Você está na página 1de 5

5 formas simples de aumentar o seu

controle mental
agosto 28, 2017

 Por que temos dificuldade de viver o aqui e o agora?


 5 frases de Tácito
 Frente a frente: a distância entre as pessoas no diálogo

Podemos chamar de controle mental, autocontrole ou domínio de si mesmo,


mas qualquer um dos seus significados é um conceito mais ou menos
mentiroso. Nós, os ocidentais, temos uma verdadeira obsessão de controlar
tudo, até a nós mesmos. No entanto, é um objetivo impossível de alcançar na
sua totalidade (o que não significa que não podemos melhorar).

O que podemos fazer é aprender a gerenciar nossas emoções de


forma mais inteligente. Isso implica, por sua vez, aumentar o controle
mental sobre os nossos impulsos irracionais. Todos nós carregamos uma
espécie de vontade selvagem. Isso nos ajuda a sermos ousados, mas também
pode ser um peso, especialmente quando somos invadidos pela raiva ou pelo
medo.
“Quem conquista os outros é forte; mas aquele que conquista a si
mesmo é poderoso”.
– Lao Tsé –
Existem muitas maneiras de domar ou canalizar os impulsos
ferozes que às vezes nos invadem. É razoável que eles apareçam de vez
em quando e nos deixem atordoados por alguns instantes. No entanto, o
problema ocorre quando a exceção se torna uma regra. Nesse momento, é
conveniente parar e aplicar algumas técnicas para aumentar o controle mental.
Aqui estão algumas maneiras simples para fazer isso.

1. O autoconhecimento aumenta o controle


mental
Todos nós acreditamos que nos conhecemos bem; no entanto,
isso nem sempre é verdade. Cada um se define de uma forma e essa
definição pode mudar significativamente de acordo com o momento em que
você faz a pergunta. No entanto, um bom número de pessoas não saberiam
identificar as suas motivações mais profundas ou expor as motivações pelas
quais iniciam, mantêm ou terminam seus comportamentos/hábitos.

Não é incomum ouvir expressões como “não era eu” quando alguém fez algo
que pode ser “repreensível”. Mas era ele mesmo. O que acontece é que talvez
não se conheça tão bem quanto imagina. À medida que o autocontrole
aumenta, o controle mental também aumenta: sabemos quais são as
situações que podemos abordar com mais sucesso e quais exigem maior
cuidado.

2. Desligue o piloto automático


Andar no “piloto automático” é passar pela vida sem se fixar em nada,
abstraído, em uma dimensão longe do que acontece. Nós passamos de um
pensamento para outro e de um comportamento para outro, sem ter a menor
ideia do porquê. Sentimos que é a vida que está “nos levando”, mesmo que não
saibamos exatamente para onde.

Seria impossível ter consciência de tudo o tempo todo: praticamente teríamos


que desistir da nossa vida mental. Nós entraríamos em colapso. O que é
possível é fazer pausas, paradas no meio do caminho para
contemplar onde estamos e se estamos no caminho que
realmente pretendemos percorrer. Essas pausas resultam em maior
consciência e, por sua vez, em um maior controle mental.

3. Aprenda a se controlar
Aprender a desligar o impulso de uma emoção não é fácil,
especialmente se formos educados em um ambiente que não atribui grande
importância ao controle dos impulsos. Talvez venhamos de famílias violentas ou
com uma dinâmica histérica muito forte, de modo que internalizamos essa forma
de agir sem pensar quando uma emoção muito intensa toma conta de nós.

Aprender a regular essas emoções invasivas e expressá-las da


maneira que queremos é um grande passo. No fundo, é apenas um
hábito que estamos adquirindo, um hábito complexo, porque o nosso cérebro,
especificamente nosso córtex pré-frontal, não está totalmente desenvolvido até
que passemos da adolescência.
Esta gestão tem a ver com uma escolha: deixar a emoção fluir ou ficar imóvel
enquanto o furacão passa. Ao fazer isso, ganhamos muito, especialmente no
campo das relações sociais.

4. Mastigue e digira a frustração


Quem nunca experimentou frustração (esse sentimento de que a realidade não
atende às nossas expectativas e de que, apesar de todos os nossos esforços,
não obtemos o resultado desejado)? Algumas frustrações pequenas, outras
gigantes: um amor que não deu certo, uma vocação que não que não pode ser
seguida, o dinheiro que faz falta …

As razões podem ser muitas. Estamos todos imersos numa realidade


que nos obriga a desistir constantemente de algumas coisas. É
normal. O ponto é que alguns aceitam essa realidade, outros não.
Não é fácil aprender a aceitar, mastigar e digerir a frustração. Se
não o fizermos, a raiva toma conta do nosso coração e domina nossa mente e
nossa vida. Podemos nos tornar rabugentos, pessoas que os outros chamam
de “nervosinhos” ou “pavio curto” pelas explosões contínuas. Não deixe uma
frustração atrapalhar a sua vida.

5. Saia da sua zona de conforto


Sair da zona de conforto traz benefícios enormes. Um dos mais importantes é
que nos ajuda a sermos mais flexíveis e adaptáveis. Isso por sua vez,
estimula o desenvolvimento da nossa inteligência lógica e emocional. Então
finalmente, quase sem percebermos, como se fosse um efeito secundário da
nossa atitude, nos tornamos mais tolerantes e donos das nossas próprias
emoções.
Não somos máquinas e não precisamos “funcionar” corretamente o tempo todo.
O tema do controle mental deve sempre ser tomado como algo relativo,
especialmente quando ele gera muita pressão. O domínio sobre as
nossas emoções aumenta quando a ansiedade diminui e,
especialmente, quando aprendemos estratégias para expressar a energia que
acompanha a emoção da maneira mais favorável para nossos interesses e para
aqueles que nos rodeiam.
Link do site

https://amenteemaravilhosa.com.br/aumentar-controle-mental/