Você está na página 1de 81

AULA 05

REVISÃO FINAL EBSERH


01/02, às 13:30h (YouTube)
Professores Kelly Coelho, Rômulo Passos e Rebeca Rocha

Revisão Final
(EBSERH/IBFC/2020)
Saúde da Mulher

Professora Kelly Coelho


Rastreamento do Câncer do Colo do Útero

interrompidos, depois de 64
≥ 25 anos, mulheres
até os 64 anos anos, ≥ 2 negativos consecutivos
Exame citopatológico

com atividade sexual nos últimos 5 anos;

depois de 2 exames
intervalo entre
negativos com 3 anos;
os exames
intervalo anual

realizar 2 exames
> 64 anos, nunca se ambos forem negativos,
com intervalo de
realizaram o exame são dispensadas.
1 a 3 anos

Manifestações clínicas do câncer de mama

aparecimento de nódulo;

geralmente indolor;
Sintomas mais
comuns
duro e irregular; branda;

mas há tumores que são de consistência globosa; e

bem definida.
Rastreamento do Câncer de Mama

Exame clínico • todas as mulheres ≥ 40 anos, com periodicidade anual;


das mamas • INSPEÇÃO ESTÁTICA, DINÂMICA E PALPAÇÃO;

• mulheres com idades entre 50 e 69 anos, com intervalo


Mamografia
máximo de 2 anos entre os exames;

Exame clínico • anualmente, mulheres ≥ 35 anos, pertencentes a


das mamas grupos populacionais com risco elevado de desenvolver
e mamografia câncer de mama.

1. (Pref. de Divinópolis/IBFC/2018) Considerando que o rastreamento dos


cânceres de mama e do colo do útero são essenciais para a Saúde da Mulher,
analise as sentenças abaixo e dê valores Verdadeiro (V) ou Falso (F).
( ) O rastreamento do câncer do colo do útero por meio de exame
citoplatológico antes dos 25 anos deve ser evitado.
( ) Os dois primeiros exames citopatológicos para rastreamento do câncer de
colo do útero devem ser realizados com intervalo anual e, se ambos os
resultados forem negativos, os próximos devem ser realizados a cada 3 anos.
( ) O rastreamento do câncer de mama por autoexame da mama em todas as
mulheres adultas deve ser estimulado.
1. (Pref. de Divinópolis/IBFC/2018)
( ) O rastreamento do câncer de mama deve ser indicado a todas as mulheres
após os 45 anos.
Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta de cima para baixo.
a) V,V,F,F
b) F,V,V,V
c) F,F,V,V
d) V,F,F,F

Idade Gestacional

É a referência de conta-se quantos dias se


2 datas: DUM e passaram
data da consulta; entre esse intervalo;

o resultado da divisão o total de dias


será a quantidade de semanas será dividido por
e o resto da conta o n° de dias. 7 (dias da semana);
Data Provável do Parto (DPP)

Regra de
Gestograma
Nãegele

2. (Pref. do Cabo de Santo Agostinho/IBFC/2019) Na consulta de pré - natal, o


enfermeiro começou a avaliação de uma gestante que estava em sua terceira
gestação. O enfermeiro obteve a Data da Última Menstruação (DUM) que foi
no dia 10/02/2019. Com esta informação o enfermeiro quer determinar a
Data Provável de Parto (DPP). Após o cálculo ele conseguiu determinar, então,
a data provável do parto. Sobre esta, assinale a alternativa correta.
a) 10/11/2019.
b) 17/11/2019.
c) 03/11/2019.
d) 26/10/2019.
3. (HUAP-UFF/EBSERH/IBFC/2016) Sobre os fatores relacionados à gestação
múltipla, leia as afirmativas a seguir e assinale a alternativa correta.
I. Maior idade materna (entre os 15 e os 35 anos, há um aumento de mais de
quatro vezes).
II. Raça Negra.
III. Nuliparidade.
IV. História Familiar pelo lado paterno.
Estão corretas as afirmativas:
a) I, II, III e IV. c) II apenas. e) I, III e IV, apenas.
b) I e II, apenas. d) II e III, apenas.

Situações Hemorrágicas na Gravidez


placenta prévia
abortamento;
1º metade da gestação

(PP);
2º metade da gestação

descolamento descolamento
cório-amniótico; prematuro de
placenta (DPP);
gravidez
ectópica; vasa prévia;

mala
ruptura uterina.
hidatiforme.
4. (HUAP-UFF/EBSERH/IBFC/2016) Assinale a alternativa que contemple um
exemplo de fator de risco que permite a realização do pré-natal pela equipe
de atenção básica.
a) Cardiopatias.
b) Síndromes hemorrágicas ou hipertensivas.
c) Pneumopatias graves.
d) Alterações genéticas maternas.
e) Tuberculose.

Lóquios

coloração vermelha por


Lóquios vermelhos presente entre o 3º e
conter: sangue e células
ou sanguinolentos. 4º dia do puerpério
epiteliais

coloração rósea/acastanhada
Lóquios devido a: ↑ dos presente entre o 4º e
serossanguinolentos. leucócitos; ↓ de hemácias e 10º dia do puerpério
alterações de hemoglobina

Lóquios serosos. assumem coloração presente após o 10º dia


amarelada ou branca do puerpério
5. (Pref. do Cabo de Santo Agostinho/IBFC/2019) O volume e a duração dos
lóquios (secreção vaginal pós parto) correlacionam-se com a cicatrização e a
regeneração do endométrio. Os lóquios podem ser denominados: _____,
_____ e _____. Assinale a alternativa que preencha correta e respectivamente
as lacunas.
a) lóquio rubro / lóquio seroso / lóquio branco.
b) lóquio excessivo / lóquio mediano / lóquio escasso.
c) lóquio urgente / lóquio eletivo / lóquio demorado.
d) lóquio rubro / lóquio mediano / lóquio urgente.

Rumo à aprovação!
Revisão Final
(EBSERH/IBFC/2020)
Saúde da Criança

Professora Kelly Coelho

Assistência Imediata ao RN
O método mais frequentemente usado para avaliar o ajuste imediato
do recém-nascido à vida extrauterina é o sistema de Índice de Apgar (BRASIL,
2014).
O índice baseia-se:

na observação da frequência cardíaca; no tônus muscular;

no esforço respiratório; na irritabilidade reflexa e na cor.


0 1 2
Frequência lenta normal
ausente
cardíaca < 100 bpm > 100 bpm;

Esforço irregular (lento, regular


ausente
Índice de Apgar

respiratório choro fraco) (bom e forte);

Tônus alguma flexão boa


flacidez total dos membros
muscular nas extremidades movimentação;

Irritabilidade alguma reação


ausente choro, espirro;
reflexa (careta)

cianose, corpo róseo,


completamente
Cor extremidades
palidez cutânea cianóticas rosa.
Esses parâmetros devem ser avaliados nos 1º e 5º minutos de vida. Caso a pontuação esteja
abaixo de 7 no 5º min, o RN deve ser reavaliado a cada 5 min, até 20 min de vida.

Classificação de Índice de Apgar

sofrimento grave 0 a 3 pontos

sofrimento moderado (intermediário) 4 a 6 pontos

ausência de dificuldade na adaptação a vida 7 a 10 pontos


extrauterina
6. (Pref. do Cabo de Santo Agostinho-PE/IBFC/2019) A escala de escore de
APGAR varia de 0 a 10, sendo que ela é de extrema importância para o recém
nascido ser avaliado no primeiro e no quinto minuto após o nascimento. Esta
escala avalia cinco parâmetros para sua pontuação. Assinale a alternativa que
apresenta um parâmetro incorreto da escala de escore de APGAR.
a) Frequência Cardíaca
b) Esforço Respiratório
c) Dor
d) Irritabilidade reflexa

Alimentação Infantil

Amamentar é muito mais do que nutrir a criança;

É um processo que envolve interação profunda entre mãe e filho.

▪ no estado nutricional da criança;


▪ em sua habilidade de se defender de infecções;
▪ em sua fisiologia e no seu desenvolvimento
Com repercussões
cognitivo e emocional;
▪ além de ter implicações na saúde física e psíquica
da mãe.
exclusivo;

predominante;
O aleitamento
materno costuma aleitamento materno;
ser classificado em:
complementado;

misto ou parcial.

colostro rico em proteínas;


Leite
Materno maduro
(a partir do 7º ao rico em gorduras.
10º dia pós-parto)
Aleitamento materno Aleitamento materno
exclusivo complementado

ATÉ DOIS
ATÉ SEIS MESES
ANOS OU MAIS

7. (Pref. de Divinópolis-MG/IBFC/2018) Considerando a recomendação do


Ministério da Saúde sobre a amamentação, leia as afirmativas abaixo e a
seguir assinale a alternativa correta.
I. O leite materno funciona como uma vacina, pois é rico em anticorpos,
protegendo a criança de doenças como diarreia, infecções respiratórias e
alergias, o que dispensa a vacinação no período da amamentação.
II. Um dos benefícios para a mãe é que a amamentação auxilia o útero a
recuperar seu tamanho normal, diminuindo o risco de hemorragia e de
anemia após o parto.
III. A amamentação é recomendada até os dois anos de idade ou mais, e que
nos primeiros 6 meses, o bebê receba leite materno exclusivo.
7. (Pref. de Divinópolis-MG/IBFC/2018)
IV. Recomenda-se que a criança seja amamentada em intervalos regulares,
isto é, a cada duas horas.
a) Apenas as afirmativas II, III e IV estão corretas.
b) Apenas as afirmativas II e III estão corretas.
c) Apenas as afirmativas II e IV estão corretas.
d) Apenas as afirmativas I e III estão corretas.

8. (SESACRE-AC/IBFC/2019) Considere a principal ação dos Bancos de Leite


Humano para Recém-Nascidos Pré-Termo e de Baixo Peso e assinale a
alternativa correta.
a) Apoiar as mulheres que desejam amamentar seus filhos
b) Orientar a mãe sobre como o leite é produzido e a importância da
amamentação precoce
c) Alertar a família sobre os riscos do uso de chupetas
d) Estabelecer a amamentação de forma exclusiva após a alta hospitalar
Técnica de Amamentação
A Organização Mundial da Saúde (OMS) destaca quatro pontos-chave que
caracterizam o posicionamento e pega adequados.
Pontos-chave do Pontos-chave da
POSICIONAMENTO PEGA
adequado adequada
▪ rosto do bebê de frente para a ▪ mais aréola visível acima da boca
mama, com nariz na altura do do bebê;
mamilo; ▪ boca bem aberta;
▪ corpo do bebê próximo ao corpo ▪ lábio inferior virado para fora;
da mãe; ▪ queixo tocando a mama.
▪ bebê com cabeça e tronco
alinhados (pescoço não torcido);
▪ bebê bem apoiado.

9. (HU-FURG/EBSERH/IBFC/2016) A técnica de amamentação não está


adequada quando:
a) À cabeça do bebê está no mesmo nível da mama da mãe e o queixo está
tocando-a
b) A boca está bem aberta
c) O lábio inferior está virado para fora
d) Durante a mamada vê-se muito a aréola (tanto a aréola superior quanto a
inferior)
e) As bochechas estão arredondadas ou achatadas contra a mama
Crescimento Infantil

↑ do tamanho corporal;

até o final da vida, substituição e


CRESCIMENTO
regeneração de tecidos e órgãos;

constitui um dos indicadores de


saúde da criança.

Desenvolvimento Infantil

transformação complexa, contínua,


dinâmica e progressiva;
DESENVOLVIMENTO
inclui, além do crescimento, maturação,
aprendizagem e aspectos psíquicos.
10. (SESACRE-AC/IBFC/2019) A expressão “processo dinâmico e contínuo,
expresso pelo aumento do tamanho corporal”, refere-se a um indicador de
saúde da criança. Assinale a alternativa correta que denomina este indicador.
a) Crescimento
b) Desenvolvimento
c) Acompanhamento
d) Percentil

ASPECTOS DO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

Vamos agora sintetizar os marcos do desenvolvimento


infantil, conforme o Caderno da Atenção Básica nº 33 sobre
crescimento de desenvolvimento da criança (BRASIL, 2012).
 Entre 1 e 2 m: percepção melhor de um rosto;
 Entre 2 e 3 m: sorriso social;
 Entre 2 e 4 m: bebê fica de bruços, levanta a cabeça e os ombros;
 Em torno de 2 m: inicia-se a ampliação do seu campo de visão;
 Aos 3 m: o bebê adquire noção de profundidade;
 Aos 4 m: preensão voluntária das mãos;
 Entre 4 a 6 m: o bebê vira a cabeça na direção de uma voz ou de um
objeto sonoro;
 Em torno dos 6 m: inicia-se a noção de “permanência do objeto”.

11. (Pref. de Divinópolis/IBFC/2018) Considerando aspectos do


desenvolvimento, é correto afirmar que, uma criança aos 4 meses de vida
apresente respostas como:
a) Preensão voluntária das mãos.
b) Sentar-se sem apoio.
c) Reações a pessoas estranhas.
d) Capacidade de perceber que os objetos que estão fora.
do seu campo visual continuam existindo.
Triagem Neonatal
Vejamos as principais características e recomendações do teste do
pezinho, conforme disposições do manual técnico para triagem neonatal
biológica (BRASIL, 2016):

Teste de Pezinho
• Recomenda-se que o período ideal de coleta da
primeira amostra esteja compreendido entre o 3º
e o 5º dia de vida do bebê, devido às
especificidades das doenças diagnosticadas
atualmente.

• Punção da face lateral do calcanhar do bebê para


obtenção de amostras de sangue colhidas em
papel filtro.
• Obs.: Deve ser considerada como uma condição
de exceção toda coleta realizada após o 28º dia de
vida, mesmo que não recomendada, por se tratar
de um exame fora do período neonatal.
O teste do pezinho detecta precocemente 6 doenças congênitas,
vejamos a seguir (BRASIL, 2016):

hipotireoidismo
fenilcetonúria; fibrose cística;
congênito;

doença falciforme e
hiperplasia adrenal deficiência de
outras
congênita; biotinidase;
hemoglobinopatias.

12. (Pref. de Divinópolis/IBFC/2018) O Programa Nacional de Triagem


Neonatal (PNTN) é uma forma de rastreamento populacional, tendo como
objetivo identificar distúrbios e doenças no recém-nascido, em tempo
oportuno, para intervenção adequada, por meio da triagem neonatal a partir
da matriz biológica, denominada “teste do pezinho”. Considerando o “teste do
pezinho”, leia as frases e a seguir assinale a alternativa correta.
I. São doenças que podem ser detectadas no teste: fenilcetonúria,
hipotireoidismo congênito, hemoglobinopatias e fibrose cística.
II. Recomenda-se que o período ideal de coleta da primeira amostra esteja
compreendido entre o 3º e o 5º dia de vida da criança.
III. A coleta para o exame deve ser realizada a partir do 30º dia de vida da
criança para evitar resultados falsos negativos.
12. (Pref. de Divinópolis/IBFC/2018)
IV. A punção deve ser executada numa das laterais da região plantar do
calcanhar, locais com pouca possibilidade de se atingir o osso.
a) Apenas as afirmativas I, III e IV estão corretas.
b) Apenas as afirmativas I, II e IV estão corretas.
c) Apenas as afirmativas I e IV estão corretas.
d) Apenas a afirmativa III está correta.

Rumo à aprovação!
Revisão Final
(EBSERH/IBFC/2020)
Hipertensão Arterial

Professor Rômulo Passos

Hipertensão Arterial Sistêmica

Pressão Arterial medida da tensão exercida pelo sangue nos


(PA) vasos durante a sístole e a diástole ventricular;

Hipertensão
condição clínica multifatorial → caracterizada por
Arterial
níveis ↑ e sustentados de PA (PA ≥140 x 90 mmHg).
Sistêmica (HAS)
PA = Débito Cardíaco (DC) x Resistência Vascular Periférica (RVP)

DC = Volume Sistólico (VS) x Frequência Cardíaca (FC)

1. (Pref. de Candeias-BA/IBFC/2019) A pressão ou tensão arterial é função do


produto: débito cardíaco x resistência vascular periférica, ou seja, pressão
arterial reflete a pressão que o sangue exerce contra a parede dos vasos,
quando é lançado na corrente sanguínea, pelo ventrículo esquerdo, sendo
essa pressão dependente de cinco fatores principais. Diante disso, assinale a
alternativa correta que expressa um dos fatores principais.
a) Diabetes Melito.
b) Artrite.
c) Hiperplasia Prostática Benigna.
d) Resistência Vascular Periférica.
Principais fatores de risco para HAS

excesso de peso e fatores


idade; ingestão de álcool;
obesidade; socioeconômicos;

sexo e etnia; ingestão de sal; sedentarismo; genética.

7ª Diretriz Brasileira de Diretriz de preven., detecção, avalia.


CLASSIFICAÇÃO HAS (SBC, 2016) e gestão da HAS (AHA, 2017)

PA ≤ 120 e 80 PA < 120 e 80


Classificação da PA em Adultos

Normal
mmHg mmHg

Pré-hipertensão/ PA entre 121 - 139 e/ou PA entre 120 – 129 e


Elevada* 81 - 89 mmHg < 80 mmHg

Hipertensão PA entre 140 – 159 PA entre 130 – 139


estágio 1 e/ou 90 - 99 mmHg e/ou 80 – 89 mmHg
Hipertensão PA entre 160 – 179 PA ≥ 140 e/ou
estágio 2 e/ou 100 – 109 mmHg 90 mmHg
Hipertensão PA ≥ 180 e/ou 110
não existe.
estágio 3 mmHg
*Para a SBC (2016), referimos pré-hipertensão; para a AHA (2017), mencionamos elevada.
2. (SESACRE-AC/IBFC/2019) “Admite-se como pressão arterial ideal, aquela
em que o indivíduo apresenta o menor risco cardiovascular, PA sistólica _____
mmHg e PA diastólica _____ mmHg (BRASIL, 2013). Assinale a alternativa que
preencha correta e respectivamente as lacunas.
a) 110/70 mmHg.
b) 100/60 mmHg.
c) 120/80 mmHg.
d) 130/80 mmHg.

Procedimentos para a medição da PA


7ª Diretriz de HAS da SBC
Preparo do paciente:

Explicar o procedimento ao paciente e deixá-lo em repouso de 3 a 5


minutos em ambiente calmo.

Deve ser instruído a não conversar durante a medição.

Possíveis dúvidas devem ser esclarecidas antes ou depois do


procedimento.
Procedimentos para a medição da PA
7ª Diretriz de HAS da SBC

Certificar-se de que o paciente NÃO:

 está com a bexiga cheia;


 praticou exercícios físicos há pelo menos 60 minutos;
 ingeriu bebidas alcoólicas, café ou alimentos;
 fumou nos 30 minutos anteriores.

Procedimentos para a medição da PA


7ª Diretriz de HAS da SBC
Posicionamento:
O paciente deve estar sentado, com pernas descruzadas, pés
apoiados no chão, dorso recostado na cadeira e relaxado;

O braço deve estar na altura do coração, apoiado, com a palma da


mão voltada para cima e as roupas não devem garrotear o membro.
Medição da PA no consultório
7ª Diretriz de HAS da SBC

Hipotensão ortostática deve ser suspeitada em pacientes idosos,


diabéticos, disautonômicos e naqueles em uso de medicação anti-
hipertensiva;

Deve-se medir a PA com o paciente de pé, após 3 minutos, sendo a


hipotensão ortostática definida como a redução da PAS > 20 mmHg
ou da PAD > 10 mmHg.

3. (Pref. de Candeias-BA/IBFC/2019) A aferição da Pressão Arterial (PA) é


muito importante para poder avaliar o estado geral de um indivíduo. Em
relação a esta aferição em um braço, assinale a alternativa incorreta.
a) Coloca-se o estetoscópio no espaço antecubital.
b) O esfigmomanômetro precisa estar na parte superior do braço com a borda
inferior a 2,5 cm acima do espaço antecubital, conseguindo desta forma, a
compressão da artéria aorta.
c) Os sons ouvidos são chamados de sons de Korotkoff.
3. (Pref. de Candeias-BA/IBFC/2019)
d) Como último procedimento deve-se registrar os valores e, caso haja
alterações significativas, comunicar o médico responsável, pois tal
procedimento permite que o profissional detecte precocemente
complicações, além de fornecer subsídios pra prescrições médicas e de
enfermagem.

4. (Pref. de Divinópolis/IBFC/2018) Considerando a aferição de pressão


arterial, leia as afirmativas abaixo e a seguir assinale a alternativa correta.
I. Deve ser utilizado o manguito adequado para a circunferência do braço do
paciente. A largura do manguito deverá corresponder a 70% da circunferência
do braço e o seu comprimento envolver no mínimo 30% do braço.
A largura deve ser de pelo menos 40% do comprimento do braço (distância entre o olécrano e o acrômio) e o
comprimento, de pelo menos 80% de sua circunferência (BRASIL, 2006; 2013).
II. Quando necessário, aferir novamente a pressão arterial do paciente em um
mesmo membro, aguardar de 1 a 2 minutos entre as mensurações.
III. A pressão arterial diastólica deve ser determinada na Fase V de Korotkoff,
continuando a deflação até o desaparecimento do som.
4. (Pref. de Divinópolis/IBFC/2018)
IV. O braço do paciente deve ser posicionado com a palma da mão voltada
para cima, mantendo-se acima da altura do coração ou nível do segundo
espaço intercostal.
a) As afirmativas I, II,III e IV estão corretas.
b) Apenas a afirmativa III está correta.
c) Apenas as afirmativas II e III estão corretas.
d) Apenas as afirmativas I e IV estão corretas.

5. (HUAP-UFF/EBSERH/IBFC/2016) Sobre a verificação da pressão arterial,


analise as afirmativas abaixo, dê valores Verdadeiro (V) ou Falso (F) e assinale
a alternativa que apresenta a sequência correta de cima para baixo.
( ) De acordo com a média de dois valores pressóricos obtidos, a pressão
arterial (PA) deverá ser novamente verificada a cada dez anos, se PA menor
que 120/80 mmHg.
( ) De acordo com a média de dois valores pressóricos obtidos, a pressão
arterial (PA) deverá ser novamente verificada a cada dois anos, se PA entre
120-139/80-89 mmHg nas pessoas sem outros fatores de risco para doença
cardiovascular (DCV).
5. (HUAP-UFF/EBSERH/IBFC/2016)
( ) De acordo com a média de dois valores pressóricos obtidos, a pressão
arterial (PA) deverá ser novamente verificada em mais dois momentos em um
intervalo de 1-2 semanas, se PA maior ou igual a 140/90 mmHg ou PA entre
120-139/80-89 mmHg na presença de outros fatores de risco para doença
cardiovascular (DCV).
a) V,F,V. c) F,V,V. e) F,F,V.
b) V,V,V. d) V,V,F.

Etapas do Escore de Framingham

1ª Etapa coletar informações sobre fatores de risco prévios;

2ª Etapa avaliar a idade, os exames de LDLc e HDLc, a PA e o tabagismo;

estabelecer uma pontuação e, a partir dela, obter o risco percentual


3ª Etapa de evento cardiovascular em 10 anos para homens e mulheres.
Escore de Framingham - Fatores de Risco
Baixo risco/intermediário Alto risco
• Acidente vascular encefálico (AVE) prévio;
• Tabagismo;
• Infarto agudo do miocárdio (IAM) prévio;
• Hipertensão;
• Lesão periférica - lesão de órgão-alvo (LOA);
• Obesidade;
• Ataque isquêmico transitório (AIT);
• Sedentarismo;
• Hipertrofia do ventrículo esquerdo (HVE);
• Sexo masculino;
• Nefropatia;
• História familiar de evento cardiovascular
• Retinopatia;
prematuro (homens < 55 anos e mulheres
• Aneurisma de aorta abdominal;
< 65 anos);
• Estenose de carótida sintomática;
• Idade > 65 anos.
• Diabetes mellitus.

Escore de Framingham
Risco de Evento SEGUIMENTO DOS
Classificação Cardiovascular Maior INDIVÍDUOS COM PA
em 10 Anos LIMÍTROFE

ANUAL, depois de orientá-los


Baixo risco < 10%
sobre estilo de vida saudável;

Risco SEMESTRAL, depois de orientá-los


10-20%
intermediário sobre estilo de vida saudável;

TRIMESTRAL, depois de orientá-


Alto risco > 20%
los sobre estilo de vida saudável.
6. (Pref. de Candeias-BA/IBFC/2019) Segundo a 7ª Diretriz Brasileira de HAS
da Sociedade Brasileira de Cardiologia (2016), apenas uma pequena minoria
de pacientes hipertensos apresenta somente uma elevação da PA. A
identificação dos indivíduos hipertensos que estão mais predispostos as
complicações cardiovasculares, especialmente infarto do miocárdio e AVE, é
fundamental para uma orientação terapêutica mais agressiva. Considere a
estratificação de risco Cardiovascular (risco CV) e analise as afirmativas abaixo.
I. Na prática clínica, a estratificação do risco CV no paciente hipertenso pode
ser baseada na avaliação para determinar o risco global diretamente
relacionado a hipertensão. Nesse caso, a classificação do risco depende dos
níveis da PA, descartando os fatores de risco associados, as lesões em órgãos
alvos e a presença de doença cardiovascular ou doença renal.

6. (Pref. de Candeias-BA/IBFC/2019)
II. Umas das estratégias para a estratificação do rico CV é determinar o risco
de um indivíduo desenvolver doença cardiovascular nos próximos 10 anos,
podendo ser realizada em qualquer indivíduo entre 30 e 74 anos.
III. A primeira etapa para estimativa do risco CV é a identificação da ausência
de doença aterosclerótica ou de seus equivalentes como Diabetes Mellitus e
Doença Renal Crônica.
IV. No Brasil de avaliação do risco CV é validada conforme a 7ª Diretriz
Brasileira de HAS da Sociedade Brasileira de Cardiologia (2016). Porém,
algumas mulheres jovens tendem a uma estimativa de risco mais alta do que a
real e, por outro lado, homens mais idosos são geralmente identificados como
de baixo risco, mesmo sem fatores de riscos relevantes.
6. (Pref. de Candeias-BA/IBFC/2019)
Assinale a alternativa correta:
a) Apenas a afirmativa II está correta.
b) Apenas as afirmativas I e IV estão corretas.
c) Apenas as afirmativas II, III e IV estão corretas.
d) As afirmativas I, II, III e IV estão corretas.

Rumo à aprovação!
Revisão Final
(EBSERH/IBFC/2020)
Diabetes Mellitus

Professor Rômulo Passos

Glicemia TTG: 2 h após Glicemia


Categoria de jejum* 75 g de glicose casual **
e seus Estágios Pré-clínicos
Diagnóstico de DM tipo 2

glicemia normal < 100 < 140 < 200 < 5,7%

pré-diabetes 100 a 140 a 5,7% a


(risco aumentado ---
125*** 199**** 6,4%
do DM)

≥ 200 (c/ sint.


DM ≥ 126 ≥ 200 clássicos*****) ≥ 6,5%

Fonte: Algoritmo SBD (2017)

* Jejum - falta de ingestão ** Glicemia casual - realizada a qualquer *** Anteriormente conhecida como
calórica por, no mínimo, 8 horas. momento, independente da última refeição. ‘glicemia de jejum alterada’.
**** Anteriormente denominado ***** Sintomas clássicos da DM:
‘tolerância diminuída à glicose’. poliúria, polifagia e polidipsia.
7. (SESACRE-AC/IBFC/2019) No rastreamento de diabetes há um valor ideal
para glicemia capilar em jejum. A esse respeito, assinale a alternativa correta.
a) < 80 mg/dl.
b) < 100 mg/dl.
c) < 200 mg/dl.
d) < 150 mg/dl.

Complicações Agudas do DM
Cetoacidose Diabética Síndrome Hiperosmolar
Hiperglicêmica Não Cetótica Hipoglicemia

Deficiência absoluta ou Hiperglicemia grave ↓ dos níveis glicêmicos –


relativa de insulina. ( > 600 mg/dl a 800 com ou sem sintomas –
mg/dL) para valores ↓ de 70 mg/dL.
acompanhada de
-Principalmente no DM desidratação e alteração Ocorre, principalmente,
tipo 1 e LADA (Glicemia do estado mental, em paciente em uso de
capilar >250mg/dl). na ausência de cetose.
insulinoterapia.
Sintomas: polidipsia, Ocorre APENAS no
poliúria, enurese, hálito DM tipo 2. Sintomas: fome, tontura,
cetônico, fadiga, visão
turva, náuseas e dor fraqueza, dor de cabeça,
abdominal, vômitos, confusão, coma, convulsão,
desidratação, sudorese*, taquicardia,
hiperventilação Mortalidade mais ↑ do
e alteração do estado que a CAD. apreensão, tremor.
mental.
Tratamento

A insulina → tratamento de 3ª linha

Indicada → casos de difícil manejo e glicemia > 300mg/dl;

O SUS distribui as formas NPH e regular, de forma ampla.*

*A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnológicos no SUS (CONITEC) aprovou, por


meio da Portaria nº 10/2017, a incorporação da insulina análoga de ação rápida para o
tratamento da DM tipo 1. Novas tecnologias estão em estudo pela CONITEC.

8. (Pref. de Candeias-BA/IBFC/2019) A hiperglicemia pode estar presente em


até 38% dos pacientes hospitalizados. Ela decorre de três condições:
diagnóstico prévio conhecido de Diabetes Mellitus (DM), diagnóstico prévio
desconhecido de DM ou hiperglicemia do estresse (Sociedade Brasileira de
Diabetes, 2017-2018). Sobre este assunto, analise as afirmativas abaixo, dê
valores Verdadeiro (V) ou Falso (F).
( ) Em todos os pacientes hospitalizados, recomenda-se a realização de pelo
menos um teste de glicemia admissional.
8. (Pref. de Candeias-BA/IBFC/2019)
( ) A educação em diabetes é a principal ferramenta para a garantia do
autocuidado do paciente. Para assegurar um resultado efetivo, é fundamental
considerar o trabalho em equipe e a sua adequada qualificação. As estratégias
e as etapas de tratamento, incluindo a educação, devem ser individualizadas,
envolvendo o paciente em todos os processos de estabelecimento de metas
de controle e aquisição de novos comportamentos.

8. (Pref. de Candeias-BA/IBFC/2019)
( ) A via usual para aplicação de insulina é a subcutânea (SC). A via
intramuscular (IM), às vezes, é usada em pronto-socorro, para atender
urgência de hiperglicemia, e o serviço não tem disponível análogo de insulina
de ação rápida. A via endovenosa (EV) é considerada em unidade de terapia
intensiva (UTI), na qual o paciente permanece devidamente monitorado, com
acompanhamento médico e de enfermagem.
( ) Em pacientes que realizam hemodiálise, existe uma tendência maior à
hipoglicemia nas 24 horas subsequentes ao procedimento.
Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta de cima para baixo.
a) F,V,V,V. b) F,V,V,F. c) V,V,V,V. d) F,F,F,V.
Principais aspectos relacionados ao uso das insulinas de acordo
com o CAB nº 36 (BRASIL, 2013):

1 as insulinas lacradas precisam ser mantidas refrigeradas entre + 2


°C a + 8 °C;
2 após aberto, o frasco pode ser mantido em temperatura ambiente
para minimizar dor no local da injeção, entre 15 °C e 30 °C, ou
também em refrigeração, entre + 2 °C a + 8 °C;

3 não congelar a insulina;

Principais aspectos relacionados ao uso das insulinas de acordo


com o CAB nº 36 (BRASIL, 2013):
4 colocar o frasco em bolsa térmica ou caixa de isopor, sem gelo
comum ou gelo seco;
5 na ausência de bolsa térmica ou caixa de isopor, o transporte
pode ser realizado em bolsa comum, desde que a insulina não
seja exposta à luz solar ou calor excessivo;

6 em viagens de avião, não se deve despachar o frasco com a


bagagem, visto que a baixa temperatura no compartimento de
cargas pode congelar a insulina;
Principais aspectos relacionados ao uso das insulinas de acordo
com o CAB nº 36 (BRASIL, 2013):

7 apesar de serem descartáveis, as seringas com agulhas acopladas


podem ser reutilizadas pela própria pessoa, desde que a agulha e
a capa protetora não tenham sido contaminadas;

8 na aplicação da insulina, o frasco de insulina deve ser rolado


gentilmente entre as mãos para misturá-la, antes de aspirar seu
conteúdo;

Principais aspectos relacionados ao uso das insulinas de acordo


com o CAB nº 36 (BRASIL, 2013):

9 em caso de combinação de dois tipos de insulina, deve-se aspirar


antes a insulina de ação curta (regular) para que o frasco não se
contamine com a insulina de ação intermediária (NPH);

10
não é necessário limpar o local de aplicação com álcool.
9. (HU-FURG/EBSERH/IBFC/2016) Sobre a conservação da insulina, segundo a
Sociedade Brasileira de Diabetes, analise as sentenças abaixo e assinale a
alternativa correta.
I. Os fabricantes recomendam guardar a caneta recarregável em geladeira.
II. O frasco lacrado de insulina deve ser conservado sob refrigeração, entre 2°C
e 8°C.
III. O frasco de insulina em uso poderá ser conservado em temperatura
ambiente de no máximo 30°C.
a) I, II e III são corretas. d) I, II e III são incorretas.
b) Apenas II é correta. e) Apenas I é correta.
c) Apenas II e III são corretas.

Rumo à aprovação!
Revisão Final
(EBSERH/IBFC/2020)
Imunização

Professor Rômulo Passos

Sala de Vacina

Equipamento distante Afastar o refrigerador Usar tomada exclusiva


de fonte de calor e raios da parede, pelo menos para cada
solares; 20 cm; equipamento;

Usar os equipamentos
Temperatura interna
Verificar a temperatura exclusivamente para
preferencialmente de +
2 vezes ao dia; conservar
5 °C, ≥ + 2 °C e ≤ + 8 °C
imunobiológicos.
Sala de Vacina

Refrigerador
‘duplex’ Não é recomendado;

Limpeza do
refrigerador Feita a cada 15 dias ou com camada de gelo ≥ 0,5 cm;

Falta de energia na temperatura a partir de 7 °C, os imunobiológicos


elétrica passam para uma caixa térmica.

Sala de Vacina

Organização dos imunobiológicos, no refrigerador (de uso doméstico),


ainda utilizado em algumas salas de vacina.
Vacinas virais: tríplice viral, tetra viral, febre amarela,
Vacina inativada Poliomielite (VIP) e Vacina Oral
Poliomielite (VOP), varicela, hepatite A, hepatite B, Vacina
Papilomavírus Humano (HPV), influenza e raiva humana.

Vacinas bacterianas: Bacilo de Calmette e Guérin (BCG),


Vacina Adsorvida Difteria e Tétano (dT), pneumocócica 23
valente (polissacarídica), meningocócica C (conjugada);
diluente das vacinas.
Fonte: Manual de Rede de Frio do Programa
Nacional de Imunizações (2017)

10. (Pref. de Cruzeiro do Sul- AC/IBFC/2019) Segundo o Manual de Rede de


Frio do Programa Nacional de Imunizações (BRASÍLIA, 2017), na organização
das caixas térmicas de uso diário, na sala de imunização, recomenda-se o uso
de caixa térmica de poliuretano com capacidade mínima. Sobre a capacidade
mínima recomendada, assinale a alternativa correta.
a) 12 litros Recomendações importantes (BRASIL, 2017):
• Colocar as bobinas reutilizáveis ambientadas (0 °C) nas laterais
b) 8 litros internas da caixa.
c) 6 litros • Posicionar o sensor do termômetro no centro da caixa,
monitorando a temperatura até atingir o mínimo de +1 °C.
d) 7 litros • Trocar as bobinas reutilizáveis sempre que necessário, quando a
temperatura máxima atingir +7 °C.
11. (SESACRE-AC/IBFC/2019) Para que haja a manutenção das propriedades
dos imunobiológicos, os refrigeradores devem estar em uma temperatura
ideal. Sobre qual temperatura deve estar o termostato para conservação ideal
dos imunobiológicos, assinale a alternativa correta.
a) +2 °C.
b) -5 °C.
c) +6 °C.
d) +5 °C.

12. (Pref. do Cabo de Santo Agostinho-PE/IBFC/2019) A Rede de Frio é um


sistema amplo, inclui uma estrutura técnico-administrativa orientada pelo
Programa Nacional de Imunização, por meio de normatização, planejamento,
avaliação e financiamento que visa à manutenção adequada da Cadeia de
Frio. A esse respeito, assinale a alternativa correta.
a) Todas as vacinas podem ser congeladas. Isso é uma forma de poder
conservá-las por mais tempo.
b) A Cadeia de Frio é o processo logístico da rede de frio para conservação dos
imubiológicos apenas para o momento de armazenamento.
12. (Pref. do Cabo de Santo Agostinho-PE/IBFC/2019)
c) A Cadeia de Frio é o processo logístico da rede de frio para conservação dos
imunobiológicos, desde o laboratório produtor até o usuário, incluindo as
etapas de recebimento, armazenamento, distribuição e transporte, de forma
oportuna e eficiente, assegurando a preservação de suas características
originais.
d) Todas as vacinas não precisam estarem armazenadas com controle de
temperatura, o importante é estarem apenas em temperaturas menores que a
temperatura ambiental.

Calendário Nacional de Imunização

Ao nascer BCG e Hepatite B

2 meses Pentavalente (DTP+Hib+HB), VIP, P10, VRH

3 meses Meningocócica C

4 meses Pentavalente (DTP+Hib+HB), VIP, P10, VRH

5 meses Meningocócica C

6 meses Pentavalente (DTP+Hib+HB), VIP


Calendário Nacional de Imunização

9 meses Febre amarela

12 meses Tríplice viral (SRC), P10 (R*), meningocócica C (R*)

15 meses Hepatite A, VOP (R*), DTP (R*), tetra viral ou tríplice viral + varicela

4 anos VOP (R*), DTP (R*), 2ª dose da varicela (4 a 6 anos, 11 meses e 29 dias)

9 a 14 anos HPV Meninas (9 a 14 anos, 11 meses e 29 dias)

11 a 14 anos HPV Meninos (em 2019 - 11 a 14 anos, 11 meses e 29 dias)


* R = Reforço

Calendário Nacional de Imunização

11 a 14 anos Meningocócica C (em 2019 - 11 a 14 anos, 11 meses e 29 dias)

Gestantes a partir da 20ª s. dTpa

* R = Reforço
13. (Pref. do Cabo de Santo Agostinho-PE/IBFC/2019) O Programa Nacional
de Imunizações (PNI) é um sucesso do Brasil e reconhecido no mundo. São
mais de 300 milhões de doses anuais distribuídas em vacinas, soros e
imunoglobulinas. É de suma importância ao enfermeiro ter conhecimento
sobre o calendário vacinal. A esse respeito, analise as afirmativas abaixo e dê
valores Verdadeiro (V) ou Falso (F).
( ) Ao nascer as crianças devem tomar a BCG e a primeira dose de Hepatite B.
( ) Com dois meses de idade as crianças devem tomar a primeira dose da
Penta, a primeira dose com VIP, a primeira dose de Pneumocócica 10V e a
primeira dose de Rotavírus Humano.
( ) Com três meses de idade as crianças devem tomar a primeira dose da
Meningocócica C e a febre amarela.

13. (Pref. do Cabo de Santo Agostinho-PE/IBFC/2019)


( ) Com seis meses de idade as crianças devem tomar a terceira dose da
Penta, a terceira dose com VOP, a terceira dose de Pneumocócia 10V e a
terceira dose de Rotavírus Humano.
Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta de cima para baixo.
a) V, V, F, F.
b) V, F, F, V.
c) F, V, V, F.
d) F, F, V, V.
ao nascer 3 doses na
até 30 dias
Vacina hepatite B
pentavalente

0,5ml 1ml
intramuscular (IM)
até 19 anos* ≥ 20 anos*

*As vacinas contra hepatite B fabricadas pelo LG Life Science Ltd (laboratório da Coréia do
Sul) apresentam diferenças em relação ao volume da dose e faixa etária, conforme
descrição a seguir: a dose pediátrica (recém-nascidos, lactentes e crianças de até 15 anos
de idade) é de 0,5 ml e contém 10 mcg de HBsAg; a dose adulta (a partir de 16 anos de
idade) é de 1,0 ml e contém 20 mcg de HBsAg.

Crianças > 1 mês, < 7 anos 3 doses na pentavalente;


Vacina hepatite B

Pessoas ≥ 7 anos 3 doses (0, 1, 6 meses);

Gestantes em qualquer faixa


3 doses (0, 1, 6 meses);
etária
Grupos vulneráveis
3 doses (0, 1, 6 meses).
independentemente da idade
14. (Pref. de Divinópolis-MG/IBFC/2018) Sobre a Vacina hepatite B
(recombinante), assinale a alternativa correta.
a) A vacina deve ser conservada entre +2°C e +6°C (sendo ideal +3°C),
podendo ser congelada.
b) O esquema de administração corresponde a duas doses, com intervalo de
30 dias entre a primeira e a segunda doses, sendo iniciada a partir do 9 meses
de idade.
c) O volume da vacina a ser administrado é de 0,5 ml, por via intradérmica.
d) É apresentada sob a forma líquida em frasco unidose ou multidose, isolada
ou combinada com outros imunobiológicos.

Indicações da vacina influenza

crianças entre 6 gestantes e pessoas ≥ 60


professores;
meses e 5 anos; puérperas; anos;

População
Trabalhadores indivíduos com povos indígenas
privada de
da saúde; comorbidades; ≥ 6 meses.
liberdade;

Mudanças de acordo com o ofício circular nº 130/2019


Vacina Influenza

6 meses a 2 anos 3 a 8 anos ≥ 9 anos

duas duas dose


doses; doses; única

0,25 ml. 0,5 ml. 0,5 ml.

O intervalo mínimo de 30 dias entre as duas doses, quando indicado.


Indicações da Vacina Influenza

Novidade!
Ampliação para adultos de
55 a 59 anos;

Mudanças de acordo com o ofício circular nº 130/2019

15. (SESACRE-AC/IBFC/2019) A vacina contra a Influenza deve ser aplicada


preferencialmente por uma via de administração. Sobre esta via, assinale a
alternativa correta.
a) Intramuscular.
b) Subcutânea.
c) Intradérmica.
d) Endovenosa.
Vacina Febre Amarela

áreas com recomendação


0,5 mL, SC;
da vacina;

pelo menos 10 dias antes de


não simultânea
viagens para áreas com
com a tríplice viral*.
recomendação;

Mudanças de acordo com o ofício circular nº 130/2019

≥ 9 meses a 59 anos dose única


vacina Febre Amarela (FA)

avaliar, caso a caso, se há contraindicação para


Esquema da

≥ 60 anos vacinação, considerando o risco da doença e


possíveis eventos adversos pós-vacinação;

Gestantes e mulheres o serviço de saúde deverá avaliar, caso a caso,


amamentando o risco/benefício da vacinação;

Pessoas vivendo com desde que não apresente imunodeficiência


HIV/Aids grave.
Vacina Febre Amarela

Áreas com recomendação


da vacina e ampliada para todo o Reforço aos 4 anos de idade;
país;

A partir de 2020, 1.101 novos


munícipios da região nordeste
passarão a ser área com
recomendação da vacina;
Mudanças de acordo com o ofício circular nº 130/2019

16. (Pref. de Divinópolis-MG/IBFC/2018) A vacinação é a principal medida de


controle da febre amarela. Leia as afirmativas abaixo e a seguir assinale a
alternativa correta.
I. Durante a ocorrência de um surto da doença, recomenda-se vacinação das
pessoas não vacinadas que residem ou vão se deslocar para a área de risco.
II. É um imunobiológico seguro e altamente eficaz na proteção contra a
doença, com imunogenicidade de 90% a 98% de proteção.
III. O esquema vacinal consiste em dose única a partir dos 4 meses de idade.
IV. A via de administração é subcutânea; e o volume da dose é 0,25 ml.
16. (Pref. de Divinópolis-MG/IBFC/2018)
a) Apenas as afirmativas I e II estão corretas.
b) As afirmativas I, II, III e IV estão corretas.
c) Apenas as afirmativas II e III estão corretas.
d) Apenas a afirmativa IV está correta.

Rumo à aprovação!
Revisão Final
(EBSERH/IBFC/2020)
Doenças Transmissíveis

Professora Rebeca Rocha

Tuberculose
doença infecciosa e contagiosa, causada pelo
Conceito
Mycobacterium tuberculosis - Bacilo de Koch (BK);

Mecanismo de inalação de aerossóis, salvo em raríssimas exceções (TB


transmissão congênita); até baciloscopia negativa;

Sintomas da tosse persistente seca ou produtiva por 3 semanas ou mais,


TB pulmonar febre vespertina, emagrecimento, sudorese noturna;

identificar sintomáticos respiratórios, com


Busca ativa
2 baciloscopias*.
* Nos locais onde há equipamento de TRM-TB, é necessária apenas 1 amostra de escarro no momento da
identificação do sintomático respiratório (BRASIL, 2018).
1. (Pref. de Cruzeiro do Sul-AC/IBFC/2019) Segundo dados do Ministério da
Saúde contidos no Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose
no Brasil, o risco de transmissão da tuberculose perdura enquanto o paciente
eliminar bacilos no escarro. Com o início do tratamento, a transmissão tende a
diminuir gradativamente em alguns dias. Sobre o período de diminuição
gradativa do risco de transmissão da tuberculose, assinale a alternativa
correta.
a) 5 dias
b) 3 dias
c) 7 dias
d) 15 dias

2. (Pref. do Cabo de Santo Agostinho-PE/IBFC/2019) A tuberculose e a


hanseníase são duas doenças crônicas infectocontagiosas que possuem um
estigma cultural. Os agentes etiológicos destas doenças são respectivamente
_____ e _____. Assinale a alternativa que preencha correta e respectivamente
as lacunas.
a) Mycobacterium leprae / Mycobacterium tuberculosis.
b) Condiloma acuminado / Mycobacterium leprae.
c) Mycobacterium tuberculosis / Condiloma acuminado.
d) Mycobacterium tuberculosis / Mycobacterium leprae.
Hanseníase
A hanseníase é uma doença crônica, infectocontagiosa, cujo agente
etiológico é o Mycobacterium leprae, um bacilo álcool-ácido resistente,
fracamente gram-positivo, que infecta os nervos periféricos e, mais
especificamente, as células de Schwann.
bacilo álcool-ácido-resistente;

Mycobacterium leprae parasita intracelular obrigatório;

infecta células dos nervos periféricos:


células de Schwann.

Manifestações clínicas

Forma Indeterminada • forma inicial: apenas uma lesão de cor clara;


(FI) • distúrbio da sensibilidade.

• forma mais benigna: pessoas com alta


resistência ao bacilo → lesões são poucas ou
única: papulosas ou nodulações com
Forma Tuberculoide
ausência de sensibilidade;
(FT)
• Comprometimento simétrico dos troncos
nervosos, podendo causar dor, fraqueza e
atrofia muscular.
Manifestações clínicas

• forma intermediária: características clínico-


laboratoriais da FT e FV → acometimento
extenso dos nervos, podendo ocorrer
neurite aguda → grande variedade de
Forma Dimorfa lesões;
(FD) • lesões cutâneas apresentam-se como
placas e nódulos eritema-acastanhados.
Lesões mais características pré-foveolares
ou foveolares;

Manifestações clínicas

• mais grave, alto comprometimento de


troncos nervosos de forma simétrica →
Forma Virchowiana lesões infiltradas e nódulos (hansenomas);
(FV) • infiltração facial com madarose superciliar e
ciliar, hansenomas nos pavilhões auriculares.
Diagnóstico e classificação operacional

• análise da história e condições de vida


Clínico-
(anamnese);
epidemiológico
• exame dermatoneurológico e exame geral;

• baciloscopia: esfregaço intradérmico;


Laboratorial
• histológico;

Diagnóstico e classificação operacional

Paucibacilar
• até 5 lesões (FI e FT).
(PB)

Multibacilar  > 5 lesões e/ou baciloscopia positiva (FD e


(MB) FV).
adulto = 600 mg (dose supervisionada mensal)
Tratamento da Hanseníase

Rifampicina
criança = 450 mg (dose supervisionada mensal)
adulto = 100 mg (dose supervisionada mensal PB
6 cartelas
Dapsona e uma dose autoadministrada diária)
criança = 50 mg (dose supervisionada MB
12
mensal e uma dose autoadministrada diária) cartelas

adulto = 300 mg (dose supervisionada mensal) e


Clofazimina 50 mg (uma dose autoadministrada diária)
criança = 150 mg (dose supervisionada mensal) e
50 mg (uma dose autoadministrada em
dias alternados)
Gravidez e aleitamento materno não são contraindicações para o tratamento;
A partir do início do tratamento, a transmissão é interrompida.

3. (Pref. de Cruzeiro do Sul-AC/IBFC/2019) Segundo o Guia Prático sobre


Hanseníase, Ministério da Saúde, os esquemas terapêuticos para tratar a
hanseníase deverão ser utilizados de acordo com a classificação operacional
de cada pessoa. Acerca do esquema paucibacilar, assinale a alternativa que
apresenta o número correto de cartelas a serem utilizadas.
a) 2 cartelas
b) 4 cartelas
c) 5 cartelas
d) 6 cartelas
4. (SESACRE-AC/IBFC/2019) De acordo com classificação de Madri (1953),
para melhor compreensão e facilidade para o diagnóstico da Hanseníase
Virchowiana (multibacilar), analise as afirmativas abaixo e dê valores
Verdadeiro (V) ou Falso (F).
( ) É a forma mais contagiosa da doença.
( ) O paciente virchowiano não apresenta manchas visíveis.
( ) Frequentemente, o paciente apresenta “dor nas juntas” (articulações) e
tem o diagnóstico clínico e laboratorial equivocado de “reumatismo”
(artralgias ou artrites), “problemas de circulação ou de coluna”.
( ) Em idosos do sexo masculino é comum haver comprometimento dos
testículos, levando à azospermia.

4. (SESACRE-AC/IBFC/2019)
Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta de cima para baixo.
a) V, F, F, F.
b) V, V, V, V.
c) F, F, F, F.
d) F, F, F, V.
Dengue
Agente vírus da Dengue (RNA). Arbovírus do gênero Flavivírus,
Etiológico → família Flaviviridae, → são conhecidos 4 sorotipos;

Principal
Aedes aegypti, havendo também o Aedes albopictus;
Vetor

Via de picada da fêmea do mosquito infectado, transmissão


Transmissão vertical e transfusão sanguínea;

Período de
varia de 4 a 10 dias, em média de 5 a 6 dias.
Incubação

Fases clínicas da dengue

1. Fase febril
2. Fase crítica
Dengue com sinais de alarme
Dengue grave
Choque; hemorragia grave; disfunções graves de órgãos.

3. Fase de recuperação
5. (SESACRE-AC/IBFC/2019) Segundo o Ministério da Saúde: “Cresce em 219%
o número de casos de dengue no Acre” (Publicado: quarta, 17 de Abril de
2019, 16h03). Assinale a alternativa incorreta.
a) Residir em apartamento minimiza as chances do mosquito Aedes Aegypti
encontrar um recipiente com água parada para depositar os ovos e se
reproduzir.
b) É possível eliminar o mosquito por meio de medidas simples, como
substituir a água dos pratos dos vasos de planta por areia e deixar a caixa
d´água tampada.

5. (SESACRE-AC/IBFC/2019)
c) São suficientes 15 minutos por semana para fazer a vistoria em toda casa e
eliminar todos os possíveis focos do mosquito.
d) O ciclo de reprodução do Aedes Aegypti, do ovo à forma adulta, pode levar
de 5 a 10 dias.
Lista Nacional de Notificação Compulsória

A Portaria do Ministério da Saúde (MS) nº 204/2016 define a Lista


Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde
pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território
nacional e dá outras providências.

De acordo com o art. 3º da Portaria do MS nº 204/2016, a notificação


compulsória é obrigatória para os médicos, outros profissionais de saúde ou
responsáveis pelos serviços públicos e privados de saúde, que prestam
assistência aos pacientes, em conformidade com o art. 8º da Lei nº 6.259, de
30 de outubro de 1975.

6. (Pref. de Divinópolis-MG/IBFC/2018) Considerando a Lista Nacional de


Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos
serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional brasileiro,
em vigência, leia as afirmativas abaixo e a seguir assinale a alternativa correta.
I. A notificação compulsória imediata (NCI) é realizada em até 12 (doze) horas,
a partir do conhecimento da ocorrência de doença, agravo ou evento de
saúde pública; e a notificação compulsória semanal (NCS) é realizada em até 7
(sete) dias, a partir da confirmação da doença ou agravo.
II. São consideradas doenças de notificação compulsória imediata: Raiva
humana, Síndrome da Rubéola Congênita, Febre Maculosa e outras
Riquetisioses e Febre Amarela.
6. (Pref. de Divinópolis-MG/IBFC/2018)
III. A comunicação de doença, agravo ou evento de saúde pública de
notificação compulsória poderá ser realizada à autoridade de saúde por
qualquer cidadão que deles tenha conhecimento.
IV. A notificação compulsória é uma atividade exclusiva dos enfermeiros
responsáveis pelos serviços públicos e privados de saúde e que prestam
assistência ao paciente, no âmbito da equipe de saúde.
a) Apenas a afirmativa III está correta.
b) Apenas as afirmativas II e III estão corretas.
c) Apenas as afirmativas I, II e III estão corretas.
d) Apenas as afirmativas I e IV estão corretas.

Rumo à aprovação!
Revisão Final
(EBSERH/IBFC/2020)
Infecções Sexualmente
Transmissíveis (IST)
Professora Rebeca Rocha

IST Agente Etiológico Principais Sinais e Sintomas

na mulher, geralmente assintomática(70 a


80%), quando sintomática, pode apresentar
cervicite mucupurolenta, sangramento
Gonorreia Neisseria gonorrhoeae; intermenstrual, dipareunia e disúria; no
homem, disúria, prurido, corrimento
purulento e hiperemia prepucial;
Geralmente assintomática (70 a
80%); quando sintomática, apresenta
Clamídia Chlamydia trachomatis; cervicite mucopurulenta,
sangramento intermenstrual,
dispareunia e disúria;
na fase primária, úlcera, geralmente
Sífilis Treponema pallidum; única, indolor, com base endurecida
e fundo limpo;
IST Agente Etiológico Principais Sinais e Sintomas

geralmente lesões múltiplas,


dolorosas, de bordas e fundo
Cancro Mole Haemophilus ducreyi;
irregulares, recobertas por exsudato
necrótico de odor fétido;

ulceração com borda plana ou


hipertrófica, bem delimitada, com
Donovanose Klebsiella granulomatis;
fundo granuloso, de aspecto
vermelho vivo e friável;
início por pápula, pústula, ou
Linfogranuloma Chlamydia trachomatis ulceração indolor; provoca
Venéreo (L1, L2 e L3); linfadenopatia inguinal;
evolui com supuração e fistulização;

IST Agente Etiológico Principais Sinais e Sintomas

prurido, dispareunia, placas brancas,


Candidíase Candida albicans;
edema vulvar e disúria;

corrimento amarelo ou amarelo


Tricomoníase Trichomonas vaginalis; esverdeado, bolhoso, dor pélvica e
prurido;

Gardnerela vaginalis; corrimento vaginal fétido e


Vaginose
Haemophilus; Bacteroides corrimento branco acinzentado de
Bacteriana
sp; Mobiluncus sp. aspecto fluído ou cremoso.
IST Agente Etiológico Principais Sinais e Sintomas

lesões eritemato-papulosas que


evoluem para vesículas dolorosas e,
Vírus da Herpes Simples
Herpes genital na maioria das vezes, apresenta
(HSV)
quadro de febre, mal estar, mialgia e
disúria;
lesões acetobrancas, lesões
exofíticas, com superfícies
granulosas, únicas ou múltiplas;
Condiloma Papilomavírus Humano quando maiores, assemelham-se ao
acuminado (HPV) ‘couver-flor’ e, quando menores,
têm aparência de pápulas ou placas;
podem ser dolorosas, friáveis e/ou
pruriginosos.

7. (Pref. de Cruzeiro do Sul-AC/IBFC/2019) Segundo o Protocolo Clínico e


Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções
Sexualmente Transmissíveis (Ministério da Saúde, 2015) a sífilis é uma
infecção bacteriana de caráter sistêmico, curável e exclusiva do ser humano. É
causada por uma bactéria Gram-Negativa do grupo das espiroquetas,
descoberta em 1905. Acerca do agente etiológico da sífilis, assinale a
alternativa correta.
a) T. pallidum
b) C. trachomatis
c) N. gonorrhoeae
d) H. ducreyi
HPV

HPV • causada pelo Papilomavírus humano (HPV). Normalmente


causa verrugas de tamanhos variáveis na região anogenital.
(CONDILOMA Se não tratado, pode levar principalmente ao câncer do colo
ACUMINADO) do útero e de vulva em mulheres, e de pênis nos homens.

HPV

AGENTE HPV (sigla em inglês para papilomavírus humano)é um DNA-vírus de


ETIOLÓGICO cadeia dupla, não encapsulado, membro da família Papovaviridae.

Dá-se por qualquer tipo de atividade sexual e, excepcionalmente,


durante o parto, com a formação de lesões cutaneomucosas em
TRANSMISSÃO recém-nascidos ou papilomatose recorrente de laringe. A transmissão
por fômites é rara.

MANIFESTAÇÕES Na maioria das pessoas, a infecção pelo HPV não produz qualquer
manifestação. O tempo de latência pode variar de meses a anos e,
CLÍNICAS quando presentes, as manifestações podem ser subclínicas.
8. (CHU-UFPR/EBSERH/IBFC/2015) O vírus HPV é altamente contagioso,
sendo que a principal forma de transmissão é:
a) A feco-oral.
b) O contato com as mãos contaminadas.
c) O contato com sangue e secreções por meio de seringas contaminadas
compartilhadas.
d) O contato com gotículas.
e) O contato sexual, podendo ocorrer também por transmissão vertical.

Sífilis

AGENTE MANIFESTAÇÕES ATENÇÃO PRÉ-


TRANSMISSÃO
ETIOLÓGICO CLÍNICAS NATAL

Treponema prática sexual a sífilis congê-


depende do estágio
pallidum; desprotegida, por nita pode causar
da doença: primá-
transfusão de aborto, má forma-
ria, secundária e
sangue contamina- ção do feto e/ou
terciária. Inicialmen-
do ou da mãe morte ao nascer.
te com úlcera
infectada para o
indolor (ou pouco
bebê durante a
dolorosa) e
gestação ou o
autolimitada;
parto;
Estadiamento Esquema terapêutico Alternativa
Sífilis recente: sífilis Penincilina G Benzatina, 2,4 milhões Doxiciclina 100 mg,
primária, secundária UI, intramuscular, dose única (1,2 12/12h, via oral, por
e latente recente (com até milhão UI em cada glúteo). 15 dias (exceto em
2 anos de evolução) gestantes)
Sífilis tardia: sífilis latente Benzilpenicilina benzatina 2,4 milhões Doxiciclina 100 mg, 12/12h, via
tardia (com mais de dois UI, IM, 1x/semana (1,2 milhão UI em oral, por 30 dias (exceto em
anos de evolução) ou cada glúteo) por 3 semanas*. gestantes)
latente com duração Dose total: 7,2 milhões UI, IM
ignorada e sífilis terciária
Penincilina G cristalina, 18 a 24 Ceftriaxona, 2 g, intravenoso, por
milhões UI/dia, via endovenosa, 10 a 14 dias.
Neurossífilis doses de 3 a 4 milhões UI a cada 4
horas ou por infusão contínua durante
14 dias.
*A regra é que o intervalo entre as doses seja de 7 dias para completar o tratamento. No entanto, caso esse intervalo ultrapasse 14 dias, o
esquema deve ser reiniciado (WHO,2016). Fonte: BRASIL, 2019.

Sífilis congênita

Precoce Tardia

surge até o 2º ano. surge depois do 2º ano. Sintomas


Sintomas como ↓ como: “Lâmina de Sabre”,
peso, hepatomegalia articulações de Clutton, fronte
e osteocondrite; “olímpica”, nariz “em sela”;

Outros sintomas: mandíbula curta,


anemia, trombocitopenia, arco palatino elevado, surdez
leucocitose ou leucopenia. neurológica e dificuldade
no aprendizado.
9. (HUAP-UFF/EBSERH/IBFC/2016) Sobre a Sífilis, assinale a alternativa
correta.
a) A Sífilis Adquirida não é uma doença de notificação compulsória.
b) A Sífilis Congênita é uma doença de notificação compulsória com
periodicidade de notificação semanal.
c) A Sífilis em gestante é uma doença de notificação compulsória imediata
(com periodicidade de notificação menor que 24 horas).
d) O tratamento da Sífilis primária é realizado com Penicilina G benzatina,
4.800.000UI, IM, 1 vez por semana, 2 semanas (dose total de 9.600.000UI).
e) O tratamento da Sífilis tardia (latente e terciária) é realizado com Penicilina
G benzatina, 2.400.000UI, IM, dose única.

10. (SESACRE-AC/EBSERH/IBFC/2019) De acordo com a Política Nacional de


DST/AIDS, o componente “Promoção à Saúde, Proteção dos Direitos
Fundamentais das Pessoas com HIV/Aids e Prevenção da Transmissão das DST,
do HIV/Aids e do Uso Indevido de Drogas” compreende as áreas de Prevenção,
Articulação com ONG, Drogas e Aids, Comunicação Social e Direitos Humanos
e Saúde Mental em HIV/Aids. Na área de Prevenção, uma das diretrizes é:
a) O oferecimento do diagnóstico e o tratamento das DST nos vários níveis de
atenção do Sistema Único de Saúde (SUS) (Unidades Básicas de Saúde e
serviços de referência).
b) A possibilidade de um melhor conhecimento da epidemiologia da infecção
gonocócica no país.
10. (Pref. de Divinópolis/IBFC/2018)
c) A capacitação de recursos humanos dos setores públicos e privado e da
sociedade civil, que atuam na prevenção e controle das DST/Aids no Brasil
d) O estabelecimento de modelos de intervenção que permitam considerar os
diversos grupos populacionais, quanto à tomada de consciência em relação a
sua situação de vulnerabilidade e risco, levando-se em conta os aspectos
culturais, os contextos sociais e os valores relativos aos grupos envolvidos.

Rumo à aprovação!
Revisão Final
(EBSERH/IBFC/2020)
Biossegurança

Professora Rebeca Rocha

Precauções - transmissão de doenças

Prevenção da transmissão de um microrganismo


Sistema de precauções de um paciente para outro, ou para um
Objetivo básico profissional da saúde.

Essa prevenção abrange medidas referentes à


transmissão dos agentes envolvidos.
Padrão Contato Gotículas Aerossóis

Higienização Luvas e Máscara Máscara PFF2 (N-95)


das mãos avental cirúrgica Profissional
Infecções na Transmissão Transmissão
Todos os pele ou respiratória. respiratória.
pacientes. Patógenos Partículas > 5 Partículas ≤ 5
MDR. micra. micra.

11. (Pref. de Divinópolis-MG/IBFC/2018) Considerando o meio de


transmissão da doença, um paciente internado em unidade hospitalar com
diagnóstico confirmado de Tuberculose Pulmonar deverá:
a) Permanecer em quarto coletivo e adoção de precauções padrão para
procedimentos com risco de contaminação por sangue e secreções.
b) Permanecer em quarto individual e adoção de precauções para transmissão
de gotículas.
c) Permanecer em quarto coletivo e adoção de precauções para transmissão
de contato.
d) Permanecer em quarto individual e adoção de precauções para transmissão
de aerossóis.
12. (HU-FURG/EBSERH/IBFC/2016) Paciente TRF, 65 anos, foi internado na
Unidade Hospitalar com diagnóstico de Doença Meningocócica. Para entrar no
quarto, a equipe de saúde deve adotar precauções.
a) Para Isolamento Rigoroso.
b) Para transmissão de Aerossóis.
c) Para transmissão de Contato.
d) Padrão apenas.
e) Para transmissão de Gotículas.

13. (HUAP-UFF/EBSERH/IBFC/2016) Em unidade de internação, a orientação


para utilização de precauções para transmissão de gotículas deve incluir:
a) Higienização das mãos, máscara cirúrgica para os profissionais, máscara
cirúrgica para o paciente durante o transporte e quarto privativo
b) Higienização das mãos, máscara cirúrgica para os profissionais, máscara
N95 para o paciente durante o transporte e quarto privativo
c) Higienização das mãos, máscara N95 para os profissionais, máscara cirúrgica
para o paciente durante o transporte e quarto privativo
13. (HUAP-UFF/EBSERH/IBFC/2016)
d) Avental, luvas de procedimentos, higienização das mãos e quarto coletivo
e) Avental, luvas cirúrgicas, higienização das mãos, máscara N95 para os
profissionais, máscara N95 para o paciente durante o transporte e quarto
coletivo com coorte de 1 metro

Lavagem das Mãos

Microbiota residente

é constituída por microrganismos de baixa virulência, como


estafilococos, corinebactérias e micrococos, pouco
associadas às infecções veiculadas pelas mãos;

é mais difícil de ser removida pela higienização das mãos


com água e sabão, uma vez que coloniza as camadas mais
internas da pele.
Lavagem das Mãos

Microbiota transitória

coloniza a camada mais superficial da pele, o que permite


sua remoção mecânica pela higienização das mãos com
água e sabão;

é representada, tipicamente, pelas bactérias Gram-


negativas, como enterobactérias (ex.: Escherichia coli),
bactérias não fermentadoras (ex.: Pseudomonas
aeruginosa), além de fungos e vírus.

Lavagem das Mãos

água de sabonete líquido sujas ou contaminadas.


Higienização
das mãos preparação alcoólica para
limpas.
as mãos (60 a 80%)
14. (HUGG-UNIRIO/EBSERH/IBFC/2017) É correto afirmar que, a fricção
antisséptica das mãos, com preparações alcoólicas, tem a finalidade de:
a) Eliminar a microbiota transitória da pele e reduzir a microbiota residente,
além de proporcionar efeito residual na pele do profissional. Utiliza-se escova
com cerdas macias e descartáveis, impregnadas ou não com antisséptico e de
uso exclusivo em leito ungueal e subungueal no preparo cirúrgico das mãos
b) Remover os microrganismos que colonizam as camadas superficiais da pele,
assim como o suor, a oleosidade e as células mortas, retirando a sujidade
propícia à permanência e à proliferação de microrganismos

14. (HUGG-UNIRIO/EBSERH/IBFC/2017)
c) Promover a remoção de sujidades e de microrganismos, reduzindo a carga
microbiana das mãos, com auxílio de um antisséptico
d) Promover a remoção de sujidades e de microrganismos, sendo que a
técnica é igual àquela utilizada para higienização simples das mãos,
substituindo-se o sabão por um antisséptico
e) Reduzir a carga microbiana das mãos, sem remoção de sujidades. Pode
substituir a higienização com água e sabão quando as mãos não estiverem
visivelmente sujas
15. (HUAP-UFF/EBSERH/IBFC/2016) Para a prevenção da infecção da corrente
sanguínea associada ao acesso venoso, são recomendados “pacotes de
medidas” que, quando implantados em conjunto, resultam em melhorias da
assistência mais substanciais. Leia as frases abaixo, e dê valores Verdadeiro (V)
ou Falso (F) e assinale a alternativa que apresenta a sequência correta de cima
para baixo. São componentes do pacote do cateter venoso central (CVC):
( ) Higiene das Mãos.
( ) Antissepsia com Polivinilpirrolidona Iodo (PVP-I).
( ) Precauções máximas de Barreira na passagem do cateter.

15. (HUAP-UFF/EBSERH/IBFC/2016)
( ) Escolha do sítio de inserção adequado, com obrigatoriedade para a veia
carótida nos casos de cateteres não tunelizados.
( ) Reavaliação diária da necessidade de manutenção do cateter, com pronta
remoção daqueles desnecessários.
a) V,V,V,V,V
b) F,F,V,F,V
c) V,V,V,F,F
d) V,F,V,F,V
e) V,V,F,V,V
Rumo à aprovação!

A COLEÇÃO MAIS COMPLETA DO BRASIL

Você também pode gostar