Você está na página 1de 9

DERIVADA DE UMA FUNÇÃO

O desenvolvimento dos estudos matemáticos acompanhou a necessidade do homem de conhecer


melhor o universo físico que o cerca. Particularmente, o Cálculo teve sua aplicação estendida aos
fenômenos físicos mensuráveis como, por exemplo, eletricidade, ondas de rádio, som, calor e gravitação.

A derivada é parte fundamental do Cálculo. A partir de agora faremos um estudo sobre esse assunto.

O conceito de derivada foi introduzido no século XVII quase simultaneamente pelo alemão Gottfried
Wilhelm Leibniz (1646-1716) e Sir Isaac Newton (1642-1727), trabalhando separadamente.

DERIVADA DE UMA FUNÇÃO EM UM PONTO

Consideremos uma função f contínua e definida num intervalo ]a, b[; sejam x o e xo + ∆x dois pontos
desse intervalo. Quando a variável x passa do valor x o para o valor xo + ∆x sofrendo uma variação ∆x
(incremento de x), o correspondente valor da função passa de f(x o) para o valor f(xo + ∆x) sofrendo,
portanto, uma variação ∆y (incremento da função f), onde ∆y = f(x o + ∆x) – f(xo) conforme mostra
a figura seguinte:

Dizemos que a derivada da função f no ponto xo é

y f ( x o  x )  f ( x o )
lim = lim se ele existir e for finito.
x  o x x xo x

Nesse caso, dizemos também que f é derivável no ponto xo.

NOTAÇÕES DA DERIVADA
A derivada de f será indicada por uma das quatro formas abaixo:

f ’(x)

df
dx

dy
dx

y’

EXEMPLOS

1) Calcular a derivada da função f(x) = x² no ponto xo = 2.

Solução

Calculando f(x0) e f(x0  x) , temos :


f(x0)  x0²  f(2)  2²  4
f(x0  x)  (2  x)2  22  2  2  x  (x)2  4  4Δ x  (x)2

Substituindo na definição de derivada:


f(x0  x)  f(x0) [4  4Δ x  (x)2 ]  (4)
f ' (x o )  lim  lim 
x 0 x x 0 Δx

4  4Δ x  (Δx)2  4 4Δ x  (Δx)2 Δ x  (4  Δx)


 lim  lim  lim 
x 0 Δx x 0 Δx x 0 Δx

 lim (4  Δx)  4
x 0

: f '(2)  4
Portanto

2) Determinar a derivada da função f(x) = 4x2 + 1, através da definição.

Solução
Calculando f(x o ) e f(x o  x) , temos :

f(x0)  4x0 2  1

f(x0  x)  4  ( x  x)2  1  4  [( x 0)2  2 x 0x  (x)2 ]  1 


0

 4 x 02  8 xox  4(x)2  1

Substituindo na definição de derivada:


f(x0  x)  f(x0)
f ' (x o )  lim 
x 0 x

[4x02  8x0Δ x  4( x)2  1] - [4 x 0 2  1 ]


 lim
x 0 Δx

4x02  8x0Δ x  4(x)2  1- 4 x 0 2  1 ]


f ' (x o )  
Δx

8 x 0 x  4( x)2 x (8 x 0  4x )
 lim  lim  lim (8 xo  4x ) 
x 0 Δx x 0 x x 0

 8x0  4  0  8x0

Portanto,f'(x 0)  8x0

EXERCÍCIOS:
1) Determine a função derivada através da definição.
a) f(x) = x² - 2x + 1;
b) f(x) = x² - 8x + 9
c) f(x) = x3 - x;
d) f(x) = x² + 1, no ponto xo = 5
e) f(x) = 3x², no ponto xo = 2
f) f(x) = x², no ponto xo = 1
g) f(x) = 2x² - 2, no ponto xo = 3

RESPOSTAS:

1) a) f ’(x) = 2x – 2 b) 2x – 8 c) 3x2 – 1 d) 10 e) 12 f) 2 g) 12
FÓRMULAS OU REGRAS DE DERIVAÇÃO

Até agora, vimos como calcular a derivada de uma função por meio da definição.
Entretanto, como esse processo é demasiado longo, estudaremos algumas regras que nos
permitirão calcular a derivada de uma função mais facilmente.
Faremos a demonstração de apenas algumas dessas regras, pela aplicação da definição
de derivada. As outras regras também podem ser demonstradas pelo mesmo processo.
Vejamos algumas derivadas fundamentais.

a) Derivada da função constante:

Se y = f(x) = c então y’ = f’(x) = 0 .

Demonstração

Se x é um ponto qualquer de R temos:

y f ( x  x )  f ( x ) k k 0
lim  lim  lim  lim  lim 0  0
x  0
x x  0
x x  0
x x  0
 x x  0

y
 y '  lim 0
x  0
x

Exemplos

1) y = -5  y’ = (-5)’ = 0

2) y = 3  y’ = (3)’ = 0

b) Derivada da função identidade:

Se y = f(x) = x então y’ = f’(x) = 1 .

Demonstração
Se x é um ponto qualquer de R, temos:

y f ( x  x)  f ( x) ( x  x)  x
lim  lim  lim 
x  0
x x  0 x x  0
x

x  x  x x
lim  lim  lim 1  1
x  0
x x  0
x x  0

y
 y '  lim 1
x  0
x

c) Derivada do produto de uma constante por uma função

Se y = c  g(x) então y’ = c  g’(x) .


Demonstração

Se x é um ponto qualquer de R, temos:

y cg ( x  x )  cg ( x ) c  [ g ( x  x )  ( g ( x )]
lim  lim  lim 
x  0
x x  0
x x  0
x

g ( x  x )  g ( x ) g ( x  x )  g ( x )
 lim c   c  lim  c  g ' ( x)
x  0
x x  0
x

y
 y '  lim  c  g ' ( x)
x  0
x

Exemplos

1) y = 5x  y’ = (5x)’ = 5 (x)’ = 5  1 = 5

2) y = -3x  y’ = (-3x)’ = -3

3) y = -x  y’ = -1

d) Derivada da função potência y = xn


Se y = xn então y’ = n . xn-1 para n inteiro positivo.

Exemplos

1) y = x5  y’ = 5 x5-1 = 5x4

2) y = 2x4  y’ = 2 4x4-1 = 8x3

x2 1 1
3) y    y   x 3  y   .3 x 2   x 2
3 3 3

1 1
4) y   x 1  y '  1x 11   x  2   2
x x

1 2
5) y  2
 x  2  y '  2 x  3   3
x x

y n
x
e) Derivada da função
1
Se y  n x então y'  , x0 .
n  (x )n 1
n

Esta fórmula só pode ser aplicada quando o radicando é a variável x (função identidade).
Exemplos
1
1) y  5 x  y ' 
5 x4
5

1
2) y  x  y' 
2 x

8 2
3) y  8 4 x  y '  3

4 x 4 4
x3

f) Derivada da soma de funções


“A derivada da soma é igual à soma das derivadas”.

Se y = g1(x) + g2(x) +... + gn(x) então y’= g1‘(x) + g2‘(x) +... gn‘(x) .

Exemplos

1) y = 3x2 + 5x + 4  y’ = (3x2 + 5x + 4)’

y’ = (3x2 )’+ (5x)’ + (4)’ = 6x + 5 + 0 = 6x + 5

2) y = 4x3 + 5x2 + 3  y’ = 12x2 + 10x

g) Derivada da diferença
“A derivada da diferença é igual à diferença das derivadas”.

Se y = g(x) - h(x) então y’= g‘(x) - h‘(x) .

Exemplos

1) y = 3x2 - 5x  y’ = (3x2 - 5x)’

y’ = (3x2 )’- (5x)’ = 6x - 5

2) y = 4x3 - 5x2 - 3  y’ = 12x2 - 10x

1)y   2 x  3   x 2  5

h) Derivada do produto
y '   2 x  3   x 2  5   2 x  3   x 2  5
' '

Seja y = u(x)v(x).
Se existem as derivadas u’(x) e v’(x), então y’ = u’ v + u v’.
y '  2   x  5   2 x  3  2 x
2

Exemplos
y '  2 x 2  10  4 x 2  6 x

y'  6x2  6x 10


2) y  x  (1  3 x 2 )

1
y '  ( x )'(1  3 x 2 )  x  (1  3 x 2 )'   (1  3 x 2 )  x  (6 x)
2 x

1  3x2
y'   6x x
2 x

i) Derivada do quociente de duas funções

u(x)
Seja y  ; se existirem as derivadas u' (x) e v' (x),
v(x)
u ' v  uv '
então y '  , para v  0.
v2

Exemplos
1 (1)'x  1  ( x)' 0  1 1
1) y  y'  2
 2  2 ou
x x x x

1 1
y  y  x 1  y '  1y  2   2
x x
x2  x  1 1 1
3) y   y'   2  x 1)'  y' 
(x   2x 1 ou
15 15 15
11 - x 2 1 1 2x
2) y  (11  x 2 )  y '  (2 x )   ou
y
x  x  17
2
 y' 
2
 '
 2

7 x  x  1  15  7x  x  1  157'

y ' 
 
 2 x  1  15  x 2  x  1  0 
15 15 2 152
y
11 - x 2
 y' 
 
11  x '7  11  x  7
2 2
'

 2

(2 x)  7  11  x  0   2 x   7

 
2x
2 2 2

 y' 
72 x  1  15  y'   2x71  1   2x 1 7 7 7
152 15 15

1  x2 (1  x 2 )' (1  x )  (1  x 2 )(1  x )' 2 x (1  x )  (1  x 2 )(1)


4) y   y'  
1 x (1  x ) 2 (1  x ) 2

2 x  2 x 2  1  x 2 1  2x  x 2
y'  
(1  x ) 2 (1  x)2
FÓRMULÁRIO DE DERIVAÇÃO

Função Derivada

y = f(x) = c y’ = f’(x) = 0

y = f(x) = x y’ = f’(x) = 1

y = c  g(x) y’ = c  g’(x)

y = xn y’ = n xn-1
para n inteiro positivo

yn x y´
1
n x n 1
n
y = u(x) v(x) y’ = u’ v + u v’

y  u(x) y'  u' v  uv'


v(x) v2
para v ≠
0

EXERCÍCIOS - DERIVADA

1) Calcular a derivada das funções, usando o formulário da página anterior:


1
a) y = 4x + 5 b) y = - x + 3 c) y = x 2 d) y = x2 + 4x + 5
2
1 2
e) y =  x  5x  7 f) y = 0,2 x2 – 4x g) y = (3x2 - 4x) (6x + 1) h) y = (1 - x2) (1 + x2)
2
i) y = (x2 – 4) (x + 2x4)j) y = 2 (x3 - 4x2 + 2x – 1) k) y  4 x l) y  9 x
1 6
m) y  3 x n) y  6 x o) y   p) y 
x x3
15 4x 10 x x
q) y  r) y  s) y  t) y 
2  x  x2 x 1 x2 1 x

RESPOSTAS

1
a) y’ = 4 b) y’ = -1 c) y’ = d) y´= 2x + 4 e) y´ = - x + 5
2

f) y´ = 0,4x – 4 g) y’= 54 x2 - 42x – 4 h) y’ = - 4x3 i) y’= 12x5 - 32x3 + 3x2 - 4 j) y’=6x2-16x+4

1 1 1 1 1
k) y´ = l) y´ = m) y´ = n) y´ = o) y´ =
4
4 x 3 9
9 x 8 3
3 x 2 6
6 x 5
x2

18  15  30 x 4 20
p) y´ =  q) y´ = r) y´ =  s) y´ = t) y´ =
x4 2  x  x  2 2
 x  1 2
 x  2 2

1
1  x  2

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

LEITHOLD, Louis. O Cálculo, com geometria analítica. São Paulo: Harbra, 1977.

STEWART, James. Cálculo, volume I. 5ª edição. São Paulo - SP: Pioneira Thomson Learning, 2006.

FARIA, Sebastião Pereira de. Cálculo I. 8ª edição. Mogi das Cruzes-SP: Cop-Set Reproduções Gráficas,
1991.

SILVA, Sebastião Medeiros da. Matemática: para os cursos de economia, administração, ciências
contábeis. São Paulo: Atlas, 1996.