Você está na página 1de 2

Constitui o da Rep blica Portuguesa

TêTULO III
Assembleia da Rep blica
CAPêTULO I
Estatuto e elei o
Artigo 149.¼
C rculos eleitorais
1. Os Deputados s o eleitos por c rculos eleitorais geograficamente definidos na le
i, a qual pode determinar a exist ncia de c rculos plurinominais e uninominais, bem
como a respectiva natureza e complementaridade, por forma a assegurar o sistema
de representa o proporcional e o m todo da m dia mais alta de Hondt na convers o dos voto
s em n mero de mandatos.

*****

Dada a falta de responsabiliza o dos nossos deputados imp e-se uma reflex o sobre o act
ual sistema eleitoral e alternativas.
Na pr tica, a maioria dos nossos deputados deve obedi ncia ao partido pelo qual se c
andidatou sem que haja qualquer forma de serem pessoalmente responsabilizados pe
lo seu comportamento.
Resultado: os maus n o s o penalizados, e os bons n o s o recompensados; a mediocridade
ganha.
No actual sistema, os candidatos arrolam-se em listas partid rias por op o dos l deres,
perante os quais ficar o devedores. Se alguma Òindepend nciaÓ tinham, perdem-na a parti
r do momento em que integram um grupo parlamentar e t m de submeter-se disciplina
de voto por ele exigida. Actualmente, s quinze deputados t m o privil gio da liberdad
e de voto!
Ser que num sistema uninominal n o se daria maior margem de independ ncia ao deputado
?
Uma coisa certa! O deputado passaria a ter outra legitimidade democr tica para ir
contra os des gnios partid rios.
Outra certeza a de que a substitui o directa (e de forma obscura) de um deputado qu
e sai por um outro que ningu m sabe quem teria os dias contados.
Com os c rculos uninominais, a sa da de um deputado implica uma elei o intercalar no c rc
ulo pelo qual foi eleito.
Os c rculos uninominais t m, portanto, vantagens bvias.
Ao votarmos num s candidato, ele passa a ser responsabilizado directamente, o que
resulta numa maior responsabiliza o do pr prio eleitor.
Responsabiliza o deputado porque o obriga a fazer campanha "cara a cara"; respon
sabiliza o eleitor porque uma maior proximidade lhe d a oportunidade de questiona
r as propostas dos candidatos.
Para al m disso, os eleitores, mais conscientes do comportamento do seu representa
nte, poderiam penaliz -lo ou premi -lo com o seu voto nas pr ximas elei es.
E j agora, n o ser leg timo que o eleitor pretenda obter benef cios com o seu voto?
O mandato do deputado deve servir fundamentalmente para defender os interesses q
ue ele representa, pois essa a l gica da democracia representativa.
H , tamb m, que impedir o esquecimento de certas zonas do pa s s porque n o elegem deputa
dos suficientes.
O papel legislativo e fiscalizador do Parlamento, a defesa dos interesses dos el
eitorados locais, s o princ pios muito nobres que apenas constam no papel.
Os eleitores apercebem-se intuitivamente disto, conhecem a falta de respeito gen
eralizada pelo cumprimento dos mandatos, sabem que nada t m a esperar de deputados
que geralmente n o conhecem e cujas candidaturas nunca foram chamados a validar.
Isto explicar em grande medida o desprest gio do Parlamento e o desprezo que os cid
ad os por ele nutrem.
A altera o do actual sistema pode passar pela adop o de um c rculo eleitoral nacional em
paralelo com c rculos distritais uninominais, permitindo assegurar a pluralidade
e a establidade do sistema pol tico.
Tal op o facilitaria a forma o de maiorias absolutas, e portanto, aumentaria as condi es
de governabilidade.
Num sistema similar ao franc s, em que se exija a maioria absoluta, recorrendo se
necess rio a uma 2» volta, os pequenos partidos podem perfeitamente manter a represe
nta o parlamentar.
A representa o proporcional n o cria condi es para o surgimento de v rios partidos. Imped
, isso sim (ou dificulta seriamente), que um deles consiga a maioria absoluta. E
ao ficar em minoria, o partido mais votado torna-se ref m dos pequenos partidos,
n o tendo outra alternativa que n o seja aliar-se a estes ou governar de forma condi
cionada. Desta forma, os pequenos partidos (tantas vezes com uns meros 7% e 8% d
os votos) acabam por deter uma influ ncia e um poder muito superior ao que deveria
m dispor. O que os pequenos partidos temem, com o sistema uninominal, n o o seu de
saparecimento, mas a sua irrelev ncia eleitoral.
Parafraseando Ant nio Barreto, Òo voto uma arma mas que deixou de ser do povo, hoje
dos l deres partid riosÓ.