Você está na página 1de 16

C o n t a d o r a d a B o l s a

A l i c e P o r t o
Nesse e-Book reunimos 10 das 101 Perguntas e Respostas sobre o imposto de

renda na Bolsa de valores que foram compartilhadas noa obra “101 Perguntas E

Respostas Sobre Tributação Em Renda Variável: Tire suas dúvidas sobre

tributação para Bolsa de Valores”.

Para ter acesso ao conteúdo completo, clique nesse link e adquira a sua versão!

Contadora da Bolsa & Suno Research 2


Alice Porto é formada em Ciências

Contábeis pela PUC de Minas

Gerais e, desde 2008, vem se

especializando em Contabilidade

para investidores individuais em

renda variável, visando à correta

tributação de suas operações na

Bolsa de Valores de São Paulo –

uma prática que gera economia de

recursos substancial ao longo dos

anos.

A Contadora da Bolsa

3
Quem tem que pagar IR?

O investidor da Bolsa. É responsabilidade de você


investidor calcular, pagar, e declarar as
movimentações e o IR da Bolsa.

Sendo assim ninguém, ou nenhum outro órgão, até


mesmo a corretora ou banco pela qual você opera,
será responsável.

A única responsabilidade da corretora ou banco que


faz a intermediação das suas operações na Bolsa é
descontar do investidor menos de 1% de IR, nas
operações de vendas através do IRRF abatido nas
notas de corretagem – ou direto no extrato – e
repassar para Receita Federal como forma de
antecipação do IR total que o investidor que tem que
pagar.

Contadora da Bolsa 4
Sou isento da entrega da Declaração Anual,
pois minha renda e patrimônio são inferiores
ao limite. Porém comecei na Bolsa, e agora?

Se você começou a operar na Bolsa, já tem que


entregar a Declaração Anual no ano seguinte, e nem
precisa fazer a análise de isenção para valor de
renda, patrimônio ou qualquer outro quesito que
consta na análise de isenção.

A obrigação de entregar a Declaração Anual a partir


do momento que você iniciou na Bolsa sobrepõe a
sua isenção.

Contadora da Bolsa 5
Sou isento da entrega da Declaração Anual,
pois minha renda e patrimônio são inferiores
ao limite. Porém comecei na Bolsa, e agora?

Se você começou a operar na Bolsa, já tem que


entregar a Declaração Anual no ano seguinte, e nem
precisa fazer a análise de isenção para valor de
renda, patrimônio ou qualquer outro quesito que
consta na análise de isenção.

A obrigação de entregar a Declaração Anual a partir


do momento que você iniciou na Bolsa sobrepõe a
sua isenção.

Contadora da Bolsa 6
Mesmo sendo menor de idade e dependente
dos meus pais, mas por ser investidor da
Bolsa, tenho que declarar minhas
movimentações na Bolsa? Como faço?

Sim. A Receita Federal aguarda receber todas as


movimentações de Bolsa, de todos os CPFs com
movimentação em renda variável, independente da
data de nascimento.

Na Declaração de quem você é dependente,


preencha todos seus resultados de Bolsa,
informando seu CPF, ou você poder fazer uma
Declaração Anual separada só sua, não esquecendo
que para os investimentos que alocou na Bolsa
deverá informar de onde veio a entrada dos
recursos.

Contadora da Bolsa 7
O que acontece se eu não cumprir as
obrigações fiscais quando estou na Bolsa?

Você pode sofrer uma fiscalização da Receita Federal,


não somente sobre a parte de movimentações em
Bolsa, mas sobre o seu patrimônio total.

A Receita Federal poderá enviar uma notificação,


multar e também colocar o seu CPF na situação
pendente de regularização por não ter cumprido a
obrigação de entregar a Declaração Anual com suas
movimentações da Bolsa de Valores.

Os últimos cinco anos, contados a partir da entrega


da Declaração Anual, são passíveis de fiscalização e
consequentemente aplicação de penalidades, caso
haja irregularidade nos pagamentos do DARF
provenientes das movimentações na Bolsa, ou nas
informações transmitidas pela Declaração Anual.

Contadora da Bolsa 8
Recebi da Receita uma DARF já preenchida
com valor, juros e multa, o que eu faço?

Primeiramente NÃO PAGUE e não entre em pânico,


pois para tudo tem solução.

Analise detalhadamente a natureza da notificação e,


caso identifique que é referente às operações em
renda variável, na DARF recebida estará o código
6015.

NÃO PAGUE, pois o cálculo da Receita sobre valor


cobrado não está correto. Baseada no IRRF das suas
operações a Receita arbitrou que você teve um
ganho, e está te cobrando sobre esse lucro que pode
ser diferente do que você teve realmente, ou até
mesmo você pode estar só com prejuízos.

Faça todos os seus cálculos desde quando começou a


operar na Bolsa, pague os IR devidos e retifique ou
entregue em atraso todas as Declarações Anuais dos
anos que movimentou na Bolsa, com todas as
informações corretas de movimentações de Bolsa.

Contadora da Bolsa 9
Quais as taxas que devo incluir nos cálculos?

Nos cálculos devem ser incluídas todas as taxas que


estão debitadas na sua nota de corretagem como:
corretagem, emolumentos, liquidação e qualquer
outra que consta na nota de corretagem e compõe o
valor total líquido da nota de corretagem, exceto o
IRRF.

Se o ISS / PIS / COFINS estiverem somente


destacados nas notas de corretagem, não devem ser
incluídos nos cálculos, dado que nestes casos não
ocorre o débito na nota de corretagem.

É importante considerar todas as taxas nos cálculos


para pagar menos IR quando este for devido, e no
caso só de compras elas irão compor o valor real que
lhe custou cada ativo para você informar na
Declaração Anual.

Contadora da Bolsa 10
Como calcular o custo de aquisição?

Você deve somar, ao valor comprado, as taxas


descontadas nas notas de corretagem.

Exemplo:

A ação WXYZ11 está cotada em R$ 4,70. Serão


compradas 100 ações. Logo, o valor total das ações
será de R$ 470,00.

As taxas da operação de compra somam R$ 30,00,


sendo R$ 10,00 de corretagem, R$ 10,00 de
emolumentos e R$ 10,00 de liquidação.

Portanto, o custo total da compra das ações será de


R$ 500,00. Este valor dividido por 100 ações resulta
em R$ 5,00 por ação.

Ou seja, o custo de aquisição de cada ação será de R$


5,00.

Contadora da Bolsa 11
Como calcular o custo de aquisição usando a
média ponderada?

Exemplo:

Na primeira compra foram adquiridas 100 ações de


WXYZ11 ao custo de aquisição unitário de R$ 5,00,
totalizando R$ 500,00.

Na segunda compra foram adquiridas 300 ações de


WXYZ11 ao custo de aquisição unitário de R$ 7,00,
totalizando R$ 2.100,00.

Ao todo, foram compradas 400 ações de WXYZ11 ao


custo total de R$ 2.600,00. Este valor, dividido por
400 ações, resulta no custo unitário de R$ 6,50 por
ação, via média ponderada das duas compras.

Contadora da Bolsa 12
Como funciona a isenção dos R$ 20 mil para
ações?

Some todas as notas de corretagem de vendas do


mês, exceto de FIIs, e verifique:

Acima de R$ 20 mil: você tem que pagar IR sobre


todo o lucro de swing trade, inclusive o lucro de
ações.

Abaixo de R$ 20 mil: o lucro swing trade só do


mercado de ações é isento de IR.

Vale lembrar que toda operação lucrativa de day


trade gera necessidade de calcular o IR devido,
independente do valor envolvido.

Contadora da Bolsa 13
Como aplicar as alíquotas de imposto?

Sobre o lucro líquido multiplique a alíquota a que se


refere cada operação. Lembre-se de separar o que é
o lucro isento de ações.

Exemplo para o mês em que você vendeu menos de


R$ 20mil:

Operando em swing trade você teve lucro


acumulado de R$ 1.000,00 somando R$ 700,00 de
ações e R$ 300,00 de opções, futuro e operações em
termo.

Operando em day trade você acumulou um prejuízo


de R$ 2.000,00 em fevereiro.

Operando em FIIs você acumulou lucro de R$


3.000,00.

....

Contadora da Bolsa 14
Como aplicar as alíquotas de imposto?

O cálculo ficará da seguinte forma:

Isenção para o lucro de R$ 700,00 com ações. Já os


R$ 300,00 de lucro com opções, futuro e operações
em termo serão tributados em 15%, ou seja, R$
45,00.

Como houve prejuízo em day trade, não haverá


pagamento de Imposto de Renda.

O lucro obtido com fundos imobiliários é tributado


em 20%. Logo, se o lucro foi de R$ 3.000,00, o
tributo devido neste quesito será de R$ 600,00.

Somando o lucro de A com o lucro de C teremos um


valor total de R$ 645,00 que, no entanto, não será o
valor que deve ser preenchido na DARF, uma vez que
é preciso abater o IRRF que a corretora ou o banco
que intermediou as operações já adiantou para os
cofres públicos.

Contadora da Bolsa 15
M e s i g a n a s r e d e s s o c i a i s