Você está na página 1de 275

História de Portugal

Reis e Dinastias
Conteúdo

1 Primeira Dinastia – de Borgonha ou Afonsina 1


1.1 Dinastia de Borgonha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.1.1 Dinastia de Borgonha em Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.1.2 Dinastia de Borgonha em Leão, Castela e Galiza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.1.3 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.2 Afonso I de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.2.1 Primeiros anos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.2.2 Subida ao trono . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.2.3 Reinado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.2.4 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.2.5 Genealogia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.2.6 Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.2.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.2.8 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.2.9 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.3 Sancho I de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.3.1 Biografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.3.2 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.3.3 Genealogia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.3.4 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.3.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.3.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.3.7 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.4 Afonso II de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.4.1 Reinado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.4.2 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.4.3 Genealogia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.4.4 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.4.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.4.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.4.7 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.5 Sancho II de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

i
ii CONTEÚDO

1.5.1 Vida antes do reinado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13


1.5.2 Coroação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.5.3 Conflitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.5.4 Reconquista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
1.5.5 Excomunhão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
1.5.6 Guerra Civil, Deposição e Morte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
1.5.7 Conclusões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.5.8 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.5.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.5.10 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.5.11 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.6 Afonso III de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.6.1 Guerra civil e deposição de D. Sancho II . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.6.2 Reconquista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
1.6.3 Segundas núpcias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
1.6.4 Excomunhão do rei e do reino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
1.6.5 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
1.6.6 Genealogia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.6.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.6.8 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.6.9 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.7 Dinis de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.7.1 Administração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.7.2 Cultura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
1.7.3 Personalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
1.7.4 Compleição física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
1.7.5 Últimos anos e morte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
1.7.6 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
1.7.7 Genealogia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
1.7.8 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
1.7.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
1.7.10 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
1.8 Afonso IV de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
1.8.1 Vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
1.8.2 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
1.8.3 Genealogia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
1.8.4 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
1.8.5 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
1.9 Pedro I de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
1.9.1 Vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
1.9.2 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
CONTEÚDO iii

1.9.3 Genealogia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
1.9.4 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
1.9.5 Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
1.9.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
1.9.7 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
1.10 Fernando I de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
1.10.1 Reinado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
1.10.2 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
1.10.3 Genealogia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
1.10.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
1.10.5 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
1.10.6 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
1.11 Beatriz de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
1.11.1 A herdeira do trono que não foi Raínha de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
1.11.2 O desenvolvimento da Crise (ou Revolução) de 1383-85 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
1.11.3 Fim da pretensão à coroa portuguesa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
1.11.4 Últimos anos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
1.11.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
1.11.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

2 Interregno (1383 - 1385) 36


2.1 Leonor Teles de Meneses . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
2.1.1 Rainha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
2.1.2 Crise de 1383–1385 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
2.1.3 Descendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
2.1.4 Na literatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
2.1.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
2.1.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

3 Segunda Dinastia – de Avis ou Joanina 38


3.1 Dinastia de Avis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
3.1.1 A Casa de Avis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
3.1.2 Ascensão ao trono — Revolução de 1383-1385 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
3.1.3 Reis da Dinastia de Avis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
3.1.4 A suposta dinastia de “Avis-Beja” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
3.1.5 Outros príncipes ilustres de Avis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
3.1.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
3.2 João I de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
3.2.1 Juventude . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
3.2.2 Crise de 1383–85 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
3.2.3 Legado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
3.2.4 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
iv CONTEÚDO

3.2.5 Descendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.2.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.2.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.2.8 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.3 Duarte de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.4 Afonso V de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.4.1 Biografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
3.4.2 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
3.4.3 Descendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
3.4.4 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
3.4.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
3.4.6 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
3.5 João II de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
3.5.1 Antes do trono . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
3.5.2 A época das conspirações e da morte dos conspiradores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
3.5.3 A exploração marítima . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
3.5.4 O problema da descendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
3.5.5 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
3.5.6 Descendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
3.5.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
3.5.8 Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
3.5.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
3.5.10 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
3.6 Manuel I de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
3.6.1 Infância e juventude . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
3.6.2 Política externa e descobrimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
3.6.3 Política interna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
3.6.4 Cultura popular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
3.6.5 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
3.6.6 Descendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
3.6.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
3.6.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
3.6.9 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
3.7 João III de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
3.7.1 Dados biográficos iniciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
3.7.2 Reavaliação do Império . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
3.7.3 Panorama do reinado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
3.7.4 Abdicação de D. Joana de Castela . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
3.7.5 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
3.7.6 Descendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
3.7.7 Cultura popular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
CONTEÚDO v

3.7.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
3.7.9 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
3.7.10 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
3.8 Sebastião de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
3.8.1 Nascimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
3.8.2 Regência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
3.8.3 Motivos da Intervenção em Marrocos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
3.8.4 Desaparecimento e Lenda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
3.8.5 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
3.8.6 Cultura popular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
3.8.7 Descoberta de retratos perdidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
3.8.8 Notas e referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
3.8.9 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
3.8.10 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
3.9 Henrique I de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
3.9.1 Biografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
3.9.2 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
3.9.3 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
3.9.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
3.9.5 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
3.9.6 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
3.10 Conselho de Governadores do Reino de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
3.11 António I de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
3.11.1 Antecedentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
3.11.2 Pretensão ao trono . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
3.11.3 Reinado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
3.11.4 Exílio e morte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
3.11.5 Legitimidade de D. António . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
3.11.6 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
3.11.7 Descendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
3.11.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
3.11.9 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
3.11.10 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73

4 Terceira Dinastia – Filipina, de Habsburgo ou de Áustria 74


4.1 Dinastia Filipina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
4.1.1 Ascensão à Coroa Portuguesa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
4.1.2 Guerra Luso-Holandesa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
4.1.3 Restauração da independência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
4.1.4 Portugal no Império Habsburgo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
4.1.5 Lista dos territórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
4.1.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
vi CONTEÚDO

4.1.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
4.1.8 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
4.2 Filipe II de Espanha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
4.2.1 Primeiros anos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
4.2.2 Regência e coroação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
4.2.3 Comentários espanhóis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
4.2.4 Apreciação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
4.2.5 A Coroa de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
4.2.6 Os Países Baixos e outros problemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
4.2.7 O caso da princesa de Eboli . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
4.2.8 Casamentos e posteridade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
4.2.9 Amantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
4.2.10 Ancestrais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
4.2.11 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
4.2.12 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
4.2.13 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
4.3 Filipe III de Espanha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
4.3.1 Dados biográficos iniciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
4.3.2 Início do reinado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
4.3.3 Apreciação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
4.3.4 Visita ao reino de Portugal e Morte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
4.3.5 Casamento e posteridade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
4.3.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
4.3.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86

5 Quarta Dinastia – de Bragança ou Brigantina 87


5.1 Dinastia de Bragança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
5.1.1 Origens da dinastia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
5.1.2 A divisão em três ramos familiares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
5.1.3 A proclamação da República em Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
5.1.4 Reis de Portugal da Casa de Bragança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
5.1.5 Reis de Portugal da Casa de Bragança-Saxe-Coburgo e Gota . . . . . . . . . . . . . . . . 89
5.1.6 Imperadores do Brasil da Casa de Bragança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
5.1.7 Chefes da Casa de Bragança no Brasil (após a instauração da República) . . . . . . . . . . 89
5.1.8 Viscondes da Casa de Bragança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
5.1.9 Outros membros notáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
5.1.10 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
5.2 João IV de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
5.2.1 Dados biográficos iniciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
5.2.2 Restauração da independência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
5.2.3 Reuniões secretas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
5.2.4 Aclamação de João IV como Rei de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
CONTEÚDO vii

5.2.5 O irmão do rei . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94


5.2.6 A Guerra da Restauração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
5.2.7 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
5.2.8 Genealogia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
5.2.9 D. João IV Músico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
5.2.10 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
5.2.11 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
5.2.12 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
5.3 Afonso VI de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
5.3.1 Biografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
5.3.2 Casamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
5.3.3 Fim da vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
5.3.4 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
5.3.5 Genealogia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
5.3.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
5.3.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
5.3.8 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
5.3.9 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
5.4 Pedro II de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
5.4.1 Dados biográficos iniciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
5.4.2 Apreciação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
5.4.3 Portugal e a política europeia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
5.4.4 No Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
5.4.5 Últimos anos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
5.4.6 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
5.4.7 Genealogia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
5.4.8 Crónica de Faria e Sousa, 1730 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
5.4.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
5.4.10 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
5.4.11 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
5.4.12 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
5.5 João V de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
5.5.1 Resumo biográfico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
5.5.2 Início do reinado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
5.5.3 Poder global: guerras no Oriente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
5.5.4 Política de ostentação: as embaixadas a Paris e Roma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
5.5.5 Triunfo de política externa: Batalha de Matapão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
5.5.6 Relacões internacionais, 1720-1750 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
5.5.7 Sociedade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
5.5.8 Saúde e morte do rei . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
5.5.9 Legado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
viii CONTEÚDO

5.5.10 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140


5.5.11 Genealogia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
5.5.12 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
5.5.13 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
5.5.14 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
5.6 José I de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
5.6.1 Reinado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
5.6.2 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
5.6.3 Genealogia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
5.6.4 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
5.6.5 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
5.6.6 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
5.7 Maria I de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
5.7.1 Biografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
5.7.2 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
5.7.3 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
5.7.4 Genealogia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
5.7.5 Na cultura popular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
5.7.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
5.7.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
5.8 Pedro III de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
5.8.1 Biografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
5.8.2 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
5.8.3 Descendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
5.8.4 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
5.9 João VI de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
5.9.1 Primeiros anos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
5.9.2 Casamento e crise sucessória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
5.9.3 Regência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
5.9.4 Ascensão ao trono e outras questões políticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
5.9.5 Vida privada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
5.9.6 Legado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
5.9.7 Ascendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
5.9.8 Descendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
5.9.9 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
5.9.10 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
5.9.11 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
5.9.12 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
5.10 Pedro I do Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
5.10.1 Infância e juventude . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
5.10.2 O movimento de independência do Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171
CONTEÚDO ix

5.10.3 Imperador do Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172


5.10.4 Duque de Bragança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
5.10.5 Legado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
5.10.6 Exumação do corpo de Pedro I em 2012 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
5.10.7 Coração preservado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
5.10.8 Ascendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
5.10.9 Descendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
5.10.10 Nobiliarquia e estilos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183
5.10.11 Na cultura popular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
5.10.12 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
5.10.13 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
5.10.14 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
5.10.15 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
5.11 Maria II de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
5.11.1 Biografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
5.11.2 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
5.11.3 Ascendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
5.11.4 Descendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
5.11.5 Representação na cultura popular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
5.11.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
5.11.7 Notas e referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
5.11.8 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
5.12 Miguel I de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
5.12.1 Início de vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
5.12.2 Rei de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
5.12.3 Lei do Banimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
5.12.4 No exílio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
5.12.5 Descendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
5.12.6 Questão da paternidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
5.12.7 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
5.12.8 Notas e referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
5.12.9 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
5.12.10 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
5.13 Fernando II de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
5.13.1 Biografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
5.13.2 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
5.13.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
5.13.4 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
5.14 Pedro V de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
5.14.1 Biografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
5.14.2 Ascendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
x CONTEÚDO

5.14.3 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203


5.14.4 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
5.14.5 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
5.14.6 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
5.15 Luís I de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
5.15.1 Biografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
5.15.2 Ascendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
5.15.3 Descendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
5.15.4 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
5.15.5 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
5.15.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
5.15.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
5.16 Carlos I de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
5.16.1 Infância e educação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
5.16.2 A crise do ultimato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
5.16.3 Carlos, O Diplomata . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
5.16.4 O papel constitucional do rei e a situação política . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
5.16.5 O franquismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210
5.16.6 O regicídio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211
5.16.7 O cientista, lavrador e pintor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212
5.16.8 Ascendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
5.16.9 Descendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
5.16.10 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
5.16.11 Na cultura popular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
5.16.12 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
5.16.13 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
5.16.14 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
5.16.15 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
5.17 Manuel II de Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
5.17.1 Infância e educação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
5.17.2 Reinado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
5.17.3 Exílio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217
5.17.4 Sucessão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221
5.17.5 Morte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
5.17.6 Balanço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
5.17.7 Ascendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
5.17.8 Títulos, estilos, e honrarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
5.17.9 Na cultura popular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
5.17.10 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
5.17.11 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223
5.17.12 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223
CONTEÚDO xi

6 Reivindicações pós-Monarquia 224


6.1 Casa de Bragança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224
6.1.1 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224
6.1.2 Casa Ducal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225
6.1.3 Chefia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228
6.1.4 Reivindicações pós-implantação da república em Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228
6.1.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229
6.1.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229
6.1.7 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229
6.2 Miguel II de Bragança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229
6.2.1 Vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229
6.2.2 Casamento e descendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230
6.2.3 Títulos reivindicados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230
6.2.4 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231
6.2.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231
6.2.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231
6.3 Duarte Nuno de Bragança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231
6.3.1 Vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231
6.3.2 Casamento e descendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231
6.3.3 Títulos reivindicados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231
6.3.4 Denúncia de falsificação de nacionalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232
6.3.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232
6.3.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232
6.3.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232
6.4 Duarte Pio de Bragança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232
6.4.1 Vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232
6.4.2 Casamento e filhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 233
6.4.3 Reivindicações pós-monarquia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234
6.4.4 Ascendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234
6.4.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234
6.4.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235
Capítulo 1

Primeira Dinastia – de Borgonha ou


Afonsina

1.1 Dinastia de Borgonha 1.1.1 Dinastia de Borgonha em Portugal

A Dinastia de Borgonha, também chamada Afonsina


(pelo elevado número - quatro - de soberanos com o nome
de Afonso) foi a primeira dinastia do Reino de Portugal.
Começou em 1096, ainda como mero condado (autono-
mizado em reino em 1139-1143) e terminou em 1383.

D. Afonso Henriques, fundador da Nação e da dinastia borgo-


nhesa
Brasão de Armas Condado Portuicalense de 1095-1139.

A designação Dinastia de Borgonha aplica-se às casas D. Afonso Henriques tornou-se Príncipe de Portugal de-
reais de Portugal, Galiza, Leão e Castela, e que gover- pois de vencer os nobres galegos, os Peres de Trava, alia-
naram estes países, respectivamente, entre 1096 e 1383, dos de sua mãe, D. Teresa, na batalha de São Mamede em
1126 e 1230 e 1126 e 1368, ainda que não tenham uma 1128. Foi apenas em 1179 que o Papa Alexandre III re-
origem comum. Com efeito, a Dinastia da Borgonha rei- conheceu Portugal como um Estado independente, o que
nante em Portugal deriva da casa ducal da Borgonha, por na época era fundamental para a aceitação do reino no
via do conde D. Henrique de Borgonha, sendo um ramo mundo cristão. D. Sancho I sucedeu a D. Afonso I, seu
cadete da dinastia capetiana, e a dinastia da Borgonha rei- pai. À semelhança do anterior continuou o processo de
nante em Leão e em Castela derivada da casa condal da Reconquista da Península Ibérica sob domínio Mouro. A
Borgonha, por via do conde D. Raimundo, pai do impe- D. Sancho I sucedeu D. Afonso II, seu filho. Em 1223
rador Afonso VII de Leão e Castela. o seu filho D. Sancho II sucedeu-lhe. O reinado deste

1
2 CAPÍTULO 1. PRIMEIRA DINASTIA – DE BORGONHA OU AFONSINA

não durou muito tempo e em 1248 seu irmão subiu ao por ter dado em primazia
trono, D. Afonso III. Foi ele que terminou com a presença sua filha a rei maldoso.
muçulmana em Portugal, re-adaptando o título de Rei de Porto - Portugal
Portugal e dos Algarves. Com as fronteiras do territó- António Torre da Guia
rio definidas através do Tratado de Alcanizes (1297), D.
Dinis, filho de Afonso III e herdeiro da coroa, começou
um processo de exploração da terra do reino. Em 1325 Reis da Dinastia Afonsina
sucedeu-lhe D. Afonso IV, cujo filho, D. Pedro I, prota-
gonizou um dos episódios mais conhecidos da História • D. Afonso Henriques, O Conquistador (1139-1185)
de Portugal, que Luís de Camões incluiu n’Os Lusíadas,
o amor de Pedro e Inês de Castro. Com a morte de D. Pe- • D. Sancho I, O Povoador (1185-1211)
dro I, o filho primogénito, D. Fernando subiu ao trono em
1367. Em 1383 sua filha, D. Beatriz, casou-se com João • D. Afonso II, O Gordo (1211-1233)
I de Castela, o que complicou a continuidade da dinastia.
Em 1383, com a morte de D. Fernando, o reino entra em • D. Sancho II, O Capelo (1223-1248)
anarquia total, com a ameaça de anexação pelo reino de
Castela. Após a eleição de D. João I como rei nas Cortes • D. Afonso III, O Bolonhês (1248-1279)
de Coimbra de 1385, considera-se iniciada uma nova di-
nastia, pela quebra na sucessão legítima, ainda que o novo • D. Dinis, O Lavrador, o Trovoresco e o Poeta (1279-
soberano descendesse directamente do rei D. Pedro I. No 1325)
ano de 1390 o Conde Pedro I unificou o Reino de Portu-
• D. Afonso IV, O Bravo (1325-1357)
gal, por definitivo.
I DINASTIA PORTUGUESA - De Borgonha
• D. Pedro I, O Justiceiro (1357-1367)
(Versejada)
Afonso Henriques, primeiro • D. Fernando, O Formoso (1367-1383)
rei-dos-reis, Conquistador,
reuniu Portus e Calle,
e Dom Sancho, seu herdeiro,
guerreiro, Povoador,
1.1.2 Dinastia de Borgonha em Leão, Cas-
continuou Portugal. tela e Galiza
Para exemplo crucial
face ao inimigo esconso Na inexistência de herdeiros masculinos do imperador
pondo seu pai em memória, Afonso VI de Leão e Castela, sucedeu-lhe no trono a sua
fecundo além do normal filha Urraca I de Leão e Castela, que havia sido casada
Dom Sancho gerou Afonso, com Raimundo da Borgonha, descendente dos condes da
o Gordo da lusa-história. Borgonha, entretanto falecido. Por essa via, cessara a va-
Vindo em linha sucessória ronia na Dinastia de Navarra (iniciada três quartos de sé-
surge Dom Sancho-segundo, culo antes com a subida ao trono de Leão e Castela de
o Capelo, régio e crente, Fernando I de Leão), e começava a dinastia de Borgo-
irmão do terço em glória, nha em Leão e Castela com a subida ao trono do filho de
também Afonso pró mundo, ambos, Afonso Raimundes, que passaria à história como
o Bolonhês sapiente. Afonso VII de Leão e Castela, o Imperador, rei da Galiza
Segue avante a lusa-gente (1112-1157), e de Leão e de Castela (1126-1157).
sob um reinado feliz Com a morte de Afonso VII (1157), os seus domínios são
que mais e mais se levanta repartidos por dois dos seus filhos, Fernando, que recebe
na gestão eficiente Leão e a Galiza, e Sancho, que fica com os reinos de Cas-
do Lavrador Dom Dinis tela e Toledo. Por conseguinte, passam a reinar nos dois
casado com uma Santa. reinos agora separados dois ramos da mesma casa. Em
Mais um Bravo se implanta, 1230 procede-se à união definitiva das Coroas de Leão
el-rei Dom Afonso-quarto, e de Castela, na pessoa de um bisneto de Afonso VII,
temido e assaz guerreiro, Fernando III de Leão e Castela, o Santo.
pai do rei que nos encanta
A Dinastia de Borgonha continuaria a governar a Co-
em tempo curto mas farto,
roa de Castela agora unificada até 1369, data do assas-
Dom Pedro, o Justiceiro.
sínio do rei Pedro I pelo seu meio-irmão Henrique, Du-
Enfim o rei derradeiro
que de Trastâmara. Tal como sucedeu em Portugal de-
da primeira-dinastia,
zasseis anos mais tarde, a sucessão por um meio-irmão
Dom Fernando, o «Formoso»,
deu origem a uma quebra dinástica, iniciando-se assim a
de grandes males urdeiro
Dinastia de Trastâmara em Castela.
1.2. AFONSO I DE PORTUGAL 3

Reis da Dinastia da Borgonha

Reis da Galiza

• Afonso VII de Leão e Castela (1112-1157)

Reis de Leão

• Afonso VII de Leão e Castela (1126-1157)


• Fernando II de Leão (1157-1188)
• Afonso IX de Leão, o Baboso (1188-1230), casado
com Berengária de Castela
• Sancho II de Leão e Dulce I de Leão (1230)

Reis de Castela

• Afonso VII de Castela e Leão, com o título de


imperador (1126-1157)
• Sancho III de Castela, o Desejado (1157-1158)
• Afonso VIII de Castela, o Bom (1158-1214)
• Henrique I de Castela (1214-1217)
• Berengária de Castela (ou Berenguela de Castela; re-
gente durante a menoridade do irmão: 1214-1217, Genealogia da Casa de Borgonha, também chamada de Afon-
rainha de jure após a sua morte em 1217; casa-se sina.
com Afonso IX de Leão, último rei de Leão)
1.2 Afonso I de Portugal
Coroa de Leão e Castela
Afonso I de Portugal, mais conhecido por D. Afonso
• Fernando III de Castela, o Santo, rei de Castela
Henriques (Guimarães, Coimbra ou Viseu, ca. 1109
(1217-1252) e de Leão (1230-1252)
— Coimbra, 6 de dezembro de 1185) foi o fundador do
• Afonso X de Castela, o Sábio 1252-1284, também Reino de Portugal e o seu primeiro rei, com o cognome
imperador eleito (não de facto), do Sacro Império O Conquistador, O Fundador ou O Grande pela funda-
(1257-1273) ção do reino e pelas muitas conquistas. Era filho de D.
Henrique de Borgonha e de D.Teresa de Leão, condes
• Sancho IV de Castela, o Bravo (1284-1295) de Portugal, um condado vassalo do reino de Leão.[1]
• Fernando IV de Castela, o Emprazado (1295-1312) Após a morte de seu pai em 1112, Afonso tomou uma
posição política oposta à da mãe, que se aliara ao nobre
• Afonso XI de Castela, o Justiceiro ou o do Salado galego Fernão Peres de Trava. Pretendendo assegurar o
(1312-1350) domínio do condado armou-se cavaleiro e após vencer a
• Pedro I de Castela, o Cruel ou o Justiceiro (1350- sua mãe na[1]batalha de São Mamede em 1128, assumiu
1369) o governo. Concentrou então os esforços em obter o
reconhecimento como reino. Em 1140, depois da vitó-
• Constança de Castela, pretendente ao trono ria na batalha de Ourique contra um contingente mouro,
(1369, casa em 1371 com João de Gant, tam- D. Afonso Henriques proclamou-se rei de Portugal com
bém pretendente) o apoio das suas tropas. Ao contrário do que dizem so-
bre o Tratado de Zamora só tornou o Condado Portuca-
lense independente do Reino de Leão. A independência
1.1.3 Ver também portuguesa foi reconhecida, em 1179, pelo papa Alexan-
dre III, através da bula Manifestis Probatum e ganhou o
• Árvore genealógica dos reis de Portugal título de rex (rei).[1] Com o apoio de cruzados do norte
da Europa conquistou Lisboa em 1147. Com a pacifi-
• Dinastia de Avis
cação interna, prosseguiu as conquistas aos mouros, em-
• Dinastia de Trastâmara purrando as fronteiras para sul, desde Leiria ao Alentejo,
4 CAPÍTULO 1. PRIMEIRA DINASTIA – DE BORGONHA OU AFONSINA

mais que duplicando o território que herdara. Os mu- Restabelecida a paz, voltaram ao condado. Entretanto,
çulmanos, em sinal de respeito, chamaram-lhe Ibn-Arrik novos incidentes provocaram a invasão do Condado Por-
[Em árabe: ‫ ابن الَّرنك‬ou ‫«( ]ابن الَرْنق‬filho de Henri- tucalense por Afonso VII de Leão e Castela que, em
que», tradução literal do patronímico Henriques) ou El- 1127, cercou Guimarães, onde se encontrava Afonso
Bortukali [Em árabe: ‫«( ]البرتغال‬o Português»). Henriques, por este se recusar a prestar-lhe homenagem
aquando da coroação. Prometida a lealdade do conde
pelo seu aio Egas Moniz, Prima VII desistiu de conquistar
1.2.1 Primeiros anos a cidade.
Mas alguns meses depois, em 1128, as tropas de Teresa
Afonso Henriques era filho de D. Henrique de Borgo- de Leão e Fernão Peres de Trava defrontaram-se com as
nha e de D. Teresa, infanta de Leão, filha ilegítima do de Afonso Henriques na batalha de São Mamede, tendo
rei Afonso VI de Leão e Castela, a quem Afonso VI do- as tropas do infante saído vitoriosas – o que consagrou
ara o condado de Portucale pelo casamento. Há quem a sua autoridade no território portucalense, levando-o a
defenda que era filho de Egas Moniz.[2][nota 1] A data e lo- assumir o governo do condado. Consciente da importân-
cal do seu nascimento não estão determinados de forma cia das forças que ameaçavam o seu poder, concentrou
inequívoca. Hoje em dia, a data que reúne maior con- os seus esforços em negociações junto da Santa Sé com
senso aponta para o verão de 1109. Almeida Fernan- um duplo objectivo: alcançar a plena autonomia da Igreja
des, autor da hipótese que indica Viseu como local de portuguesa e obter o reconhecimento do Reino.
nascimento de D. Afonso Henriques refere a probabili-
dade de ter nascido em Agosto[4][5] enquanto outros auto- Em 1139, depois de uma estrondosa vitória na batalha de
res, baseando-se em documentos que remontam ao século Ourique contra um forte contingente mouro, D. Afonso
XIII referem a data de 25 de Julho do mesmo ano. No Henriques autoproclamou-se rei de Portugal, com o apoio
entanto, já foram defendidas outras datas e locais para o das suas tropas. Segundo a tradição, a independência foi
nascimento do primeiro rei de Portugal, como o ano de confirmada mais tarde, nas míticas cortes de Lamego,
1106 ou de 1111 (hipótese avançada por Alexandre Her- quando recebeu a coroa de Portugal do arcebispo de
culano após a sua leitura da "Crónica dos Godos").[6] Tra- Braga, D. João Peculiar, se bem que estudos recentes
dicionalmente, acredita-se que terá nascido e sido criado questionem a reunião destas cortes. Em 1140 Afonso
em Guimarães, onde viveu até 1128[nota 2] . Outros auto- assina pela primeira vez “Ego Alfonsus portugalensium
res, ainda, referem Coimbra como local provável para o Rex”.[9]
seu nascimento[8]

1.2.2 Subida ao trono


1.2.3 Reinado

Reconhecimento do reino

O reconhecimento do Reino de Leão e de Castela chegou


em 1143, com o tratado de Zamora, e deve-se ao desejo
de Afonso VII de Leão e Castela em tomar o título de im-
perador de toda a Hispânia e, como tal, necessitar de reis
como vassalos. Desde então, Afonso I procurou conso-
lidar a independência por si declarada. Fez importantes
doações à Igreja e fundou diversos conventos.
Procurou também conquistar terreno a sul, povoado en-
tão por mouros: Leiria em 1135 (1145, conquista final)
usando a técnica de assalto; Santarém em 1146 (1147,
O Castelo de Guimarães
conquista final), também utilizando a técnica de assalto;
Lisboa (onde utilizou o cerco como táctica de conquista,
Em 1120, Prima, sob a direcção do arcebispo de Braga D. graças à ajuda dos cruzados), Almada e Palmela em 1147,
Paio Mendes tomou uma posição política oposta à da mãe Alcácer em 1160 e depois quase todo o Alentejo, que pos-
(que apoiava o partido dos Travas que pretendiam tomar teriormente seria recuperado pelos mouros, pouco antes
a soberania do espaço galaico-português). O arcebispo, de D. Afonso falecer (em 1185).
forçado a emigrar, levou consigo o infante que em 1122 Em 1179 o Papa Alexandre III reconheceu Portugal como
se armou cavaleiro em Tui ou, segundo outras fontes, em país independente e vassalo da Igreja, através da bula
Zamora.[1] Manifestis Probatum.
1.2. AFONSO I DE PORTUGAL 5

Sacavém

Cerco de Badajoz

De 1166 a 1168, D. Afonso Henriques apoderara-se de


várias praças pertencentes à coroa leonesa. Fernando II
de Leão estava a repovoar Ciudad Rodrigo e o português,
suspeitando que o seu genro estava a fortificar a cidade
para o atacar, enviou um exército comandado pelo seu
filho, o infante D. Sancho, contra aquela praça. O rei
leonês foi em auxílio da cidade ameaçada e derrotou as
tropas portuguesas, fazendo um grande número de prisi-
oneiros.
Em resposta, D. Afonso Henriques entrou pela Galiza,
tomou Tui e vários outros castelos, e em 1169 atacou pri-
meiro Cáceres. Depois voltou-se contra Badajoz na posse
dos sarracenos, mas que pertenceria a Leão, conforme
o acordado no tratado de Sahagún assinado entre aquele
reino e Castela.
Não obstante, sem respeitar estas convenções nem os la-
Retrato de D. Afonso I como rei de Portugal ços de parentesco que o uniam a Fernando, o rei por-
tuguês cercou Badajoz para a conquistar para Portugal.
Quando os muçulmanos já estavam cercados na alcáçova,
Fernando de Leão apresentou-se com as suas hostes e ata-
cou D. Afonso nas ruas da cidade. Percebendo a impos-
sibilidade de manter a luta, Afonso terá tentado fugir a
cavalo, mas ao passar pelas portas ter-se-à ferido na coxa
contra um dos ferros que a guarneciam. Fernando tra-
tou o seu sogro prisioneiro com nobreza e generosidade,
chamando os seus melhores médicos para o tratar.
Esta campanha teve como resultado um tratado de paz en-
tre ambos os reinos, assinado em Pontevedra, em virtude
do qual Afonso foi libertado, com a única condição de de-
volver a Fernando cidades estremenhas (da Estremadura
espanhola) tais como Cáceres, Badajoz, Trujillo, Santa
Cruz , Monfragüe e Montánchez, que havia conquistado
a Leão. Estabeleciam-se assim as fronteiras de Portugal
com Leão e a Galiza. E mais tarde, quando os muçulma-
nos sitiaram Santarém, o leonês auxiliou imediatamente
o rei português.

Morte e legado

Após o incidente de Badajoz, a carreira militar de D.


Afonso Henriques praticamente terminou. A partir daí,
dedicou-se à administração dos territórios com a co-
regência do seu filho D. Sancho. Procurou fixar a po-
pulação, promoveu o municipalismo e concedeu forais.
Estátua de D. Afonso Henriques no Castelo de São Jorge em Contou com a ajuda da ordem religiosa dos cistercienses
Lisboa, réplica da original, feita por Soares dos Reis, que se en- para o desenvolvimento da economia, predominante-
contra em Guimarães mente agrária.
O legado do seu reinado foi, entre outros:
Conquistas

Ver também: Cerco de Lisboa (1147) e Batalha de • A fundação da nacionalidade, reconhecida pelo
6 CAPÍTULO 1. PRIMEIRA DINASTIA – DE BORGONHA OU AFONSINA

1.2.4 Títulos, estilos, e honrarias

Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da


Coroa Portuguesa

Títulos e estilos

• 1109 – 24 de Abril de 1112: Dom Afonso Henri-


ques
• 24 de Abril de 1112 – 25 de Julho de 1139:
Afonso, Conde de Portucale
• 25 de Julho de 1139 – 6 de Dezembro de 1185:
Sua Mercê, El-Rei de Portugal

O estilo oficial de D. Afonso Henriques enquanto Rei de


Portugal:

Pela Graça de Deus, Afonso I, Rei dos Portu-


gueses
Túmulo de Afonso Henriques no Mosteiro de Santa Cruz em (Em Latim: Dei Gratiae, Rex Portugalensium)
Coimbra

1.2.5 Genealogia
papado e pelos outros reinos da Europa;
Ascendência
• A pacificação interna do reino e alargamento do
território através de conquistas aos mouros empur- Descendência
rando as fronteiras do Condado Portucalense para
sul. • Pela sua mulher, Mafalda de Saboia (1125-1157 ou
1158), que desposou em 1146:
• A fundação do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra • D. Henrique Afonso de Portugal (1147-1157)
em 1131
• D. Urraca Afonso de Portugal (1148-1211?),
casou com o rei Fernando II de Leão
Morreu aos 76 anos, em 1185, provavelmente por proble- • D. Teresa Afonso de Portugal (1151-1218),
mas do coração, senilidade, aterosclerose ou cirrose.[10] depois do casamento chamada Matilde ou Ma-
O seu túmulo encontra-se no Mosteiro de Santa Cruz, em falda, casou com Filipe I, Conde da Flandres
Coimbra, em frente ao túmulo do filho D. Sancho I. e depois com Eudes III, Duque da Borgonha
Foi impressa uma nota de 1.000$00 Chapa 7 de Portugal • D. Mafalda Afonso de Portugal (1153-1162),
com a sua imagem. teve o seu casamento programado com o rei de
Afonso II de Aragão, o que não se efectivou
pela morte da infanta
Boa relação com judeus • Sancho I de Portugal (1154-1211)
• D. João Afonso de Portugal (1156-1163)
O reinado de Afonso Henriques ficou marcado pela to-
lerância para com os judeus. Estes estavam organizados • D. Sancha Afonso de Portugal (24 de Setem-
num sistema próprio, representados politicamente pelo bro de 1157-1167)
grão-rabino nomeado pelo rei.
• Filho de mãe desconhecida:
O grão-rabino Yahia Ben Yahia foi mesmo escolhido para
ministro das Finanças de Afonso Henriques, responsável • D. Pedro Afonso (ca. 1130-1169)
pela coleta de impostos no reino. Com esta escolha teve • Filhos de Chamoa Gomes:
início uma tradição de escolher judeus para a área finan-
ceira e de manter um bom entendimento com as comu- • D. Teresa Afonso (ca. 1134-?)[11][12][13][14]
[15][16][17]
nidades judaicas, que foi seguida pelos seus sucessores.
1.2. AFONSO I DE PORTUGAL 7

• D. Fernando Afonso (1135-1207), também [8] Sousa, Manuel, Reis e Rainhas de Portugal, Mem Martins,
nomeado D. Afonso de Portugal, alferes-mor 2000. ISBN 972-97256-9-1
do Reino e 12º Grão-Mestre da Ordem dos
Hospitalários; Manuel de Abranches de Sove- [9] Las lenguas románicas estándar: (historia de su formación
ral considera Afonso, grão-mestre do Hospi- y de su uso) p.138
tal, e Fernando Afonso, alferes-mor do Reino,
como dois filhos diferentes [10] Revista Sábado n.º 547 (23 a 29 Outubro de 2014). Como
Pôde uma Laranja matar um rei?, Vanda Marques.
• Filha de Elvira Gálter[18][19] :
[11] Memórias Histórico-Genealógicas dos Duques Portugue-
• D. Urraca Afonso, 1ª senhora de Avô, que teve ses do século XIX, João C.F.C.Castello Branco e Torres
de seu pai em 1185, e que trocou por 1ª se- e Visc. Sanches de Baena, Academia Real das Sciencias,
nhora de Aveiro em 1187 (ca. 1130-?), casou 1ª Edição Lisboa, 1883, pg. 130
com D. Pedro Afonso Viegas ou de Lumiares,
Tenente de Neiva e de Trancoso, com geração; [12] Gaio, Manuel José da Costa Felgueiras, Nobiliário das Fa-
em Janeiro de 1212, com seu marido, doou ao mílias de Portugal, Carvalhos de Basto, 2ª Edição, Braga,
mosteiro de Tarouca 1.000 moios de sal reti- 1989, vol. II pg. 236 (Barbosas) e vol. X pg. 315
rados das salinas do seu senhorio de Aveiro
[13] Cristovão Alão de Morais, Pedatura Lusitana - 6 vols.,
Carvalhos de Basto, 2ª Edição, Braga, 1997, vol. I-pg.
1.2.6 Notas 82

[1] A ideia é sustentada por pequenos trechos de crónicas me- [14] D. António Caetano de Sousa, História Genealógica da
dievais, nomeadamente a partir da de 1419, onde se refere Casa Real Portuguesa, Atlântida-Livraria Editora, Lda, 2ª
que quando Egas Moniz viu que D. Teresa estava grávida, Edição, Coimbra, 1946, Tomo I-pg. 38
pediu ao conde D. Henrique para ser ele a criá-lo e que
assim foi, apesar de o infante ter nascido “tolheito” (alei-
jado). A mais conhecida destas, porém, é a Crónica de [15] D. António Caetano de Sousa, História Genealógica da
El-Rei D. Afonso Henriques composta por Duarte Gal- Casa Real Portuguesa, Atlântida-Livraria Editora, Lda, 2ª
vão em 1505.[3] Edição, Coimbra, 1946, Tomo I-pg. 36.

[2] Conforme autores como o medievalista José Mattoso, au- [16] Nobreza de Portugal e Brasil - 3 vols, Direcção de Afonso
tor de múltiplos sobre esta época que conhece profunda- Eduardo Martins Zuquete, Editorial Enciclopédia, 2ª Edi-
mente, e Diogo Freitas do Amaral, autor de “D. Afonso ção, Lisboa, 1989, vol. I-pg. 85
Henriques - Biografia.[7]
[17] O conde D. Pedro diz que D. Afonso Henriques teve esta
filha D. Tereza Afonso em D. Elvira Galtér e que, por-
1.2.7 Referências tanto, era irmã inteira de D. Urraca Afonso, casada com
D. Pedro Afonso de Lumiares. Mas esta D. Urraca é bem
[1] D. Afonso Henriques (em português) Porto Editora Info- mais tardia, ainda se documentando casada em 1212. D.
pédia. Visitado em 24 de outubro de 2012. Tereza Afonso foi certamente a primeira das filhas natu-
rais de D. Afonso Henriques e seria irmã inteira de D.
[2] Miguel Sanches de Baena, Paulo Alexandre Loução.
Afonso, nascido em 1135, que foi grão-mestre da Ordem
Grandes Enigmas da História de Portugal (em Português).
de S. João de Jerusalém (1203-6).
[S.l.]: Ésquilo, Ano. ISBN 9729898092380

[3] “D. Afonso Henriques: 900 anos de mitos”, Visão, 13 de [18] D. António Caetano de Sousa, História Genealógica da
agosto de 2009, p. 71. Casa Real Portuguesa, Atlântida-Livraria Editora, Lda, 2ª
Edição, Coimbra, 1946, Tomo I-pg. 36.
[4] Viseu, Agosto de 1109 - Nasce D. Afonso Henriques, Al-
meida Fernandes, o primeiro estudo sobre o nascimento
[19] Nobreza de Portugal e Brasil - 3 vols, Direcção de Afonso
do primeiro rei de Portugal, apoiado por historiadores tais
Eduardo Martins Zuquete, Editorial Enciclopédia, 2ª Edi-
como Maria Alegria Fernandes Marques, António Matos
ção, Lisboa, 1989, vol. I-pg. 85
Reis, João Silva de Sousa, Bernardo Vasconcellos e Sousa,
Avelino de Jesus Costa, entre outros

[5] Obra que defende que D. Afonso Henriques nasceu em Vi-


1.2.8 Ver também
seu reeditada hoje, Mariana Oliveira, Público, acedido em
30 de Abril de 2007
• Árvore genealógica dos reis de Portugal
[6] António Amares das Neves (Junho 2009). Afonso Henri-
ques - 1109?. Visitado em 10 de junho de 2009.
• Cruzadas
[7] “D. Afonso Henriques: 900 anos de mitos”, Visão, 13 de
agosto de 2009, p. 70. • D. Jordão
8 CAPÍTULO 1. PRIMEIRA DINASTIA – DE BORGONHA OU AFONSINA

1.2.9 Ligações externas um inimigo tradicional de Castela, que se tornou no pri-


meiro país a reconhecer Portugal. O acordo foi firmado
• Chronica de El-Rei D. Affonso Henriques, Duarte 1174 pelo casamento de Sancho, então príncipe herdeiro,
Galvão (1446-1517), ed. Lisboa, 1906, na Bibli- com a infanta Dulce, irmã mais nova do rei Afonso II de
oteca Nacional Digital (em português) Aragão.[6]
• Chronica de el-rei D. Affonso Henriques, Duarte No ano de 1178, D. Sancho faz uma importante expedi-
Galvão (1446-1517), no site Project Gutenberg (em ção contra mouros, confrontando-os perto de Sevilha e do
português) rio Guadalquivir, e ganha-lhes a batalha. Com essa ação,
expulsa assim a possibilidade deles entrarem em territó-
rio português.
1.3 Sancho I de Portugal Com a morte de Afonso Henriques em 1185, Sancho I
torna-se no segundo rei de Portugal. Tendo sido coroado
Sancho I de Portugal (Coimbra, 11 de novembro de na Sé de Coimbra, manteve essa cidade como o centro do
1154 — Coimbra, 26 de março de 1211)[1] foi rei de seu reino. D. Sancho deu por finda as guerras fronteiriças
Portugal de 1185 a 1211. Era cognominado o Povoa- pela posse da Galiza e dedicou-se a guerrear os Mouros
dor pelo estímulo com que apadrinhou o povoamento dos localizados a Sul. Aproveitou a passagem pelo porto de
territórios do país — destacando-se a fundação da cidade Lisboa dos cruzados da terceira cruzada, na primavera de
da Guarda, em 1199, e a atribuição de cartas de foral 1189, para conquistar Silves (Portugal),[7] um importante
na Beira e em Trás-os-Montes: Gouveia (1186), Covilhã centro administrativo e económico do Sul, com popula-
(1186), Viseu (1187), Bragança (1187) ou Belmonte ção estimada em 20.000 pessoas. Sancho ordenou a for-
(1199),[2] povoando assim áreas remotas do reino, em tificação da cidade e construção do castelo que ainda hoje
particular com imigrantes da Flandres e da Borgonha. pode ser admirado. A posse de Silves foi efémera já que
em 1190 Abu Yusuf Ya'qub al-Mansur cercou a cidade
de Silves (Portugal) com um exército e com outro atacou
1.3.1 Biografia Torres Novas, que apenas conseguiu resistir durante dez
dias, devido ao rei de Leão e Castela ameaçar de novo o
Norte.

Maravedi (morabitino) em ouro com a efígie de Sancho I

Quinto filho do monarca Afonso Henriques, foi batizado


com o nome de Martinho, por haver nascido no dia do
santo Martinho de Tours,[3][4] e não estaria preparado
para reinar; no entanto, a morte do seu irmão mais ve-
Estátua de D. Sancho I frente ao Castelo de Torres Novas - tra-
lho, D. Henrique, quando Martinho contava apenas três
balho de João Cutileiro
anos de idade, levou à alteração da sua onomástica para
um nome mais hispânico, ficando desde então Sancho Sancho I dedicou muito do seu esforço governativo à or-
Afonso. ganização política, administrativa e económica do seu
Em 15 de agosto de 1170 Sancho foi armado cavaleiro reino. Acumulou um tesouro real e incentivou a criação
pelo seu pai[5] logo após o acidente de D. Afonso Henri- de indústrias, bem como a classe média de comerciantes
ques em Badajoz e tornou-se seu braço direito, quer do e mercadores. Sancho I concedeu várias cartas de foral
ponto de vista militar, quer do ponto de vista administra- principalmente na Beira e em Trás-os-Montes: Gouveia
tivo. Nestes primeiros tempos de Portugal enquanto país (1186), Covilhã (1186), Viseu (1187), Bragança (1187),
independente, muitos eram os inimigos da coroa, a come- Guarda (1199), etc, criando assim novas cidades, e povo-
çar pelo Reino de Leão que havia controlado Portugal até ando áreas remotas do reino, em particular com imigran-
então. Para além do mais, a Igreja demorava em consa- tes da Flandres e Borgonha. O rei é também lembrado
grar a independência de Portugal com a sua bênção. Para pelo seu gosto pelas artes e literatura, tendo deixado ele
compensar estas falhas, Portugal procurou aliados dentro próprio vários volumes com poemas. Neste reinado sabe-
da Península Ibérica, em particular o reino de Aragão, se que alguns portugueses frequentaram universidades es-
1.3. SANCHO I DE PORTUGAL 9

trangeiras e que um grupo de juristas conhecia o Direito • Beata Sancha de Portugal,[12] (1180-1229),[15] , in-
que se ministrava na escola de Bolonha. Em 1192 conce- fanta de Portugal, fundou o Mosteiro de Celas, nas
deu ao mosteiro de Santa Cruz 400 morabitinos para que proximidades de Coimbra, no qual viveu até à sua
se mantivessem em França os monges que lá quisessem morte, e quem a levou para o Mosteiro de Lorvão,
estudar. onde recebeu sepultura, foi sua irmã Teresa.[16] Foi
Outorgou o seu primeiro testamento em 1188/89 no qual beatificada em 1705, no mesmo ano que sua irmã
doou a sua esposa os rendimentos de Alenquer, terras do Teresa, pelo papa Clemente XI.[16][13]
Vouga, Santa Maria da Feira e do Porto.[8] Seu último tes- • Constança de Portugal (1182-antes de 1186).[16][13]
tamento foi feito em outubro de 1209 quase dois anos an-
tes de sua morte.[9] O seu túmulo encontra-se no Mosteiro • Afonso II de Portugal (1186[17] −1223), casou com
de Santa Cruz, em Coimbra, ao lado do túmulo do pai. Urraca de Castela, rainha de Portugal.

• Pedro (1187[17] −1258), infante de Portugal e conde


1.3.2 Títulos, estilos, e honrarias de Urgel pelo casamento com Aurembiaix Armen-
gol; foi também rei de Maiorca.[12]
Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da • Fernando, infante de Portugal (1188[17] −1233), vi-
Coroa Portuguesa veu no estrangeiro, casou com Joana da Flandres.[12]

• Henrique de Portugal (?−1191), morreu em


criança.[17]
Títulos e estilos
• Raimundo de Portugal (1195-?), morreu em
• 11 de Novembro de 1154 – 6 de Dezembro de criança.[17]
1185: O Infante Martinho de Portugal • Beata Mafalda de Portugal (1195/96-1256), in-
fanta de Portugal, casada com o rei Henrique I
• 6 de Dezembro de 1185 – 26 de Março de 1211:
de Castela,[12][18] depois fundadora do mosteiro
Sua Mercê, El-Rei de Portugal
cisterciense de Arouca e sua primeira abadessa.

O primeiro estilo oficial de D. Sancho I enquanto Rei de • Branca,[12] (1196/98-1240), infanta de Portugal, foi
Portugal: freira num convento em Guadalajara.[19]

• Berengária, infanta de Portugal (1196/98-1221), ca-


Pela Graça de Deus, Sancho I, Rei dos Portu- sada com o rei Valdemar II da Dinamarca.[20]
gueses
Filhos naturais:
Com a Tomada de Silves, em 1189, a titulatura régia evo- O rei teve dois filhos com Maria Aires de Fornelos, pri-
lui para: meira mulher de Gil Vasques de Soverosa, filha de Aires
Nunes de Fornelos e de Maior Pais de Bravães e neta de
Pela Graça de Deus, Sancho I, Rei de Portugal, Soeiro Mendes da Maia o Bom. Em abril de 1207, D.
de Silves e do Algarve Sancho fez doação perpétua da Vila Nova dos Infantes e
de Golães para os filhos que tive com Maria com a fa-
culdade de os vender a quem quisessem.[21] Em 1175,
Quando os Almóadas retomam Silves, em 1191, D. San-
Maria com seu esposo Gil Vasques de Soverosa, e seus
cho volta a usar o seu estilo oficial original.
filhos Martim e Urraca, doou umas casas a seus parentes
Marina Pais e Vasco Pires.[22]
1.3.3 Genealogia
• Martim Sanches de Portugal (n. antes de 1175),[23]
Descendência casado com Eylo Pérez de Castro,[24] filha de Pedro
Fernandes de Castro “o Castelhano” e de sua mu-
De sua mulher a infanta Dulce de Aragão, filha da rainha lher Jimena Gomes de Manzanedo, filha do conde
Petronilha de Aragão e Raimundo Berengário IV, conde Gomes Gonçalves de Manzanedo e Milia Peres de
de Barcelona, com quem casou em 1174:[10] Lara, sem geração. Eylo divorcio-se de Martim
e em 1205 casou como Guerau IV de Cabrera,
visconde de Cabrera, com descencência.[25]
• Beata Teresa de Portugal, infanta de Portugal
(1175/76-1250),[11][10] casou com o rei Afonso IX • Urraca Sanches de Portugal (n. antes de
de Leão.[12] Foi beatificada em 1705; [13] [14] 1175),[23][24] solteira e sem geração
10 CAPÍTULO 1. PRIMEIRA DINASTIA – DE BORGONHA OU AFONSINA

Havidos de Maria Pais Ribeira, dita a Ribeirinha, filha de [4] Rodrigues Oliveira 2010, p. 71
Paio Moniz de Ribeira e de Urraca Nunes de Bragança,
filha de Vasco Pires de Bragança. [5] Mattoso 2014, p. 363.

[6] Rodrigues Oliveira 2010, p. 83–84.


• Rodrigo Sanches de Portugal (m. 1245), teve um
filho ilegítimo com Constança Afonso de Cam-
[7] Álvarez Palenzuela 2013, p. 66.
bra, Afonso Rodrigues que foi frade franciscano e
“Guardião do Convento de Lisboa”.[24][26] [8] Rodrigues Oliveira 2010, p. 86.
• Gil Sanches de Portugal (m. 14 de Setembro de
1236), foi clérigo e trovador.[27] Seu pai deixou-lhe [9] Carvalho Correia 2008, p. 179.
em testamento 8.000 morabitinos e em 1213 deu o
[10] Rodrigues Oliveira 2010, p. 84.
foral de Sarzedas.[28]

• Nuno Sanches de Portugal, falecido de tenra [11] Mattoso 2014, p. 334.


idade.[29]
[12] Sottomayor Pizarro 1997, p. 165, vol. I.
• Maior Sanches de Portugal, falecida de tenra
idade.[30] [13] Carvalho Correia 2008, p. 187.

• Teresa Sanches de Portugal (1205-1230), casou [14] Sotto Mayor Pizarro 1997, p. 165.
cerca de 1212 com Afonso Teles de Meneses, 2.º
senhor de Meneses, 1.º senhor de Albuquerque.[31] [15] Rodrigues Oliveira 2010, pp. 84 y 89.

• Constança Sanches de Portugal (1210-8 de Agosto [16] Rodrigues Oliveira 2010, p. 89.
de 1269),[31] a qual a 15 de Janeiro de 1269 («dona
Constancia Sancii felicis recordtionis donni Sancii [17] Rodrigues Oliveira 2010, p. 85.
quondam Portugalie Regis Illustris filia») doou a sua
sobrinha-neta, a infanta D. Sancha, as metades de [18] Carvalho Correia 2008, pp. 78, 185-187.
Vila do Conde, Aveleda, Pousadela, Parada e Maçãs
de Dona Maria,[32] com a condição de seu pai, D. [19] Rodrigues Oliveira 2010, p. 85 e 92.
Afonso III, lhe dar anualmente 3.300 libras velhas,
em Junho de 1237 comprou uma herdade chamada [20] Rodrigues Oliveira 2010, p. 85 e 93.
a Silveira no termo de Alenquer (G.XII,9,38), e em
Maio de 1240 escambou com João Pires a herança [21] Carvalho Correia 2008, pp. 8, 29, 180–182 e 244.
que tinha na dita vila de Alenquer (ib,9,37)
[22] Carvalho Correia 2008, p. 21, Vol. II, Apêndices.
Havido de Maria Moniz de Ribeira, filha de Monio Osó-
[23] Carvalho Correia 2008, p. 181.
rez de Cabrera, conde de Cabrera e Ribera no Reino de
Leão, e de Maria Nunes de Grijó, filha de Nuno Soares
[24] Sottomayor Pizarro 1997, p. 166, vol. I.
de Grijó e de Elvira Gomes:[33]
[25] Fernández-Xesta y Vázquez 2001, p. 21
• Pedro Moniz, casou com uma senhora cujo nome
não é registrado e foi o pai de Maria Pires Cabreira, [26] Sotto Mayor Pizarro 1987, pp. 223-224.
a esposa de Martim Pires Machado.[34]
[27] Sottomayor Pizarro 1997, p. 166-167, vol. I.

1.3.4 Ver também [28] Sotto Mayor Pizarro 1987, p. 223.

• Árvore genealógica dos reis de Portugal [29] Sotto Mayor Pizarro 1987, p. 224.

[30] Sotto Mayor Pizarro 1987, pp. 224-225.


1.3.5 Referências
[31] Sottomayor Pizarro 1997, p. 167, vol. I.
[1] Serrão, Joel (1968). “Sancho I”. Dicionário de História de
Portugal III. Ed. Ferreira, Maria Emília Cordeiro. Lis- [32] Sotto Mayor Pizarro 1987, p. 225.
boa: Iniciativas Editoriais. 741. ISBN 9726611601

[2] Câmara Municipal de Belmonte [33] Sotto Mayor Pizarro 1987, p. 168 e 261.

[3] Mattoso 2014, p. 226 [34] Sotto Mayor Pizarro 1987, p. 261.
1.4. AFONSO II DE PORTUGAL 11

1.3.6 Bibliografia 1.4 Afonso II de Portugal


• Álvarez Palenzuela, Vicente Ángel. Mundos medi- Afonso II de Portugal (cognominado o Gordo, o Crasso
evales: espacios, sociedades y poder (em espanhol). ou o Gafo, em virtude da doença que o teria afectado;
[S.l.]: Universidad de Cantabria, 2013. Capítulo: Coimbra, 23 de Abril de 1185 - Santarém, 25 de Março
El componente cruzado de la Reconquista. , 59-70 de 1223), terceiro rei de Portugal, era filho do rei Sancho
p. ISBN 8481026506 I de Portugal e da sua mulher, D. Dulce de Aragão, mais
conhecida como Dulce de Aragão, infanta de Aragão.
• Branco Marques de Silva, Maria João Violante. D. Afonso sucedeu ao seu pai em 1211.
Sancho I: O filho do fundador. Colecção Reis de
Portugal ed. Lisboa: Círculo de Leitores, 2006.
ISBN 9789724235172
1.4.1 Reinado
• Carvalho Correia, Francisco. O Mosteiro de Santo
Os primeiros anos do seu reinado foram marcados por
Tirso, de 978 a 1588: A silhueta de uma entidade
violentos conflitos internos (1211-1216) entre Afonso II
projectada no chao de uma história milenária. San-
e as suas irmãs Mafalda, Teresa e Santa Sancha de Por-
tiago de Compostela: Tese de doutoramento. Fa-
tugal (a quem seu pai legara em testamento, sob o título
cultade de Xeografía e História. Universidade de
de rainhas, a posse de alguns castelos no centro do país -
Santiago de Compostela. ISBN 978-8498-8703-81
Montemor-o-Velho, Seia e Alenquer -, com as respecti-
vas vilas, termos, alcaidarias e rendimentos), numa ten-
• Felgueiras Gayo, Manuel José. Nobiliário das Famí-
tativa de centralizar o poder régio. Este conflito foi re-
lias de Portugal. 2ª ed. Braga: Carvalhos de Basto,
solvido com intervenção do papa Inocêncio III. O rei in-
1989. vol. VII, pg. 61 e vol. X, pg. 64 p.}
demnizou as infantas com muito dinheiro, a guarnição
dos castelos foi confiada a cavaleiros templários, mas era
• Fernández-Xexta y Vázquez, Ernesto. Relaciones
o rei que exercia as funções soberanas sobre as terras e
del condado de Urgell con Castilla y León (em espa-
não as infantas como julgavam ter e que levou à guerra.
nhol). Madrid: EyP Libros Antiguos, 2001. ISBN
84-87860-37-0 No seu reinado foram criadas as primeiras leis escritas e
pela primeira vez reunidas cortes com representantes do
• Mattoso, José. D. Afonso Henriques. 2ª ed. Lisboa: clero e nobreza, em 1211 na cidade de Coimbra, na altura
Temas e Debates, 2014. ISBN 978-972-759-911-0 capital. Foram realizadas inquirições em 1220, inquéritos
feitos por funcionários régios com vista a determinar a si-
• Rodrigues Oliveira, Ana. Rainhas medievais de Por- tuação jurídica das propriedades e em que se baseavam
tugal. Dezassete mulheres, duas dinastias, quatro sé- os privilégios e imunidades dos proprietários. As con-
culos de História. Lisboa: A esfera dos livros, 2010. firmações validavam as doações e privilégios concedidos
ISBN 978-989-626-261-7 nos anteriores reinados, após analisados os documentos
comprovativos ou por mercê real. Todo o seu reinado foi
• Sotto Mayor Pizarro, José Augusto. Linhagens um combate constante contra as classes privilegiadas, isto
Medievais Portuguesas: Genealogias e Estratégias porque seu pai e avô deram grandes privilégios ao clero
(1279-1325). Porto: Tese de Doutoramento, Edi- e nobreza e Afonso II entendia que o poder real devia ser
cão do Autor, 1997. fortalecido.
O reinado de Afonso II caracterizou um novo estilo de
• Sotto Mayor Pizarro, José Augusto P.. Os Patronos governação, contrário à tendência belicista dos seus ante-
do Mosteiro de Grijo: Evolução e Estrutura da Fami- cessores. Afonso II não contestou as suas fronteiras com
lia Nobre Séculos XI a XIV. Oporto: [s.n.], 1987. Galiza e Leão, nem procurou a expansão para Sul (não
obstante no seu reinado ter sido tomada aos Mouros as
• Sousa Pereira, Armando de. (2010). "Silves (Portu- cidades de Alcácer do Sal, Borba, Vila Viçosa, Veiros,
gal) no itinerário da terceira cruzada: um testemu- em 1217, e, possivelmente também Monforte e Moura,
nho teutónico". Revista Militar (62): 77-88. Visi- mas por iniciativa de um grupo de nobres liderados pelo
tado em 11 de Junho de 2010. bispo de Lisboa), preferindo sim consolidar a estrutura
económica e social do país. O primeiro conjunto de leis
portuguesas é de sua autoria e visam principalmente te-
1.3.7 Ligações externas mas como a propriedade privada, direito civil e cunha-
gem de moeda. Foram ainda enviadas embaixadas a di-
• Rui de Pina. Chronica do muito alto e muito esclare- versos países europeus, com o objectivo de estabelecer
cido principe D. Sancho I, segundo rey de Portugal. tratados comerciais. Apesar de, como já dissemos, não
[S.l.]: Lisboa Occidental (Biblioteca Nacional Di- ter tido preocupações militares, enviou tropas portugue-
gital), 1727. sas que, ao lado de castelhanas, aragonesas e francesas,
12 CAPÍTULO 1. PRIMEIRA DINASTIA – DE BORGONHA OU AFONSINA

combateram bravamente na célebre batalha de Navas de • Afonso III de Portugal (1212/17-1279)


Tolosa na defesa da Península Ibérica contra os muçul-
manos. • Leonor, infanta de Portugal (1211-1231), casou
Valdemar III, o Jovem, filho do rei Valdemar II da
Outras reformas de Afonso II tocaram na relação da coroa Dinamarca
Portuguesa com o Papa. Com vista à obtenção do reco-
nhecimento da independência de Portugal, Afonso Hen- • Fernando de Portugal, Senhor de Serpa (1218-
riques, seu avô, foi obrigado a legislar vários privilégios 1246), senhor de Serpa
para a Igreja. Anos depois, estas medidas começaram a
• Vicente de Portugal (1219)
ser um peso para Portugal, que via a Igreja desenvolver-
se como um estado dentro do estado. Com a existência
de Portugal firmemente estabelecida, Afonso II procurou Filhos naturais:
minar o poder clerical dentro do país e aplicar parte das
receitas das igrejas em propósitos de utilidade nacional. • João Afonso (m. 9 de Outubro de 1234), enterrado
Esta atitude deu origem a um conflito diplomático entre no mosteiro de Alcobaça
o Papado e Portugal. Depois de ter sido excomungado
pelo Papa Honório III, Afonso II prometeu rectificar os • Pedro Afonso (n. 1210), que acompanhou seu ir-
seus erros contra a Igreja, mas morreu em 1223 excomun- mão na conquista de Faro (1249)[1]
gado, sem fazer nenhum esforço sério para mudar a sua
política.
1.4.4 Ver também
Só após a resolução do conflito com a Igreja, logo nos
primeiros meses de reinado do seu sucessor Sancho II, • Árvore genealógica dos reis de Portugal
pôde finalmente Afonso II descansar em paz no Mosteiro
• Testamento de Afonso II
de Alcobaça (foi o primeiro monarca a fazer da abadia
cisterciense o panteão real).
Diz-se que D. Afonso II possa ter morrido de lepra (isso 1.4.5 Referências
poderá ter justificado um dos seus cognomes, o Gafo,
bem como uma célebre e depreciativa frase dita por al- [1] David & Sottomayor Pizarro 1989, p. 69.
guns elementos do povo: Fora Gaffo!), mas a enorme gor-
dura que o rei possuía teria sido a sua causa de morte.
1.4.6 Bibliografia

1.4.2 Títulos, estilos, e honrarias • David, Henrique; Sottomayor Pizarro, José Augusto
P. (1989). "A conquista de Faro: o reavivar de uma
questão": 63-76. Porto: Universidade do Porto. Fa-
Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da culdade de Letras.
Coroa Portuguesa

1.4.7 Ligações externas


Títulos e estilos
• Chronica do muito alto e muito esclarecido principe
D. Afonso II, terceiro rey de Portugal, Rui de Pina
• 23 de Abril de 1185 – 26 de Março de 1211: O
(1440-1522), Lisboa Occidental, 1727, na Biblio-
Infante Afonso de Portugal
teca Nacional Digital (em português)
• 26 de Março de 1211 – 25 de Março de 1223: Sua
Mercê, El-Rei de Portugal • Chronica de El-Rei D. Affonso II, Rui de Pina (1440-
1522), Lisboa: Escriptorio, 1906, na Biblioteca Na-
cional Digital (em português)
O estilo oficial de D. Afonso II enquanto Rei de Portugal:

Pela Graça de Deus, Afonso II, Rei de Portugal


1.5 Sancho II de Portugal
1.4.3 Genealogia Sancho II de Portugal (cognominado O Capelo por ha-
ver usado um enquanto criança; alternativamente conhe-
Descendência cido como O Pio ou O Piedoso), quarto rei de Portugal,
nasceu em Coimbra em 8 de setembro de 1209, filho do
Com a sua mulher, Urraca de Castela (1186-1220): rei D. Afonso II de Portugal e de D. Urraca de Castela,
e faleceu, exilado e sem poder, em Toledo, no Reino de
• Sancho II de Portugal (1209-1248) Castela, a 4 de janeiro de 1248.
1.5. SANCHO II DE PORTUGAL 13

1.5.1 Vida antes do reinado 1.5.2 Coroação

D. Sancho II é coroado na Primavera de 1223, seu pai


D. Afonso II tendo morrido excomungado por Honório
III.[9] Começava já com o pé esquerdo, visto que era fi-
lho de um casamento que ia contra a lei canónica - Afonso
II e Urraca de Castela - e que era menor, não tendo ainda
Sancho II viria a chefiar um reino que atravessava uma atingido os catorze anos[10] e possivelmente os treze.[11]
profunda crise económica que já se tinha feito sentir nos H. Fernandes argumenta que o facto de nenhum tutor ter
tempos do seu avô Sancho I, devido a uma série de facto- sido seleccionado para participar, assinando, dos docu-
res conjunturais e locais, como as más colheitas e conse- mentos saídos da chancelaria de Sancho II durante a sua
quente subida de preços e fome, ou a escassez dos frutos menoridade, e de se observar a ausência de um ritual de
de pilhagens e saques a potências inimigas nos últimos passagem como a investidura na cavalaria que marca a
anos do seu reinado. Daí que em 1210 tenhamos registo entrada de Afonso VIII na posse real do reino de Leão,
de Sancho I, juntamente com Vasco Mendes, terem re- viriam a ajudar o argumento a favor da sua deposição.[12]
corrido à pilhagem da quintã de um dos seus próprios pai- Outra linha de argumento, utilizada por exemplo por
sanos, Lourenço Fernandes da Cunha, para enriquecer os Honório III em correspondência com o monarca, leva
cofres reais. Esta acção não parece ter sido isolada, e virá em consideração a idade tenra e primeira adolescência
a repetir-se, seguindo o exemplo real.[1] de Sancho II e realça o papel corruptor dos seus conse-
Neste ano conturbado crê-se ter nascido Sancho II, prova- lheiros régios. Tornar-se-á um dispositivo recorrente nos
velmente entre os dois últimos meses.[2] O jovem Sancho discursos sobre Sancho produzidos, muito para além dos
esteve, pelo menos durante esses primeiros anos do rei- primeiros anos do seu reinado. Tanto um artifício como
nado de Afonso, debaixo da tutelagem dos seus vassalos o outro visam desculpabilizá-lo, ou simplesmente fazê-lo
Martim Fernandes de Riba de Vizela e Estevainha Soa- sobressair como fraco e incapaz de reinar.
res da Silva, casal nobre ligado por parentesco aos Sousa
e aos de Lanhoso. Martim tinha sido alferes do rei em
1203, posição que manterá até à morte deste, para subir, 1.5.3 Conflitos
com Afonso II, ao mordomado, no mesmo ano em que
este assume a Coroa.[3] Parece contudo morrer em 1212, Infantas, Tias de Sancho II
deixando Sancho, que não podia ter mais de 2 anos, a
cargo de sua mulher Estevainha.[4] Em 1213, através de Filhas e herdeiras de considerável feudo territorial de
uma doação feita por Estevainha a um mosteiro, sabemos Sancho I, seu pai, estas tinham em Teresa, antiga rainha
que o jovem Sancho se encontrava doente.[4] Embora não de Leão, um líder incontestado, visto que parecia querer
se saiba ao certo, é provável que Sancho tenha sido criado assumir, tal como a sua rival Berenguela, papel nuclear na
em Coimbra e na região do Entre Douro e Minho,[5] e que política do Ocidente peninsular.[13] As raízes do conflito
sua ama tenha sido Teresa Martins, filha de Estevainha.[6] remontam ao primeiro testamento de Sancho I, redigido
em 1188, que disponibilizava os castelos de Alenquer,
No verão de 1222, Afonso II já não confirma os diplomas
por sua mão, uma manifestação inequívoca de incapaci- Montemor, Viseu, Guimarães e Santa Maria para a sua
mulher D. Dulce e para as suas filhas e deixava à sua filha
dade, e Sancho, o infante herdeiro, estava ainda a um ou
dois anos da idade da róbora.[7] Numa perspectiva destas, maior D. Teresa o castelo de Montemor e Cabanões, e à
mais nova, Sancha, Bouças, Vila do Conde e Fão.[14] Há
o futuro do reino português era, a um ano da coroação
de Sancho II, incerto, pelo menos o da linha de Afonso um detalhe que se revela logo de início capaz de semear
a discórdia: a concessão hereditária feita a Teresa, de 12
II. Façamos referência ainda a Martim e Pedro Sanches.
Martim era filho bastardo de Sancho I e meio-mão do Pe- anos, e Sancha, de 8.
dro e do rei Afonso II. Pedro era irmão mais novo do rei
Parece residir aqui um dos pomos fomentadores da dis-
Afonso II. O primeiro tinha feito uma investida militar
córdia entre o herdeiro Afonso e suas irmãs, na medida
contra Braga e Guimarães, desbaratando a hoste real[7]em que colocava nas mãos de Teresa e de Sancha um
em 1220 e assim dando o exemplo para que, em Junho feudo territorial de consideráveis dimensões, correspon-
de 1222, Afonso IX de Leão tomasse o castelo de Santo dendo aos territórios dos Castelos.[14] No seu segundo
Estêvão de Chaves, o segundo foi promovido ilimitada- e último testamento, Sancho reforça estas dotações pré-
mente na corte leonesa aquando da morte do seu irmão vias, Teresa ficando na posse de Montemor e Esqueira,
Afonso II. Sancha de Alenquer, Mafalda dos mosteiros de Bouças
Ambos foram revestidos de tenências de terras muito e de [15]
Arouca e da herdade de Seia que havia sido de sua
perto das fronteiras portuguesas, e ambos representa- mãe.
ram uma ameaça permanente nesta conjuntura para a Logo nos primeiros meses do seu precoce reinado, em
sobrevivência independente do então ainda jovem reino 1223, o jovem Sancho assina acordo com as tias para re-
português.[8] solver esta querela, dando-lhes tudo aquilo que Afonso II
14 CAPÍTULO 1. PRIMEIRA DINASTIA – DE BORGONHA OU AFONSINA

não lhes quisera reconhecer, sobretudo os castelos, con- por concessão de D. Teresa, trisavó de Sancho II, era o
seguindo também a inclusão de Branca, não contemplada único centro ubano com alguma relevância no reino que
no testamento de Sancho I, com bens imóveis, e agora não tinha o rei por senhor. Enquanto se manteve, esta
transformada em herdeira de Teresa na parcela de Mon- situação provocou um prolongado conflito entre os cida-
temor e Esgueira.[16] Vão somar ainda à posse dos caste- dãos e o seu bispo.[21]
los às infantas Teresa e Sancha a muito elevada quantia O que estava em causa era a jurisdição do Porto e algumas
de 4000 morabitinos anuais, a pagar sobre os direitos de das rendas e direitos do bispo na sua diocese. Ao igno-
Torres Vedras que entre si devem dividir. rar a doação feita pela sua trisavó, Sancho II procurava
Ficam assim com a totalidade das rendas de outro dos apropriar-se de um senhorio e aumentar o domínio real,
centros urbanos mais significativos da Estremadura, con- ampliando a massa colectável.[22] Em jogo estava tam-
tribuindo para cimentar a sua influência numa área onde a bém o controle dos benefícios eclesiásticos e o incumpri-
penetração senhorial era reduzida e que tradicionalmente mento da doação das dízimas por D. Afonso II às Igrejas
fazia parte do domínio directo do rei.[14] Crê-se que tanto do Reino.
este acordo como o celebrado pouco tempo depois com o Acusações parecidas podem ser verificadas no caso de
Arcebispo de Braga Estêvão Soares já tivessem sido pla- Lisboa, quando paróquias vagavam por morte do prior o
neados nos tempos finais de Afonso II, mas que, talvez rei entregava-as a laicos inúteis, estranhos e desconheci-
devido à doença destruidora deste, se tinham posto de dos que não querem receber ordens do presbítero e que
parte, aguardando sua morte. nesse sentido ficam aquém das imposições canónicas.
Sancho II terá possivelmente planeado uma ofensiva com Segundo H. Fernandes o sistema clientelar estava em
o objectivo de retomar estes castelos em 1231.[17] causa, estando o direito de apresentar os clérigos no cen-
tro das práticas de distribuição de benesses em que este
se apoiava, neste caso vendo-se a pressão do rei não como
Com a Igreja
incidindo directamente sobre os rendimentos das igre-
jas mas sobre o direito de dispor deles a favor dos seus
D. Martinho Rodrigues, Bispo do Porto D. Sancho
homens em detrimento do bispo. Em 1233 há novas
I teve dissenções com o Bispo do Porto por ter intervindo
queixas.[23]
nas graves fracturas que afectavam a relação do bispo
com os seus cónegos e com a elite da cidade.[18] Assim
é então que na Primavera de 1210 o Papa Inocêncio III D. Estêvão Soares da Silva (Irmão de Estevai-
troca correspondência com D. Martinho Rodrigues, tra- nha), Arcebispo de Braga Estêvão Soares da
tando as graves opressões e enormes injúrias[19] perpre- Silva era um dos mais poderosos metropolitas da
tradas sobre ele e os seus homens bem como alguns có- Hispânia Ocidental,[9] o mais importante dos bispos
negos que lhe tinham permanecido fiéis. A razão destes portugueses.[13] Os conflitos da Coroa com este clérigo
desacordos aparenta ter sido o facto de Rodrigues não ter remontam ao ano de 1219, ainda durante o reinado de
aceitado a proposta de Sancho de promover a entrada so- Afonso II.[24] Em Agosto de 1220 Afonso promove no
lene e processional na cidade em benefício[20] de seu filho território do arcebispado a primeira de numerosas inqui-
Afonso, porque o casamento deste com Urraca era ilícito
rições que o século de 1200 verá, atingindo o arcebispo
face à lei canónica, que nesta altura ainda restringia os assim no coração da sua área de influência.[25] Este pro-
casamentos até ao sétimo grau de parentesco.
cesso visava robustecer os direitos reais, principalmente
A reacção de D Sancho I fora uma de violência formal ri- no Norte arqui-episcopal, segmento do reino que Afonso
tualizada, nas palavras de Hermenegildo Fernandes, visto pior controla e que há quase dois séculos era palco de
que foram destruídas as casas dos cónegos fiéis ao bispo, um processo senhorializador,[25] usufruindo de benefícios
forçadas as fechaduras das portas da Igreja, invadido o como isenções fiscais.
espaço sagrado por indivíduos excomungados, sepultos Assiste-se então a uma violenta disputa, que envolve a
os corpos mortos em interdito.[20] Como se isso não bas- destruição dos bens do arcebispo perpetrada pels cava-
tasse, D. Martinho Rodrigues foi ainda enclausurado com leiros de Coimbra e de Guimarães, vassalos do rei e que
o seu deão no paço episcopal durante cinco meses, de forçará Estêvão Soares ao exílio, lançando o rei na ex-
onde sairá, numa fuga nocturna com destino a Roma, comunhão e o reino em interdito.[25] O Papa Honório III
evitando assim a composição que D. Sancho II o que- pede ajuda ao rei de Leão, Afonso IX, tendo já enviado
ria compelir a subscrever, mas pondo em risco os seus uma série de missivas a prelados desse reino e do de Cas-
bens, confiscados pelo porteiro régio para seu uso pessoal tela, para conseguir apoio em favor de Estêvão Soares.
e do rei.[20] Aqui encontramos a génese dos problemas Nota-se, nas palavras de H. Fernandes, que a lisonja uti-
que Sancho II virá a ter com Rodrigues. lizada em referência ao monarca Leonês serve evidentes
Nos anos de 26, 27 e 28 a hostilidade entre rei e bispo desígnios políticos papais, deixando a pairar a legitimi-
agudiza-se, visto que falhara a hipótese de expansão para dade ou pelo menos a promessa de um silêncio cúmplice
o interior (Elvas) e o rei voltava-se para os centros urba- por parte do pontífice, no caso de uma intervenção leo-
nos e portuários do litoral. Para além de Braga, o Porto, nesa em território português.[26] Ameaça ainda Afonso II
1.5. SANCHO II DE PORTUGAL 15

de invalidar o seu reino, tornando-o assim vulnerável a ano de 1231 por um grupo de juízes da Sé apostólica.[32]
conquistas por outros reis católicos.[27]
De facto, com o acordo assinado em mês incerto de 1223,
1.5.4 Reconquista
Sancho fizera a paz com Estêvão Soares, tanto mais que
este não defende o Bispo do Porto na sua contenda com
Contrariamente ao que durante muito tempo a historio-
o mesmo, e deixa ainda, em testemunho em 1228, 1000
grafia tradicional portuguesa se esforçou por indicar, San-
morabitinos ao rei, que este ainda lhe devia dos 6000 que
cho II não era um capaz chefe militar, e tampouco partici-
se obrigara a pagar no acordo de cinco anos anterior.[28]
pou de forma activa das conquistas que se deram ao longo
do Guadiana a partir do ano de 1230. O castelo de Elvas
D. Soeiro Viegas, Bispo de Lisboa Um dos princi- aparenta ter sido tomado “pela graça do salvador”,[33] por-
pais responsáveis pelo cerco de Alcácer, D. Soeiro já ti- tanto sem a intervenção de Sancho, ocupado quase que
nha contenda com Afonso II. As razões, segundo os di- por sorte, sem confronto militar. Este padrão repetir-se-
plomas papais, são a apropriação do direito de padroado, á, por exemplo, com Beja.
o que lhe permitira colocar nos benefícios eclesiásticos De certa forma, a reconquista é impulsionada pelo Papa
indivíduos da sua clientela; proibição do bispo construir Gregório IX, que, em 1232, concede a Sancho que não
mosteiros, igrejas e capelas, provavelmente para impe- pode ser excomungado sem mandado especial da Santa
dir a proliferação de instituições que escapassem a esse Sé, desde que persista na guerra contra os sarracenos,
mesmo direito padroado régio; desprezo pela autoridade e que portanto nenhum dos seus bispos o possa excluir
da Igreja para ministrar sacramentos, ignorando as ex- da comunidade cristã.[34] Estas absolvições continuaram,
comunhões já lançadas e intervindo junto dos habitantes vendo-se em Junho de 1233 uma por violências cometi-
de Santarém, a outra grande cidade do bispado, para que das por Sancho sobre clérigos “com a sua mão e com um
não se fizessem absolver; violação das imunidades ecle- bastão”.[35]
siásticas, obrigando os clérigos a pagar direitos - vacas,
porcos, carneiros - ignorando o foro judicial e eclesiás- Embora várias cidades no Algarve e no Alentejo tenham
tico, coagindo-os ao serviço militar, de hoste, aos encar- sido conquistadas durante o reinado de Sancho II, este
gos de manutenção das torres, muralhas e guarda delas, trabalho é protagonizado quase exclusivamente pelas Or-
assaltando-lhes enfim as casas, sob o pretexto de procu- dens Militares, como a Ordem de Santiago, que recebeu
rar aí mulheres, barregãs, costume interdito pela ordena- como pagamento dos serviços prestados diversas povo-
ção régia; por último acusando o rei de ignorar ostensi- ações, tais como Aljustrel, Sesimbra, Aljafar de Pena,
vamente as determinaçãos do IV Concílio de Latrão que Mértola, Aiamonte e Tavira, facto que porá Sancho cada
segregava social e físicamente os judeus, minoria que o vez mais dependente delas.[36] Concentra-se em utilizá-
monarca, Afonso II e, na sua esteira, Sancho II, conti- las também para povoar as regiões desertas, outra missão
nuava a privilegiar, protegendo-os da prática do uso dos pontifícia, doando-lhes terras e castelos à medida que vão
sinais distintivos e do interdito de os cristãos comercia- conquistando. Foram emitidas, em 1234 e 1241, bulas
rem com eles, perguindo por isso o bispo a quem negava a papais de Cruzada para o reino de Portugal. Em 1241,
dízima e preferindo os judeus aos cristãos nos ofícios ré- Sancho casa com Mécia Lopes de Haro.
gios. Infamante entre todas, a utilização dos serviços de
judeus e mouros como autores materiais dos ataques con-
tra a Igreja.[29] Segundo H. Fernandes estas queixas são
1.5.5 Excomunhão
quase padronizadas: como o próprio papa reconhece, a
A 16 de agosto de 1234, D. Sancho II é excomungado
situação sendo similar à que opusera poucos anos antes o
pelo mesmo comité de juízes pontifícios que lançara o
arcebispo de Braga Estêvão Soares a Afonso II.
Interdito em 1231, reunido em Ciudad Rodrigo. Era a
Dois anos antes, em Março de 1222, Honório II entendera consequência natural da Bula Si quam horribile do ano
por bem escrever aos priores dos dominicanos, francisca- anterior.[37] O eterno e cada vez mais omnipotente chan-
nos e da Ordem de Santiago na diocese de Lisboa, dando- celer de D Sancho, Mestre Vicente, é enviado em missão
lhes plenos poderes para que usassem da sua discrição e à Cúria Pontifícia, conseguindo assim minorar os efeitos
entendimento para pôr cobro aos abusos do bispo olisi- da excomunhão sobre a autoridade de D. Sancho II, pro-
ponense Soeiro Viegas.[30] As acusações às quais o papa longando assim o seu reinado.
dera inteiro crédito eram referentes ao bispo e os prela-
dos das igrejas incorrerem em práticas de extorsão, recu-
sando ministrar os sacramentos a quem não lhes deixasse 1.5.6 Guerra Civil, Deposição e Morte
em testamento a terça ou uma determinada parte dos seus
bens.[31] Talvez houvesse portanto um conflito aberto en- O isolamento político de Sancho II começa provavel-
tre a oligarquia urbana e o bispo que tenha permitido ou mente em 1232, estando o reino com conturbações in-
pelo menos potenciado os ataques que este tinha vindo a ternas; Afonso de Castela entra nesse ano pelo Norte do
sofrer por parte do rei. O prolongamento deste conflito reino em defesa de Sancho II. Resigna também em Roma
resultará no lançar do Interdito sobre o reino português no o bispo de Coimbra, Pedro, aliado de Sancho.
16 CAPÍTULO 1. PRIMEIRA DINASTIA – DE BORGONHA OU AFONSINA

D. Afonso, irmão mais novo de Sancho, denuncia em 1.5.7 Conclusões


1245 o casamento de Sancho com Mécia. Nesse mesmo
ano a Bula Inter alia desiderabilia prepara a deposição Na medida em que os conflitos com o clero ocorriam a
de facto do monarca. O papado, através de duas Bre- uma escala maior que a do reino português, eles demons-
ves, aconselha Afonso, Conde de Bolonha, a partir para tram uma linha de oposição entre um modelo de socie-
a Terra Santa em Cruzada e também que passe a estar dade teocrática, tal como o papado desde Gregório VII o
na Hispânia, fazendo aí guerra ao Islão. A 24 de julho, vinha propondo e um outro, menos definido, mas que tem
a Bula Grandi non immerito depõe oficialmente Sancho o poder dos príncipes como centro e que a recuperação
II do governo do reino, e Afonso torna-se regente. Os fi- do legado romano virá contribuir para unificar em torno
dalgos levantam-se contra Sancho, e Afonso cede a todas de bases ideológicas mais sólidas.[39] Conflitos entre o rei
as pretensões do clero no Juramento de Paris, uma as- e os bispos, destes com os seus cabidos, intervenções pa-
sembleia de prelados e nobres portugueses, jurando que pais: tudo parece convergir num ponto onde os interes-
guardaria todos os privilégios, foros e costumes dos mu- ses casuísticos dos grupos se encontram com processos
nicípios, cavaleiros, peões, religiosos e clérigos seculares de longa duração que afectam a própria organização so-
do reino[38] . Abdicou imediatamente das suas terras fran- cial urbana.[40] Mencione-se ainda que as sequelas destas
cesas e marchou sobre Portugal, chegando a Lisboa nos conturbações prolongar-se-ão durante o tempo em que
últimos dias do ano. outros estão nos cargos de Bispo acima mencionados.
Os vestígios escritos da chancelaria de Sancho II ofere-
cem um grande número de lacunas por vezes extensas,
por exemplo de 1229 a 1235, o que H. Fernandes julga
ser fruto de uma provável destruição desta documentação
pelo irmão e futuro rei Afonso III.[41] Até ao ano de 1236,
o Mestre Vicente é chanceler do rei, maestro da política
régia,[28] detendo assim um cargo importante. De 1236
em diante, Sancho II traz frequentemente os seus físicos
na Corte,[42] sinal de que provavelmente já se encontrava
doente. As pilhagens a partir de 1236 são protagonizadas
por bandos de fidalgos com os seus homens.[43]
José Mattoso, no seu artigo sobre a “Crise de 1245”, fala
numa crescente agitação social, dando para esta a justi-
ficação de um crescimento demográfico desequilibrado
Martim de Freitas, alcaide de Coimbra, faz abrir o túmulo de em relação à expansão territorial. Fala-se também num
Sancho II para verificar a sua morte. desequilíbrio conjuntural que impulsiona também o ban-
ditismo generalizado, praticado por marginais e não só,
havendo também acesas lutas entre nobres e o clero.
Em 1246, Afonso segura Santarém, Alenquer, Torres Longe de aparecer como um rei fraco ou rex inutilis, em
Novas, Tomar, Alcobaça e Leiria; Sancho II fortifica-se diversas alturas do seu reinado, Sancho II mostrou ter um
em Coimbra. A Covilhã e a Guarda ficam nas mãos de braço de ferro para tomar posições difíceis, como retali-
Afonso. Sancho II procura a intervenção castelhana na ações sobre os não-cooperantes, a ofensiva sobre os bens
guerra civil, depois da conquista de Jaén. Assim, o in- e benefícios eclesiásticos, o teste constante da fidelidade
fante Afonso de Castela entra em Portugal por Riba-Côa que havia ao monarca, entre outros exemplos, seguindo
a 20 de dezembro, tomando a Covilhã e a Guarda e de- assim um pouco a veia do seu pai falcão.
vastando o termo de Leiria, derrotando a 13 de janeiro de
1247 o exército do Conde de Bolonha. Apesar de não ter
perdido nenhuma das batalhas contra o irmão do Rei de 1.5.8 Títulos, estilos, e honrarias
Portugal, Afonso de Castela decide abandonar a empresa,
levando consigo para Castela El-Rei D. Sancho II, visto Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da
que a pressão da Santa Sé aumentava. Embora no Minho Coroa Portuguesa
continuem partidários de Sancho II e fiquem no terreno as
guarnições castelhanas no castelo de Arnoia (seu grande
apoiante e anticlerical), o caso encontra-se perdido. D.
Sancho II redige o seu segundo e último testamento en- Títulos e estilos
quanto exilado em Toledo a 3 de Janeiro de 1248, e morre
a 4 desse mesmo mês. Julga-se que os seus restos mortais • 8 de Setembro de 1209 – 25 de Março de 1223: O
repousem na catedral de Toledo. Infante Sancho de Portugal

Afonso III declara-se Rei de Portugal em 1248, já após a • 25 de Março de 1223 – 4 de Janeiro de 1248: Sua
morte do seu irmão mais velho, Sancho. Mercê, El-Rei de Portugal
1.6. AFONSO III DE PORTUGAL 17

O estilo oficial de D. Sancho II enquanto Rei de Portugal: [34] Ibidem, p. 200.


[35] Ibidem, p. 201, citado de A. D. de S. Costa, 1963, n. 304
Pela Graça de Deus, Sancho II, Rei de Portugal e 305.

[36] Ibidem, p. 205.


1.5.9 Referências
[37] Ibidem, p. 203.
[1] Hermenegildo Fernandes, D. Sancho II: Tragédia, Círculo
de Leitores, 2006, pp. 27-28. [38] Juramento solene, que fez o Infante D. Afonso, Conde de
Bolonha, estando em Paris, de administrar justiça no go-
[2] Ibidem, p. 35. verno do Reino, Portal da História, Manuel Amaral 2000-
2010
[3] Ibidem, p. 36.
[39] Ibidem, p. 86.
[4] Ibidem, p. 37.
[40] Ibidem, p. 161.
[5] Ibidem, pp. 40-41.
[41] Ibidem, p. 187.
[6] Ibidem, pp. 41-44.
[42] Ibidem, p. 181.
[7] Ibidem, p. 50.
[43] Ibidem, p. 166.
[8] Ibidem, pp. 50-51.

[9] Ibidem, p. 54.


1.5.10 Ver também
[10] Ibidem, pp. 72-76.

[11] Ibidem, p. 72.


• Árvore genealógica dos reis de Portugal

[12] Ibidem, p. 78. • Reconquista

[13] Ibidem, p. 85.


1.5.11 Ligações externas
[14] Ibidem, p. 87.

[15] Ibidem, p. 88. • Chronica do muito alto e muito esclarecido principe


D. Sancho II, quarto rey de Portugal, Rui de Pina
[16] Ibidem, p. 100. (1440-1522), Lisboa Occidental, 1728, na Biblio-
[17] Ibidem, p. 199. teca Nacional Digital (em português)

[18] Ibidem, p. 31. • Chronica de El-Rei D. Sancho II, Rui de Pina (1440-
1522), Lisboa: Escriptorio, 1906, na Biblioteca Na-
[19] Ibidem, p. 32. cional Digital (em português)
[20] Ibidem, p. 33.

[21] Ibidem, pp. 157-158.


1.6 Afonso III de Portugal
[22] Ibidem, pp. 158-159.

[23] Ibidem, p. 201.


Afonso III de Portugal (Coimbra, 5 de maio de 1210 –
id., 16 de fevereiro de 1279), cognominado O Bolonhês
[24] Ibidem, p. 44. por ter sido casado com a condessa Matilde II de Bolonha,
foi o quinto Rei de Portugal. Afonso III era o segundo
[25] Ibidem, p. 45.
filho do rei Afonso II e da sua mulher Urraca de Castela,
[26] Ibidem, p. 46. e sucedeu ao seu irmão Sancho II em 1248.
[27] Ibidem, p. 47.

[28] Ibidem, p. 160. 1.6.1 Guerra civil e deposição de D. Sancho


II
[29] Ibidem, p. 56.

[30] Ibidem, p. 58 Como segundo filho, Afonso não deveria herdar o trono
destinado a Sancho e por isso viveu em França, onde se
[31] Ibidem, p. 59 casou com Matilde II de Bolonha em 1235, tornando-se
assim conde jure uxoris de Bolonha, onde servia como um
[32] Ibidem, p. 197.
dirigente militar, combatendo em nome do Rei Luís IX,
[33] Ibidem, p. 192, citando João de Osma. rei de França seu primo.
18 CAPÍTULO 1. PRIMEIRA DINASTIA – DE BORGONHA OU AFONSINA

Todavia, em 1246, os conflitos entre Sancho II e a Igreja relação de igualdade.


tornaram-se insustentáveis e o Papa Inocêncio IV nesse Em 1254, na cidade de Leiria convocou a primeira reu-
mesmo ano despacha a Bula Inter alia desiderabilia que nião das Cortes, a assembleia geral do reino, com repre-
prepara a deposição de facto do monarca. sentantes de todos os espectros da sociedade. Afonso pre-
parou legislação que restringia a possibilidade das classes
altas cometerem abusos sobre a população menos favore-
cida e concedeu inúmeros privilégios à Igreja. Recordado
como excelente administrador, Afonso III organizou a
administração pública, fundou várias vilas e concedeu o
privilégio de cidade através do édito de várias cartas de
foral.
Em 1255, transferiu a capital do Reino de Portugal de
Coimbra para Lisboa.
Foram por sua ordem feitas as Inquirições Gerais, ini-
ciadas em 1258, como forma do rei controlar, não só o
grande poder da Nobreza, mas também para saber se lhe
estavam a ser usurpados bens que, por direito, pertenciam
à Coroa.

1.6.2 Reconquista

D. Afonso III, Rei de Portugal

O papado, através de duas Breves, ainda aconselha


Afonso, Conde de Bolonha, a partir para a Terra Santa
em Cruzada e também que passe a estar na Hispânia, fa-
zendo aí guerra ao Islão. Mas a 24 de julho, a Bula Grandi
non immerito depõe oficialmente Sancho II do governo do Moedas cunhadas com a éfige do Rei Afonso III de Portugal.
reino, e Afonso torna-se regente.
Com o trono seguro e a situação interna pacificada,
Os fidalgos levantam-se contra Sancho, e Afonso cede a Afonso voltou sua atenção para os propósitos da
todas as pretensões do clero no “Juramento de Paris”, Reconquista do Sul da Península Ibérica às comunida-
uma assembleia de prelados e nobres portugueses, ju- des muçulmanas. Durante o seu reinado, Faro foi tomada
rando que guardaria todos os privilégios, foros e costu- com sucesso em 1249 e o Algarve incorporado no reino
mes dos municípios, cavaleiros, peões, religiosos e clé- de Portugal.
rigos seculares do reino[1] . Abdicou imediatamente das
suas terras francesas e marchou sobre Portugal, chegando Após esta campanha de sucesso, Afonso teve de enfren-
a Lisboa nos últimos dias do ano, onde se fez coroar rei tar um conflito diplomático com Castela, que considerava
em 1248 após o exílio e morte de Sancho II em Toledo. que o Algarve lhe pertencia. Seguiu-se um período de
guerra entre os dois países, até que, em 1267, foi assi-
Até à morte de D. Sancho e a sua consequente coroação, nado um tratado em Badajoz que determina a fronteira no
D. Afonso apenas usou os títulos de Visitador, Curador e Guadiana desde a confluência do Caia até à foz, a fron-
Defensor do Reino. teira luso-castelhana.
Para aceder ao trono, Afonso abdicou de Bolonha e re-
pudiou Matilde para casar com Beatriz de Castela. De-
cidido a não cometer os mesmos erros do irmão, o novo 1.6.3 Segundas núpcias
rei prestou especial atenção à classe média de mercado-
res e pequenos proprietários, ouvindo suas queixas. Por Em 1253, o rei desposou D. Beatriz, popularmente co-
este procedimento, Afonso III ficou conhecido também nhecida por D. Brites, filha de D. Afonso X de Castela,
como o pai do “Estado Português”, distribuindo alcaides O Sábio. Desde logo isto constituiu polémica pois D.
pelos castelos e juízes pelas diferentes vilas e terras. O Afonso era já casado com Matilde II de Bolonha.
objectivo era a implantação de um poder legal com o qual O Papa Alexandre IV respondeu a uma queixa de D. Ma-
todos os habitantes do Reino português mantivessem uma tilde, ordenando ao rei D. Afonso que abandone D. Bea-
1.6. AFONSO III DE PORTUGAL 19

Matilde II, Condessa de Bolonha.

O Papa Gregório X.
triz em respeito ao seu matrimónio com D. Matilde. O rei
não obedeceu, mas procurou ganhar tempo neste assunto
delicado, e o problema ficou resolvido com a morte de D. pelo clero de apoiar espiritualidades estrangeiradas. O
Matilde em 1258. O infante, D. Dinis, nascido durante a grande conflito com o clero também se deve ao facto do
situação irregular dos pais, foi então legitimado em 1263. rei ter legislado no sentido de equilibrar o poder munici-
O casamento funcionou como uma aliança que pôs termo pal em prejuízo do poder do clero e da nobreza.
à luta entre Portugal e Castela pelo Reino do Algarve. O rei, que era muito querido pelos portugueses por de-
Também resultou em mais riqueza para Portugal quando cisões como a da abolição da anúduva (imposto do tra-
D. Beatriz, já após a morte do rei, recebe do seu pai, balho braçal gratuito, que obrigava as gentes a trabalhar
Afonso X, uma bela região a Este do Rio Guadiana, onde na construção e reparação de castelos e palácios, muros,
se incluíam as vilas de Moura, Serpa, Noudar, Mourão e fossos e outras obras militares), recebeu apoio das cor-
Niebla. Tamanha dádiva deveu-se ao apoio que D. Brites tes de Santarém em Janeiro de 1274, onde foi nomeada
lhe prestou durante o seu exílio na cidade de Sevilha. uma comissão para fazer um inquérito às acusações que
os bispos faziam ao rei. A comissão, composta maiorita-
riamente por adeptos do rei, absolveu-o. O Papa Gregó-
1.6.4 Excomunhão do rei e do reino rio X, porém, não aceitou a resolução tomada nas cortes
de Santarém e mandou que se excomungasse o rei e fosse
No final da sua vida, viu-se envolvido em conflitos com a
lançado interdito sobre o reino em 1277.
Igreja, tendo sido excomungado em 1268 pelo arcebispo
de Braga e pelos bispos de Coimbra e Porto, para além do À sua morte, em 1279, D. Afonso III jurou obediência à
próprio Papa Clemente IV, à semelhança dos reis que o Igreja e a restituição de tudo o que lhe tinha tirado. Face
precederam. O clero havia aprovado um libelo contendo a esta atitude do rei, o abade de Alcobaça levantou-lhe a
quarenta e três queixas contra o monarca, entre as quais excomunhão e o rei foi sepultado no Mosteiro de Alco-
se achavam o impedimento aos bispos de cobrarem os dí- baça.
zimos, utilização dos fundos destinados à construção dos
templos, obrigação dos clérigos a trabalhar nas obras das
muralhas das vilas, prisão e execução de clérigos sem au-
torização dos bispos, ameaças de morte ao arcebispo e
1.6.5 Títulos, estilos, e honrarias
aos bispos e, ainda, a nomeação de judeus para cargos de
grande importância. A agravar ainda mais as coisas, este Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da
rei favoreceu monetariamente ordens religiosas mendi- Coroa Portuguesa
cantes, como franciscanos e dominicanos, sendo acusado
20 CAPÍTULO 1. PRIMEIRA DINASTIA – DE BORGONHA OU AFONSINA

Títulos e estilos • Martim Afonso Chichorro (1250-1313)


• Urraca Afonso de Portugal (c. 1260- de-
• 5 de Maio de 1210 – Maio de 1239: O Infante pois de 1290) casada por duas vezes, a
Afonso de Portugal primeira em 1265 com Pedro Anes Gago
• Maio de 1239 – 4 de Janeiro de 1248: O Infante de Riba de Vizela (1240 - 1286) e a se-
Afonso de Portugal, Conde de Bolonha gunda em 1275 com João Mendes de Bri-
teiros (1250 -?), filho de D. Mem Rodri-
• 4 de Janeiro de 1248 – 16 de Fevereiro de 1279: gues de Briteiros (1225 -?).
Sua Mercê, El-Rei de Portugal e do Algarve
• Havidos de Maria Peres de Enxara:
O estilo oficial de D. Afonso III enquanto Rei de Portugal: • Afonso Dinis (1260-1310)
• De outras senhoras:
Pela Graça de Deus, Afonso III, Rei de Portugal
e Conde de Bolonha • Fernando Afonso, cavaleiro hospitalário
• Gil Afonso (1250-1346), cavaleiro
Em 1253, por suspeitar da sua esterilidade, D. Afonso re- hospitalário
pudia a esposa, D. Matilde, e abandona o título de Conde • Rodrigo Afonso (1258-1272), prior de
de Bolonha: Santarém
• Leonor Afonso (1250), senhora de
Pela Graça de Deus, Afonso III, Rei de Portugal Pedrógão e Neiva, casada por duas vezes,
a primeira com D. Estevão Anes de
Após a conquista definitiva do Algarve e a disputa quanto Sousa, senhor de Pedrógão (c. 1240 -?)
ao domínio algarvio com Castela, o Tratado de Badajoz e a segunda com D. Garcia Mendes de
reconhece a D. Afonso III o senhorio do Algarve, evo- Sousa (1175 – 29 de Abril de 1239).
luindo a sua titulatura régia para:
• Leonor Afonso (m. 1259), freira em San-
tarém
Pela Graça de Deus, Afonso III, Rei de Portugal
e do Algarve • Urraca Afonso (1250-1281), freira no
Lorvão
• Henrique Afonso
1.6.6 Genealogia
Descendência 1.6.7 Referências
• Primeira esposa, Matilde II de Bolonha, sem des- [1] Juramento solene, que fez o Infante D. Afonso, Conde de
cendência. Bolonha, estando em Paris, de administrar justiça no go-
verno do Reino, Portal da História, Manuel Amaral 2000-
• Segunda mulher, infanta Beatriz de Castela (1242-
2010
1300)
• Branca de Portugal (1259-1321), freira e se-
nhora no Mosteiro de Las Huelgas (Burgos) 1.6.8 Ligações externas
• Dinis I de Portugal (1261-1325)
• Chronica do muito alto e muito esclarecido principe
• Afonso de Portugal (1263-1312), senhor de
D. Afonso III, quinto rey de Portugal, Rui de Pina
Portalegre, casou com a infanta Violante Ma-
(1440-1522), Lisboa Occidental, 1728, na Biblio-
nuel
teca Nacional Digital (em português)
• Sancha de Portugal (1264-1284?)
• Maria de Portugal (1265-1266) • Chronica d'El-Rei D. Affonso III, Rui de Pina (1440-
• Constança de Portugal (1266-1271) 1522), Lisboa: Escriptorio, 1907, na Biblioteca Na-
cional Digital (em português)
• Vicente de Portugal (1268-1271)
• Fernando de Portugal (1269?) • D. Afonso III, Portal da História, Manuel Amaral
2000-2008
• Filhos naturais
• Havidos de Madragana Ben Aloandro, de-
pois chamada Mor Afonso, filha do último 1.6.9 Ver também
alcaide do período mouro de Faro, o moçárabe
Aloandro Ben Bakr: • Árvore genealógica dos reis de Portugal
1.7. DINIS DE PORTUGAL 21

1.7 Dinis de Portugal tou com o apoio dos concelhos. Apesar dos motivos da
revolta, esta guerra foi no fundo um conflito entre gran-
des e pequenos. Após a sua morte, em 1325 foi sucedido
Nota: Dinis de Portugal redireciona para este pelo seu filho legítimo, Afonso IV de Portugal, apesar da
artigo. Para outras pessoas com este nome, veja Dinis de oposição do seu favorito, o filho natural Afonso Sanches.
Portugal (desambiguação).

Dinis I de Portugal[1] (Lisboa [?], 9 de outubro 1261 1.7.1 Administração


— Santarém. 7 de janeiro de 1325) foi o sexto rei na
Lista de reis de Portugal, com o cognome “O Lavrador” Como herdeiro da coroa, D. Dinis desde cedo foi envol-
pelo grande impulso que deu à agricultura e ampliação do vido nos aspectos de governação pelo seu pai. À data da
pinhal de Leiria ou o Rei-Poeta devido à sua obra literária. sua subida ao trono, o país encontrava-se em conflito com
Filho de D. Afonso III e de D. Beatriz de Castela , foi a Igreja Católica. D. Dinis procurou normalizar a situa-
aclamado em Lisboa em 1279, tendo subido ao trono com ção assinando um tratado com o papa Nicolau IV, onde
17 anos. Em 1282 desposou Isabel de Aragão, que fica- jurava proteger os interesses de Roma em Portugal. Após
ria conhecida como Rainha Santa. Ao longo de 46 anos a extinção da Ordem dos Templários conseguiu transfe-
a governar os Reinos Portugal e dos Algarves foi um dos rir o património dela no país para a Ordem de Cristo,
principais responsáveis pela criação da identidade nacio- criada para o efeito, e apoiou os cavaleiros portugueses
nal e o alvor da consciência de Portugal enquanto estado- da Ordem de Santiago na sua disputa para se separarem
nação: em 1297, após a conclusão da Reconquista pelo do seu mestre castelhano.
seu pai, definiu as fronteiras de Portugal no Tratado de
Alcanizes, prosseguiu relevantes reformas judiciais, ins-
tituiu a língua Portuguesa como língua oficial da corte,
criou a primeira Universidade portuguesa, libertou as
Ordens Militares no território nacional de influências es-
trangeiras e prosseguiu um sistemático acréscimo do cen-
tralismo régio. A sua política centralizadora foi articu-
lada com importantes acções de fomento económico -
como a criação de inúmeros concelhos e feiras. D. Dinis
ordenou a exploração de minas de cobre, prata, estanho
e ferro e organizou a exportação da produção excedente
para outros países europeus. Em 1308 assinou o primeiro
acordo comercial português com a Inglaterra. Em 1312
fundou a marinha Portuguesa, nomeando 1º Almirante
de Portugal, o genovês Manuel Pessanha, e ordenando a
construção de várias docas.
Foi grande amante das artes e letras. Tendo sido um fa-
moso trovador, cultivou as Cantigas de Amigo, de Amor e
a sátira, contribuindo para o desenvolvimento da poesia
trovadoresca na península Ibérica. Pensa-se ter sido o pri- Cruz da Ordem de Cristo, símbolo que adornou, entre outras, as
meiro monarca português verdadeiramente alfabetizado, caravelas portuguesas durante os Descobrimentos.
tendo assinado sempre com o nome completo.[2] Culto e
curioso das letras e das ciências, terá impulsionado a tra- D. Dinis foi essencialmente um rei administrador e não
dução de muitas obras para português, entre as quais se guerreiro: envolvendo-se em guerra com o Reino de Cas-
contam os tratados de seu avô Afonso X, o Sábio. Foi o tela em 1295, desistiu dela em troca das vilas de Serpa e
responsável pela criação da primeira Universidade por- Moura. Pelo Tratado de Alcanizes (1297) firmou a paz
tuguesa, inicialmente instalada na zona do actual Largo com Castela, definindo-se nesse tratado as fronteiras ac-
do Carmo, em Lisboa e por si transferida, pela primeira tuais entre os dois países ibéricos. Por este tratado previa-
vez, para Coimbra, em 1308. Esta universidade, que foi se também uma paz de 40 anos, amizade e defesa mútuas.
transferida várias vezes entre as duas cidades, ficou defi- A sua prioridade governativa foi essencialmente a organi-
nitivamente instalada em Coimbra em 1537, por ordem zação do reino: continuando a vertente legisladora de seu
de D. João III. pai D. Afonso III, a profusa acção legislativa está con-
Entre 1320 e 1324 houve uma guerra civil que opôs o tida, hoje, no Livro da Leis e Posturas e nas Ordenações
rei ao futuro Afonso IV. Este julgava que o pai pretendia Afonsinas. Não são “códigos” legislativos tal como os en-
dar o trono a Afonso Sanches. Nesta guerra, o rei contou tendemos hoje, mas sim compilações de leis e do direito
com pouco apoio popular, pois nos últimos anos de rei- consuetudinário municipal, alteradas e reformuladas pela
nado deu grandes privilégios aos nobres. O infante con- Coroa.
22 CAPÍTULO 1. PRIMEIRA DINASTIA – DE BORGONHA OU AFONSINA

se complementam.
Preocupado com as infra-estruturas do país, D. Dinis or-
denou a exploração de minas de cobre, prata, estanho e
ferro. Fomentou as trocas com outros reinos, assinou o
primeiro tratado comercial com o rei de Inglaterra em
1308 e criou o almirantado, atribuído como privilégio
ao genovês Manuel Pessanha, fundando uma verdadeira
marinha portuguesa ao serviço da Coroa e do Reino.
D. Dinis redistribuiu terras, promoveu a agricultura e fun-
dou várias comunidades rurais, assim como mercados e
feiras, criando as chamadas feiras francas ao conceder a
várias povoações diversos privilégios e isenções. A razão
de um dos seus cognomes ser O Lavrador foi o facto de
ter zelado pela conservação do Pinhal de Leiria, criado
pelo seu pai, que ainda se mantém, de forma a proteger
as terras agrícolas do avanço das areias costeiras.[3]

1.7.2 Cultura

O diploma do Tratado de Alcanizes, mantido no Arquivo Nacio-


nal da Torre do Tombo, que definiu os limites fronteiriços entre
Portugal e Castela.

Com efeito, a incidência de questões de carácter proces-


sual com igual peso ao carácter de direito positivo das Universidade de Coimbra, na cidade de Coimbra, Portugal
suas leis, denuncia a crescente preocupação do rei em en-
quadrar o direito consuetudinário (ou costumeiro) no âm- A cultura foi um dos seus interesses pessoais[4] . D. Di-
bito da Coroa, e em efectivar o seu poder no terreno. As nis não só apreciava literatura, como foi ele próprio um
determinações sobre a actuação de alvazis (oficiais con- poeta notabilíssimo e um dos maiores e mais fecundos
celhios), juízes, procuratores e advocati demonstram isto, trovadores do seu tempo. Aos nossos dias chegaram 137
já que um poder meramente nominal sobre todos os ha- cantigas da sua autoria, distribuídas por todos os géneros
bitantes do Reino, como era típico na Idade Média, não (73 cantigas de amor, 51 cantigas de Amigo e 10 cantigas
se compatibiliza com este esforço em esmiuçar os trâ- de escárnio e maldizer), bem como a música original de
mites jurídicos, ou em moralizar o exercício da justiça. 7 dessas cantigas (descobertas casualmente em 1990 pelo
A criação de corregedores denuncia claramente o início Prof. Harvey L. Sharrer, no Arquivo da Torre do Tombo,
do processo de territorialização da jurisdição da Coroa, num pergaminho que servia de capa a um livro de regis-
extravasando os domínio régios, a par da crescente im- tos notariais do século XVI, e que ficou conhecido como
portância da capitalidade de Lisboa. Pergaminho Sharrer)[5]
O reinado de D. Dinis acentuou a predilecção por Lisboa Durante o seu reinado, Lisboa foi, pois, um dos centros
como local de permanência da corte régia. Não existe europeus de cultura. A primeira Universidade em Portu-
uma capital, mas a localização de Lisboa, o seu desen- gal, então Estudo Geral, foi fundada pelo seu documento
volvimento urbano, económico e mercantil vão fazendo Scientiae thesaurus mirabilis, em 1290, em Lisboa. Aí se
da cidade o local mais viável para se afirmar como centro ensinava as Artes, o Direito Civil, o Direito Canónico e a
administrativo por excelência. Medicina. Esta universidade foi transferida entre Lisboa
A articulação entre o norte e o sul do país - este sul que e Coimbra várias vezes, estando instalada definitivamente
se torna alvo da maior atenção e permanência dos reis em Coimbra desde 1537. Mandou traduzir importantes
- fazem de Lisboa centro giratório para tornar Portugal obras, tendo sido a sua Corte um dos maiores centros li-
viável. Entre o norte, onde a malha senhorial é mais densa terários da Península Ibérica.
e apertada, e o sul, onde o espaço vasto conquistado aos Diz a lenda de uma aldeia do concelho de Seia, Lapa dos
muçulmanos implanta sobretudo os domínios régios e as Dinheiros, que D. Dinis terá por lá passado e, depois de
ordens militares, assim como vastos espaços de res nullius ter jantado e pernoitado no lugar, deu-lhe o seu nome ac-
e torna Portugal um reino onde duas realidades diferentes tual.
1.7. DINIS DE PORTUGAL 23

1.7.3 Personalidade Não carecia D. Dinis do que hoje apelidamos de habili-


dade política. Sendo hábil no trato e entendedor dos Ho-
mens, D. Dinis soube ir “atacando e apaziguando, alter-
nadamente, os interesses senhoriais laicos e eclesiásticos:
desamortizou os bens do clero, mas aceitou a concordata e
restringiu os direitos de comedoria nos mosteiros; inquiriu
os bens senhoriais, mas as leis de desamortização travam
a erosão dos patrimónios senhoriais.[10] " A administração
das propriedades régias tornou-se mais eficiente e D. Di-
nis ficou conhecido como um Rei rico; disso encontramos
eco na Divina Comédia de Dante Alighieri.
Não obstante, D. Dinis é mormente celebrado em to-
dos os registos cronísticos contemporâneos e posteriores
como um Rei justo. Sabendo-se que a maior parte do tra-
balho legislativo do seu reinado se focou em questões de
justiça processual, não será de menor relevo o facto de
grande parte dessa nova legislação ir no sentido de evitar
excessivas delongas e custas judiciais e impedir abusos
de advogados e procuradores.[8][9][10][11][12]
Dele pode-se ainda dizer que a determinação que tantas
conquistas políticas lhe granjeou podia, por vezes, de-
generar em teimosia e prepotência. Descrito por vezes
como cruel, principalmente nas relações familiares: na
forma como tratava o filho herdeiro D. Afonso (nunca o
seu favorito) e a esposa, D. Isabel, entregando-lhe os fru-
tos dos seus adultérios para que os criasse.[13]
Figura incontornável da Península Ibérica de fim de
Duzentos e início de Trezentos, D. Dinis foi cognomi-
nado Pai-da-Pátria por Duarte Nunes de Leão.

1.7.4 Compleição física

Pouco ou nada se sabia do físico do Rei D. Dinis. As


D. Dinis e a Rainha Santa Isabel, em retrato na Universidade de
Coimbra. fontes da época assim como autores posteriores falham
em oferecer qualquer tipo de descrição física do monarca.
Nunca esquecendo o hiato de largos séculos que nos se- As informações hoje existentes advêm de uma abertura
para de D. Dinis, é possível traçar um esboço de linhas acidental do túmulo de D. Dinis aquando de um processo
mestras da personalidade deste rei português. Era deter- de restauro em 1938.
minado, ou mesmo obstinado, nos seus intentos, do que
Sabe-se que a figura histórica de D. Dinis tinha de altura
são exemplo a “cadência de inquirições verdadeiramente cerca de 1,65 m. O monarca faleceu com a provecta idade
demolidora” [6] e demais políticas de centralização régia
de 63 anos, feito notável para a época. Aparentemente,
que instituiu de forma sistemática. gozou de excelente saúde durante toda a sua vida: apenas
Revelou-se desde cedo um grande estratega, sendo pre- fez o primeiro testamento completo aos 61 anos, sem-
cursor de uma política governativa e legislativa não ape- pre viajou, participou em guerras estando já adiantado
nas reactiva, mas antes de cunho pro-activo. Benefici- de idade e aos 60 ainda caçava. Essa suposição é confir-
ando de uma análise a posteriori, percebe-se que as de- mada pela análise dos seus restos mortais que revela que
cisões não iam sendo tomadas ao acaso, antes se articu- morreu com a dentadura completa.[14]
lando na senda de um ideal de país e nação que o Rei Um traço distinto da fisionomia de D. Dinis terão sido
almejava. À laia de exemplo, indique-se a concomitante os seus cabelos e barba ruivos. Facto curioso na família
criação de concelhos e feiras, as políticas de fortificaçãoreal portuguesa de então, do qual não se conhecem ou-
das fronteiras ou a crescente dependência das ordens mi- tros exemplos até à época de D. Dinis. Pode-se especu-
litares do poder régio. lar que a origem genética deste traço poderia vir do lado
Por tudo isto, D. Dinis foi reconhecido como um homem materno, pois seu tio Fernando de Castela era ruivo (re-
sagaz e de elevada capacidade governativa, tanto por con- cebendo ademais o epiteto de La Cerda). As hipóteses
temporâneos como por historiadores posteriores.[7][8][9] mais plausíveis serão que estes dois príncipes peninsula-
24 CAPÍTULO 1. PRIMEIRA DINASTIA – DE BORGONHA OU AFONSINA

Coroa Portuguesa

Títulos e estilos

• 9 de Outubro 1261 – 16 de Fevereiro de 1279: O


Infante Dinis de Portugal
• 16 de Fevereiro de 1279 – 7 de Janeiro de 1325:
Sua Mercê, El-Rei de Portugal e do Algarve

O estilo oficial de D. Dinis enquanto Rei de Portugal:

Pela Graça de Deus, Dinis I, Rei de Portugal e


do Algarve

1.7.7 Genealogia
Ascendência

Descendência

• De sua mulher, infanta Isabel de Aragão (1270-


1336):
• Constança de Portugal (1290-1313), casou
com o rei Fernando IV de Castela
Imperador Frederico, o Barba Ruiva, antepassado de D. Dinis
• Afonso IV, Rei de Portugal (1291-1357)

res tenham herdado o traço de Henrique II de Inglaterra, Filhos naturais:


pai de Leonor Plantageneta, bisavó de Afonso X; ou então
da mãe de Afonso X, Beatriz da Suábia, neta do famoso • Havidos de Grácia Frois:
Imperador Frederico, o Barba Ruiva.[15]
• Pedro Afonso, conde de Barcelos (1287-1354)

1.7.5 Últimos anos e morte • Havidos de Aldonça Rodrigues Talha:


• Afonso Sanches (1289-1329), senhor de Al-
Os últimos anos do seu reinado foram marcados por con-
buquerque e rival de seu meio-irmão Afonso
flitos internos. O herdeiro, futuro D. Afonso IV, receoso
IV
que o favorecimento de D. Dinis ao seu filho bastardo,
D. Afonso Sanches o espoliasse do trono, exigiu o poder
• Havidos de Marinha Gomes:
e combateu o pai. Nesta luta teve intervenção apazigua-
dora a Rainha Santa Isabel que, na Batalha de Alvalade, • Maria Afonso (1290-1340), senhora de Gibra-
se interpôs entre as hostes inimigas já postas em ordem león
de combate.
• Havidos de outras senhoras:
Complicações cardíacas seriam a origem dos seus proble-
mas de saúde. Em 1322 teve um pequeno ataque cardíaco • João Afonso, senhor da Lousã (1280-1325)
ou vascular-cerebral. Ainda viveu mais três anos debili- • Fernão Sanches (1280-1329)
tado, sendo levado “em andas e em colos de homens”.
Foi a angina de peito ou uma miocardite a causa da sua • Pedro Afonso (1280-?)
morte, em 1325.[16] D. Dinis morreu em Santarém a 7
• Teve ainda como amante Branca Lourenço de Va-
de janeiro de 1325, e foi sepultado no Mosteiro de São
ladares, tia de D. Inês de Castro, a quem doou a
Dinis, em Odivelas.
vila e termo de Mirandela por carta de 1301, na
qual declara: "E esto vos faço por compra de vosso
1.7.6 Títulos, estilos, e honrarias corpo"[17] , e da qual houve:
• Maria Afonso (1302-1320), freira no Mosteiro
Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da de São Dinis
1.8. AFONSO IV DE PORTUGAL 25

1.7.8 Ver também [17] Francisco Manuel Alves, Abade de Baçal, "Memórias
Arqueológico-Históricas do Distrito de Bragança". Bra-
• Árvore genealógica dos reis de Portugal gança: Ed. Câmara Municipal de Bragança, 2000. Tomo
IV, p. 443.
• Bolsa dos Mercadores
• Universidade de Coimbra 1.7.10 Ligações externas
• Trovadorismo
• Chronica do muito alto e muito esclarecido principe
Dom Diniz, sexto rey de Portugal Rui de Pina (1440-
1.7.9 Referências 1522), Lisboa Occidental, 1729, na Biblioteca Na-
cional Digital
[1] Na grafia original escrevia-se Diniz.
• Chronica d'el rei D. Diniz Rui de Pina (1440-1522),
[2] Para a história da literatura popular portuguesa (PDF) Lisboa, 1912, na Biblioteca Nacional Digital
Instituto Camões.
• Genealogia. “Do Rei Dom Diniz ao Adão de Per-
[3] O extenso e excelso trabalho deste Rei em prol do Reino nambuco” Jerônimo de Albuquerque
resumiu António Caetano de Sousa ao cognome de O La-
vrador, assaz redutor face a obra tão profícua e, ademais, • Diniz de Portugal (Diniz de Bourgogne) roglo.eu
gerado pela imputação errónea da plantação do Pinhal de
Leiria a este monarca; na realidade o pinhal já existia • Cantigas de D. Dinis no Spotify
desde D. Sancho II.

[4] MONTEIRO, Clóvis - Esboços de história da Literatura -


Livraria Acadêmica - Rio de Janeiro - 1961 - Pg. 12 1.8 Afonso IV de Portugal
[5] FERREIRA, Manuel Pedro, Cantus Coronatus: 7 Canti-
Afonso IV de Portugal (Coimbra, 8 de Fevereiro de
gas D'El-Rei Dom Dinis, Edition Reichenberger, Kassel,
1291 - Lisboa, 28 de Maio de 1357), cognominado o
2005.
Bravo, sétimo Rei de Portugal, era filho do Rei D. Dinis
[6] PIZARRO, José A.S.M., D. Dinis, Círculo de Leitores, I de Portugal e de sua esposa, a Rainha Santa Isabel, nas-
2005, pág. 206, ISBN 9724234835 cida infanta de Aragão. D. Afonso IV sucedeu a seu pai
a 7 de fevereiro de 1325.
[7] PIZARRO, José A.S.M., D. Dinis, Círculo de Leitores,
2005, pág. 202-207, ISBN 9724234835

[8] Crónica Geral de Espanha de 1344 (edição crítica do texto 1.8.1 Vida
português por Luís Filipe Lindley Cintra), vol IV, Lisboa
Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1990 Apesar de ser o único filho legítimo de seu pai, D. Afonso
não seria, de acordo com algumas fontes, o favorito do
[9] Livro de Linhagens do Conde Dom Pedro(edição crítica
Rei D. Dinis, que preferia a companhia de D. Afonso
por José Mattoso), in Portugaliae Monumenta Historica,
Nova Série, vol. II (tomos 1 e 2), Lisboa, Academia das
Sanches, um dos seus bastardos (legitimado). Esta pre-
Ciências, 1980 ferência deu lugar a uma rivalidade entre os dois irmãos
que, algumas vezes, deu lugar a confrontos armados. Em
[10] PIZARRO, José A.S.M., D. Dinis, Círculo de Leitores, 1325, D. Afonso IV tornou-se rei e, como primeira de-
2005, pág. 207, ISBN 9724234835 cisão, exilou Afonso Sanches para Castela, retirando-lhe
[11] Crónica de Portugal de 1419 (edição crítica com introdu- de caminho todas as terras, títulos e feudos concedidos
ção e notas de Almeida Calado), Aveiro, Universidade de pelo pai de ambos. O exilado não se conformou e do ou-
Aveiro, 1998 tro lado da fronteira orquestrou uma série de manobras
políticas e militares com o fim de se tornar ele próprio
[12] LEÃO, Duarte Nunes de, Crónicas dos Reis de Portugal, rei. Depois de várias tentativas de invasão falhadas, os
reformadas pelo Licenciado…(revisto por M. Lopes de irmãos assinaram um tratado de paz, sob o patrocínio da
Almeida), Porto, Lello & Irmãos, 1975
Rainha Santa Isabel.
[13] PIZARRO, José A.S.M., D. Dinis, Círculo de Leitores, Em 1309, D. Afonso IV casou com a infanta Beatriz, filha
2005, pág. 208, ISBN 9724234835
do rei Sancho IV de Castela. A primogénita desta união,
[14] CRESPO, José, Santa Isabel na doença e na morte, Coim- a princesa D. Maria de Portugal, casou com D. Afonso XI
bra, Coimbra Editora, 1942, pág. 113-117 de Castela em 1328, mas o casamento revelou-se infeliz,
dado que o Rei de Castela maltratava abertamente a mu-
[15] PIZARRO, José A.S.M., D. Dinis, Círculo de Leitores,
lher. D. Afonso IV não ficou contente por ver sua filha
2005, pág. 213, ISBN 9724234835
menosprezada e atacou as terras fronteiriças de Castela
[16] Revista Sábado n.º 547 (23 a 29 Outubro de 2014). Como em retaliação. A paz chegou quatro anos mais tarde e,
Pôde uma Laranja matar um rei, Vanda Marques. com a intervenção da própria D. Maria de Portugal, um
26 CAPÍTULO 1. PRIMEIRA DINASTIA – DE BORGONHA OU AFONSINA

tratado foi assinado em Sevilha em 1339. No ano se- 1.8.2 Títulos, estilos, e honrarias
guinte, em Outubro de 1340, tropas portuguesas partici-
param na grande vitória da Batalha do Salado contra os Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da
mouros merínidas. Coroa Portuguesa
Em 1343 houve no reino grande carestia de cereais e em
1346, a fim de fazer sua aliança com o rei de Aragão, D.
Afonso IV enviou a Barcelona um embaixador para a as-
sinatura do acordo entre o rei e D. Pedro IV de Aragão Títulos e estilos
com vista à realização do casamento da infanta D. Leo-
nor. Em 1347 ocorreu um sismo que abalou Coimbra, • 8 de Fevereiro de 1291 – 7 de Janeiro de 1325: O
tendo causado enormes prejuízos, e em 1348 a peste ne- Infante Afonso de Portugal
gra, vinda da Europa, assola o país.
• 7 de Janeiro de 1325 – 28 de Maio de 1357: Sua
De todos os problemas foi a peste o mais grave, vitimando Mercê, El-Rei de Portugal e do Algarve
grande parte da população e causando grande desordem
no reino. O rei reagiu prontamente, tendo promulgado O estilo oficial de D. Afonso IV enquanto Rei de Portugal:
legislação a reprimir a mendicidade e a ociosidade.
A última parte do reinado de D. Afonso IV foi marcada Pela Graça de Deus, Afonso IV, Rei de Portugal
por intrigas políticas e conflitos internos em grande parte e do Algarve
devidos à presença em solo português de refugiados da
guerra civil entre D. Pedro I de Castela e o seu meio-
irmão D. Henrique da Trastâmara. 1.8.3 Genealogia
Entre os exilados contavam-se vários nobres, habituados
ao poder, que cedo criaram a sua própria facção dentro Descendência
da Corte portuguesa. Quando Inês de Castro se torna
amante do príncipe herdeiro D. Pedro, os nobres caste-
lhanos cresceram em poder e favor real.
D. Afonso IV não ficou agradado com o favoritismo con-
cedidos aos castelhanos e procurou várias formas de afas-
tar D. Inês do filho. Sem sucesso, porque D. Pedro assu-
miu tanto a relação com a castelhana como os filhos ilegí-
timos que dela teve, acrescentando em 1349 a recusa de
tornar a casar com outra mulher que não ela. Com o pas-
sar dos anos D. Afonso IV perdeu o controlo da situação,
a facção castelhana e D. Inês aumentavam o seu poder,
enquanto o único filho legítimo de D. Pedro, o futuro rei
D. Fernando, crescia como uma criança doente. Preocu-
pado com a vida do único neto que reconhecia e com o
acréscimo de poder estrangeiro dentro de fronteiras, D.
Afonso IV ordena a morte de D. Inês de Castro em 1355.
Ao contrário do que esperava, o seu filho não se aproxi-
mou de si. Perdendo a cabeça, D. Pedro entrou em guerra
aberta contra o pai e saqueou a região do Entre-Douro-e-
Minho. A reconciliação chegou apenas em 1357, entre-
gando o rei ao príncipe grande parte do poder. D. Afonso
IV morreu pouco tempo depois.
Como rei, D. Afonso IV é lembrado como um coman-
dante militar corajoso, daí o cognome de Bravo. A sua
maior contribuição a nível económico e administrativo
foi a importância dada ao desenvolvimento da marinha
portuguesa. D. Afonso IV subsidiou a construção de uma
marinha mercante e financiou as primeiras viagens de ex- Beatriz de Castela e Rainha de Portugal.
ploração Atlântica. As Ilhas Canárias foram descobertas
no seu reinado. Do seu casamento com D. Beatriz de Castela (1293 -
Jaz na Sé de Lisboa. Lisboa, 25 de Outubro de 1359), infanta do Reino de Cas-
tela, filha do rei D. Sancho IV de Castela com D. Maria
de Molina, nasceram:
1.9. PEDRO I DE PORTUGAL 27

1. D. Maria de Portugal (Coimbra, 1313 - Évora, 1.9.1 Vida


1357), casada em 1328 na localidade de Alfaiates,
Sabugal, com o rei Afonso XI de Castela, (13 de
O Infante D. Pedro nasceu na cidade de Coimbra, a 8 de
agosto de 1311 - 26 de março de 1350) a «Fermo-
Abril de 1320, sendo os seus pais o Infante D. Afonso (fu-
síssima Maria» referida por Luís de Camões n' Os
turo D. Afonso IV de Portugal) e D. Beatriz de Castela.
Lusíadas.
D. Pedro foi o quarto filho de um total de sete, três mu-
lheres e quatro varões: D. Maria, D. Afonso, D. Dinis, ele
2. D. Afonso de Portugal (Coimbra, Penela, 1315),
próprio, D. Isabel, D. João, e D. Leonor. Destes, mais de
nado-morto à nascença.
metade cedo morre (D. Afonso nado-morto à nascença;
3. D. Dinis de Portugal (12 de janeiro de 1317-1318), D. Dinis, D. Isabel, e D. João na sua infância). Por este
morreu na infância. motivo, D. Pedro, não sendo primogénito, torna-se her-
deiro do pai e vem a suceder-lhe no trono.[1]
4. D. Pedro I de Portugal (Coimbra, 8 de abril de 1320- Dos seus primeiros anos de vida, pouco se sabe.
Évora, Estremoz, 18 de janeiro de 1367), sucessor Conhecem-se, todavia, através de fontes escritas, a sua
do pai no trono português. ama, D. Leonor; o aio e mordomo-mor Lopo Fernandes
Pacheco; o guarda, Domingos Anes; o reposteiro-mor,
5. D. Isabel de Portugal (21 de dezembro de 1324 - 11 Gonçalo Lobato; e os reposteiros, Afonso Domingues e
de julho de 1326), morreu na infância. Afonso Esteves. É também sabido que, por volta dos seus
quinze anos, em 1335, já tinha casa. Os cronistas fazem
6. D. João de Portugal (23 de setembro de 1326 - 21 menção a um defeito de gaguez e ainda, no foro psíquico,
de julho de 1327), morreu na infância. "paixões exaltadas e violentas, cóleras explosivas, perver-
sões várias"; é igualmente caracterizado como um amante
7. D. Leonor de Portugal (Coimbra, 1328 - Jérica ou da festa e da música, cantando e dançando por Lisboa ao
Teruel, Aragão, outubro de 1348), casada em 1347 som de “longas” com os populares.[1]
com o rei Pedro IV de Aragão (Balaguer 1319 -
Barcelona 5 de janeiro de 1387). D. Pedro é conhecido pela sua relação com Inês de Cas-
tro, a aia galega da sua mulher Constança Manuel, que
influenciou fortemente a política interna de Portugal no
Teve ainda uma filha natural: reinado de D. Afonso IV. Inês acabou assassinada por or-
dens do rei em 7 de Janeiro de 1355, mas isto não trouxe
1. D. Maria Afonso de Portugal (1316 - Lisboa, 1384), Pedro de volta à influência paterna. Contrariamente, du-
casada em 1330 com D. Fernando de Castela, se- rante alguns meses, Pedro revoltou-se contra o pai; apoi-
nhor de Valencia de Campos, mestre da Ordem de ado pela nobreza de Entre Douro e Minho e pelos irmãos
Santiago e filho de D. Afonso de Castela, senhor de de Inês. A paz veio por vontade declarada do povo e
Valência e de D. Joana de Castro (1280 - 1327). perdoaram-se mútuas ofensas. Aclamado rei em 1357,
Pedro anunciou em Cantanhede, em junho de 1360, o
casamento com Inês, realizado em segredo antes da sua
1.8.4 Ver também morte, sendo sua intenção a ver lembrada como Rainha
de Portugal. A promessa de perdão aos responsáveis pela
• Árvore genealógica dos reis de Portugal morte de Inês foi esquecida
Este facto baseia-se apenas na palavra do rei, uma vez
que não existem registos de tal união. Dois assassinos
1.8.5 Ligações externas de Inês foram capturados e executados (Pêro Coelho e
Álvaro Gonçalves) com uma brutalidade tal (a um foi ar-
• Chonica de ElRei Dom Afonso o Quarto, Rui de Pina rancado o coração pelo peito, e a outro pelas costas), que
(1440-1522), Lisboa: Biblion, 1936, na Biblioteca lhe valeram os epítetos supramencionados.
Nacional Digital (em português)
Conta também a tradição que Pedro teria feito desenter-
rar o corpo da amada, coroando-o como Rainha de Por-
tugal, e obrigando os nobres a procederem à cerimónia
1.9 Pedro I de Portugal do beija-mão real ao cadáver, sob pena de morte. Em se-
guida ordenou a execução de dois túmulos (verdadeiras
Pedro I de Portugal (Coimbra, 8 de abril de 1320 — obras-primas da escultura gótica em Portugal), os quais
Estremoz, 18 de janeiro de 1367) foi o oitavo Rei de Por- foram colocados no transepto da igreja do Mosteiro de
tugal. Recebeu os cognomes de O Justiceiro (também O Alcobaça para que, no dia do Juízo Final, os eternos
Cruel, O Cru), pela energia posta em vingar o assassínio amantes, então ressuscitados, de imediato se vejam...
de Inês de Castro. Filho do rei Afonso IV e sua mulher D. Como rei, Pedro revelou-se bom administrador, corajoso
Beatriz de Castela. Pedro I sucedeu a seu pai em 1357. na defesa do país contra a influência papal (foi ele que
28 CAPÍTULO 1. PRIMEIRA DINASTIA – DE BORGONHA OU AFONSINA

Títulos e estilos

• 8 de Abril de 1320 – 28 de Maio de 1357: O


Infante Pedro de Portugal
• 28 de Maio de 1357 – 18 de Janeiro de 1367: Sua
Mercê, El-Rei de Portugal e do Algarve

O estilo oficial de D. Pedro I enquanto Rei de Portugal:

Pela Graça de Deus, Pedro I, Rei de Portugal e


do Algarve

Túmulo de D. Pedro I no mosteiro de Alcobaça


1.9.3 Genealogia

promulgou o famoso Beneplácito Régio, que impedia a Casamentos e descendência


livre circulação de documentos eclesiásticos no país sem
a sua autorização expressa), e foi justo na defesa das ca- Em 1329, Branca de Castela, a única filha de Pedro, in-
madas menos favorecidas da população. Aplicava a jus- fante de Castela e de Maria, infanta de Aragão foi pro-
tiça com brutalidade, de forma «democrática», punindo metida em casamento com D. Pedro, mas dada a sua de-
exemplarmente sem olhar a quem. Para não atrasar a bilidade e sua incapacidade o casamento não se chegou a
aplicação das sentenças, puniu com pena de morte a prá- realizar.[2][3]
tica da advocacia, isto levou a protestos nas cortes de Seu primeiro casamento foi com Constança Manuel, filha
1361. Pouco fez para refrear o poder da nobreza, mas de D. João Manuel de Castela, de quem teve a:
esta temia o rei. Gostava muito de estar próximo do povo
nos festejos, daí ser adorado. Na política externa, Pedro • D. Luís, infante de Portugal (1340)
ajudou seu sobrinho, o rei de Castela na guerra contra o
meio-irmão. • D. Maria, infanta de Portugal (1342-137?), casada
A sua relação com o clero foi algo conflituosa, em rela- com D. Fernando, príncipe de Aragão
ção à nobreza foi magnânimo. Deu o título de conde de • D. Fernando, rei de Portugal (1345-1383)
Barcelos a João Afonso Telo com direito hereditário e deu
terras aos filhos de Inês. A Ordem de Avis entregou-a a
De seu segundo casamento com Inês de Castro (1320 -
seu filho, João, futuro rei.
assassinada em 1355) nasceram:
A forma como exerceu a justiça, parece-nos hoje cruel,
mas era costume naqueles tempos difíceis. Diz-se que • D. Afonso, infante de Portugal (1346)
mandou servir um banquete enquanto assistia à execução
de Pêro Coelho e Álvaro Gonçalves, típico dum neuró- • D. Beatriz, infanta de Portugal (1347-1381)
tico. Gostava mais de ser algoz de que juiz, como atestam
• D. João, infante de Portugal (1349-1387)
algumas sentenças que proferiu.
D. Pedro reinou durante dez anos, sendo tão popular ao • D. Dinis, infante de Portugal (1354-1397)
ponto de dizer a população "que taes dez annos nunca
houve em Portugal como estes que reinara el Rei Dom Pe- De Teresa Lourenço:
dro". O seu reinado foi o único no século XIV sem guerra
e marcado com prosperidade financeira, daí ficar na me- • D. João I (1357-1433)
mória como um bom reinado. Para Fernão Lopes foi o
avô da dinastia de Avis. Embora havendo três filhos do seu segundo casamento
Jaz no Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça. e tendo vivido uma relação intensa com Inês de Castro,
com quem também houve descendência, acerca do tem-
peramento deste soberano, o cronista Fernão Lopes de-
dicou um capítulo que intitulou "Como El-Rei mandou
1.9.2 Títulos, estilos, e honrarias capar um seu escudeiro porque dormia com uma mulher
casada", permitindo entrever que o gesto teria sido moti-
vado por ciúmes do monarca por seu escudeiro, de nome
Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da Afonso Madeira. Madeira é descrito como um grande
Coroa Portuguesa cavalgador, caçador, lutador e ágil acrobata, e regista:
"Pelas suas qualidades, El-Rei amava-o muito e fazia-lhe
1.10. FERNANDO I DE PORTUGAL 29

generosas mercês." O escudeiro, entretanto, apaixonou- 1.10 Fernando I de Portugal


se por Catarina Tosse, esposa do Corregedor, descrita
como "briosa, louçã e muito elegante, de graciosas pren- Fernando I de Portugal, nono rei de Portugal,
das e boa sociedade". Para se aproximar dela, Madeira (Coimbra, 31 de outubro de 1345 — Lisboa, 22 de ou-
fez-se amigo do Corregedor, seduzindo-a e consumando tubro de 1383). Era filho do rei D. Pedro I de Portugal e
a traição. O soberano, entretanto, tudo descobriu e não sua esposa, a princesa D. Constança de Castela. D. Fer-
perdoou Madeira, castigando-o brutalmente. O cronista nando sucedeu a seu pai em 1367. Foi cognominado O
insiste no afeto do soberano, referindo enigmaticamente: Formoso ou O Belo (pela beleza física que inúmeras fontes
"Como quer que o Rei muito amasse o escudeiro, mais do atestam) e, alternativamente, como O Inconsciente ou O
que se deve aqui dizer (...)", mas regista que D. Pedro Inconstante (devido à sua desastrosa política externa que
mandou "cortar-lhe aqueles membros que os homens em ditou três guerras com a vizinha Castela, e até o perigo,
maior apreço têm". O escudeiro recebeu assistência e so- após a sua morte, de o trono recair em mãos estrangeiras).
breviveu, mas "engrossou nas pernas e no corpo e viveu
alguns anos com o rosto engelhado e sem barba".[4] Com apoio da nobreza local, descontente com a coroa
castelhana, Dom Fernando chegou a ser aclamado Rei em
diversas cidades importantes de Norte a Sul da Galiza.[1]
1.9.4 Ver também
• Árvore genealógica dos reis de Portugal 1.10.1 Reinado

• Túmulos de D. Pedro I e de Inês de Castro.

1.9.5 Notas
[1] Azevedo Santos, Maria José. D. Pedro I: O Justiceiro. col:
Reis de Portugal, 1.ª ed. Lisboa: Quidnovi, 2009. ISBN
978-989-554-583-4

[2] Rodrigues Oliveira 2010, p. 223.

[3] Caetano de Sousa 1735, p. 379–380, Livro II, Cap. IV.

[4] As Crónicas de Fernão Lopes. apud CASTRO, Pedro


Jorge. “Sexo, Traição, Violência - e mais Sexo”. Sábado,
nº 355, 17 a 23 de fevereiro de 2011, p. 42-43. Episódio das guerras fernandinas: o exército luso-inglês (do lado
direito) derrota uma vanguarda francesa às ordens do Rei de
Castela. D. Fernando é a figura a cavalo, à direita.
1.9.6 Bibliografia
O início do reinado de D. Fernando foi marcado pela
• Caetano de Souza, Antonio. Historia Genealógica
política externa. Quando D. Pedro I de Castela (1350-
de la Real Casa Portuguesa. Lisboa: Lisboa Occi-
1369) morreu sem deixar herdeiros masculinos, D. Fer-
dental, na oficina de Joseph Antonio da Sylva, 1735.
nando, como bisneto de D. Sancho IV de Castela, por via
vol. I, Livros I e II. ISBN 978-84-8109-908-9
feminina, declara-se herdeiro do trono. Outros interessa-
• Rodrigues Oliveira, Ana. Rainhas medievais de Por- dos eram os reis de Aragão e Navarra, bem como o duque
tugal. Dezassete mulheres, duas dinastias, quatro sé- de Lencastre casado com D. Constança, a filha mais ve-
culos de História. Lisboa: A esfera dos livros, 2010. lha de D. Pedro de Castela. Entretanto D. Henrique da
ISBN 978-989-626-261-7 Trastâmara, irmão bastardo de Pedro, havia-se declarado
rei. Depois de duas campanhas militares sem sucesso, as
partes aceitam a intervenção do Papa Gregório XI. En-
1.9.7 Ligações externas tre os pontos assentes no tratado de 1371, D. Fernando é
prometido a D. Leonor de Castela, mas antes que o casa-
• Chronica del Rey D. Pedro I deste nome, e dos reys mento pudesse ser concretizado, o rei apaixona-se por D.
de Portugal o oitavo cognominado o Justiceiro na Leonor Teles de Menezes, mulher de um dos seus corte-
forma em que a escereveo Fernão Lopes, Fernão Lo- sãos. Após a rápida anulação do primeiro casamento de
pes (1380-1460), Lisboa Occidental, 1735, na Bi- D. Leonor, D. Fernando casa com ela, publicamente, a
blioteca Nacional Digital (em português) 15 de maio de 1372 no Mosteiro de Leça do Balio. Este
acto valeu-lhe forte contestação interna, mas não provo-
• Chronica de el-rei D. Pedro I, Fernão Lopes (1380- cou reacção em D. Henrique de Castela, que prontamente
1459), no site Project Gutenberg (em português) promete a filha a Carlos III de Navarra.
30 CAPÍTULO 1. PRIMEIRA DINASTIA – DE BORGONHA OU AFONSINA

Após a paz com Castela, dedicou-se D. Fernando à ad- grande parte dos Portugueses para manter o país inde-
ministração do reino, mandou reparar muitos castelos e pendente, D. João, mestre de Aviz e irmão bastardo de
construir outros, e ordenou a construção de novas mura- D. Fernando, declara-se rei de Portugal. O resultado foi
lhas em redor de Lisboa e do Porto. Com vista ao de- a crise de 1383-1385, um período de interregno, onde
senvolvimento da agricultura promulgou a Lei das Ses- o caos político e social dominou. D. João tornou-se no
marias. Por esta lei impedia-se o pousio nas terras sus- primeiro rei da Dinastia de Aviz em 1385.
ceptíveis de aproveitamento e procurava-se aumentar o Os restos mortais de D. Fernando foram depositados no
número de braços dedicados à agricultura. Convento de São Francisco, em Santarém, conforme o
Durante o reinado de D. Fernando alargaram-se, tam- deixado em testamento pelo monarca. No século XIX,
bém, as relações mercantis com o estrangeiro, relatando o túmulo foi alvo de sérios actos de vandalismo e degra-
Fernão Lopes a presença em Lisboa de numerosos mer- dação, primeiro como resultado das Invasões Francesas,
cadores de diversas nacionalidades. O desenvolvimento quando se partiu uma porção significativa das paredes do
da marinha foi, por tudo isto, muito apoiado, tendo o rei sarcófago ao se ter tornado dificil remover a tampa; e da
tomado várias medidas dignas de nota, tais como: auto- desamortização das ordens religiosas em 1834, quando o
rização do corte de madeiras nas matas reais para a cons- convento foi deixado ao abandono. Certo é que os restos
trução de navios a partir de certa tonelagem; isenção total mortais do rei se perderam para sempre, não tendo che-
de direitos sobre a importação de ferragens e apetrechos gado nenhum registo dessa profanação aos dias de hoje.[2]
para navios; isenção total de direitos sobre a aquisição de Joaquim Possidónio da Silva, Presidente e fundador da
navios já feitos; etc. Muito importante, sem qualquer dú- Associação dos Architectos Civis e Archeologos Portugue-
vida, foi a criação da Companhia das Naus, na qual todos ses, toma a iniciativa de transportar o monumento fu-
os navios tinham que ser registados, pagando uma per- nerário de D. Fernando para o Museu Arqueológico do
centagem dos lucros de cada viagem para a caixa comum. Carmo (onde ainda hoje se encontra), em 1875, de modo
Serviam depois estes fundos para pagar os prejuízos dos a salvaguardar a sua integridade e dignidade de mais
navios que se afundassem ou sofressem avarias. vandalismo.[2]

1.10.2 Títulos, estilos, e honrarias

Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da


Coroa Portuguesa

Títulos e estilos

• 31 de Outubro de 1345 – 18 de Janeiro de 1367:


O Infante Fernando de Portugal

• 18 de Janeiro de 1367 – 23 de Março de 1369:


Túmulo gótico de D. Fernando I, actualmente no Convento do Sua Mercê, El-Rei de Portugal e do Algarve
Carmo, em Lisboa.
• 23 de Março de 1369 – 31 de Março de 1371:
A partir do casamento, D. Leonor Teles tornara-se cada Sua Mercê, El-Rei de Castela, Leão, Portugal
vez mais influente junto do rei, manobrando a sua in- e do Algarve (em pretensa)
tervenção política nas relações exteriores, e ao mesmo
• 31 de Março de 1371 – 22 de Outubro de 1383:
tempo cada vez mais impopular. Aparentemente, D. Fer-
Sua Mercê, El-Rei de Portugal e do Algarve
nando mostra-se incapaz de manter uma governação forte
e o ambiente político interno ressente-se disso, com intri-
gas constantes na corte. Em 1382, no fim da guerra com O estilo oficial de D. Fernando I enquanto Rei de
Castela, estipula-se que a única filha legítima de D. Fer- Portugal:
nando, D. Beatriz de Portugal, case com o rei D. João I
de Castela. Esta opção significava uma anexação de Por-
tugal e não foi bem recebida pela classe média e parte da Pela Graça de Deus, Fernando I, Rei de Portu-
nobreza portuguesa. gal e do Algarve
Quando D. Fernando morre em 1383, a linha da dinastia
de Borgonha chega ao fim. D. Leonor Teles é nomeada Em 1369, como afirmação da pretensão de D. Fernando
regente em nome da filha e de D. João de Castela, mas a à Coroa de Castela, a titulatura evolui para:
transição não será pacífica. Respondendo aos apelos de
1.11. BEATRIZ DE PORTUGAL 31

Pela Graça de Deus, Fernando I, Rei de Castela, 1.11 Beatriz de Portugal


de Leão, de Portugal, de Toledo, da Galiza, de
Sevilha, de Córdova, de Múrcia, de Jáen, do
Algarve, de Algeciras e Senhor de Molina Nota: Para outras princesas portuguesas de nome
Beatriz, veja Beatriz de Portugal (desambiguação).

A titulatura regressa à utilizada no início do seu reinado


com a sua renúncia aos títulos castelhanos após a Paz de D. Beatriz de Portugal (ou[1]D. Brites de Portugal,
Alcoutim, em 1371. Coimbra, Fevereiro de 1373 - Toro?, após Junho de
1412 [2] ), que veio a ser rainha consorte de Castela, foi
filha do Rei D. Fernando I de Portugal e de sua mulher, a
rainha D. Leonor Teles.
1.10.3 Genealogia

Ascendência
1.11.1 A herdeira do trono que não foi Raí-
Os ancestrais de D. Fernando I de Portugal: nha de Portugal

No início de 1383 a infanta D. Beatriz era a única des-


Descendência cendente do rei D. Fernando, já então muito doente, após
a morte prematura dos seus irmãos mais novos D. Pedro
D. Fernando teve uma filha natural antes do seu casa- em 1380 e D. Afonso em 1382. Como herdeira do trono,
mento: o seu casamento aparentemente iria decidir quem havia
de ser o sucessor de D. Fernando.
• Isabel (1364-1435), senhora de Viseu, casada com D. Fernando arranjou e cancelou o casamento de Bea-
D. Afonso, conde de Noreña, com geração nos triz por diversas vezes, até que finalmente, tentando evitar
Noronha. que um príncipe castelhano, D. Fernando, filho segundo
do rei de Castela, lhe sucedesse no trono por força do
tratado de Elvas, pensou encontrar a solução, por mais es-
Do casamento com D. Leonor Teles de Menezes nasce- tranho que nos pareça, no casamento da sua única filha e
ram: herdeira com o próprio rei João I de Castela. Viúvo desde
o ano anterior de uma princesa aragonesa, João de Castela
• Beatriz (1373- após 1412), pretendente ao trono do aceitou, crendo que lhe estava aberta a via para anexar o
pai, casada com o rei D. João I de Castela reino de Portugal ao de Castela e Leão. O respectivo tra-
tado de matrimónio e sucessão no trono de Portugal foi
• Pedro de Portugal (1375-1380), morreu jovem negociado em Março de 1383 em Salvaterra de Magos, e
a cerimónia final do casamento teve lugar a 17 de Maio de
• Afonso (1382), morreu quatro dias após o nasci- 1383 na cidade fronteiriça de Badajoz. D. Beatriz tinha
mento então apenas 10 anos e cerca de 3 meses de idade.
Porém o tratado de Salvaterra não reconhecia como so-
beranos plenos João I de Castela e Beatriz, e reservava o
1.10.4 Referências trono de Portugal para um hipotético neto do rei D. Fer-
nando, o qual, três meses após nascer, seria trazido para
[1] Fernão Lopes, Crónica, ed. 1966, p. 75.
Portugal e aqui criado sob a tutela dos avós ou de quem
[2] Cardeira, Anabela (2012). Túmulo de D. Fernando I Fa- eles nomeassem, caso viessem a falecer quer antes quer
culdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Visi- depois do nascimento do dito neto ou neta.
tado em 14 de Outubro de 2014. Os réis de Castela e Leão só tinham, pelo tratado de Sal-
vaterra, à morte do rei D. Fernando, direito a intitularem-
se rainha e rei de Portugal e às rendas e frutos do reino,
1.10.5 Ver também depois de pagas todas as despesas que se costumavam de
ter no tempo do pai de Beatriz. Teriam apenas direito
• Guerras fernandinas ao título de reis numa situação precária de fideicomisso
(a respeito do título real) e seriam usufrutuários do saldo
líquido das rendas do reino (se porventura o houvesse),
1.10.6 Ligações externas nem sequer podendo ser qualificados, em rigor, como
verdadeiros soberanos nominais, pois que das decisões
• Chronica de el-rei D. Fernando, Fernão Lopes em Portugal não cabia apelo para a corte castelhana, per-
(1380-1460), Lisboa: Escriptorio, 1895-1896 (em tencendo o Regimento (governo) a Leonor Teles ou a
português) Biblioteca Nacional Digital quem, em caso de sua morte, ela deixasse nomeado. Mas
32 CAPÍTULO 1. PRIMEIRA DINASTIA – DE BORGONHA OU AFONSINA

a novidade maior, no dito tratado, era que os naturais do como rainha e senhora de Portugal. Aqui as posições de
reino a teriam ou haveriam de tomar por Rainha (a Be- ambos os partidos já se extremaram. João I de Castela e
atriz). Pasmosamente, os naturais do reino intervêm no muitos dos seus fidalgos, não querendo cumprir de modo
tratado. nenhum o tratado de Salvaterra, preparam-se para remo-
O rei D. Fernando morre pouco depois, possivelmente ver o que pensam ser o último obstáculo, a regência de
tuberculoso, a 22 de Outubro. De acordo com o tratado Leonor Teles. Do lado dos partidários do Mestre de Avis,
de casamento, a rainha mãe, Leonor Teles de Menezes, vendo que o rei castelhano não está disposto a contentar-
cerca de um mês após a morte de D. Fernando, manda se com uma pretensa soberania nominal, perdem-se as es-
peranças num qualquer entendimento na base do acordo
aclamar em algumas cidades e vilas a filha como rainha
de Portugal, tendo assumido entretanto a regência como de Salvaterra e chega-se à conclusão de que é necessá-
rio um novo e efectivo rei português. O Mestre de Avis,
«Dona Lionor, pela graça de Deus, Rainha, Governador
e Regedor dos Reinos de Portugal e Algarve». No en- bastante menos popular que o seu meio-irmão João, en-
tretanto preso em Castela, pensa então tão-só assumir a
tanto, em Toledo, João I de Castela já se proclamara e
fizera aclamar rei de Castela e de Leão e de Portugal, Regência e a Defesa do reino que a cidade de Lisboa lhe
oferece até que o irmão seja livre e possa reinar em Portu-
juntando as bandeiras de Castela e Leão e de Portugal
numa só, e tentando nomear o fidalgo português Vasco gal. A revolta desencadeada pelo pregão que anunciava a
Martins de Melo Alferes-mor de Castela e de Portugal. aclamação de Beatriz (o pregão dizia que o povo teria de
Vasco Martins não aceita e diz polidamente ao rei caste- aclamar como sua senhora a rainha de Castela) espalha-se
lhano que este não pode juntar o que está separado, ou por vilas e cidades. Termina aqui qualquer hipótese de al-
seja, os dois reinos, e que se o fizer poderá haver uma guma vez Beatriz vir a ser reconhecida pelos portugueses
guerra, e que ele, Vasco Martins de Melo, deve obedi- como rainha de Portugal (Crónica de el-rei D. João I, cap.
ência a Portugal. É esta atitude e pretensão de João I XXVIII, ed. Civilização). Minho e Trás-os-montes esta-
de Castela que está verdadeiramente na origem da crise vam então quase completamente dominados por alcaides
de 1383-1385. É verdade que houve cidades e vilas que que haviam prestado vassalagem a João I de Castela ou a
se mantiveram indiferentes, e outras que impediram ou Beatriz. Nas Beiras a maioria ficara na expectativa. Na
repudiaram a aclamação de D. Beatriz como Rainha de Estremadura e no Alto Alentejo as forças do partido pró-
Portugal, como foi o caso em Lisboa, Santarém, Elvas e castelhano e do partido nacional equilibravam-se. Quase
outros lugares, mas os próprios apoiantes mais chegados todo o resto do Alentejo e todo o Algarve eram pelo reino
do Mestre de Avis estavam dispostos a aceitar os termos de Portugal. A grande epopeia da luta pela conservação
do tratado de Salvaterra, chegando a propor a Leonor Te- da independência iria começar.
les, já depois do assassinato de João Fernandes Andeiro,
um curioso arranjo: «que o Mestre casasse com a Rainha 1.11.2 O desenvolvimento da Crise (ou Re-
dona Lionor» e que os dois fossem Regedores durante
a menoridade do futuro filho de Beatriz e de João I de
volução) de 1383-85
Castela (Crónica de el-rei D. João I, de Fernão Lopes,
cap. XXV, edição Civilização). Quem levou o recado a
Leonor Teles foram Álvaro Pais, um dignitário burguês
extremamente influente em Lisboa, e Álvaro Gonçalves
Camelo, um homem das Ordens Militares. Leonor Teles
recusou a proposta, contudo o que aqui nos interessa é
que tal proposta demonstra a disponibilidade do Mestre
de Avis e dos seus apoiantes em aceitar aquela aparente
soberania nominal dos reis de Castela. Mas, diz-nos o
grande fidalgo e cronista castelhano Pero Lopez de Ayala,
João I de Castela não queria saber para nada do tratado de
Salvaterra, achando que pelo facto da esposa ser herdeira
do trono ele tinha o direito a reinar plenamente sobre Por- Batalha de Aljubarrota
tugal. Decide então entrar em Portugal pela Guarda nos
finais de Dezembro de 1383, numa nova violação do tra- Chegando a Santarém no dia 12 de Janeiro de 1384, João
tado de Salvaterra e ainda antes de saber que o Mestre I de Castela persuade Leonor Teles a renunciar à regên-
de Avis em Lisboa fora aclamado Regedor e Defensor do cia e a ceder-lha, a si e à sua esposa (uma criança en-
Reino. tão de cerca de 11 anos), o que é executado no dia se-
Estando na Guarda, em Janeiro, João I de Castela recebe guinte, 13 de Janeiro, mandando chamar um tabelião: «e
cartas de Leonor Teles a contar-lhe o sucedido e a pedir- foi feita a escritura em que renunciou a todo o direito do
lhe que venha a Santarém em seu socorro. A Rainha regimento que havia de haver no reino, e o pôs em ele e
regente, entretanto, em meados de Dezembro, mandara em sua filha», diz-nos Fernão Lopes, e «nem valeu, se-
finalmente aclamar a sua filha Beatriz por todo o reino gundo contam certos autores, o conselho que à Rainha
deram alguns que disto souberam parte, dizendo-lhe que
1.11. BEATRIZ DE PORTUGAL 33

não podia alienar o regimento e senhorio que lhe ficara les pertence o dito Reino, que se retenham para o dito
por morte delRei dom Fernando, indo contra a sua postu- Infante Dom Henrique todas as vilas e castelos e luga-
meira (última) vontade, que por direito era havida por lei, res que nós agora temos, e cobraremos daqui em diante,
ademais que tal renunciação era contra os trautos (tratado no dito Reino do Portugal e do Algarve, porque, em caso
de Salvaterra), nos quais não podia enhader (acrescentar) que se achasse que o dito Reino pertence à dita Rainha,
nem minguar sem consentimento dos prelados e povos do deve ela pagar ao dito Infante, antes que a ela sejam en-
reino, como neles (os trautos) se fazia menção» (Crónica tregues as ditas vilas e castelos e lugares, todas as coisas
de el-rei D. João I, cap. LXV). De passagem reparemos que nós havemos feito, assim por mar como por terra, e
que João I de Castela, ao ir removendo os seus supostos as que fizermos daqui em diante para ganhar e haver para
obstáculos, foi retirando também do caminho adversários ela a possessão pacífica do dito Reino: as quais custas
e competidores do Mestre de Avis na crise de 1383-1385 claramente se podem saber e mostrar pelos nossos livros,
ou Interregno, e o que é mais, muitos dos apoiantes quer afora muitos trabalhos que nós, por nossa pessoa, e os
do seu meio-irmão, João, quer de Leonor Teles passaram- nossos, connosco, havemos sofrido, e as perdas de mui
se para o lado do Mestre. grandes Homens e doutros muitos nossos naturais que no
dito Reino por esta razão havemos havido, segundo o que
Segundo alguns historiógrafos muito posteriores, D. Be-
atriz teria dado à luz um bebé, Miguel, que morreu em é público e notório em todas as Espanhas e por muitas ou-
1385. Tal tese foi defendida em Portugal por Salvador tras partes do mundo» (Lopez de Ayala,Crónica do Rei
Dias Arnaut. Mas nos cronistas da época, por exemplo, Dom Henrique III, ano segundo, capítulo VI).
em Fernão Lopes e Pero Lopez de Ayala, nenhuma re-
ferência é feita ao nascimento desse quimérico Infante
que teria falecido em muito tenra idade. Aliás Lopez de
Ayala, que conviveu com João I de Castela e Beatriz, é
peremptório: além de Henrique III e do «Infante Dom
Fernando, filho do Rei Dom João...el Rei Dom João não
houve outros filhos legítimos nem em outra maneira em
nenhum tempo, salvo uma infanta de que morreu a Rai-
nha Dona Leonor, sua mulher, depois de parida» (Cró-
nica do Rei Dom Henrique III, ano terceiro, capítulo
XXV). Como quem conta um conto acrescenta um ponto,
outros solícitos inventores de mitos vieram depois afir-
mar que essa ilusória criatura, por vontade de João I de
Castela, haveria sido, caso tivesse sobrevivido, o herdeiro
do trono de Portugal. A incongruência de tais mitos com Um Real de prata, com a efígie de D. Beatriz. Esta moeda de
o que é afirmado no testamento de João I de Castela, se- extrema raridade, batida em Santarém, pretende ser a afirmação
dos direitos de D. Beatriz e seu marido D. João I de Castela ao
lado em Celorico da Beira aos 21 dias de Julho de 1385,
trono de Portugal.
é manifesta. Eis o que aí escreveu o rei castelhano:
«Outrossim, havemos feito tudo em nosso poder para sa-
ber, por quantas partes pudemos, a quem pertencia o di-
reito do Reino de Portugal: e segundo o que até aqui sa-
bemos, não podemos entender, segundo Deus e a nossa Ou seja, o rei castelhano, para além de não fazer men-
consciência, que outro haja direito no Reino salvo a Rai- ção a qualquer filho seu e de Beatriz no ano em que pre-
nha, minha mulher, e nós. E porque poderia ser que al- tensamente teria falecido, diz, preto no branco, que não
guns informassem ao dito Infante Dom Henrique, meu fi- sabe ao certo se é ele ou a esposa o verdadeiro soberano
lho, que ele havia direito no Reino sobredito, assim como de Portugal, e se, por conseguinte, o seu filho Henrique
nosso filho e legítimo herdeiro, pelo qual poderia ser que seria ou não, à sua morte, o legítimo herdeiro de Por-
se movesse a tomar voz e título do Reino de Portugal, tugal. Isto deveria bastar para convencer os actuais de-
do qual poderia nascer prejuízo à Rainha minha mulher, fensores da tese duma hipotética «Rainha Beatriz I» de
tomando-lhe e perturbando-lhe a possessão e título de Portugal, bem como os que engendraram em pensamento
Rainha em que está, por esta razão nós defendemos firme o mirabolante Infante dom Miguel, «herdeiro do trono de
e expressamente, e mandamos ao dito infante meu filho Portugal», que navegam em quimeras. Mas, pelos vistos,
que, por nenhuma informação nem induzimento que lhe tais acérrimos partidários da «Rainha Beatriz I» preten-
seja feito, não tome voz nem título de Rei de Portugal sem samente sabem o que nem João I de Castela sabia: que
primeiramente ser declarado e determinado por sentença ela teria sido soberana plena (ou nominal) de Portugal.
de nosso senhor o Papa que o dito Reino pertence a ele
assim como nosso filho primogénito e legítimo herdeiro. D. João I de Castela, que já fora derrotado pela peste no
Porém temos por bem e mandamos, até que esta dúvida cerco de Lisboa (1384), na época em que redige o seu
seja declarada por sentença e se saiba ao certo a qual de- testamento torna a invadir Portugal, mas é vencido na
batalha de Aljubarrota a 14 de Agosto de 1385.
34 CAPÍTULO 1. PRIMEIRA DINASTIA – DE BORGONHA OU AFONSINA

ção do tratado de paz entre Portugal e Castela.

1.11.4 Últimos anos

Tumulo da Rainha Beatriz de Portugal, rainha consorte de Es-


panha, que se encontra no Mosteiro de Sancti Spiritus, em Toro,
Espanha

D. João I, Mestre de Avis Tendo enviuvado em 1390, D. Beatriz veio a residir em


Toro. Aí seria sepultada no convento de São Francisco.
O seu falecimento ocorreu já posteriormente a meados de
1.11.3 Fim da pretensão à coroa portu- 1412, altura em que temos a certeza que ainda era viva,
guesa pois conhece-se uma carta sua a Fernando I de Aragão
em que lhe pede ajuda para o restauro daquele convento.
Entretanto D. João I, antes Mestre de Avis, fora eleito rei
de Portugal nas Cortes de Coimbra. Aqui se evidenciou
o Doutor João das Regras, que assentou a sua argumen- 1.11.5 Referências
tação, contra Beatriz e João I de Castela, principalmente
na quebra do tratado de Salvaterra de Março de 1383, e [1] Fernão Lopes, Crónica de el-rei D. Fernando, cap. LX-
também no facto de serem cismáticos, além de outras ra- XII; Pero Lopez de Ayala, Crónicas dos Reis de Castela,
zões, que no entanto considerou serem de menor peso. Tomo II, Madrid, 1780, nota I p. 41 e p. 592
O princípio que João das Regras defendeu e que as Cor- [2] Documento carta no arquivo do Reino de Aragão Cami-
tes converteram em lei foi o de que, ao violar o tratado, neo.info.
Beatriz e João I de Castela tinham perdido todos os seus
direitos à coroa, ou seja, o tratado era superior e anu-
lava os laços de sangue de Beatriz e os direitos por via do 1.11.6 Bibliografia
casamento de João I de Castela. Quanto a outros preten-
dentes, os infantes D. João e D. Diniz, João das Regras Além da referida no próprio texto:
provou que eles eram ilegítimos exibindo e lendo, entre
outras, uma carta do Papa Inocêncio VI que isso mesmo • César, Olivera Serrano, Beatriz de Portugal. La
demonstrava. pugna dinástica Avis-Trastámara. Santiago de
Esta eleição e a batalha de Aljubarrota puseram, na prá- Compostela: Consejo Superior de Investigaciones
tica, fim a qualquer hipótese de êxito quanto às preten- Científicas/Xunta de Galicia/Instituto de Estudios
sões de João de Castela e de Beatriz ao trono português. Gallegos «Padre Sarmiento», 2005, 591 pp. ISBN
No entanto elas não desapareceram, e só bastantes anos 84-00-08343-1. Cuadernos de Estudios Gallegos,
após a sua morte a paz definitiva entre Portugal e Cas- XXXV.
tela e Leão seria finalmente confirmada, em Medina del
Campo, a 30 de Outubro de 1431. • Campos, Isabel Maria Garcia de Pina N. Baleiras S.
(2008). Leonor Teles, uma mulher de poder?. 1.
Para as Cortes de Coimbra a única fonte com algum de- Universidade de Lisboa.
talhe entre os cronistas é Fernão Lopes, Crónica de el-rei
D. João I, caps. CLXXXI em diante. Ver também esta • Gebhardt, Víctor (1864). Historia general de Es-
Crónica, na sua 2ª parte, cap. CXCV, quanto à confirma- paña y de sus Indias desde los tiempos más remotos
1.11. BEATRIZ DE PORTUGAL 35

hasta nuestros días. 4. Librería Española. OCLC


221636772.
• Livermore, H.V. (1947) (em inglês). A History of
Portugal. Cambridge University Press. p. 171.
OCLC 1368719.

• O'Callaghan, Joseph F. (1983) (em inglês). A his-


tory of medieval Spain. Cornell University Press.
ISBN 9780801492648.
• Schäffer, Heinrich (1840) (em francês). Histoire de
Portugal: depuis sa séperation de la Castille jusqu'à
nos jours. 1. Parent-Desbarres. OCLC 459014425.

• Stephens, H. Morse (1891) (em inglês). Portugal A


History. Forgotten Books. ISBN 9781440083563.
• Suárez Fernández, Luis (1976). Historia de Es-
paña antigua y media. 1. Ediciones Rialp. ISBN
9788432118821.

• Suárez Fernández, Luis (1981). Los Trastámara


y la Unidad Española. Ediciones Rialp. ISBN
9788432121005.
Capítulo 2

Interregno (1383 - 1385)

2.1 Leonor Teles de Meneses 2.1.2 Crise de 1383–1385

Leonor Teles de Meneses,[1] cognominada a Aleivosa


(Trás-os-Montes e Alto Douro, ca. 1350 — Tordesilhas,
27 de abril de 1386), foi rainha de Portugal entre 1371 e
1383, pelo seu casamento com Fernando I de Portugal.
Sobrinha de João Afonso Telo de Meneses, conde de Bar-
celos, descendia por seu pai (Martim Afonso Telo de Me-
neses) do rei Fruela II das Astúrias e Leão e, por sua mãe
(Aldonça Anes de Vasconcelos), de Teresa Sanches, filha
bastarda do rei Sancho I de Portugal.

2.1.1 Rainha

Ainda muito jovem, Dona Leonor casou com João Lou- Morte do Conde de Andeiro (Museu Nacional Soares dos Reis,
Porto)
renço da Cunha (+ Cerco de Lisboa, 1384), filho do
morgado do Pombeiro, de quem teve um filho: Álvaro
da Cunha. Conta-se que, numa altura em que visitou a Com a morte de Fernando em 22 de outubro de 1383, Le-
irmã Maria Teles, aia da infanta Beatriz, seduziu o rei onor assumiu a regência do reino e o seu amante galego,
Fernando I de Portugal. Alegando consanguinidade, foi João Fernandes Andeiro, passou a exercer uma influên-
obtida a anulação do prévio casamento de Leonor Teles, o cia decisiva na corte. Esta ligação e influência desagra-
que motivou a reprovação do povo português e perturba- davam manifestamente ao povo e à burguesia e a alguma
ção social e política que gerou um clima de insegurança. nobreza, que odiavam a regente e temiam ser governados
por um soberano castelhano.
O casamento público com o rei ocorreu no Mosteiro de
Leça do Balio, em 15 de maio de 1372, havendo notícia D. João, Mestre de Avis, apoiado por um grupo de no-
bres, entre os quais Álvaro Pais e o jovem Nuno Álvares
de que teria sido precedido por um outro, este secreto,
ainda em 1371[2] . Em meados de fevereiro de 1373 nas- Pereira, foi incentivado pelo descontentamento geral a as-
sassinar o conde Andeiro. A acção ocorreu no paço, a 6
cia a infanta Beatriz. Temendo o prestígio do infante D.
João que se casara com sua irmã Maria Teles de Mene- de dezembro de 1383, e iniciou o processo de obtenção
zes (c.1338 - 1379, Coimbra), Leonor concebeu o plano da regência em nome do infante João.
de casar o infante com sua filha Beatriz. Mas para isso Leonor abandonou Lisboa, fiel ao Mestre de Avis, e
era preciso eliminar Maria Teles de Menezes, sua pró- refugiou-se em Alenquer e depois em Santarém, cidades
pria irmã, acção por que terá sido responsável. João foi fiéis à causa da rainha, onde tentou manobrar politica-
preso e exilado pela acção. mente a sua continuidade no poder. No entanto, com o
As rainhas de Portugal contaram, desde muito cedo, com desenvolver do conflito entre o Mestre de Avis e o rei
os rendimentos de bens, adquiridos, na sua grande maio- castelhano, a regente perdeu espaço de manobra e aca-
ria, por doação. Leonor Teles, através de doação de Fer- bou por ser constrangida a abdicar da regência a favor de
nando, recebeu Vila Viçosa, Abrantes, Almada, Sintra, João I de Castela e de Beatriz, sua filha, a esposa do rei
Torres Vedras, Alenquer, Atouguia, Óbidos, Aveiro, bem castelhano.
como os reguengos de Sacavém, Frielas, Unhos e a terra Com a vitória do partido do Mestre de Avis na guerra civil
de Melres, em Ribadouro. Trocou Vila Viçosa por Vila e contra Castela, este tornou-se regente e depois rei. D.
Real em 1374 e adquiriu Pinhel em 1376. João I de Castela, genro de Leonor, logo em 1384, pouco

36
2.1. LEONOR TELES DE MENESES 37

depois dela ter renunciado à regência, havia-a internado 2.1.5 Referências


no Mosteiro de Tordesilhas, perto de Valhadolide, onde,
segundo alguns historiadores, faleceu em 1386. No en- [1] Pela grafia arcaica, Leonor Telles de Menezes.
tanto, referências do cronista castelhano Lopez de Ayala, [2] CELDF, de Fernão Lopes, Cap. LVII
seu contemporâneo, dão-na como viva em 1390 e em data
ainda mais tardia.
2.1.6 Bibliografia
2.1.3 Descendência • FERNÃO LOPES, Crónica de El-Rei D. João I de
Boa Memória.
Do seu primeiro casamento com João Lourenço da Cu-
nha (+ Cerco de Lisboa, 1384), filho do morgado do • ALEXANDRE HERCULANO, Lendas e narrati-
Pombeiro, nasceu: vas, tomo I

• Álvaro da Cunha (c.1371-1415), Partidário de D. • ANTÓNIO SÉRGIO, tomo VI; Marcelino Mes-
João, Mestre de Avis durante a Crise de 1383–1385, quita, D. Leonor Teles, drama, em verso, em 5 ac-
morreu de peste no regresso da Conquista de Ceuta tosEnsaios,
• MAURÍCIA DE FIGUEIREDO, (1914). Leonor
Depois de anulado o primeiro matrimónio por motivos
Teles
de consanguinidade a 15 de Maio de 1372 casou-se em
segundas núpcias com o rei D. Fernando I de Portugal. • ANTERO DE FIGUEIREDO, (1916). Leonor Te-
Desta união nasceram: les Flor de Altura

• Beatriz de Portugal, pretendente ao trono do pai, rai- • JOAQUIM DE OLIVEIRA, (1965). Rainha D. Le-
nha consorte de Castela, casada com o rei D. João I onor, Figura Enigmática de Mulher (Sep. da rev.
de Castela Ocidente, Lisboa.

• Pedro (1375-1380), que morreu em criança • João de Ameal Dona, (1968).Leonor, Princesa, per-
feitíssima. Livraria Tavares Martins, Porto
• Afonso (1382), que morreu quatro dias após o nas-
cimento • FERREIRA ALVES, (1972). Dois Caluniados (D.
Fernando I e D. Leonor Teles)

2.1.4 Na literatura • ALICE SAMPAIO (1968), D.Leonor, Rainha ma-


ravilhosamente, peça representada no Teatro de São
• Fernão Lopes, cronista do reino de Duarte I, faz um Luís, em Lisboa, em 1979
exaustivo retrato de Leonor na Crónica de el-rei D.
Fernando e na primeira parte da Crónica de El-Rei • Maria Pilar QUERALT DEL HIERRO. Eu, Leonor
D. João I de Boa Memória. Teles

• O romance histórico em versão novela de Alexandre • HELOÍSA MARANHÃO, Dona Leonor Teles
Herculano Aras por Foro de Espanha, parte da sua
famosa colecção Lendas e Narrativas. • JOSÉ MANUEL SARAIVA; 2005, Rosa Brava

• O romance Rosa Brava de José Manuel Saraiva é • CAMPOS, ISABEL MARIA GARCIA DE PINA
baseado na vida de Leonor Teles. N. BALEIRAS S.,(2008).Leonor Teles, uma mulher
de poder? Teses de mestrado, FL Lisboa
• O romance Eu, Leonor Teles de Maria Pilar Queralt
del Hierro.
• O romance Dona Leonor Teles de Heloísa Mara-
nhão, escritora brasileira, conta como uma brasileira
do século XX alucina que é a rainha e passa a viver
a vida de Leonor.
• A peça D.Leonor, Rainha maravilhosamente, de
Alice Sampaio
• O romance Leonor Teles ou o Canto da Salamandra
de Seomara da Veiga Ferreira.

O romance “Vida ignorada de Leonor Teles” de António


Cândido Franco
Capítulo 3

Segunda Dinastia – de Avis ou Joanina

3.1 Dinastia de Avis partido favorável à rainha destronada, D. Beatriz, mulher


de João I de Castela, definitivamente vencido na batalha
A Dinastia de Avis, ou Dinastia Joanina, foi a segunda de Aljubarrota em 14 de Agosto de 1385.
dinastia a reinar em Portugal, entre 1385 e 1581-1582.[1] A Casa de Avis, sucessora familiar da anterior dinastia de
Teve início no final da crise de 1383-1385, quando o Mes- Borgonha, reinou no continente português entre 1385 e
tre da Ordem de Avis, D. João, filho natural de el-rei 1581, quando D. António é vencido no continente portu-
D. Pedro I, foi aclamado Rei nas Cortes de Coimbra de guês, na batalha de Alcântara, e destronado, sendo acla-
1385. mado em seu lugar o estrangeiro Filipe I nas Cortes de
É também a sucessora familiar da anterior, pois o pri- Tomar desse ano, sob a ameaça do seu exército que já
meiro rei da dinastia de Avis era filho ilegítimo do rei D. ocupara Lisboa. Mas reina ainda nas ilhas até 1582, com
Pedro I da Dinastia de Borgonha. a queda de Angra do Heroísmo, quando a Ilha Terceira e
as restantes ilhas açorianas se rendem à armada invasora
do Marquês de Santa Cruz.
3.1.1 A Casa de Avis A Dinastia de Avis é sucedida pela união pessoal entre as
coroas de Portugal e de todos os demais reinos de Filipe
II, que deu início à Dinastia de Habsburgo, ou Dinastia
Filipina, ou Dinastia de Áustria.

3.1.2 Ascensão ao trono — Revolução de


1383-1385

A única filha do rei D. Fernando I de Portugal, e sua ju-


rada sucessora, D. Beatriz, casara com D. João I de Cas-
tela, pondo-se assim termo a uma série de guerras contra
aquele reino, que haviam enfraquecido a economia de seu
país. D. Fernando morreu alguns meses depois deste ca-
samento.
D. Leonor Teles, a viúva de D. Fernando, nunca fora bem
vista pelo povo e pela nobreza, que a não podia respeitar
por ser ela já casada quando o rei, tomado de paixão, a
roubou a seu marido, João Lourenço da Cunha, apelidado
por isso mesmo de o Corninhos de Oiro — pois se enfei-
tara, por desgosto e luto, desde esse dia, com um cha-
péu munido de dois chifres dourados. Mas, sob o reinado
de sua filha D. Beatriz, residindo no estrangeiro, cabia-
lhe a ela governar o reino como regente até que um filho
de D. Beatriz completasse 14 anos, e viesse reinar pes-
soalmente em Portugal, conforme estipulado no Tratado
de Salvaterra, contrato de casamento da princesa portu-
D. João I, fundador da dinastia de Avis. guesa, entre as coroas de Portugal e de Castela.
Isso desencadeou revoltas populares: as populações
Antes disto, e possibilitando isto, dera-se a derrota do recusavam-se a aceitar a aclamação de uma rainha que

38
3.1. DINASTIA DE AVIS 39

era mulher de um rei estrangeiro (Castela), embora não tória, conhecido por Mosteiro da Batalha, aonde jazem
por tal facto poder vir a dar origem à união dos dois países os príncipes da nova dinastia de Avis, em capela-panteão
e em consequência a perda de independência de Portugal, construída para esse fim.
mas sim por ódio à Rainha-Regente, considerada pessoa
imoral, a quem não reconheciam por rainha porque bí-
gama e de maus costumes.[2] 3.1.3 Reis da Dinastia de Avis
Os povos de Lisboa e outras partes do Reino, juntos com • D. João I, o da Boa Memória, Mestre de Avis (r.
boa parte da nobreza, pediram então a D. João, mestre 1385 - 1433, depois do Interregno que destronou
da Ordem de Avis, (filho ilegítimo do rei Pedro I, que a rainha D. Beatriz)- filho natural de D. Pedro I e
aceitasse lutar contra D. Beatriz e o seu marido João de meio-irmão do Rei D. Fernando I de Portugal
Castela, sendo o aclamado Regedor e defensor do Reino.
Fugida a rainha D. Leonor Teles de Menezes de Lis- • D. Duarte, o Eloquente (r. 1433 - 1438) - filho de
boa, destituída da regência, viu-se obrigada a solicitar ao D. João I.
genro, o rei de Castela (chamado D. João I) para vir elimi- • D. Afonso V, o Africano (r. 1438 - 1481) - filho de
nar a revolução, e reinar pessoalmente em Portugal junto D. Duarte.
com D. Beatriz. Dirigiu-se o soberano castelhano para
Lisboa, à testa de grande exército, cercando a cidade por • D. João II, o Príncipe Perfeito (r. 1481 - 1495) - filho
terra, e também pelo rio, com a sua armada. de D. Afonso V.
A burguesia da próspera cidade de Lisboa, assim como • D. Manuel I, o Venturoso (r. 1495 - 1521) - primo
muita da nobreza filha segunda, entre muitos outros parti- de D. João II.
dários apenas por ódio a D. Leonor Teles e ao seu amante
galego, o conde Andeiro, apunhalado durante a revolução • D. João III, o Piedoso (r. 1521 - 1557) - filho de D.
pelo novo Regente, aderiram facilmente à causa do Mes- Manuel I.
tre de Avis. Foi a burguesia de Lisboa, mais rica, logo
seguida por outras terras, quem financiou o esforço mi- • D. Sebastião I, o Desejado (r. 1557 - 1578) - filho
litar da revolução. Mas parte do clero e das primeiras de D. João, Príncipe de Portugal
figuras da nobreza portuguesas, por dever de fidelidade • D. Henrique, o Casto (r. 1578 - 1580) - tio-avô de
feudal, apoiavam ainda a sua rainha D. Beatriz. D. Sebastião.
Entretanto, um pequeno exército português, comandado
por D. Nuno Álvares Pereira (que apoiava o Mestre de • D. António, Prior do Crato (r. 1580 - 1581) - sobri-
Avis) vence os castelhanos na batalha dos Atoleiros com nho de D. Henrique, filho do casamento secreto do
uma táctica inovadora na Península. O aparecimento da Infante D. Luís com Violante Gomes.
peste nas tropas sitiantes de Lisboa obrigou o rei de Cas-
tela a se retirar para o seu próprio reino.
3.1.4 A suposta dinastia de “Avis-Beja”
Após algum tempo, outro exército luso-castelhano, por
D. Beatriz e seu marido, invadiu novamente Portugal, Há algumas dezenas de anos atrás, o historiador A. H. de
acontecendo em Aljubarrota (1385) uma batalha decisiva Oliveira-Marques categorizou, num dos seus mapas ge-
e perigosa: aproveitando as vantagens da colocação no nealógicos inseridos na obra em dois volumes História
terreno e utilizando tácticas Romanas (conjunto de pali- de Portugal, a sucessão de de D. João I até D. Manuel
çadas) as tropas portuguesas, em número muito inferior, e no primeiro desses mapas, intitulado Dinastia de Avis; e
chefiadas pelo rei D. João I na retaguarda e por D. Nuno no mapa subsequente deu a descendência familiar de D.
Álvares Pereira, seu Condestável, na vanguarda, conse- Manuel I até D. António, chamando a esse mapa genea-
guiram uma notável vitória que deu brado na Europa do lógico, por mera facilidade de identificação e leitura, de
tempo, sobretudo pela utilização pelos portugueses das “Avis-Beja”.
novas tácticas das covas de lobo, disfarçadas no terreno
Este facto anódino e banal veio a ser posteriormente per-
onde manhosamente haviam atraído o inimigo, onde caí-
meado com outras leituras de influência genealógica es-
ram os pesados cavaleiros castelhanos, e pelo emprego
trangeira, ocasionando a generalização até hoje, entre
sistemático das ágeis lanças. É por vezes referido que a
pessoas menos bem informadas, da crença de que teria
táctica lusa passou pelo uso da táctica do quadrado, em-
havido duas dinastias, a de Avis, e a de “Avis-Beja”, pelo
bora não seja provável que tal tenha acontecido. Está ba-
simples facto de D. Manuel I ser primo direito (filhos de
talha ficou conhecida como Batalha de Aljubarrota.
irmãos varões, e netos do mesmo avô paterno, aliás) de
A paz definitiva com Castela só veio a ser assinada em D. João II. Tal facto se deveria a ser D. Manuel Duque
1411. de Beja ao herdar a coroa, segundo essa crença: que ig-
Para assinalar o acontecimento, D. João I mandou iniciar, nora o facto de que D. Manuel era Infante de Portugal
no local, a construção do Mosteiro de Santa Maria da Vi- por nascimento, o seu primeiro título, e só por esse era
tratado evidentemente até subir ao trono, sendo o ducado
40 CAPÍTULO 3. SEGUNDA DINASTIA – DE AVIS OU JOANINA

de Beja, entre muitos outros senhorios que deteve, apenas • Cardeal Infante D. Jaime, filho do Infante-Regente
um apanágio para sua sustentação. Também aliás não é D. Pedro, e irmão do Infante D. Pedro, rei de Ara-
um título, qualquer que ele seja, que pode alterar a per- gão, conde de Urgel e Condestável do Reino.
tença de alguém à mesma família. Nem as dinastias po-
dem evidentemente mudar quando a sucessão se dá entre • Infante D. Pedro, filho do Infante-Regente D. Pedro,
pessoas legitimamente pertencentes à mesma família (o e irmão do Cardeal D. Jaime, rei de Aragão, conde
que não fora o caso de D. João I, por ter nascido filho de Urgel, Condestável do Reino.
natural, e ter retirado os direitos da herdeira legítima, D.
• Infanta D. Filipa, solteira, serviu de mãe a D. João
Beatriz).
II depois da morte de sua irmã, a rainha D. Isabel.
Acresce que se por este critério improcedente se des- Viveu no Mosteiro de Odivelas.
membrasse a simplicidade das quatro dinastias tradicio-
nais portuguesas, sempre que não sucedeu na Coroa filho, • Infanta D. Isabel, 1ª mulher de D. Afonso V, mãe de
ou neto directo do monarca anterior, vários outros casos D. João II, filha do Infante-Regente D. Pedro.
haveria em que teria de ser o mesmo processo aplicado:
• Infante D. João, rei de Chipre, filho do Infante-
Dinastia de Bolonha, depois de subir ao trono o reinante
Regente.
Conde de Bolonha, D. Afonso III. Dinastia do Crato,
depois de aclamado rei em Santarém o antigo Prior do • Infante D. Luís, marido da linda e rica cristã-nova,
Crato, e mesmo Dinastia de Aviz-Inquisição, ou Di- Violante Gomes, a Pelicana, e pai do rei D. António;
nastia de Avis-Évora, depois de suceder o cardeal-rei filho de D. Manuel I
D. Henrique, que era tio avô do soberano anterior, D. Se-
bastião, e Arcebispo de Évora à data da sua acessão. Pois • Infante D. Duarte, duque de Guimarães, Condestá-
em Portugal até 1834 tanto um ducado como um bispado vel do Reino.
eram casas com direitos patrimoniais de idêntica natureza
senhorial. • Infante D. Catarina, duquesa de Bragança, sobrinha
do rei D. Henrique, e avó de D. João IV.

• Infanta D. Maria, duquesa de Parma, irmã da an-


3.1.5 Outros príncipes ilustres de Avis terior, mulher de Alexandre Farnésio, quem espa-
lhou as receitas exóticas portuguesas na Europa do
• Infanta D. Isabel, mulher de Filipe o Bom, duque
tempo.
da Borgonha, mãe de Carlos, o Temerário, Duquesa
Regente da Borgonha • Infante D. Duarte, duque de Guimarães, Condestá-
vel do Reino, irmão da anterior.
• Infante D. Henrique, o Navegador, duque de Viseu
• Infanta D. Beatriz, duquesa de Sabóia, quem levou
• Infante-Regente D. Pedro, o das Sete Partidas, du- o nome de seu pai, D. Manuel I, à casa de Sabóia.
que de Coimbra

• Infante D. Fernando, o Infante Santo


3.1.6 Referências
• Infante D. João, Condestável do Reino, filho de D.
João I. [1] SERRÃO, Joaquim Veríssimo, O Reinado de D. António
Prior do Crato (1580 - 1582), Coimbra, 1956. Sendo a
• Santa Joana Princesa, Infanta de Portugal, depois ju- primeira data (1581) a aclamação de D. Filipe I nas Cor-
rada herdeira do trono, sendo Princesa de Portugal, tes de Tomar desse ano, e a segunda (1582), o abandono
filha de D. Afonso V, irmã do Príncipe Perfeito definitivo do território português pelo rei derrotado, D.
António, quando se viu obrigado a passar de Angra do He-
• Infante D. Fernando,duque de Viseu, pai do rei D. roísmo a França a continuar o combate por outros meios.
Manuel I e de sua irmã a
[2] V. José Hermano Saraiva: História Concisa de Portugal.
• Rainha D. Leonor, mulher de D. João II. 25ª ediçao, Mem Martins: Publicações Europa-América,
2011, págs. 111-115
• Infanta D. Isabel, imperatriz do Sacro Império
Romano-Germânico, rainha de Aragão, Castela, Si-
cília e Nápoles, mulher de Carlos V 3.2 João I de Portugal
• Infanta D. Leonor, imperatriz do Sacro Império
Romano-Germânico, mulher de Frederico III João I de Portugal (Lisboa, 11 de abril de 1357 – Lis-
boa, 14 de agosto de 1433), foi o décimo Rei de Portugal
• D. Afonso, 1º duque de Bragança, conde de Barce- e o primeiro da dinastia de Avis, cognominado O de Boa
los, filho natural de D. João I Memória pelo legado que deixou.
3.2. JOÃO I DE PORTUGAL 41

fez eco em outros conceituados historiadores contempo-


râneos como Maria Helena Cruz Coelho e o olisipógrafo
José Sarmento de de Matos. Em 1364, foi consagrado
Grão Mestre da Ordem de Avis.

3.2.2 Crise de 1383–85


À data da morte do rei D. Fernando I, Portugal parecia em
risco de perder a independência. A rainha D. Leonor Te-
les de Menezes era impopular e olhada com desconfiança.
O facto de se ter tornado pública a sua ligação amorosa
com o nobre galego João Fernandes Andeiro, persona-
gem influente no paço, atraiu todas as críticas contra a
sua pessoa e a do seu amante. Para além do mais, a su-
cessão do trono recaía sobre a princesa D. Beatriz, única
filha de Fernando I e de Leonor Teles de Menezes, casada
aos onze anos de idade com o rei João I de Castela.
No entanto, a burguesia e parte da nobreza juntaram-se
à voz popular que clamava contra a perda da indepen-
dência, tão duramente mantida por D. Fernando I. Dois
pretendentes apareceram para competir com João I de
Castela e D. Beatriz pela coroa portuguesa:

• D. João, príncipe de Portugal, filho de D. Pedro I e


Genealogia da Casa de Avis D. Inês de Castro, era visto por muitos como o le-
gítimo herdeiro, dado o suposto casamento dos seus
Filho ilegítimo (bastardo) do rei D. Pedro I e 3.º Mes- pais, e
tre da Ordem de Avis (com sede em Avis), foi aclamado • D. João, filho de D. Pedro I e de Teresa Lourenço,
rei na sequência da Crise de 1383-1385 que ameaçava a que veio cedo a tornar-se rei.
independência de Portugal.
Com o apoio do condestável do reino, Nuno Álvares Pe-
reira, e aliados ingleses travou a Batalha de Aljubarrota
contra o Reino de Castela, que invadira o país. A vitória
foi decisiva: Castela retirou-se, acabando bastantes anos
mais tarde por o reconhecer oficialmente como rei.
Para selar a aliança Luso-Britânica casou com D. Filipa
de Lencastre, filha de João de Gaunt, dedicando-se desde
então ao desenvolvimento do reino.
Em 1415, conquistou Ceuta, praça estratégica para a na-
vegação no norte de África, o que iniciaria a expansão
portuguesa. Aí foram armados cavaleiros os seus filhos
D. Duarte, D. Pedro e o Infante D. Henrique, irmãos da
chamada ínclita geração.
Escrito entre esse mesmo ano de 1415 e 1433, terá escrito Morte do Conde Andeiro
um “notável” livro versado em montaria[1] , uma das artes Museu Nacional Soares dos Reis, Porto)
de caçar[2] .
Acicatado por um grupo de burgueses e nobres, entre os
quais Álvaro Pais e o jovem D. Nuno Álvares Pereira, e
3.2.1 Juventude tomando em linha de conta o descontentamento geral, o
Mestre de Avis assassina o conde de Andeiro no paço a
D. João era filho ilegítimo (bastardo) do rei D. Pedro I 6 de dezembro de 1383. Com a posterior fuga de Le-
e de D. Teresa, uma dama galega (ms. 352 do Arquivo onor Teles de Lisboa para Alenquer inicia-se a sucessão
Nacional da Torre do Tombo da Crónica de el-rei D. Pe- de acontecimentos que lhe entregará a regência, a qual de
dro I, de Fernão Lopes) ou de Vasco Lourenço da Praça, início planeia exercer em nome de seu meio-irmão, o In-
um mercador de Lisboa, segundo Caetano de Sousa e que fante D. João. Mas como este último já fora aprisionado
42 CAPÍTULO 3. SEGUNDA DINASTIA – DE AVIS OU JOANINA

por D. João I de Castela, abria-se então a possibilidade


política de o Mestre de Aviz vir a ser rei. este rei foi uma
ma escolha
O assassinato do conde Andeiro explica-se, bem mais do
que pela vontade de vingar a honra do falecido rei Fer-
nando I, ainda que este tenha sido um dos motivos, pela
razão de que João I de Castela havia começado a vio-
lar o pacto antenupcial de Salvaterra de Magos logo no
primeiro dia em que se fez aclamar, em Toledo, «Rei
de Castela e Portugal». Aquele tratado antenupcial ape-
nas conferia a si e à sua mulher Beatriz, sendo esta her-
deira de Fernando I, o título nominal de reis e senhores O génio militar de Nuno Álvares Pereira foi decisivo na Batalha
de Portugal, mas sem deterem poderes de efectiva go- de Aljubarrota.
vernação. Além disso, os reinos de Castela e Portugal
deviam manter-se separados. Para além de logo ter mes-
clado as armas dos dois reinos, João I de Castela, conti- tuto de D. Beatriz de Portugal, rainha consorte de Castela,
nuando a desrespeitar o tratado, entra em Portugal pela como herdeira de D. Fernando, e isto devido em especial
Guarda nos finais de Dezembro de 1383. Queria ser so- à violação do tratado de Salvaterra tanto pelo seu marido
berano pleno, e não de dois reinos separados mas dum como por ela (com 11 anos de idade tivera de jurar o tra-
único, considerando que não tinha que atender em nada tado em Badajoz, aquando do casamento). «Venhamos a
ao tratado de Salvaterra porque a sua mulher Beatriz era outra maior contradição», disse João das Regras, ao co-
a herdeira do trono português. Quem o diz de forma mais meçar a falar da «quebra dos trautos» no seu discurso pe-
clara não é Fernão Lopes, mas sim o cronista castelhano rante as Cortes de Coimbra (Crónica de el-rei D. João I,
Pero Lopez Ayala, contemporâneo dos acontecimentos, cap. CLXXXV). E como os quebrara, não podia suceder
na sua Crónica do Rei Dom João o primeiro de Castela ao pai, o «postumeiro (último) possuidor» destes reinos.
e Leão. Consultem-se, para o constatar, os capítulos IX É por isso que na História de Portugal Beatriz não figura
e XI do ano quinto e os capítulos I e II do ano décimo como Rainha, pois foram as próprias Cortes de 1385 a
segundo desta Crónica. Seguiu-se a crise de 1383–1385, proclamar que ao rei D. Fernando I, postumeiro possui-
ou Interregno, um período de anarquia e instabilidade po- dor do reino de Portugal, quem sucedeu foi o rei D. João
lítica onde as diferentes cidades e vilas de Portugal se de- I.
claravam umas por D. Leonor Teles (a maioria destas até Pouco depois, em Junho de 1385, João I de Castela in-
ela abdicar da regência em benefício de João I de Castela vade pela 2.ª vez Portugal com o objectivo de tomar Lis-
e da filha), outras por D. Beatriz e o seu marido, outras boa e ver-se livre do «Mestre d’Avis que se chamava rei»
ainda pelo Mestre de Aviz, além das que se mantiveram (era o modo como os castelhanos o designavam). Com os
neutras, na expectativa do desenlace. castelhanos vinha então um grande contingente de cava-
A guerra civil arrastou-se por mais de um ano. D. Nuno laria francesa. A França era aliada de Castela enquanto
Álvares Pereira, posteriormente Condestável de Portugal, os ingleses haviam tomado o partido de D. João I (Guerra
revelou-se um general de grande valor, ao contrário, ao dos Cem Anos). Como resposta D. João I prepara-se com
início, do próprio pretendente ao trono. Fernão Lopes é Nuno Álvares para a batalha decisiva. O Condestável de
um crítico feroz das acções militares do Mestre durante o Portugal, que o rei nomeara aquando das Cortes de Coim-
primeiro ano de guerra, dado que tinha tendência a pre- bra, e o seu conselho de escudeiros montaram então uma
ferir os cercos e a assistência dos grandes fidalgos, sem tremenda armadilha ao exército castelhano.
outros resultados que não fossem traições, ao contrário A invasão castelhana transformou-se em debandada du-
da luta militarmente inovadora e terrivelmente eficaz de rante o Verão, depois da decisiva Batalha de Aljubarrota
Nuno Álvares, que arrancou muitas vitórias no Alentejo travada a 14 de agosto, perto de Alcobaça, onde o exército
e deu boa ajuda a Lisboa, onde o Mestre ficou sitiado sem castelhano foi quase totalmente aniquilado, apesar de se
se ter podido abastecer das provisões necessárias para encontrarem em vantagem numérica de 4 para 1. Castela
aguentar durante muito tempo o cerco. No entanto, de- teve de retirar-se do combate e a estabilidade da coroa de
pois das Cortes de Coimbra em 6 de Abril de 1385, o rei D. João I ficou solidamente garantida. Em 1400 termina
D. João I mostrou-se um bom seguidor das tácticas mili- a guerra com Castela e em 1411 é assinado um tratado de
tares de D. Nuno Álvares, e do conselho de guerra deste aliança e de paz com aquele país definitivamente confir-
constituído por escudeiros. mado, reconhecendo Castela sem quaisquer reservas D.
Finalmente a 6 de abril de 1385, as Cortes portuguesas João I como rei de Portugal.
reunidas em Coimbra elevam o Grão-Mestre de Aviz, Em 1387, D. João I casa com D. Filipa de Lencastre, fi-
como D. João I, a rei de Portugal[3] . Esta tomada de lha de João de Gaunt, Duque de Lencastre, fortalecendo
posição significava na prática que a guerra com Castela por laços familiares os acordos do Tratado de Aliança
prosseguiria sem quartel, visto que declarava nulo o esta- Luso-Britânica, que perdura até hoje. Depois da morte
3.2. JOÃO I DE PORTUGAL 43

Casamento de D. João I com D. Filipa de Lencastre.

em 1390 de João de Castela, sem herdeiros de D. Bea-


triz, a ameaça castelhana ao trono de Portugal estava de-
finitivamente posta de parte. A partir de então, D. João
I dedicou-se ao desenvolvimento económico e social do
país, sem se envolver em mais disputas com a vizinha
Castela ou a nível internacional. Teve como chanceler Bandeira pessoal de D. João I com a sua divisa: «Pour bien».
João das Regras que defendia a centralização do poder
real. A partir de certa altura associou ao governo o filho dos Açores (1427), além de se fazerem expedições às
D. Duarte. Canárias. Teve início, igualmente, o povoamento dos ar-
Quando o rei quis armar os seus filhos cavaleiros, estes quipélagos dos Açores e da Madeira.
propuseram a conquista de Ceuta, no Norte de África, D. João faleceu a 14 de agosto de 1433. Jaz na Capela
em 1415, uma praça de importância estratégica no con- do Fundador, no Mosteiro de Santa Maria da Vitória, na
trole da navegação na costa de África que é conquistada Batalha.
a 21 de agosto. Após a sua conquista são armados cava-
leiros, na anterior mesquita daquela cidade, os príncipes Foi cognominado O de Boa Memória, pela lembrança po-
D. Duarte, D. Pedro e D. Henrique. Entretanto, na vés- sitiva do seu reinado na memória dos portugueses, tam-
pera da partida de Lisboa, falecera a rainha D. Filipa de bém podendo ser chamado de O Bom ou O Grande.
Lencastre. Foi impressa uma nota de 1.000$00 Chapa 6 de Portugal
com a sua imagem.

3.2.3 Legado
3.2.4 Títulos, estilos, e honrarias
Cronistas contemporâneos descrevem D. João I como um
homem arguto, cioso em conservar o poder junto de si,
Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da
mas ao mesmo tempo benevolente e de personalidade
Coroa Portuguesa
agradável. Na juventude, a educação que recebeu como
Grão Mestre da Ordem de Aviz transformou-o num rei
invulgarmente culto para a época.
O seu amor ao conhecimento passou também para os fi- Títulos e estilos
lhos, designados por Luís Vaz de Camões, nos Lusíadas,
• 11 de abril de 1357 – 1364: Dom João
por «Ínclita geração»: o rei D. Duarte I de Portugal foi
poeta e escritor, D. Pedro, Duque de Coimbra o «Prín- • 1364 – 16 de Dezembro de 1383: Dom João, Mestre
cipe das Sete Partidas», foi um dos príncipes mais es- de Avis
clarecidos do seu tempo e muito viajado, e o Henrique,
Duque de Viseu, «o navegador», investiu toda a sua for- • 16 de dezembro de 1383 – 6 de abril de 1385: Dom
tuna em investigação relacionada com navegação, náutica João, Mestre de Avis, Regedor e Defensor do Reino
e cartografia, dando início à epopeia dos Descobrimentos.
• 6 de abril de 1385 – 14 de agosto de 1433: Sua
A sua única filha, D. Isabel de Portugal, casou com o Du- Mercê, O Rei de Portugal e dos Algarves
que da Borgonha e entreteve uma corte refinada e erudita
nas suas terras. O estilo oficial de D. João I enquanto Rei de Portugal, até
No reinado de D. João I foram descobertas as ilhas 1415:
de Porto Santo (1418), da Ilha da Madeira (1419) e Pela Graça de Deus, João I, Rei de Portugal e do Algarve
44 CAPÍTULO 3. SEGUNDA DINASTIA – DE AVIS OU JOANINA

Em 1415, após a conquista de Ceuta, a titulatura evolui 3.2.7 Ver também


para:
Pela Graça de Deus, João I, Rei de Portugal e do Algarve, • Árvore genealógica dos reis de Portugal
e Senhor de Ceuta

3.2.8 Ligações externas


3.2.5 Descendência
• Chronica del Rey D. Ioam I de Boa Memoria e dos
Do seu casamento com Filipa de Lencastre (1359–1415) reys de Portugal o decimo, Fernão Lopes (1380-
nasceram nove filhos. Destes, os seis que chegaram à 1460), Lisboa: Antonio Alvarez, 1644, na Biblio-
idade adulta seriam lembrados como a ínclita geração: teca Nacional Digital (em português)

• Branca (1388–1389), morreu jovem


3.3 Duarte de Portugal
• Afonso (1390–1400), morreu jovem
Duarte de Portugal é um nome comum às seguintes pes-
• Duarte I de Portugal (1391–1438), sucessor do pai soas:
no trono português, poeta e escritor

• Pedro, Duque de Coimbra (1392–1449), foi um dos • Duarte I de Portugal - rei de Portugal
infantes mais esclarecidos do seu tempo. Foi regente • Duarte Nuno de Bragança - pretendente ao trono de
durante a minoridade do seu sobrinho, o futuro rei Portugal
D. Afonso V e morreu na Batalha de Alfarrobeira
• Duarte Pio de Bragança - filho do anterior e preten-
• Henrique, Duque de Viseu, O Navegador (1394– dente ao trono de Portugal
146]), investiu a sua fortuna em investigação rela-
cionada com navegação, náutica e cartografia • Duarte de Portugal (1435) - infante português, filho
do rei D. Duarte
• Isabel, Duquesa da Borgonha (1397–1471) casou
com Filipe III, Duque da Borgonha e entreteve uma • Duarte de Portugal (1455) - infante português, filho
corte refinada e erudita nas suas terras de D. Fernando, Duque de Viseu

• Branca (1398), morreu jovem • Duarte de Portugal, 4.º Duque de Guimarães - in-
fante português, filho do rei D. Manuel I de Portugal
• João, Infante de Portugal (1400–1442), condestável
• Duarte de Portugal, 5.º Duque de Guimarães - filho
de Portugal e avô de Isabel de Castela
do precedente, sucedeu-lhe no título
• Fernando, o Infante Santo (1402–1437), morreu no • Duarte de Portugal, arcebispo de Braga - filho ilegí-
cativeiro em Fez timo do rei D. João III de Portugal

D. João teve ainda dois filhos naturais de Inês Pires: • Duarte de Bragança, Marquês de Frechilla -
Marquês de Frechilla, filho de João I de Bragança

• Afonso I (1377–1461), primeiro duque de Bragança • Duarte de Bragança, senhor de Vila do Conde
(1605-1649) - filho de Teodósio II de Bragança
• Beatriz (ca. 1386–1447), casada com Thomas Fit-
zAlan, 12.° Conde de Arundel
3.4 Afonso V de Portugal
3.2.6 Referências
Afonso V de Portugal, (Sintra, 15 de janeiro de 1432 -
[1] Livro de D. João I descoberto na Galiza, Correio da Ma- Sintra, 28 de agosto de 1481), foi o décimo-segundo Rei
nhã, 27 de Fevereiro de 2014 de Portugal, cognominado o Africano pelas conquistas no
Norte de África. Filho do rei D. Duarte, sucedeu-lhe em
[2] Montaria, Priberam Dicionário 1438 com apenas seis anos. Por ordem paterna a regência
foi atribuída a sua mãe, D. Leonor de Aragão mas passa-
[3] Auto da eleição do rei D. João I, de 6 de Abril de 1385,
Fonte: Frei Manuel dos Santos, Monarquia Lusitana, ria para o seu tio D. Pedro, Duque de Coimbra, que pro-
parte 8.ª, págs. 668 e segs. D. António Caetano de Sousa, curou concentrar o poder no rei em detrimento da aris-
Provas da História Genealógica da Casa Real Portuguesa, tocracia e concluiu uma revisão na legislação conhecida
tomo I, págs. 340 e segs, Portal da História, Manuel Ama- como Ordenações Afonsinas. Em 1448, D. Afonso V as-
ral 2000-2010 sumiu o governo, anulando os editais aprovados durante
3.4. AFONSO V DE PORTUGAL 45

a regência. Com o apoio do tio homónimo D. Afonso I, sua mãe, D. Leonor de Aragão, de acordo com o desejo
Duque de Bragança declarou D. Pedro inimigo do reino, expresso em testamento pelo rei Duarte de Portugal. No
derrotando-o na batalha de Alfarrobeira. Concentrou-se entanto, por ser mulher e estrangeira, D. Leonor de Ara-
então na expansão no norte de África, onde conquistou gão não era uma escolha popular e a oposição cresceu. O
Alcácer Ceguer, Anafé, Arzila, Tânger e Larache. Con- único aliado da rainha mãe era D. Afonso, irmão ilegí-
cedeu o monopólio do comércio na Guiné a Fernão Go- timo de D. Duarte e Conde de Barcelos.
mes da Mina, com a condição de este explorar a costa, o Em 1439, as Cortes decidem retirar a regência a Leonor
que o levaria em 1471 à Mina, onde descobriu um flores- e entregá-la a D. Pedro, Duque de Coimbra, o tio mais
cente comércio de ouro cujos lucros auxiliaram o rei na
velho de D. Afonso. Como regente, D. Pedro procurou
conquista. Em 1475, na sequência de uma crise dinástica, limitar o desenvolvimento de grandes casas aristocráticas
D. Afonso V casou com a sobrinha D. Joana de Trastâ-
e concentrar o poder na pessoa do rei. Por sua ordem,
mara assumindo pretensões ao trono de Castela, que in- cerca de 1448, foram revistas e concluídas as chamadas
vadiu. Após não obter uma clara vitória na Batalha de
Ordenações Afonsinas (embora incluam leis de 1454), a
Toro, com sintomas de depressão, D. Afonso abdicou da primeira compilação oficial de leis do século XV, resul-
coroa para o filho, D. João II de Portugal, falecendo em tado de um pedido das Cortes a D. João I para a organiza-
1481.[1] ção de uma colectânea em que se coordenasse e actuali-
zasse o direito vigente, para a boa fé e fácil administração
3.4.1 Biografia na justiça.
O país prosperou sob a sua alçada, mas o ambiente po-
Início de vida lítico não era o mais saudável uma vez que D. Pedro in-
terferia com a ambição dos nobres. D. Afonso, Conde de
Barcelos, inimigo pessoal de D. Pedro, apesar de serem
meios-irmãos, tornou-se no tio favorito de D. Afonso V e
começou a conspirar pelo poder. Em 1442, D. Afonso
V nomeia este tio como primeiro Duque de Bragança.
Com este título e terras adjacentes, D. Afonso I, Duque
de Bragança torna-se no homem mais poderoso de Por-
tugal e num dos mais ricos da Europa. Para assegurar a
sua influência junto de D. Afonso V, D. Pedro organiza o
casamento do jovem rei com a sua filha D. Isabel.

Reinado

Afonso V de Portugal

A 9 de junho de 1448, D. Afonso V atinge a maioridade


e assume o governo do Reino.[1] A 15 de setembro do
Retrato de D. Afonso V com cerca de 25 anos, por Georg von mesmo ano, desejoso de mostrar independência política,
Ehingen (1428-1508). George von Ehingen foi um cavaleiro da anula todos os editais aprovados durante a regência. A
Suábia que esteve no exército de D. Afonso V em Ceuta, em 1458- situação torna-se instável e, no ano seguinte, levado por
59. informações que mais tarde viriam a provar-se falsas, D.
Afonso declara o tio e sogro, D. Pedro, rebelde e ini-
D. Afonso V de Portugal era filho do rei D. Duarte I de migo do Reino. Juntamente com D. Afonso de Bragança,
Portugal e de sua mulher, a princesa D. Leonor de Ara- derrota o Duque de Coimbra na batalha de Alfarrobeira,
gão, ele nasceu em 15 de janeiro de 1432, na Sintra.[2] onde este é morto em combate. Depois desta batalha e da
D. Afonso V sucedeu a seu pai em 1438, com apenas seis perda deste notável príncipe da Ínclita geração, D. Afonso
anos.[1] Durante a menoridade, Portugal foi regido pela V passa a ser muito influenciado pelo Duque de Bragança.
46 CAPÍTULO 3. SEGUNDA DINASTIA – DE AVIS OU JOANINA

como rainha Isabel I. É neste ponto que D. Afonso V in-


terfere, casando, em 1475, com a sobrinha e assumindo
as suas pretensões ao trono. D. Afonso V declara-se rei
de Castela e invade o país vizinho. A campanha resulta
em fracasso, quando D. Afonso abandona o campo da
Batalha de Toro, com sintomas de depressão[1] onde as
tropas de Castela foram lideradas pelo rei Fernando II de
Aragão, recentemente casado com Isabel. D. Afonso pro-
curou ainda o apoio de Luís XI de França, mas ao ver-se
traído regressa a Portugal em 1477.
No desenvolvimento da Guerra da Beltraneja assi-
nou com os Reis Católicos o Tratado das Alcáçovas-
Toledo, inicialmente na vila portuguesa de Alcáçovas,
no Alentejo, a 4 de setembro de 1479, colocando fim à
Guerra de Sucessão de Castela (1479-1480) e posterior-
mente ratificado na cidade castelhana de Toledo, a 6 de
março de 1480. Além de formalizar o fim das hostilida-
des (pelo qual Joana e seu tio e marido Afonso V de Por-
O mapa-múndi de Fra Mauro realizado sob encomenda de D. tugal, desistiam para sempre das suas pretensões ao trono
Afonso V em 1457, reunia o conhecimento geográfico da época. de Castela), o Tratado continha cláusulas concernentes
Concluído a 24 de abril de 1459, foi enviado para Portugal com à política de projeção externa de ambos os países, num
uma carta dirigida ao Infante D. Henrique, tio de Afonso V, en- momento em que os dois reinos competiam pelo domínio
corajando a continuar o financiamento de viagens de explora-
do oceano Atlântico e das terras até então descobertas na
ção. Cópia de Andrea Bianco na Biblioteca Marciana - Veneza.
costa africana: Portugal obtinha o reconhecimento do seu
domínio sobre a ilha da Madeira, o arquipélago dos Aço-
res, o de cabo Verde e a costa da Guiné, enquanto que
Finda a instabilidade interna, a atenção de D. Afonso Castela recebia as ilhas Canárias (exploradas por Diego
V concentrou-se na expansão no Norte de África, ini- Garcia de Herrera em 1476), renunciando a navegar ao
ciada por seu avô D. João I em 1415 com a conquista Sul do cabo Bojador, ou seja, do Paralelo 27 no qual se
de Ceuta. Em 1453, dá-se a queda de Constantinopla encontravam as próprias ilhas. Regulamentava também
e o papa Calisto III, em 1456, apela a uma cruzada, a as áreas de influência e de expansão de ambas as coroas
que D. Afonso V responde preparando um grande exér- pelo Reino Oatácida de Fez, no Norte de África.
cito. Mas, frustrada esta missão, D. Afonso V retoma a
campanha no Norte de África. O exército real conquis- Desiludido e com sintomas de depressão, D. Afonso
tou, nas campanhas que valeram a D. Afonso o cognome retira-se para o convento de Varatojo em Torres-Vedras
de o Africano, Alcácer Ceguer (1458), Anafé (1464) e e abdica para o filho D. João, futuro D. João II de Portu-
Arzila (1471); com a tomada desta praça caíram também gal. Tendo-se retirado da vida política, morre em 1481
nas mãos dos Portugueses as praças de Tânger e Larache. aquando da sua chegada a Sintra. A descrição[1] da sua
O rei subsidiou ainda as explorações do oceano Atlân- morte é a de que pediu, e lhe deram, um copo de água, e
tico, concedendo o comércio na Guiné a Fernão Gomes que morreu de seguida.
da Mina, com a condição de descobrir todos os anos 100 Jaz no Mosteiro de Santa Maria da Vitória, na Batalha.
léguas de costa, o que o levaria até à costa de São Jorge da
Mina. Organizadas pelo seu tio, o Infante D. Henrique,
estas viagens não tiveram continuidade depois da morte
3.4.2 Títulos, estilos, e honrarias
deste em 1460. Do ponto de vista administrativo, D.
Afonso foi um rei ausente, pouco preocupado com o de-
senvolvimento do comércio e a administração do Reino. Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da
Coroa Portuguesa
Com as campanhas africanas terminadas, D. Afonso
V encontrou novas batalhas, desta vez políticas, na
península Ibérica e na vizinha Castela, onde um escân-
dalo de consequências dinásticas acabava de começar. O
rei Henrique IV de Castela morreu em 1474, tendo como Títulos e estilos
única herdeira D. Joana. Mas a paternidade da princesa
era contestada com base na suposta homossexualidade do • 15 de janeiro de 1432 – 9 de setembro de 1438: Sua
rei e na relação da rainha, D. Joana de Trastâmara, irmã Alteza, O Príncipe Herdeiro de Portugal
de D. Afonso, com um nobre chamado Beltrán de La Cu-
eva. A nobreza e o clero estavam divididos, e uma parte • 9 de setembro de 1438 – 10 de Novembro de 1477:
apoiou a irmã de D. Henrique e tia de D. Joana, coroada Sua Alteza Real, O Rei de Portugal e dos Algarves
3.5. JOÃO II DE PORTUGAL 47

• 10 de novembro de 1477 – 16 de novembro de 1477: 3.4.3 Descendência


Sua Alteza, O príncipe D. Afonso de Avis
• Primeira mulher, Isabel de Coimbra (1432-1455)
• 16 de novembro de 1477 – 28 de agosto de 1481:
Sua Alteza Real, O Rei de Portugal e dos Algarves • João, Príncipe de Portugal (1451), jurado her-
deiro da Coroa mas falecido pouco depois da
Aquando da sua coroação, o estilo oficial de D. Afonso nascença
V enquanto Rei de Portugal era: • Santa Joana, Princesa de Portugal (1452-
1490)

Pela Graça de Deus, Afonso V, Rei de Portugal • João II, Rei de Portugal (1455-1495)
e do Algarve, e Senhor de Ceuta
• Segunda mulher, Joana, a Excelente Senhora, prin-
Após a conquista de Alcácer-Ceguer, em 1458: cesa de Castela (1462-1530)[1]

Pela Graça de Deus, Afonso V, Rei de Portugal 3.4.4 Ver também


e do Algarve, e Senhor de Ceuta e de Alcácer
• Ordenações Afonsinas
em África
• Árvore genealógica dos reis de Portugal
Em 1471, com a conquista de Arzila e Tânger e elevação
do senhorio do Norte de África à condição de Reino • Tapeçarias de Pastrana
d'Além-Mar, a titulatura passa a:
• Isaac Abravanel, tesoureiro do Rei Afonso V

Pela Graça de Deus, Afonso V, Rei de Portu- 3.4.5 Referências


gal e dos Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar em
África [1] Moedasportugal.com.

Durante a pretensão de D. Afonso V à Coroa de Castela [2] Costa, Darc. Fundamentos para o estudo da estratégia na-
cional. São Paulo: Paz e Terra, 2009. pp. 388. ISBN
(1475-1479), pelo seu casamento com Joana, a Beltra-
8577530884
neja:

3.4.6 Ligações externas


Pela Graça de Deus, Afonso V, Rei de Castela,
de Leão, de Portugal, de Toledo, de Galiza, de • Chronica de El-Rey D. Affonso V, Rui de Pina
Sevilha, de Córdova, de Jáen, de Múrcia, dos (1440-1522), Lisboa, 1904, na Biblioteca Nacional
Algarves d'Aquém e d'Além Mar em África, de Digital (em português)
Gibraltar, de Algeciras, e Senhor da Biscaia e
de Molina

Após a Paz de Alcáçovas-Toledo em 1479, e renúncia


3.5 João II de Portugal
aos títulos castelhanos, o estilo oficial reverte para:
João II de Portugal (Lisboa, 3 de maio de 1455 – Alvor,
25 de outubro de 1495) foi o décimo-terceiro Rei de Por-
Pela Graça de Deus, Afonso V, Rei de Portu- tugal, cognominado O Príncipe Perfeito pela forma como
gal e dos Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar em exerceu o poder. Filho do rei Afonso V de Portugal,
África acompanhou o seu pai nas campanhas em África e foi
armado cavaleiro na tomada de Arzila. Enquanto Afonso
V enfrentava os castelhanos, o príncipe assumiu a direc-
Honrarias ção da expansão marítima portuguesa iniciada pelo seu
tio-avô Infante D. Henrique.
Enquanto monarca de Portugal, D. Afonso V foi Grão-
Dom João II de Portugal sucedeu ao seu pai após a sua
Mestre das seguintes Ordens:
abdicação em 1477, mas só ascendeu ao trono após a
sua morte, em 1481. Concentrou então o poder em si,
• Ordem dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo
retirando-o à aristocracia. Nas conspirações que se segui-
(incorporada na Coroa em 1472)
ram suprimiu o poder da casa de Bragança e apunhalou
• Antiga e Muito Nobre Ordem da Torre e Espada pelas suas próprias mãos o seu primo Diogo, Duque de
(fundada em 1459) Viseu. Governando desde então sem oposição, João II foi
48 CAPÍTULO 3. SEGUNDA DINASTIA – DE AVIS OU JOANINA

um grande defensor da política de exploração atlântica, de abril do ano seguinte, assumiu a regência do reino que,
dando prioridade à busca de um caminho marítimo para por ir socorrer o pai a Espanha, passara para o encargo
a Índia. Após ordenar as viagens de Bartolomeu Dias e de Leonor. Participou, a 2 de março, na batalha de Toro.
de Pêro da Covilhã, foi João II que delineou o projecto
da primeira viagem.
O seu único herdeiro, o príncipe Afonso de Portugal es- 3.5.2 A época das conspirações e da morte
tava prometido desde a infância a Isabel de Aragão e Cas- dos conspiradores
tela, ameaçando a herdar os tronos de Castela e Ara-
gão. Contudo o jovem príncipe morreu numa misteri-
osa queda em 1491 e durante o resto da sua vida D. João
II tentou, sem sucesso, obter a legitimação do seu filho
bastardo Jorge de Lancastre. Em 1494, na sequência da
viagem de Cristóvão Colombo, que recusara, D. João II
negociou o Tratado de Tordesilhas com os reis católi-
cos. Morreu no ano seguinte sem herdeiros legítimos,
tendo escolhido para sucessor o duque de Beja, seu primo
direito e cunhado, que viria a ascender ao trono como
Manuel I de Portugal.

3.5.1 Antes do trono

Fernando II, Duque de Bragança.

Desde jovem que João não era popular junto dos pares
do reino, visto que parecia ser imune a influência externa
e desprezava a intriga. Os nobres poderosos, nomeada-
mente Fernando II, duque de Bragança, tinham medo da
sua governação e, assim que ganhou as rédeas do país,
D. João II é armado cavaleiro por D. Afonso V, na cidade de João provou que tinham razão para isso.
Arzila, por Domingos Sequeira
Depois da sua ascensão ao trono, o monarca tomou uma
série de medidas com vista a retirar poder à aristocra-
João II de Portugal nasceu no Paço das Alcáçovas, no cia e a concentrá-lo em si próprio. Imediatamente, co-
Castelo de São Jorge. Era filho do rei Afonso V de Por- meçaram as conspirações mas inicialmente o rei adoptou
tugal e de Isabel de Coimbra, princesa de Portugal. João uma posição de mero observador. Cartas de reclamação
II sucedeu ao seu pai após a sua abdicação, em 1477; e pedidos de intervenção foram trocadas entre o duque de
no entanto, D. Afonso V retornou e logo João lhe devol- Bragança e os reis católicos de Espanha. O escrivão de
veu o poder, e só se tornou de novo rei após a sua morte sua Fazenda em Vila Viçosa e um mensageiro, entrega-
em 1481. Como príncipe, João II acompanhou o seu pai ram ao rei correspondência comprometedora com os Reis
nas campanhas em África e foi armado cavaleiro por D. Católicos em 1483. Foi o próprio monarca quem pren-
Afonso V, depois da tomada de Arzila a 21 de agosto deu o duque de Bragança, ao fim de uma conversa a sós,
de 1471, junto ao corpo do conde de Marialva, perecido em Évora. Foi julgado ao longo de 22 dias, em uma sala
nessa batalha. No início desse ano, a 22 de janeiro, em revestida de tapetes, à volta de uma mesa onde se encon-
Setúbal, desposou Leonor de Viseu, princesa de Portugal travam 21 juízes, fidalgos e cavaleiros, com o rei sentado
e sua prima direita, filha do infante Fernando. Fruto desta no topo e, em algumas sessões, com o réu a seu lado. A
união, nasce em 1475 o infante Afonso. votação, iniciada com um discurso do monarca, consu-
Em 1474 assumiu a direcção da política da expansão en- miu dois dias e terminou com a condenação do duque à
quanto Afonso V travava luta com os castelhanos e, a 25 morte. No dia seguinte, 20 de junho de 1483, Fernando
3.5. JOÃO II DE PORTUGAL 49

foi degolado na praça de Évora, diante do povo. O epi-


sódio é narrado pelos cronistas Garcia de Resende e Rui
de Pina.[1]
No ano seguinte, o duque de Viseu, D. Diogo, primo e cu-
nhado de João II (irmão da rainha D. Leonor), concebeu
um plano para apunhalar o soberano na praia, em Setúbal.
Um dos envolvidos avisou o monarca, que decidiu viajar
por terra, inviabilizando o plano dos conspiradores. Man-
dou então chamar ao palácio o duque e apunhalou-o pes-
soalmente. Depois de eliminar o cunhado, o rei enviou
dois emissários à mãe do duque, comunicando o ocor-
rido. Chamou ainda um irmão do falecido, D. Manuel,
e explicou-lhe que tinha esfaqueado o duque porque ele
"o quisera matar", prometendo-lhe que, se o príncipe D.
Afonso viesse a falecer, e não tivesse mais nenhum filho
legítimo, ficaria D. Manuel como herdeiro de todos os
seus reinos e senhorios. [nota 1]
Na sequência, mais de 80 pessoas foram perseguidas por
suspeita de envolvimento nesta conspiração. Outras fo-
ram executadas, assassinadas ou exiladas para Castela,
incluindo o bispo de Évora, Garcia de Meneses, envene-
nado na prisão. Diz a tradição que João II comentou, em
relação à limpeza no país: eu sou o senhor dos senhores,
não o servo dos servos.
Depois destes eventos, mais ninguém em Portugal ousou
desafiar ou conspirar contra o rei, que não hesitava em
fazer justiça pelas suas próprias mãos. João II podia agora
governar o país sem que ninguém se lhe opusesse.

3.5.3 A exploração marítima


D. João II, Iluminura no Livro dos Copos, c. 1490 a 1498
Pouco depois de subir ao trono, em 1482, João II cen-
tralizou na coroa a exploração e comércio na costa da
cipe baptizada em homenagem ao único filho e her-
Mina e Golfo da Guiné, determinando a construção de
deiro do rei, Afonso, Príncipe de Portugal (1475).
uma feitoria para apoiar o florescente comércio do ouro
de aluvião na região. Sob o comando de Diogo de Azam- • São enviadas expedições por terra lideradas por
buja foi rapidamente construído o "Castelo de São Jorge Pêro da Covilhã e Afonso de Paiva ao Cairo, Adém,
da Mina"[3] com pedra previamente talhada e numerada Ormuz, Sofala e Abissínia, a terra do lendário Preste
em Portugal, enviada como lastro nos navios, sistema João, donde enviam relatórios sobre essas paragens,
de construção depois adoptado para numerosas fortifica- ficando D. João II com a certeza de poder atingir a
ções. Índia por mar.
João II foi um grande defensor da política de exploração • 1493- 1494 – João II contesta a Bula Inter Coetera
atlântica iniciada pelo seu tio-avô o Infante D. Henrique. e negoceia um tratado directamente com os reis ca-
Os descobrimentos portugueses serão a sua prioridade tólicos: o Tratado de Tordesilhas.
governamental, bem como a busca do caminho marítimo
para a Índia. Durante o seu reinado conseguiram-se os • 1495 – Delineou a primeira viagem no caminho ma-
seguintes feitos: rítimo para a Índia. O comando foi inicialmente
atribuído a Estevão da Gama. Contudo, dada a
• 1484 – Diogo Cão descobre a foz do rio Congo e morte de ambos, foi delegado em 1497 pelo novo
explora a costa da Namíbia rei Manuel I de Portugal ao filho, Vasco da Gama.
• 1488 – Bartolomeu Dias cruza o cabo da Boa Espe-
A totalidade das descobertas portuguesas do reinado de
rança, tornando-se no primeiro europeu a navegar
João II permanece desconhecida. Muita informação foi
no oceano Índico vindo de oeste
mantida em segredo por razões políticas e os arquivos do
• 1493 – Álvaro de Caminha inicia a colonização das período foram destruídos no Terramoto de 1755. Os his-
ilhas de São Tomé e Príncipe, sendo a ilha do Prín- toriadores ainda discutem a sua verdadeira extensão, sus-
50 CAPÍTULO 3. SEGUNDA DINASTIA – DE AVIS OU JOANINA

peitando que navegadores portugueses chegaram à Amé- peitos desmesuradamente vos avan-
rica antes de Cristóvão Colombo. Para suportar esta hi- tajais.
pótese são citados com frequência os cálculos mais pre-
cisos que os portugueses tinham do diâmetro da Terra. A epopeia dos descobrimentos, a que se propunha Polizi-
No fim do século XV, havia em Portugal uma escola de ano, foi só realizada quase um século depois por Luís de
navegação, cartografia e matemática há mais de oitenta Camões. Poliziano morre em 1494 e D. João II em 1495,
anos, onde os cientistas mais talentosos se dedicavam à ambos com suspeitas de envenenamento.
investigação. Enquanto Colombo acreditava poder che-
gar à Índia seguindo para oeste, é provável que João II
já soubesse da existência de um continente no meio. As 3.5.4 O problema da descendência
viagens do misterioso capitão Duarte Pacheco Pereira,
para oeste de Cabo Verde foram possivelmente mais im- Mas a divisão do mundo não era o único assunto pendente
portantes do que as interpretações tradicionais supõem. entre os reinos ibéricos. Os reis católicos tinham várias
Portanto, quando Colombo pediu apoio para a sua via- filhas, mas apenas um filho, Juan, de saúde frágil. A fi-
gem, João II recusou. Colombo, capitão sem experiência lha mais velha, Isabel, era casada com o príncipe Afonso
atlântica, partia de uma suposição que o rei sabia estar de Portugal desde a infância. Se Juan morresse sem dei-
errada. Decidido a chegar à Índia pelo ocidente, contor- xar herdeiros, o mais provável seria Afonso, único filho
nando África, não havia razão para subsidiar a expedi- de João II, tornar-se rei não só de Portugal, mas também
ção. Em 1492, ao serviço dos reis de Castela e Aragão, de Castela e Aragão. Esta ameaça à coroa espanhola era
Colombo descobriu oficialmente a América. Até à sua bem real: Fernando II de Aragão e Isabel I de Castela
morte, esteve convencido que havia chegado à Índia. Este tentaram todas as vias diplomáticas para dissolver o ca-
evento iniciou entre Portugal e Castela uma série de dis- samento, sem qualquer sucesso. Finalmente, em 1491, o
putas sobre o domínio dos mares. Foi esta rivalidade que príncipe Afonso morre em consequência de uma miste-
levou à assinatura do Tratado de Tordesilhas a 7 de junho riosa queda de cavalo durante um passeio à beira do rio
de 1494. O tratado definia o semi-meridiano de Torde- Tejo. A ligação dos reis católicos ao acidente nunca foi
silhas e estipulava que as terras a este desta linha seriam provada, mas eram eles quem mais tinha a ganhar.
possessões portuguesas, enquanto que a outra metade do
Durante o resto da sua vida, João II tentou, sem sucesso,
mundo seria espanhola.
obter a legitimação do seu filho bastardo, Jorge. Jorge,
Duque de Coimbra, era fruto da relação adúltera do rei
Os elogios de Angelo Poliziano com Ana Furtado de Mendonça, filha de um fidalgo da
corte e dama de honor da princesa Joana, a Beltraneja.
O reputado humanista Angelo Poliziano numa carta en- João II morreu em 1495, sem herdeiros legítimos. Dado o
viada a D. João II em 1491, faz desta forma um elogio às ódio que a nobreza portuguesa sempre lhe teve, a hipótese
suas proezas: [4] de envenenamento por um copo de água que tomou não é
de excluir. Antes de morrer, João II escolheu Manuel de
que grandioso e vasto quadro de Viseu, duque de Beja, seu primo direito e cunhado (era
proezas apenas acreditáveis se me irmão da rainha Leonor) para sucessor.
não oferecia, se eu fosse comemorar
A rainha Isabel, a Católica, de Castela, por ocasião da sua
as vagas do túmido e soberbo oce-
morte, terá afirmado «Murió el Hombre!», referindo-se
ano, antes intactas e sem carreira
ao monarca português como o Homem por antonomásia,
aberta, provocadas e quebrantadas
devido às posições de força que assumira durante o seu
pelos vossos lenhos, as balizas de
reinado.
Hércules desprezadas, o mundo que
havia sido mutilado, restituído a si Foi-lhe atribuído o cognome o Príncipe Perfeito pois foi
mesmo (...) graças às medidas por ele implantadas que emergiu triun-
fante o valor da sua obra, ou seja, a época de ouro de
Oferecendo-se ao seu serviço, para escrever uma epo- Portugal.
peia digna dos feitos do monarca, lembra que deve seguir Jaz no Mosteiro de Santa Maria da Vitória, na Batalha.
Alexandre Magno e Júlio César no cuidado em deixar ins- Aquando da sua morte em Alvor (Portimão), havia sido
critas as suas memórias: sepultado na Sé de Silves mas em 1499 os seus restos
mortais foram exumados e trasladados para o seu atual
Acordai-vos de Alexandre, acordai- local de sepultamento. Como forma de agradecimento
vos de César, os dois nomes princi- à cidade de Silves por ter acolhido os restos mortais do
pais que a fastosa antiguidade nos monarca, pensa-se que D. Manuel I terá encomendado
alardeia. (...) a chamada Cruz de Portugal, património nacional desde
A estes, logo, vós deveis, ao menos 1910.
imitar, a estes a quem nos outros res- Foram impressas uma nota de 1.000 angolares de Angola
3.6. MANUEL I DE PORTUGAL 51

e uma nota de 500$00 Chapa 10 de Portugal com a sua 3.5.7 Ver também
imagem.
• Árvore genealógica dos reis de Portugal

3.5.5 Títulos, estilos, e honrarias • Isaac Abravanel, caiu em desgraça no reinado de D.


João II
Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da
Coroa Portuguesa 3.5.8 Notas
[1] Anos mais tarde, o príncipe herdeiro D. Afonso sofreu
uma queda de um cavalo e faleceu. O monarca tentou que
Títulos e estilos o papa aceitasse como seu sucessor o seu filho bastardo,
D. Jorge, sem sucesso graças a diligências da rainha junto
• 3 de Maio de 1455 – 10 de Novembro de 1477: aos Reis Católicos e às famílias nobres. D. Leonor vingou
Sua Alteza, O Príncipe Herdeiro de Portugal assim a morte do irmão e do cunhado. [2]
• 10 de Novembro de 1477 – 16 de Novembro de
1477: Sua Alteza Real, O Rei de Portugal e dos Al- 3.5.9 Referências
garves
[1] CASTRO, Pedro Jorge. “Sexo, Traição, Violência - e
• 16 de Novembro de 1477 – 28 de Agosto de 1481:
mais Sexo”. Sábado, nº 355 - 17 a 23 de Fevereiro de
Sua Alteza, O Príncipe Herdeiro de Portugal 2011, p. 44.
• 28 de Agosto de 1481 – 25 de Outubro de 1495: [2] CASTRO, Pedro Jorge. “Sexo, Traição, Violência - e
Sua Alteza Real, O Rei de Portugal e dos Algarves mais Sexo”. Sábado, nº 355 - 17 a 23 de Fevereiro de
2011, p. 45.
O estilo oficial de D. João II enquanto Rei de Portugal:
[3] Castelo de Elmina (em inglês) Governo de Gana Ghana-
Pela Graça de Deus, João II, Rei de Portugal e dos Algar-
tourism.gov. Visitado em 24 de Dezembro de 2006.
ves, d'Aquém e d'Além-Mar em África
Em 1485, com a criação do senhorio da Guiné abran- [4] Manuel Bernardes Branco. Portugal e os Estrangeiros.
[S.l.]: Livraria de A.M.Pereira, 1879. 415-417 p. (Tra-
gendo as possessões portuguesas que se estendiam pelo
dução da carta em latim por Teófilo Braga)
Golfo da Guiné, o estilo passa a:
Pela Graça de Deus, João II, Rei de Portugal e dos Algar-
ves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, e Senhor da Guiné 3.5.10 Ligações externas

Honrarias • D. João II

Enquanto monarca de Portugal, D. João II foi Grão-


Mestre das seguintes Ordens: 3.6 Manuel I de Portugal
• Ordem dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo Manuel I de Portugal (Alcochete, 31 de maio de 1469
— Lisboa, 13 de dezembro de 1521) foi o 14.º Rei de Por-
• Antiga, Nobilíssima e Esclarecida Ordem de tugal, cognominado O Venturoso, O Bem-Aventurado ou
Sant'Iago da Espada O Afortunado tanto pelos eventos felizes que o levaram ao
trono, como pelos que ocorreram no seu reinado. Manuel
I ascendeu inesperadamente ao trono em 1495 em cir-
3.5.6 Descendência cunstâncias excepcionais, sucedendo ao seu primo direito
João II de Portugal, de quem se tornara protegido. Pros-
• De sua mulher, Leonor de Viseu, princesa de Portu-
seguiu as explorações portuguesas iniciadas pelos seus
gal (1458-1525):
antecessores, o que levou à descoberta do caminho marí-
• rapaz, morto à nascença timo para a Índia, do Brasil e das ambicionadas “ilhas das
especiarias”, as Molucas, determinantes para a expansão
• Afonso, Príncipe de Portugal (1475-1491)
do império português. Foi o primeiro rei a assumir o tí-
• De Ana de Mendonça (Moita, Alhos Vedros, c. tulo de Senhor do Comércio, da Conquista e da Navega-
1460): ção da Arábia, Pérsia e Índia. Em 1521, promulgou uma
revisão da legislação conhecida como Ordenações Manu-
• Jorge de Lancastre, 2º Duque de Coimbra elinas, que divulgou com ajuda da recente imprensa. No
(1481) seu reinado, apesar da sua resistência inicial, cumprindo
52 CAPÍTULO 3. SEGUNDA DINASTIA – DE AVIS OU JOANINA

as cláusulas do seu casamento com Dona Maria de Ara- tornara uma espécie de «filho adoptivo»[1]
gão, viria a autorizar a instalação da inquisição em Por-
tugal. Com a prosperidade resultante do comércio, em
particular o de especiarias, realizou numerosas obras cujo 3.6.2 Política externa e descobrimentos
estilo arquitectónico ficou conhecido como manuelino.

3.6.1 Infância e juventude


Constantes surtos de peste negra em Lisboa, capital do
Reino, levaram a corte e a nobreza dos séculos XIV e XV
a instalarem-se em Alcochete, nomeadamente o rei João I
e, em meados do século XV, o seu neto infante Fernando,
Duque de Viseu. Aí, na vila de Alcochete, nasceu em
1469 Manuel, filho de Fernando, Duque de Viseu e de
Beatriz de Portugal.

Esfera armilar, divisa de Manuel I conferida por João II que,


tendo escrito no meridiano “Spera Mundi” foi, mais tarde, in-
terpretada como sinal de um desígnio divino para o reinado de
Manuel, Igreja Matriz da Golegã

Aclamado em 27 de Outubro de 1495, Manuel I pro-


vou ser um sucessor à altura, apoiando os descobrimentos
portugueses e o desenvolvimento dos monopólios comer-
ciais. Durante seu reinado, Vasco da Gama descobriu
o caminho marítimo para a Índia (1498), Pedro Álvares
Cabral descobriu o Brasil (1500), Francisco de Almeida
tornou-se no primeiro vice-rei da Índia (1505) e o almi-
Armas de Manuel I de Portugal, Livro do Armeiro-Mor, 1509
rante Afonso de Albuquerque assegurou o controlo das
rotas comerciais do oceano Índico e golfo Pérsico e con-
Durante a infância e a juventude, assistiu à guerra de
intriga e conspiração entre a aristocracia e o seu primo quistou para Portugal lugares importantes como Malaca,
direito João II, muito cioso do seu poder. Alguns ho- Goa e Ormuz.
mens do seu círculo próximo foram mortos ou exilados, Também no seu reinado organizam-se viagens para
incluindo o seu irmão mais velho Diogo, Duque de Vi- ocidente, tendo-se chegado à Gronelândia e à Terra Nova.
seu, assassinado pelo próprio rei. Sucedeu-lhe como 5º O seu reinado decorreu num «contexto expansionista, já
Duque de Viseu, 5º Senhor da Covilhã e 4º Duque de preparado por seu antecessor - e marcado pela desco-
Beja, 4º Senhor de Moura. Portanto, quando em 1493 berta do caminho marítimo para a Índia em 1498 e pelas
recebeu uma ordem real de comparência no paço, Ma- consequências políticas e económicas que advieram deste
nuel I deveria estar preocupado. Mas o propósito de João facto».[1]
II era nomeá-lo herdeiro da coroa, depois da morte do A extensão de seu reinado «permite surpreender nele
seu filho Afonso de Portugal e das tentativas frustradas uma personagem determinada, teimosa, voluntariosa,
de legitimar o bastardo Jorge de Lencastre. autocrática, detentora de um programa político de poten-
Manuel I ascendeu ao trono em circunstâncias excepcio- ciação do seu poder dotado de uma assombrosa coerên-
nais, sucedendo João II de Portugal em 1495 de quem se cia, posto em prática até ao seu mais ínfimo detalhe.
3.6. MANUEL I DE PORTUGAL 53

Manuel I opta por uma política de expansão indiana e


põe em prática os seus princípios, criando a oportunidade
para a realização da viagem de Vasco da Gama em 1497,
contra, ao que parece, a oposição de parte do seu conse-
lho. Escolhe, ainda, a via da inversão pró-aristocrática,
ou seja, de restauração de privilégios e direitos antes pos-
tos em causa e isto certamente por opção política de
Estado. O rei edifica, igualmente, um Estado que pre-
nuncia em boa medida o absolutismo régio e o governo
iluminado, por contraponto, aliás, ao problemático e agi-
tado centralismo do seu antecessor João II.[1]
Tudo isto contribuiu para a constituição do Império Por-
tuguês, fazendo de Portugal um dos países mais ricos e
poderosos da Europa. Manuel I utilizou a riqueza ob-
tida pelo comércio para construir edifícios reais, no que
se chamaria muito posteriormente estilo manuelino, dos
que são exemplo o Mosteiro dos Jerónimos e a Torre
de Belém. Atraiu cientistas para a corte de Lisboa e
estabeleceram-se tratados comerciais e relações diplomá-
ticas com a China e a Pérsia, além de que, em Marrocos,
realizaram-se conquistas como Safim, Azamor e Agadir.
A sua completa consagração europeia deu-se com a apa-
ratosa embaixada em 1514, chefiada por Tristão da Cu-
nha, enviando ao papa Leão X presentes magníficos
O Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, um dos legados mais exu-
como pedrarias, tecidos e jóias. Dos animais raros, berantes do estilo manuelino.
destacaram-se um cavalo persa e um elefante, chamado
Hanno, doravante mascote do papa, que executava vá-
rias habilidades. Mas uma das inúmeras novidades que sas (1512), o Regimento dos Contadores das Comarcas
encantaram os espíritos curiosos das cortes europeias da (1514), o Regimento das Ordenações da Fazenda (1516)
época terá sido sem dúvida o rinoceronte trazido das Ín- e as Ordenações da Índia (1520). Obras de caráter buro-
dias, que assumiu, então, um papel preponderante na arte crático fundamentais para a administração e organização
italiana. do Reino português.

3.6.3 Política interna Absolutismo de direito divino

Na vida política interna, Manuel I seguiu as pisadas de Em seis gravuras constantes da edição das Ordenações
João II e tornou-se quase num rei absoluto. As cortes fo- de 1514 - a única ilustrada - vemos o rei em majestade,
ram reunidas apenas três vezes durante o seu reinado de portando uma coroa aberta e armadura, ladeado pela sua
mais de vinte e cinco anos, e sempre no paço de Lisboa. divisa, a esfera armilar e pelas armas do Reino, repre-
Manuel I dedicou-se à reforma dos tribunais e do sistema sentada pelo escudo manuelino. Na sua mão direita está
tributário, adaptando-o ao progresso económico que Por- sempre o cetro real, símbolo da justiça, a que se prende
tugal então vivia. uma fita, chamada filactério, onde se lê DEO IN CELO
Analisando-se a sua obra, verifica-se que avulta a tentativa TIBI AVTEM IN MVNDO («A Deus no céu e a ti na
de reforma do reino, «através da criação de instrumentos terra»). É evidente a intenção de representar a ligação
unificadores de carácter estatal, como sejam a publicação entre o terreno e o divino, e lembrar a noção de dualidade
dos Forais Novos, reformando os antigos, a Leitura Nova especular entre uma corte terrena, encabeçada pelo rei e
(1504-1522), a compilação e revisão da legislação, con- uma corte celestial encabeçada por Cristo[3] . Isto reforça
sagrada pelas Ordenações Manuelinas, a reorganização a ligação de Manuel com o messianismo e com a ideia
da Fazenda Pública e a estruturação administrativa daí de um rei enviado por Deus, um escolhido para repre-
decorrente. Com ele organiza-se o Estado moderno».[2] sentar a cristandade ante o novo horizonte que se descor-
Prova de que Manuel foi um rei que se preocupou em pre- tinava com os descobrimentos. E de fato a sua imagem
servar a justiça e a boa ordem do Reino, é que durante seu que passou à História foi a de um rei representante de
reinado não apenas as Ordenações do Reino foram refor- Cristo, Senhor personificado na figura divina da Justiça,
madas, mas também os Forais, a Ordenação e Regimento do “perfeito-monarca” e do “rei arquétipo”[4] .
dos Pesos (1502), o Regimento dos Oficiais das Cidades, O rei era representado como o centro coordenador e a ele
Vilas e Lugares destes Reinos (1504), os Artigos das Si- cabia, na mais alta composição, o mais nobre dos ofí-
54 CAPÍTULO 3. SEGUNDA DINASTIA – DE AVIS OU JOANINA

Iluminura do período manuelino, “Livro 3 Místicos”

Ordenações Manuelinas, xilogravura da edição de 1514, im-


pressa por João Pedro Buonhomini nas instalações de ValentimO Massacre de Lisboa de 1506 foi talvez uma das con-
Fernandes, em Lisboa sequências da política de Manuel I. Seguiram-se as con-
versões forçadas dos judeus e, depois, confiou ao seu em-
baixador em Roma a missão secreta de pedir ao papa, em
cios: ministrar a justiça. Essa ligação entre o terreno
1515, a permissão de estabelecer a Inquisição em Portu-
e o espiritual está também presente no ideal régio que
gal.
é justificado por João de Barros no Panegírico, “porque
sendo Deus perfeita justiça, os reis, que por ele são orde-
nados e cujo poder representam, a ele só em tudo devem Cultura e artes
seguir”[5] . Esse tino requerido para a figura real se faz
necessário para que o povo tenha em seu governante o
Na cultura, Manuel I procedeu à reforma dos Estudos Ge-
“paradigma a seguir em todas as circunstâncias”, sendo
rais, criando novos planos educativos e bolsas de estudo.
para o mesmo, exigido ainda, qualidades que o tornem
Na sua corte surge também Gil Vicente, o pai do teatro
afamado e digno, dentre elas: “temperança, honestidade,
português, e Duarte Pacheco Pereira, o geógrafo, autor
humanidade, comedimento, bondade, fortaleza, lealdade,
do Esmeraldo de Situ Orbis.
prudência, magnanimidade, amor às letras (...) e seus
pensamentos em Deus”[4] . Manuel I morreu em 1521 e encontra-se sepultado no
Mosteiro dos Jerónimos.

Política religiosa
3.6.4 Cultura popular
Manuel I era um homem bastante religioso que investiu
uma boa parte da fortuna do país na construção de igrejas No filme português Camões (1946), de José Leitão de
e mosteiros, bem como no patrocínio da evangelização Barros, foi interpretado pelo actor José Amaro.
das novas colónias através dos missionários católicos.
O seu reinado é lembrado pela perseguição feita a judeus
e muçulmanos em Portugal, particularmente nos anos de 3.6.5 Títulos, estilos, e honrarias
1496 a 1498. Esta política foi tomada por forma a agradar
aos reis católicos, cumprindo uma das cláusulas do seu Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da
contrato de casamento com a herdeira de Espanha, Isabel Coroa Portuguesa
de Aragão.
3.6. MANUEL I DE PORTUGAL 55

Títulos e estilos • Fernando, Duque da Guarda (1507-1534), casado


com Guiomar Coutinho, Condessa de Marialva
• 31 de Maio de 1469 – 21 de Agosto de 1484: Sua
Excelência, Dom Manuel de Beja • Afonso de Portugal, cardeal (1509-1540), arcebispo
de Évora e de Lisboa.
• 21 de Agosto de 1484 – 13 de Julho de 1491: Sua
Excelência, O Duque de Viseu, Duque de Beja, etc. • Maria de Portugal (1511-1513)

• 13 de Julho de 1491 – 25 de Outubro de 1495: Sua • Cardeal Henrique, rei de Portugal (1512-1580), car-
Alteza, O Príncipe Herdeiro de Portugal deal, arcebispo de Braga, de Évora e de Lisboa, In-
quisidor Geral, regente do reino e rei;
• 25 de Outubro de 1495 – 13 de Dezembro de 1521:
Sua Alteza Real, O Rei de Portugal e dos Algarves • Duarte, Duque de Guimarães (1515-1540), casado
com Isabel de Bragança, bisavô de João IV de Por-
O estilo oficial de D. Manuel I enquanto Rei de Portugal, tugal
desde a sua Coroação até 1499:
Pela Graça de Deus, Manuel I, Rei de Portugal e dos Al- • António de Portugal (1516) que viveu poucos dias.
garves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, e Senhor da
Guiné Do terceiro matrimónio, com Leonor da Áustria (1498-
1558), infanta de Espanha, irmã do imperador Carlos V:
Após o regresso de Vasco da Gama da Índia, em 1499, a
titulatura régia é reformulada e atinge a sua plenitude:
Pela Graça de Deus, Manuel I, Rei de Portugal e dos • Carlos de Portugal (1520-1521)
Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhor da • Maria de Portugal (1521-1577), famosa como a
Guiné e da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, mais culta das infantas.
Arábia, Pérsia e Índia, etc.

Honrarias 3.6.7 Ver também


• Descobrimentos Portugueses
Enquanto monarca de Portugal, D. Manuel I foi Grão-
Mestre das seguintes Ordens: • Ordenações Manuelinas

• Ordem dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo • Império Português

• Antiga e Muito Nobre Ordem da Torre e Espada • Árvore genealógica dos reis de Portugal

3.6.6 Descendência 3.6.8 Referências

Do primeiro matrimónio, com Isabel de Aragão, infanta [1] Paulo Pereira, Enciclopédia dos Lugares Mágicos de Por-
de Espanha (1470–1498): tugal, volume IX, página 70

[2] Paulo Pereira, Enciclopédia dos Lugares Mágicos de Por-


• Miguel da Paz (1498-1500), presumível herdeiro tugal, volume IX, página 72
das Coroas de Portugal, Castela e Aragão
[3] GAMA, A. B. As Ordenações Manuelinas, a tipografia e os
descobrimentos: a construção de um ideal régio de justiça
Do segundo matrimónio, com a sua cunhada Maria de no governo do Império Ultramarino português. Artigo na
Aragão, infanta de Espanha (1482-1517), a 30 de Outu- Revista Navigator, acessado em 5 de julho de 2012.
bro de 1500:
[4] MAGALHÃES, Joaquim Romeiro (Coord.). História de
• João III, rei de Portugal (1502-1557) Portugal: no alvorecer da modernidade. Lisboa: Editorial
Estampa, 1997, p. 61.
• Isabel de Portugal (1503-1539), casada com Carlos
[5] BARROS, João de. Panegíricos. Lisboa: Sá da Costa,
V, Imperador da Alemanha que se tornaria mãe de
1937, p. 3-5; Apud: MAGALHÃES, J. R., op. cit.
Filipe II de Espanha;
• Beatriz de Portugal, Duquesa de Sabóia (1504-
1538), casada com Carlos III, Duque de Sabóia; 3.6.9 Bibliografia
• Luís, Duque de Beja (1506-1555), condestável do • Damião de Góis, “Chronica do serenissimo senhor
Reino e Prior da Ordem de S. João de Jerusalém, rei d. Manoel”, Na officina de M. Manescal da
pai do polémico António, prior do Crato; Costa, 1749
56 CAPÍTULO 3. SEGUNDA DINASTIA – DE AVIS OU JOANINA

3.7 João III de Portugal

João III de Portugal (Lisboa, 6 de junho de 1502 —


Lisboa, 11 de junho de 1557) foi o décimo quinto Rei
de Portugal, cognominado O Piedoso ou O Pio pela sua
crença religiosa. Filho do rei Manuel I de Portugal e
D. Maria de Aragâo, sucedeu-lhe em 1521, aos 19 anos.
Herdou um império vastíssimo e disperso, nas ilhas atlân-
ticas, costas ocidental e oriental de África, Índia, Malásia,
Ilhas do Pacífico, China e Brasil. Continuou a política
centralizadora do seu pai. Durante o seu reinado foi obri-
gado a negociar as Molucas com Espanha, no tratado de
Saragoça, adquiriu novas colónias na Ásia - Chalé, Diu,
Bombaim, Baçaim e Macau e um grupo de portugueses
chegou pela primeira vez ao Japão em 1543, estendendo
a presença portuguesa de Lisboa até Nagasaki. Para fazer
face à pirataria iniciou a colonização efectiva do Brasil,
que dividiu em capitanias hereditárias, estabelecendo o
governo central em 1548. Ao mesmo tempo, abandonou
diversas cidades fortificadas em Marrocos, devido ao cus-
tos da sua defesa face aos ataques muçulmanos. Extrema-
mente religioso, permitiu a introdução da inquisição em
Portugal em 1536, obrigando à fuga muitos mercadores
judeus e cristãos-novos, forçando o recurso a emprésti-
mos estrangeiros. Inicialmente destacado entre as potên- D. João, enquanto Príncipe Herdeiro, no Tríptico dos Infantes;
cias europeias económicas e diplomáticas, viu a rota do Mestre da Lourinhã, 1516.
Cabo fraquejar, pois a rota do Levante recuperava, e em
1548 teve de mandar fechar a feitoria Portuguesa de An-
tuérpia. Viu morrer os dez filhos que gerou e a crise ini- Sucedeu em 1521 ao pai, morto no auge de seu poder aos
ciada no seu reinado amplificou-se sob o governo do seu 52 anos de idade, que reinara 26 anos. Dom João III,
neto e sucessor, o rei Sebastião de Portugal. aos 19 anos, foi aclamado a 22 de dezembro, no alpendre
da igreja de São Domingos. Jovens dominavam então a
dinâmica cena europeia: a viúva de seu pai tinha 23 anos,
o imperador Carlos V, 22 anos, Francisco I de França, 28
3.7.1 Dados biográficos iniciais anos, Henrique VIII da Inglaterra tinha 31 anos.

Nascido em Lisboa, era filho do rei Manuel I de Portugal Manteve a equipe governante do pai: o conde de Ta-
rouca, Dom João de Meneses; o conde de Vila Nova (hoje
e de Maria de Aragão, princesa de Espanha, filha dos Reis
Católicos. Na câmara da Rainha, parturiente, Gil Vicente Portimão) Dom Martinho de Castelo Branco; o primeiro
conde de Vimioso, Dom Francisco de Paula de Portugal
em trajes de vaqueiro representou a sua primeira peça, o
Auto da Visitação ou Monólogo do Vaqueiro. O batismo e Castro; o segundo barão de Alvito, Dom Diogo Lobo,
e António Carneiro, secretário de Dom Manuel desde
em 15 de junho foi realizado na capela de São Miguel
do Paço da Alcáçova, tendo como padrinho o doge de 1509.
Veneza, Leonardo Loredan, representado por Pero Pas- Ascendeu ao trono quando Portugal possuía cidades for-
quaglio. Foram madrinhas uma tia paterna, a Rainha tificadas no Norte de África e os seus marinheiros ti-
Dona Leonor, viúva de Dom João II, e a avó paterna, a nham navegado nos oceanos Atlântico, Índico e Pacífico,
infanta Dona Beatriz, duquesa de Beja. Nas Cortes a se- espalhando-se pelas ilhas atlânticas, pelas costa ociden-
guir convocadas para 15 de agosto, o príncipe foi jurado tal e oriental de África, Índia, Malásia, Ilhas do Pacífico
herdeiro. e possivelmente Austrália, China e Brasil. Destacava-se
Educado em Latim e nos clássicos pelo bispo de Viseu, o entre as potências europeias do ponto de vista económico
castelhano Diogo Ortiz de Villegas, que morreu em 1519, e diplomático, mas o país não chegava a um milhão e
e depois por Luís Teixeira, que lhe ensinou Direito Ci- meio de habitantes. Durante o seu reinado Portugal ad-
vil, pelo clérigo Tomás de Torres, que lhe deu noções de quiriu novas colónias na Ásia - Chalé, Diu, Bombaim,
matemática, astronomia e geografia, e por João de Me- Baçaim e Macau.
nelau, grego. Teve casa própria após a morte da mãe em António Mota, Francisco Zeimoto e António Peixoto
1517. Iria casar com Leonor de Áustria, que depois foi chegaram ao Japão sendo os primeiros europeus a visi-
escolhida terceira mulher do próprio pai, apesar de ser tar este arquipélago. Começou a colonização do Brasil.
noiva destinada ao filho. Ao mesmo tempo deu-se o abandono de algumas cidades
3.7. JOÃO III DE PORTUGAL 57

fortificadas em Marrocos, como Safim, Azamor, Arzila, nha de Carlos V e o Império Otomano, que tomou Buda
Aguz e Alcácer-Ceguer, devido ao custos da sua defesa e cercou Viena em 1529. Tudo isso em meio à proli-
contra os ataques dos xerifes muçulmanos. João III era, feração de peste, maus anos agrícolas, instabilidade me-
no entanto, extremamente religioso, o que o tornou sub- teorológica, até o grande terremoto de Lisboa de 26 de
serviente ao poder da igreja e permeável à introdução janeiro de 1531. Como governante coube-lhe a gestão de
da inquisição em 1536, pois o movimento luterano era várias crises: crise financeira, ameaça protestante, perigo
já uma realidade europeia. As consequências sociais fo- turco, concorrência francesa e inglesa no império, crises
ram desastrosas, pois provocou insegurança nos cristãos no estado da Índia, peso da vizinhança demasiado forte
novos, obrigando à fuga muitos mercadores judeus, for- de Carlos V.
çando o recurso a empréstimos estrangeiros. Dom João preocupou-se efetivamente com o pleno do-
Com a Inglaterra intensificam-se as relações comerciais, o mínio do Brasil, que dividiu em capitanias-donatárias, as
mesmo acontecendo com os países do Báltico e Flandres. conhecidas capitanias hereditárias, estabelecendo um go-
Teve como amigo e conselheiro António de Ataíde, 1.º verno central em 1548. «Foi o verdadeiro criador do Bra-
Conde da Castanheira, que fez embaixador em Paris e que sil, que rapidamente se tornou o elemento fundamental do
viria a aconselhar na criação do sistema de Capitanias- império português, assim o sendo até o início do século
hereditarias no Brasil em 1534. XIX» (Paulo Drumond Braga, op. cit, pg 145).

3.7.2 Reavaliação do Império 3.7.3 Panorama do reinado

Herdou «um império vastíssimo mas demasiado dis-


perso», de modo que o reavaliou com ajuda de conselhei-
ros, abandonando o projeto imperial de seu pai. O novo
homem forte dos assuntos relativos à expansão marítima
passou a ser Vasco da Gama, que se incompatibilizara
com Dom Manuel, nomeado em 1524 vice-rei da Índia,
onde morreu.
Em 1541, um acontecimento precipitou a sua decisão,
pois perdeu Santa Cruz de Cabo de Gué. Os xeri-
fes do norte da África em 1518 haviam proclamado a Mapa do Império Português no reinado de D. João III
guerra santa contra o infiel, apoderando-se em 1524 de
Marraquexe (em 1549, finalmente, retomaram Fez). Cer- Houve sem dúvida um ar de renovação cultural no seu
caram Safim em 1533, forçando Dom João a abando- reinado, preponderante na afirmação do renascimento
nar Azamor, Safim, Alcácer Céguer, Arzila. Havia ao português. Na literatura apareceu o poeta mais conhe-
mesmo tempo crise no estado da Índia, descrito como cido mundialmente Luís Vaz de Camões, como também
«um conjunto de territórios, estabelecimentos, bens, pes- Garcia de Resende, Sá de Miranda, Bernardim Ribeiro e
soas e interesses, administrados, geridos ou tutelados pelaJoão de Barros. Na náutica surgiu Pedro Nunes, na bo-
Coroa portuguesa no Oceano Índico e mares adjacentes tânica Garcia da Orta, na arquitetura Francisco de Ho-
ou nos territórios ribeirinhos, do cabo da Boa Esperança landa, Miguel de Arruda, João de Castilho. Outros no-
ao Japão» (Luiz Filipe Thomaz). No Índico surgira o pe- mes foram Luís Vives, André de Resende, Damião de
rigo otomano, estimulando os chefes locais a lutarem con- Góis, João de Ruão e Nicolau de Chanterene. Erasmo
tra os portugueses. Pacém e Calecute foram abandona- de Roterdão dedicou-lhe uma das suas obras e o rei teria
dos. Economicamente a rota do Cabo começava a fraque- pensado em contratá-lo para professor da nova universi-
jar, pois a rota do Levante recuperava lentamente. Em dade de Coimbra, criada em 1537. No seu reinado, a
1548, D. João III mandou fechar a feitoria de Antuérpia. conselho de Diogo de Gouveia, criou numerosas bolsas
Havia concorrência castelhana no Extremo Oriente e Pa- de estudo no estrangeiro, enviando cerca de 300 bolsei-
cífico mas o maior perigo vinha de outras potências como ros para França,[1] e fundou o Real Colégio das Artes e
a França. Humanidades em Coimbra. Foi também o responsável
Foi, entretanto, um rei que geriu muitas crises - a finan- pela vinda dos missionários Jesuítas, uma ordem recém
ceira, pois no seu reinado as despesas ordinárias da Co- formada, que teria um papel determinante no contexto
roa incluíam tenças, moradias, benesses pias, ordenados, do padroado português em todo o império português.
obras públicas, universidade, obras em Belém e em To- João III era, no entanto, extremamente religioso, o que
mar, houve dotes a pagar, a compra do arquipélago do o tornou subserviente ao poder da igreja e permeável à
Maluco, socorros às praças do Norte da África, as ar- introdução da inquisição em 1536, pois o movimento lu-
madas à Índia, a defesa das costas do Brasil e África, a terano era já uma realidade europeia. As consequências
aquisição de trigo nos anos maus. Crise política, pois seu sociais foram desastrosas, pois provocou insegurança nos
reinado assistiu à emergência de duas potências, a Espa- cristãos novos, obrigando à fuga muitos mercadores ju-
58 CAPÍTULO 3. SEGUNDA DINASTIA – DE AVIS OU JOANINA

deus, forçando o recurso a empréstimos estrangeiros. enorme bondade, a lentidão na tomada de decisões, a dis-
Continuou a política centralizadora e absolutista do seu simulação no relacionamento com os súbditos ou como
pai, convocando apenas três cortes em períodos bem es- arma diplomática, a piedade (recebeu do papa em dezem-
paçados: 1525, 1535 e 1544. A estagnação que caracte- bro de 1525 a 'rosa de ouro'). Filho de um génio político,
rizou seu reinado amplificou-se sob seu neto e sucessor, Dom Manuel I de Portugal, foi neto de dois outros, os
o rei Sebastião de Portugal. Reis Católicos de Espanha.
A sua imagem foi atacada no século XIX, acusado por
Afirma-se que a sua alegada neutralidade era na verdade
política de apoio ao cunhado, o imperador Carlos V, e Alexandre Herculano de homem medíocre, inábil, faná-
que teria mesmo pensado em uma união ibérica, o que é tico, «inábil para governar por si próprio». Defendido por
indefensável face às teorias atuais. Sempre desejou cla- uma biografia importante escrita em 1936 por Alfredo
ramente a independência de Portugal, pois jamais fechou Pimenta, acrítico, visões menos apaixonadas surgiram na
as portas à França, à Inglaterra e até à Polónia. Foi, entre- década de 1960 em textos de Joaquim Veríssimo Serrão,
tanto, um rei que geriu muitas crises - a financeira, pois Borges de Macedo, Silva Dias e Romero de Magalhães.
no seu reinado as despesas ordinárias da Coroa incluíam
tenças, moradias, benesses pias, ordenados, obras públi- 3.7.4 Abdicação de D. Joana de Castela
cas, universidade, obras em Belém e em Tomar, houve
dotes a pagar, a compra do arquipélago das Molucas, so- A 20 de Julho de 1530, por escritura pública na corte,
corros às praças do Norte da África, as armadas à Índia, a sua prima D. Joana de Castela, viúva de D. Afonso V,
a defesa das costas do Brasil e África, a aquisição de trigo abdicou dos seus direiros ao Trono de Castela a seu favor,
nos anos maus. Crise política, pois o seu reinado assistiu para evitar que esses direitos caíssem na posse dos Reis
à emergência de duas potências, a Espanha de Carlos V Católicos.[carece de fontes?]
e o Império Otomano, que tomou Buda e cercou Viena
em 1529. Tudo isso no meio de proliferação de peste,
maus anos agrícolas, instabilidade meteorológica, e até o 3.7.5 Títulos, estilos, e honrarias
grande terremoto de Lisboa de 26 de janeiro de 1531.
Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da
Coroa Portuguesa

Títulos e estilos

• 6 de junho de 1502 – 13 de dezembro de 1521: Sua


Alteza, O Príncipe Herdeiro de Portugal
• 13 de dezembro de 1521 – 11 de junho de 1557:
Sua Alteza Real, O Rei de Portugal e dos Algarves

O estilo oficial de D. João III enquanto Rei de Portugal:


Pela Graça de Deus, João III, Rei de Portugal e dos Algar-
ves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhor da Guiné e
da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia,
Pérsia e Índia, etc.

Honrarias

Enquanto monarca de Portugal, D. João III foi Grão-


Mestre das seguintes Ordens:

• Ordem dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo


Estátua de Dom João III, Coimbra. • Ordem de São Bento de Avis (incorporada pela Co-
roa em 1551)
Adoeceu após 1550, e teve grave doença perigosa em
1555. Morreu dois anos depois de acidente vascular ce- • Antiga, Nobilíssima e Esclarecida Ordem de
rebral, ou apoplexia, em Lisboa, estando sepultado no Sant'Iago da Espada (incorporada pela Coroa em
Mosteiro dos Jerónimos. 1551)
Psicologicamente, foram características pessoais a sua • Antiga e Muito Nobre Ordem da Torre e Espada
3.8. SEBASTIÃO DE PORTUGAL 59

3.7.6 Descendência 3.7.8 Referências


• Da mulher Catarina da Áustria, infanta de Espanha [1] Donald F. Lach. In: University of Chicago Press. Asia
(1507 - 1578) irmã mais nova do imperador Carlos in the making of Europe: Volume II, A century of wonder
V, com quem casou (desposórios em Tordesilhas, 10 (em inglês). [S.l.: s.n.]. ISBN 0226467333
de agosto de 1525) teve nove filhos, tendo a infeli- [2] Lencastre, “O Bastardo do Piedoso”
cidade de os ver morrer todos, muitos por epilepsia.
• Afonso, Príncipe de Portugal (1526) nascido
quando a corte estava em Almeirim, a 24 de 3.7.9 Bibliografia
fevereiro e falecido em Junho do mesmo ano
«D. João III», por Paulo Drummond Braga, Hugin Edito-
em Santarém, de grave doença na cabeça.
res Ltda. 2002. Em cuja contracapa se lê: «Dom João III
• Maria Manuela, princesa de Portugal (15 de (1502 - 1557) foi rei de Portugal durante mais de 30 anos
outubro de 1527 - 1545) casou com Filipe II (1521 - 1557). Homem indubitavelmente bondoso, pro-
de Espanha e morreu de parto. positadamente lento na tomada das decisões, sem pressa
• Isabel, Infanta de Portugal (29 de abril de nas mudanças profundas, dissimulado no relacionamento
1529) rapidamente morta em 23 de julho do com os súbditos e com as potências estrangeiras, persis-
mesmo ano. tente, por vezes obstinado, muito prudente e cauteloso,
• Beatriz, Infanta de Portugal (1530 - 1 de plenamente consciente da sua função de rei, cioso da
agosto de 1531); sua autoridade, extremamente piedoso, talvez até mesmo
• Manuel, Príncipe de Portugal (1 de novembro para os padrões da época. Mas foi também um homem
de 1531 - 14 de abril de 1537), herdeiro em capaz de se divertir e com um apurado sentido de hu-
1535. mor. Em termos pessoais foi alguém muito infeliz, que
viu morrer os dez filhos que gerou e seis dos oito irmãos
• Filipe, Príncipe de Portugal (25 de maio de
com quem conviveu. Como governante coube-lhe a ges-
1533 - 29 de abril de 1539), herdeiro em 1537.
tão de várias crises: crise financeira, ameaça protestante,
• Dinis, Infante de Portugal (16 de abril de 1535
perigo turco, concorrência francesa e inglesa no império,
- 1 de janeiro de 1537). crises no estado da Índia, peso da vizinhança demasiado
• João Manuel, Príncipe de Portugal (3 de junho forte de Carlos V. A forma como agiu em tudo isto teve
de 1537 - 1554), herdeiro em 1539. Deixou sempre como base uma grande dose de sensatez e de rea-
grávida sua mulher, Dona Joana, que dias de- lismo que, entre outras coisas, se traduziu na aposta cer-
pois deu à luz o rei Dom Sebastião de Portugal.
teira no Brasil, rapidamente tornado o elemento funda-
• António, Infante de Portugal (9 de março de mental do império português, papel que desempenharia
1539 - 20 de janeiro de 1540) durante cerca de dois séculos e meio. Assim, quando se
fala da extraordinária e inigualável visão política e geo-
• Filhos naturais gerados antes do casamento, de Isa- estratégica de Dom João II, não se pode, em paralelo, ol-
bel Moniz, moça da câmara da Rainha Dona Leo- vidar a de Dom João III, verdadeiro «fundador» do Bra-
nor, viúva de Dom João II, e filha de um alcaide de sil.»
Lisboa apelidado “o Carranca”[2] :
• Manuel de Portugal, tido em 1521, natimorto 3.7.10 Ligações externas
• Duarte, Infante de Portugal, tido em 1523.
Passou os seus primeiros anos em Sintra no • Árvore genealógica dos reis de Portugal
mosteiro de Penhalonga. Foi arcebispo de
Braga. Permaneceu no mosteiro da Costa em
estudos até 1542. Em 1542 o rei autorizou- 3.8 Sebastião de Portugal
o a visitá-lo na corte. Homem extremamente
culto, traduziu para o latim a maior parte da Sebastião I de Portugal (Lisboa, 20 de janeiro de 1554
Crónica de Dom Afonso Henriques de Duarte — Alcácer-Quibir, 4 de agosto de 1578) foi o décimo
Galvão. Recebeu do Papa Paulo III a Sé sexto rei de Portugal, cognominado O Desejado por ser
de Braga, onde entrou em 12 de agosto de o herdeiro esperado da Dinastia de Avis, mais tarde no-
1543. Faleceu a 10 de novembro deste ano, meado O Encoberto ou O Adormecido. Foi o sétimo rei
de varíola. da Dinastia de Avis, neto do rei João III de quem herdou
o trono com apenas três anos. A regência foi assegurada
pela sua avó Catarina de Áustria e pelo Cardeal Henrique
3.7.7 Cultura popular
de Évora.
No filme português Camões (1946), de José Leitão de Aos 14 anos assumiu a governação manifestando grande
Barros, foi interpretado pelo ator João Villaret. fervor religioso e militar. Solicitado a cessar as amea-
60 CAPÍTULO 3. SEGUNDA DINASTIA – DE AVIS OU JOANINA

ças às costas portuguesas e motivado a reviver as gló- II de Castela,[Nota 1] pelo qual, caso não houvesse suces-
rias da chamada Reconquista (século X - 1492), decidiu a sores, o reino passaria ao filho desta união, Dom Carlos,
montar um esforço militar em Marrocos, planeando uma ocorrendo a união com Castela, que os portugueses sem-
cruzada após Mulei Mohammed ter solicitado a sua ajuda pre abominaram.[2]
para recuperar o trono. A derrota portuguesa na batalha O arcebispo de Lisboa, D. Fernando de Meneses Couti-
de Alcácer-Quibir em 1578 levou ao desaparecimento de nho e Vasconcelos, ordenou que, assim que começassem
D. Sebastião em combate e da nata da nobreza, iniciando as dores de parto, avisassem à Sé, para que fosse feita
a crise dinástica de 1580 que levou à perda da indepen- uma procissão de fé. Dezoito dias depois da morte do
dência para a dinastia Filipina e ao nascimento do mito
príncipe, a princesa começou a sentir as dores, na noite
do Sebastianismo. do dia 19 para o dia 20 de janeiro. De madrugada chegou
o aviso, e o povo que afluiu à Igreja de São Domingos foi
3.8.1 Nascimento tamanho que várias pessoas ficaram de fora, indo padres
a pregar do lado de dentro e outros a pregar do lado de
fora.[2]
Na manhã do sábado, dia 20 de janeiro de 1554, nasceu o
príncipe, e foi dada a notícia do nascimento d'O Desejado,
recebida com orações de agradecimento a Deus.[3]
Em 27 de janeiro, ao oitavo dia, ele foi baptizado pelo
Cardeal-Infante D. Henrique, irmão do rei Dom João, e
recebeu o nome de São Sebastião, por causa do dia em
que havia nascido, sendo seus padrinhos o rei e a rainha,
seus avôs.[4]
Em virtude de ser um herdeiro tão esperado para dar con-
tinuidade à Dinastia de Avis, ficou conhecido como O De-
sejado; alternativamente, é também memorado como O
Encoberto ou O Adormecido, devido à lenda que se refere
ao seu regresso numa manhã de nevoeiro, para salvar a
Nação.

3.8.2 Regência
Com dois anos de idade, seu avô, o rei, enfermo, chamou-
o à sua presença, para brincar. Quando o rei pediu água,
trouxeram dois copos, um, fechado, para o rei e ou-
tro aberto para Sebastião. Vendo isto, o menino come-
çou a chorar, querendo um copo como o do avô, que
comentou:[5]
Iluminura de D. Sebastião recém-nascido, na obra Sentenças
para a Ensinança e Doutrina do Príncipe, datada de 1554. Cedo quereis reinar.

Era filho do príncipe Dom João e de Dona Joana de Áus- No ano seguinte, em 11 de junho de 1557, morreu o rei
tria, Seus avós paternos eram o rei de Portugal Dom João Dom João III. Sebastião tornou-se rei com três anos, qua-
III e a Rainha Dona Catarina. Seus avós maternos eram tro meses e vinte e dois dias de idade.[5]
o imperador Carlos V e a Imperatriz Dona Isabel. Dona Durante a sua menoridade, a regência foi assegurada pri-
Isabel era irmã de Dom João III.[1] meiro pela sua avó, a rainha Catarina de Áustria, viúva de
O príncipe Dom João morreu em 2 de janeiro de 1554, D. João III,[6] e depois pelo tio-avô, o Cardeal Henrique
deixando todo o reino com sobressaltos, pois Dom Se- de Évora, (23 de Dezembro de 1562[7] −1568). Neste
bastião ainda estava no ventre da sua mãe, Dona Joana, período, para além da aquisição de Macau em 1557 e
que era prima de Dom João. Dom João foi o único fi- Damão em 1559, a expansão colonial foi interrompida.
lho sobrevivente dos nove que Dom João III havia tido, A premência era a conjugação de esforços para preser-
e a sucessão do reino passou a depender do sucesso do var, fortalecer e defender os territórios conquistados.
parto.[1] Durante a regência de D. Catarina e do cardeal D. Henri-
O problema que ocorria em Portugal não era a falta de que e o curto reinado de D. Sebastião, a Igreja continuou a
herdeiros, mas por causa do contrato de casamento de sua ascensão ao poder. A actividade legislativa centrou-
Dona Maria, irmã do príncipe defunto, com Dom Felipe se em assuntos do foro religioso, como por exemplo a
3.8. SEBASTIÃO DE PORTUGAL 61

cito português ao desastre de Alcácer-Quibir e à própria


morte ou desaparecimento do rei.

3.8.3 Motivos da Intervenção em Marro-


cos

Com a reconquista de Tunis em 1574, aos Turcos faltaria ape-


nas Marrocos para dominarem por completo o norte de África,
Retrato inédito de D. Sebastião I, por Alonso Sánchez Coello, ameaçando depois uma entrada na Península Ibérica.
1562. Estava na Áustria, no castelo Schönberg, mas errada-
mente identificado com um nobre austríaco.
D. Sebastião começou a preparar a “Jornada de África”,
onde Filipe II de Espanha, seu tio, recusou participar, en-
viando apenas uma pequena pequena força que fez parte
consolidação da Inquisição e sua expansão até à Índia, a do Terço de Espanhóis e Italianos.
criação de novos bispados na metrópole e nas colónias.
A única realização cultural importante foi o estabeleci- O nexo da intervenção em Alcácer-Quibir é claramente
mento de uma nova universidade em Évora – e também explicado em carta do próprio D. Sebastião a D. João de
aqui a influência religiosa na corte se fez sentir, pois foi Mendonça em 1576, onde manifesta preocupação cres-
entregue aos Jesuítas. cente sobre a ameaça dos turcos que fariam Mulei Mo-
luco um seu vassalo, ameaçando as praças portuguesas
Investiu-se muito na defesa militar dos territórios. Na em Marrocos, e o próprio regresso dos andaluzes do
rota para o Brasil e a Índia, os ataques dos piratas eram Reino de Granada a Espanha:
constantes e os muçulmanos ameaçavam as possessões
em Marrocos, atacando, por exemplo, Mazagão em 1562.
Procurou-se assim proteger a marinha mercante e cons- Não é somente para dar a posse daquele
truir ou restaurar fortalezas ao longo do litoral. Reino ao tio do Xarife, mas principalmente com
o fundamento de o fazerem tributário e vassalo
Os bastiões no Norte de África, pouco interessantes em do Turco, e o Turco se fazer Senhor de toda
termos comerciais e estratégicos, eram autênticos sor- África, e de todos os portos de mar dela, tendo
vedouros de dinheiro, sendo necessário importar quase em cada uma delas muitas galés que lhes será
tudo, além do que, sujeitos a constantes ataques, custa- fácil de pôr em efeito. Assim, pela natureza da
vam muito em armamento e homens. Assim, Filipe II em mesma terra, como por seu grande poder, que
1589 viria prudentemente a devolver aos mouros Arzila, quando assim acontecesse, o que Deus não per-
oferecida a D. Sebastião em 1577 por Mulei Mohammed. mita, visto é quantos males sem remédio pode-
Filipe II retirou-se. riam recrescer a toda espanha, que da Cristan-
De facto, a preservação das praças em Marrocos devia- dade se pode dizer que é hoje a melhor e maior
se sobretudo à questão de prestígio e tradição. O jovem parte, e com este intento queria que não somente
rei cresceu educado por Jesuítas e tornou-se num adoles- cuidareis nesta matéria e a discorrereis para me
cente de grande fervor religioso, embora a sua falta de nela dardes parecer e conselho no que farei e
experiência militar e política viesse a conduzir o exér- devo fazer (...)[8]
62 CAPÍTULO 3. SEGUNDA DINASTIA – DE AVIS OU JOANINA

Dois anos antes, em 1574, os turcos tinham reconquis- imagem semelhante à que o Rei Artur tem em Inglaterra
tado Tunis, e eram senhores de todo o norte de África, ou Frederico Barbarossa na Alemanha.
exceptuando Marrocos, cujo controlo do reino se decidia Durante o subsequente domínio espanhol (1580-1640) da
na disputa entre Mulei Mohammed (o Xarife deposto), e coroa portuguesa, quatro pretendentes afirmaram ser o rei
o seu tio Mulei Moluco, que contava com o apoio turco. D. Sebastião, tendo o último deles – o calabrês Marco
O Xarife pediu o apoio a D. Sebastião, e o rei partiu para Tulio Catizone – sido enforcado em 1603.
a “Jornada de África”, que se decidiria na Batalha de Al-
cácer Quibir. Já em fins do século XIX, no sertão da Bahia, no Brasil,
camponeses sebastianistas acreditavam que o rei iria re-
gressar para ajudá-los na luta contra a “república ateia
3.8.4 Desaparecimento e Lenda brasileira”, durante a chamada Guerra de Canudos. O
mesmo repetiu-se no sul do Brasil, no episódio da Guerra
Na batalha de Alcácer-Quibir, o campo dos três reis, os do Contestado.
portugueses sofreram uma derrota às mãos do sultão Abd
al-Malik (Mulei Moluco) e perderam uma boa parte do
seu exército. Quanto a D. Sebastião, morreu na batalha Teorias e dados sobre o desaparecimento
ou foi morto depois desta terminar. Conta-se que, ao ser
aconselhado a render-se, e a entregar a sua espada aos Dentre incontáveis especulações e investigações de vários
vencedores, o rei se tenha recusado com altivez, dizendo: autores, a historiadora Maria Luísa Martins da Cunha de-
"A liberdade real só há de perder-se com a vida." [9] Fo- fende, em dezembro de 2011, no terceiro volume do livro
ram as suas últimas palavras, e é-nos dito que ao ouvi-las, ‘Grandes Enigmas da História de Portugal', que o rei D.
“os cavaleiros arremeteram contra os infieis; D. Sebas- Sebastião sobreviveu à batalha de Alcácer-Quibir e rea-
tião seguiu-os e desapareceu aos olhos de todos envolto pareceu no ano de 1598 em Itália, onde foi mais tarde
na multidão, deixando ... a posteridade duvidosa ácerca preso em Veneza, Florença e Nápoles, com a cumplici-
do seu verdadeiro fim.” [10] Há quem defenda, por outro dade dos espanhóis. Segundo a mesma historiadora, o
lado, que o seu corpo tenha sido enterrado logo em Ceuta, corpo do rei encontra-se sepultado na capela de São Se-
“com toda a solemnidade”.[11] Mas para o povo português bastião, no Convento dos Agostinhos de Limoges.[12]
de então o rei havia apenas desaparecido. Este desastre Na verdade, já o historiador Faria e Sousa reportara tes-
teria as piores consequências para o país, colocando em temunhos, como o de D. Luís de Brito, que afirmavam ter
perigo a sua independência. O resgate dos sobreviventes visto no final da batalha o rei à distância sem ser perse-
ainda mais agravou as dificuldades financeiras do país. guido. Brito encontrou-o posteriormente, em direção ao
rio, e segundo o historiador esta foi a última vez que ele
foi visto vivo.
O documento "Relação da Batalha de Alcácer que man-
dou um cativo ao Dr. Paulo Afonso” [13] , termina infor-
mando que o Rei se retirou, e que a batalha terminou sem
nenhum lado declarar vitória:

Neste tempo vendo El Rei que estava na van-


guarda o seu campo desbaratado, se veio reco-
lhendo pela banda do Duque de Aveiro, e o se-
guiu alguma gente de cavalo e a pé, cuidando
que ia fazendo uma ponta para volver sobre os
mouros, viu o campo já tão desbaratado que se
retirou. Durou a batalha quatro horas sem se
Batalha de Alcácer-Quibir, 1578. in: Miscellanea (Miguel Lei-
declarar a vitória.
tão de Andrade, 1629.).

Em 1582, Filipe I de Portugal mandou transladar para o Prisioneiro de Veneza O caso do estranho em Ve-
Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, um corpo que ale- neza, mencionado acima, que vinte anos depois aparecera
gava ser o do rei desaparecido, na esperança de acabar declarando-se Sebastião, rei de Portugal, é o de maior
com o sebastianismo, o que não resultou, nem se pôde interesse. Ele chegou a ser aceite pelos portugueses da
comprovar ser o corpo realmente o de Sebastião I. O Tú- cidade como seu senhor soberano, por se parecer tão
mulo de Mármore, que repousa sobre dois elefantes, pode perfeitamente com Sebastião. João de Castro, neto do
ainda hoje ser observado em Lisboa. homónimo vice-rei da Índia e filho do diretor de finanças
Tornou-se então numa lenda do grande patriota português no reinado de D. Sebastião, defendeu e apoiou este estra-
– o “rei dormente” (ou um Messias) que iria regressar nho de Veneza, anunciando ao mundo que o rei não mor-
para ajudar Portugal nas suas horas mais sombrias, uma reu no seu Discurso da vida do sempre bem-vindo e apa-
3.8. SEBASTIÃO DE PORTUGAL 63

recido Dom Sebastião,[14] publicado em 1598, enquanto • Antiga, Nobilíssima e Esclarecida Ordem de
que Sebastião Figueira, uma das várias testemunhas que Sant'Iago da Espada
atestaram terem visto D. Sebastião sair vivo da batalha
– afirmando mesmo ter saído dela com o rei – também o • Antiga e Muito Nobre Ordem da Torre e Espada
diz ter reconhecido em Veneza.[12] O Papa Clemente VIII
mandara, por conselho de cardeais em conclave, que o
pretendido rei aparecesse em Roma, onde a sua pretenção 3.8.6 Cultura popular
seria examinada; e chegando-se em conclave à conclusão,
após cuidadas investigações, que era ele o verdadeiro D. D. Sebastião é personagem principal nos romances his-
Sebastião, escreve o Papa a Filipe III de Espanha, o en- tóricos "O Desejado", do escritor brasileiro Aydano Ro-
tão senhor da coroa e do Reino de Portugal, exigindo a riz (2002-Brasil; 2003-Portugal), e "D. Sebastião e o Vi-
devolução do dito Reyno ao Rey D. Sebastião, "sob pena dente" de Deana Barroqueiro.
de excommunhão mayor".[15] Filipe responde acusando o Poema “D. Sebastião, Rei de Portugal”, em Mensagem
pretendente “impostor” de vários crimes e, por intermé- (1934), de Fernando Pessoa:
dio do seu embaixador em Veneza, manda-o prender. Foi
formado um comité de nobres, que o examinaram 28 ve- Louco, sim, louco, porque quiz grandeza
zes, mas ele conseguiu-se ilibar de todas as acusações.[16] Qual a Sorte a não dá.
O pretendente mostrou marcas naturais no seu corpo, que Não coube em mim minha certeza;
muitos se lembravam serem de D. Sebastião, e revelou Porisso onde o areal está
segredos de conversas entre embaixadores de Veneza no Ficou meu ser que houve, não o que ha.
palácio de Lisboa, o que deixou atónitos os examinado-
res, e facilitou a sua libertação – sob a condição de ter que Minha loucura, outros que me a tomem
abandonar aqueles domínios em três dias. Na sua fuga Com o que nella ia.
caiu nas mãos dos Espanhóis, que em Nápoles o maltra- Sem a loucura que é o homem
taram, humilharam em público, e o embarcaram como Mais que a besta sadia,
escravo. Defendiam os espanhóis, que aquele sofredor Cadaver addiado que procria?
era um mágico, mas tal justificação foi vista como um re-
conhecimento tácito da verdade das suas pretenções.[17]
3.8.7 Descoberta de retratos perdidos

3.8.5 Títulos, estilos, e honrarias

Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da


Coroa Portuguesa

Títulos e estilos

• 20 de Janeiro de 1554 – 11 de Junho de 1557: Sua


Alteza Real, O Príncipe Herdeiro de Portugal
• 11 de Junho de 1557 – 4 de Agosto de 1578: Sua
Majestade, O Rei de Portugal e dos Algarves

O estilo oficial de D. Sebastião enquanto Rei de Portugal:


Pela Graça de Deus, Sebastião I, Rei de Portugal e dos
Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhor da
Guiné e da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia,
Arábia, Pérsia e Índia, etc.

Honrarias

Enquanto monarca de Portugal, D. Sebastião foi Grão-


Mestre das seguintes Ordens: Retrato d'El Rei Dom Sebastião por Alonso Sánchez Coello.

• Ordem dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo Em novembro de 2010 foi encontrado na Áustria um re-
trato do rei, dado como desaparecido há 400 anos. O
• Ordem de São Bento de Avis quadro estava no Castelo Schönberg, mas o protagonista
64 CAPÍTULO 3. SEGUNDA DINASTIA – DE AVIS OU JOANINA

era identificado como sendo um nobre austríaco. A obra de saudosa memoria (1737), Livro I, De Sua Infância, Ca-
é da autoria de Alonso Sánchez Coello e foi pintada na pítulo Primeiro, Do nascimento, batismo, e aclamação del
corte portuguesa em 1562.[18] Rey D. Sebastião, de outros sucessos notáveis deste tempo,
p.1 [google books]

[2] José P. Bayam, Portugal cuidadoso, e lastimado com a


Vida, e Perda do Senhor Rey Dom Sebastião, o desejado
de saudosa memoria (1737), Livro I, De Sua Infância, Ca-
pítulo Primeiro, Do nascimento, batismo, e aclamação del
Rey D. Sebastião, de outros sucessos notáveis deste tempo,
p.2

[3] José P. Bayam, Portugal cuidadoso, e lastimado com a


Vida, e Perda do Senhor Rey Dom Sebastião, o desejado
de saudosa memoria (1737), Livro I, De Sua Infância, Ca-
pítulo Primeiro, Do nascimento, batismo, e aclamação del
Rey D. Sebastião, de outros sucessos notáveis deste tempo,
p.2s

[4] José P. Bayam, Portugal cuidadoso, e lastimado com a


Vida, e Perda do Senhor Rey Dom Sebastião, o desejado
de saudosa memoria (1737), Livro I, De Sua Infância, Ca-
pítulo Primeiro, Do nascimento, batismo, e aclamação del
Rey D. Sebastião, de outros sucessos notáveis deste tempo,
p.3

[5] José P. Bayam, Portugal cuidadoso, e lastimado com a


Vida, e Perda do Senhor Rey Dom Sebastião, o desejado
de saudosa memoria (1737), Livro I, De Sua Infância, Ca-
pítulo Primeiro, Do nascimento, batismo, e aclamação del
Retrato de D. Sebastião de Portugal (óleo sobre tela datável dos Rey D. Sebastião, de outros sucessos notáveis deste tempo,
finais do século XVI ou início do século XVII, patente na câmara p.4
dos azuis). [6] José P. Bayam, Portugal cuidadoso, e lastimado com a
Vida, e Perda do Senhor Rey Dom Sebastião, o desejado
Um outro retrato encontrado recentemente na Itália,[19] de saudosa memoria (1737), Livro I, De Sua Infância, Ca-
de autor ainda não identificado, mostra o soberano em pítulo II, Como o governo do Reyno foy entregue à Rainha
idade adulta, com barba e bigode, numa representação Dona Catharina. Vistas Reays, Embaixadas, e outros suc-
de busto a 3/4 envergando armadura de gala com gola de cessos notaveis deste tempo, p.6
folhos. Da decoração da armadura sobressai a Cruz de
[7] José P. Bayam, Portugal cuidadoso, e lastimado com a
Cristo, de que é visível o braço superior, com uma forma
Vida, e Perda do Senhor Rey Dom Sebastião, o desejado
mal representada, o que nos leva à conclusão da autoria
de saudosa memoria (1737), Livro I, De Sua Infância, Ca-
por um pintor espanhol ou italiano, mais familiarizados pítulo VI, De como a Rainha largou o governo do Reyno, e
com este tipo de cruz do que com as formas rectas da foy entregue ao Cardeal Infante. Notícias memoraveis do
Cruz de Cristo. tempo, que ella governou., p.34
O retrato está carregado de simbolismo, não apenas pela [8] Documentos de várias tipologias, relativos à história por-
inclusão da Cruz de Cristo, como pela legenda que en- tuguesa, sobretudo do reinado de D. Sebastião. [S.l.: s.n.],
cima o quadro "Sebastianus I Lusitanor R" (Sebastião I 1501-1650. p. 97 (197 do PDF). (Cópia da carta original
Rei dos Portugueses), que remete para o início do mito d'el Rey D. Sebastião a João de Mendonça sobre a Jornada
de D. Sebastião. de África.)

[9] Historia de Portugal nos seculos XVII e XVIII, por Luiz


3.8.8 Notas e referências Augusto Rebello da Silva, Volume I (Imprensa nacional,
1860), p. 237.
Notas [10] Ibidem.

[1] Felipe II de Castela era filho do imperador Carlos V e [11] José Agostinho de Macedo, Inventario da refutação
Dona Isabel. analytica (1810) – "O cadaver delRei D. Sebastião foi en-
terrado em Ceuta com toda a solemnidade, e sinaes para
se não equivocar com outros cadaveres."
Referências
[12] Mascarenhas Paulo Pinto,. D. Sebastião foi preso em Itá-
[1] José P. Bayam, Portugal cuidadoso, e lastimado com a lia Correio da manhã. Visitado em a 14 de Dezembro de
Vida, e Perda do Senhor Rey Dom Sebastião, o desejado 2011.
3.9. HENRIQUE I DE PORTUGAL 65

[13] Documentos de várias tipologias, relativos à história por- 3.9 Henrique I de Portugal
tuguesa, sobretudo do reinado de D. Sebastião. [S.l.: s.n.],
1501-1650. p. 68-69 do Manuscrito (p. 144-147, do
PDF).
Henrique I de Portugal (Lisboa, 31 de janeiro de 1512
— Almeirim, 31 de janeiro de 1580) foi o décimo-sétimo
[14] História de Portugal: Governo dos reis espanhóis (1580- Rei de Portugal, tendo governado entre 1578 e a sua
1640), por Joaquim Veríssimo Serrão, Editorial Verbo, morte, 1580.
1977.
Ocasionalmente é chamado de Dom Henrique II por
[15] Escrito a 23 de Dezembro de 1598. Vide Branco, Camilo alguns autores, em virtude de ser o segundo chefe de
Castelo, Noites de insomnia offerecidas a quem nao pode Estado de Portugal chamado Henrique, tendo-se em li-
dormir (1874), p. 77. nha de conta o conde D. Henrique, por aqueles chamado
de D. Henrique I. É conhecido pelos cognomes de O
[16] Em resposta à objecção de o corpo de D. Sebastião ter já Casto (devido à sua função eclesiástica, que o impediu
sido enviado para Portugal, como fora atestado pela no- de ter descendência legítima), O Cardeal-Rei (igualmente
breza portuguesa que sobrevivera à batalha, ele dizia que por ser eclesiástico) ou O Eborense / O de Évora (por
o corpo tinha sido produzido para facilitar a sua fuga, e
ter sido também arcebispo daquela cidade e aí ter pas-
que a nobreza o atestara por esse motivo. Posteriormente,
sado muito tempo, e inclusivamente fundado a primeira
alguns membros da nobreza admitiram que o corpo estava
tão desfigurado com feridas que era impossível sabê-lo. Universidade de Évora, entregue à guarda dos Jesuítas),
transformando Évora num pólo cultural importante, aco-
[17] William Julius Mickle, The Lusiad: Or, the Discovery of lhendo alguns vultos da cultura de então: Nicolaus Cle-
India (1776), Livro I, referência 5. nardus, André de Resende, Pedro Nunes, António Bar-
bosa, entre outros.
[18] Descoberto na Áustria quadro de D. Sebastião perdido há
400 anos Semanário Expresso. Visitado em 5 de fevereiro
de 2013.
3.9.1 Biografia
[19] Retrato de D. Sebastião não teve compradores em leilão
Jornal Público. Visitado em 5 de fevereiro de 2013. Nascimento e infância

D. Henrique nasceu a 31 de Janeiro de 1512, quinto filho


3.8.9 Bibliografia varão de D. Manuel I (com quem se parecia nas feições[1]
) e sua segunda mulher D. Maria de Aragão e Castela.[2]
• Antonio Villacorta Baños-García. D. Sebastião Rei Era, portanto, irmão mais novo daquele que viria a ser o
de Portugal. A Esfera dos Livros. rei D. João III.[3]

• Maria Augusta Lima Cruz. D.Sebastião. Temas e No dia em que nasceu, apesar de tal não acontecer habitu-
Debates. almente, caiu em Lisboa muita neve, facto que serviu aos
"investigadores dos futuros" para traçarem horóscopos
• Bernardo da Gama Lobo Xavier. Retratos Ignorados preconizando um temperamento virtuoso e candura de
de D. Sebastião. Principia. espírito.[4] Foi baptizado pelo Bispo de Coimbra, D. Jorge
de Almeida.[1]
• Deana Barroqueiro. D. Sebastião e o Vidente. Porto
Estudou, com esmero, Latim, Grego, Hebraico,
Editora.
Matemática, Filosofia e Teologia, e cavalgava bem.[1]
• Fernando Campos. A Ponte dos Suspiros. Difel.

Vida religiosa
3.8.10 Ver também
Como se compreende, enquanto Infante de Portugal, não
• Lista de militares portugueses falecidos na Batalha era esperado de D. Henrique que subisse ao trono.
de Álcacer Quibir Aos catorze anos, Henrique recebeu o sacramento da
ordenação, para promover os interesses portugueses na
• Arcos do Jardim Igreja Católica, na altura dominada pela Espanha. Ocu-
pando primeiramente a dignidade de Dom Prior do
• Árvore genealógica dos reis de Portugal
Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra,[1] subiu cedo na hi-
• Sebastianismo erarquia da Igreja, tendo sido rapidamente Arcebispo de
Braga, primeiro Arcebispo de Évora, Arcebispo de Lis-
• História de Portugal boa e ainda Inquisidor-mor antes de receber o título de
Cardeal (sendo portanto um cardeal-infante),[5] com o tí-
• Crise de sucessão de 1580 tulo dos Santos Quatro Coroados (1546).
66 CAPÍTULO 3. SEGUNDA DINASTIA – DE AVIS OU JOANINA

Não pelas suas mãos, mas com sua autorização dada ao Regente e rei
frei Luís de Granada (dominicano) que editou em por-
tuguês uma obra sua, intitulada “Meditações e homilias
Quando João III de Portugal morreu, muitos discordavam
sobre alguns mysterios da vida de nosso Redemptor, e
da atribuição do poder da regência a Catarina de Áus-
sobre alguns logares do Santo Evangelho, que fez o Se-
tria, irmã de Carlos I de Espanha. Henrique sucedeu as-
renissimo e Reverendissimo Cardeal Infante D. Henrique
sim à sua cunhada em 1562, servindo como regente para
por sua particular devoção” em Lisboa,[6] editada por An-
Sebastião I,[8] seu sobrinho de segundo grau, até este as-
tonio Ribeyro, em 1574. Esta obra, em português, visava
sumir o trono (1568).
substituir a palavra oral pela escrita, num esforço de che-
gar às recuadas aldeias onde dificilmente chegava, pela Após a desastrosa Batalha de Alcácer-Quibir em 1578,
escassez de religiosos conhecedores do latim. Foram pu- depois de receber a confirmação da morte do rei,[9] no
blicadas em latim pelos jesuítas em 1576 e depois em Mosteiro de Alcobaça, acabou por suceder ao sobrinho-
1581. neto. Henrique renunciou então ao seu posto clerical e
procurou imediatamente uma noiva por forma a poder
Participou do conclave de 1549–1550, que elegeu ao
dar continuidade à dinastia de Avis, mas o papa Gregório
Papa Júlio III e dos conclaves de abril e maio de 1555,
XIII, que era um familiar dos Habsburgos que eram pre-
nestes chegou a ser apontado como um dos favoritos a
tendentes ao trono de Portugal, não o libertou dos seus
suceder no trono de São Pedro.
votos.
Foi aclamado rei na igreja do Hospital Real de Todos os
Santos, no Rossio, sem grandes festejos.[10] Caber-lhe-ia
resolver o resgate dos muitos cativos em Marrocos. O
reino, então jubilante pela juventude com que D. Sebas-
tião liderava, perdia o ânimo com a notícia e exigia vin-
gança ao rei que, entretanto, adoecia.

Morte e crise de 1580

Ver artigo principal: Crise de sucessão de 1580

Mesmo com o sério problema da sucessão em mãos, D.


Henrique nunca aceitou a hipótese de nomear o Prior do
Crato, outro seu sobrinho, herdeiro no trono, pois não re-
conhecia a legitimidade de D. António. Por consequên-
cia, após a sua morte, de facto D. António subiu ao trono
mas não conseguiu mantê-lo, perdendo-o para seu primo
Filipe II de Espanha, na batalha com o duque de Alba.
O rei-cardeal morreu durante as Cortes de Almeirim de
1580, deixando uma Junta de cinco governadores na re-
gência: o arcebispo de Lisboa Jorge de Almeida, João
Em redor da fonte, alegoria da Eucaristia,ajoelhado em primeiro Telo, Francisco de Sá Meneses, Diogo Lopes de Sousa e
plano D. Manuel, e à sua esquerda, os seus seis filhos nascidos João de Mascarenhas.[11][12]
do casamento com D. Maria de Aragão
Fons Vitae, na Igreja da Misericórdia do Porto Em novembro de 1580, Filipe II de Espanha enviou o
Duque de Alba para reivindicar o Reino de Portugal pela
força. Lisboa caiu rapidamente e o rei espanhol foi acla-
mado rei de Portugal como Filipe I,[13] com a condição
O seu irmão João III de Portugal pediu ao cunhado, o de que o reino e seus territórios ultramarinos não se tor-
imperador Carlos V que favorecesse a ascensão do seu nassem províncias espanholas.
irmão ao sólio pontifício, através da compra dos votos do Foi sepultado inicialmente em Almeirim, mas em 1582 o
Colégio dos Cardeais. Porém, não participou dos concla- seu sobrinho Filipe II de Espanha transladou o seu corpo
ves de 1559, 1565-1566 e de 1572. para o transepto da igreja do Mosteiro dos Jerónimos,
Henrique, mais do que ninguém, empenhou-se em trazer em Lisboa. Encontra-se junto ao túmulo construído para
para Portugal a Ordem dos Jesuítas, tendo utilizado os Dom Sebastião, cuja sepultura foi também aí colocada
seus serviços no Império Colonial.[7] por ordem de Filipe II.
3.9. HENRIQUE I DE PORTUGAL 67

• 28 de Agosto de 1578 – 31 de Janeiro de 1580:


Sua Alteza Real, O Cardeal-Rei de Portugal e dos
Algarves

O estilo oficial de D. Henrique enquanto Rei de Portugal:


Pela Graça de Deus, Henrique I, Rei de Portugal e dos
Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhor da
Guiné e da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia,
Arábia, Pérsia e Índia, etc.

Honrarias

Enquanto monarca de Portugal, D. Henrique foi Grão-


Mestre das seguintes Ordens:

• Ordem dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo


• Ordem de São Bento de Avis
Painel de azulejos representando o cardeal D. Henrique em • Antiga, Nobilíssima e Esclarecida Ordem de
Évora Sant'Iago da Espada
• Antiga e Muito Nobre Ordem da Torre e Espada
3.9.2 Títulos, estilos, e honrarias

Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da 3.9.3 Ver também


Coroa Portuguesa
• Arcebispo de Braga
• Arcebispo de Évora
Títulos e estilos
• Arcebispo de Lisboa
• 31 de Janeiro de 1512 – 13 de Abril de 1539: Sua • Crise de sucessão de 1580
Alteza, O Infante Henrique de Portugal
• Árvore genealógica dos reis de Portugal
• 13 de Abril de 1539 – 24 de Setembro de 1540:
Sua Excelência Reverendíssima, O Senhor Arce- • Cardeais de Portugal
bispo de Braga e Primaz das Espanhas
• 24 de Setembro de 1540 – 16 de Dezembro de 3.9.4 Referências
1545: Sua Excelência Reverendíssima, O Senhor Ar-
cebispo de Évora [1] Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Uteis.
Chronica do Cardeal Rei D. Henrique, e Vida de Miguel
• 16 de Dezembro de 1545 – 21 de Junho de 1564: de Moura. 1.ª ed. Lisboa: Typographia da Sociedade
Sua Eminência Reverendíssima, O Cardeal-Infante Propagadora dos Conhecimentos Úteis, 1840.
D. Henrique, Arcebispo de Évora [2] Levi Mortera 1988, pp. 1190.
• 21 de Junho de 1564 – 14 de Novembro de 1569: [3] Lobo & de Moura 1840, pp. 2.
Sua Eminência Reverendíssima, O Cardeal-Infante
D. Henrique, Arcebispo de Lisboa [4] Castro, Damião António de Lemos Faria e. Historia Geral
de Portugal, e suas Conquistas. 1.ª ed. Lisboa: Typografia
• 14 de Novembro de 1569 – 15 de Dezembro de Rollandiana, 1788. p. 239. vol. X.
1574: Sua Eminência Reverendíssima, O Cardeal-
[5] O panorama: jornal litterario e instructivo de Sociedade
Infante D. Henrique
Propagadora dos Conhecimentos Uteis, Volumes 9-10. So-
• 15 de Dezembro de 1574 – 4 de Julho de 1578: ciedade Propagadora dos Conhecimentos Uteis, Lisboa.
Sua Eminência Reverendíssima, O Cardeal-Infante pp. 315. Na Typ. da Sociedade, 1852.
D. Henrique, Arcebispo de Évora [6] Grande enciclopédia portuguesa e brasileira. Editorial En-
ciclopédia, 195?. pp. 64.
• 4 de Julho de 1578 – 28 de Agosto de 1578:
Sua Eminência Reverendíssima, O Cardeal-Infante [7] Padrão: revista portuguesa do Brasil, Edições 35-37.
D. Henrique 1954. pp. 22.
68 CAPÍTULO 3. SEGUNDA DINASTIA – DE AVIS OU JOANINA

[8] Montalvão Machado 1971, pp. 16. 3.10 Conselho de Governadores do


[9] Diogo 1964, pp. 75.
Reino de Portugal
[10] Alves Dias & de Oliveira Marques 1998, pp. 753. Por morte do Cardeal-Rei Henrique I de Portugal, em 31
de Janeiro de 1580, estando ainda a funcionar as Cortes
[11] Simões Rodrigues & Grilo Capelo 1996, pp. 106. de Almeirim para debater o complicado problema da su-
cessão da coroa de Portugal, tomou posse um Conselho
[12] Pereira 1942, pp. 27. de Governadores do Reino, nomeado pelo Cardeal (o
qual, sentindo a morte iminente, e vendo-se incapaz de
[13] Lima Alves 2001.
escolher um novo rei entre os vários pretendentes, não
queria deixar o reino na anarquia) a fim de exercer inte-
rinamente o governo do reino, até que se decidisse sobre
3.9.5 Bibliografia quem tinha legitimidade para governar.
Eram cinco os Governadores do Reino, a saber:
• Alves Dias, João José; de Oliveira Marques, Antó-
nio Henrique R.. Portugal do Renascimento à crise
dinástica. João José Alves Dias (editor). Editorial • D. Jorge de Almeida, arcebispo de Lisboa;
Presença, 1998. 910 p. ISBN 9722322958
• D. Francisco de Sá Menezes, camareiro-mor do
reino;
• Diogo, Alfredo. Angola: unidade e multiplicadade.
Instituto de Angola, 1964. 89 p. • D. João Telo;

• Levi Mortera, Saul. Tratado da verdade da lei de • D. João de Mascarenhas;


Moisés: escrito pelo seu próprio punho em Português.
Herman Prins Salomon (editor). UC Biblioteca Ge- • D. Diogo Lopes de Sousa.
ral 1, 1988.
O Conselho exerceu os normais actos de soberania en-
• Lima Alves, José Édil de. História Da Litera- quanto esteve em funções – destacando-se, pela sua im-
tura Portuguesa. Editora da ULBRA, 2001. ISBN portância, a cunhagem de moeda própria.
8575280074 Exercia a presidência do Conselho o arcebispo de Lis-
boa. Dentre os seus membros, somente João Telo era
• Lobo, Alvaro; de Moura, Miguel. Chronica do car- contrário a Filipe II de Espanha, sendo os demais pelo rei
deal rei d. Henrique: e Vida de Miguel de Moura. castelhano.
Typographia da Sociedade propagadora dos conhe-
cimentos uteis, 1840. 185 p. Tendo as Cortes dissolvido-se pouco depois sem delibe-
rarem acerca da sucessão, acabaram os Governadores do
• Montalvão Machado, José Timoteo. O rei Dom Se- Reino – comprados pelas dobras castelhanas oferecidas
bastião, na Igreja dos Jerónimos. Associação dos por Cristóvão de Moura – por decidir ser Filipe II de Es-
Arqueólogos Portugueses, 1971. 110 p. panha o legítimo herdeiro do trono de Portugal e Algarves
e seus senhorios ultramarinos.
• Pereira, Angelo. As regências da monarquia portu- Em virtude desta tomada de decisão, o povo de Santarém
guesa. Oficinas gráficas da casa portuguesa, 1942. viria a rebelar-se e a aclamar como rei de Portugal o Prior
78 p. do Crato, D. António, em 24 de Julho de 1580. Poucos
dias mais tarde entrava em Lisboa triunfalmente, onde foi
• Simões Rodrigues, António; Grilo Capelo, Rui. recebido com idêntico entusiasmo, o que levou os Gover-
História de Portugal em datas. António Simões Ro- nadores a fugirem com receio para Setúbal, e daí rumo a
drigues (editor), 3ª edi. Temas e Debates, 1996. Ayamonte, onde declararam sucessor legítimo da Coroa
478 p. o rei de Espanha Filipe II, e dando-lhe assim um pre-
texto para invadir militarmente o reino, tendo em vista
apossar-se daquilo que, agora, lhe pertencia de direito.
3.9.6 Ligações externas

• The Cardinals of the Holy Roman Church (em 3.11 António I de Portugal
inglês)

• Catholic Hierarchy (em inglês) Nota: Se procura outras personalidades com o


mesmo nome, veja António de Portugal.
• GCatholic (em inglês) António I de Portugal (Lisboa, 1531 – Paris, 26 de
3.11. ANTÓNIO I DE PORTUGAL 69

D. António, Prior do Crato

D. António, Prior do Crato, aclamado pelos seus partidários Rei


de Portugal em 1580

Agosto de 1595), mais conhecido pelo cognome de o


Prior do Crato (e, mais raramente, como o Determinado,
o Lutador ou o Independentista, pela ênfase posta no re-
cobro da independência de Portugal), era filho natural do
Infante D. Luís e neto de D. Manuel I, tendo sido um dos
candidatos ao trono português durante a crise sucessória
de 1580 [1] . Segundo alguns historiadores [2] , foi acla-
mado rei de Portugal e reinou efectivamente, em 1580,
durante um curto espaço de tempo no continente, ficando,
desde então e até 1583, a sua autoridade confinada a al-
gumas ilhas dos Açores. Não consta, no ensino escolar,
da lista de reis de Portugal, e em geral a historiografia,
quer em Portugal, quer a nível internacional, caracteriza-
o apenas como um pretendente na luta pelo trono.

Cruz de Malta, o símbolo da Ordem dos Hospitalários, a que


3.11.1 Antecedentes pertencia o Prior do Crato

António era filho do Infante D. Luís (1506 – 1555), e


como tal neto do rei D. Manuel I. Sua mãe chamava-se de contrair matrimónio válido sem que antes obtivesse
Violante Gomes, de alcunha a Pelicana, e pertencia ao dispensa papal).
povo [1] . Alguns autores afirmam que seria uma cristã- António foi discípulo de Frei Bartolomeu dos Mártires
nova ou judia, como se convencionou chamar, pela qual em Coimbra e entrou para a Ordem dos Hospitalários,
o infante D. Luís se deixara fascinar e com quem teria cujo prior era o seu pai. Em 1574 foi governador da praça
casado em segredo[3] . norte-africana de Tânger e em 1578 acompanhou o rei D.
Foi precisamente em virtude de ser conhecido como um Sebastião na campanha em Marrocos.
bastardo e filho de cristã-nova, embora esta última afir- Feito prisioneiro na batalha de Alcácer-Quibir, conta-
mação não se possa ter por verdadeira, que a sua preten- se que conseguiu a libertação com recurso à astúcia:
são ao trono foi considerada inválida; ademais o seu pai Quando lhe perguntaram o significado da cruz de S. João
fora também Prior da Ordem do Crato (o que o impedia que usava, respondeu que era o sinal de uma pequena
70 CAPÍTULO 3. SEGUNDA DINASTIA – DE AVIS OU JOANINA

mercê que tinha obtido do papa, e que a perderia se não pesava sobre ele a suposta bastardia.
voltasse até 1 de Janeiro. O seu captor, pensando que se Filipe, no entanto, conseguiu subornar os grandes do
tratava de um homem pobre, permitiu a sua libertação em reino com o ouro vindo das Américas, e a coroa come-
troca de um pequeno resgate. çou a pender favoravelmente para o seu lado. Para estes,
a ideia de uma união pessoal com a Espanha seria alta-
mente proveitosa para Portugal, que estava a passar um
3.11.2 Pretensão ao trono mau momento económico.
Quando regressou a Portugal em 1578, D. António re- D. António procurou, pois, seduzir o povo para a sua
clamou o trono. Pretensão essa que acabou por lhe causa, à semelhança da situação vivida durante a crise
ser negada por não ser reconhecido como filho legí- de 1383-1385. Tal como nesse período, também o rei
timo, acabando por ser aclamado o seu tio D. Henri- de Castela invocara argumentos de natureza familiar para
que.[carece de fontes?] herdar o trono português; também então, D. João, Mestre
de Avis, filho ilegítimo do rei D. Pedro I, apresentou uma
A 23 de Novembro de 1579, uma carta régia retira a
candidatura que acabou por sair vencedora nas Cortes de
D. António a nacionalidade portuguesa; os seus bens são
Coimbra de 1385 e foi ratificada por Aljubarrota.
confiscados e é expulso do reino. Era conhecida a an-
tipatia do cardeal que foi encarregado em Évora da sua
educação e se empenhou para que este seguisse a vida 3.11.3 Reinado
eclesiástica.

Angra do Heroísmo: em primeiro plano, a Sé Catedral; ao fundo


a Fortaleza de São João Baptista.

A 24 de Julho de 1580, durante a preparação para a es-


perada invasão espanhola, D. António foi aclamado rei
de Portugal pelo povo, no castelo de Santarém. D. An-
tónio pedira ao povo que o aclamasse apenas regedor e
defensor do reino, mas já o povo rejubilava. É aclamado
também em Lisboa, Setúbal e em numerosos outros luga-
res [1] . No entanto, um mês mais tarde, a 25 de Agosto, as
Cardeal D. Henrique suas forças são derrotadas na batalha de Alcântara pelas
do duque de Alba.
Em Janeiro de 1580, estando reunidas as Cortes em Al- Tendo sobrevivido ao combate, D. António foge para o
meirim, nas quais se esperava designar um herdeiro para Norte, com as tropas de Sancho de Ávila a persegui-lo
o trono português, faleceu o velho cardeal D. Henrique. até Viana do Castelo. Durante 6 meses, de Novembro de
Uma Junta Governativa, constituída por cinco governa- 1580 até Maio do ano seguinte, vive homiziado no seu
dores, assumiu a regência do reino. «reino», abrigando-se quer em mosteiros quer em casas
O trono português era então disputado por diversos pre- de partidários devotados. De Junho a Setembro de 1581
tendentes. Entre eles, destacavam-se a duquesa de Bra- está em Inglaterra, na corte de Isabel I, procurando ali
gança, D. Catarina, Filipe II de Espanha, e o próprio em vão auxílio militar, e em seguida dirige-se a França,
Prior do Crato. O mais legítimo herdeiro seria a duquesa, onde o encontra [1] . Em 1582 está na ilha Terceira [4] , nos
mesmo sendo mulher, já que descendia de D. Manuel por Açores, que havia tomado o seu partido e de onde con-
via masculina; Filipe II, por seu turno, era um estrangeiro tinuou a governar. Era reconhecido apenas localmente,
e descendente de D. Manuel por via feminina; quanto a D. de modo que, em Portugal Continental e na Madeira, o
António, embora fosse também neto por via masculina, poder passou a ser exercido por Filipe II de Espanha, re-
3.11. ANTÓNIO I DE PORTUGAL 71

conhecido oficialmente pelas Cortes de Tomar de 1581


como Filipe I de Portugal. Iniciava-se, na História de
Portugal, a Dinastia Filipina.
D. António desembarcou na vila de São Sebastião, ao
invés de no porto de Angra, tendo marchado por terra
até aos portões de São Bento nesta cidade. Ali era es-
perado por Ciprião de Figueiredo, pelo conde de Tor-
res Vedras, por Manuel Silva e outras personalidades lo-
cais. À sua chegada, as fortificações de Angra salvaram,
o mesmo tendo feito as guarnições, com seus mosquetes
e arcabuzes. Ficou hospedado no Convento de São Fran-
cisco e, posteriormente, no palácio do marquês de Cas-
telo Rodrigo. Na ilha, visitou a baía da Salga e a baía
da Praia (atual Praia da Vitória). Frequentou ainda o
Convento da Esperança, cujas religiosas também o apoi-
avam.
De imediato determinou reforçar as defesas de Angra,
face à iminência de um ataque espanhol e à acção dos cor-
sários, tendo contado para tal com o incondicional apoio
de Dna. Violante do Canto, inclusive financeiro. Ainda
com relação às finanças, cunhou moeda – um acto típico
de soberania e realeza. Por essas razões, aqueles já men-
cionados autores não hesitaram em considerá-lo o derra-
deiro príncipe da Casa de Avis, ao invés do Cardeal D.
Henrique, e o décimo oitavo rei de Portugal. Retrato do 3.º duque de Alba, por Ticiano.

Em Julho de 1580, D. António já havia escrito à rainha


de França, Catarina de Médici, uma carta pedindo auxí-
lio. Na ilha Terceira, em 1581, regista-se a primeira ten- fracassada a sua tentativa de tomar a cidade, bem guar-
tativa de desembarque de tropas espanholas, ferindo-se necida pelos espanhóis. O povo, com medo e desinte-
a batalha da Salga, onde os Espanhóis foram completa- ressado, não reagiu, e D. António seria obrigado a partir
mente derrotados. Participaram neste combate os escri- novamente para o exílio. Há notícia também de uma ten-
tores Cervantes e Lope de Vega. tativa de desembarque ao largo do Cabo de São Vicente,
que viria a fracassar.
Finalmente em 1583, quando D. António já ali não se
encontrava [5] , forças espanholas muito superiores, sob o D. António acabou por perder os meios económicos. Os
comando de D. Álvaro de Bazán, (vencedor da batalha de diamantes que trouxera do reino para o exílio foram sendo
Lepanto), logram dominar a ilha após violentos comba- gastos gradualmente. O último e o melhor foi adquirido
tes. por M. de Sancy, de quem foi comprado por Sully e mais
tarde incluído nas jóias da coroa inglesa. Nos seus últi-
Após a derrota de suas forças nos Açores, D. Antó- mos dias viveu com uma pequena pensão oferecida por
nio instalou-se em França – inimigo tradicional dos Henrique IV da França.
Habsburgos de Espanha – onde se exilou.
Continuou ainda a lutar até ao fim da sua vida pela
restauração da independência do seu país. Não chega-
3.11.4 Exílio e morte ria a assistir ao fim do domínio filipino. D. João, neto
da sua prima, a duquesa D. Catarina de Bragança, seria
Depois de alguns meses, onde andou escondido em casas aclamado como rei D. João IV após o golpe vitorioso de
de amigos e mosteiros, D. António viajou até à Inglaterra, 1 de Dezembro de 1640. Desapareceu assim, proscrito e
congregando também o auxílio da rainha Isabel I, que se esquecido, o último príncipe de Avis.
tornara também inimiga figadal da Espanha. O auxílio D. António, prior do Crato, morreu em Paris, em 1595,
seria prestado ao longo de vários anos, como durante os deixando vários filhos, esses sim ilegítimos, o que à
planos de D. António em tomar Lisboa a Julho de 1589, partida lhes dificultaria sustentar as pretensões pater-
a troco de facilidades no Brasil e Açores, e ajuda na luta nas. A sua descendência foi vastíssima, conta centenas
contra a casa da Áustria. de descendentes até à actualidade. Radicados funda-
Porém, a armada inglesa, comandada pelo famoso mentalmente na Holanda, Bélgica e Suíça, curiosamente
almirante Francis Drake foi atacada de peste e retirou-se. não houve mais sangue deste príncipe que brotasse em
D. António, desembarcado em Peniche e já a caminho Portugal.
de Lisboa, que contava com o apoio popular, viu assim Para além dos documentos que publicou para defender a
72 CAPÍTULO 3. SEGUNDA DINASTIA – DE AVIS OU JOANINA

sua causa, D. António foi o autor do Panegyrus Alphonsi


Lusitanorum Regis (Coimbra, 1550), e de um cento dos
Salmos, Psalmi Confessionales (Paris, 1592). Esta obra
foi traduzida para a língua inglesa com o título The
Royal Penitent by Francis Chamberleyn (Londres, 1659),
e para a língua alemã com o título Heilige Betrachtungen
(Marburg, 1677).

3.11.5 Legitimidade de D. António

Filipe I de Portugal (II de Espanha)

Faria sustenta que o casamento fora secreto por ser


morganático, mas que a família real reconhecia D. Antó-
nio como um dos seus membros, vistos os cargos e prerro-
gativas que os seus tios, D. João III e cardeal D. Henrique,
lhe concederam. Quanto à sua mãe Violante Gomes, não
era judia como com alguma conveniência se disse. Per-
tenceria à pequena nobreza, católica, tendo abandonado
o mundo, com o consentimento de seu marido, e profes-
sado na Ordem de São Bernardo, morrendo ainda jovem
Infante D. Luís, Duque de Beja, pai de D. António
no Mosteiro de Almoster.
Já antes de Alcácer Quibir[carece de fontes?] , e com grande Poderá concluir-se assim que D. António podia suceder a
acuidade depois, a questão é recorrente e nunca foi en- D. Sebastião, por preceder na linha sucessória ao cardeal.
cerrada. D. António foi o 18.º rei de Portugal? E que então fora o rei legítimo, entre o fatídico 4 de
Agosto de 1578 até à aclamação do seu tio D. Henri-
Um estudo recente tenta demonstrar que D. António era
filho legítimo do Infante D. Luís, filho de D. Manuel que, a 28 desse mesmo mês. Enredado nos interesses
imperiais dos Áustrias, o cardeal D. Henrique pressionou
I por Violante Gomes. Nele vem reproduzido um as-
sento da Sé de Évora, de 15 de Junho de 1544, desco- o papa a pronunciar-se pela ilegitimidade do sobrinho.
Mas o próprio Gregório XIII veio a revogar aquela sua
berto por Luís de Mello Vaz de São Payo, no qual um [carece de fontes?]
baptizando é filho de uma escrava “de Pero Gomes, sogro declaração.
do Infante D. Luís".[6] O autor do estudo argumenta que Afirmando sempre a legitimidade sustentada no casa-
“não podemos crer que o cura da Sé chamasse sogro ao mento de seus pais, o prior do Crato deveria ser rei após
pai da manceba do Príncipe, mesmo que com ele vivesse a morte do tio, a 31 de Janeiro de 1580, fazendo-se acla-
maritalmente”.[6] Também refere que este assento “for- mar a 19 de Junho. De pouco lhe valeu a sua legitimidade
nece o nome, que não vimos mencionado em nenhuma ante as tropas do duque de Alba, e as intrigas sustenta-
outra fonte, do pai de Violante Gomes”.[6] das pelo opulento Filipe II, que já se impusera ao titube-
Justiça seja feita, já em 1917 o Visconde de Faria no- ante cardeal-rei, e agora comprava adeptos desde Madrid
meava o pai da Bela Pelicana como Pedro Gomes, não a Lisboa. Fugindo para França em 1581, as sucessivas
hesitando também em afirmar que D. António “era filho manobras deste desventurado neto de D. Manuel I para
do casamento secreto de D. Luís, duque de Beja, com Vi- retomar o país foram infrutíferas.
olante Gomes, filha de Pedro Gomes”.[7] Não menciona “Face à evidência descoberta por Vaz de Sampaio quanto à
a fonte em que se baseia, mas poderá ser a mesma que questão da legitimidade, parece sustentável elencar D. An-
está guardada no Arquivo de Évora. tónio entre os reis de Portugal. Mais do que isso, importa
3.11. ANTÓNIO I DE PORTUGAL 73

corrigir esse erro propositado na sua génese e repisado ao 3.11.8 Referências


longo dos séculos.”
[1] Serrão, Joel (1963). “António, Dom, Prior do Crato
(1531-1595)". Dicionário de História de Portugal I (A-
3.11.6 Títulos, estilos, e honrarias D). Ed. Serrão, Joaquim Veríssimo, Doutor pela Univer-
sidade de Coimbra. Lisboa: Iniciativas Editoriais. Página
157. ISBN 9726611601
Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da
Coroa Portuguesa [2] António de Portugal de Faria, D. Antonio, prieur de Crato.
XVIIIe roi de Portugal. Extraits, notes et documents; Mi-
lão: V. Ramperti, 1909. Damião Peres, 1580. O Governo
do Prior do Crato; Barcelos: Companhia Editora do Mi-
Títulos e estilos nho, 1928. Mário Brandão, Coimbra e D. António, Rei de
Portugal, em 3 vols.; Coimbra: Publicações do Arquivo
• 1531 – 19 de Julho de 1580: Dom António de Avis e Museu de Arte da Universidade, 1939, 1945 e 1947.
Pedro Batalha Reis, Numária del-Rei D. António; Lisboa:
• 19 de Julho de 1580 – 25 de Agosto de 1580: Sua Academia Portuguesa de História, 1946. Frei Pedro de
Alteza Real, O Rei de Portugal e dos Algarves (em Frias (séc. XVI), Crónica del-Rei D. António, publicada
pretensa) por Mário Alberto Nunes Costa; Coimbra: Coimbra Edi-
tora, 1955. Joaquim Veríssimo Serrão, O Reinado de D.
• 25 de Agosto de 1580 – 17 de Maio de 1581: Sua António, Prior do Crato; Coimbra: 1956.
Alteza Real, O Rei de Portugal e dos Algarves nos
Açores (em pretensa) [3] Portugal - Dicionário Histórico, Corográfico, Heráldico,
Biográfico, Bibliográfico, Numismático e Artístico, Vo-
• 17 de Maio de 1581 – 26 de Agosto de 1595: Sua lume I, págs. 603-606, João Romano Torres - Editor, Edi-
Alteza Real, O Rei Titular D. António de Portugal ção em papel, 1904-1915, Manuel Amaral, Edição elec-
(em pretensa) trónica 2000-2012

[4] Mattoso, José, História de Portugal, vol. 3; Rio de Mouro,


D. António reivindicava o estilo oficial de:
Sintra: Editorial Estampa, s/data; ISBN:972-33-1084-8,
p. 562.

Pela Graça de Deus, António I, Rei de Portu- [5] Saraiva, José Hermano, História de Portugal, vol. 2; To-
gal e dos Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar em ledo: Publicações Alfa SARL, 1983; p.563.
África, Senhor da Guiné e da Conquista, Nave-
[6] D. António Prior do Crato e outros cavaleiros da Ordem
gação e Comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia e do Hospital de São João, Luís de Mello Vaz de São Payo
Índia, etc. (1997)

[7] Descendência de D. António, Prior de Crato, Visconde de


3.11.7 Descendência Faria, 3ª edição

Filha de mãe desconhecida:


3.11.9 Ligações externas
• Maria de Portugal (1558-1599)
• Portugal - Dicionário Histórico, Corográfico, Herál-
Filhos de Ana Barbosa: dico, Biográfico, Bibliográfico, Numismático e Ar-
tístico, Volume I, págs. 603-606, João Romano Tor-
res - Editor, Edição em papel, 1904-1915, Manuel
• Filipa de Portugal (1560-?)
Amaral, Edição electrónica 2000-2012
• Luísa de Portugal (1562-?)
• D. António, Reis, Rainhas e Presidentes de Portugal,
• Afonso de Portugal (1566-?) O Portal da História
• Manuel de Portugal (1568-1638) • Derrota da invencível armada inglesa, Áreamilitar]
• Cristóvão de Portugal (1573-1638)
• Pedro de Portugal (1575-?) 3.11.10 Ver também
• Dinis de Portugal (1576-?) • Crise sucessória de 1580
• Violante de Portugal (1577-d.1602) • Amigo de Peniche
• Antónia de Portugal (1578-d.1602)
• João de Portugal (1579-?)
Capítulo 4

Terceira Dinastia – Filipina, de Habsburgo


ou de Áustria

4.1 Dinastia Filipina 4. Filipe de Habsburgo, Rei de Espanha, também neto


de Manuel I, por via feminina.
A dinastia filipina ou dinastia de Habsburgo (igual-
mente conhecida por terceira dinastia, dinastia dos Áus- Filipe II de Espanha acabou por ser reconhecido como rei
trias, dinastia de Espanha, dinastia dos Filipes ou União de Portugal, por ser o parente legítimo mais próximo nas
Ibérica) foi a dinastia real que reinou em Portugal durante Cortes de Tomar de 1581.
o período de união pessoal entre este país e a Espanha, No entanto, a ideia da perda de independência levara a
isto é, em que o Rei de Espanha era simultaneamente o uma revolução, sob a liderança do Prior do Crato, que ti-
Rei de Portugal. nha chegado a ser proclamado rei um ano antes, em 1580,
Os três reis da dinastia filipina pertenciam à Casa de tendo lutado até ao fim, chegando a governar até 1583
Habsburgo e governaram em Portugal entre [1580 e 1 de com corte na ilha Terceira, nos Açores.
dezembro de 1640. Foram: O prior do Crato acabaria derrotado, sobretudo pelo
apoio da nobreza tradicional e da burguesia a Filipe. Para
• Filipe I de Portugal e II de Espanha r. 1580-1598 consegui-lo, Filipe comprometeu-se, naquelas Cortes, a
manter e respeitar os foros, costumes e privilégios dos
• Filipe II de Portugal e III de Espanha r. 1598-1621 portugueses. O mesmo aconteceria com os ocupantes
de todos os cargos da administração central e local, as-
• Filipe III de Portugal e IV de Espanha r. 1621-1640 sim como com os efectivos das guarnições e das frotas
da Guiné e da Índia. Nelas estiveram presentes todos os
procuradores das vilas e cidades portuguesas, excepção
4.1.1 Ascensão à Coroa Portuguesa feita às açorianas, fiéis ao prior do Crato, que na Terceira
resistia. Era o princípio da união pessoal, que vigoraria
Ver artigo principal: Batalha de Alcácer-Quibir e sem grandes alterações até cerca de 1620, apesar das in-
Crise de sucessão de 1580 tervenções inglesas de 1589 nos Açores.
Durante a chamada União Ibérica, os domínios da Dinas-
A dinastia filipina subiu ao trono português na crise tia Filipina passaram a formar um dos mais vastos im-
sucessória de 1580, aberta com o desaparecimento de périos da História, compreendendo territórios em quase
Sebastião de Portugal na batalha de Alcácer-Quibir sem todas as partes do mundo.
descendentes, e com a derrota do legítimo sucessor, o seu
tio-avô o Cardeal-Rei D. Henrique, igualmente sem des-
cendência quando morreu.
4.1.2 Guerra Luso-Holandesa
Com o fim da linha directa de João III de Portugal, havia Ver artigo principal: Guerra Luso-Holandesa
três hipóteses de sucessão:
Durante a Dinastia Filipina, o Império Português sofreu
1. Catarina de Portugal, neta de Manuel I de Portugal, grandes reveses na sua economia ao se ver envolvido
esposa de João I, Duque de Bragança ou, nos antigos conflitos do Império Espanhol, que já vi-
nham desde 1568 e a Guerra dos Oitenta Anos, com a
2. o seu filho adolescente Teodósio;
Inglaterra, a França e osPaises Baixos.
3. António, Prior do Crato, neto de Manuel I, mas tido Vemos isso nomeadamente na história do Brasil que an-
pela sociedade da época como ilegítimo; tes, durante a administração da Coroa Portuguesa en-

74
4.1. DINASTIA FILIPINA 75

quanto sua colónia, quem mais financiava e explorava a avam a ser administradas por portugueses. A partir de
cana-de-açúcar era a Holanda. Nessa altura, quando a Es- 1630, já no reinado de Filipe III, a situação tendeu para
panha assume esse vasto território para si disse que nin- um crescente descontentamento. As numerosas guerras
guém mais pagaria as dividas desse empréstimo e nem em que a casa de Habsburgo se vira envolvida nos últimos
mais forneceria a última porque estava em guerra com anos, contra os Países Baixos (Guerra dos Trinta Anos)
ela. Isso seria o pretexto da Holanda invadir o Nordeste e Inglaterra por exemplo, haviam custado vidas portu-
brasileiro e, mesmo quando foi expulsa daí, depois foi guesas e oportunidades comerciais. Duas revoltas locais,
para as Antilhas produzir açúcar de beterraba que seria, em 1631 e 1637, não chegaram a ter proporções perigo-
a partir daí, uma séria concorrência para Portugal quando sas mas, em 1640, o poder militar central ficou reduzido
se tornou novamente independente. pela guerra com a França que tinha provocado revoltas
na Catalunha.
Em 1581, os territórios que formavam a União de Utre-
cht, também sob domínio dos Habsburgos, revoltaram- A intenção do Conde-Duque de Olivares em 1631 de usar
se e depuseram Filipe II de Espanha, declarando a tropas portuguesas nas zonas catalãs descontentes teria
República das Sete Províncias Unidas dos Países Bai- acelerado a intervenção da França. O Cardeal de Riche-
xos. Após a derrota da Invencível Armada espanhola, lieu, através dos seus agentes em Lisboa, encontrou um
em 1588, deu-se uma enorme expansão do comércio ma- possível candidato em João II, Duque de Bragança, neto
rítimo, com os holandeses a transporem a revolta para de Catarina de Portugal. Aproveitando-se da vantagem
os domínios marítimos espanhóis. O Império Português, da falta de popularidade da governadora Margarida de
sem autonomia e formado, sobretudo, de assentamentos Sabóia, duquesa de Mântua e do seu secretário de estado
costeiros, vulneráveis a serem tomados um a um, tornou- Miguel de Vasconcelos, os líderes do partido da indepen-
se um alvo fácil.[1] dência conduziram uma conjura de palácio em 1 de de-
A Guerra Luso-Holandesa foi travada entre 1595 e 1663 zembro de 1640. Vasconcelos foi praticamente a única
com as Companhias Holandesas das Índias Ocidentais e vítima, tendo sido defenestrado. A 15 de dezembro de
Orientais, que tentavam tomar as redes de comércio por- 1640 o duque de Bragança foi aclamado rei como João
tuguesas de especiarias asiáticas, escravos da África oci- IV, mas, ainda com medo à reação de Filipe III, recusou-
dental e açúcar do Brasil[1] Após a perda de numerosos se a ser coroado, consagrando a coroa portuguesa a Nossa
territórios[2] e vários confrontos no Oriente e no Brasil, Senhora de Vila Viçosa.
começaram os ataques nos postos comerciais da costa
oeste africana, visando assegurar escravos para a produ-
ção de açúcar em territórios conquistados no Brasil. Em
4.1.4 Portugal no Império Habsburgo
1638, os holandeses tomaram São Jorge da Mina, no ac-
Inicialmente baseada em ambições dinásticas, a união foi
tual Gana, Luanda em 1641 e Axim, também no actual
[2] muito impopular entre a burguesia comercial castelhana
Gana, em 1642.
que teria visto uma formidável concorrência e não no-
Em 1640, Portugal restaurou a independência, restabele- vas oportunidades económicas. O Estado centralizado
cendo a aliança com a Inglaterra que, embora tenha apoi- à moda borbónica surgiria mais tarde e as grandes mo-
ado inicialmente os Holandeses, em breve os viria a de- narquias europeias do século XVII conjugavam diversos
safiar. "Parlamentos", "Dietas" e "Cortes" com legislações hete-
Em 6 de abril de 1652, o mercador da VOC Jan van Rie- rogéneas sob a autoridade da mesma testa coroada.
beeck estabeleceu, perto do Cabo da Boa Esperança, um Resulta muito difícil separar a propaganda exoneratória a
posto de reabastecimento, que se viria a tornar na Ci- posteriori da casa de Bragança dos acontecimentos con-
dade do Cabo, permitindo aos Holandeses dominar a rota temporâneos. A fase final da união das coroas ibéricas
do cabo, de comércio para o oriente. Em 1654, a frota foi prejudicial à economia portuguesa devido às guer-
de Salvador Correia de Sá e Benevides conseguiria recu- ras travadas na Europa pelos Habsburgo. A partir daí,
perar o Brasil e Luanda, embora Portugal tenha perdido deflagrou-se um período de declínio político, de endivi-
para sempre a proeminência na Ásia. Os Holandeses, te- damento e de dependência económica que diminuíram
mendo perder os territórios já conquistados, acabariam consideravelmente o poderio lusitano no continente e no
por selar definitivamente a paz em 1663. mundo colonial sem que a nova dinastia mostrasse espe-
ciais aptidões de governação.

4.1.3 Restauração da independência


4.1.5 Lista dos territórios
Ver artigo principal: Restauração da Independência
América

Os reinados de Filipe I e Filipe II foram relativamente pa- • América Central


cíficos, principalmente porque a monarquia central pouco
interferiu nas questões locais de Portugal, que continu- • América do Sul
76 CAPÍTULO 4. TERCEIRA DINASTIA – FILIPINA, DE HABSBURGO OU DE ÁUSTRIA

• Ilhas Carolinas

• Ilhas Marianas

• Ilhas Marshall

• Ormuz (Gerun e Queixome)

• Barém

• Bandar Abbas

• Mascate e várias bases e fortins ao longo de toda a


costa de Omã

• Macau

• Timor

• Solor

• Bante

• Flores

• Macassar

• Molucas (Ternate)

• Papua
Armas da Monarquia Habsburgo após a integração da Coroa de • Quiribáti
Portugal; o brasão português em ponto de honra, no abismo do
chefe. • Palau

• Estados Unidos
Europa
• México

• Brasil

África

• Ceuta, Tânger, Mazagão, Arzila, Arguim(Feitoria),


Guiné, São Jorge da Mina, Fernando Pó e Ano Bom,
Costa de Angola, Lourenço Marques, Sofala, bases
(Sena, Tete etc.) no vale do Zambeze, Ilha de Mo-
çambique em Moçambique e Mombaça Mapa dos Impérios Espanhol e Português conjuntos em 1598.
Territórios da jurisdição do Conselho de Castela
Territórios da jurisdição do Conselho de Aragão
Ásia e Australásia Territórios da jurisdição do Conselho de Portugal
Territórios da jurisdição do Conselho de Itália
• Índia (Baçaim, Calcutá, Calecute, Cananor, Territórios da jurisdição do Conselho das Índias
Cochim, Colombo, Chinsura, Damão, Diu, Hughli,
Galle, Goa, Masulipatão, Matar, Nagapatão,
Ormuz, Pulicate, Serampore, Tranquebar,
Tricomale) • Espanha

• Ceilão • Itália, região sul

• Filipinas • Portugal
4.2. FILIPE II DE ESPANHA 77

Sacro Império Romano-Germânico 4.1.6 Ver também

• Alemanha • Ordenações Filipinas

• Áustria
4.1.7 Referências
• Suíça
[1] Boxer, C.R. (1969). The Portuguese Seaborne Empire
• Liechtenstein 1415–1825. Hutchinson. ISBN 0091310717.

• Bélgica [2] Davies, Kenneth (1974). The North Atlantic World in


the Seventeenth Century. University of Minnesota Press.
• Países Baixos ISBN 0816607133.

• Luxemburgo
4.1.8 Bibliografia
• República Checa

• Eslovênia 4.2 Filipe II de Espanha


• França, região leste
Nota: Felipe II redireciona para este artigo. Para
• Itália, região norte outros significados, veja Filipe II.
• Polónia, região oeste
Filipe II (Valladolid, 21 de maio de 1527 – El Escorial,
13 de setembro de 1598)[1] foi Rei da Espanha de 1556
Oceania até sua morte e também Rei de Portugal e Algarves como
Filipe I a partir de 1581. Foi o primeiro líder mundial a
• Nova Guiné estender os seus domínios sobre uma área direta “onde o
sol jamais se punha”, superando portanto Ghengis Khan,
Área dos Territórios: 52.266.452 km² até então o homem mais poderoso de todos os tempos.
Os extremos do seu império foram denominados em sua
homenagem desde o extremo leste das Américas (Fili-
péia) ao sudeste insular asiático (Filipinas); do Atlântico
Centro-Ocidental ao Pacífico Centro-Ocidental passando
por todas as longitudes do oceano Índico.[2][3]

4.2.1 Primeiros anos


Filho do Imperador do Sacro Império Romano-
Germânico e rei das Espanhas Carlos V de Habsburgo
e de Isabel de Portugal, governou um vasto território
integrado por Aragão, Castela, Catalunha, ilhas Canárias,
Maiorca, Navarra, Galiza e Valência, Rossilhão, Franco-
Condado, Países Baixos, Sardenha, Córsega, Sicília,
Milão, Nápoles, além de territórios ultramarinos na
África (Orão, Túnis, e outros), na América e na Ásia
(Filipinas).[4] Em termos de política externa, sua mais
significativa vitória sucedeu contra os turcos otomanos:
a Batalha de Lepanto, em 1571.
Nasceu em Valladolid e morreu no mosteiro de El Es-
corial, onde jaz. Chamado ainda o Sábio. Foi bati-
zado em 5 de junho, na igreja do convento de São Paulo,
pelo arcebispo de Toledo, Don Alfonso de Talavera. Rei
de Inglaterra (1554-1558), Regente de Espanha desde
1543 tornou-se em 1555 rei da Espanha, conde de Artois,
Genealogia da Dinastia de Habsburgo, também chamada de conde da Borgonha, conde de Charolais por 42 anos.
Áustria ou Filipina. A partir de 1552 já se havia tornado rei como Filipe I
de Nápoles, da Sicília, Sardenha, rei apenas titular de
78 CAPÍTULO 4. TERCEIRA DINASTIA – FILIPINA, DE HABSBURGO OU DE ÁUSTRIA

Jerusalém e duque de Milão. Em 1555 foi também rei líceo e Juan de Zúñiga.
dos Países Baixos; em 1556 conde de Holanda, conde da
Zelândia, Conde de Ostrevant, Duque de Gueldres, e a
partir de 1580 será também o rei de Portugal, Filipe I. «Su padre también le educó y preparó en polí-
tica y diplomática, dejándole como regente en
Recebeu uma educação humanista, planeada por seu tu- sus ausencias en 1543 y 1551. Asumió el trono
tor, Juan de Zúñiga, Filipe nunca se tornaria um erudito tras la abdicación de Carlos I en 1556, Rey de
nos padrões renascentistas. Além da sua língua nativa, o España y de sus posesiones hasta 1598. Go-
espanhol, possuía domínio sobre o português, língua da bernó el vastísimo imperio integrado por Cas-
sua mãe e, muito moderadamente, podia ler latim. tilla, Aragón, Cataluña, Navarra y Valencia,
Demonstrou interesse pela arquitetura e a música, além el Rosellón, el Franco-Condado, los Países Ba-
de gosto por atividades ao ar livre, como a caça. Desde jos, Sicilia, Cerdeña, Milán, Nápoles, Orán, Tú-
os 12 anos foi preparado para os assuntos do Governo nez, Portugal y su imperio afroasiático, toda
e aos 16 anos ficou encarregado da regência dos reinos la América descubierta y Filipinas. Después
da Espanha, enquanto o pai administrava o Santo Impé- de viajar por Italia y los Países Bajos y ser
rio Romano-Germânico como Carlos V. Assumiu a co- reconocido como sucesor regio en los estados
roa espanhola em 1556, depois da abdicação do pai em flamencos y por las Cortes castellanas, arago-
1555, herdando um vasto império colonial, difícil situa- nesas y navarras, se dedicó plenamente a go-
ção financeira e inimigos poderosos: Inglaterra, França e bernar desde la corte madrileña con gran em-
Países Baixos. peño. La monarquía se apoyaba en un gobi-
erno por medio de consejos y de secretarios re-
ales y en una poderosa administración centra-
4.2.2 Regência e coroação lizada. Pero, las bancarrotas, las dificultades
económicas y los problemas fiscales fueron ca-
Nomeado regente da Espanha, com um Conselho, por racterísticos durante todo su reinado. La figura
Carlos V, em Bruxelas em 22 de outubro de 1555, Car- del secretario Antonio Pérez fue muy notoria en
los V lhe cedeu os Países Baixos, as coroas de Castela, el gobierno hasta que fue destituido, acusado de
Aragão e Sicília em 16 de janeiro de 1556, e o condado corrupción. En 1568 moría el príncipe here-
da Borgonha em 10 de junho. A coroa imperial foi her- dero Carlos, que había sido arrestado debido a
dada por seu tio Fernando, irmão de Carlos V. sus contactos con los miembros de una presunta
Devotado ao catolicismo, defendeu a Fé e se dedi- conjura sucesoria promovida por parte de la no-
cou a interromper o progresso do protestantismo, e bleza contra Felipe. Estos dos hechos marcaron
tais duas idéias são chave para entender todo seu principalmente gran parte de los problemas in-
reinado [carece de fontes?]
, pois se dedicou a ambas por meio ternos de su reinado. En cuanto a política ex-
do absolutismo. Seu reinado começou com a quebra pela terior, el monarca se preocupó por mantener y
França do Tratado de Vaucelles assinado com a França proteger su Imperio y una prueba de ello fueron
em 1556, à qual se uniu ao Papa Paulo IV contra ele. Fi- los matrimonios que contrajo. La unidad reli-
lipe teve portanto que enfrentar duas guerras ao mesmo giosa estuvo muy presente en todos los aspectos
tempo, na Itália e nos Países Baixos. Na Itália, o duque de de la vida de Felipe II, unidad de una fe que se
Alba, Vice-Rei de Nápoles, derrotou o duque de Guise e veía amenazada por las incursiones berberiscas
obrigou o Papa a pedir paz. Filipe a concedeu, magnani- y turcas en las costas mediterráneas. Para ha-
mamente, e o duque de Alba foi obrigado a pedir o perdão cer frente al Imperio Otomano se constituyó la
do Papa por ter invadido os Estados Pontifícios. llamada Liga Santa integrada por una serie de
estados como Venecia, Génova y el Papado.»
Na Espanha, Filipe prosseguiu a política de seus bisavôs,
Fernando de Aragão e Isabel de Castela. Foi drástico na
supressão da heresia luterana, sobretudo em Valhadolid e E ainda:
Sevilha.
Durante o seu reinado ocorreu uma sangrenta rebelião «Felipe II, bajo cuyos dominios ´no se ponía el
mourisca, no antigo Reino de Granada de 1567 a 1570 sol, era hombre de pocas, pero expresivas pa-
que terminou Dom João de Áustria, bastardo de Carlos labras. Así lo era también, aunque por cor-
V de Habsburgo. Os mouriscos, vencidos, foram depor- tedad, Alonso de Ercilla, el inmortal autor de
tados para outras partes da Espanha. La Araucana, a quien el rey tuvo a su servicio,
como paje, desde los 15 años. De ahí que Felipe
acostumbrase a decir a su ilustre servidor:
4.2.3 Comentários espanhóis
Diz um autor espanhol:[5] «Desde muy joven preparado - Habladme por escrito, don
para ser rey». Disso se encarregaram Juan Martínez Si- Alonso...»
4.2. FILIPE II DE ESPANHA 79

4.2.4 Apreciação Henrique II de França, que fora prometida a Carlos, fi-


lho do primeiro casamento com Maria Manuela. Isabel
deu-lhe apenas duas filhas, permanecendo o rei sem des-
cendentes masculinos. Seria apenas com o seu quarto ca-
samento, com Ana, filha de Maximiliano II da Germânia,
que nasceria o herdeiro ao trono, Filipe III de Espanha.
Apesar da vitória diante dos berberiscos em Malta em
1565, a hostilidade com os turcos persistia. Seu irmão
bastardo, D. João da Áustria, comandando uma frota, ob-
teve uma grande vitória, embora não definitiva, na batalha
naval de Lepanto em 1571.
Teve primeiros-ministros notáveis: o Duque de Alba,
morto em Lisboa dois anos depois da conquista; o
Príncipe de Eboli, morto muito antes do Rei; António
Perez, que lhe sobreviveu; o cardeal de Granvelle, que
depois de ter perdido o favor do rei, o recuperou e foi
chamado de Nápoles para ficar como regente do reino
em Madrid, enquanto o rei ia a Portugal; e Cristóvão
de Moura, o último homem forte. Antes de morrer, o
Cardeal-Arquiduque Alberto, vice-rei de Portugal, fora
nomeado Rei de Flandres, e para o substituir em Portu-
gal nomeou conselho composto do Arcebispo de Lisboa,
dos condes de Portalegre, de Sabugal e de Santa Cruz, e
de Miguel de Moura. Foi o último ato importante do seu
reinado.

4.2.5 A Coroa de Portugal

Filipe II de Espanha Um dos seus triunfos políticos foi obter a união ibérica,
fazendo valer seus direitos de sucessão em 1581 nas Cor-
Em 25 de Julho de 1554, tornou-se rei por seu casamento tes de Tomar. A política matrimonial prévia das dinastias
com Maria I de Inglaterra. Na verdade, a função política reinantes facilitara esta união.
que ele passou a exercer na Inglaterra a partir de então é Depois da morte do rei D. Sebastião na trágica bata-
algo um tanto controverso, pois, embora seja conhecido lha de Alcácer Quibir, ao ser aclamado rei o cardeal D.
como Rei consorte da Inglaterra, ele tinha os mesmos tí- Henrique, decrépito, investiu os meios e dinheiro para ga-
tulos e recebia as mesmas honras que sua esposa, além de nhar ao seu partido a corte de Portugal[carece de fontes?] .
os atos parlamentares constarem sempre com os nomes
Sete pretendentes disputavam a posse do reino quando
de ambos e as moedas serem cunhadas com as cabeças
morreu o rei em 1580, mas apenas cinco baseavam as
de ambos. Isso caracterizaria uma diarquia e, por conse-
suas pretensões em fundamentos aceitáveis:
guinte, faria dele um Rei de Inglaterra, e não apenas um
rei consorte, que seria tão somente marido de uma rai-
nha. O projecto de união pessoal dos dois países falhou • D. Catarina de Portugal, duquesa de Bragança, filha
com a morte de Maria em 1558, antes de ter tido um her- legítima do infante D. Duarte de Portugal.
deiro. Em guerra contra a França, com quem lutava pelo
controle de Nápoles e de Milão e seus territórios, obteve • D. Filipe II filho da primogênita do rei Manuel I,
vitórias nas batalhas de Saint Quentin (1557) e Gravelines com seu marido Carlos V;
(1558). Depois assinou o Tratado de Cateau-Cambresis
(3 de abril de 1559). Filipe, que estivera retido nos Paí- • Emanuel Felisberto de Saboia, duque de Saboia, fi-
ses Baixos, pôde viajar para a Espanha. Por mais de 40 lho da infanta Beatriz de Portugal (filha do mesmo
anos, residiu alternadamente em Madrid, que transfor- rei D. Manuel I) e de seu esposo o duque de Saboia;
mou na capital do reino, e em vilegiaturas, das quais o
• António, prior do Crato, filho do infante D. Luís,
mais famoso é o mosteiro de El Escorial, construído em
sendo este filho do mesmo rei D. Manuel;
cumprimento de um voto feito antes da batalha de Saint
Quentin. • Ranuccio I Farnésio, duque de Parma, neto por parte
Parte do processo de pacificação passou pelo seu ca- de mãe do infante D. Duarte, filho do mesmo rei D.
samento com Isabel de Valois (1545-1568), filha de Manuel;
80 CAPÍTULO 4. TERCEIRA DINASTIA – FILIPINA, DE HABSBURGO OU DE ÁUSTRIA

Os que menos direito mostravam eram Catarina de Mé- e feitorias na Índia, Pérsia, China, Indochina, Arábia;
dicis, rainha de França, descendente de D. Afonso III e na África, as guarnições de Ceuta, Melilla, Mazalquivir,
da sua primeira esposa a condessa Matilde de Bolonha, e Oran, Sidi Ifni, Bizerta, La Goleta, Casablanca, Mazagan
o papa, herdeiro natural dos cardeais, que entendia por- e Ilhote de Vélez de la Gomera,Angola, Moçambique,
tanto dever usufruir o reino que um cardeal governava Madeira, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Canárias,
assim como podia usufruir uma quinta de que fora pos- toda a América menos algumas ilhas das Antilhas, parte
suidor. Dos cinco que apresentavam títulos valiosos, só dos atuais Estados Unidos e o Canadá, e terras na Guiana;
três disputavam seriamente a coroa: Filipe II, o prior do na Oceânia, as Molucas, Ilha de Páscoa, Ilhas Marianas
Crato e a duquesa de Bragança. (atuais Ilhas Marianas do Norte e Guam) e Ilhan Caroli-
O reino de Portugal ficara entregue a cinco governado- nas (atuais Ilhas Palau, Estados Federados da Micronésia,
Ilhas Marshall e Ilhas Gilbert.
res dependentes dos Habsburgo, os quais hesitavam em
reconhecer Filipe como Rei. Este se dispôs a conquistar
Portugal pelas armas. O prior do Crato se fizera acla- 4.2.6 Os Países Baixos e outros problemas
mar em Santarém, mas dispunha de poucas tropas. Fi-
lipe reuniu exército, entregou-o ao Duque de Alba; con-
fiou ao Marquês de Santa Cruz o comando da esquadra,
e conservou-se próximo da fronteira de Badajoz. Alba
marchou sobre Setúbal; conquistando o Alentejo, atraves-
sou para Cascais na esquadra do Marquês de Santa Cruz,
marchou sobre Lisboa, derrotou o prior do Crato na ba-
talha de Alcântara a 4 de agosto de 1580, perseguiu-o até
à província do Minho, e preparou enfim o reino para re-
ceber a visita do seu novo soberano.
Filipe não procurou intervir na política interna de Por-
tugal e entregou o governo do país a um homem de sua
confiança, o Duque de Alba. Além de ser filho de mãe
portuguesa, Filipe fora educado por cortesões portugue-
ses nos primeiros anos de vida. Filipe, em 9 de dezembro
de 1580, atravessou a fronteira, entrou em Elvas, onde se
demorou dois meses recebendo os cumprimentos dos no-
vos súditos. Dos primeiros que o veio saudar foi o duque
de Bragança. A 23 de fevereiro de 1581 Filipe II saiu
de Elvas, atravessou triunfante e demoradamente o país,
e a 16 de março de 1581 entrou em Tomar, para onde
convocara cortes. Distribuiu recompensas, ordenou su-
plícios e confiscos, e recebeu a noticia de que todas as
colónias haviam reconhecido a sua soberania, exceptu-
ando a Ilha Terceira, onde se arvorara a bandeira do prior
do Crato, ali jurado rei de Portugal a 16 de abril de 1581.
Nas cortes, prometeu respeitar os foros e as isenções e
nunca dar para governador ao país senão um português
ou um membro da família real. Expediu de Lisboa tro-
pas que subjugaram a ilha Terceira, em que D. António
fora auxiliado pela França, e partiu para Espanha depois
da vitória naval de Vila Franca, em que o Marquês de
Santa Cruz destroçou a esquadra francesa em 26 de julho
de 1582, obtendo a submissão da ilha.
Nomeando para vice-rei de Portugal seu sobrinho, o Filipe II, pintado por Ticiano Vecellio
cardeal-arquiduque Alberto de Áustria, e depois lhe ter
agregado um conselho de governo e de ter nomeado os Não conseguiu solucionar o conflito político-religioso nos
membros do conselho de Portugal, partiu finalmente a 11 Países Baixos pois nenhum de seus governadores conse-
de fevereiro de 1583. guiu mitigar a sublevação dos Estados Gerais.
A nova monarquia, associada aos interesses da rama Filipe II tinha entregue o governo à sua meia-irmã,
austríaca dos Habsburgo, dominava a península Ibérica, Margarida de Parma, mas os nobres, sem influência, se
Nápoles, Sicília, Milão, Sardenha, Bélgica, Holanda e uniram em conspirações. Protestavam contra a presença
Luxemburgo atuais e partes da França; na Ásia, Filipinas de milhares de soldados da Espanha, contra a influência
do Cardeal de Granvelle sobre a regente, contra a seve-
4.2. FILIPE II DE ESPANHA 81

ridade dos decretos de Carlos V contra a heresia. Filipe gido um dos mais importantes monumentos da Espanha
chamou de volta o exército e o Cardeal, mas se recusou a - El Escorial, mosteiro perto de Madrid, que conta com
diminuir a severidade dos decretos do pai e declarou não valioso acervo artístico.
querer reinar sobre uma nação de heréticos. Surgiram as Palácios reais como o Escorial, mandado erguer por ele
dificuldades com os iconoclastas, e ele jurou castigá-los, ao norte de Madri espelhavam a solidez e a magnifi-
enviando o Duque de Alba com um exército, o que pro- cência da estrutura arquitetónica da Espanha Imperial.
vocou a demissão de Margarida de Parma. Alva se com- Com os edifícios e catedrais vieram os grandes pintores:
portou como em país conquistado, mandou prender e exe- El Greco, Juan de Ribera, Diego Velázquez, Zurbarán,
cutar o conde de Egmont e o conde de Hornes, acusados
Murillo, tantos mais. Com o novo público urbano e cor-
de cúmplices dos rebeldes, criou o Conselho de Perturba- tesão surgiu a novela de Cervantes, a poesia de Calderón
ções, conhecido popularmente como Conselho do Sangue,
de la Barca, de Garcilaso de la Vega, de Luís de Gôngora,
derrotou o Príncipe de Orange e seu irmão, que haviam de Francisco Quevedo, e as comédias de Lope de Vega,
invadido o país com mercenários alemães, mas não con-
ao mesmo tempo em que a Espanha acompanhava os rela-
seguiu evitar a recaptura de Brille. Teve êxitos militares, tos sensacionais das conquistas feitas por Ponce de León,
mas foi chamado de volta em 1573. Seu sucessor, Re- Hernán Cortés ou de Bernal Díaz del Castillo. Também
quesens, não pode recuperar Leyden. salientou a narrativa de Garcilaso el Inca. Muitos dos gê-
Influenciadas pelo Príncipe de Orange, as províncias con- neros literários destacaram naquela época, o épico, o lí-
cluíram a «Pacificação de Gante», regulamentando a si- rico, o dramático e o cómico, além de um produto tipica-
tuação religiosa nos Países Baixos do Sul sem interven- mente espanhol, a novela picaresca (Lazarillo de Tormes,
ção real. O novo governador, Dom João de Áustria, atra- novela anónima surgida no século XVI, provavelmente na
palhou os cálculos de Orange ao aceitar a Pacificação, e década de 1540, praticamente inaugurou o gênero) e, o
finalmente o Príncipe de Orange resolveu proclamar a de- Don Quixote de La Mancha de Miguel de Cervantes, em
posição do rei Filipe pelas províncias rebeladas. O rei re- 1605-1615. Ao lado dessa riqueza, também prosperou a
plicou, mandando banis o Príncipe, o qual pouco depois literatura beata, dos monges, das freiras, dos místicos.
foi assassinado, em 1584. Nem assim as Províncias Uni- Foi sua a idade de ouro. Entre a descoberta e a de-
das se submeteram, e a Espanha as perdeu para sempre. cadência passou-se um pouco mais de um século (para
Os numerosos interesses económicos e religiosos leva- George Ticknor, o historiador literário norte-americano
ram às guerras que causaram a emancipação da Holanda, que criou, em 1849, a expressão “Idade do Ouro” para
da Zelândia e do restante das Províncias Unidas. as letras espanholas, esse período se estenderia de 1492
As províncias do sul foram recuperadas pelo novo gover- até 1665). A prata e o ouro mexicano e peruano, as es-
nador, Alessandro Farnese, Príncipe de Parma (?−1592). sências indianas vindas da conquista das Américas e das
A guerra aos rebeldes se tornou mais difícil, pois os li- rotas orientais, contribuíram para que a arte espanhola
derava o general Maurício, príncipe de Orange, filho de atingisse um nível extraordinário.
Guilherme de Orange. Filipe II mudou sua política e ce-
deu os Países Baixos a sua filha Isabel Clara Eugênia, que
fez casar com o arquiduque Alberto da Áustria, determi- 4.2.7 O caso da princesa de Eboli
nando que as províncias retornariam à Espanha caso não
houvesse descendentes do casamento (1598). A princesa de Eboli, D. Ana Mendoza y de La Cerda, nas-
Com relação à Inglaterra, a Espanha perdeu a esquadra cera na província de Guadalajara em 1540, filha única de
recentemente construída, chamada de Invencível Armada Diego de Mendoza, Príncipe de Melito e Duque de Fran-
(1588), golpe do qual não se recuperaria. Mas a luta cavila, com Catarina da Silva, irmã do Conde de Cien-
dos dois países pelo controle marítimo terminou com essa fuentes. Bisneta do Cardeal Mendoza, aos nove anos foi
derrota da «Armada Invencible» capitaneada pelo duque casada com Rui Gomes da Silva, feito príncipe de Eboli,
de Medina-Sidonia. que tinha já 32 anos. O casamento foi consumado quatro
anos mais tarde, quando a noiva completou 13 anos. Vi-
Exemplo de monarca absolutista, o governo de Filipe II
veram juntos na corte até 1573, quando morreu o marido.
foi exercido com o recurso de Conselheiros e de Secretá-
rios Reais, baseados em uma administração centralizada, Rui chegara como menino ou pagem da Rainha Isabel de
marcada por um rigoroso fiscalismo. Completou a obra Portugal e passou a pagem do infante Filipe, ficando bons
unificadora começada pelos Reis Católicos. Afastou a amigos. Foi secretário pessoal do rei, sumiller de Corps,
nobreza dos assuntos de Estado, entregando postos a se- conselheiro de Estado e de Guerra, intendente da Fa-
cretários reais oriundos das classes médias, deu forma de- zenda, primeiro mordomo do príncipe Don Carlos. Cheio
finitiva ao sistema de Conselhos, codificou leis, realizou de comedimento e nobreza, chegou a Grande de Espa-
censos de população e riqueza económica e impôs prer- nha. Dos 11 filhos, sobreviveram cinco: dois militares
rogativas à Igreja. (pensa-se que o primogênito, Rodrigo, soldado em Por-
tugal e Flandres, poderia ser filho do Rei), um poeta, um
No plano religioso, recorreu à Inquisição contra o protes-
eclesiástico que chegou a Arcebispo de Granada e de Sa-
tantismo nos seus domínios. Sob o seu governo foi eri-
ragoça, uma monja.
82 CAPÍTULO 4. TERCEIRA DINASTIA – FILIPINA, DE HABSBURGO OU DE ÁUSTRIA

A viúva entrou com a filha e vasta servidumbre para o (III) Isabel de Valois (Fontainebleau, 1545 - Aranjuez,
mosteiro carmelita de Pastrana, fundado por Santa Teresa 3 de outubro de 1568), filha de Henrique II de França,
de Jesus com fundos seus (Teresa fundara também um foi sua terceira mulher. Casaram-se por procuração em
mosteiro masculino). A intervenção do Rei conseguiu Paris em 22 de junho de 1559. O encontro pessoal teve
afastar a nova reclusa. Em 1576 na Corte, amante do lugar em 31 de janeiro de 1560 na capela do palácio du-
rei, fora também amante de António Pérez (nascido em cal ou do Infantado de Guadalajara, casando-se na missa
Madrid em 1534), o jovem secretário de Estado, enig- de velaciones. Sua mãe era Catarina de Médicis, que a
mático personagem protegido por Eboli (com suspeitas havia prometido ao rei da Inglaterra Eduardo VI (morto
de homossexualidade aprendida na Itália por António em 1553) e a Dom Carlos da Áustria em 1558. Pelo tra-
Pérez[carece de fontes?] ), que era secretário do Rei; e seria tal- tado de Cateau-Cambresis de 3 de abril de 1559 ajustou-
vez amante de Juan de Escobedo, o secretário de don João se o casamento, celebrados os desposórios na Catedral
de Áustria, que vinha da nobreza mediana da Cantábria. de Notre-Dame de Paris estando o rei representado pelo
duque de Alba. Isabel cruzou a fronteira em 3 de janeiro
Em 28 de julho de 1579 Filipe II ordenou a prisão de
ambos, seis anos depois. Pérez fugiu para o Aragão e de 1560, sendo esperada em Roncesvalles pelo Arcebispo
de Burgos D. Francisco de Mendoza, o Duque do Infan-
salvou-se. Ana, acusada de malversar o seu património,
foi presa na Torre de Pinto (arredores de Madrid) e trans- tado D. Iñigo López de Mendoza. Levada a Guadalajara,
ferida para a fortaleza de San Torcaz; em 1581 seria des- instalaram-se os soberanos no palácio ducal. Ela teve a
terrada no seu palácio de Pastrana, sem a tutela dos filhos, saúde abalada por propensão a contágios e a numerosos
e ali morreu em 1591. abortos. Uma gravíssima erupção de varíola, com poucos
meses de casada, quase a matou, e tinha crónicos acessos
hemorroidais. Teve certa intervenção na política nas con-
4.2.8 Casamentos e posteridade ferências de Bayonne em que, em junho de 1565, encon-
trou seu irmão o rei da França Carlos IX e Catarina de
(I) Casou aos 16 anos em Salamanca em 15 de novem- Médicis (o rei se recusara a assistir, desaprovando a polí-
bro de 1543 com a infanta de Portugal Maria Manuela tica de transigência da sogra com os protestantes, e enviou
(Coimbra, 15 de outubro de 1527 - Valladolid, 12 de ju- o Duque de Alba). Outra vez grávida, Isabel abortou; mal
lho de 1545). Era filha de sua tia a rainha D. Catarina tratada pelos médicos, morreu aos 22 anos, deixando 2 fi-
de Áustria (que por sua vez era filha de Joana de Castela lhas.
e do arquiduque Filipe de Habsburgo) e do rei D. João
III. O noivo teve sarna, atrasando a consumação do ma- • 2/3 - gêmeas (1564).
trimónio, segundo informou ao imperador seu pai o aio
fiel, Juan de Zúñiga. • 4 - Isabel Clara Eugénia (1566)

• 5 - Catarina Micaela (1567)


• 1 - Carlos de Espanha (1545-1568)
• 6 - aborto (1568)
(II) Viúvo aos 18 anos, em 1551 casou com a prima,
Maria Tudor, rainha de Inglaterra, e foi residir em (IV) Ana Maria da Áustria ou de Habsburgo (Cigales,
Londres. Casaram em 25 de julho de 1554 na catedral Valladolid, 2 de novembro de 1549 - Badajoz, 26 de
de Winchester. Maria I Tudor nascera em fevereiro de outubro de 1580), sobrinha sua, filha do imperador
1516 no palácio de Greenwich e morreria em 17 de no- Maximiliano II e da infanta Maria da Áustria (1528-
vembro de 1558 de um câncer de ovários. Era Rainha da 1603), a irmã mais velha de Filipe. Tinha-se pensado
Inglaterra desde 1553, filha do rei Henrique VIII e de sua em Ana da Áustria para casar com seu filho D. Carlos.
tia, Catarina de Aragão. Onze ou doze anos mais velha Filipe a submeteu a enorme espera, até cumprir 18 anos,
do que o noivo, estava envelhecida antes do tempo. Foi quando os pais pensaram em casá-la com Carlos IX.
um casamento político que deu à Espanha influência in-
direta em assuntos da Inglaterra, onde fora recentemente Enquanto isso Carlos, tendo conseguído ser nomeado
restaurado o catolicismo. Filipe viveu em Londres, mas membro do Conselho de Estado, seguia buscando um ter-
era pouco simpático aos ingleses. Partiu em 1555 para ritório próprio. Foi suspeito de traição com os rebeldes
os Países Baixos, cujo governo seu pai Carlos V lhe ce- holandeses. D. Carlos foi preso nos primeiros dias de
deu, como lhe cedera, um ano antes, o governo de Ná- 1568 numa torre do alcázar onde morreu de causas nunca
poles e da Sicília. Em 1556, foi-lhe cedido o governo esclarecidas em junho de 1568. Os inimigos do pai pro-
da Espanha, ao abdicar seu pai para se recolher no mos- pagaram que por ordem sua, por adultério com Isabel de
teiro de San Yuste. Em agosto de 1555, Filipe partiu para Valois.
Bruxelas e só retornou à Inglaterra decorridos dois anos. Ana desembarcou em Santander e encontrou o tio pela
No verão de 1557 se despediram no porto de Dover. A primeira vez no Alcázar de Segóvia, estando já casados
morte de Maria I afastou os dois países. Filipe teria pe- por poderes. A cerimónia de casamento foi realizada
dido sua cunhada Elizabeth I em casamento, recebendo em 1570 em Segovia. Ana morreu estando a corte em
uma negativa[carece de fontes?] . Badajoz, a caminho de Portugal. Consta que de gripe ou
4.2. FILIPE II DE ESPANHA 83

numa epidemia, quando seguia o progresso das armas es- 4.2.13 Bibliografia
panholas. Dela, o rei teve seis filhos, quatro deles varões.
Seria a primeira rainha a ter o corpo sepultado no novo • BÉRENGER, Jean. El imperio de los Habsburgo, Crí-
Panteão dos Reis do mosteiro de El Escorial. tica, Barcelona, 1993.

• 7 - Fernando (1571-1578) • BRAUDEL, Fernand. El Mediterráneo y el mundo


mediterráneo en tiempos de Felipe II, FCE, México,
• 8 - Carlos Lourenço (1573-1575) 1984.
• 9 - Diogo (1575-1582) • CAMPOS Y FERNÁNDEZ DE SEVILLA, Francisco
Javier. Felipe II y su época. RCU Escorial-María
• 10 - Filipe III de Espanha (1578-1621)
Cristina, San Lorenzo de El Escorial. ISBN 84-
• 11 - Maria (1580-1583) 89942-11-0.

• CARNICER GARCÍA, Carlos J. y MARCOS RIVAS,


4.2.9 Amantes Javier. Espías de Felipe II: Los servicios secretos del
Imperio español. Editorial La Esfera de los Libros,
Os seus bastardos nasceram nos anos de viuvez (1545- S.L. ISBN 84-9734-278-X
1554) e durante seu segundo casamento.
• DOMÍNGUEZ ORTIZ, A. El antiguo régimen: los
Na primeira viúvez, teve amores com a filha de um se- Reyes Católicos y los Austrias, Madrid, 1973.
cretário, Catalina Lénez, de quem teria nascido uma fi-
lha. Catarina foi imediatamente casada e o marido des- • ESCUDERO, José Antonio. Felipe II. El Rey en el
pachado para a Itália. despacho, Editorial Complutense, Madrid, 2002.
Também na primeira viúvez, a bela Elena de família de • ELLIOT, J. H. La España imperial, Barcelona, 3ªed.,
monteros de modesta fidalguia do norte cantábrico. Filipe 1970.
enviou o marido para o exército na Itália e o capitão teria
morrido na batalha de São Quintino. • FERNÁNDEZ DE RETANA, L. España en tiempos de
Antes de casar na Inglaterra, de uma dama de Bruxelas Felipe II. Hª de España dirigida por Menéndez Pidal,
Filipe teria tido outra filha secreta.[carece de fontes?] tomo XVIII, Madrid, 1958.

Na segunda viuvez, com D. Eufrasia de Guzmán, dama de • FERNÁNDEZ ÁLVAREZ, Manuel. Felipe II y su ti-
companhia de sua irmã jesuíta, a infanta Joana. Vinha de empo, Espasa Calpe. ISBN 84-239-9736-7.
família de Valladolid. Quando engravidou, casaram-na
com Antonio de Leyva, Príncipe de Ascoli, que morreria • FERNÁNDEZ ÁLVAREZ, Manuel. La España del
seis meses depois. [carece de fontes?] Emperador Carlos V. Hª de España dirigida por Me-
néndez Pidal, tomo XVIII, Madrid, 1966.

4.2.10 Ancestrais • KAMEN, Henry. Felipe de España, Siglo XXI, Ma-


drid, 1997.
4.2.11 Ver também • LYNCH, John. Spain under the Habsburgs. Volume
one: From Nation State to World Empire (hay traduc-
• Ordenações Filipinas ción española en Crítica).
• Árvore genealógica dos reis de Portugal
• LYNCH, John. España bajo los Austrias, Barcelona,
1969.
4.2.12 Referências • Pérez, Joseph. La España de Felipe II Editorial Crí-
[1] Campos, Alfredo Luís Campos, Memória da Visita Régia tica 2000 ISBN 84-8432-143-6
à ilha Terceira - 1 de julho de 1901. Publicado em Angra
do Heroísmo pela “Imprensa Municipal” em 1903, pág.
• LAPEYRE, H. Las monarquías europeas del siglo
282. XVI, Barcelona, 1969.

[2] Geoffrey Parker. The Grand Strategy of Philip II, (2000) • MAURO, F. Europa en el siglo XVI. Aspectos econó-
micos, Barcelona, 1961.
[3] Garret Mattingly. The Armada p. 22, p. 66 ISBN 0-395-
08366-4 • PARKER, Geoffrey. Felipe II, Alianza Editorial,
[4] James Boyden; Europe, 1450 to 1789: Encyclopedia of S.A. 1984 (3ª ed. 2003) ISBN 84-206-5575-9
the Early Modern World
• PARKER, Geoffrey. La gran estrategia de Felipe II,
[5] Alianza Editorial, S.A. 1998 ISBN 84-206-2902-2
84 CAPÍTULO 4. TERCEIRA DINASTIA – FILIPINA, DE HABSBURGO OU DE ÁUSTRIA

• PARKER, Geoffrey. Felipe II: La biografía defini- agora apresentar com mais confiança entre seu tribunal,
tiva, Editorial Planeta, S.A. 2010 ISBN 978-84-08- e não correria tamanho risco de me condenar!...” Relato
09484-5 retirado do livro “Preparação para morte”, 13ª conside-
ração, de Santo Afonso Maria de Ligório.
• REGLÁ, J. La época de los tres primeros Austrias.
La época de los dos últimos Austrias. Historia so- Nasceu no mesmo ano em que morreu seu irmão D. Fer-
cial y económica de España y América (dirigida por nando, sendo jurado herdeiro seu outro irmão, D. Di-
Vicens Vives) tomo III, Barcelona, 1961. ego. Último filho varão da quarta esposa do pai, ficou
órfão de mãe aos dois anos. Quando em 1582 seu ir-
• TRECOR DAVIES, R. El gran siglo de España, Ma- mão Diego morreu, e foi jurado herdeiro, era enfermiço
drid, 1973. e débil[carece de fontes?] . Com ele, têm início os chamados
«Áustrias Menores»: Filipe III, Filipe IV e Carlos II), os
• UBIETO, REGLÁ, JOVER y SECO. Introducción a quais não puderam manter o poderio internacional alcan-
la Historia de España, Barcelona, 1961. çado por seus predecessores Carlos V e Felipe II, e come-
çou a perda de territórios: as Províncias Unidas em 1621
• VERLINDEN, CH. L´Empire espagnol, Bruselas,
(reconhecido oficialmente em 1648), Portugal e as suas
1973.
colónias em 1640 (reconhecido em 1668), e em 1659 o
• VICENS VIVES, J. Historia económica de España, Rossilhão e outras praças nos Países Baixos.
Barcelona, 1960

4.3 Filipe III de Espanha 4.3.2 Início do reinado

Filipe III (Madrid, 14 de abril de 1578 – Madrid, 31 de Educado pelo pai para governar um império extenso, ja-
março de 1621), também chamado de Filipe, o Piedoso, mais demonstrou aptidão[carece de fontes?] . Desfazendo-se
foi o Rei da Espanha e Portugal como Filipe II de 1598 dos antigos conselheiros do pai, cercou-se de jovens mi-
até sua morte. Era filho do rei Filipe II de Espanha e sua nistros, deslocando antigos funcionários como foi o caso
quarta esposa Ana da Áustria. de Cristóvão de Moura, nomeado Vice-Rei de Portugal.
Pôs em curso um processo de centralização política da
União Ibérica, empossando em 1601 e em 1602 magis-
4.3.1 Dados biográficos iniciais trados e ministros espanhóis para Portugal, decisão que
contrariava o arranjo de seu pai Filipe II em Tomar.
Foi rei aos 20 anos, em 13 de setembro de 1598: e como
Filipe II Rei de Nápoles, da Sicília, Rei titular de Jerusa- Caráter fraco, apático e irresoluto[carece de fontes?] , o seu
lém, Rei da Sardenha, Filipe II Rei de Portugal. Foi ainda ministro Lerma. D. Francisco Gómez de Sandoval,
Duque de Milão, Conde de Artois, Conde da Borgonha, Marquês de Denia e depois Duque de Lerma, foi seu fa-
Conde de Charolais. vorito, e o favorito de Lerma.

Segue um relato da morte do rei Filipe II, pai do rei Filipe Dom Cristóvão de Moura, elevado a Marquês de Castelo
III na hora da morte: Filipe II, rei de Espanha, chamou Rodrigo, foi nomeado vice-Rei de Portugal, o que indig-
seu filho (Filipe III) na hora da morte, e, depois de afas- nou os portugueses, apesar da sua administração ser das
tar a roupa, lhe mostrou o peito roído de vermes, dizendo: mais hábeis[carece de fontes?] . Lerma procurava um pouco fa-
“Vê, príncipe, como se morre, e como se acabam as gran- vorecer Portugal e cimentar a união com medidas de im-
dezas do mundo”. Depois exclamou: “Por que não fui eu, portância. Tratou do desenvolvimento da Marinha, abo-
em vez de monarca, simples frade leigo de qualquer or- liu os portos secos, as alfândegas, abriu os portos de Por-
dem!” Mandou depois que lhe pusessem ao pescoço uma tugal ao comércio inglês, e por algum tempo também os
cruz de madeira; e tendo disposto todas as coisas para teve abertos ao comércio holandês, o que pouco durou,
sua morte, disse a seu herdeiro: Quis, meu filho, que es- prejudicando Portugal.
tivesses presente a este ato, para que visses como, no fim Em 1609, sem poder lutar por mais tempo com os Es-
da vida, o mundo trata ainda os próprios reis. Sua morte tados da Holanda, assinou trégua de 12 anos, mas o
é igual à dos mais pobres da terra. Aquele que melhor Marquês de Castelo Rodrigo , que assinou a trégua na
tiver vivido, esse é que achará junto de Deus mais alto Europa, deixou que continuassem as hostilidades nas co-
favor”. E este mesmo filho, que foi depois Filipe III, ao lónias.
morrer com apenas 43 anos de idade, disse: “Atendei,
meus súbditos, a que no meu necrológio somente se fale Nessa época Filipe III publicou édito expulsando os Mou-
do espetáculo que tendes presente. Dizei que na morte de riscos da Espanha.
nada serve o título de rei, a não ser para sentir-se maior Filipe III criou o Conselho da Índia (1604) e estabele-
tormento de o haver sido... Oxalá, em vez de ser rei, ti- ceu a paz com a Inglaterra (1604) e as Províncias Unidas
vesse vivido em um deserto servindo a Deus!... Ir-me-ia (1609). Mandou fazer a Plaza Mayor em Madri (1620).
4.3. FILIPE III DE ESPANHA 85

4.3.3 Apreciação gem a Portugal, aplaudida pelo novo ministro e valido, o


Duque de Uzeda, filho do Duque de Lerma, que descaíra
Decretou as Ordenações Filipinas, em 1603, um código do valimento real.
unificado das leis inspirado nas Ordenações Manuelinas,
Foi acolhido com entusiasmo, as câmaras e as corpora-
com algumas alterações, válido para Portugal e Ultramar.
ções gastaram enormes somas para recepção. Insinuou-
Herdara a coroa e os inimigos do pai: Inglaterra, Ho- se-lhe que fizesse de Lisboa a capital da monarquia espa-
landa, França. No Oriente, os holandeses fustigaram nhola; os fidalgos e os jurisconsultos queixaram-se de que
Moçambique, forçaram a retirada dos portugueses das nem recebiam mercês, nem eram empregados nos tribu-
Molucas em 1600, tomaram Ceilão em 1609 e expul- nais, nas embaixadas, nas Universidades espanholas. O
saram os portugueses do Japão em 1617. Os france- Duque de Uzeda tratou com aspereza o Duque de Bra-
ses instalaram-se no Maranhão em 1612, onde criaram a gança, que viera prestar homenagem[carece de fontes?] .
França Equinocial, fundaram a cidade de São Luís, mas
Depois de meses em Lisboa, Filipe partiu em Outubro,
em 1615 foram derrotados por Jerónimo de Albuquer-
deixando o país descontente[carece de fontes?] , sobretudo de-
que. Desde 1608 , aliás, o rei Filipe II de Portugal divi-
pois da recondução do Marquês de Alenquer no cargo de
dira a administração da colónia brasileira em duas par-
vice-Rei. O seu filho, o futuro Filipe IV, foi jurado her-
tes: no sul da capitanias do Espírito Santo, Rio de Ja-
deiro legítimo pelos portugueses. No resto dos antigos
neiro e São Vicente; no norte, reuniram-se as demais. Em
domínios de Portugal, os holandeses haviam tentado to-
1612 foi criado o Estado do Maranhão, subordinado di-
mar as Molucas, Málaca e Moçambique, sendo vencidos
retamente a Lisboa e separado do Estado do Brasil em
por André Furtado de Mendonça e Estêvão de Ataíde.
1618.
No seu reinado publicou-se em Portugal em 1603 a re-
Ordenou em 1618 a visitação do Santo Ofício ao Brasil.
forma das Ordenações do reino, de que o rei tratou bem
Participou da longa Guerra dos Trinta Anos, iniciada em no começo do seu reinado. São as conhecidas ordenações
1618, a um só tempo territorial e religiosa. denominadas Ordenações Filipinas, que foram precedi-
das pelas intituladas Afonsinas e Manuelinas.

4.3.4 Visita ao reino de Portugal e Morte Este rei ficou conhecido em Portugal pelo cognome de O
Pio ou O Piedoso. Ao deixar Portugal em 1619 adoeceu
gravemente em Covarrubias, e nunca mais se restabele-
ceu, falecendo em um ano. Durante 53 dias esteve aca-
mado, coberto de chagas e abcessos. Morreu aos 42 anos
devido a tromboembolismo pulmonar, devido a imobili-
zação prolongada.[1]

4.3.5 Casamento e posteridade

Casou-se em 18 de abril de 1599 na catedral de Valên-


cia com Margarida da Áustria-Estíria ou de Habsburgo
(Graz, 25 de dezembro de 1584 — Escorial, 3 de outubro
de 1611), parente próxima, filha do Arquiduque Carlos
(1540-1590), irmão do Imperador Maximiliano II. Foi
mãe de quatro filhas e de quatro filhos:

• 1 - Ana de Áustria (1601-1666)

• 2 - Maria (1603)

• 3 - Filipe IV (1605-1665)

• 4 - Maria Ana (1606-1646)

• 5 - Carlos (1607-1632)

• 6 - Fernando (1609-1641)

Filipe III de Espanha e II de Portugal a cavalo. • 7 - Margarida (1610-1617)

Para melhorar a relação, empreendeu em 1619 uma via- • 8 - Afonso (1611-1612)


86 CAPÍTULO 4. TERCEIRA DINASTIA – FILIPINA, DE HABSBURGO OU DE ÁUSTRIA

Filipe III de Espanha e II de Portugal

4.3.6 Referências
[1] Revista Sábado n.º 547 (23 a 29 Outubro de 2014). Como
Pôde uma Laranja matar um rei?, Vanda Marques.

4.3.7 Ver também


• Ordenações Filipinas

• Árvore genealógica dos reis de Portugal


Capítulo 5

Quarta Dinastia – de Bragança ou


Brigantina

5.1 Dinastia de Bragança 5.1.1 Origens da dinastia


A família da dinastia de Bragança tem ascendência na
Casa de Avis, e, portanto, na casa fundadora da nação
portuguesa – a Casa de Borgonha. Foi, por conseguinte,
soberana do Império ultramarino de Portugal. Deve o seu
nome ao facto de os seus chefes familiares deterem, como
A Dinastia de Bragança (ou Brigantina) foi a quarta
título nobiliárquico principal, o de duque de Bragança.
dinastia de reis e rainhas portugueses, que reinou em
Portugal entre 1640 e 1910, sendo denominado por A dinastia também foi a soberana do Reino Unido de Por-
dinastia de Bragança o período em que a Casa de Bra- tugal, Brasil e Algarves, fundado em 1815 e desmem-
gança e, depois, a Casa de Bragança-Saxe-Coburgo e brado em 1822. Por via do filho herdeiro do rei D.
Gota se tornaram na Casa Real portuguesa, e, portanto, João VI de Portugal, Pedro I do Brasil, que proclamou
soberana do reino de Portugal e do império ultramarino a independência do Brasil e fundou o Império do Brasil,
português. Foi também a dinastia reinante no Reino em 1822, a dinastia foi, também, a soberana do império
Unido de Portugal, Brasil e Algarves (1815-1822), e im- recém-citado, até 1889, quando um golpe militar instau-
perante no Império do Brasil (1822-1889). rou a forma republicana presidencialista no Brasil. Em
Portugal, deixou de reinar com o implantação da Repú-
A consideração da Casa de Bragança-Saxe-Coburgo e
blica Portuguesa de 5 de outubro de 1910.
Gotha como um ramo separado da original Casa de Bra-
gança foi adoptada por historiadores que seguem as dou- Se denomina dinastia os períodos que a Casa de Bragança
trinas de países estrangeiros onde se aplicava a Lei Sálica, foi soberana dos estados português e brasileiro.
que impedia as mulheres de ser herdeiras de casas dinásti- Em Portugal, a Casa de Bragança foi elevada à coroa atra-
cas e de ascender, por si próprias, ao trono. Segundo essa vés de D. João II, 8.º duque de Bragança, que se torna rei
teoria, a Casa de Bragança terá sido interrompida em D. com o nome de D. João IV, depois da restauração da In-
Maria II, por esta ser mulher. Os filhos de D. Maria II dependência em 1 de dezembro de 1640, pois desde 1580
seriam apenas herdeiros da dinastia do marido, a Casa de o reino de Portugal encontrava-se sob o domínio da Casa
Saxe-Coburgo-Gota (da dinastia Wettin). de Habsburgo (família soberana estrangeira). Em 1836
No entanto, em Portugal, as mulheres sempre puderam deu lugar à Casa de Bragança-Saxe-Coburgo e Gota, a
ser herdeiras e ascender ao trono. Seguindo as leis he- qual reinou em Portugal até 1910.
reditárias tradicionais portuguesas considera-se que a le-
gitimidade dinástica dos Bragança passou para D. Maria
II e para os seus herdeiros, continuando a existir a origi- 5.1.2 A divisão em três ramos familiares
nal Casa de Bragança e não um ramo dinástico separado.
Sendo assim, a maioria dos historiadores portugueses não A partir do reinado de D. João VI de Portugal - de 1816 a
reconhece a existência de uma Casa de Bragança-Saxe- 1826 - e das lutas entre liberais e absolutistas que segui-
Coburgo e Gotha, embora aos últimos Reis de Portugal, ram, a dinastia de Bragança ficou dividida em três ramos
sucessores de D. Maria II, fosse recorrentemente dado o familiares:
nome de Braganças-Coburgo ou Braganças-Wettin.
• Ramo Constitucional
Considerando-se a existência do ramo de Bragança-Saxe-
Coburgo e Gotha, este teria ocupado o trono português
desde a ascensão do Rei D. Pedro V, em 1853, até ao Ver artigo principal: Questão dinástica portuguesa
exílio do Rei D. Manuel II, em 1910.

87
88 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

Este ramo é composto pelos membros da família real por- 1889, quando foi deposto o último imperador, Pedro II.
tuguesa descendentes da rainha D. Maria II (1819-1853), A primeira varoa do último imperador, e, portanto, her-
a filha do rei D. Pedro IV de Portugal (imperador D. Pe- deira do trono imperial, a princesa Isabel de Bragança e
dro I do Brasil), que se casou com o príncipe D. Fernando
Bourbon, casou-se, em 1864, com o nobre francês conde
de Saxe-Coburgo-Gota e Koháry, primeiro feito príncipe d'Eu, Luís Filipe Gastão de Orléans, neto do rei Luís Fi-
consorte e que se tornou rei consorte após o nascimento lipe I de França, assim ocorreu uma junção matrimonial
do primeiro filho do casal, segundo as normas da então entre a Casa de Orléans e a Casa de Bragança, vindo os
constituição portuguesa. descendentes deste casamento a utilizar o nome Orléans
e Bragança. Os outros descendentes dos imperadores do
O ramo constitucional estabeleceu residência em
Portugal e reinou neste país até a implantação da Re- Brasil detém o nome Bragança, ou o nome conjugado
com outros (exemplo: Saxe-Coburgo e Bragança).
pública Portuguesa, a 5 de outubro de 1910, após um
golpe de estado organizado pelo Partido Republicano Como a princesa D. Isabel herdaria o trono quando seu
Português. O último rei, D. Manuel II, faleceu em pai falecesse, os seus descendentes, ou seja, os do ramo
1932, sem deixar filhos. Dá-se o nome de Casa de de Vassouras, disputam o extinto trono imperial brasi-
Bragança-Saxe-Coburgo e Gota (ou Bragança-Wettin) leiro. Existem dois outros ramos nessa disputa, o ramo
à casa real representada por este ramo dinástico devido de Petrópolis e o ramo de Saxe-Coburgo e Bragança.
ao facto dos seus membros descenderem do casamento
da rainha D. Maria II, da Casa de Bragança, com o
príncipe Fernando de Saxe-Coburgo-Gota-Koháry (rei 5.1.3 A proclamação da República em Por-
consorte como D. Fernando II de Portugal), da Casa de tugal
Saxe-Coburgo-Gota – dinastia Wettin.
A dinastia de Bragança deixou de reinar em Portugal com
A atual chefia da Casa de Bragança-Saxe-Coburgo e
o proclamação da república portuguesa em 5 de outubro
Gota, em Portugal, é reivindicada pelos herdeiros de D.
de 1910. No Brasil, foi afastada do trono, também por um
Maria Pia de Saxe-Coburgo e Bragança, representante
golpe militar republicano, ocorrido em 15 de novembro
deste ramo, embora exista alguma contestação por parte
de 1889.
dos outros ramos da casa real portuguesa.
Os representantes actuais da casa real, em Portugal, são o
• Ramo Miguelista duque e duquesa de Bragança, sendo esses títulos reivin-
dicados, no presente, por membros de três famílias des-
Ver artigo principal: Questão dinástica portuguesa cendentes da dinastia de Bragança.

Este ramo é composto pela descendência de D. Miguel, 5.1.4 Reis de Portugal da Casa de Bra-
que, após ter sido derrotado na guerra civil portuguesa, gança
seguiu para o exílio, não reconhecendo a realeza da sua
sobrinha, D. Maria da Glória (Maria II de Portugal), con-
Ver artigo principal: Casa de Bragança
tinuando a reclamar para si e seus descendentes os seus
direitos à coroa portuguesa. D. Miguel era também ir-
mão de Pedro I do Brasil e IV de Portugal. As primeiras
reivindicações dinásticas deste ramo foram feitas por D. • D. João IV, o Restaurador (r. 1640 - 1656)
Maria Assunção e pela sua meia-irmã D. Maria de Je- • D. Afonso VI, o Vitorioso (r. 1656 - 1675)
sus de Bragança, as duas primeiras filhas naturais do rei
D. Miguel e que foram legitimadas pelo monarca. Estas • D. Pedro II, o Pacífico (regente, 1668 - 1675; rei,
pretensões foram sendo, todavia, com o passar dos anos, 1675 - 1706)
ocultadas por outros membros deste ramo.
• D. João V, o Magnânimo (r. 1706 - 1750)
A atual chefia da Casa de Bragança, em Portugal, é rei-
vindicada por um descendente deste ramo, o filho primo- • D. José I, o Reformador (r. 1750 - 1777)
gênito de Duarte Nuno, Duarte Pio de Bragança, embora
• D. Maria I, a Piedosa (r. 1777 - 1816), com D. Pedro
exista alguma contestação por parte dos outros ramos da
III como rei-consorte
casa real portuguesa.
• D. João VI, o Clemente (regente, 1799 - 1816; rei,
• Ramo Brasileiro 1816 - 1826)

Ver artigo principal: Questão dinástica brasileira • D. Pedro IV, o Rei Soldado (r. 1826) Pedro I,
Imperador do Brasil

Descendência brasileira do imperador Pedro I (rei D. Pe- • D. Miguel I, o Absolutista (r. 1828 - 1834) Guerras
dro IV de Portugal). Este ramo imperou no Brasil até Liberais
5.1. DINASTIA DE BRAGANÇA 89

5.1.5 Reis de Portugal da Casa de 5.1.8 Viscondes da Casa de Bragança


Bragança-Saxe-Coburgo e Gota
1. Martim Correia de Sá e Benevides Velasco, 1.º
visconde de Asseca (1639)
Ver artigo principal: Casa de Bragança-Saxe-Coburgo
e Gota 2. Salvador Correia de Sá e Benevides Velasco, 2.º vis-
conde de Asseca (1665)

• D. Maria II, a Educadora (r. 1826 - 1828 e 1834 3. Diogo Correia de Sá e Benevides Velasco, 3.º vis-
- 1853) com D. Fernando de Saxe-Coburgo-Gota conde de Asseca (1671)
como rei-consorte
4. Martim Correia de Sá, 4.º visconde de Asseca
• D. Pedro V, Esperançoso (r. 1853 - 1861) (1698)
• D. Luís I, o Popular (r. 1861 - 1889) 5. Salvador Correia de Sá Benevides Velasco da Câ-
• D. Carlos I, o Diplomata (r. 1889 - 1908) mara, 5.º visconde de Asseca (1760)
• D. Manuel II, o Desventurado / O Patriota (r. 1908 6. António Maria Correia de Sá Benevides Velasco da
- 5 de outubro 1910), Implantação da República Câmara, 6.º visconde de Asseca (1786)

7. Salvador Correia de Sá, 7.º visconde de Asseca


5.1.6 Imperadores do Brasil da Casa de (1825)
Bragança
8. António Maria Correia de Sá e Benevides Velasco
da Câmara, 8.º visconde de Asseca (1846)
Ver artigo principal: Império do Brasil
9. Salvador Correia de Sá Benevides Velasco da Câ-
mara, 9.º visconde de Asseca (1873)

Imperadores reinantes 10. António José Correia de Sá Benevides Velasco da


Câmara, 10.º visconde de Asseca (1900)
• D. Pedro I do Brasil, o Libertador (r. 1822 - 1831)
11. Salvador Correia de Sá e Benevides Velasco da Câ-
• D. Pedro II do Brasil, o Magnânimo (r. 1841 - 1889) mara, 11.º visconde de Asseca (1926)

12. Henrique da Silva da Fonseca Cerveira Leite, 1.º vis-


Imperador titular pelo tratado do Rio de Janeiro de
conde de Alcobaça (1784)
1825
13. Manuel Pedro da Silva da Fonseca Melo Vaz de
• D. João VI de Portugal (de jure, 1825 - 1826) Sampaio, 2.º visconde de Alcobaça (1898)

14. Agostinho José de Melo Vaz de Sampaio e Castro


5.1.7 Chefes da Casa de Bragança no Bra- de Sousa Guedes, 3.º visconde de Alcobaça (1928)
sil (após a instauração da República)

Ver artigo principal: Casa de Orléans-Bragança 5.1.9 Outros membros notáveis


• D. Catarina de Bragança, rainha de Inglaterra,
• D. Isabel Leopoldina de Bragança e Bourbon, a Re- Escócia e Irlanda
dentora, Princesa Imperial do Brasil
• D. Francisco de Bragança, Duque de Beja e
• D. Pedro Henrique de Orléans e Bragança, Príncipe condestável de Portugal
do Grão-Pará
• D. Maria Bárbara de Bragança, rainha de Espanha
• D. Luís Gastão de Orléans e Bragança, Chefe da
Casa Imperial Brasileira • D. José de Bragança, príncipe da Beira e do Brasil

No entanto, e tal como sucedeu em Portugal, surgiram • D. Maria Isabel de Bragança, rainha de Espanha
revindicações por parte de três ramos dinásticos distintos:
• D. Isabel Maria de Bragança, regente de Portugal
• Ramo de Vassouras • D. Ana de Jesus Maria de Bragança, marquesa de
• Ramo de Petrópolis Loulé

• Ramo de Saxe-Coburgo e Bragança • D. Maria Ana de Bragança, princesa da Saxónia


90 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

• D. Januária Maria de Bragança, princesa do Brasil e 5.2 João IV de Portugal


condessa d'Áquila

• D. Francisca de Bragança, princesa do Brasil e de Nota: Para outras pessoas de mesmo nome, veja
Joinville João IV.

• D. Maria Ana de Bragança, grã-duquesa do D. João IV (Vila Viçosa, 19 de março de 1604 — Lis-
Luxemburgo boa, 6 de novembro de 1656) foi o vigésimo primeiro Rei
de Portugal, e o primeiro da quarta dinastia, fundador da
• D. Afonso de Bragança, infante de Portugal, duque Dinastia de Bragança.
do Porto, condestável de Portugal e último vice-rei
da Índia Portuguesa
5.2.1 Dados biográficos iniciais
• D. Luís Filipe, Príncipe Real de Portugal, duque de
Bragança, tendo sido príncipe da Beira antes da co- Era filho de D. Teodósio II, sétimo duque de Bragança e
roação de seu pai. da duquesa Ana de Velasco y Girón, nobre da corte espa-
nhola e filha do duque Juan Fernández de Velasco, com a
• D. Maria Pia de Saxe-Coburgo e Bragança, alegada duquesa Maria de Téllez-Girón. D. João IV de Portugal
filha natural do rei D. Carlos e pretendente ao trono herdou o senhorio da casa ducal em 1630 como João II
de Portugal. e foi o 8.º duque de Bragança, 5º duque de Guimarães e
3.º duque de Barcelos. Foi ainda 7.º marquês de Vila Vi-
• D. Pedro de Alcântara de Orléans e Bragança, çosa e conde de Barcelos, Guimarães, Arraiolos, Ourém
príncipe do Grão-Pará e príncipe-titular de Orléans e Neiva, e também 14º Condestável de Portugal.
e Bragança

• D. Isabel de Orléans e Bragança, condessa consorte


de Paris

• D. Eleonora de Orléans e Bragança, princesa con-


sorte de Ligne

• D. Paola de Orléans e Bragança, princesa de


Sapieha-Rozanski

• D. Augusto Leopoldo de Saxe-Coburgo e Bragança,


príncipe de Saxe-Coburgo-Gota

• D. Carlos Tasso de Saxe-Coburgo e Bragança, barão


de Bordonha e Valnigra e chefe do ramo de Saxe-
Coburgo e Bragança

5.1.10 Ver também

• Casa de Bragança

• Casa de Bragança-Saxe-Coburgo e Gota

• Panteão da Dinastia de Bragança

• Lista de imperadores do Brasil Dom João IV Infante, Duque de Bragança (1879). Pedro Amé-
rico, Museu Nacional de Belas Artes
• Lista de monarcas do Brasil
Por via paterna, era trineto do rei Manuel I de Portugal,
• Lista de monarcas de Portugal através da duquesa Catarina, infanta de Portugal, sua avó
paterna. Ficou para a história como O Restaurador (por
• Questão dinástica portuguesa haver sido restaurada a independência nacional, pois an-
tes Portugal estava sendo dominada por uma Casa Real
• Linha de sucessão ao trono português estrangeira, a Casa de Habsburgo, tendo acontecido isto
5.2. JOÃO IV DE PORTUGAL 91

por casamentos entre a realeza portuguesa e a do Reino


de Espanha) ou O Afortunado (por aparentemente, uma
vez “caída a coroa na sua cabeça”, não ter querido reinar,
e só se ter decidido após a intervenção da esposa).
Em «História de Portugal», volume V, Joaquim Verís-
simo Serrão afirma - «de seu aio D. Diogo de Melo re-
cebeu aprimorada educação e o gosto pela montaria; e
do doutor Jerónimo Soares uma boa preparação nas le-
tras clássicas e em teologia. Também se deu a estudos de
música, ouvindo as lições do inglês Robert Tornar, que o
duque Teodósio contratara para mestre da capela de Vila
Viçosa.»
A Casa de Bragança tinha grande prestígio no reino e o
oitavo duque tinha a vantagem de beneficiar da crescente
degradação do governo filipino e de um ambiente mais
propício à revolta, haja vista os excessos da tributação
lançada por Olivares. O duque ajudou a construir sua
própria imagem de homem não comprometido e permi-
tiu que o erguessem como reserva única da Nação sedenta Atribui-se a D. Luísa de Gusmão a frase "antes rainha por um
de autonomia política, segundo Veríssimo Serrão em sua dia que duquesa toda a vida".
«História de Portugal», vol. V, página 13.
Quando em agosto de 1633 visitou o marquês de Ferreira
Luísa de Gusmão. Este facto ter-se-á devido à prudência
em Évora, com seu irmão Alexandre, «a cidade acolheu-o
que se impunha na escolha da conjuntura favorável, e do
com as marcas próprias de um soberano, na desejada an-
tempo preparatório necessário para o efeito, visto Por-
tevisão de sua realeza». Para Veríssimo Serrão, «pode
tugal nessa época estar quase desarmado, e Castela ser
aceitar-se que o projecto de uma revolta tenha depois
ainda ao tempo a maior potência militar na Europa. Luísa
ocorrido no Paço de Vila Viçosa, no convívio do duque
de Gusmão, sendo irmã do Duque de Medina Sidónia que
com dois precursores da ideia: o secretário João Pinto
sonhou revoltar-se com a Andaluzia de que chegou a so-
Ribeiro e Pedro de Mendonça Furtado, alcaide de Mou-
nhar ser rei, estaria talvez influenciada por ele.
rão.» A versão de que não queria tomar a chefia do movi-
mento por receio ou hesitação nasceu porque seu desejo, A nomeação do duque para governador-geral das armas
«por não sentir a madureza do fruto», estava em aquie- de Portugal veio a ser o motor da revolta, propiciando-
tar o povo, por entender que motins trariam a inevitável a. Nos fins de junho de 1639 esteve em Almada, sendo
reação da coroa espanhola. Teria também havido uma visitado por muitos nobres, desesperados alguns com as
sondagem junto de seu irmão Duarte, que combatia no violências do governo filipino. Entre eles, Pedro de Men-
exército imperial e chegou a Lisboa em 12 de agosto de donça Furtado, acima referido, Jorge de Melo (irmão do
1638, para «concertar os negócios da sua fazenda», em Monteiro-mor), Antão de Almada e o velho Miguel de
viagem de carácter particular. Mas sabe-se que o du- Almeida (da casa de Abrantes). O plano da conjura te-
que não quis arriscar o futuro e se limitou a promessas ria sido então apresentado ao Duque: eles, e seus paren-
de auxílio no caso de o movimento triunfar. Diz Verís- tes e amigos, aclamavam-no em Lisboa, apoderando-se
simo Serrão que «a aparente indecisão do duque enco- do Paço, matando o detestado Miguel de Vasconcelos.
bria, desde a primeira hora, uma vontade firme de triunfo, Mas o Duque recusou, pela consciência de que «não ha-
servindo plenamente o desejo dos conjurados. Não era D. via ainda ocasião» e aconselhou prudência aos mais exal-
João o chefe de uma revolta, mas a figura a quem cabia tados. No dia 1º de julho, o duque foi a Lisboa saudar a
exercer a realeza, tendo de estar acima da organização princesa Margarida e teve calorosa recepção da parte da
militar que lhe abria as portas do trono.» nobreza, dos membros do clero e do povo.
Eram factores vivos de revolta a forçada presença de mui-
tos nobres portugueses em Madrid, e a novidade de um
5.2.2 Restauração da independência recrutamento de tropas lusitanas para irem ajudar a re-
primir a independência recentemente declarada da Cata-
Em 1640, quando a burguesia e a aristocracia portugue- lunha. Em agosto de 1640, Filipe III de Portugal preten-
sas, descontentes com o domínio castelhano sobre Por- deu convocar Cortes nos seus outros reinos de Aragão e
tugal que se propunha efectivar o valido Olivares, termi- de Valência, para aquietar o espírito dos catalães, orde-
nando com a monarquia dual, quiseram restaurar a di- nando que o acompanhassem nessa jornada também fi-
nastia portuguesa, foi ele o escolhido para encabeçar a dalgos portugueses, sobretudo aqueles que eram comen-
causa. Dom João aceitou a responsabilidade com relutân- dadores das ordens militares. «Todos compreenderam
cia, diz a lenda que incentivado sobretudo pela sua mulher que partindo para a Espanha iriam acelerar o processo de
92 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

absorção política que o conde-duque de Olivares preten- teria efeitos desastrosos porque os soldados castelhanos
dia», segundo Veríssimo Serrão, e «na recusa de muitos de guarnição em Lisboa ficariam em estado de alerta,
em cumprir o mandado régio terá de ver-se o detonador eliminando-se o efeito surpresa. Todo o cuidado era
do movimento que veio a estalar em 1º de dezembro se- pouco.
guinte.» As reuniões realizaram-se em 3 sítios: no palácio de Jorge
Houve então uma reunião em 12 de outubro em casa de de Melo, em Xabregas, no Palácio dos Duques de Bra-
Antão de Almada. Mendonça Furtado foi a Évora, son- gança em Lisboa, no Chiado, e no Palácio Almada, de
dar o Francisco de Melo, marquês de Ferreira, também Antão de Almada, no Rossio (hoje mais chamado Palá-
ele um Bragança, e outros nobres, e depois a Vila Vi- cio da Independência por essa razão). Para não levan-
çosa, onde não escondeu ao duque a urgência dos con- tar muitas suspeitas os conspiradores nunca iam juntos e
jurados em lançarem o movimento. Para a aceitação de cada um seguia no seu coche com as cortinas corridas.
Dom João teriam contribuído António Pais Viegas e a
duquesa Luísa que, segundo a tradição romântica tardia,
«de maneira varonil, quebrara os receios do marido ao 5.2.4 Aclamação de João IV como Rei de
afirmar que antes queria morrer reinando do que acabar Portugal
servindo.»
A 1 de dezembro deu-se o golpe palaciano e, em 15 de A fonte coeva fundamental sobre o assunto é o volume I
dezembro foi aclamado Rei de Portugal. da História de Portugal Restaurado da autoria do Conde
da Ericeira, republicada modernamente no Porto em edi-
ção anotada e prefaciada por António Álvaro Dória, em
5.2.3 Reuniões secretas 1945.
Narra a tradição que Filipa de Vilhena, futura marquesa
de Atouguia, armou cavaleiros na véspera da conjura, a
fim de nela poderem participar, a seus filhos Francisco
Coutinho e Jerónimo de Ataíde. O mesmo dizem ter feito
outra intrépida fidalga, Mariana de Lancastre, armando
cavaleiros pela mesma altura aos seus dois filhos Fernão
Teles de Menezes, futuro primeiro conde de Vilar Maior,
e António Teles da Silva, futuro governador-geral do Bra-
sil.
É costume afirmar que Miguel de Vasconcelos não soube
da revolta, pelo que não tomou providências. Mas está
provado, diz o historiador Joaquim Veríssimo Serrão, que
lhe chegaram anteriormente rumores da conjura e que na
véspera recebeu uma carta, que por descuido não abriu,
com o nome dos conjurados.
O número de fidalgos intervenientes no Primeiro de De-
zembro é geralmente dito de quarenta, talvez por arrasta-
mento mental do ano da revolução, afirmando no entanto
alguns autores que foram em maior número do que esse.
No dia 1 de dezembro, as 9 horas da manhã dirigiram-se
os fidalgos e os seus criados, todos bem armados, ao Paço
João Pinto Ribeiro, administrador dos negócios da Casa de Bra- da Ribeira, aonde rompendo por ele dentro, entraram nos
gança em Lisboa, foi o activo intermediário entre os Quarenta aposentos da princesa regente, a vice-rainha Margarida
Conjurados e o duque de Bragança.
Gonzaga, duquesa viúva de Mântua, prima do rei Habs-
burgo, que facilmente dominaram, passando a procurar
Depois da conversa definitiva com o Duque de Bragança, então a Miguel de Vasconcelos, o português traidor se-
os conspiradores reuniram-se várias vezes em Lisboa para cretário de Estado, aliado do valido castelhano Olivares
combinarem como e quando haviam de fazer a revolução. no seu recente projecto de anexação de Portugal e ou-
Essas reuniões tinham de ser feitas às escondidas para que tros reinos a Castela, no quadro de uma centralização à
não chegassem aos ouvidos da regente Duquesa de Mân- francesa, inspirada no modelo de Richelieu, que desejava
tua e do secretário de Estado Miguel de Vasconcelos. Se aplicar à multifacetada monarquia hispânica filipina em
a notícia se espalhasse, seriam acusados de traição e con- bloco.
denados à morte. O principal comando da operação parece ter estado nas
Mas, mesmo que não conseguissem provas para os in- mãos de Miguel de Almeida, futuro conde de Abrantes,
criminar, qualquer rumor acerca do que se preparava de Jorge de Melo, irmão do Monteiro-mor, de Antão de
5.2. JOÃO IV DE PORTUGAL 93

Almada, que veio a ser o primeiro embaixador em Lon- dias seguintes houve festejos, procissões e iluminações
dres, e de João Pinto Ribeiro, agente do duque de Bra- públicas. Enquanto se preparava a cerimónia da aclama-
gança em Lisboa. Após eles, outros fidalgos - todos filhos ção, o rei ocupava-se a nomear embaixadores, que de-
segundos - como João da Costa, Gastão Coutinho, João veriam partir a fim de que os países estrangeiros reco-
Saldanha da Gama, Manuel de Melo, os dois referidos nhecessem a alteração dinástica em Portugal, e generais,
irmãos António Teles da Silva e Fernão Teles de Mene- que deviam encarregar-se da defesa das fronteiras e dos
ses, António Mascarenhas e outros. Esta delegação da portos. Ninguém tinha dúvidas que o tirano destronado
responsabilidade da insurreição nos filhos segundos das Filipe III, e sobretudo o seu valido castelhano Olivares,
casas fidalgas, a exemplo do que em outras várias oca- não iriam cruzar os braços. Decerto este trataria de pre-
siões sucedeu na História de Portugal até ao século XIX, parar exércitos para invadir Portugal. A notícia da acla-
permitia manter a salvo de consequências maiores e mais mação da casa de Bragança chegou a Madrid a 7 de de-
graves as mesmas, se a insurreição viesse a falhar, per- zembro, levada por um estafeta castelhano ao serviço do
manecendo oficialmente os chefes de casa fiéis à ordem governador de Badajoz. Como era de prever, os caste-
reinante, e ignorantes da conspiração da juventude. lhanos acusaram de traição não só ao Duque de Bragança
mas a todos os que tinham participado no movimento pa-
laciano. No entanto, as tropas castelhanas não marcha-
ram logo para a fronteira portuguesa porque estavam de-
masiado ocupadas e dispersas nos teatros da Guerra dos
Trinta Anos, e nomeadamente com a revolta da Catalu-
nha suportada militarmente pela França de Richelieu, o
que deu tempo aos portugueses para se organizarem na
defesa.
No dia 15 de dezembro de 1640, foi alçado e aclamado
solenemente em Lisboa João IV. A cerimónia decorreu
num grande teatro de madeira armada, revestido de pre-
ciosos panejamentos, contíguo à engalanada varanda do
Paço da Ribeira, e com ela comunicante. Varanda pela
qual saiu o novo rei em complicado e demorado cerimo-
nial hierárquico para o Terreiro defronte aonde, diante da
Nobreza, do Clero e do Povo de Portugal, jurou manter,
respeitar, e fazer cumprir os tradicionais foros, liberdades
Aclamação de João IV de Portugal, por Veloso Salgado, no Mu- e garantias dos Portugueses, violados pelo seu antecessor
seu Militar de Lisboa.
estrangeiro.
Naquele tempo as notícias viajavam por mensageiros e Esteve o monarca rodeado dos mais altos oficiais-mores
portanto demoravam a chegar ao destino. O Duque de da corte portuguesa, fidalgos que em geral manteve nos
Bragança aguardava no Palácio de Vila Viçosa o resul- cargos e dignidades áulicas que já exerciam anterior-
tado da conspiração e, segundo os documentos da época, mente: o camareiro-mor João Rodrigues de Sá, o Con-
só soube a boa-nova no dia 3. Muitos outros mensageiros destável Francisco de Melo, marquês de Ferreira, o
espalharam-se por todo o país a cavalo, levando consigo alferes-mor Fernão Teles de Meneses, 1º conde de Vilar
cartas para as autoridades de cada terra se encarregarem Maior, o mordomo-mor Manrique da Silva, futuro pri-
de aclamar o novo rei. A aclamação em todo o território meiro marquês de Gouveia, o reposteiro-mor Bernardim
português fez-se pacifica e alegremente, desde Bragança de Távora e o guarda-mor Pedro de Mendonça Furtado.
ao Algarve, desde o Minho à Madeira, de Lisboa a Ma- A oração de praxe da aclamação, documento político -
cau, passando pelo Brasil, África e Índia: excepto na ci- jurídico enunciando os direitos esbulhados da casa de
dade de Ceuta, que dependia excessivamente por então Bragança ao trono português nesse dia restaurados, coube
do suporte militar e alimentar por parte da sua vizinha a um notável jurista que se destacaria depois também
Castela, a quem continuou ligada. Por todo o lado as po- como diplomata, Francisco de Andrade Leitão. E depois
pulações explodiam de felicidade. do alferes-mor entoar em uníssono com todos os presen-
Logo se escolheram os governadores provisórios do tes, em alta voz, o triplo brado tradicional, Real, Real,
Reino, durante os poucos dias que decorreriam até à che- por El-Rei Dom João de Portugal, o Conde de Canta-
gada de João à sua capital: Rodrigo da Cunha, arcebispo nhede, presidente do Senado da Câmara de Lisboa, fez
de Lisboa, Sebastião de Matos de Noronha, arcebispo de entrega ao rei das chaves da cidade, tendo então início o
Braga, e o visconde de Vila Nova de Cerveira Lourenço solene cortejo que processionalmente se dirigiu rumo à
de Lima, os quais deram ordem para os tribunais conti- Sé, aonde foi celebrado um solene Te Deum de graças.
nuarem no exercício de funções, pois estava garantido o É também de frisar que João IV, no acto da coroação,
sossego da cidade. coroou rainha de Portugal a Nossa Senhora da Concei-
João IV chegou a Lisboa na noite de 6 de dezembro. Nos ção, colocando-lhe aos pés a coroa de rainha, e que a par-
94 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

tir desse momento ficou estabelecida como padroeira de Portugal, seu primo. A pedido deste, em 1641, encar-
Portugal. cerou o infante português. As esforçadas diligências di-
Esta acção repercutiu-se até hoje, na devoção dos por- plomáticas portuguesas, arrastadas por muitos anos, não
tugueses a Nossa Senhora, patente no número largo de conseguiram libertá-lo, morrendo o infante solteiro e sem
orações e cânticos que evocam Nossa Senhora e Portugal geração, ingratamente no cativeiro, à ordem do próprio
como pares. soberano que fora servir.

5.2.6 A Guerra da Restauração


5.2.5 O irmão do rei
Ver artigo principal: Guerra da Restauração
Após a restauração, o problema militar era primordial.

Bandeira pessoal de João IV

D. Duarte de Bragança

João IV tinha um irmão mais novo, Duarte de Bragança,


infante de Portugal, que partira para a Áustria quatro anos
antes da aclamação de seu irmão mais velho.
Militar corajoso e competente, decidira participar na
Bandeira pessoal de João IV (alternativa)
Guerra dos Trinta Anos. Em 1638 visitou Portugal e,
como o Duque de Bragança nessa altura estava ainda re-
Um decreto de 11 de dezembro de 1640 instituiu o Con-
nitente em aceitar a coroa e encabeçar uma rebelião, os selho de Guerra formado por 10 membros com experi-
conspiradores chegaram a pensar escolher Duarte para ência militar: o conde de Óbidos, Matias de Albuquer-
esse efeito, tal como haviam pensado, em último recurso, que, Francisco de Faro , Gastão Coutinho, João Pereira
numa República - estas ofertas no entanto podem não ter Corte-Real, Álvaro de Abranches, Jorge de Melo, Fernão
passado de oratória persuasiva por parte dos fidalgos mais da Silveira, Jorge de Meneses e Vasco Fernandes César.
jovens, junto da casa de Bragança, mais prudente.
Uma parte da nobreza e alguns prelados se mostraram
Seja como for, ainda não era hora, e caso este projecto hostis, e em Madrid assim que a «rebelião» do duque de
relativo ao infante Dom Duarte tenha existido mesmo, Bragança foi conhecida, foi considerado traidor, versão
sendo duvidoso que o aceitasse sem consentimento do ir- que a diplomacia filipina espalhou nas capitais europeias.
mão mais velho, o dito não se concretizou. Os que viviam em Madrid recusaram a oferta de regresso
Assim, aquele que alguns pensam que poderia ter tido e de perdão do monarca, «na inveja senhorial que manti-
hipótese de ter vindo a ser rei de Portugal acabou preso nham pela casa de Bragança», segundo Veríssimo Serrão.
na Alemanha, porque o imperador Fernando III, também Houve assim grave cisão no corpo da nobreza, que se con-
ele um Habsburgo, era aliado do destronado Filipe III de firma pelas tensas e lembranças concedidas desde 1641,
5.2. JOÃO IV DE PORTUGAL 95

e «a limpeza no tecido social alterou em muitas famílias o de Albuquerque recebeu o título de conde de Alegrete.
quadro da sucessão patrimonial, havendo muitos nobres A Espanha estava fortemente mergulhada na Guerra dos
que pagaram com o definitivo exílio o seu desamor ou Trinta Anos, «a cuja paz a nação vizinha aspirava para
falta de confiança na Restauração». Houve mesmo tenta- poder lançar seu peso militar contra Portugal», pelo que
tiva de assassinar João IV e no «Rossio, a 29 de agosto foi preciso esperar pelo fim da guerra entre franceses e es-
de 1641, pagaram os riscos da conspiração o marquês de panhóis, em 1659, para que os espanhóis pudessem con-
Vila Real, o duque de Caminha, o conde de Armamar centrar todas as suas atenções na anulação da Restauração
e Agostinho Manuel, assim como o doutor Belchior da portuguesa. Os anos até 1656 foram salvadores para Por-
Fonseca, Cristóvão Cogominho, guarda-mor da Torre do
tugal, ajudando a coroa a empreender o grande esforço
Tombo, Pedro de Baeça», alguns mercadores, e outros militar e financeiro para assegurar o triunfo.
mais. «A sentença puniu os crimes de lesa-pátria e lesa-
majestade, pelo que o silêncio foi tido por encobrimento.» Momento perigosíssimo para a política deste rei foi 1648-
1649, o da reconquista de Angola e São Tomé por
Seguiu-se uma guerra com Espanha na Península e nas Salvador Correia de Sá e Benevides : a assinatura da Paz
colónias, onde Portugal foi assistido pela Inglaterra, de Munster tornara-se um perigo para a Restauração, pois
França e Suécia (adversários dos espanhóis na guerra dos a Espanha reconhecia aos holandeses a posse das capita-
trinta anos). Pese embora a conjura de 1641 contra o nias do Brasil, o que era de molde a comprometer a dupla
novo rei, da qual resultou uma severa punição para os seus política real. O Rei chegou por um momento a encarar a
responsáveis, João IV teve o apoio da grande maioria da hipótese de se transferir para a ilha Terceira, a fim de sal-
sociedade portuguesa, o que lhe permitiu criar novos im- var a coroa da ameaça militar que Filipe IV lançaria sobre
postos, desvalorizar a moeda e recrutar voluntários para o reino. Chegou a aventar-se o pagamento de uma in-
fazer face às necessidades monetárias e humanas de um demnização para que a Holanda deixasse o Nordeste bra-
confronto militar que se adivinhava próximo com a vizi- sileiro. E foi do Brasil que veio a solução militar que em
nha Espanha. breve iria pôr fim ao domínio flamengo. Em 19 de feve-
João IV enviou também diplomatas às principais cor- reiro de 1649 ocorreu a segunda vitória dos Guararapes,
tes europeias com o objectivo de conseguir o reconhe- que tornou irreversível, cinco anos depois, a expulsão dos
cimento da independência e de obter apoios financeiros holandeses.
e militares. Sendo necessário justificar que João IV não
era um rebelde mas sim o legítimo herdeiro do trono, que
havia sido usurpado por Filipe II de Espanha. João IV América portuguesa
assume-se como o herdeiro de Catarina de Bragança, can-
didata ao trono e afastada por Filipe II em 1580. (o termo “América Portuguesa” é melhor aceito pela his-
toriografia brasileira, pois não pressupõe que a formação
Das Cortes de 1641 saiu uma nova doutrina que defen- do Brasil independente estivesse dada ab initio)
dia que o poder provinha de Deus através do povo, que,
por sua vez, o transferia para o rei[1] . Em caso de usur- Em 1640, por ocasião da Restauração Portuguesa, o novo
pação ou tirania, o povo tinha o poder de destituir o rei, monarca, Dom João IV, enfrenta três desafios de política
precisamente o que aconteceu com Filipe IV. externa: 1. Reconhecimento da independência lusitana e
dos direitos da dinastia Bragança; 2. Defesa das fronteiras
contra a Espanha; 3. Reivindicação de colônias perdidas
Campanhas militares no ultramar para as Províncias Unidas dos Países Baixos;
Na conjuntura da Trégua dos Doze Anos (1609 – 1621),
Em 1641 verificaram-se também os primeiros confron- até o final da União Ibérica, o comércio com o Brasil
tos. O Alentejo era visado, como parte mais vulnerável formava um núcleo de interesses que seria vital, a partir
do Reino e principal domínio da Casa de Bragança, além de 1640, para sustentar a independência recobrada. De
de porta natural da foz do Tejo. O conde de Vimioso con- oriental, o Império tornava-se atlântico, mudando a base
centrou em Elvas os meios de defesa mas, tendo-se forta- econômica das especiarias ao açúcar.
lecido em Badajoz, o conde de Monterrey atacou Campo
Maior e Olivença. Vimioso foi substituído por um mili- Em termos de Brasil e de colônias espanholas, a tré-
tar com experiência ultramarina, Matias de Albuquerque, gua dos Doze Anos funcionou bem. Se os zelandeses
que providenciou a defesa das praças, do Marvão a Serpa. instalaram-se nas Guianas, o avanço luso-brasileiro sobre
o delta do Amazonas, com a fundação de Belém (1615),
Em 1642 houve ataque ao sotavento algarvio, Alcoutim e os isolou e neutralizou. A trégua foi fundamental para a
Castro Marim, mas o perigo foi conjurado. Na Beira Alta consolidação do Atlântico português.
e no Alto Minho houve apenas escaramuças. Na prima-
vera de 1644 os espanhóis concentraram seu poderio em O término da trégua, seguida da criação da Companhia
Badajoz, e a primeira grande vitória do exército portu- das Índias Ocidentais (1621), que fora protelada durante
guês se deu em 26 de maio na Batalha do Montijo, além aqueles anos, desencadeou a ofensiva neerlandesa contra
de uma tentativa fracassada dos espanhóis no cerco de El- o Brasil.
vas. Montijo revigorou o ideal da Restauração, e Matias Em 1625, os espanhóis conquistam Breda (Flandres) e
96 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

restauram a Bahia. A tela A Rendição de Breda, de Ve- da Coroa, senão de cabala palaciana protagonizada pelo
lásquez, retrata o episódio. A esquadra ibérica Jornada conde de Penaguião (camareiro-mor de Dom João IV).
dos Vassalos força a retirada neerlandesa de Salvador. Malgrado o veto do Conselho de Estado, órgão adminis-
Contudo, em 1630, o poder espanhol já não era o mesmo: trativo central, a trama prosperou. Nomeado governador-
o fosso entre recursos financeiros e compromissos inter- geral do Brasil, Antônio Teles da Silva chegou a Salvador,
nacionais aprofundara-se. Somente em 1637, Madri des- em agosto de 1642, com o objetivo de articular a insur-
pacha a Esquadra do Conde da Torre, cujo fiasco abriria reição. Enviou Vidal de Negreiros a Recife para sondar
espaço para a insurreição de Catalunha e a Restauração ânimos e verificar o estado militar.
Portuguesa em 1640.
A trégua de 1641 foi recebida com decepção ainda maior
O rei Felipe IV da Espanha e seu ministro Olivares ofe- entre os luso-brasileiros do Brasil holandês que na metró-
receram o reconhecimento do Brasil Holandês em troca pole. Já em 1641, um grupo de homens, inclusive João
da retirada do apoio a Lisboa e a Barcelona em 1640. Fernandes Vieira, havia tomado a iniciativa de despachar
Aclamado João IV, Portugal tratou de obter apoio da co- uma carta a Lisboa, informando-o de que estavam pron-
alizão antiespanhola: França, Províncias Unidas, Dina- tos para a restauração no Brasil holandês.
marca, Suécia. Embaixadas especiais foram ainda envia- Enquanto Maurício de Nassau governava, a conspiração
das à Inglaterra e à Santa Sé. Só com Inglaterra e Suécia fora contida por sua ampla aceitação. Contudo, sua par-
não havia contencioso que dificultasse o entendimento. tida deu fôlego à trama. Quanto, em 1648, a questão per-
O litígio colonial constituía um estorvo à normalização nambucana tiver atingido seu auge em Lisboa, os pare-
das relações entre Portugal e Províncias Unidas, ainda ceres em prol da continuação terão a convalidação do rei
que ela fosse de interesse tanto da Haia quanto de Lis- (Charles Boxer discorda, pois acredita que o rei nunca
boa. Portugal insistia que a posse injusta não poderia ge- chegou a apoiou a ressurreição). O plano insurrecional
foi tramado em sigilo. Provas de cumplicidade régia com
rar títulos. Como Madri haveria usurpado o Reino, Haia
deveria restituir o que lhe tomou. os colonos foram evitadas. Na metrópole, o Conselho
Ultramarino foi marginalizado dessas decisões. Poucos
As relações luso-neerlandesas restabeleceram-se sob o sabiam do que transcorria.
signo da desconfiança mútua. Em 1641, um tratado con-
sagrou uma trégua de dez anos. Ele pode ser conside- Na expectativa do desfecho das operações em 1645, João
rado benéfico aos portugueses, já que o estado de guerra IV ordenou a suspensão dos entendimentos diplomáticos
convinha à Companhia das Índias Ocidentais e à Compa- na Haia. O triunfo a meias da insurreição revelou-se um
nhia das Índias Orientais. Porém, foi recebido, no Reino, desastre diplomático. Não reconquistar tudo de uma vez
como uma derrota diplomática. era pior que reconquistar nada: o rei arcava com o ônus
da violação da trégua. Em abril de 1646, Sousa Couti-
Esse acordo de trégua de dez anos congelou o status quo nho oficializou a proposta de compra aos Estados Gerais,
territorial, previu a cooperação naval contra a Espanha, que não arredavam o pé da restituição. Em fins de 1646
bem como a compra de armamentos e o recrutamento e em 1647, o rei decidiu-se por sustentar a insurreição
de tropas nas Províncias Unidas. Quanto à restituição de modo que a utilizasse como pressão diplomática sobre
das colônias, o artigo 24 previa eventual reivindicação. os Estados Gerais. O jesuíta Antônio Vieira aconselhou
O tratado ainda normalizou o comércio, assim como ga- o monarca a elevar a proposta de compra, com receita
rantiu liberdade religiosa aos comerciantes neerlandeses adicional para suborno.
em Portugal.
Sucederam-se negociações sobre entrega do Nordeste,
A trégua vigoraria no ultramar a partir da data de recebi- em face de preocupações com a hostilidade espanhola.
mento nas colônias do comunicado oficial de ratificação. O Acordo da Haia visava à paz com as Províncias Unidas
Não havia artigo relativo à devolução de colônias toma- ao preço da entrega do Nordeste. Muitas vozes protesta-
das após a assinatura do tratado, como Sergipe (gado), ram no Reino: a aristocracia, a Igreja, a burocracia régia,
Maranhão (fortaleza militar) e Angola (escravos) entre o Conselho de Estado e a praça de Lisboa.
1641 e 1642. Apenas em julho de 1642, o Brasil Holan-
dês recebeu o comunicado oficial da trégua, após haver-se As oscilações de João IV em face do negócio do Brasil
expandido. devem ser entendidas no contexto da fragilidade de seu
trono. A restauração fora um golpe dos estratos médios
Ao generalizar-se a ideia de que os neerlandeses não eram da nobreza contra a alta nobreza, maior beneficiária da
confiáveis e de que o restante do Brasil corria risco, a op- União Ibérica no lado lusitano. A consolidação ocorreria
ção pela restauração militar do Nordeste tomou fôlego. apenas com o tratado de paz com a Espanha (1668). Im-
Nesse contexto, o decreto régio que criou o Conselho Ul- porta notar que, até 1706, o processo decisório baseava-
tramarino, em 1643, visava rever as relações de força no se em um demorado trâmite entre os conselhos, de cujos
Atlântico sul. pareceres dependiam a decisão régia. A função do rei era
Um plano insurrecional no Brasil holandês começou a arbitral entre os estamentos.
ser aventado, uma vez que o confronto direto resultaria A entrega do Nordeste viera a exasperar a fibra sebastia-
em derrota lusitana. O plano não adveio dos conselhos nista do Reino, que fora reanimada pela restauração oito
5.2. JOÃO IV DE PORTUGAL 97

anos antes. Os partidários da paz logo perderiam a pa- da paz de Westminster, ventilou-se a ideia de reconheci-
rada para os “valentões”, que queriam a guerra. Antônio mento inglês do Brasil holandês.
Vieira manteve-se em defesa do Acordo. Seria acusado Na agenda exterior batava, o Brasil holandês não poderia
de “entreguista” por toda a vida. ter prioridade sobre o Báltico, onde Estocolmo atritava
Os argumentos críticos ao texto da Haia prevaleceram, e com Haia. Porém, Portugal não fora esquecido. Finda a
o tratado foi rejeitado: 1. A ideologia de expansão ultra- guerra com a Inglaterra, os neerlandeses rearmam e re-
marina, a saber, a propagação da fé católica, favorecia a organizam sua marinha. Solucionada a questão báltica, o
intervenção do Reino; 2. Quer por ter começado com or- poder batavo poderia virar-se contra o reino.
dem régia, quer por proteção contra usurpadores estran- O Tejo chegou a ser bloqueado por forças neerlandesas.
geiros, o rei teria o dever moral de apoiar a insurreição; Acuado, Portugal aceitou o Tratado da Haia, de 06 de
3. O acordo seria injusto. Ressarcia as Províncias Uni- agosto de 1661, que convencionou a indenização pelo
das pelo Nordeste, mas ignorava prejuízos lusitanos em Nordeste. A coroa adiou o quanto pôde a sua divulga-
Angola, São Tomé e Ceilão. ção. A implementação foi motivo de dissídio de lado a
Em 1649, a Companhia Geral de Comércio do Brasil foi lado. Portugal postergava: não havia como o Reino hon-
criada por João IV, em aberta oposição do Santo Ofício. rar as cláusulas financeiras, quanto às comerciais, além de
A empresa teve origem em uma ideia de Antônio Vieira, ruinosas, requeriam negociações de recompensas à Ingla-
que idealizara uma companhia semelhante às companhias terra.
das índias ocidentais e das índias orientais. Foi o procura- Como não dispunha de recursos para comprar a paz com
dor da Fazenda, Pedro Fernandes Monteiro quem reuniu as Províncias Unidas e a aliança com a Inglaterra simul-
os “assentistas”, comerciantes que financiavam a Coroa, taneamente, Portugal ratificou o tratado da Haia de modo
em torno do projeto. Em troca do monopólio do forneci- a descumpri-lo. A comunicação oficial da paz ao Brasil
mento de quatro gêneros (trigo, vinho, azeite e bacalhau)
tardou até 1663.
para a colônia por 20 anos, da concessão do estanco régio
sobre pau-brasil e da cobrança de taxas e fretes, a com-
panhia geral manteria uma escolta protetora de 36 vasos Cortes em Lisboa em 1653
de guerra. Vieira foi contrário ao resgate do projeto, pois
defendia o Acordo da Haia. 1649 é, aliás, o ano da pri- As cortes juraram herdeiro Afonso, futuro Afonso VI de
meira denúncia contra Vieira, junto ao Santo Ofício. Nos Portugal, dada a morte aos 19 anos de seu irmão, o bri-
anos de 1660, ele seria encarcerado. lhante príncipe Teodósio e permitiram um novo esforço
As conseqüências do segundo conflito anglo-neerlandês militar e financeiro que esteve na base das vitórias alcan-
(1652 – 1654) constituem exemplo de interferência de çadas um decénio mais tarde.
uma sequência histórica em outra, e não de acaso.
Esboçou-se uma aliança anglo-portuguesa em detrimento
Morte e juízo dos cronistas
das Províncias Unidas. A Companhia das Índias Ociden-
tais perdeu o Recife e as praças costeiras. Não que o
O rei faleceu em 6 de novembro, devido ao «mal da gota
conflito tivesse interrompido as comunicações entre a re-
e da pedra» de que fala o conde da Ericeira, doença que
pública e o Brasil holandês, mas estorvou o envio de ajuda
se manifestara em 1648. Jaz no Panteão Real da Dinastia
devido à concentração de forças na Europa. Ao surgir di-
de Bragança, no mosteiro de São Vicente de Fora, em
ante de Recife, em 1653, a armada da Companhia Geral
Lisboa. No seu testamento, datado de 2 de novembro de
de Comércio deparou-se com poucos navios inimigos.
1656, confiou a regência à mulher, Luísa de Gusmão.
A demanda por embarcações bem artilhadas de grande
Diz Veríssimo Serrão que «a historiografia liberal procu-
porte no Brasil, durante a guerra holandesa no Brasil, deu
rou denegri-lo na acção de governo, mas as fontes per-
impulso à influência inglesa no Reino. O acordo luso-
mitem hoje assentar um juízo histórico completamente
inglês de 1654 é o primeiro de uma série que culminaria
diferente. (...) Deve pôr-se em relevo a acção do mo-
em Methuen, consolidando a hegemonia comercial da In-
narca na defesa das fronteiras do Reino (....). Também
glaterra em Portugal. Seria danoso aos interesses lusita-
providenciou no envio de várias embaixadas às cortes eu-
nos, pois concedia mais favores ao comércio inglês que
ropeias, para a assinatura de tratados de paz ou de trégua,
ao português.
a obtenção de auxílio militar e financeiro e a justificação
Em maio de 1654, conhecida nas Províncias Unidas, a ca- legítima de 1640.»
pitulação de Recife, Haia reagiu por meio da emissão de
Deve-se-lhe a criação do Conselho de Guerra (1640), da
cartas de marca contra a navegação portuguesa ao norte
Junta dos Três Estados (1643), do Conselho Ultramarino
da linha equatorial, e a Companhia das Índias Ociden-
(1643) e da Companhia da Junta de Comércio (1649),
tais continuou a pregar a recuperação do Brasil holandês.
além da reforma em 1642 do Conselho da Fazenda. E
Não obstante, amiudavam-se em Portugal os rumores de
a regulamentação dos negócios da Secretaria de Estado,
represálias batavas. Havia receios de operações anglo-
para melhor coordenação das tarefas de Governo. Esta
neerlandesas, após a paz, contra o reino católico. Quando
em 29 de novembro de 1643 foi dividida em Secretaria
98 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

de Estado, de um lado, que coordenava toda a política in- Medina-Sidónia (uma das maiores de Espanha), rece-
terna e externa, e à «das Mercês e Expediente», do outro, bendo Luísa de Gusmão por esposa em 12 de janeiro
que tratava de «consultas, despachos, decretos e ordens» de 1633 em cerimônia de grande fausto. Casou em El-
não dependentes da outra Secretaria. vas com Luísa de Gusmão, batizada Luísa Maria Fran-
Promulgou abundante legislação para satisfazer as carên- cisca, nascida em Sanlucar de Barrameda 13 de outubro
cias de governo na Metrópole e no Ultramar. E, para além de 1613, que morreria em 27 de fevereiro de 1666 no
do monarca e do restaurador, impõe-se considerar nele o claustro de Xabregas, em Lisboa. Era filha primogênita
artista e o letrado, o amador de música que, no seu tempo, de Juan Manuel Perez de Guzman, 8º duque de Medina-
Sidonia e Joana de Sandoval, filha do 1.º duque de Lerma
compondo o hino Adeste Fideles, esteve à altura dos mai-
ores de Portugal.» Francisco Sandoval, de grande nobreza, neta pelo lado
paterno dos duques de Bejar e de Pastrana, e pela mãe
dos duques de Gandia e de Medina Coeli. Trouxe grande
5.2.7 Títulos, estilos, e honrarias dote e inteligência, dando-lhe sete filhos. A ratificação
do casamento realizou-se com grande pompa em Elvas
a 12 de janeiro de 1633, celebrante o bispo Sebastião
Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da
de Matos Noronha, futuro Arcebispo de Braga, havendo
Coroa Portuguesa
grandes festas em Vila Viçosa. O casamento respondia
ao desejo do conde-duque de Olivares, tanto que resti-
tuiu à casa de Bragança o ducado de Guimarães e outras
Títulos e estilos prerrogativas. Ela seria regente do reino de 1656 a 1662.
Seu irmão, o general Gaspar Alonso Pérez de Guzmán
• 19 de Março de 1604 – 29 de Novembro de 1630: (morto em 1664), foi 9º duque de Medina Sidonia, go-
Sua Excelência, Dom João de Bragança vernador da Andaluzia, e conspirou com o Marquês de
Ayamonte para uma Andaluzia independente, na imita-
• 29 de Novembro de 1630 – 1 de Dezembro de 1640: ção do cunhado: descoberta a conspiração, perdeu parte
Sua Alteza, O Sereníssimo Duque de Bragança, etc. dos bens.
• 1 de Dezembro de 1640 – 6 de Novembro de 1656:
Sua Majestade, O Rei de Portugal e dos Algarves
5.2.9 D. João IV Músico
O estilo oficial de D. João IV enquanto Rei de Portugal:
D. João IV foi um monarca que cultivou a música quer
Pela Graça de Deus, João IV, Rei de Portugal e dos Al-
enquanto compositor, quer enquanto tratadista. Tinha a
garves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhor(a) da
maior biblioteca musical da Europa que infelizmente pe-
Guiné e da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia,
receu com o Terremoto de 1755. Algumas das suas obras:
Arábia, Pérsia e Índia, etc.

Obras teóricas
Honrarias
• Defensa de la música moderna contra la errada opi-
Enquanto monarca de Portugal, D. João IV foi Grão- nion del obispo Cyrilo Franco, 2 Dezembro 1649
Mestre das seguintes Ordens: (?Lisboa, ?1650) [?ed. P. Craesbeeck]; transcrição
italiana (?Veneza, ?1649–58); edição moderna de
• Ordem dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo Mário de Sampayo Ribeiro (Coimbra, 1965), [in-
clui facs-similes.]
• Ordem de São Bento de Avis
• Antiga, Nobilíssima e Esclarecida Ordem de • Respuestas a las dudas que se pusieron a la missa Pa-
Sant'Iago da Espada nis quem ego dabo de Palestina [sic]; impressa en el
quinto libro de sus missas, 25 Sept 1654 (?Romea,
• Antiga e Muito Nobre Ordem da Torre e Espada ?1655); edição moderna de Mário de Sampayo Ri-
beiro (Lisboa, 1958), [inclui facs-similes.]
5.2.8 Genealogia
• Primeira Parte do Index da Livraria de Música do
Muyto Alto e Poderoso Rey D. João o IV Nosso Se-
Ascendência
nhor, Lisboa, Paulo Craesbeeck, 1649.
Casamento e descendência
Composições
Não tendo vingado o projeto de casamento com Ma-
demoiselle de Nevers, encaminhado pelo cônsul fran- • Dois Motetos, 6vv, inc.: Anima mea turbata est,
cês Saint-Pé (1625), veio a escolher mulher na Casa de Vivo ego, in João Lourenço Rebelo, Psalmi tum ves-
5.2. JOÃO IV DE PORTUGAL 99

perarum tum completorii, (Roma, 1657). • Mário de Sampayo Ribeiro: Livraria de música de
El-Rei D. João IV: Estudo musical, histórico e bi-
• Atribuição de autoria: Crux fidelis, 4vv, D-Dlb; ed. bliográfico, (Lisboa, 1967).
G. Schmitt, Anthologie universelle de musique sa-
crée (Paris, 1869); edição moderna de J. Santos, A • P. Bécquart: Musiciens néerlandais à la cour de Ma-
polifonia clássica portuguesa (Lisboa, 1937); Ad- drid: Philippe Rogier et son école (1500–1647),
juva nos, 4vv, P-Lf [Manuscrito “Livro de S. Vi- (Bruxelas, 1967).
cente de Fora"].
• Rui Vieira Nery: A música no ciclo da ‘Bibliotheca
Bibliografia Musical Lusitana’, (Lisboa, 1984).

• A. T. Luper: ‘Portuguese Polyphony in the Sixteenth • Rui Vieira Nery: The Music Manuscripts in the Li-
and Early Seventeenth Centuries’, JAMS, III (1950), brary of King D. João IV of Portugal (1604–1656):
pp. 93–112. A Study of Iberian Music Repertoire in the Six-
teenth and Seventeenth Centuries (dissertação de
• Diogo Barbosa Machado, Bibliotheca Lusitana, 4 Doutoramento, Universidade do Texas em Austin,
volumes, Atlântida Editora, (Coimbra, 1965). 1990).

• Ernesto Vieira, Diccionario biographico de musicos


portuguezes: História e bibliographia da musica em 5.2.10 Referências
Portugal, Lisboa : Arquimedes Livros, 2007 [Fac-
Simile da edição de 1900]. [1] Assento feito em cortes pelos três estados dos Reinos de
Portugal, da aclamação, restituição. e juramento dos mes-
mos Reinos. Ao muito alto e muito poderoso Senhor Rei
• Francisco Marques de Sousa Viterbo: A livraria de Dom João IV deste nome, Fonte: Assento feito em cortes
música de D. João IV e o seu index, (Lisboa, 1900). pelos tres estados dos Reynos de Portugal da acclamação,
restituição & juramento dos mesmos Reynos ao... Rey
Dom Joaõ o Quarto deste nome, [Lisboa, por Paulo Cra-
• Joaquim de Vasconcellos, Os musicos portuguezes
esbeeck, 1641, Portal da História, Manuel Amaral 2000-
: biographia-bibliographia, Imprensa Portugueza, 2010]
(Porto, 1870).

• Joaquim de Vasconcellos: Ensaio crítico sobre o ca- 5.2.11 Ligações externas


tálogo d’El-Rey D. João IV, (Porto, 1873).
• RELAÇÃO de tudo o que passou na felice Aclama-
• Joaquim de Vasconcellos, Primeira parte do Index ção do mui Alto & mui Poderoso Rei D. JOÃO O
da Livraria de Musica do rei Dom João o IV..., 2ª QUARTO, nosso Senhor, cuja Monarquia prospere
edição, Imp. Portuguesa, (Porto, 1874). Deos por largos anos. Texto publicado em 1641,
sem indicação do autor, impresso à custa de Lou-
renço de Anveres e na sua oficina, e unanimemente
• Joaquim de Vasconcellos, ed.: El-Rey D. João o
atribuído ao Padre Nicolau da Maia de Azevedo
4to., (Porto, 1900).
• D. João IV, Reis, Rainhas e Presidentes de Portugal,
• Luís de Freitas Branco: D. João IV, músico, (Lis- Portal da História, Manuel Amaral 2000-2008
boa, 1956).
• D. João IV. In Infopédia, Porto: Porto Editora,
• Mário de Sampayo Ribeiro, Elogio histórico de el- 2003-2013 (Consult. 2013-04-20).
rei Dom João, o quarto, (Lisboa, 1942).
• Árvore Geneológica de João IV de Portugal
• Mário de Sampaio Ribeiro, El-Rei D. João IV • Faixas áudio de João IV de Portugal no Spotify
príncipe-músico e príncipe da música, Academia
Portuguesa da História, (Lisboa, 1958).
5.2.12 Ver também
• Mário de Sampayo Ribeiro (pref., introd. e notas),
Defensa de la musica moderna contra la errada opi- • Autoria do Hino Natalício: Adeste Fideles
nion del obispo Cyrilo Franco, El-Rei D. João IV,
Universidade, (Coimbra 1965). • Árvore genealógica dos reis de Portugal
100 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

5.3 Afonso VI de Portugal todas elas ligações à Coroa, as suas possessões estavam
segregadas do património do Estado.[3]
Afonso VI de Portugal (Lisboa, 21 de agosto de 1643
— Sintra, 12 de setembro de 1683) foi o vigésimo se-
Subida ao trono e regência de D. Luísa
gundo rei de Portugal e o 2.º Rei de Portugal da Dinastia
de Bragança.
Volvidos três anos, falece João IV, deixando como suces-
sor Afonso, cuja idade ainda não lhe permitia governar e
5.3.1 Biografia com capacidade mental duvidosa para assumir a função.
Foi aclamado e jurado rei a 15 de novembro de 1656.[4] O
Nascido apenas como infante de Portugal, Afonso não es- boato de que sofria de alguma doença mental levou a que
tava destinado a reinar nem foi preparado para tal, em se levantasse a questão do adiamento da cerimónia. No
virtude do herdeiro da coroa ser o seu irmão mais ve- entanto, a data manteve-se por entendimento da rainha.
lho, o brilhante príncipe Teodósio de Bragança.[1] A sua O discurso de praxe coube ao doutor António de Sousa
formação foi pouco cuidada, à semelhança dos restantes Macedo, jurisconsulto e diplomata, o qual destacou não a
irmãos, o que se confirma quando Catarina parte para a figura de Afonso mas a de seu pai, a quem definiu como
Inglaterra, em virtude do seu casamento com o rei Carlos «hum sugeito quasi divino». Não deixou de invocar os
II, quase sem saber falar inglês.[1] feitos dos reis anteriores, provavelmente com o propó-
sito de despertar o brio do jovem monarca, cuja nação se
Ao contrário dos seus irmãos, Afonso passou a sua infân- preparava para o recomeço da ofensiva espanhola, que já
cia e juventude em Lisboa, num ambiente tenso e mergu- se fazia anunciar, e ao qual incumbia o dever de juntar
lhado em preocupações políticas, governativas, militares, todas as forças para, ao fim de dezasseis anos de guerra,
entre outras.[1] Com 3 ou 4 anos de idade, atinge-o uma não comprometer a independência face ao país vizinho e
«febre maligna» que lhe afecta o lado direito do corpo todo o processo de restauração.[5]
e que se repercutirá na sua vida em variados aspectos,
desde políticos a familiares e sexuais.[1] Uma doença do
sistema nervoso central, pensa-se hoje, talvez uma menin-
goencefalite, uma doença de foro nervoso, como propõe
Montalvão Machado.[2]
A morte do irmão, Teodósio, sucede-se a 13 de maio de
1653 e, a 17 de novembro do mesmo ano, falece Joana.
Passa Afonso para a ribalta como novo herdeiro do trono
de Portugal.

Criação da Casa do Infantado

Poucos anos antes de falecer, João IV dispensa em be-


nefício do infante Pedro, que mais tarde se tornaria rei
de Portugal, um vasto património de senhorios, grande
parte deles usurpados aos nobres contrários à Restaura-
ção que haviam partido para Espanha. Estes senhorios
estendiam-se ao longo do território português, do Norte
ao sul do Alentejo, e estão na origem da Casa.
Garantia-se assim, não só «o mantimento dos filhos se-
gundos da coroa», nas palavras de Veríssimo Serrão, mas
também o suporte da descendência de forma a perpetuar
o Sangue Real Português o mais que se pudesse.[3] Porém, Retrato de Luísa de Gusmão, Rainha de Portugal, regente no iní-
alguns historiadores interpretam esta medida de forma di- cio do reinado de Afonso VI.
ferente: com a debilidade da Monarquia Portuguesa, que
nem sequer era reconhecida internacionalmente, e a inse- Este era o dia em que se iniciava também a regência da
gurança que representava da incapacidade do Herdeiro,[3] sua mãe, Luísa de Gusmão..[6]
inclusive a gerar descendentes, esta medida conseguia co-
A regência de Luísa centrou-se, inicialmente, na organi-
locar nas mãos da Família Real um vasto património, quezação do governo de modo a impor-se às facções palaci-
garantiria a sua importância senhorial. anas em jogo. Nomeia então, Francisco de Faro, Conde
A Casa do Infantado e a Casa do Cadaval, com quem de Odemira, para aio de Afonso e mantém os oficiais da
a Monarquia mais tarde contraiu alianças, formavam a Casa Real que exerciam tais funções no tempo do seu ma-
trindade da Nobiliarquia Portuguesa e, embora tivessem rido. Francisco, filho do segundo Conde de Faro, Estevão
5.3. AFONSO VI DE PORTUGAL 101

de Faro, e de Guiomar de Castro, filha do quarto Barão


do Alvito, João Lobo da Silveira, e neta, por parte da
mãe, do segundo Senhor de Lavre e Estepa, João Masca-
renhas. Através dos matrimónios das suas filhas, Maria e
Guiomar, traçou relações com o sétimo Conde da Feira
e com o primeiro Duque de Cadaval, o célebre Nuno Ál-
vares Pereira de Melo, e com o terceiro conde de Vila
Nova de Portimão, respectivamente. Francisco, como
se constata, pertencia a uma das famílias mais podero-
sas e de maior tradição em Portugal, e com ligações de
parentesco directas com outras casas de suma importân-
cia, como é o caso da Casa de Cadaval. A Pedro Vieira
da Silva e Gaspar Faria Severim, comendador de Moura,
coube o Conselho de Estado. Porém a rivalidade entre
Francisco e o Conde de Cantanhede dificulta a regência
da mãe de Afonso. Esta vê-se obrigada a nomear a «Junta
Nocturna», assim conhecida por ter reuniões à noite.[6]
Para além dos dois nobres em disputa, constavam nela
outros oficiais de confiança, como o marquês de Nisa, Pe- Painel de azulejos do século XVII, que representam o antigo Paço
dro Fernandes Monteiro, o conde de São Lourenço e frei da Ribeira, destruído em 1755 devido ao terramoto que abalou
Domingos do Rosário, diplomata experiente. Esta Junta Lisboa nesse mesmo ano. D. Afonso VI foi o primeiro infante a
teve bastante utilidade e agilidade aos comandos dos ne- habitar neste palácio.
gócios públicos.[6]

do Conde da Ericeira, que documentou grande parte


Amizade com António Conti da Restauração, o rei não se poupava a esforços para
conquistar «a afeição tanto das mulheres mais expostas,
Com 13 anos, narra Veríssimo Serrão,[2] divertia-se ob- quanto das mais recatadas, crescendo de sorte, que, pas-
servando de uma janela do paço real rapazes de baixa sando do rebuço da noite à manifesta claridade do dia,
condição nas suas brincadeiras, que incluíam lutas e ou- não perdoava nem ao sagrado das igrejas»[9] De facto,
tras arruaças.[2] O rei não se coibia de aplaudir tais lu- duas freiras do convento de Odivelas, já frequentado pe-
tas, incitando o grupo seu favorito. Nas arcadas do pátio los monarcas desde Dinis e onde floresciam casos amo-
para onde dava a dita janela, reuniam-se mercadores e ou- rosos, disputavam do favor régio, Ana de Moura e Felici-
tros negociantes. Entre eles estava António Conti, “que ana de Milão. Provavelmente para impressionar alguma
tinha tenda de fitas, meias e mais adornos femininos”. das duas senhoras, Afonso quis tourear no pátio daquele
Este astuto genovês soube insinuar-se nas boas graças do convento, acabando por cair e magoar-se. Segundo a tra-
monarca, aplaudindo os seus protegidos e ofertando-lhe dição, foi sangrado e Ana de Moura sangrou-se também,
bugigangas condizentes com o seu pouco apurado gosto, não tanto pela necessidade, mas para «fazer finaeza a Sua
sempre que o rei descia ao pátio para conversar com Majestade.»[4][10]
ele.[7] Conti tratou de lhe apresentar o seu irmão e tam-
A regente, de início, tentou apaziguar estas atitudes e im-
bém outros rapazes, incluindo negros, lacaios, mouros e pedir que o rei mantivesse contacto com estes rapazes,
outros de ínfima estirpe.[2][7] Tomando posse da sua Casa,
aconselhando-o. Porém, Afonso não a escutava, nem tão
a 7 de Abril de 1660, Afonso introduz António no paço, pouco aos conselheiros, entre os quais o conde de Ode-
concedendo-lhe alojamento, um quarto com porta para a
mira, Francisco. As brincadeiras de mau gosto continu-
câmara do próprio rei, causando, claramente, um escân- avam, eram motivo de preocupação na corte e no reino
dalo na corte. e Luísa teve que tomar uma medida drástica. É imple-
Tomando posse da sua casa, a 7 de abril de 1660, deli- mentada a pena de açoites e degredo a quem, com mais
beradamente, consegue Afonso um alojamento no paço de quinze anos, «jogasse pedradas».[2][11] António Conti
para António Conti, um quarto com porta para a câmara é afastado da corte. Francisco de Faro aproveita o mote
do rei, atitude que provocou escândalo na corte. Atribui- e expulsa o grupo do paço, que ali entrava a seu belo-
lhe igualmente o foro de moço do guarda-roupa do rei. prazer.[2] Quem não gostou foi, obviamente, Afonso, que,
Assim, tinha o privilégio de assistir aos vestir e despir ao ver-se impedido de contactar com os seus amigos,
da real pessoa, que o designou também moço das chaves. volta a sua ira contra a mãe e contra os membros do con-
António consegue ainda do rei que este o tornasse fidalgo, selho de estado, incluindo Francisco.[2]
lhe concedesse uma comenda e ainda o hábito da Ordem Surgem então na vida do jovem rei dois jovens corte-
de Cristo. O monarca dispensa-lhe ainda uma capela cujo sãos que lhe restituem as amizades perdidas. São eles
rendimento se acercava dos 1000 Cruzados.[8] Jerónimo de Ataíde (um dos filhos da célebre Filipa de
Nestas saídas nocturnas, de acordo com as descrições Vilhena), e Luís de Vasconcelos e Sousa, que ficou para
102 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

a História como o célebre conde de Castelo Melhor, tí- os-Montes, das Beiras e do Algarve. A zona do Guadiana
tulo que lhe pertencia. Como diz Veríssimo Serrão, «não é, em princípios do mês de Abril, dominada pelos espa-
[se aproximaram de D. Afonso] porque lhes conviesse a vida nhóis. Não resistiram as praças de Olivença e Mourão. Já
escandalosa deste mas porque sentiam que o favor régio em 1658, sabe-se então da pretensão das tropas de Filipe
estava a seu alcance logo que ele tomasse o poder.».[2] em ocupar Vila Viçosa. Eis que surge um dos grandes
generais da Restauração, Sancho Manoel, governador da
Praça de Elvas. Luis de Haro e as suas tropas, de cerca
A Batalha da Linha de Elvas
de 20 mil homens e muita artilharia, cercam Elvas, cerco
este que se mantém durante três meses. Dentro das mu-
Mereceu Afonso o epíteto de O Vitorioso, por no seu rei-
ralhas, resistiram os portugueses sob diário fogo de arti-
nado Portugal ter vencido a Espanha em várias batalhas
lharia. Trezentos mortos por dia foi o resultado da peste
da Guerra da Restauração. Em dez anos, mais ou menos
que também se abateu sobre os militares. Esperavam-se
o tempo em que combateu o país vizinho, diz António
os reforços vindos de todo o país, comandados pelo conde
Pereira de Figueiredo, que «alcançou tão grande nome-
de Cantanhede, António Luís de Menezes, que não tar-
ada, que ninguém se pode comparar com ele no número
daram a chegar. A batalha era decisiva, pois estava em
de vitórias e na glória que delas resultou».[12]
causa o controlo de Lisboa. É a 14 de janeiro de 1659 que
Foram cinco as vezes em que os portugueses combate- se dá a batalha nos campos de Elvas, ganha pelos portu-
ram os castelhanos durante o seu reinado, por ocasião da gueses. Sancho recebe em troca da sua valentia em Elvas,
Guerra da Restauração, sempre em menor número que os o título de Conde de Vila Flor. Porém, a batalha - viriam
adversários. Logo no início do ano de 1657, a regente é os portugueses a perceber mais tarde - não foi definitiva,
informada pelo Conde de Soure que os espanhóis reuniam pois o Tratado dos Pirenéus deixa a Espanha sem outros
tropas para invadir Portugal na Primavera.[6][13] Pouco encargos militares.[2]
tempo depois André de Albuquerque, general portu-
Antes, todavia, deflagra uma crise política no sei da corte,
guês, precisa o local de ajuntamento das tropas: Badajoz.
que opõe Luísa a Afonso, mãe e filho, pelas rédeas do
Constava ainda que o próprio monarca vizinho viria di-
Poder. A rainha chegou a encarar a hipótese de o infante
rigir um poderoso exército a Mérida.[14] Substituído o
Pedro, seu 3.º filho, vir a ser jurado herdeiro do trono,
conde de Soure no comando das operações militares na-
para o que recebeu a Casa do Infantado, ainda no tempo
cionais no Alentejo, é o conde de São Lourenço que se
de D. João. Mas tendo falhado o golpe palaciano de 1662,
encarrega de tal tarefa.[15]
que visava o desterro de António Conti no Brasil ou, tal-
vez mesmo, a prisão do monarca, abriu-se o processo que
levou ao termo da regência em 23 de Junho de 1662, à
entrega do poder efectivo ao rei.

Ascensão ao Poder

Foi a regente, Luísa de Gusmão, quem nomeou os con-


des de Castelo Melhor e Atouguia como aios do jovem
monarca, mas essa nomeação iria voltar-se contra as suas
pretensões e afastá-la definitivamente do poder do reino.
Não oferece dúvida que foi o conde de Castelo Melhor o
cérebro da manobra que afastou a rainha da vida pública,
tendo nela participado o conde de Atouguia e Sebastião
César de Meneses. Ambos levaram o rei para Alcântara,
para onde convocaram a nobreza, retirando-se ao Paço
da Ribeira o centro de decisão política.[16] Para alcançar
o poder, foram dois os argumentos de Afonso: a busca de
meios para defrontar a ameaça que representava Castela
e poupar a sua mãe do «contínuo trabalho» que lhe cabia
como regente.[16] Por Ordem Régia de 22 de Junho de
1662, invoca-se um princípio jurídico inabalável, a que
todos deveriam obedecer.
A rainha, tratada com o maior respeito pelo grupo de
Pedra comemorativa da Batalha das Linhas de Elvas, 1659, com
menção a Afonso VI. Castelo Melhor, manteve-se no paço até março de 1663,
recolhendo-se então ao convento dos Agostinhos Descal-
Providencia a nomeação de capitães nas praças de Castelo ços (ou dos Grilos). Em carta à ausente filha Catarina,
de Vide, Marvão e Vila Viçosa e chama reforços de Trás- rainha de Inglaterra, define o ocorrido como uma conspi-
5.3. AFONSO VI DE PORTUGAL 103

ração. Na mesma carta, não chega sequer a referir o nome durante dois anos, devido a suspeitas do seu envolvi-
de Pedro, o seu segundo filho, irmão de Afonso, devido à mento na morte do conde de Vimioso. Quando regressa
sua tenra idade, que não lhe permitia a participação nesta a Portugal, combate em defesa do Minho, ficando ferido
disputa de poder.[16] O país ficar-lhe-ia em dívida pela com gravidade. Retornado à corte, recebe em 1659 o
coerência e pulso firme com que garantiu a nova dinas- ofício de reposteiro-mor do Paço, em já em 1662 exer-
tia e as condições de independência de Portugal face ao cia funções de camareiro de serviço, estando constante-
país vizinho. A inclinação que teve pelo filho segundo mente em contacto com as figuras régias e a família real,
terá provavelmente sido fruto da incapacidade que Luísa o que o tornava uma das personalidades mais distintas na
via no legítimo herdeiro e que poderia comprometer os corte portuguesa[17] Hoje equivaleria às funções de um
vinte anos de luta que se travaram até ali. Morreu ela a Primeiro-Ministro. Terá encabeçado o golpe que desti-
27 de novembro do ano seguinte, no convento do vale de tuiu a regente, e colocou o soberano à cabeça do poder
Xabregas. Em testamento, lavrado a 26 de fevereiro de do reino, juntamente com o Conde de Atouguia e outros
1666, declara Afonso como seu herdeiro e testamenteiro. fidalgos de nobreza média. Todos veriam no rei um es-
Ao outro filho deixou as dívidas, a protecção dos criados paço para a sua ascensão social e política.
que a serviam e pede-lhe ainda que proteja as obras de
Após a crise de 1662 que lhe concede o poder efectivo,
caridade às quais o seu nome se encontrava ligado.[16] Afonso VI logo reconheceu os préstimos do conde Luís
O golpe palaciano que a depôs é assim descrito: ao nomeá-lo criado de escrivão da puridade, fiando-lhe
«os maiores negócios do reino»[18] Este cargo, ao longo
da segunda dinastia, tinha sido quase sempre destinado
O conde de Castelo Melhor ao funcionário régio de maior confiança.[17] Hoje equi-
valeria às funções de um primeiro-ministro.[19] Portanto,
com este ofício, à mercê da centralização do poder que
a Restauração impunha, era-lhe confiada a máquina de
administração pública.[17]
Se o reino usufruiu da eficiente regência de Luísa de Gus-
mão, também nada perdeu com a troca, pois Luís, aos
comandos da administração pública demonstrou a garra
de um verdadeiro estadista, como refere Veríssimo Ser-
rão. Essa firmeza política demonstrou-a na condução das
grandes batalhas que se seguiriam à tomada de posse de
Afonso.

As relações externas

Este curto espaço de tempo entre a queda da regente e a


chegada de Castelo Melhor ao poder, foi predominante
para a diplomacia portuguesa e para o comércio interna-
cional.
Catarina de Bragança, que anteriormente já havia sido
proposta por Frei Domingos do Rosário, diplomata por-
tuguês, como esposa de Luís XIV, viu tal proposta ser re-
cusada por influência de Mazarino. Se o casamento vin-
gasse, seria um triunfo para a diplomacia portuguesa.[20]
Surge então o tratado anglo-luso de 1661, que visava o
apoio mútuo entre o Portugal e a Inglaterra e, em vir-
tude do tratado, a princesa portuguesa é proposta em ca-
samento a Carlos II de Inglaterra, que aceita. Em causa
estava também um vasto dote que Portugal teria que pagar
pelo matrimónio, razão pela qual D. Luísa, ainda como
regente, teve que recorrer à ordem da Junta dos Três Es-
tados para conseguir o dinheiro necessário,[21][22] visto
Luís de Vasconcelos e Sousa, terceiro conde de Castelo Melhor.
que o pagamento, por exigência do rei inglês, deveria ser
feito o mais brevemente possível. A 25 de abril de 1662,
[21]
Luís de Vasconcelos e Sousa, terceiro conde de Castelo a irmã de Afonso parte rumo ao seu novo reino.
Melhor, com apenas 26 anos vivera exilado em França A França, por sua vez, não faz nenhuma objecção a este
104 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

a João IV construir e a Luísa a manter pareciam agora


desmoronar-se. A relação entre as duas coroas foi inter-
rompida, de 1659 a 1662, já com o governo português nas
mãos de Castelo Melhor. Contudo, as relações comerci-
ais falaram mais alto e a Suécia vê-se obrigada a voltar
atrás, de modo a evitar as desvantagens do monopólio do
sal de Setúbal para os ingleses e holandeses e também de-
vido a interesses mercantis no Brasil e Guiné. Todavia,
a aproximação diplomática entre Afonso VI e Cristina
da Suécia, não teve grande utilidade na Restauração da
independência.[24]
A independência portuguesa representava uma faca de
dois gumes para a Santa Sé,[25] visto que a Igreja nada ti-
nha contra a emancipação portuguesa, mas também não
podia reconhecê-la devido à influência política da Espa-
nha. Este foi sem dúvida o campo de actuação mais di-
fícil para os diplomatas portugueses. Só com a paz com
Espanha, o papa Clemente IX alterou a atitude romana
face às pretensões espirituais de Afonso VI e reconhecido
Portugal como país independente.[25][26]

D. Catarina de Bragança, irmã de D. Afonso VI. As grandes batalhas

«Depois de Afonso VI tomar posse da governação de Es-


tratado, apesar da sua rivalidade com a Inglaterra, gra- tado, João de Áustria, filho bastardo do rei de Castela,
ças ao apoio do marechal Turenne, que permitu a vinda invadiu o Alentejo, tomou Évora, e chegou quase às por-
do general alemão Schomberg mais 600 oficiais e solda- tas de Lisboa. O conde de Castelo Melhor tratou de or-
dos para servir na fase mais crítica das guerras da Res- ganizar importantes forças para repelirem esta invasão,
tauração. Ver Espanha enfraquecida face à hegemonia colocando à frente dessas forças Sancho Manuel, conde
da França, de certo correspondia aos objectivos de Luís de Vila Flor, e o conde de Schomberg. Seguiu-se uma
XIV. Assim, além de não hostilizar o tratado, a França série de combates a de vitórias; a reconquista de Évora,
firmou o tratado de liga formal com D. Afonso VI, que a tomada de Assumar, Ouguela, Veiros, Monforte, Crato
contribuiu posteriormente para a paz com Espanha.[20] e Borba; Figueira de Castelo Rodrigo, Ameixial, batalha
que se deu em 1663, em que muito se distinguiram os
Com a Holanda as relações externas não eram assim tão
generais marquês de Marialva, e conde de Schomberg.
pacíficas, visto ser este país um dos grandes inimigos de A decadência de Portugal era inevitável, com um rei tão
Portugal, por se ter apoderado de várias capitanias do fraco que tudo sacrificava à quietação do espírito e às suas
Brasil e outros portos de pertença portuguesa, aquando do comodidades. Nas colónias ainda essa decadência mais
domínio filipino. Após um tratado ratificado por D. João se pronunciava. As complicações da Índia, a aliança da
IV, as hostilidades cessaram durante 10 anos. Porém, os Inglaterra, com o casamento da infanta Catarina de Bra-
territórios continuavam a ser ainda holandeses. Após vá- gança, filha de João IV, com o rei de Inglaterra, Carlos II,
rias propostas de devolução das capitanias do Brasil em que levou em dote duas praças, Bombaim e Tânger, a to-
troca de regalias no comércio do sal de Setúbal e paga- mada, pelos holandeses, de Ceilão, Cranganor, Negapa-
mento de três milhões e meio de cruzados, arrastam-se tam, Cochim, Coulam, e Cananor, as negociações a que
as negociações até que em agosto de 1661 o tratado de foi indispensável entrar com eles e a traição do duque de
paz é assinado. Ratificado por Afonso VI a 24 de maio Aveiro e de Fernando Teles de Faro. A campanha contra
de 1662,[23] mesmo ficando por regular alguns pontos de- os espanhóis, terminou por assim dizer, com a batalha
correntas da aplicação do tratado, Portugal teve que con- de Montes Claros, ganha pelo marquês de Marialva e o
tribuir com quatro milhões de cruzados e a restituição da conde de Schomberg. Depois desta batalha, só houve es-
artilharia dos holandeses, a pagar no prazo de 16 anos. caramuças a guerras de fronteira. Os espanhóis, já can-
Assim se fez a paz entre Portugal e a Holanda.[23] sados de tanto lutar, começaram a tratar da paz, que o
As relações com a Escandinávia pareciam intermitentes, conde de Castelo Melhor só queria aceitar com as condi-
sendo que de Cristiano IV da Dinamarca pouco apoio se ções a que nos dava direito a nossa constante supremacia
conseguiu face à posição política do país quanto à Es- militar. Assim o conde exigia que a Espanha nos cedesse
panha. A Suécia, por sua vez, em 1654 renuncia a in- uma porção do seu próprio território, queria a Galiza, e
dependência de Portugal e reconhece Filipe IV como rei com certeza o conseguiria, se as intrigas da corte o não
deste país. As alianças diplomáticas que tanto custaram houvessem precipitado do poder.»
5.3. AFONSO VI DE PORTUGAL 105

No ano de 1663 ocorreu em Lisboa um perigoso motim do Conselho de Estado o duque de Cadaval, Nuno Álva-
perante a perda de Évora e de outras terras alentejanas, res Pereira de Melo, D. Vasco Luís da Gama, marquês
que desassossegou a corte. Sucede-se então, no mesmo de Nisa. escolheu como Presidente da Mesa do Desem-
ano, a terceira batalha deste reinado, no Ameixial, junto bargo do Paço o marquês de Gouveia, João da Silva, e
a Estremoz, comandada por D. Sancho Manoel.[27] como vedor da Fazenda o velho general António Luís de
Meneses, marquês de Marialva. Eram todos elementos
ligados ao «partido francês», vitoriosos sobre a facção
«inglesa» comandada por Castelo Melhor.
Afonso foi banido para a ilha Terceira, nos Açores. Tais
actos foram sancionados pelas Cortes de Lisboa de 1668.
O rei morreu em Sintra, em 1683 depois de preso durante
9 anos no Quarto com seu nome no Palácio Real de Sin-
tra. Sua morte, se diz ter sido por envenenamento, após
deposto pelo irmão Pedro II, que veio a casar com a sua
mulher. Apenas saía do quarto para se dirigir à Capela
do Palácio.

5.3.2 Casamento

Em 1652 falhou o casamento com a filha do príncipe de


Parma, o mesmo sucedendo pouco depois com Mademoi-
selle de Montpensier, e tampouco resultou o plano de o
casar com a filha do duque de Orléans, origem de uma
missão de Francisco Manuel de Melo. Afinal o marquês
O estratega alemão, Frederico, conde e duque de Schomberg, de Sande, D. Francisco de Melo e Torres, assinou em
que apoiou militarmente as campanhas de Afonso VI contra a Paris a 24 de fevereiro de 1666 o contrato matrimonial
Espanha. com Maria Francisca Isabel de Saboia, Mademoiselle
d'Aumale. O casamento se celebrou por procuração em
A quarta batalha travada foi a de Castelo Rodrigo, tam- La Rochelle em 27 de junho e a nova Rainha chegou a
bém em 1663, comandada por Pedro Jacques de Maga- Lisboa a 2 de agosto. Maria Francisca alimentou espe-
lhães, e a quinta a de Montes Claros, cujo comando coube ranças de gravidez, em que pese a corrente favorável ao
ao terceiro conde de Cantanhede, António Luís de Mene- infante Pedro (o duque de Cadaval, o embaixador francês
ses, depois Marquês de Marialva. Porém, as vitórias leva- e outros) dizer depois que o casamento não se consumara.
das a cabo desde 1660 foram amparadas por um estratega Pelos autos sabe-se que de facto, apenas dois dias após
alemão, o Conde de Schomberg, contratado naquele ano ter conhecido o noivo, a rainha já havia desabafado ao
pelo conde de Soure.
seu confessor, o jesuíta Francisco de Vila: "Meu padre,
Grupos palacianos se aproveitaram da situação. Um parece-me que não terá Portugal sucessores deste Rei."
grupo de nobres que incluía também o marquês de Ma- Nos meses que se seguiram, ainda em confissão, conti-
rialva, o conde de Sarzedas, o conde de Vila Flor, conse- nuou a queixar-se ao religioso que o Rei era "inábil e im-
guiu derrubar o conde de Castelo Melhor. A 27 de Outu- potente", a rainha acabou por recolher-se ao Convento de
bro a Câmara de Lisboa pediu a convocação imediata das Nossa Senhora da Esperança em Lisboa, e a entrar, no
Cortes, enquanto Castelo Melhor se exilava num mosteiro dia seguinte, com um pedido de anulação do matrimónio
de arrábidos perto de Torres Vedras, exilando-se depois no Cabido de Lisboa, designando como seu procurador
nas cortes de Saboia, França e da Inglaterra (sua situação no processo, o duque de Cadaval. Deixou ao Rei uma
só se desanuviou depois da morte da Rainha em 1683). A carta onde se justificava: "Apartei-me da companhia de
Rainha deixou o Paço em 21 de Novembro, recolhendo- Sua Majestade, que Deus guarde, por não haver tido efeito
se ao convento da Esperança em clausura com suas damas o matrimónio em que nos concertámos (...)". Desse modo,
e oficiais, no que se considerou grande escândalo. de 9 de janeiro a 23 de fevereiro de 1668, nas tardes
Após seu afastamento em 1667 Afonso foi compelido por de segundas, quartas e sábados, 55 testemunhas foram
sua mulher, Maria Francisca, e irmão, Pedro, a abdicar do chamadas ao paço do Arcebispo de Lisboa para depor,
trono no dia 22 de Novembro. O infante Pedro justificou em audiências públicas, sobre a incapacidade sexual do
[28]
a tomada do governo pela exigência do «Senado lisbo- monarca.
eta». Guardou apenas o título de «curador» e governador O processo foi julgado por três autoridades eclesiásticas
do Reino. Desde 26 de novembro de 1667 os documentos e um júri com quatro desembargadores e quatro cónegos.
vêm assinados pelo «Infante» e só depois de Cortes em Entre as primeiras testemunhas, encontravam-se 14 mu-
1668 passaram a sê-lo pelo «Príncipe». Fez membros lheres com quem o rei havia tentado envolver-se.[29] Não
106 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

compareceram quaisquer testemunhas a favor do rei. • 6 de Dezembro de 1653 – 6 de Novembro de 1656:


De acordo com o historiador português Joaquim Verís- Sua Alteza Real, O Príncipe do Brasil, Duque de
simo Serrão "o processo constitui uma página lamentável Bragança, etc.
de nossa história", mas mesmo que a tese da não consu- • 6 de Novembro de 1656 – 12 de Setembro de 1683:
mação possa suscitar reservas, o processo contém maté- Sua Majestade, O Rei de Portugal e dos Algarves
ria abundante para provar a incapacidade do monarca em
assegurar a sucessão do Reino.
O estilo oficial de D. Afonso VI enquanto Rei de Portu-
Não resiste à menor crítica, segundo o mesmo historia- gal:
dor, a versão posta a correr de os dois cunhados terem Pela Graça de Deus, Afonso VI, Rei de Portugal e dos
amores incestuosos. Antes da anulação ser declarada, Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhor da
já as cortes de 1668 tinham sentido o grave problema Guiné e da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia,
e sugerido ao infante o casamento com a Rainha, "para Arábia, Pérsia e Índia, etc.
quietação do Reino e segurança de sua real sucessão".
Efetuaram-se diligências em Roma para a necessária dis-
pensa, no impedimento publicae honestatis que pudesse Honrarias
haver entre os nubentes, tendo a bula de autorização che-
gado a Lisboa a 27 de março. Seguidamente foi deposto Enquanto monarca de Portugal, D. Afonso VI foi Grão-
por decisão do Conselho de Estado. Mestre das seguintes Ordens:

Toda essa história e circunstancia pode ser apreciada num


• Ordem dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo
filme cujo nome é precisamente "O Processo do Rei", re-
alizado em 1989, por João Mário Grilo. • Ordem de São Bento de Avis

• Antiga, Nobilíssima e Esclarecida Ordem de


5.3.3 Fim da vida Sant'Iago da Espada

Instalado na ilha Terceira, ali permaneceu ao longo de • Antiga e Muito Nobre Ordem da Torre e Espada
cinco anos. Viveu caprichoso, em turbulência constante e
com grande violência física, nem mesmo poupava os cri-
5.3.5 Genealogia
ados. Em fins de 1673 descobriu-se em Lisboa uma cons-
piração para favorecer seu regresso. Diversos conspira-
Ascendência
dores foram mesmo enforcados no Rossio. O Rei, man-
dado vir, chegou a Lisboa em 14 de setembro de 1674,
sendo conduzido ao Palácio de Sintra. Durante nove anos
5.3.6 Bibliografia
viveu ali, fechado em seus aposentos, com servidores da
• RIBEIRO, Mário de Sampayo, Estudos de Crítica
inteira confiança do duque de Cadaval. No início de 1683
Histórica I, 1667 - 1668, A destronação de el-Rei D.
foi sangrado, tomou purgas, em 30 de maio teve «agas-
Afonso VI e a anulação de seu matrimónio, Lisboa,
tamentos, com dores», na manhã de 12 de setembro teve
1938.
um acidente apoplético e ficou sem fala, morrendo logo.
Montalvão Machado, em «Causas de Morte dos Reis Por-
tugueses», Lisboa, 1974, diz que o rei morreu de tuber- 5.3.7 Referências
culose pulmonar, como outros filhos de João IV e Luísa.
Jaz juntamente com seu irmão Pedro II e Maria Francisca [1] LOURENÇO, Paula, PEREIRA, Ana Cristina, TRONI,
Joana, Amantes dos Reis de Portugal, p. 163, A Esfera dos
no Panteão dos Braganças em Lisboa.
Livros, Lisboa, 2.ª ed., Dezembro de 2008

[2] SERRÃO, Joaquim Veríssimo, História de Portugal, vol.


5.3.4 Títulos, estilos, e honrarias V, p. 46, Editorial Verbo, Lisboa, 2.ª ed.

[3] SERRÃO, Joaquim Veríssimo, História de Portugal, vol.


Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da V, p. 128-129, Editorial Verbo, Lisboa, 2.ª ed.
Coroa Portuguesa
[4] LOURENÇO, Paula, PEREIRA, Ana Cristina, TRONI,
Joana, Amantes dos Reis de Portugal, p. 164, A Esfera dos
Livros, Lisboa, 2.ª ed., Dezembro de 2008
Títulos e estilos
[5] SERRÃO, Joaquim Veríssimo, História de Portugal, vol.
V, p. 42-43, Editorial Verbo, Lisboa, 2.ª ed.
• 21 de Agosto de 1643 – 6 de Dezembro de 1653:
Sua Alteza, O Sereníssimo Infante Afonso de Portu- [6] SERRÃO, Joaquim Veríssimo, História de Portugal, vol.
gal V, p. 43, Editorial Verbo, Lisboa, 2.ª ed.
5.4. PEDRO II DE PORTUGAL 107

[7] Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro. [28] CASTRO, Pedro Jorge. “Sexo, Traição, Violência - e
mais Sexo”. Sábado, nº 355 - 17 a 23 de fevereiro de
[8] LOURENÇO, Paula, PEREIRA, Ana Cristina, TRONI, 2011, p. 41.
Joana, Amantes dos Reis de Portugal, p. 165, A Esfera dos
Livros, Lisboa, 2.ª ed., Dezembro de 2008 [29] BAIÃO, António. Causa de Nulidade de Matrimónio entre
a Rainha D. Maria Francisca Isabel de Saboya e o Rei D.
[9] Conde da Ericeira, História de Portugal Restaurado, Porto, Afonso VI, 1925. apud op. cit., p. 41.
Livraria Civilização, 1945-1946, tomo II, pp. 298 e ss.

[10] Branco, Manuel Bernardes, Portugal na Epocha de D. 5.3.8 Ligações externas


João V, 2.ª edição, Lisboa, Livraria de António Maria Pe-
reira - Editor, 1886, p. 192.
• D. Afonso VI, Reis, Rainhas e Presidentes de Portu-
[11] Alvará de 31 de Janeiro de 1604, confirmado por reso- gal, Portal da História, Manuel Amaral 2000-2008
lução a 29 de Outubro de 1659, J. J. Andrade e Silva,
Collecção Chronologica de Legislação Portugueza (1657-
1674), p. 34 5.3.9 Ver também
[12] FIGUEIREDO, António Pereira, Elogios dos reis de Por- • Árvore genealógica dos reis de Portugal
tugal: em latim e em portuguez, illustrados de notas histo-
ricas e críticas, p. 211, 1785

[13] Carta à rainha D. Luísa de Gusmão, Elvas, 15 de Janeiro 5.4 Pedro II de Portugal
de 1657.
D. Pedro II de Portugal (Lisboa, 26 de abril de 1648 —
[14] Carta à rainha D. Luísa de Gusmão, Elvas, 21 de Janeiro
de 1657. Alcântara, 9 de dezembro de 1706). Foi Rei de Portugal,
de 1683 até sua morte, sucedendo ao irmão Afonso VI,
[15] SERRÃO, Joaquim Veríssimo, História de Portugal, vol. vindo já exercendo as funções de regente do reino desde
V, p. 44, Editorial Verbo, Lisboa, 2.ª ed. 1668, devido à instabilidade mental do irmão, Afonso VI.
Está sepultado no Panteão dos Braganças em São Vicente
[16] SERRÃO, Joaquim Veríssimo, História de Portugal, vol. de Fora. Morreu na Quinta de Alcântara, ou Palácio da
V, p. 47, Editorial Verbo, Lisboa, 2.ª ed.
Palhavã, de apoplexia. Tinha 58 anos e estava doente ape-
[17] SERRÃO, Joaquim Veríssimo, História de Portugal, vol. nas há quatro dias.
V, p. 48, Editorial Verbo, Lisboa, 2ª ed

[18] Carta patente de 21 de Julho de 1662, J. J. Andrade e 5.4.1 Dados biográficos iniciais
Silva, Collecção Chronologica de Legislação Portugueza
(1657-1674), pp. 76-77. Terceiro filho do rei D. João IV de Portugal e de Luísa de
Gusmão, foi Senhor da Casa do Infantado. Cognominado
[19] Conde de Tovar, «O escrivão da Puridade», in Estudos
de O Pacífico, porque em sua regência que se fez a paz
Históricos, vol. 6, t. III, Academia Portuguesa da Histó-
ria, Lisboa, 1961. com a Espanha (em 1668).
Regente de 1667 a 1683, chegou ao poder por golpe de
[20] SERRÃO, Joaquim Veríssimo, História de Portugal, vol. Estado no qual em 27 de janeiro de 1668 depôs o irmão
V, p. 66, Editorial Verbo, Lisboa, 2ª ed
rei Afonso VI de Portugal[1] . Foi rei por morte deste em
[21] SERRÃO, Joaquim Veríssimo, História de Portugal, vol. 12 de setembro de 1683. Governou portanto de facto de
V, p. 50, Editorial Verbo, Lisboa, 2ª ed 1667 a 1706. Implacável com o irmão, além de o encar-
cerar em Sintra, deflagrou processo de anulação do casa-
[22] Cartas da Rainha às câmaras do reino, 19 de Julho de 1661 mento com Maria Francisca Isabel de Saboia, alegando
a não-consumação, por inaptidão do rei em sua relação
[23] SERRÃO, Joaquim Veríssimo, História de Portugal, vol.
com mulheres, obtendo de Roma e dissolução e casando-
V, pp. 69-70, Editorial Verbo, Lisboa, 2ª ed
se com a cunhada.
[24] SERRÃO, Joaquim Veríssimo, História de Portugal, vol.
V, pp. 72-74, Editorial Verbo, Lisboa, 2ª ed
5.4.2 Apreciação
[25] SERRÃO, Joaquim Veríssimo, História de Portugal, vol.
V, pp. 70-72, Editorial Verbo, Lisboa, 2ª ed Diz Veríssimo Serrão em «História de Portugal», volume
IV, página 233: «Um historiador coevo exaltou as suas
[26] Fortunato de Almeida, História da Igreja em Portugal, t.
III, parte II, pp. 67-84
qualidades físicas, tanto na destreza das armas como no
toureio a cavalo, por ter uma agilidade e fortaleza que
[27] TOSCANO, Francisco Soares, Parallelos de principes, p. o predispunham para exercícios de violência. Foi no seu
380, 1733 tempo que o palácio de Salvaterra de Magos voltou a ser o
108 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

local preferido da corte, ali se instalando Pedro II nos me- dissolveu a excessiva força da nobreza depois da morte de
ses de Janeiro e Fevereiro, para se dedicar aos desportos D João IV em 1656.
da montaria. (…) Senhor de grande memória, o monarca Sua longa gestão foi de importantes realizações. Em 1671
nunca recusava audiência a quem lha pedisse, tanto de concedeu liberdade de comércio para os ingleses residen-
dia como de noite, deleitando-se em ouvir os outros e em tes em Portugal e deu início ao estabelecimento de ma-
discutir os assuntos nos mais ínfimos pormenores. Essa nufacturas têxteis. Dona Isabel Luísa foi proclamada her-
qualidade era (…) um dos seus maiores defeitos, porque deira do trono nas Cortes de 1674, tendo Pedro promul-
queria sempre ouvir a opinião dos conselheiros, o que o le- gado uma carta «sobre as regências e tuutorias dos Reys»
vava a dilatar a resolução dos problemas. O seu reinado
para melhor fundar o direito de sua filha.
tinha como grande desígnio reconstruir o País abalado pe-
las lutas da Restauração. Desde 1693 que podia dispor da Em 1674 sua maior preocupação foi melhorar as defesas
riqueza aurífera do Brasil, que teria dado a essa obra o do Reino, pedindo contribuição da Junta dos Três Estados
arranque decisivo de que Portugal carecia. Mas a partici- para o sustento das guarnições de fronteira, seu apetre-
pação na guerra sucessória da Espanha foi contrária aos cho e obras indispensáveis em castelos e fortes marítimos.
interesses nacionais (…). » As Cortes não atenderam a totalidade do pedido, mas o
grande receio estava na defesa do litoral. «Os navios da
Índia e do Brasil eram o principal objectivo da cobiça»,
diz Veríssimo Serrão, «História de Portugal», volume V,
página 213, de modo que «a Coroa viu-se na obrigação
de armar uma frota de 11 barcos. (…) A esquadra saiu
do Tejo em 21 de julho de 1675, sob o comando de Pedro
Jacques de Magalhães.» «Mas não se viram os resultados
de tão custosa empresa».
Obteve autorização papal para a elevação do bispado da
Bahia à categoria de arcebispado, e a criação dos bispa-
dos em Olinda e no Rio de Janeiro em 1676. Em 1677
foi criado o bispado do Maranhão, subordinado direta-
mente ao arcebispado de Lisboa. Em 1686, por decreto
do Regimento de Missões, foram restringidos os privi-
légios dos jesuítas nos sertões do Norte. Houve porém
resistências ao processo de reordenamento da adminis-
tração colonial: em 1684 a revolta de Beckman, que su-
blevou os colonos do Maranhão contra o monopólio da
Companhia Geral para o Estado do Maranhão, sufocada;
da década de 1680 o levante dos tapuias em diversas re-
giões do Nordeste.
Havia um óbice legal ao casamento de sua filha com o
primo, o duque de Sabóia: a chamada «lei das Cortes de
Lamego» impedia o casamento de uma herdeira com um
Casamento de Carlos II de Inglaterra e de D. Catarina de Bra-
príncipe estrangeiro, pretenso documento que em 1640
gança, acto de consolidação da aliança luso-inglesa.
se tornara lei fundamental do Reino. As Cortes convo-
cadas em 1 de novembro de 1679 não tiveram dúvidas
Firmou a aliança inglesa. Consolidou a independência
em proceder à derrogação. Já então viera a Lisboa o em-
de Portugal, com a assinatura do Tratado de Lisboa em
baixador saboiano, o marquês de Ornano, celebrar o ca-
1668, pondo fim às guerras da Restauração iniciadas em
samento por procuração. Mas tudo ficaria sem efeito na
1640. teve o decisivo apoio da Inglaterra, com base em
medida em que a embaixada do duque de Cadaval, envi-
cláusulas matrimoniais que uniram Carlos II Stuart com
ada a Turim, em maio de 1682, não alcançou ou não quis
a irmã, princesa Catarina de Bragança, em 1661. Portu-
concretizar o projeto, por pressões talvez de Luís XIV
gal cedeu Tânger e Bombaim, comprometeu-se a trans-
sobre a dinastia de Sabóia. Em 1683, aliás, morreriam
ferir para os ingleses a maioria das praças recuperadas
Afonso VI de Portugal e a rainha Maria Francisca Isa-
dos holandeses, repartir ao meio o comércio da canela,
bel. Na corte havia um forte partido «francês», chefiado
instalar famílias inglesas com os mesmos privilégios dos
pelo 1º duque de Cadaval, por Manuel Teles da Silva, 2º
portugueses em Goa, Cochim, Diu, Bahia, Pernambuco,
conde de Vilar Maior, futuro marquês de Alegrete, e pelo
Rio de Janeiro. Em troca a Inglaterra daria suporte mi-
visconde de Ponte de Lima, mas outros pugnavam por
litar a Lisboa, protegendo embarcações portuguesas no
aliança mais próxima com a Espanha. Ao casar-se no-
Mediterrâneo e nas costas de Lisboa e do Porto.
vamente, Pedro II escolheu a irmã da rainha espanhola,
A aliança com os ingleses foi decisiva na consolidação do como ela filha de Filipe Guilherme, eleitor palatino do
poder de Pedro, que centralizou o poder da monarquia e
5.4. PEDRO II DE PORTUGAL 109

John Methuen, por Adrien Carpentiers.

Maria Sofia de Neuburgo. sença de embaixadores e agentes nas cortes europeias, e


os nomes que se destacaram foram, até 1700, Francisco
de Melo, marquês de Sande; Henrique de Sousa Tavares,
Reno. A nova rainha Maria Sofia de Neuburgo jamais 1º marquês de Arronches; o doutor José de Faria, na In-
influiu na vida política, mantendo uma atuação discreta e glaterra; Duarte Ribeiro de Macedo e Salvador Taborda
dando ao marido larga descendência. Portugal, em Paris; Diogo de Mendonça Corte-Real, na
A descoberta de ouro no sertão de Caeté, nas Minas Holanda. Diz Veríssimo Serrão: «Foi nessa boa escolha
Gerais, no final do século XVII, deu início a uma fase que se formou o mais destacado de nossos diplomatas da
de prosperidade econômica e a remodelações adminis- primeira metade de Setecentos: Luís da Cunha».
trativas, com a criação em 1693 da Capitania de São A Guerra da Sucessão Espanhola veio alterar o equilí-
Paulo e Minas Gerais, e a criação da Intendência das Mi- brio, pois a sucessão de Carlos II da Espanha, morto
nas em 1702. Data do período também a destruição do em 1700, se revelou enorme problema, na medida em
Quilombo dos Palmares (Alagoas) em 1695. que não teve descendência. O rei deixara por testamento
No final do reinado, havia dois grandes problemas no como herdeiro o neto de Luís XIV, Filipe, duque de An-
Brasil: a disputa pela colônia do Sacramento que, embora jou. Recusando o facto consumado, Guilherme III da In-
desde 1680 reconhecido território português, foi ocupada glaterra, por meio da Grande Aliança da Haia, formou
pelos espanhóis em 1705; e os primeiros conflitos, desde coligação com Holanda e com o Império, propondo Car-
1703, entre paulistas e emboabas, concorrentes forastei- los, arquiduque da Áustria, como candidato ao trono es-
ros, inclusive reinóis, que chegaram à região das minas panhol. Seria difícil a Portugal fugir às pressões externas,
em busca de ouro. e o rei se viu impossibilitado de guardar uma posição neu-
tral, pois as implicações do conflito podiam estender-se à
América. Portugal, que começara por reconhecer Filipe
de Anjou como Filipe V de Espanha pelo tratado de Pa-
5.4.3 Portugal e a política europeia ris de 18 de junho de 1701, repensou sua posição, facto
para o qual «contribuíram as primeiras derrotas dos fran-
Numa avaliação geral, seu reinado consolidou a indepen- ceses em Itália e no Reno», e a ameaça da frota inglesa.
dência de Portugal diante da Espanha, mas foi alto o custo Em setembro de 1702 anulou-se o tratado com Luís XIV
das concessões à Inglaterra: pelo controvertido Tratado e graças à intervenção de John Methuen, embaixador da
de Methuen, de 1703, os panos de lã ingleses passaram a Inglaterra, estabeleceram-se «formas de cooperação que
ser livremente comercializados em Portugal, o que levou ainda não eram de aberta beligerância por parte de Por-
à estagnação da indústria têxtil do Reino. tugal.» Mas era normal: diz Veríssimo Serrão na obra
Sua política de não-alinhamento tinha como trunfo a pre- citada, página 230 do volume V: «Desde 1661 Portugal
110 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

exército português chegou a entrar triunfante em Madrid,


onde Carlos III foi aclamado. Mas seu nome não tinha
qualquer ressonância nas populações, e Filipe V recebia
constantes socorros dos Pirenéus e beneficiava da realeza
em exercício.

5.4.4 No Brasil

Fixou as bases de sua política no Brasil em dois pon-


tos principais: o da pesquisa de metais e pedras preci-
osas e da extensão da fronteira da colônia às margens do
rio da Prata. Enviou o visconde de Barbacena ao Bra-
sil com instruções especiais para incentivas as explora-
ções mineiras, e era tal a reputação dos paulistas que
o Príncipe Regente, instado por Barbacena, escreveu a
doze dos principais sertanistas piratininganos, a quem
proporcionou a «incomparável honra» de uma interpe-
lação direta, convocando-os ao emprego do seu real ser-
viço. Alguns eram do maior prol, como Fernão Dias
Paes Leme, Francisco Dias Velho, Lourenço Castanho
Taques.[carece de fontes?]
Sob seu reinado foi criada a Casa da Moeda da Bahia,
inaugurada em 8 de março de 1694. Pedro II cedeu seus
direitos de senhoriagem, tributo a ele devido, para o me-
lhor funcionamento desta instituição, que cunhou as pri-
Carlos de Habsburgo, Arquiduque da Áustria (1685–1740). meiras moedas brasileiras para uso da própria colônia em
Quadro de Francesco Solimena, c. 1707. 1695. Estas moedas de 4000 e 2000 réis, em ouro e 640,
320, 160, 80, 40 e 20 réis, em prata; ampliaram e diver-
sificaram o meio circulante no Brasil.
voltara, na política europeia, a fazer parte da órbita in-
glesa que garantira o triunfo da Restauração».
Portugal assinou em Lisboa em 16 de maio de 1703 um
5.4.5 Últimos anos
tratado defensivo com a Inglaterra e Províncias Unidas,
Desde 1703 o rei passava épocas de profunda sonolência
outro tratado de aliança ofensiva e defensiva com a rainha
que os médicos atribuíam a um «defluxo de estilicido»,
Ana de Inglaterra, Leopoldo I da Áustria e os Estados da
ou seja, grave infecção da laringe. A 5 de dezembro de
Holanda. Havia dois artigos secretos: logo que subisse ao
1706 foi acometido de um «pleuriz legítimo» que derivou
trono da Espanha, o arquiduque Carlos entregaria a Por-
num ataque apoplético, com o qual perdeu os sentidos.
tugal a título perpétuo as praças fronteiras de Badajoz,
Não resultou a sangria nos pés e, no dia 9, o ataque se
Albuquerque, Valença de Alcântara, Tui, Baiona de Ga-
tornou fatal. Acredita-se hoje em doença hepática, pois
liza e Vigo; e na América do Sul, as terras da margem
a autópsia achou «hua parte do fígado torcida e se lhe
setentrional do rio da Prata, o qual ficaria a constituir o
acharão 25 pedras no fel».
limite das duas coroas.
Está sepultado em Lisboa no Panteão dos Braganças.
Aclamado rei da Espanha como Carlos III em Viena em
12 de setembro de 1703, o arquiduque Carlos entendeu
fazer de Portugal a base das operações contra seu adver-
sário e desembarcou em Lisboa a 9 de março de 1704. 5.4.6 Títulos, estilos, e honrarias
Deixou a cidade no ano seguinte numa esquadra inglesa
para se fixar na Catalunha, pois a morte do imperador Le- Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da
opoldo I, em 5 de maio, o forçava a se aproximar da Áus- Coroa Portuguesa
tria e do norte da Itália. A ofensiva aliada começou com
António Luís de Sousa, 4º marquês das Minas e Dinis
de Melo e Castro, 1º conde das Galveias, que comanda-
vam respectivamente a Beira e o Alentejo. Valência de Títulos e estilos
Alcântara se rendeu ao segundo em 8 de maio de 1705.
Fernando de Mascarenhas, futuro marquês de Fronteira, • 26 de Abril de 1648 – 27 de Janeiro de 1668: Sua
foi outro nome a destacar na guerra. A 28 de junho o Alteza, O Sereníssimo Infante Pedro de Portugal
5.4. PEDRO II DE PORTUGAL 111

• 27 de Janeiro de 1668 – 12 de Setembro de 1683: estavam acostumados a ganhar. Paz com a Espanha em
Sua Alteza Real, O Príncipe Regente 23 de fevereiro de 1668. Houve depois a Guerra da Su-
cessão da Espanha: morto Carlos II aos 39 anos em 1 de
• 12 de Setembro de 1683 – 9 de Dezembro de novembro de 1700, por seu testamento de 21 de outubro
1706: Sua Majestade, O Rei de Portugal e dos Al- o sucessor era Filipe de França, duque de Anjou, neto de
garves Luis XIV, filho segundo do Delfim. Em 1701 Pedro assi-
nou tratado de aliança ofensiva e defensiva com Espanha
O estilo oficial de D. Pedro II enquanto Rei de Portugal: e França. Dois anos depois, «le obligaron sus inimigos
Pela Graça de Deus, Pedro II, Rei de Portugal e dos Algar- a unirse con la Casa de Austria» e a fazer tratado seme-
ves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhor da Guiné e lhante com os Aliados inimigos de duas Coroas. Em 26
da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia, de maio de 1703, com partido do Imperador Leopoldo I,
Pérsia e Índia, etc. entrou com Vítor Amadeu II, duque de Saboia, na grande
aliança concluída na Haia em 7 de setembro de 1701 com
Guilherme III da Grã-Bretanha e mais os Estados Gerais
Honrarias
das Províncias Unidas dos Países Baixos. Morreu de apo-
plexia em 9 de dezembro de 1706. A primeira rainha (ca-
Enquanto monarca de Portugal, D. Pedro II foi Grão-
samento com seu irmão anulado em 24 de março de 1668,
Mestre das seguintes Ordens:
casados a 2 de abril seguinte) morrera em Palhavã a 27 de
dezembro de 1683 aos 38 anos. A segunda mulher mor-
• Ordem dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo reu a 4 de agosto de 1699 aos 33 anos. Em março de
• Ordem de São Bento de Avis 1704 chegou a Lisboa o segundo filho do imperador Leo-
poldo I (morto em 5 de maio de 1705 aos 65 anos), Carlos
• Antiga, Nobilíssima e Esclarecida Ordem de (futuro Carlos III de Espanha), recebido com muitos aga-
Sant'Iago da Espada salhos. Sitiada Barcelona, foi obrigado a se retirar em 12
de maio de 1706 perdendo na ocasião toda a artilharia.»
• Antiga e Muito Nobre Ordem da Torre e Espada

5.4.7 Genealogia 5.4.9 Referências


[1] O Manifesto do infante D. Pedro de 1667, Fonte: “De-
Ascendência creto que o Infante D. Pedro mandou aos Tribunais,
quando entrou a governar” in António Caetano de Sousa,
Descendência Provas da História Genealógica da Casa Real Portu-
guesa..., tomo V, Lisboa, Na Régia Oficina Silviana e da
5.4.8 Crónica de Faria e Sousa, 1730 Academia Real, [1746, págs. 50-53, Portal da História,
Manuel Amaral, 2000-2010]

5.4.10 Bibliografia
• PERES (Damião) - A DIPLOMACIA PORTU-
GUESA / E A SUCESSÃO DE ESPANHA /
(1700-1704) / PORTUCALENSE EDITORA, LDª
/ 1931. A obra narra factos passados durante a
guerra de sucessão, no reinado de D. Pedro II e é
importante para o estudo da história das relações di-
plomáticas da época.

• PEREIRA (Ana Cristina Duarte) - PRINCESAS E


INFANTAS DE PORTUGAL / (1640-1736) / EDI-
Bandeira pessoal de Pedro II ÇÕES COLIBRI / 2008. O trabalho trata várias
princesas e infantas de Portugal, legítimas e ilegí-
A Crónica de Faria e Sousa, de 1730, refere o seguinte: timas, desde 1640 a 1736, do ponto de vista pessoal
"Passatempos ordinários seus eram os exercícios corpo- e político, traçando o percurso destas Mulheres de
rais: caça, touros em Salvaterra, no Alentejo, a 12 léguas Estado na legitimação e consolidação da dinastia de
de Lx. Um dos melhores ginetes do Reino, quando todos Bragança.
os nobres toureavam como o rei. Em seu reinado, houve
duas batalhas, Villaviciosa e Albuquerque, que perderam • LOURENÇO (Maria Paula Marçal) - D. PEDRO II
os Espanhóis por ser inferiores em gente mas não falta de / CÍRCULO DE LEITORES / 2006. A obra insere-
valor, e quedaram os portugueses mui ufanos porque não se na colecção de biografias dos reis de Portugal e
112 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

trata de forma exemplar a vida e o tempo de D. Pe- ouro no Brasil no final do século XVII, cuja produção
dro II. atingiu o auge precisamente na última década do seu rei-
nado.
• BRAGA (Paulo Drumond) - D. PEDRO II. UMA
BIOGRAFIA / TRIBUNA DA HISTÓRIA / 2006. A primeira e última década do reinado foram marcadas
A melhor biografia do rei. por guerras:

1. a Guerra da Sucessão Espanhola, que levara à to-


5.4.11 Ver também mada de Madrid em 1706, e levou à Batalha de Al-
mansa no primeiro ano do seu reinado, e ainda a
• Árvore genealógica dos reis de Portugal combates em África, na América, e na Ásia contra
os franceses;

5.4.12 Ligações externas 2. mais tarde as campanhas navais contra os turcos no


Mediterrâneo, que levaram à vitória na Batalha de
• Biografia de D. Pedro II n'O Portal da História Matapão em 1717;

3. as guerras que Portugal ao mesmo tempo travava no


Oriente, na Arábia e na Índia, contra estados asiá-
5.5 João V de Portugal ticos, nomeadamente contra o Império Marata e os
árabes de Omã.

O longo reinado de D. João V pode de certo modo dividir-


se em dois períodos: uma primeira metade em que Por-
tugal teve um papel activo e de algum relevo na política
europeia e mundial, e uma segunda metade, a partir da
década de 1730, em que a aliança estratégica com a Grã-
Bretanha gradualmente assumiu maior importância, e o
reino começou a sofrer uma certa estagnação.
Como rei, D. João V sempre tentou projectar Portugal
como uma potência de primeira grandeza, principalmente
nas primeiras décadas do reinado. Exemplos disso são as
faustosas embaixadas que por motivos vários enviou ao
imperador Leopoldo I em 1708, a Luís XIV da França
em 1715, ao papa Clemente XI em 1716, ou ainda ao
Imperador da China em 1725. Outro exemplo foi o litígio
que manteve com a Santa Sé na década de 1720, sobre a
questão do cardinalato a atribuir ao núncio apostólico na
capital portuguesa.
D. João V foi um grande edificador, e dotou principal-
mente a capital portuguesa de numerosas construções.
Fomentou o estudo da história e da língua portuguesa,
mas falhou em melhorar de forma significativa as condi-
ções da manufactura em Portugal, e gastou a maior parte
da sua riqueza nos edifícios que construiu. Por ironia do
destino, a maior parte deles desapareceria pouco depois
da sua morte, no grande Terramoto de 1755.
Os principais testemunhos materiais do seu tempo são
hoje, o Palácio Nacional de Mafra, a Biblioteca Joanina
João V de Portugal da Universidade de Coimbra, o Aqueduto das Águas Li-
vres em Lisboa, e a principal parte da colecção do Museu
João V de Portugal (João Francisco António José Bento Nacional dos Coches, talvez a mais importante a nível
Bernardo de Bragança; 22 de Outubro de 1689 — 31 mundial, também na capital portuguesa. No campo ima-
de Julho de 1750), dito o Magnânimo, foi o vigésimo- terial, merece destaque a extinta Academia Real da His-
quarto Rei de Portugal desde 1 de Janeiro de 1707 até à tória Portuguesa, precursora da actual Academia Portu-
sua morte. guesa da História, e ainda a criação do Patriarcado de
O seu longo reinado de 43 anos foi o mais rico da História Lisboa, um dos três patriarcados do Ocidente da Igreja
de Portugal, profundamente marcado pela descoberta de Católica.
5.5. JOÃO V DE PORTUGAL 113

O último feito diplomático do reinado de D. João V, o


Tratado de Madrid de 1750, estabeleceu as fronteiras mo-
dernas do Brasil. Vestígios do seu tempo no Brasil são
cidades como Ouro Preto, então a capital do distrito do
ouro das Minas Gerais, São João del-Rei, assim nome-
ada em sua honra, Mariana, que recebeu o nome da rai-
nha, São José, a que foi dada o nome do príncipe herdeiro
(hoje Tiradentes), e numerosas outras cidades, igrejas e
conventos da era colonial.

5.5.1 Resumo biográfico


Lisboa, capital à beira-rio de um vasto império ultramarino que
conheceu novo esplendor com D. João V, antes do Terramoto
de 1755. Ao centro vê-se o torreão do palácio real, o Paço da
Ribeira, onde nasceu e morreu D. João V.

Ordem de Cristo por seu pai. Na sua infância teve como


tutora a tia-avó, a rainha D. Catarina de Bragança, es-
posa de Carlos II de Inglaterra, que depois de enviuvar
regressara a Portugal, e assumiu a responsabilidade pela
educação do jovem príncipe herdeiro. Depois de subir
ao trono, D. João V casou em 1708 com Maria Ana de
Áustria, filha do imperador Leopoldo I da Áustria e irmã
do seu aliado na Guerra da Sucessão Espanhola. O casal
teve seis filhos, foi sucedido por um deles, D. José I.
Como qualquer monarca à época, D. João V estava in-
teressado em fortalecer o prestígio internacional do seu
reino. Ao longo de todo o seu reinado, mas principal-
mente nas duas primeiras décadas, D. João V sempre
tentou afirmar Portugal como uma potência de primeiro
plano, usando para isso as duas linguagens da época em
que vivia: a das armas, e principalmente, no seu caso,
a magnificência típica da era do absolutismo. Ganhou
por isso o cognome de Magnânimo; é também por vezes
conhecido como o Rei-Sol português. Nos últimos anos
D. João V, equanto jovem, pintura atribuída a Pompeo Batoni de vida sofreu vários ataques de paralisia, que o debilita-
ram no governo. Não obstante a sua vida pessoal incluir
D. João V nasceu em 22 de Outubro de 1689 em Lisboa, à conhecidas relações com várias freiras ao longo da vida,
beira do rio Tejo no Paço da Ribeira, e morreu no mesmo das quais teve vários filhos ilegítimos, receberia ainda do
lugar em 31 de Julho de 1750. Encontra-se sepultado no Papa o título honorífico de Fidelíssimos em 1748.
Panteão dos Braganças, na Igreja de São Vicente de Fora,
Uma avaliação moderna resume sobre D. João V:
na mesma cidade.
O rei era filho de D. Pedro II e de D. Maria Sofia, con- “[...] era senhor de uma vasta cultura,
dessa palatina de Neuburgo. Tinha apenas um ano de bebida na infância com os Padres Francisco
idade quando por morte de seu irmão mais velho foi pro- da Cruz, João Seco e Luís Gonzaga, todos da
clamado príncipe herdeiro de Portugal a 30 de Agosto, Companhia de Jesus. Falava línguas, conhe-
em ato solene na presença da Corte. Foi jurado Príncipe cia os autores clássicos e modernos, tinha boa
do Brasil a 1 de Dezembro de 1697, e por morte de seu cultura literária e científica e amava a música.
pai tornou-se o 24.º rei de Portugal a 9 de Dezembro de Para a sua educação teria contribuído a pró-
1706. Subiu ao trono, solenemente aclamado, no dia 1 pria mãe, que o educou e aos irmãos nas práti-
de Janeiro de 1707. De notar que segundo a tradição ini- cas religiosas e no pendor literário [...] Logo na
ciada por seu avô D. João IV na altura da Restauração, cerimónia da aclamação se viu o Pendor Régio
não foi coroado, coroando-se em vez com a coroa real para a Magnificência. Era novo o cerimonial
uma estátua de N. Sr.a da Conceição como Padroeira do e de molde a envolver a figura de Dom João
Reino. V no halo de veneração com que o absolutismo
Em 1696 o Príncipe do Brasil foi armado cavaleiro da cobria as Realezas.” [1]
114 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

5.5.2 Início do reinado

O ouro do Brasil

Villa Rica de Ouro Preto, no distrito mineiro no Brasil. A vila foi


elevada a capital da nova capitania das Minas Gerais em 1720.

Nenhum acontecimento marcaria tanto o reinado de D.


João V como o achado de ouro numa remota região do
interior do Brasil em meados da década de 1690, quando O arquiduque Carlos da Áustria, depois de 1711 imperador Car-
ele era ainda Príncipe do Brasil. O ouro mineiro começou los VI, aliado e cunhado de D. João V, retratado durante a
a chegar a Portugal ainda no final dessa década. Em 1697, guerra em 1707.
o embaixador francês Rouillé mencionou a chegada de
ouro “peruano”, citando 115,2 kg. Dois anos volvidos,
em 1699, teriam chegado 725 kg de ouro a Lisboa; e em França. Uma grande armada anglo-holandesa tinha che-
1701 a quantidade terá já aumentado para 1785 kg. A gado a Lisboa em 1704, com o filho do imperador, o
economia da colónia entrava no chamado ciclo do ouro, e arquiduque Carlos a bordo e um exército para, junta-
a exploração do ouro do motivaria, logo no início do seu mente com tropas portuguesas, invadir Espanha via Por-
reinado, os conflitos de 1707-1709 na região das minas tugal. No contexto da invasão que se preparava na pe-
conhecidos como a Guerra dos Emboabas. nínsula, tinha-se evacuado a praça da Colónia do Sacra-
mento, no Rio da Prata em frente a Buenos Aires, em
Desde então, a quantidade de ouro minado no Brasil con- 1705.[2]
tinuou a aumentar durante a primeira metade do reinado,
para se estabilizar na última década do mesmo. Apenas Em 1706, o ano antes de subir ao trono, Portugal viu o
no reinado seguinte começou a produção aurífera a decli- seu exército, comandado pelo Marquês das Minas e au-
nar, o que, juntamente com o Terramoto de 1755, seria xiliado por batalhões ingleses e holandeses às ordens do
desastroso para Portugal. Mas enquanto D. João V vi- Conde de Galway, invadir a Espanha, pela fronteira de
via não se adivinhavam problemas futuros: certos anos Ciudad Rodrigo. O exército confederado tomou depois
chegaram mais de vinte toneladas de ouro a Lisboa, e em Salamanca na sua marcha a caminho da capital de Espa-
valores médios, todos os anos durante o seu longo reinado nha. Em Junho Portugal tinha conquistado Madrid para
entravam em Portugal mais de oito toneladas de ouro do o arquiduque Carlos ― a primeira e única vez na história
Brasil. E na década de 1720 foram ainda encontrados que um exército português tomou a capital espanhola. O
diamantes em grandes quantidades, na região da vila co- arquiduque chegou a ser coroado Rei de Espanha, mas
lonial hoje chamada Diamantina. o exército confederado viu-se forçado a retirar para sul
pouco depois.

Guerra da Sucessão Espanhola


Batalha de Almansa e reformas militares Ver
Ver artigo principal: Guerra da Sucessão Espanhola artigo principal: Batalha de Almansa
Quando se iniciou o Reinado em 1707, estava-se em
plena Guerra da Sucessão Espanhola (1701-1714), uma Quando o rei subiu ao trono o exército português estava
guerra que D. João V herdou de seu pai. Nesta, depois na Catalunha, ainda comandado pelo Marquês das Mi-
do Tratado de Methuen de 1703, Portugal alinhara com nas e apoiado por tropas inglesas e holandesas ao mando
a rainha Ana da Grã-Bretanha e o imperador Leopoldo de Galway. Mas ao fim de longas manobras que o le-
I contra a Espanha e a grande potência continental, a varam muito para sul, travou-se uma importante batalha
5.5. JOÃO V DE PORTUGAL 115

a 25 de Abril de 1707 em Almansa, na fronteira entre fronteiriças de Portugal: Elvas, no Alentejo, e Almeida,
La Mancha, Valencia e Murcia, contra o exército franco- nas Beiras.
espanhol do Duque de Berwick. Na Batalha de Almansa, O final do ano foi no entanto marcado por mais um re-
a sorte não esteve do lado das armas portuguesas, e o exér- vés para as aspirações militares portuguesas, quando uma
cito anglo-luso sofreu uma pesada derrota contra as forças grande frota inglesa de perto de cento e cinquenta em-
franco-espanholas. No seguimento, a vila fronteiriça es- barcações, que trazia reforços para Portugal depois da
panhola de Valência de Alcântara foi reconquistada pelo derrota de Almansa e vinha escoltada por seis naus de
inimigo, que ainda, às ordens do Duque de Ossuna, ata- guerra inglesas, foi desbaratada perto do Cabo Lizard pe-
cou a fronteira do Alentejo e conquistou Serpa e Moura
las esquadras francesas de Duguay-Trouin e do contra-
um mês depois. almirante conde de Forbin.
D. João V aproveitou esta derrota para realizar importan-
tes reformas na administração e no exército. No dia da
sua aclamação, a 1 de Janeiro, tinha já nomeado D. To-
más de Almeida, bispo de Lamego e futuro Patriarca de
Lisboa, para o importante cargo de escrivão da puridade.
Três dias depois da derrota, despediu vários velhos con-
selheiros de D. Pedro II, e nomeou Diogo de Mendonça
Corte-Real Secretário de Estado.

Pormenor de uma pintura da Batalha de Almansa em 1707.

Simultaneamente, deu-se início a uma reforma do exér-


cito, que teria como resultado as Ordenações Militares de Maria Ana de Áustria, irmã do Imperador Carlos VI e Rainha
1707, em que os velhos terços foram transformados em de Portugal, em 1708.
modernos regimentos e o velho posto de mestre de campo
passou a ser designado coronel. De forma semelhante, o Casamento Como resultado da Guerra da Sucessão
velho Terço da Armada da Coroa de Portugal, a mais an-
Espanhola e da aliança com a Áustria, e ainda da presença
tiga unidade militar permanente de Portugal (1618), foi do Arquiduque Carlos em Portugal, D. João V pediu a
transformado em dois Regimentos da Armada.
mão de sua irmã, a arquiduquesa Maria Ana de Áustria,
Ainda no mesmo ano, e também como resultado da filha do imperador Leopoldo I (1640-1705) e de sua ter-
guerra em que o reino se encontrava, a Aula de Fortifica- ceira mulher, em casamento em 1707. De notar que a
ção e Arquitetura Militar foi transformada na Academia arquiduquesa era prima materna do rei de Portugal.
Militar da Corte. Esta era apenas uma de várias “aulas” O Conde de Vilar Maior foi enviado por mar como em-
em Portugal e no Ultramar; poucos anos antes, tinham baixador extraordinário à corte austríaca. Chegando aos
sido criadas várias aulas semelhantes, em Viana do Cas- Países Baixos, fez então o percurso por terra até Viena,
telo (1701), e, no Brasil, em Salvador (Bahia) (1698), no onde chegou a 21 de Fevereiro de 1708. Mas o embai-
Rio de Janeiro (1698), no Recife (Pernambuco) (1701) e xador apenas fez entrada pública a 6 de Junho, dia de
em São Luís (Maranhão) (1705). Corpus Domini, porque esperava coches de gala enco-
D. João V quis assim promover os estudos militares, as- mendados nos Países Baixos para a ocasião.[3] Antes de
sistindo pessoalmente a actos solenes dos exames, e man- fazer a entrada pública, o conde recebeu audiência par-
dando ainda traduzir e imprimir algumas obras de for- ticular do imperador, da imperatriz sua mulher e da im-
tificação e artilharia ― como por exemplo a Fortifica- peratriz viúva; dias depois também lhe foi concedida au-
ção Moderna, do contemporâneo Johann Friederich Pfef- diência das arquiduquesas. A imponente cerimónia da
finger (1667-1730). Mais tarde, em 1732, estabelece- apresentação contou com dois coches do imperador, con-
ria ainda academias militares nas duas principais praças duzidos pelo marechal da corte, e mais quarenta e dois
116 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

coches, tirados a seis cavalos, pertencentes aos principais


nobres da corte. O casamento realizou-se a 9 de Julho, na
Catedral de Santo Estêvão, com o imperador a represen-
tar D. João V. A nova rainha de Portugal foi então trazida
a Lisboa a bordo da armada de catorze naus do Conde de
Vilar Maior, que no caminho tocou em Portsmouth na In-
glaterra, onde houve festejos em honra do casamento do
rei aliado.
Chegada a rainha a Lisboa, houve fogos de artifício no
Terreiro do Paço, e armou-se um anfiteatro, onde em três
tardes sucessivas se realizaram corridas de touros. Houve
ainda preparações extraordinárias para a bênção nupcial,
a 28 de Outubro, com arcos de triunfo e enorme magni-
ficência, e toda a Corte sofreu uma profunda alteração:

“Capela sob D. João IV, cavalariça sob D.


Afonso VI, mosteiro sob D. Pedro II, a corte de
D. João V surgiu, nova, e se formaram dois
partidos; o da moda nova, chefiado pelo Conde
da Ericeira, homem elegante e jovial que queria
que as senhoras se deixassem ver e conversas-
sem nas antecâmaras, que jogassem e bailas-
sem; e o da moda velha, pelo Conde de Vimi-
oso, azedo e formalista, devoto e taciturno, o René Duguay-Trouin, autor do saque ao Rio de Janeiro em 1711.
lar igual a um mosteiro, a virtude igual a clau-
sura, a mulher igual ao diabo; pregando retiro,
silêncio e recato e detestando o comércio entre tante ouro da província ultramarina, escoltadas por es-
senhoras e cavalheiros. No dia de São Carlos [4 quadras de meia dúzia de naus de guerra.[5]
de Novembro], as salas dos Tudescos, dos Em- Em 1710 o corsário francês Jean-François Duclerc ten-
baixadores e dos Leões se abriram e inundaram tou, com seis navios, atacar o Rio de Janeiro, porto de
de luz, enchendo-se de panos de rás, as damas embarque do ouro. Foi no entanto repelido pelas forta-
entraram aos bandos, tímidas, acanhadas, pois lezas da barra ao tentar entrar na Baía de Guanabara, e
pela primeira vez desde D. Manuel homens e ao tentar depois um desembarque numa praia mais afas-
mulheres se cortejaram nas salas do Paço. A tada e logo uma marcha sobre a cidade sofreu uma pesada
rainha tocou cravo; dançou a infanta D. Fran- derrota, sendo aprisionado.
cisca, gorda, corada e empoada. Desde esse
dia, houve profunda modificação na moral da Mas logo René Duguay-Trouin, que já antes em 1706
Corte, sedução, graça, elegância, intriga.” [4] com três naves tentara sem sucesso capturar algumas naus
da frota do Brasil, mas fora posto em fuga pela escolta de
[6]
O resultado deste casamento, e destas festas, logo se fez seis naus da Armada Real portuguesa, e que em 1707
sentir: a 10 de Novembro do mesmo ano o Conde da desbaratara a frota inglesa do comboio de Portugal, deu
Ribeira Grande escreveu em carta a D. Luís da Cunha: provas do seu talento militar.
“Houve um baile no dia de São Carlos em que dançaram No ano seguinte, em 1711 ― ano em que a vila de São
e cantaram as Damas do Paço na presença de Damas e Paulo recebeu o estatuto de cidade ―, fazendo uso de
Fidalgos; El-Rei está teimando em estrangeirar o nosso relatos vários sobre os ventos, as correntes, e as fortifica-
país e não sei até onde acabará.” ções do Rio de Janeiro, Duguay-Trouin esperou ao largo
O casal real teve seis filhos, entre os quais a rainha de da cidade, com uma esquadra financiada quer pelo rei,
Espanha D. Bárbara, esposa de Fernando VI de Espanha, quer por privados, pelas condições ideais para atacar a
o sucessor D. José, e D. Pedro III, marido de D. Maria I. cidade. Na madrugada de 12 de Setembro de 1711, com
o vento e a corrente a favor, e o Rio coberto de neblina
matinal, avançou sobre a cidade com uma esquadra de
O saque do Rio de Janeiro Entretanto continuava a sete naus de guerra e seis fragatas. Graças às condições
Guerra da Sucessão Espanhola. Depois de Almansa a apenas teve que suportar poucas salvas das fortalezas da
participação portuguesa resumira-se a acções fronteiriças barra, que no ano anterior tinham afugentado Leclerc. Os
de menor envergadura. Vital para a coroa neste período franceses penetraram então na baía de Guanabara, e após
era garantir a segurança das armadas do Brasil, grandes um bombardeamento e desembarque lograram conquis-
frotas de cinquenta a cento e cinquenta naus, que anual- tar a cidade. Após dois meses de ocupação, o governador
mente traziam açúcar, tabaco, e o cada vez mais impor- do Rio de Janeiro aceitou, sob ameaça de destruição da
5.5. JOÃO V DE PORTUGAL 117

cidade, pagar um resgate de 610.000 cruzados.[7] A expe- Guerra.” / Art.o IX: ”As Praças de Albuquerque
dição de Duguay-Trouin teve assim um êxito comparável e Puebla ſe entregaráô no meſmo eſtado em que
ao saque de Cartagena das Índias em 1697 pelo barão de ſe achaô. . . igualmente a respeito do Castello
Pointis ― e nefastas consequências para as finanças de de Noudar, e Colonia do Sacramento.” / Art.o
D. João V. X: ”Os Moradores deſtas Praças, ou de qua-
Na península, os portugueses no mesmo ano reconquis- esquer outros Lugares occupados na preſente
taram a praça de Miranda do Douro, em Março, e viram guerra, que naô quiserem ali ficar, podéraô re-
cercadas as praças de Campo Maior e Elvas, na fronteira tirarſe das ſobreditas partes, vendendo e diſ-
pondo dos ſeus bens de Raïz e moveis...” / Art.o
do Alentejo, por exércitos espanhóis. No final do ano,
nasceu a infanta D. Maria Bárbara de Bragança, a futura XI: ”Os bens confiſcados reciprocamente por
cauſa e razaô da preſente Guerra, seráô reſ-
rainha de Espanha, que anos mais tarde fez parte da cha-
mada Troca das Princesas em 1729. tituïdos aos antigos Poſſuïdores, ou a ſeus her-
deiros...” [8]

A paz: Tratado de Utrecht Ver artigo principal:


Tratado de Utrecht
Com a morte do imperador José I a 17 de Abril de

Bandeira pessoal de João V.

1711, o seu irmão, o arquiduque Carlos, cunhado de D.


João V, subiu ao trono imperial como Carlos VI. Isto
desequilibrou-se o sistema de alianças europeu e signi-
ficou o fim da Guerra da Sucessão Espanhola, visto ser
impensável o imperador da Áustria ser também rei de Es-
panha.
Na cidade flamenga de Utrecht juntaram-se os ministros
dos dois blocos. Portugal, representado pelo Conde de
Tarouca e por D. Luís da Cunha, assinou uma paz sepa- O Artigo VI do Tratado de Pax entre D. João V e Filipe V feito
em 1715, em que não se define o “Territorio e Colonia do Sa-
rada com a França a 11 de Abril, no mesmo dia em que
cramento" a ser devolvido a Portugal. Isto levaria a todos os
a maioria dos outros Estados assinou a paz geral. A paz posteriores problemas entre Portugal e Espanha no Rio da Prata
com Espanha, no entanto, apenas viria a ser assinada a durante o reinado de D. João V.
6 de Fevereiro de 1715. Nos artigos do tratado de paz,
ſolida e perpetua com verdadeira e ſincera amizade, po- Outros artigos determinaram por exemplo que o rei espa-
demos ler: nhol reconhecia uma dívida de seiscentas mil patacas a D.
João V, a ser paga ”...em tres pagamentos iguaes e conſecu-
Art.o III: ”Amniſtia para todas as peſſoas, tivos. . . O Primeiro ſe fará com a chegada a Heſpanha
aſſim Officiaes como ſoldados, e quaesquer ou- da primeira frota, flotilha, ou galioens que vierem...”;[9]
tras...” / Art.o IV: ”Todos os Priſioneiros, e Re- que as duas coroas respeitariam reciprocamente os res-
fens de huma e outra parte ſeraô reſtituidos...” / pectivos e importantes monopólios do tabaco, em todos
Art.o V: ”As Praças, Caſtellos. . . Territorios e os seus domínios ultramarinos; que as duas nações vol-
Campos pertencentes ás duas Coroas. . . ſeráô tariam a abrir o comércio, para o estado em que este se
reſtituïdas inteiramente ſem reſerva, de ſorte achava antes da guerra; que voltariam a abrir os seus por-
que as Rayas, e Limites das duas Monarquias tos a naus mercantes e de guerra vizinhas, no máximo de
fiquem no meſmo eſtado que antes da preſente seis naus de guerra em portos maiores, e três em portos
118 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

menores, ”...e ſe conſtragidos de tormentas, ou alguma ur-


gente neceſſidade entrarem ſem pedir licença, seraó obri-
gados a dar logo parte da sua chegada. . . pondo grande
cuidado em naô fazer dano, ou prejuizo algum ao dito
Porto”,[10] etc.
Isto é, tudo voltou ao status quo ante. No entanto, os di-
plomatas de D. João V falharam em negociar com preci-
são o Artigo VI e várias outras passagens relevantes a este,
sobre a Colónia do Sacramento. Isto forçaria D. João V,
vinte anos mais tarde, a reagir com força militar para re-
solver este problema.
Quanto aos franceses, a paz pôs fim a certos litígios com a O poder global de Portugal nesta era assentava na Armada Real:
França na Amazónia, que a França ambicionava a partir a Armada de Guarda-Costa na costa portuguesa, as Armadas do
da Guiana francesa, e onde os portugueses tinham fun- Brasil, e as Armadas da Índia. Na imagem, a Batalha do Cabo
Passaro, entre ingleses e espanhóis, em 1718.
dado a futura Manaus.[11] . No entanto, devido às distân-
cias e ao consequente atraso de comunicações, o último
combate entre portugueses e franceses travou-se já de- cou o início do colapso do Império Mogol, que tradicio-
pois do tratado de paz em 1713, no Oriente: a fragata nalmente mantivera boas relações com Portugal; este en-
Nossa Senhora da Nazareth, de 40 peças, tendo largado trou em rápida decadência após a morte de Aurangzeb
de Macau rumo a Goa em Dezembro de 1713, encontrou em 1707. Em vez deste, aumentou o poder do Império
uma nau de 54 peças e uma fragata de 36 peças france- Marata, forte inimigo dos portugueses desde o final do sé-
sas, ao comando de Henri Bouynot, no estreito de Ma- culo XVII. Como resultado, durante practicamente todo o
laca em Janeiro de 1714. Após um combate que durou reinado de D. João V os portugueses encontraram-se em
três dias e duas noites, os franceses afastaram-se; a nau guerra contra os maratas. O almirante da armada marata,
francesa ficou tão danificada no encontro com a fragata pelos portugueses chamado Angriá, e seus filhos e suces-
portuguesa que teve posteriormente que ser abandonada sores, foram, principalmente durante as duas primeiras
por Bouynot.[12] Vários combates semelhantes indicam décadas do século, uma frequente ameaça à navegação
que os oficiais e marinheiros da Armada Real de D. João portuguesa (e inglesa) na costa indiana.[15]
V nada ficavam a dever aos franceses.
Outro inimigo eram os árabes de Mascate, velha pos-
Sem quaisquer ganhos após o esforço bélico, aprendeu D. sessão portuguesa para eles perdida em 1650. No iní-
João V com a guerra a não dar um apreço muito grande cio do século XVIII estes estavam no auge do seu po-
às questões europeias e à sinceridade dos acordos; daí em der, tendo conquistado praças na costa da África Orien-
diante permaneceu fiel a seus interesses atlânticos, co- tal até Zanzibar, incluindo a portuguesa Mombaça, fugaz-
merciais e políticos, reafirmando a aliança com a Grã- mente reconquistada pelos portugueses em 1729. Prac-
Bretanha. Em relação ao Brasil, que foi sem dúvida a sua ticamente todos os anos os portugueses enviavam uma
principal preocupação, e cuja população crescia exponen- esquadra ― a chamada Armada do Estreito ― de Goa
cialmente nesta época, o rei ampliou os quadros adminis- ao golfo de Omã e estreito de Ormuz, para proteger o seu
trativos, militares e técnicos, tudo com vistas a evitar o comércio com a Pérsia e tentar evitar que as esquadras de
descaminho dos quintos do ouro, o imposto que era parte Omã saíssem e alcançássem o mar Arábico.[16]
fundamental da economia de Portugal. Reformou ainda
os impostos, e ampliou a cultura do tabaco e do açúcar
em terras brasílicas, sobre as quais o Duque de Cadaval Batalha de Surate
lhe pôde escrever, com todo o acerto: “...pois do Brazil
depende hoje absolutamente muita parte da conservação O auge da guerra que moviam os árabes de Omã aos
de Portugal.” [13] Apesar de tudo isto, Portugal teve por Portugueses na Índia atingiu-se entre 1714 e 1719. Em
vezes dificuldades económicas, devidas em parte ao con- 1714 uma forte esquadra árabe de sete naus alcançou o
trabando do ouro, em parte às prioridades económicas de porto neutral de Surate, no golfo de Cambaia, princi-
D. João V, e em parte às dificuldades do Estado da Índia. pal porto do Império Mogol. Em vez de seguir viagem
para sul, para atacar a navegação portuguesa no mar Ará-
bico como era seu costume, tiveram que se manter no
5.5.3 Poder global: guerras no Oriente porto para reparar duas das naus, que tinham ficado for-
temente danificadas durante a travessia. No porto de Su-
No início do reinado de D. João V, enquanto se lutava na rate encontravam-se embarcações de várias nacionalida-
Europa e no Novo Mundo, os portugueses, como potência des, incluindo holandesas, e também duas portuguesas de
mundial que então eram, também estavam envolvidos em Macau, a maior das quais os árabes tomaram. Isto era
guerras no Oriente.[14] uma clara violação da neutralidade do porto. O Vice-
Na Índia, o ano em que D. João V subiu ao trono mar- rei da Índia, Vasco Fernandes César de Meneses, futuro
5.5. JOÃO V DE PORTUGAL 119

Conde de Sabugosa e Vice-rei do Brasil, obteve assim 5.5.4 Política de ostentação: as embaixa-
autorização do Grão-Mogol para atacar os árabes no pró- das a Paris e Roma
prio porto, e uma esquadra foi para lá enviada. Esta era
composta pela nau Nossa Senhora da Estrella, de 64 pe-
ças, três fragatas de 122 peças, e cinco corvetas de 73
peças. Após uma dura batalha contra a esquadra inimiga
de agora seis naves e 218 peças, contando com a de Ma-
cau que tinham tomado, os árabes foram desbaratados.[17]
Sintomático do estado de guerra no Estado da Índia, a fra-
gata São Francisco de Assis, de 34 peças, não se chegou
a juntar à esquadra portuguesa contra a esquadra àrabe,
por a caminho ter travado um combate contra uma esqua-
dra do Império Marata, que a fez regressar a Goa para
reparos.[18]
A batalha de Surate marcou o apogeu da expansão oma-
nita no mar Arábico. Sobre a esquadra portuguesa, e so-
bre toda a navegação no império ultramarino de então, O Coche dos Oceanos, da embaixada do Marquês de Fontes a
temos hoje o relato do missionário italiano Ippolito De- Roma. Dois Velhos – o Atlântico e o Índico – dão as mãos, com
um globo como fundo, simbolizando a ligação por mar entre dois
sideri, que navegou primeiro de Lisboa a Moçambique a
mundos com a passagem do Cabo da Boa Esperança e Portugal
bordo de naus portuguesas da Carreira da Índia, depois de como potência marítima. À direita o Coche da Coroa, do embai-
Moçambique a Goa, e finalmente nesta esquadra de Goa xador em Paris 1715-1722. À esquerda o coche de D. João V;
a Surate, com destino ao Tibete. O relato de toda a sua no Museu Nacional dos Coches.
viagem no Oriente, Notizie Istoriche del Thibet, escrito de
volta a Itália em 1727, foi recentemente traduzido e pu- Quando D. Manuel I em 1514 enviou a sua magnífica em-
blicado em inglês: baixada ao Papa, esta incluia um rinoceronte africano, um
elefante branco da Índia ― o famoso Hanno[22] , animal
de estimação de Leão X ―, e onças do Brasil. D. João V
”…on the 19th I left on the flagship of a quis igualmente garantir que as suas embaixadas imorta-
large fleet of warships and merchantmen bound lizassem o nome de Portugal.
for Surat with other stops along the coast, all
under the supreme command of Dom Lope de É necessário ter em mente que o ritual protocolar nesta
Almeida, a member of one of the most illustri- época era visto como de máxima importância. O pri-
ous families of Portugal. The purpose of sen- meiro enviado de D. João V a Roma, em 1709, não ia por
ding a royal armada to Surat was to attack some exemplo munido de estatuto de Embaixador, mas apenas
ships of the Muscat Arabs who in violation of de Enviado Especial. Assim, foram-lhe dadas as seguin-
the laws of nations and with an audacity not to tes prerrogativas pelo Vaticano:
be tolerated had seized a Portuguese vessel from
Macao that was actually lying at anchor in the 1. Poderia ter um baldaquino na antecâ-
very port of Surat. I cannot praise Almeida’s mara, e outro na sala de audiências;
cultivated manners and singular abilities highly 2. os seus cavalos poderiam ter plumas de
enough…” [19] seda negra atadas à brida;
3. ao sair no seu coche, seria precedido por
Em 1719, nova batalha travou-se no golfo Pérsico, em um criado de libré a pé levando um para-
que a Armada do Estreito portuguesa, de três naus de sol vermelho, como cardeais e príncipes;
66, 64, e 60 peças e uma fragata de 40 peças derrotou 4. ser-lhe-ia permitida uma almofada de ve-
uma esquadra árabe de igual força de quatro naves e 246 ludo para se ajoelhar na rua na igreja e na
peças.[20] Esta foi a última vez que os árabes tentaram rua ao passar o sacramento;
saír para o Mar Arábico em força contra os portugueses;
a próxima principal batalha entre uns e outros não se- 5. o seu lacaio principal poderia usar veludo
ria antes da campanha por Mombaça, na costa da África negro à espanhola;
Oriental, em 1727-1729, que os portugueses venceram 6. seria entitulado na terceira pessoa em ita-
no mar mas perderam em terra.[21] liano, lei, mais respeitoso que Illustris-
Quanto à Africa Oriental, é digno de menção que apenas sima para diplomatas residentes, e menos
em 1752 foi Moçambique retirado da esfera governativa formal que Eccellenza para embaixado-
do Estado da Índia. Durante todo o reinado de D. João V res;
os governadores na Ilha de Moçambique estavam assim 7. podia pedir uma audiência com Sua San-
ainda subordinados aos vice-reis da Índia. tidade com um dia de antecedência, ou
120 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

mesmo no próprio dia de manhã para a


tarde;
8. finalmente, seria sempre recebido por
cardeais nas vestes cardinalícias regula-
res, e não de sobrepeliz ou roquete.[23]

Já em 1707, quando o Conde de Vilar Maior foi pedir


a mão da filha do imperador, foram encomendados sete
magníficos coches nos Países Baixos, de onde o embaixa-
dor se deslocou a Viena. Mas de todas as missões diplo-
máticas de D. João V, seriam as embaixadas a Paris em
1715, depois da Guerra da Sucessão Espanhola, e a Roma
no ano seguinte, aquando da guerra contra os turcos, as
mais famosas:

• Paris, 1715: Finda a guerra, D. João V estava agora


interessado em melhorar as relações com Luís XIV
de França. Para atingir este objectivo, enviou o
Conde da Ribeira Grande, filho de uma princesa
francesa e afilhado do rei de França, a Paris à frente
de uma faustosa embaixada, que fez uma entrada pú-
D. João V e a Batalha de Matapão.
blica em Paris a 18 de Agosto de 1715, pouco antes
da morte de Luís XIV. Com o maior aparato, num
cortejo de cinco magníficos coches, cada um puxado
por seis cavalos de diferentes cores, enquanto la- a que sucedera, vistas no Tratado de Karlowitz. Em 1715
caios atiravam 10.000 moedas de prata e 200 moe- iniciou uma guerra contra a República de Veneza para
das de ouro cunhadas para a ocasião aos parisienses conquistar a Moreia. Veneza logo pediu auxílio ao Papa e
nas ruas. O coche do embaixador, denominado Co- ao imperador. E estes, por sua vez, pediram o auxílio dos
che da Coroa, é um dos muitos da época que hoje principais reinos católicos europeus ― Espanha, França,
pode ser visto no Museu Nacional dos Coches, na e Portugal.
capital portuguesa.[24] A França, que acabara de estar em guerra contra a Áus-
tria, não a quis ajudar. Mas a Espanha enviou uma es-
• Roma, 1716: No mesmo ano de 1715 veio um nún- quadra ao Mediterrâneo em 1716. D. João V, ao contrá-
cio apostólico a Lisboa para o baptismo do príncipe rio do irmão, o Infante D. Francisco, não era apaixonado
herdeiro, D. José; o coche que trazia era um presente pelo mar. No entanto, talvez para não ficar atrás do mo-
para o rei de Portugal, e pode hoje também ser visto narca espanhol, o rei fez armar uma esquadra para defen-
no Museu dos Coches. Para retribuir a visita, e por der Corfu, que se encontrava cercada pelos turcos. Esta
causa de acontecimentos recentes no Mediterrâneo esquadra, de cinco naus de 334 peças, e ainda uma fra-
envolvendo a República de Veneza e o Império Oto- gata e várias embarcações auxiliares, foi comandada pelo
mano, D. João V organizou em 1716 uma das mais Conde do Rio Grande. Para infelicidade das armas portu-
faustosas embaixadas de todos os tempos a Roma, guesas, ao chegar a Corfu já os turcos tinham levantado
onde na altura era embaixador o futuro Marquês de o cerco.[26] Mas a recompensa pela faustosa embaixada
Abrantes, então Marquês de Fontes. O cortejo pelas de D. João V a Roma e pela esquadra contra os turcos
rua da Cidade Eterna de cinco extraordinários co- no Mediterrâneo nesse Verão de 1716 foi imediata: em
ches temáticos ― três dos quais se encontram hoje Novembro do mesmo ano, o Papa Clemente XI elevou o
no Museu dos Coches ― e dez coches de acompa- estatuto de arquidiocese da capital portuguesa, criando o
nhamento marcaram o ponto alto da ostentação da Patriarcado de Lisboa. Os únicos outros patriarcados no
magnificência do Poder Real de um monarca que Ocidente eram então ― e são ainda ― justamente Roma
dominava um vasto império.[25] e Veneza.
No ano seguinte, em 1717, Clemente XI voltou a pedir
5.5.5 Triunfo de política externa: Batalha o auxílio de D. João V, que novamente enviou uma es-
de Matapão quadra ao Mediterrâneo. Esta esquadra ― agora sete
naus de 472 peças no total ― deveria juntar-se à Armata
grossa de Veneza e uma pequena esquadra da Ordem
Ver artigo principal: Batalha de Matapão de Malta.[27] Novamente capitaneada pelo Conde do Rio
Grande, e tendo agora como vice-almirante o Conde de
No Mediterrâneo, o sultão otomano Ahmed III (1703- São Vicente, a esquadra foi uma autêntica embaixada flu-
1736) queria vingar-se das derrotas do irmão Mustafa II tuante de D. João V, tendo realizado grande fausto em
5.5. JOÃO V DE PORTUGAL 121

Palermo e Messina, na Sicilia, antes de fazer o mesmo fez contravolta e retirou-se do campo de batalha. Assim,
em Corfu.[28] aos olhos da Armata grossa veneziana e das naves da Or-
dem de Malta, parecia que as naus portuguesas ― aju-
dadas pela Fortuna Guerreira ― tinham posto o inimigo
turco em fuga..[29]
Como resultado, a esquadra do Conde do Rio Grande foi
um verdadeiro triunfo de política externa de D. João V.
Na viagem de regresso novas festas, com banquetes, bai-
les e fogos de artifício, foram dadas em Palermo na Si-
cília, onde a esquadra passou algum tempo em reparos,
enquanto se correspondia com Portugal, Roma e Veneza
― tendo o próprio Papa escrito a agradecer o almirante
português.[28] Mais tarde, D. João V recebeu igualmente
agradecimentos de Clemente XI, e Veneza enviou um
embaixador extraordinário a Lisboa com agradecimen-
tos. O prestígio internacional de D. João V estava no seu
auge.

5.5.6 Relacões internacionais, 1720-1750


Relações com a Santa Sé e a China

O príncipe Eugénio de Saboia, em pintura de 1718. Enquanto


as esquadras de D. João V auxiliavam na guerra contra os tur-
cos no Mediterrâneo, o exército imperial às suas ordens vencia a
Batalha de Petrovaradin e o Cerco de Belgrado. Como general
nas tropas imperiais encontrava-se ainda o infante D. Manuel,
irmão mais novo de D. João V

Em Corfu a esquadra portuguesa, fortalecida por duas pe-


quenas naves da Ordem de Malta de ao todo 112 peças,
e uma nau veneziana de 70 peças ― por curiosa coinci-
dência chamada Fortuna Guerriera ― formou a arrière,
ou terço traseiro da linha de batalha da armada cristã. No
entanto, os condes portugueses recusaram ficar subordi-
nados ao almirante da Ordem de Malta como chefe desta
esquadra dos aliados de Veneza.
Encontrada a armada turca, travou-se a Batalha de Mata-
pão. A certa altura caiu o vento, e a arrearia cristã viu-
se sozinha a lutar contra a vanguarda de quinze naus da
armada turca, estando as restantes naus cristãs mais afas-
tadas e fora de alcance. E quando ao voltar o vento o al-
mirante da Ordem deu ordem para a esquadra se afastar
do inimigo para se juntar às demais cristãs, o Conde de
São Vicente, a bordo de uma poderosa nau de 80 peças,
recusou seguir a manobra. Nisto foi seguido pelo Conde
Papa Clemente XI (1700-1721).
de Rio Grande, a bordo de outra nau de 80 peças, duas
outras das naus portuguesas, e ainda a veneziana Fortuna D. João V sempre foi, numa época em que a França era o
Guerreira. modelo europeu em praticamente todos os aspectos, mais
Graças à insubordinação dos condes portugueses, esta pe- virado para Roma que Paris. Ainda durante a Guerra da
quena força de cinco naus viu-se assim sozinha em luta Sucessão Espanhola, em 1712, tinha fundado a Acade-
contra as quinze naus da vanguarda da linha turca. No mia de Portugal em Roma, uma academia de arte desti-
entanto, muito possivelmente por esta vanguarda ter já nada à formação de artistas portugueses na cidade ponti-
muito pouca pólvora para as peças, ao fim de várias horas fica. Do mesmo modo, o seu artista favorito, João Frede-
de combate toda a vanguarda, e a própria armada turca, rico Ludovice, o arquitecto do Palácio Nacional de Mafra
122 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

assim como por exemplo ourives da Custódia de Bem- A questão dos Ritos Chineses Clemente XI (1700-
posta, fora também formado em Roma. 1721) era um papa ortodoxo; condenou, famosamente,
Com as embaixadas de 1715-1716 e as duas esquadras o jansenismo com a bula Unigenitus (1713). Dois anos
portuguesas contra os turcos no Mediterrâneo em 1716- mais tarde, com a bula Ex ille die (1715), devido à
1717, as relações entre D. João V e a Santa Sé alcançaram "Controvérsia dos ritos na China", condenou igualmente
o seu zénite; e isto numa fase em que a importância in- o uso pelos missionários na China de costumes locais ―
ternacional da Santa Sé era grande, devido à ameaça do os chamados Ritos Chineses ― para facilitar a evangeli-
Império Otomano. No entanto, e apesar de ser de um zação. Esta condenação dificultaria o trabalho dos mis-
sionários ― na sua maioria jesuítas, e muito deles por-
modo geral fiel a Roma, D. João V nem sempre viu com
bons olhos os decretos pontíficos, tentando simultânea- tugueses ― e colocaria por isso o Padroado português
numa muito pior situação na China.
mente, dentro da hierarquia católica, promover Portugal
como uma potência de primeiro plano. Mas D. João V queria, dentro do razoável, acomodar a
Após o Tratado de Passarowitz em 1719 que se seguiu Santa Sé. Assim, a nau Rainha dos Anjos, de 56 peças,
à derrota dos turcos perante a Áustria, a importância a mais pequena das portuguesas presentes na Batalha de
relativa da Santa Sé na política internacional diminuiu. Matapão em 1717, largou de Lisboa rumo a Macau a 20
Entrava-se no século das Luzes, um termo usado pela pri- de Março de 1720. A bordo viajava Monsenhor Mez-
meira vez na França em 1733.[30] zabarba, Patriarca de Alexandria, legado papal à corte
do Imperador da China. Este imperador era o grande
Isto no entanto não afectou a colaboração de D. João V Kangxi, um dos mais importantes da história da China,
com o Papa, mesmo em casos em que os interesses dos que reinara já por mais de meio século, e que tinha tido
dois eram diferentes. Um exemplo foi a forma como a ampla convivência com missionários católicos. O impe-
Armada Real portuguesa se prestou a transportar um le- rador tinha sido educado por missionários; tinha tido o
gado papal à China para implementar uma política que jesuíta português Tomás Pereira como principal músico
era contrária aos interesses de Portugal no Oriente. da Corte durante décadas; e encarregara mesmo um mis-
sionário, Teodorico Pedrini, da educação música de três
filhos seus, um deles o seu sucessor, o futuro imperador
Yongzheng (1722-1735).[31] A nau portuguesa chegou a
Macau a 23 de Setembro, e pouco mais de um ano mais
tarde, depois de conversas totalmente infrutíferas, largou
de Macau com o legado de regresso a Roma a 13 de De-
zembro de 1721. Um excelente exemplo de como D. João
V se dispunha a colaborar com a Santa Sé.
Como nota deve ser dito que a Rainha dos Anjos nunca
chegaria a Lisboa. Depois de ter chegado ao Rio de Ja-
neiro a 5 de Maio de 1722, perdeu-se no porto um mês
depois, devido a uma explosão da pólvora a bordo. A
sua valiosa carga, que incluía mais de uma centena de pe-
ças de porcelana chinesa, e ainda vários outros presentes
do imperador da China para D. João V e o papa, nunca
foi encontrada, e encontra-se ainda no fundo da Baía da
Guanabara.
O imperador Kangxi não apreciou a missiva papal, e deci-
diu fechar a China aos missionários estrangeiros. No en-
tanto, sabia que Mons. Mezzabarba representava o papa
e não o rei de Portugal. Como resposta, pouco depois
da Rainha dos Anjos ter largado de Macau, enviou uma
embaixada em separado a D. João V logo em Março em
1721. Esta embaixada chegaria a Lisboa, tendo uma au-
diência em Dezembro, onde ofereceu ao monarca portu-
guês mais ricos presentes, incluindo sete enormes pérolas
avaliadas em 14.000 cruzados cada. A embaixada moti-
varia uma resposta diplomática de D. João V. No entanto,
como o imperador Kangxi faleceu no ano seguinte, após
o mais longo reinado da história da China, a embaixada
Imperador Kangxi (1662-1722), que enviou uma embaixada a ao seu sucessor apenas largaria três anos mais tarde.
D. João V em 1721, que o rei retribuiu com uma rica embaixada Em 1725, largou então a pequena nau de guerra Nossa
ao seu filho e sucessor, o Imperador Yongzheng, em 1725.
5.5. JOÃO V DE PORTUGAL 123

Senhora da Oliveira, de 50 peças, em nova embaixada ao o seu comportamente não melhorou, passando mesmo a
novo imperador da China.[32] O embaixador era Alexan- ignorar ordens pontíficas.
dre Metelo de Sousa e Meneses, antigo secretário da em- Entretanto deu-se a embaixada a Roma do Marquês de
baixada em Madrid. O embaixador esteve quatro meses Fontes e as jornadas ao Mediterrâneo das esquadras do
no Brasil na ida, para tratar de interesses vários da Coroa Conde do Rio Grande. A arquidiocese de Lisboa tinha
na colónia, e fez ainda uma “missão a Batávia", com a sido elevada a patriarcado depois da primeira. Depois da
duração de um mês, onde entregou duas cartas da Coroa Batalha de Matapão, pareceu-lhe agora justo a D. João V
ao governador-geral da Companhia Holandesa das Índias que quando o indesejado Bichi fosse substituído, lhe fosse
Orientais antes de seguir viagem para a China. Esta em-
dada a dignidade de um cardinalato, como era costume
baixada de D. João V, mais um exemplo da sua política em Roma dar a núncios regressados de Madrid, Paris, e
internacional de ostentação e magnificiência para promo-
Viena. Isto mesmo tinha sucedido com o anterior núncio
ver Portugal no plano internacional, encontra-se descrita em Lisboa ― o futuro Inocêncio XIII. D. João V que-
numa monografia recente.[33]
ria agora que esta práctica se tornasse fixa. Infelizmente,
devido à má conduta de Bichi em Lisboa, parecia pouco
provável que a dignidade lhe fosse concedida. D. João
V no entanto insistiu, e comunicou à Santa Sé em 1719
que não permitiria Bichi deixar Lisboa sem antes receber
garantias de que lhe seria oferecido o cardinalato. Mais
uma vez vemos assim D. João V afirmar Portugal como
uma potência principal, querendo equiparar Portugal com
a Áustria, a Espanha, e a França.
Em Setembro de 1720, Clemente XI chamou Bichi a
Roma e nomeou o napolitano Giuseppe Firrao novo nún-
cio em Lisboa. D. João V, no entanto, manteve-se firme:
não autorizou nem Bichi a deixar Lisboa, nem Firrao a
entrar. E no início de 1721 morreu Clemente XI.

Papa Inocêncio XIII (1721-1724), antes núncio apostólico em


Lisboa 1697-1710, feito cardeal em 1706.

A questão do cardinalato de Bichi Houve, no en-


tanto, um aspecto que marcou profundamente as relações
entre Lisboa e Roma neste período: a nunciatura de Vin-
cenzo Bichi, núncio apostólico em Lisboa nomeado em
Setembro de 1709, que chegou a Lisboa em Outubro do
ano seguinte. Durante mais de dez anos este seria o pro-
tagonista de uma feroz luta de interesses entre Lisboa e
Roma.[34]
O cardeal de Polignac, embaixador da França em Roma de 1724
Bichi, anteriormente núncio na Suíça desde 1703, foi for- a 1732. Polignac foi durante todo esse tempo o chefe da facção
temente criticado pelo clero português pelo seu escanda- que se opunha a oferecer um cardinalato a Bichi, tal como dese-
loso comportamento em Lisboa, que passava por abusos java D. João V.
vários a avultada venda de indultos. Essas queixas com
o tempo levaram D. João V a queixar-se à Santa Sé. Bi- Depois da morte de Clemente XI, D. João V viu com bons
chi foi chamado ao Vaticano para se justificar, e depois olhos a eleição de Inocêncio XIII em 1721. Era um ho-
ser severamente avisado pôde regressar a Lisboa. Mas mem que o monarca conhecia bem pessoalmente, visto o
124 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

novo Papa ter vivido doze anos em Portugal, como nún-


cio apostólico em Lisboa de 1697 a 1710. No entanto,
em Maio de 1721 Inocêncio XIII confirmou Firrao como
núncio, sem no entanto ceder quanto à questão do cardi-
nalato. O monarca português recusou reconhecer a no-
meação de Firrao, e continuou a exigir o cardinalato para
Bichi, ameaçando mesmo cortar as relações diplomáti-
cas. Isto numa altura em que por exemplo, como se viu,
um nau de guerra portuguesa funcionava como transporte
diplomático à China ao serviço da Santa Sé.
Inocêncio XIII morreria pouco depois, em 1724. O novo
The Capture of the Glorioso, em 1747. À esquerda, o Russel
Papa, Bento XIII ― o único papa com ascendência real
inglês, de 80 peças; à direita, o Glorioso espanhol, de 70 peças.
portuguesa, visto ser descendente de D. Dinis ― via- A capitânia e a almiranta portuguesas na Batalha de Matapão
se pressionado por um lado pelo cardeal português José eram ambas naus de 80 peças; mas apenas a partir da década
Pereira de Lacerda, que tentava usar a sua influência na de 1730 começou Portugal a enviar naus de mais 70 peças ao
Cúria em favor do seu rei, e pelo lado contrário por um Ultramar. Naus de 60-64 peças eram o normal nas Armadas do
grupo de cardeais do Sacro Colégio liderados pelo embai- Brasil e da Índia ― a força naval de que dependia o império
xador francês, o cardeal de Polignac, que argumentavam ultramarino de D. João V.
que não seria correcto premiar o mau comportamento e
desobediência de Bichi com a púrpura.
desa que incomodava a navegação portuguesa na Costa
Finalmente D. João V, que despendia fabulosas somas
do Ouro. Ao mesmo tempo, o governador de Luanda,
com a cúria romana, e com igrejas, monumentos e ce-
em Angola, escreveu ao rei a informar que os ingleses
rimónias religiosas, realizou em 1728 as ameaças que ti-
estariam a construir um forte em Cabinda, na foz do Rio
nha feito alguns anos antes: encerrou a nunciatura em
Congo, região que os portugueses tinham descoberto com
Lisboa, ordenou a todos os seus súbditos em Roma que
a expedição de Diogo Cão na década de 1480, e cujos reis
deixassem a cidade, e proibiu todos os portugueses, ecle-
locais, depois de evangelizados, sempre tinham sido ami-
siáticos e leigos, de manter relações directas com a Santa
gos dos portugueses.
Sé. Isto motivou Bento XIII a pedir a mediação de Filipe
V de Espanha na questão, mas esta mediação foi cate- Cabinda sempre tinha sido considerada pelos portugue-
goricamente recusada por D. João V. Por fim, no outono ses parte de Angola; um forte inglês na região era assim
de 1730 o novo papa Clemente XII, eleito poucos me- intolerável para Lisboa. O rei discutiu a situação, consi-
ses antes, cedeu totalmente aos desejos do D. João V, derada grave, com o Conselho Ultramarino, e foi decido
comprometendo-se a promover Bichi ao cardinalato.[35] enviar uma das próximas naus da Armada do Brasil para
investigar, e tomar acção se necessário. Essa nau poderia
Bichi seria feito cardeal de S. Pietro in Montorio a 24
depois examinar o caso da fragata holandesa na Costa do
de Setembro de 1731, e pôde tomar possessão da digni-
Ouro.
dade com magnífica ostentação graças a uma dádiva de
25.000 cruzados de D. João V ― que assim conseguira, No dia 26 de Maio de 1723 largaram então para o Brasil
numa época em que prestígio era tudo, ver a nunciatura as naus Nossa Senhora Madre de Deus (60 peças) e Nossa
em Lisboa ser promovida a uma das mais prestigiosas do Senhora da Atalaia (52 peças), como escolta de dezas-
mundo católico, a par de Madrid, Paris, e Viena. seis naus mercantes. Depois de chegar a salvamento a
Salvador (Bahia), a mais pequena das naus cruzou nova-
mente o Atlântico, dirigindo-se então a Angola, como es-
Relações com a Espanha e a Grã-Bretanha tipulado pelas ordens régias. Chegou a Luanda no dia 12
de Setembro, e largou novamente com rumo norte a 6 de
Durante todo o reinado de D. João V Portugal manteve Outubro.[36]
uma relação pouco estável com a Espanha por um lado, Duas semanas depois chegou a Cabinda, e verificou que
e para o contrabalançar uma firme aliança com a Grã- efectivamente aí se achavam ingleses: duas corvetas ―
Bretanha por outro. Isto tinha fundamentalmente que ver sloops of war, com menos de 18 peças cada ―, uma nau
com as diferentes naturezas dos três impérios. de mercadorias, e um forte de 30 peças acabado de ser
construído. Nos termos das ordens que levava de D. João
V, a Nossa Senhora da Atalaia exigiu que os ingleses en-
Um incidente em África Durante todo o reinado de D. tregassem o forte ao governo de Sua Majestade portu-
João V, o mais fiel aliado de Portugal foi a Grã-Bretanha. guesa. Estes recusaram, e a nau portuguesa abriu fogo.
Em 1723 passou-se um incidente que, por ser exceptio- Com apenas 52 peças, era uma nau das mais pequenas;
nal, revela muito o motivo desta aliança. no entanto, era mais que suficiente para lidar com duas
A 4 de novembro de 1722, o vice-rei do Brasil escre- pequenas corvetas, cujas tripulações logo as abandona-
veu ao rei, informando Lisboa sobre uma fragata holan- ram e se refugiaram no forte. Por dois dias a nau portu-
5.5. JOÃO V DE PORTUGAL 125

guesa e o forte inglês cruzaram fogo, até que os ingleses V, até os problemas não mais existirem, apenas um ano
aceitaram render o forte e a nau de transporte em troca passara ― um bom exemplo da dimensão global de Por-
de poderem regressar à Europa nas corvetas.[37] tugal nesta época, e de como ela dependia da Armada.

A família real espanhola, por volta de 1743. À esquerda, de pé,


o príncipe herdeiro, o futuro Fernando VI de Espanha, e sentada,
de azul, a sua mulher, D. Bárbara de Bragança.

A Troca das Princesas Ao contrário das muito está-


Het Kanonschot, de 1707. Na pintura vemos uma nau de 60 veis relações com a Grã-Bretanha, as relações com a Es-
peças do início do reinado de D. João V. panha sempre sofreram altos e baixos ao longo do reinado
de D. João V. Quando subiu ao trono estava-se em plena
Este incidente marca o único confronto entre forças por- guerra; mas mesmo depois da paz, a situação nunca foi
tuguesas e inglesas durante todo o longo reinado de D. estável.
João V; não há notícia do monarca português ter recebido Alguns anos após a paz de Utrecht, as relações entre os
protestos de Londres. O incidente é importante porque dois reinos ibéricos melhoraram sensivelmente quando
sendo a excepção, prova a regra: os interesses ultrama- D. Luís da Cunha, grande diplomata que estivera presente
rinos das duas potências nesta época eram distintos: os nas negociações do tratado de paz, foi nomeado embaixa-
ingleses concentravam-se essencialmente nas Caraíbas e dor em Madrid em 1719. Estava-se também no período
na América do Norte; os portugueses na América do Sul, áureo do prestígio de D. João V, graças à Batalha de Ma-
África, e na Índia ― onde os interesses dos ingleses es-
tapão. A cidade de Colónia do Sacramento fronteira a
tavam ainda inteiramente nas mãos da Companhia das Buenos Aires, evacuada pelos portugueses em 1705, ti-
Índias Orientais. Os interesses das duas coroas não en-
nha sido devolvida dez anos depois, e nada fazia prever
travam assim em conflicto, o que explica a longevidade novos conflictos. Mas pouco depois fundaram os portu-
da aliança entre Portugal e a Grã-Bretanha neste período.
gueses na mesma região a cidade de Montevidéu, actual
Quanto à Nossa Senhora da Atalaia, esta regressou a Lu- capital do Uruguai, em 1723. As reacções dos espanhóis
anda com as novas, e voltou depois a largar para a Costa de Buenos Aires foram imediatas, fazendo adivinhar fu-
do Ouro em Dezembro, no cumprimento das ordens ré- turas polémicas.
gias. Depois de uma curta paragem nas possessões por- Desde 1723, a jovem infanta portuguesa D. Maria Bár-
tuguesas da Ilha do Príncipe, no Golfo da Guiné, e no bara, filha de D. João V, estava prometida ao ainda mais
forte de Ajudá, na Costa dos Escravos, chegou ao então jovem Príncipe das Astúrias, o infante Fernando. Em
há muito holandês Castelo da Mina, na Costa do Ouro, 1725 a diplomacia espanhola viu então no Príncipe do
em Janeiro de 1724. Aqui descobriu que a fragata holan- Brasil, o infante D. José, o noivo ideal para a infanta
desa que tinha incomodado a navegação portuguesa era Maria Ana Vitória, filha de Filipe V. A aliança entre as
afinal um barco de piratas de 30 peças, que a nau portu- duas casas reais foi assim transformada em consórcio du-
guesa logo afundou a tiro de canhão.[38] plo, e criaram-se portanto condições excepcionais para a
A Nossa Senhora da Atalaia regressou depois ao Brasil, unidade peninsular. O duplo matrimónio dos príncipes
onde chegou no início de Abril de 1724, para depois vol- herdeiros com princesas do reino vizinho veio a verificar-
tar a Portugal, depois de ano e meio e mais de catorze mil se após a chamada Troca das Princesas, também conhe-
milhas náuticas de cruzeiro. Desde que o governador de cida como Jornada do Caia, que ocorreu no rio Caia na
Luanda e o Vice-Rei do Brasil tinham escrito a D. João fronteira do Alentejo, a 19 de Janeiro de 1729.
126 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

A jornada em si foi caracterizada por todo o aparato tí-


pico das grandes cortes absolutistas da época. Das deze-
nas de coches e berlindas usados nesta ocasião ― apenas
para a Jornada do Caia foram encomendadas em Paris 24
berlindas[39] ―, sobreviveu até os nossos dias no Museu
Nacional dos Coches um coche fabricado em Portugal,
o Coche da Mesa, assim chamado por conter no interior
uma mesa amovível.

A campanha do Rio da Prata Ver artigo principal:


Campanha do Rio da Prata (1736)
Desde o início do reinado de D. João V, o principal

D. Bárbara de Bragança em 1729. A Troca das Princesas esse


ano não foi capaz de evitar o conflicto sobre o Rio da Prata al-
guns anos mais tarde.

D. João V em 1729, retratado por ocasião da Troca das Prince-


sas.

ponto de discórdia entre Portugal e a Espanha não estava


situado na fronteira ibérica, mas sim no distante Rio da
Prata: era a Colónia do Sacramento. Sempre desde que
os portugueses tinham fundado esta cidade em frente a
Buenos Aires em 1680, os espanhóis desta cidade tinham
querido remover os portugueses da região.
A 22 de Novembro de 1723, os portugueses fundaram
ainda Montevidéu, que possui o melhor porto profundo
no Rio da Prata. A fundação desta nova cidade logo cau-
sou novos problemas. Uma das questões era a própria
legalidade da fundação: o Tratado de Utrecht estipulara
sobre ”o Territorio e Colonia do Sacramento, ſita na mar-
gem ſeptentrional do Rio da Prata” que o monarca es-
panhol faria uma “desistência nos termos mais fortes”, O infante D. Francisco, irmão de D. João V, em 1729, como
”para que o dito Territorio e Colonia fiquem comprehendi- Condestável de Portugal após a morte do 1.o Duque de Cadaval
dos nos Dominios da Coroa de Portugal”, mas nada dizia em 1727. O infante era o maior proponente do uso de poder
sobre novas fundações na região.[40] Na interpretação dos naval na família real.
espanhóis de Buenos Aires, isto significava que os portu-
gueses apenas tinham direito à Colónia do Sacramento,
e que a fundação de Montevidéu era ilegal. A reacção Buenos Aires ocuparam a recém-fundada localidade.
foi imediata: a 22 de Janeiro de 1724, os espanhóis de Os verdadeiros problemas viriam na década seguinte,
5.5. JOÃO V DE PORTUGAL 127

notícias de que em Paris se tinha assinado um armistício


em Maio de 1737.[41] Assim foi devolvida Montevidéu a
Portugal, sem que durante um ano a esquadra espanhola
na zona tivesse ousado desafiar a portuguesa. Por ironia,
a única nave perdida durante toda esta campanha foi uma
fragata espanhola de 36 peças, por encalhe.
Enquanto tudo isto se passava, D. João V tinha invocado
a aliança com a Grã-Bretanha logo em 1735, quando de-
pois do incidente das embaixadas se adivinhava uma pos-
sível guerra com Espanha. Como resultado da aliança
anglo-lusa, chegou a Lisboa no verão de 1736 uma pode-
rosíssima armada de vinte e seis naus de guerra ― equiva-
lente practicamente a toda a Armada Real espanhola ―
às ordens do próprio Admiral of the Fleet Sir John Norris.
A maior parte desta armada permaneceu em Lisboa até
o verão seguinte, após o armistício de Paris.[42]
Assim se explica porque pôde D. João V enviar a esqua-
dra ao Rio da Prata sem ter que se preocupar com a defesa
das àguas da metrópole, e assim se explica porque Espa-
nha rapidamente assinou um armistício com Portugal. E
assim se explica, talvez, porque Portugal a partir da se-
gunda metade do reinado de D. João V começou a sofrer
O 3.o Duque de Cadaval, dos Concelhos de Estado e da Guerra, uma certa dependência da Grã-Bretanha, que apenas se
cerca de 1728. Esteve presente na Troca das Princesas em 1729 tornaria mais manifesta com o passar das décadas.
como Estribeiro-mor de D. João V.

quando os portugueses intensificaram a colonização do O Tratado de Madrid Ver artigo principal:


Rio Grande do Sul em 1733. Forças de Buenos Aires vi- Tratado de Madrid (1750)
eram então em 1734 pôr cerco à Colónia do Sacramento, Durante o reinado de D. João V a população do Brasil
que apenas se salvou graças a reforços enviados do Rio
de Janeiro. Montevidéu continuava ocupada pelos espa-
nhóis, que para lá fariam passar um exército considerá-
vel. As relações entre Portugal e a Espanha deterioraram
rapidamente, e logo em Fevereiro de 1735 deu-se o “in-
cidente das embaixadas": a guarda espanhola entrou na
embaixada portuguesa em Madrid e aprisionou dezanove
empregados da embaixada ― a que D. João V logo ripos-
tou com a prisão de dezanove funcionários da embaixada
espanhola em Lisboa. Cortaram-se as relações diplomá-
ticas, e em Lisboa preparou-se a guerra.
D. João V decidiu então enviar uma forte esquadra ao
Rio da Prata para fazer valer os interesses de Portugal
na região. Em 1736, largaram assim ao todo seis naus
de guerra, com 390 peças no total, para a América do
Sul. Encontrariam no Mar da Prata uma esquadra espa-
Mapa da América do Sul em 1750.
nhola de cinco pequenas naus e três fragatas, com 332
peças no total ― uma força manifestamente inferior. Al-
guns combates foram travados, em que nenhum dos lados multiplicou várias vezes. Ao mesmo tempo, as fronteiras
perdeu naves; mas os espanhóis não conseguiram impe- terrestres do território, após as primeiras experiências
dir que a esquadra portuguesa, ao comando de Luís de pioneiras dos bandeirantes no século XVII, foram alarga-
Abreu Prego, iniciasse um bloqueio a Montevidéu, blo- das para Ocidente, para além dos limites do Tratado de
queando assim o exército espanhol em terra. Durante um Tordesilhas de 1494. Os conflitos com a Espanha eram
ano, de Agosto de 1736 a Agosto de 1737, a esquadra vários; para além da questão do Rio da Prata, existiam
portuguesa bloqueou o exército espanhol em Montevi- também litígios na Amazónia, onde os portugueses em
déu, sem que a esquadra espanhola no Mar da Prata ten- 1669 tinham erguido o Forte de São José da Barra do
tasse fazer alguma tentativa de desafiar os portugueses, Rio Negro, na actual Manaus.
até que chegou uma nau de guerra do Rio de Janeiro com À medida que Portugal e a Espanha cada vez mais popu-
128 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

lavam o interior dos seus domínios na América, tornava-


se imperioso firmar novo tratado sobre as fronteiras entre
as duas coroas no Novo Mundo; e em 1746 as negocia-
ções foram iniciadas. Nesta época já D. João V sofria
de saúde, e os principais responsáveis pelas negociações
foram o Visconde de Vila Nova de Cerveira, embaixador
extraordinário a Madrid, e principalmente Alexandre de
Gusmão, este último um hábil diplomata que tinha nas-
cido no próprio Brasil; era ainda seu irmão o célebre in-
ventor Bartolomeu de Gusmão.
Assinado a 13 de Janeiro de 1750, o Tratado de Madrid
obteve para Portugal o reconhecimento europeu da reali-
dade das fronteiras do Brasil, seguindo o princípio de uti
possidetis. As linhas rectas do século XV de Tordesilhas
deram assim lugar aos contornos da ocupação efectiva,
e Portugal manteve assim o domínio da bacia fluvial do
Amazonas, aumentando muito o tamanho do Brasil. O
tratado definiu, grosso modo, as fronteiras do Brasil mo-
derno.
Segundo o tratado, Portugal entregaria ainda a Colónia
do Sacramento a Espanha, recebendo em troca o territó-
rio dos Sete Povos das Missões. No entanto, esta troca
foi contestada no local: os portugueses não entregaram
Sacramento, e a mesma contestação nas missões levou à
Guerra Guaranítica de 1754-1756, já no reinado de D. Grão-Mogol Aurangzeb (1658-1707). Depois do seu reinado,
José I. o Império Mogol desintegrou-se, com seis grão-mogóis em doze
anos.

Relacões internacionais na Índia

Na Índia, a última década do reinado de D. João V viu


primeiro a perda da Provícia do Norte em 1739-1741, e
depois as Novas Conquistas em Goa em 1744-1746.

A perda da Provincia do Norte Algumas décadas


após a morte de Aurangzeb em 1707, para infelicidade
dos portugueses na Índia, o Império Mogol, que desde
Akbar se mostrara tolerante à presença dos portugueses
ao longo da costa, encontrava-se em avançado processo
de colapso.[43]
O Império Marata não tinha conseguido ser uma séria
ameaça no mar Arábico, onde a Armada Real portuguesa
ao tempo de D. João V voltara ser, como fora no século
XVI, a principal força. O almirante dos maratas ― Ka-
nhoji Angrey, ou Angriá, como lhe chamavam os portu-
gueses ―, na Índia hoje visto como o primeiro grande
almirante indiano, era essencialmente um corsário semi-
independente do peshwa ou “grande ministro” marata; e a
armada dos maratas era essencialmente composta por pe-
quenas embarcações de um ou dois mastros apenas, que
graças ao seu menor calado podiam fugir das maiores na-
ves portuguesas nos baixos da costa indiana. Em 1738, Peshwa Bajirao I (1720-1740), grande general e maior peshwa
dezasseis destas pequenas embarcações lograram tomar a do Império Marata.
pequena fragata portuguesa São Miguel, de 24 peças; esta
foi a maior presa alguma vez tomada pela armada marata
aos portugueses.[44]
5.5. JOÃO V DE PORTUGAL 129

No entanto, o Império Marata era tal como o Império Janeiro de 1741.[46]


Mogol um império terrestre. O que lhe faltava no mar, Assim se perdeu toda a Província do Norte, que durante
tinha-o em terra, onde as imensas forças terrestres dos cerca de duzentos anos fora portuguesa, excepto Damão,
maratas eram temíveis. De 1720 a 1740 o peshwa ma- que permaneceria portuguesa até 1961. Com os reforços
rata era Bajirao I, o maior chefe militar da história dos do Marquês de Louriçal conquistaram-se algumas terras
maratas. Este ameaçou agora as possessões portuguesas em redor de Goa aos Bounsolós.
conhecidas desde Quinhentos como a Província do Norte:
a faixa da costa desde Bombaim ― esta oferecida ao in-
gleses aquando do casamento de D. Catarina de Bragança
com Carlos II de Inglaterra em 1662 ― a Damão. Toda
esta faixa costeira, com praças como Baçaim e Chaul, es-
tivera inteiramente nas mãos dos portugueses desde Qui-
nhentos.
Assim, nos últimos dias de 1738 Bajirao I, que no ano
anterior tinha saqueado Deli, a própria capital dos Grão-
Mogores, invadiu a Província do Norte. Em Janeiro con-
quistou facilmente três vilas menos importantes, e a 17
de Fevereiro de 1739 pôs cerco a Baçaim.[45]
Ao mesmo tempo que invadia a Província do Norte, um
segundo exército marata desceu dos Gates Orientais e in-
vadiu o território de Goa, a própria capital dos portugue-
ses na Ásia. Tal como contra os mogores, Bajirao I queria
desferir um golpe o mais violento possível contra os seus
inimigos. Simultâneamente, pedia aos Bounsolós ou ré-
gulos vizinhos que o auxiliassem.
Era então Vice-Rei da Índia o Conde de Sandomil. Este
tinha já recentemente enviado tropas a Baçaim, para re-
forçar a guarnição, e Goa encontrava-se assim à espera
de reforços do Reino. Bardez perdeu-se, à excepção da
fortaleza da Aguada e da fortaleza dos Reis Magos. O
distrito de Salcete também se perdeu, ficando os portu-
gueses cercados no forte de Rachol. A 8 de Março, o
Vice-Rei mandou recolher todas as mulheres e crianças Busto de D. João V de 1747 no Palácio Nacional de Mafra. Foi
europeias à fortaleza de Mormugão, e dois dias depois nesta época que se deram as Novas Conquistas na Índia.
propôs abrir negociações aos maratas. Os termos destes
eram simples: abandonariam as conquistas em Goa, se os Como nota, a praça portuguesa de Mazagão, última praça
portugueses abandonassem a Província do Norte. O tra- portuguesa em Marrocos, foi nesta época também ata-
tado de paz foi firmado a 2 de Maio, e a 12 de Maio Ba- cada pelo sultão de Marrocos, mas os portugueses sem-
çaim rendeu-se. Da guarnição de mil e duzentos homens pre tiveram êxito em defender a praça de Mazagão. Ao
tinham morrido oitocentos; aos sobreviventes foi permi- todo rechaçaram os portugueses sete ataques dos invaso-
tido sairem da fortaleza com as bandeiras desfraldadas, res nestes anos: em Janeiro de 1738; Outubro de 1738;
de armas ao ombro e a toque de tambor. No entanto, o Janeiro de 1739; Setembro de 1741; Janeiro de 1743; No-
tratado não foi integralmente cumprido pelas duas par- vembro de 1743; e por fim Maio de 1745, o último ataque
tes. Os portugueses conservaram Damão e Chaul, e os marroquino a Mazagão durante o reinado de D. João V.
maratas várias terras em Goa.
Quando em Portugal se soube da invasão decidiu D. João
V enviar na Armada da Índia desse ano uma esquadra de As novas conquistas Em Setembro de 1744 chegou a
quatro naus e duas fragats, às ordens de Luís de Abreu Goa novo Vice-Rei, o Marquês de Castelo Novo, que um
Prego, com uma força de desembarque de dois mil ho- quarto de século antes tinha sido governador da Capitania
mens, para reforçar as praças da Índia. Esta Armada da de São Paulo e Minas de Ouro no Brasil. Este decidiu em
Índia largou a 12 de Maio de 1740; a bordo ia também 1746 iniciar uma invasão de grande envergadura contra
o Conde da Ericeira, justamente feito Marquês de Lou- os Bounsolós a norte de Goa, para lhes conquistar defi-
riçal e nomeado novo Vice-rei. Mas quando este chegou nitivamente as terras entre os Gates e as terras portugue-
a Goa em Fevereiro de 1741 já o Conde de Sandomil, ao sas de Goa. Ainda antes da monção, em abril, conquistou
abrigo de novo tratado entretanto firmado em Setembro Alorna, Bicholim, e Sanquelim, a primeira por assalto, as
de 1740, tinha acabado de entregar Chaul, evacuada em outras practicamente sem luta. Com o crescer da mon-
ção interrompeu-se a campanha militar, apenas para ser
130 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

renovada depois das chuvas. Em novembro, tomou-se o obras tiveram início a 17 de Novembro de 1717, uma se-
forte de Tiracol, hoje no extremo norte de Goa, e em De- mana depois da esquadra do Conde do Rio Grande ter
zembro algumas localidades menores ainda mais a norte. regressado da Batalha de Matapão contra os turcos.
Mais tarde, em 1748, o Marquês de Castelo Novo garan- D. João V tinha uma grande paixão por livros. Por esse
tiu com novas vitórias estas terras para Portugal.[47]motivo, na década de 1720 o principal projecto do rei
Desde então estas terras são chamadas, em Goa e na foi a construção da Biblioteca Joanina da Universidade
historiografia, as Novas Conquistas, em oposição às de Coimbra, iniciada também em 1717 e concluída em
Velhas Conquistas do século XVI. Como recompensa, o 1728. Este projecto é assim ligeiramente anterior à se-
Marquês de Castelo Novo foi agraciado com o título de melhante, ainda que ainda mais grandiosa Hofbibliothek,
Marquês de Alorna em 1748 por D. João V. ou Biblioteca da Corte em Viena, iniciada em 1722 pelo
cunhado de D. João V, o imperador Carlos VI. Depois de
concluída a biblioteca, ordenou D. João V a construção da
5.5.7 Sociedade Torre da Universidade, terminada em 1733. Ao mesmo
tempo que ordenou a construção da biblioteca universi-
Panorama cultural tária, D. João V elevou também a verba de que a Univer-
sidade dispunha para a compra de livros, de 40$000 réis
a 100$000 réis anuais.

Interior da Igreja do Menino Deus, de 1711, em Lisboa ― um


dos poucos projectos de construção de D. João V que sobrevive-
ram o Terramoto de 1755.

Projectos arquitectónicos No panorama cultural,


vivia-se em toda a Europa o final do Barroco. D. João
V, fiel à sua política de opulência, gastou somas consi-
deráveis em projectos de construção, principalmente em
Lisboa, que pretendia, por assim dizer, transformar numa
nova Roma. Um dos primeiros e mais belos projectos, e
um dos poucos que sobreviveram o Terramoto de 1755, é
a Igreja do Menino Deus, de rara planta octogonal, cons-
truída em 1711. Capela de São João Baptista (1742-1744). Note-se a esfera ar-
milar no mosaico do chão, símbolo de Portugal como potência
Em cumprimento de um voto esse mesmo ano a 26 de marítima.
Setembro, dois meses antes do nascimento do seu pri-
meiro filho a 4 de Dezembro ― a infanta D. Bárbara, a
futura rainha de Espanha ― D. João V inicou o projecto Nas décadas de 1730 e 1740 construiu-se então, para
de construção de um vasto edifício, digno de homena- abastecer de água a capital portuguesa, o grandioso
gem ao herdeiro de um igualmente vasto império. Esse Aqueduto das Águas Livres, que trouxe água de Belas
edifício seria o Palácio Nacional de Mafra, o maior mo- à capital. Um dos arquitectos responsáveis, Manuel da
numento barroco português, da autoria de João Frede- Maia, escreveu no projecto que o resultado que se que-
rico Ludovice. O conjunto é conhecido principalmente ria era um aqueduto “forte, mas não magnífico, e osten-
pela sua biblioteca, terminada no reinado seguinte, e pelo toso” [48] ― o que sem dúvida foi alcançado, visto a estru-
seu carrilhão, o maior do mundo em quantidade de sinos, tura, poucos anos depois de estar acabada, ter aguentado
encomendado em Antuérpia e Liège por D. João V. A o Terramoto de 1755.
construção do palácio-convento faz parte importante do Entre muitos outros, o derradeiro projecto do rei se-
romance Memorial do Convento, de José Saramago. As ria a extravagante Capela de São João Baptista, uma
5.5. JOÃO V DE PORTUGAL 131

das mais ricas do mundo cristão. Projectada por Nicola


Salvi ― arquitecto da Fonte de Trevi ― e Luigi Van-
vitelli― arquitecto do Reggia di Caserta ― e construído
em Sant'Antonio dei Portoghesi (Santo António dos Portu-
gueses), em Roma, de 1742 a 1744, foi sagrada e abenço-
ada pelo papa a 15 de Dezembro de 1744, que nela ainda
celebrou Missa a 6 de Maio de 1747, para depois ser des-
montada, levada para Lisboa, e ser montada na Igreja de
São Roque.
Tudo nesta capela é preciosíssimo: a frente do altar é re-
vestida de ametista; as colunas são revestidas de lápis-
lazúli; as paredes são revestidas de ágata e pórfiro; as mol-
duras das portas etc. são de jaspe verde, etc. ― enquanto
Cúpula da basílica do Convento de Mafra (1717-1730).
os imagens não são pinturas, mas finos mosaicos. Me-
rece destaque o mosaico de uma esfera armilar no chão
em frente ao altar. D. João V seguiu de perto o projecto,
interferindo várias vezes nos desenhos, que incluíram nãoa língua portuguesa. Aqui, o exemplo máximo será tal-
apenas a capela, mas ainda uma grande colecção de ob- vez o Vocabulario Portuguez e Latino, o primeiro dicio-
jectos de culto em ouro e prata, que representam o auge nário da língua portuguesa, cujos dez volumes, da autoria
da ourivesaria barroca. Estes objectos, assim como ves- de Raphael Bluteau (1638-1734), foram publicados entre
1712 e 1721. Outras obras menores no género, de outros
tes de culto, pinturas, etc., encontram-se hoje expostos no
Museu de Arte Sacra de São Roque. autores, são por exemplo as Regras da Lingua Portugueza
(1725), a Orthographia, ou arte de escrever, e pronunciar
Enquanto se construía esta capela intensificava-se o po-
com acerto a Lingua Portugueza (1734), e outra Ortho-
voamento do Brasil, cuja população aumentava de forma
graphia da Lingua Portuguesa (1735), esta última de D.
exponencial. Já em 1719 tinha por esse motivo sido cri-
Luís Caetano de Lima (1671-1757).
ada a Diocese de Belém do Pará, e D. João V insistiu
agora que fossem criadas duas noves dioceses no Brasil, D. João V procurou justamente incentivar tais obras lite-
o que veio a suceder com a criação da Diocese de São rárias sobre Portugal e assuntos portugueses; e em 1720,
Paulo, até então uma prelatura da Diocese de São Sebas- fundou a Academia Real da História Portuguesa para
tião do Rio de Janeiro, e da Diocese de Mariana, ambas o efeito, com imprensa própria e numerosos gravado-
[49]
a 6 de Dezembro de 1745. Portugal afirmava-se cada vez res franceses e flamengos. Durante os próximos vinte
mais como um dos principais estados católicos; e a edi- anos, a Academia publicaria vasto número de obras, in-
ficação da Capela de São João Baptista, com toda a sua cluindo por exemplo algumas das crónicas manuscritas
magnificiência, depois das várias outras construções de de reis medievais portugueses, de cronistas como Fernão
D. João V, terá certamente contribuído para a conces- Lopes, Rui de Pina ou Duarte Galvão, como por exem-
são pelo mesmo papa Clemente XII do título honorífico plo as crónicas de D. Afonso Henriques (1726), D. Dinis
de Fidelissimus ou Sua Majestade Fidelíssima, extensí- (1729), ou D. Pedro I (1735).
vel aos seus sucessores, em 1748. Portugal recebia assim A academia acrescentaria ainda outras histórias ainda não
as mesmas honras que Espanha e França, cujos monarcas escritas anteriormente, colmatando assim lacunas na his-
usavam os títulos de Sua Majestade Católica e Sua Majes- toriografia portuguesa, como uma história de D. Sebas-
tade Cristianíssima. D. João V conseguira, também neste tião composta por Diogo Barbosa Machado (1682-1772)
aspecto, ver equiparado Portugal com as principais po- em três tomos (1736-1747). Este autor compilou ainda
tências católicas do seu tempo, o objectivo que em todos uma rica biblioteca pessoal de alguns milhares de volu-
os aspectos sempre guiou a sua política. mes, que mais tarde ofereceria ao rei D. José I, depois
Entre os projectos hoje menos conhecidos do monarca do Terramoto de 1755 ter destruído a Biblioteca Real
conta-se ainda o Miradouro de São Pedro de Alcântara, no Paço da Ribeira; esta biblioteca seria mais tarde le-
que oferece uma das vistas mais belas da capital portu- vada para o Brasil aquando da transferência da corte por-
guesa. Hoje de aspecto romântico Oitocentista, este mi- tuguesa para o Brasil em 1808, e constitui hoje a maior
radouro, conhecido de todos os lisboetas, foi construído parte do fundo primitivo da Biblioteca Parque Estadual.
na década de 1740 por iniciativa de D. João V. Os académicos da academia enriqueceram ainda a cultura
portuguesa de então com obras sobre outros estados e na-
ções, como uma história da Ordem dos Templários, uma
Produção literária Como interessado que estava em outra da Ordem de Malta, ou ainda a Geografia Historica
afirmar Portugal como grande nação, D. João V usou tam- de Todos os Estados Soberanos de Europa, composta por
bém a produção literária para o atingir. Assim, o seu D. Luís Caetano de Lima em dois tomos (1734 e 1736).
reinado foi marcado por uma grande produção literária No entanto, como o próprio nome da academia reflectia,
sobre temas relacionados com a história, a geografia, e a prioridade era naturalmente Portugal.
132 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

não tinha sido impressa desde 1563.


Um outro exemplo da bibliofilia do rei viu-se quando D.
João V no início da década de 1740 ordenou ao embai-
xador em Roma que formasse uma colecção de todas as
obras que pudesse descobrir nas bibliotecas da cúria ro-
mana que dissessem respeito à história de Portugal, ao
mesmo tempo que ordenava a Sebastião José de Carva-
lho e Melo, então ministro plenipotenciário em Londres,
que reunisse uma colecção de tudo quanto pertencesse
aos ritos, leis, e costumes dos judeus, incluindo bíblias
hebraicas, em qualquer das línguas vivas ― o que o fu-
turo Marquês de Pombal fez, compilando uma valiosa co-
A Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra (1717-1728). lecção que chegaria a Lisboa em 1743.
Enquanto se construía a belíssima biblioteca, a Academia Real Sobre D. João V e a sua rica livraria escreveu D. António
da História Portuguesa publicava valiosas obras sobre temas por-
Caetano de Sousa:
tugueses.

“Assim tem uma numerosa e admiravel li-


A obra magna da academia foi a Historia Genealogica vraria, que se veem as edições mais raras,
da Casa Real Portugueza, de D. António Caetano de grande numero de manuscriptos, instrumentos
Sousa (1674-1759). Esta, uma das mais importante mathematicos, admiraveis relogios, e muitas ou-
obras do reinado de D. João V, é a culminação Setecen- tras cousas raras que ocupam muitas casas e ga-
tista de uma riquíssima tradição portuguesa de histórias binetes.”
genealógicas,[50] anterior mesmo, por exemplo, ao Conde
de Barcelos em meados do século XIV, e aos seus Livro Outros estudiosos e escritores portugueses notáveis do
de Linhagens do Conde D. Pedro e Crónica Geral de Es- reinado foram Jacob de Castro Sarmento (1691-1762),
panha de 1344. Os 13 volumes de texto desta grande his- António Ribeiro Sanches (1699-1783), e Francisco Xa-
tória de Portugal, com 14.203 páginas, e 6 volumes de vier de Oliveira, o Cavaleiro de Oliveira, (1702-1783),
provas documentais, com 4.580 páginas, foram publica- estes no exílio (ver infra).
dos entre 1735 e 1749.
Muitas outras obras marcadamente portuguesas foram
ainda publicadas durante o reinado de D. João V, em Produção artística e científica Portugal viveu uma
parte impulsionadas pela academia. Um bom exemplo grande riqueza artística durante o reinado de D. João V.
é a História Trágico-Marítima, de Bernardo Gomes de Parte desta riqueza artística era no entanto, por assim di-
Brito (1688-1759) ― uma obra que dificilmente pode- zer, totalmente importada, e paga em ouro do Brasil. Um
ria ter sido escrita noutro país que não Portugal. Os seus exemplo é a magnífica Custódia da Bemposta, outrora na
capela do Palácio da Bemposta, hoje no Museu Nacional
dois tomos foram publicados em 1735 e 1736. Outra foi
a Descripçam Corografica do Reyno de Portugal (1739), de Arte Antiga, ambos em Lisboa. A custódia foi dese-
nhada por um ourives alemão formado em Roma ― João
que contém uma exacta relação de todas as províncias e
concelhos do reino. No final do reinado, Luís António Frederico Ludovice, o arquitecto de Mafra ― contrac-
tado por D. João V e pago em ouro do Brasil; foi execu-
Verney (1713-1792) escreveu a obra O Verdadeiro Mé-
todo de Estudar, um seminal estudo crítico e ensaio filo- tada em prata dourada com esse mesmo ouro, e foi ainda
decorada com pedras preciosas provenientes também do
sófico sobre o ensino em Portugal, igualmente em dois to-
mos, publicado em 1746, em tudo muito superior à Nova Brasil ou compradas com o ouro das Minas. Isto é, é uma
Escola para Aprender a Ler, e Escrever (1722) de Manuel obra de arte de certa forma inteiramente estrangeira ― e
de Andrade de Figueiredo (1670-1735). um exemplo entre muitos.

Como bibliófilo que era, D. João V para além de custear Esta informação está errada, pois se verificarem no web-
por exemplo a publicação das obras da Academia, como site do MNAA, a Custódia da Bemposta foi feita em
os dez tomos do Vocabulario Portuguez e Latino e os de- 1777, e por Mateus Vicente de Oliveira. O Palácio da
zanove tomos da História Genealogica da Casa Real Por- Bemposta era, durante o reinado de D. João V, proprie-
tugueza, favorecia ainda autores de poucos meios, possi- dade do seu irmão, o Infante D. Francisco. Após a morte
bilitando a publicação de obras que sem a intervenção do deste em 1742, passou para o novo titular da Casa do In-
monarca possivelmente ficariam por imprimir. E quando fantado, o futuro Rei Consorte D. Pedro III, filho de D.
alguma obra lhe era indicada como excelente e já rara, João V. Este Rei foi quem mandou fazer esta custódia, já
não hesitava em a mandar reimprimir ― como por exem- muito depois da morte de D. João V (27 anos).
plo o Tratado dos Descobrimentos Antigos e Modernos No entanto, graças às numerosíssimas comissões de D.
(1735), de António Galvão (1490-1557), uma obra que João V, da casa real, e da alta nobreza portuguesa, as artes
5.5. JOÃO V DE PORTUGAL 133

também por exemplo na pintura, na ourivesaria, ou no


mobiliário. E certos estilos marcadamente nacionais fo-
ram também desenvolvidos, nomeadamente a arte do
azulejo, e particularmente a da talha dourada. Ao mesmo
tempo, a convivência com culturas estrangeiras, princi-
palmente na Índia, permitiu influências estrangeiras, e o
desenvolvimento do estilo indo-português.
Alguns artistas notáveis foram Vieira Lusitano (1699-
1783), pintor; José de Almeida (1700-1769), escultor, e o
seu irmão Félix Vicente de Almeida, entalhador. No Bra-
sil, um conhecido mestre-de-obras foi Manuel Francisco
Lisboa em Ouro Preto, pai de António Francisco Lisboa,
o famoso Aleijadinho, activo no reinado seguinte. Ainda
no Brasil, uma colectânea de arte do reinado de D. João
V (e não só) pode ser observada por exemplo no Museu
de Arte Sacra de São Paulo e museus congéneres.
D. João V tomava grande agrado pela música, tendo o
rei ainda em 1713 fundado um seminário de música, que
funcionou primeiramente no paço dos arcebispos, e pos-
teriormente no convento de São Francisco. A partir de
1730 D. João V introduziu a ópera italiana na Corte; a
data mais antiga conhecida é de 1733, ao cargo do violi-
nista italiano Alessandro Paghetti. Em 1739 inaugurou-
se então um teatro de ópera no Palácio de Belém, que o
rei comprara ao Conde de Aveiras em 1726. Existia ainda
um teatro de ópera na Rua dos Condes, mais perto do pa-
lácio real. A importância que D. João V dava à música
Custódia da Bemposta, no Museu Nacional de Arte Antiga.
pode ser vista por exemplo no Mestre de Capela que con-
tratou, que era também mestre de música da infanta D.
Bárbara: o napolitano Domenico Scarlatti, o melhor cra-
vista da sua geração; Scarlatti permaneceria em Lisboa
de 1719 a 1729 como mestre de música, para depois da
Troca das Princesas em 1729 seguir a infanta portuguesa
para a corte de Madrid. No panorama nacional, os mais
importantes compositores portugueses do reinado foram
Francisco António de Almeida (1702-1755), Carlos Sei-
xas (1704-1742), e António Teixeira (1707-1774).
Quanto às ciências, para além da historiografia nacional,
a que mais privilegiada foi pelo monarca foi a medicina,
quer com traduções de obras estrangeiras ― como a Ci-
rurgia Anatomica, & completa por Perguntas e Respostas
(1715), de um original francês ―, quer com novas fun-
dações, como quando fundou uma escola de cirurgia no
Hospital Real de Todos os Santos em Lisboa em 1731, e
quando aprovou os estatutos de uma academia cirúrgica
no Porto em 1746. Outras ciências naturais, tais como a
física e química, foram no entanto mais neglicenciadas.
De um modo geral, as ciências em Portugal não atingi-
ram um desenvolvimento assinalável durante o reinado
de D. João V. Para isto terá também sem dúvida con-
tribuído o clima de censura da Inquisição (ver infra). E
Domenico Scarlatti, Mestre de Capela na corte portuguesa 1719- mesmo a medicina sofreu com as actividades da Inquisi-
1729 ção, visto muitos médicos serem judeus (ver infra). Neste
panorama de estagnação científica encontramos contudo
uma clara excepção: a engenharia. De todas as ciências,
conheceram um desenvolvimento notável, e o barroco jo- a que melhores resultados apresentou durante o reinado
anino obteve grande riqueza ― para além da arquitectura,
134 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

Armas de Sá chefe, in Livro do Armeiro-Mor (fl 65r ) (1509).


Armas do 3.o Marquês de Fontes, feito Marquês de Abrantes por
D. João V em 1718, como recompensa pelo sucesso como embai-
O Engenheiro Portuguez, de Manuel de Azevedo Fortes (1728). xador em Roma, e em troca pelo antigo marquesado de Fontes.

de D. João V foi sem dúvida a engenharia, uma arte en-


tão essencialmente militar, tal como era ensinada nas aca-
demias militares, mas também com ampla aplicação ci-
vil em tempo de paz. O reinado de D. João V produziu
assim notáveis engenheiros, tais como Manuel de Aze-
vedo Fortes (1660-1749), Engenheiro-mor do reino em
1719 e autor de por exemplo O Engenheiro Portuguez, em
dois tomos (1728), Manuel da Maia (1677-1768), arqui-
tecto do Aqueduto das Águas Livres, um dos mais notá-
veis feitos de engenharia do século XVIII na Europa, ou
ainda Eugénio dos Santos (1711-1760), responsável pela
reconstrução do Terreiro do Paço depois do Terramoto
em 1755. Para além destes engenheiros, e num campo
totalmente diverso, é ainda justo mencionar a figura do
cientista e inventor Bartolomeu de Gusmão (1685-1724),
inventor da passarola.

A nobreza

O reinado de D. João V foi relativamente estável quanto


à nobreza. Ao todo existiam cerca de cinquenta casas
nobres tituladas, todas ainda pertencentes à mesma élite
que podemos observar por exemplo no Livro do Armeiro- Armas de Noronha chefe, in Livro do Armeiro-Mor (fl 47v )
Mor de 1509, e que todas ainda conservavam os seus ve- (1509). Armas do 2.o Conde de Vila Verde, feito Marquês de
lhos poderes e prerrogativas. Graças ao ouro do Brasil foi Angeja por D. João V em 1714, quando foi nomeado Vice-rei
ainda possível ao rei recompensar a mais alta nobreza, de do Brasil.
modo que esta sempre se mostrou fiel ao monarca. A
sociedade portuguesa sob D. João V era em todos os as-
5.5. JOÃO V DE PORTUGAL 135

pectos uma sociedade típica do Antigo Regime. • Marquês de Louriçal ― 1740 ― quando foi nome-
ado Vice-rei da Índia

Contenção nobiliárquica Um aspecto extraordinário • Marquês de Abrantes ― 1718 ― recompensa pela


do governo de D. João V, em que Portugal se destaca de embaixada a Roma
todos os principais reinos europeus, foi no entanto a con-
• Marquês de Angeja ― 1714 ― quando foi nomeado
tenção quanto à distribuição de títulos nobiliárquico pelo
Vice-rei do Brasil
monarca, contrariamente à distribuição de simples foros
de fidalgo da Casa Real. • Conde de Sandomil ― 1732 ― quando foi nomeado
Em todos os reinos europeus nesta era assistiu-se a uma Vice-rei da Índia
enorme inflação nobiliárquica: os monarcas aumentaram • Conde de Sabugosa ― 1729 ― enquanto era Vice-
significativamente os números da nobreza titulada, con- rei do Brasil
ferindo imensas vezes títulos como recompensa. Na vizi-
nha Espanha, por exemplo, passara-se de 144 casas titula- • Conde de Alva ― 1729
das em 1621 a 528 em 1700, e a tendência continuou du-
rante a época de D. João V: em 1787 existiam 654 casas • Conde do Lavradio ― 1725
tituladas ― cinco vezes mais títulos que cento e cinquenta • Conde de Povolide ― 1709
anos antes.[51] Na Grã-Bretanha passara-se o mesmo: de
55 títulos em 1603, passara-se a 173 casas tituladas em
1700; e em 1800 existiam 267 casas tituladas ― cinco Isto é, em 43 anos de reinado, e excluindo o primo, D.
vezes mais títulos que duzentos anos antes.[37] João V apenas conferiu títulos a dez homens. No en-
tanto, todos os agraciados com um marquesado eram já
Em Portugal, no entanto, nada disto se observou. Em condes. E em apenas quatro casos não existiam moti-
1640, aquando da Restauração, tinham existido 56 casas vos extraordinários para conferir o título: uma nomeação
tituladas. Como resultado da aclamação de D. João IV, como vice-rei, ou uma missão diplomática (Abrantes) ou
alguns títulos de apoiantes do domínio espanhol foram militar (Alorna) vitoriosa. Excepto estes casos extraor-
revogados, e novos foram dados a apoiantes da indepên- dinários, vemos assim como D. João V apenas conferia
dencia portuguesa. No entanto, finda a Guerra da Restau- um título de nobreza uma vez por década.
ração em 1668, em 1670 existiam apenas ainda 50 títulos
em Portugal. Em 1700, o número passara a 51. Em 1730, Esta extraordinária contenção nobiliárquica, completa-
a meio do longo reinado de D. João V, esse número era mente oposta ao que se verificava no resto da Europa, sig-
ainda de 51; e em 1760, no início do reinado de D. José nificava que existiam poucos meios de se distinguir na so-
I, tinha caído para 48. Ainda em 1790 o número de ca- ciedade. Assim, as dignidades existentes, e possíveis de
sas tituladas em Portugal era apenas 54 ― o mesmo que atingir, eram fortemente concorridas, com importantes
cento e cinquenta anos antes.[52] consequências sociais: os foros de fidalgo da Casa Real;
os hábitos das Ordens Militares; e o estatuto de familiar
D. João V, tal como o pai, D. Pedro II, e o filho, D. José I, do Santo Ofício da Inquisição.
apenas raramente conferia títulos de nobreza; e ao mesmo
ritmo que conferia alguns poucos, outros títulos antigos
existentes extinguiam-se, normalmente por falta de su- A Igreja e a Inquisição
cessão. Esta contenção por parte dos monarcas é ainda
mais marcante se se contemplar as comendas das Ordens Assim como Roma para D. João V sempre foi, em ma-
Militares. Antes da Restauração existiam mais de qua- térias de política internacional, o verdadeiro fiel da ba-
trocentos comendadores das várias Ordens. À morte de lança europeia, assim continuava Portugal durante o seu
D. João V esse número tinha sido reduzido a pouco mais reinado a ser um país em que a Coroa e a Igreja Cató-
de metade.[53] lica, não obstante as disputas referidas supra, formavam
um bloco homogéneo. Um exemplo disto é o facto de
A contenção de D. João V torna-se ainda mais óbvia se o rei, depois da morte do antigo diplomata e Secretário
analisarmos os poucos títulos que conferiu: de Estado Diogo de Mendonça Corte-Real em 1736, ter
escolhido para o cargo um cardeal da Igreja, D. João da
• Duque de Lafões ― 1718 ― um primo ilegítimo de Mota e Silva, que exerceu o cargo por mais de uma dé-
D. João V cada. Merece ainda destaque o longo período do cardeal
D. Tomás de Almeida como Patriarca de Lisboa de 1716
• Marquês de Penalva ― 1750 a 1754.

• Marquês de Castelo Novo ― 1744 ― quando foi


nomeado Vice-rei da Índia Limpeza de sangue O reino de Portugal era ofici-
almente apenas católico, não existindo lugar para ou-
• Marquês de Alorna ― 1748 ― recompensa tras crenças. No entanto, se bem que o número de
pelas Novas Conquistas na Índia protestantes ― considerados hereges ― em Portugal
136 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

Cardeal D. José Pereira de Lacerda, bispo do Algarve 1716-


1738.
Diogo de Mendonça Corte-Real, Secretário de Estado 1707-
1736.

Cardeal D. Tomás de Almeida, Patriarca de Lisboa 1716-1754.

Cardeal D. João da Mota e Silva, Secretário de Estado 1736-


vel, ainda que variável de região para região. E alguns
1747.
destes cristãos-novos eram criptojudeus, isto é, practica-
vam ainda em segredo o judaísmo.
fosse ínfimo, o número de cristãos-novos era considerá- Por esse motivo, os velhos estatutos do século XVI de
5.5. JOÃO V DE PORTUGAL 137

"limpeza de sangue", que exigiam ausência de antepas- • António Ribeiro Sanches, médico e filósofo, emi-
sados judeus ― ou muçulmanos ― para se poder ocu- grado por denúncia de um primo. Viveu em São
par uma grande variedade de cargos no reino, existiam Petersburgo e Paris.
também ainda durante o reinado de D. João V. Para se
poder obter uma longa lista de promoções, ou por exem- • António José da Silva (1705-1739), o Judeu, drama-
plo ser feito cavaleiro de uma das três Ordens Militares, turgo, condenado e executado pela Inquisição.
seria necessário provar essa “limpeza de sangue”. Esta
era documentada através de uma Habilitação de Genere
et Moribus.
No entanto, a Inquisição neste período, se bem que ainda
perseguisse judeus, era também um mecanismo de pres-
tígio na sociedade. Numa sociedade em que títulos nobi-
liárquicos eram impossíveis de obter para quem não per-
tencesse a uma extraordinariamente restricta élite de uma
vintena de famílias, o prestígio passava pelos simples fo-
ros da Casa Real e pelas Ordens Militares ― e pela “lim-
peza de sangue”.
A Inquisição em Portugal nesta época funcionava as-
sim também como uma simples emissora de certidões de
“limpeza de sangue”. Realizava habilitações de genere, e
passava aos cidadãos que as requeressem ― e pagassem
― certidões de, por assim dizer, “melhor raça”. E esta
era uma parte não pouco importante das suas funções.
Existia ainda a categoria de familiar do Santo Ofício,
que também exigia “limpeza de sangue”. Os familiares
eram agentes locais da Inquisição, de família respeitável
de comprovada ancestralidade, que auxiliavam o tribu-
nal, fazendo denúncias a nível local. No entanto, nesta
época a dignidade era muitas vezes uma simples questão
de prestígio a nível local ― se bem que em cidades e vi-
las com maior número de cristãos-novos existissem nor-
malmente mais familiares. Mas estudos recentes para os
concelhos das terras da Casa de Bragança no Alentejo ―
vilas de Alter do Chão, Arraiolos, Borba, Évoramonte,
Monforte, Monsaraz, Portel, Sousel, e Vila Viçosa ― su-
gerem que o número de familiares não seria elevado; e Frontispício de um Index Librorum Prohibitorum de Veneza de
curiosamente, mostram que ao longo do reinado de D. 1559.
João V o seu número parece ter aumentado com o tempo
precisamente à medida que a importância da Inquisição Censura literária Para além da perseguição aos crip-
diminuia: de 10 familiares ao todo nas nove vilas na dé- tojudeus e da emissão de certidões de “limpeza de san-
cada de 1710, o número aumentou para 15 na de 1720, gue”, o tribunal do Santo Ofício tinha também uma im-
24 na de 1730, e 28 na última década do reinado de D. portante actividade censória. Existia um índice oficial ―
João V.[54] o Index Librorum Prohibitorum ― de obras que eram
vistas como opostas à doutrina da Igreja Católica, e qual-
Esta têndencia sugere fortemente que ― como foi recen-
quer obra, antes de ser impressa, teria obrigatoriamente
temente também visto em Minas Gerais no Brasil ― era
que passar pela censura da Inquisição, e receber as ne-
de facto o prestígio o que mais levava os homens a pro-
cessárias licenças do Santo Ofício. Apenas umas pou-
curar a dignidade de familiar, e não as actividades do
cas instituições eram julgadas possuir tão elevada estatura
tribunal.[55]
moral que estavam isentas da censura do Santo Ofício, e
Não obstante tudo isto, a verdade é que a Inquisição per- dependiam apenas dos seus próprios censores. Uma des-
seguiu os judeus portugueses durante o reinado de D. tas instituições era a Academia Real da História Portu-
João V, incluindo alguns notáveis, executando alguns e guesa, que possuía uma mesa própria de quatro censo-
motivando a emigração de outros, tais como: res; um deles era por exemplo D. Diogo Fernandes de
Almeida (1698-1752), escolhido pela Academia para es-
• Jacob de Castro Sarmento (1691-1762), médico e crever principalmente história eclesiástica, nomeado cen-
filósofo natural, emigrado para Londres como resul- sor em 1737.
tado de denúncias justamente no Alentejo. Assim vemos um fenómeno de certo modo paradoxal: D.
138 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

formas de pensamento pouco ortodoxo, levando a que fi-


guras como o Cavaleiro de Oliveira acima mencionado
tenham escolhido o exílio. Isto prejudicou sem dúvida
alguma a livre transmissão de ideias na sociedade, e terá
atrasado o desenvolvimento científico e social do país.
Um sintoma é o facto de Luís António Verney acima men-
cionado ainda em 1746 ter sentido necessidade de publi-
car a sua obra, talvez considerada demasiado progressiva,
sob pseudónimo.

Manufacturas e pragmáticas contra o luxo

Para além da sua política de ostentação, e da ter mantido


relações com várias freiras, D. João V é hoje principal-
mente lembrado pelas suas construções. No entanto, o
rei tentou também fomentar a industrialização do reino,
ou melhor dito, as manufacturas:

“Durante o reinado de D.João V, além de


se dar sequência aos planos económicos que vi-
nham de longe, ampliaram-se e robusteceram-
se com novas disposições que a experiência foi
aconselhando” [referência no original]. Assim
se refere Fortunato de Almeida à política de
desenvolvimento interno do Rei Magnânimo, a
quem, como afirma, “alguns só conhecem dis-
Licenças do Santo Ofício, na Chronica de D. Sancho I de Rui de
sipações de ostentação e vícios pessoais” [refe-
Pina, na edição de 1727.
rência no original]. Contrariando essa visão,
o autor refere que D. João V ”facilmente com-
preendeu quanto convinha apoiar o desenvol-
João V por um lado dotou a Universidade de Coimbra vimento económico” [referência no original] e
com uma bela biblioteca universitária, aumentou a sua terá sido nessa perspectiva que dinamizou as
verba para aquisição de livros, ordenou aos embaixadores manufacturas. Entre estas, salienta-se a funda-
em Roma e Londres que lhe enviassem livros, e fundou ção de uma fábrica de papel na Lousã. Esta
mesmo a Academia Real da História, tudo para fomentar iniciativa enquadra-se na política de industri-
o eruditismo no reino, mas por outro lado via com bons alização que remonta a D. Pedro II, política a
olhos a existência de uma instituição que de certo modo que D. João V deu continuidade.”[57]
impedia esse mesmo eruditismo, quando as áreas estu-
dadas eram consideradas incompatíveis com a doutrina
O rei sempre mostrou interesse pela fundação de manu-
cristã. facturas e outras empresas que pudessem fortalecer a eco-
No entanto, isto não nos deve surpreender demasiado, nomia do reino. Logo no início do reinado fundou por
nem se deve exagerar o efeito da censura da Inquisição. exemplo a Companhia de Comércio de Macau (1710);
Todos os estados europeus à época de D. João V tinham exemplos de manufacturas relevantes são a fábrica de pa-
alguma forma de censura nos seus reinos. A principal di- pel da Lousã (1716), a fábrica de vidros da Coina (1722,
ferença estava nas áreas que eram censuradas: enquanto transferida para a Marinha Grande em 1748), as fábricas
no norte protestante existia maior liberdade científica, em de pólvora de Alcântara e Barcarena (1729), ou a fábrica
todo o sul católico essa liberdade era menor. de sedas de Lisboa (1734). Com a fundação de manufac-
Ficou recentemente demonstrado, graças a pesquisa his- turas como estas procurava D. João V substituir impor-
tórica em arquivos do Vaticano recentemente abertos, tações estrangeiras com produção nacional em sectores
que contrariamente ao imaginário popular, a Inquisição vitais da economia.
católica sul-europeia era relativamente suave na maioria A fundação da fábrica de sedas prende-se ainda com as
dos casos que iam a tribunal, e mais suave que as igre- Leis Pragmáticas: toda uma legislação contra o luxo no
jas protestantes norte-europeias quanto à perseguição de reino, em que se tentava limitar o uso exagerado de ma-
membros menos ortodoxos da sociedade, nomeadamente teriais de luxo importados, e assim evitar a saída de ouro
as bruxas no século XVII.[56] Mas em verdade o Tribunal para o estrangeiro. Nesta era, este tipo de leis tivera iní-
do Santo Ofício em Portugal continuou as suas activida- cio com D. Pedro II, o pai de D. João V, e leis de 1677,
des para além dessa centúria, e perseguiu também outras 1686, e 1698. Do mesmo modo, várias vezes durante o
5.5. JOÃO V DE PORTUGAL 139

seu longo reinado ― a primeira das quais já em 1708, biu a saída de mulheres portuguesas para o reino sem a
e a última em 1749 ― legislou D. João V sobre a ma- sua autorização expressa ― um alvará que, contribuindo
téria. Toda uma legislação extremamente detalhada foi para o povoamento do Brasil, não aleviou no entanto a
desenvolvida, definindo que grupos sociais ― de fidalgos emigração portuguesa. Como se escrevia dois anos mais
a escravos ― podiam usar que materiais, tais como sedas tarde, a propósito da festividade do Triunfo Eucarístico
e rendas nos trajes, ouros e pratas, vidros e cristais, etc. em Villa Rica em 1733, “Viu-se em breve tempo trans-
nos coches e liteiras, no mobiliário, etc. plantado meio Portugal a este empório.” [60]
Toda esta legislação tinha essencialmente dois objecti-
vos: diferenciar socialmente os súbditos do rei, de ma-
5.5.8 Saúde e morte do rei
neira a facilitar a identificação social das pessoas (e evi-
tar por exemplo que burgueses exibissem o se julgava ser
D. João V sempre teve saúde delicada. Ainda em 1709 foi
prerrogativas da fidalguia); e limitar afinal as importa-
sangrado devido a caroços no pescoço. Em 1711 conva-
ções, ao mesmo tempo que a fundação de manufacturas
lesceu de uma queixa de flatos. Em 1716 foi restabelecer-
procurava satisfazer as necessidades do reino.
se em Vila Viçosa de doença de cariz melancólico. Foi
Pragmáticas contra o luxo foram no século XVIII vistas essa a primeira de duas ocasiões em que a rainha sua es-
em practicamente toda a Europa; um caso extremo da Di- posa foi regente do reino em sua ausência.
namarca de 1783 tentou mesmo legislar que vinhos pode-
No dia 10 de Maio de 1742, com apenas 52 anos de idade,
riam ser bebidos em que ocasiões.[58] No entanto, não ha-
teve um forte ataque, que uma testemunha descreveu da
via naturalmente maneira de fiscalizar todo um reino para
seguinte maneira: “um estupor o privou dos sentidos e fi-
controlar tais leis, e na maior parte dos casos pouco ou ne-
cou teso de toda a parte esquerda, com a boca à banda.”
nhum efeito tiveram. No caso português, o uso por exem-
Este foi o primeiro ataque de paralisia que teve. O mo-
plo da cor vermelha na libré, prerrogativa da casa real, era
narca melhorou com o passar dos dias, indo aos banhos
facilmente detectável e severamente punido; mas no caso
nas Caldas da Rainha e ao Santuário da Nazaré. Foi essa
de detalhes como cintos e lenços as transgressões eram
a segunda vez que a rainha foi regente do reino. D. João
practicamente impossíveis de detectar ― e os consumi-
V voltou passado pouco tempo ao governo, mas já como
dores continuaram, independentemente da igualdade de
um homem diminuído e menos energético.
qualidade que muitas das manufacturas portuguesas apre-
sentavam, a dar preferência aos artigos importados. As- O rei faria nos últimos anos de vida ao todo mais doze
sim, a política de fomento de manufacturas e substituição jornadas às Caldas, para convalescer e descansar: Julho-
de importações de D. João V, de uma forma geral, não Agosto de 1742, Maio de 1743, Setembro de 1743,
surtiu efeito. Abril-Maio de 1744, Julho de 1744, Outubro de 1744,
Maio de 1745, Outubro de 1745, Setembro-Outubro de
1746, Abril de 1747, Setembro de 1747, e Setembro de
Emigração para o Brasil 1748. Mas gradualmente adoeceu cada vez mais. Em
Julho de 1750 piorou então tanto que foi sacramentado.
Chamaram-se frades, recitaram-se salmos e jaculatórias,
Um outro factor digno de menção sobre a sociedade joa-
e o Cardeal-Patriarca veio administrar-lhe o sacramento
nina, pois marcou todo o reinado de D. João V, foi a for-
da extrema unção. O rei faleceu a 31 de Julho de 1750,
tíssima emigração para o Brasil que se fez sentir, devido
após mais de quarenta anos de governo. Ao morrer, o rei
à atração do ouro. Foi nesta época que Portugal efec-
tinha a seu lado a rainha, o príncipe D. José, os infan-
tivamente iniciou a povoação do Brasil, cuja população
tes D. Pedro e D. António, o futuro Cardeal da Cunha, e
possivelmente terá quadruplicado durante o reinado de
os médicos da corte. Jaz no Panteão dos Braganças, ao
D. João V, a partir de uma população de talvez trezentas
lado da esposa, no mosteiro de São Vicente de Fora em
mil pessoas.
Lisboa.
Todos os anos quatro, cinco, seis mil ou mais portugue-
ses, principalmente do Minho, emigravam para o Brasil.
Numa tentativa de controlar este êxodo a coroa chegou a 5.5.9 Legado
legislar: três leis, em 1709, 1711, e novamente em 1720,
tentaram regular a migração minhota para o Brasil, sem Na última década do reinado de D. João V a produção
grande efeito. Em relação à lei editada em 1720, as auto- de ouro no Brasil alcançou o ápice. Várias toneladas de
ridades afirmavam: “Tendo sido o mais povoado, o Minho ouro chegavam todos os anos a Lisboa. Mas apesar do
hoje é um estado no qual não há pessoas suficientes para aparente estado de prosperidade dos cidadãos portugue-
cultivar a terra ou prover para os habitantes.” [59] De modo ses durante o reinado de D. João V, o ouro que foi obtido
inverso, em 1721 o Conde de Assumar, futuro Marquês na colónia não foi aproveitado de forma a fomentar um
de Alorna na Índia, escreveu da sua capitania no Brasil estado de facto próspero. As tentativas de fomentar o co-
que muitas jovens portuguesas eram enviadas para con- mércio e a manufactura do reino foram ainda assim pou-
ventos em Portugal, e que melhor seria se ficassem e ca- cas e insuficientes. Como resultado, a capacidade de pro-
sassem no Brasil. Finalmente, em 1732, D. João V proi- dução de Portugal, já de si inferior aos grandes centros de
140 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

vira em 1736. No final do reinado, D. Luís da Cunha, o


veterano diplomata, escreveu de Paris o seu “Testamento
Político”, uma carta ao príncipe herdeiro, em que, en-
tre muitas outras reformas ― sobre por exemplo poli-
ciamento e iluminação nas ruas de Lisboa, ou mudar a
Corte para o Brasil ―, aconselhava justamente o futuro
rei a fortalecer o exército e a Armada, de modo a dimi-
nuir a depêndencia da Grã-Bretanha. O Terramoto de
1755 logo traria outras prioridades.
Hoje, o legado de D. João V é, para os historiadores, a
extensa obra literária que fomentou, e para o público geral
os edifícios e obras de arte que mandou criar, muitas de
grande beleza.
Curiosamente, o bronze dos sinos do carrilhão de Mafra
e demais sinos da basílica, ao todo 110 sinos, chegaria
para armar uma nau de guerra de peças de bronze. Pou-
cas dúvidas existem de que se o seu irmão, o infante D.
Francisco, tivesse reinado em lugar de D. João V, isto
seria o que teríamos visto: o conselho de D. Luís da Cu-
D. Luís da Cunha (1662-1749), autor do chamado Testamento
nha de fortalecer as armas, o exército e a Armada levado
[62]
Político, uma longa carta ao príncipe herdeiro D. José, escrita a cabo. O irmão do rei teria preferido usar o ouro do
no fim da sua vida, assim como da de D. João V, em 1747. Brasil ― ou neste caso o bronze ― para fabricar canhões,
e comprar mosquetes. D. João V preferiu encomendar si-
nos, e estátuas.
artesanato, manufactura, e comércio norte-europeus, não Assim, o longo reinado de D. João V serve também para
foi capaz de acompanhar o crescimento destes. Assim, ilustrar quão fundamental era a personalidade do rei ab-
à morte de D. João V Portugal estava ainda mais atra- soluto para a política do Estado durante o Antigo Regime.
sado em relação aos estados norte-europeus que quando
D. João V subiu ao trono.
5.5.10 Títulos, estilos, e honrarias
Isto, no entanto, era um fenómeno compartilhado por
toda a Europa do sul, e dificilmente atribuível a D. João
V; o tema foi magistralmente estudado por Max Weber Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da
na obra fundamental que é A Ética Protestante e o Espí- Coroa Portuguesa
rito do Capitalismo.
D. João V tentou, ao longo de todo o seu reinado, afir-
mar Portugal como uma potência de primeira grandeza, Títulos e estilos
e usou os métodos típicos de alguém nascido no sul da Eu-
ropa no último quartel do século XVII. Tudo o que fez no • 22 de Outubro de 1689 – 1 de Dezembro de 1696:
campo político tem que ver com esta vontade de ver Por- Sua Alteza, O Sereníssimo Infante João de Portugal
tugal equiparado com as grandes potências ― aprovei-
tando a estável aliança com a Grã-Bretanha. No entanto, • 1 de Dezembro de 1696 – 9 de Dezembro de 1706:
fez também tentativas ― que se mostraram totalmente Sua Alteza Real, O Príncipe do Brasil, Duque de
insuficientes ― para melhorar as manufacturas. Mas se Bragança, etc.
bem que o rei poderia sem dúvida ter feito mais nesse sen- • 9 de Dezembro de 1706 – 23 de Dezembro de
tido, os problemas existentes eram, tal como em todo o 1748: Sua Majestade, O Rei de Portugal e dos Al-
sul da Europa, estruturais e muito profundos. Veja-se que garves
nem mesmo as imensas reformas do Marquês de Pombal
no reinado seguinte, assim com as de Carlos III de Espa- • 23 de Dezembro de 1748 – 31 de Julho de 1750:
nha na mesma época, conseguiram aproximar os países Sua Majestade Fidelíssima, O Rei de Portugal e dos
ibéricos dos norte-europeus. Algarves
A longa paz, salvo casos pontuais, a partir do segundo
quartel do século, fez D. João V neglicenciar a Armada O estilo oficial de D. João V enquanto Rei de Portugal:
Real, que à data da sua morte apenas tinha dois terços Pela Graça de Deus, João V, Rei de Portugal e dos Algar-
dos efectivos que tivera durante a Guerra da Sucessão ves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhor da Guiné e
Espanhola.[61] Assim, Portugal colocou-se numa posição da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia,
cada vez mais dependente da Grã-Bretanha, como já se Pérsia e Índia, etc.
5.5. JOÃO V DE PORTUGAL 141

Honrarias [15] Id., Ibid., por exemplo pp. 73-76.

Enquanto monarca de Portugal, D. João V foi Grão- [16] Id., Ibid., por exemplo pp. 111-115.
Mestre das seguintes Ordens: [17] Id., Ibid., pp. 86-90.

• Ordem dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo [18] Id., Ibid., pp. 84-85.

• Ordem de São Bento de Avis [19] ZWILLING, Leonard (Ed.): Mission to Tibet: the extra-
ordinary eighteenth-century account of Father Ippolito De-
• Antiga, Nobilíssima e Esclarecida Ordem de sideri, S.J., p. 133.
Sant'Iago da Espada
[20] SATURNINO MONTEIRO, Armando da Silva: Bata-
• Antiga e Muito Nobre Ordem da Torre e Espada lhas e Combates da Marinha Portuguesa, Vol. VII, pp.
111-115.

[21] Id., Ibid., pp. 135-139.


5.5.11 Genealogia
[22] BEDINI, Silvano: The Pope’s elephant. An elephant’s
Ascendência journey from deep in India to the heart of Rome.

Descendência [23] BESSONE, Silvana: The National Coach Museum - Lis-


bon, p. 69-70.

5.5.12 Ver também [24] Ibidem, pp. 70-78.

• Árvore genealógica dos reis de Portugal [25] Ibidem, pp. 78-89.

[26] SATURNINO MONTEIRO: Armando da Silva: Bata-


lhas e Combates da Marinha Portuguesa. Vol VII, pp. 97-
5.5.13 Referências
99.
[1] SERRÃO, Veríssimo: História de Portugal, Vol. V, p. [27] Ibidem, pp. 99-109.
234.
[28] Diario e Relação da Armada que foy a Italia em Socorro
[2] SATURNINO MONTEIRO, Armando da Silva: Bata-
dos Venezianos..., 1717.
lhas e Combates da Marinha Portuguesa. Vol. VII, pp.
54-56. [29] SATURNINO MONTEIRO: Armando da Silva: Bata-
lhas e Combates da Marinha Portuguesa. Vol VII, pp. 99-
[3] BESSONE, Silvana: The National Coach Museum - Lis-
109.
bon, p. 69.
[30] CARADONNA, Jeremy L.: “Prendre part au siècle des
[4] DANTAS, Júlio: O Amor em Portugal no Século XVIII, p.
Lumières : Le concours académique et la culture intellec-
59.
tuelle au XVIIIe siècle.” Um sintoma são as publicações
[5] SATURNINO MONTEIRO, Armando da Silva: Bata- europeias: a partir do segundo quartel do século XVIII, a
lhas e Combates da Marinha Portuguesa. Vol. VII. maior parte das publicações abandonou os temas tradici-
onais de religião e monarquia, e passou a tratar de outros
[6] Id., Ibid., pp. 61-62. temas da sociedade contemporânea.
[7] Id., Ibid., pp. 69-72. [31] ALLSOP, Peter C. e LINDORFF, Joyce: “Teodorico Pe-
drini: The Music and Letters of an 18th-century Missio-
[8] Tratado de pax..., 1715.
nary in China”, p. 54.
[9] Ibidem, Art.o XV, pp. 10-11.
[32] SATURNINO MONTEIRO, Armando da Silva: Bata-
[10] Ibidem', Art.o XIX, p. 13. lhas e Combates da Marinha Portuguesa, Vol. VII, p. 140

[11] Traité de Paix entre la France et le Portugal..., 1713 [33] SALDANHA, António Vasconcelos de (Coord.): Embai-
xada de D. João V de Portugal ao Imperador Yongzheng,
[12] SATURNINO MONTEIRO, Armando da Silva: Bata- da China (1725-1728). Lisboa: Fundação Oriente, 2005.
lhas e Combates da Marinha Portuguesa. Vol. VII, pp.
80-83. [34] ALMEIDA, Fortunato de: História da Igreja em Portugal,
Vol. III, parte 2, p. 92-103
[13] SERRÃO, Veríssimo: História de Portugal, Vol. V, p.
247. [35] Ibidem.
[14] SATURNINO MONTEIRO, Armando da Silva: Bata- [36] SATURNINO MONTEIRO, Armando da Silva: Bata-
lhas e Combates da Marinha Portuguesa. Vol. VII, pp. lhas e Combates da Marinha Portuguesa, Vol. VII, p. 126
18-26, 29-31, 34-41, 43-45, 47-49, 63-67, 73-76, 78, 84-
90, 92-95, 111-115, 129-131, 135-139, 146-165. [37] Ibidem.
142 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

[38] Id., Ibid., p. 128 [57] CAMPOS, Maria do Rosário Castiço de: “A Fábrica de
Papel da Lousã e o processo de industrialização em Por-
[39] BESSONE, Silvana: The National Coach Museum - Lis- tugal”, p. 145.
bon, p. 73.
[58] QUINTANILHA E MENDONÇA, Pedro de: “Højædle
[40] Tratado de Pax..., 1715, Art.o VI, pp. 6-7. og Velbårne Herrer. Udnyttelse, opnåelse og opfattelse af
social rang under Enevælden 1671-1849”. Siden Saxo, Nr.
[41] SATURNINO MONTEIRO, Armando da Silva: Bata- 2, 2010, p. 46.
lhas e Combates da Marinha Portuguesa, Vol. VII, pp.
141-145. [59] FIGUEIREDO, Lucas: Boa Ventura! A corrida do ouro
no Brasil (1697-1810).
[42] Ibidem.
[60] MACHADO, Simão Ferreira: Triumpho Eucharistico.
[43] Id., Ibid., pp. 146. Exemplar da Christandade Lusitana, 1734.

[44] Id., Ibid., pp. 146-147. [61] ESPARTEIRO, António Marques: Três Séculos no Mar.
Parte II e III, vários volumes.
[45] Id., Ibid., pp. 148.
[62] Ver, por exemplo, o Diario e Relação da Armada que foy
[46] Id., Ibid., pp. 148-158. a Italia em Socorro dos Venezianos..., 1717, escrito por um
capitão de granadeiros a bordo da nau almiranta na Bata-
[47] Id., Ibid., pp. 161-163. lha de Matapão, que o infante D. Francisco tinha armado
por sua própria iniciativa e de seu próprio bolso.
[48] BRUNO, Bárbara: “Figuras do Abastecimento: Manuel
da Maia”. águas livres N.o 192, Abril 2010, p. 8.

[49] PIMENTEL, António Filipe: “Os pintores de D. João V 5.5.14 Bibliografia


e a invenção do retrato de Corte”, p. 144.
• ALMEIDA, Fortunato de: História da Igreja em
[50] Portugal possui a mais rica tradição de livros de linhagens Portugal. Vol. III, parte 2. Coimbra, 1915.
da Europa, cf. MATTOSO, José: A Nobreza Medieval
Portuguesa, pp. 37-57 • ALLSOP, Peter C. e LINDORFF, Joyce: “Teodo-
rico Pedrini: The Music and Letters of an 18th-
[51] MONTEIRO, Nuno Gonçalo: “17th and 18th century
century Missionary in China.” Vincentian Heritage
Portuguese Nobilities in the European Context: A histo-
Journal: Vol. 27: Iss. 2, Article 3 (2007). Disponí-
riographical overview,” p. 5.
vel em:
[52] Id., Ibid., Table No. 1, p. 4.
• BEDINI, Silvano: The Pope’s elephant. An
[53] Id., Ibid., p. 5. elephant’s journey from deep in India to the heart of
Rome. Manchester: Carcanet Press, 1997.
[54] LOPES, Bruno: “Os familiares do Santo Ofício de uma
localidade do sul de Portugal (Arraiolos): Perfil social e • BESSONE, Silvana: The National Coach Museum -
recrutamento”, p 59. O número de familiares do Santo Lisbon. Instituto Português de Museus, 1993.
Ofício nestas nove vilas aumentaria ainda para 32 e 31
nas duas décadas seguintes, já sob D. José I. • BRASÃO, Eduardo: Relações Exteriores de Portu-
gal: Reinado de D. João V. Vols. I-III. Porto, 1938.
[55] Id., Ibid., p. 60:
• BRUNO, Bárbara: “Figuras do Abastecimento:
Ao longo de Seiscentos a criação de fa- Manuel da Maia”. águas livres N.o 192, Abril 2010,
miliares desenvolveu-se de forma paulatina.
p. 8.
No último quartel da centúria foram habili-
tados 40 indivíduos [nas nove vilas mencio- • CAMPOS, Maria do Rosário Castiço de: “A Fá-
nadas]. Foi no século XVIII que o número brica de Papel da Lousã e o processo de industri-
de familiares atingiu o expoente máximo: dos
alização em Portugal”. Revista da Faculdade de
259 indivíduos identificados, 177 receberam
a carta de familiar nesta centúria – 68%. O
Letras HISTÓRIA, Porto, III Série, vol. 10, 2009,
período compreendido entre 1741 e 1770 foi pp. 145–150. Disponível em:
o mais fértil: 91 habilitados – 35%. Des-
• CARADONNA, Jeremy L.: “Prendre part au siècle
taque, ainda, para a década de 50 por ter
sido aquela onde mais pessoas se tornaram des Lumières : Le concours académique et la culture
familiares (32 indivíduos, o que corresponde intellectuelle au XVIIIe siècle.” Annales. Histoire,
a 12%). Situação semelhante foi identificada Sciences sociales, Vol. 64 (Mai-Juin 2009), no 3, pp.
por Aldair Rodrigues, para a região de Minas 633–662. Disponível em: (em francês).
Gerais, no Brasil.
• DANTAS, Júlio: O Amor em Portugal no Século
[56] KALLESTRUP, Louise Nyholm: I Pagt med Djævlen. XVIII. Porto: Lello & Irmão, 1916.
5.6. JOSÉ I DE PORTUGAL 143

• Diario e Relação da Armada que foy a Italia em So- • Traité de Paix entre la France et le Portugal, Conclu
corro dos Venezianos, este Prezente Anno de 1717 à Utrecht le 11. Avril 1713. Paris, 1713. Biblioteca
a qual mandava o Conde do Rio Grande Lopo Fur- Nacional de Portugal, ds-XVII-186-21. Disponível
tado de Mendonça. Biblioteca Nacional de Portugal, em:
COD. 271//1.
• Tratado de Pax entre o muito alto e muito poderoso
• ESPARTEIRO, António Marques: Três Séculos no príncipe D. Joaõ o V, Pella graça de Deus Rey de
Mar. Naus e Navetas 1640-1910. 32 vols. Lisboa: Portugal, e o muito alto e muito poderoso príncipe D.
Ministério da Marinha, 1974-1986. Felipe V. Pella Graça de Deus Rey Catholico de Heʃ-
panha. Feito em Utrecht, a 6. de Fevereiro de 1715.
• FIGUEIREDO, Lucas: Boa ventura! A corrida Biblioteca Nacional de Portugal, S.C. 10614//1 P.
do ouro no Brasil (1697-1810). 2.a edição. ISBN Disponível em:
9788501089830 Rio de Janeiro: Editora Record,
2011. • ZWILLING, Leonard (Ed.): Mission to Tibet: the
extraordinary eighteenth-century account of Father
• KALLESTRUP, Louise Nyholm: I Pagt med Djæ- Ippolito Desideri, S.J. ISBN 978-0-86171-676-0 So-
vlen [Em pacto com o Diabo]. Dissertação de mes- merville, Mass.: Wisdom Publications, 2010.
trado. ISBN 9788774574842 Copenhague: Anis,
2009. Resumo disponível em: (em dinamarquês).
5.6 José I de Portugal
• LOPES, Bruno: “Os familiares do Santo Ofício de
uma localidade do sul de Portugal (Arraiolos): Perfil
social e recrutamento”. Eliseo Serrano (coord.): De Nota: Para outras pessoas de mesmo título, veja
la Tierra al Cielo. Líneas recientes de Investigación José I.
en Historia Moderna. Zaragoza: Instituto Fernando
el Católico, 2013, pp. 53–84. José I de Portugal (nome completo: José Francisco An-
• MACHADO, Simão Ferreira: ''Triumpho Eucharis- tónio Inácio Norberto Agostinho de Bragança; 6 de junho
tico. Exemplar da Christandade Lusitana. Lisboa de 1714 - 24 de fevereiro de 1777), cognominado o Re-
Occidental: Officina de Musica, 1734. formador devido às reformas que empreendeu durante
o seu reinado, foi Rei de Portugal da Dinastia de Bra-
• MATTOSO, José: A Nobreza Medieval Portuguesa. gança desde 1750 até à sua morte. Casou, em 1729, com
A Família e o Poder. 4.a edição revista. Lisboa: Mariana Vitória de Bourbon, infanta de Espanha.
Editorial Estampa, 1994.

• MONTEIRO, Nuno Gonçalo: “17th and 18th cen- 5.6.1 Reinado


tury Portuguese Nobilities in the European Context:
A historiographical overview.” e-JPH, Vol. 1, num- O reinado de José I é sobretudo marcado pelas políticas
ber 1, Summer 2003. Disponível em: do seu secretário de Estado, o Marquês de Pombal, que
reorganizou as leis, a economia e a sociedade portuguesa,
• PIMENTEL, António Filipe: “Os pintores de D. transformando Portugal num país moderno.
João V e a invenção do retrato de Corte”. Revista
de História da Arte, N.o 5, 2008, pp. 132-151. Dis- Quando subiu ao trono, José I tinha à sua disposição os
ponível em: mesmos meios de acção governativa que os seus anteces-
sores do século XVII, apesar do progresso económico re-
• QUINTANILHA E MENDONÇA, Pedro de: alizado no país, na primeira metade do século XVIII.
“Højædle og Velbårne Herrer. Udnyttelse, opnåelse Esta inadaptação das estruturas administrativas, jurídicas
og opfattelse af social rang under Enevælden 1671- e políticas do país, juntamente com as condições econó-
1849”. Siden Saxo, Nr. 2, 2010, pp. 38-49. Dispo- micas deficientes herdadas dos últimos anos do reinado
nível em: (em dinamarquês). de João V, vai obrigar o monarca a escolher os seus co-
• SALDANHA, António Vasconcelos de (Coord.): laboradores entre aqueles que eram conhecidos pela sua
Embaixada de D. João V de Portugal ao Imperador oposição à política seguida no reinado anterior.
Yongzheng, da China (1725-1728). ISBN 972-785- Diogo de Mendonça Corte-Real, Pedro da Mota e Silva e
083-9 Lisboa: Fundação Oriente, 2005. Sebastião José de Carvalho e Melo passaram a ser as per-
sonalidades em evidência, assistindo-se de 1750 a 1755
• SATURNINO MONTEIRO, Armando da Silva: à consolidação política do poder central e ao reforço da
Batalhas e Combates da Marinha Portuguesa. Vol. posição do marquês de Pombal, com a consequente perda
VII. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1996. de importância dos outros ministros.
• SERRÃO, Veríssimo: História de Portugal. Vol. V. A 1 de novembro de 1755, José I e a sua família sobrevi-
Lisboa: Verbo, 1991. vem à destruição do Paço Real no Terremoto de Lisboa
144 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

por se encontrarem na altura a passear em Santa Maria de mica das companhias monopolistas brasileiras.
Belém. Depois desta data, José I ganhou uma fobia a re-
cintos fechados e viveu o resto da sua vida num complexo
luxuoso de tendas no Alto da Ajuda em Lisboa.

O atentado sofrido por D. José em 1758. Este atentado foi o


catalizador do Processo dos Távoras.

Todo o reinado é caracterizado pela criação de institui-


ções, especialmente no campo económico e educativo, no
sentido de adaptar o País às grandes transformações que
se tinham operado. Funda-se a Real Junta do Comér-
cio, o Erário Régio, a Real Mesa Censória; reforma-se o
ensino superior, cria-se o ensino secundário (Colégio dos
Nobres, Aula do Comércio) e o primário (mestres régios);
reorganiza-se o exército. Em matéria de política externa,
José conservou a política de neutralidade adoptada por
seu pai. De notar ainda, o corte de relações com a Santa
Sé, que durou 10 anos.
Sucedeu-lhe a filha, a futura rainha Maria I de Portugal
(Maria Francisca Isabel Josefa Antónia Gertrudes Rita
Joana de Bragança); Lisboa, 17 de dezembro de 1734 —
Rio de Janeiro, 20 de Março de 1816) que, antes de as-
sumir o trono, foi Princesa do Brasil, Princesa da Beira e
duquesa de Bragança. A continuidade dinástica da Casa
de Bragança ficou assegurada com o seu casamento com
o irmão do Rei e tio da princesa, o futuro rei Pedro III
D. José na sua adolescência, enquanto Príncipe do Brasil, em de Portugal. O casamento foi realizado no Palácio de
retrato de Pierre-Antoine Quillard. Nossa Senhora da Ajuda, em Lisboa, a 6 de julho de
1760. Dado o casal já ter filhos quando Maria ascendeu
Outro acontecimento notável do seu reinado foi a tenta- ao trono, passou a ser o rei Pedro III, sendo ainda o 19.º
tiva de regicídio que sofreu a 3 de setembro de 1758 e o duque de Bragança, 16º duque de Guimarães e 14.º du-
subsequente processo dos Távoras. Os Marqueses de Tá- que de Barcelos, 12.º marquês de Vila Viçosa, 20º conde
vora, o Duque de Aveiro e familiares próximos, acusados de Barcelos, 16.º conde de Guimarães, de Ourém, de Fa-
da sua organização, foram executados ou colocados na ria, e de Neiva, 22.º conde de Arraiolos. Tiveram quatro
prisão, enquanto que a Companhia de Jesus foi declarada filhos e três filhas.
ilegal e os jesuítas expulsos de Portugal e das colónias.
Jaz no Panteão dos Braganças, no mosteiro de São Vi-
Uma segunda fase, de 1756 a 1764, caracteriza-se pela cente de Fora em Lisboa.
guerra com a Espanha e a França, pelo esmagamento
da oposição interna - expulsão dos Jesuítas, reforma da
Inquisição e execução de alguns nobres acusados de aten-
tarem contra a vida do rei, entre os quais o duque de
Aveiro e o marquês de Távora -, e pela criação de grandes 5.6.2 Títulos, estilos, e honrarias
companhias monopolistas, como a do Grão-Pará.
Uma terceira fase, até 1772 é marcada por uma grande Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da
crise económica e, até final do reinado, assiste-se à polí- Coroa Portuguesa
tica de fomento industrial e ultramarino e à queda econó-
5.7. MARIA I DE PORTUGAL 145

Títulos e estilos 5.7 Maria I de Portugal


• 6 de Junho 1714 – 29 de outubro de 1714: Sua Al-
teza, O Sereníssimo Infante José de Portugal Nota: Se procura pela peça de teatro, veja D. Maria,
a Louca.
• 29 de Outubro de 1714 – 31 de julho de 1750: Sua
Alteza Real, O Príncipe do Brasil, Duque de Bra- Maria I de Portugal (Maria Francisca Isabel Josefa An-
gança, etc. tónia Gertrudes Rita Joana de Bragança) BTO (Lisboa, 17
• 31 de Julho de 1750 – 24 de fevereiro de 1777: Sua de dezembro de 1734 — Rio de Janeiro, 20 de março de
Majestade Fidelíssima, O Rei de Portugal e dos Al- 1816) foi Rainha de Portugal de 24 de fevereiro de 1777
garves a 20 de março de 1816, sucedendo ao seu pai, El-Rei José
I. Maria foi, antes de assumir o trono, Princesa do Brasil,
Princesa da Beira e duquesa de Bragança.
O estilo oficial de D. José I enquanto Rei de Portugal:
Pela Graça de Deus, José I, Rei de Portugal e dos Algar- Jaz na Basílica da Estrela, em Lisboa, para onde foi trans-
ves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhor da Guiné e ladada após a morte.
da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia, Ficou conhecida pelos cognomes de A Piedosa ou a A
Pérsia e Índia, etc. Pia, devido à sua extrema devoção religiosa à Igreja Cató-
lica — demonstrada, por exemplo, quando mandou cons-
truir a Basílica da Estrela, em Lisboa. No Brasil, é conhe-
Honrarias cida pelo cognome de Dona Maria, a Louca, ou Maria
Louca, devido à doença mental manifestada com vee-
Enquanto monarca de Portugal, D. José I foi Grão-Mestre mência nos últimos 24 anos de vida.
das seguintes Ordens:

• Ordem dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo


5.7.1 Biografia
• Ordem de São Bento de Avis

• Antiga, Nobilíssima e Esclarecida Ordem de


Sant'Iago da Espada

• Antiga e Muito Nobre Ordem da Torre e Espada

5.6.3 Genealogia

Ascendência

Descendência

5.6.4 Ver também

• Árvore genealógica dos reis de Portugal

5.6.5 Bibliografia

• Joel Serrão (dir.), Pequeno Dicionário de História


de Portugal, Lisboa, Iniciativas Editoriais, 1976

• Joaquim Veríssimo Serrão, História de Portugal,


Volume VI: O Despotismo Iluminado (1750-1807),
Lisboa, Verbo, 1982

5.6.6 Ligações externas Maria Francisca, Princesa da Beira, Duquesa de Barcelos


(1739), Francesco Pavona.
• Biografia
146 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

Nascimento

Maria nasceu a 17 de dezembro de 1734 no Paço da Ri-


beira, em Lisboa, Portugal. Seu nome completo era Ma-
ria Francisca Isabel Josefa Antónia Gertrudes Rita Joana.
Foi primogênita de D. José de Bragança, então Príncipe
do Brasil, e sua esposa Mariana Vitória de Bourbon, In-
fanta de Espanha.
Quando o seu pai subiu ao trono em 1750 como D. José
I, Maria tornou-se sua herdeira presuntiva e recebeu os
títulos tradicionais de Princesa do Brasil e Duquesa de
Bragança.

Casamento

A continuidade dinástica da Casa de Bragança ficou as-


segurada com o seu casamento com o tio Pedro de Bra-
gança. O casamento foi realizado no Palácio de Nossa
Senhora da Ajuda, em Lisboa, a 6 de julho de 1760. Ele
subiu ao trono como Pedro III, sendo feito 19.º duque de
Bragança, 16º duque de Guimarães e 14.º duque de Bar-
celos, 12.º marquês de Vila Viçosa, 20º conde de Barce-
los, 16.º conde de Guimarães, de Ourém, de Faria, e de
Neiva, 22.º conde de Arraiolos. Tiveram quatro filhos e
três filhas.

Dona Maria I, Rainha de Portugal, por José Leandro de Carva-


Reinado lho, 1808.

Embora Maria I seja tradicionalmente reconhecida como


a primeira Rainha reinante em Portugal, isso é ques- A 5 de janeiro de 1785 promulgou um alvará impondo
tionável, visto que à luz de uma nova perspectiva da pesadas restrições[1] à atividade industrial no Brasil. Du-
história,Teresa de Leão já havia sido reconhecida como rante seu reinado ocorreu o processo, condenação e
tal pelo papa, em 1112. Seu primeiro acto como rai- execução do alferes Joaquim José da Silva Xavier, o
nha, iniciando um período que ficou conhecido como a Tiradentes.
Viradeira, foi a demissão e exílio da corte do marquês
de Pombal, a quem nunca perdoara a forma brutal como
tratou a família Távora durante o Processo dos Távoras. Regência do filho
Rainha amante da paz, dedicada a obras sociais, conce-
deu asilo a numerosos aristocratas franceses fugidos ao
Terror da Revolução Francesa (1789-1799). Era, no en-
tanto, dada a melancolia e fervor religioso de natureza
tão impressionável que quando ladrões entraram em uma
igreja e espalharam hóstias pelo chão, decretou nove dias
de luto, adiou os negócios públicos e acompanhou a pé,
com uma vela, a procissão de penitência que percorreu
Lisboa.
O seu reinado foi de grande actividade legislativa, comer-
cial e diplomática, na qual se pode destacar o tratado de
comércio que assinou com a Rússia em 1789. Desen- Moeda com as efígies de Maria I e Pedro III
volveu a cultura e as ciências, com o envio de missões
científicas a Angola, Brasil, Cabo Verde e Moçambique, Mentalmente instável, desde 10 de fevereiro de 1792 foi
e a fundação de várias instituições, entre elas a Academia obrigada a aceitar que o filho tomasse conta dos assun-
Real das Ciências de Lisboa e a Real Biblioteca Pública tos de Estado. Obcecada com as penas eternas que o pai
da Corte. No âmbito da assistência, fundou a Casa Pia de estaria sofrendo no inferno, por ter permitido a Pombal
Lisboa. Fundou ainda a Academia Real de Marinha para perseguir os jesuítas, o via como “um monte de carvão
formação de oficiais da Armada. calcinado”.
5.7. MARIA I DE PORTUGAL 147

cou em Portugal e iniciou-se a Guerra Peninsular. Entre


1809 e 1810, o exército luso-britânico lutou contra as for-
ças invasoras de Napoleão, nomeadamente na batalha do
Buçaco. Quando Napoleão foi derrotado em 1815, Ma-
ria e a família real encontravam-se ainda no Brasil. Dos
membros da realeza, porém, foi a que se manteve mais
calma, chegando a declarar: Não corram tanto, vão pen-
sar que estamos a fugir.

Reino Unido

Proclamada Rainha do Reino Unido de Portugal, Brasil e


Algarves em 16 de dezembro de 1815.

Morte

Retrato da Rainha Dona Maria I com uma Coroa

Para tratá-la veio de Londres o Dr. Willis, psiquiatra e


médico real de Jorge III, enlouquecido em 1788, mas de
nada adiantaram seus “remédios evacuantes”.
Em 1799, sua instabilidade mental se agravou com os
lutos pelo seu marido Pedro III (1786) e seu filho, o
príncipe herdeiro José, Duque de Bragança, Príncipe da Túmulo de Maria I na Basílica da Estrela, em Lisboa
Beira, Príncipe do Brasil, morto aos 27 anos (1788), a
marcha da Revolução Francesa, e execução do Rei Luís Incapacitada, Maria viveu no Brasil por oito anos, sempre
XVI de França na guilhotina e o filho e herdeiro João as- em estado infeliz. Ela morreu no Convento do Carmo, na
sumiu a regência : João VI de Portugal. cidade do Rio de Janeiro, em 20 de março de 1816, aos 81
anos de idade. Após as cerimônias fúnebres, seu corpo foi
sepultado no Convento da Ajuda, também no Rio. Com
Mudança para o Brasil sua morte, o Príncipe Regente João foi aclamado Rei de
Portugal, Brasil e Algarves.
A Família Real Portuguesa transfere-se para o Brasil,
fruto do receio de ser deposta, à semelhança do que Em 1821, após o retorno da Família Real para Portugal,
ocorrera nos países recentemente invadidos pelas tropas seus restos mortais foram transladados para Lisboa e se-
francesas: Napoleão acumula o título de rei de Itália, pultado em um mausoléu na Basílica da Estrela, igreja que
dando o título de rei de Nápoles ao seu irmão José Bona- ela mesma mandou erguer.
parte, a quem posteriormente situou no trono da Espanha;
nos Países Baixos a coroa é dada a seu irmão Luís Bona-
parte (Luís I da Holanda). Em 1801, o primeiro-ministro 5.7.2 Bibliografia
de Espanha, Manuel Godoy apoiado por Napoleão inva-
diu Portugal por breves meses e, no subsequente Tratado -Defesa Militar, Princípios dos dois irmãos Jorge e Ju-
de Badajoz, Olivença passou para a coroa de Espanha, lio Stumpf Vasconcellos Editora Biblioteca do Exército e
mais tarde também ocupada pelos franceses. Portugal Marinha do Brasil, 1939.
continuou a fazer frente à França e, ao recusar-se a cum-
prir o bloqueio naval às Ilhas Britânicas, foi invadido pela
coligação franco-espanhola liderada pelo Marechal Ju- 5.7.3 Títulos, estilos, e honrarias
not. A família real foge para o Brasil a 13 de Novembro
de 1807 deixando Portugal a mercê do invasor. Junot in- Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da
vade Lisboa sendo nomeado governador de Portugal. A Coroa Portuguesa
1 de Agosto de 1808, o Duque de Wellington desembar-
148 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

Títulos e estilos e Maria Emília Correia na mini-série "Bocage Bocage"


(2006). No Carnaval de 2008, foi representada no desfile
• 17 de Dezembro de 1734 – 31 de Julho de 1750: da Escola de Samba São Clemente pelo ator transformista
Sua Alteza Real, A Princesa da Beira, Duquesa de brasileiro Rogéria, em enredo sobre o Rei João VI. Em
Barcelos 2011, no Teatro, Maria do Céu Guerra é "D. Maria, A
Louca" de um texto do autor brasileiro Antônio Cunha
• 31 de Julho de 1750 – 24 de Fevereiro de 1777: apresentado pela Cia Portuguesa A Barraca.
Sua Alteza Real, A Princesa do Brasil, Duquesa de
Bragança, etc. Uma versão altamente ficcionalizada da rainha Maria I
é a protagonista da opéra-comique Les diamants de la
• 24 de Fevereiro de 1777 – 16 de Dezembro de couronne (1841), pelo compositor Daniel Auber, com
1815: Sua Majestade Fidelíssima, A Rainha de Por- libretto de Eugène Scribe e Jules-Henri Vernoy de Saint-
tugal e dos Algarves Georges; figurando igualmente na adaptação a zarzuela
de Francisco Asenjo Barbieri, Los diamantes de la co-
• 16 de Dezembro de 1815 – 20 de Março de 1816:
rona (1854), esta com libretto de Francisco Camprodón.
Sua Majestade Fidelíssima, a Rainha do Reino Unido
Na ópera, Maria é menor aquando da morte do seu pai,
de Portugal, Brasil e Algarves
sendo o país governado por um Conselho de Regência
liderado pelo Conde de Campo Mayor. Maria toma o
O estilo oficial de D. Maria I, desde a sua Aclamação até nome de “Catalina” e, sem ninguém o saber, lidera um
1815 foi: grupo de bandidos com o intuito de vender as jóias da
Pela Graça de Deus, Maria I, Rainha de Portugal e dos coroa, substituindo-as por falsificações, para trazer sol-
Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhora da vência fiscal ao Estado. No final, durante a sua coroa-
Guiné e da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, ção, Maria usa a sua astúcia para evitar a determinação
Arábia, Pérsia e Índia, etc. do Conselho de Regência que a obrigaria a casar com um
Com a criação do Reino Unido de Portugal, Brasil e Al- filho de rei de Espanha e, ao invés, casa com o Marquês
garves, em 1815, o seu estilo evoluiu para: de Sandoval, que havia sido assaltado pelos bandidos e
Pela Graça de Deus, Maria I, Rainha do Reino Unido de se havia enamorado pela beleza de “Catalina”, chefe da
[2]
Portugal, Brasil e dos Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar quadrilha.
em África, Senhora da Guiné e da Conquista, Navegação
e Comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia e Índia, etc.
Maria-vai-com-as-outras

Honrarias O termo “maria-vai-com-as-outras” é muito popular na


lusofonia, onde é usado para designar uma pessoa fraca,
Enquanto monarca de Portugal, D. Maria I foi Grã- sem opinião própria, que se deixa levar pelos outros. Se-
Mestre das seguintes Ordens: gundo o pesquisador Brasil Gerson, autor do livro His-
tórias das Ruas do Rio, o termo foi cunhado a partir da
figura da rainha Maria I, que viveu seus últimos anos no
• Ordem dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo
Rio de Janeiro. Declarada mentalmente incapaz desde
• Ordem de São Bento de Avis 1792, Maria vivia reclusa e só saía na companhia de suas
damas, que costumavam levá-la para passear às margens
• Antiga, Nobilíssima e Esclarecida Ordem de do rio Carioca, no antigo bairro de Águas Férreas (atual
Sant'Iago da Espada Cosme Velho). Ao ver a monarca sendo conduzida pe-
las mãos por suas damas, a população exclamava: Maria
• Antiga e Muito Nobre Ordem da Torre e Espada
Vai-com-as-Outras.[3] .

5.7.4 Genealogia 5.7.6 Referências


Ascendência [1] Alvará de D. Maria I sobre a indústria no Brasil

Descendência [2] Francisco Asenjo Barbieri. Los diamantes de la corona.


Ed de Emilio Casares. Ediciones y publicaciones de Autor
SRL. Teatro de la Zarzuela. Madrid. 2010
5.7.5 Na cultura popular
[3]
A Rainha Maria I já foi retratada como personagem
no cinema, televisão e no teatro, interpretada por Rita
Cleós na novela "Dez Vidas" (1969), Maria Fernanda 5.7.7 Ver também
no filme "Carlota Joaquina, Princesa do Brasil" (1995),
Eva Wilma na mini-série "O Quinto dos Infernos" (2002) • Anexo:Lista de rainhas de Portugal
5.8. PEDRO III DE PORTUGAL 149

• Árvore genealógica dos reis de Portugal lizado seu irmão, o príncipe D. José, herdeiro do trono.
No reinado deste, chegou a receber ordem para se man-
ter em Queluz (então Quinta do Infantado), retirado da
5.8 Pedro III de Portugal corte. Deve-se a D. Pedro III a iniciativa da transforma-
ção, iniciada em 1747, da "Casa de Campo da Quinta do
Infantado", em que trabalharam o arquitecto português
Pedro III de Portugal (nome completo: Pedro Clemente
Mateus Vicente de Oliveira e o arquitecto escultor fran-
Francisco José António de Bragança; 5 de julho de 1717
cês Jean-Baptiste Robillon.
— 25 de maio de 1786), infante de Portugal, Senhor do
Infantado, Grão-Prior do Crato, Duque de Beja, posteri- Não está provado que D. Pedro III, enquanto Príncipe do
ormente Príncipe consorte do Brasil e Rei de Portugal de Brasil, se tenha oposto abertamente àquilo que se con-
jure uxoris, foi o quarto filho do rei D. João V e da rainha vencionou chamar terror pombalino. Mas quando da sua
D. Maria Ana. ascensão ao trono juntamente com sua esposa e sobrinha
D. Maria I, após a morte do monarca D. José I, seu ir-
D. Pedro era assim irmão de D. José I. Em 6 de Junho
mão, D. Pedro mostrou-se receptivo aos queixumes dos
de 1760 casou-se com a sobrinha e herdeira da coroa D.
inimigos do Marquês de Pombal e é conhecido o seu de-
Maria Francisca. Com a subida da mulher ao trono em
sejo de que a repressão contra o marquês e seus apoiantes
1777 tornou-se rei consorte de Portugal sendo cognomi-
fosse ainda mais longe. Charles Gravier, conde de Ver-
nado "O Capacidónio" pela maneira como se referia a
gennes, diplomata e posteriormente ministro francês dos
várias pessoas ou "O Sacristão" pelo seu fervor religioso
Negócios Estrangeiros, preocupado, escreve sobre as suas
ou ainda "O Edificador" pela sua iniciativa de edificar o
«idéias de perseguição»: “O ódio e a vingança parecem
Palácio de Queluz.
caracterizar os sentimentos do rei D. Pedro em relação
Pedro foi uma figura neutra da política e alheou-se sem- ao Sr. Marquês de Pombal. Estamos longe de fazer apo-
pre dos aspectos governativos. logia deste antigo ministro, mas julgo que ele não devia
ser atacado por factos que se prendem directamente com
a reputação do falecido Rei (D. José I). Se se decidir per-
5.8.1 Biografia seguir e atacar o Sr. Marquês de Pombal, há matéria de
sobra no que respeita simplesmente a diversos aspectos
da sua administração.” pois, atacar o Marquês de Pom-
bal, poderia implicar atingir a memória do falecido rei,
seu irmão.

D. Pedro, enquanto Infante de Portugal, em retrato de 1745 (28


anos de idade).

Filho favorito do rei D. João V, que o investiu na digni- A Rainha Maria I e o rei D. Pedro III de Portugal
dade de Grão-Prior do Crato, Senhor da Casa do Infan-
tado (pertença dos segundos filhos dos reis de Portugal) Era muito religioso, tal como D. Maria, cognominada “a
e ainda Cavaleiro da Ordem do Tosão de Ouro de Espa- piedosa”, e chegou a ser apelidado de “sacristão” pelo his-
nha, o infante D. Pedro terá por uma vez ou outra hosti- toriador liberal do século XIX Oliveira Martins, que as-
150 CAPÍTULO 5. QUARTA DINASTIA – DE BRAGANÇA OU BRIGANTINA

sim o classifica: "... O rei (...) não se concebe homem esta ou aquela individualidade, emitia sempre a sua inal-
mais feio, com cara de idiota, expressão feroz, cabeleira terável opinião: "É capazeidóneo!" a verbalização, invo-
desalinhada, ar de bêbado, um sacristão.” O último bió- luntariamente aglutinada, das qualidades “capaz” e “idó-
grafo da rainha, Caetano Beirão, ergue-se contra tal cari- neo”, o que valeu-lhe o impiedoso cognome de o Capaci-
catura, afirmando que os reis eram decerto muito devotos dónio.
mas a sua fé “era viva, servida por uma inteligência escla-
Lançou em 24 de Outubro de 1779, a primeira pedra da
recida sem qualquer superstição”. Basílica da Estrela, mandada construir pela rainha D. Ma-
Defendeu os Jesuítas, que haviam sido expulsos pelo ria I em cumprimento de uma promessa feita, caso lhe
Marquês de Pombal em 1759, declarando: “Não es- fosse concedida descendência varonil.
quecerei nunca os bons ensinamentos e instruções que D. Pedro III foi protector da alta fidalguia. Patrocinou,
eles me deram.” o que contribuiu para a restauração da por isso, as petições dos herdeiros dos justiçados pelo cé-
Companhia de Jesus, conseguida prudentemente pela rai- lebre Processo dos Távoras, cuja reabilitação foi objecto
nha junto da Santa Sé, e com cuidado para não se indispor de novos processos judiciais, em que os herdeiros tam-
com a Corte dos Borbóns de Espanha. bém perderam a restituição dos bens.
Vergennes escreveu ao embaixador de França em Lisboa Faleceu no Paço de Nossa Senhora da Ajuda, em Lisboa,
sobre a “beatice” e a atitude política do rei que o inqui- a 25 de maio de 1786, com 69 anos de idade, nove de rei-
etava: " Em nossa opinião, este príncipe comporta-se de nado conjunto com D. Maria I. A sua morte, juntamente
forma muito pouco política em relação aos ex-jesuítas com outros factos, terá contribuído para a loucura da rai-
portugueses que acabam de ser postos em liberdade. Isso nha. Jaz no Panteão dos Braganças em São Vicente de
marca uma predilecção por essa ordem que só pode desa- Fora.
gradar ao Rei Católico, nas boas graças do qual nos parece
essencial que Portugal se mantenha. Mas (...) parece não
ser fácil insinuar essa verdade ao rei D. Pedro.” 5.8.2 Títulos, estilos, e honrarias

Ver artigo principal: Lista de títulos e honrarias da


Coroa Portuguesa

Títulos e estilos

• 5 de Julho de 1717 – 6 de Junho de 1760: Sua


Alteza, O Sereníssimo Infante Pedro de Portugal
• 6 de Junho de 1760 – 24 de Fevereiro de 1777:
Sua Alteza Real, O Príncipe Consorte do Brasil
• 24 de Fevereiro de 1777 – 25 de Maio de 1786:
Sua Majestade Fidelíssima, El-Rei de Portugal e dos
Algarves

O estilo oficial de D. Pedro III, enquanto Rei de Portugal:


Pela Graça de Deus, Pedro III, Rei de Portugal e dos Algar-
ves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhor da Guiné e
da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia,
Pérsia e Índia, etc.

5.8.3 Descendência

D. Pedro III
Com Maria Francisca Isabel Josefa Antónia Gertrudes
Rita Joana:

Embora seja considerado pelos contemporâneos como • José, Duque de Bragança e príncipe do