Você está na página 1de 40

Uma perspectiva sobre a

Agricultura Biológica em
Portugal

João Guilherme Ferreira Batista


Edite Romana Bessa Batista

Angra do Heroísmo
Março 2011
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Introdução

A agricultura biológica, como método de produção que privilegia a utilização


de boas práticas agrícolas, procurando adaptar as produções às características
regionais, constitui, em alternativa à chamada agricultura convencional, uma boa
solução para a preservação das condições ambientais. Pretendendo ser uma actividade
sustentável, existem outros aspectos a ter em consideração, como sejam os da
melhoria da qualidade alimentar, da revitalização do meio rural e das vantagens
económicas que daí derivam.
Em Portugal, sobretudo no decurso da última década, têm-se registado avanços
significativos nesta forma de agricultura, embora com algumas limitações, como seria
natural em qualquer processo inovador. Face à informação disponível, tentar
caracterizar a actividade, quantificando, tanto quanto possível, os principais aspectos
relacionados com a produção, comercialização e transformação, tornava-se
imperativo. Foi nesse sentido que decidimos integrar um projecto de trabalho em
conjunto com várias instituições europeias de ensino superior.
O projecto Parcerias Leonardo da Vinci, “Criação de uma plataforma para
comunicação entre ciência e prática num sistema de produção biológica”, foi
concebido por um grupo de professores interessados no desenvolvimento da
agricultura biológica na Europa, integrados na rede ENOAT (European Network of
Organic Agriculture Teachers).
A candidatura foi apresentada em 2008 e aceite em 2009. O projecto teve início
em 1 de Agosto de 2009, com final agendado para 31 de Julho de 2011. A parceria
inclui instituições de ensino superior de Portugal, Polónia, Alemanha, Holanda,
Finlândia, Eslovénia, República Checa, Itália, Espanha, e outras partes interessadas,
provenientes de outros países europeus, como a Bulgária, a Estónia e a Hungria. Ao
todo, constituíram-se quinze parceiros.
Os objectivos específicos do projecto (com o acrónimo “LOVEt”), centram-se
na identificação das principais lacunas de conhecimento na área da agricultura
biológica na Europa; na identificação dos problemas de comunicação entre ciência e
Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 2
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

prática; na criação de conceitos comuns, de modo a preencher as lacunas


identificadas no conhecimento e fortalecer a cooperação entre investigadores e partes
interessadas (aumentando a fluência de comunicação) nos países participantes; na
implementação conjunta dos conceitos desenvolvidos; no desenvolvimento da
produção biológica.
Este trabalho pretende apresentar os resultados obtidos até ao momento,
referentes a Portugal, numa tentativa de cumprir uma promessa feita a todos que nele
colaboraram. Não se trata de uma versão final, pois essa será apresentada durante o
próximo mês de Julho, em que serão integradas e comparadas as informações
provenientes dos diferentes países envolvidos e relatadas as conclusões e
recomendações.

Metodologia utilizada
A primeira fase do trabalho passou pela elaboração de um inquérito dirigido a
produtores, negociantes, transformadores e consultores (ver anexos I, II, III e IV). O
documento ficou pronto no início de 2010. Feita a tradução dos documentos
originais, cada parceiro, conjuntamente com parceiros locais (no nosso caso, a
cooperativa de produtores biológicos, BioAzórica), procurou seleccionar um número
de inquiridos de acordo com estabelecido em reunião para o efeito (um mínimo de 50
para produtores, 10 para negociantes, 10 para transformadores e 5 para consultores).
No caso português, a escolha foi bastante dificultada por falta de informação
disponível. Na realidade, apenas o sítio na internet do Gabinete de Planeamento e
Políticas, do Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas,
disponibiliza uma lista de operadores em modo de produção biológico (MPB),
actualizada em 12/02/2008 (http://www.gppaa.min-agricultura.pt/biologica
/Operadores_MPB.pdf). Este documento, com 2600 nomes e endereços postais, não é
explícito quanto ao tipo de operador. De modo a destrinçar a separação, recorremos a
contactos com o presidente do gabinete, entidades de controlo e certificação, assim
como com as Direcções Regionais de Agricultura da Madeira e dos Açores. Os

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 3
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

esforços foram infrutíferos. No que respeita à Região Autónoma dos Açores, valeu-
nos contudo a informação prestada pela BioAzórica, que nos forneceu uma lista dos
produtores biológicos registados nas ilhas.
Não nos restou outra alternativa, senão enviar por correio postal, um inquérito
a produtores, dirigido à lista de operadores em MPB anteriormente referida, da qual
excluímos 20 nomes, que por razões óbvias, não se enquadravam na análise a
realizar. No caso da Região Autónoma dos Açores, enviamos um inquérito a 26
produtores certificados. Para negociantes e transformadores, recorremos a motores de
busca na internet, o que permitiu localizar um universo de 30 negociantes e 12
transformadores. Quanto a consultores, enviamos um inquérito às oito entidades de
certificação existentes no país.

Produtores biológicos. Resultados obtidos

Dos 2580 inquéritos enviados, recebemos até 30 de Novembro de 2010, um


total de 91 respostas, 90 do Continente e 1 da Região Autónoma dos Açores. O
número de envelopes devolvidos, quer por insuficiência de endereço, desactualização
do mesmo, ou outros motivos, foi de 124 para o Continente e 1 para a Região
Autónoma dos Açores.

• Distribuição dos produtores por regiões do país


De modo a simplificar a análise, consideramos a parte continental do país
dividida em três regiões (Norte, Centro e Sul) (figura 1), sendo que, para cada uma
delas, foi definida uma zona interior e outra litoral, a partir de uma linha
perpendicular traçada a meio do mapa de Portugal continental. Utilizando os
endereços obtidos nos inquéritos recebidos, foi fácil efectuar a distribuição.
Os resultados mostram uma distribuição mais ou menos equitativa para as
regiões consideradas, com um ligeiro acréscimo a sul (gráfico 1), sendo que nas
regiões interiores, particularmente a sul, é que se concentra o maior número de
explorações. As regiões do país menos povoadas, com maior susceptibilidade à
Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 4
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

desertificação, menor PIB per capita, são aquelas onde se verifica maior número de
explorações de agricultura biológica (gráfico 2 e figura 2).

Figura 1 – Regiões de consideradas em Portugal Continental

Figura 2 – Densidade populacional, PIB per capita e susceptibilidade à desertificação em Portugal


Continental (http://alea-estp.ine.pt/html/actual/img/act027_01.gif; http://www.j-
f.org/images/Mapa_percapita.jpg; http://povos.files.wordpress.com/2007/07/f321.jpg)

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 5
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Figura 3 – Algumas características climáticas de Portugal Continental (fonte: Instituto Nacional de


Meteorologia e Geofísica).

Figura 4 – Carta de solos de Portugal Continental (http://www.tvciencia.pt/cat/pagcat/vcat01.asp?tip_pesq


=99&campo=PBLCAT&str=Minist%E9rio%20da%20Economia)

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 6
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Gráfico 1 - Distribuição dos produtores por regiões do país (I)

Gráfico 2 - Distribuição dos produtores por regiões do país (II)

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 7
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

• Distribuição por sexo, idade e nível de instrução do responsável pela


exploração
O sexo masculino é dominante (gráfico 3), sendo que é na Região Centro que
se verifica a maior percentagem de responsáveis do sexo feminino e na Região Sul a
menor.
Quanto à faixa etária, a distribuição pelo país é muito equilibrada (gráfico 4).
No sul do país é que se encontram mais produtores acima dos 60 anos de idade, e é
no centro que se situa o maior número de produtores mais jovens (18 – 45 anos).
A formação universitária é dominante (gráfico 5), mais acentuada a sul,
conjuntamente com a conclusão do ensino pós-secundário.
Norte ‐ F
Feminino
16%
19%

Masculino Norte ‐ M
81% 84%

Sul ‐ F
13%
Centro ‐ F
29%

Centro ‐ M
71%
Sul ‐ M
87%

Gráfico 3 – Distribuição dos produtores por sexo (da esquerda para a direita, nível nacional, norte, centro e
sul)
• Ano de início de actividade, área total e área agrícola utilizável das
explorações.
A maioria das explorações iniciou a sua actividade há 5-10 anos (gráfico 6) e
as percentagens de produtores em actividade há menos de 5 anos ou há mais de 10
anos, são sensivelmente idênticas.

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 8
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Gráfico 4 – Nível etário (da esquerda para a direita, País, Região Norte, Região Centro e Região Sul)
Ensino pós  Ensino pós 
secundário ‐  secundário ‐  Universidade
Universidade 24%
agricultura agricultura
28%
15% 16%

Universidade ‐ 
agricultura
Universidade ‐ 
28%
agricultura
32% Ensino pós 
secundário
Ensino pós 
24%
Ensino primário secundário Ensino primário
5% 24% 4%

Ensino pós  Ensino pós 
secundário ‐  Universidade secundário ‐ 
agricultura 25% agricultura
8% 20% Universidade
33%

Universidade ‐ 
agricultura
34%
Universidade ‐ 
agricultura
20%

Ensino pós 
Ensino primário secundário Ensino primário Ensino pós 
4% 29% 7% secundário
20%

Gráfico 5 – Nível de instrução (da esquerda para a direita, País, Região Norte, Região Centro e Região Sul)

Para o total de Portugal Continental, a área média das explorações é de 113 ha,
com grande variabilidade entre o valor máximo e o valor mínimo. Esta variabilidade
é maior no centro e no sul do país, do que a norte, mas é a norte que o valor da área

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 9
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

média das explorações é mais reduzido (gráfico 7 e 8). Este facto, afecta o modo
como a agricultura biológica é praticada, sobretudo ao nível das técnicas utilizadas e
da própria concepção do sistema de produção.
• Tipo de maneio da exploração
Para o total do país, dominam a exploração animal, exploração mista e
produção frutícola (gráfico 9), sendo que a norte são mais importantes a produção
frutícola, a exploração mista e a produção vitivinícola; no centro, situação idêntica,
com maior expressão dos restantes modos de produção (produção de ervas
aromáticas, produção hortícola, especialização em culturas arvenses, especialização
animal); a sul, domina a especialização animal, seguida pela exploração mista, sendo
que a produção vitivinícola é nula.
s/resposta
s/resposta
9% > 10 anos > 10 anos
4%
21% 20%

< 5 anos
< 5 anos
32%
25%

5‐10 anos 5‐10 anos
45% 44%

s/resposta s/resposta > 10 anos


8% 13% 13%

< 5 anos > 10 anos
15% 31%

< 5 anos
27%

5‐10 anos
47%
5‐10 anos
46%

Gráfico 6 - Ano de início de actividade (da esquerda para a direita, País, Região Norte, Região Centro e
Região Sul)

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 10
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

1000
1000
Valor máximo
900 858 900

800 800

700 700

600 600

ha
500
ha

500
400 400

300 Desvio padrão 300


Média 198 Valor máximo
200 131 200 150
Média Desvio padrão
100 Valor mínimo 100 Valor mínimo 46
36
0 1
0 0

1000 1000
Valor máximo
900 Valor máximo 900 858
800
800 800

700 700

600 600
ha

ha
500 500

400 400
Média Desvio padrão
300 Desvio padrão 300 248 236
200 170 200
Média
83 Valor mínimo
100 100
3
0 0

Gráfico 7 - Área total e área agrícola utilizável das explorações (da esquerda para a direita, País, Região
Norte, Região Centro e Região Sul)
1000 1000
900 Valor máximo 900
800 770 800
700 700
600 600
ha

ha

500 500
400 400
300 Desvio Padrão 300 Valor máximo
Média 182
200 200 150
113 Média Desvio Padrão
100 100 Valor mínimo 33
Valor mínimo 20
0 0

1000 1000
900 Valor máximo 900
Valor máximo
800 770 800 730
700 700
600 600
ha

ha

500 500
400 400
Média Desvio Padrão
300 Desvio Padrão 300 224 217
200 Média 156 200
100 69 100
Valor mínimo Valor mínimo
0 0

Gráfico 8 – Área agrícola útil das explorações (da esquerda para a direita, País, Região Norte, Região Centro
e Região Sul)

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 11
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Produção ervas  Produção ervas 
aromáticas 5% Exploração  aromáticas 3% Exploração 
Produção viti‐ mista 23% mista 22%
vinícola 12% Produção viti‐
vinícola 19%
Especialização 
culturas 
Especialização  arvenses 0%
culturas 
Produção 
arvenses 4%
frutícola 22% Especialização 
animal 16%

Produção 
Especialização 
Produção  frutícola 31% Produção 
animal 24%
hortícola 10% hortícola 9%

Produção ervas 
Produção ervas  Produção viti‐
aromáticas 11% Exploração  aromáticas 0% vinícola 0%
mista 21% Produção 
frutícola 13%
Exploração 
Produção  mista 26%
Produção viti‐
vinícola 19% Especialização  hortícola 8%
culturas 
arvenses 3%
Especialização  Especialização 
animal 8% culturas 
arvenses 8%

Produção  Produção 
Especialização 
frutícola 22% hortícola 16%
animal 45%

Gráfico 9 - Tipo de maneio da exploração (da esquerda para a direita, País, Região Norte, Região Centro e
Região Sul)

• Produção vegetal
A área dedicada a pastagens permanentes e culturas forrageiras, domina a nível
nacional, o que está de acordo com dados oficiais (gráfico 10, gráfico 11). Em termos
percentuais, a norte dominam a vinha, as culturas hortícolas e as culturas oleaginosas;
ao centro, as culturas frutícolas, as culturas oleaginosas e a vinha; a sul, culturas não
especificadas, plantas aromáticas e cereais. Em 4% dos inquéritos recebidos a área
utilizada é superior à área utilizável declarada, sendo que, dado o número de anos de
actividade, não é cumprido um dos requisitos desta forma de agricultura, a rotação de
culturas.

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 12
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

3000 Oleaginosas  Cereais 9%


18%

Forrageiras
2500

Pastagens permanentes
Outras 0% Horticolas 19%
2000 Pastagens 
permanentes 

Outras
10%
ha

1500
Cereais

1000 Frutícolas 6%
Oleaginosas

Frutícolas

Arom áticas
Forrageiras 11%
Hortícolas

Vinha
500
Aromáticas 4%
0 Vinha 23%

Cereais 1% Horticolas 1% Oleaginosas 3%


Cereais 15%
Oleaginosas  Outras 19%
30%
Frutícolas 30%
Horticolas 9%

Pastagens 
Outras 5% permanentes  Frutícolas 9%
14%
Forrageiras 0% Vinha 0%
Pastagens 
permanentes 0%
Aromáticas 5% Forrageiras 14% Aromáticas 17%
Vinha 28%

Gráfico 10 - Produção vegetal (da esquerda para a direita, País, Região Norte, Região Centro e Região Sul)

Gráfico 11 – Tipo de maneio da exploração agrícola e evolução da produção vegetal (ha/ano) em Portugal
Continental (a partir de dados do Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas,
http://www.gpp.pt/Biologica/).

• Produção animal
Os ovinos, as aves para produção de ovos e as vacas aleitantes, são as espécies
mais exploradas no país (gráfico 12), resultados coincidentes com os publicados
oficialmente em 2008. Em 12,5% dos inquéritos recebidos, o número de ovinos por
unidade de área é superior ao regulamentado, assim como 3,4% dos caprinos.

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 13
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

4000

3500

Ovinos
3000

Vacas aleitantes
2500

Unidades

Aves (ovos)
2000

Porcas engorda
1500

Porcas parideiras

Caprinos
Aves (carne)
1000

Outros
500

Gráfico 12 - Produção animal

• Existência e frequência de apoio técnico regular.


A maioria dos inquiridos tem apoio técnico regular, sendo que este acontece
várias vezes por ano (gráfico 13).
100%

Sim
80%

60% várias x ano

1 x ano
40%

Não
20%
<1 x ano
s/resposta
0%

Gráfico 13 - Existência e frequência de apoio técnico regular.

• Grau de satisfação com a qualidade do aconselhamento técnico


Os serviços oficiais e as organizações de produtores mereceram dos inquiridos
as melhores referências, enquanto que as entidades privadas e a indústria ligada ao
sector, mereceram as piores (gráfico 14).

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 14
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Muito elevado Muito elevado Elevado


7% 3% 6%

Elevado Neutro
22% 19%
Sem resposta
45%

Sem resposta
54%
Baixo
7%

Neutro
14% Muito baixo
Muito baixo Baixo
6% 11%
6%

Muito elevado
Muito elevado Elevado Neutro
10%
3% 3% 7%
Baixo
1%
Elevado
Muito baixo
21%
9%
Sem resposta
49%

Neutro
12% Sem resposta
Muito baixo
Baixo 77%
3%
5%

Muito elevado
5%
Elevado
19%

Neutro
Sem resposta 7%
59%
Baixo
6%
Muito baixo
4%

Gráfico 14 - Grau de satisfação com a qualidade do aconselhamento técnico (da esquerda para a direita,
organização de produtores, serviços oficiais, apoio técnico privado, indústria, colegas)

• Obtenção de informação
Em termos pessoais, a informação necessária ao bom funcionamento da
exploração é obtida maioritariamente a partir das entidades de certificação, visitas a
explorações, seminários ou encontros regulares (gráfico 15).
De modo impessoal, o recurso a revistas especializadas, à internet e livros
técnicos, constituem a maior fonte de informação (gráfico 15).

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 15
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Encontros 
regulares Outras Jornais
Outros 13% 10% 9%
19%

Internet Revistas
Visitas a  24%
explorações 28%
23%

Entidades de 
Certificação Rádio
Seminários (1  2%
31% TV
dia) Livros
7% 20%
14%

Gráfico 15 - Obtenção de informação (modo pessoal e impessoal)

• Tipo de conhecimentos mais necessários para tomar decisões acerca do


funcionamento da exploração.
Neste grupo de perguntas, consideraram-se vários aspectos, como sejam o
período de conversão, as novas técnicas, o maneio nutritivo, o controlo de pragas e
doenças, o controlo de infestantes, a qualidade das sementes, a escolha de cultivares,
a nutrição e saúde animal, as raças e o sistema de maneio animal, o marketing, o
volume de vendas e a transformação (gráfico 16).
Muito 
importante
13%
n.r.
26%
Muito 
n.r. importante
37% Importante 36%
15%
Menor 
importância
3%
Menos 
Neutro importante
8% 1% Neutro
Menos  Menor  6%
importante importância Importante
22% 5% 28%

Muito 
importante n.r.
23% 24%

n.r. Muito 
Menor 
39% importante
importância
0% 43%
Menos 
importante
Menor  4%
importância Neutro
3% Importante
25% 5%
Menos 
importante Neutro Importante
4% 6% 24%

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 16
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Muito 
Muito  importante
n.r. importante 18%
30% 29%

n.r.
48%
Menor  Importante
importância 19%
1%
Menos 
importante Neutro
4% Menor  Menos  9%
Neutro importante
Importante importância
5% 3% 3%
31%

Muito  Muito 
importante importante
18% 15%

n.r.
42% Importante
16%

Importante Neutro
Menor  22% n.r. 3%
importância 62% Menos 
3% Neutro importante
Menos  11% Menor  1%
importante importância
4% 3%

Muito  importante
importante 9%
21%

Importante
Importante 21%
13%
Neutro
3%
Neutro
n.r. 5% Menos 
60% Menos  importante
n.r.
importante 0%
64%
0%
Menor  Menor 
importância importância
1% 3%

Muito 
importante
16%
n.r.
Importante 33% Muito 
11% importante
38%
Neutro
Menor 
3%
importância
Menos  0%
importante
n.r. Menos 
3%
63% importante
Menor  0%
Neutro
importância 11% Importante
4% 18%

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 17
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Muito 
importante
n.r. 18%
30%

Menor 
Muito 
importância
importante
0%
46% Importante
n.r.
Menos  53% 16%
importante
0% Neutro
11%
Neutro
5% Menor  Menos 
Importante importância importante
19% 1% 1%

Gráfico 16 - Tipo de conhecimentos mais necessários para tomar decisões acerca do funcionamento da
exploração (da esquerda para a direita, período de conversão, novas técnicas, maneio nutritivo, controlo de
pragas e doenças, controlo de infestantes, sementes, cultivares, nutrição animal, saúde animal, raças animais,
maneio animal, marketing, vendas).

Vendas, pragas e doenças, novas técnicas, controlo de infestantes e marketing,


significam para os inquiridos, os aspectos que envolvem maior número de
conhecimentos necessários para a tomada de decisões, essenciais para o bom
funcionamento da sua exploração.
No que respeita a vendas, os principais problemas registados foram a
sazonalidade da produção, a quase inexistência de redes de distribuição, a dimensão
do mercado, volumes de produção reduzidos em relação às exigências das grandes
superfícies comerciais e a falta de mercados biológicos.

No controlo de pragas e doenças, os maiores problemas estão relacionados com


a gestão de organismos auxiliares, a eficiência das técnicas de controlo e a fraca
divulgação de conhecimentos.
As novas técnicas envolvem complexidade e custos acrescidos, mais
informação técnica e uma análise cuidada da relação entre custos e benefícios.
A dificuldade na aplicação de técnicas biológicas e o custo da mão-de-obra,
constituem os principais problemas com o controlo de infestantes.
Para o marketing, a legislação existente, os custos demasiado elevados, a
dificuldade em compreender o que é que o comprador valoriza mais num produto e a
educação do consumidor, são os principais problemas referidos.
Durante o período de conversão, segundo os inquiridos, as principais
dificuldades passam pelo controlo de infestantes e pragas, custos de produção

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 18
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

elevados, maior necessidade em mão-de-obra e pela análise da razão entre custos de


produção e valor de comercialização.
É difícil adquirir nutrientes e o seu custo pode não compensar os benefícios.
Quanto às sementes, verifica-se que estão pouco disponíveis no mercado,
existe escassez de escolha e nem sempre são certificadas. O mesmo se verifica em
relação à escolha de cultivares, acrescendo a sua capacidade de se adaptarem a solos
e clima.
O custo da proteína animal, a disponibilidade em rações biológicas, os
fármacos certificados e seu custo elevado, constituem os principais problemas com a
nutrição e saúde animal.
Em períodos de escassez alimentar, as raças animais não autóctones
apresentam quebras de rendimento mais significativas do que as autóctones. Nas
zonas do país com propriedade de menor dimensão, o maneio animal é limitado pela
dimensão das parcelas, o que obriga a um sistema de rotatividade, com os
inconvenientes daí resultantes.
Os principais problemas decorrentes da transformação de produtos biológicos,
passam pela dificuldade no licenciamento da actividade, problemas de escala, custo
do equipamento e falta de conhecimentos técnicos.
As respostas aos inquéritos relatam ainda outro tipo de problemas, tais como a
falta de cooperativismo, a falta de preparação dos técnicos ao serviço de
departamentos governamentais, politica governamental para o sector errada, falta de
apoio ao investimento e, por último, o facto de os legisladores não possuírem o
conhecimento da realidade da agricultura biológica em Portugal. Verifica-se uma
contradição entre o grau de satisfação com a qualidade do aconselhamento técnico e a
sua declarada falta de preparação. Na realidade, foram os que não responderam à
primeira questão 44% dos inquiridos, que referem a falta de preparação, contra 29%
que afirmam o contrário.
Em resposta à questão sobre as expectativas a curto prazo, alguns dos
inquiridos revelaram a intenção de reconverter a sua exploração, utilizar energias

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 19
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

renováveis, diversificar a produção, inovar em termos de produtos e processos,


avaliar o grau de satisfação dos consumidores, valorizar a fauna e a flora, explorar a
vertente do turismo rural, dispor de reservas hídricas e investir mais para simplificar
os processos de produção.
Perante todos estes resultados, foi possível realizar uma análise SWOT para
determinar, em termos gerais, os pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças à
agricultura biológica em Portugal, estabelecendo uma separação entre o
conhecimento e a prática (quadro 1).
Análise SWOT
PONTOS FORTES baixo médio elevado PONTOS FRACOS baixo médio elevado
Produtores Produtores
1. Nível educacional muito elevado (universidade x 1. Percentagem elevada de produtores com x
ou ensino pós-secundário) mais de 60 anos de idade.
2. Apoio técnico regular várias vezes por ano x 2. Problemas de comunicação entre x
3. Distribuição uniforme das explorações pelas três regiões do país x produtores e cientistas
4. Maior número de explorações no interior do país, menos x 3. Fraca cooperação entre produtores (pouco x
povoadas e mais desfavorecidas. associativismo)
5. Poucos problemas de ordem técnica x 4. Heterogeneidade do tamanho das
6. Utilização de raças animais autóctones para a produção de x explorações
carne
Conhecimento Conhecimento
7. As entidades de certificação constituem a maior fonte de x 5. Baixo nível de apoio por parte dos serviços x
informação a nível pessoal, para a aquisição do conhecimento oficiais.
essencial 6. Falta de conhecimentos suficientes para x
8. Procura de actividades alternativas, tais como turismo rural x solucionar problemas técnicos (pragas &
ou de inovação em termos de produtos ou métodos alternativos doenças, marketing, vendas)
de produção (energia solar, biogás ou energia eólica) 7. Pouca comunicação com a indústria e apoio x
9. Utilização intensa de internet e livros, como fonte de x técnico privado.
conhecimento. 8. Falta de formação especializada por parte dos x
técnicos dos serviços oficiais.
9. Baixo grau de transferência de x
conhecimento entre a investigação e a produção.
OPORTUNIDADES AMEAÇAS
Produtores Produtores
1. Melhorar a qualidade e a frequência do apoio técnico oficial. x 1. Abandono da actividade devido ao envelhecimento x
2. A existência de várias universidades e o seu potencial como x de muitos produtores e às maiores facilidades na
fonte de formação e informação de produtores biológicos. produção convencional
2. Problemas de sustentabilidade financeira devido x
à reduzida dimensão do mercado, em conjunto com
a crise económica (poder de compra)

Conhecimento Conhecimento
3. Desenvolvimento de investigação no domínio de novas técnicas, x 3. Falta de integração entre as instituições de x
marketing e vendas. ensino/investigação, ministério da agricultura,
4. Mais profissionalismo e competência por parte dos técnicos x entidades de certificação.
oficiais. 4. Falta de financiamento para realizar investigação. x

Quadro 1 – Análise SWOT à produção.


Existem condições agroecológicas favoráveis à produção biológica (figuras 3 e
4), as explorações situam-se maioritariamente em regiões do país mais
desfavorecidas, menos povoadas, com solos relativamente bem preservados e
diversidade de agroecossistemas, de fauna e de flora; o nível de instrução dos
produtores é elevado; existe toda uma estrutura de apoio real e potencial (unidades de
certificação, universidades, entidades privadas) capaz de superar as dificuldades que
possam derivar da falta de conhecimento específico.
A falta de capacidade organizativa, de ligação entre o conhecimento e a
produção, de informação e de uma política consistente para o sector, parecem
Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 20
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

constituir as principais causas que limitam a consolidação deste modo de produção


agrícola.

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 21
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Comércio de produtos biológicos. Resultados obtidos.


Como anteriormente se referiu, num universo de 30 negociantes de produtos
biológicos, obtivemos 10 respostas ao questionário enviado. Às perguntas
enunciadas, seguem-se os resultados obtidos.

• Há quanto tempo trabalha com produtos biológicos?


Como se pode verificar através do gráfico 17, o comércio de produtos biológicos
em Portugal é relativamente recente.

Gráfico 17 – Tempo de actividade como negociante de produtos biológicos.

• Qual é a sua actividade mais importante no que respeita a produtos biológicos


(resposta múltipla)?
Importar produtos não processados e intermediar a venda por todo o país,
constituem as actividades mais importantes (gráfico 18).

Gráfico 18 – Actividade mais importante na área da comercialização de produtos biológicos.

• Quais são as suas maiores preocupações no que respeita a produtos biológicos


(resposta múltipla)?

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 22
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

As principais preocupações registadas (gráfico 19) centram-se no preço, que é


elevado; na disponibilidade de produtos, face às quantidades exigidas; na rápida
degradação e difícil traceabilidade dos produtos.

Gráfico 19 – Principais preocupações no que respeita à comercialização de produtos biológicos.

• Que tipo de conhecimento extra acerca de produtos com que trabalha, necessita
para melhorar o seu negócio (e vender mais produtos biológicos)?
As expectativas do consumidor, a qualidade dos produtos e o sistema de
processamento, constituem os aspectos que os inquiridos consideram como sendo os
que necessitam de maior conhecimento, para que o negócio melhore (gráfico 20).

Gráfico 20 – Tipo de conhecimento acrescentado para a melhoria da comercialização de produtos biológicos.

• Como é que gostaria de obter esse conhecimento (resposta múltipla)?


Artigos em revistas, seminários de curta duração e consultas feitas na internet,
constituem para os inquiridos, a melhor forma de obter conhecimento (gráfico 21).

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 23
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Gráfico 21 – Qual a melhor forma de obter conhecimento acrescentado para a melhoria da comercialização
de produtos biológicos.

• Que tipo de investigação acerca do valor da cadeia de produtos biológicos,


necessita para melhorar o seu negócio (e vender mais produtos biológicos)?
Processamento, sistemas de armazenamento, embalagem e formas de atracção de
clientes, são os aspectos que mais merecem ser investigados (gráfico 22).

Gráfico 22 – Tipo de investigação acerca do valor da cadeia de produtos biológicos, necessária para melhorar
a comercialização de produtos biológicos.

• Quem deverá realizar essa investigação?


A universidade e as instituições de investigação, segundo os inquiridos, deverão
realizar investigação acerca do valor da cadeia de produtos biológicos (gráfico 23).

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 24
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Gráfico 23 – Entidade (s) que deverão realizar investigação acerca do valor da cadeia de produtos biológicos.

• Quais são as suas expectativas económicas a curto e médio prazo, em relação à


mudança da sua empresa?
A curto e médio prazo (gráfico 24), as expectativas são para crescimento ou
manutenção da situação actual. O decréscimo é pouco considerado.

Gráfico 24 – Expectativas económicas a curto e médio prazo.

Através de uma análise SWOT aos resultados, foi possível definir pontos fortes
e fraquezas específicas, assim como oportunidades e ameaças (quadro 2).
A estes resultados, seria possível incluir outros aspectos, que sem serem
provenientes do inquérito, parecem contudo evidentes, tais como a incipiente
organização das cadeias de distribuição, falta de uma rede de lojas especializadas e a
falta de informação sobre as qualidades dos produtos biológicos, do lado das
fraquezas; o aumento da procura de produtos agrícolas de qualidade, por parte das
oportunidades; o elevado nível dos preços praticados, por parte das ameaças.

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 25
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Análise SWOT

PONTOS FORTES baixo médio elevado PONTOS FRACOS baixo médio elevado
1. Preocupação com os consumidores, qualidade dos x 1. Actividade muito recente x
produtos e tipo de processamento. 2. Não existência de exportadores x
2. Disponibilidade para melhorar o conhecimento x 3. Preços elevados x
3. Confiança nas universidades x 4. Produtos muito perecíveis x
5. Traceabilidade difícil x

OPORTUNIDADES AMEAÇAS
1. Produtos nacionais com qualidade x 1. Aumento do rácio importações/exportações x
2. Aumento de produção, com diversificação de produtos x 2. Aumento de preços e/ou diminuição do número x
3. Investigação ou aplicação de conhecimentos em conservação, de consumidores.
qualidade, processamento e marketing de produtos. 3. Falta de interacção entre as várias fontes do saber x
4. Maior número de publicações/informações em revistas, x 4. Falta de fundos para investigação x
internet e seminários/conferências.

Quadro 2 – Análise SWOT à comercialização de produtos biológicos.

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 26
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Transformação de produtos biológicos. Resultados obtidos.


Das 12 entidades a quem enviamos um inquérito acerca da transformação de
produtos biológicos, apenas 2 nos responderam, pelo que decidimos não apresentar
resultados neste domínio.
Consultores em agricultura biológica. Resultados obtidos.
Dos 8 inquéritos enviados, não obtivemos nenhuma resposta.

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 27
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Anexos
• Anexo 1 – Inquérito a produtores biológicos
Questionário: Projecto Leonardo (LOVEt)
Em nome da equipa do projecto, muito obrigado pela sua cooperação, ao partilhar o seu tempo e experiências connosco.

Qual o nome da Região em que trabalha?

Sexo

Masculino Feminino

Idade

18-45 >60
46-60

Quais são as suas habilitações para o exercício da sua actual profissão? (mais do que 1 escolha)

Universidade Universitário (relacionado com agricultura)


Ensino pós-secundário Ensino pós-secundário (relacionado com agricultura)
Ensino primário

Em que ano é que iniciou a conversão da sua exploração para modo biológico?

Qual é a área total da sua exploração? hectares

Qual é a área agrícola utilizável? hectares

Como é que define o tipo de maneio da sua exploração?

Exploração mista Produção fruteira


Especialização em culturas aráveis (produção Produção viti-vinícola
exclusiva para comercialização) Produção de ervas aromáticas
Especialização animal (produção exclusiva
para comercialização)
Produção de hortícolas

Área produtiva - por favor, insira o número de hectares

Cereais
Culturas oleaginosas e leguminosas
Hortícolas, incluindo a batateira
Fruteiras
Vinha
Ervas aromáticas
Culturas forrageiras, incluindo pastagens anuais
Pastagens permanentes
Outras

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 28
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Produção animal - por favor indique o número de animais

Vacas leiteiras
Vacas aleitantes (amas)
Porcos de engorda
Porcas parideiras
Aves (produção de carne)
Aves (produção de ovos)
Ovinos
Caprinos
Outros animais

Tem apoio técnico regular? (1 opção)

Sim Não

Com que frequência acontece? (1 opção)

Uma vez por ano Menos que uma


Várias vezes por ano vez por ano

Como é que classificaria o seu grau de satisfação com o apoio técnico prestado?
Mto elevado Elevado Neutro Baixo Mto baixo Sem resposta
Organização de produtores
Serviços oficiais
Apoio técnico privado
Indústria
Colegas

Como é que, pessoalmente, procura obter informações? (mais que 1 escolha)

Visitas a explorações Entidades de certificação


Encontros regulares Outros
Seminários (1 dia)

Como é que, de modo impessoal, procura obter informações? (mais que 1 escolha)

Revistas agrícolas Rádio
Jornais Internet
Livros Outras
TV

Que tipo de conhecimentos mais necessita para tomar decisões acerca do funcionamento da sua exploração?
(5 = muito importante … 1= menor importância)
Mto importante Importante Neutro Menos importante Menor importância Sem
resposta
Período de conversão
Novas técnicas
Maneio nutritivo
Controlo de pragas e doenças
Controlo de infestantes
Sementes
Escolha de cultivares
Nutrição animal
Saúde animal
Raças animais
Sistemas de maneio animal
Marketing
Venda
Transformação
Outros

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 29
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Problemas durante o período de conversão               
                       
                       
                       
                       
                       
                       
Problemas com novas 
técnicas                   
                       
                       
                       
                       
                       
                       
Problemas com o maneio de nutrientes                 
                       
                       
                       
                       
                       
                       
Problemas com o controlo de doenças e pragas               
                       
                       
                       
                       
                       
                       
Problemas com o controlo de infestantes               
                       
                       
                       
                       
                       
                       
Problemas com sementes                   
                       
                       
                       
                       
                       
                       
Problemas com a escolha de cultivares                 
                       
                       

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 30
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

                       
                       
                       
                       
Problemas com a nutrição animal                 
                       
                       
                       
                       
                       
                       
Problemas com a saúde animal                 
                       
                       
                       
                       
                       
                       
Problemas com as raças animais                 
                       
                       
                       
                       
                       
                       
Problemas com os sistemas de maneio animal               
                       
                       
                       
                       
                       
                       
Problemas com o marketing                   
                       
                       
                       
                       
                       
Problemas com as vendas                   
                       
                       
                       
                       
                       
                       

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 31
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Problemas com a transformação

Outro tipo de problemas

No que respeita ao negócio da sua exploração, quais são os seus planos e expectativas a curto e médio prazo? 
( não mais que 4 palavras por item; começe pelo mais importante; 15 opções)

Autor do questionário: Peter von Fragstein et al


e-mail: pvf@uni-kassel.de
Instituição: Universidade de Kassel - Alemanha
O questionário (em inglês) está disponível na internet, no seguinte endereço electrónico: http://mars.wiz.uni-kassel.de/dsp/formulare/lovet_f.htm
Tradutor do questionário: João Guilherme Ferreira Batista
e-mail: jbatista@uac.pt
Instituição: Universidade dos Açores - Portugal


Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 32
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

• Anexo 2 – Inquérito ao comércio de produtos biológicos

Questionário: Projecto Leonardo (LOVEt)


Em nome da equipa do projecto, muito obrigado pela sua cooperação, ao partilhar o seu tempo e experiências connosco.

1. Em que cidade (ou vila) trabalha?

2. Há quanto tempo trabalha com produtos biológicos?

anos

3. Qual é a sua actividade mais importante, no que respeita a produtos biológicos? (mais do que 1 escolha)

Importação (produtos não processados) Negócio por atacado


Importação (produtos processados ou alimentos) Retalhista em loja especializada
Exportação (produtos não processados) Retalhista em supermercado ou mercado convencional
Exportação (produtos processados ou alimentos)
Intermediário (comércio no interior do país)

4. Quais são as suas maiores preocupações no que respeita a produtos biológicos? (mais do que 1 escolha)

Baixa qualidade dos produtos Logos (poucos ou demasiados)


Disponibilidade limitada de produtos, Baixo grau de reconhecimento da marca
face às quantidades exigidas Preço elevado
Entrega fora de prazo Sem preocupações
Rápida degradação dos produtos Outras
Traceabilidade difícil
Embalagem não atractiva

5. Que tipo de conhecimento extra acerca de produtos com que trabalha, necessita para melhorar o seu negócio (e vender mais
produtos biológicos)? (mais do que 1 escolha)

Sistema de produção Qualidade dos produtos


Sistema de processamento Expectativas do consumidor
Legislação / Normas Não são necessários conhecimentos adicionais

6. Como é que gostaria de obter esse conhecimento?

Artigos em revistas Internet


Folhetos / Panfletos Outros
Seminários curta duração / conferências

7. Que tipo de investigação acerca do valor da cadeia de produtos biológicos, necessita para melhorar o seu negócio
(e vender mais produtos biológicos)? »"Melhoria de …"« (mais do que 1 escolha)

Produção ao nível da exploração (por exemplo, Rotulação


padrões de qualidade do produto, ambientais e sociais) Reconhecimento da marca
Processamento (por exemplo, padrões de qualidade, gosto, Atracção dos clientes pela minha companhia
pericibilidade, ambiente) Não é necessária investigação
Sistemas de armazenamento
Embalagem

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 33
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

8. Quem deveria realizar essa investigação? (mais do que 1 escolha)

A minha empresa Universidade e instituições de investigação


Uma firma privada de consultoria Outros

9. Que tipo de produto gostaria de comercializar, mas que actualmente não se encontra disponível? (Máximo 3 entradas)

10. Quais são as suas expectativas económicas a curto e médio prazo, em relação à mudança da sua empresa?

Crescimento
Manutenção da situação actual
Decréscimo da actividade

11. Quais são os seus planos a curto e médio prazo em relação à sua actividade com produtos biológicos? (Máximo 6 entradas)

Autor do questionário: Peter von Fragstein et al


e-mail: pvf@uni-kassel.de
Instituição: Universidade de Kassel - Alemanha
O questionário (em inglês) está disponível na internet, no seguinte endereço electrónico: http://mars.wiz.uni-kassel.de/dsp/formulare/lovet_f.htm
Tradutor do questionário: João Guilherme Ferreira Batista
e-mail: jbatista@uac.pt
Instituição: Universidade dos Açores - Portugal

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 34
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

• Anexo 3 – Inquérito ao processamento de produtos biológicos

Questionário: Projecto Leonardo (LOVEt)


Em nome da equipa do projecto, muito obrigado pela sua cooperação, ao partilhar o seu tempo e experiências connosco.

Em que cidade (ou vila) trabalha?

Em que ano é que começou a processar produtos biológicos?

Ano

Actualmente, que percentagem de produção da sua empresa é dedicada ao processamento de produtos biológicos?

Por favor, indique as actividades mais importantes, no que respeita a produtos ecológicos? (mais do que 1 escolha)

Processamento inicial Embalar e rotular para prateleira


Produto final para prateleira (produtos domésticos)
Entre a 1ª fase de processamento Embalar e rotular para prateleira
e o produto final (produtos importados)
Catering

Por favor, indique 10 dos produtos mais importantes, com que trabalha

Leite fresco Pão


Lacticínios Molhos com especiarias e sal
Carne Compotas e marmeladas
Derivados de carne Produtos com chocolate
Hortícolas, fruta Mel
Frutos tropicais Óleos e azeite
Vinho Café
Sumos Cosmética
Chá Comida para bébé
Produtos farináceos Comida congelada
Leguminosas Refeições prontas
Cereais pequeno-almoço Outras
Massas

Que percentagem da sua matéria prima é produzida:

A nível regional %
A nível nacional %
No interior da U.E. %
Fora da U.E. %

Sim Não
Comercializa produtos de marca exterior
à sua empresa? (1 escolha)
Comercializa mais do que 50% dos seus produtos
com o logo de outras empresas? (1 escolha)

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 35
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Quais são para si, os factores que mais limitam o seu negócio de processamento de produtos biológicos? (mais do que 1 escolha)

Baixa qualidade da matéria prima Pouca visibilidade da marca


Disponibilidade limitada de matéria prima Matéria prima muito cara
Rápida pericibilidade da matéria prima Custos de processamento muito elevados
Dificuldade em traçar a origem e evolução Capacidade limitada dos comerciantes para vender o meu produto
do produto Outros
Dificuldade em desenvolver uma embalagem
apropriada e atractiva
Dificuldade em selecionar um logo apropriado

Que tipo de conhecimento extra, lhe poderá ser mais útil? (mais do que 1 escolha)

Acerca da matéria prima (resíduos de pesticidas, Acerca de legislação (normas, regulamentos sobre higiene,
organismos patogénicos, OGM) regulamentos veterinários)
Acerca do processamento (tecnologias, novos Acerca de expectativas do consumidor
produtos, controlo de pragas, conservação)

Como é que gostaria de obter este conhecimento? (mais do que 1 escolha)

Artigos em revistas Consultoria


Folhetos / Panfletos Outros
Seminários de curta duração / conferências
Internet

Em que domínios gostaria que houvesse mais investigação? Melhoria de … (mais do que 1 escolha)

Produção ao nível da exploração Rotulagem


Processamento Sistemas de distribuição
Sistemas de armazenamento Imagem de marca
Embalagem Não é necessária investigação

Quem deveria levar a cabo esta investigação? (mais do que 1 escolha)

A minha empresa Universidades e institutos de investigação


Empresas privadas de consultoria Outros

Quais são as suas expectativas futuras em relação a mudanças na sua empresa? (1 escolha)

Crescimento Estabilidade
Decréscimo de actividade

Quais são os seus planos, no que respeita ao processamento de produtos biológicos?

O que é que gostaria de produzir e que de momento não é possível?

Porquê?

Autor do questionário: Peter von Fragstein et al


e-mail: pvf@uni-kassel.de

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 36
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

• Anexo 4 – Inquérito a consultores em agricultura biológica


Questionário: Projecto Leonardo (LOVEt)
Em nome da equipa do projecto, muito obrigado pela sua cooperação, ao partilhar o seu tempo e experiências connosco.

Qual o nome da Região em que trabalha?

Como classifica a sua actuação? "Trabalho para …"

uma organização de produtores firma privada de extensão


serviço público um manufactor / fornecedor

Que tipo de aconselhamento sobre agricultura biológica, dá aos agricultores?

Geral Especializado em fruticultura


Especializado em produção animal Especializado em viticultura
Especializado em culturas arvenses Especializado em economia
Especializado em culturas hortícolas

Qual o nº de agricultores que regularmente aconselha

FONTES DE CONHECIMENTO DOS PRODUTORES BIOLÓGICOS

Com base numa estimativa, qual a percentagem dods produtores biológicos em Portugal, possui acesso ou não, a aconselhamento regular?

Sim
Não

Em termos percentuais, com que frequência é os produtores biológicos utilizam o serviço de aconselhamento

Uma vez por ano


Várias vezes por ano
Menos do que uma vez por ano

Quem os aconselha? (Por favor, de 1 a 5, ordene a frequência das opções apresentadas)

mto frequente frequente neutro pouco nada


Organização de produtores
Serviço público de aconselhamento
Serviço privado de aconselhamento
Indústria
Colegas
Ninguém

Como é que os produtores biológicos procuram pessoalmente obter informações? (Por favor, de 1 a 5, ordene a frequência das opções apresentadas)

mto frequente frequente neutro pouco nada


Visitas a explorações
Reuniões regulares
Seminários (1 dia)
Unidade de certificação
Outros

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 37
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Como é que os produtores biológicos procuram de outro modo, obter informaçõe(Por favor, de 1 a 5, ordene a frequência das opções apresentadas)

mto frequente frequente neutro pouco nada


Revistas agrícolas
Jornais
Livros
TV
Internet
Outros

Que tipo de conhecimentos é que o agricultor mais necessita para tomar decisões acerca do funcionamento da sua exploração?
(5 = muito importante … 1= menor importância)
Mto importante Importante Neutro Menos importante Menor importância Sem
resposta
Período de conversão
Novas técnicas
Maneio nutritivo
Controlo de pragas e doenças
Controlo de infestantes
Sementes
Escolha de cultivares
Nutrição animal
Saúde animal
Raças animais
Sistemas de maneio animal
Marketing
Venda
Transformação
Maneio trabalhadores
Maneio da exploração
Outros

Problemas durante o período de conversão

Problemas com novas técnicas

Problemas com o maneio de nutrientes

Problemas com o controlo de doenças e pragas

Problemas com o controlo de infestantes

Problemas com sementes

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 38
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Problemas com a escolha de cultivares

Problemas com a nutrição animal

Problemas com a saúde animal

Problemas com as raças animais

Problemas com os sistemas de maneio animal

Problemas com o marketing

Problemas com as vendas

Problemas com a transformação

Outro tipo de problemas

Por favor, especifique os detalhes do problema / informação necessária

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 39
biológica”.
Uma perspectiva sobre a Agricultura Biológica em Portugal

Que tipo de conhecimento será importante? (não mais de 4 palavras por item; 15 opções, começe pela mais importante

Autor do questionário: Peter von Fragstein et al


e-mail: pvf@uni-kassel.de
Instituição: Universidade de Kassel - Alemanha
Tradução e adaptação do questionário: João Guilherme Ferreira Batista
e-mail: jbatista@uac.pt
Instituição: Universidade dos Açores - Portugal

Projecto de Parcerias Leonardo da Vinci “Criação de uma plataforma para comunicação entre ciência e prática num sistema de produção 40
biológica”.