Você está na página 1de 112

18 . 02 .

2018

PROCESSAMENTO
SENSORIAL
TOOLS FOR TOTS
Por Joanna de Paoli
Curso Tools for Toots
◦ Palestrante: Susan Swindeman
◦ Data: 24/09/2017
VOCÊ...
é sensível a cócegas?
deixa a cortina fechada?
corta as etiquetas das roupas?
ouve música no volume máximo?
contrai-se ao tomar uma limonada?
Suas respostas dizem muito sobre você...
Como você descreve uma experiência
prazerosa?
Como você descreveria essa experiência?
Sentidos
◦ É através dos sentidos que se percebe o mundo, sem eles até a
capacidade de pensar estaria prejudicada, uma vez que as experiências
são a fonte das ideias.
Sensorial
◦ As sensações estão em todo lugar e a forma como cada um lida com
essas sensações é o que torna cada ser único.
◦ Cada pessoa precisa de uma quantidade muito particular de “input”
sensorial.
Abraços, toques, contato...
◦ Alguns gostam...
Sentidos
◦ A importância dos sentidos vão além de suas funções básicas.
◦ São ferramentas essenciais nas interações sociais, como:

◦ Audição: diferenciar os nuances da voz, avaliando se está sendo sincera,


sarcástica ou sem paciência.

◦ Visão: discriminar emoções pelas expressões faciais.

◦ Tato: diferenciar prazer e dor, discriminar se um empurrão foi proposital ou


não.
Pessoas com prejuízos sensoriais

◦ Podem não perceber pedaços de informações críticos para aprender a


interagir com o mundo.

◦ As habilidades de atenção, engajamento e comunicação podem ficar


comprometidas.
Processamento Sensorial
◦ Os sentidos captam informações do ambiente o tempo todo.

◦ O Processamento Sensorial que dá sentido ao que é recebido.

◦ Sem um Processamento Sensorial adequado haveria somente um conjunto


de informações brutas sem significado.

◦ Processamento Sensorial diz respeito ao processamento neurológico


responsável por organizar as informações recebidas do ambiente (interno-
corpo e externo-mundo) para que sejam usadas de forma apropriada no
dia a dia. (Kranowitz, 2005).
Estimulações Sensoriais

◦ Todas as habilidades da criança, desde as comportamentais, emocionais e


até acadêmicas, têm sua origem em uma base sensório-motora. Grande
parte da capacidade de aprendizagem de uma criança está relacionada
à sua habilidade de integrar informações sensoriais. A estimulação
sensorial e a atividade motora durante a infância moldam as interconexões
neuronais para formar processos sensoriais e motores que permaneçam
relativamente estáveis ao longo da vida. (AYRES, 2005).
Processamento Sensorial

◦ Envolve uma gama de processos que ocorrem simultaneamente.

◦ Processo de Excitação: As sensações ativam os receptores sensoriais


funcionando como um sistema de alerta. A maior parte são irrelevantes.

◦ Processo de Inibição: O cérebro filtra as informações importantes ou


não. Sem ele todas as informações seriam consideradas importantes.
Processamento Sensorial

◦ Para Kranowitz (2005):

◦ Modulação: O processo de autorregulação do sistema nervoso. Ajusta e


equilibra o fluxo de informações sensoriais no sistema nervoso. Sem a
modulação os impulsos sensoriais se espalhariam pelo sistema nervoso de
forma descontrolada e desorganizada.

Excitação Inibição
Processamento Sensorial
◦ Para Ayres (2005):
◦ Integração: Pequenas informações sensoriais chegam ao cérebro a cada
instante e são integradas para que a experiência sensorial seja percebida
como um todo. As sensações são fluxos de impulsos elétricos que devem
ser integrados para fazer sentido.

◦ Dra. Jean Ayres em 1963, utilizou


pela primeira vez o termo
“Integração Sensorial”.
Processamento Sensorial

Um sistema sensorial só se desenvolve se


exposto a situações que ativem seus
receptores.
◦ As redes neuronais que são bem sucedidas no
processamento das novas experiências ficam
cada vez mais fortes, enquanto as que não são
estimulados ou morrem ou são utilizados para
outras funções.
“use it or lose it”
Processamento Sensorial

Cegos escutam melhor porque usam parte


dos neurônios da visão para fortalecer a
audição.
Processamento Sensorial

◦ Quanto maior for o número de interconexões, maior a capacidade de


aprendizagem de uma pessoa.

◦ Por mais simples que seja uma ação, ela sempre vai envolver uma
atividade integrada dos caminhos sensoriais, motores e motivacionais do
sistema nervoso.
Processamento Sensorial

◦ Quanto tempo um estímulo sensorial dura?

◦ Toque profundo: 2 horas


◦ Movimento: 4-8 horas
◦ Músculo: 6 horas

◦ Medida certa de estímulos

◦ Quando a criança volta para fazer a mesma atividade.


◦ Não pode ser nem fácil, nem difícil.
◦ Intercalar atividades pesadas motoras com sensoriais.
Sistemas Sensoriais

◦ Sistema Olfativo
◦ Sua formação começa na gestação.
◦ Atua como papel chave no desenvolvimento emocional do bebê.
◦ Possui uma conexão curta e direta com os centros de memória.
◦ Se a pessoa não é exposta a determinados
odores durante o seu desenvolvimento inicial,
pode perder a capacidade de reconhecê-los.
◦ Mas é possível treinar o olfato e aprimorá-lo.
◦ Está diretamente relacionado com o paladar.
◦ É a resposta mais rápida dos sentidos.
Sistemas Sensoriais

◦ Sistema Gustativo
◦ Sua formação começa na gestação.
◦ Sensibilidade do salgado por volta dos 4 meses de vida.
◦ A compreensão do que é comestível é construído socialmente e sugerem
preferências também por questões genéticas, devido ao número de
papilas gustativas.
◦ Cerca de 75% do que é percebido como
sabor é na verdade atribuído ao olfato.
◦ Pessoas gripadas não perdem o paladar, mas
o congestionamento do nariz as impede de
sentir o gosto do alimento.
Sistemas Sensoriais
◦ Sistema Tátil
◦ Associamos o toque a vínculos e relacionamentos, portanto, muito
poderoso.
◦ Os receptores estão na pele ou dentro dela.
◦ Os receptores táteis contam ao cérebro onde estão as suas
extremidades.
◦ O toque leve leva uma mensagem ao cérebro de alerta: “Preste
atenção!” ou como amigável. E o toque de pressão manda ao cérebro a
mensagem de organização ou como ação de agressividade.
Sistemas Sensoriais
◦ Sistema Tátil
◦ Primeiro sentido a surgir na gestação, mas irá discriminá-los
posteriormente.
◦ Permite a pessoa experienciar o mundo através do contato físico direto.
◦ É extremamente importante para o bebê tocar e ser tocado para a sua
saúde e bem-estar emocional.
◦ A variedade de estimulações táteis são
essenciais também para o desenvolvimento
cognitivo.
◦ Com o tempo a criança se torna cada vez
mais precisa em determinar em qual parte do
corpo está sendo tocada (Esquema Corporal).
Sistemas Sensoriais
◦ Sistema Tátil

◦ Bebês que eram massageados


15 mi, 3x ao dia por 10 dias
consecutivos ganharam 47% de
peso em relação a outros bebês
que não passaram por isso
(Ratey, 2001).
◦ Experimento de Harlow com
macacos, uma boneca de
arame que provia alimento e
outra de pano. Passavam mais
tempo com a de pano.
Sistemas Sensoriais
◦ Tátil
◦ Toque profundo
◦ Seguro para uso.
◦ Pessoas se sentem mais calmas, mas apenas deitar pode ser suficiente para
relaxar.
◦ Diminuição da angústia, mas não são medidas objetivas como agressão.
◦ Nenhuma diferença encontrada nos padrões de sono com autistas.
◦ Pode ajudar com o estresse.
◦ Cobertores com peso: Inofensivo para adultos, potencialmente perigoso para
crianças
◦ A ideia é que a pressão profunda aumente a liberação de serotonina e
dopamina que ajudam a relaxar.
◦ A pressão profunda ajuda a acalmar o alerta e auxiliar a autorregulação.
◦ Alerta: Cobertores com peso são inofensivos para adolescentes ou adultos
(morte de garoto com 9 anos com autismo enrolado em uma manta pesada
e um bebê de 7 meses de idade).
Sistemas Sensoriais
◦ Tátil
◦ Pressão profunda - Estudos da máquina do abraço
◦ Máquina do abraço reduz tensão em crianças com autismo.
(GRANDIN, 1999).
◦ 60% de estudantes universitários neurotípicos achou relaxante.
◦ Toque profundo - Estudos com colete de peso
◦ As crianças de ensino fundamental que tiveram dificuldades em prestar
atenção não mostraram benefícios com o colete de peso.
◦ Sem efeito no comportamento de sentar-se.
◦ Crianças com TDAH melhoram a atenção, aumentaram os
comportamentos de fazer tarefas e diminuíram a agitação.
Dicas

◦ Comprometimento tátil

◦ Esconder brinquedos preferidos na serragem.

◦ Não limpar suas mãos e rosto rápido, mas com cuidado.


Sistemas Sensoriais
◦ Sistema Visual
◦ A única a não receber estímulos na gestação.
◦ No início, os bebês possuem visão bidimensional uma vez que ainda não
tem ferramentas para perceber profundidade espacial.
◦ A visão ocupa mais espaço no cérebro do que todos os outros sentidos
juntos.
◦ Pessoas mais sensíveis podem preferir decorações monocromáticas.
Sistemas Sensoriais

◦ Sistema Visual

◦ Outro componente importante da visão é a Percepção Visual.

◦ Refere-se ao significado que o nosso cérebro dá à informação que


vemos.
◦ Além da discriminação das cores, formas e grandezas, outras
competências.
Sistemas Sensoriais
Outras competências da Percepção Visual
Percepção Significado Exemplos
Encontrar uma peça de um jogo ou
Capacidade de ver algo que faz parte de uma imagem maior ou
1ª Figura-fundo destacar uma palavra ou letra num
mais confusa.
conjunto.
Posição no
2ª Perceber o que está virado para cima, baixo ou para os lados. Distinguir o “b” do “d” ou o “p” do “q”.
espaço
Reconhecer as formas e percebermos que elas se mantêm,
Constância da independentemente, do tamanho das figuras, de estarem
3ª Perceber que Ɐ continua sendo A.
forma decoradas ou não, da posição em que se encontram ou das
restantes figuras que podem estar próximas a elas,
Relações Perceber as orientações dos objetos, ou símbolos, uns em relações A orientações dos traçados para a

espaciais aos outros. formação das letras.
Refere-se a nossa capacidade de recordar as características
visuais de uma forma ou de um objeto. Importante para a Para copiar do quadro, conseguir reter as
5ª Memória visual compreensão da leitura. Tem que lembrar o que leu e reconhecer imagens das palavras para escrever no
uma palavra de uma página para a outra. caderno.

Memória visual Capacidade de recordar uma sequência de objetos ou formas na Reproduzir as letras na sequência certa

sequencial ordem correta. Importante para a ortografia. quando escreve uma palavra.
Capacidade de reconhecer uma forma ou objeto, mesmo Ler e compreender o que vemos
Fechamento
7ª quando a imagem não está disponível na totalidade. Permite que rapidamente, sem esta competência
visual
baste vermos uma parte de algo para compreender a totalidade. iríamos fazer uma leitura silabada.
Sistemas Sensoriais
◦ Sistema Auditivo
◦ Sua formação começa na gestação.
◦ Já nas primeiras semanas os bebês são capazes de discriminar o que
gostam de ouvir. No topo da lista está a voz da mãe. Processam as
informações mais lentamente.
◦ Bebês preferem sons mais complexos como entonação alta e música.
◦ As pessoas com disfunção vestibular podem ter problemas de
processamento auditivo e de linguagem porque os sistemas trabalham
em conjunto.
◦ As experiências auditivas são importantes para
estruturar altas funções cerebrais como a
emoção, a linguagem e outras habilidades
cognitivas.
Dicas
◦ Comprometimento auditivo
◦ Para crianças com hipersensibilidade sugere-se chegar aos eventos
previamente para ir se acostumando gradativamente com o aumento de sons.
◦ Melhor não utilizar fones porque podem agravar ainda mais a sensibilidade.

◦ Programas de escuta (estudos comprovam a sua eficácia)


◦ Quickshifts
◦ Tem treinamento on-line e é uma versão boa e mais barata.
◦ Trabalha sons de baixa e alta frequência para dessensibilizar a audição.
◦ Pode obter um maior desenvolvimento de outras áreas, como a
mastigação, aceitar o balanço.
◦ As crianças usam fone, mas não se isolam absolutamente.
◦ Enquanto escutam não podem estar passivos, como em um computador.
◦ Podem ouvir enquanto brincam com massinha ou bloquinhos.
Sistemas Sensoriais
◦ Sistema Vestibular (Movimento)
◦ Esse sistema permite a percepção do movimento e do grau de equilíbrio
do corpo. Situa-se na orelha interna.
◦ Desde o nascimento os bebês sentem conforto no movimento.
◦ Crianças gostam de rodar, de serem jogadas para o alto e ficar de
cabeça para baixo.
◦ Apresenta um papel fundamental nas habilidades de manter a postura
da cabeça e do corpo e mover partes do corpo.
◦ Por causa dele que ao correr não enxergamos o mundo quicando.
◦ Encontram-se déficits vestibulares em crianças com problemas
emocionais, perceptivos, de atenção, problemas de aprendizagem, de
linguagem e autismo.
Sistemas Sensoriais
◦ Sistema Vestibular (Movimento)
◦ Quando as pessoas ficam enjoadas com o movimento, significa que seus
receptores de movimentação e seus olhos não estão muito bem
organizados.
◦ Algumas pessoas se sentem melhor dirigindo ou sentando na frente do
carro porque tem uma informação visual melhor.
Sistemas Sensoriais
◦ Sistema Vestibular (Movimento)
◦ Contribuirá para que a criança desenvolva a especialização dos dois
lados do cérebro e, com isso, para o desenvolvimento da fala e da
compreensão das palavras.
◦ Crianças com dificuldades no funcionamento desse sistema apresentam,
frequentemente, dificuldades:
Na articulação da fala e da linguagem
Saltar
Apanhar uma bola com as duas mãos
Escrever
Recortar com uma mão enquanto segura o papel com a outra
◦ Por volta dos 6 anos, a criança começa a ter menos necessidades de ter
tanto movimento e consegue sentar por períodos maiores. Por isso,
também está pronta para aprender em uma sala de aula convencional.
Sistemas Sensoriais
◦ Sistema Vestibular (Movimento)
◦ Sugestões de atividades
◦ Pendure um balanço no teto. ◦ Mais balanços.
◦ Pendurar uma rede de lycra. ◦ Prancha com rodinhas.
◦ Movimentos que acalmam. ◦ Escorregador.
◦ Balançar linear. ◦ Escorregador e túnel de papelão.
◦ Movimentos que alertam. ◦ Pular na bola.
◦ Hora da roda sentados na bola.
◦ Balanço de barril.
◦ Equilibrando no disco de equilíbrio.
◦ Balanço de skate descartado.
◦ Pulando.
◦ Balanço “taco”.
◦ Cama elástica Inflável.
◦ Balanço quadrado. ◦ Cama elástica.
◦ Rede sensorial. ◦ Oportunidades de impacto.
◦ Balanço de lycra. ◦ Almofadas de impacto.
Sistemas Sensoriais
◦ Sistema Vestibular (Movimento)
◦ Sugestões de atividades
◦ Hora da roda sentados na bola. ◦ Balanço quadrado caseiro.
◦ Equilibrando no disco de equilíbrio. ◦ Rede sensorial caseira.
◦ Pulando. ◦ Balanço de lycra ao ar livre.
◦ Cama elástica Inflável. ◦ Balanço de lycra dentro de casa.
◦ Cama elástica. ◦ Mais balanços.
◦ Prancha com rodinhas.
◦ Escorregador.
◦ Escorregador e túnel de papelão.
◦ Pular na bola.
Sistemas Sensoriais
◦ Sistema Vestibular (Movimento)

◦ Intervenção baseado em dados (cadeira bola)


◦ Algumas crianças vão pular suavemente
e outros irão balançar suavemente na
bola da cadeira.
◦ Uma explicação poderia ser a
automodulação de necessidades
sensoriais pessoais de cada criança, a fim
de manter um ótimo estado de alerta.
◦ Isso significa que as pessoas encontram
diferentes maneiras para atender às suas
necessidades sensoriais.
Sistemas Sensoriais
◦ Sistema Vestibular (Movimento)

◦ Intervenção baseado em dados (cadeira bola)

◦ Efeitos das cadeiras de bola em crianças


com TDAH e huiperatividade concluíram
que os alunos mostraram:

 Comportamento aprimorado de ficar


sentado.
Aumento da legibilidade da caligrafia.
Aumento do foco no professor.
Diminuição do ruído em sala.
Dicas
◦ Comprometimento vestibular

◦ Quando tem medo de balanço. Não pode coloca-la imediatamente em


um balanço, coloque esse balanço muito próximo do chão e
gradualmente vai mexendo.
◦ Coloque sabão no chão.
◦ Engatinhar: Tem muitos problemas quando a criança não passou por essa
etapa, afetando até mesmo a escrita. Você sabendo disso tem que
retomar para essa fase, não importando a idade em que se encontra!
◦ Girar de costas é mais intenso para esse sistema.
◦ Jogar pesos do balanço para acertar alvos.
Sistemas Sensoriais
◦ Interocepção (o sentido escondido)
◦ Relação com os órgãos viscerais.
◦ É a consciência das sensações do corpo.

◦ Influência nas percepções:


◦ Fome ou satisfação
◦ Fadiga
◦ Necessidades de urinar e defecar
◦ Temperatura corporal
◦ Náusea
◦ Dor
◦ Excitabilidade sexual
◦ Emoções
Sistemas Sensoriais

◦ Interocepção (o sentido escondido)

◦ Penicos que agradam


◦ Penico musical ou fralda.
◦ Assentos de vaso sanitário macio ou capa de vaso.
◦ Fraldas de pano (ou toalha de papel) embaixo - puxar ou descartar
para intensificar a sensação.
◦ Despertador para lembrar quando é hora de tentar.
Sistemas Sensoriais
◦ Sistema Proprioceptivo (Posição)
◦ Responsável pela informação sobre a localização
das partes do corpo, e pela sinalização do quanto
de contração muscular é necessária para que um
movimento ocorra.
◦ Usa tanto informações da pele quanto sinais dos
músculos e das articulações para informar ao
cérebro sobre onde os membros estão
posicionados.
◦ Quando funciona bem, a criança consegue se
adequar em uma casinha de bonecas ajustando
sua postura em função do espaço menor.
◦ Responsável por regularmos a nossa força em
relação aos objetos e ao espaço para não
esbarrarmos nas pessoas.
Sistemas Sensoriais

◦ Sistema Proprioceptivo (Posição)


Dica
◦ Sistema Proprioceptivo

◦VIBRAÇÃO ÓSSEA
◦ Envelopar (abraçar) a criança fortemente pelas costas e gritar.
◦ O ato de envolver promove também o corporeamento afetivo.

◦ Passar por bambolês com sinos, mas sem que eles toquem.
Processamento do Cérebro
◦ O cérebro processa com base em limiares.
◦ Quando os limiares são baixos, o cérebro percebe um impulso muito
rapidamente.
◦ Quando os limiares são altos, o cérebro leva um tempo maior para
acumular impulso o suficiente para criar uma ação.
◦ Essas pessoas necessitam de mais impulsos sensoriais para que percebam
o que está acontecendo.
Tabela: Modelo de Dunn (2017, p. 33) para o processamento sensorial mostrando como os conceitos
se encaixam.
LIMIARES AUTORREGULAGEM
NEUROLÓGICOS PASSIVO ATIVO
Limiar Alto Observador Explorador
Limiar Baixo Sensível Esquivador
Padrões Sensoriais (DUNN, 2016)
Explorador Observador
- Fazem barulho com a boca - São calmos e fáceis de lidar.
(murmurando, assobiando, - Não se incomodam com interrupções.
estourando bola de chiclete). - Devem ser chamados várias vezes para que
- Gostam de show de luzes, de deem atenção.
fogos de artifício. - Pedem a você para que repita as coisas.
- Tocam os outros enquanto falam. - Perdem-se ou não veem as placas para chegar
- Escolhem esportes intensos ou a algum lugar.
extremos. - Não se incomodam com o rosto ou as mãos
- Usam perfume ou colônia fortes. sujas.
- Comem comida apimentada. - Têm arranhões ou machucados que não
- Andam de pés descalços. lembram como surgiram.
- Mudam a rotina para torná-la - Parecem desajeitados.
interessante. - Não comentam sobre o cheiro da comida.
- Mudam as coisas de lugar. - Deixam a roupa torta ou desalinhada no corpo.
- Esquecem objetos de sua rotina diária.
Padrões Sensoriais (DUNN, 2016)
Esquivador Sensíveis
- Deixam o ambiente quando começa a encher - Distraem-se com sons.
de pessoas. - Tem problemas para trabalhar em locais
- Mantêm as persianas abaixadas dia e noite. barulhentos.
- Compram on-line ou em pequenas lojas do - Assustam-se facilmente.
bairro. - Incomodam-se quando as imagens da TV
- Mantêm seus espaços de trabalho limpo e mudam rapidamente.
minimalista. - Tem gostos precisos sobre as texturas das
- Usam utensílios e lavam bastante a mão antes roupas.
de cozinhar. - Escolhem os mesmos pratos nos
- Recusam convites que envolvam multidões. restaurantes.
- Pedem comida para viagem ou delivery - Descrevem os detalhes da textura e
frequentemente. sabores dos alimentos.
- Escolhem sempre os mesmos pratos para comer. - Ficam enjoados com movimentos.
- Evitam escadas rolantes ou elevadores. - Escolhem apenas alguns brinquedos nos
- Afastam-se de pessoas usando perfumes. parques de diversão.
- Escolhes atividade de lazer solitárias. - Preferem designs minimalistas para a casa.
Transtorno do Processo Sensorial
◦ Teoria de Jean Ayres (1972):

◦ Um processamento sensorial comprometido resultaria em diversos


problemas funcionais, os quais denominou de Disfunção da Integração
Sensorial.

◦ Teoria da Integração Sensorial é a relação cérebro/comportamento, ou


seja, sobre a relação do processamento sensorial com respostas
comportamentais.

◦ Atualmente é chamado de Transtorno de Processamento Sensorial (TPS).


Transtorno do Processo Sensorial
◦ Quando as informações sensoriais não são organizadas de modo a gerar
respostas apropriadas.
◦ Pode ser definido como um prejuízo na detecção, na modulação, na
interpretação e/ou na resposta à experiência sensorial que impede a
participação da pessoa nas atividades diárias.
◦ É um transtorno de ordem biológica, ainda não reconhecido
universalmente.
◦ IMPORTANTE: Toda pessoa possui problemas sensoriais ocasionalmente. Por
exemplo, tirar todas as etiquetas das roupas por uma hipersensibilidade tátil
isolada que não interfere no seu funcionamento diário.
◦ O diagnóstico é feito por profissionais com instrumentos de avaliação
sensorial.
Transtorno do Processo Sensorial

◦ Pode ser classificado em 3 padrões principais (MILLER et al., 2007):

◦Transtorno de Modulação Sensorial


◦Transtorno Motor de Base Sensorial
◦Transtorno de Discriminação Sensorial
Transtorno do Processo Sensorial
Taxonomia (MILLER, 2006)
Transtorno de Processamento Sensorial (TPS)

Transtorno de Modulação Sensorial Transtorno Motor de Base Sensorial Transtorno de Discriminação Sensorial

Hiperresposividade Dispraxia Visual

Hiporresposividade Transtornos Posturais Auditivo

Busca Sensorial Tátil

Vestibular

Proprioceptivo

Gustativo

Olfativo
Transtorno de Modulação Sensorial
◦ Um problema crônico e severo para transformar a informação sensorial em
comportamentos que estão de acordo com a natureza e a intensidade da
mensagem.
Reação Normal

Reação Extrema Nenhuma Reação


Pessoa com Pessoa com
hipersensibilidade hipossensibilidade
Transtorno de Modulação Sensorial

◦ Podendo envolver um ou mais dos sete sistemas sensoriais.

◦ A sintomatologia pode variar de leve a severo.

◦ Pode apresentar a combinação dos três subtipos.


Transtorno de Modulação Sensorial
◦ Hiperresposividade
◦ O tipo mais frequente.
◦ O processo de inibição das sensações não ocorre de forma apropriada.
◦ Todas informações são percebidas como relevantes.
◦ A atenção está voltada para todos os estímulos.
◦ O cérebro fica sobrecarregado respondendo aos estímulos de forma rápida,
intensa e duradora.
◦ Não se habitua com os estímulos mesmo familiares, sempre percebidos como
novos.
◦ Altamente dependente do contexto, podendo parecer inconsistente.
◦ Chama a atenção dos pais desde muito cedo. (Exemplo: bebê que exagera
nas reações de troca de fralda, crianças aversas a bagunça, se recusar a tocar
em tinta).
◦ Frequentemente apresentam dificuldades para dormir.
Transtorno de Modulação Sensorial
◦ Hiperresposividade
◦ Alguns comportamentos-respostas:
Comportamento desafiador Distração
Agressividade Hostilidade
Impulsividade
Fuga
Controlador
Medo
Antissocial
Ansiedade
Dificuldade com mudanças
(Exemplo: trocar de sala na escola)

◦ Criam uma zona de conforto e se protegem de ambientes com excesso


de estímulos.
◦ Refletindo em hábitos compulsivos e perfeccionistas.
Transtorno de Modulação Sensorial

EXEMPLOS DE HIPERSENSIBILIDADE
Olfativa / Vestibular /
Tátil Visual Auditiva
Gustativa Proprioceptivo
- Incomodar com a - Incômodo com a - Intolerância com - Cobrir os ouvidos - Evita escadas
textura das roupas de claridade do sol. determinados com ruídos altos. rolantes.
cama ou com roupas - Notar pequenas produtos de - Não gosta de - Não gosta de
que fiquem soltas no partículas de poeira higiene ou desfiles ou fogos de brincar de lutinha.
corpo. no ar. perfumes. artifício. - Medo de brincar em
- Não gosta de se sujar. - Deixar olhos - Seletivo para se - Escutam sons que parquinhos.
- Prefere certas texturas semifechados. alimentar. outros não escutam. - Fica incomodado
de alimentos. - Sensível a luzes - Nota cheiros que - Medo de aspirador pela inclinação da
- Tem pouca tolerância à brilhantes outros não notam. de pó ou descargas cabeça para lavar o
higiene pessoal (lavar, (especialmente as - Tem ânsia com de vaso sanitário. cabelo.
pentear, cortar cabelo, fluorescentes) alguns cheiros. - Chora quando é
cortar unha). deitado para trocar a
fralda.
Transtorno de Modulação Sensorial
◦ Hiperresposividade
◦ Sugestão de atividades
◦ Crianças sensíveis
Demore para limpar a criança.
Limpe gentilmente, mas firme.
Não force.
Esconda brinquedos em caixa tátil (Exemplo: feijão, arroz ou areia).
◦ Crianças cautelosas
Escalar
Arrastar cobertor no chão, devagar, balançar rítimico com mudança gradual em
velocidade, direção, previsibilidade ou posição.
◦ Hora do banho
Temperatura preferida
Tapete antiderrapante para segurança
Brinquedos de apertar ou esponjas
Massagear com toalhas firmes antes e depois dos banhos.
Transtorno de Modulação Sensorial
◦ Hiperresposividade
◦ Sugestão de atividades
◦ Cuidado com o cabelo
Tesoura em vez de máquinas.
Apoio para pés durante cortes de cabelo.
Viseira e pulverizador se tiver medo de inclinar a cabeça.
◦ Ouvidos sensíveis
Chegar antes das multidões
Programas especializados de escuta (sob terapeuta treinado)
Lugares quietos em ambientes ruidosos.
◦ Programas de escuta
Integrative Listening Systems (iLs): www.integrativedlistening.com
Therapeutic Listening: www.vitallinks.com
Quick Shifts: www.vitallinks.com/quickshifts/for-therapists
EASe: www.viso-play.com
Transtorno de Modulação Sensorial

◦ Hiperresposividade

◦ Quick Shifts
Ouça
Do início ao fim
Em uma variedade de ambientes
Com fones de ouvido (não os que
coloca dentro do ouvido)
Uma ou duas vezes por dia
Como atividade preparatória
Transtorno de Modulação Sensorial
◦ Hiporresposividade

◦ Precisa de muito mais estimulação do que a população geral para


alcançar um estado ótimo de alerta ou ativação.
◦ Demoram mais tempo para reagir aos estímulos.
◦ Parecem não ter energia ou vontade de socializar e explorar o ambiente,
mas na realidade elas nem estão notando as possibilidades de ação a
sua volta.
◦ Passam despercebidos nos primeiros momentos porque são considerados
bebês bonzinhos e crianças tranquilas.
◦ Chamam a atenção com a dificuldade para desfraldar, atividades
reduzidas e a dificuldade nas interações sociais.
Transtorno de Modulação Sensorial
◦ Hiporresposividade

◦ Alguns comportamentos-resposta:
Apátia Prefere jogos individuais ou nenhum jogo
Isolamento social Não reclama de ficar só
Distração Indiferente a outras pessoas
Quieto Esbarra frequentemente nas coisas e
Sedentarismo pessoas por não perceber a presença a
Não reclama de tédio tempo de desviar
Pode ter alta tolerância a dor
Transtorno de Modulação Sensorial
◦ Hiporresposividade

◦ Sugestão de atividades
Dar tempo extra para responder.
Entrada sensorial intensa antes ou durante atividades que requerem
atenção.
Movimentos rápidos e imprevisíveis para alertar.
Tocar música.
Despertador alto.
Escova de dentes e cabelo vibratórias.
Cadeira de bola.
Incorporar dança.
Transtorno de Modulação Sensorial
◦ Busca Sensorial
◦ A habituação ocorre muito rapidamente, ou seja, um determinado
estímulo rapidamente deixa de ser novidade e o cérebro pede mais.
◦ Desejo insaciável por experiências sensoriais.
◦ O corpo pede mais estímulos.
◦ Frequentemente age de forma desorganizada com comportamentos
não aceitáveis socialmente.
◦ Costumam ser rotuladas de “criança problema”.
◦ As buscas sensoriais são tão extremadas e insaciáveis que impedem o seu
desempenho no dia a dia.
◦ Em um parque de diversões, provavelmente, irá repetitivamente em uma
montanha russa temida pelos demais.
◦ Pode rodar em um balanço por um longo período sem ficar tonta.
Transtorno de Modulação Sensorial
◦ Busca Sensorial
◦ Alguns comportamentos-resposta:
Impulsividade
Atividade excessiva
Não tem medo de arriscar
Apresenta problemas em ambientes que requer mais atenção e
organização do comportamento (como na escola)
Quando não conseguem estimulação pode ficar agressiva ou
explosiva
Interesse por alimentos de sabor forte ou picantes
Ouvir música ou televisão em volume altíssimo
Intrusivos, tocando ou empurrando, batendo ou empurrando
Transtorno de Modulação Sensorial
◦ Busca Sensorial

◦ Sugestão de atividades
◦ Abelhinhas ocupadas
Lugares seguros para deslocar (almofadas de impacto em balanços
e objetos de escalar).
Trabalho de movimento e muscular antes de sentar.
Assento acolchoado ou bola de praia parcialmente deflacionada
(esvaziada) para hora da roda, histórias ou mesa.
Oferecer mordedores para ajudar na regulação.
Fale calmamente e leve a criança para uma área tranquila.
Forneça oportunidades para mover, balançar, escalar e deslizar.
Transtorno de Modulação Sensorial
◦ Busca Sensorial
◦ Sugestão de atividades
◦ Beddie Bye Bliss (Acalmar)
Bálsamos de banho calmantes.
Muito movimento durante o dia.
Lençóis de lycra, travesseiros de corpo pesados, cobertores
ponderados, sacos de dormir, bichos de pelúcia (não para lactantes).
Brincar tranquilo pelo menos 1 hora antes de dormir.
◦ Jovens
Yoga.
Levantar pesos.
Obter massagens.
Transtorno Motor de Base Sensorial
◦ Dispraxia
◦ É o prejuízo nas habilidades de planejar, sequenciar e executar uma
nova ação.
◦ Caracteriza-se por um desempenho motor pobre e descoordenado que
pode se manifestar na coordenação motora grossa e/ou fina e/ou oral.
◦ Podem ter inteligência e musculatura normais, mas apresentam problema
na ponte entre o intelecto e a musculatura.
◦ Capacidade reduzida para generalizar as habilidades aprendidas para
atividades motoras similares.
◦ A escrita pode ser ilegível porque não conseguem planejar onde devem
escrever, qual deve ser o tamanho da letra ou o espaço que deve ter
entre uma letra e outra e uma palavra e outra.
Transtorno Motor de Base Sensorial

DISPRAXIA EXEMPLO DE DIFICULDADES


Manusear objetos pequenos
Motora Fina Escrever
Abotoar uma camisa
Motora Grossa Praticar esportes, principalmente, os com bola
Articulação
Sugar
Soprar
Motora Oral
Mastigar
Engolir
Falar
Transtorno de Modulação Sensorial
◦ Dispraxia

◦ Neurônio espelho
◦ Importante para imitação, aquisição de linguagem e percepção
(RIZZOLATTI, 2011).
◦ Ajuda a copiar ações para tarefas motoras e habilidades sociais.
◦ Sugestão de atividades
◦ Crianças mal humoradas
Prática
Empurre e puxe
Correr, subir e pular
Mini cursos de obstáculos
Transtorno Motor de Base Sensorial
◦ Transtorno Postural

◦ Caracteriza-se pela dificuldade em estabilizar o corpo durante o


movimento ou em repouso.
◦ Há uma hiper ou hipotonia muscular que acarreta o controle inadequado
do movimento.
◦ Também pode haver pouco controle ocular, reações de equilíbrio
empobrecidas, pouca estabilidade do tronco e rotação limitada.
◦ As informações que dão suporte ao controle postural vêm
primordialmente dos sistemas proprioceptivos, vestibular e visual. Por isso,
problemas nesses sistemas costumam estar associados.
◦ Pode ou não ocorrer com a dispraxia.
Transtorno Motor de Base Sensorial
◦ Transtorno Postural
◦ Podem ter a escrita ilegível por causa da falta de tônus muscular nos ombros, na
parte superior do corpo e segurar o lápis de forma correta.
◦ São crianças que geralmente se debruçam sobre a mesa para escrever e se
sentam no chão na posição de “W”.
◦ Caracterísicas de comportamento
Cai da cadeira.
Tende a inclinar-se e ficar desleixado.
Tem medo de se mover porque sente-se sem equilíbrio ou controle.
Tem problemas com habilidades bilaterais
Jogo de encaixe
Segurar papel enquanto colore ou corta
Colocar miçangas no fio
Andar de triciclo
Bater bola
Transtorno de Discriminação Sensorial

◦ Apresenta dificuldade em discriminar as características dos estímulos


sensoriais resultando em uma capacidade reduzida de detectar diferenças
e semelhanças entre estímulos e para diferenciar as qualidades temporais
e espaciais.

◦ Normalmente precisa de mais tempo para processar informações.

◦ Podem não perceber sinais importantes durante uma interação social.


Transtorno de Discriminação Sensorial
SENTIDO EXEMPLO DE DIFICULDADES
• Jogar bola em um alvo.
• Diferenciar letras como “b” e “d”.
• Dificuldade com quebra cabeça.
• Tem dificuldade em julgar a altura da escada.
Visão
• Tem dificuldade com atividades de procurar.
• Não consegue encontrar sapatos em pilhas de sapatos.
• Não consegue encontrar um brinquedo entre outros na prateleira ou
na caixa de brinquedos.
• Discriminar determinados sons como “gato” e “pato”.
Audição
• Seguir comandos.
• Diferenciar o que está tocando a sua pele.
Tátil
• Identificar qual moeda está no seu bolso.
• Julgar a força necessária para desempenhar algumas atividade como
Propriocepção
escrever, brincar de lego ou manipular objetos.
• Quando estão de olhos fechados podem não saber qual a direção do
Vestibular
movimento.
PRESSUPOSTOS DA INTEGRAÇÃO SENSORIAL

◦ Para perceber se a criança fez a integração sensorial adequadamente,


esta tem de mostrar uma resposta adaptativa.
◦ “Uma ação apropriada em que o indivíduo responde com sucesso a uma
exigência do meio” (AYRES, 1979).

◦ A diferença entre a Integração Sensorial e a Estimulação Sensorial: é que a


Integração Sensorial não olha para a criança como um receptor passivo
das sensações, mas antes como aquele que faz a integração da sensação,
a organização dessa informação, para um futuro plano de ação, reação
ou comportamento, e a monitoração desse plano de ação enquanto é
executado.
PRESSUPOSTOS DA INTEGRAÇÃO SENSORIAL
◦ Os comportamentos adaptativos podem incluir respostas motoras, de
organização da ação, de organização do sistema nervoso autônomo,
estabilidade socioemocional, da linguagem, cognitiva, de organização de
sequência motora.
◦ Exemplos:
Aumento do controle postural.
Melhor capacidade de manter á atenção num estímulo.
Virar o olhar para a mãe quando ela fala.
Regulação dos ciclos de sono e alimentação.
Menor stress na quebra de rotina.
Conseguir correr e chutar a bola para um parceiro.
◦ Melhorando a capacidade de processar a sensação vamos também
melhorar a aprendizagem e o comportamento.
Processo da Integração Sensorial
Resumo

EXEMPLO DE SITUAÇÃO: Alguém joga água no seu rosto


Registro Consciência da sensação. Percebe que tem algo no rosto.
Quando prestamos atenção seletiva
Orientação Identifica que é um líquido.
ao estímulo.
Quando atribuímos significado e Entende que alguém está brincando
Interpretação
interpretamos. de jogar água.
Quando determinamos uma
Organização
resposta cognitiva, afetiva ou Pensa em secar o rosto.
da Resposta
motora.
Execução da
Execução da resposta planejada. Limpa o rosto.
Resposta
Componentes da Integração Sensorial
COMPONENTES DESCRIÇÃO CONTRIBUIÇÃO PARA A FUNÇÃO
Capacidade de detectar informação Estado mais fundamental de percepção que permite
Registro do corpo e do meio. iniciar o processo de Integração Sensorial
Permite ao indivíduo mover-se facilmente pelos ritmos
Alerta Grau de excitabilidade. diários, ficar calmo e alerta quando está acordado e
descansado quando está dormindo.
Conforto com várias intensidades de sensações,
A capacidade para ajustar a
Modulação intensidade e duração dos estímulos.
capacidade para se manter atento na presença de
múltiplas sensações.

Capacidade para interpretar as


Dá ao indivíduo pormenores rápidos e precisos de
Discriminação qualidades espaço-temporais das
qualidade, quantidade, localização, tamanho e forma.
sensações.

Competências Controle postural motor fino dos olhos,


Controle motor.
motoras mãos e oral, controle motor global.

Ideação, planejamento motor e


Práxis execução.
Descobrir o que fazer e como fazer ações novas.

Organização do Organização de sequências de ações Colocar por ordem ideais, ações e coisas que são
comportamento no espaço tempo. necessárias agora e no futuro.
Modulação Sensorial
◦ Reatividade inicial que a criança apresenta a um determinado estímulo, à
capacidade de recuperação a esse estímulo e ao tempo que consegue
manter-se em um nível ótimo de alerta perante o estímulo ou combinações
de estímulos.
◦ Criança pouco reativa: falta de atenção à informação.
◦ Criança muito reativa: poderá ficar perturbada pela estimulação.

◦ Um sistema nervoso bem modulado permite focar na informação


importante do meio.
◦ Exemplo: Prestar atenção na voz da professora, mesmo que na sala
tenham outros distratores.
Modulação Sensorial
◦ Além disso:
◦ Responder apropriadamente aos estímulos sensoriais.
◦ Ter a capacidade de mudar o foco de atenção
◦ Ter a capacidade de processar experiências multissensoriais ocorrendo
simultaneamente.

◦ Uma criança que esteja num estado inicial de alerta responderá a um


estímulo de forma diferente quando está calma ou ativa.

◦ Algumas crianças mostram uma reação positiva aos estímulos, mas a


continuação do estímulo pode desorganizá-las.
Processamento Sensorial
◦ Desafios
◦ Aumento da introdução precoce de conteúdo acadêmico.
◦ Muito tempo na tela e diminuição do movimento e brincar ao ar livre.
◦ Expulsão da creche ou pré escola por problemas de comportamento.
◦ Cuidadores com medo de deixar as crianças correm ou ficar sujas.

◦ Desafios adicionais no Brasil


◦ Intervenção precoce iniciando recentemente.
◦ Financeiro.
◦ Pais não tem tempo para os exercícios.
◦ TOs com salários baixos.
Processamento Sensorial
◦ Brinquedos eletrônicos para bebês foram associados com diminuição da
linguagem
◦ Usam menos palavras, e têm menos trocas verbais com o uso de brinquedos
eletrônicos.
◦ A maior diferença foi entre brinquedos eletrônicos e livros.
◦ Próxima maior diferença foi entre brinquedos eletrônicos e brinquedos
tradicionais.

◦ Perigos do tempo excessivo de tela


◦ Estresse.
◦ Sono interrompido.
◦ Depressão – “luz a noite”.
◦ Sistema de recompensa cerebral dessensibilizado.
◦ Redução da atividade física – “horário verde”.
◦ Sobrecarga sensorial – diminuição da atenção.
Processamento Sensorial
◦ Ligação com lesão cerebral
◦ Vícios em internet: mudanças na emotividade, atenção, tomada de decisão e controle
cognitivo.
◦ Média das crianças: gasta > 7 horas por dia nas telas! (aumenta com crianças mais
velhas e adolescentes).
◦ “Síndrome da tela eletrônica” (impulsividade, mau humor e atenção ao outro ruim).

◦ Benefícios de brincar ao ar livre


◦ Melhora a visão.
◦ Diminuição do estresse.
◦ Potencializa aprendizado.
◦ Melhora habilidades sociais.
◦ Reduz sintomas de TDA.
◦ Melhora habilidades motoras e criatividade.
◦ Aumento da autodisciplina e autoconfiança.
◦ Aumento da atividade física / redução do peso corporal.
Processamento Sensorial
◦ Avaliação de desenvolvimento
◦ Miller Functional Assessment.
◦ GOAL Assessment of Life Skills.
◦ Peabody Developmental Motor Scales
◦ Bruinicks Oseretsky Test of Motor Prof II
◦ Test of Visual Perceptial Skills
◦ Motor Free Visual Perception Test
◦ Wide Range Assessment of Visual Motor
◦ Developmental Test of Visual Motor Integration
◦ Quick Neurological Screening Test
◦ Clinical Observations of Motor and Postural Skills

◦ Incluir na avaliação
◦ Histórico: avaliar ou perguntar sobre habilidades de auto cuidado (atividade de vida
diária).
◦ Dar questionário de processamento sensorial (como SPM-P).
Processamento Sensorial
◦ Dieta Sensorial
◦ Cunhado por Patricia Willbarger.
◦ Refere-se a “como as experiências sensoriais podem ser usadas para potencializar
performance ocupacional de qualquer indivíduo”.

◦ Buffet Sensorial
◦ Nós mudamos de dieta sensorial para buffet sensorial.
◦ Variedade – como escolha de comida em buffet.

◦ Criando ambientes sensoriais seguros


◦ Melhor resultados se feitos com maior frequência.
◦ “Buffet sensorial” para usar em mais de um ambiente.
◦ Maior capacidade de atender às necessidades sensoriais para uma melhor regulação e
atenção.
Processamento Sensorial

◦ Descubra quais atividades sensoriais funcionam

◦ Muitos tipo diferentes de entrada sensorial utilizados em várias


intensidades e combinações.

◦ Exemplo: Diferentes lugares e pessoas trazem novos sons, visões, cheiros,


movimentos, músculos e experiências de toque, incluindo os incidentais.
Isso é muito para o cérebro de uma criança ter que experimentar e
organizar.
Baú de Ferramentas
Atividade Objetivo Projeto Adicional
1. Reboladas e Focalizar (atenção), preparar-se para trabalhar e eliminar Desenhar um retrato de si livrando-se das
sacudidas sacudidas. sacudidas.
Vestibular

Fazer todas as partes do corpo trabalhem juntas, desenvolver Desenhar um retrato ou seu modo mais
2. Andar sentado
movimentos recíprocos coordenados. engraçado de andar.
Trabalhar os músculos que ajudam a rolar, balançar ajuda a Desenhar braços e pernas na forma de um
3. Ovo frágil
acalmar. ovo no papel.
4. Pipoqueiro Animar e se acalmar. Obedecer aos comandos. Participar da produção de pipocas.
Desenhar como pareceria a sua casa ou
Melhorar o tônus dos músculos do pescoço e costas para
5. Avião escola se olhadas de um avião que voa
sentar à cadeira.
sobre ela.
Registrar o seu progresso contando o
número adicional de passos dados a cada
6. Carrinho de mão Dar estabilidade de ombro necessário para escrever e cortar.
Proprioceptivo

vez. Desenhar um carrinho de mão ou uma


pessoa fazendo.
Fortalecer os músculos do pescoço, ombros, costas e também
7. Barriga na bola -
combina objetivos das atividades 5 e 6.
8. Balanceio do Fortalecer todos os músculos, ajuda a acalmar o corpo Desenhar um cachorrinho ou animal de
cachorrinho porque é rítmico. estimação preferido.
9. Exercício da Preparar os seus braços para escrever trabalhando os
-
cadeira músculos dos ombros e mãos.
10. Trabalhos Usar muitos músculos, ajuda o seu cérebro a trabalhar melhor Desenhar um retrato de um trabalho
pesados para se concentrar, permite um “intervalo para movimento”. pesado.
Baú de Ferramentas
Atividade Objetivo Projeto Adicional
Desenhar um retrato desenhado na
11. Tradicional Aprender e praticar o melhor modo de sentar na cadeira.
(Funcional)

cadeira.
Posição

Ficar confortável para estudar, sua energia ao pensar pode ser Desenhar a posição favorita para
12. Alternativas
usada para seu trabalho ao invés de manter o seu corpo ereto. aprender.
Ajudar a tirar sacudidas, ajudar a sentir direito e fortalecer as
13. Bola-cadeira -
costas.
14. Jogos com as Jogar com as mãos para desenvolver os músculos para o uso
-
mãos da tesoura, canetas e outros materiais de escrita.
Escrever / Cortar

14a. Aquecimentos Jogar com as mãos para desenvolver os músculos para o uso
-
adicionais da tesoura, canetas e outros materiais de escrita.
Exercício da cadeira (9), Invente uma
15. Empurrar da
Aquecer para aquecer os músculos para escrever e cortar. história do porque da aranha fazer
aranha
exercícios.
16. Preensão do
Segurar um lápis é melhor usando um tripé -
lápis
17. Brinquedos Ajudar o corpo a trabalhar melhor e prestar atenção com Desenhar um retrato do seu brinquedo de
para a boca brinquedos para a boca. boca favorito que não esteja na lista.
Oral

18. Regras do
Mascar chiclete pode ser um bom instrumento para a boca. Desenhar mascando chiclete.
chiclete
19. Brinquedos
Tátil

Diminuir o estresse e se concentrar. Desenhar seu brinquedo tátil preferido.


para as mãos
Baú de Ferramentas
Atividade Objetivo Projeto Adicional
Olfativo Audição Visual

20. Suprimentos
Tornar a iluminação mais adequada. -
para os olhos

Tocar vários tipos de música e a criança


21. Suprimentos Usar fones de ouvido pode ajudar a manter o foco enquanto
desenha um retrato que simbolize para si
para os ouvidos trabalhando.
a música.

Cheirar aromas. Desenhar um retrato


22. Suprimentos quando cheire algo forte. Descrever
Cheiros podem mudar o humor ou trazer lembranças de coisas.
para o nariz como se sente ao sentir esse cheiro bom
ou ruim.
Ler uma história, abraços longos e firmes,
23. Atividades que
Aquietar

Ajudar a tranquilizar. massagens e observar peixes em um


acalmam
aquário.
Movimentar lentamente e rítmico de balanceio e a posição
24. Mole na bola -
invertida podem ser relaxantes.
Desenhar um retrato do que gostam de
Sobrevivência

Experimentar diversos modos de mover seu corpo. O recreio dá


brincar no parquinho ou que gostariam
25. Recreio escolar a seus músculos a nutrição que seu cérebro precisa para ajudar
que fosse disponível no parquinho dos
a concentrar no trabalho escolar.
sonhos.
26. Brincadeira em
Preparar seu corpo e mente para o trabalho. -
casa
Processamento Sensorial
Tools for Tots
◦ Por que precisa de estratégias sensoriais
◦ “...pesquisas neurocientífica sugere que experiências sensoriais e
ambientes ricos sensorialmente resultam em mudanças na função e
estrutura cerebral”.
◦ Como usar estratégias sensoriais
◦ Supervisionada.
◦ Conforme tolerada.
◦ Manter o brincar e a novidade.
◦ Sintonizado na frequência , intensidade e duração
◦ Mudança constante de equilíbrio
◦ Adicione e retire estratégias sensoriais para ajudar a desenvolver
habilidades.
Processamento Sensorial
Tools for Tots

◦ Complemento à terapia individual


◦ As estratégias sensoriais complementam e aprimoram a terapia
individual, não a substituem.
◦ Consulte um TO com experiência em IS.

◦ Estratégias sensoriais “TO usando intervenção sensorial”


◦ Muitas vezes, parte integrante da intervenção precoce, prática escolar e
programas na comunidade.
◦ Enfatiza o empoderamento de uma equipe colaborativa.
Processamento Sensorial
Tools for Tots
◦ Fidelidade da Integração Sensorial de Ayres
◦ Fornecer oportunidades sensoriais.
◦ Fornecer desafios “na medida certa”.
◦ Colaborar na escolha da atividade.
◦ Guiar auto-organização.
◦ Apoiar o alerta ideal.
◦ Criar contexto do brincar.
◦ Maximizar o sucesso da criança.
◦ Garantir a segurança física.
◦ Organizar espaços para envolver a criança.
◦ Adotar aliança terapêutica.
Processamento Sensorial
Tools for Tots
◦ Indicativos comportamentais da eficácia da terapia de IS
◦ Menino de 3 anos e 5 meses
◦ Inteligência não-verbal média, atraso na comunicação e TMS que
afetam o desempenho pré-escolar.

◦ Terapia IS melhora
◦ Autorregulação
◦ Aumento do engajamento
◦ Diminuição da agressão
◦ Diminuição do direcionamento intenso do professor
◦ Diminuição de levar objetos a boca
Sinais Precoce de TEA

MARCOS TÍPICOS SINAIS DE AVISO PRECOCE SINAIS ASSOCIADOS


0-3 meses
Falta de atenção sustentada a Presta pouca atenção em pessoas,
Atenção dividida /
diferentes estímulos visuais e sons. observação visual sem propósito.
regulação
2-5 meses Sem engajamento ou flerte, adulto faz
Engajamento e o trabalho, demonstra prazer por Retraído, atenção em si mesmo.
relacionamento período curto.
4-10 meses Sem interação ou breve interação de
Comportamento imprevisível,
Interações emocionais ida e volta, pouca iniciativa por parte
aleatório, impulsivo.
com propósito da criança.
10-18 meses Sem interação, breve, ou fugaz,
Retraído, atenção em si mesmo,
Cadeias longas de requer muito esforço do adulto,
comportamento repetitivo,
interação de vai e vem emoção / afeto geralmente
imprevisível.
monótono, melancólico.
Atividades na “zona de conforto”
◦ Comportamento repetitivos como girar / flapping com as mãos ou pés, mexer,
lamber, cheirar, alinhar coisas.
◦ Possivelmente devido a processamento sensorial defeituoso.
◦ Pode tornar-se hábito.
◦ Participar deles pode melhorar o engajamento.
◦ Ajudar a regular - fonte de conforto.
◦ Quanto mais confortável, tende a diminuir.
◦ Como sabemos se está funcionando?
OWL - Observe, Wait and Listen (observar, esperar e escutar).
Gradualmente procure por mais:
Dar mão ou pé para você.
Olhando por mais tempo.
Expressões faciais.
Parar de se afastar.
Fazer ou parar sons.
Princípios do DIR®/Floortime

◦ Desenvolvimento, individualizado e relacionamento.

◦ DIR é a teoria, Floortime é a prática.

◦ Centrado na criança, seguir comando da criança.

◦ Ênfase em “círculos de comunicação”.

◦ Aprendizado no contexto de um relacionamento.

◦ Reconhece o papel dos problemas de processamento sensorial e os


aborda para ajudar o progresso da criança.
Níveis funcionais de desenvolvimento
1. Atenção compartilhada e conexão.

2. Engajamento.

3. Comunicação bidirecional.

4. Comunicação complexa de dois sentidos.

5. Significados divididos e brincar simbólico.

6. Pensamento emocional.
Foco nos primeiros níveis de intervenção

◦ Nível 1 e 2: Atenção dividida e engajamento

◦ Nascimento - 8 meses
◦ Atender, tolerar, desfrutar de uma breve interação.
◦ Mostra conexão com os adultos familiares.
◦ Acalma com atenção / conforto.
◦ Gosta de brincar com sensoriomotor.
◦ Responde a voz, começa a se comunicar de volta, às vezes responde
quando chamado pelo nome.
◦ 1-3 círculos.
Foco nos primeiros níveis de intervenção
◦ Círculos de comunicação
◦ Conversação (verbal ou não verbal) onde dois participantes ativos
respondem um ao outro.
◦ Aprende como um ser recíproco ao outro(não pode ser por uma só via -
atenção dividida ou engajamento).
◦ Objetivo - aumentar mais círculos.

◦ Neurônio espelho e engajamento


◦ No cérebro é considerado importante para imitação, aquisição de
linguagem e percepção (RIZZOLATTI, 2011).
◦ Quando você sorri, os neurônios espelhos o ajudam copiá-lo.
◦ Oferecer oportunidades para observar outros que interagem para
desenvolver habilidades sociais.
Foco nos primeiros níveis de intervenção
◦ Nível 3 e 4: Comunicação recíproca e comunicação recíproca complexa
◦ 6-18 meses
◦ Chama atenção / reconfortante
◦ Aumento da linguagem receptiva.
◦ Usa gestos, aumentou o número de palavras.
◦ Mais engajamento, imitação, turno.
◦ Entende as emoções básicas - feliz, triste, medo.
◦ Inicia interações baseadas em necessidades e desejos.
◦ Gosta de motor sensorial
Lutinhas
Rimas
Foco nos primeiros níveis de intervenção

◦ Problemas de engajamento
◦ Difícil de ter atenção ou prestar atenção em mim.
◦ Raramente demonstra carinho ou prazer.

◦ Por quê?
◦ Sobrecarga sensorial / sobrecarregada.
◦ Dificuldades em processar informações
◦ Impulsionada a atender necessidades sensoriais.
Por onde começar?
Princípios da IS e Floortime
◦ Observe os interesse da criança.
◦ Veja as preferências sensoriais.
◦ Siga seus comandos ou dicas.
◦ Desenvolva e expanda lentamente.
◦ Combine com o seu ritmo e animação.

◦ Evite “ensinar”.
◦ Mostre seu prazer.
◦ Antecipe com a sua voz.
◦ Continue falando o mínimo ou combinado com a velocidade da criança.
◦ Espere!
Problemas de engajamento

◦ Gosta de se mexer em vez de brincar comigo.


◦ Gosta de correr para frente e para trás, girar ou rodopiar constantemente.

◦ Por quê?
◦ Procura / deseja estímulos.
◦ Hiporresponsivo, precisa de mais estímulos de movimento.
◦ Hiperresponsiva, movimento está acalmado e organizado.
Estratégias
◦ Junte-se a ele no movimento e divirta-se!
◦ Observe problema ou perturbação.
◦ Se “faça de burro” ou pareça confuso - não ajude.
◦ Tente ‘rotina de ação’ como ‘Preparar, Apontar, Fogo!’ ou ‘1-2-3-pará!’.
◦ Arrisque para que ele tenha que lidar com você e interagir mais, e não é tão
divertido ou fácil de fazer sozinho.

◦ Faça a rotina, então ESPERE!


◦ Observe a resposta e repita.
◦ Lentamente, arrisque:
Afaste-se mais.
Aguarde mais sons / ações.
Altere a atividade ligeiramente para ver se é tolerado.
Repetição é a chave
◦ Cuidado com o que deseja!
Referência Bibliográfica
◦ AYRES, A. J. Sensory Integration and Learning Disorders. Los Angeles: Western Psychological Services, 1972.
◦ AYRES, A. J. Sensory Integration and The Child. Los Angeles: Western Psychological Services, 1979.
◦ AYRES, A. J. Sensory Integration and The Child. Los Angeles: Western Psychological Services, 2005.
◦ CAMINHA, R. C. Investigação de problemas sensoriais em crianças autistas: Relação com o grau de
severidade do transtorno. 120 f. Tese (doutorado). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.
Departamento de Psicologia, 2013.
◦ DUNN, W. Vivendo Sensorialmente entendendo os seus sentidos. São Paulo: Pearson Clinical Brasil, 2017.
◦ KRANOWITZ, C. S., The Out-of-Sync Child: Recognizing and Coping with Sensory Processing Disorder, Perigee
Books, New York, 2005.
◦ MILLER, L. J. Sensational Kids: Hope and Help for Children whith Sensory Processing Disorder (SPD). New York:
Perigee, 2006.
◦ MILLER, L. J., ANZALONE, M. E., LANE, S. J., CERMAK, S. A., OSTEN, E. T. Concept evolution in sensory
integration: A proposed nosology for diagnosis. American Journal of Occupation Therapy, v. 61, n. 2, p. 135-
140, 2007.
◦ RATEY, J. J. A User’s Guide to the Brain: Perception, Attention and the Four Theaters of the Brain. New York:
Vintage, 2001.
◦ SERRANO, P. A Integração Sensorial - No desenvolvimento e aprendizagem da criança. Lisboa: Papa-
Letras, 2016.
Referência das Imagens
◦ http://www.addgz4.com/slideshow/36/slide-5.html

◦ https://www.buzzfeed.com/jesseszewczyk/voce-sabe-como-salvar-estes-desastres-
culinarios?utm_term=.gxYrRYKNv#.xbRe51WkA

◦ https://giphy.com/gifs/spongebob-3o7TKnKFxZKwNJvWyA

◦ https://pt.dreamstime.com/foto-de-stock-crian%C3%A7a-foi-vendada-os-olhos-em-casa-
image94007917

◦ http://www.justrealmoms.com.br/crianca-comendo-cara-feia-comida/

◦ https://giphy.com/explore/cloud
Referência das Imagens
◦ http://revistacrescer.globo.com/Bebes/Amamentacao/noticia/2017/08/amamentacao-5-
maiores-dificuldades-das-maes-e-como-resolve-las.html

◦ http://coralaccordis.blogspot.com.br/2014/08/filmes-com-tematica-musical-e-canto.html

◦ https://sites.google.com/site/lacospsychelogos/sss/psicologia-social/as-experiencias-de-
harlow

◦ https://maeatual.wordpress.com/2014/12/05/estimulando-o-bebe-espelho/

◦ https://www.greenme.com.br/viver/saude-e-bem-estar/5070-dia-mundial-audicao

◦ http://www.gifs.blog.br/imagem/gifs-gifs-de-estrelas-16
Referência das Imagens
◦ http://www.gifsparascrap.com/imagem-545.php

◦ https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-773874500-campainha-32-toques-100-metros-flash-
de-luz-sem-fio-_JM

◦ http://www.gifmania.com.br/Gif-Animados-Letras-Animadas/Animacoes-Sinais-
Pontuacao/Imagens-Ponto-Interrogacao/

◦ https://tenor.com/search/olhando-gifs

◦ https://www.pinterest.com/pin/446982331744640510/

◦ https://giphy.com/gifs/ice-cream-46jgLgnCIAWLm
Referência das Imagens
◦ https://tenor.com/view/agua-praia-sol-feriado-mar-gif-8399182

◦ https://giphy.com/gifs/hug-minions-love-QbkL9WuorOlgI

◦ https://giphy.com/gifs/la-library-go-set-a-watchman-10sKNgit3jiU2A

◦ http://naatyzinha.blogspot.com.br/2015/07/dia-do-amigo-atrasado-d.html

◦ http://faalalala.blogspot.com.br/2013/08/descubra-si-es-usted-tonto-del-culo.html

◦ https://www.linio.com.mx/p/timbre-d-mesa-tipo-campanilla-recepcio-n-hoteles-restaruantes-
qe024c
Referência das Imagens
◦ https://www.cheapdisabilityaids.co.uk/ball-therapy-chair-26347-p.asp

◦ http://www.alphaf1.com/yoga-ball-chair-and-the-many-benefits/

◦ http://www.1zoom.me/pt/wallpaper/500963/z4917.7/

◦ https://tenor.com/view/alice-paisdasmaravilhas-obrigada-obrigado-agradecido-gif-4624067