Você está na página 1de 12

DTMF

Como o conectar à internet

Escola Técnica de Brasília


Escola Técnica de Brasília
Alunos: Pedro Luiz, Gabriel Bandeira
Série/Turma: 2°J
Curso: Eletrotécnica
Professora: Jussara
Sumário

Introdução ...................................................................................................... 4
1 - RELATÓRIO DA MONTAGEM DO DTMF ........................................ 5
1.1 - Descrição do acionamento da carga remota .................................................................... 5
1.2 - Processos de decodificação decimal/binário .................................................................... 5
1.3 - Descrições do protocolo DTMF ......................................................................................... 6
1.4 - Elementos de rede envolvidos numa chamada de telefonia móvel celular. .................... 6
1.5- Desenhos e listas de materiais utilizados. ......................................................................... 7
1.5.1 - Esquemas do decodificador HT 9170B....................................................................... 7
1.5.2 - Esquemas do regulador de tensão 7805 .................................................................... 7
1.5.3 – Projetos Módulos DTMF e Módulo Relé ................................................................... 8
1.5.5 – Arte do circuito impresso do Módulo DTMF e Módulo Relé .................................... 8
1.5.6 – Vista frontal do Módulo DTMF .................................................................................. 8
1,5.7 – Vista frontal do Módulo Relé .................................................................................... 9
1.5.8 - Lista de Material – Projeto Controle de acionamento de carga por DTMF ............... 9
1.5.8.1 - Placa do Módulo DTMF ........................................................................................... 9
1.5.8.2 – Placa do Módulo Relé ........................................................................................... 10
1.6 - Procedimento de confecção das placas de circuito impresso. ....................................... 10
1.6.1 - Processos de soldagem ............................................................................................ 10

2 – Conexão com a internet ......................................................................... 11


Conclusão .................................................................................................... 12
Introdução

Nesse trabalho será citado o dtmf: um dispositivo que tem diversas funções, sua
principal é acionar dispositivos a longa distância por meio de dois celulares. Entretanto,
esse dispositivo somente utiliza créditos para funcionalização, então com 3 aplicativos
ele pode ser conectado à internet: dtmf tones, TeamViewer e seu App suporte para
espelhamento.

4
1 - RELATÓRIO DA MONTAGEM DO DTMF

1.1 - Descrição do acionamento da carga remota

O processo de acionamento de uma carga de forma remota dar-se-á com um simples


telefonema. Bom, simples na maneira de falar, pois envolve uma tecnologia muito avançada por
traz do ato de pegar o telefone e discar um número e o outro telefone receber esta ligação.

Mas uma carga é acionada quando um telefone celular está conectado no Módulo DTMF
e no Módulo Relé. Desta forma uma pessoa ou maquina faz uma ligação para o número em que
o DTMF está conectado e através do teclado deste telefone que originou a chamada aciona-se
uma tecla. Os números impares ligam e os pares desligam o Módulo DTMF, dependendo da
configuração, pois, o decodificador HT9170 pode ser configurado nas seguintes saídas: D0, D1,
D2 e D3 e assim modificar as teclas para ligar ou desligar as cargas. Sendo que essas saídas podem
ser ligadas em até quatro Módulos Relés. Em seguida o Módulo Relé aciona a carga, podendo ser
uma lâmpada um motor ou qualquer outro equipamento elétrico.

1.2 - Processos de decodificação decimal/binário

No processo de decodificação decimal binário, o teclado do celular está em decimal. Mas


para que haja entendimento das máquinas ao acionar uma tecla decimal, é feita a decodificação
em que seja necessário o entendimento das entre elas de forma que tenha em seus circuitos energia
ou não. Isso significa dizer que com energia temos nível lógico ( 1 ) e sem energia, nível lógico (
0 ).

Desta forma temo a seguinte tabela decimal/binário:

DECIMAL BINÁRIO
1 0001
2 0010
3 0011
4 0100
5 0101
6 0110
7 0111
8 1000
9 1001
0 0000
A 1010
B 1011
C 1100
D 1101
*
#

5
1.3 - Descrições do protocolo DTMF

DTMF é a sigla em inglês de “Dual-Tone Multi-Frequency”, os tons de duas


frequências utilizados na discagem dos telefones mais modernos. Nos primeiros telefones a
discagem era feita através de um disco que gerava uma sequência de pulsos na linha telefônica
(discagem decádica ou discagem usando sinalização decádica). Ao se ocupar a linha, o “laço”
(“loop”) era fechado e, ao se efetuar a discagem, ocorriam aberturas periódicas deste “laço”, tantas
vezes quanto o número discado: para a discagem do 1, uma abertura, para a discagem do 2, duas
aberturas, e assim sucessivamente até o 0 (zero) que, na verdade, significava 10 aberturas. Com
o advento dos telefones com teclado, das centrais telefônicas mais modernas e com a
disseminação dos filtros (primeiro os analógicos, depois os digitais), passou-se a utilizar a
sinalização de multi frequência, uma combinação de tons (os DTMFs vulgarmente conhecidos
em inglês por touch tones) para discagem.

As frequências destes tons e suas combinações são mostradas na tabela abaixo:

Hz 1209 1336 1477 1633


697 1 2 3 A
770 4 5 6 B
852 7 8 9 C
941 * 0 # D

Na tabela acima são mostradas as frequências “altas” na linha superior e as baixas na


coluna mais à esquerda. No centro os números do teclado. Nos teclados dos telefones são
mostrados apenas os números de 1 até 0 e os caracteres “*” e “#”. A frequência de 1633 hertz (e
consequentemente os algarismos “A”, “B”, “C” e “D”) é utilizada apenas internamente entre
equipamentos de teste e medida.

O tom de discagem final, que é enviado à central, é a frequência obtida do batimento da


frequência alta e baixa de uma certa tecla, por exemplo, para a tecla 5 o tom enviado é a soma de
uma senóide na frequência de 1336Hz com uma outra senóide de 770Hz.

Na central o sinal elétrico é constantemente analisado para detectar a presença simultânea


de uma das frequências baixas e uma das frequências altas, quando então a tecla do cruzamento
destas duas frequências é identificada pela central.

A escolha destas frequências se deve principalmente pela baixa probabilidade de se


produzir estas combinações de frequências com a voz humana.

1.4 - Elementos de rede envolvidos numa chamada de telefonia móvel


celular.

Quando alguém disca para outra pessoa, o celular emite o número do outro
aparelho por ondas de rádio, em uma faixa de frequência especialmente reservada.

6
O número é captado pela Estação Rádio Base (ERB) da célula amarela, onde está
a pessoa. A estação detecta que o aparelho de destino não se encontra na mesma célula;
por isso, contata (via cabo ou micro-ondas) a Central de Comunicação e Controle (CCC).

A CCC tem um banco de dados atualizado a cada-segundo, informando em qual


célula está cada aparelho da cidade. Ao receber o comunicado da ERB, ela manda a
informação da chamada para a estação da célula de destino.

Toca o celular da outra pessoa, isso porque a estação da célula onde ela está, que
recebeu o comunicado da Central, avisa que seu número está sendo chamado pelo celular
de quem ligou.

Quando essa pessoa atende, cada uma das duas células procura um canal de
frequência que esteja livre. Elas informam a ambos os celulares quais serão os canais que
cada aparelho usará durante a conversa.

1.5- Desenhos e listas de materiais utilizados.


1.5.1 - Esquemas do decodificador HT 9170B

1.5.2 - Esquemas do regulador de tensão 7805

7
1.5.3 – Projetos Módulos DTMF e Módulo Relé

1.5.5 – Arte do circuito impresso do Módulo DTMF e Módulo Relé

1.5.6 – Vista frontal do Módulo DTMF


8
1,5.7 – Vista frontal do Módulo Relé

1.5.8 - Lista de Material – Projeto Controle de acionamento de carga por


DTMF

1.5.8.1 - Placa do Módulo DTMF

02 x RESISTOR DE FILME DE CARBONO 390R - 1/4W;


03 x RESISTOR DE FILME DE CARBONO LIGADOS EM SÉRIE - 100K - 1/4W;
02 x RESISTOR DE FILME DE CARBONO 100K - 1/4W;
01 x LM7805 (5V / 1A);
02 x CAPACITOR CERAMICO 100nF/50V;
01 x CAPACITOR ELETROLITICO 100uF/25V;
01 x CRISTAL QUARTZO 3,579545MHz;
01 x CONECTOR JACK P2 (MONO);
01 x CONECTOR BARRA DE PINOS MACHO (1X10X11,2 - 180 graus);
01 x HT9170B (Decodificador de DTMF);
01 x SOQUETE CI 18P (ESTAMPADO ESTREITO);

9
01 x LED DIFUSO VERDE (5mm);
01 x LED DIFUSO VERMELHO (5mm);
01 x PLACA DE CIRCUITO IMPRESSO (15X5) cm.

1.5.8.2 – Placa do Módulo Relé

1 - Relé 5V;
1 - Resistor carbono 10K – 1/4W;
1 - Diodo 1N4148;
1 - Transistor BC548;
1 - Borne KRE 3T;
1 - Barra Pinos Fêmea (01x03x11,2);
1 - LED difuso vermelho (5mm);

1 - Dissipador de calor para o regulador 7805.

1.6 - Procedimento de confecção das placas de circuito impresso.


A construção do Módulo DTMF e Módulo Relé, iniciou-se com o orçamento dos
componentes. Foram três orçamentos e finalmente adquirimos a maioria dos
componentes em uma única compra. Porém, tivemos dificuldades para encontrar o cristal
de quartzo de 3.579545Mhz. Ao todo foram gastos um total de quarenta reais, que foi o
preço estimado pelo professor.

O nosso grupo decidiu que cada componente iria montar um sistema sozinho para
sentir as dificuldades que por ventura surgissem.

De posse dos componentes, começamos o processo de impressão dos circuitos


impresso e posteriormente a impressão na placa com a utilização de ferro de passar roupa.
Observamos alguns erros de impressão mas utilizamos caneta retroprojetor para a
correção de alguns trilhas e ilhas.

Com os passos anteriores realizados, veio a parte da corrosão da placa com o


percloreto de ferro, processo simples, mas teve que ser cauteloso pelo tipo de material
que é bastante corrosivo.

1.6.1 - Processos de soldagem

Durante o processo de soldagem tivemos alguns problemas devido as trilhas serem


muito finas e as ilhas serem muito próximas umas das outras.

10
Em alguns casos, as trilhas estavam rompidas, porém não era possível ver a olho
nu, somente com a ajuda de um teste de continuidade.

Outro fato que aconteceu foi a soldagem de componentes com polaridades


invertidas, convém ressaltar que foi muito importante consultar o datasheet do regulador
de tensão 7805 para que conseguíssemos descobrir as polaridades das trilhas.

2 – Conexão com a internet

Após explicarmos o processo de montagem e funcionamento do DTMF iremos


explicar como que ocorre a conexão com a internet.

Primeiro é necessário o uso de dois celulares ou até mais, porem só utilizaremos


dois. Será ativo por meio de um aplicativo chamado TeamViewer, na qual funciona como
um espelhador, espelhando um celular no outro.

Após a conexão iremos utilizar outro aplicativo chamado dtmf tones,na qual faz
uma simulação do funcionamento de um teclado de telefone ao efetuar uma ligação. Com
isso depois de espelharmos, tudo que acontecer em um celular ocorrerá no outro. Como
existe o espelhamento ao clicar em qualquer tecla do aplicativo dtmf tones, irá clicar no
outro celular também fazendo com que ative o dtmf sem necessário ligar diretamente para
o celular.

11
Conclusão

Nesse trabalho é notável a complexidade que se dá para o acionamento do


módulo DMTF, pois no processo de uma ligação, o celular envia uma comunicação para
o celular em que está conectado o Módulo DTMF, esta chamada passa por uma Estação
Rádio Base em que o telefone que originou se encontra e esta ERB por sua vez entra em
contato com o Centro de Comunicação e Controle que descobre em qual Estação Rádio
Base se encontra o outro celular em que está o DTMF e o aciona.

É visto também que o DTMF pode ser usado em uma infinidade de aplicações,
dentre elas podemos destacar: acionamento de lâmpadas, de motores de portões
eletrônicos, motores industriais e outros aparelhos eletroeletrônicos.

Como utilizar créditos para o acionamento do dispositivo se torna muito caro,


entramos com uma solução que a longo prazo é mais viável.

12

Você também pode gostar