Você está na página 1de 21

Protocolo e Etiqueta Empresarial

Protocolo e Etiqueta
Empresarial
Professora Márcia Furtado Avanza
1
Protocolo e Etiqueta Empresarial

1. Elementos históricos do cerimonial 3


2. Fundamentos e normas de cerimonial e protocolo 3
3. Normas do Cerimonial Público e a Ordem Geral de Precedência 5
SUMÁRIO 4. Uso da Bandeira e do Hino Nacional 6
5. A equipe de trabalho e suas funções 9
6. Planejamento e roteiro das diversas solenidades públicas
e privadas 10
7. Cerimonial nos diferentes tipos de eventos 13
7.1. Abertura de festivais e grandes eventos 13
7.2. Premiação/homenagem 13
7.3. Posses 13
7.4. Transmissão de cargo 14
7.5. Inauguração de espaço físico 14
7.6. Encontros 15
8. O protocolo e formas de tratamento no cerimonial de eventos
empresariais 15
9. O cerimonial nos diversos tipos de eventos sociais: casamento,
bodas, 15 anos 16
10. Referências bibliográficas 21

2
Protocolo e Etiqueta Empresarial

exemplo, faziam parte do cerimonial ligado à morte e


1. ELEMENTOS HISTÓRICOS DO
funerais dos reis egípcios. Também o aparato militar e
CERIMONIAL os sacerdotes eram cercados de rituais e cerimônias
específicas.

Fonte da imagem: http://blog.eventioz.com.br/2013/02/


nocoes-gerais-sobre-cerimonial-e-protocolo/

O processo de protocolo e cerimonial segue uma lógica


estabelecida a partir das razões para cada uma das ações. O
cerimonial é a sequência de acontecimentos que resultam
em um evento. Toda solenidade segue uma programação
constituída por um conjunto de formalidades. É só lembrar
que um casamento, um enterro ou uma colação de grau
seguem normas específicas para cada um desses rituais. Fonte da imagem: http://1.bp.blogspot.com/-
y4W6YrNxnaQ/T0FZPXgfFyI/AAAAAAAAfV8/
x3qZR7lIYVI/s1600/esfinge_piramides_egito.jp
O termo cerimonial vem da Idade Média, mais
Cidadãos romanos e gregos também seguiam
precisamente da época de Luís XIV, na França, onde
protocolos e condutas determinados de acordo com
também surgiu a etiqueta e o protocolo nas cortes. Depois
as castas às quais pertenciam. Modelos de cerimonial
se espalhou para as demais cortes europeias. Mas os
e etiqueta greco-romanos oriundos dos seus filósofos,
rituais já faziam parte da cultura de diferentes povos e
pensadores e tribunos foram incorporados à cultura de
são muito anteriores a esse período, cada qual com suas
povos conquistados.
próprias regras.

Da China veio um documento com orientações sobre


Na verdade, o cerimonial está intrinsecamente ligado à
filosofia e comportamentos datado do século XII a.C. É um
história da humanidade. Desde o surgimento dos primeiros
dos mais antigos documentos encontrados sobre o tema.
homens, a hierarquia passou a existir na organização dos
grupos. Ocorria na hora da alimentação, por exemplo,
No Brasil, o cerimonial se estabeleceu com a vinda
onde o chefe do clã tinha a prioridade, e em vários outros
da Corte Portuguesa. A chegada do rei de Portugal, D.
momentos importantes das tribos. Também foram os
João VI, ao Rio de Janeiro, trouxe costumes e hábitos
povos antigos que vincularam os rituais e os cerimoniais à
diferentes que foram incorporados, aos poucos, pelos
religião. Ao longo do tempo, eles foram se relacionando com
súditos brasileiros. Mesmo com a volta da Família Real para
os fatos mais importantes de cada uma das sociedades:
Portugal, o protocolo e a etiqueta ficaram como modelo.
no casamento, no nascimento, no funeral, na escolha dos
trajes adequados para determinadas ocasiões, no plantio
e na colheita, por exemplo.
2. FUNDAMENTOS E NORMAS DE
No antigo Egito, os rituais e protocolos estavam

CERIMONIAL E PROTOCOLO
presentes na vida dos faraós e de suas cortes. A
Antes de trabalhar os conceitos do cerimonial, é
civilização egípcia era formada por castas que seguiam,
preciso lembrar que toda empresa ou órgão, público ou
cada uma, suas próprias normas. As pirâmides, por
privado, tem cultura e hierarquia próprias que devem ser

3
Protocolo e Etiqueta Empresarial

observadas por seus membros, servidores e por outras Precedência é o reconhecimento da primazia
instituições com as quais mantêm relacionamento. O hierárquica, principalmente entre as potências mundiais
respeito às normas e à cultura do outro está diretamente antes da Segunda Guerra Mundial. Hierarquia é o fator
ligado à função do cerimonial, que trata de ordenar as determinante nas questões protocolares e é o que
relações e inter-relações dos indivíduos de uma instituição determina a organização da precedência.
para evitar ofensas, desgastes e deslizes e, ao mesmo
tempo, manter o clima cordial entre eles. As diretrizes do cerimonial moderno foram
determinadas no Congresso de Viena, realizado em 1815.
E para que serve o cerimonial? Cerimonial é um guia Nesse congresso se estabeleceu, por exemplo, que todas
para determinar os procedimentos que devem ser utilizados as nações têm a mesma importância, por isso a ordem
e, assim, evitar embaraços. É uma poderosa ferramenta de precedência em relação a países respeitará a ordem
de comunicação porque no mundo empresarial torna-se de chegada ao local do evento. A ideia foi do Marquês de
essencial conhecer as regras e os princípios que devem Pombal, português que contribuiu de forma significante
reger o comportamento. para a organização protocolar.

As palavras protocolo, etiqueta e cerimonial são Cerimoniais não devem estar associados a eventos
compreendidas por muitos autores como sinônimos. faraônicos. Bom gosto e requinte não significam ostentação
Outros apontam diferenças. (LUKOWER, 2006). Pelo contrário, os excessos devem
ser evitados, principalmente em eventos oficiais que são
Protocolo é considerado um conjunto de normas realizados com verbas públicas. Na verdade, relacionam-
jurídicas, regras de comportamento, costumes e ritos de se, como já citado, com procedimentos, caso, por exemplo,
uma sociedade em determinados momentos. Isso porque de uma audiência, onde um juiz se coloca ao centro como
as normas sociais sofrem alterações acompanhando representante do Estado, enquanto é ladeado por um
as mudanças da sociedade. A utilização dessas normas promotor e um advogado de defesa. Cada um veste uma
está, geralmente, relacionada com eventos das áreas beca diferente, conforme previsto no protocolo do direito.
governamentais, seja no nível federal, estadual ou
municipal. Está presente, ainda, em atividades ligadas à A lógica desse procedimento é a facilitação para a
área da educação – como colação de grau, posses, entre distinção das funções de cada membro participante da
outras – sociais ou empresariais. audiência.

Cerimonial é exatamente a aplicação prática Mas as práticas do protocolo e do cerimonial estão


das normas do protocolo, isto é, a técnica de conduzir presentes em diferentes atividades, conforme quadro a
cerimônias e outros eventos dentro de uma sequência seguir.
lógica, respeitando as formalidades e regras de diplomacia
estabelecidas.

Etiqueta é definida como um conjunto de normas de


comportamento social, profissional e familiar, que também
se relacionam com a época na qual ocorrem. A etiqueta
está associada aos costumes e hábitos que retratam o
comportamento social num determinado período histórico.

Uma das principais preocupações das normas de


Fonte da imagem: http://www.cerimonialeprotocolo.com.br/
Protocolo e Cerimonial são as Precedências: montagem-de-mesas.php . Acesso em 22 mar.2013.

4
Protocolo e Etiqueta Empresarial

Na Alimentação Define o que deve ser


servido em ocasiões
3. NORMAS DO CERIMONIAL PÚBLICO
diversas, assim como a E A ORDEM GERAL DE PRECEDÊNCIA
ordem em que os pratos As normas de Cerimonial e Protocolos Oficiais estão
e as bebidas devem ser
levados à mesa. Também é estabelecidas no Decreto nº 70.274, de 9 de março de 1972.
preciso respeitar as questões Elas são voltadas, principalmente, para a precedência.
alimentares religiosas e
ritualísticas de cada povo.
Na Linguagem Define que assuntos podem Ordem de Precedência é a ordem pela qual se
ser abordados numa estabelece a estrutura máxima do Estado, na medida em
pauta de reunião e como
devem ser abordados.
que se determina a ordem hierárquica de disposição das
Nos Tratamentos Organiza a maneira de autoridades do Estado, de um organismo ou de um grupo
referir-se a uma pessoa em social. Ela existe em todos os níveis da sociedade, inclusive
função do cargo que exerce
na família.
No Vestuário No Vestuário
No Gestual Aponta para os tipos de
saudação e cumprimento O Decreto em vigor, que define as “Normas do
que devem ser utilizados Cerimonial e a Ordem de Precedência”, determina, em
Na Escrita Indica os termos adequados 96 artigos, todos os procedimentos hierárquicos das
e a apresentação
visual dos textos. autoridades constituídas em todos os níveis (Federação,
Além disso, define as priorizações dos rituais, o Estados e Municípios) que participem ou venham a
comportamento e a etiqueta. participar de todo e qualquer ato público, que pela sua
importância necessite de protocolo. No entanto, por ser de
O cerimonial informal não possui legislação específica, 1972, ainda não incorporou as alterações impostas pela
mas se baseia em uma sequência de rituais implícitos em Constituição de 1988, no que diz respeito à criação de
um evento. Já o cerimonial formal, no Brasil, é organizado novos Tribunais.
de acordo com o Decreto nº 70.274/72.
A hierarquia dos cargos e sua representatividade nos
O vídeo de Lúcia Maria Vieira, a seguir, mostra as eventos é o que deve ser observado. Um exemplo retirado
normas do cerimonial na composição de dispositivo, do Decreto indica que mesmo que o Ministro da Justiça
isto é, na preparação de um ambiente e colocação das tenha, na escala hierárquica, maior importância do que o
autoridades nos espaços adequados. das Relações Exteriores, no caso de uma recepção para
uma delegação estrangeira, este último terá precedência
Vídeo 2 - http://www.youtube.com/ sobre o primeiro.
watch?v=Ke5tHyWon8U
O conhecimento básico das normas de precedência
ajuda a evitar constrangimentos, assim como auxilia o
organizador de eventos a dimensionar a importância da
escala hierárquica em qualquer situação.

Assim como o Presidente da República tem precedência


sobre os demais participantes de um evento, o presidente
de uma empresa presidirá todos os eventos da organização
que dirige. Ao seguirmos as normas de precedência,
Fonte da imagem: https://lh5.googleusercontent.
com/-VVo3JzOkm_8/TYkmyPwPFZI/AAAAAAAAA2U/ estabelecemos uma lógica na tomada de decisões, que
pJpM94eIjns/s1600/11-110309-PR-0995.jp resulta em uma harmonia para o evento.

5
Protocolo e Etiqueta Empresarial

Quando temos a presença de autoridades em eventos formado, é colocado sempre em último lugar como forma
não oficiais, devemos verificar se a instituição que promove de destaque, por tratar-se de capital da República.
o evento irá fazer alusão à presença. Mesmo que a decisão
seja por não citar a presença, é preciso acomodá-la em um O Decreto nº 70.274/72 completo pode ser encontrado
lugar de honra. no site http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/
D70274.htm.
No caso da presença oficial de autoridades, é necessário
entrar em contato com o responsável pelo cerimonial da
área do convidado para informar sobre o programa do 4. USO DA BANDEIRA E DO HINO
evento e definir sua participação e atividades (por exemplo, NACIONAL
se vai fazer um discurso, com quem vai sentar-se etc). Os valores e o espírito cívico do povo brasileiro são
representados pela Bandeira, o Hino, as Armas e o Selo
O importante, em eventos empresariais, é conseguir nacionais, símbolos nascidos com a República. A utilização
transpor a referência da precedência para eventos desses símbolos é regulada pela Lei nº 5.700, de 1º de
públicos. Se o presidente corresponde ao Presidente da julho de 1971.
República, os diretores corresponderão aos ministros, os
gerentes aos senadores, e assim por diante. O Decreto
no. 70.274/72 estabelece assim a ordem e precedência de
autoridades:

- Presidente da República ou Vice-Presidente,


no caso da ausência do primeiro.
- Presidente do Supremo Tribunal Federal.
- Antigos Chefes de Estado.
- Ministros de Estado (a ordem de precedência é
determinada pelo histórico de criação do Ministério:
Justiça, Marinha, Exército, Relações Exteriores,
Fazenda, Transportes, Agricultura, Educação e Cultura,
Trabalho e Previdência Social, Aeronáutica, Saúde,
Indústria e Comércio, Minas e Energia, Planejamento
e Coordenação Geral, Interior e Comunicações).
Nos Estados, a ordem de precedência é:
- Governador.
Fonte da Imagem: http://www.portalsaofrancisco.com.
- Vice-Governador. br/alfa/abril/dia-do-hino-nacional-brasileiro.php
- Presidente da Assembleia Legislativa.
- Presidente do Tribunal de Justiça. Bandeira Nacional

Também há precedência para os governadores de


A bandeira, quando utilizada em eventos oficiais
Estados, que obedece a ordem de criação histórica,
e privados, ocupa lugar de honra ao centro ou do lado
como segue: Bahia, Rio de Janeiro, Maranhão, Pará,
direito de outras bandeiras. Também fica à direita em
Pernambuco, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso,
mesas de trabalho ou de reunião e em tribunas, em lugar
Rio Grande do Sul, Ceará, Paraíba, Espírito Santo, Piauí,
de destaque. Geralmente, é utilizada entre oito horas
Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Alagoas, Sergipe,
(hasteamento) e 18 horas (arriamento), mas pode ser
Amazonas, Paraná, Acre, Mato Grosso do Sul, Rondônia,
hasteada e arriada em qualquer horário. Para permanecer
Tocantins, Amapá, Roraima e Distrito Federal. O Distrito
exposta depois das 18 horas, deve ficar iluminada. 1
Federal, embora não tenha sido o último estado a ser

6
Protocolo e Etiqueta Empresarial

Nenhuma bandeira de outra nação pode ser hasteada


sem que haja ao seu lado direito, de igual tamanho e em
posição de destaque, a Bandeira Nacional do Brasil. A
exceção vale apenas para as Embaixadas e os Consulados.
Com bandeiras de várias outras nações, a do país onde
estão hasteadas ocupa o centro como anfitriã. A disposição
das demais é feita por ordem alfabética. Fonte da imagem: http://www.universodesbravador.com.br/
desbravadores/civismo/index_uso_correto_da_bandeira.htm

No vídeo a seguir, de Lúcia Maria Vieira, você pode


verificar a colocação adequada das bandeiras em Uso em luto oficial (a meio mastro) e em funerais:
cerimônias, conforme as normas do cerimonial.

Vídeo 3 - http://www.youtube.com/
watch?v=VAAHjkzdRdk

Em caso de falecimento de personalidades do cenário


nacional, o Presidente da República pode decretar luto Fonte da imagem: http://www.universodesbravador.com.br/
oficial. Nesse caso, a bandeira deve ser hasteada a meio desbravadores/civismo/index_uso_correto_da_bandeira.htm

mastro. Pode ser colocada sobre ataúdes, mas não pode


ser enterrada junto com o caixão.
No caso da utilização em conjunto com bandeiras
estaduais, municipais ou de entidades, a ordem é a
Em recinto fechado:
nacional ao centro ou à direita (no caso de número par
de bandeiras), depois a estadual seguida da municipal
e, finalmente, a da entidade organizadora do evento,
conforme figura abaixo.

Fonte da imagem: http://www.universodesbravador.com.br/


desbravadores/civismo/index_uso_correto_da_bandeira.htm

Em linha de mastro (com número par de bandeiras):

Fonte da imagem: Fornecida pela professora.

Fonte da imagem: http://www.universodesbravador.com.br/


desbravadores/civismo/index_uso_correto_da_bandeira.htm

Uso em composições artísticas:

7
Protocolo e Etiqueta Empresarial

Hino Nacional segundo os regulamentos das respectivas


corporações.

Parágrafo único: É vedada qualquer outra


forma de saudação.

Provavelmente, a interpretação da Lei para alguns


indica que o aplauso ao Hino representa “outra forma de
saudação”. No entanto, aplauso é uma manifestação de
aprovação e não há na legislação nada que diga que é
proibido. As manifestações cívicas passaram a ser cada
Fonte da imagem: http://raquelcrusoemeira.blogspot.com.
br/2010/02/historia-do-hino-nacional-brasileiro.html vez mais espontâneas, principalmente em jogos de
futebol e outros grandes eventos, com o público presente
O Hino Nacional é executado na abertura de eventos, aplaudindo após a execução do Hino. No âmbito de uma
após as autoridades ocuparem seus lugares. É ouvido ou cerimônia, sendo espontâneo, não se pode controlar
cantado de pé, obrigatoriamente. Nas cerimônias em que aplausos. O aplauso é uma demonstração civil e cidadã,
forem tocados hinos estrangeiros, estes devem preceder o de regozijo para com a Pátria e seu símbolo musical. Como
Hino Nacional Brasileiro pelo princípio de cortesia. a Lei 5.700 não é explícita sobre o assunto, é possível
aplaudir o Hino, até que haja outro posicionamento dos
Em caso de haver outros hinos, estes serão executados órgãos competentes.
após o Hino Nacional, de acordo com a ordem de
precedência. Exemplo: Hino Nacional, Hino da Federação
Cores nacionais
Nacional, Hino da Federação Estadual.
As cores nacionais são o verde e o amarelo. Podem ser
utilizadas sem restrições, inclusive quando associadas ao
Nos casos de simples execução instrumental, a melodia
azul e ao branco.
deve ser tocada integralmente, mas sem a repetição
da segunda parte. Nos casos de execução vocal, serão
cantadas as duas partes do poema.
Uso dos símbolos
Não existe precedência ou hierarquia entre os símbolos
Uma das grandes polêmicas ligadas à execução do Hino
nacionais. Cada um, a seu modo, expressa o espírito cívico
Nacional é a questão do aplauso. Os cerimonialistas mais
da nação brasileira. A Bandeira Nacional, por ser o símbolo
conservadores defendem que não deve haver aplausos,
mais visualizado, é também o mais conhecido e de mais
porque a Lei 5.700/71, no artigo 30, dispõe sobre a forma
fácil identificação. No entanto, não pode ser considerado
e apresentação dos Símbolos Nacionais:
o mais importante.

Nas Cerimônias de hasteamento ou


O texto completo da Lei no. 5.700/71 está disponível no
arriamento, nas ocasiões em que a Bandeira
site http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5700.htm.
se apresentar em marcha ou cortejo, assim
como durante a execução do Hino Nacional,
todos devem tomar atitude de respeito, de pé
e em silêncio, os civis do sexo masculino com a
cabeça descoberta e os militares em continência,

8
Protocolo e Etiqueta Empresarial

recursos materiais, recepcionistas e secretárias para balcão


de informações, sala vip, plenário e sala da diretoria, e
comitê de recepção.
Se o cerimonialista é a pessoa encarregada da condução
5. A EQUIPE DE TRABALHO E SUAS da solenidade, ou seja, é o responsável pelo cumprimento
FUNÇÕES das normas protocolares, o mestre de cerimônias é a
pessoa encarregada de fazer a locução da solenidade, não
devendo ser confundida com o cerimonialista.

Sua participação é imprescindível numa solenidade


que se queira dar um tom oficial (clássico) ao evento. A
maior exigência é que tenha boa voz, boa dicção e boa
leitura. Mas sua atuação exige conhecimento total do
que irá acontecer no evento, devendo redigir com os
coordenadores o “script” e a relação das autoridades, pela
Fonte da imagem: http://leandrojornalista.blogspot.com. ordem de precedência. O sucesso do evento dependerá de
br/2011/10/como-montar-uma-boa-equipe-de-trabalho.html
seu bom desempenho. É importante também que tenha
conhecimento do cerimonial público e iniciativa.
O chefe do cerimonial, ou cerimonialista, é o
responsável por todas as atividades do evento e deve Assim como toda a equipe que faz parte do evento,
conhecer, pesquisar e atualizar todas as regras e normas é essencial cuidar da aparência: roupas bem alinhadas,
que regem as solenidades públicas, porque estas são o asseio corporal, cabelos bem cuidados e postura correta.
parâmetro para desenvolver todos os demais eventos, O mestre de cerimônia deve ser discreto na apresentação,
inclusive os de caráter social e privado. Seu perfil deve pois alguns eventos sempre exigem sobriedade e muita
privilegiar a discrição exigida para esse tipo de atividade, segurança. É importante reforçar que o mestre de
porque todos os créditos do sucesso do evento devem cerimônia não é um “show man”. Por isso, deve limitar-se no
ser direcionados para o anfitrião ou mandatário maior da ato de apresentar a sequência do evento e não procurar
entidade responsável pelo evento. “fazer o show”. Sua função é mediar, controlar a cerimônia.
Ele deve seguir o roteiro estabelecido, apresentando cada
O cerimonialista é o responsável pela organização de uma das etapas com seriedade e elegância.
recepções oficiais, jantares, solenidades, elaboração de
convites, lista de autoridades, organização de viagens, Eventos que tenham a presença / participação de
recepção de visitantes nacionais e internacionais, reserva convidados estrangeiros exigem a presença de intérpretes
de voos, hotéis, carros, sala vip, segurança, e todas as para recepção e acompanhamento. Se forem previstas
demais necessidades. palestras com estrangeiros será necessária a presença
de tradutores para a tradução simultânea para o público
Ele também é responsável pela contratação de toda presente.
a equipe que irá trabalhar no evento. Essa equipe de
profissionais, dependendo do porte do evento, pode ser Eventos com um grande número de participantes devem
longa. Uma relação básica para um grande evento inclui: prever a presença de médico ou enfermeiro de plantão
chefe de cerimonial, mestre de cerimônias, tradutores, para atuar em qualquer emergência. Do mesmo modo, é
intérpretes, assessor de imprensa, operadores de som/luz, preciso planejar e estruturar uma equipe com a presença
operador de vídeo, médico/enfermeiro, garçons, fotógrafo, de todos os demais profissionais para dar apoio, conforto e
manobristas, pessoal da copa, limpeza, segurança e segurança para os convidados e participantes. Profissionais

9
Protocolo e Etiqueta Empresarial

qualificados e bem informados são fundamentais para o organização, profissionais dos meios de comunicação
sucesso de um evento. A desorganização é o pior inimigo visando à divulgação da empresa e suas atividades, e
que um cerimonialista pode enfrentar. É preciso cuidado deve estabelecer um limite para o número de convidados,
na escolha desses profissionais que irão atuar, desde o dependendo do local de realização.
cinegrafista até o manobrista. Todos eles, em conjunto,
serão responsáveis pelo sucesso do evento. A elaboração do convite é a parte mais simples e
objetiva do planejamento de um evento, apesar das
dezenas de regras e detalhes criados por livros de etiqueta.
6. PLANEJAMENTO E ROTEIRO DAS A norma para convidar uma autoridade é fazê-lo por ofício,
DIVERSAS SOLENIDADES PÚBLICAS E mas esse procedimento está em desuso e os órgãos têm
PRIVADAS preferido emitir convites impressos. O objetivo do ofício
convite é justamente informar detalhes sobre o evento,
que só são pertinentes aos convidados que irão fazer parte
O primeiro passo para a realização de um evento é da mesa ou pronunciamentos.
o planejamento. Para isso, é necessário definir o que se
pretende alcançar, os prazos para isso, os instrumentos
Geralmente, o convite formal para autoridades deve ser
para atingir o pretendido, o que e como fazer, estimativa enviado 30 dias antes do evento, para que seja possível
de custos, um sistema de controle a fim de acompanhar o uma programação antecipada. No entanto, nem sempre é
processo e os métodos de avaliação dos resultados. possível respeitar esse prazo, já que algumas cerimônias
importantes podem ser marcadas de uma hora para outra.
A estrutura do plano deve considerar: Por isso, o prazo de 10 a 15 dias para convites formais é
1. Nome do Evento considerado aceitável, assim como o de cinco a oito dias
2. Local, data e horário para os menos formais.
3. Públicos
4. Coordenação Geral Todo convite deve conter as seguintes informações:
5. Comissões (membros, tarefas, coordenação) cargo e nome de quem convida, tipo de solenidade
6. Objetivos e justificativa do evento (recepção, posse, entrega de medalha etc.), local, data,
7. Atividades a serem desenvolvidas hora e número de telefone ou endereço eletrônico para
8. Recursos (humanos, materiais, financeiros, confirmação. Coloca-se o tipo de traje em convites para
disponíveis) recepções (almoço, jantar, baile) e solenidades militares.
9. Patrocínios, apoios Em convites, usa-se a expressão “tem a honra de convidar”,
10. Divulgação quando os convidados têm hierarquia igual ou superior
11. Custos à do anfitrião; e “tem o prazer de convidar”, quando a
hierarquia é inferior. Mas se a lista de convidados não for
O plano deve considerar, ainda, relação de prováveis homogênea, optamos por “tem a honra de convidar”.
convidados, relação de autoridades, relação de recursos
operacionais, cronogramas e modelos diversos.

Lista de convidados e convites


A lista de convidados para eventos públicos ou
empresariais necessita do aval da direção da entidade.
O responsável pela lista deve evitar convites feitos de
forma aleatória. Deve convidar pessoas de interesse da

10
Protocolo e Etiqueta Empresarial

homenageados e por autoridades que tenham relação com


o evento. Mas, na prática, veem-se muitas mesas repletas
de autoridades que ocupam lugar simplesmente por serem
autoridades.

Esse tipo de contratempo acontece quando não se tem


critério para a composição de mesa, que termina sendo
sempre uma decisão política. Pode-se recomendar ao
anfitrião quais autoridades devem compor a mesa numa
solenidade, mas é ele quem decide.

Algumas vezes, a composição da mesa é alterada


na hora do evento. Em outros casos, autoridades que
Fonte da imagem: http://blogdofred.folha.blog.uol. confirmaram sua presença podem faltar ou se atrasar, a
com.br/arch2011-01-23_2011-01-29.html
ponto de a solenidade ter de começar sem elas. Enfim, a
real composição de mesa é um mistério que só é definido
R.S.V.P. minutos antes do início da solenidade.
O R.S.V.P. que geralmente aparece no final do convite é
a abreviatura de “répondez, s’il vous plaît”, palavras de origem
Mesa de honra
francesa que significam “responda, por favor”. Essa é uma
forma de confirmar a presença de convidados e facilitar o
planejamento do evento. Com o R.S.V.P. o organizador fica
sabendo exatamente quantas pessoas irá receber e tudo o
que deverá providenciar.

Isso evita o problema de programar uma festa para um


grande número de convidados e só aparecer a metade. Da
mesma forma, pode ser um desastre fazer uma festa para
um número restrito de pessoas, considerando que poucos
Fonte da imagem: http://www.patosnoticias.com.br/sociedade/
convidados irão aceitar o convite, e aparecer um número
noticia/180-coluna-social-comenda-antonio-secundino-de-sao-jose
muito maior de pessoas. Por isso, a resposta de quem está
sendo convidado é uma forma de dar segurança para o
Essas alterações na composição dos participantes de
organizador, assim como é elegante um convidado retornar
honra afetam a estrutura física da mesa. De uma hora para
um convite recebido informando se irá ou não ao evento.
outra, uma mesa par pode ficar ímpar, e vice-versa. Além
da alteração no roteiro de locução, as cadeiras terão que
A solicitação de confirmação também pode ser em
ser reposicionadas e a pessoa que conduz a autoridade até
inglês, R.O., que significa “Regrets Only”, ou ainda em um
o lugar na mesa deverá ser avisada.
bom português: “Favor confirmar presença”.

Mesa ímpar é formada por um número ímpar de


Composição da mesa
autoridades. É o melhor padrão, porque o presidente do
A composição da mesa de honra é o momento em que
ato é posicionado no centro. As demais autoridades vão
se exige mais conhecimento de ordem de precedência e,
sendo colocadas primeiro à direita, depois à esquerda,
ao mesmo tempo, flexibilidade de um cerimonialista. O
alternando-se os lados conforme a ordem de precedência.
correto é que a mesa seja composta pelo anfitrião, pelos

11
Protocolo e Etiqueta Empresarial

É importante lembrar que se considera direita de mesa de um discreto pedaço de papel com o cargo ou nome da
honra a direita de uma pessoa sentada nela e voltada para autoridade, para que ela saiba onde deve se posicionar.
a plateia. Utiliza-se esse modelo em solenidades breves e mais
informais, como inauguração de espaços físicos e para
4 2 1 3 5 galeria de fotos.

Numa mesa par, cujo número total de autoridades Pronunciamentos


é par, o presidente do ato é posicionado mais próximo Os pronunciamentos ocorrem em todos os eventos.
do centro, à direita; a segunda maior autoridade, mais Podem ser simples, apenas para saudar os participantes,
próxima do centro, à esquerda; e assim alternam-se os ou mais complexos, com discurso do convidado principal e
lados conforme a ordem de precedência. de outros participantes da mesa solene.

3 1 2 4 Alguns cuidados devem ser tomados:

- Após a composição da mesa, o mestre de cerimônias


Nem todas as autoridades que compõem a mesa de
abrirá a reunião e saudará os presentes, chamando os
honra fazem uso da palavra. O presidente ou anfitrião do
oradores pela ordem do roteiro.
evento deve decidir quem discursará, para que o cerimonial
- A ordem de discurso é do menos para o mais
possa comunicar a essa autoridade, com antecedência,
importante, que deverá ser o último a falar.
através de ofício convite.
- Em almoços, os pronunciamentos são feitos após a
sobremesa.

Reserva de lugares - Em coquetéis, os pronunciamentos devem ser breves

Estar inserido na ordem dos trabalhos de uma cerimônia e mais informais.

não significa automaticamente compor a mesa. O número - Em formaturas, seguem um ritual próprio, geralmente

de lugares à mesa é limitado e também o convidado pode sendo primeiro a falar o orador da turma, depois o

não ter a mesma hierarquia dos outros integrantes da homenageado e por fim o paraninfo.

mesa. Por essa razão, é importante reservar lugares na - Em premiações, falam a pessoa escolhida para saudar

primeira fileira e, preferencialmente, o mais próximo à o homenageado e o próprio premiado.

tribuna para facilitar seu acesso a ela na hora de fazer um


pronunciamento. Para evitar improvisos e repetições, é indicado
preparar a redação com antecedência. O ideal em um

A reserva de lugares também é importante para pronunciamento é sua divisão em três partes: uma

prestigiar e mostrar deferência àqueles que não fazem introdução curta, o corpo do discurso com a ideia central

parte da mesa de honra ou que não vão se pronunciar no com duas ou três partes, e a conclusão.

evento. Autoridades presentes, mesmo não compondo a


mesa, devem ter um lugar reservado.

Composição de tapete
Tapete é uma estrutura semelhante à mesa de honra,
mas com os convidados ficando em pé num espaço
reservado. Coloca-se um tapete retangular, quando
possível, para delimitar a área nobre da solenidade, e

12
Protocolo e Etiqueta Empresarial

Roteiro de locução
7. CERIMONIAL NOS DIFERENTES
TIPOS DE EVENTOS

Determinados tipos de reunião, por suas caraterísticas


e públicos, constituem-se em eventos específicos. A
estrutura seguirá as orientações gerais do cerimonial, mas
adaptadas às particularidades de cada evento. Mesmo
sendo distintos, os eventos têm elementos comuns. Os
principais tipos seguem a seguir.

Fonte da imagem: http://cinematika.com.br/a-importancia-


de-um-roteiro-em-um-video-empresarial/
7.1. Abertura de festivais e grandes
O roteiro de locução é utilizado apenas em atos mais
eventos
Nesse tipo de evento, a ordem de precedência e de
solenes e simbólicos, como posses, transmissões de cargo,
pronunciamento é a mesma para composição de mesas.
inaugurações e aberturas e encerramentos de encontros,
Mas é comum existir um palanque no local para as
feiras e seminários. Não cabe seu uso em eventos mais
autoridades e convidados nesse tipo de solenidade, com
sociais, técnicos ou científicos, como lançamentos de livro
ou sem cadeiras.
e mesas-redondas.

Entre todas as fases de planejamento de uma


cerimônia, a elaboração do roteiro de locução é a tarefa
7.2. Premiação/homenagem
mais fácil, porque já existe um padrão consagrado, que é
adaptado a qualquer evento. Basta inserir informações no A entrega de placas, troféus ou similares é comum
modelo, tais como nome do evento, composição da mesa, nesse tipo de solenidade. Por essa razão, a pessoa que irá
breve explanação sobre o ato, e ordem do discurso. Para entregar o prêmio poderá ser escolhida de acordo com a
isso, faz-se necessário buscar essas informações com o natureza da homenagem ou premiação. Também costuma
anfitrião, inseri-las no script, e depois apresentar o roteiro ser utilizada a regra de precedência para escolha de quem
para o mestre de cerimônias. fará a entrega.

Minutos antes do início do roteiro, o mestre de Também, nesse caso, a ordem de precedência e de
cerimônias pode, opcionalmente, pedir aos presentes pronunciamento é a mesma para composição de mesas.
que tomem seus assentos e desliguem os celulares. O
passo seguinte é a saudação inicial, com a apresentação
do evento. Segue a composição da mesa, quando as 7.3. Posses
autoridades são convidadas para compor a mesa, da maior
para a menor em hierarquia. Anuncia-se o cargo primeiro As posses mais formais pedem a composição de mesa,
e depois o nome, de preferência completo. Quando uma a execução do Hino Nacional, a fila de cumprimentos e
autoridade preside a mesa - geralmente o anfitrião - é o encerramento da cerimônia com uma recepção social
a primeira pessoa a ser convidada. Depois, o mestre de (almoço, jantar ou coquetel).
cerimônias convida as demais em nome daquela que
preside.

13
Protocolo e Etiqueta Empresarial

A leitura de um breve currículo da autoridade a ser testemunhas ou convidados restrito, e o empossado


empossada é opcional. As posses podem ser individuais ou deseja registrar seu novo cargo mediante uma solenidade
coletivas. A regra, quando existe apenas um empossando, pública. São comuns, no Poder Executivo, as solenidades
é que este faça a leitura do termo de compromisso, de transmissão de cargo de Ministros de Estado realizadas
seguido de um discurso. No caso de posses coletivas, em auditórios dos respectivos órgãos, após assinatura do
alternam-se as duas funções, entre o mais velho ou o mais termo de posse, no Palácio do Planalto. Nesses casos,
bem classificado para o discurso, e o segundo mais bem procede-se do mesmo modo que na organização de posse
classificado ou um empossando do sexo oposto para a (descrita anteriormente), mas não se utiliza na ordem dos
leitura do termo de compromisso. trabalhos a leitura do termo de posse e a assinatura.

Nos casos em que existe um antecessor, este tem lugar Para composição de mesa, o antecessor preside e o
de destaque e faz uso da palavra, porque será sua última empossado senta-se à sua direita. Depois do discurso do
solenidade como titular do cargo em questão. É de bom antecessor, este ocupa a cadeira de seu sucessor, que,
tom o antecessor desejar um próspero mandato para seu por sua vez, ocupará o lugar daquele. A troca é feita
sucessor, e este elogiar o trabalho feito por seu colega. no momento em que o antecessor volta da tribuna e o
Entretanto, sabe-se que, por questões políticas, isso nem empossado se dirige a ela para discursar. Essa “dança de
sempre ocorre. cadeiras” é importante como ato simbólico da solenidade.

São elementos básicos de uma solenidade de posse:


7.5. Inauguração de espaço físico
Leitura do termo de compromisso pelo empossando.
Leitura do termo de posse.
Em inaugurações se utiliza um pano inaugural,
Assinatura do empossando.
preferencialmente veludo, disposto na forma de
Discursos, na seguinte ordem: o que deixa o cargo
uma cortina, com cordão e pingente para facilitar o
(quando houver ou estiver presente), o empossando e
descerramento. O ato pode ser realizado em espaço
aquele que dá a posse.
provisório (auditório, plenário) e a placa, posteriormente,
afixada no local definitivo.
A leitura do termo de posse deverá ser feita,
preferencialmente, por alguma autoridade da instituição,
Também pode ser utilizada a fita inaugural, que
e não pelo mestre de cerimônias.
costuma ter seis centímetros de largura, ficar a um metro
do chão e ser verde e amarela, apesar de não existir
A lista de convidados, bem como a sugestão de
nenhuma restrição de cor ou normas que determinem
composição de mesa, deve ser determinada por quem dá
seu uso. As fitas inaugurais são mais apropriadas para
a posse, em conjunto com o empossado e seu antecessor,
ambientes internos, onde são afixadas com pingentes nos
quando houver.
dois lados ou amarradas a colunas decoradas. Elas podem
ser cortadas ou desenlaçadas.

7.4. Transmissão de cargo


As cerimônias de inauguração são normalmente
seguidas de uma recepção (almoço, jantar ou coquetel)
A transmissão de cargo é uma cerimônia simbólica, e podem incluir, ao final, a bênção de um religioso. Nas
que tem o objetivo de apresentar a autoridade empossada cerimônias em instituições públicas não se recomenda tal
ao público. Ocorre quando o ato da posse (assinatura prática, porque o Estado é laico e, também, corre-se o
do termo) é feito em local reservado, com número de risco de transformar a solenidade em um culto ecumênico

14
Protocolo e Etiqueta Empresarial

ao tentar ser politicamente correto. Mas a decisão final aposentando, estabelecer clima de cordialidade entre a
cabe ao membro organizador. empresa, os funcionários e seus familiares, elevar o moral
O ato requer um mestre de cerimônias para conduzir do público interno, esclarecer ou corrigir informações
o roteiro de locução. Nesse tipo de evento, a ordem errôneas sobre as atividades e os objetivos da empresa
de precedência e de pronunciamento é a mesma para etc.
composição de mesas. Porém, as autoridades ficam em
pé. Cada vez mais, os executivos modernos passaram a
valorizar esse tipo de ação. Assim, os eventos empresariais
começaram a utilizar as abordagens mais importantes do
7.6. Encontros cerimonial público. O aspecto formal do relacionamento
entre pessoas do setor público migrou para o mundo
dos negócios, a partir do estabelecimento das ordens de
Os encontros periódicos (anual ou bienal) de grande precedência, organizando as ações e evitando a geração
porte recebem o nome de congresso ou semana, quando de conflitos.
duram sete dias.

Nas organizações formais, cada empresa tem sua


Encerrada a solenidade de abertura, os trabalhos devem própria estrutura hierárquica, que deve ser observada
transcorrer sem a presença de mestre de cerimônias, no momento da organização do evento. A pessoa que
salvo para ler breve currículo do especialista que irá ocupa o cargo mais alto na hierarquia da empresa será
fazer explanação sobre o tema ou debater o assunto. o anfitrião. A partir daí, determina-se quais os executivos
Recomenda-se a confecção de prismas de mesa para que farão parte da mesa e a ordem de precedência junto ao
as autoridades e convidados saibam onde se posicionar anfitrião. Alguns critérios podem ajudar, de acordo com
e a plateia possa identificar quem participa do debate, Martinez (2001):
palestra etc.

Executivos mais ligados ao centro das decisões


8. O PROTOCOLO E FORMAS DE (ex: vice-presidente, diretores).
TRATAMENTO NO CERIMONIAL DE Importância das áreas administrativas (ex:
EVENTOS EMPRESARIAIS diretor industrial, diretor comercial).
Cargos iguais (nesse caso, pode-se estabelecer a
precedência observando o tema que gerou o encontro,
A integração e a boa relação com diferentes públicos são
as idades dos participantes ou o tempo de serviço na
essenciais no mundo corporativo. O empresário moderno
organização).
deve priorizar relações com pessoas de seu interesse.
Assessorias.
Uma das maneiras é a organização de encontros sociais,
Chefes de filiais etc.
formais ou não, visando à aproximação e a integração
desses públicos com a empresa. Esses encontros,
denominados eventos, podem ter diferentes objetivos, Em casos de homenagem, mesmo que ocupe um cargo
conforme descreve Martinez (2001): comemorar datas mais baixo que os demais integrantes da mesa, a ordem
importantes, integrar a empresa à comunidade, divulgar de precedência deve colocar o convidado de honra ao lado
serviços ou produtos, fazer inaugurações de interesse do anfitrião (critério honorífico).
público, lançar campanhas para a comunidade, recepcionar
ou homenagear autoridades ou pessoas de destaque, Outras normas podem influenciar a colocação à mesa:
prestigiar integrantes do seu público interno, homenagear
empregados que estejam assumindo novos cargos ou se

15
Protocolo e Etiqueta Empresarial

Critério cultural: a precedência é dada a alguém de Governadores, Deputados Federais e Estaduais, Prefeitos,
renomados conhecimentos e alto saber. Embaixadores, Cônsules, Chefes das Casas Civis e Militares.
Critério de sexo: muito empregado na cultura O mesmo tratamento é destinado para Magistrados (Juízes
ocidental, especialmente em reuniões sociais. de Direito, do Trabalho, Federais, Militar e Eleitoral),
Critério da idade: é critério válido e consagrado pelo membros de Tribunais (de Justiça, Regionais Federais,
Decreto nº 70.274/72, válido para pessoas físicas. Regionais do Trabalho, Regionais Eleitorais) e Ministros
Critério de antiguidade histórica: determina de Tribunais Superiores (do Trabalho, Eleitoral, Militar,
a precedência de pessoas jurídicas e de unidades Superior Tribunal de Justiça e Supremo Tribunal Federal).
administrativas. Também é utilizado para oficiais militares de alta patente.
Critério de antiguidade ou antecedência: é Somente o Presidente da República usa o pronome de
utilizado para determinar a precedência em alguns tipos tratamento por extenso, nunca abreviado.
de colegiado, bem como para determinar a precedência
dos representantes diplomáticos. O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas
Critério de ordem alfabética: um dos mais práticos, aos chefes do poder é Excelentíssimo Senhor, seguido
sendo utilizado para grupos grandes (ex: formatura, jogos do respectivo cargo (Ex: Excelentíssimo Senhor Presidente
olímpicos etc). da República).

Composição de mesa, palanque e local de honra As demais autoridades serão tratadas com o vocativo
As autoridades relacionadas para a composição deverão Senhor (Ex: Senhor Ministro).
ser nominadas conforme a ordem geral de precedência, ou
seja, da maior para a menor. No caso de evento nas universidades, utiliza-se o
pronome Vossa Magnificência para se dirigir à mais alta
É recomendado compor a mesa com número ímpar de autoridade universitária, o Magnífico Reitor.
participantes, evitando ultrapassar sete pessoas.
Vossa Senhoria é empregado para as demais
Pronunciamentos autoridades e para particulares. O vocativo adequado é
Senhor, seguido do cargo do destinatário (Ex: Senhor
As autoridades relacionadas para o pronunciamento Diretor).
deverão ser chamadas na ordem inversa de precedência,
ou seja, do menor para o maior. O vídeo a seguir conta a lenda chinesa que explica o
uso da aliança no dedo anelar.
Para conceder a fala, inicia-se do menos importante
para o mais importante, ou seja, o mais importante fala http://www.youtube.com/watch?NR=1&feature=ends
por último, encerrando a solenidade de abertura. creen&v=wAa9Z4b6am8Vídeo XX –

No caso de a autoridade ser representada por outra


pessoa, esta não tem direito de fala. Somente se solicitada 9. O CERIMONIAL NOS DIVERSOS
oficialmente pela autoridade que a enviou. TIPOS DE EVENTOS SOCIAIS:
CASAMENTO, BODAS, 15 ANOS
Formas de tratamento
O emprego dos pronomes de tratamento obedece a
O cerimonial também faz parte de eventos sociais.
uma tradição secular. Usa-se habitualmente o Vossa
Como explicado antes, são normas e rituais que organizam
Excelência em comunicações dirigidas ao Presidente da
as atividades consideradas importantes na vida de um
República, Senadores da República, Ministros de Estado,

16
Protocolo e Etiqueta Empresarial

grupo social. Alguns são mais tradicionais e obedecem a


formalidades próprias. Vamos começar tratando de um Vestido de noiva
evento que pode ser tanto pessoal como profissional.

Bodas ou Jubileus

O termo bodas significa celebração de casamento ou


de aniversário de casamento. No âmbito empresarial,
os aniversários solenes das empresas são chamados de
jubileus. As bodas recebem diferentes denominações,
dependendo do número de anos que se festeja. São esses
elementos que organizam a comemoração, conforme
tabela abaixo:

5 anos Bodas de Madeira


10 anos Bodas de Estanho
15 anos Bodas de Cristal
20 anos Bodas de porcelana Fonte da imagem: http://www.mundodastribos.
25 anos Bodas de Prata com/vestidos-de-noiva-com-cauda.html

30 anos Bodas de Pérola


35 anos Bodas de Coral O vestido branco começou a ser usado em casamentos
40 anos Bodas de Esmeraldas depois que a Rainha Victoria, da Inglaterra, usou um
45 anos Bodas de Rubi vestido branco em seu casamento com o Príncipe Albert.
50 anos Bodas de Ouro A fotografia oficial do casamento foi publicada em vários
60 anos Bodas de Diamente meios, fazendo com que as noivas da época também
75 anos Bodas de Brilhante
escolhessem vestidos brancos. Antes, os vestidos podiam
ser de qualquer cor, excetuando o preto, usado em
Casamento
funerais, e o vermelho. A tradição do branco continua até
A celebração do casamento surgiu na Roma Antiga. No
os dias de hoje.
início, as pessoas se casavam para ganhar um dote, um
meio honrado de enriquecimento. Também se casavam
Alianças
para ter filhos legítimos que perpetuariam o nome do
pai. A cerimônia ainda não era religiosa. A benção de um
religioso só foi oficializada depois do Concílio de Trento, no
século XVI. Já o casamento civil só surgiu bem depois, em
1650, na Inglaterra.

O casamento provavelmente é a cerimônia social que


tem maior carga de rituais. Alguns símbolos importantes
são:

Fonte da imagem: www.ideiasmodernas.com

A palavra aliança surgiu por volta do século XV,


provavelmente na França. Mas a primeira noiva a usar uma

17
Protocolo e Etiqueta Empresarial

aliança como sinal de amor e união duradoura foi Mary de Fonte da imagem: http:// www.sutillembrancinhas.com.br

Burgundy. O anel de diamantes foi presente de seu noivo, Os italianos acreditam que as amêndoas trazem
o Arquiduque Maximilano da Áustria, em 1477. A forma felicidade aos noivos. São oferecidas cinco, envoltas num
circular do anel, sem começo nem fim, seria um prenúncio tule. Cada uma das amêndoas tem um significado. São
da continuidade do amor e devoção ao longo da vida do eles: saúde, riqueza, vida longa, fecundidade e felicidade.
casal. O costume de usar o anel no dedo anelar da mão
esquerda parece ligado a uma crença antiga. Acreditava- Arroz
se que nesse dedo existia uma veia que ia direto para o
coração. O dedo anelar esquerdo tornou-se, assim, o dedo
da aliança de casamento em diversas culturas. Uma lenda
chinesa diz que esse é o único dedo que não pode ser
separado (vide vídeo).

Bouquet

Fonte da imagem: http://noivashistericas.wordpress.


com/2010/06/25/curiosidades-por-tras-da-tradicao/#more-39

Uma das mais antigas tradições de casamento, o


costume de jogar arroz originou-se com os antigos
hindus e chineses. Nessas culturas, o arroz era símbolo
de frutificação e prosperidade. Acreditava-se que o
lançamento de arroz nos noivos após a cerimônia era um
oferecimento de fertilidade. Comer arroz e outros grãos
garantia saúde, riqueza e felicidade ao jovem casal.
Fonte da imagem: http://1ms.net/rose-bouquet-237437.html

Bolo
O bouquet, para os antigos gregos e romanos, era
formado por uma mistura de alho e ervas ou grãos.
Esperava-se que o alho afastasse espíritos maus e as
ervas ou grãos garantissem uma união frutífera. Na antiga
Polônia, acreditava-se que, colocando açúcar no bouquet
da noiva, seu temperamento se manteria “doce”. A entrega
do bouquet representa a despedida da noiva, que o atira
para repartir com os convidados a sua felicidade.

Amêndoas

Fonte da imagem: http://www.conhecaja.com/wp-content/


uploads/2011/02/bolo-de-casamento-com-noivinhos-decorados.jpg

O bolo sempre teve papel de destaque nos casamentos.


Os romanos partiam um bolo na cabeça da noiva para
simbolizar fertilidade ou abundância. Muitas outras culturas
jogavam trigo, farinha ou bolo na cabeça da noiva e depois

18
Protocolo e Etiqueta Empresarial

comiam os restos para terem sorte. O costume do “bolo da Debutantes (15 anos)
noiva” veio da França.

A cerimônia do casamento também é carregada


de rituais. O noivo não pode ver a noiva vestida para a
cerimônia. Trata-se de uma tradição milenar praticada
por quase todos os povos. Em alguns países árabes, o
casamento, especialmente dos muçulmanos, ainda hoje
é celebrado entre o pretendente e o pai da noiva (ela
aguarda em outra sala). Somente depois da celebração do
casamento pelos homens é que a noiva se encontra com Fonte da imagem: http://saojoaquimonline.com.br/21/10/2012/
imagens-do-baile-de-debutantes-do-clube-astrea-2/
o futuro marido. A tradição também ensina que o homem
não deve tocar em nenhum pertence da noiva, para não O baile de debutantes teve origem nos reinos europeus,

quebrar o encanto do matrimônio. Pode-se tocar apenas especialmente nas regiões onde hoje se localizam França,

em objetos de vidro e ouro. Inglaterra, Alemanha e Áustria. As famílias nobres


realizavam um grande baile para apresentar as filhas

O noivo também deve chegar antes da noiva na Igreja. para a sociedade da época. A própria origem da palavra

A tradição é que os convidados sejam recepcionados pelo francesa début significa estreia, início.

noivo e por seus pais. Atualmente, o cerimonialista ou os


pais dos noivos cuidam da recepção aos convidados. Evidentemente, o objetivo real não era apenas
apresentar, mas mostrar que a filha já era mulher pronta

O cortejo de entrada na Igreja é organizado apenas para se tornar esposa e mãe. Dessa forma, os pretendentes

quando a noiva chega, fazendo com que os padrinhos, já poderiam se apresentar. O fato importante não era o

os pais e o noivo não fiquem no altar um grande tempo. casamento em si, mas a união de famílias nobres que

Entram primeiro os padrinhos, depois a mãe da noiva com dividiam o mesmo estilo de vida.

o pai do noivo. A seguir entram o noivo com sua mãe,


seguidos pelas damas e pajens. Finalmente, entram a No Brasil, a festa se popularizou na década de 1950,

noiva com seu pai. mas trazia como diferencial as festas coletivas, como
forma de economizar com os gastos geralmente elevados.

A noiva é a única mulher a entrar na Igreja pelo lado As famílias de maiores posses procuram manter as festas

direito. Durante a celebração do casamento, a noiva se individuais.

posiciona no lado esquerdo do noivo. É uma tradição


que remonta à Idade Média: se algum homem tentasse A cerimônia segue alguns ritos como a troca do

“roubar” a futura esposa do noivo, este a defenderia com vestido e as velas. Atualmente, se inicia o ritual com a

a espada, usando o braço direito para o combate. Outros troca de sapatos pelo pai, que possui dois significados:

dizem que, quando a noiva fica no lado esquerdo, afasta o informar aos participantes que a moça já está pronta

risco da infidelidade. Mas, na saída, volta a se posicionar para dar seus próprios passos e representar a passagem

à direita, numa posição que representa, biblicamente, para a vida adulta com o uso do salto alto. O vestido de

submissão ao marido. gala, colocado no meio do evento, também simboliza a


passagem de menina para mulher. Na hora da valsa, as 15

A cerimônia ainda segue outras formalidades na troca velas simbolizam os 15 anos de vida. Ao apagar cada vela,

de alianças, na valsa, nos cumprimentos, entre outros. a debutante comemora o fim de uma etapa.

19
Protocolo e Etiqueta Empresarial

Como dito, no início de nossas aulas, ao longo do


tempo as regras de etiqueta, protocolo e cerimonial
foram se adequando e fazendo parte dos momentos mais
marcantes de diferentes sociedades, de diferentes culturas.
A etiqueta e os rituais tão presentes nos eventos públicos
e sociais começaram a fazer parte do mundo corporativo.

Os executivos passaram a se preocupar com a


construção de uma imagem positiva de suas empresas e
deles próprios. E perceberam que o mundo profissional
requer posturas, hábitos adequados, novas competências
e atitudes dentro das organizações, ferramentas
essenciais para a construção de uma nova dinâmica do
mundo dos negócios. A partir daí, se apropriaram de
normas e modelos públicos para organizar seus eventos,
tema que trataremos a seguir, evitando que negócios e
oportunidades se percam pelo desconhecimento de regras
básicas de conduta dentro das empresas e fora delas.

20
Protocolo e Etiqueta Empresarial

10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


BETTEGA, Maria Lúcia. Eventos e Cerimonial:
simplificando ações. Caxias do Sul: EDUCS, 2006.

CARPINELLI, Vivian Marcassa. Cerimonial, etiqueta,


protocolo e eventos. Curitiba: Hellograff, 2002.

GOMES, Sara. Guia do Cerimonial. 5ª Ed. Brasília:


LGE, 2003.

LUKOWER, Ana. Cerimonial e Protocolo. 3ª. Ed. São


Paulo: Contexto, 2006.

MANUAL DE CERIMONIAL DO MPF. Brasília: Procuradoria


Geral da República, 2008.

MARTINEZ, Marina. Cerimonial para executivos:


guia para execução e supervisão de eventos
empresariais. 3ª. Ed. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2001.

MIRANDA, Luiza. Negócios e Festas: cerimonial e


etiqueta em eventos sociais. Belo Horizonte: Autêntica,
2003.

21