Você está na página 1de 11

Livro Eletrônico

Aula 02

Desafio OAB 17 Dias - Ética Profissional

Rosenval Júnior, Priscila Ferreira

15242942762 - Manoela Ribeiro


Rosenval Júnior, Priscila Ferreira
Aula 02

AULA 02
DIREITOS DOS ADVOGADOS
Olá, queridos.
Vamos continuar o nosso estudo de Ética?
Nesta aula, continuaremos o estudo do Estatuto da Advocacia (Lei nº 8.906/94), assim como do
Regulamento Geral e Código de Ética.
Vale lembrar que o direito dos advogados é um dos temas mais cobrados pela banca examinadora

1421599

Desta forma, não deixem de estudar com afinco todo o conteúdo.

Bons estudos,
Prof.ª Priscila Ferreira.
Prof. Rosenval Junior.

Desafio OAB 17 Dias - Ética Profissional 1


www.estrategiaconcursos.com.br 10
15242942762 - Manoela Ribeiro
Rosenval Júnior, Priscila Ferreira
Aula 02
1421599

INTRODUÇÃO - DOS DIREITOS DOS ADVOGADOS


O Estatuto da Advocacia regulamenta os direitos dos advogados de forma específica no art. 6º e 7º, enquanto
o Regulamento Geral da OAB os aborda nos Artigos 18 e 19.

Desde já, atente-se para o fato de que a violação aos direitos do advogado implicará providência pela OAB,
como se observa no artigo 15 do Regulamento Geral:

Art. 15. Compete ao Presidente do Conselho Federal, do Conselho Seccional ou da


Subseção, ao tomar conhecimento de fato que possa causar, ou que já causou, violação de
direitos ou prerrogativas da profissão, adotar as providências judiciais e extrajudiciais
cabíveis para prevenir ou restaurar o império do Estatuto, em sua plenitude, inclusive
mediante representação administrativa.

Parágrafo único. O Presidente pode designar advogado, investido de poderes bastantes,


para as finalidades deste artigo.

Ou seja, havendo violação aos direitos dos advogados, competirá ao Presidente do Conselho Federal, do
Conselho Seccional ou da Subseção, atuar em favor do profissional por meio de:

I. Medidas judiciais e extrajudiciais;


II. Representação administrativa e penal;
III. Desagravo público.

Tais medidas visam prevenir ou restaurar o direito do advogado, ora violado.

DIREITOS ESPECÍFICOS DOS ADVOGADOS


Nesta toada, vamos ao estudo do art. 7º, do Estatuto da Advocacia e da OAB, o qual aborda os direitos
garantidos aos advogados, estes que podem ser vistos como direitos e garantias fundamentais dos
advogados:

I - exercer, com liberdade, a profissão em todo o território nacional;

O advogado devidamente inscrito na OAB poderá exercer a sua profissão em todo território nacional, em
atuação judicial, assim como extrajudicial.
No mais, lembre-se de que a inscrição principal do advogado deve ser realizada no Conselho Seccional ou
na Subseção da OAB em que pretenda ter domicílio profissional (sede principal da atividade de advocacia)
e, ainda, poderá atuar em até 5 causas por ano em outro estado-membro, este não vinculado à sua inscrição
principal. Caso ultrapassado esse limite, deverá ser solicitada uma inscrição suplementar no Conselho
Seccional correspondente.

II – a inviolabilidade de seu escritório ou local de trabalho, bem como de seus


instrumentos de trabalho, de sua correspondência escrita, eletrônica, telefônica e
telemática, desde que relativas ao exercício da advocacia;

Desafio OAB 17 Dias - Ética Profissional 2


www.estrategiaconcursos.com.br 10
15242942762 - Manoela Ribeiro
Rosenval Júnior, Priscila Ferreira
Aula 02
1421599

Tal dispositivo possui a finalidade de assegurar ao advogado a inviolabilidade de seu escritório ou local de
trabalho, o que, inclusive, já decorre de uma garantia constitucional, do art. 5º, inciso XI:

XI - a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem


consentimento do morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar
socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial;

Veja que a inviolabilidade atinge não só a figura do advogado, como também a do cliente, uma vez que
garante a liberdade de defesa e o sigilo profissional frente à figura do próprio cliente.
Contudo, tal inviolabilidade não é absoluta, logo, em determinadas hipóteses poderá ter a sua “quebra”,
quando observados os seguintes requisitos:

 Indícios de autoria e materialidade de crime praticado por advogado;


 Existência de Mandado de busca e apreensão por autoridade competente, em sede de
decisão fundamentada;
 O mandato deve ser cumprido na presença de representante da OAB.

Em qualquer hipótese, torna-se vedada a utilização dos documentos, das mídias e dos objetos
pertencentes a clientes do advogado averiguado, bem como dos demais instrumentos de trabalho que
contenham informações sobre clientes. Mas, tal vedação não se estende a clientes do advogado
averiguado que estejam sendo formalmente investigados como seus partícipes ou coautores pela
prática do mesmo crime que deu causa à quebra da inviolabilidade.

III - comunicar-se com seus clientes, pessoal e reservadamente, mesmo sem


procuração, quando estes se acharem presos, detidos ou recolhidos em
estabelecimentos civis ou militares, ainda que considerados incomunicáveis;

Ao advogado que tiver o seu cliente preso, detido ou recolhido, será resguardado o direito de se comunicar,
ainda que sem procuração, de forma que a incomunicabilidade com o preso não se aplica à figura do
advogado, o qual poderá ter contato pessoal e reservado.

IV - ter a presença de representante da OAB, quando preso em flagrante, por motivo


ligado ao exercício da advocacia, para lavratura do auto respectivo, sob pena de
nulidade e, nos demais casos, a comunicação expressa à seccional da OAB;

A prisão do advogado em flagrante, em razão do exercício da advocacia, apenas será possível quando
houver a presença de representante da OAB e quando se tratar de crime inafiançável.
Observe que, para as demais hipóteses de crimes praticados por advogado, bastará para a sua validade a
comunicação expressa à seccional da OAB, sem maiores requisitos legais de validade.

V - não ser recolhido preso, antes de sentença transitada em julgado, senão em sala de
Estado Maior, com instalações e comodidades condignas, assim reconhecidas pela
OAB, e, na sua falta, em prisão domiciliar; (Vide ADIN 1.127-8)

Desafio OAB 17 Dias - Ética Profissional 3


www.estrategiaconcursos.com.br 10
15242942762 - Manoela Ribeiro
Rosenval Júnior, Priscila Ferreira
Aula 02
1421599

A Associação dos Magistrados Brasileiros se insurgiu por meio de Ação Direta de Inconstitucionalidade
frente à Lei nº 8.906/94, tendo como foco a expressão “assim reconhecidas pela OAB”. Neste sentido, o
STF julgou procedente a ação e declarou a inconstitucionalidade da expressão.
Logo, o advogado, quando recolhido preso, por qualquer crime, antes de sentença transitada em
julgado, deverá ser em sala de Estado Maior, com instalações e comodidades condignas, estas sem
qualquer ingerência pela OAB. Na ausência de sala de Estado Maior, o advogado(a) deverá ter decretada a
prisão domiciliar, sendo mantidas estas condições até o trânsito em julgado da sentença penal condenatória.
O advogado(a) terá direito a tais prerrogativas, ainda que esteja suspenso (interdição do exercício
profissional), o que possui caráter provisório, e se difere da exclusão ou do cancelamento, estes em que o
advogado não mais poderá se valer das prerrogativas profissionais.

VI - ingressar livremente:
a) nas salas de sessões dos tribunais, mesmo além dos cancelos que separam a parte
reservada aos magistrados;
b) nas salas e dependências de audiências, secretarias, cartórios, ofícios de justiça,
serviços notariais e de registro, e, no caso de delegacias e prisões, mesmo fora da hora
de expediente e independentemente da presença de seus titulares;
c) em qualquer edifício ou recinto em que funcione repartição judicial ou outro
serviço público onde o advogado deva praticar ato ou colher prova ou informação útil
ao exercício da atividade profissional, dentro do expediente ou fora dele, e ser
atendido, desde que se ache presente qualquer servidor ou empregado;
d) em qualquer assembleia ou reunião de que participe ou possa participar o seu
cliente, ou perante a qual este deva comparecer, desde que munido de poderes
especiais;

Diante de tais prerrogativas, o EAOAB garante o pleno exercício de atuação do causídico e, inclusive, com
o objetivo de que este possa representar os seus interesses e de seus clientes de maneira eficiente.
Qualquer impedimento a essas garantias deverá ser tido como ilegal, e no caso de violação das alíneas “a”,
“b” e “c”, acima transcritas, deverá se caracterizar como crime de abuso de autoridade, conforme art. 3º,
alínea f, da Lei nº 4.898/95.
Ressalta-se que o direito contido na alínea d, para que seja efetivamente exercido, exigirá procuração com
poderes especiais.

VII - permanecer sentado ou em pé e retirar-se de quaisquer locais indicados no


inciso anterior, independentemente de licença;

Desafio OAB 17 Dias - Ética Profissional 4


www.estrategiaconcursos.com.br 10
15242942762 - Manoela Ribeiro
Rosenval Júnior, Priscila Ferreira
Aula 02
1421599

Inicialmente, deve-se observar que não há hierarquia entre os advogados, magistrados ou membros do
Ministério Público, logo, cabe ao advogado decidir se irá ficar ou se retirar dos locais em que esteja
atuando (Tribunal, Órgão da Administração, Poder Legislativo etc.), e sem que haja qualquer
interferência por parte dos agentes públicos, nem mesmo das autoridades policiais ou judiciais.

VIII - dirigir-se diretamente aos magistrados nas salas e gabinetes de trabalho,


independentemente de horário previamente marcado ou outra condição, observando-
se a ordem de chegada;

Com base no Princípio da independência e da não subordinação, já mencionado, não há hierarquia ou


subordinação entre os advogados e os magistrados, o que se leva a não admitir qualquer tipo de restrição
imotivada às salas e gabinetes de trabalho dos magistrados, ou ainda, o não atendimento em alguns dias da
semana.
Observe que o advogado, não estagiário, poderá dirigir-se diretamente aos magistrados nas salas e
gabinetes de trabalho, mas sempre em observância à ordem de chegada.
==15b11f==

X - usar da palavra, pela ordem, em qualquer juízo ou tribunal, mediante


intervenção sumária, para esclarecer equívoco ou dúvida surgida em relação a fatos,
documentos ou afirmações que influam no julgamento, bem como para replicar
acusação ou censura que lhe forem feitas;

O uso da palavra pelo profissional da advocacia é uma das maiores ferramentas a se garantir os direitos de
seu cliente, inclusive frente a abusos ou ilegalidades.
Desta forma, mediante intervenção sumária, o advogado poderá se valer da palavra “pela ordem”, quando
verificar a necessidade de esclarecer equívoco ou dúvida surgida em relação a fatos, documentos ou
afirmações que influam no julgamento, bem como para replicar acusação ou censura que lhe forem
feitas.

XI - reclamar, verbalmente ou por escrito, perante qualquer juízo, tribunal ou


autoridade, contra a inobservância de preceito de lei, regulamento ou regimento;

Desafio OAB 17 Dias - Ética Profissional 5


www.estrategiaconcursos.com.br 10
15242942762 - Manoela Ribeiro
Rosenval Júnior, Priscila Ferreira
Aula 02
1421599

O advogado poderá reclamar, verbalmente ou por escrito, frente às autoridades, diante das inobservâncias de
preceito legais, regulamento, ou, ainda, regimentos.

XII - falar, sentado ou em pé, em juízo, tribunal ou órgão de deliberação coletiva da


Administração Pública ou do Poder Legislativo;

O advogado tem o direito de se manifestar oralmente e da forma que entender ser a melhor, ou seja, sentado
ou em pé em qualquer órgão da Administração Pública.

XIII - examinar, em qualquer órgão dos Poderes Judiciário e Legislativo, ou da


Administração Pública em geral, autos de processos findos ou em andamento, mesmo
sem procuração, quando não estejam sujeitos a sigilo, assegurada a obtenção de
cópias, podendo tomar apontamentos;

(...)

XV - ter vista dos processos judiciais ou administrativos de qualquer natureza, em


cartório ou na repartição competente, ou retirá-los pelos prazos legais;

Neste ponto, vamos estudar em conjunto os incisos XIII e XV para fins comparativos. Veja:
O advogado possui o direito de examinar os autos do processo, administrativo ou judicial, em andamento
ou findos, quando não estiver em segredo de justiça, hipótese, ainda, em que a procuração fica
dispensada.
Neste sentido, o direito a examinar os autos refere-se a simples vista no cartório com a finalidade de
suprir uma dúvida tida como urgente, ou até mesmo para que o advogado decida se irá ou não ingressar
como patrono na causa.
Assim, o EAOAB garante ao advogado o direito de examinar, em qualquer órgão dos Poderes Judiciário e
Legislativo, ou da Administração Pública em geral, autos de processos findos ou em andamento, mesmo sem
procuração, quando não estejam sujeitos a sigilo, assegurada a obtenção de cópias, podendo, inclusive, tomar
apontamentos.

XIV - examinar, em qualquer instituição responsável por conduzir investigação,


mesmo sem procuração, autos de flagrante e de investigações de qualquer natureza,
findos ou em andamento, ainda que conclusos à autoridade, podendo copiar peças e
tomar apontamentos, em meio físico ou digital;

Destarte, tal

Desafio OAB 17 Dias - Ética Profissional 6


www.estrategiaconcursos.com.br 10
15242942762 - Manoela Ribeiro
Rosenval Júnior, Priscila Ferreira
Aula 02
1421599

prerrogativa garante ao advogado o direito de acesso aos autos de flagrante e de investigações de


qualquer natureza, findos ou em andamento, ainda que conclusos à autoridade, podendo, ainda, copiar
peças e tomar apontamentos, quando entender necessário. No entanto, observe que a autoridade competente
poderá delimitar o acesso do advogado aos elementos de prova relacionados a diligências em andamento
e ainda não documentados nos autos, quando houver risco de comprometimento da eficiência, da
eficácia ou da finalidade das diligências.

 Nos autos sujeitos a sigilo, deve o advogado apresentar procuração para o exercício do direito de
examinar os autos de flagrante e de investigações de qualquer natureza;
 No caso de exame dos autos de flagrante e de investigações, de qualquer natureza, a autoridade
competente poderá delimitar o acesso do advogado aos elementos de prova relacionados a diligências
em andamento e ainda não documentados nos autos, quando houver risco de comprometimento da
eficiência, da eficácia ou da finalidade das diligências;
 A não garantia de acesso do advogado aos autos de flagrante e de investigações, bem como o
fornecimento incompleto de autos ou o fornecimento de autos em que houve a retirada de peças já
incluídas no caderno investigativo implicará responsabilização criminal e funcional por abuso de
autoridade do responsável que impedir o acesso do advogado.

XV - ter vista dos processos judiciais ou administrativos de qualquer natureza, em


cartório ou na repartição competente, ou retirá-los pelos prazos legais;

XVI - retirar autos de processos findos, mesmo sem procuração, pelo prazo de dez
dias;

Desafio OAB 17 Dias - Ética Profissional 7


www.estrategiaconcursos.com.br 10
15242942762 - Manoela Ribeiro
Rosenval Júnior, Priscila Ferreira
Aula 02
1421599

XVII - ser publicamente desagravado, quando ofendido no exercício da profissão ou


em razão dela;

O desagravo público é um procedimento formal em que a OAB se vale para mostrar sua insatisfação e,
ainda, prestar solidariedade às ofensas sofridas pelo advogado no exercício da sua profissão.
Logo, trata-se de um mecanismo de defesa dos direitos e prerrogativas do advogado no exercício
profissional, sendo o desagravo promovido, a requerimento (qualquer pessoa) ou de ofício, pelo Conselho
Seccional, o qual é competente para verificar se houve ou não ofensa ao exercício da atividade
advocatícia, e independente de concordância do ofendido.

Assim, no que tange ao desagravo público, tome nota de algumas particularidades:

 ARQUIVAMENTO
O relator pode propor o arquivamento, quando:
- A ofensa for pessoal;
- A ofensa não se referir ao exercício profissional;
- A ofensa não tiver conexão com as prerrogativas gerais do advogado;
- A ofensa estiver ligada a crítica de caráter doutrinário, político ou religioso.

 COMPETÊNCIA
- No caso de ofensa a inscrito na OAB, no exercício da profissão ou de cargo ou função de órgão da
OAB, o conselho competente deve promover o desagravo público do ofendido, sem prejuízo da
responsabilidade criminal em que incorrer o infrator;
- Ocorrendo a ofensa no território da Subseção a que se vincule o inscrito, a sessão de desagravo
pode ser promovida pela diretoria ou conselho da Subseção, com representação do Conselho
Seccional;
- Compete ao Conselho Federal promover o desagravo público de Conselheiro Federal ou de
Presidente de Conselho Seccional, quando ofendidos no exercício das atribuições de seus cargos e
ainda quando a ofensa a advogado se revestir de relevância e grave violação às prerrogativas
profissionais, com repercussão nacional.

XVIII - usar os símbolos privativos da profissão de advogado;

Desafio OAB 17 Dias - Ética Profissional 8


www.estrategiaconcursos.com.br 10
15242942762 - Manoela Ribeiro
Rosenval Júnior, Priscila Ferreira
Aula 02
1421599

XIX - recusar-se a depor como testemunha em processo no qual funcionou ou deva


funcionar, ou sobre fato relacionado com pessoa de quem seja ou foi advogado,
mesmo quando autorizado ou solicitado pelo constituinte, bem como sobre fato que
constitua sigilo profissional;

O sigilo profissional é próprio da função exercida pelo advogado e deve ser interpretado como um direito,
assim como um dever na relação cliente-advogado.
Assim, o advogado poderá recusar-se a depor como testemunha em determinado processo, já que todas
as informações por ele obtidas no seu exercício profissional devem ser mantidas de forma sigilosa, sob pena,
inclusive, de violar o sigilo profissional.
Tal prerrogativa permite ao advogado de, inclusive, nem comparecer em audiência, bastando
informar para tanto que, em razão de sua atuação profissional, está impedido de prestar depoimento.
No entanto, conforme preceituado pelo artigo 37, do CED, o sigilo profissional poderá ser relativizado
em face de circunstâncias excepcionais que configurem justa causa, como nos casos de grave ameaça ao
direito à vida e à honra ou que envolvam defesa própria.

Acerca do tema, disciplina o Código de Ética e Disciplina nos artigos 35 a 38:

cliente.
- r natureza entre advogado e cliente.

sigilo profissional.

sobre fatos a cujo respeito deva guardar sigilo profissional.

XX - retirar-se do recinto onde se encontre aguardando pregão para ato judicial, após
trinta minutos do horário designado e ao qual ainda não tenha comparecido a
autoridade que deva presidir a ele, mediante comunicação protocolizada em juízo.

Desafio OAB 17 Dias - Ética Profissional 9


www.estrategiaconcursos.com.br 10
15242942762 - Manoela Ribeiro
Rosenval Júnior, Priscila Ferreira
Aula 02
1421599

Objetivando evitar abusos de alguns magistrados, o EAOAB prevê ao advogado o direito de se retirar dos
locais onde se encontre aguardando pregão para ato judicial, após trinta minutos do horário designado, e
ao qual ainda não tenha comparecido a autoridade que deva presidir. Nesta hipótese, deve-se comunicar por
escrito o ocorrido e com protocolo em juízo.

XXI - assistir a seus clientes investigados durante a apuração de infrações, sob pena
de nulidade absoluta do respectivo interrogatório ou depoimento e,
subsequentemente, de todos os elementos investigatórios e probatórios dele
decorrentes ou derivados, direta ou indiretamente, podendo, inclusive, no curso da
respectiva apuração:
a) apresentar razões e quesitos.

O advogado, dentre as suas prerrogativas, possui o direito de assistir os seus clientes investigados durante a
apuração de infrações, sob pena de nulidade absoluta do respectivo interrogatório ou depoimento.

§ 4º O Poder Judiciário e o Poder Executivo devem instalar, em todos os juizados,


fóruns, tribunais, delegacias de polícia e presídios, salas especiais permanentes para
os advogados, com uso e controle assegurados à OAB.

Nos termos consignados pelo EAOAB, o Poder Judiciário e o Poder Executivo devem instalar, em todos os
juizados, fóruns, tribunais, delegacias de polícia e presídios, salas especiais permanentes para os
advogados, como forma de garantir a efetividade no exercício profissional.
O termo “controle” foi retirado do parágrafo acima mencionado, uma vez que o STF, por meio da ADIN nº
1.127-8, entendeu que a OAB não pode exercer controle sobre prédios públicos, ainda que apenas sobre a
parte em que a sala será instalada.

Aguardamos vocês em nossa próxima aula!


Bons estudos e muito sucesso a todos!
Prof.ª Priscila Ferreira
Prof. Rosenval Junior

Fórum de Dúvidas do Portal do Aluno

@profpriscilaferreira @profrosenval

Desafio OAB 17 Dias - Ética Profissional 10


www.estrategiaconcursos.com.br 10
15242942762 - Manoela Ribeiro

Você também pode gostar