Você está na página 1de 13

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA- RJ

DEPARTAMENTO DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO


COORDENAÇÃO DE CONSTRUÇÃO CIVIL

Disciplina: Computação Aplicada

Prof.: Emilson Damasceno de Andrade

Aluno: Kelly Cristine Rodrigues Novaes

_______________________________________________________________

Prova do 2º bim
Estoque de argamassa industrializada em
sacos

_______________________________________________
Rio de Janeiro, 01/12/2010

Argamassas industrializadas

Atualmente está sendo cada vez mais comum o uso de argamassas


industrializadas, ou seja, a mistrura dos componetes secos é realizada em
uma planta industrial. Assim, na obra, apenas deve ser acrescentada água à
mistura prévia.As argamassas industrializadas para aplicação
de revestimentos cerâmicos são conhecidas como argamassas colantes.
Elas apresentam os tipos AC-I, AC-II, AC III e ACIIIE, segundo a norma NBR
14081.

A AC-I é recomendada para o revestimento interno com exceção de saunas,


churraqueiras e estufas. A AC-II é recomendada para pisos e paredes
externos com tensões normais de cisalhamento. A AC-III é recomendada
para pisos e paredes externos com elevadas tensões de cisalhamento. A AC-
IIIE é recomendada para ambientes externos, muito ventilados e com
insolação intensa.

Uma obra mais limpa, com menos desperdício e melhor


qualidade é a promessa dos fabricantes de argamassa
industrializada de base cimentícia. Investimentos no
desenvolvimento de produtos específicos para diferentes
usos são a tônica desta indústria que luta para conquistar o
mercado ainda dominado pelo produto virado na obra
Produtividade e economia: essas são as palavras-chave
quando se fala em argamassa industrializada. Muito
embora o emprego do produto exija um investimento inicial
maior se comparado ao da argamassa virada no canteiro,
na ponta do lápis, acaba saindo mais barato. Ercio Thomaz,
engenheiro e pesquisador do IPT (Instituto de Pesquisas
Tecnológicas do Estado de São Paulo), explica que, para
fazer a mistura, é preciso ter espaço para armazenar areia,
cimento e cal, além de pessoal preparado para a produção,
"o que não é fácil de encontrar porque pouca gente tem o
domínio da dosagem correta", afirma. Preparar a
argamassa na obra exige, ainda, bons fornecedores de
areia, pois um material sujo ou com granulometria
diferente prejudica o resultado final. "Isso faz com que
haja, por exemplo, uma rugosidade diferente da prevista",
explica Mércia Barros, professora da Epusp (Escola
Politécnica da Universidade de São Paulo).
Outro ponto a favor das industrializadas é que há
argamassas específicas para cada tipo de utilização. Na
verdade, embora já sejam usados na construção há mais
de 20 anos, apenas nos últimos cinco anos é que houve um
maior desenvolvimento tecnológico dos produtos, em
especial pela adição dos componentes que os tornam
próprios para assentamento, rejunte e revestimento, entre
outras aplicações específicas.

"A argamassa aplicada em uma fachada, por exemplo, está


sujeita a situações muito diferentes daquelas que afetam o
material usado no revestimento de banheiro", diz Rubiane
Antunes, do controle de qualidade da Lafarge, "o produto
aplicado em fachadas tem de suportar mudanças
repentinas de clima", completa. É por isso que as
argamassas devem ter características e propriedades que
as diferenciem. "Quanto mais exposta estiver ao sol,
umidade e vento, por exemplo, mais forte e robusta deve
ser. Assim, balanceamos as quantidades de polímeros,
celulose e cimento para que seja adequada ao uso",
explica.

Entre os aditivos responsáveis por essas propriedades


especiais estão os retentores de água, cuja finalidade é
impedir que a evaporação seja rápida, colaborando para a
aderência do produto. O plastificante, por outro lado, não
deixa sobrar água, o que pode ocasionar fissuras. "A
tendência é desenvolver produtos cada vez mais
específicos", confirma Sérgio Luiz Victor, gerente de
argamassa da Votorantim. Victor conta que a Votorantim
desenvolve produtos de acordo com a demanda. "Por
exemplo, acompanhamos constantemente as novidades da
indústria cerâmica para responder com produtos
adequados a cada nova tecnologia", explica.

Rubiane Antunes, da Lafarge, vai além. "Cada região do


país tem uma cultura e um clima distintos e precisa de
uma argamassa específica. Assim, é possível que, no
futuro, tenhamos diferentes argamassas para cada região
brasileira."

Apesar de reconhecidamente melhor, as argamassas


industrializadas ainda não têm tantos adeptos no Brasil. As
regiões sudeste e sul são as maiores consumidoras do
material, com São Paulo na liderança. Aos poucos,
entretanto, o mercado vai sendo conquistado. "Nosso
crescimento no volume de vendas no último ano foi de
30%", conta Victor. "Trabalhamos para conscientizar o
mercado brasileiro e temos certeza de que, em cinco anos,
a história vai ser outra", prevê o executivo da Votorantim.
As argamassas industrializadas começaram a ser
produzidas no Brasil na década de 90. Atualmente, há mais
de 30 tipos diferentes de argamassas industrializadas,
indicadas para diversas utilizações, tais como contrapisos,
revestimentos internos e externos, assentamento de
cerâmicas e alvenaria, decoração e texturas, entre outros.
Uma das principais vantagens é que o produto permite
eliminar em até 80% as perdas, se comparado às
argamassas feitas em obra.
Fabricada em unidades industriais, a argamassa
industrializada é produzida com controle de qualidade. É
composta por areia seca, com teor de inchamento próximo
a zero, e vazios reduzidos entre os grãos. Por isso, a
retração no produto industrializado é mínima. Além disso,
tem em sua formulação aditivos que melhoram o seu
desempenho de acordo com a especificação.
Outra grande vantagem das argamassas industrializadas é
o aumento da produtividade da mão-de-obra. O produto é
fornecido ensacado e paletizado, gerando economia na
mão-de-obra que transporta insumos para produção da
argamassa na obra e liberando espaço no canteiro. Estudos
mostram que o tempo que o operário perde para levar o
carrinho de areia para ser misturado com o cimento e a
água significa um acréscimo de 30% sobre o custo de cada
saco de areia. Além disso, o uso do material industrializado
melhora a logística do canteiro, pois permite o transporte
horizontal de insumos e a conseqüente redução do espaço
de estoque.
A Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP)
desenvolveu recentemente uma planilha de análise de
custos, em parceria com fabricantes de argamassas,
consultorias e outras entidades. Com isso, o construtor
pode comparar custos das argamassas industrializadas e
com as produzidas em obra. A planilha permite fazer
simulações instantâneas entre os diferentes sistemas de
argamassa nos revestimentos internos, com dados de cada
obra em particular.
Texto original de Bianca Antunes

Os tipos de argamassa e sua aplicação


Argamassas básicas (cinzas)
Assentamento de alvenarías
Revestimento Paredes internas e externas admitem pintura
Contrapisos
Argamassas colantes
Para revestimentos de pisos e paredes
Existem fabricantes que oferecem produtos específicos
para diferentes tipos de material
Rejunte
Argamassas decorativas
Coloridas (dispensam pintura)
Alguns tipos de argamassas Industrializadas
Pedra firme
Argamassa colante cinza, o Cimentcola Ferma Granito é
específico para assentamento de peças de até 40 cm x 40
cm da pedra. Segundo a Quartzolit, pode ser usada em
sauna úmida, piso aquecido e áreas de grande circulação.
Em embalagens de 25 kg
O juntaplus Piscina , da Eliane foi formulado para
rejuntamentode revestimento cerâmico em piscinas e
emprega pigmentos que não desbotam com a ação do
cloroe dos raios solares.
Em baldes de 5 kg
Sobre gesso
O Qualicola Drywall é uma argamassa colante flexível
indicada para assentamento de revestimento cerâmico
sobre gesso acartonado. Fabricado pela Lafarge, é
comercializado em sacos de 20 kg
Queima etapas
Como o nome indica, o Piso sobre Piso, da Lafarge, serve
para aplicação de revestimento cerâmico sobre outro
existente, eliminando a etapa de remoção do piso anterior.
Disponível em sacos de 20 kg
Sobre azulejo
Formulada para aplicação em qualquer superfície já
revestida de cerâmica, pedras, pastilha de porcelana ou
porcelanato, a Overcoll, da Fortaleza, é comercializada em
sacos de 20 kg
Alta velocidade
Para trabalhos urgentes, reparos e fixações, o Agiforte, da
Rejuntabrás, apresenta secagem e endurecimento rápidos.
Endurece em cerca de 90 minutos e a cura acontece em 8
horas. Vendida em saco plástico de 5 kg
Para ardósia
A Argatex desenvolveu um produto exclusivo para
assentamento de ardósia em pisos e paredes de áreas
externas e internas. A Argatex Cola Ardósia também é
indicada para colocação de pedras como granito miracema
e mineira. Em sacos de 20 kg
Textura
Argamassa decorativa pigmentada e texturizada, o
Argaffiato, da Argatex, é indicado para acabamento de
paredes. Disponível em 20 cores, é comercializada em latas
de 25 kg
Opção para mármore
Argamassa colante branca, o Cimentcola Ferma Mármore
foi criado pela Quartzolit para assentamento de placas
dessa pedra com até 40 cm x 40 cm. Pode ser usada em
sauna úmida, piso aquecido e áreas de alto tráfego. Em
sacos de 25 kg por R$ 50,00
MO 52523
Dois em um
Para tessela de vidro ou pastilha de porcelana, a Maxijunta,
da Rejuntabrás, faz assentamento e rejunte. Pode ser
usada em áreas externas, pisos, paredes e fachadas e é
encontrada em 30 cores. Em potes de 5 kg
Decorativa
Aplicada direto sobre a alvenaria, a Monocapa é uma
argamassa decorativa fabricada pela Quartzolit. Há 38
cores prontas, mas podem ser criadas tonalidades fora do
padrão. Comercializada em embalagem de 30 kg
Em cores
Da Fortaleza, o Rejunta Tudo Colorido compõe juntas de
assentamento de 1 mm a 16 mm em cerâmica, pedra ou
porcelanato, em áreas externas, internas e piscina. Em 30
cores, é comercializado em sacos de 1 kg
Blocos no lugar
Versátil, a Massa Pronta, da Camargo Corrêa, serve para
assentamento de blocos de concreto, cerâmicos, sílico-
calcários e tijolos comuns, além de alvenaria estrutural
e revestimento de paredes. Em embalagens de 20 kg e 40
kg
Não à umidade
A Italit produz a Itaplast, um revestimento decorativo
formulado com polímeros orgânicos e hidrofugantes. Pode
ser aplicado sobre gesso ou pintura e tem a propriedade de
eliminar a umidade do ambiente. Em sacos de 15 kg
Alvenaria
A Votomassa Blocos Especiais, da Votorantim, é uma
argamassa básica para assentamento de peças de
concreto celular autoclavado na composição de alvenaria.
Admite outros tipos de bloco. Disponível em embalagens
de 20 kg
Alto tráfego
De secagem rápida, a ArgatexCola Rápida, da ArgaTex, é
indicada para áreas de grande circulação de pessoas.
Depois de apenas três horas do término da aplicação do
produto, o local pode ser liberado para uso.

Central de argamassa

•localizar: nas proximidades do estoque de areia; próximo ao


equipamento para transporte vertical; de preferência em local
coberto (para viabilizar trabalho mesmo com chuva)
•cuidado com interferências com outros fluxos de material
•número de betoneiras é função da demanda da obra por
argamassas (mesmo que a obra só demande uma, é conveniente
ter uma menor para caso de emergências)
•prever tablado para estoque dos sacos de aglomerante
necessários para o dia de trabalho
•ordem de grandeza de área: 20 m2

Quanto a sua preparação

Na preparação da argamassa, os sacos deverão ser


abertos, imediatamente, antes da sua aplicação e
utilizando todo o seu conteúdo, se possível.

Em seguida deverá colocar-se na betoneira


aproximadamente 75% da água de amassadura, e
adicionar o produto de forma contínua, de modo a evitar a
formação de grumos. A mistura deverá realizar-se durante,
aproximadamente, 3 minutos, juntando em seguida a água
restante, até se atingir a consistência desejada, mexendo
durante mais 3 minutos. A mistura deverá deixar-se
repousar durante, aproximadamente, 10 a 15 minutos
antes de aplicar.

A aplicação deverá ser efectuada com colher de pedreiro


ou talocha metálica, dependendo do tipo de acabamento a
realizar. Não se deverá aplicar a argamassa a temperatura
inferior a 5ºC. Em caso de temperatura elevada (30ºC) será
necessário aplicar a argamassa imediatamente após a sua
preparação.

Uma das tarefas finais na aplicação de azulejos é o


preenchimento dos espaços entre os azulejos com
argamassa. Existem alguns passos a seguir para completar
essa tarefa.
Passo 1- Assim que estejam colocados os azulejos terá de
dar algum tempo para que a cola seque. O tempo de
espera normalmente consiste em 24 horas de descanso
antes de aplicar a argamassa.
Passo 2- A escolha do tipo de argamassa vai depender
onde estão colocados os azulejos ou seja na cozinha e casa
de banho o ideal é utilizar argamassa impermeabilizada.
Existe também outros tipos de argamassa que pode
funcionar bem dependendo do local a impermeabilizar

Passo 3 - Aplique a argamassa com um rodo de borracha


ou com uma esponja húmida, enchendo bem as juntas dos
azulejos. Cubra com argamassa uma área com cerca de um
metro quadrado de cada vez.
Passo 4 - Deixe a argamassa secar, depois limpe os
azulejos com uma esponja húmida. Finalmente, pode polir
com um pano para ter um acabamento mais brilhante.
Nota: Não deixe a argamassa secar na superfície dos
azulejos, porque será de difícil remoção. A medida que
trabalha, limpe o excesso com um pano húmido. Se preferir
um acabamento côncavo na argamassa, passe
cuidadosamente com uma cavilha ou um modelador de
argamassa em cada junta.

Branqueadores de argamassa

Se a argamassa fica manchada, existem produtos


branqueadores com que se pinta simplesmente por cima
para criar novas linhas de argamassa brancas. A
argamassa colorida pode ficar muito pesada,
especialmente entre azulejos brancos. No entanto, algumas
não são adequadas para utilizar em cima de argamassa
impermeabilizada. Verifique sempre as instruções do
fabricante.

A temperatura da massa influencia muito no tempo que a


mesma leva para endurecer. Quanto mais quente, mais
rapidamente vai endurecer.
Quanto mais rápido a massa endurece, menos tempo útil
teremos para aplicá-la e mais perigo corremos da massa
secar, sem a água suficiente para alcançar a resistência
necessária.
Nota: A temperatura da massa não deve ultrapassar a
temperatura de 30 graus centígrados.

Factores que influenciam para a massa ficar quente


demais:

- Areia quente;
- Água na dorna (tambor) aquecida pelo sol;
- Sacos de cimento estacados ao ar livre, em pleno sol;
- Masseiro quente;
- A própria massa exposta ao sol.

Sacos multifoliados colados valvulados são produzidos com papéis Kraft


natural e extensível e revestidos com filme de polietileno (PE), cuja
propriedade relevante é a resistência obtida durante a utilização e
distribuição, o que permite uma boa proteção e acondicionamento para o
produto ensacado.

Tipos de Sacos de Papel


As características do produto e a forma como será realizado o
ensacamento, armazenamento e distribuição por parte do cliente final é
que determina o modelo de saco de papel que se utiliza para as devidas
aplicações. Os tipos de sacos de papel fabricados atualmente são:

a) Saco Valvulado com fundo colado.


Apropriado para ensacadeiras automáticas, manuais, rotativas e
estacionárias com alta velocidade de ensacamento. O enchimento é feito
através de bicos, onde as válvulas se fecham com a própria pressão do
produto durante o processo de enchimento. É adequado para acomodação
em paletes e auto-pack.

Suas principais aplicações são para sacos para cimento,


cal, argamassas e minérios.
b) Saco Boca aberta com fundo colado.
Não requer ensacadeira especial para seu enchimento, além de permitir a
introdução de outro saco plástico em seu interior. Porém não é adequado
para paletização, onde necessita de costura em sua boca uma vez que
cheio.
· Suas principais aplicações são em embalagens para reensaque, sementes,
farelos, amidos, minerais e termoplásticos.
Especificação dos Sacos Valvulados
Varia de acordo com as características do produto a ser utilizado,
condições de ensacamento, armazenamento e manipulação dos sacos de
papel. O número de folhas pode variar entre 1 a 4, com gramaturas entre
60 e 120 g/m².

Para alguns produtos específicos se utiliza também uma folha adicional


revestida com PE (filme de polietileno), que permite uma melhor
conservação do produto ensacado.

Características de Impressão de sacos de papel


Possuímos uma tecnologia em impressão flexográfica para embalagem de
papel atendendo as exigências de desenho e qualidade de impressão,
podendo oferecer lay-outs de até 4 cores, dependendo da necessidade do
cliente.

Forma de embalagens para despacho


Contamos com uma variada diversificação na modalidade de despachos:

• Paletizadas;
• Fardos de 50 - 100 e 150 amarrados;
• Fardos de 50 - 100 e 150 dobrados e amarrados;

Mercados
Os sacos multifoliados de papel são utilizados atualmente para
ensacamentos de numerosos produtos com capacidades de 20kg a 50kg,
destinado ao mercado interno e externo com uma importante variedade.

Entre eles, se encontram os seguintes:


Produtos para Construção
• Saco para Cimento
• Saco para Cal
• Saco para Argamassa

Alimentos humano e animal


• Saco para Açúcar
• Saco para Farinha
• Saco para Arroz
• Saco para Ração

Produtos químicos
• Saco para Carbonatos
• Saco para Compostos
• Saco para Calcário
• Saco para Produtos industriais Termoplásticos
• Saco para Resinas plásticas

Outros mercados
• Saco para Sementes

Capacidade Produtiva
Atualmente a capacidade de produção de sacos de papel gira em torno de
20.000.000 unidades/mês.