Você está na página 1de 17

Tópicos Avançados de Base de Dados - TABD

AULA 3

CAPÍTULO I
TECNOLOGIA DE UM SGBD -
ELEMENTOS DE UM SISTEMA DE BASE
DE DADOS
SUMÁRIO

● Modelo de dados

● Esquemas e instâncias

● A arquitetura de três esquemas/ANSI-SPARC (The three-schema

architecture)

● Dicionário de dados (catálogo)

● Linguagens de um SGBD

2
MODELO DE DADOS - TIPOS (1)

Definição: Colecção de conceitos que podem ser usados para descrever a


estrutura de uma base de dados. Por exemplo, os tipos de dados (data types),
relacionamentos (relationships), restrições (constraints),...

Tipos de modelos de dados

● Modelo de dados conceitual: conceitos de alto nível, uma representação


da (parte da) realidade, próximo de como o usuário percebe os dados.

Exemplo: Modelo ER (Entidade-Relacionamento), Modelo Orientado a


Objectos (Linguagem de Modelagem Unificada).

3
MODELO DE DADOS - TIPOS (2)

● Modelo de dados de implementação: Conceitos que podem ser


compreendidos pelos usuários finais, mas não estão muito distantes da
organização dos dados físicos. Eles escondem alguns detalhes do
armazenamento de dados, mas podem ser implementados em um
sistema de computador de maneira direta.

Exemplo: o modelo hierarquico, o modelo em rede, o modelo relacional …

● Modelo de dados físicos: conceitos de baixo nível que descrevem os


detalhes do armazenamento físico dos dados.

4
ESQUEMAS E INSTÂNCIAS (1)

Em qualquer sistema de base de dados, é importante distinguir entre a


descrição dos dados e os dados em si:

● Esquema da base de dados: descrição de uma base de dados, que é


especificado durante o design da base de dados e não é esperado que
mude com muita frequência.
➔As informações armazenadas no catálogo

● Estado da base de dados: os dados na base de dados em um


determinado momento, também chamado de conjunto actual de
instâncias.
➔ Os dados actualmente na base de dados
5
ESQUEMAS E INSTÂNCIAS (2)

6
ESQUEMAS E INSTÂNCIAS (3)

7
A ARQUITECTURA DE TRÊS ESQUEMAS/ANSI-SPARC (1)

8
A ARQUITECTURA DE TRÊS ESQUEMAS/ANSI-SPARC (2)

● Visão externa / visões do usuário

Cada esquema externo descreve a parte da base de dados em que um


determinado grupo de usuários está interessado e oculta o restante do base
de dados desse grupo de usuários.

● Esquema conceitual

Especifica objectos, características dos objectos, relacionamentos entre


objectos, regras de integridade e comportamento dos objetos.

Ele oculta os detalhes das estruturas de armazenamento físico e


concentra-se na descrição de entidades, tipos de dados, relacionamentos e
restrições. Um modelo de dados de alto nível ou um modelo de dados de
implementação pode ser usado nesse nível.

9
A ARQUITECTURA DE TRÊS ESQUEMAS/ANSI-SPARC (3)

● Esquema interno

Especifica como os dados são armazenados/organizados fisicamente (por


exemplo, índices, caminhos de acesso, ...)

● Mudanças em uma camada devem ter impacto mínimo nas outras

10
A ARQUITECTURA DE TRÊS ESQUEMAS/ANSI-SPARC (4)

11
DICIONÁRIO DE DADOS (CATÁLOGO)

● Coração do sistema de banco de dados

● Base de dados do sistema com metadados

● Contém as definições de:

●Esquema conceitual

●Visão externa / visões do usuário

●Esquema físico

12
LINGUAGENS DE UM SGBD

● Linguagem de definição de dados (DDL): linguagem usada pelo


administrador de base de dados (DBA) para definir os esquemas
conceituais, internos e externos da base de dados.

● Linguagem de manipulação de dados (DML): linguagem usada para


recuperar, inserir, excluir e modificar dados. Instruções DML podem ser
inseridas interativamente a partir de um terminal ou incorporadas em uma
linguagem de programação de propósito geral.

● Designers de base de dados / administradores de bases de dados /


usuários finais

13
INDEPENDÊNCIA DE DADOS (1)

● As aplicações de software não devem ser alteradas quando ocorrem


alterações nas definições de dados.

● Independência de dados físicos

● Nem as aplicações nem o esquema conceitual devem ser alterados


quando são feitas alterações nas especificações de armazenamento de
dados.

● Por exemplo: novos caminhos de acesso, índices, um outro meio de


armazenamento, ...

● O SGBD fornece interfaces entre os modelos de dados conceitual e físico.

14
INDEPENDÊNCIA DE DADOS (2)

● Independência lógica de dados

●As aplicações de software não devem ser alteradas quando ocorrem


alterações no esquema conceitual.

●por exemplo, adicionar novos objectos ou novas características de


objectos ao esquema conceitual não tem impacto sobre aplicações de
software devido à visão externa.

●O SGBD fornece interfaces entre o esquema conceitual e as visões


externas.

15
16
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

[1] “Database Systems: Concepts, Languages and Architecture”; P. Atzeni, S.


Ceri, S. Paraboschi, R. Torlone; McGraw Hill, 1999

[2] “Database System Concepts"; Abraham Silberschatz, Henry Korth, S.


Sudarshan, 4th edition; Osborne McGraw Hill, 2001

[3] “Object-Relational DBMS’s”; Michael Stonebraker, Dorothy Moore;


Morgan Kaufman Publishers, 1996

[4] “Database Systems: a pratical approach to design,implementation, and


management”; T. Connoly, C. Begg. Addison-Wesley, 1999 (cap.2).

17

Você também pode gostar