Você está na página 1de 6

MATÉRIA: Direito Constitucional

PROFESSOR: Luciana Russo


AULA E DATA: 01 – 27.02.2010

Método de estudos

Ler a constituição, porque a prova do CESP é feita em cima do texto


constitucional (mais do que 10 questões na primeira fase).

Como ler a constituição: aos poucos (ler 15 minutos por dia, a partir do
artigo 1º, ler repetindo em voz alta, para memorizar bem).
Fazer as provas anteriores e corrigir a prova, verificando o que acertou ou
não.
Livro da coleção da OAB nacional, 3ª edição, da Saraiva - Luciana Russo,
como complementação das aulas.
Pode ser qualquer outro livro, manual ou sinopse, desde que esteja
atualizado.

CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES

Quanto à forma:
- Escrita
- Não escrita (costumeira)

Escrita é aquela que está codificada, que foi elaborada por um procedimento
especial e solene.

Não escrita ou costumeira é uma constituição que é formada por alguns


textos escritos e também por costumes e tradições. Ex. Constituição do
Reino Unido.
Chamada de não escrita porque os textos não estão num corpo único, estão
esparsos e também porque é formada por usos e costumes.

1
MATÉRIA: Direito Constitucional
PROFESSOR: Luciana Russo
AULA E DATA: 01 – 27.02.2010
QUANTO À ORIGEM

- outorgada - imposta por uma pessoa ou grupo de pessoas, que detém o


poder num certo momento.
- promulgada (democrática ou popular) - feita por representantes do povo,
vem da vontade popular.

Nossa CF
Quanto à forma é escrita.
Quanto à origem ela é promulgada.

QUANTO AO MODO DE ELABORAÇÃO


- dogmática - elaborada num momento determinado, por pessoas
especialmente designadas para isso, expressando os valores sociais,
políticos, econômicos e culturais daquela sociedade. Nossa CF é dogmática.

- histórica - vai sendo elaborada com o passar do tempo.

QUANTO À EXTENSÃO
- Analítica - é uma constituição prolixa, detalhada, ampla. A nossa é
analítica. Ex. A emenda 64 acrescentou no artigo 6º, a palavra alimentação.
- Sintética - resumida, concisa, só traz o essencial. Ex. CF dos EUA - é a
mesma desde que foi feita.

QUANTO AO CONTEÚDO

- formal - é a que está expressa num documento solene e escrito, elaborado


por um procedimento diferenciado, pouco importando a sua essência.
- material - só traz assuntos essencialmente constitucionais (organização do
estado, direitos fundamentais).

2
MATÉRIA: Direito Constitucional
PROFESSOR: Luciana Russo
AULA E DATA: 01 – 27.02.2010
Ser cláusula pétrea significa que aquele conteúdo não pode ser retirado da
constituição, mas elas não estão em patamar superior às outras normas
constitucionais. Elas estão no mesmo patamar.

Não pode, portanto, haver controle de constitucionalidade das normas


originárias da constituição. Não se admite a inconstitucionalidade implícita.

Ex. tribunal do júri. Quem mata é julgado por júri, mas se for juiz, ele é
julgado no TJ. A CF criou uma exceção a uma regra dela própria. Nem por
isso ela é inconstitucional.

Mas cuidado: posso ter uma EC (emenda constitucional) inconstitucional.

QUANTO À ALTERABILIDADE, ESTABILIDADE OU MUTABILIDADE

- rígida - só pode ser alterada por um processo diferenciada, especial, mais


complexo e dificultoso que o previsto para as leis ordinárias. Nossa
constituição é rígida, porque não pode ser mudada por lei ordinária. Se a lei
lhe for contrária, ela será inconstitucional. Além dela ser rígida, ela tem um
núcleo superrígido, intangível, que não pode ser suprimido (as cláusulas
pétreas). Mas pode fazer emenda em cláusula pétrea, desde que a emenda
mantenha o conteúdo, a essência (art. 60, §4º, CF).
- flexível - é aquela que eu altero como lei ordinária. A própria lei ordinária
pode alterar a constituição. Se ela for contrária e posterior, ela prevalece.
Semirrigida - parte dela é rígida e parte é flexível, ou seja, alguns assuntos,
matérias, ou artigos, só serão alterados por procedimento mais complexo e
dificultoso. Essa parte será rígida. O restante eu posso alterar como lei
ordinária. Esta parte será flexível.

3
MATÉRIA: Direito Constitucional
PROFESSOR: Luciana Russo
AULA E DATA: 01 – 27.02.2010
CLASSIFICAÇÃO
DE ACORDO COM JOSÉ AFONSO DA SILVA

As normas podem ser de eficácia plena, contida, limitada.

As normas de eficácia plena - possuem aplicabilidade imediata, mas não


admitem redução ou restrição.
Norma de eficácia contida (plena redutível) - tem aplicabilidade imediata,
mas admite redução.
Norma de eficácia limitada - a sua aplicabilidade é mediata, pois depende de
regulamentação, ou seja, depende de uma atuação do legislador ou do
administrador. Pode ser de 2 espécies:
- de princípio institutivo - quando traça um esquema de organização ou
criação de um órgão da administração. Ex. instituição de estado.
- de princípio programático - indica um objetivo, um direito a ser
assegurado. Art. 3º, CF.

As normas de eficácia plena são aquelas que se aplicam diretamente na


realidade e não podem sofrer qualquer restrição. Ex. CF, art. 22; art. 84, I. -
Nomeação de ministros - o presidente pratica um ato com base na própria
CF.

A norma contida (plena redutível- Michel Temer) - posso me utilizar daquele


direito desde logo, não preciso do legislador. Mas diferentemente da plena,
ela pode sofrer restrição. Ex1. art. 5º, XIII, CF - é livre o exercício de
qualquer ofício ou profissão, atendidas as condições exigidas por lei. Ex2.
art. 5º, XI, CF - Inviolabilidade do domicílio (todo compartimento habitável é
considerado domicílio).

Norma limitada - art. 7º, XXVII, CF - preciso de uma série de atos do Estado
para efetivar este direito na realidade. A sua aplicabilidade é mediata, mas

4
MATÉRIA: Direito Constitucional
PROFESSOR: Luciana Russo
AULA E DATA: 01 – 27.02.2010
ela tem eficácia. As normas anteriores que forem conflitantes com elas serão
não recepcionadas. EX. Greve de servidor público (art. 37, VII, CF).
Ela também é parâmetro para o controle de constitucionalidade. Se uma
norma elaborada a contradiz, essa norma é declarada inconstitucional.

A norma limitada traz um comando para o administrador, não é uma mera


recomendação. Nossa constituição tem força normativa, tem eficácia
imediata. Uma norma de eficácia limitada, quando não atendida, essa
omissão é inconstitucional.
O remédio é o mandado de injunção no controle difuso.
No controle concentrado, temos a ADIN por omissão.
Lei 12.063/2009 - regulamenta a ADIN por omissão.

Quanto ao direito de greve dos servidores

Art. 102, I, q, CF - compete ao STF julgar o mandado de injunção em caso de


omissão legislativa.
O STF determinou que estivesse aplicável a lei de greve dos trabalhadores
em geral enquanto não for feita a lei específica para os servidores.

RECEPÇÃO

Todas as normas infraconstitucionais que forem compatíveis com a nova CF,


elas são recepcionadas. As que forem incompatíveis, não são recepcionadas
e não podem mais ser aplicadas.
As normas não recepcionadas pela nova Constituição são revogadas
tacitamente.
Quem diz quais as normas aplicáveis são os operadores do direito.

5
MATÉRIA: Direito Constitucional
PROFESSOR: Luciana Russo
AULA E DATA: 01 – 27.02.2010
Ex. art. 26, CPP - contravenção penal - porque a ação penal é de iniciativa
do MP.
Ex2. lei de imprensa.

Verifica-se se uma norma é constitucional ou inconstitucional no momento


em que ela é produzida. Se depois que ela nasceu, vem uma nova
constituição, a análise que faço agora é se ela está recepcionada ou não.
O STF não admite a inconstitucionalidade superveniente.

CF lei nova CF
_________|________|____________________________|__________

Se lei compatível = recepcionada


Se lei incompatível = não recepcionada

Por isso não cabe ADIN para norma anterior a 88.


Porque a ADIN é para combater a norma que foi criada contra a CF.

Para fins de recepção só interessam os aspectos materiais da norma e não os


aspectos formais.

Aspecto material - é o conteúdo, é o assunto.


Aspecto formal - é a espécie normativa (decreto-lei, Lei, Lei complementar,
etc.)

Mas como o CP, CTN, por exemplo, hoje só podem ser disciplinados por lei
complementar. Eles só podem ser modificados por lei complementar. Pouco
importa que espécie era antes.