Você está na página 1de 83

AT E N Ç Ã O À S A Ú D E D E P E S S O A S C O M S O B R E P E S O E O B E S I D A D E

| DALVAN ANTONIO DE CAMPOS |


| FRANCIELE CEMBRANEL |
| RONALDO ZONTA |

AÇÕES DE ENFRENTAMENTO DO SOBREPESO


E OBESIDADE NA ATENÇÃO BÁSICA

UFSC 2019
AT E N Ç Ã O À S A Ú D E D E P E S S O A S C O M S O B R E P E S O E O B E S I D A D E

| DALVAN ANTONIO DE CAMPOS |


| FRANCIELE CEMBRANEL |
| RONALDO ZONTA |

AÇÕES DE ENFRENTAMENTO DO SOBREPESO


E OBESIDADE NA ATENÇÃO BÁSICA

FLORIANÓPOLIS
UFSC
2019
CRÉDITOS | FICHA TÉCNICA

GOVERNO FEDERAL

MINISTÉRIO DA SAÚDE
Secretaria de Atenção Primária à Saúde (SAPS)
Departamento de Promoção da Saúde (DEPROS)
Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA


Reitor: Ubaldo Cesar Balthazar
Vice-Reitora: Alacoque Lorenzini Erdmann
Pró-Reitor de Pós-Graduação: Cristiane Derani
Pró-Reitor de Pesquisa: Sebastião Roberto Soares
Pró-Reitor de Extensão: Rogério Cid Bastos
CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
Diretor: Celso Spada
Vice-Diretor: Fabrício de Souza Neves
DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA
Chefe do Departamento: Fabrício Augusto Menegon
Subchefe do Departamento: Lúcio José Botelho

EQUIPE TÉCNICA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE


Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição

Gestora geral do Projeto Sheila Rubia Lindner


Coordenação de Produção de Material Elza Berger Salema Coelho

3
CRÉDITOS | FICHA TÉCNICA

Autores Dalvan Antonio de Campos


Francieli Cembranel
Ronaldo Zonta

Revisores Nome 1
Nome 2

Equipe Editorial Carolina Carvalho Bolsoni


Thays Berger Conceição
Deise Warmling
Dalvan Antonio de Campos

Assessoria Pedagógica Márcia Regina Luz

Assessoria de Mídias Marcelo Nogueira Capillé

Equipe Executiva Patricia Dia de Castro


Gabriel Donadio Costa

Design Instrucional/ Eduard Marquardt


Revisão de Português e ABNT

Design Instrucional/Elaboração Soraya Falqueiro


das questões avaliativas

4
FICHA CATALOGRÁFICA

Identidade Visual/Projeto gráfico Pedro Paulo Delpino Bernardes

Diagramação/Finalização Laura Martins Rodrigues

Esquemáticos/Infográficos Naiane Cristina Salvi

Desenvolvedor Web Rodrigo Rodrigues Pires de Mello

Fonte para Imagem e Esquemáticos Adobe Stock

C198a Campos, Dalvan Antônio.

Abordagem do sobrepeso e obesidade na atenção primária em saúde [recurso eletrônico]


/ Dalvan Antônio de Campos, Franciele Cembranel, Ronaldo Zonta -- 1. ed. -- Florianópolis :
Universidade Federal de Santa Catarina, 2019.

83 p. : il.; color.

Modo de acesso: www.unasus.ufsc.br

Conteúdo do módulo: Unidade 1: Ações no território ampliado para prevenção e controle


do sobrepeso e obesidade. – Unidade 2: Promoção da alimentação saudável e prevenção do
sobrepeso e obesidade.

ISBN 978-85-8267-148-1

1. Obesidade. 2. Atenção primária em saúde. 3. Sobrepeso. I. UFSC. II. Obesidade: atenção


à saúde de pessoas com sobrepeso e obesidade. III. Cembranel, Franciele. IV. Zonta, Ronaldo.
VI. Título.

CDU: 613.24

5
SUMÁRIO

APRESENTAÇÃO 8 2 PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL


E PREVENÇÃO DO SOBREPESO E OBESIDADE 36
1 AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO PARA PREVENÇÃO 2.1 INTRODUÇÃO 36
E CONTROLE DO SOBREPESO E OBESIDADE 11 2.2 CULTURA E HÁBITOS ALIMENTARES 36
1.1 INTRODUÇÃO 11 2.2.1 Alimentação, regionalidade e cultura 37
1.2 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E O TERRITÓRIO 11 2.2.2 Influência da indústria e das mídias
1.3 O TERRITÓRIO E A INTERSETORIALIDADE 13 na Alimentação 39
1.3.1 Processo de trabalho na atenção primária 16 2.2.3 Cultura alimentar, sobrepeso e obesidade 42
1.3.2 Territorialização na atenção primária 18 2.3 AVALIAÇÃO E DIAGNÓSTICO ALIMENTAR
1.3.3 Atuação intersetorial no campo E NUTRICIONAL DE COLETIVIDADES 43
da alimentação e nutrição 20 2.3.1 Indicadores Socioeconômicos e Culturais 44
1.4 ESTRATÉGIAS INTERSETORIAIS PARA A PREVENÇÃO 2.3.2 Indicadores de consumo alimentar 45
E CONTROLE DO SOBREPESO E DA OBESIDADE 22 2.3.3 Indicadores antropométricos e epidemiológicos 46
1.4.1 Educação 22 2.3.4 Diagnóstico alimentar e nutricional 47
1.4.2 Assistência Social 24 2.4 ESTRATÉGIAS DE PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
1.4.3 Sociedade Civil 25 SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DE SOBREPESO
1.4.4 Esporte e Cultura 26 E OBESIDADE COM ENFOQUE NAS COLETIVIDADES 49
1.5 PROMOÇÃO DE AMBIENTES SAUDÁVEIS 27 2.4.1 Conceitos de promoção e prevenção 49
1.5.1 Mobilidade urbana 28 2.4.2 Ações e práticas coletivas de promoção
1.5.2 Academias da Saúde 29 da alimentação saudável 50
1.5.3 Restaurantes Populares 30 2.4.3 Ações e práticas coletivas de prevenção
1.5.4 Agricultura familiar e feiras de alimentos 31 do sobrepeso e obesidade 53
1.5.5 Hortas comunitárias 33 ENCERRAMENTO DA UNIDADE 56
ENCERRAMENTO DA UNIDADE 34

6
SUMÁRIO

3 AÇÕES INDIVIDUAIS PARA A ABORDAGEM


DO SOBREPESO E OBESIDADE 58
3.1 INTRODUÇÃO 58
3.2 ATENÇÃO INTEGRAL E CUIDADO LONGITUDINAL 58
3.3 ABORDAGEM INDIVIDUAL PARA A PREVENÇÃO
E O CONTROLE DO SOBREPESO E OBESIDADE 59
3.3.1 Avaliação e diagnóstico do sobrepeso
e obesidade 60
3.3.2 Mudança de comportamento 65
3.3.3 Alimentação saudável 71
3.3.4 Atividade física 74
3.4 PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES 75
3.5 QUANDO ENCAMINHAR O USUÁRIO PARA
OUTRO PONTO DE ATENÇÃO 75
ENCERRAMENTO DA UNIDADE 76

REFERÊNCIAS 77

MINICURRÍCULO DOS AUTORES 82

7
APRESENTAÇÃO

Olá,

Seja bem-vindo ao Curso Abordagem do Nosso enfoque são os profissionais das


Sobrepeso e Obesidade na Atenção Primária. equipes de Saúde da Família (eSF) e dos
Sabemos que a temática da alimentação e Núcleo Ampliado de Saúde da Família e
nutrição é recorrente no dia a dia de trabalho Atenção Básica (NASF-AB).
da Estratégia de Saúde da Família (ESF), seja O conteúdo está organizado em três
de maneira direta, com o acompanhamento âmbitos de ação: território ampliado,
de pessoas com excesso de peso, ou coletividades e individual. Para todos eles
indireta, com a necessidade de mudanças apresentamos aspectos teóricos, recursos,
alimentares devido a problemas de saúde. ferramentas e práticas na área da saúde e
O panorama da transição epidemiológica de alimentação e nutrição, a fim de subsidiar
e nutricional, com o aumento expressivo e estimular o desenvolvimento de ações
de indivíduos com sobrepeso e obesidade, e práticas para a prevenção e controle do
nos obriga a pensar soluções individuais, sobrepeso e da obesidade no seu cotidiano.
coletivas e intersetoriais para estabilização
e reversão desse quadro. Apostamos que Esperamos que você
a Atenção Primária à Saúde (APS) é o tenha um bom estudo!
principal espaço para esta mudança, pela
sua proximidade, conhecimento e vínculo Dalvan Antonio de Campos
com os indivíduos, famílias e territórios. Francieli Cembranel
Nesse sentido, construímos este material Ronaldo Zonta
com o intuito de compartilhar ações de
promoção de alimentação saudável para
a prevenção e controle do sobrepeso e da
obesidade que possam ser incorporadas no
processo de trabalho da APS.

8
APRESENTAÇÃO

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM CARGA HORÁRIA DE ESTUDO


RECOMENDADA
Ao final deste módulo, você deverá ser
capaz de: Para estudar e apreender todas as
• Reconhecer recursos, ferramentas e informações e conceitos abordados, bem
práticas, na área de alimentação e como trilhar todo o processo ativo de
nutrição, para subsidiar o desenvolvi- aprendizagem, estabelecemos uma carga
mento de ações no território ampliado horária de 30 horas para este curso.
para a prevenção e controle do sobre-
peso e da obesidade.
• Reconhecer recursos e ferramentas,
na área de alimentação e nutrição,
para subsidiar o desenvolvimento
de ações e práticas de promoção e
prevenção voltadas às coletividades
no âmbito da Unidade Básica de Saúde
(UBS) para a prevenção e controle do
sobrepeso e da obesidade.
• Reconhecer os recursos e ferramentas,
na área de alimentação e nutrição,
para subsidiar o desenvolvimento de
ações e práticas interdisciplinares
no âmbito individual e no nível da
Atenção Primária à Saúde (APS), para
a prevenção e controle do sobrepeso e
obesidade.

9
AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO PARA PREVENÇÃO
E CONTROLE DO SOBREPESO E OBESIDADE
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

1 AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO carregam outros significados. Existem, por


PARA PREVENÇÃO E CONTROLE exemplo, alimentos que comemos no dia a
DO SOBREPESO E OBESIDADE dia, outros nos finais de semana ou mesmo
apenas em alguns dias do ano. Nesse sentido,
1.1 INTRODUÇÃO os alimentos e a alimentação possuem um
caráter simbólico que influencia nas escolhas
Nesta unidade vamos conhecer os e práticas alimentares (BRASIL, 2014a).
aspectos mais importantes do trabalho Não há dúvidas de que uma nutrição ade-
intersetorial e no território para a promoção quada é indispensável para o bom funciona-
da saúde, alimentação saudável e prevenção mento do organismo; entretanto, o isolamento
do sobrepeso e da obesidade. Reuniremos dos nutrientes vem mostrando-se incapaz de
conceitos, orientações e ações que possi- explicar a relação entre alimentação e saúde.
bilitem a produção de ambientes saudáveis Deste modo, é necessário observar aspectos
que contribuam para a efetividade das ações biológicos e sociais na formulação de ações
dos profissionais de saúde e permitam a para a promoção de uma alimentação sau-
adoção de um estilo de vida saudável pela dável, sejam elas individuais ou coletivas.
população. O estado de saúde dos indivíduos não pode
ser analisado sem se considerar o meio onde
1.2 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E O vivem (CANGUILHEM, 2006).
TERRITÓRIO Conforme a Política Nacional de
Alimentação de Nutrição (PNAN), a
Para iniciarmos nossos estudos, é alimentação adequada e saudável é aquela
necessário entender que a alimentação é “prática alimentar apropriada aos aspectos
um processo social que extrapola a ingestão biológicos e socioculturais dos indivíduos,
adequada ou inadequada de nutrientes, pois bem como ao uso sustentável do meio
está relacionada com aspectos sociais, ambiente” (BRASIL, 2013).
afetivos e culturais. Os alimentos são No Brasil, o Guia Alimentar para a
compostos por nutrientes, mas também População Brasileira é a base para as

11
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

orientações, produção de materiais e Alinhados com o conceito ampliado


recomendações para uma alimentação de saúde, que a considera resultante das
adequada e saudável. condições de alimentação, habitação,
Reconhece-se atualmente que as educação, renda, meio ambiente, trabalho,
mudanças sociais, estruturais, econômicas, transporte, emprego, lazer, liberdade, acesso
culturais e políticas possibilitaram o e posse da terra e acesso aos serviços
aumento da expectativa de vida, a diminuição de saúde, percebemos que as formas de
da natalidade e a mudança no padrão de organização social e de produção geram
morbimortalidade. Essas mudanças têm grandes desigualdades nos padrões de vida
Figura 1 – Mudanças em diversos aspectos
impacto no padrão de alimentação e nutrição da vida impactam no padrão da alimentação e (BRASIL, 1986). Nesse sentido, as ações de
dos indivíduos e das famílias, com efeitos nutrição. Fonte: JCLobo/Adobe Stock alimentação e nutrição na Atenção Primária
no padrão antropométrico da população, à Saúde (APS) deverão ser contextualizadas
tornando o excesso de peso (sobrepeso Além das questões individuais, a a partir de demandas e necessidades
e obesidade) um problema de saúde organização do espaço/ambiente/território de saúde do seu território, levando em
pública (PINHEIR0, 2004). onde se vive influencia diretamente na consideração a frequência e relevância dos
alimentação e na saúde dos indivíduos. agravos, mas também a disponibilidade de
Alguns autores afirmam que nossa dispositivos (agricultura familiar, ceasas,
O excesso de peso é uma categoria que sociedade produziu um ambiente feiras, mercados públicos) e a estrutura
abarca em adultos aqueles com sobrepe- obesogênico, que conduz os indivíduos para organizacional dele. Mediante a isso,
so/pré-obeso, obesidade grau I, obesidade estilos de vida não saudáveis e de ganho convidamos a refletir sobre duas questões,
grau II e obesidade grau III. Existem várias de peso excessivo, com efeitos diretos na propostas a seguir.
formas de diagnosticar o excesso de peso,
saúde. Esse ambiente relaciona-se com a
mas em geral utiliza-se o cálculo do índice
de massa corporal (IMC), que é a medida disponibilidade, o acesso e a qualidade dos
com melhor custo/efetividade para avaliar a alimentos, a possibilidade de realização Como podemos interferir nesse
de atividade física, as jornadas e tipos de ambiente como profissionais da
concentração de gordura em adultos, com
saúde? Quais as ações possíveis
parâmetros instituídos pela Organização trabalho contemporâneos e os índices de para que ocorra a melhoria desse
Mundial de Saúde (OMS, 2000). acometimento por problemas de saúde quadro em nível local?
mental (FISBERG, 2016).

12
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Essas perguntas não possuem 1.3 O TERRITÓRIO E A


respostas específicas ou uma fórmula INTERSETORIALIDADE DHAA
única de resolução. Entretanto, mediante os O Direito Humano à Alimentação Adequada
consiste no acesso físico e econômico
princípios da Atenção Primária, ao Direito As mudanças socioeconômicas, políticas
de todas as pessoas aos alimentos e aos
Humano à Alimentação Adequada (DHAA) e culturais têm efeitos na vida, alimentação recursos, como emprego ou terra, para
e ao conceito de Segurança Alimentar e saúde dos indivíduos. Os determinantes garantir esse acesso de modo contínuo. Esse
e Nutricional (SAN) , apostamos sociais de saúde (DSS) nos auxiliam a direito inclui a água e as diversas formas
que – além da atenção e assistência a compreender esse impacto sobre a saúde. de acesso à água na sua compreensão e
saúde, individual ou coletivo, na Unidade Tomemos como exemplo a tuberculose: o realização. Ao afirmar que a alimentação
Básica de Saúde (UBS) e nas casas das bacilo Koch pode atingir qualquer indivíduo, deve ser adequada, entende-se que ela
famílias – ações intersetoriais devem ser mas são os determinantes sociais que seja adequada ao contexto e às condições
desenvolvidas no território ampliado com explicam por que determinados grupos, culturais, sociais, econômicas, climáticas e
ecológicas de cada pessoa, etnia, cultura ou
vistas a promover ambientes que auxiliem como as pessoas em situação de rua, são
grupo social (BRASIL, 2006a).
na adoção de um estilo de vida saudável pela mais acometidos por tuberculose que outros.
população adscrita, visando a promoção de Os determinantes sociais da saúde SAN
uma alimentação saudável e o controle do estão relacionados às condições em que A Segurança Alimentar e Nutricional
sobrepeso e da obesidade. uma pessoa vive e trabalha. Também consiste na realização do direito de todos
Mediante isso, nos próximos itens podem ser considerados os fatores sociais, ao acesso regular e permanente a alimentos
conheceremos alguns aspectos conceituais econômicos, culturais, étnicos/raciais, de qualidade, em quantidade suficiente,
e práticos a respeito do território, processo psicológicos e comportamentais que sem comprometer o acesso a outras
de trabalho na APS e intersetorialidade, com influenciam a ocorrência de problemas de necessidades essenciais, tendo como base
práticas alimentares promotoras de saúde
vistas a subsidiar nossas ações no território saúde e fatores de risco à população, tais
que respeitem a diversidade cultural e que
ampliado. Vamos lá! como moradia, alimentação, escolaridade, sejam ambiental, cultural, econômica e
renda e emprego (SOUZA et al., 2013). socialmente sustentáveis (BRASIL, 2006a).

13
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

A obesidade, apesar de não ter um agente esses hábitos em seu dia a dia. Nas negativas, como a poluição do ar e das
etiológico específico, tem sua distribuição ações de alimentação e nutrição isso se águas, a desertificação do solo, a produção
determinada socialmente. Apesar de ser um torna ainda mais importante, visto que as de alimentos transgênicos, a exposição
fenômeno multifatorial – resultante da inte- práticas alimentares saudáveis dependem à radiação, fatores estes que interferem
ração entre fatores genéticos, metabólicos, da disponibilidade e do acesso regular aos diretamente na alimentação e saúde geral
hormonais, ambientais, comportamentais, alimentos saudáveis. dos indivíduos (RIBEIRO et al., 2017).
culturais e sociais –, estudos indicam que Você, profissional, deve observar se os
características como baixa escolaridade, territórios sob sua adscrição apresentam
menor renda, união conjugal (casados e condições e recursos adequados para que
viúvos) e envelhecimento, dentre outros, suas orientações sejam colocadas em
são definidores na origem e distribuição da prática, tornando-se efetivas. Para isso,
obesidade (BRASIL, 2014b). Nesse sentido, vamos entender melhor os conceitos de
a adoção e manutenção de um estilo de vida ambiente e território para pensarmos em
saudável para o controle desta situação ações de promoção de saúde, alimentação
ultrapassam as orientações realizadas nos saudável e de controle ao sobrepeso e
serviços de saúde. obesidade no território ampliado.
Figura 2 - Os territórios devem ter recursos
O ambiente é a natureza em si, a flora, adequados para que as orientações sejam
a fauna, o ar, a água e a geografia do local colocadas em prática. Fonte: j-mel/Adobe Stock
Você já pensou por que alguns
que possibilitam a existência da vida.
usuários continuam adotando hábi-
tos inadequados de alimentação e Trata-se do meio ao qual fazemos parte e É necessário conscientizar os usuários
saúde, mesmo com orientações e interferimos de forma direta e indireta, e da sua UBS que, ao cuidarem do ambiente
acompanhamento pelos profissio-
as características do ambiente definirão onde vivem, estão cuidando da sua saúde e
nais da APS?
a maior ou menor disponibilidade de água da saúde de toda a comunidade. Atos como
e alimentos, a presença de intempéries a reciclagem do lixo em casa, o não despejo
Muitos fatores interferem nesta não naturais, a possibilidade de cultivo ou não em rios ou córregos contribuem para
adesão a um estilo de vida mais saudável, do solo, entre outras coisas. Entretanto, melhoria das condições ambientais locais,
e por isso alguns indivíduos ou famílias a atuação humana sobre o ambiente assim como o plantio de árvores nativas nos
podem sentir dificuldade de incorporar tem provocado diversas transformações quintais.

14
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

poderes para atuação de maneira integrada


Utilizaremos o termo território am- sobre problemas e demandas. Esta iniciativa
pliado para nos referir aos espaços
coloca-se na contramão da fragmentação
compostos pelo território delimitado
da sua área adscrita, mas você pode das políticas sociais, e é essencial na
considerar interações com outros superação de iniquidades em saúde e na
territórios que possuam dispositivos
melhoria da qualidade de vida da população.
disponíveis.
No campo da saúde, seu enfoque está na
reorientação do modelo de atenção, visando
A identificação e localização dos à intervenção sobre os determinantes sociais
dispositivos (feiras de alimentos, mercados, e nas estratégias de promoção de saúde e
Figura 3 – As características do ambiente que
definirão a maior ou menor disponibilidade de igrejas, escolas, centros comunitários, áreas da alimentação adequada e saudável .
água e alimentos. Fonte: Halfpoint/Adobe Stock de lazer, espaços para atividade física,
empresas, restaurantes), seus usos pela
Já o conceito de território – utilizado população e sua importância para os fluxos
A promoção da saúde é o “processo de
e desenvolvido em diversos campos das pessoas são de grande relevância para
capacitação da comunidade para atuar na
do conhecimento, como a Geografia, a compreender a dinâmica social, hábitos melhoria da sua qualidade de vida e saúde,
Antropologia, a Sociologia, a Ciência e costumes e para a determinação de incluindo maior participação no controle
Política, a Ecologia – além de incorporar o vulnerabilidades de saúde, alimentar e desse processo” (CARTA DE OTTAWA, 1986).
componente cultural e a dimensão material, nutricional, como é o caso do sobrepeso e
implica na delimitação de um espaço físico da obesidade (MONKEN, 2003). A promoção da alimentação adequada e
específico, mais ou menos abrangente. Entretanto, para trabalhar na perspectiva saudável é “um conjunto de estratégias
Podemos pensá-lo em diferentes escalas, do território, visando à promoção de que proporcionem aos indivíduos e
como: global, continental, regional, estadual, ambientes saudáveis, o setor saúde é coletividades a realização de práticas
alimentares apropriadas aos seus aspectos
da cidade, do bairro, da área adscrita, da insuficiente, devendo trabalhar de forma
biológicos e socioculturais, bem como
microárea e, até, da casa (NOGUEIRA; intersetorial. A intersetorialidade trata ao uso sustentável do meio ambiente”
MARILAC-RESENDE, 2017). da articulação entre diferentes setores, (BRASIL, 2013).
compartilhamento de conhecimentos e

15
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

multiprofissionais, eSF e NASF-AB, à popu-


Você sabia que estudos como o lação adscrita em um determinado território,
de Azevedo et al. (2012) e Silva & sendo a principal porta de entrada para o
Tavares (2016) apontam que inter- Atenção
venções em nível local têm mais Sistema Único de Saúde (SUS) e responsável Primária em
chances de obter resultados satis-
fatórios e sustentáveis quando ado-
pela coordenação das redes de atenção à Saúde SUS
saúde (BRASIL, 2017).
tam uma abordagem intersetorial?
Observe no infográfico ao lado como cada
equipe é uma peça chave para o cuidado
integral do indivíduo e manutenção do SUS.
Nesse sentido, as ações no território Assim, são definidos alguns pressupostos
ampliado devem proporcionar ambientes e para o processo de trabalho das equipes, Estratégia Saúde
da Família, baseada
atividades que estimulem a autonomia dos ou seja, como o trabalho deve acontecer
na atenção integral à
usuários e das famílias para a promoção neste nível de atenção. O processo de saúde, vinculada a
da alimentação saudável e a prevenção do trabalho na APS pauta-se em um conjunto equipes multi-
sobrepeso e da obesidade. de ações coordenadas e desenvolvidas profissionais, eSF
e NASF-AB
A seguir, vamos abordar aspectos do pelos trabalhadores de saúde, direcionadas
processo de trabalho na APS, das equipes e construídas para os indivíduos, famílias e
de eSF e NASF-AB, fundamentais para o grupos sociais (SUMAR; FAUSTO, 2014).
desenvolvimento de ações no território Os saberes profissionais e métodos
ampliado. representam os instrumentos e as Recomenda-se que o processo de traba-
ferramentas que irão possibilitar a atenção lho na APS seja desenvolvido por meio de
1.3.1 Processo de trabalho na em saúde. Em consonância com os ações coordenadas e orientadas para a pro-
atenção primária princípios do SUS, a reorientação do modelo moção de saúde, prevenção e reabilitação
No Brasil, adotamos o modelo de Atenção de saúde, baseado nas necessidades de da doença, de caráter individual e coletivo,
Primária em Saúde, que é operacionalizada saúde da população, é fundamental para para modificar a situação de saúde da popu-
por meio da ESF, baseada na atenção consolidação do processo de trabalho das lação, seus determinantes e condicionantes
integral à saúde, com vínculo das equipes equipes (FERREIRA, 2012). (BRASIL, 2017).

16
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Sabe-se que, mesmo com a ampliação Apesar de as menções sobre a Declaração de Alma-Ata
do acesso e a estruturação dos serviços da necessidade de “Promoção da alimentação A Declaração de Alma-Ata foi resultado da
APS, existem muitos desafios para efetivar e nutrição apropriadas” estarem presentes Conferência Internacional sobre Cuidados
a mudança do modelo de atenção à saúde, no campo da saúde desde a Declaração de Primários de Saúde, realizada pela Organiza-
principalmente no que tange à territorializa- Alma-Ata, a promoção da alimentação ção Mundial da Saúde (OMS) em Alma-Ata,
ção e ações intersetoriais de promoção de adequada e saudável ainda precisa ser na República do Cazaquistão em 1978. Tinha
saúde e prevenção (FONTANA et al., 2016). fortalecida no dia a dia do trabalho da APS como principal enfoque a necessidade de
Esse cenário impacta diretamente nas (WHO; UNICEF, 1978). ação urgente de todos os governos, de todos
os que trabalham nos campos da saúde e do
ações voltadas para a promoção de alimen- A inserção do nutricionista e das ações
desenvolvimento e da comunidade mundial
tação saudável e a prevenção do sobrepeso de alimentação e nutrição na APS, por meio para promover a saúde de todos os povos do
e obesidade. dos NASF-AB, é um marco relevante para a mundo (WHO; UNICEF, 1978).
implementação dessas ações neste nível de
atenção. Essas ações visam a maior atenção
Processo de trabalho e qualificação do cuidado dos indivíduos de maior relevância no território, tendo como
O processo de trabalho consiste em toda acometidos por doenças e agravos não-trans- ferramentas tecnológicas o Projeto de Saúde
ação realizada pelo ser humano sobre missíveis, como é o caso da obesidade, e a no Território (PST), Apoio Matricial, Clínica
a natureza, com o intuito de produzir promoção de práticas alimentares saudáveis Ampliada, Projeto Terapêutico Singular e a
bens e serviços para a sua utilização,
em todos os ciclos da vida. Assim, socializar Pactuação do Apoio (BRASIL, 2014c).
independente da cultura ou modo de
o conhecimento sobre os alimentos e realizar
produção. O ser humano é a parte ativa no
processo de trabalho, cujo princípio está no ações que promovam a segurança alimentar
binômio “homem e natureza” em que esse e nutricional passa a ser uma atribuição da Para saber mais sobre as ferramentas
APS, devendo fazer parte do processo de tecnológicas do NASF-AB, acesse
realiza ações, com o auxílio de ferramentas
o material sobre o Processo de
criadas por ele previamente para modificar trabalho das equipes (BRASIL, 2014c). Trabalho na Atenção Primária da
a natureza em seu benefício. Contudo, ao Entretanto, o NASF-AB não se caracteriza Especialização UNASUS/UFSC:
modificar a natureza, o homem também como um serviço especializado para <https://unasus2.moodle.ufsc.br/
é modificado, isso porque se trata de um pluginfile.php/19956/mod_resource
encaminhamentos, mas sim como um /content/2/undefined/un5/top1_1.
processo dialético.
núcleo de profissionais que apoia e amplia html>
o escopo das ações da eSF nas temáticas

17
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Desse modo, recomendamos que as condicionantes da situação alimentar e


ações de alimentação e nutrição sejam Lembre-se de que a territorialização nutricional da população.
deve subsidiar a identificação dos mo-
realizadas a partir da articulação das equipes O trabalho das equipes multiprofissionais
tivos que exercem determinação sobre
multiprofissionais que atuam na APS, o processo saúde-doença, contribuin- inclui a identificação de dispositivos como:
principalmente as atividades que envolvem do na percepção dos problemas de
saúde da população por parte da equi-
promoção de alimentação saudável e • locais de produção de alimentos;
pe e no planejamento das estratégias
prevenção de agravos nutricionais, como é de intervenção clínicas e sanitárias. • comercialização e distribuição de
o caso das ações no território ampliado, que alimentos;
enfocamos nesta unidade. • costumes e tradições alimentares
Vamos seguir nossos estudos No que tange à alimentação e nutrição, locais;
aprofundando e mostrando caminhos para deve-se identificar os determinantes e • acesso à água potável.
a atuação integrada das equipes da APS a
partir da territorialização em saúde.

1.3.2 Territorialização na atenção primária


A territorialização, uma das diretrizes CARACTERÍSTICAS
da APS, consiste no processo pelo qual os ambientais
profissionais de saúde conhecerão o seu
DO TERRITÓRIO
território adscrito para identificar as neces-
históricas
sidades da comunidade. Devem ser conside- culturais
radas características ambientais, históricas, sociais
demográficas, geográficas, econômicas, demográficas
sanitárias, sociais, culturais, etc.
Considerando que o território é dinâmico
e mutável, é importante refazer ou geográficas
sanitárias
complementar a territorialização sempre econômicas
que necessário (BRASIL, 2017).

18
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Essas informações, dentre outras hábitos saudáveis, contribuindo para um


características específicas do seu território, maior adoecimento dos grupos sob essas
devem ser relacionadas aos hábitos A organização, condições.
alimentares e estado nutricional dos estrutura e disponibilidade Desse modo, você pode fomentar o uso
indivíduos e das famílias para subsidiar de dispositivos ou dos dispositivos presentes no território que
ações no território. Desse modo, todos os equipamentos sociais possibilitem a promoção de alimentação
profissionais da APS podem participar do relacionados à segurança saudável e promoção de saúde e a adesão
alimentar e nutrição no
processo de territorialização e mapeamento às intervenções voltadas para mudanças na
território
da área de atuação da equipe, identificando alimentação, melhoria do perfil nutricional
grupos, famílias e indivíduos expostos O perfil e manutenção ou redução do peso corporal
Os hábitos epidemiológico,
a riscos e vulnerabilidades em saúde, das pessoas.
e a cultura alimentar e
alimentar e nutricional (BRASIL, 2017). alimentar da nutricional da
Destaca-se a importância do trabalho população população O que queremos reforçar é que não
multiprofissional, que possibilita um adscrita local basta realizar o diagnóstico da rea-
olhar ampliado sobre as condições de lidade e as orientações individuais e
saúde no território. Nesse sentido, é coletivas para promoção de alimen-
possível operacionalizar o Projeto de tação saudável e prevenção e con-
trole do sobrepeso e da obesidade.
Saúde no Território (PST), que almeja É a partir dessas informações que É preciso atuar sobre as condições
integrar as equipes de eSF e NASF-AB no atuaremos nas orientações diretas aos sociais, econômicas e estruturais
desenvolvimento de ações para produção da usuários e grupos deles. É importante que produzem e mantêm dificul-
dades que impedem a adoção de
saúde no território. estimular hábitos saudáveis de alimenta- comportamentos e hábitos mais
Para trabalharmos as ações de ção, práticas de atividade física e interação saudáveis pelas pessoas (e da popu-
alimentação e nutrição no território ampliado com outros membros da comunidade, de lação) das quais cuidamos ou temos
responsabilidades com proteção de
é importante considerar alguns elementos: maneira contextualizada. Entretanto, em sua saúde. Sem atuarmos sobre os
diversos territórios existem precariedades condicionantes da má alimentação e
socioeconômicas e estruturais que impe- do sobrepeso/obesidade, nosso tra-
balho será pouco resolutivo.
dem os indivíduos e as famílias de adotarem

19
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Todavia, trabalhar nessa perspectiva im- que garante o direito à saúde, e da lei 8.080, Fala-se muito da “natureza interdisciplinar
plica compreender que sobre o setor saúde que cria o SUS (BRASIL, 1990). Essa lei e intersetorial da alimentação”, mas o que
recaem as consequências de problemas que relaciona-se diretamente com o conceito isso significa?
extrapolam a sua capacidade de resolução ampliado de saúde. Nesse sentido, para Por ser uma prática essencial para a
para manter perfis adequados de saúde e de além de um conceito, a intersetorialidade vida humana, o processo de alimentar-se
nutrição da população (WARSCHAUER; CAR- deve se tornar uma prática, construída a e nutrir-se, ou a sua impossibilidade, está
VALHO, 2014). Por isso, devemos trabalhar partir da insatisfação com as respostas presente em todos os setores da vida: na
na perspectiva intersetorial, visando levar isoladas do setor saúde para os problemas casa, na escola, no trabalho, no encontro
os conhecimentos da saúde, alimentação complexos da sociedade contemporânea de amigos, na festa da comunidade. Além
e nutrição para outros espaços (escolas, (FEUERWERKER; COSTA, 2000). disso, a relação com fatores como produção,
creches, grupos comunitários, albergues, Conforme menciona a Política Nacional processamento, distribuição, acesso,
espaços de atividade física, empresas, entre de Promoção da Saúde (PNPS), a saúde marketing apontam para a conexão com
outros) e estimular os outros setores a pro- precisa se articular com outros setores outros ramos da sociedade. Desse modo,
mover ações conjuntas para melhoria das para enfrentar os problemas de saúde e envolve uma série de profissionais e setores
condições socioeconômicas, ambientais e ofertar opções saudáveis para a população. diferentes, que, de forma direta ou indireta,
estruturais. Sendo que essa articulação deve contar influenciam em “como”, “quando”, “com que
Conheça agora a importância da atuação com uma articulação das responsabilidades frequência” e “com que qualidade” o alimento
intersetorial no campo da alimentação e dos distintos setores sobre problemas estará presente em nosso cotidiano.
nutrição, com o intuito de fazer você pensar específicos, como é o da alimentação Ou seja, uma alimentação saudável
sobre as possibilidades práticas de adoção inadequada, sobrepeso e obesidade na também tem influência, positiva ou negativa,
no território de abrangência da unidade de população brasileira (BRASIL, 2010a). do sistema produtivo, desde o cultivo do
saúde, no território ou município. Vamos lá? alimento no campo até o seu consumo. O
uso de agrotóxicos na produção agrícola
1.3.3 Atuação intersetorial no campo da Para saber mais sobre a PNPS, aces- brasileira e seus efeitos negativos na saúde
alimentação e nutrição se o texto completo no link: <http:// é um excelente exemplo para pensarmos na
bvsms.saude.gov.br/bvs/publica
A intersetorialidade passou a fazer parte necessidade de articulação entre os setores
coes/politica_nacional_promocao_
do debate nas políticas públicas de saúde saude_3ed.pdf> de saúde e agricultura para promoção de uma
a partir da a Constituição Federal de 1988, alimentação saudável (CARNEIRO, 2015).

20
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Nesse sentido, o setor saúde, por ser A perspectiva intersetorial da promoção Educação, Trabalho e Emprego, Habitação,
detentor dos dados epidemiológicos e de saúde e da alimentação saudável exigem Cultura e outros.
sociais relativos aos aspectos favoráveis que consideremos os usuários em sua As ações intersetoriais voltadas para o
e desfavoráveis da alimentação e nutrição, totalidade, nas suas necessidades individuais território ampliado devem concentrar-se em
deve articular com o setor governamental, e coletivas. Ações resolutivas nessas áreas três vertentes de atuação: incentivo, proteção
produtivo e a sociedade civil para promover exigem conexão com outros setores como e apoio (BRASIL, 2014b). Acompanhe.
mudanças que interfiram no acesso universal
aos alimentos de boa qualidade.
Medidas de incentivo Medidas de apoio Medidas de proteção

Você sabia que a alimentação é um


importante determinante e condicio- Difundem informação, pro- Tornam mais factível a adesão Impedem que coletividades e
nante da saúde, uma necessidade e movem práticas educativas e a práticas saudáveis por indiví- indivíduos fiquem expostos a
um direito inerente a todas as pes- motivam os indivíduos para a duos e coletividades informa- fatores e situações que estimu-
soas? adoção de práticas saudáveis. dos e motivados. lem práticas não saudáveis.

Exemplos: ações de educação Exemplos: programas de ali- Exemplos: a regulamentação


A garantia de uma alimentação adequada nutricional nas escolas e nos mentação institucional, viabi- da comercialização de produ-
e saudável historicamente tem mobilizado ambientes de trabalho, ativida- lização de espaços públicos tos dirigidos a lactentes; proibi-
des de sensibilização e mobili- seguros para práticas corpo- ção do tabagismo em estabele-
setores do governo brasileiro, da iniciativa
zação para a adoção de hábitos rais/atividade física; criação cimentos em espaços coletivos
privada e de entidades e movimentos da saudáveis. de espaços que favoreçam a e a regulamentação da rotula-
sociedade civil. Só que muitas vezes com amamentação nos ambientes gem de alimentos, bem como a
de trabalho; criação de grupos regulamentação de publicidade
objetivos diferentes e não complementares.
de apoio para mulheres que de alimentos.
Neste sentido, almeja-se a articulação entre estão amamentando; a dispo-
esses entes a partir das necessidades de nibilização de alimentos e pre-
parações saudáveis nas feiras,
saúde da população, com a integração e
supermercados e padarias.
introdução das ações de alimentação de
nutrição no SUS, por meio da APS.

21
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Essas medidas devem ter como enfoque O reconhecimento desta realidade pelo 1.4.1 Educação
responder às necessidades de saúde da Estado brasileiro é apontado na Estratégia As atividades relacionadas à disponibili-
população, promover a alimentação saudável Intersetorial de Prevenção e Controle zação de alimentação nas escolas são alvo
e contribuir para a redução da prevalência da Obesidade, alinhada com o Plano de de política pública específica, o Programa
do sobrepeso, da obesidade e das doenças Segurança Alimentar e Nutricional e o Plano Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).
crônicas associadas, relacionadas à de Enfrentamento das Doenças Crônicas Este programa concede alimentação escolar
alimentação e nutrição (BRASIL, 2014b). Não Transmissíveis (DCNT), 2011-2022, e ações de educação alimentar e nutricional
No próximo item serão apresentadas capitaneado pelo Ministério da Saúde. para estudantes de todas as etapas da edu-
algumas estratégias intersetoriais voltadas cação básica pública (BRASIL, 2008).
à prevenção e controle do sobrepeso e
obesidade no contexto da APS. Vamos Para saber mais sobre a Estratégia
Intersetorial de Prevenção e Contro-
conhecer algumas experiências exitosas le da Obesidade, acesse o texto na
que podem inspirar você, mostrando como é íntegra, acessando o link:
possível trabalhar de forma intersetorial. <http://www.mds.gov.br/webarqui
vos/publicacao/seguranca_alimen
tar/estrategiaobesiddade.pdf>
1.4 ESTRATÉGIAS INTERSETORIAIS
PARA A PREVENÇÃO E CONTROLE DO
SOBREPESO E DA OBESIDADE Agora vamos compreender melhor as es-
tratégias intersetoriais de incentivo, ou seja,
Nos itens anteriores compreendemos que articulem com outros setores levando
sobre como a territorialização é uma conhecimentos acerca da alimentação
Figura 4 – A alimentação nas escolas é alvo de
ferramenta importante para a identificação de saudável para a prevenção e controle do
política pública específica. Fonte: Herrndorff/
fatores que contribuem para uma alimentação sobrepeso e obesidade. Ressaltamos que a Adobe Stock
inadequada e para o aumento das prevalências escolha do setor adequado para ação deve
de sobrepeso e obesidade. Além disso, partir da análise da realidade em que você Neste sentido, quando as equipes da
reconhecemos que, para atuar sobre esses está inserido, por meio de dados epidemio- APS tiverem escolas em seu território
fatores, são necessárias ações que envolvam lógicos e informações oriundas da territoria- e organizarem ações voltadas para
diferentes setores da sociedade. lização. Vamos conhecer essas estratégias? alimentação adequada e saudável, é preciso

22
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

articular as equipes envolvidas no PNAE para dos 4º e 5º anos, de 13 escolas do dialogam sobre seus hábitos alimentares.
incluí-las no processo e evitar sobreposição município. O trabalho articulou profissionais Foi realizada uma organização de roteiro
de atividades. da APS e NASF-AB, PNAE, estagiários do que interagia com o público e induzia a
No âmbito do trabalho intersetorial com curso de Nutrição, nutricionistas residentes conscientização sobre os alimentos e
a educação, destaca-se o Programa Saúde e professores das escolas. O objetivo era hábitos saudáveis, como a atividade física,
na Escola (PSE), que faz parte do Plano de conscientizar as crianças sobre problemas em uma linguagem acessível para a idade.
Enfrentamento das Doenças Crônicas Não que uma má alimentação pode desencadear Essa intervenção foi realizada uma vez
Transmissíveis (DCNT), 2011-2022. É uma na saúde, como o excesso de peso, Diabete em cada escola. A equipe observou, em
política intersetorial da Saúde e da Educação Mellitus (DM) e Hipertensão Arterial conversas com os estudantes após as
direcionada para crianças, adolescentes, Sistêmica (HAS). atividades, que eles se sentiram estimulados
jovens e adultos da educação pública e que compreenderam os benefícios de
brasileira, com o objetivo de promover uma alimentação saudável. Entretanto,
saúde e educação integral dos estudantes. Para a prevenção, controle e tra- muitos relataram que teriam dificuldades
O PSE apresenta ações em diversas áreas tamento da obesidade infantil, em de mudar os hábitos alimentares, pois já
da saúde, contando com estratégias crianças até 10 anos, foi instituído estavam acostumados com aquele tipo
o Programa Crescer Saudável, por
para acompanhamento e intervenção no meio da Portaria nº 2.706, em 2017. de alimentação. Como forma de manter a
sobrepeso e obesidade (BRASIL, 2011). Para saber mais, acesse o link: temática viva no ambiente escolar, foram
Vamos conhecer aqui uma experiência de <http://189.28.128.100/dab/ disponibilizadas cópias do vídeo utilizado
docs/portaldab/documentos/faq_
atividade lúdica sobre alimentação e nutrição programa_crescer_saudavel.pdf> como base para o trabalho.
saudável, articulada com Programa Saúde na
Escola (PSE), com vistas à prevenção do ex-
cesso de peso no município de Colombo, no Para isso, inspirados no documentário Veja, a seguir, a versão resumida do
Paraná (CESCHIM; JESUS; MATTOS, 2019). vídeo “Muito Além do Peso”, utiliza-
“Muito Além do Peso” (2012), organizou-se
do como base da ação:
Mediante os problemas relacionados à uma peça teatral para abordar a temática <https://youtu.be/xxWDb-0o3Xk>
alimentação e excesso de peso entre os da alimentação entre os escolares, com
escolares, acompanhados pelo PSE, foi informações atuais sobre a temática. A peça
desenvolvida uma atividade de educação possuía quatro personagens: a nutricionista Perceba que atividades na escola
alimentar e nutricional com 2.600 crianças, e três crianças com idade de 10 anos, que suscitam metodologias que prendem

23
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

a atenção do público, seja formado 1.4.2 Assistência Social Para manutenção do benefício do PBF,
por crianças, adolescentes ou adultos. Diferente da relação com a educação, além de outros critérios, as famílias devem:
Entretanto, a articulação com a educação não existem programas específicos que
pode ser realizada por várias frentes, a saber: direcionam ações articuladas entre a Manter em dia o calendário
de vacinação das crianças
atividades de formação com os professores saúde e a assistência social, exceto o
menores de 7 anos
e diretores, atividades com os pais e acompanhamento dos condicionantes do
responsáveis, atividades com as crianças, Programa Bolsa Família (PBF).
implementação de hortas pedagógicas nas Os acompanhamentos do PBF Levar as crianças com
escolas, dentre outros. demonstram impacto positivo na segurança menos de 7 anos à UBS
alimentar e nutricional dos beneficiários para que sejam pesadas,
(SPERANDIO et al., 2017). Entretanto, de medidas e tenham o crescimento
Acesse o link e conheça uma ativi- maneira paradoxal, o excesso de peso vem monitorado, e realizar pré-natal de
dade realizada com alunos com ex-
sendo identificado entre as famílias do PBF, gestantes
cesso de peso em uma escola no Es-
pírito Santo: <https://novo.atencao suscitando a necessidade de trabalhar a
basica.org.br/relato/2268> temática entre grupos vulnerados social e Fonte: SENNA; BRANDAO; DALT, 2016
economicamente.
Ressalta-se que a assistência social não Veja que a saúde e assistência social
É necessário conhecer sempre as se limita ao PBF, sendo sua organização apresentam grande proximidade, pois as
demandas da escola, os hábitos alimentares pautada na Proteção Social Básica (caráter vulnerabilidades sociais e econômicas,
e o perfil antropométrico dos alunos para preventivo voltada para o fortalecimento enfoque da assistência social, são
direcionar as ações. Além disso, fazer de vínculos familiares e comunitários aos determinantes e condicionantes sociais de
avaliação do trabalho é indispensável para cidadãos em situação de vulnerabilidade saúde percebidos e trabalhados na AB. Isso
analisar efetividade das ações e necessidade social) e Proteção Social Especial reforça a necessidade de articulação para a
de ajustes. (direcionadas a situações de violação integralidade da atenção.
No item seguinte vamos conhecer de direitos individuais e familiares com Visto isso, vamos conhecer uma estraté-
estratégias intersetoriais entre a saúde e permanência ou rompimento de vínculos gia para promoção de alimentação saudá-
assistência social. Vamos lá! familiares e comunitários) (BRASIL, 2005). vel, envolvendo famílias em vulnerabilidade

24
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

social, no município de Maringá, no Paraná, dos anos percebeu-se melhoras na qualidade


Você pode acessar a cartilha cons-
chamado Cozinha Alternativa. O projeto sur- de vida dos participantes, que também se truída pela equipe no link: <http://
giu a partir da percepção de um Agente Co- tornaram multiplicadores da estratégia. www2.maringa.pr.gov.br/sistema/
munitário de Saúde (ACS) de que usuários arquivos/e1fd3e083244.pdf>
da UBS buscavam a Pastoral da Criança, no
salão da igreja local, para buscar alimentos.
Assim, nasceu a proposta da realização de Apesar deste projeto não ter articulação
oficina culinária para promoção de alimenta- direta com a Secretaria de Assistência Social
ção saudável e controle do excesso de peso do município, contou com a participação da
(PEREZ et al., 2019). assistente social do NASF-AB. Esta estratégia
A atividade é planejada e executada apresenta potencial para ser trabalhada de
pela eSF, com apoio do NASF-AB, sendo maneira intersetorial, envolvendo famílias em
que o público-alvo é definido por meio de vulnerabilidade social acompanhadas pelos
análise das necessidades do território. As serviços de assistência social. Agora vamos
equipes escolhem as receitas, dividem as Figura 5 – Orientações sobre a safra dos seguir nosso estudo conhecendo a articulação
alimentos e como prepará-los contribuem com a
tarefas e custos nas reuniões de equipe. entre a saúde e a sociedade civil organizada.
alimentação saudável. Fonte: Alexander Raths/
Além de preparações saudáveis, ressalta- Adobe Stock
se a importância do aproveitamento dos 1.4.3 Sociedade Civil
alimentos, talos, folhas, cascas e sementes. Essa atividade deu origem a uma cartilha A sociedade civil organizada corresponde
A oficina é realizada na cozinha da igreja denominada “Alimentação Saudável e a grupos da população desvinculados de
católica da área de abrangência, três vezes Receitas Alternativas”, que apresenta receitas instituições políticas e religiosas, com
ao ano desde 2006, com duração de 4 horas. e orientações a respeito da importância variadas formas de organização, que atuam
Durante a oficina, são apresentados o das verduras, legumes e frutas, a safra sobre problemas que o Estado não atende de
passo a passo da preparação das receitas, dos alimentos, e como preparar o alimento modo satisfatório e que o mercado não tem
a importância da utilização dos alimentos com higiene. A cartilha é disponibilizada interesse em atender. Podemos dividi-las
alternativos e os benefícios deste para a para todas as famílias cadastradas no PBF em três grupos (OLIVEIRA; HADDAD, 2001),
saúde, e ao final é feita a degustação. Há que fazem o acompanhamento de peso e conforme descrito a seguir.
grande adesão da comunidade e ao longo estatura na UBS.

25
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

1.4.4 Esporte e Cultura


Sabe-se da relação positiva da prática de
Entidades Organizações Entidades atividade física na prevenção e no tratamento
comunitárias intermediárias assistenciais
do excesso de peso, principalmente quando
associada com uma alimentação adequada
Movimentos locais Fundações que realizam Assistência direta para e saudável. Além disso, o elemento cultural
de liderança e lutas programas de interesse social populações carentes, a ligado à alimentação e a outros aspectos
populares ou financiam projetos sociais filantropia em sentido comportamentais influencia diretamente os
realizados por terceiros. estrito.
hábitos dos indivíduos, e consequentemente
na propensão ao sobrepeso e obesidade.
Nesse sentido, trabalhar a temática da
Visto o direito constitucional à saúde e à pode mobilizar a equipe para a realização alimentação e nutrição associada com este
alimentação adequada, a articulação do se- dessas atividades. O trabalho com a setor torna-se central para a prevenção e
tor com essas organizações é de suma im- sociedade civil, além de contribuir para a controle do sobrepeso e da obesidade nos
portância para responder suas necessidades prevenção e controle do sobrepeso e da territórios (SILVA; BEZERRA, 2016).
de saúde, alimentação e nutrição, contribuin- obesidade, tem o potencial de mobilizar a No processo de trabalho da APS, muitas
do para a redução das iniquidades. Por suas participação social no serviço de saúde. atividades que associam atividade física à
características, essas organizações geral- No item a seguir vamos conhecer melhor a alimentação e nutrição são desenvolvidas
mente trabalham com pessoas em vulnerabi- articulação da saúde com o setor do esporte com grupos especiais, principalmente
lidade social e econômica, o que recai sobre e cultura. Vamos continuar nossos estudos! hipertensos, diabéticos e obesos.
a discussão dos determinantes sociais da Entretanto, a realização de articulação com
alimentação e nutrição, que atualmente co- esporte e cultura ainda é um desafio que
locam a obesidade com um problema tam- devemos superar.
Você já pensou em mapear na co-
bém de populações vulneráveis (FREITAS; munidade organizações da socieda- Mediante esta problemática, vamos
MORAES, 2016). de civil e suas necessidades para a conhecer o Projeto Cintura Fina, realizado
realização de projetos que visem a
Como o trabalho na APS possibilita esse no município de Vitória de Santo Antão, em
adoção de hábitos saudáveis?
tipo de ação, você, profissional da saúde, Pernambuco. O trabalho buscou articular

26
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

os profissionais das equipes de NASF-AB e As medidas antropométricas foram acessam pouco a UBS e que estão vincula-
eSF para o desenvolvimento de práticas de coletadas no início e no final das atividades, dos às atividades promovidas por este setor.
atividades aeróbicas (dança) e discussão sendo apresentadas no oitavo dia para os Além disso, o trabalho intersetorial tende
sobre alimentação e nutrição com usuários participantes do projeto. a facilitar o uso dos espaços físicos desti-
com excesso de peso (LIGIANI, 2019). Foram abordados temas como redução nados a práticas de atividades esportivas
do consumo de açúcares, redução do con- e culturais, tornando as estratégias mais
sumo de gorduras, aumento no consumo de atrativas para os usuários.
frutas, aumento no consumo de verduras Agora que conhecemos alguns caminhos
e legumes, aumento da ingestão hídrica, para trabalhar medidas de incentivo de
aumento do fracionamento e incentivo à maneira intersetorial para a prevenção e
mastigação e resgate do hábito de sentar-se controle do sobrepeso e da obesidade na
à mesa para fazer as refeições. Quanto à APS, vamos estudar algumas práticas de
prática de atividade física, foram orientados promoção de ambientes saudáveis.
à prática de exercícios aeróbicos por 30
minutos ao dia e de exercícios anaeróbicos. 1.5 PROMOÇÃO DE AMBIENTES
Figura 6 - O desenvolvimento de práticas
Os temas desenvolvidos eram transforma- SAUDÁVEIS
corporais contribui com a prevenção e controle dos em metas para operacionalizar a prática
do excesso de peso. Fonte: etitov/Adobe Stock pelos usuários. Conforme vimos, além de orientações por
Destaca-se o bom resultado do projeto meio das medidas de incentivo, é importante
Foram articuladas três UBS e suas em dois sentidos: promover ambientes que possibilitem
respectivas equipes para o acompanhamento 1. continuação das atividades após a adoção de um estilo de vida saudável
de 80 usuários. As atividades ocorreram os oito encontros, tornando-as uma pela população. Nesse contexto, devemos
uma vez por semana, durante oito semanas, prática das equipes; desenvolver e apoiar medidas de apoio e
das 7 horas às 8 horas da manhã, durante 2. redução de peso em 51,3% dos proteção que tornem fact�́vel a adesão a
dois meses. Nos sete primeiros encontros participantes do projeto. práticas saudáveis, deixando os usuários
foram realizadas as práticas de atividade Lembre-se de que a articulação com os informados, motivados e autônomos.
física e orientações sobre alimentação e setores de esporte e cultura potencializam Nesse sentido, vamos falar sobre
nutrição com enfoque na perda de peso. suas ações, atingindo grupos sociais que mobilidade urbana, academias da saúde,

27
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

restaurantes comunitários, hortas Nesse sentido, é importante conhecer pro-


comunitárias, agricultura familiar e feiras postas como o projeto Cidades Saudáveis,
de alimentos como forma de prevenção da Organização Mundial da Saúde (OMS),
e controle do sobrepeso e da obesidade, que propõe a construção de ambientes que
pensando nas possibilidades de intervenção sejam menos nocivos para a saúde de seus
e apoio dos profissionais da APS nessas habitantes, e que tem como principal tema
atividades. a mobilidade urbana. Esse projeto propõe
uma abordagem à saúde e ao bem-estar da
1.5.1 Mobilidade urbana população por meio de ações locais no con-
A mobilidade urbana é a possibilidade texto da vida diária das pessoas, facilitando
de se deslocar nas bairros e nas cidades de a ação conjunta entre as autoridades locais,
uma forma saudável. Em geral, é pensada sociedade civil e outros atores-chave para
Figura 7 - Hortas urbanas são dispositivos de
a partir do problema que impede uma promoção de alimentação saudável. Fonte: melhorar as condições e a qualidade de vida
mobilidade adequada. No Brasil, o aumento Dornicke/Wikimedia Commons do e no lugar onde as pessoas vivem, traba-
do grau de urbanização, do tamanho da lham, estudam e se divertem, promovendo o
população e do uso de veículos automotores Ou seja, quanto mais tempo de desenvolvimento de sistemas e estruturas
como principal estratégia individual e deslocamento, menos tempo para práticas sustentáveis (OMS, 2002).
coletiva de deslocamento vem causando esportivas, de alimentação saudável, Sabe-se que é utópico dispor de tudo o
uma imobilidade urbana (WESTPHAL; lazer e idas ao serviço de saúde. Pessoas que as pessoas necessitam em um mesmo
OLIVEIRA, 2015). com menos tempo em seu dia tendem a território. Entretanto, deve-se estimular a pre-
consumir mais alimentos industrializados, sença de serviços básicos para necessidades
ricos em ingredientes de baixo valor cotidianas (trabalho, alimentação, comércio,
Você sabia que o tempo gasto no nutricional. Assim, a imobilidade urbana serviço e lazer). Além disso, é possível pensar
trânsito vem aumentando considera- contribui para o aumento do excesso de em estratégias que articulem o transporte co-
velmente nas últimas décadas e que peso e suas consequências. Além disso, letivo com trajetos feitos a pé ou de bicicleta,
o tempo de deslocamento para o tra-
balho está associado ao bem-estar o uso exagerado de combustíveis fósseis para acessar locais distantes. Promover um
e qualidade de vida dos indivíduos? nos veículos piora a qualidade do ar (CRUZ; transporte ativo é uma forma de reduzir os ín-
CALLEJAS; SANTOS, 2014). dices de obesidade na população.

28
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

1.5.2 Academias da Saúde Saúde (RAS) que devem ser utilizados pelas
Quando há possibilidade percorrer O Programa Academias da Saúde foi equipes como espaços para o aumento
os trajetos sem o uso do carro, a ten-
lançado no ano de 2011 pelo Ministério da do nível de atividade física, promoção de
dência é que as pessoas deixem de
usá-lo. No entanto, é preciso que os Saúde como uma estratégia de promoção hábitos alimentares saudáveis, constituição
projetos urbanos deixem de ser cen- e produção do cuidado em saúde, a partir de redes sociais e mobilização comunitária
trados nos automóveis.
da utilização dos espaços públicos. Esse (BRASIL, 2014d).
programa está articulado com a Política Esses espaços podem ser utilizados
Nacional de Atenção Básica (PNAB) e para promover encontro dos usuários em
A mobilidade urbana é um tema com PNPS, buscando oferecer por meio da um ambiente que possibilite a prática
que impacta diretamente a saúde da atividade física uma possibilidade de cuidado de atividade física e acesso a outras
população. No entanto, o setor saúde não e promoção de saúde (BRASIL, 2014d). informações relevantes para o cuidado em
é responsável direto pelas ações para saúde. Mediante o panorama epidemiológico
melhoria desta situação, sendo necessário atual, as ações devem focar a promoção
o comprometimento dos gestores. Desse de um estilo de vida saudável que vise o
modo, devemos fortralecer essas ações de combate das DCNT, dentre elas a obesidade.
forma intersetorial, contribuindo com dados Um dos objetivos do Programa Acade-
e informações que demonstrem o impacto mias da Saúde é a promoção de hábitos ali-
da mobilidade e organização das cidades mentares saudáveis. Nesse sentido, as equi-
na saúde, estimulando esta discussão pes devem integrar esses espaços nas suas
nos espaços de conselhos e gestão, e Figura 8 – Academia da Saúde. ações, para, a partir do binômio atividade
orientando os usuários a adotarem modos de Fonte: Ministério da Saúde física e alimentação saudável, possibilitar a
transporte ativo, dentro das possibilidades e adoção de hábitos saudáveis pela população
características do território. As Academias da Saúde visam adscrita, controlando e reduzindo os índices
No próximo item vamos conhecer as disponibilizar nos territórios espaços para de sobrepeso e obesidade.
academias da saúde, equipamentos que práticas corporais e de atividade física, com Vamos conhecer um trabalho realizado
contribuem para a democratização e acesso orientações das equipes de NASF-AB e eSF na AB do município de Arabaré/BA, chamado
à atividade física. Vamos lá! que visem a autonomia dos usuários. Nesse Projeto 100% Saúde (ROSA et al., 2017). O
sentido, são pontos da Rede de Atenção à projeto utilizou a Academia da Saúde para

29
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

promover ações para 56 usuários com semana, com duração de 60 minutos/dia. Veja como é possível, por meio de ações
sobrepeso e obesidade com idade entre A nutricionista fez a prescrição de cardápio simples, utilizar os espaços dos territórios
20 e 60 anos. O trabalho contou com a individualizado para os participantes. Os para promover saúde, possibilitando
participação das equipes de eSF e NASF-AB demais profissionais (assistente social, que os usuários sigam efetivamente as
e foi dividido em duas etapas: fisioterapeuta, fonoaudióloga, psicóloga, orientações prescritas nos serviços. Nesse
farmacêutico, médicos, enfermeiros e sentido, no próximo item vamos conhecer os
Fase 2 odontólogos) ministraram palestras para restaurantes comunitários. Acompanhe.
Fase 1 Acompanhamento o grupo mensalmente. Além disso, foram
Seleção nutricional e prática realizadas visitas domiciliares e rodas de 1.5.3 Restaurantes Populares
dos de atividade física
conversa com os participantes sobre tema Os Restaurantes Populares são
usuários com monitoramento
de parâmetros de interesse do grupo. equipamentos públicos de Segurança
antropométricos Após os 12 meses, permaneceram 18 Alimentar e Nutricional (SAN) que, em
usuárias no projeto, todas mulheres. A consonância com a Política Nacional de
intervenção, utilizando a Academia da Saúde, Alimentação e Nutrição (PNAN), visam
resultou em perda de peso em 67% das promover uma alimentação adequada e
O trabalho teve três frentes:
participantes, redução da circunferência da saudável para população em vulnerabilidade
• acompanhamento nutricional,
cintura em 72% e redução do IMC mudando social. Nesse sentido, têm como princípio
• prática de atividades físicas,
de classificação obesidade II para sobrepeso norteador a promoção do Direito Humano
• debate de temas relacionados à saúde
em 16% (ROSA et al., 2017). à Alimentação Adequada (DHAA) (AGUIAR;
geral.
PADRÃO, 2018).
Os restaurantes populares são
Acesse o link e conheça mais sobre Utilizar as Academia da Saúde, par- responsáveis pelo preparo e venda a
as Academias da Saúde: <http://bvs ques ou áreas de lazer disponíveis preços acessíveis de refeições saudáveis,
ms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ no território é uma excelente forma
academia_saude_cartilha.pdf> de promover saúde, contribuir para
variadas, saborosas e que respeitem a
a diminuição do excesso de peso e cultura alimentar local. Esses equipamentos
estimular a vida em comunidade dos podem ser construídos e financiados
usuários no seu território.
O educador físico conduziu atividades pelos municípios e estados, sendo que o
corporais e esportivas duas vezes por Programa Restaurante Popular surgiu como

30
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

uma estratégia federal para fomentar essas 1.5.4 Agricultura familiar e feiras de
iniciativas e contribuir com a estrutura Para conhecer um pouco mais des- alimentos
desses equipamentos (BRASIL, 2004). ses espaços, veja o vídeo sobre o res-
A agricultura familiar é caracterizada pela
taurante popular no Rio de Janeiro:
Esse programa é destinado para estruturas <https://www.youtube.com/ produção agrícola em terras compartilhadas
físicas com espaço adequado para produção watch?v=jMz7IhypzZg> pela família. O agricultor familiar produz nas
e oferta de refeição, em municípios com mesmas terras em que reside com a família,
mais de 100 mil habitantes, com capacidade sendo a atividade produtiva agropecuária
de atendimento de mais de 1.000 indivíduos Conforme conversamos neste tópico, sua principal fonte de renda. Além disso,
diariamente, o que atinge cidades de as medidas de proteção e apoio são uma das principais características do setor
médio e grande porte. Entretanto, isso não indispensáveis para o sucesso das ações é a diversidade produtiva, ou seja, o cultivo
impede que prefeituras com população em para promoção de saúde e de alimentação de diferentes espécies em um mesmo local
vulnerabilidade social desenvolvam seus saudável. Os restaurantes populares (DELGADO; BERGAMASCO, 2017).
próprios projetos. possibilitam o acesso à alimentação de Conforme dados do Censo Agropecuário
Esses equipamentos devem contar maneira regular, em quantidade e qualidade de 2006, 84,4% do total dos estabelecimentos
com nutricionista responsável técnico, que adequada, contribuindo para que as ações do agropecuários brasileiros são familiares,
garanta a qualidade nutricional das refeições serviço de saúde tenham viabilidade prática que correspondem por 35% do produto
e ações de Educação Alimentar e Nutricional em contextos de vulnerabilidade social. interno bruto nacional. A agricultura familiar
voltadas para a adoção de hábitos Podemos estimular os usuários a utilizar produz 83% da mandioca, 69,6% do feijão,
alimentares adequados pela população, que esses espaços em cidades em que eles estão 45,6% do milho, 38% do café, 33% do arroz
contribuem diretamente para a prevenção disponíveis e fomentar a discussão com a e 21% do trigo do Brasil. Na pecuária, é
de problemas relacionados à alimentação gestão para a disponibilização de refeições responsável por 57,6% da produção de leite
inadequada, como sobrepeso e obesidade de qualidade e acessíveis financeiramente de vaca, além de 59% do rebanho suíno, 51%
(BRASIL, 2004), sendo este um espaço de para famílias em vulnerabilidade. das aves e 29,7% dos bovinos do país (IBGE,
articulação entre os serviços de saúde da No próximo item trataremos da agricultura 2009). Neste sentido, a agricultura familiar
AB em territórios em que os restaurantes familiar e das feiras de alimentos. Vamos possui importância econômica vinculada
populares estiverem presentes. seguir nossos estudos! ao abastecimento do mercado interno
e ao controle da inflação dos alimentos
consumidos pelos brasileiros.

31
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

A agricultura familiar é responsável a utilização de agrotóxicos na produção


pela produção de: familiar, mesmo com as iniciativas de
conscientização dos problemas de saúde
83% da mandioca
derivados desta prática (DELGADO;
35% 69,6% do feijão
Dados do Censo BERGAMASCO, 2017).
Agropecuário PIB 45,6% do milho Conforme o Instituto Nacional do Câncer
de 2006
38% do café (INCA), não se deve deixar de consumir
33% do arroz
frutas e verduras por levarem agrotóxicos no
100%
seu processo de produção. Entretanto, deve-
84,4% 21% do trigo
80% se estimular o consumo de alimentos que
0% 20% 40% 60% 80% 100% não utilizem esses produtos como forma de
60%
Na pecuária é responsável por:
garantir a Segurança Alimentar e Nutricional
(SAN) e estimular a troca da produção
40% 57,6% da produção de leite de vaca tradicional pelas que dispensam o uso do
20% 15,6% 59% do rebanho suíno agrotóxicos (INCA, 2006).
0% 51% das aves IBGE Em regiões com agricultores familiares
Estabelecimentos Estabelecimentos 2009 nas proximidades, até em municípios
agropecuários agropecuários
29,7% dos bovinos
familiares não-familiares
vizinhos, é importante a articulação dos
0% 20% 40% 60% 80% 100%
setores públicos para viabilização de
espaços em que os produtores vendam seus
produtos diretamente para a comunidade,
Parte desses produtores escoa sua aumenta o preço final do produto e diminui o garantindo um preço mais acessível, acesso
produção por meio de feiras de alimentos em ganho do produtor (ARAÚJO; RIBEIRO, 2018). periódico, alimentos da época e garantia de
municípios vizinhos aos locais de produção. Existem modalidades de produção na procedência do produto.
Entretanto, a maior parte vende para agricultura familiar, como a agroecologia, O acesso facilitado aos alimentos
atravessadores, que repassam os produtos bem como as agroflorestas e a agricultura saudáveis é fundamental para que haja
às Centrais Estaduais de Abastecimento orgânica, que dispensam o uso de uma modificação dos hábitos alimentares
(CEASAS) e redes de supermercados, o que agrotóxicos. Entretanto, ainda é comum e a manutenção de uma alimentação

32
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

saudável. Sendo assim, para ações efetivas e do ambiente. Dentre as contribuições


Veja a seguir um vídeo sobre as fei-
na prevenção e controle do sobrepeso e da ras e produção agroecológica como
da AUP estão o fortalecimento da SAN, a
obesidade devemos estimular a agricultura forma de acesso a uma alimentação melhoria da alimentação, nutrição e saúde
familiar e a presença de feiras nos territórios saudável: <https://www.youtube. das comunidades e um ambiente mais
com/watch?v=z6xAkNPV3QI>
sob nossa adscrição. saudável (COSTA; BÓGUS, 2015).
Dentro dessa modalidade existem as

saudável
hortas alimentação Em regiões em que a população adscri- hortas comunitárias, que são espaços de
hábitos
nutrição ta estiver vinculada com a atividade agrária produção de alimentos desenvolvidos em
hortas saúde atividade física hortas
território devemos estar atentos ao uso excessivo de áreas públicas ou cedidas por membros
nutrição saudável
equilíbrio

hábitos
nutrição saudável equilíbrio
saúde
alimentação agrotóxicos, estimulando a adoção de modos da comunidade. O trabalho é feito por
nutrição atividade física de produção que não os utilizem, prezando voluntários, com o apoio de equipes técnicas
alimentação
hábitos saúde nutrição pela preservação da saúde dos agricultores para a utilização do sistema de produção
atividade física
alimentaçãosaúde
nutrição
hortas
saúde atividade física
e familiares, da saúde da comunidade e do agroecológico.
meio ambiente. Além disso, é importante re- Esses espaços, além de produzirem
saudável equilíbrio alimentação
hortas hábitos
território
forçar a qualidade nutricional dos alimentos alimentos saudáveis – que são repartidos
hábitos nutrição saudável
produzidos na propriedade incentivando seu entre os voluntários, distribuídos em
equilíbrio
consumo, pois muitos produtores vendem instituições de ensino e vendidos a preço
Além disso, estimular o mercado local seus produtos e compram alimentos indus- acessível para o restante da comunidade
com produtos da agricultura familiar ajuda trializados para alimentação própria. –, tornam-se um local de interação
no desenvolvimento social e econômico Vamos seguir nosso estudo conhecendo, social. As hortas comunitárias podem ser
da região, levando renda extra para as agora, as hortas comunitárias. Acompanhe. utilizadas como geradoras de renda para
famílias produtoras e economia para os grupos vulneráveis da população adscrita
demais. Alguns programas públicos, como o 1.5.5 Hortas comunitárias ou somente para autoconsumo saudável
Programa Nacional de Alimentação Escolar A Agricultura Urbana e Periurbana (COSTA; BÓGUS, 2015).
(PNAE), estipulam uma quantidade mínima vem ganhando destaque como um
obrigatória para compra de produtos da instrumento de integração nos processos de
agricultura familiar local. desenvolvimento sustentável das pessoas

33
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES NO TERRITÓRIO AMPLIADO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

O trabalho no cultivo também contribui para


É importante que você identifique diminuição do sedentarismo, pois em geral
em seu território espaços com as atividades exigem esforço físico. Sendo
potencial para implementação de
hortas comunitárias e usuários que assim, são dispositivos importantes como
tenham o interesse em implementar medidas de apoio e proteção para a redução
projetos desse tipo. O ideal é que a do excesso de peso na população.
comunidade desenvolva a ideia de
maneira coletiva, responsabilizando-
se pelas atividades de manutenção. ENCERRAMENTO DA UNIDADE

Nesta unidade você estudou a importân-


Os profissionais da APS devem atuar cia do território e do trabalho intersetorial
como facilitadores nesses projetos, para a promoção de uma alimentação
articulando com setores públicos a fim adequada e saudável para a população
de auxiliar com equipe técnica. Além da adscrita. Além disso, pôde conhecer algumas
produção de frutas, legumes e verduras, o estratégias intersetoriais e de promoção de
cultivo de plantas medicinais e comestíveis ambientes saudáveis que contribuem como
pode auxiliar na agregação de outras medidas de incentivo, apoio e proteção para
dimensões e significados associados à a prevenção e controle do sobrepeso e da
área da saúde. Além disso, há implantação obesidade no âmbito da Atenção Primária.
de hortas educativas em escolas e nas UBS Esperamos que você se inspire no material
como ferramenta de Educação Alimentar e e implemente, junto com sua equipe, ações
Nutricional (EAN) para a população. intersetoriais no seu território.
As hortas comunitárias, quando
implantadas de maneira efetiva e com
engajamento da população, tornam-se
ferramentas centrais para a promoção de
uma alimentação saudável e garantia do
Direito Humano à Alimentação Adequada.

34
PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E
PREVENÇÃO DO SOBREPESO E OBESIDADE
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

2 PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO Por isso é necessário considerar diferentes


SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO elementos, tais como o acesso, a produção,
SOBREPESO E OBESIDADE o abastecimento, a comercialização e o con-
sumo de alimentos para refletir sobre o ser
2.1 INTRODUÇÃO humano e a natureza no processo de escolha
alimentar (TEUTEBERG, 2009).
Nesta unidade você vai conhecer os O alimento traduz em si toda a
aspectos mais importantes da promoção sensibilidade e preferência que está embutida
da alimentação saudável e prevenção do em uma sociedade, pois se faz presente nas
sobrepeso e obesidade na atenção primária. mais diversas situações (festas, reuniões,
Nessa perspectiva, esta unidade reúne banquetes, encontros, passeios, viagens,
orientações, ações e práticas de âmbito cerimoniais, aniversários, dentre outras).
coletivo e de abrangência intersetorial que A comida ainda agrega convívio a todos
visam auxiliar o trabalho das equipes de aqueles que se reúnem para uma refeição, em
saúde da atenção primária nesse processo. um ato cheio de simbologias e significados
(CANESQUI; DIEZ GARCIA, 2005).
2.2 CULTURA E HÁBITOS ALIMENTARES

A construção da identidade de um povo é


feita a partir de várias manifestações que dão
significado à sua existência, e, dentre elas, a
alimentação contribui de maneira singular
para a consolidação dessas características
próprias (CANESQUI; DIEZ GARCIA, 2005).
Diferentemente dos outros animais, o ser
humano confronta diversos fatores culturais,
Figura 9 – A alimentação faz parte da
sociais, econômicos, religiosos, psíquicos construção identitária dos povos. Fonte:
e históricos para conceber sua comida. andriigorulko/Adobe Stock

36
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Entretanto, vemos em nosso país que damentais da relação entre o ser humano e do litoral paranaense. Camarão no jerimum
as mudanças oriundas da urbanização, o meio ambiente. A regionalidade, segundo com molho de pitanga é do Nordeste. Enfim,
industrialização e do progresso tecnológico o geógrafo brasileiro Milton Santos (2000), é o modo de preparar e servir certos alimentos
acabaram transformando nossa cultura um conceito que extrapola o espaço geográ- exprime identidades sociais, confirmando
alimentar, excluindo alguns alimentos e fico e revela o lócus entre teias de relações assim o caráter simbólico da comida
acrescentando outros, inerentes à rotina do sociais, econômicas e culturais. De maneira (CANESQUI; DIEZ GARCIA, 2005).
mundo moderno, como os fast food, determi- geral, o alimento apresenta um povo, carre- As tarefas da cozinha doméstica, por
nando prejuízos à maneira tradicional de se gando toda sua cultura e tradição. exemplo, pouco a pouco estão sendo
fazer uma boa refeição, com feijão e arroz, Assim, pode-se dizer que o comer é um
pratos importantíssimos da nossa cultura ato polissêmico e faz parte de uma trama de
alimentar e que possuem valores nutricionais significados do cotidiano em que o ser huma-
insubstituíveis para o bom funcionamento do no vive e se encontra quase sempre cativo.
organismo (CANESQUI; DIEZ GARCIA, 2005). Por essa razão, mesmo com toda a tecnolo-
Sob essa perspectiva, nesta unidade gia disponível, o ser humano não se alimenta
discutiremos aspectos específicos da apenas de moléculas de proteínas, carboi-
nossa cultura alimentar, sua evolução sob dratos, lipídios, sais minerais e vitaminas.
a influência da mídia e da indústria de Comem-se articuladas misturas constituídas
alimentos, bem como seu impacto sobre de saberes e práticas culturais, escolhas e
condições nutricionais desfavoráveis, como preparos resultantes da comunhão entre ar-
o sobrepeso e a obesidade. tes culinárias e hábitos (BRASIL, 2015).
A feijoada, por exemplo, um prato típico
2.2.1 Alimentação, regionalidade e cultura brasileiro, fora do país é um símbolo da
A nossa cultura – nossas crenças, tabus, nossa identidade nacional. Da mesma forma,
religião, entre outros fatores – influencia dentro do nosso país temos regiões que são
diretamente a escolha dos nossos alimentos identificadas por uma culinária específica.
diários. Quando se fala em gaúcho, logo se pensa em
O incentivo ao consumo de alimentos re- churrasco. Se o prato é o tutu, vamos associá- Figura 10 – A feijoada é um símbolo da nossa
gionais permite o resgate de aspectos fun- lo aos mineiros. Barreado é a comida típica identidade nacional.

37
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

transferidas para a indústria de alimentos. bilizar o trabalho assalariado distante do do- formar parcerias em uma perspectiva
Como consequência, cada vez mais é micílio ou a falta de tempo e de habilidades intersetorial, no intuito de contribuir para
consumida maior quantidade de alimentos culinárias para o preparo das refeições, de ou- que de fato a população das diferentes
processados industrialmente (CANESQUI; tro, a padronização da cozinha industrial pare- localidades tenha acesso a esse grupo de
DIEZ GARCIA, 2005). ce promover uma ruptura com a nossa cultura alimentos (BRASIL, 2014b; 2014e).
alimentar (CANESQUI; DIEZ GARCIA, 2005). Valorizar os chamados “produtos da ter-
ra”, por exemplo, reflete uma certa vontade
Diante disso, o que fazer para preservar de se enfrentar a homogeneidade dos produ-
nossa cultura alimentar? tos industrializados e a globalidade excessi-
Incentivar os indivíduos à reflexão e ao vas (CANESQUI; DIEZ GARCIA, 2005).
desenvolvimento do senso crítico, para que Além disso, ao se estimular o consumo
alcancem autonomia para realizar boas es- de alimentos saudáveis regionais, pode-se
colhas alimentares constitui um passo fun- auxiliar também na geração de empregos e
damental. Para tanto, é necessário estimular renda em comunidades com tradição agrícola
os indivíduos para que busquem desenvol- ou de agricultura familiar (BRASIL, 2014b).
Figura 11 – O modo de preparar e servir certos ver suas habilidades culinárias, resgatando
alimentos exprime identidades sociais. Fonte: receitas de família, preparadas à base de ali-
TheUjulala/Pixabay
mentos regionais, minimamente processa-
Soma-se a esse cenário a individualização dos e culturalmente referenciados (BRASIL,
dos modos de vida e o papel crescente da 2014b; 2014e).
mulher no mercado de trabalho, o que levou A adoção de padrões alimentares mais
à desritualização das refeições. Ou seja, variados em todas as fases do ciclo de
o convívio associado às refeições cada vida também deve ser incentivada. Nesse
vez mais vem perdendo sua importância aspecto, incentivar o consumo de legumes,
(CANESQUI; DIEZ GARCIA, 2005). verduras e frutas, entre outros produtos in
Figura 12 – Desenvolver habilidades culinárias,
Assim, se de um lado a indústria alimentar natura ou minimamente processados, típicos resgatando receitas de família, a base de
contribuiu para solucionar, até certo ponto, de cada região do país é fundamental. Mas, alimentos regionais promove autonomia
problemas como a necessidade de compati- para alcançar sucesso, de antemão é preciso alimentar. Fonte: Jacob Lund/Adobe Stock

38
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

A comensalidade também não pode ser comunicação, promovendo o consumo Diante disso, pode-se certamente di-
esquecida, pois é ela que agrega prazer às desses alimentos (televisão e rádio, zer que em nossa sociedade o marketing
refeições, quer seja pelo sabor dos alimentos, anúncios em jornais, revistas e outdoors, deliberadamente manipula vontades e de-
quer seja em razão de se realizar as refeições matérias na internet, amostras grátis de sejos, produzindo uma necessidade real de
em companhia de familiares, amigos ou produtos, ofertas de brindes, descontos e consumo desses produtos, que sob a pers-
colegas. Assim, o conjunto de medidas promoções, colocação de produtos em locais pectiva da saúde e nutrição, são totalmen-
aqui propostas objetiva compartilhar estratégicos dentro de supermercados, te dispensáveis (BRASIL, 2014b; 2014e).
conhecimentos e práticas que possam uso de embalagens atraentes, entre outros Tal cenário se agrava ainda mais diante
contribuir para a preservação e o resgate da subterfúgios) (BRASIL, 2014b). da constatação de que as mensagens
cultura alimentar entre a nossa população. Contabiliza-se que no presente momento, sobre alimentação veiculadas pelos meios
mais de dois terços dos comerciais de comunicação têm exercido papel
2.2.2 Influência da indústria e das mídias veiculados sobre alimentos na mídia fundamental na formação de novos e maus
na Alimentação se referem a produtos comercializados hábitos alimentares, em especial entre as
Conforme apontado na subunidade ante- nas redes de fast food e a alimentos gerações mais novas. O que se observa é
rior, a indústria de alimentos tem sido ampla- industrializados do tipo ultraprocessados, a substituição crescente da alimentação
mente apontada como uma das principais como salgadinhos “de pacote”, biscoitos tradicional pelo maior consumo de alimentos
responsáveis pelo desaparecimento de mui- recheados, cereais matinais e refrigerantes industrializados (BRASIL, 2014b).
tas de nossas manifestações culturais, em (BRASIL, 2014b).
razão da homogeneização da alimentação.
Soma-se a esse cenário, nas décadas
recentes, o papel da mídia.
Juntas, mídia e indústria de alimentos
vêm ano a ano se moldando para alcançar
o maior número possível de consumidores,
seja por meio da oferta de alimentos
hiperpalatáveis de baixo custo (fast food
e ultraprocessados), seja por meio da Figura 13 – O marketing produz necessidades de consumo, que da perspectiva de saúde e nutrição, são
utilização dos mais distintos canais de dispensáveis. Fonte: ifh85/Adobe Stock

39
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Se comerciais, anúncios, ofertas, O CONAR, apesar de integrado às sódio e gorduras do tipo trans e saturadas.
promoções e embalagens são convincentes agências de publicidade, anunciantes e Ou seja, essa nova legislação volta-se
e sedutores para os adultos, para as crianças veículos de comunicação, é um conselho que principalmente para a rotulagem adequada
e adolescente são ainda mais. É preciso estar não prevê a participação de representantes dos alimentos embalados, porque é ela que
atento, porque frequentemente a publicidade da sociedade civil nem do Estado nas suas comunica ao consumidor a qualidade dos
de alimentos veicula informações incorretas decisões. Por isso, em 1990 foi publicado o ingredientes presentes no alimento.
ou incompletas sobre alimentação, induzindo Código de Defesa do Consumidor, elencando
ao consumo de alimentos não saudáveis os elementos de proteção do consumidor Itens obrigatórios para
(BRASIL, 2014b). contra a publicidade enganosa e abusiva, da rotulagem nutricional
parte das grandes indústrias de alimentos.
Quantidade
Nesse cenário, como driblar a influência Mas as iniciativas de regulamentação Porção de 0g ou 0ml por porção %VD(*)
do marketing e da indústria alimentos não pararam por aí. Em 2005, o Governo Valor energético 0kcal = 0kJ 0%
para assegurar uma alimentação Federal apresentou uma proposta de Carboidratos 0g 0%
Proteínas 0g 0%
saudável? regulamentação voltada especificamente
Gorduras Totais 0g 0%
para alimentos não saudáveis e bebidas Gorduras Saturadas 0g 0%
No Brasil, desde a década de 1960 já de baixo valor nutricional, que foi aprovada Gorduras Trans 0g --
se falava em normatizar a publicidade de em 2010, pela RDC 24/2010, mas suspensa Fibra alimentar 0g 0%
alimentos com o intuito de proteger a saúde logo em seguida por liminar a pedido da Sódio 0mg 0%
(*)% Valores Diários com base em uma
da população da exposição às propagandas Associação Brasileira das Indústrias de dieta de 2000 kcal ou 8400 kJ
comerciais de produtos e serviços que Alimentos (ABIA), demonstrando um grande **VD não estabelecido

possam influenciar de forma inadequada desacordo entre governo e os interesses da


Figura 14 – Exemplo de rotulagem nutricional
as práticas em saúde. Esta função foi indústria de alimentos. adequada.
inicialmente exercida pelo Ministério da O Decreto nº 9.579/2018, em prol de regu-
Saúde e a Agência Nacional de Vigilância lar o comércio e a publicidade de alimentos Apesar dessas legislações, no Brasil
Sanitária (ANVISA), passando, a partir da para crianças e adolescentes, estabelece a ainda é nítida a não conformidade das
década de 1980, à responsabilidade do obrigatoriedade da notificação em destaque informações presentes nos rótulos de
Conselho Nacional de Autorregulamentação nas embalagens dos ingredientes conside- alimentos em relação às legislações. Na
Publicitária (CONAR). rados prejudiciais à saúde, como açúcar, grande maioria das vezes, o informado pelo

40
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

fabricante na parte da frente da embalagem São exemplos de ações sustentáveis comunitário, regional e nacional, a partir dos
do produto (ou seja, a informação nutricional recomendadas por estas políticas e que serviços da atenção primária em parceria
complementar) não é condizente com o que podem ser operacionalizadas em nível com outros setores pertinentes da sociedade:
está descrito na lista de ingredientes e/ou
na tabela de informação nutricional. Além
disso, ainda é comum a apresentação de Incentivar a mudança de comportamento da população brasileira de forma a
informações incompletas e em letra de internalizar a responsabilidade individual de cada um quanto a alimentação
tamanho ilegível (BRASIL, 2014b). adequada e saudável.
Em virtude disso, vem sendo discutida
Articular e promover programas que de maneira concreta possam ajudar indivídu-
a adoção pelo Brasil do chamado sistema
os, famílias e coletividades a formar hábitos alimentares saudáveis.
de rotulagem frontal. Seu diferencial é que
o rótulo localizado na parte da frente da Orientar indivíduos, famílias e coletividades sobre os riscos à saúde do consumo
embalagem irá facilitar e tornar mais claro o excessivo de alimentos ultraprocessados e fast food, constantemente veiculados
entendimento por parte do consumidor sobre pela mídia.
a quantidade dos ingredientes presentes no
alimento considerados prejudiciais à saúde, Socializar informação sobre rotulagem nutricional, formando cidadãos críticos
possibilitando assim que consumidores para melhores escolhas alimentares. Neste ínterim, os sujeitos inclusive devem
façam escolhas alimentares mais saudáveis. ser capacitados para criticamente avaliar as mensagens sobre alimentação veicu-
Mas enquanto esta iniciativa entre governo ladas em propagandas comerciais.
e indústria de alimentos não se concretiza, de-
Operacionalizar oficinas, a fim de que os sujeitos possam desenvolver, exercitar e
vemos buscar reforçar a implementação das
partilhar habilidades culinárias, como um movimento de contraposição à aquisição
ações da Política Nacional de Alimentação
e consumo de alimentos prontos.
e Nutrição e da Estratégia Global para a Pro-
moção da Alimentação Saudável, Atividade Estimular o consumo de alimentos típicos regionais e advindos de produtores
Física e Saúde (OMG, 2004). Somente assim locais ou agricultura familiar.
seremos capazes de promover e proteger a
saúde, diante do impacto negativo do marke- Articular e promover campanhas de mídia sobre alimentação saudável.
ting exacerbado de alimentos não saudáveis.

41
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Destaca-se que este tema não foi Mas o impacto de todas essas mudanças
esgotado aqui, mas limitar a exposição à não se restringe apenas à formação de São exemplos desse tipo ação em
mídia, seja em casa, em ambientes públicos, novos e maus hábitos alimentares. Seu nosso país programas como Aca-
demia da Saúde, Saúde na Escola,
no trabalho ou na escola, e disseminar principal resultado tem se concretizado em Telessaúde, o Plano de Ações Estra-
informações à população a respeito de uma alarmante prevalência de sobrepeso tégicas para o Enfrentamento das
escolhas alimentares saudáveis pode ser um e obesidade entre a nossa população Doenças Crônicas Não Transmissí-
veis 2011-2022, a Rede de Atenção
meio factível de se diminuir a influência do (LOUZADA et al., 2015). à Saúde das Pessoas com Doenças
marketing de alimentos sobre as escolhas Sob essa perspectiva, o maior desafio Crônicas, a Política Nacional de Ali-
alimentares, e, ainda, de se prevenir as para se enfrentar o sobrepeso e a obesidade mentação e Nutrição, e a Estratégia
Intersetorial de Prevenção e Controle
manifestações da insegurança alimentar e em nossa sociedade está no modo de da Obesidade elaborada pela Câmara
nutricional, como o sobrepeso e a obesidade. vida das populações modernas. Além do Interministerial de Segurança Alimen-
consumo excessivo de calorias, o estilo tar e Nutricional (CAISAN).

2.2.3 Cultura alimentar, sobrepeso e de vida moderno é marcado por pouca ou


obesidade nenhuma atividade física (VIGITEL, 2018).
A necessidade de realizar refeições A prevenção e controle dessa situação Resumidamente, pode-se dizer que,
rápidas, associada às mudanças nos não são simples. Requer, sobretudo, uma juntos, esses sete programas/estratégias/
rituais de compartilhamento e preparo de atuação conjunta de todas as esferas políticas abarcam o conjunto de ações que,
refeições, bem como a oferta massiva de governamentais, de forma intersetorial, em nível nacional, pretendem contribuir para
novos produtos alimentícios aliada à sua incluindo a participação da sociedade civil, promover hábitos alimentares saudáveis e
divulgação pela mídia, criaram o cenário ideal para que de fato se possa promover escolhas alcançar a redução dos índices elevados de
para que os alimentos tradicionais da nossa alimentares adequadas e saudáveis, além sobrepeso e obesidade.
culinária (arroz, feijão, farinha de mandioca, da prática regular de atividade física entre a São eixos comuns de ação a essas
frutas e vegetais) perdessem, década após população (BRASIL, 2014e). iniciativas:
década, espaço para a chamada “comida
industrializada” pronta ou semipronta para o
consumo (BRASIL, 2014b; 2014e).

42
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Por tudo isso, o Guia Alimentar para


A formação permanente de profissionais e gestores que atuam nas áreas
a População Brasileira se configura em
da saúde, educação e assistência, a fim de que promovam o direito humano
um importante instrumento de educação
à alimentação adequada.
alimentar e nutricional para ser utilizado por
todos (população, profissionais de saúde,
A comunicação de informações para indivíduos, famílias e coletividades, agente comunitários de saúde, educadores,
usando de subterfúgios como spots de rádio, vídeos e materiais
gestores etc.).
educativos e instrucionais.

2.3 AVALIAÇÃO E DIAGNÓSTICO


O estímulo à formação de grupos de promoção da alimentação adequada e ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE
saudável e de prevenção do excesso de peso (sobrepeso e obesidade) na COLETIVIDADES
atenção primária, utilizando-se de distintos subterfúgios de atração e
estímulo para a permanência dos indivíduos nos grupos.
O modo de viver das populações modernas
tem determinado um padrão alimentar que,
De forma complementar a esses e preparações culinárias a alimentos aliado ao sedentarismo, em geral, não é
programas/estratégias/políticas, em 2014 ultraprocessados. Em seu texto ainda favorável à saúde. Diabetes, hipertensão,
foi publicado pelo Ministério da Saúde o ressalta os possíveis obstáculos à realização neoplasias, sobrepeso e obesidade são apenas
Guia Alimentar para a População Brasileira prática de suas recomendações, sugerindo alguns exemplos concretos de doenças que
(BRASIL, 2014a). caminhos e formas para superá-los. Além resultam dessa situação (OMS, 2018).
Em uma iniciativa diferenciada das disso, ao promover o resgate da cultura Este complexo cenário se perfaz em
anteriores, o Guia foi elaborado visando alimentar, tradicionalmente apoiada no um grande desafio, sobretudo para os
disseminar informações, recomendações consumo de alimentos in natura regionais, profissionais que atuam junto aos serviços
e orientações para indivíduos, famílias e o Guia amplia horizontes, favorecendo a da atenção primária do SUS.
comunidade das diferentes regiões do país, construção de um sistema alimentar seguro, Nesse sentido, esta subunidade tem por
não só sob a perspectiva do consumo de produtivo, equitativo e sustentável, com objetivo subsidiar os profissionais atuantes
alimentos saudáveis. Como regra de ouro, capacidade de prevenir manifestações da nos serviços da atenção primária no reco-
recomenda-se preferir sempre alimentos insegurança alimentar e nutricional, como o nhecimento dos distintos indicadores asso-
in natura ou minimamente processados sobrepeso e a obesidade (BRASIL, 2014a). ciados ao sobrepeso e à obesidade, e sobre

43
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

como proceder o diagnóstico nutricional. a adotar modos de vida saudáveis e a iden- Mas por que isso é importante?
Por sua proximidade com o cotidiano de vida tificar e enfrentar fatores, hábitos e práticas Porque na maioria das vezes o acesso
das pessoas, os profissionais da atenção pri- não promotoras de saúde a que muitas a uma alimentação adequada e saudável,
mária têm maior poder de compreensão dos vezes estão submetidos (BRASIL, 2016). que contribuirá para o controle do excesso
determinantes da saúde em cada território, A fim de facilitar esse processo de de peso, está relacionado a questões que
podendo desenvolver de forma privilegiada mudanças, os profissionais da saúde devem, extrapolam a dimensão biológica, tais como:
ações de promoção da saúde e de controle em parceria com os indivíduos, famílias
do excesso de peso (sobrepeso e obesida- e comunidades, priorizar estratégias
de) que acomete o indivíduo, famílias e a que sejam plausíveis à realidade, afim
população. de minimizar as chances de insucesso. fatores
Mesmo assim, é preciso considerar que socioeconômicos
algumas situações cotidianas e inerentes
ao indivíduo podem se tornar verdadeiros
fatores
obstáculos, como a falta de informação,
políticos
condições socioeconômicas desfavoráveis,
mitos (impressão de que uma alimentação
saudável é cara, questões culturais etc.) e fatores
a falta de tempo para planejar e realizar as ambientais
refeições (BRASIL, 2016).
Frente a isso, o papel das equipes de saúde fatores
Figura 15 – Como encontrar modos na vida
moderna de evitar o sobrepeso e obesidade? deve transcender os limites das unidades culturais
Fonte: Choukhri Dje/Adobe Stock da atenção primária em saúde, inserindo-
se nos demais equipamentos sociais do
2.3.1 Indicadores Socioeconômicos e território, como espaços comunitários
Culturais de atividade física, escolas, associações Por exemplo, um indivíduo pode estar com
Prevenir o sobrepeso e a obesidade no comunitárias, ambientes de trabalho, locais excesso de peso (sobrepeso e obesidade)
âmbito da atenção primária implica desen- de comercialização de alimentos, entre porque sua ingestão de alimentos ricos em
volver mecanismos que apoiem os sujeitos outros (BRASIL, 2016). açúcar e gordura é excessiva. E a ingestão

44
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

excessiva pode ter origem no fato de que, saúde, cultura alimentar, entre outros, pois ações para o cuidado da situação alimentar
no território onde esse indivíduo mora, se tratam de aspectos que contribuem para e nutricional da nossa população (BRASIL,
os alimentos ricos em açúcar e gordura a avaliação da saúde e nutrição da popula- 2015a).
(ultraprocessados, por exemplo) estão ção (BRASIL, 2016). Para tanto, o instrucional dispõe de três
disponíveis no ambiente ou no mercado a formulários, cada um contendo marcadores
custo mais baixo do que frutas, verduras, 2.3.2 Indicadores de consumo alimentar de consumo alimentar específicos para cada
carnes magras e cereais integrais, ou Realizar a avaliação do consumo de ali- ciclo da vida (um para crianças menores
mesmo porque o território não dispõe de mentos na rotina da atenção primária consti- de seis meses, um para crianças de seis a
locais de comercialização de alimentos tui-se em uma ação estratégica que colabora 23 meses e 29 dias de idade, e outro para
considerados saudáveis. Ou, para além do para o diagnóstico da situação alimentar e crianças com dois anos de idade ou mais,
consumo alimentar, o excesso de peso desse nutricional da população, e que ao mesmo adolescentes, adultos, idosos e gestantes).
indivíduo pode ainda estar a associado à tempo fornece os subsídios necessários O objetivo por trás de cada um desses for-
falta de atividade física, cuja falta pode para o planejamento e a organização do mulários é possibilitar a identificação de prá-
ter como causa a ausência de espaços cuidado em saúde nos territórios. ticas alimentares saudáveis e não saudáveis
públicos propícios à sua prática, como Visando orientar esse processo, em 2015 – e, principalmente, viabilizar a promoção da
praças, academias da saúde ao livre, falta de foi publicado pelo Ministério da Saúde o alimentação adequada e saudável por todo
ciclovias, ou simplesmente de calçadas que material instrucional intitulado “Orientações profissional de saúde, independentemente
permitam ao sujeito sair de casa andando. para avaliação de marcadores de consumo ali- da sua formação (BRASIL, 2015a).
Assim, diante de situações como essa, mentar na Atenção Primária” (BRASIL, 2015a). O formulário destinado à avaliação da
se o objetivo for incentivar indivíduos, Tendo como base os princípios e as prática alimentar de adultos foi baseado
famílias e comunidades a adotar hábitos e diretrizes do SUS e da PNAN, esse instrucional na nova proposta do Guia Alimentar para
práticas promotoras de saúde, os diversos reúne o conjunto de marcadores que devem a População Brasileira (BRASIL, 2014a),
aspectos da realidade social deverão ser ser utilizados pelos profissionais de saúde e propõe que a avaliação do consumo de
considerados e analisados simultaneamen- para a avaliação do consumo de alimentos alimentos seja referente ao dia anterior, a fim
te, estabelecendo as devidas correlações: nos serviços da atenção primária. Trata-se de de amenizar possíveis vieses de memória, ou
saúde, nutrição, educação, trabalho e renda, uma resposta oportuna e específica do SUS seja, esquecimentos relativos à alimentação
habitação, acesso à água, aos serviços de para reorganizar, qualificar e aperfeiçoar as realizada.

45
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Não Saudável Para saber mais sobre o formulário


Saudável Marcadores de marcadores de consumo alimen-
de consumo tar na atenção primária, acesse:
alimentar Consumo de hamburger <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/
Consumo e embutidos publicacoes/marcadores_consumo_
alimentar_ atencao_basica.pdf>
de feijão
Consumo de bebidas adoçadas
Consumo de frutas Consumo de macarrão
instantâneo, salgadinhos de
Consumo de verduras pacote, ou biscoitos salgados 2.3.3 Indicadores antropométricos e
e legumes
Consumo de biscoito recheado, epidemiológicos
doces ou guloseimas O sobrepeso e a obesidade, na maioria
dos casos, representam o resultado de um
longo tempo de desbalanço energético
Ressaltamos que durante a avaliação os ultraprocessados sejam evitados ou positivo, que resulta em ganho de peso
do consumo de alimentos, o profissional consumidos ocasionalmente, e que óleos, (BRASIL, 2014b).
não deve enfocar exclusivamente o gorduras, sal e açúcar sejam utilizados Em nível populacional ou mesmo na
aspecto quantitativo da alimentação, em pequenas quantidades, são outras prática clínica, para se avaliar se o peso de
mas sim identificar também qualidade e orientações importantes. Do mesmo modo, uma pessoa é excessivo, o IMC tem sido
comportamentos de risco (consumo de a socialização de informações sobre o proposto como método recomendado, dada
álcool, tabagismo, sedentarismo, entre planejamento e a regularidade das refeições, a sua facilidade de mensuração e por ser
outros). É preciso ainda estar atento ao que devem respeitar horários semelhantes. uma medida não invasiva, de baixo custo.
número de refeições que a pessoa realiza ao Comer em locais limpos e confortáveis, O IMC em adultos é determinado por
longo do dia (pelo menos as três principais), preferencialmente em companhia, e meio do cálculo de uma razão entre o peso
bem como ao hábito de se alimentar estimular que as pessoas prepararem suas (em quilogramas) e o quadrado da altura
assistindo à televisão (BRASIL, 2015a). próprias refeições são dicas valiosas para (em metros), sendo o resultado expresso
Orientar que a alimentação seja baseada a promoção da alimentação adequada e em kg/m2.
em alimentos e preparações culinárias, que saudável.

46
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

É importante destacar que os valores


apresentados anteriormente correspondem
ao de uma pessoa adulta.

Para saber sobre avaliação nutricio-


Baixo peso Peso normal Sobrepeso Obesidade nal de uma criança acesse a cader-
IMC < 18,5 kg/m² IMC ≥ 18,5 e IMC ≥ 25,0 e IMC ≥ 30,0 kg/m² neta da criança no site:
< 24,99 kg/m² < 29,99 kg/m² <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/
publicacoes/caderneta_saude_
crianca_menino.pdf>
Como calcular o Índice de Massa Corporal (IMC)
E de uma pessoa idosa acesse a ca-
Peso (em quilos) derneta do Idoso no site:
Altura x Altura (em metros) <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/
publicacoes/caderneta_saude_
pessoa_idosa_3ed.pdf>

De acordo com essa classificação, o risco Veja a seguir as referências de medidas


de desenvolvimento de morbidades ou DCNT de circunferência de cintura para homens e
aumenta progressivamente na medida em mulheres: 2.3.4 Diagnóstico alimentar e nutricional
que aumenta o IMC. Apesar disso, ressalta- Realizar o diagnóstico da situação
se que o IMC, mesmo sendo útil para avaliar alimentar e nutricional da população, com
o excesso de peso corporal, é um indicador identificação dos segmentos de maior risco
Homens Mulheres
que não descreve a distribuição da gordura mostra-se fundamental para a qualificação
corporal, nem distingue massa gorda de Adequado Adequado do cuidado no âmbito da atenção primária
massa magra. < 94 cm < 80 cm (BRASIL, 2015b).
Assim, se o objetivo for conhecer a As informações advindas tanto da análise
Risco Risco
quantidade de gordura na região abdominal, antropométrica quanto dos marcadores de
cardiovascular cardiovascular
o indicador a ser utilizado deverá ser a consumo alimentar podem embasar desde a
> 102 cm > 88 cm
medida da circunferência da cintura (CC). escolha do melhor cuidado para um indivíduo

47
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

até o desenvolvimento de uma estratégia ou • compartilhamento do caso com oferta de outros cuidados, entre outras
política municipal, estadual ou federal, que outros profissionais; condutas que se façam necessárias
respeite a diversidade étnica, racial e cultural • orientações básicas sobre (BRASIL, 2015b).
da população (BRASIL, 2015b). alimentação adequada e saudável;
Para tanto, é essencial que todos os • necessidade de acionar serviços Além disso, nesse cenário também
profissionais que atuam no âmbito da de atenção especializada para a compete aos profissionais da saúde:
atenção primária se integrem a esse
processo, de forma que as ações propostas
de fato atendam às reais necessidades da
população (BRASIL, 2015b).
 Realizar a identificação das característi-
cas domiciliares e familiares que possi-
 Elaborar, em conjunto com todos os
profissionais da(s) equipe(s) de saúde,
Mas como alcançar tudo isso na prática? bilitem a detecção precoce de situações rotinas para o atendimento de indivíduos
A classificação do estado nutricional por que possam afetar o estado nutricional e com sobrepeso e a obesidade, organi-
a segurança alimentar e nutricional das zando inclusive a referência e a contra-
meio dos índices antropométricos durante famílias. -referência quando necessário.
o atendimento na UBS ou no domicílio,
por exemplo, é um dos subsídios para
o diagnóstico do estado nutricional do  Desenvolver ações de naturezas distin-
tas para a promoção de práticas alimen-
 Participar de atividades e cursos de
formação voltados à prevenção de dis-
indivíduo, que, além da análise de outros tares saudáveis em todos os ciclos da túrbios nutricionais, sobretudo aqueles
aspectos (clínicos, sociais, ambientais vida, considerando parcerias interseto- relacionados ao controle do sobrepeso
riais (educação, esporte, cultura, traba- e obesidade.
etc.), possibilitará aos profissionais tomar lho, lazer, entre outras).
a melhor decisão quanto ao cuidado a ser
ofertado no âmbito da Atenção Primária:
• solicitação de exames complemen-  Compartilhar conhecimento sobre ali-
mentos e o processo de alimentação,
 Avaliar continuamente as ações desen-
volvidas, tanto para a promoção de prá-
tares; bem como desenvolver estratégias para ticas alimentares saudáveis quanto para
o resgate de hábitos e práticas alimenta- a atenção ao sobrepeso e a obesidade,
• agendamento de visita domiciliar para
res saudáveis relacionadas ao consumo afim de identificar o seu impacto na po-
melhor avaliação de aspectos relativos de alimentos regionais. pulação.
às condições de vida e às relações
intrafamiliares;

48
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Um instrumento importante para auxiliar zes de modificar favoravelmente o ambiente


nesse processo, e inclusive recomendado O conteúdo apresentado nesta natural, político e social em que se encontram.
subunidade faz parte da publicação
pela PNAN, trata-se do SISVAN Web, que “Marco de referência da vigilância Ou seja, a promoção da saúde deve ser cons-
ao permitir o registro de dados relativos à alimentar e nutricional na Atenção truída por meio de uma ação intersetorial do
alimentação e ao estado nutricional dos Primária”, do Ministério da Saúde poder público em parceria com os diversos
(BRASIL, 2015b). Para conhecer o
usuários do SUS, possibilita também o texto completo, acesse: setores da sociedade (ONU, 2005).
diagnóstico e o monitoramento dessas <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ A promoção da saúde compreende,
condições para além do nível local, ou seja, publicacoes/marco_referencia_ portanto, a ação individual, a ação da
vigilancia_alimentar.pdf>
em nível regional, estadual e nacional. comunidade e a ação e o compromisso dos
Com isso, o diagnóstico alimentar e nutri- governos na busca de uma vida mais saudável
cional gerado passa a ser um robusto instru- para todos e para cada um (BRASIL, 2010).
mento para a tomada de decisão, não apenas 2.4 ESTRATÉGIAS DE PROMOÇÃO Diante disso, a elaboração e implementa-
no setor saúde, mas também para o planeja- DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E ção de políticas públicas saudáveis, a criação
mento intersetorial, incluindo a reformulação PREVENÇÃO DE SOBREPESO E de ambientes favoráveis à saúde, o reforço
de políticas e estratégias (BRASIL, 2015b). OBESIDADE COM ENFOQUE NAS da ação comunitária, o desenvolvimento de
Nesse sentido, é importante identificar COLETIVIDADES habilidades pessoais e a reorientação do sis-
nas equipes da atenção primária quais tema de saúde constituem os cinco campos
profissionais possuem conhecimento 2.4.1 Conceitos de promoção e prevenção de ação definidos na Carta de Ottawa.
técnico e experiência em antropometria, bem A promoção da saúde é definida na Carta Ainda nesse documento foram descritos
como os que estejam familiarizados com os de Ottawa como “o processo de capacitação como pré-requisitos para a saúde: paz,
instrumentos de avaliação de marcadores da comunidade para atuar na melhoria da educação, moradia, alimentação, renda,
de consumo alimentar, para que contribuam sua qualidade de vida e saúde, incluindo ecossistema saudável, justiça social e equi-
nos processos de formação dos demais. Na uma maior participação no controle deste dade (Carta de Ottawa apud BUSS, 2000).
ausência de sujeitos com essas habilidades, processo” (Carta de Ottawa apud BUSS, 2000). No Brasil, em consonância com esses pres-
cabe aos gestores a busca de profissionais Nesta perspectiva, para que a promoção da supostos da Carta de Ottawa, a Política Nacio-
capacitados, a fim de desenvolver momentos saúde se dê plenamente, é fundamental que nal de Promoção da Saúde (PNPS), aprovada
de formação para as equipes da atenção ela não se restrinja ao setor saúde. Indivíduos, por meio da Portaria MS/GM no. 687, de 30
primária (BRASIL, 2015b). famílias e comunidades devem se tornar capa- março de 2006, também afirma que as ações

49
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

públicas em saúde devem ir além da ideia de Nesse cenário, é importante destacar que comunidades para enfrentar dificulda-
cura e reabilitação. É preciso privilegiar me- enquanto a promoção objetiva sobretudo des e tomar decisões;
didas preventivas e de promoção da saúde, assegurar a saúde por meio da qualidade de • a divulgação de conhecimentos
transformando os fatores que colocam as vida, a base do discurso preventivista são técnicos e estímulo à participação
coletividades em situação de risco e vulnera- as ações desenvolvidas a fim de evitar o social, ampliando a influência dos
bilidade, como violência, desemprego, subem- surgimento de doenças específicas, reduzindo indivíduos famílias e coletividades
prego, falta de saneamento básico, habitação sua incidência e prevalência nas populações nos processos de decisão dos setores
inadequada ou ausente, dificuldade de acesso (CZERESNIA, 2003; BRASIL, 2014b). públicos e privados que tenham
à educação, fome, urbanização desordenada, Pode-se citar como exemplo de ações impacto na saúde.
má qualidade do ar e da água (BRASIL, 2010). preventivas: Diante disso, fica evidente que o
• a transformação dos ambientes objetivo principal das ações de prevenção é
(físico, social, cultural e econômico), possibilitar aos indivíduos e às comunidades
tornando-os propícios a um estilo de a apropriação de conhecimento sobre o
vida saudável; processo saúde-doença, incluindo fatores
• a socialização de conhecimentos de risco e de proteção à saúde, assim como
pessoais de forma que indivíduos empoderá-los a fazer escolhas saudáveis
famílias e comunidades desenvolvam amparadas na conquista da autonomia
habilidades para analisar criticamente (CZERESNIA, 2003; BRASIL, 2014b).
os fatores determinantes do seu
estilo de vida e se tornem capazes de 2.4.2 Ações e práticas coletivas de
identificar os recursos necessários promoção da alimentação saudável
para a prevenção dos agravos à saúde De acordo com o Ministério da Saúde,
e melhoria da qualidade de vida; as ações coletivas de promoção da saúde
• o fortalecimento do sistema de apoio devem combinar três vertentes de atuação:
social (famílias, clubes, associações, incentivo, proteção e apoio (BRASIL, 2014e).
grupos, organizações de ajuda mútua As medidas de incentivo são aque-
Figura 16 – A promoção da saúde é definida na
etc.) de forma a preparar indivíduos e las que disseminam informação,
Carta de Ottawa

50
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

promovem práticas educativas e motivam os espaços públicos criados para a prática a. Desde 2006 foi implantado o VIGITEL, o
os indivíduos a adotar práticas saudáveis. de atividade física, como as Academias da qual investiga a frequência de fatores de
São exemplos deste tipo de medidas as Saúde, além da promoção de atividades risco e proteção para doenças crônicas
ações educativas desenvolvidas na aten- físicas ou da alimentação saudável no e morbidade referida em adultos (≥18
ção primária e nas escolas, bem como espaço do território. anos) residentes em domicílios com linha
as atividades voltadas para a adoção Já as medidas de proteção buscam fixa de telefone nas capitais do Brasil
de hábitos de vida saudáveis veiculadas impedir que as coletividades fiquem com 54.000 entrevistas anuais.
pelas mídias sociais. expostas a fatores de risco ou a situações Em 2008, a Pesquisa Nacional por
que estimulem práticas não saudáveis. São Amostra de Domicílios (PNAD) incluiu
exemplos desta vertente a regulamentação informações sobre morbidade e alguns
Ações coletivas de da publicidade de alimentos dirigida ao fatores de risco
promoção da saúde público infantil e a regulamentação da venda Em 2009 foi realizada a I Pesquisa
de alimentos nas cantinas escolares. Nacional de Saúde do Escolar – PeNSE,
Fica assim evidente que para promover inquérito com cerca de 63 mil alunos do 9º
Incentivo hábitos de vida e práticas alimentares ano das escolas públicas e privadas das
saudáveis, é necessário pensar para além capitais do Brasil e Distrito Federal, em
dos aspectos biológicos, considerando parceria com o IBGE, Ministério da Saúde e
Proteção nesse processo os aspectos socioculturais Educação, que acontecera a cada 3 anos.
Apoio dos indivíduos, das famílias e comunidades,
bem como o uso sustentável do meio b. Incentivo ao aleitamento materno, regula-
ambiente (BRASIL, 2016). mentação da rotulagem dos alimentos e
Nessa perspectiva, é importante acordos com a indústria para a redução
As medidas de apoio, por sua vez, são destacar que desde o início dos anos do teor das gorduras trans e sal em 10%
aquelas que tornam possível a adesão das 2000 a Coordenação Geral da Política de ao ano.
coletividades às práticas saudáveis. São Alimentação e Nutrição do Ministério da
exemplos desta vertente os programas de Saúde (CGAN/MS) vem desenvolvendo uma c. Socialização de informações e conhe-
alimentação institucional, como o Programa série de ações no âmbito da promoção da cimentos sobre alimentação e nutrição
Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), e alimentação saudável, a saber:

51
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

por meio da elaboração e divulgação de principalmente ações de promoção da SUS, na perspectiva da prevenção de
materiais educativos, como: saúde: agravos e da promoção e recuperação
• Guia alimentar para crianças menores • Política Nacional de Atenção Básica da saúde, com ênfase na AB, voltada
de 2 anos; (Pnab), onde são previstas ações de ao cuidado continuado, humanizado e
• Os dez passos para alimentação promoção da saúde para indivíduos, integral em saúde
saudável para crianças menores de 2 famílias e comunidades que
anos; privilegiam a autonomia dos sujeitos. e. Em termos de propostas intersetoriais
• Alimentos Regionais Brasileiros; • Política Nacional de Promoção da para o ambiente escolar, destacam-se o
• Guia alimentar para a população Saúde (PNPS) onde são propostas Programa Saúde na Escola, que envolve
brasileira; estratégias para concretizar ações os Ministérios da Educação e da Saúde e
• Caderno de alimentação saudável para de promoção da saúde centrados na prevê ações de avaliação antropométrica,
a pessoa idosa; territorialização, na articulação e na promoção de segurança alimentar
• Cadernos de Atenção Básica; cooperação intra e intersetorial, nas e nutricional, de práticas corporais
• Teste intitulado “Como está sua RAS, na participação e controle social, e de atividade física, e a Portaria
alimentação?”, elaborado na na gestão, na educação e formação, Interministerial 1.010/2006, que institui
perspectiva de provocar uma mudança na vigilância, no monitoramento e diretrizes para a alimentação saudável
de hábitos alimentares e incentivar avaliação, na produção e disseminação nas escolas da rede pública e privada.
os 10 passos para uma alimentação de conhecimentos e saberes e na
saudável para crianças maiores de 2 comunicação social e mídia. f. Incentivo à formação e qualificação dos
anos e adultos. • Política Nacional de Alimentação e profissionais de saúde que integram a
Nutrição (Pnan) que propõe respeitar, rede de serviços de saúde através da
d. Diversas normativas do Ministério da proteger, promover e prover os direitos Rede de Alimentação e Nutrição do SUS
Saúde reafirmam a necessidade da humanos à saúde e à alimentação. (RedeNutri).
organização dos serviços de saúde de • Política Nacional de Práticas
maneira que responda às demandas Integrativas e Complementares no SUS g. Incentivo aos municípios quanto à
das condições crônicas, envolvendo (PNPIC) que tem como um dos objetivos implementação do Sistema de Vigilância
não apenas ações de reabilitação de incorporar e implementar as Práticas Alimentar e Nutricional (SISVAN) para o
um agravo de saúde já instalado, mas Integrativas e Complementares no monitoramento do perfil nutricional da

52
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

população nos diferentes ciclos da vida, 2.4.3 Ações e práticas coletivas de Alimentação e Nutrição na Atenção Básica”,
como eixo para o planejamento e avaliação prevenção do sobrepeso e obesidade vem recomendando como prática efetiva
das ações de promoção da saúde. Conhecida a importância da alimentação para a prevenção e o controle do sobrepeso/
adequada e saudável para a promoção da obesidade a adoção de ações intersetoriais
h. Incentivo às ações voltadas à promoção saúde, nesta seção discutiremos a sua e multiprofissionais, por entender que
da alimentação saudável nas escolas relevância para a prevenção e o controle modificações nos hábitos de vida não devem
da rede privada de ensino, em âmbito das doenças crônicas não transmissíveis advir de um processo de normatização e muito
nacional através do Manual das cantinas (DCNT), em especial a obesidade. menos de culpabilização dos indivíduos,
escolares saudáveis: promovendo a O Plano de Ações Estratégicas para o famílias ou comunidades. Tampouco deve se
alimentação saudável Enfrentamento das DCNT no Brasil, elaborado restringir apenas ao consumo de alimentos
e coordenado pelo Ministério da Saúde, e à atividade física. Para serem efetivas,
prevê a cooperação entre diferentes setores as medidas devem exercer influência sobre
numa ótica multissetorial, assim como a todas as decisões ligadas ao ato de comer
Detalhes adicionais sobre essas
e outras ações práticas, incluindo Política Nacional de Promoção da Saúde e ao viver, considerando para tanto as
metodologias de operacionalização, PNAPS reforça as noções de integralidade especificidades de cada ciclo de vida e de
podem ser consultados em: e intrassetorialidade em articulação com os cada coletividade nas diferentes localidades
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/
publicacoes/instrutivo_metodologia demais princípios do SUS. do país (BRASIL, 2009; BRASIL, 2016).
_trabalho_alimentacao_nutricao_ Ainda assim, destaca-se a consolidação da Tomando por base tais prerrogativas,
atencao_basica.pdf> política de segurança alimentar a nutricional, ressalta-se o âmbito da atenção primária
quando a Câmara Interministerial de como um espaço privilegiado para a
Segurança Alimentar e Nutricional (CAISAN) operacionalização das ações de prevenção
Cabe ressaltar que, na prática, para o formula o Plano Intersetorial de Prevenção e controle do sobrepeso/obesidade. É que
sucesso dessas ações, é fundamental que e Controle da Obesidade, que subsidiou ao caracterizar-se como a principal porta de
profissionais de saúde da atenção primária a Estratégia Intersetorial de Prevenção e entrada ao SUS e centro de comunicação da
saibam reconhecer as características dos Controle da Obesidade: Recomendações rede de atenção à saúde – nesse caso, da
indivíduos e famílias de sua área de atuação, para Estados e Municípios (EIPCO). Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com
para que a adoção das diferentes medidas Frente a isso, desde 2009 o Ministério Doenças Crônicas (Portaria nº 483, de 1º de
seja adaptada a cada realidade. da Saúde, por meio da “Matriz de Ações de abril de 2014) – esse nível de atenção, tende

53
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

a facilitar a operacionalização das ações diretamente no apoio às equipes das dos profissionais vinculados a este nível
de prevenção pelos profissionais de saúde, unidades a que estão vinculados, compete de atenção.
sobretudo as ações do NASF-AB. aos profissionais do NASF-AB estimular a
O NASF foi criado em 2008 e a partir participação social. No tocante em específico • Articulação de ações intersetoriais que
da PNAB em 2017, tornou-se NASF-AB ao sobrepeso/obesidade, é imprescindível envolvam diversos parceiros (instituições
– Núcleo Ampliado de Saúde da Família que estes profissionais desenvolvam e públicas, privadas, entidades da
e Atenção Básica, que consiste em uma operacionalizem estratégias diferenciadas, sociedade civil e outros) para o controle
equipe multiprofissional formada de com vistas a potencializar a capacidade do sobrepeso/obesidade no território.
diversas categorias profissionais cuja dos sujeitos para a construção de uma vida
função é atuar de maneira integrada e apoiar saudável mediante o desenvolvimento da • Fomento à ações de promoção da
os profissionais das equipes da atenção autonomia (SANTOS, 2006; BRASIL, 2016). alimentação adequada e saudável
primária (Consultórios na Rua, Equipes Veja a seguir alguns exemplos de ações no âmbito da atenção primária. Tais
Ribeirinhas e Fluviais e Estratégia Saúde da que envolvem estratégias diferenciadas ações devem incluir a socialização de
Família). Além de compartilhar práticas e para a prevenção e controle do sobrepeso/ informações e orientações que facultem
saberes em saúde nos territórios, atuando obesidade, as quais devem partir da APS e uma alimentação adequada e saudável
voltada para a prevenção de distúrbios
alimentares como o sobrepeso/obesidade
no espaço do território, considerando as
especificidades dos diferentes ciclos de
vida. Cabe lembrar que as atividades e as
orientações propostas para determinado
indivíduo, família ou comunidade podem
não refletir o efeito desejado em outro.
Assim, a decisão a ser tomada pelos
profissionais da equipe ou pelos gestores
das diferentes esferas deve considerar
Figura 17 – Medidas efetivas devem considerar as especificidades de cada ciclo de vida. a história do espaço geográfico e das
Fonte: Photographee.eu/Adobe Stock pessoas que o habitam. Deve considerar

54
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

também a organização dos espaços • A reorganização do SUS, por meio das


urbanos, a distribuição populacional (a fim redes de atenção à saúde, na linha de O apoio matricial interdisciplinar é
fundamental para a resolutividade
de identificar áreas de povoamento mais cuidado para o tratamento da obesidade das equipes da Atenção Primária.
denso ou mais disperso) e a forma como na rede de atenção à saúde, inclusive As equipes do NASF-AB cumprem
os indivíduos se organizam e se relacionam para indivíduos com excesso de peso esse papel junto às equipes de saú-
de da família, além de serem impor-
com o ambiente em que vivem. e obesidade oriundos de comunidades tantes protagonistas na articulação
indígenas, quilombolas e populações que do cuidado entre os pontos de aten-
• Fomento às Academias da Saúde. As equi- vivem em áreas do campo, de floresta e ção à saúde.

pes da atenção primária, em conjunto com rurais. Assim, para aquém da atenção
a comunidade, devem propor atividades primária, os outros pontos de atenção,
individuais ou coletivas que proporcionem Atenção Especializada Ambulatorial Além dessas ações, outras iniciativas que
o resgate e a ampliação da autonomia dos e Hospitalar, também devem estar ultrapassam o âmbito da atenção primária
indivíduos sobre as escolhas de modos sensíveis à identificação e captação e que devem ser consideradas no esforço
de vida mais saudáveis. Constituem desses usuários. Cabe ressaltar que intersetorial para a prevenção do sobrepeso/
exemplos de atividades que podem ser esse apoio diagnóstico e terapêutico é obesidade incluem:
propostas: práticas corporais, atividade necessário para o cuidado na atenção • a regulação da publicidade de alimen-
física de lazer, grupos de atividade física primária a fim de potencializar o seu grau tos ultraprocessados, especialmente
em espaços públicos, visando a inclusão de resolutividade. aquela dirigida ao público jovem;
social e a melhoria das condições de saú- • a implementação de medidas fiscais
de e da qualidade de vida da população. • Incentivo à adesão das equipes de por parte do governo, que desencorajem
atenção primária ao Programa de a aquisição de produtos ultraproces-
Melhoria do Acesso e da Qualidade da sados e incentivem a aquisição de
Mais informações sobre o fomento Atenção Básica (PMAQ), assim como alimentos in natura ou minimamente
às Academias da Saúde podem ser ao uso do Programa Telessaúde Brasil, processados, incluindo neste quesito
consultadas em:
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/
que visa estimular o uso de tecnologias a adoção de um modelo de rotulagem
publicacoes/academia_saude_ da informação e telecomunicações para nutricional mais informativo ao consu-
cartilha.pdf> atividades de apoio matricial e educação midor (BRASIL, 2014b). Um exemplo a
à distância relacionadas à saúde. ser seguido deste tipo de ação trata-se

55
ABORDAGEM DO SOBREPESO PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO
E OBESIDADE NA ATENÇÃO SAUDÁVEL E PREVENÇÃO DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

da taxação de refrigerantes no México, ENCERRAMENTO DA UNIDADE


e a adoção da rotulagem frontal de ali-
mentos no Chile. Considerando o contexto atual de
aumento das prevalências do sobrepeso/
Assim, diante do exposto, fica evidente obesidade e de seus fatores de risco,
que, se a motivação central das ações for a como a inatividade física e a alimentação
promoção da saúde e a prevenção de doenças, inadequada, é indiscutível a necessidade da
fomentar responsabilidades compartilhadas realização de ações de promoção da saúde
entre sociedade, setor produtivo e setor e de prevenção dessas condições com base
público mostra-se fundamental. Somente no desenvolvimento da autonomia e no
assim as escolhas saudáveis que impactam empoderamento dos indivíduos, famílias e
na construção de novos modos de vida comunidades.
poderão ser alcançadas. Sob essa perspectiva, esta unidade
procurou reunir orientações, ações e práticas
que visam auxiliar o trabalho das equipes de
saúde da atenção primária nesse processo.
Todavia, dada a abrangência das ações
propostas, é fundamental que elas ocorram
em um processo amplo com participação
dos diferentes atores sociais (poder público
em parceria com os diversos setores da
sociedade).

56
AÇÕES INDIVIDUAIS PARA A ABORDAGEM
DO SOBREPESO E OBESIDADE
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

3 AÇÕES INDIVIDUAIS PARA A


ABORDAGEM DO SOBREPESO O sobrepeso e obesidade são problemas
E OBESIDADE complexos e multifatoriais que necessitam
que o serviço de saúde se organize através de
3.1 INTRODUÇÃO uma linha de cuidado qualificada, que envolva
os diversos níveis de atenção, ofertando
Nesta unidade você vai conhecer os um cuidado integral e longitudinal. Esse
aspectos mais importantes para o ras- cuidado organizado em Redes de Atenção
treamento, avaliação, aconselhamento e à Saúde (RAS) permite atuar nos diversos
tratamento do adulto com sobrepeso e níveis de intervenção possíveis: pessoas e
obesidade na Atenção Primária. O enfoque famílias, serviços de saúde e comunidade, e
será a abordagem individual, com recomen- macropolíticas (BRASIL, 2014b).
dações práticas, objetivas e baseadas em
evidências sobre o que os profissionais da
saúde da APS necessitam fazer para mane- Macropolíticas
jar de forma adequada a pessoa adulta com
sobrepeso ou obesidade. Serviços
Pessoas e de saúde e
famílias Cuidado comunidade
3.2 ATENÇÃO INTEGRAL E CUIDADO organizado em
rede envolve:
LONGITUDINAL

A obesidade é considerada uma doença Nesse cenário, a APS, por meio da Equipe
crônica e o principal problema nutricional de Saúde da Famíia (eSF) e com o apoio
no mundo, superando a desnutrição e os matricial interdisciplinar dos profissionais
problemas infecciosos como causas de dos NASF-AB, é lócus privilegiado para a
doença e mortalidade. É também um fator abordagem da pessoa com sobrepeso ou
de risco importante para outras doenças obesidade.
crônicas não transmissíveis (LAU, 2007).

58
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

O vínculo longitudinal da pessoa com o Além disso, a proximidade que a eSF tem abordar a perda de peso e propondo
médico, enfermeiro, técnico de enfermagem com o cotidiano da vida das pessoas permite intervenções mais personalizadas e
e ACS da sua eSF tem grande potencial compreender melhor a dinâmica social e culturalmente aceitas (BRASIL, 2014b).
para o manejo do sobrepeso e obesidade. O de saúde daquela pessoa, sua família e
atributo de coordenação do cuidado da APS comunidade. Reconhecer os diferentes 3.3 ABORDAGEM INDIVIDUAL PARA
permite que essa pessoa transite na RAS de entendimentos sobre alimentação, atividade A PREVENÇÃO E O CONTROLE DO
forma a não fragmentar seu cuidado. física, saúde e corpo é fundamental para SOBREPESO E OBESIDADE

O manejo da pessoa com obesidade para


a perda de peso é um dos maiores desafios
clínicos para a APS e seus profissionais.
Apesar da sua prevalência e facilidade de
rastreamento (basta pesar, medir e calcular
o IMC), em alguns contextos observa-se que
apenas 38-66% das pessoas com sobrepeso
ou obesidade receberam esse diagnóstico, e
menos da metade refere que o profissional
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL a aconselhou sobre perda de peso ou deu
informações sobre o assunto (LEBLANC,
2011). Na mesma perspectiva, também se
observou que, em algumas análises, menos
de 5% das consultas na AB são para manejo
do peso (KAHAN, 2019).
A obesidade está associada às seguintes
possíveis consequências para a pessoa:
Figura 18 - O vínculo longitudinal da pessoa com o médico, enfermeiro, técnico de enfermagem tem grande
potencial para o manejo do sobrepeso e obesidade. Fonte: photka/Adobe Stock

59
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Consequências da obesidade para a saúde As doenças cardiovasculares, o DM, mortalidade geral; já outros mostram que a
o câncer e as doenças respiratórias mortalidade geral e o desenvolvimento de
Maior mortalidade, principalmente em < 65 anos,
com redução da expectativa de vida entre 6 à 20 representam as principais causas de morte DCV seria igual ou até menor em adultos
anos dependendo da idade e raça. Além disso, em pessoas obesas. ou idosos com sobrepeso saudáveis (sem
a associação de obesidade e tabagismo reduz Por sua vez o sobrepeso e discussão comorbidades) ou obesidade central
substancialmente a expectativa de vida da pessoa.
sobre suas consequências para a saúde são (aumento da circunferência abdominal).
Desenvolver e morrer de câncer, principalmente resumidos na tabela abaixo:
de fígado, rins, mama, endometrial, próstata e in-
testino 3.3.1 Avaliação e diagnóstico do
sobrepeso e obesidade
Hipertensão arterial (HAS) Consequências do Existem diversos métodos para rastrear,
Diabetes mellitus (DM) sobrepeso para a saúde diagnosticar e classificar a obesidade e
Doenças cardiovasculares (DCV): cardiopatia
sobrepeso. Na prática clínica recomenda-
isquêmica, insuficiência cardíaca, fibrilação atrial Morbimortalidade por câncer se usar o IMC. É uma medida rápida, fácil,
não invasiva e custo-efetiva que pode
Acidente vascular Cerebral (AVC) Hipertensão Arterial Sistêmica ser calculada manualmente ou usando
Trombose venosa calculadoras e aplicativos de smartphone,
Diabetes Mellitus: o sobrepeso está
Apneia obstrutiva do sono e outros problemas res- associado a um aumento de pelo menos assim como gráficos e tabelas. Seu valor
piratórios 2x no risco de desenvolver DM tipo 2. está associado a riscos de saúde e diversas
Redução da qualidade de vida devido ao estigma complicações metabólicas (BRASIL, 2014b).
Doenças Cardiovasculares
social e à menor mobilidade Calcule o IMC para rastrear sobrepeso e
Trombose venosa e outros (como obesidade em todos os adultos atendidos.
Outros problemas de saúde: demência, colelitíase,
doença do refluxo gastroesofágico, doença renal, colelitíase). Quanto à periodicidade com que você deve
artrose de articulações e gota, síndrome do ovário
Fonte: LEBLANC, 201; PERREAULT, 2018; calcular o IMC, não há evidências suficientes
policístico, maior risco de infecções, alterações
SCHMIDT, 2014; STANFORD, 2018. para estabelecer um tempo adequado.
de pele (estrias, hirsutismo e acantose nigrans). A
obesidade já foi associada a mais de 200 proble- Sugere-se que o cálculo do IMC seja
mas de saúde. Quanto à associação entre sobrepeso e realizado anualmente (JENSEN, 2014), em
Fonte: BRASIL, 2010b; CURRY, 2018; LAU, 2007;
mortalidade, existem controvérsias, sendo especial nas pessoas com HAS, DM ou nas
LEBLANC, 2011; PERREAULT, 2018. que alguns estudos apontam aumento de consultas de pré-natal.

60
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Também é recomendado oportunizar, Leve em consideração que o valor de IMC pessoa pode ter danos secundários ao
quando possível, o cálculo do IMC nas pode superestimar o grau de adiposidade rastreamento como estigma e reforço de
consultas de demanda espontânea se você em pessoas que estão em sobrepeso mas uma baixa autoestima, não contribuindo
identificar que não há registro de peso e são musculosas. Nesses casos, medir para que possa se beneficiar do rastreio
altura da pessoa no prontuário. também a circunferências abdominal (como (LEBLANC, 2011).
Inclua a medida do peso e altura na explicaremos a seguir) pode ajudar a avaliar Além do IMC, a medida da circunferência
rotina de atendimentos, tanto de demanda melhor o risco (PERREAULT, 2019a). Também abdominal pode ser utilizada para
espontânea como demanda programada. tenha cautela em interpretar o IMC em complementar a avaliação. Alguns estudos
Envolva todos da eSF nessa tarefa (ACS, pessoas de origem asiática, alguns estudos demonstram que ela tem uma associação
técnico de enfermagem, enfermeiro e médico). demonstram que o valor do IMC pode ser independente com morbimortalidade,
Todos podem realizar essas medidas e ajudar subestimado, pois os limiares de IMC podem principalmente cardiovascular (LEBLANC,
a pessoa que apresenta IMC elevado. ser mais baixos. 2011). Uma circunferência abdominal
elevada pode ser um fator de risco isolado
a mais para doença cardíaca, diabetes,
Tenha uma balança e instrumental Se IMC ≥ 30 ofereça intervenções hipertensão e dislipidemia.
para medir a altura disponíveis, com comportamentais intensivas (através
fácil acesso e devidamente calibra- de uma combinação de mudanças na Meça a circunferência abdominal de seus
dos. Sugere-se que a balança utilizada dieta e aumento da atividade física) usuários com IMC entre ≥ 25 para investigar
tenha capacidade para mensurar peso com o objetivo de alcançar e manter obesidade central como fator de risco
corporal ≥ 150 kg, devido ao aumento uma perda de peso ≥ 5% (BRASIL,
de pessoas com excesso de peso. 2010b; CURRY, 2018) cardiovascular adicional (BRASIL, 2014b).
Há também orientações de que a medida
da circunferência abdominal em pessoas
Atente-se também que há necessidade Para que o rastreio possa ser benéfico, com IMC ≥ 35 não precisa ser realizada
de se planejar a estrutura e equipamentos a pessoa com IMC elevado deve ter um para ser considerada um fator a mais de
do Centro de Saúde para atender risco elevado de adoecimento, e por isso risco cardiovascular, pois essas pessoas já
adequadamente a pessoa obesa: rampas de as intervenções propostas podem ajudá- são consideradas de alto risco (NEUMANN,
acesso, portas largas, cadeiras e macas com la a reduzir seu peso e consequentemente 2019; PERREAULT, 2019a).
capacidade, além de esfigmomanômetro seu risco de adoecimento. Além disso, E também há orientações que a medida
para circunferências braquiais grandes. dependendo de como for abordada, a da circunferência abdominal deveria ser

61
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

efetuada em todos os adultos independente problema. Utilize técnicas de comunicação Evite consultas longas e detalhadas,
do IMC (LAU, 2007). que promovam empatia e vínculo. Cuide para aborde os hábitos alimentares nas diversas
não estigmatizar a pessoa. consultas a partir da necessidade da pessoa.
Prossiga com a avaliação clínica A investigação e construção detalhada
Como medir a circunferência abdominal (anamnese, exame físico e exames de cardápios é papel de profissionais
complementares) da pessoa com sobrepeso nutricionistas.
Meça sem roupa ou com ou obesidade. Siga as recomendações
roupas leves conforme o IMC (BRASIL, 2014b; MURTAGH, 2. Nível de atividade física
Faça a medição ao final de uma 2015; LAU, 2017; PACK, 2018; SCHMIDT, a. Pergunte sobre atividades cotidianas:
expiração normal 2014; ZONTA, 2017): trabalho, do lar, hábitos de transporte
e lazer.
Localize a fita métrica à meia
Para indivíduos com IMC ≥ 25, avalie: b. Incentive a prática saudável de
altura entre o último arco costal
e o topo da crista ilíaca 1. Hábitos alimentares atividade física.
a. Pergunte sobre rotina alimentar e
identifique padrões alimentares. 3. Tabagismo e cessação de tabagismo
b. Faça perguntas abertas: Pergunte sobre história de uso atual ou
Você já pensou em como abordar • Como é sua rotina de alimentação? passado de tabaco.
a pessoa após calcular o calcular o
• Você costuma comer quantas vezes • Se fuma, aconselhe sobre risco
IMC ou medir a circunferência abdo-
minal? ao dia? adicional do fumo e obesidade em
• Onde costuma fazer suas refeições? relação à maior mortalidade geral.
• Quais são os seus alimentos e bebidas Oriente parar de fumar e ofereça
Reflita que, antes de dar qualquer preferidos? tratamento.
recomendação para o manejo da • Você costuma comer biscoitos/ • Se parou de fumar, considere
obesidade ou sobrepeso, é importante uma salgadinhos e consumir álcool? associação do ganho de peso com a
abordagem empática e centrada na pessoa, • Quais são os alimentos que você parada. É comum o ganho de peso de
identificando junto com ela quais as ideias, consome e considera saudáveis e 4-5 Kg ou mais após parar de fumar.
preocupações e expectativas sobre esse quais você considera que podem ser
prejudiciais e deveria diminuir?

62
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

4. Uso de medicamentos ou álcool 6. Distúrbios alimentares 8. Hipertensão Arterial Sistêmica


Pergunte sobre uso de álcool e Pesquise e identifique comportamentos de a. Medida da PA (use aparelho compatível
medicamentos, e suas indicações. risco (perda de peso intensa, dietas rígidas, com a circunferência braquial).
• Alguns medicamentos podem episódios de grande e rápida ingestão de b. Diagnostique hipertensão se PA ≥
influenciar tanto a ingestão alimentar alimentos, uso de métodos compensató- 140/90 confirmada em pelo menos
quanto o gasto calórico: antipsicóticos, rios ou purgativos – vômito, laxantes, medo 3 ocasiões distintas espaçadas em
estabilizadores de humor e de ganhar peso, alterações menstruais). período ≥ 1 semana cada.
anticonvulsivantes, antidepressivos, • Os distúrbios alimentares mais
antidiabéticos (insulina), hormônios comuns são a anorexia nervosa, a Para indivíduos com IMC ≥ 25 e um ou mais
(corticoides e anticoncepcionais), bulimia nervosa e o transtorno da fatores de risco para DM
betabloqueadores. compulsão alimentar periódica. Eles a. Investigue causas secundárias a obesidade:
• Avalie se existem alternativas menos podem estar associados. • Se ganho de peso sem aumento de
prejudicais. • Envolva a equipe NASF-AB e encaminhe apetite, desânimo, pele seca, piora/
para atenção especializada utilizando nova constipação, intolerância ao frio:
• O uso excessivo de álcool pode estar
os fluxos locais de encaminhamentos. solicite TSH.
relacionado à obesidade.
• O tratamento é feito por equipe multi- • Se face em lua e obesidade do tronco e
5. Estresse e depressão disciplinar especializada (psiquiatra, pernas/ braços finos, estrias violáceas:
Pergunte se no último mês, sentiu: terapeuta, nutricionista, assistente so- considere Sdr de Cushing e investigue.
a. desanimado, deprimido, sem cial, entre outros). Mantenha acompa- b. Menos de 1% das pessoas obesas têm
esperanças ou nhamento também na AB. causas secundárias identificáveis. Não
b. pouco interesse ou prazer em fazer as solicite exames de rastreamento para
coisas? 7. Apneia obstrutiva do sono (AOS) essas causas sem suspeita clínica.
• Se sim para qualquer uma das a. Se roncos persistentes, gasping, c. As causas secundárias mais comuns são
perguntas, considere investigar despertares e insônia: investigue. Síndrome de Cushing e hipotireoidismo.
estresse, tristeza e depressão. b. A obesidade está fortemente associa- d. Hipotireoidismo costuma aumentar
da com a AOS e é um fator adicional pouco o peso.
de risco cardiovascular e de outras e. Considere outras causas de acordo com
comorbidades. julgamento clínico.

63
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Para indivíduos com IMC ≥ 25 e idade entre b. Considere IMC ≥ 40 um fator de risco Abordagem recomendada para a pessoa com
40 e 75 anos cardiovascular adicional. sobrepeso e obesidade
Investigue risco cardiovascular: c. Não interprete os valores do exame de
• Solicite colesterol total, HDL e colesterol de forma isolada, use uma Se sobrepeso (IMC entre 25-29,9) e sem co-
triglicerídeos, e analise em conjunto calculadora de risco cardiovascular. morbidades: planos de cuidado para retornar à
faixa de IMC normal ou não ganhar mais peso –
com status de diabetes, status de d. Se resultado do perfil lipídico vier ofereça grupos e cursos que tem boa evidência
tabagismo, PA e presença ou não de alterado, confirme com um novo de efetividade e otimizam a oferta do cuidado
outros fatores de risco cardiovascular exame antes de iniciar tratamento para essas pessoas.

• Use uma das calculadoras de risco farmacológico ou definir um


cardiovascular disponíveis. diagnóstico. Se sobrepeso (IMC entre 25-29,9) e com comor-
bidades (como HAS e DM): além da oferta de
e. Se colesterol total > 310mg/dL ou grupos e cursos sugere-se que a eSF avalie com
Para indivíduos com IMC ≥ 30 LDL > 190mg/dL: investigue hiperco- a equipe NASF-AB a necessidade de prescrição
a. Investigue causas secundárias da lesterolemia familiar e outras causas, dietética individual pelo nutricionista (tanto do
NASF-AB como de outro ponto da RAS).
obesidade: sugere-se iniciar investigação com
• Se ganho de peso sem aumento de TSH.
Se obesidade (IMC ≥ 30) com ou sem comor-
apetite, desânimo, pele seca, piora/ f. Se triglicerídeos ≥ 500mg/dL, considere
bidades: a abordagem para uma perda susten-
nova constipação, intolerância ao frio: causas secundárias, mudanças tada de peso deve ser feita de forma multidis-
solicite TSH. de estilo de vida e tratamento ciplinar, envolvendo a equipe NASF-AB sempre
que disponível: nutricionista, educador físico e
• Se face em lua e obesidade do medicamentoso (fibrato) para reduzir
psicólogo.
tronco e pernas/ braços finos, estrias risco de pancreatite aguda.
violáceas: considere Síndrome de
Cushing e investigue. A partir da classificação por meio do O manejo sustentado do peso passa por
• Use julgamento clínico para calcular IMC e a avaliação de fatores de risco e intervenções comportamentais de mudanças
o risco cardiovascular em menores comorbidades podemos propor algumas de estilo de vida, como restrição alimentar e
de 40 anos. Alguns estudos somente ações dependendo do estado de saúde da aumento de atividade física, farmacoterapia
encontraram benefícios em rastrear pessoa (BRASIL, 2014b; JENSEN, 2014): e cirurgia bariátrica.
dislipidemia para calcular o risco
cardiovascular em pessoas ≥ 40 anos.

64
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

A mudança do estilo de vida continua fatores de risco como diabetes, hipertensão 3.3.2 Mudança de comportamento
sendo considerada como a principal forma (CURRY, 2018). As intervenções comportamentais combi-
de tratar a obesidade, mas a aderência é O médico da eSF pode avaliar e indicar nam informações de atividade física segura
baixa e o sucesso a longo prazo é modesto, o uso de algum medicamento nos casos e alimentação saudável, visando a perda de
refletindo as dificuldades tanta dos usuários que possam vir a se beneficiar dessa peso com técnicas cognitivo comportamen-
quanto dos profissionais de saúde (LAU, intervenção. Também pode contar com tais que ajudam a pessoa a manter seu peso
2007). A principal intervenção que os profis- o apoio matricial, quando disponível, de e as mudanças de estilo de vida.
sionais da equipe de saúde da família devem um médico endocrinologista ou então Intervenções comportamentais intensi-
investir é na mudança do estilo de vida e encaminhar a pessoa com indicação de vas são efetivas para o manejo da obesida-
dieta, objetivando diminuir a ingesta de ca- farmacoterapia de acordo com os protocolos de, sendo consideradas a primeira linha de
lorias e aumentar o gasto energético através de encaminhamento disponíveis e pactuados tratamento para obesidade. O United States
de uma dieta balanceada e um programa de em seu município. Preventive Services Task Force (USPSTF)
exercícios. recomenda que essas intervenções devem
ter as seguintes características (Grau de re-
comendação B pelo USPSTF) (CURRY, 2018):
O tratamento é lento. O acolhimento
Telessaúde • Serem projetadas para ajudar as
pela equipe de saúde nos momentos pessoas a alcançar ou manter uma
de insucesso e o estímulo para reini-
ciar o processo são essenciais para perda de peso ≥ 5% através de uma
Tire dúvidas sobre o diagnóstico e
o benefício em longo prazo. combinação de mudanças na dieta e
tratamento do sobrepeso e obesi-
aumento da atividade física.
dade pelo telefone:
• Ter duração entre 1-2 anos, sendo
Ainda não há evidências suficientes para 0800 644 6543 em torno de 12 ou mais sessões no
indicar farmacoterapia como primeira linha primeiro ano.
De segunda a sexta-feira das 8 às
de tratamento para todos as pessoas com • Concentrar-se na resolução de
17h (horário de Brasília).
IMC ≥ 25. O uso de medicamentos deve ser problemas para identificar barreiras,
Ligação gratuita.
reservado para pessoas com obesidade no auto monitoramento de peso, apoio
(IMC ≥ 30) ou com IMC ≥ 27 e com outros e prevenção de recaídas.

65
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

• Fornecer ferramentas para apoiar a É fundamental que todo profissional de a. Expressar empatia
perda de peso ou manutenção de perda saúde busque constantemente aprimorar • Aceitar as pessoas como elas são
de peso (por exemplo, pedômetros, suas habilidades de comunicação e de liberta-as para as mudanças. A não-
balanças de alimentos ou vídeos de tomada de decisão compartilhada/shared aceitação insistente pode ter o efeito
exercícios). decision com a pessoa. A formação da de mantê-las do jeito que estão.
Para qualquer abordagem sobre manejo maioria dos profissionais de saúde é frágil • Evitar frases como ‘Você não está
do peso é importante que você desenvolva em técnicas de comunicação clínica como bem. Você tem que mudar’.
habilidades de comunicação empáticas. a entrevista motivacional, que, quando
Procure manter contato visual ao interagir aplicada, contribui para ajudá-lo de forma b. Desenvolver discrepância
com a pessoa. Faça perguntas abertas mais efetiva a fazer mudanças positivas na • Mostrar discrepância entre
e contextualizadas com a realidade da saúde das pessoas. comportamento atual e suas metas
pessoa, sua condição de vida, cultura, rotina Um dos primeiros passos para abordar pessoais e o que pensa que deveria
doméstica e de trabalho e seus hábitos a pessoa com obesidade é identificar qual fazer.
alimentares (BRASIL, 2014b). a motivação para fazer mudanças nos seus • Conscientizar das consequências.
hábitos de vida. Para isso, sugere-se que • Deixar que a pessoa apresente os
você use técnicas como as propostas pela argumentos da mudança.
Use este curso para capacitar a
equipe e envolva toda a eSF – e, se
entrevista motivacional, que é uma técnica • ‘Como você se imagina no futuro? O
possível, a equipe NASF-AB – para cognitivo-comportamental para tornar a que está fazendo para atingir essa
juntos elaborarem uma estratégia abordagem para mudanças de estilo de vida meta?’
clara de abordagem da pessoa com
obesidade envolvendo todos os pro-
mais eficaz.
fissionais e seus potenciais. Propo- Estes são os princípios gerais da c. Evitar a confrontação/argumentação
nha que as sessões motivacionais entrevista motivacional e algumas dicas de • Defender gera atitudes de defesa.
para a perda de peso envolvam con-
sultas individuais ou coletivas com
como você pode abordar a pessoa sobre seu • A resistência é um sinal para mudar a
os profissionais médico, enfermeiro, peso e motivá-la a fazer mudanças de no seu estratégia.
técnico de enfermagem e ACS, as- estilo de vida (ROLLNICK, 2009): • Rotulação é desnecessária, evite
sim como os profissionais NASF-AB
mais pertinentes.
termos como “negação”, “dependente”,
“resistência”.

66
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

d. Acompanhar a resistência de estímulo e informações de saúde, h. Ajudar ativamente


• Entender que a ambivalência e a entre outras possibilidades. • Tome iniciativas que demonstrem
resistência são normais. • Desenvolva competência cultural: preocupação com a pessoa – telefonar,
• Use da própria argumentação da conheça como a pessoa se relaciona enviar bilhetes, e-mails, mensagens
pessoa para contra-argumentar. com o corpo, a saúde, alimentação de celular. Envolva os técnicos de
• Ofereça alternativas. e atividades físicas. Proponha enfermagem e ACS nessa tarefa.
mudanças compatíveis com as rotinas
e. Promover a autoeficácia domésticas e laborais. Na tabela a seguir você encontra como
• Encoraje a própria pessoa a fazer a identificar em que estágio de mudança
mudança. Use mensagens de estímulo. g. Proporcionar escolhas a pessoa se encontra e qual a melhor
• Faça uma tomada de decisão abordagem:
f. Remover barreiras compartilhada, dando opções à
• Identifique quais são as principais pessoa (‘Para melhorar o controle
barreiras e dificuldades que a pessoa de sua diabetes podemos tentar
percebe para que possa perder peso e diminuir o peso e melhorar a dieta,
manter essa perda. ou então acrescentar mais um
• Facilite acesso às consultas, procure medicamento. O que você prefere?’).
conhecer formas de organizar melhor Diminuir os aspectos indesejáveis do
a agenda, como o acesso avançado. comportamento.
• Use ferramentas de comunicação • Converse sobre prós e contras de
não presencial como serviços manter determinados comportamentos
de mensagens instantânea pelo e escolhas de estilo de vida. Sugira
WhatsApp, ligações telefônicas e que faça uma lista.
e-mail para agendamento de consultas,
dúvidas sobre alimentação saudável
e outras questões de saúde, além de
encaminhar ativamente mensagens

67
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Estágio de Mudança Como identificar? O que fazer?

• Faça perguntas e gere reflexão sobre a associação da obesidade com problemas de saúde da pessoa (‘En-
tendo que não tem desejo no momento de fazer mudanças para melhorar seu peso, porém é importante que
Não pretende, não deseja
lhe informe que essa dor no joelho que sente tem relação com o peso e pode melhorar com o controle’).
Pré-contemplação ou não é prioridade perder
• Ofereça informações claras sobre riscos da obesidade e benefícios de controlar o peso. Procure dar
peso nos próximos meses
informações relacionadas aos problemas e preocupações da pessoa. Forneça material informativo im-
presso ou encaminhe para e-mail ou WhatsApp. Sugira vídeos/filmes sobre o assunto.

• Ofereça informações claras sobre riscos da obesidade e benefícios de controlar o peso. Procure dar
Está pensando sobre
informações relacionadas aos problemas e preocupações da pessoa. Forneça material informativo im-
perder peso nos próximos
presso ou encaminhe para e-mail ou WhatsApp. Sugira vídeos e filmes sobre o assunto.
Contemplação meses, mas não está
• Ofereça informações sobre estratégias e opções para perda de peso para quando ela quiser começar a
preparada para isso no
fazer mudanças em seus hábitos.
momento – ambivalência
• Converse sobre vantagens e desvantagens das mudanças de estilo de vida necessárias para o controle do peso.

Está motivada e pronta para • Ajude a desenvolver um plano, ofereça estratégias e ajude a escolher, de modo personalizado, a melhor.
Preparação
começar modificações no • Identifique junto com a pessoa situações de risco e estratégias de como lidar com elas. Por exemplo,
para a ação
seu estilo para perder peso como fazer para melhorar sua alimentação sendo que ela almoça todo dia no refeitório do emprego.

Está fazendo modificações • Encoraje e parabenize por cada pequena conquista.


Ação
há < 6 meses • Esteja disponível para dúvidas.

Está fazendo modificações • Elogie pelo sucesso.


Manutenção
há > 6 meses • Reforce estratégias para prevenir recaídas.

• Não puna. Tranquilize a pessoa, é natural recair uma ou mais vezes até concretizar definitivamente as
Estava fazendo
mudanças.
modificações, mas
• Identifique, junto com a pessoa, as situações de risco relacionadas à recaída.
Recaída retomou hábitos de
• Estabeleça estratégias de controle.
vida que aumentaram
• Encoraje a recomeçar e esteja disponível (‘Quando estiver pronta para recomeçar estamos disponíveis
novamente seu peso
para uma tentativa com mais sucesso’).

Fonte: BRASIL, 2014b; ROLLNICK, 2009

68
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

A figura a seguir ilustra a proposta de a. Peça ‘permissão’ à pessoa antes de falar alimentares são aprendidos na família
‘Mecanismo da Porta Giratória’ apresentada sobre o seu peso e obesidade. Apesar de (BRASIL, 2014b). Na infância, muitas
pela entrevista motivacional, que explica parecer estranho pedir permissão para famílias usam da comida como forma de
como a motivação da pessoa e os estágios discutir um problema clínico, essa atitu- recompensa ou punição.
de mudança de movimentam e se repetem de garante a autonomia da pessoa e é
até o momento que há uma percepção da uma forma estratégica e respeitosa para c. Procure fazer isso ao longo de vários
pessoa e do profissional que a mudança de abordar um assunto tão sensível. Se a encontros com a pessoa, não são
consolidou (“cura”): pessoa declinar, coloque-se à disposi- necessárias consultas longas. Utilize
ção para abordar esse assunto quando ferramentas como o genograma para
Pacientes ela quiser e retome em outro momento ajudar a conhecer melhor a pessoa, além
“Cura” pertinente. de identificar se existem mais pessoas
Recaída novos
• ‘Ao avaliar sua altura e peso, o obesas na família, se há outras condições
resultado pode contribuir para alguns crônicas associadas como depressão
de seus problemas de saúde atuais e e se há um padrão geracional para a
Manutenção Pré-contemplação também futuros. Tudo bem para você obesidade. Qualquer pessoa da equipe
conversarmos sobre essas questões?’ pode ser treinada e aprender a fazer um
genograma para ajudar a entender quem
b. Seja sistemático na abordagem clínica. são os familiares e suas relações.
Ação Contemplação Faça uma abordagem centrada na pessoa • ‘O que você sabe sobre o excesso de
e avalie suas ideias, preocupações e peso e como ele pode ser prejudicial?’
expectativas. Conheça a história clínica • ‘Você tem alguma ideia de qual a causa
e de ganho de peso (possíveis causas do excesso de peso?’
e eventos relacionados ao ganho de • ‘Você tem alguma preocupação com o
A seguir, você encontra sugestões de peso, as barreiras para as mudanças excesso de peso?’
como estruturar a abordagem da pessoa de comportamento), as motivações, • ‘Como você acredita que posso lhe
com obesidade (KAHAN, 2019): barreiras e determinantes sociais da ajudar em relação a esse problema?’
pessoa. Considere o contexto familiar • ‘Você tem interesse em orientações
da pessoa – a alimentação e hábitos para perda de peso e atividade física?’

69
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

• ‘Quais são suas dificuldades em relação f. Defina metas realistas e significativas subjetivas de melhora de energia,
à perda de peso?’ de perda de peso. Como meta inicial mobilidade, sintomas dolorosos.
• ‘O que você já tentou fazer?’ proponha uma perda de 5-10% do peso Como já mencionamos, é fundamental
• ‘O que deu certo e o que não deu basal em 6 meses (JENSEN, 2014). Defina que todos os membros da eSF e também
resultado?’ como meta também aumentar a atividade os profissionais pertinentes da equipe
física (MURTAGH, 2015). NASF-AB estejam envolvidos. Além de
d. Avalie a pessoa com obesidade. Procure especialistas da atenção secundária e
por outras doenças crônicas, problemas g. Intensifique tratamento quando terciária, quando pertinente. Também
de saúde e que afetem a qualidade de apropriado. Se necessário, ofereça é recomendado que utilize ferramentas
vida para avaliar a severidade da doença de medicamentos: IMC ≥ 30 ou IMC de telemedicina ou aplicativos de
e a intensidade de tratamento necessária. ≥ 27 e com outros fatores de risco smartphones e outros recursos digitais
como diabetes, hipertensão. Considere como aliados nesse manejo. Conheça
e. Ofereça aconselhamento e suporte encaminhar para cirurgia bariátrica se e ofereça recursos comunitários como
motivacional personalizado, com base IMC ≥ 50, IMC ≥ 40 sem sucesso com o grupos, clínicas, programa de instituições
nos interesses, valores e preferências tratamento convencional por pelo menos de ensino e outros que ofereçam
da pessoa. Não existe a ‘melhor 2 anos ou IMC ≥ 35 com comorbidades informações, consultas e encontros para
dieta’, oriente estratégias de redução mais severas. o manejo da perda de peso.
da quantidade de calorias ingeridas, Procure conhecer os tratamentos Combine retornos frequentes (mensais
encorajando o consumo de alimentos farmacológicos disponíveis para ofertá- ou cada três meses) com a pessoa para
integrais e diminuindo o de alimentos los na AB, sem ter necessariamente que avaliar a perda de peso e motivá-la. Divida
ultraprocessados e açucarados. Utilize encaminhar a pessoa. esses encontros entre os membros da
o Guia alimentar para a população equipe que a pessoa tenha vínculo, por
brasileira. Maneje as expectativas da h. Acompanhe com regularidade e utilize exemplo, em um encontro ela vem em
pessoa para que sejam realistas (perder os recursos disponíveis. O manejo de consulta com o médico; em outro, com
de 5-10% do peso ao longo de alguns obesidade demanda diversas consultas, o enfermeiro, podendo ter encontros
meses como forma de melhorar a saúde mensurações periódicas de peso, altura, ocasionais para medição do peso e
geral). Perdas maiores devem ser metas IMC, circunferência abdominal e outros orientações curtas com o técnico de
adicionais ao longo do tempo. fatores de risco, além de avaliações enfermagem ou ACS.

70
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

3.3.3 Alimentação saudável dieta é superior a outro em relação à perda Conheça os 10 passos para uma
A eSF deve propor orientações gerais sobre de peso sustentada em > 1 ano (BMJ BEST alimentação adequada e saudável do Guia
hábitos alimentares saudáveis com o objetivo PRACTICE, 2019). Alimentar para População Brasileira (2014):
de reduzir gordura corporal e alcançar um Prefira orientar dietas com componentes
IMC < 25. É importante pactuar em equipe, alimentares mais saudáveis: redução de 1. Fazer de alimentos in natura ou
envolvendo os ACS e técnicos de enfermagem, carboidratos refinados, carne processada e minimamente processados a base da
quais as orientações alimentares gerais que alimentos com alto teor de sódio e gordura alimentação.
todos devem recomendar aos usuários. trans; moderação no consumo de carne 2. Utilizar óleos, gorduras, sal e açúcar em
Há diversos tipos de dietas que podem co- vermelha, aves, ovos e leite; consumo elevado pequenas quantidades ao temperar e
laborar para a perda de peso, desde que as- de frutas, sementes, peixes, vegetais, óleos cozinhar alimentos e criar preparações
sociadas à redução do consumo de calorias vegetais, grãos integrais não processados, culinárias.
(dieta mediterrânea, vegetariana, hiperpro- legumes e iogurtes (PERREAULT, 2019b). 3. Limitar o consumo de alimentos
teica, entre outras) (JENSEN, 2014). Ajude a Se a pessoa optar por uma dieta de baixo processados.
pessoa a escolher qual melhor se encaixa em consumo de carboidratos, oriente escolhas 4. Evitar o consumo de alimentos
sua condição de vida e saúde, discuta com saudáveis para as gorduras (mono e poli- ultraprocessados.
nutricionista da equipe NASF-AB sobre os ris- insaturada) e proteínas (peixes, sementes, 5. Comer com regularidade e atenção,
cos e benefícios de cada uma delas. legumes e aves). Se optar por uma dieta em ambientes apropriados e, sempre
O foco das mudanças na dieta é garantir de baixo consumo de gordura, oriente que possível, com companhia.
que a ingestão de calorias seja menor que aumentar consumos de carboidratos 6. Fazer compras em locais que ofertem
o gasto. Há algumas evidências favoráveis saudáveis (frutas, vegetais, grãos integrais) variedades de alimentos in natura ou
limitadas às dietas com baixo índice (PERREAULT, 2019b). minimamente processados.
glicêmico e de carboidratos, e também às As orientações não devem ser regras, cada 7. Desenvolver, exercitar e partilhar
dietas com baixo teor de carboidratos e alto pessoa tem um estilo e modo de vida próprios, habilidades culinárias.
de proteínas parecem proporcionar uma assim como diferenças culturais que devem 8. Planejar o uso do tempo para dar à
perda maior de peso em seis meses e maior ser sempre respeitadas. Seja realista e evite alimentação o espaço que ela merece.
satisfação do que as dietas hipogordurosas. proibir a pessoa de consumir seus alimentos 9. Dar preferência, quando fora de casa,
Porém, as evidências são conflitantes mais desejados, aconselhe sobre quantidade a locais que servem refeições feitas na
e não conseguiram provar que um tipo de e frequência (MURTAGH, 2015). hora.

71
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

10. Ser crítico quanto a informações, orientações e mensagens


sobre alimentação veiculadas em propagandas comerciais.

A seguir, veja algumas orientações mais específicas baseadas


nos 10 passos da alimentação saudável (BRASIL, 2014a; MURTAGH,
2015):

Orientações para uma alimentação saudável Coma diariamente, pelo menos, três porções de legumes e verdu-
ras como parte das refeições e três porções ou mais de frutas nas
sobremesas e lanches.
Refeições saudáveis tem alimentos variados, coloridos e saborosos. • Se possível, consuma alimentos com casca e bagaço. Isso ajuda
a dar sensação de saciedade.

Faça, pelo menos, três refeições (café da manhã, almoço e jantar) e


dois lanches saudáveis por dia. Não pule as refeições. Coma feijão com arroz todos os dias ou, pelo menos, cinco vezes por
semana. Esse prato brasileiro é uma combinação completa de proteí-
• Procure fazer três refeições ao dia, intercaladas com pequenos nas e bom para a saúde.
lanches. Evite grandes volumes de alimentos em cada refeição;
• Evite consumir bolachas e biscoitos, são ricos em sódio (sal) e
procure reduzir o tamanho dos pratos, use pratos menores.
gordura.
• Procure conhecer a quantidade de calorias e gorduras de cada
alimento. Às vezes, pequenas quantidades de certos alimentos
Consuma diariamente três porções de leite e derivados e uma por-
são mais prejudiciais para a perda de peso do que maiores quan-
ção de carnes, aves, peixes ou ovos. Retirar a gordura aparente das
tidades de outros.
carnes e a pele das aves antes da preparação torna esses alimen-
• Evite substituir refeições por lanches como salgados, sanduí- tos mais saudáveis.
ches, fast food, junk food. • Escolha leite e laticínios desnatados sempre que possível.

Inclua diariamente seis porções do grupo de cereais (arroz, milho, Consuma, no máximo, uma porção por dia de óleos vegetais, azeite,
trigo, pães e massas), tubérculos (como as batatas) e raízes (como manteiga ou margarina.
a mandioca/macaxeira/aipim) nas refeições. Dê preferência aos
• Fique atento aos rótulos dos alimentos e escolha aqueles com
grãos integrais e aos alimentos naturais.
menores quantidades de gorduras trans.
• Sempre que possível consuma alimentos integrais.
• Evite frituras em geral.

72
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Orientações para uma alimentação saudável Saiba a diferença entre alimentos diet e light e que, em alguns ca-
sos, um produto diet pode ser até mais calórico do que o não diet
(como o chocolate diet, em cujo processo de produção é retirado o
Evite refrigerantes e sucos industrializados, bolos, biscoitos doces
açúcar e aumentada a quantidade de gordura).
e recheados, sobremesas doces e outras guloseimas como regra
da alimentação. • Diet: produto que apresenta restrição de algum tipo de nutriente,
geralmente açúcar, mas também pode ser isento de gorduras,
• Evite o consumo de biscoitos, bolos e em bebidas açucaradas
proteínas, sódio e outros. Inicialmente, foram desenvolvidos
(refrigerantes, refrescos artificiais).
“sem açúcar” para os diabéticos, mas, com o tempo, os alimen-
tos foram se diversificando e passaram a atender a uma série de
Diminua a quantidade de sal na comida e retire o saleiro da mesa. outras necessidades de saúde e de estética.
Evite consumir alimentos industrializados com muito sal (sódio), • Light: alimentos que apresentam redução calórica ou de outros
como hambúrguer, charque, salsicha, linguiça, presunto, salgadi- componentes de, pelo menos, 25% em relação ao produto ori-
nhos, conservas de vegetais, sopas, molhos e temperos prontos. ginal. Para que isso seja feito, há uma redução na quantidade
• Dê preferência ao uso de temperos naturais, como tomate, ce- de algum nutriente, como carboidratos, gorduras, proteínas ou
bola, alho, louro, limão, vinagre, cheiro-verde, ervas, em vez de sódio.
temperos condimentados, picantes e industrializados.
Adoçantes ou ‘edulcorantes’ são substâncias naturais ou artificiais
Beba, pelo menos, dois litros (seis a oito copos) de água por dia. com poder adoçante. Podem ser indicados para pessoas com ex-
Dê preferência ao consumo de água nos intervalos das refeições. cesso de peso e para aquelas que necessitam controlar o ganho de
peso. Porém, é necessário ter cuidado para não exagerar no consu-
mo e não extrapolar na quantidade diária máxima permitida. O uso
Torne sua vida mais saudável. Pratique, pelo menos, 30 minutos em excesso pode trazer prejuízo à saúde.
de atividade física todos os dias e evite as bebidas alcoólicas e o
fumo. Mantenha o peso dentro de limites saudáveis.

Evite dietas da moda, elas criam expectativas irreais em relação à Procure oferecer informações e orientações impressas com
velocidade e quantidade de perda de peso, sendo que seu sucesso dicas simples e pequenos passos para uma mudança de hábitos ali-
é atribuído à motivação inicial das pessoas pelo contato com algo mentares. Lembre-se de adaptar essas informações para a cultura
novo e aos fracassos das tentativas anteriores.
e hábitos locais.
• Elas podem levar a deficiências nutricionais se mantidas por
muito tempo.
• A modificação gradual e sustentável de hábitos de vida levam a
um melhor controle do peso.

73
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

Articule com a equipe NASF e Agentes Benefícios da prática de atividade física A maior razão para iniciar atividade física
Comunitários de Saúde propostas como nessa fase é começar uma mudança que
cursos de alimentação saudável, grupos de Melhora da capacidade cardiovascular e respi- será útil na manutenção do peso perdido
apoio a mudanças de estilo de vida e perda ratória, resistência física e muscular, densidade (SCHMIDT, 2014).
óssea e da mobilidade articular
de peso, grupos de caminhada, entre outras Veja algumas orientações sobre como
iniciativas. aconselhar a redução de atividades sedentá-
Melhora da pressão arterial em hipertensos
Nos casos de obesidade (IMC ≥ 30), além rias e aumento da atividade física (BRASIL,
da abordagem geral proposta para o médico Melhora do nível de colesterol, da tolerância à gli-
2014b; NEUMANN, 2019; SCHMIDT, 2014):
e enfermeiro da eSF, há a necessidade de cose e da ação da insulina • Estimule atividades ao ar livre ao invés de
envolver o profissional nutricionista para passeio em ambientes fechados, como
esboçar um plano alimentar personalizado Melhora do sistema imunológico shoppings.
e promover uma reeducação alimentar • Conheça a rotina de atividades cotidianas
sustentável. Geralmente, os médicos e Diminuição do risco de cânceres de cólon e de mama (caminhadas, uso de escadas, trabalhos
enfermeiros não têm tempo suficiente e domésticos), antes de propor mudanças ou
conhecimentos adequados para recomendar Prevenção de osteoporose e diminuição de lom- novas atividades.
balgias
um plano alimentar personalizado. • Oriente que mesmo pequenos aumentos
no nível de atividade física podem trazer
Aumento da autoestima, diminuição da depres-
3.3.4 Atividade física são, alívio do estresse benefícios.
A prática de atividades físicas é um • Ajude a pessoa a escolher qual a melhor
componente integral do programa de perda Aumento do bem-estar e redução do isolamento forma de aumentar a atividade física
de peso e principalmente na sua manutenção social (danças, lutas, esportes, jogos, ginástica,
(LAU, 2007). É determinante para aumentar Fonte: BRASIL, 2014b.
práticas orientais – como o tai chi chuan,
o gasto de calorias. Sua prática regular está o shiatsu, a ioga – caminhada, corrida) e
relacionada com uma série de benefícios: Importante observar que a atividade física quais as atividades sedentárias é possí-
sozinha reduz pouco o peso, pois a maioria vel reduzir.
das pessoas não tem tempo ou motivação • Incentive diminuir tempo de uso de
para realizar a quantidade necessária de ati- aparelho de TV. Evite assistir TV enquanto
vidade para perder 5 a 10% do peso corporal. faz a refeição.

74
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

• Recomende a prática de, no mínimo, 150 IMC ≥ 30. Nesses casos, quando possível 3.5 QUANDO ENCAMINHAR O USUÁRIO
minutos de exercícios moderados por e viável, sugere-se que a pessoa faça uma PARA OUTRO PONTO DE ATENÇÃO
semana para a manutenção do peso e da avaliação com o educador físico.
saúde e mais de 150 minutos por semana É importante que você conheça e
para promover o emagrecimento e evitar 3.4 PRÁTICAS INTEGRATIVAS E esteja ciente dos protocolos e fluxos de
a recuperação do peso COMPLEMENTARES encaminhamentos locais para atenção
• Oriente a prática diária de, ao menos, secundária e terciária, como acessar cirurgia
30 minutos de atividade física (uma Algumas práticas integrativas e bariátrica e qual o fluxo para o manejo da
caminhada por exemplo), sendo que complementares também podem ser usadas pessoa após a cirurgia bariátrica, bem como
para a perda de peso esse tempo como adjuvantes para a perda de peso: quais são os exames e procedimentos que
deve ser maior. Pode-se começar com devem já ser solicitados para agilizar o
caminhadas rápidas de 10 minutos Práticas integrativas e complementares como manejo da pessoa.
3x/dia em 3x/semana, crescendo de recurso adicional para a perda de peso Os critérios geralmente aceitos para
forma gradual até 30 a 60 minutos, 3x/ encaminhamento de pessoas com obesidade
Há associação entre acupun-
semana ou até diariamente. Pode-se Acupuntura tura e significativa redução de para a atenção secundária e cirurgia
distribuir o tempo de atividade física peso. bariátrica são os seguintes:
em, no mínimo, três dias da semana, • Suspeita de obesidade secundária
Também pode ser usada. Em
evitando concentrações que possam ser alguns estudos demonstra es- (HAS refratária e/ ou presença de
Auriculoterapia
cansativos ou desestimulantes. tar associada a uma pequena algum dos sinais/sintomas: face
• Oriente que atividades aeróbicas redução de peso. cushingoide, estrias violáceas
(caminhar, correr, nadar, pedalar etc.) Alguns estudos associam à principalmente em região abdominal,
Mindfullness
contribuem significativamente para a perda e manutenção de peso. equimose espontânea, fraqueza
redução de peso. proximal importante).
Uma revisão encontrou evi-
• Muitos médicos e enfermeiros acabam não dências que a prática de yoga Veja mais detalhes na tabela a seguir.
tendo tempo suficiente ou conhecimentos Yoga pode reduzir peso em pes-
adequados para personalizar recomenda- soas com sobrepeso ou obe-
sidade.
ções de exercícios físicos, especialmente
para pessoas com comorbidades ou com Fonte: PERREAULT, 2019c; STANFORD, 2018b.

75
ABORDAGEM DO SOBREPESO AÇÕES INDIVIDUAIS PARA
E OBESIDADE NA ATENÇÃO A ABORDAGEM DO
PRIMÁRIA EM SAÚDE SOBREPESO E OBESIDADE

As cirurgias bariátricas são um conjunto


de técnicas cirúrgicas para a redução do Cirurgia Bariátrica
peso e o tratamento de doenças que estão
associadas ou que são agravadas pela Critérios de encaminhamento Contraindicações
obesidade. Não são isentas de complicações
e necessitam de que a pessoa esteja
· IMC ≥ 50 · Limitação intelectual e sem suporte
· IMC ≥ 40 sem sucesso com o familiar adequado
motivada e informada sobre a necessidade tratamento convencional por pelo · Transtorno psiquiátrico não controlado
de acompanhamento pós-cirúrgico para menos 2 anos
· Doença cardíaca ou pulmonar grave e
evitá-las, além da necessidade de reposição · IMC ≥ 35 com comorbidades mais descompensada
severas ou descompensadas
de vitaminas e dieta específica para evitar
(alto risco cardiovascular, DM ou
· Hipertensão portal com varizes
desnutrição e deficiências. HAS descompensadas/de difícil
esofágicas
controle, apneia do sono, doenças · Risco de sangramento digestivo
articulares sem melhora com · Síndrome de Cushing por
É importante que as eSF mantenham tratamento clínico convencional hiperplasia suprarrenal não tratada
o vínculo com os indivíduos enquan-
to são assistidos nos serviços de
por pelo menos 2 anos) · Tumores endócrinos
Atenção Especializada, assim como
com as equipes de profissionais
desses serviços, de forma a desem-
penhar seu papel de coordenação do ENCERRAMENTO DA UNIDADE
cuidado na RAS. A eSF também deve
continuar oferecendo outras opções
terapêuticas (grupos de caminhada, Nesta unidade revisamos os principais Esperamos que você esteja mais
atividade física etc.) para acompa- aspectos da abordagem individual de familiarizado e confiante em como
nhar de forma conjunta a evolução
do tratamento desses indivíduos.
pessoas com sobrepeso e obesidade na rastrear, diagnosticar, avaliar o sobrepeso
APS, bem como reconhecemos o potencial e obesidade em seu território. Tenha à
que a eSF e o apoio matricial interdisciplinar mão essas orientações práticas para que
dos profissionais dos NASF-AB têm para qualquer dúvida durante a abordagem
essa abordagem. individual elas possam servir de suporte à
tomada de decisão junto ao usuário.

76
REFERÊNCIAS

ARAUJO, Alexandro Moura; RIBEIRO, BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de


Eduardo Magalhães. Feiras, feirantes e Atenção à Saúde. Departamento de Atenção
abastecimento: uma revisão da bibliografia Básica. Coordenação Geral da Política de
brasileira sobre comercialização nas feiras Alimentação e Nutrição. A promoção da
livres. Estudos Sociedade e Agricultura, v. alimentação saudável como instrumento
26., n.3, p. 561-583, 2018. de prevenção e combate ao sobrepeso
eobesidade. Ministério da Saúde, Secretaria
AZEVEDO, Elaine de; PELICIONI, Maria
de Atenção à Saúde, Departamento de
Cecília Focesi; WESTPHAL, Marcia Faria.
Atenção Básica. Brasília, 2003.
Práticas intersetoriais nas políticas públicas
de promoção de saúde. Physis: Revista de BRASIL. Manual para implantação de
Saúde Coletiva, v. 22, p. 1333-1356, 2012. restaurantes populares. Brasília, 2004.

BMJ BEST PRACTICE. Obesidade em BRASIL. Política Nacional de Assistência


adultos. BMJ Best Practice, 2019. Social – PNAS/2004; Norma Operacional
Disponível em: <https://bestpractice.bmj. Básica – NOB/Suas. Brasília: Ministério do
com/topics/pt-br/211?q=Obesidade%20 Desenvolvimento Social e Combate à Fome.
em%20adultos&c=suggested>. Acesso em Secretaria Nacional de Assistência Social,
20 maio 2019. 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Anais da 8ª BRASIL. Lei nº 11.346, de 15 de setembro


Conferência Nacional de Saúde. 1986. de 2006. Cria o Sistema Nacional de
Segurança Alimentar e Nutricional – Sisan
BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de
com vistas em assegurar o direito humano
1990. Lei Orgânica da Saúde. Dispõe sobre
à alimentação adequada e dá outras
as condições para a promoção, proteção
providências. Diário Oficial da União,
e recuperação da saúde, a organização
setembro de 2006a.
e o funcionamento dos serviços
correspondentes e dá outras providências.
Brasília, set. 1990.

77
REFERÊNCIAS

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de e Nutrição. 1. ed., 1. reimpr. Brasília: Atenção Básica. Estratégias para o cuidado
Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Ministério da Saúde, 2013. da pessoa com doença crônica: Obesidade.
Básica. Alimentos regionais brasileiros. 2. Brasília: Ministério da Saúde, 2014e.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de
ed. Brasília : Ministério da Saúde, 2015.
Atenção à Saúde. Departamento de Atenção BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria
BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Básica. Guia alimentar para a população de Atenção à Saúde. Departamento de
Fundo Nacional de Desenvolvimento da brasileira. 2. ed., 1. reimpr. Brasília: Atenção Básica. Orientações para avaliação
Educação. Secretaria de Educação a Ministério da Saúde, 2014a. de marcadores de consumo alimentar na
Distância. 2.ed., atual. Brasília: MEC, FNDE, atenção básica [recurso eletrônico]. Brasília,
BRASIL. Ministério do Desenvolvimento
SEED, 2008. 2015a.
Social e Combate à Fome. Estratégia
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de intersetorial de prevenção e controle da BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de
Atenção à Saúde. Departamento de Atenção obesidade: promovendo modos de vida e Atenção à Saúde. Departamento de Atenção
Básica. Instrutivo PSE. Brasília: Ministério alimentação adequada e saudável para a Básica. Marco de referência da vigilância
da Saúde, 2011. população brasileira. Brasília: 2014b. alimentar e nutricional na atenção básica.
Brasília, 2015b.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de
Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção Atenção à Saúde. Departamento de Atenção BRASIL. Ministério da Saúde. Universidade
à Saúde. Política Nacional de Promoção da Básica. Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Federal de Minas Gerais. Instrutivo:
Saúde. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde, Brasília: Ministério da Saúde, 2014c. metodologia de trabalho em grupos para
2010a. ações de alimentação e nutrição na atenção
BRASIL. Ministério da Saúde. Academia
básica. Brasília, 2016.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de da Saúde: Cartilha Informativa. Brasília:
Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Ministério da Saúde, 2014d. Disponível BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº
Básica. Rastreamento. Brasília: Ministério em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova
da Saúde, 2010b. publicacoes/academia_saude_cartilha.pdf>. a Política Nacional de Atenção Básica,
Acesso em 20 maio 2019. estabelecendo a revisão de diretrizes para a
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de
organização da Atenção Básica, no âmbito
Atenção à Saúde. Departamento de Atenção BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria
do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília:
Básica. Política Nacional de Alimentação de Atenção à Saúde. Departamento de
Ministério da Saúde, 2017.

78
REFERÊNCIAS

BUSS, P. M. Promoção da saúde e qualidade teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6135/tde- Heart Association Task Force on Practice
de vida. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de 30042015-133241/>. Acesso em 23 maio Guidelines and The Obesity Society. Journal
Janeiro, v. 5, n. 1, p. 163-177, 2000. 2019. of the American college of cardiology, v. 63,
n. 25 Part B, p. 2985-3023, 2014.
CANESQUI, A. M. (org.). Antropologia COUTINHO J. G.; GENTIL, P.C.; TORAL, N.
e nutrição: um diálogo possível. Rio de A desnutrição e a obesidade no Brasil: o KAHAN, S.; MANSON, J. E. Obesity Treatment,
Janeiro: FIOCRUZ, 2005. enfrentamento com base na agenda única Beyond the Guidelines: Practical Suggestions
de nutrição. Cad. Saúde Pública n. 24, for Clinical Practice. Jama, 2019.
CANGUILHEM, G. O normal e o patológico.
supl.2, p. 332-340, 2008.
Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. LAU, D. C. W. et al. 2006 Canadian clinical
CRUZ, S. R. S.; CALLEJAS, A. G. H.; SANTOS, practice guidelines on the management and
CARNEIRO, F. F. et al. Dossiê ABRASCO: um
M. Em busca de cidades ativas: a prática da prevention of obesity in adults and children
alerta sobre os impactos dos agrotóxicos
corrida como mobilidade urbana. Revista de [summary]. Cmaj, v. 176, n. 8, p. S1-S13, 2007.
na saúde. S/l: EPSJV/Expressão Popular,
Cultura e Extensão USP, v. 12, p. 67-81, 2014.
2015. LEBLANC, E. et al. Screening for and
CURRY, S. J. et al. Behavioral weight loss management of obesity and overweight
CARTA DE OTTAWA. 1ª Conferência
interventions to prevent obesityrelated in adults. Evidence Report, n. 89. AHRQ
Internacional sobre Promoção da Saúde.
morbidity and mortality in adults: Publication n. 11-05159-EF-1. Rockville, MD:
Ottawa, Canadá; 1986. Disponível
US preventive services task force Agency for Healthcare Research and Quality,
em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/
recommendation statement. Jama, v. 320, 2011.
publicacoes/carta_ottawa.pdf>. Acesso em
n. 11, p. 1163-1171, 2018.
23 maio 2019. MENDONÇA, R. D.; LOPES, A. C. S.
CZERESNIA, D.; FREITAS, C. M. de. The effects of health interventions on
CORRÊA, R. L. Espaço, um conceito-chave da
Promoção da saúde: conceitos, reflexões, dietaryhabits and physical measurements.
Geografia. In: Geografia: Conceitos e Temas.
tendências. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2003. Revista da Escola de Enfermagem da USP,
Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.
São Paulo, v. 46, p. 573-579, 2012.
JENSEN, M. D. et al. 2013 AHA/ACC/TOS
COSTA, C. G. A.; BÓGUS, C. M. Agricultura
guideline for the management of overweight MURTAGH, J. E; ROSENBLATT, J. V. Weight
urbana e periurbana na ótica da promoção
and obesity in adults: a report of the gain. Murtagh’s General Practice Companion
da saúde. São Paulo: Universidade de São
American College of Cardiology/ American Handbook. McGraw-Hill Education, 2015.
Paulo, 2015. Disponível em: <http://www.

79
REFERÊNCIAS

NEUMANN, C. R. et al. Obesidade. In: PACK. Brasil Adulto: versão Florianópolis PERREAULT, L.; APOVIAN, C. Obesity in
GUSSO, G.; LOPES, J. M. C. (Org.). Tratado (PACK). Kit de Cuidados em Atenção adults: Overview of management. Waltham:
de Medicina de Família e Comunidade: Primária. Ferramenta de manejo clínico UpToDate, 2019c.
princípios, formação e prática. Porto Alegre: em Atenção Primária à Saúde. University
PINHEIRO, A. R. O.; FREITAS, S. F. T.; CORSO,
Artmed, 2019. of Cape Town Lung Institute’s Knowledge
A. C. T. Uma abordagem epidemiológica da
Translation Unit, 2018.
OMS. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. obesidade. 2004.
Municípios e comunidades saudáveis: guia PADRÃO, S. M.; AGUIAR, O. B. Restaurante
RIBEIRO, H.; JAIME, P. C.; VENTURA, D.
dos prefeitos para promover qualidade de popular: a política social em questão.
Alimentação e sustentabilidade. Estudos
vida. Publicação 83 Científica da Divisão de Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 28, p.
Avançados, v. 31, n. 89, p. 185-198, 2017.
Promoção e Proteção da Opas/OMS. 2002. e280319, 2018.
ROLLNICK, S.; MILER, W. R.; BUTLER, C.
ONU. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. PEREZ, J. S. L. et al. Mais Saúde:
C. Entrevista motivacional no cuidado
Documentos da Organização das Nações Alimentação Saudável Com Receitas
da saúde: ajudando pacientes a mudar o
Unidas para a promoção da alimentação Alternativas. Comunidade de Práticas,
comportamento. Porto Alegre: Artmed;
saudável. Brasília, 2005. 2019. Disponível em: <https://novo.
2009.
atencaobasica.org.br/relato/3721>. Acesso
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE.
em: 25 maio 2019. ROSA, R. T. et al. Redução de sobrepeso e
Global Status Report on noncommunicable
obesidade na academia da saúde: estudo
diseases 2014. Disponível em: <https:// PERREAULT, L. Obesity in adults:
piloto. Revista E-Ciência, v. 5, n. 2, 2017.
www.who.int/nmh/publications/ncd- Prevalence, screening, and evaluation.
statusreport-2014/en/>. Acesso em 24 maio Waltham: UpToDate, 2019a. SANTOS, L. M. et al. Grupos de promoção
2019. à saúde no desenvolvimento da autonomia,
PERREAULT, L. Obesity in adults: Dietary
condições de vida e saúde. Revista de
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. therapy. Waltham: UpToDate, 2019b.
Saúde Pública, v. 40, n. 2, p. 346-352, 2006.
Noncommunicable Diseases Country
PERREAULT, L. Overweight and obesity in
Profiles. 2018. Disponível em: <https:// www. SANTOS, M. Metamorfoses do espaço
adults: Health consequences. Waltham:
who.int/nmh/publications/ncdprofiles-2018/ habitado. São Paulo: Hucitec, 1988.
UpToDate, 2018.
en/>. Acesso em 24 maio 2019.

80
REFERÊNCIAS

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do SOUZA, D. O.; SILVA, S. E. V.; SILVA, N. O. TEUTEBERG, H. O nascimento da era de
pensamento único à consciência universal. Determinantes Sociais da Saúde: reflexões a consumo moderna. In: FREEDMAN, P. A
Rio de Janeiro: Record, 2000. partir das raízes da “questão social”. Saúde história do sabor. São Paulo. São Paulo:
e Sociedade, v. 22, p. 44-56, 2013. Senac, 2009. p. 234-261.
SCHMIDT, M. I.; DUNCAN, B. B. Obesidade:
Prevenção e Tratamento. In: DUNCAN, B. B. SPERANDIO, N. et al. Impacto do Programa WARSCHAUER, M.; CARVALHO, Y. M. O
et al. Medicina ambulatorial: condutas de Bolsa Família no consumo de alimentos: conceito “Intersetorialidade”: contribuições
atenção primária baseadas em evidências. estudo comparativo das regiões Sudeste ao debate a partir do Programa Lazer e
Porto Alegre: Artmed, 2014. e Nordeste do Brasil. Ciência & Saúde Saúde da Prefeitura de Santo André/SP.
Coletiva [online], v. 22, n. 6, p. 1771-1780, Saúde e Sociedade [online], v. 23, n. 1, p.
SENNA, M. C. M.; BRANDAO, A. A.;
2017. 191-203, 2014.
DALT, S. Programa Bolsa Família e o
acompanhamento das condicionalidades na STANFORD, F. C. et al. Complications of WESTPHAL, M. F.; OLIVEIRA, S. C. Cidades
área de saúde. Serv. Soc. Soc., São Paulo, obesity. Dynamed, 2018a. Disponível em: Saudáveis: uma forma de abordagem ou
n. 125, p. 148-166, abr. 2016. <http://www.dynamed.com/login. uma estratégia de ação em saúde urbana?
aspx?direct=true&site=DynaMed& Revista USP, n. 107, p. 91-102, 2015.
SILVA, D. A. J.; TAVARES, M. F. L. Ação
id=576498>. Acesso em 20 maio 2019.
intersetorial: potencialidades e dificuldades WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION.
do trabalho em equipes da Estratégia Saúde STANFORD, F. C. et al. Obesity in adults. Global strategy on diet, physical activity
da Família na cidade do Rio de Janeiro. Dynamed, 2018b. Disponível em: <http:// and health. Fifty-seventh world health
Saúde em Debate [online], v. 40, n. 111, p. www.dynamed.com/login.aspx?direct= assembly. Disponível em: <http://www.who.
193-205, 2016. true&site=DynaMed&id=576498>. Acesso int/gb/ebwha/pdf_files/WHA57/A57_R17-
em 20 maio 2019. en.pdf>. Acesso em 24 maio 2019.
SILVA, F. A. L.; BEZERRA, J. A. X. Benefícios
da atividade física no controle da obesidade SUMAR, N.; FAUSTO, M. C. R. F. Atenção WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION.
infantil. Revista Campo do Saber, v. 3, n. 1, primária à saúde: a construção de um Obesity: preventing and managing the
2017. conceito ampliado. J Management Primary global epidemic. Report of a World Health
Health Care, n. 5, v. 2, 2014. Organization Consultation. Geneva: World
Health Organization, 2000.

81
REFERÊNCIAS

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. MINICURRÍCULO DOS AUTORES Programa de Pós-Graduação em Saúde
Waist circumference and waist-hip ratio: Coletiva da Universidade Federal de
report of a WHO expert consultation, Dalvan Antonio de Campos Santa Catarina. Atualmente é Professora
Geneva, 8-11 December 2008. 2011. Adjunta no Departamento de Nutrição da
Nutricionista formado pela Universidade Universidade Federal de Santa Catarina.
WHO; UNICEF. Primary Health Care: Joint
Federal de Santa Catarina - UFSC (2009), Endereço do currículo na plataforma lattes:
report by the Director-general of the World
Mestre em Saúde Coletiva (2016) pelo http://lattes.cnpq.br/0985354337231265
Health Organization and the Executive
Programa de Pós-Graduação em Saúde
Director of the United Nations Children’s
Coletiva (PPGSC). Doutorando em Saúde Ronaldo Zonta
Found for the International Conference
Coletiva no PPGSC - UFSC. Trabalha com
on Primary Health Care, Alma-Ata, URSS.
pesquisa em Saúde Coletiva, com ênfase Possui graduação em Medicina pela
Switzerland: WHO/UNICEF, 1978.
nas Ciências Sociais e Humanas, no Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
ZONTA, R. et al. Rastreamento, check-up e Departamento de Saúde Pública - UFSC, - 2005/2, e residência médica em Medicina
prevenção quaternária [Recurso eletrônico]. orientado pelo Prof. Rodrigo Otávio Moretti de Família e Comunidade (MFC) pelo Serviço
Florianópolis: UFSC, 2017. Pires, desde 2009. de Saúde Comunitária do Grupo Hospitalar
Endereço do currículo na plataforma lattes: Conceição de Porto Alegre/RS - 2008. Atuou
http://lattes.cnpq.br/2272195512817044 como médico de família e comunidade do
Centro de Saúde do Saco Grande - Secretaria
Francieli Cembranel municipal de Saúde Florianópolis/SC por 8
anos, ex-preceptor e tutor do Programa de
Graduada em Nutrição pela Universidade Residência em MFC da Secretaria municipal
Federal de Pelotas; Especialista em Nutrição de Saúde Florianópolis/SC. Atualmente é
Clínica pela Universidade do Noroeste do Coordenador do Departamento de Gestão
Estado do Rio Grande do Sul; Mestre em da Clínica da Secretaria municipal de Saúde
Nutrição e Doutora em Saúde Coletiva Florianópolis/SC e médico do Ambulatório da
(área de concentração Epidemiologia) pela PrEP SUS Florianópolis/SC.
Universidade Federal de Santa Catarina. Endereço do currículo na plataforma lattes:
Realizou Estágio Pós-Doutoral junto ao http://lattes.cnpq.br/0993619602961230

82