Você está na página 1de 14

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Faculdade de Farmácia
Projeto: Farmacannabis-UFRJ
Responsável: Profa. Dra. Virgínia Martins Carvalho - farmacannabis@gmail.com

RELATÓRIO FINAL DE OFICINAS FARMACANNABIS

ANO 2016

A maioria das oficinas foram realizadas nas casas de responsáveis de


pacientes que já eram assistidos por cultivadores. Foi adotado o procedimento de
obserção sem intervenção, o projeto não dispunha de recursos analíticos em 2016
para avaliar de forma concreta as técnicas. Embora a técnica de extração com gelo
seco fosse teoricamente pouco eficiente foi adotada cautela para não intervir nos
tratamentos em andamento, pois um método teoricamente mais eficiente poderia gerar
extratos mais concentrados e implicar em efeitos tóxicos nos pacientes.

A partir de dezembro de 2016 foi oferecido aos responsáveis de pacientes,


especialmente suas mães, a possibilidade de preparação dos extratos de seus filhos
sob acompanhamento e orientação farmacêutica no Laboratório de Análises
Toxicológicas (LATox).

17/09/16

Matéria-prima vegetal: Flores secas de Cannabis sp. de 2 variedades


identificadas por cultivadores como (a) "Harle-Tsu" e (b) "Cinderela"

Segundo percepção e expêriencia empírica de cultivadores a variedade Harle-


Tsu é rica em canabidiol (CBD), enquanto a variedade Cinderela é rica em ∆9-
tetrahidrocanabinol (∆9-THC).

Não houve pesagem do vegetal seco1, apenas estimado o volume em béquer


de plástico, cerca de 2L.

As flores secas da variedade Harle-Tsu foram inseridas em bolsa com tela


perfurada (bolsa dotada de malha semelhante a uma peneira denominada na cultura
canábica de "bag para produção de kief" e inserido o gelo seco, em torno de 1 kg.

A bolsa foi aparada em balde plástico e agitada vigorosamente até extração de


material pulverizado de textura fina semelhante a material particulado, embora parte
1
Responsáveis de pacientes eram orientados a não manter balança de precisão em casa para em caso
de diligência policial não terem elementos que pudessem constituir evidência de tráfico. Isso
demonstrava entre outros fatores a necessidade de produção no ambiente laboratorial.

Laboratório de Análises Toxicológicas


Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas
Av. Carlos Chagas Filho, 373, CCS - Bloco A - 2º andar
Cidade Universitária - RJ, CEP: 21.941-902
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Faculdade de Farmácia
Projeto: Farmacannabis-UFRJ
Responsável: Profa. Dra. Virgínia Martins Carvalho - farmacannabis@gmail.com

do material tenha sido suspenso no ar e perdido ao ambiente, quantidade considerável


foi recuperada no balde plástico. Esse material recuperado no balde e denominado
"kief" pelos cultivadores foi transferido para panela elétrica dotada de hélice
misturadora (semelhante à hélice do liquidificador) com controle de homogeneização,
tempo e temperatura (Magical Butter, comercializada nos EUA com ilustrações na
embalagem que remetem à produção de manteiga de maconha). Foi adicionado à
panela óleo de soja orgânico (cerca de 1,5 litros) e ajustado o ciclo para 4h à 104 ºC.

Enquanto foi aguardado o ciclo de decocção (aquecimento contínuo) e


homogeneização, procedeu-se a extração da resina das flores secas da variedade
Cinderela com álcool de cereais. Foi transferida cerca de 1L de flores (medido em
béquer plástico) para recipiente de vidro e adicinou-se 2L de álcool de cereais,
homogeneizou-se cerca de 30 minutos com mixer seguido de filtração. Após filtração o
material líquido foi transferido para panela de inox e o álcool evaporado em banho-
maria até obtenção da resina semelhante a uma cera.

Após o término do ciclo de decocção, foi adicionado óleo de coco, cerca de 500
mL e a resina de Cinderela foi adicionada ao extrato oleoso (Harle-Tsu) da panela
elétrica para obtenção do que os cultivadores denominaram "óleo rico CBD e THCA ".

A concentração estimada pelos preparadores foi de 20% v/v apenas por


comparação de volume em béquer de plástico, nenhum critério gravimétrico ou
volumétrico de precisão foi adotado.

O óleo final foi composto pelo óleo obtido pela decocção em panela "Magical
Butter" misturado com a resina obtida pela extração alcoólica da variedade "Cinderela"
(Quadro 1).

Quadro1. Concentrações de canabinóides nos extratos artesanais.

Canabinóide Óleo final Resina


Legenda: CBDA=ácido canabidiólico;
mg/mL mg/mL
CBD=canabidiol; THCA=ácido
CBDA 1,89 0,07 tetrahidrocanabinólico; CBN=canabinol
CBD 1,21 0,33 (produto de degradação do (∆9-THC);
THCA 0,04 0,14 THC=∆9-tetrahidrocanabinol; ND=não
CBN 0,22 8,42 detectado.
THC 1,52 28,30

Laboratório de Análises Toxicológicas


Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas
Av. Carlos Chagas Filho, 373, CCS - Bloco A - 2º andar
Cidade Universitária - RJ, CEP: 21.941-902
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Faculdade de Farmácia
Projeto: Farmacannabis-UFRJ
Responsável: Profa. Dra. Virgínia Martins Carvalho - farmacannabis@gmail.com

11/12/16

Esta oficina iniciou-se na casa de mãe de paciente no dia 11/12/16 e foi


concluída no LATox-UFRJ no dia 14/12/2016 – apenas flores Harle-Tsu.

Foi solicitada às mães que reservassem um pouco de flores secas de Harle-


Tsu para testar o método de extração alcoólica no Laboratório.

Extração física com gelo seco

Extração física de cerca de 2 litros de flores com gelo seco para produção de
“kief”. Esse material finamente pulverizado denominado "kief" foi transportado ao
LATox onde foi pesado (massa=190 gramas). Os 190 gramas de material finamente
pulverizado foi transferido para a panela "Magical Butter", misturado com 1 L de óleo
de soja orgânico e ajustado o ciclo de 4h/104ºC. Após o término do ciclo programado
adicionou-se 700 mL de óleo de coco orgânico com rendimento total de 2000 mL (2 L)
de óleo

Uma parte das flores foi separada ainda na casa da mãe de paciente para
realização de extração alcoólica no LATox, conforme segue:

Extração alcoólica experimental realizada inteiramente no LATox

Foram pesadas as flores secas (21,86 g) e após separação mecânica adicinou-


se 500 mL de álcool absoluto (HPLC) gelado, procedeu-se a agitação mecânica
durante 20 minutos e filtração. O álcool foi evaporado em chapa de aquecimento sem
controle de temperatura. Após completa evaporação a resina apresentou massa de
2,0 gramas que foi dissolvida em 120 mL de óleo de soja orgânico.

Os teores de canabinóides são apresentados no Quadro 2.

Laboratório de Análises Toxicológicas


Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas
Av. Carlos Chagas Filho, 373, CCS - Bloco A - 2º andar
Cidade Universitária - RJ, CEP: 21.941-902
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Faculdade de Farmácia
Projeto: Farmacannabis-UFRJ
Responsável: Profa. Dra. Virgínia Martins Carvalho - farmacannabis@gmail.com

Quadro 2. Concentrações de canabinóides nos extratos artesanais.

Extração
Canabinóide Gelo seco alcoólica Legenda: CBDA=ácido canabidiólico;
mg/mL mg/mL CBD=canabidiol; THCA=ácido
CBDA 2,67 0,06 tetrahidrocanabinólico; CBN=canabinol
CBD 1,21 7,95 (produto de degradação do (∆9-THC);
THC=∆9-tetrahidrocanabinol; ND=não
THCA 0,07 ND
detectado.
CBN 0,00 ND
THC 0,10 0,33

PORCENTAGEM DE CBD OBTIDO NA EXTRAÇÃO DO MATERIAL VEGETAL


SECO: cerca de 4%

Importante ressaltar que os resultados analíticos só foram obtidos no 2º


semestre de 2017, após obtenção de financiamento coletivo para compra
de insumos e após aquisição do equipamento utilizado nas análises
(HPLC-DAD) pelo LATox com recurso indepente do financimento coletivo.
Assim não foi sugerida intervenção na maneira como os responsáveis
vinham fazendo os extratos.

Embora não houvesse como medir os teores de canabinóides nos


extratos por falta de recursos tecnológicos e insumos, os pacientes foram
convidados a fazer encontros e troca de experiências no LATox.

Laboratório de Análises Toxicológicas


Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas
Av. Carlos Chagas Filho, 373, CCS - Bloco A - 2º andar
Cidade Universitária - RJ, CEP: 21.941-902
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Faculdade de Farmácia
Projeto: Farmacannabis-UFRJ
Responsável: Profa. Dra. Virgínia Martins Carvalho - farmacannabis@gmail.com

ANO 2017

11/01/2017

Mãe de paciente trouxe ao LATox um pote de 500 mL de vidro contendo flores


secas de cannabis variedade Harle-Tsu. As flores secas foram pesadas e
apresentaram massa=15,7 gramas. Foi acompanhada a extração física por gelo seco
que resultou em 5,1 gramas de material finamente pulverizado “kief”. Devido à
quantidade reduzida de material não havia como utilizar a panela "Magical Butter",
pois a mesma precisa de no mínimo 500 mL de volume líquido.

O material pulverizado (15,7 gramas) foi misturado com 100 mL de óleo de


coco orgânico em béquer de vidro e submetido diretamente à chapa de aquecimento,
sob temperatura de 108ºC (controlado por termômetro) durante 4 horas.

Concentração kief/óleo = 5,1g/100 mL = 0,051 g/mL ou 51 mg/mL

Os teores de canabinóides são apresentados no Quadro 3.

Quadro 3. Concentrações de canabinóides no extrato artesanal.

Canabinóide Gelo seco


Legenda: CBDA=ácido canabidiólico;
mg/mL CBD=canabidiol; THCA=ácido
CBDA 2,32 tetrahidrocanabinólico; CBN=canabinol
CBD 1,06 (produto de degradação do (∆9-THC);
THCA 0,05 THC=∆9-tetrahidrocanabinol; ND=não
CBN ND detectado.
THC ND

24/06/2017

Dois responsáveis de pacientes cultivaram plantas Harle-Tsu, o 1º adotou


cultivo out door e contribuiu com flores secas que apresentaram massa=23,9 gramas;
o 2º adotou cultivo in door e contribuiu com duas porções de flores secas, a 1ª colhida
em 01/05/17, massa=32,7 gramas e a 2ª colhida em 26/05/17, massa=37,9 gramas.

Após retiradas alíquotas de cada amostra para pesquisa as flores foram


reunidas resultando em massa=84,7 gramas. A amostra foi pulverizada com gelo seco
resultando em 31,17 gramas de material finamente pulverizado (kief). O material

Laboratório de Análises Toxicológicas


Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas
Av. Carlos Chagas Filho, 373, CCS - Bloco A - 2º andar
Cidade Universitária - RJ, CEP: 21.941-902
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Faculdade de Farmácia
Projeto: Farmacannabis-UFRJ
Responsável: Profa. Dra. Virgínia Martins Carvalho - farmacannabis@gmail.com

pulverizado foi transferido para a panela "Magical Butter" e misturado 500 mL de óleo
de soja orgânico e ajustado o ciclo para 4h/104ºC. Os teores de canabinóides são
apresentados no Quadro 4.

Quadro 4. Concentrações de canabinóides no extrato artesanal.

Canabinóide Gelo seco Legenda: CBDA=ácido canabidiólico;


mg/mL CBD=canabidiol; THCA=ácido
CBDA 4,33 tetrahidrocanabinólico; CBN=canabinol
CBD 3,30 (produto de degradação do (∆9-THC);
THCA 0,11 THC=∆9-tetrahidrocanabinol; ND=não
CBN ND detectado.
THC 0,25

17/11/2017

Foram empregadas 2 plantas da variedade Harle-Tsu de porte pequeno que


demoraram no mínimo 6 meses entre a fase vegetativa e floração. Após colheita das
flores e folhas a planta foi seca por 30 minutos em forno com chama baixa
(temperatura não controlada, pois foi realizada em casa) resultando em 60 gramas de
flores e 15 gramas de folhas. As amostras vegetais (75 gramas) apresentaram aspecto
friável (quebradiço) e foi passada por um peneira de inox sendo facilmente triturada e
reduzida a pó. À amostra pulverizada adicionou-se 900 mL de álcool de cereais, grau
alimentício e homogeneizou-se em banho de ultrassom por 1 hora, após esse período
o extrato alcoólico acondicionado em vidro âmbar foi deixado em maceração em local
escuro por 3 dias. Após o período de maceração a amostra foi filtrada em papel de
filltro e o resíduo novamente misturado com 600 mL de álcool de cereais e
homogeneizado por mais 1 h em banho de ultrassom. Após segunda filtragem os
extratos alcoólicos foram reunidos e evaporados em chapa de aquecimento de
porcelana em temperatura inferior a 160°C. Após completa evaporação obteve-se 23,2
gramas de resina com teor de CBD=140,74 mg/g (em 23,2 gramas de resina havia
3,27 g de CBD). A resina foi dissolvida em 200 gramas de óleo vegetal (100 gramas
de óleo de coco orgânico e 100 gramas de óleo de soja orgânico) para obtenção de
teor em torno de 16 mg/mL, conforme pedido dos responsáveis do paciente que
optaram por maior quantidade de extrato mesmo que mais diluído. A concentração
final de canabinóides no extrato é apresentado no Quadro 5.

Laboratório de Análises Toxicológicas


Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas
Av. Carlos Chagas Filho, 373, CCS - Bloco A - 2º andar
Cidade Universitária - RJ, CEP: 21.941-902
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Faculdade de Farmácia
Projeto: Farmacannabis-UFRJ
Responsável: Profa. Dra. Virgínia Martins Carvalho - farmacannabis@gmail.com

Quadro 5. Concentrações de canabinóides no extrato artesanal.

Extração
Canabinóide alcoólica Legenda: CBDA=ácido canabidiólico;
CBD=canabidiol; THCA=ácido
mg/mL
tetrahidrocanabinólico; CBN=canabinol
CBDA 4,25 (produto de degradação do (∆9-THC);
CBD 17,43 THC=∆9-tetrahidrocanabinol; ND=não
THCA ND detectado.
CBN 0,15
THC 0,73

PORCENTAGEM DE CBD OBTIDO NA EXTRAÇÃO DO MATERIAL VEGETAL


SECO: cerca de 5%

EVOLUÇÃO DA PLANTA (VARIEDADE HARLE-TSU):

INÍCIO: 19/05/17

Laboratório de Análises Toxicológicas


Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas
Av. Carlos Chagas Filho, 373, CCS - Bloco A - 2º andar
Cidade Universitária - RJ, CEP: 21.941-902
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Faculdade de Farmácia
Projeto: Farmacannabis-UFRJ
Responsável: Profa. Dra. Virgínia Martins Carvalho - farmacannabis@gmail.com

APÓS 3 MESES: 21/08/17

Laboratório de Análises Toxicológicas


Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas
Av. Carlos Chagas Filho, 373, CCS - Bloco A - 2º andar
Cidade Universitária - RJ, CEP: 21.941-902
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Faculdade de Farmácia
Projeto: Farmacannabis-UFRJ
Responsável: Profa. Dra. Virgínia Martins Carvalho - farmacannabis@gmail.com

APÓS 6 MESES: 12/11/17 - VISUALIZAÇÃO DAS DUAS PLANTAS COLHIDAS E


DE SEUS TRICOMAS (ESTRUTURAS COM A RESINA COM CANABINÓIDES)

Laboratório de Análises Toxicológicas


Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas
Av. Carlos Chagas Filho, 373, CCS - Bloco A - 2º andar
Cidade Universitária - RJ, CEP: 21.941-902
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Faculdade de Farmácia
Projeto: Farmacannabis-UFRJ
Responsável: Profa. Dra. Virgínia Martins Carvalho - farmacannabis@gmail.com

PLANTA SECA: 14/11/17

Conclusão:

Considerar no cultivo da variedade Harle-Tsu e produção artesanal,


6 meses entre o enraizamento do clone até a colheita e que a cada 100 g
do peso seco da planta será extraído em torno de 5 gramas de CBD, ou
seja, 5000 mg de CBD.

Mais informações sobre esta variedade:

Laboratório de Análises Toxicológicas


Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas
Av. Carlos Chagas Filho, 373, CCS - Bloco A - 2º andar
Cidade Universitária - RJ, CEP: 21.941-902
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Faculdade de Farmácia
Projeto: Farmacannabis-UFRJ
Responsável: Profa. Dra. Virgínia Martins Carvalho - farmacannabis@gmail.com

https://www.kingofcbdgenetics.com/sohum-seed-genetics

https://www.leafly.com/hybrid/harle-tsu

http://en.seedfinder.eu/strain-info/Harle-
Tsu/Southern_Humboldt_Seeds_Collective/

https://www.socalclonehouse.com/harle-tsu

29/11/2017

Foi empregada 1 planta de porte pequeno da variedade Cannatonic. A planta


foi seca em casa no forno sem controle de temperatura em chama baixa durante 30
minutos, rendimento de material vegetal seco, flores=10 gramas e folhas=4 gramas.
Após retirada de 2 gramas de cada espécime para pesquisa, 8 e 2 gramas de flores e
folhas, respectivamente, foram reunidas homogeneizadas e misturadas com 250 mL
de álcool de cereais. Esse processo foi realizado em casa e deixou-se em maceração
em recipiente de vidro âmbar durante 6 dias.

Após o período de maceração o extrato alcoólico foi levado ao LATox, filtrado e


evaporado em banho maria resultando em 1,31 gramas de resina. A resina foi
misturada com 50 gramas de óleo de girassol. Os teores de canabinóides nesse
extrato são apresentados no Quadro 6.

Quadro 6. Concentrações de canabinóides no extrato artesanal.

Extração
Canabinóide alcoólica Legenda: CBDA=ácido canabidiólico;
CBD=canabidiol; THCA=ácido
mg/mL
tetrahidrocanabinólico; CBN=canabinol
CBDA 0,09 (produto de degradação do (∆9-THC);
CBD 0,25 THC=∆9-tetrahidrocanabinol; ND=não
THCA 4,77 detectado.
CBN 0,08
THC 2,71

08/01/18

Uma planta de porte pequeno, variedade Harle-Tsu, foi colhida, seca,


pulverizada por trituração e misturada com 500 mL de álcool de cereais e deixada em

Laboratório de Análises Toxicológicas


Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas
Av. Carlos Chagas Filho, 373, CCS - Bloco A - 2º andar
Cidade Universitária - RJ, CEP: 21.941-902
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Faculdade de Farmácia
Projeto: Farmacannabis-UFRJ
Responsável: Profa. Dra. Virgínia Martins Carvalho - farmacannabis@gmail.com

maceração durante 36 dias, este procedimento foi realizado em casa e após o período
de maceração o extrato foi filtrado sendo identificado que havia pulgão entre o resíduo.
O filtrado foi evaporado em banho maria e obtido 2,01 gramas de resina que foi
dissolvida em 20,2 gramas de azeite de oliva orgânico.

A planta estava sendo cultivada desde junho de 2017, portanto 6 meses para
colheita.

Não foi possível estimar a porcentagem de CBD obtido no material vegetal


seco porque o mesmo não foi pesado. Os teores de canabinóides nesse extrato são
apresentados no Quadro 6.

Quadro 6. Concentrações de canabinóides no extrato artesanal.

Extração
Canabinóide alcoólica Legenda: CBDA=ácido canabidiólico;
CBD=canabidiol; THCA=ácido
mg/mL
tetrahidrocanabinólico; CBN=canabinol
CBDA 4,44 (produto de degradação do (∆9-THC);
CBD 5,69 THC=∆9-tetrahidrocanabinol; ND=não
THCA 0,11 detectado.
CBN 0,06
THC 0,28

Orientações

A única variedade de planta analisada rica em CBD foi a variedade Harle-Tsu. Todas
as plantas dessa variedade foram obtidas por clonagem e cultivadas por cerca de 6
meses desde a obtenção da muda até a colheita.

Em duas oficinas a extração alcoólica rendeu cerca de 5% CBD em relação ao peso


do material vegetal seco, assim considerar como valor teórico: cada 100 gramas de
material vegetal seco (Harle-Tsu) renderá 5 gramas de CBD, ou seja, 5000 mg de
CBD + 100 mL de óleo = 50 mg/mL de CBD.

Extração por gelo seco: pouco eficiente, passível de contaminação, perda do material
pulverizado que dispersa para o meio ambiente. Processo de obtenção gera material
particulado irritante para as vias áreas do manipulador e de pessoas que participam.

Laboratório de Análises Toxicológicas


Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas
Av. Carlos Chagas Filho, 373, CCS - Bloco A - 2º andar
Cidade Universitária - RJ, CEP: 21.941-902
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Faculdade de Farmácia
Projeto: Farmacannabis-UFRJ
Responsável: Profa. Dra. Virgínia Martins Carvalho - farmacannabis@gmail.com

Extração alcoólica: utilizar etanol (álcool) grau alimentício ou farmacêutico, ao adquirir


o álcool de cereais, verifique se o mesmo é realmente adequado para uso alimentício,
conhecido como "álcool para fazer licor".

Retirar os caules e secar a planta (flores e folhas) por 1 hora em forno elétrico em
temperatura em torno de 80ºC. Os canabinóides evaporam a partir de 150°C.

Homogeneizar muito bem a amostra com o ácool, evite utensílios de plástico que são
mais passíveis de contaminação. São recomendados utensílios de vidro e inox.

Realize a evaporação em banho maria. Pode ser utilizado um Pirex de vidro


introduzido em uma frigideira com água. Recipientes de vidro com paredes altas irá
aumentar o tempo de evaporação, mas cuidado com recipientes de paredes muitos
baixas para não cair água na resina.

ATENÇÃO A EVAPORAÇÃO DO ÁLCOOL GERA VAPORES INFLAMÁVEIS, FAÇA


A EVAPORAÇÃO EM LOCAL VENTILADO!

Planejamento dos teores de CBD ou outros canabinóides só é possível em preparação


laboratorial com acompanhamento do processo onde se analisam os teores de
canabinóides na resina e se calcula a quantidade de veículo (óleo) para se obter
determinado teor de canabinóide em mg/mL.

Artesanalmente se pode adotar na extração alcoólica da variedade Harle-Tsu que


cada 100 gramas de material vegetal seco renderá 5 gramas de CBD (5% do peso
seco).

Dentre os veículos para dissolução da resina, os que se mostraram mais adequados


foram:

 Triglicerídeo de cadeia média (TCM), ultrapurificado de óleo de coco que não


tem cheiro nem sabor e não solifica em baixas temperatura. Custo em torno de
R$ 80,00/vidro de 250 mL.

 Azeite de oliva extra virgem.

 Óleo de girassol.

Misturar óleos diferentes (soja e coco ou outras combinações) pode resultar em


incompatibilidades que impactam no gosto e aparência do extrato, portanto não é
recomendável.

Laboratório de Análises Toxicológicas


Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas
Av. Carlos Chagas Filho, 373, CCS - Bloco A - 2º andar
Cidade Universitária - RJ, CEP: 21.941-902
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Faculdade de Farmácia
Projeto: Farmacannabis-UFRJ
Responsável: Profa. Dra. Virgínia Martins Carvalho - farmacannabis@gmail.com

farmacannabis@gmail.com

Página no Facebook: https://www.facebook.com/FarmaUFRJ)

100 g de material 1L Filtração Evaporação Dissolução em


seco (Harle-Tsu) Agitação 20 min banho-maria óleo (teor teórico
80ºC/1 hora 50 mg/mL de CBD*

*Valor teórico aproximado em 100mL de óleo com base nas oficinas apresentadas,
somente a análise laboratorial determinará o teor real.

100 g de material seco é obtido com 2 a 3 plantas floridas, portando considerar que a
cada 3 plantas da variedade Harle-Tsu é possível obter 100 mL de extrato rico em CBD
na concentração de 50 mg/mL.

Laboratório de Análises Toxicológicas


Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas
Av. Carlos Chagas Filho, 373, CCS - Bloco A - 2º andar
Cidade Universitária - RJ, CEP: 21.941-902