Você está na página 1de 2

O LEGADO DA FEB

Se por um lado a convocação para a FEB encontrou um Brasil


dependente de recursos de toda ordem, sem indústrias de base, um mero
exportador de produtos agrícolas, borracha e minerais, pouco tempo mais
tarde construímos nossa primeira usina siderúrgica em Volta Redonda,
entrando assim, para valer no Séc XX..

Se em nossa viagem para a Europa nos deparamos com um Exército


dotado de material e armamento ultrapassado, com uma doutrina também
ultrapassada, no retorno dispúnhamos de uma tropa altamente adestrada,
dotada dos armamentos mais modernos da época. Mesmo com a
desmobilização daninha de todo o seu contigente ainda na Itália Se nos anos
40 a ameaça representada pelo poderio militar de nossos vizinhos argentinos
era fictícia ou não, no retorno da FEB ela verdadeiramente deixou de existir.

Na convocação da FEB vimos o deplorável estado de saúde do povo


brasileiro, um retrato de um povo doente e sem rede de saúde, dificultando
sobremaneira a mas sinalizando uma necessidade urgente das política
governamentais

Se o Brasil era visto com indiferença no cenário internacional, ao fim da


guerra voltou fortalecido e líder incontestável na América do Sul. Nossa
ambição de um assento permemnente não foi possível face a uma
incompreensível recusa em participar na ocupação da Itália no Pós-Guerra e,
principalmente, ao lamentável falecimento do presidente americano Franklin
Delano Roosevelt, principal aliado brasileiro e amigo pessoal de Getúlio
Vargas

Na partida e no retorno dos nossos comboios o presidente Getílio


Vargas esteve presente, incentivando nossos soldados e garantindo também
sua popularidade junto a FEB. Não foi suficiente. Antes mesmo do regresso
dos último contingente, o destino do ditador estava selado. Lutamos em defesa
da liberdade, da auto-determinação dos povos e pela democracia. Nosso povo
não mais viveria sob uma ditadura.
O convívio intenso entre brasileiros e americanos, lutando lado a lado
nos campos de batalha, mostrou aos brasileiros que com eles estiveram, do
que é capaz uma nação organizada e desenvolvida. A mera observação da
capacidade de mobilização, a abundância de recursos e a organização norte-
americanas nos fez ver o quanto o Brasil era pobre e atrasado.

Este convívio nos foi extremamente útil 20 anos depois. A admiração


pelo poderio econômico e bélico dos Estados Unidos e a confiança na liberal
democracia forjou líderes que evitaram um verdadeiro desastre nos rumos da
política brasileira.

Muitos dos militares presentes na FEB foram partícipes no Movimento


Cívico Militar de 31 de março de 1964, em particular o Capitão Humberto de
Alencar Castello Branco, Chefe da 3ª Seção da FEB, futuro presidente do
Brasil.
A iniciativa e clarividência de Castello Branco lançaram as bases para o
período de maior desenvolvimento da História do Brasil, livrando-nos das
garras do marxismo-leninismo, hoje uma doutrina morta e enterrada.