daquela maneira do aquele inocente apresentando uma falsa acusação. Através de
povo latino? Depois de ter convocado os chefes para se apre- certos aricinos do partido contrário a Turno, conseguiu subor-
sentarem tão longe de sua pátria, ele próprio, que havia mar- nar um de seus escravos para que deixasse introduzir secreta-
cado a assembléia, não comparecia. Com certeza queria provar- mente no alojamento de seu amo grand~ quantidade de espa-
lhes a paciência e submetê-los a seu jugo caso se mostrassem das. Todos esses fatos aconteceram em uma só noite.
dóceis. Quem não percebia que ele pretendia dominar os Pouco antes do alvorecer, Tarqüínio mandou chamar a sua
latinos? Se seus concidadãos o tivessem considerado digno do presença os chefes latinos. Fingindo-se perturbado por um fato
poder ou se o trono lhe tivesse sido entregue e não usurpado extraordinário, disse-lhes que seu atraso da véspera fora mani-
por um parricídio, mereceria a confiança dos latinos, embora festação da providência divina que o salvara e a todos eles.
mesmo assim não se devesse confiar em estrangeiros. Mas se Recebera denúncia de que Turno preparara um atentado contra
seus próprios concidadãos queixavam-se dele, se uns após outros ele e contra os chefes de seu povo, com o fim de exercer poder

88 89
TITO LfVIO HISTóRIA DE ROMA

absoluto sobre os latinos. A agressão deveria ter-se realizado na efeito, o Estado albano com suas colônias havia sido submetido
véspera, durante a assembléia. O projeto fora adiado porque se à autoridade de Roma. Achava, porém, mais vantajoso para to-
achava ausente aquele que havia convocado a reunião e era o dos que se renovasse o tratado e que os latinos participassem
majs visado. Daí originara-se o furor contra o ausente, cujo do glorioso destino do povo romano, ao invés de sofrerem a
atraso frustrara-lhe as esperanças. Se a denúncia era verdadeira, ruína de suas cidades e a devastação dos campos, males que
não duvidaria de que ao alvorecer, mal a assembléia se reunisse, haviam sofrido no reinado de Anco e no de seu próprio paj, e
Turno compareceria com uma tropa armada de conspiradores. que teriam constantemente de temer e suportar.
Dizia-se que grande quantidade de espadas lhe haviam sido Não teve dificuldade em convencer os latjnos, embora o
entregues. Era possível verificar de imediato a veracidade ou tratado fosse mais vantajoso para Roma. Além disso, os latinos
a falsidade da denúncia. Pedia-lhes que o acompanhassem ao sabiam que seus chefes estavam do lado do rei, e a recente
alojamento de Turno. morte de Turno era um exemplo do perigo em que incorreriam
Tudo contribuíra para despertar suspeitas contra Turno: caso lhe fizessem oposição. Renovou-se então o tratado, e os
seu temperamento exaltado, o discurso que pronunciara na jovens latinos receberam ordens para que, no dia marcado,
véspera e a demora de Tarqüínio que parecia ter protelado o comparecessem em massa perto do bosque sagrado de Ferentina
\ atentado. levando suas armas. Cumprindo as ordens do rei de Roma
Os latinos partiram incHnados a crer no que se lhes dizja, vieram jovens de todas as regiões. Para não deixá-los subordi-
mas dispostos também a considerar infundada a denúncia caso nados a seus chefes nem terem comando próprio ou insígnias
não encontrassem as espadas. Ao chegarem ao alojamento, os particulares, Tarqüínio organizou manípulos mistos de latinos
guardas despertaram Turno que estava dormindo e o cercaram. e romanos. Fundiu os dois em um só e desdobrou-os em seguida.
Prenderam os escravos que tentavam resistir por dedicação ao Após o desdobramento dos manípulos, designou-lhes centuriões.
senhor, e como descobrissem espadas escondidas em todos os
cantos do alojamento, o crime lhes pareceu evidente e Turno Cilada contra Gábios. 53. au rei em t.e.mpQ_de paz, Tar-
foi preso. Imediatamente os latinos convocaram uma assembléia qüínio foi bom genera[ em tempo
em meio a grande tumulto. Quando as espadas foram expostas () de guerra. Teria mesmo igualado os reis anteriores na arte
à vista de todos houve tal indignação que Turno foi condenado .e> militar se todos os seus outros defeitos não tivessem obscurecido
a suplício sem precedentes, sem ter tido oportunidade de se \ essa qualidade. Foi ele o primeiro a declarar guerra aos volscos
defender. Precipitaram-no nas águas da fonte Ferentina preso tomando-lhes de assalto a cidade de Suessa Pomécia. A guerra
a uma grade de bambu onde colocaram pedras para que se com os volscos durou mais de duzentos anos depois de SJ!A..
afogasse. morte~ ,
Como a venda dos despojos lhe rendesse quarenta talentos
Fusão dos exércitos 52. Convocando em seguida os lati- de prata, concebeu a idéia de construir um templo a Júpiter
latino e romano. nos para uma assembléia, Tarqüínio com a amplitude digna do rei dos deuses e dos homens, digna
1 ~ ~ felicitou-os por terem infligido ao do poderio romano e digna da majestade do próprio local. O
revolucionário Turno o castigo que merecera por seu crime ma- dinheiro tomado ao inimigo, Tarqüínio reservou para a cons-
nifesto. Acrescentou que poderia, realmente, invocar um direito trução desse templo.
muito antigo para afirmar que todos os latinos, sendo oriundos Empenhou-se, em seguida, numa guerra mais longa do que
de Alba, estavam ligados por um tratado. A partir de Tulo, com esperava, quando atacou violentamente, mas sem nenhum resul-

90 91
TITO UVIO HISTóRIA DE ROMA

tado, a vizinha cidade de Gábios. Depois de ter sido repelido assuntos pois, segundo dizia, eles tinham mais experiência. Fa-
diante das muralhas, desistiu de sitiar a cidade e resolveu ata- lava, porém, repetidamente em guerra e considerava-se pessoa
cá-la utilizando-se de fraude e dolo, recursos indignos da tátif!_ de grande competência no assunto. Conhecia as forças dos dois
romana. povos e não ignorava o ódio que seus concidadãos nutriam por
Enquanto Tarqüínio simulava desinteressar-se da guerra um rei cuja c?üeldade nem os próprios filhos podiam suportar.
para se dedicar ao lançamento dos alicerces do templo e a Aos p~ucos i~ i~citan~ os c.hdes gabinos à guerra. Costu-
outras construções urbanas, Sexto, o mais novo de seus três mava fazer e _gedtçoes e ptlhagens em companhia dos jovens
filhos, em combinação com o pai, refugiou-se em Gábios ,< l'
mais audaciosos. Suas palavras e todos os seus atos eram
acusando-o de tratá-lo com intolerável crueldade. Depois dos calculados para enganá-los e conquistar-lhes a confiança, tanto
estranhos, disse ele, era agora contra a própria famflia que se ,,.. assim que ao fim de algum tempo foi escolhido para chefe
voltava sua dureza. "'Desagradava-lhe ter filhos tão numerosos su remo do exército.
e pretendia eSvãzTar a casa, como fizera com a cúria, a fim Como a multidão ignorasse o que estava se passando e
de não deixar nem um descendente, nem um herdeiro ao trono . as escaramuças entre romanos e gabinos sempre terminassem a
Depois de ter escapado ao punhal de seu pai, acreditava que favor de Gábios, todos os cidadãos, dos mais ilustres aos mais
só poderia sentir-se protegido entre os inimigo de Lúcio Tar- humildes, acreditaram que Sexto Tar üínio era um emissário ...
qümio. Não deveriam enganar-se: a guerra continuava e o aban- enviado pelos deuses para ser seu chefe. Participando dos mes-
dono das hostilidades não passava de uma farsa para atacá-los mos perigos e fadigas dos soldados, distribuindo-lhes generosa-
de improviso na primeira ocasião. E, se entre eles não houvesse mente os despojos arrecadados, gozava entre eles de tanta
estima que o pai não era mais poderoso em Roma do que o
asilo para um suplicante, percorreria todo o Lácio, iria ao
território dos volscos, dos équos e dos hérnicos, até encontrar
'' filho em Gábios.
homens capazes de proteger um filho contra a crueldacle de Sentindo-se com forças suficientes para iniciar qualquer
um pai desnaturado . Talvez pudesse encontrar também homens empreendimento, enviou um emissário a Roma para indagar
de coragem para empunhar armas contra o mais tirânico dos do pai o que deveria fazer, pois graças aos deuses já e·~a o
reis e o mais orgulhoso dos povos. homem mais poderoso de Gábios. O rei não deu qualquer
Compreendendo que se não o acolhessem seu desespero o resposta verbal ao emissário por não julgá-lo, creio eu, digno
levaria a outra parte, os gabinos lhe deram asilo. Responderam- de confiança. Dirigiu-se ao jardim do palácio acompanhado
lhe que não deveria admirar-se, pois do mesmo modo como seu pelo emissário de seu filho e, com a atitude de quem tomava
pai agira para com os súditos e os aliados agora agia para com deliberações, pôs-se a passear sem dizer palavra. Dizem que ele
os filhos. O rei acabaria praticando crueldades contra si próprio apanhou uma varinha e começou a decapitar as papoulas mais
à falta de outras vítimas. Quanto a eles, congratulavam-se com altas.
sua vinda e acreditavam que em breve, com o seu auxílio, a Cansado de interrogar e esperar resposta, o emissário jul-
guerra seria transferida das portas de Gábios para as muralhas gando que sua missão falhara voltou a Gábios e relatou o que
de Roma. dissera e o que vira. Fosse por cólera, fosse por ódio ou
orgulho natural, disse ele, o rei não deixara escapar uma só
Tomada de Gábios. 54 . A partir de então, Sexto foi admi- palavra.
tido nos debates públicos. Concor- 1nterpretando a vontade e as ordens do pai sob as aparên-
dava sempre com os\ ~os gabinosj quando discutiam outros cias daquele silêncio enigmático, Sexto mandou assassinar os

92 93
TITO LfVIO HISTóRIA DE ROMA

principais cidadãos. Acusou a uns diante do povo e aproveitou- sem dúvida alguma, que aquele local estava destinado a ser
se em relação aos outros do ódio que eles próprios haviam a cidadela do império e a capital do mundo. Assim profetizaram
atraído contra si. Muitos foram executados publicamente e os os vates, tanto os de Roma como os que foram convocados da
demais, contra os quais uma acusação não seria bem-recebida, Etrúria para interpretar o prodígio.
foram assassinados secretamente. Alguns tiveram permissão de Todos esses fatos levaram o rei a aumentar as despesas.
exilar-se voluntariamente, outros foram obrigados a fazê-lo. Assim, o produto dos despojos de Pomécia, reservado para a
Todos os bens dos exilados e dos mortos foram distribuídos, construção de todo o templo, quase não foi suficiente para os
. " origem de prodigalidades e fortunas inesperadas. Com isso alicerces. Por esse motivo, prefiro acreditar em Fábio, historia-
o interesse particular abafou o sentimento das desgraças públi- dor mais antigo, que consigna quarenta talentos, do que em
cas, até que, privada de forças e de dheção, Gábios caiu em Pisão, que se refere a quarenta mil libras de prata reservadas
poder do rei de Roma sem qualquer luta. para aquela obra. Seria uma soma enorme que não se poderia
esperar naquela época da pilhagem de uma única cidade, e mais
Construção do templo de Júpiter. 55 . Depois de conquis- do que suficiente para as fundações de qualquer edifício. mesmo _)
tar Gábios, Tarqüínio com a nossa magnificência moderna.
fez um tratado de paz com os équos e renovou o tratado com
os etruscos. Dedicou-se então às obras da cidade. A primeira Presságio ameaçador. 56 . Movido pelo desejo
foi um templo a Júpiter no monte Tarpéio, destinado a imorta- Consulta ao oráculo de Delfos. de terminar o templo,
lizar-lhe o reinado e o nome dos dois reis Tarqüínios: o pai Tarqüínio mandou bus-
havia prometido e o filho havia construído. car operários em toda a Etrúria e para a sua construção recorreu
Para desimpedir a área de quaisquer outros cultos e reser- não só ao tesouro como também à mão-de-obra da plebe. Não era
vá-la inteiramente a Júpiter e ao templo que lhe ia construir, pequeno aquele trabalho que se acrescentava ao da guerra. En-
Tarqüínio resolveu privar de seu caráter sagrado alguns santuá- tretanto os plebeus achavam menos penoso construir templos
rios e capelas que o rei Tácio havia prometido aos deuses no aos deuses com suas mãos do que executarem outros trabalhos
auge do combate contra Rômulo, e que havia consagrado e menos honrosos e ainda mais cansativos, como a construção das
inaugurado naquele local um pouco mais tarde. arquibancadas do circo e a escavação do imenso esgoto subter-
No início dos trabalhos da construção do templo, conta-se râneo destinado a recolher todas as imundícies da cidade,
que os deuses deram um sinal para anunciar a grandeza deste duas obras que nossa magnificência moderna mal conseguiu
imenso império. As aves permitiram a profanação de todas as igualar.
capelas com exceção do santuário do deus Término. O fato de Enquanto esses trabalhos mantinham a plebe ocupada,
que o deus Término não devesse mudar de local e fosse o único Tarqüínio enviou colonos a Sígnia e a Circeios, cidades que
dos deuses a não se deixar retirar de seu sítio consagrado foi pretendia transformar em baluartes de Roma em terra e no
tomado como um presságio e um augúrio, e interpretado como mar. Julgava que uma população numerosa, mas sem emprego,
um sinal da solidez e da estabilidade de toda a nação. Esse era um peso morto para Roma , e desejava, com o auxílio das
presságio sobre a perenidade do Estado foi seguido de outro colônias, estender as fronteiras de seu império.
prodígio que anunciava a grandeza do império. Ao serem lança- Em meio a essas ocupações ocorreu espantoso prodígio.
das as fundações do templo, dizem que foi encontrada uma Uma serpente ao sair de uma coluna de madeira causou pânico
cabeça humana com o rosto intacto. Essa descoberta anunciava, nos moradores do palácio, obrigando-os a fugir. Embora não se

94 95
TITO UVIO HISTORI A DE ROMA

deixasse contagiar pelo medo, o rei sentiu-se subitamente angus- Percebendo outro sentido na palavra pítica, Bruto Cingiu
tiado. Ele que em relação aos prodígios públicos se contentava que escorregava e caiu tocando com os lábios a terra, que é
em chamar os vales etruscos, amedrontado com aquela visão evidentemente a mãe comum de todos os mortais. Voltaram a
que parecia envolver sua casa, resolveu enviar uma pessoa para Roma na ocasião em que se preparava ativamente uma guerra
consultar o oráculo de Delfos, o mais célebre do mundo. E contra os rútulos.
como não ousasse confiar a mais ninguém a resposta do oráculo,
enviou à Grécia dois de seus filhos, através de terras Imprudência de Tarqüínio Colatino. 57. Os rútulos eram
desconhecidas naquela época e de mares ainda mais desconhe- senhores de Ardéia,
cidos. nação que naquela época e naquela região se destacava por
Tito e Arrúncio partiram levando em sua companhia Lúcio suas riquezas. Foram exatamente essas riquezas que deram
Júnio Bruto, filho de Tarqüínia, irmã do rei. Esse jovem possuía motivo à guerra. O rei de Roma procurava refazer sua fortuna
um caráter inteiramente diferente daquele que aparentava. Quan- depois de tê-la dilapidado na construção de magnfficos monu-
do teve conhecimento de que a nobreza da cidade, entre ela mentos públicos e ao mesmo tempo acalmar o descontentamentQ•.\
seu irmão, havia sido assassinada pelo tio, achou por bem não do povo com a distribuição de despojos , pois sua crttelda e o
despertar no rei qualquer preocupação a respeito de seu caráter tornara hostil a seu reinado. Revoltavam-se contra ele por tê-los
nem inveja por sua fortuna, e resolveu inspirar desprezo para obrigado durante tanto tempo a serviços de operário e a traba-
proteger-se, uma vez que a justiça não lhe poderia valer. Deixou- lhos de escravo.
se passar habilmente por imbecil, permitiu ao rei apoderar-se Tarqüínio tentou capturar Ardéia no primeiro ataque. Não
de sua pessoa e de seus bens e não se insurgiu sequer ao apelido obtendo êxito, procurou pressionar o inimigo sitiando a cidade
de Bruto. Protegido pela adoção do apelido, aquela grande e abrindo trincheiras. Durante essa campanha, como em outra
alma, o libertador do povo romano, aguardava sua hora. Era qualquer que exigisse mais paciência do que atividade, conce-
ele que os Tarqüínios levavam a Delfos, mais como bufão do diam-se licenças aos combatentes, beneficiando-se mais os ofi-
que como companheiro. D izem que ele levou de presente a ciais do que os soldados. Os jovens príncipes preenchiam seus
Apolo um bastão de ouro escondido dentro de um bastão de Jazeres em banquetes e festas. Um dia em que eles bebiam em
madeira preparado com essa finalidade, imagem simbólica de casa de Sexto Tarqüínio, após um jantar de que participara
seu espírito. Tarqüfnio Colatino, fi lho de Egério, o assunto recaiu sobre mu·
Depois de chegarem a Delfos e cumprirem a missão de que lheres. Cada um elogiava mais que o outro os dotes de sua
o pai os encarregara, os jovens manifestaram o desejo de per- esposa . A discussão tornava-se acalorada quando Colatino decla-
guntar ao oráculo a qual dos dois viria a pertencer o trono de rou que não valia a pena discutir. Dentro de algumas horas
Roma. Das profundezas da caverna uma voz se fez ouvir: poderiam ter a certeza da superioridade de Lucrécia sobre as
" O soberano de Roma será aquele dentre vós, ó jovens, que demais. " Jovens e vigorosos como somos, por que não montar-
primeiro der um beijo em sua mãe" . Para que seu irmão Sexto, mos a cavalo e irmos pessoalmente observar o comportamento
que ficara em Roma, ignorasse a profecia do oráculo e ficasse de nossas mulheres? Cada um dirá em que se ocupava a esposa
privado do trono, os dois Tarqüínios combinaram guardar cuida- à chegada inesperada do marido". Exaltados pelo vinho, todos
dosamente o segredo. A sorte decidiria qual dos dois seria o gritaram: "Sim. partamos!" E a rédeas soltas voaram para
primeiro a beijar a mãe quando chegassem a Roma. Roma.

96 97
TITO I.IVIO HISTóRIA DE ROMA

As trevas começavam a baixar quando chegaram à cidade. Abatida por tão grande infortúnio, Lucrécia enviou um
Dirigiram-se a Colácia, onde encontraram Lucrécia em atitude mensageiro a Roma e a Ardéia para pedir ao pai e ao marido
bem diferente das noras do rei. Estas, para matar o tempo, que viessem imediatamente acompanhados de um amigo fie ., L~
participavam com as amigas de um suntuoso banquete. Lucré- 0
Era necessário e urgente, pois tinha ocorrido uma desgraçá.'
cia, ao contrário. encontrava-se no interior de sua casa, sentada Espúrio Lucrécio veio com o filho de Púb\io Valéria
junto com suas servas, e fiava a lã apesar da hora avançada. Volésio e Colatino com Lúcio Júnio Bruto, que havia encontrado
A comparação entre as mulheres terminou com a exaltação de a caminho de Roma quando atendia ao chamado da esposa.
Lucrécia. Lucrécia estava sentada em seu quarto e mostrava-se aca-
Ela acolheu amavelmente seu marido e os Tarqüínios, e
brunhada. À chegada do pai e do marido desfez-se em lágrimas.
o vencedor convidou gentilmente os jovens príncipes a perma-
Quando este lhe perguntou "como vais? ", ela respondeu : "Mal.
necerem em sua casa. Foi então que o desejo culpado de pos-
suir Lucrécia, violentando-a, apoderou-se de Sexto Tarqüínio. Como pode ir bem uma mulher que perdeu a honra? Vestígios
A beleza aliada à virtude seduziram-no. Finalmente, após uma de outro homem, Colatino, acham-se em teu Jeito. Aliás só
noite dedicada aos divertimentos próprios da juventude, volta- meu corpo foi violado, minha alma permaneceu pura. Minha
ram ao acampamento. morte servirá de testemunha. Mas dai-me vossas mãos como
garantia de que não deixareis impune o culpado. Foi Sexto
Desonra e morte de Lucrécia 58. Alguns dias mais tar- Tarqüínio quem, sendo nosso hóspede, agiu como inimigo e
de, às ocultas de Colatino veio esta noite de espada desembainhada contra mim (e contra
e seguido de um só companheiro, Sexto Tarqüínio voltou a ele próprio, se sois verdadeiros homens) para conseguir um
Colácia. Como ninguém suspeitasse de suas intenções, foi bem prazer criminoso" .
recebido e depois do jantar conduziram-no ao quarto de hóspe- Todos deram sua palavra, um após outro. Trataram de
des. Quando lhe pareceu que todos dormiam e não corria peri- acalmá-la, afastando da infeliz mulher a culpa do delito, para
go, tomou a espada e ardendo em desejos aproximou-se de Lu-

I
lançá-la sobre o autor do atentado. Só a mente é capaz de pecar,
crécia adormecida. Pondo-lhe com força a mão esquerda sobre o não o corpo, diziam eles. Sem má intenção não existe culpa.
'I
peito disse: " Silêncio, Lucrécia. Eu sou Sexto Tarqüínio e tenho Lucrécia então disse: " Vós cobrareis o que aquele homem
a espada na mão. Se disseres uma palavra, morrerás" . Pertur- deve. Mesmo isenta de culpa, não me sinto livre do castigo.
bada com aquele despertar, a pobre mulher viu-se sem socorro Nenhuma mulher há de censurar Lucrécia por ter sobrevivido
diante da morte iminente. Tarqüínio confessou-lhe seu amor. a sua desonra".
dirigiu-lhe súplicas, misturou ameaças às súplicas, lutando para
Ao pronunciar essas palavras, cravou no peito o punhal
perturbar os sentimentos daquela mulher. Diante de sua firmeza
que havia escondido em suas veste;-;-tombou agonizante em
que não cedia nem pelo temor da morte , acrescentou ao medo
meio aos grilos do marido e do pai.
a ameaça de desonra. Ao lado de seu cadáver colocaria o de
um escravo estrangulado e nu , para que se dissesse que ela fora
assassinada num adultério ignóbil. Revolta chefiada por Bruto. 59. Deixando-os entregues a
Com essa ameaça, a paixão criminosa de Tarqüínio triun- sua dor, Bruto extraiu da fe-
fou da obstinada virtude, e ele partiu contente por ter destruído rida o punhal ensangüentado e exibiu-o dizendo: " Por este
a honra de uma mulher. sangue tão puro antes de ser manchado pelo crime do prínci-

99
TITO UVIO HISTóRIA DE ROMA

pe 39 , eu juro e vos tomo como testemunhas, ó deuses, que hei do .por Bruto. No discurso pronunciado por Bruto não se podia
de expulsar Lúcio Tarqüínio Soberbo, ele, sua criminosa esposa mats reconhecer as opiniões e os sentimentos até então simu-
e toda sua descendência, pelo ferro, pelo fogo, por todos os lados. Discorreu sobre a paixão libidinosa de Sexto Tarqüfnio,
meios que estiverem em meu poder. Nem eles nem outro qual- sobre o estupro nefando de Lucrécia e seu desgraçado suicídio,
quer há de reinar em Roma". sobre o luto de Tricipitino, que se entristecia e revoltava menos
Entregou o punhal a Colatino, depois a Lucrécio e a pela morte da filha do que pela própria causa que a motivara.
Valério, que se mostravam atônitos diante do acontecimento Daf passou a falar sobre a tirania do rei, as misérias e trabalhos
inesperado e da lucidez de espírito de Bruto. Como lhes foi dos plebeus mergulhados nas fossas e cloacas que tinham de
ordenado, repetiram o juramento. A dor se transformou em cavar, e os romanos vencedores de todos os povos vizinhos
cólera, e quando Bruto os convidou a partir imediatamente que foram reduzidos a operários e pedreiros ao invés de guer-
para combater a realeza, eles o seguiram como a um chefe. reiros. Lembrou ao povo o indigno assassínio do rei Sérvio
O corpo de Lucrécia foi transportado de sua casa e depo- Túlio, o cadáver de um pai esmagado sob o ímpio carro da
filha, e invocou os deuses vingadores dos pais.
sitado no Fórum. O povo se amotinou , como geralmente acon-
Esses e outros ataques violentos, que surgem em momentos
tece nessas situações, surpreso e indignado com o fato. Todos
de indignação e que ao escritor são difíceis de reproduzir, infla-
incriminavam a violência do príncipe. Excitava-os não só o
maram a multidão, levaram-na a destituir o rei e a condenar ao
desespero de um pai como também a atitude de Bruto. Conde- exílio Lúcio Tarqüínio, sua mulher e seus filhos. Bruto alistou
nando lágrimas e gemidos inúteis, ele exortava-os a agir como e armou os jovens que se apresentaram espontaneamente para
convinha a homens e a cidadãos romanos e a pegar em armas sublevar o exército contra o rei, e partiu para os campos de
contra aqueles que ousaram agir como inimigos. Os jovens mais Ardéia, deixando o comando de Roma a Lucrécio, que fora
intrépidos se armaram e apresentaram-se como voluntários , sen- nomeado prefeito da cidade pelo rei.
do logo seguidos por toda a juventude. Um destacamento per- Em meio ao tumulto, Túlia fugiu do palácio perseguida
maneceu para proteger Colácio e sentinelas foram colocadas em por tantos quantos a viam, homens e mulheres, com maldições
vários pontos para que ninguém denunciasse a revolta à família e invocações às fúrias vingadoras dos pais.
real. O resto da tropa, sob as ordens de Bruto, partiu para
Roma . Em todos os lugares por onde passava, a multidão armada Expulsão dos Tarqüínios. 60. Quando esses fatos foram
espalhava terror e desordem. Mas ao verem que era chefiada Fim da realeza. anunciados no acampamento, o
pelos cidadãos mais iminentes, compreenderam que nada faziam rei amedrontado com a revolta
sem motivo. partiu para Roma a fim de reprimi-la .
A emoção não foi menor em Roma que em Colácio diante Informado da aproximação de Tarqüínio, Bruto mudou
do crime atroz. O povo acorria ao Fórum de todos os pontos de rumo para evitar um encont~;.o. Quase na mesma hora e
da cidade. Em meio à multidão, um arauto convocou o povo por caminhos diferentes, Bruto e Tarqüínio chegaram, respe~ti­
a apresentar-se diante do tribuno dos céleres, cargo então ocupa- v~mente, a Ardéia e a Roma . Tarqü(nio encontrou as portas da
ctdade fechadas e uma ordem de exilio. O libertador de Roma,
ao contrário, foi recebido com alegria no acampamento, donde
39 . Para a mentalidade romana antiga, o adultério era uma
foram expulsos os filhos do rei. Dois seguiram seu pai no exilio
contaminação que envenenava o sangue da mulher obrigando a
eliminá-la. a Cere, na Etrúria, e Sexto Tarqüínio se retirou a Gábios, que

100 101
TITO UVIO

era como um domínio seu. E lá foi assassinado, vítima de antigos


ódios que ele mesmo provocara por morticínios e rapinas .
Lúcio Tarqüínio Soberbo reinou vinte e cinco anos. O
regime monárquico em Roma durou duzentos e quarenta e
quatro anos, desde a fundação da cidade até sua libertação.
Nomearam-se então dois cônsules nos comícios por centú- RESUMO
rias convocados pelo prefeito da cidade, segundo os comentários
deixados por Sérvio Túlio: Lúcio Júnio Bruto e Lúcio Tarqüínio DO LIVRO l DA HISTóRIA DE ROMA
Cola tino. DESDE SUA FUNDAÇÃO , DE TITO LfVJO

Chegada de Enéias na Jtália; seus feitos . Reinado de Ascâ-


nio em Alba, de Sílvio e depois dos Sílvios. A filha de Numitor,
violentada por Marte , dá à luz Rômulo e Remo . Morte de
Amúlio. Fundação da cidade por Rômulo. Designação dos sena-
dores. Guerra com os sabinos. Despojos opimos levados a
Júpiter Ferétrio. Divisão do povo em cúrias. Derrota dos fide-
nates e dos veienses. Deificação de Rômulo. Numa Pompílio esta-
belece o ritual. A porta de Jano é fechada. Tulo Hostílio saqueia
os albanos. Combate de três irmãos. Suplício de Mécio Fufécio.
Tulo ferido pelo raio . Anca Márcio bate os latinos, a quem
é entregue o monte Aventino, amplia o território, funda a
colônia de Ostia e renova as cerimônias instituídas por Numa.
Reina por vinte e quatro anos. Em seu reinado Lucumão, filho
de Demarato de Corinto, vem da Tarqüínia, cidade etrusca, até
Roma, e, admitido ao convívio de Anca, começa a usar o nome
de Tarqüínio, o Antigo. Após a morte de Anca sucede-o no
trono. Nomeia cem novos membro~ para o Senado, submete os
latinos, oferece jogos circenses, aumenta as centúrias de cava-
leiros, cerca a cidade de muralhas e constrói esgotos. t morto
pelo filho de Anca após reinar por trinta e oito anos .
Sucede-o Sérvio Túlio, filho de uma cativa nobre de Cor-
nículo. Ainda no berço, conta-se que de sua cabeça emanavam
chamas. Faz o primeiro recenseamento e cumpre o lustro: são
contados, ao que se di.z , oitenta mil pessoas. Recua os limites
do pomoerium . junta à cidade as colinas do Quirinal , do Vimi-

102 103
TITO UVIO

nal e do Esquilino; mediante acordo com os latinos, ergue o


templo de Diana no Aventino. e assassinado por L. Tarqüínio.
filho de Tarqüínio, o Antigo, por instigação de sua filha Túlia.
depois de reinar durante quarenta e quatro anos .
Tarqüínio, o Soberbo, toma o poder sem designação do
Senado ou do povo romano. Cerca-se de urna guarda pessoal,
LIVRO 11
move guerra aos volscos e, com os despojos destes, edifica no
Capitólio um templo em honra de Júpiter. Recorrendo à astúcia, Primeiros cônsules. I . Tratarei agora dos feitos
domina Gábios. O oráculo responde a seus filhos, que tinham Escolha de novos senadores. que o povo romano, livre a
ido a Delfos indagar qual deles reinaria em Roma: aquele que partir de então, empreendeu
por primeiro beijar a mãe. Enquanto tentam interpretar à sua tanto na guerra quanto na paz, sob o governo de magistrados
maneira a resposta do deus, Júnio Bruto, que os acompanhava , eleitos anualmente e sob a autorld~de"" de leis superiores à auto-
finge cair e beija a terra. Os fatos comprovaram a legitimidade ridade dos homens. Essa liberdade foi recebida com alegria ain-
de seu ato. Com efeito, tomando-se Tarqüínio odioso a todos da maior devido à 4-liama- d6 último rei, pois seus antecessores
devido à sua conduta desmedida, é expulso graças sobretudo hav iam reinado de tal modo que a posteridade merecidamente
à intervenção de Bruto, após reinar por vinte e cinco anos. os considerou a todos como fundadores da cidade ou, pelo me-
(Certa noite seu filho Sexto violentou Lucrécia, a qual , chaman- nos, de certos bairros criados para abrigar a multidão sempre
do o pai Tricipitino e o marido Colatino, conjurou-os a não crescente, que era atraída pelos reis.
deixar impune sua morte, matando-se em seguida com uma faca) . ( • O, Rfóprio Bruto, que tanta glória alcançou com a expulsão
São então nomeados os primeiros cônsules, L. Júnio Bruto do ~sem dúvida alguma teria prejudicado enormemente
' I'
e L. Tarqüínio Colatino. o povo romano se, por deseJO de uma liberdade rematura~
tivesse arrebatado o podera -ualquer dos reis anteriores a
Tarqüínio Soberbo. l.• ~
Alguns manuscritos mais recentes trazem apenas:
Com efeito, que teria acontecido àquela população de pas-
(Anco Márcio bate os latinos], Ostia é fundada. Tarqüínio, tores e de adventfcios que havia fugido de suas pátrias e conse-
o Antigo, triunfa dos latinos, constrói o circo, derrota os povos guido, sob a proteção de um templo inviolável, a liberdade, ou
vizinhos, manda erguer muralhas, abre esgotos. A cabeça de pelo menos a impunidade, se não tendo a temer sequer o
Sérvio Túlio expele chamas. Sérvio Túlio vence os veios, divide poder real, começasse a ser agitada pelas tempestades tribunícias?
o povo em classes, dedica o templo de Diana. Tarqüínio, o E se, numa cidade que ainda lhes era estranha, começasse a
Soberbo, após o assassínio de Túlio, empalma o poder. Parricídio travar lutas contra os patrícios ~ntes que os laços conjugais,
de Túlia. Tarqüínio mata Turno Herdônio. Guerra com os o amor aos filhos e mesmo ao próprio solo, a que nos acostu-
volscos. Gábios reduzida pela astúcia de Sexto Tarqüínio. Lan- mamos apenas depois de muito tempo, a tivesse aproxjmado
çam-se os fundamentos do templo do Capitólio. Os altares do pelos mesmos interesses? A discórdia teria destruído um -Estad~' -'
Termo e da juventude não podem ser deslocados. Lucrécia se ainda não amadurecido, ao passo que um ~rno calmo e mode-
mata. Expulsão de Tarqüínio, o Soberbo. A realeza perdurou rado fê-lo desenvolver-se de tal modo que, chegado à maturida·
por duzentos e cinqüenta e cinco anos. de de suas forças , pôde suportar os doces frutos da liberdade.

104 105
TITO LI 10 HISTóRIA DE ROMA

Além do mais, se a origem da liberdade se há de fixar pelo receio de que, ao acrescentar algum outro privilégio a esse
nessa época, foi antes porque a duração do mandato consular título, pudesse ele transformar-se em ameaça para a liberdade,
se limitou a um ano e não porque se restringiu sob qualquer principal preocupação de todos no momento.
aspecto o poder real. Os primeiros cônsules mantiveram todos Mas não sei se os limites da prudência não foram ultrapas-
os direitos e todas as insígnias da realeza. Apenas procurou-se sados com aquele excesso de precauções, que entretanto visava
evi tar que ambos os cônsu les dispusessem dos fasces ao mesmo a fortalecer a liberdade. Assim, o segundo cônsul, que nenhum
tempo, para não parecerem duas vezes mais temíveis. erro cometera, tornou-se suspeito aos romanos por causa de
Graças à deferência de seu colega, Bruto foi o primeiro seu nome. Dizia-se que os Tarqüínios se haviam acostumado
a obter os fasces . Aquele que tanto lutara pela liberdade, mais demasiadamente ao trono. Tarqüínio Prisco fora o primeiro.
vigilante ainda se mostrou em sua preservação. Em seguida reinara Sérvio Túlio, mas, não obstante esse inter-
Antes de mais nada, aproveitando-se do entusiasmo do valo, Tarqüínio Soberbo não esquecera o trono e não o consi-
povo por sua recente liberdade , para que mais tarde não se derava um direito de outro rei. Era uma herança de sua família
deixasse seduzir pelas solicitações ou prodigalidades dos reis, e por isso dele se apoderara por meio da violência e do crime.
obrigou-os a jurar que jamah permitiriam que houvesse reis Expulso Tarqüínio Soberbo, o poder passara às mãos de Tar-
em Roma. Em seguida, para que o Senado se fortalecesse com qüfnio Colatino. Os Tarqüínios não sabiam viver como simples
o au mento do número de seus membros, que fora reduzido Cíãadãos. Seu nome causava aversão e constituía ameaça à
consideravelmente pela crueldade do último rei, elevou-os a liberdade.
trezentos, comp letando-os com varões escolhidos entre os mais Esses comentários eram difundidos cautelosamente por toda
ilustres da classe eqüestre. a cidade para sondar os ânimos. Uma vez despertada a suspeita
Diz-se que daí provém o costume de no Senado chamarem da plebe, Bruto convocou-a para uma assembléia.
a uns de senadores e a ou tros de conscritos. Ao que parece, Antes de iniciar a sessão, leu ao povo o juramento que
chamavam-se "conscritos" os senadores escolhidos para comple- fizera. Todos se haviam comprometido a não tolerar jamais em
tar o novo Senado. t admirável quanto essa medida contribuiu Roma nem reis, nem pessoas que pudessem comprometer a
para manter a concórdia na cidade e para unir patrícios e liberdade. Era necessário velar cuidadosamente por sua preser-
plebeus. vação e não desprezar coisa alguma que pudesse ameaçá-la.
Reconhecia com pesar que suas palavras visavam a determinado
Criação de um rei dos sacrifícios. 2. Tratou-se, em segui- cidadão, e não falaria se seu amor à pátria não o obrigasse a
Exílio de Colatino. da, dos problemas reli- tanto. O povo romano ainda não acreditava ter conseguido sua
giosos. Como certos sa- liberdade total porque não só pern;taneciam na cidade parentes
crifícios públicos eram realizados pelos próprios reis, criou-se da família dos reis, o nome dos eis, como também um de seus
um rei dos sacrifícios 1 para evitar que o povo começasse a sen- membros exercia a magistratura suprema, e isso era um estorvo,
tir sua falta. Este sacerdócio foi subordinado ao sumo pontífice um obstáculo à liberdade.
·• Lúcio Tarqüínio", exclamou e,le, " liberta-nos espontanea-
I . Rex sacrurum. Sacerdote instituído upós a expulsão dos Tur- mente deste temor. Sim, nós não o esquecemos e confessamos:
qüinios para desempenhar as funções religiosas outrora reservada ao~
tu expulsaste os reis! Leva pois até o fim o benefício que nos
reis. Sem poder civil, fora criado para satisfazer a superstição dos
romanos de que os deuses nacionnis se retirariam de uma cidad.: prestaste. Leva para longe de Roma o nome desses reis. Teus
sem reis. bens, prometo-te sob palavra. te serão entregues e, se por acaso

106 107
TI TO L!VIO HlSTORIA DE ROMA

forem precários, teus concidadãos generosamente cont ribuirão justiça ou injustiça . Dele se poderia esperar um favor, um benefí-
para aumen tá-los. Parte, pois, como amigo do povo romano.
cio. Poderia encolerizar-se, mas também usar de indulgência, sa-
Liberta a cidade de um temor tal vez infundado, uma vez que
bendo distinguir os amigos dos inimigos. As leis, ao contrário,
todos estão convencidos de q ue a realeza só desaparecerá de
eram surdas e inexoráveis, mais vantajosas e úteis para os pobres
Roma com a safda do último Tarqüfnio".
do que para os poderosos, sem indulgência nem piedade quandoJ
Diante da súbita e inesperada proposta, o assombro impe-
se ousava infringi-las. Era perigoso a um homem, com todas as
diu o cônsul de falar. Quando tentou responder, os nobres o
suas fraquezas, ter de contar apenas com sua virtude.
cercaram e fizeram-lhe as mesmas súplicas. Essas palavras na
Estavam os ânimos assim predispostos quando chegaram
verdade não o abala ram. Foi então que Espú rio Lucrécio, com
emissários da parte dos reis para reclamar seus bens, sem entre-
as prerroga tivas de sua avançada idade, do elevado cargo que
tanto fazer qualquer alusão ao regresso da família real. Depois
ocupava e da sua condição de sogro, empregando todos os meios
que o Senado ouviu-lhes a mensagem, passou vários dias em
de persuasão, reiterou-lhe o pedido de seus concidadãos e acon-
selhou-o a que cedesse ao desejo de todos. Temeroso de que deliberação. Negar-lhes o pedido seria dar pretexto à guerra,
ao retornar à condição de simples cidadão viesse a sofrer a e restituir-lhes os bens seria fornecer-lhes recursos e subsídios
mesma desgraça, agravada com a perda de seus bens ou com para fazê-la.
alguma punição degradante, o cônsul abd icou o consulado. Enquanto isso, os emissários tramavam uma conspiração.
Depois de transferir todos os seus bens para Lavínio, aba ndonou Oficialmente reclamavam os bens, mas em segredo urdiam pla-
a cidade. nos para restaurar a realeza. Simulando trabalhar pelo bom
Bruto promulgou um senadoconsulto q ue condenava ao êxito de sua missão, insinuavam-se junto aos jovens patrícios
exílio todos os membros da famíli a Ta rqüfnia . Convocou em para sondar-lhes as disposições de espírito. E a todos que aco-
seguida os comícios por centúrias e proclamou cônsul Públio lhiam bem suas palavras entregavam uma carta dos Tarqüinios,
Valéria, que o havia auxiliado a expulsar os reis. e confabulavam com eles para que recebessem os reis secreta-
mente em Roma durante a noite.
Tentativa dos Tarqüínios para 3. Ninguém duvidava que
a retomada do poder. uma guerra com os T ar- Conspiração dos jovens patricios. 4. Os irmãos Vitélios
qu•mos seria inevitável. e os irmãos Aqullios 2
Contudo, ela ocorreu mais tarde do que se esperava. Mas foram os primeiros a tomar conhecimento do projeto. A irmã
o que não se temia era que a liberdade estivesse ameaçada e na dos Vitélios era casada com o cônsul Bruto, e desse matrimônio
im inência de perder-se por intrigas e traição. haviam nascido dois filhos, Tito e Tibério, que nessa época já
Entre a juventude romana havia um grupo de adolescentes eram adolescentes. Os própr'os tios chamaram-nos a participar
de origem nobre que, no tempo da realeza, entregava-se a toda da conspiração e, além deles admitiram também outros jovens
espécie de desregramentos. Sendo da mesma idade c compa- da nobreza, cuja memória o tempo apagou.
nheiros dos jovens T arqüínios, estavam acostumados a levar a Nesse ínterim, vencera no Senado a proposição do grupo
vida da corte. Mas agora, com igualdade de direitos, deploravam que era a favor da restituição dos bens dos Tarqüínios. Como
a perda de seus antigos privilégios e queixavam-se entre si de
q ue a liberdade dos outros tornara-se escravidão para eles. Um
2 . Os Vitélios e os Aquflios eram, respectivamente, cunhados e
1ci, diziam eles, era um homem de quem tudo se podi a conseguir,
sobrinhos de TarqUfnio Colatino.

108 109
TITO LlVIO HISTóRIA DE ROMA

pretexto para prolongar sua permanência em Roma, os emis- de Marte 3 • Dizem que, por coincidência, o campo achava-se
sários valeram-se do prazo que lhes haviam dado os cônsules coberto de trigo maduro ?ara ser colhido. Mas consumir trigo
para conseguir veículos necessários ao transporte dos bens de um campo consagrado era o mesmo que cometer um sacri-
reais, e nesse período mantiveram entendimentos com os conju- légio. Enviaram então considerável número de homens para
rados, conseguindo deles uma carta para os Tarqüínios. Do cortar as espigas com a palha. Transportando-as em grandes
contrário, disseram eles, como poderiam os reis acreditar não cestas, despejaram-nas no Tibre, cujas águas estavam baixas
serem falsos seus relatos em assunto de tal importância? como em geral acontece no verão. Verdadeiros montes de trigo
A carta entregue pelos jovens como penhor de sua fideli- ficaram depositados no fundo do rio e foram cobertos pelo
dade veio a ser a prova irrefutável de seu crime. lodo. Pouco a pouco, com o acúmulo de todo o material
Na véspera da partida dos emissários de Tarqüínio, houve transportado pela correnteza, formou-se uma ilha 4 • Com o
uma ceia em casa dos Vitélios, onde os conjurados, como era correr do tempo, é provável que aquele local tenha sido também
de se esperar, afastando possíveis testemunhas, discutiram vários aterrado, e a mão do homem contribuído para fazer uma eleva-
pontos em relação a seu recente plano. Suas palavras foram ção bastante sólida, a ponto de poder suportar o peso de templos
ouvidas por um escravo que já havia percebido a trama e e pórticos.
esperava o momento em que 11 carta fosse entregue aos emis- Após a pilhagem dos bens da familia real, os traidores l
sários para utilizar-se dela como prova da traição. Ao certifi- foram condenados à morte. O suplício teve ainda maior rele-
car-se de que a carta fora entregue, denunciou o fato aos cônsu- vância porque um pai investido das funções de cônsul foi
les. Sem qualquer alarde, os cônsules safram de suas casas, obrigado a ordenar a execução dos próprios filhos . O destino
prenderam os emissários e os conj urados, e abafaram a cons- escolheu, para presidir ao suplicio, justamente aquele que deve-
piração. ria ser afastado de tão terrível espetáculo. _...1
A primeira providência dos cônsules foi apoderarem-se da Amarrados a postes, viam-se inúmeros jovens da mais alta
carta e mandarem encarcerar os traidores. Houve porém certa nobreza. Todos os olhares entretanto se desviavam dos demais,
hesitação quanto à atitude a ser tomada em relação aos emissá- como se fossem desconhecidos, para se fixarem nos filhos do
rios. Mas embora eles tivessem agido como inimigos, prevaleceu cônsul. Talvez deplorassem menos o suplício em si do que o
o respeito ao direito dos povos. crime que motivara o castigo. Justamente no ano em que a
pátria fora libertada, sendo seu pai o libertador, no consulado
Execução dos jovens patrícios. 5 . A restituição dos bens que tinha por berço a própria família Júnia, eles haviam cons-
A vindicta. reais, que já havia sido de- pirado para entregar o Senado, o povo, homens e deuses de
cidida, voltou a ser deba-
tida no Senado. Indignados, os senadores negaram-se a devol-
3 . Planície delimitada a oeste pelo Tibre, ao norte pelo Píncio,
v~-los, recusando-se mesmo a recolhê-los ao tesouro. Expuse- a leste pelo Quirinal e ao sul pelo Capitólio. Tornar-se-ia o centro
ram-nos à pilhagem da plebe para que, depois de ter-se apossa- da Roma moderna. Situada fora do pomério, era por esse motivo o
do de seus despojos, ela perdesse para sempre a esperança de local designado para as reuniões de comícios centuriatos, isto é, do
exército. Durante o período republicano foram construídos nessa área
reconciliação com os reis. numerosos edifícios públic{)s e militares.
A propriedade dos Tarqüínios, situada entre a cidade e o 4. Trata-se da ilha Tiberina. Nela se enrontrava um templo do
Tibre, foi consagrada a Marte, passando a chamar-se Campo Tibre que mais tarde foi consagrado a Esculápio.

110 111
TITO LlVIO HISTORIA DE ROMA

Roma ao tirano soberbo de outrora, ao inimigo que agora do geiros tinham sido chamados para reinar em Roma, ao passo
exílio se atrevia a ameaçá-los! que ele, já rei, no momento em que trabalhava com suas con-
Os cônsules sentaram-se em suas cadeiras curuis e ordena- quistas para engrandecer o poderio de Roma, fora expulso por
ram aos lictores que procedessem à execução. Desnudados os uma criminosa conspiração de seus próprios parentes. E como
réus, os lictores flagelaram-nos com as varas e deceparam-lhes nenhum cidadão parecesse bastante digno de ocupar o trono,
a cabeça com o machado. Durante todo esse tempo os especta- haviam repartido o reino entre eles, permitindo ao povo a pilha-
dores observavam o pai, as contrações de seu rosto, onde gem de seus bens, para que ninguém deixasse de participar do
assomavam sentimentos de amor paterno, sufocados pelo dever crime. Queria reconquistar a pátria e o reino, e castigar seus
de aplicar castigos em nome do Estado. ingratos concidadãos. Pedia-Lhes que viessem em seu auxílio,
Para tornar mais relevante o exemplo e impedir a repetição que o ajudassem. Seria uma oportunidade para eles também se
de crime semelhante, após a execução dos traidores, recompen- vingarem das antigas ofensas recebidas, das sucessivas derrotas
saram o delator com uma soma em dinheiro paga pelo tesouro, de suas legiões e da perda de seus territórios.
e concederam-lhe a liberdade juntamente com o título de cida- Esses argumentos comoveram os veienses. Todos ficaram
dão. Diz-se que foi esse o primeiro caso de libertação por abalados e ouviram-se vozes ameaçadoras. Agora pelo menos,
vindicta 5 • Acredita-se mesmo que a palavra vindicta derivou-se sob a chefia de um romano, deveriam revidar as ofensas rece-
do nome do escravo, que se chamava Vindfcio. A partir de bidas e recuperar os territórios perdidos na guerra. Aos tarqüi-
nienses impressionou mais a semelhança do nome e o paren-
então, generalizou-se o costume de atribuir o direito de cidadania
tesco. Era-lhes sumamente honroso que um príncipe de sua
a todos os que fossem libertados por aquele processo.
estirpe reinasse em Roma. Assim, dois exércitos de duas cidades
seguiram Tarqüínio para ajudá-lo a guerrear os romanos e
Guerra contra os ..Jcienses 6 . Ao tomar conhecimen-
recuperar seu trono.
e 01 tarqüinienses. to desses fatos, Tarqüínio
Diante da invasão do território romano, os dois cônsules
Morte de Arrúncio Tarqüínio entregou-se não só à dor
avançaram contra o inimigo. Valério comandava a infantaria,
e de Bruto. por ver perdidas todas as
cujas fileiras organizara em quadrado. Bruto antecedeu-o à
suas esperanças, mas tam- frente com a cavalaria, para fazer o reconhecimento do terreno.
bém ao ódio e à cólera. Convencido de que nada conseguiria Do mesmo modo, a cavalaria inimiga comandada por Arrúncio
através da astúcia e que teria de enfrentar abertamente a guerra, Tarqüínio, filho do rei, precedia a marcha de suas colunas, e
percorreu suplicante todas as cidades da Etrúria, implorando
o próprio rei acompanhava-os à frente das legiões.
auxílio sobretudo aos veienses e aos tarqüinienses. Não have-
Quando Arrúncio à distância avistou um cônsul, identifi-
riam de permitir que ele, um homem de origem etrusca, exilado
cando-o pela presença pos lictores e, ao aproximar-se, reconhe-
e despojado de um reino poderoso, viesse a perecer diante deles
ceu Bruto, inflamado de ódio exclamou: " Eis o homem que nos
juntamente com seus filhos ainda adolescentes. Outros estran-
expulsou de nossa pátriat Ei-lo que avança orgulhosamente,
ostentando as insígnias de nosso poder. O deuses vingadores
5. Processo comum para libertar o escravo de seu senhor. Vindicta dos reis, vinde em meu auxfiio!" E dizendo isso esporeou o
vem de vindicare, isto é, reivindicar. Diante de um magistrado provido cavalo, e investiu contra o cônsul.
de imperium, um cidadão qualquer, tocando a cabeça de um escravo
com uma vara, reivindicava-o como homem livre e o seu senhor aceitava Ao perceber a ameaça, Bruto precipitou-se com ardor no
o pedido. combate, pois naquela época constituía uma honra para os

112 113
TITO LIVIO HISTóRIA DE ROMA

generais desferir os primeiros golpes. O ódio com que lutavam durante um ano, em memória do vingador da honra ultrajada"'-" ~
era tal que nem um nem outro se preocupava em proteger o tal como faziam pela morte de um pai. zy ~
corpo, empenhados unicamente em atingir o adversário, até O cônsul sobrevivente - tal é a inconstâ do.S enti: 1
que ambos, simultaneamente trespassados através de seus mentos da massa - , depois de ter gozaao da simpatia do povo,
escudos, tombaram de seus cavalos e pereceram unidos um ao ornou-se objeto de ódio, de suspeitas e até de abo~,~·D.~I"'·
outro por suas respectivas lanças. acusações. Corriam rumores de que pretendia apoderar-se do tto-
A cavalaria iniciou o combate e logo em seguida a infan- no, uma vez que não nomeara um cônsul para substituir Bruto e
taria entrou em ação. A vitória entretanto não se definiu, mandara construir uma casa no alto da colina Vélia. Naquela po-
pois os dois adversários combateram com igual valor. Dos dois sição elevada e fortificada, poderia ter uma cidadela inexpug-
lados saiu vitoriosa a ala direita e derrotada a esquerda. Acostu- nável.
mados a serem batidos pelos romanos , os veienses debandaram Essas c ' 'as, divulgadas e aceitas pelo público, indigna-
em fuga desordenada . Já os tarqüinienses, nossos novos inimigos, ram e feriram o cônsul. Imediatamente convocou uma assem-
não só opuseram resistência como chegaram a rechaçar os bléia, depôs diante dela os fasces e subiu à tribuna .
romanos que lhes faziam frente. Foi um espetáculo que satisfez a multidão ao ver as insígnias
do poder supremo depostas em sua presença. Essa atitude equi-
Funerais de Bruto. 7. Depois desse combate apoderou- valia à confissão de que a majestade e o poder do povo eram
Defesa de Valério . se de Tarqüínio e dos etruscos um tal superiores aos do cônsul.
pavor que os dois exércitos, tarqüi- Pedindo silêncio, o cônsul começou por exaltar a sorte do
niense e veiense, desistiram de suas pretensões e retomaram du- seu colega, libertador da pátria. Morrera combatendo pela repú-
rante a noite o caminho de suas respectivas pátrias. blica, depois de ter alcançado as mais altas honrarias, antes
Fala-se de um prodígio que se seguira àquela batalha. No
que sua glória fosse motivo de inveja. Ele, ao contrário, sobre-
silêncio da noite seguinte ter-se-ia ouvido uma voz tenebrosa
vivera a sua glória para ser vítima de abomináveis acusações.
dos lados da floresta Ársia, acreditando-se que se tratava do
Um libertador da pátria era rebaixado ao nível dos Aquílios e
deus Silvano 0 que anunciava : " O s etruscos perderam um homem
dos Vitélios. " Não encontrareis jamais, exclamou ele, virtude
a mais. Os romanos venceram a guerra".
suficientemente comprovada que possa escapar a vossas sus-
Uma coisa porém é certa : os romanos partiram como ven-
cedores e os etruscos como vencidos. peitas ultrajantes? Logo eu, o acérrimo inimigo da monarquia,
Ao raiar do dia, como não houvesse inimigo à vista, o terei que temer a acusação de aspirar ao trono? Mesmo que
cônsul EQ!>lio Valéria mandou recolher os despojos e regressou eu habitasse a própria cidadela do Capitólio, poderia pensar
triunfante a Roma. Realizou então os funerais de seu colega, que me tornaria objeto d? temor de meus concidadãos? ~ este
com toda a pompa que era possível na época. Mas a mais bela o conceito que tendes da__ mjnha reputação? Vossa confiança
homenagem prestada a Bruto foi o pesar manifestado pelo povo em mim baseia-se em alicerces tão frágeis que minha residência
e a resolução tomada pelas matronas de cobrirem-se de luto é mais importante que minha pessoa? Não, quirites, a casa de
Públio Valério não será obstáculo à vossa liberdade. Vélia não
constituirá ameaça ao povo. Transferirei minha residência para
6. Divindade campestre dos romanos. Protegia a agricultura e
as florestas (silva, floresta). Foi identificado com Fauno. Pã e Termo. terreno plano. Construí-la-ei mesmo ao sopé da colina para que
Era representado como Fauno. isto ~ . meio homem e meio bode. vossas moradas possam dominar a deste cidadão suspeito. Que

I 14 11 5
TITO LfV IO HISTORIA DE ROMA

edifiquem no alto da colina aqueles que vos parecerem melho- essa honra. A sorte decidiu a favor de Horácio, e Publícola
res defensores da liberdade do que Públio Valéria! " partiu para lutar contra os veienses.
Logo depois mandou transportar todo o material para o Os amigos de Valéria viram com real desagrado ser con-
sopé da colina Vélia e edificou sua casa no ponto mais baixo fiada a Horácio em detrimento de V alério a consagração de
da encosta, onde hoje se ergue o templo de Vica Pata 7 • um templo tão famoso e lançaram mão de todos os recursos
para impedi-lo. Depois de fracassadas todas as tentativas, quan-
Promulgação de leis populares. 8. Valéria apresentou pro-
do o cônsul já se apoiava no umbral da porta e iniciava suas
Consagração do templo de jetos de lei que afastaram
invocações aos deuses, vieram comunicar-lhe a triste notícia
Júpiter Capitolino. as suspeitas sobre suas
da morte de seu filho. Aquela morte em sua famfiia não lhe
pretensões monárquicas e
dava o direito de consagrar um templo.
o tornaram ainda mais popular, donde lhe adveio o cogno-
A tradição não fornece elementos para afirmar-se com segu-
me de E.u.blicola s. Entre outros projetos, foram particular-
rança, e não é fácil deduzir-se, se ele teria desconfiado da veraci-
mente bem-recebidas pelo povo o que concedia o direito de
dade da notícia ou simplesmente demonstrado força moral. O
apelação contra um magistrado e o que consagrava aos deuses
fato é que, sem interromper a cerimônia, mando~ simplesme~te o
infernais a cabeça e os bens de qualquer cidadão que aspirasse
emissário providenciar o enterro do filho. Contmuando ap01ado
ao trono. Mas para que apenas ele pudesse contar com o reco-
no umbral da porta, terminou a invocação e consagrou o tem-
nhecimento do povo, somente após ter conseguido a aprovação
de seus projetos é que reuniu os comícios para a eleição de seu plo to. .. .
colega. Elegeram Espúrio Lucrécio, varão de idade avançada e Esses foram os acontecimentos políticos e mihtares do pn-
sem forças suficientes para o desempenho das funções consula- meiro ano após a expulsão dos reis.
res, que morreu poucos dias depois, sendo substituído por Mar- Em seguida foram nomeados cônsules Públio Valéria, pela
co Horácio Pulvilo. Certos autores antigos não mencionam o segunda vez, e Tito Lucrécio.
cônsul Lucrécio, fazendo de Horácio o imediato sucessor de Bru-
to. Pelo fato de não ter Lucrécio marcado seu consulado por ne- Marcha do chefe Porsena contra Roma . 9. Os Tarqüfnios
nhum feito notável, creio eu, perdeu-se a memória de seu nome. Isenção de impostos para a plebe. haviam-se refu-
Como ainda não fora consagrado o templo de Júpiter giado em Clúsio
Capitolino e, os cônsules decidiram por sorteio a quem caberia sob a proteção de Porsena, seu rei e chefe militar 11 • Misturan-
do súplicas e conselhos, ora ~diam-lhe que não deixasse prín-
7 . Vitória Poderosa. Deusa da Vitória e da Conquista, mais tarde cipes oriundos da Etrúria, ~o mesmo sangue e mesmo nome q~e
substituída pela deusa Victoria, correspondente à Nik~ dos gregos. Era ele, viverem na pobreza e no exílio, ora aconselhavam-no ~ nao
representada com os traços de uma mulher calma e serena, segura de tolerar que o novo costume de expulsar reis permanecesse unp~­
sua força. . ne. De fato, a liberdade oferecia inúmeros atrativos, e se os rets
8. Pelo radical, está ligado a "público", relativo a povo. O suf1xo
-cela é diminuitivo. Daf, talvez, "amigo do povo". não defendessem seus tronos, com o mesmo empenho com que
9 . A consagração de um templo cabia por direito aos cônsules,
aos censores, aos pretores ou aos duunviri aedes dedicandae (duúnviros 10. A presença de um morto tornava impura a casa onde se
para a consagração de um templo) . Além da cerimônia propriamente encontrasse e todos os seus habitantes.
dita, consistia em jogos que se repetiam anualmente na data da con·
sagração. 11 . No original Lar Persenna. Lar era palavra etrusco que de-
signava seus chefes e príncipes.
116 117
TITO LLVIO HlSTóRlA DE ROMA

os cidadãos defendiam sua liberdade, em breve os grandes esta- lhas, de outro pelo obstáculo formado pelo Tibre. Mas a ponte
riam nivelados aos pequenos e não haveria mais distinções nem Sublícia 13 teria permitido a passagem do inimigo, não fora a
supremacia nas sociedades. Seria o fim da realeza, a mais bela bravura de um só homem, Horácio Cocles, que naquele dia tor-
das instituições, intermediária entre os deuses e os homens. nou-se o baluarte da salvação de Roma.
Convencido de que seria vantajoso para os etruscos que Estava ele encarregado de guardar a ponte quando viu o
houvesse um rei em Roma, e sobretudo um rei proveniente da inimigo, num ataque inesperado, apoderar-se do Janículo e, de
Etrúria, Porsena marchou com seu exército contra Roma. lá, precipitar-se em marcha forçada contra seus soldados ame-
Os senadores jamais haviam experimentado pavor tão drontados, que abandonavam as fileiras e as armas. Conseguiu
grande, tal era o poder de Clúsio e a fama do nome de Por- detê-los um a um e impedir-lhes a debandada. Jurando pelos
sena. Não temiam apenas o inimigo, mas também os próprios deuses e pelos homens, afirmou-lhes que seria inútil abando-
concidadãos. Receavam que a plebe romana, assustada com a narem o posto. Se após a retirada deixassem livre a passagem
ameaça, recebesse os reis na cidade mesmo com o risco de pela ponte, em breve haveria mais inimigos no Palatino e no
voltar à servidão. Por esse motivo, os senadores naquela ocasião Capitólio do que no }anículo. Aconselhou-os e persuadiu-os a
desdobraram-se em atenções para com a plebe. Preocuparam-se que usassem o ferro, o fogo, enfim todos os meios possíveis
sobretudo com o abastecimento, mandando comprar trigo aos para destruir a ponte. Ele tentaria sustentar o choque do adver-
volscos e em Cumas 12 • O sal que era vendido a um preço sário tanto quanto fosse possível a um homem sozinho fazê-lo.
excessivo passou a ser distribuído pelo Estado, ficando seu Destacando-se dos companheiros que davam as costas ao
comércio interditado a particulares. A plebe foi liberada de combate, avançou para a entrada da ponte e apresentou-se de
impostos sobre mercadorias e de qualquer outro tributo. Os armas na mão, disposto a uma luta corpo a corpo. Aquela
ricos deveriam arcar com esse ônus, uma vez que tinham recur- extraordinária coragem assombrou os inimigos. Dois homens,
sos para fazê-lo. Os pobres já pagavam impostos suficientes entretanto, por uma questão de honra, permaneceram a seu lado:
educando seus filhos.
Espúrio Lárcio e Tito Hermínio, ambos ilustres por sua linha-
Em meio aos rigores do cerco e da fome que se lhe seguiu,
gem e altos feitos . Com seu auxílio pôde resistir algum tempo
a generosidade dos senadores manteve os cidadãos em tal estado
ao primeiro assalto e aos ataques mais violentos do inimigo.
de harmonia, que o título de rei passou a ser odiado tanto
Quando não restava da ponte senão uma exígua passagem e os
pelos grandes quanto pelos pequenos. Desde então, graças aj )
seu prudente governo, nenhum cidadão conseguiu tornar-se tão oldados encarregados de destrui-la chamaram os dois comba-
popular através de medidas demagógicas quanto o Senado da- tentes, Horácio obrigou-os a se retirarem para um lugar prote-
quela época. ""\ o,). ..-' n ..J -:... ..)
gido. Percorrendp com um olhar terrível e ameaçador os chefes
dos etruscos, ora desafiava a um, ora provocava a todos, acusan-
Heroísmo de Horácio Cocles. 10. Com a aproximação do do-os de servirem a tiranos orgulhosos. Eles haviam perdido a
inimigo, os camponeses se noção de liberdade e agora vinham atentar contra a liberdade
refugiaram em Roma. A cidade estava defendida por numerosas dos outros.
guarnições e parecia bem-protegida, de um lado por suas mura-
13 . A mais antiga e mais célebre das treze pontes de Roma. total-
12. Em caso de calamidade pública, o trigo era comprado pelo mente constru(da de madeira, de onde deriva seu nome (sublica =
Estado e vendido a preços baixos aos particulares. esteio, escora) .

118 119
TITO UVIO HISTóRIA DE ROMA

Hesitantes durante algum tempo, consultaram-se uns aos dores de Roma tomaram-se tão inseguros que os camponeses
outros, através de olhares, se deveriam enfrentar o combate. vieram refugiar-se na cidade trazendo seus pertences e seus reba-
Envergonhados com a situação, os etruscos de repente partiram nhos, que não ousavam levar para fora das portas da cidade.
para o ataque e com um grito de guerra lançaram uma chuva Esses desmandos dos etruscos eram tolerados mais por
de dardos contra seu único adversário. Por felicidade, os dardos astúcia do que por temor. O cônsul Valério aguardava ocasião
ficaram cravados no escudo com que Horácio se protegia. para investir contra os inimigos quando estivessem dispersos em
Vendo que Horácio estava decidido a continuar como grupos. Ficava indiferente às pilhagens pouco importantes, re-
guardião da ponte, o inimigo se lançou contra o herói tentando
servando-se para implacável vingança em circunstâncias mais
atirá-lo ao rio. Foi então que o fragor da ponte que se rompia
graves.
e os gritos de alegria dos romanos , diante do resultado de seus
Com o intuito de atrair os saqueadores, ordenou aos roma-
esforços. provocaram o pânico entre os atacantes. Suspenderam
nos que no dia seguinte saíssem em massa pela porta Esquilina,
a ofensiva e Cocles exclamou: "Venerável pai Tiberino, rogo-te
a mais afastada do inimigo, conduzindo seus rebanhos, pois
que recebas este guerreiro e estas armas em tuas águas, e que
tinha certeza de que os inimigos seriam informados por escravos
lhe sejas propício!"
infiéis, a quem o cerco e a fome levaram a desertar. Como fora
Dizendo isso, precipitou-se com suas armas no Tibre. Ape-
previsto, um desertor avisou os etruscos, e na esperança de
sar da chuva de dardos que lançaram sobre ele, conseguiu
apoderar-se de toda aquela presa eles atravessaram o rio em
nadar e chegar incólume junto aos seus, façanha audaciosa,
maior número do que o de costume.
mais digna de admiração do que de crédito.
Públio Valéria mandou Tito Hermínio com algumas tropas
Roma se mostrou reconhecida por tão grande heroísmo.
postar-se em emboscada no segundo marco da estrada de Gábios.
Mandou erguer-lhe uma estátua na assembléia e deu-lhe um
Ordenou a Espúrio Lárcio que permanecesse com os jovens
terreno de dimensões equivalentes às que pudesse cercar com
soldados da infantaria ligeira junto à porta Colina até o inimigo
o arado no trabalho de um dia. Além das homenagens públicas,
passar e, em seguida, cortar-lhe a retirada em direção ao rio.
o povo também manifestou sua gratidão. Assim é que na época
O outro cônsul, Tito Lucrécio, saiu pela porta Névia com
c da grande fome que assolou a cidade, cada cidadão, conforme
algumas tropas de infantaria, e o próprio Valéria desceu do
e seus recursos, privou-se de uma parte de seus víveres para dá-la
a seu herói.
monte Célio com as mais selecionadas coortes, sendo os primei-
ros a enfrentar o inimigo.
Cerco de Roma. J l . Rechaçado na primei- Ao perceber o tumulto, Hermínio saiu de seu esconderijo
Estratégia de Públio Valério. ra investida, Porsena resol- e atacou pela retaguarda os etruscos que combatiam contra
veu substituir o ataque pelo Lucrécio. À direita e à esquerda da porta Colina e da porta
cerco da cidade. Deixando uma guarnição no Janfculo, estabe- Névia, ergueu-se grande clamor. Os invasores foram totalmente
leceu acampamento na planície, às margens do Tibre. Mandou exterminados, pois além de não contarem com igualdade de
vir de toda parte embarcações para bloquear o transporte de forças tiveram a retirada cortada em todas as direções.
trigo para Roma, e também para serem usadas pelos soldados Esse combate pôs fim às grandes incursões dos etruscos.
na travessia de uma a outra margem do rio, todas as vezes que
se oferecesse oca~ião favorável à pilhagem. Em breve, os arre-

120 121
TITO LIVIO H ISTóRIA DE ROMA

Coragem e estoicismo de 12. Entretanto o bloqueio con- Depois de mim, muitos outros disputam essa mesma honra.
Caio Múcio Cévola. tinuava e a escassez de trigo Prepara-te, pois, se achas que o deves fazer, para proteger tua
aumentava a carestia. Porsena cabeça a cada hora do dia, porque encontrarás um punhal
tinha esperanças de conquistar a cidade prolongando-lhe o cerco. inimigo até no vestíbulo de teu palácio. Nós, jovens romanos,
Foi então que o ·a atrício Caio Múcio, indignado ao te declaramos esta guerra. Não terás combates nem batalhas
ver que o povo romano enquanto escravo dos reis jamais fora a temer. Tudo se passará entre cada um de nós e a tua pessoa ".
sitiado por inimigos em nenhuma guerra, ao passo que agora , Como o rei, ao mesmo tempo inflamado pela cólera e
livre, era bloqueado pelos mesmos etruscos cujo exército tantas apavorado com o perigo, mandasse atear fogueiras a sua volta
vezes derrotara, resolveu recuperar a dignidade dos romanos e ameaçasse fazê-lo perecer nelas, caso não revelasse imediata-
por grande golpe de audácia. mente a conspiração que deixara entrever com suas palavras,
De início sua intenção era penetrar no acampamento ini· Múcio respondeu : " Olha, para que sintas como desprezam o
migo por conta própria. Mas, temendo que se o fizesse sem a corpo aqueles que aspiram à glória ". E dizendo isso colocou
permissão do cônsul e sem que ninguém o soubesse, arriscava-se a mão direita sobre um braseiro aceso para os sacrifícios, e
a ser detido pelas sentinelas romanas e reconduzido como deixou-a queimar como se fosse insensível à dor.
desertor, acusação bastante verossímil diante da situação de Assombrado com aquela extraordinária coragem, o rei le-
Roma, apresentou-se ao Senado e declarou: " Senadores, preten- vantou-se do trono, mandou afastar o jovem para longe do
do atravessar o Tibre e, se possível, penetrar no acampamento altar e disse-lhe: "Parte, tu que te revelaste mais inimigo de
inimigo, não para pilhagem ou para vingar suas devastações, ti mesmo que de mim. Eu exultaria com teu valor se estivesses
mas, se os deuses me ajudarem, com um propósito mais nobre" . a serviço de minha pátria. Podes partir. Não usarei contra ti
Os senadores deram seu consentimento e ele partiu com um dos direitos que as leis marciais me permitem. Não sofrerás
punhal escondido sob suas vestes. violências nem maus tratos". Como em retribuição àquela gene-
Ao chegar ao acampamento, mbturou-se à multidão que rosidade, Múcio respondeu: " Já que sabes honrar a coragem,
se comprimia diante do tribunal do rei , para receber o soldo por teus benefícios conseguirás de mim o que não conseguiste
que estava sendo pago às tropas. Um secretário, com vestes com ameaças. Somos trezentos, entre o escol da juventude
semelhantes às do rei , sentado a seu lado, tratava de vários romana, que juramos tua morte. A sorte me coube em primeiro
assuntos com os soldados que a ele se dirigiam. Receando per- lugar. Os outros, qualquer que seja o fim dos primeiros, virão
guntar qual dos dois era Porscna e trair-se por sua ignorância, quando lhes chegar a vez, até que a um deles o destino seja
entregou-se à sorte e apunhalou o secretário ao invés do rei . favorável " .
Tentava escapar por entre a multidão espantada, abrindo
caminho com seu punhal ensangüentado, quando os guarads do Tratado de paz com Porsena. 13 . Após a partida de Mú-
rei, atraídos pelos gritos que se ergueram, o prenderam e o Heroísmo de Clélia. cio, que passou a ser cog-
conduziram ante o tribunal do rei. Ali, sem defesa, em meio nominado Cévola por cau-
às mais terríveis ameaças, parecia mais temível do que teme- sa da perda de sua mão direita 14 , Porsena enviou legados a
roso. " Sou cidadão romano, disse ele, e me chamo Caio Múcio. Roma. Ficara tão abalado com a primeira ameaça, da qual esca-
Quis matar-te, de inimigo para inimigo, e não estou menos para apenas pelo equívoco de seu agressor, e ainda mais pelo
disposto a morrer do que a matar. ~ virtude romana agir e
sofrer. Não sou o único a nutrir esses sentimentos contra ti . 14 . Cévola Scaevola, de scaevus = esquerdo, canhoto.

122 123
TITO LIVIO HISTóRIA DE ROMA

risco a que estaria sujeito enquanto restasse um só dos conjura- Restabelecida a paz, os romanos prestaram a essa mulher
dos, que mandou espontaneamente propor paz aos romanos. Ten- de extraordinária coragem a homenagem, até então sem prece-
tou em vão incluir nas negociações o restabelecimento da monar- dentes, de uma estátua eqüestre. A imagem da jovem montada
quia. dos Tarqüfnios, mais para dar uma satisfação a estes do que a cavalo foi colocada no alto da via Sacra.
por JUlga~ q~e tal prop.osta seria aceita por Roma. Conseguiu que ~
fosse restJtuJdo aos ve1enses seu território, e impôs aos romanos Venda dos bens de Porsena. 14 . Não é fácil con-
a entrega de reféns para que retirasse sua guarnição do Janículo. Guerra dos etruscos com os aricinos. ciliar a retirada pa-
O tratado de paz foi concluído depois de atendidas todas
1 cífica do rei da Etrú-
as exigências. Porsena retirou suas tropas do Janículo e aban- ria com a tradição que vem desde a antigüidade até nossos
donou o território romano. dias e que consiste em proclamar " venda dos bens do rei Por-
Para recompensar o heroísmo de Caio Múcio o Senado sena" sempre que há venda de bens em hasta pública. Esse cos-
deu-lhe como prêmio um terreno situado além do Tibre que tume ou deve ter surgido em tempo de guerra, perpetuando-se
mais tarde foi chamado Prado de Múcio. ' na paz, ou teve origem mais pacífica do que parece indicar essa
As homenagens prestadas à coragem despertaram também expressão hostil na venda de bens. Segundo uma tradição mais
nas mulheres o desejo de alcançar honrarias públicas. verossímil, quando Porsena abandonou o Janiculo, seu acampa-
O acampamento dos etruscos estava estabelecido em local
não muito distante da margem do Tibre. &M!i!, uma das jovens \ mento estava abundantemente abastecido de víveres, trazidos
dos férteis campos da Etrúria, próximos de Roma. Tê-los-ia, en-
entregues ~~~ r~féns, à frente de suas companheiras, conseguiu
burlar a v•g•lanc•a dos guardas, atravessar o rio a nado sob
uma nuvem de dardos inimigos, e restituí-las indenes às suas
7 tão, dado de presente aos romanos, cuja cidade se achava esgo-
tada pela longa duração do cerco. Por isso não se permitira ao
povo a pilhagem desses bens, como se fossem os de um inimi-
famílias em Roma. go. Expuseram-nos à venda sob o nome de " bens de Porsena",
Indignado com a notícia da evasão, o rei mandou emis- a título de reconhecimento por um benefício prestado e não por
sários a Roma para reclamar Clélia como refém, desinteressan- um ato de apropriação de bens reais, que nem sequer haviam
do-se das demais. Em seguida, passando à admiração, declarou caído em mãos do povo romano.
que aquela proeza era superior às de Horácio Cocles e Caio Ao renunciar à guerra com Roma, para não dar a impres-
Múcio. Entretanto, se ela não lhe fosse devolvida consideraria são de que conduzira inutilmente seu exército àquela região,
rompido o tratado de paz. Em contrapartida, se 'ela lhe fosse Porsena enviou seu filho Arrúncio com uma parte das tropas
entregue, seria restituída inviolada aos seus. para atacar Arícia. De inicio os aricinos ficaram abalados com
Ambas as partes respeitaram o tratado. Os romanos devol- aquele ataque inesperado. Mas logo depois, ao receberem auxi-
veram o penhor de paz exigido, e a jovem não só ficou em lio dos povos latinos e da cidade de Cumas, sentiram-se de tal
segurança junto ao rei etrusco como teve sua coragem exaltada. modo confiantes que ousaram enfrentar a luta.
Depois de felicitá-la, Porsena declarou-lhe que devolveria a No começo da batalha os etruscos atacaram com tal vio-
parte dos reféns que ela própria escolhesse. Quando todos lhe lência que desbarataram os aricinos. As coortes de Cumas
foram apresentados, diz-se que ela escolheu os impúberes. Foi porém, opondo a estratégia à força , desviaram-se um pouco
uma seleção digna de uma donzela e unanimemente aprovada para deixar passar o inimigo. Fazendo meia volta, caíram sobre
pe~os. próprios reféns, pois devia-se subtrair ao inimigo aqueles a retaguarda do adversário que corria desordenadamente. Assim,
CUJa 1dade os tomava mais expostos aos ultrajes. já a um passo da vitória, os etruscos foram esmagados. Os

124 125
TITO L(VIO HISTORIA DE ROMA

poucos sobreviventes, sem chefe e sem qualquer outro refúgio minhas mãos conceder. Quaisquer que sejam suas intenções,
mais próximo, viram-se na contingência de dirigir-se a Roma, pacíficas ou belicosas, eles deverão procurar outro lugar de asilo,
desarmados, na condição e com o aspecto de suplicantes. Foram para que nada possa perturbar a paz que ajustamos convosco".
porém recebidos com muita generosidade e instalados em casas Essas palavras foram acompanhadas por uma atitude ainda
particulares. mais amistosa. Devolveu os reféns que ainda estavam em seu
Curados de seus ferimentos, uns regressaram a sua pátria, poder e restituiu o território dos veienses arrebatados aos roma-
onde deram testemunho da acolhida hospitaleira que haviam nos pelo tratado do Janiculo.
recebido, e muitos outros radicaram-se em Roma, por afeição Frustradas as esperanças de regresso, Tarqüínio se exilou
à cidade e a seus habitantes. Foi-lhes dado um terreno para em Túsculo, perto de seu genro Mamllio Otávio.
se estabelecerem, que passou a chamar-se "bairro etrusco". Consolidou-se, desse modo, a paz entre Roma e Porsena.
ú ltima intervenção de Porsena 15 . Públio Lucrécio e Pú-
Guerra com os sa 'nos. 16. No consulado de Marco Va-
a fa vor dos Tarqüínios. blio Valéria Pubtfcola, pe-
Morte de Públio Valério. lério e Públio Postúmio houve
la terceira vez, foram elei-
uma guerra bem-sucedida con-
tos cônsules, seguindo-se-lhes Espúrio Lárcio e Tito Hermí-
tra os sabinos, ocasião em que os cônsules obtiveram as hon-
nio. Nesse ano, pela última vez, embaixadores de Porsena vie-
ras do triunfo. Entretanto, os sabinos prepararam-se para outra
ram pedir a restauração dos Tarqüínios. Responderam-lhes
guerra de maiores proporções. Para fazer-lhes frente e preve-
que o Senado enviaria emissários ao próprio rei, e logo depois
nir qualquer ataque inesperado da parte de Túsculo, que em-
os mais ilustres dentre os senadores partiram com essa mis-
1 bora sem declarar guerra abertamente era suspeita d · ten-
são. Os senadores disseram a Porsena que poderiam ter res-
ções belicosas, foram nomeados os cônsules Públio Valéria pela
pondido, em poucas palavras, a seus legados em Roma, que
quarta ve:~:, e Tito Lucrécio, pela segunda.
_,__.-
não queriam mais reis. Entretanto o Senado havia preferido
Uma dissensão entre os partidários da guerra e os da paz
enviá-los para encerrar definitivamente essa discussão, que
eclodiu entre os sabinos, proporcionando aos romanos um
poderia perturbar as boas relações entre os dois Estados. O
pedido de Porsena era incompatível com a liberdade do povo aumento de forças. Ato Clauso, que mais tarde tomou em Roma ~ <'

romano. A não ser que os romanos quisessem sua própria per- o nome de Ápio Cláudio, \.çhefe do partido da J?az pressionado
dição, seriam obrigados a recusar o pedido de uma pessoa a ..... ~ ~ pelos partidários da guerra e incapaz de fazer-lhes frente, aban-
quem nada desejariam negar. Roma não era mais uma monar- V, donou Regilo seguido por uma grande comitiva de clientes e
quia, mas uma república. Por isso tinha preferido abrir suas /::; refugiou-se em Roma. Foi-lhes dado o direito de cidadania e
portas ao inimigo ~las aos reis. Era convi~p~de to- um terreno além do Ânio. Ali formaram a tribo que se chamou
dos que o fim da seria também o fim da c1da~. Se " antiga Cláudia" , acrescida, mais tarde, de novos cidadãos
desejava que Roma continuasse a viver, pediam-lhe que respei- provenientes da mesma região. Ápio foi admitido no Senado
tasse sua liberdade. e não tardou em tornar-se um dos mais conceituados dignitários.
Arrependido de sua intervenção, o rei respondeu: "Uma Os cônsules à frente de seus exércitos penetraram no
vez que se trata de uma resolução irrevogável, não insistirei território sabino. Após devastá-lo, infligiram ao inimigo uma
mais nesses inúteis pedidos, nem tampouco continuarei iludindo derrota tão terrível numa batalha, que por muito tempo não te-
os Tarqüínios com a esperança de um auxilio que não está em riam de recear nova ameaça. Regressaram triunfalmente a Roma.

126 127
TITO LlVJO HISTORIA DE ROMA

Públio Valério, por todos reconhecido como o maior dos Depois de curto espaço de tempo, suficiente apenas para
gene~ais e o maior dos estadistas de seu tempo, morreu no ano curar os feridos e recrutar novos soldados, o exército reforçado
segumte durante o consulado de Agripa Menênio e Públio marchou contra Pomécia com maior ardor. Restauradas as
Postúmlo, no apogeu da glória, deixando tão escassos recursos torres de combate e outros instrumentos de guerra, já se pre-
que não deram sequer para as despesas do seu funeral. O Estado paravam os soldados para escalar os muros, quando a cidade
encarregou-se de realizá-lo, e as matronas vestiram-se de luto se rendeu .
como já o haviam feito por Bruto. Apesar da capitulação, os auruncos não sofreram menos d~~\
. Nesse mesmo ano, duas colônias latinas, Pomécia e Cora, que se a cidade tivesse sido capturada. Os mais ilustres cidad~(o.
altaram-se aos auruncos e teve início uma guerra contra este foram decapitados, os demais habitantes da colônia vendidBs- ClucL
povo. Após a derrota de um grande contingente que avançara sob coroa 18 , a cidade arrasada e as terras vendidas.
até a fronteira para opor-se à entrada dos cônsules, a luta se Os cônsules receberam as honras do triunfo, mais pel'õl
concentrou em Pomécia. O morticínio foi muito maior depois rigor dessa vingança do que pela importância da guerra q~
do que durante o próprio combate, e o número de mortos acabavam de realizar.
excedeu o de prisioneiros. Estes foram trucidados indiscrimina-
damente e o furor da guerra não poupou sequer os reféns em Eleição do primeiro ditador em Roma. 18 . O ano seguinte
número de trezentos. ' Ameaça de guerra com os sabinos. teve como cônsules
Naquele ano, mais uma vez, Roma triunfou. Postúmio Comfnio
e Tito Lárgio.
Destruição de Pomécia. 17. Os cônsules seguintes, Opíte- Naquele ano, durante os jogos romanos, vários jovens sabi-
nos impelidos por s~a luxúria apoderaram-se de algumas corte-
re Virgínio e Espúrio Cássio ten-
tara~ primeiro tomar Pomécia de assalto e depois servir~m-se sãs, provocando tumulto e uma rixa que quase degenerou em
de vmeas 16 e outras máquinas de guerra. guerra. Parecia que aquele incidente sem importância iria trans-
formar-se em nova luta. Além de temerem os sabinos, constava
Impelidos ma.is por um ódio implacável do que pela espe-
ainda que trinta nações, instigadas por Otávio Mamílio, haviam
r:mça de consegutr uma ocasião mais favorável, os auruncos
feito uma coligação contra Roma.
ftzeram uma irrupção conduzindo tochas ao invés de espadas,
Em meio à inquietação provocada por expectativas t~ \~
arrasando tudo a ferro e fogo. Incendiaram as torres de comba-
alarmantes para a cidade, surgiu pela primeira vez a idéia de
te, fe__riram e mataram grande número de inimigos, e um eleger-se um ditador. Não há porém muita certeza sobre o ano
dos consules - cujo nome os historiadores não mencionam - em que tal fato aconteceu, nem qual dos dois cônsules fora
gravemente ferido, caiu de seu cavalo e quase foi morto. ' acusado de adesão ao partido dos Tarqüínios - pormenor que
. A?ó,s aquela ~errota, o exército regressou a Roma condu- a tradição menciona - , nem mesmo qual foi o primeiro ditador
zmdo mumeros fendos, entre os quais o cônsul cuja vida não eleito. Entretanto, nos mais antigos historiadores, lê-se que Tito
se esperava salvar. Lárgio foi o primeiro ditador e que Espúrio Cássio foi nomeado
comandante da cavalaria.
15 · Antiga máquina de guerra, formada de paus à maneira de
grade, e revestida de couro, para que a não perfurassem os dardos 16 . Colocava·se uma coroa na cabeça dos prisioneiros de guerra
e as pedras.
quando eram expostos à venda como escravos.
128
129
TITO LlVIO
HISTORIA DF. ROMA
Os ex-cônsules fizeram a eleição de conformidade com a
lei que regia a escolha de um ditador. Por isso, acredito que ( No anose~;Jforam ~s
eleitos os Tito Ebú':io
se tenha preferido Lárgio, que já fora cônsul, a Mânio Valério, e Caio Vetúsio, que sitiaram Fidenas e capturaram Crustuméno.
filho de Marco e neto de Volesco, que ainda não exercera o A cidade de Preneste passou dos latinos para os romanos, e_ a
consulado, para servir de chefe e conselheiro dos cônsules. Se guerra contra o Lácio, que há alguns anos ameaçava eclodtr.
pretendessem escolher para ditador um membro da família tornou-se inevitável. .
Valéria, teriam de preferência optado pelo pai, Marco Valério, O ditador Aulo Postúmio e o comandante da cavalana _
varão de reconhecidos méritos e antigo cônsul. Tito Ebucio marcharam com grande contingente de tropas de
Após a eleição do primeiro ditador romano, quando a ~Cantaria e de cavalaria na direção do lago Regilo, em território
plebe viu os segures 17 que o precediam ficou amedrontada e tusculano, onde se deu o encontro com as tropas inimigas.
mais inclinada a obedecer a suas ordens. Com efeito, já nem Quando os soldados romanos tiveram conhecimento da pre-
com os cônsules, cujo poder era igual, podiam buscar o auxflio sença dos Tarqüínios no exército latino, não foi_ mai_s possível
de um contra o outro, nem tampouco apelar para o povo. conter-lhes a cólera, e o ataque foi deflagrado tmedtatamente.
Agora não havia outro recurso a não ser prestar obediência Por esse motivo, a batalha foi mais violenta e mais enc~r.ni_çada
cega à autoridade do ditador. do que as outras. Os generais não se limitaram a d~r~gtr as
A eleição de um ditador em Roma também incutiu medo operações mas participaram também dos combates,_ travando até
aos sabinos, tanto mais quanto acreditavam que a medida fora mesmo lutas corporais. Assim , à exceção do dttador, foram
tomada por causa deles. Por isso enviaram legados a Roma poucos os chefes dos dois exércitos que saíram ile~os. Tarq~fn~o
para propor paz. Soberbo, apesar de enfraquecido pela idade, ao avtstar_ Pos~m10
Os legados rogaram ao ditador e ao Senado que tivessem que se encontrava na linha de frente exortando e mstrumdo
complacência para com um erro da juventude. Como resposta seus comandados, esporeou o cavalo e lançou-se furiosamente
o ditador lhes afirmou que poderia perdoar aos jovens mas não contra ele. Ferido na ilharga, o velho rei conseguiu escapar
admitia que homens de idade continuassem a semear guerras graças à presteza com que seus homens o cercar~~- . .
sobre guerras. Contudo, houve entendimentos sobre a paz e Na outra ala, o comandante da cavalaria, Ebuc10, mvesttu
ter-se-ia chegado a um acordo se os sabinos tivessem concordado contra Otávio Mamí 10. as o general tusculano estava em
em arcar com as despesas da guerra, como exigiam os romanos . guarda e contra ele arremeteu seu cavalo. A violência do choque
A guerra foi declarada, mas uma trégua tácita manteve a entre ambos foi tal que Ebúcio teve um braço atravessado pela
calma por mais de um ano. lança de seu adversário e Mamilio foi atingido no peito. Os
latinos carregaram seu chefe para a segunda linha e Ebúcio
Batalha do lago Regilo. I 9 . Nenhum acon- abandonou o campo de batalha , pois seu braço ferido o impedia
Participação de Tarqüínio Soberbo . tecimento digno de de sustentar as armas.
registro ocorreu no Ao ver seus soldados abalados, o general latino, cujo feri-
consulado de Sérvio Sulpfcio e Mânio Túlio.
mento não o impedia de combater, procurou reanimá-los e
mandou avançar a coorte dos exilados romanos, comandada
17. Machadinhas que os lictores romanos traziam consigo para pelo filho de Lúcio Tarqüínio. Estes, lutando com _m~ior violên-
proceder às execuções. Os vinte e quatro lictores do ditador conserva- cia ainda devido à perda de seus bens e de sua patna, restabe-
vam-nas juntamente com os fasces, mesmo em Roma.
leceram o equilíbrio da batalha.
130
131
TITO I.IVIO
HISTORTA DE ROMA
Morte de Marco Valério e 20. Os romanos começa-
de outros chefes.
Fim da guerra com os latinos.
vam a recuar naquele pon-
to quando Marco Valéria,
irmão de Publícola, avis-
I transportavam ao acampamento e ministravam-lhe os prim~iros
socorros. O ditador correu então ao encontro de seus cavaletros,
ordenou-lhes que desmontassem dos cavalos e reforçassem a
infantaria já esgotada pelo combate. Obedecendo à ordem, os
tou o jovem Tarqüínio que se exibia audaciosamente na linha
de frente da coorte dos exilados. Inflamado pela memória das cavaleiros apearam-se, avançaram para a frente de batalha e
glórias de seus ancestrais, a quem coubera a honra de expulsar organizaram a primeira linha, protegendo-se com seus pe.quenos
os reis, e querendo também que à sua família coubesse a honra escudos. As tropas da infantaria logo recuperaram o ânuno ao
de exterminá-los, esporeou o cavalo e investiu, de lança em ris- ver que o escol da juventude romana combatia a se~ lado em
te, contra Tarqüínio, que voltou a reunir-se a sua tropa para igualdade de condições, enfrentando os mes.mos pengos: .
escapar ao ataque do adversário. A partir de então, os latinos foram repehdos e suas filetras,
Irrefletidamente, Valéria investiu contra a fileira dos exi- já desfalcadas, começaram a recuar. .
lados e recebeu de lado um golpe que o trespassou . Jncapaz Para continuar a perseguição ao inimigo, os cavaletros
de deter o galope do cavalo, o chefe romano, moribundo, tombou retornaram a seus cavalos e a infantaria os seguiu. Naquela
por terra e teve o corpo esmagado por suas próprias armas. ocasião, diz-se que o ditador, não desprezando qualquer auxilio,
Ao presenciar a morte daquele valoroso combatente, a divino ou humano, fez voto de erguer um templo a Castor e
investida violenta da coorte dos exilados, o recuo e a derrota prometeu prêmios aos soldados que conseguissem penetra~ ~o
de seu exército, o ditador Postúmio deu ordem à tropa de escol. acampamento inimigo em primeiro e em segundo lugar. F01 tao
encarregada de sua proteção, para que tratasse como inimigo grande o entusiasmo dos combatentes que, num só ataque,
qualquer soldado que tentasse desertar. Colocados entre duas desbarataram o inimigo e tomaram o acampamento.
ameaças, os soldados romanos desistiram de fugir, reorganiza- Assim se desenrolou a batalha do lago Regilo. O ditador
ram as fileiras e voltaram ao ataque. e o comandante da cavalaria regressaram a Roma em triunfo.
A coorte do ditador foi a primeira a combater. Em boas
condições física e moral, os soldados caíram sobre o batalhão Mo rte de Tarqüínio Soberbo. 21. No triênio seguinte não
dos exilados, já esgotados pela luta, e os massacraram. Reini- houve propriamente paz
ciou-se a batalha, desta vez corpo a corpo, entre os chefes dos nem guerra. Os cônsules foram Quinto Clélio e Tit.o Lárcio
dois campos.
e, logo após, Aula Semprônio e Marco Minúcia, em CUJO consu-
· Ao ver a coorte dos exilados quase cercada pelo ditador lado foi consagrado um templo a Saturno e instituídas as fest~s
romano, o general latino reuniu algumas tropas de reserva e saturnais 18. Seguiram-se os cônsules Aula Postúmio e Tito Vu-
com elas precipitou-se para a linha de frente . Ao perceber a gínio.
aproximação das tropas, o legado Tito Hermínio identificou
entre elas, por suas vestes e armas, o insigne Mamílio, e atacou
o general inimigo com maior violência do que anteriormente 18 . Saturno era o deus itálico da agricult~ra . Era .u~ rei lendári?
que, acolhido por Jano, estabelecera-se no <:apllóho. C1v1hzou os habi-
fizera o comandante da cavalaria, atravessando-o com a sua tantes selvagens daquela região e introduziu entre eles. a Idade de
lança, de um só golpe, de um lado a outro. Por sua vez Hermí- Ouro. Naquela época, segundo a lenda, todos e~am febze~. Nenhu~
nio, vencedor no campo de batalha, foi ferido por um dardo homem servia a outro homem, não havia propnedade pnvada, po1s
ao despojar o cadáver do inimigo, e veio a falecer quando o tudo era de todos e a terra produzia espontaneamente s~us frut?s .
Para celebrar essa idade feliz foram instituídas as saturna1s, festeJOS
132
133
TITO LfVIO HISTóRIA DE ROMA

Segundo certos historiadores, a batalha do lago Regilo Indignados, os cônsules, à frente de suas legiões, invadiram
teria ocorrido neste último consulado. Por falta de confiança o território dos volscos. O ataque imprevisto surpreendeu-os,
em seu colega, Aulo Postúmio abdicara o consul ado e, em pois não esperavam ser castigados apenas por seus propósitos.
s~guida , fora eleito ditador. Mas são tan tas as dúvidas cronol6- ~ Sem pensar sequer em pegar em armas, entregaram como reféns
gtcas quanto à sucessão dos magistrados , em conseqüência da
trezentos filhos das famnias mais nobres de Cora e de Pomécia.
diversidade de tradições, que nem a série dos cônsules nem a
data das ocorrências é possível ser reconstituída a um tal distan- Desse modo, as legiões romanas retiraram-se do território dos
ciamento, não s6 dos fatos como de seus histori adores. volscos sem sequer travar combate.
A seguir foram feitos cônsu les Ápio Cláudio e Públio Algum tempo depois, já livres do medo, os volscos recupe-
Servílio. Nesse ano o aconteci mento mats relevante foi a morte raram a confiança e, às ocultas, começaram a preparar nova
de Tarqüínio Soberbo. ocorrida em Cumas, para onde se exil ara guerra. Aliando-se aos hérnicos para esse empreendimento,
após o fracasso das operações dos latinos. sob a proteção do enviaram emissários a todas as cidades do Lácio para solicitar-
1Ji e.~a~o Aristodemo. lhes a adesão. Entretanto, a recente derrota, sofrida na batalha
~ r{ 5Som a notícia dessa morte regozijaram-se os senadores, do lago Regilo, causara aos latinos tal horror e ódio a quem
...x •regtmJou-se a plebe. Entre os senadores a alegria foi ilimitada , quer que os tentasse convencer a entrar em guerra, que nem
mas a plebe, que até então fora tratada com suma complacência. os próprios legados escaparam à violência. Foram presos, con-
passou a ser vítima das injustiças dos poderosos. duzidos a Roma e entregues aos cônsules.
No mesmo ano a colôn ia Sígnia , fundada por Tarqüínio Os latinos denunciaram que os volscos e os hérnicos se
Soberbo, completou seu efetivo com nova remessa de colonos. preparavam para uma guerra contra os romanos. Ao tomarem
Em Roma foram criadas vinte e uma tribos, e nos idos de conhecimento desses fatos, os senadores se mostraram de tal
maio consagrou-se um templo a Mercúrio. modo reconhecidos que não só devolveram seis mil prisioneiros
aos latinos, como também submeteram à apreciação dos novos
Derrota dos volscos. 22. Du ran te a guerra com magistrados o projeto de aliança que parecia para sempre conde-
Reconciliação com os latino . os latinos, Roma, na ver- nado. Os latinos alegraram-se com o acontecimento. Os partidá-
dade, não esti vera nem em rios da paz cobriram-se de glória e enviaram uma coroa de ouro
paz nem em guerra com os volscos. Eles teriam env iado re- ao Capitólio, como dádiva a Júpiter. A multidão de prisioneiros,
forços aos latinos se o ditador romano não se ti vesse apressado que Roma devolvera a seus lares, acompanhou os legados porta-
em combatê-los, para não ter de sustentar ao mesmo tempo uma dores da oferenda. Visitaram as casas onde cada um residira
guerra contra os latinos e os volscos. na condição de escravo, agradeceram a maneira liberal e bene-
volente com que haviam sido tratados em sua desgraça, e liga-
que se realizavam no dia 17 de dezembro ( 16 das calendas de janeiro). ram-se a seus antigos donos pelos laços da hospitalidade. Até
a ocasião, suspendiam-se todos os negócios, as pessoas visi tavam-se. aquela data, nunca as relações políticas e privadas entre o
davam-se presentes e entregavam-se à mais ruidosa alegria. Os escravos povo latino e o Estado romano haviam sido tão sólidas.
viviam em situação de igualdade com seus senhores. A instituição das
saturnais é atribuída a Tulo Hostílio, mas tudo indica qu e foram
instituídas muito antes da fundação de Roma, para representar a
igualdade que reinava entre os homens na sociedade primitiva .

134 135
TITO UVIO HISTóRIA DE ROMA

Revolta da plebe contra 23 . Estava iminente uma guer- pois seu credor o havia lançado não na escravidão, mas no
• prilio por dívidas. ra contra os volcos, e o Esta- cárcere, onde fora submetido a torturas físicas. Exibiu, em
do se debatia em lutas internas. seguida, o dorso coberto de feridas, vestígio de recentes chi-
Os plebeus consumiam-se no ódio aos patrícios, sobretudo por cotadas.
causa da escravidão por dívidas 19 • Indignados, diziam que eram Ao ver e ouvir tanta desgraça, ergueu-se um grande clamor.
aprisionados e oprimidos em sua própria pátria e por seus pró- O tumulto já não se limitava ao Fórum, mas invadia toda a
prios concidadãos, embora combatessem no exterior pela liber- cidade. Os presos por dívidas, com ou sem algemas, irromperam
dade da república. A plebe era mais protegida na guerra do de todos os pontos da cidade suplicando o auxílio dos quirites.
que na paz, mais livre entre inimigos do que entre seus próprios Não houve um só lugar onde não se apresentassem voluntários
concidadãos. ao movimento. Verdadeira multidão percorria as ruas, aos
Os ânimos já se achavam exacerbados quando a grande gritos, em direção ao Fórum.
desventura de um homem fez irromper o incêndio. Os senadores que naquele momento se achavam no Fórum
Um ancião precipitou-se no Fórum exib indo sinais de tor- corriam grande risco em meio àquela multidão. Não teriam
turas. Suas vestes manchadas, sua palidez e magreza causaram escapado à violência se os cônsules Públio Servílio e Ápio
terrível impressão. Além disso, a barba e os cabelos crescidos Cláudio não tivessem intervindo prontamente a fim de debelar
davam-lhe aspecto feroz. a sedição. Voltando-se para eles, a multidão ostentava suas
Apesar de tais deformações, foi reconhecido. Diziam que algemas e suas deformidades, dizendo que fora aquela a recom-
comandara uma centúria, e exaltavam seus brilhantes feitos no pensa que haviam recebido. Amaldiçoavam as batalhas de que
exército, compadecendo-se de sua atual situação. Ele próprio, cada um havia participado e exigiam, mais por ameaças do
em testemunho de sua bravura em inúmeras batalhas, exibia o que por súplicas, que convocassem o Senado. Cercaram a cúria
peito coberto de cicatrizes. dispostos a serem os árbitros e controladores das deliberações
A turba que se aglomerou em torno dele, como se fora públicas.
uma assembléia popular, perguntou-lhe a razão daquelas vestes Os poucos senadores que por acaso se encontravam na
miseráveis e daquele aspecto disforme. Respondeu o ancião que, cúria reuniram-se ao redor dos cônsules. Os outros, o medo
enquanto guerreava contra os sabinos, o inimigo devastara seus os afastara não só da cúria como do próprio Fórum, e o
campos, apropriara-se da colheita, incendiara o sítio e rouba- Senado nada pôde decidir por falta de número.
ra-lhe todos os bens, inclusive o gado. Mesmo naquela ocasião A multidão, entretanto, julgou que estava sendo iludida e
tão desfavorável, lhe haviam cobrado impostos, obrigando-o a enganada, que os senadores estavam ausentes não por acaso ou
contrair dívidas. Essas dívidas, acrescidas de juros, obrigaram·no por medo, mas para impedir que fosse tomada qualquer delibe-
a desfazer-se primeiro das terras que- herdara de seu pai e de ração, enquanto os prpprios cônsules tergiversavam. Sem a
seu avô, e depois de outros bens que possuía. E tal como uma menor dúvida, achavam que todos zombavam de suas misérias. -
doença cont agiosa, a desgraça atingira-lhe também o corpo, Aproximava-se o momento em que nem a majestade dos
cônsules poderia conter a cólera dos homens, quando os sena-
19 . O devedor insolvável tornava-se propriedade de seus credores dores, sem saber se correriam maior perigo escondendo-se ou
que tinham o direito não só de vendê-lo como escravo, dividindo entre comparecendo, apresentaram-se finalmente no Senado. Embora
si o lucro obtido, mas também de retalhar seu corpo em pedaços c já houvesse quórum , senadores e cônsules não chegaram a um
dividi-lo. acordo.
136 137
TITO LIVfO HISTóRIA DE ROMA

Ápio, homem de caráter violento, achava que se deveria o infortúnio cie seus concidadãos, premidos pelo medo, ao ,
impor a autoridade dos cônsules. Bastaria prender um ou dois invés de fazê-lo depois espontaneamente.
re11eldes, e os demais logo se acalmariam. Servílio, mais incli- Para que a assembléia acreditasse em suas palavras, pro-
nado a soluções pacíficas, achava preferível acalmar os ânimos mulgou um edito que proibia manter algemado ou encarcerado
a usar de violência, o que além de mais garantido era mais qualquer cidadão romano, impedindo-o de apresentar-se diante
fácil. dos cônsules para alistamento, que se embargassem ou vendes- . ~
sem os bens de um soldado enquanto estivesse na guerra e,
Mediação do cônsul 24. Em meio a essas perturbações, finalmente, que se detivessem seus filhos ou netos.
Públio Servílio. uma ameaça maior se fez sentir. Ca- Divulgado o edito, os insolventes que se achavam presentes ,.
valeiros latinos vieram a ga lope com à assembléia logo se alistaram. De todas as partes da cidade surgi-
a alarmante notícia de que o exército dos volscos aproximava-se ram outros fugidos das casas de seus credores, que não tinham
para atacar Roma. mais o direito de retê-los, para se reunirem no Fórum e prestar -r
Essa notícia despertou reações diferentes entre patrícios juramento militar. Formaram um grande regimento, gue se des- -
e plebeus, de tal modo a discórdia dividira a cidade em duas . tacou na guerra contra os volscos por sua coragem e por sul!_ ~
A plebe exultou de alegria. Dizia que os deuses viriam vingá-la açao.
do orgulho dos patrícios, e cada cidadão exortava o outro a O cônsul pôs-se à frente das tropas e estabeleceu acampa-
não se alis~ar. Seria preferível que todos perecessem juntos a
A mento a pouca distância do inimigo.
sofre-lo sozmhos. Os patrícios que combatessem, que pegassem
em armas. Os perigos da guerra deveriam recair sobre aqueles Campanha contra os volscos. 25. Na noite seguinte, con-
que dela se aproveitavam. fiantes na discórdia que
Abalados e apreensivos pela dupla ameaça de seus conci- reinava entre os romanos, os volscos aproximaram-se de nosso
dadãos e do inimigo, os senadores pediram ao cônsul Servílio acampamento na esperança de que, favorecida pelas trevas, hou-
cujo temperamento o tornara mais popular, que salvasse ~ vesse alguma deserção ou mesmo traição. As sentinelas, porém,
república cercada por tantos perigos. · perceberam a manobra e alertaram o exército. Dado o sinal, to-
Encerrada a sessão do Senado, o cônsul apresentou-se dos correram às armas, frustrando o ataque dos volscos. O res-
diante do povo reunido em assembléia. Mostrou-lhe que os to da noite foi dedicado ao repouso de ambos os exércitos.
senadores estavam interessados em resolver os problemas da Ao alvorecer do dia seguinte, os volscos encheram nossos
plebe. Entretanto, as deliberações relativas àquela classe, sem fossos , assaltaram as trincheiras e de todos os lados começaram
a arrancar as paliçadas. Embora os soldados, sobretudo os
dúvida a mais numerosa do Estado, mas que apenas constituía
endividados, clamassem pelo sinal de ataque, o cônsul retar-
uma parte da população, tinham sido interrompidas em face
dou-o um pouco para experimentar o ânimo das tropas. Ao
de um perigo que ameaçava toda a república. Era impossível,
certificar-se de que já não havia dúvidas quanto ao grande entu-
com o inimigo às portas da cidade, o Senado ocupar-se de
siasmo de seus comandados, deu o sinal de ataque e lançou
outro assunto a não ser da guerra. Mesmo que não houvesse os soldados ávidos de combater.
tanta urgência, não seria honroso para a plebe negar-se a empu- Os volscos foram repelidos no primeiro assalto. A infan-
nhar armas em defesa da pátria antes de receber a recompensa, taria perseguiu os fugitivos até onde pôde alcançá-los e des-
nem muito digno para os senadores propor medidas para aliviar truiu-lhes a retaguarda, enquanto a cavalaria rechaçou os

138 139
HISTóRIA DE ROMA
TlTO UVJO
O exército dos auruncos pôs-se em marcha, ao mesmo
amedrontados inimigos até o acampamento. Logo depois o
tempo em que seus emissários partiram para Roma. A notícia
acampamento, que os volscos em pânico haviam abandonado,
de que tinham sido vistos perto de Arícia provocou tão grande
foi cercado pelas legiões romanas, capturado e saqueado.
agitação entre os romanos, que os senadores não puderam deli-
No dia seguinte, as legiões romanas marcharam contra
berar de acordo com o regulamento, nem responder com sere-
Suessa Pomécia, onde se havia refugiado o inimigo. Em poucos
nidade ao inimigo em armas, vendo-se eles próprios compelidos
dias tomaram a cidade, que foi entregue à pilhagem, benefi-
a aceitar a guerra.
ciando-se com isso os soldados mais pobres. Uma coluna marchou contra Arícia e, a pouca distância
Coberto de glória, o cônsul regressou a Roma com seu da cidade, deu-se o encontro dos dois exércitos. Uma única
exército vitorioso. No caminho de volta, encontraram legados batalha decidiu a guerra.
dos volscos ecetranos que temiam por sua pátria após a captura I

do Pomécia. A paz lhes foi concedida por um senadoconsulto.


mas algumas de suas terras lhes foram tomadas.
j Graves dissensões entre 27. Derrotados os auruncos, os
a plebe e o governo. soldados romanos, tantas vezes
vitoriosos em tão poucos dias,
Guerra com sabinos e auruncos. 26. Em breve, foi a vez contavam com a promessa do cônsul e a garantia do Senado.
dos sabinos ameaçarem Entretanto A_pio, não só por sua inata dureza de caráter
Roma. Na verdade, houve mais tumulto do que guerra . como tamo- m para diminuir o prestígio de seu colega, voltou
Altas horas da noite, Roma foi avisada de que o exército a falar com maior rigor sobre o problema das dívidas,: A partir
sabino avançara até o rio Ânio, devastando todos os lugares de então, os devedores seriam devolvidos a seus credores e,
por onde passava, saqueando e incendiando as propriedades além desses, outros seriam presos pelos mesmos motivos. Quan-
rurais. do a ordem incidia sobre soldados, estes apelavam para o colega
Imediatamente Aulo Postúmio, ditador durante a guerra de Ápio, reunindo-se em torno de Servílio e relembrando-lhe as
latina, foi enviado ao local com todos os contingentes da cava- antigas promessas. Cada um narrava os serviços prestados na
laria. Com um destacamento selecionado da infantaria, seguiu-o guerra e exibia suas cicatrizes. Pediam-lhe que submetesse a
o cônsul Servílio. Os cavaleiros cercaram grande parte dos questão ao Senado ou então, como cônsul, auxiliasse seus con-
soldados que avançavam dispersos, e à chegada das tropas de cidadãos e, como general, a seus soldados.
infantaria a legião sabina não ofereceu resistência. Cansados Essas súplicas abalavam o cônsul, mas as circunstâncias o
não só pela marcha forçada como pela pilhagem que realizaram obrigavam a tergiversar, pois tanto seu colega quanto toda a
durante a noite, tendo a maior parte deles comido e bebido em facção dos nobres eram de opinião contrária. Assim, optando
excesso nas propriedades devastadas, mal tiveram forças para pela neutralida e, nem evitou o ódio da plebe, nem conquistou
fugir. as boas graças do Senado. Os senadores o consideravam fraco
Segundo a tradição, numa só noite terminou a guerra com e ambicioso, e a plebe, um mentiroso. Em breve se tornaria tão
os sabinos. odiado quanto o próprio Ápio.
Estabelecera-se entre os cônsules uma polêmica para saber
Esperava-se longo período de paz quando, no dia seguinte,
qual dos dois consagraria o templo. de Mercúrio. O Senado
emissários dos auruncos vieram ao Senado com um ultimato de
transferiu a decisão ao povo. Aquele a quem o povo confiasse
guerra, caso os romanos não se retirassem do território dos
volscos. a honra da consagração do templo ficaria também encarregado

141
TITO UVIO HISTóRTA DE ROMA

do abastecimento, organizaria uma corporação de mercadores O mal se agravava dia a dia com as clamorosas manifes-
e realizaria as cerimô nias religiosas com poderes de pontífice. tações do povo e também, o que era ainda mais grave, com a
O povo confiou a sagração do templo a Marco Letório, organização de assembléias secretas.
centurião da primeira companhia dos triários. Era fácil com- Finalmente, detestados pela plebe, os cônsules terminaram
preender que a escolha fora feita não para homenagear o seu mandato. Servílio sem ter contentado a nenhum dos dois
eleito, confiando-lhe uma ntissão superior ao seu cargo, mas partidos, Ápio com o apoio de todo o Senado.
1\ _ parfl menosprezar os cônsules.
1'-4 ~ àq.. partir de então, um dos cônsules e os senadores redo- Conspiração da plebe. 28. Auto Virgínia e Tito 'sio
Q\~ de rigor. Mas a plebe ganhara coragem e seguia cami- Pressão do Senado assumiram o consulado.
nhos bem diferentes dos que até então havia trilhado. Sem sobre os cônsules Incertos quanto às disposições
esperanças de contar com o apoio dos cônsu les e do Senado, dos novos cônsules, os plebeus rea-
quando viam um devedor ser conduzido à justiça, os plebeus lizavam teuniões noturna~, um grupo nas Esquilias e outro no
acorriam de todos os lados e com ~tos e ruídos impediam que Aventino 20 , para evitar manifestações precipitadas no Fórum e
fosse ouvida a sentença dos cônsules, à qual, depois de decre- decisões apressadas ou fortuitas. ~
tada, ninguém obedecia. Imperava a violência. O medo e o Considerando tais reuniões uma ameaça, como de fato o~
temor de serem maltratados passou dos devedores aos credores eram, os cônsules denunciaram-nas ao Senado. Mas não foi
ao verem a multidão que ousava agredi-los mesmo diante do possível deliberar sobre a matéria, visto que os senadores rece-
cônsul. beram a denúncia em meio a tumultuosos clamores de indigna-
A tudo isso veio acrescentar-se a guerra contra os sabinos. ção. Numa situação em que os cônsules deveriam agir com a
Decretado o alistamento, ninguém se apresentou. Furioso, Ápio autoridade de seu cargo, diziam eles, transferiam para os sena-
responsabilizou o colega que, por ambição, traía a república dores a responsabilidade de medidas odiosas à fu:. Se real-
para se tornar popular por seu silêncio. Além de não pronunciar mente houvesse verdadeiros magistrados na república nenhuma
sentenças contra os devedores, não fazia sequer o recrutamento assembléia se reuniria em Roma a não ser as oficiais. ~
decretado pelo Senado. Contudo, a república não estava total- havia mil senados, mil ass.embléias-(realizando reuniões nas
mente abandonada, nem tão desmoralizada a autoridade dos Esquilias e no Aventi~) e a república se desagregava e aniqui-
cônsules. Ele sozinho restabeleceria a dignidade do Senado lava. Por Hércules! Bastaria um só homem - o que na
a sua própria. verdade era superior a um cônsul - da têmpera de um Ápio
Como a multidão, estimulada pela impunidade, cercasse Cláudio, para dispersar num instante todas aquelas reuniões.
diariamente seu tribunal, Ápio mandou prender um homem que Diante desses ataques, os cônsules indagaram o que dese-
parecia ser o chefe da rebelião. jariam que fizessem. Não agiriam com hesitações ou brandura
Ao ser arrastado pelos lictores, ele apelou. Mas o cônsul se não fosse do agrado dos senadores. O Senado então exigiu-lhes
não atendeu ao apelo, visto que não tinha dúvidas quanto à que procedessem ao recrutamento com o maior rigor possível,
decisão do povo. Embora a contragosto, sua pertinácia cedeu pois a ociosidade era a causa da insolência da plebe.
devido aos conselhos e autoridade dos patrícios, mas não ante
os clamores do povo, tal era sua disposição de enfrentar o 20 . As Esquilias e o Aventino eram bairros predominantemente
ódio da multidão. habitados pela plebe.

142 143
TITO LfVIO HISTORIA DE ROMA

Encerrada a sessão, os cônsules subiram à tribuna e fizeram les conseguiu acalmar a contenda, na qual não se chegara a
a chamada nominal dos jovens. Como ninguém respondesse, a atirar pedras nem usar armas, tendo havido mais gritos e mani-
multidão presente cercou os cônsules, formando uma espécie festações de ódio do que violências ffsicas. _
de assembléia, e declarou que ninguém mais enganaria a plebe, Convocado em meio a esse tumulto, o Senado deliberou
que não conseguiriam mais um único soldado, a menos que o mais tumultuosamente ainda, em virtude da exigência de aber-
do~rmanecesse fiel a seus compromissos. Era preciso dar tura de inquérito por parte daqueles que haviam sido insultados,
iberdadeà todos os cidadãos antes de dar-lhes armas. Estavam proposta que recebeu o apoio dos senadores mais exaltados,
dispostos a combater pela pátria e por seus concidadãos, mas antes por gritos e alYoroça...d o que por meio de vota ão re lar.
nunca por tiranos. Finalmente, quando os ânimos se acalmaram, os cônsules lamen-
Os cônsules sabiam perfeitamente o que o Senado lhes taram não encontrar mais bom senso no Senado do que no
havia exigido. Mas embora os senadores falassem com firmeza Fórum, e a sessão voltou à normalidade. ~~- -
0
e coragem dentro da cúria, nenhum deles se exporia ao ódio Formaram-se, então, três _pa~
da plebe nem enfrentaria os riscos. Públio v· ·o era contra uma medida de caráter geral.
Tudo indicava que uma luta acerba com a plebe estava Propü'iíi); que se considerassem apenas aqueles que haviam
iminente. Por isso os cônsules, antes de adotar medidas extre- lutado na guerra contra os volscos, os auruncos e os sabinos,
mas, resolveram consultar de novo o Senado. Foi então que os confiados na palavra do cônsul Públio Servílio.
mais jovens membros do Senado precipitaram-se para a tribuna Tito Lárcio achava que não era o momento de desobrigar
dos cônsules, exigindo que abdicassem o consulado e renuncias- apenas os ex-cÕmbatentes, uma vez que toda a plebe estava
sem a um poder que não tinham a coragem de impor. mergulhada em dívidas e já não podia ser salva, a menos que
se tomasse uma medida de caráter geral. Estabelecer distinção
Dissensões no Senado. 29. Conhecidas as opiniões dos entre uns e outros seria atiçar a discórdia ao invés de apazi-
dois partidos, os cônsules afinal guá-Ja.
declararam: "Não direis, senadores, que não fostes preveni- Ápio Cláudio cujo caráter violento se achava ainda mais
dos de que tremenda rebelião nos ameaça. Pedimos que aque- exaltado pelo ódio da plebe e pelos aplausos do Senado, decla-
les, que mais nos acusam de fraqueza, nos ajudem a fazer o rou não ser a miséria a causa de todas aquelas perturbações.
alistamento. Agiremos da maneira mais radical, uma vez que O excesso de liberdade é que tornava o povo mais insolente
muitos de vós assim desejais". do que desesperado. Todo o mal provinha exatamente do direito
Retornando ao tribunal, os cônsules deliberadamente cha- de apelação. O poder dos cônsules se reduzia a simples amea-
maram pelo nome um dos cidadãos que se achavam à vista. ças uma vez que era permitido aos culpados apelar para seus
Como este permanecesse em silêncio e um grupo de homens o cúmplices. "Pois bem, disse ele, elejamos um ditador, contra
cercasse para impedir que sofresse violência_s, os cônsules man- o qual não há o direito de apelação, e esse furor que tud_o
daram contra ele um lictor, que foi repelido. ameaça se extinguirá imediatamente. Que alguém ouse repehr
· Clamando que se tratava de um indigno atentado, os sena- um lictor, sabendo que suas costas e sua vida se acham unica-
dores que se encontravam ao lado dos cônsules precipitaram-se mente nas mãos daquele cuja majestade pretende ultrajar!"
da tribuna em auxílio do lictor. Então o grupo que apenas
queria impedir que o lictor efetuasse a prisão, largou-o e
lançou-se contra os senadores, até que a intervenção dos cônsu-

144 145
TlTO LIVIO HISTóRIA DE ROMA

Nomeação de um ditador. 30. Muitos acharam a proposta O outro cônsul que partira contra os volscos, para ganhar
Guerra com os volscos. de Ápio excessivamente rigo- tempo, devastou completamente os campos do inimigo para
rosa. Por outro lado, as de obrigá-lo a transferir o acampamento para mais perto do seu
Virgínio e de Lárcio, criavam um precedente perigoso, sobre- e enfrentar o combate. Entre os dois acampamentos estendia-se
tudo a de Lárcio, que abolia completamente o crédito. A uma planície, onde cada exército, atrás de suas trincheiras,
opinião de Virgínio parecia mai odr.raAa e equidistante dos tomou posição de combate.
dois extremos, mas o espírito partadár~ e o respeito ao:: inte- Dispondo de um contingente maior de tropas, os volscos
resses privados, que sempre prejudicaram e prejudicarão o bem não se preocuparam em organizar-se e iniciaram o ataque. O
público, de·ram a vitória a Ápio e quase o elegeram ditador, o cônsul romano, porém, não deu sinal de ataque nem permitiu
que teria indisposto irremediavelmente a plebe num momento aos soldados responder aos gritos de guerra do adversário, orde-
de tensão interna, quando volscos, équos e sabinos estavam em nando-lhes que permanecessem imóveis com a lança fincada
preparativos de guerra. Entretanto, os cônsules e os senadores no chão. Quando as tropas inimigas se aproximassem, todos,
mais idosos tiveram o cuidado de confiar esse poder, coercitivo com a espada na mão, se precipitariam para um ataque corpo
por sua própria natureza, a um homem de índole mais pacífica. a corpo.
Escolheram para ditador Mânlio Valério, filho de Voleso. Cansados de correr e gritar, os volscos aproximaram-se dos
Embora conscientes de que a nomeação de um ditador lhes romanos julgando-os paralisados pelo medo. Mas ao perceberem
era adversa, os plebeus lembravam-se de que deviam ao irmão que estavam prontos para atacar e que as espadas desembainha-
de Valério o direito de apela ão, e ~-o Jemiam daquela família das faiscavam ante seus olhos, recuaram apavorados como se
. -.)
qualquer excesso de ~ ou de vaJ ·a de. tivessem caído numa emboscada. Após a correria da investida,
Um edito promulgado logo depois confirmou as boas inten- não lhes restavam forças sequer para a fuga . Os romanos, ao
ções do ditador, uma vez que se assemelhava ao do cônsul contrário, ainda cheios de vigor, pois antes do ataque haviam
Servílio. Os plebeus ..Preferiram dar um crédito de confiança permanecido imóveis, alcançaram facilmente o fatigado inimigo
ao homem e a sua autoridade. Abandonaram a luta e apresen- e tomaram de assalto o acampamento.
taram-se para o alistamento. Nunca se conseguiu um exército Depois de despojar o acampamento, os romanos persegui-
tão grande: um efetivo de dez legiões! Três foram dadas a ram o adversário até Velitra, onde vencedores e vencidos, num
cada cônsul e quatro ficaram à disposição do ditador. só bloco, irromperam na cidade. No extermínio indiscriminado
Já não era mais possível protelar a guerra. Os équos de todos os cidadãos, derramou-se mais sangue do que no
tinham invadido o território do Lácio, e enviados dos latinos próprio combate. Poucos se salvaram depondo as armas e
pediram ao Senado que mandasse reforços ou lhes permitisse rendendo-se.
armar-se para a defesa de suas fronteiras. Os senadores acharam
mais prudente defender os latinos desarmados do que permitir Derrota dos sabinos e dos équos. 31. Enquanto se reali-
que se armassem. Abdicação de Valéria. zava a operação contra
O cônsul Vetúsio foi enviado ao território do Lácio e pôs os volscos, o ditador
fim às devastações. Os équos abandonaram a planície e busca- combatia os sabinos, derrotando-os, pondo-os em fuga e saquean-
ram abrigo no alto das montanhas, confiando mais numa posição do seu acampamento. Este foi, sem contestação, o momento cru-
favorável do que em suas próprias forças. cial da guerra.

146 147
TITO LlVIO H ISTO RIA DE ROMA

Com um ataque da cavalaria, os romanos romperam a fé, desejareis que a plebe romana encontre patronos semelhantes
linha de centro do exército sabino, que fora desfalcada para a mim. No que me diz respeito, não enganarei mais meus
fortificar as duas alas. Aproveitando-se da desordem, a infan- concidadãos, nem serei ditador em vão. A república carecia
taria tomou de um único assalto o acampamento e venceu a desta ditadura por causa dos distúrbios internos e das guerras
guerra. Depois da batalha do lago Regilo, este foi o mais impor- externas. No exterior, a paz foi conseguida, mas no interior
tante combate travado naquela época. lhe fazem oposição. Prefiro ser testemunha da sedição como
O ditador regressou em triunfo a Roma. Além das home- simples civi a sê-lo como ditador». E com essas palavras aban-
nagens tradicionais, foi-lhe concedido, a ele e a seus descen- donou a cúria e abdicou o cargo de ditador.
dentes, um lugar especial para assistirem aos espetáculos de A plebe compreendeu que ele abandonara o cargo revol·
circo, onde foi instalada uma cadeira curul. tado com a situação em que ela se encontrava. Por esse motivo,
Vencidos, os volscos perderam o território de Velitra, que dispensaram-no da promessa, uma vez que a decisão não depen-
passou a ser colônia de Roma e repovoada com cidadãos dia de sua vontade, e o acompanharam a sua casa sob aclama-
romanos. ções e louvores.
Mais tarde, contra a vontade do cônsul que achava sua
posição desfavorável para enfrentar o inimigo, travou-se com- Retirada da plebe para o monte Sacro. 32 . Apoderou-se
~~ com os équos. Talvez com certa imprudência, os soldados Discurso de Menênio Agripa. dos senadores o
or~ramj}O a atacar o adversário bem-situado no alto de temor de 'l!le re-
~~ 'Acusavam-no de prolongar a guerra a fim de dar tempo com ssem as reuniões secretas e as conspiraçoes, caso licen-
a que expirasse o mandato do ditador antes que regressassem ciassem as tropas. Embora tivessem sido arregimentadas pelo
a Roma, para impedi-lo de cumprir suas promessas, tal como ditador, fora aos cônsules que os soldados haviam prt!stado
acontecera ao cônsul Servílio. juramento. Sendo assim, os senadores julgavam-nos ligados por
Essa operação mal planejada obteve êxito graças à covardia esse juramento e deram ordens para que as legiões saíssem da
dos adversários. Estupefatos com a audácia dos romanos, antes cidade, sob o pretexto de outra guerra com os équos.
de serem lançados os primeiros dardos, abandonaram o acam- Essa decisão apressou a revolta. Diz-se que a primeira
pamento que ocupavam em situação privilegiada e precipitaram- idéia que ocorreu aos soldados foi a de assassinar os cônsules
se para o lado oposto do vale. para se libertarem do juramento. Mas ao certificarem-se de
O saque foi apreciável e a vitória conseguida sem derra· que o crime não desfazia os liames de um compromisso sagrado,
mamento de sangue. os plebeus, instigados por um certo Sicíniq.__ não obedeceram
Apesar da tríplice vitória na guerra, os problemas internos aos cônsules e retiraram-se para o monte Sac.l1b. situado além
voltaram a preocupar o Senado e a plebe. À força de favores do rio Ãnio, a três mil passos de Roma (essa tradição é mais
e ardis, os usurários prepararam-se para enganar o povo e o divulgada do que a admitida por Pisão, segundo a qual a reli·
próprio ditador. \ rada se realizara para o monte Aveotino) . ~~ O.. •C..
Após o regresso do cônsul Vetúsio, entre outras moções esse local, sem um chefe q~__os comandasse, os plebeus
apresentadas no Senado, Valéria advogou a causa do povo vence- estabeleceram acampamento. Cercaram-no de um fosso e uma
dor, levando a debate o problema dos devedores insolventes. paliçada, e ali desfrutaram dias calmos, apoderando-se apenas
Ao ver sua proposta rejeitada, declarou: "Não vos agrado dos alimentos necessários a sua subsistência, sem atacarem nem
porque busco a concórdia. Dentro de alguns dias, por minha ~ tacadas.

148 149

~ \.),c. _bo o.
L-.. a.r! o ~ ).. ~ l :X l
TITO LlVIO HISTORIA DE ROMA
~\J~
Em Roma dominava o terror. Todas as atividades foram Criação do tribunato da plebe. 33. Tratou-se, em segui-
suspensas, pois os cidadãos desconfiavam uns dos outros. Os Aliança com os latinos. da, dos meios de ~
plebeus, privados de seus companhei ros, temiam a violência Coriolano. ciliaçtio com a plebe e
dos patrícios. Os patrícios. por sua vez , temiam os plebeus que 1
através de concessões de-
ficaram na cidade, não sabendo se seria melhor que fi cassem cidiu-se que ela teria m~gistrados _ru:Qprios.. invioláYI · , ~ §.e
ou partissem. Po r quanto tempo ainda permaneceria tranqüila encarregariam de defendê-la contra os cônsules, sendo yedado
aquela multidão revoltada? Que aconteceria se naquela ocasião
houvesse a111eaça de guerra no exterio r? Restaria apenas a espe-
rança de concórdia entre os cidadãos. A reconciliação era
aos patrícios o acesso a essa magistratura 21 •
Foram nomeados dois tribunos da plebe, Caio Licínio e
Lúcio Albino, que por sua vez nomearam três colegas, entre os
l
imprescindível ao Estado, fosse por meios lícitos, fosse por meios quais Sicfnio, mentor da secessão. _ ?
ilícitos. Decidiram , então, enviar à plebe Menênio Agripa , varão Não se sabe ao certo qual o nome dos outros dois tribunos.
eloqüente e estimado pelo povo p or suas origens plebr.as. Há quem diga que apenas dois foram eleitos no monte Sacro
I ntroduzido no acampamento, diz-se que ele se limitou e que naquele local foi instituída a lei Sagrada.
a narrar na linguagem rude da época o seguinte apólogo: " No Na ocasião em que a plebe se retirou da cidade, Espúrio
tempo em que o corpo humano não formava como agora um Cássio e Postúmio Cominio assumiram o consulado. Na gestão
todo harmonioso, mas cada membro possuía sua própria opinião desses cônsules foi concluída uma aliança com os povos latinos.
e sua própria linguagem, todas as partes do corpo revoltaram-se Para conclui-la um dos cônsules permaneceu em Roma . O outro
porque o estômago obtinha tudo à custa de seus tuidados , seu cônsul foi enyiado para combater os volscos. Após derrotar e
trabalho e serviços, ao passo que ele próprio, ocioso no meio pôr em fuga os volscos de Ãncio, repeliu-os até a cidade de
deles, não fazia outra coisa a não ser gozar dos prazeres que Lôngula, perseguiu-os e apoderou-se das muralhas. Avançou até
lhe eram dados. Então os membros conspiraram para que a Polusca, outra cidade dos volscos, capturou-a e investiu em
seguida furiosamente contra Coríolos.
mão não levasse mais o alimento à boca, nem a boca o rece-
Havia no exército um jovem patrício de nome Cneu Márcio
besse, nem os dentes o mastigassem. Mas enquanto, por ressen-
homem astucioso e de ação, que mais tarde foi cognominado
timento, queriam domar o estômago pela fome, os próprios
Coriolano. Enquanto o exército romano sitiava Coríolos, preo-
membros e todo o corpo chegaram a um extremo esgotamento. cupado apenas com os habitantes encerrados na cidade e sem
Compreenderam então que o estômago não vivia na ociosidade, temer qualquer ataque imprevisto do exterior, as legiões dos
que não era apenas alimentado por eles, mas os alimentava volscos partiram de Âncio e caíram de súbito sobre ele, ocasião
também, devolvendo a todas as partes do corpo este sangue que os sitiados aproveitaram p ara romper o cerco.
que nos dá vida e força, distribuindo-o pelas veias depois de Casualmente Márcio estava de sentinela. À frente de uma
elaborá-lo pela digestão dos alimentos". Finalmente, mostrando l tropa de escol, conseguiu ele repelir o ataque dos inimigos que
que a revolta do corpo assemelhava-se à cólera dos plebeus
contra os patrfcios, consegui u fazê-los mudar de opinião.
21 . Os tribunos da plebe. Seu caráter sacrossJnto lhes dava
poderes extraordinários. Era considerado sacrilégio qualquer atentado
contra eles, e suas casas, local de asilo igualmente sagrado. Tinham
o direito de intercessão não só cont ra os cônsules, mas contra todos os
outros magistrados, à exceção do ditador.

150
TITO LIVIO HISTóRIA DE ROMA

escaparam ao cerco e precipitar-se audaciosamente pela porta contornando por mar o território dos volscos, e até da Sicfliu,
da cidade, que fora deixada aberta, para invadir os bairros pois o ódio das cidades vizinhas era tal que obrigava os romanos
mais próximos. Massacrou a população e, encontrando fogo a a procurar auxt1io em regiões longínquas.
seu alcance, incendiou as casas que dominavam as muralhas. As naus que transportavam o trigo comprado em Cumas

~
Como em geral acontece nos momentos de pânico, o clamor foram embargadas pelo tirano Aristodemo, como penhor dos
dos sitiados, misturado aos lamentos das mulheres e das crian- bens dos Tarqüínios, de quem era herdeiro. No pais dos volscos
ças, contribuíram para aumentar a coragem dos romanos, ao e dos pontinos não foi possível efetuar nenhum negócio, pois
passo que os volscos ficaram perturbados ao verem capturada os compradores corriam perigo de um ataque da população
a cidade que tinham vindo socorrer. desses dois povos. Apenas a Etrúria conseguiu enviar um car-
Assim foram derrotados os volscos de Ãncio e capturada regamento de trigo a Roma pelo rio Tibre, livrando a plebe da
(
a cidade de Coríolos. fome.
A glória de Márcio ultrapassou de tal modo a fama do Em circunstâncias tão desesperadoras, teria sido desastroso
cônsul que, se a aHança com os latinos não tivesse sido gravada para Roma ter de enfrentar os volscos que já se preparavam
numa coluna de bronze para nos lembrar que um só cônsul, para a guerra, não fora um surto violento de peste que atingiu
Espú rio Cássio, o concluíra, estando ausente seu colega, ter-se-ia toda a população daquele país. Esse infortúnio abateu o ânimo
dissipado a memória do comando de Postúm io Comínio na guer- do inimigo e levou os romanos, temerosos de que os volscos
ra com os volscos. ao se recuperarem constituíssem nova ameaça, a aumentar o
( Naquele ano faleceu Menênio Agripa, cidadão que durante número de colonos de Velitras e a criar uma nova colônia em
toda a sua vida fora estimado por patrícios e plebeus, e que se Norba, no alto das montanhas, para servir de fortaleza no
tornara após a secessão ainda mais querido pela plebe. Depois Pontino.
de ter sido medianeiro e promotor da harmonia entre os cida- No ano seguinte, no consulado de Marco Minúcio e Auto
dãos, legado dos senadores junto à plebe, o homem que recon- Semprônio, chegou um grande carregamento de trigo da Sicilia.
'âtiZiu- a plebe romana e sua cidade não deixou dinhei ro sequer Discutiu-se no Senado por quanto seria vendido ao povo. Muitos
{ para pagar seus funerais. Os plebeus tomaram a si esse encargo, acharam que era o momento de pressionar a plebe para que
~ contribuindo cada um com a sexta parte de um asse.
I o Senado r eraSSLOS direitos que lhe foram arrebatados à _
força. árcio CoriolanC!>, inimigo do poder tribunício, foi o
Escassez de trigo em Roma. 34. Os cônsules seguintes primeiro a manifestar-se: " Se eles quiserem os antigos preços,
Violência de Coriolano. foram Tito Gegâni o e Pú- devolvam ao Senado seus antigos direitos. Por que hei de ver
blio Minúcio. plebeus transformados em magistrados, um Sicínio todo-pode-
Naquele ano reinava paz no exterior e as discórdias inter- roso, quando me sinto subjugado, como se devesse minha vida
nas estavam sa nadas. Entretanto, uma grande desgraça atingiu a ladrões? Terei de sofrer tais indignidades por mais tempo do
Roma. Çom a retirada da plebe para o monte Sacro, os campos que o necessário? Se não tolerei a tirania de um Tarqüinio, um
permaneceram incultos, sobrevindo a carestia e, em seguida, a rei, terei de tolerar a de um Sicínio? Que ele se retire agora e
fome , como ocorre a uma cidade sitiada. Teria havido terrível leve consigo a plebe! O caminho está aberto para o monte
mortandade, sobre tudo entre escravos e plebeus, se os cônsules Sacro e para as outras colinas. Venham arrancar o trigo de
não tivessem providenciado a importação de trigo de todos os nossos campos, como fizeram há três anos, e colham o que sua
pontos: da costa da Etrúria, ao norte de ôstia, de Cumas, loucura semeou. Ouso dizer que essa desgraça os forçará a

152 153
TITO UVIO HISTóRIA DE ROMA

cultivar os campos ao invés de ajudá-los em suas revoltas e como culpado. Mas como Coriolano não comparecesse à assem-
secessões"- - -- ...... bléia no dia determinado, a plebe mostrou-se intransigente.
Não é fácil afirmar e o Senado deveria ter agido desse f, Condenado por contumácia, Coriolano exilou-s no país
modõ;-mas julgo q , se tivesse baixado o preço do trigo, teria dos volscos, ameaçando a pátria e revolvendo em sua mente
conseguido desembaraçar-se do poder tribunício e de todas as f projetos de vingança.
imposições que o constrangiam. I Os volscos acolheram-no com afabilidade. Passaram a dis-
pensar-lhe ainda maiores atenções ao perceberem que seu ódio
Novas dissensões entre 35. Essa proposta pareceu ao Se- aos romanos aumentava e eram cada vez mais freqüentes suas
patrícios e' plebeus nado demasiado rigorosa, e a có- queixas e ameaças. "?(j
lera quase levou a plebe a pegar Coriolano era hóspede de Átio Túlio, incontestavelmente ./
em armas. Reduziam-na à fome como se fosse um inimigo. Pri- um dos homens mais importantes dos volscos e inimigo impla-
vavam-na de víveres e alimento. O trigo importado, único Te- cável dos romanos. Assim estimulados, um por seu ódio inve-
curso de que dispunha graças a inesperada sorte, ser-lhe-ia arre- terado, outro pelos insultos recebidos, elaboraram um plano
batado à boca, a menos que entregasse seus tribunos algemados de guerra contra Roma. Sabiam que depois de tantas tentativas
a Cneu Márcio e o povo romano se dobrasse às varas dos licto- frustradas iriam ter dificuldades em convencer a plebe a pegar ,
res. Um novo carrasco surgira contra ela e não lhe deixava alter- em armas. As sucessivas guerras e a recente epidemia de pest~~·
nativa entre a escravidão e a morte. haviam quebrantado o ardor da juventude. Teriam de recorrer 1
Ao retirar-se da cúria, Márcio teria sido atacado se os à astúcia para exacerbar ódios já diluídos pelo tempo, criando -JO \
tribunos recém-nomeados não o tivessem citado a comparecer novos motivos de ressentimento.
perante a assembléia do povo. Aplacaram-se então os ódios, pois
cada cidadão se considerava juiz do inimigo, senhor de sua Visão do plebeu Tito Latínio. 36. Roma preparava-se para
vida e de sua morte. nova celebração dos grandes
No in1cio, Márcio ouviu com desprezo as ameaças dos tri- jogos, forçada pelos acontecimentos que se seguem.
bunos. Dizia que o tribunato fora criado para defender e não Na celebração dos jogos anteriores, antes do início do I
para punir, e que eles eram tribunos da plebe e não da nobreza. espetáculo, um patrício atravessara o circo conduzindo, sob
Mas a exaltação da plebe era tal que o Senado seria obrigado chicotadas, um escravo com uma forquilha presa ao pescoço.
a sacrificar um de seus pares se quisesse acalmá-la. Os sena- Logo em seguida os jogos foram iniciados como se o fato nada
dores, contudo, resistiram a essa tempestade de ódios empre- o 0 I
tivesse a ver com os costumes rel 1g1osos.
gando ora seu prestígio pessoal, ora o de todo o Senado. Pouco tempo depois, um homem da plebe chamado Tito '
A primeira iniciativa que tomaram com o objetivo de desa- Latínio teve um sonho no qual Júpiter lhe aparecera dizendo t:'J.o;
gregar a plebe foi a de espalhar seus clientes em todos os pontos
que o primeiro dançarino dos jogos não lhe agradara. Os jogos >
da cidade com a missão de falar particularmente a cada plebeu,
deveriam ser recomeçados com toda a magnificência, pois em
a fim de convencê-lo a não participar de reuniões e conluios.
caso contrário a cidade correria um grave perigo. Ordenou-lhe
Por fim, todos os senadores compareceram diante do povo
(dir-se-ia mais um bando de réus do que de magistrados) para ir ter com os cônsules para comunicar-lhes o fato.
implorar por um único cidadão, um único senador. Se não o Embora Latínio não fosse desprovido de espírito religioso,
quisessem absolver como inocente, pelo menos o perdoassem o acanhamento em apresentar-se diante da majestade dos magis-

154
t55
TITO LIVIO HISTORIA DE ROMA

trados ou o temor de cobrir-se de ridículo na presença de todos a cometê-lo. O temperamento de meus concidadãos é excessiva-
acabaram por vencê-lo. mente instável, o que deveras lamento. Nossas inúmeras derro-
Sua hesitação, todavia, custou-lhe caro. Dentro de poucos tas nos convenceram disso. Se conseguimos sobreviver foi antes
dias perdeu um filho. E para que não lbe restasse qualquer por vossa tolerância do que por nossos méritos. ~ grande hoje
dúvida quanto ao motivo de seu infortúnio, a mesma imagem o número de volscos presentes aos jogos. Toda a cidade está
reapareceu-lhe em sonho perguntando se já não se considerava voltada para o espetáculo. Lembro-me dos excessos cometidos
suficientemente punido por ter menosprezado a vontade divina. pelos jovens sabinos nesta cidade, em ocasião idêntica, e estre-
Um castigo ainda maior sobreviria a menos que se apressasse meço ao pensar que se possa repetir aquele imprudente e teme-
em prevenir os cônsules. rário atentado. São esses os motivos, cônsules, que me obrigaram
A pressão era cada vez maior. Contudo, ainda hesitante, a falar-vos tanto no vosso quanto no nosso interesse. Quanto a
não se resolvia a tomar qualquer decisão, quando foi atingido mim, decidi voltar imediatamente ao meu país porque não
subitamente por uma grave enfermidade que o deixou paralítico. quero que minha presença me torne suspeito de cumplicidade
Só então se convenceu da cólera dos deuses. em atos e palavras comprometedoras". E dizendo isso, reti-
Abatido pelos infortúnios passados e pelos que ainda o rou-se.
ameaçavam, Latinio reuniu um conselho de família e expôs-lhe Quando os cônsules transmitiram aos senadores essas vagas
tudo o que vira e ouvira, as aparições sucessivas de Júpiter informações, mas que provinham de fonte autorizada, deram
durante seu sono, as ameaças e a cólera celeste, confirmadas por mais importância à pessoa do informante, como em geral acon-
seus sofrimentos. Todos foram de opinião que deveria falar aos tece, do que ao conteúdo da informação, o que os levou talvez
cônsules e o conduziram ao Fórum numa liteira. a tomar precauções desnecessárias. O Senado decretou a retirada
Os cônsules mandaram que o levassem à cúria onde, em dos volscos de Roma, mas antes de ser promulgado o decreto
meio à admiração dos senadores, repetiu a história. enviou arautos por toda a cidade para avisá-los de que deveriam
Deu-se, então, novo milagre. Diz a tradição que aquele sair da cidade antes do anoitecer.
homem que fora transportado à cúria com todos os membros A primeira reação dos volscos foi de terror e todos dirigi-
paralisados regressou a casa por seus próprios pés, após ter ram-se apressadamente para as casas em que estavam hospeda-
desempenhado sua missão. dos a fim de pegar suas bagagens. Mas na hora da partida o
temor foi substituído pela indignação. Consideravam-nos cele-
Cilada de Átio Túlio. 37 . O Senado decretou que os jogos rados e malditos e os afastavam dos jogos, das festas e, de
se realizassem com a maior pompa. certo modo, da sociedade dos deuses e dos homens.
Influenciados por Átio Túlio, os volscos compareceram
em massa. Antes do início dos jogos, segundo plano organizado Sublevação dos volscos 38. Quando os volscos retornavam
por Átio Túlio. em fila cerrada, Túlio que os ha-
de comum acordo com Márcio, Atio Túlio procurou os cônsules
via precedido, aguardava-os perto
para falar-lhes em particular sobre um problema do maior inte-
da fonte Ferentina 22 . À medida que cada grupo se aproximava,
resse para a república.
Afastadas as testemunhas, disse: "~ a contragosto que
venho falar em desabono de meus concidadãos. Contudo, não 22 . Lugar sagrado onde se haviam outrora reunido os conselhos
da liga das colônias de Alba e onde se realizavam as reuniões dos
pretendo acusá-los de nenhum cri me, mas impedir que venham latinos e dos romanos.

156 157
TITO L!VIO HISTóRIA DE ROMA

abordava seus chefes para solidarizar-se com suas queixas e indig- de Roma dependia mais do valor de seus chefes do que de seu
nação. próprio exército.
Ao ver que suas palavras eram bem-sucedidas e refletiam A primeira ofensiva de Márcio foi contra Circéios, cidade
a cólera que os dominava, arrastou-os, e com eles toda a multi- que devolveu aos volscos, logo após ter sido libertada com a
dão, para uma planície que ficava à margem da estrada. Come- expulsão dos colonos romanos. Chegando à via Latina por cami-
çou, então, a falar-lhes de maneira eloqüente: "As antiga~ nhos transversos, tomou aos romanos as cidades de Sátrico,
injúrias do povo romano, as derrotas da nação dos volscos e Lôngula, Polusca, Coríolos, novas províncias, e logo depois
outras ofensas, tudo, enfim, podeis esquecer. Mas como suportar retomou Lavínio. Em seguida apoderou-se de Córbio, Vitélia,
o ultraje de hoje, quando nossa ignomínia serviu de abertura Trébio, Lavico e Pedo. Finalmente, saindo de Pedo, marchou
aos jogos? Ou não percebestes que a atitude de hoje foi mais contra Roma e estabeleceu acampamento a cinco mil passos
um triunfo sobre vós? Que a vossa retirada serviu de espe- da cidade, nas proximidades dos fossos de Cluflia. Daí partiu
táculo a todos os cidadãos, romanos e estrangeiros, e a tantos para devastar o território romano.
povos vizinhos? Que vossas esposas e vossos filhos foram Juntamente com os saqueadores, Márcio enviou guardas
expostos ao ridículo diante de todos? Que julgais terem pensado com a incumbência de preservar as propriedades dos patrícios,
aqueles que ouviram a voz do arauto, que presenciaram vossa fosse para vingar-se da plebe, fosse para introduzir a discórdia
retirada, que se encontraram convosco durante vossa vergonhosa entre patrícios e plebeus. Seu objetivo teria sido conseguido,
marcha? Simplesmente que praticamos tão grande crime que de tal modo os tribunos começavam a acirrar os ânimos da
nossa presença no espetáculo profanaria os jogos, o que seria plebe já normalmente exaltados contra os nobres, não fora a
um sacrilégio a exigir expiação. Por esse motivo nos expulsaram ameaça externa agir como um vínculo poderoso de união, que
da convivência dos justos, de sua sociedade e de suas reuniões. aproximava os espíritos, e serenava rancores e desconfianças.
Não percebestes que se estamos vivos o devemos à precipitação Em um só ponto discordavam patrícios e plebeus. Enquantol
com que deixamos a cidade? Se é que essa partida não foi antes o Senado e os cônsules julgavam que a guerra seria a única
uma fuga! E não considerais como inimiga uma cidade que vos solução, por sua vez a plebe julgava que qualquer solução seria
teria totalmente massacrado caso nela tivésseis permanecido preferível à guerra. -
mais um só dia? Uma guerra foi declarada contra vós, e se Naquele ano os cônsules eram Espúrio Náucio e Sexto
sois homens, infelizes daqueles que a declarara!,ll! " Fúria. Quando passavam em revista as legiões, dispondo as
s 1mula os pelo seu próprio ódio e mais ainda pelo dis- tropas ao longo das muralhas em outros locais onde julgavam
curso de Túlio, retornaram a suas cidades, onde cada um pro- conveniente manter postos e sentinelas, imensa multidão, aos
curou incitar seus concidadãos à revolta, sublevando toda a gritos, exigiu-lhes paz. Atemorizados, viram-se obrigados a con-
nação dos volscos. vocar o Senado e propor-lhe que enviasse legados a Cneu
Márcio.
Campanha dos volscos sob o 39. Para o comando da guer- Os senadores aprovaram a proposta dos cônsules ao perce-
comando de Coeu Márcio. ra foram escolhidos por una- berem que a plebe estava com o moral abatido.
Derrota dos romanos. nimidade, Atio Túlio e Cneu Os emissários enviados a ~&tio :aara negociar a paz retor-
Márcio, exilado romano, em naram, com uma resposta constrang~dora. A paz só seria nego-
quem os volscos depositavam grandes esperanças. Ele não ciada depois que os romanos devolvessem os territórios dos
desmereceu essa confiança, provando, com isso. que a força

158
-- volscos. Mas se desejavam tão-somente desfrutar com tranqüi-

159
TITO L(VIO HISTóRIA DE ROMA

!idade dos despojos arrebatados na guerra, ele se lembraria dos teu abraço antes àe saber se estou tratando com um inimigo
ultrajes que recebera de seus concidadãos e da boa acolhida de ou com um filho, se em teu acampamento sou priosioneira ou
seus anfitriões e tudo faria para demonstrar que o exüio ao tua mãe. Terei vivido todos esses longos anos apenas para ter
invés de abater-lhe o ânimo concorrera para redobrar-lhe as a infelicidade de ver-te além de exilado inimigo de tua pátria?
energias. Tiveste a coragem de devastar a terra onde nasceste e que te
O Senado tornou a enviar os mesmos legados que, entre· nutriu? Teu ódio e tuas ameaças que te levaram a atravessar
tanto, não foram recebidos por Márcio. nossas fronteiras, nem com isso se aplacaram? Não te ocorreu
Diz a tradição que alguns sacerdotes, revestidos de seus à vista de Roma o pensamento de que atrás de suas muralhas
trajes religiosos, foram ao acampamento do inimigo na condição estavam tua casa, teus penates, tua mãe, tua esposa e teus
de suplicantes. Mas suas súplicas, como anteriormente aconte- filhos? Não te tivesse eu parido e Roma não estaria sitiada!
cera aos legados do Senado, não conseguiram alterar a decisão Não tivesse eu um filho e morreria livre numa pátria livre!
de Márcio. Mas, na verdade, toda a desgraça que me atingir aumentará
tua desonra e não meu sofrimento, e por maior que seja minha
Atuação das matronas romanas. 40. Após esses fatos , as infelicidade não a suportarei por muito tempo. Pensa nestas
matronas romanas pro- crianças! Se persistes em tua decisão, o que as espera é a
curaram Vetúria, mãe de Coriolano, e Volúmnia, sua esposa. morte prematura ou uma longa servidão" .
Não posso afirmar se essa decisão foi tomada por influência dos
Então a esposa e os filhos o abraçaram.
senadores ou pelo próprio temor das mulheres. O certo é que con-
As lágrimas daquela multidão de mulheres, os lamentos
venceram as duas mulheres a acompanhá-las ao ãCai:npamento do
sobre sua sorte e a de sua pátria, acabaram por quebrantar
inimigo, Vetúria, já entrada em anos, e Volúmnia, com os dois
filhos de Márcio ao colo. aquele caráter inflexível. Abraçou os parentes, despediu-os e
Já que os homens não podiam defender a cidade com suas transferiu o acampamento para longe da cidade. Logo depois,
armas, as mulheres tentariam defendê-la com súplicas e lá- retirou as legiões inimigas do território romano.
grimas. Diz-se que Coriolano morreu vítima do ódio que atra(ra
Quando teve conhecimento de que se aproximava do sobre si. Outros narram sua morte de maneira diversa. Segundo
acampamento uma multidão de mulheres, Coriolano, que não Fábio, o mais antigo de nossos historiadores, ele vivera até a
se deixara comover nem pela majestade de uma embaixada velhice. Pelo menos relata que Coriolano costumava dizer: " O
oficial nem pela sacrossanta autoridade dos sacerdotes, mostrou- exílio é penoso sobretudo para um ancião".
se ainda mais obstinado diante do pranto das mulheres. Os romanos não ficaram ofendidos com a intervenção cora-
Ao reconhecer Vetúria que se mantinha de pé entre sua \ josa de suas mulheres. Ainda não se conhecia a inveja qu~ prO:
nora e seus netos, e se destacava da multidão por manifestar cura rebaixar a glória alheia. Para perpetuar-lhes a memóna fot
abertamente sua dor, um homem da comitiva de Coriolano 23
construído e consagrado um templo à Fortuna da Mulher •
dirigiu-se a ele, dizendo: "Se meus olhos não me enganam, tua
mãe, tua esposa e teus filhos estão aqui". 23. Havia também uma Fortuna do Varão. A estátua da deusa.
Perturbado e quase fora de si, Coriolano precipitou-se de coberta por um véu e usando longa veste, parece indicar uma divin-
sua cadeira para ir ao encontro de sua mãe e abraçá-la. Mas dade protetora da mulher e do pudor. Para poder tocá-la era preciso
passando das lágrimas à cólera, ela exclamou: " Não receberei que a mulher só tivesse sido casada uma ve'l.

160 161
TITO UVIO HISTóRIA DE ROMA

Aliando-se aos équos, os volscos voltaram a atacar o terri- que dar tais vantagens aos aliados e aos latinos? Por que devolver
tório latino. Mas uma rivalidade surgida entre esses dois aos hérnicos, até há pouco inimigos, a terça parte do território
povos quanto ao comando dos dois exércitos, uma vez que os que lhes fora conquistado, a não ser para levá-los a substituir
équos não queriam obedecer a Átio Túlio, originou um conflito Coriolano por Cássio?
que degenerou em luta encarniçada. A desgraça dos dois exérci- O adversário da lei agrária, por sua tenaz oposição, come-
tos inimigos, empenhados numa luta violenta e cruel, foi a sorte çava a tornar-se popular.
do povo romano. A partir de então, os dois cônsules disputaram entre si a
Os novos cônsules foram Tito Sicínio e Caio Aquílio. Sicí- simpatia da plebe. Virgínio declarava que não faria qualquer
nio comandou o exército contra os volscos e Aquílio contra os objeção à lei desde que as terras fossem distribuídas apenas
hérnicos, que também haviam entrado na guerra. Os hémicos a cidadãos romanos. Cássio, que se tornara impopular entre seus
foram vencidos naquele ano, mas na luta com os volscos não concidadãos pelas vantagens concedidas aos aliados quando da

-
houve vencedores nem vencidos.

P rimeira tentativa
de reforma agrária .
4 1 . Logo após elegeram-se cônsules
Espúrio Cássio e Próculo Virgínio. Foi
distribuição de terras, ordenou que o povo fosse indenizado
pelos gastos com a aquisição do trigo da Sicília, para reconquis-
tar-lhe a estima com essa nova dádiva.
Mas a plebe não aceitou o benefício, como se o conside-
J.
'{,fL. . . . .
assinado um tratado de paz com os rasse o preço da coroa. Eram tantas as suspeitas de que o ~'(<
hérnicos e estes perderam dois terços de seus territórios. cônsul ambicionava o trono, que o povo romano recusava-lhe o\
Cássio propôs-se distribuir essas terras, doando metade todas as prodigalidades como se vivesse em. meio. à abundância. r;J
aos latinos e metade à plebe, e acrescentou a essa dádiva algu- Ao deixar o cargo, consta que Cássto fot condenado à \"
(.
mas terras usurpadas ao Estado por particulares. morte e executado. Segundo g!ltra versão, teria sido seu próprio
Essa medida atemorizou os patrícios que se haviam apos- pai o autor de sua condenação depois de julgá-lo em sua
sado das terras, pois a consideravam uma ameaça a seus inte- própria casa. Após mandar chicoteá-lo e matá-lo, consagrou sua
resses. Por outro lado, os senadores ficaram também apreensivos fortuna a Ceres e fez erguer uma estátua com a inscrição:
de que o cônsul com essas prodigalidades constituísse uma " Doada pela família Cássia" . Outros historiadores deram uma
ameaça à liberdade do Estado. versão que me parece mais verossímil. Os questores Caio Fábio
Foi então promulgada a primeira lei agrária, matéria que e Lúcio Valério tê-lo-iam acusado de alta traição, condenando-o
(
desde aquela época até nossos dias nunca foi debatida sem I em julgamento público e mandando arrasar sua casa. ~ a área
originar grandes problemas polfticos. diante da qual se ergue hoje o templo da Terra.
Com o apoio dos patrícios, o outro cônsul opunha-se às Seja como for, em julgamento privado ou público, Cássio
generosidades de seu colega, sem que toda a plebe se insurgisse foi condenado no consulado de Sérvio Cornélio e Quinto Fábio.
contra ele, uma vez que desde o início a maioria dos plebeus
menosprezara uma liberalidade que beneficiava indistintamente Campanha contra équos e volscos. 42 . A cólera do povo
cidadãos e aliados. Além do mais, repetidas vezes ouviram o . con~ra Cás~io teve pou- . ~
cônsul Virgfnio afirmar nas assembléias , em tom profético, que ca duração. Desaparectdo seu autor, a let agrána começava L>l-ç'
os benefícios concedidos pelo seu colega eram nocivos à repú- a despertar interesse. A ambiçao do povo cresceu ainda mais
blica. As terras doadas iriam transformar seus novos donos diante da mesquinhez dos senadores que, após a vitória conse-
em escravos e abririam caminho para a volta da realeza. Por guida naquele ano contra os volscos e os équos, privaram o

162 163
TITO UVIO HISTORIA DE ROMA

exército romano de se apoderar dos despojos . Todos os despo- o povo já era por demais inclinado à violência e temiam essas {
jos tomados ao inimigo foram vendidos pelo cônsul Fábio, e a generosidades capazes de estimular-lhe a audácia.
renda recolhida ao tesouro. Entre os patrícios, os mais acirrados chefes da resistência
A conduta do último cônsul tomara o nome de Fábio odioso foram os cônsules, que saíram vitoriosos na ocasião e consegui-
à plebe. Contudo, os patrícios conseguiram que Ceso Fábio ram, para o ano seguinte, impor como cônsules Marco Fábio,
fosse eleito cônsul juntamente com Lúcio Emflio. irmão de Ceso, e Lúcio Valéria, personagem impopular por
A crescente exaltação da plebe levou as perturbações inter· ter sido o acusador de Espúrio Cássio.
nas a serem a causa de uma guerra no exterior, e por sua vez Continuou naquele ano a luta contra os tribunos. Era em
esta concorreu para fazer cessar as discórdias civis. vão que se propunha a lei agrária, e em vão os autores da lei
Com a mesma coragem, patrícios e plebeus, sob o comando referiam-se a uma promessa que não podiam cumprir.
de Emflio, derrotaram os volscos e os équos que haviam reini- O nome dos Fábios adquiriu fama após três consulados
ciado a guerra, alcançando uma brilhante vitória. As perdas consecutivos, durante os quais tiveram de sustentar os contínuos
sofridas pelos exércitos inimigos foram maiores durante a fuga ataques dos tribunos. Por esse motivo, a dignid~de consular foi
do que no próprio combate, pois a cavalaria lançou-se em sua mantida em sua família durante muito tempo.
perseguição destroçando-os completamente. Foi declarada guerra aos veienses e os volscos voltaram a
Naquele ano, nos idos de julho 24 , foi consagrado a Cas- combater. Roma dispunha de forças mais que suficientes para
25 uma luta externa, porém o povo servia-se delas para as lutas
tor o templo que lhe fora prometido pelo ditador Postúmio,
internas. Além desse estado de perturbação geral, quase todos
na guerra com os latinos. Para presidir a cerimônia, seu filho
foi nomeado duúnviro.
Nessa mesma época, a plebe voltou a interessar-se pela lei
agrária. Os tribunos da plebe serviam-se dessa lei popular para
I os dias, na cidade e nos campos, prodigios celestes prenunciavam
desgraças. Consultados oficial e particularmente, os vates decla-
raram, após ter observado as entranhas das vítimas e o vôo das
aves, que a cólera dos deuses era motivada pela negligência no
aumentar seu prestígio. Por sua vez, os patrícios julgavam que cumprimento dos ritos sagrados.
O terror foi a causa da condenação da vestal Ópia, que
24 . O dia 15 de julho. Note-se que a designação desse mês em violara seu voto de virgindade.
latim era Quintilis (o quinto mês) até o ano 44 a. C., quando passou
a julius em homenagem a Caio Júlio César. Tito Lívio conserva a Guerra com os équos e os veienses. 43. Os cônsules elei-
denominação anterior. tos foram Quinto Fá-
25 . Castor e Pólux, irmãos de Helena, segundo a lenda, eram bio e Caio Júlio. Naquele ano as lutas internas foram mais
.fil.hos de Leda, sendo Tíndaro, rei de Esparta, o pai do primeiro e
Zeus, o do segundo. Eram heróis guerreiros da Lacônia, que praticaram acirradas e a guerra no exterior mais violenta. Os équos pega-
mil aventuras por terra e por mar. Eram chamados Di6curos ou filhos ram em armas e os veienses invadiram e devastaram o território
de Zeus. Além de protetores dos marinheiros eram também invocados romano .
como deuses tutelares da hospitalidade. O comércio de Roma conside- Diante da iminência dessas guerras, foram eleitos cônsules
rava os irmãos como seu protetor. O culto que os romanos prestavam Ceso Fábio e Espúrio Fúrio.
a essas divindades estrangeiras explica-se pela confusão que houve entre
eles e os deuses Lares. Seu culto foi tão popular que se encontrou Os équos sitiavam Ortona, cidade latina, e os veienses Rtw
sua imagem sobre sarcófagos cristãos. Formam no céu a constelação carregados de despojos ameaçavam atacar a própria Roma. Esaa A
dos Gêmeos. ameaças, que deveriam acalmar os ânimos da plebe, excitaram-na J.A
164 165
TITO LfVIO HISTORIA DE ROMA

mais ainda. O povo novamente se recusava a prestar serviço Apesar desses fatos , os patrícios conseguiram que a fam([iu
militar, não por iniciativa própria, mas instigado pelo tribuno Fábia permanecesse no consulado. Nomearam cônsul Marco
da plebe Espúrio Licínio, que se aproveitava daquela situação Fábio e escolheram para seu colega Cneu Mânlio.
extrema para impedir os preparativos de guerra e impor aos
patrícios a lei agrária. Por essa razão, todo o rancor contra o Aliança entre veienses e 44. Nesse me!.mo ano outro tri-
poder tribunício concentrou-se no autor da idéia. Seus próprios etruscos. buno da plebe, Tibério Pontifí-
colegas revoltaram-se contra ele com violência maior do que cio, trilhando o mesmo caminho
a dos cônsules, e com seu auxflio os cônsules fizeram o recru- de Espúrio Licínio, como se este tivesse obtido êxito, impediu
tamento. o recrutamento durante algum tempo. Os senadores ficaram
Organizaram-se exércitos para duas expedições simultâneas. novamente perturbados, porém Ápio Cláudio assegurou-lhes
Um, sob o comando de Fábio, para combater os équos, e outro, que o poder tribunício seria derrotado naquele ano como o
sob o comando de Fúrio, para combater os veienses. fora no ano anterior, pois chegara-se à conclusão de que suas
~nhum fato digno de memória ocorreu na guerra com os próprias forças já o estavam destruindo. Haveria sempre um
veienses. Fábio, contudo, teve maiores dificuldades com seus tribuno disposto a sobrepujar seu colega e utilizar-se de seu
soldados do que com o próprio inimigo. Aquele grande gue.rreiro cargo para conseguir os favores da aristocracia. Vários tribunos,
e cônsul foi o sustentáculo da república quando seus soldados, se houvesse necessidade de vários, estariam prontos a auxiliar
que o odiavam, procuravam traí-lo sempre que podiam. os cônsules, mas um só bastaria para opor-se aos demais. Cum-
Dando provas de seu talento estratégico, tanto nos prepara- pria aos cônsules e aos principais senadores conquistar para a
tivos quanto nas próprias operações bélicas, o cônsul de tal causa pública e para os interesses do Senado, senão todos, pelo
modo coordenou a manobra que com um único assalto da cava- menos alguns dos tribunos 26 •
laria desbaratou o exército inimigo. A infantaria, porém, re- Seguindo os conselhos de Ápio, os senadores dirigiram-se
cusou-se a perseguir os fugitivos . Os soldados ficaram insensíveis aos tribunos com afabilidade e benevolência. Usando os antigos
às exortações de um general a quem detestavam, e nem a cônsules de sua influência pessoal conseguiram, uns por reco-
própria desonra e a ignomínia que fariam recair sobre a repú-
nhecimento, outros pela consideração de que gozavam junto a
blica, nem o perigo que correriam no caso de o inimigo readqui-
eles, que os tribunos pusessem sua autoridade a serviço da
tir coragem, nada pôde induzi-los a acelerar a marcha ou, pelo
república. Desse modo, com o auxílio de quatro tribunos e tendo
menos, a permanecer em suas fileiras . Sem que nenhuma ordem
de lu tar apenas contra um só adversário do interesse públlco,
lhes fosse dada, retrocederam abatidos (dir-se-iam vencidos) e
os cônsules puderam efetuar o recrutamento.
entraram em seu acampamento, maldizendo ora o general ora
Os romanos marcharam contra Véios, que recebera reforços
a proeza da cavalaria.
O general não procurou solução para tão pernicioso exem- de todas as cidades da Etrúria. Os etruscos não tinham propria-
plo, tanto é verdade que os homens mais eminentes encontram, mente interesse nessa guerra, mas contavam com a desarmonia
com maior facilidade, meios de vencer o inimigo do que de interna que reinava na cidade para destruir Roma.
governar seus concidadãos.
O cônsul voltou a Roma sem ler acrescentado à sua glória 26 . Esse procedimento, que consistia em opor a um tribuno
militar qualquer feito que compensasse a irritação e o ódio rebelde o voto de um ou de vários de seus colegas, seria constante-
exacerbado dos soldados co'nlra ele. mente usado pelos patrícios a partir daq uela época.

167
166
TITO LIVIO HISTúRIA DE ROMA

Os principais cidad ãos da Etrúria clamavam em suas nando o acampamento montados a cavalo, e logo depois, ao
assembléias que o poderio de Roma seria eterno a não ser que verem que não reagiam, passaram a insultar ora os próprios
fosse destruído por sedições internas, único veneno, único mal cônsules ora o exército. Bradavam que as discórdias interna
~ue a ~acava os Estados opulentos e to rnava mortais os grandes não passavam de pretexto para dissimular o medo. Na verdade,
1mpénos. Tolerado por muito tempo, em parte pela prudência era do valor de seus soldados que os cônsules desconfiavam e
dos senadores, em parte pela paciência da plebe, o mal chegara não de sua fidelidade. Que singular manifestação de revolta
ao ponto culminante. Roma estava dividida em duas cidades e aquela de permanecer em silêncio e na ociosidade em meio a
cada partido possuía seus próprios magistrados e suas próprias homens armados! Além disso, aludiam à recente origem de
I
leis. No princípio os plebeus costumavam protestar energica- sua raça e de sua nação, críticas estas mais ou menos funda-
mente contra o alistamento, mas uma vez em guerra obedeciam mentadas.
n .. , ... ,L seus generais. Qualquer que fosse a situação política, foi Os cônsules não se afligiam com esses insultos proferidos
MJ'~·~
~ . ~sstve a
' I Rorna conservar seu pod eno . enquanto houve disci- J junto às trincheiras e portas do seu acampamento. Mais ingan
._,., -.J>lina militar. Mas agora generalizara-se entre os soldados o os soldados sentiam-se intimamente divididos ora pela indigna-
costume de desobedecer aos magistrados até nos campos de ção, ora pela vergonha, e esqueciam-se das dissensões potfticu. SO
batalha. Na última guerra, na linha de frente e em pleno Desejavam vingar-se dos inimigos, mas ao mesmo tempo não
combate, o exérci to com o assentimento de todos os soldados queriam contribuir para a vitória dos patrícios e dos cônsules.
dera a vitória aos ~quos já vencidos, largando as insígnias, -'travou-se em seu espírito uma luta entre o ódio ao inimigo
abandonando seu general no campo de batalha e retornando externo e o ódio ao inimigo interno. Finalmente triunfou o ódio
ao acampamento sem atender as suas ordens. Se eles insistissem aos estrangeiros, de tal modo os etruscos se mostravam orgu-
Roma poderia ser vencida por seus próprios soldados. Além d~ lhosos e insolentes em suas provocações. Dirigiram-se, então,
uma declaração de guerra e uma demonstração de força, nada ao pretório para exigir o combate e pedir que fosse dado o
mais seria necessário. O desti no c os deuses se encarregaria m sinal .
es pontaneamente do resto. Com o pretexto de deliberar, os cônsules reuniram-se e
Essas espera nças levaram os etruscos a se armarem depo is prolongaram a conferência. Estavam ansiosos para iniciar a
de tantas derrotas e vitórias alte rnadas. luta, mas precisavam reprimir e dissimular esse desejo, mos-
trando-se resistentes e displicentes, para aumentar ainda mais
Tática do cônsul Marco Fábio. 45. Os cônsules romanos, o ímpeto dos soldados já exaltados. Responderam-lhes que ainda
por sua vez, o que mais te- era cedo para agir, que a ocasião não era propícia para iniciar
miam eram suas próprias forças, seu próprio exérci to. A lem- o combate e que todos deviam permanecer no acampamento.
brança do deplorável exemplo da úl tima gue rra fazia-os te- Chegaram ao extremo de proibir o combate por meio de um
mer uma operação em que ti vessem de enfrentar dois exérci tos edito: todo aquele que tomasse a ofensiva sem ordem do cônsul
simultaneamente. Por esse moti vo, mantinham-se encerrados em seria tratado como inimigo.
seus acampamentos, preocupados com essa dupla ameaça. Tal- Ao receberem essa resposta, os soldados acreditaram que
vez o tempo e as circunstâncias contribuíssem pa ra aplacar os os cônsules fugiam ao combate, o que fez aumentar-lhes o
ânimos, devolvendo a razão a todos os soldados. ardor belicoso. Quando os adversários souberam que os cônsu-
Veienses e etruscos, po r sua vez, estavam ansiosos por
entrar em ação. Desafi avam os romanos à lu ta, primeiro contor-

168
l les haviam decidido não combater, redobraram os insultos. Já
podiam injuriá-los impunemente, uma vez que os cônsules nem

169
TITO I.!VIO HISTóR I A DE ROMA

sequer davam armas aos soldados. Tudo acabaria com uma Combate contra veienses 46. O exército romano orgu-
revolução e este seria o fim da supremacia de Roma. e etruscos. nizou suas fileiras e as legiõc
Assim concluindo, os inimigos avançaram até às portas do Destaque dos três Fábios. dos volscos e dos etruscos en-
acampamento dos romanos, injuriando os soldados e mal resis- frentaram o combate. Estavam
tindo ao desejo de tomá-lo de assalto. convencidos de que os romanos não lutariam contra eles como
Na verdade era impossível aos romanos suportar tais outrora não combateram contra os équos, e contavam tam-
ofensas por mais tempo. De todas as partes do acampamento bém com a possibilidade de haver uma traição mais grave em
vieram soldados para apresentar-se aos cônsules. Não se conten- face da exaltação dos ânimos e da situação ambígua.
taram, como antes, em fazer o pedido por intermédio dos prin- Os fatos, porém, ocorreram de maneira bem diversa. Os
cipais centuriões, mas todos protestavam aos gritos. O momento romanos nunca haviam entrado em luta com tanta violência (de
da luta havia chegado e eles ainda tergiversavam. tal modo estavam os ânimos exacerbados pelos ultrajes do
Temendo que seu colega cedesse diante do crescente tumul- inimigo e pela indecisão dos cônsules).
to, pressionado pelo medo de uma revolta, Fábio ordenou que Os etruscos mal haviam organizado suas fileiras quando
fosse dado o toque de silêncio: " Eu sei, Cneu Mãnlio, que os romanos, no primeiro ímpeto, começaram a atirar dardos
estes homens podem vencer, mas não sei se o querem, e isso em todas as direções. Logo a seguir desembainharam as espadas,
por sua própria culpa. Por esse motivo, estou firmemente deci- a mais perigosa das armas, para uma luta corpo a corpo.
dido a não dar o sinal de combate antes de todos jurarem que Na linha de frente os Fábios exibiam aos compatriotas toda
hão de sair vitoriosos desta batalha. Os soldados uma vez enga- a sua bravura. Dentre eles, Quinto Fábio, que fora cônsul há
naram o cônsul romano numa guerra, mas aos deuses não três anos, avançava contra a cerrada fileira dos veienses, quando
enganarão". um soldado etrusco, temível por sua força e sua destreza nas
O centurião Marco Flavoléio era um dos que mais exigiam armas, surpreendeu-o no momento em que sustentava um ataque
a luta . "Sairei vencedor, Marco Fábio", disse ele. Se faltasse contra um grupo de inimigos, e trespassou-lhe o peito com seu
com sua palavra que o grande Júpiter, Marte Gradivo e os gládio. Quando retiraram a arma Fábio tombou a cabeça sobre
outros deuses irados o castigassem. Por sua vez, cada um dos seu ferimento e caiu morto.
soldados que formavam o exército repetiu o mesmo juramento. A morte daquele herói causou forte abalo nos dois campos.
Quando terminou o juramento, os cônsules deram o sinal. Os romanos já começavam a recuar quando o cônsul Marco
Os soldados pegaram as armas e lançaram-se no combate cheios Fábio, saltando sobre o cadáver do irmão e protegendo-se com
de ódio e de esperanças. Que viessem agora os etruscos insultá- seu escudo, gritou: "Soldados, foi este o vosso juramento?
los! Agora que estavam armados, viesse o inimigo dirigir-lhes Fugir para esconder-vos em vosso acampamento? Tendes mais
impropérios! temor a um inimigo covarde do que a Júpiter e a Marte por
Naquele dia, todos sem exceção, patrícios e plebeus, deram quem jurastes? Pois bem, eu, que nada jurei, só regressarei vito-
mostras de grande coragem. Mas o nome dos Fábios foi o que rioso ou então cairei morto junto a ti , Quinto Fábio, mas de
se tornou mais ilustre. Como as discórdias entre os cidadãos armas na mão ".
os haviam tornado impopulares, quiseram reconquistar a sim- Ceso Fábio, cônsul no ano anterior, dirigiu-se então ao
pa tia da plebe naquele combate. cônsul: "Acreditas, meu irmão, que somente com palavras con-
seguirás convencê-los a lutar? Só os deuses, pelos quais juraram,
poderão consegui-lo. O que convém a chefes e é digno do nome

170 171
TITO LIVIO HISTORIA DE ROMA

dos Fábios é continuar a combater e não a discursar, a fim de soldados jovens precipitou-se contra o próprio cônsul, facil-
levantar os ânimos dos soldadosn. Em seguida os dois Fábios mente identificável por suas armas. Os primeiros golpes foram
avançaram para a linha de frente, de lança em riste, arrastando sustentados pelos que o cercavam, que entretanto não puderam
com eles todo o exército. resistir à violência por muito tempo. Atingido por um golpe
mortal, o cônsul caiu ao solo e os soldados debandaram.
Morte do cônsul Cneu Mânlio. 47 . A batalha fora resta- Com isso aumentou a audácia dos etruscos e o pânico dos
belecida desse lado. Na ou- soldados romanos, que corriam desnorteados pelo campo. A
tra ala, o cônsul Cneu Mânlio, com igual denodo, comandava situação teria sido insustentável não fora a intervenção dos
as operações que se desenrolavam em condições de instabilidade emissários, que após terem retirado o cadáver do cônsul abri-
quase idênticas. ram uma porta para deixar sair o inimigo.
Como ocorrera a Quinto Fábio na outra ala, o cônsul Precipitando-se por aquela única saída, os soldados etruscos
Mânlio, ao perseguir o inimigo quase derrotado à frente de em fuga desordenada depararam-se com a tropa do outro cônsul
seus soldados cheios de ardor, foi gravemente ferido e teve de vencedor, e foram mais uma vez massacrados e dispersados.
abandonar as fileiras. Julgando-o morto, os soldados começaram A vitória foi brilhante, embora triste pela perda de dois
a recuar e teriam debandado não fora o outro cônsul ter acor- ilustres varões.
rido a galope, com alguns pelotões de cavalaria, e bradado Quando o Senado decreto o triunfo, o cônsul declarou
aos soldados que seu colega estava vivo e ele próprio, na outra que estaria de acordo com a homenagem se fosse permitido ao
ala, acabara de vencer e desbaratar o inimigo. exército desfilar sem o seu general, pela exemplar conduta que
Mânlio apareceu diante das tropas e à sua vista os soldados tivera na guerra. Pois ele, ao ver sua fanúlia pesarosa com a
recuperaram o ânimo. A presença dos dois cônsules, que todos morte de Quinto Fábio e a república privada de um de seus
conheciam bem, devolveu-lhes a coragem. cônsules, sentia-se incapaz de receber uma coroa de louros
Precisamente naquele momento as fileiras do exército ini- manchada com o sangue de seu irmão e de seu colega.
migo estavam desfalcadas. Confiantes em sua superioridade A recusa ao triunfo resultou em maior dignidade para o
numérica, os etruscos haviam recorrido às tropas de reserva cônsul do que se o houvesse aceitado, tão certo é que a glória
para atacar o acampamento dos romanos, que foi tomado de recusada no momento oportuno transforma-se, muitas vezes,
assalto sem grande resistência. Mas enquanto os adversários em glória maior.
perdiam tempo, mais interessados nos despojos do que propria- Providenciou em seguida os funerais de seu irmão e de
mente no combate, os triários romanos que não resistiram à seu colega, fazendo ele próprio o elogio fúnebre de ambos. Ao
primeira investida do inimigo, após enviar emissários aos cônsu- atribuir-lhes seus próprios méritos, conquistava para si mesmo
les para informá-los da situação, reuniram-se perto do pretório uma glória ainda maior.
e tomaram a iniciativa de contra-atacá-los. Fiel ao plano que traçara no início de seu consulado para
O cônsul Mânlio, que voltara a combater, colocou soldados reconquistar a simpatia da plebe, confiou aos patrícios o trata-
diante de todas as portas do acampamento para impedir a saída mento dos soldados feridos, encarregando-se a família Fábia de
do inimigo. um maior número deles. Em parte alguma os soldados foram
O desespero provocou nos etruscos mais cólera do que tratados com maiores desvelos.
audácia. Após terem tentado inutilmente vários ataques onde Esta foi a origem da popularidade dos Fábios, conseguida,
quer que se apresentasse uma esperança de saída, um grupo de apenas, por medidas benéficas para o Estado.

172 173
TITO UVIO HlSTORlA DE ROMA

Nova guerra com os équos, 48. Assim, pois, Ceso Fábio, contra os romanos, assim como toda a Etrúria. Contudo os
volscos e veienses. apoiado tanto pela plebe ataques dos veienses, mais repetidos do que graves, mais imper-
como pelos patrícios, ao ser tinentes do que perigosos, preocupavam a todos, pois em mo-
eleito cônsul juntamente com Tito Virgínio, resolveu não se mento algum podiam descuidar-se deles ou abrir outra frente
ocupar nem de guerras, nem de alistamento ou outro qual- de batalha.
quer assunto, antes de conseguir a reconciliação entre patrícios Foi então que os Fábios se dirigiram ao Senado e o cônsul
e plebeus, que já se realizara em parte. Logo no início do ano, falou em nome de sua família 27 : "Como sabeis, senadores, na
propôs aos senadores que empreendessem eles próprios a refor- guerra contra os veienses a perseverança é mais importante do
ma agrária, antes que algum tribuno aparecesse para solicitá-la. que um numeroso contingente. Cuidai das outras guerras e
Que distribuíssem aos plebeus, com a maior eqüidade, os terri- permiti que os Fábios enfrentem o inimigo veiense. Garantimos
tórios tomados ao inimigo, pois era de justiça que pertencessem que desse Lado a honra de Roma estará assegurada. e
nossa
àqueles que os tinham conquistado com seu sangue e seu suor. intenção fazer dessa guerra um assunto de família e arcar com
Os senadores se esquivaram e alguns deles lastimaram que suas despesas. O Estado não terá que nos fornecer nem tropas
tantas glórias houvessem abrandado e debilitado o firme caráter nem dinheiro". Agradeceram-lhes com efusão.
de Ceso. O cônsul voltou para sua casa acompanhado pelo clã dos
Em Roma não houve perturbações, mas os latinos tiveram Fábios que permanecera no vestíbulo da cúria e deu-lhes ordem
seus territórios invadidos pelos équos. para que no dia seguinte comparecessem armados diante de
Enviado para socorrer o país aliado, Ceso à frente de sua porta. Em seguida todos voltaram para suas casas.
seu exército penetrou no território dos équos e devastou-o. Os
équos refugiaram-se em suas cidadelas, protegidas por muralhas. Os 306 Fábios. 49 . A notícia espalhou-se por toda a ci-
e desse modo não houve nenhum combate memorável. Entre- dade e os Fábios se cobriram de glórias.
tanto, por temeridade do outro cônsul, Roma sofreu uma der- Uma única família assumir tarefa da competência do Esta-
rota na luta contra os veienses, e o exército teria sido massa- do! A guerra com os veienses tornar-se um assunto particular!
crado se Ceso Fábio não tivesse chegado a tempo com reforços. Se houvesse em Roma duas outras famílias com forças iguais,
A partir dessa data, os romanos não estiveram nem em uma se encarregaria dos volscos , outra dos équos, e o povo ro-
paz nem em guerra com os veienses. As hostilidades resumiam-se mano poderia viver tranqüilamente em paz e subjugar todos os
a pequenos saques que os veienses faziam nos arredores da povos vizinhos.
ci dade. Quando as legiões romanas se aproximavam, eles se No dia seguinte, de armas em punho, os Fábios reuniram-se
retiravam para sua cidade, e, quando pressentiam que as legiões no local combinado. O cônsul em trajes de campanha 28 passou
se afastavam, voltavam a penetrar no território romano, opondo em revista todo o clã reunido no vestíbulo e, tomando lugar no
a inação à guerra e a guerra à inação. Assim, não se podia
ignorar essas incursões nem acabar com elas. Além do mais, 27 . A "gens" (famnia ou clã) era formada por todos os descen-
os romanos estavam ameaçados de outras guerras, sendo uma dentes de um mesmo ancestral. Com o tempo tornou·se uma associação
polftica e econômica que abrangia clientes e estrangeiros. A "gens" de
iminente com os équos e os volscos. Estes apenas se mantiveram
Átio Clauso, futura "gens" Cláudia, era composta de cinco mil pessoas.
inativos o tempo necessário para se recuperarem das desgraças, 28 . O cônsul usava uma espécie de capa vermelha (pa/udamen-
sofridas na mais recente derrota. Esperava-se também que os tum) por cima da couraça. Símbolo do poder militar tornar-se-ia mais
sabinos, sempre hostis, em breve começariam a movimentar-se tarde símbolo do poder imperial.

174 175
TITO LlVIO HISTóRIA DE ROMA

centro, deu ordem para que empunhassem as insígnias. Nunca qualquer defesa ou resistência. Perseguidos em sua fuga desor-
desfilara pela cidade um exército tão pequeno porém tão famoso denada até a Rocha Rubra, onde tinham estabelecido acampa-
e admirado pelo povo. Trezentos e seis soldados, todos patrícios mento, os veienses suplicaram paz. Mas depois que a obtive-
e de um só clã, todos dignos de presidir ao Senado em seus ram, a inconstância característica daquele povo levou-o a arre-
melhores momentos, iriam com as forças de uma única família pender-se, antes mesmo que as forças romanas tivessem aban-
marchar contra uma nação inteira para destruí-la! donado a fortaleza de Cremera.
Uma grande multidão os acompanhava formada em parte
por seus parentes e amigos, com as mentes agitadas por idéias Massacre dos Fábios. 50. Os Fábios reencetaram as hos-
grandiosas, cujas esperanças e receios eram ilimitados, em parte tilidades contra os veienses sem
pelo povo estupefato diante do admirável feito. Que fossem maior aparato bélico. Já não se limitavam a incursões pelos cam-
valorosos, que fossem felizes e obtivessem o êxito correspon- pos, nem a inesperados ataques aos saqueadores. Travaram sé-
dente a seus propósitos!, clamavam todos. Teriam eles o direito rios combates em campo aberto e várias vezes aquela única fa-
de esperar do povo consulados, triunfos e todas as honrarias. mília romana triunfou sobre uma das mais importantes cidades
Ao passarem diante do Capitólio, da cidadela e de outros da Etrúria.
templos, faziam preces a todos os deuses que se apresentavam Os veienses sofriam com essas derrotas uma humilhação
à vista ou lhes vinham ao pensamento, suplicando-lhes que atroz. Foi então que lhes ocorreu a idéia de vencer o audaz
propiciassem àquela tropa um feliz e próspero empreendimento inimigo com uma emboscada. Daí por diante passaram até a
e que em breve regressasse sã e salva a sua pátria e ao convívio regozijar-se com as sucessivas vitórias dos Fábios, que contri-
dos seus. Vãs súplicas! Funesta marcha! buíam para aumentar-lhes a audácia.
Saindo pelo arco de Jano à direita da porta Carmental, Começaram a expor propositalmente seus rebanhos à pilha-
chegaram às margens do rio Cremera, que lhes pareceu um gem dos romanos, a fim de que estes pensassem que ali se
excelente local para estabelecer suas fortificações. encontravam por acaso. Ao mesmo tempo, os camponeses fugiam
Entrementes, Lúcio Emílio e Caio Servílio foram eleitos deixando os campos desertos, e as tropas encarregadas de deter
cônsules. as incursões recuavam, simulando um terror que nada tinha de
Enquanto a guerra se limitou à devastação do campo, os verdadeiro.
Fábios foram suficientes para proteger sua fortaleza. Puderam Os Fábios chegaram ao ponto de desprezar o murugo,
também atravessar a fronteira que separa o território etrusco do considerando-o, em qualquer circunstância, incapaz de sustentar
romano, proteger o território romano e causar pânico ao inimigo. os ataques de suas armas até então invictas. Essa confiança
Houve pequena trégua nas devastações, quando os veienses levou-os a precipitarem-se em direção aos rebanhos que avista-
pediram auxilio ao exército etrusco e partiram para atacar a vam disseminados na planície, longe de Cremera, apesar da
fortaleza de Cremera, o que levou as legiões romanas, sob o presença de alguns raros inimigos armados.
comando do cônsul Lúcio Emílio, a marchar contra os etrus- Inteiramente despreocupados em sua corrida desordenada,
cos. Os veienses mal puderam organizar suas fileiras, pois, em ultrapassaram a armadilha que Lhes fora preparada à beira da
meio à precipitação dos primeiros movimentos, enquanto o estrada. Já estavam dispersos para reunir o gado que, como
corpo de tropa efetiva alinhava-se na retaguarda e em seu de costume, fugia impelido pelo medo, quando de súbito as
lugar eram colocadas as tropas de reserva, a cavalaria romana tropas saíram do esconderijo e de todos os lados surgiram inimi-
atacou-os inesperadamente pelo flanco. tomando impraticável gos. Primeiro ergueu-se um gri to de guerra aterrador e, em

176 177
TITO LIVJO HISTCRIA DE ROMA

seguida, de toda a parte choveram dardos. Os e truscos cerraram volscos. Travou-se um combate tão próximo às .muralhas que
suas fileiras e os Fábios ficaram cercados por uma linha com- o primeiro choque, de resultado duvidoso, se deu junto ao templo
pacta de soldados. Quanto mais o inimigo avançava, mais redu- da Esperança, e o segundo, junto à porta Colina. Nesse local ,
zida se tornava a área que ocupavam, obrigando-os a compri- embora por pouco tempo, a atuação dos romanos foi superior,
mir-se num pequeno círculo. Essa manobra punha em evidência o que contribuiu para levantar o moral da tropa, devolvendo-lhe
seu pequeno exército em contraste com a multidão de etruscos, a coragem para os embates futuros .
cujas fileiras pareciam multiplicadas em terreno tão limitado. Aulo Virgfnio e Espúrio Servílio foram os novos cônsules.
Desistindo do combate que sustentavam com igual denodo Logo após a última derrota, os veienses evitaram enfrentar
contra o inimigo em todas as frentes , concentraram-se num só um combate e voltaram a fazer incursões no território romano.
ponto e ali, graças a sua força e coragem, conseguiram abrir Partindo do Janículo como se fora uma fortaleza sua, atacavam
caminho formando uma cunha. Por esse caminho alcançaram inopinadamente vários pontos do território romano, de modo
uma colina de suaves encostas, onde se detiveram. que não havia mais segurança nem para os rebanhos nem para
A vantagem de sua posição deu-lhes tempo de respirar, os camponeses. Mas acabaram sendo presos numa armadilha
recuperar-se do susto e mesmo repelir os ataques do inimigo. semelhante à que haviam preparado para os Fábios, quando ao
E aquele punhado de homens, dispondo de uma posição privi- perseguirem os rebanhos intencionalmente soltos no campo
legiada, teria vencido se os veienses não tivessem contornado a caíram numa emboscada. Como eram mais numerosos, o mas-
colina e atingido o cume, recuperando com isso a superioridade sacre foi maior. Esse desastre desencadeou ódios que por sua
anterior. vez deram origem a um maior desastre.
O s Fábios foram massacrados do primeiro ao último homem Os veienses atravessaram o Tibre durante a noite e tenta-
e sua fortaleza tomada. Foi comprovado que trezentos e seis ram tomar de assalto o acampamento do cônsul Servílio. Recha-
p receram, restando apenas um que ficara em Roma por não çados pelos romanos e tendo sofrido grandes perdas, refugiaram-
ter ajnda atingido a puberdade. Este viria a ser o tronco da se com dificuldade no Janículo. Mas logo em seguida o cônsul
famllia Fábia e tornar-se-ia, em meio às crises civis e militares, atravessou o Tibre e estabeleceu acampamento no sopé da
o mais firme apoio da república 2P. colina.
Ao raiar do dia seguinte, confiado no bom êxito que obti-
Massacre dos veienses. 5 1 . Na ocasião em que ocorreu essa vera no combate da véspera e impelido sobretudo pela escassez
desgraça , eram cônsules Caio Ho- de trigo na cidade, o cônsul resolveu lançar-se numa luta deci-
rácio e Tito Menênio. Este último partiu imediatamente para siva, por mais perigosa que fosse . Temerariamente, conduziu
combater os etruscos que estavam ex ultantes por sua vitória. a tropa pela encosta do Janículo até o acampamento do inimigo.
Foi mais uma batalha infeliz e o inimigos ocuparam o )anículo. Sofreu uma vergonhosa derrota, semelhante à que lhe infligira
Debilitada pela guerra e pela fome (pois os etruscos haviam na véspera , mas ele e o exército foram salvos graças à interven-
atravessado o Tibre), Roma teria si do sitiada se não tivessem
ção de seu colega. Cercados pelos dois exércitos, sem alternativa
chamado em seu auxílio o cônsul Horácio que combatia os
de fugir de um ou de outro, os veienses foram todos massa-
crados.
29 . Tito Lívio se rerere a um Fúbio que seria côn ~ul c.h:z ano~ Assim, graças a uma feliz imprudência, terminou a guerra
mais tarde (111 , 1). Suas arirmaçõcs a respei to deste não conrerem
com a história. Provavelmente Tito Lívio pensava em seus de cc nd entc~ . c ntra Véios.

179
178
TITO UVIO HISTORIA DE ROMA

Julgamento dos cônsules 52 . Com o restabeleci- lhes dera aquela magistratura e aquelas leis das quais agora se
Tito Menênio e Espúrio Servílio. mento da paz os pre- serviam para extravasar seus ódios, e com esse discurso auda-
ços dos gêneros baixa- cioso invalidou a acusação. Mas seu colega Virgínio, citado
ram com o trigo importado da Campânia e com o que fora libe- como testemunha, prestou-lhe também inestimável auxnio ao
rado pelos particulares que, depois de afugentado o temor da atribuir-lhe grande parte de suas próprias glórias. A condenação
IÀ' ~~· expuseram à venda o produto que antes sonegavam . A de Menênio, sem dúvida, foi uma contribuição ainda mais útil,
~J~M?~cia e a ociosidade levaram o povo novamente a come- de tal modo provocou mudanças de opinião.
~essos. Com a ausência dos males que advinham outrora
do exterior, buscavam-nos agora na polftica interna. Os tribu- Guerra com veienses e sabinos. 53 . As dissensões inter-
nos voltaram a agitar a plebe com seu habitual veneno, a lei nas haviam chegado ao
agrária, incitando os plebeus contra a resistência dos patrícios fim, mas uma guerra iniciara-se contra os exércitos aliados dos
em geral e contra alguns em particular. veienses e sabinos.
Quinto Consídio e Tito Genúcio, autores da lei agrária, O cônsul Públio Valério, com reforços recebidos dos latinos
citaram Tito Menênio em juízo. Acusavam-no de não ter impe- e dos hérnicos, foi enviado com seu exército a Véios e atacou
dido a tomada da fort ::lleza de Cremera quando ele, o cônsul, o acampamento dos sabinos estabelecido diante das muralhas de
estava acampado nas imediações. Apesar dos esforços empreen- seus aliados. Esse ataque inesperado produziu tal confusão que,
djdos pelos senadores em defesa do cônsul, como outrora fize- enquanto alguns soldados corriam dispersos ou em manípulos
ram a favor de Coriolano, Tito Menênio foi condenado. Mas para tentar repelir as forças do inimigo, o cônsul apoderou-se
como a lembrança dos serviços prestados por Agripa, seu pai, da primeira porta contra a qual dirigira o primeiro ataque. Final-
não se tivesse ainda apagado da memória do povo, os tribunos mente, dentro das trincheiras, não houve propriamente um
agiram com moderação. Depois de terem pedido a pena de combate, mas verdadeira carnificina.
morte, reduziram-na a uma multa de dois mil asses. A notícia do desastre transmitiu-se do acampamento à cida-
Essa sentença, entretanto, se transformou em verdadeira de. Tomados de verdadeiro pânico, os veienses correram a
pena de morte. Segundo a tradição, Menênio adoeceu em conse- pegar em armas, como se Véios já tivesse sido tomada. Uma
qüência do abalo que sofrera com a desonra e a humilhação e parte dos cidadãos acorreu em auxilio dos sabinos e a outra
logo depois morreu. atacou os romanos quando se achavam concentrados no ataque
No inicio do ano, sendo cônsules Caio Náucio e Públio ao acampamento. Houve, com isso, certa hesitação e perturba-
Valério, houve em seguida outro acusado, Espúrio Servnio, ção entre os romanos. Logo porém recuperaram o ânimo e
citado em juízo pelos tribunos Lúcio Cedício e Tito ;Estácio. enfrentaram os dois exércitos, até que a cavalaria enviada pelo
Ao contrário de Menênio, Servílio sustentou o ataque dos tribu- cônsul dispersou e pôs em debandada os etruscos. Na mesma
nos, sem súplicas e sem a intercessão dos senadores, confiante hora foram derrotados os dois exércitos das duas maiores po-
apenas em sua inocência e popularidade. tências vizinhas.
Incriminavam-no pelo combate contra os etruscos no Enquanto esses fatos ocorriam em Véios, volscos e équos
Janículo. Mas tão ardente agora em sua própria defesa quanto haviam estabelecido acampamento no território latino e devas-
antes em defesa da pátria, ele replicou desassombradamente. tado a região. Os latinos, com suas próprias forças e ajuda dos
Atacando tribunos e plebeus, vituperou-os pela condenação e hémicos, sem a chefia nem o auxílio dos romanos, tomaram-lhes
morte de Menênio, cujo pai outrora lhes devolvera os direitos, o acampamento, recuperaram seus bens e apoderaram-se de

180 181


TITO UVIO HISTóRIA DE ROMA

ricos despojos. Apesar disso, Roma enviou o cônsu l Caio Náucio as suas ordens. Se fizessem um movimento, se lançassem um
para combater os volscos, por não julgar conveniente, creio eu, só olhar aos patrícios, se não acreditassem que só a plebe
que os aliados se habituassem a guerrear com suas próprias constituía o Estado, os tribunos apontariam como exemplo o
forças e a agir de acordo com seus próprios planos, sem o exílio de Cneu Márcio, a condenação e a morte de Menênio.
comando e a presença do exército romano. Não houve provoca- Inflamados por essas palavras, os patrícios não realizaram
ções nem ofensas que se poupassem aos volscos, mas não se mais reuniões públicas, porém secretas e restritas a um número
conseguiu que eles aceitassem o combate. limitado de pessoas, com o objetivo de salvar os acusados a
todo custo, fosse por meios legais fosse por meios ilegais. As
Assassínio do tribuno da plebe 54 . Foram eleitos côn- propostas mais violentas eram as mais bem-recebidas , não
Cneu Genúcio. sules Lúcio Fúria e Caio faltando mesmo quem propusesse um golpe audacioso.
Mânlio. A este último No dia do julgamento, quando a plebe se achava no Fórum
coube o comando da guerra contra os veienses, que entretanto atenta e em ansiosa expectativa, começaram por estranhar a
não chegou a se realizar. Os veienses pediram e obtiveram uma ausência prolongada do tribuno. Como a demora se tornasse
trégua de quarenta anos, com a obrigação de pagar um tributo suspeita, acreditaram que os patrícios o haviam dissuadido, e
m trigo e em dinheiro. já se queixavam de que Cneu os tinha abandonado e traído
~ ~ ' À paz no exterior seguiu-se imediatamente a discórdia a causa pública. Finalmente, os que se achavam em frente a
a,._... .'l ~. A lei agrária era o aguilhão de que se serviam os tribunos vestíbulo do tribuno vieram anunciar que ele fora encontradoN~III
para excitar a plebe. Os cônsules resistjam energicamente, não morto em sua casa, e a notícia percorreu toda a assembléia . . .1n
se deixando influenciar nem pela condenação de Menênio, nem Tal como um exército que debanda com a morte de seu chefe,
pelo perigo que ameaçara Servflio. Mas ao término de sua assim se dispersaram os homens cada um para seu lado.
magistratura foram citados em juízo pelo tribuno da plebe Cneu Os tribunos encheram-se de pavor ao verificar a inutilidade
Gcnúcio. das leis sagradas que os protegiam. Os patrícios, ao contrário,
Lúcio Emílio e Opítere Virgínia assumiram o consulado. mal conseguiam disfarçar sua alegria. E de tal modo ninguém
Em alguns anais encontra-se o nome de Vopisco Júlio ao se arrependia do crime, que até mesmo os inocentes queriam
invés de Virgínia. parecer cúmplices, e diziam abertamente que só a violência
Naquele ano, quaisquer que tenham sido seus cônsules, poderia domar o poder tribunício.
Fúria e Mânlio, cobertos de andrajos, dirigiram-se ao povo e
aos jovens patrícios. Exortavam-nos e aconselhavam-nos a afas- Prisio de Volero Publfdo. 55 . Após o êxito de tão con-
tarem-se de todos os cargos honoríficos e do governo da repú- Revolta da plebe. denável exemplo, foi decreta-
blica, pois, se observassem bem, veriam que os fasces consulares, do o alistamento. Os cônsules
a toga pretexta e a cadeira curul não passavam de pompas fúne- conseguiram realizá-lo porque os tribunos estavam amedronta-
bres. Todas essas imponentes insígnias assemelhavam-se às faixas dos e não fizeram a menor objeção.
com que se enfeitavam as vítimas destinadas à morte. Se o Irritados mais ainda pelo silêncio dos tribunos do que pela
consulado lhes parecesse atraente, procurassem convencer-se de ordem dos cônsules, os plebeus diziam que sua liberdade ter-
que agora essa magistratura estava dominada e oprimida pelo minara e regredira à situação primitiva. Juntamente com Ge-
poder tribunício. O cônsul já não passava de um subordinado núcio, estava morto e sepultado o poder tribunício. Era neces-
dos tribunos, tendo de obedecer a todos os seus gestos, a todas sário agir e conceber um meio de resistir aos patrícios. A plebe

182 18)
TITO UVIO HISTORIA DE ROMA

não tinha outra solução a não ser defender-se com seus próprios mais radicais propostas, venceram os senadores mais antigos
recursos, uma vez que já não podia contar com nenhum outro que julgaram inconveniente pôr em choque a cólera dos patrícios
auxilio. Os cônsules estavam cercados por vinte e quatro licto- contra a temeridade da plebe.
res, todos homens da plebe, e se houvesse coragem para enfren-
tá-los nada seria mais desprezível nem mais frágil. O que os Eleição de Volero Publício 56. Com o apoio da plebe,
tornava grandiosos e temíveis era a idéia que cada plebeu como tribuno da plebe. Volero foi nomeado tribuno
formava a seu respeito. Esses protestos iam-se propalando e Tumulto na assembléia. nas eleições seguintes, no ano
excitando os ânimos. em que foram também eleitos
Foi então que Volero Pubücio, homem da plebe, ao pro- cônsules Lúcio Pinário e Públio Fúrio.
testar contra sua classificação como simples soldado, ele que Contra a opinião de todos que acreditavam que Volero
havia comandado uma centúria, foi abordado por um lictor se serviria do tribunato para vingar-se dos cônsules do ano
enviado pelos cônsules. Apelou para os tribunos, mas como anterior, ele deu mais importância aos interesses do Estado do
nenhum viesse em seu auxflio, os cônsules ordenaram que o que a sua questão pessoal. E sem dirigir aos cônsules qualquer
desnudassem e preparassem as varas. "Apelo para o povo, disse palavra de censura, apresentou ao povo um projeto de lei,
Volero, uma vez que os tribunos preferem ver um cidadão dispondo que os magistrados da plebe seriam eleitos em comícios
romano ser açoitado pelas varas a serem por vós assassinados por tribos.
em seu leito". Sob uma aparência pouco temível à primeira vista, esse
Quanto mais ele gritava, mais o lictor se esforçava em projeto era entretanto grave, pois impedia os patrícios de eleger
rasgar-lhe as vestes e desnudá-lo. Homem de grande força, os tribunos de sua escolha através do sufrágio de seus clientes.
Volero conseguiu livrar-se do lictor auxiliado por alguns homens Por essa razão, os patrícios reagiram com toda a veemência a
da plebe e refugiar-se entre a multidão, cujos clamores de esse projeto tão agradável à plebe. Mas o único meio de anular
indignação eram cada vez mais violentos, e gritar: "Apelo para a lei seria obter o voto de um membro da corporação, o que
a defesa da plebe. Socorrei-me, meus concidadãos! Vinde em não foi conseguido nem pela autoridade dos cônsules nem pela
meu auxílio, companheiros de armas! Não espereis pelos tribu- dos senadores. Contudo, a própria natureza da matéria era de
nos, são eles que necessitam de vossa ajuda". tal importância que os debates se prolongaram até o ano
Com os ânimos exaltados os homens se prepararam como seguinte.
para um combate. Parecia iminente uma violenta crise. Nada Volero foi reeleito tribuno da plebe e os patrícios, prevendo
seria considerado inviolável, nem o direito público nem o que a luta seria acirrada, elegeram cônsul Ápio Cláudio filho
privado. de Ápio, já odioso e hostil à plebe pelas atitudes agressivas
Ao tentarem opor-se a essa tempestade, os cônsules chega- do pai. O outro cônsul nomeado foi Tito Qüfncio.
ram à conclusão de que a autoridade não estaria protegida sem Desde o início do ano não se tratou de outro assunto a
a força. Os lictores seriam desrespeitados, seus fasces quebrados não ser do projeto de lei. Mas embora seu autor tivesse sido
e eles próprios repelidos do Fórum para a cúria, sem saberem Volero, seu colega Letório era quem o defendia com novo ardor
até onde Volero levaria sua vitória. e maior entusiasmo. Jactava-se das glórias com que se cobrira
Quando começou a serenar o tumulto, os cônsules convo· na guerra e dizia-se o soldado mais valente de sua geração.
caram o Senado e queixaram-se das ofensas sofridas, da força Enquanto Volero limitava-se a falar sobre a lei, abstendo-se
da plebe e da audácia de Volero. Após serem apresentadas as de atacar os cônsules, Letório começou por dirigir censuras a

184 185
TITO LIYIO HISTORI A DE ROMA

Ápio e a sua família, orgulhosa e cruel para com a plebe A imunidade do tribuno não teria sido respeitada se todo
romana, lembrando que os patrícios haviam eleito não um a assembléia não se tivesse manifestado a seu favor e contra
cônsul mas um carrasco para torturar e esmagar a plebe. o cônsul, e uma multidão de homens exaltados, vindos de toda
A linguagem rude daquele soldado não o ajudava a expres- parte da cidade, não acorresse ao Fórum. Mesmo assim, obsti-
sar toda a sua franqueza e audácia. Assim, ao faltar-lhe as nado, Ápio enfrentou o tumulto que teria terminado em luta
palavras adequadas, disse: "Quirites, não sei falar bem, mas sangrenta se o outro cônsul não tivesse encarregado os ex-côn-
quando digo alguma coisa, faço-a. Apresentai-vos aqui amanhã sules de afastar seu colega do Fórum nem que fosse à força,
e garanto-vos que, ou morrerei diante de vossos olhos, ou farei se não pudessem fazê-lo de outro modo. Procurou, por sua vez,
aprovar a lei ". aplacar a fúria da plebe com súplicas, pedindo aos tribunos
No dia seguinte, os tribunos encheram o templo so dos que dissolvessem a assembléia. Era preciso dar tempo a que se
comícios. Os cônsules e os patrícios, com o objetivo de impedir recuperasse a calma. Um intervalo não lhes diminuiria as forças,
a aprovação da lei, mantiveram-se em assembléia. Letório man- ao passo que a reflexão poderia aumentá-las ainda mais. Os
dou então que se retirassem todos os que não tinham direito senadores trabalhariam a favor do povo e o cônsul respeitaria
a voto, mas os jovens patrícios permaneceram em seus lugares a vontade dos senadores.
sem obedecer à ordem do viator st. Diante disso, Letório mandou
prender alguns jovens recalcitrantes, ao que se opôs o cônsul Aprovação da Lei de 57 . Se Qüíncio teve dificuldades
Ápio dizendo que os tribunos só tinham direitos sobre a plebe. Volcro PubUcio. em aplacar a plebe, os patrícios ti-
Eles não eram magistrados do povo romano, mas apenas da veram ainda maiores dificuldades
plebe. Mesmo que o fossem , os costumes dos antepassados tam- em acalmar o cônsul Ápio.
pouco lhes davam o direito de expulsar, e que a fórmula correta Dissolvida a assembléia, os cônsules convocaram o Senado.
seria: "Se vos apraz, quirites, retirai-vos ". Ainda sob o impacto do temor e da cólera, os pareceres no
Discorrendo sobre questões de direito, ele podia fáci l e começo eram contraditórios, mas à medida que o tempo pas-
ironicamente desconcertar Letório. Entretanto, arrebatado pela sava e a exaltação cedia lugar à reflexão, cessaram as discussões
cólera, o tribuno enviou ao cônsul um viator e o cônsul enviou e os senadores chegaram a agradecer a Qüíncio, cuja intervenção
ao tribuno um lictor, aos gritos de que ele era um simples apaziguara o tumulto. A Ápio pediram que não reivindicasse
cidadão sem autoridade e sem magistratura s2. para os cônsules uma autoridade que viesse a prejudicar a
tranqüilidade da república. Enquanto tribunos e cônsules luta-
30. O local onde se reunia uma assembléia, onde se tratava de
vam pelos seus próprios interesses, o Estado se enfraquecia.
assuntos políticos, devia ser consagrado. Daí o emprego da palavra A república estava dividida e dilacerada. Cada grupo preo-
templum. cupava-se mais em saber qual dos dois sobrepujaria o outro
31 . Oficial público a serviço de um tribuno. ao invés de preocupar-se com a inte ridade do Es o.
32. Sine imperio. O imperium (concepção etrusca) distingue-se do Tomando como testemunhas os deuses e os homens, Ápio
simples poder administrativo (potestas) pelo direito de consultar os respondeu que a república estava sendo traída e abandonada
a uspícios em Roma e fora de Roma (os tribunos só o obtiveram no
ano 339 e apenas em Roma), o direito de comandar os exércitos de
fazer o povo votar e de mandar prender e condenar os cidadão~ (o trados dotados de imperium tinham direito aos lictores. Os tribunos
direito de vida e de morte) . Os tribunos da plebe, como os magistrados da plebe jamais conseguiram o imperium, mas obtiveram um poder
sem imperium. só podiam condenar ao pagamento de multa. Os magi3- (potestas) muito superior ao dos outros magistrados.

186 187
TITO UVIO HISTORIA DE ROMA

por covardia. Não fora o cônsul quem falhara ao senado, mas coração empedernido em seu ódio contra os plebeus sentia-se
o Senado que falhara ao cônsul. Aceitavam-se leis mais peri- abalado.
gosas do que as outrora aceitas no monte Sacro. Depois de ter esgotado inutilmente todos os recursos,
Derrotado pela unanimidade dos senadores, Ápio calou-se. Ápio resolveu não lidar diretamente com seus soldados. Eram
E a lei foi aprovada sem debates. os centuriões, dizia ele, que corrompiam o exército, e por ironia
chamava-os às vezes de "tribunos plebeus" e de "Voleros".
Revolta dos soldados 58. Pela primeira vez os comícius
cc.ntra Ápio C~udio. tributos elegeram tribunos. Segun- Derrota dos romanos. 59. Os volscos não ignoravam
do Pisão, o número de tribunos Vingança de Ápio Cláudio. esses problemas e cada vez
que antes se limüava a dois foi acrescido de mais três. Naquela mais pressionavam os roma-
data o mesmo autor aponta como tribunos Caio Sicínio, Lúcio nos, na esperança de que o exército se rebelasse contra Ápio,
Numitório, Marco DuíHo, Espúrio Icilio e Lúcio Mecilio. do mesmo modo como agira contra o cônsul Fábio. A revolta \
Em meio às perturbações de Roma, foi declarada guerra foi muito mais violenta contra Ápio do que contra Fábio, pois
aos volscos e aos équos, que devastavam os campos e estavam enquanto o exército de Fábio Limitara-se a não desejar vencer,

._, I
dispostos a dar asilo à plebe em caso de secessão. Mas diante \ o de Ápio queria ser derrotado.
da harmonia que se restabelecera na cidade, levantaram acam- Depois de organizadas as fileiras para o combate, os solda-
pamento. dos debandaram verg~mhosamente em direção ao acampamento
Ápio Cláudio foi enviado para combater os volscos e a e só se detiveram quando viram os volscos depois de massacra-
v Qüíncio coube a luta contra os équos. rem as tropas da retaguarda atacarem as trincheiras. Foram
') Com o mesmo rigor com que agira na paz, Ápio agiu na então obrigados a combater para repelir da trincheira o inimigo
) guerra, mais livremente ainda por não ter de enfrentar a oposi- já vencedor. Era evidente que os soldados só desejavam impedir
ção dos tribunos. Odiava a plebe não só porque seu pai a o inimigo de apossar-se do acampamento e no mais regozijavam-
odiava mas também por ter sido vencido por ela. Ele, o único se de sua derrota e ignomínia.
cônsul eleito para fazer oposição ao poder tribunfcio, ter sido Nada conseguia dobrar o caráter altivo de Ápio. Queria
obrigado a votar uma lei que os cônsules anteriores, nos quais usar de maior severidade ainda e convocar uma assembléia,
os patrícios não depositavam tantas esperanças, haviam conse- mas .kgados e tribunos o procuraram para aconselhá-lo a não
guido impedir com muito menos esforços! tentar impor uma autoridade cuja força estava na inteira depen-
A cólera e a indignação estimulavam aquele caráter vio- dência do consenso dos que a obedeciam. Avisaram-no de que
lento a maltratar os soldados com sua autoridade inflexJvel.
os soldados propalavam que não se apresentariam à assembléia
Mas nenhuma força podia domar aqueles homens, tal o espírito
e algumas vozes já se faziam ouvir exigindo a retirada do acam-
de resistência de que estavam possuídos. Faziam tudo devagar,
pamento do território dos volscos. Pouco antes o inimigo vence-
com indolência, desprezo e má vontade. Nem a honra nem o
temor os coagia. Se Ápio ordenava que a coluna acelerasse a dor achara-se quase às portas do acampamento e da trincheira.
marcha, tudo faziam para retardá-la. Se aparecia para ativar Não se tratava de simples suspeitas de um grande desastre, mas
os trabalhos, todos espontaneamente interrompiam a obra come- de uma incontestável evidência.
çada. Em sua presença baixavam a cabeça, porém mal se afas- Ápio acabou cedendo, pois com isso os culpados ganha-
tava dirigiam-lhe imprecações em voz baixa, e às vezes aquele riam apenas a protelação do castigo. Revogou a convocação e

188 189
T ITO LlVIO HISTC>RIA DE ROMA

deu ordem para que anunciassem uma marcha para o dia se- que o 101m1go percorresse e devastasse seus territórios. Em
guinte. nenhuma outra guerra foram arrebatadas tantas presas ao inimi-
Ao raiar do dia, as trombetas deram o sinal de partida. go. Tudo revertia em benefício das tropas que recebiam do
o momento exato em que as fileiras começaram a sair do cônsul constantes elogios, aos quais não eram menos gratos do
acampamento, como se fossem chamados pelo mesmo sinal, os que às recompensas. O exército regressou a Roma com as me-
volscos atacaram a retaguarda do exército romano e o tumulto lhores disposições para com seu general e, por sua causa,
se estendeu até a linha de frente. Batalhões e companhias con- também para com todos os patrícios. Diziam que o Senado lhes
fundiram-se no mesmo pânico, incapazes de ouvir as ordens de havia dado um pai, enquanto ao outro exército coubera um

l
comando e de reorganizarem-se em fileiras. Ninguém pensava patrão.
a não ser em fugir, e o exército em debandada escapou passando Essas alternativas de vitórias e derrotas, de perturbações
sobre montões de cadáveres e de armas. A corr~ria foi tal que internas e externas, tornaram aquele ano notável sobretudo
o inimigo se cansou mais depressa em persegu1-los do que os pela criação dos comícios tributos, fato mais importante, aliás,
romanos em fu gir. O cônsul, que em vão tentara impedir-lhes pela vitória do povo na luta com os patrícios do que do ponto
a fuga, conseguiu finalmente reunir o que restava de seus de vista prático. Na verdade, com a exclusão dos patrícios das
soldados e estabeleceu o acampamento em lugar seguro. assembléias, os próprios comícios perderam muito de sua digni-
Convocando-os em assembléia, invectivou-os, não sem dade, sem acrescentar forças à plebe nem enfraquecer o Senado.
razão, pela traição do exército à disciplina militar, pelo aban-
dono de suas insígnias, interrogando a cada um onde estavam Julgamento de Ápio Cláudio. 61 . Um ano mais agitado
suas insígnias, onde estavam suas armas. ~ iniciou-se no consulado de
Os soldados sem armas, os porta-estandartes sem suas Lúcio Valéria e Tito Emílio, não só por causa de novos debates
insígnias, além dos centuriões e duplicá rios 33 , que haviar:' sobre a lei agrária como em virtude do processo de Ápio Cláudio.
abandonado o posto, foram açoitados e decapitados. Os dema1s Acérrimo adversário da lei agrária, como se fosse um ter-
soldados foram dizimados por sorteio. ceiro cônsul, Ápio defendia a causa dos proprietários de terras
do Estado com tanta veemência que os tribunos Marco i.Jutlto e
Adesão dos soldados 60. No exército que combatia Caio Sicínio o citaram em juízo. Nunca fora intimado perante
ao cônsul Tito Qüíocio. os équos, ao contrário, o cônsul o tribunal do povo um réu tão impopular, tão odiado pela plebe
e os soldados rivalizavam-se em por suas próprias ações como pelas de seu pai. Por sua vez,
demonstrações de companheirismo e boa vontade. Qüíncio tinha os patrícios nunca se haviam empenhado tanto na defesa de
um temperamento mais brando e as desastrosas co~seqüênci~s \ alguém. Não era ele o defensor do Senado, o vingador de sua
do excessivo rigor de seu col~ga. faziam-n~ regoziJar-se ma1s \ majestade? Não era ele o baluarte contra a agitação dos tribunos
ainda por ter seguido suas tendenc1as naturats. c da plebe, quem agora, apenas por ter-se excedido no debate,
Diante de tão grande harmonia entre o general e o exér- ia ser entregue à colera dos plebeus?
cito, os équos não ousaram enfrentar o combate e permitiram Só havia um patrício, o próprio Ápio Cláudio, que não
dava a menor importância aos tribunos, à plebe e a seu julga-
33 . Soldado que recebia dobrada ração e mais tarde soldo em mento. Nem as ameaças da plebe, nem as súplicas dos sena-
dobro. Podia signiricar também lugar-tenente de um esquadrão de dorc con eguiram que mudasse as vestes e se apresentasse como
cavalaria legionária. suplica nte. ou ao menos moderasse e suavizasse um pouco a

190 )C) I
TITO LlVIO HISTôRIA DE ROMA

aspereza usual de sua linguagem quando fizesse sua defesa pe- pamento para local mais seguro. Essa atitude foi suficiente para
rante o povo. o cônsul considerar o inimigo vencido e retirar-se de uma
Ápio apresentou-se com a mesma arrogância, a mesma guerra onde não houvera batalha.
expressão de altivez, a mesma rudeza ao falar, de tal modo que
grande parte da plebe tremia diante do réu como outrora diante Romanos contra équos, 63 . Em meio a essas guerras e a
do cônsul. Uma única vez usou da palavra para defender-se, volscos e sabinos. permanentes distúrbios internos,
mas no tom de acusador, como costumava fazer em todos os foram eleitos cônsules Tito Numf-
seus discursos. Sua firmeza causou tal estupefação aos tribunos cio Prisco e Aulo Virgínia.
Parecia que a plebe não suportaria mais dilações na sanção
e à plebe que eles próprios tomaram a iniciativa de adiar o
da lei agrária e que um movimento de extrema violência se
processo e deixá-lo arrastar-se. Mas não foi necessário um
preparava, quando a fumaça que se erguia do incêndio das
longo adiamento, pois antes do dia marcado Ápio morreu em propriedades rurais e a fuga dos camponeses para a cidade
conseqüência de uma doença. revelaram a presença dos volscos. A notícia deteve a sedição
Um tribuno da plebe tentou impedir que se pronunciasse já preparada e prestes a irromper.
o,.Qiscurso fúnebre, mas a própria plebe não admitiu que se Os cônsules foram enviados imediatamente pelo Senado
( ~~':~ aquele grande homem da última homenagem. Ouviu para rechaçar o ataque, afastando de Roma a juventude, o que
cõ-iri''â 'gesma atenção os louvores ao morto com que antes na de certo modo acalmou o resto da plebe. O inimigo, que apenas
assembléia ouvira as acusações, e uma multidão acompanhou pretendia espalhar o terror entre os romanos, retirou-se em
o cortejo fúnebre. marcha acelerada.
Numício marchou contra os volscos, dirigindo-se primeiro
Duas campanhas frustradas. 62. No mesmo ano, o côn- a Áncio, e Virgínia investiu contra os équos. Este último teria
sul Valério à frente de um caído numa emboscada e sofrido completa derrota, não fora a
exército marchou para combater os équos. Como não conse- coragem dos soldados que restabeleceram a situação compro-
guisse forçá-los a enfrentar a luta, decidiu apossar-se de seu metida pela negligência do cônsul.
acampamento, no que foi impedido por uma tremenda tempes- Mais seguro porém foi o comando das operações contra
tade que desabou sobre ele, acompanhada de granizo e trovões. os volscos. Desbaratados no primeiro encontro, refugiaram-se
Seu espanto foi maior quando, após ter dado o sinal de reti- em Ãncio, uma das cidades mais opulentas naquela época. Não
rada, o céu tornou-se calmo e sereno, como se uma divindade ousando atacá-la, o cônsul arrebatou aos anciates a cidadela de
velasse pelo acampamento dos équos. Seus sentimentos religio- Ceno, muito menos rica.
sos impediram-no de efetuar novo ataque, e todo o ardor beli- Enquanto équos e volscos prendiam a atenção dos exércitos
coso voltou-se para a devastação dos campos. romanos, os sabinos devastaram o território de Roma e avança-
Por sua vez, o cônsul Emflio foi combater os sabinos, mas ram até as portas da cidade. Em compensação, poucos dias
como o inimigo permanecesse igualmente atrás de suas mura- depois, os dois exércitos e os dois cônsules, movidos pela
lhas, devastou-lhe o território. O incêndio das propriedades mesma indignação, invadiram-lhes o território e infligiram-lhes
agrícolas e das aldeias superpovoadas exasperou os sabinos, uma derrota maior do que todas as que haviam sofrido.
que acorreram para combater os saqueadores. Mas após uma
luta de resultado duvidoso, no dia seguinte transferiram o acam-

192 193
TITO LIVIO HISTóRIA DE ROMA

Derrota dos sabiDos. 64. No fim do ano houve um perío- rante a noite, atacaram o acampamento durante a terceira
Luta com os volscos do de paz, mas, como sempre, per- vigília.
e seus aliados. turbado pela luta entre patrícios e Depois de acalmar a agitação provocada por aquela súbita
plebeus. A plebe exacerbada re- ameaça, Qüíncio ordenou aos soldados que permanecessem
cusou-se a participar das eleições consulares. tranqüilos em suas tendas e colocou uma coorte de hérnicos
Os patrícios e seus clientes nomearam cônsules Tito Qüíncio em posto avançado. Ao mesmo tempo, mandou que os corne-
e Quinto Servüio. O ano de sua magistratura assemelhou-se ao tei ros e trombeteiros montassem a cavalo e tocassem o sinal de
anterior, no início com agitações internas, acalmadas logo depois alarme diante das trincheiras do inimigo para mantê-lo em
pela ameaça de guerra no exterior. guarda. O resto da noite foi tão calmo no acampamento romano
L- Os sabinos atravessaram o território dos crustuminos em que os soldados puderam dormir.
marcha forçada, devastando e incendiando as terras próximas À vista da infantaria dos hérnicos, que supunham mais
ao rio Âncio, e somente foram repelidos diante das muralhas numerosa e acreditavam ser dos romanos, diante da inquietação
de Roma, perto da porta Colina. Mesmo assim, conseguiram c relincho dos cavaJos que estranhavam não só o peso dos cava-
levar como presas homens e animais. O cônsul Servílio perse- leiros desconhecidos como também o ruído que ressoava em
guiu-os com um exército disposto a vingar-se, mas como não seus ouvidos, os volscos mantiveram-se em estado de alerta
pudesse alcançá-los em campo aberto, avançou até seu território como se um ataque inimigo estivesse iminente.
e arrasou-o de tal modo que nada ficou intacto naquela guerra.
Regressou então a Roma com despojos muitas vezes superiores Derrota dos volscos. 65 . Ao alvorecer, bem-dispostos e
aos que foram arrebatados pelo inimigo. descansados por uma noite de so-
As operações com os volscos também tiveram excelentes no, os soldados romanos organizaram suas fileiras e avançaram
resultados, tanto pela atuação do general quanto pelo compor- contra os volscos fatigados de permanecerem de pé e sem dormir
tamento dos soldados. No início houve um combate sangrento a noite toda. Na verdade, o que houve foi uma retirada do ini-
em campo aberto, e os dois exércitos apoderaram-se de nume- migo e não uma derrota, pois eles se refugiaram numa colina
rosas presas. que lhes ficava à retaguarda, com suas fileiras intactas, prote-
Com as tropas reduzidas pelas baixas que sofreram, os gidas pela primeira.
romanos teriam recuado se o cônsul não os tivesse incitado Diante daquela posição desfavorável, o cônsul resolveu
ao combate com uma engenhosa mentira, clamando que os deter as tropas. Mas os soldados irritaram-se com essa ordem
inimigos batiam em retirada na outra ala. Os soldados precipi- c exigiram autorização para avançar, sendo a cavalaria a que
taram-se sobre o inimigo e julgando-se vencedores acabaram c mostrou mais exaltada. Cercaram o general aos gritos de
. realmente por vencer. Temendo que uma perseguição tenaz que os cavaleiros se adiantariam às insígnias .
ao inimigo originasse novo combate, o cônsul deu sinal de Enquanto o cônsul hesitava, confiante no valor dos solda-
retirada. do mas receoso da posição desvantajosa em que se encontra-
Alguns dias se passaram sem hostilidades entre ambos os vam, ouviu-se o brado "avante" saído de todas as bocas, e ao
exércitos, como se tivesse havido um tácito acordo para repouso. brado seguiu-se a ação.
Nesse ínterim, chegaram ao acampamento inimigo grandes con- Cravando as lanças no chão para tornar mais suave a
tingentes de tropas de todas as cidades dos volscos e dos équos. ubida da encosta, avançaram em marcha forçada. Depois que
Confiantes em que os romanos, ao percebê-lo, se retirariam du- c gotaram seu estoque de dardos contra a primeira fileira dos

194 195
TITO LIVIO

atacantes, os volscos começaram a rolar pedras sobre os pés


dos soldados que subiam a encosta. A confusão se estabeleceu
nas fileiras ante os redobrados golpes do inimigo que os domi-
nava do alto de sua posição, e a ala esquerda dos romanos teria
sido esmagada se o cônsul, ao vê-los prestes a debandar, não
lhes tivesse devolvido a coragem apelando para sua honra, ora R E SUMO
tratando-os de temerários, ora de covardes.
Os soldados estacaram decididos a não recuar. Ao conse- DO LIVRO li DA HISTóRIA DE ROMA
guirem manter sua posição, recobraram suas forças, ousaram DESDE SUA FUNDAÇÃO, DE TITO LIVIO
avançar e lançando de novo seu grito de guerra todo o exército
se pôs em movimento. Recobrado o ímpeto, conseguiram superar
a desvantagem de sua posição e já estavam prestes a alcançar Bruto fez o povo jurar que jamais tolerará reis em Roma.
o alto da colina quando os inimigos se puseram em fuga. Na Tarqüínio Colatino, seu colega, suspeito devido ao parentesco
carreira desordenada, vencidos e vencedores, formando quase com os Tarqüínios, vê-se forçado a abdicar do consulado e a
um só bloco, precipitaram-se no acampamento, que foi tomado deixar Roma. Bruto pilha os bens dos reis e consagra a Marte o
em meio à confusão. terreno conhecido como Campo de Marte. Ordena a decapitação
Os volscos que puderam escapar refugiaram-se em Âncio. de alguns jovens nobres - entre os quais seus filhos e sobrinhos
O exército romano marchou também contra Âncio, que após - que haviam conspirado para reentronizar os reis na cidade.
alguns dias de cerco rendeu-se sem luta. Ao escravo que denunciara os conjurados, chamado Vindício,
Os etruscos haviam perdido a coragem depois da infeliz concede a liberdade (donde o nome de vindicta [a lforria I>. Os
bata lha e da perda de seu acampamento. príncipes, com as forças reunidas de Veios e Tarqüínia, fazem
guerra a Roma Bruto avança contra eles e, na batalha, tomba
juntamente com Arrúncio, filho do Soberbo. Por um ano, pran-
teiam-nos as mulheres. O cônsul L. Valério submete uma lei
sobre apelação ao povo. O Capitólio é dedicado. Porsena, rei
de Clúsio, aliado dos tarqüinianos, chega ao Janículo; a pas-
sagem do Tibre lhe é interditada pela bravura de H orácio
ocles, o qual , enquanto outros derrubavam a ponte Sublícia,
suporta sozinho o ímpeto dos etruscos; depois, rompida a ponte,
atira-se às águas de armas em punho e vai nadando juntar-se
aos seus. Seu exemplo de coragem é seguido por Múcio: pene-
trando no acampamento inimigo na intenção de golpear Porsena,
mata um secretário que loma pelo rei. Preso, coloca a mão
sobre o altar dos sacrifíci os e a deixa queimar, afirmando existi-
rem em Roma outros trezentos homens como ele. Admirado, o
rei aceita as cond ições de paz. Desiste da guerra e acolhe reféns.

197
196
TITO U VIO

Destes uma jovem. Clélia. engana os guardas. at ravessa o Tibre


a nado volta para os seus. Devolvida a Porsena, é libertada
com honras, e em sua homenagem erige-se uma estátua eqüestre.
Ápio Cláudio, do país dos sabinos, vai para Roma , o que acar-
reta o acréscimo da tribo Cláudia. Sobe para vinte e uma o L I V R O 111
número das tribos. O ditador Aula Postúmio vence Tarqüínio,
o Soberbo, que move guerra aos romanos com tropas latinas.
Como a plebe, a propósito da escravidão por dívidas, se retirasse riação de uma colônia 1 . Após a tomada de Ãncio, Ti-
para o monte Sagrado, a sabedoria de Agripa Menênio a faz romana em Âncio. to Emílio e Quinto Fábio foram
desistir da dissidência. Esse Agripa, muito pobre, foi quando de eleitos cônsules. O segundo era o
sua morte enterrado a expensas do Estado. Criam-se ci nco tri- único sobrevivente da família Fábia, que fora exterminada em
bunos da plebe. Criólos, cidade dos volscos, cai ante a cora- rcmera. No seu primeiro consulado, Emílio tinha sido autor
gem e o empenho de Cneu Márcio, em virtude disso cognomi- de um projeto de distribuição de terras à plebe. Agora, no se-
nado Coriolano. Tito Latínio, pl ebeu , tem uma visão que lhe gundo consulado, reavivava nos camponeses a esperança de con-
ordena apresentar certas advertências ao Senado, mas negligencia eguirem uma lei. Os tribunos que, muitas vezes, se haviam insur-
a ordem, perde o filho e fica com os pés paralisados; em seguida, gido contra a oposição dos cônsules, voltaram ao projeto, certos
fazendo-se conduzir ao Senado em liteira, desi ncumbe-se da de que desta vez o apoio de um cônsul lhes daria ganho de causa,
missão, recobra o uso dos pés e volta para casa. Cneu Márcio pois este se mantinha fiel a seus propósitos.
Coriolano, exilado, torna-se general dos volscos e conduz um Os proprietários de terras, entre os quais se achava a maio-
exército contra Roma . Embaixadores, depo is sacerdotes, vão su- ria dos senadores, lamentavam que um chefe de Estado aderisse
plicar-lhe, mas inutilmente, que desista da agressão à pátria; u uma política tribunícia, tornando-se popular com a distribu ição
finalmente, sua mãe Vetúria e sua mulher Volúmnia conseguem de bens alheios. Com isso transferiram seu descontentamento
demovê-lo. Pela primeira vez é apresentada uma lei agrária . dos tribunos para o cônsul. Travar-se-ia terrível luta, se Fábio
Espúrio Cássio, consular acusado de aspirar à realeza , é conde- não tivesse encontrado para o conflito uma solução que não
nado e executado. A vestal Opia comete incesto e é en terrada prejudicava a nenhuma das partes. Os territórios tomados aos
viva. Mostrando-se os veienses inimigos mais incômodos que peri- volscos no ano anterior, sob o comando e os auspícios de Tito
gosos, a família Fábia pede contra eles uma declaração de Qüfncio, constituíam notável aquisição. Por sua proximidade
guerra e põe em campo 306 soldados, os quais, no Cremera, são c posição vantajosa de cidade marítima, Ãncio poderia ser
todos mortos (sobrevive apenas uma criança que ficara em lransformada em colônia. Assim, sem as querelas dos proprie-
Roma). O cônsul Ápio Cláudio, vencido pelos volscos em segui- tários, a plebe iria para o campo e a cidade teria paz. Esta
da a uma revolta em seu exército, procede à dizimação sob a decisão foi aceita.
lança. Para a distribuição das terras, Emflio indicou os triúnviros
Empreendimentos contra os volscos , os équos e os veienses; Tito Qüfncio, Auto Virgílio e Públio Fúrio 1• Estes determina-
querelas entre o patri ciato e a plebe. ram que se inscrevessem os que quisessem receber terras .

l . A cri:lçio de lriúnviros para distribuição de terras bem como


a miÍ vontade da plebe em deixar Roma parecem antecipações.

198 199
TITO LfVIO HISTúRIA DE ROMA

Então, e como sempre, o fácil não interessou. Houve tão Quando esses fatos foram anunciados em Roma, a afronta
poucos inscritos que, para completar o número de colonos, foi em si, mais do que o próprio perigo, obrigou o segundo cônsul
necessário admitir os volscos. A massa preferia exigir terras em a sair da cidade. Assim, sem perda de tempo, os dois exércitos
Roma a recebê-las em qualquer outra parte. Os équos pediram consulares, em fileiras cerradas, avançaram contra o inimigo.
paz a Quinto Fábio, que lhes invadira o território com seu Como o dia já ia avançado, uma das sentinelas do inimigo
exército, mas anularam-lhe o efeito, com súbita incursão em exclamou: " Isto é pura ostentação, romanos, e não uma guerra!
território latino. Ao cair da noite é que organizais vossas fileiras? Precisamos
de um dia mais longo para o combate que se vai travar. Ama-
Guerra contra os équos. 2. Quinto Servílio, cônsul no nhã, ao nascer do sol, voltai às vossas fileiras. Tereis ocasião
ano seguinte com Espúrio Pos- de lutar bastante, não temaisl"
túmio, foi encarregado da campanha contra os équos e estabe- Irritados com essas palavras, os soldados foram recondu-
leceu em território latino um acampamento permanente. Um zidos ao acampamento para esperar o dia seguinte, achando
repouso forçado, por motivo de doença, manteve o exército longa a noite que iria retardar o combate. Contudo, repararam
inativo, o que prolongou a guerra até o terceiro ano do consu- as forças comendo e dormindo.
lado de Quinto Fábio e Tito Qüíncio. Como medida extraordi- Ao raiar do dia seguinte, as fileiras romanas foram as
nária, o supremo comando foi dado a Fábio 2 em virtude da primeiras a se organizar. Finalmente, os équos avançaram.
vitória precedente e do tratado de paz com os équos. A batalha foi encarniçada de ambos os lados. Os romanos
Convencido, ao partir, de que a fama de seu nome bastaria combatiam com ira e com ódio, mas os équos estavam dispostos
para acalmar os équos, enviou uma delegação para anunciar a ousar e tentar os últimos recursos, sentindo-se em perigo pela
à assembléia daquele povo que o cônsul Quinto Fábio, outrora falta cometida e sabendo que, no futuro, ninguém mais teria
mensageiro de paz entre os équos e Roma, hoje mensageiro de confiança em sua palavra. Não resistiram , entretanto, ao ataque
guerra entre Roma e os équos, estava de volta, de armas na dos romanos. Batidos e forçados a reentrar em seu território,
mão, a mesma mão que outrora lhes estendera desarmada. Os aqueles homens de ânimo exaltado, ao invés de mostrar dispo-
deuses já conheciam os autores da perfídia e do perjúrio e os sição mais pacífica, começaram a censurar seus generais por
castigariam em breve. Contudo, quaisquer que fossem as cir- terem travado combate com o exército disposto em fileiras,
cunstâncias atuais, ele preferiria que os équos se arrependessem tática em que os romanos eram muito superiores. Alegavam
espontaneamente, a ter de tratá-los como inimigos. Se eles se que teriam tido maiores possibilidades em pequenas incursões
arrependessem, seriam recebidos em segurança por sua clemên- e guerrilhas sucessivas, divididos em pequenos destacamentos,
cia já comprovada, mas se perseverassem no perjúrio, entrariam do que reunidos em um único e colossal exército.
em guerra, não contra simples inimigos, mas contra a cólera
dos deuses. Vitória dos romanos 3. Deixando no acampamento ape-
sobre os équos. nas uma guarnição, os équos inva-
Essas palavras causaram tão pouco efeito que os emissários
diram o território romano de ma-
quase foram maltratados, e um exército ma rchou para o Algido
contra os romanos. neira tão súbita que, até em Roma, se espalhou o terror. O
imprevisto do ataque aumentou mais ainda a confusão, porque
a última coisa a temer-se de um inimigo vencido e quase sitia-
2 . Sem se tirar a sorte, nem consulta r seu colega . do em seu acampamento era justamente um ataque daquela es-
200
201
TITO LfVIO HISTORIA DE ROMA

pécie. Os camponeses apavorados, comprimindo-se às portas da permitindo que se queimassem e destruíssem seus bens. Depois
cidade, anunciavam aos gritos, com o exagero causado pelo me- de semear a devastação no território inimigo com inúmeras
do, não uma simples incursão de alguns bandos de salteadores, incursões armadas, o cônsul regressou a Roma carregado de
mas a aproximação de exércitos e legiões de inimigos, cujas despojos e coberto de glória.
colunas ameaçadoras se precipitavam para Roma. Essas notícias
imprecisas, por isso mesmo mais fáceis de serem deturpadas, Derrota do cônsul 4 . Os cônsules do ano seguinte fo-
passavam de boca em boca. A correria e os gritos dos que cha- Espúrio Fúrio Fusco. ram Aulo Postúmio Albo e Espú-
mavam o povo a pegar em armas assemelhavam-se ao desespero rio Fúrio Fusco. Alguns autores es-
de uma cidade capturada. creveram Fúsio ao invés de Fúrio. Faço esta observação para
O cônsul Qüíncio, que acabara de chegar a Roma prove- que não se pense tratar-se de outra pessoa , o que não passa de
niente do Algido, foi a salvação contra o pânico. Acalmou o diferente grafia.
tumulto, censurou aquele temor em face de um inimigo vencido, Não há dúvida de que um dos dois cônsules lutaria mais
e dispôs guarnições diante das portas da cidade. Convocou em tarde contra os équos. Estes pediram auxílio aos volscos de
seguida o Senado, decretou o recesso dos tribunais 3 e, com a Ecetra, que prontamente o concederam, pois essas cidades riva-
autorização dos senadores, partiu para assegurar a defesa do lizavam-se num ódio eterno aos romanos.
território, passando a Quinto Servílio o comando da cidade. Começaram, então, os preparativos de guerra com o maior
Não encontrou, entretanto, o inimigo no campo. ardor. Os hérnicos o perceberam e preveniram os romanos de
O outro cônsul, porém, conseguiu uma bela vitória. Sa- que os ecetranos se haviam aliado aos équos. Suspeitou-se
bendo por onde o inimigo deveria passar, atacou a coluna que também da colônia de Âncio porque, quando a cidade fora
marchava lentamente, sobrecarregada com os despojos conquis- capturada, grande parte de seus habitantes refugiara-se em ter-
tados, e infligiu-lhe um severo castigo pelas devastações. ritório dos équos e lhes havia fornecido na guerra precedente
Poucos inimigos escaparam à emboscada e toda a presa foi suas mais valentes tropas. Quando, finalmente, os équos foram
reconquistada. O recesso dos tribunais, que só havia durado repelidos para suas cidades, aquela multidão dispersa regressou
quatro dias, termjnou com a volta do cônsul Qüíncio a Roma. a Ãncio e, encontrando a colônia já indisposta contra Roma,
Em segujda, Qüíncio procedeu ao recenseamento e encerrou acabou por afastá-la definitivamente dos romanos.
a cerimônja lustrai 4 • Diz-se que o resultado do censo foi de Os anciatos não tinham ainda amadurecido seus projetos
cento e quatro mil setecentos e catorze cidadãos, sem contar quando o Senado, tomando conhecimento de que se tramava
os órfãos de ambos os sexos. uma sublevação, encarregou os cônsules de chamar a Roma
A guerra com os équos não apresentou mais nenhum acon- os mais notáveis homens da colônia e interrogá-los sobre o
tecimento memorável. Eles se retiraram para suas cidades, que se passava. Eles se apresentaram sem demora. Introduzidos
no Senado pelos cônsules, responderam de tal modo ao interro-
3 . Seguia-se-lhe a suspensão dos negócios e equivalia ao estado ga tório que , ao sair, pareciam mais suspeitos do que ao chegar.
de sítio. Desde então a guerra parecia inevitável. O cônsul Espúrio
4 . Costumavam em Roma contar o tempo por períodos de cinco Fúrio, a quem fora confiado o comando das operações, marchou
anos, chamados lustros (do latim lustrus, derivado de luere, " purificar").
Cada lustro começava pelo recenseamento e terminava com a purificação contra os équos e foi encontrar o inimigo a devastar o terri-
do povo, realizada no Campo de Marte. Esta cerimônia tinha o nome tório dos hérnicos. Desconhecendo as forças do inimigo, pois
de lustração (v. descrição em I, 44). nunca tinha visto o exérci to reunido , lançou imprudentemente

202 203
TITO LIVJO HlSTORIA DE ROMA

suas tropas nu m combate desigual. Derrotado no primeiro encon- ram-se guarmçoes na cidade, sentinelas diante das portas e
tro, retirou-se para seu acampamento. Mas não estava fora de tropas sobre as muralhas. Além disso, os tribunais foram fecha-
perigo. Durante a noite e no dia seguinte, o acampamento sofreu dos por alguns dias, medida indispensável em situação tão
um bloqueio e um ataque tão violento, que não foi possível grave.
sequer enviar um mensageiro a Roma. Nesse ínterim, o cônsul Fúria, que se havia mantido sem
Os hérnicos anunciaram a derrota e o cerco a que estavam reação por algum tempo em seu campo sitiado, irrompeu pela
submetidos o cônsul e seu exército. O pânico de tal modo se porta decumana 7 e caiu sobre o inimigo desprevenido. Mas,
apossou dos senadores, que eles encarregaram o segundo cônsul embora tivesse condições de persegui-lo, deteve-se temendo um
Postúmio de " velar para que a república não sofresse qualquer contra-ataque do outro lado do campo. Entretanto, o legado
dano " 5 , de acordo com a fórmula do senadoconsulto usado em Fúria, irmão do cônsul 8 , avançou ainda mais com suas tropas
casos extremos. Julgou-se preferível manter o cônsul em Roma, e, no ardor da refrega, não percebeu que seus soldados retroce-
a fim de recrutar todos os cidadãos válidos para o serviço diam e o inimigo perseguia-lhe a retaguarda. Isolado dos seus,
militar, e enviar Tito Qüíncio, na qualidade de procônsul 6, após várias tentativas inúteis para abrir caminho até o campo
em socorro do acampamento, com um exército de aliados. Para de batalha, tombou lutando valorosamente.
a organização desse exército, seria dada aos latinos, aos hérnicos Informado de que seu irmão estava cercado, o cônsul
e à colônia de Ãncio , ordem de fornecer a Qüíncio "subitários". voltou à luta. Combatendo com muito denodo e pouca prudência,
como eram chamados os soldados recrutados às pressas. foi ferido e seus comandados tiveram dificuldade em retirá-lo
do campo de batalha. Este desfecho esmoreceu as tropas roma-
Vitória do Tito Qüíncio 5 . Entrementes, o inimigo mo- nas e redobrou a confiança do inimigo.
sobre os équos. vimentava-se de um lado para Encorajados pela morte de Fúria e pelo ferimento do
outro, multiplicando os ataques cônsul, os équos tornaram impraticável qualquer resistência.
e aproveitando-se da superioridade numérica para atacar as for- Com a moral abatida e em desigualdade de forças, os romanos
foram rechaçados para o seu campo e novamente cercados.
ças romanas em todas as direções, na certeza de que não pode-
A situação teria sido extremamente perigosa não fora a inter-
riam resistir. Enquanto sitiavam o acampamento, enviaram uma
venção de Tito Q üíncio com as tropas estrangeiras e os exércitos
parte do exército para devastar o território romano e, se possí-
vel, a própria cidade de Roma . latino e hérnico.
Enquanto os équos se concentravam em volta do acampa-
Lúcio Valéria ficou para defender a cidade e o cônsul mento romano e exibiam desdenhosamente a cabeça de Fúrio,
Postúmio partiu para repelir a invasão do território. Foram toma- Qüíncio atacou-os pela retaguarda. Ao mesmo tempo e a um
das todas as precauções e envidados todos os esforços. Coloca- sinal dado por ele à distância, as tropas irromperam do acam-
pamento e cercaram o exército inimigo.
5. Anacronismo. O senatus consultum ultimum que suspendia as
liberdades civis foi instituído no final do sécu lo 11 a . C . , para substituir 7 . A porta decumana era a que se encontrava do lado oposto
a ditadura que caíra em desuso. à porta pretoriana, em uma das extremidades do decumanus, isto é.
6 . O procônsul era um magistrado que substituía o cônsul, sem de uma das duas vias perpendiculares que dividiam o acampamento
ser necessariamente um ex-cônsul. Era designado como " um cidadão romano em quatro partes.
privado dotado de plenos poderes" (privatus cum imperio). Esse poder 8. Costume da era clássica em que o general escolhia quase sempre
porém só era válido fora do Pomério. seus auxiliares imediatos (/egali) entre seus parentes.

204 205
TITO LlVIO HISTORIA DE ROMA

No território romano as perdas dos équos foram menores, d · agosto, que era então o início do ano. O clima nessa época
mas sua derrota mais completa. Quando vinham dispersos e ·ostuma ser insalubre, e naquele ano houve muitas ·epidemias na
carregados de despojos, Postúmio atacou-os com as guarnições cidade e no campo, que atacaram homens e rebanhos. Aumen-
que oportunamente dispusera em vários pontos da cidade. Ao tuva a violência da epidemia o fato de os camponeses, forçados
fugirem desordenadamente, encontraram as tropas de Qüíncio p ·lo medo de serem roubados, virem refugiar-se em Roma com
que voltava vencedor, trazendo o cônsul ferido. O exército ...cu rebanhos. Naquela promiscuidade de seres de toda espécie,
consular então, com uma vitória esmagadora, vingou o ferimento o:; habitantes da cidade sofriam com os odores insólitos, e os
do cônsul, a morte de Fúria e o massacre de suas coortes. cumponeses, amontoados em alojamentos exíguos, adoeciam por
Naqueles dias houve grandes perdas de ambos os lados. cuusa do calor e de noites maldormidas. A doença se transmi-
Tratando-se de fato tão remoto, é difícil calcular-se com exatidão tiu rapidamente em virtude do contato a que eram forçados
o número dos combatentes e dos mortos. Entretanto, Âncio quando se assistiam uns aos outros.
Valéria não hesitou em apresentar cifras. Os romanos teriam Mal podiam os romanos suportar essa desgraça, quando
perdido cerca de cinco mil e oitocentos homens em território missários dos hérrúcos vieram anunciar que équos e volscos
hérrúco. Quanto aos équos, que assolavam o território de n:unidos tinham instalado acampamento em seu território e
Roma saqueando-o, dois mil e quatrocentos teriam sido mortos com um grande exército devastavam a região.
pelo cônsul Postúmio. A outra tropa que investira contra Qüin- A pouca freqüência às sessões do Senado foi suficiente para
cio, carregada de despojos, teria também sofrido perdas elevadas. provar aos aliados que a cidade estava assolada pela peste.
Segundo ele, foram mortos quatro mil ou, para ser mais exato, Receberam, então, a triste resposta de que Roma estava assolada
quatro mil duzentos e trinta homens o. p r uma epidemia, motivada por repentina cólera dos deuses,
Após o retorno das tropas e a abertura dos tribunais, foi · por esse motivo os próprios hérnicos, com o auxílio dos
visto no céu um fogo ardente e mais outros prodígios, alguns lutinos, deveriam tentar a defesa de seu território. Se a epidemia
realmente observados, outros pura ilusão de espíritos atemori- cessasse, como no ano anterior, eles iriam em socorro de seus
zados. Para afastar esses maus presságios foram decretados três uliados, como sempre haviam feito.
dias de festas, durante os quais homens e mulheres em massa Os emissários se retiraram levando a seu país uma notícia
encheram todos os templos, implorando a benevolência dos mais triste ainda do que a que haviam trazido. Só poderiam
deuses. Em seguida, as coortes latinas e hérnicas receberam os · ntar com seus próprios recursos para enfrentar uma guerra
agradecimentos do Senado por seu comportamento na guerra, que, mesmo com o apoio das forças romanas, teriam dificuldades
e voltaram para suas cidades. Os mil soldados, que Ãncio enviara em sustentar.
em auxílio do povo romano, haviam chegado tarde demais, após O inimigo não se deteve entre os hérnicos e levou as hosti-
a batalha, e por isso foram despedidos quase ignominiosamente. litludcs até o território romano, já devastado mesmo sem os
horrores da guerra. Não encontrando em seu caminho um
Epidemia em Roma. 6 . Realizaram-se em seguida as elei- homem sequer, mesmo desarmado, atravessou regiões desprovi-
ções. Nomeados cônsules, Lúcio Ebú- du · de defensores e de qualquer atividade rural e avançou até
cio e Públio Servilio tomaram posse do cargo nas calendas u terceiro marco da estrada de Gabios.
Morrera o cônsul romano Ebúcio, e seu colega Servilio,
9 . Ironia de Tito Lfvio em relação às falsas precisões desse ·m c tado desesperador, mal respirava. A doença atingira a
analista. lllni r parte dos senadores e quase todos os homens mobili -

206 207
TITO UVIO HISTORIA DE ROMA

záveis. As forças eram insuficientes não só para empreender garam às colinas de Túsculo. Concentrou-se ali, então, toda a
as campanhas que a situação exigia em meio a tão grande violência e horror da guerra.
tumulto, como também para manter os postos avançados. Os Nesse ínterim, hérnicos e latinos movidos não só pela
senadores, cuja idade e saúde o permitiam, ofereciam-se volun- compaixão, mas também pela vergonha de não resistir ao inimi-
tariamente para o posto de sentinelas. A organização do serviço go comum, cujas tropas ameaçadoras marchavam sobre Roma,
de ronda fora confiada aos edis da plebe 10, entre os quais e de não prestar socorro a seus aliados sitiados, uniram os exérci-
recaíra a autoridade suprema e a majestade do poder consular. tos e partiram em direção a Roma. Não encontraram o inimigo
em território rotnano, mas, guiados por informações e vestígios
Incursões de équos e volscos 7 . Abandonado, sem che- de suas passage~, foram alcançá-lo ao sair de Túsculo para o vale
no território romano. fe e sem forças, o Estado foi de Alba. Travou-se então um combate desigual, onde a fidelidade
salvo graças à proteção dos de nossos aliados não foi , de modo algum, recompensada.
deuses e da Fortuna de Roma 11, que deram aos volscos e aos A doença não fazia menores estragos em Roma do que
équos instintos mais de salteadores do que de guerreiros. Ali- a espada entre nossos aliados. Não só morreu o único cônsul
mentavam, com efeito, tão pouca esperança de capturar Roma, sobrevivente como também morreram alguns personagens ilus-
ou mesmo de chegar até suas muralhas, que mudaram de idéia tres, como os áugures Mâruo Valério e Tito Virgínio e o chefe
ao avistar no horizonte as casas e as colinas que a dominam. dos curiões 13, Sérvio Sulpfcio. Mas foi entre os cidadãos da
De uma extremidade a outra do exército, ergueu-se um clamor: plebe que a doença se propagou com maior violência. Sem poder
para que perder tempo numa ociosidade sem proveito, num ter- contar com o auxflio dos homens, o Senado dirigiu aos deuses
ritório arruinado e deserto, com animais e homens em estado suas orações e as do povo. Decretou que os cidadãos, acompa-
de putrefação, quando poderiam conquistar o território de nhados de mulher e filhos, dirigissem súplicas aos deuses implo-
Túsculo, região intacta e fértil? Imediatamente levantaram as rando-lhes paz. E como todos já estivessem inclinados a fazê-lo
insígnias 12 e, cortando caminho pela planície de Labico, che- movidos por seus próprios sofrimentos, quando convocados pela
autoridade pública, dirigiram-se aos templos. Em toda parte
10. Os dois edis da plebe (provavelmente sacerdotes do templo as mulheres, prosternadas, varriam os templos com seus cabelos,
de Ceres, na origem) foram considerados mag.istrados ao mesmo tempo e imploravam o perdão das divindades iradas e o fim da cala-
que os tribunos, como auxiJiares destes. Eram encarregados da super-
midade.
visão dos mercados, do policiamento da cidade, dos edifícios públicos,
do abastecimento da cidade e organização dos jogos. Nessa da ta ainda
não possufam a dignidade do imperium, dar a observação de T ito Lívio. Derrota dos volscos. 8 . Pouco a pouco, fosse porque os
11 . Antiga divindade do destino (Fors ou Fortuna), proveniente deuses tivessem consentido na paz
da Magna Grécia. Aos poucos passou a receber toda a espécie de impetrada, fosse porque a estação insalubre tivesse terminado,
ephetos conforme o objeto para o qual se invocava sua proteção:
Fortuna virilis (dos homens), muliebris (das mulheres), equestris (dos
os enfermos começaram a se restabelecer e a preocupar-se com
cavaleiros) etc.
12 . Como os soldados romanos tinham ordem de seguir sempre 13 . As cúrias, que eram dos mais antigos grupos sociais em Roma
as insígnias, todos os movimentos de tropas eram indicados por expres- (cf. I, 13), tinham seu próprio local de culto e sua religiiio particular.
sões relativas ao movimento das insfgnias. Arrancar do chão as insígnias O curio maximus, sempre patrfcio até 209, presidia o colégio dos trinta
significava pôr-se em marcha. como fincá-las em terra significava parar. curiões, isto é, dos sacerdotes das trinta cúrias.

20~ 209
TITO UVIO HlSTúRlA DE ROMA

as atividades políticas. Depois de vários interregnos 14 , Públio rado com a surpresa do ataque. Embora inferiores em número,
Valério Publícola, três dias após sua designação como inter-rei, bateram e puseram em fuga uma imensa multidão de homens, e
nomeou cônsules Lúcio Lucrécio Tricipitino e Tito Vetúrio (ou cercaram-nos nos vales profundos, praticamente sem saída.
Vetúsio) Gêmino, que tomaram posse dois dias antes dos idos A raça dos volscos quase foi exterminada. Treze mil qua-
de agosto 15 • trocentos e setenta homens foram mortos no combate e na fuga ,
O Estado já se achava em condições, não só de fazer guerra c mil setecentos e cinqüenta caíram prisioneiros, deixando em
defensiva, mas até mesmo de tomar a ofensiva. Por isso, quando nossas mãos vinte e sete insígnias militares, como consta de
os hérnicos anunciaram que o inimigo tinha invadido seu ter- certos anais. Mesmo que tenha havido algum exagero nas cifras,
ritório, Roma não hesitou em prometer-lhes auxílio. Dois exér- o massacre teria sido considerável.
citos consulares foram arregimentados e Vetúrio foi encarregado O cônsul vencedor retomou a seu acampamento carregado
de tomar a ofensiva contra os volscos. Tricipitino, que deveria de despojos. Em seguida os dois cônsules reuniram seus regi-
impedir o saque no território aliado, não ultrapassou o país mentos, e os volscos, por sua vez, uniram aos équos os destroços
dos hérnicos, pois logo no primeiro encontro Vetúrio desbara- de seu exército.
tou e pôs em fuga o inimigo. Aquela fora a terceira batalha do ano. A sorte continuava
Enquanto estava acampado no território hérnico, Lucrécio a proporcionar-nos a vitória. O inimigo foi afugentado e seu
deixou escapar o batalhão de saqueadores, que atravessou os acampamento tomado.
montes de Preneste, desceu para a planície, devastou os campos
de Preneste e de Gabios e, de lá, desviou-se para as colinas A proposição Terentüia. 9 . A polftica de Roma voltou à
tusculanas. A própria cidade de Roma foi dominada pelo terror, situação antiga. Mas os êxitos
mais pela surpresa da ameaça do que pela insuficiência de militares suscitaram logo depois perturbações internas.
forças para repelir o ataque. Quinto Fábio, então prefeito da Caio Terentílio Harsa era naquele ano tribuno da plebe.
cidade, armou a juventude e dispôs guarnições em toda parte. Julgando que a ausência dos cônsules favorecia a ação dos tri-
devolvendo a segurança e a calma aos cidadãos. bunos durante vários dias acusou perante a plebe o orgulho
Limitando suas pilhagens à região vizinha, o inimigo não dos p~trfcios. Atacava sobretudo o poder dos cônsules, exces~ivo
ousou aproximar-se de Roma. Já se retirava, tornando-se menos e intolerável numa cidade livre. Apenas no nome parectam
vigilante à medida que se afastava da cidade inimiga, quando menos odiosos, mas sua autoridade era quase mais severa do
deparou com o cônsul Lucrécio que, inteirado de sua marcha, que a dos reis. A plebe tinha agora dois senhores ao invé~ de
já havia disposto suas tropas em ordem de combate. Armados um, com poderes desmedidos e arbitrários 16 que, sem p~s~utrem
de toda a coragem, os romanos caíram sobre o inimigo apavo- normas nem freios, faziam recair os rigores e as pumçoes da
lei exclusivamente sobre a plebe. Para dar cobro a essa arbitra-
14 . O inter-rei, nomeado pelo Senado, era um magistrado provi· riedade, ele iria apresentar um projeto de lei criando uma
sório que, na ausência de um magistrado regular, recebia o direito
de tomar os auspícios e presidir os comfcios para a nomeação desse
magistrttdo regular. Freqüentes no perfodo da realeza, foram raros na 16. Realmente, os cônsules conservaram quase os mesmos poderes
república, pois só podiam ser nomeados no caso de morte simultânea do rei. Contudo, os argumentos do tribuno têm valor meramente retó-
dos dois cônsules, como no caso presente, ou da anulação de sua rico. De fato, no caso dos cônsules, era possível opô-los um ao .outro
eleição. Parece que o inter-rei era nomeado apenas por cinco dias. e. além disso. seu mandato era de um ano apenas. podendo ser cttados
13. Isto é, no dia 12 de agosto. ao terminá·lo.

210 211
TITO LlVIO HISTORIA DE ROMA

comissão de cinco membros para regulamentar o poder con- lc' no uno pa sedo, nos pouparam os horrores de uma guerra
sular. O povo determinaria quais os direitos do cônsul sobre ~•ud ".
(h tribunos entenderam-se com Terentüio. O debate apa-
( ele e o cônsul limitar-se-ia a exercê-los, e não mais tomariam • ·ntcmcntc foi adiado, mas na realidade suprimido, e os cônsu-
por lei suas paixões e caprichos.
Ao ser apresentado o projeto de lei, os patrícios temeram l · ~ fut.tm chamados imediatamente.
que esse jugo lhes fosse imposto na ausência dos cônsules. Então
Quinto Fábio, prefeito da cidade, reuniu o Senado e atacou o l'rodígios e m R oma. I O. Lucrécio regressou com
projeto e seu autor de modo tão violento que, mesmo se os l>i!ICU~tsuo da lei Terentília. grandes despojos e uma gló-
dois cônsules tivessem desencadeado sua cólera contra o tribuno, ria ainda maior. E essa g\6-
nada teria sido mais ameaçador e mais amedrontador. Terentílio riu aume ntou mais ainda quando, ao chegar, expôs toda a presa
teria armado uma emboscada e desencadeado no momento no 'u mp de Marte, de modo que durante três dias cada cida-
exato um ataque brusco contra a república, Se os deuses irados Juo poderia recon hecer e retirar seus pertences. Os objetos não
tivessem enviado semelhante tribuno no ano anterior, durante iucn ti ficndos foram postos à venda.
a peste e a guerra, toda resistência teria sido impossível. Valen- cgundo a opinião geral, Lucrécio merecia as honras do
do-se da morte dos dois cônsules, da doença que devastava a triunfo. Mas a homenagem foi adiada por causa do projeto de
cidade e da confusão geral, ele, com seu projeto de lei, teria lei mantido pelo tribuno , assunto prioritário para o cônsul. A
di~CUll!.tto durou vários dias, tanto no Senado quanto na assem-
eliminado da constituição o poder dos cônsules. Seria bem indi-
cado a conduzir os volscos e os équos num assalto a Roma. Que bléia do povo. O tribuno acabou cedendo diante da dignidade
pretendia afinal? Se os cônsules fossem culpados de abusar do de Lucrécio e retirou o projeto. Só então foram prestadas ao
poder ou agir com crueldade contra um simples cidadão, não gcnernl c a seu exército as homenagens que lhes eram devidas
tinha ele o direito de citá-los e de fazê-los julgar por essa mesma pela vitória sobre os volscos e os équos, e ele desfilou em
plebe à qual pertencesse a vítima? Não era a autoridade dos 11 iunfo eguido por suas legiões. O outro cônsul obteve apenas

cônsules, mas o poder dos tribunos que assim ele tornava odioso cvaçuo c entrou em Roma sem as tropas 17 •
e insuportável. Estes se mantinham tranqüilos após o acordo com
os patrícios, e eis que tudo voltava aos desajustes iniciais. Aliás, 17 . Decretado pelo Senado, o triunfo era a mais alta recompensa
com que c podia agraciar um general vitorioso. O general deveria ter
nem se lhe pedia que desistisse de levar avante seu empreen-
vencido, com seu próprio exército e sob seus próprios auspícios, uma
dimento. guerrn contrn inimigos externos (não havia triunfo em caso de guerra
" Mas a vós, tribunos", disse Fábio, "suplicamos que vos civil) c declarada regularmente. Enfim, pelo menos em princípio, era
lembreis, antes de tudo, de que vosso poder tem por objetivo precisu que o general tivesse terminado a guerra, aumentado o território
romarm c climinndo pelo menos cinco mil inimigos. Ves:ind o a toga
a proteção dos indivíduos e não a ruína da comunidade. Fostes picta (pinwda) e coroado de louros, o general triunfante entrava em
eleitos como tribunos da plebe, não como inimigos da nobreza. Roma, precedido pelos senadores e magistrados. os músicos, os principais
Este ataque contra a república indefesa é uma infelicidade para prisio111:iros c os despojos tomados ao inimigo. O cortejo terminava
nós e uma desonra para vós. Podeis diminuir, senão vossos com 11111 dc~ filc dos soldados. que naquele dia tinhnm o direito de
zombar lk cu ecneral. Subia em seguida ao Capitólio e oferecia um
direitos, pelo menos vossa desonra. Convencei vosso colega a sncrifil iU. A ovoçüo era uma espécie de triunfo d e menor importância
adiar qualquer solução até a chegada dos cônsules. Mesmo os O gem·11rl vi lorioso entrava em Roma a cavalo ou a pé, e subia ao
équos e os volscos, quando a peste nos privou de nossos cônsu- Copihtliu pnr a ocrificar uma ovelha (ovis, daí ovação).

2 12 213
TITO L1VIO HISTORIA DE ROMA

A lei Terentflia foi retomada no ano seguinte por todo o comando das operações, ficando um com os volscos, outro com
colégio de tribunos e pesou como uma ameaça sobre os novos os équos.
cônsules Públio Volúmio e Sérvio Sulpício. Naquele mesmo Os tribunos bradavam diante do Fórum que aquela guerra
ano viram o céu arder e a terra ser abalada por violento dos volscos não passava de uma comédia da qual participavam
tremor. Uma vaca falou e esse fato, que tempos atrás não mere- os hérnicos. Já não se oprimia a liberdade do povo romano pela
I ceria crédito, foi na época considerado digno de fé . Entre força, mas tentava-se burlá-la com uma farsa. Seria inconcebív~l
que os volscos e os équos, após um massacre quase total, esti-
outros prodigios, caiu uma chuva de carne. Um bando de pás-
saros voejava apoderando-se dela. Os pedaços que caíam em vessem em condições de recomeçar as hostilidades, e por e~se
terra permaneciam vários dias no solo sem alterar o odor. Os motivo procurava-se um novo inimigo, atacava-se a reputação
livros sibilinos 18 , consultados pelos duúnviros encarregados das de uma colônia fiel e vizinha. A guerra que declaravam aos
coisas sagradas 19, predisseram ameaças provenientes de uma anciatos inocentes era dirigida contra a plebe romana, contra
reunião de estrangeiros, de um ataque aos pontos mais elevados a plebe que ao peso das armas seria enviada para longe de
de Roma e de sangue derramado. Antes de tudo, aconselhavam Roma, em marchas forçadas, para que os senadores se vingas-
e evitar revoluções. sem dos tribunos com o exllio e o desterro dos cidadãos. Assim,
Os tribunos insinuaram tratar-se de um golpe para impedir para que não pensassem que aquela manobra tinha outro obje-
a promulgação da lei e previram um grave conflito. Entretanto. tivo, condenava-se ao fracasso o projeto de lei, caso os plebeus
repetia-se o círculo vicioso de todos os anos. Os hérnicos anun- não tomassem providências enquanto nada fora ainda delibe-
ciaram que os volscos e os équos, apesar das perdas sofridas, rado, enquanto ainda estavam em seus lares, na condição ~e
estavam reconstituindo seus exércitos e que Ãncio era o centro civis, para não se verem depois distantes de sua cidade e subJU·
das operações. Em Ecetra, onde estavam o cérebro e as forças gados. Se tivessem coragem, não lhes faltaria auxílio. Os tribunos
daquela guerra, os colonos anciatos realizavam assembléias estavam unidos e não havia perigo nem ameaças externas. No
públicas. ano anterior, os deuses haviam providenciado para que se
Diante dessa notícia, o Senado decretou o recrutamen to de pudesse defender a liberdade sem perigo. Assim falavam os
tropas, e ordenou aos dois cônsules que dividissem entre si o tribunos.

Resistência dos patrícios. 11 . Os cônsules, por sua


18 . Segundo a tradição, os livros sibilinos foram comprado~ por
Tarqüínio, o Soberbo, à Sibila de Comas. São uma coleção de oráculos Citação de Ceso Qüíncio por vez, instalaram à vista de
em três livros, de origem npolínea. Sun introdução em Roma. no final Aulo Virgínio. todos suas cadeiras curuis e
do século V ou in feio do I V a . C .• mostra bem a influência da religião procederam ao alistamento.
grega sobre Roma naquela época. Eram consultados em caso de cala- Os tribunos acorreram ao local arrastando consigo uma multi-
midade pública, e principalmente quando apareciam prodígios inquie-
tantes. Guardados no templo de Júpiter Capitolino. esses livros foram
dão. Foi feita a chamada de alguns nomes, como para sondar a
destrufdos no incêndio de 83 a. C. Foram reconstituídos por uma co- situação, e de súbito eclodiu a violência. Assim que o lictor
missão, que parece ter conhecido os profetas hebreus. e guardados na prendia alguém por ordem do cônsul, o tribuno mandava soltá-
época de Augusto no templo de Apolo no Palatino. lo. Ninguém se limitava a exercer seus direitos. Todos espera-
19 . Eram os duumviri sacris jaciundis (encarregados das cerimô- vam atingir seus objetivos através da força e da violência. .
nias sagradas) ampliados em 367 a. C. para decemviri sacris jadundis
que, por sua vez. se tornaram os quill(/ecem viri sucr:s fuciundis no
As mesmas manobras de obstrução empregadas pelos tn-
século I a.C. bunos contra o al istamen to, os patrícios utilizavam contra a lei

214 215
TITO LlVIO HISTORIA DE ROMA

que era apresentada em todos os dias de comício. A desordem Nesse ínterim, Virgínia apresentou o projeto de lei, sem
começava no momento em que os tribunos mandavam o povo esperanças de fazê-lo aprovar, mas com o fim de provocar a
distribuir-se em tribos, uma vez que os patrícios se recusavam temeridade de Ceso. Daquele momento em diante, tudo o que
a abandonar o local. Os mais velhos quase não participavam os jovens inadvertidamente faziam e diziam era imputado exclu-
de um movimento que não era comandado pela prudência, onde sivamente ao temperamento inquieto de Ceso, que continuava
se permitia toda temeridade e audácia. Os próprios cônsules a opor-se à lei. Aulo Virgínia não cessava de repetir à plebe:
se abstinham de manifestar-se naquelas desordens, evitando " Não vedes, ó quirites, que a vida de Ceso é incompatível com
expor sua dignidade a poss íveis ultrajes. a lei que desejais possuir? Aliás, para que falar de lei? ~ contra
Havia um jovem chamado Ceso Qüíncio 20 , orgulhoso de a liberdade que ele combate, ele, que supera o orgulho dos
sua linhagem bem como de seu ffsico e ae sua força. A essas Tarqüinios. Esperai até que se torne cônsul ou ditador este
dádivas dos deuses havia ele acrescentado brilhantes feitos na simples cidadão que vive cercado de guardas e exibe a audácia
guerra e eloqüentes discursos no Fórum, de tal modo que não de um rei! " Muitos aprovavam o tribuno, queixando-se de golpes
se encontrava em Roma quem o superasse, nem com a palavra, recebidos, e o estimulavam a levar avante suas acusações.
nem com o braço.
Sobressaindo-se no grupo dos patrícios por sua elevada Súplicas a favor de Ceso Qüíncio. 12 . Aproximava-se o
estatura, possuindo na voz e na força a autoridade dos ditadores dia do julgamento e aos
e dos cônsules, enfrentava sozinho a violência dos tribunos e homens do povo era evidente que sua liberdade dependeria da
a fúri a da plebe. Muitas vezes, a tropa sob seu comando expul- condenação de Ceso.
sara os tribunos do Fórum, dispersara e afugentara o povo. Cedendo diante da necessidade, mas com grande indigna-
Quem tentasse resistir-lhe acabaria sem vestes e ferido. Era ção, o jovem solicitava o apoio de uns e outros, arrastando
evidente que, se o deixassem agir, o projeto de lei seria der- consigo os parentes que eram então o escol da sociedade
rotado. romana. Tito Qüfncio Capitolino, três vezes cônsul, recordava
Quando os outros tribunos já se achavam de certo modo seus próprios feitos e os de toda a familia, acrescentando que
perturbados, Aulo Virgínia foi o único membro de seu colégio entre os Qüíncios, nem mesmo em Roma, jamais existira um
a citar Ceso na justiça por crime de mo rte. Com isso, ao invés caráter tão íntegro e virtudes tão precoces. Fora sob seu coman-
de aterrorizar, exacerbou ainda mais aquele espírito indomável. do que ele recebera as primeiras instruções militares, e inúmeras
A partir de então, ele demonstrou maior ardor em opor-se à vezes o vira combater o inimigo. Espúrio Fúria dizia que, sob
lei, em agitar a plebe e em mover contra os tribunos uma ver- as ordens de Qüíncio Capitotino, Ceso o socorrera numa cir-
dadeira campanha . O acusador deixou que o acusado prepa- cunstância crítica quando ninguém, segundo ele, teria agido
rasse sua própria ruína, a traísse ódios c fornecesse motivos melhor para restabelecer a situação. Lúcio Lucrécio, cônsul no
para sua acusação. ano anterior, ainda coberto de glória recente, atribuía parte de
seus méritos a Ceso. Recordava seus combates, enumerava-lhe
20 . A crônica familiar dos Qüíncios (capítulos 11 , 14, 19 - os altos feitos, ora à frente do comando, ora nas fileiras do
2 1•. 26 - 29) emerge aq ui , mas num a lto grau de elaboração lite- exército. Por isso a todos advertia que aquele jovem acima do
rá rta e de significação é tnica: a força, o direito, a solidariedade c
rigor patrfcios, a simplicidade e dignidade campesina. os dons de co- comum, que a natureza e a fortuna haviam cumulado de todos
mando. idealizam a través du narrativa dramá tica a a ntiga moral d n os dons, tornaria decisiva a sorte de qualquer Estado aonde se
aristocracia romana. emboru os Oüíncios fossem d~: orig~:m lutinu. dirigisse. Portanto era preferível tê-lo como romano do que

2 16 217
TITO LIVIO HISTóRIA DE ROM A

como estrangeiro. O que possuía de excessivo - o ardor e de morte e às vésperas de ser julgado não podia ser condenado
a audácia - , estava-se atenuando com o correr do tempo, e nem preso antes de apresentar sua defesa. O tribuno declarou que
o que ainda lhe faltava - a prudência - também se desenvol- não pretendia executá-lo antes da condenação, mas conservá-lo
via gradativamente. E uma vez que seus defeitos estavam em na prisão até o dia do julgamento. Um assassínio fora perpetrado
declínio e suas virtudes em ascensão, deixassem aquele homem e o povo romano deveria ter a certeza de ver o culpado sofrer
de tanto valor envelhecer em sua pátria. o castigo que merecera.
Em meio a essas vozes, Lúcio Qüincio, cognominado Cinci- Recorreram então aos outros tribunos 23 e eles encontraram
nato, pai de Ceso, evitando os elogios a fim de não aumentar um meio termo que não lhes comprometia o direito de inter-
os ódios, pedia indulgência para um arrebatamento da juven- venção. Opuseram-se à prisão, mas decidiram que o . acusado
tude e suplicava que lhe deixassem o filho, a ele que nunca compareceria em juízo e prestaria fiança ao povo na hipótese
ofendera ninguém com palavras ou atitudes. Uns permaneciam de ele não se apresentar. Houve dúvidas quanto ao valor da
surdos às súplicas, por respeito humano ou por medo. Outros fiança e o caso foi submetido ao Senado. Enquanto os senadores
alegavam que haviam sido feridos, eles próprios e os seus, e deliberavam, o réu permaneceu sob vigilância. Decidiu-se que
respondiam com uma dureza que fazia prever-lhes a sentença. ele apresentaria fiadores, cada um com a garantia de três mil
asses. O número desses fiadores foi determinado pelos tribunos,
Condenação e exílio de 13 . Além da impopularidade do que os fixaram em dez, como exigia o acusador. Foi essa a
Ceso Qüíncio. acusado, uma grave denúncia primeira vez que se pagou fian ça em causa pública.
veio pesar sobre ele. Marco Vóls- Como lhe concedessem liberdade de sai r do Fórum, na
cio Fictor, tribuno da plebe anos atrás, apresentou depoimento noite seguinte Ceso exilou-se na Etrúria 24 • No dia do julga-
de que havia encontrado um bando de jovens turbulentos na mento, embora desculpassem sua ausência dizendo que ele
Subura 21 , pouco tempo depois da epidemia de Roma. Origina- abandonara o país para se exilar, Virgínia fez questão de con-
ra-se uma rixa e seu irmão mais velho, ainda convalescente, vocar os comícios. Seus colegas dissolveram a assembléia, mas
recebera de Ceso uma punhalada fatal. Transportaram-no des- a fiança foi exigida com o maior rigor ao pai de Ceso, que
maiado para casa, onde viera a fal ecer. Mas fora impossível jus- teve de vender todos os seus bens, passando a viver retirado
tiçar o criminoso no consulado precedente. numa cabana isolada à margem direita do Tibre.
O clamor de Vólscio provocou tão grande indignação que
Ceso escapou de ser assassinado pela turba que se precipitara Manobra da juventude patricia 14 . Embora no exterior
contra ele. Virgínia mandou prender o acusado e levá-lo para para impedir a aprovação da lei. reinasse paz, o julga-
o cárcere 22 , mas os patrícios responderam à violência pela vio- mento de Ceso e a
lência. Tito Qüíncio bradava que um cidadão acusado por crime apresentação do projeto de lei trouxeram perturbação à ordem
interna da cidade. Os tribunos se imaginaram vencedores e
21 . Bairro mal-afamado no tempo de Tito Lívio, situado entre
o Quirinal, o Viminal e o Esquilino.
23 . Quer dizer, outros que não Virgínio. Nesse episódio os tribunos
22 . Essa iniciativa brutal propõe um problema de direito. A
aparecem bem no papel de promotores públicos e defensores das leis.
prisão preventiva não existia na época clássica para os cidadãos. No
caso de crimes contra o Estado, o acusado era entregue à guarda de papel que desempenharam até a instituição dos tribunais permanentes.
um particular. No caso de crimes comuns (mesmo de homicfdio) , o 24 . Em Roma, como em Atenas, um acusado tinha o direito de
acusado podia fornecer caução. escapar à pena de morte exilando-se.

218 219
TITO UVIO HISTORIA DE ROMA

acreditaram que, abalados os patrícios com o exílio de Ceso, a Tramavam-se conspirações, diziam eles. Ceso se achava em
lei estaria prestes a ser votada. Entretanto, se os patrfcios mais Roma. A plebe seria massacrada e os tribunos assassinados de
idosos haviam renunciado ao poder, os mais jovens, e sobre- acordo com um plano. A tarefa confiada pelos velhos patrícios
tudo os companheiros de Ceso, não perderam a coragem, votan- à juventude era suprimir da república o poder tribunício, e
do um ódio cada vez maior à plebe. Contudo, procuraram mo- restabelecer o governo nos moldes em que existia, antes da
derar seus impulsos, o que sem dúvida lhes foi útil. retirada para o monte Sacro.
Quando pela primeira vez após a part ida de Ceso foi apre- Temia-se também um ataque dos volscos e dos équos, o
sentado o projeto de lei, todos eles se achavam formados e de que já se tornara uma rotina, repetindo-se religiosamente qua~e
prontidão com o grande exército de seus clientes. Aproveitando todos os anos. Bem mais próximo porém outra ameaça surgtu
como pretexto a ordem de dispersar, cafram sobre os tribunos repentinamente. Cerca de dois mil e quinhentos homens, entre
com tal impetuosidade que nenhum deles, em particular, saiu-se exilados e escravos, sob a chefia de Ápio Herdônio Sabino,
mais glorioso ou odiado, e a plebe lamentou ter trocado um apoderaram-se à noite do Capitólio e da cidadela. Uma vez na
Ceso por mil. Contudo, nos dias em que os tribunos não se cidadela, degolaram todos os que se haviam recusado a parti-
referiam à lei, ninguém era mais moderado, ninguém mais cipar do levante e a pegar em armas, e os que escaparam em
calmo do que aqueles jovens. Saudavam com afabilidade os meio ao tumulto correram para o Fórum. Ouviam-se vozes
homens do povo, conversavam com eles, convidavam-nos a ir alternadas que bradavam: "Às armas!" e " O inimigo está na
a suas casas, assistiam-nos no Fórum e permitiam que os tribu- cidade!"
nos realizassem outras reuniões sem interrompê-los. Nenhum Ignorando a natureza daquela súbita ameaça, sem saber
deles, quer em público, quer em particular, praticava a menor se vinha de fora ou de dentro, do ódio da plebe ou da perfídia
violência, exceto quando a lei era mencionada. Em quaisquer dos escravos, os cônsules tanto temiam armar a plebe quanto
outras circunstâncias aqueles jovens eram amigos do povo. deixá-la desarmada. Procuravam acalmar o tumulto, mas muitas
Além disso, os tribunos puderam agir com a maior tranqüilidade vezes contribuíam para aumentá-lo, pois a multidão em pânico
e no ano seguinte foram reeleitos sem que uma voz sequer se escapava a qualquer autoridade. Resolveram afinal distribuir
levantasse em protesto, de tal modo se evitava qualquer vio- armas, mas não a todos os cidadãos. Não dispondo de informa-
lência. Aos poucos, através de atenções e agrados, acabaram ções acerca do inimigo, pareceu-lhes suficiente, para qualquer
abrandando o povo e durante aquele ano, graças a esses artifí- eventualidade, organizar um simples serviço de segurança. Em
cios, a lei não foi promulgada. meio à inquietação, sem conhecer a natu reza e o número dos
inimigos, passaram o resto da noite a colocar pequenos desta-
Sublevação dos escravos e exilados 15 . Os cônsules Caio camentos nos pontos estratégicos da cidade.
por Ápio Herdônio Sabino. Cláudio, filho de Ápio , Ao raiar do dia , o inimigo e seu chefe foram reconhecidos.
e Públio Valéria Pu- Tratava-se de Ápio Herdônio que, tendo assumido a causa de
blfcola encontraram a cidade mais calma. Nada de novo assina- todos os miseráveis, do alto do Capitólio conclamava os escravos
lara o começo de um novo ano. A principal preocupação de à liberdade. Pretendia devolver a pãrtia aos exilados injusta-
todos era a apresentação e adoção da lei. mente banidos e arrebatar o escravo ao jugo vergonhoso. Prefe-
Quanto mais os jovens patrícios se insinuavam junto à ria que o povo romano tomasse essa iniciativa, mas se não
plebe, tanto mais os tribunos lutavam acirradamente contra houvesse esperanças de consegui-lo concitaria os volscos e os
eles, incriminando-os para tomá-los suspeitos aos olhos da plebe. équos, lançaria mão dos mais extremados recursos.

220 221
TITO UVIO HISTóRIA DE ROMA

Intranqüilidade em Roma. 16 . Tudo se tornara mais ela· Discurso do cônsul 17 . Quando foi anunciado que os ho-
ro aos patrícios e aos cônsu· Públio Valério. mens depunham as armas e abando-
les. Apavorava-os, contudo, a idéia de que os fatos denuncia- navam os postos, Públio VaJério pas-
dos pudessem ocultar uma trama dos veienses ou dos sabinos. sou a seu colega a presidência do Senado, saiu da cúria e
Uma multidão de inimigos já se achava na cidade. Em breve dirigiu-se ao local consagrado da assembléia 26 para falar aos
as legiões sabinas e etruscas lhes viriam ao encontro, acompa- tribunos.
nhadas pelos eternos inimigos, os volscos e os équos, dessa vez "O que significa isso? -perguntou-lhes. Seguir as ordens
não mais dispostos à pilhagem. mas a marchar sobre a cidade c os auspícios de um homem como Ápio Herdônio para fazer
já em parte ocupada. uma revolução? Conseguiu ele corromper-vos, quando nem aos
Temores de toda espécie apoderaram-se dos espíritos. escravos conseguiu convencer? No momento em que o inimigo
Entre outros dominava o terror em relação aos escravos 2s, que nos ameaça, ordenais a deposição das armas para pensar em
todos receavam ter em sua própria casa como inimigos. Não leis?" E dirigindo-se à multidão assim falou: " Cidadãos, se
sabiam se seria melhor confiar neles ou correr o risco de pro- não tendes amor a Roma nem a vós mesmos, respeitai ao menos
vocá-los ainda mais, retirando-lhes a confiança. Mesmo em os deuses, prisioneiros do inimigo. O grande e excelente Júpiter,
tempo de concórdia teria sido difícil evitar o perigo. Juno rainha, Minerva e outros deuses e deusas estão sWados.
Eram tão grandes os males que assolavam e invadiam Uma tropa de escravos mantém cativos os deuses patronos da
Roma que ninguém temia os tribunos ou a plebe, mal sem cidade 27 , e isto vos parece o quadro de uma cidade equili-
gravidade, mas sempre prestes a renascer quando outros males brada? Numerosos inimigos dominam não só nossas muralhas
serenavam, e que naquela ocasião parecia ter acalmado diante mas também a cidadela, o Fórum e a cúria. Entretanto, o povo
da ameaça externa. Entretanto, eles foram quase o único perigo realiza sessões no Fórum e o Senado as realiza na cúria. Como
real naquela grave situação. No auge do desatino, os tribunos se estivessem em plena paz, os senadores discutem e os eleitores
garantiram que não era uma verdadeira guerra que se travava votam! Nosso dever de patrícios e plebeus, cônsules e tribunos,
no Capitólio, mas apenas uma simulação de guerra para desviar deuses e homens, não seria o de armar-nos e correr em socorro
da lei a atenção da plebe. Aqueles homens não passavam de do Capitólio, o de reconquistar e expulsar o inimigo da morada
hóspedes e clientes dos patrícios. Se a votação da lei lhes mos- augusta do excelente e grande Júpiter? O Rômulo, pai, dá a
trasse a inutilidade do tumulto, eles partiriam no mesmo silêncio teus filhos a mesma coragem que outrora te ajudou a recon-
em que tinham vindo. Convocaram então o povo para votar quistar a cidadela, ocupada a preço de ouro por esses mesmos
a lei, e obrigaram-no a depor as armas. Os cônsules reuniram sabinos. Ordena que eles tomem o caminho que tomaste, tu e
o Senado e perceberam, diante da atitude dos tribunos, que havia teus exércitos. Frometo que, como cônsul, seguirei teus passos
perigo maior que a intrusão noturna do inimigo. tanto quanto um mortal deve seguir a um deus".

26 . O local onde se realizava uma assembléia ou se tratava de


25. Provável anacronismo. Em Roma, o terror aos escravos passou assuntos públicos era consagrado. Dar o emprego da palavra temp/um
a ser um fato muito justificado após a conquista do Oriente, quando (cf. 11, 56) .
o número de escravos era tão grande que possuir apenas três era sinal 27 . Os penates, diz o texto, sugerindo que a trfade capitolina
de pobreza. Na época de que fala Tito Lívio. o número de homens (na verdade de origem etrusca, e que só teve importância após a invasão
livres era muito superior ao de escravos. gaulesa) representava o que havia de mais íntimo na religião nacional.

222 223
TITO LfVIO HISTóRIA DE ROMA

. Ao terminar o di~curso, declarou que ele próprio empunha- cerem os agradecimentos de um Estado tão poderoso e tão
na armas e convocana todos os quirites à guerra. Se alguém próximo.
se opusesse então ele, consciente de seus poderes de cônsul Decidiram, então, enviar auxilio. Os jovens se inscreveram
sem levar em consideração o direito tribunício, as leis sagrada~ e receberam armas. Ao raiar do dia, chegaram a Roma e de
e quem quer que fosse, onde quer que estivesse, no Capitólio longe foram tomados por inimigos. Os romanos julgaram que
ou .n? Fórum, o trataria como inimigo. Os tribunos haviam se tratava dos équos e dos volscos mas, dissipado o engano,
prOibtdo pegar em armas contra Ápio Herdônio. Que o fizessem receberam-nos na cidade, e a coluna desceu até o Fórum.
agora contra o cônsul Públio Valéria, e ele trataria os tribunos Públio Valéria, que deixara ao colega a vigilância das
como seu primeiro antepassado 28 havia tratado os reis. portas da cidade, já estava organizando as linhas de batalha.
Um tu~ulto violento .parecia inevitável e o espetáculo de Com sua autoridade indiscutível havia afirmado que, uma
um~ r:volu__çao em Roma ta ser dado ao inimigo. Entretanto, vez retomado o Capitólio e pacificada a cidade, se lhe permitis-
~ let n.ao pode passar, nem o cônsul subir ao Capitólio. A noite sem demonstrar a cilada que se ocultava no projeto de lei
unpedtu o prosseguimento da luta e os tribunos cederam por apresentado pelos tribunos, então ele, fiel a seus antepassados,
temor às armas do cônsul. fiel ao cognome que lhe havia sido transmitido por seus
. Afa~tados os cabeças da conspiração, os patrícios introdu- ancestrais e significava preocupação com os interesses do povo,
Ziram-se JUnto à plebe. fndo de um grupo a outro, dirigiam-lhes não impediria que se reunisse a assembléia da plebe.
palavra.s adequadas à situação, mostrando-lhes a crise a que Apesar dos protestos dos tribunos, as tropas obedeceram
conduztam o Estado. Não se tratava de uma questão de rivali- às suas ordens e subiram a encosta do Capitólio acompanhadas
dade entre patrícios e plebeus. Patrícios e plebeus, cidadela pela legião de Túsculo. Aliados e cidadãos disputavam a honra
templ.os dos deuses, divindades protetoras da cidade c da~ de reconquistar a cidadela e os generais dos dois exércitos
famílias, tudo estava entregue ao inimigo. encorajavam seus homens. O pânico apoderou-se do inimigo,
Enquanto se procurava acalmar a situação no Fórum os que então confiava apenas na posição ocupada. Em meio à
cônsules mantinham-se junto às portas e às muralhas teme,ndo confusão, romanos e aliados iniciaram o ataque e já haviam
as hostilidades dos sabinos e dos veienses. ' repelido o inimigo até o vesttbulo do templo quando Públio
Valéria, que comandava o assédio na primeira linha, caiu morto.
Retomada do Capitólio. 18 . Na mesma noite, O ex-cônsul Público Volúmio ordenou logo a seus homens que
Morte de Públio Valério Publícola. emissários levaram a escondessem o corpo e assumiu o comando em lugar do cônsul.
Túsculo a notícia da No ardor da refrega, tão grave acontecimento passou desperce-
captura da cidadela, da ocupação do Capitólio e do estado de bido, e os soldados conseguiram a vitória sem notar que com-
agit~~ão em Roma .. Lúcio Mamílio, ditador em Túsculo naquela batiam sem o seu chefe.
ocastao, convocou Imediatamente o Senado e mandou entrar os A morte de grande número de exilados manchou o tem-
mensageiros. Insistiu para que não esperassem até que Roma plo. Alguns haviam caído prisioneiros e Herdônio fora morto.
man~ass~ pedir auxílio. O perigo iminente, os deuses da aliança E assim foi reconquistado o Capitólio. Os prisioneiros, homens
e a ftdelldade aos tratados exigiam uma atitude imediata. Nunca livres ou escravos, foram punidos de acordo com sua condi-
os deuses lhes apresentariam ocasião mais propícia para mere- ção 29 . Enviaram agradecimentos a Túsculo e logo depois limpa-

28. Isto é. Valério Publicola. 29 . Os primeiros, decapitados, os outros, crucificados.

224 225
TITO LlVIO HISTCRJA DE ROMA

ram e purificaram o Capitólio. Diz-se que os plebeus foram a vossos escravos e exilados. E vós (que minhas palavras não
à casa do cônsul oferecer cada um a quarta parte de um asse ofendam a Caio Cláudio e aos manes de Públio Valério), vós
como contribuição para a pompa do funeral de Públio Valério. conduzistes as tropas na subida ao Capitólio antes de expulsar
do Fórum esses inimigos. Que vergonha diante dos deuses e dos
Discurso do cônsul 19. Restabelecida a paz, os homens! Quando o inimigo estava na cidadela, no Capitólio,
Lúcio Qüíncio Cíncinato. tribunos instaram com os pa- quando um chefe de banidos e escravos, profanan~o todos e:se.s
trícios para que cumprissem a lugares, alojava-se no santuário do excelente e ompotente Ju~l­
promessa de Públio Valério e apelaram para Caio Cláudio a ter, Túsculo pegava em armas antes de Roma. Não se ~ab1a
fim de que permitisse a discussão da lei e poupasse um perjúrio se seria Lúcio Mamílio, um general tusculano, ou nossos consu-
aos manes de seu colega. O cônsul declarou que não autorizaria les Públio Valério e Caio Cláudio que libertariam a cidadela
o debate antes da substituição de seu colega. A polêmica durou de Roma! Outrora, mesmo quando os latinos quiseram defender
até a eleição do novo cônsul. seu próprio país contra a invasão, não lhes permitimos .P~~ar
No mês de dezembro, graças a uma violenta campanha dos em armas. Agora, se os latinos não houvessem tomado a mtcla-
patrícios, Lúcio Qüíncio Cincinato, pai de Ceso, foi eleito tiva de empunhar armas, estaríamos subjugados e destruídos. Isto,
cônsul, entrando imediatamente no exercício de suas funções . tribunos, é ser defensor da plebe? Entregá-la inerme ao mas-
Foi um golpe para a plebe, que iria ter um cônsul rancoroso, sacre dos inimigos? Ora, se o mais humilde de vossos caros
fortalecido pelo apoio dos patrícios, por seus méritos pessoais plebeus, desta plebe que separastes do r~st~ da na.ção para
e por seus três filhos, nenhum deles inferior a Ceso em grandeza transformá-la em vossa pátria e vossa repubhca particular, se
de alma, e até mesmo superiores a ele pela prudência e mode- um deles viesse dizer-vos que sua casa estava cercada por
ração, quando as circunstâncias o eJtigiam. escravos armados, por certo sentir-vos-íeis obrigados a levar-lhe
Desde o infcio de sua magistratura, o cônsul de sua tribuna auxílio. E o excelente e onipotente Júpiter, cercado de banidos
usava constantemente da palavra, e com igual veemência com- e escravos armados, não era digno de nenhum socorro humano?
batia a plebe e admoestava o Senado. Por causa da inércia desse E querem ser ridos por s.agrados e ~nvioláveis es~es . home.n~
órgão, dizia ele, era que os tribunos da plebe se perpetuavam para os quais nem os própnos deuses sao sagrados e mv10láve1s.
no cargo, transformando a república romana em um antro de Mas vós, embora esmagados por vossos crimes contra os deuses
corrupção, onde reinavam com suas calúnias e crimes. Junta- e os homens, repetis que fareis votar a lei este ano. Neste
mente com seu filho Ceso, a firmeza de caráter e todas as caso, se a propuserdes, minha eleição terá sido um dia de
virtudes civis e militares da juventude haviam sido expulsas infelicidade para o Estado, mil vezes pior do que a morte do
e banidas de Roma. Enquanto isso, intrigantes, sediciosos, semea- cônsul Públio Valéria. No momento, cidadãos, antes de mais
dores de discórdia, tribunos reeleitos duas e três vezes por
nada pretendemos, meu colega e eu, marchar à frente das legiões
vergonhosas manobras viviam numa licenciosidade régia. "Este
contra os volscos e os équos. Por uma fatalidade inexplicável,
famoso Auto Virgínio, que não esteve no Capitólio, merecerá
os deuses nos são mais favoráveis na guerra do que na paz.
menos a morte do que Ápio Herdônio? Ahl certamente ele a
O perigo que terfamos de recear se esses dois povos tivessem
merece, se examinarmos bem a questão. Se nada mais houvesse,
Herdônio, declarando-se vosso inimigo, praticamente vos man- sabido que o Capitólio estava em poder dos exilados, é prefe-
dava pegar em armas, ao passo que o outro, afirmando que não rível imaginá-lo depois de passado a ter de experimentá-lo real-
havia guerra, va-las retirava das mãos e vos entregava indefesos mente".
227
226
TITO LIVIO
HISTóRIA DE ROMA
Obstrução de 20 . A plebe foi sensível ao dis-
Tito Qüíncio Cincínato curso do cônsul. Os patrícios re- apresentadas propostas ao povo ' 2 • Tudo o que a violência dos
à promulgação da lei. tomaram a coragem, julgando a tribunos fizera votar em Roma poderia ser anulado nos comícios
ordem restabelecida. O outro côn- que ali se realizassem. Todos aprovariam o que os cônsules
sul, ~ais disposto a seguir uma iniciativa do que a tomá-la, desejassem, porque o direito de apelação só existia num raio
depots de admitir sem dificuldades que seu colega assumisse em de mil passos em torno de Roma . Se os tribunos, em meio à
p~imeiro lugar a responsabilidade de medidas tão graves, reivin- multidão de outros quirites, chegassem até aquele local, estariam
dtcava sua parte na execução das tarefas consulares. sujeitos à autoridade dos cônsules.
. Não vendo nisso tudo mais do que palavras vãs, os Esses rumores amedrontaram os tribunos. O que mais os
tnbunos voltaram ao ataque, indagando com que tropas os aterrorizava, porém, era que Qüíncio não cessava de afirmar
cônsules entrariam em guerra se ninguém lhes permitiria proce- sua intenção de não promover novas eleições consulares. A
der ao recrutamento. " Nós, replicou Qüincio, não temos neces- nação estava tão doente que os remédios comuns não bastavam
sidade de recrutamento. Quando Públio Valéria armou os para curá-la. A república carecia de um ditador. Assim, se
plebeus para a retomada do Capitólio, todos fizeram o jura- alguém resolvesse perturbar a tranqüilidade do Estado ficaria
mento de atenderem ao chamado do cônsul e de não se reti- sabendo que a ditadura era sem apelação.
rarem se~ sua ordem. Portanto, ordenamos a todos vós, que
prestastes JUramento, que vos apresenteis armados amanhã junto Discurso de 21 . O Senado estava f uncionan-
ao lago Regilo". Tito Qüíncio Cincinato. do no Capitólio, para onde se
Os tribunos começaram então a sofismar, procurando des- dirigiram os tribunos seguidos
ligar o povo do compromisso. Diziam eles que Qüíncio não era pela plebe transtornada. A multidão em altos brados clamava
magistrado na época em que haviam prestado juramento 30. pela benevolência, ora dos cônsules, ora dos senadores. Mas o
Mas a indiferença religiosa de nosso século ainda não se cônsul permaneceu impassível até que os tribunos prometeram
havia manifestado. Não se usava de sutileza para acomodações aceitar a decisão do Senado. Então, quando o cônsul apresentou
de ordem pessoal diante do juramento e da lei. Ao contrário, as reivindicações dos tribunos e da plebe, o Senado decidiu que
as ações se acomodavam à lei. os tribunos não apresentariam naquele ano o projeto de lei, nem
Sem esperança de conseguir impedir a marcha, os tribunos os cônsules levariam o exército para fora da cidade.
propuseram adiá-la, tanto mais que corria o boato de que os A partir daquela data, a prorrogação de mandatos e a
áugures haviam sido enviados ao lago Regilo para consagrar reeleição de tribunos seriam considerados pelo Senado prejudi-
um local 31 onde, depois de tomados os auspícios, pudessem ser ciais à república. Os cônsules submeteram-se à autoridade do
Senado, mas os tribunos foram reeleitos, apesar dos protestos
30. Qüi'ncio considerava o juramento como um compromisso dos cônsules. Os patrícios, por sua vez, para não ceder à
assumido com a magistratura consular e não com a pessoa do cônsul. plebe, quiseram reeleger o cônsul Lúcio Qüíncio. Nunca, du-
31. Todo local escolhido para a votação deveria ser consagrado rante aquele ano, p ronu nciara ele discurso mais veemente:
(tempfum). Os tempfa dos comlcios em Roma já o haviam sido de uma
vez por todas. Mas a escolha de um novo local exigia a intervenção
dos áugures patrlcios para que se pudessem tomar regularmente os 32. Eram os comfcios centuriatos, de origem militar e que, por
auspfcios na hora em que se reunisse a assembléia. isso mesmo, se realizavam geralmente no Campo de Marte, fora da
cidade, mas no raio de ação do poder tribunfcio.
228
229
TITO LIVIO HISTOR IA DE ROMA

.. Por que me admirar, senadores, de não terdes autoridade !!quos. Hérnicos e latinos forneceriam os contingentes determi-
sobre a plebe? Sois vós mesmos que a enfraqueceis. Porque a nados pelo tratado, e o exército romano contaria com dois
plebe violou vosso decreto sobre a prorrogação de mandatos terços de aliados e um terço de cidadãos.
quereis também violá-lo, para não vos mostrardes menos teme- No dia marcado chegaram os aliados. O cônsul instalou o
rários do que a multidão, como se o poder político crescesse acampamento fora da porta Capena, onde passou em revista
com a inconseqüência e a leviandade. Na verdade, é mais as tropas. Partiu então para Âncio, e estabeleceu-se próximo
absurdo e incoerente infringir as próprias decisões e os próprios à cidadela e ao acampamento inimigo. Como o exército dos
decretos do que os de outrem. Senadores, imitais a turba irrefle- équos ainda não tivesse chegado, os volscos não ousaram ence-
tida. Vós, que deveríeis servir de modelo aos outros e dar ao tar o combate e procuravam proteger-se abrindo trincheiras.
povo o exemplo de vossa integridade, seguis os maus exemplos No dia seguinte, ao invés de formar um único exército misto
da plebe. Quanto a mim, não espereis que imite os tribunos com os aliados e os cidadãos, Fábio dividiu os soldados das
e aceite ser reeleito cônsul, violando o decreto do Senado. três nações em três batalhões distintos e distribuiu-os em volta
Quanto a ti, Caio Cláudio, eu te exorto a que afastes o povo da trincheira do inimigo, permanecendo ele próprio no centro
romano da ilegalidade e te convenças de que não te acusarei com as legiões romanas. Ordenou em seguida aos aliados que
de me ter privado de uma dignidade, mas de ter contribuído observassem os sinais e o seguissem, fosse para atacar, fosse
para aumentar a glória de tê-la rejeitado, poupando-me a deson- para recuar. Do mesmo modo deixou a cavalaria em cada
ra de uma prorrogação". batalhão e a dispôs na segunda linha. Assim atacou o inimigo
Decretaram de comum acordo que não se votasse em Lúcio em três frentes, envolveu-o, acuou-o de todos os lados e desa-
Qüíncio para cônsul e que fosse considerado nulo qualquer lojou-o das trincheiras num assalto insustentável. Em seguida,
voto que se lhe atribuísse. franqueou as últimas defesas, impeliu a tropa em debandada
para um único local e expu lsou-a do campo de batalha.
Guerra contra équos e volscos. 22 . Foram eleitos cônsu- A cavalari&, que até então não tinha podido atravessar as
les Quinto Fábio Vibu- trincheiras e permanecia como espectadora do combate, alcan-
.lano, pela terceira vez, e Lúcio Cornélio Maluginense. Naquele çou o inimigo em fuga em terreno livre, e tomou parte na
ano realizou-se o recenseamento, mas, por motivo da ocupação
vitória massacrando aqueles homens apavorados. Foi grande
do Capitólio e da morte do cônsul, escrúpulos religiosos impe-
a carnificina dentro e fora do campo de batalha e maiores ainda
diram a cerimônia final de purificação.
os despojos , pois os volscos mal puderam carregar as armas.
Desde o início do ano do consulado de Quinto Fábio e
Lúcio Cornélio, a situação era inquietante. Enquanto os tribunos Seu exército teria sido totalmente arrasado se a floresta não
instigavam a plebe, latinos e hérnicos anunciavam uma grande lhe houvesse coberto a retirada.
guerra com os volscos e os équos. Segundo eles, os volscos já
se achavam em Âncio. Temia-se que essa colônia aderisse ao Vitória sobre équos e volscos. 23. Enquanto esses acon-
inimigo, e a contragosto os tribunos consentiram que a guerra tecimentos ocorriam em
tivesse prioridade. Âncio, os équos enviaram um destacamento de jovens para, du-
Os cônsules dividiram entre si o comando: Fábio encar- rante a noite, tomarem de surpresa a cidadela de Túsculo.
regou-se de conduzir as legiões a Âncio, e Comélio de proteger Com o restante do exército, estabeleceram-se próximo às mura-
Roma contra a pilhagem dÔs inimigos, tática predileta dos lhas da cidade para dividir as tropas do inimigo.

230 231
TITO UVIO HISTóRIA DE ROMA

A noticia foi rapidamente transmitida a Roma e de Roma cito era mantido fora da cidade por uma manobra ardilosa.
ao campo de Ãncio. Os romanos ficaram estarrecidos como se Com essa cilada pretendia-se frustrar a promulgação da lei, mas
lhes tivessem anunciado a tomada do Capitólio. O auxilio que nada os impediria de levar a termo seus objetivos. ~ntretant~,
lhes fora prestado pelos tusculanos era ainda recente. A seme- a pedido de Lúcio Lucrécio, prefeito de Roma, a açao dos tn-
lhança do perigo parecia-lhes exigir uma igual retribuição. bunos foi adiada até a volta dos cônsules.
Abandonando tudo, Fábio mandou transportar para Ãncio Nesse ínterim, surgiu um novo motivo de perturbação. Os
os despojos retirados do acampamento dos volscos, e deixando questores 33 Aulo Cornélio e Quinto Servflio citaram Marco
no local uma pequena guarnição marchou rapidamente com seu Vólscio em juízo, por falso testemunho apresentado contra Ces~ .
exército para Túsculo. Além das armas e de alimentos cozidos, Havia inúmeros indícios de que o irmão de Vólscio não fora ma1s
fáceis de serem transportados, os soldados nada mais levariam visto em público desde o dia em que adoecera, e nem sequer se
consigo. O cônsul Cornélio se encarregaria de remeter víveres levantara após uma doença que o consumira durante vários
de Roma. meses e o levara à morte. Por outro lado, na época em que
A guerra durou vários meses em Túsculo. Com a metade a testemunha havia situado o crime, Ceso não fora visto em
do exército, o cônsul atacava o acampamento dos équos, e com Roma. Afirmavam seus companheiros de armas que ele se
a outra metade auxiliava os tusculanos a recuperarem sua cida- achava em serviço e não obtivera licença alguma. Se não fosse
dela. Não foi possível tomá-la de assalto, mas a fome acabou verdade, desafiavam Vólscio a comparecer diante do juiz, em
obrigando os inimigos a sairem. Reduzidos a essa situação caráter privado.
extrema, todos passaram sob o jugo, sem armas e sem equipa- Como Vólscio não ousasse apresentar-se em juizo, esses
mento. fatos tornavam sua condenação tão indiscutível quanto outrora
Quando batiam em vergonhosa retirada tentando regressar seu testemunho contra Ceso. O impedimento partia dos tribunos
que não deixavam os questores reunir a assembléia , p_ara o j~­
34
à pátria, o cônsul romano foi encontrá-los no Algido e mas-
sacrou até o último homem. Vencendo em Columino - esse é gamento do réu, antes que o fizessem para a aprovaçao da le1.
o nome da região - , o cônsul reconduziu as tropas ao acampa- Assim os dois assuntos foram adiados até a volta dos cônsules.
mento. O segundo cônsul, por sua vez, vendo que as muralhas Após o regresso triunfal dos cônsules à fre~te dos ex~rcitos
de Roma já não corriam perigo, uma vez que o inimigo fora vitoriosos, não se ouviu mais falar da lei e mmtos acredttavam
repelido, saiu também da cidade. Assim, penetrando ao mesmo que os tribunos tivessem sido derrotados. Mas como o .ano
tempo no território inimigo por caminhos diferentes, os cônsu- estivesse quase findando e eles aspirassem a um quarto tn.bu-
les conseguiram derrotar e despojar de um lado os volscos, de nato, reservaram para os debates eleitorais o ardor que devenam
outro os équos. empenhar a serviço da lei. Embora os cônsules s: opuse~sem,
Nesse mesmo ano, segundo a maioria dos autores, Ãncio tanto à continuidade do tribunato quanto à aprovaçao da le1 que
aderiu ao inimigo. Foi o cônsul Lúcio Cornélio quem fez a
campanha e tomou a cidade. Mas não afirmarei como certo
um fato que nenhum dos mais antigos historiadores mencionou. 33 . Os questores parricidii cujo mandato Tito Uvio parece, talvez:
por confusão com os questores (magistrados financeiros) da época
clássicn, considerar ordinário e anual, provavelmente era~ lega~os
Citação de Marco Vólscio. 24 . Terminada a guerra, os judiciários dos cônsules, como outrora os duúnviros o hav1am s1d0
tribunos provocaram uma ou- em relação ao rei.
tra mais inquietante para os patrfcios. Clamavam que o exér- 34. Primeira intercessão dos tribunos em matéria judiciária.

232 233
TITO UVJO HISTORIA DE ROMA

lhes restringiria o poder, a vitória da causa pertenceu aos tri- Postúmlo, para protestar contra a ofensa e exigi_r reparação
bunos. em nome do tratado. O general dos équos mandou dtzer-lhes que
Nesse mesmo ano foi aceito o pedido de paz dos équos, transmitissem ao carvalho as reclamações do Senado romano,
e terminadas também as operações do recenseamento, iniciadas pois no momento tinha mais o que faz~r. O carva~o era uma
no ano anterior. Ao que parece, este foi o déci mo recenseamento árvore imensa que dominava o pretóno e protegta com sua
desde a fundação de Roma. Registrou-se o número de cento sombra espessa a tenda do general. Ao retirar-se, um dos le~ados
e dezessete mil trezentos e dezenove cidadãos. Os cônsules co- disse : " Que este carvalho sagrado e todos os deus~s saibam
briram-se naquele ano de glória militar e política, por terem que 0 tratado foi rompido por vós e propiciem, hoJ~, nossas
obtido a paz no exterior e, senão a concórdia, pelo menos a reclamações e, amanhã, nossas armas, quando pumrmos ao
calma nas relações internas da cidade. . d'tvmo
mesmo tempo a violação do diretto . e humano 35" ·
Com a volta dos legados a Roma, o Senado encarregou
Violação do tratado de aliança 25 . Os cônsules do ano um dos cônsules de marchar contra Graco no Algido e confiou
pelos équos. seguinte, Lúcio Minúcio ao outro a missão de devastar o território dos équos. Como_de
e Caio Náucio, arcaram costume os tribunos se opuseram ao recrutamento e ter-se-Iam
com a responsabilidade das duas causas do ano anterior. Da oposto ~té o fim se não tivesse surgido nova ameaça.
mesma maneira os cônsules se opunham ao projeto de lei e
os tribunos ao julgamento de Vólscio. Os novos questores, p~ Invasão dos sabinos. Nomeação de 26. Os sabinos irrom-
rém, possuíam mais energia e maior autoridade. Eram eles Mar- Lúcio Qüíncio Cincinato ditador. peram com um gran-
co Valéria, filho de Mânio e neto de Volésio, e Tito Qüíncio de exército no terri-
Capitolino, que já fo ra três vezes cônsuL
tório romano e, após devastar os campos, aproximaram~se
Não podendo devolver Ceso à família Qüíncio nem devol- das muralhas, lançando o pânico na cidade. A plebe v?luntana-
ver à república o mais brilhante de seus jovens, Tito Qüíncio mente pegou em armas, apesar dos_ protestos dos tnbunos, e
m~via uma guerra justa e legítima contra o falso testemunho, que dois grandes exércitos foram arregtmentados. Com um deles
pnvara um inocente do direito de defender sua causa. Como Vir- Náucio marchou contra os sabinos, estabelecendo ~camp_amento
gí~io ~ra entre os ~tribunos quem mais se ocupava do projeto de no Ereto. Em seguida, por uma série de pequenas mcursoes _rea-
let, fot dado aos consules um prazo de dois meses para que estu- lizadas principalmente à noite, o cônsul vingou-se dos sabmos
dassem o texto da lei e mostrassem ao povo as ciladas que devastand~lhes de tal modo o território que, em confro.nto, o
ocultava, após o que deveriam permitir sua votação. Durante território romano quase parecia não ter sofrido uma guerra.
esse intervalo a tranqüilidade reinou em Roma. Minúcia, porém, não teve a mesma sorte nem a ~e~m~
Os équos, porém, não deixaram que essa tranqüilidade se energia em sua expedição. Acampando não muito longe do _m~mt­
prolongasse. Rompendo o tratado concluído com os romanos go sem ter ainda sofrido qualquer derrota, manteve-se ttmtda-
no ano anterior, confiaram o comando de suas tropas a Graco m~nte em seu acampamento. Quando os inimigos percebe~a?"
Clélio, o homem mais importante do país. Sob seu comando, a fraqueza do adversário. como em geral acontece, sua audacta
devastaram o território de Labico, depois o de Túsculo, e carre-
gados de despojos, como um bando de saqueadores, estabelece- 35 Em virtude das cerimônias religiosas que os acompanhavam ,
ram acampamento no monte Algido. A esse local foram ter trab~lhos possuiam sempre caráter sagrado. Além ~isso, tam~ém
05
os legados romanos Quinto Fábio, Públio Volúm io e Au la eram sagrados os embaixadores de quem Graco Clélio havta escarnectdo .

2)4 235
HISTóRIA DE ROMA
TITO LIVIO
Um barco oficial aguardava Qüíncio. Na margem esquerda
aumentou e durante a noite atacaram o acampamento. Não do rio esperavam-no seus três filhos, parentes, amigos e grande
conseguindo tomá-lo de assalto, no dia seguinte o sitiaram. parte dos senadores. Todas as pessoas que o cercav~m e os
Mas, antes que fossem cercadas as trincheiras e barradas todas lictores que 0 precediam escoltaram-no até sua casa. Fot gran?e
as saídas, cinco cavaleiros conseguiram atravessar os postos também a concorrência da plebe que não se mostrou, to~avta,
avançados do inimigo e levar a Roma a notícia de que o muito alegre com a presença de Qüíncio. Achava excesstva a
cônsul e seu exército estavam sitiados. Nenhuma notícia poderia autoridade ditatorial e mais rigoroso ainda o caráter do homem
ter sido mais imprevista e inesperada. O terror e a agitação que ia exercer a ditadura. Naquela noite, houve apenas um
foram tão grandes como se a própria Roma, e não um acampa- serviço de prontidão na cidade.
mento, estivesse sitiada pelo inimigo. O cônsul Náucio foi cha-
mado, mas, como não o julgassem suficientemente capaz, resol- Recrutamento de um exército 27 . No dia seguinte, o di-
veram nomear um ditador para restabelecer a situação, e Lúcio por Lúcio Qüíncio Cincinato. tador chegou ao Fórum an-
tes do amanhecer e nomeou
Qüincio Cincinato foi escolhido por unanimidade.
Aqueles que tudo desprezam no mundo, exceto a riqueza, comandante da cavalaria Lúcio Tarquício, ~escendent: de famí-
e acreditam que a honra e o mérito só existem no seio da \ lia patrícia, que havia servido na. infantan~ e~ .razao de su~
pobreza ss, mas era considerado o JOvem mats eftctente do exér
opulência, deveriam meditar sobre o exemplo que se segue. -
À margem direita do Tibre, exatamente em frente do local onde cito romano.
Cincinato compareceu à assembléia com seu comandante
hoje se encontram os estaleiros navais 36 , Lúcio Qüíncio, única
da cavalaria, decretou o recesso dos tribunais e o . fecha~ento
esperança do povo romano, cultivava quatro jeiras de terra,
de todas as lojas da cidade. Proibiu quaisquer negóctos pnva~os
a que se dava o nome de Prado de Qüíncio. Lá o foram e ordenou a todos os cidadãos em idade de prestar servtço
encontrar os emissários do Senado, curvado sobre sua enxada militar que, antes do pôr-do-sol, se reunissem . no Campo. de
ou ao cabo da charrua, a cavar a terra. Seja como for, o fato Marte armados e com doze estacas s9, levando alimentos coztdos
é que estava entregue ao trabalho da lavoura quando a dele- para ~inco dias. Quem não estivesse mais. e.m idade ~e. combate~
gação, após uma troca de saudações, pediu-lhe que vestisse a deveria preparar os alimentos de seu vtzmho mobtltzado, en
toga para ouvir, em seu próprio benefício e em benefício da quanto ele preparasse as armas e fosse à procura de estacas.
república, uma comunicação do Senado. Assustado, Qüíncio Os jovens se dispersaram em busca de estac?s e ~egaram as
perguntou: "Tudo vai bem?" e pediu a Racília, sua mulher, que que achavam por perto, sem que ninguém os tmpedtsse. Todos
fosse depressa buscar a toga na choupana 37 • Limpou-se da obedeceram prontamente à ordem do ditador.
poeira e do suor e apresentou-se vestido com a toga. Imediata- Marchando com a coluna em ordem de co~bate, para o
mente os delegados proclamaram-no ditador, felicitaram-no e caso de uma emergência, 0 próprio ditador assumtu o comando
pediram-lhe que viesse a Roma, informando-o do pânico que das legiões, confiando a cavalaria ao seu comandante. Ambos
reinava no exército.
38 . Durante muito tempo a cavalaria foi recrutada apenas entre
36 . Na região vaticana, perto do castelo de Santo Angelo. os patrícios que tinham recursos para manter seu cavalo.
37 . E evidente que Tito Lívio aproveita o episódio para mostrar 39 . Destinadas a erguer a paliçada do aca~pamento que todo
a simplicidade dos antigos romanos, tendo em vista o cunho moralizante exército romano estabelecia onde quer que se deuvesse.
de sua História.
237
236
TITO UVIO H ISTORIA DE ROMA

dirigiam aos seus comandados as exortações que as circunstân- que o exército já tivesse caído sobre a retaguarda do inimigo.
cias exigiam, isto é, que andassem mais depressa. Era preciso Portanto, tomassem as armas e o seguissem.
correr para que pudessem chegar ao campo inimigo antes do Travou-se combate em plena noite. Os gritos de guerra
anoitecer, pois o cônsul e o exército romano estavam cercados anunciaram ao ditador que as legiões romanas lutavam também
há dois dias. Era impossível imaginar o que poderia acontecer em daquele lado. Os équos já se preparavam para impedir que o
uma noite ou em um dia. Um segundo bastaria para mudar o ditador os cercasse, quando os sitiados iniciaram o ataque.
curso da história. " Mais depressa, porta-estandarte", "Adiante, Receando que suas linhas fossem rompidas pelos atacantes do
soldados!" gritavam uns aos outros, para satisfação de seus co- interior, os équos negligenciaram a defesa externa, deixando-a
mandantes. para a noite, e combateram contra o cônsul até o amanhecer.
À meia-noite chegaram ao Algido e detiveram-se, no perce- Ao raiar do dia, estavam completamente bloqueados pelas forças
ber que estavam próximos do inimigo. do ditador e mal conseguiam sustentar a luta em uma das frentes .
Concluídos os preparativos de defesa, o exército de Qüíncio
Vitória de Lúcio Qüíncio Cincinato 28 . O ditador, tan- retomou as armas e atacou a trincheira inimiga. Os équos teriam
sobre os équos. to quanto a escuri- de enfrentar novo combate do outro lado, embora o primeiro
não tivesse ainda terminado. Premidos entre dois males, pas-
dão da noite o per-
saram das armas às súplicas, implorando ora ao ditador, ora
mitia, fez um reconhecimento a cavalo. Após ter observado a
ao cônsul, que não transformassem a vitória em massacre, mas
extensão do campo e sua forma, ordenou aos tribunos milita-
que lhes tomassem as armas e os deixassem partir. O cônsul
res que empilhassem os sacos de provisões e voltassem às filei- respondeu-lhes que se apresentassem ao ditador e este, em sua
ras, levando consigo as armas e as estacas, no que foi pronta- cólera, decidiu humilhá-los. Ordenou-lhes que trouxessem alge-
mente obedecido. mados à sua presença o general Graco Clélio e os demais
Conservando a disposição da marcha, Cincinato cercou o oficiais superiores, e lhe entregassem a cidadela de Córbio.
campo inimigo com todo o exército. A um sinal dado, todos Disse-lhes que não tinha necessidade do sangue dos équos.
deveriam dar um grito e logo após começariam a cavar o fosso Poderiam partir, mas só o fariam depois de passar sob o jugo,
para enterrar as estacas 40 • A ordem foi transmitida e o sinal para provar que sua nação fora derrotada e subjugada. Fizeram
dado. O grito dos soldados atravessou as linhas inimigas e foi um jugo com três lanças, duas plantadas em terra e outra amar-
ouvido no acampamento do cônsul, causando pavor a uns e rada transversalmente sobre elas, e sob esse jugo o ditador fez
alegria a outros. Os romanos ao ouvirem o grito de guerra de os équos passarem .
seus concidadãos regozijaram-se pela chegada de socorros e, de
seus postos avançados, começaram espontaneamente a hostilizar Triunfo de Lúcio Qüíncio Cincinato. 29. Apoderando-se
o inimigo. O cônsul declarou que não havia tempo a perder. Condenação de Vólscio. do acampamento
Aquele grito não significava apenas que chegara auxílio, mas dos équos, abaste-
que era o momento de tomar iniciativa. Não se admiraria de cido de material de toda espécie, o ditador distribuiu os des-
pojos apenas entre seus soldados, pois deixara-os partir sem
nada levar. Censurou então o exército do cônsul e o próprio
40 . As estacas eram fincadas no aterro formado. no interior do
acampamento, pela terra retirada do fosso. O conjunto fosso. aterro e cônsul dizendo: "Soldados, não recebereis os despojos de um
paliçada constituía a trincheira clássica do acampamento romano. inimigo do qual vós mesmos escapastes de ser a presa. E tu,

238 239
TITO UVJO HISTóRIA DE ROMA

Lúcio Minúcia, até que adquiras a coragem de um cônsul, Aumento do número 30 . Os cônsules do ano seguinte
serás meu ajudante de ordens à frente destas legiões". Diante de tribunos da plebe- foram Quinto Minúcia e Marco Ho-
disso, Minúcia renunciou ao consulado e permaneceu no exér- Batalha no Algido. rácio Pulvilo. No início do ano ,
cito sob as ordens do ditador. Naquela época um bom general como a paz reinasse no exterior, a
era sempre obedecido e honrado por seus comandados. Assim ordem interna foi perturbada pelos mesmos tribunos e em vir-
sendo, mais sensíveis ao serviço que lhes fora prestado do que tude do mesmo projeto de lei. Eles teriam ido mais l~nge -::-
à humilhação sofrida, os soldados ofereceram ao ditador uma tão exaltados estavam os ânimos - se, como de p ropóstto, .nao
coroa de ouro, de uma libra de peso, e ao partir o saudaram fosse anunciado um ataque noturno dos équos sobre Córbto e
com o título de patrono. 0 massacre da guarnição romana. Os cônsules convocaram o
Em Roma, o Senado foi convocado por Quinto Fábio, Senado e tiveram ordem de recrutar subitários a partir para o
prefeito da cidade, e decretou que Qüíncio e suas tropas entras- Algido.' Foi suspensa a discussão do projeto de le~ e surgiu
sem em triunfo na cidade. À frente de seu carro marchavam os então novo conflito quanto ao alistamento. A autondade ~on­
generais inimigos com suas insígnias militares, e atrás dele o sular parecia ceder diante do direito de ioterve.nção d.os t~tbu­
exército carregado de despojos. Dizem que foram colocadas nos quando sobreveio outra ameaça. Um exérctto sabmo mva-
mesas em frente de todas as casas e que os convivas, estimulados dir~ o território romano, saqueara-o, e já estava prestes a mar-
pela alegria do banquete, acompanharam o carro do ditador char sobre Roma.
entoando cânticos de triunfo e proferindo gracejos, comuns em O medo levou os tribunos a permitirem o alistamento, mas
tais solenidades. Naquele dia, com a aprovação geral , Lúcio Ma- sob uma condição. D iziam eles que durante cinco anos havi~m
mílio, de Túsculo, recebeu o direito de cidadania. sido iludidos e tinham oferecido pouca proteção à plebe. Assun
O ditador teria abdicado imediatamente se os comícios, reu- sendo, a partir de então deveriam ser nomeados dez tribunos
nidos para julgar Marco Vólscio por falso testemunho, não o da plebe. A necessidade obrigou os senadores a .concorda~em,
tivessem retido. Os tribunos não se atreveram a impedir o julga- com uma restrição apenas: os tribunos não sen am reelettos.
mento pelo temor que lhes inspirava o ditador. Vólscio foi Receando que após a guerra essa concessão ~osse. anulada,
condenado e exilou-se em Lanúvio. Ao fim de dezesseis dias, como tantas outras, as eleições tribunícias foram trne~tatarnente
Qüíncio abdicou à ditadura que recebera por seis meses. realizadas. Trinta e seis anos após a criação dos tnbunos da
Naqueles dias, em Ereto, o cônsul Náucio obtinha estron- plebe seu número foi elevado a dez, dois para cada _:!asse, e
dosa vitória contra os sabinos, que além da derrota sofrida nessa ocasião os tribunos tomaram todas as precauçoes para
tiveram também seus territórios devastados. Fábio foi enviado que, no futuro, fosse mantido o mesmo número.
ao Algido para substituir Minúcia. Fez-se então o recrutamento. Minúcia marchou contra os
No fim do ano, o projeto de lei foi retomado pelos tribu- sabinos, mas não conseguiu encontrá-los. Horácio travou .b~talha
nos, mas, como havia dois exércitos em campanha, os senadores no Algido, pois os équos haviam massacrado a guarotçao de
impediram que o projeto fosse apresentado ao povo. Contudo, Córbio e tomado Ortona. Matou muitos soldados e ~xpulsou
a plebe conseguiu reeleger pela quinta vez os mesmos tribunos. 0
inimigo não só do Algido mas também de Córbto e. ~e
Dizem que foram vistos lobos no Capitólio, donde os cães os Ortona. Em seguida. destruiu Córbio por ter traído a guarmçao
afugentaram, prodígio que obrigou à purificação do local. Tais romana.
foram os acontecimentos daquele ano.

240 241
TITO UVIO HISTORIA DE ROMA

Acordo entre patrícios e plebeus 31 . Marco Valéria e os projetos de lei da plebe lhes pareciam inaceitáveis, poderiam
para a redação de uma nova lei. Espúrio Virgínia foram concordar ao menos com a designação de uma comissão mista
então eleitos cônsules. de patrícios e plebeus com o encargo de redigir leis úteis às
Reinava a paz dentro e fora do país, porém o abastecimen- duas ordens e capazes de 2ssegurar a igualdade e a liberdade.
to estava difícil devido a chuvas excessivas. Foi votada a lei A idéia não desagradou aos patrícios. Contudo declararam
que autorizava o povo a se estabelecer no Aventino. Os tribu- que somente patrícios poderiam ser legisladores. E como todos
nos da plebe foram reeleitos. estivessem de acordo quanto à lei, discutindo-se apenas quem
No ano seguinte, no consulado de Tiro Romílio e Caio as proporia, foram enviados a Atenas os legados Espúrio
Vetúrio, o projeto de lei voltou a ser mencionado pelos tribunos Postúmio Albo, Auto Mânlio e Públio Sulpício Camerino com
em todos os seus discursos. Seria vergonhoso, diziam , que sendo a missão de copiar as célebres leis de Sólon e estudar as
eles agora em maior número o projeto de lei continuasse sem instituições, costumes e leis das demais cidades gregas.
solução durante o tempo de sua magistratura, como ficara nos
cinco anos precedentes. No auge da campanha, chegaram de Epidemia em Roma. 32. Naquele ano nenhuma
Túsculo mensageiros aterrorizados anunciando que os équos Retomo dos legados romanos guerra perturbou as rela-
haviam penetrado em seu território. Após o auxílio que aquele com as leis áticas. ções externas. Mais tran-
povo havia recentemente prestado aos romanos, seria uma qüilo ainda correu o ano
indignidade tardar em socorrê-lo. seguinte, no consulado de Públio Curiácio e Sexto Quintí-
Os dois cônsules, enviados à frente do exército, encontraram lio, em meio a um completo silêncio por parte dos tribunos.
o inimigo estabelecido em seu território, o Algido. Travou-se um Isto se devia, em primeiro lugar, à expectativa que reinava em
combate, onde mais de sete mil équos foram mortos e os demais torno do regresso dos legados enviados a Atenas para trazer as
postos em fuga. O saque foi considerável, porém os cônsules leis estrangeiras e, depois, a dois terríveis flagelos desencadea-
foram forçados a vendê-lo pois o tesouro estava exaurido. Essa dos simultaneamente - a fome e a peste - desgraça para os
medida tornou os cônsules odiosos ao exército e forneceu aos homens e para os rebanhos. Os campos foram devastados e
tribunos pretexto para os acusarem diante da plebe. Por esse Roma esvaziada pelas sucessivas mortes. Numerosas casas, entre
motivo, ao deixarem o cargo, no consulado de Espúrio Tarpéio as mais ilustres, ficaram enlutadas. Morreram o flâmine quirinal ,
e Auto Atérnio, eles foram citados: Romflio, por Caio Cálvio Sérvio Cornélio, e o áugure Caio Horácio Pulvilo, que os áugu-
Cícero, tribuno da plebe, e Vetúrio, por Lúcio Alieno, edil da res imediatamente substituíram por Caio Vetúrio, sobretudo por
plebe. Com grande indignação dos patrícios, ambos foram con- ter sido ele condenado pela plebe. Morreram também o cônsul
denados a pagar multas: Romílio. dez mil asses. e Vetúrio, Quintílio e quatro tribunos da plebe. A extensão da calamidade
quinze mil. trouxe o luto naquele ano, porém os inimigos permaneceram
A desgraça dos ex-cônsules, contudo, não enfraqueceu o tranqüilos.
ânimo dos novos cônsules. Poderiam também condená-los, Em seguida foram nomeados cônsules Caio Menênio e
diziam eles, mas nem a plebe nem os tribunos conseguiriam Públio Séstio Capitolino. Naquele ano também não houve
fazer passar a lei. guerras no exterior mas surgiram perturbações internas. Os
Renunciando àquele projeto de lei , sempre adiado, c que legados já haviam retornado com as leis áticas e os tribunos
há muito envelhecera, os tribunos fizeram uma proposta mais insistiam cada vez mais para que finalmente fosse iniciada a
moderada aos patrícios. Era preciso acabar com as disputas. Se redalfão das leis. Resolveu-se nomear decênviros, cujas decisões

242 243
TITO LfVIO HISTóRIA DE ROMA

seriam inapeláveis, e suspender naquele ano todas as demais De dez em dez dias cada um dos decênviros administrava
magistraturas. a justiça. Naquele dia, dispunha de doze fasces, enquanto os
Durante algum tempo discutiu-se se os plebeus seriam ou outros decênviros tinham a suas ordens apenas um apparitor.
não admitidos. Finalmente esse privilégio foi concedido aos Reinava absoluta concórdia entre eles. Essa harmonia poderia
patrícios com a condição de que a lei Icília relativa ao Aventino parecer perigosa a simples cidadãos, mas a eqüidade com que
e as demais leis sacras não fossem ab-rogadas. agiam em relação aos outros era perfeita. Para dar uma idéia
de sua moderação bastará um único exemplo. Foi desenterrado
Nomeação dos decênviros. 33 . Assim, no trecentésimo um cadáver em casa de Públio Séstio, cidadão de família patrí-
Liderança de Ápio Cláudio. segundo ano da fundação de cia, e o apresentaram ao povo. O crime era evidente e atroz.
Roma, a forma de governo Embora as decicões dos decênviros fossem inapeláveis, Caio
foi novamente mudada e o poder passou dos cônsules aos Júlio limitou-se a citar Séstio e a sustentar a acusação diante
decênviros, como outrora havia passado dos reis aos cônsu- da assembléia do povo. Em detrimento de seu próprio poder,
les. Essa mudança, entretanto, não foi tão importante porque numa causa em que era o legítimo juiz, cedeu esse direito ao
sua duração foi menor. Com efeito, a pós um começo feliz, aque- povo para aumentar-lhe a liberdade.
les magistrados entregaram-se a excessos que lhes apressaram a
queda, e o poder voltou às mãos de dois magistrados com o Votação da lei. 34 . Exercendo uma justiça rápida e im-
título de cônsules. parcial como a de um oráculo, tanto
Os decênviros nomeados foram Ápio Cláudio, Tito Genú- para os grandes como para os pequenos, os decênviros consa-
cio, Públio Séstio, Lúcio Vetúrio, Caio Júlio , Auto Mânlio, graram-se de corpo e alma à organização do código. Convoca-
Públio Sulpício, Públio Curiácio, Tito Romflio e Espúrio Pos- ram o povo em assembléia para apresentar-lhes as dez tábuas
túmio.
da lei, esperadas com tanta impaciência, e para tomarem conhe-
Cláudio e Genúcio, nomeados cônsules naquele ano, rece- cimento dos textos que lhes eram apresentados para o bem, a
beram o cargo a título de compensação, e Séstio, cônsul no ano prosperidade e felicidade da república, deles próprios ,e de seus
anterior, recebeu-o por ter proposto aquela medida ao Senado. filhos. Em benefício do povo haviam empregado toda a clarivi-
apesar da oposição de seu colega. Depois deles, foram nomea- dência de que eram capazes dez espíritos humanos, para tomar
dos os três legados que haviam sido enviados a Atenas, para a todos, grandes e pequenos, iguais perante a lei. Contudo, gran-
recompensá-los da longa viagem e também porque se acreditava de número de homens possu(a ainda maior soma de inteligência
que o conhecimento que tinham das leis estrangeiras poderia e sabedoria. Deveriam, portanto, analisar minuciosamente todos
ser útil na redação do novo código. Os outros foram indicados os artigos da lei, discuti-los entre si, e estudarem juntos o que
apenas para completar o número. Diz-se que os últimos a deveria ser suprimido ou acrescentado. Poder-se-ia então dizer
serem eleitos eram homens de idade avançada, incapazes por- que o povo romano teria leis propostas pelo consenso unânime
tanto de fazer oposição acirrada às decisões dos demais. dos cidadãos e não apenas leis por eles sancionadas.
A pres idência do colégio foi confiada a Apio por sua popula- Após cada capítulo da lei ter recebido emendas propostas
ridade junto à plebe. Ele assumira uma personalidade totalmente pelo povo, a lei das dez tábuas foi considerada perfeita e sub-
diferente. Parecia ter-se tornado amigo da plebe e defensor de metida aos comícios centuriatos que a aprovaram. No imenso
seus interesses, ele, ou trora seu feroz e implacável inimigo. acervo de leis acumuladas umas sobre as outras no decorrer
244
245
TITO LfVIO HISTóRIA DE ROMA

dos tempos, elas continuam sendo até hoje a fonte de todo o Não ousando opor-se abertamente às ambições de Ápio,
direito público e privado. seus colegas resolveram refreá-lo aparentando favorecê-lo. Por
. _Corre~ e~tão o rumor de que faltavam duas tábuas, cuja unanimidade, concederam-lhe a honra de presidir às eleições,
adtçao era mdtspensável para perfazer o corpo do direito roma- por ser o mais jovem, hábil manobra que o impediria de eleger-
no. Como se aproximasse o dia dos comícios, essa expectativa se a si próprio, pois a não ser os tribunos da plebe (e isto fora
inspirou o desejo de nomear novos decênviros. A plebe, a péssimo exemplo), ninguém jamais o fizera. Ele, porém, declarou
quem o nome dos cônsules não era menos odioso que o dos que aceitaria a presidência das eleições para o bem d~ Estado,
r:is, ~á não procurava o auxHio dos tribunos em caso de apela- e considerou o impedimento como uma boa oportumdade. E
çao v.ts.to que os decênviros, depois de proferirem uma sentença, quando os dois Qüíncios, Capitolino e Cincinato, seu próprio
perrmham que ela apelasse para seus colegas. tio Caio Cláudio, um dos mais firmes esteios da nobreza, e
outros cidadãos da mesma categoria foram afastados do pleito
Eleição de novos decênviros. 35. Quando decidiram que por manobras políticas, Ápio Cláudio fez eleger decênviros
a eleição dos decênviros se- homens cuja vida estava longe de possuir o mesmo brilho
ria realizada três semanas depois, a ambição exacerbou-se a daqueles candidatos. Em primeiro lugar, ele próprio se ~legeu,
tal ponto que até os cidadãos mais ilustres - por medo, creio fato que os homens honestos condenaram, tanto mats que
eu, de ~acilitar o acesso ao poder de pessoas não muito dignas, ninguém acreditara que tivesse a ousadia de fazê-lo. Juntamente
caso detxassem o lugar vago - solicitavam o voto dos eleitores com ele foram eleitos Marco Cornélio Maluginense, Marco
e. suplicavam humildemente aos plebeus, seus antigos adversá- Sérgio, Lúcio Minúcia, Quinto Fábio Vibulano, Quinto Petélio,
nos, que votassem neles para aquele cargo honorífico que outro- Tito Antônio Merenda, Ceso Duílio, Espúrio Opio Cornicino e
ra haviam combatido. Mânio Rabuléio.
Ao ver aqueles homens respeitáveis por sua idade e por
suas altas dignidades arriscarem-se naquela luta, Apio Cláudio Instauração de 36 . Aquele foi o fim da comédia
sentiu-se estimulado. Era impossível dizer se se tratava de um um regime de terror. representada por Ápio. A partir
dos decênviros ou de um simples candidato. As vezes, dava a de então, começou a viver de acor-
impressão de ser apenas um aspirante ao cargo e não um do com seu temperamento e a amoldar os colegas ao seu
magistrado no exercício de suas funções. Atacava os nobres e próprio caráter, antes mesmo de empossar-se no cargo. Diaria-
exaltava os candidatos mais medíocres e de origem mais obscura. mente eles se reuniam sem testemunhas para elaborar planos
Agitando-se em meio aos antigos tribunos como os Duílios e os para um governo arbitrário, que amadureciam em segredo.
!cílios, ele passeava pelo Fórum fazendo-se valer junto à plebe Assim, não mais dissimulando sua arrogância, desdenhosos para
pela companhia daqueles homens, a ponto de seus colegas, que com os interlocutores, difíceis de serem abordados, chegaram
até então lhe haviam sido inteiramente dedicados, começarem aos idos de maio.
a observá-lo e a desconfiar de suas pretensões. Aquela atitude Naquela época, era nos idos de maio que os magistrados
não lhes parecia sincera. Com certeza não era gratuitamente tomavam posse de seus cargos. O primeiro dia de exercício de
que semelhante orgulho se abrandara. Aproximar-se do colégio sua magistratura foi assinalado por uma atitude que infundiu
com aqueles excessos, e tratar com intimidade a simples parti- grande temor. Os decênviros anteriores haviam conservado o
culares, parecia atitude de quem não tinha pressa em abandonar costume de dar os fasces apenas a um dentre eles e esse
o cargo e procurava o caDlÚlbo da prorrogação do mandato. símbolu real passava a todos, cada um por sua vez. Inesperada-

246 247
TITO LlVIO HISTóRIA DE ROMA

mente, todos os decênviros se apresentaram em público com pais senadores odiavam os decênviros não menos odiavam a
doze fasces, e cento e vinte lictores encheram o Fórum osten- plebe. Embora não aprovassem aquela situação, consideravam
tando os segures ligados aos feixes de varas. Os decênviros merecida a infelicidade dos plebeus. Não pretendiam ajudar
declararam então que os segures seriam mantidos, uma vez que aqueles homens que por seu insaciável desejo de liberdade se
eles eram magistrados sem apelação. haviam lançado na escravidão. Queriam vê-los cada vez mais in-
Assemelhavam-se a dez reis que multiplicavam o temor não justiçados para que o sofrimento do presente os fizesse ter sau-
só dos humildes como também dos mais nobres dentre os patrí- dades do regime antigo e dos dois cônsules.
cios. Pensava-se que eles aguardavam apenas um pretexto para A maior parte do ano já havia decorrido. Duas tábuas da
começar o massacre. Se alguém pronunciasse no Senado ou na lei haviam sido acrescentadas às dez do ano anterior e nenhum
assembléia do povo uma palavra que se referisse à liberdade, motivo justificava a permanência daqueles magistrados, uma
imediatamente as varas e os segures estariam preparados para vez que as leis haviam sido votadas pelos comícios centuriatos.
infundir medo também nos outros cidadãos. Pois além de não Aguardava-se para muito breve um decreto que marcasse a eleição
haver mais qualquer proteção para o povo depois de suprimido dos cônsules. A plebe preocupava-se apenas com os meios de
o direito de apelação, abolia-se também por unanimidade o restabelecer o poder tribunício, esse monumento da liberdade.
direito de intercessão. Os primeiros decênviros, ao contrário, Entretanto, ninguém se referia às eleições. Os decênviros
permitiam que fosse feita apelação a um colega para modificar que outrora viviam ostensivamente cercados pelos antigos tribu-
as sentenças proferidas, e remetiam ao povo os assuntos que nos para se tornarem simpáticos à plebe eram agora protegidos
lhes pareciam de sua competência. por jovens patrícios, que formavam verdadeiras barreiras em
Durante algum tempo, a ameaça foi igual para todos, mas volta de seu tribunal. Assim roubavam a plebe, saqueavam os
aos poucos começou a pesar exclusivamente sobre a plebe. Os bens da plebe, certos de que, fosse qual fosse o objeto cobiçado,
patrícios eram poupados, mas os plebeus tratados arbitrária e a fortuna sorriria sempte aos donos do poder. Em breve não
cruelmente. Interessava aos decênviros a pessoa e não a causa, recuavam nem mesmo diante de castigos corporais, como o truci-
pois entre eles o favor possuía a força do direito. Forjavam damento pelas varas ou, em certos casos, pelos golpes de macha-
julgamentos em casa para pronunciá-los no Fórum. Se algum do. E para que a crueldade não fosse gratuita, apoderavam-se dos
cidadão apelava para outro colega, a resposta que obtinha era bens do supliciado. Essas recompensas corromperam de tal modo
de tal ordem que se arrependia de não ter ficado com a primeira os jovens nobres que, ao invés de agirem contra a tirania, prefe-
sentença. Corria um boato de que eles não haviam conspirado riram a licenciosidade em que viviam à liberdade de todos.
para exercer a tirania por um determinado período apenas, mas
teriam concluído uma aliança clandestina, selada por juramento: Ameaça de guerra. 38 . Chegaram os idos de maio e
uma vez obtido o poder, não convocariam os comícios e torna- Convocação do Senado nenhum magistrado foi designado
riam perpétuo o decenvirato. pelos decênviros. para suceder os decênviros. Em-
bora tivessem voltado à condição
Arbitrariedades praticadas 37 . Os plebeus observavam a dr simples cidadãos, eles se apresentavam em público com a
pelos decênviros. atitude dos patrícios e espera- mesma arrogância e as insígnias do cargo. Não havia d_ú~i?as de
vam um sopro de liberdade da que se julgavam reis. O povo deplorava a ~erda def1_mt1va da
parte daqueles cuja tirania haviam temido a ponto de lan- liberdade e parecia-lhe impossível que surg1sse um libertador,
çarem a república naquele abismo. Entretanto, se os princi- quer no presente quer no futuro.

248 249
TITO L!VIO HlSTORlA DE ROMA

Os romanos haviam perdido a coragem. Além disso come- seguida, na cúria, onde os decênviros permaneciam is?lados _e
çavam a ser desprezados pelos povos vizinhos que se indignavam interpretavam a recusa dos senadores como uma I?amfestaçao
de vê-los ainda poderosos, embora privados de liberdade. Nume- de repulsa a sua autoridade. A plebe, porém, a cons~dero~ como
rosas tropas de sabinos fizeram incursões em território romano, um protesto contra a ilegalidade de uma convoc~çao fetta por
devastando-o em toda a sua extensão. Depois de se apoderarem simples cidadãos. Seria o início do retorno à hberdade se o
impunemente de grandes despojos, entre homens e rebanhos, as povo se unisse ao Senado e, a exemplo dos senadores que se
tropas que se achavam dispersas pelos campos reuniram-se negavam a reunir-se em assembléia, apesar de ~onvocad~s, ele
perto de Ereto, onde estabeleceram acampamento, confiantes também se negasse a atender à convocação. Asstm consptravam
em que a discórdia que reinava em Roma impediria o alista- os plebeus.
mento. Quase não se viam senadores no Fórum ~ rar~s ~ram os
Mensageiros e camponeses em fuga espalharam o pânico que se achavam em Roma. Diante daquela sttuaça~ ilegal, a
na cidade. Os decênviros interrogavam-se quanto às medidas a maioria se havia retirado para suas terra~ ~ dedicava-se a
serem tomadas, uma vez que se achavam isolados entre o ódio negócios pessoais em detrimento da causa p~bh.ca. Julgava~-se
dos patrícios e o da plebe. O destino lhes reservara novo motivo protegidos contra as arbitrariedades dos decenvtros, na medtda
de terror. Os équos, do outro lado, estabeleceram seu acampa- em que se mantivessem afastados de compromissos e contatos
mento no Algido, donde partiram para devastar o território com aqueles senhores despóticos. , _
tusculano. Emissários de Túsculo chegaram a Roma com a Como os senadores não atendessem a convocaçao, f~ram
notícia e pediram socorro. enviados apparitores a suas casas para cobrar multas e avenguar
Ao verem a cidade ameaçada por duas guerras simultâneas, se a falta fora deliberada. Ao retornarem, declararam qu~ os
os decênviros, tomados de pânico, foram levados a consultar o senadores se encontravam no campo. Os decênviros prefenram
Senado. Mandaram chamar os senadores à cúria, conscientes da essa resposta a ter de admitir que, estando presentes, recusavam·
tempestade de ódio que os ameaçava. Toda a responsabilidade se a obedecer-lhes. Ordenaram a volta de todos e marcaram a
pelas devastações do território e pelos perigos iminentes seria sessão para o dia seguinte. .
atribuída a eles. Os senadores tentariam destituí-los do cargo A freqüência foi maior do que eles própr!os esperavam.
caso não se unissem na resistência e não usassem energicamente Por isso a plebe julgou que a liberdade fora tratda pel?s sena-
de seu poder contra aqueles que se mostrassem mais exaltados. dores que haviam comparecido ao Senado, a~endendo a convo-
a fim de reprimir qualquer tentativa de revolta dos demais. cação de magistrados que já haviam termmado ~ mandato,
Quando foi ouvida no Fórum a voz do arauto convocando simples cidadãos, do mesmo mod~ que teriam obedectdo àqueles
os senadores à cúria por ordem dos decênviros, o acontecimento, que possuíssem o direito de reum-los.
como uma novidade, atraiu a atenção da plebe, pois há muito
tempo fora abolido o costume de consultar o Senado. Admirada, 39. Diz-se que os senadores mos-
Reunião do Senado.
a plebe indagava o motivo pelo qual os decênviros haviam Reação do senador traram-se mais obedientes com-
retornado a um sistema há muito abandonado. O inimigo e a Marco Horácio Barbato. parecendo à cúria do que sub-
guerra teriam direito à gratidão do povo por devolverem ao missos ao darem seu voto. Se-
Estado um regime de liberdade. gundo a tradição, Lúcio Valéria Potito, após a leitura do relatório
Os senadores eram procurados por toda a parte do Fórum, de Ápio Cláudio e antes que os s~nadores fos~em chamados,
mas raros eram os que se podiam avistar. Procuraram-nos, em pela ordem, a dar 0 seu voto, pediu hcença para mterpelar sobre

250 25\
T ITO UVIO HISTORIA DE ROMA

a situação política. Diante da ameaçadora recusa dos decênviros Intervenção de 40 . Diante do impetuoso ata-
declarou que se dirigiria ao povo, provocando com isso u~ Lúcio Comélio Maluginense que de Horácio, os decênvi-
grande tumulto. em favor dos decênviros. ros não sabiam se deveriam
Marco Horácio Barbato, com igual desassombro, entrou no agir com violência ou com
~ebate. Chamando os decênviros de "os dez Tarqüfnios" adver- indulgência. Indagavam-se como tudo iria acabar quando Caio
tl~-os de que os " Valérios e os Horácios" haviam expulsado os Cláudio, tio do decênviro Ápio, tomou a palavra e, num tom
re1s. O que então se odiava não era o nome de rei título ofi- mais de súplica do que de agressão, pediu-lhe pelos manes
cial de Júpiter, de Rômulo, fundador de Roma, e de seus su- de seu irmão, pai de Ápio, que pensasse mais em seus deveres
cessores, nome que a religião havia conservado na solenidade para com a sociedade à qual pertencia por nascime~to do que
d~ seus ~acr~ícios. O que se odiava no rei era a arrogân- na sacrílega aliança concluída com seus colegas. Fazta-lhe ~que­
Cia e _a hrama. Como tolerar da parte de simples cidadãos 0 te apelo mais em seu próprio benefício do que em benefício da
que nao se tolerou de um rei ou de um filho de rei? Atentassem república, pois o Estado voltaria à legalidade mesmo contra a
e~ .que proibindo aos homens o uso da liberdade de palavra na vontade deles. Uma grande luta geralmente costumava provocar
cu na eles. os ~evariam .a falar fora da cúria. Por que motivo grandes cóleras, e ele temia suas conseqüências.
ele própno, Simples Cidadão, não teria o mesmo direito de Embora os decênviros tivessem proibido que se debatesse
reunir o povo em assembléia que eles de convocar o Senado? outro assunto a não ser o do relatório, não ousaram interromper
Ouan~o. q~isessem, poderiam verificar que a mágoa daqueles Cláudio. Ao terminar sua fala, ele propôs ao Senado que não
que retvmdtcavam sua liberdade era mais forte do que a ambição tomasse qualquer decisão, e todos compreenderam que Cláudio
de qualquer senhor despótico. Haviam consultado o Senado considerava os decênviros simples cidadãos. Vários ex-cônsules
sobre a guerra contra os sabinos, quando o povo romano tinha declararam-se de acordo com ele. Outra proposta, aparentemente
de sustenta.r um_a gue~ra maior contra aqueles que, eleitos para mais rigorosa, mas de menor alcance, mandava os patrícios se
fazer.em lets, na~ deJXara.m . na cidade um único vestígio de reunirem a fim de eleger um inter-rei. Mas os senadores ponde-
legal~dade. Hav1~~ suprurudo as eleições, as magistraturas raram que, se emitissem outro voto qualquer, após a proposta
anuat~ e a sucesslVldade do poder, única garantia da igualdade de não aprovar nenhum senadoconsulto, estari~~ reconbecen~o
e da liberdade. Embora simples cidadãos, dispunham dos fasces como magistrados aqueles homens que prestdtam a sessao,
e d~ um poder régio. Após a expulsão dos reis, tinha havido quando acabavam de considerá-los simples ci~a~ãos .
magistrados ~atrfcios, e após a retirada da plebe, magistrados A situação dos decênviros tornara-se penchtante quando
ple~e~s. Des:Java saber a que ordem pertenciam. A plebe? Que Lúcio Cornélio Maluginense, irmão do decênviro Marco Cor-
dectsoes haviam tomado com o apoio do povo? A nobreza? nélio, que fora conservado entre os ex-cônsules para falar em
Eles, que há quase um ano não reuniam o Senado e, se o faziam último lugar. simulando preocupar-se com a guerra, empreendeu
agora, era apenas para impedir que se falasse sobre a situação a defesa do irmão e de seus colegas. Admirava-se, dizia ele, de
polftica? Não confiassem demasiadamente no medo ao estran- que por uma fatalidade os decênviros tivessem como ú.n~cos ou
geiro. Os males do momento pareciam mais graves à população principais adversários seus antigos concorre.ntes às eletçoes .de-
do que aqueles que eles temiam. cenvirais. Durante os longos meses em que remara calma na ctda-
de, ninguém havia discutido a legitimidade dos magistrados que
dirigiam a política. Somente agora, quando os inimigos estavam
quase às portas da cidade, semeavam-se discórdias civis, pare-

252 253
TITO UVIO HISTORIA DE ROMA

a situação política. Diante da ameaçadora recusa dos decênviros, Intervenção de 40 . Diante do impetuoso ata-
declarou que se dirigiria ao povo, provocando com isso um Lúcio Comélio Maluginense que de Horácio, os decênvi-
grande tumulto. em favor dos decênviros. ros não sabiam se deveriam
Marco Horácio Barbato, com igual desassombro, entrou no agir com violência ou com
~ebate. Chamando os decênviros de "os dez Tarqüínios" adver- indulgência. Indagavam-se como tudo iria acabar quando Caio
tt~-os de que os "Valérios e os Horácios " haviam expulsado os Cláudio, tio do decênviro Ápio, tomou a palavra e, num tom
rets. O que então se odiava não era o nome de rei, título ofi- mais de súplica do que de agressão, pediu-lhe pelos manes
cial de Júpiter, de Rômulo, fundador de Roma, e de seus su- de seu irmão, pai de Ápio, que pensasse mais em seus deveres
cessores, nome que a religião havia conservado na solenidade para com a sociedade à qual pertencia por nascimento do que
d~ seus ~ac~ícios. O que se odiava no rei era a arrogân- na sacrílega aliança concluída com seus colegas. Fazia-lhe aque-
cta e a ttrama. Como tolerar da parte de simples cidadãos 0 le apelo mais em seu próprio benefício do que em benefício da
que não se tolerou de um rei ou de um filho de rei? Atentassem república, pois o Estado voltaria à legalidade mesmo contra a
e~ .que proibindo ~os homens o uso da liberdade de palavra na vontade deles. Uma grande luta geralmente costumava provocar
curra eles. os ~evanam a falar fora da cúria. Por que motivo grandes cóleras, e ele temia suas conseqüências.
ele próprro, stmples cidadão, não teria o mesmo direito de Embora os decênviros tivessem proibido que se debatesse
reunir o povo em assembléia que eles de convocar o Senado? outro assunto a não ser o do relatório, não ousaram interromper
Quan~o. q~isessem, po~eriam verificar que a mágoa daqueles Cláudio. Ao terminar sua fala, ele propôs ao Senado que não
que retvmd1cavam sua liberdade era mais forte do que a ambição tomasse qualquer decisão, e todos compreenderam que Cláudio
de qualquer senhor despótico. Haviam consultado o Senado considerava os decênviros simples cidadãos. Vários ex-cônsules
sobre a guerra contra os sabinos, quando o povo romano tinha declararam-se de acordo com ele. Outra proposta, aparentemente
de sustenta.r um_a gue~ra maior contra aqueles que, eleitos para mais rigorosa, mas de menor alcance, mandava os patrícios se
fazer.em le1s, nao detxaram na cidade um único vestígio de reunirem a fim de eleger um inter-rei. Mas os senadores ponde-
legal~dade. Havi~~ suprimido as eleições, as magistraturas raram que, se emitissem outro voto qualquer, após a proposta
anuat~ e a sucesslVldade do poder, única garantia da igualdade de não aprovar nenhum senadoconsulto, estariam reconhecendo
e da liberdade. Embora simples cidadãos, dispunham dos fasces como magistrados aqueles homens que presidiam a sessão,
e de um poder régio. Após a expulsão dos reis, tinha havido quando acabavam de considerá-los simples cidadãos.
magistrados patrícios, e após a retirada da plebe, magistrados A situação dos decênviros tornara-se periclitante quando
ple~e~s. Des:java saber a que ordem pertenciam. À plebe? Que Lúcio Cornélio Maluginense, irmão do decênviro Marco Cor-
dec1soes hav1am tomado com o apoio do povo? À nobreza? nélio, que fora conservado entre os ex-cônsules para falar em
Eles, que há quase um ano não reuniam o Senado e, se o faziam último lugar. simulando preocupar-se com a guerra, empreendeu
agor~, era ~penas ~ara impedir que se falasse sobre a situação a defesa do irmão e de seus colegas. Admirava-se, dizia ele, de
polfhca? Nao conf1assem demasiadamente no medo ao estran- que por uma fatalidade os decênviros tivessem como ú.ni_cos ou
geiro. Os males do momento pareciam mais graves à população principais adversários seus antigos concorrentes às eletçoes de-
do que aqueles que eles temiam. cenvirais. Durante os longos meses em que reinara calma na cida-
de, ninguém havia discutido a legitimidade dos magistrados que
dirigiam a política . Somente agora, quando os inimigos estavam
quase às portas da cidade, semeavam-se discórdias civis, pare-

252 253
TITO LlVJO HISTôRIA DE ROMA

cendo que se aproveitavam do tumulto para tornar menos claras do-o pelo braço. Assim conseguira proteger outro que não
uas intenções. O assunto deveria ser protelado, pois no mo· aquele cuja proteção fingira assumir e pôs fim à disputa. Corné-
menta em que todos estavam preocupados com problemas mais Jio conseguiu fosse permitido a Valéria dizer o que bem enten-
graves, a ninguém parecia razoável prejudicar uma causa tão desse, mas essa permissão ele a aproveitou apenas para fazer
importante. Quanto à alegação de Valéria e de Horácio de mais um discurso, e os decênviros conseguiram seus propósitos.
que o poder dos decênviros se extinguira antes dos idos de Os ex-cônsules e os velhos senadores, movidos por um
maio, propunha que se aguardasse o término da guerra iminente resto de rancor contra o poder tribunício, que julgavam mais
e o retorno a uma situação política mais calma, a fim de subme- desejado pelo povo do que a autoridade consular, preferiram
ter o assunto à decisão do Senado. Ápio Cláudio poderia prepa- deixar os decênviros abandonar voluntariamente o cargo a ver
rar-se desde já para prestar contas da eleição dos decênviros sua impopularidade agitar novamente a plebe. Se o poder vol-
por ele presidida, sendo ele próprio decênviro, e dizer se foram tasse aos cônsules, quer através de uma evolução pacífica e
nomeados apenas por um ano ou até a votação das leis que sem tumulto popular, quer por atividades bélicas, ou ainda ,
faltavam. Não se devia pensar no momento em outro assunto pela moderação dos cônsules no exercício de sua autoridade,
a não ser na guerra. Se julgavam falsos os alarmes e duvi- poder-se-ia levar a plebe ao esquecimento de seus tribunos .
dosas as notícias trazidas pelos mensageiros e embaixadores Sem que os senadores protestassem, foi decretado o alista-
de Túsculo, enviassem então exploradores para trazer infor- mento. Diante de uma autoridade sem apelação, a juventude
mações mais fidedignas. Se fosse possível, contudo, dar crédito respondeu à convocação. Uma vez organizadas as legiões, os
aos mensageiros e embaixadores, a primeira medida a tomar, decênviros decidiram quem deveria ir à guerra e quem deveria
sem perda de tempo, seria proceder ao recrutamento e permitir comandar os exércitos. Os que mais se destacavam entre os
aos decênviros conduzir o exército aonde lhes parecesse neces· decênviros eram Quinto Fábio e Ápio Cláudio. Como se esperava
sário, sem pensar em outro assunto. uma luta mais séria no interior do que no exterior, Ápio, por
sua violência, lhes parecera mais indicado para reprimir as
Permanência dos decênviros 41 . Os mais jovens dos se- convulsões internas. Quanto a Fábio, inconstante na prática
no poder. nadores concordaram em do bem, era zeloso na prática do mal. Este varão, outrora
que se debatesse aquela pro- notável como político e como guerreiro, sofrera de tal modo a
posta, mas Valéria e Horácio voltaram ao ataque com maior vio- influência de seus colegas de decenvirato que, ao invés de
lência ainda, exigindo em altos brados o direito de falar sobre a conservar sua personalidade, chegara a tomar Ápio por modelo.
situação política. Se uma facção não lhes permitisse falar no Confiaram-lhe então a guerra contra os sabinos e deram-lhe
Senado, falariam ao povo. Não seriam simples cidadãos privados como auxiliares seus colegas Mânio Rabuléio e Quinto Petilio.
que os impediriam de falar, quer na cúria, quer na assembléia, Marco Cornélio foi enviado para o Algido com Lúcio Minúcia,
nem imaginários fasces os fariam recuar. Tito Antônio, Ceso Duílio e Marco Sérgio. Ápio Cláudio, auxi-
Julgando que perderia sua autoridade se não respondesse liado por Espúrio Opio, foi encarregado de velar pela segu-
com violência à violência dos senadores, Ápio declarou: "Ai rança da cidade. Ficou decidido que todos os decênviros teriam
daquele que se afastar do assunto!" E como Valéria insistisse poderes iguais.
que nenhum particular o faria calar-se, mandou até ele um
lictor. Do limiar da cúria Valéria apelava para o auxílio de
seus concidadãos, quando Lúcio Cornélio deteve Ápio seguran-

254 255
TITO UVIO HISTORIA DE ROMA

Fracasso dos decênviros 42 . Os assuntos militares não {o- tribunos. Os decênviros mandaram-no fazer um reconhecimento
no comando das tropas. ram mais bem-sucedidos do que a fim de escolher um local próprio para o acampamento, encar-
. os assuntos civis. Aliás, a prin- regando alguns soldados de acompanhá-lo na expedição e, em
ctpal culpa dos generais foi terem-se tomado odiosos aos seus lugar adequado, atacá-lo e assassiná-lo. Mas ele não morreu sem
concidadãos. As demais falhas couberam aos soldados. Pois vingar-se. Cercado por todos os lados, Sício defendeu-se com
para ~ue nenhuma vitória fosse conseguida sob o comando ; força e coragem, e conseguiu derrubar a sua volta vários de seus
auspíciOs dos decênviros, deixaram-se vencer suportando sua assassinos.
desonra e a desonra dos decênviros. Os dois exércitos foram Ao retornarem ao acampamento, os sobreviventes declara-
pos~os em debandad~ pelos sabinos em Ereto, e pelos équos no ram que haviam caído numa cilada e que Sício lutara valorosa-
Algtdo. Os que fuguam de Ereto, no silêncio da noite segui- mente, mas fora assassinado junto com outros soldados. No
ram em direção a Roma e estabeleceram acampamento ~um lo- início essas declarações foram aceitas e, com a autorização dos
ca~ elevado entre Fidenas e Crustumério. O inimigo os perse- decênviros, uma coorte partiu para enterrar os mortos. Mas ao
gwu mas os romanos não ousaram arriscar-se numa batalha verificarem que nenhum soldado fora despojado, que Sício jazia
ca~pal, uma vez que confiavam mais em sua posição e sua trin- no meio deles com suas armas, que todos os cadávares estavam
chetra do que na coragem e nas armas. O fracasso e a ignomí- voltados para ele, e que o inimigo não havia deixado nem mortos
nia foram maiores no Algido. O acampamento caiu nas mãos do nem traços de sua partida, declararam, ao retomar com o
i~imigo e os sol?ados, abandonando todo seu equipamento, refu- corpo de Sício, que certamente ele fora assassinado por seus
gtaram-se em Tusculo, confiando suas vidas à lealdade dos anfi- próprios companheiros. Ergueram-se protestos no acampamento,
triões, que aliás não os atraiçoaram. e os soldados já se dispunham a transportar o corpo de Sício
O pânico em Roma era de tal ordem que o Senado esque- para Roma, quando os decênviros se apressaram em fazer-lhe
ceu o ódio aos decênviros e decretou que fossem colocadas os funerais com honras militares a expensas do Estado. Sício
sentinelas na. cidade. Todos os homens em idade de pegar em foi sepultado em meio ao profundo pesar dos soldados e a
armas devenam montar guarda nas muralhas ou diante das fama dos decênviros junto ao povo se tornou a pior possível.
portas. Decidiram enviar armas suplementares a Túsculo e
ordenaram aos decênviros que descessem da cidadela de Túsculo Paixão criminosa de 44 . Em Roma ocorreu outro cri-
e l:vassem as. tropas para um acampamento. O segundo exército Ápio Cláudio. me de origem passional e de conse-
sena transCendo de Fidenas para o território sabino, tomaria a qüências tão terríveis quanto, outro-
ofensiva e impediria que o inimigo realizasse seu intento de ra, a desonra e o suicídio de Lucrécia que ocasionaram a perda
marchar sobre Roma. do trono e a expulsão dos Tarqüínios da cidade. Assim, não só
os decênviros tiveram o mesmo fim dos reis mas também perde-
Assassínio de Lúcio Sício 43 . Às derrotas infligidas pelo ram o poder pelo mesmo motivo.
por ordem dos decênviros. inimigo os decênviros acres- Sentindo-se fortemente atraído por uma jovem plebéia,
centaram dois crimes nefan- Ápio Cláudio desejou possuí-la. Lúcio Virgínia, pai da jovem,
dos, um. no exército, outro em Roma. Lúcio Sício, que servia ocupava posição importante no exército sediado no Algido. Era
~o exérctto em luta contra os sabinos, por ódio aos decênviros, um varão impecável como cidadão e como soldado. Sua mulher
msuflava nos soldados a idéia de se revoltarem e de nomearem vivia como ele e do mesmo modo viviam seus filhos. Prometera

256 257
TITO LfVIO HlSTORIA DE ROMA

41
sua filha em casamento ao ex-tribuno Lúcio Icüio, homem de jovem, de acordo com a lei de autoria do próprio Ápio • Não
caráter impulsivo e de comprovada dedicação à causa da plebe. permitisse que a reputação de uma jovem corresse perigo antes
Ápio tentou seduzir a jovem, de notável beleza, com presentes de sua liberdade.
e promessas, mas, ao verificar que ela estava disposta a defender
sua castidade, recorreu a uma violência cruel e tirânica. Defesa de Virgínia 45 . Antes de decidir, Á pio decla-
Marco Cláudio, seu cliente, foi encarregado de reclamar por Icílio Lúcio. rou que uma prova de seu amor à li-
a jovem como escrava e de não ceder diante de qualquer pedido berdade era justamente aquela lei que
de liberdade provisória, julgando que a ausência do pai propi- os amigos de Virgínia invocavam. Entretanto, ela não poderia
ciaria o crime. Assim, num dia em que a jovem veio ao Fórum, ser o firme sustentáculo da liberdade se não variasse conforme
onde funcionavam, em barracas, as escolas primárias, o agente as circunstâncias e os indivíduos. Na verdade, a lei reconhecia
do apaixonado decênviro deitou-lhe a mão declarando-a filha que todo cidadão citado em juízo tinha o direito de obter lib~r­
de uma de suas escravas e portanto sua escrava. Ordenou-lhe dade provisória desde que a reivindicasse. Mas no caso da J?"
que o seguisse, pois a levaria à força se oferecesse resistência. vem, que se achava sujeita ao pátrio poder, o senhor só podena
A jovem entrou em pânico e sua ama, aos gritos, pediu renunciar a seus direitos em favor do pai. Concordava em man-
socorro aos quirites. Estes acorreram prontamente, repetindo os dar chamar o pai, mas aquele que a reivindicava como escrava
nomes de seu pai Virgínio e de seu noivo Jcílio, tão amigos do tinha o direito de levar a jovem sob promessa de apresentá-la à
povo. Os conhecidos, por amizade a eles, e o povo, por indig- chegada daquele que dizia ser seu pai.
nação pelo delito, tomaram o partido da jovem. Todos murmuravam contra a injustiça da sentença, sem
Virgínia parecia protegida contra a violência quando o que ninguém ousasse protestar, quando apareceram Públio Nu-
mitório, tio da jovem, e seu noivo IcOio. A turba lhes deu pas-
reclamante declarou que não havia necessidade de amotinar
sagem e já contava como certa a intervenção de !cílio para
o povo. Estava agindo de acordo com a lei e não com violência.
enfrentar Apio, quando o lictor declarou que a sentença fora
E ao citá-la em juízo, os que estavam presentes aconselharam-na
dada e afastou o jovem, apesar de seus protestos.
a acompanhá-lo e todos se dirigiram ao tribunal de Ápio.
Tão grave injustiça teria inflamado até mesmo um tempe-
O juiz conhecia bem a causa que o pleiteante lhe apresen-
ramento calmo. lcflio não se conteve: "Tens de usar a espada
tava pois ele próprio fora o autor da trama. A jovem teria para me arrancar daqui, Ápio, a fim de conseguires o si~êncio
nascido em sua casa, depois fora roubada e apresentada a sobre o que desejas ocultar. Pretendo casar-me com esta JOVem
Virgínio como sua suposta filha. Cláudio provaria e sustentaria e quero recebê-la virgem e pura. Portanto, convoca todos os
esse fato, que lhe chegara ao conhecimento por uma denúncia, Jictores de teus colegas. Manda preparar as varas e os segures.
ainda que tivesse por juiz o próprio Virgínio, principal vítima A noiva de Icílio não ficará fora da casa de seu pai. Tu conse-
de toda aquela fraude. Enquanto isso, era de justiça que a guiste arrebatar-nos o poder tribunício e o direit? de apel~ção
escrava acompanhasse seu senhor. ao povo, estas duas cidadelas da liberdade. Mas nossos ftlh.os
Os advogados da jovem alegavam que Virgínio se achava e nossas mulheres não ficaram sujeitos ao reinado de tua luxúna.
ausente a serviço da república e se fosse avisado estaria de
volta dentro de dois dias, pois seria uma iniqüidade discutir-se 4 t . As leis das Doze Tábuas elaboradas pelo próprio Apio e os
a sorte da filha em sua ausência. Pediam que a causa fosse outros decênviros, e que já regulamentavam as questões de vindicatio
adiada até a volta do pai, e concedida liberdade privisória à in servitutem ou in liberta/em.

259
258
TITO uvro HISTóRIA DE ROMA

Maltrata nosso corpo e nossas cabeças mas respeita ao menos dependeria exclusivamente de sua presença no dia seguinte, à
a c~stidade . Se alguma violência for praticada contra esta jovem, hora marcada, para vingar seu ultraje.
eu unplorarei o auxilio dos cidadãos aqui presentes para defen- Os jovens partiram a galope para levar a notícia ao pai.
der minha noiva, Virgínio convocará seus soldados por sua Entrementes, como o cidadão que reclamava a jovem insistisse
filha única e todos nós apelaremos para os deuses e para os em exigir garantias, Icílio respondeu que ele próprio estava
homens. Não executarás tua sentença, a menos que nos mandes tratando do caso, procurando desse modo ganhar tempo para
matar a todos. Peço-te, Ápio, que reconsideres o que vais fazer. que os emissários chegassem ao acampamento. De todos os
":'irgínio, ao chegar, pensará na atitude a tomar em relação à lados os homens levantaram a mão para mostrar a Icílio que
f1lha. Declaro apenas que se ele ceder às exigências desse estavam dispostos a servir de garantia. Com lágrimas nos olhos
homem, terá de procurar outro partido para sua filha. Eu, ele respondeu : " Obrigado. Amanhã precisarei de vossos servi-
porém, prefiro renunciar à vida a faltar com o dever de defen- ços. Por enquanto já tenho fiadores suficientes ". Virgínia, então,
der minha noiva". foi posta em liberdade sob garanHa de sua família .
Ápio demorou-se ainda no tribunal a fim de não parecer
Liberdade provisória 46 . A multidão estava superexcita- que a sessão fora realizada apenas para julgar aquela causa.
de Virgília. da e uma revolta parecia iminente. Mas como todas as atenções estivessem concentradas naquele
Os Hctores cercaram Jcílio, mas não caso e ninguém mais se apresentasse, regressou a sua casa e
foram além das ameaças, porque Ápio declarou que a de- escreveu aos colegas que se encontravam no acampamento orde-
fesa de Virgínia não era o objetivo de !cílio. Aquele homem nando-lhes que não concedessem licença a Virgínia e o manti-
turbulento, que ainda aspirava ao tribunato, procurava apenas vessem sob vigilância. Felizmente sua intenção desonesta não
uma ocasião para agitar a plebe. Contudo, não lhe daria pre- chegou a realizar-se: na manhã do dia seguinte, quando chegou
texto naquele dia. Ficasse porém sabendo que não fazia tal con- a carta com ordem de prendê-lo, Virgínia já havia conseguido
cessão por causa de sua petulância, mas em virtude da ausência licença e partira no começo da noite.
de Virgínio, de seu título de pai e por respeito à liberdade. Não
Sentença iniqua 4 7. Em Roma , desde o raiar do dia, os
realizaria o julgamento naquele dia nem mandaria executar a
de Ápio Cláudio. cidadãos se achavam reunidos no Fó-
sentença. Pediria a Marco Cláudio que renunciasse a seus direi-
rum em estado de alerta e na maior
tos e aguardasse o dia seguinte para reivindicar a jovem. Mas se
ansiedade, quando Virgínio, com vestes de luto, apareceu con-
no dia seguinte o pai não se apresentasse, avisava a IcíHo e a duzindo sua filha miseravelmente trajada. Acompanhavam-nos
seus companheiros que nem o legislador faltaria a sua própria algumas matronas e uma multidão de defensores.
lei, nem ao decênviro faltaria firmeza. Não teria necessidade Dando uma volta no Fórum, Virgínio exigia mais do que
de convocar os lictores de seus colegas para dominar os agita- solicitava o auxílio de seus concidadãos como uma dívida
dores. Contentar-se-ia com os seus. contraída com ele. Lembrava-lhes que permanecia diariamente
Como a execução da injusta sentença fora protelada, os nas linhas de frente em defesa de seus filhos e de suas esposas
defensores da jovem dispersaram-se. Decidiu-se que o irmão de e nenhum outro homem se havia destacado mais na guerra em
Icílio e o filho de Numitório, dois jovens corajosos, atravessariam audácia e coragem. De que lhe adiantaria manter Roma livre
o mais rapidamente possível a porta da cidade e partiriam se seus filhos estavam expostos aos mesmos ultrajes que pode-
em busca de Virgínio no acampamento. A salvação da filha riam temer em uma cidade capturada?

260 261
TITO LfVIO
HISTóRIA DE ROMA
Eram mais ou menos esses os argumentos que apresentava
tigar os perturbadores da ordem pública. " Por isso, é melhor
ao povo. Icflio pronunciava palavras semelhantes. Entretanto,
as lágrimas silenciosas das mulheres comoviam ainda mais do que fiquem calmos, disse ele. Vai, lictor, afasta a multidão e
que quaisquer palavras. Mas Ápio permanecia obstinado diante abre caminho ao senhor para que possa apoderar-se de sua
de todas essas manifestações, tanto era verdade que sua mente escrava".
estava perturbada por uma crise de loucura e não de paixão. Ao ouvir essas palavras pronunciadas em tom colérico, a
Subiu ao tribunal e, após algumas palavras do pleiteante que multidão prontamente se afastou, deixando a jovem sozinha
se queixava de não lhe terem feito justiça na véspera em conse- como presa abandonada à injustiça. Já não vendo auxílio em
qüência de uma intriga, sem escutá-lo até o fim nem dar a parte alguma, Virgínio disse: "Peço-te, Ápio, que perdoes pri-
Virgínia oportunidade de responder, tomou a palavra. meiro à dor de um pai se me dirigi a ti com aspereza. Peço-te
Os motivos que Ápio invocou para justificar sua sentença também que me permitas, em presença de minha filha, perguntar
foram relatados, talvez com fidelidade, pelos antigos historiado- a sua ama o que há de verdade neste assunto. Se realmente não
res. Mas tratando-se de sentença tão odiosa, nenhum me sou o verdadeiro pai, eu me separarei dela com a maior resig-
pareceu verossímil. Assim, preferi limitar-me a expor o fato nação" .
em sua crueza; a jovem foi declarada escrava. Concedida a permissão, Virgínia conduziu a filha e a ama
No início, o estupor a todos paralisou pela surpresa de até as proximidades das lojas de Cloacina, hoje conhecidas
gesto tão cruel e reinou silêncio por algum tempo. Mas quando pelo nome de Casas Novas, e apanhando um facão de açou-
Marco Cláudio dirigiu-se para arrebatar a jovem do grupo de gueiro, disse: "Minha filha, este é o único meio de que dispo-
mulheres que gemiam e choravam, Virgínia, erguendo o punho nho para devolver-te a liberdade" . Transpassou-lhe o peito e
ameaçador, gritou para Ápio: "Foi a Icílio que prometi minha voltando em seguida ao tribunal disse: " Á pio, que este sangue
filha em casamento e não a ti, Ápio. Eduquei-a para o casa-
caia sobre ti e sobre tua cabeça" .
mento e não para a desonra. Por acaso deve-se agir como o
Aos gritos que se ergueram diante daquele terrível desfecho,
gado e os animais selvagens que se acasalam promiscuamente?
Ápio excitado mandou prender Virgínia, mas este, com a faca
Não sei se os presentes concordarão com isso, mas espero que
homens armados não o tolerem". O grupo de mulheres e os na mão, abria caminho por onde passava e chegou à porta da
defensores da jovem repeliam o pleiteante. quando o arauto cidade acompanhaáo pela multidão que o protegia. Erguendo
exigiu silêncio. o corpo exangue, !cílio e Numitório mostraram-no ao povo.
Todos deploravam o crime de Ápio, a beleza fatal da jovem e
Morte de Virgínia. 48. Alucinado por sua luxúria, o de- o desespero a que fora levado o pai. As mulheres acompanha-
cênviro disse que as ofensas de Icílio vam-nos aos gritos. Era para isso que criavam seus filhos? Era
na véspera, e a violência de Virgínia, das quais o povo ro- esse o prêmio da pureza? Ouviram-se estas e outras exclamações
mano fora testemunha, confirmavam as denúncias que rece- que em tal situação o sofrimento costuma inspirar às mulheres,
bera de fonte segura : durante toda a noite se haviam realizado criaturas de espírito mais frágil e por isso mesmo mais como-
conspirações na cidade com o fim de suscitarem uma revolta. ventes em seus queixumes. Porém todas as palavras dos homens,
Ciente dessa ameaça, viera ao Fórum com uma escolta de ho- sobretudo as de Tcílio, referiam-se à supressão do poder tribu-
mens armados, não para exercer violência contra cidadãos paca- nício, ao direito de apelação do povo e aos escândalos políticos.
tos, usando das prerrogativas de sua autoridade, mas para cas-

262
263
TITO LfVIO HISTORIA DE ROMA

Intervenção de Lúcio Valério 49. A multidão se sublevou, Adesão do exército 50 . Foram enviados os mais jovens
e Marco Horácio. em parte pela atrocidade do à causa de Virgínio. senadores ao acampamento, que na
Derrota de Ápio Cláudio. crime, em parte pela espe- ocasião estava estabelecido no mon-
rança de recuperar a liber- te Vecílio, para aconselhar os decênviros a usar todos os recur-
dade naquela ocasião. Ápio citou lcílio e, como ele não se sos para evitar uma rebelião no exército. Entretanto, Virgínia
apresentasse, mandou prendê-lo. Mas como os apparitores não provocou no acampamento maior agitação do que provocara
em Roma. Ao chegar acompanhado por uma coluna de quase
conseguissem abrir caminho entre o povo, ele próprio, com a
quatrocentos homens que se haviam solidarizado com ele, em
guarda de jovens patrícios, encaminhou-se através da turba para
face da indignidade do crime, e o escoltavam desde a cidade,
detê-lo.
Virgínia, sujo de sangue e ostentando a arma do crime atraiu a
Em volta de lcílio achava-se uma multidão, e essa multidão atenção de todo o acampamento.
tinha como chefes Lúcio Valéria e Marco Horácio. Repelindo A quantidade de togas espalhadas pelo campo dava a im-
o lictor, declaravam que defenderiam a liberdade de Icílio pressão de ser muito maior o número de civis. Quando pergun-
contra um cidadão comum se Ápio pretendesse agir segundo taram a Virgínia de que se tratava, o pranto não o deixou falar
a lei, e se ele tentasse usar de violência agiriam da mesma durante algum tempo. Finalmente, depois que a agitação provo-
maneira. Travou-se uma luta encarniçada. O lictor do decênviro cada pela turba que chegava se acalmou e o silêncio foi resta-
lançou-se sobre Valéria e Horácio, mas a multidão despedaçou- belecido, Virgínia expôs os fatos na ordem em que ocorreram.
lhe os fasces. Ápio então subiu à tribuna , seguido por Horácio Em seguida, erguendo as mãos para o alto, dirigiu-se a seus
e Valéria. A assembléia os escutava mas impedia que o decênviro companheiros de armas e supHcou-lhes que atribuíssem o crime
fosse ouvido. Valéria já se sentia com autoridade para ordenar a Ápio Cláudio e não se afastassem dele como o assassino de
aos lictores que abandonassem o homem que retornara à condi- sua própria filha . Mais preciosa do que sua própria vida teria
ção de simples cidadão. Com o ânimo abatido e receando por sido a dela se a pudesse conservar com liberdade e honra . Ao
sua vida, Ápio refugiou-se em sua casa próxima ao Fórum, com vê-la, porém, arrebatada como objeto de escravidão e luxúria,
a cabeça encoberta, conseguindo desse modo iludir seus adver- julgara ser preferível perder seus filhos pela morte do que pela
sários.
desonra, e a misericórdia o arrastara a uma atitude de aparente
Para prestar auxilio ao colega, Espúrio ópio irrompeu do crueldade. Não teria pensado em sobreviver à filha se não
outro lado do Fórum, mas logo percebeu que a autoridade fora tivesse esperança de vingar-lhe a morte com o auxílio de seus
vencida pela força. Sentindo-se confuso entre conselhos opostos companheiros de armas. Eles também possuíam filhas, irmãs e
que surgiam de toda a parte e de todos, ordenou que se con- esposas. A luxúria de Ápio não se extinguiria com a morte de
vocasse o Senado. Mas como a maior parte dos senadores parecia sua filha . Ao contrário, mais desenfreada ainda se tornaria
desaprovar os atos dos decênviros, essa iniciativa suscitou espe- com a impunidade. A desgraça dos outros lhes fora dada
rança de que o Senado poria fim ao seu poder e acalmou a como exemplo para que se acautelassem contra semelhante injus-
multidão. O Senado porém resolveu não incitar a plebe e tomar tiça. Quanto a ele, o destino lhe arrebatara a esposa, e sua
todas as providências para que a volta de Virgínia ao exército filha , não podendo viver desonestamente, perecera de morte
não provocasse uma revolta. lamentável, mas honrosa. A luxúria de Ápio não ameaçava mais
seu lar, e ele próprio saberia subtrair-se à violência daquele

264 265
TITO U VIO HISTóRIA DE ROMA

homem como o fizera com sua filha. Mas eles tentassem prote- Nomeação de tribunos 51 . Com a partida dos legados,
ger-se a si e a seus filhos. militares pela plebe. Virgilio advertiu aos soldados de
Aos brados de Virgínia respondiam os da multidão: não que, momentos antes, eles haviam
esqueceriam sua dor, não trairiam a liberdade. Introduzidos na hesitado diante de um assunto de pouca importância por cons-
turba de soldados e repetindo suas queixas , os civis acrescen- tituírem uma multidão sem chefe. A resposta que tinham dado
tavam que os fatos haviam sido piores do que poderiam parecer fora acertada, embora resultasse de um movimento espontâneo
através do relato, e que em Roma o regime já fora derrubado. e não de uma deliberação tomada em comum. Convinha nomear
Outros que os haviam seguido diziam que Ápio, quase morto, dez homens para exercerem o supremo comando e chamá-los
partira para o exflio, o que causou grande excitação entre os tribunos militares, uma vez que se tratava de um cargo militar.
soldados levando-os a conclamar todos às armas, a pegar as E como quisessem nomeá-lo em primeiro lugar respondeu : " Dei-
insígnias e a marchar para Roma . xai a escolha com que me honrais para melhores tempos,
. Transtornados com o que viam e com as notícias prove- tanto para mim como para vós. Nenhuma honra me dará prazer
mentes da cidade, os decênviros corriam de um lado para outro enquanto minha filha não for viogada. Além disso, no momento
tentando apaziguar os ânimos. Mas, se agiam com brandura, em que a república está convulsionada, não vos seria útil ter à
não recebiam resposta, e se exerciam sua autoridade, os soldados frente um cidadão perseguido pelo ódio. Se vos posso ser de
respondiam-lhes que eram homens e tinham armas. Enfileirados, alguma utilidade, mesmo na qualidade de simples cidadão, po-
marcharam em direção à cidade e ocuparam o Aventino, exor- derei fazê-lo". Foram então nomeados dez tribunos militares.
t~ndo os plebeus, à medida que chegavam, a reconquistar a Houve também agitação no exército que atuava contra os
hberdade e a nomear tribunos da plebe. Nenhuma outra palavra sabinos. Os soldados instigados por l cílio e Numitório revolta-
violenta se fez ouvir. ram-se contra os decênviros, não só porque se renovara a lem-
Espúrio Opio convocou o Senado. Todos eram contrários brança do assassínio de Sício, como também por causa da
a qualquer medida drástica, uma vez que os próprios decênviros recente história de uma donzela vitimada por uma vergonhosa
haviam dado pretexto para a revolta. Uma delegação de três paixão.
ex-cônsules, Espúrio Tarpéio, Caio Júlio e Públio Sulpício, foi Ao saber da nomeação dos tribunos militares no Aventino,
encarregada de perguntar aos soldados, em nome do Senado, Jcfüo temeu que os comfcios militares pudessem influenciar os
quem lhes dera ordens de abandonar o acampamento e que comícios urbanos e esses mesmos homens viessem a ser eleitos
pretendiam ao ocupar o Aventino de armas na mão, voltando tribunos da plebe. Profundo conhecedor da maneira de agir do
as costas ao inimigo e invadindo sua própria pátria. Os soldados povo e pretendente ao cargo, antes de regressar a Roma reali-
tinham uma resposta a dar mas faltava-lhes um homem para zou eleição no seu exército, para a escolha de igual número de
transmiti-la. Não haviam ainda escolhido um chefe pois ninguém tribunos com igual poder. Conduzindo as insígnias, sua coluna
ousava enfrentar sozinho tantos ódios. A turba então bradou penetrou em Roma pela porta Colina e depois de atravessar o
em uníssono que lhe enviasse Lúcio Valério e Marco Horácio centro da cidade subiu o Aventino. Os dois exércitos se reuni-
pois a eles daria uma resposta. ' ram e encarregaram os vinte tribunos militares de designar dois
dentre eles para exercer o comando supremo. Foram escolhidos
Marco Opio e Sexto Mamílio.

266 267
TITO LIVJO HISTóRIA DE ROMA

Preocupados com a situação, os senadores reuniam-se dia- código para os telhados e as paredes? Não vos envergonhais
riamente e se detinham mais tempo em discutir do que em tomar de ver que o número de vossos lictores no Fórum é quase maior
decisões. Acusavam os decênviros pelo assassínio de Sício, pela que o dos cidadãos e o das outras pessoas? Que fareis se os
luxúria de Ápio e pelos fracassos militares. De comum acordo inimigos invadirem Roma? Que fareis se em breve, percebendo
decidiram enviar Valério e Horácio ao Aventino, mas eles se a inutilidade da secessão, a plebe vier armada? Quereis a queda
recusaram a ir a menos que os decênviros depusessem as insíg- de Roma para deixar o poder? Por fim, ou não teremos a
nias de sua magistratura, o que já deveriam ter feito no ano plebe ou a peble terá seus tribunos. Mais depressa renunciaría-
anterior. Os decênviros queixaram-se de que estavam sendo mos nós a nossos magistrados patrícios do que eles a seus
rebaixados e que não abdicariam ao poder antes da votação das magistrados plebeus. Era uma função nova e desconhecida,
leis que fora o motivo de sua eleição. quando a conseguiram de nossos antepassados. Agora, uma vez
conquistados por seus encantos, não lhe suportariam a falta,
Segunda secessão da plebe 52 . Marco Duflio, antigo tri- principalmente porque não estamos usando moderadamente de
no monte Sacro. buno da plebe, convenceu o nossa autoridade para que eles possam dispensar-lhe o auxílio".
Renúncia dos decênviros. povo de que nada consegui- Quando essas palavras repercutiram em todo o recinto, os
ria com aquelas interminá- decênviros, derrotados por unanimidade, declararam que esta-
veis discussões, pois os senadores só se sentiriam realmente riam à disposição dos senadores quando assim o desejassem.
ameaçados quando a plebe abandonasse Roma. Deveria retirar- Pediam-lhes apenas que os protegessem contra o ódio da plebe
se do Aventino e dirigir-se para o monte Sacro, visto que esse para que, advertiam eles, com o derramamento de seu sangue
monte lhes recordaria a perseverança da plebe e os faria com- ela não se habituasse a supliciar os patrícios.
preender que, sem o restabelecimento do poder tribunício, não
poderiam obter a concórdia. Exigências da plebe. 53. Valério e Horácio foram envia-
Partindo pela via Nomentana, que então se chamava Fi- Resposta dos legados. dos ao encontro dos plebeus, com
culense, a turba estabeleceu acampamento no monte Sacro e Valério e Horácio. plenos poderes para obter seu re-
imitando a atitude moderada de seus antepassados abstev:-se torno e tentar a conciliação de in-
de qualquer violência. A plebe uniu-se ao exército e ninguém, teresses, e ainda com a missão de proteger os decênviros contra
desde que a idade o permitisse, hesitou em segui-los. As mulheres um movimento de cólera da multidão.
co~ seus filhos também os acompanharam, indagando-lhes, Os delegados partiram e foram recebidos no acampamento
quetxosas, a quem pretendiam deixá-las numa cidade onde nem da plebe com muita alegria, como verdadeiros defensores, que
a virtude nem a liberdade eram sagradas. haviam iniciado e acompanhado o movimento até o fim. Logo
Privada de sua população habitual, Roma se tornara um à chegada receberam muitos agradecimentos e !cílio falou em
imenso deserto. Apenas alguns anciãos eram vistos no Fórum nome de todos. Quando discutiram as condições e os legados
que pareceu vazio aos senadores convocados às pressas. Agora: se informaram das exigências da plebe, foi também !cílio quem
eram cada vez mais numerosos aqueles que bradavam junta- expôs o plano que havia sido elaborado em comum antes da
mente com Horácio e Valério: " Que esperais, senadores? Se os chegada dos :egados. Suas palavras demonstraram que os ple-
decênviros não puserem termo a sua pertinácia permitireis que beus colocavam suas esperanças mais na justiça da causa do
se propaguem a de.struição e o incêndio? Decênviros, que cargo que na força das armas. Exigiam a volta do poder tribunício
é este que abraçats com tanta teimosia? Pretendeis fazer um e do direito de apelação, que eram a salvaguarda da plebe antes

268 269
TITO LIVIO HISTCRIA DE ROMA

da criação do decenvirato, e exigiam também que ninguém O Senado decretou então que os decênviros apresentassem
sofresse castigos por ter levado os soldados ou a plebe a recon- imediatamente seu pedido de demissão, que o sumo pontlfice
quistar a liberdade através da secessão. Apenas quanto ao suplí- Quinto Fúrio fizesse a eleição de tribunos da plebe e que
cio dos decênviros sua exigência foi atroz: achavam justo que nenhuma punição fosse aplicada aos soldados e aos plebeus
eles lhes fossem entregues e ameaçavam queimá-los vivos. A por motivo da secessão. .
isso os legados responderam: Tornado público o decreto e levantada a sessão do Senado,
"As reivindicações que apresentastes são tão justas que já os decênviros avançaram até a tribuna e apresentaram o pedido
vos deveriam ter sido deferidas. O que pedis, na verdade, é de demissão, para grande alegria de todos. A notícia foi trans-
a garantia de vossa liberdade e não licença para perseguir os mitida à plebe, e todos os homens que ainda se achavam na
outros. Vossa cólera, perdoável sem dúvida, é entretanto inad- cidade seguiram os legados. Ao encontro dessa multidão uma
missível, uma vez que por ódio à crueldade caís na crueldade, turba alegre acorreu do acampamento. Congratulavam-se pela
e mal vos achais livres quereis oprimir os adversários. Não volta da liberdade e da concórdia entre os cidadãos. Os legados
repousará jamais nossa cidade das perseguições de patrícios dirigiram-se então ao povo reunido em assembléia:
contra plebeus ou de plebeus contra patrícios? Tendes mais "Para o bem-estar, a felicidade e a prosperidade vossa e
necessidade de um escudo do que de uma espada. Aquele que da república, voltai à vossa pátria, para junto de vossos penates,
vive em sua cidade em igualdade de direitos, sem cometer injus- de vossas mulheres e de vossos filhos. E a moderação com que
tiças nem sofrê-las, deve considerar-se feliz. Mas se algum dia, agistes aqui, onde nenhuma propriedade foi violada, apesar de
quando tiverdes recuperado vossos magistrados e vossas leis, todas as necessidades de tão grande multidão, trazei-a também
quiserdes mostrar-vos temíveis, tereis nas mãos o poder de para a cidade. Ide para o Aventino de onde saíste. Naquele
dispor de nossa vida e de nossos bens. Nesse dia tornareis vossas local propício, onde lançastes os ·primeiros fundamentos de
decisões em causas específicas, mas por enquanto contentai-vos vossa liberdade, elegereis os tribunos da plebe. Estará presente
com a reconquista da liberdade". o sumo pontífice que presidirá as eleições".
Sob grandes aclamações e muita alegria, todas as propostas
Restabelecimento da paz entre 54. Todos concordaram foram aprovadas. Os soldados tomaram as insígnias e marcha-
patrícios e plebeus. em que os legados agis- ram para Roma, rivalizando em alegria com os que vinham ao
Nomeação de tribunos da plebe. sem como julgassem me- seu encontro. A coluna atravessou a cidade em silêncio e chegou
lhor, e eles prometeram ao Aventino, onde imediatamente o sumo pontífice procedeu
voltar em breve com o acordo concluído. às eleições. Foram nomeados tribunos da plebe Lúcio Virgínia,
Quando transmitiram aos senadores as exigências da plebe,
em primeiro lugar, e em seguida Lúcio !cílio e Públio Numi-
os decênviros presentes não fizeram objeções, ao ver que, contra
tório, tio de Virgínia, que haviam aconselhado a secessão.
sua própria expectativa, não havia qualquer menção de suplício
Depois elegeram-se Caio Sicínio, descendente do primeiro tribu-
para eles. Mas Ápio, de caráter violento e rancoroso, medindo
o ódio dos outros contra ele pelo seu contra os outros, disse: no eleito no monte Sacro, segundo a tradição, e Marco Duílio,
"Não ignoro a sorte que nos ameaça. Vejo que a luta contra que exercera o tribunato com grande prudência antes da nomea-
nós foi adiada até que sejam dadas armas aos nossos inimigos. ção dos decênviros e não negara seu apoio à plebe durante os
O sangue tem de ser dado para saciar-lhes o ódio. Eu não quero conflitos decenvirais. Elegeram-se também, mais pelas esperan-
de modo algum retardar o fim de meu decenvirato". ças que neles depositavam do que por seus próprios méritos,

270 271
HlSTúRlA DE ROMA
TITO UVIO

Marco Ticínio, Marcos Pompôoio, Caio Aprônio, Ápio Vílio e lei que determinava o seguinte: se alguém at:nt~sse con~ra os
Caio úpio. tribunos da plebe, os edis, os juízes e os decenvuos, t~na sua
Logo no início do tribunato Lúcio Icüio propôs à plebe, cabeça imolada a Júpiter e todos os seus bens vendtdos em
e a plebe concordou, que não fosse feita nenhuma perseguição benefício do templo de Ceres, Líber e Líbera. .
aos decênviros por causa da secessão. Marco Duilio, por sua vez, Os juristas declararam que essa lei não tornava os tnb~no.s
propôs a eleição dos cônsules e o restabelecimento do direito sacrossantos, apenas determinava que aqueles que os ~rejudt­
de apelação. Todas essas medidas foram tomadas pela plebe cassem seriam sacrificados a Júpiter. Desse modo, um ed~ pode-
reunida nos prados Flaminios, conhecidos hoje como Circo ria ser detido e preso por ordem de magistrados supenores, e
Flamínio. embora esse ato fosse ilegal - pois atentava contra um ~ornem
protegido por ela - , provava que o edil não era constd.erado
Restabelecimento da inviolabilidade 55 . Finalmente o in- sacrossanto. Somente os tribunos eram sacrossantos em vtrtude
dos tribunos da plebe. ter-rei convocou elei- de um antigo juramento da plebe na ocasião em que fora
Leis de proteção à plebe. ções, sendo nomeados criada essa magistratura 42 . Houve quem compreendesse que
cônsules Lúcio Valé- a Lei Horácia abrangia igualmente cônsules e pretores, por~ue
ria e Marco Horácio, que logo tomaram posse de seus car- ambas as ordens tinham sido criadas sob os mesmos ~uspíctos,
gos. Foi um consulado popular, sem ataques aos patrícios, mas e 0 cônsul era chamado também juiz. Essa interpretaçao, entre-
não sem descontentamento da parte destes, pois toda medida tanto, é falsa, porque naquela época o cônsul era chamado
que garantia a liberdade da plebe eles a consideravam como
pretor e não juiz 4S . Essas foram as leis consulares.
um decréscimo de sua autoridade.
Pelos mesmos cônsules foi instituído o costume de mandar
Antes de mais nada, como o fato de os senadores estarem
depor os senadosconsultos em mãos dos ~di.s da plebe no templo
ou não sujeitos a plebiscito fosse uma questão controvertida em
de Ceres 44 . Até então, podiam ser supnmtdos ou alterados, de
direito, os cônsules submeteram aos comícios centuriatos uma
lei que dispunha que as decisões da plebe reunida por tribos acordo com a vontade dos cônsules.
teriam força de lei para todo o povo romano. Com essa lei foi Marco Duílio, tribuno da plebe, propôs e a ple~e aprovou
dada uma terrível arma aos projetos dos tribunos. Depois, outra 0
seguinte decreto; quem privasse o ~ovo d~ seus. tnbunos, ou
lei consular sobre o direito de apelação, principal sustentáculo criasse uma magistratura sem apelaçao, sena aç01tado e deca-
da liberdade abolido pelo poder dos decênviros, não só resta- pitado. Os patrícios, a contragosto, deixavam passar _todas essas
beleceu esse direito como consolidou-o para o futuro, com a leis sem fazer qualquer oposição, uma vez que nao houvera
sanção de uma nova lei que proibia a criação de qualquer outra ainda ataques pessoais.
magistratura sem apelação. O direito divino e humano permitiria
matar quem quer que a criasse, sem que esse crime fosse consi-
derado crime de morte.
42 . Texto de difícil compreensão. Ao que parece, os tribunos só
Uma vez consolidada a situação da plebe, tanto pelo direito eram sacrossantos para a plebe.
de apelação quanto pela proteção tribunfcia, devolveram também 43 . O nome de cônsul é posterior às Doz~ Tábuas.
aos tribunos seu caráter sacrossanto, restabelecendo algumas de 44 . Os edis da plebe teriam sido, na ong~m, sacerdote~ desse
suas cerimônias rituais interrompidas há muito tempo. Toma- templo de Ceres. O santuário serviria de depósito aos arquiVOS da
ram-nos invioláveis não só pela religião mas também por uma plebe.
273
272
TITO UVJO HISTORIA DE ROMA

Citação de Ápio Cláudio 56. Uma vez consolidada a au- leis tinha renunciado ao consulado, motivo de grande descon-
por Virgínio. toridade tribunícia e a liberda- ten~amento para os patrícios. Relembrava, enfim, que suas leis
de da plebe, os tribunos julga- permaneceriam, ao passo que seu autor seria encarcera~o.
ram ter chegado o momento oportuno para os ataques pessoais Quanto ao mais, arcaria com a responsabilidade de suas própnas
e escolheram Virgínio como primeiro acusador e Ápio como ações, boas ou más, desde o momento em que lhe fosse dada
primeiro réu. a possibilidade de defender-se. Solicitava ago~a, e~ nome do
. Virgínio citou Ápio e este, com a escolta de jovens patrí- direito civil e como cidadão romano, que no dta do julgamento
CIOS, desceu ao Fórum. Ao verem o decênviro e seus guardas o deixassem falar e submeter-se à sentença do povo romano.
todos imediatamente se lembraram de sua execrável tirania: Não temia os ódios a ponto de descrer da justiça e da piedade
Virgínio então tomou a palavra. de seus concidadãos. Mas se fosse mandado para a prisão sem
"A eloqüência foi criada para as causas duvidosas. Por poder defender-se, apelaria novamente para os tribu~os da_ plebe
isso não perderei meu tempo em acusar perante vós este homem e os aconselharia a não imitar aqueles que eles própnos odtavam.
de cuja crueldade vós mesmos só pudestes libertar-vos com as E se os tribunos se confessassem obrigados a recusar-lhe o direito
armas. Tampouco permitirei que este homem acrescente a seus de apelação, por um acordo semelhante ao que h~viam censu-
outros_ crimes a impudência de um defensor. Por isso, Ápio rado nos decênviros, apelaria então para o povo mvocando as
Cláudto, por todos os crimes abomináveis que tua impiedade leis sobre o direito de apelação, promulgadas naquele mesmo
ousou acumular uns sobre os outros durante dois anos eu te ano pelos cônsules e pelos tribunos. Quem mais teria o direito de
per~ôo . Mas há um crime para o qual aceitarás que u'm juiz apelar, se ele, que não fora condenado e ainda nem se defendera,
dectda : se condenaste ou não, ilegalmente, uma pessoa livre à não tinha esse direito? Qual seria o humilde plebeu que encon·
servidão provisória. Do contrário, mandarei prender-te". traria na lei o apoio que um Ápio Cláudio não encontrava?
Ápio não tinha a menor esperança no auxílio dos tribunos Ele serviria de exemplo para demonstrar se as novas leis esta-
ou no julgamento do povo. Contudo, apelou para os tribunos beleciam o despotismo ou a li berdade, se o recurso e a apelação
e, quando foi detido pelo apparitor, sem demora respondeu: contra a arbitrariedade dos magistrados eram simples ostentação
"~pelo". Ao ouvir-se aquela palavra, garantia da liberdade, de palavras ocas ou uma conquista real.
samdo da mesma boca que outrora se pronunciara contra ela
fez-se silêncio. Todos murmuravam que afinal existiam deuse~ Apresentação da lei 51. A essas palavras, Virgínia
que não se esqueciam dos homens. Embora tarde, o orgulho das " Doze Tábuas" . respondeu que só quem estava
e a crueldade acabavam severamente castigados. Recorria à Prisão de Ápio Cláudio. fora da lei e dos direitos de cida-
apelaç.ão aquele que havia destruido esse direito; implorava a dão e de pessoa humana era
proteção do povo aquele que esmagara todos os seus direitos· Apio Cláudio. Os homens deviam observ~r ~eu tribunal, ci~a~el~
seria arrastado à cadeia, privado do direito de liberdade, aquel~ de todos os crimes, onde aquele decenvtro perpétuo, tntmt-
que condenara uml) pessoa livre à escravidão. go dos bens, da pessoa e do sangue dos cidadãos, que a todos
Enquanto isso, em meio aos murmúrios da assembléia ele- ameaçava com varas e segures, desprezando os deuses e os. ho-
vou-se a voz de Ápio implorando o auxílio do povo ro~ano. mens cercado de carrascos e não de lictores, trocara um dta a
Relembrava os feitos de seus antepassados na política e no rapin~ e o assassínio pela luxúria e o deboche. À vista do povo
exército e sua própria dedicação para com a plebe embora de romano ele havia arrebatado uma jovem livre dos braços de
infelizes resultados. Para dar a todos os cidadãos' as mesmas seu pai , como se fosse prisioneira de guerra , para dá-la de pre-

274 275
TITO UVIO HISTCRIA DE ROMA

sente ao cliente e conselheiro de sua alcova. Por uma decisão forte em número e em qualidade. Antes de saírem da cidade,
cruel e uma reiv indicação sacrílega ele havia armado o braço os cônsules apresentaram ao povo as leis decenvirais a que
de um pai contra sua própria filha. Abalado muito mais com o chamamos de "Doze Tábuas" gravadas em bronze. Segundo
fracasso de sua infâmia do que com essa morte, ordenara a pri- alguns historiadores, foram os edis que desempenharam essa
são do noivo e do tio que erguiam o corpo da jovem agonizan- função por ordem dos tribunos.
te. Fora ele quem edificara a prisão que costumava chamar de
domicílio da plebe romana. Poderia, portanto, apelar uma, duas Julgamento e condenação 58. Caio Cláudio, que abomi-
ou mais vezes que ele, Virgínjo, o citaria uma, duas ou mais dos decênviros. nava os crimes dos decênviros,
vezes, como o homem que havia condenado uma pessoa livre sobretudo a tirania de seu so-
à servidão. E se por acaso ele se recusasse a comparecer em brinho, retirara-se para Regilo, pátria de seus antepassados.
juízo, considerá-lo-ia condenado e o mandaria prender. Apesar da avançada idade, regressara a Roma a fim de tentar
Embora não houvesse censuras a Virgínio, uma grande salvar com suas súplicas aquele cujos crimes o haviam compe-
emoção apoderou-se dos ânimos quando Apio foi conduzido ao lido a emigrar. No Fórum, com as vestes sujas 47 , seguido por
cárcere. O suplfcio de personagem tão importante parecia à sua família e seus clientes, falava a uns e a outros suplicando-
plebe um abuso de confiança. O tribuno fixou a data de seu lhes que não permitissem que aquela mancha ficasse impressa
julgamento.
na linhagem dos Cláudios, para que eles não parecessem apenas
Entrementes, delegados da parte dos latinos e dos hérnicos dignos de cárcere e grilhões. Um homem, que deveria ter sua
vieram a Roma apresentar felicitações pela reconciliação entre imagem venerada pela posteridade, um legislador e fundador do
patrícios e plebeus. Nessa ocasião, ofereceram ao excelente e direito romano, não deveria jazer encarcerado entre ladrões no-
grande Júpiter uma coroa de ouro, depositando-a no Capitólio. turnos e salteadores! Não se deixassem levar pela cólera e pro-
Não possuía muito peso porque a situação desses povos naquela curassem fazer uma análise mais minuciosa dos fatos, perdoando
época não era de opulência e também porque eles punham mais um Cláudio diante das súplicas de tantos Cláudios, ao invés de
piedade do que magnificência em suas práticas religiosas. desprezar tantas súplicas pelo ódio de um só. Ele próprio toma-
Esses mesmos delegados informaram que équos e volscos ra essa atitude em defesa do nome de sua família sem ter-se
preparavam-se para a guerra com grande entusiasmo. Diante reconciliado com aquele que queria socorrer na desgraça. O
disso, os cônsules tiveram ordens para dividir entre si o coman- povo, por sua coragem, havia recuperado a liberdade e, por sua
45
do • Horácio ficou encarregado dos sabinos 48 e Valério dos clemência, poderia consolidar a união das classes.
équos. Quando decretaram o alistamento, a popularidade de Muitos ficaram comovidos não pela causa que ele defendia
que gozavam os dois cônsules fez com que não só as classes mas pelo respeito que inspirava. Virgínio, porém, pedia que
mais jovens, como também uma grande parte de voluntários tivessem piedade dele próprio e de sua filha. Que não escutassem
já liberados do serviço militar, se apresentassem para dar seus as súplicas da famflia Cláudia, destinada a tiranizar o povo,
nomes. A incorporação dos veteranos tornou o exército mais mas as dos parentes de Virgínia, de três tribunos eleitos para
socorrer a plebe e que imploravam, por sua vez, a fidelidade
45 . No original "dividir entre si as provfncias •. Provincia, no e o apoio dessa mesma plebe. As súplicas de Virgínio parece·
infcio, designava o cfrculo da competência de um magistrado.
46 . Conforme o que foi dito linhas acima , seria de esperar os 47. No latim sordidatus. Os suplicantes usavam vestes sujas em
volscos.
sinal de luto, para provocar a compaixão.

276 277
TITO LIVIO HISTóRIA DE ROMA

ram mais justas. Assim, perdidas as esperanças, Ápio suicidou-se que as mais recentes foram expiadas pelo suplício dos decênvi-
antes do dia do julgamento. ros. Por outro lado, não se cometerão novas faltas que exijam
Logo em seguida, Públio Numitório investiu contra Espúrio intervenção dos tribunos, uma vez que a permanente vigilância
Opio, o decênviro mais odiado depois de Ápio, porque se dos dois cônsules protege vossa liberdade ".
achava em Roma quando fora proferida a inju:;ta sentença de A atitude moderada do tribuno dissipou o receio dos patrí-
seu colega. Contudo, seus crimes pessoais mais do que sua cios mas aumentou-lhes a animosidade contra os cônsules. Eles
omissão diante da sentença é que lhe atraíram os ódios. Apre- se mostravam a tal ponto dedicados à plebe que um magistrado
sentou-se uma testemunha que participara de vinte e sete cam- plebeu se preocupava mais com os interesses dos patrícios do
panhas e recebera oito recompensas extraordinárias. Ostentando que os próprios magistrados patrícios. Os tribunos, seus inimi-
essas recompensas, rasgou e exibiu aos olhos do povo o dorso gos, haviam começado a saturar-se dos suplícios antes que os
dilacerado pelas varas e declarou que se o réu , embora simples cônsules demonstrassem intenção de agir contra esses excessos.
cidadão, pudesse apontar-lhe alguma falta, dar-lhe-ia o direito Muitos diziam que os senadores tinham revelado fraqueza ao
de castigá-lo novamente. Opio também foi encarcerado e pôs aprovar as leis propostas pelos cônsules, e não havia dúvidas
fim à vida antes do dia do julgamento. Os bens de Cláudio de que haviam cedido em face das perturbações políticas.
e de Opio foram confiscados pelos tribunos. Os demais decên-
viros partiram para o exílio e seus bens foram igualmente con- Combate contra équos e volscos. 60. Restabelecida a or-
fiscados. Marco Cláudio, que reclamara Virgínia, foi julgado dem na cidade e conso-
e condenado à morte, mas como o próprio Virgínia lhe comu- lidada a situação da plebe, os cônsules partiram para assumir
tasse a pena, exilou-se em Tílbure. Só então os manes de Virgí- seus postos. Valéria resolveu prudentemente prolongar a guerra
nia, mais feliz depois de morta do que em vida, puderam contra os exércitos dos équos e dos volscos reunidos no Algido.
repousar 48 , após terem pervagado por tantas casas a exigir Se, confiando na sorte, tivesse tentado um ataque imediato, não
justiça, sem poupar um único culpado. sei se não teria sido um desastre total, dado o estado de espírito
que as infelizes campanhas dos decênviros haviam criado entre
Inquietação política em Roma. 59 . Um grande temor apo- os romanos e os inimigos. O cônsul estabelecera acampamento
derou-se dos patrícios ao a mil passos do inimigo e a{ mantinha suas tropas. Os inimigos
verem que os tribunos de agora assemelhavam-se aos decên- cobriam o espaço entre os dois acampamentos, dispostos em
viros de outrora . Foi então que Marco Duílio, tribuno da plebe, fileiras, e provocavam os romanos ao combate, sem entretanto
tomou medidas salutares contra o poder excessivo. " Nossa liber- obter resposta. Por fim, fatigados de ficar de pé e de esperar
dade e a punição de nossos inimigos são suficientes, disse ele. inutilmente a batalha, équos e volscos, julgando certa a vitória,
Este ano não admitirei a citação ou a prisão de quem quer que separaram suas tropas para atacar e saquear, uns os hérnicos,
seja. Não convém revolver velhas culpas já esquecidas, uma vez outros os latinos. Deixaram no acampamento apenas uma guar-
nição suficiente para defendê-lo e não para enfrentar um com-
48 . Os antigos acreditavam que as almas dos mortos vinham bate. O cônsul percebeu a situação e, revidando as ameaças re-
atormentar os vivos