Você está na página 1de 7

SINAIS VITAIS

SINAIS VITAIS Os sinais vitais são indicadores das

funções vitais e podem orientar o

diagnóstico inicial e o acompanhamento


TEMPERATURA
PULSO da evolução do quadro clínico da
RESPIRAÇÃO
PRESSÃO ARTERIAL. vítima.

SINAIS VITAIS TEMPERATURA

Pulso; A temperatura reflecte o balanceamento

Respiração; entre o calor produzido e o calor

Pressão arterial;
perdido pelo corpo.
Temperatura.

TEMPERATURA TEMPERATURA
A TEMPERATURA CORPORAL ESTÁ DIRETAMENTE
RELACIONADA COM A ACTIVIDADE METABÓLICA. ALTERAÇÕES PATOLÓGICAS:

SONO E REPOUSO
IDADE PROCESSO INFECCIOSO
EXERCÍCIOS
EMOÇÕES DISTURBIOS EMOCIONAIS
FACTOR HORMONAL
MANIFESTAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE
ROUPA OU AGASALHOS
FACTOR ALIMENTAR
FACTOR ALIMENTAR

1
TIPOS DE HIPERTERMIA TÉCNICA
CONTÍNUA: mantém-se elevada com pouca oscilações Material necessário
Termómetro
INTERMITENTE: quando ocorre regularmente alternância
entre um período de hipertermia e um período de
temperatura normal e subnormal

REMITENTE: oscila em vários graus, sem nunca chegar


ao patamar normal

RECORRENTE OU RECRUDENTE: após um período


normal, há nova manifestação de hipertermia.

FEBRICULA: variação da temperatura entre 37 a 37,5ºc.

Locais de verificação Vantagens


1. Axilar
Fácil aceitação

Diminuir a temperatura do termometro Não há a necessidade de ser individual,


Secar as axilas
podendo ser desinfectado entre aferições.
Colocar o termómetro e deixá-lo de 5 a 7
minutos
Custo X benefício.
Aferir a temperatura na altura dos olhos,
segurando-o pela haste
Variação normal: 35,8ºC a 37ºC

Desvantagens. Locais de verificação

Pode sofrer alterações com presença de 2. Boca (debaixo da lílíngua)


humidade na axila.
•Realizar a assé
assépcia
•Colocar o termó
termómetro sob a lílíngua,
mantendo os lá lábios cerrados.
•O bulbo é alongado e achatado.
•A temperatura varia entre 36,3º
36,3ºC a 37,4º
37,4ºC

2
Vantagens. Desvantagens.

Acessível Contra-indicada para:


Confortável para o cliente crianças menores de 3 anos, idosos, pessoas
Fornece leitura exata da temperatura inconscientes, com distúrbios mentais.
superficial Temporariamente após o acto de fumar e de
ingerir líquidos quentes ou gelados

Uso individual

Locais de verificação Locais de verificação


3. Rectal 4. SENSOR DA MEMBRANA TIMPANICA:

O termómetro deve ser lubrificado e colocado Aceitável até 37ºc


no cliente em decúbito lateral, inserido cerca de Uso de aparelho digital com a ponta
3,5 cm em individuo adulto
semelhante a um otoscópio
Deve ser lavado com sabão e água corrente
após o uso Temperatura aferida entre 2 a 5 segundos

E considerada a mais fidedigna


Oscila entre 37º a 38ºC

VANTAGENS DESVANTAGENS

Fácil acesso

Necessidade mínima de reposicionamento do Requer revestimento descartável da sonda


doente

Pode ser usado sem perturbar o doente

Fornece temperatura central exacta

3
Locais de verificação

5. CUTANEA

Pele quente ou fria PULSO


Pele húmida ou seca

PULSO PULSO

Locais para verificação do pulso:


é o nome dado a dilatação pequena
-Artéria radial
e sensível das artérias, produzida -Artéria Carótida

-Artéria Femoral
pela corrente sanguínea.

PULSO PULSO
Frequência fisiológica:
*Homem: 60 a 70 bpm
*Mulher: 65 a 80 bpm

Adultos – 60 a 100 bpm;


Crianças – 80 a 120 bpm;
Bebés – 100 a 160 bpm
PULSO RADIAL PULSO CAROTÍDEO

4
Características. PULSO
Ritmo Terminologia:
Arrítmico
-Nomocardia: Frequência normal
Rítmico.
-Braquicardia: Frequência abaixo do normal
-Bradisfigmia: Pulso fino e bradicárdico
Qualidade
Cheio -Taquicardia: Frequência acima do normal
filiforme -Taquisfigmia: Pulso fino e taquicárdico

PULSO PULSO

Observações Importantes: Como verifico?


- Lavar as mãos
- Evitar verificar pulso em região afectada - Explicar ao doente
- Nunca verificar pulso com mãos frias - Colocá-lo em posição confortável de preferência deitado
ou sentado com o braço apoiado e a palma da mão
-Em caso de dúvida, repetir a contagem voltada para baixo.
-Nunca usar dedo polegar para verificação - Colocar a polpa dos dois dedos médios sobre o local
escolhido, nunca com o polegar
-Antes da verificação deixar o paciente em - Pressione levemente até localizar os batimentos.
descanso por aproximadamente 20 minutos. - Conte durante um minuto os batimentos que sente

RESPIRAÇÃO RESPIRAÇÃO

Respiração é o processo através do

qual ocorre troca gasosa entre a

atmosfera e as células do organismo.

5
RESPIRAÇÃO RESPIRAÇÃO - avaliação
Fatores que alteram: frequência respiratória (movimentos respiratórios
Idade
por minuto),
Medicamentos
Estresse carácter (superficial e profunda)
Exercício ritmo (regular e irregular).
Altitude
Sexo
Posição corporal Deve ser avaliada sem que a vítima perceba,
Febre preferencialmente enquanto se palpa o pulso
radial,

RESPIRAÇÃO: RESPIRAÇÃO
Avalie a frequência respiratória tendo em vista VALORES NORMAIS
os sinais e sintomas de comprometimento
respiratório:
Adultos – 12 a 20 movimentos respiratórios
cianose, por minuto (mrpm);
inquietação,
Crianças – 20 a 30 mrpm;
dispneia (falta de ar),
sons respiratórios anormais. Bebés – 30 a 60 mrpm

Técnica

Material necessário
PRESSÃO ARTERIAL
Relógio com ponteiro de segundos

Aferir durante 1 minuto o movimento de É A FORÇA QUE O SANGUE EXERCE


expansão do diafragma NAS PAREDES DOS VASOS

Não permita que o doente perceba

6
PRESSÃO ARTERIAL PRESSÃO ARTERIAL
PRESSÃO SISTÓLICA (máxima) Valores médios de pressão arterial
É a pressão máxima, equivale a contração do coração
considerados ideais de acordo com a idade:
Valores normais
Neonato – 60 a 90 04 anos – 85/60 mmHg;
Adulto – 90 a 140 06 anos – 95/62 mmHg;
10 anos – 100/65 mmHg;
PRESSÃO DIASTÓLICA (mínima)
12 anos – 108/67 mmHg;
É a pressão mínima, equivale a dilatação do coração
Valores normais 16 anos – 118/75 mmHg;
Neonato – 20 a 60 Adultos – 120/80 mmHg;
Adulto – 60 a 90
Idosos – 140 a 160/90 a 100 mmHg.

MANGUITO

PERA

VALVULA

ESFIGMOMANÔMETRO