Você está na página 1de 10

BENEFICIOS DA DRENAGEM LINFÁTICA E DA VACUOTERAPIA NO

FIBRO EDEMA GELÓIDE

Jéssica Chrispim Lima1, Alison Walvy de Souza2, Silvia Patrícia de Oliveira3

1. Acadêmica do Curso de Tecnólogo em Estética e Imagem Pessoal da Universidade Tuiuti do Paraná


(Curitiba, PR).
2. Tecnóloga em Estética e Imagem Pessoal – Professora Orientadora Adjunta da Universidade Tuiuti.
3. Fisioterapeuta Dermato Funcional- Professora Co orientadora Adjunta da Universidade Tuiuti.

Endereço para correspondência: jessyca_chrispim@hotmail.com

RESUMO
O Fibro Edema Gelóide é uma afecção que afeta 90% da população feminina, que pode
provocar alterações não somente inestéticas como de saúde. O profissional Tecnólogo em
Estética vem atuando na área com os tratamentos para o fibro edema gelóide, popularmente
conhecida como celulite, que foi descrito pela primeira vez na França, por volta de 1920, que
são alterações causadas nos fibroblastos, especialmente pelo estrógeno, promovem
modificações estruturais aumentando seu poder hidrofílico e a pressão osmótica intersticial.
Por esse contexto foi avaliada a eficácia das terapias escolhidas para a afecção como a
drenagem linfática, que drena os líquidos dos excedentes que banham as células, mantendo
dessa forma, o equilíbrio hídrico dos espaços intersticiais e é responsável pela evacuação dos
dejetos provenientes do metabolismo celular, baseando-se em uma massagem de movimentos
leves, precisos, rítmicos e lentos e a vacuoterapia é uma técnica de sucção, feita através de
ventosas e roletes que fazem compressão sobre o tecido com celulite e gordura localizada,
diminuindo a extensão da região afetada e melhorando a pele como um todo. O presente
artigo utilizou como metodologia levantando informações de livros, artigos científicos
utilizando site como base.
Palavras chave: Drenagem Linfática, Fibro Edema Gelóide, e Vacuoterapia

ABSTRACT
The fibro ginoide edema is a condition that affects 90% of the female population, which can
cause changes not only unsightly and health. Professional Technologist in Esthetic has been
working in the area with treatments for fibro edema gelóide, popularly known as cellulite,
which was first described in France, around 1920, which are changes in fibroblasts caused,
especially by estrogen, promote changes structural increasing its power and hydrophilic
interstitial osmotic pressure. In this context, the efficacy of therapies chosen for the condition
such as lymphatic drainage, which drains the excess fluids that bathe the cells, thus
maintaining the water balance of the interstitial spaces and is responsible for disposal of waste
from cell metabolism , based on a light massage movements, precise, rhythmic, slow and
vacuum therapy is a technique of suction cups and made through rollers that compress the
tissue with cellulite and localized fat, the extent of the affected area and improving the skin as
a whole. This article used as a methodology to gather information from books, scientific
articles using site as a base.
Keywords: lymphatic drainage, fibro ginoide edema and vacuum therapy.

1
baseando-se sempre na proposta mais
INTRODUÇÃO
acessível.
Atualmente, existe uma constante e
incansável busca pelo “corpo ideal”. É
numa figura magra que se encarna o desejo 1.CONCEITO DE FIBRO EDEMA
de muitas mulheres, mesmo que para isso GELÓIDE
seja necessário utilizar recursos duvidosos.
Pode-se dizer que o Fibro Edema
Uma ampla área de atribuições do
Gelóide, popularmente conhecido como
Tecnólogo em Estética vem atuando no
celulite, foi descrito pela primeira vez na
sentido de corrigir as disfunções estéticas.
França, por volta de 1920, quando o
Esta área dispõe de recursos que trabalham
pesquisador Paviot identificou e descreveu
no sentido de restaurar a aparência, sem
as alterações estéticas que ocorrem na
comprometer a saúde das mulheres. O
superfície da pele¹.
Fibro Edema Gelóide (FEG), mas
O próprio nome celulite é uma
conhecida como celulite é uma delas, que é
combinação do termo francês para designar
uma afecção que afeta 90% da população
célula – Cellule- e o sufixo - ite que
feminina, que pode provocar alterações
significa inflamação.
não somente inestéticas como de saúde.
Porém, geralmente a maior preocupação
1.1 Etiologia e Fisiopatologia
das mulheres está ligada a essa afecção,
por esse motivo, este trabalho tem por Os fatores predisponentes são
objetivo revisar o conceito de FEG e o hereditários e múltiplos como distribuição
tratamento com as terapias de Drenagem do tecido adiposo e ainda, quantidade,
Linfática e Vacuoterapia mais conhecida disposição e sensibilidade dos receptores
como endermologia. das células, sexo, etnia, biótipo corporal,
afetadas pelos hormônios envolvidos.
Fatores agravantes como hábitos
METODOLOGIA
alimentares inadequados, sedentarismo,
Este trabalho constitui-se em uma estresse, patologias, medicamentos e
revisão bibliográfica realizada através de gravidez podem acelerar o desequilíbrio².
pesquisas nas principais bases de dados em No FEG as alterações causadas nos
saúde, sendo Google Acadêmico, Scielo, fibroblastos, especialmente pelo estrógeno,
Artigos científicos, além desses foram promovem modificações estruturais
levantadas informações de livros, aumentando seu poder hidrofílico e a
2
pressão osmótica intersticial. Esse 4) fibroesclerose progressiva com
mecanismo gera acúmulo de líquido entre formação de macronódulos.³
os adipócitos com conseqüente deposição Guirro e Guirro (2002) ressaltam
de colágeno na matriz-intersticial. A não que a mulher apresenta um número duas
uniformidade na deposição dessas fibras de vezes maior de adipócitos em relação ao
colágeno acarreta uma esclerose irregular homem e que, o corpo feminino tem
de tamanhos variados tanto ao redor dos tendência ao acúmulo graxo nos glúteos e
adipócitos quanto dos vasos sangüíneos. coxas, já no homem esse acúmulo situa-se
As mudanças no tamanho dos capilares predominantemente no abdome. As fibras
levam quase sempre à formação de
do tecido conjuntivo das mulheres são
microaneurismas, por estrangulamento dos mais separadas que as dos homens, mas
mesmos, permitindo o extravasamento de não é entrelaçado em forma reticular, o que
plasma para o interstício em conjunto com favorece a insuflação das células
algumas citosinas e linfócitos reforçando gordurosas depositadas4.
esta desordem¹.

De acordo com Curri (1991) a


1.2Diagnóstico
fisiopatologia do FEG se divide em quatro
estágios evolutivos: O diagnóstico do Fibro Edema Gelóide
é feito através de uma anamnese completa
1) alterações no esfíncter pré-
que tem grande importância para a escolha
capilar arteriolar que induzem
e realização do tratamento. São feitos dois
modificações na permeabilidade vênulo-
testes:
capilar, além de estase capilar com
transudação e edema pericapilar entre os * Teste da casca de laranja - deve ser feito
adipócitos; da seguinte maneira: pressiona-se o tecido
adiposo entre os dedos polegar e indicador
2) o edema causa alterações
ou entre as palmas das mãos, e a pele se
metabólicas que resultam em hiperplasia e
parecerá com uma “casca de laranja”, com
hipertrofia das fibras reticulares e
aparência rugosa5.
formação de uma trama fibrótica irregular;
* Teste de Pressão ou Cacifo - visa a
3) as fibras de colágeno dos septos
detectar alteração da sensibilidade dolorosa
se polimerizam entre os adipócitos
do tecido acometido pela celulite e é
formando micronódulos;
realizado da seguinte maneira: faz-se a
pressão da pele juntamente com a tela
3
subcutânea entre os dedos, e promove-se sensibilidade e flacidez;
4
um movimento de tração . * Grau 4 – apresenta considerável
comprometimento, tendo em vista um
inchaço das células adiposas que é bastante
1.3Classificação do FEG
acentuado, ocorrendo fibrose do tecido de
Podemos classificar o FEG em 4 graus, sustentação e alteração na circulação de
de acordo com os aspectos clínicos e a fase retorno. A pele tem aparência “lustrosa”,
evolutiva: com “buracos”, de aspecto acolchoado6, 7.

* Grau 1 – ocorre elevada quantidade de


gordura intracelular, ocasionando grande
1.4Formas Clínicas
volume das células do tecido gorduroso.
Algumas características do FEG
Não apresenta comprometimento
determinam suas formas clínicas como:
circulatório, apenas aumento das veias do
tecido adiposo. Nesse estágio, cabe o * Compacto ou duro: acomete mulheres
exame físico através da palpação da pele jovens que praticam atividade física
ou manobras de pinçamento; regularmente, tem aspecto compacto,
* Grau 2 – apresenta considerável firme, não se modifica com a posição (pé
quantidade de gordura nas células, ou deitado)4.
acompanhada de fibrose, podendo chegar à De acordo com Campos (2000) é
formação de micro nódulos. Neste estágio, encontrado em pessoas com bom trofismo
pode-se encontrar modificação circulatória muscular, em atletas e grandes obesos. É
e alteração visível na aparência da pele, mais localizado e não muda de posição
perante mudanças da posição sentada ou conforme a mudança de decúbito. Os
deitada e geralmente apresenta nódulos parecem duros com pouca
comprometimento da sensibilidade tendo mobilidade. É mais dolorido e o
indicação de alguns tratamentos prognóstico é pior e de difícil mobilização
específicos; do tecido. A dureza provoca irritações e
* Grau 3 – neste grau, a presença de
compressões futuras sobre os elementos
nódulos é aparentemente visualizada na próximos, o que poderá trazer a aparição
pele, tendo aspecto de “casca de laranja”. de varizes, edemas infiltrativos e
Pode o paciente referir dor, sensação de microvaricoses, estrias ou linhas
peso, cansaço em MMII (membros albicantes. É reconhecido ao tato, pois os
inferiores) e aumento considerável da músculos acham-se recobertos por uma
4
capa dura e compacta que aparece aderida observa mais de um tipo de FEG em
8
a estes . diferentes locais, no mesmo indivíduo9.
* Edematoso: esta forma é vista em Segundo Guirro e Guirro (2002)
qualquer faixa de idade ou de peso, ou “podemos encontrar o FEG nas coxas
seja, pode acometer indivíduos jovens ou associado ao flácido no abdome, ou então
adultos, obesos ou não. Apresenta um um FEG muito firme na coxa,
aspecto exterior de um edema tecidual lateralmente, acompanhado de um muito
puro, simples, consistência variável, flácido, medialmente”4.
podendo ser encontrado em qualquer faixa
de idade ou de peso4.
2.SISTEMA LINFÁTICO
* Flácido ou Brando: é a forma clínica
Quanto à fisiologia do sistema
mais freqüente e caracteriza por não ser
linfático, Leduc (2000), menciona a
doloroso. Pode apresentar-se em grandes
hipótese de Starling que explica o
ou pequenas proporções, em indivíduos
equilíbrio existente entre os fenômenos de
com hipotonia muscular4.
filtragem e de reabsorção no nível das
Segundo Campos (2000), encontra- terminações capilares. A água carregada de
se em pacientes sedentários, com pobre elementos nutritivos, sais minerais e
trofismo muscular e em pacientes vitaminas deixam a luz do capilar arterial,
emagrecidos. Acomete uma área de chega ao meio intersticial e banha as
extensão maior e muda de posição células. Estas retiram desse líquido os
conforme mudança de decúbito. Os elementos necessários a seu metabolismo e
nódulos se mobilizam com a palpação, sob eliminam os produtos de degradação
o tecido subepidérmico. Costuma ocorrer celular. Em seguida, o líquido intersticial é,
como uma seqüência da forma compacta, pelo jogo sutil das pressões, retomado pela
não tratada ou orientada de maneira rede de capilares venosos10.
8
ineficaz .
A rede de reabsorção é constituída
Acomete mulheres com vida
pelos capilares linfáticos que coletam o
sedentária, tem aspecto acolchoado
líquido da filtragem carregado de dejetos
evidente, a pele é trêmula aos movimentos
do metabolismo celular. Os capilares ou
e o relevo da superfície se altera com a
linfáticos iniciais não são valvulados. Eles
posição9.
encontram-se dispostos em dedos de luvas,
* Misto: para Conti e Pereira (2003), há
um grande número de casos onde se
5
isto é, num sistema tubular fechado10. 2º lugar: estimula processos imunitários ao
O sistema linfático consiste de: aumentar na zona corticla dos gânglios
linfáticos à produção de linfócitos. Os
1) um sistema vascular: constituído por um
linfócitos constituem uma variedade de
conjunto particular de capilares linfáticos,
glóbulos brancos que pelo processo de
vasos coletores e troncos linfáticos;
fagocitose produzem anticorpos. Em 3º
2) linfonodos: que servem como filtros do
lugar: Favorece a regeneração dos tecidos.
líquido coletado pelos vasos; e
Este efeito regenerativo pode ser explicado
3) órgãos linfóides: que incluem tonsilas, pela eliminação do edema intersticial, fator
baço e o timo, encarregados de recolher, na da diminuição da velocidade, da
intimidade dos tecidos, o líquido microcirculação, e pelo aumento da
intersticial e reconduzi-lo ao sistema produção dos linfócitos, cujo núcleo tem
vascular nervoso4. papel de regenerador dos tecidos. Em 4º
lugar: exerce efeito sobre o sistema
nervoso de forma tranqüilizante relaxante,
3.DRENAGEM LINFÁTICA
que favorece o predomínio do sistema
Segundo Leduc (2000) a drenagem parasimpático10.
linfática drena os líquidos dos excedentes Os movimentos da drenagem
que banham as células, mantendo dessa linfática são lentos, leves e monótonos,
forma, o equilíbrio hídrico dos espaços mantendo um ritmo inalterado entre o
intersticiais e é responsável pela evacuação aumento e o relaxamento das pressões. A
dos dejetos provenientes do metabolismo drenagem linfática se baseia em duas
celular, tendo quatro grandes efeitos: em 1º etapas, sendo em ambas, realizadas sempre
lugar: estimula a circulação linfática, ao no sentido da circulação linfática de
acelerar a absorção dos líquidos das retorno e centripetamente. Essas duas
macromoléculas dos interstícios pelos etapas são chamadas de evacuação e
capilares linfáticos ativando a capacidade captação10.
peristáltica dos vasos. Diferentes estudos O primeiro processo é de captação
clínicos demonstram que a drenagem que é realizada no mesmo nível da
linfática manual absorve numerosas formas infiltração. O segundo processo consiste na
de edema, não somente os visíveis, mas evacuação que é transparência dos líquidos
também os menos aparentes. Está indicada captados longe da zona de captação10. O
para edemas pós-traumáticos como os que objetivo da captação é absorver os líquidos
surgem quando se produz uma fratura. Em
6
excedentes da região com estase (com mecanismo de transporte da linfa, cuja
edema, celulite, etc.) e transportá-la através freqüência de contração é de 5 a 7 vezes
dos vasos linfáticos de volta para a por minuto;
circulação venosa11. - Não deve ser desagradável e
O objetivo da evacuação é jamais provocar dor;
proporcionar um aumento do fluxo - As sessões devem ter o mínimo de
linfático na região proximal, deixando essa 30 minutos13.
descongestionada e preparada para receber
a linfa de outras regiões mais distais. Ao se
3.1 Indicações e Contra-indicações
facilitar e melhorar a circulação linfática
Segundo Borges (2006), pode-se
dessa região, não haverá sobrecargas
considerar as seguintes indicações e contra
maiores a esses vasos11.
indicações:
A drenagem linfática no FEG é
uma técnica que pode melhorar o aspecto Indicações:
das irregularidades teciduais produzidas  Edemas e linfedemas;
pelo FEG, por renovar os líquidos  Fibro edema gelóide;
intersticiais (removendo toxinas e líquidos  Pré e pós-cirurgias;
excedentes) e restaurando a mobilidade e o
 Insuficiência venosa crônica;
comprimento do tecido fibroso, exercendo
 Obesidade;
também o efeito analgésico nas FEG
 Mastodinia; 5
doloridas e ativando o sistema nervoso
parassimpático, promovendo estado de
Contra-indicações:
relaxamento12.
Existem considerações relevantes
 Tumores malignos;
que devem ser observadas na aplicação da
 Tuberculose;
drenagem linfática:
 Infecções agudas e reações
- O trabalho deve ser executado no
alérgicas;
sentido proximal-distal;
 Edemas sistêmicos de origem
- Praticar por maior espaço de
cardíaca ou renal;
tempo onde há maior retenção de líquido,
 Insuficiência renal;
ou seja, linfedema;
 Trombose venosa; 5
- Executar as manobras em ritmo
lento, pausado e repetitivo, em respeito ao

7
4.VACUOTERAPIA nomeadamente no tecido conjuntivo,
tecido adiposo e estruturas vasculares e
Conhecida também como linfáticas14.
endermologia, a vacuoterapia uma técnica No fibro edema gelóide crônico
de sucção, feita através de ventosas e ocorre uma alteração do colágeno, que
roletes que fazem compressão sobre o favorece a fibroesclerose dos septos
tecido com celulite e gordura localizada, conjuntivos interlobulares. Portanto, outra
diminuindo a extensão da região afetada e função do tratamento é melhorar a
melhorando a pele como um todo. As maleabilidade do tecido, com ação,
ventosas deslizam sobre o corpo inclusive, nas etapas mais avançadas do
pressionando e sugando a pele, distúrbio, suavizando o aspecto acolchoado
funcionando também como uma drenagem da pele. Para tanto as manobras devem ser
linfática, enquanto os rolinhos girando em executadas no sentido das fibras
direções opostas rompem as cápsulas que musculares e linhas de tensão da pele, a
envolvem os nódulos responsáveis pela fim de se evitar flacidez tecidual16.
celulite14. As funções do tratamento com a
É um método de massagem que endermologia no fibro edema gelóide
engloba equipamentos motorizados, que consistem em melhorar a maleabilidade do
utiliza a técnica de sucção, promovendo tecido, com ação inclusive nas etapas mais
uma mobilização profunda da pele e do avançadas do distúrbio, suavizando o
tecido subcutâneo, permitindo um aspecto acolchoado da pele. A
incrimento da circulação sangüínea e endermologia estimula a dissolução dos
linfática. Para este fim utiliza a técnica de nódulos e libera as aderências teciduais,
ventosas além de cabeçotes como roletes, bem como favorece a diminuição dos
que permitem o deslizamento dos mesmos, transtornos circulatórios. A endermologia
promovem uma pressão positiva no local visa, através de ação puramente mecânica,
dos rolos, em conjunção com a pressão reverter o processo patológico do fibro
negativa da sucção15. edema gelóide instalado no tecido
Esta técnica permite a redução do conjuntivo hipodérmico14.
fibro edema gelóide, não esquecendo que a Além disso, pode-se citar como
indicação para o FEG flácido não é eficaz, ações resultantes do tratamento com
por provocar mais flacidez. Atua nos endermologia a ação lipolítica (pela ação
planos cutâneos e subcutâneos, mecânica), drenagem linfática e eliminação

8
de resíduos metabólicos (através da ação podendo funcionar como uma drenagem
de hipervascularização associada ao linfática14.
desfibrosamento do tecido conjuntivo, Dessa forma determina-se que as
garantindo uma melhor circulação dos terapias estabelecidas para o tratamento do
fluidos), tonificação da pele (pelo estímulo FEG, conforme os autores foram
gerado no fibroblasto associado ao escolhidos corretamente.
descongestionamento dos tecidos) e
desestresse muscular (por diminuir as CONCLUSÃO
tensões e aperfeiçoar as trocas tissulares)14.
Após estudos realizados, verificou-
se que as terapias escolhidas para o
DISCUSSÃO
tratamento do fibro edema gelóide, são
No presente artigo as opiniões dos eficazes. A drenagem linfática estimula a
autores sobre o contexto estão circulação linfática, ao acelerar a absorção
correlacionadas. dos líquidos das macromoléculas dos
Sobre o Fibro edema gelóide mais interstícios pelos capilares linfáticos, além
conhecido como celulite, segundo Rossi de drenar os líquidos dos excedentes que
(2000), são alterações causadas nos banham as células, mantendo dessa forma,
fibroblastos, especialmente pelo estrógeno, o equilíbrio hídrico dos espaços
gerando acúmulo de líquidos entre os intersticiais e a vacuoterapia consiste em
adipócitos1. melhorar a maleabilidade do tecido, com
Leduc (2000) descreve sobre o ação inclusive nas etapas mais avançadas
sistema linfático que a hipótese Starling do distúrbio, suavizando o aspecto
que explica o equilíbrio existente entre os acolchoado da pele. Sendo assim as
fenômenos de filtragem e de reabsorção no terapias escolhidas não evasivas são
nível das terminações capilares10. eficazes na redução e na prevenção do
A drenagem linfática segundo fibro edema gelóide.
Leduc (2000) drena os líquidos dos
excedentes que banham as células, REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
mantendo dessa forma o equilíbrio
1. ROSSI ABR, Vergnanini AL. Cellulite:
hídrico10.
a review. JEADV. 2000; p. 249-262.
Para Pravatto (2007) a vacuoterapia
2. CIPORKIN, H. PASCHOAL, L.H.C.
é uma técnica de sucção, que faz
Atualização Terapêutica e
pressionamento e sugação da pele, fiosiopatogenia da Lipodistrofia
9
Ginóide (LDG) “celulite”. ED. Liv. 2006.
Santos Editora. São Paulo. 1992
16. GUIRRO, E.; GUIRRO, R.
3. CURRI S B. Las paniculopatias de
estasis venosa: diagnóstico clínico e Fisioterapia dermato-funcional:
instrumental. Haumsann, Barcelona, 1991
fündamentos, recursos e patologias. 3ed.
4. GUIRRO, Elaine Caldeira de O.;
GUIRRO, Rinaldo Roberto de J. São Paulo: manole, 2004.
Fisioterapia dermatofuncional. 3. Ed.
São Paulo: Manole, 2002.
5. BORGES, Fábio. Dermato-funcional:
modalidades terapêuticas nas disfunções
estéticas. São Paulo: Phorte, 2006.
6. BASTOS, Luciane. Drenagem
Linfática Manual – uma ênfase à saúde.
1. ed. Rio de Janeiro: Carioca. 2005.
7. ULLMANN, Dora; Reis, Telmo;
Steibel, Vera. Princípios Básicos da
Medicina Estética. São Paulo. 2004.
8.CAMPOS, M. S. P. Curso de
fisioterapia estética corporal. 2000.
9. CONTI, B. Z; PEREIRA, T. D. Ultra-
som terapêutico na redução da
lipodistrofia ginóide. 2003 p. 10-16.
10. LEDUC, O ; LEDUC, A. Drenagem
Linfática Teoria e Prática. 2ª ed. São
Paulo: Manole, 2000. P. 09-38
11. DE BARROS, M. H. Fisioterapia:
Drenagem Linfática Manual. São Paulo:
Robe 2001.
12. MAIO, Maurício de. Tratado de
Medicina Estética. 2ª Ed. Roca- Brasil,
2011.
13. LOPES, T. A utilização de
endermologia no tratamento do fibro
edema gelóide, 2002.
14. PRAVATTO, Mariana. Efeitos do
ultra-som terapêutico 3MHz associado à
endermoterapia no tratamento do fibro
edema gelóide e da gordura localizada;
2007.
Disponivel em:
http://www.pergamum.udesc.br/dados-
bu/000000/000000000008/000008C9.pdf
acesso em: 28 de setembro de 2011.
15. BACELAR, V.C.F.; VIEIRA, M.E.S.
Importância da vacuoterapia no fibro
edema gelóide. Fisioterapia Brasil, v.7,
10

Você também pode gostar