Você está na página 1de 1

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA
CURSO: FILOSOFIA.
DISCIPLINA:FILOSOFIA CONTEPORÂNEA.
DOCENTE: MAGNUS DAGIOS.
DISCENTE: JONATAN RAMOS DA SILVA ARAÚJO.

LIVRO SEGUNDO: Crítica dos Valores Superiores


Resumo
Partimos para expressão do pensamento do autor a cerca do texto abordando a sua crítica
à religião cristã, no tocante a causa de decadência humana, doença do pós modernismo
aponta as formas de interpretação de fenômenos de causa do pensamento e a causa de
sentimento recebida de forma ingênua equiparada a escala social. Das formas de
manifestação da alma e duramente criticada por se acreditar que certas emoções são
causadas pelo poder de alguém ou meramente manifestação inspirada por Deus.
Nietzsche acredita na multiplicidade de forças que estão em conflitos, as relações de
forças dominantes e forças dominadas. Aqui o conceito de alma e desvinculado na
questão do homem possuir um sistema nervoso e não uma alma como assim acreditada na
religião. A fé em Deus perdeu plausibilidade, fixando o niilismo. Contra o
arrependimento, qualquer sentimento para com seu próprio ato e uma espécie de
covardia, devendo ser abandonada “ convicção filosófica da necessidade absoluta de
todas as ações e, ao mesmo tempo, da total irresponsabilidade destas, se consegue
converter essa convicção, então desaparecerá este remorso de consciência”. Repreensão
do homem antigo para se torna o novo homem ,ou seja, salvo o que também chamado de
melhoramento moral. Quando o homem deixar de se entregar a certos atos praticando dali
por diante podemos chamar de penitência, salario desse alto custo da salvação da alma
aqui o autor acusa de ser arbitraria de cunho religioso falso controlado por moedas
psicológicas denominado “charlatanismo”. Aqui o engano e comumente e é
sistematizado sob o nome de “redenção” impera a lei enfadonha que só a divindade pode
ser autora da saúde da alma, e reveladora , e suprema, e necessária, etc... o homem se
torna escravo inofensivo e dependente, nesse momento apresenta-se a figura do sacerdote
que faze-se de passar pelo tipo superior da humanidade o representante imediato da
divindade. Então aqui rola o jogo o homem escravo de suas paixões denominada
“pecado”. Crítica a santa mentira aqui Nietzsche revela em que forma a mentira é
permitida, eis a teoria dos santos em três pontos distintos primeiro e mister que de seu
lado esteja o poder , segundo- e necessário conhecer todo o curso da natureza e terceiro e
indispensável que o domínio do poder seja mais que vasto. Conclusão para o autor a
substituição total de velhos valores sócias deve ser substituídos por novos e abrir espaço
para uma filosofia mais voltada para uma reflexão humanista e natural do homem.
.
Palavras-chave: Religião, Deus, alma, homem.