Você está na página 1de 467

SECRETARIA DA FAZENDA

VOLUME 13

Prestação de Serviços de Vigilância


Eletrônica

Versão Janeiro/2017
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

VOLUME 13
PREFÁCIO .............................................................................................................................. 4
INSTRUÇÕES GERAIS ........................................................................................................... 5
INSTRUÇÕES GERAIS APLICÁVEIS A CADA MÓDULO DE SERVIÇOS ............................ 22
INSTRUÇÕES SOCIOAMBIENTAIS ESPECÍFICAS .............................................................. 33
CAPÍTULO I - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ....................................................................... 35
1 – VISÃO GERAL DOS GRUPOS E MÓDULOS DE SERVIÇOS ......................................................... 35
2 - ESPECIFICAÇÕES PECULIARES A CADA UM DOS MÓDULOS DE SERVIÇOS ......................... 36
A – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ALARMES (A1) ......................................... 36
A – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MONITORAMENTO REMOTO DE SISTEMA DE ALARMES (A2) ......... 44
A – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INSPEÇÃO TÉCNICA POR MONITOR EXTERNO (A3) ......................... 47
B – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE MÓDULO DE CONTROLE DE ACESSO (B1-CATRACAS;
B2-CANCELAS; B3-PORTAS; B4-CARTÕES; B5-CONTROLE DE VISITANTES ; B6-CENTRAL/
SERVIDOR DE CONTROLE DE ACESSO) ................................................................................................... 49
B7 – MONITORAMENTO REMOTO DA CENTRAL/ SERVIDOR DE CONTROLE DE ACESSO ....................... 65
B8 – EQUIPAMENTOS ESPECIAIS PARA O CONTROLE DE ACESSO DE PRÉDIOS ADAPTADOS A
PESSOAS COM DEFICIÊNCIA...................................................................................................................... 69
B9 – SISTEMA BASE WEB DE CONTROLE DE ACESSO ................................................................................. 76
C – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE SISTEMAS DE DETECÇÃO DE INCÊNDIO (C1) ........... 82
C – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MONITORAMENTO REMOTO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIO (C2) .. 101
D – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE CIRCUITO FECHADO DE TELEVISÃO CONVENCIONAL
DIGITAL (D1; D2; D4; D5; D6; D9) ............................................................................................................... 104
D – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE CIRCUITO FECHADO DE TELEVISÃO SISTEMA IP
(D3;D7;D8).................................................................................................................................................... 143
D – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MONITORAMENTO E GERENCIAMENTO REMOTO DE IMAGENS DE
CFTV (D10) .................................................................................................................................................. 188
D – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MONITORAMENTO E GERENCIAMENTO LOCAL DE IMAGENS DE
CFTV (D11) .................................................................................................................................................. 191
3. OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA COMUNS A TODOS OS MÓDULOS DE SERVIÇOS ............. 194
4. OBRIGAÇÕES DO CONTRATANTE COMUNS A TODOS OS MÓDULOS DE SERVIÇOS........... 198
5 - FISCALIZAÇÃO/ CONTROLE DA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS .................................................. 198
6 - TABELA DE LOCAIS ........................................................................................................................ 199
CAPÍTULO II – VALORES REFERENCIAIS ........................................................................... 200
1. RESUMO - VALORES REFERENCIAIS ........................................................................................... 200
1.1. TABELA DE APOIO AOS VALORES REFERENCIAIS ................................................................. 214
2. DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DOS VALORES UNITÁRIOS .................................................... 230
A1-Sistemas de Alarmes .................................................................................................................................... 231
A1.1.01.L - Central de Gerenciamento Local I (Painel de 01 até 08 zonas) ....................................................... 231
A1.1.02.L - Central de Gerenciamento Local II (Painel de 09 até 24 zonas) ...................................................... 232
A1.1.03.L - Central de Gerenciamento Local III (Painel de 25 até 48 zonas) ..................................................... 233
A1.1.04.L - Central de Gerenciamento Local IV (Painel 49 até 96 zonas) ......................................................... 234
A1.1- Manutenção dos Sistemas de Alarmes..................................................................................................... 235
A1.1.01.M - Sistema de Gerenciamento Local I (Painel de 01 até 08 zonas) .................................................... 236
A1.1.02.M - Sistema de Gerenciamento Local II (Painel de 09 até 24 zonas) ................................................... 239
A1.1.03.M - Sistema de Gerenciamento Local III (Painel de 25 até 48 zonas) .................................................. 242
A1.1.04.M - Sistema de Gerenciamento Local IV (Painel de 49 até 96 zonas) .................................................. 245
A1.2 - Locação de Sensores e Acessórios - Sistemas de Alarme...................................................................... 248
A1.2.18.L - Coletor eletrônico de ronda / A1.2.19.L - Button Eletrônico de ronda .............................................. 250
A1.2.20.L –Rádio/ A1.2.21.L – Comunicação Móvel Tipo I/ A1.2.22L – Comunicação Móvel Tipo II................. 251
A1.2.23.L - Monitor de LED OU LCD ................................................................................................................. 251
A1.1.26.L - Receptor com Controle Remoto Multifrequencia 292 a 433,92 MHz / ............................................. 252
A1.2.27.L - Kit de Energia .................................................................................................................................. 252
A1.2 - Locação de Sistemas de Proteção Perimetral ......................................................................................... 254
A2 – Monitoramento de Alarmes – Locação....................................................................................................... 255
A2.1 - Serviços de Monitoramento Remoto de Alarmes - Valor Por Painel........................................................ 255
A3-Inspeção Técnica por Monitor Externo - Pronta Resposta............................................................................ 257
A3.1 - Serviço de Inspeção Técnica por Monitor Externo - Pronta Resposta ..................................................... 257
B-Controle de Acesso ........................................................................................................................................ 258
B1-Controle de Acesso-Catracas-Locação ........................................................................................................ 258
B1.1.01.L - Catraca pedestal com leitores de proximidade de entrada e saída ................................................. 258
B1.1.02.L - Catraca pedestal com leitores de proximidade e cofre coletor de cartões para visitantes ............... 259
B1.1.03.L - Catraca pedestal de acesso para deficientes físicos ....................................................................... 260
B1.1.04.L - Catraca pedestal de acesso para deficientes físicos e cofre coletor de cartões para visitantes ...... 261
B1.1.05.L - Catraca tipo balcão com leitora de proximidade de entrada e saída ............................................... 262
Índice 1
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

B1.1.06.L - Catraca tipo balcão com leitora de proximidade e cofre coletor de cartões ..................................... 263
B1.1.07.L – Portinhola de Acesso para cadeirantes e fechamentos .................................................................. 264
B2-Controle de Acesso-Cancelas-Locação ........................................................................................................ 265
B2.1 - Locação de Cancelas .............................................................................................................................. 265
B2.1.01.L - Cancela automática com botoeira.................................................................................................... 265
B2.1.02.L - Cancela automática com leitores de proximidade de entrada e saída ............................................. 266
B2.1.03.L - Cancela automática com leitores de proximidade de entrada e saída e cofre coletor ..................... 267
B3-Controle de Acesso-Portas ........................................................................................................................... 268
B3.1 - Locação de Módulos de Controle de Portas ............................................................................................ 268
B3.1.01.L - Módulo de Controle de Acesso para portas com leitor de proximidade de entrada e saída e
fechadura de até 120 kg ............................................................................................................................... 268
B3.1.02.L - Módulo Básico de Controle de Acesso para portas com botão de abertura da porta ...................... 269
B3.1.03.L - Módulo Completo de Controle de Acesso para Automatização de Portão de Veículos até 1500 kg270
B3.2 – Locação Acessórios e Opcionais para os Módulos de Controle de Portas ............................................. 271
B4.1 – Locação de Cartões de Controle de Acesso - Mifare .............................................................................. 274
B4.1.01.L – Cartão de Acesso COM ETIQUETA – Valor Unitário (pacote com 100 unidades) ......................... 274
B4.1.02.L – Cartão de Acesso EM BRANCO – Valor Unitário (pacote com 100 unidades) ............................... 275
B4.1.03.L – Impressora Térmica ........................................................................................................................ 275
B5-Controle de Acesso-Visitantes-Locação ....................................................................................................... 277
B5.1 – Locação de Módulo de Controle de Visitantes ........................................................................................ 277
B5.1.01.L - Estação de trabalho para cadastro de Visitantes ............................................................................. 277
B5.1.02.L - Relógio led com o horário sincronizado com o servidor de acesso ................................................. 278
B6.1 - Locação de Central/Servidor de Controle de Acesso .............................................................................. 279
B6.1.01.L - Central/Servidor de Controle de Acesso .......................................................................................... 279
B6.1.01.M–Manutenção do Sistema de Controle de Acesso ............................................................................. 280
B6.1.01.M–Manutenção do Sistema de Controle de Acesso ............................................................................. 281
B6.2.01.L - Software de gerenciamento de visitantes ........................................................................................ 284
B7. Serviço De Monitoramento Remoto da Central/Servidor de Controle de Acesso ........................................ 285
B8 - Locação de Baia de Segurança Especial para atender cadeirantes e/ou pessoas com necessidades
especiais ....................................................................................................................................................... 286
B8.1.01.L - Baia de Segurança Especial com leitores de proximidade para atender cadeirantes e/ou pessoas
com necessidades especiais ........................................................................................................................ 286
B8.1.02.L - Baia de Segurança Especial com leitores de proximidade e cofre coletor para atender cadeirantes
e/ou pessoas com necessidades especiais .................................................................................................. 287
B8.1.01.M – Sistema de Controle de Acesso para prédios adaptados a pessoa com deficiência ..................... 288
B8.1.01.M – Sistema de Controle de Acesso para prédios adaptados a pessoa com deficiência ..................... 289
B8.2.01.L - Conjunto de Portas Deslizantes em folha dupla e módulo de controle automatizado...................... 292
B8.2.02.L - Leitor de proximidade MIFARE para distância ente 10 e 90 centímetros ........................................ 293
B9.1 - Locação de Sistema Base Web de Controle de Acesso .......................................................................... 294
B9.1.01.L - Sistema Base Web de Controle de Acesso para um ou mais prédios (Portas, Catracas e Cancelas)
...................................................................................................................................................................... 294
B9.1.01.M–Manutenção do Sistema Base Web de Controle de Acesso ............................................................ 295
B9.1.01.M–Manutenção do Sistema Base Web de Controle de Acesso ............................................................ 296
C- Alarmes de Incêndio ...................................................................................................................................... 299
C1- Alarmes de Incêndio-Central de Incêndio-Locação ..................................................................................... 299
C1.1- Locação de Centrais Convencionais de Incêndio e Manutenção de Sistemas Convencionais de Alarme e
Detecção de Incêndios ................................................................................................................................. 299
C1.1.01.L - Central Convencional Classe A/B –1 ou 2 laços ............................................................................. 299
C1.1.02.L - Central Convencional Classe A/B –3 ou 4 laços ............................................................................. 300
C1.1.03.L - Central Convencional Classe A/B - 12 laços até 48 laços ............................................................... 301
C1.1 - Alarmes de Incêndio-Central Convencional de Incêndio – Manutenção ................................................. 302
C1.1.01.M - Central Convencional Classe A/B –1 ou 2 laços ............................................................................ 303
C1.1.02.M - Central Convencional Classe A/B – 3 ou 4 laços ........................................................................... 306
C1.1.03.M - Central Convencional Classe A/B - 12 laços até 48 laços .............................................................. 309
C1.2 - Locação de Centrais Endereçáveis de Incêndio e Manutenção de Sistemas Endereçáveis de Alarme e
Detecção de Incêndios ................................................................................................................................. 312
C1.2.01.L - Central Endereçável Classe A/B –1 ou 2 laços ............................................................................... 312
C1.2.02.L - Central Endereçável Classe A/B –3 até 6 laços .............................................................................. 313
C1.2.03.L - Central Endereçável Classe A/B –7 até 10 laços ............................................................................ 314
C1.2-Alarmes de Incêndio – Central de Incêndio – Manutenção ....................................................................... 315
C1.2.01.M - Central Endereçável Classe A/B –1 ou 2 laços .............................................................................. 316
C1.2.02.M - Central Endereçável Classe A/B –3 até 6 laços ............................................................................. 319
C1.2.03.M - Central Endereçável Classe A/B –7 até 10 laços ........................................................................... 322
C1.3 - Locação de Sensores e Acessórios -Sistemas de Alarme e Detecção de Incêndios .............................. 325
C2- Alarmes de Incêndio-Sensores de Incêndio-Locação ................................................................................. 327
D - MÓDULOS DE CFTV (CIRCUITO FECHADO DE TELEVISÃO) ................................................................. 328

Índice 2
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D1.1-CFTV-Locação de Central de Monitoramento Local e Manutenção de Sistema de CFTV-Convencional


(Digital) ......................................................................................................................................................... 328
D1.1.01.L - Central de Monitoramento Local ...................................................................................................... 328
D1.1.01.M –Sistemas de CFTV Convencional (Digital) com 16 câmeras - Manutenção.................................... 329
D1.1.01.M –Sistemas de CFTV Convencional (Digital) com 16 câmeras - Manutenção.................................... 330
D1.1.02.M - Sistema de CFTV-Convencional (Digital) Local - Valor da Câmera Adicional ................................ 333
D1.2-CFTV – Locação de Gravadores DVR Stand aloneD2.1-CFTV – Servidor para gerenciamento de imagens
– Locação ..................................................................................................................................................... 337
D1.2.01.L - DVR Stand Alone Base PC de 16 Canals com software ................................................................. 337
D1.2.02.L - DVR Stand Alone Microprocessado de 16 Canais com software .................................................... 338
D1.3 - Locação de Equipamento NVR ............................................................................................................... 339
D1.3.01.L - NVR Stand Alone Base PC de 16 Canais com software ................................................................ 339
D1.3.02.L - NVR Stand Alone Microprocessado de 16 Canais com software ................................................... 340
D1.3.03.L - Computador PC com Placa de Captura de Vídeo para Sistema de CFTV ..................................... 341
D2.-CFTV-Locação de Estação de Visualização................................................................................................ 342
D2.1 -Locação de Estação de Visualização ....................................................................................................... 342
D2.1.01.L - Estação de Visualização de CFTV .................................................................................................. 342
D3-CFTV-Central de Monitoramento Remoto-Manutenção ............................................................................... 343
D3.1 - Locação de Equipamentos de CFTV Sistema-IP e Manutenção de Sistema de CFTV-IP ...................... 343
D3.1.01.L - Servidor para gerenciamento de vídeo em rede .............................................................................. 343
D3.1.01.M - Manutenção de Sistema de CFTV-IP Local com 16 Câmeras IP/Megapixel .................................. 344
D3.1.02.M - Sistema de CFTV-IP/ MEGAPIXEL Local - Valor da Câmera IP ou MEGAPIXEL Adicional .......... 347
D3.2 -Locação de Software e Licenças de Gerenciamento de Imagens para Sistema IP ................................. 350
D4- Locação de Central de Monitoramento Remoto para CFTV ........................................................................ 351
D4.1 - Locação Central Monitoramento Remoto ................................................................................................ 351
D5-CFTV - Locação de Acessórios de CFTV ..................................................................................................... 352
D5.1 - Locação de Acessórios de CFTV ............................................................................................................ 352
D5.1.10.L - Conjunto Básico de Instalação de DVR ou NDVR: Gabinete e Nobreak ......................................... 354
D6- Locação de Câmeras de CFTV Convencional (Digital) ............................................................................... 355
D7-Locação de Câmeras IP ............................................................................................................................... 360
D8- Locação de Câmeras de CFTV IP-MEGAPIXEL ......................................................................................... 364
D9-Locação De Postes Galvanizados a Fogo .................................................................................................... 368
D9.1 - Locação de Postes galvanizados a quente ............................................................................................. 368
D9.1.01.L - Poste Galvanizado a quente de 10 metros - 75 mm ...................................................................... 368
D9.1.02.L - Poste Galvanizado a quente de 3 metros - 75 mm ........................................................................ 369
D10-Serviços De Monitoramento Remoto De Imagens ...................................................................................... 369
D11 -Serviços de Monitoramento e Gerenciamento Local se Imagens.............................................................. 371
D11.1 - Serviço de Monitoramento Local de Imagens ........................................................................................ 372
D11.1.01.L - POSTO 12 HORAS DIÁRIAS - DIURNO - SEGUNDA-FEIRA A DOMINGO ................................ 372
D11.1.02.L - POSTO 12 HORAS DIÁRIAS - NOTURNO - SEGUNDA-FEIRA A DOMINGO............................. 374
MEMÓRIA DE CÁLCULO DOS VALORES PARA A COBERTURA DO INTERVALO DE REPOUSO E
ALIMENTAÇÃO ............................................................................................................................................ 375
SUPERVISÃO DE MONITORAMENTO DIURNO E NOTURNO DE SEGUNDA-FEIRA A DOMINGO – ITEM DE
CUSTOS UTILIZADO PARA A FORMAÇÃO DE PREÇOS DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO
(A2;A3;B7;C2;D10) ....................................................................................................................................... 376
ITEM COMUM A TODOS OS GRUPOS-Mão de Obra de Instalação e Manutenção ........................................ 380
MÃO-DE-OBRA DE INSTALAÇÃO / MANUTENÇÃO ........................................................................................ 380
CAPÍTULO III – EDITAIS ........................................................................................................ 386
1 - MODALIDADE DE LICITAÇÃO E ELABORAÇÃO DO EDITAL E CONTRATO .............................. 386
CAPÍTULO IV – CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO DOS PREÇOS ..................................... 387
1- CUSTOS DOS SERVIÇOS ............................................................................................................... 387
2 - ENCARGOS SOCIAIS E TRABALHISTAS ...................................................................................... 410
3 - BENEFÍCIO E DESPESAS INDIRETAS .......................................................................................... 440
ADENDO 1 – AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS ............................................. 443
ANEXO 1 ................................................................................................................................. 446
ANEXO 2 ................................................................................................................................. 447
ANEXO 3 ................................................................................................................................. 450
ADENDO 2 - GLOSSÁRIO DE TERMOS E EQUIPAMENTOS ............................................... 451
CRÉDITOS .............................................................................................................................. 465

Índice 3
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

PREFÁCIO
Este estudo foi desenvolvido com objetivo de apresentar as soluções disponíveis para vigilância
eletrônica e respectivos valores referenciais de seus componentes, de forma a orientar os
órgãos da administração pública na decisão de contratação de vigilância na forma eletrônica.

As soluções, na forma de módulos, contêm as especificações técnicas mínimas para a


elaboração de um projeto para contratação de sistemas e serviços eletrônicos adequados a
cada situação.

Entende-se por vigilância eletrônica o serviço que permite prevenir ou detectar, por meio de
sistemas eletrônicos de segurança: incêndios, acessos, intrusões, violações e outras
irregularidades no local protegido.

Sistemas eletrônicos de segurança são conjuntos de equipamentos e dispositivos técnicos


diferenciados que se integram para atuar no esforço de vigilância, tais como: circuito fechado de
televisão (CFTV), alarme, controle de acesso, ronda eletrônica, ronda virtual, proteção
perimetral, etc.

Os objetivos a serem satisfeitos pelos sistemas eletrônicos de segurança são os de:

a) Detectar: Automaticamente pelo próprio equipamento, seja ele um sensor de presença ou


uma câmera com detecção de movimento ativada pelo ser humano que, ao perceber uma
invasão, aciona o botão de pânico.
b) Comunicar: Sonoramente, por meio do acionamento de uma ou mais sirenes;
luminosamente, por meio do acionamento de flashes de advertências ou de leds do
próprio teclado do sistema de alarme ou silenciosamente, por meio do acionamento de um
botão de pânico que enviará dados à central de monitoramento ou de dados, uma vez que
o alarme é monitorado 24h por meio da linha telefônica fixa, celular radiofrequência, rede
de dados e/ou recepção de imagens.
c) Inibir: por meio de um sistema de segurança eletrônica visível ou sonoro que mostre aos
indesejáveis que a área está protegida, inibindo uma possível ação invasiva.

A finalidade desses sistemas eletrônicos é detectar e informar aos responsáveis (pelo imóvel,
área, patrimônio, gerenciadores de contrato, centrais de monitoramento local e/ou remoto e
órgãos públicos competentes) irregularidades para que sejam tomadas as devidas providências
estabelecidas na ficha de monitoramento do Contratante.

As irregularidades detectadas são transmitidas por sinais, linha telefônica fixa, celular,
radiofrequência, rede de dados e/ou recepção de imagens.

A Vigilância eletrônica abrange os serviços de:

 Instalação, manutenção, disponibilização e operação permanentes de equipamentos


previstos em projeto de detecção, alarme e comunicação;
 Monitoramento local e/ou remoto de sensores, alarmes e/ou imagens;
 Inspeção técnica por monitor externo do local protegido;
 Instalação, manutenção, disponibilização e operação permanentes de equipamentos de
CFTV, previstos em projeto; e
 Monitoramento local e/ou remoto de CFTV; e
 Controle de acesso.
Esses serviços podem ser contratados isoladamente ou de forma combinada, de acordo com a
necessidade do Contratante e a especificação do projeto.

Este estudo mostra a estrutura de custos os serviços, as memórias de cálculo e as referências


técnicas que deram suporte à sua elaboração.
Prefácio 4
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

INSTRUÇÕES GERAIS

Para melhor utilização das informações e dos dados constantes deste volume, devem ser
observadas as instruções gerais a seguir, divididas entre aquelas aplicáveis ao contexto geral da
contratação e as aplicáveis individualmente a cada um dos módulos de serviços.

Para auxiliar o entendimento de termos específicos do serviço de vigilância eletrônica, o Adendo


2 traz um glossário de expressões técnicas utilizadas nos módulos de serviços constantes deste
volume.

Contexto Geral

1- Recomenda-se a utilização da seguinte nomenclatura nas contratações:


“Prestação de Serviços de Vigilância Eletrônica”.

2– No presente estudo, a Prestação de Serviços de Vigilância Eletrônica compõe-se dos


seguintes Grupos de serviços e seus respectivos módulos.

Por módulos, entendem-se os conjuntos de equipamentos e acessórios agrupados


segundo a finalidade de utilização:

Grupo A - Módulos de Alarmes:


A1 - Prestação de Serviços de Locação de Sistema de Alarmes
A2 - Prestação de Serviços de Monitoramento Remoto de Sistemas de Alarmes
A3 - Prestação de Serviços de Inspeção Técnica por Monitor Externo - Pronta Resposta

Grupo B - Módulos de Controle de Acesso:


B1 - Prestação de Serviços de Locação de Módulo de Controle de Acesso – Catracas
B2 - Prestação de Serviços de Locação de Módulo de Controle de Acesso – Cancelas
B3 - Prestação de Serviços de Locação de Módulo de Controle de Acesso – Portas
B4 - Prestação de Serviços de Locação de Módulo de Controle de Acesso - Cartões
B5 - Prestação de Serviços de Locação de Módulo de Controle de Visitantes
B6 - Prestação de Serviços de Locação de Central/Servidor de Controle de Acesso
B7 - Prestação de Serviços de Monitoramento Remoto da Central/ Servidor de Acesso
B8 - Prestação de Serviços de Locação de equipamentos especiais para o controle de
acesso de prédios adaptados a pessoas com deficiência
B9 - Prestação de Serviços de Locação de Sistema Base Web de Controle de Acesso para
um ou mais prédios - Portas, Catracas e Cancelas

Grupo C - Módulos de Sistema de Alarme e Detecção de Incêndio:


C1 -Prestação de Serviços de Locação de Sistema de Detecção de Incêndio
C2 - Prestação de Serviços Monitoramento Remoto de Sistemas de Alarme e Detecção de
Incêndios.

Grupo D - Módulos de CFTV (Circuito Fechado de Televisão):


D1 - Prestação de Serviços de Locação de Dispositivos para CFTV Convencional (Digital)
D2 - Prestação de Serviços de Locação de Estação de Visualização para CFTV
D3 - Prestação de Serviços de Locação de Dispositivos para CFTV IP
D4 - Prestação de Serviços de Locação de Central de Monitoramento Remoto para CFTV
D5 - Prestação de Serviços de Locação de Acessórios, Conversores e Dispositivos para
CFTV Convencional (Digital)/ Sistema IP
D6 - Prestação de Serviços de Locação de Câmeras de CFTV Convencional (Digital)
D7 - Prestação de Serviços de Locação de Câmeras de CFTV Sistema IP

Instruções Gerais 5
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D8 - Prestação de Serviços de Locação de Câmeras de CFTV Sistema IP - Megapixel


D9 - Prestação de Serviços de Locação de Postes
D10 - Prestação de Serviços de Serviços de Monitoramento Remoto de Imagens
D11 - Prestação de Serviços de Monitoramento e Gerenciamento local de imagens (Posto)

Instruções Gerais 6
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

Quadro de referências dos Grupos A,B,C,D e Módulos

Equipam entos Acessórios Softw are Mão de Obra


A Sensores de
Alarmes

Monitoramento Inspeção
movimento /
remoto da Técnica por
presença /
Central de alarmes central de Monitor
proteção
alarmes (por Externo
perimetral /
painel) (por painel)
Comunicação
A1.1 A1.2 A2 A3

Equipam entos Acessórios Softw are Mão de Obra


B Cartões de
Catracas Cancelas Fechaduras Acesso com Monitoramento
Módulo de Controle
Etiqueta remoto da
de acesso para
B1 B2 Interface de Cartões de Central /
Portas
Controle de Acesso em Servidor de
Controle de Acesso

Acesso Branco Controle de


B3.1 B3.2 Impressora Acesso
Térmica
Baias de B4 B7
Segurança
Especiais para Conjunto de Porta Estação de
atender Deslizantes e módulo trabalho para
cadeirantes e/ou de controle cadastro de
pessoas com automatizado visitantes
necessidades
especiais
B8.1 B8.2
Relógio Led
Sincronizado

B5.1

Central / Servidor Sistema Base Web Softw are de


de Controle de de Controle de controle de
Acesso Acesso visitantes

B6.1 B9 B6.2

Equipam entos Acessórios Softw are Mão de Obra


C Centrais
Incêndio

Centrais Monitoramento
Convencionais de
Endereçáveis de Sensores de remoto da
Alarme e
Alarme e Detecção incêndio central de
Detecção de
de Incêndio incêndio
Incêndio
C1.1 C1.2 Acessórios de C3
Incêndio
C1.3

Equipam entos Acessórios Softw are Mão de Obra


CFTV

D Convencional - Digital
Central de
DVR Stand alone
Monitoramento
(softw are incluso)
Local (DVR - Base
Microprocessado Central de
PC + Tela) e
ou Base PC Monitoramento Serviço de
softw are incluso Câmeras de Licença Posto de
Remoto Acessórios, Monitoramento
D1.1 D1.2 CFTV Cliente para Monitoramento
(Estação de Dispositivos para Postes Remoto
Convencional Visualização Local das
Trabalho para CFTV (por 16
(Digital) de Câmeras Câmeras
NVR Monitoramento de Câmeras)
Estação de Imagens de CFTV)
Microprocessado
Visualização de
ou Base PC
CFTV
(softw are incluso)

D1.3 D2 D4.1 D5 D6 D9 D3.2 D10 D11


Sistem a IP
Central de
Monitoramento Serviço de
Acessórios, Licença Posto de
Estação de Servidor para Remoto Câmeras de Câmeras de Monitoramento
Dispositivos e Cliente para Monitoramento
Visualização de gerenciamento de (Estação de CFTV Sistema CFTV Sistema Postes Remoto
Softw ares para Visualização Local das
CFTV imagens Trabalho para IP IP - MegaPixel (por 16
CFTV de Câmeras Câmeras
Monitoramento de Câmeras)
Imagens de CFTV)
D2 D3.1 D4.1 D5 D7 D8 D9 D3.2 D10 D11

* Estes serviços deverão ser prestados via Intragov ou pelo escopo das contratações de
telecomunicações definidos pelo órgão Contratante.

Instruções Gerais 7
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

2.1 A nomenclatura “Inspeção Técnica por Monitor Externo–Serviço de Pronta Resposta”


substitui a nomenclatura do “Serviço de Pronta Resposta”, de acordo com a
Convenção Coletiva de Trabalho do Sindicato das Empresas de Sistemas Eletrônicos
de Segurança do Estado de São Paulo 2009/2010, Reg. MR 005853/2009.

3- A decisão da escolha da contratação de serviços de vigilância eletrônica deverá estar


embasada em análise criteriosa das reais necessidades dos serviços a serem contratados,
considerando-se as Especificações Técnicas de cada tipo de serviço e a legislação
regulamentar das atividades de vigilância eletrônica. Essa seleção é fundamental para a
satisfação das necessidades do Contratante, havendo reflexos significativos nas despesas
decorrentes. Portanto, quando da contratação dos serviços de vigilância eletrônica,
importante se faz conhecer as especificações dos serviços de vigilância/ segurança
patrimonial constantes do Volume 1, bem como as de controle, operação e fiscalização de
portarias e edifícios, constantes do Volume 2, objetivando selecionar a alternativa que
melhor atenda às necessidades.
3.1 - Um aspecto importante para a escolha da contratação de serviços de vigilância
eletrônica é a sua convivência com os serviços de vigilância/ segurança patrimonial
eventualmente já contratados ou a contratar. A integração desses serviços deverá
garantir nível adequado de segurança das instalações envolvidas, com a otimização
dos recursos humanos e das tecnologias de segurança eletrônica, fomentando a
percepção da presença do vigilante nos postos definidos e implementando sistemas
eletrônicos de segurança que permitirão o monitoramento das instalações.
3.2 – As empresas prestadoras exclusivamente de serviços de vigilância eletrônica não
estão submetidas às regras previstas na legislação que rege a prestação de serviços
de vigilância/ segurança patrimonial como, principalmente, a Lei Federal no 7.102/83,
com alterações dadas pelas Leis Federais nos 8.863/94, 9.017/95, pela Medida
Provisória no 2.184/01, pela Lei Federal nº 11.718/08, e pelas Portarias DG/DPF nº
387/2006, nº 3.233/2012 e nº 3.258/2013. Assim sendo, a contratação de serviços
que envolvam exclusivamente a vigilância eletrônica não requer o cumprimento das
exigências legais afetas exclusivamente às empresas de Segurança/ Vigilância
patrimonial.
3.3 – Preservado o princípio da economicidade, sempre que possível, é amplamente
recomendada a contratação conjunta de todos os módulos de serviço de interesse do
Contratante de uma única Contratada responsável, ainda que seja permitida a
subcontratação de determinado módulo no todo ou em parte. Isto não implica que
todos os módulos devam ser sempre contratados.
3.4 - A lógica da vigilância eletrônica indica, como regra geral, a contratação conjunta de
um dos módulos de centrais de gerenciamento disponíveis (A1.1, B6.1, C1.1, C1.2,
D1.1, D1.2, D1.3 ou D3.1) e de equipamentos e acessórios listados neste volume
(A1.2, B1, B2, B3, B4, B5, C2, D1 ou D3, D5, D6, D7, D8 ou D9) responsáveis pelo
sensoriamento e detecção de agentes de risco ou controle de acesso, ou ainda a
cobertura de áreas através do uso de imagens. A contratação de serviços de
supervisão e monitoramento remoto é opcional e esses serviços deverão ser
contratados levando em consideração o grau de risco e as necessidades de proteção
das áreas sob vigilância eletrônica. Caso módulos de ambos os grupos sejam
contratados, a prática mais recomendável é a responsabilização de uma única
Contratada, dadas as interfaces inevitáveis entre as equipes envolvidas, bem como
com as equipes de segurança patrimonial e de portaria.
3.4.1 - Entre as soluções que podem ser combinadas na utilização dos módulos
apresentados, citamos:

Instruções Gerais 8
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

Grupo A - Módulos de Alarmes:

As quantidades de zonas a serem monitoradas irão determinar qual o sistema de alarme a ser
adotado, conforme os critérios informados a seguir:

 Sistema Básico de Alarmes:

Central de alarmes 8 a 24
Zonas + Sensores de movimento /
presença

A1.1 A1.2

Recomendação de Uso: Áreas ou Prédios Públicos com necessidade de sensoriamento por


alarmes limitados entre 8 e 24 zonas.

 Sistema Básico de Alarmes com o Monitoramento Remoto

Monitoramento remoto Inspeção Técnica por


Central de alarmes 8 a 24
Zonas + Sensores de movimento /
presença + da central de alarmes
(por painel)
+ Monitor Externo
(por painel)
A1.1 A1.2 A2 A3

Recomendação de Uso: Áreas ou Prédios Públicos com necessidade de sensoriamento por


alarmes limitados entre 8 e 24 zonas, com identificação da real necessidade de controle de
riscos, proteção ou vigilância constante (exemplo: segurança de autoridades, existência de
valores patrimoniais elevados e outras demandas) que deverão ser compostos com os serviços
de monitoramento remoto conforme definição do profissional técnico responsável pela
elaboração do projeto do sistema.

 Sistema Avançado de Alarmes:

Central de alarmes 25 a 96
Zonas + Sensores de movimento /
presença

A1.1 A1.2

Recomendação de Uso: Áreas ou Prédios Públicos com necessidade de sensoriamento por


alarmes de 25 ou mais zonas, limitados a 96 zonas por painel da central de alarmes. No caso de
mais de 96 zonas, deverá ser utilizada a combinação de mais de um painel para compor a
central de alarmes, conforme definição do profissional técnico responsável pela elaboração do
projeto do sistema.

 Sistema Avançado de Alarmes com Monitoramento Remoto:

Monitoramento remoto Inspeção Técnica por


Central de alarmes 25 a 96
Zonas + Sensores de movimento /
presença + da central de alarmes
(por painel)
+ Monitor Externo
(por painel)
A1.1 A1.2 A2 A3

Recomendação de Uso: Áreas ou Prédios Públicos com necessidade de sensoriamento por


alarmes de 25 ou mais zonas, limitados a 96 zonas por painel da central de alarmes, com
identificação da real necessidade de controle de riscos, proteção ou vigilância constante
(exemplo: segurança de autoridades, existência de valores patrimoniais elevados e outras
demandas). No caso da necessidade de um número maior do que 96 zonas e/ou da

Instruções Gerais 9
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

necessidade de monitoramento remoto, as soluções e escolhas de serviços deverão seguir a


definição do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema.

 Expansão dos sistemas de alarmes:

Quando houver previsão de ampliação na quantidade de zonas monitoras, utilizar


preferencialmente centrais de alarmes expansíveis, com capacidade suficiente para atender à
ampliação prevista.

Instruções Gerais 10
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

Grupo B - Módulos de Controle de Acesso:

 Sistema Básico de Controle de Acesso de Pedestres ou Pessoas com Deficiência:

Estação de trabalho
Central / Servidor de
Controle de Acesso + Catracas
+ Cartões de Acesso com
Etiqueta + para cadastro de
visitantes
B6.1 B B4 B5

Recomendação de Uso: Prédios Públicos com a necessidade de controle do fluxo de pessoas


(funcionários e visitantes), com fornecimento de cartões de acesso e controle de cadastramento.
A definição do tipo e número de catracas e de estações de cadastramento a serem instalados
dependerá do número de pessoas que acessam o prédio, da frequência e da rotina de
funcionamento, conforme definição do profissional técnico responsável pela elaboração do
projeto do sistema.

 Sistema Básico de Controle de Acesso de Veículos:

Central / Servidor de
Controle de Acesso + Cancelas
+ Cartões de Acesso com
Etiqueta

B6.1 B2 B4

Recomendação de Uso: Prédios Públicos com estacionamento e necessidade do controle de


acesso de veículos previamente cadastrados no sistema, com fornecimento de cartões de
acesso. O número de cancelas a serem instaladas dependerá da quantidade de vagas no
estacionamento, da quantidade de veículos que acessam o estacionamento do prédio e do grau
de proteção demandado para o controle dos veículos, conforme definição do profissional técnico
responsável pela elaboração do projeto do sistema.

 Sistema Avançado de Controle de Acesso para Prédios Públicos:

Módulo de
Central / Catracas ou Controle de Estação de
Cartões de
Servidor de
Controle de
Acesso
+ Baias de
Segurança
Especiais
+ Cancelas
+ acesso para
Portas ou
Portas de Vidro
+ Acesso com
Etiqueta
+ trabalho para
cadastro de
visitantes
Deslizantes
B6.1 B1 ou B8.1 B2 B3 ou B8.2 B4 B5

Recomendação de Uso: Prédios Públicos com estacionamento e necessidade de controle do


fluxo de pessoas, com fornecimento de cartões de acesso, controle de cadastramento,
necessidade do controle de portas por andar ou região pré-definida, bem como necessidade
controle de acesso de veículos previamente cadastrados no sistema. O número de catracas,
estações de cadastramento, cancelas e controles de portas a serem instalados dependerá da
quantidade de pessoas que acessam o prédio, da frequência de acessos e da rotina de
funcionamento, da arquitetura e do grau de proteção demandada para o prédio e seu
estacionamento, conforme definição do profissional técnico responsável pela elaboração do
projeto do sistema.

Instruções Gerais 11
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

 Sistema Avançado de Controle de Acesso para Prédios Públicos com Monitoramento de


Acesso Local:

Módulo de
Estação de
Controle de
Central / Catracas ou trabalho
acesso para Cartões de Sensores de
Servidor de
Controle de
Acesso
+ Baias de
Segurança
Especiais
+ Cancelas
+ Portas ou
Portas de
+ Acesso com
Etiqueta
+ para
cadastro
de
+ movimento /
presença
Vidro
visitantes
Deslizantes
B6.1 B1 ou B8.1 B2 B3 ou B8.2 B4 B5 A1.2

Recomendação de Uso: Prédios Públicos com estacionamento e necessidade de controle do


fluxo de pessoas, com fornecimento de cartões de acesso, controle de portas por andar, por
região pré-definida e controle de acesso de veículos, acompanhado do sensoriamento com
alarmes. O número de catracas, estações de cadastramento, cancelas e controles de portas e
dos sensores de monitoramento a serem instalados dependerá da quantidade de pessoas que
acessam o prédio, da frequência de acessos e da rotina de funcionamento, da arquitetura e do
grau de proteção demandado para o prédio e seu estacionamento, conforme definição do
profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema.

 Sistema Avançado, Base Web, de Controle de Acesso para um ou mais Prédios Públicos:

Módulo de Estação de
Sistema Base Cartões de
Web de Controle
de Acesso
+ Catracas
+ Cancelas
+ Controle de
acesso para
Portas
+ Acesso com
Etiqueta
+ trabalho para
cadastro de
visitantes
B9 B1 B2 B3 B4 B5

Recomendação de Uso: Órgãos e unidades do governo do estado que demandam a


integração do controle de acesso por estarem alocadas em um ou mais Prédios Públicos em
localidades distintas e que necessitam do controle do fluxo de pessoas, visitantes e de veículos.
A escolha pela utilização do sistema base web de controle de acesso dependerá da indicação
técnica por parte do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema.

 Sistema Avançado de Controle de Acesso para Prédios Públicos com Monitoramento de


Acesso Local e Remoto:

Módulo de Estação
Central/
Controle de Cartões de
Servidor Catracas ou Sensores Monitoramen
acesso para de trabalho
de
Controle
de
+ Baias de
Segurança
Especiais
+ Cancelas + Portas ou
Portas de
+ Acesso
com
+ para
cadastro
+ de
movimento
/ presença
+ to remoto da
central de
Acesso
Vidro Etiqueta de
Acesso
Deslizantes visitantes
B6.1 B1 ou B8.1 B2 B3 ou B8.2 B4 B5 A1.2 B7

Recomendação de Uso: Prédios Públicos com estacionamento e necessidade de controle do


fluxo de pessoas, com fornecimento de cartões de acesso, cadastramento de visitantes, controle
de portas por andar, por região pré-definida e de acesso de veículos, acompanhado do
sensoriamento com alarmes. O número de catracas, estações de cadastramento, cancelas e
controles de acesso para portas dos sensores de monitoramento a serem instalados e a
necessidade de monitoramento remoto dependerão da quantidade pessoas que acessam o
prédio, da frequência de acessos, da rotina de funcionamento, da arquitetura e do grau de
proteção demandada para o prédio e seu estacionamento, conforme definição do profissional
técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema.

Instruções Gerais 12
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

Importante 1 – A definição do uso de Baias Especiais de Segurança, destinadas ao


atendimento de cadeirantes e/ou pessoas com necessidades especiais, bem como a
escolha pelo uso do módulo de controle e automatização de portas de vidro deslizantes, a
princípio é de uso restrito.
A opção do uso de qualquer um dos equipamentos que compõe o Grupo B8, dado o
aumento dos valores contratados, por conta da sofisticação e especificidade dos
mesmos, depende da indicação do profissional técnico responsável pelo projeto e de
justificativa formal do servidor responsável da unidade contratante, indicando o porquê
da necessidade de uso desses equipamentos.

Importante 2 – A Estação de Trabalho para o Cadastro de Visitantes constante do Grupo


B - serviços de controle de acesso, é composta apenas por equipamentos e software para
o cadastro e controle da emissão e recepção de cartões de acesso, não contemplando o
Posto de Cadastramento que deverá ser contratado nos moldes estabelecidos no Volume
2 – Controle, Operação e Fiscalização de Portarias e Edifícios.

Instruções Gerais 13
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

Grupo C - Módulos de Sistema de Alarme e Detecção de Incêndio:

 Sistema de Alarme e Detecção de Incêndio:

Centrais Convencionais de Centrais Endereçáveis de


Alarme e Detecção de
Incêndio
OU Alarme e Detecção de
Incêndio
+ Sensores / Acessórios
de Incêndio

C1.1 C1.2 C2

Recomendação de Uso: Prédios Públicos com a necessidade de controle de riscos de incêndio


e/ou atendimento a legislação estadual e instruções técnicas do corpo de bombeiros, por meio
de centrais de incêndios (convencionais ou endereçáveis) com a função de alarmar a existência
de um sinistro em uma determinada área ou setor da edificação coberta pelos detectores,
acionador manual, sirenes e demais módulos e sensores necessários. A determinação do tipo
de central (convencional ou endereçável), dos tipos e quantidades de sensores e dos acessórios
dependerá dos potenciais de risco de incêndios, da arquitetura do prédio e das demandas legais
a serem atendidas pela edificação, conforme definição do profissional técnico responsável pela
elaboração do projeto do sistema.

 Sistema de Alarme e Detecção de Incêndio com Monitoramento Remoto da Central de


Incêndio:

Centrais Convencionais de Centrais Endereçáveis de


Alarme e Detecção de
Incêndio
OU Alarme e Detecção de
Incêndio
+ Sensores / Acessórios
de Incêndio + Monitoramento remoto
da central de incêndio

C1.1 C1.2 C2 C3

Recomendação de Uso: Prédios Públicos com a necessidade de controle de riscos de incêndio


e/ou atendimento à legislação estadual e instruções técnicas do corpo de bombeiros, por meio
de centrais de incêndios (convencionais ou endereçáveis) com a função de alarmar a existência
de um sinistro em uma determinada área ou setor da edificação coberta pelos detectores,
acionador manual, sirenes e demais módulos e sensores necessários, bem como, coma
necessidade de monitorar remotamente a central de incêndio (convencional ou endereçável),
através serviço de monitoramento remoto, A determinação do tipo de central (convencional ou
endereçável), dos tipos e quantidades de sensores e acessórios e da necessidade ou não de
monitoramento remoto dependerá dos potenciais de risco de incêndios, da arquitetura do prédio
e das demandas legais a serem atendidas pela edificação, conforme definição do profissional
técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema.

Instruções Gerais 14
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

Grupo D - Módulos de CFTV (Circuito Fechado de Televisão):

 Sistema Básico de CFTV Convencional:

Central de Monitoramento
Local
(DVR + Tela)
+ Câmeras de CFTV
Convencional (Digital)

D1.1 D6

Recomendação de Uso: Instalações, equipamentos (praças, pontes, viadutos, etc.) e prédios


públicos com a necessidade de monitoramento e gravação de imagens captadas por meio de
sistema de circuito fechado de televisão, composto por central de monitoramento, com software
incluso e câmeras digitais limitadas ao número de 16 unidades. É importante destacar que essa
solução básica contempla apenas a cobertura e o registro das imagens na central de
monitoramento, não existindo, assim, nenhum posto de monitoramento previsto nesta solução.
Os pontos de instalação, bem como dos tipos de câmeras digitais a serem instaladas deverão
ser determinados, conforme definição do profissional técnico responsável pela elaboração do
projeto do sistema.

 Sistema Básico de CFTV Convencional com Monitoramento Local:

Central de Monitoramento
Local
(DVR + Tela)
+ Câmeras de CFTV
Convencional (Digital) + Posto de Monitoramento
Local das Câmeras

D1.1 D6 D11

Recomendação de Uso: Instalações, equipamentos (praças, pontes, viadutos, etc.) e prédios


públicos com a necessidade de monitoramento e gravação de imagens captadas por meio de
sistema de circuito fechado de televisão, composto por central de monitoramento, com software
incluso, e câmeras digitais limitadas ao número de 16 unidades, contando com o monitoramento
local através de Posto de Monitoramento a ser exercido nas instalações da contratante
diretamente na central de monitoramento. Os pontos de instalação e os tipos de câmeras
digitais a serem instaladas, bem como a contratação do posto de monitoramento, dependerão
do grau de risco e da necessidade de monitoramento local constante das áreas cobertas pelas
câmeras digitais que compõem o Sistema de CFTV, conforme determinação do profissional
técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema.

 Sistema Básico de CFTV Convencional com Monitoramento Remoto:

Central de
Central de Monitoramento Monitoramento Remoto Serviço de
Local
(DVR + Tela)
+ Câmeras de CFTV
Convencional (Digital) + (Estação de Trabalho
para Monitoramento de
+ Monitoramento Remoto
(por 16 Câmeras)
Imagens de CFTV)

D1.1 D6 D4.1 D10

Recomendação de Uso: Instalações, equipamentos (praças, pontes, viadutos, etc.) e prédios


públicos com a necessidade de monitoramento e gravação de imagens captadas por meio de
sistema de circuito fechado de televisão, composto por central de monitoramento, com software
incluso, e câmeras digitais limitadas ao número de 16 unidades, contando com o monitoramento

Instruções Gerais 15
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

remoto através de central de monitoramento e serviços de monitoramento remoto a ser


executado nas instalações da contratada. É importante ressaltar que o monitoramento remoto
substitui a necessidade de monitoramento local, não sendo admitida a contratação de Postos de
Monitoramento Local em conjunto com os serviços de monitoramento remoto. Os pontos de
instalação e os tipos de câmeras digitais a serem instaladas, bem como a contratação dos
serviços de monitoramento remoto, dependerão do grau de risco e da necessidade de
monitoramento constante das áreas cobertas pelas câmeras digitais que compõem o Sistema de
CFTV, conforme determinação do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto
do sistema.

 Sistema Avançado de CFTV Convencional

NVR
Microprocessado ou
Base PC
(software incluso)
+ Câmeras de CFTV
Convencional (Digital) + Estação de Visualização
de CFTV

D1.3 D6 D2

Recomendação de Uso: Instalações, equipamentos (praças, pontes, viadutos, etc.)


condomínios e complexos públicos que contam com vários prédios ou instalações com grandes
distâncias entre si, com a necessidade de monitoramento e gravação de imagens captadas por
meio de sistema de circuito fechado de TV, composto por equipamento NVR (Microprocessado
ou Base PC), com software incluso, no mínimo de 16 câmeras e Estação de Visualização de
CFTV. É importante destacar que essa solução contempla apenas a cobertura e registro das
imagens no equipamento NVR, não existindo assim nenhum posto de monitoramento previsto.
Os locais de instalação, bem como, os tipos e quantidades de câmeras digitais a serem
instaladas, devem seguir a especificação, conforme determinação do profissional técnico
responsável pela elaboração do projeto do sistema.

 Sistema Avançado de CFTV Convencional com Monitoramento Local:

NVR
Microprocessado ou Base
PC
(software incluso)
+ Câmeras de CFTV
Convencional (Digital) + Estação de Visualização
de CFTV + Posto de Monitoramento
Local das Câmeras

D1.3 D6 D2 D11

Recomendação de Uso: Instalações, equipamentos (praças, pontes, viadutos, etc.),


condomínios e complexos públicos que contam com vários prédios ou instalações com grandes
distâncias entre si, com a necessidade de monitoramento e gravação de imagens captadas por
meio de sistema de circuito fechado de televisão, composto por equipamento NVR
(Microprocessado ou Base PC), com software incluso, no mínimo de 16 câmeras e Estação de
Visualização de CFTV, contando com o monitoramento local através de Posto de Monitoramento
a ser exercido nas instalações do Contratante, por meio do monitoramento executado na
estação de visualização. Os pontos de instalação e os tipos de câmeras digitais a serem
instaladas, bem como a contratação do posto de monitoramento, dependerão do grau de risco e
da necessidade de monitoramento local constante das áreas cobertas pelas câmeras digitais
que compõem o Sistema de CFTV, conforme determinação do profissional técnico responsável
pela elaboração do projeto do sistema.

Instruções Gerais 16
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

 Sistema Avançado de CFTV Convencional com Monitoramento Remoto:

Central de
Monitoramento
NVR Serviço de
Câmeras de CFTV Estação de Remoto
Microprocessado ou
Base PC
(software incluso)
+ Convencional
(Digital)
+ Visualização de
CFTV
+ (Estação de
Trabalho para
+ Monitoramento
Remoto
(por 16 Câmeras)
Monitoramento de
Imagens de CFTV)

D1.3 D6 D2 D4.1 D10

Recomendação de Uso: Instalações, equipamentos (praças, pontes, viadutos, etc.),


condomínios e complexos públicos que contam com vários prédios ou instalações com grandes
distâncias entre si, com a necessidade de monitoramento e gravação de imagens captadas por
meio de sistema de circuito fechado de TV, composto por equipamento NVR (Microprocessado
ou Base PC), com software incluso, no mínimo de 16 câmeras e Estação de Visualização de
CFTV, contando com o monitoramento remoto através de central de monitoramento e serviços
de monitoramento remoto a ser executado nas instalações da contratada. É importante ressaltar
que o monitoramento remoto substitui a necessidade de monitoramento local, não sendo
admitida a contratação de Postos de Monitoramento Local em conjunto com os serviços de
monitoramento remoto. Os pontos de instalação e os tipos de câmeras digitais a serem
instaladas, bem como a contratação dos serviços de monitoramento remoto dependerão do grau
de risco e da necessidade de monitoramento constante das áreas cobertas pelas câmeras
digitais que compõem o Sistema de CFTV, conforme determinação do profissional técnico
responsável pela elaboração do projeto do sistema.

 Sistema Avançado de CFTV - Sistema IP:

Servidor para
gerenciamento de imagens + Câmeras de CFTV
Sistema IP OU Câmeras de CFTV
Sistema IP - Megapixel

D3.1 D7 D8

Recomendação de Uso: Instalações, equipamentos (praças, pontes, viadutos, etc.) e prédios


públicos com a necessidade de monitoramento e gravação de imagens captadas por meio de
sistema de circuito fechado de televisão, composto por servidor para gerenciamento de
imagens, com software incluso, câmeras, switches, transmissão e comunicação com o uso da
rede de dados específica para o CFTV. É importante destacar que essa solução contempla
apenas a cobertura e registro das imagens no servidor de gerenciamento de imagens, não
existindo assim nenhum posto de monitoramento previsto. Os pontos de instalação e os tipos de
câmeras que compõem o Sistema de CFTV devem ser considerados, conforme a determinação
do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema.

 Sistema Avançado de CFTV - Sistema IP com Monitoramento Local:

Servidor para Câmeras de CFTV Estação de Posto de


gerenciamento de
imagens
+ Câmeras de CFTV
Sistema IP OU Sistema IP -
Megapixel
+ Visualização de
CFTV
+ Monitoramento
Local das Câmeras

D3.1 D7 D8 D2 D11

Recomendação de Uso: Instalações, equipamentos (praças, pontes, viadutos, etc.) e prédios


públicos com a necessidade de monitoramento e gravação de imagens captadas por meio de
Instruções Gerais 17
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

sistema de circuito fechado de televisão, composto por servidor para gerenciamento de


imagens, com software incluso, câmeras, switches, transmissão e comunicação com o uso da
rede de dados específica para o CFTV, contando com Posto de Monitoramento a ser exercido
nas instalações da contratante, por meio do monitoramento executado na estação de
visualização. Os pontos de instalação e os tipos de câmeras a serem instaladas, bem como, a
contratação do posto de monitoramento dependerão do grau de risco e da necessidade de
monitoramento local constante das áreas cobertas pelas câmeras que compõem o Sistema de
CFTV - IP, conforme a determinação do profissional técnico responsável pela elaboração do
projeto do sistema.

 Sistema Avançado de CFTV - Sistema IP com Monitoramento Remoto:

Central de
Monitoramento
Serviço de
Servidor para Câmeras de CFTV Remoto
gerenciamento de
imagens
+ Câmeras de CFTV
Sistema IP OU Sistema IP -
Megapixel
+ (Estação de
Trabalho para
+ Monitoramento
Remoto
(por 16 Câmeras)
Monitoramento de
Imagens de CFTV)
D3.1 D7 D8 D4.1 D10

Recomendação de Uso :Instalações, equipamentos (praças, pontes, viadutos, etc.) e prédios


públicos com a necessidade de monitoramento e gravação de imagens captadas por meio de
sistema de circuito fechado de televisão, composto por servidor para gerenciamento de
imagens, com software incluso, câmeras, switches, transmissão e comunicação com o uso da
rede de dados específica para o CFTV, contando com o monitoramento remoto a ser executado
nas instalações da contratada. É importante ressaltar que o monitoramento remoto substitui a
necessidade de monitoramento local, não sendo admitida a contratação de Postos de
Monitoramento Local em conjunto com os serviços de monitoramento remoto. Os pontos de
instalação e os tipos de câmeras a serem instaladas, bem como a contratação do posto de
monitoramento, dependerão do grau de risco e da necessidade de monitoramento constante das
áreas cobertas pelas câmeras que compõem o Sistema de CFTV – IP, devendo seguir as
determinações do profissional técnico responsável pela elaboração do projeto do sistema.

Importante 3 – A definição do uso de sistemas de CFTV – Convencional ou CFTV –


Sistema IP, bem como a escolha das Câmeras do tipo IP ou IP-Megapixel dependerão da
indicação do profissional técnico responsável pelo projeto, ressaltando que o emprego
de câmeras IPMegapixel deverá ser justificado, indicando o porquê da necessidade da
aplicação desse tipo de câmera, dado o aumento dos valores contratados, devido à
melhor qualidade e sofisticação desses equipamentos.

3.5 - Para as contratações que envolvam o monitoramento remoto dos sistemas de


vigilância eletrônica recomenda-se um estudo prévio para utilização da rede ip
multisserviço do sistema intragov, e quando não for possível a sua utilização, um
estudo prévio de disponibilidade dos serviços de telecomunicação de Banda Larga e
ou telefonia móvel de dados na região, justificando a efetiva restrição no uso do
sistema intragov. caso não haja disponibilidade de nenhum dos serviços indicados
anteriormente, deve-se fazer a opção pelos serviços de vigilância patrimonial e/ou
monitoramento por alarmes.

4- As Especificações Técnicas poderão sofrer adaptações para atender às peculiaridades de


cada órgão da administração, mesmo que tais modificações não venham a alterar a
composição dos preços dos serviços.

Instruções Gerais 18
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

4.1 - Como as exigências estabelecidas nas Especificações Técnicas são, em princípio,


de uso comum aos órgãos da administração pública estadual e são de cunho
abrangente, as especificidades de serviços de vigilância eletrônica que se
apresentem como importantes para cada Contratante deverão ser consideradas,
conforme metodologia estabelecida neste volume, no uso das especificações do
projeto, elaborado com a colaboração de técnicos habilitados.

5- Para a eficácia de um sistema eletrônico de segurança é necessária a avaliação de risco


desse sistema e posterior elaboração do projeto de segurança, que englobe o projeto de
instalação e os respectivos custos de manutenção contemplados neste volume que atenda
de forma adequada às necessidades do órgão Contratante. Recomenda-se ao Contratante
que não possuir equipe especializada para a elaboração de projeto de vigilância eletrônica
que contrate profissional ou empresa habilitada, previamente à elaboração do edital de
licitação, utilizando-se dos procedimentos legais cabíveis, consultoria técnica especializada
em análise de riscos e projetos de segurança.
5.1 O diagnóstico e a análise de riscos são os passos iniciais de um projeto de sistemas
eletrônicos de segurança. É fundamental identificar os riscos e suas origens e,
ainda, fazer um diagnóstico de segurança, com o levantamento de variáveis
externas e internas que impactarão na segurança do imóvel e da área em questão,
bem como as vulnerabilidades da instalação.
a) A partir do diagnóstico e a análise de riscos serão levantadas inúmeras
informações que permitirão a aplicação da tecnologia mais adequada ao local. A
solução é personalizada, já que cada imóvel apresenta uma necessidade
específica.
b) Um adequado projeto de sistema eletrônico de segurança é condição para a
eficácia da implantação do sistema. A partir desse projeto serão levantadas
inúmeras informações que permitirão a aplicação da tecnologia mais adequada
ao local. Cada edificação, condomínio ou empresa possui suas particularidades,
já que cada imóvel apresenta uma necessidade específica.
5.2 Sugere-se como conteúdo mínimo dos projetos de segurança:
 Diagnóstico da atividade do Contratante, nº de funcionários/empregados em um
dado local, fluxo de pessoas e pontos vulneráveis.
 Análise de riscos, contendo:
o Determinação de probabilidades por tipo de ocorrência relevante e
respectivas consequências.
o Determinação de prioridades de proteção aos riscos analisados (por área,
equipamentos, materiais, furtos internos, pessoal).
o Avaliação da relação custo benefício das alternativas de proteção.
o Definição do projeto de segurança propriamente dito, incluindo memorial
descritivo da instalação, especificação de serviços, catálogos dos
equipamentos em português, diagrama esquemático dos sistemas
projetados e, após a instalação, deverá ser apresentado o As-Built do
sistema e os níveis de serviços a serem exigidos.
5.3 Em face dos vetos estabelecidos pelo artigo 9, inciso I, da Lei Federal no 8.666/93, o
profissional ou empresa responsável pelo projeto ficará impedido de participar do
pregão posterior para a contratação do serviço de vigilância eletrônica propriamente
dito.
5.4 Recomenda-se que o edital do pregão conceda prazo adequado para vistoria técnica
das áreas escopo da licitação com anterioridade à apresentação das propostas.

6- Os valores referenciais, que deverão ser utilizados como parâmetro de aceitabilidade dos
preços ofertados foram obtidos com base em Pesquisa de Preços que visou refletir as
exigências contidas nas Especificações Técnicas e na legislação vigente sobre a matéria.

Instruções Gerais 19
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

6.1 Necessidades específicas não contempladas nas Especificações Técnicas ou itens


originalmente agregados que se apresentem como excessivos em uma determinada
contratação, implicarão em ajustes e adaptações, pelos próprios órgãos, nas
correspondentes composições de preços constantes deste volume. Exemplificando:
instalação de cabeamento de longa distância em áreas externas, etc.
6.2 Recomenda-se que os valores utilizados para o orçamento relativo à locação de
equipamentos sejam obtidos pelo órgão/entidade responsável pela licitação ou
obtidos por meio de profissional/empresa responsável pela elaboração do projeto
básico de forma similar à empregada neste estudo, ou seja, tomando-se como base
os preços de aquisição dos equipamentos, adicionados de taxa de manutenção e
convertidos para um valor de locação, dado um número de meses e um custo de
capital, levando-se em consideração o dimensionamento dos serviços e sistemas
especificados no projeto de segurança.
6.3 Para o reajustamento dos preços deverão ser observadas as disposições contidas
no Decreto Estadual nº 48.326/03 e Resolução C.C. no 79/03.

7- Recomenda-se o período de 30 (trinta) meses para o prazo do contrato com possibilidade


de prorrogação, limitado o prazo contratual a 60 (sessenta) meses .
7.1 – Todas as estimativas de depreciação de investimentos e, portanto, de custos, foram
baseadas neste período de 60 (sessenta) meses. Assim, não é recomendável
contratação por períodos diversos desse.

8- As composições de preços constantes do Capítulo II contemplam o regime de prestação


de serviços de monitoramento na forma de postos de trabalho de 12h diárias diurno e 12h
diárias noturno, de segunda-feira a domingo, inclusive feriados, em função das
características envolvidas nos serviços de vigilância eletrônica.

9- As Especificações Técnicas, os Critérios para Composição de Preços, os Encargos Sociais


e Trabalhistas, os Benefícios e Despesas Indiretas - BDI e os critérios de reajuste de
preços foram desenvolvidos levando-se em consideração o comportamento do mercado e
a experiência e dados históricos do Estado de São Paulo.

10 - Foi eleito, como forma de remuneração e correspondente unidade de medida para a


contratação desses serviços, o “Valor mensal (R$/mês)” (unidade de medida/mês), tendo
em vista a facilidade de administração/gerenciamento do contrato e a consequente
padronização no âmbito do Estado.
10.1 As unidades de medida utilizadas consideram o valor da locação dos equipamentos
associados à respectiva funcionalidade de vigilância, sendo o custo rateado do
pessoal associado ao monitoramento de um Painel de Alarme. No caso do serviço
de inspeção técnica por monitor externo/ serviço de pronta resposta, similarmente,
foi considerado o “custo rateado do pessoal associado ao serviço de inspeção
técnica por monitor externo - serviço de pronta resposta a ocorrências de um Painel
de Alarme”.
10.2 No caso do serviço de CFTV, foram eleitos, de forma mais direta, o “custo da
locação dos equipamentos” e o “custo de postos de trabalho de operador de
monitoramento”.

11 - O termo “Valores Referenciais” considerado neste estudo refere-se aos valores definidos
com base em composições técnicas estabelecidas para execução dos serviços e em
preços médios de insumos obtidos no mercado e deverão ser utilizados como parâmetros
de aceitabilidade dos menores preços ofertados.
11.1 Os Valores Referenciais apresentados devem ser considerados como resultado do
trabalho como um todo, em vista dos mesmos refletirem, principalmente, as
Especificações Técnicas, a legislação vigente e os preços de mercado dos insumos.

Instruções Gerais 20
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

Esses valores incluem mão de obra, equipamentos, acessórios, transporte e demais


insumos necessários à execução dos serviços, Encargos Sociais e Trabalhistas,
tributos e impostos inerentes à prestação dos serviços, bem como a taxa de lucro da
Contratada.

12 - Para esses serviços foi pesquisada e ordenada a legislação sobre licitações e contratos,
específica, complementar, trabalhista, previdenciária, tributária/fiscal assim como
acordo/convenção/dissídio da(s) categoria(s) profissional(ais) e Normas Técnicas
Brasileiras, com especial atenção à NBR 17240/ 2010 (Sistemas de detecção e alarme de
incêndio – Projeto, instalação, comissionamento e manutenção de sistemas de detecção e
alarme de incêndio).

13 – Dada a natureza dos serviços de vigilância eletrônica, é recomendável o estabelecimento


em contrato de níveis mínimos de serviço aceitáveis, levando-se em conta os resultados
da análise de risco e as características de cada projeto. A título de sugestão,
apresentamos, nos itens a seguir, alguns exemplos de indicadores aplicáveis a cada bloco
previsto neste estudo, os quais devem, no entanto, ser adequados a cada contratação
específica.

Instruções Gerais 21
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

INSTRUÇÕES GERAIS APLICÁVEIS A CADA MÓDULO DE SERVIÇOS

MÓDULO A1: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ALARMES


1 - Sistema de alarme é o conjunto de equipamentos destinados à detecção de
anormalidades; normalmente, é constituído por sensores, painéis de alarme e pelos
demais periféricos. Existe uma grande variedade de equipamentos que podem ser
utilizados num sistema de alarme e sua seleção varia de acordo com a necessidade,
orçamento e adequação ao projeto. Por tratar-se de área em que há emprego intensivo de
tecnologia, as especificações de serviços utilizadas neste estudo não são ancoradas em
equipamentos, mas nas funcionalidades de serviço por eles proporcionadas. Espera-se,
com isso, aumentar a flexibilidade e elevar a longevidade do estudo, permitindo, inclusive,
com a aprovação do Gestor do Contrato, a inserção de eventuais avanços tecnológicos em
relação à vigilância eletrônica. Ressalta-se que os usuários do estudo deverão tomar
cuidados adicionais de modo a estabelecer os valores referências desses “novos serviços”,
bem como na determinação de indicadores ou metas de nível de serviço contratado, a
partir dos quais possa ser viabilizada a gestão do contrato.
2– Níveis de serviço sugeridos:

Sistemas Sistemas
Indicador
Básicos Avançados

Prazo de Instalação (dias úteis) 5 a 10 15 a 20


Manutenção Preventiva Trimestral
Manutenção Corretiva Até 4 horas após a identificação da falha
Garantia Mínima dos Equipamentos 12 meses

Exemplos de Sistemas Básicos de Alarme

Central de alarmes 8 a 24
Zonas + Sensores de movimento /
presença

A1.1 A1.2

Monitoramento remoto da Inspeção Técnica por


Central de alarmes 8 a 24
Zonas + Sensores de movimento /
presença + central de alarmes
(por painel)
+ Monitor Externo
(por painel)
A1.1 A1.2 A2 A3

Exemplos de Sistemas Avançados de Alarme

Central de alarmes 25 a 96
Zonas + Sensores de movimento /
presença

A1.1 A1.2

Monitoramento remoto Inspeção Técnica por


Central de alarmes 25 a 96
Zonas + Sensores de movimento /
presença + da central de alarmes
(por painel)
+ Monitor Externo
(por painel)
A1.1 A1.2 A2 A3

3– Instruções específicas quanto à contratação e à prorrogação contratual:


Instruções Gerais Aplicáveis a cada Módulo de Serviços 22
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

3.1 Durante a vigência do contrato em que incidir a amortização dos valores cobrados
pela Contratada, a título de instalação, os valores de referência válidos incorporarão
o rateio mensal correspondente à instalação.
3.2 Em caso de prorrogação de prazo contratual para um período seguinte, devem ser
obrigatoriamente concedidos os descontos previstos nos valores de referência, os
quais foram calculados com base em um rateio dos custos de instalação.

4 – As manutenções preventiva e corretiva podem ser contratadas tanto de forma conjunta com
a locação, como de forma isolada (quando o Contratante possui o sistema próprio instalado).

MÓDULO A2: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MONITORAMENTO REMOTO DE SISTEMAS


DE ALARMES
1 – A Central de Monitoramento é um local especialmente projetado para recepção de sinais
oriundos dos sistemas de alarme instalados remotamente, bem como para execução dos
serviços de monitoramento e controle desses sinais por plantonistas ou operadores.
1.1 Caso a Contratada não tenha sido a responsável pela instalação e locação dos
equipamentos do sistema de alarme (MÓDULO A1), recomenda-se a realização de
vistoria e verificação dos sistemas instalados e posterior assinatura de um termo de
ciência das condições dos mesmos.
2 – Níveis de serviço sugeridos:
Indicador Nível de Serviço
Tempo máximo de detecção de alarme pela Central de
60 segundos
Monitoramento Remoto
Tempo máximo para verificação da veracidade do alarme e
3 minutos
início do procedimento de comunicação com os responsáveis
indicados pelo Contratante

MÓDULO A3: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INSPEÇÃO TÉCNICA POR MONITOR


EXTERNO/ SERVIÇO DE PRONTA RESPOSTA
1 - Entende-se por Inspeção Técnica o deslocamento de um profissional desarmado ao local
de origem do sinal enviado pelo sistema eletrônico de segurança para verificação, registro
e comunicação do evento à central de monitoramento. Caso ocorra sinistro, os órgãos
públicos serão imediatamente acionados pela central de monitoramento.
2- Níveis de serviço sugeridos:
Indicador Nível de Serviço

Tempo máximo de resposta a partir do acionamento 30 minutos


Tempo de permanência incluído em cada ocorrência Até 4 horas

MÓDULOS DO GRUPO B: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE MÓDULO DE


CONTROLE DE ACESSO (B1- CATRACAS; B2- CANCELAS; B3- PORTAS; B4- CARTÕES;
B5- CONTROLE DE VISITANTES; B6- CENTRAL/ SERVIDOR; B8- LOCAÇÃO DE
EQUIPAMENTOS ESPECIAIS PARA O CONTROLE DE ACESSO DE PRÉDIOS
ADAPTADOS A PESSOAS COM DEFICIÊNCIA)

1- A Central/ Servidor é um equipamento onde se encontram instalados os softwares e os


bancos de dados do sistema de controle de acesso. É a unidade responsável por receber,
processar e registrar nos bancos de dados os sinais e informações emitidas pelos demais
equipamentos que compõe o sistema (catracas, cancelas, portas, etc.).
1.1 A cada período de 12 meses, ou sempre que solicitado pelo Contratante, a Contratada
deverá entregar ao Contratante o backup dos bancos de dados resultante dos sistemas
de controle de acesso, cadastro de visitantes e registro de eventos em formatos digitais
Instruções Gerais Aplicáveis a cada Módulo de Serviços 23
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

e impressos.
Obedecendo à continuidade dos serviços de controle de acesso ao final do período contratual,
mesmo nos casos de renovação contratual, a Contratada deverá manter e/ou repassar os
bancos de dados e seus backups para o Contratante.
2 – O Módulo B5 – CONTROLE DE VISITANTES só poderá ser contratado quando os módulos
B1 – Catracas ou B3 – Portas, em conjunto com o Módulo B4 – Cartões de Acesso, forem
contratados, pois os módulos se complementam (vide exemplos abaixo).
3– Níveis de serviço sugeridos:

Sistemas Sistemas
Indicador
Básicos Avançados

Prazo de Instalação (dias úteis) 10 a 20 20 a 30


Manutenção Preventiva Trimestral
Manutenção Corretiva Até 4 horas após a identificação da falha
Periodicidade de Entrega dos Backups
12 meses
dos Bancos de Dados
Garantia Mínima dos Equipamentos 12 meses

Exemplos de Sistemas Básicos de Controle de Acesso

Estação de trabalho
Central / Servidor de
Controle de Acesso + Catracas + Cartões de Acesso com
Etiqueta + para cadastro de
visitantes
B6.1 B1 B4 B5

Central / Servidor de
Controle de Acesso + Cancelas + Cartões de Acesso com
Etiqueta

B6.1 B2 B4

Exemplos de Sistemas Avançados de Controle de Acesso

Módulo de
Central / Catracas ou Controle de Estação de
Cartões de
Servidor de
Controle de
Acesso
+ Baias de
Segurança
Especiais
+ Cancelas + acesso para
Portas ou
Portas de Vidro
+ Acesso com
Etiqueta
+ trabalho para
cadastro de
visitantes
Deslizantes
B6.1 B1 ou B8.1 B2 B3 ou B8.2 B4 B5

Módulo de
Estação de
Controle de
Central / Catracas ou trabalho
acesso para Cartões de Sensores de
Servidor de
Controle de
Acesso
+ Baias de
Segurança
Especiais
+ Cancelas + Portas ou
Portas de
+ Acesso com
Etiqueta
+ para
cadastro
de
+ movimento /
presença
Vidro
visitantes
Deslizantes
B6.1 B1 ou B8.1 B2 B3 ou B8.2 B4 B5 A1.2

Instruções Gerais Aplicáveis a cada Módulo de Serviços 24


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

Módulo Estação
Central / de Cartões de
Sensores Monitoramento
Servidor Controle de trabalho
de
Controle
+ Catracas
+ Cancelas
+ de
acesso
+ Acesso
com
+ para
cadastro
+ de
movimento
/ presença
+ remoto da
central de
Acesso
de Acesso para Etiqueta de
Portas visitantes
B6.1 B1 B2 B3 B4 B5 A1.2 B7

Módulo de Estação
Central /
Controle de Cartões de
Servidor Catracas ou Sensores Monitoramen
acesso para de trabalho
de
Controle
de
+ Baias de
Segurança
Especiais
+ Cancelas + Portas ou
Portas de
+ Acesso
com
+ para
cadastro
+ de
movimento
/ presença
+ to remoto da
central de
Acesso
Vidro Etiqueta de
Acesso
Deslizantes visitantes
B6.1 B1 ou B8.1 B2 B3 ou B8.2 B4 B5 A1.2 B7

Importante 1 – A definição do uso de Baias Especiais de Segurança, destinadas ao


atendimento de cadeirantes e/ou pessoas com necessidades especiais, bem como a
escolha pelo uso do módulo de controle e automatização de portas de vidro deslizantes, a
princípio é de uso restrito.
A opção do uso de qualquer um dos equipamentos que compõe o Grupo B8, dado o
aumento dos valores contratados por conta da sofisticação e especificidade dos
mesmos, depende da indicação do profissional técnico responsável pelo projeto e de
justificativa formal do servidor responsável da unidade contratante, indicando o porquê
da necessidade de uso desses equipamentos.

Importante 2 – A Estação de Trabalho para o Cadastro de Visitantes constante do Grupo


B, serviços de controle de acesso, é composta apenas por equipamentos e software para
o cadastro e controle da emissão e recepção de cartões de acesso, não contemplando o
Posto de Cadastramento que deverá ser contratado nos moldes estabelecidos no Volume
2 – Controle, Operação e Fiscalização de Portarias e Edifícios.

MÓDULO B7: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MONITORAMENTO REMOTO DA CENTRAL


DE CONTROLE DE ACESSO
1 - A Central/ Servidor é um equipamento onde se encontram instalados os softwares e os
bancos de dados do sistema de controle de acesso. É a unidade responsável por receber,
processar e registrar nos bancos de dados os sinais e informações emitidas pelos demais
equipamentos que compõem o sistema (catracas, cancelas, portas, etc.). Não obstante, a
Central/Servidor pode ser preparada para transmitir os registros coletados pelo sistema de
controle de acesso para a uma central de monitoramento externa à unidade do
Contratante, de modo a permitir monitoramento remoto pela Contratada.
1.1 Caso a Contratada não tenha sido a responsável pela instalação e locação dos
equipamentos do sistema de controle de acesso (MÓDULOS B1, B2, B3, B4 , B5 e
B6), recomenda-se a realização de vistoria e verificação dos sistemas instalados e
posterior assinatura de um termo de ciência das condições dos mesmos.
2 – Níveis de serviço sugeridos:
Indicador Nível de Serviço
Tempo máximo de detecção de sinistros registrados pelo
60 segundos
sistema de controle de acesso
Tempo máximo para verificação da veracidade de sinistros
registrados pelo sistema de controle de acesso e início do
3 minutos
procedimento de comunicação com os responsáveis
indicados pelo Contratante

Instruções Gerais Aplicáveis a cada Módulo de Serviços 25


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

MÓDULO B9 - LOCAÇÃO DE SISTEMA BASE WEB DE CONTROLE DE ACESSO PARA UM


OU MAIS PRÉDIOS– PORTAS, CATRACAS E CANCELAS

1- O sistema de controle de acesso base web permite a integração entre as controladoras de


portas e barreiras, instaladas nos pontos de acesso sob controle do sistema, sem a
necessidade de um ou mais Centrais/servidores controle de acesso instalado nas
dependências do Contratante, possibilitando, assim, o gerenciamento de vários prédios de
um mesmo Contratante de controle de acesso instalados nas dependências do
Contratante, possibilitando, assim, o gerenciamento de vários prédios de um mesmo
Contratante.
1.1 A comunicação entre as controladoras é feita por uma rede Ethernet, por meio da
qual os pacotes de dados são transmitidos entre as controladoras e a base dados
que fica alocada em um servidor de internet, provendo, assim, transações em tempo
real entre as controladoras e até mesmo para o usuário.
1.2 Todas as controladoras que compõem o sistema devem, ainda, possuir capacidade
de armazenamento de dados e informações dos usuários e dos parâmetros e
restrições de acesso programados, de modo a permitir o funcionamento local do
sistema de controle de acesso, mesmo no caso da queda de rede de internet.
2 – Níveis de serviço sugeridos:

Indicador Sistema Base Web

Prazo de Instalação (dias úteis) 20 a 30 dias


Manutenção Preventiva Trimestral
Manutenção Corretiva Até 4 horas após a identificação da falha
Periodicidade de Entrega dos Backups
12 meses
dos Bancos de Dados
Garantia Mínima dos Equipamentos 12 meses

Exemplos de Sistemas Base Web de Controle de Acesso

Módulo de Estação de
Sistema Base Cartões de
Web de Controle
de Acesso
+ Catracas + Cancelas + Controle de
acesso para
Portas
+ Acesso com
Etiqueta
+ trabalho para
cadastro de
visitantes
B9 B1 B2 B3 B4 B5

Instruções Gerais Aplicáveis a cada Módulo de Serviços 26


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

MÓDULOS C1 - MÓDULOS DE SISTEMA DE DETECÇÃO DE INCÊNDIO


1 - Os sistemas de Detecção de Incêndio deverão operar independentemente dos demais
sistemas, bem como deverão apresentar duas fontes de alimentação, de acordo com a
Instrução Técnica no 19/2004 do Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São
Paulo em conjunto com o Decreto Estadual no 56.819 de 10.03.2011.
2- A Central de Detecção de Incêndios é um equipamento destinado a processar os sinais
provenientes dos circuitos de detecção e alarme, convertendo-os em indicações
(informações) adequadas, bem como a comandar e controlar os demais componentes do
sistema (sirenes, sinalização visual, subcentrais, painéis repetidores, acionadores
manuais, dispositivos de combate etc.).
3- Os projetos, equipamentos e acessórios utilizados nos sistemas de detecção e combate a
incêndios devem atender aos requisitos estabelecidos nas Normas Técnicas da ABNT:
NBR 7240 de 2008 (Sistemas de detecção e alarme de incêndio) e NBR 17240 de 2010
(Sistemas de detecção e alarme de incêndio – Projeto, instalação, comissionamento e
manutenção de sistemas de detecção e alarme de incêndio)
4- Níveis de serviço sugeridos:

Sistema Sistema
Indicador
Convencional Endereçável

Prazo de Instalação (dias úteis) 20 a 30 20 a 30


Manutenção Preventiva Trimestral
Manutenção Corretiva Até 4 horas após a identificação da falha
Garantia Mínima dos Equipamentos 12 meses

Exemplos de Sistemas de Detecção de Alarme de Incêndio:


Centrais Convencionais de Centrais Endereçáveis de
Alarme e Detecção de
Incêndio
OU Alarme e Detecção de
Incêndio
+ Sensores / Acessórios
de Incêndio

C1.1 C1.2 C1.3

Centrais Convencionais de Centrais Endereçáveis de


Alarme e Detecção de
Incêndio
OU Alarme e Detecção de
Incêndio + Sensores / Acessórios
de Incêndio + Monitoramento remoto
da central de incêndio

C1.1 C1.2 C1.3 C2

Instruções Gerais Aplicáveis a cada Módulo de Serviços 27


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

MÓDULO C2: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MONITORAMENTO REMOTO DE


DETECÇÃO DE INCÊNDIO

1- A Central de detecção de incêndios é um equipamento destinado a processar os sinais


provenientes dos circuitos de detecção e alarme de incêndios, convertendo-os em
indicações (informações) adequadas, bem como a comandar e controlar os demais
componentes do sistema (sirenes, sinalização visual, subcentrais, dispositivos de combate
etc.).
1.1- As centrais de detecção de incêndios devem ser equipadas com equipamentos de
transmissão de sinais para a prestação dos serviços de monitoramento remoto do sistema
de detecção de incêndio
2- Níveis de serviço sugeridos:

Indicador Nível de Serviço


Tempo máximo de detecção de alarme pela Central de
60 segundos
detecção de incêndios
Tempo máximo para verificação da veracidade do alarme e
3 minutos
início do procedimento de comunicação com os responsáveis
indicados pelo Contratante

MÓDULOS DO GRUPO D: PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE LOCAÇÃO DE CIRCUITO


FECHADO DE TELEVISÃO (D1; D2; D3; D5; D6; D7; D8; D9)

1- Circuito fechado de televisão (CFTV) é o conjunto de equipamentos destinados a captar


imagens de determinado ambiente, permitindo sua visualização remota, gravação ou
transmissão. Existe uma grande variedade de equipamentos utilizados no sistema de
circuito fechado de televisão e sua utilização varia de acordo com a necessidade, recurso
financeiro e adequação ao projeto. Nos editais de sistemas de CFTV deverão ser
contemplados os equipamentos listados neste volume; outras soluções somente poderão
ser consideradas mediante prévia justificativa anterior à elaboração do edital e
apresentação de projeto.
2- Níveis de serviço sugeridos:
Sistemas
Sistemas Avançados
Indicador Básicos CFTV - Convencional
CFTV - Convencional ou
CFTV - Sistema-IP
Prazo de Instalação (dias úteis) 20 a 30 30 a 45
Manutenção Preventiva Trimestral
Manutenção Corretiva Até 4 horas após a identificação da falha
Garantia Mínima dos Equipamentos 12 meses

Instruções Gerais Aplicáveis a cada Módulo de Serviços 28


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

Exemplos de Sistemas Básicos de CFTV – Convencional:

Central de Monitoramento
Local
(DVR + Tela)
+ Câmeras de CFTV
Convencional (Digital)

D1.1 D6

Central de Monitoramento
Local
(DVR + Tela)
+ Câmeras de CFTV
Convencional (Digital) + Posto de Monitoramento
Local das Câmeras

D1.1 D6 D11

Central de
Central de Monitoramento Monitoramento Remoto Serviço de
Local
(DVR + Tela)
+ Câmeras de CFTV
Convencional (Digital) + (Estação de Trabalho
para Monitoramento de
+ Monitoramento Remoto
(por 16 Câmeras)
Imagens de CFTV)

D1.1 D6 D4.1 D10

Exemplos de Sistemas Avançados de CFTV – Convencional ou CFTV-Sistema-IP:

NVR
Microprocessado ou
Base PC
(software incluso)
+ Câmeras de CFTV
Convencional (Digital) + Estação de Visualização
de CFTV

D1.3 D6 D2

NVR
Microprocessado ou Base
PC
(software incluso)
+ Câmeras de CFTV
Convencional (Digital) + Estação de Visualização
de CFTV + Posto de Monitoramento
Local das Câmeras

D1.3 D6 D2 D11

Servidor para
gerenciamento de imagens + Câmeras de CFTV
Sistema IP OU Câmeras de CFTV
Sistema IP - Megapixel

D3.1 D7 D8

Servidor para Câmeras de CFTV Estação de Posto de


gerenciamento de
imagens
+ Câmeras de CFTV
Sistema IP OU Sistema IP -
Megapixel
+ Visualização de
CFTV
+ Monitoramento
Local das Câmeras

D3.1 D7 D8 D2 D11

Instruções Gerais Aplicáveis a cada Módulo de Serviços 29


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

Central de
Monitoramento
Serviço de
Servidor para Câmeras de CFTV Remoto
gerenciamento de
imagens
+ Câmeras de CFTV
Sistema IP OU Sistema IP -
Megapixel
+ (Estação de
Trabalho para
+ Monitoramento
Remoto
(por 16 Câmeras)
Monitoramento de
Imagens de CFTV)
D3.1 D7 D8 D4.1 D10

Importante 3 – A definição do uso de sistemas de CFTV – Convencional ou CFTV –


Sistema IP, bem como a escolha das Câmeras do tipo IP ou IP-Megapixel dependerão da
indicação do profissional técnico responsável pelo projeto, ressaltando que o emprego
de câmeras IP-Megapixel deverá ser justificado, indicando o porquê da necessidade da
aplicação desse tipo de câmera, dado o aumento dos valores contratados, devido à
melhor qualidade e sofisticação desses equipamentos.

3- Instruções específicas quanto à contratação e à prorrogação contratual:


a) Durante a vigência do contrato em que incidir a amortização dos valores cobrados
pela Contratada a título de instalação, os valores de referência válidos incorporarão o
rateio mensal correspondente à instalação.
b) Em caso de prorrogação de prazo para um período seguinte, devem ser
obrigatoriamente concedidos os descontos previstos nos valores de referência, os
quais foram calculados com base em um rateio dos custos de instalação.
4- As manutenções preventiva e corretiva podem ser contratadas tanto de forma conjunta
com a locação, como de forma isolada (quando o Contratante possui o sistema próprio
instalado). .

MÓDULOS D4: LOCAÇÃO DE CENTRAL DE MONITORAMENTO REMOTO PARA CFTV E


D10: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MONITORAMENTO E GERENCIAMENTO REMOTO
DE IMAGENS DE CFTV (NA CONTRATADA)
1 - A Central de Monitoramento é um local especialmente projetado para recepção de sinais
de imagem oriundos dos sistemas de CFTV instalados remotamente, bem como para a
execução dos serviços de monitoramento e controle desses sinais, por monitores.
2- Exemplos de níveis de serviço sugeridos:
Indicador Nível de Serviço
Tempo máximo para verificação e Informação de ocorrências
3 minutos
detectadas
Backup das imagens de ocorrências detectadas ou Até 15 minutos após
movimentações que se interprete como “suspeitas”. a solicitação

Período de armazenamento e guarda do backup de imagens Mínimo de 45 dias

3 - Cabe ao órgão contratante detalhar os demais níveis de serviços desejados, tendo como
base o nível de segurança de cada local monitorado.

MÓDULO D11: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MONITORAMENTO E GERENCIAMENTO


LOCAL DE IMAGENS DE CFTV
1 - Níveis de serviço sugeridos:
Diferentemente do monitoramento remoto de alarmes, o monitoramento local de imagens
de circuitos fechados de televisão pode, em cada caso específico, ter finalidades muito
distintas, tais como: a recuperação posterior de imagens em caso de ocorrências de

Instruções Gerais Aplicáveis a cada Módulo de Serviços 30


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

segurança, prevenção de ocorrências locais de segurança, prevenção de ocorrências


remotas de segurança, reconhecimento de fisionomia para apoio a inquéritos policiais,
produção de provas em processos judiciais envolvendo usuários, monitoramento de
aspectos funcionais, apoio a atividades operacionais, entre tantos outros. Em cada caso,
níveis de serviços específicos devem ser estabelecidos, se necessário com o apoio de
especialistas de cada Contratante ou especialistas externos contratados. As possibilidades
de níveis de serviço dependem, ainda, de forma importante, da configuração de toda a
estrutura de segurança e vigilância patrimonial de cada contratante e do software
instalado. Diante do exposto acima, e como a configuração proposta neste estudo não
prevê a instalação de softwares mais sofisticados ou personalizados, não é razoável o
estabelecimento de níveis universalmente aplicáveis de serviço de monitoramento de
imagens de CFTV. A partir das circunstâncias específicas de cada contrato, eles poderão
ser estabelecidos.

ESPECIFICAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA DE CFTV


1 - Toda infraestrutura a ser instalada referente à implantação do sistema de monitoramento
deverá atender os requisitos constantes na norma ABNT NBR 5410 - Instalações Elétricas
de Baixa Tensão, bem como em todas as normas nela referenciadas. Deverão ser
obedecidas também a NR 10 – Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade e a
NR 26 – Sinalização e Segurança.
2 - O eletroduto a ser utilizado nos serviços de implantação da infraestrutura deverá ser do
tipo médio ou pesado obedecendo a todos os requisitos constantes na norma ABNT NBR
13057 - Eletroduto Rígido de Aço Carbono, com Costura, Zincado Eletroliticamente e com
Rosca NBR 8133. É vedada a utilização de eletroduto metálico flexível revestido em PVC
(seal tubo) na implantação de infraestrutura, sendo somente autorizado o uso desse
material para os serviços de acabamento, conforme necessidade de harmonia da
instalação do sistema de CFTV com a arquitetura do local de instalação. O eletroduto
deverá ser zincado eletroliticamente interna e externamente. A rede de eletrodutos deverá
possuir continuidade elétrica a ser verificada com ohmímetro, conseguindo-se isto com o
uso de caixas de derivação metálicas com conexões roscáveis, tipo condulete.
3 - As redes deverão ser limpas, assentadas rigorosamente observando-se prumo, nível e
esquadro.
4 - Instalações externas, subterrâneas e/ou aparentes: em edificações, caso a infraestrutura
precise ser reconstruída, ou mesmo em novas instalações, deve-se respeitar a estética
das fachadas. Em todos os casos onde seja necessário trabalho em alvenaria, deverá ser
recomposto o padrão original.
5 - A braçadeira a ser utilizada nos serviços de implantação de infraestrutura de tubulação
deverá ser a do tipo BC.
6 - Em todos os pontos onde houver a saída dos cabos para o meio externo, deverá ser
utilizado o prensa cabos.
7 - Todo cabeamento deverá ser identificado nas duas extremidades por anilhas que deverão
indicar, entre outros dados, o número da câmera a que a fiação se refere.
8 - Todo cabeamento exposto de interligação às câmeras deverá receber acabamento do tipo
espiral-tubo.
9 - O cabo coaxial a ser utilizado, quando se aplicar, deverá obedecer às especificações
constantes na norma ABNT NBR 14770 - Cabos coaxiais rígidos com impedância de 75
ohms para redes de banda larga - Especificação.
10 - A implantação de canaletas e condutos perfilados deverá obedecer aos seguintes
requisitos:
 NBRIEC 61084-1 Sistemas de canaletas e Condutos perfilados para instalações
elétricas - Parte 1: Requisitos Gerais.
 NBRIEC 61084-2-1 Sistemas de canaletas e condutos perfilados para instalações
elétricas - Parte 2: Requisitos Particulares - Seção 1: Sistemas de canaletas e
condutos perfilados previstos para serem montados em paredes e tetos.

Instruções Gerais Aplicáveis a cada Módulo de Serviços 31


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

 NBRIEC 61084-2-2 Sistemas de canaletas e condutos perfilados para instalações


elétricas - Parte 2-2: Requisitos Particulares - Sistemas de canaletas e condutos
perfilados previstos para serem instalados ou embutidos no piso.
 NBRIEC 61084-2-4 Sistemas de canaletas e condutos perfilados para instalações
elétricas - Parte 2: Requisitos Particulares - Seção 4: Colunas de serviço.
11 - Todo o material a ser utilizado na implantação da infraestrutura do sistema de CFTV
deverá ser previamente vistoriado e aprovado pelo Contratante antes de ser utilizado,
sendo que este emitirá no ato da vistoria uma autorização para utilização do material
vistoriado. É vedada a utilização de qualquer material sem a prévia autorização do
Contratante.
12 - Todo material de rede, tais como: cabo UTP, patchcords, conectores RJ-45 deverão ser de
categoria 5e (cat 5e) ou superior. Os patch panels para o cabeamento horizontal além de
ser cat 5e, deverão também ser de alta densidade, com conexão tipo RJ45, terminação
IDC padrão 110, T568A/B, compatível para condutores de 22-24 AWG, encapsulado
ABSUL94V-0, com tampa plástica para proteção dos contatos traseiros.
13 - NORMAS TÉCNICAS DE REFERÊNCIAS: As instalações devem ser projetadas e
executadas em estrito atendimento às normas técnicas nacionais vigentes e, na falta
dessas, em normas internacionais, visando garantir o perfeito funcionamento dos
componentes do sistema e a integridade física dos seus usuários. Deverão obedecer às
seguintes normas técnicas, em sua última versão:
 ABNT NBR 14.565 - Cabeamento de Telecomunicações para Edifícios Comerciais
 ANSI/TIA/EIA - 568.B - Séries: Commercial Building Telecommunications Cabling
Standard - Padrão de cabeamento de telecomunicações para prédios comerciais.
 ANSI/TIA/EIA - 569.A: Commercial Building Standard for Telecommunications
Pathways and Spaces - Padrão de caminhos e espaços de telecomunicações para
prédios comerciais.

Instruções Gerais Aplicáveis a cada Módulo de Serviços 32


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

INSTRUÇÕES SOCIOAMBIENTAIS ESPECÍFICAS

1- Este estudo foi revisado a partir de uma ótica mais humanista e legal voltada à proteção
do homem e do ambiente em que vive, para preservá-lo e, assim, proteger a vida em
termos imediatos e a médio e longo prazos. Considerando que os recursos naturais são
finitos, o Governo do Estado de São Paulo tem buscado elaborar políticas para regular a
necessária e equilibrada interação do homem com a natureza. Essas políticas também se
encontram neste Caderno de Serviços Terceirizados.
1.1 Para tanto, foram estabelecidos princípios de ergonomia e conservação de energia a
serem seguidos pelos fornecedores de serviços dessa natureza para as organizações
da Administração Pública do Estado de São Paulo.
1.2 Os veículos motorizados envolvidos na prestação do serviço devem ser classificados
como "A" ou "B" pelo Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular (PBEV),
considerando-se sua categoria, visando à utilização mais eficiente de combustível e a
redução de poluentes atmosféricos e gases de efeito estufa.
1.3 Em atendimento à Lei Estadual nº 15.303 de 12 de janeiro de 2014, na manutenção
dos veículos motorizados envolvidos na prestação do serviço deve-se dar prioridade
ao emprego de óleos lubrificantes novos que tenham em sua composição óleos
básicos refinados.
1.4 Em atendimento à Resolução SMA 45 de 23 de junho de 2015, cabem aos
contratantes e prestadores de serviços contratados a implementação e
operacionalização da responsabilidade pós-consumo dos materiais, equipamentos e
sistemas utilizados para na prestação dos serviços de vigilância eletrônica constantes
desse estudo.
2- Neste contexto, cabe ressaltar que a transparência na administração pública deve ser
reconhecida como ação de cunho socioambiental, pois o acesso às informações
propiciadas à sociedade por meio de ferramentas como os sítios Cadastro de Serviços
Terceirizados, Pregão e e-negocios públicos – a exemplo de outros sistemas de apoio à
gestão da Administração Pública Estadual, facilita o acompanhamento do desempenho
das compras governamentais.
3- Observamos que a prática de valores éticos e socioambientais, que envolvem a licitação e
se estendem à gestão contratual, refletem a responsabilidade da Administração no
desempenho do papel de consumidor. Assim devem ser entendidas, por exemplo, a
exigência de declarações de que o licitante se encontra regular perante o Ministério do
Trabalho, a vedação à contratação de fornecedores imposta em razão da prática de atos
de preconceito de raça, de cor, de sexo ou de estado civil, entre outros, assim como
exigências relativas ao atendimento às normas de saúde e segurança do trabalho.
4- Merecem também destaque práticas de gestão no cumprimento das determinações legais
que conferem à Administração importante papel na garantia de direitos e conquistas
trabalhistas, tais como a observação quanto ao recolhimento do Fundo de Garantia por
Tempo de Serviço e retenções da Previdência Social, bem como exigências decorrentes
de Convenção ou Acordo Coletivo das categorias profissionais envolvidas na execução
dos serviços terceirizados.
5- Ainda, a justa aplicação de sanções administrativas, inclusive decorrentes de infrações
ambientais, com a respectiva divulgação (www.sancoes.sp.gov.br) refletem o tratamento a
fornecedores com comportamento incompatível com os valores éticos da administração
pública.

Instruções Socioambientais Específicas 33


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

6- A legislação estadual, estabelece que os fornecedores devam observar as seguintes


orientações de sustentabilidade na prestação de serviços que envolvem a instalação,
configuração e descarte de equipamentos eletrônicos.
6.1 - Sobre a utilização de lâmpadas nos equipamentos e instalações deverão ser
observadas as disposições do Decreto Estadual nº 45.643/01, que dispõe sobre o
uso de lâmpadas de maior eficiência energética e dá providências correlatas.
6.2 - A Contratada deve ainda observar os critérios de conservação e o uso racional de
energia na instalação de novos equipamentos à infraestrutura existente, conforme
descritos no Decreto Estadual nº 45.765/01.
6.3 - Os produtos e os componentes eletroeletrônicos considerados lixo tecnológico
devem receber destinação final adequada que não provoquem danos ou impactos
negativos ao meio ambiente e à sociedade. Observar a destinação final adequada
do lixo tecnológico, de acordo com as disposições da Lei Estadual nº 13.576/09.

As especificações socioambientais encontram-se de acordo com os manuais de boas práticas


e legislação vigentes até a presente data.

Instruções Socioambientais Específicas 34


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

CAPÍTULO I - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

1 – VISÃO GERAL DOS GRUPOS E MÓDULOS DE SERVIÇOS


Propõe-se que os serviços sejam tratados/ especificados nos quatro grupos listados a seguir,
os quais podem ser contratados isoladamente ou de forma combinada.

Grupo A - Módulos de Alarmes:


A1 - Prestação de Serviços de Locação de Sistema de Alarmes
A2 - Prestação de Serviços de Monitoramento Remoto de Sistemas de Alarmes
A3 - Prestação de Serviços de Inspeção Técnica por Monitor Externo - Pronta Resposta

Grupo B - Módulos de Controle de Acesso:


B1 -Prestação de Serviços de Locação de Módulo de Controle de Acesso – Catracas
B2 -Prestação de Serviços de Locação de Módulo de Controle de Acesso – Cancelas
B3 -Prestação de Serviços de Locação de Módulo de Controle de Acesso – Portas
B4 - Prestação de Serviços de Locação de Módulo de Controle de Acesso - Cartões
B5 - Prestação de Serviços de Locação de Módulo de Controle de Visitantes
B6 - Prestação de Serviços de Locação de Central/ Servidor de Controle de Acesso
B7 - Prestação de Serviços de Monitoramento Remoto da Central/Servidor de Acesso
B8 - Prestação de Serviços de Locação de equipamentos especiais para o controle de
acesso de prédios adaptados a pessoas com deficiência
B9 - Prestação de Serviços de Locação de Sistema Base Web de Controle de Acesso para
um ou mais prédios- Portas, Catracas e Cancelas

Grupo C - Módulos de Sistema de Alarme e Detecção de Incêndio:


C1 - Prestação de Serviços de Locação de Sistema de Detecção de Incêndio
C2 - Prestação de Serviços Monitoramento Remoto de Sistemas de Alarme e Detecção de
Incêndios.

Grupo D - Módulos de CFTV (Circuito Fechado de Televisão):


D1 - Prestação de Serviços de Locação de Dispositivos para CFTV Convencional (Digital)
D2 - Prestação de Serviços de Locação de Estação de Visualização para CFTV
D3 - Prestação de Serviços de Locação de Dispositivos para CFTV IP
D4 - Prestação de Serviços de Locação de Central de Monitoramento Remoto para CFTV
D5 - Prestação de Serviços de Locação de Acessórios, Conversores e Dispositivos para
CFTV Convencional (Digital)/ Sistema IP
D6 - Prestação de Serviços de Locação de Câmeras de CFTV Convencional (Digital)
D7 - Prestação de Serviços de Locação de Câmeras de CFTV Sistema IP
D8 - Prestação de Serviços de Locação de Câmeras de CFTV Sistema IP - Megapixel
D9 - Prestação de Serviços de Locação de Postes
D10 - Prestação de Serviços de Serviços de Monitoramento Remoto de Imagens
D11 - Prestação de Serviços de Monitoramento e Gerenciamento local de imagens (Posto)

Em conformidade com o artigo 2º e Parágrafo único do Decreto Municipal de São Paulo nº


43.236 de 22/05/2003, que regulamenta a Lei Municipal no 13.541 de 24/03/2003, nos ambientes
internos ou externos, localizados no município de São Paulo, controlados por câmaras de vídeo,
deverão ser afixadas placas informativas com os seguintes dizeres:

”O AMBIENTE ESTÁ SENDO FILMADO. AS IMAGENS SÃO CONFIDENCIAIS E


PROTEGIDAS NOS TERMOS DA LEI.”

As placas deverão ser afixadas de maneira a permitir sua perfeita visualização pelo público, nos
pontos de entrada e de saída dos ambientes, e ter as seguintes características:
Capítulo I - Especificações Técnicas 35
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

I. Dimensões mínimas de 30 (trinta) por 30 (trinta) centímetros;


II. Letras grafadas na cor preta sobre fundo amarelo.
Obs.: Embora a legislação seja específica para o município de São Paulo, a sua utilização é
recomendada para os demais municípios.

2 - ESPECIFICAÇÕES PECULIARES A CADA UM DOS MÓDULOS DE SERVIÇOS

A – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ALARMES (A1)


Equipamentos Acessórios Software Mão de Obra
A
Sensores de
Monitoramento Inspeção Técnica
Alarmes

movimento /
Central de remoto da central por Monitor
presença / proteção
alarmes de alarmes (por Externo
perimetral /
painel) (por painel)
Comunicação

A1.1 A1.2 A2 A3

1. OBJETO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS


Prestação de serviços de instalação e locação de conjunto de equipamentos necessários e
suficientes para o funcionamento de um sistema de vigilância eletrônica para futuro
monitoramento remoto, conforme especificações e níveis de serviço estabelecidos, visando a
efetiva cobertura das áreas que integram o escopo da contratação.

2. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS


2.1. A prestação deste serviço será realizada por meio da locação de equipamentos de sistema
de alarmes, incluindo: instalação da infraestrutura eventualmente necessária, instalação dos
equipamentos e sistemas propriamente ditos, conforme especificação do projeto, incluindo a
manutenção preventiva e corretiva de todo o sistema.
2.1.1. O sistema de alarme é um conjunto de equipamentos eletrônicos, “inteligentes” e
interligados que informam a violação de um imóvel protegido.

2.2. Os serviços de instalação, bem como aqueles de infraestrutura eventualmente necessários,


serão executados pela Contratada, incluindo todo e qualquer material necessário para a
completa instalação dos equipamentos, bem como transporte de materiais e pessoal,
serviços de tubulação, cabeamento e adaptação de instalações elétricas, interligando os
pontos de instalação a serem ativados.
2.2.1. Entende-se por instalação a montagem, a fixação, os ajustes, a interligação entre
si e com quadros e painéis, a alimentação elétrica de todos os equipamentos,
execução de testes e a colocação em operação de todo o sistema até seu
recebimento. Inclui os serviços de adequação de painéis, de montagem, de
instalação, testes, calibração e inclusive obras civis, se houver.
2.2.2. A existência de interferência com a arquitetura e com obras civis devem ser
solucionadas durante a fase de elaboração dos projetos executivos de instalação,
os quais serão aprovados pelo Contratante.
2.2.3. Deverá ser encaminhada previamente à instalação do sistema, os catálogos dos
equipamentos a serem instalados (nos mesmos moldes descritos no item 2.2.9 a
seguir) e de acordo com as especificações técnicas constantes do edital de
contratação, para a aprovação pelo Contratante.
2.2.4. Após concluir os serviços de instalação, a Contratada deve retirar todo o material
existente, entulho ou quaisquer materiais remanescentes do trabalho executado; os
locais deverão ser entregues em perfeitas condições de higiene e limpeza, bem
como acompanhar os padrões estéticos do Contratante.
2.2.5. Os trabalhos deverão ser executados de forma a garantir os melhores resultados
e desempenho, devendo a Contratada implementar a solução mais adequada para

Capítulo I - Especificações Técnicas 36


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

o caso concreto, combinando técnica e custo de modo a otimizar a qualidade dos


serviços e a buscar a melhor integração entre materiais, equipamentos,
instrumentos e outros componentes a serem locados, entre si e com o futuro serviço
de monitoramento, fazendo funcionar eficientemente o sistema como um todo.
2.2.6. A Contratada deve proceder à instalação dos equipamentos e acessórios
integrantes do sistema de vigilância eletrônica obedecendo às normas da ABNT –
Associação Brasileira de Normas Técnicas e a Resolução 242 de 30.11.00, alterada
pela Resolução 662, de 08.03.16, além das Resoluções 232 de 07.11.2002,
complementada pela Resolução 626 de 20.11.2013 da Agência Nacional de
Telecomunicações (ANATEL), quando aplicável. O mesmo procedimento deve ser
adotado para equipamentos e acessórios que venham a ser substituídos.
2.2.7. Todos os custos de instalação, bem como todos os equipamentos, materiais e
infraestrutura necessária devem ser fornecidos pela Contratada. Eventuais
exceções, para utilização de infraestrutura existente nos endereços, deverão ser
analisadas e aprovadas pelo Contratante.
2.2.8. A Contratada deverá prestar serviços eventuais, compreendendo: desinstalação e
reinstalação de equipamentos no mesmo local, decorrente da alteração interna de
layout da unidade; desinstalação e reinstalação de equipamentos em outro local da
mesma cidade, em virtude de mudança da unidade; desativação de equipamentos
ou do sistema de segurança de alguma unidade.
2.2.9. A Contratada deverá fornecer catálogos de todos os equipamentos instalados em
língua portuguesa (conforme estabelecido no Art. 31 do Código de Defesa do
Consumidor); não serão admitidos catálogos em língua inglesa, espanhol, francês
ou ainda catálogos em línguas, alfabetos ou ideogramas diferentes do alfabeto
latino do padrão ISO.
2.2.10. Serão de inteira responsabilidade da Contratada, a guarda e a manutenção de
equipamentos e/ou materiais de sua propriedade, que sejam colocados para uso
durante a execução dos serviços.
2.2.11. A Contratada deve identificar todos os equipamentos de sua propriedade, de
forma a não serem confundidos com similares de propriedade do Contratante.
2.2.12. A empresa deverá fornecer um cronograma da instalação dos equipamentos
dentro do prazo estipulado pelas partes de acordo com o projeto.
2.2.13. A Contratada deverá treinar os usuários dos sistemas eletrônicos de forma a
capacitá-los à correta utilização dos mesmos, exceto quanto aos aspectos afetos à
fase de monitoramento, tais como uso de códigos, senhas e contrassenhas.
2.2.14. A Contratada ao final da instalação deverá providenciar o MEMORIAL
DESCRITIVO DE INSTALAÇÃO dos equipamentos, indicando todos os
equipamentos instalados, suas especificações, notas técnicas das instalações
referentes a interferências arquitetônicas efetuadas e/ou outras medidas ou
problemas encontrados. O Memorial Descritivo deverá ser acompanhado dos
Catálogos de todos os equipamentos instalados de que trata o item 2.2.9
supracitado e dos diagramas esquemáticos de instalação e/ou dos AS BUILTs da
instalação, no caso dos sistemas considerados como avançados conforme indicado
nos exemplos abaixo:

Exemplos de Sistemas Básicos de Alarme:

Sensores de CATÁLOGO DOS


Central de alarmes 8
a 24 Zonas + movimento /
presença
+ MEMORIAL
DESCRITIVO + EQUIPAMENTOS EM
PORTUGUÊS
+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO

A1.1 A1.2

Capítulo I - Especificações Técnicas 37


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

Inspeção
Central Monitoramento Técnica
Sensores
de remoto da por CATÁLOGO DOS
alarmes
8 a 24
+ de
movimento
/ presença
+ central de
alarmes
+ Monitor
Externo
+ MEMORIAL
DESCRITIVO + EQUIPAMENTOS EM
PORTUGUÊS
+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO

Zonas (por painel) (por


painel)
A1.1 A1.2 A2 A3

Exemplos de Sistemas Avançados de Alarme

Central de Sensores de CATÁLOGO DOS


alarmes 25 a
96 Zonas
+ movimento /
presença
+ MEMORIAL
DESCRITIVO + EQUIPAMENTOS EM
PORTUGUÊS
+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO + AS BUILT DA
INSTALAÇÃO

A1.1 A1.2

Inspeção
Central Monitoramento Técnica
Sensores
de remoto da por CATÁLOGO DOS
alarmes
25 a 96
+ de
movimento
/ presença
+ central de
alarmes
+ Monitor
Externo
+ MEMORIAL
DESCRITIVO + EQUIPAMENTOS EM
PORTUGUÊS
Zonas (por painel) (por
painel)
A1.1 A1.2 A2 A3

+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO + AS BUILT DA
INSTALAÇÃO

2.3. Deverão ser propostos, instalados e locados, incluídos já todos os custos, equipamentos
necessários e suficientes para posterior fornecimento, individualmente ou de forma
combinada, de acordo com o projeto ou Termo de Referência apresentado, de uma ou mais
das seguintes funcionalidades de serviços de vigilância eletrônica por monitoramento
remoto:
2.3.1. Gerenciamento Local e Comunicação com Central de Monitoramento: Controle
local e ativação, desativação, programação e monitoramento, tanto local como
remoto, do sensoriamento de áreas protegidas, com possibilidade de
cadastramento do número de zonas previstas em projeto. Incluem-se backups de
comunicação e sistemas de monitoramento permanente, teclado, fonte de
acumulação de energia para alimentação em caso de interrupção, fontes de alarme
sonoro interna e externa, instalação, impostos Encargos Sociais e Trabalhistas e
BDI.
2.3.2. Sensoriamento de Violação de Porta ou Janela.
2.3.3. Sensoriamento de Presença.
2.3.4. Sensoriamento de Presença Imune a Pequenos Animais.
2.3.5. Sensoriamento Ativo de Intrusão Perimetral Imune a Pequenos Animais.
2.3.6. Acionamento Silencioso em caso de emergência.

2.4. A Manutenção Técnica Preventiva contempla os serviços efetuados para manter os


equipamentos funcionando em condições normais, tendo como objetivo diminuir as
possibilidades de paralisações, compreendendo: manutenção do bom estado de
conservação, substituição ou reparo de componentes que comprometam o bom
Capítulo I - Especificações Técnicas 38
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

funcionamento, modificações necessárias com objetivo de atualização dos aparelhos,


limpeza, regulagem, inspeção, calibração e simulação de testes mecânicos e
eletroeletrônicos em todo sistema interno e externo, entre outras ações que garantam que o
conjunto dos equipamentos esteja em permanente condição de operação.
2.4.1. A Manutenção Técnica Preventiva deve ser feita em frequência não inferior a 3
(três) meses.
2.5. A Manutenção Técnica Corretiva contempla os serviços de reparo com a finalidade de
eliminar todos os defeitos existentes nos equipamentos identificados por meio de
diagnóstico, bem como a correção de anormalidades, a realização de testes e regulagens
que sejam necessárias para garantir o retorno do equipamento às condições normais de
funcionamento, e também na substituição do equipamento sem que haja prejuízo ao
funcionamento do sistema.
2.5.1. Caberá à Contratada manter o sistema em perfeitas condições de uso durante
todo o período de duração do contrato, comprometendo-se a reparar ou substituir,
se for o caso, os acessórios ou componentes que apresentarem falhas e que não
caracterizarem perda das funções básicas do sistema.
2.5.2. Nesse caso, as falhas constatadas deverão ser sanadas de imediato, observando
prazos razoáveis e tecnicamente admitidos, ou aqueles previstos nos editais,
termos de referência, contratos e/ou acordos de nível de serviço.
2.5.3. Na ocorrência de falhas que resultarem em perda das funções básicas, a
Contratada deverá obrigatoriamente providenciar, de imediato, o restabelecimento
do sistema, inclusive, em horários noturnos e aos sábados, domingos e feriados.
2.5.4. A Contratada deverá instalar, quando necessária a substituição de materiais do
sistema de vigilância eletrônica, equipamentos de primeira linha de fabricação, de
acordo com as especificações atuais, nunca inferiores.
2.5.5. A Contratada deverá comunicar ao Gestor do Contrato todas as ocorrências nos
equipamentos instalados, que possam comprometer, ou não, os serviços.
2.5.6. Sem prejuízo das penalidades previstas, na impossibilidade do restabelecimento
imediato das funções básicas do sistema, a Contratada deverá garantir as
condições de segurança do patrimônio do Contratante por meio de ações
estabelecidas nos procedimentos, rotinas de trabalho e planos de contingência,
conforme disposições do edital, termo de referência, projeto, proposta de trabalho e
contrato.

2.6. Os custos da Manutenção Técnica Preventiva e Corretiva devem estar referidos para o
sistema de vigilância eletrônica, conforme estabelecido neste volume.

2.7. A contratada deverá instalar equipamentos com garantia do fabricante mínima de 12 meses.
2.7.1. Para os equipamentos com prazos de garantia menores que 1 ano, no caso de
panes ou falhas fica a cargo da Contratada os custos de manutenção ou
substituição do equipamento.

Capítulo I - Especificações Técnicas 39


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS DAS CONFIGURAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS


E SOLUÇÕES

Equipamento Função
Equipamento necessário para a instalação de um sistema eletrônico, responsável
Central de
A1.1 pelo recebimento de sinais dos diversos sensores nele conectados e o envio de
Gerenciamento Local
tais sinais (alarmes), via meio de comunicação à central de monitoramento remoto.
Sensores Magnéticos
Detecção de abertura de portas e janelas, através de contato magnético.
(Abertura)
Sensores de
Detecção de intrusão através da presença no ambiente monitorado.
Presença
Sensores de
Detecção de intrusão através de contato com infravermelho no ambiente
Presença
monitorado.
(infravermelho)
A1.2
Sensores de Impacto Detecção de intrusão através do som provocado pela quebra de vidro ou vibração.
Comunicação Equipamentos para comunicação interna de vigilantes
Proteção Perimetral Equipamentos para intimidação e rechaçamento de intrusos
Equipamento para acionamento de sistemas diversos através de chaveamento de
Acionamento
relês.
Conjunto de equipamentos para criar uma zona de alarme com a finalidade de
Kit de Energia
monitorar corte de energia de uma determinada instalação.

A1.1 –Centrais de Alarmes


Componentes
Zonas/ Recursos Mínimos adicionais
Ref. Descrição Usuários (Comuns a todas as
Partições (Comuns a todas as opções)
opções)
1-Painel Zonas programáveis como:
2-Caixa de Alumínio, instantânea, 24 horas (audível ou não),
ABS ou ferro com seguidora nos retardos de entrada
acabamento anodizado e/ou saída e zona inteligente (dispara
Central de / pó Epóxi, fonte de o sistema somente após o segundo
Gerenciamento alimentação entrada sinal do sensor, dentro de um intervalo
A1.1.01.L Local I (Painel 8/2 48 127/240vAC saída 12, de tempo programado)
01 até 08 24 ou 48vDC Saída individual para sirene,
zonas) 3-Teclado para reconhecimento de tamper
interface com o painel programável, aviso sonoro na sirene
para ( inserir de arme e desarme programável
programação, (on/off)
cadastrar usuários, Aviso sonoro no teclado de problemas
arme, desarme, etc.) programável (on/off)
4-Sirene ( interna e Beep no tempo de entrada e/ou saída
externa com caixa de programável (on/off)
proteção) Aviso sonoro de alarme no teclado
5-Bateria selada de programável (on/off)
Central de 12vDC 7AH Saídas programáveis por horário ou
Gerenciamento 6-Módulo GPRS evento (arme, desarme, abertura de
A1.1.02.L Local II (Painel 24 / 2 48 zona, etc.)
de 09 até 24 Auto arme programável por horário ou
zonas) por não detecção de qualquer sinal do
sensoriamento em um determinado
intervalo de tempo também
programável
Supervisão de corte de linha de hora

Capítulo I - Especificações Técnicas 40


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

A1.1 –Centrais de Alarmes


Componentes
Zonas/ Recursos Mínimos adicionais
Ref. Descrição Usuários (Comuns a todas as
Partições (Comuns a todas as opções)
opções)
em hora
Interação remota total com o painel
(download/upload de programação,
arme, desarme, etc.)
Central de 1-Painel Registro de pelo menos 200 eventos
Gerenciamento 2-Caixa de Alumínio ou com data e hora
A1.1.03.L Local III 48 / 4 90 ferro com acabamento Mínimo de 2 saídas programáveis por
(Painel de 25 anodizado / pó Epóxi, evento
até 48 zonas) fonte de alimentação Arme por controle remoto (keyswitch)
entrada 127/240vAC programável (total ou parcial);
saída 12 , 24 ou Saída auxiliar (+)
48vDC Não travar o teclado em qualquer
3-Teclado para situação de alarme ou ao carregar a
interface com o painel memória, ficando o sistema pronto
para ( inserir para armar independentemente do
programação, ultimo evento registrado na memória
cadastrar usuários, Funções de controle de acesso
arme, desarme, etc.) primário embutidas para até 32 portas
Central de 4-Sirene ( interna e Função Hard watchdog, a central
Gerenciamento externa com caixa de deverá reiniciar o sistema
A1.1.04.L Local IV 96 / 8 200 proteção) automaticamente caso haja qualquer
(Painel de 49 5-Bateria selada de problema.
até 96 zonas) 12vDC 7AH
6-Módulo GPRS

A1.2 - Sensores, Comunicação e Proteção Perimetral


Designação
Ref. Tipo Componentes e Recursos mínimos
Sensores
Sensor magnético de Magnético Tipo embutir ou sobrepor, montagem parafusada, adesiva da ou
A1.2.01.L
abertura com fio (Abertura) embutida, com abertura máxima de 20 mm.
Tipo embutir ou sobrepor, montagem parafusada ou embutida,
Sensor magnético de
Magnético resistente a passagem de veículos ou pessoas, com ganho de
A1.2.02.L abertura com fio para
(Abertura) fechamento/abertura de 40 a 50 mm em material de alumínio ou
portas de aço
policarbonato com cabo flexível em inox.
Sensor de presença Área de detecção mínima de 10X10 metros, com ângulo mínimo
A1.2.03.L IVP (infravermelho Presença de detecção de 100 graus, tamper para detecção em caso de
passivo) com fio violação do invólucro.

Sensor IVP com Área de detecção mínima de 10X10 metros, método de detecção
micro-ondas e com IVP e MW, imunidade a pequenos animais entre 20 e 45kg,
A1.2.04.L Presença
imunidade PET até proteção contra luz branca e tamper para detecção em caso de
45kg. com fio violação do invólucro.
Sensor de presença Área de detecção entre 8 e 12 metros, com ângulo de detecção
A1.2.05.L IVP com fio – Presença de 360, altura de 2,4 à 3,6 metros e tamper para detecção em
Montagem de Teto caso de violação do invólucro.
Sensor de presença Área de detecção mínima 15X15 metros com ângulo mínimo de
A1.2.06.L IVP com fio – Anti- Presença detecção de 90° e tamper para detecção em caso de violação do
mascaramento invólucro.
Sensor IVP com
Alcance entre 16 e 24 metros lineares, método de detecção com
micro-ondas com fio –
A1.2.07.L Presença IVP e MW, proteção contra intempéries e insetos e tamper para
externo – alcance 24
detecção em caso de violação do invólucro
metros

Capítulo I - Especificações Técnicas 41


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

A1.2 - Sensores, Comunicação e Proteção Perimetral


Designação
Ref. Tipo Componentes e Recursos mínimos
Sensores
Área de detecção mínima 10X10 metros, com ângulo mínimno
Sensor de presença
A1.2.08.L Presença de detecção88,5º graus, tamper para detecção em caso de
IVP sem fio
violação do invólucro.
Cobertura de 20 a 60 metros, feixe duplo com ângulo de
Sensor infravermelho Presença alinhamento de 5° vertical e 90° horizontal, proteção contra
A1.2.09.L
ativo feixe duplo I (infravermelho) intempéries e insetos e tamper para detecção em caso de
violação do invólucro.
Cobertura de 61 a 100 metros, feixe duplo com ângulo de
Sensor infravermelho Presença alinhamento de 5° vertical e 90° horizontal, proteção contra
A1.2.10.L
ativo feixe duplo II (infravermelho) intempéries e insetos e tamper para detecção em caso de
violação do invólucro.
Cobertura de 101 a 150 metros, feixe duplo com ângulo de
Sensor infravermelho Presença alinhamento de 10° vertical e 90° horizontal, proteção contra
A1.2.11.L
ativo feixe duplo III (infravermelho) intempéries e insetos e tamper para detecção em caso de
violação do invólucro.
Alcance de detecção e/ou vibração mínimo de 4,5 metros,
frequência de detecção entre 3.9 e 16.7 kHz, sensibilidade a
Sensor de Impacto 75db ou 5.050 Hz, sensor tipo Electrolet Condenser microphone
A1.2.12.L (quebra de Vidro) Impacto (microfone eletrolítico condensador), umidade ambiente de 95%
Acústico Maximum Relative Humidity (umidade relativa máxima), com
tempo de detecção de 4 segundos, com dispositivo de detecção
(tamper) em caso de violação.
Faixa de zona de proteção de 10 a 60 metros de distância, altura
da zona de proteção de 1,8m, largura da zona de proteção 5,0m,
tempo de detecção do alvo entre 0,3 e 10m/s, saída de alarme
através de rele de contato não superior a 3 segundos, com
Sensor Barreira de
valores de tensão de contato do reles de até 72 V, com corrente
A1.2.13.L Micro-ondas 60 Presença
de até 0,03 A, tensão de operação de 12 a 30V, consumo de
metros
corrente do transmissor de 20 mA a 12VCC, Tensão nominal de
20 VCC, temperatura de operação entre -40°C e +60°C, imune a
disparos falsos provocados por pequenos animais, pássaros,
chuva e neblina, com proteção contra queda de energia.
Faixa de zona de proteção de 10 a 200 metros de distância,
altura da zona de proteção de 1,8m, largura da zona de proteção
5,0m, tempo de detecção do alvo entre 0,3 e 10m/s, saída de
alarme através de rele de contato não superior a 3 segundos,
Sensor Barreira de com valores de tensão de contato do reles de até 72 V, com
A1.2.14.L Micro-ondas 200 Presença corrente de até 0,03 A, tensão de operação de 12 a 30V,
metros consumo de corrente do transmissor de 20 mA a 12VCC, Tensão
nominal de 20 VCC, temperatura de operação entre -40°C e
+60°C, imune a disparos falsos provocados por pequenos
animais, pássaros, chuva e neblina, com proteção contra queda
de energia.
Frequência de transmissão codificada em 24 bits, com mínimo
de duas teclas, operando na frequência de 315 a 434 MHz,
Botão de Pânico vedação contra umidade, saída momentânea, relê configurável,
A1.2.15.L Botão
Móvel frequência de transmissão codificada, alcance de 100 metros,
frequência de recepção entre 315 e 434 MHz, reconhecimento
de código em 0,5 segundos, com dois canais.
Um botão interligado ao painel de alarmes através de fio
A1.2.16.L Botão de Pânico fixo Botão
condutor, com a inscrição “Emergência”.

Capítulo I - Especificações Técnicas 42


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

A1.2 - Sensores, Comunicação e Proteção Perimetral


Designação
Ref. Tipo Componentes e Recursos mínimos
Sensores
Ao detectar qualquer movimento, acende automaticamente,
voltagem de 127 a 220 V (bivolt) dependendo da voltagem da
lâmpada utilizada, varredura de 180°, utiliza lâmpadas halógenas
Refletor com sensor
de 300W até 500W, possui ajuste de tempo de 5 segundos a 6
A1.2.17.L de presença 300 W a Presença
minutos aproximadamente, possui sensor com ajuste de
500 W - bivolt
luminosidade e sensibilidade, pode ser ajustado para
acendimento somente à noite, estrutura de alumínio, com
dimensões de 14,0x13,0x19,0cm.
Bateria interna recarregável sem efeito memória e autonomia de
140 horas, encapsulamento em aço inoxidável, indicação sonora
Coletor eletrônico de
A1.2.18.L Ronda de leitura, tempo de leitura de 1/20 segundos, memória de 50
ronda
coletas, condições de uso de 5 a 50º C conseguindo ler o button
em condições de elevada umidade.
Button Eletrônico de
A1.2.19.L Ronda Número de série gravado a laser e a prova de choque.
ronda

Complementam o equipamento 2 baterias, carregador de mesa


Rádio de com fonte de alimentação 127/220V e clip de cinto, com no
A1.2.20.L comunicação móvel Comunicação mínimo 14 canais, frequência VHF ou UHF com 4 watts de
interna (HT) potencia, indicador de carga de bateria (LED/TONE), Operação
Radio a Radio.

Tecnologia GSM, TDMA, iDEN ou CDMA. Complementam o


equipamento teclado QWERTY , câmera digital integrada, WiFi,
Comunicação móvel
A1.2.21.L Comunicação tecnologia 3g ou superior, função PTT ("Puch To Talk"), memoria
de longo alcance I
expansível com cartão externo, bateria, carregador e serviço de
radio ilimitado,
Tecnologia GSM, TDMA, iDEN ou CDMA. Complementam o
equipamento tela Touchscreen, câmera digital integrada, WiFi,
tecnologia 3g ou superior, função PTT ("Puch To Talk"), memoria
expansível com cartão externo, bateria, carregador, serviço de
Comunicação móvel
A1.2.22.L Comunicação radio ilimitado e serviço de telefonia móvel de no mínimo 400
de longo alcance II
minutos de conversação/mês. Viva voz integrado, identificador
de chamadas, chamada em espera, discar a um número de
conexão direta pré-determinado ou para o mais recente da lista
de últimas chamadas.
Monitor de LCD ou Tela de LCD ou LED com no mínimo 17” e máxima 21”,
A1.2.23.L Comunicação
LED ' Resolução 1280×1024 75hz e base giratória
Sistema de proteção de alto efeito psicológico, formado por
laminas em espirais. Material em aço inox, diâmetro de 0,50mm,
Proteção perimetral Proteção
A1.2.24.L arame nº18, espaço de 25cm entre as espiras, hastes de fixação
helicoidal Perimetral
em ferro fundido a cada 2mts, placas de advertência em PVC
instaladas a cada 6mts.
Sistema de alarme de alto efeito psicológico, também
denominado choque moral, formado por fios de aço energizados
com altíssima tensão elétrica e baixíssima amperagem (Máximo:
0,002A).
Choque pulsativo aplicado a cada 1,2 segundos ou 50 pulsos /
minuto, com duração de um milésimo de segundo. Alarme
Cerca elétrica de Proteção
A1.2.25.L quando os fios são tocados ou rompidos.
proteção perimetral Perimetral
Complementam o equipamento: Central eletrificadora de 8.000
V, hastes maciças em alumínio para 4 isoladores a cada 2m, fio
de aço inox de alta resistência, cabo de alta isolação, placa de
alerta e/ou advertência em PVC a cada 6m, 4 Isoladores de
polipropileno por haste, molas para repuxo automático 1par por
fio a cada 3 hastes e bateria com autonomia de 6 horas.

Capítulo I - Especificações Técnicas 43


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

A1.2 - Sensores, Comunicação e Proteção Perimetral


Designação
Ref. Tipo Componentes e Recursos mínimos
Sensores
Alcance de no mínimo 40 m, frequência de 433mhz,
programação de reles com ou sem retenção, programação de
Receptor com até 60 controles, alimentação de 11 a 24 VDC, programação dos
Controle Remoto controles Hopping code.
A1.2.26.L Acionamento
Multifrequencia 292 a Controle em Caixa Plástica com
433,92 MHz 2 ou 3 Botões de acionamento e desarme
Frequência entre 292 e 433,92 MHz
Acompanhado de baterias A23/23ae Gp 12 Volts.
Kit para zona de Corte de Duas tomadas simples de sobrepor, duas fontes bivolt de 127 a
A1.2.27.L
energia Energia 240VAC para 12VDC, dois relês 12VDC 4Ah NA e NF
Módulo para Entrada Automática do Sinal Telefônico que permite
Módulo de controle de transformar qualquer telefone, em qualquer local, num ponto de
A1.2.28.L Acessório
alarmes/entrada controle/comando para a conexão telefônica com o sistema e/ou
o controle remoto de equipamentos.
Sensor IVP com Área de detecção até 15 metros, método de detecção com IVP e
A1.2.29.L micro-ondas com fio – Presença MW, proteção contra intempéries e insetos e tamper para
cobertura 15m detecção em caso de violação do invólucro

A – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MONITORAMENTO REMOTO DE SISTEMA DE


ALARMES (A2)
Equipamentos Acessórios Software Mão de Obra
A
Sensores de
Monitoramento Inspeção Técnica
Alarmes

movimento /
Central de remoto da central por Monitor
presença / proteção
alarmes de alarmes (por Externo
perimetral /
painel) (por painel)
Comunicação

A1.1 A1.2 A2 A3

1. OBJETO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS


Prestação de serviços de vigilância eletrônica das áreas que integram o escopo da contratação,
por meio do monitoramento remoto - a partir de central própria, especificamente instalada na
contratada, com o objetivo de monitorar remotamente o sistema de alarmes instalado na
contratante, incluindo o acompanhamento permanente de violações, intrusões e outras
ocorrências, tomando as providências contratadas, de acordo com as melhores práticas
vigentes de segurança.

2. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS


1 - Entende-se por monitoramento o ato de efetivar a verificação ou a supervisão local ou
remota de ações ou reações a partir de comparações com padrões pré-estabelecidos.
Monitoramento Remoto é um serviço realizado por uma central de monitoramento à
distância, que recepciona sinais, interpreta-os e procede conforme estabelecido na ficha
de monitoramento.
1.1 – A Ficha de Monitoramento contém procedimentos pré-estabelecidos entre a
Contratada e o Contratante com relação a operação personalizada para cada evento
monitorado, senha e contrassenha, condições para envio de serviço de vistoria ao
local para a verificação do sistema instalado, visando a constatar ser ou não um
evento real.
2- A central de monitoramento remoto da Contratada deverá possuir nível de segurança
compatível com a importância da atividade, a fim de que não haja interrupção dos
serviços. Deve estar dotada, entre outros itens, por exemplo, de: backup de endereço,
fonte de energia alternativa (gerador/ no-break), pessoal treinado e qualificado,
monitoramento de segurança etc.
Capítulo I - Especificações Técnicas 44
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

2.1 - A central de monitoramento remoto deve possuir:


2.1.1 - Instalações que possuam nível de segurança de acordo com o serviço prestado.
2.1.2 - Utilizar materiais que combinem alto nível de resistência tanto a ataques quanto
a fogo.
2.1.3 - Sistema de detecção de intrusão por meio de sensores adequados às
instalações.
2.1.4 - Portas exteriores de acesso ao edifício blindadas, com fechaduras de segurança
e contatos magnéticos que permitam identificar sua abertura.
2.1.5 - Câmeras exteriores que permitam a visualização da área externa (fachada,
calçada, rua e controle de acesso às instalações).
2.1.6 - A sala de controle deve constituída por duas portas contendo eclusa separada
por área intermediária.
2.1.7 - Sistema de ar condicionado independente controlado no interior da sala.
2.1.8 - Câmeras interiores em pontos estratégicos, tais como escadas de acesso e área
próxima à sala de controle.
2.1.9 - Duas ou mais vias de recepção de sinais do painel de alarme (redundância), já
que uma linha telefônica fixa pode ser cortada perdendo a funcionalidade do
sistema de alarme sem que a central identifique o evento.
2.1.10 - No caso de interrupção da via principal de comunicação (GPRS ou outra), a
central de monitoramento deve estar preparada para interpretar o fato como
ocorrência e tomar as providências estabelecidas na ficha de monitoramento.
2.1.11 – Também deve estar assegurada a comunicação da Central com a equipe de
suporte/ manutenção (preventiva e corretiva).
2.2 – Além dos elementos de segurança da própria Contratada descritos acima, para a
efetiva prestação dos serviços de vigilância propriamente ditos, a Central de
Monitoramento da Contratada deve possuir:
2.2.1 - Estação receptora de eventos/ monitoramento de alarmes instalada na central
de monitoramento remoto da Contratada, que receba informações do Painel de
Alarme dos endereços incluídos na área de cobertura contratada pelos meios de
comunicação utilizados nos endereços.
2.2.2 - Computador, com monitor, que permita a instalação de software de
gerenciamento para monitoramento e controle de todos os eventos reportados
pelo painel de alarme, com identificação do local de instalação dos dispositivos,
bem como impressora para emissão de relatórios, incluindo materiais e
acessórios.
2.2.3 - Sistema de comunicação de sinais adequados, que seja capaz de se comunicar
com todas as instalações que fazem parte do edital, seja via linha telefônica,
celular, Rádio Frequência, ou outra que atenda às necessidades do sistema.
Todos os recursos tecnológicos deverão estar regularizados perante os órgãos
competentes.
2.2.4 –O meio de comunicação do Painel de Alarme com a central de monitoramento
remoto da Contratada deverá, preferencialmente (salvo impedimentos técnicos
ou necessidades especiais previstas no projeto ou Termo de Referência), ser
por telefonia celular como meio principal e, como meio secundário
(contingência), por meio de linha telefônica fixa, transmissão por Rádio
Frequência ou outro meio que se mostre mais conveniente para cada instalação,
com anuência do Contratante, com supervisão de corte de linha do sistema
Capítulo I - Especificações Técnicas 45
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

programada para 1 (uma) em 1 (uma) hora nos casos em que não for possível a
utilização de tecnologia preferencial que disponha de rede monitorada
ininterruptamente (via telefonia celular).
2.2.5 - Em caso de falha na conexão, ou não recebimento dos dados de qualquer
instalação, este fato deve ser considerado como ocorrência e deverão ser
tomadas as providências previstas.
3– A Contratada deve possuir procedimentos detalhados e objetivos para tratamento de
ocorrências e seus profissionais devem estar treinados nos mesmos.
3.1 – Os procedimentos adotados pela Contratada devem prever todas as possibilidades
de ocorrências, estabelecendo providências adequadas a cada caso, tais como
violação de ambientes, intrusão, movimentação do intruso, abordagem, senhas e
contrassenhas, entre outros.
3.2 – Além dos procedimentos de segurança, a Central de Monitoramento da Contratada e
sua equipe devem estar preparados para o atendimento a qualquer funcionário ou
preposto autorizado do Contratante, procedendo à sua identificação, verificando sua
necessidade e apresentando soluções e/ou encaminhamentos.
3.3 – Nos casos de ocorrências, o Operador de Monitoramento Remoto da Contratada
deve identificar o local de origem e avaliar o sinal de alarme, verificando por meio de
senhas e contrassenhas, se trata de uma ocorrência real ou alarme falso. A partir da
checagem de eventos efetuada, deve tomar as providências previstas, tais como
rondas virtuais ou o acionamento do serviço de Vistoria por Monitor Externo/ Pronta
Resposta, na forma prevista em contrato.
3.4. – É também responsabilidade da Contratada o acompanhamento em conjunto com a
área técnica de eventuais problemas e/ou dificuldades de comunicação com os
sistemas instalados.
4 – Além das especificações acima, deverá ainda a Contratada:
4.1 - Comunicar imediatamente ao Gestor do Contrato qualquer anormalidade verificada
por meio do sistema de vigilância eletrônica e monitoramento remoto, inclusive de
ordem funcional, adotando as providências de regularização necessárias, assim
como todo e qualquer acontecimento entendido como irregular e que atente contra o
patrimônio do Contratante.
4.1.1 - Essa comunicação deverá ser realizada da forma mais rápida possível e
valendo-se de meio apropriado e disponível em cada situação específica,
podendo ser utilizados dispositivos de segurança e/ou sistema de comunicação,
conforme estabelecido nos procedimentos e rotinas de trabalho, nos termos do
edital, termos de referência e projeto, proposta e contrato.
4.2 - Executar os serviços de vigilância eletrônica, mesmo quando ocorrerem mudanças
de locais a serem monitorados, durante a vigência do contrato, desde que esses se
localizem dentro da área pertencente à área de cobertura prevista.
4.3 - Prestar os serviços de monitoramento remoto durante 24 (vinte e quatro) horas
diárias ininterruptas por profissionais treinados, durante toda a vigência do contrato.
4.4 - Treinar as pessoas indicadas pelo Contratante, que deterão senhas, orientando como
utilizá-las, correndo às suas expensas todos os materiais didáticos e outros custos
adicionais.
4.5 - Ativar e desativar o sistema de alarme nos horários pré-estabelecidos formalmente
pelo Contratante.
4.6 - Monitorar a ativação e desativação do sistema de alarme quando efetuado por
servidor do Contratante previamente habilitado.
Capítulo I - Especificações Técnicas 46
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

4.7 - Monitorar o acionamento do sistema nos horários pré-estabelecidos, verificando “in-


loco” as razões de possíveis não acionamentos, corrigindo de imediato as falhas
detectadas.
4.8 - Gravar de forma ininterrupta e manter dados de ocorrências pelo tempo previsto em
contrato, identificando-as com data, hora e local e apresentando, quando solicitado
pelo gestor do contrato, relatório de ocorrências de determinado período.
4.9 - A operação e a localização da central de monitoramento serão de total
responsabilidade da Contratada.
4.10 - Sempre que houver sinistro de qualquer natureza, comunicar imediatamente ao
Contratante.
4.11 – Integrar totalmente seus procedimentos com aqueles a serem utilizados pela equipe
de inspeção técnica por monitor externo/Pronta Resposta (ver módulo C, seguinte),
atuando de forma integrada com a mesma.
4.12 - Acionar imediatamente o serviço de inspeção técnica e outros contatos
determinados pelo gestor do contrato em caso de constatação de ocorrências, de
acordo com os termos da ficha de monitoramento e procedimentos contratados.
4.13 - Constatado o arrombamento ou invasão do imóvel pelo Inspetor Técnico ou monitor
externo/pronta resposta, acionar a autoridade policial competente e outros contatos
indicados pelo gestor do contrato, adotando ainda todas as providências
necessárias.
4.14 - Colaborar com as Polícias Civil e Militar nas ocorrências de ordem policial dentro
das instalações do Contratante, facilitando, no possível, a atuação daquelas,
inclusive na indicação de testemunhas de eventual acontecimento.

A – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INSPEÇÃO TÉCNICA POR MONITOR EXTERNO (A3)


Equipamentos Acessórios Software Mão de Obra
A
Sensores de
Monitoramento Inspeção Técnica
Alarmes

movimento /
Central de remoto da central por Monitor
presença / proteção
alarmes de alarmes (por Externo
perimetral /
painel) (por painel)
Comunicação

A1.1 A1.2 A2 A3

1. OBJETO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS


Prestação de serviços de inspeção técnica por monitor externo das áreas que integram o
escopo da contratação, a partir de comunicados de ocorrências constatadas por uma central de
monitoramento remoto de sistemas de vigilância eletrônica, incluindo o fornecimento de
veículos, equipamentos de comunicação e outros equipamentos peculiares à execução do
serviço, conforme especificações e níveis de serviço estabelecidos.

2. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS


1 - Refere-se ao serviço envio de profissional Técnico de Vistoria ao local protegido em casos
de disparo de alarme, caso a ocorrência não venha a ser esclarecida por outros meios.
1.1 - O objetivo da vistoria é a verificação, no local protegido, da veracidade do sinal
recebido na central de monitoramento, antes de se proceder ao acionamento policial.
1.2 - O pessoal e o veículo enviados ao local têm meramente a função de apoio técnico e
informativo ao cliente, por meio da verificação externa do local e comunicação por
rádios e telefones celulares, não lhes cabendo o combate ou a repressão à
Capítulo I - Especificações Técnicas 47
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

marginalidade.
1.3 - Outros termos popularmente empregados: Apoio Local; Apoio Tático; Apoio Técnico;
Verificação Local; Unidades Volantes de Atendimento; Unidades de Apoio Móvel;
Viatura de Verificação Externa, Atendimento de Sinistro, Prontidão, etc.
2- Durante toda a vigência do contrato, a Contratada deve manter em prontidão os serviços
de inspeção técnica por monitor externo durante as 24 (vinte e quatro) horas diárias,
ininterruptamente, por meio de profissionais técnicos de Inspeção devidamente treinados,
com veículo próprio dotado de rádio transmissor receptor,
3– De modo a se ter uma atuação integrada, os procedimentos devem estar totalmente
associados com aqueles a serem utilizados pela equipe prestadora dos serviços de
monitoramento remoto (ver Módulo A2, anterior),
4- No caso de disparo de alarmes sem solução pelo profissional de Monitoramento Remoto,
o serviço de inspeção técnica por monitor externo, uma vez acionado, deve encaminhar-se
imediatamente ao local.
4.1 – No caso de sinal e ou identificação de senha de coação, o serviço será acionado
imediatamente.
4.2 – O agente de vistoria realizará a vistoria externa do local, observando vestígios de
arrombamento, janelas abertas etc.
4.3 – Detectada a violação do local, a Central de Monitoramento é comunicada e tomará
as ações cabíveis, inclusive, se for o caso, acionando a Polícia Militar.
5- O tempo máximo para o atendimento das ocorrências identificadas pelo sistema de
vigilância eletrônica e monitoramento remoto, ou informadas por qualquer posto de
vigilância, deverá ser de 30 (trinta) minutos, independente da localização das instalações
da Contratada.
5.1 – A Contratada deve permanecer no local da ocorrência, contando a partir da chegada
do profissional técnico de vistoria, por até 4 (quatro) horas até ser dispensado por
representante autorizado do Contratante ou até a chegada de autoridade policial,
tempo considerado suficiente para a plena solução de ocorrências.
5.2 – Em casos excepcionais, podem ser contratados serviços adicionais de preservação
de locais em caso de constatação de violações.
5.3 – Na eventualidade de existir mais de uma situação de ocorrência, e na
impossibilidade de atender a todas simultaneamente, a Contratada deverá seguir os
procedimentos de trabalho estabelecidos, de acordo com o edital, termo de
referência e projeto, proposta e contrato.
5.4 – O profissional técnico de vistoria deverá, uma vez no local da ocorrência, tomar as
ações cabíveis para normalização do sistema local, informando posteriormente o
ocorrido à Central de Monitoramento para providências e registro.
6 – A Contratada deve manter dados de ocorrências pelo tempo previsto em contrato,
apresentando, quando solicitado pelo gestor do contrato, relatório de ocorrências de
determinado período.

Capítulo I - Especificações Técnicas 48


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

B – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE MÓDULO DE CONTROLE DE ACESSO


(B1-CATRACAS; B2-CANCELAS; B3-PORTAS; B4-CARTÕES; B5-CONTROLE DE
VISITANTES ; B6-CENTRAL/ SERVIDOR DE CONTROLE DE ACESSO)

Equipamentos Acessórios Software Mão de Obra


B
Cartões de
Catracas Cancelas Fechaduras Acesso com
Controle de Acesso

Módulo de Etiqueta
Controle de
B1 B2 acesso para Monitoramento
Portas Interface de Cartões de remoto da Central
Controle de Acesso em / Servidor de
Acesso Branco Controle de
Acesso
B3.1 B3.2
Impressora
Térmica

B4 B7
Catracas Conjunto de
Especiais para Porta
Controle de Deslizantes e
Acesso de módulo de
Pessoas com controle
Deficiência automatizado
B8.1 B8.2

Estação de
trabalho para
cadastro de
visitantes

Software
Central / Servidor
Relógio Led de controle
de Controle de
Sincronizado de
Acesso
visitantes

B6.1 B5.1 B6.2

Sistema
Base Web de
Controle de
Acesso

B9

1. OBJETO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS


Prestação de serviços de instalação e locação do conjunto de equipamentos necessários e
suficientes para o funcionamento de um módulo de controle de acesso (catracas, cancelas,
portas, cartões) a ambientes protegidos, conforme especificações e níveis de serviço
estabelecidos.

2. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS


1 - A prestação deste serviço será realizada por meio da locação de equipamentos de controle
de acesso, incluindo: instalação da infraestrutura eventualmente necessária, instalação dos
equipamentos e sistemas propriamente ditos, conforme especificação do projeto de
segurança, incluindo a manutenção preventiva e corretiva de todo o sistema.
1.1 – Para a contratação dos módulos B1, B2, B3 e B4 (Catracas, cancelas, portas e
cartões) é necessário contratar o módulo B6.1 ou B9 e recomendável, no caso da
contração do módulo B6.1, a contratação do módulo B6.2, de forma que se possa
Capítulo I - Especificações Técnicas 49
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

controlar adequadamente o acesso de visitantes.


1.2 – O banco de dados resultante dos acessos ao prédio por visitantes deve estar
disponível ao Contratante ao final do período do contrato, independente de
renovação, para repassar à próxima Contratada e manter a continuidade do serviço.
1.3 – Sempre que houver solicitação por parte da Contratada, ou a cada período de 12
(doze) meses, a Contratada deverá entregar ao Contratante o banco de dados
resultante dos sistemas de controle de acesso e de visitantes, no formato digital e
impresso.
2 – Os serviços de instalação, bem como aqueles de infraestrutura eventualmente necessários,
serão executados pela Contratada, incluindo todo e qualquer material para a completa
instalação dos equipamentos, além de transporte de materiais e pessoal, serviços de
tubulação, cabeamento e adaptação de instalações elétricas, interligando os pontos de
instalação a serem ativados.
2.1 – Entende-se por instalação, a montagem, a fixação, os ajustes, a interligação entre si
e com quadros e painéis, a alimentação elétrica de todos os equipamentos,
execução de testes, a calibração dos equipamentos e a colocação em operação de
todo o sistema até seu recebimento. Inclui os serviços de adequação de painéis, de
montagem, de instalação e testes, inclusive obras civis, se houver.
2.2 – A existência de interferência com a arquitetura e com obras civis devem ser
solucionadas durante a fase de elaboração dos projetos executivos de instalação, os
quais serão aprovados pelo Contratante.
2.3 – Deverão ser encaminhados previamente à instalação do sistema, os catálogos dos
equipamentos a serem instalados (nos mesmos moldes descritos no item 2.9 , a
seguir) e de acordo com as especificações técnicas constantes do edital de
contratação, para a aprovação pelo Contratante.
2.4– Após concluir os serviços de instalação, a Contratada deve retirar todo o material
existente, entulho, ou quaisquer materiais remanescentes do trabalho executado; os
locais deverão ser entregues em perfeitas condições de higiene e limpeza, bem
como acompanhar os padrões estéticos do Contratante.
2.5– Os trabalhos deverão ser executados de forma a garantir os melhores resultados e
desempenho, devendo a Contratada implementar a solução mais adequada para o
caso concreto, combinando técnica e custo de modo a otimizar a qualidade dos
serviços e a buscar a melhor integração entre materiais, equipamentos, instrumentos
e outros componentes a serem locados, entre si e com o futuro serviço de
monitoramento, fazendo funcionar eficientemente o sistema como um todo.
2.6 – A Contratada deve proceder à instalação dos equipamentos e acessórios integrantes
do sistema de vigilância eletrônica obedecendo às normas da ABNT – Associação
Brasileira de Normas Técnicas e a Resolução 242 de 30.11.00 de novembro de
2000, alterada pela Resolução 662, de 08.03.16, além das Resoluções 232 de
07.11.2002, complementada pela Resolução 626 de 20.11.2013, da ANATEL –
Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL), quando aplicável. O mesmo
procedimento deve ser adotado para equipamentos e acessórios que venham a ser
substituídos
2.7 – Todos os custos de instalação, bem como todos os equipamentos, materiais e
infraestrutura necessária, devem ser fornecidos pela Contratada. Eventuais
exceções, para utilização de infraestrutura existente nos endereços, deverão ser
analisadas e aprovadas formalmente pelo Contratante.
2.8 – A Contratada deverá prestar serviços eventuais, compreendendo: desinstalação e
reinstalação de equipamentos no mesmo local, decorrente da alteração interna de
Capítulo I - Especificações Técnicas 50
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

layout da unidade; desinstalação e reinstalação de equipamentos em outro local da


mesma cidade, em virtude de mudança da unidade; desativação de equipamentos
ou do sistema de segurança de alguma unidade.
2.9 – A Contratada deverá fornecer catálogos de todos os equipamentos instalados em
língua portuguesa (conforme estabelecido no Art. 31 do Código de Defesa do
Consumidor); não serão admitidos catálogos em língua inglesa, espanhol, francês
ou, ainda, catálogos em línguas, alfabetos ou ideogramas diferentes do alfabeto
latino do padrão ISO.
2.10 – Será de inteira responsabilidade da Contratada, a guarda e manutenção de
equipamentos e/ou materiais de sua propriedade, que sejam colocados para uso
durante a execução dos serviços.
2.11 – A Contratada deve identificar todos os equipamentos de sua propriedade de forma
a não serem confundidos com similares de propriedade do Contratante.
2.12– A empresa deverá fornecer um cronograma da instalação dos equipamentos dentro
do prazo estipulado pelas partes de acordo com o projeto.
2.13 – A Contratada deverá treinar os usuários dos sistemas eletrônicos de forma a
capacitá-los à correta utilização dos mesmos, exceto quanto aos aspectos afetos à
fase de monitoramento, tais como uso de códigos, senhas e contrassenhas.
2.14– A Contratada ao final da instalação deverá providenciar o MEMORIAL DESCRITIVO
DE INSTALAÇÃO dos equipamentos, indicando todos os equipamentos instalados,
suas especificações, notas técnicas da instalações referentes a interferências
arquitetônicas efetuadas para a instalação dos equipamentos e/ou outras medidas
ou problemas encontrados. O Memorial Descritivo deverá ser acompanhado dos
Catálogos de todos os equipamentos instalados de que trata o item 2.9 retrocitado e
dos diagramas esquemáticos de instalação e dos AS BUILTs da instalação, no caso
dos sistemas considerados como avançados conforme indicado nos exemplos a
seguir:
Exemplos de Sistemas Básicos de Controle de Acesso:

Estação de
Central / Cartões de CATÁLOGO DOS
trabalho
Servidor de
Controle de
Acesso
+ Catracas
+ Acesso
com
Etiqueta
+ para
cadastro de
+ MEMORIAL
DESCRITIVO + EQUIPAMENTOS
EM
PORTUGUÊS
+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO

visitantes
B6.1 B1 B4 B5

Central / Servidor Cartões de CATÁLOGO DOS


de Controle de
Acesso
+ Cancelas + Acesso com
Etiqueta
+ MEMORIAL
DESCRITIVO + EQUIPAMENTOS
EM
PORTUGUÊS
+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO

B6.1 B2 B4

Exemplos de Sistemas Avançados de Controle de Acesso

Central / Módulo de Estação de


Cartões de
Servidor de
Controle de
Acesso
+ Catracas
+ Cancelas
+ Controle de
acesso para
Portas
+ Acesso com
Etiqueta
+ trabalho para
cadastro de
visitantes
+
B6.1 B1 B2 B3 B4 B5

Capítulo I - Especificações Técnicas 51


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

CATÁLOGO DOS
MEMORIAL
DESCRITIVO + EQUIPAMENTOS EM
PORTUGUÊS
+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO + AS BUILT DA
INSTALAÇÃO

Estação
de
Central / Módulo de Cartões de
trabalho Sensores de
Servidor de
Controle de
Acesso
+ Catracas + Cancelas + Controle de
acesso para
Portas
+ Acesso
com
Etiqueta
+ para
cadastro
+ movimento /
presença
+
de
visitantes
B6.1 B1 B2 B3 B4 B5 A1.2

CATÁLOGO DOS
MEMORIAL
DESCRITIVO + EQUIPAMENTOS EM
PORTUGUÊS
+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO + AS BUILT DA
INSTALAÇÃO

Estação
Módulo Sensores de
Cartões de
Central / de movimento /
de trabalho Monitorament
Servidor Control presença /
de
Controle
+ Catra
cas + Cancela
s + e de
acesso
+ Acesso
com
Etiquet
+ para
cadastro
de
+ proteção
perimetral /
+ o remoto da
central de
Acesso
+
de Acesso para Comunicaçã
a visitante
Portas o
s
B6.1 B1 B2 B3 B4 B5 A1.2 B7

CATÁLOGO DOS
MEMORIAL
DESCRITIVO + EQUIPAMENTOS EM
PORTUGUÊS
+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO + AS BUILT DA
INSTALAÇÃO

3– A Manutenção Técnica Preventiva contempla os serviços efetuados para manter os


equipamentos funcionando em condições normais, tendo como objetivo diminuir as
possibilidades de paralisação, compreendendo: manutenção do bom estado de
conservação, substituição ou reparo de pequenos componentes que comprometam o bom
funcionamento, modificações necessárias com objetivo de atualização dos aparelhos,
limpeza, regulagem, inspeção, calibração e simulação de testes mecânicos e
eletroeletrônicos em todo sistema interno e externo, entre outras ações que garantam que
o conjunto dos equipamentos esteja em permanente condição de operação.
3.1 – A Manutenção Técnica Preventiva deve ser feita em frequência não inferior a 3 (três)
meses.
4– A Manutenção Técnica Corretiva contempla serviços de reparo realizados com a finalidade
de eliminar todos os defeitos existentes nos equipamentos, identificados por meio de
diagnóstico, bem como a correção de anormalidades, a realização de testes e regulagens
que sejam necessárias para garantir o retorno do equipamento às condições normais de
funcionamento e, também, na substituição do equipamento sem que haja prejuízo ao
funcionamento do sistema.
4.1 – Caberá à Contratada manter o sistema em perfeitas condições de uso durante todo o
período de duração do contrato, comprometendo-se a reparar ou a substituir, se for
o caso, os acessórios ou componentes que apresentarem falhas e que não
caracterizarem perda das funções básicas do sistema.
Capítulo I - Especificações Técnicas 52
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

4.2 – Nesse caso, as falhas constatadas deverão ser sanadas de imediato, observando
prazos razoáveis e tecnicamente admitidos, ou aqueles previstos nos editais, termos
de referência, contratos e/ou acordos de nível de serviço.
4.3 – Na ocorrência de falhas que resultarem em perda das funções básicas, a Contratada
deverá obrigatoriamente providenciar, de imediato, o restabelecimento do sistema,
inclusive, em horários noturnos, e aos sábados, domingos e feriados.
4.4 – A Contratada deverá instalar, quando necessária a substituição de materiais do
sistema de vigilância eletrônica, equipamentos de primeira linha de fabricação, de
acordo com as especificações atuais, nunca inferiores.
4.5 – A Contratada deverá comunicar ao Gestor do Contrato todas as ocorrências nos
equipamentos instalados que possam comprometer, ou não, os serviços.
4.6 – Sem prejuízo das penalidades previstas, na impossibilidade do restabelecimento
imediato das funções básicas do sistema, a Contratada deverá garantir as condições
de segurança do patrimônio do Contratante por meio de ações estabelecidas nos
procedimentos, rotinas de trabalho e planos de contingência, conforme disposições
do edital, termo de referência e projeto, proposta de trabalho e contrato.

3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS DAS CONFIGURAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS


E SOLUÇÕES

Equipamento Função
Fornecer acesso controlado de pessoas entre ambientes, por meio de identificação
B1 Catracas
registrada no sistema de controle de acesso e visitantes
Fornecer acesso controlado de veículos entre ambientes, por meio de identificação
B2 Cancelas
registrada no sistema de controle de acesso e visitantes
Fechaduras Delimitação de áreas, por meio de controle de acesso
Leitores de Equipamento destinado a leitura dos cartões de controle de acesso, oferecendo acesso
B3 proximidade aos visitantes autorizados pelo sistema,
Placas Componente eletrônico destinado a controlar automaticamente as catracas eletrônicas,
controladoras através de interligação com o sistema de controle de acesso.
Cartões Cartão utilizado por funcionários e visitantes para obtenção do controle de acesso
B4 Impressora Equipamento destino a impressão e adesão das etiquetas térmicas nos cartões de
Térmica controle de acesso utilizados por funcionários e visitantes.
Instalação composta de PC com teclado, mouse, sistema operacional, software de
Estação de
monitoramento remoto totalmente em português, webcam para captura de imagens
trabalho para
B5 (face do funcionário ou visitante cadastrado), interligado via rede de dados com a
cadastro de
central/servidor de controle de acessos, destinado ao cadastro de funcionários e
Visitantes
visitantes ingressantes nos prédios públicos.
A Central/Servidor é um equipamento onde se encontram instalados os softwares e os
bancos de dados do sistema de controle de acesso. É a unidade responsável por
receber, processar e registrar nos bancos de dados os sinais e informações emitidas
Central/ Servidor pelos demais equipamentos que compõe o sistema (catracas, cancelas, portas, etc.).
B6 de Controle de Não obstante, a Central/ Servidor pode ser preparada para transmitir os registros
Acesso coletados pelo sistema de controle de acesso para a uma central de monitoramento
externa à unidade do Contratante, de modo a permitir monitoramento remoto pela
Contratada.

Capítulo I - Especificações Técnicas 53


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

B1 - Catracas
Ref. Designação Recursos mínimos
Catraca pedestal com pictogramas orientativos
Display
Três braços articulados em aço inox ou aço inox polido
Corpo e tampo em aço carbono, com pintura em epóxi
Sistema de giro suave dos braços
Sistema emergencial de liberação de bloqueio (braço que cai)
Catraca pedestal com
Sistema antirretorno com capacidade para torques de 1000 N.m.
leitores de proximidade
B1.1.01.L Sistema provido de mecanismo de desaceleração dos braços
de entrada e saída.
Placa controladora da catraca
Leitor de Proximidade Mifare (entrada/saída) – O Leitor Mifare é indicado para
uso interno ou externo, que possua três interfaces: Serial RS-232 e outros.
Alimentação: 5 a 12VDC a 65mA, tipicamente com alimentação de 12V.
Tensão contínua regulada, distância de leitura: Até 5cm a 12VDC - Frequência
de operação: 13,56MHz e deve ser compatível com cartões e etiquetas
MIFARE.
Catraca pedestal com pictogramas orientativos
Display
Três braços articulados em aço inox ou aço inox polido
Corpo e tampo em aço carbono, com pintura em epóxi
Sistema de giro suave dos braços
Sistema emergencial de liberação de bloqueio (braço que cai)
Catraca pedestal com
Sistema antirretorno com capacidade para torques de 1000 N.m.
leitores de proximidade
Sistema provido de mecanismo de desaceleração dos braços
B1.1.02.L e cofre coletor de
Placa controladora da catraca
cartões para visitantes
Leitor de Proximidade Mifare (entrada/saída) – O Leitor Mifare é indicado para
uso interno ou externo, que possua três interfaces: Serial RS-232 e outros.
Alimentação: 5 a 12VDC a 65mA, tipicamente com alimentação de 12V.
Tensão contínua regulada, distância de leitura: Até 5cm a 12VDC - Frequência
de operação: 13,56MHz e deve ser compatível com cartões e etiquetas
MIFARE.
Cofre coletor de cartões para devolução dos cartões de visitantes
Catraca pedestal com pictogramas orientativos
Display
Braço articulado em aço inox, aço inox polido ou policarbonato
Corpo e tampo em aço carbono, com pintura em epóxi
Sistema emergencial de liberação de bloqueio (braço que cai)
Catraca pedestal de Sistema antirretorno com capacidade para torques de 1000 N.m.
acesso para Sistema provido de mecanismo de desaceleração dos braços
B1.1.03.L
deficientes físicos Placa controladora da catraca
Leitor de Proximidade Mifare (entrada/saída) – O Leitor Mifare é indicado para
uso interno ou externo, que possua três interfaces: Serial RS-232 e outros.
Alimentação: 5 a 12VDC a 65mA, tipicamente com alimentação de 12V.
Tensão contínua regulada, distância de leitura: Até 5cm a 12VDC - Frequência
de operação: 13,56MHz e deve ser compatível com cartões e etiquetas
MIFARE.
Catraca pedestal com pictogramas orientativos
Display
Braço articulado em aço inox, aço inox polido ou policarbonato
Corpo e tampo em aço carbono, com pintura em epóxi
Sistema emergencial de liberação de bloqueio (braço que cai)
Catraca pedestal de
Sistema antirretorno com capacidade para torques de 1000 N.m.
acesso para
Sistema provido de mecanismo de desaceleração dos braços
deficientes físicos e
B1.1.04.L Placa controladora da catraca
cofre coletor de cartões
Leitor de Proximidade Mifare (entrada/saída) – O Leitor Mifare é indicado para
para visitantes
uso interno ou externo, que possua três interfaces: Serial RS-232 e outros.
Alimentação: 5 a 12VDC a 65mA, tipicamente com alimentação de 12V.
Tensão contínua regulada, distância de leitura: Até 5cm a 12VDC - Frequência
de operação: 13,56MHz e deve ser compatível com cartões e etiquetas
MIFARE.
Cofre coletor de cartões para devolução dos cartões de visitantes

Capítulo I - Especificações Técnicas 54


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

B1 - Catracas
Ref. Designação Recursos mínimos
Catraca tipo balcão com pictogramas orientativos
Display
Três braços articulados em aço inox ou aço inox polido
Corpo e tampo em aço carbono, com pintura em epóxi
Sistema de giro suave dos braços
Sistema emergencial de liberação de bloqueio (braço que cai)
Catraca tipo balcão
Sistema antirretorno com capacidade para torques de 1000 N.m.
com leitora de
B1.1.05.L Sistema provido de mecanismo de desaceleração dos braços
proximidade de
Placa controladora da catraca
entrada e saída
02 (dois) Leitores de Proximidade Mifare (entrada/saída) – O Leitor Mifare é
indicado para uso interno ou externo, que possua três interfaces: Serial RS-
232 e outros. Alimentação: 5 a 12VDC a 65mA, tipicamente com alimentação
de 12V. Tensão contínua regulada, distância de leitura: Até 5cm a 12VDC -
Frequência de operação: 13,56MHz e deve ser compatível com cartões e
etiquetas MIFARE.
Catraca tipo balcão com pictogramas orientativos
Display
Três braços articulados em aço inox ou aço inox polido
Corpo e tampo em aço carbono, com pintura em epóxi
Sistema de giro suave dos braços
Sistema emergencial de liberação de bloqueio (braço que cai)
Catraca tipo balcão Sistema antirretorno com capacidade para torques de 1000 N.m.
com leitora de Sistema provido de mecanismo de desaceleração dos braços
B1.1.06.L
proximidade e cofre Placa controladora da catraca
coletor de cartões 02 (dois) Leitores de Proximidade Mifare (entrada/saída) – O Leitor Mifare é
indicado para uso interno ou externo, que possua três interfaces: Serial RS-
232 e outros. Alimentação: 5 a 12VDC a 65mA, tipicamente com alimentação
de 12V. Tensão contínua regulada, distância de leitura: Até 5cm a 12VDC -
Frequência de operação: 13,56MHz e deve ser compatível com cartões e
etiquetas MIFARE.
Cofre coletor de cartões para devolução dos cartões de visitantes
Estrutura tubular, em perfis metálicos ou fundida, construída em aço carbono
com pintura epóxi, , aço inox polido, aço inox ou alumínio.
A estrutura da portinhola deverá estar preparada para receber a instalação de
fechadura com chave, cadeado ou fechadura eletromagnética, bem como
leitoras de proximidade.
Acabamentos e fechamentos poderão ser feitos em aço inox, aço inox polido,
Portinhola de Acesso
policarbonato ou vidro temperado com no mínimo 8 mm, sem arestas ou
para cadeirantes
B1.1.07.L cantos vivos de modo a evitar que roupas, materiais, bolsas ou outros objetos
Cadeirantes, e
enrosquem ou obstruam a passagem ou travem a portinhola.
fechamentos
Dobradiças poderão ser em aço carbono ou aço inox.
Fixação no chão por meio de parafusos e buchas metálicas
A portinhola e seus elementos inclusive a fixação deverão ser resistentes ao
impacto de pessoas, cadeiras de roda, carros de mão para o transporte de
processos, macas hospitalares, entre outros equipamentos de transportes de
pessoas, materiais ou documentos

Capítulo I - Especificações Técnicas 55


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

B2 - Cancelas
Ref. Designação Recursos mínimos
Corpo em folha de aço soldada, com pintura anti-corrosão na cor padrão
amarela
Braço de alumínio com no mínimo 3 metros de comprimento
Sistema anti-impacto e anti-esmagamento duplo do tipo laço magnético
Detector de massa metálica com as funções de proteger o veículo localizado
próximo à cancela contra o fechamento da cancela sobre o mesmo e fechar
automaticamente a cancela imediatamente após a passagem dos veículos
Cancela automática
B2.1.01.L Tampa superior removível, em aço soldado, com fechadura de segurança e
com botoeira
chave.
Porta de acesso ao mecanismo e eletrônica através de fechadura de
segurança com chave. Sistema de destravamento da cancela em caso de
emergência, falha ou falta de energia elétrica
Acionamento por botoeira; Abre/ Para/ Fecha;
Acionamento por controle remoto: Abre/ Para/ Fecha;
Função de fechamento automático com temporizador.
Corpo em folha de aço soldada, com pintura anti-corrosão na cor padrão
amarela
Braço de alumínio com no mínimo 3 metros de comprimento metros
Sistema anti-impacto e anti-esmagamento duplo do tipo laço magnético
Detector de massa metálica com as funções de proteger o veículo localizado
próximo à cancela contra o fechamento da cancela sobre o mesmo e fechar
automaticamente a cancela imediatamente após a passagem dos veículos
Tampa superior removível, em aço soldado, com fechadura de segurança e
chave.
Cancela automática
Placa controladora da cancela
com leitores de
Porta de acesso ao mecanismo e eletrônica através de fechadura de
B2.1.02.L proximidade de
segurança com chave.
entrada e saída
Sistema de destravamento da cancela em caso de emergência, falha ou falta
de energia elétrica
Acionamento por controle remoto: Abre/ Para/ Fecha;
Função de fechamento automático com temporizador.
02 (dois) Leitores de Proximidade Mifare (entrada/saída) – O Leitor Mifare é
indicado para uso interno ou externo, que possua três interfaces: Serial RS-232
e outros. Alimentação: 5 a 12VDC a 65mA, tipicamente com alimentação de
12V. Tensão contínua regulada, distância de leitura: Até 5cm a 12VDC -
Frequência de operação: 13,56MHz e deve ser compatível com cartões e
etiquetas MIFARE.
Corpo em folha de aço soldada, com pintura anti-corrosão na cor padrão
amarela
Sistema anti-impacto e anti-esmagamento duplo do tipo laço magnético
Detector de massa metálica com as funções de proteger o veículo localizado
próximo à cancela contra o fechamento da cancela sobre o mesmo e fechar
automaticamente a cancela imediatamente após a passagem dos veículos
Braço de alumínio de no minimo 3 metros
Tampa superior removível, em aço soldado, com fechadura de segurança e
chave.
Cancela automática
Placa controladora da cancela
com leitores de
Porta de acesso ao mecanismo e eletrônica através de fechadura de
proximidade de
B2.1.03.L segurança com chave.
entrada e saída e
Acionamento por controle remoto :Abre/ Para/ Fecha;
cofre coletor
Sistema de destravamento da cancela em caso de emergência, falha ou falta
de energia elétrica
Função de fechamento automático com temporizador.
02 (dois) Leitores de Proximidade Mifare (entrada/saída) – O Leitor Mifare é
indicado para uso interno ou externo, que possua três interfaces: Serial RS-232
e outros. Alimentação: 5 a 12VDC a 65mA, tipicamente com alimentação de
12V. Tensão contínua regulada, distância de leitura: Até 5cm a 12VDC -
Frequência de operação: 13,56MHz e deve ser compatível com cartões e
etiquetas MIFARE.
Cofre coletor de cartões

Capítulo I - Especificações Técnicas 56


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

O Módulo de Portas pode ser composto de diversas maneiras, dependendo do nível de


segurança buscado.
O Módulo abaixo se refere a um conjunto padrão para a montagem de uma porta, que será
acoplado a uma placa controladora de portas e essa, por sua vez, estará conectada na
central/servidor de controle de aceso

B3 – Portas
Ref. Designação Descrição Componentes Recursos Mínimos

Placa controladora de
portas

Caixa de alumínio ou ferro


com acabamento
Prestação de serviços de anodizado / pó Epóxi, fonte
Módulo de
instalação e locação de de alimentação entrada
Controle de
conjunto de 127/220vAC saída 12, 24
Acesso para Permite acesso via cartão e/ou
equipamentos ou 48vDC 2AH
portas com código, e botão de abertura
necessários e suficientes
leitor de Sensor magnético para a interna programável para
para o funcionamento de
B3.1.01.L proximidade porta destravar a porta
um módulo de controle de
de entrada e Botão de abertura de porta automaticamente, alarme para
acesso (portas) a
saída e interna porta deixada aberta e para
ambientes protegidos,
fechadura de abertura forçada.
conforme especificações Botão de abertura de porta
1 até 120 kgf (emergência)
e níveis de serviço
estabelecidos. Bateria selada 12vDC 7AH
Fechadura Eletromagnética
de 1 até 150 kgf
Botão de abertura de porta
Leitor de proximidade

O Módulo básico é um conjunto de equipamentos comum a qualquer instalação de portas. Logo,


podemos utilizá-lo para composição com diversos tipos de fechaduras e Interfaces de Controle
de Acesso, conforme demonstrado abaixo.

B3 – Portas
Ref. Designação Descrição Componentes Recursos Mínimos
Prestação de serviços Placa controladora de
de instalação e locação portas
de conjunto de Caixa de alumínio ou ferro
equipamentos com acabamento anodizado
necessários e / pó Epóxi, fonte de
suficientes para o alimentação entrada Permite acesso via código e/ou
funcionamento de um 127/220vAC saída 12, 24 via controle comandado por dois
Módulo de módulo de controle de ou 48vDC 2AH botões (entrada/ externo e saída/
Controle de acesso (portas) a
Sensor magnético para a interno) programável para a
Acesso para ambientes protegidos,
porta abertura e fechamento da porta,
portas com conforme
B3.1.02.L bem como, o destravamento da
botão de especificações e níveis
Leitor de proximidade porta automaticamente, alarme
abertura da de serviço
para porta deixada aberta e para
porta estabelecidos.
Botão de abertura de porta abertura forçada.
(emergência)
Este módulo serve de
base para ser
combinado com os Bateria selada 12vDC 7AH
acessórios como
fechadura, teclados, etc.
Placa Controladora+Caixa+Sensor+botão
Módulo Básico
(emergência)+bateria+Leitor de proximidade

Capítulo I - Especificações Técnicas 57


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

Opções de Montagem do Controle de Portas

Módulo de
Controle de
Acesso para Teclado para interface com
Fechadura Elétrica Central / Servidor de
portas com botão + simples + o usuário com recurso de + Controle de Acesso
de abertura da controle de acesso
porta

B3.1.02.L B3.2.02.L B3.2.01.L B6.1


OU Opcional Obs. - Controla todo
o sistema de Controle
Fechadura de Acesso
Eletromagnética (de 1 (Portas,
até 150 kgf) Catracas,
Cancelas, etc.)
B3.2.03.L
OU

Fechadura
Eletromagnética (de 151
até 300kgf)
B3.2.04.L
OU

Fechadura
Eletromagnética (maior
que 301kgf)
B3.2.05.L

B3 – Portas
Ref. Designação Descrição Componentes Recursos Mínimos
Motorredutor
Monofásico de
220 volts para
esforços de até
1500 kg

Central de
Prestação de serviços
comando e
de instalação e locação
controle digital
Módulo de sistema eletrônico de Permite a automatização de Portões
microprocessada,
Completo de automação de portões deslizantes por meio de trilho
com embreagem
Controle de deslizantes em barras (cremalheira) comandados através de
Acesso para de cremalheira Controle remoto central microprocessada acionada via
B3.1.03.L Automatização industrial com controle com frequência controle remoto ou por botão de
de Portão de digital microprocessado entre 292 e destravamento do portão, operado por
Veículos até para motorredutor 433,92MHz motorredutor monofásico para esforços de
1500 kg monofásico de 220 Receptor controle até 1500 kg.
Volts para esforços remoto 292 a
até1500 kg. 433,92 MHz
Botão de
Destravamento
Barras e gomos
de Cremalheira
industrial
Imãs de fim de
curso

Capítulo I - Especificações Técnicas 58


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

B3 – Portas
Ref. Designação Recursos mínimos

Teclado para interface com o Teclado para interface com o painel com funções de inserir programação,
B3.2.01.L usuário com recurso de cadastrar usuários, arme e desarme, com fonte – 50/60 Hz – Alimentação
controle de acesso 12 V .

Com fonte – 50/60 Hz – Alimentação 12 V – Consumo 15W. Chaves para


B3.2.02.L Fechadura Elétrica simples abertura devem ser através do cilindro externo e o botão para abertura
pelo lado interno.
Fechadura com Trava Eletromagnética – Força de atraque de 1 até 150
Fechadura Eletromagnética kgf – Alimentação 12V – DC / 24V – DC (opcional), Consumo 300 mAh –
B3.2.03.L
(1 até 150 kgf) Composição Caixa em Aço Inox e resinas especiais, componentes
eletrônicos e núcleo metálico com Liga especial.
Fechadura com Trava Eletromagnética – Força de atraque de 151 até 300
Fechadura Eletromagnética kgf – Alimentação 12V – DC / 24V – DC (opcional), Consumo 480 mAh –
B3.2.04.L
(151 até 300 kgf) Composição Caixa em Aço Inox e resinas especiais, componentes
eletrônicos e núcleo metálico com Liga especial.
Fechadura com Trava Eletromagnética – Força de atraque maior que 300
Fechadura Eletromagnética
B3.2.05.L kgf – Alimentação 12V – DC / 24V – DC (opcional), Consumo 765 mAh –
(Maior que 300 kgf)
Composição Caixa em Aço Inox e resinas especiais.

Leitor de Proximidade Mifare – O Leitor Mifare é indicado para uso interno


ou externo, que possua três interfaces: Serial RS-232 e outros.
B3.2.06.L Leitor de proximidade (três Alimentação: 5 a 12VDC a 65Ma, tipicamente com alimentação de 12V.
interfaces) Tensão contínua regulada, distância de leitura: Até 5cm a 12VDC –
Frequência de operação: 13,56MHz e deve ser compatível com cartões e
etiquetas MIFARE.

Leitor de Proximidade Wiegand– Passagem em qualquer direção, LED


bicolor para exibição de status. Imunidade a campos magnéticos externos
B3.2.07.L Leitor de proximidade e sinais de RF. Deve ser hermética em um compartimento reforçado de
(Qualquer direção) polímero temperado embutido para suportar ambientes rigorosos e
fornecer um alto grau de resistência a vandalismos. Energia de entrada 5-
12 VCC, Corrente 40 Ma (típica).
Placa Controladora Catraca:
Possibilitar conexão a qualquer ponto da rede de dados, tendo a solução
RS485 ou Ethernet TCP/IP – 10/100Mbps, PoE embarcada (opcional).
Deve possuir memória para marcação de dados, protegidos
permanentemente na falta de energia
A controladora deverá ser dotadas de memória para uma base de dados
de acima de 10.000 cartões e para o armazenamento de no mínimo
10.000 eventos.
B3.2.08.L Placa controladora (catraca)
Compatível com leitor de proximidade de qualquer direção tipo RFID,
Contactless, de código de barras, tarja magnética, Mifare, Wiegand
Possuir Sensores digitais de E/S (I/O) controle de pictograma e de
potências para 59 solenoides e boxe
Fonte Incorporada para alimentação padrão de 12 ou 24 VCC
A placa controladora deverá ser acompanhada de 1 (um) protetor de
Surto BNC para a proteção de Sobretensão / sobcorrente, que deverá ser
instalado na saída da placa para a instalação elétrica.

Capítulo I - Especificações Técnicas 59


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

B3 – Portas
Ref. Designação Recursos mínimos
Placa Controladora de Fechadura:
Possibilitar conexão a qualquer ponto da rede de dados, tendo a solução
RS485 ou Ethernet TCP/IP – 10/100Mbps, PoE embarcada (opcional).
Deve possuir memória para marcação de dados, protegidos
permanentemente na falta de energia
A controladora deverá ser dotadas de memória para uma base de dados
de acima de 10.000 cartões e para o armazenamento de no mínimo
Placa controladora
10.000 eventos.
B3.2.09.L (fechadura)
Compatível com leitor de proximidade de qualquer direção tipo RFID,
Contactless, de código de barras, tarja magnética, Mifare, Wiegand
Possuir Sensores digitais de E/S (I/O) controle de pictograma e de
potências para 60 solenoides e buzzer
Fonte Incorporada para alimentação padrão de 12 ou 24 VCC
A placa controladora deverá ser acompanhada de 1 (um) protetor de
Surto BNC para a proteção de Sobretensão/ sobcorrente, que deverá ser
instalado na saída da placa para a instalação elétrica.
Placa Controladora Cancela:
Possibilitar conexão a qualquer ponto da rede de dados, tendo a solução
RS485 ou Ethernet TCP/IP – 10/100Mbps, PoE embarcada (opcional).
Deve possuir memória para marcação de dados, protegidos
permanentemente na falta de energia
A controladora deverá ser dotadas de memória para uma base de dados
de acima de 10.000 cartões e para o armazenamento de no mínimo
10.000 eventos.
B3.2.10.L Placa controladora (cancela)
Compatível com leitor de proximidade de qualquer direção tipo RFID,
Contactless, de código de barras, tarja magnética, Mifare, Wiegand
Possuir Sensores digitais de E/S (I/O) controle de pictograma e de
potências para 60 solenoides e buzzer
Fonte Incorporada para alimentação padrão de 12 ou 24 VCC
A placa controladora deverá ser acompanhada de 1 (um) protetor de
Surto BNC para a proteção de Sobretensão / sobcorrente, que deverá ser
instalado na saída da placa para a instalação elétrica.
Caixa Plástica
Controle remoto para Botão de acionamento e desarme
B3.2.11.L
automatizadores Frequência entre 292 e 433,92 MHz
Acompanhado de baterias A23/23ae Gp 12 Volts.

B4 - Controle de Acesso – Cartões


Ref. Designação Descrição Componentes Recursos Mínimos
Cartão PVC, frequência de operação de 13,56 MHZ
compatível com MIFARE com o fornecimento de
etiquetas de identificação em layout gráfico definido
Produção dos 100 cartões pela contratante, com a personalização contendo o
em PVC, compatível com nome e demais informações dos funcionários e
MIFARE, prontos para a cartões com etiquetas padronizadas com a
Cartões de operação, para o controle de inscrição “VISITANTES” Os cartões devem ser
acesso com acesso de funcionários e produzidos pela contratada, conforme as
etiqueta visitantes, acompanhados Pacote de 100 especificações de layout entregues prontos para
B4.1.01.L
(pacote com das etiquetas térmicas com Unidades operação de acordo com o prazo de entrega
100 unidades) impressão colorida sob estabelecido pela contratante
responsabilidade da
contratada conforme layout Obs.: No caso do uso de leitoras de distância
definido pela contratante . entre 10 e 90 centímetros (Serviço B8.2.02.L)
poderão ser utilizados cartões compatíveis com
MIFARE ou RFID com frequência de operação
de 125 KHZ, ao invés do cartões de 13,56 MHZ,
a fim, de otimizar as leituras de longa distância.

Capítulo I - Especificações Técnicas 60


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

B4 - Controle de Acesso – Cartões


Ref. Designação Descrição Componentes Recursos Mínimos

Fornecimento de etiquetas em Papel ou filme


térmico (ribbon), resistente a rasgos, impermeável
atóxico, resistente a abrasão e produtos limpeza,
A etiqueta ou filme térmico a ser aplicado na
Etiquetas
superfície dos cartões deverá ser compatível com
Térmicas
as diversas formas de cartões de PVC existentes
no mercado e ser transferida ou colada na
superfície do para o cartão por meio de processo
térmico.

B4 - Controle de Acesso – Cartões


Ref. Designação Descrição Compo-nentes Recursos Mínimos
Cartão PVC , frequência de operação de 13,56
MHZ compatível com MIFARE em branco prontos
para receber etiqueta térmica a ser executada pela
Cartões de contratante.
Cartões de acesso em
acesso em
branco para a produção sob Pacote de 100
B4.1.02.L branco Obs. – No caso do uso de leitoras de distância
responsabilidade do Unidades
(pacote com entre 10 e 90 centímetros (Serviço B8.2.02.L)
Contratante.
100 unidades) poderão ser utilizados cartões compatíveis com
MIFARE ou RFID com frequência de operação
de 125 KHZ, ao invés do cartões de 13,56 MHZ,
a fim, de otimizar as leituras de longa distância.

Resolução de 300x600 dpi


Capacidade de Impressão banco e preto e colorido
Conexão USB ou TCP/IP
Fornecimento de uma (1) Capacidade de Impressão em duas faces do cartão
impressora térmica a ser Bandeja de entrada com capacidade para até 100
instalada pela contratada nas cartões
dependências da contratante. Bandeja de saída com capacidade para até 100
A Contratada deverá ainda cartões
fornecer etiquetas ou filmes Caixa de rejeição de cartões com capacidade
térmicos (ribbon) compatíveis Impressora mínima de 10 cartões
com os cartões PVC em térmica Display em LCD
quantidade necessária e Sistema de bloqueio de segurança
suficiente para a impressão Temperatura de operação entre 100°C e 200°C
colorida e/ou preto e branco Capacidade de receber vários formatos de cartões
de até 100 (cem) cartões por de PVC e espessuras entre 0,25 mm até 1,0 mm
mês. Fonte Incorporada para alimentação padrão de 12
Impressora
B4.1.03.L A responsabilidade pela ou 24 VCC
Térmica
impressão dos cartões será Compatibilidade com sistemas operacionais
do Contratante, cabendo à Windows Vista, Windows 7, Windows 8.8.1 ou
Contratada a instalação do superior, MAC OS, Linux e outros
equipamento e o treinamento
dos funcionários e servidores
definidos pela contratante Fornecimento de etiquetas em papel ou filme
para o uso e correta térmico (ribbon), para a impressão de até 100
operação da impressora cartões por mês, resistente a rasgos, impermeável
térmica. atóxico, resistente a abrasão e produtos limpeza,
A impressora térmica deverá A etiqueta ou filme térmico a ser aplicado na
ser acompanhada dos superfície dos cartões deverá ser compatível com
manuais de uso da em língua Etiquetas
as diversas formas de cartões de PVC existentes
portuguesa. Térmicas
no mercado e ser transferida ou colada na
superfície do para o cartão por meio de processo
térmico.
A contratada deverá fornecer a quantidade
necessária para a impressão colorida e/ou preto e
branco de até 100 cartões por mês

Capítulo I - Especificações Técnicas 61


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

B5 - Controle de Acesso – Visitantes


Ref. Designação Descrição Componentes Recursos Mínimos
Câmera/Webca Resolução Mínima 1.3 megapixels,
m com pedestal pedestal com base flexível
Monitor de LCD
Tela de LCD ou LED com 17”, Resolução
ou LED 17"
1280×1024 75hz e base giratória.

PC com teclado, No mínimo Processador Intel I3 com 3.4


mouse, sistema GHz, mínimo de 4GB de RAM e HD com
operacional, mínimo 320GB, DVD-RW, Sistemas
software de Operacionais (conforme padrão adotado
monitoramento pela contratante): Windows 7, Windows
remoto 8.8.1 ou superior ou Linux, Placa de rede
totalmente em Ethernet 10/100/1000 integrada, Gabinete
português Tipo torre, Mouse e Teclado Pt-BR
Potência Útil de até 1,2 kva
Autonomia mínima no caso de falta de
energia na rede elétrica de 1 hora, com
Prestação de serviços de
utilização de bateria adicional acoplada
instalação e locação de
Entrada de Energia: Tensão nominal 110
conjunto de equipamentos
ou 220 volts e Freqüências 50 ou 60 Hz
necessários e suficientes
Saída de Energia: Tensão nominal de 115
para o funcionamento de um
No-break até 1,2 Volts e Frequências de 60 Hz
Estação de módulo de controle de
kva Painel frontal com botões e comando de
trabalho para acesso de visitantes (portas)
B5.1.01.L liga e desliga
cadastro de a ambientes protegidos,
Painel traseiro: Saída para no mínimo 4
Visitantes conforme especificações e
Tomadas e conexão USB
níveis de serviço
Estabilizador de linha
estabelecidos. Cada estação
Proteção contra subtensão e, sobretensão,
atende aproximadamente a
curto-circuito, sobrecarga e falta de energia
um fluxo de 300 visitantes
na rede elétrica.
por dia.
Bateria Selada
Entrada de energia de 12 volts
Capacidade nominal de corrente de 18 Ah
Bateria 12volts /
Autonomia mínima 1 hora no caso de falta
18 Ah
de energia na rede elétrica.
Compatibilidade de integração com no-
break com potência de até 1,2 kva

Mesa 160 x 60cm com três gavetas de cada lado

Cadeira giratória
com rodinhas Apoio para ombros e braços, regulagem de
ergonomicament altura
e adequada
Gabinete para
acondicionamen
Ventilação e chave (trancamento)
to dos
equipamentos
Relógio com display em led
Formato de Hora em HH:MM:SS
Capacidade de manter o funcionamento
Relógio Led quando da falta de energia, retornando o
com horário horário com o reestabelecimento do
Relógio led com o horário
sincronizado fornecimento de energia
B5.1.02.L sincronizado com o servidor Relógio Led
com o servidor Capacidade de funcionar em rede
de acesso
de acesso Gabinete de aço com pintura epóxi ou ABS
de alta resistência
Funcionar em 110 e 220V com fonte
Incorporada para alimentação padrão de 12
ou 24 VCC

Capítulo I - Especificações Técnicas 62


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

B6– Central/Servidor de Controle de Acesso


Ref. Designação Descrição Componentes Recursos Mínimos

Monitor de LCD ou Tela de LCD OU LED com 21,5”, Resolução


LED 21,5" 1280×1024 75hz e base giratória.

Especificações Mínimas:
Processador: Intel Xeon 6-Core, Chipset: Intel
X58,
Memória: Até 8GB de memória SDRAM DDR3
a 1.666 MHz - 3 DIMM
Placa de Vídeo: Placa para monitor Quad
NVIDIA Quadro NVS 420
Disco Rígido: Unidade de disco rígido de
SATA até 1000 GB
A Central/Servidor deve ser Controlador de host: SAS 3,0 Gbit/s integrado
interligada com o conjunto (parte do chipset Intel)
de placas controladoras dos Controlador de Rede: Controlador integrado
equipamentos de controle de Gigabit Ethernet Broadcom® 5761 com
acesso e com as Estações ativação remota e suporte a PXE e Modem
de Trabalho, sendo esta PCI para dados/fax
interligação através de uma PC com teclado, Placa de Som: conversão estéreo analógico
rede local de comunicação mouse, sistema para digital de 24 bits, digital para analógico
de alta velocidade (Ethernet operacional, de 24 bits
10/100/1000base-T). software de Dispositivos storage: Drive CD-DVD-RW
A Central/Servidor deverá monitoramento Portas E/S padrão: mínimo 8 Portas USB 2.0
permitir o emprego de remoto totalmente (sendo 2 portas USB frontais e 6 Portas USB
dispositivos de tolerância à em português 3.0 na Placa mãe), mínimo 1 porta serial,
falhas, o sistema deverá mínimo 1 porta paralela, mínimo 1 porta PS/2,
reiniciar automaticamente mínimo 1 porta RJ-45 e mínimo 1 porta HDMI.
caso haja qualquer Sistema Operacional Windows 7 Professional
problema. Por uma questão 64 bit, Windows 8.1.1 ou superior em
de dependência, a central de Português
Central/Servidor Placa de rede: Ethernet 10/100/1000
operação e as estações de
B6.1.01.L de Controle de integrada,
trabalho deverão estar
Acesso Gabinete Tipo torre, Mouse e Teclado Pt-BR
baseadas em
microcomputadores PC Fonte de alimentação de 525 watts com
compatíveis entre si. Correção do fator de potência (PFC)
Os módulos do controle de Capacidade de receber módulo para
acesso (catracas, estação transmissão de sinais de monitoramento via
de cadastro de visitantes, internet, via Módulo 3G, ou linha telefônica
portas , cancelas) deverão fixa, para a prestação de serviços de
ser contratados monitoramento remoto.
conjuntamente a Potência Útil de até 1,2 kva
central/servidor de controle Autonomia mínima no caso de falta de energia
de acesso gerenciamento de na rede elétrica de 1 hora, com utilização de
visitantes. bateria adicional acoplada
A contratação isolada da Entrada de Energia: Tensão nominal 110 ou
central/servidor de controle 220 volts e Freqüências50 ou 60 Hz
de acesso deverá ser Saída de Energia: Tensão nominal de 115
justificada junto aos órgãos volts e Frequências de 60 Hz
No-break até 1,2 kva
de fiscalização e controle do Painel frontal com botões e comando de liga e
estado. desliga
Painel traseiro: Saída para no mínimo 4
Tomadas e conexão USB
Estabilizador de linha
Proteção contra subtensão, sobretensão,
curto-circuito, sobrecarga e falta de energia na
rede elétrica.
Bateria Selada
Entrada de energia de 12 Volts
Capacidade nominal de corrente de 18 Ah
Bateria 12volts / 18
Autonomia mínima 1 hora no caso de falta de
Ah
energia na rede elétrica.
Compatibilidade de integração com no-break
com potência de até 1,2 kva

Capítulo I - Especificações Técnicas 63


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

B6– Central/Servidor de Controle de Acesso


Ref. Designação Descrição Componentes Recursos Mínimos
As informações cadastradas devem ser
armazenadas em banco de dados, disponíveis
para consultas e/ou relatórios.
O gerenciamento para operação do sistema
deverá ser em tempo real, em rede local
padrão (Ethernet 10/100/1000 baseT).
Cadastro dos dados do visitante relacionado
com o tipo: visitante, prestador de serviços,
colaborador, aluno, etc. e se tem restrição de
acesso ao local.
Permitir informar o motivo da visita e tempo de
permanência, cadastrar os dados do veiculo
do visitante, editar os dados cadastrais do
visitante, associar crachá a determinada visita
e relacionar dados do visitante ao visitado.
Operar com banco de dados MySQL, Oracle,
O software deverá ser
SQL Server, e outros.
instalado na
Possuir ferramentas de manutenção (Backup,
Central/Servidor; deve ser
Limpeza e Restauração).
único e atender ao conjunto,
Possuir capacidade de arquivar no mínimo
sendo aplicável para o
1.000.000 registros distintos.
conjunto de controles de
Possuir função de renovação, periódica do
acesso (catracas, visitantes,
cadastro de visitantes e funcionários, sem
portas e cancelas) podendo,
prejuízo da base de dados armazenada.
excepcionalmente, ter a sua
Localizar visitantes por empresa, identificar
utilização isolada por tipo de Software de controle
quais e quantos visitantes visitaram uma
Software de controle, quando justificada. de visitantes,
determinada pessoa.
B6.2.01.L gerenciamento de totalmente em
visitantes A contratação do software português e com
Permitir utilizar uma Webcam ou Placa de
de gerenciamento deverá chave de segurança
Captura para capturar a Imagem do rosto do
ser efetuada em conjunto
funcionário ou visitante e possuir a
com a Central/Servidor de
capacidade de integrar as imagens
Controle de acesso.
capturadas com os registros individuais das
pessoas cadastradas no Banco de Dados.
A contratação isolada da do
Possuir recurso de limitar horários e zonas de
software de gerenciamento
acesso para cada cartão, bem como registrar
deverá ser justificada junto
todo e qualquer acesso permitido ou negado
aos órgãos de fiscalização e
em todas as leitoras mantendo no mínimo os
controle do estado.
últimos 100.000 acessos.
Indicar a posição atual de quantos visitantes
estão no estabelecimento.

Identificar quantos e quais os visitantes que


estão no estabelecimento além do tempo de
permanência permitido.
Possibilitar a verificação de quantos e quais
os visitantes entraram por uma determinada
portaria.
Permitir agendamento de serviços, emitir
relatórios personalizados (inclusive gráficos)
com Consulta do histórico de visitantes e
visitados de um determinado período.
Operar com mais de uma estação de
identificação em rede local.

Capítulo I - Especificações Técnicas 64


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

B7 – MONITORAMENTO REMOTO DA CENTRAL/ SERVIDOR DE CONTROLE DE ACESSO

Equipamentos Acessórios Software Mão de Obra


B
Cartões de
Catracas Cancelas Fechaduras Acesso com
Controle de Acesso

Módulo de Etiqueta
Controle de
B1 B2 acesso para Monitoramento
Portas Interface de Cartões de remoto da
Controle de Acesso em Central/ Servidor
Acesso Branco de Controle de
Acesso
B3.1 B3.2
Impressora
Térmica

B4 B7
Catracas Conjunto de
Especiais para Porta
Controle de Deslizantes e
Acesso de módulo de
Pessoas com controle
Deficiência automatizado
B8.1 B8.2

Estação de
trabalho para
cadastro de
visitantes

Software
Central / Servidor
Relógio Led de controle
de Controle de
Sincronizado de
Acesso
visitantes

B6.1 B5.1 B6.2

Sistema
Base Web de
Controle de
Acesso

B9

1. OBJETO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS


Prestação de serviços de vigilância eletrônica das áreas que integram o escopo da contratação,
por meio do monitoramento remoto – a partir de central própria, especificamente instalada, na
contratada, com o objetivo de monitorar remotamente o sistema de controle de acesso instalado
na contratante, incluindo o acompanhamento permanente de violações, intrusões e outras
ocorrências, tomando as providências contratadas, de acordo com as melhores práticas
vigentes de segurança.

2. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS


1 - Entende-se por monitoramento o ato de efetivar a verificação ou a supervisão local ou
remota de ações ou reações a partir de comparações com padrões pré-estabelecidos.
Monitoramento Remoto é um serviço realizado por uma central de monitoramento à
distância, que recepciona sinais, interpreta-os e procede conforme estabelecido na ficha
de monitoramento.
1.1 – A Ficha de Monitoramento contém procedimentos pré-estabelecidos entre a
Contratada e o Contratante com relação à operação personalizada para cada evento
monitorado, senha e contrassenha, condições para envio de serviço de vistoria ao
Capítulo I - Especificações Técnicas 65
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

local para a verificação do sistema instalado, visando a constatar ser ou não um


evento real.
2- A central de monitoramento remoto da Contratada deverá possuir nível de segurança
compatível com a importância da atividade, a fim de que não haja interrupção dos
serviços. Deve estar dotada, entre outros itens, de: backup de endereço, fonte de energia
alternativa (gerador/ no-break), pessoal treinado e qualificado, monitoramento de
segurança etc.
2.1 - A central de monitoramento remoto deve possuir:
2.1.1 - Instalações que possuam nível de segurança de acordo com o serviço prestado.
2.1.2 - Materiais que combinem alto nível de resistência tanto a ataques quanto a fogo.
2.1.3- Sistema de detecção de intrusão por meio de sensores adequados às
instalações.
2.1.4 - Portas exteriores de acesso ao edifício blindadas, com fechaduras de segurança
e contatos magnéticos que permitam identificar sua abertura.
2.1.5 - Câmeras exteriores que permitam a visualização da área externa (fachada,
calçada, rua e controle de acesso às instalações).
2.1.6 - A sala de controle deve constituída por duas portas contendo eclusa separada
por área intermediária.
2.1.7 - Sistema de ar condicionado independente controlado no interior da sala.
2.1.8 - Câmeras interiores em pontos estratégicos, tais como escadas de acesso e área
próxima à sala de controle.
2.1.9 - Duas ou mais vias de recepção de sinais do painel de alarme (redundância), já
que uma linha telefônica fixa pode ser cortada perdendo a funcionalidade do
sistema de alarme sem que a central identifique o evento.
2.1.10 - No caso de interrupção da via principal de comunicação (GPRS ou outra), a
central de monitoramento deve estar preparada para interpretar o fato como
ocorrência e tomar as providências estabelecidas na ficha de monitoramento.
2.1.11 – Também deve estar assegurada a comunicação da Central com a equipe de
suporte/ manutenção (preventiva e corretiva).
2.2 – Além dos elementos de segurança da própria Contratada descritos acima, para a
efetiva prestação dos serviços de vigilância propriamente ditos, a Central de
Monitoramento da Contratada deve possuir:
2.2.1 - Estação receptora de eventos/ monitoramento de alarmes instalada na central
de monitoramento remoto da Contratada, que receba informações do Painel de
Alarme dos endereços incluídos na área de cobertura contratada pelos meios de
comunicação utilizados nos endereços.
2.2.2 - Computador, com monitor, que permita a instalação de software de
gerenciamento para monitoramento e controle de todos os eventos reportados
pelo painel de alarme, com identificação do local de instalação dos dispositivos,
bem como impressora para emissão de relatórios, incluindo materiais e
acessórios.
2.2.3 - Sistema de comunicação de sinais adequado, que seja capaz de se comunicar
com todas as instalações que fazem parte do edital, seja via linha telefônica,
celular, Rádio Frequência, ou outra, que atenda às necessidades do sistema.
Todos os recursos tecnológicos deverão estar regularizados perante os órgãos
competentes.
Capítulo I - Especificações Técnicas 66
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

2.2.4 – O meio de comunicação do Painel de Alarme com a central de monitoramento


remoto da Contratada deverá, preferencialmente (salvo impedimentos técnicos
ou necessidades especiais previstas no projeto ou Termo de Referência), ser
por GPRS como meio principal e, como meio secundário (contingência), por
meio de linha telefônica, transmissão por celular, transmissão por Rádio
Frequência ou outro meio que se mostre mais conveniente para cada instalação,
com anuência do Contratante, com supervisão de corte de linha do sistema
programada para 1 em 1 hora nos casos em que não for possível a utilização de
tecnologia preferencial que disponha de rede monitorada ininterruptamente
(GPRS via telefonia celular).
2.2.5 – Em caso de falha na conexão, ou não recebimento dos dados de qualquer
instalação, esse fato deve ser considerado como ocorrência e deverão ser
tomadas as providências previstas.
3– A Contratada deve possuir procedimentos detalhados e objetivos para tratamento de
ocorrências e seus profissionais devem estar treinados nos mesmos.
3.1 – Os procedimentos adotados pela Contratada devem prever todas as possibilidades
de ocorrências, estabelecendo providências adequadas a cada caso, tais como
violação de ambientes, intrusão, movimentação do intruso, abordagem, senhas e
contrassenhas, entre outros.
3.2 – Além dos procedimentos de segurança, a Central de Monitoramento da Contratada e
sua equipe devem estar preparadas para o atendimento a qualquer funcionário ou
preposto autorizado do Contratante, procedendo à sua identificação, verificando sua
necessidade e apresentando soluções e/ou encaminhamentos.
3.3 – Nos casos de ocorrências, o Operador de Monitoramento Remoto da Contratada
deve identificar o local de origem e avaliar o sinal de alarme, verificando por meio de
senhas e contrassenhas, se se trata de uma ocorrência real ou alarme falso. A partir
da checagem de eventos efetuada, deve tomar as providências previstas, tais como
rondas virtuais ou o acionamento do serviço de Vistoria por Monitor Externo/Pronta
Resposta, na forma prevista em contrato.
3.4. – É também responsabilidade da Contratada o acompanhamento em conjunto à área
técnica de eventuais problemas e/ou dificuldades de comunicação com os sistemas
instalados.
4 – Além das especificações acima, deverá ainda a Contratada:
4.1 - Comunicar imediatamente ao Gestor do Contrato, qualquer anormalidade verificada
por meio do sistema de vigilância eletrônica e monitoramento remoto, inclusive de
ordem funcional, adotando as providências de regularização necessárias, assim
como todo e qualquer acontecimento entendido como irregular e que atente contra o
patrimônio do Contratante.
4.1.1 - Essa comunicação deverá ser realizada da forma mais rápida possível e
valendo-se de meio apropriado e disponível em cada situação específica,
podendo ser utilizados dispositivos de segurança e/ou sistema de comunicação,
conforme estabelecido nos procedimentos e rotinas de trabalho, nos termos do
edital, termos de referência e projeto, proposta e contrato.
4.2 - Executar os serviços de vigilância eletrônica, mesmo quando ocorrerem mudanças
de locais a serem monitorados, durante a vigência do contrato, desde que esses se
localizem dentro da área pertencente à área de cobertura prevista.
4.3 - Prestar os serviços de monitoramento remoto durante 24 (vinte e quatro) horas
diárias ininterruptas por profissionais treinados, durante toda a vigência do contrato.
4.4 - Treinar as pessoas indicadas pelo Contratante, que deterão senhas, orientando como
Capítulo I - Especificações Técnicas 67
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

utilizá-las, correndo às suas expensas todos os materiais didáticos e outros custos


adicionais.
4.5 - Ativar e desativar o sistema de alarme nos horários pré-estabelecidos formalmente
pelo Contratante.
4.6 - Monitorar a ativação e desativação do sistema de alarme quando efetuado por
servidor do Contratante previamente habilitado.
4.7 - Monitorar o acionamento do sistema nos horários pré-estabelecidos, verificando “in-
loco” as razões de possíveis não acionamentos, corrigindo de imediato as falhas
detectadas.
4.8 - Gravar de forma ininterrupta e manter dados de ocorrências pelo tempo previsto em
contrato, identificando-as com data, hora e local e apresentando, quando solicitado
pelo gestor do contrato, relatório de ocorrências de determinado período.
4.9 - A operação e a localização da central de monitoramento serão de total
responsabilidade da Contratada.
4.10 - Sempre que houver sinistro de qualquer natureza, comunicar imediatamente ao
Contratante.
4.11 - Colaborar com as Polícias Civil e Militar nas ocorrências de ordem policial dentro
das instalações do Contratante, facilitando, no possível, a atuação daquelas,
inclusive na indicação de testemunhas de eventual acontecimento.

Capítulo I - Especificações Técnicas 68


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

B8 – EQUIPAMENTOS ESPECIAIS PARA O CONTROLE DE ACESSO DE PRÉDIOS


ADAPTADOS A PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Equipamentos Acessórios Software Mão de Obra


B
Cartões de
Catracas Cancelas Fechaduras Acesso com
Controle de Acesso

Módulo de Etiqueta
Controle de
B1 B2 acesso para Monitoramento
Portas Interface de Cartões de remoto da Central
Controle de Acesso em / Servidor de
Acesso Branco Controle de
Acesso
B3.1 B3.2
Impressora
Térmica

B4 B7
Baias de
Segurança Conjunto de
Especiais para Portas
atender Deslizantes e
cadeirantes e/ou módulo de
pessoas com controle
necessidades automatizado
especiais
B8.1 B8.2

Estação de
trabalho para
cadastro de
visitantes

Software
Central / Servidor
Relógio Led de controle
de Controle de
Sincronizado de
Acesso
visitantes

B6.1 B5.1 B6.2

Sistema
Base Web de
Controle de
Acesso

B9

Importante 1 – A definição do uso de Baias Especiais de Segurança, destinadas ao


atendimento de cadeirantes e/ou pessoas com necessidades especiais, bem como a
escolha pelo uso do módulo de controle e automatização de portas de vidro deslizantes, a
princípio é de uso restrito.
A opção do uso de qualquer um dos equipamentos que compõe o Grupo B8, dado o
aumento dos valores contratados por conta da sofisticação e especificidade dos
mesmos, depende da indicação do profissional técnico responsável pelo projeto e de
justificativa formal do servidor responsável da unidade contratante, indicando o porquê
da necessidade de uso desses equipamentos.

1. OBJETO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS


Prestação de serviços de instalação e locação de conjunto de equipamentos necessários e
suficientes para o funcionamento de um módulo de controle de acesso com equipamentos
especiais para pessoas deficientes (Catracas e Conjunto de Portas Deslizantes Automatizadas)
a ser instalado em prédios adaptados a pessoa com deficiência, como cadeirantes,

Capítulo I - Especificações Técnicas 69


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

paraplégicos, tetraplégicos, pessoas com mobilidade reduzida, entre outros, a ambientes


protegidos, conforme especificações e níveis de serviço estabelecidos.

2. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS


1 - A prestação deste serviço será realizada por meio da locação de equipamentos de controle
de acesso, incluindo: instalação da infraestrutura eventualmente necessária, instalação dos
equipamentos e sistemas propriamente ditos, conforme especificação do projeto de
segurança, incluindo a manutenção preventiva e corretiva de todo o sistema.
1.1 – Para a contratação do módulo B8 (Catracas e Conjunto de Portas Deslizantes
Automatizadas) é necessário contratar o módulo B6.1 ou B9 e recomendável, no
caso da contração do módulo B6.1, a contratação do módulo B6.2, de forma que se
possa controlar adequadamente o acesso de visitantes.
1.2 – O banco de dados resultante dos acessos ao prédio por visitantes deve estar
disponível ao Contratante ao final do período do contrato, independente de
renovação, para repassar à próxima Contratada e manter a continuidade do serviço.
1.3 – Sempre que houver solicitação por parte da Contratada, ou a cada período de 12
(doze) meses, a Contratada deverá entregar ao Contratante o banco de dados
resultante dos sistemas de controle de acesso e de visitantes, no formato digital e
impresso.
2 – Os serviços de instalação, bem como aqueles de infraestrutura eventualmente necessários,
serão executados pela Contratada, incluindo todo e qualquer material para a completa
instalação dos equipamentos, além de transporte de materiais e pessoal, serviços de
tubulação, cabeamento e adaptação de instalações elétricas, interligando os pontos de
instalação a serem ativados.
2.1 - Entende-se por instalação a montagem, a fixação, os ajustes, a interligação entre si e
com quadros e painéis, a alimentação elétrica de todos os equipamentos, execução
de testes, calibração dos equipamentos e a colocação em operação de todo o
sistema até seu recebimento. Inclui os serviços de adequação de painéis, de
montagem, de instalação e testes, inclusive obras civis, se houver.
2.2 - A existência de interferência com a arquitetura e com obras civis devem ser
solucionadas durante a fase de elaboração dos projetos executivos de instalação, os
quais serão aprovados pelo Contratante.
2.3 – Deverão ser encaminhados previamente à instalação do sistema, os catálogos dos
equipamentos a serem instalados (nos mesmos moldes descritos no item 2.9, a
seguir) e de acordo com as especificações técnicas constantes do edital de
contratação, para a aprovação pelo Contratante.
2.4 - Após concluir os serviços de instalação, a Contratada deve retirar todo o material
existente, entulho, ou quaisquer materiais remanescentes do trabalho executado; os
locais deverão ser entregues em perfeitas condições de higiene e limpeza, bem
como acompanhar os padrões estéticos do Contratante.
2.5 - Os trabalhos deverão ser executados de forma a garantir os melhores resultados e
desempenho, devendo a Contratada implementar a solução mais adequada para o
caso concreto, combinando técnica e custo de modo a otimizar a qualidade dos
serviços e a buscar a melhor integração entre materiais, equipamentos, instrumentos
e outros componentes a serem locados, entre si e com o futuro serviço de
monitoramento, fazendo funcionar eficientemente o sistema como um todo.
2.6 - A Contratada deve proceder à instalação dos equipamentos e acessórios integrantes
do sistema de vigilância eletrônica obedecendo às normas da ABNT – Associação

Capítulo I - Especificações Técnicas 70


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

Brasileira de Normas Técnicas. O mesmo procedimento deve ser adotado para


equipamentos e acessórios que venham a ser substituídos.
2.7 – Todos os custos de instalação, bem como todos os equipamentos, materiais e
infraestrutura necessária devem ser fornecidos pela Contratada. Eventuais
exceções, para utilização de infraestrutura existente nos endereços, deverão ser
analisadas e aprovadas formalmente pelo Contratante.
2.8 – A Contratada deverá prestar serviços eventuais, compreendendo: desinstalação e
reinstalação de equipamentos no mesmo local, decorrente da alteração interna de
layout da unidade; desinstalação e reinstalação de equipamentos em outro local da
mesma cidade, em virtude de mudança da unidade; desativação de equipamentos
ou do sistema de segurança de alguma unidade.
2.9 – A Contratada deverá fornecer catálogos de todos os equipamentos instalados em
língua portuguesa (conforme estabelecido no Art. 31 do Código de Defesa do
Consumidor); não serão admitidos catálogos em língua inglesa, espanhol, francês ou
ainda catálogos em línguas, alfabetos ou ideogramas diferentes do alfabeto latino do
padrão ISO.
2.10– Será de inteira responsabilidade da Contratada, a guarda e manutenção de
equipamentos e/ou materiais de sua propriedade, que sejam colocados para uso
durante a execução dos serviços.
2.11 – A Contratada deve identificar todos os equipamentos de sua propriedade de forma
a não serem confundidos com similares de propriedade do Contratante.
2.12– A empresa deverá fornecer um cronograma da instalação dos equipamentos dentro
do prazo estipulado pelas partes de acordo com o projeto.
2.13 – A Contratada deverá treinar os usuários dos sistemas eletrônicos de forma a
capacitá-los à correta utilização dos mesmos, exceto quanto aos aspectos afetos à
fase de monitoramento, tais como uso de códigos, senhas e contrassenhas.
2.14 - A Contratada ao final da instalação deverá providenciar o MEMORIAL
DESCRITIVO DE INSTALAÇÃO dos equipamentos, indicando todos os
equipamentos instalados, suas especificações, notas técnicas da instalações
referentes a interferências arquitetônicas efetuadas para a instalação dos
equipamentos e/ou outras medidas ou problemas encontrados. O Memorial
Descritivo deverá ser acompanhado dos Catálogos de todos os equipamentos
instalados de que trata o item 2.9 supracitado e dos diagramas esquemáticos de
instalação e dos AS BUILTs da instalação, no caso dos sistemas considerados
como avançados conforme indicado nos exemplos abaixo:
Exemplos de Sistemas Básicos de Controle de Acesso:

Estação de
Central / Cartões de CATÁLOGO DOS
Baias de trabalho
Servidor de
Controle de
Acesso
+ Segurança
Especiais
+ Acesso
com
Etiqueta
+ para
cadastro de
+ MEMORIAL
DESCRITIVO + EQUIPAMENTOS
EM
PORTUGUÊS
+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO

visitantes
B6.1 B8.1 B4 B5

Exemplos de Sistemas Avançados de Controle de Acesso

Central / Módulo de Estação de


Baias de Cartões de
Servidor de
Controle de
Acesso
+ Segurança
Especiais
+ Cancelas
+ Controle de
Portas de Vidro
Deslizantes
+ Acesso com
Etiqueta
+ trabalho para
cadastro de
visitantes
+
B6.1 B8.1 B2 B8.2 B4 B5

Capítulo I - Especificações Técnicas 71


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

CATÁLOGO DOS
MEMORIAL
DESCRITIVO + EQUIPAMENTOS EM
PORTUGUÊS
+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO + AS BUILT DA
INSTALAÇÃO

Estação
Módulo de de
Central / Módulo de Cartões de
Controle de trabalho Sensores de
Servidor de
Controle de
Acesso
+ Controle de
acesso para
Portas
+ Cancelas + Portas de
Vidro
+ Acesso
com
Etiqueta
+ para
cadastro
+ movimento/
presença
+
Deslizantes de
visitantes
B6.1 B8.1 B2 B8.2 B4 B5 A1.2

CATÁLOGO DOS
MEMORIAL
DESCRITIVO + EQUIPAMENTOS EM
PORTUGUÊS
+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO + AS BUILT DA
INSTALAÇÃO

Módulo de Módulo de Estação de


Sistema Base Cartões de
Web de Controle
de Acesso
+ Controle de
acesso para
Portas
+ Cancelas
+ Controle de
Portas de Vidro
Deslizantes
+ Acesso com
Etiqueta
+ trabalho para
cadastro de
visitantes
+
B9 B8.1 B2 B8.2 B4 B5

CATÁLOGO DOS
MEMORIAL
DESCRITIVO + EQUIPAMENTOS EM
PORTUGUÊS
+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO + AS BUILT DA
INSTALAÇÃO

3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS DAS CONFIGURAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS


E SOLUÇÕES

Equipamentos Função
Fornecer acesso controlado entre ambientes por meio de equipamentos
Equipamentos
adaptados para pessoas com deficiência, cadeirantes, paraplégicos e
especiais para o
tetraplégicos, por meio de identificação registrada no sistema de controle de
controle de acesso de
B8 acesso e visitantes.
prédios adaptados as
Delimitação de áreas, por meio de portas deslizantes automatizadas e
pessoas com
adaptadas para a passagem de pessoas com deficiência, cadeirantes,
deficiência
paraplégicos e tetraplégicos integradas ao sistema de controle de acesso,

Capítulo I - Especificações Técnicas 72


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

B8.1 – Catracas
Ref. Designação Recursos mínimos
Estrutura da Baia de Segurança
Catraca tipo balcão ou gabinete com pictogramas orientativos.
Display e controle bidirecional.
Barreiras de acesso articuladas (portas de acesso) em vidro temperado com
no mínimo 12 mm de espessura
Corpo e estrutura da baia devem ser em aço carbono e acabamento em aço
inox escovado
Sistemas de segurança
Sistema emergencial de liberação de bloqueio (abertura automática das
Baia de Segurança
barreiras/portas de acesso)
Especial com leitores
Sistema antirretorno com capacidade para tração/ compressão de 1000
de proximidade para
Kgf/m².)
B8.1.01.L atender cadeirantes
Possuir sensores antiesmagamento ao longo de toda estrutura de modo a
e/ou pessoas com
evitar acidentes com os usuários comuns e cadeirantes.
necessidades Leitores de Proximidade Mifare
especiais
 Os leitores de Proximidade Mifare devem possuir três interfaces: Serial RS-232
e outros
02 (dois) Leitores de Proximidade Mifare instalados na catraca:
1 no sentido de entrada dos usuário/visitantes
1 no sentido de saída dos usuário/visitantes
 Frequência de Trabalho de 125 KHz ou 13,56 MHz, compatível com cartões
em uso pela unidade contratante.
Alimentação: 5 a 12VDC a 65 mA, tipicamente com alimentação de 12V.
Distância de leitura: Até 5 cm a 12VDC
Estrutura da Baia de Segurança
Catraca tipo balcão ou gabinete com pictogramas orientativos.
Display e controle bidirecional.
Barreiras de acesso articuladas (portas de acesso) em vidro temperado com
no mínimo 12 mm de espessura
Corpo e estrutura da baia devem ser em aço carbono e acabamento em aço
inox escovado
Sistemas de segurança
Sistema emergencial de liberação de bloqueio (abertura automática das
barreiras/portas de acesso)
Baia de segurança tipo
Sistema antirretorno com capacidade para tração/compressão de 1000
gabinete pra controle
Kgf/m².)
de acesso com leitores
Possuir sensores antiesmagamento ao longo de toda estrutura de modo a
de proximidade e cofre
evitar acidentes com os usuários comuns e cadeirantes.
B8.1.02.L coletor para atender Cofre coletor de cartões para devolução dos cartões de visitantes
cadeirantes e/ou
Cofre coletor em aço carbono compatível com a estrutura da catraca e
pessoas com preparado para receber a instalação da leitora de proximidade Mifare.
necessidades Leitores de Proximidade Mifare
especiais 03 (três) Leitores de Proximidade Mifare instalados na catraca:
1 no sentido de entrada dos usuário/visitantes
1 no sentido de saída dos usuário/visitantes
1 acoplado ao cofre coletor instalado no sentido de saída para os visitantes
 Frequência de Trabalho de 125 KHz ou 13,56 MHz, compatível com cartões
em uso pela unidade contratante.
 Os leitores de Proximidade Mifare devem possuir três interfaces: Serial RS-232
e outros
Alimentação: 5 a 12VDC a 65 mA, tipicamente com alimentação de 12V.
Distância de leitura: Até 5 cm a 12VDC

Capítulo I - Especificações Técnicas 73


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

B8.2 – Portas Deslizantes Automatizadas


Ref. Designação Descrição Componentes Recursos Mínimos
Painéis/portas em folha dupla de vidro temperado
Painéis/ com até 10 mm de espessura composta de duas (2)
folhas fixas e duas (2) folhas deslizantes
Portas de Vão útil de passagem com no mínimo de 90 cm.
vidro Vão de porta para o fechamento com as folhas fixas
e móveis de até 610 cm
Possuir trilhos em aço ou alumínio, com capacidade
suficiente para comportar o peso das folhas de
portas deslizantes e que proporcionem a abertura e
fechamento das folhas (em vidro) de porta
deslizantes.
Sistema de tração composto por polias, correias,
esticadores ou tensionadores de correias
Mecanismo interligados aos carros de comando, responsáveis
Deslizante pelo movimento automático das folhas de portas.
Possuir sistema de freios nas polias e/ou nos carros
de comando de modo a permitir a paralisação do
movimento.
Os trilhos deverão ser dotados de batentes (tops) de
fim de curso
Os suportes de fixação das folhas de portas deverão
permitir os ajustes de altura e nivelamento conforme
O conjunto de o local de instalação do conjunto.
portas deslizantes Gabinete de Proteção do Módulo de Controle
automatizadas visa Gabinete deverá ser em aço ou alumínio resistente
delimitar áreas por a impactos e deverá possuir tampa ou cobertura de
meio de uma modo a permitir a fácil manutenção e limpeza.
barreira física e Motor Elétrico ou Motorredutor
controlar o acesso Com potência suficiente para a abertura e
Conjunto de de pessoas e fechamento das folhas de portas em vidro.
Portas de vidro cadeirantes. Entrada de energia: 110 – 120 V / 60 Hz ou 220 –
Deslizantes em As portas 240 V / 50Hz
B8.2.01.L folha dupla e deslizantes Possuir baterias redundantes para alimentação dos
módulo de deverão ser Módulo de sistemas de segurança em caso de eventual falha
controle contratas em Controle de fornecimento de energia da rede elétrica e em
automatizado conjunto com os Automatizado caso de emergência.
controles de portas Central de comando
indicados no Sistema microcontrolado
módulo B.3 desse Possuir decodificador de sinal de abertura e
volume, conforme fechamento compatível com leitores de proximidade
determinação do Mifare e Wiegand com frequências de 125 kHz e
responsável técnico 13.56 MHz
pelo projeto. Capacidade de integração com sistemas de alarme,
incêndio e controle de acesso.
Permitir a programação da velocidade de abertura e
fechamento das folhas de porta deslizantes e da
temporalização de abertura das portas
Sistema antiesmagamento: Comando de abertura
das portas a partir de sinais emitidos por fotocélula
elétrica e/ou por meio de barreiras luminosas, que
ao serem interceptadas disparam comando de
abertura das portas, antiesmagamento, para a
unidade de controle. As fotocélulas elétricas ou as
barriras luminosas deverão ser instaladas de modo
a permitir a em duas alturas, de modo a prevenir
Sistemas de acidentes com cadeirantes, crianças ou pessoas
Segurança com baixa estatura.
Sistema de Destravamento das portas: por meio
de botão de acionamento do módulo de controle
automatizado ou por meio de controle remoto que
ativa as baterias em caso de falta de energia ou
emergência, permitindo a abertura das folhas de
porta e mantendo paralisadas/travadas a portas na
configuração aberta para a saída ou evacuação do
ambiente.

Capítulo I - Especificações Técnicas 74


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

B8.2 – Portas Deslizantes Automatizadas

Ref. Designação Descrição Componentes Recursos Mínimos

Painéis/portas em folha dupla de vidro temperado


Painéis/ com até 10 mm de espessura composta de duas (2)
folhas fixas e duas (2) folhas deslizantes
Portas de Vão útil de passagem com no mínimo de 90 cm.
vidro Vão de porta para o fechamento com as folhas fixas
e móveis de até 610 cm
Possuir trilhos em aço ou alumínio, com capacidade
suficiente para comportar o peso das folhas de
portas deslizantes e que proporcionem a abertura e
fechamento das folhas (em vidro) de porta
deslizantes.
Sistema de tração composto por polias, correias,
esticadores ou tensionadores de correias
Mecanismo interligados aos carros de comando, responsáveis
Deslizante pelo movimento automático das folhas de portas.
Possuir sistema de freios nas polias e/ou nos carros
de comando de modo a permitir a paralisação do
movimento.
Os trilhos deverão ser dotados de batentes (tops)
de fim de curso
Os suportes de fixação das folhas de portas
deverão permitir os ajustes de altura e nivelamento
conforme o local de instalação do conjunto.
Gabinete de Proteção do Módulo de Controle
O conjunto de portas Gabinete deverá ser em aço ou alumínio resistente
deslizantes a impactos e deverá possuir tampa ou cobertura de
automatizadas visa modo a permitir a fácil manutenção e limpeza.
delimitar áreas por Motor Elétrico ou Motorredutor
Conjunto de meio de uma barreira Com potência suficiente para a abertura e
Portas de física e controlar o fechamento das folhas de portas em vidro.
vidro acesso de pessoas e Entrada de energia: 110 – 120 V / 60 Hz ou 220 –
Deslizantes cadeirantes. 240 V / 50Hz
B8.2.01.L em folha As portas deslizantes Possuir baterias redundantes para alimentação dos
dupla e deverão ser contratas Módulo de sistemas de segurança em caso de eventual falha
módulo de em conjunto com os Controle de fornecimento de energia da rede elétrica e em
controle controles de portas Automatizado caso de emergência.
indicados no módulo Central de comando
automatizado B.3 desse volume, Sistema microcontrolado
conforme determinação Possuir decodificador de sinal de abertura e
do responsável técnico fechamento compatível com leitores de proximidade
pelo projeto. Mifare e Wiegand com frequências de 125 kHz e
13.56 MHz
Capacidade de integração com sistemas de alarme,
incêndio e controle de acesso.
Permitir a programação da velocidade de abertura e
fechamento das folhas de porta deslizantes e da
temporalização de abertura das portas
Sistema anti-esmagamento: Comando de
abertura das portas a partir de sinais emitidos por
fotocélula elétrica e/ou por meio de barreiras
luminosas, que ao serem interceptadas disparam
comando de abertura das portas, antiesmagamento,
para a unidade de controle. As fotocélulas elétricas
ou as barriras luminosas deverão ser instaladas de
modo a permitir a em duas alturas, de modo a
Sistemas de prevenir acidentes com cadeirantes, crianças ou
Segurança pessoas com baixa estatura.
Sistema de Destravamento das portas: por meio
de botão de acionamento do módulo de controle
automatizado ou por meio de controle remoto que
ativa as baterias em caso de falta de energia ou
emergência, permitindo a abertura das folhas de
porta e mantendo paralisadas/travadas a portas na
configuração aberta para a saída ou evacuação do
ambiente.

Capítulo I - Especificações Técnicas 75


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

B8.2 – Portas Deslizantes Automatizadas

Ref. Designação Descrição Componentes Recursos Mínimos

Leitor de
Proximidade Mifare /
Wiegand – indicado
para uso interno ou
Leitor de externo, em locais Alimentação: 5 a 12VDC a 65Ma, tipicamente
proximidade que necessitam a Leitor de com alimentação de 12V,
para distância identificação a média Proximidade Distância de leitura: De 50 a 100cm a 12VDC
B8.2.02.L
de leitura distância dos de média – Frequência de operação: 13,56 MHz e deve
entre 10 cm e usuários, em distância ser compatível com cartões em uso pela
90 cm especial aqueles unidade contratante.
com dificuldades de
locomoção, como
cadeirante.

B9 – SISTEMA BASE WEB DE CONTROLE DE ACESSO


Equipamentos Acessórios Software Mão de Obra
B
Cartões de
Catracas Cancelas Fechaduras Acesso com
Controle de Acesso

Módulo de Etiqueta
Controle de
B1 B2 acesso para Monitoramento
Portas Interface de Cartões de remoto da Central
Controle de Acesso em / Servidor de
Acesso Branco Controle de
Acesso
B3.1 B3.2
Impressora
Térmica

B4 B7
Baias de
Segurança Conjunto de
Especiais para Portas
atender Deslizantes e
cadeirantes e/ou módulo de
pessoas com controle
necessidades automatizado
especiais
B8.1 B8.2

Estação de
trabalho para
cadastro de
visitantes

Software
Central / Servidor
Relógio Led de controle
de Controle de
Sincronizado de
Acesso
visitantes

B6.1 B5.1 B6.2

Sistema
Base Web de
Controle de
Acesso

B9

Capítulo I - Especificações Técnicas 76


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

1. OBJETO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS


Prestação de serviços de instalação e locação de conjunto de equipamentos necessários e
suficientes para o funcionamento de um sistema de controle de acesso base web, compostos
por controladoras e software de gerenciamento interligados pela internet e operado com o uso
de navegador de internet (web-browser), conforme especificações e níveis de serviço
estabelecidos.

2. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS


1 - A prestação deste serviço será realizada por meio da locação de equipamentos de controle
de acesso acompanhados de software de gerenciamento, incluindo: instalação da
infraestrutura necessária, instalação dos equipamentos e sistemas propriamente ditos,
conforme especificação do projeto de segurança, incluindo a manutenção preventiva e
corretiva de todo o sistema.
1.1 – A contratação do módulo B9 deverá ser acompanhada da contratação dos módulos
B1, B2, B3, B4 ou B8 (Catracas, cancelas, portas e cartões). É dispensada a
contratação dos módulos B6.1 e B6.2, uma vez que o sistema de controle de acesso
base web substitui esses módulos, bem como tem como função controlar
remotamente um ou mais prédios que demandam o controle de acesso por meio de
um sistema unificado.
1.2 – O banco de dados resultante dos acessos ao(s) prédio(s) por usuários e visitantes
deve estar disponível ao Contratante ao final do período do contrato, independente
de renovação, para repassar à próxima Contratada e manter a continuidade do
serviço.

1.3 – Sempre que houver solicitação por parte da Contratada, ou a cada período de 12
(doze) meses, a Contratada deverá entregar ao Contratante o banco de dados
resultante do sistema de controle de acesso base web, no formato digital e impresso.
2 – Os serviços de instalação, bem como aqueles de infraestrutura eventualmente necessários,
serão executados pela Contratada, incluindo todo e qualquer material para a completa
instalação dos equipamentos, além de transporte de materiais e pessoal, serviços de
tubulação, cabeamento e adaptação de instalações elétricas, interligando os pontos de
instalação a serem ativados.
2.1 – Entende-se por instalação a montagem, a fixação, os ajustes, a interligação entre si
e com quadros e painéis, a alimentação elétrica de todos os equipamentos,
execução de testes, calibração dos equipamentos e a colocação em operação de
todo o sistema até seu recebimento. Inclui os serviços de adequação de painéis, de
montagem, de instalação e testes, inclusive obras civis, se houver.
2.2 – A existência de interferência com a arquitetura e com obras civis devem ser
solucionadas durante a fase de elaboração dos projetos executivos de instalação, os
quais serão aprovados pelo Contratante.
2.3–Deverá ser encaminhada previamente a instalação do sistema, os catálogos dos
equipamentos a serem instalados (nos mesmos moldes descritos no item 2.9, a
seguir) e de acordo com as especificações técnicas constantes do edital de
contratação, para a aprovação pela Contratante.
2.4– Após concluir os serviços de instalação, a Contratada deve retirar todo o material
existente, entulho, ou quaisquer materiais remanescentes do trabalho executado; os
locais deverão ser entregues em perfeitas condições de higiene e limpeza, bem
como acompanhar os padrões estéticos do Contratante.
2.5– Os trabalhos deverão ser executados de forma a garantir os melhores resultados e
desempenho, devendo a Contratada implementar a solução mais adequada para o
Capítulo I - Especificações Técnicas 77
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

caso concreto, combinando técnica e custo de modo a otimizar a qualidade dos


serviços e a buscar a melhor integração entre materiais, equipamentos, instrumentos
e outros componentes a serem locados, entre si e com o futuro serviço de
monitoramento, fazendo funcionar eficientemente o sistema como um todo.
2.6– A Contratada deve proceder à instalação dos equipamentos e acessórios integrantes
do sistema de vigilância eletrônica obedecendo às normas da ABNT – Associação
Brasileira de Normas Técnicas. O mesmo procedimento deve ser adotado para
equipamentos e acessórios que venham a ser substituídos.
2.7 – Todos os custos de instalação, bem como todos os equipamentos, materiais e
infraestrutura necessária devem ser fornecidos pela Contratada. Eventuais
exceções, para utilização de infraestrutura existente nos endereços, deverão ser
analisadas e aprovadas formalmente pelo Contratante.
2.8 – A Contratada deverá prestar serviços eventuais, compreendendo: desinstalação e
reinstalação de equipamentos no mesmo local, decorrente da alteração interna de
layout da unidade; desinstalação e reinstalação de equipamentos em outro local da
mesma cidade, em virtude de mudança da unidade; desativação de equipamentos
ou do sistema de segurança de alguma unidade.
2.9 – A Contratada deverá fornecer catálogos de todos os equipamentos instalados em
língua portuguesa (conforme estabelecido no Art. 31 do Código de Defesa do
Consumidor); não serão admitidos catálogos em língua inglesa, espanhol, francês ou
ainda catálogos em línguas, alfabetos ou ideogramas diferentes do alfabeto latino do
padrão ISO.
2.10 – Será de inteira responsabilidade da Contratada, a guarda e a manutenção de
equipamentos e/ou materiais de sua propriedade, que sejam colocados para uso
durante a execução dos serviços.
2.11 – A Contratada deve identificar todos os equipamentos de sua propriedade de forma
a não serem confundidos com similares de propriedade do Contratante.
2.12 – A empresa deverá fornecer um cronograma da instalação dos equipamentos dentro
do prazo estipulado pelas partes de acordo com o projeto.
2.13 – A Contratada deverá treinar os usuários dos sistemas eletrônicos de forma a
capacitá-los à correta utilização dos mesmos, exceto quanto aos aspectos afetos à
fase de monitoramento, tais como uso de códigos, senhas e contrassenhas.
2.14 – A Contratada ao final da instalação deverá providenciar o MEMORIAL
DESCRITIVO DE INSTALAÇÃO dos equipamentos, indicando todos os
equipamentos instalados, suas especificações, notas técnicas da instalações
referentes a interferências arquitetônicas efetuadas para a instalação dos
equipamentos e/ou outras medidas ou problemas encontrados. O Memorial
Descritivo deverá ser acompanhado dos Catálogos de todos os equipamentos
instalados de que trata o item 2.9 supracitado e dos diagramas esquemáticos de
instalação e dos AS BUILTs da instalação, no caso dos sistemas considerados
como avançados conforme indicado nos exemplos abaixo:

Capítulo I - Especificações Técnicas 78


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

Exemplos de Sistemas Base Web de Controle de Acesso

Módulo de Estação de
Sistema Base Cartões de
Web de Controle
de Acesso
+ Catracas + Cancelas + Controle de
acesso para
Portas
+ Acesso com
Etiqueta
+ trabalho para
cadastro de
visitantes
B9 B1 B2 B3 B4 B5

3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS DAS CONFIGURAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS


E SOLUÇÕES

Equipamento Função
O sistema de controle de acesso base web permite a integração entre as controladoras
de portas e barreiras, instaladas nos pontos de acesso sob controle do sistema, sem a
necessidade de uma ou mais Centrais/servidores de controle de acesso instaladas nas
dependências da Contratante, possibilitando assim o gerenciamento com a utilização
de vários prédios de um mesmo Contratante, por meio de integração das
Sistema Base Web
controladoras de portas e barreias via internet.
B9 de Controle de
Acesso O Sistema Base Web de controle de acesso é gerenciado por software de
gerenciamento disponibilizado pela contratada, cujo o acesso é feito por um browser
(navegador de internet), que é parte integrante do sistema base web.
Todas as controladoras de portas e barreiras devem possuir capacidade de
armazenamento de dados de modo a garantir a redundância do sistema e o pleno
funcionamento mesmo no caso da queda da rede de acesso a internet.

Capítulo I - Especificações Técnicas 79


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

Ref. Designação Descrição Componentes Recursos Mínimos

Compatibilidade de Hardware e comunicação:


Arquitetura do Sistema: Compatibilidade com leitores: Mifare e Wiegand com frequências de 125 kHz e 13.56
Sistema baseado na web, construído em Web Server MHz.
de modo a permitir a integração entre todos os Compatibilidade com Rede Ethernet.
pontos de acesso controlados de um ou mais As controladoras deverão comunicar-se, entre si, sem a necessidade do PC servidor de
prédios. controle de acesso estar on-line, ou seja, ponto a ponto.
O Sistema deverá permitir a utilização da Possuir quatro (4) entradas para leitoras (duas (2) leitoras de entrada e duas (2) de
infraestrutura de rede já existente, bem como a saída), duas entradas para botão de requisição de saída, uma entrada para tamper, duas
adição de uma nova rede de dados, para monitorar e entradas para sensor de status de porta/fechadura, duas entradas para integração com
controlar o acesso local ou o acesso remoto de filiais, sistemas de incêndio ou emergência e duas saídas de relé comandadas (para duas
de uma mesma central de segurança, via WAN ou fechaduras).
LAN, via VPN. Possuir servidor web interno “web server”, protegido por usuário e senha, onde se pode
O incremento de portas e outras barreiras no Sistema verificar informações relativas ao funcionamento da mesma, atualizar versões de seu
deverá ser feito um a um, de forma a agilizar e trazer software embutido, bem como, acessar a base de Dados de usuários, visitantes e
Sistema Base ótima relação custo-benefício em caso de ampliação eventos.
Web de do mesmo Compatibilidade de integração com sistemas de alarme de incêndio e CFTV
Controle de Base unificada de dados com capacidade de Controladora de Redundância em caso de queda da rede ou de comunicação entre as controladoras,
transferência, via web, de dados entre os prédios cada controladora deverá continuar funcionando autonomamente com todas as últimas
Acesso para Portas e barreiras
B9.1.01.L com pontos acessos interligados ao sistema. instruções e permissões.
um ou mais Deverá ser prevista a redundância do sistema de de acesso Base Entrada de Energia: 12 a 24 V DC ou Entrada Universal 100 - 240 VAC
prédios (Portas, modo que no caso de queda da rede ou de Web Backup de Energia: Bateria de 12 Volts
Catracas e comunicação entre as controladoras, cada Cadastramento de cartões: Capacidade mínima de 10.000 cartões
Cancelas) controladora deverá continuar funcionando Registro de Eventos (Buffer): Mínimo 25.000 Eventos
autonomamente com todas as últimas instruções e Possuir Relógio geral RTC (real time Clock) incorporado
permissões.
Compatibilidade com protocolos de Comunicação: Funcionalidades integradas com o software:
HTTPS, TCP/IP, DHCP, TFTP, ICMP, IPv4, HTTP, Capacidade de Programação Remota via software
HTTPS, SSL, FTP, SNM, etc. Anti-passback local, para evitar que um cartão usado para entrada/saída seja reutilizado,
Segurança de Rede, por meio de requisição e impedindo que mais de uma pessoa tenha acesso à um mesmo local usando o mesmo
importação e dados via Certificado SSL cartão
O sistema deverá prever a possibilidade de Anti-passback global
integração com sistemas de alarme, incêndio e Baixa automática de cartões de visitantes
CFTV.
Opcionais
Observação: A(s) controladora(s) e software de Figuras indicativas: com diagrama do Módulo na estrutura de Proteção
controle de acesso, descritos aqui compõem um Indicação visual da situação dos pontos de acesso controlados ou de defeitos através de
único serviço de locação de Sistema Base Web lâmpadas de led.
de Controle de Acesso, não podendo ser
contratados separadamente.

Capítulo I - Especificações Técnicas 80


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

Ref. Designação Descrição Componentes Recursos Mínimos

Operação e Armazenamento de Dados


Compatibilidade com navegadores (browsers): Internet Explorer, Firefox, Google Chrome,
Arquitetura do Sistema: Safari, Opera, etc.
Sistema baseado na web, construído em Web Server Capacidade de Gerenciar remotamente (via web ou internet) uma ou mais controladoras
de modo a permitir a integração entre todos os de portas base web
pontos de acesso controlados de um ou mais Capacidade Mínima de cadastramento de 10.000 cartões
prédios. Níveis de Acesso programáveis: Mínimo 1 nível
O Sistema deverá permitir a utilização da Níveis de acesso programáveis por cartão: Mínimo 1 nível
infraestrutura de rede já existente, bem como a Armazenamento Mínimo de 25.000 eventos
adição de uma nova rede de dados, para monitorar e Idioma de Operação e Programação: Português
controlar o acesso local ou o acesso remoto de filiais, Funcionalidades do software
de uma mesma central de segurança, via WAN ou Capacidade de criar perfis de gerenciamento do sistema por meio de login e senha. Para
LAN, via VPN. administradores e usuários do sistema.
O incremento de portas e outras barreiras no Sistema Capacidade de programação dos pontos de acesso interligados ao sistema:
deverá ser feito um a um, de forma a agilizar e trazer Programação de níveis de acesso
ótima relação custo-benefício em caso de ampliação Comandos de abertura e fechamento de portas, catracas e cancelas.
do mesmo Programação de funções antibloqueio e antirretorno.
Sistema Base Base unificada de dados com capacidade de Anti-passback (anti-dupla entrada): para evitar que um cartão usado para entrada/saída
Web de transferência, via web, de dados entre os prédios seja reutilizado, impedindo que mais de uma pessoa tenha acesso à um mesmo local
Controle de com pontos acessos interligados ao sistema. usando o mesmo cartão. O Anti-passback impede que este cartão passe duas vezes, em
Deverá ser prevista a redundância do sistema de Software de sequência, pela mesma leitora.
Acesso para
B9.1.01.L modo que no caso de queda da rede ou de Controle de Anti-passback GLOBAL: previne que um mesmo cartão seja usado por mais de uma
um ou mais comunicação entre as controladoras, cada pessoa, mais de uma vez, em um grupo de portas / área de acesso, em uma sequência
Acesso base Web
prédios (Portas, controladora deverá continuar funcionando previamente programável.
Catracas e autonomamente com todas as últimas instruções e Rotas de Anti-passback GLOBAL: previne que um usuário utilize determinadas portas ou
Cancelas) permissões. barreiras sem que antes tenha utilizadas outras pré-definidas.
Compatibilidade com protocolos de Comunicação: Baixa Automática de Cartões de Visitantes: ao se depositar um cartão de visitantes na
HTTPS, TCP/IP, DHCP, TFTP, ICMP, IPv4, HTTP, coletora de cartões, o cartão deverá ser automaticamente apagado da controladora em
HTTPS, SSL, FTP, SNM, etc. questão, bem como de todas as controladoras que pertençam ao mesmo grupo de baixa
Segurança de Rede, por meio de requisição e desta.
importação e dados via Certificado SSL Deverá ser possível o rastreamento de cartões e transações.
O sistema deverá prever a possibilidade de Deverá possuir uma janela de transações on-line, onde deverão ser apresentadas todas
integração com sistemas de alarme, incêndio e as transações ocorridas nas controladoras e no sistema, em tempo real.
CFTV. Capacidade de gerar consultas aos eventos e acompanhamento da operação do sistema.
Permitir a geração de relatórios no modo on line e permitir a extração de dados nos
formatos, txt, cvs, xlm, xls e/outros outros.
Observação: A(s) controladora(s) e software de Capacidade de gerar pesquisa na Base de Dado: por pessoa, por evento, etc.
controle de acesso, descritos aqui compõem um Capacidade de Programação de Feriados: Mínimo 15 feriados
único serviço de locação de Sistema Base Web Capacidade de armazenagem de fotografia do usuário de cartão
de Controle de Acesso, não podendo ser Requisitos de Compatibilidade de software
contratados separadamente. Microsoft Windows XP SP3 32-bit, WIN-PAK SE, WIN-PAK PE, WIN-PAK PRO CS,
WIN-, PAK CS 4.1, Microsoft Windows 7 32- and 64-bit, Bonjour Print Services, .NET 4.0
framework, Adobe Flash plug-in 10.6, etc.

Capítulo I - Especificações Técnicas 81


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

C – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE SISTEMAS DE DETECÇÃO DE


INCÊNDIO (C1)

Equipamentos Acessórios Software Mão de Obra


C
Centrais
Centrais
Incêndio

Endereçáveis de
Convencionais de Sensores de Monitoramento remoto da
Alarme e
Alarme e Detecção incêndio central de incêndio
Detecção de
de Incêndio
Incêndio
C1.1 C1.2 C2
Acessórios de
Incêndio

C1.3

1. OBJETO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS


Prestação de serviços de instalação e locação de conjunto de equipamentos necessários e
suficientes para o funcionamento de um sistema de detecção de incêndio para futuro
monitoramento remoto, conforme especificações e níveis de serviço estabelecidos, visando a
efetiva cobertura das áreas que integram o escopo da contratação.

2. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS


1 – A prestação deste serviço será realizada por meio da locação de equipamentos de sistema
de detecção de incêndio, incluindo: instalação da infraestrutura eventualmente necessária,
instalação dos equipamentos e sistemas propriamente ditos, conforme especificação do
projeto, prevendo manutenção preventiva e corretiva.
2– Os serviços de instalação, bem como aqueles de infraestrutura eventualmente
necessários, serão executados pela Contratada, incluindo todo e qualquer material
necessário para a completa instalação dos equipamentos, bem como transporte de
materiais e pessoal, serviços de tubulação, cabeamento e adaptação de instalações
elétricas, interligando os pontos de instalação a serem ativados.
2.1 – Entende-se por instalação a montagem, a fixação, os ajustes, a interligação entre si
e com quadros e painéis, a alimentação elétrica de todos os equipamentos,
execução de testes e a colocação em operação de todo o sistema até seu
recebimento. Inclui os serviços de adequação de painéis, de montagem, de
instalação e testes, inclusive obras civis, se houver.
2.2 – A existência de interferência com a arquitetura e com obras civis devem ser
solucionadas durante a fase de elaboração dos projetos executivos de instalação, os
quais serão aprovados pelo Contratante.
2.3 - Deverá ser encaminhada previamente a instalação do sistema, os catálogos dos
equipamentos a serem instalados (nos mesmos moldes descritos no item 2.9, a
seguir) e de acordo com as especificações técnicas constantes do edital de
contratação, para a aprovação pelo Contratante.
2.4– Após concluir os serviços de instalação, a Contratada deve retirar todo o material
existente, entulho, ou quaisquer materiais remanescentes do trabalho executado; os
locais deverão ser entregues em perfeitas condições de higiene e limpeza, bem
como acompanhar os padrões estéticos do Contratante.
2.5– Os trabalhos deverão ser executados de forma a garantir os melhores resultados e
desempenho, devendo a Contratada implementar a solução mais adequada para o
caso concreto, combinando técnica e custo, de modo a otimizar a qualidade dos
serviços e buscar a melhor integração entre materiais, equipamentos, instrumentos e
outros componentes a serem locados, entre si e com o futuro serviço de
Capítulo I - Especificações Técnicas 82
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

monitoramento, fazendo funcionar eficientemente o sistema como um todo.


2.6 – A Contratada deve proceder à instalação dos equipamentos e acessórios integrantes
do sistema de vigilância eletrônica obedecendo às normas da ABNT – Associação
Brasileira de Normas Técnicas e a Resolução 242 de 30.11.00, alterada pela
Resolução 662, de 08.03.16, além das Resoluções 232 de 07.11.2002,
complementada pela Resolução 626 de 20.11.2013 da Agência Nacional de
Telecomunicações (ANATEL), quando aplicável. O mesmo procedimento deve ser
adotado para equipamentos e acessórios que venham a ser substituídos
2.7 – Todos os custos de instalação, bem como todos os equipamentos, materiais e
infraestrutura necessária devem ser fornecidos pela Contratada. Eventuais
exceções, para utilização de infraestrutura existente nos endereços, deverão ser
analisadas e aprovadas pelo Contratante.
2.8 – A Contratada deverá prestar serviços eventuais, compreendendo: desinstalação e
reinstalação de equipamentos no mesmo local, decorrente da alteração interna de
layout da unidade; desinstalação e reinstalação de equipamentos em outro local da
mesma cidade, em virtude de mudança da unidade; desativação de equipamentos
ou do sistema de segurança de alguma unidade.
2.9 – A Contratada deverá fornecer catálogos de todos os equipamentos instalados em
língua portuguesa (conforme estabelecido no Art. 31 do Código de Defesa do
Consumidor); não serão admitidos catálogos em língua inglesa, espanhol, francês ou
ainda catálogos em línguas, alfabetos ou ideogramas diferentes do alfabeto latino do
padrão ISO.
2.10– Será de inteira responsabilidade da Contratada, a guarda e a manutenção de
equipamentos e/ou materiais de sua propriedade que sejam colocados para uso
durante a execução dos serviços.
2.11 – A Contratada deve identificar todos os equipamentos de sua propriedade, de forma
a não serem confundidos com similares de propriedade do Contratante.
2.12– A empresa deverá fornecer um cronograma da instalação dos equipamentos dentro
do prazo estipulado pelas partes de acordo com o projeto.
2.13 – A Contratada deverá treinar os usuários dos sistemas eletrônicos de forma a
capacitá-los à correta utilização dos mesmos, exceto quanto aos aspectos afetos à
fase de monitoramento, tais como uso de códigos, senhas e contrassenhas.
2.14– A Contratada ao final da instalação deverá providenciar o MEMORIAL DESCRITIVO
DE INSTALAÇÃO dos equipamentos, indicando todos os equipamentos instalados,
suas especificações, notas técnicas da instalações referentes a interferências
arquitetônicas efetuadas para a instalação dos equipamentos e/ou outras medidas
ou problemas encontrados. O Memorial Descritivo deverá ser acompanhado dos
Catálogos de todos os equipamentos instalados de que trata o item 2.9 supracitado
e dos diagramas esquemáticos de instalação e dos AS BUILTs da instalação, no
caso dos sistemas considerados como avançados conforme indicado nos exemplos
abaixo:
Exemplos de Sistemas de Detecção e Alarme de Incêndios:
Centrais Centrais
Sensores /
Convencionais Endereçáveis CATÁLOGO DOS
de Alarme e
Detecção de
OU de Alarme e
Detecção de
+ Acessórios
de
Incêndio
+ MEMORIAL
DESCRITIVO + EQUIPAMENTOS EM
PORTUGUÊS
Incêndio Incêndio
C1.1 C1.2 C1.3

Capítulo I - Especificações Técnicas 83


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO + AS BUILT DA
INSTALAÇÃO

Centrais Centrais
Sensores / Monitoramento
Convencionais de
Alarme e Detecção
de Incêndio
OU Endereçáveis de
Alarme e Detecção
de Incêndio
+ Acessórios de
Incêndio
+ remoto da central de
incêndio
+ MEMORIAL
DESCRITIVO

C1.1 C1.2 C1.3 C2

CATÁLOGO DOS
+ EQUIPAMENTOS EM
PORTUGUÊS
+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO + AS BUILT DA
INSTALAÇÃO

3– A Manutenção Técnica Preventiva contempla os serviços efetuados para manter os


equipamentos funcionando em condições normais, tendo como objetivo diminuir as
possibilidades de paralisação, compreendendo: manutenção do bom estado de
conservação, substituição ou reparo de pequenos componentes que comprometam o bom
funcionamento, modificações necessárias com objetivo de atualização dos aparelhos,
limpeza, regulagem, inspeção, calibração e simulação de testes mecânicos e
eletroeletrônicos em todo sistema interno e externo, entre outras ações que garantam que
o conjunto dos equipamentos esteja em permanente condição de operação.
3.1 – A Manutenção Técnica Preventiva deve ser feita em frequência não inferior a 3 (três)
meses.
4– A Manutenção Técnica Corretiva contempla os serviços de reparo com a finalidade de
eliminar todos os defeitos existentes nos equipamentos identificados por meio de
diagnóstico, bem como a correção de anormalidades, a realização de testes e regulagens
que sejam necessárias para garantir o retorno do equipamento às condições normais de
funcionamento e, também, na substituição do equipamento sem que haja prejuízo ao
funcionamento do sistema.
4.1 – Caberá à Contratada manter o sistema em perfeitas condições de uso durante todo o
período de duração do contrato, comprometendo-se a reparar ou substituir, se for o
caso, os acessórios ou componentes que apresentarem falhas e que não
caracterizarem perda das funções básicas do sistema.
4.2 – Nesse caso, as falhas constatadas deverão ser sanadas de imediato, observando
prazos razoáveis e tecnicamente admitidos, ou aqueles previstos nos editais, termos
de referência, contratos e/ou acordos de nível de serviço.
4.3 – Na ocorrência de falhas que resultarem em perda das funções básicas, a Contratada
deverá obrigatoriamente providenciar, de imediato, o restabelecimento do sistema,
inclusive, em horários noturnos e aos sábados, domingos e feriados.
4.4 – A Contratada deverá instalar, quando necessária a substituição de materiais do
sistema de vigilância eletrônica, equipamentos de primeira linha de fabricação, de
acordo com as especificações atuais, nunca inferiores.
4.5 – A Contratada deverá comunicar ao Gestor do Contrato todas as ocorrências nos
equipamentos instalados, que possam comprometer ou não os serviços.
4.6 - Sem prejuízo das penalidades previstas, na impossibilidade do restabelecimento
imediato das funções básicas do sistema, a Contratada deverá garantir as condições
de segurança do patrimônio do Contratante por meio de ações estabelecidas nos
procedimentos, rotinas de trabalho e planos de contingência, conforme disposições
do edital, termo de referência e projeto, proposta de trabalho e contrato.
Capítulo I - Especificações Técnicas 84
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS DAS CONFIGURAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS


E SOLUÇÕES

C1.1 – Centrais Convencionais de Alarme e Detecção de Incêndio


Números de Mínimo de
Ref. Descrição Laços Dispositivos por Recursos Mínimos
(Circuitos) laço

Capacidade de Monitorar 2 laços, com 20


dispositivos cada.
Dispositivo de inteligência da central operando
através de dispositivos microprocessados.
Tensão Nominal de Operação de 24 V
Operar com circuitos do Classe A (laço de ida
e volta – circuito redundante) ou com circuitos
Classe B (não existe a fiação de retorno à
central)
Construção em estrutura rígida e grau de
proteção atendendo NBR-6146, e se metálica,
a NBR-7007
Acesso somente pela face frontal
Capacidade de operar em modo "stand-alone"
Controle microprocessador ou microcontrolado
com processamento de informações em tempo
real
Permitir a programação através da própria
central
Permitir através de teclado alfanumérico ou
Central botões apropriados o acionamento de funções
Convencional de reconhecimento, Silenciamento,
20 dispositivos por
C1.1.01.L Classe A/B – Mín: 2 laços Reinicialização, teste e outras funções de
laço
de 1 ou 2 verificação do sistema de detecção e alarme;
laços Display de cristal líquido com no mínimo 2
linhas com 16 caracteres cada e indicação
visual para alarme de incêndios e defeitos
através de lâmpadas de led
Memória Mínima (Buffer) para 80 eventos
Construção em módulos que permita a
expansão em até 10% da capacidade
instalada (dispositivos)
Dotado de Fonte de Alimentação ininterrupta,
com capacidade para alimentar todos os
Módulos (comando e supervisão) da Central e
dispositivos de alarme do sistema (detectores,
sinalizadores, sirenes, etc.), em supervisão,
por período não inferior a 24 horas e em
alarme por período não inferior a 15 min.
(NBR-9441, item 5.3.1.3).
Capacidade de receber módulo para
transmissão de sinais de monitoramento via
internet, via Módulo GPRS, ou linha telefônica,
para a prestação de serviços de
monitoramento remoto.

Capítulo I - Especificações Técnicas 85


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

C1.1 – Centrais Convencionais de Alarme e Detecção de Incêndio


Números de Mínimo de
Ref. Descrição Laços Dispositivos por Recursos Mínimos
(Circuitos) laço

Capacidade de Monitorar 4 laços, com 20


dispositivos cada.
Dispositivo de inteligência da central operando
através de dispositivos microprocessados.
Tensão Nominal de Operação de 24 V
Operar com circuitos do Classe A (laço de ida
e volta – circuito redundante) ou com circuitos
Classe B (não existe a fiação de retorno à
central)
Construção em estrutura rígida e grau de
proteção atendendo NBR-6146, e se metálica,
a NBR-7007
Acesso somente pela face frontal
Capacidade de operar em modo "stand-alone"
Controle microprocessador ou microcontrolado
com processamento de informações em tempo
real
Permitir a programação através da própria
central
Permitir através de teclado alfanumérico ou
Central botões apropriados o acionamento de funções
Convencional de reconhecimento, Silenciamento,
Min: 3 laços 20 dispositivos por
C1.1.02.L Classe A/B – Reinicialização, teste e outras funções de
Máx: 4 laços laço
de 3 ou 4 verificação do sistema de detecção e alarme;
laços Display de cristal líquido com no mínimo 2
linhas com 16 caracteres cada e indicação
visual para alarme de incêndios e defeitos
através de lâmpadas de led
Memória Mínima (Buffer) para 80 eventos
Construção em módulos que permita a
expansão em até 10% da capacidade
instalada (dispositivos)
Dotado de Fonte de Alimentação ininterrupta,
com capacidade para alimentar todos os
Módulos (comando e supervisão) da Central e
dispositivos de alarme do sistema (detectores,
sinalizadores, sirenes, etc.), em supervisão,
por período não inferior a 24 horas e em
alarme por período não inferior a 15 min.
(NBR-9441, item 5.3.1.3).
Capacidade de receber módulo para
transmissão de sinais de monitoramento via
internet, via Módulo GPRS, ou linha telefônica,
para a prestação de serviços de
monitoramento remoto.

Capítulo I - Especificações Técnicas 86


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

C1.1 – Centrais Convencionais de Alarme e Detecção de Incêndio


Números de Mínimo de
Ref. Descrição Laços Dispositivos por Recursos Mínimos
(Circuitos) laço

Capacidade de Monitorar de 12 até 48 laços,


com 20 dispositivos cada.
Dispositivo de inteligência da central operando
através de dispositivos microprocessados.
Tensão Nominal de Operação de 24 V
Operar com circuitos do Classe A (laço de ida
e volta – circuito redundante) ou com circuitos
Classe B (não existe a fiação de retorno à
central)
Construção em estrutura rígida e grau de
proteção atendendo NBR-6146, e se metálica,
a NBR-7007
Acesso somente pela face frontal
Capacidade de operar em modo "stand-alone"
Controle microprocessador ou microcontrolado
com processamento de informações em tempo
real
Permitir a programação através da própria
central
Permitir através de teclado alfanumérico ou
Central botões apropriados o acionamento de funções
Convencional de reconhecimento, Silenciamento,
Mínimo: 12 laços 20 dispositivos por
C1.1.03.L Classe A/B – Reinicialização, teste e outras funções de
Máximo: 48 laços laço
de 12 até 48 verificação do sistema de detecção e alarme;
laços Display de cristal líquido com no mínimo 2
linhas com 16 caracteres cada e indicação
visual para alarme de incêndios e defeitos
através de lâmpadas de led
Memória Mínima (Buffer) para 80 eventos
Construção em módulos que permita a
expansão em até 10% da capacidade
instalada (dispositivos)
Dotado de Fonte de Alimentação ininterrupta,
com capacidade para alimentar todos os
Módulos (comando e supervisão) da Central e
dispositivos de alarme do sistema (detectores,
sinalizadores, sirenes, etc.), em supervisão,
por período não inferior a 24 horas e em
alarme por período não inferior a 15 min.
(NBR-9441, item 5.3.1.3).
Capacidade de receber módulo para
transmissão de sinais de monitoramento via
internet, via Módulo GPRS, ou linha telefônica,
para a prestação de serviços de
monitoramento remoto.

Capítulo I - Especificações Técnicas 87


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

C1.2 – Centrais Endereçáveis de Alarme e Detecção de Incêndio


Mínimo de
Números de Laços
Ref. Descrição Dispositivos por Recursos Mínimos
(Circuitos)
laço

Capacidade de Monitorar 2 laços,


com 99 dispositivos endereçáveis
cada.
Dispositivo de inteligência da
central operando através de
dispositivos microprocessados.
Tensão Nominal de Operação de
24 V
Operar com circuitos do Classe A
(laço de ida e volta – circuito
redundante) ou com circuitos
Classe B (não existe a fiação de
retorno à central)
Construção em estrutura rígida e
grau de proteção atendendo NBR-
6146, e se metálica, a NBR-7007
Acesso somente pela face frontal
Capacidade de operar em modo
"stand-alone"
Controle microprocessador ou
microcontrolado com
processamento de informações
em tempo real
Permitir a programação através da
própria central
Display de cristal líquido com no
mínimo 2 linhas com 40
Central Endereçável 99 dispositivos caracteres cada e indicação visual
C1.2.01.L Classe A/B –1 ou 2 Mín: 2 laços endereçáveis por para alarme de incêndios e
laços laço defeitos através de lâmpadas de
led
Teclado alfanumérico, com teclas
apropriadas para funções de
reconhecimento, Silenciamento,
Reinicialização, teste e outras
funções necessárias;
Construção em módulos que
permita a expansão em até 10%
da capacidade instalada
(dispositivos)
Dotado de Fonte de Alimentação
ininterrupta, com capacidade para
alimentar todos os Módulos
(comando e supervisão) da
Central e dispositivos de alarme
do sistema (detectores,
sinalizadores, sirenes, etc.), em
supervisão, por período não
inferior a 24 horas e em alarme
por período não inferior a 15 min.
(NBR-17240)
Capacidade de receber módulo
para transmissão de sinais de
monitoramento via internet, via
Módulo GPRS, ou linha telefônica,
para a prestação de serviços de
monitoramento remoto.

Capítulo I - Especificações Técnicas 88


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

C1.2 – Centrais Endereçáveis de Alarme e Detecção de Incêndio


Mínimo de
Números de Laços
Ref. Descrição Dispositivos por Recursos Mínimos
(Circuitos)
laço

Capacidade de Monitorar 6 laços,


com 99 dispositivos endereçáveis
cada.
Dispositivo de inteligência da
central operando através de
dispositivos microprocessados.
Tensão Nominal de Operação de
24V
Operar com circuitos do Classe A
(laço de ida e volta – circuito
redundante) ou com circuitos
Classe B (não existe a fiação de
retorno à central)
Construção em estrutura rígida e
grau de proteção atendendo NBR-
6146, e se metálica, a NBR-7007
Acesso somente pela face frontal
Capacidade de operar em modo
"stand-alone”
Controle microprocessador ou
microcontrolado com
processamento de informações
em tempo real
Permitir a programação através da
própria central
Display de cristal líquido com no
mínimo 2 linhas com 40
Central Endereçável 99 dispositivos caracteres cada e indicação visual
Mín: 3 laços
C1.2.02.L Classe A/B –de 3 endereçáveis por para alarme de incêndios e
Máx: 6 laços
até 6 laços laço defeitos através de lâmpadas de
led
Teclado alfanumérico, com teclas
apropriadas para funções de
reconhecimento, Silenciamento,
Reinicialização, teste e outras
funções necessárias;
Construção em módulos que
permita a expansão em até 10%
da capacidade instalada
(dispositivos)
Dotado de Fonte de Alimentação
ininterrupta, com capacidade para
alimentar todos os Módulos
(comando e supervisão) da
Central e dispositivos de alarme
do sistema (detectores,
sinalizadores, sirenes, etc.), em
supervisão, por período não
inferior a 24 horas e em alarme
por período não inferior a 15 min.
(NBR-17240)
Capacidade de receber módulo
para transmissão de sinais de
monitoramento via internet, via
Módulo GPRS, ou linha telefônica,
para a prestação de serviços de
monitoramento remoto.

Capítulo I - Especificações Técnicas 89


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

C1.2 – Centrais Endereçáveis de Alarme e Detecção de Incêndio


Mínimo de
Números de Laços
Ref. Descrição Dispositivos por Recursos Mínimos
(Circuitos)
laço

Capacidade de Monitorar 10
laços, com 99 dispositivos
endereçáveis cada.
Dispositivo de inteligência da
central operando através de
dispositivos microprocessados.
Tensão Nominal de Operação de
24V
Operar com circuitos do Classe A
(laço de ida e volta – circuito
redundante) ou com circuitos
Classe B (não existe a fiação de
retorno à central)
Construção em estrutura rígida e
grau de proteção atendendo NBR-
6146, e se metálica, a NBR-7007
Acesso somente pela face frontal
Capacidade de operar em modo
"stand-alone”
Controle microprocessador ou
microcontrolado com
processamento de informações
em tempo real
Permitir a programação através da
própria central
Display de cristal líquido com no
mínimo 2 linhas com 40
Central Endereçável 99 dispositivos caracteres cada e indicação visual
Mín: 7 laços
C1.2.03.L Classe A/B – de 7 endereçáveis por para alarme de incêndios e
Máx: 10 laços
até 10 laços laço defeitos através de lâmpadas de
led
Teclado alfanumérico, com teclas
apropriadas para funções de
reconhecimento, Silenciamento,
Reinicialização, teste e outras
funções necessárias;
Construção em módulos que
permita a expansão em até 10%
da capacidade instalada
(dispositivos)
Dotado de Fonte de Alimentação
ininterrupta, com capacidade para
alimentar todos os Módulos
(comando e supervisão) da
Central e dispositivos de alarme
do sistema (detectores,
sinalizadores, sirenes, etc.), em
supervisão, por período não
inferior a 24 horas e em alarme
por período não inferior a 15 min.
(NBR-17240)
Capacidade de receber módulo
para transmissão de sinais de
monitoramento via internet, via
Módulo GPRS, ou linha telefônica,
para a prestação de serviços de
monitoramento remoto.

Capítulo I - Especificações Técnicas 90


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

C1.3 - Sensores e Acessórios -Sistemas de Alarme e Detecção de Incêndios


Ref. Designação Descrição Recursos mínimos
Capacidade de operar em Sistemas Convencionais ou
Endereçáveis
Tensão Nominal de Funcionamento igual a 24Vcc.
Compatibilidade elétrica e lógica com o circuito de
detecção;
Qualquer sensor poderá ser intercambiado entre bases
endereçáveis e/ou circuitos distintos sem prejuízo de sua
operação;
Dispositivo destinado Circuitos eletrônicos de estado sólido com vedação
a atuar quando hermética, a prova de umidade, poeira e etc.;
ocorre presença de Proteção contra interferência eletromagnética;
partículas e/ou A ativação de um sensor deverá ser visualizada através de
Detector óptico de
C1.3.01.L gases, visíveis ou leds localizados em sua base (um ou dois leds);
Fumaça Tolerância a condensação no interior do gabinete para
não, e de produtos
de combustão, na umidade relativa entre 0 e 98%
área (local) de sua Sensibilidade nominal mínima de obscurecimento em 2,0 %
por pé (trinta centímetros);
instalação. Capacidade de detecção em ambiente com circulação de
ar com velocidade de até 1.000 m/min.;
Capacidade de aceitar teste de operação localmente;
A Temperatura de operação do sensor deverá ser no
mínimo entre 0° e 38°C
A estrutura e o gabinete do sensor deverão ser em plástico
de alta resistência à temperatura, não propagante de
chamas e livre de halogênio.
Capacidade de operar em Sistemas Convencionais ou
Endereçáveis
Tensão Nominal de Funcionamento igual a 24Vcc.
Compatibilidade elétrica e lógica com o circuito de
detecção;
Capacidade de ser conectado a um módulo ou base
endereçável;
Qualquer sensor poderá ser intercambiado entre módulos
ou bases endereçáveis e/ou circuitos distintos sem prejuízo
Dispositivo destinado de sua operação;
a atuar quando a Circuitos eletrônicos de estado sólido com vedação
temperatura hermética, a prova de umidade, poeira e etc.;
ambiente ou o Proteção contra interferência eletromagnética;
gradiente da A ativação de um sensor deverá ser visualizada através de
Detector leds localizados em sua base (um ou dois leds);
C1.3.02.L temperatura Tolerância a condensação no interior do gabinete para
Termovelocimétrico
ultrapassa um valor umidade relativa entre 0 e 98%
predeterminado na Sensibilidade nominal mínima de obscurecimento em 2,0 %
área (local) de sua por pé (trinta centímetros);
instalação. Capacidade de detecção em ambiente com circulação de
ar com velocidade de até 1.000 m/min.;
Capacidade de aceitar teste de operação localmente;
Alarme de incêndio com temperatura ajustável no mínimo
entre 10 e 80° C, sendo que a temperatura média de
alarme deve ser de 57°C;
Alarme de incêndio com variação de temperatura
(gradiente) até 10°C/ min.;
A estrutura e o gabinete do sensor deverão ser em plástico
de alta resistência à temperatura, não propagante de
chamas e livre de halogênio.

Capítulo I - Especificações Técnicas 91


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

C1.3 - Sensores e Acessórios -Sistemas de Alarme e Detecção de Incêndios


Ref. Designação Descrição Recursos mínimos
Capacidade de operar em Sistemas Convencionais ou
Endereçáveis
Tensão Nominal de Funcionamento igual a 24Vcc.
Compatibilidade elétrica e lógica com o circuito de
detecção;
Capacidade de ser conectado a um módulo ou base
endereçável;
Qualquer sensor poderá ser intercambiado entre módulos
ou bases endereçáveis e/ou circuitos distintos sem prejuízo
Dispositivo destinado de sua operação;
a atuar quando a Circuitos eletrônicos de estado sólido com vedação
temperatura hermética, a prova de umidade, poeira e etc.;
ambiente ultrapassa Proteção contra interferência eletromagnética;
A ativação de um sensor deverá ser visualizada através de
C1.3.03.L Detector Térmico um valor leds localizados em sua base (um ou dois leds);
predeterminado na Operação sem condensação no interior do gabinete para
área (local) de sua umidade relativa entre 0 e 98%;
instalação. Sensibilidade nominal mínima de obscurecimento em 2,0 %
por pé (trinta centímetros);
Capacidade de detecção em ambiente com circulação de
ar com velocidade de até 1.000 m/min.
Capacidade de aceitar teste de operação localmente;
Alarme de incêndio com temperatura ajustável no mínimo
entre 10 e 80° C, sendo que a temperatura média de
alarme deve ser de 57°C;
A estrutura e o gabinete do sensor deverão ser em plástico
de alta resistência à temperatura, não propagante de
chamas e livre de halogênio.
Capacidade de operar em Sistemas Convencionais ou
Endereçáveis
Tensão Nominal de Funcionamento igual a 24Vcc.
Compatibilidade elétrica e lógica com o circuito de
detecção;
Dispositivo destinado Capacidade de ser conectado a um módulo endereçável;
a atuar quando O sensor poderá ser intercambiado entre módulos
ocorre presença de endereçáveis e/ou circuitos distintos sem prejuízo de sua
operação;
partículas e/ou
Circuitos eletrônicos de estado sólido com vedação
gases, visíveis ou hermética, a prova de umidade, poeira, spray ou jato de
não, e de produtos água, resistente a radiação UV, etc.;
de combustão, em Proteção contra interferência eletromagnética;
Detector de Fumaça dutos onde A ativação de um sensor deverá ser visualizada através de
C1.3.04.L leds localizados em local visível da sua estrutura.
em Duto passagem de ar
como tubulação de Sistema fotoelétrico de detecção de fumaça
ar condicionado, Capacidade de ser montados em dutos quadrados,
retangulares ou circulares;
sistemas de
Operação sem condensação no interior do gabinete para
refrigeração, umidade relativa entre 0 e 98%;
filtragem ou troca de Capacidade de detecção de fumaça em dutos com
ar ambiente. velocidade de ar entre 0,5 a 20,32 m/s ;
Capacidade de aceitar teste de operação localmente;
A Temperatura de operação do sensor deverá ser no
mínimo entre 0° e 38°C;
A estrutura e o gabinete do sensor deverão ser em plástico
de alta resistência à temperatura, não propagante de
chamas e livre de halogênio.

Capítulo I - Especificações Técnicas 92


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

C1.3 - Sensores e Acessórios -Sistemas de Alarme e Detecção de Incêndios


Ref. Designação Descrição Recursos mínimos
Capacidade de operar em Sistemas Convencionais ou
Endereçáveis
Tensão Nominal de Funcionamento igual a 24Vcc.
Compatibilidade elétrica e lógica com o circuito de
detecção;
Capacidade de ser conectado a um módulo endereçável;
O sensor poderá ser intercambiado entre módulos
endereçáveis e/ou circuitos distintos sem prejuízo de sua
Dispositivo destinado operação;
Circuitos eletrônicos de estado sólido com vedação
a atuar em resposta hermética, a prova de umidade, poeira, etc.;
a uma radiação de Proteção contra interferência eletromagnética;
energia, dentro ou A ativação de um sensor deverá ser visualizada através de
Detector de Fumaça
fora do espectro leds localizados em local visível da sua estrutura;
C1.3.05.L com feixe de luz –
visível, resultante de Sistema de detecção de fumaça através de feixe de luz
Tipo “Beam” refletido, composto por um transmissor, um receptor e um
um princípio de
incêndio dentro da refletor de luz infravermelha.
Capacidade de operar em áreas abertas;
sua área de
Capacidade mínima de faixa de proteção entre 0 e 50
captação (visão) metros;
Operação sem condensação no interior do gabinete para
umidade relativa entre 0 e 98%;
Capacidade de aceitar teste de operação localmente;
A Temperatura de operação do sensor deverá ser no
mínimo entre 0° e 38°C;
A estrutura e o gabinete do sensor deverão ser em plástico
de alta resistência à temperatura, não propagante de
chamas e livre de halogênio.
Capacidade de operar em Sistemas Convencionais ou
Endereçáveis
Capacidade de operar em tubulações de rede de sprinklers
de 3/8”, 1/2" ou 3/4" de polegada
Tensão Nominal de Funcionamento igual a 24Vcc.
Compatibilidade elétrica e lógica com o circuito de
detecção;
Dispositivo de Capacidade de ser conectado a um módulo endereçável;
controle de uma rede O sensor poderá ser intercambiado entre módulos
endereçáveis e/ou circuitos distintos sem prejuízo de sua
de chuveiros,
operação;
composto por uma Circuitos eletrônicos de estado sólido com vedação
válvula de alarme hermética, a prova de umidade, poeira, etc.;
cuja função é fazer Proteção contra interferência eletromagnética;
soar A ativação de um sensor deverá ser visualizada através de
C1.3.06.L Chave de Fluxo
automaticamente um leds localizados em local visível da sua estrutura;
alarme quando da Capacidade de ser conectado a um módulo endereçável;
abertura de um ou Sistema de comando de bomba ou sinalização de fluxo
deverá minimamente ser composto por conexão, gabinete
mais chuveiros
de proteção dos circuitos eletrônicos e palheta de controle
acionados pelo de fluxo feitos em metal inoxidável;
incêndio Capacidade de ser instalado em tubulações de água com
no mínimo 1” (uma polegada de diâmetro);
Capacidade de indicar o fluxo de água igual ou maior que a
descarga de um chuveiro (sprinkler) 40 l/min.
Operação sem condensação no interior do gabinete para
umidade relativa entre 0 e 98%;
Capacidade de aceitar teste de operação localmente;
A Temperatura de operação da chave de fluxo deverá ser
no mínimo entre 0° e 38°C.

Capítulo I - Especificações Técnicas 93


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

C1.3 - Sensores e Acessórios -Sistemas de Alarme e Detecção de Incêndios


Ref. Designação Descrição Recursos mínimos
Capacidade de operar em Sistemas Convencionais ou
Endereçáveis
Tensão Nominal de Funcionamento igual a 24Vcc.
Compatibilidade elétrica e lógica com o circuito de
detecção;
Dispositivo que Circuitos eletrônicos de estado sólido com vedação
possui um código de hermética, a prova de umidade, poeira e etc.;
endereçamento, ou Proteção contra interferência eletromagnética;
seja, possui um O dispositivo de endereço (no caso da base endereçável)
deverá ser instalado preferencialmente na parte traseira da
“endereço” próprio,
base.
assim a sua Protocolo de endereçamento (no caso da base
localização precisa endereçável) deverá ser compatível com a Central de
Base para na edificação se Detecção e Alarme de Incêndios;
Detectores torna possível, assim O comando de acionamento deverá ser realizado através
C1.3.07.L da central de alarme.
Convencionais e passa a existir uma
Endereçável comunicação entre Deverá apresentar a condição de operação através de led
central e o próprio ou através do led do detector na base instalada;
Deverá possuir vedação a prova d'água, evitando curto -
equipamento remoto
circuitos e/ou oxidação.
(detectores; A base poderá ter mecanismo de acoplamento ao detector
acionadores em superfície, em flange ou embutida;
manuais, módulos Operação sem condensação no interior da base para
de supervisão e umidade relativa entre 0 e 98%;
comando, etc.) Capacidade de aceitar teste de operação localmente
A estrutura da base deverão ser em plástico de alta
resistência à temperatura, não propagante de chamas e
livre de halogênio.
A Temperatura de operação da base deverá ser no mínimo
entre 0° e 38°C.
Capacidade de operar em Sistemas Convencionais ou
Endereçáveis
Tensão Nominal de Funcionamento igual a 24Vcc.
Dispositivo que Compatibilidade elétrica e lógica com o circuito de
possui um código de detecção;
endereçamento, ou Circuitos eletrônicos de estado sólido com vedação
seja, possui um hermética, a prova de umidade, poeira e etc.;
Proteção contra interferência eletromagnética;
“endereço” próprio,
O dispositivo de endereço (no caso da base endereçável)
assim a sua deverá ser instalado preferencialmente na parte traseira da
localização precisa base.
na edificação se O reset dos módulos isoladores deverá ser efetuado
torna possível, assim através da central de alarme;
passa a existir uma Protocolo de endereçamento (no caso da base
comunicação entre endereçável) deverá ser compatível com a Central de
Base para Detecção e Alarme de Incêndios;
central e o
Detectores Protocolo de isolamento da base deverá ser compatível
equipamento remoto
C1.3.08.L Convencionais e com a Central de Detecção e Alarme de Incêndios;
(detectores; Deverá apresentar a condição de operação e/ou
Endereçáveis com
acionadores isolamento através de led próprio ou através do led do
módulo Isolador
manuais, módulos detector na base instalada;
de supervisão e O comando de acionamento deverá ser realizado através
comando, etc.). O da central de alarme.
módulo isolador Deverá possuir vedação a prova d'água, evitando curto -
permite no caso de circuitos e/ou oxidação.
A base poderá ter mecanismo de acoplamento ao detector
falhas que o sistema
em superfície, em flange ou embutida;
continue em Operação sem condensação no interior da base para
operação isolando umidade relativa entre 0 e 98%;
apenas o endereço Capacidade de aceitar teste de operação localmente
em falha A estrutura da base deverão ser em plástico de alta
resistência à temperatura, não propagante de chamas e
livre de halogênio.
A Temperatura de operação da base deverá ser no mínimo
entre 0° e 38°C.

Capítulo I - Especificações Técnicas 94


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

C1.3 - Sensores e Acessórios -Sistemas de Alarme e Detecção de Incêndios


Ref. Designação Descrição Recursos mínimos
Capacidade de operar em Sistemas Convencionais ou
Endereçáveis
Tensão Nominal de Funcionamento igual a 24Vcc.
Compatibilidade elétrica e lógica com o circuito de
detecção;
Circuitos eletrônicos de estado sólido com vedação
hermética, a prova de umidade, poeira e etc.;
Proteção contra interferência eletromagnética;
O dispositivo de endereço (no caso da base endereçável)
Dispositivo que deverá ser instalado preferencialmente na parte traseira da
possui um código de base.
endereçamento, ou O reset dos módulos isoladores deverá ser efetuado
através da central de alarme;
seja, possui um Protocolo de endereçamento (no caso da base
“endereço” próprio, endereçável) deverá ser compatível com a Central de
assim a sua Detecção e Alarme de Incêndios;
Base para Sirenes localização precisa Protocolo de isolamento da base deverá ser compatível
C1.3.09.L Convencionais e na edificação se com a Central de Detecção e Alarme de Incêndios;
Endereçáveis torna possível, assim Deverá apresentar a condição de operação e/ou
passa a existir uma isolamento através de led.
comunicação entre O comando de acionamento deverá ser realizado através
da central de alarme.
central e o sirene ou Deverá possuir vedação a prova d'água, evitando curto -
dispositivo avisador circuitos e/ou oxidação.
sonoro A base poderá ter mecanismo de acoplamento à sirene em
superfície, em flange ou embutida;
Possuir saída de som não inferior a 80 dBA;
Operação sem condensação no interior da base para
umidade relativa entre 0 e 98%;
Capacidade de aceitar teste de operação localmente
A estrutura da base deverão ser em plástico de alta
resistência à temperatura, não propagante de chamas e
livre de halogênio.
A Temperatura de operação da base deverá ser no mínimo
entre 0° e 38°C.
Capacidade de operar em Sistemas Convencionais ou
Endereçáveis
Tensão Nominal de Funcionamento igual a 24Vcc.
Compatibilidade elétrica e lógica com o circuito de
detecção;
Circuitos eletroeletrônicos de estado sólido com vedação
hermética, a prova de umidade, poeira e etc.;
Proteção contra interferência eletromagnética;
Dispositivo que tem A ativação de um sensor deverá ser visualizada através de
a função de auxiliar leds localizados em local visível da sua estrutura;
na busca do ponto Qualquer sirene poderá ser intercambiado entre módulos
de alarme através de ou bases endereçáveis e/ou circuitos distintos sem prejuízo
sinal sonoro. O de sua operação;
Sirene Tipo Horn Deverá emitir pelo menos um sinal ou tom com pressão
C1.3.10.L volume acústico do sonora de, pelo menos 80 dBA (a 15 metros)
(Avisador sonoro)
som dos avisadores Devem ser montados em lugares e posições adequados,
não pode ser tal, que de forma a não ter barreiras físicas que atrapalhem a
iniba a comunicação propagação do som emitido pelo mesmo.
verbal Deverá ser projetada em material resistente à impactos, à
corrosão e à umidade;
Operação sem condensação no interior da base para
umidade relativa entre 0 e 98%;
Capacidade de aceitar teste de operação localmente
A estrutura da base deverão ser em plástico de alta
resistência à temperatura, não propagante de chamas e
livre de halogênio.
A Temperatura de operação da sirene deverá ser no
mínimo entre 0° e 38°C.

Capítulo I - Especificações Técnicas 95


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

C1.3 - Sensores e Acessórios -Sistemas de Alarme e Detecção de Incêndios


Ref. Designação Descrição Recursos mínimos
Capacidade de operar em Sistemas Convencionais ou
Endereçáveis
Tensão Nominal de Funcionamento igual a 24Vcc.
Compatibilidade elétrica e lógica com o circuito de
detecção;
Circuitos eletroeletrônicos de estado sólido com vedação
Dispositivo que hermética, a prova de umidade, poeira e etc.;
Proteção contra interferência eletromagnética;
emite sinais de alerta
Qualquer sirene poderá ser intercambiado entre módulos
audíveis que tem a ou bases endereçáveis e/ou circuitos distintos sem prejuízo
função de auxiliar na de sua operação;
busca do ponto de Deverá emitir pelo menos um sinal ou tom com pressão
Sirene Piezoelétrica alarme através de sonora de, pelo menos 100 dBA (a 15 metros)
C1.3.11.L Devem ser montados em lugares e posições adequados,
(Avisador sonoro) sinal sonoro. O
volume acústico do de forma a não ter barreiras físicas que atrapalhem a
som dos avisadores propagação do som emitido pelo mesmo.
Deverá ser projetada em material resistente à impactos, à
não pode ser tal, que
corrosão e à umidade;
iniba a comunicação Operação sem condensação no interior da base para
verbal umidade relativa entre 0 e 98%;
Capacidade de aceitar teste de operação localmente
A estrutura da base deverão ser em plástico de alta
resistência à temperatura, não propagante de chamas e
livre de halogênio.
A Temperatura de operação da sirene deverá ser no
mínimo entre 0° e 38°C.
Capacidade de operar em Sistemas Convencionais ou
Endereçáveis
Tensão Nominal de Funcionamento igual a 24Vcc.
Compatibilidade elétrica e lógica com o circuito de
detecção;
Dispositivo que Circuitos eletroeletrônicos de estado sólido com vedação
emite sinais de alerta hermética, a prova de umidade, poeira e etc.;
Proteção contra interferência eletromagnética;
audíveis e visuais, Qualquer sirene poderá ser intercambiado entre módulos
combinados que tem ou bases endereçáveis e/ou circuitos distintos sem prejuízo
a função de auxiliar de sua operação;
na busca do ponto Deverá emitir pelo menos um sinal ou tom com pressão
de alarme através de sonora de, pelo menos 80 dBA (a 15 metros) através de
sinal sonoro e/ou sirene do tipo Horn ou piezoelétrica;
sinal visual. O A ativação de um sensor deverá ser visualizada através de
Sirene Audiovisual volume acústico do leds localizados em local visível da sua estrutura;
Deve produzir sinal luminoso estroboscópico, através de
C1.3.12.L (Avisador sonoro e som dos avisadores lâmpada de tubo com flash de xênon ou de leds de alta
visual) não pode ser tal que intensidade/alto-brilho, que garantam sinais visuais
iniba a comunicação pulsantes com frequência entre 1Hz e 6 Hz e intensidade
verbal. E sinal visual luminosa mínima de 15 cd e máxima de 300 cd.
através de luz Devem ser montados em lugares e posições adequados,
estroboscópica que de forma a não ter barreiras físicas que atrapalhem a
permite a propagação do som emitido pelo mesmo.
visualização em Deverá ser projetada em material resistente à impactos, à
corrosão e à umidade;
ambientes escuros Operação sem condensação no interior da base para
ou com a presença umidade relativa entre 0 e 98%;
de fumaça Capacidade de aceitar teste de operação localmente
A estrutura da base deverão ser em plástico de alta
resistência à temperatura, não propagante de chamas e
livre de halogênio.
A Temperatura de operação da sirene audiovisual deverá
ser no mínimo entre 0° e 38°C.

Capítulo I - Especificações Técnicas 96


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

C1.3 - Sensores e Acessórios -Sistemas de Alarme e Detecção de Incêndios


Ref. Designação Descrição Recursos mínimos
Capacidade de operar em Sistemas Convencionais ou
Endereçáveis
Tensão Nominal de Funcionamento igual a 12/24 Vcc.
Compatibilidade elétrica e lógica com o circuito de
detecção;
Circuitos eletroeletrônicos de estado sólido com vedação
hermética, a prova de umidade, poeira e etc.;
Proteção contra interferência eletromagnética;
Qualquer avisador visual poderá ser intercambiado entre
Dispositivo que módulos ou bases endereçáveis e/ou circuitos distintos
emite sinais de alerta sem prejuízo de sua operação;
visuais que tem a A ativação de uma sirene deverá ser visualizada através de
função de auxiliar na sinais visuais de luminosos estroscópicas, bem como,
busca do através de leds localizados em local visível da sua
ponto de alarme estrutura;
Deve produzir sinal luminoso estroboscópico através de
Estrobo (Avisador através de sinal
C1.3.13.L lâmpada de tubo com flash de xênon ou de leds de alta
Visual) visual através de luz intensidade/alto-brilho, que garantam sinais visuais
estroboscópica que pulsantes com frequência entre 1Hz e 6 Hz e intensidade
permite a luminosa mínima de 15 cd e máxima de 300 cd.
visualização em Devem ser montados em lugares e posições adequados,
ambientes escuros de forma a não ter barreiras físicas que atrapalhem a
ou com a presença propagação do som emitido pelo mesmo.
de fumaça Deverá ser projetada em material resistente à impactos, à
corrosão e à umidade;
Operação sem condensação no interior da base para
umidade relativa entre 0 e 98%;
Capacidade de aceitar teste de operação localmente
A estrutura da base deverão ser em plástico de alta
resistência à temperatura, não propagante de chamas e
livre de halogênio.
A Temperatura de operação do avisador visual deverá ser
no mínimo entre 0° e 38°C.

Capítulo I - Especificações Técnicas 97


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

C1.3 - Sensores e Acessórios -Sistemas de Alarme e Detecção de Incêndios


Ref. Designação Descrição Recursos mínimos
Capacidade de operar em Sistemas Convencionais ou
Endereçáveis
Tensão Nominal de Funcionamento igual a 24Vcc.
Compatibilidade elétrica e lógica com o circuito de
detecção;
Os contatos elétricos deverão ser capazes de suportar a
operação sem sofrer degradação (queima por arco
voltaico)
Capacidade de ser conectado a um módulo endereçável;
O sensor poderá ser intercambiado entre módulos
endereçáveis e/ou circuitos distintos sem prejuízo de sua
operação;
O dispositivo de endereço deverá ser instalado
preferencialmente na parte traseira dos acionadores
manuais;
Proteção contra interferência eletromagnética;
Dispositivo usados A ativação do acionador deverá ser visualizada através de
para iniciar o alarme leds localizados em local visível da sua estrutura;
de forma manual. A alavanca de acionamento deverá ser protegida através
Devem ser de vidro laminado ou outro material flexível transparente de
instalados em locais proteção frontal não removível;
de trânsito de A tampa de proteção deverá ser em vidro laminado ou
pessoas (halls, outro material flexível transparente de proteção, que ao ser
rompido não cause lesões cortes ou arranhões nos dedos
corredores, junto às
C1.3.14.L Acionador Manual ou mãos do indivíduo acionador.
saídas de O acionamento deverá ser através de alavanca frontal sem
ambientes, retorno ou tipo quebra vidro, que ao ser acionado feche o
circulações em circuito, informando o evento à central de detecção e a viso
geral), de forma a de incêndio.
facilitar sua O reset da alavanca deverá ser efetuado através de
localização ferramenta especial, evitando ação de vandalismo;
e acionamento. Deverá possuir identificação visual escrita indicando
“FOGO” ou “EMERGÊNCIA”, além de texto explicativo, em
língua portuguesa, descrevendo os procedimentos de
acionamento do dispositivo (Ex: “Puxe a Alavanca”,
“Empurre o Botão”, etc.);
Deverá ser resistente a impactos, em função de serem
instalados em áreas de circulação de equipamentos
pesados
Deverá ser projetado de maneira a não haver acionamento
acidental;
O gabinete do acionador deverá ser em plástico de alta
resistência à temperatura, não propagante de chamas e
livre de halogênio.
Operação sem condensação no interior do gabinete para
umidade relativa entre 0 e 98%;
Capacidade de aceitar teste de operação localmente;
A Temperatura de operação do sensor deverá ser no
mínimo entre 0° e 38°C.

Capítulo I - Especificações Técnicas 98


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

C1.3 - Sensores e Acessórios -Sistemas de Alarme e Detecção de Incêndios


Ref. Designação Descrição Recursos mínimos
Capacidade de operar em Sistemas Convencionais ou
Endereçáveis
Tensão Nominal de Funcionamento igual a 24Vcc.
Compatibilidade elétrica e lógica com o circuito de
detecção;
O dispositivo de endereço deverá ser instalado
preferencialmente na parte traseira dos módulos de
comando;
Protocolo de endereçamento deverá ser compatível com a
Dispositivo Central de Detecção e Alarme de Incêndios, com controle
microprocessados ou microcontrolados;
interligado a um Capacidade de operar em sistemas de Detecção em
circuito auxiliar que Classe a ou Classe B.
emite sinal de aviso O comando de acionamento deverá ser realizado através
Módulo de de ativação ou da Central de Detecção e Alarme de Incêndio
C1.3.15.L Entrada/Monitor- operação de um ou A alimentação elétrica para o acionamento dos mesmos
Supervisor mais endereços para será oriundo da fonte de alimentação da central;
a central de A parte frontal dos dispositivos deverá apresentar um led
detecção e alarme indicando a operação dos mesmos;
O reset dos módulos de comando deverá ser efetuado
de incêndio através da central de alarme;
Deverá possuir vedação a prova d'água, evitando curto -
circuitos e/ou oxidação.
O gabinete do módulo deverá ser em plástico de alta
resistência à temperatura, não propagante de chamas e
livre de halogênio.
Operação sem condensação no interior do gabinete para
umidade relativa entre 0 e 98%;
Capacidade de aceitar teste de operação localmente;
A Temperatura de operação do sensor deverá ser no
mínimo entre 0° e 38°C.
Capacidade de operar em Sistemas Convencionais ou
Endereçáveis
Tensão Nominal de Funcionamento igual a 24Vcc.
Compatibilidade elétrica e lógica com o circuito de
detecção;
O dispositivo de endereço deverá ser instalado
Dispositivo preferencialmente na parte traseira dos módulos de
interligado a um comando;
circuito auxiliar e aos Protocolo de endereçamento deverá ser compatível com a
componentes de Central de Detecção e Alarme de Incêndios, com controle
alarme do Sistema microprocessados ou microcontrolados;
Capacidade de operar em sistemas de Detecção em
de Detecção e Classe a ou Classe B.
Alarme de Incêndio Possuir dois tipos de saída NA e/ou NF no mesmo
(avisadores sonoros endereço;
e visuais, O comando de acionamento deverá ser realizado através
Módulo de
C1.3.16.L acionadores da Central de .Detecção e Alarme de Incêndio
Saída/Comando A alimentação elétrica para o acionamento dos mesmos
manuais, etc.) que
emite sinal de emite será oriundo da fonte de alimentação da central;
sinal de comando A parte frontal dos dispositivos deverá apresentar um led
indicando a operação dos mesmos;
para a ativação ou O reset dos módulos de comando deverá ser efetuado
operação de um ou através da central de alarme;
mais endereços para Deverá possuir vedação a prova d'água, evitando curto -
a central de circuitos e/ou oxidação.
detecção e alarme O gabinete do módulo deverá ser em plástico de alta
de incêndio. resistência à temperatura, não propagante de chamas e
livre de halogênio.
Operação sem condensação no interior do gabinete para
umidade relativa entre 0 e98%;
Capacidade de aceitar teste de operação localmente;
A Temperatura de operação do sensor deverá ser no
mínimo entre 0° e 38°C.

Capítulo I - Especificações Técnicas 99


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

C1.3 - Sensores e Acessórios -Sistemas de Alarme e Detecção de Incêndios


Ref. Designação Descrição Recursos mínimos
Capacidade de operar em Sistemas Convencionais ou
Endereçáveis
Tensão Nominal de Funcionamento igual a 24Vcc.
Compatibilidade elétrica e lógica com o circuito de
detecção;
O dispositivo de endereço deverá ser instalado
preferencialmente na parte traseira dos módulos de
comando;
Protocolo de endereçamento deverá ser compatível com a
Central de Detecção e Alarme de Incêndios, com controle
microprocessados ou microcontrolados;
Protocolo de comunicação com a Central de Detecção e
Equipamento Alarme de Incêndios deve ser microprocessada ou
microcontrolada;
comandado pela Capacidade de operar em sistemas de Detecção em
central ou pelos Classe a ou Classe B.
detectores, Construção em estrutura rígida e grau de proteção
destinado a sinalizar atendendo à NBR 6.146 e, se metálica, a NBR 7.007, com
C1.3.17.L Painel Repetidor de forma visual e/ou resistência a altas temperaturas, não propagante de
sonora, no local da chamas e livre de halogênio.
instalação, A alimentação elétrica para o acionamento dos mesmos
ocorrências será oriundo da fonte de alimentação da central;
Acesso somente pela face frontal;
detectadas pelo Construção modular aceitando expansões de pelo menos
sistema. 20% (vinte por cento) de sua capacidade instalada;
Indicação sonora e/ou visual para alarme de incêndio
através de led e display digital de cristal líquido com no
mínimo 2 linhas x 16 caracteres
Teclado alfanumérico, com teclas apropriadas para funções
de reconhecimento, Silenciamento, Reinicialização, teste e
outras funções necessárias;
Deverá possuir vedação a prova d'água, evitando curto -
circuitos e/ou oxidação.
Operação sem condensação no interior do gabinete para
umidade relativa entre 0 e 98%;
A Temperatura de operação do sensor deverá ser no
mínimo entre 0° e 38°C.
Composto por
Blanque (placa metálica de contato) e eletroímã
eletroímã e Blanque
alimentado por tensão e corrente elétrica que produz
(placa de contato),
força de atração eletromagnética.
tem a função de
Fixação por meio de parafusos e buchas do banque
manter a porta
nas portas e do eletroímã na parede ou base de
aberta ou fechada e
alvenaria.
é interligado ao
Interrupção da corrente para a liberação da porta
Eletroímã para sistema de detecção
(abertura ou fechamento da porta deverá ser por
fechamento ou e alarme de
C1.3.18.L meio de sinal emitido pela Central de incêndio,
abertura automática incêndios o qual
detector de incêndio ou botão de comando.
de portas corta fogo aciona abertura ou
Força de Tração mínima de 10 kgf
fechamento da porta,
Entrada de Energia de 12 – 24 volts
conforme
Corrente nominal de 60 – 215 mA
programação, a
Temperatura de Funcionamento entre 0 e 50° C
partir de um sinal ou
Possuir bateria redundante para alimentação do
comando emitido
eletroímã em caso de eventual falha de fornecimento
pela central ou por
de energia da rede elétrica.
botão de comando.

Capítulo I - Especificações Técnicas 100


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

C1.3 - Sensores e Acessórios -Sistemas de Alarme e Detecção de Incêndios


Ref. Designação Descrição Recursos mínimos
Mecanismo de
abertura e
fechamento
reversível hidráulico
Capacidade de suporte de portas com peso entre 25
mecânico com
e 90 kg
sistema de
Amplitude mínima de abertura da porta de 90°
amortecimento de
Mola Aérea para Largura de Porta entre 80 e 110 cm
C1.3.19.L fim de curso, redutor
portas corta fogo Permitir a configuração do lado de abertura; direta
de velocidade de
ou esquerda
fechamento ou
Fixação por meio de parafusos na folha de porta e
fechamento em dois
nos batentes de porta.
estágios
Confeccionado em
aço ou alumínio
resistente ao fogo

C – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MONITORAMENTO REMOTO DE DETECÇÃO DE


INCÊNDIO (C2)

Equipamentos Acessórios Software Mão de Obra


C
Centrais
Centrais
Endereçáveis de
Convencionais de Sensores de Monitoramento remoto da
Incêndio

Alarme e
Alarme e Detecção incêndio central de incêndio
Detecção de
de Incêndio
Incêndio
C1.1 C1.2 C2
Acessórios de
Incêndio

C1.3

1 - OBJETO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS


Prestação de serviços de vigilância eletrônica das áreas que integram o escopo da contratação,
por meio do monitoramento remoto – a partir de central própria, especificamente instalada com
este objetivo – de um sistema de equipamentos eletrônicos especialmente desenvolvidos para
este fim, incluindo o acompanhamento permanente de detecção de incêndio, tomando as
providências contratadas, de acordo com as melhores práticas vigentes de segurança.

2 - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS


1– Entende-se por monitoramento o ato de efetivar a verificação ou a supervisão local ou
remota de ações ou reações a partir de comparações com padrões pré-estabelecidos.
Monitoramento Remoto é um serviço realizado por uma central de monitoramento à
distância, que recepciona sinais, interpreta-os e procede conforme estabelecido na ficha
de monitoramento.
1.1 – A Ficha de Monitoramento contém procedimentos pré-estabelecidos entre a
Contratada e o Contratante com relação à operação personalizada para cada evento
monitorado, senha e contrassenha, condições para envio de serviço de vistoria ao
local para a verificação do sistema instalado, visando constatar ser ou não um evento
real.
2– A central de monitoramento remoto da Contratada deverá possuir um nível de segurança
compatível com a importância da atividade, a fim de que não haja interrupção dos
serviços. Deve estar dotado, entre outros itens de: backup de endereço, fonte de energia
Capítulo I - Especificações Técnicas 101
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

alternativa (gerador/ nobreak), pessoal treinado e qualificado, monitoramento de


segurança etc.
2.1 - A central de monitoramento remoto deve possuir:
2.1.1 – Instalações que possuam nível de segurança de acordo com o serviço prestado.
2.1.2 – Utilizar materiais que combinem um alto nível de resistência tanto a ataques
quanto a fogo.
2.1.3 – Sistema de detecção de intrusão por meio de sensores adequados de acordo
com as instalações.
2.1.4 – Portas exteriores de acesso ao edifício devem ser blindadas com fechaduras de
segurança e contatos magnéticos que permitam identificar sua abertura.
2.1.5 – Câmeras exteriores que permitam a visualização da área externa (fachada,
calçada, rua e controle de acesso às instalações).
2.1.6 – A sala de controle deve ser constituída por duas portas contendo eclusa
separada por área intermediária.
2.1.7 – Possuir sistema de ar condicionado independente, controlado no interior da
sala.
2.1.8 – Câmeras interiores em pontos estratégicos, tais como escadas de acesso e
área próxima a sala de controle.
2.1.9 – Duas ou mais vias de recepção de sinais do painel de alarme (redundância), já
que uma linha telefônica fixa pode ser cortada perdendo a funcionalidade do sistema de
alarme sem que a central identifique o evento.
2.1.10 – No caso de interrupção da via principal de comunicação (GPRS ou outra), a
central de monitoramento deve estar preparada para interpretar o fato como ocorrência
e tomar as providências estabelecidas na ficha de monitoramento.
2.1.11 – Também deve estar assegurada a comunicação da Central com a equipe de
suporte/ manutenção (preventiva e corretiva).
2.2 – Além dos elementos de segurança da própria Contratada descritos acima, para a
efetiva prestação dos serviços de vigilância propriamente ditos, a Central de
Monitoramento da Contratada deve possuir:
2.2.1 - Estação receptora de eventos/ monitoramento de alarmes instalada na central
de monitoramento remoto da Contratada, que recebe informações do Painel de Alarme
dos endereços incluídos na área de cobertura contratada pelos meios de comunicação
utilizados nos endereços.
2.2.2 – Computador com monitor que permita a instalação de software de
gerenciamento para monitoramento e controle de todos os eventos reportados pelo
painel de alarme, com identificação do local de instalação dos dispositivos, bem como
impressora para emissão de relatórios, incluindo materiais e acessórios.
2.2.3 - Sistema de comunicação de sinais adequados, que seja capaz de se comunicar
com todas as instalações que fazem parte do edital, seja via linha telefônica, celular,
Rádio Frequência, ou outra que atenda às necessidades do sistema. Todos os recursos
tecnológicos deverão estar regularizados perante os órgãos competentes.
2.2.4 –O meio de comunicação do Painel de Alarme com a central de monitoramento
remoto da Contratada deverá, preferencialmente (salvo impedimentos técnicos ou
necessidades especiais previstas no projeto ou Termo de Referência) ser por GPRS
como meio principal e, como meio secundário (contingência), por meio de linha
telefônica, transmissão por celular, transmissão por Rádio Frequência ou outro meio
Capítulo I - Especificações Técnicas 102
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

que se mostre mais conveniente para cada instalação, com anuência do Contratante,
com supervisão de corte de linha do sistema programada para 1 em 1 hora nos casos
em que não for possível a utilização de tecnologia preferencial que disponha de rede
monitorada ininterruptamente (GPRS via telefonia celular).
2.2.5 - Em caso de falha na conexão, ou não recebimento dos dados de qualquer
instalação, este fato deve ser considerado como ocorrência e deverão ser tomadas as
providências previstas.
3– A Contratada deve possuir procedimentos detalhados e objetivos para tratamento de
ocorrências e seus profissionais devem estar treinados nos mesmos.
4– Além das especificações acima, deverá ainda a Contratada:
4.1 – Comunicar imediatamente ao Gestor do Contrato, qualquer anormalidade verificada
por meio do sistema de vigilância eletrônica e monitoramento remoto, inclusive de
ordem funcional, adotando as providências de regularização necessárias, assim como
todo e qualquer acontecimento entendido como irregular e que atente contra o
patrimônio do Contratante.
4.1.1 – Essa comunicação deverá ser realizada da forma mais rápida possível e
valendo-se do meio apropriado e disponível em cada situação específica, podendo ser
utilizados dispositivos de segurança e/ou sistema de comunicação, conforme
estabelecido nos procedimentos e rotinas de trabalho, nos termos do edital, dos termos
de referência e projeto, da proposta e do contrato.
4.2 – Executar os serviços de vigilância eletrônica, mesmo quando ocorrerem mudanças
de locais a serem monitorados, durante a vigência do contrato, desde que esses se
localizem na área de cobertura prevista.
4.3 – Prestar os serviços de monitoramento remoto durante as 24 (vinte e quatro) horas
diárias ininterruptas, por profissionais treinados, durante toda a vigência do contrato.
4.4 – Treinar as pessoas indicadas pelo Contratante, que deterão senhas, orientando
como utilizá-las, correndo às suas expensas todos os materiais didáticos e outros
custos adicionais.
4.5 – Ativar e desativar o sistema de alarme nos horários pré-estabelecidos formalmente
pelo Contratante.
4.6 – Monitorar a ativação e desativação do sistema de alarme quando efetuado por
servidor do Contratante previamente habilitado.
4.7 – Monitorar o acionamento do sistema nos horários pré-estabelecidos, verificando “in-
loco” as razões de possíveis não acionamentos e corrigindo de imediato as falhas
detectadas.
4.8 – Gravar de forma ininterrupta e manter dados de ocorrências pelo tempo previsto em
contrato, identificando-as com data, hora e local e apresentando, quando solicitado
pelo gestor do contrato, relatório de ocorrências de determinado período.
4.9 – A operação e a localização da central de monitoramento será de total
responsabilidade da Contratada.
4.10 – Sempre que houver sinistro de qualquer natureza, comunicar imediatamente ao
Contratante.

Capítulo I - Especificações Técnicas 103


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE CIRCUITO FECHADO DE TELEVISÃO


CONVENCIONAL DIGITAL (D1; D2; D4; D5; D6; D9)
Equipamentos Acessórios Software Mão de Obra
CFTV Convencional (Digital)

D
Central de
DVR
Monitoramento
Stand alone
Local
(software
[DVR(Microproc Central de
incluso)
essado ou Base Monitorament
Microprocessa
PC + Tela)] e o Remoto Acessórios Serviço de
do ou Base PC Câmeras Licença Posto de
software incluso (Estação de , Monitoramen
de CFTV Cliente para Monitoramento
Trabalho Dispositivo Postes to Remoto
Convencio Visualização Local das
para s para (por 16
nal (Digital) de Câmeras Câmeras
D1.1 D1.2 Monitorament CFTV Câmeras)
o de Imagens
de CFTV)
NVR
Microprocessad Estação de
o ou Base PC Visualização
(software de CFTV
incluso)
D1.3 D2 D4.1 D5 D6 D9 D3.2 D10 D11
CFTV-Sistema-IP

Central de
Monitorament
Acessórios Câmeras
o Remoto Serviço de
, de CFTV Licença Posto de
Estação de Servidor para (Estação de Câmeras Monitoramen
Dispositivo Sistema Cliente para Monitoramento
Visualização de gerenciamento Trabalho de CFTV Postes to Remoto
se IP - Visualização Local das
CFTV de imagens para Sistema IP (por 16
Softwares Megapixe de Câmeras Câmeras
Monitorament Câmeras)
para CFTV l
o de Imagens
de CFTV)

D2 D3.1 D4.1 D5 D7 D8 D9 D3.2 D10 D11

1. OBJETO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS


Prestação de serviços de instalação, locação e manutenção de conjunto de instalações,
equipamentos e software (sistema informatizado) necessários e suficientes para o
funcionamento de um circuito fechado de televisão [CFTV-Convencional (Digital)] para futuro
monitoramento, conforme especificações e níveis de serviço estabelecidos, visando a efetiva
cobertura das áreas que integram o escopo da contratação.
2. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS
1 – A prestação deste serviço será realizada por meio de locação e instalação de
equipamentos de circuito fechado de televisão, conforme especificação, podendo incluir a
manutenção preventiva e corretiva.
1.1 – Entende-se por Circuito Fechado de Televisão o sistema de captação, transmissão e
exibição de imagens composto por câmeras, monitores, equipamentos eletrônicos e
outros dispositivos técnicos que permitem a visualização de eventos do local
protegido.
1.2 - Tem por objetivo a observação e/ou gravação de imagens.
2– É de responsabilidade da Contratada a implementação total do sistema, incluindo
fornecimento de todos os materiais, equipamentos, instrumentos, software e outros
componentes necessários para seu pleno funcionamento.
2.1 – Inclui os serviços de adequação de equipamentos, de montagem, de instalação e
testes, inclusive obras civis, se houver.
2.2 – Os trabalhos deverão ser executados de forma a garantir os melhores resultados e
desempenho operacional, devendo a Contratada implementar a solução de
engenharia mais adequada para o caso concreto, na ponderação da boa técnica e
preço razoável.

Capítulo I - Especificações Técnicas 104


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

2.3 – Deverá ser encaminhada previamente à instalação do sistema, os catálogos dos


equipamentos a serem instalados (nos mesmos moldes descritos no item 2.9, a
seguir) e de acordo com as especificações técnicas constantes do edital de
contratação, para a aprovação pelo Contratante.
2.4 – No caso de prestação de serviços combinados, realizá-los de forma integrada e
harmônica, visando a otimizar a qualidade dos materiais e dos equipamentos, dos
instrumentos e outros componentes a serem locados; fazendo funcionar
eficientemente todo o conjunto.
2.5 – A Contratada deverá, após a instalação, providenciar o remanejamento e/ou retirada
dos equipamentos, mantendo, a qualquer momento, em perfeitas condições e
estado de limpeza, as instalações do Contratante.
2.6 – A Contratada deve proceder à instalação dos equipamentos e acessórios integrantes
do sistema de CFTV Convencional (Digital) obedecendo às normas da ABNT –
Associação Brasileira de Normas Técnicas, bem como, a Resolução 242 de
30.11.00, alterada pela Resolução 662, de 08.03.16, além das Resoluções 232 de
07.11.2002, complementada pela Resolução 626 de 20.11.2013 da Agência
Nacional de Telecomunicações (ANATEL), quando aplicável. O mesmo
procedimento deve ser adotado para equipamentos e acessórios que venham a ser
substituídos
2.7 – Todos os custos de instalação, bem como todos os equipamentos, materiais e
infraestrutura necessária devem ser fornecidos pela Contratada. Eventuais
exceções, para utilização de infraestrutura existente nos endereços, deverão ser
analisadas e aprovadas pelo Contratante.
2.8 – A Contratada deverá prestar serviços eventuais, compreendendo: desinstalação e
reinstalação de equipamentos no mesmo local, decorrente da alteração interna de
layout da unidade; desinstalação e reinstalação de equipamentos em outro local da
mesma cidade, em virtude de mudança da unidade; desativação de equipamentos
ou do sistema de segurança de alguma unidade.
2.9 – A Contratada deverá fornecer catálogos de todos os equipamentos instalados em
língua portuguesa (conforme estabelecido no Art. 31 do Código de Defesa do
Consumidor); não serão admitidos catálogos em língua inglesa, espanhol, francês ou
ainda catálogos em línguas, alfabetos ou ideogramas diferentes do alfabeto latino do
padrão ISO.
2.10 – Será de inteira responsabilidade da Contratada, a guarda e a manutenção de
equipamentos e/ou materiais de sua propriedade, que sejam colocados para uso
durante a execução dos serviços.
2.11 – A Contratada deve identificar todos os equipamentos de sua propriedade de forma
a não serem confundidos com similares de propriedade do Contratante.
2.12 – A Contratada ao final da instalação deverá providenciar o MEMORIAL
DESCRITIVO DE INSTALAÇÃO dos equipamentos, indicando todos os
equipamentos instalados, suas especificações, notas técnicas da instalações
referentes a interferências arquitetônicas efetuadas para a instalação dos
equipamentos e/ou outras medidas ou problemas encontrados. O Memorial
Descritivo deverá ser acompanhado dos Catálogos de todos os equipamentos
instalados de que trata o item 2.9 supracitado e dos diagramas esquemáticos de
instalação e dos AS BUILTs conforme indicado nos exemplos a seguir:
Exemplos de Sistemas de CFTV-Convencional (Digital):

Capítulo I - Especificações Técnicas 105


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

Central de Câmeras de AS BUILT DA


CATÁLOGO DOS INSTALAÇÃO
Monitoramento
Local
(DVR + Tela)
+ CFTV
Convencional
(Digital)
+ MEMORIAL
DESCRITIVO + EQUIPAMENTOS EM
PORTUGUÊS
+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO + para sistemas
com mais de
16 câmeras

D1.1 D6

Central de Câmeras de Posto de


CATÁLOGO DOS
Monitoramento
Local
(DVR + Tela)
+ CFTV
Convencional
(Digital)
+ Monitoramento
Local das
Câmeras
+ MEMORIAL
DESCRITIVO + EQUIPAMENTOS EM
PORTUGUÊS

D1.1 D6 D11

AS BUILT DA
INSTALAÇÃO
+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO + para sistemas com
mais de 16
câmeras

Central de
Monitoramento
Serviço de
Central de Câmeras de Remoto
Monitoramento CATÁLOGO DOS
Monitoramento
Local
(DVR + Tela)
+ CFTV
Convencional
(Digital)
+ (Estação de
Trabalho para
Monitoramento
+ Remoto
(por 16
+ MEMORIAL
DESCRITIVO + EQUIPAMENTOS
EM PORTUGUÊS
+
Câmeras)
de Imagens de
CFTV)
D1.1 D6 D4.1 D10

AS BUILT DA

+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO + INSTALAÇÃO
para sistemas com
mais de 16 câmeras

NVR
Estação de Posto de
Microprocessado ou
Base PC
(software incluso)
+ Câmeras de CFTV
Convencional (Digital) + Visualização de
CFTV
+ Monitoramento Local
das Câmeras
+
D1.3 D6 D2 D11

AS BUILT DA
CATÁLOGO DOS
+ MEMORIAL DESCRITIVO
+ EQUIPAMENTOS EM
PORTUGUÊS
+ DIAGRAMA
ESQUEMÁTICO + INSTALAÇÃO
para sistemas com mais
de 16 câmeras

Capítulo I - Especificações Técnicas 106


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

Central de
Monitoramento
NVR Serviço de
Câmeras de CFTV Estação de Remoto
Microprocessado ou
Base PC
(software incluso)
+ Convencional
(Digital)
+ Visualização de
CFTV
+ (Estação de
Trabalho para
+ Monitoramento
Remoto
(por 16 Câmeras)
Monitoramento de
Imagens de CFTV)

D1.3 D6 D2 D4.1 D10

AS BUILT DA
CATÁLOGO DOS
+ MEMORIAL DESCRITIVO
+ EQUIPAMENTOS EM
PORTUGUÊS
+ DIAGRAMA ESQUEMÁTICO
+ INSTALAÇÃO
para sistemas com
mais de 16 câmeras

3– Os serviços a serem executados deverão ter instrução de um líder, responsável pelos


serviços especificados no Projeto Executivo.
4– Os equipamentos do sistema de CFTV-Convencional (Digital) deverão estar instalados e
em funcionamento no prazo acordado, a contar da data da assinatura do contrato.
4.1 – A Contratada deverá fornecer um cronograma da instalação dos equipamentos
dentro do prazo estipulado pelas partes de acordo com o projeto.
5– A Contratada deverá treinar os usuários dos equipamentos e sistemas eletrônicos de
forma a capacitá-los para a correta utilização dos mesmos.
6– A Manutenção Técnica Preventiva contempla os serviços efetuados para manter os
equipamentos funcionando em condições normais, tendo como objetivo diminuir as
possibilidades de paralisação, compreendendo: manutenção do bom estado de
conservação, substituição ou reparo de pequenos componentes que comprometam o bom
funcionamento, modificações necessárias com objetivo de atualização dos aparelhos,
limpeza, regulagem, inspeção, calibração e simulação de testes mecânicos e
eletroeletrônicos em todo sistema interno e externo, entre outras ações que garantam que
o conjunto dos equipamentos esteja em permanente condição de operação.
6.1 – A Manutenção Técnica Preventiva deve ser feita em frequência não inferior a 3 (três)
meses.
7 – A Manutenção Técnica Corretiva contempla os serviços de reparos com a finalidade de
eliminar todos os defeitos existentes nos equipamentos identificados por meio de
diagnóstico, bem como da correção de anormalidades, da realização de testes e
regulagens que sejam necessárias para garantir o retorno do equipamento às condições
normais de funcionamento e também, na substituição do equipamento sem que haja
prejuízo ao funcionamento do sistema.
7.1 – Caberá à Contratada manter o sistema em perfeitas condições de uso durante todo o
período de duração do contrato, comprometendo-se a reparar ou substituir, se for o
caso, os acessórios ou componentes que apresentarem falhas e que não
caracterizarem perda das funções básicas do sistema.
7.2 – Nesse caso, as falhas constatadas deverão ser sanadas de imediato, observando
prazos razoáveis e tecnicamente admitidos, ou aqueles previstos nos editais, termos
de referência, contratos e/ou acordos de nível de serviço.
7.3 – Na ocorrência de falhas que resultarem em perda das funções básicas, a Contratada
deverá obrigatoriamente providenciar, conforme especificado nas cláusulas
contratuais. de imediato, o restabelecimento do sistema, inclusive, em horários
noturnos e aos sábados, domingos e feriados.

Capítulo I - Especificações Técnicas 107


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

7.4 – A Contratada deverá instalar, quando necessária a substituição de materiais do


sistema de vigilância eletrônica, equipamentos de primeira linha de fabricação, de
acordo com as especificações atuais, nunca inferiores.
7.5 – A Contratada deverá comunicar ao Gestor do Contrato todas as ocorrências nos
equipamentos instalados, que possam comprometer ou não os serviços.
7.6 – Sem prejuízo das penalidades previstas, na impossibilidade do restabelecimento
imediato das funções básicas do sistema, a Contratada deverá garantir as condições
de segurança do patrimônio do Contratante por meio de ações estabelecidas nos
procedimentos, rotinas de trabalho e planos de contingência, conforme disposições
do edital, termo de referência e projeto, proposta de trabalho e contrato.
7.7 – A Contratada deverá elaborar e entregar ao Contratante, após a execução de cada
manutenção corretiva, um relatório do serviço prestado, devidamente preenchido e
assinado
8– Os custos da Manutenção Técnica Preventiva e Corretiva devem ser referentes a cada um
dos equipamentos e sistemas locados.
9– A Contratada deverá aceitar eventual alteração do local da instalação desde que no
mesmo município e comunicada formalmente pelo Contratante, com pelo menos 5 (cinco)
dias de antecedência.
10 – A Contratada deverá manter em sigilo, sob as penalidades da lei, dados e informações de
propriedade do Contratante, a menos que expressamente autorizada a divulgação por
escrito.
11 – Manter sistema de nobreak com autonomia de 2 (duas) horas que garanta o
funcionamento de todo o sistema de CFTV em eventuais falhas de energia elétrica.
12 – A Central de Monitoramento e armazenamento de imagens de CFTV é responsável pela
realização de monitoramento de imagem, por meio de software, possibilitando visualizar
no tempo integral a situação das diversas imagens na área de cobertura do contrato,
proporcionando ao Operador de Monitoramento a visualização e identificação de
ocorrências.
13 – O software a ser aplicado deverá possibilitar:
13.1 – Configurar cada câmera individualmente com ajustes independentes de brilho,
contraste, saturação e matiz; quantidade de quadros por segundo, qualidade de
gravação e sensibilidade, tudo de acordo com as condições do ambiente e
aplicação.
13.2 – Gravação e reprodução das câmeras com qualidade digital em alta resolução, e no
mínimo de 120 até 480 FPS, sem perda de quadros e autonomia suficiente para
gravação ininterrupta das ocorrências pelo período previsto no projeto/contrato.
13.3 – Tempo contínuo – Gravação ininterrupta 24 (vinte e quatro) horas por dia.
13.4 – Detecção de Movimento e compressão de imagens – Grava apenas os quadros em
que o movimento exceder a sensibilidade na região programada.
13.5 - Detecção de áudio – Inicia a gravação quando o áudio é detectado no ambiente.
13.6 – Agendamento – Programação para dia e hora, permitindo definir o horário em que
deverá iniciar o monitoramento, dando autonomia à máquina e otimizando os
recursos de gravação.
13.7 – Dispositivo que permita ligar sensores de presença, botão de pânico, detectores de
fumaça, câmeras PTZ etc.. Conexão de dispositivos de entrada e saída
possibilitando ligar e ativar aparelhos, lâmpadas, portas, motores, por meio da
Internet ou rede.
Capítulo I - Especificações Técnicas 108
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

13.8 – Gravação inteligente distribuindo automaticamente a quantidade de frames que


cada câmera necessita, fazendo com que as imagens tornem-se mais detalhadas
mediante algum evento, otimizando a utilização do espaço para o armazenamento
de dados.
13.9 – Monitoramento de canais de áudio, sendo possível gravar e visualizar áudio e vídeo
ao mesmo tempo.
13.10 – Tecnologia de detecção de movimentos inteligente que permite selecionar uma
determinada área ou ponto específico a ser monitorado.
13.11 – Permitir visualizar o histórico de gravação.
13.12 – Modos de Exibição no monitor deverão ser de 1, 4, 6, 9, 12 e 16 câmeras.
13.13 – Sistema de banco de dados podendo ser acessado por meio da própria máquina
ou remotamente.
13.14 – O Sistema de Marca D'água Digital checará se a imagem é a originalmente
capturada do sistema ou não. Caso a imagem capturada tenha sido alterada ou
modificada em qualquer parte, o sistema indicará que a imagem foi danificada.
13.15 – Localização de eventos por intermédio de linha do tempo.
14 – O sistema deverá possuir equipamento de back-up e nobreak para garantir o
funcionamento do sistema 24 (vinte e quatro) horas.
15 – É de responsabilidade exclusiva da Contratada o fornecimento dos insumos, materiais e
acessórios necessários para a plena condição de operação dos equipamentos, sendo que
o fornecimento deverá ser suficiente para manter a continuidade da prestação de serviços.
16 – Todos os softwares e aplicativos utilizados nos sistemas devem estar em conformidade
com a legislação vigente e devidamente licenciados pelo fabricante, nas quantidades
necessárias aos equipamentos fornecidos.
16.1 – A contratada deverá entregar toda a documentação técnica do sistema, do
treinamento e todos os manuais de operação ao Contratante, em meio eletrônico e
cópia em papel, em até 30 (trinta) dias após os testes e aceitação definitiva dos
sistemas pelo Contratante.
17 – A Contratada deverá prestar serviços eventuais compreendendo: desinstalação e
reinstalação de equipamentos no mesmo local, decorrente da alteração interna de layout
da unidade; desinstalação e reinstalação de equipamentos em outro local da mesma
cidade, em virtude de mudança da unidade; desativação de equipamentos ou do sistema
de segurança de alguma unidade.

Capítulo I - Especificações Técnicas 109


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS DAS CONFIGURAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS


E SOLUÇÕES

D1.1 - Central de Monitoramento Local


Ref. Descrição Componentes Recursos Mínimos
Entradas de vídeo 16, saída de vídeo composto 5 (CVBS, S-Vídeo, SVGA,
2 spots),
Entrada de áudio (mínimo 4 canais)
CPU com processador mínimo Pentium CORE2 DUO 2.0 GHz
Memória RAM mínimo 1024 MB
Sistema operacional Windows 2000, Windows Server, Windows 2003, XP,
Vista ou Windows 7
Dispositivo de armazenamento com capacidade inicial de 3 Tb
DVR Stand Alone Capacidade de Ampliação de dispositivo de armazenamento (Hot swap)
mínimo de 4 gavetas tipo SATA removíveis.
Microprocesso Sistema de armazenamento de imagens, com função de gravação em
16 Canais com: firmware interno de forma que não precise ser reinstalado na troca ou
mouse para ampliação de HD.
operação, Drive de CD, DVD, USB e remoto para backup, entradas / saídas de
gravador de alarme 16/4, alimentação 100~240VAC
CD/DVD, HD de Taxas de compressão de gravação e exibição em MPEG4/CIF/2CIF/4CIF
3Tb e software ou melhor, exibição e gravação em tempo real (mínimo de 120 fps)
de Placa de Rede Ethernet 10/100/1000 Base-T
Taxa de gravação em 120kbps, saída de áudio 1, resolução de exibição
monitoramento 720x480, divisão de tela cheia/4/8/16 e sequencial, resolução / taxa de
totalmente em gravação D1(720x480)/ 120FPS, Half D1 (720x240) / 120FPS, CIF
português (360x240) / 240 FPS, qualidade de gravação x tamanho do frame a
720x240 (de baixíssima a altíssima)
Central de Operação full triplex, gravação continua por evento ou por movimento,
Monitoramento permite alterar resolução, taxa e qualidade de gravação por câmera,
Local - 16 operação através de comandos no painel, controle remoto ou mouse
câmeras Permite acesso remoto via software da central de monitoramento, permite
o uso de IP dinâmico
Conjunto de
Controla Speed Domes de varias marcas,
Equipamentos Função Hard watchdog, a central deverá reiniciar o sistema
para composição automaticamente caso haja qualquer tipo de problema que interrompa a
de um sistema de sua operação.
CFTV responsável Software de monitoramento totalmente em português.
pelo Tipo de interface: Áudio - Line In, Áudio - Line Out, RS-232 - 9 pin
gerenciamento, D-Sub (DB-9), Vídeo - 15 pin High-Density D-shell (VGA),Vídeo - 4
configuração, Tela de LCD ou
pin mini-DIN (S-Video), Vídeo - 5 x BNC Separated Sync, Vídeo -
gravação, LED com 42”
BNC Component Vídeo, Vídeo - HDMI, Vídeo - RCA Composite
visualização e Vídeo, resolução 1366 x 768.
transmissão das Potência Útil de até 1,2 kva
D1.1.01.L imagens geradas Autonomia mínima no caso de falta de energia na rede elétrica de
pelas câmeras 1 hora, com utilização de bateria adicional acoplada
acopladas ao Entrada de Energia: Tensão nominal 110 ou 220 volts e
sistema. Freqüências50 ou 60 Hz
Saída de Energia: Tensão nominal de 115 volts e Frequências de
Sistema No-break até 1,2
60 Hz
instalado no kva
Painel frontal com botões e comando de liga e desliga
CONTRATANTE. Painel traseiro: Saída para no mínimo 4 Tomadas e conexão USB
Estabilizador de linha
Proteção contra subtensão e sobretensão, curto-circuito,
sobrecarga e falta de energia na rede elétrica.

Bateria Selada
Entrada de energia de 12 volts
Capacidade nominal de corrente de 18 Ah
Bateria 12volts /
Autonomia mínima 1 hora no caso de falta de energia na rede
18 Ah
elétrica.
Compatibilidade de integração com no-break com potência de até
1,2 kva
Mesa 160 x 60cm com três gavetas de cada lado
Cadeira giratória
com rodinhas
Apoio para ombros e braços, regulagem de altura
ergonomicament
e adequada

Capítulo I - Especificações Técnicas 110


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D1.1 - Central de Monitoramento Local


Ref. Descrição Componentes Recursos Mínimos
Dimensões
Tamanho da Prateleira de 19” (polegadas)
Altura do Rack de 1 a 12 Us
Central de Profundidade mínima de 450 mm
Monitoramento Estrutura:
Local - 16 Construído em folhas ou chapas de aço carbono com pintura
Rack fechado
câmeras eletrostática, epóxi ou pré-zincada com espessura mínima de
padrão metálico,
Conjunto de 0,5mm.
19” – com altura
Equipamentos Porta Frontal: com visor em acrílico ou vidro temperado e
de 1 até 12 Us
para composição fechadura com chaves.
D1.1.01.L de um sistema de Laterais removíveis de fácil encaixe com aberturas ou aletas para
CFTV responsável ventilação.
pelo Base, teto e traseira com recortes reguláveis para passagem de
gerenciamento, cabos e ventilação.
configuração,
gravação, Bandeja para o suporte e fixação de equipamentos em Rack
visualização e Bandeja para
fechado padrão metálico de 19”.
transmissão das Rack 19”
Preparado para ventilação dos equipamentos
imagens geradas
Complementam o equipamento 2 baterias, carregador de mesa
pelas câmeras
com fonte de alimentação 127/220V e clip de cinto. 16 Canais,
acopladas ao Rádio
frequência VHF ou UHF com 4 watts de potencia, indicador de
sistema. comunicação
carga de bateria (LED/TONE), Operação Radio a Radio. Mínimo
móvel interna -
de 16 Canais, frequência VHF ou UHF com 4 Watts de potencia,
Sistema 8km
indicador de carga de bateria (LED/TONE), Operação Radio a
instalado no
Radio.
CONTRATANTE.
Condicionadores
Capacidade BTUs - 7000
de ar
Arquivo Em metal com 4 gavetas

Capítulo I - Especificações Técnicas 111


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D1.2 - CFTV Convencional – Gravadores DVR Stand alone


Ref. Designação Componentes Componentes e Recursos mínimos
Entradas de vídeo 16, saída de vídeo composto 5 (CVBS, S-Video, SVGA, 2
spots),
Entrada de áudio (mínimo 4 canais)
CPU com processador mínimo Pentium CORE2 DUO 2.0 GHz
Memória RAM mínimo 1024 MB
Sistema operacional Windows 2000, Windows 2003, XP, Vista ou Windows 7
Dispositivo de armazenamento com capacidade inicial de 3 TB
Capacidade de Ampliação de dispositivo de armazenamento (Hot swap)
DVR Stand Alone mínimo de 4 gavetas tipo SATA removíveis.
Base PC 16 Sistema de armazenamento de imagens, com função de gravação em
firmware interno de forma que não precise ser reinstalado na troca ou
Canais com:
ampliação de HD.
mouse para Drive de CD, DVD, USB e remoto para backup, entradas / saídas de alarme
operação, 16/4, alimentação 100~240VAC
gravador de Taxas de compressão de gravação e exibição em MPEG4/CIF/2CIF/4CIF ou
CD/DVD, HD de melhor, exibição e gravação em tempo real (mínimo de 120 fps)
3TB e software Placa de Rede Ethernet 10/100/1000 Base-T
de Taxa de gravação em 120kbps, saída de áudio 1, resolução de exibição
monitoramento 720x480, divisão de tela cheia/4/8/16 e sequencial, resolução / taxa de
gravação D1(720x480)/ 120FPS, Half D1 (720x240) / 120FPS, CIF (360x240)
totalmente em
/ 240 FPS, qualidade de gravação x tamanho do frame a 720x240 (de
português baixíssima a altíssima)
Operação full triplex, gravação continua por evento ou por movimento,
permite alterar resolução, taxa e qualidade de gravação por câmera,
DVR Stand operação através de comandos no painel, controle remoto ou mouse
Alone Base Permite acesso remoto via software da central de monitoramento, permite o
D1.2.01.L PC de 16 uso de IP dinâmico
Canais com Controla Speed Domes de varias marcas,
Função Hard watchdog, a central deverá reiniciar o sistema automaticamente
software
caso haja qualquer tipo de problema que interrompa a sua operação.
Software de monitoramento totalmente em português.
Potência Útil de até 1,2 kva
Autonomia mínima no caso de falta de energia na rede elétrica de 1
hora, com utilização de bateria adicional acoplada
Entrada de Energia: Tensão nominal 110 ou 220 volts e
Freqüências50 ou 60 Hz
No-break até 1,2 Saída de Energia: Tensão nominal de 115 volts e Frequências de 60
Hz
kva
Painel frontal com botões e comando de liga e desliga
Painel traseiro: Saída para no mínimo 4 Tomadas e conexão USB
Estabilizador de linha
Proteção contra subtensão e sobretensão, curto-circuito, sobrecarga
e falta de energia na rede elétrica.

Bateria Selada
Entrada de energia de 12 Volts
Capacidade nominal de corrente de 18 Ah
Bateria 12 Volts /
Autonomia mínima 1 hora no caso de falta de energia na rede
18 Ah
elétrica.
Compatibilidade de integração com no-break com potência de até
1,2 kva

Capítulo I - Especificações Técnicas 112


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D1.2 - CFTV Convencional – Gravadores DVR Stand alone


Ref. Designação Componentes Componentes e Recursos mínimos
Unidade de gerenciamento de imagens composto de gravador digital e
servidor remoto de vídeo integrado; Capacidade para 16 canais de vídeo e
16 canais de áudio in e um canal de áudio in/out; graváveis;
2 gavetas para HDs SATA removíveis; 2 HDs de 500 Gb cada um expansível
até 3 Tb;
Sistema de armazenamento de imagens, com função de gravação em
firmware interno de forma que não precise ser reinstalado na troca ou
ampliação de HD.
DVR Stand Alone DVDR-W; relês GPIO embutidos, no mínimo de 4 in e 4 out,
Microprocessado Porta RS485 embutida.
de 16 Canais Possuir capacidade de trabalhar localmente e em redes LAN/ WAN e até
vídeo e 16 de mesmo por link de celular, tanto na transmissão como na recepção das
áudio: mouse imagens.
para operação, Trabalha integrado a uma central de monitoramento de imagens e alarmes
gravador de de forma integrada e interativa. Operação simples e inteligente com controle
remoto sem fio ou mouse e teclado;
CD/DVD, 2 HDs Todas as telas em Português;
de 500Gb Multiprotocolo com no mínimo H263 e MPEG-4;
expansível até Taxa de gravação em 120kbps, saída de áudio 1, resolução de exibição
3Tb e software 720x480, divisão de tela cheia/4/8/16 e sequencial, resolução / taxa de
de gravação D1(720x480)/ 120FPS, Half D1 (720x240) / 120FPS, CIF (360x240)
monitoramento / 240 FPS, qualidade de gravação x tamanho do frame a 720x240 (de
totalmente em baixíssima a altíssima)
português Taxas de compressão de gravação e exibição em MPEG4/CIF/2CIF/4CIF ou
melhor, exibição e gravação em tempo real (mínimo de 120 fps)
DVR Stand Alta qualidade de vídeo e baixo consumo de banda; Possibilidade de controle
Alone e limitação de consumo de banda por canal de vídeo;
Microprocess Possibilidade de controle e limitação de número de acessos simultâneo por
D1.2.02.L
ado de 16 canal de vídeo;
Canais com Visualização local em no mínimo 120 FPS por canal e gravação em 120 FPS
software por canal;
suporte para PDA;
Potência Útil de até 1,2 kva
Autonomia mínima no caso de falta de energia na rede elétrica de 1
hora, com utilização de bateria adicional acoplada
Entrada de Energia: Tensão nominal 110 ou 220 volts e
Freqüências50 ou 60 Hz
Saída de Energia: Tensão nominal de 115 volts e Frequências de 60
No-break até 1,2
Hz
kva
Painel frontal com botões e comando de liga e desliga
Painel traseiro: Saída para no mínimo 4 Tomadas e conexão USB
Estabilizador de linha
Proteção contra subtensão e sobretensão, curto-circuito, sobrecarga
e falta de energia na rede elétrica.

Bateria Selada
Entrada de energia de 12 volts
Capacidade nominal de corrente de 18 Ah
Bateria 12volts /
Autonomia mínima 1 hora no caso de falta de energia na rede
18 Ah
elétrica.
Compatibilidade de integração com no-break com potência de até
1,2 kva

Capítulo I - Especificações Técnicas 113


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D1.3 - CFTV Convencional – Gravadores NVR Stand alone


Designaçã
Ref. Componentes Componentes e Recursos mínimos
o
CPU com Processador Intel Pentium Dual Core E5800 3.2GHz
Memória RAM mínimo 2 GB
Sistema operacional Windows 2000, Windows 2003, XP, Vista ou Windows
7Gabinete de 2U para rack padrão 19",
Velocidade mínima de 120 quadros por segundo (FPS) e resolução de CIF /
2CIF/ 4CIF
Dispositivo de armazenamento com capacidade de armazenamento com no
mínimo 4 TB em RAID 5, com ajustes independentes de vigilância,
movimento e evento/transação.
Sistema de armazenamento de imagens, com função de gravação em
firmware interno de forma que não precise ser reinstalado na troca ou
ampliação de HD.
O sistema possibilita a gravação e gerenciamento em rede de no mínimo 16
câmeras em 4CIF/30 FPS, com a possibilidade de expansão para no mínimo
160 câmeras
1 saída para monitor SVGA
Interface ethernet 10/100/1000 Base-T, suporte a IP fixo ou DHCP, NTP
Gravador de Entrada 115/230VAC, construído em material metálico
Vídeo em Rede - Suporte a câmeras com recurso PTZ e estreitamento programável de
Base PC (NVR - pacotes.
O equipamento deverá possuir software de gravação e gerenciamento de
Network Vídeo
imagens com interface gráfica amigável.
Recorder) Permite acesso remoto via software da central de monitoramento, permite o
Software uso de IP dinâmico
totalmente em O sistema deverá ter a possibilidade de trabalhar em uma arquitetura de
português rede, permitindo gravação e/ou gerenciamento das imagens, deverá também
possibilitar a gravação em sistema armazenamento de grande capacidade
(Storage).
Gravador Drive de CD, DVD, USB e remoto para backup, entradas / saídas de alarme
16/4, alimentação 100~240VAC
de Vídeo
Taxas de compressão de gravação e exibição em MPEG4/CIF/2CIF/4CIF ou
em Rede - melhor, exibição e gravação em tempo real (mínimo de 120 fps)
Base PC Placa de Rede Ethernet 10/100/1000 Base-T
D1.3.01.L
(NVR - Taxa de gravação em 120kbps, saída de áudio 1, resolução de exibição
Network 720x480, divisão de tela cheia/4/8/16 e sequencial, resolução / taxa de
Vídeo gravação D1(720x480)/ 120FPS, Half D1 (720x240) / 120FPS, CIF (360x240)
Recorder) / 240 FPS, qualidade de gravação x tamanho do frame a 720x240 (de
baixíssima a altíssima)
Operação full triplex, gravação continua por evento ou por movimento,
permite alterar resolução, taxa e qualidade de gravação por câmera,
operação através de comandos no painel, controle remoto ou mouse
Função Hard watchdog, a central deverá reiniciar o sistema automaticamente
caso haja qualquer tipo de problema que interrompa a sua operação.
Potência Útil de até 1,2 kva
Autonomia mínima no caso de falta de energia na rede elétrica de 1
hora, com utilização de bateria adicional acoplada
Entrada de Energia: Tensão nominal 110 ou 220 volts e
Freqüências50 ou 60 Hz
Saída de Energia: Tensão nominal de 115 volts e Frequências de 60
No-break até 1,2
Hz
kva
Painel frontal com botões e comando de liga e desliga
Painel traseiro: Saída para no mínimo 4 Tomadas e conexão USB
Estabilizador de linha
Proteção contra subtensão, sobretensão, curto-circuito, sobrecarga
e falta de energia na rede elétrica.

Bateria Selada
Entrada de energia de 12 volts
Capacidade nominal de corrente de 18 Ah
Bateria 12 Volts /
Autonomia mínima 1 hora no caso de falta de energia na rede
18 Ah
elétrica.
Compatibilidade de integração com no-break com potência de até
1,2 kva

Capítulo I - Especificações Técnicas 114


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D1.3 - CFTV Convencional – Gravadores NVR Stand alone


Designaçã
Ref. Componentes Componentes e Recursos mínimos
o
Processador mínimo Pentium CORE2 DUO 2.0 GHz,
Memória Cachê 4 MB
Drive de CD-DVD-RW
Memória RAM de 2 GB
Controladora de array integrada SAS/SATA 3 Gb/s e 256 MB de memória
cachê com bateria
Gabinete de 2U para rack padrão 19",
Velocidade mínima de 120 quadros por segundo (FPS) e resolução de CIF /
2CIF/ 4CIF
Capacidade de armazenamento de até 3 TB em RAID 5, com ajustes
independentes de vigilância, movimento e evento/transação
O sistema possibilita a gravação e gerenciamento em rede de no mínimo 16
câmeras em 4CIF/30 fps, com a possibilidade de expansão para mais
Gravador de câmeras
Vídeo em Rede - 1 saída para monitor SVGA
Microprocessado Interface ethernet 10/100/1000 Base-T, suporte a IP fixo ou DHCP, NTP,
ajustes independentes para alarmes, entrada 115/230VAC, construído em
(NVR - Network
material metálico
Vídeo Recorder) Suporte a câmeras com recurso PTZ e estreitamento programável de
com software pacotes
totalmente em O equipamento deverá possuir software de gravação e gerenciamento de
português imagens com interface gráfica amigável. O sistema deverá ter a possibilidade
de trabalhar em uma arquitetura de rede, permitindo gravação e/ou
gerenciamento das imagens, deverá também possibilitar a gravação em
Gravador sistema armazenamento de grande capacidade (Storage).
de Vídeo Taxa de gravação em 120kbps, saída de áudio 1, resolução de exibição
em Rede - 720x480, divisão de tela cheia/4/8/16 e sequencial, resolução / taxa de
Microproce gravação D1(720x480)/ 120FPS, Half D1 (720x240) / 120FPS, CIF (360x240)
D1.3.02.L ssado / 240 FPS, qualidade de gravação x tamanho do frame a 720x240 (de
(NVR - baixíssima a altíssima)
Operação full triplex, gravação continua por evento ou por movimento,
Network permite alterar resolução, taxa e qualidade de gravação por câmera,
Vídeo operação através de comandos no painel, controle remoto ou mouse
Recorder) Função Hard watchdog, a central deverá reiniciar o sistema automaticamente
caso haja qualquer tipo de problema que interrompa a sua operação.
Potência Útil de até 1,2 kva
Autonomia mínima no caso de falta de energia na rede elétrica de 1
hora, com utilização de bateria adicional acoplada
Entrada de Energia: Tensão nominal 110 ou 220 volts e
Freqüências50 ou 60 Hz
No-break até 1,2 Saída de Energia: Tensão nominal de 115 volts e Frequências de 60
Hz
kva
Painel frontal com botões e comando de liga e desliga
Painel traseiro: Saída para no mínimo 4 Tomadas e conexão USB
Estabilizador de linha
Proteção contra subtensão e sobretensão, curto-circuito, sobrecarga
e falta de energia na rede elétrica.

Bateria Selada
Entrada de energia de 12 volts
Capacidade nominal de corrente de 18 Ah
Bateria 12volts /
Autonomia mínima 1 hora no caso de falta de energia na rede
18 Ah
elétrica.
Compatibilidade de integração com no-break com potência de até
1,2 kva

Capítulo I - Especificações Técnicas 115


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D1.3 - CFTV Convencional – Gravadores NVR Stand alone


Ref. Designação Componentes Componentes e Recursos mínimos
Processador Intel Core I5 mínimo 2.3 Ghz
PC com 4 GB de RAM;
teclado, HD – 500GB até 1TB;
mouse, DVD-RW;
sistema Sistema Operacional Windows 7 / 8 / 8.1 / 10;
operacional, Placa de rede Ethernet 10/100/1000 integrada;
software de Directx 9c ou superior;
monitoramento Placa de Vídeo com resolução mínima 800 x 600 e compatível com
remoto placa de captura de vídeo para 16 câmeras digitais de CFTV.
totalmente em Gabinete Tipo torre;
português Mouse;
Teclado Pt-BR
Placa de Entrada de Vídeo para até 16 câmeras
Captura de Taxa de Gravação de vídeo de no mínimo 120 fps
Vídeo para até Taxa de reprodução de Vídeo de 480 fps
16 Câmeras Resolução mínima de Vídeo de 720 x 480 (NTSC) e 720 x 576
Digitais de (PALM)
CFTV Compressão de vídeo nos formatos MPEG4, H264 e/ou outros
Potência Útil de até 1,2 kva
Autonomia mínima no caso de falta de energia na rede elétrica de 1
hora, com utilização de bateria adicional acoplada
Entrada de Energia: Tensão nominal 110 ou 220 volts e Frequências
Computador
50 ou 60 Hz
PC com Placa
No-break até Saída de Energia: Tensão nominal de 115 volts e Frequências de 60
de Captura de
1,2 kva Hz
Vídeo para
Painel frontal com botões e comando de liga e desliga
D1.3.03.L Sistema de
Painel traseiro: Saída para no mínimo 4 Tomadas e conexão USB
CFTV com
Estabilizador de linha
software de
Proteção contra subtensão e sobretensão, curto-circuito, sobrecarga
monitorament
e falta de energia na rede elétrica.
o incluso
Bateria Selada
Entrada de energia de 12 volts
Capacidade nominal de corrente de 18 Ah
Bateria 12volts
Autonomia mínima 1 hora no caso de falta de energia na rede
/ 18 Ah
elétrica.
Compatibilidade de integração com no-break com potência de até
1,2 kva
Software e drivers de monitoramento para 16 câmeras totalmente
em português, compatível com a placa de captura de vídeo
Função de gravação e gerenciamento de imagens com interface
gráfica amigável.
Função de gravação e/ou gerenciamento das imagens, deverá
também possibilitar a gravação e armazenagem em disco rígido e
HD ou Pen Drive externo
Software de
Taxa de gravação em 120kbps, saída de áudio 1, resolução de
Monitoramento
exibição 720x480
Divisão de tela cheia/4/8/16 e sequencial, resolução / taxa de
gravação D1(720x480)/ 120FPS, Half D1 (720x240) / 120FPS, CIF
(360x240) / 240 FPS,
Operação full triplex, gravação continua por evento ou por
movimento, permite alterar resolução, taxa e qualidade de gravação
por câmera

Capítulo I - Especificações Técnicas 116


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D2- Estação de Visualização de CFTV


Ref. Designação Descrição Componentes Recursos Mínimos
Tela de LCD ou LED com 21,5”,
Monitor de LCD ou LED
Resolução 1280×1024 75hz e base
21,5"
giratória
No mínimo Processador Intel I3 com 3.4
GHz, mínimo de 4GB de RAM e HD
PC com teclado, mouse, com mínimo 320GB, DVD-RW, Sistemas
sistema operacional, Operacionais (conforme padrão adotado
software de monitoramento pela contratante): Windows 7, Windows
remoto totalmente em 8.8.1 ou superior ou Linux, Placa de
português rede Ethernet 10/100/1000 integrada,
Gabinete Tipo torre, Mouse e Teclado
Pt-BR
Potência Útil de até 1,2 kva
Autonomia mínima no caso de falta de
energia na rede elétrica de 1 hora, com
Prestação de utilização de bateria adicional acoplada
serviços de Entrada de Energia: Tensão nominal 110
instalação e ou 220 volts e Frequências 50 ou 60 Hz
locação de Saída de Energia: Tensão nominal de
conjunto de 115 volts e Frequências de 60 Hz
No-break até 1,2 kva
equipamentos Painel frontal com botões e comando de
Estação de liga e desliga
D2.1.01.L Visualização
necessários e
suficientes para Painel traseiro: Saída para no mínimo 4
de CFTV Tomadas e conexão USB
o
funcionamento Estabilizador de linha
de um módulo Proteção contra subtensão, e
de visualização sobretensão, curto-circuito, sobrecarga e
de sistema de falta de energia na rede elétrica.
CFTV Bateria Selada
Entrada de energia de 12 volts
Capacidade nominal de corrente de 18
Ah
Bateria 12volts / 18 Ah
Autonomia mínima 1 hora no caso de
falta de energia na rede elétrica.
Compatibilidade de integração com no-
break com potência de até 1,2 kva
160 x 60cm com três gavetas de cada
Mesa
lado
Cadeira giratória com
Apoio para ombros e braços, regulagem
rodinhas ergonomicamente
de altura
adequada
Gabinete para
acondicionamento dos Ventilação e chave (trancamento)
equipamentos

Capítulo I - Especificações Técnicas 117


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D4 - CFTV Convencional ou IP - Central de Monitoramento Remoto (Estação de Trabalho


para Monitoramento de Imagens
Ref. Descrição Componentes Recursos Mínimos
PC: Mother board Intel extreme ou Asus de 5 slots PCI e um PCI-Express,
Chipset Intel, Processador Intel Cor 2Duo de 2GHz ou equivalente, placa de
vídeo Geforce de 256MB de memória PCI Express com dupla entrada de vídeo,
memória Ram de 2G DDR2, HD 160G, Placa de rede 10/100/1000Mgbits. Drive
de DVD-RW, kit multimídia.
PC com teclado,
>Software: Gerenciamento de usuários, gerenciamento de grupos,
mouse, sistema
gerenciamento de até 100 DVRs conectados a rede, modos de visualização de
operacional,
4, 9, 16, 36 até 64 imagens e tela cheia, possibilidade de inserção de planta
software de
(Croqui) dos locais monitorados permitindo a visualização do posicionamento
monitoramento
das câmeras e sensores em cima do mapa sinótico, controle de PTZ, backup
remoto
das imagens gravadas, interface amigável e de fácil operação, log de eventos,
totalmente em
indicando as principais operações e o responsável, possibilidade de visualizar o
português
mapa sinótico em um segundo monitor, aviso sonoro na ocorrência de eventos
podendo configurar o arquivo de som desejável, abertura sobre o mapa sinótico
da imagem da câmera alarmada, configuração remota dos DVRs, pesquisa das
imagens gravadas nos DVRs por data e hora, habilita segundo monitor de forma
a monitorar imagens no monitor 1 e mapa sinótico no monitor 2, etc.

Tela de LCD ou Tipo de interface: Áudio - Line In, Áudio - Line Out, RS-232 - 9 pin D-Sub (DB-
LED com 42” com 9), Vídeo - 15 pin High-Density D-shell (VGA),Vídeo - 4 pin mini-DIN (S-Video),
suportes de Vídeo - 5 x BNC Separated Sync, Vídeo - BNC Component Vídeo, Vídeo -
parede ou mesa HDMI, Vídeo - RCA Composite Vídeo, resolução 1366 x 768.

Potência Útil de até 1,2 kva


Autonomia mínima no caso de falta de energia na rede elétrica de 1 hora, com
utilização de bateria adicional acoplada
Entrada de Energia: Tensão nominal 110 ou 220 volts e Freqüências50 ou 60
Hz
No-break até 1,2
Saída de Energia: Tensão nominal de 115 volts e Frequências de 60 Hz
kva
Painel frontal com botões e comando de liga e desliga
Painel traseiro: Saída para no mínimo 4 Tomadas e conexão USB
Central de Estabilizador de linha
Monitoramento Proteção contra subtensão e sobretensão, curto-circuito, sobrecarga e falta de
D4.1.01.L energia na rede elétrica.
Remoto
Bateria Selada
Entrada de energia de 12 volts
Bateria 12volts /
Capacidade nominal de corrente de 18 Ah
18 Ah
Autonomia mínima 1 hora no caso de falta de energia na rede elétrica.
Compatibilidade de integração com no-break com potência de até 1,2 kva
Mesa com 160 x
60cm com três
160 x 60cm com três gavetas de cada lado
gavetas de cada
lado

Cadeira giratória
com rodinhas
Apoio para ombros e braços, regulagem de altura
ergonomicamente
adequada
Dimensões
Tamanho da Prateleira de 19” (polegadas)
Altura do Rack de 1 a 12 Us
Profundidade mínima de 450 mm
Rack fechado Estrutura:
padrão metálico, Construído em folhas ou chapas de aço carbono com pintura eletrostática, epóxi
19” – com altura ou pré-zincada com espessura mínima de 0,5mm.
de 1 até 12 Us Porta Frontal: com visor em acrílico ou vidro temperado e fechadura com
chaves.
Laterais removíveis de fácil encaixe com aberturas ou aletas para ventilação.
Base, teto e traseira com recortes reguláveis para passagem de cabos e
ventilação.

Bandeja para o suporte e fixação de equipamentos em Rack fechado padrão


Bandeja para
metálico de 19”.
Rack 19”
Preparado para ventilação dos equipamentos

Capítulo I - Especificações Técnicas 118


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D4 - CFTV Convencional ou IP - Central de Monitoramento Remoto (Estação de Trabalho


para Monitoramento de Imagens
Ref. Descrição Componentes Recursos Mínimos
Condicionadores
Capacidade BTUs - 7000
de ar
Arquivo Em metal com 4 gavetas
Número de Portas: 16
Rack com 16 portas
Velocidade mínima 10/100 Mbps
Switch16 portas Possuir função de redundância
10/100 Mbps Padrão: IEEE802, PoE, Mid-Spa e outros
Capacidade MAC: mínimo 1000
Conectores Admitidos Ethernet , RJ-45 e outros
Fonte: 100-240 VAC - 40-65 Hz

D5–Acessórios de CFTV
Ref. Designação Componentes e Recursos mínimos
Trata-se de um transceptor de Vídeo passivo ou Vídeo Server (não
amplificado) que permite a transmissão de vídeo em tempo real sobre
cabo telefônico de par trançado não blindado (UTP Cat5/Cat6 –
Conversor Par Impedância de 100 ohms), uma vez que a saída da câmera é do tipo
D5.1.01.L Trançado/Coaxial Passivo - 1 BNC fêmea (BNC – Impedância de 75 ohms). Sinais de banda-base
canal de vídeo (compostos) de qualquer tipo são suportados. Este equipamento
deverá possibilitar a transmissão de imagens de uma câmera em um
cabo UTP por uma distancia mínima de 300 metros e invólucro
preparado para uso externo.
Trata-se de um transceptor de Vídeo passivo (não amplificado) que
permite a transmissão de vídeo em tempo real sobre cabo de par
trançado não blindado (UTP Cat5/Cat6 – Impedância de 100 ohms),
uma vez que a saída da câmera é do tipo BNC fêmea (BNC –
Conversor Par Impedância de 75 Ohms). Sinais de banda-base (compostos) de
Trançado/Coaxial Passivo - 1 qualquer tipo são suportados. Este equipamento deverá possibilitar a
D5.1.02.L canais de vídeo e transmissão de imagens de uma câmera em um cabo UTP por uma
alimentação distância mínima de 300 metros. Este equipamento também deverá
possibilitar a transmissão da alimentação em tensão alternada de 24
VAC no mesmo cabo do sinal de vídeo. Deve possuir conector RJ 45
em uma ponta e conector BNC do lado da câmera e invólucro
preparado para uso externo.
O Conversor par trançado/ coaxial deve permitir a transmissão de
vídeo, alimentação e dados em um único cabo UTP (Cat5/Cat6) por
Conversor Par
câmera. O equipamento deverá possuir um conector BNC para
Trançado/Coaxial Passivo - 1
D5.1.03.L canais de vídeo, alimentação
conexão à saída de vídeo da câmera, um conector RJ-45 para
conexão do cabo de par trançado (UTP CAT 5 ou 6). O módulo deverá
e dados
transmitir vídeo a uma distância mínima de 300 m e invólucro
preparado para uso externo.
O Conversor par trançado/ coaxial deve permitir a transmissão de
vídeo, alimentação e dados em um único cabo UTP (Cat5/Cat6) por
Conversor Hub Par câmera. O equipamento deverá possuir um conector BNC para
D5.1.04.L Trançado/Coaxial Passivo - 8 conexão à saída de vídeo da câmera, um conector RJ-45 para
canais conexão do cabo de par trançado (UTP CAT 5 ou 6). O módulo deverá
transmitir vídeo a uma distância mínima de 300 m e invólucro
preparado para uso externo.
Número de Portas: 24
Rack com 24 portas
Velocidade Míninma: 10/100 Mbps
Permitir alimentação PoE de 24 equipamentos em rede
D5.1.05.L Switch com 24x10/100 Mbps Possuir função de redundância
Padrão: IEEE802, PoE, Mid-Spa e outros
Capacidade MAC: mínimo 1000
Conectores Admitidos Ethernet , RJ-45 e outros
Fonte: 100-240 VAC - 40-65 Hz

Capítulo I - Especificações Técnicas 119


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D5–Acessórios de CFTV
Ref. Designação Componentes e Recursos mínimos
Operar em Rede 10/100 Mbps
Velocidade Mínima: 10/100 Mbps
Módulo gbic sfp (compatível Operação com fibras ópticas monomodo ou multimodo
D5.1.06.L com switch) Distância mínima entre pontos: 50 metros
Conectores admitidos: LC, RJ-45, Cabo e SC
Modos admitidos: GBIC, mini GBIC, MMF, SMF, passivo e pareado
Interface óptica: 01 Canal de Vídeo / 01 Canal de Dados / 01 Canal
de Ethernet
Transmissão: 01 Fibra Óptica;
Sinalização: Vídeo e Ethernet independente;
Conector: Vídeo: BNC / Dados: Borne / Ethernet: RJ-45
Largura de Banda: Vídeo: 5 ~7.5 MHZ
Padrão Dados: RS-232 ou RS-485/RS-422;
Conversor de Mídia UTP -
D5.1.07.L Fibra Óptica Velocidade dos Dados: RS-232: 115.200 Kbps / RS-485: 250 Kbps;
Velocidade de Ethernet: 10/100 Mbps;
Comprimento de onda: 1310/1550 nm;
Conector de fibra: ST;
Distâncias: Fibra Óptica Multimodo: mínimo 250m;
Fibra Óptica Monomodo: mínimo 500m
Alimentação: 05 Vcc / 3A(Fonte Inclusa - 100 a 240 Vac);
Tempo entre falhas admitido (MTBF) mínimo 10 horas

Formato de Vídeo: NTSC,, PAL e outros


Composto por Transmissor, instalado na saída da Câmera digital, onde
entra o cabo coaxial e saí a fibra ótica e por receptor onde entra a fibra
ótica e sai novamente o cabo coaxial que vai ser ligado a central de
monitoramento, DVR, NVR, etc.
Conversor de Mídia Coaxial -
D5.1.08.L Fibra Óptica Capacidade de receber fibras óticas monomodo ou multímodo
Indicação em Leds para conexão de energia e entrada de sinal através
de cabo coaxial e entrada/saída de fibra ótica
Suprimento de Energia: Transmissão 9 ~40 VDC – 24 VAC e
Recebimento: 9 ~16 VAC/DC
Tempo entre falhas admitido (MTBF) mínimo 10 horas

Tela de LCD ou LED


Tipo de interface: Áudio - Line In, Áudio - Line Out, RS-232 - 9 pin D-
Sub (DB-9), Vídeo - 15 pin High-Density D-shell (VGA),Vídeo - 4 pin
D5.1.09.L Tela LCD OU LED 42" mini-DIN (S-Video), Vídeo - 5 x BNC Separated Sync, Vídeo - BNC
Component Vídeo, Vídeo - HDMI, Vídeo - RCA Composite Vídeo,
resolução Full HD 1920 x 1080
No-break até 1,2 kVA
Potência Útil de até 1,2 kva
Autonomia mínima no caso de falta de energia na rede elétrica de 1
hora, com utilização de bateria adicional acoplada
Entrada de Energia: Tensão nominal 110 ou 220 volts e Freqüências50
ou 60 Hz
Saída de Energia: Tensão nominal de 115 volts e Frequências de 60
Hz
Painel frontal com botões e comando de liga e desliga
Painel traseiro: Saída para no mínimo 4 Tomadas e conexão USB
D5.1.10.L Conjunto Básico de Estabilizador de linha
Instalação de DVR ou NVR: Proteção contra subtensão e sobretensão, curto-circuito, sobrecarga e
Gabinete e Nobreak falta de energia na rede elétrica.
Bateria 12volts / 18 Ah
Bateria Selada
Entrada de energia de 12 volts
Capacidade nominal de corrente de 18 Ah
Autonomia mínima 1 hora no caso de falta de energia na rede elétrica.
Compatibilidade de integração com no-break com potência de até 1,2
kva

Capítulo I - Especificações Técnicas 120


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D5–Acessórios de CFTV
Ref. Designação Componentes e Recursos mínimos
Rack fechado padrão metálico, 19” – com altura de 1 até 12 Us
Dimensões
Tamanho da Prateleira de 19” (polegadas)
Altura do Rack de 1 a 12 Us
Profundidade mínima de 450 mm
D5.1.10.L Estrutura:
Conjunto Básico de Construído em folhas ou chapas de aço carbono com pintura
Instalação de DVR ou NVR: eletrostática, epóxi ou pré-zincada com espessura mínima de 0,5mm.
Gabinete e Nobreak Porta Frontal: com visor em acrílico ou vidro temperado e fechadura
com chaves.
Laterais removíveis de fácil encaixe com aberturas ou aletas para
ventilação.
Base, teto e traseira com recortes reguláveis para passagem de cabos
e ventilação.
Compatível com câmeras Digitais e Câmeras IP
Possuir controle de Zoom
Display em LCD para identificação de câmeras e exibição de funções
Capacidade mínima de 64 endereços
Teclado com Joystick para
D5.1.11.L Câmeras PTZ e SpeedDome Portas de comunicação: RS48, USB, RJ45, RS485/422/232 EE-
KBU600-3 e outras
Joystick com ajuste 3 D (Pan, Tilt e Zoom)
MultiProtocolo
Capacidade de para controle de 32 câmeras no mesmo teclado
No-break até 1,2 kva
Potência Útil de até 1,2 kva
Autonomia mínima no caso de falta de energia na rede elétrica de 1
hora, com utilização de bateria adicional acoplada
Entrada de Energia: Tensão nominal 110 ou 220 volts e Freqüências50
ou 60 Hz
Saída de Energia: Tensão nominal de 115 volts e Frequências de 60
Hz
Painel frontal com botões e comando de liga e desliga
D5.1.12.L No-break até 1,2 kva Painel traseiro: Saída para no mínimo 4 Tomadas e conexão USB
Estabilizador de linha
Proteção contra subtensão e sobretensão, curto-circuito, sobrecarga e
falta de energia na rede elétrica.
Bateria 12 Volts / 18 Ah
Bateria Selada
Entrada de energia de 12 volts
Capacidade nominal de corrente de 18 Ah
Autonomia mínima 1 hora no caso de falta de energia na rede elétrica.
Compatibilidade de integração com no-break com potência de até 1,2
kva
Potência Útil de 1,2 até 3 kVa
Bateria(s) interna(s) ao no-break que garantam autonomia mínima no
caso de falta de energia na rede elétrica de 3 horas
Entrada de Energia: Tensão nominal 110 ou 220 volts e Freqüências50
ou 60 Hz
Saída de Energia: Tensão nominal de 120 volts e Frequências de 60
D5.1.13.L No-break 1,2 – 3,0 kva Hz
Painel frontal com botões e comando de liga e desliga e LED indicativo
do status de funcionamento
Painel traseiro: Saída para no mínimo 6 Tomadas
Estabilizador de linha
Proteção contra subtensão e sobretensão, curto-circuito, sobrecarga e
falta de energia na rede elétrica.

Capítulo I - Especificações Técnicas 121


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D5–Acessórios de CFTV
Ref. Designação Componentes e Recursos mínimos
Número de Portas: 16
Rack com 16 portas
Velocidade de Operação Mínima de 100 Mbps (alterado em 11/09/2015)
Switch 16 portas 10/100
Possuir função de redundância
D5.1.14.L Mbps Padrão: IEEE802, PoE, Mid-Spa e outros
(alterado em 11/09/2015)
Capacidade MAC: mínimo 1000
Conectores Admitidos Ethernet , RJ-45 e outros
Fonte: 100-240 VAC - 40-65 Hz
Número de Portas: 48
Rack com 48 portas
Velocidade Mínima: 10/100 Mbps
Permitir alimentação PoE de 48 equipamentos em rede
D5.1.15.L Switch com 48x10/100 Mbps Possuir função de redundância
Padrão PoE: IEEE802.3af PoE, Mid-Spa e outros
Capacidade MAC: mínimo 1000
Conectores Admitidos Ethernet , RJ-45 e outros
Fonte: 100-240 VAC - 40-65 Hz
Dimensões
Tamanho da Prateleira de 19” (polegadas)
Altura do Rack de 1 a 12 Us
Profundidade mínima de 450 mm
Estrutura:
Rack fechado padrão Construído em folhas ou chapas de aço carbono com pintura
D5.1.16.L metálico, 19” – com altura de eletrostática, epóxi ou pré-zincada com espessura mínima de 0,5mm.
1 até 12 Us Porta Frontal: com visor em acrílico ou vidro temperado e fechadura
com chaves.
Laterais removíveis de fácil encaixe com aberturas ou aletas para
ventilação.
Base, teto e traseira com recortes reguláveis para passagem de cabos
e ventilação.
Dimensões:
Tamanho da Prateleira de 19” (polegadas)
Altura do Rack de 12 a 24 Us
Profundidade mínima de 450 mm
Estrutura:
Rack fechado padrão Construído em folhas ou chapas de aço carbono com pintura
D5.1.17.L metálico, 19” – com altura de eletrostática, epóxi ou pré-zincada com espessura mínima de 0,5 mm.
13 até 24 Us Porta Frontal: com visor em acrílico ou vidro temperado e fechadura
com chaves.
Laterais removíveis de fácil encaixe com aberturas ou aletas para
ventilação.
Base, teto e traseira com recortes reguláveis para passagem de cabos
e ventilação.
Dimensões:
Tamanho da Prateleira de 19” (polegadas)
Altura do Rack de 25 a 44 Us
Profundidade mínima de 450 mm
Estrutura:
Rack fechado padrão Construído em folhas ou chapas de aço carbono com pintura
D5.1.18.L metálico, 19” – com altura de eletrostática, epóxi ou pré-zincada com espessura mínima de 0,5 mm.
25 até 44 Us Porta Frontal: com visor em acrílico ou vidro temperado e fechadura
com chaves.
Laterais removíveis de fácil encaixe com aberturas ou aletas para
ventilação.
Base, teto e traseira com recortes reguláveis para passagem de cabos
e/ou ventilação.

Bandeja para o suporte e fixação de equipamentos em Rack fechado


D.5.1.19.L Bandeja para Rack 19” padrão metálico de 19”.
Preparado para ventilação dos equipamentos

Capítulo I - Especificações Técnicas 122


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D5–Acessórios de CFTV
Ref. Designação Componentes e Recursos mínimos

Dispositivo para garantir a proteção contra a sobretensão e/ou sobcorrente de


D5.1.20.L Protetor de surto BNC equipamentos de CFTV Digital

Dispositivo para garantir a proteção contra a sobretensão e/ou sobcorrente de


D5.1.21.L Protetor de surto IP equipamentos tipo IP

Capítulo I - Especificações Técnicas 123


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D6 – Câmeras de CFTV Convencional (Digital)


Dispositiv
Estrutura de Proteção Características da Lente Processamento e Resolução de Imagem o Infra- Funções Complementos
Vermelho

Infra- Vermelho (IR)

Infra Vermelho "IR"


Número Mínimo de

Iluminação Mínima
Processamento de
Capt. de Imagem

Alcance Mínimo

Obrigatórios da
Distância Focal

(TV lines - TVL)

Complementos

Características
Dispositivo de

Montagem da

Resol. efetiva
Zoom Ótico /
Operação de

Obrigatórias
Designação

Adicionais
Ref.
Diafragma

Linhas de
Televisão

Técnicas
Funções
de Cena
Imagem
Câmera

Câmera
mínima
Digital
Caixa

Lente

(m)
Grau de proteção mínimo
IP65;
Caixa de proteção em:
Suporte em metal
alumínio extrusado e
para fixação e
anodisado, ABS de alta 1 - Day/Night
Especificações montagem em poste,
resistência ou aço Mínimas para a
2 - Controle
parede, quina de
inoxidável; lente: Automático de
parede ou pendente
Suporte em: alumínio Ganho de
Alimentação: Fonte
extrusado e anodisado ou Lente Fixa: Branco (AGC)
De2,8mm até
de alimentação
aço inoxidável; CCD 3 - Balanço de
8,0mm entrada 127/220 Controle/Comando
Parafusos de fixação em 1/3" DPS NTSC: 768 0,2 Lux Branco
Câmera saída 12VDC/24VAC = Multi Protocolo
aço inoxidável; Iris ou C (Digital (H) x 494 (V) (Colorido) 4 - Backlight
Color Fixa sem 530 sem sem Protetor de Surto = Relação Sinal
D6.1.01.L Pintura externa Automática
Observação:
CCD ou
zoom
Signal
linhas
ou 0,01 Lux
IR IR
compensation
Interna - (Auto Iris) 1/4" CS Process PAL: 752 (H) (PB) Proteção de Ruído > 50dB
eletrostática (para caixas O valor fixado (BLC)
lente Fixa ou or) x 582 (V) F1.4 Sobretensão / Saída de Vídeo =
em metal); para a locação 5 - Eletronic
CMOS sobcorrente, deverão 1Vp p 75 ohms
Protetor frontal em vidro da câmera não shutter -
varia
ser instalados 2
com, no mínimo, 3mm de Mínimo: (1/60 -
independente (dois) protetores de
espessura; e 1/10.000 seg.)
da escolha da Surto por Câmera (1
Obs.: Dimensões da 6 - WDR
lente. na saída da Câmera
caixa devem garantir 7 - DNR
e 1 na entrada do
espaço interno suficiente 8 - OSD (Tela)
DVR, NDV, Switch,
para instalar a câmera
etc.)
acompanhada pelas
lentes, conectores e fonte
de alimentação.

Capítulo I - Especificações Técnicas 124


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D6 – Câmeras de CFTV Convencional (Digital)


Dispositiv
Estrutura de Proteção Características da Lente Processamento e Resolução de Imagem o Infra- Funções Complementos
Vermelho

Infra- Vermelho (IR)

Infra Vermelho "IR"


Número Mínimo de

Iluminação Mínima
Processamento de
Capt. de Imagem

Alcance Mínimo

Obrigatórios da
Distância Focal

(TV lines - TVL)

Complementos

Características
Dispositivo de

Montagem da

Resol. efetiva
Zoom Ótico /
Operação de

Obrigatórias
Designação

Ref.

Adicionais
Diafragma

Linhas de
Televisão

Técnicas
Funções
de Cena
Imagem
Câmera

Câmera
mínima
Digital
Caixa

Lente

(m)
Grau de proteção mínimo
IP66;
Caixa de proteção em:
Suporte em metal
alumínio extrusado e
para fixação e
anodisado, ABS de alta 1 - Day/Night
montagem em poste,
resistência ou aço Especificações 2 - Controle
Mínimas para a parede, quina de
inoxidável; Automático de
lente: parede ou pendente
Suporte em: alumínio Ganho de
Alimentação: Fonte
extrusado e anodisado ou Branco (AGC)
Lente Fixa: de alimentação
aço inoxidável; De2,8mm até CCD 3 - Balanço de
entrada 127/220 Controle/Comando
Parafusos de fixação em 8,0mm 1/3" DPS NTSC: 768 0,2 Lux Branco
Câmera saída 12VDC/24VAC = Multi Protocolo
aço inoxidável; Iris ou C (Digital (H) x 494 (V) (Colorido) 4 - Backlight
Color Fixa sem 530 sem sem Protetor de Surto = Relação Sinal
D6.1.02.L Pintura externa Automática Observação: CCD ou
zoom
Signal
linhas
ou 0,01 Lux
IR IR
compensation
Externa - (Auto Iris) O valor fixado 1/4" CS Process PAL: 752 (H) (PB) Proteção de Ruído > 50dB
eletrostática (para caixas (BLC)
lente Fixa para a locação ou or) x 582 (V) F1.4 Sobretensão / Saída de Vídeo =
em metal); 5 - Eletronic
da câmera não CMOS sobcorrente, deverão 1Vp p 75 ohms
Protetor frontal em vidro shutter -
varia ser instalados 2
com, no mínimo, 3mm de independente Mínimo: (1/60 -
(dois) protetores de
espessura; e da escolha da 1/10.000 seg.)
Surto por Câmera (1
Obs.: Dimensões da lente. 6 - WDR
na saída da Câmera
caixa devem garantir 7 - DNR
e 1 na entrada do
espaço interno suficiente 8 - OSD (Tela)
DVR, NDV, Switch,
para instalar a câmera
etc.)
acompanhada pelas
lentes, conectores e fonte
de alimentação.

Capítulo I - Especificações Técnicas 125


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D6 – Câmeras de CFTV Convencional (Digital)


Dispositiv
Estrutura de Proteção Características da Lente Processamento e Resolução de Imagem o Infra- Funções Complementos
Vermelho

Infra- Vermelho (IR)

Infra Vermelho "IR"


Número Mínimo de

Iluminação Mínima
Processamento de
Capt. de Imagem

Alcance Mínimo

Obrigatórios da
Distância Focal

(TV lines - TVL)

Complementos

Características
Dispositivo de

Montagem da

Resol. efetiva
Zoom Ótico /
Operação de

Obrigatórias
Designação

Ref.

Adicionais
Diafragma

Linhas de
Televisão

Técnicas
Funções
de Cena
Imagem
Câmera

Câmera
mínima
Digital
Caixa

Lente

(m)
Grau de proteção mínimo
IP66;
Caixa de proteção,
resistente a impacto: em
Suporte em metal
alumínio fundido e
para fixação e
extrusado, ABS de alta 1 - Day/Night
montagem em poste,
resistência ou aço Especificações 2 - Controle
Mínimas para a parede, quina de
inoxidável; Automático de
lente: parede ou pendente
Suporte em: alumínio Ganho de
Alimentação: Fonte
fundido e extrusado ou Branco (AGC)
Lente Fixa: De de alimentação
aço inoxidável; 2,8mm até CCD 3 - Balanço de
Câmera entrada 127/220 Controle/Comando
Parafusos de fixação em 8,0mm 1/3" DSP NTSC: 768 0,2 Lux Branco
Color Fixa saída 12VDC/24VAC = Multi Protocolo
aço inoxidável; Iris ou C (Digital (H) x 494 (V) (Colorido) 4 - Backlight
Externa- sem 530 sem sem Protetor de Surto = Relação Sinal
D6.1.03.L Pintura interna e externa Automática Observação: CCD ou
zoom
Signal
linhas
ou 0,01 Lux
IR IR
compensation
antivandalis (Auto Iris) O valor fixado 1/4" CS Process PAL: 752 (H) (PB) Proteção de Ruído > 50dB
eletrostática (para caixas (BLC)
mo - lente para a locação ou or) x 582 (V) F1.4 Sobretensão / Saída de Vídeo =
em metal); 5 - Eletronic
fixa da câmera não CMOS sobcorrente, deverão 1Vp p 75 ohms
Protetor frontal em vidro shutter -
varia ser instalados 2
temperado com, no independente Mínimo: (1/60 -
(dois) protetores de
mínimo, 5mm de da escolha da 1/10.000 seg.)
Surto por Câmera (1
espessura; lente. 6 - WDR
na saída da Câmera
Obs.: Dimensões da 7 - DNR
e 1 na entrada do
caixa devem garantir 8 - OSD (Tela)
DVR, NDV, Switch,
espaço interno suficiente
etc.)
para instalar a câmera
acompanhada pelas
lentes, conectores e fonte
de alimentação.

Capítulo I - Especificações Técnicas 126


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D6 – Câmeras de CFTV Convencional (Digital)


Dispositiv
Estrutura de Proteção Características da Lente Processamento e Resolução de Imagem o Infra- Funções Complementos
Vermelho

Infra- Vermelho (IR)

Infra Vermelho "IR"


Número Mínimo de

Iluminação Mínima
Processamento de
Capt. de Imagem

Alcance Mínimo

Obrigatórios da
Distância Focal

(TV lines - TVL)

Complementos

Características
Dispositivo de

Montagem da

Resol. efetiva
Zoom Ótico /
Operação de

Obrigatórias
Designação

Ref.

Adicionais
Diafragma

Linhas de
Televisão

Técnicas
Funções
de Cena
Imagem
Câmera

Câmera
mínima
Digital
Caixa

Lente

(m)
Grau de proteção mínimo
IP65;
Caixa de proteção em:
Suporte em metal
alumínio extrusado e Especificações para fixação e
anodisado, ABS de alta Mínimas para a 1 - Day/Night
montagem em poste,
resistência ou aço lente: 2 - Controle
parede, quina de
inoxidável; Automático de
Lente Varifocal: parede ou pendente
Suporte em: alumínio Ganho de
com distâncias Alimentação: Fonte
extrusado e anodisado ou Branco (AGC)
focais de alimentação
aço inoxidável; compreendidas CCD 3 - Balanço de
entrada 127/220 Controle/Comando
Câmera Parafusos de fixação em no intervalo de 1/3" DPS NTSC: 768 0,2 Lux Branco
saída 12VDC/24VAC = Multi Protocolo
Color Fixa aço inoxidável; Iris 1.4 até 60mm ou C (Digital (H) x 494 (V) (Colorido) 4 - Backlight
sem 530 sem sem Protetor de Surto = Relação Sinal
D6.2.01.L Interna - Pintura externa Automática CCD ou
zoom
Signal
linhas
ou 0,01 Lux
IR IR
compensation
(Auto Iris) 1/4" CS Process PAL: 752 (H) (PB) Proteção de Ruído > 50dB
lente eletrostática (para caixas (BLC)
Observação: ou or) x 582 (V) F1.4 Sobretensão / Saída de Vídeo =
varifocal em metal); 5 - Eletronic
O valor fixado CMOS sobcorrente, deverão 1Vp p 75 ohms
Protetor frontal em vidro shutter -
para a locação ser instalados 2
com, no mínimo, 3mm de da câmera não Mínimo: (1/60 -
(dois) protetores de
espessura; e varia 1/10.000 seg.)
Surto por Câmera (1
Obs.: Dimensões da independente 6 - WDR
na saída da Câmera
caixa devem garantir da escolha da 7 - DNR
lente. e 1 na entrada do
espaço interno suficiente 8 - OSD (Tela)
DVR, NDV, Switch,
para instalar a câmera
etc.)
acompanhada pelas
lentes, conectores e fonte
de alimentação.

Capítulo I - Especificações Técnicas 127


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D6 – Câmeras de CFTV Convencional (Digital)


Dispositiv
Estrutura de Proteção Características da Lente Processamento e Resolução de Imagem o Infra- Funções Complementos
Vermelho

Infra- Vermelho (IR)

Infra Vermelho "IR"


Número Mínimo de

Iluminação Mínima
Processamento de
Capt. de Imagem

Alcance Mínimo

Obrigatórios da
Distância Focal

(TV lines - TVL)

Complementos

Características
Dispositivo de

Montagem da

Resol. efetiva
Zoom Ótico /
Operação de

Obrigatórias
Designação

Ref.

Adicionais
Diafragma

Linhas de
Televisão

Técnicas
Funções
de Cena
Imagem
Câmera

Câmera
mínima
Digital
Caixa

Lente

(m)
Grau de proteção mínimo
IP66;
Caixa de proteção em:
Suporte em metal
alumínio extrusado e
Especificações para fixação e
anodisado, ABS de alta 1 - Day/Night
Mínimas para a montagem em poste,
resistência ou aço lente:
2 - Controle
parede, quina de
inoxidável; Automático de
parede ou pendente
Suporte em: alumínio Lente Varifocal: Ganho de
Alimentação: Fonte
extrusado e anodisado ou com distâncias Branco (AGC)
focais
de alimentação
aço inoxidável; CCD 3 - Balanço de
compreendidas entrada 127/220 Controle/Comando
Câmera Parafusos de fixação em 1/3" DPS NTSC: 768 0,2 Lux Branco
no intervalo de saída 12VDC/24VAC = Multi Protocolo
Color Fixa aço inoxidável; Iris ou C (Digital (H) x 494 (V) (Colorido) 4 - Backlight
1.4 até 60mm sem 530 sem sem Protetor de Surto = Relação Sinal
D6.2.02.L Externa - Pintura externa Automática CCD ou
zoom
Signal
linhas
ou 0,01 Lux
IR IR
compensation
(Auto Iris) 1/4" CS Process PAL: 752 (H) (PB) Proteção de Ruído > 50dB
lente eletrostática (para caixas Observação: (BLC)
ou or) x 582 (V) F1.4 Sobretensão / Saída de Vídeo =
varifocal em metal); O valor fixado 5 - Eletronic
CMOS sobcorrente, deverão 1Vp p 75 ohms
Protetor frontal em vidro para a locação shutter -
da câmera não
ser instalados 2
com, no mínimo, 3mm de Mínimo: (1/60 -
varia (dois) protetores de
espessura; e 1/10.000 seg.)
independente Surto por Câmera (1
Obs.: Dimensões da 6 - WDR
da escolha da na saída da Câmera
caixa devem garantir lente.
7 - DNR
e 1 na entrada do
espaço interno suficiente 8 - OSD (Tela)
DVR, NDV, Switch,
para instalar a câmera
etc.)
acompanhada pelas
lentes, conectores e fonte
de alimentação.

Capítulo I - Especificações Técnicas 128


PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Versão Janeiro/17 - Rev.11 – Fev/17

D6 – Câmeras de CFTV Convencional (Digital)


Dispositiv
Estrutura de Proteção Características da Lente Processamento e Resolução de Imagem o Infra- Funções Complementos
Vermelho

Infra- Vermelho (IR)

Infra Vermelho "IR"


Número Mínimo de

Iluminação Mínima
Processamento de
Capt. de Imagem

Alcance Mínimo

Obrigatórios da
Distância Focal

(TV lines - TVL)

Complementos

Características
Dispositivo de

Montagem da

Resol. efetiva
Zoom Ótico /
Operação de

Obrigatórias
Designação

Ref.

Adicionais
Diafragma

Linhas de
Televisão

Técnicas
Funções
de Cena
Imagem
Câmera

Câmera
mínima
Digital
Caixa

Lente

(m)
Grau de proteção mínimo
IP66;
Caixa de proteção,
resistente a impacto: em
Especificações Suporte em metal
alumínio fundido e
Mínimas para a para fixação e
extrusado, ABS de alta 1 - Day/Night
lente: montagem em poste,
resistência ou aço 2 - Controle
parede, quina de
inoxidável; Lente Varifocal: Automático de
parede ou pendente
Suporte em: alumínio com distâncias Ganho de
Alimentação: Fonte
fundido e extrusado ou focais Branco (AGC)
compreendidas
de alimentação
aço inoxidável; CCD 3 - Balanço de
Câmera no intervalo de entrada 127/220 Controle/Comando
Parafusos de fixação em 1/3" DPS NTSC: 768 0,2 Lux Branco
Color Fixa 1.4 até 60mm saída 12VDC/24VAC = Multi Protocolo
aço inoxidável; Iris ou C (Digital (H) x 494 (V) (Colorido) 4 - Backlight
Externa- sem 530 sem sem Protetor de Surto = Relação Sinal
D6.2.03.L Pintura interna e externa Automática CCD ou
zoom
Signal
linhas
ou 0,01 Lux
IR IR
compensation
antivandalis (Auto Iris) 1/4" CS Process PAL: 752 (H) (PB) Proteção de Ruído > 50dB
eletrostática (para caixas Observação: (BLC)
mo - lente ou or) x 582 (V) F1.4 Sobretensão / Saída de Vídeo =
em metal); O valor fixado 5 - Eletronic
varifocal CMOS sobcorrente, deverão 1Vp p 75 ohms
Protetor frontal em vidro para a locação shutter -
da câmera não
ser instalados 2
temperado com, no Mínimo: (1/60 -
varia (dois) protetores de
mínimo, 5mm de 1/10.000 seg.)