Você está na página 1de 5

Questões para orientar a leitura dos textos da Parte I

Tema: Sobre a produção de conhecimento


1) Aspectos históricos associados ao surgimento da ciência.

Demanda do capitalismo. Inicio do comercio e necessidade de dominar a natureza pela experimentação. Passagem para
o modernismo. População em sua maioria vai para as cidades e deixa de trabalhar no campo. Fortalecimento da
burguesia e da vontade individual (acima da divina). Necessário domínio da natureza, experimentação substitui as pré-
suposições. Conhecimento com base no que é real. Bacon e Galileu. Bacon: ciencia é a investigação empírica nascida do
contato com o real, necessidade de instrumentos para superar o que deforma a interpretação do real.

Bacon e o indutivismo
2) Quais os principais pressupostos do indutivismo?

O inglês Francis Bacon foi o principal representante do Indutivismo ( 1561-1626), sendo o pioneiro da ciência moderna
e do empiricismo. Para Bacon, a coleta de fatos como observação organizada derivaria as teorias. Para o indutivismo, a
ciência começa com a observação, derivando proposições ( afirmações singulares), para a formulação de afirmações
universais (leis/teorias).. Isso só é possível se: O número de observações for grande. As observações forem repetidas sob
ampla variação de condições. Nenhuma observação singular pode se opor à lei geral. O raciocinio parte do particular
para o todo. O conhecimento é construído a partir da base segura fornecida pela observação. O raciocínio indutivo
pressupõe uma derivação dedutiva.
Méritos do indutivismo: objetividade, longo alcance, observação e previsão, confiabilidade.

3) Quais as principais críticas dirigidas ao indutivismo?

Primeira: dois observadores podem ver a mesma coisa, mas interpretam de modo diferente com base em sua base
teórica, experiências, etc. Teoria precede as proposições de observação. Segundo: a observação não fornece método
seguro para provar uma teoria como totalmente falsa ou verdadeira. Terceiro: o apelo à experiência (pode ser suficiente
para uma situação, mas não para todas). Necessidade de grande nímero de observações (as vezes uma basta) e as
observações devem ser feitas sob uma variedade de circunstâncias. Deve ser abandonado pois tem falhado em lançar
uma luz nova e interessante sobre a natureza da ciência.

4) Qual o espaço do indutivismo nas pesquisas atuais em psicologia?


Popper e o falsificacionismo
5) Discuta as contribuições de Popper para o entendimento da produção de conhecimento em psicologia;
Trouxe uma grande colaboração para a pesquisa científica com seu método de falseamento, colocando o conhecimento
permanentemente em cheque, sem buscar uma verdade, estimulando o pensamento e o lançamento de novas hipóteses.
Para Popper, toda teoria que não resiste á falseabilidade deverá ser eliminada. Uma teoria científica quanto mais proibir
coisas de acontecerem, melhor será.. O conhecimento não tem início com a experiência, mas com uma teoria que no
confronto com a experiência é colaborada ou refutada. Quanto maior o grau de falseabilidade, melhor será a teoria.
Quanto maior o número de teorias especulativas, melhor. Nenhuma teoria é verdadeira. Algumas teorias são superiores
às que surgiram até então. Desejava um “divisor de águas” entre ciência e pseudociência. Virtude não é cautela para
evitar erros, mas a implacabilidade de se acabar com eles. Método hipotético-dedutivo: se tem um problema, se cria
hipóteses, são deduzidas consequências que são corroboradas ou não pelas evidências, geram um novo problema.

6) Para Popper, o que é ciência e pseudociência?


A ciência frequentemente comete erros. A pseudo pode encontrar a verdade acidentalmente. O critério que distingue
uma ciência empírica das especulações pseudocientíficas é a falseabilidade. Uma teoria que pretende ser empírica, ou
seja, que reivindica fazer asserções sobre o mundo real, factual, deve, em princípio, ser refutável.

7) Explique o problema da indução segundo Popper;


A experiência nos dá impressões sensíveis e as observações são apreendidas isoladamente; o sujeito que faz a conexão
entre estes e a conexão é produto do sujeito. Sem uma teoria prévia, não se sabe o que observar.

8) Qual o espaço do falsifacionismo nas pesquisas atuais em psicologia?


Kuhn e os paradigmas
9) Discuta as contribuições de Kuhn para o entendimento da produção de conhecimento em psicologia;
Diferentemente do que ocorre na biologia, por exemplo, a psicologia é caracterizada por uma multiplicidade de
paradigmas. O estabelecimento de um paradigma dominante, segundo Kuhn, aponta para a maturidade de uma
ciência, o que não parece ser o nosso caso. O que pode acontecer em psicologia é que os paradigmas não tendem,
entre eles, à superação, mas à acumulação. Já que não há consenso ontológico acerca do objeto da psicologia e,
tampouco, uma forma de acessar esse objeto definitivamente, por se tratar, a grosso modo, da mente humana, os
paradigmas não são falseáveis. A psicologia, nesse sentido, está muito propensa a abrigar pesquisadores que
possuam atitudes de fé em relação a seu paradigma, justamente por se habituarem à relativização e diversificação dos
conhecimentos acerca do objeto psicológico, que aponta para uma livre e incontestada escolha de paradigma. O que
se pode buscar, como prega Kuhn, é a abordagem de novos problemas pelos próprios pesquisadores de paradigmas
vigentes, de forma que esses, ao encontrar uma anomalia, não tenham uma atitude reformista, que vise à competição
com outros paradigmas, mas que abram espaço para a revolução e, enfim, para a sua própria derrota enquanto
membros do paradigma antigo.

10) Explique os quatro principais conceitos de Kuhn;


Ciência normal é aquela que não está, primariamente, orientada para a descoberta do novo. Pelo contrário, sua
preocupação básica é de submeter a natureza a esquemas conceituais previamente fornecidos pela educação
profissional. Essa instrução e treinamento recebidos não somente fornecem concepções teóricas e técnicas que
resultarão em preconceitos e presunções acerca dos fenômenos a serem estudados, como originam no aluno o
conhecimento tácito (“inconsciente”, não declarado em aulas ou grupos de pesquisa) que determinará como o
pesquisador deverá se portar em meio a comunidade científica, assim como quais temas são relevantes e quais
questões podem ser ignoradas em suas pesquisas.

Paradigma caracteriza o conjunto de tudo aquilo que une os membros de uma determinada comunidade científica.
Possui um plano cognitivo (consenso acerca da natureza dos fenômenos e no modo de perceber a realidade) e um
plano social (grupo homogêneo que partilha dessa concepção de realidade e ciência e a transmite a seus discípulos). È
a partir de paradigmas, portanto, que se pratica a ciência normal. Ao se afirmar, o paradigma ganha caráter normativo,
fornecendo a base para pesquisas subseqüentes e prescrevendo quais os procedimentos que são legítimos e quais
não são. Por ser uma propriedade coletiva, goza de certas imunidades, tem existência duradoura e não perde
facilmente sua credibilidade. Os paradigmas são necessários e são princípios organizadores: sem eles, a ciência não
teria lugar como empreendimento coletivo.

Crise é o momento em que um paradigma se depara com problemas não-passíveis de solução dentro de seus
horizontes, por maior que seja o esforço de seus membros de solucioná-los. Surgem as chamadas anomalias:
fenômenos desafiantes, proibidos pelo paradigma. Esse perde credibilidade e dá espaço à revolução. A crise termina
com o surgimento de um novo paradigma e com a batalha por sua aceitação.

A Revolução Científica se dá a partir do contexto de crise, pela proliferação de idéias de como as anomalias podem ser
enfrentadas. Ocorre menos pela argumentação lógico-racional e mais pela fantasia e intuição, vislumbrando conexões
novas e inesperadas que geram confusão e inquietação entre os pesquisadores. A revolução dá origem a um novo
paradigma, que gradativamente ganha a confiança dos cientistas, podendo levar anos para ser totalmente assimilado.

OBS: Segundo Kuhn, é no restrito período crise/revolução que se dá a ciência extraordinária, aquela que, desvinculada
de paradigmas (e a caminho de um novo), procura a pesquisa aleatória, a experiência “para ver o que acontece”. Essa
ciência é que pareceria ter as características apontadas por Popper: teste, falseamento de concepções existentes,
busca de alternativas.

11) Para Kuhn o que leva à revolução na ciência?


12)
Momento em que um paradigma se depara com problemas não-passíveis de solução dentro de seus horizontes, por
maior que seja o esforço de seus membros de solucioná-los. Surgem as chamadas anomalias: fenômenos desafiantes,
proibidos pelo paradigma. Esse perde credibilidade e dá espaço à revolução. A crise termina com o surgimento de um
novo paradigma e com a batalha por sua aceitação. Surgimento abrupto de um paradigma rival. Aceitação é gradual.

13) Qual o espaço para as idéias de Kuhn nas pesquisas atuais em psicologia?
Feyerabend e o anarquismo metodológico

14) Discuta as contribuições de Feyerabend para o entendimento da produção de conhecimento em psicologia;


Com sua teoria, Feyerabend aumenta a pluralidade de meios para se produzir conhecimento, tanto em psicologia
quanto em qualquer outro campo. Ao dizer que a ciência é apenas um dos meios de produção de conhecimento,
Feyerabend nos incentiva a recorrer a hipóteses que contradizem teorias confirmadas, tentando desviar de um caminho
já estabelecido. Baseado na incomensurabilidade, rejeita a tese de que possa existir um argumento decisivo para a
estabelecer a superioridade da ciência, fazendo assim com que todas teorias sejam parte de um todo, que se articula
internamente com o intuito de estimular nossa consciência e nossa busca incessante por conhecimento.

15) O que é o anarquismo metodológico de Feyeraband?


Vale-tudo, incomensurabilidade, ciência não é superior e liberdade do indivíduo.
Todas as metodologias têm limitações e de que é implausível pensar que a ciência seja explicada com base em
algumas poucas regras. Afinal, isso seria simplificar demais o talento do homem e as circunstâncias que
encorajam/causam o seu desenvolvimento, além das complexas condições físicas e históricas que influenciam a
mudança científica. Regras fixas e universais só deixam a ciência menos adaptável e mais dogmática. Sendo assim, a
única regra que sobrevive é o “vale-tudo”, considerando que metodologia sejam as regras para orientação das escolhas
dos cientistas. Dessa forma, o progresso é estimulado e novas hipóteses surgem sem a necessidade de estarem
coerentes com as teorias já aceitas (e que podem não ser as melhores).

16) Explique a posição de Feyeraband sobre a questão da incomensurabilidade das teorias.


São teorias incomparáveis, na medida em que essas teorias rivais são tão diferentes que é impossível formular os
conceitos de uma nos termos da outra. Essa idéia surge do fato de que a observação depende da teoria que, por sua
vez, depende do contexto histórico em que ocorreram. Porém, quando duas teorias não podem ser comparadas
logicamente, existem outras formas de fazermos isso. Podemos confrontar cada uma delas com uma série de situações
observáveis e ver em que grau cada uma das teorias rivais é compatível com as situações analisadas. Pensamos se
são coerentes ou incoerentes, se fazem aproximações seguras ou ousadas... Em última análise, a escolha entre teorias
incomensuráveis é subjetiva, de acordo com preconceitos metafísicos, julgamentos estéticos, etc.

17) Qual o espaço para o anarquismo metodológico nas pesquisas atuais em psicologia?
Valorização da individualidade e das potencialidades do pesquisador. Não adequar a hipótese a um método estanque,
mas escolher métodos que se adequem à hipótese. Ponte com outras áreas, discussões, teoria e prática, etc.

Questões genéricas
18) Caracterize o que é o empiricismo e o positivismo e a relação entre ambos;
Surge de um clima de entusiasmo e progresso humano e social associado à ciência. Ciência poderia elaborar
instrumentos para apaziguar problemas. Primazia da ciência. Empiricismo é o melhor e único método. Fatos empíricos =
única base do verdadeiro conhecimento. Comte postula que para se alcançar o conhecimento, se deve observar e
experimentar. Objetividade, para ambos.

19) Caracterize o contexto histórico em que surge o modernismo e pós-modernismo e seus impactos na ciência
psicológica.
Contexto de crítica ao modernismo. Crítica ao empirismo e à razão e objetividade. Iniciou no fim da década de 60. Não
há fatos, apenas versões – nietzsche. Conhecimento total e de como as coisas realmente são é impossível. Conhecimento
não pode ser objetivo. Intelectual deve desafiar ordem do conhecimento = libertação. A realidade é inacessível porque
somos restritos a uma linguagem que molda nossos pensamentos antes de pensarmos e porque não podemos expressar o
que pensamos.

Tema: Ciência e Psicologia


Texto: ‘O que existe por trás da pesquisa’
20) É possível evitar idéias implícitas nas pesquisas em psicologia? Discuta.
Todas as teorias contêm, implicitamente, certos entendimentos sobre o mundo que são cruciais para sua formulação e
uso. Mesmo que aceitemos as múltiplas explicações como o >modo de ser= nas ciências do comportamento, esta
aceitação não nos garante nenhum meio para o reconhecimento dos pressupostos >ocultos= nestas múltiplas explicações
. Enquanto estudantes e consumidores das ciências do comportamento, nós aceitamos e usamos teorias que têm
importante implicações, sem reconhecer aquelas implicações. Pouca atenção se dá às ideias implícitas. Pressupostos e
implicações. Evitar implícitas é impossível e indesejável.

21) Examine os implícitos (pressupostos e implicações) na teoria com que você mais se identifica.
22) Discuta o papel do método científico para as ciências humanas?
Os fatos científicos são carregados de teoria. Fatos necessitam de interpretação – significado. Recorrem ao método
científico mas esquecem que também é ou é baseado em uma teoria. É uma conjectura especulativa sobre como
conhecemos algo. Não podemos evadir teorias, teorias tem suposições e implicações, ideias ocultas tem influência na
prática.

23) Discuta se as ciências do comportamento podem ser consideradas científicas?


Segurança no processo de controle e previsão está no centro do desejo das ciências do comportamento de ser
verdadeiramente ciência. Deseja-se a mesma precisão e poder nas explanações e previsões. Tudo isto legitima a ciência
(o produzido) como mais verossímil do que por outras formas. Ciência enquanto corpo de conhecimento: determinista,
naturalista = não se enquadraria como ciência, comportamento é muito complexo e impossível de controlar, prever, etc.
Ciência como método para estudar fenômenos: observação empírica cuidadosa, medição, matematização do fenômeno =
qualquer disciplina pode ser ciência. Ciência como produtora de tecnologia: produz testes, terapias.

24) Descreva e discuta as três visões propostas por Slife sobre o papel do método na ciência do comportamento.
1ª VISÃO: Teoria e método são independentes um do outro. Métodos da ciência podem ser usados para testar qualquer
tipo de teoria, não somente aquelas mecanicistas e deterministas. Estes métodos são essenciais para a existência da
própria ciência do comportamento. Teorias devem ser submetidas a testes rigorosos. Não ela em si mesma, mas
demonstrar que os construtos podem ser representados de acordo com o comportamento.
2ª VISÃO : Teoria e método não podem ser independente um do outro: Se humanos não são semelhantes a mecanismos
e se não são determinados por leis e forças, então não é apropriado empregar os métodos de estudo das ciências naturais.
Cientistas devem aceitar a experiência viva como a origem do entendimento e como o objeto a ser entendido. Método
qualitativo. Pesquisador tende a desenvolver seu próprio método.
3ª VISÃO: Ênfase no pluralismo metodológico: método não é crucial, métodos são linguagens para dar sentido ao
mundo. Método deve ser escolhido com base na natureza do problema. Métodos abrem para uns, fecham para outros.
Como formulamos as questões: mais importante que o método.

Texto: Repensando a psicologia


25) O que caracteriza o velho e o novo paradigma em psicologia?

26) Discuta as vantagens/desvantagens do modelo das ciências naturais para a pesquisa psicológica.
Predições, relações causais. Perde espontaneidade, unicidade, perde aquilo que envolve o comportamento; psicometria.

27) Qual o papel da psicometria e dos experimentos na psicologia?


O uso da psicometria e dos experimentos terá papel importante em tornar a psicologia mais próxima de ser considerada
uma ciência verdadeira, num momento em que acreditava-se que a única forma de conseguir isso era seguindo os
modelos das ciências naturais. A utilizaçao desses métodos abrange investigar grupos de pessoas, agregar dados e dotar
as pessoas de atributos CONTÁVEIS. Assim como as ciências naturais, permitem fazer predições a partir das relações
entre o comportamento e sua causa. Sendo que, a psicometria vai substituir os experimentos quando esses não puderem
ser realizados por razões éticas ou práticas. Por muitos, esses são os únicos métodos considerados válidos na psicologia.

Tema: Pesquisa Quantitativa e Quantitativa


28) Descreva o que caracteriza uma pesquisa no paradigma quantitativo;
A pesquisa quantitativa adota o ponto de vista objetivo ao fenômeno. Ela estuda os fenômenos através das
observações empíricas. Tal paradigma considera a pesquisa como sendo neutra e sem vieses,objetiva e única,as
questões sao aceitas como independentes do contexto livre da interferência do pesquisador sobre os resultados.
A pesquisa quantitativa é vantajosa quando se estuda fenômenos pontuais, quando se vai usar um grande numero de
sujeitos na amostra,e quando se deseja fazer generalizações a respeito de algo pesquisado. A pesquisa quantitativa
também pode parecer a alguns mais confiável e precisa pois adota a mensuração,estudos estatísticos e objetividade.
- O material pode ser reduzido demasiadamente, perdendo o contexto;
- Muito é perdido quando um material é quantificado;
- Elimina a interpretação e imagina que é possível produzir uma representação clara e sem intermediário do objeto de
estudo;
- Nas pesquisas quantitativas, é comum que se recorra a amostras grandes. Contudo, quanto maior a amostra, menos
se pode respeitar as especificidades do respondente e o significado da resposta para o sujeito.

29) Descreva o que caracteriza uma pesquisa no paradigma qualitativo;


O paradigma de pesquisa qualitativa se baseia na percepção suuubjetiva do fenômeno a ser estudado. Este tipo de
pesquisa é interpretativa e como, a interpretaçao será feita pelo pesquisador, aceita-se que o resultado da pesquisa
sera influenciada pela visão do pesquisador. Considera-se também que o pesquisador faz parte do setting de pesquisa,
sendo a pesquisa constantemente influenciada pelo pesquisador e o pesquisador sendo afetado também pela
pesquisa, havendo a possibilidade de durante a conduçao de tal haver reformulaçoes nos pressupostos iniciais da
pesquisa.Sendo assim, uma das vantagens da pesquisa qualitativa pode ser considerada essa flexibilidade dos pontos
de vista adotados, os resultados podem ser considerados sempre como provisórios e haver sempre um estudo reflexivo
das suposições que guiaram a pesquisa.
- Por ser uma “pesquisa exploratória”, pode faltar teoria que embase o estudo;
- Sempre haverá uma lacuna entre o que queremos entender e a nossa versão sobre como aquilo constitui o
fenômeno;
- Com freqüência, a pesquisa qualitativa tratará cada estudo como se fosse um estudo de caso. Por causa disso, seus
achados dependem de uma boa argumentação para apontar quais generalizações podem ser usadas em
circunstâncias específicas.

30) Discuta as vantagens das abordagens quantitativa na pesquisa em psicologia;


31) Discuta as vantagens das abordagens qualitativa na pesquisa em psicologia;
32) Discuta o modelo indutivista e dedutivista de pesquisa e sua relação com a abordagem qualitativa e quantitativa.

Tema: Relacionamento entre pesquisador e profissional


33) Assinale os aspectos históricos da dicotomia pesquisador versus profissional.
34) Discuta as possibilidades de articulação entre pesquisa e prática profissional em psicologia.
Método científico não pode ser determinado de antemão e exigir que se selecione um problema que se adapte ao
método; Problemas devem ser escolhidos por serem relevantes para a prática; Métodos devem ser adaptados para se
adequarem aos problemas. Integração pesquisa e prática. Pluralismo metodológico e questionamento da prática. Diálogo
e articulação. Mutualidade.
Tema: Base de dados
35) Descreva as principais bases de dados de psicologia com informações da produção brasileira;
IndexPsi
36) Descreva as principais bases de dados de psicologia com informações da produção internacional;

37) Descreva os principais passos para a realização de uma revisão sistemática da literatura.

Tema: Questões éticas da pesquisa


38) Apresente e discuta as principais questões éticas envolvendo pesquisa em psicologia com pessoas.
Possibilidade de danos e privação de benefício; Confidencialidade e Proteção; Consentimento Livre e Esclarecido
(informação completa, liberdade de escolha)
39) O que deve constar em um Consentimento Livre e Esclarecido para um estudo de psicologia.
No Termo de Consentimento Livre e Esclarecido deve constar a descrição dos procedimentos que serão realizados na
pesquisa; a explicação dos riscos e benefícios potenciais para o participante; a disponibilidade do pesquisador para
responder dúvidas a qualquer momento; a afirmação de que o participante tem liberdade para retirar seu consentimento a
qualquer momento sem causar prejuízos a ele; o espaço para a assinatura no participante e do pesquisador. Além disso,
deve ser escrito em uma linguagem acessível, informando o que será feito com os dados e garantindo o sigilo das
informações do participante.