Você está na página 1de 37

www.educapsico.com.

br

APOSTILA BÁSICA

Dezembro/2013

– REPRODUÇÃO PROIBIDA –
www.educapsico.com.br

Organizador: Tauane Paula Gehm.

Autores de apostilas e unidades de materiais Educa Psico presentes neste


material:
Denise Dascanio; Marta Regina Gonçalves Correia; Mariana Girotto Carvalho da Silva;
Domitila Shizue Kawakami Gonzaga; Luciana Esgalha Carnier; Fabiana Rego Freitas;
Ana Carolina Naves Magalhães; Patricia Ribeiro Martins; Rafael Santos Vaz de Lima;
Amanda Guedes de Oliveira; Daniela Ré Franguelli; Fernanda Gonçalves; Paulo Keish
Kohara; Rafaela Gabani Trindade; Roberta Alessandra Bernardino.
Apostila Psicologia da Saúde; Apostila Psicologia Jurídica; Apostila Psicodiagnóstico e
testes; Apostila Psicopatologia; Apostila Psicologia Organizacional; Apostila Psicologia
da Personalidade; Apostila Psicologia do desenvolvimento.

Texto de apresentação do material:


A apostila Básica da Educa Psico aborda os principais temas de Psicologia
que vem sendo cobrados nos concursos na área (provas específicas) e foi organizada
com o objetivo de ajudá-lo na sua preparação para provas específicas de concursos
na área de Psicologia.
A proposta desse material é auxiliá-lo na organização dos seus estudos,
possibilitando que você se dedique aos principais conteúdos de psicologia que vem
sendo propostos em editais de concursos públicos para psicólogos. A elaboração
desse material teve como base alguns dos conteúdos das principais apostilas
temáticas e específicas da Educa Psico.
É importante frisar que o estudo para concursos é um
processo que exige muito do candidato. Assim, é
fundamental para sua aprovação a organização de rotinas de estudos nas quais
realize o exercício de leitura, escrita, resolução de questões, pesquisa e
ampliação/aprofundamento dos estudos para além da leitura da apostila.
Apostilas são ótimas ferramentas na preparação para concursos, contudo não
substituem os livros. Elas facilitam a compreensão de conceitos centrais e auxiliam na
busca de referências sobre o que o candidato julga ter pouco domínio.
Bons estudos!
Equipe Educa Psico

2
www.educapsico.com.br

SUMÁRIO

PSICOLOGIA DA SAÚDE ......................................................................... ....05


1. UNIDADE I – PSICOLOGIA HOSPITALAR: CAMPOS DE ATUAÇÃO DO
PSICÓLOGO ............................................................................................ ....05
2. UNIDADE II – ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ...................................... ....30
3. UNIDADE III – MULTIDISCIPLINARIDADE E INTERDISCIPLINARIDADE
EM SAÚDE .............................................................................................. ....45

PSICOLOGIA JURÍDICA .......................................................................... ....55


1. UNIDADE I – PSICOPATOLOGIA E CRIMINALIDADE, PERÍCIA
PSICOLÓGICA E IMPUTABILIDADE ........................................................ ....55
2. UNIDADE II – VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, MAUS-TRATOS E ABUSO
SEXUAL ................................................................................................... ....67
3. UNIDADE III – OUTROS TEMAS EM PSICOLOGIA JURÍDICA ............. ....82

PSICODIAGNÓSTICO E TESTES ............................................................ ..105


1. UNIDADE I – PROCESSO PSICODIAGNÓSTICO ................................ ..105
2. UNIDADE II – OS TESTES PSICOLÓGICOS ........................................ ..111
3. UNIDADE III – ENTREVISTA PSICOLÓGICA ....................................... ..136
4. UNIDADE VI – INFORME PSICODIAGNÓSTICO E SEUS DOCUMENTOS
................................................................................................................ ..148

PSICOPATOLOGIA .................................................................................. ..157


1. UNIDADE I – CARACTERÍSTICAS SINTOMÁTICAS ESPECÍFICAS E
DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS PRINCIPAIS TRANSTORNOS DO EIXO
I, SEGUNDO O DSM –IV-TR .................................................................... ..157
2. UNIDADE II: CARACTERÍSTICAS SINTOMÁTICAS ESPECIFICAS E
DIAGNOSTICO DIFERENCIAL DOS PRINCPAIS TRANSTORNOS DO EIXO I
E TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE – EIXO II (DSM-IV) ................. ..173

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL............................................................ ..205

3
www.educapsico.com.br

1.UNIDADE – SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO .............. ..205


2. UNIDADE II – OS CINCO SUBSISTEMAS DA ADMINISTRAÇÃO DE
RECURSOS HUMANOS .......................................................................... ..215
3. UNIDADE III – CONCEITOS IMPORTANTES EM PSICOLOGIA
ORGANIZACIONAL.................................................................................. ..231

PSICOLOGIA DA PERSONALIDADE ....................................................... ..249


1.UNIDADE I – A OBRA DE SIGMUND FREUD ........................................ ..249
2. UNIDADE II: CARL ROGERS E A ABORDAGEM CENTRADA NA PESSOA
................................................................................................................ ..266
3.UNIDADE III: TEORIAS DA PERSONALIDADE (OUTROS AUTORES) .. ..273

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO .................................................. ..288


1. UNIDADE I – A PSICOLOGIA GENÉTICA DE JEAN PIAGET................ ..288
2. UNIDADE II: ABORDAGENS PSICANALISTAS DO DESENVOLVIMENTO
................................................................................................................ ..292
3. UNIDADE III – O PROCESSO DE ENVELHECIMENTO ........................ ..305
4. UNIDADE IV: DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO ......................... ..314

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .......................................................... ..329

4
www.educapsico.com.br

PSICOLOGIA DA SAÚDE1

1. UNIDADE I – PSICOLOGIA HOSPITALAR: CAMPOS DE ATUAÇÃO DO


PSICÓLOGO 2

1.1 Primeiras palavras: Nesta unidade abordaremos os conceitos da Psicologia


Hospitalar, explicitando sua relação e diferenças com a Psicologia da Saúde.
Abordaremos também a atuação do psicólogo nos hospitais, bem sua prática e modos
de intervenção.

1.2 Texto Base


Nas últimas décadas nota-se um crescente número de psicólogos que vêm
optando pela área da saúde, em especial a área da psicologia hospitalar (CAMPOS,
1995; SEBASTIANI, 2003).
Sebastiani (2003), ao pesquisar a história da Psicologia da Saúde no Brasil e
na América Latina, indica que existem cerca de 20 mil psicólogos com diferentes
orientações teóricas que trabalham na área da saúde. Para ele, a prática nesta área
ocorreu antes mesmo da regulamentação da profissão, em 1962, e da criação oficial
da especialidade pela APA (American Psychological Association). Este mesmo autor
considera o trabalho pioneiro da Dra. Mathilde Neder, na década de 1950, no Hospital
das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, como o marco
no campo da Psicologia da Saúde.
A partir de então, esta área desenvolveu-se e vários cursos de formação,
aperfeiçoamento e especialização foram criados.
Segundo Campos (1995), o psicólogo hospitalar tem um papel clínico, social,
organizacional e educacional, atuando em áreas que abrangem tanto a psicologia
preventiva como a de tratamento. Conforme aponta esta autora, a atuação do
psicólogo hospitalar depende de sua formação teórica e de sua atuação prática. Tal
formação influenciará no seu principal papel, a saber: contribuir para a humanização
da instituição hospitalar como um todo.
Dentre as atividades realizadas pelo psicólogo hospitalar, destacam-se a
prestação de assistência a pacientes e familiares, o suporte à equipe multiprofissional,
além da atuação no ensino e na pesquisa.

1
Fonte: Apostila Psicologia Hospitalar\Saúde..
2
Elaborado por Denise Dascanio; Marta Regina Gonçalves Correia e Mariana Girotto Carvalho da Silva.
Texto revisado e adaptado para esta apostila por Domitila Shizue Kawakami Gonzaga.

5
www.educapsico.com.br

Cabe ressaltar que o psicólogo hospitalar está em constante contato com o


Continua...

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

PSICOLOGIA DA SAÚDE

ACHCAR, R. (Org.) Psicólogo Brasileiro: práticas emergentes e desafios para a


formação. São Paulo: Casa do Psicólogo. 1984.
AGUIAR, R. W. (1998). Intervenções em crises. In: CORDIOLI, A. V. (Org.).
Psicoterapias: abordagens atuais. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas. Capítulo 12, p.
153-158.
ALEXANDER, F. (1989). Medicina psicossomática: princípios e aplicações. Porto
Alegre: Artes Médicas. (Originalmente publicado em 1987.)
ALMEIDA, F. F.; CANTAL, C.; COSTA JUNIOR, Á. L. Prontuário psicológico orientado
para o problema: um modelo em construção. Psicologia ciência e profissão, Brasília,
v. 28, n. 2, jun. 2008 . Disponível em:
<http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-
98932008000200016&lng=es&nrm=iso>. Acesso em 30 maio 2011.
AMARANTE P. (1995). Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil.
20. ed. Rio de Janeiro: SDE/ENSP.
AMIRALIAN, M. L. T.; PINTO, E. B.; GHIRARDI, M.I.G.; LICTHING, I; MASINI, E. F.S.;
PASQUALIM, L. (2000). Conceituando deficiência. Revista de Saúde Pública, São
Paulo, v. 34 (1), p. 97-103.
ANGERAMI, V. A. O psicólogo no Hospital. In: _________. Psicologia Hospitalar:
Teoria e Prática. São Paulo: Ed. Pioneira, 1994.
BARLETTA, J. B. O psicólogo e as questões éticas no contexto hospitalar. Psicópio:
Virtual de psicologia hospitalar e da saúde, Belo Horizonte, ano 4, n. 7, fev./jul. 2008.
Disponível em: <http://discovirtual.uol.com.br/disco_virtual/susana-
alamy/Rev_Psicopio/psicopio7.pdf> Acesso em: 02 ago. 2013.
BASAGLIA, F. (1991). A instituição negada. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal.
(Originalmente publicado em 1986.)
BASTOS, F. I. (2003). Redução de danos e saúde coletiva: reflexões a propósito das
experiências internacional e brasileira. Rio de Janeiro: ABORDA.
BERARDINELLI, Lina Márcia M.; SANTOS, Mauro Leonardo S. Caldeira dos. (2005).
Repensando a interdisciplinaridade e o ensino de enfermagem. Texto contexto –
enferm., Florianópolis, v. 14, n. 3, set. 2005. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-
07072005000300014&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 22 ago. 2009.
BLEGER, J. (1984). Psico-higiene e psicologia institucional. Porto Alegre: Artes
Médicas.
BORUCHOVITCH, E.; FELIX-SOUSA, I. C.; SCHALL, V. T. (1991). Conceito de
doença e preservação da saúde de população de professores e escolares de primeiro
grau. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 25 (6), p. 418-425.
BORTONCELLO, Cristiane Flôres; CUSINATO, Gabriela; RUDNICKI, Tânia. Lócus de
controle em psicólogos hospitalares. Rev. SBPH, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, jun.
2008 . Disponível em

6
www.educapsico.com.br

<http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-
08582008000100002&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 30 maio 2011.
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília:
Senado Federal; Centro Gráfico. 292 p.
BRASIL. (1992). Portaria N. 224, de 29 de janeiro de 1992. Dispõe sobre normas
diretrizes para os atendimentos hospitalares e extra-hospitalares. Diário Oficial da
República Federativa do Brasil, Poder Executivo, 30 jan. 1992. Seção 1, p.1168-70.
BRASIL. Lei nº. 8080, de 19 de setembro de 1990. Lei Orgânica da Saúde. Disponível
em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/lei8080.pdf.
BRASIL. Lei nº. 8142, de 28 de dezembro de 1990. Dispõe sobre a participação da
comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências
intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras
providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8142.htm.
BRASIL. Ministério da Saúde (2002). Programa Nacional de Avaliação dos Serviços
Hospitalares – PNASH.
Disponível em http://dtr2001.saude.gov.br/sas/pnashsas/index.htm. Acesso em 20 de
agosto de 2011.
BRASIL. Ministério da Saúde. (2005). Reforma psiquiátrica e política de saúde mental
no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços
de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília.
BRASIL. Ministério da Saúde. (2004/2005). PNASS – programa Nacional de Avaliação
de Serviços de Saúde. Disponível em
http://pnass.datasus.gov.br/documentos/CADERNO_PNASS.pdf. Acesso em 10 de
agosto de 2011.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa.
Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Caderno de Educação Popular e
Saúde. Brasília, 2007. 160 p. Disponível em:
http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/caderno_de_educacao_popular_e_saude.
pdf>. Acesso em: 15 out. 2012.
CALVETTI, Prisla Ucker; FIGHERA, Jossiele; MULLER, Marisa Campio. (2008). A
bioética nas intervenções em psicologia da saúde. Psic – Revista de Psicologia da
Vetor Editora [on-line], São Paulo, jun. 2008, v. 9, n. 1, p. 115-120. Disponível em:
<http://pepsic.bvs-psi.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1676-
73142008000100014&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 19 set. 2009. ISSN 1676-7314
CAMARGO-BORGES, Celiane; CARDOSO, Cármen Lúcia. (2005). A psicologia e a
estratégia saúde da família: compondo saberes e fazeres. Psicologia social, Porto
Alegre, v. 17, n. 2, ago. 2005. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-
71822005000200005&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 27 jun. 2009.
CANOVA, C. (2004). O que é psicossomática. Universidade Federal do Rio Grande do
Norte. Disponível em: <http://psicopatologia.tripod.com>. Acesso em: 31 ago. 2008.
CAPRA, F. (1995). O ponto de mutação. São Paulo: Cultrix.
CARDOSO, Claudia Lins. (2002). A inserção do psicólogo no Programa Saúde da
Família. Psicologia ciência e profissão. [online], mar. 2002, v. 22 , n. 1, p.2-9.
Disponível em: <http://pepsic.bvs-psi.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-
98932002000100002&lng=es&nrm=iso>. Acesso em: 27 jun. 2009. ISSN 1414-9893.
CARNEIRO, H. S. (2009). As drogas e a história da humanidade. Diálogos: álcool e
outras drogas. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, ano 6, n. 6, nov. 2009.
CARTILHA ABC do SUS. (1990). Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de
Assistência Social. Brasília, 1990. Disponível em:
<http://www.ccs.ufsc.br/geosc/babcsus.pdf>. Acesso em: 23 jul. 2009.

7
www.educapsico.com.br

CARVALHO, V. A. A questão do câncer. In: FERRAZ, F C.; VOLICH, R. M. (Orgs.).


Psicossoma: Psicossomática Psicanalítica. São Paulo, Casa do Psicólogo, 1997.
p.177-195.
CASETTO, S. J. Psicossomática e Instituição Hospitalar. In: FERRAZ, F.C.; VOLICH,
R.M. (Org.). Psicossoma: Psicossomática Psicanalítica. São Paulo: Casa do
Psicólogo, 1997. p. 147-160.
CASTRO, E. K. de; BORNHOLDT, E. (2004). Psicologia da saúde x psicologia
hospitalar: definições e possibilidades de inserção profissional. Psicologia: Ciência e
Profissão, Brasília, v. 24 (3), p. 48-57.
CASTRO, L. (2006). Psicologia – 500 questões com gabarito comentado. 2. ed. Rio de
Janeiro: Elsevier.
CASTRO, M. G.; ANDRADE, T. M. R.; MULLER, M. C. (2006). Conceito Mente e
Corpo através da História. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 1, p. 39-43.
CFP – Conselho Federal de Psicologia. (2003). Relatório final da pesquisa sobre o
perfil do psicólogo brasileiro. Disponível em:
<http://www.pol.org.br/atualidades/materias.cfm?id_area=300>. Acesso em: 21 nov.
2003.
CFP – Conselho Federal de Psicologia. (2003). Página oficial da Instituição. Disponível
em: <http://www.pol.org.br>. Acesso em: 14 set. 2003.
CHIATTONE, H. B. C.; SEBASTIANI, R. W. (2002). Ética e bioética em psicologia da
saúde. In: Universitas. Psychologica. Bogotá (Colombia), jul./dez., v. 1, n. 2, p. 11-19.
Disponível em:
<http://sparta.javeriana.edu.co/psicologia/publicaciones/actualizarrevista/archivos/V1N
201etica.pdf>. Acesso em: 29 jun. 2009.
COELHO, M. T. A. D.; ALMEIDA-FILHO, N. de. (2002). Conceitos de saúde em
discursos contemporâneos de referência científica. História, Ciências, Saúde.
Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 9 (2), p. 315-333.
COBRA, R. Q.(2003). Phillippe Pinel, pioneiro da psiquiatria. Disponível
www.cobra.pages.nom.br. Acesso em 10 de agosto de 2011.
COIMBRA, V. C. C. (2005). A atenção em saúde mental na Estratégia Saúde da
Família. In: Revista eletrônica de enfermagem, v. 7, n. 1. Disponível em:
<www.fen.ufg.br/revista.htm>. Acesso em: 27 jun. 2009.
CONSTITUIÇÃO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (1948). Edição
eletrônica. Disponível em: <www.who.int.>. Acesso em: 25 jun. 2009
CORDIOLI, A. V. (1993). Psicoterapias: abordagens atuais. Porto alegre: Artes
Médicas.
COSTA, N. R.; TUNDIS, S. A. (1987). Cidadania e loucura: políticas de saúde mental
no Brasil. Rio de Janeiro: Vozes.
CZERESNIA, D. O. (2003). Conceito de saúde e a diferença entre prevenção e
promoção. Cadernos de Saúde, Rio de Janeiro, p. 39-53.
D’ALCANTARA, E. B. Criança hospitalizada: o impacto do ambiente hospitalar no seu
equilíbrio emocional. In: Psicópio: Revista Virtual de Psicologia Hospitalar e da Saúde,
Belo Horizonte, n. 6, ago. 2007–jan. 2008. Disponível em:
<susanaalamy.sites.uol.com.br/psicopio_n6_38.pdf>. Acesso em: 4 jul. 2009.
DELGADO, P. G. (1997). A psiquiatria no território: construindo uma rede de atenção
psicossocial. Saúde em Foco: informe epidemiológico em saúde coletiva, Rio de
Janeiro, ano VI, n. 16, p. 41-43.
DI BIAGGI, T. M. (2002). A atuação do psicólogo hospitalar em unidade de terapia
intensiva: adultos. In: Hospital Brigadeiro São Paulo, São Paulo. Disponível em:
<www.nemeton.com.br/nemeton/artigos/TextoUTITete.doc?menu=4->. Acesso em: 15
jul. 2008.
DIÁLOGOS: álcool e outras drogas. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, ano 6, n.
6, nov. 2009.

8
www.educapsico.com.br

EIZIRIK, C. L. et al. (1998). Psicoterapia breve dinâmica. In: CORDIOLI, A. V. (Org.)


Psicoterapias: abordagens atuais. Porto Alegre: Artmed.
EKSTERMAN, A. (1992). Medicina psicossomática no Brasil. In: MELLO-FILHO, J.
(Org.). Psicossomática hoje. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, p. 28-34.
ÉPINAY, M. (1988). Groddeck: a doença como linguagem. São Paulo: Papirus.
FARIAS, N.; BUCHALLA, C. M. (2005). A Classificação Internacional de
Funcionalidade, Incapacidade e Saúde da Organização Mundial da Saúde: Conceitos,
Usos e Perspectivas. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 8 (2), p. 187-
193.
FOUCAULT, M. (1997). A história da loucura na idade clássica. São Paulo:
Perspectiva.
FRANCA, Ana Carol Pontes de; VIANA, Bartyra Amorim. (2006). Interface psicologia e
programa saúde da família – PSF: reflexões teóricas. In: Psicologia ciência e
profissão, Brasília, [online], jun., v. 26, n. 2, p. 246-257. Disponível em:
<http://pepsic.bvs-psi.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-
98932006000200007&lng=es&nrm=iso>. Acesso em: 29 jun. 2009. ISSN 1414-9893.
GIOIA-MARTINS, D. ROCHA-JUNIOR, A. ( 2001). Psicologia da saúde e o novo
paradigma: novo paradigma? Trabalho apresentado na Mesa-Redonda Psicologia
Clínica e Saúde Pública, no I Congresso de Psicologia Clínica, Universidade
Presbiteriana Mackenzie (14/18 de maior de 2001). Disponível em
http://www3.mackenzie.br/editora/index.php/ptp/article/viewFile/1098/810. Acesso em
10 de agosto de 2011.
GOMES, Romeu; DESLANDES, Suely Ferreira. (1994). Interdisciplinaridade na saúde
pública: um campo em construção. Revista Latino-Americana de Enfermagem,
Ribeirão Preto, v. 2, n. 2, jul. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-
11691994000200008&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 22 ago. 2009.
GORGULHO, M. Álcool e outras drogas: a perspectiva dos direitos dos usuários.
Diálogos: Álcool e outras drogas. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, ano 6, n. 6,
nov. 2009.
GUGEL, M. A. Estatuto da pessoa com deficiência. Audiência pública câmara dos
deputados 17/10/2007. Acesso em 23/05/2010. Disponível em:
http://www.ampid.org.br/Artigos/Artigo_Estatuto_Deficiente_MAG.php.
HAYNAL, A.; PASINI, W. Noções Gerais. In: _________. Medicina Psicossomática.
São Paulo: Ed. Masson, 1986. p. 3-9.
INTERNATIONAL HARM REDUCTION ASSOCIATION (IHRA). (2010). O que é
redução de Danos. Londres (UK). Disponível em
http://www.ihra.net/files/2010/06/01/Briefing_what_is_HR_Portuguese.pdf
JEAMMET, P., REYNALD, M.; CONOLLI, S. (1989). Manual de psicologia médica. São
Paulo: Massom.
______. (1982). Manual de psicologia médica. São Paulo: Masson.
JORNAL PSI. Publicação do Conselho Regional de Psicologia de São Paulo. São
Paulo, n. 163, dez./jan. 2009–2010.
KUBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
LEVY, S. N. et al. (1988). Educação em saúde: histórico, conceitos e propostas.
Ministério da Saúde. Diretoria de Programas de Educação em Saúde. In: Conferência
Nacional de Saúde on-line, 1996, publicado em 1998. Disponível em:
http://professor.ucg.br/SiteDocente/admin/arquivosUpload/3504/material/Educa%C3%
A7%C3%A3o%20em%20Sa%C3%BAde.htm. Acesso em: 10 mai. 2010.
MACIEL, S. C. A importância do atendimento psicológico ao paciente renal crônico em
hemodiálise. In: ANGERAMI, V. A.(org.). Novos Rumos na Psicologia Hospitalar. São
Paulo: Ed. Pioneira, 2002. p. 55-85.

9
www.educapsico.com.br

MARTIN, L. M. (2004). A ética e a humanização hospitalar. In: PESSINI, l.;


BERTACHINI, L. Humanização e cuidados paliativos. São Paulo: Loyola.
MELLO-FILHO, J. (1992). Psicossomática hoje. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.
MELLO FILHO, J. Contribuições da Psicanálise. In: _________. Concepção
Psicossomática: visão Atual. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002. p. 23-50.
MINISTÉRIO DA SAÚDE (1994). BRASIL, COORDENAÇÃO DE SAÚDE MENTAL.
Relatório final. Anais da II Conferência Nacional de Saúde Mental, dez. 1-4; Brasília
(DF): O Ministério.
MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2000). BRASIL. Legislação em saúde mental 1900-2000.
Brasília: Série Legislação em Saúde, n. 4.
MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2001). Manual de redução de danos, saúde e cidadania.
Brasília: Ministério da Saúde, 2001.
MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2008). Política Nacional de Saúde da Pessoa Portadora de
Deficiência. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em:
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_saude_pessoa_deficienci
a.pdf. Acesso em 23/05/2011.
MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2008). Indicadores da saúde: aspectos conceituais.
Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em:
<http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/curso_indicadores.pdf>. Acesso em:
23/05/2011.
MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME (2004).
Política Nacional de Assistência Social (PNAS). Norma Operacional Básica. Secretaria
Nacional de Assistência Social. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e
Combate à Fome. Acesso em 23/05/11. Disponível em:
http://www.crpsp.org.br/portal/comunicacao/diversos/mini_cd/pdfs/politica_nacional.pdf
MINISTÉRIO DO TRABALHO. (2007). A Inclusão da pessoa portadora de deficiência
no mercado de trabalho. Brasília: Ministério do Trabalho.
MINISTÉRIO DO TRABALHO. (s.d.). Conceito de pessoa com deficiência para lei de
cotas. Brasília: Ministério do Trabalho. Disponível em:
http://www.mte.gov.br/fisca_trab/inclusao/lei_cotas_2.asp. Acesso em 23/05/2011.
MIYAZAKI, M. C. S.; AMARAL, V. L. R. (1995). Instituições de saúde. In: RANGÉ, B.
Psicoterapia comportamental e cognitiva: pesquisa, prática, aplicações e problemas.
Campinas: Psy, p. 235-244.
MORE, Carmen L. O. O. et al. (2009). Contribuições do pensamento sistêmico à
prática do psicólogo no contexto hospitalar. In: Psicologia em estudo, Maringá, v. 14,
n. 3, set. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-
73722009000300007&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 26 mar. 2010.
MOTA, R. A.; MARTINS, C. G. M.; VÉRAS, R. M. Papel dos profissionais de saúde na
política de humanização hospitalar. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 2, p. 323-
30, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pe/v11n2/v11n2a10.pdf.> Acesso
em: 01 ago. 2013.
MOURA, M. D; MOHALLEM, L. N.; FARIA, S. M. (1994). O psicanalista no CTI. In:
ROMANO, B. W. (Org.). A prática da psicologia nos hospitais. São Paulo: Pioneira, p.
72-149.
NASCIMENTO, Ari Bassi. (2006). Uma visão crítica das políticas de descriminalização
e de patologização do usuário de drogas. In: Psicologia em estudo, Maringá, v. 11, n.
1, abr. . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-
73722006000100021&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 21 abr. 2010.
OLIVEIRA, E. C. N. (2002). O psicólogo na UTI: reflexões sobre a saúde, vida e morte
nossa de cada dia. In: Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 22, n. 2, p. 30-41,
jun.

10
www.educapsico.com.br

OLIVEIRA, M. C.; MATTIOLI, O. C. (s.d.) Hospitalização infantil: o brincar como


espaço de ser e fazer. Disponível em:
<www.assis.unesp.br/.../96_MARCIA_CAMPOS_DE_OLIVEIRA.pdf>. Acesso em: 3
jul. 2009.
PAIM, J. S. (2003). Vigilância da Saúde: dos modelos assistenciais para a promoção
da saúde. In: CZERESNIA, D.; FREITAS, C. M. de (Org.). Promoção da saúde:
conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz, p. 161-174.
PARCIANELLO, A. T.; FELIN, R. B. (2008). E agora doutor, onde vou brincar?
Considerações sobre a hospitalização infantil. Barbarói, Santa Cruz do Sul, n. 28.
jan./jun.
PEDROSA, J. I. S. Educação Popular no Ministério da Saúde: identificando espaços e
referências. In: BRASIL (Org.). Caderno de Educação Popular e Saúde. Brasília,
2007.p. 13-17. Disponível em:
http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/caderno_de_educacao_popular_e_saude.
pdf>. Acesso em: 15 out. 2012.
PINHO, M. C. (2006). Trabalho em equipe de saúde: limites e possibilidades de
atuação eficaz. Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, ano 3, v. 8. Disponível em:
<www.cienciasecognicao.org>. Acesso em: 20 jun. 2009.
PORTAL DA SAÚDE. Ministério da Saúde. Saúde na escola. Disponível
em:<http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/texto/1752/355/Saude-na-
Escola.html>. Acesso em: 15 out. 2012.
PORTAL DA SAÚDE. Ministério da Saúde. Ações e programas. . Disponível em:
<http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/area/342/acoes-e-programas.html>.
Acesso em: 15 out. 2012.
PORTARIA SAS/MS nº 106, de 11 de fevereiro de 2000. Disponível em:
<www.mp.ba.gov.br/atuacao/cidadania/.../portaria_106_00.doc>. Acesso em: 15 jun.
2009.
RAMOS, D. (1994). A psique do corpo: uma compreensão simbólica do corpo. São
Paulo: Summus.
RANGE, Bernard P.; MARLATT, G. Alan. (2010). Terapia cognitivo-comportamental de
transtornos de abuso de álcool e drogas. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo,
2008, n.30. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-
44462008000600006&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 21 abr. 2010.
REDE INTERAGENCIONAL DE INFORMAÇÕES PARA A SAÚDE (RIPSA). (2002).
Indicadores básicos de saúde no Brasil: conceitos e aplicações. Brasília: Organização
Pan-Americana da Saúde.
RIBEIRO C. A.; ANGELO, M. (2005). O significado da hospilalização para a criança
pré-escolar: um modelo teórico. Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 39, n.
4. Disponível em: <www.ee.usp.br/reeusp/upload/pdf/60.pdf>. Acesso em: 2 jul 2009.
RODRIGUES, A. V.; GASPARINI, A. C. L. F. (1992). Uma perspectiva psicossocial em
Psicossomática: via estresse e trabalho. In: MELLO-FILHO, J. (Org.). Psicossomática
hoje. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, p. 93-107.
ROMANO, B. W. (1999). Princípios para a prática da psicologia clínica em hospitais.
São Paulo: Casa do Psicólogo.
SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Centro de
Vigilância Epidemiológica (CVE). Educação em saúde: planejando ações educativas -
teoria e prática. Manual para operacionalização das ações educativas no SUS - São
Paulo. São Paulo, 2001. 115 p. Disponível em:
<ftp://ftp.cve.saude.sp.gov.br/doc_tec/educacao.pdf>. Acesso em: 14 out. 2012.
SARRIERA, J. C. et al. (2003). Paradigmas em psicologia: compreensões acerca da
saúde e dos estudos epidemiológicos. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, v. 15 (2).

11
www.educapsico.com.br

SEBASTIANI, R. W. (1992). Atendimento psicológico no centro de terapia intensiva I.


Revista de Psicologia Hospitalar, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 17-23, jan./jun.
SEBASTIANI, R. W. (2000). Histórico e evolução da psicologia da saúde numa
perspectiva latino-americana. In: ANGERAMI-CAMON, V. A. (Org.). Psicologia da
saúde: um novo significado para a prática clínica. São Paulo: Pioneira Psicologia, p.
201-222.
SEBASTIANI, R. W. (2003). Psicologia da saúde no Brasil: 50 anos de história.
Disponível em: <http:www.nemeton.com.br/>. Acesso em: 24 ago. 2003.
SEBASTIANI, Ricardo Werner; MAIA, Eulália Maria Chaves. Contribuições da
psicologia da saúde-hospitalar na atenção ao paciente cirúrgico. Acta Cirúrgica
Brasileira, São Paulo, v. 10, supl. 1, p. 50-55, 2005. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-
86502005000700010&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 25 abr. 2010.
SECCHIN, L. S. B. (2006). UTI: onde a vida pulsa. Epistemo-Somática, Belo
Horizonte, v. 3, n. 2, p. 223-230, set. /dez.
SEGRE, M.; FERRAZ, F. C. (1997). O conceito de saúde. Revista Saúde Pública, São
Paulo, v. 31 (5), p. 538-542.
SICORDE, Sistema de Informações da Coordenadoria Nacional para a Integração da
Pessoa Portadora de Deficiência. Acesso em 23/05/2011. Disponível em:
http://www.conede.sc.gov.br/index.php?option=com_content&view=category&id=18&It
emid=11
SIMONETTI, A. (2004). Manual de psicologia hospitalar. São Paulo: Casa do
Psicólogo.
SILVA, J, D. T.; MULLER, M. C. Uma integração teórica entre psicossomática, stress e
doenças crônicas de pele. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 24, n. 2. p. 247-256,
2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v24n2/v24n2a11.pdf. Acesso em:
19 dez. 2012.
SOUZA, José Maria Pacheco de et al. (2006). Curso de saúde pública em um
semestre: algumas considerações. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 40, n. 5, out.
Disponível em: <http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-
89102006000600004&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 29 jun. 2009.
SOUZA, R. M. C. (1988). Visitas em UTI: subsídios para reflexão. Revista Paulista de
Hospitais, São Paulo, v. 36, n. 1/3, p. 24-29, jan. /mar.
SPADINI, S. L., SOUZA, M. B. C. M (2006). A doença mental sob o olhar de pacientes
e familiares. Revista Escola de Enfermagem da USP, v. 40, n.1, p. 122-127. Disponível
em www.ee.usp.br/reeusp/. Acesso em 10 de agosto de 2011
TENÓRIO, F. (2002). A reforma Psiquiátrica brasileira, da década de 1980 aos dias
atuais: história e conceitos. História, Ciências e Saúde, Rio de Janeiro, v.9, n.1, p. 25-
59, jan. /abr.
Disponível em http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v9n1/a03v9n1.pdf. Acesso em 10 de
agosto de 2011.
TONETTO, Aline Maria; GOMES, William Barbosa. (2007). A prática do psicólogo
hospitalar em equipe multidisciplinar. Estudos de psicologia, Campinas, v. 24, n.
1, mar. 2007. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-
166X2007000100010&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 26 mar. 2010.
VILELA, Elaine Morelato; MENDES, Iranilde José Messias. (2003).
Interdisciplinaridade e saúde: estudo bibliográfico. Revista Latino-Americana de
Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 11, n. 4, ago. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-
11692003000400016&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 22 ago. 2009.

12
www.educapsico.com.br

ZIMMERMANN, P. R. et al. (2006). O paciente na UTI. In: BOTEGA, N. J. (Org.).


Prática psiquiátrica no hospital geral: interconsulta e emergência. 2. ed. Porto Alegre:
Artmed.

PSICOLOGIA JURÍDICA

ADORNO, S. Violência e educação. São Paulo: [s.n.], 1988. (mimeo).

ALTOÉ, S. Atualidade da psicologia jurídica. [s. i.], [ano?]. Disponível em:


<www.estig.ipbeja.pt/~ac_direito/psicologia_juridica.pdf>. Acesso em: 3 jun. 2009.

ASSIS, M. M. Psicologia judiciária: da prática forense à instituição acadêmica. In:


CESCA, T. B. O papel do psicólogo jurídico na violência intrafamiliar: possíveis
articulações. Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v. 16, n. 3, set./dez. 2003.
Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-
71822004000300006&script=sci_arttext>. Acesso em: 18 jun. 2009.

AZEVEDO, M. A.; GUERRA, V. N. A. Infância e violência fatal em família. São Paulo:


Iglu, 1998.

AZEVEDO, M. A.; GUERRA, V. N. A; PINTO JUNIOR, A. A. Descobrindo o desenho


infantil. São Paulo: IEditora, 2003.

AZEVEDO, Renata. Aids e usuários de cocaína: um estudo sobre comportamentos de


risco. 2000 285f. Tese (Doutorado em 2000. Faculdade de Ciências Médicas da
Unicamp, Campinas, 2000. Disponível em:
<http://www.prdu.unicamp.br/vivamais/Substancias_Psicoativas.pdf>. Acesso em: 22
jul. 2010.

BERNARDI, D. C. F. Histórico da inserção do profissional psicólogo no Tribunal de


Justiça do Estado de São Paulo: um capítulo da psicologia jurídica no Brasil. In:
BRITO, L. (Org.). Temas de psicologia jurídica. 4. ed. Rio de Janeiro: Relume-Dumará,
1999.

BONFIM, E. M. Psicologia social, psicologia do esporte e psicologia jurídica. In:


ACHCAR, R. (Org.) Psicólogo brasileiro: práticas emergentes e desafios para a
formação. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1994.

BRASIL (1996) Política Nacional do Idoso. Disponível em:


http://www4.planalto.gov.br/legislacao/legislacao-1/estatutos#content. Acesso em: 12
ago. 2011.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei 8.069 de 13 de julho de 1990 que


institui o Estatuto da Criança e do Adolescente. Disponível em:
<www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069.htm>. Acesso em: 8 ago. 2010.

BRASIL. Lei Maria da Penha. Disponível em:


http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso em 12
ago. 2011.

13
www.educapsico.com.br

BRASIL. Novo Código Civil. Lei Nº 10.406, de 10 de Janeiro de 2002. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2002/L10406compilada.htm>. Acesso em: 8
ago. 2010.

BRITO, L. (Org.). Temas de psicologia jurídica. 4. ed. Rio de Janeiro: Relume-Dumará,


1999.

BULGARELLI, R. A mediação, conciliação e arbitragem. Disponível em:


<http://www.sesconms.org.br/artigo_ler.asp?codigo=30>. Acesso em: 12 dez. 2009.

CAIRES, M. A. F. Psicologia jurídica: implicações conceituais e aplicações práticas.


São Paulo: Vetor, 2003.

CESCA, T. B. O papel do psicólogo jurídico na violência intrafamiliar: possíveis


articulações. Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, 16(3), p. 41-46, set./de
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-
71822004000300006&lng=en&nrm=iso. Acesso em 12 ago. 2011.

CHENIAUX, E. Psicopatologia descritiva: existe uma linguagem comum? Revista


Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 27, n. 2, jun. 2005. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-
44462005000200017&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 18 jun. 2009.

CID – 10. Organização Mundial de Saúde. Classificação de transtornos mentais e de


comportamento: CID-10. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Adoção: um direito de todos e todas.


Conselho Federal de Psicologia (CFP). Brasília, CFP, 2008. 52p.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Serviço de Proteção Social a Crianças e


Adolescentes Vítimas de Violência, Abuso e Exploração Sexual e suas Famílias:
referências para a atuação do psicólogo / Conselho Federal de Psicologia. - Brasília:
CFP, 2009. 92 p.

DSM-IV (1995). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Porto Alegre:


Artes Médicas.

FÁVERO, E. T.; MELÃO, M. J. R.; JORGE, M. R. T. (Org.). O serviço social e a


psicologia no judiciário. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

FERREIRA, L. A. M. Aspectos jurídicos da intervenção social e psicológica no


processo de adoção. Juslilia, São Paulo, 63 (196), 2001. Acesso em:12 ago. 2011.

FIGUEIRÊDO, M. G. de. Psicologia aplicada. [s.l., s.d.]. Disponível em:


<http://www.scribd.com/doc/42646150/Apostila-Psicologia-e-Direito-Fadivale>. Acesso
em: 23 fev. 2011.

FONSECA, C. Caminhos da adoção. São Paulo: Cortez, 1995.

GUIMARÃES, G. Adoção, tutela e guarda conforme o Estatuto da Criança e do


Adolescente. São Paulo: Juarez, 2000.

14
www.educapsico.com.br

JACÓ-VILELA, A. M. Os primórdios da psicologia jurídica. In: BRITO, L. (Org.). Temas


de psicologia jurídica. 4. ed. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1999.

LAUDUM – Câmara de Mediação, Conciliação e Arbitragem. Disponível em:


<http://www.laudum.com.br/>. Acesso em: 23 fev. 2011.

LEAL, L. M. L. Psicologia jurídica: história, ramificações e áreas de atuação. Diversa,


ano I, n. 2, pp. 171-185, jul./dez. 2008.

LUIZ JUNIOR, J. Análise minuciosa sobre imputabilidade no universo jurídico e o


exame de todas as manifestações da conduta delinquencial. DireitoNet, 14 abr. 2005.
Disponível em: <http://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/2005/Imputabilidade>. Acesso em: 12
dez. 2009.

PASQUALI, L. Técnicas de exame psicológico: TEP. São Paulo: Casa do Psicólogo,


2001.

PINTO JUNIOR, A.; TARDIVO, L. S. PLC – Violência contra crianças e adolescentes:


reflexões sobre o pensar e o fazer do psicólogo clínico. In: ROSA, J. T.; MOTTA, I. F.
(Org.). Violência e sofrimento de crianças e adolescentes na perspectiva winnicottiana.
Aparecida: Ideias e Letras; São Paulo: Fapesp, 2008.

PROCESSOS infracionais. Disponível em:


<http://www.tjdft.jus.br/trib/vij/docVij/Processos_Infracionais.pdf>. Acesso em: 9 ago.
2010.

PSICOLOGIA forense: as etapas da perícia psicológica no contexto forense e jurídico.


Disponível em: <http://www.psicologiananet.com.br/psicologia-forense-as-etapas-da-
pericia-psicologica-no-contexto-forense-e-juridico/730/>. Acesso em: 12 ao. 2011.

ROUANET, L. P. Ética e direitos humanos. 2001. Disponível em:


<http://www.faac.unesp.br/pesquisa/tolerancia/texto_etica_rouanet.htm>. Acesso em:
18 jun. 2009.

ROVINSKI, S. L. R. Fundamentos da perícia psicológica forense. São Paulo: Vetor,


2007.

SANDERSON, C. Abuso sexual em crianças. São Paulo: M. Books, 2005.

SARAIVA, J. B. C. Medidas socioeducativas e o adolescente autor de ato infracional.


Revista Jus Vigilantibus, Vitória, 23 mar. 2009. Disponível em:
<http://jusvi.com/artigos/38831/2>. Acesso em: 9 ago. 2010.

SCHMIDT, R. et al. Personalidade psicopática em uma amostra de adolescentes


infratores brasileiros. Revista Psiquiatria Clínica, on-line, v. 33, n. 6, pp. 297-303, 2006.
Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rpc/v33n6/02.pdf>. Acesso em: 13
Ago. 2011.

SHINE, S. A espada de Salomão: a psicologia e a disputa de guarda de filhos. São


Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.

15
www.educapsico.com.br

TARDIVO, L. S. L. P. Apoiar: pesquisas e intervenção na área da violência doméstica


contra criança e adolescente. Anais da VI Jornada Apoiar – Saúde Mental e Violência:
Contribuições No Campo Da Psicologia Clínica Social. São Paulo, 2008.

TARDIVO, L. S. L. P.; PINTO JUNIOR, A. A. P.; SANTOS, M. R. dos. Avaliação


psicológica de crianças vítimas de violência doméstica por meio do teste das fábulas
de Düss. Psic, São Paulo, v. 6, n. 1, jun. 2005.

TEIXEIRA, H. E. et al. Esquizofrenia, psicopatologia e crime violento: uma revisão das


evidências empíricas. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, (56)2, p. 127-133,
2007. Disponível em: <http://www.ipub.ufrj.br/documentos/JBP_56_2_miolo127_133.pdf>. Acesso
em: 17 de jun. 2009.

TJDFT – Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios. [s.l., s.d.]. Disponível
em: <www.tjdft.jus.br/trib/vij/docVij/Processos_Infracionais.pdf>. Acesso em: 23 fev.
2011.

VASCONCELOS, S. J. L; GAUER, G. J. C. A abordagem evolucionista do transtorno


de personalidade antissocial. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, Porto
Alegre, v. 26, n. 1, jan./abr. 2004. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-81082004000100011&script=sci_arttext>.
Acesso em: 23 fev. 2011.

PSICODIAGNÓSTICO E TESTES

UNIDADE I

ALCHIERI, J. C; NORONHA, A. P. P. Conhecimento em avaliação psicológica.


Estudos em Psicologia, PUC-Campinas, v. 21, n. 1, p. 43-52, jan./abr. 2004.

ARZENO, M. E. G. Psicodiagnóstico clínico: novas contribuições. s. d. Tradução


Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

BANDEIRA, D. R.; TRENTINI, C. M.; WINCK, G. E.; LIEBERKNECHT, L.


Considerações sobre as técnicas projetivas no contexto atual. In: NORONHA, A. P. P.;
SANTOS, A. A. A.; SISTO, F. F. (Orgs.). Facetas do fazer em avaliação psicológica.
São Paulo: Vetor, 2006. p. 125-139.

BURGEMEITER, B. B.; BLUM, L. H. L. I. Escala de Maturidade Mental Columbia. São


Paulo: Casa do Psicólogo; 1993.

CFP-SP – CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DE SÃO PAULO. Orientação


testes psicológicos: o que você precisa saber antes de escolher um. Disponível em:
<http://www.crpsp.org.br/portal/comunicacao/jornal_crp/155/frames/fr_orientacao.aspx
>. Acesso em: Maio de 2012.

CUNHA, J. A. et al. Psicodiagnóstico. v. 5. Ed. revisada e ampliada. Porto Alegre:


Artmed, 2000.

FERREIRA, A. B. H. Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3.


ed. Totalmente revisada e ampliada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

16
www.educapsico.com.br

FENSTERSEIFER, L.; WERLANG, B. S. G. Apontamentos sobre o status científico


das técnicas projetivas. In: VILLEMOR-AMARAL, A. E.; WERLANG, B. S. G. (Orgs.).
Atualizações em métodos projetivos para avaliação psicológica. São Paulo: Casa do
Psicólogo, 2008. p. 15-33.

FORMIGA, N. S.; MELLO, I. Testes psicológicos e técnicas projetivas: uma integração


para um desenvolvimento da interação interpretativa indivíduo-psicólogo. Psicologia
ciência e profissão [on-line], jun. 2000, v. 20, n. 2, p. 12-19. Disponível em:
<http://pepsic.bvs-psi.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-
98932000000200004&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 10/09/2010.

GOMES, I. C. Os testes psicológicos e a prática de psicodiagnóstico. Disponível em:


<http://www.ip.usp.br/docentes/isagomes/%5Cpdf%5CartigoCongrRoma.pdf>. Acesso
em: 21 jul. 2008.

OCAMPO, M. L S.; ARZENO, M. E. G.; PICCOLO, E. G. et al. O processo


psicodiagnóstico e as técnicas projetivas. Tradução de Miriam Felzenszwalb. 10. ed.
São Paulo: Martins Fontes, 2001.

PRIMI, R. Avaliação psicológica no Brasil: fundamentos, situação atual e direções para


o futuro. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26 (nº especial) p. 25-35, 2010.

RESOLUÇÃO CFP N. 007/2003. In: PSI SITE DO CRP SP. Disponível em: <
http://www.crpsp.org.br/portal/orientacao/resolucoes_cfp/fr_cfp_007-
03_Manual_Elabor_Doc.aspx>. Acesso em: 15 out. 2012

RESOLUÇÃO CFP N. 005/2012. In: PSI SITE DO CRP SP. Disponível em: <
http://www.crpsp.org.br/portal/orientacao/resolucoes_cfp/fr_cfp_007-
03_Manual_Elabor_Doc.aspx>. Acesso em: 15 Maio 2012.

SILVA, V. G. Os testes psicológicos e as suas práticas. Disponível em


<http://www.algosobre.com.br/psicologia/os-testes-psicologicos-e-as-suas-
praticas.html>. Acesso em: 21 jul. 2008.

URBINA, S. Fundamentos da testagem psicológica. Tradução de C. Dornelles. Porto


Alegre: Artmed. 2007.

UNIDADE II

ADRADOS, I. A técnica do Rorschach em crianças: perfil psicológico da criança dos


sete aos quatorze anos. Petrópolis: Vozes, 1985.

ARZENO, M. E. G. Psicodiagnóstico clínico: novas contribuições. Tradução Beatriz


Affonso Neves. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

ANZIEU, D. Os métodos projetivos. 5. ed. Tradução de M. L. E. Silva. Rio de Janeiro:


Campus, 1986.

AZOULAY, C., EMMANUELLI, M., RAUSCH DE TRAUBENBERG, N., CORROYER,


D., ROZENCWAJG, P. & SAVINA, Y. Les données normatives françaises du
Rorschach à l’adolescence et chez le jeune adulte. Psychologie Clinique et Projective,
13, pp. 371-409, 2007.

17
www.educapsico.com.br

BENDER, L. Test Gestaltico Visomotor (B-G): uso y aplicaciones clínicas. Buenos


Aires: Paidós, 1955.

BUCK, J. N. H-T-P: manual e guia de interpretação. São Paulo: Vetor, 2003.

BURGEMEITER, B.B.; BLUM L. H. L. I. Escala de Maturidade Mental Columbia. São


Paulo: Casa do Psicólogo; 1993.

CAMPOS, D. M. S. O teste do desenho como instrumento de diagnóstico da


personalidade: validade, técnica de aplicação e normas de interpretação. 30. ed.
Petrópolis: Vozes, 1998.

CASTRO, P. F. (2008). Caracterização da personalidade de pacientes com transtorno


de pânico por meio do método do Rorschach: contribuições do sistema compreensivo.
Tese de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Instituto de
Psicologia da USP (SP).

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. (2001). Resolução n. 025/2001.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. (2003). Resolução n. 02/2003.

CUNHA, J. A; FREITAS, N. K. Desenho da casa, Árvore e Pessoa. In: CUNHA, J. A. et


al. Psicodiagnóstico. v. 5. Ed. revisada e ampliada. Porto Alegre: Artmed, 2000.

CUNHA, J. A. et al. Psicodiagnóstico. v. 5. Ed. revisada e ampliada. Porto Alegre:


Artmed, 2000.

CUNHA, J. A. Manual da versão em português das Escalas Beck. São Paulo: Casa do
Psicólogo, 2001.

DFH – Desenho da Figura Humana: escala sisto. Disponível em:


<http://www.vetoreditora. com.br/catalogoDetalhe.asp?id=255&param=liv>. Acesso
em: 5 mar. 2009.

FIGUEIREDO, V. L. M. WISC- III. CUNHA, J. A. et al. Psicodiagnóstico. v. 5. Ed.


revisada e ampliada. Porto Alegre: Artmed, 2000.

FORMIGA, N. S.; MELLO, I. Testes psicológicos e técnicas projetivas: uma integração


para um desenvolvimento da interação interpretativa indivíduo-psicólogo. Psicologia
ciência e profissão [on-line], jun. 2000, v. 20, n. 2, p. 12-19. Disponível em:
<http://pepsic.bvs-psi.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-
98932000000200004&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 10 set. 2010.

FREITAS, N. K. TAT – Teste de Apercepção Temática, conforme o modelo


interpretativo de Murray. In: CUNHA, J. A. et al. Psicodiagnóstico. v. 5. Ed. revisada e
ampliada. Porto Alegre: Artmed, 2000.

FREITAS, N. K.; CUNHA, J. A. Desenho da Casa, Árvore e Pessoa (HTP). In: CUNHA,
J. A. et al. Psicodiagnóstico. v. 5. Ed. revisada e ampliada. Porto Alegre: Artmed, 2000.

HUTZ, C. S.; BANDEIRA, D. R. Desenho da Figura Humana. In: CUNHA, J. A. et al.


Psicodiagnóstico. v. 5. Ed. revisada e ampliada. Porto Alegre: Artmed, 2000.

18
www.educapsico.com.br

Instrumentos de Avaliação Psicológica. Disponível em:


<www.casadopsicologo.com.br>. Acesso em: 2 mar. 2009.

MACHOVER, K. O traçado da figura humana: um método para o estudo da


personalidade. In: H. H. ANDERSON, H. H.; ANDERSON, G. L. (Org.). Técnicas
projetivas do diagnóstico psicológico. São Paulo: Mestre Jou, 1967. p. 345-370.

MANFREDINI, V., ARGIMON, I. L. Prevalência de transtorno de humor em um setor


da população de porto alegre: a técnica de zulliger como instrumento diagnóstico. IV
Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS, 2009.

NASCIMENTO, E. WAIS – III. In: CUNHA, J. A. et al. Psicodiagnóstico. v. 5. ed.


revisada e ampliada. Porto Alegre: Artmed, 2000.

NORONHA, A. P. P.; SANTOS, A. A. A.; SISTO, F. F. Evidências de validade do


bender: sistema de pontuação gradual (B-SPG). Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto
Alegre, v. 20, n. 2, 2007.

NORONHA, A. P. P., PRIMI, R. & ALCHIERI, J. C. Parâmetros psicométricos: uma


análise de testes psicológicos comercializados no Brasil. Psicologia: Ciência e
Profissão, 24(4), p. 88-99. 2004.

NUNES, M. L. T.; FERREIRA, R. B.; LOPES, F. Diferentes sistemas de aplicação e


interpretação do Teste gestáltico Visomotor de Bender. PSIC – Revista de Psicologia
da Vetor Editora, São Paulo, v. 8, p. 41-49, 2007.

OLIVEIRA, E. A; SANTOS, M. A; MASTROPIETRO, A. P; VOLTARELLI, J. C.


Repercussões Psicológicas do transplante de medula óssea no doador relacionado.
Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, 27 (3), 2007, 430-445.

PASIAN, S. R. Atualizações sobre o psicodiagnóstico de Rorschach no Brasil: breve


panorama histórico. Psico-USF, 7(1), pp. 43-52. 2002

PSICOLOGIA ONLINE. Disponível em: <www.pol.org.br>. Acesso em: 10 set. 2010.

RAVEN, J. C. Testes das matrizes progressivas escala geral: séries A, B, C, D e E.


Rio de Janeiro: CEPA, 1997.

RODRIGUES, A. Escala Colúmbia de Maturidade Intelectual. Adaptação de A.


Rodrigues e J. M. Pio da Rocha. Rio de Janeiro: CEPA, 1994.

RUEDA, F. J. M. DFH – Escala Sisto e Matrizes Progressivas Coloridas de Raven:


estudos de validade. 2005. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Itatiba,
Universidade São Francisco.

SILVA, Maria de Fátima Xavier da. A autoestima no CAT-A e HTP: estudo de


evidência de validade. 2005. Dissertação (Mestrado) – Universidade São Francisco,
Itatiba, 2005. 121 f. Disponível em:
<http://www.saofrancisco.edu.br/itatiba/mestrado/psicologia/uploadAddress/Dissertaca
o_Maria_Xavier_Silva%5B1582%5D.pdf>. Acesso em: 19 mar. 2011.

19
www.educapsico.com.br

SILVA, V. G. Os testes psicológicos e as suas práticas. Disponível em:


<http://www.algosobre.com.br/psicologia/os-testes-psicologicos-e-as-suas-
praticas.html>. Acesso em: 21 jul. 2008.

SIMÕES, M. R. (2002). Utilizações da WISC-III na avaliação neuropsicológica de


crianças e adolescentes. Paideia, 12, 113-132. Disponível em:
<http://sites.ffclrp.usp.br/paideia/artigos/23/08.doc>. Acesso em: 18 fev. 2009.

SISTO, F. F.; NORONHA, A. P. P.; SANTOS, A. A. A. Bender: Sistema de Pontuação


Gradual B-SPG. São Paulo: Vetor, 2005.

TARDIVO, L. S. L. C; Pinto, A. A. J; Santos, M. R. Avaliação psicológica de crianças


vítimas de violência doméstica por meio do teste das fábulas de Duss. PSIC – Revista
de Psicologia da Vetor Editora, v. 6, nº 1, p. 59-66, jan./jun. 2005.

TRINCA, W. Investigação clínica da personalidade: o desenho livre como estímulo da


apercepção temática. São Paulo: EPU, 1987.

______; LIMA, C. B. O procedimento de desenhos-estórias: características e


fundamentação. Revista Brasileira de Pesquisa em Psicologia, São Caetano do Sul,
1989, 3(1), 78-84.

______; TARDIVO, L. S. L. P. C. Desenvolvimentos do procedimento de desenhos-


estórias (D-E). In: CUNHA, J. A. et al. Psicodiagnóstico. v. 5. ed. revisada e ampliada.
Porto Alegre: Artmed, 2000.

VAZ, C. E. Z-Teste: técnica Zulliger, forma coletiva. São Paulo: Casa do Psicólogo,
1998.

VILLEMOR-AMARAL A. E., PASQUALINI-CASADO, L. A cientificidade das técnicas


projetivas em debate. Psico-USF, 11 (2), p. 185-193, 2006.

Visão geral de testes psicológicos. Disponível em:


<http://www.estacio.br/site/psiconsult/cursos/2003_1/visaogeral_testepsicologicos.pdf>
. Acesso em: 25 jul. 2008.

WECHSLER, D. WISC-III: Escala de Inteligência Wechsler para Crianças: manual. 3.


ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002.

UNIDADE III

BLEGER, J. A entrevista psicológica: seu emprego no diagnóstico e na investigação.


In: BLEGER, J. Temas de psicologia: entrevista e grupos. Tradução de Rita M. de
Moraes. São Paulo: Martins Fontes, 1980.

CUNHA, J. A. et al. Psicodiagnóstico. v. 5. ed. revisada e ampliada. Porto Alegre:


Artmed, 2000.

DUARTE, A. F. Entrevista lúdica. Disponível em:


<http://www.adriduarte.hpg.ig.com.br/eludica.htm>. Acesso em: 10 set. 2010.

FRANCO, M.; MAZORRA, L. Criança e luto: vivências fantasmáticas diante da morte


do genitor. Revista Estudos de Psicologia, Campinas, v. 24, n. 4, dez. 2007. Disponível

20
www.educapsico.com.br

em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-
166X2007000400009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 30 mai. 2009.

LOPES, Anchyses Jobim. Modelo de anamnese e exame psíquico. Disponível em: <
http://www.anchyses.pro.br/texto14.htm>. Acesso em: 17 jun. 2012.

SILVA, V. G. da. (s.d.). Os testes psicológicos e as suas práticas. Disponível em:


<http://www.algosobre.com.br/psicologia/os-testes-psicologicos-e-as-suas-
praticas.html>. Acesso em: 10 set. 2010.

LOPES, Jobim (s.d.). Anchyses. Modelo de anamnese e exame psíquico. Disponível


em: <http://www.anchyses.pro.br/texto14.htm>. Acesso em: 10 set. 2010.

TAVARES, M. Entrevista clínica. In: CUNHA, J. A. et al. Psicodiagnóstico. v. 5. ed.


revisada e ampliada. Porto Alegre: Artmed, 2000.
UNIDADE IV

ARZENO, M. E. G. Psicodiagnóstico clínico: novas contribuições. Tradução Beatriz


Affonso Neves. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Manual de Orientações. 2006.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Manual de Elaboração de Documentos


Decorrentes de Avaliações Psicológicas. 2003. Disponível em:
<http://www.crpsp.org.br/portal/orientacao/resolucoes_cfp/fr_cfp_007-
03_Manual_Elabor_Doc.aspx>. Acesso em: 15 mar. 2011.

PSICOPATOLOGIA

AMARAL, J. R. Diagnóstico e classificação dos transtornos mentais. American


Psychiatric Association – Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais
(DSM-IV). 4. ed., Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

AMERICAN Psychiatric Association. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos


Mentais (DSM-III). 3. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1980.

BERNIK, et al. Transtorno de ansiedade ao longo da vida. In: FORLENZA, O. V.;


MIGUEL, E.C. Compêndio de Clínica Psiquiátrica. Barueri: Manole, 2012.

CÓRDAS, et al. Transtornos alimentares e obesidade. In: FORLENZA, O. V.; MIGUEL,


E. C. Compêndio de Clínica Psiquiátrica. Barueri: Manole, 2012.

DALGALARRONDO, P. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. Porto


Alegre: ArtMed, 2008.

ELKIS, et al. A Esquizofrenia ao longo da vida. In: FORLENZA, O. V.; MIGUEL, E.C.
Compêndio de Clínica Psiquiátrica. Barueri: Manole, 2012.

FORLENZA, O. V.; MIGUEL, E. C. Compêndio de Clínica Psiquiátrica. Barueri:


Manole, 2012.

21
www.educapsico.com.br

HOLLANDER; DELL’OSSO. O vermelho e o negro: tratamento integrado do jogo


patológico. In: SPITZER, R. L., et. al. DSM-IV-TR: casos clínicos. Porto Alegre:
Artmed, 2008.

LAFER et al. Transtorno bipolar ao longo da vida. In: FORLENZA, O. V.; MIGUEL,
E.C. Compêndio de Clínica Psiquiátrica. Barueri: Manole, 2012.

MALBERGIER et al. Transtornos mentais decorrentes do uso de substâncias ao longo


da vida. In: FORLENZA, O. V.; MIGUEL, E.C. Compêndio de Clínica Psiquiátrica.
Barueri: Manole, 2012.

MATTOS, P. No mundo da Lua: Perguntas e respostas sobre o transtorno do déficit de


atenção com hiperatividade em crianças, adolescentes e adultos. São Paulo: Lemos,
2001.

MORENO et al. Transtorno depressivo ao longo da vida. In: FORLENZA, O. V.;


MIGUEL, E.C. Compêndio de Clínica Psiquiátrica. Barueri: Manole, 2012.

OMC – Organização Mundial de Saúde. Classificação de transtornos mentais e de


comportamento: CID-10. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

SPITZER et al. DSM-IV-TR Casos Clínicos, v. 2. Porto Alegre: Artmed, 2008.

TAVARES et al.Transtornos de personalidade. In: FORLENZA, O. V.; MIGUEL, E.C.


Compêndio de Clínica Psiquiátrica. Barueri: Manole, 2012.

SHAVITT et al. Transtornos do espectro obsessivo-compulsivo ao longo da vida. In:


FORLENZA, O. V.; MIGUEL, E.C. Compêndio de Clínica Psiquiátrica. Barueri: Manole,
2012.

VIEIRA, et.al. Burnout na clínica psiquiátrica: relato de um caso. Revista de Psiquiatria


do Rio Grande do Sul: v. 28, n. 3, Porto Alegre: set./dez. 2006.

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL

UNIDADE I

BAPTISTA, Makilim Nunes; MORAIS, Paulo Rogério; INOCENTE, Nancy Julieta.


Depressão e burnout: principais relações, similaridades e diferenças. In:
BARRETO, M. M. S. Seminário Compreendendo o Assédio Moral no Ambiente de
Trabalho. São Paulo, 2010.
BRANDÃO, M. Zilah da S.; CONTE, Fátima C. de Souza; BRANDÃO, Fernanda Silva;
BRASIL. Ministério do Trabalho. Portaria/MS n.º 1.339/1999. Disponível em
<http://www.medtrab.ufpr.br/arquivos%20para%20dowload%202011/Disciplina%20Do
encas%20do%20Trabalho/Manual%20DO%20Min%20Saude.pdf>. Acesso em julho
de 2013.
BRASIL. Ministério do Trabalho. Norma Regulamentadora 17 – ergonomia. 1978.
Disponível em <http://portal.mte.gov.br/data/files/FF8080812BE914E6012B
EFBAD7064803/nr_17.pdf>. Acesso em 05 jul 2011.
CASTRO, Fernando Gastal; ZANELLI José Carlos. Síndrome de burnout e projeto de
ser. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, vol. 10, n. 2, p. 17-33, 2007.

22
www.educapsico.com.br

INGEBERMAN, Yara Kuperstein; SILVA, Vera Lúcia Menezes da; OLIANI, Simone
Martin. (Org.). Sobre comportamento e cognição. 1. ed. Santo André /SP: ESETec
editores Associados, 2004, v. 14, p. 77-82.
FILUS, R. Efeito do tempo de rodízios entre postos de trabalho nos indicadores de
fadiga muscular – o ácido lático. Dissertação de Mestrado. Curitiba, UFPR, 2006.
Disponível em < http://pt.scribd.com/doc/50901507/12/A-CIENCIA-ERGONOMICA>
Acesso em 05 jul 2011.
FRANÇA, LIMONGI A. C. Qualidade de vida no trabalho: conceitos e práticas nas
empresas da sociedade pós-industrial. 1ª Ed. São Paulo: Atlas, 2003.
INOCENTE, Nancy Julieta; BAPTISTA, Makilim Nunes; MORAIS, Paulo Rogério .
Burnout: conceito e prevenção. BRANDÃO, M. Zilah da S.; CONTE, Fátima C. de
Souza; BRANDÃO,Fernanda Silva; INGEBERMAN, Yara Kuperstein; SILVA, Vera
Lúcia Menezes da; OLIANI, Simone Martin. (Org.). Sobre comportamento e cognição.
1. ed. Santo André SP: ESETec Editores Associados, 2004, v. 14, p. 87-90.

KANIKADAN, Andréa Yumi Sugishita. Ergonomia em serviços. [s.l., 2004] Disponível


em: <http://www.ead.fea.usp.br/wpapers/2004/04-005.pdf>. Acesso em: 25 nov. 2008.
MERLO, Álvaro Roberto Crespo; JACQUES, Maria da Graça Corrêa; HOEFEL, Maria
da Graça Luderitz. Trabalho de grupo com portadores de Ler/Dort: relato de
experiência. Psicologia: Reflexão e Crítica. Porto Alegre, v. 14, n. 1, 2001. Disponível
em: <http://www.scielo.br/scielo.php?lng=en>. Acesso em: 18 ago. 2008.
MION, C.R. O papel do psicólogo na área de RH. [s.l.] 2007. Disponível em
<http://www.redepsi.com.br/portal/modules/smartsection/item.php?itemid=413>.
Acesso em 05 jul 2011.
REIS, M. Áreas de atuação. s/d. Disponível em < http://www.sobresites.com/
psicologia/areas.htm>. Acesso em 05 jul 2011.
SOBRECARGA de trabalho. UFRRJ. 200?. Disponível em
<http://www.ufrrj.br/institutos/it/de/acidentes/ergo7.htm>. Acesso em 05 jul 2011.

UNIDADE II
BISPO, Carlos Alberto Ferreira. Um novo modelo de pesquisa de clima organizacional.
Prod., São Paulo, v. 16, n. 2, ago. 2006 . Disponível em <http://www.scielo.br/
scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-65132006000200007&lng=pt&nrm=iso>.
Acesso em 14 jun. 2011.

CHIAVENATO, I. Recursos Humanos: o capital humano nas organizações. 8ª ed. 4ª


reimpressão. São Paulo: Atlas, 2008.

RABAGLIO, Maria Odete. Seleção por competências. 2. ed. São Paulo: Educator,
2001.

ROBBINS, Stephen P. Comportamento organizacional. 15. ed. São Paulo: Pearson


Prentice Hall, 2005.

UNIDADE III

AGUIAR, Maria Aparecida Ferreira de. Psicologia aplicada à administração: uma


introdução à psicologia organizacional. 1. ed.. São Paulo: Editora Atlas, 1986.

BISPO, Carlos Alberto Ferreira. Um novo modelo de pesquisa de clima organizacional.


Produção, v. 16, n. 2, p. 258-273, maio/ago. 2006.

23
www.educapsico.com.br

BOCK, Vivien Rose; SARRIERA, Jorge Castellá. O grupo operativo intervindo na


Síndrome de Burnout. Psicol. Esc. Educ. (Impr.), Campinas, v. 10, n. 1, June 2006
Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-
85572006000100004&lng=en&nrm=iso>. access on 10 Jan. 2012.

BORENSTEIN, C.R. A Dinâmica do Sistema de Poder nas Organizações do Setor


Elétrico Brasileiro: o Caso da Eletrosul. Tese de Doutorado. UFSC: Florianópolis,
1996. Disponível em < http://www.eps.ufsc.br/teses96/borenstein/
index/index.htm#sumario> Acesso em 06 jul 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Programa Nacional


de Doenças Sexualmente Transmissíveis/AIDS. Manual do Multiplicador - Prevenção
às DST/AIDS. Brasília: Ministério da Saúde, 1996.

BUENO, Marcos. As teorias de motivação humana e sua contribuição para a empresa


humanizada. Revista do Centro de Ensino Superior de Catalão – CESUC. [s.l.], ano 4,
n. 6, 1. sem. Disponível em: <http://www.cesuc.br/revista/ed-
1/ASTEORIASDEMOTIVACAOHUMANA.pdf >. Acessado em: 25 nov. de 2008.

CHIAVENATO, I. Recursos Humanos: o capital humano nas organizações. 8ª ed. 4ª


reimpressão. São Paulo: Atlas, 2008.

DEJOURS, Christophe. Subjetividade, trabalho e ação. Revista Produção, v. 14, n. 3,


p. 27-34, set./dez. 2004.

FEBRAP. O que é Psicodrama. Disponível em <


http://www.febrap.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=7&Itemid=13
&lang=pt>.
FERREIRA, J. C. B; Vilamaior, A. G.; Gomes, B. M. A. O poder nas organizações –
conceitos, características e resultados. Revista Eletrônica do IPTAN. n. 1 Dez 2005.
Disponível em: <http://www.iptan.edu.br/revista/artigos/texto6.pdf>. Acesso em: 27 jan.
2009.

GLANZMAN, P. F. Reflexões Teóricas Sobre Grupos e Conflitos Organizacionais.


2009. Disponível em < http://uepb-pucpr-grupos.blogspot.com/2009/06/ reflexoes-
teoricas-sobre-grupos-e.html> Acesso em 20 jun 2011.

GROHMANN, Márcia Zampieri. Novas abordagens de motivação no trabalho:


identificação do nível de conhecimento e utilização. In.: Anais do Encontro Nacional de Engenharia
de Produção (ENEGEP) Rio de Janeiro1999. Disponível em:
<http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP1999_A0182.pdf>. Acesso em: 30 jul.
2008.

KAPLAN, R.; NORTON, D. A estratégia em ação: balanced scorecard. 6. ed. Rio de


Janeiro: Campus. 1997.

LINS, B.. Ferramentas básicas da qualidade. Ciência da Informação, Brasília, DF,


Brasil, 22, ago. 1993. Disponível em: <http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/
ciinf/article/view/1190/833>. Acesso em: 23 Jun. 2011.

MACÊDO, I.I.; RODRIGUES, D.F.; JOHANN, M.E.P.; CUNHA, N.M.M. Aspectos


Comportamentais da Gestão de Pessoas. 9ª ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: FGV,
2007.

24
www.educapsico.com.br

MEDEIROS, V. (s.d.). A Entrevista. Disponível em:


<http://www.valdirmedeiros.com.br/medeiros/content/narti/07.php>. Acesso em: abr.
2010.

MINTO, E.C.; PEDRO, C.P.; CUNHA NETTO, J.R.; BUGLIANI, M.A.P. Ensino de
habilidades de vida na escola: uma experiência com adolescentes.In.: Psicologia em
Estudo. Maringá, v. 11, n. 3, p. 561-568, set/dez, 2006. Disponível em
<http://www.scielo.br/pdf/%0D/pe/v11n3/v11n3a11.pdf>. Acesso em 15 jun 2011.
O QUE É PSICODRAMA. Vida Simples. Disponível em <
http://vidasimples.abril.com.br/100respostas/conteudo_258599.shtml>. Acesso em 10
jun 2011.

OLIVEIRA, Áurea de Fátima; GOMIDE JR, Sinésio. Inventário de Cultura


Organizacional: Adaptação e Validação de um Instrumento de Diagnóstico para o
Contexto brasileiro. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 9, 2, p. 8-21, jul-dez
2009.

OLIVEIRA, J.M. Gestão de Conflitos Organizacionais. 2006. Disponível em


<http://someeducacional.com.br/apz/gestao_conflitos/gestao-de-conflitos-
organizacionais.pdf>. Acesso em 15 jun 2011.

PETROBRÁS. Programa Resgate e Redefinição do Potencial Laborativo. Diponível em


< http://www.slidefinder.net/d/dns06anexo3_20programa_20resgate 20para
_20apresenta/27924097>. Acesso em 20 jun 2011.

QUEIROZ, S.H. Motivação dos Quadros Operacionais Sob o Enfoque da Liderança


Situacional. Dissertação de Mestrado. UFSC: Florianópolis, 1996. Disponível em <
http://www.eps.ufsc.br/disserta96/queiroz/index/index.htm#Agradec> Acesso em: 25
jun 2011.

ROBBINS, Stephen P. Comportamento organizacional. 15. ed. São Paulo: Pearson


Prentice Hall, 2005.

ROCHA-PINTO, Sandra Regina da; PEREIRA, Cláudio de Souza; COUTINHO, Maria


Teresa Correia; JOHANN, Sílvio Luiz. Dimensões funcionais da gestão de pessoas. 9ª
Ed. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

ROCHA, J.F.; SHEINKMAN, J.; SOUZA, R.L.C.; AZEVEDO, S.S. Planejamento para a
gestão do centro cirúrgico do Hospital Geral de Bonsucesso. Ministério da Saúde/RJ.
Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização). Fundação Oswaldo Cruz. Rio de
Janeiro, 2000. Disponível em: <
http://www.hgb.rj.saude.gov.br/ciencia/centrocirurgico/index.htm>. Acesso em 15 jun
2011.
SILVA, Narla Ismail Akel e PUENTE-PALACIOS, Katia. Desenvolvimento e validação
da Escala de Conflitos Intragrupos - ECIG. Psico-USF. 2010, vol.15, n.2, pp. 205-213.
Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/pusf/v15n2/v15n2a08.pdf>. Acesso em 23 jun
2011.
SILVA, R.C.A.; DORNELAS, M.A.; SANTOS, W.S. Fatores que definem o clima
organizacional entre os servidores técnico-administrativos do CEFET Bambuí. In:
JORNADA CIENTÍFICA, 1., e FIPA DO CEFET BAMBUÍ, 6., 2008, Bambuí, Minas
Gerais.

25
www.educapsico.com.br

STELNMANN, G.; CALDEIRA, A. Tipos de liderança na relação dos gestores com


seus assessores. In: Cadernos de Pós-Graduação em Administração de Empresas.
São Paulo, v. 3, n. 1, p. 59-72, 2003.

WAAL, Paula de; TELLES, Marcos. A Teoria da Expectativa (Vroom). [s.l.], jun. 2004.
Disponível em: <http://www.dynamiclab.com/moodle/ mod/forum/discuss.php?d=432>.
Acesso em: 30 jul. 2008.

WIKIPEDIA. Debate. Disponível em: < http://pt.wikipedia.org/wiki/Debate>. Acesso em


23 jun 2011.

ZANELLI, José Carlos; BORGES-ANDRADE, Jairo Eduardo; BASTOS, Antonio Virgilio


Bittencourt et al. Psicologia, Organizações e Trabalho no Brasil, Porto Alegre: Artmed,
2007.

UNIDADE IV

BALCEIRO, Raquel B.; FIGUEIREDO, Pedro P. 3º. Workshop Brasileiro de


Inteligência Competitiva e Gestão do Conhecimento. São Paulo: 2002. Disponível em:
<www.crie.coppe.ufrj.br/ home/artigos/artigo>. Acesso em: 27 jun. 2005.

BRANDÃO, Hugo Pena; GUIMARÃES, Tomás de Aquino. Gestão de competências e


gestão de desempenho. Revista RAE, São Paulo, FGV, v.41, n.1, jan.-mar. 2001.

CALVOSA, M.V.D.; CORREIA, F.L.; MOURA, J.M.; SOUZA NETO, S.P. Remuneração
por Competência: uma alternativa de remuneração variável para o empregado. In.:
Anais do II SEGeT. 2005. Disponível em< http://www.aedb.br/
seget/artigos05/341_Remuneracao.pdf>. Acesso em 01 jul 2011.

CARDOSO, V.C; MACIEIRA, A.R.; JESUS, L.S.; LENGLER, G.M. Indicadores para a
gestão de competências: uma abordagem baseada em processos. In.: Anais do XXII
ENEGEP. Curitiba, 2002. Disponível em: < http://www.abepro.org.br/
biblioteca/ENEGEP2002_TR70_0823.pdf>. Acesso em 17 jun 2011.
CAVALCANTI, Marcos; GOMES, Elisabeth. Inteligência empresarial: um novo modelo
de gestão para a nova economia. Prod., São Paulo, v. 10, n. 2, dez. 2000 .
Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci _arttext&pid=S0103-
65132000000200005&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 01 jul. 2011.

CHIAVENATO, I. Recursos Humanos: o capital humano nas organizações. 8ª ed. 4ª


reimpressão. São Paulo: Atlas, 2008.

______________. Gestão de pessoas: o novo papel dos Recursos Humanos nas


organizações. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, p. 273-309, 2008.

DEJOURS, C. Loucura do Trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. Trad.: Ana


Isabel Paraguay e Lúcia Leal Ferreira. 5ª ed ampl. São Paulo: Corteza, Oboré, 1992.
DELUIZ, N. O Modelo das Competências Profissionais no Mundo do Trabalho e na
Educação: Implicações para o Currículo. Disponível em < http://www.senac.br/
informativo/BTS/273/boltec273b.htm> Acesso em 23 jun 2011.
FLEURY, Afonso; FLEURY, Maria Tereza. Estratégias empresariais e formação de
competências. 3ª Ed. São Paulo: Atlas, 2010.

26
www.educapsico.com.br

JACQUES, M.G.C. Abordagens teórico-metodológicas em saúde/doença mental &


trabalho. Psicologia & Sociedade; 15 (1): 97-116; jan./jun.2003. Disponível em: <
http://www.scielo.br/pdf/%0D/psoc/v15n1/v15n1a06.pdf>. Acesso em 09 jan. 2012.

KAPLAN, R.; NORTON, D. A estratégia em ação: balanced scorecard. 6. ed. Rio de


Janeiro: Campus, 1997.

LUITZ, M.P.; BELATO, M.G. Avaliação do Desempenho Organizacional. XXIII


ENEGEP. Ouro Preto, 2003. Disponível em: < http://www.abepro.org.br/
biblioteca/ENEGEP2003_TR0115_0751.pdf>. Acesso em 15 jun 2011.

MILANESE, C. NEVES, L.B.; LEAL, M.; MAZA, R.; AQUINO, T. A gestão de


competências nas organizações. In.: Anais da 3ª Jornada Científica da ASSESC.
Disponível em < http://www.assesc.edu.br/download/3_jornada_cientifica/
gestao_competencias_organizacoes.pdf>. Acesso em 20 jun 2011.

MONTEIRO, F.T. Identificação das lacunas de competências requeridas para


avaliadores do Inmetro/Cgcre nos processos de acreditação. Anais do V Congresso
Nacional em Excelência em Gestão. Niterói, 2009. Disponível em
<http://www.excelenciaemgestao.org/Portals/2/documents/cneg5/anais/T8_0191_0907
.pdf>. Acesso em 20 jun 2011.

MOREIRA, F.F.; SEDRANI, L.G.; LIMA, R.C. Gestão Estratégica: utilizando o


Balanced Scorecard como modelo de gestão. 3 Gen, 2005a. Disponível em: <
http://www.3gen.com.br/kod/BSC_e_Gestao_Estrategica.pdf>. Acesso em 13 jun
2011.

MOREIRA F. F.; SEDRANI L. G. M.; LIMA R. C. O que é o Balanced Scorecard.


São Paulo: Editora, 2005b. Disponível em < http://www.3gen.com.br/
balanced_scorecard.pdf>. Acesso em 06 jul 2011.

NEVES, R. A importância da Gestão de Competências para Inteligência Competitiva.


2007. Disponível em: < http://www.administradores.com.br/ informe-se/artigos/a-
importancia-da-gestao-de-competencias-para-inteligencia-competitiva/13870/>.
Acesso em 20 jun 2011.

OLIVEIRA NETO, O.J.; DREES, C.; SOUZA, L.M.S; FIGUEIREDO, R.S.; MACHADO,
A.G. Balanced Scorecard: indicadores e medidas de desempenho aliados a gestão
estratégica na bovinocultura de corte. XLV CONGRESSO DA SOBER
"Conhecimentos para Agricultura do Futuro". Londrina, 2007. Disponível em <
http://www.sober.org.br/palestra/6/54.pdf>. Acesso em 15 jun 2011.

PENTERICH, E. Gestão Participativa como parte das políticas estratégicas de


recursos humanos: um estudo de caso de uma multinacional norte-americanda.
eGesta, v. 2, n. 1, jan.-mar./2006, p. 105-124. Disponível em <
http://www.unisantos.br/mestrado/gestao/egesta/artigos/57.pdf> Acesso em 05 jul
2011.

PEREIRA, M.F.; GARCIA, J.R.; BORGERT, A.; CALDAS, A.M. O líder organizacional
e suas competências. XIII SIMPEP. Bauru, 2006. Disponível em < http://www.simpep.
feb.unesp.br/anais/anais_13/artigos/1156.pdf>. Acesso em 23 jun 2011.

27
www.educapsico.com.br

PEREIRA, S.D. Conceitos e Definições da Saúde e Epidemiologia Usados na


Vigilância Sanitária. Centro de Vigilância Sanitária. São Paulo, 2004. Disponível em <
http://www.cvs.saude.sp.gov.br/pdf/epid_visa.pdf>.

PIO, D. Avaliação do desempenho por competências. 2008. Disponível em <


http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/avaliacao-do-desempenho-por-
competencias/23428/> Acesso em 01 jul 2011.
PRAHALAD, C. K., HANEL, G. A competência essencial das organizações. Harvard
Business Review, 1990. PRAHALAD, C. K e HAMEL, G. "The core competence of the
corporation". Harvard Business Review, v. 90, n. 3, p.79-91, May/June, 1990.
SANTOS, A.C.; LOPES, L.F.; GRAÇA, R.M.; ALBERTO, S.G.; NUNES, T.C.;
RUTKOWSKI, J. Gestão Participativa: uma alternativa viável para o século XXI. Anais
do XXII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Curitiba, 2002. Disponível em:
<http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2002_TR15_0343.pdf>. Acesso em 05
jul 2011.

SILVA, C.N.; WEIGEL, J.P.; MILANEZE, C. Gestão por Competências. Anais da 3ª


Jornada Científica da ASSESC. Florianópolis, 2006. Disponível em <
http://www.assesc.edu.br/download/3_jornada_cientifica/gestao_competencias.pdf>
Acesso em 20 jun 2011.

SILVA, E.F.; OLIVEIRA, K.K.M.; ZAMBRONI-DE-SOUZA, P.C. Saúde mental do


trabalhador: o assédio moral praticado contra trabalhadores com LER/DORT. Rev.
bras. Saúde ocup., São Paulo, 36 (123): 56-70, 2011

SILVA, E.R. Gestão Participativa e o Envolvimento no Processo Decisório. Disponível


em <http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/gestao-participativa-e-o-
envolvimento-no-processo-decisorio/25808/>. Acesso em 20 jun 2011.

TERRA, J. C. ; BAX, M. P. Portais corporativos: instrumento de gestão de informação


e de conhecimento. In: Isis Paim. (Org.). A Gestão da Informação e do Conhecimento.
1 ed. Belo Horizonte, 2003, v. , p. 33-53.

PSICOLOGIA DA PERSONALIDADE

UNIDADE I

FREUD, S. Além do princípio de prazer, 1920. In: FREUD, S. Edição standard


brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago,
1980a.

______. Além do princípio de prazer, 1920. In: FREUD, S. Edição standard brasileira
das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1980b, v.
4-5.

______. Um caso de histeria: três ensaios sobre a sexualidade e outros trabalhos.


ESB Vol. VII. Rio de Janeiro: Imago, 1977. p. 1-119.

______. Novas conferências introdutórias sobre psicanálise. Ed. Standard. Vol. XXII
ou livro 28 e 29 da pequena coleção, 1933.

28
www.educapsico.com.br

______. O inconsciente. (1915) In: FREUD, S. Edição standard brasileira das obras
psicológicas completas. Vol. XIV. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

______. A interpretação de sonhos, 1899. In: FREUD, S. Edição standard brasileira


das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, Vol. XVIII. Rio de Janeiro:
Imago, 1969.

______. Esboço de psicanálise. In: FREUD, S. Edição STANDARD, vol. XXIII ou livro
7 da pequena coleção, 1940.

______. Fragmento da análise de um caso de histeria. (1905[1901]) In:


GALLOP, J. Lendo Lacan. Rio de Janeiro: Imago, 1992.

JOEL DOR. Estruturas e clínica psicanalítica. São Paulo: Taurus, 1978.

REIS, A.; MAGALHÃES, L. M. A.; GONÇALVES, W. L. Teorias da personalidade em


Freud, Reich e Jung. In: RAPPAPORT, Clara Regina. (Org.). Temas básicos de
psicologia. São Paulo: EPU, 1984.

UNIDADE II

ROGERS, C. C. Psicoterapia e consulta psicológica. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

______. A terapia centrada no paciente. São Paulo: Martins Fontes, 1975.

______. Grupos de encontro. Lisboa: Moraes, 1984.

______. Tornar-se pessoa. São Paulo: Livraria Martins Fontes, 1987.

ROSENBERG, R. L. Aconselhamento psicológico centrado na pessoa. São Paulo:


EPU, 1987.

SCHMIDT, M. L. S. Ensaios indisciplinados: aconselhamento psicológico e pesquisa


participante. (Tese de Livre Docência) – Instituto de Psicologia, Universidade de São
Paulo, São Paulo, 2005.

SHEEFFER, R. Teorias de aconselhamento. São Paulo: Atlas, 1980.

MORATTO, H. T. P. Aconselhamento psicológico centrado no cliente: novos desafios.


São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.

UNIDADE III

BARROS, Elias Mallet da Rocha; BARROS, Elizabeth Lima da Rocha. Significado de


Melanie Klein. Viver Mente e Cérebro. São Paulo, v. 3, p. 6-15, 2006. Edição especial.

FUNDAMENTOS de Melanie Klein. Disponível em:


<http://psicanalisekleiniana.vilabol.uol.com.br/fundamentos.html>. Acesso em: 6 ago.
2008.

GEVERTZ, Suely. A música da fala. Viver Mente e Cérebro, São Paulo, v. 3, p. 6-15,
2006. Edição especial.

29
www.educapsico.com.br

ZIMERMAN, D. E. Fundamentos Psicanalíticos. Teoria, técnica e clínica. Porto Alegre:


Artmed, 1999.

______. Vocabulário Contemporâneo de Psicanálise. Porto Alegre: Artmed, 2001.

BORDIGNON, Nelson Antonio. (2005). El desarrollo psicosocial de Erik Erikson: el


diagrama epigenético del adulto. Revista Lasallista de Investigación, Colômbia, v. 2, p.
50-63. Disponível em:
<http://redalyc.uaemex.mx/src/inicio/ArtPdfRed.jsp?iCve=69520210&iCveNum=5804>.
Acesso em: 20 ago. 2008.
FIORI, W. R. (1982). Desenvolvimento emocional. In: RAPPAPORT, Clara Regina
(Coord.). Psicologia do desenvolvimento. v. 4. São Paulo: EPU.

FUNDAMENTOS de Melanie Klein. Disponível em:


<http://psicanalisekleiniana.vilabol.uol.com.br/fundamentos.html>. Acesso em: 6 ago.
2008.

GEVERTZ, Suely. A música da fala. Viver Mente e Cérebro, São Paulo, v. 3, 2006, p.
6-15. Edição especial.

HALL, C. S.; LINDZEY, G.; CAMPBELL, J. B. Teorias da personalidade. Porto Alegre:


Artmed, 2000.

SHULTZ, Duane P.; SHULTZ, Sydney Ellen. Teorias da personalidade. São Paulo:
Pioneira Thomson Learning, 2002.

ZIMERMAN, D. E. Fundamentos psicanalíticos: teoria, técnica e clínica. Porto Alegre:


Artmed, 1999.

ZIMERMAN, D. E. Vocabulário contemporâneo de psicanálise. Porto Alegre: Artmed,


2001.

HALL, C. S.; LINDZEY, G.; CAMPBELL, J. B. Teorias da personalidade. Porto Alegre:


Artmed, 2000.

RICHELLE, M. La adquisitión del linguaje. Barcelona: Editorial Herder. 1971.

SKINNER, B. F. About Behaviorism. Nova York: Alfred A. Knopl. 1974.

______. Selection by consequences. The Behavioral and Brain Sciences, 7, 477-510.


1981.

______. Ciência e Comportamento Humano. 9. ed. São Paulo: Martins Fontes. 1994.

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO

Unidade I:

BARDUCHI, Ana Lúcia Jankovic. As concepções de desenvolvimento e aprendizagem


na teoria psicogenética de Jean Piaget. Movimento e Percepção, Espírito Santo de

30
www.educapsico.com.br

Pinhal, v. 4, n. 4/5, jan./dez. 2004. Disponível em:


<http://www.doaj.org/doaj?func=searchArticles&q1=desenvolvimento+humano&f1=all&
b1=and&q2=&f2=all> Acesso em: 22 jul. 2008.

MARTINS, Lígia Márcia; CAVALVANTI, Maria Regina. Saberes pedagógico em


educação infantil. Bauru: CECEMCA/Unesp, 2005.

PASQUALINI, Juliana Campregher. Contribuições da psicologia histórico-cultural para


a educação escolar de crianças de 0 a 6 anos: desenvolvimento infantil e ensino em
Vigotski, Leontiev e Elkonin. 2006. Tese (Mestrado) – Faculdade de Ciências e Letras,
Universidade Estadual Paulista, Araraquara.

RAPPAPORT, Clara Regina (Coord.). Psicologia do desenvolvimento. v. 1. São Paulo:


EPU, 1981.

SANTANA, Juvenal. A psicologia do desenvolvimento. Disponível em:


<http://www.brasilescola.com/psicologia/psicologia-do-desenvolvimento.htm> Acesso
em: 22 jul. 2008.

TAFNER, Malcon. A construção do conhecimento segundo Piaget. Disponível em:


<http://www.cerebromente.org.br/n08/mente/construtivismo/construtivismo.htm>
Acesso em: 19 ago. 2008.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. A construção do pensamento e da linguagem. São


Paulo: Martins Fontes, 2001.

VYGOTSKY, Lev Semyonovich. A formação social da mente: o desenvolvimento dos


processos psíquicos superiores. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade


escolar. In: VYGOTSKY, L. S. et al. Bases psicológicas da aprendizagem e do
desenvolvimento. São Paulo: Centauro, 2003.

Unidade II:

AUGUSTO, José Saraiva; JERÔNIMO, Teresa Gomes. Efeitos sobre o


comportamento do rompimento dos vínculos afetivos. Disponível em:
<http://macedonia.com.pt/RompimentoV%C3%ADnculosAfectivos.pdf>. Acesso em:
22 jul. 2008.

BARROS, Elias Mallet da Rocha; BARROS, Elizabeth Lima da Rocha. Significado de


Melanie Klein. Viver Mente e Cérebro, São Paulo, v. 3, p. 6-15, 2006. Edição especial.

BORDIGNON, Nelson Antonio. El desarrollo psicosocial de Erik Erikson: el diagrama


epigenético del adulto. Revista Lasallista de Investigación, Antioquia (Colombia), v. 2,
p. 50-63, 2005. Disponível em:
<http://redalyc.uaemex.mx/src/inicio/ArtPdfRed.jsp?iCve=69520210&iCveNum=5804>.
Acesso em: 20 ago. 2008.

DALBEM, J. X.; DELL’AGLIO, D. D. Teoria do apego: bases conceituais e


desenvolvimento dos modelos internos de funcionamento. Arquivos Brasileiros de
Psicologia, v. 57, n. 1, p. 12-24, 2005. Disponível em:
<http://www.psicologia.ufrj.br/abp/> Acesso em: 22 jul. 2008.

31
www.educapsico.com.br

FIORI, W. R. Desenvolvimento emocional. In: RAPPAPORT, Clara Regina (Coord.).


Psicologia do desenvolvimento. v. 4. São Paulo: EPU, 1982.

FUNDAMENTOS de Melanie Klein. Disponível em:


<http://psicanalisekleiniana.vilabol.uol.com.br/fundamentos.html>. Acesso em: 6 ago.
2008.

EVERTZ, Suely. A música da fala. Viver Mente e Cérebro, São Paulo, v. 3, p. 6-15,
2006. Edição especial.

NASIO, J-D. Introdução à obra de Winnicott. In:J. D. Nasio Introdução às obras de


Freud, Ferenczi, Groddeck, Klein, Winnicott, Dolto, Lacan. Rio de Janeiro: Jorge
Zahar, 1995.

SHULTZ, Duane P.; SHULTZ, Sydney Ellen. Teorias da personalidade. São Paulo:
Pioneira Thomson Learning, 2002.

ZIMERMAN, David E. Fundamentos psicanalíticos: teoria, técnica e clínica. Porto


Alegre: Artmed, 1999.

______. Vocabulário contemporâneo de psicanálise. Porto Alegre: Artmed, 2001.

BÖING, Elisângela; CREPALDI, Maria Aparecida. Os efeitos do abandono para o


desenvolvimento psicológico de bebês e a maternagem como fator de proteção.
Estudos de Psicologia, Campinas, v. 21, n. 3, p. 211-226, 2004. Disponível em:
<http://pepsic.bvs-psi.org.br/pdf/epc/v21n3/v21n3a06.pdf>. Acesso em: 22 jul. 2008.

CALLIGARIS, Contardo. A adolescência. São Paulo: Publifolha, 2000.

CARDOZO, Marli Terezinha Silveira. Gente jovem no cenário da vida contemporânea:


a produção de sentidos no processo de escolha profissional através das
manifestações em arte. 2002. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Centro de
Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis,
2002. Disponível em: <http://www.tede.ufsc.br/teses/PPSI0125.pdf>. Acesso em: 22
jul. 2008.

CINTRA, Elisa Maria de UIhôa. Notas à margem do pensamento de Bion. Revista


Percurso, Maringá, n. 2. Disponível em:
<http://www2.uol.com.br/percurso/main/pcs02/artigo0210.htm>. Acesso em: 9 set.
2008.

COBRA, Rubem Queiroz. René Spitz. 1998. Disponível em:


<http://www.cobra.pages.nom.br/ecp-renespitz.html>. Acesso em: 22 jul. 2008.

32
www.educapsico.com.br

DUQUE, Celeste. Desenvolvimento na primeira infância: perspectiva de René Spitz.


Disponível em: <http://www.scribd.com/doc/2437175/Desenvolvimento-na-primeira-
infancia-Perspectiva-de-Rene-Spitz>. Acesso em: 22 jul. 2008.

LORENZON, Agnés M. M. Delobel. Psicomotricidade: teoria e prática. Porto Alegre:


EST, 1995.

RAPPAPORT, Clara Regina (Coord.). Psicologia do desenvolvimento. v. 1. São Paulo:


EPU, 1981.

ZIMERMAN, David E. Fundamentos psicanalíticos: teoria, técnica e clínica. Porto


Alegre: Artmed, 1999.

______. Vocabulário contemporâneo de psicanálise. Porto Alegre: Artmed, 2001.

Unidade III:

ALTERAÇÕES causadas no sentido pelo envelhecimento. Disponível em:


<http://adam.sertaoggi.com.br/encyclopedia/ency/article/004013.htm>. Acesso em: 20
abr. 2010.

ALZHEIMER. Disponível em:


<http://www.terapeutaocupacional.com.br/alzheimer.htm>. Acesso em: 25 abr. 2010.

BEE, Helen. O ciclo vital. Porto Alegre: Artmed, 1997.

DEMÊNCIAS. Disponível em: <http://wwwusers.rdc.puc-rio.br/bio-neuro-


psicologia/demencias.htm>. Acesso em: 21 abr. 2010.

MELO, Luciano Magalhães; BARBOSA, Egberto Reis e CARAMELLI, Paulo. Declínio


cognitivo e demência associados à doença de Parkinson: características clínicas e
tratamento. Disponível em: <http://www.hcnet.usp.br/ipq/revista/vol34/n4/pdf/176.pdf>.
Acesso em: 23 abr. 2010.

33
www.educapsico.com.br

MOTTA, Edith. Reflexos da aposentadoria sobre a questão social do idoso. A Terceira


Idade, São Paulo, n° 13, ano X, p. 61-70, abr. 1998 .

VALE, Francisco. Demências. Disponível em: <http://rnp.fmrp.usp.br/aulas/09-


%20DEMENCIAMedicina_4oAno.pdf>. Acesso em: 21 abr. 2010.

WAGNER, Elvira Mello. A contribuição da psicologia no campo da gerontologia social.


A Terceira Idade, São Paulo, n° 13, ano X, p. 47-60 , abr. 1998.

Unidade IV:

299.10 Transtorno Desintegrativo da Infância – DSM-IV. Disponível em:


<http://www.psiqweb.med.br/site/DefaultLimpo.aspx?area=ES/VerClassificacoes&idZC
lassificacoes=164>. Acesso em: 20 mai. 2010.

BARKLEY, R. A. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: guia completo para


pais, professores e profissionais da saúde. Porto Alegre: Artmed, 2002.

BOSA, C.; CALIAS, M. Autismo: breve revisão de diferentes abordagens. Disponível


em: <http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/11460>. Acesso em: 10 mai.
2010.

CARVALHAIS, L. S. A; SILVA, C. Consequências sociais e emocionais da dislexia de


desenvolvimento: um estudo de caso. Disponível em: <http://pepsic.bvs-
psi.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-
85572007000100003&lng=en&nrm=>. Acesso em: 14 mai. 2010.

DEUSCHLE, V. P.; DONICHT, G.; PAULA, G. R. Distúrbios de aprendizagem:


conceituação, etiologia e tratamento. Disponível em:
<http://www.profala.com/arttf103.htm>. Acesso em: 15 mai. 2010.

Dislexia. Disponível em: <http://www.comportamentoinfantil.com/artigos/dislexia.htm>.


Acesso em: 14 mai. 2010.

34
www.educapsico.com.br

F80-F89 Transtornos do desenvolvimento psicológico. Disponível em:


<http://www.fau.com.br/cid/webhelp/f80_f89.htm>. Acesso em: 20 mai. 2010.

F84.0 - 299.00 Transtorno Autista – DSM-IV. Disponível em:


<http://virtualpsy.locaweb.com.br/dsm_janela.php?cod=21>. Acesso em: 14 mai. 2010.

FAGGIANI, R. B. Autismo. Disponível em:


<http://www.psicologiaeciencia.com.br/autismo/>. Acesso em: 10 mai. 2010.

KAPLAN, Harold I., SADOCK, Benjamin J.; GREBB, Jack. A. Compêndio de


psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria clínica. Porto Alegre: Artmed,
1997.

KLIN, A. Autismo e Síndrome de Asperger: uma visão geral. Disponível em:


<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-44462006000500002&script=sci_arttext>.
Acesso em: 15 mai. 2010.

MERCADANTE, M. T., VAN DER GAAG, R. J.; SCHWARTZMAN, J. S. Transtornos


invasivos do desenvolvimento não-autísticos: síndrome de Rett, transtorno
desintegrativo da infância e transtornos invasivos do desenvolvimento sem outra
especificação. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-
44462006000500003&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 13 mai. 2010.

OLIVEIRA FILHO, E. A.; OLIVEIRA, E. Autismo. Disponível em:


<http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?44>. Acesso em: 11 mai. 2010.

PEREIRA, J.; TENENBAUM, P. Síndrome de Asperger. Disponível em:


<http://www.comportamentoinfantil.com/artigos/sindromeasperger.htm>. Acesso em:
15 mai. 2010.

RIZO, L., RANGÉ, R. Crianças desatentas, hiperativas e impulsivas: como lidar com
essas crianças na escola? In: BRANDÃO, M. Z. S. et al. (Org.). Sobre o
comportamento e cognição: a história e os avanços, a seleção por consequência em
ação. v. 11. Santo André: ESETec, 2003. p. 422-432.

35
www.educapsico.com.br

SAMPAIO, A. S. Hiperatividade e terapia cognitiva comportamental: uma revisão


de literatura. Disponível em:
<http://www.neuropediatria.org.br/index.php?view=article&catid=60%3Atdah&id=
101%3Ahiperatividade-e-terapia-cognitiva-comportamental-uma-revisao-de-
literatura&format=pdf&option=com_content&Itemid=147>. Acesso em: 8 jun.
2010(a).

SAMPAIO, A. S. Transtorno autista e a abordagem cognitivo-comportamental:


possibilidade de auxílio psicológico. Disponível em:
<http://www.portaleducacao.com.br/psicologia/artigos/4121/transtorno-autista-e-a-
abordagem-cognitivo-comportamental-possibilidade-de-auxilio-psicologico>. Acesso
em: 8 jun. 2010(b).

SAMPAIO, S. Distúrbios e transtornos. Disponível em:


<http://www.psicopedagogiabrasil.com.br/disturbios.htm>. Acesso em: 20 mai. 2010.

SCHWARTZMAN, J. S. Síndrome de Rett. Revista Brasileira de Psiquiatria, São


Paulo, v. 25, n. 2, p. 110 - 113, jun. 2003.

SOUZA, J. C. et al. Atuação do psicólogo frente aos transtornos globais do


desenvolvimento infantil. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 24, n. 2, p. 24-31,
jun. 2004.

TEIXEIRA, P. Síndrome de Asperger. Disponível em:


<http://www.psicologia.com.pt/artigos/textos/A0254.pdf>. Acesso em: 15 mai. 2010.

TULESKI, S. C.; EIDT, N. M. Repensando os distúrbios de aprendizagem a partir da


psicologia histórico-cultural. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 12, n. 3, p. 531-540,
set./dez. 2007.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. A construção do pensamento e da linguagem. São


Paulo: Martins Fontes, 2001.

36
www.educapsico.com.br

37