Você está na página 1de 22

Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

MANUAL

Curso Técnico Auxiliar de Saúde

UFCD: Noções gerais sobre o sistema neurológico,


Módulo/Unidade
endócrino e órgãos dos sentidos

Duração 25 Horas

Forma de Organização Presencial eLearning bLearning

Autoria (Formador/a) José Dias

Página |1
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

Nome do Documento: Manual de UFCD Noções gerais sobre o sistema neurológico,


endócrino e órgãos dos sentidos

Data de Realização: 20 de Junho de 2016

Responsável pelo seu desenvolvimento: José Dias

Objetivos do Manual de Formação:

 Identificar as estruturas do sistema neurológico e suas funções, bem como sinais


e sintomas de alerta de problemas associados.
 Identificar as principais implicações para os cuidados de saúde a prestar pelo/a
Técnico/a Auxiliar de Saúde ao utente com alterações do sistema nervoso.
 Identificar estruturas e órgãos dos sentidos, suas funções, bem como sinais e
sintomas de alerta de problemas associados.
 Identificar as principais implicações para os cuidados de saúde a prestar pelo/a
Técnico/a Auxiliar de Saúde ao utente com alterações ao nível dos órgãos dos
sentidos.
 Reconhecer o papel do sistema endócrino na regulação do organismo.
 Explicar que as tarefas que se integram no âmbito de intervenção do/a Técnico/a
Auxiliar de Saúde terão de ser sempre executadas com orientação e supervisão
de um profissional de saúde.
 Identificar as tarefas que têm de ser executadas sob supervisão direta do
profissional de saúde e aquelas que podem ser executadas sozinho.
 Explicar a importância de manter autocontrolo em situações críticas e de limite.
 Explicar a importância de se atualizar e adaptar a novos produtos, materiais,
equipamentos e tecnologias no âmbito das suas atividades.
 Explicar o dever de agir em função das orientações do Profissional de saúde.
 Explicar o impacte das suas ações na interação e bem-estar emocional de
terceiros.
 Explicar a importância da sua atividade para o trabalho de equipa
multidisciplinar.
 Explicar a importância de assumir uma atitude pró-ativa na melhoria contínua da
qualidade, no âmbito da sua ação profissional.
 Explicar a importância de agir de acordo com normas e/ou procedimentos
definidos no âmbito das suas atividades.

Página |2
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

 Explicar a importância de prever e antecipar riscos.


 Explicar a importância da concentração na execução das suas tarefas.
 Explicar a importância de desenvolver uma capacidade de alerta que permita
sinalizar situações ou contextos que exijam intervenção.

Condições de Utilização: Complemento para estudo da UFCD, pelos formandos do


curso Técnico auxiliar de saúde

Observações: Este manual será sucinto e é uma revisão bibliográfica de vários autores,
pelo que o formando deverá aprofundar os conteúdos de acordo com a orientação nas
sessões de formação.

Página |3
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

Índice Pag.

1. Sistema Neurológico …………………………………………..…….……..…5

2. Órgãos dos sentidos………………………………………………………….13

3. Sistema Endócrino …………………………………….……………………..15

Referências bibliográficas………………………………………..………….21

Página |4
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

1. SISTEMA NEUROLÓGICO
A unidade estrutural e funcional do sistema nervoso é o neurónio, célula altamente
especializada em transmitir as mensagens (estímulos) recebidos do ambiente (exemplo:
uma imagem de televisão ou de um livro, o sabor de um alimento, são mensagens
captadas pela rede de neurónios e distribuídas pelo corpo, formando os impulsos
nervosos).

Fig. - Neurónio

Página |5
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

Dependendo da forma como atuam no organismo, os neurónios podem ser classificados


em:
- Sensoriais: levam as informações dos órgãos dos sentidos (olhos, orelhas, receptores
do paladar, tato e olfato) até o sistema nervoso central.
- Motores: levam as mensagens de ação (sentar, correr, pular, andar etc.) do sistema
nervoso central até as glândulas e músculos.
- Associativos: ligam os neurónios sensoriais aos neurónios motores.

Fig. - Divisões

Página |6
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

Sistema Nervoso Central

Fig. - Encéfalo

Página |7
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

O Sistema Nervoso Central (SNC) consta de vários órgãos:

O encéfalo, que compreende o cérebro, o cerebelo e o bolbo raquidiano.

A medula espinal.

ENCÉFALO

Cérebro

É a parte mais volumosa e pesa, num adulto, cerca de 1200 gramas. Um profundo sulco
divide-o em duas partes simétricas chamadas hemisférios. Cada hemisfério divide-se
em 5 lóbulos e apresenta uma superfície com várias circunvoluções e sulcos.

A estrutura interna do cérebro é constituída por uma zona escura e uma zona clara. A
substância cinzenta, denominada córtex, é constituída por células nervosas (fibras
nervosas, corpos celulares e neuróglia), sendo responsável pelas ligações entre os
diferentes neurónios.

Página |8
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

A substância branca é constituída pelas ramificações das células nervosa (contém


apenas fibras nervosa e neuróglia), ou seja, pelas dendrites e os axónios.

Na base do cérebro localiza-se o Hipotálamo que possui células neurosecretoras


que produzem duas hormonas, que são posteriormente armazenadas na hipófise.
Além disso, este órgão regula numerosas atividades e funções como: a atividade da
hipófise anterior e do sistema nervoso autónomo, regulação da temperatura corporal,
ingestão de água e alimentos, estado de vigília e estados emocionais.

Fig. - Capacidades do cérebro humano

Cerebelo

É a parte maior do encéfalo, depois do cérebro, localizado na parte posterior do


encéfalo. Encontra-se também dividido em dois hemisférios cerebelosos, compostos
externamente por substância cinzenta e internamente por substância branca. As suas
principais funções são coordenar a atividade muscular e manter o equilíbrio

Bolbo raquidiano

Página |9
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

Tem origem na base do cérebro e continua-se na medula espinal. É responsável pela


regulação da ventilação, frequência cardíaca e pressão sanguínea. Por outro lado,
acelera ou diminui a atividade motora e é responsável pela manutenção do estado
de vigília.

MEDULA ESPINAL

Porção do sistema nervoso central, localizado no prolongamento do bolbo raquidiano,


dentro do canal raquídeo, protegido pela coluna vertebral. Começa no buraco occipital,
ao nível do atlas (1ª vértebra cervical) até ao começo da 2ª vértebra lombar. É
constituída por substância cinzenta na parte interna, e substância branca
externamente.

A função da substância cinzenta da medula é servir de centro reflexo (reflexo é a


resposta involuntária a um estímulo) e atuar como centro emissor de impulsos, que
saem da medula através dos nervos raquídeos. Por outro lado, atua como primeira
estação recetora dos impulsos sensitivos, que chegam através dos nervos espinais
ou raquídeos. A substância branca atua apenas como condutora de impulsos.

Fig. - Substância cinzenta Fig. - Substância branca

SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO

P á g i n a | 10
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

O Sistema nervoso periférico é constituído por nervos e gânglios nervosos. Os nervos


são conjuntos de fibras nervosas envolvidos por tecido conjuntivo. Partem do encéfalo
e da medula e ramificam-se para todas as partes do corpo. As fibras nervosas são
classificadas em sensitivas ou aferentes e motoras ou eferentes. As fibras sensitivas
conduzem o impulso nervoso das diferentes partes do corpo para o sistema nervoso
central, enquanto que as fibras motoras fazem o percurso inverso.

Os gânglios nervosos são conjuntos de corpos celulares de células nervosas. O sistema


nervoso periférico divide-se em sistema nervoso somático e sistema nervoso autónomo.

SISTEMA NERVOSO SOMÁTICO

Está relacionado com a coordenação do movimento das várias partes do corpo


(incluindo os movimentos voluntários). O sistema nervoso somático é constituído por 12
pares de nervos cranianos e 32 pares de nervos raquidianos.
Estes nervos são responsáveis pela transmissão dos impulsos provenientes dos
recetores até ao sistema nervoso central e, deste, até aos músculos esqueléticos,
provocando o movimento do corpo.

SISTEMA NERVOSO AUTÓNOMO

O sistema nervoso autónomo controla as atividades involuntárias, isto é, que não


dependem da vontade, como é o caso da atividade das glândulas e das funções
viscerais, como a respiração e o ritmo cardíaco, sendo responsável pela manutenção
do equilíbrio do meio interno.

Este sistema e o sistema nervoso central estão interligados, afetando-se mutuamente.


O sistema nervoso autónomo é constituído por aglomerados de células nervosas
localizadas no sistema nervoso central, por fibras nervosas ligadas ao sistema nervoso
central por nervos cranianos ou raquidianos, e por gânglios situados ao longo dessas
fibras. Este sistema divide-se em sistema simpático e parassimpático, sendo as ações

P á g i n a | 11
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

do primeiro antagónicas às do segundo, isto é, o sistema simpático atua sobre diferentes


partes do corpo preparando-as para reações intensas em que há consumo de energia,
enquanto que o parassimpático atua sobre as mesmas partes, provocando o seu
relaxamento e descanso.

A coordenação nervosa

A transmissão de impulsos nervosos realiza-se sempre a partir dos órgãos recetores de


estímulos para o sistema nervoso central, e deste para os órgãos efetores.
-Órgãos recetores: são os órgãos sensoriais, como orelhas, olhos e pele, que captam
os estímulos externos ao corpo. Existem também os receptores internos, que informam
sobre temperatura corporal, fome, dor ou cansaço muscular.
-Sistema nervoso central: recebe os impulsos nervosos e elabora uma resposta
específica para cada estímulo.
-Os órgãos efetores: são os órgãos que dão resposta aos estímulos (geralmente são os
músculos e as glândulas).

Sinapses nervosas
As sinapses nervosas são os estímulos (Impulsos Nervosos) que passam de um
neurónio para o seguinte por meio de mediadores químicos, os neurotransmissores,
através da fenda sináptica.

Fig. Sinapse

Esquema de uma sinapse.


A - neurônio transmissor B - neurônio recetor 1. Mitocôndria 2. Péptido 3.
Junção comunicante .

A comunicação entre os neuronios dá-se numa região denominada Sinapse. Essa

P á g i n a | 12
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

comunicação não é direta porque os neurónios estão separados uns dos outros. A
sinapse realiza-se por meio de substâncias químicas chamadas neurotransmissores.

2. ORGÃOS DOS SENTIDOS

O órgão dos sentidos correspondem a grupos de células altamente especializadas e


localizadas em determinadas regiões de modo a aumentar a sua eficiência na receção
dos estímulos e na transmissão da informação ao Sistema Nervoso Central.

SENTIDO DO GOSTO
Os recetores do sentido do gosto estão localizados na língua, agrupados em papilas e
ligados à região dos lobos olfativos do cérebro. As papilas gustativas têm terminações
sensitivas na superfície da língua.

Os diferentes tipos básicos de gosto, doce, azedo, salgado e amargo estão situados em
diferentes locais da língua. A receção do gosto de um alimento só é total quando está
associado o cheiro que esse alimento proporciona.

SENTIDO DO OLFATO

P á g i n a | 13
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

Os quimioreceptores do olfato localizam-se nas fossas nasais, detetando no ar


moléculas odoríferas e enviam a informação aos lobos olfativos do cérebro.

SENTIDO DO TATO

Os estímulos do tato são recebidos em corpúsculos tácteis especialmente abundantes


nas pontas dos dedos. Os recetores tácteis estão especializados para a receção dos
diferentes estímulos: pressão, frio, calor, etc.

SENTIDO DA AUDIÇÃO

A audição resulta de interpretações de sensações produzidas por sons que se


transmitem através do ar (ou da água).

O som entra pelo canal auditivo externo e atua sobre a membrana do tímpano que
transmite a vibração recebida aos ossículos do ouvido médio os quais, por sua vez,
transmitem as vibrações à janela oval. A partir desta zona o som entra no ouvido interno
onde estão localizadas as células recetoras do som que, através dos nervos auditivos,
vão transmitir ao cérebro a informação recebida.

O órgão do Equilíbrio situa-se no ouvido interno, a seguir ao caracol. É constituído por


três tubos - canais semicirculares - perpendiculares entre si.

Estão cheios de um fluido que circula quando a pessoa se move. Os pelos existentes
na base de cada canal são sensíveis ao movimento e enviam mensagens ao cérebro,
que as interpreta de forma a manter o equilíbrio da pessoa.

Este órgão tem duas outras estruturas, o sáculo e o utrículo. Estes tem células
especiais sensíveis à gravidade e zelam pela posição do corpo.

P á g i n a | 14
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

SENTIDO DA VISÃO

A visão é um dos sentidos mais desenvolvidos. O funcionamento do olho é semelhante


ao de uma máquina fotográfica.

Os raios luminosos são reunidos pela lente e focados sobre uma camada fotossensitiva
denominada Retina (análoga ao filme da máquina). As lentes podem tornar-se menores
e mais esféricas para focos próximos e compridas e finas, para focos distantes. Esta
ação na focagem é aperfeiçoada pela ação de músculos ciliares ligados à lente (que
corresponde na máquina fotográfica ao trabalho do telémetro que faz variar a distância
da lente ao objeto e ao filme).

O olho pode, ainda, compensar a variação da quantidade de luz alterando o tamanho


da abertura da Pupila, através da qual passa a luz que atinge o olho, trabalho que
corresponde ao do diafragma da máquina fotográfica.

3. SISTEMA ENDÓCRINO
O Sistema endócrino é composto por um conjunto de glândulas endócrinas.

1- GLÂNDULA ENDÓCRINA – Glândula desprovida de canais excretores,


produtoras de hormonas, que lançadas na corrente sanguínea e linfática
e atingem todo o organismo.
2- HORMONA - As hormonas são substâncias químicas produzidas pelas
glândulas endócrinas, que constituem um meio de transmissão de mensagens
entre as várias células. Produzidas após determinado estímulo, vão atuar em
pequenas quantidades numa célula específica - a célula-alvo – produzindo
determinados efeitos.

HIPÓFISE ou GLÂNDULA PITUITÁRIA


A Hipófise tem forma oval, pesa cerca de 0,7 gramas e localiza-se na base do cérebro,
alojada numa cavidade do osso esfenoide, denominada sela turca.

É composta por duas partes distintas:

P á g i n a | 15
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

Adenohipófise: Produz hormonas que, por sua vez, vão controlar a produção de outras
hormonas ao nível de outros órgãos. A sua secreção hormonal é controlada pelo
hipotálamo (pequeno órgão do sistema nervoso central ). Produz as seguintes
hormonas:

Hormona Ação

Hormona do crescimento ou Regula o crescimento do organismo


Somatotrofina (STH)

Hormona Tiriotrofina (TSH) Regula a produção de hormonas da


tiroide

Hormona Adrenocorticotrófica Regula a atividade do córtex


(ACTH) suprarrenal

Hormona Foliculo-estimulina (FSH) Na mulher – estimula a maturação do


folículo

No homem – estimula a
espermatogénese

Hormona Luteinizante (LH) Na mulher – leva a cabo a ovulação

No homem –estimula produção de


testosterona

Hormona Prolactina Estimula o desenvolvimento das


mamas e a produção de leite

Neurohipófise: Não tem função secretora, mas serve de reservatório às hormonas


produzidas no hipotálamo, que liberta posteriormente. As hormonas são:

P á g i n a | 16
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

Hormona Ação

Hormona Oxitocina Secreção de leite, através da contração


dos alvéolos da glândula mamária

Hormona Antidiurética ou Estimula a reabsorção renal da água e


Vasopressina (ADH) contração da musculatura lisa dos
vasos sanguíneos (aumentando a
tensão arterial)

TIROIDE

A glândula tiroide é constituída por dois lobos e por uma parte intermédia - o instmo -
encontrando-se localizada sobre a traqueia, na parte anterior do pescoço.

Hormona Ação

Hormona Tiroxina Regula o metabolismo geral do


organismo

A Tiroxina, ao atuar no metabolismo geral, aumentando a produção de calor e de


proteínas e o grau de utilização dos nutrientes energéticos, tem uma ação determinante
no crescimento. Assim sendo, um défice desta hormona durante a infância

P á g i n a | 17
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

(hipotiróidismo) provoca o alterações graves no crescimento e uma hipersecreção leva


ao hipertiroidismo.

Normalmente, uma dieta regular com falta de iodo induz a hipófise a estimular a
hipertrofia da tiroide – Bócio, que pode ou não ser acompanhado de um
hiperfuncionamento.

Fig. - A Tiroide - Localização e corte histológico

T r a q u e ia

PARATIROIDES

São 4 a 6 pequenas glândulas, intimamente ligadas à parede posterior da tiroide:

Hormona Ação

Hormona Calcitonina Regula os níveis de cálcio no sangue

SUPRA RENAIS

Estão situadas nos polos superiores dos rins, sendo constituídas por duas partes: uma
zona exterior - O Córtex - e uma zona interior - A Medula. Cada uma desta duas zonas
produz diferentes hormonas.

P á g i n a | 18
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

O Córtex produz vários compostos cuja denominação geral é Corticosteroides, que


se dividem em dois grandes grupos:

Hormona Ação

Mineralocorticóides (Ex. Aldosterona) Regulam o equilibrio mineral

Estimulam o processo de resposta inflamatória

Glucocorticoides (Ex. Cortisona) Regulam os níveis de glicose no sangue

Inibem o processo de resposta inflamatória

A Medula produz duas hormonas:


Hormona Ação

Adrenalina Efeitos idênticos ao sistema nervoso


simpático:
Noradrenalina (taquicardia, vasoconstrição, aumento da
glicemia, etc).
Atuam em situações de emergência.

PÂNCREAS ENDÓCRINO

O pâncreas é uma importante glândula mista: exócrina porque segrega o suco


pancreático e endócrina porque possui um conjunto de células glândulares (ilhotas
de Langherans) que segregam uma hormona:

Hormona Ação

Insulina Regulação do nível de glicose no sangue

P á g i n a | 19
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

Esta hormona é indispensável para a passagem da glicose do sangue para as células,


atuando como uma espécie de chave e a sua falta produz uma doença denominada
Diabetes.

Fig. - Pâncreas

GLÂNDULAS SEXUAIS

As glândulas sexuais, como o seu nome indica, produzem hormona sexuais e


denominam-se Gónadas. As gónadas, no homem denominam-se Testículos e na
mulher Ovários.

Os Testículos têm dupla função endócrina e reprodutora. A função reprodutora


consiste na produção de espermatozoides. A função endócrina leva à produção da
hormona sexual masculina:

Hormona Ação

Testosterona Regula a atividade dos tubos seminíferos e estimula a desenvolvimento das


características sexuais secundárias.

P á g i n a | 20
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

Os Ovários têm também uma função dupla endócrina e reprodutora. A função


reprodutora consiste na produção de óvulos. A função endócrina se encarrega de
produzir duas hormonas sexuais femininas:

Hormona Ação

Estrogénio Influência o crescimento do endométrio e estimula a desenvolvimento das


características sexuais secundárias.

Progesterona Estimulam o endométrio e diminui as contrações uterinas como preparativos


para a gravidez.

Estimula o desenvolvimento final das glândulas mamárias, preparando-as


para o aleitamento.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

- BRAUNWALD, Eugene; FAUCI, Anthony; KASPER, Dennis; HAUSER, Stephen;


LONGO, Dan; JAMESON, J. – Harrison – Manual de Medicina. 16ª Edição. Lisboa:
Editora Mc Graw Hill, 2006.

- FALCATO, João – Dicionário Médico. 3.ª Edição. Lisboa: Editora Climepsi, 2003.

- JUNQUEIRA, Luiz; Carneiro, José; Histologia Básica; Guanabara koogan; 10ª


edição; 2004

P á g i n a | 21
Centro de Emprego e Formação Profissional do Porto

- KUMAR, Vinay; ABBAS, Abul; FAUSTO, Nelson – Patologia – Bases Patológicas


das Doenças. 7ª Edição. Rio de Janeiro: Editora Elsevier, 2005.

- NETTER, Atlas de Anatomia.

- PARKER, Steve – Anatomia e Fisiologia do Corpo Humano. Porto: Editora


Civilização, 2007.

- ROBBINS, Stanley, Patologia Básica; 5ª edição; Editora Guanabara Koogan

- SEELEY, Rod; STEPHENS, Trent; TATE, Philip – Anatomia & Fisiologia. 3ª Edição.
Lisboa: Editora Lusodidacta, 2001.

http://www.distrofiamusculardeduchenne.com

P á g i n a | 22