Você está na página 1de 57

COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA

SUMÁRIO

1. APRESENTAÇÃO

1.1 Histórico .......................................................................... 04


1.2 Valores .......................................................................... 05
1.3 Proposta Pedagógica .......................................................................... 05
1.4 Significado da Boina Garança .......................................................................... 06
1.5 Juramento do aluno .......................................................................... 07
1.6 Horário Geral .......................................................................... 07
1.7 Telefones úteis .......................................................................... 08
1.8 CMB na internet/SIGAWEB .......................................................................... 08
1.9 Carreira Militar .......................................................................... 09

2. CORPO DE ALUNOS

2.1 Composição .......................................................................... 10


2.2 Atribuições .......................................................................... 10
2.3 Horário de atendimento .......................................................................... 10
2.4 Frequência às atividades .......................................................................... 10
2.5 Recomendações aos alunos .......................................................................... 11
2.6 Apresentação individual .......................................................................... 13
2.7 Corte de cabelo .......................................................................... 14
2.8 Uniformes .......................................................................... 17
2.9 Regime disciplinar .......................................................................... 24

2
2.10 Relação de faltas disciplinares .......................................................................... 28
2.11 Estímulos, Premiações e
.......................................................................... 29
Promoções
2.12 Clubes, Grêmios e Grupos
.......................................................................... 36
Religiosos
2.13 Renovação de Matrícula .......................................................................... 37

3. DIVISÃO DE ENSINO

3.1 Seção Psicopedagógica .......................................................................... 37


3.2 Seção de Supervisão Escolar .......................................................................... 38
3.2.1 Finalidade .......................................................................... 38
3.2.2 Composição .......................................................................... 38
3.2.3 Avaliação de Aprendizagem .......................................................................... 39
3.2.4 Cálculo de notas de Avaliações .......................................................................... 41
3.2.5 Faltas às avaliações .......................................................................... 42
3.2.6 Justificação a faltas nas
.......................................................................... 42
avaliações
3.2.7 Mostra e Pedidos de Revisão
.......................................................................... 43
de Correção de Avaliações
3.2.8 Procedimentos em caso de
utilização de meios .......................................................................... 43
fraudulentos em avaliações
3.2.9 Associação de Pais e Mestres .......................................................................... 45
3.2.10 Seção de Educação Física .......................................................................... 46
3.2.11 Biblioteca
.......................................................................... 47

4. SEÇÃO DE SAÚDE .......................................................................... 47

5. DIVISÃO ADMINISTRATIVA .......................................................................... 48

6. HINOS E CANÇÕES

6.1 Hino Nacional Brasileiro .......................................................................... 50


6.2 Hino à Bandeira .......................................................................... 51
6.3 Canção do CMB .......................................................................... 52
6.4 Avante Camaradas .......................................................................... 53
6.5 Saudação Escolar .......................................................................... 54

7. TECNOLOGIAS DIGITAIS DA 55
..........................................................................
INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TDIC)

3
1. APRESENTAÇÃO
1.1 Histórico

O primeiro Colégio Militar do Brasil nasceu, oficialmente, pelo Decreto Imperial n°


10.202, de 9 de março de 1889, com o nome de Imperial Colégio Militar da Corte, hoje o
tradicional Colégio Militar do Rio de Janeiro.

Tornavam-se realidade os sonhos do Duque de Caxias e do Marquês do Her-


val, de criação de um colégio destinado aos órfãos de militares tombados nos
campos de batalha na Guerra do Paraguai, graças ao apoio incansável de
Thomaz José Coelho de Almeida, Ministro da Pasta da Guerra.

A visão de estadista e educador do Patrono do Exército Brasileiro


daria origem a outros estabelecimentos congêneres, dentre eles, quase cem
anos depois, ao Colégio Militar de Brasília, criado pelo Decreto Presidencial,
de 23 de Janeiro de 1978.

Instalado em 1° de setembro de 1978, data de seu aniversário, iniciou


suas atividades de ensino em 5 de março de 1979, tendo como primeiro Co-
mandante o Coronel de Infantaria Adriano Áulio Pinheiro da Silva. Completou
o ciclo de sua organização por séries escolares em 1982, com a implantação
da 3a série do Ensino Médio, sendo abrilhantado, em 1989, pela turma pionei-
ra de mulheres.

Ocupando uma respeitável área de 240.000m², dos quais 60.000m²


em alvenaria, abriga em suas instalações um efetivo aproximado de 2.700
alunos, distribuídos em mais de 85 turmas de aula.

Atendendo, prioritariamente, ao ensino preparatório e assistencial -


Ensino Fundamental e Médio, esta jovem casa, sedimentada nas mais lídi-
mas tradições dos Colégios Militares, forma jovens que, no terceiro milênio,
despontarão como líderes em posições de destaque nas Forças Armadas e
nas administrações pública e privada.

4
1.2 Valores

. Lealdade

. Verdade

. Probidade

. Responsabilidade

. Patriotismo

. Civismo

. Camaradagem

. Cooperação

. Disciplina

1.3 Proposta Pedagógica

Na concepção de educação do SCMB, o ser humano é entendido como ser ativo,


crítico, construtor de sua cultura, de sua história e da sociedade em que vive. Para ele, é
imprescindível o acesso a uma escola que, além de formação ampla, desenvolva valores e
atributos comportamentais próprios ao cidadão. A educação básica, na perspectiva dos
CM, vai dirigir-se ao ser humano integral, englobando todas as dimensões de sua relação
com o mundo (cognitiva, afetiva, social e física).

Um dos principais objetivos do processo educativo escolar é elaborar os


instrumentos de descoberta, escolha e integração das informações disponíveis. Nesse
sentido, a escola é definida como espaço de elaboração de valores, de tolerância e respeito
às diferenças, de produção e disseminação de conhecimento e de convivência humana e
social, cultural e política, levando sempre em consideração a realidade das relações sociais
e de trabalho.

Vivemos na sociedade do conhecimento. Os aspectos peculiares das


transformações pelas quais a sociedade passa, as inovações tecnológicas e exigência de
novas funções; o avanço científico e o surgimento de novas questões éticas, principalmente
no campo da genética e nos desafios bioéticos daí resultantes, ou de novas tecnologias da
informação; as recentes preocupações com o desenvolvimento sustentável pautado na

5
manutenção de heranças culturais e na preservação ambiental. Esses aspectos reforçam
o papel da escola em nossa sociedade: ser mediadora, realçando as identidades culturais
locais, regionais e nacionais, devendo a escola, para tanto, estar capacitada – física e
pedagogicamente – para enfrentar os desafios atuais que afetam também seu cotidiano.

É neste cenário que se inserem os Colégios Militares, educandários fortemente


ancorados nos valores éticos e morais, nos costumes e nas tradições cultuados pelo
Exército Brasileiro. É deste somatório que emerge a identidade do Sistema, o diferencial
capaz de gerar vínculo, apego e sentimento de pertencimento aos Colégios.

Como estabelecimentos de ensino filiados aos códigos do Exército, os Colégios


Militares sustentam-se sobre os mesmos pilares: a hierarquia e a disciplina. Esta
peculiaridade, que os distingue no todo maior da educação nacional, reforça a imagem que
os Colégios Militares vieram lapidando ao longo de mais de cento e vinte anos: sua marca
particular.

O perfil do estudante que ingressa, atualmente, nos CM é distinto do estudante que


há dez, quinze anos, ingressava nesses estabelecimentos de ensino. Tal como a
velocidade de transformação da sociedade brasileira e mundial, o indivíduo de hoje
pertence a uma geração denominada pelo meio acadêmico de “nativa digital”. Seus
anseios, suas relações sociais, seus costumes e, principalmente, suas “apropriações do
saber” se dão de maneira distinta às do passado. Eis então o desafio contemporâneo da
escola: buscar novas metodologias para atender às novas demandas, estimulando os
docentes do Sistema a novas práticas de ensino.

O SCMB preocupa-se em formar jovens ativos e criativos, autônomos e autores,


providos de competências, habilidades e de valores éticos e morais cultuados pelo Exército
Brasileiro, ou seja, indivíduos mais responsáveis, atuantes e transformadores.

1.4 Significado da Boina Garança

Instituída por Portaria Ministerial, em 21 de janeiro de 1971, a boina significa a


entrada do novo aluno no Exército Brasileiro.
A boina é a continuidade ao unir o jovem de hoje, idealista, esperançoso,
confiante, às tradições de honra e de patriotismo do Exército Brasileiro.
É símbolo de união, de amizade, de respeito, de camaradagem e de civismo.
É nela que os dedos perfilados do jovem tocam para, na continência orgulhosa,
saudar os chefes, os professores, os amigos, os camaradas e, na manifestação mais pura
do nacionalismo, homenagear os símbolos da Pátria.
A boina é fraternidade ao irmanar os novos alunos aos demais integrantes do
colégio.
Além de tudo isso, a boina é ainda carinho, esperança e amor ao solidificar, no
ato de sua entrega, a união familiar.

6
1.5 Juramento do Aluno

"lncorporando-me ao Colégio Militar de Brasília,


e perante seu nobre estandarte,
assumo o compromisso de cumprir,
com honestidade, meus deveres de estudante,
de ser bom filho,
de ser disciplinado
e de cultivar as virtudes morais
para tornar-me herdeiro de suas gloriosas
tradições
e honrado cidadão de minha Pátria".

1.6 Horário Geral

Atividades Escolares
Ensino Médio Ensino Fundamental
Formatura da Cia/pronto: 07:00 horas* Formatura da Cia/pronto: 12:45 horas*
Deslocamento para sala de aula: 07:10 horas Deslocamento para sala de aula: 12:55 horas
Início 1o tempo de aula: 07:15 horas Início 1o tempo de aula: 13:00 horas
Término último tempo de aula: 12:25 horas Término último tempo de aula: 18:00 horas
Liberação da Cia Al: 12:25 horas Liberação da Cia: 18:10 horas

*Após este horário, o aluno será considerado atrasado.


OBSERVAÇÕES:

• A grade de horário e disciplinas de todos os anos será divulgada pela Supervisão Escolar no
início do ano letivo.
• A Formatura Geral corresponderá, no período matutino, ao 1o tempo de aula e, no período
vespertino, ao 12° tempo de aula toda sexta-feira.
• O aluno deverá entrar no CMB, a pé, ultrapassando os portões de acesso. Não será permitida
a entrada do aluno embarcado, salvo quando estiver em atividade de representação, ou
quando estiver impossibilitado de caminhar, após autorização do comandante da Companhia
de Alunos.

7
1.7 Telefones úteis

CORPO DE ALUNOS (CA)


AJUDÂNCIA DO CORPO DE ALUNOS ..................... 3424-1046
COMANDANTE DO CORPO DE ALUNOS ..................... 3424-1045
1a COMPANHIA DE ALUNOS ..................... 3424-1052
2a COMPANHIA DE ALUNOS ..................... 3424-1116
3a COMPANHIA DE ALUNOS ..................... 3424-1054
6a COMPANHIA DE ALUNOS ..................... 3424-1056
7a COMPANHIA DE ALUNOS ..................... 3424-1057
8a COMPANHIA DE ALUNOS ..................... 3424-1058
9a COMPANHIA DE ALUNOS ..................... 3424-1059
ESPAÇO MUSICAL (Banda de Música - Coral) ..................... 3424-1051
CORPO DE BAILE - GRÊMIO ANA
..................... 3424-1062
BOTAFOGO
3424-1049
SECRETARIA DO CA .....................
3424-1109
DIVISÃO ADMINISTRATIVA (DA)
SETOR DE MENSALIDADE ..................... 3424-1017
DIVISÃO DE ENSINO (DE)
3424-1023
BIBLIOTECA .....................
3424-1038
SEÇÃO DE ESTUDOS E PRÁTICAS
..................... 3424-1041
PEDAGÓGICAS
SEÇÃO DE EXPEDIENTE DA DE ..................... 3424-1022
SEÇÃO DE SUPERVISÃO ESCOLAR ..................... 3424-1041
3424-1035
SEÇÃO PSICOPEDAGÓGICA .....................
3424-1132
3424-1036
SEÇÃO TÉCNICA DE ENSINO .....................
3424-1037

COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA


ENDEREÇO: SGAN 902/904 - ASA NORTE - CEP 70790-900.
SITE: www.cmb.eb.mil.br

1.8 CMB na internet/SIGAWEB

a. Cadastre-se no "sigaweb" a fim de realizar um acompanhamento da vida escolar


de seu dependente. O "sigaweb" possibilita informações quanto ao rendimento intelectual, à
frequência aos trabalhos escolares e o comportamento disciplinar do aluno
(www.cmb.eb.mil.br).

b. Solicitamos aos pais, responsáveis e alunos acessarem o site todos os dias.


Cadastrem-se no "sigaweb".

8
c. O cadastro poderá ser realizado diretamente no site do CMB ou na Cia de Alunos,
pelos pais, pelos responsáveis e pelo aluno.

1.9 Carreira Militar

Um dos objetivos dos Colégios Militares é despertar o amor à carreira militar nas Forças
Armadas Brasileiras e, com isso, renovar seus efetivos, principalmente de oficiais, com o que
há de melhor entre os jovens de ambos os sexos. Para tal, orienta e dirige os estudos dos
alunos que desejam prestar concurso para as principais escolas de formação de oficiais, a
saber:

Escolas Condições de ingresso

1) Nível exigido: 3o ano do Ensino Médio;


Escola Preparatória de Cadetes do Exército 2) Forma de acesso à Academia Militar das
(EsPCEx). Agulhas Negras - AMAN, onde se formam os
oficiais de carreira das armas.

1) Nível Exigido: 3o ano do Ensino Médio;


Instituto Militar de Engenharia (IME)
2) Para ambos os sexos.
1) Nível Exigido: superior completo nas áreas
Escola de Formação Complementar do
de interesse do Exército (Administração,
Exército (EsFCEx).
Psicologia, Direito, Pedagogia, Magistério etc);
2) Para ambos os sexos.
1) Nível exigido: superior completo em
Escola de Saúde do Exército Medicina, Odontologia ou Farmácia;
2) Para ambos os sexos.
1) Nível exigido: 9° ano do Nível
Fundamental;
Colégio Naval.
2) Escola que prepara para a Escola
Naval, dando acesso direto ao aluno
concludente do 3o ano do CN.

Escola Naval. 1) Nível exigido: 3° ano do Nível Médio;


2) Forma os oficiais do corpo naval brasileiro.
1) Nível exigido: 9o ano do Ensino
Escola Preparatória de Cadetes do Ar Fundamental ou 1a ano do Ensino Médio;
(EPCAr). 2) Prepara para a Academia da Força
Aérea (AFA), dando acesso direto ao aluno
concludente do 3o ano da EPCAr.

9
1) Nível exigido: 3o ano do Ensino Médio;
Academia da Força Aérea (AFA). 2) O curso para a Infantaria destina-se ao
sexo masculino. Os Cursos de Intendência e
Piloto, para ambos os sexos.

2. CORPO DE ALUNOS
2.1 Composição

O Corpo de Alunos tem em seu organograma diversos setores, dos quais se destacam:
as Companhias de Alunos, o Espaço Musical e a Secretaria do CA. Cada Companhia de Alunos
enquadra alunos de um determinado ano, totalizando 7 (sete), sendo 4 (quatro) Companhias
de Alunos no Ensino Fundamental e 3 (três) no Ensino Médio.

2.2 Atribuições

a. Companhias de Alunos - exercer o acompanhamento da conduta do aluno e atuar


preventivamente na correção de comportamentos inadequados às obrigações do discente.
b. Secretaria do CA - planejar e executar as tarefas referentes à inscrição para o concurso
de admissão, matrículas, transferências, adiamento e trancamento de matrícula, renovação e
segunda matrícula.

2.3 Horário de atendimento

a. Companhias de Alunos
1) Ensino Médio – de 2a a 6a feira: das 07:15 às 12:15 horas;
2) Ensino Fundamental – de 2a a 6a feira: das 13:00 às 18:00 horas.
b. Secretaria do CA: de 2a a 6a feira: das 08:00 às 17:00 horas.

2.4 Frequência às atividades

a. É obrigatória a frequência aos trabalhos escolares, isto é, a todas as atividades


programadas para os alunos;
b. O aluno perde 1 (um) ponto a cada tempo de aula ou sessão a que faltar ou não assistir
integralmente, ainda que justificada;
c. A quantidade de pontos perdidos pelo aluno poderá ser verificada pelo responsável na
Cia Al ou através do SIGAWEB. No boletim escolar também poderão ser verificados os pontos
perdidos do aluno;

10
d. O Colégio deverá informar ao responsável pelo aluno e notificar ao Conselho Tutelar do
Distrito Federal, quando o aluno do Ensino Fundamental/Médio atingir quantidade acima de
12,5% de faltas constantes da grade curricular;
e. O limite máximo de faltas corresponde a 25% (vinte e cinco por cento) do total de horas-
aula ano previstas na grade curricular do respectivo ano. Atingindo esse limite, o aluno será
desligado;
f. Somente será autorizado o acesso do aluno à sala de aula nos dez minutos iniciais do
1o tempo de aula. Caso contrário, o aluno deverá permanecer no PC da Cia Al, aguardando o
início do próximo tempo de aula. Nos demais tempos de aula, fica a critério do professor
autorizar a entrada do aluno, após o início da aula;
g. A saída do aluno antes do término das aulas poderá ocorrer a qualquer momento,
devendo o responsável estar presente e preencher a autorização para saída, que será entregue
na portaria leste; e
h. Caso uma terceira pessoa, maior de idade, venha solicitar a liberação de um aluno, esta
somente poderá ser concedida se o responsável pelo aluno remeter documento escrito
autorizando a saída acompanhada por esta terceira pessoa. Não será autorizada a liberação
por contato telefônico;

2.5 Recomendações aos Alunos e Responsáveis

a. O uso de telefones celulares será permitido no interior do Colégio, excetuando nas salas
de aulas, conforme Lei n° 4.131, de 02 de maio de 2008, do GDF;
b. Não é permitido o uso de aparelho sonoro do tipo MP3, MP4, Ipod ou equipamentos
similares, no interior do Colégio e, fora dele, quando fardado. Não é permitido o uso de
equipamento elétrico-eletrônico do tipo gravadores, filmadoras, máquinas fotográficas ou
equipamentos similares, no interior do Colégio. O colégio não se responsabiliza pelos aparelhos
sonoros e eletrônicos extraviados;
c. É proibida a entrada de qualquer tipo de material escolar no interior do auditório, tais
como: lápis, caneta e mochila, bem como alimento e bebida;
d. É proibido trazer e consumir bebidas alcoólicas ou cigarros para o interior do colégio e,
fora dele, quando fardado, ou trajando o abrigo desportivo;
e. São proibidos uso e posse de substâncias tóxicas no interior do colégio;
f. O deslocamento da turma durante o horário de aula e Educação Física deve ser em
forma, sob o comando do chefe de turma, acompanhada por um(a) monitor(a);
g. Os alunos não poderão se ausentar da Companhia de Aluno (Cia Al) durante o horário
de aula, exceto em casos emergenciais, após análise do Comandante de Companhia (Cmt Cia)
ou do Sargenteante. Para esse deslocamento, o aluno deverá portar a permissão de
deslocamento e entregá-la na Sargenteação devidamente assinada pelo responsável do local
de destino, quando do retorno;
h. O aluno que apresentar qualquer tipo de dispensa/restrição para o uso de qualquer peça
do uniforme deverá comparecer à sargenteação para homologação do atestado médico. Após
homologação, o Comandante da Companhia, com o médico do colégio, e em consonância com
as diretrizes do Corpo de Alunos, adaptará restrição do uniforme conforme a necessidade do
aluno. É proibido o uso do abrigo desportivo do colégio sem a autorização do Cmt da

11
Companhia. O aluno enquadrado neste item portará uma permissão expedida pelo
Comandante do Corpo de Alunos, que não poderá exceder ao prazo de 30 dias. O aluno deverá
renovar a permissão antes da data de sua expiração;
i. Os portões de acesso ao Colégio serão fechados às 06:45 horas (matutino) e 12:40
horas (vespertino), horário em que o aluno já deve estar pronto na formatura da Companhia às
07:00 horas (matutino) e 12:45 horas (vespertino). Após esses horários, os alunos serão
considerados atrasados;
j. Após o fechamento dos portões, os alunos somente entrarão pelo portão leste (via W5),
devendo se dirigir ao PC da Cia, de imediato, acompanhados ou não por seus responsáveis,
devendo ser conduzidos até suas Companhias;
k. O aluno deverá entrar no CMB e sair dele, a pé, ultrapassando os portões do colégio.
Não será permitida a entrada/saída do aluno embarcado em qualquer transporte nos dias
letivos, no horário compreendido entre 06:30 e 18:30 horas, salvo quando estiver em atividade
de representação, ou quando impossibilitado de caminhar, mediante apresentação de atestado
médico, homologado pelo Cmt Cia;
l. Os alunos Legionários do 3° ano do Ensino Médio não precisam da companhia do
responsável para sair do colégio, após o fechamento dos portões. Para isso, faz-se necessário:
1) O responsável requerer, por escrito, a autorização junto à Companhia;
2) O aluno, sempre que utilizar desta prerrogativa, apresentar a permissão expedida pelo
Comandante da Cia, acompanhada de documento datado e assinado pelo responsável
versando sobre a autorização para entrar após o horário de início das aulas;
Obs: Essa concessão não abrange os horários destinados ao ACM. Após a entrada no CMB,
o aluno deverá se dirigir a sua Companhia, onde deverá ser arquivado na pasta do aluno o
documento emitido pelo responsável;
m. No horário de Instrução Cívico Militar (ICM) não haverá atividade no Espaço Musical,
salvo nos casos em que haja o acerto entre o Cmt Cia e os responsáveis pelo Espaço Musical;
n. O deslocamento para a Cia Al, após a formatura inicial ou treinamento no Espaço
Musical, será em forma e sob a fiscalização de um monitor do desse local. Os alunos poderão
entrar em sala até dez minutos após iniciada a aula;
o. O deslocamento de ida e de volta para o Espaço Musical, nos horários de educação
física, será em forma sob a fiscalização de um monitor do Espaço Musical;
p. O aluno não poderá se ausentar do Espaço Musical, tampouco transitar no interior do
CMB, nos horários destinados às aulas no Espaço Musical. Toda atividade no Espaço Musical
deve ser desenvolvida, prioritariamente, no horário compreendido das 07:00 horas às 18:30
horas. Os casos excepcionais deverão ser informados aos responsáveis;
q. É proibida a filmagem e fotografia de atividades do Colégio sem a devida autorização,
bem como a divulgação na internet e publicação nas redes sociais (criação de páginas,
facebook ou qualquer mídia em nome do CMB). O descumprimento desta proibição será de
total responsabilidade do aluno, estando sujeito às medidas disciplinares decorrentes;
r. Durante o grande intervalo, os alunos deverão permanecer na área de cantina, não
podendo ficar em sala de aula ou banheiro, nem sendo autorizado a permanecer no 2o piso.
Os portões de acesso às Companhias de Alunos deverão permanecer fechados. Nas áreas de
cantinas, os alunos deverão utilizar os cestos de lixo seletivo e não seletivo, não deixando
resíduos sobre as mesas e nem os jogando no chão;

12
s. É proibida a utilização de instrumentos musicais no interior das salas de aula, nos
corredores da Cia Al, na área de cantinas e nas demais instalações da DE; porém é permitida
sua utilização nos quiosques das armas, desde que não interfira nas atividades que estejam
ocorrendo nas proximidades. A área prioritária para o uso de instrumentos musicais é a do
Espaço Musical.
t. É proibido o trânsito de alunos, em qualquer horário, nas seguintes áreas da Divisão de
Ensino: Sala de Meios, Seção Técnica de Ensino, Seções de Ensino, rampa central de acesso
à DE e acesso ao Pavilhão de Comando, exceto a seção de saúde. É terminantemente proibido
o acesso do aluno(a) à Companhia de Comando e Serviços (CCSv) em qualquer horário;
u. É proibida a prática de jogos de carta (exceto Uno e Trunfo) e tabuleiro (exceto Xadrez);
v. Não é permitida nenhuma manifestação de namoro (andar de mãos dadas, abraçados,
beijos etc) no interior do colégio, nem fora dele, quando fardado, ou ainda, utilizando o abrigo
desportivo do CMB;
w. É proibido, no interior do Colégio, arrecadar dinheiro, passar rifas, promover coletas ou
vendas de qualquer produto, sem a devida autorização do Comando;
x. Nos Grêmios e Clubes, só será permitida a presença de alunos que compõem a Diretoria,
e em horários determinados e autorizados pelo comando do CA, e de conhecimento do seu
orientador;
y. No restaurante, que funciona no interior do CMB, deverão ser observadas as normas da
boa educação, conduta e também da apresentação do uniforme; e
z. Não será permitido o uso de óculos escuros no interior do Colégio, bem como, fora dele,
quando fardado. Exceção feita quando o aluno apresentar prescrição médica.
Observações de caráter geral:
1) É obrigação do aluno ter todos os livros adotados e um dever dos professores exigi-los.
Fonte: NPGE/SCMB;
2) É obrigação do responsável acompanhar o desempenho escolar e disciplinar do seu
dependente. Todas as informações estão disponíveis no SIGAWEB;
3) Não é recomendado que os responsáveis acompanhem seus dependentes nas formaturas
iniciais das companhias de alunos. Este é um momento de desenvolvimento de atributos e da
autossuficiência do aluno. As formaturas abertas ao público são as de sexta-feira para o
Comandante do Colégio Militar de Brasília;
4) É vedada a entrada dos responsáveis nas salas de aula, os quais deverão sempre se dirigir
ao PC da respectiva companhia de alunos; e
5) Cabe aos responsáveis fiscalizar e zelar pela boa apresentação individual do aluno, bem
como a observância do uniforme a ser utilizado no dia letivo.

2.6 Apresentação individual

a. A apresentação individual é um dos pontos considerados de grande impor-


tância dentro do Sistema Colégio Militar, tendo em vista os aspectos educacionais que
tentamos incutir em nossos alunos, como higiene, boa aparência, sociabilidade, postu-
ra, marcialidade, dentre outros;

13
b. É recomendado, aos alunos do Colégio Militar, padronização dos uniformes,
discrição e a sobriedade na apresentação individual;
c. O descumprimento das normas constitui transgressão disciplinar em detri-
mento dos deveres que sempre aprendemos a preservar como todo cidadão.
d. Serão feitas revistas diárias/semanais, visando à fiscalização e ao cumpri-
mento das normas em vigor;
e. O aluno deve usar sempre a boina no interior do CMB e fora dele, externando todos os
seus valores e significados, conforme texto da página 06 deste guia;
f. É proibido ao aluno permanecer no interior do CMB, sem a boina (descoberto), exceto
nas áreas cobertas.;
g. Durante os deslocamentos em forma, o aluno não poderá retirar a boina;
h. Nas áreas externas do Colégio (shoppings, áreas cobertas etc) também será permitido
permanecer sem a boina;
i. A boina deverá ser usada conforme mostrado nas figuras contidas neste guia.

2.7 Corte de cabelo

a. Masculino:

1) Devem usar seus cabelos aparados curtos, por máquina ou tesoura, mantendo bem
nítidos os contornos junto às orelhas e ao pescoço; as costeletas deverão estar limitadas na
altura das incisuras laterais das orelhas. Não é permitido o uso de bigode, barba ou cavanhaque.
Quando necessário, o aluno deverá apresentar prescrição médica;

14
2) O corte de cabelo considerado “aparado curto” caracteriza-se por apresentar a parte
inferior (nuca) e lateral do crânio compatíveis com o corte e máquina Nr 3 e a parte superior do
crânio compatível com a máquina Nr 4. O contorno do corte na altura do pescoço (pé do cabelo)
deve ser feito com navalha ou instrumento similar;

3) Na parte superior da cabeça, o cabelo deve ser desbastado o suficiente para harmonizar-
se com o resto do corte e com o uso da cobertura;

b. Feminino:

Quanto ao comprimento do cabelo

Cabelo curto:
Cabelo curto:
- é considerado curto o cabelo cujo
comprimento máximo tangencie a parte
superior da gola dos uniformes;
- pode ser utilizado solto com todos os
uniformes;
- deve ser mantido penteado e bem
apresentado;
- pode ter franja, desde que seu comprimento
não exceda a linha das sobrancelhas e, ao
utilizar a cobertura, a franja não fique à mostra;
- deve ser cuidadosamente penteado e
arrumado o cabelo curto e volumoso, a fim de
possibilitar o uso correto da boina e a
manutenção da estética e harmonia na
apresentação pessoal.

Cabelo médio:
- é considerado médio o cabelo cujo
comprimento ultrapasse a parte superior da
gola e não exceda a parte inferior;
- deve ser mantido penteado e bem
apresentado;

15
- deve ser utilizado em coque ou preso na parte
posterior da cabeça, como penteado “rabo de
cavalo”;
- proibido franja.

Cabelo longo:
- é considerado longo o cabelo cujo
comprimento e volume não atendam às
especificações constantes nos cabelos curtos
ou médios e, consequentemente, permita o uso
em “rabo de cavalo”, porém vedado que seja
mantido solto;
- deve ser mantido penteado e bem
apresentado;
- deve ser mantido em “rabo de cavalo” ou
coque, preso firmemente, sem pontas soltas;
- proibido franja.

c. Outras considerações acerca do cabelo:

1) As orelhas devem permanecer sempre à mostra, independente do comprimento


e do penteado do cabelo;

2) O cabelo volumoso exige especial atenção para não comprometer a sua


apresentação pessoal e o uso correto da boina. Sugere-se corte de cabelo com efeito degradê
na franja e um repicado geral, a fim de obter um visual mais compacto e de manter boa
apresentação ao longo do dia;

3) O cabelo preso em coque deve ser fixado por elásticos, grampos ou presilhas, e
redes para cabelos (“redinha”), mantendo a tonalidade da cor do cabelo e a discrição;

4) A coloração artificial do cabelo pode ser feita somente nas cores naturais do
cabelo humano (loiro, loiro escuro, ruivo, castanho, castanho escuro, preto, grisalho e branco).
Em tonalidades discretas e compatíveis com o uso do uniforme, sendo vedada a alternância de
cores na coloração artificial. Entende-se por alternância de cores o cabelo que possuir
tingimento em duas cores, exceto nas técnicas conhecidas como luzes, balaiagem ou reflexos;

5) Os cabelos médios e longos podem ser presos com o penteado “rabo de cavalo”
ou com trança única quando a aluna estiver trajando o uniforme de educação física, barretina
ou capacete de escolta de honra;

6) É vedado raspar a cabeça ou adotar corte com máquina inferior a Nr 5, exceção


feita à recomendação médica;

7) É vedado o uso de corte de cabelo tipo “moicano” ou “topete, além do penteado


com o cabelo levantado na parte anterior da cabeça com ou sem gel fixador;

8) É vedado a realização de desenho na sobrancelha ou no couro cabeludo;

16
9) Em caso de enfermidades ou em uso de medicamentos que tenham como efeito
colateral a queda do cabelo, pode ser utilizado um lenço liso, na cor preta ou marrom, ou peruca,
até que o crescimento do cabelo se reestabeleça;

10) O uso do cabelo em “rabo de cavalo” somente é autorizado com o uniforme


CÁQUI. O uso do cabelo em coque é obrigatório com o uniforme GARANÇA.

2.8 Uniformes

1 - UNIFORMES PREVISTOS PELO SCMB (POSSE OBRIGATÓRIA)


UNIFORMES MASCULINOS UNIFORMES FEMININOS

5ºB1 5ºB1S

3ºB1 3ºB1S

6º-CM 6º-CM

17
7º-CM
Somente
para os 6º e
7º anos.

7º CM
Somente para
os 6º e 7º anos.

18
2 - UNIFORMES PREVISTOS PELO SCMB (FACULTATIVOS PARA ENSINO FUNDAMENTAL E
OBRIGATÓRIOS PARA ENSINO MÉDIO)
UNIFORMES MASCULINOS UNIFORMES FEMININOS

1º B1 1º B1S

Obs:

- Uso com luvas em solenidades e atos sociais nos


quais sejam exigidos o 1º e 2º uniformes; e

- sem luvas em solenidades e atos sociais nos quais


sejam exigidos o 3º e 4º uniformes.

1º B1

19
3 – UNIFORMES FACULTATIVOS
PEÇA DESCRIÇÃO

COTURNO PRETO
f) obrigatório o uso de bombacha.

ESPORAS

e) é obrigatório espora com a bota após a formatura solene.


BOTAS CAVALARIA

CULOTE GARANÇA

20
ABRIGO EDUCAÇÃO FÍSICA

ALAMAR

CAPA DE CHUVA

DIVISAS

21
DIVISAS

a. Dos adornos

1) Os acessórios e os adornos (brincos, alianças, anel, pulseira, e cordão de pescoço)


deverão ser prateados ou dourados;
2) Brincos, um em cada orelha, desde que pequenos e discretos, não podendo ter argolas
ou pingentes, tampouco ultrapassar o lóbulo inferior da orelha. Os brincos deverão estar presos
no lóbulo de cada orelha;
3) Não será permitido o uso de alargadores de orelha;
4) Não será permitido o uso de piercing em qualquer parte do corpo;
5) Um cordão no pescoço e uma pulseira no pulso, ambos de fina espessura e formados
por uma única volta, poderão ser utilizados; e
6) Uma aliança (ou anel) em cada mão, também poderão ser utilizadas (os).

b. Outras Observações
1) A saia e a calça do uniforme feminino devem ter cós ajustado na cintura, não podendo
usá-las na altura do quadril;
2) A saia deverá ter bainha abaixo dos joelhos (rótula);
3) As unhas podem ser tratadas e pintadas com esmalte incolor ou na cor "renda";
4) No que diz respeito à maquiagem, somente será permitida a utilização de batom e gloss
em tonalidades claras.

c. Outros acessórios

O uso de cachecol e luvas na cor azul-marinho ou preto será permitido, devendo o


cachecol estar com suas pontas colocadas para dentro do uniforme.
A mochila e outras bolsas e similares dos alunos deverão ser na cor preta.
O guarda-chuva será permitido, em caso de mau tempo, devendo ser na cor preta e lisa.
Caso o aluno esteja impossibilitado de utilizar qualquer uniforme ou peça componente
deste, deverá levar ao conhecimento do Cmt Cia que, após apresentação da prescrição
médica, levará ao conhecimento do Cmt CA. O Cmt CA, após analisar o caso com os

22
profissionais da Seção Psicopedagógica e da Seção de Saúde, decidirá o uniforme ou traje
alternativo.

3) Uso do Abrigo Desportivo

O uso do abrigo desportivo durante o turno será autorizado pelo Comandante do CMB,
apenas como prêmio para as Cias de Alunos que mais se destacarem nas atividades escolares
(Formaturas, Solenidades, Educação Física, etc). Quando autorizado, o aluno deverá portar a
permissão para o uso, expedida pela Cia Al;
No contraturno, será permitido o uso do abrigo desportivo para os alunos que participam
de treinos esportivos na área da SEF;
Nas atividades extraclasses (escolinhas, banda etc), no contraturno, será permitida a
entrada do aluno trajando o abrigo desportivo;
Cabe ressaltar que o uso do abrigo é uma concessão;
Os alunos, quando estiverem trajando o abrigo desportivo, deverão:
- usar a camisa correspondente à série, com o nome bordado, na cor branca;
- deverá utilizar tênis desportivo na cor preta (totalmente preto). Não está autorizado
o uso do tênis social (tipo All Star - Sapatilha - etc). Qualquer dúvida a respeito, deverá
ser sanada junto ao Cmt Cia;
- manter a camisa por dentro da calça do abrigo; e
- quanto às alunas, seguirão as normas para apresentação individual, estando
autorizado o uso do cabelo preso com "rabo de cavalo".
d. Uso de Traje Civil

1) Nos finais de semana e feriados;


2) Nos dias de semana, durante o ano letivo, após as 18h30;
3) Durante as férias e recessos escolares; e
4) Não será permitida a entrada do aluno, no contraturno, trajando roupa civil.
Obs: Os (as) alunos (as) deverão utilizar calça comprida, saia ou vestido, quando trajando
roupa civil, não sendo permitida a entrada no colégio de bermuda, camiseta sem manga ou
chinelo.
e. Uso da japona / suéter
1) A utilização da japona / suéter regulamentar está autorizada em todas as atividades em
que o aluno estiver envolvido, desde que não haja determinação quanto à padronização e
uniformidade. Para ser utilizada, a japona deverá estar identificada com o nome do aluno, bem
como a divisa do ano correspondente, costurada, não sendo permitida a utilização do velcro.
2) A utilização de sandálias de dedo só estará autorizada após a dispensa de calçados pela
Seção de Saúde do CMB. Caso seja autorizado o seu uso, a sandália deverá ser de borracha
na cor preta prevista no RUE (sem meias). O uso de sandálias de dedo deverá ser feito com o
abrigo desportivo.

23
2.9 Regime Disciplinar (Extrato do Anexo e do RICM) Edição 2012

a. Disciplina

1) A disciplina é condição de sucesso, tanto na vida civil como militar. Quando se lê na


Bandeira Nacional a palavra ORDEM, compreende-se, em seu sentido mais amplo, a existência
de leis que organizam a vida do cidadão brasileiro, sob a forma de uma "disciplina geral", da
qual todos devem participar.
2) A disciplina deve ser consciente. O aluno obedecerá hoje às normas do CM e amanhã
às leis do País, porque é responsável. A razão para ser disciplinado jamais deverá ser o medo,
a presença de um superior ou de testemunha indesejada, mas a convicção de realizar o bem e
o correto.
3) Ser disciplinado, no CM, é continuar a respeitar as normas de boa educação que o aluno
traz de casa.

b. O perfil do aluno

Além das normas e prescrições acerca do comportamento, você lerá a seguir algumas
orientações que constituem o perfil do aluno do Colégio Militar:
1) Ter boa apresentação individual;
2) Apresentar boa educação doméstica;
3) Aceitar as normas e regras exigidas pelo Colégio;
4) Cumprir, adequadamente, as instruções;
5) Adotar, da melhor maneira possível, hábitos de estudo para favorecer a aprendizagem;
6) Cultivar o hábito de estudo diário;
7) Conhecer e respeitar, hierarquicamente, seus superiores;
8) Participar, efetivamente, das atividades extraclasse; e
9) Engajar-se no programa de leitura realizado no CM.

c. Comportamento dos alunos


O comportamento dos alunos é classificado por grau numérico, de acordo com o
seguinte critério:

Grau 9,40 a 10,00 EXCEPCIONAL


Grau 8,00 a 9,39 ÓTIMO
Grau 6,00 a 7,99 BOM
Grau 5,00 a 5,99 REGULAR
Grau 3,00 a 4,99 INSUFICIENTE
Grau 0 a 2,99 MAU

24
1) O grau de comportamento estender-se-á por todo o curso e, em cada ano, sua avaliação
abrangerá todo o ano letivo;
2) O aluno, ao ser matriculado no Colégio, será classificado no comportamento BOM, com
grau numérico 7,99 (sete vírgula noventa e nove);
3) O aluno, transferido de um CM para outro, será classificado de acordo com o grau de
comportamento que tinha no CM de origem;
4) Ao ser rematriculado, no caso de trancamento de matrícula, o aluno será classificado
com o grau de comportamento que tinha anteriormente, quando da sua solicitação; e
5) As alterações disciplinares acompanharão, obrigatoriamente, os alunos, quando
transferidos de um para outro CM.

d. Faltas disciplinares

1) Falta disciplinar é qualquer violação dos preceitos de ética, dos deveres e obrigações
escolares, das regras de convivência social e dos padrões de comportamento impostos aos
alunos, em função do sistema de ensino peculiar aos Colégios Militares; e
2) As medidas disciplinares a que estão sujeitos os alunos são as seguintes, em ordem de
gravidade crescente:
Advertência; Repreensão; Atividade de Orientação Educacional (AOE); Retirada do Colégio,
que poderá ser substituída por atividade de estudo no contraturno, sendo considerado
computado como aplicação de punição de retirada. Fato observado não é considerado medida
disciplinar.

e. Medidas disciplinares

1) A medida disciplinar terá caráter educativo e visará à preservação da disciplina escolar,


elemento básico indispensável à formação integral do aluno.
2) As medidas disciplinares, a seguir discriminadas, recebem determinados valores
numéricos, de acordo com a tabela abaixo, que deverão ser computados no cálculo da
classificação do comportamento:

Advertência não possui valor numérico

Repreensão - 0,30

Atividade de Orientação Educacional


- 0,50
(AOE)

Retirada do Colégio (por dia) - 0,80

25
f. Melhoria de comportamento

1) Constituem fatores de melhoria de comportamento e recebem valores que irão influir no


cômputo do grau do comportamento, conforme a tabela abaixo:

Elogio coletivo + 0,30

Elogio individual + 0,50

Aluno aprovado + 0,50

Aluno aprovado com recuperação + 0,20

Transcurso de tempo sem medida disciplinar.


+ 0,01 por dia até atingir o
Decorridos 30 (trinta) dias consecutivos, inclusive no
comportamento EXCEPCIONAL
período de férias escolares, sem que o aluno tenha
(grau 10.0).
sofrido qualquer medida disciplinar

g. Circunstâncias Atenuantes:
- Ser aluno matriculado com menos de 03 (três) meses;
- A idade do aluno;
- Estar no comportamento BOM, ÓTIMO ou EXCEPCIONAL;
- Ser a primeira falta;
- Falta de prática no serviço;
- Relevância de atividades escolares realizadas;
- Ter sido cometida a falta para evitar mal maior; e
- Ter sido cometida a falta em defesa própria de seus direitos ou de outrem, não se
configurando causa de justificação.

h. Circunstâncias Agravantes:
- Ser oficial-aluno ou graduado;
- Ser aluno do CFR ou já o haver concluído;
- Estar no comportamento INSUFICIENTE ou MAU;
- Cometer a falta em serviço, hora de aula ou instrução;
- Reincidência, no mesmo tipo de falta disciplinar;
- Prática simultânea ou conexão de 02 (duas) ou mais faltas disciplinares;
- Conluio de 02 (dois) ou mais alunos;
- Ter abusado o faltoso disciplinar de sua autoridade funcional;
- Ter cometido a falta em público, na presença de tropa ou de aluno em forma ou em sala
de aula; e
- Ter agido com premeditação, no cometimento da falta.

26
i. Faltas gravíssimas

Após, obrigatoriamente, comprovadas por competente sindicância, serão consideradas


faltas gravíssimas, passíveis de desligamento do SCMB:
1) A falta que afete, gravemente, honra pessoal, o pudor e o decoro social;
2) A falta ou faltas disciplinares que tornem o aluno incompatível com o bom nome do
Colégio e a dignidade do Corpo Discente;
3) A participação em greve e outros movimentos reivindicatórios;
4) Portar o aluno substâncias de natureza tóxica, ou delas fazer uso, no interior do
colégio ou em suas imediações;
5) Destruir ou danificar, deliberadamente, com requintes de vandalismo, instalações,
equipamentos e/ou material pertencente ao CM ou a terceiros;
6) A prática, pelo aluno, de crime comum apurado em inquérito, excluídos os culposos;
7) A condenação do aluno por crime militar de natureza dolosa.

j. Desligamento

Constituem causas de desligamento do aluno, o cometimento de falta gravíssima e/ou


ingresso no comportamento MAU (grau < 3,0).
k. Reconsideração de ato
1) Assiste ao aluno ou seu responsável direito de pedir reconsideração de ato, toda vez
que se julgar prejudicado, ofendido ou injustiçado;
2) O pedido deve ser redigido em termos claros, simples e respeitosos dirigido à
autoridade que no critério do aluno ou do seu responsável, o injustiçou, prejudicou ou ofendeu.
Deverá dar entrada na Cia Al, dentro do prazo máximo de 06 (seis) dias úteis, após o aluno ter
tomado conhecimento de seu envolvimento no fato; e
3) Ao aluno ou seu responsável, não é lícito apresentar recurso à autoridade superior
àquela, cujo ato julga injusto, sem que antes a reconsideração de ato tenha sido apreciada por
essa autoridade.

l. Recurso disciplinar

1) Cabe ao aluno ou seu responsável direito de pedir recurso disciplinar, por intermédio
de requerimento, à autoridade imediatamente superior à que tiver proferido a decisão de
reconsideração de ato e, sucessivamente, em escala ascendente, às demais autoridades, até
o Cmt CMB, observando o canal de comando; e
2) O prazo para entrada do recurso disciplinar é de no máximo de 06 (seis) dias úteis, a
contar da data de indeferimento da reconsideração de ato; e
3) Não caberá recurso disciplinar para a medida disciplinar de advertência, bem como
apelação a escalões superiores.

27
2.10 Relação de faltas disciplinares

1. Faltar à verdade.
2. Utilizar-se do anonimato.
3. Comportar-se de maneira inadequada, desrespeitando ou desafiando pessoas,
descumprindo normas vigentes ou normas de boa educação.
4. Deixar de comparecer ou chegar atrasado às atividades programadas ou delas ausentar-se
sem autorização.
5. Portar-se de modo inconveniente nas atividades escolares, nas instruções ou em
formaturas, perturbando o desenvolvimento dessas atividades.
6. Simular doença para esquivar-se ao atendimento de obrigações e atividades escolares.
7. Deixar de comunicar ao superior a execução de tarefa dele recebida.
8. Retardar a execução de qualquer atividade escolar, ou para ela contribuir, sem justo motivo..
9. Representar o Colégio ou por ele tomar compromisso, sem estar para isso autorizado.
10. Portar objetos que ameacem a segurança individual e/ou da coletividade.
11. Causar danos físicos e materiais de qualquer natureza.
12. Portar, usar e/ou distribuir drogas lícitas ou ilícitas nas dependências do Colégio ou fora
dele.
13. Ter em seu poder, introduzir, ler ou distribuir, dentro do Colégio, cartazes, jornais ou
publicações, de cunho político-partidário ou que atentem contra a disciplina ou a moral.
14. Propor ou aceitar transação pecuniária de qualquer natureza no interior do Colégio.
15. Praticar jogos de azar e outros proibidos pela legislação em vigor, assim como aqueles
atentatórios e/ou inadequados ao ambiente educativo.
16. Esquivar-se a satisfazer compromissos de ordem moral ou pecuniária que houver
assumido.
17. Frequentar lugares incompatíveis com o decoro da sociedade e de sua situação de aluno.
18. Apresentar-se com uniforme diferente do que foi previamente estabelecido.
19. Trocar de uniforme em locais não apropriados.
20. Ter pouco cuidado com o asseio próprio ou coletivo e com sua apresentação individual.
21. Deixar de usar, ou usar de maneira irregular, peças de uniforme previstas no RUE/CM ou
nas normas vigentes.
22. Deixar material ou dependência sob sua responsabilidade, desarrumada ou com má
apresentação, ou para tal contribuir.
23. Retirar ou tentar retirar, de qualquer dependência do Colégio, qualquer tipo de material,
viatura ou animal, ou mesmo deles servir-se, sem ordem do responsável ou do proprietário.
24. Deixar de apresentar material, documento ou trabalhos escolares de sua responsabilidade,
nas atividades escolares ou quando solicitado, em dia e em ordem.
25. Deixar de devolver à subunidade, dentro do prazo estipulado, qualquer documento,
devidamente visado pelo pai ou responsável.

28
26. Utilizar-se dos processos fraudulentos na realização de provas e trabalhos escolares, bem
como a adulteração de documentação.
27. Entrar no Colégio ou dele sair, não estando para isso autorizado, bem como entrar ou sair
por locais e vias não permitidos.
28. Ir a qualquer dependência do Colégio sem autorização, bem como nela penetrar sem
permissão ou ordem da autoridade que nela estiver presente.
29. Deixar de acatar as ordens e instrução emanadas de autoridades civis, que não colidam
com o regime disciplinar do Colégio, particularmente se emanadas do Juizado de Menores.
30. Apresentar parte ou recursos sem seguir as normas e preceitos regulamentares, em termos
desrespeitosos, com argumentos falsos ou de má fé, ou mesmo sem justa causa ou razão.
31. Deixar de cumprir o prescrito nos regulamentos, normas e orientações, ou contribuir para
tal.
32. Não levar falta ou irregularidade que presenciar, ou de que tiver ciência e não lhe couber
reprimir, ao conhecimento de autoridade competente.
33. Deixar de participar, em tempo, à autoridade imediatamente superior, a impossibilidade de
comparecer ao CM ou a qualquer ato de serviço para o qual tenha sido escalado ou a que deva
assistir.
34. Publicar ou contribuir para que sejam publicadas mensagens, fotos ou qualquer outro
documento, na Internet, que possam concorrer integrante do colégio.
35. Promover ou envolver-se em rixa, inclusive luta corporal, com outro aluno.
36. Utilizar sem devida autorização telefones celulares e/ou aparelhos eletrônicos nas
atividades escolares, nas instruções ou em formaturas, perturbando o desenvolvimento das
atividades.
37. Fazer uso de tecnologias da informação e comunicação para dar apoio a comportamentos
deliberados, repetidos e hostis para prejudicar outrem (cyberbullyng).

2.11 Estímulos, Premiações e Promoções

a. A hierarquia

1) O Colégio Militar, como estabelecimento de ensino (EE) subordinado ao Sistema de


Ensino Exército Brasileiro, tem seu alicerce, também, na hierarquia militar; e
2) Para efeito de hierarquia, os alunos dos anos mais adiantados têm precedência
sobre os de outros anos, em todas as circunstâncias, exceto no âmbito do Batalhão Escolar,
quando haverá precedência de postos e graduações (cabos, sargentos, subtenentes e oficiais
alunos).

b. Estímulos a Premiações e Promoções

29
Alamar
1) Serão considerados alunos-destaques os que obtiverem média 8,0 (oito) ou superior
em todas as áreas de estudo ou disciplina de seu ano, no trimestre considerado, e
comportamento BOM (grau maior ou igual a 6,0);
2) Os alunos-destaques farão jus ao uso de alamar, como forma de recompensa e, ao
mesmo tempo, facilitar a identificação e o controle do colégio. Não haverá alamar para o
terceiro trimestre;
3) O aluno que obtiver a referida distinção não a perderá durante o ano letivo em que
conquistou o direito, salvo se baixar do comportamento “BOM”;
4) O Colégio realizará uma formatura especial, para a entrega dos alamares,
convidando os responsáveis pelos discentes premiados para fazer presença na entrega de
alamar, realçando o valor da conquista alcançada. O alamar será entregue ao final de cada
trimestre, com exceção do terceiro;
5) O aluno que ingressar no comportamento REGULAR (grau < 6,0) perderá o direito
de usar a honraria;
6) O alamar será concedido a partir do 8o ano do Ensino Fundamental.

Grau de Incentivo à Participação (GIP)


1) Poderá ser concedido até um ponto na média de AP nas áreas de estudo ou
disciplinas, em que estiver envolvido, a título de bonificação, se o discente participar
efetivamente de atividades extraclasse, tais como: monitoria escolar, banda, coral, grupos de
artes e teatro, atletas e atividades dos grêmios, etc;
2) O aluno que possuir Nota Periódica (NP) inferior a 5,0 (cinco) em alguma disciplina,
no trimestre considerado, não poderá receber a bonificação.

As promoções do Batalhão Escolar


1) A promoção nos diversos graus de hierarquia escolar constitui recompensa pela
aplicação nos estudos, pelo correto procedimento dos alunos, e representa estímulo à formação
integral deles e à carreira militar. As graduações e postos da hierarquia escolar vão de cabo-
aluno a coronel-aluno;
2) As promoções são efetuadas em solenidade no início do ano letivo e têm validade
até o início do ano letivo seguinte;
3) O efetivo a ser promovido será equivalente, aproximadamente, a 10% (dez por
cento) do efetivo de alunos existentes no CM, de acordo com o Anexo A ao Regulamento
Interno dos Colégios Militares (RICM);
4) Podem concorrer às promoções os alunos que, no ano considerado, satisfaçam as
condições abaixo:
- Estejam no comportamento EXCEPCIONAL ou ÓTIMO;
- Não tenham atingido o limite de pontos perdidos por faltas aos trabalhos escolares;
- Obtenham Média Global do Ano > 7,0 (sete vírgula zero).
Obs: A área de estudo ou disciplina, Língua Estrangeira Moderna (LEM), Inglês e Espanhol,
não participará da classificação no ano ou curso (NGS).

30
5) O grau de promoção, com aproximação até milésimo, a partir do 6o ano do Ensino
Fundamental, é expresso pela média aritmética ponderada das seguintes notas:
- Nota global do ano com peso 6 (seis);
- Grau de comportamento com peso 3 (três); e
- Nota de conceito do Comandante do CA, com peso 1 (um).
6) A classificação para as promoções é apreciada dentro de cada ano. Em caso de
empate, são utilizados os seguintes critérios, na sequência:
- Maior nota global no ano (NGA);
- Maior grau de comportamento;
- Maior nota de conceito do Cmt CA;
- Maior posto ou graduação anterior; e
- Maior idade.
7) Os alunos transferidos de outros Colégio Militares, já graduados, permanecem
investidos em seus postos ou graduações até o início do ano letivo seguinte.
8) A promoção no 6o Ano do Ensino Fundamental será procedida com base na Nota
Final do Concurso de Admissão.
9) Os alunos investidos nos graus de hierarquia escolar perdem essa hierarquia
quando:
- Por faltas disciplinares, ingressarem no comportamento BOM (grau < 8,0);
- Por falta disciplinar grave, a critério do Comandante do Colégio, sejam julgados
incompatíveis com a condição de alunos graduados;
- A perda da honraria será considerada como critério de desempate, no caso de nova
promoção do aluno.
10) Quadro de promoções do Batalhão Escolar:
Ensino Ano Post/Grad Efetivos (%) Função

Coronel 1 aluno Cmt Btl Esc

Ten Cel 1 aluno SCmt Btl Esc

Major 1 aluno Cmt 3ª Cia Al

3º Major 4 alunos EM/Btl Esc

Major 1 aluno Porta bandeira

Médio Capitão 1 aluno Porta estandarte

1º Tenente 3 alunos Oficial subalterno

Major 1 aluno Cmt 2ª Cia Al

2º Capitão 2 alunos Oficial intermediário

1º Tenente 4% Oficial subalterno

2º Tenente 6% Oficial subalterno

31
Capitão 1 aluno Cmt 1ª Cia Al

1º Tenente 1% Oficial subalterno

2º Tenente 1% Oficial subalterno



Aspirante 1% Praça especial

Subtenente 3% Praça auxiliar

1º Sargento 4% Praça auxiliar

Ensino Ano Post/Grad Efetivos (%) Função

1º Tenente 1 aluno Cmt 9ª Cia Al

2º Tenente 1% SCmt 9ª Cia Al

Aspirante 2% Praça especial



Subtenente 1% Praça auxiliar

1º Sargento 2% Praça auxiliar

2º Sargento 4% Praça auxiliar

2º Tenente 1 aluno Cmt 8ª Cia Al

Aspirante 1% Praça especial

Subtenente 1% Praça auxiliar



Fundamental 1º Sargento 2% Praça auxiliar

2º Sargento 3% Praça auxiliar

3º Sargento 3% Praça auxiliar

Aspirante 1 aluno Cmt 7ª Cia Al

Subtenente 1% Praça auxiliar

1º Sargento 1% Praça auxiliar



2º Sargento 2% Praça auxiliar

3º Sargento 3% Praça auxiliar

Cabo 3% Praça auxiliar

6º Cabo 1 aluno Cmt 6ª Cia Al

As promoções do Espaço Musical (Banda e Coral)


1) As promoções ocorrerão na mesma data que as promoções do Batalhão Escolar;
2) A graduação conferida ao aluno terá validade durante a sua permanência na

32
Banda;
3) As promoções necessárias para preenchimento de claros ocorrerão entre os
alunos que satisfaçam as condições das presentes normas e a aprovação em testes teóricos
e práticos, preparados pelo militar Regente da Banda;
4) São condições para concorrer à promoção na Banda de Música:
- Estar matriculado no CMB há mais de 01 (um) ano;
- Revelar conhecimento musical compatível;
- Ser assíduo e dedicado à Banda de Música;
- Ter boa apresentação individual; e
- Ter conceito favorável do Cmt CA, ouvido o Regente da Banda.
5) Perderá a graduação o aluno que:
- Tiver rendimento insuficiente em qualquer disciplina (grau < 6,0);
- Ingressar no comportamento INSUFICIENTE (grau < 5,0); e
- Ter conceito desfavorável do Cmt CA, ouvido o Regente da Banda.
6) Quadro de promoções da Banda de Música:

Ensino Ano Post/Grad Efetivos (%) Função Obs

Regente de
2º Tenente 1 aluno (a)
música

3º Mestre de
Subtenente 1 aluno (a)
Música
Médio
1º Sargento 5% Músico (b)

2º 1º Sargento 10% Músico (b)

1º 1º Sargento 10% Músico (b)

9º 2º Sargento 10% Músico -

Fundamental 8º 3º Sargento 10% Músico -

7º Cabo 10% Músico -

(a) Escolhidos entre os alunos do 3º ano do EM, em função do tempo de


banda de música, do conhecimento musical, da dedicação e da
assiduidade aos treinamentos;
(b) Considerados sobre o mesmos aspectos, para a promoção a Mestre e a
Regente, na falta de alunos do 3° ano. O aluno do 2º ano tem precedência
sobre o do 1º ano.

33
Livro de Honra
1) O LIVRO DE HONRA é um estímulo ao exemplo!
2) As assinaturas nele apostas são de alunos e alunas que mais se destacaram no
Colégio ao longo dos anos letivos, pelas suas excelentes condutas, tornando-se exemplos a
serem seguidos e merecedores da fé que neles depositaram os seus pais, companheiros e
superiores hierárquicos. É o reconhecimento ao esforço desenvolvido na coletividade escolar
do CMB;
3) Se, no Colégio Militar de Brasília, ou em outro Colégio Militar, o aluno cursar os 02
(dois) últimos anos do Ensino Fundamental e/ou do Ensino Médio, sem sofrer qualquer tipo de
medida disciplinar, exceto advertência, e desde que não tenha cometido qualquer alteração de
natureza GRAVE, em anos anteriores e seja indicado pelo Cmt Cia Al, terá a honra de assinar
este Livro;
4) No caso de alunos transferidos de outros CM, mediante requerimento do
responsável, será considerada a vida escolar do aluno no CM de origem;
5) A assinatura do livro de honra será realizada em cerimônia com a presença dos
discentes, familiares e Comando do CMB, no mesmo dia da formatura de conclusão do EM ou
EF.

Plantio de Árvore
Anualmente será plantada, em uma cerimônia especial, o plantio de uma muda de
"PALMEIRA IMPERIAL", marcando o transcurso de mais um ano letivo do Colégio Militar de
Brasília. O Comandante do Colégio Militar de Brasília será auxiliado pelo aluno(a) Cmt da 6 a
Cia Alu, Cabo aluno(a), e por dois alunos (um aluno do segmento masculino e uma aluna do
segmento feminino) destaques em grau (maior média geral do 1o semestre) e comportamento.

Legião de Honra
1) A Legião de Honra do Colégio Militar tem por finalidade incentivar os alunos ao
cultivo e à prática de sadios princípios de lealdade e honestidade, iniciativa e nobreza de atitude,
disciplina e camaradagem, estudo e amor à cultura, segundo os valores, os costumes e as
tradições do Exército Brasileiro.
2) São condições indispensáveis para o aluno ser proposto:
- Estar no comportamento EXCEPCIONAL;
- Ter obtido NF superior a 5,0 (cinco) em todas as disciplinas;
- Estar cursando o CM desde o início do ano letivo.
3) A cerimônia de admissão dos novos legionários ocorrerá no "Dia 09 de março - Dia
do Aluno ", constará do compromisso que prestarão perante o estandarte do CMB e que se
constituirá no juramento do legionário assim proferido:
Ao ingressar na Legião, o aluno promete cumprir o lema:
“Lealdade e Honestidade;
Iniciativa e Nobreza de Atitude;
Disciplina e Camaradagem;
Estudos e Amor à Cultura;

34
Respeito às Normas do Colégio.”
4) O legionário é excluído da Legião quando:
- Passar afastado do Colégio por mais de 6 (seis) meses;
- Trancar a matrícula;
- Tiver rendimento Escolar inferior a 5,0 (Cinco) em qualquer disciplina; ou
- Atingir grau de comportamento < 9,40 (nove vírgula quatro) - Ótimo.

Espaço Musical
1) O Espaço Musical do CMB é composto pelos alunos da Banda de Música, do Coral
e do Corpo de Baile.
2) Participam das atividades do Espaço Musical:
- Banda de Música (musicalização): alunos do 6° ano;
- Banda de Música: alunos a partir do 7o ano;
- Coral: alunos a partir do 8o ano;
- Corpo de Baile: alunos a partir do 7o ano;
3) Os alunos "aprendizes" ingressarão no Espaço Musical, após a conclusão dos cur-
sos específicos que serão ministrados no contraturno de todo ano letivo, sendo eles:
- Banda de Música - alunos do 6o ano - Curso Musical de Flauta Doce;
- Coral - alunos do 8o ano - Curso de Técnica Vocal.
4) Os novos alunos do CMB, desde que voluntários, que já possuem conhecimentos
de música e dança serão submetidos, no início do ano letivo, a testes específicos, podendo ser
aproveitados nos treinamentos e ensaios dos alunos "já iniciados" ou "avançados";
5) Além das habilidades específicas e citadas para o recrutamento apenas poderão
participar os alunos que satisfizerem as seguintes condições:
- Apresentar rendimento escolar (Nota Final) maior ou igual a 5,0 em todas as
disciplinas, considerado o ano anterior, para os alunos a partir do 7o ano do Ensino
Fundamental;
- Estar classificado no mínimo no comportamento bom (grau > 5,99);
- Os pais ou responsáveis deverão apresentar autorização por escrito para que
esses alunos pertençam ao efetivo do Espaço Musical;
6) O aluno será excluído do Espaço Musical quando:
- Apresentar baixo rendimento escolar no trimestre, ou seja, nota inferior a 5,0 em
qualquer disciplina.
- Ingressar no comportamento REGULAR (grau < 6,0).
7) Os alunos, excluídos por baixo rendimento, poderão participar das atividades do
Espaço Musical, no contraturno, desde que autorizados pelos seus responsáveis.
8) O aluno poderá ser reincluído no Espaço Musical quando:
- Recuperar a nota inferior a 5,0, devendo esta ser efetivada no início do trimestre
subsequente.

35
- Atingir comportamento BOM (grau > 5,99).
- Indicação do responsável pela banda, coral, teatro ou corpo de baile.

2.12 Clubes, Grêmios e Grupos Religiosos

Os Clubes, Grêmios e Grupos religiosos constituem-se em relevantes instrumentos


para o processo educacional no Sistema Colégio Militar do Brasil. Seus principais objetivos
podem ser assim sintetizados:
1) Oferecer aos alunos que possuam especial interesse, ou pendor por determinada
área do conhecimento humano, oportunidade para aprofundar os conhecimentos adquiridos, na
aprendizagem de áreas de estudo ou disciplinas correlatas;
2) Apresentar, de forma lúdica e agradável, para alunos com dificuldade ou falta de
interesse em determinadas áreas de estudo ou disciplinas, aplicações dos conhecimentos
transmitidos em salas de aula;
3) Oferecer aos alunos que compõem as diretorias de clubes e grêmios a oportunidade
de planejar e de gerenciar atividades, de modo que experimentem as dificuldades, os erros e
os acertos de uma atividade essencialmente prática.
4) Os Clubes e Grêmios existentes são os aprovados pela DEPA, mediante proposta
do CM. Em geral, os clubes estão mais ligados aos conteúdos programáticos.
5) Os Grêmios dizem mais respeito às atividades relativas à instrução cívico-militar.
6) Os Grêmios, Clubes e Grupos religiosos existentes são:
- Clubes: Química, Robótica, Astronomia, Relações Internacionais, Inglês,
Espanhol, Orientação, Xadrez, Leitura (6º Ano/EF), Física, Beneficente, Estudos Ambientais e
Escoteiros.
- Clubes: Escoteiros, Xadrez e Orientação;
- Grêmios: Inf, Cav, Art, Eng, Com, Naval e Aeronáutico;
- Grupos Religiosos: Católico - UCM (União Católica dos Militares), Evangélico-
NAE (Núcleo de Alunos Evangélicos) e Espírita - GED (Grupo de Estudos Doutrinários).
7) Poderão fazer parte dos Clubes/Grêmios/Grupos Religiosos, representativos do
CMB, os alunos que satisfizerem as seguintes condições:
- Estar no mínimo no comportamento bom (maior que 5,99);
- Ter obtido rendimento escolar superior a 5,0 (Nota Final > 5,0) em todas as
disciplinas, considerado o ano anterior;
- Estar cursando o SCMB há mais de um ano;
- Ser indicado pelo Cmt Cia; e
- Autorizado pelo seu responsável.
8) Serão excluídos dos Clubes/Grêmios/Grupos religiosos, representativos do CMB, os
alunos que:
- Ingressarem no comportamento regular (grau < que 6,0)
- Apresentarem rendimento escolar inferior a 5,0 (NP < 5,0) em qualquer disciplina,
considerando o trimestre anterior;

36
- Por determinação do Cmt Cia; e
- Por solicitação do responsável.
Obs: O aluno que for excluído das atividades citadas poderá ser reincluído, desde que recupere
as condições exigidas para a inclusão, considerando como rendimento escolar o trimestre
anterior.

2.13 Renovação de matrícula

A renovação de matrícula ocorrerá após o encerramento do Ano Letivo e será realizada


pelo site do CMB, através do SIGAWEB. O CMB informará, em época oportuna, o período de
renovação de matricula.
Abaixo seguem os problemas mais comuns que impedem a renovação de matrícula:
1) Inadimplência com a mensalidade do Colégio e APM;
2) Falta de Histórico Escolar na Secretaria do Corpo de Alunos;
3) Pendências de livros na Biblioteca; e
4) Pendência de uniformes (Túnicas) na APM.
O responsável pelo aluno que não solicitar, mediante requerimento, a renovação de
matrícula de seu dependente, até a data definida pela secretaria do Corpo de Alunos, será
considerado desistente da matrícula no CM.

3. DIVISÃO DE ENSINO
3.1 Seção Psicopedagógica

3.1.1 Finalidade

Orientar os alunos, estimulando o desenvolvimento das dimensões afetiva, cognitiva,


comportamental e proporcionando a mediação entre os saberes: ser, fazer, conviver e
conhecer, de modo a desenvolver valores e hábitos importantes para a formação integral do
aluno do SCMB.

3.1.2 Composição
A Seção Psicopedagógica é composta por profissionais de orientação educacional,
psicologia e serviço social.

37
3.1.3 Horário de atendimento

O atendimento na Seção Psicopedagógica se dá mediante agendamento prévio, de


segunda a sexta-feira, conforme os seguintes horários:
a. Ensino Médio – das 07:30 às 11:30 horas;
b. Ensino Fundamental – das 13:30 às 17:30 horas.

3.1.4 Outras informações

A Seção Psicopedagógica é responsável por acompanhar os discentes que possuem


dificuldade de aprendizagem, seja em decorrência de algum transtorno funcional específico
(dislexia, discalculia, disgrafia, TODA, TDAH, etc), seja por problemas psicoemocionais.
Nesse sentido, os responsáveis pelos discentes que realizarem tratamento especializado
devem apresentar na Seção Psicopedagógica o referido laudo médico, de forma a possibilitar
ao Colégio o efetivo acompanhamento escolar do(a) aluno(a).

3.2 Seção de Supervisão Escolar

3.2.1 Finalidade

Dentre suas diversas atribuições, destacamos:


a. Promover ações que objetivem a articulação dos professores com as famílias.
b. Encaminhar subsidiariamente, à Seção Psicopedagógica, os alunos com dificuldades de
ajustamento às normas do Colégio ou que apresentem dificuldades de aprendizagem;
c. Agendar e assistir as reuniões entre responsáveis e docentes.
d. Solucionar, com a Seção Técnica de Ensino, os assuntos atinentes a notas em
avaliações.
e. Monitorar o processo ensino-aprendizagem.

3.2.2 Composição

A Seção de Supervisão Escolar é composta por uma equipe de Pedagogas, sendo uma por
ano escolar.
Horário de atendimento (mediante requerimento na Cia de Alunos).

38
3.2.3 Avaliação da Aprendizagem

a. Avaliação Diagnóstica (AD)


1) A Avaliação Diagnóstica tem a finalidade de verificar o nível de conhecimento
dos novos alunos não oriundos do Sistema Colégio Militar do Brasil e dos alunos não
concursados, nas disciplinas Língua Portuguesa e Matemática;
2) AD deve versar sobre os conteúdos considerados pré-requisitos para a
continuidade dos estudos relacionados ao ano anterior ao pretendido;
3) Os alunos que obtiverem rendimento suficiente serão matriculados nos anos
pretendidos.
4) O resultado da AD será emitido por meio de um dos três tipos de pareceres,
com devolutiva a ser realizada pela seção Psicopedagógica, a saber:
 Apto ao ano pretendido.
 Apto com restrições: o aluno deverá obrigatoriamente assistir às aulas de
absorção de pré-requisitos que serão ministradas no contraturno.
 Inapto ao ano pretendido: o Responsável será orientado pela Seção
Psicopedagógica sobre a melhor conduta a ser tomada.

b. Teste de Nivelamento (TN)


1) O Teste de Nivelamento em Língua Inglesa tem a finalidade de avaliar os conhe-
cimentos ou habilidades do aluno para indicar em que nível se encontra. O teste será obrigatório
para os alunos novatos, não oriundos do Sistema Colégio Militar do Brasil;
2) O resultado do TN não será computado na nota final de aprovação do aluno.

c. Avaliação Parcial (AP)


1) As Avaliações Parciais têm a finalidade de permitir imediata ratificação da apren-
dizagem e ensejam pronta recuperação de conteúdos significativos. Constituem instrumentos
preciosos para a aplicação dos princípios da avaliação contínua e dão ênfase à função
formativa. Entretanto, no CM, têm também função somativa;
2) Serão aplicadas ao longo do trimestre. Permitem ao corpo docente selecionar,
previamente, os trabalhos escolares que melhor atendam às peculiaridades das áreas de
estudo ou disciplinas, e às reais necessidades da aprendizagem significativa continuada;
3) Por sua continuidade, permitem despertar no aluno a responsabilidade pelo es-
tudo diário e, assim, melhor prepará-lo, intelectual e psicologicamente, para as AEs;
4) No contexto das AP, inúmeros instrumentos podem ser utilizados, a critério do
professor. Os mais usualmente utilizados são as Verificações Imediatas (VI), cujas principais
características são: simples, curtas, diretas, significativas, inopinadas, planejadas e frequentes.
5) A VI não é prova formal e, como tal, não deve ser submetida à apreciação da
STE (Seção Técnica de Ensino).
6) O aluno que justificar a falta a qualquer AP poderá realizar nova avaliação, de
acordo com os critérios estabelecidos pela Coordenação do Ano
7) O aluno que não justificar a falta a qualquer AP receberá nota zero, para fim de
cálculo da média de APs.

39
d. Avaliações de Estudo (AE)

1) As AEs são provas formais, com critério uniforme de julgamento para todo o ano
escolar, submetidas à análise pela Seção Técnica de Ensino e com duração a ser regulada.
2) Finalizado todo o processo de correção e apuração de notas, os alunos ficam de
posse das provas após entregar as capas aos respectivos docentes.
3) Caso haja disponibilidade, também serão programadas aulas de retirada de
dúvidas da AE do dia seguinte;
4) As Fichas de Orientação de Estudo (FOE) serão divulgadas 05 (cinco) dias antes
do início do período das avaliações de estudo, na página da internet do CMB.
5) O aluno que justificar a falta à primeira chamada de AE será submetido a uma
prova de segunda chamada, indenizando os custos do procedimento.
6) Poderão ser realizadas até duas AEs no mesmo dia.

e. Prova de Recuperação Final (PRF)

1) Tem a finalidade de avaliar, dentro dos conteúdos programáticos ministrados no


ano, os assuntos levantados como pré-requisitos mínimos para o aluno prosseguir seus estudos
no ano seguinte. Deve abordar o que o aluno tem que saber;
2) A duração de uma PRF será de até 2 (duas) horas.

f. A recuperação da aprendizagem e a sua avaliação (esclarecimentos)

1) A Recuperação da Aprendizagem é oferecida, obrigatoriamente, conforme prevê a


legislação federal, tendo como finalidade alcançar os alunos que apresentem aproveitamento
escolar inferior a 5,0 (cinco), por disciplina, de modo que possam, efetivamente, recuperar seu
rendimento e sua autoestima. Deve-se entender esse processo como um instrumento para
reverter insucessos constatados nas avaliações formais;
2) A Recuperação da Aprendizagem (RA) é obrigatória, paralela e contínua e tem
início após a realização da primeira AP do trimestre.
3) A RA será avaliada por meio da Avaliação Parcial de Recuperação (APR).
4) O aluno que não frequentar as aulas de RA não terá o benefício da APR.
5) O aluno só deixará de frequentar as aulas de RA por solicitação por escrito do
Pai/Responsável.
6) A nota de APR substituirá a nota da AP do trimestre, caso seja maior.
7) A recuperação da Avaliação Diagnóstica ou de alunos aprovados por conselho de
classe, ocorrerá dentro das seguintes condições:
No início do 1o trimestre e até a 1ª AE, por meio de aulas de absorção de pré-
requisitos, obrigatórias para os novos alunos indicados pela Comissão de Aplicação da
Avaliação Diagnóstica (inaptos e/ou aptos com restrição), alunos reprovados ou que foram
aprovados em Conselho de Classe.

40
3.2.4 Instruções para o cálculo de notas

1. Cálculo das Notas Periódicas 1, 2 e 3 (NP1, 2 e 3)


a. Todas as Disciplinas

NP =
- N = número total de AP
- A APR substituirá a nota de AP do trimestre, caso seja maior.
b. As Disciplinas de Filosofia e Sociologia não realizarão AE no 2º trimestre. A NP2
dessas Disciplinas será a média das AP realizadas no período.

2. Cálculo da Nota Final (NF)


a. Todas as disciplinas
( )
NF =
b. Aprovado na Disciplina
NF ≥ 5,0 (cinco)

3. Cálculo da Nota Final Recuperada (NFR)


a. Após a Prova de Recuperação Final (PRF)
NFR =
b. Aprovado na Disciplina
NFR ≥ 5,0 (cinco)
c. A NFR prevalece se for maior que a NF.
Só será validada caso seja superior à NP considerada.

Obs:

1) Os discentes e seus responsáveis devem receber o boletim de notas trimestrais,


inclusive para controle de notas do ano letivo, por ocasião da Reunião de Responsáveis
e Mestres (RRM).
2) A oficialização da divulgação das notas dos discentes dar-se-á exclusivamente por
ocasião das RRM. Pelo "SIGAWEB" os pais podem ter conhecimento das notas dos
seus dependentes.
3) A retificação do grau lançado no boletim, caso haja qualquer alteração, deverá ser feita
pelo responsável, diretamente à Companhia de Alunos, que providenciará junto à STE.
4) O discente e/ou seu responsável terá até dois dias úteis após o recebimento do Boletim
Escolar do aluno para solicitar correção de graus e comportamento nele lançados.

41
3.2.5 Faltas às Avaliações

1) Procedimentos para justificação de faltas à primeira chamada das Avaliações Formais

a. O responsável deverá apresentar ao Cmt Cia um requerimento solicitando a pos-


sibilidade de 2a chamada, devendo expor os motivos da falta à avaliação (AE, AP e
PRF) e anexar documentos comprobatórios. O prazo para entrega do documento
acima mencionado na Cia Al é de:
 até 72 horas após a realização da AE (Avaliação de Estudos);
 até 24 horas após a realização da PRF (Prova de Recuperação Final).
2) Homologada a justificativa de falta pelo Comandante da Companhia, o responsável
receberá, na Cia Al, uma Guia de Recolhimento da União - GRU, referente à taxa de 2a
chamada. Deverá ser realizado o pagamento da GRU e apresentado o comprovante
(original) na Cia Al, até 4 horas antes da realização da 2a chamada, o qual será anexado
no processo de 2a chamada do aluno. O valor da taxa de 2a chamada será estipulado,
anualmente, conforme publicação em Boletim Interno do CMB.
3) Não haverá 2a chamada para VI e APR. Caso necessário, e a critério do professor,
poderá ser aplicada uma VI substitutiva.

Obs:
1. Ao aluno que deixar de cumprir os prazos citados no item 2, será aplicada a nota
ZERO, na avaliação;
2. O não pagamento da GRU implicará a não realização da 2a chamada;
3. A não justificação ou a falta à 2a chamada na data marcada acarretará nota zero na
prova considerada; e
4. A falta à 2a chamada, justificada, será encaminhada à Seção de Supervisão Escolar,
que analisará e, se for o caso, decidirá qual a melhor forma para compor as notas do
aluno.

3.2.6 Causas de justificação para falta à primeira chamada das Avaliações

a. Justificadas pelo Comandante de Companhia:


1) Motivo de saúde, mediante apresentação de atestado médico;
2) Óbito de pessoa da família, devidamente comprovado;
3) Representação/participação de alunos em eventos programados pelo CMB.
Nesse caso, os alunos serão isentos do pagamento da GRU; e
4) Modificações no Calendário Geral divulgado no início do ano letivo.

b. Casos excepcionais, comprovados documentalmente pelo responsável, serão


analisados pelo Diretor de Ensino, que definirá se o motivo apresentado justifica a
realização da 2a chamada. O Diretor de Ensino poderá delegar essa competência ao
Comandante do CA.

42
3.2.7 Mostra e Pedido de Revisão de Correção de Avaliações

A mostra de prova é de caráter obrigatório. Essa atividade faz parte da carga horária da
disciplina, momento em que é realizado uma retificação da aprendizagem.
São procedimentos a serem adotados por ocasião da mostra de prova:
1) O aluno, após verificar a sua prova, deverá datar e rubricar a capa, atestando ciência
do resultado, devolvendo-a completa ao professor;
2) Decorridos dois dias úteis da mostra da prova, o professor restituirá em definitivo a
prova aos alunos, ficando apenas com a capa datada e rubricada pelo discente,
entregando-a para arquivo na Seção Técnica de Ensino;
3) Não é permitido que um aluno dê o ciente por um aluno ausente;
4) Em caráter excepcional e a critério do docente, poderá haver outro dia de mostra ao
aluno faltoso.

Há três possibilidades de pedido de revisão de correção de prova:


1) Primeira possibilidade - No ato da mostra de prova, de maneira informal, junto ao
professor;
2) Segunda possibilidade - Caso o aluno não seja atendido, poderá fazê-lo de maneira
formal, preenchendo o formulário próprio para esse fim, que se encontra no verso da
capa da prova. Para esse procedimento, o aluno terá dois dias úteis para manifestar
o seu interesse ao professor e efetivar o pedido de revisão a contar da data da mostra
da prova. O professor também terá dois dias úteis para responder o pedido e dar
conhecimento ao aluno que novamente colocará a data e rubrica do ciente. Ressalta-
se que para a solicitação da segunda possibilidade é obrigatório que tenha
ocorrido a primeira possibilidade; e
3) Terceira possibilidade - Caso persista a discordância, o responsável pelo aluno
poderá solicitar uma revisão de correção em grau de recurso, até dois dias úteis, a
contar do ciente do aluno à solução dada pelo professor ao pedido formal de
revisão. Para esse fim, deverá dirigir-se à Companhia de Alunos e preencher o
formulário específico. O pedido de revisão em grau de recurso será apreciado por
três docentes diferentes da primeira revisão formal, dentro do prazo de dois dias úteis.
Após isso, o aluno terá também dois dias úteis para tomar conhecimento do resultado
final da revisão em grau de recurso que será definitivo e só poderá ser realizado caso
tenha sido formalizado o recurso em etapa anterior, dentro dos prazos e condições
estabelecidas. Ressalta-se que para a solicitação da terceira possibilidade é
obrigatório que tenha ocorrido a segunda possibilidade.

3.2.8 Procedimentos do CMB em caso de utilização de meios fraudulentos

a. Finalidade
Regular os procedimentos a serem adotados pelos Fiscais (civis e militares), por
ocasião das provas, quando houver uso de meios fraudulentos pelos alunos.
b. Considerações básicas

43
1) Utilizar, executar, valer-se e/ou trazer consigo meios ilícitos ou fraudulentos é um ato
pernicioso e desleal e, como tal, deve ser coibido no Colégio Militar de Brasília, sendo
considerado falta gravíssima;
2) A ação dos Fiscais deve ser conduzida basicamente visando à inibição (ação
preventiva);
3) O Fiscal deverá estar perfeitamente convicto de que o aluno está usando meios
ilícitos e, só então, poderá tomar uma medida coercitiva.

c. Procedimentos

1) Do Fiscal:

NO SALÃO DE PROVAS
Convicto da ação ilícita do aluno, o fiscal deverá:
a) Tirar a prova do aluno, imediatamente;
b) Mandar o aluno retirar-se do recinto;
c) Atribuir (ele mesmo) NOTA ZERO na capa da prova e RUBRICAR;
d) Preencher a FICHA DE OCORRÊNCIA, anexando-a à prova do aluno, com os
nomes das testemunhas, caso haja;
e) Anexar o objeto/meio usado para o ilícito (fragmentos de papel, caderno, livro,
anotações, borracha, celular, escritos no tampo da carteira etc); e
f) Entregar tudo ao Chefe do Salão, que encaminhará ao Coordenador do Ano/Chefe
da Seção para posterior remessa ao Chefe da DE.

NA SALA DE AULA
No recinto da sala de aula, o Fiscal é a autoridade máxima e, no caso de prática ilícita
pelo aluno, deverá:
a) Tirar a prova do aluno, imediatamente;
b) Mandar o aluno retirar-se do recinto;
c) Atribuir (ele mesmo) NOTA ZERO na capa da prova e RUBRICAR;
d) Preencher a FICHA DE OCORRÊNCIA, juntando-a à prova do aluno;
e) Anexar o objeto/meio usado para o ilícito (fragmentos de papel, caderno, livro,
anotações, borracha, celular, escritos no tampo da carteira etc); e
f) Entregar tudo ao Coordenador de Ano/Chefe da Seção, que encaminhará ao
Chefe da DE.
2) Do professor:
Durante a correção das provas, caso o professor confirme qualquer manifestação de
utilização de meios fraudulentos, ele deverá:
a) Atribuir NOTA ZERO na capa da prova e rubricar;
b) Preencher a ficha de ocorrência, juntando-a à prova do aluno; e

44
c) Entregar ao Coordenador de Ano, que encaminhará ao Chefe da DE.

3) Cmt Cia:
a) Entregar a ficha de apuração sumária de falta disciplinar ao(s) aluno(s)
envolvido(s); e
b) Encaminhar ao Cmt CA a ficha de apuração sumária de falta disciplinar (FASFD),
após findado o prazo estabelecido ao aluno para apresentar sua ampla defesa.

4) Prescrições diversas.
a) Não haverá intermediação no ato de retirar a prova do aluno. A ação coercitiva
será do Fiscal que constatar a prática do ato ilícito;
b) A ação de presença do Fiscal é de fundamental importância para inibir a prática
desonesta;
c) O Fiscal que presenciar o ato desonesto e não tomar providência será respon-
sabilizado.
d) O Ch DE deverá remeter o processo ao Corpo de Alunos para a emissão de
Formulário de Apuração Sumária de Falta Disciplinar (FASFD) e posterior remessa
ao Sub Cmt.

3.2.9 Associação de Pais de Mestres (APM)

a. Participantes
São sócios efetivos, os pais, responsáveis e professores, desde que integrantes da
Administração ou do Corpo Docente do Colégio.

b. Finalidade e Objetivos.
A Associação tem por finalidade integrar os esforços dos pais, dos alunos ou seus
responsáveis com a Direção do Colégio e com os professores, visando a um maior
fortalecimento da ação educacional sobre o aluno e uma maior participação e vitalidade do
trinômio Família-Aluno-Colégio, bem como contratar pessoal para suprir áreas carentes com
recursos humanos.
Incumbe à Associação, além de outras iniciativas que se relacionem com sua
finalidade:
1) Contribuir com recursos para o aperfeiçoamento do processo ensino-
aprendizagem, bem como para o atendimento ao aluno carente de recursos;
2) Colaborar nas atividades extraclasse em benefício dos alunos e demais
integrantes do CMB; e
3) Auxiliar na administração de pessoal, material e instalações, quando de imperiosa
necessidade, que tenha como objetivo final as melhores condições para o aluno.

c. Estatuto

45
Dispõe sobre a organização, estrutura e finalidade.

d. Outras informações
1) A APM possui um depósito de uniformes que visa atender aos alunos. Os
uniformes são emprestados, mediante cautela, e poderão ser trocados, desde que
estejam em boas condições de uso.
2) O horário de atendimento ao público é:
- 2ª a 5ª feira: das 08:00 às 12:00 horas e das 13:30 às 16:00 horas;
- 6ª feira: das 08:00 às 12:00 horas.

3.2.10 Seção de Educação Física

A Seção de Educação Física do Colégio Militar de Brasília possui diversas atividades


esportivas com a finalidade de proporcionar o desenvolvimento dos aspectos psicomotores,
socioafetivos, disciplinares e cognitivos dos nossos alunos. Tais atividades são
subdivididas em aulas de educação física, escolinhas e treinamentos esportivos. As aulas
de educação física são executadas durante o horário escolar no turno de atividades dos
alunos. As escolinhas e os treinamentos esportivos são executados durante o contra turno.
As aulas de educação física são desenvolvidas com base em diversas atividades esportivas
e conforme a seguinte subdivisão: no sexto e sétimo ano do Ensino Fundamental, anos de
grande evolução coordenativa, ocorre um rodízio obrigatório de forma que os alunos
passem por todas as modalidades ofertadas na grade curricular; no oitavo e nono ano do
Ensino Fundamental, bem como, no primeiro, segundo e terceiro ano do Ensino Médio, as
diversas modalidades são oferecidas e a escolha delas é feita livremente pelos alunos,
sempre respeitando as limitações de espaço, segurança e lotação das turmas para a
realização das atividades.
As modalidades oferecidas nas aulas são distribuídas conforme o currículo e a
disponibilidade nos turnos, de forma a permitir maior diversidade esportiva e a maior
variabilidade de estímulos cognitivos, sociais e motores, atendendo aos critérios pré-
determinados de carga horária dos profissionais civis, militares e a administração do
Colégio. São oferecidas no CMB as seguintes modalidades: Atletismo, Natação, Voleibol
de quadra, Basquetebol, Handebol, Futebol Society, Futsal, Judô, Orientação, Esgrima e
Ginástica.
Os treinamentos esportivos serão realizados conforme a missão determinada pelo
comando do CMB com a finalidade de participação, prioritariamente, nas seguintes
competições esportivas: Jogos da Amizade, Jogos Escolares do DF (infantil e infanto),
Jogos Regionais, entre outros. Será realizada uma convocação dos alunos para comporem
as equipes de treinamentos esportivos, com a finalidade de permitir uma melhor
representação possível dos padrões esportivos de nosso colégio.
As Escolinhas Esportivas que são oferecidas ao Ensino Fundamental são
consideradas atividades extraclasse e têm o objetivo de desenvolver a iniciação esportiva

46
e o interesse pelos esportes escolares. As Escolinhas Esportivas possuem características
específicas, definidas e apresentadas no site do CMB (www.cmb.eb.mil.br).
Por serem atividades extraclasse e no contraturno, os discentes participantes das
Escolinhas Esportivas e convocados para os treinamentos esportivos deverão
obrigatoriamente estar no comportamento Bom (maior que 5,99).
Recomenda-se aos alunos que tenham especial atenção quanto ao cuidado com
seus pertences. É importante que sejam utilizados cadeados nos vestiários da SEF por
ocasião de todas atividades realizadas na Seção.

3.2.11 Biblioteca

a. A Biblioteca do CMB é composta pelos espaços e equipamentos onde são conservados,


tratados e disponibilizados todos os tipos de documentos, independentemente da sua natureza
ou suporte, que constituem recursos pedagógicos para atividades cotidianas de ensino,
atividades culturais.
b. A Biblioteca é parte integrante do processo educativo, regendo-se o seu funcionamento
pelas normas particulares de utilização da Biblioteca.
c. Localizada no térreo do pavilhão da Divisão de Ensino, da qual é orgânica, oferece
diversos serviços como empréstimo domiciliar, renovação, reserva, espaços de estudos
individuais e coletivos, orientação à pesquisa e pesquisa à internet.
d. Possui um acervo de aproximadamente 20.000 volumes compostos por material
bibliográfico, periódicos, gibis, obras raras entre outros.
e. Horário de Funcionamento diário:

Das 07:15 às 12:00 horas

Das 13:00 às 17:00 horas

4. SEÇÃO DE SAÚDE

O Colégio Militar de Brasília possui um Serviço Médico-Odontológico que visa atender os


militares e servidores civis. Excepcionalmente, atende os alunos somente em casos de
emergência (mal súbito e acidentes) ou urgências;

47
Considerações:

a. Não será realizada consulta médico-odontológica nos alunos.


b. Os responsáveis devem buscar assistência médico-odontológica para seus
dependentes em hospitais, postos de saúde ou consultórios;
c. Todos os alunos deverão ser aprovados em Inspeção de Saúde (IS) antes do ato da
matrícula e poderão sofrer revisões nos anos subsequentes, a fim de serem acompanhados
quanto a sua capacidade de executarem as exigências físicas do Colégio e manter atualizado
o prontuário médico com os dados necessários em casos de emergência;
d. Os responsáveis deverão manter a Seção de Saúde do Colégio informada sobre novos
diagnósticos médicos odontológicos eventualmente proferidos após Inspeção de Saúde de que
trata o item anterior; e
e. Recomenda-se que os responsáveis não enviem para o Colégio Militar de Brasília, os
alunos que estejam com alguma enfermidade que necessite de atendimento médico de
urgência/emergência.

5. DIVISÃO ADMINISTRATIVA
A Divisão Administrativa do CMB presta o apoio administrativo e logístico para que
o Corpo Docente cumpra a nobre missão de se dedicar exclusivamente aos alunos.
a. As contribuições a que estão sujeitos os alunos são as seguintes:
1) Uma taxa de material correspondente ao valor de uma quota mensal escolar,
destinada a prover as diversas despesas de implantação do novo aluno;
2) Doze quotas mensais escolares destinadas a prover despesas gerais do ensino;
3) Doze quotas para Associação de Pais e Mestres, por adesão, até um total de 20%
(vinte por cento) do valor da quota mensal escolar;

b. Outras indenizações:
1) Prejuízos, danos, extravios ou avarias causados pelos alunos de qualquer categoria;
2) Realização de prova de 2a chamada.

c. O recolhimento das contribuições é feito:


1) Da taxa de material, no ato da matrícula ou quando no ato de transferência, dentro do
SCMB;
2) Das quotas e das etapas, até o dia dez do mês vigente, excetuadas as parcelas
correspondentes ao mês de janeiro que deverão ser saldadas conforme as normas
administrativas do CM até fevereiro.

48
3) Das indenizações, no ato da comprovação do prejuízo ou da concessão da 2a
chamada de uma avaliação.
4) Ao contribuinte que não saldar o débito com o Colégio Militar dentro dos prazos
estabelecidos no item "2" serão aplicadas as sanções previstas na legislação federal vigente
ao civil responsável pelo aluno. Aos militares, após um mês de atraso, serão informados, por
intermédio de carta, e posteriormente ao seu Comandante, via ofício reservado.
5) Aos civis que se encontram inadimplentes, o CMB poderá implantá-lo na Dívida Ativa
da União. Já os militares responsáveis, poderão ter o desconto implantado em contracheque.
6) A dispensa de contribuição é assegurada, exclusivamente, aos alunos carentes,
assim considerados mediante comprovação em sindicância, instaurada pelo próprio CM,
devendo ser requerida pelo responsável. Pode ser parcial até o limite de 80%, concedida
condicionalmente pelo Comandante do CM, entrando em vigor somente após homologação
pelo Diretor de Educação Preparatória e Assistencial;
7) A dispensa só é válida para o nível escolar considerado;
8) A isenção parcial será adotada para o prazo estipulado na solução da sindicância,
não tendo renovação automática após expirado o prazo;
9) O aluno dispensado parcialmente da QME também estará dispensado do pagamento
da quota da APM;
10) Para maiores informações, o responsável poderá comparecer ao setor de mensali-
dade (localizado no Pavilhão do Corpo de Alunos) do CMB, que atende o público no horário
das 09:00 às 16:00 horas, de segunda a quinta-feira, e das 08:00 às 12:00 horas na sexta feira.

49
6. HINOS E CANÇÕES
6.1 Hino Nacional Brasileiro
Música: Francisco Manoel da Silva
Letra: Joaquim Osório Duque Estrada

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas,


De um povo heroico o brado retumbante,
E o sol da Liberdade em raios fúlgidos,
Brilhou no céu da Pátria nesse instante.
Se o penhor dessa igualdade,
Conseguimos conquistar com braço forte,
Em teu seio,
Ó Liberdade,
Desafia o nosso peito a própria morte!
Ó Pátria amada, idolatrada Salve! Salve!
Brasil, um sonho intenso, um raio vivido,
De amor e de esperança à terra desce,
Se em teu formoso céu, risonho e límpido,
A imagem do Cruzeiro resplandece.

Gigante pela própria natureza,


És belo, és forte, impávido colosso,
E o teu futuro espelha essa grandeza.
Terra adorada,
Entre outras mil, es tu, Brasil, ó Pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada, Brasil!

Deitado eternamente em berço esplêndido,


Ao som do mar e à luz do céu profundo,
Fulguras, ó Brasil, florão da América,
Iluminado ao sol do Novo Mundo!

Do que a Terra mais garrida


Teus risonhos, lindos campos têm mais flores,
"Nossos bosques têm mais vida,"
"Nossa vida" no teu seio, "mais amores,"
Ó Pátria amada, idolatrada Salve! Salve!
Brasil, de amor eterno seja símbolo,
O lábaro que ostentas estrelado,
E diga ao verde-louro desta flâmula:
"Paz no futuro e glória no passado."
Mas, se ergues da justiça a clava forte
Verás que um filho teu não foge à luta,
Nem teme quem te adora, a própria morte.
Terra adorada,
Entre outras mil, És tu, Brasil, ó Pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada, Brasil!

50
6.2 Hino à Bandeira
Música: Francisco Braga
Letra: Olavo Bilac

Salve, lindo pendão da esperança!


Salve, símbolo augusto da paz!
Tua nobre presença à lembrança,
A grandeza da Pátria nos traz.

Recebe o afeto que se encerra,


Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Em teu seio formoso retratas,


Este céu de puríssimo azul,
A verdura sem par destas matas,
E o esplendor do Cruzeiro do Sul!

Recebe o afeto que se encerra,


Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Contemplando o teu vulto sagrado,


Compreendemos o nosso dever,
E o Brasil, por seus filhos amado,
Poderoso e feliz há de ser!

Recebe o afeto que se encerra,


Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Sobre a imensa Nação Brasileira,


Nos momentos de festa e de dor,
Paira sempre, sagrada bandeira,
Pavilhão da justiça e do amor!

Recebe o afeto que se encerra,


Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

51
6.3 Canção do CMB
Letra e música: Vadim da Costa Arsky
Arranjo: Evanildo Borges de Moura

Eu sou,
No cerrado seco e duro,
Semente do futuro,
Amanhã do ano dois mil

Eu sou
A alvorada da vitória,
Promessa de mais glória
Na História do Brasil.

Eu sou,
Na cidade da esperança,
Um sonho de pujança,
Mundo novo a caminhar.

Eu sou
A garantia do resgate,
Da vitória no combate
Pela Pátria que é meu lar.

Eu sou conquistador quando em defesa


Da justa lei da honra e do civismo,
Das terras de pujante natureza
Que herdei como nobreza
De um passado de heroísmo.

Eu sou com muito orgulho um brasileiro


Que ostenta nobre estrela tutelar
No alto do Planalto Maravilha
Na terra de Brasília
Sou Colégio Militar.

Hurra!

52
6.4 Canção Avante Camaradas
Música: Antônio Manuel do Espírito Santo
Letra: autor desconhecido

Avante Camaradas,
Ao Tremular Do Nosso Pendão,
Vençamos As Invernadas
Com Fé Suprema No Coração
Avante, Sem Receio
Que Em Todos Nós A Pátria Confia,
Marcharemos Com Alegria, Avante !
Marcharemos Sem Receio.

Aqui Não Há Quem Nos Detenha


E Nem Quem Turbe A Nossa Galhardia
Quem Nobre Missão Desempenha
Temer Não Pode A Tirania, A Tirania
E Nunca Seremos Vencidos
Por Que Marchamos Sob A Luz Da Crença !
Marchemos Sempre Convencidos
Não Há Denodo Que Nos Vença !

Avante Camaradas,...

Havemos Sempre Audazes,


Afrontar O Perigo
E Seremos Perspicazes
Ante O Mais Férreo Inimigo,
Por Isso Não Tememos
Sempre Fortes, Sobranceiros,
E Com Bravura, Sempre Lutaremos !
Brasileiros Nós Somos
Nós Somos Brasileiros !

Hipp Hurra....

53
6.5 Saudação Escolar do SCMB

Este brado de origem indígena, usando linguagem tupi-guarani, remonta ao início


do século. Foi inicialmente utilizado pelo Colégio Militar do Rio de Janeiro e poste-
riormente estendido aos demais. É uma saudação que exalta a força e a união, e
identifica o aluno do SCMB.

a. Exortação por um aluno:

“E ao Colégio Militar, nada?”

b. Resposta do Batalhão Escolar:

“Tudo!”

c. Exortação por um aluno:

“Então como é, como é que é?”

d. Resposta do Batalhão Escolar:


“Zum, zaravalho, opum,
Zarapim, zoqüé,
Oqüé-qüé, Oqüé-qüé,
Zum!
Pinguilim, Pinguilim, Pinguilim,
Zunga, zunga, zunga,
Cate marimbau, cate marimbau,
Eixau, eixau,
Colégio!”

54
7. TECNOLOGIAS DIGITAIS DA
INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO
(TDIC)
As Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação constituem-se em
importantes ferramentas de apoio ao ensino, no entanto requerem muita atenção e cautela
em suas utilizações.
Considerando que os CM se constituem em Organizações Militares, o tráfego de
informações pelas vias digitais/web deve ser controlado e monitorado. Nesse sentido,
seguem as orientações aos CM sobre o planejamento para o emprego das TDIC na
educação no âmbito do SCMB.

7.1 Referências
1) Lei Federal Ordinária nº 9.394, de 20 de dezembro de1996 - Lei de Diretrizes e
Bases do Ensino Lei Nacional.
2) Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação
Nacional (LDB).
3) Lei Federal Ordinária nº 9.786, de 8 de fevereiro de 1999 - Lei de Ensino do
Exército.
4) Decreto nº 3.182, de 23 de setembro de 1999 - Regulamento da Lei de Ensino do
Exército.
5) Portaria do Comandante do Exército nº 716, de 6 de dezembro de 2002, que
aprova a Diretriz Estratégica de Ensino.
6) Portaria do Comandante do Exército nº 549, de 6 de outubro de 2000, que aprova
o Regulamento de Preceitos Comuns aos Estabelecimentos de Ensino do Exército (R 126).
7) Portaria do Comandante do Exército nº 001-Res, de 27 de fevereiro de 2012, que
aprova o Projeto de Força do Exército Brasileiro (PROFORÇA).
8) Portaria nº 135-EME, de 8 de novembro de 2005, que aprova as Diretrizes Gerais
para o Planejamento de Cursos e Estágios no Exército Brasileiro.
9) Portaria nº 15-EME, de 4 de fevereiro de 2014, que define “Orientação Técnico-
Pedagógica” aos estabelecimentos de ensino e/ou OM com encargos de ensino vinculados
ao Departamento de Educação e Cultura (DECEx) estabelece novas atribuições ao referido
Departamento relativas a esta atividade.
10) Portaria nº 107-DECEx, de 27 de setembro de 2011, que estabelece
procedimentos para a implantação do ensino por competências.
11) Portaria nº 5-DEP, de 24 de janeiro de 2008, que aprova o Glossário de Termos
e Expressões de Educação e Cultura (C 20-1).

55
7.2 Educação Digital
A introdução do conceito de educação digital aponta para a necessidade do
desenvolvimento de competências e habilidades que promovam a formação de um cidadão
que, além de manusear com criticidade e sabedoria os equipamentos tecnológicos, digitais
e interativos, sabem tirar proveito desse espaço de conectividade para aprimorar sua
aprendizagem e relações sociais.
Partindo de um conceito transdisciplinar, a educação digital deve ser entendida como
um conjunto de procedimentos metodológicos que seja materializada na prática
pedagógica, favorecendo o processo ensino-aprendizagem no uso e no acesso de
ambientes interativos e digitais, sempre calcada nos princípios éticos.
A proposta pedagógica do SCMB estimula e incentiva o uso das ferramentas
tecnológicas no ensino. Para isso, os agentes de ensino (docentes e demais servidores)
precisam buscar formação continuada na área a fim de promover a atualização dos
suportes e de estratégias de aprendizagem que comporte as múltiplas inteligências
presentes nas salas de aula.

Para 2021, o CMB deverá:


1) Apresentar e iniciar um plano de capacitação de seu corpo docente em temas
relacionados ao uso das tecnologias digitais (moodle, apps, games, dentre outras);
2) Dimensionar as infraestruturas física e lógica do Colégio Militar para a implantação
dos ambientes virtuais.
O CMB em 2019, realizou o curso de capacitação presencial em moodle para docentes e
criou o espaço digital, que se trata de uma moderna instalação composta de três laboratórios de
informática para o incremento das TDIC no âmbito do estabelecimento de ensino.

7.3 Uso de TDIC e Mídias Sociais para o ensino no âmbito do SCMB


O Departamento de Educação e Cultura do Exército, por meio do DIEx nº 308 da
ADAE/DECEx- Circular de 25 de junho de 2019, apresentou orientações normativas para
uso de mídias sociais para transmitir conteúdos e informações pedagógicas aos alunos dos
Estabelecimentos de Ensino.
Esta Diretoria, considerando a faixa etária abrangida de seu público-alvo, e as
diferentes legislações sobre uso de mídias e tecnologias digitais de informação (TDIC) nas
diferentes Unidades da Federação, onde tem seus Colégios Militares sediados, decidiu
normatizar o uso de mídias sociais e TDIC para o ENSINO, no âmbito dos Colégios
Militares.
Essas normas deverão constar do Manual do Aluno de 2020, e deverão ser
informadas aos Pais e Responsáveis por meio de Comunicados Informativos expressos,
sítio eletrônico do CMB e Reunião de Responsáveis e Mestres.

7.4 Normas para utilização de TDIC e MÍDIAS SOCIAIS PARA O ENSINO NO ÂMBITO
DO SCMB
1) Finalidade

56
Resguardar o processo de aprendizagem efetivo na nossa prática educacional,
preservar a imagem e integridade dos alunos, e proporcionar a Educação Digital,
colaborando para o uso crítico e adequado das tecnologias e mídias sociais, buscando
orientar e prevenir quanto ao ciberbullying, sexting, aliciamento, privacidade, canais de
denúncia e uso excessivo da rede.

57

Você também pode gostar