Você está na página 1de 88

Ministério da Educação

Universidade Tecnológica Federal do Paraná


Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação
Departamento Acadêmico de Eletrotécnica
Campus Curitiba

MBA
Gestão de Processos Industriais
(Curso Presencial)

Período de realização: 15/03/2019 a 03/11/2020

ÁREA DE CONHECIMENTO: Engenharias I, II, III e IV e Computação,


Tecnologias da Informação, Ciências Matemáticas, Física, Química e
Ciências Agronômicas, Engenharia de Alimentos, Administração da
Produção, Cursos Superiores de Tecnologia.

COORDENAÇÃO: Prof. Me. Daniel Balieiro Silva


E-mail: balieiro@utfpr.edu.br

Curitiba
22/10/2018
1
RESUMO do CURSO de MBA em Gestão de Processos Industriais

A automação industrial se faz presente em todos os tipos de processos desde


o químico e petroquímico ao agronegócio, da pecuária à engenharia de alimentos,
da mineração à produção de automóveis e aeronaves, do saneamento à indústria de
bebidas, do extrativismo vegetal ao beneficiamento do papel e celulose, da produção
de energia aos terminais logísticos.
A qualificação do seu corpo gestor e o domínio das tecnologias de processos.
Estes são dois aspectos que permitem as corporações uma vantagem competitiva
na busca por novos mercados. Os modernos processos de produção industriais
constituem-se de um conjunto de complexidades tecnológicas que impõem aos seus
gestores uma difícil tarefa no processo decisório.
A melhoria e adequação dos processos para uma maior produtividade é
função do potencial técnico de seus gestores e da mais adequada tecnologia que os
mesmos exigem.
É uma tarefa difícil para as Universidades oferecerem uma formação que
proporcione aos seus egressos a capacidade para uma atuação mais abrangente
neste sentido. A implantação e manutenção de processos produtivos demanda uma
sólida formação técnica, assim como uma ampla experiência e convívio com
sistemas de automação industrial.
O Curso de Especialização em Gestão de Processos Industriais (MBA) tem a
proposta de preencher esta lacuna na qualificação de profissionais das mais
diferentes áreas de conhecimento para atuarem na indústria e agronegócio. Para
tanto, serão desenvolvidos conceitos e práticas sobre as diferentes tecnologias de
automação bem como as informações e fundamentos de gestão na implantação de
novos projetos em Automação de Processos.
Deste modo, ocorrerão aulas de caráter técnico com professores mestres e
doutores compreendendo as práticas de laboratórios em Automação Industrial e
gestão de projetos e processos. O núcleo gestor do curso será desenvolvido por
profissionais e empresários do ramo de automação industrial.
O Curso de Especialização MBA em Gestão de Processos Industriais
proporcionará ao egresso uma ampla visão das ferramentas que envolvem a gestão,
manutenção, projeto e implantação dos mais diferentes processos automatizados.
Para tanto, contará com profissionais de diversos segmentos da automação
industrial como siderúrgico, robótica, químico, petroquímico, automotivo, produção
de energia, integração e automação de processos industriais, consultores em
automação industrial e comercialização de produtos de automação industrial.
Dentro deste contexto, ocorrerá uma perfeita integração com o mundo de
profissionais que atuam há anos na indústria nacional e multinacional. Isto permitirá
uma rápida familiarização com as boas práticas de profissionais que atuam com a
automação de processos industriais. Estão previstos vários seminários e visitas
técnicas a empresas para a consolidação de fundamentos e tecnologias.

2
Profissionais Convidados

Nilton Werneck Marussig

José Retorta

Junio Branco e Luiz Sérgio

representante

Marcos Eckert

Representante

Alex Viginoski

Célio Brandão Instrumentos e Sistemas

Samuel Luiz Automação e Robótica

Cláudio Fiorese
Julimar Moraes - JBR Automação Industrial

3
Hélio Cardoso – SCL System Control Logic

Automação Industrial (Guarulhos-SP)

Carlos Roberto Chaves

Paulo Roberto Frade Teixeira

Felipe Anaya e Ewerton Garcia


Luiz Lemos – LEMOS TEC Calibração e
Auditorias
Douglas Camargo Von Hartenthal – LAPLACE

Automação Industrial Ltda.

Luiz Santos Resende

Mário César Schafaschek

Edson Gonçalves

Silvete Budne
4
Algumas das Indústrias Contempladas pelo Curso

Automotiva Máquinas e Equipamentos

Metalúrgica Frigoríficos

Mineração Papel e Celulose

Siderúrgica Química

5
Agronegócio Logística

Cosméticos Alimentos

Bebidas Transformação

Pecuária Saneamento

6
Investimento

Fizemos um levantamento do custo da hora/aula (50 minutos) de três cursos


de MBA em três renomadas Universidades brasileiras. Há que se ressaltar as
peculiaridades de cada curso. Neste caso comparativo, leva-se em conta apenas a
carga horária total dos cursos.

Instituição de MBA Carga Horária Custo do Custo por


Ensino Total Curso (2019) hora/aula

Universidade A Automação 384 R$ 26.000,00 R$ 68,00


Industrial

Universidade B Gestão Industrial 432 R$ 29.000,00 R$ 67,00

Universidade C Executivo 400 R$ 75.000,00 R$ 187,00

UTFPR Gestão de
Processos 525 R$ 16.351,68 R$ 31,15

Industriais

O custo do MBA em Gestão de Processos Industriais será parcelado em


21 vezes de R$ 750,08 mais a matrícula no valor R$ 600,00.
É importante ressaltar que o curso de MBA em Gestão de Processos
Industriais terá uma carga horária 50% maior que os convencionais cursos de
especialização.

7
As aulas serão realizadas aos sábados e domingos nos períodos da
manhã e tarde (07:30 às 12:00 e das 13:30 às 18:00), sendo que os encontros
serão quinzenais.
CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DO CURSO
Início das atividades letivas 2019 (Aula Inaugural) 15/03/2019
Término das atividades letivas 2019 10/11/2019

Reinício das atividades letivas 2020 14/02/2020


Término das atividades letivas 05/07/2020

Data limite para entrega do trabalho conclusivo 03/11/2020

DATAS PARA INSCRIÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E MATRÍCULA.


Período de Inscrição 01/11/2018 a 19/02/2019
Resultado da classificação 22/02/2019
Interposição de Recurso 25 a 27/02/2019
Período de Matrícula 28/02/2019 a 08/03/2019
Segunda chamada para matrícula 11/03/2019 a 13/03/2019

8
I. Apresentação do Curso

Título: Especialização em Gestão de Processos Industriais (MBA), curso 100%


presencial.

Introdução

O Estado do Paraná viveu importantes transformações nas últimas décadas. Uma


delas foi a mudança de uma economia fundamentada no agronegócio para uma ampla
indústria de transformação. O crescimento industrial do Paraná traduz-se na elevação de sua
participação relativa no setor industrial brasileiro, que passa de 2,96% em 1970 para 6,13% 10
anos depois (IPARDES, 1982, p.42). Os dados sobre a composição do Produto Interno Bruto
(PIB) ratificam a expansão industrial. Em 1970, a agropecuária representava 25,6%, frente a
23,6% da indústria e 50,8% dos serviços. Em 1980, a agropecuária caiu para 19,4%,
ultrapassada pela indústria, com 28,8%, e com os serviços representando 51,8% (VOLACO,
1991, p.1). Dados recentes do IPARDES e IBGE 2014 mostram que o segmento industrial
ainda contribui de modo significativo para a economia do estado com 26,2% do valor
adicionado em 2013, conforme apresentado no gráfico da figura 1.

Figura 1: Composição do valor Adicionado 2013


Fonte: IBGE, IPARDES

Neste contexto, o valor da transformação industrial do Paraná atingiu R$ 78 bilhões em


2013. Na estrutura da indústria de transformação, predominam os segmentos de alimentos,
veículos automotores, refino de petróleo, máquinas e equipamentos, papel e celulose e
produtos químicos são responsáveis por aproximadamente 64,4% conforme o gráfico
apresentado na figura 2 (IPARDES, 2014).

9
Figura 2: Segmentos da Indústria de Transformação no Paraná
Fonte: IBGE

A figura 3 apresenta os valores envolvidos na indústria de transformação do Estado


do Paraná em milhões de R$ (IPARDES, 2014).

Figura 3: Valor da Transformação Industrial, segundo atividade econômica na Paraná 2014


Fonte: IBGE - Pesquisa Industrial Anual – Empresa

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio (MDIC), figura


4, estes valores colocam o Estado do Paraná como a terceira maior indústria de transformação
no Brasil, atrás apenas dos Estados de São Paulo e Minas Gerais (IPARDES, 2014).

10
Figura 4: Valor da Transformação Industrial, segundo os principais Estados – 2010/2014
Fonte: MDIC (Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio)

Dentro deste contexto, as economias dos municípios da Região Metropolitana de


Curitiba estão entre as maiores do Estado. Em razão do dinamismo da indústria e dos serviços,
Curitiba e São José dos Pinhais são os municípios mais representativos no PIB do Paraná. No
interior do Estado, Londrina, Maringá e Ponta Grossa têm forte presença da agroindústria e
dos serviços. Já no litoral, Paranaguá se destaca pelas atividades ligadas ao Porto (IPARDES,
2014). A figura 5 apresenta estas considerações.

MUNICÍPIO PIB (R$ mil correntes) PARTICIPAÇÃO


(%)

Curitiba 79.383.343 23,85

São José dos Pinhais 25.238.577 7,58

Londrina 15.930.758 4,79

Maringá 13.733.657 4,13

Ponta Grossa 10.280.846 3,09

Foz do Iguaçu 9.877.010 2,97

Cascavel 8.403.195 2,52

Araucária 7.360.425 2,21

Paranaguá 6.160.076 1,85

Pinhais 4.947.752 1,49

Outros municípios 151.521.528 45,52

PARANÁ 332.837.167 100,00


Figura 5: PIB dos Municípios do Estado do Paraná
Fontes: IBGE, IPARDES

11
Deste modo, quando se considera toda uma região de 400 km a partir de Curitiba, temos
mais de 50% PIB estadual. Quando se estende esta distância para Estados como São Paulo e
Santa Catarina, englobam-se cidades como São Paulo, Joinville, Itajaí, Blumenau, Jaraguá do
Sul e Florianópolis, por exemplo.
Levantamentos da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC)
colocam a cidade de Joinville no topo do ranking dos municípios catarinenses com o maior PIB,
segundo pesquisa feita pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A cidade
mais populosa do Estado obteve o resultado de R$ 21,9 bilhões. Em seguida, aparece Itajaí,
que alcançou R$ 15,3 bilhões, ultrapassando Florianópolis, que ficou em terceiro lugar, com R$
14,6 bilhões conforme o Mapa das Riquezas do Estado (FIESCNET, 2015), conforme
apresentado na figura 6. Sendo assim, e a partir de todos estes aspectos considerados, a
cidade de Curitiba encontra-se no centro de uma região de intensa atividade industrial e
produtora de grandes riquezas no Brasil.

Figura 6: Mapa das Riquezas, maiores cidades que concentram dinheiro em Santa Catarina.
Fonte: FIESC

12
Ao considerarmos todos estes aspectos, a região composta pelos Estados de São
Paulo, Paraná e Santa Catarina nesta ordem, e com folga, é tida como a mais competitiva do
Brasil, de acordo com o Centro de Liderança Pública (CLP) em pesquisa apoiada pela
Consultoria Tendências e da Economist Intelligence Unit, a divisão de pesquisas do grupo
britânico que publica a revista The Economist. A figura 7 apresenta este levantamento.

Figura 7: Ranking de Competitividade dos Estados Brasileiros


Fonte: Revista Veja

Apesar deste maior viés industrial, o Estado do Paraná tem uma parcela significativa da
sua economia voltada para o agronegócio. O Agrobusiness representava 10,4% do PIB
estadual de acordo com o IPARDES em 2013. Na safra 2014/2015 o Estado do Paraná obteve
o segundo lugar nacional no ranking de produção de grãos segundo o levantamento da
CONAB em 2015 conforme figura 8.

13
Figura 8: Produção Nacional de Grãos, ranking dos estados (Safra 14/15)
Fonte: CONAB – 4º Levantamento de Grãos (Safra 2014/2015) – janeiro 2015.

Este importante posicionamento do Estado no contexto nacional é resultado da


utilização das mais avançadas e importantes técnicas de automação de máquinas e processos.
Desde uma pequena cultura de morango às grandes lavouras mecanizadas, a automação
encontra-se presente nos sistemas de monitoramento, armazenamento, plantio e colheitas.
Assim como, na criação de animais confinados, proporcionando a estes o conforto e bem estar
necessários através de ambientes climatizados e alimentação na quantidade e momento
correto.
A automação de tais processos se dá através da utilização das tecnologias do ar
comprimido (pneumática), controles óleo-hidráulicos (grandes máquinas, tratores e
colheitadeiras), sensores, sistemas eletromagnéticos e eletropneumáticos, bem como
controladores lógicos programáveis de pequeno porte. Neste caso, é altamente recomendável
que profissionais como Engenheiros Agrônomos, técnicos agrícolas e administrados de
fazendas, tenham uma ampla visão de como se desenvolvem os processos de automação.
Diante deste enorme potencial de riquezas proporcionado pela indústria de
transformação e o agrobusiness, observa-se a necessidade de mão de obra especializada e
altamente qualificada para todos estes processos. O Departamento Acadêmico de
Eletrotécnica (DAELT) propõe a oferta de um curso único e inédito de MBA em Gestão de
Processos Industriais (Lato Sensu) para atender tal demanda. O curso terá 100% das suas
aulas presenciais, sendo composto de atividades práticas de laboratórios e aulas
expositivas. Este curso contará, também, com a colaboração de professores do DAELN e do
DAMEC.
Este curso tem uma proposta diferenciada que visa trabalhar os mais abrangentes
aspectos tecnológicos observados no chão de fábrica e que norteiam toda operação fabril.
Com a oferta deste curso poderemos qualificar profissionais das mais diferentes áreas e
processos da indústria de transformação ou agrobusiness.

14
Este processo de qualificação abrange todas as áreas de Engenharia, desde a
Sanitária até Aeroespacial. Todas as áreas dos Cursos Superiores de Tecnologia, Matemática
e Física, voltados para a indústria, bem como Profissionais de TI e Administração de Empresas
que atuam na gestão e supervisão de processos industriais.
O curso ainda se mostra viável em razão da grande quantidade de profissionais de
Engenharia formados nesta região. Os cursos de Engenharia não possuem uma abordagem
tão ampla quanto à oferecida pelo MBA em Gestão de Processos Industriais. Isto significa que
os profissionais de diferentes áreas da engenharia como mecânica, elétrica, eletrônica,
mecatrônica, química, madeireira, civil, produção, sanitária, alimentos, agronomia, computação,
minas, naval, aeroespacial, nuclear e etc, estarão aptos a realizar esta qualificação. A
automação de processos industriais, também, tem recebido profissionais de TI, Ciência da
Computação, Matemática Industrial que atuam na programação de lógicas de controle
(Linguagens de Programação) e Administração de Empresas na gestão dos processos
produtivos.
Estes profissionais precisam aprender e praticar os conceitos e fundamentos que
regem a automação, manutenção, operação e gestão de processos industriais, para
rapidamente apresentarem resultados que os possibilitem acompanhar, aprimorar ou implantar
novos processos. Neste contexto, o Curso de MBA em Gestão de Processos Industriais está
fortemente apoiado nos aspectos práticos que se desenvolvem cotidianamente nas indústrias.
Cabe ressaltar que os cursos intitulados de MBA, diferenciam-se dos tradicionais cursos de
especialização em razão de terem um forte apelo de inserção no mercado de trabalho. Isto se
deve à grande quantidade de conteúdos que abordam a prática das empresas. Para tanto, o
DAELT disponibilizará uma família de laboratórios que atendam plenamente este desejo do
aluno e a necessidade do curso.

A. Objetivos

Objetivo Geral

Capacitar profissionais das mais diferentes áreas da Engenharia e áreas afins a


atuarem de forma autônoma, fornecendo lhes conhecimentos técnicos e gestor sobre as
diferentes técnicas e tecnologias utilizadas na automação de processos industriais.

Objetivos Específicos:

 Apresentar as principais tecnologias e equipamentos utilizados em processos industriais;


 Apresentar os conceitos e fundamentos utilizados na automação de processos industriais;
 Desenvolver habilidades da gestão tecnológica do chão de fábrica para manutenção e
implantação de novos projetos de processos industriais;

15
 Apresentar ferramentas para a gestão e tomada de decisão em novos projetos de
automação.

B) Justificativas

As características da economia brasileira definem, e muito, o perfil de atuação do


engenheiro formado em nossas instituições de ensino. O parque industrial brasileiro é
composto, em sua essência, pelas indústrias de transformação. As indústrias que atuam em
pesquisa e desenvolvimento estão presentes em menor número. Deste modo, uma grande
parcela dos profissionais de engenharia e outras funções que atuam nas indústrias brasileiras
simplesmente operam processos. Infelizmente, as Universidades brasileiras não conseguem
formar profissionais com um perfil técnico e gestor para a grande maioria dos processos
industriais.
Tais características serão adquiridas somente com a atuação profissional e a um
custo bastante elevado no que diz respeito à produtividade profissional, pois leva-se muito
tempo para adquiri-las. O curso propõe uma formação ampla e abrangente nestas duas áreas.
O curso será desenvolvido em duas etapas com aulas 100% presenciais, sendo que
cada etapa terá como período de duração um ano letivo. O primeiro ano do curso constará de
um conjunto de 12 disciplinas de caráter essencialmente técnico ao abordar as tecnologias de
chão de fábrica mais presentes nas instalações fabris e ministradas através do corpo técnico
de Professores da UTFPR. Esta primeira formação é muito importante, pois não é possível se
tomar uma decisão correta quanto a um projeto sem o conhecimento das questões
tecnológicas do processo.
No segundo ano de curso e com todos os fundamentos técnicos esclarecidos, será
abordada a gestão de processos automatizados através de um elenco de 10 disciplinas que
comtemplam a gestão de custos, projetos, metodologia de projetos e gestão tecnológica, por
exemplo. Para esta etapa serão convidados profissionais do mercado com o objetivo de
desenvolver uma abordagem mais realística das situações vivenciadas cotidianamente na
atuação dos profissionais de automação e controle de processos industriais.
A oferta na UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Campus Curitiba)
do Curso de MBA em Gestão de Processos Industriais – Turma 2018-2019, em nível de Pós-
Graduação Lato-Sensu, justifica-se pelos seguintes argumentos:

 Carência na oferta deste tipo de especialização aos profissionais das diferentes áreas
das Engenharias e áreas afins, Tecnologia ou Administração da Produção no Paraná e
no Brasil;
 Os modernos processos industriais caracterizam-se por uma grande complexidade nas
mais diferentes áreas de conhecimento tais como: controle de máquinas, automação,

16
instrumentação e etc. Isto demanda profissionais altamente capacitados para operá-los e
gerenciá-los.
 Os diferentes cursos de Engenharia e Tecnologia não oferecem conhecimentos e
amplas habilidades em todas as áreas da automação;
 A presença, cada vez maior, de profissionais das áreas de Administração da Produção e
Tecnologias da Informação atuando na operação de processos industriais
automatizados;
 As competências e habilidades proporcionadas pelo curso de MBA em Gestão de
Processos Industriais, previstas neste projeto, ampliarão a empregabilidade dos
egressos das diferentes áreas das engenharias, tecnologias, administração da produção
e tecnologia da informação, trazendo benefícios diretos para estes profissionais,
empresas e para a sociedade;
 A UTFPR possui um conjunto de excelentes laboratórios, conhecimento, professores
capacitados e experientes para o ensino da automação, uma vez que ofertamos o curso
de Engenharia de Controle e Automação e que está classificado entre os 8 melhores do
Brasil, de acordo com o Ranking de Universidades da Folha de São Paulo (RUF- 2016);
 Os laboratórios possuem tecnologia moderna, o que proporciona uma sintonia com a
evolução tecnológica da indústria, isto é, o Technological Time é agora em virtude da
rápida evolução que existe na indústria;
 O custo de manutenção destes laboratórios é elevado e, sendo assim, é necessário um
elevado dispêndio de recursos em sua manutenção;
 O momento econômico não é favorável, isto impõe uma busca por recursos que
possibilitem a continuidade e desenvolvimento das atividades acadêmicas;
 Por intermédio de articulações com empresas e outras instituições de ensino a UTFPR
apresenta reais condições estruturais e de pessoal para a implantação do curso de MBA
em Gestão de Processos Industriais, aumentando seu engajamento na formação de
pessoas com o perfil exigido pelo mercado de trabalho atual.

Em razão destas circunstâncias o curso de MBA em Gestão de Processos Industriais


mostra-se viável.

Referências Bibliográficas

 CONAB – 4º Levantamento de Grãos (Safra 2014/2015) – janeiro 2015. Estimativa


 IPARDES (1982). Paraná: desempenho macroeconômico -1982. Curitiba.
 Veja,Revista Pág. 66 Edição 2497 – ano 49 –n 39, 28 de Setembro de 2016 Editora Abril.
 VOLACO, Gilson et al. (1991). Economia Paranaense: Desempenho recente e cenários de
curto prazo. Análise Conjuntural, Curitiba: IPARDES, v, l 3 , n.4, p.1 -9, abr.
 http://www.ipardes.pr.gov.br/pr_numeros/index_pr_numeros_pt.htm
 http://www2.fiescnet.com.br/web/pt/site_topo/pei/produtos/show/id/46

17
C) Vagas ofertadas

Serão ofertadas 27 vagas

D) Critérios a serem utilizados na seleção

i. Seleção de alunos da comunidade externa

1. Curriculum Vitae;
2. Histórico Escolar do Curso de Graduação;
3. Experiência Profissional;
4. Idade dos candidatos, com prioridade para o mais idoso.

Modalidade de Trabalho de Conclusão de Curso

1. Elaboração individual de uma Monografia e apresentação da mesma perante banca


avaliadora, ou;
2. Artigo aceito ou publicado em anais de congresso científico nacional ou internacional,
ou em periódico de abrangência nacional ou internacional relacionada com a área de
conhecimento do Curso.

E) Previsão de Certificação de Especialização (Lato Sensu – 545 horas)


Sim.

F) NÃO será emitido qualquer tipo de certificação para os alunos que não concluírem
integralmente o curso.

II. Matriz Curricular


A. Disciplinas, Ementas e Cargas horárias.

Título da Disciplina: CONTROLE DE VELOCIDADE DE


Carga Horária
30
MÁQUINAS ELÉTRICAS (h)
Ementa
Estudo do comportamento de máquinas elétricas operando em regime estacionário e
transitório; Modelagem de máquinas elétricas de corrente alternada operando em regime
permanente e transitório; Controle de velocidade em malha aberta e fechada de máquinas
elétricas de corrente alternada; Analisar e planejar a aplicação do acionamento de máquinas
utilizando os princípios de controle eletrônico baseado em eletrônica de potência; Fundamentar
a aplicação, instalação, parametrização e operação de conversores CA-CC, inversores de
frequência, softstarter e choppers.
Bibliografia
MOHAN Ned, Máquinas Elétricas e Acionamentos. 1. ed. Rio de Janeiro, RJ. Editora LTC,
2015. 239 p. ISBN 078-85-216-2761-3

18
MUHAMMAD, Rashid, Eletrônica de Potência; Editora: Makron Books, 1999. ISBN 0-13-
101140-5
BOSE, B. K. Power electronics and AC drives. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1986.
WEG – Manuais e Guias de Aplicação: Inversor, conversor CA-CC e softstarter.

Título da Disciplina: GESTÃO DA MANUTENÇÃO Carga Horária


20
(h)
Ementa
O papel da Manutenção na gestão dos ativos físicos; Noções sobre terotecnologia; Noções
sobre Gestão de Ativos – guia pas-55 e ISO 55000; Funções básicas do PCM; Tipos de
Manutenção; Comparação dos Tipos de Manutenção; Curva da banheira; Como surgem as
falhas; Custo por tipo de Manutenção; Formas de Estruturação da Manutenção; Custos de
Manutenção; Documentação da Manutenção; Priorização da Manutenção; Classificação dos
equipamentos.
Bibliografia
KARDEC, Alane XAVIER, Júlio de Aquino Nascif. Manutenção – Função Estratégica. Ed.
Qualitymark. Rio de Janeiro – Brasil. 2013. 341p
NASCIF, Julio e DORIGO, Luiz Carlos. Manutenção Orientada para Resultados. Qualitymark
Editora. Rio de Janeiro – RJ – Brasil. 2013
XENOS, Harilaus G. Gerenciando a Manutenção Produtiva. Ed. DG. Belo Horizonte. 2005,
302p
ASSIS, Rui. Apoio à Decisão em Gestão da Manutenção. Ed. LIDEL. Lisboa – Portugal.
2007, 384p
RODRIGUES, Marcelo. Gestão da manutenção elétrica, eletrônica e mecânica. Ed Base.
Curitiba – Brasil. 2010. 152p
TAVARES, Lourival Augusto. Manutenção Centrada no Negócio. Rio de Janeiro – RJ –
Brasil. 2005.

Título da Disciplina: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL –


Carga Horária
30
CALIBRAÇÃO DE TRANSMISSORES INTELIGENTES (h)
Ementa
Princípios físicos, construtivos operacionais e de especificação de sensores de proximidade
utilizados em sistemas de automação industrial. Características metrológicas de sistemas de
medição. Princípios físicos, construtivos operacionais e de especificação de sistemas de
medição de grandezas físicas relacionadas ao controle de processos industriais como
temperatura, pressão, nível e vazão. Princípios construtivos, características operacionais e
especificação de válvulas de em controle em processos industriais.
Bibliografia
BHUYAN, Manabendra Instrumentação Inteligente: Princípios e Aplicações1ª ed. Editora
LTC Rio de Janeiro 2013.
AGUIRRE, Luis Antônio. Fundamentos de Instrumentação1ª ed. Editora Pearson São Paulo
2013.
BEGA, Egídio Alberto. Instrumentação industrial. Rio de Janeiro: Interciência 2005.
BALBINOT, Alexandre; BRUSAMARELLO, Valner J. Instrumentação e Fundamentos de
Medidas 2ª ed. Vol. 1 Editora LTC Rio de Janeiro 2013.
BALBINOT, Alexandre; BRUSAMARELLO, Valner J. Instrumentação e Fundamentos de
Medidas 2ª ed. Vol. 2 Editora LTC Rio de Janeiro 2013.
DUNN, William C. Instrumentação Industrial e Controle de Processos 1ª ed. Editora
Bookman Porto Alegre 2013
ALVES, José Luiz Loureiro. Instrumentação, Controle e Automação de Processos. Editora
LTC. Rio de Janeiro 2008
BOLTON, W. Mecatrônica: Uma Abordagem Multidisciplinar 4ª edição Editora Bookman
Porto Alegre 2013.

19
Título da Disciplina: REDES INDUSTRIAIS PARA CONTROLE
Carga Horária
40
DE PROCESSOS E SISTEMAS DE MANUFATURA (h)
Ementa
Redes de Chão de Fábrica; Níveis Físicos; Níveis de Enlace, Níveis de Rede, Níveis de
Transporte, Níveis de Sessão, Níveis de Apresentação, Níveis de Aplicação; Sistemas de
Gerenciamento; Interconexões; Atividades Práticas com Redes Profibus PA, Atividades
Práticas com Redes FieldBus Foundation, Atividades Práticas com Redes AS-i Atividades
Práticas com Redes HART. Redes PROFINET
Bibliografia
IAN Verhappen e Augusto Passos Pereira. Foundation Fieldbus. 4. ed. Rio de Janeiro, RJ: All
Print Editors.
LUGLI, Alexandre B.e SANTOS, Max M. D.; Redes Sem Fio para Automação Industrial
Editora Érica São Paulo 2014LUGLI, Alexandre B. e SANTOS, Max M. D.; Redes Industriais
para Automação Industrial - AS-i, Profibus e Profinet Editora Érica São Paulo 2010LUGLI,
Alexandre B.; SANTOS, Max M. D.; Sistemas Fieldbus para Automação Industrial–
Devicenet, CANopen, SDS e Ethernet Editora Érica São Paulo 2010LUGLI, Alexandre B. e
SANTOS, Max M. D.; Redes Industriais: Características, Padrões e Aplicações Editora
Érica Saraiva

Título da Disciplina: SISTEMAS ELETROMAGNÉTICOS E


Carga Horária
30
ELETROPNEUMÁTICOS (h)
Ementa
Dispositivos de comando e proteção, sensores industriais, sistemas de partida de motores
trifásicos, lógica de relés, sistemas de intertravamento e segurança, desenvolvimento de
projetos lógicos. Métodos Sistemáticos Eletropneumáticos (Intuitivo, Cascata e Passo a Passo)
para a elaboração de projetos lógicos, ensaios nos painéis didáticos.
Bibliografia
LELUDAK, Jorge Assade. Acionamentos Eletromagnéticos. Curitiba. Editora Base. 2008
FRANCHI, Claiton Moro. Acionamentos Elétricos, São Paulo. Érica. 2011
NASCIMENTO, G, Comandos Elétricos - Teoria e Atividades. Editora Érica. São Paulo 2011.
PAPENKORT, Franz, Esquemas Elétricos de Comando e Proteção. Editora Pedagógica e
Universitária, 1989.

Título da Disciplina: SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO


Carga Horária
30
PNEUMÁTICA (h)
Ementa
Redes de Ar comprimido. Tipos de Compressores: Êmbolo, parafuso, palhetas, centrífugos.
Tipos de secadores: absorção, adsorção e de refrigeração. Ponto de orvalho e aplicações
industriais. Válvulas de controle direcional, válvulas de bloqueio, válvulas de fluxo, válvulas
auxiliares. Atuadores Pneumáticos de Dupla e Simples ação. Método Intuitivo, Método Cascata
e Método Passo a Passo. Elaboração de ensaios de circuitos de comando pneumáticos nos
painéis didáticos.
Bibliografia
LELUDAK, Jorge Assade. Acionamentos Eletropneumáticos. Curitiba. Editora Base. 2008
FIALHO, Arivelton Bustamante, Automação Pneumática: Projetos, Dimensionamento e
Análise de Circuitos, 1ª ed São Paulo Editora Érica, 2003.
BOLLMANN, Arno. Fundamentos da Automação Industrial Pneutrônica1ª ed. Editora
ABHP, 1997.
BONACORSO, Nelson Gauze. Automação Eletropneumática. São Paulo. Érica
STEWART, Harry L. Pneumática & Hidráulica 3ª ed. São Paulo EditoraHemus, 2003

20
Título da Disciplina: CONTROLADORES LÓGICOS
Carga Horária
30
PROGRAMÁVEIS. (h)
Ementa
Evolução do Controle Industrial. As plataformas de Controle CLP e SDCD. Sistemas de
Supervisão Industrial SCADA e DCS. Princípio de Funcionamento. Elementos de Hardware e
Software. Linguagens de Programação. Operadores e Instruções Booleanas, Byte e Word.
Lógica Combinacional e Sequencial. Circuitos de Detecção de Borda, Sistemas de
Intertravamento, Timers, Sequenciadores (SFC), blocos de data e hora, Contadores,
Comparadores, Operações Matemáticas, Registradores de Deslocamento. Elaboração de
blocos de Funções. Variáveis locais, globais e definidas pelo usuário. Manipulação de Matrizes
(ARRAYS). Manipulação de Variáveis analógicas. Solução de Problemas e Modelagem de
processos Sequenciais. Representação Gráfica para o Modelamento de Lógica Sequencial
(GRAFCET ou SFC). Metodologia de Implementação de Sistemas Sequenciais. Solução de
Problemas.
Bibliografia
FRANCHI, Claiton M.; CAMARGO, Valter L. A. Controladores Lógicos Programáveis,
Sistemas Discretos. 2 ed. São Paulo: Érica, 2009.
PRUDENTE, Francesco. Automação Industrial: PLC, Programação e Instalação. 2ª ed. Rio
de Janeiro: Editora LTC, 2013
PRUDENTE, Francesco. Automação Industrial: PLC, Teoria e Aplicações. 2ª ed. Rio de
Janeiro: Editora LTC, 2013
GEORGINI, Marcelo. Automação Aplicada: Descrição e Implementação de Sistemas
Sequenciais com PLCs. 9. ed. São Paulo: Érica, 2007.
ROQUE, Luiz A. O. Lima. Automação de Processos com Linguagem Ladder e Sistemas
Supervisórios. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora LTC, 2014.
CASTRUCCI, Plínio de L.; MORAES, Cícero C. de. Engenharia de Automação Industrial. 2.
ed. Rio de Janeiro: LTC, 2007.
NATALE, Ferdinando. Automação Industrial. 10. ed. São Paulo: Érica, 2009.

Título da Disciplina: ACIONAMENTO E MANUTENÇÃO DE


Carga Horária
30
SERVOMOTORES E MOTORES DE PASSO (h)
Ementa
Classificação dos acionamentos. Especificação de torque x velocidade. Introdução a
Servomotores. Sistema de controle. Geração de trajetória. Controle escalar, Controle vetorial
“sensorless”, Controle vetorial. Servoconversor: Encoder e resolver. Motor de passo, Relutância
variável, Ímã permanente, Híbrido. Verificação da resistência de isolamento. Medição da
Resistência ôhmica dos enrolamentos. Análise de vibrações mecânicas. Ajuste do sincronismo
estator/rotor (faseamento do resolver), usando osciloscópio.
Bibliografia
nd
BOLDEA, Ion; NASAR, S.A. Electric Drives. London: Taylor & Francis, 2 edition, 2006.
BOSE, Bimal K. Modern Power Electronics and AC Drives. N.Y.: Prentice Hall, 1st edition,
2001
KRAUSE, Paul C.; WASYNCZUK, Oleg; SUDHOFF, Scott D. Analysis of Electric
Machineryand Drive Systems. N.Y. IEEE, 2nd edition, 2001.
LEONHARD, Werner. Control of Electrical Drives. N Y: Springer Verlag, 3nd edition, 2001.
VALENTINE, Richard. Motor Control Electronics Handbook. McGraw-Hill Professional, 1
edition,1998.
ACARNELY, Paul. Stepping Motors: A Guide to Theory and Practice. Institution of Electrical
Engineers, 4 edition, 2002.
EL-SHARKAWI, Mohamed. Fundamentals of Electric Drives. CL-Engineering, 1° edition,
2000.

21
Título da Disciplina: GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE CAMPO
(AMS): VÁLVULAS DE CONTROLE E TRANSMISSORES Carga Horária
20
(h)
INTELIGENTES
Ementa
Trabalhando com o Software de Gerenciamento de Ativos (Asset Management System-AMS),
Realizar diagnósticos avançados online, calibrar válvulas de controle, testes de assinatura de
válvulas, ciclo de operação das válvulas de controle, testes de partial stroke, Alerta de desvio de
percurso. Diagnósticos Dinâmicos, Rotas de Calibração, calibração e configuração de transmissores
inteligentes de pressão e temperatura HART.
Bibliografia
RIBEIRO, Marco A., Especificações de Instrumentos1ª ed. Editora Tek Treinamento &
Consultoria Salvador 2008.
RIBEIRO, Marco A., Válvulas de Controle e Segurança 5ª ed. Editora Tek Treinamento &
Consultoria Salvador 1999
KARDEC, Alan; ESMERALDO, João; LAFRAIA, João R.; NASCIF, Júlio; Gestão de Ativos
Editora QualityMark Rio de Janeiro 2014

Título da Disciplina: METODOLOGIA DA PESQUISA Carga Horária


20
(h)
Ementa
Fundamentos da Pesquisa Científica e da Metodologia de Pesquisa; Fases da Pesquisa
Científica: Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa de Documentos, Pesquisa em Fontes Eletrônicas,
Pesquisas de Campo; Coleta e Análise de Dados; Produções Científicas: Projeto e Relatório de
Pesquisa, Monografia, Dissertação, Tese, Artigo; Elaboração de Referências; Normas para
Elaboração de Trabalhos Acadêmicos; Sistemas de Avaliação de Produção Científica; Trabalho
Prático.
Bibliografia
FERRAREZI JUNIOR, Celso. Guia do trabalho científico: do projeto à redação final:
monografia, dissertação e tese. São Paulo, SP: Contexto, 2011. 153, [4] p. ISBN
9788572446310.
SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. rev. e atual. São
Paulo, SP: Cortez, 2007. 304 p. ISBN 9788524913112.
CONSTRUINDO o saber: metodologia científica, fundamentos e técnicas. 16. ed.
Campinas: Papirus, 2005. 175 p. ISBN 85-308-0071-0
CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino; SILVA, Roberto da. Metodologia científica. 6.
ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007. xii, 162 p. ISBN 8576050471.
ECO, Umberto. Como se faz uma tese. 24. ed. São Paulo, SP: Perspectiva, 2012. xv,174 p.
(Estudos; 85) ISBN 9788527300797.
GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2010.
184 p. ISBN 852240724X.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia
científica. 7. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2010. 297 p. ISBN 9788522457588.
MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa: planejamento
e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e
interpretação de dados. 7. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2008. xiii, 277 p. ISBN 9788522451524.
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Sistema de Bibliotecas. Normas
para elaboração de trabalhos acadêmicos. Curitiba, PR: UTFPR, 2009. 116 p. ISBN
9788570140470.

22
Título da Disciplina: GESTÃO DA AUTOMAÇÃO NO ÂMBITO
Carga Horária
20
DA INDÚSTRIA 4.0 (h)
Ementa
Conceito de Indústria 4.0; Presente e futuro da integração da manufatura, suas ferramentas e
seus desafios de gestão, capacitação profissional em automação de processos industriais.
Bibliografia
GROOVER, Mikell P. Automação Industrial e Sistemas de Manufatura. 3.ed. São Paulo, SP:
Pearson, 2011.
GROOVER, Mikell P. Fundamentals of Modern Manufacturing: materials, processes and
systems. 6th edition. John Wiley & Sons, Inc. New Jersey 2015.
GROOVER, Mikell P. Introduction to Manufacturing Processes. 1st edition. John Wiley &
Sons, Inc. New Jersey 2011.
Artigos científicos
INDUSTRIE 4.0 WORKING GROUP - Recommendations for implementing the
strategic initiative INDUSTRIE 4.0. Final report, April, 2013.

MACDOUGALL, William. Industrie 4.0: Smart manufacturing for the future. Germany
Trade & Invest, 2014.

Título da Disciplina: SISTEMAS DE CONTROLES ÓLEO-


Carga Horária
30
HIDRÁULICOS INDUSTRIAIS (h)
Ementa
Princípios de Sistemas Hidráulicos. Aplicações e Simbologias. Sistemas hidráulicos e instalações.
Componentes de Sistemas Hidráulicos. Fluídos hidráulicos e tecnologias de filtragem e interligação.
Dimensionamento de Componentes e de Sistemas Hidráulicos. Técnicas de comando hidráulico,
componentes eletroeletrônicos e de controle aplicados à automação hidráulica e aplicações em sistemas
fundamentais. Sistemas hidráulicos industriais e sistemas especializados: Análise, síntese e simulação de
sistemas hidráulicos industriais e seu controle.
Bibliografia
LINSINGEN, Irlan Fundamentos de Sistemas Hidráulicos UFSC Florianópolis 2002
FIALHO, Arivelton Bustamante, Automação Hidráulica: Projetos, Dimensionamento e
Análise de Circuitos, 1ª ed São Paulo Editora Érica, 2002.
STEWART, Harry L. Pneumática & Hidráulica 3ª ed. São Paulo Editora Hemus, 2003
RACINE HIDRÁULICA Manual de Hidráulica Básica. Racine Hidráulica Cachoeirinha-RS
1981
MANNESMAN REXROTH Hidráulica- Princípios Básicos e Componentes da Tecnologia
dos Fluidos. São Bernardo do Campo 1991

Título da Disciplina: CONTROLE AUTOMÁTICO DE


Carga Horária
30
PROCESSOS (h)
Ementa
Representação e modelos de sistemas. Ferramentas de análise e projeto de sistemas
contínuos. Sistemas de controle industriais. Estratégias de controle. Sintonia de
controladores.
Bibliografia
NISE, Norman S. Engenharia de Sistemas de Controle. 3.ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos
e Científicos, 2002.
OGATA, Katsuhiko. Engenharia de Controle Moderno. 3.ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos
e Científicos, 2000. (Obs.: alternativamente, pode ser a edição de 1982, da Prentice/Hall do
Brasil.)
CARVALHO, J. L. Martins de: Sistemas de Controle Automático. Rio de Janeiro: LTC, 2000.
DORF, Richard C., BISHOP, Robert H.: Sistemas de Controle Modernos. Rio de Janeiro
LTC, 2001.
KUO, Benjamin C: Sistemas de Controle Automático. Rio de Janeiro: Prentice-Hall, 1985

23
Título da Disciplina: GESTÃO DE OPERAÇÕES E
MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE INSTRUMENTAÇÃO E Carga Horária
20
(h)
CONTROLES INDUSTRIAIS.
Ementa
Importância dos sistemas de controle e instrumentação na indústria; Histórico e evolução da
manutenção de instrumentação e controle industrial; Ciclo de vida de sistemas de
instrumentação e controle; Princípios físicos e operacionais de sistemas de instrumentação e
controle relacionados ao controle de processos industriais: temperatura, pressão, nível e vazão;
Características operacionais de válvulas de controle em processos industriais. Gestão de
manutenção baseada em confiabilidade de sistemas de instrumentação e controle industriais.
Introdução a contratos de manutenção e suporte técnico.
Bibliografia
AMERICAN NATIONAL STANDARDS INSTITUTE. Instrumentation Symbols and
Identification. North Carolina: ISA, 1992.
BEGA, Egídio Alberto. Instrumentação Industrial. Rio de Janeiro: Interciência, 25 cm. 541 p.
ALVES, José Luiz Loureiro. Instrumentação, Controle e Automação de Processos. Editora
LTC.
AMERICAN NATIONAL STANDARD. Instrumentation Symbols and Identification:
ANSI/ISA-S5.1-1984 (R 1992). Research Tringle Park: ANSI/ISA, 1992. 70 p.
MOUBRAY, John. Reliability-Centered Maintenance. 1991
NASCIMENTO, Marco Antonio Rosa do; LORA, Electo Eduardo Silva. Geração Termelétrica.
Interciência 2004
STARLING, Antônio N. Controle e Automação I: Introdução a Instrumentação Industrial.
Belo Horizonte, 2003. 102 p.
COHEN, Henry. Gas Turbine Theory. Pearson Education, 2001

Título da Disciplina: GESTÃO TECNOLÓGICA DE PROCESSOS


Carga Horária
20
INDUSTRIAIS (h)
Ementa
Novas Plantas, Caracterização dos Processos. Sistema SCADA ou SDCD. Parâmetros de
Seleção, Topologia dos Instrumentos, Controle Pneumático ou Eletrônico, Comunicação Digital
ou Analógica, Correta adequação do protocolo de comunicação ao processo. Conjunto bomba
e conversor de freqüência versus válvulas de controle. Tecnologia de motores CA, CC ou
Servomotores. Objetivos de Controle: Controle Manual ou Automático, Controle Dedicado ou
Compartilhado, Controle Centralizado ou Distribuído, Qualidade do Produto, Quantidade do
Produto, Economia do Processo, Segurança da Planta, Proteção do Processo,
Bibliografia
RIBEIRO, Marco A., Especificações de Instrumentos1ª ed. Editora Tek Treinamento &
Consultoria Salvador 2008.
RIBEIRO, Marco A., Simbologia e Identificação de Instrumentação Normas ISA Série 5
Editora Tek Treinamento & Consultoria 4ª. Edição Salvador 2012.
RIBEIRO, Marco A., Instrumentação14ª ed. Editora Tek Treinamento & Consultoria Salvador
2010.
RIBEIRO, Marco A., Controle de Processo 8ª ed. Editora Tek Treinamento & Consultoria
Salvador 2005.
RIBEIRO, Marco A., Aplicações de Automação 1ª ed. Editora Tek Treinamento & Consultoria
Salvador 2001.
RIBEIRO, Marco A., Válvulas de Controle e Segurança 5ª ed. Editora Tek Treinamento &
Consultoria Salvador 1999.

Título da Disciplina: SISTEMAS DIGITAIS DE CONTROLE


Carga Horária
20
DISTRIBUÍDO (SDCD): UMA ANÁLISE QUALITATIVA (h)
Ementa
Evolução histórica, arquitetura de um SDCD, topologias, o controle descentralizado, aquisição
de dados, barramentos de comunicação, controle estatístico de processo, aplicação em
24
processos de bateladas, troca de receitas, otimização de dados, interface com outros sistemas,
registro histórico e de tendências das variáveis de processos, geração de relatórios, funções de
alarme (sonorização, visualização e reconhecimento), variabilidade de processos, controle
avançado, sistemas redundantes. Sistemas SCADA.
Bibliografia
RIBEIRO, Marco A., Controle de Processo 8ª ed. Editora Tek Treinamento & Consultoria
Salvador 2005
FRANCHI, Claiton M.; Controle de Processos Industriais: Princípios e Aplicações. 1ª ed.
Editora Érica São Paulo 2011.
LEIGH, J.R., Applied Digital Control, 2a. ed., London, Prentice-Hall, 1992.
KISSELL, T. E., Understanding and Using Programmable Controllers, Englewood Cliffs,
Prentice Hall, 1986.
SHINSKEY, F.G., Feedback Controllers for the Process Industries, New York, McGraw-Hill,
1994

Título da Disciplina: SEMINÁRIOS Carga Horária


20
(h)
Ementa
Serão abordados temas relevantes sobre as novas tecnologias de equipamentos e sistemas de
controle utilizados nos mais diversos processos industriais. Serão convidados profissionais do
mercado com a mais ampla experiência.
 Seminário de Gestão de Pessoas e Vendas Técnicas (10h): José Retorta (ABB
– Asea Brown Boveri)
 Seminários Tecnológicos de Automação Industrial (10h): Empresas do
segmento de automação Industrial apresentarão as mais modernas
tecnologias em sistemas de Automação (Selettra Automação e Laverne –
EmersonProcess)

Título da Disciplina: FERRAMENTAS PARA TOMADA DE


Carga Horária
20
DECISÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS (h)
Ementa
Teoria da decisão. Métodos de apoio à tomada de decisão. Métodos Multi-criteria Decision
Making/Analysis (MCDM/A) tais como AHP/ANP, Electre, Promethee, TOPSIS. Modelagem e
análise de problemas de decisão em engenharia e processos industriais. Ferramentas
computacionais. Aplicações em projetos, sistemas industriais, manutenção, automação,
seleção de tecnologias, avaliação de maturidade considerando conceitos da Indústria 4.0.
Bibliografia
ALMEIDA, Adiel Teixeira de. Processo de Decisão Nas Organizações - Construindo
Modelos de Decisão Multicritério. Editora Atlas S.A, 2013.
ALMEIDA, Adiel Teixeira de, MORAIS, Danielle C., COSTA, Ana Paula C. S., ALENCAR,
Luciana H., DAHER, Suzana F. D. Decisão em Grupo e Negociação. Editora Atlas, 2012.
CAVALCANTE Cristiano A. V., ALENCAR Marcelo H., FERREIRA Rodrigo J. P., GARCEZ
Thalles V. Multicriteria and Multi objective Models for Risk, Reliability and Maintenance
Decision Analysis. Springer, 2015.

Título da Disciplina: TÓPICOS EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Carga Horária


20
(h)
Ementa
Serão abordados temas relevantes sobre as tecnologias do chão de fábrica em automação
industrial como sistemas industriais que exigem interrupções de hardware e software, sistemas
industriais síncronos e assíncronos, sistemas industriais com multiprocessamento, sistemas
industriais redundantes, redes industriais e teleprocessamento, manutenção remota.
Bibliografia

25
BERGER, Hans Automating with SIMATIC S7-1500: Configuring, Programming and
Testing with STEP 7 Professional 1st Edition ISBN-13: 978-3895784040
BERGER, Hans Automating with SIMATIC S7-1200: Configuring, Programming and
Testing with STEP 7 Basic V11; Visualization with WinCC Basic V11 2nd Edition ISBN-
13: 978-3895783852
BERGER, Hans Automating with SIMATIC S7-400 inside TIA Portal: Configuring,
Programming and Testing with STEP 7 Professional 1st Edition ISBN-13: 978-3895783838
BERGER, Hans; Automating with STEP 7 in STL and SCL: SIMATIC S7-300/400
Programmable Controllers 6th Edition ISBN-13: 978-3895784125
BERGER, Hans Automating with STEP 7 in LAD and FBD: SIMATIC S7-300/400
Programmable Controllers 5th Edition ISBN-13: 978-3895784101

Título da Disciplina: GESTÃO DA PRODUÇÃO Carga Horária


20
(h)
Ementa
Gestão Integrada de Performance, Balanced Scorecard, Administração da Produção, Sistema
de Medição de Desempenho, Modelos de Melhoria Contínua, excelência operacional e suas
ferramentas, World Class Manufacturing, Sistema de produção enxuta – Lean Manufacturing,
Just-In-Time, Kanban, Análise de Valor Agregado, , Balanceamento da Produção, Teoria das
Restrições, Gerenciamento de Gargalo, Gestão do Conhecimento, Aprendizado organizacional,
Modelos colaborativos e novas tendências de sistemas produtivos, Indústria 4.0.
Bibliografia
ALBUQUERQUE, M.E.E. e da SILVA, F.A.C Estratégia Competitiva à Estratégia de
Manufatura: Uma abordagem teórica São Paulo: Revista REad, Edição 26, Vol. 8, No. 2, mar-
abr, 2002.
CORRÊA, H.L., GIANESI, I.G.N., CAON, M., "Planejamento, Programação e Controle da
Produção: MRP II / ERP", Ed. Atlas, São Paulo. 1997,
GAITHER, N. and FRAZIER, G., Production and Operations Management, 8th ed., South
Western College Publishing, 1999.
GOLDRATT, E.M.; COX, J. A Meta – Um Processo de Melhoria Contínua. 2. ed. São Paulo:
Nobel, 2014.
KAPLAN, Robert S.; NORTON, David P. A estratégia em ação: Balanced Scorecard. 21. ed.
Rio de Janeiro: Elsevier, 1997.
KRAJEWSKI, L.J.; RITZMAN, L.P.; MALHORTA, M.K. Operations management processes
and value chains. 8. ed. Upper Saddle River, NJ, Usa: Pearson Prentice Hall, 2007.
LIKER, J.K. O Modelo Toyota – 14 Princípios de Gestão do Maior Fabricante do
Mundo. Porto Alegre: Bookman, 2005
SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuart; JOHNSTON, Robert. Administração da Produção. 2.
ed. São Paulo: Atlas, 2002.

Título da Disciplina: GERÊNCIA DE NOVOS PROJETOS EM


Carga Horária
20
AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL (h)
Ementa
Fases de um Projeto de Automação, Planejamento e monitoração do Escopo do Projeto,
Planejamento e Monitoração do Tempo do Projeto, Sequenciamento das fases de um projeto
de automação Técnicas para estimativa e controle dos Custos, A Gestão de Projetos com o
PMBOK.
Bibliografia
BRANCO, Renato H. F. e KEELING, Ralph; Gestão de Projetos Editora Saraiva 3ª ed. São
Paulo 2014.
WOILER, Sansão e MATHIAS, Washington F.; Projetos: Planejamento, Elaboração e
Análise Editora Atlas 2ª ed. São Paulo 2008.
BRUZZI, Demerval G.; Gerência de Projetos Editora SENAC 1ª ed. São Paulo 2008.
DINSMORE, Paul C. e CAVALIERI, Adriane. Como se tornar um Profissional em
Gerenciamento de Projetos Editora Qualitymark 4ª ed. Rio de Janeiro
26
B. Relação de disciplinas, docentes responsáveis, titulação e instituições envolvidas.

Disciplinas do núcleo Tecnologias de Processos Industriais (Ano de realização 2019)



de Disciplina CH Titulação Nome do Professor Instituição
Ordem

1 Sistemas Eletromagnéticos e Eletropneumáticos 30 Mestre Daniel Balieiro Silva UTFPR

2 Sistemas de Automação Pneumática 30 Doutor Marco Antônio Busetti UTFPR

3 Controles Óleo-Hidráulicos Industriais 30 Doutor Celso Salamon UTFPR

4 Controladores Lógicos Programáveis (SIEMENS) 30 Mestre Daniel Balieiro Silva UTFPR


Walter Denis Cruz
5 Controle de Velocidade de Máquinas Elétricas 30 Doutor UTFPR
Sanchez

6 Instrumentação Industrial: Calibração de Transmissores 30 Mestre Daniel Balieiro Silva UTFPR


Inteligentes

7 Controle Automático de Processos 30 Doutor Guilherme A. Schneider UTFPR

Ednilson Maciel e
8 Acionamento e Manutenção de Servomotores e Motores 30 Mestre UTFPR
Jaime Favretto
de Passo
Tecnólogo
Processamento Paulo Roberto Frade T4M
Redes Industriais para Controle de Processos e Sistemas
9 40 de Dados Teixeira Consultoria
de Manufatura
E e E
Doutor Thiago Passarin UTFPR
Sistemas Digitais de Controle Distribuído (SDCD): Uma
10 20 Mestre Carlos Roberto Chaves Petrobrás
análise qualitativa

Peróxidos
11 Gerenciamento de Ativos de Campo (AMS): Válvulas de 20 Esp. Luiz Santos Resende
do Brasil
Controle e Transmissores Inteligentes

12 Metodologia da Pesquisa 20 Mestre José da Silva Maia UTFPR

Disciplinas do núcleo Gestor de Processos Industriais (Ano de realização 2020)

Ferramentas para Tomadas de Decisão em Processos


13 20 Doutor Eduardo de F. R. Loures UTFPR
Industriais

14 Gestão da Manutenção 20 Doutor Marcelo Rodrigues UTFPR

Luiz Carlos de Abreu


15 Gestão da Automação no Âmbito da Indústria 4.0 20 Doutor UTFPR
Rodrigues
Engº. NWM
Gestão Tecnológica de Processos Industriais 20 Nilton Werneck Marussig
16 ELN. Automação

Gestão de Operações e Manutenção de Sistemas de Edson Gonçalves de


17 20 Esp. COPEL
Instrumentação e Controles Industriais Oliveira

27
Coca-cola
18 Gestão da Produção 20 Esp. Mário César Schafaschek
FEMSA
Douglas Camargo Von LAPLACE
19 Gerência de Novos Projetos em Automação Industrial 20 Esp. Hartenthal
Automação
Engº. SCL
20 Tópicos em Automação Industrial 20 Hélio Cardoso da Silva
ELN Automação
Doutor Luiz Erley Schafranski
21 Seminários 20 E E UTFPR
Mestre Vilmar Ermênio Virmond

A carga horária total do curso será 525 horas/aula, nesta carga horária
estão inclusas 5 horas/aula referente à aula inaugural.

Palestrante Empresa
Cláudio Fiorese PHOENIX CONTACT
Julimar Moraes JBR Automação Industrial LTDA.
Felipe Anaya e Ewerton
FESTO Automação Pneumática
Garcia
Junio Branco e Luiz Laverne – representante Emerson
Sérgio Automation Solutions
Werc Industrial – representante Yokogawa
Marcos Eckert
e Metso
Silvete Budne Pepperl + Fuchs
Célio Brandão Presys Instrumentos e Sistemas
José Retorta ABB - Asea Brown Boveri Robótica
Samuel Luiz Selettra Automação e Robótica
Luiz Lemos LemosTEC Calibração e Audiitorias

Alex Viginoski Endress + Hauser

C. Corpo Docente

O corpo docente é composto de 23 professores sendo 43,5% (Doutores), 30,5% (Mestres)


com ampla experiência em pós-graduação. Ainda, 13% (Especialistas) e 13% (Graduados –
Empresários e Consultores em Automação Industrial) de larga vivência na indústria.

28
O elenco de Professores Especialistas e Graduados vinculados ao mercado de trabalho, é
composto de profissionais com 31 anos de experiência, em média, na indústria. Alguns, inclusive,
empresários do segmento da Automação Industrial e responsáveis pelo desenvolvimento e
execução de importantes projetos nos mais diversos ramos da indústria e importantes
corporações nacionais e internacionais. Este perfil é essencial para o perfeito vínculo do curso
com a formação de profissionais altamente especializados para o mercado de trabalho e atuação
em qualquer ramo da indústria. Todos os professores com titulação de graduação (Engenheiros e
Tecnólogos) são profissionais empresários e consultores em Automação Industrial com 34,5 anos
de atuação profissional, em média.
Sabe-se que a oferta de Cursos de Especialização Lato Sensu, através das Fundações de
Apoio, começou a ocorrer após a sanção da Lei 8.958 de 20 de Setembro de 1994. Esta lei
regulamentada pelo Decreto Nº 7.423 de 14 de dezembro de 2010, em seu artigo 1o autoriza as
IFES a celebrar contratos e convênios com as suas Fundações de Apoio com a finalidade de
apoiar projetos de ensino, pesquisa, extensão e desenvolvimento institucional, científico e
tecnológico.
A inexistência da oferta dos cursos Lato Sensu, até então, pode explicar a dificuldade de se
encontrar profissionais formados nas décadas de 70 e 80 e que desenvolveram ação
empreendedora de constituírem empresas para dar suporte às indústrias no segmento de
automação industrial. Tais profissionais, após a formatura, conseguiram colocação no mercado
de trabalho e após anos de experiência desenvolveram a ação empreendedora. Sendo assim, e
de acordo com o segmento de atuação, não encontrariam nas Universidades a possibilidade de
dar continuidades a uma formação acadêmica de pós-graduação que desse suporte a atuação
técnico-profissional no segmento de automação industrial.
No Brasil, existe uma grande dificuldade de conciliar estudos e trabalho, ainda mais, estudos
e gestão do próprio negócio. Tais profissionais possuem uma agenda que contempla muitas
viagens e extensa carga horária de trabalho. Deste modo, novamente, as necessidades da
continuidade na formação acadêmica e a sobrevivência do negócio próprio encontram-se em
realidades bem distintas. O sucesso na ação empreendedora demanda esforços ainda maiores.
Tomemos como exemplo os casos de Bill Gates, Steve Jobs, Mark Zuckerberg e outros, que
não conseguiram conciliar os estudos e formação acadêmica com a vida empresarial e
profissional. A inexistência de um título não significa, necessariamente, que não exista excelência
na competência profissional. E, de modo contrário, a existência de um título pode não significar
excelência na atuação profissional.
O Curso de Especialização (MBA) em Gestão de Processos Industriais propõe o convívio dos
mundos acadêmicos e das empresas para a formação de profissionais em Automação industrial
que sejam capazes de gerar resultados rápidos e eficazes em curto intervalo de tempo, bem
como, contribuir para uma ação empreendedora dos egressos.

29
III. Cronograma de Realização

A. Datas de Início e Término das Atividades

Aula Inaugural: 15/03/2019


Início das Atividades Letivas: 16/03/2019
Término das Disciplinas: 05/07/2020
Limite para Apresentação do Trabalho de Conclusão de Curso: 03/11/2020, conforme
resolução nº. 035/12-COPPG.

B. Cronograma de disciplinas

Disciplinas CH Data (s) prevista(s) ano 2019


MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ

Aula Inaugural 5 15

Sistemas Eletromagnéticos e Eletropneumáticos 30 16, 30 13

Controladores Lógicos Programáveis 30 17, 31 14

Instrumentação Industrial: Calibração de Transmissores


30 27 11, 25
Inteligentes

Sistemas de Automação Pneumática 30 28 12, 26

Controle de Velocidade de Máquinas Elétricas 30 8, 22 6

Acionamento e Manutenção de Servomotores 30 9, 23 7

3, 17
Controles Óleo-Hidráulicos Industriais 30
31

Controle Automático de Processos 30 4, 18 1

Sistemas Digitais de Controle Distribuído (SDCD): Uma


20 14, 15
análise qualitativa

Redes Industriais Aplicadas – Parte 1 20 28, 29

Metodologia da Pesquisa 20 19, 20

Gerenciamento de Ativos de Campo (AMS): Válvulas de


20 9, 10
Controle e Transmissores Inteligentes

Disciplinas CH Data (s) prevista(s) ano 2020


FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV

15,
Gestão da Manutenção 20
29

Ferramentas para Tomada de Decisão em Processos 20 16 01

30
Industriais
Monografia
14,
Gestão Tecnológica de Processos Industriais 20
28 06/07/2020 a
15,
Gestão da Automação no Âmbito da Indústria 4.0 20
29
03/11/2020
Gerência de Novos Projetos em Automação Industrial 20 18 9

Redes Industriais Aplicadas – Parte 2 20 19 10

23,
Tópicos em Automação Industrial 20
24

Gestão da Produção 20 6, 20

Gestão de Operações e Manutenção de Sistemas de


20 7, 21
Instrumentação e Controles Industriais

Seminários 20 4, 5

IV. Infraestrutura de Laboratórios

A Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campus Curitiba, através do


Departamento Acadêmico de Eletrotécnica (DAELT) e com a colaboração do Departamento
Acadêmico de eletrônica (DAELN) do Departamento Acadêmico de Mecânica (DAMEC)
possuem excelentes laboratórios que atendem as necessidades do curso tais como:

 Laboratório de Comandos Eletromagnéticos e Eletropneumático (DAELT);


 Laboratório de Automação Pneumática Industrial (DAELT);
 Laboratório de Controladores Lógicos Programáveis Moeller e Siemens (DAELT);
 Laboratório de Redes Industriais PROFINET - PHOENIX CONTACT (DAELT)
 Laboratório de Controle Automático e Instrumentação Industrial (DAELT);
 Laboratório de Controle de Velocidade de Máquinas Elétricas (DAELT);
 Laboratório de Óleo-Hidráulica Industrial (DAMEC);
 Laboratório de Manufatura Integrada por Computador (DAMEC);
 Laboratório de Instrumentação Industrial (DAELN).

Tais laboratórios atendem às diversas demandas dos cursos e disciplinas de automação


ofertadas pela UTFPR.

O laboratório de Comandos Eletromagnéticos e Eletropneumáticos atende às disciplinas


de Sistemas Eletromagnéticos e Sistemas Eletropneumáticos dos cursos de Engenharia e
Tecnologia em Automação Industrial. Neste laboratório desenvolvem-se os primeiros contatos
com os processos automatizados onde são elaboradas lógicas de controle via sistemas de
relés. A observação de eventos e ações, fundamentais no aprendizado da automação, se faz
presente no contato e trabalho com os mais diversos sensores e atuadores utilizados na
indústria, bem como uma visão dos conceitos de sistemas intertravados de segurança nos
acionamentos de máquinas elétricas e mecanismos automatizados. Pode-se ainda, trabalhar
com pequenos projetos de comandos eletrônicos via relés inteligentes. A figura 9 ilustra o
laboratório em questão.

31
Figura 9: Laboratório de Comandos Eletromagnéticos e Eletropneumáticos (DAELT)
Fonte: Autor

O laboratório de Automação Pneumática proporciona um amplo aprendizado com a


tecnologia do ar comprimido. Neste ambiente são desenvolvidos complexos projetos de
sistemas sequenciais comumente utilizados na indústria de alimentos, dentre várias outras. A
figura 10 ilustra o laboratório em questão.

Figura 10: Laboratório de Automação Pneumática Industrial (DAELT)


Fonte: Autor

O laboratório de Controladores Lógicos Programáveis permite o trabalho com a lógica e


linguagens de programação de processos industriais. Considera-se este como o mais alto
nível de dificuldade e complexidade na automação. Deste modo, o seu aprendizado é muito
importante para a proposição de soluções inovadoras nos modernos sistemas de automação.
A figura 11 ilustra o laboratório em questão.

32
Figura 11: Laboratórios de Controladores Lógicos Programáveis Moeller e Siemens (DAELT)
Fonte: Autor

No laboratório de Controle de Velocidade de máquinas elétricas realizam-se ensaios com


máquinas de corrente alternada, corrente contínua e servomotores. Os ensaios são
amparados por equipamentos como Conversores de Frequência, Conversores CA/CC, Soft-
Starters e Drives especiais para o acionamento de servomotores e motores de passo. A figura
12 ilustra o laboratório em questão.

Figura 12: Controle de Velocidades de Máquinas Elétricas (DAELT)


Fonte: Autor

O laboratório de Controle Automático de Processos e Instrumentação Industrial, contribui


para uma ampla visão dos sistemas inteligentes, pois possui instrumentos e equipamentos de
alto grau tecnológico. O software de gerenciamento de ativos (AMS) possibilita uma maior
conexão com a realidade do chão de fábrica. Ele possibilita o contato com sensores de
pressão, nível, vazão, temperatura e controladores de válvulas com o moderno protocolo de
comunicação Fieldbus Foundation. O aluno aprenderá, na prática, os conceitos de controle
automático de processos em plantas didáticas especialmente projetadas para o ensino. As
figuras 13 e 14 ilustram o laboratório em questão.

33
Figura 13: Laboratório de Controle Automático e Instrumentação Industrial (DAELT)
Fonte: Autor

Figura 14: Aula de Instrumentação Industrial (DAELT)

Fonte: Autor

O laboratório de Óleo-Hidráulica Industrial permite um amplo aprendizado desta complexa


área de conhecimento. Existe uma série de Kits didáticos que abordam diferentes conceitos e
necessidades dos processos industriais. A figura 15 ilustra o laboratório em questão.

Figura 15: Laboratório de Óleo-Hidráulica Industrial (DAMEC)


Fonte: Autor

O Laboratório de Manufatura Integrada por Computador (CIM) do Departamento


Acadêmico de Mecânica (DAMEC) dará apoio às atividades voltadas para o segmento das
indústrias de manufatura. Figuras 16 e 17.

34
Figura 16: Laboratório de manufatura Integrada por Computador (DAMEC)
Fonte: Autor

Figura 17: Laboratório de Manufatura Integrada por Computador (DAMEC)


Fonte: Autor

O laboratório de Redes Industriais PROFINET foi doado pela Empresa Alemã PHOENIX
CONTACT. É composto de 12 postos de trabalho com CLPs AXC-1050 comunicando com módulos
remotos em rede PROFINET.

Figura 18: Laboratório de Redes Industriais PROFINET – PHOENIX CONTACT (DAELT)


Fonte: Autor

Professores Convidados das Empresas


Os professores convidados foram selecionados com base em suas
experiências profissionais no mercado de trabalho em automação industrial. O
35
tempo médio de experiência é de 31 anos de atuação. Este perfil trará um grande e
importante diferencial à proposta do curso, uma vez que se pretende trazer a
vivência da realidade do chão de fábrica para a sala de aula. Tais profissionais
desenvolveram trabalhos em grandes empresas da indústria nacional e internacional
nos mais diversos segmentos produtivos. O detalhamento do trabalho desenvolvido
por cada professor encontra-se na plataforma Lattes, conforme links de acesso. A
seguir, descreve-se um breve perfil dos professores convidados, os quais possuem
passagem acadêmica por tradicionais escolas de engenharia do país como UNESP,
UNIFEI, UFRGS e UTFPR.

Professor Mário César Schafaschek (Especialista): Possui Graduação em


Engenharia Industrial Elétrica pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná
(1991), Pós-Graduação Fundação Fundação Don Cabral - Ênfase em Negócios
(2007), Program for Management (PMD) - IESE Business School e Universidade de
Navarra (2015). Atualmente trabalha indústria ramo de Bebidas como Diretor de
Manufatura. Responsável pela operação de 10 fabricas englobando áreas de
Produção, Planejamento, Manutenção, Qualidade, Melhoria Contínua Segurança e
Meio Ambiente. Tem experiência de mais de 27 anos na área Industrial ambiente de
planta e STAFF

Professor Douglas Camargo von Hartenthal (Especialista): Engenheiro


Eletricista (Ênfase Eletrônica) pela UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do
Sul) e especialização em Engenharia Elétrica e Eletrônica (659 horas) pela
Petrobrás - Petróleo Brasileiro S.A. Experiência profissional como engenheiro de 41
anos na execução de projetos de automação e Instrumentação Industrial.
Experiência docente na formação de profissionais para desenvolvimento de projetos
em automação. Possui Certificação Project Management Professional (PMP) pelo
Project Management Institute – PMI (2008). Empresário e consultor em engenharia
de projetos. Sócio proprietário da Laplace Automação LTDA. Diversos cursos
proferidos em Gerência de projetos pela Presidente da ISA Curitiba (International
Society of Automation).

Professor Nilton Werneck Marussig (Graduado): Engenheiro Eletricista (Ênfase


Eletrônica) pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Possui
36
experiência docente na formação de profissionais em automação Industrial em
empresas como Robert Bosch, Philip Morris, Cimentos Itambé, Marinha do Brasil e
ISA Curitiba (International Society of Automation). Participação docente em cursos
de especialização Lato Sensu pela UTFPR e PUCPR. Empresário do segmento de
automação industrial (NWM – Engenharia LTDA) desde 1993. Atua como
engenheiro há 30 anos no mercado. Presidente da ISA Curitiba (International
Society of Automation) no período de 2001 a 2002.

Professor Luiz Santos Resende (Especialista): Graduação em Tecnologia


Mecatrônica pela Faculdade Ensitec (Curitiba) e Especialização em Automação
Industrial pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Possui 32
anos de experiência na manutenção de Sistemas de Automação e Instrumentação
Industrial. Possui experiência docente como instrutor do SENAI-PR. Responsável
pela execução de vários projetos de automação na Peróxidos do Brasil, unidade
Curitiba (Rhodia –Solvay Group).

Professor Edson Gonçalves de Oliveira (Especialista): Possui graduação em


Engenharia Elétrica (Ênfase Eletrônica) pela Universidade Tecnológica Federal do
Paraná (UTFPR), Especialização em Controle Avançado de Sistemas Elétricos pela
Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e especialização em
Teleinformática e Redes de Computadores pela Universidade Tecnológica Federal
do Paraná (UTFPR). Experiência de 31 anos como engenheiro eletricista pela
COPEL e CELEPAR. Possui experiência docente na formação de profissionais pela
COPEL tais como: operadores, técnicos e engenheiros de Usinas Hidrelétricas.
Experiência docente em cursos técnicos de eletrotécnica e Instrutor do SENAI-PR.
Desempenha função de Supervisor do setor de manutenção de sistemas de
instrumentação e controle da Usina Termelétrica de Araucária (COPEL) como
Engenheiro Eletricista Senior. Possui experiência nacional e internacional em
eventos de encontros técnicos.

Professor Hélio Cardoso da Silva (Graduado): Possui graduação em Engenharia


Elétrica (Ênfase Eletrônica) pela Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI). Possui
certificação da SIEMENS Alemanha como Siemens Trainer “Trainer qualification and
certification” para as plataformas de automação da Siemens. Possui 32 anos de
37
experiência docente na formação de profissionais para automação industrial e como
consultor de sistemas automatizados para empresas dos mais diversos segmentos
do setor produtivo, tanto no Brasil como Europa. Sócio proprietário da SCL
Automação industrial (System Control Logic Automação Industrial) de Guarulhos-SP.
Trabalha com automação de ponta tecnológica.

Professor Paulo Roberto Frade Teixeira (Graduado): Possui graduação em


Tecnologia em Processamento de Dados pela Universidade Estadual Paulista “Júlio
de Mesquita Filho” (UNESP). Possui 35 anos experiência profissional com Sistemas
Automatizados para Controle de Processos Industriais. Possui 30 anos de
experiência docente na formação de profissionais para automação industrial e como
consultor de sistemas automatizados para empresas dos mais diversos segmentos
do setor produtivo no Brasil. Experiência docente no SENAI-Santos e SENAI-PR por
20 anos. Atualmente realiza o curso de Especialização em Engenharia de Produção
pela UNINTER – Campus Curitiba. Sócio proprietário da T4M Consultoria em
Automação Industrial. Atuou como docente nos cursos de especialização em
Automação Industrial da Universidade tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)
Campus Curitiba e Cornélio Procópi, PUCPR, CESUMAR e UNIBE. Diversos cursos
proferidos em Automação Industrial pela ISA Distrito 4 – América Latina
(International Society of Automation). Trabalha com automação de ponta
tecnológica.

Professor Carlos Roberto Chaves: Doutorando pela Universidade de São Paulo


(USP) - Centro Politécnico, Graduado em Engenharia Eletrônica com Ênfase em
Telecomunicações pela Universidade do Contestado Campus Canoinhas, Bacharel
em Informática, Tecnólogo em Processamento de Dados, Especialização em
Automação Industrial pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Mestre em
Engenharia Elétrica pela Universidade Federal do Paraná. Trabalha na área de
Automação Industrial - Petróleo Brasileiro S.A (Petrobrás), Professor Universitário do
Curso de Engenharia e Ciências da Computação da UNC e San-Martin. Experiência
nas áreas de Engenharia Elétrica, Eletrônica Industrial, Sistemas e Controles
Eletrônicos. Participação em projetos de automação em unidades de pesquisa
aplicada em processos petroquímicos, identificação e otimização de unidade de
38
destilação. Engenheiro da Petróleo Brasileiro S.A (Petrobrás) – São Mateus do Sul-
PR.

Currículo Lattes dos Professores

Nome: Walter Denis Cruz Sanchez


Possui graduação em engenharia Mecânica - Elétrica pela UNIVERSIDAD NACIONAL DE
INGENIERIA (1981), mestrado em Sistemas Industriais pela UNIVERSIDADE FEDERAL DE
ITAJUBÁ (1993), especialização em Sistemas Elétricos (Escola federal de Itajubá – Eletrobrás,
CESE-1994) e doutorado pela UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO/SP (1999). Atualmente é servidor da
Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Tem experiência na área de Engenharia Elétrica, com
ênfase em Geração e Distribuição de Energia Elétrica, atuando principalmente nos seguintes temas:
materiais elétricos, sistemas elétricos de potência, acionamentos elétricos, qualidade de energia e
energias renováveis. (texto informado pelo autor)
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/7558132287506812
Última atualização do currículo em 16/08/2015

Nome: Jorge Assade Leludak


Jorge Assade Leludak concluiu o doutorado em dezembro de 2013 pela PUCPR. Foi professor nas
universidades UTFPR, PUCPR e UP. Atualmente é professor na Universidade Tecnológica Federal
Do Paraná. Publicou 8 livros técnicos na área de acionamentos industriais. Atua na área de
engenharia elétrica, com ênfase em acionamentos industriais. Foi orientador de vários trabalhos de
conclusão de curso na área de automação industrial.
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/5000038509732882
Última atualização do currículo em 17/10/2016

Nome: Daniel Balieiro Silva


Possui Graduação em Engenharia Industrial Elétrica pela Universidade Tecnológica Federal do
Paraná (1993) e Mestrado em Engenharia de Produção e Sistemas, linha de pesquisa em
Automação Industrial, pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2007). O trabalho de pesquisa
consistiu no Projeto de Controladores para Sistemas de Manufatura Multi-Produtos com Sistema de
Transporte Centrado em Rôbos, utilizando-se da Teoria de Controle Supervisório para
implementação em Controladores Lógicos Programáveis. Atualmente é professor da carreira de
Ensino Básico, Técnico e Tecnológico da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Ministrou
aulas nos cursos Técnico Integrado de Eletrotécnica e Curso Técnico Integrado em Mecânica.
Atualmente ministra aula nos cursos de Tecnologia em Automação Industrial e cursos de Engenharia
Elétrica e Engenharia de Controle e Automação do Departamento Acadêmico de Eletrotécnica. É
responsável pela concepção e implementação de novos laboratórios de ensino de Automação
Industrial para os cursos em questão, tendo implementado 5 laboratórios até o presente momento.
Tem experiência na área de Engenharia Elétrica, com ênfase em Projetos Lógicos de Automação e
Instrumentação Industrial. Desenvolve treinamentos na área de Automação Industrial de chão de
fábrica e Controle. Neste sentido, realizou trabalhos para empresas como Arcelor Mittal Vega do Sul,
RENAULT do Brasil, AMBEV, Copel e Trombini Embalagens. Também desenvolve cursos de
extensão universitária para a comunidade de Curitiba e Região como Automação Pneumática
Industrial, Comandos Eletroeletrônicos e Eletropneumáticos, Programação de Controladores Lógicos
Programáveis e Instrumentação Industrial. Atualmente tem como objetivo desenvolver estudos nas
áreas de Ciências Térmicas e Mecânica dos Fluídos da Engenharia Mecânica.
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/1333601123433359
Última atualização do currículo em 26/07/2015

Nome: Celso Salamon

39
Possui graduação em Engenharia Mecânica pela Universidade do Estado de Santa Catarina (1985) e
Doutorado em Engenharia Mecânica pela UNESP, Universidade Estadual Paulista, Faculdade de
Engenharia de Guaratinguetá (2009). Atualmente é professor da Universidade Tecnológica Federal
do Paraná. Tem experiência na área de Engenharia Mecânica, com ênfase em Controle de Sistemas
Mecânicos.
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/7968744051782822
Última atualização do currículo em 12/12/2014

Nome: Eduardo de Freitas Rocha Loures


Professor Titular vinculado ao curso de Engenharia de Controle e Automação e Engenharia de
Produção da Escola Politécnica da Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR. Atualmente
é pesquisador permanente do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas
PPGEPS, PUCPR. Professor Titular associado ao Departamento de Eletrotécnica (DAELT) e
colaborador do Curso de Engenharia de Controle e Automação e Tecnologia em Automação da
Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR. Diretor da ISA (International Society of
Automation), Distrito 4 América do Sul, Seção Curitiba (Presidente em 2013). Bolsista Produtividade
em Desenvolvimento Tecnológico DT CNPq (2012-2015). Professor visitante no Centre de
Recherche en Automatique de Nancy (CRAN-CNRS), Université de Lorraine, França, 2012, através
de bolsa Pós-Doutorado CAPES. Membro IFAC. Consultor ad hoc de órgãos de fomento como
Fundação Araucária, FAPESC e FAPES. Foi coordenador do curso de Engenharia de Controle e
Automação PUCPR, no biênio 2008-2009, Coordenador do Curso de Especialização em Engenharia
da Manutenção, PUCPR. # Desenvolve pesquisas nas áreas de Engenharia de Sistemas e Produção
especificamente em temas relacionados aos seguintes contextos: gerenciamento de processos de
negócio (BPM) e sistemas de informação; engenharia de sistemas; engenharia organizacional;
integração e interoperabilidade de sistemas; sistemas de supervisão, controle, diagnóstico e
avaliação de desempenho de sistemas de operação e manutenção industrial; ferramentas formais de
modelagem de sistemas a eventos discretos. # Áreas de aplicação e atuação atuais (projetos e
orientação) com o setor privado e público: Indústria 4.0 - Cyber Physical Systems, Manutenção
Industrial, Health Care, Gerenciamento de Desastres, BIM.
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/5103490322445619
Última atualização do currículo em 17/10/2016

Nome: Ednilson Soares Maciel


Possui graduação em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal do Paraná (1992). Atualmente é
professor de ensino básico, técnico e tecnológico da Universidade Tecnológica Federal do Paraná.
Tem experiência na área de Engenharia Elétrica, com ênfase na conversão de energia e manutenção
de máquinas elétricas.
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/7100211059673352
Última atualização do currículo em 23/07/2015

Nome: Jaime Favretto


Possui graduação em Engenharia Industrial Elétrica pela Universidade Tecnológica Federal do
Paraná (1993) e mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina
(2003). Atualmente é professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Tem experiência na
área de Engenharia Elétrica, com ênfase em Máquinas Elétricas, atuando principalmente nos
seguintes temas: máquinas elétricas e acionamentos eletrônicos; Engenharia de Produção, atuando
nos seguintes temas: sistemas da qualidade; sistemas de produção, avaliação e certificação de
competências profissionais..
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/9033137685481730
Última atualização do currículo em 07/12/2015

Nome: Marco Antônio Busetti de Paula


Marco Antonio Busetti de Paula é Doutor em Engenharia pela Universidade de Paderborn, Alemanha,
Mestre em Engenharia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Engenheiro Eletricista
pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Licenciado para Ensino Técnico e Técnico em
Eletrotécnica pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) . Há mais de 30 anos é
professor no Departamento de Eletrotécnica da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, onde
40
desenvolve atividades relacionadas ao ensino de graduação, à inovação, ao desenvolvimento
tecnológico e à extensão. Atualmente está envolvido na concepção de um ambiente criativo para o
aprendizado de ciência e tecnologia integrada à arte, aplicado ao ensino infantil e fundamental.
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/1328903662330792
Última atualização do currículo em 19/02/2015
Nome: José da Silva Maia
Possui graduação em Engenharia Industrial Elétrica pela Universidade Tecnológica Federal do
Paraná (1982), graduação em Curso de Formação de Professores de Disciplinas Específicas para
ensino Técnico, pelo Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná (1995) e mestrado em
Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2002). Atualmente é
professor da UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - CAMPUS CURITBA e
Coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial da UNIVERSIDADE
TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - CAMPUS CURITIBA. Tem experiência na área de
Engenharia Elétrica, com ênfase em Eletrotécnica, Eletrônica, Automação de processos industriais e
Instrumentação industrial, atuando principalmente nos seguintes temas: Conversores AC/DC,
Nobreak e Acumuladores de energia.
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/9285915881062028
Última atualização do currículo em 15/10/2014

Nome: Marcelo Rodrigues


Doutor em educação pela Universidade Del Mar (Udelmar - Chile 2013), Mestre em Tecnologia pela
Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR - 2003), Graduado em Física pela
Universidade Federal do Paraná (UFPR - 1998), Técnico em Eletrotécnica (CEFET-PR - 1989) e
Eletricista Diesel-elétrica de Locomotivas Diesel (SENAI / RFFSA - 1988). Desde 1989 é professor da
Universidade Tecnológica Federal do Paraná (CEFET-PR). Tem experiência na área de Engenharia
Elétrica e de Produção com ênfase na Gestão de Ativos (ISO 55000), Confiabilidade Humana e
Gerência de Manutenção (TPM, RCM e WCM), atuando nos seguintes temas: qualificação
profissional, gestão de manutenção, indicadores de manutenção, tecnologia e qualidade na
manutenção, fator humano na manutenção, análise de falhas (RCA), confiabilidade de sistemas e
confiabilidade humana. Coordenador do Curso de especialização em Gerência de Manutenção na
UTFPR (desde 2003). Membro do comitê técnico da Associação Brasileira de Manutenção
ABRAMAN Regional Sul PR/SC/RS (desde 2001). Autor de livros na área de Gestão da Manutenção.
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/1815467899411453
Última atualização do currículo em 16/05/2016

Nome: Luiz Carlos de Abreu Rodrigues


Possui graduação em Engenharia Mecânica pela Universidade Estadual de Campinas (1989),
mestrado (obtido em 1996) e doutorado (obtido em 2000) em Engenharia Elétrica pela Universidade
Estadual de Campinas. Atualmente é Professor Associado na Universidade Tecnológica Federal do
Paraná (UTFPR). Tem experiência em Pesquisa Operacional e em Planejamento, Projeto e Controle
de Sistemas de Produção, atuando principalmente nos seguintes temas: planejamento e
programação da produção, projeto de sistemas de manufatura, otimização de processos de
fabricação e integração da manufatura. As ferramentas usadas na solução de problemas de
otimização são: programação matemática, inteligência artificial (constraint programming) e métodos
heurísticos.
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/2048224805097773
Última atualização do currículo em 11/02/2016

Nome: Luiz Erley Schafranski


Possui graduação em Engenharia Industrial Elétrica pela Universidade Tecnológica Federal do
Paraná (1993), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina
(1997) e doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina
(2001). Atualmente é professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Tem experiência na
área de Engenharia de Produção, com ênfase em Planejamento, Projeto e Controle de Sistemas de
Produção, atuando principalmente nos seguintes temas: gestão da produção, simulação empresarial,
sistemas de informações, jogos de empresas e gerência de materiais.
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/9851516635107643
41
Última atualização do currículo em 12/12/2015

Nome: Edson Gonçalves de Oliveira


Possui graduação em Engenharia Industrial Elétrica pela Universidade Tecnológica Federal do
Paraná (1987), especialização em Redes de Computadores e Teleinformática pela Universidade
Tecnológica Federal do Paraná(2007) e especialização em Controle Avançado de Sistemas de
Potência pela Universidade Federal de Santa Catarina (1994). Atualmente é Supervisor de
Manutenção na Usina Termelétrica da Copel Geração e Transmissão. Tem experiência na área de
Engenharia Elétrica, com ênfase em Sistemas Elétricos de Potência.
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/0310973173057475
Última atualização do currículo em 29/10/2016

Nome: Luiz Santos Resende

Possui graduação em Tecnologia Mecatrônica Industrial - Colégio e Faculdade Ensitec (2014) o


trabalho de conclusão foi baseado em dosagem de líquidos aplicados na indústria e Pós Graduação
em Automação Industrial pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2015) cujo trabalho de
conclusão foi de Melhorias no desempenho de válvulas de controle com posicionadores de protocolo
Hart. Ministrou treinamento de Instrumentação Industrial básica no SENAI CIC/PR. Atualmente é
técnico em instrumentação industrial na Empresa Peróxidos do Brasil Curitiba/PR e desenvolvendo
projetos e participando de start up e comissionamento de diversas unidades produtivas. Tem ampla
experiência na área de Instrumentação e Automação Industrial.
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/0317235952453131
Última atualização do currículo em 10/11/2016

Nome: Winderson Eugênio dos Santos


Possui graduação em Engenharia Industrial Elétrica pela Universidade Tecnológica Federal do
Paraná (1988), graduação em Formação de Professores de Disc Especializadas pela Universidade
Tecnológica Federal do Paraná (1992), mestrado em Engenharia Elétrica e Informática Industrial pela
Universidade Tecnológica Federal do Paraná (1992) e doutorado em Engenharia Mecânica pela
Universidade Federal de Santa Catarina (2003). Realizou pós-doutorado na área de Mecatrônica na
Technische Unversität Dresden - Alemanha (2012). Tem experiência na área de Engenharia Elétrica,
atuando principalmente em Automação de Processos Elétricos e Industriais, atualmente atua como
pesquisador colaborador no Programa de Pós Graduação em Sistemas de Energia da UTFPR -
Campus de Curitiba.
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/4226185297739834
Última atualização do currículo em 17/02/2016

Nome: Carlos Roberto Chaves


Doutorando pela Universidade de São Paulo (USP) - Centro Politécnico, Graduado em Engenharia
Eletrônica com Ênfase em Telecomunicações pela Universidade do Contestado Campus Canoinhas,
Bacharel em Informática, Tecnólogo em Processamento de Dados, Especialização em Automação
Industrial pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Mestre em Engenharia Elétrica pela
Universidade Federal do Paraná. Trabalha na área de Automação Industrial - Petróleo Brasileiro S.A
(Petrobrás), Professor Universitário do curso de Engenharia e Ciências da Computação da UNC e
San-Martin. Experiência nas áreas de Engenharia Elétrica, Eletrônica Industrial, Sistemas e Controles
Eletrônicos. Participação em projetos de automação em unidades de pesquisa aplicada em
processos petroquímicos, identificação e otimização de unidade de destilação.
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/6380870053357803
Última atualização do currículo em 16/06/2016

42
Nome: Vilmair Ermênio Wirmond
Possui graduação em Engenharia Industrial Elétrica - Eletrotécnica pela Universidade Tecnológica
Federal do Paraná (2005) e Mestrado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal do Paraná
(2009). Atualmente professor na Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Departamento
Acadêmico de Eletrotécnica (DAELT), Campus Curitiba. Tem experiência na área de Engenharia
Elétrica, com ênfase em projetos de instalações elétricas, automação e controle industrial,
manutenção industrial e sistemas elétricos de potência .
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/8973106939598137
Última atualização do currículo em 08/12/2015

Nome: Mário César Schafaschek


Possui Graduação em Engenharia Industrial Elétrica pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (1991), Pós-
Graduação Fundação Fundação Don Cabral - Ênfase em Negócios (2007), Program for Management (PMD) - IESE
Business School e Universidade de Navarra (2015). Atualmente trabalha indústria ramo de Bebidas como Diretor de
Manufatura. Responsável pela operação de 10 fabricas englobando áreas de Produção, Planejamento, Manutenção,
Qualidade, Melhoria Contínua Segurança e Meio Ambiente. Tem experiência de mais de 27 anos na área Industrial
ambiente de planta e STAFF
Endereço para acessar este CV: : http://lattes.cnpq.br/9720506417394317
Última atualização do currículo em 12/10/2018

Nome: Paulo Roberto Frade Teixeira


Possui graduação em Tecnologia de Processamento de Dados - UNESP (1994) e curso Técnico em
Instrumentação Industrial pelo SENAI de Santos. Atuou como técnico em Instrumentação Industrial
em empresas como Goiás Fertilizantes S.A (GoiásFertil) e COSIPA (Companhia Siderúrgica Paulista
atual USIMINAS). Técnico de Ensino em Instrumentação Industrial no SENAI Santos e SENAI
Curitiba. Professor de Cursos de Especialização (Lato Sensu) em Universidades como Universidade
Tecnológica Federal do Paraná (Campus Curitiba e Cornélio Procópio), Pontifícia Universidade
Católica do Paraná (Campus Curitiba), UNICESUMAR (Campus Maringá), UNIUBE (Campus
Uberlândia). Ministrou diversos treinamentos pela ISA Distrito 4 (América Latina), SENAI, ABRAMAN
(Associação Brasileira de Manutenção) e Institutos Federais da Bahia e Rio Grande do Sul. É
empresário e consultor no segmento da Automação Industrial tendo realizado vários serviços e
consultorias técnicas, bem como treinamentos em Automação e Instrumentação Industrial para as
mais diversas empresas de diferentes segmentos do parque fabril brasileiro. Atua há 34 anos com
Automação Industrial.
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/8717856609875643
 Última atualização do currículo em 01/07/2017

Nome: Hélio Cardoso da Silva


Possui graduação em Engenharia Elétrica, ênfase Eletrônica, pela Universidade Federal de Itajubá
(1985). Tem experiência na área de Engenharia Elétrica, com ênfase em Eletrônica Industrial,
Sistemas e Controles Eletrônicos. Desenvolve projetos, treinamentos e consultorias na área de
automação industrial para sistemas de pequeno e grande porte nos segmentos de saneamento,
automobilístico, siderúrgicos, petroquímicos, papel e celulose dentre outros. Ministrou vários
treinamentos em automação industrial nas mais diferentes empresas do parque fabril brasileiro e
Europa, sendo credenciado pela Siemens Alemanha como Solution Provider em sistemas
automatizados de chão de fábrica. Empresário e Consultor da SCL Control Logic Automação com
sede em Guarulhos-SP.
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/5065980791067593
Última atualização do currículo em 19/06/2017

Nome: Douglas Camargo Von Hartenthal


Possui graduação em Engenharia Elétrica - Opção Eletrônica pela Universidade Federal do Rio
Grande do Sul (1975). Realizou curso de especialização (659 horas) em Engenharia Elétrica e
Eletrônica pela Petróleo Brasileiro S.A (Petrobrás). Possui certificação em Project Management
Professional (PMP). Tem experiência na área de Engenharia Elétrica com ênfase em Projetos de
43
Automação e Instrumentação Eletrônica. Atuou na fiscalização da execução de vários projetos de
implantação de unidades fabris de amônia e uréia, armazenamento de GLP e módulos para
plataformas de produção. Gerencia e coordena projetos multidisciplinares em engenharia para
grandes consórcios de construção. É empresário do segmento de Automação Industrial sendo sócio
gerente e diretor técnico da LAPLACE Automação Industrial.
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/2290501424700286
Última atualização do currículo em 02/07/2017

Nome: Nilton Werneck Marussig


Possui graduação em Engenharia Elétrica pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (1987),
ênfase Eletrônica e Telecomunicações. Atuou como Engenheiro Eletricista no Desenvolvimento de
Sistemas de Comunicação para área Militar através da Brasilsat S.A. Trabalhou como Engenheiro de
Projetos na Robert Bosch LTDA (Curitiba) no Desenvolvimento de Máquinas e Bancadas de
Medições Especiais, Transferência do restante da linha Diesel da Fábrica Campinas para Curitiba e
Transferência de tecnologia da Matriz Alemã. Ministrou palestras e cursos na área de automação
industrial para instituições de ensino como Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pontifícia
Universidade Católica do Paraná, Marinha do Brasil e empresas privadas como Robert Bosch LTDA,
Companhia de Cimentos Itambé, Philip Morris e ISA (International Society of Automation) Seção
Curitiba. Atualmente é empresário no segmento da Automação Industrial, tendo desempenhado por 5
anos a função de Diretor Técnico na coordenação geral de projetos e execução de serviços e
integração de sistemas automatizados (Turn Key). Há vinte anos desempenha a função de Diretor
Comercial da NWM Sistemas de Automação.
Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/9999358651175638
Última atualização do currículo em 24/06/2017

Currículo Profissional dos Professores Convidados

Mário César Schafaschek

44
45
46
47
48
49
50
51
52
53
54
55
56
57
58
59
60
61
62
63
64
65
66
67
68
69
70
71
72
73
74
75
76
77
78
79
Professor Luis Santos Resende
Acesse o currículo Lattes abaixo

CV: http://lattes.cnpq.br/0317235952453131

80
81
82
83
84
85
86
87
88

Você também pode gostar