Você está na página 1de 72

DEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES DE CAMPO – F.O.D. !

"# $

Este manual pertence a Elevadores Otis Ltda., ficando proibida sua reprodução sem a
autorização expressa do Departamento de Operações de Campo – Centro Industrial de São
Bernardo do Campo.

Elevadores Otis Ltda. - 2006


MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

EM SERVIÇOS 2
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

INDÍCE

1 – INTRODUÇÃO AO CONTROLE INFOLEV IFL-750----------------------------------------------------------------------------- 5


2 – CARACTERÍSTICAS GERAIS DO IFL-750 --------------------------------------------------------------------------------------- 6
2.1 – FONTES DE ALIMENTAÇÃO --------------------------------------------------------------------------------------------------- 8
2.2 – PLACA ELETRÔNICA PRINCIPAL – IFL-750------------------------------------------------------------------------------- 8
3 – CAIXA DE INSPEÇÃO, BOTÃO DE EMERGÊNCIA E ILUMINAÇÃO NO FUNDO DO POÇO ---------------------- 9
4 – INTERFACES DE ENTRADA --------------------------------------------------------------------------------------------------------11
4.1 - SINAIS DE SEGURANÇA--------------------------------------------------------------------------------------------------------11
4.2 - SINAIS DE PASSADIÇO ---------------------------------------------------------------------------------------------------------11
4.3 - SINAIS DE PORTA ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------11
4.4 - FUNÇÕES ESPECIAIS -----------------------------------------------------------------------------------------------------------11
4.5 - SERVIÇO DE ASCENSORISTA------------------------------------------------------------------------------------------------12
4.6 - SINAIS RESERVAS ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------12
5 – INTERFACES DE SAÍDA -------------------------------------------------------------------------------------------------------------12
6 – INTERFACES DE CHAMADA -------------------------------------------------------------------------------------------------------13
7 – FUNCIONAMENTO---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------15
7.1 – OPERAÇÃO EM MANUAL (MODO DE CONSTRUÇÃO) ---------------------------------------------------------------15
7.2 – INICIALIZAÇÃO --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------16
7.3 – FALTA DE FASE-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------16
7.4 – SÉRIE DE SEGURANÇA --------------------------------------------------------------------------------------------------------17
7.5 - ENCODER ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------18
7.6 – PULSOS DO SELETOR - 2 VELOCIDADES -------------------------------------------------------------------------------19
7.7 – PULSOS DO SELETOR - 1 VELOCIDADE ---------------------------------------------------------------------------------20
7.8 - SENSORES MAGNÁTICOS-----------------------------------------------------------------------------------------------------21
7.9 - DISPOSIÇÃO DOS SENSORES NO TOPO DO CARRO----------------------------------------------------------------21
7.10 - DISTÂNCIA DOS IMÃS ---------------------------------------------------------------------------------------------------------22
7.11 - EXEMPLOS DE FIXAÇÃO DOS IMÃS NAS GUIAS---------------------------------------------------------------------22
7.11 - EXEMPLOS DE FIXAÇÃO DOS IMÃS NAS GUIAS---------------------------------------------------------------------23
7.12 - APLICAÇÃO PARA EQUIPAMENTOS DE 2 VELOCIDADES --------------------------------------------------------24
7.13 - APLICAÇÃO PARA EQUIPAMENTOS DE 1 VELOCIDADE ----------------------------------------------------------24
7.14 - QUANTIDADE DE IMÃS E SENSORES------------------------------------------------------------------------------------24
7.15 - DISTÂNCIAS ENTRE LIMITES SUPERIORES ---------------------------------------------------------------------------25
7.16 - DISTÂNCIAS ENTRE LIMITES INFERIORES ----------------------------------------------------------------------------25
7.16 - DISTÂNCIAS ENTRE LIMITES INFERIORES ----------------------------------------------------------------------------26
7.17 – SELEÇÃO DE VIAGEM --------------------------------------------------------------------------------------------------------26
7.17 – SELEÇÃO DE VIAGEM --------------------------------------------------------------------------------------------------------27
8 – FUNÇÕES DO COMANDO IFL-750 (MÓDULOS OPERACIONAIS) ------------------------------------------------------27
8.1 - ESTACIONAMENTO PREFERÊNCIAL (EST) ------------------------------------------------------------------------------27
8.2 - PROTEÇÃO CONTRA CHAMADAS FALSAS (CCF) ---------------------------------------------------------------------27
8.3 - OPERAÇÃO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO (OEI)-----------------------------------------------------27
8.4 - VENTILAÇÃO FORÇADA NA CABINA E/OU MOTOR DE TRAÇÃO (VNT) ---------------------------------------27
8.5 - PROTEÇÃO DO MOTOR DO OPERADOR DE PORTA -----------------------------------------------------------------28
8.6 - PROTEÇÃO DO MOTOR DE TRAÇÃO --------------------------------------------------------------------------------------28
8.7 - REABERTURA DA PORTA PELO BOTÃO DE PAVIMENTO (EXPO) -----------------------------------------------28
8.8 - CORTE DO TEMPO DE PARTIDA --------------------------------------------------------------------------------------------28
8.9 ESTRATÉGIA PARA BOTÕES PRESOS--------------------------------------------------------------------------------------28
8.10 - FOTOCÉLULA---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------28
8.11 - ESTRATÉGIAS ESPECIAIS ---------------------------------------------------------------------------------------------------28
9 - INDICADOR DE POSIÇÃO DIGITAL (IPD) ---------------------------------------------------------------------------------------29
10 - OPERAÇÃO DUPLEX ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------29
10.1 - DUPLEX ASSIMÉTRICO -------------------------------------------------------------------------------------------------------30
10.2 - PLACA PCC------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------30
10.3 - FUNCIONAMENTO DA PLACA PCC ---------------------------------------------------------------------------------------31
10.4 - PROTEÇÃO CONTRA CARRO DEMORADO ----------------------------------------------------------------------------31
10.5 - OPERAÇÃO COM ATE 6 ELEVADORES----------------------------------------------------------------------------------32
10.6 - OPERAÇÃO TRIPLEX COM PAINEL DE TRÁFEGO -------------------------------------------------------------------32
11. FONTE DE ALIMENTAÇÃO----------------------------------------------------------------------------------------------------------33
12 – CONECTORES DA PLACA IFL-750----------------------------------------------------------------------------------------------34
13 – PROGRAMAÇÕES -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------35
13.1 - PROGRAMAÇÃO DE MEMÓRIAS PADRÕES ---------------------------------------------------------------------------37
14 – LED’S MONITORES ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------38
14.1 - SINAIS DO PASSADIÇO -------------------------------------------------------------------------------------------------------38
14.2 - PROGRAMAÇÕES E FUNÇÕES --------------------------------------------------------------------------------------------38
EM SERVIÇOS 3
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

15 – CIRCUITOS ELÉTRICOS -----------------------------------------------------------------------------------------------------------39


15.1 - NOMENCLATURA UTILIZADA -----------------------------------------------------------------------------------------------39
15.2 - SIMBOLOGIA UTILIZADA------------------------------------------------------------------------------------------------------40
15.3 – CIRCUITO ELÉTRICO EM DETALHES ------------------------------------------------------------------------------------41
16 – INTRODUÇÃO AO COMANDO IFL-VVVF --------------------------------------------------------------------------------------57
17 – CONHECENDO O INVERSOR DE FREQUÊNCIA ---------------------------------------------------------------------------57
18 - USO DA IHM – INTERFACE HOMEM MÁQUINA -----------------------------------------------------------------------------58
18.1 – FUNÇÕES DO DISPLAY DE LED´S ----------------------------------------------------------------------------------------58
18.2 – FUNÇÕES DO DISPLAY LCD - Cristal Líquido --------------------------------------------------------------------------59
18.3 – VISUALIZAÇÃO E ALTERAÇÃO DE PARÂMETROS ------------------------------------------------------------------59
19 - CIRCUITO ELETRICO FOLHA 3 IFL-VVVF-------------------------------------------------------------------------------------62
20 - CONTROLE DE TORQUE VETORIAL VVW (novo software Weg V2.50) -----------------------------------------------63
20.1 – PROCEDIMENTO DE START-UP E AJUSTE DO CFW09------------------------------------------------------------63
20.2 - INSTRUÇÃO PARA CÁLCULO DE VELOCIDADE ----------------------------------------------------------------------67
21 – TABELA DE PARÂMETROS -------------------------------------------------------------------------------------------------------68
22 - ERROS E POSSÍVEIS CAUSAS---------------------------------------------------------------------------------------------------69

EM SERVIÇOS 4
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

1 – INTRODUÇÃO AO CONTROLE INFOLEV IFL-750

Este documento foi desenvolvido para instruir os técnicos de campo da Elevadores Otis a executar ajustes e
atendimento de chamados específicos em comandos IFL-750.

Este tipo de equipamento é aplicado em edifícios com até 32 paradas em módulo simplex, duplex ou grupo de
carros, coletivo na descida ou coletivo seletivo. Pode ser aplicado em elevadores de 1 ou 2 velocidades, bem
como VVVF.

EM SERVIÇOS 5
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

2 – CARACTERÍSTICAS GERAIS DO IFL-750

Drive Weg Fonte de


Fonte de Placa IFL
CFW 09 alimentação
alimentação 750
do Freio
do controle

Resistores
de
frenagem
Comando
de inspeção
Placas no controle
EROP

Placas de
Falta ou Interface de
inversão de sinais
fase

Contatoras
Indutor CC EM e SG

Conectores
Contatora M de ligação
do motor de cabos de
manobra e
pré-fiação

Tomada
110V ou
220V Disjuntores
R1, S1 ,T1
LZ3 E LZ4

Fonte de Contatoras
alimentação dos S, D e BR
indicadores de
posição

EM SERVIÇOS 6
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

Antes de iniciar qualquer trabalho a energia deve ser levada para o Estado Zero e Bloqueada

O que é Estado Zero de Energia ?

É a eliminação da energia deforma que não represente qualquer perigo.

O que é Bloqueada ?

Colocar o cadeado e nunca somente desligar.


- Cadeado de quem bloqueou.
- Deve ser usado um cadeado por pessoa.
- Etiqueta com o NOME da pessoa.

O correto é se afastar da frente da chave para desligar ou ligar.

Verificando Estado Zero de Energia

Antes de tudo Testar o seu Multímetro em uma tomada com tensão conhecida.

Depois Testar o Estado Zero entre fase e terra.

EM SERVIÇOS 7
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

2.1 – FONTES DE ALIMENTAÇÃO

Entradas: 220VAC (com opção 380VAC OU 440VAC)


Saídas: 60VCC/20VCC/10VCC

2.2 – PLACA ELETRÔNICA PRINCIPAL – IFL-750

A placa IFL-750 é constituída por um Microprocessador de 8 ou 16 bits, memória RAM de 2kb, memória EPROM
de 16kb e interface de comunicação serial no padrão RS422 assíncrona.

Possui também:

28 interfaces de entrada para leitura de sinais de segurança, passadiço e cabina;


13 interfaces de saída para acionamentos diversos;
14 interfaces de saída para indicadores digitais;
96 interfaces de leitura e iluminação de botões de chamada.

EM SERVIÇOS 8
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

3 – CAIXA DE INSPEÇÃO, BOTÃO DE EMERGÊNCIA E ILUMINAÇÃO NO FUNDO DO POÇO

CAIXA DE INSPEÇÃO BOTÃO DE EMERGÊNCIA E ILUMINAÇÃO NO


FUNDO DO POÇO

O que é ter o Controle do Elevador ?

- É quando o elevador só obedece a você.


- O elevador só se movimenta quando você comandar.
- O elevador não atende a nenhum chamado de usuário nem de outro colega.

O Controle do Elevador deve ser mantido durante todo o tempo em que se trabalha
dentro do passadiço.

Como se consegue o Controle do Elevador ?

Antes de entrar no passadiço: Testar e Verificar duas seguranças de maneira


Independente

EM SERVIÇOS 9
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

Todas as ligações entre cabina e controle são realizadas através de conectores instalados na parte interna da
caixa de inspeção.

EM SERVIÇOS 10
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

4 – INTERFACES DE ENTRADA

O controle IFL-750 possui 28 entradas destinadas aos dispositivos de segurança (contatos de segurança, contatos
de portas, etc.). Estas entradas operam com tensão de 60VCC ou 0V, conforme a condição que está sendo
monitorada. A cada entrada está associado um LED que monitora a condição que é lida pela interface, para
auxiliar no diagnóstico de falhas.

4.1 - SINAIS DE SEGURANÇA

SINAL DESCRIÇÃO EQUIVALENTE


OTIS
EM Informa o estado do circuito de segurança. ES
SG Informa o estado do circuito de segurança com o carro em movimento. ES
FIF Identifica falta ou inversão de fase. J

4.2 - SINAIS DE PASSADIÇO

SINAL DESCRIÇÃO EQUIVALENTE


OTIS
LA Informação referente aos limites de alta velocidade na subida e na descida. 3LS/4LS
LD Informação referente ao limite de parada de descida. 1LS
LS Informação referente ao limite de parada de subida. 2LS
INA/INS Sinal de para redução de velocidade (alta para baixa) na subida. Também é IPU
utilizado para a atualização dos indicadores de posição.
INB/IND Sinal de para redução de velocidade (alta para baixa) na descida. Também é IPD
utilizado para a atualização dos indicadores de posição.
ISD Sinal de corte da manobra de parada do carro. DZ/LV

4.3 - SINAIS DE PORTA

SINAL DESCRIÇÃO EQUIVALENTE


OTIS
LPA Sinal do contato de limite de porta aberta. DOL
PC Sinal do contato de porta totalmente fechada. GS
PP Informa o estado do circuito de portas de pavimento. DW
FC Sinal de fotocélula ou detector eletrônico. DOB
RMTE Sinal de rampa móvel eletromagnética. Não se aplica

4.4 - FUNÇÕES ESPECIAIS

SINAL DESCRIÇÃO EQUIVALENTE


OTIS
OEI Operação em caso de incêndio. Está ligada a uma chave que quando acionada EFO
inibe as chamadas registradas forçando o carro a se dirigir para o andar principal
permanecendo parado até que esta condição seja desfeita.
PO Sinal de contato de reabertura de porta. DOB/SGS
P10 e P11 Estas duas entradas conjugadas determinam se o carro deve atender além do andar
principal:
• Todas as chamadas de pavimento Não se aplica
• Pavimentos alternados a partir do pavimento inferior;
• Pavimentos alternados a partir do pavimento inferior + 1;
• Nenhuma chamada de pavimento, com exceção do pavimento principal.
AUT Sinal que informa o modo de operação automático/manual (normal / inspeção) INS

EM SERVIÇOS 11
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

4.5 - SERVIÇO DE ASCENSORISTA

SINAL DESCRIÇÃO EQUIVALENTE


OTIS
ASC Informa ao controle se o carro está operação normal ou ascensorista. ATT
S (D) Sinal que permite ao ascensorista a mudar a direção de subida para descida ou Não se aplica
vice-versa. Também utilizada para informar direção em modo manual-inspeção.
P Sinal do botão de fechamento de porta. DCB

4.6 - SINAIS RESERVAS

SINAL DESCRIÇÃO EQUIVALENTE


OTIS
M1M2 Sinal reserva, podendo ser utilizado para funções com CODE. Não se aplica
RS1 Sinal reserva, podendo ser utilizado para ativar/desativar serviço de mudança. (ver Não se aplica
configuração do comando)
RS2 Sinal reserva. Não se aplica
TRR Sinal reserva,podendo ser utilizado também na função de serviço de mudança. (ver Não se aplica
configuração do comando)

Os sinais reservas normalmente são configurados para aplicações diversas, variando de caso para caso.
Quaisquer que sejam suas respectivas utilizações, serão encontradas no circuito elétrico suas devidas aplicações.

5 – INTERFACES DE SAÍDA

O controle IFL-750 possui 13 saídas transistorizadas responsáveis pelo acionamento dos respectivos relés e
contatoras que compõe o controle. As contatoras aplicadas no controle Ifolev trabalham com bobinas com tensão
de 220VAC, para isso é utilizada uma placa de interface IROP. Esta placa tem a função de acionar as contatoras e
isolar a placa eletrônica principal IFL-750 do circuito de 220VAC que alimenta as contatoras.

Placas de interface IROP

Nas placas IFL-750 e IROP existem LED´s que monitoram a operação das contatoras, ou seja, quando uma
contatora for acionada, o LED que corresponda à mesma acenderá.

EM SERVIÇOS 12
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

SINAL DESCRIÇÃO EQUIVALENTE


OTIS
SB Aciona a contatora S de subida. U
DC Aciona a contatora D de descida. D
AT Aciona a contatora A de alta velocidade. T
BX Aciona a contatora B de baixa velocidade. G
RA Aciona a contatora RA que elimina as resistências de alta velocidade. É acionada 1A
num determinado tempo após a partida, este tempo pode ser ajustado através do
potenciômetro CRA na placa IFL-750.
RB Aciona a contatora RB que elimina as resistências de baixa velocidade. É acionada 2A
num determinado tempo após a partida, este tempo pode ser ajustado através do
potenciômetro CRB na placa IFL-750.
PA Aciona a contatora PA de abertura de porta. DO
PF Aciona a contatora PF de fechamento de porta. DC
PM Aciona a contarora PM sinal de elevador preso (SEP). É utilizada também para fazer DCP
um estágio de velocidade no IFL-VVVF e IFL-CC.
RMT Aciona a contatora RMT de acionamento da rampa eletromagnética. Não se aplica
VNT Aciona a contatora VNT de acionamento da ventilação forçada da máquina e ou BLM
ventilador de cabina.
GS Aciona indicadores de direção de subida ou relés auxiliares para outras tensões. HUDL
GD Aciona indicadores de direção de descida ou relés auxiliares para outras tensões. HDDL

6 – INTERFACES DE CHAMADA

São através destas interfaces que o controle se comunica com todos os botões de chamada, sendo até 32 botões
de cabina, 32 botões de chamada de hall de descida e 32 de chamada de subida.. Estes sinais operam com
tensão de 20VCC pulsante. Devem ser utilizados botões compatíveis ao controle IFL-750.

SINAL Sinais p/ iluminação dos botões SINAL Sinais p/ registro de chamada


LD0 Iluminação dos botões 00, 08, 16, 24 BT0 Registro das chamadas 00, 08, 16, 24
LD1 Iluminação dos botões 01, 09, 17, 25 BT1 Registro das chamadas 01, 09, 17, 25
LD2 Iluminação dos botões 02, 10, 18, 26 BT2 Registro das chamadas 02, 10, 18, 26
LD3 Iluminação dos botões 03, 11, 19, 27 BT3 Registro das chamadas 03, 11, 19, 27
LD4 Iluminação dos botões 04, 12, 20, 28 BT4 Registro das chamadas 04, 12, 20, 28
LD5 Iluminação dos botões 05, 13, 21, 29 BT5 Registro das chamadas 05, 13, 21, 29
LD6 Iluminação dos botões 06, 14, 22, 30 BT6 Registro das chamadas 06, 14, 22, 30
LD7 Iluminação dos botões 07, 15, 23, 31 BT7 Registro das chamadas 07, 15, 23, 31

SINAL Varredura dos botões de descida SINAL Varredura dos botões de subida
V00 Varredura dos botões de 00 ao 07 V04 Varredura dos botões de 00 ao 07
V01 Varredura dos botões de 08 ao 15 V05 Varredura dos botões de 08 ao 15
V02 Varredura dos botões de 16 ao 23 V06 Varredura dos botões de 16 ao 23
V03 Varredura dos botões de 23 ao 31 V07 Varredura dos botões de 23 ao 31

SINAL Varredura dos botões de cabina


V08 Varredura dos botões de 00 ao 07
V09 Varredura dos botões de 08 ao 15
V10 Varredura dos botões de 16 ao 23
V11 Varredura dos botões de 23 ao 31

EM SERVIÇOS 13
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

O carro pode ser controlado através do uso de uma estação de inspeção do topo do carro ou usando-se
controles pendentes.

Os requisitos de precaução para ambos os métodos de controle incluem:

- operadores treinados e autorizados


- utilização de sistemas de proteção contra quedas (se necessário)
- Carro/contrapeso corretamente balanceados
- Utilização de proteção sobre a cabeça (se necessário)
- sistema de alarme/advertência afixado na base do carroseguranças instaladas e em funcionamento -
entradas instaladas e adequadamente protegidas
- carro operado somente na velocidade de inspeção
- freios apropriadamente ajustados compensações (se necessárias) apropriadamente determinadas e
instaladas

As chaves pendentes devem ser projetadas e construídas para as seguintes especificações de design de
desempenho:

Desempenho - As chaves pendentes devem operar somente na baixa velocidade/ velocidade de inspeção.

Design - As chaves pendentes devem ser projetadas para suportar o ambiente de instalação. Estas devem
ser construídas de forma que sejam resistentes à água e a choques.

Controles - Os requisitos de design que se seguem para a caixa de inspeção do topo do são aplicáveis:

- Chave de parada de emergência


- Botões de direção “UP” (para cima) e “down” (para baixo) e comum.

Controles protegidos com exceção da chave de emergência desacoplada.


Todos os mecanismos de controle requerem o uso de botões de pressão positiva que previnem a
operação acidental. O intuito é assegurar que a ativação dos botões de controle seja deliberada e
intencional

Controles operacionalizáveis com etiquetas agrupadas a seus respectivos controles, na altura apropriada,
aparência adequada e durável no ambiente de instalação. As etiquetas devem estar impressas na Língua
do país em que estão sendo utilizadas.

EM SERVIÇOS 14
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

7 – FUNCIONAMENTO

7.1 – OPERAÇÃO EM MANUAL (MODO DE CONSTRUÇÃO)

O IFL-750 permite que o carro seja movimentado através do comando de inspeção localizado no controle,
podendo ser instalado um comando sobe-desce conectado ao mesmo através do Jumper Ferramenta. Para
colocar o controle em modo de inspeção basta deixar a chave AUT/MAN na posição MAN, com isso o Led AUT se
apagará e o Led MAN acenderá.

Ao entrar em modo de inspeção o controle paralisa o elevador (caso esteja em movimento). Com a contatora EM
ligada (todas as condições de emergência satisfeitas) e portas de pavimento fechadas (Led PP apagado) o
controle aciona o fechamento de porta de cabina.
Após o fechamento total da porta de cabina, o controle obedece aos comandos das chaves SOBE e DESCE
localizado no mesmo, através da caixa de inspeção no topo do carro MC-MS (sobe) e MC-MD (desce) ou através
do comando sobe-desce conectado ao controle através do Jumper Ferramenta.

!!! ATENÇÃO !!!

NESTA ETAPA UTILIZE SOMENTE O JUMPER


FERRAMENTA ESPECÍFICO PARA ESTE EQUIPAMENTO
EM CONJUNTO COM O COMANDO SOBE-DESCE

Nos equipamentos de 2 velocidades o carro somente se movimentará na velocidade baixa.


Nas condições em que as contatoras EM (série de emergência) ou SG (série de segurança) por algum motivo
operarem, o carro irá parar imediatamente. Ao atingir o limite de subida (LS), automaticamente é bloqueado o
carro para subir, o mesmo ocorre no limite de descida (LD).

Sempre que atingir o limite de subida ou de descida, é acertada a posição do carro no indicador de posição. Com
o carro em movimento, os pulsos de subida e de descida fazem com que a posição exibida no IPD (Indicador de
posição Digital) seja atualizada.

Ao ser ligado o equipamento desconhece a sua posição, só acertando sua posição ao atingir um dos extremos.
Em modo de inspeção, nenhuma chamada é registrada, e a ventilação forçada permanece ligada.

EM SERVIÇOS 15
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

7.2 – INICIALIZAÇÃO

No instante que o controle é energizado, o computador da placa de comando inicia um procedimento de autoteste
para iniciar o seu funcionamento normal. Este procedimento também é realizado após se colocar novamente o
comando em modo automático (modo normal), ou depois de restabelecida a condição de falta de fase.

Inicialmente, o controle desconhece o andar em que se encontra, fecha a porta de cabina e faz uma corrida para o
extremo inferior. Este processo só é possível desde que todas as condições de segurança estejam satisfeitas,
permitindo o movimento do carro.

7.3 – FALTA DE FASE

No controle existe um detector para falta ou inversão de fase (PPF-750). Quando a ligação das fases é feita na
seqüência correta e as três fases estão presentes, o led deste dispositivo deve ficar aceso, indicando o
funcionamento normal. Pelo terminal FIF, este dispositivo envia para a placa principal um sinal de 60VCC,
mantendo o led FIF da placa de comando apagado. O detector de Falta de Fase (PPF-750), possui um
potenciômetro para ajuste de sua sensibilidade. Se for notado que no momento da partida do motor o detector
acuse falta de fase, deve-se diminuir a sua sensibilidade.

A placa do comando IFL-750 ao receber o sinal indicando a falta de uma das fases ou inversão das mesmas,
conta 2 segundos e desliga todos os motores do sistema do elevador, só retornando ao funcionamento normal
após o restabelecimento das fases, iniciando o processo de reinicialização.

Potenciômetro
de ajuste

Seguranças ?

Testar e Verificar duas seguranças de maneira Independente

Segurança é um contato que desliga o funcionamento do motor.

Exemplos: Chave Emergência, Chave Inspeção, Contato de Porta, Chave SOS.

Independente ? Testar e Verificar duas seguranças de maneira Independente

Testar de maneira independente é desligar um contato de cada vez e fazer o teste somente deste contato.
Para este teste não pode haver nenhum outro contato aberto ao mesmo tempo.

Exemplos:
1- Quando for testar o contato de emergência, o carro não pode estar nem em inspeção nem com a porta
aberta.
2- Quando for testar o contato de inspeção, o botão de emergência deve estar ligado e as portas fechadas.

EM SERVIÇOS 16
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

7.4 – SÉRIE DE SEGURANÇA

O controle é dotado de dois relés: EM (emergência) e SG (segurança) respectivamente, responsáveis pela


supervisão das condições de segurança do elevador. Estas condições são monitoradas pela placa eletrônica de
comando simultaneamente e impedem o movimento do carro. Em condições normais, o relé EM deve estar ligado,
ou seja, a sua série de segurança deve estar satisfeita. Por exemplo, se o relé térmico desarmar, o relé EM vai
desligar.

O relé SG monitora as condições de segurança das portas de pavimento, porta de cabine e trincos. Após o
fechamento das portas de pavimento e cabina, o relé SG liga habilitando as condições de segurança para o
movimento do carro.

EM SERVIÇOS 17
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

7.5 - ENCODER

Os equipamentos com velocidade superiores ou igual a 90 m/min trabalham com sistema de malha fechada
através de encoder.

Detalhe do acoplamento do encoder

EM SERVIÇOS 18
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

7.6 – PULSOS DO SELETOR - 2 VELOCIDADES


A seleção de pulsos de mudança de velocidade e parada do carro podem ser
geradas de diversas maneiras, tais como, contato de fita seletora, molinhas,
sensores magnéticos, etc de modo que cada vez que o carro passar nestas
determinadas posições será gerado um sinal compatível (pulso de 60 Volts
corrente contínua). Podemos imaginar este sensor como um sinal de um
contato NA ou NF, configurado pelo programa de controle de acordo com a
necessidade.

INS - (SNA1 SNA2) pulso do seletor e corte de alta para as viagens de


subida
IND - (SNB1 SNB2) pulso do seletor e corte de alta para as viagens de
descida
ISD - (S1S S2D) corte da baixa velocidade.
IS1 – corte de baixa para subida
ID1 - corte de baixa para descida

Na figura ao lado temos uma ilustração de um sistema de seletor típico para


elevadores com duas velocidades.
Podemos notar que além dos sensores que geram os pulsos e cortes,
encontramos limites de segurança nos extremos.No extremo superior temos o
limite de curso (LCS), o limite de subida (LS1) e o limite de alta velocidade
(LS3).
Em viagem de subida, ao atingir o limite de alta velocidade (LS3), o comando
automaticamente desliga a alta velocidade e liga a baixa. Note que o corte de
alta ocorre tanto pelo limite de alta como pelo pulso (INS) do pavimento
superior. Em condições normais, o corte de alta velocidade deve ser feito
preferencialmente pelo pulso de subida, deixando o corte pelo limite somente
para condições de falha no sistema do seletor.
Devemos colocar o limite de alta ligeiramente acima do pulso de subida, de tal
forma que o carro acione o pulso de subida antes que o limite de alta
velocidade.

O carro quando em viagem de subida em alta velocidade, ao atingir (LS3),


automaticamente corrige a sua posição para a posição programada como
pavimento superior.
Já em baixa velocidade, o comando fica aguardando o sinal de parada (ISD)
ou o limite de subida (LS1).
Desta forma o comando faz a parada com uma seqüência de desligamento
ideal para as contatoras, colocando todo o esforço de desligamento nas
contatoras A e RA, poupando as contatoras S e D. O limite de subida (LS1)
deve atuar somente no caso de falha no sistema do seletor.

Em viagem de descida, a cada pulso do seletor (IND), o comando


automaticamente atualiza a sua posição e analisa se deve parar ou não neste
pavimento. Caso haja chamada no pavimento e selecionada a parada, o
comando passa para a baixa velocidade e aguarda o sinal de parada de
descida (ID1) para completar a manobra. Uma vez atingida a parada, o
sistema de freio é acionado e temos então, a abertura das portas.
Ainda em viagem de descida, ao atingir o limite de alta velocidade (LD3), o
comando passa para a baixa velocidade e faz a parada ao atingir o limite de
descida (LD1) ou o sinal de parada de descida (ID1).
Note que no extremo inferior o corte de alta pode ser feito tanto pelo limite de
alta de descida (LD3) quanto pelo sinal de pulso de descida (IND). Devemos
optar preferencialmente pelo corte pelo sinal de pulso de descida (IND).

Em viagem de descida, ao atingir o limite de alta velocidade, o comando


automaticamente corrige a sua posição para o andar inferior, bem como ao
atingir o limite de descida.

Em viagem de subida, a cada pulso do seletor (INS), o comando


automaticamente atualiza a sua posição e analisa se deve parar ou não neste
pavimento. Caso haja chamada no pavimento e selecionada a parada, o
comando passa para a baixa velocidade e aguarda o sinal de parada de
subida (IS1) para completar a manobra. Uma vez atingida a parada, o sistema
de freio é acionado e temos então, a abertura das portas.

Os limites de fim de curso (LCS e LCD), só são atingidos pelo carro em caso
de falha no sistema. Eles desligam a série do relé EM (emergência) impedindo
o movimento do carro. O carro só vai poder ser colocado novamente em
movimento utilizando-se o botão de limite de curso (BLC), que completa a
série de emergência e, em manual, coloca-se o carro novamente dentro do
curso.

EM SERVIÇOS 19
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

7.7 – PULSOS DO SELETOR - 1 VELOCIDADE

– INA / INS - (SNA1 SNA2) pulso do seletor e parada para as viagens


de subida;
– INB / IND - (SNB1 SNB2) pulso do seletor e parada para as viagens
de descida.

Na figura ao lado temos uma ilustração de um sistema de seletor


típico para elevadores com uma velocidade.

Podemos notar que além dos sensores que geram os pulsos e cortes,
encontramos limites mecânicos de segurança nos extremos.

No extremo superior temos o limite de fim curso na subida (LCS) e o


limite de subida (LS1). O mesmo ocorre no extremo inferior (LCD e
LD1).

Em viagem de subida, ao atingir o limite de subida (LS1),


automaticamente desliga o motor de tração, completando assim a
parada. Também corrige os indicadores de posição para marcar a
última parada do extremo superior programada na placa.

Note que a parada ocorre tanto pelo limite de subida (LS1) como pelo
sinal de parada e pulso de subida (INS) do pavimento superior.

Em condições normais, a parada deve ser feita preferencialmente


pelo sinal de pulso de subida, deixando o corte pelo limite somente
para condições de falha no sistema do seletor. Devemos colocar o
limite de subida ligeiramente acima do pulso de subida, de tal forma
que o carro receba o pulso de subida antes do limite de subida. O
mesmo processo ocorre nas viagens de descida, só que com os
limites e sensores de descida.

Em viagem de descida, a cada pulso de descida (IND), o comando


automaticamente atualiza a sua posição e analisa se deve parar ou
não neste pavimento. Caso haja chamada no pavimento e
selecionada a parada, o comando desliga o motor de tração e
completa a manobra. Uma vez atingida a parada, o sistema de freio é
acionado e temos então, a abertura das portas. O mesmo processo
ocorre em viagens de subida, porem com os sensores e pulsos de
subida.

Os limites de fim de curso (LCS e LCD), só são atingidos pelo carro


em caso de falha no sistema. Eles desligam a série do relé EM
(emergência) impedindo o movimento do carro. O carro somente irá
poder ser colocado novamente em movimento utilizando-se o botão
de limite de curso (BLC), que completa a série de emergência e, em
manual, coloca-se o carro novamente dentro do curso.

Botão BLC
Retirar carro
do limite

EM SERVIÇOS 20
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

7.8 - SENSORES MAGNÁTICOS

L7 é a distância mínima entre o sensor e o imã fixo na guia.


O sensor nunca deve tocar o imã.

7.9 - DISPOSIÇÃO DOS SENSORES NO TOPO DO CARRO

Os sensores são fixos na cabina (como mostra a figura abaixo), os imãs (magnetos de acionamento) são presos
às guias, embora os imãs fiquem atracados naturalmente à guia, recomenda-se aplicar uma camada de adesivo
entre os dois corpos, para evitar o seu deslocamento acidental por ocasião de limpeza das guias durante as
manutenções preventivas.

EM SERVIÇOS 21
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

7.10 - DISTÂNCIA DOS IMÃS

IND
INS Pulso e corte de alta na subida

INS

ISD
IND Pulso e corte de alta na descida
ISD Parada nos sentidos de subida e descida

5ª Parada

Imã de parada
descendo

4ª Parada

Imã de parada
subindo

3ª Parada
7 cm
1,50m

7 cm

2ª Parada
1,50m

1ª Parada

EM SERVIÇOS 22
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

7.11 - EXEMPLOS DE FIXAÇÃO DOS IMÃS NAS GUIAS

Imã para o Imã para o


sinal ISD, sinal INB,
Imã para o sinal de pulso de
sinal INB, parada descida
corte de alta
na descida

Imã para o Imã para o


sinal INA, sinal INB,
corte de alta pulso de
na subida subida

EM SERVIÇOS 23
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

7.12 - APLICAÇÃO PARA EQUIPAMENTOS DE 2 VELOCIDADES

7.13 - APLICAÇÃO PARA EQUIPAMENTOS DE 1 VELOCIDADE

PULSO DE DESCIDA

PULSO DE SUBIDA

7.14 - QUANTIDADE DE IMÃS E SENSORES

TECNOLOGIA SENSORES IMÃS


1 VELOCIDADE 2 2 POR PARADA*
2 VELOCIDADES 3 4 POR PARADA*
IFL-VVVF 4 4 POR PARADA

*Na quantidade total de imãs podemos descontar 4 imãs no seletor para 2 velocidades, 2 imãs
no seletor para 1 velocidade. Para IFL-VVVF utilizar imãs nos Extremos.

EM SERVIÇOS 24
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

7.15 - DISTÂNCIAS ENTRE LIMITES SUPERIORES

LCS

0,20 m

LS1

1,50 m

LS2

POSIÇÃO DOS LIMITES SUPERIORES

• O limite LS1 é instalado com o carro


nivelado na última parada logo acima da
rampa fixa para que seja acionado após
passar 50mm do pavimento.
3,00 m
• O limite LS1 é a referência para os
demais, sendo que LS2 é instalado a
1,50 m abaixo de LS1.
• O limite LS3 é instalado 3,00 m abaixo
do limite LS2.
• LCS é instalado a 0,20 m acima de LS1.

LS1 Limite de parada na subida


LS2 Limite de “Alta 1” na subida
LS3 Limite de “Alta 2” na subida
LCS Limite fim de curso na subida

LS3

EM SERVIÇOS 25
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

7.16 - DISTÂNCIAS ENTRE LIMITES INFERIORES

LD3

POSIÇÃO DOS LIMITES INFERIORES

• O limite LD1 é instalado com o carro


nivelado na primeira parada logo abaixo
da rampa fixa para que seja acionado
após passar 50mm do pavimento.
• O limite LD1 é a referência para os
demais, sendo que LD2 é instalado a
1,50 m acima de LD1.
• O limite LD3 é instalado 3,00 m acima 3,00 m
do limite LD2.
• LCD é instalado a 0,20 m abaixo de
LD1.

LD1 Limite de parada na descida


LD2 Limite de “Alta 1” na descida
LD3 Limite de “Alta 2” na descida
LCD Limite fim de curso na descida

LD2

1,50 m

LD1

0,20 m

LCD

EM SERVIÇOS 26
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

7.17 – SELEÇÃO DE VIAGEM

O IFL-750 pode trabalhar com comando automático coletivo e seletivo ou coletivo na descida. O comando permite
que em todos os pavimentos possa existir dupla seleção (dois botões de chamada, de subida e de descida).

A instalação é feita de acordo com o edifício em questão, somente dependendo da forma de como é feita a ligação
dos botões. Não existem limitações para o número de sub-solos. Subindo o comando atende todas as chamadas
de subida registradas, bem como as chamadas de cabina. As chamadas de descida permanecem registradas, só
sendo atendidas quando o carro estiver descendo.

O comando mantém o sentido de subida enquanto existirem chamadas de cabina ou externas de subida acima do
andar em que se encontra, não existindo nenhuma destas acima, o comando atende a chamada externa de
descida mais alta acima de onde se encontra, fazendo neste andar uma parada e a inversão de direção, ou seja,
atinge este andar e como a chamada é de descida, troca de direção de corrida, iniciando o atendimento das
chamadas externas de descida e as chamadas de cabina nesta mesma direção.

O sentido de viagem pode ser observado pelas setas nos pavimentos (sinais GS e GD). Ao realizar uma parada, a
direção assumida é mantida por um tempo pré-determinado, não existindo mais chamadas, após este tempo, o
elevador fica sem direção. No caso de existirem outras chamadas, o comando analisa a direção que será
assumida, por exemplo, caso exista uma chamada de descida no pavimento e esta ter sido a razão da parada do
carro que estava subindo, o carro faz uma parada por inversão, assumindo o sentido de descida. Ainda, neste
exemplo, se existir uma chamada de cabina neste pavimento, a parada seria feita pela chamada de cabina, e não
pela chamada externa, mantendo o sentido de subida, sem cancelar a chamada externa de descida.

O cancelamento das chamadas e feito automaticamente pelo comando, só dependendo das condições de viagem
e estratégias assumidas.

8 – FUNÇÕES DO COMANDO IFL-750 (MÓDULOS OPERACIONAIS)

8.1 - ESTACIONAMENTO PREFERÊNCIAL (EST)

Após decorrido um intervalo de tempo pré-determinado (normalmente 60 segundos) e se nenhuma chamada tiver
sido registrada, o carro é automaticamente enviado para o andar de estacionamento (programado na placa
principal). Em casos de operação DUPLEX, será enviado ao andar de estacionamento o carro mais próximo. Essa
função pode ser desabilitada pela micro-chave EST na placa de comando. Com o led EST aceso, o carro vai para
o andar de estacionamento, com o led apagado permanece no último atendido até que seja realizada outra
chamada.

8.2 - PROTEÇÃO CONTRA CHAMADAS FALSAS (CCF)

Sempre que o carro pára em um pavimento e nenhuma passageiro deixa a cabina, o comando detecta uma
chamada inútil. Após 3 chamadas inúteis, o comando automaticamente cancela todas as chamadas de cabina
ainda existentes. Esta operação não interferirá com as chamadas registradas nos pavimentos.

8.3 - OPERAÇÃO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO (OEI)

Este módulo operacional permite chamar com rapidez todos os carros ao andar principal em caso de emergência.
Um interruptor instalado na portaria ativa a operação de emergência, cancelando todas as chamadas registradas
(internas e externas), não permitindo novas chamadas, fazendo com que o carro se dirija ao andar principal
(programado na placa principal) e lá permaneça até que o interruptor retorne à posição inicial.

8.4 - VENTILAÇÃO FORÇADA NA CABINA E/OU MOTOR DE TRAÇÃO (VNT)

Ao ser registrada uma chamada, o comando automaticamente aciona a contatora VNT, ligando o ventilador. Após
um tempo pré-determinado (normalmente 60 segundos), sem que o elevador seja solicitado, o ventilador é
automaticamente desligado..

EM SERVIÇOS 27
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

8.5 - PROTEÇÃO DO MOTOR DO OPERADOR DE PORTA

Em caso de falhas no sistema de porta de cabina o comando automaticamente detecta-as e cancela todas as
chamadas pendentes. Por exemplo, no fechamento da porta de cabina, no caso de falha do limite PC ou dos
trincos, o comando reabrirá a porta de cabina e cancelará todas as chamadas. Na abertura da porta de cabina se
houver uma falha no limite de porta aberta (LPA), após um tempo pré-determinado, o comando desliga o motor do
operador porta.

8.6 - PROTEÇÃO DO MOTOR DE TRAÇÃO

O comando IFL-750 possui um sistema de proteção para os motores de alta e baixa velocidade. Esta proteção
atuará quando for registrada uma chamada (cabina ou pavimento), o carro se movimenta, porém não identifica os
sinais de pulsos INS ou IND, devido à problemas relacionados ao motor, guias presas, imãs soltos ou fora de
posição, etc.

8.7 - REABERTURA DA PORTA PELO BOTÃO DE PAVIMENTO (EXPO)

Este dispositivo permite reabrir a porta de cabina durante o fechamento, pelo simples acionamento do botão do
pavimento. Caso existam os dois botões de pavimento (subida e descida), a função será ativada para interromper
o fechamento da porta caso seja pressionado o botão de chamada na direção da corrida assumida pelo elevador.

8.8 - CORTE DO TEMPO DE PARTIDA

Sempre que o carro chega em um pavimento, permanece um tempo pré-determinado antes de atender um outro
chamado. Ao ser pressionado qualquer botão de chamada da cabina (depende do software), esse tempo é
cancelado provocando a imediata partida do carro. Também pode ser utilizado o botão P (partir) utilizado pelo
ascensorista.

8.9 ESTRATÉGIA PARA BOTÕES PRESOS

Se por exemplo um botão de chamada qualquer ficar continuamente fechado (preso), o comando atenderá esse
chamado uma única vez, cancelando seu funcionamento, impedido assim o contínuo atendimento deste
pavimento. Caso ele solte ou volte a funcionar, o comando libera automaticamente seu funcionamento.

8.10 - FOTOCÉLULA

Sempre que a fotocélula é interrompida, provoca a reabertura da porta e o comando inicia novamente a contagem
do tempo de partida, aguardando para reiniciar a viagem. Existe um sistema de proteção contra o mau
funcionamento do sistema de fotocélula, de tal forma que se esta ficar interrompida por um intervalo de tempo pré-
estabelecido, o elevador passa a ignorá-la até que o feixe seja restabelecido. A fotocélula também é utilizada nos
sistemas de portas simultâneas para detectar a saída ou entrada de passageiros, no sistema de cancelamento de
chamadas falsas.

8.11 - ESTRATÉGIAS ESPECIAIS

Podem ser desenvolvidas diversas estratégias especiais de acordo com a necessidade.

Exemplos:

– Serviço de mudança;
– Serviço hospitalar de emergência (SHE);
– Chamadas de cabina codificada;
– Operação seletiva de portas (elevadores com mais de um operador de porta).

Dentre outras, dependendo do caso e aplicação.

EM SERVIÇOS 28
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

9 - INDICADOR DE POSIÇÃO DIGITAL (IPD)

O comando IFL-750 permite a instalação de diversos tipos de indicadores INFOLEV (sob consulta, até de outras
marcas e modelos de indicadores), tanto na cabina como em todos os pavimentos. Cada indicador é programado
de acordo com o edifício onde será instalado, e a marcação das paradas é livre dentro das limitações de uso dos
próprios indicadores.

FONTE DE ALIMENTAÇÃO DOS INDICADORES MODELOS DE INDICADORES E SETAS

10 - OPERAÇÃO DUPLEX

O comando IFL-750 é capaz de trabalhar em conjunto com outro quadro de comando, de forma que as chamadas
externas sejam distribuídas e atendidas por ambos os carros, a fim de otimizar o tempo de espera dos elevadores.
Este tipo de operação não só distribui as chamadas externas, como também leva em consideração as chamadas
de cabina que foram registradas nos carros.

O despacho e atendimento das chamadas registradas nos pavimentos é feito de forma seletiva, tanto nas viagens
de subida como nas viagens de descida, visando melhor utilização dos elevadores.

O quadro de comando DUPLEX é idêntico ao quadro de comando para elevadores isolados (SIMPLEX),
diferenciando-se apenas o software de controle utilizado.
Normalmente temos um software carro 1 e outro carro 2 (etiqueta da memória principal). O carro 1 é responsável
pelo controle e despacho das chamadas para o carro 2. O carro 2 é um carro “escravo” que recebe do sistema de
despacho do carro 1, as instruções para o atendimento das chamadas.

Todos os recursos oferecidos em comandos isolados (SIMPLEX), também estão disponíveis em comandos
DUPLEX. No caso do estacionamento preferencial, se programado, apenas o carro mais próximo irá ao andar de
estacionamento programado.

Os dois carros podem ser instalados como carros independentes, cada carro tendo a sua botoeira de pavimento.
Desta forma, quando estiverem operando em DUPLEX, quaisquer chamadas de pavimento registradas, provocará
o acendimento do botão do outro carro no pavimento correspondente. Somente um dos carros atenderá ao
chamado, e cancelará o iluminamento dos dois botões. Esta forma de instalação facilita em casos onde já existiam
comandos independentes e posteriormente são transformados em DUPLEX. Dessa maneira, qualquer um dos
comandos pode ser desligado, que não haverá problemas quanto ao despacho de chamadas.
No caso de ser instalada uma única botoeira de pavimento comum aos dois carros, existem três possibilidades:

1) O carro 1 faz a leitura e iluminação dos botões de pavimento, despachando para o carro 2. Caso o carro 1
tenha sido desligado, o carro 2 ficará sem chamadas. Dessa forma, colocando o carro 1 em manual, as chamadas
são transferidas automaticamente para o carro 2.

2) O carro 1 faz a leitura e iluminação dos botões de pavimento e o carro 2 somente a leitura. Neste caso, deve
ser utilizado um botão com contato duplo. Neste caso, se o carro 1 for desligado, o carro 2 terá suas chamadas
normalmente, apenas não iluminará os botões.

3) Outra alternativa é a utilização da placa PCC.

EM SERVIÇOS 29
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

10.1 - DUPLEX ASSIMÉTRICO

No caso do sistema duplex para elevadores com número de paradas diferentes, por exemplo:

ELEVADOR 1 : -1,T,1..8
ELEVADOR 2 : T,1..8

O IFL-750 possui um sistema denominado duplex assimétrico em que é utilizado o sistema duplex em
elevadores com número de paradas diferentes, observando-se os seguintes pontos:

1) se o tráfego de passageiros se dá principalmente entre o térreo e os pavimentos superiores.

2) se o trafego para a garagem é ocasional.

O sistema não identifica se o passageiro em determinado andar necessita descer para a garagem. Caso o
passageiro queira dirigir até a garagem, ao registrar a chamada de pavimento, o sistema enviará um dos dois
carros, conforme a situação mais favorável. Caso seja atendido pelo elevador 2, o passageiro teria que descer no
térreo e utilizar o outro elevador ou descer um lance de escada.

Os elevadores são instalados como se fossem iguais, ou seja, ambos com 10 paradas. Portanto as duas placas
de comandos são iguais e programadas da mesma maneira (10 paradas e estacionamento no “T”). A diferença
basicamente se dá pelo programa especial e ligação de botões de cada carro. Ao ser acionada a chamada
externa na parada “-1”, sempre virá o Elevador 1.

10.2 - PLACA PCC

A placa PCC (Placa de Comutação de Chamada) tem o objetivo de transferir as chamadas de um elevador para
outro no caso de utilização do sistema duplex com uma única carreira de botão de chamada de pavimento. A
instalação é simples e pode ser aplicada em comandos IFL-750 já instalados, veja abaixo ilustração do conjunto
instalado:

EM SERVIÇOS 30
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

10.3 - FUNCIONAMENTO DA PLACA PCC

O comando principal (carro 1) estando ligado energizará a placa PCC, o led estará aceso e o rele acionado
ligando as chamadas de pavimento com o comando principal (carro 1).

Caso seja necessário desligar o comando principal (carro 1) a placa PCC será desenergizada desligando os reles
e fazendo com que as chamadas passem para o carro 2 automaticamente.

Caso o carro 1 fique energizado para manutenção, deve estar com a placa principal para poder ler as chamadas e
transferir para o carro 2, conforme procedimento normal de funcionamento.
As chamadas de cabina devem ser ligadas ao seu carro correspondente. Cada carro lê e ilumina suas chamadas
de cabina.

10.4 - PROTEÇÃO CONTRA CARRO DEMORADO

Caso um dos carros no duplex, tenha se atrasado por algum motivo no atendimento de uma chamada que deveria
atender, o sistema automaticamente o retira do grupo, despachando assim o outro carro. Restabelecida a
condição do carro, o sistema automaticamente o coloca novamente no grupo.

EM SERVIÇOS 31
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

10.5 - OPERAÇÃO COM ATE 6 ELEVADORES

O IFL-750 pode trabalhar com um modulo de despacho que permite conectar ate 6 carros em grupo permitindo
uma melhor distribuição das chamadas entre os mesmos. Possui uma interface com teclado e display de cristal
liquido, que permite a programação de diversos parâmetros bem como a visualização de diversas funções, veja
alguns módulos :

MODULO RELÓGIO
MODULO DE EXIBIÇÃO DOS CARROS
MODULO DE PROGRAMAÇÃO
MODULO DE ESTATÍSTICAS
MODULO DE DIGNÓSTICO

10.6 - OPERAÇÃO TRIPLEX COM PAINEL DE TRÁFEGO

O Painel de Tráfego Infolev é um software especialmente desenvolvido para permitir ao cliente o total controle do
movimento dos elevadores. Desenvolvido para ambiente windows e linux, este software permite o acesso e o
controle, em tempo real a todos os movimentos dos elevadores integrados ao sistema.

O monitoramento feito através do Painel de Tráfego Infolev é totalmente interativo, o que permite o controle e
principalmente, as alterações de todas as funções pré-programadas de cada elevador, instantaneamente, no
próprio microcomputador.

EM SERVIÇOS 32
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

Exemplos de aplicação com Painel de Tráfego:

Finais de semana: podemos programar para que automaticamente na sexta-feira as 20:00 h até as 6:00 h da
segunda feira só um elevador fique operando e os demais fiquem desligados.

Horário de chegada: podemos programar para que nos dias de semana das 7:30 as 9:00 h, os elevadores
retornem ao térreo (ou garagem) automaticamente.

Picos no horário de saída : podemos programar que no horário das 16:30 as 18:00 h um dos elevadores só
atenda os andares do oitavo para baixo, evitando assim a dificuldade dos usuários dos andares baixos em
conseguir um carro que já não venha lotado de cima.

Recolhimento de lixo (ou mudança): podemos acionar facilmente pelo computador a estratégia de serviço
independente, em que um dos carros sai do grupo e somente atenda as chamadas de cabina. Também pode ser
previamente determinado dia e hora em que esta função entre em operação.

Segurança: podemos determinar dia e hora em que certos pavimentos não serão acessíveis pelos elevadores

Eventos: é possível programar para que um ou mais elevadores fiquem exclusivos para atender somente o andar
onde será o evento e o térreo e/ou garagem O Painel de Tráfego só pode ser aplicado em conjunto com o
comando de despacho, atualmente disponível apenas para até 3 carros. É utilizada uma interface (CONVPC) de
comunicação entre o computador e o comando de despacho, veja na ilustração da página anterior como ficaria o
conjunto ligado.

11. FONTE DE ALIMENTAÇÃO

A fonte de alimentação do comando IFL-750 é constituída por um transformador trifásico e um conjunto retificador.
O comando IFL-750 opera com três tensões diferentes: 60 Volts (fio vermelho), 20 Volts (fio azul) e 10 Volts (fio
amarelo), todos corrente contínua, tendo o 0V (fio verde) como negativo comum para três tensões.

A tensão de 60 Volts é utilizada nos circuitos dos contatos de porta, trincos, limites, sinais de seleção, etc.
A tensão de 20 Volts é utilizada para ler e iluminar os botões de chamadas.
A tensão de 10 Volts é utilizada para alimentar as placas eletrônicas do comando.

EM SERVIÇOS 33
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

Na placa do retificador, existem led’s que monitoram as tensões para o correto funcionamento do comando. Se
algum dos três led’s estiver apagado, é indício de queima de um dos fusíveis, que devem ser substituídos pelos de
mesmo valor.

60 VCC – 3A / 20 VCC – 2A / 10 VCC – 4A

12 – CONECTORES DA PLACA IFL-750

A placa IFL-750 possui 7 conectores do tipo PV e 2 bornes de 3 pinos para a ligação da alimentação da placa. A
ligação da alimentação está indicada na própria placa. Os 7 conectores PV são denominados como:

– Conector POÇO ;
– Conector ARMÁRIO;
– Conector IEEX;
– Conector IPD;
– Conector CHAMADAS;
– Conector ICEX;
– Conector JPC;

Os pinos que começam pela letra “A”, estão localizados mais próximos à borda da placa. Os começados com “C”
mais afastados.
Estes conectores correspondem à folha 6 do esquema elétrico:

CONECTOR POÇO CONECTOR IEEX


C A C A
INA 01 OE1 ASC 01 RMTE
ISD 02 LPA P 02 M1M2
INB 03 RS1 03 TRR
S 04 FC 04 GS
D 05 NP GD 05 RS2

CONECTOR ARMÁRIO (CONTROLE) CONECTOR CHAMADAS


C A C A
PP 01 EM V00 01 V01
FIF 02 PC V10 02 V04
LD 03 AUT V09 03 V02
LS 04 PO V08 04
SG 05 P10 05
LA 06 P11 LD7 06 BT0
PM 07 RS1 LD0 07 BT1
RA 08 AT LD6 08 BT2
RB 09 VNT LD1 09 BT3
DC 10 PF LD5 10 BT4
OV 11 SB LD2 11 BT5
RMT 12 BX LD4 12 BT6
13 PA LD3 13 BT7

EM SERVIÇOS 34
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

CONECTOR ICEX CONECTOR IPD CONECTOR JPC


C A C A C A
V03 01 V11 01 0V 01 0V
02 02 TXD- 02 TXD+
03 V05 03 IP0 RXD- 03 RXD+
04 V06 04 IP1 DTR- 04 DTR+
05 V07 05 IP2 DSR- 05 DSR+
06 IP3 RTS- 06 RTS+
07 IP4 CTS- 07 CTS+
08 0V 08 0V

13 – PROGRAMAÇÕES

A placa do comando IFL-750 permite que as seguintes programações sejam feitas na própria placa por meio de
micro-chaves (DIP-SWITCH):

– estacionamento preferencial ou não


– estacionamento com porta aberta ou fechada
– reabertura da porta de cabine pelo botão de pavimento ou não

Detalhes da placa de Comando IFL-750

EM SERVIÇOS 35
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

Estas programações podem ser ativadas ou não dependendo da posição das 3 micro-chaves: EST, FPO e EXPO
respectivamente.
A chave EST na posição OFF faz com que o estacionamento preferencial seja ativado (led EST aceso).
A chave FPO na posição ON faz com que o carro estacione com a porta de cabine aberta (led FPO apagado).
A chave EXPO na posição OFF faz com que a função de reabertura da porta de cabine pelo botão de pavimento
seja ativada (led EXPO aceso).
Estas chaves já saem de fábrica programadas para estacionamento preferencial ativado, estacionamento com
porta de cabine aberta. Desejando-se, por exemplo, que o carro não retorne automaticamente para a estação,
basta colocar a chave EST na posição ON (led EST apagado).

Ainda é necessário definir:

• o número de paradas
• o andar de estacionamento
• o andar principal

Estas programações também são feitas através das micro-chaves (DIP-SWITCH) denominadas SUP, EST e TER
respectivamente.

No conjunto de chaves SUP, devemos programar o número de paradas, de acordo com a tabela a seguir.

A programação do andar de estacionamento é realizada através sas chaves do grupo EST, possibilitando definir
qualquer andar do edifício.

Normalmente o andar de estacionamento é andar principal, programando desta maneira o andar de


estacionamento automaticamente a placa entende como andar principal do elevador em caso de ser acionada a
função OEI.

EM SERVIÇOS 36
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

13.1 - PROGRAMAÇÃO DE MEMÓRIAS PADRÕES

Com o objetivo de tornar a placa IFL-750 mais flexível, para programações em campo, existem algumas memórias
chamadas de “versão padrão” onde os DIP-SWITCH de programação TER utilizados para programar o andar
principal e os pinos 4 e 5 do DIP-SWITCH de programação EST de andar de estacionamento, mudam de função
para servir às programações mais utilizadas, facilitando a aplicação de uma placa de um comando em outro.

Estas versões possuem uma etiqueta colada na memória principal U11, para identificação, veja abaixo lista de
algumas memórias a qual se aplica a programação padrão.

SIMPLEX DUPLEX CARRO 1 DUPLEX CARRO 2


V304 C1V304 C2V304
V305 C1V305C C2V305C
V306
V307

Lembrando que estas versões de memórias podem sofrer alterações sem aviso prévio, sempre visando a melhora
do produto e sua aplicação. Veja a seguir tabela de possibilidades pra configuração.

EM SERVIÇOS 37
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

14 – LED’S MONITORES

A placa de Comando IFL-750 possui uma série de Led’s que permitem o fácil acompanhamento de todos os sinais
envolvidos na lógica do elevador.

LED ACESO APAGADO


ON Placa de comando ligada Placa de comando desligada
FIF Falta ou inversão de fase Normal
TMP Normal Não aplicável
OEI Operação de emergência em caso de incêndio ativa Normal
EM Série de emergência não satisfeita Normal
SG Série de segurança em movimento não satisfeita Normal
AUT Modo automático (Normal) Modo manual (Inspeção)
MAN Modo manual (Inspeção) Modo automático (Normal)
PP Porta de pavimento aberta Portas de pavimento fechadas
PO Botão PO acionado Normal
LPA Porta de cabina totalmente aberta
PC Porta de cabina totalmente fechada
RMTE Rampa eletromagnética recolhida
FC Fotocélula interrompida Normal
S Comando de inspeção para Subir acionado Normal
D Comando de inspeção para Descer acionado Normal
ASC Modo ascensorista Modo automático (Normal)
P Partir acionado Normal
RS1 Depende da função no circuito
RS2 Depende da função no circuito
TRR Depende da função no circuito
M1M2 Depende da função no circuito

14.1 - SINAIS DO PASSADIÇO

LED ACESO APAGADO


INA NF: carro no pulso subida / NA: normal NF: normal / NA: carro no pulso subida
INB NF: carro no pulso descida / NA: normal NF: normal / NA: carro no pulso descida
ISD NF: carro na parada / NA: normal NF: normal / NA: carro na parada
LA Carro no limite de Alta Normal
LS Carro no limite de Subida Normal
LD Carro no limite de Descida Normal

14.2 - PROGRAMAÇÕES E FUNÇÕES

LED ACESO APAGADO


EXPO Ativado reabertura da porta pelo botão de pavimento Desativado
FPO Estaciona com porta Fechada Estaciona com porta Aberta
EST Vai para a estação (após 1 minuto sem chamadas) Não Estaciona
PI0 Não atende andares pares Atende andares Pares
PI1 Não atende andares ímpares Atende andares ímpares
NP Não Pare acionado Normal

EM SERVIÇOS 38
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

15 – CIRCUITOS ELÉTRICOS

15.1 - NOMENCLATURA UTILIZADA

CONTATORAS RELÉS DE SEGURANÇA


S Subida EM Segurança geral (29)
D Descida SG Segurança em movimento,
porta de cabine fechada (40)
A Alta velocidade RT Relé Térmico
RA Elimina a resistências do motor de alta PPF-750 Relé Térmico detector de falta
ou inversão de fase
B Baixa velocidade
RB Elimina a resistências do motor de baixa
PA Abertura de porta de cabina
PF Fechamento de porta de cabina
PM Reserva
VNT Ventilação forçada do motor de tração e ventilador de
cabina

LIMITES MECÂNICOS DO PASSADIÇO SINAIS DE SELEÇÃO


LCS Limite de Curso de Subida INS Sinal de pulso e corte de alta nas viagens de
subida
LCD Limite de Curso de Descida IND Sinal de pulso e corte de alta nas viagens de
descida
LS1 Limite de Subida IS1 Sinal de parada nas viagens de subida (corte
da baixa)
LD1 Limite de Descida ID1 Sinal de parada nas viagens de descida
(corte da
LD3 Limite de corte de Alta na descida
LS3 Limite de corte de Alta na subida

SINAIS DE PORTA DE CABINA SINAIS DE SEGURANÇA E PORTAS DE PAVIMENTO


PC limite de porta de cabine fechada PP série de contatos das portas de pavimento
LPA limite de porta de cabine aberta CT série de contatos de trinco
PO Botão para comandar a abertura da porta

BOTÕES DE CONTROLE NO COMANDO DIVERSOS


BLC Botão de Limite de Curso PAP Porta de Acesso ao Poço
PI0 par RG Contato do limitador de velocidade
PI1 ímpar BEM Botões de EMERGÊNCIA da botoeira de
inspeção
AUT automático PEM Porta de emergência da cabina
MAN manual FC Fotocélula
MS manual sobe RMT Rampa eletromagnética
MD manual desce CW Contato do freio de segurança (cunhas)
OEI Operação de emergência em caso de incêndio
MPC Motor porta de cabine
MA Motor de alta
MB Motor de baixa
IPD Indicador de posição digital
ILHD Indicador de posição luminoso horizontal digital
LFC Contato da fita seletora

EM SERVIÇOS 39
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

15.2 - SIMBOLOGIA UTILIZADA

SIMBOLOGIA DESCRIÇÃO SIMBOLOGIA DESCRIÇÃO


Ligação com a placa IFL-750 Botão normalmente fechado
Cruzamento de linhas com ligação Bobina
Terminal SINDAL Resistor
Contato normalmente aberto Resistor variável
Contato normalmente fechado Relé térmico

Limite normalmente aberto Disjuntor

Limite normalmente fechado Tomada


Contatos de portas e trincos Lâmpada
Chave normalmente aberta Motor trifásico em estrela
Botão normalmente aberto Diodo

Nenhum colaborador terá permissão para trabalhar perto de qualquer parte ou circuito elétrico a menos
que o colaborador esteja protegido contra choques elétricos, desenergizando o circuito, protegendo-o por
isolamento eficaz, ou através do uso de práticas de trabalho seguro com a eletricidade.

Deverão ser afixadas e mantidas sinalizações de advertência adequadas, a fim de eliminar a possibilidade
de contato com circuitos elétricos expostos ou ocultos.

Devem haver barreiras apropriadas ou outros meios de proteção para prevenir o contato acidental com
circuitos expostos em equipamentos elétricos energizados.

Todas as extensões devem ter plugues e um terceiro condutor, usado com a finalidade única de aterrar o
equipamento. Todas as extensões devem ter a amperagem apropriada e devem ser adequadas às
condições de uso e de localização. Por outro lado, não deverão ser usados cabos/fios elétricos
danificados ou desgastados.

Devem sempre ser usados fusíveis de tamanho, tipo e capacidade correta. Nunca substitua a fiação dos
fusíveis.

Os equipamentos e circuitos que estiverem desenergizados devem ser colocados fora de operação e
devem ser bloqueados e etiquetados em todos os pontos onde o equipamento ou circuito possa estar
energizado.

Os procedimentos de bloqueio elétrico demonstrados anteriormente devem sempre ser realizados.

O equipamento que ainda apresentar circuitos energizados após a linha principal ter sido eletricamente
bloqueada, deve ser identificado de modo a indicar esta situação.

EM SERVIÇOS 40
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

15.3 – CIRCUITO ELÉTRICO EM DETALHES

FOLHA 1

Podemos notar duas colunas principais 60V e 0V. Todos os sinais de entrada e saídas do comando são relativos a
esta tensão. Temos inicialmente a série do relé EM. Este relé tem bobina de 60 Volts corrente contínua. Quando
satisfeita a série de emergência, o relé EM fica ligado. Na série do relé EM, devemos ter os limites de curso, o
contato do relé térmico, contato do regulador de velocidade, botão de emergência da botoeira de inspeção, enfim
qualquer contato de algum dispositivo que quando aberto desfaça a condição de segurança do elevador,
derrubando o relé EM, impedindo o movimento do carro.

A condição de emergência é monitorada pela placa de comando pelo sinal IL-EM que vai direto para a placa de
comando. Com o relé EM ligado, IL-EM deve estar em 60 Volts e o LED EM na placa deve permanecer apagado.

Em seguida temos a série do relé SG, responsável pela segurança das portas, trinco e porta de cabine. Do ponto
P20 sai para a placa o sinal IL-PP que monitora a condição das portas de pavimento. Em P20, quando a série de
segurança estiver satisfeita e as portas de pavimento estiverem fechadas, teremos 60 Volts. Na placa de
comando, o led PP permanece apagado quando todas as portas de pavimento estiverem fechadas.

Para completarmos a série do relé SG, é necessário o fechamento da porta de cabine e trinco. O estado da porta
de cabine fechada é monitorado pela placa eletrônica pelo sinal IL-PC e a série de segurança completa pelo sinal
IL-SG. Para cada contatora, existe na placa IROP (interface operacional), um dispositivo eletrônico que equivale a
um relé (com uma bobina de entrada + um contato NA na saída). A entrada deste dispositivo vai ser acionada com
60 Volts corrente contínua, e sua saída vai energizar a bobina de uma contatora em 220Volts corrente alternada.

Logo abaixo temos a série da contatora S (sobe). S-OP1 representa a entrada do dispositivo auxiliar (OPTO)
sendo OP1 a primeira placa IROP da esquerda para a direita montada no comando. A1 e B1 são as entradas
marcadas nos bornes da IROP. Com a série da contatora S (sobe) completa, teremos 60Volts no ponto A1. A
placa de comando completa o circuito ligando o ponto IL-S a coluna do 0V, ligando assim a contatora SOBE.
Podemos notar que é colocado um contato NF da contatora D (desce) para garantir o bloqueio elétrico. Caso a D
(desce) esteja ligada, a S (sobe) não poderá ligar. Caso o caro atinja o limite de subida, o contato de LS1 vai abrir,
tirando o 60Volts do ponto 4S. A falta desse sinal, também será monitorada pela placa de comando pelo sinal IL-
LS. O mesmo vai ocorrer, logo abaixo no esquema elétrico, com a série da contatora D (desce).

Para a contatora A (alta), podemos notar o bloqueio elétrico com o contato da contatora B (baixa), os contatos do
SG / EM e ainda com a proteção do software. Do ponto 8S a placa monitora os limites de alta velocidade pelo
sinal IL-LA.

As contatoras RA e RB, são diretamente controlados pela placa de comando, sendo que os tempos para ligar RA
e RB podem ser regulados pelos potenciômetros CRA e CRB na placa de comando.

Para o motor de porta, o comando controla as contatoras PA e PF. O relé VNT é controlado pela placa de
comando.

EM SERVIÇOS 41
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

EM SERVIÇOS 42
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

FOLHA 2

Na folha 2 temos a continuação das colunas do 0V e 60V. Nela são representados alguns dos dispositivos ligados
ao sistema do elevador.

IL-TRR – sinal de reserva, devendo ser verificado em seu esquema elétrico qual a função do mesmo.

IL-LPA – sinal do limite de porta aberta. Este limite é normalmente fechado. Quando a porta estiver totalmente
aberta, ele abre, tirando os 60 Volts do ponto P8.

IL-INA – sinal para os pulsos e corte de alta velocidade nas viagens de subida.

IL-INB – sinal para os pulsos e corte de alta velocidade nas viagens de descida.

IL-ISD – sinal para corte da baixa velocidade e parada nos pavimentos.

IL-PO – no caso de existir na cabine, o botão PO ‚ normalmente fechado. Ao ser pressionado, provoca a
reabertura da porta de cabine ou impede o seu fechamento. Se não for utilizado, deve ser colocado um fecho no
quadro.

IL-FC – entrada para fotocélula. Pode ser conectado em FC1 FC2 detector eletrônico com contato normalmente
fechado. Ao ser interrompido o feixe, o contato abre, tirando 60 Volts do ponto FC2. Em casos de não utilização,
deve-se deixar um fecho em FC1 FC2.

IL-P – sinal do botão P (partir), normalmente fechado, utilizado com serviço de ascensorista. Ao pressionar o
botão P, corta-se a tensão de 60 Volts no ponto P1B, indicando ao comando que é para fechar porta de cabine e
partir.

IL-RS1 e IL-RS2 são entradas reserva, normalmente não utilizadas disponíveis para funções especiais.

IL-RMT – sinal proveniente da placa IFL-750, utilizado para ligar a rampa eletromagnética.

IL-FIF – sinal proveniente do dispositivo detector de falta ou inversão de fase (PPF-750)

IL-NP – sinal do botão NP (não pare) da botoeira de ascensorista ou contato do pesador, para despacho de carro
lotado.

IL-RMTE – sinal do contato da rampa eletromagnética para elevadores com trinco central. Em elevadores com
trinco vertical, sem rampa eletromagnética, fechar RM5 e RM6.

IL-OEI – sinal da chave instalada na portaria do edifício, que quando fechada inicia a operação de emergência em
caso de incêndio.

IL-PI0 – chave do quadro de comando, que quando acionada, não atende andares pares.

IL-PI1 – chave do quadro de comando, que quando acionada, não atende andares ímpares.

IL-AUT – chave no quadro de comando e na botoeira de inspeção que quando fechada coloca o comando em
modo de inspeção manual.

IL-MS – comando para subir o elevador em manual ou trocar para a direção de subida, quando em ascensorista.

IL-MD – comando para descer o elevador em manual ou trocar para a direção de descida, quando em
ascensorista.

IL-ASC – chave na botoeira do ascensorista que quando fechada, coloca o elevador em modo ascensorista, e
quando aberta, coloca o elevador em modo de atendimento automático.

IL-M1M2- sinal de reserva, mais utilizados para comandos IFL-CC e IFL-VVVF

EM SERVIÇOS 43
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

EM SERVIÇOS 44
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

FOLHA 3

Aqui encontramos o circuito de potência do motor. Pelos bornes R, S e T, entra a alimentação trifásica para os
motores e para todo o quadro de comando. Depois dos disjuntores em R1, S1 e T1 sai a alimentação para o motor
do operador de porta e para o transformador que as placas eletrônicas.

É um circuito bastante comum para elevadores de duas velocidades, dispensando maiores esclarecimentos.
Podemos também observar o circuito do sistema do freio eletromagnético, controlado pela lógica do S (sobe) D
(desce) e das contatoras A (alta) e B (baixa). Normalmente o circuito do freio é deixado aberto para ser alimentado
com a tensão de operação da bobina do freio. A tensão para o acionamento da bobina de freio, está disponível
nos pontos B1 e B2 da régua de bornes.

EM SERVIÇOS 45
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

FOLHA 4

Aqui encontramos a representação dos módulos eletrônicos (OPTO) para o acionamento dos contatoras
propriamente ditos, presentes nas placas IROP. Podemos notar que no acionamento das contatoras de PA/PF,
S/D e A/B, existem contatos normalmente fechados, que fazem a parte de intertravamento elétricos nas
contatoras, evitando que ambas entrem ao mesmo tempo. Além disso, ainda existe os intertravamentos
mecânicos entre eles.

Como vimos anteriormente, cada um destes módulos eletrônicos pode ser considerado como um relé auxiliar que
vai completar o circuito entre as duas fases R1 e S1 (220 Volts corrente alternada) e as bobinas das chaves
contatoras. Por exemplo para a bobina do contatora RA, observamos que o OPTO utilizado encontra-se na placa
IROP 2 (OP2) e as saídas estão nos bornes C1 e D. Para a contatora PF, o OPTO utilizado encontra-se na placa
IROP 3 e os bornes correspondentes são C2 e D respectivamente.

Podemos observar um contato do relé SG para alimentar as bobinas que provocam o movimento do elevador, ou
seja, se o relé SG estiver desligado, o carro fica impossibilitado de se movimentar.

EM SERVIÇOS 46
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

FOLHA 5

Nesta folha, observamos o conjunto fonte de alimentação do sistema. O 220 volts trifásico vem das linhas R1,S1 e
T1 e as saídas do transformador são ligadas a placa RET. Da placa RET saem as tensões 60VCC (fio vermelho),
20VCC (fio azul) e 8VCC (fio amarelo) que alimentam todo o comando.

Podemos notar também, um conjunto fonte do freio magnético. O 220VCA das linhas R1 e S1, alimenta um
transformador, e sua saída ligada a uma ponte retificadora que fornecerá a tensão necessária para o freio. Sua
tensão de saída, varia de acordo com o a necessidade de tensão do freio.

Em casos onde existem indicadores em todos os andares (dependendo do modelo e quantidade) vamos encontrar
fontes específicas para os indicadores. O 220VCA das linhas R1 e S1, alimentam um transformador, e sua saída
ligada a uma ponte retificadora. Na saída da ponte retificadora, teremos capacitores para estabilizar a fonte,
evitando quedas de tensão durante o funcionamento do elevador.

EM SERVIÇOS 47
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

FOLHA 6

Nesta folha está representada a placa do comando eletrônico IFL-750 e todos os seus conectores, com os
respectivos sinais em cada um dos pinos.

EM SERVIÇOS 48
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

FOLHAS 7 E 8

Encontraremos aqui todas as ligações de chamadas de pavimento (subida e descida) e de cabina. O Comando
IFL-750 pode em princípio utilizar qualquer botão de chamada que seja equivalente a um contato normalmente
aberto. Os botões podem ser do tipo iluminado, através de Led’s do tipo de Alta Intensidade. Deve ser montado
com um diodo para evitar retornos indesejáveis.

A seguir, uma representação de um conjunto botão com iluminação (LED):

A linha VX representa uma das linhas de Varredura das interfaces de chamadas. Temos as 12 linhas que são
numeradas de V00 a V11, cada uma correspondendo a uma linha geral de um grupo de 8 botões. A linha BTX
representa uma das 8 linhas de retorno (BT0 a BT7).
A linha LDX, se presente, representa uma das 8 linhas (LD0 a LD7), responsáveis pelo iluminamento dos Led’s
dos botões.

BOTÕES DE CABINA

As tabelas abaixo detalham as ligações dos botões de chamada de cabine.

PAVIMENTO Vxx BTx LDx PAVIMENTO Vxx BTx LDx


0 V08 BT0 LD0 16 V10 BT0 LD0
1 V08 BT1 LD1 17 V10 BT1 LD1
2 V08 BT2 LD2 18 V10 BT2 LD2
3 V08 BT3 LD3 19 V10 BT3 LD3
4 V08 BT4 LD4 20 V10 BT4 LD4
5 V08 BT5 LD5 21 V10 BT5 LD5
6 V08 BT6 LD6 22 V10 BT6 LD6
7 V08 BT7 LD7 23 V10 BT7 LD7
8 V09 BT0 LD0 24 V11 BT0 LD0
9 V09 BT1 LD1 25 V11 BT1 LD1
10 V09 BT2 LD2 26 V11 BT2 LD2
11 V09 BT3 LD3 27 V11 BT3 LD3
12 V09 BT4 LD4 28 V11 BT4 LD4
13 V09 BT5 LD5 29 V11 BT5 LD5
14 V09 BT6 LD6 30 V11 BT6 LD6
15 V09 BT7 LD7 31 V11 BT7 LD7

EM SERVIÇOS 49
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

BOTÕES DE PAVIMENTO SUBIDA E DESCIDA

BOTÕES DE PABIMENTO DE DESCIDA BOTÕES DE PABIMENTO DE SUBIDA


PAVIMENTO VXx BTx LDx PAVIMENTO VXx BTx LDx
0 V00 BT0 LD0 0 V04 BT0 LD0
1 V00 BT1 LD1 1 V04 BT1 LD1
2 V00 BT2 LD2 2 V04 BT2 LD2
3 V00 BT3 LD3 3 V04 BT3 LD3
4 V00 BT4 LD4 4 V04 BT4 LD4
5 V00 BT5 LD5 5 V04 BT5 LD5
6 V00 BT6 LD6 6 V04 BT6 LD6
7 V00 BT7 LD7 7 V04 BT7 LD7
8 V01 BT0 LD0 8 V05 BT0 LD0
9 V01 BT1 LD1 9 V05 BT1 LD1
10 V01 BT2 LD2 10 V05 BT2 LD2
11 V01 BT3 LD3 11 V05 BT3 LD3
12 V01 BT4 LD4 12 V05 BT4 LD4
13 V01 BT5 LD5 13 V05 BT5 LD5
14 V01 BT6 LD6 14 V05 BT6 LD6
15 V01 BT7 LD7 15 V05 BT7 LD7
16 V02 BT0 LD0 16 V06 BT0 LD0
17 V02 BT1 LD1 17 V06 BT1 LD1
18 V02 BT2 LD2 18 V06 BT2 LD2
19 V02 BT3 LD3 19 V06 BT3 LD3
20 V02 BT4 LD4 20 V06 BT4 LD4
21 V02 BT5 LD5 21 V06 BT5 LD5
22 V02 BT6 LD6 22 V06 BT6 LD6
23 V02 BT7 LD7 23 V06 BT7 LD7
24 V03 BT0 LD0 24 V07 BT0 LD0
25 V03 BT1 LD1 25 V07 BT1 LD1
26 V03 BT2 LD2 26 V07 BT2 LD2
27 V03 BT3 LD3 27 V07 BT3 LD3
28 V03 BT4 LD4 28 V07 BT4 LD4
29 V03 BT5 LD5 29 V07 BT5 LD5
30 V03 BT6 LD6 30 V07 BT6 LD6
31 V03 BT7 LD7 31 V07 BT7 LD7

EM SERVIÇOS 50
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

EM SERVIÇOS 51
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

EM SERVIÇOS 52
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

FOLHA 9

Representa a ligação dos indicadores de posição digital (IPD) entre os pavimentos e cabine com o quadro de
comando. Através dos sinais de IP0 à IP4 e de uma codificação binária, o comando fornece a posição do carro
para todos os indicadores instalados. O sinal PAB faz a indicação de piscar PA (porta aberta), se registrada uma
chamada e alguém segurá-la por mais de 30 segundos.
Os sinais de 8V e 0V, provém da fonte que alimenta todos os indicadores.
Os pontos S e D, mandam o sinal para acender todas as setas dos indicadores, nos indicadores de posição (IPD).
Podem ser colocados indicadores de posição em todos os pavimentos desejados e na cabina, bem como sempre
existe um indicador de posição no quadro de comando.

EM SERVIÇOS 53
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

FOLHA 10

Podemos observar as entradas de luz (LZ1 e LZ2) para a tomada existente no armário, bem como a luz da cabine.
Dependendo do caso, em LZ1 e LZ2 ‚ colocado a tensão de 110 ou 220 Volts. Também representada a botoeira
de inspeção que deve ser instalada em cima da cabina, útil na manutenção do elevador. Nela encontramos a
chave de luz, a chave para colocar o elevador em manual (chave MAN fechada), as chaves para fazer o carro
subir e descer, bem como o botão de emergência da botoeira de inspeção (normalmente fechado).

EM SERVIÇOS 54
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

FOLHA 11

Nessa folha teremos as ligações das setas (indicadoras de sentido de viagem do carro) com lâmpadas, ou de
qualquer outro modelo. Podemos notar uma placa de interface IR-SETA (C0045). Uma placa simples, que possui
dois pontos positivos ligados no 60VCC, e o sinal GS e GD (negativos) que vem da placa IFL-750 para ligar os
relés. Os relés, fecham seus contatos NA (normal aberto), ligando assim as setas de todos os pavimentos,
indicando ao usuário o sentido de viagem do carro. A tensão de saída para as setas variam de caso para caso, de
acordo com a necessidade.

Exemplo da Série de Trincos e Portas de Pavimento

EM SERVIÇOS 55
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

EM SERVIÇOS 56
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

16 – INTRODUÇÃO AO COMANDO IFL-VVVF

O comando IFL-750 VVVF possui um inversor que permite acelerar e desacelerar suavemente um motor de
corrente alternada, proporcionando a utilização do motor em qualquer rotação com praticamente todo o torque de
tração disponível.

Com o inversor conseguimos, por exemplo, aplicar uma tensão de 110 Volts e 30 Hertz. Desta forma o motor gira
com metade da rotação nominal.

• Reuni todas as funções do


ILF-750
• Conforto
• Nivelamento preciso
• Economia de energia
• Ideal para modernização

17 – CONHECENDO O INVERSOR DE FREQUÊNCIA

O inversor WEG CFW09 é fornecido com suas ligações efetuadas porém o motor e o resistor de frenagem e
alguns ajustes de parâmetros, somente podem serem feitos no elevador ao qual foi projetado, no comando
dispomos de bornes para estas ligações.

EM SERVIÇOS 57
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

18 - USO DA IHM – INTERFACE HOMEM MÁQUINA

Será descrita a operação da Interface Homem Máquina (IHM) padrão do Inversor e a forma de usá-la, dando as
seguintes informações:

Descrição geral da IHM;


Uso da IHM;
Organização dos parâmetros do inversor;
Modo de alteração dos parâmetros (programação);
Descrição das indicações de status e das sinalizações.

A IHM do CFW 09 consiste em um painel que contém um display de leds com 4 dígitos de 7 segmentos, um
display de Cristal Líquido com 2 linhas de 16 caracteres alfanuméricos, 4 leds e 8 teclas.

A figura abaixo mostra uma vista frontal da IHM e indica a localização dos displays e dos leds de estado.

18.1 – FUNÇÕES DO DISPLAY DE LED´S

Mostra mensagens de erro e estado (ver Referência Rápida dos Parâmetros, Mensagens de Erro
e Estado), o número do parâmetro ou seu conteúdo.

O display unidade (mais à direita) indica a unidade da variável indicada:

• A: Corrente
• U: Tensão
• H: Freqüência
• Nada: Velocidade e demais parâmetros

EM SERVIÇOS 58
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

Atenção:

Quando a indicação for igual ou maior do que 1000 (A ou U), a unidade da variável deixará de ser
indicada (ex: 568.A, 999.A, 1000.,1023., etc.)

Quando a indicação for maior que 9999 (em rpm, por exemplo) o algarismo correspondente à dezena
de milhar não será visualizado (Ex.: 12345 rpm será lido como 2345 rpm).
A indicação correta somente será visualizada no display LCD.

18.2 – FUNÇÕES DO DISPLAY LCD - Cristal Líquido

Mostra o número do parâmetro e seu conteúdo simultaneamente, sem a necessidade de se


pressionar a tecla.
Além disso, há uma breve descrição da função de cada parâmetro e são indicadas as unidades (A,
Hz, V, s, %, etc.) dos mesmos quando for o caso.
Também fornece uma breve descrição do erro ou estado do inversor.

Importante Os CFW 09 destinados à aplicação neste tipo de elevador somente fazem uso das teclas abaixo:

18.3 – VISUALIZAÇÃO E ALTERAÇÃO DE PARÂMETROS


Todos os ajustes no Inversor são feitos através de parâmetros.
Os parâmetros são indicados no Display através da letra PROG seguida de um número:

Exemplo (P101):

101 = No do Parâmetro

A cada parâmetro está associado um valor numérico (conteúdo do parâmetro), que corresponde a
opção selecionada dentre os disponíveis para aquele parâmetro.

Os valores dos parâmetros definem a programação do Inversor ou o valor de uma variável (ex.:
corrente, freqüência, tensão).

EM SERVIÇOS 59
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

Para realizar a programação do Inversor deve-se alterar o conteúdo do(s) parâmetro(s).

Observações:

*1 - Para os parâmetros que podem ser alterados com motor girando, o Inversor passa a utilizar
imediatamente o novo valor ajustado.
Para os parâmetros que só podem ser alterados com motor parado, o Inversor passa a utilizar o novo
valor ajustado somente após pressionar a tecla:

*2 - Pressionando a tecla após o ajuste, o último valor ajustado é automaticamente gravado


na memória não volátil do Inversor, ficando retido até nova alteração.

*3 - Caso o último valor ajustado no parâmetro o torne funcionalmente incompatível com outro já
ajustado ocorre a indicação de E24 - Erro de programação.

EM SERVIÇOS 60
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

*4 – Para alterar o valor de um parâmetro é necessário ajustar antes P000= Valor da Senha.
O Valor da senha para o padrão de fábrica é 5.
Caso contrário só será possível visualizar os parâmetros mas não modificá-los.

ATENÇÃO!!!
Não Modificar o Valor Padrão Desta Senha!

EM SERVIÇOS 61
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

19 - CIRCUITO ELETRICO FOLHA 3 IFL-VVVF

EM SERVIÇOS 62
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

20 - CONTROLE DE TORQUE VETORIAL VVW (novo software Weg V2.50)

O controle de torque vetorial (Auto-tunning) é importante para o bom funcionamento do elevador, isso faz com que
o inversor se adapte melhor ao motor que será utilizado. Para isso é só seguir os passos abaixo:

20.1 – PROCEDIMENTO DE START-UP E AJUSTE DO CFW09

Antes de energizar o Drive e iniciar o start-up verifique :

Dados de placa do Drive: verifique a etiqueta indicada conforme figura :

Anote os valores encontrados de tensão de entrada


e corrente de saída do inversor

Tensão

CFW09 0024 T 2223 P S Z

Corrente de saída

Corrente de Saída : 0024 – Representa a corrente de


saída do Drive (24 Ampéres)

Tensão : 2223 – Representa a tensão da entrada do Drive


que pode ser de 220V(22) até 230V(23) , poderia ser
também 3848 e portanto, representaria uma tensão de
entrada de 380 até 480.

• Balanceamento : Conjunto Cabina-CWT deve estar balanceado, caso não, não continue e certifique-se
que está balanceado.

As partes de metal não condutoras dos equipamentos elétricos portáteis e fixos, devem ser aterradas ou
ter dupla isolação.

As pulseiras de aterramento devem ser inspecionadas periodicamente a fim de assegurar seu


funcionamento apropriado e que não haja qualquer dano no isolamento.

Todos os andaimes de metal devem estar aterrados a menos que a tensão para todas as ferramentas no
local de trabalho não exceda 110 volts de corrente alternada. O andaime não deve ser usado para aterrar
qualquer equipamento usado no local de trabalho.

EM SERVIÇOS 63
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

• Aterramento :

Para este Drive é imprescindível o correto


aterramento, pois do contrário erros inesperados
podem ocorrer
Ex.: Chamadas falsas, erros devido a ruídos
(E31/E71), etc.

A Resistência de aterramento deve estar abaixo de 10 ohms (ideal : abaixo de 5 ohms)

Esquema de aterramento deve estar conforme figura acima

Supressores:

Certifique-se de que todos os supressores e varistores estejam instalados nos seguintes


componentes: bobina do freio, chaves contatoras do controle, motor do operador de
porta de cabina, terminal de linha no final da fiação do passadiço e POC.

Importante Os CFW 09 destinados à aplicação neste tipo de elevador somente fazem uso das teclas abaixo:

EM SERVIÇOS 64
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

1º PASSO - Colocar o comando em modo de inspeção, colocando a chave AUT/MAN da caixa de manobra na
posição manual. Aguarde o fechamento da porta da cabina e ligar o relê SEG.

2º PASSO - Desativar a senha padrão de fábrica do inversor, seguindo os seguintes passos:

P005 P000 5

P200 0

3º PASSO - Coletar e programar os dados do MOTOR (da placa do motor) e RESISTOR DE FRENAGEM (na
placa, que se encontra no suporte):

P400 , com ou , ajustar a TENSÃO NOMINAL DA PLACA DO MOTOR (em Volts)

P401 , com ou ajustar a CORRENTE NOMINAL DA PLACA DO MOTOR (em Amperes)

P402 , com ou , ajustar a ROTAÇÃO NOMINAL DA PLACA DO MOTOR (em RPM)

P403 , com ou , ajustar a FREQUÊNCIA NOMINAL DA PLACA DO MOTOR (em Hz)

P404 , com ou , ajustar a POTÊNCIA NOMINAL DA PLACA DO MOTOR (em CV ou HP)

ATENÇÃO!!!

1 HP = 746 W = 1,01 CV = 0,746 kW


1CV = 736 W = 0,98 HP = 0,736 kW
1 kW = 1000 W = 1,34 HP = 1,35 CV

P154 , com ou , ajustar o VALOR DA RESISTÊNCIA DO RESISTOR DE FRENAGEM (em


Ohm'
s)

P155 , com ou , ajustar o VALOR DA POTÊNCIA DO RESISTOR DE FRENAGEM (em KW)

4º PASSO - Com ou , verificar ou corrigir a programação dos seguinte parâmetros:


– P151 = 400V (para tensão da rede 220Volts);
= 800V (para tensão da rede 380 / 440Volts);

– P153 = 375V (para tensão de rede 220Volts);


= 618V (para tensão da rede 380Volts);
= 748V (para tensão de rede 440Volts);

EM SERVIÇOS 65
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

5º PASSO - Procedimentos para efetuar o AUTO-TUNING do motor:

P279 , com ajustar para 13 . A contatora “M” deverá entrar;

P211 , ajustar para 0

P202 , com ou , ajustar para 5 (observando em baixo, no display de cristal liquido VVW),

O inversor solicitará automaticamente a confirmação dos dados do motor. Com conferir de P400 até o P408.

P408, com ajustar P408 para 1 (observando em baixo, no display de cristal liquido SEM GIRAR)

Em seguida aparecerá no display de cristal liquido a mensagem ESTIMANDO: RS. Omotor produzirá alguns
ruídos, mostrando a execução do AUTO-TUNING. Ao terminar, o inversor indicará no display vermelho 0.0H, P005
ou rdy.

P279 com ou ajustar para 11

P211 , com ou , ajuste para 1 (observando em baixo, no display de cristal liquido ATIVO). A
contatora “M” deverá cair;

6º PASSO - Ajustes Iniciais:

Alterar os valores dos parâmetros conforme tabela

P139 1,000
P300 1,0s
P301 30 RPM
P302 2%

7º PASSO - Ajustes de velocidade:

P133 , com ou , ajuste para 0 rpm (velocidade mínima);

P124 , com ou , ajuste para 0 rpm (velocidade de carro parado);

P129 , com ou , ajuste para 0 rpm;

P130 , com ou , ajuste para 0 rpm

P131 , com ou , ajuste para 0 rpm

Ajustar a velocidade do elevador nos parâmetros P125 à P128, conforme tabela abaixo:

EM SERVIÇOS 66
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

20.2 - INSTRUÇÃO PARA CÁLCULO DE VELOCIDADE

• Identificar a coluna que corresponde a velocidade do elevador;


• Multiplicar “R” (rotação nominal do motor) pelos valores que se encontram na coluna escolhida;
• Colocar os resultados da conta, nos parâmetros mostrados na 1º coluna.

2 m/s 0,75 m/s 1 m/s 1,25 m/s 1,5 m/s 1,75 m/s
Velocidade
120m/min 45m/min* 60m/min* 75m/min* 90m/min 105m/min
R x 0,05 BX (P125) R x 0,13 R x 0,1 R x 0,08 R x 0,07 R x 0,06
R x 0,13 INS (P127) R x 0,33 R x 0,25 R x 0,2 R x 0,17 R x 0,14
R x 0,5 A1 (P126) R R R R x 0,67 R x 0,57
R A2 (P128) 0 0 0 R R

LEGENDA:
R = ROTAÇÃO NOMINAL DO MOTOR;
BX = VELOCIDADE DE BAIXA;
A1 = VELOCIDADE MEDIA ;
INS = VELOCIDADE DE INSPEÇÃO;
A2 = VELOCIDADE ALTA;

ATENÇÂO!!!
Nas velocidades do elevador de 45m/min ou 60m/min ou 75m/min quando o elevador não partir em modo
automático inverter programação dos parâmetros P126 com P128 .

8º PASSO - Reativar a senha novamente:

P200 , ajuste para para 1 (observando em baixo, no display de cristal liquido ATIVA);

ATENÇÃO!!!

• PARA SE OBTER SUCESSO NO AJUSTE DO INVERSOR, DEVE-SE OBEDECER A SEQUÊNCIA DE


AJUSTE, MOSTRADO NESSAS FOLHAS;

• ESTE MODELO DE INVERSOR ESTÁ PRÉ-PROGRAMADO PARA FUNCIONAR EM INSPEÇÃO, E


CASO TENHA SIDO ALTERADO ALGUM PARÂMETRO, É NECESSARIO CONFERIR OS VALORES
DO INVERSOR COM OS DA LISTA, ANEXA AO CIRCUITO ELÉTRICO, ANTES DE EFETUAR ESTE
PROCEDIMENTO DE AJUSTE;

EM SERVIÇOS 67
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

21 – TABELA DE PARÂMETROS

A seguir temos a tabela de parâmetros, alguns ja programados de fabrica outros e outros que sera programado
como visto anteriormente no processo de ajuste do controle de torque:

FUNÇÃO AJUSTE DESCRIÇÃO


P000 Padrão de Fabrica 5 Senha para acesso aos parâmetros
P100 3 Tempo aceleração em segundos
P101 3 Tempo desaceleração em segundos
P104 1 Rampa “S”
P124 0 Velocidade carro parado
P125 (BX) Velocidade nivelamento em rpm
P126 (A1) Velocidade viagem de um andar rpm
P127 (INS) Velocidade inspeção em rpm
P128 (A2) Velocidade Alta em rpm
P129 0
P130 0
P131 0
P133 0 Velocidade mínima em rpm
P134 Velocidade máxima em rpm
P139 1,000 Filtro Corrente Saída (somente VVW)
P151 Nível de atuação 400V para rede 220V
800V para rede 380V/440V
P152 Ganho proporcional
P153 Nível de frenagem reostática
P154 Resistência do resistor de Frenagem em Ohms
P155 Potência do resistor de Frenagem em KW
P156 Corrente de sobrecarga 100%
P157 Corrente de sobrecarga 50%
P158 Corrente de sobrecarga 5%
P169 Máxima corrente torque horário
P178 Fluxo Nominal
P200 1 0=senha inativa
1=senha ativa
P201 0 0=seleciona idioma Português
P202 0 0=V/F 60Hz
1=V/F 50Hz
2=V/F ajustável
3=Vetorial sensorless
4=Vetorial com encoder
5=VVW (Voltage Vector Weg)
P203 0 Sem funções especiais
P204 0 3=reset numero de horas habilitado
5=carrega parâmetros padrão WEG
7=carrega usuário 1
8=carrega usuário 2
10=salva usuário 1
11=salva usuário 2
P205 0 Seleciona indicação padrão do display como Frequencia do motor
P206 6s Tempo Auto-reset
P208 Fator de escala de referência
P209 0 Sem detecção de Falta de fase no motor
P211 1 = ativo Bloqueio por velocidade zero
P213 2s Tempo com velocidade zero
P214 1 Com detecção de Falta de fase na rede

EM SERVIÇOS 68
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

FUNÇÃO AJUSTE DESCRIÇÃO


P220 1=sempre remoto Seleciona operação remota
P222 8=Multispeed Seleciona referencia de velocidade remota
P226 4=DI2 Seleciona giro remoto
P227 1=DI Seleciona gira/para remoto
P228 0=inativo Seleciona Jog remoto
P263 1 – Gira/Para Seleciona entrada DI1
P264 8 - Retorno Seleciona entrada DI2
P265 8 - Avanço Seleciona entrada DI3
P266 - Multispeed MS0 Seleciona entrada DI4
P267 - Multispeed MS1 Seleciona entrada DI5
P268 - Multispeed MS2 Seleciona entrada DI6
P269 0 - sem função
P270 0 - sem função
P275 0 - sem função Função da Saída DO1
P276 0 - sem função Função da Saída DO2
P277 13 - sem erro Função do Rele 1 – Segurança Geral (Ready)
P279 11 - run Função do Rele 2 – Elevador movimentando (Run)
P280 5 - Veloc. nula Função do Rele 3 – Elevador parado (Zero)
P291 1% Faixa para detecção da velocidade zero
P295 Corrente nominal do Inversor
P296 Tensão nominal do Inversor
P297 2 = 5KHz Frequencia de chaveamento
P300 1s Duração da Frenagem CC
P301 30 RPM Velocidade de Início da Frenagem CC
P302 2% Tensão Aplicada na Frenagem CC
P399 Rendimento Nominal do Motor
P400 Tensão Nominal da Placa do Motor (Volts)
P401 Corrente Nominal da Placa do Motor (Amperes)
P402 Rotação Nominal da Placa do Motor (RPM)
P403 Frequencia nominal do Motor (Hz)
P404 Potência Nominal da Placa do Motor (CV)
P406 Independ. Característica Térmica do motor
P407 Fator de Potência Nominal do Motor
P408 0 = não Auto Ajuste (autotunning do motor)
1 = Sem Girar
P409 Resistência do Estator

22 - ERROS E POSSÍVEIS CAUSAS

Quando a maioria dos erros é detectada, o Drive W é bloqueado (desabilitado) e o erro é mostrado no display
como EXX , sendo XX o código do erro. Para voltar a operar normalmente o Inversor após a ocorrência de um erro
é preciso resetá-lo. De forma genérica isto pode ser feito através das seguintes formas:

desligando a alimentação e ligando-a novamente (power-on/reset);


pressionando a tecla “0/RESET” (manual reset);
automaticamente através do ajuste de P206 (autoreset);

EM SERVIÇOS 69
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

Ver na tabela abaixo detalhes de reset para cada erro da secção inversora (CC09) e prováveis causas.

ERRO RESET CAUSAS MAIS PROVÁVEIS


E00 Power-on Curto-circuito entre duas fases do motor;
Sobrecorrente Manual (tecla Inércia de carga muito alta ou rampa de aceleração
0/RESET)
na saída Autoreset muito rápida;
DI Módulos de transistores em curto;
Parâmetro (s) de regulação e/ou configuração incorreto (s).
Ajuste de P169, P170, P171, P172 muito alto.
E01 Tensão de alimentação muito alta, ocasionando
circuito uma tensão no circuito intermediário acima do valor máximo
intermediário Ud>400V - Modelos 220-230V
“link CC” (Ud) Ud>800V - Modelos 380- 480V
Inércia da carga muito alta ou rampa de desaceleração muito
rápida
Ajuste de P151ou P153 muito alto.
E02 Tensão de alimentação muito baixa, ocasionando tensão
Subtensão no no circuito intermediário abaixo do valor mínimo (ler o
circuito valor no Parâmetro P004):
intermediário Ud < 223V - Modelos 220 - 230V
“link CC” (Ud) Ud < 385V -
Modelos 380V
Ud < 405V - Modelos 400 - 415V
Ud < 446V - Modelos 440 - 460V
Ud < 487V - Modelos 480V
Falta de fase na entrada;
Falha no contator de pré-carga;
Parâmetro P296 selecionado numa tensão acima da tensão
nom. da rede
E03 Alimentação abaixo do valor mínimo.
Subtensão/Falta UaIim < 154V para modelos 220-230V
de UaIim < 266V para modelos 380-480V
Fase na Falta de fase na entrada do inversor
alimentação (1) Tempo de atuação: 2,0 seg
E04 Temperatura ambiente alta (>40°C) e corrente de saída
Sobretemperatura
nos dissipadores Ventilador bloqueado ou defeituoso (3)
de potência, no Fusível do circuito de pré-carga (comando) aberto
ar interno ou falha Alimentação abaixo do valor mínimo ou falta de fase,
no circuito de se ocorrerem por mais de 2 segundos e sem detecção
pré-carga (2) (3) de falta de fase P214= 0 (inativa).

E05 Power-on Ajuste de P156/P157/P158 muito baixo para o motor


Sobrecarga na Manual (tecla utilizado;
0/RESET)
saída, função Autoreset Carga no eixo muito alta
IxT(Ver DI
P156/P157/P158)

EM SERVIÇOS 70
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

E06 Fiação nas entradas DI3...DI7 aberta (não conectada a


Erro externo + 24V):
(abertura da
entrada
digital programada
para s/ erro
externo)
E07
Falta de algum EBB) interrompida.
dos sinais do Encoder com defeito.
encoder, (válido se
P202= 4 - Vetorial
com encoder
E08 Ruído elétrico.
Erro na CPU
(watchdog)
E09 Memória com valores alterados.
Erro na memória
de programa
E10 Power-on
Erro na função Manual (tecla com versões de software diferentes.
[O]/RESET)
Copy Autoreset
DIx
E11 Curto para o terra em uma ou mais fases de saída;
Curto-circuito Capacitância dos cabos do motor para o terra muito
fase-terra na saída
E12 Inércia da carga muito alta ou rampa de desaceleração muito
Sobrecarga no rápida;
resistor de Carga no eixo do motor muito alta
frenagem Valores de P154 e P155 programados incorretamente
E13 Fiação U, V, W para o motor invertida ou
Motor ou encoder Fiação do encoder invertida
(para P202 = 4 -
vetorial com
encoder)
Este erro só pode
ocorrer durante
o auto-ajuste, com
P408=Gira p/ Imr
E15 Mau contato ou fiação interrompida na ligação entre o
Falta de Fase inversor e o motor;
no Motor Programação incorreta de P401;
Controle vetorial com perda de orientação;
Controle vetorial com encoder, fiação do encoder ou
conexão com o motor invertida.
E24 Desaparece Tentativa de ajuste de um parâmetro incompatível com
automaticamente
Erro de quando forem os demais.
alterados
programação os parâmetros
incompatíveis

EM SERVIÇOS 71
MANUAL DE AJUSTE CONTROLE INFOLEV IFL-750
1 VEL / 2 VEL / VVVF

E31 Desaparece Mau contato no cabo da IHM


automaticamente
Falha na quando a IHM Ruído elétrico na instalação
voltar a
conexão da IHM estabelecer interferência eletromagnética
comunicação
normal com o
inversor
E32 Power-on Carga no eixo do motor muito alta
Sobretemperatura Manual (tecla Ciclo de carga muito elevado (grande número de partidas
0/RESET)
no motor (4) Autoreset e paradas por minuto)
DI Temperatura ambiente alta
Mau contato ou curto-circuito (resistência < 100) na
fiação que chega aos bornes XC4:2 e 3 do cartão opcional
cartões EBA/EBB não montados e/ou termistor do motor
P270 programado inadvertidamente para 16, com
Motor travado.
E41 Power-on Defeito na memória ou outros circuitos internos ao inversor.-
Erro de
auto-diagnose
E71 Erro de Power-on Ruído na comunicação.
Comunicação
PLC-01

EM SERVIÇOS 72