Você está na página 1de 6

Arquivo Brasileiro de Odontologia v.9 n.

2 2013

Parestesia do nervo alveolar inferior após exodontia de terceiros


molares
Paresthesia of the inferior alveolar nerve after third molar inferior extraction

Gabriela Barros Lopes1

João Batista de Freitas2

1
Cirurgião-Dentista pela PUC Minas
gabrielabarroslopes@gmail.com

2
Professor adjunto da Faculdade de Odontologia da Pontifícia Universidade Católica de Minas
Gerais.

RESUMO
A parestesia do nervo alveolar inferior é uma condição que pode afetar pacientes submetidos à cirurgia de
exodontia dos terceiros molares. Tendo em vista o aumento da incidência desse tipo de procedimento
entre os dentistas, é importante o conhecimento a respeito do assunto, levando em consideração o que
pode ser feito para evitar um possível dano nervoso durante o ato cirúrgico. O presente trabalho tem por
objetivo realizar uma revisão de literatura, buscando avaliar a relação entre a exodontia de terceiros
molares e a ocorrência da parestesia do nervo alveolar inferior. Para isso, serão discutidas as principais
causas da parestesia, bem como os métodos de prevenção e os tipos de tratamento mais utilizados caso
ela ocorra.

Descritores: Parestesia. Nervo alveolar inferior. Terceiros molares. Cirurgia.

ABSTRACT
The paresthesia of the inferior alveolar nerve is a condition that can affect patients submitted to third-
molar extraction. In view of the growing incidence of this procedure among dental surgeons, it is important
to know more about this subject, considering what can be done to avoid a possible nerve injury during the
surgical act. The aim of the current study is to perform a literature review in order to evaluate the relation
between the extraction of third-molars and the occurrence of paresthesia, likewise the methods of
prevention and the types of treatments more used when it occurs.

Keywords: Paresthesia. Inferior alveolar nerve. Third-molars. Surgery.

35
Arquivo Brasileiro de Odontologia v.9 n.2 2013

INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA


A exodontia de terceiros molares se Segundo Simões et al¹, a exodontia de
tornou bastante frequente e, por isso, é terceiros molares vem se tornando um
importante atentar para os cuidados procedimento comum na Odontologia. Isso
necessários a fim de se evitar possíveis acontece devido a uma série de fatores,
complicações pós-operatórias, dentre as dentre os quais, por exemplo, a falta de
quais está a parestesia. Essa é uma condição espaço para esse elemento dentário,
que pode trazer um considerável grau de fazendo com que não haja sua erupção
desconforto e incômodo ao paciente, que espontânea na cavidade oral (retenção
relata, algumas vezes, ausência de dentária).
sensibilidade em determinada região, assim A parestesia do nervo alveolar inferior
como outros sintomas, tais como é uma condição que pode afetar os
formigamento, dormência, sensibilidade pacientes submetidos à cirurgia de
alterada ao frio ou ao calor, “fisgada” e exodontia dos terceiros molares. Alterações
coceira. de sensibilidade podem ocorrer em
Os terceiros molares inferiores podem conseqüência de traumas diretos, incisão do
apresentar uma estreita relação com o nervo nervo, ou indiretos, compressão devido a
alveolar inferior, o que colabora para o hematoma e edema, Faber².
aumento das chances de lesão desse nervo O conhecimento anatômico do nervo
durante o ato cirúrgico. No entanto, alveolar inferior, da posição do canal
algumas medidas podem ser adotadas pelo mandibular e das raízes dos terceiros
profissional com o intuito de prevenir este molares são fatores relevantes para prevenir
tipo de intercorrência, como, por exemplo, a a ocorrência da parestesia, Rosa et al³
utilização de exames complementares de (Figura 1). Uma incidência de 0,4-8,4% para
imagem, o investimento em uma a ocorrência da parestesia do nervo alveolar
capacitação profissional de qualidade e o inferior foi documentada por diversos
uso de instrumental cirúrgico adequado. autores: Rosa et al³; Park et al4; Sivolella et
Este trabalho tem por objetivo realizar al5. Ela se apresenta como uma
uma revisão de literatura buscando avaliar a insensibilização na região inervada por
relação entre a exodontia de terceiros determinado nervo, decorrente da lesão de
molares e a ocorrência da parestesia do nervos sensitivos. A sintomatologia
nervo alveolar inferior. Para isso, serão apresentada pelo paciente pode variar entre
discutidas as principais causas da parestesia, ausência de sensibilidade na região afetada,
bem como os métodos de prevenção e os sensibilidade alterada ao frio ou calor, dor,
tipos de tratamento mais utilizados caso ela sensação de dormência, formigamento,
ocorra. “fisgada” e coceira, Farias6.

36
Arquivo Brasileiro de Odontologia v.9 n.2 2013

Figura 1 - Variações das relações entre os terceiros molares e o canal mandibular; (A)
estreitamento do canal, (B) obscurecimento radicular, (C) obscurecimento e ápice
bífido da raiz, (D) estreitamento radicular, (E) interrupção do canal, (F) desvio do
9
canal, (G) deformação da raiz. (Jerjes et al ).

A posição dos terceiros molares deve distoangular e mesioangular), enquanto Pell


ser corretamente avaliada pelo profissional e Gregory, em 1933, classificaram-nos
durante o planejamento cirúrgico pré- quanto à profundidade de inclusão (classes
operatório. Para facilitar a comunicação A, B e C) e relação com o ramo mandibular
entre os profissionais e realizar uma (classes I, II e III). Tal avaliação do
avaliação adequada, foram criadas diversas posicionamento dentário, bem como do
classificações. George Winter, em 1926, canal mandibular, é bastante eficiente
classificou os dentes quanto às suas quando se dispõe de exames de imagem
angulações (vertical, horizontal, auxiliares, Santos et al7 (Figura 2).

37
Arquivo Brasileiro de Odontologia v.9 n.2 2013

7
Figura 2 - Classificações de Winter e de Pell e Gregory. (Santos et al )

O desenvolvimento tecnológico em Damiani et al10. Grande parte das


exames de magem tem proporcionado uma complicações cirúrgicas se deve a erros de
boa avaliação da proximidade anatômica avaliação, utilização inadequada de
entre os terceiros molares e o nervo alveolar instrumentos, aplicação errônea de força e
inferior, Park et al4. Dentre os exames visualização deficiente por parte do
complementares mais utilizados estão as profissional, Simões et al¹. Já de acordo com
radiografias panorâmicas e tomografias, Jerjes et al9, o stress e a ansiedade do
tendo suas indicações específicas para profissional com menor experiência também
diferentes situações. A radiografia podem afetar negativamente o paciente de
panorâmica é muito útil na identificação e forma direta e estar relacionados a
classificação das variações anatômicas complicações pós-operatórias.
apresentadas pelo canal mandibular, mas De acordo com Flores et al8, quando a
tem limitações nos casos onde há estreita parestesia ocorre, em 96% dos casos o
relação entre os terceiros molares e o canal retorno sensitivo é restabelecido
mandibular. Nesses casos, a tomografia é espontaneamente em 24 meses. Para Rosa
mais eficiente e precisa, por fornecer a et al³, os casos que requerem tratamento
imagem com menor grau de distorção e em contam com as modalidades cirúrgica
três dimensões, Flores et al8 . (microneurocirurgia), medicamentosa
Além dos exames complementares de (vitamina B1, cortisona) e aplicação de laser
imagem, também tem influência direta na de baixa intensidade (GaAIAS 820 nm).
ocorrência ou não de lesão nervosa durante Entretanto, como não há garantias do
a exodontia de terceiros molares o correto retorno por completo da sensibilidade, a
diagnóstico e a habilidade técnica do prevenção ainda é a melhor maneira de lidar
profissional responsável pela cirurgia, com a parestesia. Adotando um bom

38
Arquivo Brasileiro de Odontologia v.9 n.2 2013

planejamento operatório, com uma técnica melhor forma de prevenir a ocorrência da


cirúrgica adequada e precisa, bem como parestesia. Simões et al¹ acrescenta que os
radiografias panorâmicas ou tomografias acidentes e complicações decorrem muitas
computadorizadas, o profissional minimiza vezes devido à aplicação inadequada de
substancialmente as chances de gerar uma força, visualização deficiente e mau uso de
alteração sensitiva em seus pacientes. instrumentos durante a cirurgia. Seguindo a
mesma linha, Jerjes et al9 relata que há uma
DISCUSSÃO diferença na ocorrência desse tipo de
Jerjes et al9, Santos et al7 e Simões et complicação, quando se compara
al¹ concordam que a cirurgia de exodontia profissionais generalistas e especialistas,
dos terceiros molares é uma prática sendo maiores as chances de sua ocorrência
frequente entre os dentistas e que a inclusão entre o primeiro grupo. Ele também afirma
desses elementos também ocorre com que o stress e a ansiedade dos profissionais
grande incidência, exigindo uma avaliação com menor experiência podem afetar o
adequada. Com a prática da exodontia de paciente, de maneira a contribuir para a
terceiros molares, o risco de complicações ocorrência de complicações pós-
pós-operatórias aumentou e exige maior operatórias.
cuidado do profissional. Para Rosa et al³, a Quando não se consegue evitar a
parestesia do nervo alveolar inferior é uma ocorrência da parestesia, alguns métodos de
condição que pode surgir com a exodontia tratamento podem ser empregados a fim de
dos terceiros molares, por esse nervo se se obter o retorno sensitivo. Damiani et al10
relacionar anatomicamente com os dentes e Rosa et al³ afirmam que, na maioria dos
em questão – trajeto do canal mandibular. casos (96%), o retorno sensitivo ocorre de
A análise radiográfica consiste em um forma espontânea dentro de 24 meses. Para
dos meios auxiliares para um bom Rosa et al³, caso depois desse período a
planejamento cirúrgico, Santos et al7 . A parestesia ainda persista, os meios
radiografia panorâmica, segundo Flores et disponíveis para sua resolução são o
al8 e Park et al4, é um exame bastante medicamentoso, a terapia a laser e a
utilizado para a avaliação da posição do cirurgia. O meio medicamentoso consiste na
nervo alveolar inferior em relação aos administração de vitamina B1 associada à
terceiros molares. Entretanto, Sivolella et estrectinina na dose de 1 miligrama por
al5, afirma que, apesar de ser indispensável ampola, em injeções intramusculares por 12
para o planejamento, a panorâmica nem dias ou uso oral de 100 miligramas de
sempre vai atender às necessidades do cortisona a cada seis horas durante os dois
profissional, sendo indicada, então, a ou três primeiros dias. A utilização do laser
tomografia computadorizada, que fornece a de baixa intensidade (GaAIAS 820nm)
imagem em três dimensões e com menor também auxilia no tratamento de alterações
dose de radiação para o paciente. Em sensitivas de longa duração. Já a terapia
contrapartida, Flores et al8, afirma que, cirúrgica consiste na microneurocirurgia, e é
apesar da eficácia da tomografia recomendada nos casos em que houve a
computadorizada, a panorâmica é a mais ruptura do nervo, sendo de muita
indicada para verificar a forma e o trajeto do importância a sua realização o mais cedo
canal mandibular, principalmente porque possível, para que aumentem as chances de
ela é mais facilmente analisada pelo um resultado favorável.
profissional e de menor custo, quando
comparada à tomografia. CONCLUSÃO
Rosa et al³ e Damiani et al10 concordam A frequência da exodontia dos terceiros
que a habilidade do profissional, bem como molares faz com que complicações pós-
o correto diagnóstico e a utilização de operatórias ocorram em maior número. A
instrumental adequado fazem parte da parestesia do nervo alveolar inferior pode
advir como consequência da falta de

39
Arquivo Brasileiro de Odontologia v.9 n.2 2013

planejamento cirúrgico, da inabilidade 3. Rosa FM, Escobar CAB, Brusco LC. Parestesia
técnica do profissional e do uso incorreto de dos nervos alveolar inferior e lingual pós
instrumentos. cirurgia de terceiros molares. RGO 2007; 55
A avaliação de exames (3): 291-95.
4. Park W, Choi J, Kim J, Kim B, Kim HJ, Lee S.
complementares de imagem – radiografia
Cortical integrity of the inferior alveolar canal
panorâmica e tomografia computadorizada as a predictor of paresthesia after third-molar
– é muito importante para conferir a posição extraction. J Am Dent Assoc 2010; 141 (3):
anatômica assumida pelo canal mandibular 271-78.
em relação aos terceiros molares e não deve 5. Sivolella S, Boccuzo G, Gasparini E, Conti GD,
ser deixada de lado pelos profissionais. Berengo M. Assessing the need for computed
Por ser a medida mais eficaz tomography for lower-third-molar-
encontrada atualmente, a prevenção é extraction: a survey among 322 dentists.
fundamental para a resolução da parestesia. Radiol Med J 2012; 117 (1): 112-24.
6. Farias BN. Parestesia do nervo alveolar
Ela consiste no correto diagnóstico,
inferior após cirurgia dos terceiros molares
conhecimento anatômico e técnico do
mandibulares. [Monografia de conclusão de
profissional e na utilização de instrumentais curso]. João Pessoa: Universidade Federal da
em bom estado e de forma adequada. Paraíba, Curso de Graduação em
Entretanto, caso a parestesia ocorra, Odontologia; 2010.
existem as formas de tratamento 7. Santos DR, Quesada GAT. Prevalência de
medicamentoso, a laser ou cirúrgico, com terceiros molares e suas respectivas posições
indicação aplicada de acordo com cada caso. segundo as classificações de Winter e de Pell
e Gregory. Rev Cir Traumatol Buco-Maxilo-
Fac. 2009; 9 (1): 83-92.
REFERÊNCIAS 8. Flores JA, Flores FW, Unfer MK, Ferrari, R.
Relação entre os terceiros molares inferiores
com o nervo alveolar inferior. Int J Dent
1. Simões FG, Santos GP, Olandoski M, Guariza
2009; 8 (4): 210-14.
O. Análise dos acidentes e complicações em
9. Jerjes W, Upile T, Kafas P, Abbas S, Rob J,
cirurgias de terceiros molares inferiores
McCarthy E et al. Third molar surgery: the
retidos ocorridos em Curitiba (PR). Rev Sul-
patient’s and the clinician’s perspective. Int
Bras Odontol 2005; 2 (2): 43-8.
Arch Med 2009; 2 (1): 32.
2. Faber J. Alteração de sensibilidade após a
10. Damiani, Giuliano João, Céspedes, Isabel
remoção de terceiros molares inferiores.
Cristina. Prevalência de lesão dos nervos
Dental Press Ortodon Ortop Facial. 2005; 10
alveolar inferior, bucal e lingual em
(6): 16.
procedimentos operatórios. Rev Odonto.
2007; 15 (29): 50-7.

40