Você está na página 1de 5

23/01/2020 A necropolítica como regime de governo | Opinião | EL PAÍS Brasil

Ad
Condição Insuperável na Haojue
Uso de cookies: Mude Para a Haojue com o Melhor Custo Bene cio e a Melhor Qualidade

PRISA usa cookies próprios e de terceiros para aprimorar seus serviços, preparar
informações estatísticas e exibir publicidade, conteúdo ou serviços
ESP personalizados
BRA CAT AME ENG através da

análise de sua navegação, para a qual é necessário compartilhar dados e perfis não NEWSLETTER ASSINE
Configuração FECHAR
diretamente vinculados à sua identidade com anunciantes, operadores de publicidade. e
OPINIÃO
outros intermediários. Para aceitar todos os fins indicados, você pode continuar navegando.
Caso contrário, você pode configurar ou rejeitar esses propósitos clicando na seção
OPINIÃO
Configuração. Para obter mais informações sobre o uso de cookies e seus direitos, acesse
nossa Política de Cookies. Ver os parceiros
OPINIÃO i

A necropolítica como regime de governo


O próprio funcionamento dos Estados da América Latina promove em muitas ocasiões políticas da
morte

DEBORA DINIZ | GISELLE CARINO

16 JUL 2019 - 20:50BRT

Uma manifestação contra o assassinato de Marielle Franco no Rio de Janeiro.

Brasil e Colômbia disputam a miserável primeira posição de país mais arriscado para ser um defensor de
MAIS INFORMAÇÕES
direitos humanos no mundo. Se a questão for terra ou meio ambiente, Colômbia é o país mais violento; se
forem os direitos das mulheres ou população LGBT, Brasil lidera o ranking de homicídios. A fronteira entre
as questões de direitos humanos é uma tentativa de classificar onde estão os temas de maior risco em cada
país, porém histórias concretas de ativistas ameaçados ou mortos mostram como a fronteira é nebulosa.
Yirley Velasco é campesina, sobrevivente do Massacre El Salado, na Colômbia, foi vítima de violência sexual Por que
contestar um
em 2000. Sofre ameaças de morte pelo trabalho político em defesa dos direitos das mulheres em Montes de
bloqueio de
María, onde María del Pilar Hurtado foi morta na frente dos filhos. Talíria Petrone é deputada federal, amiga

https://brasil.elpais.com/brasil/2019/07/09/opinion/1562688743_395031.html 1/5
23/01/2020 A necropolítica como regime de governo | Opinião | EL PAÍS Brasil

de Marielle Franco, vereadora assassinada por milícias no Rio de Janeiro. É voz ativa pelos direitos humanos Twitter na
Justiça?
na política
Uso nacional brasileira e vem sofrendo ameaças de morte.
de cookies:

PRISA usa cookies próprios e de terceiros para aprimorar seus serviços, preparar
Como classificar
informações as fronteiras
estatísticas de luta
e exibir de Yirley
publicidade, ou Talíria?
conteúdo Seriam
ou serviços questõesatravés
personalizados de terra
da ou questões urbanas?
Lutas feministas ounavegação,
análise de sua lideranças comunitárias?
para Essas
a qual é necessário são perguntas
compartilhar insuficientes
dados e perfis não para compreender
Configuração
a FECHARÉ injusto acusar
diretamente vinculados à sua identidade com anunciantes, operadores de publicidade. e
complexidade da agenda de direitos humanos na atualidade, em particular na América Latina. Há um movimentos
outros intermediários. Para aceitar todos os fins indicados, você pode continuar navegando.
cruzamento permanente da precariedade da vida sociais de
Caso contrário, você pode configurar ou rejeitar essesque torna clicando
propósitos alguns na
corpos
seção e suas lideranças políticas mais
“judicializar a
vulneráveis ao que Para
Configuração. Achille
obterMbembe descreveu
mais informações sobrecomo a “necropolítica”:
o uso de políticas
cookies e seus direitos, acessede morte para o controle das
política”
nossa Política
populações. Mbembe de Cookies. Verem
se inspira os parceiros
Michel Foucault, na aula final do curso “Em defesa da sociedade”, de
1976. Nela, Foucault lançou a ideia de como o racismo de Estado seria uma das táticas do biopoder e da
biopolítica. Entre o poder de “fazer viver e deixar morrer”, o racismo de Estado determinaria as condições de
aceitabilidade para quem vive e morre. Mbembe foi além de Foucault: mostrou como o biopoder é
insuficiente para compreender as relações de inimizade e perseguição contemporâneas, pois há uma
necropolítica em curso para produzir os “mundos de morte”.

Yirley leu no bilhete depositado em sua casa em que dizia, “a ordem é desaparecer com você”. Talíria foi informada pela
polícia que os planos para matá-la são antigos e orquestrados na internet profunda. As duas líderes de direitos humanos
pediram proteção aos seus governos para se manterem vivas. Talíria teve o pedido ignorado pelo governador do estado do Rio
de Janeiro, por onde é deputada federal e foi às redes sociais contar sua história; Yirley foi ao canal de Youtube de Daniel
Samper Ospina para contar sua história. Por que Talíria e Yirley escolheram um caminho de exposição pública tão semelhante
e alternativo aos oficiais do Estado? Porque os corsários e as milícias da necropolítica estão imiscuídas no próprio governo da
política em nossos países. É o próprio funcionamento dos Estados-nação que movem políticas de morte, como o racismo, a
misoginia ou a homofobia. São, como descreve Mbembe, estados assassinos porque racistas.

As duas histórias nos provocam pensar o que se passa na América Latina — ora descrevemos as mudanças políticas como
onda conservadora, populista ou evangélica. Todas essas são táticas da necropolítica para estabelecer o corte entre o que
“pode fazer viver e o que pode deixar morrer”. Quanto mais frágeis forem as populações, como as mulheres e as meninas
negras, indígenas ou com deficiência, maior o desequilíbrio entre o poder da vida e da morte. Não é por coincidência que
“feminicídio” foi vocábulo posto em circulação pelas mulheres do Sul Global, assim como ser uma ativista mulher de direitos
humanos é cada dia atividade mais arriscada. As relações de inimizade, como descreve Mbembe, se movimentam pelo direito
de matar, “estabelecem cortes de aceitabilidade para tirar uma vida”, instaurando os regimes de medo e precariedade.
Quando o funcionamento do Estado escancara a necropolítica como regime de governo das populações, passamos a
descrever a desordem como “emergência”, “conflito armado” ou “crise humanitária”. A verdade é que as táticas de exclusão e
perseguição já estavam instauradas muito antes de nomeá-las pelos vocábulos do horror.

Debora Diniz é brasileira, antropóloga, pesquisadora da Universidade de Brown.

Giselle Carino é argentina, cientista política, diretora da IPPF/WHR.

Adere a Mais informações >

MAIS INFORMAÇÕES

OS DEFENSORES DA FLORESTA

A jovem amazônica que luta pelas florestas e pelos direitos LGBT

O silêncio sobre o zika oprime as mulheres

https://brasil.elpais.com/brasil/2019/07/09/opinion/1562688743_395031.html 2/5
23/01/2020 A necropolítica como regime de governo | Opinião | EL PAÍS Brasil
ARQUIVADO EM:

Uso de cookies:
Marielle Franco Colômbia Direitos Humanos Brasil América Do Sul América Latina América Sociedade
PRISA usa cookies próprios e de terceiros para aprimorar seus serviços, preparar
informações estatísticas e exibir publicidade, conteúdo ou serviços personalizados através da
análisePATROCINADO
CONTENIDO de sua navegação, para a qual é necessário compartilhar dados e perfis não
Configuração FECHAR
diretamente vinculados à sua identidade com anunciantes, operadores de publicidade. e
outros intermediários. Para aceitar todos os fins indicados, você pode continuar navegando.
Caso contrário, você pode configurar ou rejeitar esses propósitos clicando na seção
Configuração. Para obter mais informações sobre o uso de cookies e seus direitos, acesse
nossa Política de Cookies. Ver os parceiros

HOMEM ATUAL FIM DA CALVÍCIE - ANIGI CUPONOMIA

Novo composto natural muda a vida Esse extrato indígena acaba com a O segredo para comprar na
de homens e mulheres no Brasil calvície 8x mais rápido sem efeitos Americanas que as pessoas não
colaterais sabem

Y ADEMÁS...

Hank Azaria dejará de ser la voz de


Apu en ‘Los Simpson’

EPIK

recomendado por

Ad

https://brasil.elpais.com/brasil/2019/07/09/opinion/1562688743_395031.html 3/5
23/01/2020 A necropolítica como regime de governo | Opinião | EL PAÍS Brasil

Uso de cookies:

PRISA usa cookies próprios e de terceiros para aprimorar seus serviços, preparar
informações estatísticas e exibir publicidade, conteúdo ou serviços personalizados através da
análise de sua navegação, para a qual é necessário compartilhar dados e perfis não
Configuração FECHAR
diretamente vinculados à sua identidade com anunciantes, operadores de publicidade. e
outros intermediários. Para aceitar todos os fins indicados, você pode continuar navegando.
Mais Novo Mapa Da
Caso contrário, você pode configurar ou rejeitar esses propósitos clicando na seção
Configuração. Para obter mais informações sobre o uso de cookies e seus direitos, acesse
nossa Política de Cookies. Ver os parceiros
Terra 2019
Mostre-lhe tráfego ao vivo 24 horas
por dia, mapas de satélite e vista da
rua HD.

earthview360

Abrir

NEWSLETTERS
Receba o boletim diário do EL PAÍS Brasil

PODE TE INTERESSAR

Um ‘tinder’ para unir mulheres e empresas

Piñera acusa governos e instituições do exterior de influenciarem protestos no Chile

https://brasil.elpais.com/brasil/2019/07/09/opinion/1562688743_395031.html 4/5
23/01/2020 A necropolítica como regime de governo | Opinião | EL PAÍS Brasil

ColômbiaUso
enfrenta a exumação de 200.000 corpos não identificados
de cookies:

PRISA usa cookies próprios e de terceiros para aprimorar seus serviços, preparar
informações estatísticas e exibir publicidade, conteúdo ou serviços personalizados através da
análise de sua navegação, para a qual é necessário compartilhar dados e perfis não
Configuração FECHAR
diretamente vinculados à sua identidade com anunciantes, operadores de publicidade. e
outros intermediários. Para aceitar todos os fins indicados, você pode continuar navegando.
Caso contrário, você pode configurar ou rejeitar esses propósitos clicando na seção
Configuração. Para obter mais informações sobre o uso de cookies e seus direitos, acesse
Com cartuchos de munição e número 38, Bolsonaro lança partido à sua medida
nossa Política de Cookies. Ver os parceiros

© EDICIONES EL PAÍS S.L.

Contato Venda de conteúdos Publicidade


Aviso legal Política cookies Mapa
EL PAÍS en KIOSKOyMÁS Índice RSS

https://brasil.elpais.com/brasil/2019/07/09/opinion/1562688743_395031.html 5/5

Você também pode gostar