Você está na página 1de 21

Debaixo das Duas Árvores

Nos dias seguintes à queda dos grandes Ieranos no Dia da Flor, nos dias anteriores ao
Dilúvio, havia um homem que vivia no Ocidente do mundo, na região entre os Dois
Rios e seu nome era Adão. Ele era o líder de sua tribo e todos o consideravam um líder
justo e correto, sábio em suas palavras e admirável em suas ações. Sua tribo caminhava
descalça e coberta de poeira, pastando seus rebanhos humildes entre as antigas cidades
monolíticas do Oeste. Eles eram um povo robusto, enfrentando muitas provações e
dificuldades, derrotando monstros poderosos e trabalhando para fins gloriosos em nome
do Todo-Poderoso.

Quando Adão tinha trinta e cinco anos de idade e havia reinado como chefe da sua tribo
por quinze anos, descobriu um vale oculto que era fértil e onde a vida abundava. Seu
povo, cansado de suas peregrinações, pediu para poder ficar no vale para viver em paz e
prosperidade e Adão aceitou esse pedido.

No vale, entre os muitos animais e árvores frutíferas que ali havia, havia duas árvores
no centro do jardim. Estas árvores eram a Árvore da Vida e a Árvore do Conhecimento
e eram guardadas por seus dois guardiões gêmeos, o irmão e a irmã que as guardavam
desde os primeiros filhos de Yesod, muitos séculos antes dos próprios Yerans.

O guardião da Árvore do Conhecimento era Naás, a Serpente, que mais tarde foi
nomeada Adversária e vigiou o seu poder secreto. Ele falou de todas as maravilhas que
poderiam ser realizadas através do poder da árvore e testaria a habilidade e o espírito do
homem.

O guardião da árvore da vida era Hakhama, a grande voz, que mais tarde foi nomeado
Sophia e vigiou seus dons. Ela ensinou o uso adequado do conhecimento e os métodos
pelos quais a vida poderia ser estendida através do cobre e do bronze, e muitas vezes
falou das diretrizes do Todo-Poderoso.

Adão agora reinou como líder do povo das Duas Árvores. Ele interpretou os Editos da
Voz para seu povo e foi recompensado com os frutos de ambas as árvores, como era sua
esposa, Hawwah. Ambos tinham três filhos cujos nomes eram Hevel, Qayin e Set.
Hevel se tornou o protetor e campeão do povo Duas Árvores e levou com ele a Lâmina
Polida, que foi utilizada tanto para a piedade quanto a justiça. Ele era um homem
simples que falava pouco, mas que era muito hábil em combate e defendia o vale e o
povo dos animais e demônios que vagueavam no deserto.

Seu irmão Qayin recebeu o dom da magia e da narrativa e tornou-se um grande xamã.
Estava destinado a tornar-se um dia chefe da tribo, e era tido em grande estima, como
seu irmão Hevel.

Set era muitas vezes esquecido pelos contadores de histórias, porque era um homem
humilde que nunca chegou à notoriedade dos seus irmãos. Ele desviou sua mente das
glórias marciais e dos feitos mágicos, dedicando-se antes às filosofias naturais e ao
serviço dos pobres.

Então a Serpente, que guardava a Árvore do Conhecimento e conhecia os segredos da


magia profunda, olhou para o leste e viu uma sombra nessas regiões que estava se
formando. Um novo poder estava surgindo dentro de um antigo reino, um poder que
engolia tudo em seu caminho. Os deuses antigos tinham sido descobertos e todos os
seus terríveis ritos eram agora praticados em público. Pior do que todos os outros, a
serpente viu o Rei Escarlate subir das profundezas do Abismo para consumir toda a
criação. A serpente viu isso e, com medo de ver que o Todo-Poderoso pudesse permitir
que tal coisa existisse, decidiu agir de livre vontade. Ele queria atacar primeiro para
derrubar a sombra de Daevas antes que ela se espalhasse muito longe, para cortar as
mãos do Rei Escarlate antes que eles pudessem espalhar a sua vil influência.
A Serpente se aproximou de Hawwah, porque ela era mais sábia do que seu marido, e
lhe falou dos perigos no Oriente e dos dons preciosos da Árvore do Conhecimento que
poderia ser usada contra os Daevas. Mas ela recusou estas bençãos, porque podia ver o
custo delas.
A Serpente então se dirigiu a Qayin, avisou-o sobre as sombras do Oriente e revelou-lhe
o conhecimento secreto, ensinando-lhe a magia mais poderosa e os feitiços mais fortes.
Ele devia liderar a marcha contra as sombras do Oriente.

Esse conhecimento provou ser um fardo demasiado pesado para Qayin; na verdade,
teria sido um fardo demasiado pesado para muitos deuses. O espírito de Qayin cedeu
sob a pressão de seu conhecimento oculto e ele perdeu o que tinha possuído, os olhos de
uma criança e uma mente aberta. Ele se tornou tímido, comeu pouco e dormiu menos e
estava cheio de desespero por causa do tormento que estava agora experimentando. Seu
irmão Hevel, a pedido de sua mãe Hawwah, foi falar com ele sobre isso. Uma discussão
eclodiu sobre palavras inocentes e se intensificou até que, em uma explosão de raiva,
Qayin matou seu irmão Hevel com uma pedra.

Adão não suportou ver o seu filho mais novo ser assassinado. Qayin foi banido do vale,
amaldiçoado e condenado a vaguear no deserto.

O espírito de Hevel retornou ao seu corpo cinco dias depois, pois naquela época os
perigosos caminhos entre a terra dos vivos e a terra dos mortos ainda podiam ser
explorados pelos heróis dos homens. No entanto, o seu regresso não foi comemorado
com alegria. Afastou-se da família e dos amigos e o seu comportamento tornou-se
sombrio. Todo o Povo, vendo seu futuro líder banido, seu campeão agora preso nas
garras do desespero e ouvindo os rumores de Daevas no leste se aproximando cada vez
mais do Ocidente, começou a gritar de dor.

Quando a sombra do Daevas não podia mais ser ignorada, Hevel pegou sua espada e foi
para o leste. Lá ele lutou contra Daevas por trinta e três anos, até que nada mais se ouviu
sobre ele. Set também tomou iniciativas próprias, se envolveu pessoalmente na
construção de muralhas e fortificações poderosas ao redor do vale graças aos servos de
cobre de Hahkama e organizou um exército do Povo para defender suas casas.

Os anos passaram e a notícia de um grande exército no Oriente emergiu, um último


exército enviado para conquistar todo o Ocidente, liderado pelo Carniceiro, Ab-Leshal,
o mais feroz dos generais devotos, dotado de uma força assustadora e feitiços
aterrorizantes. Muitos dos povos fugiram e dispersaram-se como pó ao vento e à mercê
do mundo exterior.

Qayin, ouvindo falar da praga que ameaçava o Povo, voltou para sua casa e foi recebido
pelo Carniceiro. Foi então que Qayin viu com horror que Ab-Leshal era realmente seu
irmão Hevel, que tinha se dedicado, por vaidade, aos deuses escuros dos Daevas e tinha
bebido profundamente da taça de sua magia negra. Qayin tomou mais uma vez uma
pedra para matar seu irmão, e por cauaa disto, Ab-Leshal arrancou-lhe os braços,
primeiro o direita, depois o esquerda.

Ab-Lesal então veio sobre o vale e o Povo com as suas legiões, feitiços e feras de
guerra, e todo o poder de Daevas foi libertado. O Povo foi massacrado, até mesmo os
veneráveis Adão e Hawwah. Hakhama, a voz que fala por Deus, foi esmagada, e seu
corpo foi quebrado e saqueado. A Árvore da Vida foi roubada e a Árvore do
Conhecimento entregue às chamas. A cobra Nahash fugiu, primeiro para a torre do
espaço em Babel, depois para a Biblioteca, onde permaneceu em penitência pelo seu
papel nesses eventos. O jardim no deserto foi reduzido a cinzas e aqueles que não
tinham sido mortos foram acorrentados e jogados nos fossos de escravos dos Daevas.

Set, esquecido por todos, ficou protegido pela última das suas fortificações arruinadas e
contemplou as cinzas frias. Ele viu diante de si a destruição do mundo e a vitória do Rei
Escarlate coalescendo como nuvens no horizonte. E ele estava aterrorizado.

Set começou a rezar com esperança e foi respondido. Foi-lhe mostrado o caminho que o
futuro tomaria. Haveria um Dilúvio, até que o Rei Escarlate pudesse ser destruído para
sempre. Um período de segurança em Yesod, onde a magia seria escondida e o Rei
ficaria preso em seus reinos infernais. A guerra seria travada em segredo, até que tal
secretismo deixasse de ser necessário.

Seguindo as instruções dadas a ele, Set reuniu trinta e seis homens e mulheres e fez
destes uma ordem que seria escondida para sempre. Em absoluta humildade serviriam
ao mundo, passando suas tochas secretamente de geração em geração, desconhecidos
até mesmo entre si, até o fim de todas as coisas. Eles seriam os únicos que colocariam o
mundo no caminho certo.

Os Trinta e Seis espalharam-se por nações distantes, e ali esperaram, enquanto a praga
vinha sobre Daevom, ao oriente.

Ab-Leshal voltou triunfante, mas isto não durou muito. Aquela parte daquele que tinha
sido Hevel, que tinha brincado na sombra das árvores, que tinha amado os seus irmãos e
protegido o Homem ainda vivia na sua alma escura e isso o deixava louco. Voltou-se
contra os Daevas que o tinham escravizado e, com ira e fúria, matou os seus ídolos,
massacrou os seus reis-sacerdotes e arruinou suas cidades. O deus Moloch, o Rei de
Chifres Coroado com a Vergonha, enfrentou Hevel-Ab-Leshal e também foi derrotado,
reduzido a um fragmento doente de seu próprio poder. Em todos os outros lugares, os
povos subjugados do mundo, vendo que o fim estava próximo, levantaram-se contra os
Daevas para regar o mundo com seu sangue.

Hevel, filho de Adão, que havia derrotado os deuses de Daevon, fez sua voz soar em
desafio ao Rei Escarlate.

E o Rei Escarlate respondeu-lhe.

Hevel, filho de Adão, empunhava sua espada, então os diques do céu se abriram num
Dilúvio que purificaria o próprio tempo.

E ao fazer isso, o Todo-Poderoso visitou o mundo pela primeira vez desde que a Palavra
foi falada.

E o mundo foi chamado para testemunhar.


Esta é a história da humanidade, a quarta e última raça dos filhos da Terra, desde a
Descoberta das Duas Árvores até o Dilúvio.

Item nº: SCP-001


Classe de Objeto: Keter Safe

Procedimentos Especiais de Contenção: Após as recentes investigações do Dr. Robert


Montauk, nenhuma ação é atualmente necessária para conter o SCP-001. É
funcionalmente autocontido, e qualquer interferência da Fundação pode prejudicar ou
alterar sua contenção irreversivelmente.

Nenhum pessoal da Fundação deve se envolver com qualquer assunto novo relacionado
ao SCP-001, com exceção das anomalias relacionadas já contidas na Fundação.

Descrição: SCP-001 é uma entidade comumente chamada de Rei Escarlate . SCP-001


está atualmente localizado em várias dimensões alternativas simultaneamente e não
consegue entrar na dimensão principal. No entanto, acredita-se ter tentado
repetidamente a entrada por um período de vários milhares com menos de 300 anos. As
propriedades físicas, mentais e conceituais do SCP-001 são desconhecidas da Fundação;
no entanto, continua a afirmar uma forte influência em vários indivíduos e eventos
dentro da dimensão principal.

Acredita-se que a existência de SCP-001 representa um contínuo mas dormente


Tashkent-classe "A polinização cruzada" Cenário 1 ; SCP-001 deve entrar na linha do
tempo nobre, uma alteração irreparável à normalidade irá ocorrer. Contenção de SCP-
001 é uma prioridade é, no entanto, desnecessária. Qualquer tentativa de alterar a
classificação ou classe de objetos do SCP-001 resultará em demissão imediata do
Conselho do O5.

Referências em arte e tradição oral ao SCP-001 aparecem em uma ampla variedade de


culturas humanas e não-humanas em todo o universo, inclusive em comunidades que
nunca tiveram nenhum contato prévio entre si. Descrições comuns dentro dessas
tradições são de uma criatura vermelha de tamanho imenso, geralmente usando uma
coroa de ouro ou outro adereço de cabeça significando realeza. Embora os nomes
atribuídos a SCP-001 variem, a maioria contém dois elementos: uma palavra que
significa alguma forma de realeza combinada com uma palavra que significa a cor
vermelha. Culturas que não têm um conceito da cor vermelha, mas seguem este padrão
de nomenclatura universalmente usam uma cor análoga ao conceito inglês da cor
vermelha.

A maioria dos funcionários, exceto aqueles que trabalham em anomalias relacionadas ao


SCP-001, não possuem conhecimento da entidade. Como parte dos procedimentos de
contenção do SCP-2317, o pessoal do Nível 4 2 deve ser informado de que o SCP-2317
é, de fato, SCP-001. A verdade disto é desconhecida, embora seja uma hipótese que
recebeu forte apoio entre vários membros do conselho. A natureza aparentemente
multidimensional do SCP-001, no entanto, torna a possibilidade do SCP-2317 ser algo
mais do que um único aspecto do SCP-001 improvável.

Não se sabe quando o SCP-001 foi descoberto. A perda de vários arquivos sobre as
origens da Fundação no "Golpe Snarling" de 1889 impediu uma reconstrução completa
dos eventos, embora uma investigação logo após [DATA EXPURGADO]. Uma
variedade de grupos dedicados a trazer o SCP-001 para a dimensão principal existiram
ao longo dos anos. O mais recente deles foi o "Filhos do Rei Escarlate", que foi
destruído em uma operação conjunta GOC-SCP em janeiro de 2018. Seu ex-líder,
Dipesh Spivak, está atualmente sob custódia da Fundação sob a designação PoI-3172.

Atualização de 01/06/2018: SCP-001 foi recentemente objecto de uma extensa


investigação pelo Dr. Robert Montauk, líder do projeto no SCP-001, SCP-231 e SCP-
2317, e criador do Procedimento 110-Montauk.

Com base nos resultados desta investigação, o SCP-001 foi rebaixado para o Safe após
uma decisão tomada pelo Conselho do O5. A pedido do ex-O5-13, vários documentos
relacionados a esta investigação podem ser encontrados abaixo, a fim de fornecer
contexto e mais informações relativas a essa teoria. Estes foram curados, categorizados
e incluídos pela própria O5-13 com a permissão do O5-1, a fim de fornecer algum
contexto para esta reavaliação.

O Rei Escarlate
Scarlet King
Nome: Khahrahk
Apelidos: Knith-hgor, Shourmash Urdal - O Rei Escarlate
Idade: Tão velho quanto a criação
Sexo: Masculino
Espécie: Deus Antigo

Classificações: Rei da Escuridão Abaixo


Obra: Fundação SCP
Mentalidade
Moral: Maligno Caótico
Inteligência: Desconhecida
Ficha de Combate
Dimensionalidade: 11D

Ataque: Infinita (A sua cruzada resultou na destruição D'A Biblíoteca, um lugar que
reside no centro do multiverso, e que engloba tudo que foi, tudo que será, tudo não foi, e
tudo que não será. Tomou Yesod, a fundação de toda a existência, e fez dela seu trono, e
suas crias são capazes de causarem dano as raízes da Árvore do Conhecimento; O seu
poder é tamanho que até mesmo deuses como O Rei Enforcado cairam para o seu
serviço)

Defesa: Infinita

Velocidade: Ilimitada (Superior a seres como O Rei Enforcado)

Força: Ilimitada

Vigor: Infinito

Alcance: Infinito

Fraquezas Físicas: O Rei Escarlate pode ser satisfeito por medo, permitindo a sua
"contenção".

Poderes
Características Físicas Sobre-Humanas, Imortalidade (Tipos 2 e 11), Regeneração
(Rank A), Manipulação Temporal, Manipulação da Alma, Manipulação Espacial,
Manipulação da Escuridão, Manipulação Cósmica, Manipulação Material, Criação,
Destruição, Manipulação da Morte, Resistência (Causal), Atemporalidade, Dar Poderes
(Marcou suas Sete Noivas com sete selos, que as impediam de morrer como sua mãe),
Manipulação do Caos, Manipulação do Sangue, Manipulação do Fogo, Ilusionismo,
Manipulação Biológica, Manipulação Dimensional, Criação de Portais, Manipulação da
Mente, Manipulação Emocional, Manipulação do Medo, Manipulação das Doenças,
Manipulação da Percepção, Manipulação dos Sonhos, Manipulação da Causalidade,
Nulificação de Poderes

Scarlet King
The Scarlet King
04 - The Emperor - The Scarlet King by SunnyClockwork.
Characteristics
Other names
Khahrahk[1]
Khnith-hgor
King of the Darkness Below[1]
SCP-001[2]
Shormaush Urdal
SCP Class
Safe[2]
Status
Alive[2]
Species
Deity[2]
Gender
Male[2]
Affiliation
Children of the Scarlet King[2]
SCP entry
Tufto's Proposal

“You know now what the Scarlet King is. He is a creation of swirling anomalies, of so
many different times, all over the world. He is the memory of a world that is lost, the
premodern world, made manifest in a form of hatred for modernity, the new, the
humanism and smiling coldness that marks our day to day existence. Forged from a
perfect balance of irreconcilable anomalies and our breaking minds. He is an entity
created by this overwhelming, unavoidable tension. Of the howl of the old world when
faced with a cold, grey, purposeless new. He is the revenge of our fallen past. He is the
idea of the ancient in a world which discards and fetishes it. ”
–Dipesh Spivak, Tufto's Proposal

Khahrahk, also known as Shormaush Urdal or the Scarlet King, is a powerful eldritch
god, who seeks the end of all creation.

The SCP-Foundation views him as one of the most dangerous beings in multiverse.

“The Scarlet King used to be something very different. He wasn't a monarch, and he
wasn't always red. He was the whisper on the wind that kept the peasants working,
staring up in fear of his righteous famine. He was that inborn knowledge of a world of
gods and demons which belied human agency and existed beyond us. He was the cold
hunger of a famine that had no rhyme and reason but the cold apathy of a supernatural
beyond us. And, given enough belief, he could be the Devourer, too. He is a creature of
truth. ”
–Dipesh Spivak, Tufto's Proposal

The Scarlet King is an eldritch god formed as the manifestation of the tension between
the modern world and the premodern world and the rage it creates. Originally it existing
as the concept of there being something greater than man, such as gods or the
supernatural, that could not be controlled or reasoned with. The concept was linked into
the howling of the wind, and the uncertainty of starvation and famine. This concept was
then shaped by the encroachment of modernity into the old world and the clash between
the two.[2]

The Scarlet King solidified into a sentient entity after it was defined as such by the SCP
Foundation, following the group's creation of the in the 1820s. As it became real, so too
did a history of its existence[2] reaching back to the Dawn of Creation, altering history
to include it. In its eldritch god form, the king is consistently described as being red in
colour and wearing a crown or similar items associated with or signifying royalty.[2]

HistoryEdit
The howling of the windEdit
“ Seven girls taken away by raiders in the cold, as the wind demon howled and
howled. ”
–Dipesh Spivak, Tufto's Proposal

A battle that would later be key in defining the Scarlet King was fought in a blackened
wasteland between a group of peasants and an obscure steppe tribe fielding a horde of
conscripted soldiers. Both sides were starving, with the wind screaming at them. The
peasants pleaded, begged and prayed to the horde, some of whom laughed or cheered,
while others wept. During the battle, seven peasant brides were ripped from the fields
and taken as spoils of war.[2]

Some of the tension between pre-modern and modern that would shape the Scarlet King
arose in South-East Asia as it was colonised and westernised by the British Empire. The
British defined and categorised many of the Asian cultural beliefs and practices, causing
rage amongst the natives, and as part of this the concept that would become the Scarlet
King became more defined as well, although this did not please it.[2]

Formation of the FoundationEdit


“ Modernity helped shape him, defined the contours of his rage, but it was when
modernity started interfering in his kingdom that he was crystallised. Modernity in the
form of you. ”
–Dipesh Spivak, Tufto's Proposal

History rewritten
With history altered,[2] the Scarlet King became one of the many elder gods born of the
Darkness Below in the time that the Tree of Knowledge was planted. Known initially by
his birth name Khahrahk, the king was the only of his siblings to possess self-
awareness. This was both a curse and a blessing, and meant he could also feel pain and
loneliness. The thought of light outside the abyss and the shade of the Tree of
Knowledge pained the king even more, driving him to decide that existence was pain
and that would be best if nothing existed at all.[1]

Vowing to end all existence and the Tree of Knowledge, the king devoured his siblings,
causing him even more pain as he grew greater in size. Slaying or subjugating the other
gods of his realm who did not flee, the Scarlet King took the name Khnith-hgor and
declared himself King of the Darkness Below. The king then defined the boundaries of
his realm and began diverting souls to suffer there. With his kingdom established, the
Scarlet King declared a war on all creation that would last until the end of time itself.[1]
As the war began, the king forced himself upon Sanna, the wisest and most beautiful
denizen of the Darkness Below. He lay with her for seven days and seven nights,
breaking her and rising in her blood. It was here that he first took the name Shormaush
Urdal, the Scarlet King. Sanna bore the king seven daughters, A'tivik, A'ghor, A'distat,
A'zieb, A'nuht, A'tellif and A'habbat. He took his offspring as his brides, placing a seal
upon each to prevent them dying as their mother had, and through them bore seven
legions to serve him, each with different strengths and traits.[1]

With the strength of his new legions bolstering his forces, the Scarlet King soon
subjugated many of the worlds that had previously resisted him. The roots of the Tree of
Knowledge began to rot and fester as they became covered in the king's spawn, the
Ways became poisoned and dangerous for any to travel, and the king's realm became
full with even more damned souls. Other gods including the Factory, the Hanged King,
the Prince of Many Faces and Moloch. Eventually defeating any who opposed them, the
Scarlet King's forces eventually reached the Taproots, the core worlds of the Tree of
Knowledge, including earth.[1]

Lord of the Daevas


The Scarlet King began to gain power on earth in the East, where the Daevite culture
came to serve him. As the Daevites and the influence of the Scarlet King spread further
West, the People of the Two Trees became aware of the threat he posed, and their
champion Hevel traveled east to fight the Scarlet King's forces. Hevel fought against the
Daevites for thirty-three years, but was eventually driven by vanity to swear allegiance
to the Scarlet King and drink deep of the Daevites' black magics. Hevel then took the
name "Ab-Leshal" and became the greatest of the Daevites' generals, leading an army to
conquer the west.[3]

Al-Leshal led the Scarlet King's forces to the valley where he had once lived and
slaughtered his former allies, including all of his family bar his brother Set. The
Daevites also burned the Tree of Knowledge and stole the Tree of Life, destroying its
guardian Hakhana and looting her body. The only surviving member of the valley
people not taken as a slave, Set prayed for answers as to what he should do and was
shown a path through which the Scarlet King would one day be destroyed. With
instructions on how to achieve this future, Set founded the Thirty-Six, who spread
across the earth to protect it and wait until the time to oppose the Scarlet King was
right.[3]

Ashamed of what he had done to his family, Hevel turned against the Scarlet King,
killing Moloch and slaughtering many Daevites, and in doing so inspired those
subjugated by the Daevites to rise up against them across the world. Hevel then
challenged the Scarlet King himself, who answered. Thus began the Flood, which wiped
the earth and time itself clean.[3]

Trivia
Shares a lot of similarities to SCP-2317-K.

Agora você sabe o que é o Rei Escarlate. Ele é uma criação de anomalias rodopiantes,
de tantos tempos diferentes, em todo o mundo. Ele é a memória de um mundo perdido,
o mundo pré-moderno, manifestado em uma forma de ódio à modernidade, ao novo, ao
humanismo e à frieza sorridente que marca nossa existência cotidiana. Forjada a partir
de um equilíbrio perfeito de anomalias irreconciliáveis e nossas mentes avassaladoras.
Ele é uma entidade criada por essa tensão avassaladora e inevitável. Do uivo do velho
mundo quando confrontado com um novo frio, cinza e sem propósito. Ele é a vingança
do nosso passado caído. Ele é a idéia do antigo em um mundo que o descarta e o
fetiche. "
–Dipesh Spivak, a proposta da Tufto

Khahrahk, também conhecido como Shormaush Urdal ou o Rei Escarlate, é um


poderoso deus Eldritch, que busca o fim de toda a criação.

A Fundação SCP o vê como um dos seres mais perigosos do multiverso.

Conteúdo
Descrição
“O Rei Escarlate costumava ser algo muito diferente. Ele não era um monarca e nem
sempre era vermelho. Ele era o sussurro no vento que mantinha os camponeses
trabalhando, olhando com medo de sua justa fome. Ele era o conhecimento inato de um
mundo de deuses e demônios que desmentia a ação humana e existia além de nós. Ele
era a fome fria de uma fome que não tinha rima e razão, mas a apatia fria de um
sobrenatural além de nós. E, acreditando bastante, ele também poderia ser o Devorador.
Ele é uma criatura da verdade."
–Dipesh Spivak, a proposta da Tufto

O Rei Escarlate é um deus velho formado como a manifestação da tensão entre o mundo
moderno e o mundo pré-moderno e a raiva que ele cria. Originalmente, existia como o
conceito de haver algo maior que o homem, como deuses ou o sobrenatural, que não
podia ser controlado ou fundamentado. O conceito estava ligado ao uivo do vento e à
incerteza da fome e da fome. Esse conceito foi então moldado pela invasão da
modernidade no mundo antigo e pelo conflito entre os dois. [2]

O Rei Escarlate solidificou-se em uma entidade sensível depois de ter sido definido
como tal pela Fundação SCP, após a criação do grupo na década de 1820. À medida que
se tornou real, o mesmo aconteceu com a história de sua existência [2], que remonta ao
Alvorecer da Criação, alterando a história para incluí-la. Em sua forma divina, o rei é
consistentemente descrito como sendo de cor vermelha e usando uma coroa ou itens
semelhantes associados a ou representando a realeza. [2]

Histórico
O uivo do vento
“Sete garotas levadas pelos assaltantes no frio, enquanto o demônio do vento uivava e
uivava. "
–Dipesh Spivak, a proposta da Tufto

Uma batalha que mais tarde seria a chave para definir o Rei Escarlate foi travada em um
terreno baldio enegrecido entre um grupo de camponeses e uma tribo de estepes obscura
no campo de uma horda de soldados recrutados. Ambos os lados estavam famintos, com
o vento gritando com eles. Os camponeses imploraram, imploraram e oraram à horda,
alguns dos quais riram ou aplaudiram, enquanto outros choraram. Durante a batalha,
sete noivas camponesas foram arrancadas dos campos e levadas como espólios de
guerra. [2]

Parte da tensão entre o pré-moderno e o moderno que moldaria o Rei Escarlate surgiu
no sudeste da Ásia, quando foi colonizada e ocidentalizada pelo Império Britânico. Os
britânicos definiram e categorizaram muitas das crenças e práticas culturais asiáticas,
causando raiva entre os nativos, e como parte disso, o conceito que se tornaria o Rei
Escarlate também ficou mais definido, embora isso não tenha agradado. [2]

Formação da Fundação
“A modernidade ajudou a moldá-lo, definiu os contornos de sua raiva, mas foi quando a
modernidade começou a interferir em seu reino que ele foi cristalizado. Modernidade na
sua forma. "
–Dipesh Spivak, a proposta da Tufto

História reescrita
Com a história alterada, [2] o Rei Escarlate se tornou um dos muitos deuses anciões
nascidos da Escuridão Abaixo no tempo em que a Árvore do Conhecimento foi
plantada. Conhecido inicialmente por seu nome de nascimento Khahrahk, o rei era o
único de seus irmãos a possuir autoconsciência. Isso era uma maldição e uma bênção, e
significava que ele também podia sentir dor e solidão. O pensamento da luz fora do
abismo e a sombra da Árvore do Conhecimento doeu ainda mais ao rei, levando-o a
decidir que a existência era dor e que seria melhor que nada existisse. [1]

Prometendo acabar com toda a existência e a Árvore do Conhecimento, o rei devorou


seus irmãos, causando-lhe ainda mais dor à medida que aumentava de tamanho.
Matando ou subjugando os outros deuses de seu reino que não fugiram, o Rei Escarlate
tomou o nome de Khnith-hgor e se declarou Rei das Trevas Abaixo. O rei então definiu
os limites de seu reino e começou a desviar as almas para sofrer ali. Com seu reino
estabelecido, o Rei Escarlate declarou uma guerra contra toda a criação que duraria até
o fim dos tempos. [1]

Quando a guerra começou, o rei se forçou a Sanna, o mais sábio e mais belo habitante
da Escuridão Abaixo. Ele ficou com ela por sete dias e sete noites, quebrando-a e
subindo em seu sangue. Foi aqui que ele adotou o nome Shormaush Urdal, o Rei
Escarlate. Sanna deu ao rei sete filhas: A'tivik, A'ghor, A'distat, A'zieb, A'nuht, A'tellif e
A'habbat. Ele tomou seus filhos como noivas, colocando um selo em cada um deles para
evitar que eles morressem como sua mãe, e através deles levava sete legiões para servi-
lo, cada um com diferentes forças e características. [1]

Com a força de suas novas legiões reforçando suas forças, o Rei Escarlate logo
subjugou muitos dos mundos que anteriormente haviam resistido a ele. As raízes da
Árvore do Conhecimento começaram a apodrecer e a apodrecer quando se tornaram
cobertas pela semente do rei, os Caminhos se tornaram envenenados e perigosos para
qualquer um viajar, e o reino do rei ficou cheio de almas ainda mais condenadas. Outros
deuses, incluindo a Fábrica, o Rei Enforcado, o Príncipe de Muitas Faces e Moloch.
Eventualmente, derrotando qualquer um que se opusesse a eles, as forças do Rei
Escarlate finalmente alcançaram os Taproots, os mundos centrais da Árvore do
Conhecimento, incluindo a Terra.
Senhor dos Daevas
O Rei Escarlate começou a ganhar poder na Terra no Oriente, onde a cultura daevita
veio a servi-lo. Quando os daevitas e a influência do Rei Escarlate se espalharam mais
para o oeste, o Povo das Duas Árvores ficou ciente da ameaça que ele representava, e
seu campeão Hevel viajou para o leste para combater as forças do Rei Escarlate. Hevel
lutou contra os daevitas por trinta e três anos, mas acabou sendo levado pela vaidade a
jurar lealdade ao rei escarlate e a beber profundamente as magias negras dos daevitas.
Hevel então adotou o nome "Ab-Leshal" e se tornou o maior dos generais dos daevitas,
liderando um exército para conquistar o oeste. [3]

Al-Leshal liderou as forças do Rei Escarlate até o vale onde ele viveu e massacrou seus
ex-aliados, incluindo toda a família dele impedindo seu irmão Set. Os daevitas também
queimaram a Árvore do Conhecimento e roubaram a Árvore da Vida, destruindo seu
guardião Hakhana e saqueando seu corpo. O único membro sobrevivente do vale que
não era escravo, Set orou por respostas sobre o que deveria fazer e foi mostrado um
caminho pelo qual o Rei Escarlate seria destruído um dia. Com instruções sobre como
alcançar esse futuro, Set fundou os Trinta e Seis, que se espalharam por toda a terra para
protegê-lo e esperaram até a hora de se opor ao Rei Escarlate. [3]

Envergonhado com o que fizera à sua família, Hevel se voltou contra o Rei Escarlate,
matando Moloch e matando muitos daevitas, e ao fazê-lo inspirou aqueles subjugados
pelos daevitas a se levantarem contra eles em todo o mundo. Hevel então desafiou o
próprio Rei Escarlate, que respondeu. Assim começou o Dilúvio, que limpou a terra e o
tempo em si. [3]

Curiosidades
Compartilha muitas semelhanças com SCP-2317-K.

Harak, later known more famously as the Scarlet King, is an ancient and demonic god
who is untold amounts of eons old. He is the son of the Third Brood.

He is often considered as the Big Bad of the SCP mythos, and he appears in countless
articles and tales across the site, often tied to the end of the existence itself.

Contents[show]
History
Origin
The Scarlet King was born with the planting of the Tree of Knowledge, called Khahrahk
at the time. He was the smallest of his siblings, but the only one aware, and it brought
him great pain. He decided that existence itself is painful and that he'd have no part in it,
as well as destroying existence itself. He started by consuming his siblings and growing
stronger on their essence.

He vowed to destroy the Tree, the Creator and Creation, and consumed or subjugated all
the other gods, naming himself "King of the Darkness Below". He declared war on
creation itself, one which will not end until the very end of everything. He took Sanaa,
one of the gods he subjugated, forcibly as his wife and sired seven daughters on her.
Sanaa died after birthing them, and the King took his seven daughters as his new brides,
sealing them so they would not die as their mother had. From his seven bride-daughters
he had seven children called Leviathans.

Other gods and older beings agreed to follow him as well, among them were Jeser,
Goran, Moloch and Hastur.

It is also speculated that he is the nephew of Yaldabaoth.

SCP-231
The SCP Foundation was able to neutralize or destroy the first six brides, but the
seventh—the strongest—had yet to be born. It resides in SCP-231-7 and is prevented
from existing by using Procedure 110-Montuak, developed by Robert Montauk, a
scientist.

What the procedure actually involves is unknown, but it is heavily implied that it
involves brutal acts of violence, such as rape and torture, in order to keep the Leviathan
away. Another source claims that the Scarlet King and Leviathan could not see reality
the same way than humans could, meaning that concept of brutal acts of violence
against SCP-231-7 could keep them away.

The seventh daughter gave birth to SCP-999 after O5 ordered to stop Procedure 110-
Montuak.

SCP-999 is now believed to be the only thing to be able to defeat his father/grandfather.

The Scarlet King's daughters are as follows: A'tivik, A'ghor, A'distat, A'zieb, A'nuht,
A'tellif, and A'habbat.

SCP-2317
Iteration 5 of SCP-2317 claims that the Scarlet King is the untold horror imprisoned
inside SCP-2317, a salt desert-dimension locked behind a 19th-century wooden door. In
Iteration 6 it is revealed that the entity is actually ████, Devourer of Worlds or Dread
Devourer, an Apollyon-level Devourer entity that will enter the Foundation's reality
within 30 years.

The O5 counsel are surprisingly apathetic to the Devourer's inevitable attack, as several
other SCP entities are projected to destroy the world in the meantime, and consider
maintaining staff morale to be more important than fruitless attempts to re-imprison the
Devourer. Thus, the myth of the Scarlet King was created, alongside a fake ritual,
Procedure 220-Calabasas, which can supposedly "appease" the entity.

Whether the Scarlet King truly exists and whether SCP-2317 is worthy of that title is
left as an exercise for the reader, as the universe of the SCP-Foundation has no true
canon. Some writers treat them as one in the same, while others claim the Dread
Devourer is even more powerful than the Scarlet King.

Brides
The seven brides and their Leviathan-spawn are referred as following:

A’tivik (vaduk/dominion)
A’ghor (kifenn/longing)
A’distat (hezhum/desolation)
A’zieb (ba/wrath)
A’nuht (ner/lack)
A’tellif (usheq/hidden)
A’habbat (xokib/hope)
Description
Due to the lack of canon, the Scarlet King has no true form. Artists often draw him as a
classical Devil-like figure with antlers, sometimes having also tendrils/tentacels coming
from his body, likely a reference of his Lovecraftian inspiration. He is laos often
depicted with eyes on his chest. In the tale Three Short Scenes About Death the Scarlet
King is given a little description. His fist are described as massive and gnarled, holding
the chains of his consorts and concubines. The same fists could effortlessly smash a
man's throat. The King's voice is described as similar to "the chittering of a billion
infinitesimal insects", and swirling and constantly moving. His voice also was neither
"high nor low nor cacophonous nor methodical", simply just being.

According to Tufto's SCP-001 proposal, the King is more akin to a living meme than an
individual entity; in effect, he is the idea of nihilism and a force of chaos, and can
assimilate an entity thought to be him into an aspect of himself.

Powers and Abilities


The Scarlet King's true power is unknown, though he can conquer and destroy entire
worlds and civilizations, and threaten other low elder gods. For regular humans his true
power is presumably beyond comprehension.

Followers
The Scarlet King has gathered many followers, among them other gods, among them
were The Factory, Jeser, Goran, Moloch and Hastur.

Humans also follow the King, most notably the savage Daevites and the Children of the
Scarlet King, a Satanic cult which poses as a standard right-wing Millenialist fire-and-
brimstone Christian church. The group consist of 8000 actual cultists, and about 60 000
Christians, who unknowingly serve the interests of the inner circle. The cult has also
wealthy benefactors.

Gallery

The Poem hints that instead of working against the Scarlet King, they may be
unwittingly or even knowingly playing right into his hands. If this is true, that is
presumably why in one canon, "New Job", the O5-Council decided to stop the Protocol,
which resulted in the birth of SCP-999. SCP-999 is described as a being that can cure
depression and PTSD. As the Scarlet King's background is tragic due to being born
aware and possibly suffering from some sort of existential crisis, the O5-Council plans
to defeat him "with light and love and laughter that can brighten the blackest of hearts".
The Scarlet King is often theorized to possibly be the true or final stage of SCP-2317,
an untold horror that even the SCP Foundation has difficulty containing and
documenting. Since the fundation has no real canon, it is ultimately up to reader to
believe if SCP-2317 and the Scarlet King are one and the same. However, 2317's
creator personately believes that it and the Scarlet King are completely separate entities.
He is the creator of SCP-682 and SCP-999.
SCP-3806-A claims that Yaldabaoth and the Scarlet King are known to snatch human
souls in the astral plane.
His followers, The Children of the Scarlett King, could possibly have a tie with
Sarkicism, as their rituals have some things in common such as human sacrifice,
mutilation, "sex magic", thaumaturgy and the overall worship of an higher being. The
Foundation though never has discovered a proper connection.
He is possibly based on Stephen King's Crimson King.
The Global Occult Coalition refers to the Scarlet King as "PTE-616-Mendes-Ex-
Machina".
He was a low elder God but a lesser Great Old one named the Koitern arrived and
granted him powers. The Scarlet King then began to absorb powers and even turned on
the Koitern. But his son 682 possibly worships the Koitern and betrayed his father like
his father betrayed the All-Mighty.

Harak, mais tarde conhecido como Rei Escarlate, é um deus antigo e demoníaco que
tem incontáveis eras de idade. Ele é o filho da Terceira Ninhada.

Ele é frequentemente considerado o grande mal dos mitos do SCP e aparece em


inúmeros artigos e contos em todo o site, muitas vezes vinculados ao fim da própria
existência.

História
Origem
O Rei Escarlate nasceu com o plantio da Árvore do Conhecimento, chamado Khahrahk
na época. Ele era o menor de seus irmãos, mas o único ciente, e isso lhe trouxe muita
dor. Ele decidiu que a própria existência é dolorosa e que ele não faria parte dela, além
de destruir a própria existência. Ele começou consumindo seus irmãos e ficando mais
forte em sua essência.

Ele prometeu destruir a Árvore, o Criador e a Criação, e consumiu ou subjugou todos os


outros deuses, nomeando-se "Rei das Trevas Abaixo". Ele declarou guerra à própria
criação, uma que não terminará até o fim de tudo. Ele levou Sanaa, um dos deuses que
ele subjugou, à força como sua esposa e gerou sete filhas nela. Sanaa morreu após o
parto, e o rei tomou suas sete filhas como novas noivas, selando-as para que não
morressem como sua mãe. Das sete filhas da noiva, ele teve sete filhos chamados
leviatãs.

Outros deuses e seres mais velhos concordaram em segui-lo também, entre eles Jeser,
Goran, Moloch e Hastur.

Especula-se também que ele é sobrinho de Yaldabaoth.

SCP-231
A Fundação SCP conseguiu neutralizar ou destruir as seis primeiras noivas, mas a
sétima - a mais forte - ainda não havia nascido. Ele reside em SCP-231-7 e é impedido
de existir usando o Procedimento 110-Montuak, desenvolvido por Robert Montauk, um
cientista.
O que o procedimento realmente envolve é desconhecido, mas está fortemente implícito
que envolve atos brutais de violência, como estupro e tortura, a fim de manter o Leviatã
afastado. Outra fonte afirma que o Rei Escarlate e o Leviatã não podiam ver a realidade
da mesma maneira que os humanos, o que significa que o conceito de atos brutais de
violência contra SCP-231-7 poderia mantê-los afastados.

A sétima filha deu à luz SCP-999 depois que O5 ordenou parar o Procedimento 110-
Montuak.

Agora, acredita-se que SCP-999 é a única coisa capaz de derrotar seu pai / avô.

As filhas do Rei Escarlate são as seguintes: A'tivik, A'ghor, A'distat, A'zieb, A'nuht,
A'tellif e A'habbat.

SCP-2317
A Iteração 5 de SCP-2317 afirma que o Rei Escarlate é o horror incalculável preso
dentro de SCP-2317, uma dimensão salina do deserto trancada atrás de uma porta de
madeira do século XIX. Na Iteração 6, é revelado que a entidade é realmente ████,
Devorador de Mundos ou Dread Devourer, uma entidade Devoradora no nível Apollyon
que entrará na realidade da Fundação dentro de 30 anos.

O conselho da O5 é surpreendentemente apático ao ataque inevitável do Devorador,


pois várias outras entidades da SCP são projetadas para destruir o mundo nesse meio
tempo, e consideram manter o moral da equipe mais importante do que tentativas
infrutíferas de re-aprisionar o Devorador. Assim, o mito do Rei Escarlate foi criado,
juntamente com um ritual falso, o Procedimento 220-Calabasas, que supostamente pode
"apaziguar" a entidade.

Se o Rei Escarlate realmente existe e se SCP-2317 é digno desse título, é deixado como
um exercício para o leitor, pois o universo da SCP-Foundation não tem um cânone
verdadeiro. Alguns escritores os tratam da mesma forma, enquanto outros afirmam que
o Dread Devourer é ainda mais poderoso que o Scarlet King.

Noivas
As sete noivas e suas criações de Leviatã são referidas a seguir:

A'tivik (vaduk / domínio)


A'ghor (kifenn / saudade)
A'distat (hezhum / desolação)
A'zieb (ba / ira)
Não (falta / falta)
A'tellif (usheq / oculto)
A'habbat (xokib / esperança)
Descrição
Devido à falta de cânone, o Rei Escarlate não tem forma verdadeira. Os artistas muitas
vezes o desenham como uma figura clássica do tipo demônio com chifres, às vezes
tendo também gavinhas / tentáculos vindos de seu corpo, provavelmente uma referência
de sua inspiração Lovecraftiana. Ele é laos frequentemente retratado com olhos no
peito. No conto Três cenas curtas sobre a morte, o Rei Escarlate recebe uma pequena
descrição. Seu punho é descrito como maciço e retorcido, segurando as correntes de
seus consortes e concubinas. Os mesmos punhos poderiam sem esforço esmagar a
garganta de um homem. A voz do rei é descrita como semelhante ao "chiar de um
bilhão de insetos infinitesimais", rodopiando e se movendo constantemente. Sua voz
também não era "alta nem baixa, nem cacofônica nem metódica", simplesmente sendo
apenas.

De acordo com a proposta SCP-001 da Tufto, o rei é mais parecido com um meme vivo
do que com uma entidade individual; de fato, ele é a idéia do niilismo e uma força do
caos, e pode assimilar uma entidade que se pensa ser ele em um aspecto de si mesmo.

Poderes e Habilidades
O verdadeiro poder do Rei Escarlate é desconhecido, embora ele possa conquistar e
destruir mundos e civilizações inteiros e ameaçar outros deuses anciões inferiores. Para
humanos comuns, seu verdadeiro poder é presumivelmente além da compreensão.

Seguidores
O Rei Escarlate reuniu muitos seguidores, entre outros deuses, entre eles A Fábrica,
Jeser, Goran, Moloch e Hastur.

Os seres humanos também seguem o rei, principalmente os selvagens daevitas e os


filhos do rei escarlate, um culto satânico que se apresenta como uma igreja cristã
milenialista de fogo e enxofre da direita. O grupo é composto por 8000 cultistas reais e
cerca de 60.000 cristãos, que sem saber servem aos interesses do círculo interno. O
culto também tem benfeitores ricos.

Galeria

O Poema sugere que, em vez de trabalhar contra o Rei Escarlate, eles podem estar
jogando inconscientemente ou mesmo intencionalmente em suas mãos. Se isso for
verdade, provavelmente é por isso que, em um cânone, "New Job", o Conselho O5
decidiu interromper o Protocolo, o que resultou no nascimento de SCP-999. SCP-999 é
descrito como um ser que pode curar a depressão e o TEPT. Como os antecedentes do
Rei Escarlate são trágicos devido a ter nascido consciente e possivelmente sofrendo de
algum tipo de crise existencial, o Conselho da O5 planeja derrotá-lo "com luz, amor e
risos que podem iluminar o coração mais negro".
O Rei Escarlate é frequentemente teorizado como possivelmente o estágio verdadeiro
ou final de SCP-2317, um horror incalculável que até a Fundação SCP tem dificuldade
em conter e documentar. Como a fundação não possui um cânone real, cabe ao leitor
acreditar se SCP-2317 e o Rei Escarlate são a mesma coisa. No entanto, o criador do
2317 acredita pessoalmente que ele e o Rei Escarlate são entidades completamente
separadas.
Ele é o criador de SCP-682 e SCP-999.
SCP-3806-A afirma que Yaldabaoth e o Rei Escarlate são conhecidos por arrebatar
almas humanas no plano astral.
Seus seguidores, Os Filhos do Rei Scarlett, poderiam ter uma ligação com o sarkicismo,
pois seus rituais têm algumas coisas em comum, como sacrifício humano, mutilação,
"magia sexual", taumaturgia e o culto geral a um ser superior. A Fundação, porém,
nunca descobriu uma conexão adequada.
Ele é possivelmente baseado no Rei Carmesim de Stephen King.
A Coalizão Oculta Global se refere ao Rei Escarlate como "PTE-616-Mendes-Ex-
Machina".
Ele era um Deus ancião baixo, mas um Grande Velho menor chamado Koitern chegou e
lhe concedeu poderes. O Rei Escarlate então começou a absorver poderes e até ligou o
Koitern. Mas seu filho possivelmente adora Koitern e traiu seu pai como seu pai traiu o
Todo-Poderoso.

Imunidade a Magia Adquirida,


Imunidades Divinas, Imunidade a
Eletricidade, Resistencia a Fogo e Frio
25, Acido 15, Dificultar Detecção
Sempre Ativa, Visão da Verdade
Sempre Ativa, Telepatia 300 m,
Percepção as Cegas 150 m, Resistências
+3.
Resistências: Fort +39, Ref +36, Von
+35
Habilidades: For 53, Des 33, Con 38,
Int 30, Sab 30, Car 37.
Perícias: Concentração +57,
Diplomacia +60, Intimidar +60,
Identificar Magia +57, C. Arcano +53,
Rei Escarlate C. Planos +53, C. Religião +53, C.
Extra-Planar (Grande – Mal, Caos Natureza +53, C. Historia +53, C.
Obyrith). Nobreza & Realeza +53, C. Elementais
Dados De Vida: 40d8+560 e Extra-Planares +53.
Iniciativa: +15 (+11 Des, +4 Iniciativa Percepção: Ouvir +53, Observar +53,
Aprimorada). Procurar +53, Sentir Motivação +53
Deslocamento: 24 m, Voo 72 m Stealth: Blefar +55, Furtividade +55,
(Perfeito). Esconder-se +49.
CA: 72 (-1 Tamanho, +11 Des, +39 Talentos (14): Iniciativa Aprimoradaᴮ,
Natural, +13 Deflexão), Toque 33. Ataques Múltiplosᴮ, Ataques Múltiplos
Base De AT /Agarrar: +40/+65 Aprimorado, Foco em Garra, Sucesso
Ataques: 2 Garras +61, Mordida +60, 2 Decisivo Aprimorado com Garra,
Asas +60, Cauda +60 Sucesso Decisivo Poderoso com Garra,
Dano: Garra 6d6+21+2d6 Profano (19- Olhos na Nuca, Reflexos em Combate,
20, x2), Mordida 6d8+10+2d6 Profano Linha de Frente, Ataque Poderoso,
+Absorção de Magia, Asas 3d6+10+2d6 Trespassar, Trespassar Maior.
Profano, Cauda 6d8+10+2d6 Talentos Épicos: Investida Atroz,
Profano+Veneno. Penetrar em Redução de Dano
Face/Alcance: 3 m/3 m (Adamante, Prata), Bloquear
Ataques Especiais: Agarrar Conjuração (-20 em Concentração para
Aprimorado, Absorção de Magia, Conjurar na Defensiva).
Habilidades Similares a Magia, Invocar Habilidades Divinas: -
Balor, Veneno (Fort CD 44 For 1d6/For Posto Divino: 0
1d6), Armas Naturais Profanas Clima/Terreno: Camadas Infinitas do
Aprimoradas. Abismo
Qualidades Especiais: Cura Acelerada Organização: Brigada
24, Regeneração 15, RM 43, RD Idiomas: Abissal, Infernal, Celestial,
40/Ferro Frio, Axiomatica e Bem), Telepatia.
ND: 31 1, Rgr 1, Fet/Mag 0), Medo (Brd 3,
Tesouro: 1 Artefato Menor Fet/Mag 4), Metamorfose (Fet/Mag 4),
(Geralmente Baralho das Surpresas, Muralha de Fogo (Drd 5, fogo 4,
Livro da Escuridão Perversa ou a Pedra Fet/Mag 4), Nublar (Brd 2, Fet/Mag 2),
Filosofal), 3d6 Poções de Cura Maior Nuvem Profana (Mal 4), Pirotecnia (Brd
(3d8+15), 1 Pergaminho Magico de 2, Fet/Mag 2), Profanar (+2) (Clr 2, Mal
Milagre, 1d4+1 Pergaminhos de Cura 2), Símbolo da Morte (Clr 8, Fet/Mag
Completa em Massa, Anel de 3 Desejos 6), Sugestão (Brd 2, Fet/Mag 3),
Tendência: Maligna Qualquer Telecinésia (Fet/Mag 5), Teletransporte
Progressão: 41-50 DV (Grande); 51-56 Maior (Fet/Mag 7, Viagem 7, Pessoal
DV (Enorme); 57-72 DV (Imenso). +500 kg), Vidência (Brd 3, Clr 5, Drd 4,
Ajuste De Nível: +12 Fet/Mag 4), 4/Dia - Doença Plena (Clr
6), 1/Dia - Portal, Metamorfosear
Armas Naturais Profanas Aprimoradas Objetos (Fet/Mag 8), Tempestade de
(Sob): As Armas Naturais do Rei Fogo (Clr 8, Drd 7, Fogo 7), Chuva de
Escarlate causam dano como se fossem Meteoros (Fet/Mag 9), Explosão
uma categoria acima e +2d6 de dano Infernal (Epic), Implosão (Clr 9,
profano. Destruição 9). Nível de Conjurador 31,
habilidade chave Carisma; CD 23+nível
Absorção de Magias (Sob): Qualquer da magia.
conjurador mordido pelo Infernal perde
uma magia disponível de nível mais alto Enfeitiçar Pessoas (Fet/Mag 1) Ou
do seu limite diário (como se a tivesse Enfeitiçar Animais (Drd 1) 3/Dia¹
conjurado). A vitima escolhe qual Profanar (Clr 2, Mal 2)
magia ela perdera. Se não tiver mais Proteção contra o Bem 3/Dia, Drenar
magias ela sofre 2 pontos de dano na Temporário (Fet/Mag 4).
Inteligência. Imagem Maior (Fet/Mag 3),
Envenenamento (Clr 4)
Habilidades Similares a Magia (SM): Dominar Pessoa (Fet/Mag 5) ou
A Vontade - Aura Profana Acelerada, Dominar Animal (Drd 3), Metamorfose
Extendida (+3)(Clr 8,Mal 8), Blasfêmia Tórrida (Drd 5),
(Clr 7, Mal 7), Bola de Fogo (Fet/Mag Visão da Verdade 3/Dia, Criar Mortos-
3), Circulo Magico contra o Bem (Clr 3, Vivos Menor (Clr 3) ²
Mal 3, Pal 3, Fet/Mag 3), Conspurcar
Acelerada (Clr 5, Drd 5), Criar Chamas Invocar Black Cyst Obyrith (SM): O
(Drd 1, Fogo 2), Criar Mortos-Vivos Infernal pode invocar 4 Black Cyst
(Clr 6, Morte 6, Mal 6, Fet/Mag 6), Obyrith por dia (4/Dia ou de uma só vez
Criar Mortos Vivos Menor (Clr 3, 4). Essa habilidade se equivale a uma
Morte 3, Fet/Mag 4), Detectar magia de 10º Nível, nível de conjurador
Ordem/Caos e Bem (Clr 1), Detectar 31.
Magia (Brd 0, Clr 0, Drd 0, Fet/Mag 0),
Dissipar Magias Maior (Brd 5, Clr 6, Imunidade a Magia Adquirida (Sob):
Drd 6, Fet/Mag 6), Enfeitiçar Pessoas Qualquer magia ou habilidade similar a
Aumentada (Brd 1, Fet/Mag 1), magia que atinja o Infernal, superando
Escuridão (Brd 2, Clr 2, Fet/Mag 2), ou não sua RM, só funciona uma vez se
Escuridão Profunda (Clr 3), Imagem vinda o mesmo conjurador
Maior (Brd 3, Fet/Mag 3), Imobilizar
Pessoas (Brd 2, Clr 2, Fet/Mag 3), Imunidades Divinas (Div): Os Infernais
Invisibilidade Maior (Brd 4, Fet/Mag são imunes a metamorfose, petrificação
4), Ler Magias (Brd 0, Clr 0, Drd 0, Pal (e qualquer outro efeito que modifique a
aparência de qualquer forma), Drenar possui inúmeras habilidades similares a
Energia, Dano de Habilidade magia
Temporário ou Permanente, Morte por CD 40: Um Infernal se ameaçado, pode
Dano Maciço e Efeitos de Ação Mental invocar 4 Balors ou Lordes das
e Venenos. Profundezas em seu auxilio
CD 45: A mordida do Infernal, suga a
Conhecimento Religião magia de conjuradores, além disso, a
CD 35: Infernais são filhos dos Deuses mesma magia vinda do mesmo
com Demônios ou Diabos, resultando conjurador não funciona duas vezes em
em um ser de enorme poder e que um Infernal.