Você está na página 1de 56

Roteiro com Técnicas para

Orientação Vocacional e Profissional


Exclusivo para Psicólogos
e Estudantes de Psicologia

Técnicas prontas para imprimir

www.psicosim.com.br
Organizado por:

Simone Teixeira

Psicóloga - CRP 06/97645


Fundadora do site de orientação psicológica online
www.psicosim.com.br

Atua há mais de 10 anos com o desenvolvimento humano. Ao longo da


carreira profissional desenvolveu diversas técnicas de
avaliação psicológica, voltadas para candidatos de diferentes
níveis hierárquicos, nos segmentos da educação, financeiro, outsourcing e
saúde.

Apaixonada pela psicologia, está sempre aprimorando seus conhecimentos.

Graduada pela PUC, possui especializações nas áreas:


empresarial, educacional e saúde.

- Psicoterapeuta Cognitivo-Comportamental;
- Psicopedagoga Clínica e Educacional;
-. Psicóloga Hospitalar;
- Psico-oncologista;
- Palestrante e Instrutora de treinamentos.

Contatos:
E-mail: atendimento@psicosim.com.br
Telefone: (011) 96578-4700
Fanpage: @psicosim
Instagram: terapia_online_psicosim
LinkedIn: ✔ Psicóloga Simone Teixeira
Índice:

Apresentação do E-book _________________________________ pg. 4

Capítulo I - A diferença entre Orientação Vocacional (OV) e

Orientação Profissional (OP) ______________________________ pg. 5

Capítulo 2 - O que é Orientação Vocacional e Profissional_____ pg. 6

Capítulo 3 - O papel do Orientador_________________________ pg. 7 a pg. 8

Capítulo 4 - O Luto do Orientando na Hora da Escolha_________ pg. 9 a pg. 10

Capítulo 5 - Testes para Orientação Vocacional e Profissional__ pg. 11 a pg.17

Capítulo 6 - Outras técnicas para Orientação Vocacional e

Profissional ______________________________________________ pg. 18 a 20

Capítulo 7 - Primeiro Encontro ______________________________ pg. 21 a 25

Capítulo 8 - Segundo Encontro ______________________________ pg. 26 a 36

Capítulo 9 - Terceiro Encontro _______________________________ pg. 37 a 38

Capítulo 10 - Quarto Encontro _______________________________ pg. 39 a 41

Capítulo 11 - Quinto Encontro_______________________________ pg. 42 a 46

Capítulo 12 - Sexto Encontro ________________________________ pg. 47 a 52

Capítulo 13 - Finalizando a Orientação: Sétimo Encontro________ pg. 53 a 55

Referência Bibliográfica_____________________________________ pg. 56


Apresentação:

Neste e-book você encontrará informações importantes para a condução de um

processo de, Orientação Vocacional e Profissional. Um roteiro com sugestões

de técnicas a serem aplicadas no atendimento tanto individualmente, quanto em

grupo. Fica a critério do psicólogo estipular o número ideal de encontros e a

escolha da técnica mais adequada de acordo com a nescessidade de cada

orientando.

Testes psicométricos e projetivos podem ser utilizados na Orientação Vocacional

e Profissional como bons instrumentos auxiliares. Citaremos alguns neste e-

book, considere especificidade de cada um para o seu orientando e a aprovação

dos testes pelo CFP, no momento em que for utilizar.

As técnicas deste e-book devem ser utilizadas como recursos complementares

para auxiliar a atuação do psicólogo e ajudar o orientando a adquirir

autoconhecimento, revelar sua personalidade e projetar suas fantasias, temores,

entre outros. Visam facilitar o orientando a “olhar para si”, o que possibilitará a

reflexão e dará melhores chances de exercer a escolha de forma consciente e

elaborada durante o processo de Orientação Profissional e Vocacional.

pg. 4
Capítulo I - A diferença entre Orientação Vocacional (OV) e

Orientação Profissional (OP)

Vamos começar identifciando a diferença entre Orientação Vocacional (OV) e

Orientação Profissional (OP). Apesar dos termos serem utilizados como

sinônimos por alguns profisisonais, existe uma diferença conceitual e teórica.

Vocação é um termo derivado do verbo no latim “vocare” que significa

“chamar”. É uma inclinação, uma tendência ou habilidade que leva a pessoa a

exercer uma determinada carreira ou profissão. Alguns autores consideravam a

vocação como algo pronto no ser humano e o orientador, no processo de

orientação, teria que descobrir essa vocação e apresentá-la ao orientando.

Porém, esta visão retira do orientando sua autonomia para escolher, por isso,

alguns autores preferem o termo Orientação Profissional, relacionado ao

mundo profissional.

Cada profissional escolhe o termo para sua atuação de acordo com sua

condução. Eu, partilularmente considero um processo interno que caminha em

conjunto com o conhecimento das profissões. Por isso, utilizo o termo

Orientação Vocacional e Profissional considerando este como um processo

tanto de autoconhecimento, para esclarecimento de conflitos que podem estar

impedindo ou dificultando a escolha, quanto de conhecimento do mundo

profissional.

pg. 5
Capítulo 2 - O que é Orientação Vocacional e Profissional

O processo de Orientação Vocacional e Profissional por envolver encontros

planejados e com foco, é considerado uma terapia breve. Trabalha a percepção

de si próprio, da realidade exterior, esclarece conflitos que podem estar impedindo

ou dificultando a escolha e amplia a capacidade do orientando em perceber de

forma mais amadurecida qual a escolha profissional mais indicada.

É uma abordagem que também oferece a promoção da saúde, porque além de

proporcionar condições para que o orientando se conheça melhor e perceba suas

identificações, consequentemente, ele adquire mais confiança para organizar seus

projetos de vida.

O trabalho com seu orientando pode ser individual ou em grupo. As vantagens do

trabalho em grupo são:

 O orientando sente-se aliviado por não ser o único com conflitos e

dificuldades na escolha;

 A visão do outro, auxilia na visão de si mesmo;

 O grupo ajuda na utilização de técnicas mais dramáticas;

 Podemos atender um número maior de pessoas quando realizado em grupo.

pg. 6
Capítulo 3 - O papel do Orientador

O Orientador, como o próprio nome já diz, é aquele profissional que orienta a escolha

de seu orientando, acompanhando-o em suas dúvidas e questionamentos. O

profissional que orienta não escolhe a profissão para seu orientando, mas o guia ao

encontro dela.

Para estar apto para exercer esse trabalho, o orientador necessita ter consciência das

motivações inerentes à sua própria escolha profissional, deve ter um referencial

teórico claro e consistente, conhecimento técnico dos instrumentos disponíveis e estar

constantemente atualizado a respeito do mundo profissional.

O orientador deve ter conhecimentos sobre algumas situações comuns no processo

de Orientação Vocacional e Profissional:

a) Dúvidas sobre qual caminho seguir: no momento em que busca uma

profissão, o orientando está definindo o que vai ser, está escolhendo um “papel

adulto”. Na medida em que escolhe, deixa algo, o que pode gerar conflitos e

ansiedades neste período.

b) “Destino marcado”: ocorre quando os pais determinam a profissão de seu filho,

normalmente para seguir uma tradição. Por exemplo: “Sou engenheiro e meu filho

também será!”

pg. 7
Capítulo 3 - O papel do Orientador

c) “Comodismo”: quando alguém da família já exerce uma profissão e o orientando

a seguirá por conveniência.

Por isso, é muito importante que em um processo de Orientação Vocacional e

Profissional estejam envolvidos: o psicólogo, o orientando e a sua família.

pg. 8
Capítulo 4 - O Luto do Orientando na Hora da Escolha

O diferencial de ser um psicólogo realizando o processo de Orientação

Vocacional e Profissional, é sua habilidade em desempenhar um trabalho clínico,

com o objetivo de estabelecer condições para uma decisão mais assertiva, em

que o futuro profissional do orientando esteja em sintonia com a sua subjetividade

e identidade.

A adolescência é considerada um período de crise e uma fase de muitas

transformações, afinal, o jovem encontra-se em um período de transição, a saída

da infância e a entrada no mundo adulto. Essa não é uma tarefa fácil, o jovem

adolescente precisa elaborar o luto pelo fim da infância, conhecer o mundo adulto,

ao mesmo tempo em que está conhecendo e aprendendo a lidar com as

transformações no próprio corpo, nas suas relações interpessoais e suas próprias

demandas.

No meio de todo esse processo, há também a escolha de um profissão. Vista não

apenas como a escolha de uma atividade futura, mas a forma de se expressar e

posicionar no mundo. Por isso o orientador precisa ajudar o orientando a

responder a pergunta “o que serei quando crescer?” e não “o que farei quando

crescer?”. A resposta não se limitará para uma determinada carreira, mas também

a como, porquê e para quê exercer essa profissão, sendo importante pensar

também em para quem: os pais? para si? para o mundo?

pg. 9
Capítulo 4 - O Luto do Orientando na Hora da Escolha

Um ponto outro ponto a ser considerado é que escolher uma profissão não

significa necessariamente que o orientando não goste de outras. Pessoas

multipotenciais, por exemplo, possuem elevado níveis de aptidões distribuídos e

defrontam-se com mais conflitos neste momento da escolha.

O fato de ter que escolher uma atividade, uma profissão específica e deixar as

demais de lado, faz com que o orientando de perfil multipotencial tenha o desafio

de encontrar uma conexão entre todos os assuntos de interesse, para construir

uma carreira profissional com seus toques especiais e conhecimentos, trilhando

um estilo de vida próprio.

Diante desta situação, um dos objetivos do orientador é ajudar o orientando a

discriminar e perceber qual profissão que reunirá de forma mais completa as suas

qualidades e competências, de tal forma que ele possa satisfazer suas

necessidades.

pg. 10
Capítulo 5 - Testes para Orientação Vocacional e Profissional

Há abordagens que não utilizam testes durante a Orientação Vocacional e Profissional

por priorizarem a escolha do orientando, seus riscos e responsabilidade frente à

situação e não o resultado de um teste que possa retirar sua responsabilidade e

autonomia.

Caberá a cada profissional optar pelo uso ou não de testes durante a Orientação

Vocacional e Profissional. Em minha atuação utilizo por acreditar ser importante ao

psicólogo ter um indício maior da personalidade, características e competências de

seus orientandos.

Alguns dos testes psicológicos usados para Orientação Vocacional e Profissional

(individual ou em grupo), são os de personalidade, de interesses profissionais, os que

avaliam o nível de maturidade para a escolha da profissão, entre outros aspectos do

orientando.

pg. 11
Capítulo 5 - Testes para Orientação Vocacional e Profissional

Conheça alguns testes indicados para aplicação durante a Orientação Vocacional e

Profissional :

 Testes de personalidade:

QUATI - Questionário e Avaliação Tipológica

OBJETIVO

Avaliar a personalidade por meio de escolhas situacionais.

PÚBLICO-ALVO

Adolescentes e adultos, a partir da 8ª série do ensino fundamental.

APLICAÇÃO

Individual ou coletiva, sem limite de tempo, sendo que a maioria das aplicações

leva em média 45 minutos.

DESCRIÇÃO

O questionário, baseado nos tipos psicológicos de Jung, é composto 6

propostas de situações cotidianas, cada uma com aproximadamente 15 pares

de afirmações, em que o sujeito escolhe as que mais se aproximam de seu

comportamento e anota na folha apropriada. A correção é realizada pela

quantidade de respostas dadas para cada uma das dimensões descritas, pela

avaliação qualitativa e quantitativa. Existe atualmente uma versão informatizada

com a correção automática do teste. Existem estudos de precisão, validade e

tabelas em percentis para o público-alvo de acordo com sua escolaridade.

pg. 12
Capítulo 5 - Testes para Orientação Vocacional e Profissional

 Testes de personalidade:

PALOGRÁFICO

OBJETIVO

Avaliar as principais características da personalidade..

PÚBLICO-ALVO

Adolescentes e adultos.

APLICAÇÃO

Individual ou coletiva, com limite de tempo.

DESCRIÇÃO

Trata-se de um teste que avalia a personalidade por meio do comportamento

expressivo. Sua aplicação é muito simples e rápida, mas sua avaliação e

interpretação exigem um certo grau de preparação e experiência do psicólogo

com a técnica. A correção é realizada pela avaliação quantitativa e qualitativa,

com base nos traços realizados. Existem estudos de precisão, validade e

tabelas em percentis para o público-alvo de acordo com sua escolaridade e

sexo.

pg. 13
Capítulo 5 – Testes para Orientação Vocacional e Profissional

 Testes que auxiliam a orientação vocacional:

AVALIAÇÃO DOS INTERESSES PROFISSIONAIS (AIP)

OBJETIVO

Avaliar os interesses profissionais dos jovens.

PÚBLICO-ALVO

Adolescentes e adultos.

APLICAÇÃO

Individual ou coletiva, sem limite de tempo, sendo que a maioria das aplicações

leva em média de 30 minutos.

DESCRIÇÃO

O teste é composto por 200 frases, divididas em 100 pares de atividades, que

estão relacionadas aos 10 campos de interesses descritos pelas autoras: Campo

Físico/Matemático (CFM); Campo Físico/Químico (CFQ); Campo

Cálculos/Finanças (CCF); Campo Organizacional/Administrativo (COA); Campo

Jurídico/Social (CJS); Campo Comunicação/Persuasão (CCP); Campo

Simbólico/Linguístico (CSL); Campo Manual/Artístico (CMA); Campo

Comportamental/Educacional (CCE); Campo Biológico/Saúde (CBS). O jovem

seleciona a atividade que mais lhe desperta interesse e registra sua escolha na

folha apropriada. A correção é realizada pela classificação das respostas dadas,

por meio da avaliação quantitativa e qualitativa.

pg. 14
Capítulo 5 - Teste para Orientação Vocacional e Profissional

 Testes que auxiliam a orientação vocacional:

ESCALA DE MATURIDADE PARA A ESCOLHA PROFISSIONAL - 2ª Edição (EMEP)

OBJETIVO

Avaliar a maturidade para a escolha profissional e detectar quais dos aspectos que a

compõem estão mais e menos desenvolvidos.

PÚBLICO-ALVO

- Pessoas cursando o nono ano do ensino fundamental, primeiro, segundo e terceiro

ano do ensino médio. Que já concluíram o ensino médio e que estão escolhendo sua

futura profissão ou ocupação; Alunos universitários em reorientação.

APLICAÇÃO

Individual ou coletiva. Não existe limite de tempo para a realização do teste,

geralmente são necessários de 15 a 30 minutos para sua execução.

DESCRIÇÃO

A escala é formada por 45 itens distribuídos em cinco subescalas: Determinação,

Responsabilidade, Independência, Autoconhecimento e Conhecimento da Realidade

Educativa e Socioprofissional. Para responder à escala, o avaliado deve considerar

com que frequência atua ou pensa em cada uma das situações propostas nos itens. As

respostas devem ser assinaladas no livro de aplicação e a correção é feita com ajuda

de um crivo de avaliação que possibilita a contagem da pontuação das cinco

subescalas avaliadas bem como a escala total. Todos os resultados devem ser

anotados no livro de avaliação para então serem interpretados.

pg. 15
Capítulo 5 - Teste para Orientação Vocacional e Profissional

 Testes que auxiliam a orientação vocacional:

ESCALA DE ACONSELHAMENTO PROFISSIONAL (EAP)

OBJETIVO

Avaliar as preferencias por atividades profissionais.

PUBLICO-ALVO

Adolescentes e adultos, a partir dos 17 anos.

APLICAÇÃO

Individual ou coletiva, sem limite de tempo, sendo que a maioria das aplicacoes leva

em media de 15 minutos.

DESCRIÇÃO

A escala é composta por 61 frases, relacionadas a atividades profissionais. O

adolescente / adulto classifica as frases de acordo com seu grau de vontade para

desenvolver as referidas atividades. A correção e realizada de acordo com a soma dos

valores atribuídos para os itens que são divididos em sete dimensões (Ciências

Exatas, Artes/Comunicação, Ciências Biológicas/da Saúde, Ciências

Agrarias/Ambientais, Atividades Burocráticas, Ciências Humanas e Sociais Aplicadas

e Entretenimento) e pela avaliação quantitativa e qualitativa.

pg. 16
Capítulo 5 - Teste para Orientação Vocacional e Profissional

 Testes que auxiliam a orientação vocacional:

PROFISSIOGAME

OBJETIVO

Proporcionar aos jovens um contato com o mundo do trabalho por meio de uma

inserção lúdica.

PÚBLICO-ALVO

Adolescentes e adultos, a partir dos 14 anos.

APLICAÇÃO

Individual ou coletiva, sem limite de tempo, sendo que a maioria das aplicações

leva em média de 1 hora. Nas aplicações individuais, o orientador participa do

jogo. Caso haja mais de 8 jogadores, formam-se duplas.

DESCRIÇÃO

O jogo é composto por um tabuleiro, dividido em várias casas Vermelhas (que

são as "casas sem tarefa casa de espera"); Azuis (que são as casas de: "Você

é"); Amarelas (que são as casas de: "Qual a profissão?"); Verdes (que são as

casas de: "Acontecimentos profissionais"). Os jovens, junto com o orientador,

selecionam o bonequinho profissional e iniciam a partida. O jogo continua até que

todos os jogadores tenham chegado à casa final, que é a da aposentadoria.

pg. 17
Capítulo 6 - Outras técnicas para Orientação Vocacional e Profissional

Os testes psicológicos são importantes como um complemento do trabalho do

Orientador, servem para ajudar o profissional a compreender o orientando como

um todo. Mas não são as únicas técnicas existentes para a Orientação Vocacional

e Profissional.

As outras técnicas utilizadas são: as entrevistas, as dinâmicas (quando em grupo),

a utilização de jogos e a realização de pesquisas (sobre profissões, instituições de

ensino, mercado de trabalho, áreas de trabalho dentro de uma mesma profissão,

remuneração e ambiente de trabalho).

Neste e-book você encontrará diversas técnicas que serão citadas ao longo dos

próximos capítulos. A distribuição delas ao longo do roteiro de cada encontro é

apenas uma sugestão, para que você tenha opções de ferramentas para trabalhar.

Não é necessário, nem esperado, que todas essas técnicas sejam utilizadas, mas

que o orientador selecione a técnica conforme a necessidade e as características

específicas de cada orientando, bem como a que melhor se identificar.

pg. 18
Capítulo 6 - Outras técnicas para Orientação Vocacional e Profissional

Abaixo as técnicas que você encontrará neste e-book. As que tiverem formulários
específicos para aplicação, estão prontas para imprimir no material de apoio em
word:

1) Técnicas introspectivas, visando o Autoconhecimento:

1. História do nome

2. Círculo da Vida

3. Técnica do Gosto e Faço

4. Exercícios para identificação de: Interesses, Aptidões e Características de

Personalidade

5. Exercício de Introspecção

6. Frases Incompletas

7. Desiderativo Vocacional

8. Técnica das Atividades Profissionais

9. Autobiografia

2) Técnicas/atividades relacionadas à Informação Ocupacional:

1. Tempestade de profissões

2. ARGEVOC (Árvore Genealógica Vocacional) ou Genoprofissiograma.

pg. 19
Capítulo 6 - Outras técnicas para Orientação Vocacional e Profissional

Abaixo as técnicas que você encontrará neste e-book. As que tiverem formulários
específicos para aplicação, estão prontas para imprimir no material de apoio em
word:

3)Técnicas relacionadas à Tomada de Decisão:

1. Exercício de Tomada de Decisão

2. Dobradura

4) Técnicas relacionadas à Conclusão do Processo:

1. Visão de futuro

2. Colagem

3. Entrevista de finalização

5) Sugestão de endereços na Internet para pesquisa sobre cursos/profissões:

www.guiadoestudante.com.br

www.guiadasprofissoes.com.br

www.mundovestibular.com.br

pg. 20
Capítulo 7 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Primeiro Encontro

O objetivo do Primeiro Dia do processo de Orientação Vocacional e Profissional é

conhecer o orientando e sua família, investigar à expectativa dele e realizar o

contrato, que corresponde aos esclarecimentos sobre os atendimentos.

Deixe bem claro para o orientando que a decisão, a escolha do curso / profissão será

realizada por ele e que você irá auxiliá-lo a encontrar as conclusões, não concluirá

por ele. O enquadre deve ser retomado tantas vezes forem necessárias para que o

orientando se certifique quanto aos procedimentos da Orientação Vocacional e

Profissional, em momentos de dúvidas.

Inicia-se com uma conversa informal com os pais. (Anamnese – Vide material de

apoio em word, pg. 5);

Logo após realiza a entrevista inical com o orientando (Entrevista em Orientação

Vocacional e Profissional – Vide material de apoio em word , pg. 6 a 8);

Ao estabelecer o contrato do processo de orientação é importante colocar os dias

dos encontros, a duração de cada um, valores e dia da devolutiva.

(Contrato/Normas – Vide material de apoio em word, pg. 3 a 4 );

pg. 21
Capítulo 7 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Primeiro Encontro

No material de apoio, você encontrará também um documento como sugestão para

o registro de cada encontro (Registro de atendimento em orientaçao Vocacional

e Profissional pg. 9 a 10)

Em caso da orientação ocorrer em grupo. A apresentação dos participantes pode

ocorrer através de dinâmicas. No material de apoio, há sugestão de 3 (três)

dinâmicas (pg. 11 a 12) para que você possa escolher uma para utilizar nessa

etapa. Lembramos que, não só o grupo se conhecerá neste momento, mas o

orientador terá a oportunidade de conhecer traços da personalidade de cada um

durante as apresentações através da dinâmica.

Após a condução da dinâmica pede-se que cada particicipante expresse o que o

trouxe no grupo, assim como sua expectativa diante do trabalho a ser realizado nos

próximos encontros. Em seguida, estipulasse com o grupo o enquadre referente aos

encontros.

Fica a critério de cada orientador fornecer ou não atividades para serem realizadas

em casa ao longo do processo.

pg. 22
Capítulo 7 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Primeiro Encontro

Sugestões para tarefa de casa neste primeiro encontro é:

1. ELABORAÇÃO DE UMA AUTOBIOGRAFIA

Material: Folha de papel A4 ou ofício; Lápis preto ou caneta e Borracha

Procedimento: Solicitar ao orientando que escreva em uma folha as coisas que

considera mais importante que ocorreram em sua vida. Em caso de atendimento

em grupo, é importante dizer que o material é sigiloso entre cada aluno e o

orientador.

2. ÁRVORE GENEALÓGICA PROFISSIONAL / VOCACIONAL (ARGEVOC)

Objetivo: Explorar as influências manifestas e latentes da família no projeto de

escolha vocacional, especialmente a partir da percepção do outro como

profissional, dentro das relações familiares. É também um bom instrumento de

pesquisa prévia à informação ocupacional.

Material: Folha de papel A4 ou ofício; Lápis preto ou caneta e Borracha

pg. 23
Capítulo 7 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Primeiro Encontro

Procedimento: Primeiramente elucidar com o cliente a expressão “Árvore

Genealógica” delimitando o objetivo específico da “árvore” em questão (ligada às

profissões familiares). Esclarecer que deverão ser incluídos os familiares mais

próximos (avós, pais, tios, irmãos e primos), relacionando suas respectivas

atividades profissionais.

Na ARGEVOC, outras pessoas de importância nas relações do indivíduo podem ser

incluídas (professores, amigos, etc), a critério deste ou até mesmo serem colocados

como referência principal caso se tenham convertido em personagens significativos

especialmente se exercem influência sobre a escolha profissional do orientando.

Instrução: “Você vai representar graficamente sua árvore genealógica, registrando

nela seus familiares diretos e suas respectivas famílias, tanto da linha paterna como

materna, juntamente com a profissão/ocupação por eles exercida”.

Observação: A família poderá ajudar na realização desta tarefa.

pg. 24
Capítulo 7 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Primeiro Encontro

Desenvolvimento: Solicitar ao cliente que apresente sua “ARGEVOC” no próximo

encontro e neste momento ele irá relatar sua percepção sobre cada um dos

membros da família como profissionais. Questionar: “Quem é uma pessoa especial

para você? Porque?

Verificar se o destaque é feito devido a fatores pessoais ou profissionais. No primeiro

caso apenas assinalar, no segundo verificar até que ponto esse destaque representa

influência na escolha profissional do orientando.

Observar as afinidades ou recusas do orientando e a importância que este concede

a cada pessoa/profissional, debatendo com ele suas possíveis identificações.

Favorecer para que ele perceba os valores que concede a cada pessoa em função

da atividade profissional exercida.

A ARGEVOC é um bom instrumento que nos permite focar as atividades peculiares à

família e sua influência na escolha do orientando.

pg. 25
Capítulo 8 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Segundo Encontro

O objetivo do Segundo Dia do processo de Orientação Vocacional e Profissional

é estimular o autoconhecimento do orientando, através de uma técnica

introspectiva. Também entrega-se e discute sobre a tarefa de casa do primeiro

encontro.

Sugestões de técnicas para o atendimento individual no segundo dia:

1. TÉCNICA HISTÓRIA DO NOME / CONHECIMENTO DO NOME

Objetivo: Favorecer o reconhecimento da história pessoal do orientando a partir do

comentário sobre o próprio nome. Conscientizar de possíveis expectativas da

família contidas na escolha do nome. Abordar o momento atual como uma

possibilidade de estabelecer a escolha autônoma de algo muito significativo na vida

que é a escolha por um curso/profissão/carreira.

Material: Não é necessário.

Procedimento: Solicitar ao orientando que fale sobre o seu nome: como foi

escolhido, por quem, que significado tem, se lhe agrada ou não, como os outros

reagem a ele, em que situações ter esse nome ajuda ou atrapalha, que nome

escolheria para si mesmo se precisasse trocar, se tem apelido, o por que desse.

pg. 26
Capítulo 8 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Segundo Encontro

Caso o orientando não saiba a história de seu nome, explorar a apreciação própria em

relação a ele e solicitar que investigue esta história através de seus pais ou outros

familiares. Retomar a técnica no encontro seguinte procedendo à exploração como

sugerido acima.

A exploração resulta na reflexão sobre o momento atual de uma escolha própria,

autônoma e consciente relacionada à profissão.

Desenvolvimento: Auxiliar na reflexão para que o jovem possa perceber que a escolha

do nome geralmente está carregada de muita expectativa familiar em relação ao filho,

incluindo-se aí a expectativa sobre a questão profissional (sucesso, fortuna, etc).

Há nomes de artistas famosos, de um familiar “realizado profissionalmente”, nomes

de pai para filho (ou avós), que deixam clara a expectativa de continuidade até

mesmo na profissão.

Favorecer para que o jovem perceba que naquele momento de sua vida, quando era

um bebê, não lhe foi possível escolher seu nome e, a seguir, refletir sobre as

consequências disto em sua vida futura. Agora em uma situação similar de escolha,

porém maduro e capaz, é possível pensar e escolher seu futuro.

pg. 27
Capítulo 8 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Segundo Encontro

1. TÉCNICA CÍRCULO DA VIDA. (Vide material de apoio pag. 13)

Objetivo: Facilitar a introspecção, permitindo ao orientando que verbalize mais

facilmente questões referentes à sua vida. É uma técnica facilitadora à entrevista.

Material: Folha de papel A4 ou folha impresssa com as instruções; Lápis preto n° 2;

Borracha; Caixa de lápis de cor (pelo menos 6 cores)

Procedimento: Apresentar o material ao orientando, dizendo-lhe: “Pense em sua vida,

em tudo o que é importante para você. Faça uma lista daquilo em que pensou. A

seguir, no verso da folha, desenhe um círculo e reparta-o em tantas partes quantos

foram os itens listados. Concluída esta etapa da tarefa, você deve colorir à sua

vontade e dar um nome a cada parte, identificando o que ela representa. Quando seu

trabalho estiver pronto conversaremos a respeito dele”.

Caso o orientando manifeste dúvida, pode-se repetir a instrução, fornecendo algum

exemplo que seja pertinente ao objetivo específico do trabalho que se propõe

(exemplo de itens importantes: “escola”, “família”), tendo o cuidado de apresentar, no

máximo, dois exemplos.

pg. 28
Capítulo 8 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Segundo Encontro

Desenvolvimento:

Exploração de conteúdo: Solicitar ao cliente que fale sobre cada um dos itens

apontados por ele no Círculo da Vida. Se necessário fazer perguntas, objetivando

maior exploração desses conteúdos.

É importante ter em mente que esta é uma técnica facilitadora à entrevista, à

abordagem de fatos e dados da vida do cliente, portanto, deve-se buscar

informações referentes às áreas básicas de investigação, a saber: área familiar,

escolar, profissional, de saúde e social (onde se incluem amizades, relações afetivas,

lazer, hábitos e até religião).

Exploração da forma: Questionar sobre o tamanho e posição do círculo na folha,

número e tipo de áreas incluídas, cores utilizadas e intensidade dessas cores.

Solicita-se ao cliente que explique cada item, o que certamente trará novas

informações.

O questionamento realizado pelo orientador deve servir para favorecer a reflexão

geral, assim, perguntas que levam a comparar a atividade realizada com o dia-a-dia

do orientando podem e devem ser feitas.

pg. 29
Capítulo 8 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Segundo Encontro

Exemplo: Caso o orientando faça um círculo muito pequeno, que ocupe cerca de

1/4 ou menos da folha ajudá-lo a refletir sobre como ele vem ocupando os

“espaços” que lhe são oferecidos na vida. Será que também em outras situações

ele tem dificuldade para ocupá-los?

Sugestões de técnicas para o atendimento em grupo no segundo dia:

Inicia-se solicitando aos jovens que se reapresentem dizendo seu nome e o que

sabem a respeito dele (de onde veio, quem lhes deu o nome...). Quando alguém

não sabe falar de seu nome, pede-se para que digam os nomes que pensaram

para seus filhos.

Depois da apresentação discute-se que, pais saudáveis gostam de seus filhos e,

quando pensam em um nome procuram dar algo importante para eles. Proponha

uma reflexão sobre os desejos que os pais tem diante da realização de seus filhos,

e sobre os pontos já citados neste e-book através da técnica: HISTÓRIA DO

NOME / CONHECIMENTO DO NOME .

1. TÉCNICA DO GOSTO E FAÇO (Vide material de apoio pg. 16);

Objetivo: Fazer um levantamento das atividades que o orientando gosta de

pg. 30
Capítulo 8 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Segundo Encontro

executar, se as executa ou não, por que. Discutir os sentimentos relacionados a estas

atividades e os vínculos estabelecidos com essas. Estender a reflexão para as

possíveis atividades da vida profissional que está escolhendo para si.

Material: Lápis e borracha ou caneta; Folha de papel ofício repartida em quatro

quadrantes iguais ocupando toda a extensão da folha, conforme o modelo

encontrado no material de apoio, pg. 16.

Procedimento: Solicitar que o orientando preencha os quadrantes com as atividades

realizadas em seu dia-a-dia, procurando lembrar-se do maior número possível delas.

Vale salientar que geralmente a pessoa lista atividades da vida diária e não apenas

aquelas que podem ter conexão com atividades profissionais.

Observação: a) A tarefa pode ser realizada durante o encontro ou como tarefa de

casa e trazida pronta para discussão durante o encontro.

b) É importante que o orientador realize a tarefa em si próprio, antes de

aplicá-la e discuti-la com alguém para melhor compreender como este pode ser um

trabalho difícil, que mobiliza o indivíduo e provoca “um balanço” de sua vida.

pg. 31
Capítulo 8 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Segundo Encontro

Desenvolvimento: Ouvir a exposição feita pelo orientando auxiliando-o a perceber em

qual dos quadrantes se concentra o maior número de atividades. Caso seja nos

quadrantes “gosto e faço” e “não gosto e não faço”, tanto melhor. Enfatizar o quanto

isso pode estar tornando o jovem uma pessoa feliz, pois ele realiza aquilo que gosta

e deixa de fazer o que não gosta.

Caso seja nos dois outros quadrantes, ajudá-lo a refletir sobre como pode fazer para

mudar a situação. É possível mudar as atividades de quadrante e passar a fazer o

que gosta ou deixar de fazer o que não gosta?

Favorecer para que o orientando pense o que isso pode estar significando em sua

vida: como pode fazer tantas coisas de que não gosta ou deixar de fazer o que

gosta? O que depende ou não depende dele para que uma mudança ocorra? Trata-

se de atividades/situações temporárias ou praticamente definitivas?

Auxiliar a reflitir também sobre o que a atividade profissional a ser escolhida para si

envolverá em termos das tarefas a serem desenvolvidas. Será que gostará de

executá-las ou terá que se sacrificar? Qual dos quadrantes ficará mais repleto de

atividades? Pode ser interessante debater sobre disciplinas que compõem o currículo

dos cursos e atividades do profissional.

pg. 32
Capítulo 8 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Segundo Encontro

2. TEMPESTADE DE PROFISSÕES (Vide material de apoio pg. 17);

Objetivos: Evocar nomes de profissões. Verificar o grau de informações do cliente

sobre profissões e a necessidade de ampliá-las. Identificar valores, estereótipos e

preconceitos relacionados às profissões evocadas.

Material: Folha de papel A4 ou impressa com os espaços já definidos para a

realização das 3 etapas da tarefa; Lápis preto ou caneta; Borracha; Cronômetro ou

relógio com marcador de segundos.

Procedimento: Instrução: 1ª etapa “Vou dar-lhe 5 minutos para que você escreva o

nome de todas as profissões que lhe vierem à mente. Faça seu registro em coluna,

cada profissão abaixo da outra”.

2ª etapa: Solicitar que o orientando identifique as 3 profissões que ele considera mais

importantes, enumerando 1 naquela que ocupa o primeiro lugar, 2 e 3 naquelas que

ocupam o 2° e o 3° lugares respectivamente.

pg. 33
Capítulo 8 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Segundo Encontro

3ª etapa: Pedir ao orientando que percorra a sua lista, identificando as profissões que não

gostaria de seguir, as que talvez seguisse e as que gostaria de seguir. Combinar um sinal

para cada situação. Por exemplo: N - não seguiria; T - talvez seguisse; S - seguiria.

Desenvolvimento: Terminada a produção, o orientador observará o tamanho da listagem

(espera-se aproximadamente de 15 a 20 profissões) e o tipo de profissões evocadas

(ligadas ou não a cursos superiores), fazendo comentários com o orientando caso este nº

seja adequado ou inadequado em relação ao esperado para a idade e grau de

escolaridade da pessoa.

Pedir ao orientando que fale a respeito do trabalho produzido comentando sua produção e

relatando seus critérios. Estar atento para ajudar o orientando a perceber a existência de

preconceitos, estereótipos e informações corretas ou incorretas expressas na fala.

Este levantamento pode servir como ponto de partida para o trabalho de Informação

Profissional. O orientador deverá utilizar-se de material de apoio para a efetivação da

Informação Profissional/Ocupacional: Guias de cursos e de profissões (Guia do Estudante,

Dicionário de Profissões, etc), assim como da possibilidade de acesso às informações

através de outros meios (Internet, entrevistas, visitas, etc).

pg. 34
Capítulo 8 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Segundo Encontro

Especialmente quando realizado em grupo, o exercício serve para aumentar o

conhecimento das profissões existentes no mercado de trabalho, assim como também

para que se discuta a diversidade de critérios de julgamento (o que é importante para

uns pode não o ser para outros).

3. TÉCNICA DAS ATIVIDADES PROFISSIONAIS (Vide material de apoio pg. 18);

Este formulário localizado no material de apoio poderá ser utilizado como complemento,

caso o orientando precise identificar atividades de interesse.

Sugestão para tarefa de casa neste segundo encontro :

•TÉCNICA FRASES INCOMPLETAS (Vide material de apoio pg. 14 a 15);

Objetivo: Investigar os possíveis conflitos, aspirações e projeções envolvendo as

escolhas profissionais.

Material: Folha impressa com 30 frases incompletas; Lápis ou caneta; Borracha

pg. 35
Capítulo 8 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Segundo Encontro

Procedimento: Instrução:

“Este material o ajudará a conhecer-se melhor, a pensar mais em você mesmo e nas

coisas que fazem parte do seu mundo, por isto é muito importante que você seja

sincero e espontâneo ao realizá-lo”. Complete as frases nos espaços em branco. Se

necessário use o verso da folha.

Solicitar ao orientando que leia cada frase e a complete com a primeira idéia que vier

à cabeça. Caso não surja nenhuma idéia, passar para a frase seguinte e, após a

última frase, voltar às que não foram preenchidas, completando-as.

Desenvolvimento: Ler silenciosamente as respostas e, em seguida, pedir ao

orientando que comente as frases que podem estar relacionadas a conflitos,

aspirações e projeções envolvendo as escolhas profissionais. Discutir com o

orientando as possíveis implicações para estas questões.

pg. 36
Capítulo 9 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Terceiro Encontro

O objetivo do Terceiro Dia do processo de Orientação Vocacional e Profissional é

trabalhar a ansiedade e nervosismo que são gerados inconscientemente neste

momento da escolha profissional. E também discutir sobre a tarefa de casa que o

orientador apresentou ao orientando.

Sugestão de dinâmica para ser utilizada tanto no atendimento individual,

quanto em grupo no terceiro dia:

Inicia-se o encontro com a Dinâmica dos Limões. O orientador irá distribuir um

limão para cada participante, em caso de atendimento individual, pedir que o

orientando escolha um limão que esteja entre outros que possam ser comparados

posteriomente.

Em seguida, solicitar para o(s) orientando(s) examinar(em) detalhadamente seu

limão por um minuto. Assim que terminar, o orientador deve recolher os limões

avisando que despejará no centro da sala e cada um deverá pegar o próprio limão.

pg. 37
Capítulo 9 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Terceiro Encontro

Neste momento gera-se inconscientemente ansiedade e certo nervosismo. Após

o(s) orientando(s) pegar(em) seus limões (dificilmente alguém erra), discute-se as

ansiedades e medos gerados antes de se pegar o limão e a facilidade em

reconhecer o seu.

Faz-se então uma analogia. Assim que tomarem conhecimento maior das

profissões, estas lhes “saltarão aos olhos” com mais familiaridade. Inicia-se então

as discussões sobre a tarefa de casa realizada.

Sugestão para tarefa de casa neste terceiro encontro:

Entrevistar um profissional que atua na profissão escolhida até o momento, pedir

informação sobre seu dia a dia, os sucessos, alegrias, os medos e dificuldades das

mesmas.

pg. 38
Capítulo 10 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Quarto Encontro

Neste Quarto Dia do processo de Orientação Vocacional e Profissional tanto

individualmente, quanto em grupo, pode-se trabalhar uma das técnicas

IDENTIFICAÇÃO DE INTERESSES, APTIDÕES E TRAÇOS DE

PERSONALIDADE (Vide material de apoio pg. 19 a 26)

Observação: Essas três técnicas não devem ser usadas simultaneamente, em um

mesmo encontro. Distribua os demais formulários conforme sua percepção do

andamento do processo. Após a realização debater os resultados assinalados e

correlacioná-los a cursos/profissões.

Objetivos: Promover a reflexão sobre características pessoais/individuais. Facilitar a

hierarquização de tendências e necessidades, relacionando-as a cursos/profissões.

Material: Folhas impressas; Lápis ou caneta; Borracha

Procedimento: Solicitar ao orientando que leia atentamente os termos apresentados

em cada uma das auto-avaliações, verificando se esses são de seu conhecimento.

Caso seja necessário, o orientador deverá dar os esclarecimentos evitando

exemplos.

pg. 39
Capítulo 10 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Quarto Encontro

Retiradas as dúvidas, pedir ao orientando que faça sua reflexão e assinale a

coluna adequada ao seu caso, em cada item. (Tempo médio: 10 minutos cada).

Desenvolvimento: Concluída a marcação, passar ao levantamento dos dados,

procurando investigar como o cliente percebe em si mesmo aquele interesse,

aptidão ou traço de personalidade e que cursos/ profissões viriam contemplar o

referido interesse.

Tentar discriminar se a característica assinalada está relacionada ao lazer ou

profissão.

Facilitar a associação das características a profissões nas quais estas serão de

significativa importância para o desempenho, utilizando-se dos materiais de

informação disponíveis.

Observação: A reflexão promovida pelas técnicas nos permite ampliar a

exploração da Informação Ocupacional.

pg. 40
Capítulo 10 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Quarto Encontro

Após o(s) orientando(s) apresentar(em) a entrevista realizada como tarefa de

casa, finalizar o dia com uma avaliação de como estão se sentindo até agora,

se querem expressar algo.

Sugestão para tarefa de casa neste quarto encontro:

Procurar as faculdades que oferecem os cursos de interesse, o ano de

duração, as matérias inclusas, as opções. Ou solicitar a realização de alguma

das técnicas já citadas até o momento e que não tenha sido utilizada.

pg. 41
Capítulo 11 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Quinto Encontro

O objetivo deste Quinto Dia é fornecer ao psicólogo um indício maior da

personalidade, características e competências de seus orientandos. Sendo sugiro a

aplicação de testagens, como:

 Testes de personalidade:

Quati - Questionário e Avaliação Tipológica

Palográfico

 Testes que auxiliam a orientação vocacional:

Avaliação dos interesses profissionais (AIP)

Escala de maturidade para a escolha profissional - 2ª edição (EMEP)

Escala de aconselhamento profissional (EAP)

Profissiogame

No capítulo 5 deste e-book consta a descrição detalhada de cada testagem citada

acima.

pg. 42
Capítulo 11 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Quinto Encontro

Sugestões para tarefa de casa neste quinto encontro:

1. EXERCÍCIO DE INTROSPECÇÃO (Vide material de apoio pg. 27)

Objetivos: Promover a introspecção, levando o orientando a pensar sobre as

atividades que executa, as que desejaria executar e sobre o que lhe falta para que

isto aconteça. Favorecer a elaboração de um plano de ação para o alcance dos

objetivos.

Material: Folha impressa com 6 questões; Lápis ou caneta; Borracha

Procedimento: Solicitar ao orientando que leia atentamente todas as questões,

respondendo-as a seguir.

Desenvolvimento: Ao receber este material o orientador deverá lê-las

silenciosamente. A seguir, pedirá ao orientado que comente cada resposta com

detalhes, solicitando que, se possível, amplie suas colocações. Enfatizar os

aspectos positivos apontados, procurando ajudar o orientando a buscar soluções

para suas dificuldades e limitações

pg. 43
Capítulo 11 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Quinto Encontro

Observação: A exploração pode ser feita a partir da realização do “Gosto e faço”, é

bastante similar a deste Exercício de Introspecção, portanto não é interessante que

as duas técnicas sejam utilizadas com um mesmo orientando.

2. DESIDERATIVO VOCACIONAL (Vide material de apoio pg. 28)

Objetivo: Investigar as possíveis identificações presentes nas escolhas

profissionais.

Material: Folha impressa com 5 questões; Lápis ou caneta; Borracha

Procedimento: Solicitar ao orientando que leia atentamente todas as questões

respondendo-as, a seguir, da melhor forma possível. Observar que as respostas

não precisam ser longas, mas devem ser registradas por escrito.

Desenvolvimento: Ao receber o material o orientador deverá lê-las silenciosamente

a fim de tomar ciência de seu conteúdo. A seguir, pedir ao orientador que explique

com maiores detalhes cada uma de suas respostas.

pg. 44
Capítulo 11 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Quinto Encontro

Na exploração da técnica o orientador deve atentar para os detalhes mencionados

a seguir:

• Caso o cliente nomeie pessoas, investigar que pessoas são essas e que relação

ele estabelece com cada uma delas.

• Procurar esclarecer o significado que o orientando dá às palavras usadas por

ele (ex: é uma pessoa realizada).

• Investigar a questão profissional das pessoas citadas.

Pedir ao orientando para fazer um levantamento das características positivas

(questões 1 a 4) e negativas (questão 5) das pessoas ou personagens citados por

ele. Listá-las numa folha à parte e questionar se ele as possui, se as deseja possuir

ou não. No primeiro caso, enfatizar seu valor para ele. No segundo caso,

questionar o que ele tem feito para desenvolvê-las, ajudando-o a perceber o que

depende ou não dele para alcançá-las.

A seguir favorecer para que o orientando reflita sobre as características positivas e

negativas que percebe em si e que não estão incluídas na lista produzida,

buscando conscientizá-lo das mesmas e reforçando seus valores e qualidades.

pg. 45
Capítulo 11 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Quinto Encontro

3. QUADRO DE AVALIAÇÃO DAS ESCOLHAS PROFISSIONAIS (Vide material de

apoio pg. 29)

Objetivo: Analisar e avaliar os aspectos objetivos e subjetivos envolvidos nas

preferências profissionais do orientando.

Material: Folha impressa contendo espaço para avaliação de 4 possíveis escolhas

profissionais. (Se necessário, usar mais de uma folha); Lápis ou caneta; Borracha

Procedimento: Solicitar ao orientando que coloque, na coluna de Profissões, até 4

profissões que representam as suas maiores preferências naquele momento. (Se

houver mais de 4 profissões, utilizar outra folha).

Em seguida, deverá relacionar os itens, referentes a aspectos objetivos e subjetivos,

que representam os motivos pelos quais escolheria cada profissão, na coluna de

Aspectos Positivos, e os motivos pelos quais não escolheria cada profissão, na

coluna de Aspectos Negativos.

Desenvolvimento: Analisar com o orientando cada profissão, considerando os

aspectos positivos e negativos incluídos por ele no Quadro de Avaliação, detalhando

e aprofundando mais os seus motivos. Ao final, após a avaliação, pedir ao orientando

que coloque as profissões em ordem de preferência.

pg. 46
Capítulo 12 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Sexto Encontro

O objetivo deste Último Dia de investigação é caminhar para “um fechamento”.

Sugestão de técnicas para serem utilizadas tanto no atendimento individual,

quanto em grupo :

1. EXERCÍCIO DE TOMADA DE DECISÃO (Vide material de apoio pg. 30)

Objetivo: Promover a reflexão sobre as etapas do processo decisório.

Material: Folha impressa contendo 10 itens; Lápis ou caneta; Borracha

Procedimento: Solicitar ao(s) orientando(s) que escolha(m), dentre as 10 catástrofes

citadas, as 5 que causariam maiores danos à humanidade e ordená-las da mais grave

para a menos grave, escrevendo-as em ordem decrescente.

Marcar aproximadamente 10 minutos para resolver o problema apresentado.

Observação: Em caso de aplicação individual, sugere-se que o orientador saia da sala

por cerca de 10 a 15 minutos. Aconselha-se deixar o orientando trabalhar sozinho na

sala para depois refletir que a tomada de decisão é uma atitude solitária que implica

toda a reflexão realizada até então.

pg. 47
Capítulo 12 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Sexto Encontro

Desenvolvimento: Concluída a produção, questionar os passos seguidos para a

tomada de decisão. Através de perguntas, favorecer para que o(s) orientando(s)

perceba(m) as etapas da realização da atividade. Ajudá-lo(s) a refletir que:

 teve que defrontar-se com o problema e equacioná-lo  disposição para a

tomada de decisão;

 necessitou de esclarecimentos e informações sobre o assunto  importância

das informações;

 baseou-se em critérios gerais e específicos/individuais  importância do

autoconhecimento;

 teve que refletir em busca de soluções alternativas para escalonar suas escolhas

 necessidade das informações;

 empenhou-se no encontro da melhor alternativa para a tomada da decisão 

realização da escolha.

pg. 48
Capítulo 12 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Sexto Encontro

2. VISÃO DE FUTURO

Objetivo: Realizar uma projeção de futuro explorando a imagem idealizada de si

mesmo, em termos ocupacionais.

Material: Folha de papel A4 ou ofício; Lápis preto n° 2; Borracha

Procedimento: Solicitar ao(s) orientando(s) que adote(m) uma postura relaxada, de

preferência fechando os olhos. Falar mansamente, pausadamente: “Você vai se

imaginar no futuro, daqui a 8 ou 10 anos, fazendo uma atividade ... uma atividade

profissional. Procure visualizar o que está fazendo, onde está, se está só ou

acompanhado, o que está acontecendo, como você está se sentindo, etc.

Quando conseguir visualizar esta imagem, abra os olhos e procure registrá-la na

folha, através de um desenho ou por escrito.”

Desenvolvimento: Concluída a produção, pedir ao(s) orientando(s) que comente(m),

buscando avaliar:

pg. 49
Capítulo 12 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Sexto Encontro

 imagem de si mesmo

 fantasias a respeito do próprio futuro

 fantasias a respeito do próprio desenvolvimento ocupaciona

 conteúdo da informação veiculada através da imagem evocada

 identificações e idealizações.

3. COLAGEM OU TÉCNICA DO CARTAZ

Objetivos: Os objetivos desta técnica podem ser variados. A colagem é uma técnica

expressiva que pode ser utilizada em diferentes etapas do processo de Orientação

Vocacional e Profissional, com objetivos específicos em cada uma delas.

Em uma fase inicial pode ser utilizada para representar as expectativas do orientando em

relação ao processo de Orientação Vocacional e Profissional ou a sua avaliação pessoal

em qualquer etapa do processo. Sua utilização nos últimos encontros ajuda o orientando

avaliar como ele se vê do início até aquele momento do processo.

Material: Folha de papel tipo “pardo” (aproximadamente do tamanho de uma folha de

cartolina); Revistas bem ilustradas (4 a 6 revistas são suficientes); Jogo de pincéis

atômicos ou canetas hidrocor; Tesoura; Cola branca.

pg. 50
Capítulo 12 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Sexto Encontro

Procedimento para atendimento individual: Colocar o material disponível para o

orientando, solicitando-lhe que procure nas revistas imagens e/ou palavras que

representem “como se vê, se sente desde o início do processo de Orientação

Vocacional e Profissional até agora”, colando-as a seguir na folha da maneira como

desejar (ou outra instrução, de acordo com o objetivo pretendido)

Determinar um tempo máximo de 30 minutos para a execução. Dizer que após o

término da tarefa ele poderá falar a respeito da mesma.

Desenvolvimento: Terminada a produção (fase de procura, recorte e colagem),

solicitar ao orientando que fale sobre a mesma e explique o que procurou representar.

Fazer perguntas que facilitem os insights. Refletir junto com ele sobre os efeitos do

trabalho de Orientação Vocacional e Profissional até aquele momento, especialmente

sobre as dúvidas remanescentes.

Procedimento para atendimento em grupol: : Divide-se o grupo em dois e explica

para eles que deverão montar juntos uma paisagem que retrate o que estão passando

e o que estão sentindo no momento referente as suas escolhas. Em um segundo

momento os grupos deverão apresentar o trabalho.

pg. 51
Capítulo 12 - Etapas da Orientação Vocacional e Profissional:

Sexto Encontro

Caso esse seja o último encontro em grupo, para finalizar, o orientador pode realizar

uma dinâmica de despedida do grupo.

Para realizar essa dinâmica, o orientador deverá solicitar no encontro anterior que

cada um leve um chocolate. E durante o encontro escrever em pedaços de papel os

nomes de cada participante. Pedir que cada um retire um nome (se for o dele deve

devolver). Após todos sortearem os nomes, os adolescentes devem entregar o

bombom que trouxeram para a pessoa que sortearam, dando-lhe um aperto de mão

ou um abraço.

pg. 52
Capítulo 13 - Finalizando a Orientação:

Sétimo Encontro

Este dia é reservado para realizar as entrevistas individuais de devolução. Será o

momento para o orientador sanar todas as dúvidas ainda existentes e apresentar o

Relatório de Orientação Vocacional e Profissional (Vide modelo no material de

apoio pg. 32 a 34), com características de personalidade do orientando e algumas

profissões afins.

Essa entrevista tem duração de 45 minutos a 1 hora, dependendo das questões

apresentadas.

Caso aconteça de o adolescente estar ainda em conflito é sugerido um encontro com

os pais, para apresentar a estes as dificuldades que o jovem passa perante a

escolha e se há necessidade de outras intervenções.

Técnicas sugeridas:

1. FOLHA DE FINALIZAÇÃO (Vide material de apoio pg. 31)

Objetivo: Verificar se o orientando concluiu o processo fazendo a sua escolha

profissional. Caso não tenha sido feita uma escolha profissional, verificar os motivos

e os possíveis encaminhamentos. Avaliar a condução do atendimento e os efeitos do

processo no orientando.

pg. 53
Capítulo 13 - Finalizando a Orientação:

Sétimo Encontro

Material: Folha impressa com 5 questões; Lápis ou caneta; Borracha

Procedimento: Solicitar ao orientando que leia atentamente cada questão,

respondendo-a em seguida.

Desenvolvimento: Solicitar ao orientando que comente as suas respostas e avaliar

juntamente com ele a sua escolha profissional bem como o processo de Orientação

Vocacional e Profissional. Caso a escolha profissional não tenha sido concluída,

avaliar os possíveis motivos para isso, bem como os encaminhamentos necessários

ao caso.

2. DOBRADURA

Objetivo: Como a colagem, a dobradura é uma técnica expressiva. Pode ser usada

como objeto intermediário que facilite o orientando verbalizar necessidades, receios

e conclusões. Seu uso é mais apropriado em uma fase de conclusão do trabalho

de Orientação Vocacional e Profissional. Em um momento em que a questão da

tomada de decisão / escolha já esteja em processo de finalização.

Material: Folhas de papel de tamanho, tipo e textura diferentes (pelo menos 6)

pg. 54
Capítulo 13 - Finalizando a Orientação:

Sétimo Encontro

Procedimento: Espalhar as folhas sobre a mesa de maneira que o orientando possa

ver pelo menos uma parte de cada uma delas.

Dizer: “Você vai escolher um destes PAPÉIS e fazer com ele um objeto, uma

dobradura ou montagem qualquer. Esse objeto deverá representar o que você está

sentindo neste momento do processo de Orientação Vocacional e Profissional.

Desenvolvimento: Terminada a produção, o orientador solicitará que explique o que

ele executou. Perguntas podem ser feitas para facilitar a verbalização e as

conclusões. É importante que seja investigada a questão da escolha do papel e o

sentido do objeto confeccionado, relacionando-os à escolha do curso/profissão (a

questão da escolha do papel profissional, motivos, objetivos e expectativas).

O orientador deve facilitar a reflexão através do questionamento com perguntas tais

como:

 Porque você escolheu este papel?

 Quando o escolheu, sabia o que iria fazer com ele?

 Sabe o que está escolhendo em relação a sua vida profissional, qual será seu

papel profissional ou o que irá desempenhar?

pg. 55
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:

1. BOHOSLAVSKY, Rodolfo. Orientação Vocacional: A Estratégia Clínica. São Paulo:


Martins Fontes, 1977.
2. LIMA, Mariza Tavares. Orientação Profissional: princípios teóricos, práticas e
textos para psicólogos e educadores. São Paulo: Vetor, 2007.
3. LEVENFUS, Rosane Schotgues. Vestibular Derrubando o mito. Porto Alegre:AGE,
1993.
4. LUCHIARI, Dulce Helena Penna Soares. Pensando e Vivendo a Orientação
Profissional. São Paulo: Summus, 1993.

5. MOSCOVICI, Fela. Desenvolvimento interpessoal. 3ª edição – Rio de Janeiro: LTC


– Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., 1985.
6. MÜLLER, Marina. Orientação Vocacional: Contribuições Clínicas e Educacionais.
Porto Alegre: Artes Médicas, 1980.

7. Orientação Vocacional Ocupacional: novos achados teóricos, técnicos e


instrumentais para a clínica, a escola e a empresa/ organizado por Rosane
Schotgues Levenfus e Dulce Helena Penna Soares.- Porto Alegre: Artmed, 2002.
8. SILVA, Maria de Loudes Ramos. Personalidade e escolha profissional. São Paulo:
E.P.U., 1992.
9. SOARES, Dulce Helena Penna. A escolha profissional: do jovem ao adulto / Dulce
Helena Penna Soares.- São Paulo: Summus, 2002
10. Técnicas para o trabalho de orientação profissional em grupo/ organizado por
Maria Célia Pacheco LASSANCE – Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 1999
11. VASCONCELOS, Maria José Esteves. Curso de Informação Profissional. Belo
Horizonte: Vigília, 1974.

Observação: As técnicas Círculo da Vida, Tempestade de profissões, Identificação


de Interesses, Identificação de Aptidões, Identificação de Traços de Personalidade
e Quadro de avaliação das Escolhas Profissionais foram elaboradas pelos
professores Mariza Tavares Lima e Wanderley Chieppe Felippe.

pg. 56