Você está na página 1de 28

Universidade Federal da Bahia

Escola Politécnica
Departamento de Engenharia Elétrica
UFBA

Amplificadores de Potência
ou
Amplificadores de Grandes Sinais

Amauri Oliveira
Fevereiro de 2011

1
Características:

•Estágio final de amplificação;


•Amplificação de grandes sinais;
•Transferência de potência para a carga;
•Impedância de saída e ganho depende da
carga.
Fonte de alimentação

Fonte de Estágio Estágio Estágio


Carga
sinal Inicial Intermediário Final

“GND”
Amplificador

2
Itens de Interesse - motivo:

•Classes de operação de amplificadores – tem relação com


amplificação de grandes sinais e rendimento nos circuitos;
•Rendimento nos amplificadores e modelo térmico dos transistores
– Tem relação com transferência de potência para a carga, perda de
potência e aquecimento dos transistores;
•Exemplos e projeto de amplificadores de potência – modelos de
circuito considerando amplificação, polarização e aquecimento de
dispositivos.

3
Classes de operação
As classes de operação de um amplificador de um estágio tem
relação com a característica do sinal de saída em função da sua excursão
e do ponto de polarização do dispositivo amplificador.
Como será visto adiante, o rendimento em amplificadores
também tem relação com a classe de operação. As classes de operação
(ou de amplificadores) são definidas como:

Para definir as classes de operação podemos usar


Classe A;
o amplificador emissor comum
Classe B;
VCC
12V
Classe AB;
R1
2.2kΩ
Classe C;
Classe D.
V2 Q1

0 Vpk BC547A
V1 0kHz
12 V 0°
4
Classes de operação e ponto de operação
VCC
12V
R1
2.2kΩ

V2 Q1
A

0 Vpk BC547A
V1 0kHz
12 V 0°
AB
C B

Classe A : V1=0,640;
Classe B: V1 =0,55;
Classe AB: V1=0,6;
Classe C: V1=0,5;
Classe D !. 5
Classes de operação e excursão do sinal
VCC
12V
R1
2.2kO

V2 Q1 A

27 mVpk BC547A
V1 1kHz
0,64 V 0°

Classe A :
- V1=0,640, Ic=3mA;
- Saída com excursão de
360°

6
Classes de operação e excursão do sinal
VCC
12V
R1
2.2kO

V2 Q1

102 mVpk BC547A


V1 1kHz
0,55 V 0°
B

Classe B:
-V1 =0,55 e Ic=0;
-Saída com excursão de
180°

7
Classes de operação e excursão do sinal
VCC
12V
R1
2.2kO

V2 Q1

67 mVpk BC547A
V1 1kHz AB
0,6 V 0°

Classe AB:
-V1=0,6V, Ic=0,92mA;
-180°<excursão<360°

8
Classes de operação e excursão do sinal
VCC
12V
R1
2.2kO

V2 Q1

165 mVpk BC547A


V1 1kHz
0,5 V 0° C

Classe C:
-V1=0,5V, Ic=0;
-Excursão do sinal < 180°
-Aplicação em circuitos de
comunicação !

9
Rendimento nos amplificadores de potência
Fonte de alimentação
Pi

Estágio Po
Carga
Final

Perdas por aquecimento de componentes

Pi  Po  Perdas
Pi – Potência média fornecida pela fonte;

Po – Potência média de sinal na carga.

Po
Rendimento 
Pi
10
Rendimento nos amplificadores de potência
Amplificador Classe A com Alimentação Série
VCC

RL

vo
Q1

Pi  Pt  Po  PL (DC )
Pi  VCC I Q Po Vo ( p  p ) I o ( p  p )
 
Vo ( p  p ) I o ( p  p ) Pi 8VCC I Q
Po 
8
MAX  0,25 Vo(p-p)MAX = VCC e Io(p-p)MAX = 2IQ
11
Como reduzir perdas e aumentar o rendimento ?
Rendimento nos amplificadores de potência
Amplificador Classe A com Transformador

Pi  Pt  Po  PL (DC )
Pi  VCC I Q Po Vo ( p  p ) I o ( p  p )
 
Vo ( p  p ) I o ( p  p ) Pi 8VCC I Q
Po 
8
MAX  0,5 Vo(p-p)MAX = 2VCC e Io(p-p)MAX = 2IQ
12
Como reduzir perdas e aumentar o rendimento ?
Rendimento nos amplificadores de potência
Amplificador “Push-Pull” com par complementar

Par
complementar

Para Q1 e Q2 polarizados em
classe B

13
Rendimento nos amplificadores de potência
Amplificador “Push-Pull” com par complementar

Pi  Pt  Po  PL (DC )
Pi  VCC 2I op /  Po  Vop
Vop I op  
Po  Pi 4 VCC
2

VopMAX = VCC


 MAX   0,7854
4
14
Rendimento, potência nos transistores e na carga
Amplificador “Push-Pull” com par complementar

Pi  Pt  Po Pt  Pi  Po
Pi  VCC 2I op /  2
2Vop Vop
Vop I op Pt  VCC 
Po  RL 2 RL
2
dP 2VCC
PtMAX  t 0 Vop 
dVo 

Nesta Condição:

2(VCC ) 2
Pt  Po  2   0,5
 RL

15
Rendimento, potência nos transistores e na carga
Amplificador “Push-Pull” com par complementar
2 2
2Vop Vop Vop
Pt  VCC  Po 
RL 2 RL 2 RL

Exemplo:
RL = 8W e
PoMAX=16W

Determinar: VCC e
PtMAX

16
Modelo térmico dos transistores
Os transistores do estágio de potência estão submetidos a níveis
apreciáveis de potência elétrica que pode ser transformada em calor
(aquecimento dos transistores).

Para determinar este aquecimento é necessário conhecer o modelo


térmico dos transistores (dados térmicos).

Exemplo: BD135 (BD139-16.pdf)

Aplicar a exemplo anterior, e verificar se um BD135 pode ser utilizado.

17
Modelo térmico dos transistores
Representação da primeira lei da termodinâmica (conservação de
energia)

ei  ed  ea

Energia recebida = energia dissipada + energia acumulada

Exemplo: Potência (energia por unidade de tempo) em um resistor


aquecido por efeito Joule.

v  i  Pe  Gth TR  Ta   Cth


dTR
dt 18
Modelo térmico dos transistores
Sistema elétrico análogo ao sistema térmico

Sistemas análogos – sistemas com equações análogas

i  ir  ic i  GvC  va   C
dvC
dt

Pe  Gth TR  Ta   Cth


Equação do sistema dTR
térmico análoga dt
Grandezas Análogas:
Sistema térmico Pe Gth TR Ta Cth
Sistema elétrico I G vC va C

Representação do sistema térmico do resistor


usando analogia com o sistema elétrico
19
Modelo térmico dos transistores
Equações térmicas para um transistor

Pe  Gth j mb T j  Tmb   Cth j


dT j
dt
0  Gth j mb Tmb  T j   Gth mb a Tmb  Ta   Cth mb
dTmb
dt
Representação usando
analogia com sistema elétrico
ou
Modelo Térmico
20
Simplificação na condição de regime !
Modelo térmico dos transistores
Condição de regime térmico e utilização de dissipador

T j  Pe Rth j mb  Rth mba   Ta  Pe Rth j a  Ta

dissipador

A utilização de um dissipador acoplado ao transistor, melhora a


condutância térmica entre o transistor e o ambiente (reduz Rth mb-a). Com
isto, para mesmos valores de Tj e Ta o transistor pode ser usado com um
Pe maior, e passar mais potência para a carga.

Rth mb-a também pode ser diminuída utilizando uma ventoinha.


21
Modelo térmico dos transistores
Condição de regime térmico e utilização de dissipador

Dados de dissipadores, exemplo: SERIE LPD (LPD.pdf)

Continuar exemplo com BD135

22
Polarização de Circuitos Classe B e Classe AB
Polarização com diodos

Polarização com multiplicador VBE

Porque usar fonte de corrente ?

Porque usar circuito classe AB ?


23
Polarização de Circuitos Classe B e Classe AB
Distorção de cruzamento (crossover) em amplificadores “push-pull”

Origem – tensão VB12 de polarização


insuficiente

Característica
de
Transferência

24
Polarização de Circuitos Classe B e Classe AB
Distorção de cruzamento (crossover) em amplificadores “push-pull”

Distorção de 3ª harmônica !

Exemplo:

25
Exemplo de estágio de potência e “driver”
Exemplo
“driver”

26
Exemplos de amplificadores de potência

Amplificador de potência com componentes discretos (AN-1490)

Amplificador de potência em CI (TDA1521A_CNV_2)

27
28