Você está na página 1de 4

Medicina Legal | Eduardo Araújo

▪ FAMP – Med 1

ANTROPOLOGIA FORENSE

Antropologia é a ciência que estuda o ser humano a sua origem e evolução não somente em seu aspecto físico mas também no
social e cultural. Pode ser: Antropologia cultural, Arqueologia e Antropologia Física.

A Antropologia Forense é a parte da Antropologia Geral que interessa à Medicina Legal, especificamente em duas modalidades: a
identificação policial ou judiciária e a identificação médico legal.

Estuda a identidade e a identificação do homem. A identificação médico legal é determinada através de métodos, processos e técnicas
de estudo dos seguintes caracteres: idade, sexo, raça, altura, peso, sinais individuais, sinais profissionais, dentes, tatuagens, etc. e a
identificação judiciária é feita através da antropometria, datiloscopia etc.

A questão da identificação vem preocupando os seres humanos há muito tempo. Nas sociedades primitivas, antes da descoberta da
impressão digital o reconhecimento era feito depessoa para pessoa. Com o evoluir das sociedades tornaram-se maior as exigências no
que diz respeito a identidade individual no indivíduo vivo e principalmente nos cadáveres decompostos, carbonizados, esqueletos etc.

A identidade é o fim de todas as classificações, pertence a todos os seres e interessa particularmente ao homem

1. Identidade - caracteres que individualizam a pessoa; conjunto de caracteres próprios e exclusivos de uma pessoa. "Qualidade de
ser a mesma cousa e não diversa". (Moraes)
2. Identificação – emprego de meios para determinar a identidade. "Processo pelo qual se determina a identidade ou não. É a
descrição de uma pessoa que se quer conhecer". (Litre)
3. ANTROPOLOGIA: É o estudo do homem ou ciência do homem.
4. ANTROPOLOGIA FORENSE: É a aplicação prática desses conhecimentos, dos métodos nos casos em que a lei deles necessita para
a sua execução.
5. RECONHECER ("recognocere"): conhecer de novo, afirmar, admitir como certo, certificar-se de.
6. RECONHECIMENTO: Ato ou efeito de reconhecer.
7. IDENTIFICAR: Determinar a identidade.

LEGISLAÇÃO

C.P. Art. 307: “Atribuir-se ou atribuir a terceiro falsa identidade para obter vantagem, em proveito próprio ou alheio, ou para causar
dano a outrem”. Pena: Detenção de três meses a um ano.

CP. Art. 308: Usar, como próprio, passaporte, título de eleitor, caderneta de reservista ou qualquer documento de identidade alheia
ou ceder a outrem, para que dele se utilize, documento dessa natureza, próprio ou de terceiro.

LCP. Art. 68: Recusar a autoridade, quando por esta justificadamente solicitados ou exigidos, dados ou indicações concernentes à
própria identidade, estado profissão, domicílio ou residência

C.P.P. Art. 5º LVIII: “O civilmente identificado não será submetido a identificação criminal, salvo nas hipóteses previstas em lei”.

C.P.P. Art. 166 : Havendo dúvida sobre a identidade do cadáver exumado, proceder-se-á ao reconhecimento pelo Instituto de
Identificação e Estatística ou repartição congênere ou pela inquirição de testemunhas, lavrando-se auto de reconhecimento e
identidade, no qual se descreverá com todos os sinais e indicações.

C. C. Art. 219: Considera-se erro essencial sobre a pessoa do outro cônjuge: I – o que diz respeito a identidade do outro cônjuge...

IDENTIDADE:

 É o conjunto de caracteres próprios e exclusivos de uma pessoa, isto é, os elementos que permitem afirmar ser uma pessoa
ela mesma e não outra.
 Na antiguidade era feita de pessoa para pessoa.
 São elementos individuais, positivos e estáveis, originários ou adquiridos, próprios de cada indivíduo que permitem a
caracterização individual.
 São as características e atributos que tornam a pessoa única.
 Apresenta grande importância no foro civil e criminal por ser passível de falsificação.

A. SUBJETIVA: É a noção que cada indivíduo tem de si próprio, no tempo e no espaço. É a sua maneira de ser, sua natureza, sua
essência.
B. OBJETIVA: É aquela fornecida pelos seguintes caracteres:
 Físicos: Normais ou patológicos.
 Funcionais: Normais ou patológicos.

1
Medicina Legal | Eduardo Araújo
▪ FAMP – Med 1

 Psicológicos: Normais ou anormais.

IDENTIFICAÇÃO:

A) OBJETIVO: Questões de fórum cível - Questões de fórum criminal


B) MATERIAL DE ESTUDO: No vivo - No morto - Em restos ou outros materiais
C) MEIOS DE IDENTIFICAÇÃO: Registro dos caracteres – Verificação. Comparação – Arquivamento
D) REQUISITOS TÉCNICOS: Unicidade (ser único). Imutabilidade (não mudar). Praticabilidade (qualidade de ser prático, fácil).
Classificabilidade (ser possível classificar). Perenidade (desde a vida embrionária à putrefação)
E) DIVISÃO:
a) MÉDICO LEGAL OU PERICIAL: Física - Funcional - Psíquica
b) POLICIAL OU JUDICIÁRIA

IDENTIFICAÇÃO MÉDICO-LEGAL FÍSICA

B. ESPÉCIE ANIMAL: ossos, dentes, pêlos, sangue etc.


C. RAÇA: forma do crânio, índice cefálico, ângulo facial, dimensões da face, cor da pele, cabelos etc.
D. IDADE: elementos morfológicos = aparência, pele, estatura, pêlos, peso, olhos, dentes, órgãos genitais e raio x = dentes e
ossos.
E. SEXO: Vivo: Inspeção das genitálias. Morto e Esqueleto (ossos em geral, ossos do crânio, ossos do tórax e ossos da bacia,
órgãos internos etc.).
F. ESTATURA: Vivos, mortos, esqueleto.
G. PESO.
H. MALFORMAÇÕES: lábio leporino, pé torto, desvios da coluna, doenças cutâneas etc.
I. CICATRIZES: Naturais, cirúrgicas, traumáticas etc.
J. TATUAGENS: bélicas, religiosas, amorosas, eróticas, sociais, profissionais, históricas, patrióticas, iniciais do nome etc.
K. SINAIS PROFISSIONAIS: espessura e coloração da pele, alterações musculares, estigma em movimento etc.
L. SINAIS INDIVIDUAIS: prótese, nariz, orelhas, mamas etc.
M. BIÓTIPO: síntese das qualidades vitais do indivíduo (morfológica, funcional, intelectual, moral)
 Brevelíneo
 Normolíneo
 Longelíneo

IDENTIFICAÇÃO JUDICIÁRIA:

 Processos Antigos
 Arcada Dentária
 Assinalamento Sucinto Sobre Posição De Imagem
 Bertinolagem
 Estudo Da Voz
 Fotografia
 D.N.A. “Finger Prints”
 Retrato Falado
 Dactiloscopia

DETERMINAÇÃO DAS RAÇAS

Caucasiano: Pele branca ou trigueira. Cabelos crespos ou lisos, louros ou

DETERMINAÇÃO DO SEXO

Existem oito tipos de sexo:

A. Sexo cromossomial: XX e XY
B. Sexo gonadal: Testículos e ovários
C. Sexo cromatínico: corpúsculos de Barr (presentes no núcleo nas células femininas)
D. Sexo de genitália interna: Masculino (ductos de Wolff); Feminino (ductos de Müller)
E. Sexo de genitália externa: Masculinos (pênis e escroto); Feminino (vulva, vagina e mamas desenvolvidas)
F. Sexo jurídico:
a. designado no registro civil ou
b. quando a autoridade legal determina que se registre uma pessoa num ou noutro sexo, após suas convicções
médico-legais, morais ou doutrinárias

2
Medicina Legal | Eduardo Araújo
▪ FAMP – Med 1

G. Sexo de identificação ou psíquico ou comportamental: Identificação o indivíduo faz de si próprio e que se reflete no
comportamento
H. Sexo médico-legal: Constatado através de uma perícia médica. Em esqueleto através do estudo da bacia pélvica. A bacia
pélvica, sem dúvidas, é a melhor estrutura para fazer diagnóstico diferencial de sexo, o crânio ocupa o segundo lugar.

CRANIOMETRIA

DETERMINAÇÃO DA IDADE/ Estimativa da Idade

Arco senil: (uma faixa acinzentada ao redor da córnea que aparece em 20% das pessoas aos 40 anos e em 100% delas aos 80 anos.
Mais freqüente na raça negra e no sexo masculino.

Pele e Pêlos: Têm pouca importância, porém auxiliam em determinadas situações. As primeiras rugas surgem entre os 25 – 30 anos
nas comissuras externas das pálpebras, após surgem as naso-labiais. Fronte e pescoço. Os pêlos pubianos surgem nas mulheres dos 12
– 13 anos e nos homens dos 13 – 15 anos.

Erupção Dentária:

Pelas suturas cranianas: Tecido fibroso que conecta os ossos do crânio.

Pelo Ângulo mandibular

3
Medicina Legal | Eduardo Araújo
▪ FAMP – Med 1

Radiografia dos ossos (metacarpo = punho): Permitem avaliar a idade até completarmos a fase de crescimento. As soldaduras das
epífise do rádio ocorrem cerca de dois anos antes nas mulheres (18 – 19 ) do que nos homens ( 20 – 21 ).

Estimativa da Estatura

 Através da medição direta no vivo ou no cadáver, quando integro.


 Através de tábuas ou tabelas osteométricas, quando da presença de apenas alguns ossos:
o Broca
o Etienne-Rollet
o Trotter e Gleser
o Lacassagne e Martin

DETERMINAÇÃO DA MORTE POR OSSOS